Sie sind auf Seite 1von 3

www.google.com.br/search?

q=Bulimia

Bulimia

Transtorno alimentar grave marcado por compulsão, seguido de métodos


para evitar o ganho de peso.

Muito comum
Mais de 2 milhões casos por ano (Brasil)

O tratamento é feito com auxílio médico

Crônico: pode durar anos ou a vida inteira

Geralmente diagnosticável pela própria pessoa

Raramente requer exames laboratoriais ou de imagem

Bulimia é um transtorno alimentar possivelmente fatal.


As pessoas com essa doença têm compulsão por comer. Elas tomam
medidas para evitar o ganho de peso. Normalmente, isso significa
vômitos (expurgo). No entanto, também pode incluir excesso de
exercícios físicos ou jejum.
Os tratamentos incluem terapia, medicamentos e educação nutricional.

Idades afetadas
0-2
3-5
6-13
14-18
19-40
41-60
60+

Sintomas

Geralmente diagnosticável pela própria pessoa


As pessoas com essa doença têm compulsão por comer. Elas tomam
medidas para evitar o ganho de peso. Normalmente, isso significa
vômitos (expurgo). No entanto, também pode incluir excesso de
exercícios físicos ou jejum.

11 de setembro de 2017 Página 3 de 3


www.google.com.br/search?q=Bulimia

As pessoas podem ter:


No comportamento: automutilação, comportamento compulsivo,
compulsão alimentar, impulsividade, vômito depois de comer
compulsivamente ou falta de moderação
No corpo: aversão a alimentos, desidratação, fadiga, fome ou distúrbios
do equilíbrio hidroeletrolítico (água e eletrólitos)
No humor: ansiedade, culpa, descontentamento geral, mudanças de
humor ou raiva
No aparelho gastrointestinal: azia, constipação ou estômago não
digere totalmente os alimentos
Sensorial: anormalidade no paladar, redução do paladar ou sensibilidade
ao frio
No peso: abaixo do peso, alterações no peso corporal ou perda de peso
Na menstruação: ausência de menstruação ou menstruação irregular
Na boca: cáries dentárias ou secura
Também é comum: depressão, dor de garganta, inanição ou úlcera
gástrica

Tratamentos

O tratamento é feito por meio de terapia e do uso de


antidepressivos
Os tratamentos incluem terapia, medicamentos e educação nutricional.

Tratamentos
Grupo de apoio: Um fórum para terapia e troca de experiências entre pessoas
com uma condição ou objetivo similar, como depressão ou perda de peso.
Terapia cognitivo-comportamental: Psicoterapia que tem como foco a
modificação de comportamentos, respostas emocionais e pensamentos negativos
associados a um distúrbio psicológico.
Terapia cognitiva: Psicoterapia que se concentra na substituição de
pensamentos negativos e distorcidos por pensamentos positivos e precisos.
Terapia comportamental dialética: Psicoterapia que encoraja as pessoas se
aceitarem e a mudarem seus comportamentos negativos.
Intervenção psicológica: Um ramo da psicologia que trata problemas pessoais
relacionados com a vida escolar, profissional, familiar e social.
Psicoterapia interpessoal: Tratamento psicológico de curto prazo que enfoca as
relações do indivíduo com outras pessoas.
Terapia familiar: Aconselhamento psicológico que ajuda as famílias a resolverem
conflitos e terem uma comunicação mais eficaz.
Terapia comportamental: Terapia que tem como foco a modificação de
comportamentos prejudiciais associados a um distúrbio psicológico.
Psicoterapia: Tratamento de distúrbios mentais ou comportamentais por meio de
psicoterapia.

Medicamentos
Inibidor seletivo de recaptação de serotonina (ISRS): Alivia sintomas de
depressão e ansiedade.

Especialistas
Psicólogo clínico: Trata transtornos mentais, principalmente com psicoterapia.
Nutricionista: Especialista em alimentos e dieta.

11 de setembro de 2017 Página 3 de 3


www.google.com.br/search?q=Bulimia

Psiquiatra: Trata transtornos mentais, principalmente com medicamentos.


Clínico geral: Previne, diagnostica e trata doenças.

Consulte um médico para receber orientação

Observação: as informações exibidas descrevem o que geralmente acontece com uma


condição clínica, mas não se aplicam a todas as pessoas. Essas informações não são uma
consulta médica. Portanto, entre em contato com um profissional da área de saúde se você
apresentar um problema médico. Se você acredita ter uma emergência médica, ligue para
seu médico ou para um número de emergência imediatamente.
Fontes: Hospital Israelita A. Einstein e outros. Saiba mais

11 de setembro de 2017 Página 3 de 3