Sie sind auf Seite 1von 130

Introdução ao Agronegócio

FORMAÇÃO
TÉCNICA

Curso Técnico em Agronegócio

Introdução ao
Agronegócio

SENAR - Brasília, 2015


S474m

SENAR – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural.


Matemática básica e financeira / Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. –
Brasília: SENAR, 2015.
128 p. : il.

ISBN: 978-85-7664-080-6

Inclui bibliografia.

1. Matemática. 2. Matemática financeira. 3. Estatística. I. Serviço Nacional de


Aprendizagem Rural. II. Título.

CDU: 806.90-5
Sumário
Introdução à Unidade Curricular –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 6

Tema 1: Agronegócio ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9

Tópico 1: Importância do Agronegócio ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9

Tópico 2: Contextualização Histórica –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 13

Tópico 3: Definição de Agronegócio –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 18

Tópico 4: Agricultura Familiar –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 1

Encerramento –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––2 4

Tema 2: Panorama Geral do Agronegócio no Brasil e no Mundo ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––2 6

Tópico 1: Panorama Geral Mundial do Agronegócio ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––26

Tópico 2: Panorama Geral do Agronegócio Brasileiro ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3 2

Encerramento ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 7

Tema 3: Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––8 9

Tópico 1: Definição de Desenvolvimento Sustentável –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––8 9

Tópico 2: Agronegócio Sustentável –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 3

Tópico 3: O Mercado de Orgânicos –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 3

Tópico 4: O Consumidor de Produtos Saudáveis ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 5

Tópico 5: O Novo Código Florestal ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 7

Encerramento –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 102


Tema 4: Desafios do Agronegócio –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 104

Tópico 1: Mudanças Climáticas ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––105

Tópico 2: O Mercado de Fertilizantes Brasileiro––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 108

Tópico 3: Consumo Mundial de Fertilizantes–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––110

Tópico 4: Histórico da Utilização de Tecnologia na Agricultura Brasileira ––––––––––––––––––––– 112

Tópico 5: Agricultura de Precisão–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––114

Tópico 6: Sementes geneticamente modificadas (GM) –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 115

Tópico 7: Logística ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––116

Encerramento –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––122

Referências Básicas –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––123

Referências Complementares ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––123


Introdução à Unidade
Curricular
6

Introdução à Unidade Curricular


A unidade curricular Introdução ao agronegócio foi desenvolvida a partir de uma sólida base
teórica e prática para que você se capacite sobre os principais conceitos e desafios desse
importante setor da economia brasileira e do mundo.

Ao final desta unidade curricular, você deverá ser capaz de:


• compreender as definições de agronegócio;

• conhecer o cenário do agronegócio no Brasil;

• analisar as interfaces do agronegócio brasileiro;

• refletir sobre a Cadeia de Valor do agronegócio e seus desdobramentos sociais, econômicos


e políticos dos pontos de vista nacional e internacional;

• entender o agronegócio brasileiro e suas perspectivas futuras.

Dessa forma, a presente unidade curricular, com carga horária de 75 horas, está organizada
em quatro temas que se subdividem nos seguintes tópicos e sub-tópicos:

Curso Técnico em Agronegócio


TEMA TÓPICO

Tópico 1: Importância do Agronegócio

Tópico 2: Contextualização Histórica


Tema 1: Agronegócio
Tópico 3: Definição de Agronegócio

Tópico 4: Agricultura Familiar

Tópico 1: Panorama Geral Mundial do Agronegócio

Tópico 2: Panorama Geral do Agronegócio Brasileiro

1: Soja
2: Café
Tema 2: Panorama Geral
3: Cana-de-Açúcar
do Agronegócio no Brasil
4: Algodão
e no Mundo
5: Arroz
6: Milho
7: Carnes
8: Fruticultura
9: Feijão

Tópico 1: Definição de Desenvolvimento Sustentável


1. Breve Histórico

Tópico 2: Agronegócio Sustentável


Tema 3: Meio Ambiente e
Tópico 3: O Mercado de Orgânicos
Desenvolvimento Sustentável
Tópico 4: O Consumidor de Produtos Saudáveis

Tópico 5: O Novo Código Florestal 7


1. Evolução Histórica do Código Florestal Brasileiro

Tópico 1: Mudanças Climáticas

Tópico 2: O Mercado Brasileiro de Fertilizantes

Tópico 3: Consumo Mundial de Fertilizantes

Tópico 4: Histórico da Utilização de Tecnologia na


Tema 4: Desafios do Agronegócio
Agricultura Brasileira

Tópico 5: Agricultura de Precisão

Tópico 6: Sementes Geneticamente Modificadas (GM)

Tópico 7: Logística

Introdução ao Agronegócio
01
Agronegócio
Tema 1: Agronegócio
Este primeiro tema é uma apresentação completa dos principais fundamentos do setor,
elaborado para que você desenvolva as seguintes competências:
• compreender e fazer uso dos conceitos de Agronegócio utilizados no curso;

• conhecer as principais características do agronegócio brasileiro;

• identificar as principais questões e debates sobre o agronegócio nos contextos brasileiro


e mundial.
9
Neste tópico, você aprenderá o que é o agronegócio. Para isso, primeiramente será feita uma
breve contextualização histórica da agricultura na qual veremos a evolução do agronegócio
ao longo dos anos. O objetivo é entender como o conceito de agronegócio precisa sempre ser
analisado de maneira mais ampla e sistêmica.

Tópico 1: Importância do Agronegócio


Atualmente, muito se tem falado sobre a importância do agronegócio brasileiro. Você sabe
por quê? Eventos específicos e alguns números podem ajudar nessa resposta.

Um bom exemplo é o aumento considerável das exportações brasileira de grãos, em especial


a exportação de soja para a China, uma das principais economias do mundo. No ano de
2013, as exportações do agronegócio registraram um novo recorde se comparado a anos
anteriores, somando US$ 99,97 bilhões. Também foi registrado um aumento de cerca de 4%
das importações, antingindo a cifra de US$ 17,06 bilhões. A economia brasileira agradece
esse resultado, pois o setor teve um saldo positivo de US$ 82,91 bilhões, o que compensou o
deficit de US$ 80,35 bilhões dos outros setores da economia (DEAGRO/FIESP, 2013).

Introdução ao Agronegócio
O quadro a seguir mostra a Balança Comercial do Brasil no biênio 2012-2013. Repare que o
agronegócio, ao contrário dos outros setores, fechou o período com saldo positivo.
10
Balança Comercial

É a parte do balanço de pagamentos que registra a diferença entre exportações e importações


de mercadorias de um país. É calculada por meio da análise do valor total das exportações,
subtraindo-se dele o valor referente às importações de bens promovidas em determinado período.

Balança Comercial Brasileira (2012 e 2013, em US$ bilhões)

Exportação Importação Saldo


 
2012 2013 2012 2013 2012 2013

Agronegócio 95,8 99,97 16,4 17,06 79,4 82,91

Demais setores 146,8 142,2 206,7 222,55 -59,9 -80,35

Total Brasil 242,6 242,2 223,1 239,6 19,5 2,56

Fonte: MDIC (2014).

Observe que no período de 2012 e 2013 ocorreu um aumento das exportações do agronegócio,
que passaram de 95,8 bilhões de dólares para 99,97 bilhões de dólares. Veja também que o
saldo da Balança Comercial foi superavitário passando de 79,4 bilhões de dólares em 2012,
para 82,91 bilhões de dólares em 2013.

Superavit

Situação em que o valor total das exportações de certo país supera o valor total das importações
realizadas por este mesmo país, em dado período de tempo.

Agora, observe os números dos demais setores da economia brasileira. Percebe-se que nesses
setores houve um deficit entre importação e exportação. Não fosse o resultado positivo
do agronegócio, o resultado da Balança Comercial brasileira seria negativo. Esses dados
comprovam a importância do agronegócio para a economia brasileira e o porquê de tanto se
falar a respeito desse setor.

Deficit na Balança Comercial

Situação em que o valor total das importações de certo país supera o valor total das exportações
realizadas por este mesmo país, em dado período de tempo.

Curso Técnico em Agronegócio


Já sabemos que o Brasil é um país com grandes extensões territoriais e, portanto, diversificado
em relação à sua terra – o perfil da produção agrícola difere de uma região para outra. Por
exemplo, no Centro-Oeste predominam culturas como soja e algodão. Ambas são produzidas
como commodities, em grande escala de produção e direcionadas para a exportação.

Commodity

Produtos padronizados e não diferenciados, cujo preço é, normalmente, formado em bolsas de


mercadorias no próprio país ou no exterior.
11
Perfil da Produção Agrícola Brasileira

Número de Uso da
Região Culturas Perfil
produtores tecnologia

Centro-Oeste Algodão, soja e Grandes produtores e


25.000 Alta tecnologia
e MAPITOBA cana-de-açúcar tradings

Pequenos e médios
Cana, café, milho, produtores, grandes
Tradicional e
Sudeste 250.000 horticulturas e usinas de açúcar e álcool e
empresarial
vegetais indústria processadora de
suco de laranja

Soja, milho, Pequenos e médios Tradicionais e


Sul 600.000
arroz e trigo produtores profissionais

Fonte:IBGE (2011)

Introdução ao Agronegócio
Note que, na região Sul, o perfil é outro. Observa-se o predomínio de pequenos e médios
produtores, em áreas menores de produção e com o uso mais tradicional da tecnologia.
12 As principais culturas da região Sul são o arroz, o trigo, o milho, e frutas, como a uva e os
citros. É preciso considerar, também, as propriedades com pecuária de corte e de leite, e a
suinocultura, ambas baseadas na agricultura familiar.

Depois de ver rapidamente como se divide a produção agrícola em certas regiões do Brasil e os
números que as constituem, fica fácil entender porque atualmente o país é grande produtor
e exportador de soja, suco de laranja, açúcar, café e outros. Observe a posição brasileira na
produção e na exportação mundial de produtos agrícolas, no período de 2013 a 2014.

Posição brasileira na produção e exportação mundial de produtos agrícolas (2013/14)

Produtos Produção Exportação % da produção exportada

Açúcar 1º 1º 48,6%

Café 1º 1º 26,8%

Suco de laranja 1º 1º 79,9%

Soja em grão 2º 1º 40,8%

Carne bovina 2º 1º 20,2%

Carne de frango 3º 1º 34,4%

Carne suína 4º 4º 8,5%

Óleo de soja 4º 2º 15,8%

Milho 3º 2º 18,1%

Fonte: MAPA (2014) com dados da USDA.

As informações acima foram elaboradas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e


Abastecimento - MAPA, construídas com dados do Departamento de Agricultura dos
Estados Unidos - USDA. Elas comprovam que o Brasil é um grande produtor e exportador
de commodities agrícolas, como por exemplo, suco de laranja concentrado e congelado,
café e açúcar. Esta liderança em relação ao mercado mundial é conseguida devido à
eficiência do produtor brasileiro, aliado ao aumento de tecnologia nas propriedades e aos
incentivos governamentais.

Comentário do autor

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos-USDA divulga informações

d de produção, importação, exportação, consumo etc., de diversos produtos


agrícolas do Brasil e do mundo. Os dados divulgados pelo USDA são tomados
como referência por grande parte das empresas, dos bancos, dos produtores e
demais participantes do agronegócio brasileiro e mundial.

Curso Técnico em Agronegócio


Tópico 2: Contextualização Histórica
De onde surgiu o conceito atual de agronegócio? Você sabe como surgiu o agronegócio? Tudo
começou com a agricultura. Há milhares de anos os homens viviam em bandos, percorrendo
lugares distantes, sempre em busca de alimentos ofertados pela natureza e, também, movidos
pela necessidade de caça e pesca. Durante essas jornadas, vivenciava-se tanto períodos de
grande fartura quanto períodos de total escassez devido às condições climáticas adversas.

Com o passar do tempo, esses homens entenderam que, se eles lançassem as sementes ao solo,
elas germinariam, cresceriam e dariam frutos que serviriam para a sua alimentação. Além disso,
eles descobriram que era possível domesticar os animais e que eles poderiam ajudá-los em
suas tarefas no campo (ARAÚJO, 2010). Podemos considerar que esse é o início da agropecuária,
o que permitiu que o homem se fixasse em lugares preestabelecidos, deixando de se deslocar 13
por grandes distâncias em busca de comida, um marco significativo na história da humanidade.

Todo o necessário para a produção de subsistência estava disponível nesses espaços fixos,
ainda que na época fossem muito precárias as condições em termos de infraestrutura, o que
impossibilitava, por exemplo, a conservação dos alimentos.

Avançando séculos e mais séculos nessa história, com a diversificação da produção de várias
culturas, as criações de animais e o desenvolvimento tecnológico, foi ocorrendo a integração
das atividades agropecuárias com as atividades industriais (ARAÚJO, 2010). E como será que
se desenvolveu essa integração e onde estamos hoje nesse importante capítulo da história do
homem e do agronegócio?

Evolução da agricultura

Para contar esta parte recente da história da agricultura, veremos quatro marcos temporais:
as décadas de 1960, 1970, 1980 e 1990.

Introdução ao Agronegócio
1960 – A modernização da agricultura

Um exemplo de como era o processo agrícola no Brasil na década de 1960 são as propriedades
14
rurais de Minas Gerais, que produziam café, milho, e cana-de-açúcar, e também criavam
porcos, e gados de corte e de leite. Nessas propriedades, o leite era utilizado para a produção
de queijos e manteiga; o algodão, para o tecido, que se transformava em roupas; e, ainda, da
cana-de-açúcar se faziam a cachaça e o melaço.

Já a segunda metade da década de 1960 é marcada por um processo de modernização da


agricultura brasileira, na qual se intensificam as relações entre a agricultura e a indústria
(MAZALLI, 2000).

Durante os anos seguintes, com a grande evolução socioeconômica e tecnológica que


ocorreu nos diversos setores da economia, iniciou-se um processo de especialização
em determinadas atividades, o que fez com que as propriedades rurais se tornassem
dependentes de insumos e serviços que elas mesmas não eram mais capazes de produzir.
Parte disso ocorreu, também, em função de um forte movimento de êxodo rural, já que
a cidade se tornou atrativa com a oferta de empregos e as propriedades rurais foram
perdendo sua autossuficiência (ARAÚJO, 2010).

Aqui temos um marco fundamental na história do desenvolvimento agrícola brasileiro.


Com essa evolução agrícola, o termo “agricultura” deixou de abranger a complexidade do
setor. “Já não se tratava mais de propriedades autossuficientes, mas de todo um complexo
de bens, serviços e infraestrutura que envolve agentes diversos e interdependentes”
(ARAÚJO, 2010). O conceito de setor primário, ou de agricultura, perdeu sentido, pois
passou a envolver muitos setores e não era mais classificado como rural, agrícola, ou
primário (ARAÚJO, 2010).

Curso Técnico em Agronegócio


Nesse período, o governo brasileiro atuou fortemente concedendo o crédito agrícola e
fornecendo financiamentos com taxas de juros subsidiadas, sendo os principais objetivos:

J Modernização da agricultura

Incentivo à produção de alimentos

% Administração dos preços agrícolas.

A modernização da agricultura necessitava de investimentos em tecnologia, pois a estrutura


agrária existente era arcaica. Dessa forma, em 1965, o Sistema Nacional de Crédito Rural
(SNCR) foi estruturado, com o objetivo de acelerar esse desenvolvimento tecnológico na
produção agrícola nacional.

Em suma, a década de 1960 é considerada como uma referência no processo de modernização


da agricultura brasileira, pois, nesse período, delineou-se um novo modo de produção agrícola,
ocorrendo um aumento das relações entre agricultura e indústria, no qual a produção agrícola
passou a depender dos insumos que recebia de determinadas indústrias.

1970 – Investimentos e crédito facilitado para a agricultura

15

Alguns anos mais tarde, já na década de 1970, os financiamentos foram facilitados e


proporcionaram maior capitalização aos produtores e às agroindústrias de modo geral. Esse

Introdução ao Agronegócio
fato acabou prejudicando os pequenos produtores no mercado e favorecendo os médios e
grandes produtores com maior poder de capitalização.
16
O crédito fácil para os agricultores impulsionou a expansão de culturas de larga escala e a
utilização de grandes áreas em uma mesma propriedade, devido à mecanização e ao aumento
do consumo de insumos agrícola, ocorrendo também um incentivo à exportação (KAGEYAMA
ET AL., 1987; GRAZIANO DA SILVA, 1998; RAMOS, 2007).

É importante lembrar que, no período entre 1950 e 1975, o Estado Brasileiro promoveu a
política de Substituição de Importações (SI), pela qual se implantaram as indústrias de insumos
e as máquinas para a agricultura no território brasileiro.

1980 – Crise mundial e seus impactos na agricultura

Nos anos 1980, o mundo e o Brasil passavam por uma forte crise econômica, e nesse período
foi realizada a Reforma da Política Agrícola Brasileira, que levou a uma drástica redução do
crédito oficial do SNCR. Com a crise dos mecanismos tradicionais de apoio ao setor (crédito
governamental, política de garantia de preços mínimos, estoques reguladores etc.), o Estado
passou a priorizar ações estratégicas dirigidas a segmentos específicos, como:
• as linhas especiais para agricultores familiares;

• o programa de reforma agrária;

• a solução de endividamento de produtores e cooperativas;

• os fundos regionais de investimento.

Curso Técnico em Agronegócio


1990 – Neoliberalismo e agricultura

Durante os anos 1990, o Brasil aderiu a uma polí-


tica neoliberal, e nesse período ocorrem vários
avanços tecnológicos que permitiram a estrutu-
ração dos agentes necessários para atender aos
mercados interno e externo. Houve uma política
de incentivo às importações durante o Governo
Collor o que gerou a necessidade de a indústria
local se modernizar, para se tornar competitiva
em relação aos produtos importados.

Informações extras

O termo “neoliberalismo” foi definido por Perry Anderson em 1995 como um

O fenômeno diferente do liberalismo clássico do século XVIII, e a adoção desse


termo ocorreu nos países capitalistas da Europa e nos Estados Unidos, após a
Segunda Guerra Mundial.

Neste período há um aumento da ação dos capitais privados no campo, que proporcionam
um aumento do financiamento privado da agricultura, substituindo em parte o crédito do
governo. Em paralelo, cresce os mecanismos privados de financiamento para a agricultura
vindos das agroindústrias, tradings e de outros agentes financeiros.

Tradings

Empresas que financiam o produtor nas atividades de produção e que geralmente recebem
produtos, como, por exemplo, os grãos, em troca da disponibilização ao produtor de recursos
financeiros, assistência técnica e insumos. 
17

Assim, grandes empresas multinacionais chegaram ao Brasil e compraram fábricas que


estavam em operação.

Dica

O agronegócio da soja no Brasil cresceu a partir da Lei Kandir (1996) que isenta de

' ICMS produtos primários e semi-elaborados destinados à exportação. Essa lei foi
um marco no incentivo à produção agrícola do país, contribuindo fortemente com o
aumento da produção e a expansão da cultura em diversas regiões do Brasil.

Introdução ao Agronegócio
Tópico 3: Definição de Agronegócio
18 O conceito de agronegócio vem do inglês agribusiness, proposto por Davis e Goldberg, em 1957.
Ao estudar os Sistemas Agroindustriais (SAG), os autores desenvolveram uma ferramenta
para analisar a importância de cada elo do agronegócio e concluíram que um dependia do
outro. Isso levou à definição de agribusiness como:

A soma total das operações de produção e distribuição de


suprimentos agrícolas, das operações de produção nas unidades
agrícolas, e do armazenamento, do processamento e da distribuição
dos produtos agrícolas e dos itens produzidos a partir deles.

O conceito de agribusiness passou a ser difundido no Brasil somente a partir da década de


1980; e foi apenas a partir da década de 1990 que a tradução do termo para o português
(agronegócio) passou a ser aceita e utilizada no país (ARAÚJO, 2010).

No conceito de agronegócio, também são consideradas as exigências do consumidor final,


que muitas vezes é o responsável por decisões dentro da cadeia produtiva. Atualmente,
o consumidor está cada vez mais exigente, procurando consumir produtos que tenham
qualidade garantida pelo seu fabricante.

Podemos citar como exemplo, a questão da carne bovina. O consumidor, ao exigir uma
carne com qualidade melhor ou da qual o animal a ser abatido sofra o menos possível,
está influenciando diretamente na produção da carne. Se o frigorífico não atender a essas
exigências, poderá perder mercado. Alguns países importadores como os da União Europeia,
exigem que toda a carne que for exportada pelo Brasil seja certificada e rastreada desde o
início do processo de produção, que ocorre na propriedade rural. Ou seja, é uma tendência
do mercado mundial da qual não se pode ficar para trás.

Curso Técnico em Agronegócio


Sistema agroindustrial

Consumidor

Industrial Institucional
Varejista

Processador

ESTRUTURAS DE INFRA-ESTRUTURA
COORDENAÇÃO DE APOIO
Produtor
Mercado Trabalho
Mercado de Futuros Crédito
Programas governamentais Transporte
Agências governamentais Energia
Fornecedor
Cooperativas Tecnologia
Joint Ventures Propaganda
Integração Armazenagem
- Contratual Outros Serviços
Produtor
Vertical
Agências de Estatística
Matéria-Prima
Trendings
Filmes Individuais
Fonte: SHELMAN, 1991 apud ZYLBERSZTAJN, 2000, p. 6.

Ao analisarmos uma cadeia produtiva, é preciso ter uma visão sistêmica; todos os elos estão
interligados e são monitorados pelo governo, sob a pressão exercida pelos consumidores. 19
Observe com atenção a figura anterior pois ela exemplifica a visão sistêmica do agronegócio.
Repare que há vários elementos interligados e interdependentes, como os dos fornecedores de
insumos agropecuários (fertilizantes, defensivos, rações, crédito e sementes), dos produtores
rurais, dos processadores, dos transformadores, dos distribuidores e das revendas de
produtos agropecuários.

Devemos considerar todos aqueles que estão envolvidos antes da


produção, durante a produção e no fluxo dos produtos agrícolas
até chegar ao consumidor.

Também fazem parte desse complexo os agentes que afetam e coordenam o fluxo dos
produtos, como o governo, os mercados, e as entidades comerciais, financeiras e de serviços
(MENDES; PADILHA JUNIOR, 2007, p. 48). E você? A qual parte desse sistema pertence?

Ao analisar novamente a figura anterior, observamos que existe uma interligação entre os
elementos da cadeia produtiva, havendo a necessidade de uma coordenação da cadeia,

Introdução ao Agronegócio
pois como todos os elementos estão relacionados, caso ocorra algum problema em algum
deles, toda a cadeia será afetada. Os sistemas agroindustriais assemelham-se às redes de
20 relacionamento, sendo que nestas cada agente tem contato com um ou mais agentes.

Informações extras

Podemos citar como exemplo um caso de adulteração do leite ocorrido no

O Rio Grande do Sul que causou impactos em todos os elos da cadeia produtiva.
Acesse no AVA a reportagem que foi publicada em um jornal do RS para saber
mais sobre o assunto.

Pode-se, também, definir o agronegócio de uma maneira mais esquemática de modo a facilitar
sua compreensão. Sendo assim, podemos considerá-lo baseado em cinco setores principais
(MENDES,2007):
• fornecedores de insumos e bens de produção;
• produção agropecuária;
• processamento e transformação;
• distribuição e consumo;
• serviços de apoio.

Os principais setores do agronegócio

Fornecedores de Processamento
Produção Distribuição e Serviços de
insumos e bens e
agropecuária consumo apoio
de produção transformação

Sementes Produção Alimentos Restaurantes Agronômicos


animal
Calcário Têxteis Hotéis Veterinários
Lavouras
Fertilizantes permanentes Vestuário Bares Pesquisa

Rações Lavouras Calçados Padarias Bancários


temporárias Madeira Feiras Marketing
Defensivos
Horticultura Etanol Supermercados Vendas
Produtos
veterinários Silvicultura Papel e papelão Comércio Transporte
Combustíveis Floricultura Fumo Exportação Armazenagem
Tratores Extração Óleos Portos
vegetal essenciais
Colheitadeiras
Bolsas
Indústria rural
Implementos
Seguros
Máquinas

Motores

Fonte: Mendes (2007), baseado em ABAG.

Curso Técnico em Agronegócio


Atenção

` Para analisar um Sistema Agroindustrial - SAG é preciso seguir as duas


orientações abaixo.

1. Ter uma visão sistêmica do agronegócio ou seja, jamais um elo pode ser analisado
separadamente. Por exemplo, no SAG da laranja é preciso analisar o elo dos insumos de
produção, como fertilizantes, o elo do fornecedor de matéria-prima, o elo da produção de
laranja e, depois, o elo da indústria processadora de suco de laranja. Também devem ser
analisados os elos da distribuição (que farão a venda do suco) e o consumidor.

2. Dentro dessa perspectiva, é preciso analisar as ações do governo e das instituições


responsáveis pela comercialização (como as bolsas de mercadorias), a logística, a tecnologia,
a pesquisa etc. A ação de cada elo do SAG influencia outros elos e sofre influência deles.

Tópico 4: Agricultura Familiar


Após aprender a respeito dos fatores mais mercadológicos sobre o agronegócio, é preciso
considerar outro aspecto: a importância do papel da agricultura familiar no desenvolvimento
do país em função da relevância de questões como desenvolvimento sustentável, geração de
renda e de emprego, segurança alimentar e desenvolvimento local.

A expressão “agricultura familiar” passou a ser utilizada no Brasil a partir de meados da década
de 1990. Nesse período, ocorreram dois eventos que impactaram social e politicamente o
meio rural, em especial a região Centro-Sul (SCHNEIDER, 2006).

21

Introdução ao Agronegócio
O primeiro deles refere-se à questão política, pois, nesse período, ocorreu a mobilização de
diversos movimentos sociais no campo liderados pelo sindicalismo rural ligado à Confederação
22 Nacional dos Trabalhadores na Agricultura – CONTAG.

Esses movimentos produziram diversas formas de manifestação (que ocorrem até hoje,
basta acompanhar os noticiários), como o “Grito da Terra”, e os principais motivos eram
(SCHNEIDER, 2006):
• a falta de crédito do governo para o meio rural;

• a queda dos principais produtos agrícolas de exportação, além de outras questões


econômicas.

Como resposta às manifestações sociais da década de 1990, foi criado o Programa Nacional
de Fortalecimento da Agricultura Familiar – PRONAF com o objetivo principal de prover crédito
agrícola e apoio institucional às categorias de pequenos produtores rurais, que estavam sendo
preteridas das políticas públicas desde a década de 1970, e por conta disso não estavam
conseguindo se manter na atividade (SCHNEIDER, 2006). O PRONAF firmou a agricultura
familiar no cenário político e social do Brasil.

A agricultura familiar, então, pode ser definida a partir de três características principais
(INCRA,1995):

A administração da unidade produtiva e os investimentos nela realizados devem


ser feitos por indivíduos da mesma família;

A maior parte do trabalho deve ser realizada pelos membros da família;

A propriedade dos meios de produção, mas nem sempre a terra, deve pertencer
à família e deverá ser feita no interior da propriedade a transmissão desses meios
de produção caso ocorra o falecimento ou a aposentadoria dos responsáveis.

No Brasil, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação
– FAO, 84,4% dos estabelecimentos rurais pertencem à agricultura familiar, que emprega
quase 75% da mão de obra do setor agropecuário, mas somente 24,3% das áreas ocupadas
por estabelecimentos agrícolas são administradas por pequenos proprietários. A produção
oriunda da agricultura familiar é direcionada principalmente para o mercado interno, sendo
responsável pela produção de 70% dos alimentos consumidos no país: cerca de 70% do feijão,
87% da mandioca, 58% do leite e 46% do milho (SALCEDO, 2014). Estes são números altamente
relevantes para todo o abastecimento interno.

Curso Técnico em Agronegócio


De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA, a agricultura familiar é
responsável pela produção dos principais alimentos consumidos pela população brasileira:
84% da mandioca, 67% do feijão, 54% do leite, 49% do milho, 40% das aves e dos ovos, e 58%
dos suínos.

Ao analisarmos esses números, observamos a importância da agricultura familiar, que, nos


últimos anos, passou a ser um setor prioritário para o governo federal. As políticas públicas
brasileiras de incentivo ao pequeno produtor são consideradas um exemplo pela FAO. De
acordo com Salcedo (2014):

O incentivo à agricultura familiar contribui para reduzir a pobreza extrema, dinamizar


os mercados locais, incentivar a permanência de agricultores na sua comunidade
e também, em nível nacional, para aumentar a segurança alimentar, reduzindo a
vulnerabilidade do país ao mercado global e ao choque de preços.

A agricultura familiar ganhou uma importância tão grande que o ano de 2014 foi escolhido
pela FAO para ser o Ano Internacional da Agricultura Familiar. “Com o aumento dos preços
dos alimentos e as mudanças climáticas, percebemos que o modelo de grandes fazendas não
é um modelo para ser seguido no futuro”, afirma Salcedo (2014).

O modelo da agricultura familiar é importante para garantir a segurança alimentar e, também,


a produção de alimentos, principalmente em um contexto drástico de mudanças climáticas.

23

Introdução ao Agronegócio
Mas como é a produção dentro desse sistema mais familiar? Na maioria das propriedades
de agricultores familiares, são plantadas grandes variedades de produtos, além de serem
24 utilizadas sementes e espécies tradicionais existentes há centenas de anos, consideradas
mais resistentes às pragas e às mudanças climáticas (SALCEDO, 2014).

De acordo com dados do MDA, o segmento da agricultura familiar conta com mais de 4,3
milhões de unidades produtivas, que correspondem a 84% do número de estabelecimentos
rurais brasileiros. Segundo a FAO, considerando apenas os países do MERCOSUL, o segmento
da agricultura familiar emprega diretamente cerca de 10 milhões de pessoas.

No mundo, a Organização das Nações Unidas estima que existam cerca de 500 milhões de
pequenas propriedades, sendo que, na América Latina e no Caribe, elas representam cerca
de 80% das propriedades agrícolas e produzem mais de 60% dos alimentos consumidos na
região, além de empregar mais de 70% da mão de obra do setor.

A grande concentração de agricultores familiares está na Ásia: o continente concentra 87%


dos pequenos agricultores do mundo – a China possui 193 milhões, e a Índia, 93 milhões. Na
África, a agricultura familiar é responsável pela produção de 80% dos alimentos consumidos
no continente.

Encerramento
Neste tema, você pôde aprender os conceitos mais gerais acerca do agronegócio. Essa primeira
parte foi fundamental para lhe dar base não somente para avançar nos demais temas, como
também para aplicar em sua jornada prática. Como ponto a se destacar até agora, temos
a importância das políticas públicas e econômicas do Brasil para o desenvolvimento do
agronegócio no país

Curso Técnico em Agronegócio


02
Panorama Geral do
Agronegócio no
Brasil e no Mundo
26

Tema 2: Panorama Geral do


Agronegócio no Brasil e no Mundo
Neste segundo tema, analisaremos dados dos agronegócios mundial e brasileiro, como as
produções agrícola e pecuária, para que você, ao final deste tema, desenvolva as seguintes
competências:
• identificar as principais questões e debates acerca do agronegócio nos contextos brasileiro
e mundial;

• conhecer as principais cadeias produtivas brasileiras, assim como as suas perspectivas


futuras;

• comparar dados do setor agrícola nacional e do internacional.

Tópico 1: Panorama Geral Mundial do Agronegócio

Curso Técnico em Agronegócio


O agronegócio tem uma enorme importância na economia brasileira e na mundial. Como já
exposto no tema anterior, devemos sempre analisá-lo de uma maneira sistêmica. Por isso,
é importante ressaltar que a produção agropecuária é apenas uma parte do conceito, que
envolve também o setor de insumos e equipamentos para a produção, o processamento da
matéria-prima, a industrialização, o transporte, a armazenagem e a distribuição até chegar ao
consumidor final.

Para você compreender melhor o que isso representa no mundo, veja a seguir alguns dados
dos principais produtos que são produzidos e comercializados, assim como dados referentes
à produção agrícola e aos estoques mundiais de grãos.

A figura abaixo mostra a produção agrícola e os estoques mundiais de grãos, na qual podemos
observar que, desde 2000, a produção de grãos vem aumentando, mas os estoques oscilam
sempre na faixa de 500 milhões de toneladas.

Produção agrícola e estoques mundiais de grãos

3000
Milhões de toneladas

2500
2000
1500 Produção
1000 Estoques Finais
500
0
1

3
/0

/0

/0

/0

/0

/0

/0

/0

/0

/1

/1

/1

/1
00

01

02

03

04

05

06

07

08

09

10

11

12
20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

Fonte: USDA (2013)

27
Mas por que os números relativos aos estoques não variam muito? Podemos dizer que eles
estão, inclusive, diminuindo.

Isso vem ocorrendo em função do aumento da demanda por grãos, que pode ser justificado
por fatores como o crescimento da população mundial, por exemplo. No entanto, a produção
de grãos não acompanha esse ritmo devido a fatores climáticos adversos.

Os principais grãos produzidos na safra 2012/2013 foram o arroz, o milho, a soja, o trigo, a
cevada e o sorgo. A imagem a seguir apresenta o percentual de produção de cada um desses
produtos.

Introdução ao Agronegócio
Principais produtos (Safra 2012/2013)

28
9%
Arroz
20%
Milho

Soja
27%
Trigo

33% Outros (aveia, centeio, cevada e trigo)

11%

Fonte: USDA (2013)

Como lei básica do mercado, quando os estoques começam a diminuir muito, os preços no
mercado internacional de grãos aumentam, prejudicando em maior escala a população dos
países menos favorecidos.

Para exemplificar melhor esse cenário, a seguir serão abordadas algumas das questões mais
importantes no cenário internacional e que afetam todos os países, incluindo o Brasil. As
questões a serem discutidas estão relacionadas ao protecionismo dos países ricos, como os
subsídios e as barreiras fitossanitárias.

Comentário do autor

Os subsídios agrícolas são incentivos pagos (em valores) pelo governo para
os agricultores de seu país, sendo que uma das principais motivações pelo

d pagamento é a compensação dos preços de mercado inferiores ao custo de


produção. Os subsídios são uma ajuda do governo para que os agricultores
garantam uma renda mínima e também funcionam como incentivo ao aumento
da produção (ARAÚJO, 2010).

São considerados exemplos de subsídios a sustentação de preços mínimos ou de renda,


a contribuição financeira de um governo ou algum órgão público em que há transferência
direta de recursos (concessões, empréstimos e títulos), o fornecimento de bens e serviços de
infraestrutura geral, a aquisição de bens etc. (ICONE, 2014).

Como visto no tema anterior, na década de 1970 no Brasil, os agricultores receberam subsídios
oferecidos pelo governo na forma de financiamentos bancários oficiais em um período no
qual havia crédito abundante do governo, com uma parcela de subsídios incluída. Esse tipo
de financiamento foi muito criticado, pois priorizou a liberação de crédito para os grandes
proprietários de terra em detrimento dos pequenos.

O governo brasileiro também forneceu subsídios para o setor do trigo, em especial aos
moinhos, com o objetivo de limitar os preços pagos pelos consumidores. No início da década

Curso Técnico em Agronegócio


de 1980, o governo federal passou a restringir o crédito à agricultura, levando à extinção dos
subsídios na década de 1990 (ARAÚJO, 2010).

Após esse breve histórico, é importante refletir sobre questões que são permanentes no
universo da agricultura. Por exemplo:
• A instabilidade de preços;

• Os riscos climáticos e sanitários;

• Fatores de ordem histórica, cultural e política;

• Essencialidade dos produtos agropecuários destinados à alimentação.

Todos esses aspectos levam os países a adotarem uma série de políticas agropecuárias de
proteção aos seus agricultores. Além de assegurar renda aos produtores, o protecionismo
agropecuário objetiva garantir a segurança alimentar e, muitas vezes, a soberania alimentar: ter
alimentos suficientes para todos e, de preferência, produzidos no próprio país (ALMEIDA, 2009).

Farm Bill é o nome popular dado à legislação agrícola dos EUA, geralmente renovada a cada
quatro anos, que possui como objetivo consolidar em um único documento os programas de
política agrícola do Departamento de Agricultura dos EUA – USDA. A Farm Bill aprovada em maio
de 2008 teve gastos com a agricultura de até US$ 307 bilhões, e os Estados Unidos forneceram
subsídios para diversas culturas, como a soja e o milho, levando ao aumento da produção.

29

Introdução ao Agronegócio
A estimativa é de que o Brasil perca cerca de 700 a 800 milhões de dólares com esses subsídios
americanos, o que também afeta os preços internacionais, já que os EUA são o maior mercado
30 e a sua produção excedente é exportada (ALMEIDA, 2009).

Como visto, a Farm Bill fornece bilhões de dólares em subsídios, cuja maior parte vai para
grandes agronegócios produtores de milho, soja, trigo, algodão e arroz (os dois primeiros
são usados na alimentação do gado). Ou seja, esses subsídios “agrícolas” acabam indo para
a produção de carne. Dessa forma, agricultores que produzem frutas e vegetais recebem
menos de 1% de apoio governamental.

A União Europeia também fornece grandes subsídios para os seus agricultores – estima-se
que sejam fornecidos cerca de 70 bilhões de euros por ano, sendo que 45% do orçamento da
UE são destinados a subsídios agrícolas.

A Europa é, simultaneamente, um importante exportador e o maior importador de produtos


alimentares do mundo. O setor agrícola europeu utiliza métodos de produção seguros, limpos
e ecológicos, e fornece produtos de qualidade que satisfazem às exigências dos consumidores.
O seu papel não consiste apenas em produzir produtos alimentícios, mas também em
garantir a sobrevivência do espaço natural enquanto espaço para se viver, trabalhar e visitar
(COMISSÃO EUROPEIA, 2014).

A Política Agrícola Comum - PAC europeia é definida e aplicada pelos governos dos Estados-
membros. O seu objetivo é apoiar os rendimentos dos agricultores ao mesmo tempo em que
os incentiva a produzir produtos de alta qualidade, de acordo com as exigências do mercado,
e a procurar novas oportunidades de desenvolvimento, nomeadamente fontes de energia
renováveis mais sustentáveis (COMISSÃO EUROPEIA, 2014).

Curso Técnico em Agronegócio


A política agrícola da União Europeia está em constante evolução. Há 50 anos, a sua principal
prioridade era produzir alimentos suficientes em uma Europa que emergia de uma década
de escassez causada pela guerra, mas o apoio à produção em grande escala e a compra de
excedentes para garantir a segurança alimentar pertencem ao passado.

Atenção

O objetivo da política da UE é permitir que os produtores de todos os alimentos


sejam capazes de sobreviver, pelos seus próprios meios, no mercado da UE e

` nos mercados mundiais. Sua pretensão é fazer a economia girar com foco na
produção local. Cerca de um terço da renda dos agricultores europeus provém
dos subsídios, e isso faz com que eles produzam mais e tenham preços mais
competitivos no mercado internacional (COMISSÃO EUROPEIA, 2014).

A renovação da PAC europeia, em vigor de 2014 a 2020, está gerando uma expectativa de
redução dos subsídios devido ao alto preço das commodities no mercado internacional e,
também, à crise dos países da zona do euro.

O Brasil não tem condições de garantir os mesmos níveis de subsídios de países como EUA
e da UE, e convive no mercado internacional pautado por preços internacionais gerados por
essas nações. O país é afetado principalmente nos setores da cana-de-açúcar e da pecuária
de corte:
• cana-de-açúcar: o nosso mercado será atingido se eles aumentarem os incentivos para a
produção de açúcar de beterraba;

• pecuária de corte: excessivas exigências de rastreabilidade, e o mercado europeu paga por


qualidade, dificultando ainda mais as exportações para lá.

Link
31
A Para saber mais sobre protecionismo da União Europeia, leia uma reportagem
disponibilizada no AVA.

Como e onde o Brasil e outros países podem se defender do protecionismo nas nações mais
ricas?

Essa resposta está relacionada com a Organização Mundial do Comércio – OMC, entidade
internacional criada em 1995 para coordenar e administrar questões referentes ao comércio
mundial. O seu principal objetivo é apoiar os produtores de bens e serviços, assim como os
exportadores e os importadores no desenvolvimento de suas atividades.

A OMC é a organização à qual os países participantes recorrem para a resolução de problemas


comerciais uns com os outros. A entidade possui um acordo agrícola, que é um conjunto de
normas criado com o objetivo de regularizar os níveis de subsídios e protecionismos do setor
agrícola.

Introdução ao Agronegócio
Por meio desse acordo, pretende-se (ICONE, 2014):
• fornecer maior transparência dos mercados agrícolas;
32
• promover a liberalização gradual do comércio pela redução das barreiras tarifárias e não
tarifárias;

• corrigir distorções de preços e equiparação das condições de concorrência, com a redução


dos subsídios domésticos e nas exportações.

A título de exemplo prático, veja algumas ações já realizadas pelo Brasil na OMC:

Suco de Laranja: a disputa entre Brasil e EUA teve início na OMC em 2009 e
se encerrou em junho de 2011. O Brasil saiu vitorioso, e os norte-americanos
desistiram de recorrer da decisão favorável que questionou medidas antidumping
impostas ao suco de laranja brasileiro.

Algodão: o Brasil questiona os subsídios pagos aos produtores americanos


de algodão, considerados ilegais pela OMC. Mais uma vez, saindo-se vitorioso,
devendo receber dos EUA US$ 147 milhões anuais. O valor do fundo do
algodão foi aprovado pelos dois países, mas foi bloqueado em 2012 pelo
Congresso norte-americano. Como resposta, o Brasil ameaçou retaliar na área
de propriedade intelectual, o que já foi autorizado pelo órgão de solução de
controvérsias da OMC.

Carne Bovina: o setor privado brasileiro decidiu pedir ao governo a abertura


de queixa contra a União Europeia na OMC por discriminação no caso das
exportações brasileiras dentro da Cota Hilton. A Cota Hilton é constituída de
cortes especiais do quarto traseiro de novilhos precoces, e seu preço no mercado
internacional corresponde de três a quatro vezes o preço da carne comum. A
cota anual de 65.250 toneladas é fixa, e a ela somente têm acesso os países
credenciados: Argentina, Austrália, Brasil, Uruguai, Nova Zelândia, Estados
Unidos, Canadá e Paraguai. A tarifa extracota é de 12,8% mais 303,4 euros por
100 kg de carne. A cota brasileira é de 10 mil toneladas anuais.

Tópico 2: Panorama Geral do Agronegócio Brasileiro


Nesta etapa, você conhecerá um perfil aprofundado sobre o agronegócio nacional. O tópico
foi dividido por tipo de commodity, bem como pelas respectivas informações sobre sua cadeia,
seu diagnóstico e suas perspectivas futuras.

1: Soja
A soja é a principal oleaginosa produzida no mundo, sendo utilizada como commodity na
produção de óleo, na formulação de rações e na produção de carnes. A imagem a seguir

Curso Técnico em Agronegócio


mostra como os diferentes elos da cadeia estão interligados: o início está no elo dos insumos,
passando pelos elos da produção, dos originadores, das esmagadoras, da indústria de
derivados do óleo e da distribuição até chegar ao elo do consumidor final.

Cadeia produtiva da soja

Insumos
(sementes, defensivos, máquinas etc.)

Produção
Centro-Oeste, Sul, Sudeste, Nordeste e Norte

Originadores
Armazéns Gerais, Cooperativas e trading companies

Esmagadores
Empresas privadas e cooperativas

Indústria derivados do óleo


Maionese, margarina, sabão, tinta etc.

Distribuição
Atacado, Varejo, Mercado Institucional

Consumidor

Fonte: Elaboração da autora

A imagem seguinte apresenta os dados relacionados à produção, ao consumo e aos estoques


mundiais divulgados pelo USDA. Repare que o mercado internacional da soja está dividido
entre quatro países. Quais são eles?
33
Produção, consumo e estoques mundiais de soja: safra 2012/13

300
Milhões de toneladas

250
200 Produção

150 Consumo

100 Estoques

50
0
A

do
si

ro
in

in
EU

un
nt

Ch

ut
Br

ge

M
O
Ar

Fonte: USDA (2014)

Introdução ao Agronegócio
Na safra 2012/2013, a produção mundial foi de 267 milhões de toneladas de soja, sendo
que Brasil, Estados Unidos e Argentina respondem por grande parte do total produzido.
34 Foram consumidas no mundo 258,8 milhões de toneladas de soja, sendo a China o principal
importador da commodity.

A Argentina possuía 22,4 milhões de toneladas em estoque, e esse montante representava


quase metade dos estoques mundiais, que foi de 57,8 milhões de toneladas. Um dos motivos
que justificam esse estoque alto é que a oferta da soja é menor do que a demanda nesse país.

Em relação ao Brasil, a imagem a seguir apresenta a produção brasileira do complexo soja no


período de 1999 a 2014.

Produção brasileira do complexo soja

1000.000
90.000
80.000
70.000
Mil. Ton.

60.000 Soja
50.000
40.000 Farelo
30.000 Óleo
20.000
10.000
0
2013 (E)
2014 (E)
1999
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012

Fonte: ABIOVE (2014)

Note que o complexo soja (soja em grão, farelo e óleo) tem grande destaque no agronegócio
brasileiro, já que 26,1 bilhões de dólares foram gerados como divisa pelo setor da soja em 2012.
Esse mesmo setor representou 10,8% do total exportado pelo Brasil. Em 2013, observa-se um
salto de 2% na participação do complexo soja nas exportações do Brasil: 12,8%.

Participação do complexo soja nas exportações brasileiras (%)

15

10

0
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013

Part. Complexo Soja

Fonte: ABIOVE (2014)

Curso Técnico em Agronegócio


Os principais mercados para a soja em grão e para o farelo de soja são a União Europeia e a
Ásia (China), como se vê nos dados das exportações do complexo soja nos períodos de 2012
e 2013.

Exportações do complexo soja (2012 e 2013)

0 5 10 15 20

China

União Europeia

Ásia (exceto china)

2013
Outros Destinos
2012

Fonte: ABIOVE (2014)

A China, que faz parte do BRICs, é o segundo maior produtor de grãos do mundo (530 milhões
de tonelada/ano), sendo igualmente o maior consumidor, e, por isso, busca a autossuficiência
com claras intenções de ficar independente do mercado internacional.

Setores do agribusiness enxergam a China como o mais promissor país no consumo de


alimentos e fibras, sendo responsável pelo aumento do comércio de produtos agroindustriais
e dos preços das commodities agrícolas, como soja e milho. Como consequência, a China
aumentou sua participação como importadora nesse mercado.

Aliás, o comércio de mercadorias entre Brasil e China apresentou, em 2002, duas características
principais:
35
• a concentração das pautas de exportação e importação (soja, minério de ferro, produtos
siderúrgicos e óleo de soja) respondeu por 67,53% das exportações brasileiras destinadas
à China em 2002;

• a China foi o principal país de destino das exportações brasileiras de soja, tendo essas
operações representado 27,19% do total exportado (superando a Holanda, 17,96%, e a
Alemanha, 10,17%).

Uma das razões para a elevada concentração da pauta nesses produtos foi a demanda por
soja e óleo de soja, itens que fazem parte dos hábitos alimentares dos chineses, pois são
usados na produção de tofu, shoyu e óleo de cozinha.

A China entrou na OMC em 2001. Por ser um dos maiores importadores do complexo soja,
causou mudanças importantes no mercado internacional do grão, como o maior acesso ao
mercado chinês e a limitação dos subsídios do governo desse país aos produtores domésticos

Introdução ao Agronegócio
36

Nesse período, transformou-se no maior exportador e na segunda maior economia do


mundo. O crescimento das exportações brasileiras para a China decorreu da estratégia
das transnacionais que atuam no mercado de grãos, da produtividade da soja brasileira
e da proibição dos transgênicos no Brasil (2002), o que provocou um deslocamento de
parcela da soja americana no mercado internacional. Mas o que seria essa estratégia das
transnacionais?

Atenção

A estratégia das transnacionais era baseada na ideia de eficiência global, que


consiste em utilizar as regiões economicamente mais produtivas para suprir as
regiões mais populosas, como a China. Com essa estratégia, as transnacionais

` buscaram, também, diversificar as suas cadeias de oferta. Elas atuaram em


ambas as regiões, e, de acordo com as suas próprias estimativas, as zonas mais
populosas apresentavam perspectivas de crescimento da renda. A China resiste
aos transgênicos, razão pela qual a sua preferência recaiu naturalmente sobre o
Brasil. Ela também exige, em acordos temporários, um certificado indicando que
as remessas brasileiras de soja não contenham o grão transgênico.

Curso Técnico em Agronegócio


Perspectiva

O trabalho exploratório de economistas (Jim O’Neill, Dominic Wilson e Roopa Purushothaman)


do banco de investimentos Goldman Sachs sobre a economia mundial indica que, nos
próximos 50 anos, as economias de Brasil, Rússia, Índia e China podem tornar-se uma força
importante na economia mundial. O estudo mapeia os crescimentos do PIB e da renda per
capita, e os movimentos monetários dos BRICs até 2050.

PIB

O Produto Interno Bruto mede o valor monetário total dos bens e serviços finais
produzidos para o mercado durante determinado período de tempo dentro das fronteiras
de um país.

No Brasil, a produção de soja concentra-se nas regiões Centro-Oeste e Sul, nos estados de
Mato Grosso, com 29% da produção nacional; Paraná, com 19,5%; Rio Grande do Sul, com
15,4%; e Goiás, com 10,5%. Mas as regiões Norte e Nordeste também estão aumentando a
sua área de plantio, e áreas no Maranhão, em Tocantins, no Piauí e na Bahia, no período de
2012-2013, responderam por 8,4% da produção brasileira. A seguir, veja a participação da soja
por região no Brasil.

Soja: participação por região do Brasil

3%

6%
7%
Norte

Nordeste
37%
47%
Sul 37
Centro-Oeste

Sudeste

Fonte: Outlook FIESP (2013)

Abaixo tem-se uma panorama da cadeia produtiva da soja, na qual podem-se identificar os
seus pontos fortes, os pontos fracos, as oportunidades e as ameaças.

Introdução ao Agronegócio
Análise SWOT da cadeia produtiva da soja

38
Pontos Fortes Pontos Fracos

Brasil é segundo maior produtor e exportador Maior produtor mundial é os EUA.


mundial.
Estímulo governamental à exportação de soja
Tecnologia dominada para gerar valor à in natura.
cadeia.
O Brasil utiliza um modal de transporte
Áreas agricultáveis que permitem aumento da impróprio pela distância percorrida pela soja
produção. (± 1.000 km).

Geração de renda nas regiões produtoras


(aumenta o IDH).

Oportunidades Ameaças

Abrangência do complexo soja na geração de Tarifas alfandegárias.


produtos.
Novas barreiras de entrada por países
Adoção de biodiesel global via metas de importadores.
adição.
Diferentes cobranças de ICMS pelos estados
Fortalecimento de ações sustentáveis nos brasileiros.
âmbitos nacional e internacional.

Melhoria nos modais utilizados para o


transporte de soja no Brasil.

Diversificação via criação de produtos


inovadores.

Fonte: Elaborado pela autora, com base nos dados da ABIOVE (2014).

Na sequência, acompanhe uma análise dos quatro itens.

Pontos fortes

Neste item, observa-se que um dos grandes pontos fortes está na geração de renda nas
regiões produtoras de soja, principalmente nos estados de Mato Grosso e Goiás, e também por
possuírem áreas agricultáveis para expansão do plantio. Igualmente é necessário considerar
a tecnologia empregada nas propriedades rurais, como o uso de agricultura de precisão e
sementes altamente produtivas.

Pontos fracos

Podemos citar como principal ponto fraco a logística deficiente nas regiões produtoras, o que
aumenta o custo de produção, dificultando o escoamento da oleaginosa para os portos que a
levarão para o exterior.

Curso Técnico em Agronegócio


Ameaças

Entre as ameaças estão as tarifas alfandegárias e o protecionismo de países como os Estados


Unidos, que subsidiam uma boa parte da sua produção de soja e de outras commodities,
como milho, carnes e algodão. Isso torna os seus produtos mais competitivos no mercado
internacional

Oportunidade

Como uma oportunidade está a possibilidade de se pesquisarem novos usos para a soja, como
sabão, tintas e biocombustível, gerando valor e produzindo produtos que serão vendidos por um
valor superior para a commodity.

Após analisar o quadro anteriormente exposto, temos como avançar e pensar a respeito das
tendências futuras. Qual é o seu palpite a respeito da cadeia de soja? Confira, abaixo, algumas
projeções.

39

De acordo com o MAPA, a produção de soja em grão em 2013 foi de 81,3 milhões de toneladas,
com uma produtividade média projetada para os próximos anos de 3,3 toneladas por hectare.
Existe uma forte tendência da produtividade de aumentar devido ao aumento da tecnificação
das lavouras, em especial daquelas que se encontram na região Centro-Oeste.

Estima-se que em 2023 a produção de soja seja de 99,2 milhões de toneladas, o que
representará um acréscimo de 21,8% em relação à produção de 2013.

As projeções de consumo indicam que as demandas de soja no mercado internacional e no


mercado interno devem continuar aumentando, pois, além da demanda de rações animais,
também se estima que ocorrerá um grande aumento do consumo de soja para a produção de
biodiesel. Essa produção foi estimada em 2013, pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos
Vegetais – Abiove, em cerca de 10 milhões de toneladas.

Introdução ao Agronegócio
Estima-se, também, que o consumo interno de
soja em grão chegue a 50,6 milhões de tonela-
40 das ao final da projeção, sendo que se espera
um aumento de 19,4% no consumo até 2023.
De acordo com o MAPA, deve haver um consu-
mo adicional de soja em relação ao período de
2012-2013 de 8,2 milhões de toneladas.

Espera-se que, além da utilização da soja na


fabricação de rações animais, ela também
seja utilizada de maneira crescente na ali-
mentação humana, principalmente em bebi-
das, queijos etc.

A seguir, veja uma projeção de produção, consumo e exportação de soja em grão, mostrando
uma perspectiva positiva de crescimento do mercado.

Brasil: projeção da produção, consumo e exportação de soja em grão

120.000
100.000
80.000
Mil ton.

60.000 Produção
40.000 Consumo
Exportação
20.000
0
3

3
/1

/1

/1

/1

/2

/2
12

14

16

18

20

22
20

20

20

20

20

20

Fonte: MAPA, com dados da CONAB (2013)

A cadeia da soja apresenta alto potencial de crescimento, mas ainda possui grandes gargalos (em
logística, impostos e barreiras tarifárias e não tarifárias) e necessita de maiores investimentos
em marketing, além de incentivos governamentais para a geração de valor. Esta proporciona
mais renda para as regiões produtoras e para o país, assim como mais empregos, tecnologia
e impostos a serem arrecadados.

Informações extras

Barreiras Não-Tarifárias são restrições à entrada de mercadorias importadas


que possuem como fundamento requisitos técnicos, sanitários, ambientais,

O
laborais, restrições quantitativas (quotas e contingenciamento de importação).
Normalmente, as BNTs visam a proteger bens jurídicos importantes para
os Estados, como a segurança nacional, a proteção do meio ambiente e do
consumidor, e ainda, a saúde dos animais e das plantas.

Saiba mais sobre barreiras comerciais e técnicas no AVA.

Curso Técnico em Agronegócio


Um exemplo de como é possível gerar valor foi dado por Henry Ford, em 1933, ao desenvolver
nos Estados Unidos o primeiro produto construído à base de soja: um painel de carro feito de
plástico de soja. Desde essa época, novas tecnologias que incluem o grão foram descobertas.

Entre os produtos à base de soja, desenvolvidos pelos produtores e patrocinados pelo


governo americano, estão xampus para animais domésticos, lubrificantes, isolante térmico
para casas, velas feitas à base de cera de soja, produtos de limpeza, bola de paintball etc.
Abaixo, apresentamos alguns usos originais para o grão.

O Brasil precisa investir em geração de valor produzindo produtos diferenciados, pois isso
trará benefícios aos produtores rurais e, em especial, ao pequeno e ao médio produtor, que
não tem condições de concorrer com uma grande empresa.

É mais interessante gerar valor e obter mais lucros do que exportar commodities e deixar
o lucro do desenvolvimento de produtos para os outros países. Aliás, o Brasil é conhecido
como o celeiro do mundo, mas, de que adianta produzir tanto, se as estradas e os portos não
conseguem escoar a produção? Coverse sobre esse assunto com o tutor e demais colegas e
aprofunde seu conhecimento!

O governo tem uma parcela de responsabilidade importante nisso, mas não basta: o produtor
precisa se organizar, informar-se e tratar a sua propriedade como uma empresa rural, deixar
alguns conceitos no passado e partir em busca de novos desafios.

2: Café
O Brasil é o maior produtor e exportador da commodity e conta, atualmente, com 37% do
mercado mundial cafeeiro, sendo que os principais países importadores de café brasileiro
são: Alemanha, Estados Unidos, Itália, Japão e Bélgica.

A seguir, veja o ranking dos países produtores de café na safra 2012/2013.

41
Participação (%) dos países na produção mundial de café em grão: safra 2012/13

Outros
México 3%
17%
Peru 3% Brasil
37%
Índia 4%

Honduras 4%
Vietnã
Etiópia 4% 17%
Colômbia 5%

Indonésia 6%

Fonte: USDA (2013)

O gráfico acima nos mostra que, na safra 2012/13, os três principais produtores foram o
Brasil, o Vietnã e a Indonésia. Somos o primeiro na produção mundial de café em grão.

Introdução ao Agronegócio
É importante observar que, devido à sua grande extensão, pela qual a produção cafeeira está
espalhada em 2,3 milhões de hectares no território nacional, o Brasil possui a vantagem de
42 desenvolver diversos tipos e qualidades de cafés – um diferencial que possibilita atender às
diferentes demandas.

O país conta atualmente com 2.341,73 hectares voltados à cultura de café dos tipos arábica e
robusta. Conforme a Conab (2013), houve um acréscimo, no ano de 2013, de 12.370 hectares,
o que representa um crescimento de 0,54% da área utilizada em relação à safra de 2012.
É importante ressaltar que estão ocorrendo significativos aprimoramentos na tecnologia de
produção, no manejo, nos aperfeiçoamentos genéticos e nas reduções de custos na logística.

Diferentes tipos de café

Arábica

A variedade de café mais apreciada no mundo é a arábica e ela representa 59% da produção
mundial da cultura de café. Trata-se de um grão bastante achatado e alongado, que gera um
café fino e com alto valor comercial. A qualidade desse grão está relacionada com a altitude em
que é plantado (altitudes superiores a 900 metros).

O maior produtor de café arábica no Brasil é o Estado de Minas Gerais. Outros estados, como
São Paulo, Paraná, Bahia, Espírito Santo e Rondônia, também produzem essa variedade. O
cultivo de café arábica totaliza 74,9% da quantidade de café nacional.

Robusta Conilon

O café robusta conilon tem a sua origem na África Central e pode ser produzido em altitudes que
variam entre o nível do mar e 600 metros. É mais utilizado na fabricação de café solúvel. Essa
variedade tem uma grande aceitação na Europa e nos Estados Unidos, pois é utilizada para fazer
o blend com a variedade arábica.

Os principais estados brasileiros produtores dessa variedade são: Espírito Santo (maior produtor
de conilon), Rondônia, Pará, Minas Gerais e Mato Grosso. A produção nacional de robusta em
maio de 2013, por exemplo, representou cerca de 25% da cultura nacional de café.

Curso Técnico em Agronegócio


Veja os estados nacionais produtores de café e as respectivas espécies cultivadas em cada local.

Regiões produtoras de café

Arábicas
Conillon (Robusta)

Fonte: ABIC (2013)

Agora, ao compararmos os hectares utilizados na produção brasileira de café nos estados


produtores, podemos observar que as maiores áreas de produção estão concentradas nos
estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

Hectares produzidos na produção brasileira de café


43
1.200.000
1.000.000
800.000
Hectares

2012
600.000
2013
400.000
200.000
0
Minas Gerais

Espírito Santo

São Paulo

Paraná

Bahia

Rondônia

Mato Grosso

Pará

Goiás

Rio de Janeiro

Outros

Fonte: ABIC (2013)

A cadeia agroindustrial do café, segundo Zilbersztajn (1993), é estruturada pelas operações


agrícolas, como a industrialização do grão verde, a torrefação e a comercialização. Paralelamente

Introdução ao Agronegócio
a esse conceito, surge outro estudo que indica que a cadeia de café brasileira é constituída pelos
seguintes segmentos (SAES E FARINA, 1999):
44
Cadeia produtiva do café no Brasil

Insumos
(mudas, defensivos, máquinas etc.)

Produção
MG, ES, SP, PR, BA, RO, MT

1º Processamento do Café
Maquinistas e Cooperativas

2º Processamento do Café
Empresas de torrefação e moagem

Vendedores Nacionais
Cooperativas, Exportadores e Atacadistas

Compradores Internacionais
Empresas de solúvel, torrefação e dealers

Varejo Nacional e Internacional


Supermercados, mercado institucional,
cafeteiras, bares e restaurantes

Consumidor

Fonte: Adaptação de Saes e Farina (1999)

A maioria dos produtores de café no Brasil são membros de alguma associação de interesse
privado, e os insumos, em grande parte, são obtidos por meio das cooperativas, que os
disponibilizam com menor preço por operarem em grande escala.

Apenas grandes cafeicultores vendem os grãos para compradores diretos, pois a maioria dos
produtores se relaciona com a cooperativa para entregar seus produtos. Zilbersztajn (1993)
acredita que “em geral os produtores trabalham com um nível de incerteza e insegurança
muito alto em relação às informações disponíveis no mercado”. Mas por que essa incerteza
acontece para os produtores de café?

Essa situação ocorre em função de fatores como distância física entre produtor e cooperativa,
desinteresse em participar das transações e dificuldade de comunicação com as fontes.

Nesse sentido, o produtor mantém uma relação instável com a cooperativa, já que ele possui
a possibilidade de vender a sua produção para outros atores da cadeia (ZILBERSZTAJN, 1993).

Curso Técnico em Agronegócio


Por sua vez, as cooperativas vendem o café para a indústria de torrefação, os exportadores e
os dealers.

Dealers

Negociantes que atuam como intermediários em uma transação comercial.

É importante destacar que algumas cooperativas atuam, também, nos processos de torrefação
e moagem. A comercialização e a distribuição de café no Brasil são realizadas “por meio
dos exportadores, maquinistas, corretores, atacadistas e varejistas em geral, como bares,
restaurantes, padarias, supermercados e as próprias torrefadoras” (ZYLBERSZTAJN, 1993).

Informações extras

Veja alguns dados sobre a cafeicultura brasileira:


• sustenta de 250 mil a 300 mil produtores;
• emprega diretamente três milhões de pessoas;

O • responde por 5% das divisas geradas.

O povo brasileiro é um dos maiores consumidores de café do mundo, e a


preferência nacional é o café torrado e moído: cada consumidor consome
em média 2,1 quilos de café por ano, o que equivale a cerca de 400
cafezinhos.
Fonte: ABIC (2013)

Perspectivas futuras

Consumo de café

Segundo a Organização Internacional do Café – OIC, o consumo de café no Brasil tem crescido 45
a uma taxa média anual de 4,8%. Segundo a ABIC (2012), “os brasileiros estão consumindo mais
xícaras de café por dia e diversificando as formas da bebida durante o dia, adicionando ao café
filtrado também os cafés espressos, os cappuccinos e outras combinações com leite”. Veja como
vem ocorrendo a evolução do consumo interno no Brasil durante o período de 1990 a 2012.

Brasil: consumo per capita de café verde e café torrado

7
6
kg/habitantes

5
Kg café verde
4
Kg café torrado
3
2
1
0
il/ 1
06
90
92

94
96
98
00

02

04

08

- A ai 0
br o/1
M 1

12
20
19
19

19
19
19
20

20

20

20
20

Fonte: ABIC (2013)

Introdução ao Agronegócio
Outro fato curioso é que, desde 2004, observa-se o aumento do consumo de café fora do lar
em função da popularização das cafeterias em diversas cidades brasileiras. Isso incrementa
46 os hábitos de consumo do grão, bem como sua economia. Aliás, já se observa essa tendência
ocorrendo em países da Europa e também nos Estados Unidos. Nestes, a preferência é por
cafés especiais, geralmente de melhor qualidade.

As projeções feitas pelo MAPA para o café estimam o aumento da produção até 2023, bem
como das exportações. A previsão do MAPA é de que o país continue como o maior produtor
mundial e o principal exportador, e que também mantenha os compradores habituais e os
parceiros estimados em mais de cem mercados – cenário bastante promissor!

Observa-se que o crescimento estimado para o consumo da bebida é de 28,6% até 2023.
A título de observação, e ainda de acordo com a ABIC, esse panorama teve uma pequena
diminuição em 2013 devido ao café disputar a preferência dos consumidores com os produtos
prontos, tais como sucos e achocolatados

Brasil: projeção da produção, consumo e exportação de café

60
Milhões de toneladas

50
40
Produção
30
Exportação
20
Consumo
10
0
3

3
/1

/1

/1

/1

/1

/1

/1

/2

/2

/2

/2
12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22
20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

Fonte: MAPA (2013)

O evento é importante, pois foi a primeira queda registrada no


consumo no país desde 2003 e o segundo recuo da série histórica,
segundo dados da ABIC contabilizados desde 1990.

De acordo com a associação, as inúmeras novas opções prontas para o consumo no café da
manhã (que incluem bebidas à base de soja, cuja penetração no mercado ainda é pequena
comparada ao tradicional cafezinho) têm apresentado crescimento bastante elevado.

Essas categorias com maior valor agregado desafiam a indústria de café para que busque
a inovação e, também, para que procure voltar a ter altos índices de crescimento, o que se
espera alcançar com a oferta de cafés de melhor qualidade, diferenciados e certificados.

E, para finalizar esta análise sobre perspectivas futuras do café, a ABIC estimou em 2014 a
retomada do crescimento do consumo interno de café entre 3% a 4%, com maior procura
por cafés de melhor qualidade, desde os tradicionais até os cafés gourmet – informação
importante a se considerar não só como tendência futura, mas obviamente de mercado.

Curso Técnico em Agronegócio


3: Cana-de-Açúcar
No período entre 2000 e 2010, constata-se um grande crescimento da produção de cana-de-
açúcar em função do aumento da demanda de açúcar no mundo. Mas como isso ocorreu?
Confira abaixo os principais motivos:
• crescimento da população e respectivo aumento do poder de compra dos consumidores
em diversas regiões do mundo;

• aumento do consumo de alimentos processados da cana-de-açúcar resultante da migração


da população das áreas rurais para as urbanas;

• aumento da produção estimulado pelo consumo de adoçantes de baixas calorias à base


de açúcar, como a sucralose;

47

Repare como vem crescendo a produção mundial de açúcar a partir da cana-de-açúcar e da


beterraba.

Produção mundial de cana-de-açúcar e beterraba

200.000
Milhões de toneladas

180.000
160.000
140.000
120.000
100.000
0
1

20 11

20 2

3
0

/1
0/

1/

2/

3/

4/

5/

6/

7/

8/

9/

0/

1/

12
0

01
20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

Fonte: USDA (2013)

Introdução ao Agronegócio
Uma informação importante é a de que, em alguns países da União Europeia, o açúcar vem
da beterraba, e esse açúcar é utilizado também na produção de refrigerantes, ao contrário do
48 Brasil, que só utiliza o açúcar de cana-de-açúcar.

Na composição mundial dos países produtores de cana-de-açúcar, o Brasil se destaca. Como se


nota, em um total de 27 participantes, há quatro principais produtores: Índia, União Europeia,
Brasil e China.

Participação mundial dos países produtores de cana-de-açúcar

Brasil
Outros 22%
26%
Paquistão 3%

Índia
Rússia 3% 15%

México 3%

EUA 5%
União Europeia 9%
Tailândia 6%
China 8%
Fonte: USDA (2013)

O aumento da produção de cana-de-açúcar também está relacionado ao aumento do uso do


etanol no Brasil, combustível indicado para veículos com motores flex fuel. Existe, também,
a expectativa do governo brasileiro em exportar etanol para os países que adotam os
biocombustíveis em suas matrizes energéticas. Veja como foi a produção brasileira de cana-
de-açúcar no período de 1999/2000 a 2012/2013.

Brasil: produção de cana-de-açúcar


700.000
600.000
Milhões de toneladas

500.000
400.000 Brasil

300.000 Região Centro-Sul

200.000 Região Norte-Nordeste

100.000
0
1

20 11

20 2

3
/0

/0

/0

/0

/0

/0

/0

/0

/0

/1

/1
/

1/
00

01

02

03

04

05

06

07

08

09

10

12
01
20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

Fonte: UNICA (2013)

O tema biocombustível tornou-se uma discussão extremamente relevante no século XXI. Você
sabe por quê?

Curso Técnico em Agronegócio


Basicamente porque a pauta do biocombustível está diretamente ligada ao contexto de
um desenvolvimento sustentável, ponto urgente na agenda desenvolvimentista mundial.
Biocombustíveis que não causam danos ao meio ambiente, alavancam a geração de postos
de trabalho e avançam rumo ao desenvolvimento tecnológico.

Informações extras

O etanol (nome técnico do álcool etílico combustível) pode ser produzido a partir da
sacarose da cana-de-açúcar, no Brasil, da sacarina da beterraba, do amido de milho,

O nos Estados Unidos, além do trigo e da mandioca.

Trata-se de uma fonte de energia natural, limpa, renovável, sustentável. No Brasil,


produz-se o etanol hidratado com 5% de água, que abastece os automóveis flex, e o
etanol anidro (0,5% de água), misturado à gasolina na proporção de 20% a 25%.

Para entender melhor como funciona a cadeia de produção do etanol, observe o diagrama
a seguir. Ele nos mostra os canais de distribuição, a produção nas usinas, a distribuição e o
varejo até chegar ao consumidor final.

Canais de distribuição do etanol

Produção Distribuição Varejo Consumidor

Postos
Automobilistas
Revendedores
Bases das
Usinas
Distribuidoras
Destilarias
e Terminais
Transportador,
Pequenas empresas,
Revendedor
Grandes consumidores
e Retalhista 49

Terminais Mercado
Portuários Externo

Fonte: Baseado em Caixeta-Filho et al (2008)

Você sabia que, no período de 1976 a 2005, a utilização de álcool combustível permitiu ao
Brasil economizar US$ 69,1 bilhões em divisas com a importação de petróleo (ETH, 2008)? E
que, no início de 2008, o setor comemorava o crescimento da sua produção e das exportações,
prevendo a geração de um milhão de empregos, com investimentos de US$ 30 bilhões até
2012? Definitivamente, um mercado promissor.

Ainda no contexto de 2008, havia também perspectivas de se cogerar, a partir do bagaço e da


palha disponíveis, o equivalente à capacidade de uma usina Itaipu e meia em bioeletricidade,

Introdução ao Agronegócio
além da movimentação de uma grande indústria nacional de máquinas e equipamentos (JANK,
2008) – ordens de grandeza bem interessantes.
50
Porém, em setembro de 2008, ocorreu a grande crise financeira mundial, levando à cessão
dos investimentos do setor. Dessa forma, o crédito diminuiu bastante, comprometendo a
expansão dos canaviais, o investimento em pesquisas e os cuidados fitossanitários.

Podemos observar que o período de 1999 a 2007 foi de crescimento da produção brasileira,
mas, a partir de 2008, a produção passou a ser instável, alternando períodos de retração com
crescimento moderado.

Brasil: produção total de etanol

30.000
25.000
20.000 Brasil
mil m²

15.000 Região Centro-Sul


10.000 Região Norte-Nordeste
5.000
0
1

3
/0

/0

/0

/0

/0

/0

/0

/0

/0

/1

/1

/1

/1
00

01

02

03

04

05

06

07

08

09

10

11

12
20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

Fonte: UNICA (2013)

Todo esse quadro pessimista levou ao endividamento de grande parte do setor e, também,
ao aumento dos custos de produção. A recuperação dos preços internacionais do açúcar e do
etanol na safra 2009/2010 não foi suficiente para a retomada do setor, levando à venda das
empresas endividadas, que foram compradas por grandes grupos nacionais e internacionais.

Nesse mesmo período, o setor perdeu uma capacidade de moagem de 48 milhões de


toneladas de cana e chegou à capacidade de 600 milhões de toneladas na região Centro-Sul
(OUTLOOK FIESP (2013).

Durante esse processo, os grandes grupos familiares deram lugar a grandes empresas
multinacionais, tradings e fundos de investimento. Essas empresas passaram a delinear
outra forma de gestão do setor, buscando a eficiência e se voltando para uma gestão mais
profissional a fim de gerar maior rentabilidade.

É nas regiões Sudeste e Centro-Oeste que está concentrada a maior parte da produção e das
usinas de açúcar e etanol. De acordo com o estudo Outlook Fiesp, a região Sudeste deverá ter
um aumento de área de 11% até 2023 em relação a 2013 (o que representa 616 mil hectares),
resultado próximo ao estimado para o Centro-Oeste.

Curso Técnico em Agronegócio


Participação de cada região do Brasil na produção de cana-de-açúcar

8%
7%
Nordeste

19% Sul

66% Centro-Oeste

Sudeste

Fonte: Outlook FIESP (2013)

Informações extras

Confira números do Setor Sucroenergético:

• estrutura produtiva: 432 plantas (2010);


• fornecedores de cana: 70.000;
• postos de trabalho formais: 1,28 milhão;

O •

receita do setor: superior a R$ 50 bilhões;
divisas externas: US$ 13,8 bilhões (2010);
• porcentagem na matriz energética nacional: 18% (segunda fonte:
hidroeletricidade);
• redução de emissões de CO2: 600 milhões de toneladas desde 1975.

Fonte: UNICA (2013)

51
Perspectivas futuras

De acordo com a União da Indústria de Cana-de-Açúcar – UNICA, o setor pretende trazer tecnologias
que elevem a produtividade dos atuais 7.000 para 13.000 L/ha até o final da década de 2010.

Isso representará um aumento de produtividade acima de 5% ao ano.

Os principais vetores do crescimento serão:


• melhoramento genético clássico e a biotecnologia;

• o manejo agrícola;

• o etanol celulósico.

A demanda mundial por energia vem aumentando, e o Brasil está retomando os investimentos
em tecnologia e na construção de novas fábricas. No entanto, países como China e Índia, que
representam um quarto da população mundial, também estão investindo em novas unidades
de produção de etanol, o que pode representar forte concorrência para o país.

Introdução ao Agronegócio
52

Lembrando que, com toda a importância em se desenvolverem formas sustentáveis de


produção, buscar fontes energéticas que causem menos impacto ao meio ambiente é crucial.
Sendo assim, é necessária a conscientização de todos os cidadãos para o consumo consciente.

Em paralelo a isso, também devem ser estimuladas as pesquisas sobre fontes renováveis
de energia, sendo feitas de maneira global por meio da troca de experiências entre os
pesquisadores de diversos países. Por outro lado, órgãos governamentais internacionais
divulgam que o biocombustível poderá afetar a capacidade de produção de alimentos no
mundo. Ou seja, o debate sobre o futuro do biocombustível é bastante complexo.

Hoje, temos o Brasil em situação privilegiada, pois o país necessita de apenas 2% de suas
terras cultiváveis para mover toda a frota nacional de veículos leves exclusivamente a etanol.

De acordo com Goldemberg (2007), desde 1960 a área colhida com cana-de-açúcar apresentou
uma taxa de crescimento de 3% ao ano, sem prejudicar o avanço de outras culturas. A maioria
das destilarias concentra-se no Estado de São Paulo, havendo uma expansão em Minas Gerais,
Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

O Brasil utiliza 62 milhões de hectares, dos quais 19,7% com milho e 8,9% com cana-de-açúcar.
A título de comparação, os Estados Unidos empregam 99 milhões de hectares, sendo que o
milho representa 30% dessa área.

Comentário do autor

O bioetanol produzido no mundo representa 4% do consumo de gasolina, e a

d gasolina representa um quarto do consumo de petróleo. Nessa matemática,


seriam necessários 123 milhões de hectares para substituir 10% da gasolina
produzida no mundo.

Em relação ao açúcar, o Brasil é o principal exportador mundial de cana-de-açúcar, com cerca de


50% do volume total. Atrás dele vem a Tailândia, que representa 14% das exportações mundiais.

Curso Técnico em Agronegócio


Confira a projeção de produção, consumo e exportação de açúcar e de crescimento da
produção no período de 2012/2013 a 2022/2023 – mais uma cadeia com futuro promissor na
agricultura brasileira de exportação.

Brasil: projeção da produção, consumo e exportação de açúcar

50.000
45.000
40.000
35.000 Produção
Mil ton.

30.000 Exportação
25.000 Consumo
20.000
15.000
10.000
5.000
0
3

3
/1

/1

/1

/1

/1

/1

/1

/2

/2

/2

/2
12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22
20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

Fonte: MAPA (2013) 20

4: Algodão
O algodão é considerado uma das mais importantes culturas de fibras no mundo! Estima-se
que, todos os anos, cerca de 35 milhões de hectares de algodão sejam plantados no globo
terrestre. Além disso, desde a década de 1950, está ocorrendo um aumento da demanda
mundial a um crescimento anual médio de 2%.

O comércio mundial do algodão movimenta anualmente US$ 12 bilhões, e a cadeia produtiva 53


envolve mais de 350 milhões de pessoas em sua produção: desde as fazendas até a logística,
o descaroçamento, o processamento e a embalagem (ABRAPA, 2014).

Introdução ao Agronegócio
Atualmente, o algodão é produzido por mais de 60 países nos cinco continentes, sendo que
apenas cinco países (China, Índia, Estados Unidos, Paquistão e Brasil) aparecem como os
54 principais produtores da fibra. Mais uma vez, o Brasil entre os primeiros produtores, o que só
comprova a vocação agrícola do país.

Segundo a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão – Abrapa, nas últimas três safras,
a produção do Brasil foi de um volume médio próximo de 1,7 milhão de toneladas de pluma.

Produção mundial de algodão

8.000
7.000
6.000
2011/12
5.000
4.000 2012/13
3.000
2.000 2013/14

1.000
0
a

ão

il

ão

s
ro
as
in

di

EU

st

st
Ch

Ín

ut
Br
i

ui
qu

O
sq
Pa

be
U

Fonte: ICAC (2014)

A pluma do algodão destaca-se como a mais importante matéria-prima utilizada em toda a


cadeia têxtil do Brasil, sendo um dos principais setores da economia brasileira.

Cadeia têxtil brasileira

Insumos
(sementes, defensivos, máquinas etc)

Produtores de algodão
(algodão em caroço)

Algodoeira
(fardo de algodão em pluma)

Fiação
(tecido bruto)

Estamparia e Acabamento
(tecido estampado)

Indústria de confecção

Comércio atacadista

Comércio varejista

Consumidores finais

Fonte: Buainain e Batalha (2007)

Curso Técnico em Agronegócio


O Brasil é o quinto maior produtor têxtil do mundo e o quarto maior do segmento de vestuário.
Vejamos alguns números importantes acerca da produção nacional:
• 33 mil produtores formalizados em atividade e com porte industrial, das quais 28 mil
correspondem à cadeia do vestuário.

• O número de trabalhadores chegou a 1,6 milhão de pessoas em 2012, sendo 1,2 milhão de
empregos somente em vestuário (IEMI, 2013).

Comentário do autor

Confira números que comprovam a importância do uso do algodão na cadeia


têxtil nacional.

No ano de 2010, a indústria de fiação consumiu aproximadamente 1,494 milhão


de toneladas de matéria-prima (naturais, artificiais e sintéticas) para a fabricação
de fios. Nesse contexto, o uso de fibras naturais (algodão, juta, linho, rami,
sisal, seda e lã) totalizou 1,258 milhão de toneladas. Na fabricação de fios, a
partir das fibras artificiais e das sintéticas (viscose, poliamida, acrílico poliéster e
d polipropileno), foram utilizadas 236 mil toneladas.

A participação do consumo da fibra de algodão no contexto geral da produção


de fios foi da ordem de 80%. No segmento de tecelagem, 58% do fio utilizado
na fabricação de tecidos são de algodão, 39% de fios artificiais e sintéticos, e
3% de fios oriundos de outras fibras naturais. Por outro lado, no segmento de
fabricação de malharia, 51,2% do fios utilizados são de algodão, 48,7% de fibras
artificiais e sintéticas, e 0,01% de outras fibras naturais.

Fonte: Conab (2013)

A cultura do algodão utiliza tecnologia moderna e recebe grandes investimentos em insumos,


máquinas por hectare, superando até mesmo os investimentos realizados nas culturas de 55
soja e milho.

Participação de cada região na produção de algodão

3%

30%
Nordeste

Centro-Oeste
67% 0%
Sudeste

Fonte: Outlook FIESP (2013)

Introdução ao Agronegócio
A produção do algodão ocorre principalmente nas regiões Centro-Oeste e Nordeste (representa
95% da produção nacional), sendo que os estados do Mato Grosso e da Bahia produziram
56 cerca de 65% e 30% da safra 2012/2013, respectivamente.

Principais estados produtores de algodão

100 - 20.000
20.001 - 60.000
60.001 - 138.000
138.001 - 314.000
314.001 - 526.310
Outros municípios

Fonte: ABRAPA (2014)

E, para encerrar a apresentação da cadeia de algodão, uma informação de extrema relevância:


você sabia que a produção brasileira de algodão em pluma dos últimos anos tem sido
suficiente para abastecer as necessidades de consumo da indústria têxtil nacional e ainda
gerar excedentes que são comercializados no mercado de exportação?

5: Arroz
O arroz é o terceiro cereal mais consumido no mundo, ficando atrás apenas do milho e do
trigo. A produção mundial de arroz concentra-se na Ásia e representa 68% dos 465 milhões
de toneladas produzidos atualmente no mundo. Os principais países produtores são: China,
Índia, Indonésia e Bangladesh.

Curso Técnico em Agronegócio


Principais produtores de arroz (em milhões de toneladas - 2013)

160
140
120
100
80
60
40
20
0
China

Índia

Indonésia

Bangladesh

Vietnã

Thailandia

Philipinas
Fonte: MAPA (2013)

Dessa vez, o Brasil não figura no topo da lista. A produção nacional de arroz é tradicionalmente
concentrada na região Sul, nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, o que
representa 78% da produção nacional. Na safra 2012/2013, a produção brasileira foi de 11,7
milhão de toneladas.

Participação de cada região do Brasil na produção de arroz

1%

6% 9%
6% Norte 57
Nordeste

Sul

78% Centro-Oeste

Sudeste

Fonte: Outlook FIESP (2013)

As projeções de produção e consumo para 2015/2016 feitas pelo MAPA mostram uma situação
tênue entre essas duas variáveis, indicando necessidade de importação para os próximos
anos. Para o período de 2015/2016, estima-se o seguinte cenário:
• produção em 12,9 milhões toneladas;

• consumo em 42 milhões de toneladas;

• importações em 936 mil toneladas.

Introdução ao Agronegócio
A partir da projeção do MAPA para o período de 2012/2013 a 2020/2022, pode-se observar a
previsão de aumento da produção na área plantada. Por outro lado, vê-se também a redução
58 dessa mesma área. O que pode ser preocupante.

Para evitar esse quadro, deve-se focar em investimentos em tecnologia que levem a um
aumento de produtividade, de modo que esse acréscimo de produção ocorra especialmente
por meio do crescimento do arroz irrigado.

Projeção arroz
Projeção
(em arroz (em
milhares de milhares
toneladas) de toneladas)

14.000
12.000
10.000
8.000
Produção
6.000
4.000 Consumo
2.000 Importação
0
3

1
/1

/1

/1

/1

/1

/1

/1

/2

/2
12

13

14

15

16

17

18

19

20
20

20

20

20

20

20

20

20

20
Fonte: MAPA (2013)

De acordo com o MAPA, estima-se uma produtividade de 5,5 toneladas por hectare, cerca de
600 quilos a mais do que a atual produtividade de 4,9 toneladas por hectare. Hoje, a maior
parte da produção de arroz do Brasil se concentra no Rio Grande do Sul, com produtividade
de 7,5 toneladas por hectare.

Cultivo do arroz

Existem duas formas de cultivo no país:


• na região Sul, o cultivo do arroz ocorre em várzeas inundáveis;

• nas outras regiões, como Norte, Nordeste e Centro-Oeste, a produção do arroz de sequeiro
é pequena e ocorre em áreas de formação de pastagens.

O Brasil é o terceiro país exportador e o primeiro em produtividade em sequeiro. A cultura


do arroz de sequeiro é caracterizada por não exigir muitos insumos e por ser tolerante a
solos ácidos. Essa cultura é considerada importante por ser uma cultura pioneira durante o
processo de ocupação agrícola dos cerrados, que teve início na década de 1960.

Esse processo de abertura de área alcançou o seu ponto máximo no período entre 1975 e
1985, no qual a cultura chegou a ocupar uma área superior a 4,5 milhões de hectares. Nessa
época, o sistema de exploração era caracterizado pelo baixo custo de produção, em que os
agricultores não adotavam as práticas recomendadas, como os plantios tardios.

Curso Técnico em Agronegócio


Em meados da década de 1980, começou a ocorrer a progressiva redução das áreas de abertura,
e a área cultivada com arroz sob o sistema de cultivo de sequeiro foi sendo gradativamente
reduzida ao mesmo tempo em que a fronteira agrícola se deslocou no sentido sudeste-
noroeste (EMBRAPA, 2003).

De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa (2003), a pesquisa


com a cultura do arroz de terras altas prioriza ações com o objetivo de consolidar a presença
da cultura em sistemas de produção de grãos nas regiões favorecidas dos cerrados. Além de
também procurar adaptá-la ao sistema de plantio direto, faz parte da pesquisa desenvolver e 59
incentivar o consórcio de arroz com pastagem no sistema Barreirão (renovação de pastagem
degradada) e no sistema Santa Fé (integração lavoura-pecuária), assim como o sistema sob
irrigação suplementar e o de abertura de novas áreas.

Agregação de valor no arroz

É fato que na última década houve o aumento da massa salarial e do poder aquisitivo da
população brasileira e a ascensão da classe C (também chamada “nova classe média”). Essa
classe tem como padrão de consumo ser exigente em relação aos produtos que consome e,
ao mesmo tempo, tem consciência de que não pode errar na compra por não possuir uma
segunda oportunidade de aquisição.

Essa mudança nos padrões de consumo está levando à sua diminuição per capita de cereais
básicos e ao aumento da demanda por produtos com valor agregado, como massas, pães e
arroz para uso gourmet, como o arbóreo, o basmati, o com certificação de origem etc.

Introdução ao Agronegócio
Comentário do autor

60 No Brasil, podemos citar como exemplo de geração de valor o arroz do litoral


norte gaúcho. Esse arroz obteve o selo emitido pelo Instituto Nacional de
Propriedade Industrial – INPI atestando que o produto da região é diferente dos
demais produzidos no Brasil. O local em que é produzido – a área de cultivo,
localizada em uma faixa de terra entre a Lagoa dos Patos e o Oceano Atlântico –
influencia a qualidade do arroz, que apresenta um rendimento superior.

d Esse é o primeiro registro de Denominação de Origem de um produto brasileiro


e o oitavo de Indicação Geográfica do país. O INPI confirmou que o cereal tem
características distintas e autorizou a utilização do selo por todos os produtores
da região que conseguirem alcançar os requisitos mínimos exigidos (são 1.400
produtores de arroz em uma área que equivale a 130 mil hectares).

A expectativa da Aproarroz é que o produto tenha valorização de 20% em relação


ao preço atual (APROARROZ, 2012).

Consumo de arroz no mundo

o preço do arroz vem aumentando desde 2008, levando a população


África do Sul a adquirir alternativas mais baratas: variedade de arroz pronto para o
consumo, arroz com tempero, com legumes e as versões integrais.

o arroz é um produto popular no país, fazendo parte da alimentação diária


Bélgica dos belgas. Com a crise econômica, o consumidor passou a fazer mais
refeições em casa.

os principais destinos do arroz beneficiado brasileiro, em 2009, foram os países


África africanos. Segundo o Instituto Rio-grandense do Arroz – IRGA, o consumo de
arroz per capita na África chega a ser quatro vezes maior que o brasileiro.

a maior demanda por variedades especiais de arroz na Espanha, principalmente


dos tipos longo e integral, deve-se ao crescente número de imigrantes. Em 2009,
Espanha
56% das vendas de arroz foram de arroz comum, seguido pelas variedades de
arroz longo, que participaram com 22% das vendas.

é o maior produtor europeu de arroz e o seu consumo manteve-se estável,


pois não houve alterações significativas de preços. Existe uma tendência
Itália
de aumento de demanda por produtos mais saudáveis e convenientes -
embalagens menores e mais fáceis de preparar.

como efeito da crise financeira, as vendas de alimentos secos, como massa


e arroz, vêm apresentando maior demanda em função do baixo custo.
Portugal
O produto é básico na dieta portuguesa. O arroz basmati e o vaporizado
apresentam potencial de crescimento no país e na Europa.

Curso Técnico em Agronegócio


Atividade prática

p Acesse o AVA para ler um texto sobre estocagem de arroz no mundo e responda
às questões propostas.

6: Milho
O milho é o principal cereal produzido no mundo. Ele é consumido em diversos países de
forma in natura ou em produtos industrializados, como rações, xaropes, farinhas etc. O Brasil
possui um mercado regido pela oferta e pela demanda doméstica, desse modo não possui
posição de competitividade no âmbito mundial, seja por meio do próprio grão ou por seus
derivados (ração e produtos destinados à indústria de alimentos).

Aproximadamente 75% da demanda de milho no Brasil tem como destino a alimentação


animal, e, nesse caso, as cadeias produtivas de aves e suínos têm uma posição de alta
competitividade no mercado mundial.

Demanda de milho no Brasil

32%

60%

3%
5%
61
Suinocultura

Pecuária

Indústria de Sementes

Avicultura

Fonte: Outlook FIESP (2013)

A cadeia produtiva do milho tem como elos os fornecedores de insumos, máquinas e


equipamentos, passando pela produção primária, pela comercialização e pelo armazenamento
do cereal. Também são apresentados os elos que trazem o primeiro e o segundo processamento,
e, para finalizar, é mostrado o elo da distribuição, do varejo. Veja no detalhe.

Introdução ao Agronegócio
Cadeia produtiva do milho

62
Fornecedores Produção Comercialização e 1º 2º Distribuição e
de Insumos, Primária Armazenamento Processamento Processamento Varejo
Máquinas e Nacional e
Equipamentos Internacional

Rações
(Petfood) Supermercado
Máquinas e
Equipamentos Cooperativas

Aves, Suínos
Rações e e Bovinos
Farelo
Pequeno
Varejo
Moagem via Indústria de
Armazenagem cervejas,
úmida: amido,
Sementes Produção de refrigerantes e
óleo,
Milho outros.
amilopectina,
highmaltose.

Mercado
Snacks, sopas, Institucional
Moagem via cereais,
Governo seca: fubá, misturas para
Indústria de farinha, bolo, matinais
Defensivos e cuscuz, canjica, e outros.
Fertilizantes outros
produtos.

Fonte: Sousa et. al. (1995)

Curso Técnico em Agronegócio


A safra mundial 2012/21013 dessa commodity foi de 860 milhões de toneladas, mas, no décimo
levantamento da safra mundial 2013/2014 feito pelo USDA, a produção mundial foi estimada
em 966,6 milhões de toneladas.

Produção mundial de milho (milhões de toneladas)

1000
900
800
700
600
500 2012/13
400
2013/14
300
200
100
0
A

na

ia
l

do
EU

ai
as
i

pe
Ch

un
em
Br

ro

M
D
Eu
ão
ni
U

Fonte: USDA (2014)

Observa-se que houve uma diminuição da produção brasileira. Mas por quê?

Observa-se que houve uma diminuição da produção brasileira. Mas por quê? Devido à redução da
área plantada de milho e ao aumento da área de produção de soja.

Os principais países produtores e consumidores de milho no mundo são os Estados Unidos e a


China. 63
• Nos Estados Unidos, incentivos financeiros e políticas do governo estimulam a produção
de biocombustível feito de milho, causando o aumento do consumo desse cereal no país
(CARVALHO, 2007).

• Na China, o aumento de consumo está relacionado ao crescimento da renda dos chineses,


levando à elevação das importações de milho e também de carnes, setor que tem como
insumo o milho (CARVALHO, 2007).

Na safra 2013/2014, as exportações mundiais do milho foram estimadas pelo USDA em 114,4
milhões de toneladas e elas terão um aumento maior ainda se comparadas com o volume
exportado no ano anterior (94,5 milhões de toneladas).

Introdução ao Agronegócio
Exportações mundiais de milho

64 120
100
80
60
40
20
0
A

il

a
a

do
as
EU

ro
in
i
ân
Br

un
nt

ut
cr

ge

M
O
U

Ar
2012/13

2013/14

Fonte: USDA (2014)

A produção nacional está concentrada em duas regiões principais: Centro-Oeste (43%) e


Sul (33%). A região Sudeste é responsável por 16% da produção total. Veja o panorama da
participação de cada região na produção de milho no Brasil.

Participação de cada região do Brasil na produção de milho

2% 6%

3%
Norte

Nordeste
33%
Sul
43%
Centro-Oeste

Sudeste

Fonte: Outlook FIESP (2013)

7: Carnes
Sabe-se que a carne é um dos produtos agrícolas mais amplamente consumidos ao redor do
mundo. Para se ter ideia, de 2001 a 2013, a produção pecuária mundial foi de, em média, 58
milhões de toneladas/ano.

Curso Técnico em Agronegócio


Produção mundial de carne bovina

59

58

57

Milhões de toneladas 56

55

54

53

52

51

50

49
1

3
/0

/0

/0

/0

/0

/0

/0

/0

/0

/1

/1

/1

/1
00

01

02

03

04

05

06

07

08

09

10

11

12
20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20
Fonte: USDA (2013)

De acordo com o USDA, em 2013, o Brasil era o segundo maior produtor mundial de carne
bovina, com 9,38 milhões de toneladas (os Estados Unidos ficaram em primeiro lugar, com
11,27 milhões de toneladas).

Os principais países produtores são Estados Unidos, China, Brasil, Índia e a União Europeia.

Produção mundial de carne bovina

60
Milhões de toneladas

50
40
65
30
20
10
0
A

il

a
ia

ia

do
as
EU

in
pe

d
Br

un
Ch

Ín
ro

M
Eu
ão
ni
U

Fonte: USDA (2013)

Segundo especialistas do setor, o Brasil é o país que possui a maior capacidade de aumentar
a produção de carne bovina pelos seguintes motivos:
• sistema de criação quase 100% no pasto;

• menor dependência de grãos;

Introdução ao Agronegócio
• altas taxas de produtividade;

• custo de produção mais baixo do que em outros países.


66
Fonte: OUTLOOK FIESP/DEAGRO (2013).

Em 2012, a produção brasileira foi de 9,3 milhões de cabeças de gado. A região que apresentou
o maior percentual foi a Centro-Oeste, com 38,5% do abate nacional. A região Sul participou
com 12%, a Sudeste com 20%, a Norte com 19% e a Nordeste com 10% (IBGE, 2012).

Produção de carne bovina: participação por região do Brasil

20% 19% Norte

Nordeste
10%
Sul

39% 12% Centro-Oeste

Sudeste

Fonte: FIESP/DEAGRO (2013)

Ainda sobre a pecuária brasileira, seguem alguns números importantes a se considerar:


• 1,8 milhão de propriedades rurais;

• 7 milhões de empregos;

• 37,3 quilos de consumo por brasileiro/ano;

• 560 curtumes;

• 4.150 empresas de calçados;

• 100 indústrias de armazenagem;

• 700 indústrias de carnes e derivados;

• 55.000 estabelecimentos de varejo.

Fonte: EMBRAPA (2014)

Mas como está estruturada toda a cadeia produtiva da carne bovina?


Confira no quadro a seguir.

Curso Técnico em Agronegócio


Cadeia produtiva da carne

Insumos para a produção


(genética, suplementos minerais, fertilizantes, brincos para
rastreabilidade, sementes forrageiras etc)

Pecuaristas
produção de animais para abate

Indústria de frigorífica
(carnes in natura, couros, miúdos e glândulas, outros
subprodutos da carne)

Distribuição
distribuirdor, atacado, varejo, indústria de alimentos e food
service, grandes redes varejistas, lojas próprias de frigoríficos

Consumidores finais

Fonte: ABIEC (2011)

Perspectivas da cadeia pecuária nacional


• A tendência mundial de crescimento da população urbana nos países emergentes e o
aumento da renda familiar tendem a levar ao aumento contínuo do consumo de carne
bovina e da demanda mundial pelo produto.

• Segundo a FAO, até 2050 a população mundial crescerá de 7 bilhões para 9 bilhões de habi-
tantes, e a oferta de carnes precisará aumentar de 200 milhões para 470 milhões de toneladas
em 2050.
67
• O aumento populacional e a evolução econômica dos países em desenvolvimento levaram à
elevação do consumo per capita de carnes: 9,02 kg/hab/ano em 2000 para 9,21 kg/hab/ano
em 2010 (USDA).

• O Brasil está estrategicamente posicionado para suprir essa demanda adicional, pois
possui o maior rebanho de gado comercial do mundo, sendo também o maior exportador
de carne bovina no globo (ABIEC, 2011).

Carne suína

A carne suína é a fonte de proteína animal mais importante no mundo. Em 2013, a produção
mundial foi de 107.514 milhões de toneladas e a produção vem crescendo com o passar dos anos
(em 2005, foram produzidos 94.328 milhões de toneladas). Conheça, agora, a produção mundial
de carne suína no período de 2005 a 2013.

Introdução ao Agronegócio
Produção mundial de carne suína

68 108.000
106.000
104.000
102.000
100.000
Mil toneladas

98.000
96.000
94.000
92.000
90.000
88.000
86.000
2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013

Fonte: USDA/ABIPECS (2014)

Existe uma forte concentração na produção mundial, pois a China responde por cerca da metade
da produção e o restante está dividido entre União Europeia , Estados Unidos e Brasil.

Somos o quarto maior produtor e exportador, com o montante de 3.370 milhões de toneladas em
2013. Veja como foi a produção mundial de carne suína por países no ano de 2013.

Curso Técnico em Agronegócio


Produção mundial de carne suína-2013

60.000
50.000
1.000 ton.
40.000
30.000
20.000
10.000
0

ia

am

as

s
a

l
A
27

Su
si

ro

ic
in

EU

ss

in
a

na

éx
a-

tn

ut
Ch

do
Br

Ja
lip
ei

Ca

M
e

O
Vi

Fi
op

ia

ur

Co
.E
U

Fonte: USDA/ABIPECS (2014)

Também em 2013, o mercado internacional de carne suína movimentou 6.810 milhões de


toneladas, concentrando-se em cinco importadores, com aproximadamente dois terços das
importações mundiais – Japão, Rússia, México, Coreia do Sul e China (USDA, 2014).

No mercado de carne suína, o Brasil ainda tem pouca participação mundial em comparação às
carnes bovina e de frango. O principal motivo são as barreiras sanitárias impostas por alguns
importadores, como Japão, México, Coreia do Sul, Estados Unidos e Canadá.

Veja, agora, como foi a produção brasileira de carne suína no período de 2005 a 2013.

Produção brasileira de carne suína

4.000

3.500
69
3.000
Mil toneladas

2.500

2.000

1.500

1.000

500

0
05

06

07

12

13
0

1
20

20

20

20

20

20

20

20

20

Fonte USDA/ABIPECS (2014)

Mercado interno

A suinocultura está concentrada na região Sul do Brasil e gera 186.606 empregos diretos e
405.272 empregos indiretos. Ou seja, mais de meio milhão de pessoas envolvidas na produção.
Nos empregos diretos, a suinocultura industrial possui 49.932 trabalhadores, a suinocultura
de subsistência, 50.010, e a agroindústria, 86.663 empregados (ABIPECS, 2012).

Introdução ao Agronegócio
Apresenta-se, a seguir, a participação de cada região do Brasil na produção de carne suína.

70
Carne suína: participação por região do Brasil

1%

18%

Nordeste
16% Sul
65%
Centro-Oeste

Sudeste

Fonte: FIESP/DEAGRO (2013)

Nos últimos dez anos, vem ocorrendo um crescimento do consumo de carne suína no Brasil. Em
2005, o consumo era de 1.949 milhões de toneladas e, em 2013, passou a ser 2.771 milhões de
toneladas. E por que esse aumento?

De acordo com a ABIPECS, o consumo doméstico vem crescendo devido ao aumento populacional
e do poder aquisitivo, às ações de promoção da carne suína realizada para os consumidores e
para as redes de varejo, à busca de padrões de qualidade na produção e na industrialização, ao
desenvolvimento de cortes especiais e aos investimentos em linhas de corte e em logística de frio.

O consumo per capita de carne suína atualmente no Brasil é de 13,4 kg/ano (valor ainda baixo
em relação a outros países, como Hong Kong, que tem um consumo de 66,50 kg/ano por
pessoa). Estimativas do setor esperam que nos próximos anos o consumo brasileiro passe
para 16,2 kg/ano.

Veja como se comportou o consumo mundial per capita de carne suína em 2011.

70,00 Consumo mundial per capita de carne suína


60,00

50,00
Kg per capita

40,00

30,00

20,00

10,00

0
g

au

ro

na

l
an

ia

Su
ru
n

íç
-2

rv
g
Ko

ac

iw

Su
Ch
la

ne

do

a
M

Ta
Be

ei
g

te

ia
on

op

on

re
H

Co
Eu
ão
ni
U

Fonte: USDA; ABIPECS (2012)

Curso Técnico em Agronegócio


Carne de frango

No Brasil, a avicultura é responsável pelo emprego, direto e indireto, de mais de 3,6 milhões de
pessoas e responde por quase 1,5% do Produto Interno Bruto – PIB nacional. Uma participação
impressionante!

O setor é representado por dezenas de milhares de produtores integrados, centenas de empresas


beneficiadoras e dezenas de empresas exportadoras. A importância social da avicultura no Brasil
se verifica, também, pela concentração no interior do país, principalmente nos estados do Sul e do
Sudeste, sendo que, em muitas cidades, a produção de frangos é a principal atividade econômica
(ABEF, 2013).

Participação regional na produção de frango (2013)

1% 3%

Norte
22%
Nordeste

Sul
14%
60%
Centro-Oeste

Sudeste

Fonte: Outlook Fiesp (2013)

Em 2012, a produção de carne de frango foi de 12,645 milhões de toneladas. Aqui, constata-
se uma redução de 3,17% em relação a 2011, ano no qual foram produzidos 13,050 milhões
de toneladas. Os Estados Unidos estão na liderança da produção mundial de carne de frango,
seguidos pela China e pelo Brasil, que aparece em terceiro lugar. 71

Produção mundial de carne de frango

30.000

25.000

20.000

15.000

10.000

5.000

0
pe o
a

a
A

il

s
in

ro niã

di

ro
as
EU

ia
Ch

Ín

ut
Br

Eu U

Fonte: ABEF (2013)

Introdução ao Agronegócio
Sobre a produção brasileira, 69% foram destinados ao consumo interno e 31%, às exportações.
Nas exportações por produto, observa-se que os produtos mais exportados são os cortes.
72

Exportações por produtos

37% Cortes
Industrializados
54%
Salgado
Inteiros

4%
5%

Fonte: ABEF (2014)

Houve um aumento do consumo per capita entre 2002 e 2012, tendo passado de 34 quilos em
2002 para 45 quilos em 2012, aumentando a demanda em 3,3 milhões de toneladas.

Desde 2004, o Brasil é o maior exportador mundial, seguido pelos Estados Unidos e pela China.
Em 2012, as exportações brasileiras de carne de frango foram de 3,7 bilhões de toneladas, o
que representa um montante de US$ 7,2 bilhões.

E quais são os porquês desse crescimento?


• oferta crescente de grãos, elevando a qualidade do produto e reduzindo as barreiras
sanitárias;

• o baixo custo de produção em relação aos países concorrentes;

• o modo de produção cooperativista que ocorre no Sul do país;

• o sucesso do modo de produção integrada.

Projeções futuras

O cenário é promissor: as projeções de carnes para o Brasil feitas pelo MAPA mostram que
esse setor deve apresentar intenso crescimento nos próximos anos. Entre as carnes, são
estimadas maiores taxas de crescimento da produção no período de 2013 a 2023. A carne
de frango deve ter um crescimento anual de 3,9%, e a carne bovina, de 2% ao ano. Para a
produção de carne suína, o MAPA projetou um crescimento 1,9% ao ano, que representa um
valor relativamente alto, já que conseguirá atender ao consumo doméstico e às exportações
(MAPA, 2013).

Curso Técnico em Agronegócio


Brasil: projeção da produção de carnes

25.000

Mil toneladas
20.000

15.000

10.000

5.000

0
2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023

Frango

Bovina

Suína

Fonte: MAPA (2013)

As projeções do consumo realizadas pelo MAPA mostram a preferência dos consumidores


brasileiros pela carne bovina, talvez por raízes culturais.

De acordo com o MAPA, estima-se um crescimento do consumo de carne de frango e de suíno


para o período 2022/2023.

Brasil: projeção do consumo de carnes

14.000

12.000 73
Mil toneladas

10.000

8.000

6.000

4.000

2.000

0
2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023

Bovina

Suína

Frango

Fonte: MAPA (2013)

Introdução ao Agronegócio
Em relação às exportações, as projeções do MAPA indicam elevadas taxas de crescimento para
os três tipos de carnes analisados, sendo esperado um cenário favorável para os próximos anos.
74

Brasil: projeção da exportação de carnes

5.000
4.500
4.000
3.500
Mil toneladas

3.000
2.500
2.000
1.500
1.000
500
0
2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023

Bovina

Suína

Frango

Fonte: MAPA (2013)

O Brasil tem exportado carnes para diversos países. Acompanhe os números coletados sobre
o ano de 2012:
• a carne bovina foi destinada a 142 mercados, sendo a Rússia o principal deles;

• a carne de frango foi destinada a 152 países, tendo a Arábia Saudita como principal
comprador;

• a carne suína teve 75 países de destino, voltando a ter a Rússia como o principal importador.

A Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne – ABIEC fez uma análise sobre
o mercado da carne brasileira no mundo. O quadro a seguir mostra as oportunidades de
mercado, os problemas enfrentados atualmente pelo setor e a imagem que a associação quer
passar em relação à carne, mais relacionada à confiabilidade, à variedade e à saudabilidade.

Curso Técnico em Agronegócio


Mercado da carne
O mercado da brasileira
carne
Para onde o Brasil vende e para onde quer vender.
Ações da ABIEC devem se concentrar nos países que compram pouca ou nenhuma carne do Brasil.

Vende muito
Vende pouco
Não vende

PROBLEMAS DA CARNE HOJE:


A IMAGEM QUE A ABIEC QUER DA CARNE:
• Desconfiança do mercado quanto a
sanidade e rastreabilidade • Confiabilidade
• Imagem associada ao desmatamento • Variedade
da Amazônia • Sabor saudável (boi a pasto + baixo teor
• Baixa padronização de gordura)
• Descumprimento de prazos • Abundância
• Consumidor não conhece

Fonte: ABIEC Fonte: Adaptado de ABIEC (2011)

Qual é o cenário do consumo de carne ao redor do mundo?


75
a carne está presente em todas as refeições da Alemanha, inclusive no
café da manhã e no lanche (consumida em sanduíches). O hambúrguer
é a variedade de carne vermelha mais importante, e também carnes
de aves (cortes de aves empanados e nuggets), salsichas de porco ou
Alemanha presunto prontos para fritar são comuns, mas tiveram retração de
consumo nos últimos anos. Há tendência de aumento de procura por
carne de aves. O país tem tradição no consumo de embutidos cozidos,
fritos ou defumados e, apesar de produzir este produto, também tem
receptividade aos produtos importados.

Introdução ao Agronegócio
o país enfrenta problemas com a venda de carnes no mercado
76 Angola
clandestino, sem nenhuma fiscalização sanitária. A venda da carne
só é permitida em açougues credenciados pelo governo e, em
supermercados, ainda não é disseminada.

as carnes resfriadas são o único tipo de alimento resfriado, e o


consumo de carne vermelha faz parte da dieta diária da população.
A mortadela é o tipo de carne processada oferecida no país e tem
Arábia Saudita
vários sabores e temperos. Empresas nacionais lideram as vendas no
mercado doméstico de carnes, pois há poucas empresas estrangeiras
que abatem os animais dentro das práticas islâmicas.

diversas empresas chinesas têm se esforçado para posicionar os seus


produtos como sendo saudáveis. São consumidos os tradicionais
derivados de carne para enlatados e conservas, salsichas em estilo
ocidental e também novos produtos, como salsicha de abóbora. Entre
China as carnes vermelhas estão as de carneiro, os bifes e as almôndegas.
O tipo de carne mais consumido na China é a de aves, que também
responde pela maior parte das carnes orgânicas comercializadas. A
carne de porco também é bastante consumida, mas teve retração das
vendas em 2008 devido à alta de preço.

devido à crise, os americanos têm preferido comer em casa ao invés


de jantar fora e optam por alimentos em conserva ou enlatados por
serem fontes de proteínas mais baratas. Entre as carnes resfriadas,
as mais vendidas são as salsichas. Produtos de carne vermelha mais
EUA
consumidos: hambúrgueres, steaks e almôndegas. Há um aumento da
demanda por carnes mais magras, como as de frango, peru ou opções
mais magras de carne bovina. Há tendência de crescimento da linha de
produtos saudáveis e orgânicos.

Fonte: Apex-Brasil (2013)

8: Fruticultura

Panorama mundial

A produção mundial de frutas se caracteriza pela diversidade de espécies cultivadas, sendo


representada em grande parte por frutas de clima temperado, produzidas e consumidas,
principalmente, no Hemisfério Norte.

As frutas tropicais e subtropicais possuem elevado potencial de consumo, no entanto, apenas


a banana tem presença significativa no comércio internacional.

Curso Técnico em Agronegócio


A produção mundial de frutas tem apresentado crescimento contínuo. Os três maiores
produtores são: China, Índia e Brasil, que, juntos, respondem por 43,6% do total mundial e
têm suas produções destinadas principalmente aos seus mercados internos.

Produção mundial de frutas

900
800
700
77
Milhões toneladas

600
500
400
300
200
100
0
1991/1992 1996/1997 2000/2001 2007/2008 2009/2010 2010/2011

Fonte: USDA (2012)

Em 2011, a produção mundial foi de 822 milhões de toneladas, e as principais frutas produzidas
foram bananas, melancias, maçãs e uvas.

Introdução ao Agronegócio
Percentual de produção das principais frutas produzidas no mundo

78 Bananas
4%
5% Melancias
7% 19% Uvas
Maçãs
10%
Laranjas
18%
12% Côcos
Mangas e goiabas
12% 13%
Melões
Abacaxis

Fonte: IBRAF (2013)

Panorama Brasileiro

Em 2012, a cadeia produtiva das frutas do Brasil destacou-se como um dos mais importantes
segmentos econômicos do agronegócio brasileiro, sendo que o país é o terceiro maior produtor
de frutas frescas do mundo, com uma produção estimada em 43,6 milhões de toneladas.

Produção Brasileira de Frutas

45
40
35
Milhões de toneladas

30
25
20
15
10
5
0
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12
00/ 01/ 02/ 03/ 04/ 05/ 06/ 07/ 08/ 09/ 10/ 11/
20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20

Fonte: IBGE (2013)

A área cultivada para as frutas em todos os estados brasileiros passou dos 2,2 milhões de hectares
(em pequenas e médias propriedades), com o setor empregando cerca de cinco milhões de
pessoas, o que representa 27% da mão de obra agrícola do agronegócio (IBRAF, 2013).

Curso Técnico em Agronegócio


Percentual de produção das principais frutas produzidas no Brasil

Laranjas
32% Bananas
40% Uvas
Abacaxis
4% Maçãs
7%
3% 14% Outras

Fonte: IBRAF (2013)

Em relação à produção geral de frutas, a distribuição desse segmento é feita em cinco estados
brasileiros. O volume total dessa produção representa 71% no contexto nacional.

Percentual da produção de frutas nos estados brasileiros

4%
5%
9% São Paulo
Bahia

18% 64% Rio Grande do Sul


Pará
Minas Gerais

Fonte: IBRAF (2013)


79

Comentário do autor

Não podemos esquecer o Polo de Frutas de Petrolina-Juazeiro, onde a

d fruticultura é uma atividade com grande efeito multiplicador de renda, possuindo


força suficiente para alavancar economias locais estagnadas e com poucas
alternativas de desenvolvimento.

Em 2012, foram produzidos 43,6 milhões de toneladas de frutas no Brasil e, desse total, 47% foram
destinados ao sistema agroindustrial para o processamento de sucos e frutas desidratadas.

Os demais 53% foram direcionados para o mercado de frutas frescas.

Introdução ao Agronegócio
Distribuição da comercialização de frutas

80
Produção
Comercial das Frutas

Mercado de Mercado de
Frutas Frescas Frutas Processadas
53% 47%

Fonte: IBRAF (2013)

Informações extras

Por meio do Pronatec são oferecidos cursos gratuitos nas escolas públicas
federais, estaduais e municipais, bem como nas unidades de ensino do Senai,

O do Senac, do Senar e do Senat em instituições privadas de ensino superior e


de educação profissional técnica de nível médio. Entre os cursos oferecidos,
podemos destacar o Curso de Formação Inicial e Continuada – Eixo Tecnológico:
Recursos Naturais – Trabalhador na Fruticultura Básica.

Mercado externo

Neste segmento, foram exportadas em 2012 o total de 693 mil toneladas de frutas frescas
e, em 2011, o volume exportado foi de 681 mil toneladas. Mas como se configuram esses
números em detalhes?
• as principais frutas exportadas são melões, mangas, limões e bananas;

• os principais estados exportadores são Ceará, Rio Grande do Norte, Bahia e São Paulo;

• os principais destinos são Holanda, Reino Unido, Espanha, Estados Unidos e Uruguai.

Entre as frutas importadas pelo Brasil, destacam-se peras, maçãs, ameixas e uvas frescas.

A Balança Comercial brasileira de frutas frescas, no período de 1999 a 2012, mostra um


crescimento das exportações até o ano de 2008. Após este ano, as exportações tiveram um
recuo devido à crise econômica mundial.

Curso Técnico em Agronegócio


Balança comercial brasileira de frutas frescas

800

700

US$ milhões 600

500

400

300

200

100

0
1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012

Exportações

Importações

Fonte: IBRAF (2013), com dados da Secex.

No período mencionado (1999 a 2012), as importações apresentaram crescimento que pode


ser justificado pelo aumento do poder aquisitivo da população combinado à mudança de
hábitos alimentares. Hoje, valoriza-se muito o consumo de frutas, buscando um modo de vida
mais saudável.

Atenção

Um importante ponto de atenção: apesar de o Brasil ser o terceiro maior


produtor mundial de frutas com 41 milhões de toneladas, o consumo da
população brasileira ainda é baixo se comparado ao de países desenvolvidos (é
menor que os 400 gramas diários exigidos pela Organização Mundial de Saúde).
81
` Para mudar esse cenário, o Instituto Brasileiro de Frutas – IBRAF está
desenvolvendo um plano de marketing com o objetivo de aumentar os níveis
de consumo interno e, dessa forma, alavancar o desenvolvimento sustentável
do setor, além de promover impactos na área de saúde pública e gerar
desenvolvimento regional com a geração de empregos.

Conheça, agora, a estrutura da cadeia produtiva da fruticultura: os principais agentes e os fluxos


de comercialização, o varejo e o consumidor final (que, como bom sinal de desenvolvimento,
está cada vez mais exigente em relação ao produto que consome).

Introdução ao Agronegócio
Estrutura da cadeia produtiva de frutas brasileira

82 Fornecedores de insumos
(mudas, defensivos, máquinas etc.)

Produção e beneficiamento agrícola


(Produtores beneficiadores primários e secundários)

Comercialização
(Ceasas, intermediários e exportadores)

Varejo
(Supermercados, mercado institucional, bares e restaurantes)

Consumidor

Fonte: Buainain e Batalha (2007)

Tendências futuras

Existe uma tendência mundial relacionada aos hábitos alimentares que é a saudabilidade e
a sustentabilidade. Nessa proposta de vida, consomem-se alimentos saudáveis e produzidos
em regiões próximas à área de comercialização. Desse modo, os produtos são consumidos
frescos e o seu transporte não encarece o preço final. Esse conceito já foi tratado há um
tempo pelo professor Dr. Milton Santos, quando ele escreveu que:

À medida que a economia ia se globalizando e que os produtos adquiriam padrões


mundiais, a produção regional ganharia destaque. O que realmente conta é o lugar.
À medida que o mundo se globaliza, as pequenas empresas e os produtos regionais
tornam-se mais importantes...

Dentro desse conceito, podemos também citar a agricultura familiar, pois grande parte da
produção de frutas vem desse modo de produção, visto que são pequenas áreas de cultivo e a
mão de obra é constituída por pais, mães e filhos.

A presença do Brasil no mercado internacional de frutas frescas ainda é pequena, mas estudos
e campanhas de promoção da fruta vêm sendo desenvolvidos, entre elas se destaca o projeto
Brazilian Fruit, parceria entre o IBRAF e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações – Apex-
Brasil. O programa está sendo desenvolvido desde 1998 para promover e divulgar no exterior a
qualidade, a diversidade e a sustentabilidade da produção brasileira de frutas, e posicionar o país
como grande supridor mundial de frutas frescas e processadas.

Curso Técnico em Agronegócio


De acordo com Buainain e Batalha (2007), a fruticultura apresenta algumas características
peculiares que a diferenciam de outras cadeias produtivas e que afetam sua competitividade.
Entre elas, destacam-se:
• forte presença de agricultores familiares e elevada relação entre trabalho e capital;

• número elevado de cooperativas e associações de produtores;

• oscilações acentuadas dos preços causadas pela sazonalidade e por calendários de


produção diferenciados entre os hemisférios Norte e Sul e nas diversas regiões do país;
83
• existência de um comércio com grande número de países produtores, envolvendo muitas
empresas importadoras e exportadoras.

Essas características podem ser tratadas como problemas ou dificuldades, mas, se for feita a
devida coordenação, podem gerar sinergias e aumento de competitividade para todo o setor.

9: Feijão
O feijão é cultivado em várias regiões do mundo. Existe uma característica particular nesse setor,
pois tudo o que é produzido é consumido internamente. Isso ocorre devido aos hábitos de
consumo da população de cada país e também porque existe grande variedade de tipos de grãos.
Atualmente, a produção mundial é de 23 milhões de toneladas, e os principais países produtores
são Índia, Brasil, Mianmar e China.

Introdução ao Agronegócio
O Brasil é considerado um grande produtor e consumidor de feijão, sendo responsável por 16%
da produção mundial. Na safra 2012/2013, foram produzidos 2,8 milhões de toneladas (OUTLOOK
84 FIESP, 2013). O consumo médio anual tem sido de 3,5 milhões de toneladas, exigindo pequenas
quantidades de importação (CONAB, 2013).

As projeções realizadas pelo MAPA mostram que a produção terá um aumento, partindo de 2,8
milhões da safra 2012/2013 para 3,262 milhões na safra 2022/2023.

Brasil: projeção da produção, consumo e importação de feijão

4.500

4.000

3.500
Mil toneladas

3.000
Consumo
2.500
Produção
2.000 Importação
1.500

1.000

500

0
3

3
01

01

01

01

01

01

01

02

02

02

02
/2

/2

/2

/2

/2

/2

/2

/2

/2

/2

/2
12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22
20

20

20

20

20

20

20

20

20

20

20
Fonte: MAPA, com dados da CONAB (2013)

Estima-se que o consumo passará de 3,598 milhões de toneladas para 3,985 milhões de
toneladas, e, segundo o MAPA, se confirmadas as projeções de produção, não haverá
necessidade de importação de feijão nos próximos anos.

A cadeia produtiva do feijão apresenta importantes características, como uma estrutura


produtiva composta por lavouras com menos de dez hectares, o que equivale a cerca de 75%
do total da área cultivada do país. As lavouras têm baixa produtividade (cerca de 1.000 kg por
hectare).

Lembrando que a armazenagem do grão não pode ser realizada


por período superior a dois meses, pois perde valor comercial.

A comercialização do feijão ocorre para os consumidores finais, predominantemente nos


supermercados, e os grãos são vendidos em pacote, mas existe um longo caminho a percorrer
desde a propriedade até chegar à mesa do consumidor. Vamos conferi-lo?

Quando o feijão sai da propriedade rural onde foi produzido, ele é entregue a um intermediário,
que irá revender para o atacadista. Este irá empacotá-lo e vendê-lo ao supermercado
(FUSCALDI & PRADO, 2010).

Veja, a seguir, um esquema figurativo para a cadeia produtiva do feijão.

Curso Técnico em Agronegócio


Cadeia produtiva do feijão

Agente financeiro

Produção Intermediários Atacado Varejo Consumidores


agrícola

Governo

Fonte: Fuscaldi & Prado (2010)

A cadeia produtiva do feijão é caracterizada por existirem grande incerteza nas transações
entre os vários elos e assimetria de informação, e pela inexistência de transparência no preço.
É uma cultura de risco, pois em alguns anos a produção é alta, em outros, há quebras de
safras devido ao baixo uso de tecnologia e à necessidade de água, e por ser uma leguminosa
muito suscetível a doenças e pragas (SPERS & NASSAR, 1989).

O produto é produzido em três safras, que ocorrem em diferentes locais e épocas do ano.
A primeira safra ocorre no Sul do Brasil, a segunda, no Nordeste, e a terceira, no Sudeste
(principalmente em Minas Gerais).

Feijão: Participação por região do Brasil

4%
85
16% Sul
31%
Sudeste

Centro-Oeste
20%
Nordeste
29%
Norte

Fonte: Outlook FIESP (2013)

Como o feijão é produzido em locais e épocas diferentes, ocorre uma grande movimentação
do produto pelo país. Por ser transportado quase que totalmente pelas estradas, têm-se altos
custos de transporte.

Outra informação importante é a de que a colheita do produto é feita manualmente, por


famílias, com pouca utilização de máquinas (apenas em poucas propriedades é utilizada

Introdução ao Agronegócio
a colheita mecanizada). A disponibilidade e o avanço genético dos cultivares também são
fatores restritivos na cadeia do produto. Porém, está começando a ocorrer um maior acesso
86 dos produtores a variedades cultivadas e desenvolvidas por instituições de melhoramento
genético, como universidades e a Embrapa (FUSCALDI & PRADO, 2010).

O preço do feijão é calculado desde a lavoura até a entrega do produto beneficiado ao


consumidor, passando por intermediários, atacadistas e varejistas (SPERS & NASSAR, 1989).

Nesse mercado, ocorrem fortes oscilações de preços entre os anos – em período de quebra
de safra acontece muita especulação e elevação do preço – e nos períodos de superprodução
– quando há o aumento da oferta, ocorre uma redução significativa do preço.

Nessas duas situações, pode ser necessária a intervenção governamental, já que se trata de
um produto de cesta básica, na qual os preços não podem ficar muito elevados. O contrário
também (preços muito baixos) necessita de intervenção para evitar prejudicar o pequeno
produtor.

Perspectivas da cadeia produtiva do feijão

De acordo com Spers & Nassar (1989), os produtores de feijão precisam assumir uma postura
empresarial, buscando incorporar novas tecnologias e irrigação às culturas, bem como ter
um planejamento de longo prazo em relação à comercialização e à rotação de cultura. Uma
importante orientação para quem pretende investir no setor está, no checklist de boas práticas
sugeridas pelos autores:
• estar ciente das informações sobre a formação do preço;

Curso Técnico em Agronegócio


• acompanhar os fenômenos climáticos como El Niño e La Niña, já que eles afetam a oferta
de feijão e causam variações nos preços;

• trabalhar alinhado a uma ação conjunta de melhoramento genético e de engenharia de


alimentos com o objetivo de gerar valor ao feijão, melhorando as qualidades funcional e
nutricional do grão;

• pensar em dois tipos de produto: um grão tradicional destinado ao mercado comum


interno e outro para nichos de mercados mais exigentes;

• desenvolver o marketing da cadeia por meio de ações de comunicação e publicidade que


proporcionem o aumento do consumo do produto.

Encerramento
Neste tema, você pôde se aprofundar no entendimento de mercado do agronegócio em nível
nacional e internacional, e teve a oportunidade de conhecer as principais cadeias produtivas
brasileiras e como elas estão em comparação com o mundo, além das perspectivas futuras
para cada uma delas.

87

Introdução ao Agronegócio
03
Meio Ambiente e
Desenvolvimento
Sustentável
Tema 3: Meio Ambiente e
Desenvolvimento Sustentável
Neste terceiro tema da unidade curricular Introdução ao Agronegócio, analisaremos os
principais pontos de relação entre o agronegócio mundial, o meio ambiente e o desenvolvimento
sustentável para que você, ao final deste tema, desenvolva as seguintes competências:
• aprofundar seu conhecimento sobre as principais questões e os debates acerca do
desenvolvimento sustentável;
89
• conhecer as principais questões sobre meio ambiente e o agronegócio, bem como suas
perspectivas futuras.

Tópico 1: Definição de Desenvolvimento Sustentável

O desenvolvimento sustentável busca a efi-


ciência econômica junto com as eficiências
social e ecológica: um tripé de ações que de-
vem caminhar juntas.

O conceito de “desenvolvimento sustentável”


surgiu nos anos 1970 com o nome de “eco-
desenvolvimento” e foi resultado de um estu-
do em busca de um caminho alternativo, um
conceito diferente dos desenvolvimentistas e
dos que defendiam o crescimento zero (RO-
MEIRO, 2012).

Introdução ao Agronegócio
Para os teóricos que defendiam o crescimento zero, os limites ambientais levariam a catástrofes
caso o crescimento econômico não cessasse. Dentro desse contexto, começou a aparecer
90 outra visão a partir da publicação, com o apoio do Clube de Roma, do relatório preparado pelo
casal Meadows, do MIT, sobre os limites ambientais ao crescimento econômico (MEADOWS
ET AL., 1972).

Segundo o Relatório Meadows, o crescimento econômico necessitava diminuir ou mesmo parar,


pois, em caso de se manter o mesmo ritmo, algumas consequências seriam extremamente
problemáticas, tais como:
• esgotamento dos recursos naturais;
• aumento da poluição;
• deterioração do nível de vida.

1: Breve Histórico

1972 – Estocolmo

Na primeira Conferência das Nações Unidas sobre meio ambiente realizada em Estocolmo,
também no ano de 1972, ocorreram grandes discussões sobre as maneiras de se pensar
sobre o meio ambiente e o crescimento econômico.

No período da publicação do relatório, alguns países, como os Estados Unidos, passavam por
grande crescimento econômico, outros da Europa ainda se recuperando da Segunda Guerra
Mundial e o Brasil também atravessava um período de prosperidade devido ao chamado
“milagre econômico”. Nesse época, o mundo também assistia ao crescimento de países emer-
gentes, como os “Tigres Asiáticos”.

Curso Técnico em Agronegócio


Apesar do crescimento, a grande maioria dos países permanecia com um alto nível de pobreza
e eles não iniciaram um processo de crescimento econômico sustentável.

As primeiras reações da ONU após a Conferência de Estocolmo contaram com o apoio dos
ecodesenvolvimentistas e foram direcionadas para a defesa da necessidade do crescimento
econômico dos países pobres.

Para a Organização, a pobreza seria uma das causas fundamentais dos problemas ambientais
desses países (ROMEIRO, 2012).

1974 – Cocoyok

Ainda durante a década de 1970, apresentou-se um documento chamado Declaração de


Cocoyok (1974) no qual se defendia que o alto crescimento da população era resultado de
causas sociais, políticas e econômicas, bem como responsabilidade da não existência de
um planejamento do governo de controle da natalidade. A consequência dessa explosão
demográfica seria a utilização dos recursos naturais acima de sua capacidade.

Na declaração também constava que é possível manter o crescimento econômico eficiente


(sustentado) no longo prazo e que ele pode acontecer junto com a melhoria das condições
sociais (melhor distribuição da renda) e respeitando-se o meio ambiente.

Comentário do autor

A Declaração de Cocoyok é resultado de uma reunião da Conferência das Nações


Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento – UNCTAD e do Programa de Meio
Ambiente das Nações Unidas – Unep.

d Nesse documento, afirma-se que a explosão populacional e a destruição


ambiental são resultados da total falta de recursos em alguns países, ou seja,
quanto maior o nível de pobreza, maior será o crescimento demográfico.

A declaração afirma que os países desenvolvidos têm grande responsabilidade 91


nessa questão, pois possuem elevados níveis de consumo.

O crescimento econômico eficiente é considerado condição necessária, mas isso não basta
para que ocorra a melhoria do bem-estar da população – é preciso que ocorram políticas
públicas específicas direcionadas para quem realmente precisa.

Além de melhores condições sociais e do crescimento econômico eficiente, é preciso que


haja equilíbrio ecológico, pois, em longo prazo, precisamos deixar um mundo melhor para as
gerações futuras.

1982 – Nairóbi

Outro marco importante da agenda da sustentabilidade ocorreu em 1982 com a Conferência


de Nairóbi, promovida pela Unep. Nessa ocasião, criou-se a Comissão Mundial sobre o Meio
Ambiente e Desenvolvimento, cuja chefia foi exercida pela primeira-ministra da Noruega, Gro
Harlem Brundtland.

Introdução ao Agronegócio
1987 - Brundtland

Em 1987, publicou-se um documento chamado “Nosso Futuro Comum”, também conhecido


92
como Relatório Brundtland (1991).

Nesse relatório, o desenvolvimento sustentável foi definido como: “aquele que atende às
necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem
às suas necessidades.”

1992 – Rio de Janeiro

No ano de 1992, ocorreu a II Conferência da ONU sobre Meio Ambiente, no Rio de Janeiro, na
qual foi discutida intensamente a questão do aquecimento global nos anos 1990.

Leia com atenção exemplos de definições de sustentabilidade:

Desenvolvimento Sustentável significa melhorar a qualidade


de vida humana vivendo dentro da capacidade de suporte dos
ecossistemas. (União Mundial para a Conservação, 1991)

Sustentabilidade requer um estoque constante de capital natural.


(David Pearce, 1988)

Sustentabilidade implica em que o nível total da diversidade e da


produtividade dos componentes dos sistemas e de suas relações
sejam mantidas e aprimoradas. (Richard Norgaard, 1988)

Fique atento! A sustentabilidade só é possível se contemplar os seguintes objetivos:


• integrar conservação e desenvolvimento;

• satisfazer as necessidades básicas dos seres humanos;

• alcançar equidade e justiça sociais;

• promover as diversidades social e cultural;

• manter a integridade ecológica.

O desenvolvimento sustentável pode ser atingido com um conjunto de políticas capazes de,
simultaneamente, garantirem o aumento da renda nacional, o acesso a direitos sociais bási-
cos (segurança econômica, acesso à saúde e à educação) e, também, a redução do impacto do
aumento da industrialização e do consumo sobre o meio ambiente.

A partir de 1987, a expressão “desenvolvimento sustentável” substituiu a expressão “ecode-


senvolvimento”, apesar de ambas terem o mesmo conceito normativo.

Curso Técnico em Agronegócio


Tópico 2: Agronegócio Sustentável
Uma das grandes questões do agronegócio é incentivar a produção de commodities ou de produ-
tos voltados a um nicho de mercado, como os produtos orgânicos.

Quando se fala de produção, precisa-se considerar o mercado consumidor. Atualmente, tem


ocorrido um aumento do consumo saudável, no qual existe, por parte do consumidor, a preocu-
pação com a origem e a qualidade dos alimentos e dos produtos, e também com a postura das
empresas em relação às responsabilidades social e ambiental.

Esse aumento na demanda por produtos saudáveis faz parte de uma das tendências mundiais na
alimentação, sendo que também tem destaque o consumo de alimentos éticos, a praticidade e a
busca por produtos gourmet. O consumo de produtos verdes não é apenas uma “onda” passagei-
ra – esse tipo de consumo representa uma mistura de orientação de compra com valores sociais.

Com o aumento da presença em supermercados e uma extensa base de consumidores de 93


orgânicos e compradores regulares, o mercado de alimentos orgânicos está crescendo no
mundo inteiro: sabor, frescor, qualidade e segurança alimentar são os principais atrativos
desses produtos.

Tópico 3: O Mercado de Orgânicos


De acordo com a FAO (2007), “a agricultura orgânica não é mais um fenômeno apenas de
países desenvolvidos, pois já é praticada comercialmente em 120 países, representando 31
milhões de hectares e um mercado de US$ 40 bilhões em 2007.”

Nos Estados Unidos, esse mercado representa US$ 20 bilhões. Já o mercado europeu é
estimado em US$ 15 bilhões, sendo a Alemanha o principal país consumidor.

De acordo com a FAO (2007), a previsão é de que esse mercado mundial atinja US$ 70 bilhões
em 2012. Produtos orgânicos não são mais apenas uma tendência, mas sim realidade.

Introdução ao Agronegócio
De acordo com a Federação Internacional de Movimentos de Agricultura Orgânica – Ifoam,
entre os anos de 1999 e 2012, a área destinada ao cultivo de alimentos orgânicos cresceu
94 300%, totalizando 3,7 milhões de hectares.

Também segundo a Ifoam, apesar da desaceleração da economia europeia – que é a maior


consumidora do setor – entre os anos de 2011 e 2012, o mercado mundial de agricultura
orgânica registrou crescimento de aproximadamente 6,36%.

Informações extras

Um interessante artigo do site AlterNet levanta uma questão no mínimo


preocupante: nos EUA, é mais barato comer um hambúrguer do que uma
salada. Isso se dá devido aos grandes subsídios oferecidos pelo governo norte-

O americano aos produtores de carnes (73,80%) e laticínios. Cereais recebem


13,23% e frutas e vegetais, apenas 0,37%.

Devido à disparidade de preços, famílias americanas com poucos recursos


ingerem mais fast-food simplesmente porque esses alimentos são mais baratos
e de fácil acesso em comparação a frutas e vegetais.

Infelizmente, a procura por alimentos locais e orgânicos ainda está limitada aos que têm
condições financeiras favorecidas, principalmente porque esses alimentos são mais caros.
Dessa forma, a maior parte da população acaba ingerindo uma dieta rica em proteínas,
gordura e carboidratos simples, que, somados à falta de atividade física, levam aos altos
índices de obesidade que afetam especialmente os menos favorecidos. O governo americano
vem tomando medidas para combater esse quadro, que já se transformou em grande
preocupação social.

Mercado de orgânicos no Brasil

Para que haja maior crescimento do setor de orgânicos no Brasil, “os


governos precisam investir em recursos e em tecnologia a fim de que a
agricultura orgânica deixe de ser uma resposta ao mercado e se torne
importante alternativa para os desafios mundiais” (IFOAM, 2013).

Os produtos orgânicos são diferenciados, e


a base dessa diferenciação está relacionada
ao modo de produção, pois eles são os re-
sultados de uma forma de produção agríco-
la, pecuária e avícola que adota um sistema
que exclui ou evita o uso de fertilizantes so-
lúveis e pesticidas químicos nas operações
de cultivo (OELHAF, 1978 apud SOUZA,
2000).

De acordo com Souza (2000), os movimen-


tos da agricultura alternativa valorizam a

Curso Técnico em Agronegócio


utilização de matéria orgânica e, também, de outras práticas culturais que favorecem os
processos biológicos. Ainda segundo a autora, esses movimentos tiveram início na década
de 1920, e dentro deles existem quatro vertentes:

1. agricultura biodinâmica, que surgiu em 1924;

2. agricultura orgânica, sendo que o seu conceito teve início em 1925 na Inglaterra e se
espalhou pelos Estados Unidos na década de 1940;

3. agricultura biológica, que teve início na década de 1930 na Suíça e anos mais tarde foi
difundida pela França;

4. agricultura natural, que começou no Japão na década de 1930.

Todas essas vertentes possuem um objetivo em comum: desenvolver uma agricultura ecologi-
camente equilibrada e socialmente justa, mas que também precisa ser economicamente viável.

De acordo com Elhers (1996), citado em Souza (2000), os principais princípios são a diminuição
do uso de produtos químicos e a valorização de processos biológicos e vegetativos no sistema de
produção, que estão relacionados à utilização de práticas agrícolas como a adubação orgânica de
origem animal ou vegetal, a rotação de culturas e o controle biológico de pragas.

Segundo Souza (2000), o termo “orgânico” deve ser utilizado quando é possível visualizar “o
conceito da unidade produtiva como um organismo, no qual todas as partes componentes – solo,
minerais, micro-organismos, matérias orgânicas, insetos, plantas, animais e homens – interagem
para criar um todo coerente.”

Tópico 4: O Consumidor de Produtos Saudáveis


De acordo com o professor americano Michael Conroy, em artigo publicado por França (2008),
existe uma disposição dos consumidores em pagar por novas dimensões de qualidade dos
produtos e, segundo esse autor, 80% dos consumidores da União Europeia estão dispostos a 95
pagar 5% a mais por esse produto.

Essa disposição dos consumidores está promovendo mudanças no comportamento das redes de
varejo de alimentos, que passaram a aumentar o seu volume de compra desses produtos.

As motivações para o consumo variam em função do país, da cultura e dos produtos analisados,
mas, observando países como Alemanha, Inglaterra, Austrália, Estados Unidos, França e Dinamarca,
identifica-se uma tendência de o consumidor orgânico privilegiar, em primeiro lugar, aspectos
relacionados à saudabilidade, em segundo lugar, aspectos relacionados ao meio ambiente e, na
sequência, a questão do sabor dos alimentos orgânicos (DAROLT, 2009).

Segundo o mesmo autor, no Brasil parece existir uma tendência semelhante, segundo
pesquisa realizada pelo Ibope e que analisou de maneira mais geral a questão ambiental.
Esse estudo mostrou que o consumidor brasileiro está disposto a pagar mais caro por um
produto que não causa danos ambientais e que uma faixa de 68% do universo pesquisado fez
essa afirmativa, enquanto outra, de 24%, mostrou-se contrária à ideia. Essa tendência pode
ser verificada mesmo na população com baixa renda familiar. Ou seja, a hora do negócio de
orgânicos é agora!

Introdução ao Agronegócio
Comentário do autor

96 De acordo com Giordano (2000), o consumo de produtos verdes não é apenas uma
“onda” passageira – esse tipo de consumo representa uma mistura de orientação

d de compra com valores sociais, e, entre as características desse consumidor, estão


a busca pela qualidade e por produtos com baixo impacto ambiental, a preferência
por produtos com denominação de origem e selos verdes, e a aceitação em pagar
mais por um produto ambientalmente mais seguro.

Certificação Fair Trade

Como se pode observar, um novo mercado para pequenas empresas e produtores de agricultu-
ra familiar está se delineando. Trata-se de fazer parte de um mercado exigente, com demanda
crescente por seus produtos e sem concorrência das grandes empresas do setor (já que estas
produzem um produto homogêneo e trabalham com grandes escalas de produção). As pequenas
empresas operam em uma escala menor de produção, trabalham com agricultura familiar e ter-
ceirizam a sua produção.

A revolução na tecnologia de transmissão de informações está tornando o consumidor mais cons-


ciente e exigente em relação aos produtos alimentícios, e esse tipo de consumidor está influen-
ciando as ações da indústria. A defesa do meio ambiente e a busca por alimentos saudáveis e
equilibrados têm levado à criação de novos produtos embasados nesse conceito e faz com que
alguns produtos fora desses conceitos não sejam mais consumidos.

Essa mudança nos hábitos de consumo aumenta os cuidados que as empresas precisam ter
com a qualidade dos seus produtos para poderem estar sempre oferecendo os produtos
adequados a esses novos nichos de consumo, que estão cada vez mais exigentes (FARINA;
ZYLBERSZTAJN, 1991).

Curso Técnico em Agronegócio


Comércio solidário e justo

Outra ideia que vem ganhando força é a do comércio solidário. Essa proposta é baseada
em princípios básicos, como: justiça social, transparência, preço justo, solidariedade,
desenvolvimento sustentável, respeito ao meio ambiente, transferência de tecnologia e
aumento da renda dos produtores. Nesse tipo de comércio, há uma sensibilização dos
consumidores para adquirirem um produto que tenha compromisso com o desenvolvimento
da comunidade e os grupos de pequenos produtores pobres.

Geralmente, o preço determinado para esse tipo de produto está acima do preço de
mercado, sendo conhecido como “preço prêmio”, e esse valor retorna à comunidade, que
irá discutir a sua melhor utilização (DINIZ, 2006).

Comentário do autor

O selo de “comércio justo” é um selo concedido pela FLO, sediada na Alemanha, a


fabricantes de 14 países europeus e também do Japão, do Canadá e dos Estados
Unidos. Esse selo identifica produtos de empresas que pagam mais que a média

d
do mercado aos fornecedores, geralmente agricultores do terceiro mundo, e as
companhias que utilizam o selo garantem que não utilizam trabalho escravo e
também mão de obra infantil.

No Brasil, a primeira iniciativa de empresa certificada pela Organização é uma


entidade de pequenos proprietários rurais do norte da Bahia que exportam sucos
de frutas (CIPOLA; NEVES; AMARAL, 2002).

Está havendo uma expansão da linha de produtos com certificação orgânica e fair trade das
grandes redes de supermercados, e é possível encontrá-la em vários tipos de produtos,
como frutas, legumes, vinho, chocolate, mel, cerveja, aves etc. Comece a observar!
97
Tópico 5: O Novo Código Florestal
A Lei nº 12.651 (Novo Código Florestal) foi publicada no Diário Oficial da União em 25 de
maio de 2012. Seu processo de homologação foi árduo, envolvendo anos de discussões
políticas e interesses diversos.

Porém, a lei publicada é bem diferente da lei aprovada pelo Congresso Nacional. Há ainda
conflitos a serem resolvidos, como as discussões e as negociações políticas sobre os vetos, e
a Medida Provisória pelo Congresso.

Mas, antes de apresentarmos brevemente as principais disposições do Novo Código Florestal,


é bem importante entender a evolução histórica do Código Florestal Brasileiro (CANAL DO
PRODUTOR, 2014).

Introdução ao Agronegócio
1: Evolução Histórica do Código Florestal Brasileiro

98 Brasil Colônia

Sabe-se que ainda no período colonial, a coroa portuguesa colocou diversas normas para
conservar o estoque florestal da colônia brasileira. Além das regras, foram definidas severas
penalidades, como o exílio, para todos que desrespeitassem as regras de utilização do solo e
das florestas existentes no país.

1934 – Primeiro Código Florestal do Brasil

Dando um enorme salto na história brasileira, foi em 1934, por meio do Decreto no 23.793,
que se instituiu o Código Florestal Brasileiro.

Esse código destacou, entre outros pontos, o conceito de florestas protetoras (conceito
parecido ao das Áreas de Preservação Permanente – APPs). Nesse decreto não era prevista uma
distância mínima para a proteção dessas áreas e também não foi definida como obrigatória a
ocorrência de uma espécie de “reserva florestal” nas propriedades.

O objetivo desse ponto era assegurar o fornecimento de carvão e lenha – insumo


energético de grande importância nessa época – permitindo a abertura das áreas
rurais em, no máximo, 75% da área de matas existentes na propriedade. Porém,
autorizava a substituição dessas matas pelo plantio de florestas homogêneas para
futura utilização e melhor aproveitamento industrial. (CANAL DO PRODUTOR, 2014)

1965 – “Novo Código Florestal” – Lei Federal no 4.771/65

Nessa versão, foram estabelecidos pontos como as limitações ao direito de propriedade


relacionadas ao uso e à exploração do solo e das florestas. Para o produtor rural é importante
conhecer os seguintes pontos: Reserva Legal - RL e Áreas de Preservação Permanente - APPs.

1986 – A Lei no 7.511 altera o conceito de reserva florestal e as APPs

O conceito de reserva florestal, que havia sido instituído anteriormente pelo Código Florestal
de 1934, vigorou até 1986. A Lei Federal no 7.511/86 modificou o regime da reserva florestal.
Anteriormente a essa lei, as áreas de reserva florestal podiam ser 100% desmatadas, mas
seria necessário plantar espécies exóticas em substituição dessas florestas.

A Lei no 7.511 alterou o conceito de reserva florestal, não permitindo mais o desmatamento
das áreas nativas, porém manteve a autorização para que o proprietário das terras fizesse a
reposição das áreas desmatadas (até o início da vigência dessa lei) com espécies exóticas e as
utilizasse com fins econômicos. “Essa lei também alterou os limites das APP’s, originariamente
de cinco metros para 30 metros, sendo que nos rios com mais de 200 metros de largura a APP
passou a ser equivalente à largura do rio” (CANAL DO PRODUTOR, 2014).

Curso Técnico em Agronegócio


1989 – A Lei Federal no 7.803 determinou a criação da Reserva Legal e a alteração nas
APPs

Em 1989, a Lei Federal no 7.803 determinou que as reposições das florestas fossem feitas
prioritariamente com espécies nativas (não era proibida a utilização de espécies exóticas).

Foi instituída nessa lei a Reserva Legal, que é um percentual de limitação de uso do solo na
propriedade rural. Nessa área, não pode ocorrer conversão às atividades que demandem
a remoção da cobertura vegetal. Também foi estabelecida que fossem destinados
obrigatoriamente 20% de Reserva Legal para áreas de cerrado.

A Lei no 7.803 alterou novamente o tamanho das APPs nas margens dos rios e criou
novas áreas localizadas ao redor das nascentes, olhos d’água, bordas dos tabuleiros
ou chapadas, a partir da linha de ruptura do relevo, ou ainda se a propriedade estiver
em altitude superior a 1,8 mil metros; ou se ocorrer qualquer das situações previstas
no artigo 3º, da Lei Florestal (CANAL DO PRODUTOR, 2014)

1996 – A Medida Provisória no 1.511/96 amplia a restrição em áreas de floresta

Essa Medida Provisória restringiu a abertura de área em florestas, e passou a permitir apenas
o desmatamento de 20% nos ambientes que possuem uma floresta típica.

1998 – Lei de Crimes Ambientais

Essa lei também alterou dispositivos do Código Florestal e transformou diversas infrações
administrativas em crimes, alterando assim a lei de 1965.

2001 – Medida Provisória nº 2.166-67/2001 – altera conceitos e limites de Reserva Legal


e APPs

A Medida Provisória no 2.166 novamente alterou os conceitos de reserva legal e áreas de 99


preservação permanente. Reserva legal passou a ser definida como

a área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, excetuada a de


preservação permanente, necessária ao uso sustentável dos recursos naturais, à
conservação e reabilitação dos processos ecológicos, à conservação da biodiversidade
e ao abrigo e proteção de fauna e flora nativas.

O tamanho mínimo da reserva depende do tipo de vegetação existente e da localização da


propriedade, sendo que, no bioma Amazônia, o mínimo é de 80%, no Cerrado Amazônico,
35%, e, para as demais regiões e biomas, 20%.

Nessa Medida Provisória, as APPs sofreram diversas modificações e passaram a ser a faixa
marginal dos cursos d’água cobertos ou não por vegetação.

Nas pequenas propriedades ou posse rural familiar, ficou definido que podem ser
computados no cálculo da área de reserva legal os plantios de árvores frutíferas

Introdução ao Agronegócio
ornamentais ou industriais, compostos por espécies exóticas, cultivadas em sistema
intercalar ou em consórcio com espécies nativas (CANAL DO PRODUTOR, 2014).
100
2010 – Aprovação da proposta em comissão

A proposta do deputado Aldo Rebelo para a modificação do Código Florestal Brasileiro


foi aprovada pela Comissão Especial do Código Florestal no dia 6 de julho de 2010. A
proposta foi aprovada com 13 votos a favor, foi acatada pela comissão e está pronta para
a apreciação nos plenários da Câmara e do Senado (CANAL DO PRODUTOR, 2014).

O que muda com o Novo Código Florestal?

Em termos gerais e estruturais, a mudança é pouco significativa, pois a lei aprovada


permitiu que fossem realizados somente ajustes pontuais para adequação da situação de
fato à situação de direito pretendida pela legislação ambiental. A seguir, serão abordadas
algumas questões tratadas pelo Novo Código Florestal e apresentadas no Manual do Novo
Código Florestal, realizado pelo Sistema Faep.

A proteção do meio ambiente natural continua sendo obrigação do proprietário mediante


a manutenção de espaços protegidos de propriedade privada, divididos entre APP e RL.

O que mudou foi a implementação e a fiscalização desses espaços,


que estarão sujeitos ao Cadastro Ambiental Rural - CAR e institui-se
o módulo fiscal, que é a unidade de medida expressa em hectares,
fixada para cada município, considerando fatores como tipo de
exploração predominante no município e renda.

Curso Técnico em Agronegócio


Áreas consolidadas

Áreas consolidadas são as Áreas de Preservação Permanente - APP e a Reserva Legal, ocupadas
antes de 22 de julho de 2008, com edificações, benfeitorias, atividades agrossilvipastoris,
ecoturismo ou turismo rural. Exemplos: várzeas ocupadas com arroz, encostas ocupadas com
café, uva, aviários, entre outros.

São permitidas a manutenção e a continuidade dessas atividades desde que não estejam
em área que ofereça risco às pessoas e ao meio ambiente, e que sejam observados critérios
técnicos de conservação do solo e da água indicados pelo Programa de Regularização
Ambiental - PRA.

Está proibida a utilização de novas áreas em APP e Reserva Legal além dessas ocupadas até
22 de julho de 2008. O órgão ambiental poderá comprovar a situação de área consolidada
por meio de fotos de satélite que possui em seus arquivos, referentes a período anterior
a 22 de julho de 2008 (SISTEMA FAEP, 2012).

Área de Preservação Permanente - APP

São áreas protegidas, cobertas ou não por vegetação nativa, localizadas:

1. nas faixas marginais de qualquer curso d’água natural (mata ciliar de beira de rio);

2. no entorno das nascentes e dos olhos d’água perenes;

3. no entorno dos lagos e lagoas naturais;

4. no entorno dos reservatórios d’água artificiais;

5. nas encostas ou em partes destas com declividade superior a 45°;

6. no topo de morros, montes, montanhas e serras (SISTEMA FAEP, 2012).

Função das Áreas de Preservação Permanente 101

Preservar os recursos hídricos, a estabilidade geológica, a biodiversidade e a beleza da pai-


sagem, conter a erosão do solo, diminuir os riscos de enchentes e deslizamentos de terra e
pedra nas encostas, facilitar o desenvolvimento da fauna e flora, e, especialmente, assegurar
e preservar o bem-estar das populações humanas (SISTEMA FAEP, 2012).

Cadastro Ambiental Rural - CAR

É um registro eletrônico de abrangência nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, sendo
indispensável para aderir ao Programa de Regularização Ambiental - PRA. A inscrição no Cadastro
Ambiental Rural é feita no órgão ambiental municipal ou estadual. Os objetivos do CAR são:
• receber informações ambientais das propriedades e das posses rurais, compondo base de
dados para controle, monitoramento, planejamento ambiental e econômico, e combate ao
desmatamento;

• cadastrar as Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal, e facilitar o trabalho de


fiscalização (SISTEMA FAEP, 2012).

Introdução ao Agronegócio
Programa de Regularização Ambiental - PRA

O Programa de Regularização Ambiental permite ao proprietário rural regularizar as Áreas de


102
Preservação Permanente e Reserva Legal consolidada, desde que não estejam em áreas de risco
e sejam observados critérios técnicos de conservação do solo e da água (SISTEMA FAEP, 2012).
Esse programa resolverá diversos passivos ambientais dos produtores rurais e será considerado
no acesso aos incentivos econômicos e financeiros na prestação de serviços ambientais.

Encerramento
Neste tema, foi possível verificar a importância do desenvolvimento sustentável para garantir
não somente o futuro do agronegócio, mas também do planeta. Você aprendeu boas práticas
e conheceu novas ideias sobre o segmento de orgânicos, agora estando apto a avaliar a
melhor forma de aplicá-las em seu dia a dia.

Curso Técnico em Agronegócio


04
Desafios do Agronegócio
104

Tema 4: Desafios do Agronegócio


Neste último tema da unidade curricular Introdução ao Agronegócio, analisaremos os prin-
cipais desafios do agronegócio mundial e do brasileiro para que você, ao final deste tema,
desenvolva as seguintes competências:
• desenvolver sua própria opinião crítica a respeito dos desafios apresentados;

• identificar as principais ações necessárias no presente e futuras para o agronegócio.

Como ponto de partida para esta reta final, veja alguns fatos para inspirar a nossa reflexão.
• De acordo com a FAO, até 2050 a população crescerá de sete para nove bilhões de
habitantes.

• O volume produzido de alimentos, ração e fibras deverá dobrar até 2050, ao mesmo tempo
em que as lavouras serão utilizadas para produzir bionergia e para fins industriais.

Dessa forma, podemos concluir que a agricultura e todos os envolvidos em suas cadeias terão
os seguintes desafios:

Desafio 1 Competir por área e água, pois as cidades estão crescendo.

Desafio 2 Contribuir para reduzir os danos ao meio ambiente.

Desafio 3 Preservar habitats naturais e manter a biodiversidade.

Desenvolver novas tecnologias para extrair mais de uma porção


Desafio 4
menor de área, utilizando menos mão de obra.

Nos próximos anos os desafios da agricultura estarão relacionados ao fato de que, na maior parte
das regiões do mundo, menos pessoas viverão da agricultura e menos ainda serão os agricultores.

O aumento da população agravará um problema já existente, que é a fome mundial.

O crescimento populacional agravará a desigualdade, pois o grupo dos mais ricos cresce
menos que o grupo dos mais pobres.

Curso Técnico em Agronegócio


Comentário do autor

2050 – No cenário delineado pela FAO, as nações da Ásia e da África subsaariana


abrigarão 60% da população do planeta.

d No Iêmen, um dos países mais pobres do Oriente Médio, um milhão de crianças


sofre de desnutrição grave há meses, segundo aponta um relato do Programa
Alimentar Mundial da ONU. (Fonte: Portal Terra, 19/7/2012)

Tópico 1: Mudanças Climáticas


No dia 30 de março de 2014, cientistas e autoridades do mundo inteiro se reuniram no Japão
para debater sobre as grandes mudanças que estão ocorrendo no clima no mundo inteiro.

Como resultado dessa reunião, foi divulgado o relatório do Painel Intergovernamental sobre
Mudanças Climáticas da ONU (IPCC1, na sigla em inglês), no qual integrantes do IPCC apontam
que “até agora os efeitos do aquecimento são sentidos de forma mais acentuada pela natureza,
mas que haverá um impacto cada vez maior sobre a humanidade” (IPCC, 2014).

105

De acordo com o relatório divulgado no Japão, as mudanças climáticas afetarão a saúde, a


habitação, a alimentação e a segurança da população no planeta, e praticamente dobrou a
quantidade de provas científicas do impacto do aquecimento global desde o último relatório,
divulgado em 2007.

1  O IPCC é uma pequena organização, sem fins lucrativos, sediada em Genebra e possui uma equipe de funcionários que
trabalham em turno integral. Todos os cientistas que colaboram com o painel o fazem de forma voluntária. A função do Painel
Intergovernamental da ONU para Mudanças Climáticas é “suprir o mundo com visões científicas claras sobre o estado atual
do conhecimento em mudanças climáticas e seus potenciais impactos ambientais e socioeconômicos”. Até hoje, com o aval da
ONU, a entidade já produziu quatro grandes relatórios.

Introdução ao Agronegócio
As análises apontam que, nos próximos 20 a 30 anos, sistemas como o mar do Ártico estarão
ameaçados pelo aumento da temperatura em dois graus Celsius, prejudicando o ecossistema
106 dos corais desse mar e dos outros existentes na Terra.

Um ponto muito debatido na reunião refere-se à insegurança alimentar, e algumas previsões


indicam perdas que chegam a 25% em diversas culturas, como as de colheitas de milho, arroz
e trigo, até 2050.

O aquecimento global no mundo produz os seguintes impactos:

Impactos sobre espécies Inundações Degelo

Queimadas Falta d’água Mudança nas colheitas

Atualmente, é cada vez mais comum ouvirmos falar de períodos de seca nunca registrados
antes, como também de grandes inundações.

A perspectiva é extremamente preocupante. É necessário agir desde já. Todos, sem exceção,
precisam colaborar, mas como isso pode ser feito?
• preservando os recursos naturais não renováveis;

• diminuindo o consumo de água;

• adotando um estilo de vida mais sustentável;

• utilizando menos o carro;

• reciclando embalagens.

Curso Técnico em Agronegócio


É preciso sempre pensar: que mundo deixarei para os meus filhos, sobrinhos e netos, e para
as gerações futuras?

De acordo com o relatório, “na medida em que avançamos [as previsões] no futuro, os riscos só
aumentam, e isso acontecerá com as pessoas, com as colheitas e com a disponibilidade de água”.

Então, como resolver isso? Como produzir mais e de maneira sustentável considerando que
os recursos naturais como água e terra são escassos, que também estão ocorrendo mudanças
climáticas e as legislações são cada vez mais restritivas ao dano ambiental? É necessário
proporcionar mais produtividade ao agronegócio e conseguir produzir muito mais alimentos
sem destruir o que restou do seu patrimônio natural.

Há 30 anos, o Brasil era um grande importador de commodities como carne bovina, arroz e
feijão – a população usava 43% da renda apenas para comprar comida (SCHREINER, 2014).
107
Atualmente, o país é um grande exportador de soja, café e açúcar (são exportados aproxima-
damente 50% de tudo o que é produzido).

O agronegócio precisará investir cada vez mais em tecnologia e inovação. Nas últimas quatro
décadas, a incorporação de novas técnicas agrícolas provocou um verdadeiro salto de
eficiência no setor.

Até os anos 1970, a produtividade média da soja era de menos de duas toneladas por hectare
– atualmente, chega a 4,7 toneladas.

Se não fossem os fertilizantes, 40% da população mundial estaria passando fome.


[...] de 1990 para cá, o Brasil expandiu a área das lavouras em 37%, já a produtividade
agrícola saltou 212%. Nesse mesmo período, a produção de carne de frango
aumentou 475% e a de suínos, 250%. (MARZOLA FILHO, 2013).

Veja como é o crescimento em produtividade de algumas commodities no Brasil e no mundo.

Introdução ao Agronegócio
Crescimento em produtividade (%)

108 Commodity Mundo Brasil

Milho 17 73

Arroz 8 30

Sorgo -0,7 49

Algodão 23 49

Trigo 11 8

Fonte: USDA (2013)

Tópico 2: O Mercado de Fertilizantes Brasileiro


De acordo com a Associação Nacional para Difusão de Adubos – Anda, o mercado nacional
movimentou 31,08 milhões de toneladas em 2013.

Acompanhe a evolução do mercado no período de 1997 a 2011.

Evolução Anual do Mercado de Fertilizantes (em Milhões de Toneladas)

Ano Mercado Crescimento Anual

1997 13,8

1998 14,7 6,5%

1999 13,7 -6,6%

2000 16,4 19,7%

2001 17,1 4,3%

2002 19,1 11,7%

2003 22,8 19,4%

2004 22,8 0,0%

2005 20,2 -11,4%

2006 21,0 4,0%

2007 24,6 17,1%

2008 22,4 -8,9%

2009 22,4 0,0%

2010 24,5 9,4%

2011 (*) 26,0 6,1%

Crescimento Médio 4,6%

(*) Previsão Fonte: ANDA – maio de 2011

Curso Técnico em Agronegócio


Nota-se que, no período entre 1997 e 2011, houve um crescimento constante do mercado de
fertilizantes, mas esse mesmo mercado apresentou estagnação nos anos de 2003 e 2004, e
em 2008 e 2009. No entanto, ao considerar o período entre 1997 e 2011, o crescimento médio
anual foi de 4,6%.

Os períodos de estagnação são justificados pelos problemas de estiagens prolongadas,


principalmente na região Sul, e o excesso de umidade no Centro-Oeste, e também pela
estocagem de fertilizantes por parte do produtor rural, além da diminuição da renda do
comprador e das crises mundiais, como a que ocorreu em 2008.

No ano de 2008, outros fatos também contribuíram para a estagnação do mercado, como os
aumentos elevados nos preços dos fertilizantes no mercado internacional (que trouxeram
consequências para o Brasil) e dos custos de fretes marítimos (que alteraram a relação entre
demanda e oferta de matérias-primas utilizadas).

O aumento do petróleo influenciou diretamente o aumento das matérias-primas derivadas


do nitrogênio, um dos principais nutrientes utilizados nas formulações de fertilizantes. O
aumento nos custos dos fretes marítimos implicou aumento de preço das matérias-primas
importadas.

O mercado disponível para consumo de fertilizantes por cultura está representado da


seguinte forma:

Consumo de fertilizantes por cultura em 2010 (%)

23%
Outras 25%
Soja

5%
Algodão

6%
109
Café

15% 15%
Cana-de-açúcar Milho

Fonte: Gestão de Informação de Marketing da Bunge Fertilizantes S/A, 2011.

A análise anterior permite uma melhor compreensão da distribuição do fertilizante por


unidade da federação. A cultura que mais consome fertilizantes no Brasil é a soja, atingindo
35% do total entregue no país. Outras culturas como milho, cana-de-açúcar, café e algodão
totalizam 77% das vendas de fertilizantes no mercado brasileiro. Quanto à segmentação por
estado brasileiro, nota-se a grande representatividade da região Centro-Oeste.

Introdução ao Agronegócio
Consumo de fertilizantes por região do Brasil (2010)

110

14%

30%

29%

28%

Fonte: Adaptado pelo autor

A representatividade da região Centro-Oeste deve-se ao fato de o Estado do Mato Grosso ser


o maior consumidor de fertilizantes do país. Trata-se do maior polo agrícola brasileiro, com
altas taxas de produtividade e áreas disponíveis para crescimento, tanto em pastagem quanto
para a abertura de novas áreas.

A título de comparação, acompanhe na sequência um breve panorama do consumo de


fertilizantes no mundo.

Tópico 3: Consumo Mundial de Fertilizantes


Os maiores consumidores de nutrientes minerais para fertilizantes no mundo são Brasil
(ocupa a quarta posição), China, Índia e Estados Unidos.

O consumo de fertilizantes no Brasil representa 6% do total consumido no mundo.

O Brasil consome 3% de nitrogenados, 9% de fosfatados e 14% de óxido de potássio (K2O).

Maiores consumidores mundiais de fertilizantes

N P2O5 K20 NPK

China 33% 30% 22% 30%

Índia 15% 15% 9% 14%


EUA 12% 11% 16% 12%

Brasil 3% 9% 14% 6%

Subtotal 63% 65% 61% 62%

Outros 37% 35% 39% 38%

Fonte: IFA; ANDA (2011)

Curso Técnico em Agronegócio


De certa forma, a importância dos fertilizantes para a produção de alimentos no Brasil é
relativamente elevada.

Podemos observar que, no período compreendido entre as safras 92/93 e 2006/2007, o


crescimento médio anual de área plantada no Brasil foi de 1,7%; o consumo de fertilizante
cresceu 5,9% ao ano e a produção de grãos, 4,5%.

A utilização de fertilizantes pode proporcionar aumento de produção de alimentos quando


essa tecnologia for aplicada corretamente.

Variação do consumo de fertilizantes, área plantada e produção de grãos no Brasil

CAGR
246 246

Produção de Grãos 225


218 5.9%
Consumo de Fertilizantes 206

Área Plantada
190
181 183
177 175 170 4.5%
167
159
150 148 147
142
132
129
121 122
119
117
115 112 133 138
132
4.5%
128
108 122
111
108 104 106 106
100 103 104
98

92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 05/06 06/07

Fonte: ANDA e CONAB (2013)


111

Esse setor é de importância relativamente forte para a produção de alimentos no Brasil.


Nossa vocação como país é a de grande participante. Algumas fontes consideram o Brasil
como um dos únicos países do mundo com quantidade de terras agricultáveis capaz de
enfrentar o grande desafio dos próximos anos para alimentar toda a demanda da população
mundial, mas isso só será possível com as devidas adequações no sistema agrícola atual, ou
seja, o alinhamento das ações com foco na sustentabilidade do planeta.

Se a previsão de aumento da produção mundial de alimentos se tornar realidade, será


muito importante que o setor de insumos agrícolas, fator essencial da produtividade, esteja
estruturado em bases sólidas.

Como já exposto, o cenário futuro exige intensificar o uso de tecnologias que resultem em
maior produtividade e que, também, reduzam o impacto sobre os recursos naturais do
planeta.

Introdução ao Agronegócio
Atividade prática

112
p O Brasil é altamente dependente dos fertilizantes importados, pois a nossa
produção é pequena. A partir dessa afirmação, pesquise e responda às
questões abaixo.

1. Qual é a atual produção brasileira de fertilizantes?

2. Quais são os principais países exportadores?

3. É possível utilizar na agricultura um substituto sustentável do fertilizante químico?

Tópico 4: Histórico da Utilização de Tecnologia


na Agricultura Brasileira
A mecanização agrícola no Brasil ocorreu logo após a Primeira Guerra Mundial. Nesse mesmo
período, ocorreu uma grande falta de mão de obra para a agricultura (BRUM, 1988).

No período de 1939-1940, não houve evolução do processo de implantação da mecanização


no Brasil, ocorrendo dificuldades na importação de tratores e outras máquinas agrícolas. O
Brasil possuía uma frota de 3.380 tratores2.

Após o término da Segunda Guerra Mundial, o governo observou que havia a necessidade de
aumentar a produção do campo, elevando a produtividade e também expandindo áreas de
produção e promovendo o uso de insumos modernos (sementes selecionadas, fertilizantes,
defensivos e, principalmente, maquinário) (MOURA ET AL., 2002).

2
Em 2012 a estimativa da frota de tratores no Brasil é de 664.041unidades, considerando os tratores de alta potência e os com
potência abaixo de 100hp.

Curso Técnico em Agronegócio


A partir de 1949, começou a haver um grande desenvolvimento da mecanização no Brasil,
impulsionado pelo aumento nas importações de tratores, mas um fator limitante da expansão
desse setor era a falta de qualificação das pessoas para o manuseio dessas máquinas.
É necessário, também, considerar que havia grande variedade de máquinas, modelos e
procedências que eram inadequados para serem utilizados em solo brasileiro.

Esses problemas acabaram trazendo benefícios para o setor de máquinas agrícolas


brasileiras, pois, a partir desde período, começaram a ser desenvolvidos novos tipos de
equipamentos no Brasil, reduzindo a importação de produtos ligados a esse setor. No
início do ano 2000, o governo federal criou o Moderfrota, um programa de crédito rural
direcionado, com taxas de juros diferenciadas, abaixo das praticadas pelo mercado, e
oferecido tanto ao pequeno quanto ao grande produtor.

Diante desse cenário (com o aquecimento da demanda devido ao aumento do crédito), a 113
indústria nacional de máquinas agrícolas passou a aumentar a capacidade instalada das
unidades existentes e, também, a construir novas plantas.

Isso possibilitou oferecer uma ampla linha de produtos, atendendo desde às operações
realizadas com tração animal até às operações que exigem tratores equipados com alto
grau de tecnologia (MOURA ET AL., 2002).

Atualmente, esse setor possui tecnologia de ponta, como, por exemplo, a produção de
colheitadeiras que monitoram a produtividade da área que está sendo colhida e também
a umidade dos grãos. Ao final de uma jornada de trabalho, ela emite um mapa de
produtividade da área por meio de sistemas controlados por satélite.

Também são desenvolvidas plantadeiras específicas para o plantio direto, colheitadeiras


para o café e a cana-de-açúcar, e equipamentos para a agricultura de precisão.

A agricultura brasileira utiliza várias tecnologias de mecanização, tais como:


• plantio direto;

Introdução ao Agronegócio
• irrigação com pivô-central;

• controle da compactação;
114
• automação de mecanismos;

• informações operacionais, dentre outros. (MOURA ET AL, 2002).

A aplicação de tecnologias modernas para o cultivo reflete-se no aumento de produtividade


da agricultura brasileira. Os avanços ocorrem devido à renovação e à expansão do parque de
máquinas agrícolas, aliados à utilização de sementes mais produtivas, ao aumento do uso de
fertilizantes e a uma maior eficiência dos agroquímicos.

Atualmente, a maior parte dos grandes produtores mundiais de máquinas e implementos


agrícolas possui unidades industriais no Brasil, que estão concentradas principalmente nos
estados do Rio Grande do Sul e São Paulo.

O setor de máquinas e implementos agrícolas desempenha um importante papel nas


economias paulista e gaúcha, impactando diretamente diversas cadeias produtivas, como
soja, milho, arroz, trigo, algodão e laranja.

Tópico 5: Agricultura de Precisão


A sessão anterior mostrou que a agricultura brasileira vem passando por importantes
transformações nos últimos anos e, atualmente, o Brasil é um grande produtor e exportador
de commodities, como soja, café, suco de laranja, açúcar etc. – estamos, inclusive, disputando
o mercado internacional com outros países, como, por exemplo, Estados Unidos, China, Índia
e França.

Mas alguns países como os EUA e os da Europa apresentam uma tecnologia de produção mais
desenvolvida que a brasileira. Por quê?

Curso Técnico em Agronegócio


Porque esses países utilizam novas tecnologias da informação que permitem o manejo da atividade
agrícola com dados precisos sobre a localização e o desenvolvimento das lavouras (MOLIN, 2003).

A adoção da agricultura de precisão foi intensificada nos anos 1980, quando foi gerado na
Europa o primeiro mapa de produtividade e nos EUA foi realizada a primeira adubação com
doses variadas. No início da década de 1990, os norte-americanos transformaram a agricultura
de precisão em um grande negócio, com o lançamento no mercado de sensores, softwares
e serviços (MOLIN, 2003). Em 1990, foi desenvolvido o sistema de posicionamento global por
satélites – GPS, que trouxe grandes contribuições para as lavouras.

E no Brasil, como se dão as atividades da agricultura de precisão?

Tais atividades começaram a se intensificar em 1995, com a importação de equipamentos,


especialmente colhedoras equipadas com monitores de produtividade.

A agricultura de precisão utiliza de maneira intensa os sistemas de posicionamento de satélites


e os sistemas de informações geográficas – GIS, o que permite o tratamento e a análise
dos dados coletados no campo. A análise desses dados permite a otimização dos insumos
agrícolas, gerando lucros para o agricultor e diminuindo o impacto ambiental (MAPA, 2011).

Atualmente no Brasil, as soluções existentes têm como foco principal a aplicação de fertilizantes
e corretivos em taxa variável, mas é preciso sempre considerar que a agricultura de precisão
é um sistema de gestão da propriedade rural e deve ser utilizada em todos os seus aspectos,
como produtividade, solo (características físicas, químicas etc.), infestação de ervas daninhas,
pragas e doenças (MAPA, 2011).

Comentário do autor

O Senar criou o programa Agricultura de Precisão para levar ao produtor rural

d conceitos modernos e novas tecnologias, e também firmou parcerias com a


Embrapa, universidades e as empresas que fabricam máquinas de agricultura de 115
precisão. O curso possui carga horária de 120 horas, sendo desenvolvido em sete
módulos. Acesse o portal do SENAR www.senar.org.br e saiba mais!

Tópico 6: Sementes geneticamente modificadas (GM)


Quando se fala em tecnologia, é preciso abordar as questões da inovação e do conhecimento,
pois ambos são fatores fundamentais para que ocorra uma agricultura competitiva e
sustentável.

Uma questão polêmica refere-se à tecnologia das sementes geneticamente modificadas – GM.
Hoje, os transgênicos são uma ferramenta fundamental para a agricultura de commodities
brasileira e mundial.

Introdução ao Agronegócio
De acordo com Paolinelli (2014), a pesquisa e o desenvolvimento de novas variedades GM
mostram que novas culturas também podem se beneficiar dessa tecnologia, como a cana-de-
116 açúcar e as frutas cítricas:

A Embrapa desenvolveu um feijão transgênico resistente a uma praga que assola a


produção dessa leguminosa em muitas regiões do mundo. No Brasil, a produção de
feijão é caracterizada por significativa participação da agricultura familiar. Com esta
semente à disposição, o produtor vai lançar mão de uma tecnologia de ponta para
resolver questões agronômicas.

Link

Acesse o AVA e confira alguns dados sobre a adoção de sementes geneticamente

A modificadas. Pesquise mais sobre o assunto e converse com os seus colegas


sobre os prós e os contras da adoção dessa tecnologia e, desse modo, formar a
sua própria opinião sobre o assunto.

Tópico 7: Logística
Definição

A logística é uma das mais antigas atividades econômicas, e, desde o processo de mudança de
economias exclusivamente extrativistas para as atuais, sua importância vem só aumentando.

Nas economias com atividades organizadas, em que ocorre especialização de produção e comer-
cialização de excedentes, as três principais funções logísticas (estocagem, armazenagem e trans-
porte) passaram a ser fundamentais para que o consumo pudesse acontecer (FLEURY, 2000).

Curso Técnico em Agronegócio


O objetivo principal da logística é colocar à disposição dos consumidores os produtos que
eles desejam consumir no tempo e no lugar certos, e em condições adequadas de consumo
(BALLOU, 2001).

A logística gerencia as atividades e os atores que estão presentes nas


cadeias de produção e distribuição, desde os fornecedores de matérias-
primas, de modo que o objetivo logístico seja atingido a um menor
custo possível.

Com a globalização e o consequente aumento da distância entre produção e consumo, oferta


e demanda, a importância da logística cresce ainda mais.

A evolução do comércio faz com que produtos, antes comercializados próximos aos locais de
produção, passem a percorrer distâncias cada vez maiores para serem disponibilizados aos con-
117
sumidores (BALLOU, 2001).

As exportações e as importações de um país dependem, essencialmente, dos sistemas de trans-


porte para serem efetuadas. O desenvolvimento do comércio nacional ou internacional só ocorre
devido a sistemas logísticos, e quanto melhores e mais baratos são esses sistemas, mais livre e
facilitada é a comercialização.

Na economia mundial, sistemas logísticos eficientes formam bases para o comércio, pois pos-
sibilitam que as diferentes regiões geográficas se especializem naquilo que melhor produzem,
explorando suas vantagens de produção para posteriormente trocarem entre si (BALLOU, 2001).

Modais de Transporte

A matriz de transportes é baseada em cinco diferentes modais:


• ferroviário;
• rodoviário;
• hidroviário;

Introdução ao Agronegócio
• dutoviário;
• aéreo.
118
Os modais rodoviários são os mais utilizados no Brasil e na Argentina. Já os modais ferroviário
e aquaviário são os mais utilizados pelos Estados Unidos (em especial estes últimos, visto que
parte da produção é transportada por balsas e navios).

Participação dos modais de transportes no Brasil, EUA e Argentina

Modais Brasil EUA Argentina

Rodoviário 58% 5% 80%

Ferroviário 25% 35% 18%

Aquaviário 17% 60% 2%

Fonte: CNT (2013)

O principal objetivo da logística agroindustrial é melhorar a eficiência da movimentação de


cargas agrícolas por meio de veículos adequados, e, também por meio do armazenamento,
obter o menor custo possível.

O gerenciamento do transporte e da armazenagem permite obter ganhos claros nas cadeias


agroindustriais, especialmente em relação às perdas de mercadorias que ocorrem, principal-
mente, devido ao transporte inadequado ou ao tempo curto de perecibilidade dos produtos
(CAIXETA FILHO, 2010).

Além disso, segundo Caixeta Filho (2010), ao permitir que os produtos sejam comercializados
em locais distantes das propriedades agrícolas, a logística é um elemento integrador de pro-
dutores, inclusive de pequenos produtores, nos sistemas agroindustriais.

Desse modo, das atividades de pós-colheita (pré-processamento,


transporte, armazenamento, embalagem e comercialização), o
transporte pode ser considerada como a mais importante.

No passado, a população migrava em busca de alimentos, mas, atualmente, com a


especialização e a urbanização, o alimento é transportado até os consumidores. Isso torna o
papel da logística fundamental.

Conforme Caixeta Filho (2010) afirma, os produtos agrícolas, ao saírem das propriedades,
seguem em distâncias relativamente curtas até as unidades de processamento e armazenagem.
Dessas unidades, os produtos já processados ou beneficiados são transportados até as áreas
de armazenamento e comercialização, próximas ao consumo.

Já as distâncias entre as processadoras e os locais de comercialização podem ser relativamente


grandes. Considera-se que a maioria dos produtos agrícolas deve ser transportada no mínimo
duas vezes, e produtos com maior nível de industrialização, ou processamento, normalmente
são transportados mais vezes (CAIXETA FILHO, 2010).

Curso Técnico em Agronegócio


Veja os custos logísticos para exportação à China, principal comprador mundial de commodities.

Custo do frete até a China,Xangai (US$/ton.)


Transporte
Origem
Interno Externo * Total

Brasil-Sorriso (MT) 145 45 190

Argentina-Córdoba 36 66 102

EUA-Saint Louis 25 46 71

*Marítimo - Fonte: Centrogrãos, Caramuru e Soy Transport Coalition (2010)

Podemos observar que os custos de transporte do Brasil são muito maiores que os custos
dos EUA e da Argentina.

A logística é um dos grandes gargalos do agronegócio brasileiro, que perde muito com
toda essa ineficiência, prejudicando todos os elos de todas as cadeias produtivas, em
especial aquelas que são voltadas à exportação.

Os países em desenvolvimento têm capacidade de alimentar a maior parte da população


mundial, no entanto, devido às suas más condições de transporte, não conseguem
alimentar nem a sua própria população.

Os meios de transporte nesses países são primitivos, as ferrovias são deficientes e as


rodovias não são modernas, desse modo, a quantia recebida pelos produtores em
pagamento da sua produção, muitas vezes, não é suficiente nem mesmo para cobrir seus
custos, o que leva muitos a desistirem de produzir (CAIXETA FILHO, 2010).

Um dos grandes desafios atuais do agronegócio é buscar constantemente meios de


aumentar a produção mundial de alimentos com o objetivo de diminuir a fome no mundo 119
(CAIXETA FILHO 2010).

De acordo com Ballou (2009) é estimado que um terço dos alimentos


perecíveis produzidos seja perdido durante a distribuição. Isso
pode ocorrer devido a acidentes, roubo de cargas ou mesmo
deterioração dos produtos.

Dessa forma, Caixeta Filho (2010) reforça a necessidade do


aumento da eficiência dos transportes, uma vez que, segundo
ele, não adianta aumentar a produção se essa é perdida, antes
mesmo que possa atingir os consumidores.

O custo médio de frete nos principais países produtores de soja mostra que os custos logísticos
do Brasil são muito mais altos que os custos da Argentina e dos EUA. O que dificulta a nossa
competitividade no mercado.

Introdução ao Agronegócio
Comparativo Custo Logístico Básico Soja (US$/ton)
120 Brasil Argentina EUA

Frete Lavoura-Porto 125,00 32,0 20,0

Custo Porto (FOB) 10,0 5,0 3,0

Total 135,0 37,0 23,0

Fonte: IMEA; USDA (2013)

O aprimoramento logístico gera benefícios para todos os envolvidos


na cadeia. Uma maior eficiência logística reduz as perdas durante
o transporte e os custos logísticos envolvidos, os quais podem ser
traduzidos em menores preços para os consumidores, em maiores
lucros para produtores e intermediários, ou nos dois.

Todos ganham com isso, inclusive a economia do país, que fica


mais dinâmica (CAIXETA FILHO, 2010).

As perdas durante o transporte estão relacionadas, principalmente,


aos descuidos durante o carregamento e o descarregamento das
cargas, à umidade, aos acidentes, e ao roubo de cargas.

Armazenagem

Em 2013, a oferta instalada de armazéns era de 142,6 milhões de toneladas, e a demanda


era de 186,1 milhões de toneladas (safra 2013/14), uma diferença de 43,5 milhões de
toneladas (24% da produção).

A produção de grãos no Brasil é dividida por regiões: as regiões Sul e Centro-Oeste são as
maiores produtoras.

Produção de grãos por regiões do Brasil e unidades de armazenamento

Produção
Região
Mil toneladas Unidades

Norte 5.503 470

Nordeste 12.278 1.162

Centro-Oeste 77.615 3.985

Sudeste 20.241 2.927

Sul 70.512 9.330

Total 186.149 17.874

Fonte: CONAB; FAO (2013)

Curso Técnico em Agronegócio


Porém, as unidades de armazenagem ainda são poucas, havendo um deficit em relação à
produção. Segundo a FAO, é necessária uma capacidade de armazenagem acima de 20% da
produção, sendo que ainda assim estamos com um deficit de 73 milhões de toneladas.

Percentual de deficit de armazenagem nas regiões brasileiras

Sudeste
Norte 3%
4%
Nordeste
7%

Sul Centro
33% Oeste
53%

Fonte: CONAB; FAO (2013)

As taxas de armazenagem nas fazendas em diversos países mostram que o Brasil possui uma
capacidade muito pequena em relação aos Estados Unidos, por exemplo.

Taxa de armazenagem nas fazendas em países de destaque


na produção de commodities

Região Participação

EUA 55% a 66%


121
Austrália 35%

Europa 35%

Argentina 35% a 45%

Canadá 85%

Brasil 35%

Fonte: USDA (2013)

Essa é uma realidade que precisa ser bem administrada pelos setores público e privado,
pois a armazenagem é uma ótima estratégia de comercialização, especialmente quando
ocorre um excesso de oferta devido a uma supersafra, momento no qual o produtor pode
armazenar a sua produção e esperar o melhor momento para vendê-la no mercado.

Introdução ao Agronegócio
O Plano Safra atual reservou R$ 30 bilhões para a construção de armazéns nos próximos
seis anos (R$ 5 bilhões por ano), levando ao aumento da capacidade estática para 65
122 milhões de toneladas, mas ainda será insuficiente para cobrir toda a produção.

Encerramento
Nesta unidade, você pôde aprender sobre os principais conceitos e desafios do agronegócio,
bem como suas configurações no Brasil e no mundo. É importante não parar por aqui e
continuar a investigar a respeito do tema e, principalmente, manter-se atualizado, pois os
números apresentados mudam a cada ano. Utilize bem os novos conhecimentos adquiridos.

Sucesso nessa nova jornada!

Curso Técnico em Agronegócio


Referências Básicas
BATALHA, M.O. Gestão do Agronegócio: textos selecionados. São Carlos: EdUFSCar, 2005.

BRUM, Argemiro Luis; MULLER, Patricia K. Aspectos do Agronegócio no Brasil. Unijui, 2009.

MASSILON, A. Fundamentos do agronegócio. São Paulo: Atlas, 2003.

Referências Complementares
ABIEC – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ÍNDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNE. Disponível
em: <http://www.abiec.com.br/texto.asp?id=1>. Acessado em: 15 jan. 2014.

ABIOVE – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DE ÓLEOS VEGETAIS. Disponível em:


<http://www.abiove.org.br/site/index.php>. Acessado em: 14 jan. 2014.

ABIPECS – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA PRODUTORA EXPORTADORA DE CARNE


SUÍNA. Disponível em: <http://www.abipecs.com.br/>. Acessado em: 20 jan. 2014.

ABRAPA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE ALGODÃO. Disponível em: <http://


www.abrapa.com.br/estatisticas/Paginas/default.aspx>. Acessado em: 14 jan. 2014.

ALMEIDA, P. R. A ordem mundial e as relações internacionais do Brasil. ESPM. Curso de Férias,


São Paulo, 2009.

ANDA – ASSOCIAÇÃO NACIONAL PARA DIFUSÃO DE ADUBOS. Disponível em: <http://www.


anda.org.br/home.aspx>. Acessado em: 10 fev. 2014.
123
APROARROZ – ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE ARROZ DO LITORAL NORTE GAÚCHO.
Disponível em: <http://www.aproarroz.com.br/index.php/aproarroz>. Acessado em: 18 jan.
2014.

ARAÚJO, M. J. Fundamentos dos agronegócios. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BALLOU, R. H. Logística empresarial. SãoPaulo: Atlas, 2001.

BARBOSA, L. Tendências da alimentação contemporânea. Evento CAEPM, ESPM, 2010.

BATALHA, M. O. (coord.). Gestão agroindustrial. São Paulo: Atlas, 1997.

BODNAR, Z. O cidadão consumidor e a construção jurídica da sustentabilidade. In: LITON,


L.; PILAU, S.; SILVA, R. Consumo e sustentabilidade. Passo Fundo-MG: Universidade de Passo
Fundo, 2012.

Introdução ao Agronegócio
BRUM, A. J. A modernização da agricultura: trigo e soja. Rio de Janeiro: Vozes, 1988. 200 p.

124 BUAINAIN, M. A; BATALHA, M. O. Cadeia produtiva do algodão. Ministério da Agricultura,


Pecuária e Abastecimento (MAPA): Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura
– IICA, Volume 4, jan. 2007.

______. Cadeia produtiva da fruticultura. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento


(MAPA): Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura – IICA, Volume 7, jan. 2007.

CANAL DO PRODUTOR. O Novo Código Florestal. Disponível em: <http://www.canaldoprodutor.


com.br/codigoflorestal/historico-da-proposta>. Acessado em: 14 abr. 2014.

CEPEA – CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA. Piracicaba, SP: CEPEA/


ESALQ/USP. Disponível em: <http://www.cepea.esalq.usp.br/pib/>. Acessado em: 15 fev. 2014.

COMISSÃO EUROPEIA. Disponível em: <http://europa.eu/pol/agr/index_pt.htm>. Acessado


em: 11 abr. 2014.

CONAB – COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Disponível em: <http://www.conab.


gov.br/>. Acessado em: 10 fev. 2014.

CONWAY, G.. Produção de alimentos no século XXI: biotecnologia e meio ambiente. São Paulo:
Estação Liberdade, 2003.

DINIZ, J. H. S. Las Perspectivas del Comercio Solidario en Brasil. In: Visão Mundial [site]. Belo
Horizonte, 2006. Disponível em: <http://www.visaomundial.org.br>. Acessado em: 2 jan. 2014.

ECOCITRUS. Homepage. Disponível em: <http://www.ecocitrus.com.br>. Acessado em: 25 fev.


2014.

ECOVIDA. Homepage. Disponível em: <http://www.ecovida.org.br>. Acessado em: 14 fev. 2014.

EMATER/RS-ASCAR. Homepage. Disponível em: <http://www.emater.tche.br/site/sobre/>.


Acessado em: 10 jan. 2014.

EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Homepage. Disponível em:


http://docsagencia.cnptia.embrapa.br/feijao/doc_135.pdf. Acesso em 22/02/2014.

______. Disponível em: <http://www.embrapa.br/>. Acessado em: 31 jan. 214.

ETH Bioenergia S.A. Disponível em: <http://www.odebrechtagroindustrial.com/>. Acessado


em: 20 jan. 2014.

FARINA, E. M. M. Q. Padronização em sistemas agroindustriais. In: ZYLBERSZTAJN, D.; SCARE,


R. F. (org.). Gestão da qualidade no agribusiness: estudos e casos. São Paulo: Atlas, 2003. p.
18-29.

Curso Técnico em Agronegócio


FUSCALDI, K .C.; PRADO, G. R. Infraestrutura e logística do feijão. Disponível em: <http://www.
cifeijao.com.br/index.php?p=infraestrutura>. Acessado em: 2 fev. 2014.

GOLDBERG, R. A. Agribusiness coordination: a systems approach to the wheat, soybean, and


Florida orange economies. Boston: Harvard University, Division of Research, Graduate School
of Business and Administration, 1968.

GOLDEMBERG, J. Futuro energético e biocombustíveis: existe ameaça à produção de alimentos?.


São Paulo: Ethanol Summit, 2007.

GONZALEZ, F. Biocombustíveis: uma nova estratégia para o planeta. São Paulo: Ethanol Summit,
2007.

GOODMAN, D.; SORJ, B.; WILKINSON, J. Da lavoura às biotecnologias: agricultura e indústria no


sistema internacional. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

GRAZIANO DA SILVA, José. A nova dinâmica da agricultura brasileira. 2. ed. Campinas: Unicamp,
1998.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: <http://www.


ibge.gov.br/home/>. Acessado em: 31 jan. 2014.

IBRAF – INSTITUTO BRASILEIRO DE FRUTAS. Disponível em: <http://www.ibraf.org.br/>.


Acessado em: 31 jan. 2014.

ICAC – INTERNATIONAL COTTON ADVISORY COMMITTEE. Disponível em: <https://www.icac.


org/>. Acessado em: 15 jan. 2014.

ICONE – INSTITUTO DE ESTUDOS DO COMÉRCIO E NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS. Disponível


em: <http://www.iconebrasil.com.br/>. Acessado em: 11 abr. 2014.

FAIRTRADE INTERNATIONAL. Homepage. Disponível em: <http://www.fairtrade.net>. Acessado


em: 14 jan. 2014.
125
FLEURY, L. F.; FIGUEIREDO, K. F.; WANKE, P. F. Logística empresarial: a perspectiva brasileira.
São Paulo: Atlas, 2000.

IBD – INSTITUTO BIODINÂMICO. Homepage. Disponível em: http://www.ibd.com.br/pt/Default.


aspx. Acessado em: 12 fev. 2014.

IFOAM – INTERNATIONAL FEDERATION OF ORGANIC AGRICULTURE MOVIMENTS. Disponível


em: <http://www.ifoam.org/>. Acessado em: 14 fev. 2014.

INTERNATIONAL FERTILIZER INDUSTRY ASSOCIATION. Disponível em: <http://www.fertilizer.


org/>. Acessado em: 30 jan. 2014.

IPCC – INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. Disponível em: <http://www.ipcc.


ch/>. Acessado em: 10 abr. 2014.

Introdução ao Agronegócio
JANK, M. S. A importância da comunicação. AgroAnalysis, Fundação Getúlio Vargas (FGV), São
Paulo, agosto de 2008. São Paulo Ethanol Summit, 2007.
126
KAGEYAMA, A. (coord.). O novo padrão agrícola brasileiro: do complexo rural aos complexos
agroindustriais. In: DELGADO, G. C.; GASQUES, J. G.; VILLA-VERDE, C. M. (org.). Agricultura e
políticas públicas. Brasília: IPEA, 1990 [1987]. p. 113-223.

MARZOLA, F. T. A plantação eficiente. Disponível em: <http://www.amanha.com.br/index.


php?option=com_content&view=article&id=4799:a-plantacao-eficiente&catid=124:sementes-
da-mudanca&Itemid=198>. Acessado em: 10 jan. 2014.

MASSILON, A. Fundamentos do agronegócio. São Paulo: Atlas, 2003.

MAZZALI, L. O processo recente de reorganização agroindustrial: do complexo à organização “em


rede”. São Paulo: Unesp, 2000, Coleção Prismas/PROPP. 175 p.

MEADOWS, D. H. et al. The limits to growth. New York: Universe Books, 1972.

MENDES, J. T. G.; PADILHA JR., J. B. Agronegócio: uma abordagem econômica. São Paulo: Pearson
Prentice-Hall, 2007.

MAPA – MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Disponível em: <http://


www.agricultura.gov.br/>. Acessado em: 16 jan. 2014.

______. Agricultura de Precisão. Brasília-DF: MAPA/ACS, 2011.

______. Produtividade e crescimento – algumas comparações. GASQUES, J. G.; VALDES, C.; BACCHI,
M. Brasilia-DF, 2013.

______. A cadeia produtiva do milho. Série Agronegócios: Volume 1. PINAZZA, L. A. Brasília-DF,


2007.

MOLIN, J. P. Agricultura de precisão – o gerenciamento da variabilidade. Piracicaba-SP: O autor,


2003. 83 p.

MONTIGAUD, J. C. Les filières fruits et légumes et la grande distribution: méthodesd’analyse et


résultats. Montpellier: Centre International de Hautes Etudes Agronomiques Méditerranéennes/
Institut Agronomique Méditerranéen, 1991.

MOURA, D.; TYBUSCH, T. M.; TAVARES, M. F. F. A agricultura familiar e a agricultura de precisão.


IV Coloquio Transformaciones Territoriales, Montevideo, Uruguai, 2002.

NASSAR, A. M. Certificação no agribusiness. In: ZYLBERSZTAJN, D.; SCARE, R. F. (org.). Gestão da


qualidade no agribusiness: estudos e casos. São Paulo: Atlas, 2003. p. 30-46.

______. Inserção internacional do agro – caminho sem volta. Disponível em: < http://www.
beefpoint.com.br/cadeia-produtiva/comercio-internacional/insercao-internacional-do-agro-
caminho-sem-volta-70410/>. Acessado em: 4 fev. 2014.

Curso Técnico em Agronegócio


NEVES, M. F.; CASTRO, L. T. (orgs.). Marketing e estratégia em agronegócio e alimentos. São Paulo:
Atlas, 2003. 365 p.

PAOLINELLI, A. Conhecimento e inovação são as chaves para uma agricultura competitiva e


sustentável. Revista Agroanalysis. v. 34. São Paulo: Fundação Getulio Vargas, fev. 2014.

PEARCE, D.; TURNER, R. K. Economics of natural resources and the environment. New York:
Harvester Wheatsheaf, 1990.

PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência.


Rio de Janeiro: Campus, 1980. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-
40142012000100006&script=sci_arttext>. Acessado em:

QUEIROZ, T. R.; ZUIN, L. F. S. Agronegócios, gestão e inovação. São Paulo: Saraiva, 2006.

ROMEIRO, A. R. Sustainable development and institutional change: the role of altruistic


behavior. Texto para Discussão, IE/Unicamp, n. 97, 2000.

ROMEIRO, A. R. Desenvolvimento sustentável: uma perspectiva econômico-ecológica. Estud.


av. vol. 26. n. 74. São Paulo, 2012.

SAES, M. S. M.; FARINA, E. M. M. Q. O agribusiness do café no Brasil. São Paulo: Milkbizz, 1999.
230 p.

SALCEDO, S. Políticas de agricultura familiar brasileiras são exemplo mundial. Disponível em:
<http://www.dw.de/pol%C3%ADticas-de-agricultura-familiar-brasileiras-s%C3%A3o-exemplo-
mundial/a-16978799>. Acessado em: 10 abr. 2014.

SCHNEIDER, S. Agricultura familiar e desenvolvimento local. In: FROELICH, J. M.; DIESEL, V.


Desenvolvimento rural: tendências e debates contemporâneos. Ijuí-RS: Unijuí, 2006.

SCHREINER, J. M. Abertura da Tecnoshow 2014 marcada por anseios e crescimentos


do setor. Disponível em: <http://www.agrolink.com.br/noticias/ClippingDetalhe.
aspx?CodNoticia=195735>. Acessado em: 9 abr. 2014.
127

SISTEMA FAEP. Novo Código Florestal. Disponível em: <https://s3-sa-east-1.amazonaws.com/


comunicacao/novo-codigo-florestal-principais-mudancas.pdf>. Acessado em: 14 abr. 2014.

SPERS, E. E.; NASSAR, A. M. Competitividade do sistema agroindustrial do feijão. In: FARINA,


E. M. M. Q.; ZYLBERSZTAJN, D. (coord.). Competitividade do agribusiness brasileiro. São Paulo:
PENSA, 1998. p.102- 250.

SOUZA, E. L. L.; AZEVEDO, P. F.; SAES, M. S. M. Competitividade do sistema agroindustrial do


milho. In: FARINA, E. M. M. Q.; ZYLBERSZTAJN, D. Competitividade do agribusiness brasileiro. São
Paulo: USP/PENSA, 1998. p. 273-471.

UNICA – UNIÃO DA INDÚSTRIA DE CANA-DE-AÇUCAR. Disponível em: <http://www.unica.com.


br/>. Acessado em: 2 fev. 2014.

USDA – UNITED STATES DEPARTMENT OF AGRICULTURE. Disponível em: <http://www.usda.


gov/wps/portal/usda/usdahome>. Acessado em: 21 jan. 2014.

Introdução ao Agronegócio
ZYLBERSZTAJN, D. Apoio à instalação dos fóruns de competitividade nas cadeias produtivas couro/
calçados, têxtil, madeira/móveis e fertilizantes. Pensa-USP-FEA-FIA, 2002.
128
ZYLBERSZTAJN, D.. Revisando o papel do Estado. In: ZYLBERSZTAJN, D.; SCARE, R. F. (org.).
Gestão da qualidade no agribusiness: estudos e casos. São Paulo: Atlas, 2003. p. 80-90.

ZYLBERSZTAJN, D.; NEVES, M. F. (org.). Economia e gestão dos negócios agroalimentares: indústria
de alimentos, indústria de insumos, produção agropecuária, distribuição. São Paulo: Pioneira,
2000

Curso Técnico em Agronegócio


SGAN 601 MÓDULO K - EDIFÍCIO ANTÔNIO
ERNESTO DE SALVO - 1º ANDAR - BRASÍLIA
DISTRITO FEDERAL - CEP: 70830-021
FONE: + 55 61 2109 1300

WWW.SENAR.ORG.BR/ETEC
WWW.SENAR.ORG.BR