Sie sind auf Seite 1von 184

See

discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.net/publication/320625736

Retrospectiva dos Métodos de Levitação e o


Estado da Arte da Tecnologia de Levitação
Magnética (Levitation Methods Retr....

Thesis · April 2017


DOI: 10.13140/RG.2.2.13411.66086

CITATIONS READS

0 92

1 author:

Hugo Pelle Ferreira


Federal University of Rio de Janeiro
12 PUBLICATIONS 1 CITATION

SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Electromagnetic Levitation and its Applications View project

All content following this page was uploaded by Hugo Pelle Ferreira on 26 October 2017.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


Universidade Federal do Rio de Janeiro

RETROSPECTIVA DOS MÉTODOS DE LEVITAÇÃO E O ESTADO DA ARTE DA


TECNOLOGIA DE LEVITAÇÃO MAGNÉTICA

Hugo Pelle Ferreira

2017
RETROSPECTIVA DOS MÉTODOS DE LEVITAÇÃO E O ESTADO DA ARTE DA
TECNOLOGIA DE LEVITAÇÃO MAGNÉTICA

Hugo Pelle Ferreira

Projeto de Graduação apresentado ao Curso de


Engenharia Elétrica da Escola Politécnica,
Universidade Federal do Rio de Janeiro, como
parte dos requisitos necessários à obtenção do
título de Engenheiro.

Orientador: Richard Magdalena Stephan

Rio de Janeiro
Abril de 2017
RETROSPECTIVA DOS MÉTODOS DE LEVITAÇÃO E O ESTADO DA ARTE DA
TECNOLOGIA DE LEVITAÇÃO MAGNÉTICA

Hugo Pelle Ferreira

PROJETO DE GRADUAÇÃO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO CURSO DE


ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE
FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS REQUISITOS
NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE ENGENHEIRO
ELETRICISTA.

Examinada por:

________________________________________
Prof. Richard Magdalena Stephan, Dr.-Ing.
(Orientador)

________________________________________
Prof. Antonio Carlos Ferreira, Ph.D.

________________________________________
Prof. Rubens de Andrade Jr., D.Sc.

RIO DE JANEIRO, RJ – BRASIL


ABRIL de 2017
RETROSPECTIVA DOS MÉTODOS DE LEVITAÇÃO E O ESTADO DA ARTE DA
TECNOLOGIA DE LEVITAÇÃO MAGNÉTICA

Ferreira, Hugo Pelle


Retrospectiva dos Métodos de Levitação e o Estado da
Arte da Tecnologia de Levitação Magnética/ Hugo Pelle
Ferreira. – Rio de Janeiro: UFRJ/ Escola Politécnica, 2017.
XVIII, 165 p.: il.; 29,7 cm.
Orientador: Richard Magdalena Stephan
Projeto de Graduação – UFRJ/ Escola Politécnica/ Curso de
Engenharia Elétrica, 2017.
Referências Bibliográficas: p. 108 – 165.
1. Introdução. 2. Princípios de Levitação e Aplicações. 3.
Levitação Magnética e Aplicações. 4. Conclusões. I. Stephan,
Richard Magdalena. II. Universidade Federal do Rio de Janeiro,
Escola Politécnica, Curso de Engenharia Elétrica. III.
Retrospectiva dos Métodos de Levitação e o Estado da Arte da
Tecnologia de Levitação Magnética.

iv
AGRADECIMENTOS

Agradeço primeiramente a Deus, por sua infinita misericórdia e força que me


ajudaram a chegar até aqui e enfrentar todos os desafios.
Agradeço ao Professor Richard Magdalena Stephan por ter me selecionado como
aluno de inciação científica do Laboratório de Aplicações de Supercondutores (LASUP)
e do Laboratório de Máquinas (LabMaq), o que me permitiu ter a primeira oportunidade
de colocar em prática os conhecimentos vistos ao longo do curso, ampliar os horizontes
e ter acesso ao estado da arte da tecnologia de levitação magnética, com os mancais
magnéticos e o projeto MagLev-Cobra, além de participar de duas conferências
internacionais sobre o tema. Agradeço também por sua paciência, confiança e didática
para a orientação deste trabalho e ao longo do curso, que contribuíram muito para minha
formação como engeheiro.
Agradeço ao Professor Antonio Carlos Ferreira e ao Professor Rubens de Andrade
Jr. por aceitarem o convite para participar da banca de avaliação deste trabalho.
Agradeço ao CNPq pelo apoio financeiro como aluno bolsista de iniciação
científica.
Agradeço à minha mãe, Lenita, pelo imenso apoio, amor, carinho e incentivo para
alcançar meus objetivos e cumprir mais uma etapa de minha vida. Agradeço ao meu
pai, José Manuel, por me ensinar a importância da matemática e estímulo para as
ciências exatas. Agradeço à minha irmã, Carolina, por sua ajuda nesta caminhada.
Agradeço aos demais familiares que sempre torceram por mim.
Agradeço a todos os amigos que tive a oportunidade de encontrar ao longo dos
anos e compartilhar vários momentos que tornaram esta caminhada mais leve, em
especial Andrei, Bruno, Carlos Augusto, Carolina, Fábio, Leonardo, Marcello, Paola,
Rafaela, Rodrigo, Samuel e Yuri. Agradeço também aos engenheiros Alan Endalécio,
Marcelo Lopes e Vinícius Rodrigues, que além de serem grandes amigos, muito me
auxiliaram nas atividades do laboratório.
Agradeço à toda a equipe do LASUP e do LabMaq por me darem todas as
condições e suporte para a realização deste trabalho em um excelente ambiente, em
especial ao Professor Elkin Rodríguez, Sérgio Ferreira, Vina Guedes e aos engenheiros
Felipe Costa, Felipe Sass e Marcos Dantas.
Agradeço aos Professores que me motivaram e demonstraram a importância do
conhecimento e do estudo, ao longo de toda minha vida, e cujos esforços se traduzem
neste trabalho, em especial, Adriana Benazzi, Antonio Ribeiro, Almir Nogueira, Djalma
Falcão, Glauco Taranto, Leila Schiesari, Miguel Bastos, Paulo Mendes, Rafael Pinheiro,
Rosa Maria, Valmar Carneiro e Walter Suemitsu.

v
Agradeço ao pesquisador da USP, Marcos Andrade, e as empresas, por ordem
alfabética, Bytronic Educational Technology, crazybaby, Inc., Crealev B. V., Elivatix,
INTECO, IQDEMY, Levitronix, LG Electronics, Inc., LTI Motion, Mecos AG, Thoratec
Corporation, e Waukesha Bearings, pela permissão para utilizar a imagem de suas
pesquisas e seus produtos neste trabalho e, assim, enriquecer o seu conteúdo.

vi
Resumo do Projeto de Graduação apresentado ao Departamento de Engenharia Elétrica
da Escola Politécnica/ UFRJ como parte dos requisitos necessários para a obtenção do
grau de Engenheiro Eletricista.

RETROSPECTIVA DOS MÉTODOS DE LEVITAÇÃO E O ESTADO DA ARTE DA


TECNOLOGIA DE LEVITAÇÃO MAGNÉTICA

Hugo Pelle Ferreira

Abril/2017

Orientador: Richard Magdalena Stephan

Curso: Engenharia Elétrica

Ao longo da história, o fenômeno da suspensão ou da levitação de objetos sempre


atraiu a atenção e o imáginário da humanidade para a possibilidade surpreendente de
reproduzir o comportamento das aves e desafiar a ação gravitacional, que nos mantinham
limitados ao solo.
Dentre todos os métodos de levitação de objetos, a técnica de levitação magnética
é a que atrai mais interesse atualmente e que possui maior capacidade de apresentar
tecnologias promissoras ao mercado, sobretudo no setor de transporte de passageiros e na
área industrial, e impactar de maneira positiva grande parte da sociedade, contribuindo
para o seu bem-estar.
Sob este cenário favorável para a levitação magnética, este trabalho se propõe a
primeiramente analisar em detalhes todas as formas de suspensão de objetos
anteriormente desenvolvidas, realizando uma retrospectiva sobre as técnicas acústica,
óptica, aeroestática, aerodinâmica e eletrostática, descrevendo o princípio de
funcionamento de cada uma delas, as suas vantagens e desvantagens e as aplicações em
que são frequentemente encontradas.
Em seguida, este trabalho apresenta todas as possíveis variações da levitação
magnética, com as respectivas formulações matemáticas de seus sistemas de levitação,
ressaltando o estado da arte das suas aplicações acadêmicas, industriais, de meios de
transporte ou de bens de consumo, indicando os projetos de trens MagLev, e fabricantes
de máquinas e equipamentos dotados desta tecnologia.

Palavras-chave: EDL, EML, Hovercraft, MagLev, Mancais Magnéticos, SML, TACV

vii
Abstract of Undergraduate Project presented to the Department of Electrical Engineering
of POLI/UFRJ as a partial fulfillment of the requirements for the degree of Engineer.

LEVITATION METHODS RETROSPECTIVE AND MAGNETIC LEVITATION


TECHNOLOGY STATE OF THE ART

Hugo Pelle Ferreira

April/2017

Advisor: Richard Magdalena Stephan

Course: Electrical Engineering

Througout history, the suspension or levitation phenomenon have always attracted


the humanity’s imaginary to the astonishing possibility of reproduce the birds’ behavior
and defy gravity, that had maintained us limited to the ground.
In addition to all the levitation methods, the magnetic levitation technique is the one
that has attracted more interest currently and has the most promising technologies to the
market, mainly to the passengers’ transportation and at the industry level, to impact in a
positive way the whole society, contributing to their wellbeing.
Under this favorable scenarium to the magnetic levitation, this work will first
analize in details all the suspension methods previously developed, doing a retrospective
of the acoustic, optical, aerostatic, aerodynamic and electrostatic’s techniques, describing
the each one’s operating principle, their advantages and disadvantages, and their main
applications.
After, this undergraduate project will present all the possible magnetic levitation
schemes, with their respective mathematical analysis, highlighting the academic,
industrial, transportation, and consumer goods state of the art, indicating the MagLev
trains’ projects, and the machinery manufacturers with this technology.

Keywords: EDL, EML, Hovercraft, MagLev, Magnetic Bearings, SML, TACV

viii
Sumário
Sumário ...................................................................................................................... ix
Lista de Símbolos ...................................................................................................... xi
Listas de Abreviaturas e Siglas ............................................................................... xii
Listas de Figuras ..................................................................................................... xvi
Listas de Tabelas ................................................................................................... xviii
1. Introdução ............................................................................................................ 1
1.1. Motivação e Tema ......................................................................................................... 1
1.2. Objetivos e Metodologia ............................................................................................... 2
1.3. Descrição ....................................................................................................................... 4
2. Princípios de Levitação e Aplicações ................................................................ 5
2.1. Introdução ..................................................................................................................... 5
2.2. Levitação Acústica ......................................................................................................... 5
2.3. Levitação Óptica ............................................................................................................ 6
2.4. Levitação Aerostática .................................................................................................... 7
2.4.1. Balão e Dirigível ..................................................................................................... 7
2.4.2. Transporte Marítimo (Hovercraft) e Terrestre (Hovertrain) ................................. 9
2.4.3. Aplicações Médicas e de Bens de Consumo ....................................................... 20
2.4.4. Aplicações Industriais .......................................................................................... 21
2.5. Levitação Aerodinâmica .............................................................................................. 22
2.5.1. Aviação ................................................................................................................ 22
2.5.2. Forças fundamentais para o voo de uma aeronave ............................................ 25
2.5.3. Helicóptero .......................................................................................................... 26
2.5.4. Ground Effect Vehicle (GEV) ............................................................................... 27
2.5.5. Aplicações Comerciais, Industriais e Científicas .................................................. 28
2.6. Levitação Eletrostática (ESL) ....................................................................................... 30
2.7. Conclusão .................................................................................................................... 32
3. Levitação Magnética e Aplicações ................................................................... 35
3.1. Introdução ................................................................................................................... 35
3.2. Levitação de Ímãs Permanentes ................................................................................. 36
3.2.1. Modo Atrativo e Repulsivo de Levitação Magnética .......................................... 37
3.2.2. Materiais Magnéticos e o Arranjo de Halbach .................................................... 39
3.2.3. Aplicações nos Transportes ................................................................................. 41
3.2.4. Mancais Magnéticos Passivos (PMB) .................................................................. 43
3.2.5. Levitação Estável por Rotação de Ímãs Permanentes......................................... 44

ix
3.3. Levitação Diamagnética .............................................................................................. 45
3.4. Levitação Eletromagnética (EML ou EMS) .................................................................. 46
3.4.1. Princípio de Funcionamento da Levitação Eletromagnética Tradicional ............ 46
3.4.2. Primeiras Aplicações ........................................................................................... 51
3.4.3. Mancais Magnéticos............................................................................................ 52
3.4.4. Aplicações Educacionais ...................................................................................... 57
3.4.5. Levitação Eletromagnética com Circuito Ressonante e em Corrente Alternada 65
3.4.6. Aplicações nos Transportes ................................................................................. 66
3.4.7. Aplicações Industriais Recentes .......................................................................... 71
3.4.8. Aplicações de Consumo e Entretenimento ......................................................... 72
3.5. Levitação Supercondutora (SML ou SQL) .................................................................... 76
3.5.1. Teoria da Supercondutividade ............................................................................ 76
3.5.2. Aplicações da Levitação Supercondutora ........................................................... 78
3.5.3. Mancais Magnéticos............................................................................................ 79
3.5.4. Trens de Levitação Magnética............................................................................. 81
3.5.5. Entretenimento ................................................................................................... 82
3.6. Levitação Eletrodinâmica (EDL ou EDS)....................................................................... 82
3.6.1. Princípio de Funcionamento da Levitação Eletrodinâmica Tradicional .............. 82
3.6.2. Levitação Eletrodinâmica por Corrente Alternada.............................................. 85
3.6.3. Aplicações da Levitação Eletrodinâmica por Corrente Alternada ....................... 87
3.6.4. Aplicações Educacionais ...................................................................................... 89
3.6.5. Mancal Eletrodinâmico ....................................................................................... 92
3.6.6. Aplicações nos Transportes ................................................................................. 94
3.7. Levitação Mixed-µ ..................................................................................................... 100
3.8. Conclusão .................................................................................................................. 101
4. Conclusões ...................................................................................................... 102
Referências Bibliográficas ..................................................................................... 108

x
Lista de Símbolos
𝐴 Área da seção transversal do circuito magnético (m²)
𝑎̂𝑥 , 𝑎̂𝑦 , 𝑎̂𝑧 Vetores unitários nas coordenadas cartesianas 𝑥, 𝑦, 𝑧

𝐵 Vetor densidade de fluxo magnético (T)
⃗𝑔
𝐵 Vetor densidade de fluxo magnético no entreferro (T)

⃗ 𝑖𝑛𝑑
𝐵 Vetor densidade de fluxo magnético induzida (T)

𝐸⃗ Vetor campo elétrico (V/m)


𝑒 Tensão sobre o eletroímã (V)
𝐹𝑎𝑟𝑟 Vetor força de arraste (N)

𝐹𝑙𝑒𝑣 Vetor força de levitação (N)

𝐹𝑀 Vetor força de atração eletromagnética entre o eletroímã e o ímã (N)

𝑓 Vetor força eletromagnética (N)


𝑔 Vetor aceleração da gravidade (m/s²)

𝐻 Vetor campo magnético (A.m)
⃗𝑐
𝐻 Vetor campo magnético crítico (A.m)
⃗𝑔
𝐻 Vetor campo magnético no entreferro (A.m)

𝑖 Corrente elétrica (A)


𝑖𝑖𝑛𝑑 Corrente elétrica induzida (A)
𝐽 Vetor densidade de corrente elétrica (A/m²)

𝐽⃗⃗𝑐 Vetor densidade de corrente elétrica crítica (A/m²)


⃗⃗
𝑀 Vetor momento de dipolo magnético do ímã permanente (A.m²)
𝑚 Massa do objeto que levita (kg)
𝑁 Número de espiras
𝑃𝑒 Potência elétrica (W)
𝑃𝑚 Potência mecânica (W)
𝑇 Temperatura (K)
𝑇𝑐 Temperatura crítica (K)
𝑉 Volume (m³)
𝑣 Vetor velocidade de deslocamento (m/s)
𝑊𝑎𝑟𝑚 Energia magnética armazenada (J)
𝑧 Distância de entreferro (m)
𝜆 Fluxo magnético enlaçado (Wb.espira)
𝜇0 Permeabilidade magnética do vácuo (H/m)
𝜎 Condutividade elétrica (S)

xi
Listas de Abreviaturas e Siglas
ACV – Air-Cushion Vehicle

Al-Ni-Co – Alumínio-Níquel-Cobalto (material magnético)

AMB – Active Magnetic Bearing

APM – Automated People Mover

AVE – Alta Velocidad Española

CES – Consumer Electronics Show

CI – Circuito Integrado

COPPE – Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de


Engenharia

CVD – Chemical-Vapor-Deposited

DEE – Departamento de Engenharia Elétrica

DEL – Departamento de Engenharia Eletrônica e de Computação

DoT – Department of Transportation

DSP – Digital Signal Processor

d.C. – Depois de Cristo

EAU – Emirados Árabes Unidos

EDB – Electrodynamic Bearing

EDL – Electrodynamic Levitation

EDS – Electrodynamic Suspension

EESC – Escola de Engenharia de São Carlos

EML – Electromagnetic Levitation

EMS – Electromagnetic Suspension

EPUSP – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

ESIM – Electrostatically Suspended Induction Motor

ESL – Electrostatic Levitation

EUA – Estados Unidos da América

EUV – Extreme Ultraviolet

FAI – Fédération Aéronautique Internationale

FEI – Centro Universitário da Fundação Educacional Inaciana (Faculdade de


Engenharia Industrial)

FEM – Finite Element Method

xii
Fem – Força Eletromotriz

FPGA – Field-Programmable Gate Array

Fultrace® – Fast Ultra-Light Tracked Air Cushion Equipment

GEV – Ground Effect Vehicles

HIL – Hardware-in-the-Loop

H-LSM – Homopolar Linear Synchronous Motor

HSST – High Speed Surface Transport

HTS – High Temperature Superconducting

HTT – Hyperloop Transportation Technologies

IAI – Israel Aerospace Industries

IAP – Istituto d’Aeronautica dell’Universitá di Palermo

ICE – Inter City Express

IDPC – Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia

IGBT – Insulated-Gate Bipolar Transistor

KIMM – Korea Institute of Machinery and Materials

LabMaq – Laboratório de Máquinas Elétricas

LADIF – Laboratório Didático do Instituto de Física da UFRJ

LASUP – Laboratório de Aplicações de Supercondutores

LCD – Liquid Crystal Display

LED – Light Emitting Diode

LIM – Linear Induction Motor

LIMRV – Linear Induction Motor Research Vehicle

LN2 – Nitrogênio Líquido

LQR – Linear Quadratic Regulator

LRC – Indutivo, Resistivo e Capacitivo

LSM – Linear Synchronous Motor

MagLev – Magnetic Levitation

MEMS – Micro-electro-mechanical Systems

MIT – Massachusetts Institute of Technology

MOSFET – Metal-oxide-semiconductor field-effect transistor

NASA – National Aeronautics and Space Administration

xiii
Nd-Fe-B – Neodímio-Ferro-Boro (material magnético)

NEDO – New Energy and Industrial Technology Development Organization

PCI – Placa de Circuito Impresso

PID – Proporcional-Integral-Derivativo

PMB – Passive Magnetic Bearing

PRT – Personal Rapid Transit

PWM – Pulse-Width Modulation

RTRI – Railway Technical Research Institute

RTV – Research Test Vehicle

SMDTC – Shanghai Maglev Transportation Development Co., Ltd.

SMB – Superconducting Magnetic Bearing

SML – Superconducting Magnetic Levitation

Sm-Co – Samário-Cobalto (material magnético)

SQL – Superconducting Quantum Levitation

TACV – Tracked Air Cushion Vehicle

TACRV – Tracked Air Cushion Research Vehicle

TALAV – Trem Aerodinâmico Leve de Alta Velocidade

TAV – Trem de Alta Velocidade

TLRV – Tracked Levitated Research Vehicle

TE – Modo Transversal Elétrico

TEM – Modo Transversal Eletromagnético

TFM – Transverse Flux Machine

TM – Modo Transversal Magnético

TTC – Transportation Test Center

TTI – Transportation Technology Inc.

TGV – Train à Grande Vitesse

UAQ – Università degli Studi dell’Aquila

UEL – Universidade Estadual de Londrina

UFABC – Universidade Federal do ABC

UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro

UFRN – Universidade Federal do Rio Grande do Norte

xiv
UnB – Universidade de Brasília

UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas

UNIJUÍ – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

URSS – União das Repúblicas Socialistas Soviéticas

USP – Universidade de São Paulo

UTACV – Urban Tracked Air Cushion Vehicle

U-Trace® – Urban Tracked Air Cushion Equipment

VAD – Ventricular Assist Device

VANT – Veículo Aéreo Não-Tripulado

VTOL – Vertical Take-off and Landing

WIG – Wing in Ground

Y-Ba-Cu-O – Ítrio-Bário-Cobre-Oxigênio (material supercondutor)

xv
Listas de Figuras

Figura 2.1. Levitação acústica de esferas de isopor. ........................................................ 6


Figura 2.2. Ilustração do primeiro balão tripulado (1783). .............................................. 8
Figura 2.3. Dirigível nº 6 de Santos-Dumont (1901). ...................................................... 9
Figura 2.4. Hovercraft sobre o Canal da Mancha. .......................................................... 10
Figura 2.5. Mock-up do Hovertrain RTV 31. ................................................................. 11
Figura 2.6. Aérotrain I80-HV em operação. ................................................................... 12
Figura 2.7. Mock-up do protótipo TACRV. ................................................................... 14
Figura 2.8. Transporte Rápido de Passageiros na Universidade de Duke. ..................... 17
Figura 2.9. Transporte Rápido de Passageiros no Aeroporto de Narita. ........................ 17
Figura 2.10. ExpressTram no Aeroporto Metropolitano de Detroit. .............................. 19
Figura 2.11. Sistema de Transporte Automático do Hospital de Huntsville. ................. 19
Figura 2.12. Cortador de grama Flymo. ......................................................................... 20
Figura 2.13. Mancal aerostático. .................................................................................... 21
Figura 2.14. 14-bis de Alberto Santos-Dumont.............................................................. 23
Figura 2.15. Perfil das forças que atuam em uma aeronave. .......................................... 26
Figura 2.16. Veículo por efeito de solo (GEV). ............................................................. 27
Figura 2.17. Malha de Controle da Levitação Eletrostática. .......................................... 31
Figura 2.18. Levitação Eletrostática (ESL) de uma liga metálica. ................................. 33
Figura 3.1. Pseudo-levitação de Ímãs Permanentes. ...................................................... 36
Figura 3.2. Vista Frontal do "Revolution". ..................................................................... 37
Figura 3.3. Modo Atrativo de Suspensão de Ímãs Permanentes. ................................... 38
Figura 3.4. Modo Repulsivo de Suspensão de Ímãs Permanentes. ................................ 38
Figura 3.5. Arranjo de Halbach. ..................................................................................... 40
Figura 3.6. Veículo M-Bahn. .......................................................................................... 42
Figura 3.7. Levitação estável pela rotação de um ímã permanente. ............................... 44
Figura 3.8. Levitação diamagnética do carbono pirolítico. ............................................ 45
Figura 3.9. Diagrama esquemático de um sistema de levitação eletromagnética. ......... 47
Figura 3.10. Malha de controle tradicional em um sistema de levitação EML. ............. 50
Figura 3.11. Mancal magnético ativo radial da Waukesha Bearings. ............................ 53
Figura 3.12. Detalhe construtivo de um mancal magnético radial da Mecos. ................ 53
Figura 3.13. Componentes mecânicos e magnéticos de um mancal magnético. ............ 54
Figura 3.14. Sistema de um mancal magnético ativo completo da LTI Motion. ........... 55

xvi
Figura 3.15. Bomba com levitação magnética para o coração artificial......................... 56
Figura 3.16. LVAD HeartMate 3™. ................................................................................ 56
Figura 3.17. Levitação eletromagnética de um ímã permanente. ................................... 59
Figura 3.18. Levitação de uma esfera ferromagnética.................................................... 62
Figura 3.19. Levitação de um disco ferromagnético. ..................................................... 62
Figura 3.20. Levitação de um ímã permanente. ............................................................. 63
Figura 3.21. Sistema de Levitação Magnética da Bytronic. ........................................... 64
Figura 3.22. Sistema de Levitação Magnética da INTECO. .......................................... 64
Figura 3.23. MagLev em Xangai (China)....................................................................... 69
Figura 3.24. HSST em Nagoia (Japão). .......................................................................... 70
Figura 3.25. ECOBEE em Incheon (Coreia do Sul). ...................................................... 71
Figura 3.26. Impressora IQDEMY Maglev .................................................................... 72
Figura 3.27. Luminária Lunaluxx. .................................................................................. 73
Figura 3.28. Luminária Eclipse. ..................................................................................... 74
Figura 3.29. Caixa de som PJ9 da LG. ........................................................................... 75
Figura 3.30. Vista explodida da base (esq.) e do alto falante (dir.) do Mars (centro). ... 76
Figura 3.31. Efeito Meissner-Ochsenfeld. ...................................................................... 77
Figura 3.32. Estado misto em supercondutores do tipo II. ............................................. 78
Figura 3.33. Levitação de um ímã permanente sobre um bloco supercondutor. ............ 80
Figura 3.34. Linha de testes do MagLev-Cobra. ............................................................ 82
Figura 3.35. Sistema de Levitação Eletrodinâmica Tradicional. .................................... 84
Figura 3.36. Forças de Levitação e de Arrasto em um Sistema Eletrodinâmico. ........... 85
Figura 3.37. Levitação Eletrodinâmica por Corrente Alternada. ................................... 86
Figura 3.38. Levitação Eletrodinâmica de um anel de alumínio. ................................... 87
Figura 3.39. Modelo didático da levitação eletrodinâmica no espaço COPPE. ............. 91
Figura 3.40. Rotor e estator do mancal eletrodinâmico homopolar. .............................. 93
Figura 3.41. Protótipo L0 na linha de testes em Yamanashi (Japão). ............................ 98
Figura 4.1. Curvas S de adoção de novas tecnologias exemplificando os TAV´s. ...... 107

xvii
Listas de Tabelas
Tabela 4.1. Comparação entre as técnicas de levitação. ............................................... 103
Tabela 4.2. Comparação entre as técnicas de levitação magnética. ............................. 105
Tabela 4.3. Comparação entre o trem MagLev e o convencional Roda-Trilho. .......... 106

xviii
1. Introdução

1.1. Motivação e Tema

Ao longo da história, o fenômeno da suspensão ou da levitação de objetos sempre


atraiu a atenção e o imaginário da humanidade para a possibilidade surpreendente de
reproduzir o comportamento das aves e desafiar a ação gravitacional, que nos
mantinham limitados ao solo. Dentre alguns exemplos emblemáticos deste desejo do
ser humano, podem-se destacar o conto da mitologia grega do voo de Ícaro, os estudos
incipientes de Leonardo da Vinci, as obras de ficção científica de Júlio Verne ou de
Johnathan Swift, e os truques de ilusionismo de mágicos ao redor do mundo.
Com a evolução do método científico e o estabelecimento dos fundamentos das
ciências físicas da Mecânica e do Eletromagnetismo, foi possível compreender a
natureza que nos cerca, as leis que a regem e construir aparatos e dispositivos que
tornaram o antigo sonho de sair do solo possível, seguro e fácil de ser replicado para
fins militares ou comerciais.
Assim, surgiram os balões, dirigíveis e aeronaves, que em um curto espaço de
tempo revolucionaram a história da humanidade, reduzindo tempos de deslocamento
de pessoas, mercadorias e comunicações.
Do ponto de vista industrial, após a consolidação do funcionamento de
equipamentos e máquinas rotativas para os mais variados setores, o contato mecânico
entre os elementos fixos e móveis de mancais mecânicos passou a restringir a sua
operação à uma faixa de velocidades, acarretando em aumento das perdas mecânicas,
reduzindo a sua eficiência e limitando a sua vida útil, por ação do desgaste. Além disso,
a exigência de uma manutenção exaustiva e de lubrificação destes mancais inviabilizava
a sua utilização em ambientes extremamente limpos, em operação remota, sem
contaminação, ou com atmosfera explosiva, como as áreas de óleo e gás, de alimentos,
de fármacos, de biomedicina, de nanotecnologia, de fabricação de semicondutores ou
aeroespacial.
Desta forma, despontaram os mancais sem atrito mecânico para eliminar este
inconveniente, como os fluidoestáticos, os fluidodinâmicos e, mais recentemente, os
mancais magnéticos que ampliaram a faixa de operação destes equipamentos,
melhorando a sua precisão e aumentando a sua confiabilidade e a sua performance.
Os mancais magnéticos já podem ser encontrados em equipamentos para o setor
de alimentos e de óleo e gás onshore e offshore, centrífugas de enriquecimento de
urânio, bombeamento de coração artificial [1] e turbo máquinas diversas [2, 3], contando
com um nível de confiabilidade elevado.

1
Aliado ao conceito de aumento de eficiência e redução de ruído provocados pela
ausência de contato, a busca por um menor impacto ambiental, evitando a dependência
dos combustíveis fósseis e do modelo rodoviário, e de infraestrutura, com obras civis de
menor custo, provocou, em meados do século XX, o surgimento de meios de transporte
não convencionais para deslocamentos marítimos, com os hovercrafts, ou terrestres,
com os hovertrains (ACV) e os trens de levitação magnética (MagLev) para trajetos
urbanos ou em altas-velocidades.
A evolução tecnológica dos materiais, dos motores elétricos lineares, da
microeletrônica, da eletrônica de potência, da instrumentação e da capacidade de
processamento de sinais permitiu que os trens de levitação magnética adquirissem um
grau de amadurecimento e hoje possam competir satisfatoriamente com os modelos
convencionais roda-trilho, contando com quatro trens em operação comercial e diversos
em fase experimental, como o MagLev-Cobra [4], no mundo.
Atualmente, além dos setores tradicionais em que a levitação magnética é
empregada, como na indústria e nos transportes, esta técnica tem expandido sua esfera
de atuação para áreas até então pouco exploradas, como a dos bens de consumo para
sistemas educacionais [5], a decoração [6], a iluminação [7], e o entretenimento [8].
Em face deste cenário favorável, o Laboratório de Máquinas Elétricas (LabMaq)
[9] do DEE/UFRJ e o Laboratório de Aplicações de Supercondutores (LASUP) [10] da
COPPE/UFRJ desenvolvem importantes pesquisas nas áreas de levitação magnética e
supercondutividade, sempre observando o grau de relevância de seus trabalhos, com
perspectivas para futuras soluções inovadoras, entre outros, nos setores de transporte,
industrial e de consumo.

1.2. Objetivos e Metodologia

Para o desenvolvimento de novas aplicações é importante e necessário


primeiramente se conhecer o processo e o contexto histórico em que as técnicas de
levitação surgiram, os seus principais projetos, a localização geográfica em que foram
planejadas e implementadas, além do posicionamento estratégico delas em relação a
área de concentração em que foram inseridas, observando as suas motivações e as
razões pelas quais as suas soluções comerciais prosperaram ou não.
O estado da arte da tecnologia da levitação magnética também apresenta
detalhes relevantes para a identificação das perspectivas futuras em que esta possa ser
encontrada, sobretudo no setor de bens de consumo, no qual ela se expande.

2
Este trabalho analisa em detalhes todas as formas de suspensão de objetos
anteriormente desenvolvidas, como as técnicas acústica, óptica, aeroestática,
aerodinâmica e eletrostática, descrevendo o princípio de funcionamento de cada uma
delas, as suas vantagens e desvantagens e as aplicações em que são frequentemente
encontradas.
Em seguida, o trabalho apresenta todas as possíveis variações da levitação
magnética, com as respectivas formulações matemáticas de seus sistemas de levitação,
ressaltando as suas aplicações acadêmicas, industriais, de meios de transporte ou de
bens de consumo, indicando os projetos de trens MagLev e fabricantes de máquinas e
equipamentos dotados desta tecnologia.
Para atingir estes objetivos, deve-se recorrer aos trabalhos históricos e originais
realizados anteriormente e documentá-los. Dentre os trabalhos que se constituem como
fontes fundamentais para este projeto de graduação, pode-se destacar o artigo de
BRANDT [11], que reúne os estudos científicos e princípio de funcionamento dos
principais métodos de levitação aqui apresentados, e indica as referências originais em
que foram desenvolvidos. Deve-se ressaltar também, os livros de SCHWEITZER et al
[12], CHIBA et al [13] e STEPHAN et al [14], que descrevem o processo histórico, as
vantagens e desvantagens e a importância dos mancais magnéticos no setor industrial.
Os trabalhos de JAYAWANT [15,16] e LAITHWAITE [17, 18] também apresentam
um panorama completo das técnicas de levitação magnética e dos principais projetos e
aplicações relacionados a este tema. Os livros de SINHA [19], MOON [20], e mais
recentemente, de BOLDEA [21], HAN e KIM [22] e LIU et al [23] atualizam o cenário e
as perspectivas para a adoção de trens de levitação magnética, descrevendo os projetos
já desenvolvidos e os detalhes técnicos e construtivos destes sistemas, como os
princípios de levitação, propulsão e guiamento, os motores elétricos lineares e
estratégias de controle de posição e de vibrações.
Além destes, foi feita uma grande revisão bibliográfica de outros artigos em
conferências e periódicos, revistas técnicas, livros, enciclopédias, teses, monografias,
relatórios técnicos, material jornalístico, legislações, patentes e fabricantes de
equipamentos baseados nestes sistemas de levitação, de forma a obter uma
perspectiva histórica das técnicas de levitação e reconhecer o estado da arte da
levitação magnética.
Assim, foi possível elaborar um trabalho pioneiro que apresenta de forma concisa
em único texto todos os métodos de suspensão de objetos, suas aplicações históricas
e atuais, o princípio de funcionamento de cada uma delas e os fabricantes de máquinas
e equipamentos baseados nesta tecnologia e o setor em que elas se inserem.

3
1.3. Descrição

Este capítulo apresentou a motivação, o tema, os objetivos e a metodologia a ser


adotada neste trabalho, com especial destaque para os trabalhos anteriores que
constam como referências fundamentais para este projeto. Uma breve descrição dos
próximos capítulos será apresentada a seguir.
O capítulo 2 descreverá os princípios físicos de levitação de objetos, do tipo
acústica, óptica, aerostática, aerodinâmica e eletrostática (ESL), incluindo as suas
respectivas aplicações.
O capítulo 3 apresentará a levitação magnética em todas as suas formas, com
ímãs permanentes, diamagnética, eletromagnética (EML), supercondutora (SML),
eletrodinâmica (EDL) e mixed-µ, introduzindo o seu princípio de funcionamento e o
modelo matemático equivalente, todas as suas aplicações acadêmicas, educacionais,
industriais, de transporte e ou de bens de consumo, ressaltando os projetos realizados
e os fabricantes de produtos baseados nesta tecnologia.
Concluindo, o capítulo 4 apresentará um panorama comparativo entre todos os
métodos de levitação vistos ao longo do texto, indicando o estado atual da tecnologia
da levitação magnética e as perspectivas futuras nas quais ela possa ser aproveitada.

4
2. Princípios de Levitação e Aplicações

2.1. Introdução

Há muito tempo, a levitação deixou de ser um mero desejo do ser humano ou um


simples truque de ilusionismo, para se tornar um importante advento da humanidade,
combinando o surpreendente fenômeno de “desafio” à ação gravitacional com
importantes aplicações.
Assim, foi possível desenvolver tecnologias em áreas tão diversas como, por
exemplo, medicina, estudos de materiais, de micro gravidade ou de biologia, tecnologia
industrial e transportes, aproveitando as suas vantagens de aumento de eficiência, altas
velocidades de rotação, não necessidade de lubrificação, não contaminação com
recipientes, entre outros.
O dicionário da Língua Portuguesa Michaelis [24] define levitar como o ato de
“erguer-se alguém ou alguma coisa no espaço sem apoio visível”. Esta definição, como
se encontra, leva em consideração truques de mágica e de ilusão de óptica, pela
ausência de elementos de apoio visíveis.
Este capítulo é dedicado a descrever os métodos pelos quais é possível erguer
objetos no espaço sem que haja necessidade de qualquer forma de apoio,
acrescentando uma precisão científica para a definição acima e atendo-se apenas aos
princípios físicos para contrabalançar a aceleração da gravidade [11]. Deste modo, são
incluídos itens nem sempre considerados, como aeronaves e balões, em função de sua
relevância histórica e aplicações comerciais que revolucionaram a humanidade.
Assim, serão apresentadas as técnicas de levitação acústica, óptica, aerostática,
aerodinâmica e eletrostática. A levitação magnética e as suas múltiplas variações
merecem atenção especial e serão objeto de estudo do próximo capítulo.

2.2. Levitação Acústica

A suspensão de objetos por ação do som é possível devido a força de pressão


acústica produzida por ondas acústicas estacionárias. Este padrão de onda estacionária
pode ser obtido com um arranjo vertical básico, de eixo simples, formado por um
transdutor, que gera os sinais acústicos, e um receptor que reflete estes sinais [25].
Com a emissão de sinais acústicos cria-se uma onda estacionária de alta
intensidade, com frequência, em geral, na faixa do ultrassom. A força de ondas
acústicas por ela criada é capaz de mover objetos para os nós de pressão da onda, ou
a sua posição de mínima energia, mantendo-os flutuando no ar de forma estável [26].

5
A levitação acústica pode ser observada na Figura 2.1, em pesquisa realizada na
USP por ANDRADE et al [27], na qual pequenas esferas de isopor flutuam em um
levitador acústico de eixo simples.

Figura 2.1. Levitação acústica de esferas de isopor.


(Fonte: ANDRADE et al [27], com permissão)

A suspensão de partículas pode ser obtida de forma tradicional através de


sistemas que utilizam o princípio da ressonância, na qual a distância entre o emissor e
refletor é fixa, proporcional a meio comprimento de onda [28], ou através de levitadores
não ressonantes, em que a posição do refletor pode ser deslocada e inclinada [29].
Outras configurações possíveis, como os sistemas em mais dimensões [30, 31] e
utilizadas em conjunto com a levitação magnética [32] também são objeto de estudo.
As aplicações da levitação acústica compreendem a fabricação de novos
medicamentos com rápida ativação [33], estudos biológicos, como a suspensão de
insetos [34, 35], pesquisas de materiais em diferentes fases, de tensão superficial, de
partículas líquidas ou gases e o processamento de materiais sem recipientes [36 – 38].

2.3. Levitação Óptica

A pressão de radiação exercida pela emissão de energia eletromagnética também


é capaz de produzir forças suficientes para a suspensão de pequenos objetos e
partículas.

6
Nesta técnica, a radiação emitida por fontes luminosas baseadas por feixes a laser
de alta intensidade e focalizadas na direção do objeto é capaz de aprisionar partículas
microscópicas em uma região estável, inclusive um arranjo de diversas partículas. A
força produzida pela pressão de radiação sobre o objeto torna possível a sua levitação
ao contrabalançar a ação gravitacional [25].
Deve-se ressaltar que, para que este efeito ocorra são levados em consideração
inúmeros aspectos, como, o formato e as dimensões das partículas, o arranjo para
focalizar os feixes, o modo de propagação de onda dos feixes de fótons (TE, TM ou
TEM), o índice de refração, o tipo de material do objeto (transparente, opaco ou
translúcido) e a temperatura de resfriamento para desaceleração dos átomos [39].
Dentre as aplicações da levitação óptica estão o estudo de átomos para
espectroscopia [40, 41], manipulação de partículas a partir de pinças ópticas [42, 43],
estudo de bactérias na Medicina [44] e de micropartículas na Química [45, 46].

2.4. Levitação Aerostática

Talvez a mais conhecida das técnicas de suspensão de objetos, a levitação


aerostática foi a primeira a sugerir importantes aplicações e a conseguir flutuar grandes
quantidades de massa, reduzindo tempos de deslocamento e revolucionando a forma
como a humanidade interagia com o planeta, agora sem estar limitada ao solo.

2.4.1. Balão e Dirigível

2.4.1.1 Balão

Os primeiros registros da utilização com sucesso de balões de ar quente,


remontam ao século III d.C., pelos chineses, para fins de sinalização e de inteligência
militar, e posteriormente, em festividades. Apenas em 1709, o padre brasileiro
Bartolomeu de Gusmão, realizou experiências com um aeróstato semelhante,
apresentando a idealização do balão tripulado, porém em escala reduzida. Em 1783,
em Paris, o aeróstato elaborado pelos irmãos Jacques-Étienne e Joseph-Michel
Montgolfier elevou-se no ar proporcionando o primeiro voo tripulado em um balão de ar
quente, ilustrado pela Figura 2.2. No mesmo ano, Jacques Charles e Nicolas-Louis
Robert realizaram o primeiro voo tripulado em balão a gás [47].
A ascensão dos balões de ar quente baseia-se no princípio de Arquimedes, no
qual o ar aquecido no interior do invólucro reduz sua densidade, tornando-se mais leve
que o ar no exterior. O volume de ar aquecido deslocado no seu interior produz o
empuxo aerostático necessário para elevar o balão. De forma análoga, o mesmo
princípio se aplica aos balões a gás, porém neste caso, o gás utilizado, em geral,
Hidrogênio ou Hélio, já possui densidade naturalmente menor que o ar [48, 49].

7
As aplicações dos balões se alteraram muito ao longo do tempo, sendo
empregados inicialmente para o transporte de passageiros, comunicações entre
localidades distantes e fins bélicos e, atualmente para festividades, o turismo, o
balonismo, estudos meteorológicos e atmosféricos e atividades de vigilância e
monitoramento aéreo [50].

Figura 2.2. Ilustração do primeiro balão tripulado (1783).


(Fonte: Wikimedia, Claude-Louis Desrais, Domínio Público [51])

Após a consolidação do seu uso, a questão da navegação dos aeróstatos tornou-


se vital para futuras aplicações sobre longas distâncias, de modo que a rota não ficasse
subordinada à direção dos ventos. Assim, máquinas a vapor e motores movidos, por
exemplo, a diesel, a gás, a gasolina e a eletricidade foram acoplados aos balões para
conferir-lhe dirigibilidade.

2.4.1.2 Dirigível

O avanço das técnicas de ascensão e propulsão deu origem a novos modelos de


aeróstatos a gás navegáveis, conhecidos como dirigíveis. Nesta situação, o dirigível
assumiu um formato aerodinâmico mais alongado, semelhante a uma elipsoide, com o
gás armazenado no interior de seu invólucro, com a propulsão de motores e dotados de
lemes na popa [52].

8
Os dirigíveis foram classificados como flexíveis, semi-flexíveis e rígidos, de acordo
com o formato ser influenciado ou não pela pressão interna do gás. No seu
aperfeiçoamento, destacaram-se as personalidades do brasileiro Alberto Santos-
Dumont [53], no estudo das melhores formas de dirigibilidade, e do alemão Ferdinand
von Zeppelin [54], na consolidação dos dirigíveis rígidos, conhecidos como Zepelim [55],
e na sua comercialização. A Figura 2.3 ilustra o premiado dirigível nº 6 de Santos-
Dumont em 1901 [56, 57].
Logo em seguida, as aplicações dos dirigíveis se concentraram majoritariamente
no setor de transporte transatlântico de passageiros, atingindo velocidades próximas a
130 km/h e com grande autonomia de voo, além da formação de uma força aérea militar.
A utilização do Hidrogênio como gás armazenado para a flutuação da aeronave foi
abandonada após o desastre com o zepelim Hindenburg, em 1937, sendo substituído
pelo gás Hélio. Atualmente, os dirigíveis são empregados no turismo aéreo, na geração
e transmissão de imagens aéreas para eventos esportivos e monitoramento de tráfego
ou regiões afetadas por calamidades, ou na publicidade.

Figura 2.3. Dirigível nº 6 de Santos-Dumont (1901).


(Fonte: Centro Contemporâneo de Tecnologia, Domínio Público [58])

2.4.2. Transporte Marítimo (Hovercraft) e Terrestre (Hovertrain)

2.4.2.1 Hovercraft

Um outro tipo de veículo aproveitando a suspensão aerostática idealizado no


século XIX, e desenvolvido em meados do século XX, pelo britânico Christopher
Cockerell [59], foi proposto para flutuar sobre diferentes tipos de superfícies, como a
água e terra, em um comportamento semelhante ao dos anfíbios. Este veículo,
conhecido como hovercraft, é capaz de deslizar sobre superfícies aquáticas e terrestres,
atingindo velocidades superiores a 100 km/h [60].

9
Nos hovercrafts do tipo ACV (air-cushion vehicle), turbinas acopladas à
embarcação direcionam o ar para uma cavidade flexível situada entre o seu casco e a
parte deslizante, formando um colchão de ar. Uma saia de borracha envolvendo toda a
lateral da embarcação mantém o ar retido em seu interior, produzindo forças
pneumáticas capazes de sustentar todo o seu peso, eliminando o contato com a
superfície. Motores posicionados na parte posterior são responsáveis pela sua
propulsão e lemes auxiliam na sua direção [61, 62].
As aplicações dos hovercrafts, que foram adotados por vários países [63],
compreendem a sua utilização como veículo militar e de salvamento versátil [64], no
transporte de passageiros e carga, sobretudo no Canal da Mancha, como visto na Figura
2.4, e nas ilhas britânicas [65], além de atividades esportivas.
Uma embarcação híbrida concebida nos anos 60, permitia a operação de navios
como hovercrafts ou com cascos de catamarãs para redução do atrito e alcançar
maiores velocidades. O desenvolvimento destes veículos foi conduzido com atenção
pelos Estados Unidos, União Soviética, Reino Unido e Noruega, incialmente para fins
militares, logo seguido por interesses comerciais [66].

Figura 2.4. Hovercraft sobre o Canal da Mancha.


(Fonte: Wikimedia, Andrew Berridge, CC BY-SA 2.5 [67])

10
2.4.2.2 Hovertrain de Alta Velocidade

Outras propostas semelhantes desta técnica foram sugeridas para outros modais,
como os hovercars, sugeridos pela Ford Motor Company (Glideair) [68, 69], ou o Curtis-
Wright GEM 2500 Air Car [70], os hovertrucks para atividades agrícolas, propostos pela
Land Rover [71], e os hovertrains, ou aerotrens [72], especialmente nos anos 60 e 70.
Este último, foi incialmente idealizado para o transporte de passageiros em alta
velocidade sem contato com o solo, flutuando sobre um colchão de ar, dotado de uma
fina camada de alguns milímetros. Foram realizados estudos para a propulsão do trem
utilizando turbinas convencionais e a jato, além do motor de indução linear (LIM), recém
elaborado de forma operacional pelo engenheiro britânico Eric Laithwaite [73, 74].

2.4.2.2.1 Reino Unido

Os principais projetos dos hovertrains de alta-velocidade foram conduzidos na


Europa e na América do Norte. O mesmo grupo de pesquisa dos hovercrafts no Reino
Unido elaborou estudos, a partir de 1967, acerca de trens flutuando por colchão de ar
(ACV) [75] ou a gás [76], chamados de Tracked Hovercraft. Uma linha de testes de 32
km foi construída, em 1971, em um formato de T invertido, com a propulsão por um
motor de indução linear (LIM) [77] e suspensão por colchão de ar, com o trem RTV 31
atingindo velocidade máxima de 150 km/h. O projeto teve suas atividades encerradas,
em 1973, por falta de financiamento [17, 78]. O mock-up do protótipo RTV 31 pode ser
visto na Figura 2.5, onde está exposto em um museu ferroviário.

Figura 2.5. Mock-up do Hovertrain RTV 31.


(Fonte: Wikimedia, Domínio Público [79])

11
2.4.2.2.2 França

De maneira paralela aos britânicos, a França desenvolveu trabalho semelhante, a


partir de 1965, conhecido como Aérotrain, com suspensão ACV [80 – 82]. Os primeiros
protótipos, Aérotrains 01 e 02, foram testados em uma linha em formato de T invertido
de 6,7 km, com propulsão de turbo geradores, turbinas a jato ou foguetes, com o
primeiro alcançando velocidades de 345 km/h.
Em 1969, o protótipo em escala real para fins urbanos Aérotrain S44 passou a
utilizar o motor de indução linear (LIM) como propulsão atingindo velocidade máxima de
200 km/h, em um trecho de 3 km. No mesmo ano, uma linha de 18 km foi construída
para testes dos trens de alta velocidade Aérotrain I80 e I80-HV, ambos para 80
passageiros, dotados com motores Turbofan atingindo velocidades máximas próximas
a 430 km/h. As pesquisas seguiram até 1977, quando cessaram por falta de incentivo
[83, 84]. A Figura 2.6 ilustra o Aérotrain I80-HV em funcionamento.

Figura 2.6. Aérotrain I80-HV em operação.


(Fonte: Wikimedia, CC BY-SA 3.0 [85])

2.4.2.2.3 Itália

Em 1967, o Instituto Aeronáutico de Engenharia da Universidade de Palermo, na


Itália, iniciou pesquisas com o Aerotreno IAP-1, em escala reduzida. Em seguida, o IAP-
2, movido por turbinas a hélice, foi testado numa linha de 200 m, no campus da
universidade [86]. Em 1972, o veículo IAP-3, com capacidade para 20 passageiros e
propulsão por LIM, foi avaliado na pista de 600 m, com formato em U, no aeroporto de
Trapani-Milo, com velocidade projetada de 250 km/h [87]. A partir de 1973, a instituição
alterou o seu foco para trens de levitação magnética [88].

12
2.4.2.2.4 Alemanha Ocidental

Em 1972, a companhia Krauss-Maffei AG, da Alemanha, considerou a proposta


de um trem suspenso por colchão de ar (ACV) para o protótipo Transrapid 03, de forma
a comparar os seus resultados com o Transrapid 02, um protótipo com levitação
magnética (MagLev) [88]. O Transrapid 03 alcançou velocidades de 140 km/h, com
propulsão LIM em uma linha de 930 m permanecendo em estudo até 1974, quando foi
preterido pelo MagLev [89].

2.4.2.2.5 Estados Unidos da América

Nos Estados Unidos da América (EUA), o desenvolvimento dos hovertrains se


beneficiou dos altos incentivos do governo americano no estabelecimento de trens de
alta velocidade, a partir de 1965 [90]. Em 1969, o departamento de transportes
americano (DoT) iniciou a construção de um complexo para testes de trens urbanos e
de alta velocidade (TTC) em Pueblo, no Colorado, e inaugurou o programa Tracked Air
Cushion Vehicle (TACV) [91].
O primeiro veículo LIMRV, fabricado pela Garrett Corporation AiResearch
Manufacturing Division, concentrava-se apenas no estudo da propulsão dos trens, com
motor de indução LIM [92], ou a jato, permanecendo no convencional roda-trilho, em
uma pista de 10 km com o formato de T invertido [93]. Em paralelo, na Califórnia, o
veículo TLRV, com suspensão por colchão de ar (ACV), feito pela mesma companhia,
planejava solucionar a alimentação do primário do LIM com coletores especiais para
suportar velocidades de 480 km/h [17].
Em 1972, o protótipo TACRV, visto na Figura 2.7, construído pela Grumman
Aerospace Corporation, apresentava a característica de trens de alta velocidade,
suspensão (ACV) e contando com propulsão por turbinas a jato. Em uma linha de testes
de 35 km, os resultados indicaram velocidades próximas a 150 km/h [94]. A partir de
1974, o hovertrain UTACV para 60 passageiros, com propulsão LIM e destinado para o
transporte urbano foi fabricado pela Rohr Industries e testado em uma linha de 5 km,
onde atingiu até 240 km/h. O programa foi finalizado em 1975 devido à falta de recursos
financeiros, que passaram a ser destinados às pesquisas como o MagLev e o transporte
automático de pessoas (APM) [95].

13
Figura 2.7. Mock-up do protótipo TACRV.
(Fonte: Wikimedia, Bruce McAllister, Domínio Público [96])

2.4.2.2.6 Brasil

A Faculdade de Engenharia Industrial (FEI), em São Bernardo do Campo,


desenvolveu o projeto de um trem de alta-velocidade suportado por colchão de ar
(TALAV), a partir de 1970, adotando mão-de-obra, materiais e tecnologias totalmente
nacionais, como resultado da longa experiência adquirida pela instituição em trabalhos
no setor da indústria automobilística.
A primeira etapa do programa envolveu o estudo de um protótipo funcional em
escala reduzida para avaliação dos sistemas de suspensão ACV e propulsão a jato ou
por turbo-hélice. Após a verificação da sua viabilidade técnica, o projeto avançou para
a construção de um veículo em escala real, com capacidade para vinte passageiros,
velocidade planejada de 200 km/h e propulsão por duas turbinas a jato, que foi
demonstrado com sucesso na exposição Brazil Export, em 1972, na cidade de São
Paulo, e no ano seguinte, em Bruxelas, na Bélgica.
Os principais diferenciais deste modelo em relação aos demais concorrentes eram
a possibilidade de o trem trafegar ao longo de uma canaleta, permitindo mudanças de
via, a porta frontal do tipo telescópica para embarque e desembarque de pessoas,
reduzindo o tamanho das estações, além do seu aspecto versátil e modular, que
facilitava o engate de diversos vagões de acordo com a demanda e a retirada do
habitáculo de passageiros para o transporte de carga em containers.

14
Apesar do êxito na apresentação do veículo e do interesse de algumas cidades
brasileiras na sua adoção, a linha de testes necessária para a consolidação do projeto
nunca foi construída, provocando o encerramento de suas atividades por falta de
financiamento governamental [97].

2.4.2.2.7 Outros Projetos

Outras propostas levantadas para trens de alta velocidade utilizando o método


ACV incluem [93] o Tracked Air Cushion Research Vehicle da General Electric Co. [98],
com propulsão por LIM ou motor de aeronaves, além dos veículos envoltos por tubos a
vácuo, como o Tubeflight, sugerido pela Rensselaer Polytechnic Institute [99].
Recentemente, em 2013, o interesse no desenvolvimento de trens de alta-
velocidade dotados desta tecnologia foi renovado com o estabelecimento do projeto
Fultrace® (TACV), fruto de uma parceria franco-brasileira, do TACV Engineering France
com o Departamento de Engenharia Aeronáutica (EESC) da USP, que ressurge com a
mesma concepção do Aérotrain, inicialmente idealizado pelo engenheiro francês Jean
Bertin. Este projeto utiliza um arranjo híbrido em que a suspensão e o guiamento do
veículo é realizada pelo conceito do colchão de ar (ACV) e um motor linear de indução
(LIM) contribui para a propulsão e para parte do guiamento
O motor apresenta um formato especial em U, o que aliado ao sistema de levitação
permitiria a construção de uma via elevada, que possui o formato da pista em T invertido,
em uma obra civil mais leve do que os trens de levitação magnética de alta velocidade
existentes. O planejamento consiste em um veículo com operação nominal entre 250 e
400 km/h, flutuando a 10 mm do solo, além de contar com um sistema de microrredes
para garantir a alimentação do trem, aumentando a distância entre subestações e
contando com uma fonte de energia alternativa [100]. Além deste, o projeto U-Trace®
apresenta tecnologia semelhante, sendo destinado ao transporte urbano com
velocidades de operação entre 50 e 100 km/h [101].

2.4.2.2.8 Inviabilidade do Hovertrain de Alta Velocidade

Uma série de fatores inviabilizou a implantação desta tecnologia no transporte de


alta-velocidade. Primeiramente, as modernas gerações de trens de alta-velocidade
convencionais foram contemporâneas deste novo veículo, apresentando estágios mais
avançados da técnica que o último. Desta forma, se consolidaram os trens de alta-
velocidade sobre rodas no Japão (Tokaido Shinkansen), na França (TGV), na Alemanha
(ICE), na Espanha (AVE) e na Itália (Pendolino) [102]. Além disso, os custos de
modificação de infraestrutura ferroviária já existente contribuíram para o insucesso.

15
Nos aspectos técnicos, os altos níveis de ruído e de consumo de energia para a
reposição das perdas de ar no veículo, também o tornaram desvantajoso. E por fim, os
projetos dos trens de levitação magnética (MagLev) de alta velocidade na década de
70, que se tornaram viáveis pelo avanço da eletrônica, da criogenia e dos materiais
magnéticos e supercondutores, apresentaram perspectivas futuras melhores, conforme
indica a escolha do projeto Transrapid pelo MagLev [87].

2.4.2.3 Hovertrain Urbano

Na modalidade de hovertrains urbanos rápidos destacou-se o projeto URBA em


Lyon, na França. Em 1968, se iniciou a construção de um monotrilho experimental, de
forma suspensa em via elevada leve, com linha de 3 km de extensão, propulsão por LIM
e velocidade prevista de 55 km/h. Pelo fato de ser suspenso, a levitação é alcançada
por um processo de sucção do ar [103]. Ao todo utilizou-se dois veículos, URBA 4 e
URBA 8, para 4 e 8 passageiros, respectivamente [104, 105].
Em seguida, o desenvolvimento dos hovertrains se direcionou para o transporte
urbano automatizado, com especial interesse no transporte pessoal de passageiros
(APM), em que pequenos veículos automatizados são utilizados para o transporte de
poucos passageiros sobre uma trajetória definida. O seu surgimento tem origem nos
incentivos do governo americano para novos modelos para o transporte urbano
ferroviário, especialmente os não poluentes, a partir de 1964 [106]. Esta aplicação se
concentra para situações com deslocamentos reduzidos, como o transporte entre
terminais em aeroportos, campus de universidades ou atrações turísticas.
Neste setor, destacaram-se duas propostas de ACV para o transporte pessoal
rápido (PRT). O Uniflo [107, 108], de 1967, caracterizava-se por um sistema
automatizado para 8 passageiros, percorrido em uma via fechada, com a levitação e a
propulsão do veículo produzidas por jatos de ar oriundos de um duto na via [109].
O veículo “Otis Hovair®” [110, 111], desenvolvido inicialmente pela Transportation
Technology Inc. (TTI) [112], foi incorporado em seguida pela Otis Elevator Company, na
qual a movimentação dos veículos seria feita por motores lineares de indução (LIM). O
sistema foi apresentado com sucesso na feira de transportes Transpo72, em
Washington D.C., seguido por uma linha de testes, em Denver. Ao final, a maioria dos
projetos utilizou propulsão por cabos, em um formato de um “elevador” horizontal [113].
O primeiro aerotrem de baixas velocidades para passageiros, ilustrado na Figura
2.8, entrou em operação em 1979, para o transporte de pacientes no centro médico da
Universidade de Duke (EUA), em uma linha de 400 m, permanecendo em
funcionamento até o fim de 2008, sendo o único com propulsão a motor linear LIM [114].

16
Figura 2.8. Transporte Rápido de Passageiros na Universidade de Duke.
(Fonte: Wikimedia, Ildar Sagdejev, CC BY-SA 4.0 [115])

Entre 1985 e 1999, outro “Otis Hovair” transportou passageiros na Flórida (EUA),
em uma via de 760 m [116]. No Japão, o trem flutuante sobre o colchão de ar operou,
em um dos terminais do Aeroporto de Narita [117], em Tóquio, entre 1992 e 2013, em
uma linha de 280 m de extensão, e que pode ser visto na Figura 2.9.

Figura 2.9. Transporte Rápido de Passageiros no Aeroporto de Narita.


(Fonte: Wikimedia, CC BY-SA 3.0 [118])

17
2.4.2.3.1 Hovertrains em Operação

Atualmente, os seguintes projetos, todos movimentados por cabos e de transporte


automático de pessoas (APM), construídos pela Otis e Poma, permanecem em
funcionamento. Dentre as suas características principais, destacam-se o baixo custo e
o tamanho reduzido da obra civil, além da sustentabilidade, por não serem poluentes
[119 – 121].
i) Dorfbahn Serfaus [122]: Linha subterrânea com quatro estações e 1,3 km,
inaugurada em 1985, na localidade de Serfaus, na Áustria. Possui capacidade para
135 passageiros, velocidade de 40 km/h, e flutua a 1 mm do solo conectando a cidade
a uma estação de esqui.
ii) Sun City Resort [120, 123]: Trecho de 1,7 km de extensão, inaugurado em 1986,
na cidade de Sun City, na África do Sul, fazendo a conexão de um complexo turístico.
iii) Cincinnati Airport People Mover [119, 123]: Linha de 472 m e três estações,
inaugurada em 1994, em Cincinnati, nos Estados Unidos. Apresenta capacidade para
210 passageiros, conectando o terminal principal do aeroporto à dois portões.
iv) Paul Getty Center [120, 124]: Linha de 1,2 km, inaugurada em 1998 localizada
em um complexo de arte e arquitetura na cidade de Los Angeles, nos Estados Unidos,
com capacidade para 100 passageiros e velocidade de 15 km/h.
v) HubTram [125]: Linha com duas estações e 340 m, inaugurada em 2001, em
Minneapolis, nos Estados Unidos, conectando o terminal do aeroporto ao transporte
local.
vi) ExpressTram [125, 126]: Linha com três estações e 1,1 km de extensão,
inaugurada em 2002, em Detroit, nos Estados Unidos. Possui capacidade para 208
passageiros, operando seis metros acima do nível do saguão e conectando duas
extremidades do terminal do aeroporto e está ilustrado na Figura 2.10.
vii) Huntsville Hospital Tram System [126]: Linha com quatro estações e 580 m,
aberta em 2002, em Huntsville, Alabama, nos Estados Unidos. Apresenta capacidade
para quarenta passageiros, em uma via elevada, conectando médicos e pacientes
entre duas alas do hospital. Este sistema de transporte rápido pode ser visto na Figura
2.11.
viii) Skymetro [127, 128]: Linha subterrânea com 1,1 km de extensão e duas
estações, inaugurada em 2003, em Zurique, na Suíça. É capaz de transportar 150
passageiros, flutuando a uma distância de 0,2 mm do solo e velocidade de 50 km/h,
ligando duas partes do aeroporto internacional.

18
ix) Aeroporto Internacional do Cairo [129]: Linha com 1,8 km e quatro estações, no
Egito, inaugurada em 2013. Transporta 340 pessoas por vez, com velocidade de 50
km/h, conectando os terminais do aeroporto a um centro comercial.

Figura 2.10. ExpressTram no Aeroporto Metropolitano de Detroit.


(Fonte: Wikimedia, CC BY-SA 3.0 [130])

Figura 2.11. Sistema de Transporte Automático do Hospital de Huntsville.


(Fonte: Wikimedia, Larry Wilbourn, CC BY-SA 3.0 [131])

19
2.4.3. Aplicações Médicas e de Bens de Consumo

No setor de bens de consumo, a flutuação de objetos por ação do ar foi explorada


a partir de meados dos anos 50 para aplicação em aspiradores de pó [132]. O Hoover
Constellation utilizava o princípio do hovercraft, flutuando sobre o próprio peso, com o
ar extraído do aparelho direcionado para o piso, proporcionando uma limpeza mais fácil
dos ambientes [133]. Nos últimos anos, novos modelos deste eletrodoméstico foram
sugeridos [134].
Do mesmo modo, após o sucesso inicial do hovercraft, concebeu-se nos anos 60
um cortador de grama dotado desta tecnologia [135, 136], conhecido como Flymo [137],
apresentando maior praticidade e agilidade como diferencial, permitindo movimentos
em qualquer direção e um corte mais rente à grama. Este modelo permanece sendo
comercializado até hoje, conforme ilustra a Figura 2.12.

Figura 2.12. Cortador de grama Flymo.


(Fonte: Wikimedia, CC BY-SA 3.0 [138])

Durante a mesma década, no Reino Unido, a levitação por colchão de ar foi


proposta para auxiliar o tratamento médico de pacientes que sofreram queimaduras
graves. O hoverbed mantinha o tronco do paciente afastado da cama, através de saias
flexíveis, evitando a formação de escaras, além de controlar a temperatura corporal
através dos jatos de ar esterilizado, secando os ferimentos e reduzindo o risco de
infecções bacterianas na pele [139 – 141].

20
No mercado de entretenimento, a levitação aerostática se destacou com a criação
do jogo conhecido como Air Hockey, na década de 70. Nele, pequenos furos injetam ar
pressurizado sob a mesa, mantendo um disco flutuando, que é disputado entre dois
adversários, produzindo uma partida muito dinâmica [142]. Além dele, a flutuação de
objetos, como bonecos de ação, foi explorada em novos brinquedos, dotados de um
colchão de ar [143].

2.4.4. Aplicações Industriais

Na área industrial, mancais aerostáticos e hidrostáticos, baseados em filmes


fluidos, são utilizados para suportar rotores de máquinas sem nenhum tipo de contato
com a parte fixa, reduzindo o atrito mecânico [144]. Nos mancais aerostáticos de escora,
um gás pressurizado é mantido entre as partes fixas e rotativas, produzindo uma força
capaz de sustentar o peso do rotor. Nos mancais hidrostáticos, líquidos viscosos são
bombeados de modo a manter uma fina camada, de ordem micrométrica, entre o rotor
e a parte fixa, sendo utilizados em dispositivos com velocidades de rotação não muito
elevadas [145]. Um mancal aerostático pode ser visto na Figura 2.13.
Algumas de suas características são a ausência de lubrificação, atrito, baixa
vibração, além de alta vida útil e são empregados em equipamentos que envolvem
atividades de alta precisão ou em ambientes extremamente limpos, como na manufatura
de semicondutores e fabricação de sistemas médicos, ópticos e aeroespaciais.
Atualmente, vários fabricantes atuam apresentando soluções para estes mercados [146
– 149].

Figura 2.13. Mancal aerostático.


(Fonte: Wikimedia, AeroLas GmbH, com permissão CC BY-SA 3.0 DE [150])

A técnica aerostática também é explorada na agricultura, com o desenvolvimento


de colheitadeiras automáticas, com capacidade de operação, transporte e
armazenamento para terrenos acidentados [151].

21
Ainda no setor industrial, um modelo de suspensão de objetos foi desenvolvido
com o intuito de mover com facilidade, e em qualquer direção, cargas pesadas, acima
de 100 toneladas, como máquinas e equipamentos [152]. Este conceito, conhecido
como Air Caster, utiliza compartimentos, localizados abaixo de uma base, onde o ar
pressurizado é inserido, produzindo forças pneumáticas suficientes para a flutuação de
grandes massas, que podem deslizar sobre superfícies lisas [153, 154], reduzindo o
atrito e custos de manutenção. Atualmente, diversas empresas fabricam estes módulos
para o transporte de equipamentos variados, como transformadores, centrífugas e
vagões de locomotivas [155 – 161].

2.5. Levitação Aerodinâmica

Sob o ponto de vista histórico, é importante notar que a levitação aerostática, com
seus conceitos mais elementares, foi a precursora da levitação aerodinâmica, que se
baseia sobre fundamentos técnicos mais complexos, como a dinâmica dos fluidos e
seus fenômenos, como a turbulência e o efeito Magnus [162].

2.5.1. Aviação

Inicialmente, os primeiros protótipos que utilizavam os princípios da aerodinâmica


para suspender objetos, como os de Leonardo da Vinci, se limitavam a tentar reproduzir
o comportamento das aves ou de morcegos, mas falhavam ao simular o ato de abrir e
fechar das asas.
Os primeiros registros do emprego com sucesso desta técnica se originam dos
trabalhos do inglês George Cayley, com planadores, e do alemão Otto Lilienthal,
utilizando asas acopladas ao próprio corpo, ambos na segunda metade do século XIX.
Estes experimentos pioneiros deram origem ao modelo de voos de asas-deltas.
Paralelamente, estudos tratavam da utilização de mecanismos de propulsão de
aeronaves mais pesadas que o ar, através de máquinas a vapor, com o francês Clément
Ader e da controlabilidade do voo [163].
Nos Estados Unidos, os irmãos Wilbur e Orville Wright [164] iniciaram pesquisas
acerca de diferentes configurações de asas, primeiro com planadores, e de sistemas de
propulsão para aeronaves motorizadas. Baseados em estudos científicos que incluíram
um túnel de vento em escala reduzida, construíram o biplano Flyer 1 [165], com um
motor de 12 cv, proporcionando o primeiro voo sustentado e controlado de uma
aeronave motorizada com um piloto a bordo, em 17 de dezembro de 1903, na Carolina
do Norte, partindo do alto de uma colina em um voo descendente [166].

22
Após o sucesso com a suspensão de balões, o brasileiro Santos-Dumont, de
forma simultânea aos irmãos Wright, conduziu experiências para a construção de uma
aeronave capaz de sair do solo e se manter no ar de modo autônomo [167, 168]. Em
1905, concebeu a decolagem da aeronave, movida por motor a explosão e sustentada
no ar por um balão. Em 23 de outubro de 1906, em Paris, realizou o primeiro voo de um
avião capaz de decolar, pousar e se manter flutuando no ar por meios próprios, de forma
controlada com um piloto, e testemunhado por um grande número de pessoas com o
premiado 14-bis, ilustrado na Figura 2.14, dotado de um motor com potência de 50 hp,
percorrendo uma distância de 60 metros no campo de Bagatelle e a 30 metros do solo
[169, 170]. Este foi o primeiro voo da história a ser homologado e a preencher os cinco
requisitos fundamentais estabelecidos pela Federação Aeronáutica Internacional (FAI)
[171].
Santos-Dumont prosseguiu com o projeto de outras aeronaves para aprimorar o
voo nos aspectos de navegabilidade, controlabilidade e redução do seu peso, tendo
como sucesso o Demoiselle, trazendo como inovação o posicionamento da hélice à
frente da aeronave e dos lemes em sua cauda, sendo capaz de atingir velocidades da
ordem de 90 km/h. O aviador utilizou ainda deslizadores aquáticos, para os hidroaviões
[172].

Figura 2.14. 14-bis de Alberto Santos-Dumont.


(Fonte: Centro Contemporâneo de Tecnologia, Domínio Público [173])

Dentre outros avanços notáveis destacam-se os voos de Louis Blériot sobre o


canal da mancha, em 1909, e do primeiro hidroavião, com Henri Fabre, no ano seguinte
[174].
23
Com o rápido progresso tecnológico, as aeronaves logo encontraram aplicações
nas comunicações, encurtando o tempo de mensagens, e na força bélica, incorporando
armamentos. Assim, surgiram o serviço postal aéreo, em 1918, com a francesa
Aéropostale e a formação da força aérea de diversos países com atuação relevante na
Primeira Guerra Mundial, em combates aéreos e bombardeios.
Após este período, grandes aprimoramentos surgiram tornando a aviação cada
vez mais confiável e difundida em todo o mundo. A construção de aviões com o
revestimento inteiramente metálico, o piloto automático, a comunicação via rádio, o
aumento da capacidade de combustível e de passageiros, além da possibilidade de
atingir maiores altitudes e velocidades com motores mais potentes revolucionaram o
transporte aéreo, reduzindo cada vez mais o tempo de deslocamento de pessoas,
comunicações e produtos.
Sobressaem-se como símbolos desta evolução o primeiro voo transatlântico sem
escalas, entre Nova York e Paris, realizado em 33 horas e meia por Charles Lindbergh
a bordo do Spirit of Saint Louis, em 1927, e a primeira circunavegação aérea do planeta,
em pouco mais de oito dias, por Harold Gatty e Wiley Post, em 1931 [174].
Durante a Segunda Guerra Mundial, a aviação experimentou enormes inovações,
especialmente na aerodinâmica de aeronaves de combate, que se tornaram capazes
de atingir velocidades superiores a 400 km/h e efetuar manobras táticas. O conflito
também proporcionou a produção de aeronaves cada vez maiores e mais pesadas,
aumentando a capacidade de transporte de pessoas, cargas e armamentos. Ao final da
guerra, a propulsão a jato de aviões propiciou velocidades superiores a 900 km/h em
caças [175].
Após a Segunda Guerra Mundial, o avanço na operação de aeronaves de grande
porte proporcionou a formação de um mercado de companhias aéreas e fabricantes de
aeronaves para a crescente aviação comercial, atingindo cada vez mais rotas
comerciais ao redor do planeta e reduzindo substancialmente o tempo de
deslocamentos, antes efetuados por navios. Os aviões eram capazes de transportar
mais passageiros a cada ano, com velocidades superiores a 1000 km/h e altitude de
10000 m. Surgiram também preocupações com a segurança e estabilidade das
aeronaves, a pressurização do seu interior, a utilização do radar e do controle de tráfego,
além da infraestrutura aeronáutica.
O Concorde representou uma novidade na aviação comercial, ao final da década
de 60, ao introduzir a propulsão a jato para o transporte comercial de passageiros. Este
avião era capaz de alcançar velocidades supersônicas, próximas a 2300 km/h,
reduzindo ainda mais o tempo de deslocamento transatlântico.

24
A consolidação do conhecimento técnico da aviação, dos mecanismos de
propulsão e da estabilidade do voo auxiliou ainda no estudo do lançamento de foguetes
com aplicações em mísseis balísticos e na exploração espacial, no envio de sondas,
satélites e tripulações ao espaço [176].
Atualmente, o mercado da fabricação de aeronaves comerciais se divide,
majoritariamente, entre a francesa Airbus, a americana Boeing, a brasileira Embraer, a
canadense Bombardier, a russa Tupolev e a ucraniana Antonov. No setor da aviação
militar, excetuando-se a Airbus, destacam-se, além dos citados acima, a francesa
Dassault e a sueca SAAB.

2.5.2. Forças fundamentais para o voo de uma aeronave

Para o funcionamento de aviões, quatro forças estão presentes: tração, arrasto,


sustentação e gravidade. A resultante entre estas forças é capaz de produzir a
decolagem, a aterrisagem, o voo estabilizado e a mudança de direção da aeronave.
A força de tração é produzida pelos motores, de modo a imprimir velocidade à
aeronave e superar a força de arrasto, que se opõe ao movimento. Para superar o
arrasto são geralmente empregados hélices ou turbinas a jato. As turbinas aspiram o ar
e o expelem comprimido e acelerado, após os diversos estágios em seu interior,
gerando a propulsão necessária para mover o avião. A força de arrasto aerodinâmica é
a componente horizontal, devido ao deslocamento de ar, que se opõe ao movimento da
aeronave.
A força de sustentação do avião deve ser suficientemente superior que a da
gravidade no momento de decolagem e igual a força da gravidade durante um voo
horizontal. A diferença de pressão do ar ao passar pelas asas é responsável por gerar
esta força. Este diferencial de pressão pode ser entendido pelo princípio de Bernoulli.
As asas possuem um perfil aerodinâmico distinto para as faces superior e inferior.
A face superior apresenta um aspecto curvo, de modo que o ar faça um percurso mais
longo, com maior velocidade e menor pressão. A face inferior, no entanto, possui um
perfil reto, permitindo que o ar se desloque com um percurso mais curto, com menor
velocidade e maior pressão.
Este padrão médio de pressão na face superior frente a pressão na face inferior
produz uma força aerodinâmica no sentindo oposto à da gravidade, capaz de levantar
a aeronave do chão e manter levitando no ar em pleno voo [177]. A Figura 2.15 ilustra
as quatro forças fundamentais em ação em uma aeronave.

25
Figura 2.15. Perfil das forças que atuam em uma aeronave.

2.5.3. Helicóptero

Um outro tipo de aeronave estudada e desenvolvida no início do século XX foi a


que possuía a capacidade de decolagem e aterrisagem vertical (VTOL), da qual se
destacou o helicóptero.
Nas pesquisas e experimentos que levaram à consolidação da navegabilidade e
estabilidade desta aeronave, destacaram-se os trabalhos dos franceses Paul Cornu e
Louis-Charles Bréguet, do espanhol Juan de la Cierva, do italiano Corradino d’Ascanio
e do russo Igor Sikorski, alcançando a maturidade tecnológica após a Segunda Guerra
Mundial [178].
Além da possibilidade de decolagem e aterrisagem verticais, os helicópteros são
capazes de se manter imóveis no ar e realizar manobras laterais com extrema
flexibilidade, em comparação com os aviões. O movimento de rotação produzido pelas
pás, acionadas por um motor, geram um empuxo suficiente para manter o helicóptero
flutuando no ar da maneira desejada. Os controles do passo e do ângulo de inclinação
das pás são responsáveis, respectivamente, pelo movimento vertical e horizontal da
aeronave [179].
As aplicações dos helicópteros se concentram principalmente em operações
militares, como inteligência, vigilância e deslocamento tático, atividades de salvamento
e combate à incêndios, transporte de pessoas, cargas e equipamentos em localidades
remotas, como instalações de linhas de transmissão ou plataformas de petróleo
offshore, além do transporte de passageiros em curta distância, conhecido como táxi
aéreo.

26
2.5.4. Ground Effect Vehicle (GEV)

Além do transporte aéreo, a técnica aerodinâmica também foi explorada no


transporte marítimo e terrestre, com os chamados Ground effect vehicles (GEV), ou
veículos de efeito de solo, que são veículos semelhantes aos hovercrafts e hovertrains
aerostáticos vistos na seção anterior, porém utilizando o princípio aerodinâmico do
deslocamento de ar sobre as asas do veículo em movimento próximo à superfície para
produzir o empuxo necessário para uma flutuação com uma camada de ar sobre a água,
para os GEV, ou sobre o solo, no caso dos Ground effect trains, reduzindo o atrito
aerodinâmico [180].
O desenvolvimento de veículos utilizando este conceito, também conhecido como
Wing in Ground (WIG), atingiu o seu ápice nos anos 60, especialmente com pesquisas
militares conduzidas por EUA e URSS, no âmbito da Guerra Fria. Nesta esfera, ganhou
destaque os estudos conduzidos pelo russo Rostislav Alexeyev, que conduziram a
produção dos veículos anfíbios chamados ecranoplanos, que contam com um perfil
aerodinâmico semelhante ao dos aviões, capazes de flutuar a uma altitude de cinco a
dez metros do solo e atingir velocidades superiores a 400 km/h [181]. A Figura 2.16
ilustra um veículo por efeito de solo com asas de envergadura reduzida, porém com um
aerofólio traseiro, contribuindo para a produção da sustentação.
Atualmente, o estudo desta técnica se concentra na fabricação de veículos
particulares para fins de turismo e entretenimento, como os hoverwings [182], ou de
transporte marítimo de passageiros na Coreia do Sul [183] e em Cingapura [184], além
de novos projetos que despontam na China, no Irã e na Rússia [185, 186].

Figura 2.16. Veículo por efeito de solo (GEV).


(Fonte: Wikimedia, Stefan Richter, CC BY 2.0 DE [187])

27
No transporte terrestre, os projetos que exploram o efeito de solo para flutuar
sobre uma camada de ar não encontraram o mesmo cenário favorável para sua adoção
que o apresentado aos hovertrains e aos MagLevs. O fato de ser necessário atingir uma
determinada velocidade para suspender o veículo, e a inerente complexidade
aerodinâmica, além da influência climática no seu desempenho justificam esta
resistência.
Dentre os raros projetos previstos para trens utilizando este princípio, encontram-
se o trabalho do mesmo grupo responsável pelo Aérotrain [188 – 191], na França, e
mais recentemente, o estudo para um trem bala utilizando o efeito WIG, conduzido pela
Universidade de Tohuku, no Japão. As estimativas iniciais previam a construção de um
veículo com capacidade para 335 passageiros e velocidade de 500 km/h em 2020 [192].
A partir de 2003, o protótipo japonês ART002 com dimensões de 8,5 m de
comprimento e 3,4 m de envergadura, com asas em L, contando com propulsão por
motores elétricos foi testado em uma linha de testes de 2 km com formato em U,
atingindo 100 km/h, flutuando a uma altura de 5 a 10 cm do solo [193, 194]. Em 2011, o
protótipo ART003R com capacidade para dois passageiros iniciou seus testes sobre o
mesmo trecho, utilizando uma malha com realimentação controlando o ângulo dos
aerofólios conforme o aumento de velocidade do veículo e o acionamento dos motores,
alcançando a levitação a partir de 160 km/h [195, 196]. Atualmente, os testes seguem
em andamento.

2.5.5. Aplicações Comerciais, Industriais e Científicas

As aplicações comerciais da levitação utilizando técnicas aerodinâmicas, se


concentram na área de entretenimento, com o aproveitamento de jatos de ar ou de água
em direção ao solo para flutuar um objeto, como nos flyboards ou hoverboards [197]. O
lazer também é explorado com as atividades de aeromodelismo e aerodesign, que
envolvem modelos em escala reduzida de aeronaves, acionadas por motores elétricos
ou a combustão e controladas à distância por sinais de radiofrequência, e que se
popularizaram no final do século XX [198].
Após a sua larga adoção em ações militares diversas, os drones ou veículos
aéreos não tripulados (VANT) ampliaram o horizonte de possibilidades neste mesmo
setor, com a sua utilização e construção como um hobby, assim como os
quadricópteros. A incorporação de câmeras de alta resolução integradas ao voo e
controle via smartphones popularizou estes modelos, levantando questões sobre a sua
regulamentação [199, 200].

28
Além destas aplicações relacionadas ao divertimento, os drones encontram
oportunidades nas áreas de resgate ou inspeção de locais remotos ou de difícil acesso,
segurança e vigilância, no controle de pragas na agricultura, no transporte automatizado
de entregas [201] e, inclusive, de passageiros [202]. Um outro veículo, atualmente em
desenvolvimento, utiliza o princípio de decolagem e aterrisagem vertical, destinado para
o transporte individual e com aplicações agrícolas, de inspeção de dutos ou pontes e
até entretenimento [203].
A suspensão e flutuação de objetos por ação aerodinâmica também foi explorada
utilizando o chamado efeito Coandă, que estabelece a tendência de um fluido, ao sair
de um orifício, de seguir o contorno de uma superfície curva ao qual foi direcionado, em
função de sua viscosidade. Estudos militares sugeriam a sua aplicação em aeronaves
como discos voadores, capazes de decolar e aterrissar verticalmente, no qual a
suspensão e propulsão do veículo seriam proporcionadas apenas por este fenômeno
[204]. Atualmente, seu interesse se encontra reduzido a pesquisas acadêmicas [205,
206].
Na área industrial, a levitação aerodinâmica é encontrada nos mancais
fluidodinâmicos, que são mancais de escorregamento sem contato, no qual o fluido,
líquido ou gás, como, respectivamente, um óleo ou o ar, impede o contato entre a parte
móvel e fixa do equipamento, devido à rotação entre estas partes, que produz uma
diferença de pressão no fluido responsável por sustentar e posicionar o rotor da
máquina, chamado de efeito cunha.
Desta forma, a sustentação não depende da alimentação externa de fluido, como
nos mancais aerostáticos, necessitando, porém de uma operação em regime
permanente para um funcionamento satisfatório. Estes mancais de filme-fluido também
podem envolver a combinação de mancais fluidostáticos e fluidodinâmicos, dando
origem aos mancais híbridos, capazes de suportar maiores cargas [145, 207].
A levitação aerodinâmica também é aplicada no estudo de materiais, que são
suportados sem contato no ar pela ação de jatos de um fluido pressurizado. Ao atingir
o objeto fora de seu centro de gravidade, o jato é responsável por produzir uma força
de sustentação e de arrasto capaz mantê-lo flutuando de modo estável e girando ao
redor de seu eixo, de acordo com o efeito Magnus [11].
A utilização desta técnica é empregada em pesquisas envolvendo o aquecimento
de materiais sem a presença de recipientes, evitando a contaminação e possíveis
impurezas, com a aplicação de jatos subsônicos ou supersônicos.

29
Experimentos envolvendo o comportamento de amostras em condições de micro
gravidade também são investigados com o auxílio desta técnica. Nela, objetos esféricos
são inseridos no interior de um tubo estrangulado, de diâmetro um pouco maior,
percorrido por ar a uma certa vazão, de modo que o objeto flutua em equilíbrio estável
próximo ao ponto de estrangulamento [208, 209].
As demais aplicações envolvem o resfriamento de partículas, novos processos de
fabricação de materiais vítreos [210], auxílio nos processos de medida de parâmetros
físicos e experimentos envolvendo fusão a laser [211, 212].

2.6. Levitação Eletrostática (ESL)

Em seu artigo no ano de 1842 [213], o matemático inglês Samuel Earnshaw


demonstrou a impossibilidade de ocorrer equilíbrio estável em um sistema estático
descrito por interações de forças baseadas pela lei do inverso do quadrado da distância.
Assim, a princípio, sistemas envolvendo interações eletrostáticas, como grupos de
cargas elétricas, arranjos estáticos de ímãs permanentes ou ainda a combinação de
materiais ferromagnéticos e ímãs permanentes são naturalmente instáveis e quaisquer
técnicas de levitação empregadas nestes casos deve modificar a dinâmica original para
estabilizá-los.
A levitação eletrostática se baseia nos processos de indução eletrostática, no qual
as cargas elétricas de um objeto se polarizam por ação à distância de um campo elétrico
externo. No caso de materiais condutores, esta polarização ocorre de forma intensa,
devido à maior mobilidade dos elétrons, de forma que o objeto apresenta maior
concentração de cargas de polaridade oposta ao campo elétrico externo nas regiões de
fronteira. Nos materiais dielétricos, entretanto, esta polarização é mais lenta e ocorre
apenas uma reorientação de dipolos elétricos, em todo o material, oposta ao campo
elétrico externo [214].
Neste sistema de levitação, um conjunto de eletrodos induz no material a formação
de polaridades opostas às dos respectivos eletrodos na região de fronteira próxima a
eles. Esta indução de polaridades produz forças eletrostáticas no objeto, pela Lei de
Coulomb, no sentido de atraí-lo em direção aos eletrodos e assim suspendendo-o.
Como visto no teorema de Earnshaw, esta interação é naturalmente instável,
sendo necessário um controle ativo com malha fechada para manter o objeto flutuando.
Um sensor é responsável por medir a posição do objeto e compará-lo com um nível de
referência, gerando um sinal de erro. O controlador produz um sinal de controle
relacionado com erro, sendo em seguida amplificado para produzir a tensão em cada
eletrodo que mantém o objeto suspenso. Este esquema de controle está ilustrado de
forma simplificada na Figura 2.17.

30
Esta técnica de levitação é vantajosa em aplicações envolvendo o manuseio de
objetos delicados, sem que haja contaminação ou contato com outros materiais, em
ambientes extremamente limpos ou com operação no vácuo. Ela também é indicada em
sistemas micro-eletro-mecânicos (MEMS), em dispositivos livres de lubrificação e
contato, como micro mancais e micro bombas e é empregada em sistemas biológicos
que utilizam a nanotecnologia [215]. Além disso é capaz de suspender qualquer tipo de
material e, não apenas condutores ou materiais ferromagnéticos como na levitação
magnética.

Figura 2.17. Malha de Controle da Levitação Eletrostática.

Dentre as aplicações principais da levitação eletrostática estão a operação de


micro atuadores em sistemas MEMS [216, 217], no manuseio de materiais delicados
como semicondutores [218], disco-rígidos [219] e telas de vidro de LCD [220], em micro
mancais [221, 222], micromotores [223, 224] e giroscópios elétricos em alto-vácuo [225,
226]. O processo de fabricação das telas de LCD, por exemplo, pode ser realizado
inteiramente sem contato, uma vez que além da suspensão do material ainda faz o seu
transporte e deslocamento a partir de um motor de indução (ESIM) constituído pelas
mesmas forças de natureza eletrostática [227, 228].
Para reduzir um dos inconvenientes deste método, que é a produção de altas
tensões nos eletrodos utilizando amplificadores rápidos e de alta tensão, novas técnicas
surgiram, substituindo os custosos amplificadores por capacitores variáveis,
apresentando bons resultados [229 – 232].

31
As pesquisas envolvendo a ciência de materiais também utilizam a levitação
eletrostática para se beneficiar da ausência de um reservatório e, assim realizar
experiências com amostras envolvendo, por exemplo, super-resfriamento de líquidos,
fases sólidas metaestáveis, nucleação e solidificação, a síntese de materiais, além de
realizar medidas de propriedades térmicas e elétricas com maior precisão [233 – 236].
Além do interesse da ciência dos materiais, esta técnica é aplicada em estudos do
comportamento dos materiais no espaço [237, 238] e na área da bionanotecnologia, em
dieletroforese [239]. A Figura 2.18 ilustra a flutuação de uma amostra de uma liga de
titânio-zircônio-níquel em um levitador eletrostático em uma câmara de vácuo para
estudos sobre esta liga em um centro de pesquisas da NASA.
Uma outra técnica de levitação eletrostática utiliza um arranjo de circuito LRC
oscilador. Nela, o objeto suspenso e um eletrodo fixo formam a capacitância deste
circuito, que encontra aplicações em giroscópios a vácuo [240] e dispositivos micro
eletromecânicos [241, 242].
A utilização de campos elétricos quase estacionários em um arranjo de eletrodos
com geometrias pré-definidas também proporciona uma levitação estável de cargas
elétricas [11]. Esta técnica é empregada em estudos de materiais, como o
aprisionamento de elétrons e íons [243], manipulação de átomos [244] e foto emissão
de partículas [245 – 247].
A flutuação de objetos por este método é possível ainda, com o fenômeno de
descargas elétricas produzidas por circuitos eletrônicos de alta tensão, como o efeito
Corona [248]. Nesta proposta, o objeto (“lifter”) se comporta como um capacitor e é
capaz de sustentar o próprio peso a partir da alta tensão imposta a ele, em função da
assimetria entre os seus dois terminais [249]. Após investigações científicas com
objetivos meramente acadêmicos [250], conforme a proposta apresentada pelo
professor do DEL/UFRJ Antônio Carlos Moreirão [251], esta técnica passou a atrair a
atenção como possível meio de propulsão de dispositivos e veículos [252, 253].

2.7. Conclusão

Este capítulo apresentou os aspectos históricos e tecnológicos do


desenvolvimento da levitação de objetos através das técnicas acústica, óptica,
aerostática, aerodinâmica e eletrostática e as suas mais importantes aplicações.
Foi possível observar que as levitações do tipo acústica ou óptica apresentam uma
capacidade de sustentação de força muito reduzidas, o que as inviabilizam para a
flutuação de grandes objetos, e as mantêm restritas para aplicações científicas e
biológicas de pequenas amostras, evitando a contaminação com recipientes.

32
Figura 2.18. Levitação Eletrostática (ESL) de uma liga metálica.
(Fonte: NASA, Domínio Público [254]).

A levitação aerostática surgiu com a possibilidade de se flutuar objetos através do


conceito da utilização de elementos mais leves que o ar. Assim, foram concebidos os
balões de ar quente e a gás, que permitiram pela primeira vez alcançar um antigo desejo
da humanidade, não permanecendo limitados ao solo. Em seguida, a necessidade de
conferir maior controle sobre o voo introduziu o uso dos dirigíveis que, a partir do final
do século XIX, revolucionaram o mundo moderno, com o seu uso adequado para fins
militares e meio de transporte.
De forma subsequente, a suspensão de objetos mais pesados que o ar iniciou a
era da levitação aerodinâmica, com a introdução dos aviões que eram capazes de
decolar por seus próprios meios e garantido extremo controle sobre a rota determinada
pelo piloto. Em ambas as técnicas de suspensão, deve-se destacar a participação
decisiva do brasileiro Santos-Dumont na consolidação da aviação, que se tornou um
meio de transporte seguro e que encurtou significativamente o tempo de deslocamento
de passageiros, mercadorias e comunicações.
Em meados do século XX, estas duas técnicas foram aplicadas no ambiente
industrial como forma de eliminar o contato mecânico entre a parte móvel e fixa de
equipamentos, reduzindo suas perdas. Assim, surgiram os mancais de filmes fluidos,
em que um fluido pressurizado mantém estes elementos afastados sob uma fina
camada. Enquanto os mancais fluidostáticos necessitam de uma malha de
pressurização constante externa, os mancais fluidodinâmicos utilizam o próprio
movimento relativo do rotor para manter o funcionamento sem contato.

33
No mesmo período, necessidades semelhantes, como o aumento da eficiência, e
o apelo pela sustentabilidade incentivaram o aparecimento de novos meios de
transporte alternativos sem contato de forma aerostática (ACV) marítimos, com os
hovercrafts, e terrestres, com os hovertrains para curtas ou longas distâncias, em
trajetos urbanos ou entre cidades, respectivamente. O modelo de altas velocidades
fracassou ao competir com os trens de levitação magnética, entretanto este tipo de
transporte encontrou um nicho de mercado vantajoso nos veículos para rotas curtas nos
sistemas conhecidos como Automated People Mover (APM).
Por fim, a levitação eletrostática tradicional, conforme previsto pelo teorema de
Earnshaw, é naturalmente instável e precisa de uma malha de controle fechada para o
seu funcionamento. A sua principal vantagem é a possibilidade de efetuar a suspensão
de qualquer material, e não apenas magnéticos ou condutores como na maioria das
aplicações da levitação magnética. A baixa relação de capacidade de força por área,
entretanto demonstra que ele é indicado para ser utilizado em situações específicas,
como micromancais, microatuadores, ou a levitação de dispositivos semicondutores.
Conforme será visto no próximo capítulo, a evolução tecnólogica dos materiais
magnéticos, supercondutores e semicondutores, a partir da segunda metade do século
XX, tornou a levitação magnética atrativa e viável no desenvolvimento de aplicações
industriais, com os mancais magnéticos, que podem substituir os mancais
convencionais, os aerostáticos e os aerodinâmicos, além de se inserir com sucesso no
transporte de passageiros em altas velocidades e urbano, com os trens de levitação
magnética.

34
3. Levitação Magnética e Aplicações

3.1. Introdução

Dentre todos os métodos de levitação de objetos, a técnica de levitação magnética


é a que atrai mais interesse atualmente e que possui maior capacidade de apresentar
tecnologias promissoras ao mercado, sobretudo no setor de transporte de passageiros
e na área industrial, e impactar de maneira positiva grande parte da sociedade,
contribuindo para o seu bem-estar.
A levitação magnética, além de seu aspecto fascinante da suspensão de objetos,
tem atraído grande interesse de pesquisadores da academia e da indústria devido às
suas inúmeras vantagens, como a eliminação de atrito mecânico, contaminação e
desgaste de elementos de contato e o consequente aumento da eficiência de
equipamentos, aliada a capacidade de sustentar cargas elevadas, rotativas ou lineares.
Estas características têm levado empresas a apresentar produtos para as mais
variadas aplicações, como as indústrias de alimentos, de óleo e gás, centrífugas para
enriquecimento de urânio, bombeamento para corações artificiais, turbo máquinas e
muitas outras.
Além destas, o desenvolvimento de trens de levitação magnética, como o MagLev-
Cobra, apresenta tecnologia promissora para o transporte urbano ou de longas
distâncias de passageiros, aliando o baixo consumo de energia e de produção de ruído
ao custo reduzido de construção, além da possibilidade de atingir altas velocidades.
Recentemente, a evolução dos materiais magnéticos, dos dispositivos
semicondutores e dos sensores tornou viável e acessível a confecção de produtos
destinados ao mercado de bens de consumo, notadamente para os setores de
decoração, de iluminação, de entretenimento e educacionais, explorando o apelo
estético da flutuação de objetos e o conhecimento tecnológico por trás do fenômeno.
De modo geral, a levitação magnética se caracteriza pela suspensão de objetos
por ação de campos magnéticos, pela interação entre correntes elétricas em condutores
e campos magnéticos em materiais ferromagnéticos ou diamagnéticos.
A seguir, as diferentes formas de levitação magnética, do tipo ímãs permanentes,
eletromagnética (EML), supercondutora (SML), eletrodinâmica (EDL) e mixed-µ, em
conjunto com as suas respectivas aplicações serão apresentadas em detalhes [15, 255].

35
3.2. Levitação de Ímãs Permanentes

Conforme verificado no teorema de Earnshaw, não é possível uma levitação em


equilíbrio estável utilizando apenas um arranjo estático de ímãs permanentes. Desta
forma, uma combinação estática de ímãs permanentes dá origem ao que é chamado
pseudo-levitação, onde não é possível atingir um equilíbrio estável do sistema em todos
os seis graus de liberdade simultaneamente. Este mecanismo é bem conhecido pela
experiência de aproximação de ímãs com faces de mesma polaridade, que só se
equilibram com alguma restrição de movimento em uma direção, como ilustrado na
Figura 3.1.

Figura 3.1. Pseudo-levitação de Ímãs Permanentes.

Apesar do inerente contato imposto por esse arranjo estático de ímãs, esta técnica
encontra aplicações em diversas áreas, como brinquedos científicos e transportes.
O brinquedo conhecido como “Revolution” baseia-se na força de repulsão entre
grupos de ímãs permanentes posicionados na base e no objeto. Esta força de repulsão
é capaz de suspender o objeto equilibrando o seu próprio peso, porém de maneira
instável. Uma película de vidro colocada na lateral da base restringe o movimento
horizontal do objeto em uma direção paralela à base, permitindo a estabilidade nos
demais cinco graus de liberdade. O contato entre a película e o objeto é feito por uma
fina ponta metálica, reduzindo o atrito e mantendo-o girando por um longo tempo [256].

36
A Figura 3.2 apresenta a vista frontal deste dispositivo com destaque para a
polaridade dos ímãs. Os ímãs da base e do objeto possuem, respectivamente, um
formato de tetraedro e de um cilindro, e magnetização com orientação axial. Ao todo, o
sistema utiliza quatro ímãs em sua base e dois no objeto.
O arranjo estático de ímãs permanentes também foi aplicado em projetos
envolvendo trens de levitação magnética (MagLev). Estes projetos se dividiram em duas
vertentes: os modos atrativos ou os repulsivos [22], conforme será visto a seguir.

Figura 3.2. Vista Frontal do "Revolution".

3.2.1. Modo Atrativo e Repulsivo de Levitação Magnética

No modo atrativo, ímãs permanentes localizados no veículo são atraídos por uma
guia de aço situada na via, ilustrada na Figura 3.3. Nesta situação, rolamentos de nylon,
em amarelo, são necessários entre o aço e os ímãs para conferir estabilidade ao
sistema. O exemplo de transporte mais destacado utilizando este modo foi o trem
urbano M-Bahn, implementado em Berlim, nos anos 80 [257].
Da mesma forma, um grupo de pesquisas do Japão propôs um modo atrativo
semelhante ao M-Bahn, que contava com o controle mecânico da distância de levitação
[258, 259]. Apesar de ser considerado um trem de levitação, o protótipo alemão operava
sobre rodas e se beneficiava do arranjo magnético apenas para redução do peso
suportado e do atrito, enquanto o japonês necessitava apenas de rolamentos para
separar o ímã permanente no veículo do trilho ferromagnético na via.

37
Figura 3.3. Modo Atrativo de Suspensão de Ímãs Permanentes.

No modo repulsivo, ímãs permanentes na via e no veículo são posicionados com


as faces de mesma polaridade frente a frente, acarretando em uma força de repulsão
capaz de suspender o veículo, conforme apresenta a Figura 3.4. Para evitar os
inevitáveis deslocamentos laterais, os rolamentos de nylon também são necessários.
Entre os exemplos da adoção deste sistema pode-se citar a proposta do engenheiro
britânico Geoffrey Polgreen [260] e do projeto americano MagTube [261].

Figura 3.4. Modo Repulsivo de Suspensão de Ímãs Permanentes.


38
A principal vantagem desta técnica sobre as demais que utilizam a levitação
magnética é o fato dela não requerer consumo de energia para proporcionar a
suspensão do veículo, além de utilizar o campo magnético para produção de fluxo
magnético no motor linear síncrono ou de corrente contínua que traciona o trem. Os
seus inconvenientes são o atrito produzido pelos rolamentos existentes, a ausência de
algum tipo de amortecimento natural para sistemas de transporte e o alto custo destes
ímãs.

3.2.2. Materiais Magnéticos e o Arranjo de Halbach

É importante ressaltar que, ao longo do século XX, novos materiais magnéticos


foram desenvolvidos, aumentando o interesse da indústria na comercialização de
componentes e produtos utilizando ímãs permanentes. Assim, a produção das ligas
metálicas de materiais ferromagnéticos conhecidas por Al-Ni-Co, a partir de 1931, dos
ímãs de cerâmica, ou de ferrite, nos anos 50, e dos ímãs de terras-raras, a partir da
década seguinte com o samário-cobalto (Sm-Co) e na década de 80 com o neodímio-
ferro-boro (Nd-Fe-B), apresentaram novas possibilidades para diversas áreas do
conhecimento, como motores elétricos, atuadores, dispositivos móveis e também em
sistemas de levitação magnética [262 – 264].
Cada um destes materiais possui propriedades distintas como, a curva de
magnetização, a saturação, a densidade de fluxo magnético remanente, o campo
magnético coercitivo e a máxima densidade de energia magnética, que os caracterizam
para determinada aplicação [265]. No tocante à densidade máxima de energia
magnética, sabe-se que quanto maior é o seu valor para um dado material magnético,
menor é o volume do ímã permanente, reduzindo substancialmente o volume de
máquinas e equipamentos em que estes são utilizados [266].
Os ímãs cerâmicos de ferrite foram os primeiros a serem indicados para projetos
envolvendo levitação magnética no modo repulsivo, nos anos 60, em função de um valor
mais alto de força coercitiva em comparação ao Al-Ni-Co. Exemplos desta aplicação,
foram as propostas de trens de levitação da Westinghouse Electric Company [267] e do
britânico Magnarail [268, 269], que se baseavam na repulsão entre blocos de ferrite,
contando com apoio nas laterais para o guiamento.
Ambos construíram apenas modelos em escala reduzida para demonstração do
funcionamento. O mais famoso deles foi o último, idealizado pelo engenheiro Geoffrey
Polgreen, que construiu um trilho de 3,5 metros e uma plataforma para a flutuação de
uma pessoa deitada. A forma de propulsão planejada considerava o uso de um motor
linear, no qual os ímãs do veículo atuariam como o campo. Apesar de estudos para a
sua aplicação em trens de alta velocidade, as suas pesquisas não avançaram.

39
Após a sua fabricação, em 1982, os ímãs de terras-raras de neodímio-ferro-boro
(Nd-Fe-B) ganharam destaque para diversas aplicações com ímãs permanentes, devido
à suas características superiores aos demais, como densidade de energia magnética e
força coercitiva [270]. Assim, a sua introdução em sistemas de levitação magnética em
trens e equipamentos percorreu o mesmo caminho, destacando-se principalmente na
levitação eletrodinâmica (EDL) e supercondutora (SML), conforme será visto adiante.
Em muitas situações, os ímãs permanentes são utilizados em conjunto para
produzir um aumento no campo magnético de um determinado sistema e em uma
determinada região preferencial. Para contornar eventuais problemas de combinação
de ímãs permanentes e reforçar a densidade de fluxo magnético em uma região,
concebeu-se em 1973 o arranjo de Halbach [271, 272]. Com este arranjo, uma
combinação de ímãs permanentes é capaz de reforçar substancialmente o campo
magnético de um lado, anulando-o de outro lado. A Figura 3.5 ilustra o princípio do
arranjo de Halbach, destacando a orientação magnética de cada bloco de ímãs que
reforçam as linhas de campo na parte superior e anulam na parte inferior do arranjo.
Além das várias aplicações, como em ímãs de geladeira, e de diferentes
geometrias possíveis [273], o arranjo de Halbach encontrou um forte campo de atuação
nos trens de levitação magnética, na combinação dos ímãs de neodímio-ferro-boro. A
levitação supercondutora e a eletrodinâmica também se beneficiaram deste arranjo na
concepção de trens de levitação magnética, conforme será visto adiante.

Figura 3.5. Arranjo de Halbach.

40
3.2.3. Aplicações nos Transportes

3.2.3.1 M-Bahn

Após a construção do Muro de Berlim, as malhas ferroviárias que antes


atravessavam os limites entre o lado ocidental e oriental da cidade tiveram seus serviços
descontinuados, deixando estações construídas abandonadas e não atendendo a
demanda nestas regiões. Para corrigir este problema, nos anos 70, a Alemanha
Ocidental apoiou a construção de uma linha alternativa de transportes para Berlim
Ocidental.
O M-Bahn se caracteriza por ser um sistema atrativo entre ímãs permanentes no
veículo e um material ferromagnético na via. Apesar de ser considerado um trem de
levitação magnética, este tipo de atração era capaz de suportar até 85% do seu peso,
com o restante sendo equilibrado sobre rodas mecânicas, e contando com rolamentos
laterais para o guiamento. A sua propulsão era devida a um motor síncrono linear (LSM)
de estator longo, que utilizava o campo magnético dos ímãs permanentes para o campo
e enrolamentos trifásicos na via como armadura. O veículo, visto na Figura 3.6, possuía
capacidade de até 130 passageiros e pesava 9 toneladas, produzindo um baixo nível
de ruído, pouco consumo de energia e com uma estrutura leve.
O projeto do M-Bahn (Magnetbahn) foi desenvolvido pela companhia AEG, que
iniciou a construção de uma linha de testes em 1976, em Braunschweig. Em 1983, um
trecho experimental de 600 metros foi iniciado em Berlim, com uma expansão para uma
linha dupla de 1,6 km de extensão em via elevada e contendo três estações, a partir de
1986, com velocidade planejada entre 40 e 80 km/h. O M-Bahn entrou em operação em
1988, com quatro veículos, permanecendo em serviço comercial até 1991 quando, após
a reunificação de Berlim, o sistema metroviário voltou a ser integrado na cidade e o trem
de superfície se tornou redundante [257, 274].
Após a sua demonstração com sucesso em Berlim, novos projetos indicaram o
interesse em adotar este sistema no aeroporto de Frankfurt, na Alemanha, e na cidade
de Las Vegas, nos EUA, porém não se concretizaram [20, 275].

3.2.3.2 Transporte de Carga

O projeto americano Magtube, em desenvolvimento pela empresa LaunchPoint


Technologies em conjunto com Magnovate e Applied Levitation [277 – 279], utiliza
arranjos Halbach de ímãs permanentes de Nd-Fe-B ao longo da via e no veículo,
operando em um modo repulsivo de suspensão de ímãs permanentes, semelhante à
Figura 3.4.

41
A inerente instabilidade lateral, no entanto, é corrigida utilizando uma malha de
controle realimentada com eletroímãs, permitindo uma levitação totalmente sem
contato, com um entreferro de três a oito centímetros. A sua propulsão seria produzida
por um motor síncrono linear (LSM) [22, 261].

Figura 3.6. Veículo M-Bahn.


(Fonte: Wikimedia, CC BY-SA 3.0 [276])

Em 2006, um veículo em escala real foi construído para demonstrar o


funcionamento do sistema de levitação, sem o controle lateral, que foi efetuado de forma
mecânica, em um pequeno trecho experimental. Um protótipo e um trilho em escala
reduzida foram elaborados, em 2008, para testes com o sistema de propulsão,
guiamento lateral com os eletroímãs, o amortecimento e a tecnologia de mudança de
via [280].
Os estudos iniciais sugeriam a sua aplicação principalmente no setor de transporte
de cargas, com corredores específicos para a movimentação de contêineres de navios
ou tanques de materiais líquidos em tubos fechados sob vácuo, capazes de atingir
velocidades de 800 km/h. Um modelo equivalente para o transporte pessoal de
passageiros (PRT), o Magway, também foi apresentado para trajetos urbanos, mas
ambos, até o momento não prosperaram [281].

42
Um sistema semelhante utilizando esta tecnologia também surgiu recentemente
nos EUA, sendo indicado principalmente para o transporte de cargas. O Levx® se baseia
no mesmo princípio de levitação por repulsão de ímãs permanentes posicionados na via
e no veículo.
Diferentemente do Magtube, a sua estabilidade lateral é garantida por rolamentos
mecânicos nas laterais do veículo. O seu sistema de propulsão é formado por uma roda
magnética na extremidade do trem que ao girar induz correntes parasitas em lâminas
condutoras na via, produzindo uma força de tração capaz de mover o veículo e controlar
o seu movimento de acordo com a intensidade e o sentido da velocidade angular da
roda. Além do transporte de cargas em portos e atividades de mineração, ele também
é sugerido como alternativa para o transporte de passageiros [282].

3.2.4. Mancais Magnéticos Passivos (PMB)

Além de sua utilização como brinquedos didáticos ou nos transportes, este mesmo
princípio está presente na concepção de mancais para máquinas e ferramentas com
atrito reduzido [283, 284]. As suas primeiras aplicações se concentraram em discos de
medidores de energia elétrica eletrodinâmicos das fabricantes Philips [285, 286] e
General Electric [287 – 289] e circuladores de refrigeradores [290], reduzindo a
necessidade de lubrificação e auxiliando no posicionamento de rotores.
Com a evolução dos materiais magnéticos e o surgimento dos ímãs de terras-
raras, este tipo de levitação encontrou espaço para aplicações industriais, através dos
mancais magnéticos passivos (PMB), que ao utilizarem ímãs permanentes, não
necessitam de um consumo de energia para o seu funcionamento. Assim, diversos tipos
de configurações de mancais magnéticos passivos foram concebidos para atender
necessidades específicas, como o tipo radial ou axial, com o modo atrativo ou repulsivo
entre os ímãs do rotor e do estator, com diferentes geometrias possíveis para os ímãs,
como o anel ou disco, ou ainda, a sua orientação de magnetização [291 – 295].
A simplicidade construtiva, sem os complexos sistemas de controle também tem
atraído aplicações que exigem confiabilidade. Deve-se ressaltar, entretanto, que a
impossibilidade de garantir estabilidade simultânea em todos os graus de liberdade
exige a presença de outros tipos de mancais para a sua operação completa. Deste
modo, vários projetos têm empregado mancais hidrodinâmicos, mancais magnéticos
ativos (AMB), ou passivos supercondutores (SMB) ou eletrodinâmicos (EDB) para
corrigir este inconveniente, evitando qualquer tipo de contato mecânico.

43
Os mancais magnéticos passivos com ímãs permanentes têm sido estudados
para aplicações envolvendo giroscópios para sistemas espaciais [296], turbinas eólicas
[297, 298], armazenadores cinéticos de energia [299 – 303], compressores, bombas
turbo moleculares e turbinas [304, 305], atuadores lineares [306], motor mancal
magnético [307], além de dispositivos de auxílio ventricular (VAD) para o coração
artificial, que será visto em conjunto com os mancais magnéticos ativos.

3.2.5. Levitação Estável por Rotação de Ímãs Permanentes

Uma outra técnica de levitação envolvendo apenas ímãs permanentes, se baseia


no seu próprio movimento de rotação, de modo a obter uma flutuação estável e sem
nenhum tipo de restrição. O seu mais famoso exemplo é o brinquedo conhecido como
Levitron® [308, 309], que consiste em uma base com ímãs permanentes com orientação
vertical, e com geometria retangular ou cilíndrica, além de um pequeno ímã, de
orientação magnética oposta à base, que é posicionado e rotacionado a uma certa
altura, conforme ilustrado na Figura 3.7.

Figura 3.7. Levitação estável pela rotação de um ímã permanente.

Para permanecer levitando, este ímã utiliza o efeito giroscópico, no sentido de se


manter inclinado em uma direção paralela às linhas de campo magnético produzidas
pelos ímãs na base, em um movimento de precessão. Fatores externos como a
resistência do ar e a temperatura afetam o seu desempenho, reduzindo a velocidade
angular e o tornando instável, acabando com a flutuação em alguns minutos [310 – 314].

44
3.3. Levitação Diamagnética

Em 1939, o físico alemão Werner Braunbeck demonstrou que o teorema de


Earnshaw não se aplicava aos materiais diamagnéticos [315], sendo assim possível
obter uma levitação com equilíbrio estável em sistemas envolvendo estes materiais.
Os materiais diamagnéticos são caracterizados por se opor ao campo magnético
externo, no sentido de evitar a penetração de fluxo magnético no seu interior, com
permeabilidade magnética relativa inferior a um. Dentre os materiais que apresentam
esta característica estão a água, o bismuto, o grafite, o diamante, além de moléculas
presentes na composição de seres vivos [316].
A levitação diamagnética pode ser obtida utilizando um arranjo de ímãs
permanentes, conforme ilustrado na Figura 3.8. Nela, o carbono pirolítico CVD, o
material diamagnético sólido de menor permeabilidade magnética em temperatura
ambiente, flutua alguns milímetros sobre um arranjo de ímãs de Nd-Fe-B com orientação
magnética vertical e polaridades idênticas nas diagonais. O carbono repele o campo
magnético produzido pelos ímãs proporcionando uma força de repulsão capaz de
sustentar o seu próprio peso. Além disto, por possuir características anisotrópicas, este
material é capaz de flutuar de forma estável apenas na configuração apresentada [317].

Figura 3.8. Levitação diamagnética do carbono pirolítico.


(Fonte: Wikimedia, Domínio Público [318])

Conforme visto acima, mesmo para materiais diamagnéticos fortes, as forças de


repulsão presenciadas são muito pequenas, capazes de levitar apenas pequenos
objetos. Para obter a suspensão de objetos mais pesados, torna-se necessário a
aplicação de campos magnéticos intensos, produzidos por eletroímãs, com densidades
de fluxo magnético da ordem de 10 T. Nestas situações, é possível flutuar objetos
maiores, como seres vivos, incluindo plantas e um sapo [319, 320]. A sua principal
vantagem, assim como em arranjos de ímãs permanentes, é a possibilidade de atingir
a levitação sem a necessidade de consumo de energia.

45
Os materiais diamagnéticos podem ser utilizados ainda, para estabilizar sistemas
de levitação envolvendo ímãs permanentes. Nestes arranjos, eletroímãs ou ímãs
permanentes produzem campos magnéticos intensos de modo a atrair um outro ímã
permanente, com pelo menos um grau de liberdade instável. A presença de um material
diamagnético é capaz de auxiliar a estabilizar o sistema em todas as direções [321].
Esta proposta encontra espaço em aplicações comerciais envolvendo instrumentos de
medição, em pequenos mancais [322], ou em kits educacionais [323, 324],
permanecendo atualmente como mero interesse acadêmico.
Novas perspectivas para esta técnica surgem com a produção de ímãs
monolíticos com perfis magnéticos sob medida para aplicações envolvendo mancais
magnéticos [325, 326], em armazenadores cinéticos de energia, dispositivos ópticos e
lineares, além de equipamentos aeroespaciais [327 – 333].

3.4. Levitação Eletromagnética (EML ou EMS)

A levitação eletromagnética é, dentre os métodos de levitação magnética, aquela


que apresenta um elevado grau de maturidade tecnológica, com o maior número de
aplicações industriais e comerciais em atividade.

3.4.1. Princípio de Funcionamento da Levitação Eletromagnética Tradicional

Do ponto de vista técnico, esta levitação consiste na força de atração exercida por
um eletroímã sobre um material ferromagnético, que possui a tendência de se
magnetizar facilmente. Esta interação entre objetos magnetizados, de maneira estática,
é naturalmente instável, pois a tendência é que eles se atraiam, tal qual ímãs com faces
de diferentes polaridades posicionados um frente ao outro. Para contornar este efeito,
emprega-se um sistema de controle em malha fechada, utilizando circuitos eletrônicos
e sensores, que mantêm o objeto ferromagnético afastado do eletroímã e suspenso no
ar, sob uma altura de referência desejada.
Uma representação simplificada de um circuito esquemático tradicional desta
técnica pode ser vista na Figura 3.9. Ela apresenta os elementos básicos que constituem
a levitação eletromagnética: um atuador, representado pelo eletroímã e seu circuito
magnético, um objeto ferromagnético atraído por ele, um sensor para medir a posição
deste objeto, um controlador e um amplificador de potência, responsável por transmitir
os sinais de controle em um nível adequado para a atuação do eletroímã [12 – 14].

46
Figura 3.9. Diagrama esquemático de um sistema de levitação eletromagnética.

O eletroímã consiste em um fio enrolado, no qual circula uma corrente elétrica


𝑖(𝑡), em volta de um núcleo ferromagnético. Esta, por sua vez, produz um campo
magnético, cujas linhas de campo e seu fluxo magnético 𝜑(𝑡) se concentram e circulam
pelo material magnético, em um caminho de menor relutância, representado pela linha
amarela tracejada na Figura 3.9, que desconsidera efeitos de saturação, dispersão e
espraiamento. A corrente elétrica exerce uma força de atração no material
ferromagnético ilustrado em azul, no sentido de eliminar o entreferro 𝑧(𝑡) e reduzir a
relutância total do circuito magnético.
Para manter o objeto flutuando sob um entreferro desejado, no entanto, é
necessário controlar a corrente elétrica que circula na bobina, de modo a reduzir ou
aumentar sua magnitude quando necessário. Na Figura 3.9 isto é feito empregando uma
malha de controle fechada simplificada, dotada de um sensor que registra e envia para
o controlador a posição do objeto flutuante. Esta informação é processada e
implementada em um método de controle com realimentação negativa, de modo a
corrigir o valor da corrente elétrica necessária para a levitação desejada, sob a forma
de sinais de controle, que são amplificados em um circuito de potência, produzindo a
corrente elétrica no nível desejado.

47
A análise matemática do sistema de levitação da Figura 3.9 pode ser considerada
a partir do princípio de conversão eletromecânica de energia, em que a energia elétrica
produzida pelo eletroímã é convertida em energia mecânica, energia armazenada no
campo magnético e em perdas por aquecimento. Desprezando este último componente,
esta relação pode ser expressa por [334]:

𝑑𝑊𝑎𝑟𝑚 (3.1)
𝑃𝑒 = + 𝑃𝑚
𝑑𝑡

A potência elétrica, desconsiderando as perdas na resistência, é equivalente a:

𝑑𝜆 (3.2)
𝑃𝑒 = 𝑒𝑖 = 𝑖
𝑑𝑡

E a potência mecânica é equivalente a:

𝑑𝑧 (3.3)
𝑃𝑚 = 𝑓𝑣 = 𝑓
𝑑𝑡

Combinando as equações (3.2) e (3.3) em (3.1), tem-se:

𝑑𝑊𝑎𝑟𝑚 = 𝑖𝑑𝜆 − 𝑓𝑑𝑧 (3.4)

Considerando que a energia armazenada pode ser considerada como uma função
de duas variáveis, o fluxo enlaçado e o entreferro, pode-se estabelecer que:

𝜕𝑊𝑎𝑟𝑚 𝜕𝑊𝑎𝑟𝑚 (3.5)


𝑑𝑊𝑎𝑟𝑚 (𝜆, 𝑧) = 𝑑𝜆 + 𝑑𝑧
𝜕𝜆 𝜕𝑧

Comparando-se as equações (3.4) e (3.5) pode-se determinar que:

𝜕𝑊𝑎𝑟𝑚 (3.6a)
𝑖=
𝜕𝜆

𝜕𝑊𝑎𝑟𝑚 (3.6b)
𝑓=−
𝜕𝑧

Assim, a força de levitação exercida pelo eletroímã sobre o objeto ferromagnético


pode ser determinada a partir da equação (3.6b). Sabe-se que a energia magnética é
expressa por:

48
1 (3.7)
⃗ .𝐻
𝑊𝑎𝑟𝑚 = ∫ 𝐵 ⃗ 𝑑𝑉
2

Considerando o material magnético do núcleo com permeabilidade magnética


muito alta, e desprezando efeitos de espraiamento das linhas de fluxo magnético no
entreferro, ou seja, operando com um entreferro pequeno, a energia magnética
armazenada no circuito magnético da Figura 3.9 é:

1 1 (3.8)
𝑊𝑎𝑟𝑚 = 𝐵𝑔 𝐻𝑔 𝑉 = 𝐵𝑔 𝐻𝑔 𝐴(2𝑧)
2 2

Sabendo-se que a relação entre o campo magnético e a densidade de fluxo


⃗ 𝑔 = 𝜇0 𝐻
magnético no entreferro é 𝐵 ⃗ 𝑔 , tem-se que:

𝐵𝑔2 𝐴𝑧
𝑊𝑎𝑟𝑚 = (3.9)
𝜇0

Substituindo-se (3.9) em (3.6b), tem-se:

𝐵𝑔2 𝐴 (3.10)
𝑓=−
𝜇0

A análise do circuito magnético da Figura 3.9 permite obter a seguinte relação pela
Lei de Ampère:

𝐻𝑔 (2𝑧) = 𝑁𝑖 (3.11)

A expressão (3.11) pode ser reescrita da seguinte maneira

𝜇0 𝑁𝑖 (3.12)
𝐵𝑔 =
2𝑧

Substituindo (3.12) em (3.10), obtém-se a expressão da força de levitação em um


sistema eletromagnético

𝜇0 𝑁 2 𝐴 𝑖 2 𝑖 2 (3.13)
𝑓=− ( ) = 𝑘( )
4 𝑧 𝑧

49
Assim, observa-se que a força de levitação em um sistema eletromagnético é
proporcional ao quadrado da corrente elétrica que circula na bobina e inversamente
proporcional ao quadrado da distância de entreferro. Desta forma, este é um sistema
não-linear e, de acordo com o teorema de Earnshaw, é naturalmente instável.
A Figura 3.10, apresenta um diagrama de blocos de uma malha de controle
tradicional para sistemas de levitação eletromagnética, que emprega uma malha interna
de controle da corrente elétrica na bobina e uma malha externa de controle da posição
do objeto ferromagnético, de forma a manter o mesmo em uma posição de referência
𝑧𝑟𝑒𝑓 , sob uma corrente de referência 𝑖𝑟𝑒𝑓 .

Figura 3.10. Malha de controle tradicional em um sistema de levitação EML.

O controle destes sistemas é executado em controladores implementados de


maneira analógica ou digital, considerando o custo, a complexidade e os requisitos do
projeto. A utilização de dois ou mais tipos de sensoriamento, como de velocidade,
quando necessária, também implica em aumento de custos e da sua robustez. O
acionamento do eletroímã é geralmente realizado por circuitos de eletrônica de potência,
que demandam uma fonte de energia externa, no qual dispositivos semicondutores
operam no sentido de alterar a magnitude da corrente elétrica na bobina, sendo possível
sua realização em operação linear ou em modo chaveado. Além disto, em geral,
sistemas deste tipo apresentam entreferros da ordem de alguns milímetros.

50
3.4.2. Primeiras Aplicações

Sob a ótica histórica, os primeiros experimentos envolvendo esta técnica, datam


do início do século XX. Em 1937, o grupo de pesquisa da Universidade da Virgínia (EUA)
realizou a construção de elementos rotativos suportados sem contato com atuação de
eletroímãs, com os sinais de controle amplificados por válvulas, alcançando altas
velocidades em uma câmara de vácuo [335 – 338]. Estes trabalhos culminaram,
posteriormente, no desenvolvimento de ultra centrífugas para enriquecimento de urânio
no âmbito da corrida nuclear, durante a Guerra Fria [339 – 342].
Anteriormente, em 1912, o suíço Benjamin Graemiger idealizou o primeiro modelo
de trem de levitação magnética por esta técnica [343, 344], seguido, em 1937, pelo
engenheiro alemão Hermann Kemper, que obteve a concessão de duas patentes [345,
346], que tratavam de outra proposta relativa ao transporte de passageiros por ação
eletromagnética, tornando-se referência nos projetos de trens MagLevs EML
subsequentes, como o Transrapid [347].
Estes dois exemplos, envolvendo máquinas rotativas e meios de transporte
constituem os dois pilares no qual estão baseadas as aplicações de sucesso desta
técnica: os mancais magnéticos ativos (AMB) e os trens de levitação magnética
(MagLev), baseados, respectivamente, no movimento rotativo e linear sem contato
mecânico.
Os avanços da microeletrônica e da eletrônica de potência, a partir dos anos 60 e
70, com a introdução de dispositivos semicondutores com maior capacidade de
chaveamento e de potência, e microprocessadores de maior confiabilidade e qualidade
de processamento, além de aprimoramentos em sistemas de sensoriamento, tornaram
a levitação eletromagnética viável e adequada para uma vasta gama de aplicações,
onde o alto rendimento, a ausência de contato ou de lubrificação são imprescindíveis,
aumentando a confiabilidade e robustez destes sistemas em situações críticas, como
altas velocidades de rotação e no transporte de passageiros.
Assim, inicialmente, surgiram as primeiras aplicações envolvendo estudos
aerodinâmicos em túneis de vento, onde a força de levitação exercia o papel da força
de suspensão de aeronaves em escala reduzida [348 – 351], e novos instrumentos de
medição e giroscópios também foram sugeridos como alternativas às tecnologias
convencionais de contato mecânico [352, 353].

51
3.4.3. Mancais Magnéticos

Em seguida, os mancais magnéticos ativos foram aprimorados para atender a


soluções industriais, inicialmente, envolvendo bombas de turbo máquinas operando em
alto vácuo, e com o progresso tecnológico, abarcaram um número cada vez maior de
áreas de atuação, desfrutando das suas vantagens como ausência de contato e
lubrificação, manutenção reduzida, aumento da vida útil e da confiabilidade, redução de
perdas, alta precisão, capacidade de controle da dinâmica de operação em tempo real
e atingir altas velocidades [12 – 14, 20, 354 – 357].
Dentre alguns exemplos, estão os equipamentos para a indústria petroquímica,
na exploração de campos de petróleo ou gás, que constituem ambientes perigosos,
onde a ausência de lubrificação ou contato dos rotores pode reduzir a possibilidade de
falhas e de explosões [358 – 363]. Estes mancais magnéticos também encontram
destaque em outros setores, como o de alimentos, medicamentos e têxtil, onde a
ausência de contaminação é vital e prolonga a vida útil de seus componentes [364, 365].
Com a adoção de mancais magnéticos, máquinas operando com maior eficiência
e alcançando altas velocidades de rotação passaram a ser utilizadas em outros setores,
como em turbinas a gás e refrigeração, desempenhando a função de compressores,
bombas turbo moleculares, centrífugas e armazenadores cinéticos de energia
(flywheel), reduzindo custos com manutenção [366 – 375].
Estes mancais também auxiliaram servomecanismos e dispositivos inteligentes,
como máquinas de corte e fabricação de semicondutores, com o aumento da precisão
e do desempenho em suas funções [2, 3, 376, 377]. A operação conjunta com mancais
tradicionais, como os hidrodinâmicos, permite aliar, ainda, as vantagens dos dois
sistemas apresentando perspectivas de funcionamento, por exemplo, em discos rígidos
[378, 379].
Assim, com o estado da arte da tecnologia dos mancais magnéticos ativos em alto
nível, dezenas de fabricantes produzem e distribuem seus produtos para os segmentos
de mercado descritos acima, atuando em máquinas e equipamentos diversos,
agregando valor com soluções mecatrônicas e atendendo as necessidades de seus
clientes.
Atualmente, os maiores fabricantes destes mancais ativos dos tipos axiais ou
radiais são a americana Waukesha Bearings Corporation [380], ilustrada na Figura 3.11,
as suíças Mecos [381], apresentada na Figura 3.12, e Levitronix [382], vista na Figura
3.13., e a alemã LTI Motion [383], encontrada na Figura 3.14.

52
Além destas, se destacam neste mercado a sueco-francesa SKF/S2M [384], as
americanas Calnetix [385] e Synchrony [386], as alemãs Schaeffler [387] e Siemens
[388], a chinesa Emaging [389] e a sul-coreana Foshan Genesis AMB [390].

Figura 3.11. Mancal magnético ativo radial da Waukesha Bearings.


(Imagem cedida por cortesia pela Waukesha Bearings [380])

Figura 3.12. Detalhe construtivo de um mancal magnético radial da Mecos.


(Imagem cedida por cortesia pela Mecos AG [381])

53
Figura 3.13. Componentes mecânicos e magnéticos de um mancal magnético.
(Imagem cedida por cortesia pela Levitronix [382])

Nos sistemas biomédicos, os mancais magnéticos ativos auxiliam o


funcionamento correto do bombeamento de sangue, em dispositivos de auxílio
ventricular (VAD) de 3ª geração, conhecidos popularmente como coração artificial. A
ausência de lubrificação, contaminação e de contato permite a produção de VADs
implantados de forma intracorpórea em pacientes, que aguardam um transplante ou
podem permanecer com sua utilização por longo tempo nas situações em que a cirurgia
não é recomendada, e evita a hemólise prematura das hemácias [391 – 400].
A maioria destes dispositivos utilizam um arranjo híbrido entre eletroímãs e ímãs
permanentes, com o primeiro e o último desempenhando, respectivamente, o
posicionamento axial e radial do rotor. Esta configuração é a mais investigada nesta
área ao redor do mundo, incluindo um grupo de trabalho conjunto no Brasil, entre a
Escola Politécnica da USP (EPUSP) e o Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia
(IDPC), além das Universidades Federais do Rio Grande do Norte (UFRN) e do ABC
(UFABC) [401 – 406].
Atualmente, já existem alguns destes dispositivos de auxílio disponíveis no
mercado, melhorando a qualidade de vida de pacientes [407 – 422]. A americana
Thoratec Corporation [423 – 425] fornece soluções para assistentes dos ventrículos
direito e esquerdo, com implantes intracorpóreos e paracorpóreos se baseando no
princípio da levitação magnética.

54
Para o último, o dispositivo de bombeamento de sangue é externo, e é posicionado
acima do motor que aciona a bomba, conforme visto na Figura 3.15, e pode ser
facilmente limpa e transportada. Para o primeiro caso, o implante é interno e destinado
para o funcionamento por longos períodos de tempo. O VAD HeartMate 3™ pertence a
essa categoria, permitindo a operação em uma longa faixa de fluxo sanguíneo, e com
aspecto compacto, como ilustrado na Figura 3.16.
Além desta, a alemã Berlin Heart [426], com o INCOR®, e as americanas Terumo
Heart [1], com o Dura Heart LVAS, e LaunchPoint Tecnologies [427], com o Streamliner
VAD, desenvolvem produtos semelhantes com mancais magnéticos.

Figura 3.14. Sistema de um mancal magnético ativo completo da LTI Motion.


(Imagem cedida por cortesia pela LTI Motion [383])

55
Figura 3.15. Bomba com levitação magnética para o coração artificial.
(Imagem cedida por cortesia pela Thoratec Corporation)

Figura 3.16. LVAD HeartMate 3™.


(Imagem cedida por cortesia pela Thoratec Corporation)

56
3.4.4. Aplicações Educacionais

Experimentos acadêmicos, que demonstram de maneira didática esta técnica de


levitação, têm sido desenvolvidos com sucesso em várias universidades e centros de
pesquisa, em diferentes configurações e particularidades.

3.4.4.1 Aplicações no Mundo

As primeiras grandes contribuições nesta área foram propostas por ROBERGE


[428] e WONG [429], em disciplinas de Teoria de Controle, com a suspensão de um
pequeno globo ferromagnético, em um sistema de controle linearizado, implementado
de forma analógica, com regulador PD e um fotoresitor dedicado ao sensoriamento da
posição. Os resultados apontaram uma preferência majoritária dos estudantes de
graduação por esta disciplina ao longo do currículo profissional por conta desta
aplicação.
Na mesma década de 80, surgiram os primeiros trabalhos para a levitação de
esferas ferromagnéticas utilizando o controle digital, com sensoriamento óptico [430 –
432].
O artigo de HURLEY e WÖLFLE [433] apresenta em detalhes o projeto de um
eletroímã para a levitação de uma esfera ferromagnética, admitindo um modelo
exponencial para a expressão de sua indutância que tem o intuito de otimizar as
dimensões da bobina. Este projeto leva em consideração ainda, a dissipação de calor
da bobina por convecção. Ao final, é concebida uma malha de controle linearizada com
compensador em avanço, um amplificador de potência com MOSFETs em operação
linear e sensoriamento óptico.
De forma complementar ao trabalho anterior, o artigo destes autores e HYNES
[434] introduz, além da malha de controle de posição, uma malha de controle de
corrente, de maneira analógica, e um circuito de potência em operação chaveada, com
controle do tipo modulação por largura de pulso (PWM), elaborando uma série de
experiências práticas aos alunos.
De modo semelhante, diversos institutos de pesquisa e universidades construíram
protótipos deste modelo tradicional, incluindo-os em disciplinas de sistemas de controle,
explorando o seu caráter pedagógico e estimulante para estudantes de graduação [435
– 439]. Com eles, é possível compreender tópicos de diferentes disciplinas como, por
exemplo, Eletromagnetismo, Circuitos Elétricos, Instrumentação, Programação de
Microcontroladores e Projeto de Sistemas de Controle Analógicos e Digitais.

57
Além das técnicas de controle tradicionais, envolvendo sistemas lineares e projeto
de controladores clássicos, estes experimentos trazem a possibilidade de explorar
outras formas de controle [440]. Assim, foram elaborados sistemas analisados via
espaço de estados, utilizando realimentação e observadores de estados [441 – 444],
controle digital implementado em um DSP [445], controle de sistemas não-lineares [446
– 449], estratégia de controle em tempo real com Hardware-in-the-Loop (HIL) e redes
neurais [450 – 452], controle por lógica Fuzzy [453, 454], controle por modo deslizante
[455, 456], utilizando algoritmos genéticos [457], controle ótimo com regulador linear
quadrático (LQR) [458] e robusto por controlador H∞ [459, 460] ou síntese µ [461, 462].
Dentre as propostas não convencionais ou alternativas de experimentos e
protótipos relacionados à levitação eletromagnética, destacam-se os trabalhos
realizados por PIŁAT [463 – 466], envolvendo a suspensão de um globo ferromagnético
posicionado entre dois eletroímãs, e diversos projetos conduzidos por MIZUNO et al,
que apresentaram inovações sobre este sistema. Entre as novas abordagens sugeridas
encontram-se um arranjo de vários sistemas de levitação conectados em paralelo, com
capacidade de medição de força [467, 468], um modelo de túnel de vento para análise
de objetos em rotação, baseados em levitação EML [469], um método de controle
através da concentração ou interrupção do fluxo magnético enlaçado pelo material
ferromagnético [470], e a utilização de energia solar fotovoltaica como fonte de
alimentação de seu sistema de levitação de um ímã [471].
Além destes, os trabalhos de LILIENKAMP, LUNDBERG et al [472, 473]
apresentaram a construção de protótipos de baixo custo de um sistema de levitação
magnética, em torno de vinte dólares, que consiste na atração de um eletroímã por um
ímã atrelado à um material qualquer.
Este sistema e seus componentes, como amplificadores e sensores, foram
transformados em um kit disponibilizado à cada um dos alunos da disciplina de Sistemas
de Controle, do Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação do
Massachusetts Institute of Technology (MIT). Cabe aos estudantes, ao longo do curso,
o aprimoramento do controle do sistema, melhorando sua estabilidade e rejeitando
perturbações, além de reforçar aspectos práticos, como o aperfeiçoamento da
instrumentação. O seu grande diferencial foi a introdução de um sensor por efeito Hall
de baixo custo [474], responsável por medir o campo magnético do ímã e inferir a
posição do objeto. A saída do sensor é enviada a um circuito integrado (CI), que produz
um sinal de controle PWM, que aciona o CI de eletrônica de potência, alterando a
corrente que circula na bobina.

58
Este mesmo espírito educacional e princípio de funcionamento também foi
explorado por ARTIGAS et al [475], que concebeu um sistema de baixo custo
semelhante, incluindo o sensoriamento por efeito Hall. Nele, é apresentada uma mesma
metodologia de ensino, propondo uma redução ainda maior no custo total do sistema e
delegando aos alunos todas as etapas de projeto e de execução, como simulações e
estudos preliminares, desenho e fabricação da placa de circuito impresso (PCI),
soldagem e montagem de componentes e a realização de testes, submetidas a atender
especificações gerais, como o peso do objeto a ser suspenso e a capacidade de
potência de alimentação do circuito. Ao todo, três formas de controle foram propostas:
controle analógico para estudantes de Graduação, e controle digital com
microcontroladores ou FPGAs para a Pós-Graduação, resultando em um maior
engajamento e motivação dos alunos ao longo da disciplina.
Conforme apresentado em [472 – 475], o sistema de levitação eletromagnética
utilizado se baseia no processo de atração entre um eletroímã e um ímã permanente.
Esta técnica pode ser ilustrada na Figura 3.17, em que o ímã em amarelo está atrelado
ao objeto em azul, que não exerce qualquer influência por não ser ferromagnético. Da
mesma forma que qualquer sistema eletromagnético, este é naturalmente instável e
requer uma malha de controle realimentada para o seu funcionamento, de modo que a
força de atração produzida pelo eletroímã sobre ele seja suficiente para equilibrar a ação
gravitacional.

Figura 3.17. Levitação eletromagnética de um ímã permanente.

59
⃗,
A força magnética entre um ímã permanente e uma fonte de campo magnético 𝐵
como um eletroímã, é expressa de forma geral por [334]:

⃗ (𝑀
𝐹𝑀 = ∇ ⃗⃗ . 𝐵
⃗) (3.14)

Como o ímã permanente possui orientação magnética axial, na mesma direção


do campo magnético do eletroímã, a expressão para o seu vetor momento de dipolo
⃗⃗ = 𝑀𝑎̂𝑧 . Assim, a força magnética deste sistema é dada por:
magnético é igual a 𝑀

𝜕𝐵 (3.15)
𝐹𝑀 = 𝑀 𝑎̂
𝜕𝑧 𝑧

3.4.4.2 Aplicações no Brasil

No Brasil, a construção de protótipos destes sistemas tem sido objeto de estudo


há algum tempo. Em 1999, OLIVEIRA, COSTA e VARGAS [476] propuseram um
controle ótimo do tipo LQR, implementado em um DSP, para o controle de uma esfera
ferromagnética. Em 2006, OLIVEIRA, TOGNETTI e SIQUEIRA [477] sugeriram técnicas
de controle robusto para o mesmo sistema. Em 2000, ROSADO FILHO, MUNARO et al
[478 – 480] elaboraram um controle não-linear baseado em espaço de estados para um
protótipo semelhante.
Em 2003, GALVÃO et al [481] desenvolveram técnicas simples de identificação
dos parâmetros da função de transferência do sistema de levitação via a análise da
resposta em frequência, ao invés da tradicional medida dos parâmetros físicos. Em
todos estes trabalhos, o sistema de sensoriamento se baseava no arranjo entre um
fotoemissor e um fotodetector. Outros trabalhos significativos na área empregam
modelos de otimização de tempo de execução de controladores [482] e a construção de
uma bancada didática demonstrando este fenômeno [483].
Conforme visto no capítulo 1, o Laboratório de Aplicações de Supercondutores
(LASUP) se notabiliza pela concepção de diversos protótipos e projetos envolvendo os
principais métodos de levitação magnética. Na área educacional, envolvendo um
sistema de levitação eletromagnética, destacam-se os trabalhos abaixo, identificando
seus pontos mais importantes.
Em 2002, STEPHAN et al [484] elaboraram um sistema de levitação de uma esfera
ferromagnética, de modo a produzir um campo magnético fixo na posição de equilíbrio
promovida por um ímã permanente, e utilizando o eletroímã apenas para manter uma
corrente de controle, reduzindo o consumo de energia.

60
O sistema de controle consistia em um compensador PD, implementado de forma
digital em um microprocessador, com sensoriamento óptico e circuito de potência do
eletroímã em meia-ponte com IGBTs operando em modo chaveado.
Em 2003, GOMES et al [485] realizaram um projeto de controle da posição de uma
esfera ferromagnética em um esquema semelhante ao anterior, mantendo o
sensoriamento óptico, e utilizando apenas o eletroímã. Nele, realizou-se um sistema de
controle em tempo real com o Real-Time Control Toolbox do MATLAB/SIMULINK para
um controlador PD.
Em 2004, GOMES e STEPHAN [486 – 489] desenvolveram experimento
semelhante, mantendo a suspensão de uma esfera e o sensor de posição óptico. Neste
protótipo, entretanto, utilizou-se apenas um eletroímã, com controle de posição PD e de
corrente com banda de histerese, produzidos de maneira analógica, com amplificadores
operacionais, temporizadores e flip-flops, e circuito de acionamento em meia-ponte com
operação chaveada de MOSFETs. As forças eletromagnéticas neste sistema foram
analisadas empregando uma análise por elementos finitos (FEM).
Em 2008, MOTA [490] aprimorou os trabalhos anteriores, ao realizar o projeto de
um sistema de levitação eletromagnética capaz de suspender uma esfera
ferromagnética mais pesada, em torno de 350 gramas, seguindo um modelo linearizado
em torno de um ponto de equilíbrio. Este sistema utiliza uma malha de controle de
posição, com sensor ultrassônico, e uma de controle de corrente, implementadas de
forma digital em tempo real pelo mesmo Toolbox do MATLAB. O circuito de acionamento
também consiste de um arranjo em meia ponte com MOSFETs em chaveamento. A
Figura 3.18 ilustra a levitação da esfera ferromagnética, com um entreferro de poucos
milímetros.
Em 2010, VALLE [491, 492] apresentou a proposta de levitação de um disco
ferromagnético e uma haste metálica, de aproximadamente 1,5 kg, empregando um
sistema de controle muito próximo do trabalho anterior, via MATLAB. Um aspecto
diferencial desta abordagem está na colocação de uma haste de alumínio, de forma a
manter o equilíbrio angular e se contrapor ao momento eletromagnético produzido pelo
sistema.
Este trabalho tem sido demonstrado na disciplina de Introdução à Engenharia
Elétrica do DEE/UFRJ [493] como exemplo de projeto que aplica diversos conceitos
vistos em outras disciplinas ao longo do curso de Engenharia Elétrica, como, por
exemplo, Eletromagnetismo, Conversão Eletromecânica de Energia, Circuitos Elétricos,
Eletrônica de Potência e Sistemas de Controle, afim de motivar os alunos e ilustrar a
relevância destes conhecimentos. A Figura 3.19 demonstra a levitação deste sistema.

61
Figura 3.18. Levitação de uma esfera ferromagnética.
(Fonte: MOTA [490], com permissão)

Em seguida, NEVES continuou estes trabalhos, e introduziu técnicas de controle


adaptativo e rejeição de distúrbios constantes e senoidais para a levitação de uma
esfera [494] e, posteriormente, o disco ferromagnético [495]. Os distúrbios constantes
foram eliminados com o projeto de um regulador com parcela integral, enquanto que os
distúrbios senoidais, presentes nos mancais magnéticos, foi atenuada com um
controlador anti-distúrbio senoidal, em torno da frequência de oscilação da perturbação.

Figura 3.19. Levitação de um disco ferromagnético.


(Fonte: VALLE [492], com permissão)

62
O projeto de graduação de ENDALÉCIO [496, 497], introduziu um sistema de
levitação eletromagnética de baixo custo, visto na Figura 3.20 e inspirado em [472 –
475], baseado na suspensão de um objeto atrelado à um ímã permanente atraído por
um eletroímã. Este sistema utiliza apenas um sensor de efeito Hall, de baixo custo, que
mede o campo magnético produzido por um outro ímã, situado na parte inferior, e assim,
estima a sua posição. O sistema de controle foi implementado utilizando a plataforma
digital do Arduino, que possui uma fácil linguagem de programação e uma interface
amigável, além de um custo reduzido, quando comparado aos anteriores. Assim, foi
definido um regulador PD e um acionamento do eletroímã composto por um CI de
potência formado por um arranjo em ponte completa de MOSFETs em operação
chaveada.

Figura 3.20. Levitação de um ímã permanente.

3.4.4.3 Aplicações Comerciais

Atualmente, uma série de empresas apresenta em seu portfólio de equipamentos


didáticos, sistemas de levitação de objetos ferromagnéticos disponibilizados para
disciplinas de cursos de engenharia. Entre os seus diferenciais, se destacam a
possibilidade de integração com softwares como MATLAB e LabView para aquisição de
dados e realização do método de controle. Entre estes fabricantes, pode-se destacar as
britânicas Feedback Instruments [5], Bytronic [498], ilustrada na Figura 3.21, e
TecQuipment [499], a polonesa INTECO [500], apresentada na Figura 3.22, e a
canadense Quanser [501].

63
Figura 3.21. Sistema de Levitação Magnética da Bytronic.
(Imagem cedida por cortesia pela Bytronic Educational Technology [498])

Figura 3.22. Sistema de Levitação Magnética da INTECO.


(Imagem cedida por cortesia pela INTECO [500])

64
3.4.5. Levitação Eletromagnética com Circuito Ressonante e em Corrente
Alternada

Além do modelo clássico de sistemas de levitação eletromagnética, também são


empregados circuitos LRC, com alimentação em corrente alternada, na suspensão de
objetos ferromagnéticos. Neles, o circuito magnético formado pelo eletroímã e o objeto
que se deseja levitar compõem a parte indutiva do circuito LRC ressonante, sintonizado
em torno da posição de equilíbrio [502, 503].
Ao se afastar do eletroímã, o circuito diminui sua indutância, aumentando a
frequência de ressonância e, respectivamente, a corrente na bobina e a força de atração
sobre o objeto, atuando de modo inverso no caso de diminuição do entreferro. As altas
constantes de tempo exigem uma malha de controle para reduzir oscilações provocadas
por perturbações, uma vez que há pouco amortecimento [504 – 509].
Com a evolução tecnológica, a levitação eletromagnética por controle ativo
superou esta técnica de circuito ressonante, ao possibilitar a sua operação de forma
mais simples e a um custo baixo, além de não enfrentar problemas com o
amortecimento [510, 511].
Dessa forma, a maioria dos estudos envolvendo este método de levitação estão
restritos ao ambiente acadêmico, introduzindo várias propostas para o aumento do
amortecimento, como o controle eletrônico, magnético, com correntes parasitas, ou
mecânico, através de óleos viscosos [512 – 516].
Nos últimos anos, novas propostas para esta técnica têm sido alvo de
investigação, incluindo estratégias de controle com ausência de sensores [517, 518],
acoplamento ressonante entre dois conjuntos de eletroímãs em corrente alternada [519,
520], além de métodos caóticos para redução das oscilações [521 – 524].
As aplicações se concentram em poucas áreas, como na movimentação sem
contato de superfícies, como tintas metálicas, e ambientes extremamente limpos,
mancais para tecelagem e instrumentos de medição [525, 526], sistemas micro-eletro-
mecânicos, como micro atuadores e motores [527], mancais híbridos, que combinam as
vantagens dos mancais magnéticos e dos convencionais, reduzindo a complexidade de
hardware presente nos mancais ativos (AMB), ou na presença de filmes fluidos em
bombas [528, 529], no coração artificial [530] ou ainda em giroscópios para dispositivos
aeroespaciais [531, 532].

65
3.4.6. Aplicações nos Transportes

3.4.6.1 Trens de Levitação Magnética

Conforme visto anteriormente, as primeiras propostas envolvendo transportes


para este tipo de levitação magnética datam do início do século XX [345, 346, 533]. O
avanço tecnológico da eletrônica, nos microprocessadores e dispositivos
semicondutores, dos sensores, dos motores elétricos lineares e dos materiais, permitiu
ao final da década de 60, o efetivo início de estudos de viabilidade em escala real de
trens de levitação magnética (MagLev) por meio eletromagnético (EML), cujos aspectos
teóricos já se encontravam em estado avançado em comparação aos demais. Não sem
razão, os veículos de levitação EML foram os primeiros a apresentar uma prova de
conceito e tecnologia consolidadas, tornando-se os primeiros a operar comercialmente
com sucesso no mundo.
Sob o ponto de vista dos transportes, os grupos de pesquisa foram divididos em
análises relativas aos trens de altas velocidades, destinados para viagens de longas
distâncias, e trens urbanos, para integrar a malha ferroviária ou metroviária de cidades
em baixas velocidades. Assim, foram conduzidos estudos na América, Europa e Ásia,
de forma paralela, para avaliar estas tecnologias inovadoras, que atendiam suas
necessidades. A seguir são apresentados alguns destes projetos com base na levitação
eletromagnética.

3.4.6.1.1 Magnibus

O Magnibus é um projeto conduzido pelo Instituto Politécnico de Timisoara, na


Romênia, que utiliza o princípio de levitação eletromagnética para sustentar o veículo.
O seu principal diferencial em relação aos demais é o fato de que a suspensão e
propulsão do veículo estão integradas por meio de um motor síncrono linear homopolar
(H-LSM) que desempenha as duas funções.
Além disto, ele utiliza o conceito de via passiva, no qual os enrolamentos trifásicos
e os de corrente contínua são posicionados no veículo atuando na tração e na levitação,
respectivamente, e interagem com um trilho sólido de aço na via para a sua operação.
Assim, são necessários quatro conjuntos deste motor, um para cada vértice do veículo.
Eletroímãs adicionais atuam nas laterais para efetuar o guiamento de forma
independente.

66
De acordo com BOLDEA et al [534], a construção deste tipo de motor, do tipo fluxo
transversal, permite obter uma tração elevada para um motor leve, e com perdas
elétricas reduzidas, alegando uma performance superior aos motores lineares de
indução (LIM) encontrados em outros projetos de MagLevs urbanos, contando também
com a menor complexidade tecnológica na estrutura da via. O seu principal
inconveniente é a existência de contato para a alimentação dos enrolamentos no
veículo, assim como a presença dos conversores de eletrônica de potência no seu
interior.
Ao final dos anos 80, o protótipo destinado para o transporte urbano Magnibus-
01, de quatro toneladas e quatro metros de comprimento, foi objeto de estudo em uma
linha de testes de 150 metros de extensão, com velocidade de operação entre 15 a 20
m/s, e entreferro de 10 milímetros. Recentemente, BOLDEA [21] apresentou uma
proposta de aprimoramento do sistema, o Magnibus 02, que inclui de forma integrada a
propulsão, a levitação e o guiamento pela ação do motor síncrono linear homopolar,
empregando ímãs permanentes para produzir a força de sustentação do veículo, com
correntes de controle proporcionando estabilidade na flutuação do veículo, e
aumentando a eficiência teórica do motor para 90%, permitindo o seu funcionamento
tanto para o transporte urbano como em altas velocidades.

3.4.6.1.2 ROMAG®/Mag-Transit

Ao final da década de 60, a companhia americana Rohr Industries iniciou o projeto


ROMAG®, que se tratava de um veículo de levitação magnética dedicado para o
transporte pessoal rápido de passageiros (PRT), como parte do programa de incentivos
do governo norte-americano para o estabelecimento de novos meios de transporte
urbanos [105]. Dentre os modelos alternativos de transporte estudados nos EUA na
época, este era um dos que apresentavam um baixo nível de ruído, alto conforto e menor
interferência do clima em sua operação, além de ser não poluente.
De forma semelhante ao Magnibus, este projeto também integrava a levitação, a
propulsão e o guiamento do veículo pela ação de um motor, porém de indução linear
(LIM), em que os enrolamentos trifásicos do primário eram posicionados no veículo e o
secundário ficava em um trilho passivo de alumínio e material ferromagnético nas
extremidades da via, sendo necessária a utilização de um motor para cada um dos dois
trilhos. Uma malha de controle realimentado da posição do entreferro era responsável
pela estabilização da levitação, produzindo uma força de suspensão constante para
diferentes velocidades de operação [535 – 537].

67
No início da década de 70, duas linhas de testes foram construídas na cidade de
Chula Vista, na Califórnia. Na primeira, com 360 metros de extensão, o veículo era
suspenso sobre o trilho, enquanto na segunda, ele era suspenso abaixo do trilho, em
uma via elevada, verificando o seu funcionamento com sucesso em 1971, o que
significou no primeiro MagLev a operar nos EUA. No ano seguinte, a sua tecnologia foi
apresentada na feira de transportes Transpo72, em Washington D.C.
Este MagLev participou da licitação para o projeto de transporte de massa GO-
Urban da cidade de Toronto, no Canadá, porém foi preterido em detrimento de um outro
trem de levitação magnética alemão, o Transurban. Após dificuldades para obtenção de
financiamento para o projeto, a tecnologia foi adquirida pela americana Boeing, em
1978, rebatizando-o de Mag-Transit, que alguns anos depois não deu prosseguimento
às pesquisas, por falta de apoio financeiro governamental [538].

3.4.6.1.3 Transrapid

O primeiro projeto alemão, conhecido como Transrapid, teve início em 1969, na


Alemanha Ocidental, com base no trabalho pioneiro do alemão Hermann Kemper,
contando com o apoio governamental. Em 1977, após a construção de protótipos com
diversas combinações de levitação e propulsão, avaliou-se favoravelmente na
continuação de pesquisas de um trem de levitação eletromagnética de alta velocidade
com propulsão por motor síncrono linear (LSM), no centro de testes em Emsland. Em
1979, em caráter experimental, o protótipo Transrapid 05 foi apresentado aos
passageiros em uma feira internacional de transportes em Hamburgo. A linha de testes
de 31,5 km foi concluída no ano de 1987 e quatro anos depois, o protótipo Transrapid
09 foi considerado tecnicamente apto para operar comercialmente [347].
Após algumas tentativas frustradas de estabelecer uma rota comercial na
Alemanha, o projeto atraiu a atenção do governo Chinês, no final do século XX. Em
2001, foi firmado um contrato entre as partes, determinando a construção de uma linha
MagLev de 30,5 km conectando o Aeroporto Internacional ao distrito financeiro de
Pudong, na cidade de Xangai. Em 1º de janeiro de 2004, o Transrapid entrou em
operação comercial, ilustrado na Figura 3.23, sob a responsabilidade da companhia
Shanghai Maglev Transportation Development Corp. (SMDTC), atingindo uma
velocidade de 430 km/h, permanecendo desde então como o único trem de levitação
magnética em alta velocidade transportando passageiros no mundo [539].

68
3.4.6.1.4 MagLev Urbano

Apesar de sua história notável, o Transrapid, no entanto, não foi o primeiro trem
MagLev a atingir o estágio de operação comercial no mundo. Entre 1984 e 1995, um
MagLev de baixa velocidade entrou em operação na cidade de Birmingham, no Reino
Unido, conectando o seu aeroporto internacional à estação ferroviária local, percorrendo
um trajeto de 600 m de extensão, com levitação EML e propulsão por um motor linear
de indução (LIM). Esta proposta consistia em veículos automatizados de passageiros
(APM), com capacidade de até 12 pessoas, em um monotrilho em via elevada, flutuando
em um entreferro de 15 mm [540].
Além destes exemplos, deve-se destacar, atualmente, a operação comercial de
outros três veículos de levitação magnética urbanos, com levitação EML e propulsão
LIM. Em 2005, o MagLev HSST Linimo passou a operar em uma linha de 8,9 km,
apresentado na Figura 3.24, em Nagoia, no Japão, durante a celebração da feira
mundial Expo 05, onde permanece atendendo mais de 17 mil passageiros por dia em
nove estações [23, 541].

Figura 3.23. MagLev em Xangai (China).


(Fonte: Wikimedia, CC BY 2.5 [542])

69
O ano de 2016 apresentou o início da operação de mais dois trens MagLev. Em
fevereiro, o ECOBEE, ilustrado na Figura 3.25, entrou em funcionamento conectando o
Aeroporto Internacional de Incheon ao sistema metroviário, em um trecho de 6,1 km,
próximo a Seul, na Coreia do Sul, operando a uma velocidade de 110 km/h [22].
Em maio, o Changsha Maglev Express iniciou suas operações em uma linha de
18,55 km, contando com três estações e ligando o Aeroporto Internacional de Changsha
à estação de trens de alta velocidade da cidade chinesa, onde atinge uma velocidade
de 100 km/h [543].

Figura 3.24. HSST em Nagoia (Japão).


(Fonte: Wikimedia, CC BY-SA 3.0 [544])

3.4.6.2 Elevadores

Além do transporte de passageiros sob trens, a levitação eletromagnética abriu a


possibilidade para a sua aplicação no transporte vertical de pessoas em elevadores,
particularmente vantajosos em edifícios do tipo arranha-céus, onde o tempo de espera
se torna inviável, além da dificuldade técnica de utilização de cabos muito longos. Com
o auxílio da levitação eletromagnética, os elevadores não permanecem confinados no
movimento vertical, sendo capaz de percorrer trajetos horizontais ou em loop, além do
funcionamento de múltiplas cabines ao mesmo tempo [545].
Atualmente, a companhia alemã ThyssenKrupp coordena o projeto MULTI com o
intuito de desenvolver esta tecnologia. Para isto, está sendo construída uma torre de
testes (Testturm) de 246 metros de altura, na cidade alemã de Rottweil para fins de
pesquisa e desenvolvimento de soluções para elevadores [546].

70
Figura 3.25. ECOBEE em Incheon (Coreia do Sul).
(Fonte: Wikimedia, CC BY-SA 4.0 [547])

3.4.7. Aplicações Industriais Recentes

A suspensão eletromagnética também tem sido aplicada no transporte sem


contato de telas planas e displays de LCD, ainda em estado experimental, com o
objetivo de reduzir a probabilidade de defeitos associados à contaminação de partículas
e vibrações mecânicas excessivas durante o processo de fabricação. A movimentação
destes painéis ao longo da linha de montagem é realizada com a propulsão de motores
lineares de indução (LIM) [548, 549]. O mesmo procedimento tem sido adotado para
displays OLED, porém com propulsão por motor síncrono linear (LSM) [550].
Da mesma forma, a companhia holandesa Philips tem estudado estes atuadores
planares que combinam a levitação magnética e o movimento linear para aplicações
industriais lineares de alta precisão, como por exemplo na tecnologia de litografia
ultravioleta extrema (EUV) [551, 552].
A empresa suíça IQDEMY desenvolveu, em sua unidade de pesquisa e
desenvolvimento russa, a impressora industrial Maglev, vista na Figura 3.26, baseada
na tecnologia de levitação eletromagnética para a movimentação das cabeças de
impressão por um motor linear.

71
A ausência de contato permite atingir uma velocidade de operação maior,
reduzindo as vibrações, melhorando a qualidade de impressão e a durabilidade do
equipamento em sua plena capacidade. Assim, o motor linear se movimenta em uma
direção e consegue sustentar o conjunto formado por ele e as cabeças de impressão,
que totalizam entre 60 e 80 kg, alcançando uma velocidade de 2,5 m/s em 0,3 segundos
[553].

Figura 3.26. Impressora IQDEMY Maglev


(Imagem cedida por cortesia pela IQDEMY [553])

3.4.8. Aplicações de Consumo e Entretenimento

Nos últimos anos, as aplicações comerciais da levitação magnética, de modo


geral, não têm se concentrado de forma exclusiva nos tradicionais setores dos mancais
magnéticos, produtos didáticos ou trens MagLev. O apelo estético e surpreendente da
flutuação de objetos tem atraído cada vez mais interesse para novas áreas em que ela
pode ser utilizada. Do ponto de vista econômico, o baixo custo dos componentes
eletrônicos e dos materiais tornou esta alternativa viável.
Assim, a levitação eletromagnética, de modo particular, pode ser encontrada em
obras de arte, em produtos de design e publicidade, decoração e iluminação, brinquedos
e dispositivos tecnológicos, como alto-falantes ou hoverboards.

72
3.4.8.1 Iluminação, Decoração e Design

A empresa holandesa Elivatix desenvolveu o produto Lunaluxx, apresentado na


Figura 3.27, que se baseia no modelo tradicional de levitação eletromagnética para fins
de iluminação. Nele, um eletroímã atrai um pequeno ímã permanente, ao qual está
associado uma fina película refletora de fósforo. Esta por sua vez, absorve a luz azul
emitida por um LED posicionado na base, e reemite a luz branca em todas as direções
[7].

Figura 3.27. Luminária Lunaluxx.


(Imagem cedida por cortesia pela Elivatix [7])

A levitação eletromagnética de um objeto associado a um ímã permanente é


explorada ainda, na flutuação de globos terrestres de tipos variados, porta-retratos,
diversas figuras decorativas, brinquedos e displays para divulgação de produtos em
pontos de vendas, sendo fabricada em dezenas de indústrias, principalmente chinesas
[554 – 557].
Este método de levitação eletromagnética tradicional, no entanto, apresenta
alguns inconvenientes para as aplicações do setor de consumo e entretenimento. Ao
ser necessária a utilização de um eletroímã na parte superior atraindo um objeto, estes
produtos em muitas ocasiões restringem as suas dimensões, além de atrapalhar um
efeito visual mais atrativo. Para contornar este problema, foi concebida uma nova
configuração para este tipo de suspensão.
Neste novo conceito, um objeto atrelado à um ímã permanente flutua sobre uma
base na qual estão presentes um arranjo de ímãs e eletroímãs. A geometria e a
polaridade dos ímãs apresentam uma interação repulsiva entre eles, de modo a mover
lateralmente o objeto. Para mantê-lo posicionado sob a região central da base, quatro
eletroímãs são utilizados, produzindo correntes de controle, com base nos valores
registrados por sensores de posição [558, 559].

73
Apesar de apresentar uma modelagem mais complexa do que a tradicional, ela
apresenta como característica marcante, um maior gap de levitação, da ordem de
centímetros, o que permite ampliar a faixa de operação e obter um aspecto visual mais
impactante. Além disso, ela possui uma estabilidade lateral maior, embora haja maior
dificuldade de posicionamento. Desta forma, a maioria das aplicações que se seguiram
nestes setores fazem uso desta configuração.
A utilização deste novo conceito foi adotada na produção de obras de arte em um
museu na Suécia, conforme relatado por LIVINGSTON [255], e tem sido divulgada com
sucesso através da empresa holandesa Crealev, que emprega esta tecnologia em
design de interiores com luminárias e abajures, como na Figura 3.28, no apelo visual e
estético em ensaios fotográficos e outras obras artísticas, e na publicidade de produtos,
como tênis e telefones celulares, em pontos de venda [6, 560, 561]. O estúdio de design
tcheco Kibardindesign apresentou, em 2013, o modelo de um mouse sem fio flutuando
sob este mesmo princípio, proporcionando um uso ergonômico, evitando danos
musculares [562].

Figura 3.28. Luminária Eclipse.


(Imagem cedida por cortesia pela Crealev B.V. [560])

A flutuação de objetos diversos, como globos terrestres, luminárias, brinquedos,


brindes, elementos decorativos e plantas ornamentais, como o Air Bonsai, da japonesa
Hoshinchu [563], também é encontrada em vários websites que comercializam seus
produtos, sobretudo nos EUA [564 – 566] e na China [567 – 570].

74
3.4.8.2 Entretenimento

Nos últimos anos, esta levitação eletromagnética foi aplicada ainda, em bens de
consumo eletrônicos, como em caixas de som que flutuam e emitem som em 360 graus,
controlados via um smartphone [571]. O ímã permanente do objeto apresenta a dupla
função de produzir a flutuação e servir como dispositivo de conversão eletromecânica
de energia para gerar o som. Atualmente, uma dezena de projetos ao redor do mundo
estão em desenvolvimento, apresentando designs e funcionalidades diferentes [572 –
575].
Nesta tecnologia se destacam os produtos de áudio PJ9 da sul-coreana LG [8],
com autonomia de 10 horas de duração, ilustrado na Figura 3.29, e a caixa de som com
design futurista Mars, da crazybaby [576], vista na Figura 3.30, tendo sido premiada
como a melhor inovação tecnológica em áudio na feira tecnológica Consumer
Electronics Show (CES) 2017, em Las Vegas (EUA) [577]. Além dela, outro alto falante
flutuante, o Air², conquistou o mesmo prêmio em 2015 [578].

Figura 3.29. Caixa de som PJ9 da LG.


(Imagem cedida por cortesia pela LG Electronics, Inc. [8])

75
Figura 3.30. Vista explodida da base (esq.) e do alto falante (dir.) do Mars (centro).
(Imagens cedidas por cortesia pela crazybaby, Inc. [576])

3.5. Levitação Supercondutora (SML ou SQL)

3.5.1. Teoria da Supercondutividade

O fenômeno da supercondutividade foi descoberto em 1911, pelo físico holandês


Heike Kamerlingh Onnes, enquanto realizava experimentos em baixas temperaturas
com mercúrio, ao observar que este material apresentava abruptamente uma
resistência nula a partir de uma determinada temperatura crítica, em torno de 4,2 K
[579].
A partir de então, uma série de novos materiais supercondutores foram
descobertos e novas teorias foram desenvolvidas a fim de explicar o seu comportamento
inesperado, no mesmo instante em que potenciais aplicações foram sendo sugeridas.
Durante estas investigações, foi comprovado que três parâmetros físicos são
fundamentais para se estabelecer uma definição entre o estado supercondutor e o
estado normal dos materiais. Assim, para atingir o estado supercondutor são
necessários que a temperatura 𝑇𝐶 , o campo magnético 𝐻𝐶 e a densidade de corrente 𝐽𝐶
no material estejam, simultaneamente, abaixo de um valor de transição, denominado
como crítico [580].
Em 1933, os físicos alemães Walter Meissner e Robert Ochsenfeld observaram
que durante o estado supercondutor, os materiais supercondutores do tipo I excluem de
forma total o campo magnético do seu interior, apresentando um diamagnetismo
perfeito. Este efeito Meissner-Ochsenfeld pode ser ilustrado pela Figura 3.31.

76
Enquanto o material permanece acima da temperatura crítica, um campo
magnético externo penetra completamente o seu interior, porém quando este é resfriado
abaixo da temperatura crítica, correntes de blindagem surgem em sua superfície
externa, que atuam de modo a repelir o campo magnético externo aplicado, induzindo
um campo em oposição e, assim evitar sua penetração [581].

Figura 3.31. Efeito Meissner-Ochsenfeld.

Ao longo do tempo, diversos novos materiais supercondutores, como ligas


metálicas e óxidos foram sendo descobertos ou sintetizados em laboratório, cada vez
com temperaturas críticas mais elevadas, tornando-os viáveis para aplicações em cabos
e bobinas supercondutoras.
Os supercondutores do tipo II apresentam ainda uma faixa intermediária, entre o
estado supercondutor puro e o estado normal, denominado como estado misto. Durante
o estado misto, as duas fases coexistem, com uma concentração de elétrons normais e
superelétrons.
Assim, estes materiais, conhecidos como hard supercondutors, possuem dois
campos magnéticos críticos 𝐻𝐶1 e 𝐻𝐶2 . Para campos magnéticos inferiores a 𝐻𝐶1, o
supercondutor se encontra sob diamagnetismo perfeito, semelhante aos
supercondutores do tipo I. Entre 𝐻𝐶1 e 𝐻𝐶2, o diamagnetismo é parcial, existindo uma
região do material que exclui o campo magnético e outra que admite a penetração de
fluxo magnético no interior de regiões denominadas como fluxóides. No interior destes
fluxóides, ocorre o efeito conhecido como aprisionamento de fluxo, ou efeito pinning, no
qual a região normal existe no material supercondutor [582].

77
Quanto mais o campo magnético externo se aproxima do valor crítico 𝐻𝐶2, maior
o número de fluxóides existentes, ou seja, maior o aumento de regiões normais até que
o estado supercondutor seja destruído com um valor superior a 𝐻𝐶2 . Da mesma maneira,
conforme o campo magnético externo se aproxima do valor crítico 𝐻𝐶1 , menor o número
de fluxóides, e maior o número de superelétrons presentes, expulsando cada vez mais
fluxo magnético, até atingir o diamagnetismo perfeito, ou o efeito Meissner, para um
campo crítico inferior a 𝐻𝐶1 . Esta situação pode ser representada na Figura 3.32, que
ilustra o estado normal, misto e supercondutor, respectivamente, abaixo da temperatura
crítica [583].

Figura 3.32. Estado misto em supercondutores do tipo II.

Inicialmente, os primeiros supercondutores apresentavam temperaturas críticas


muito baixas, sob pressão atmosférica, o que tornava necessário o processo de
resfriamento por hélio líquido. Para temperaturas críticas acima de 77 K, o nitrogênio
líquido pode ser utilizado para refrigerar estes materiais supercondutores de alta
temperatura crítica (HTS), reduzindo de maneira substancial os custos de obtenção e
manutenção dos sistemas criogênicos, ampliando o número de aplicações viáveis. A
descoberta da supercondutividade no óxido de Y-Ba-Cu-O em 1987, com temperatura
crítica da ordem de 90 K é um exemplo da utilização da refrigeração por nitrogênio
líquido (LN2).

3.5.2. Aplicações da Levitação Supercondutora

Os supercondutores são explorados na levitação magnética através de três efeitos


relevantes que ocorrem nestes materiais: a resistência nula, o efeito Meissner e o efeito
pinning. O primeiro fenômeno é encontrado com frequência na levitação eletrodinâmica
(EDL), que será vista em detalhes na próxima seção, enquanto que os dois últimos são
aplicados com sucesso na levitação supercondutora (SML).

78
Assim, as aplicações dos supercondutores se expandiram para diversos setores,
como trens de levitação magnética, mancais magnéticos e armazenadores cinéticos de
energia, devido às suas vantagens de redução de perdas, capacidade de transporte de
altas correntes e produção de campos magnéticos intensos [584].
Os primeiros experimentos de levitação magnética envolvendo supercondutores
na presença de campos magnéticos foram realizados por ARKADIEV [585] em 1947 e
por SIMON [586], apenas como interesse científico. Em seguida, a maioria dos trabalhos
direcionava a utilização dos supercondutores para pesquisas com mancais e trens
MagLev envolvendo a levitação eletrodinâmica.
A levitação magnética devido ao efeito Meissner somente, não produziu grandes
resultados, além da pesquisa acadêmica ou aplicação em giro-rotores para sistemas de
navegação aeroespacial [587, 588], em função das forças de repulsão presentes na
interação entre ímãs permanentes e os supercondutores não serem suficientes para a
sustentação de grandes objetos.
Com a descoberta dos materiais supercondutores de alta temperatura crítica, a
partir de 1986, principalmente o Y-Ba-Cu-O, as pesquisas envolvendo a levitação
supercondutora apresentaram um ressurgimento de interesse, motivados pela sua
refrigeração com nitrogênio líquido [589 – 591].
Com a evolução do seu processamento foi possível obter valores de força por
unidade de área significativos e próximos aos principais métodos de levitação
magnética. Além disso, a capacidade de aprisionamento de fluxo devido ao efeito
pinning produz uma estabilidade lateral aos sistemas envolvendo supercondutores,
essencial em equipamentos e trens de levitação magnética.
A levitação neste caso ocorre devido a força de repulsão proporcionada entre um
ímã permanente e correntes persistentes induzidas nos vórtices de fluxo magnético, de
modo que esta força é maior, conforme a magnetização do material supercondutor [20].
Desta maneira, é possível que um ímã flutue sobre um supercondutor ou vice-versa [592
– 594], conforme ilustrado na Figura 3.33.

3.5.3. Mancais Magnéticos

Atualmente, a levitação supercondutora pode ser encontrada em projetos


envolvendo mancais magnéticos passivos e trens de levitação magnética. Usualmente,
eles envolvem um arranjo formado por ímãs permanentes de terras raras, como Nd-Fe-
B, que produzem um campo magnético intenso, e um bloco maciço supercondutor de
alta temperatura crítica (HTS), como o Y-Ba-Cu-O, que combina uma interação de
repulsão e de atração com o ímã devido, respectivamente, aos efeitos Meissner e
pinning.

79
Os supercondutores do tipo II são fabricados com um conjunto de imperfeições
mecânicas em sua estrutura cristalina, de modo a aumentar o número de vórtices de
aprisionamento de fluxo e proporcionar uma levitação naturalmente estável [595].

Figura 3.33. Levitação de um ímã permanente sobre um bloco supercondutor.


(Fonte: Laboratório de Aplicações de Supercondutores [596])

Estes mancais passivos são utilizados ainda em conjunto com mancais


magnéticos ativos em sistemas armazenadores cinéticos de energia (flywheels),
operando em câmaras de vácuo, reduzindo o atrito e alcançando dezenas ou centenas
de milhares de rotações por minuto. Estes dispositivos são objetos de estudo de vários
centros de pesquisa no mundo, entre eles o projeto japonês patrocinado pela agência
NEDO [597, 598] e o grupo de Eletrônica de Potência da UFRJ [599 – 607], em função
de seu potencial em sistemas de potência, fontes alternativas de energia ou meios de
transporte [608 – 611].
Os mancais passivos radiais ou axiais, rotativos ou lineares, podem ser
explorados para aplicações em diversos setores [612, 613]. A primeira área a adotar
esta tecnologia foi a indústria criogênica, onde naturalmente os seus equipamentos,
como bombas, cryocoolers ou instrumentos de medição já operam sob resfriamento por
hélio ou nitrogênio líquido, sendo utilizada, principalmente, em sistemas aeroespaciais
[614 – 617].

80
Além destes, os mancais magnéticos supercondutores (SMB) podem ser
aplicados em equipamentos industriais pesados, como bombas, compressores ou
motores [618, 619], em micro atuadores [620], em experimentos científicos e estudos
aerodinâmicos em túnel de vento [621, 622], em sistemas para controle de vibrações
mecânicas [623], em máquinas de precisão na tecelagem [624], ou em ambientes
extremamente limpos, em que todo tipo de contaminação deve ser evitado, como na
indústria química e farmacêutica [625] ou no transporte sem contato de objetos
delicados, como pastilhas ou componentes semicondutores [626, 627].
A utilização crescente de supercondutores em ambiente industrial para setores
diversos, conforme visto acima, associada às grandes perspectivas de adoção destes
materiais em projetos de trens MagLev pelo mundo propiciaram o surgimento de
empresas especializadas na fabricação dos supercondutores em diferentes geometrias
e configurações e sua aplicação em mancais magnéticos rotativos ou lineares, além de
seus respectivos sistemas de refrigeração.
As companhias alemãs Evico [625, 628] e ATZ [629 – 634] têm se destacado no
fornecimento de soluções para a automação industrial, para operação à vácuo, com
manipulação e transporte de materiais, mancais rotativos para flywheels e trabalhado
em parceria com projetos de trens de levitação magnética que empregam
supercondutores.
A escolha dos mancais supercondutores passivos (SMB) apresenta como
vantagens a ausência de uma malha de controle como a existente nos mancais
magnéticos ativos (AMB) e o aumento de eficiência e redução de perdas mecânicas em
comparação aos mancais tradicionais. As desvantagens consistem na necessidade de
um sistema criogênico manter os supercondutores constantemente refrigerados, em
criostatos ou cryocoolers, que consomem energia, além da ausência de controle ativo
da posição de flutuação.

3.5.4. Trens de Levitação Magnética

Atualmente, quatro projetos de trens de levitação magnética supercondutores


(SML) estão sendo alvo de estudo de institutos de pesquisa ao redor do Mundo. Os
projetos, da Alemanha, com o SupraTrans II [635] comandado pelo instituto IFW, do
Brasil, com o MagLev-Cobra [4, 636] conduzido pelo LASUP (COPPE/UFRJ), e da
China, pela Southwest Jiaotong University [637] possuem uma estrutura muito
semelhante, envolvendo a flutuação de supercondutores sobre um trilho de ímãs
permanentes no arranjo de Halbach e propulsão por motor linear de indução (LIM).

81
O MagLev-Cobra, visto na Figura 3.34, é o que se encontra em estado mais
avançado, permanecendo em operação experimental em uma linha de testes de 200
metros e transportando passageiros desde outubro de 2014.
O programa italiano, UAQ4 [638], idealizado pela Universidade de L’Aquila, possui
algumas diferenças no tipo de propulsão e no formato de distribuição dos blocos
supercondutores e está em um estágio tecnológico abaixo dos demais, por não possuir
ainda um protótipo em escala real.

3.5.5. Entretenimento

Além destes projetos relacionados ao transporte urbano de passageiros, uma


peça publicitária sugerida pela companhia de automóveis Lexus divulgou uma versão
de um hoverboard [639], utilizando supercondutores HTS, flutuando sobre uma pista de
skate preenchida com ímãs permanentes de Nd-Fe-B, revelando um potencial comercial
para esta técnica no setor de consumo e de entretenimento.

Figura 3.34. Linha de testes do MagLev-Cobra.

3.6. Levitação Eletrodinâmica (EDL ou EDS)

3.6.1. Princípio de Funcionamento da Levitação Eletrodinâmica Tradicional

A levitação eletrodinâmica tradicional se baseia nas forças de repulsão


provocadas pelo movimento relativo entre um material condutor e campos magnéticos,
produzidos por ímãs permanentes ou eletroímãs.

82
Esta técnica de levitação possui como fundamento a Lei de Faraday, que
estabelece que uma variação do fluxo magnético no tempo, nas proximidades de um
material condutor, produz neste o surgimento de uma força eletromotriz (Fem), e a
consequente circulação de corrente elétrica induzida que atua, de acordo com a Lei de
Lenz, no sentido de se opor ao campo magnético original, evitando a variação de fluxo
magnético no seu interior [640].
Esta variação de fluxo magnético pode ocorrer devido à variação espacial de
campo magnético, com o movimento relativo entre um condutor e um ímã permanente
ou com a variação do campo magnético no tempo produzida por um eletroímã
alimentado por corrente alternada.
A Figura 3.35 ilustra de forma didática este fenômeno em um sistema de levitação
eletrodinâmica tradicionalmente adotado. Ao se mover um ímã permanente de
⃗ , com linhas de campo magnético em vermelho, com
densidade de fluxo magnético 𝐵
velocidade 𝑣 nas proximidades de uma lâmina condutora, produz-se nesta uma variação
de fluxo magnético, que dá origem a uma força eletromotriz e o surgimento de correntes
induzidas, ou parasitas 𝑖𝑖𝑛𝑑 , que circulam, pelo caminho fechado em preto, de tal modo
⃗ 𝑖𝑛𝑑 , com linhas de campo magnético em
a gerar uma densidade de fluxo magnético 𝐵
roxo, responsável por evitar qualquer variação de fluxo magnético no condutor. Desta
forma, o campo magnético induzido se opõe ao campo magnético externo conforme
este se aproxima da lâmina.
Esta interação entre os campos magnéticos dá origem à duas forças, que atuam
em um sistema eletrodinâmico. A força de levitação 𝐹𝑙𝑒𝑣 e de arraste 𝐹𝑎𝑟𝑟 são
proporcionadas pela força de repulsão entre os campos magnéticos, atuando,
respectivamente, no sentido de afastar o ímã do condutor e se opor ao movimento do
ímã permanente [19, 641].
É importante ressaltar o comportamento destas duas forças em função da
velocidade de movimento relativo para este sistema. Como é necessário que haja uma
indução de campo magnético, nenhuma força é produzida na situação de um sistema
estático, diferentemente das técnicas de levitação magnéticas vistas anteriormente.
Conforme o movimento relativo ocorre, a força de levitação aumenta até ser capaz de
sustentar o objeto e iniciar a flutuação, atingindo um valor limite a partir de uma
determinada velocidade. A força de arraste por sua vez, aumenta no início do
movimento, alcançando um valor máximo para em seguida reduzir sua intensidade de
forma inversamente proporcional à velocidade, na situação de lâminas condutoras de
pequena espessura [642 – 644].

83
Figura 3.35. Sistema de Levitação Eletrodinâmica Tradicional.

Assumindo a simetria deste sistema e desprezando efeitos de borda próximos as


extremidades da lâmina, o campo magnético produzido pelo ímã permanente pode ser
analisado ao longo do plano 𝑥 − 𝑦. Assim, este campo magnético pode ser expresso
como [334]:
⃗ = 𝐵𝑥 (𝑥, 𝑦)𝑎̂𝑥 + 𝐵𝑦 (𝑥, 𝑦)𝑎̂𝑦
𝐵 (3.16)

Considerando que o ímã permanente se move em relação à lâmina condutora com


velocidade relativa 𝑣 = 𝑣𝑥 𝑎̂𝑥 , pode-se determinar o campo elétrico induzido nesta a
partir da equação:
𝐸⃗ = 𝑣 x 𝐵
⃗ (3.17)

Aplicando a lei de Ohm 𝐽 = 𝜎𝐸⃗, obtém-se o vetor de densidade de corrente


induzida na lâmina:
⃗)
𝐽 = 𝜎(𝑣 x 𝐵 (3.18)

A interação entre o campo magnético e a lâmina condutora pode ser obtida através
da força de Lorentz:

⃗ 𝑑𝑉 (3.19)
𝐹 = ∫𝐽 x𝐵

Estas características da força de levitação e de arraste, revela um melhor


aproveitamento do sistema em altas velocidades, de modo que ele opere com o máximo
da sua força de levitação e com força de arraste reduzida.

84
Este perfil das forças envolvidas em um sistema de levitação eletrodinâmica pode
ser observado na Figura 3.36, para um exemplo numérico, com escala de força por
unidade.

Figura 3.36. Forças de Levitação e de Arrasto em um Sistema Eletrodinâmico.

Os materiais supercondutores também são fortemente empregados em sistemas


de levitação eletrodinâmica (EDL), porém, diferentemente da levitação supercondutora
(SML) que se apoia nos efeitos Meissner e pinning, esta escolha é feita em função da
resistência nula que estes apresentam, quando resfriados abaixo de sua temperatura
crítica, e da capacidade de alguns deles de transportar correntes persistentes muito
elevadas e produzir campos magnéticos muito intensos, permitindo a sua atuação em
entreferros da ordem de dezenas de centímetros e proporcionando forças de levitação
com intensidades apreciáveis para aplicações industriais e de transporte [16].

3.6.2. Levitação Eletrodinâmica por Corrente Alternada

Conforme ressaltado anteriormente, a levitação eletrodinâmica também pode ser


obtida a partir da variação no tempo de campos magnéticos nas proximidades de um
material condutor, sem a necessidade de ocorrência de um movimento relativo entre
eles.

85
A Figura 3.37 ilustra também de maneira didática este sistema de levitação,
considerando um eletroímã e um anel condutor envolvendo o mesmo núcleo
ferromagnético. Nele, o eletroímã alimentado por uma corrente alternada 𝑖(𝑡) produz
⃗ (𝑡), com linhas de campo
uma densidade de fluxo magnético variante no tempo 𝐵
magnético em vermelho, que induz no condutor, uma força eletromotriz e a sua
consequente corrente induzida 𝑖𝑖𝑛𝑑 (𝑡), que circula no material, pelo caminho em
⃗ 𝑖𝑛𝑑 (𝑡), que
amarelo, de modo a produzir uma densidade de fluxo magnético induzida 𝐵
apresenta linhas de fluxo em verde, que se opõe a esta variação de fluxo magnético
imposta [18, 645].

Figura 3.37. Levitação Eletrodinâmica por Corrente Alternada.

Da mesma forma que o sistema eletrodinâmico tradicional, esta interação entre


estes campos magnéticos dá origem ao surgimento de forças de levitação e de arraste,
que atuam no sentido de afastar o eletroímã do condutor e que apresentam perfil
idêntico ao apresentado na Figura 3.36.
A Figura 3.38 demonstra a flutuação de um anel de alumínio sobre uma bobina
alimentada por corrente alternada, com frequência da rede elétrica, separados por uma
distância de 10 cm [646]. Deve-se destacar que a haste central de aço possui duas
funções principais: primeiramente, ela funciona como um prolongamento do núcleo
ferromagnético ao concentrar as linhas de campo magnético e reduzir a relutância do
circuito magnético que se prolonga até o anel condutor, o que torna a operação com
grandes entreferros possível para baixas frequências.

86
Além disto, a haste restringe o movimento horizontal do condutor, ao evitar que a
força de arraste presente no sistema eletrodinâmico afaste o anel da área de ação do
eletroímã, indicando neste caso uma pseudo-levitação, uma vez que o condutor não
pode se movimentar no plano horizontal. Este fato revela que os sistemas
eletrodinâmicos, em geral, possuem estabilidade vertical de repulsão, no qual a força
de levitação está em equilíbrio com a força peso, e instabilidade lateral devido a
presença da força de arraste. Para anular o efeito da força de arraste e estabilizar
lateralmente este sistema, é necessário a utilização de uma bobina concêntrica
adicional, que apresente uma defasagem de 180º da sua corrente em relação a outra
[647, 648].

Figura 3.38. Levitação Eletrodinâmica de um anel de alumínio.

3.6.3. Aplicações da Levitação Eletrodinâmica por Corrente Alternada

3.6.3.1 Aquecimento Indutivo

Historicamente, as primeiras aplicações envolvendo a levitação eletrodinâmica se


originaram na técnica de alimentação por corrente alternada. Entre as décadas de 20 e
de 50 do século XX, surgiram inúmeras propostas da utilização deste método como, por
exemplo, no uso em centrífugas, ou displays de publicidade, devido a sua capacidade
de rotacionar em torno de seu eixo [17], em giroscópios [649], ou no aquecimento
indutivo e fusão de vários tipos de metais, no qual os condutores permaneciam
suspensos sem nenhuma forma de contato com um recipiente, evitando qualquer forma
de contaminação e mantendo o seu grau de pureza [650, 651].

87
No aquecimento indutivo, o condutor permanece suspenso, envolvido pelo
eletroímã alimentado por corrente alternada, que opera em alta-frequência e apresenta
uma geometria não convencional, de modo a produzir um campo magnético não
uniforme e induzir corrente elétrica suficiente no metal, de tal forma que o aquecimento
causado pelo efeito Joule seja capaz de atingir o seu ponto de fusão. Assim, foi possível
o derretimento de diversos tipos de metais e ligas metálicas, como o alumínio, o ouro, o
gálio, o estanho, o titânio e o bronze, possuindo formatos distintos, como o esférico ou
o cilíndrico [652 – 659].
Desde então, esta técnica de aquecimento indutivo tem sido empregada no estudo
de propriedades físicas e experimentos em materiais de interesse na área de Metalurgia
[660], se beneficiando do alto grau de pureza obtido, e em pesquisas aeroespaciais
envolvendo ambientes de micro gravidade [661]. Além destes, soluções comerciais
também foram apresentadas para diversos setores, como a odontologia, a joalheria, e
de componentes eletrônicos, em função da ausência de contaminação e da
possibilidade do metal fundido ser moldado em qualquer formato com alta precisão [662
– 664].

3.6.3.2 Anel de Thomson

A levitação eletrodinâmica por corrente alternada proporcionou também pesquisas


de interesse acadêmico ou comercial através da força de repulsão entre um condutor e
um eletroímã alimentado por corrente alternada, de forma semelhante à ilustrada na
Figura 3.38, que é conhecido na literatura como “Thomson jumping ring”, ou “anel de
Thomson”, em homenagem ao engenheiro britânico Elihu Thomson, que foi o primeiro
a demonstrar a interação entre dois condutores de corrente alternada e que construiu
este aparato em 1887, e que foi seguido dois anos mais tarde pelo compatriota John
Ambrose Fleming, que o popularizou.
De modo geral, este experimento pode ser explorado de duas maneiras: através
de seu efeito transitório ou em regime permanente. No primeiro caso, a alimentação do
eletroímã é iniciada, a partir de uma chave que energiza o circuito. Nesta situação, o
campo magnético produzido pela bobina aumenta em um curto espaço de tempo, o que
induz um pulso de corrente de alta intensidade sobre o anel condutor posicionado logo
acima do eletroímã. A força de repulsão entre eles é suficiente para fazer o anel saltar
do dispositivo em alta velocidade para uma altura além do núcleo central [665 – 673].

88
3.6.3.3 Aplicações Militares

Esta técnica tem sido estudada para aplicações que envolvem o lançamento de
projéteis, conhecidos como “induction coilgun”, onde a parte móvel é ejetada sem
nenhum tipo de contato elétrico com o circuito acionador de disparo. Dentre as
aplicações, destacam-se o seu emprego em equipamentos militares e no setor
aeroespacial, com o lançamento de mísseis e foguetes [674 – 682].

3.6.4. Aplicações Educacionais

As operações em regime permanente ou a transitória deste experimento têm sido


amplamente utilizadas no meio acadêmico como uma demonstração da levitação
eletrodinâmica e do aprendizado de conceitos como a Lei de Faraday-Lenz em
disciplinas de cursos de Engenharia e Física [683, 684]. Várias universidades e institutos
de pesquisa construíram seus próprios protótipos, cada um contando com suas
particularidades, conforme será apresentado a seguir, destacando os trabalhos mais
relevantes.
Em 1968, o professor britânico Eric Laithwaite demonstrou em sua palestra
denominada “The Circle of Magnetism”, no Imperial College London, a flutuação de uma
grande esfera de alumínio sobre um eletroímã alimentado por corrente alternada e
ressaltou a importância de uma bobina secundária com a corrente elétrica defasada de
180º em relação a primeira para obter a estabilidade lateral do sistema [685, 686].
THOMPSON [687] desenvolveu uma proposta didática simples, no qual um
eletroímã flutua sobre uma placa de alumínio, considerando um modelo térmico para
estimar o aumento de temperatura na bobina e um modelo elétrico para calcular a
indutância da bobina, devido à influência do efeito pelicular.
GIERAS [688] introduziu uma série de experimentos envolvendo os principais
tipos de levitação magnética para uma disciplina de pós-graduação, de forma a ilustrar
como estes conceitos são aplicados em trens de levitação magnética. Para o caso da
levitação eletrodinâmica, foi construído um protótipo de escala reduzida de um veículo
composto de alumínio, que é capaz de flutuar e se movimentar de forma estável sobre
um trilho formado por um conjunto de eletroímãs conectados como um primário de um
motor de indução linear do tipo fluxo transversal. Este tipo de motor de indução que
possui a capacidade de suspensão e propulsão será discutido na seção referente aos
trens de levitação eletrodinâmicos.
O departamento de Física do MIT, utilizou o resfriamento por nitrogênio líquido do
anel condutor para reduzir sua resistência elétrica, de modo que ele atingisse maiores
alturas no experimento transitório do anel de Thomson [689].

89
Nos trabalhos conduzidos por BARRY et al, foram elaboradas diferentes
estratégias de controle para a flutuação em regime permanente do anel de Thomson,
como um controlador PD ou por lógica Fuzzy para rejeição de perturbações e manter o
anel em uma posição definida, além de estudos para outros tipos de arranjo de circuito
magnético, evidenciando que conceitos de disciplinas como Máquinas Elétricas,
Sistemas de Controle, Microeletrônica e Eletrônica de Potência também podem ser
explorados por este experimento [648, 690 – 692].
Outros artigos se concentraram em diferentes aspectos como, por exemplo, a
elaboração de um protótipo considerando especificações de segurança [693], ou a
análise de diferentes configurações para o anel condutor, alterando suas dimensões ou
o tipo de tratamento térmico a que é submetido, por têmpera ou recozimento, o que
altera significativamente seu desempenho, ou a sua temperatura de operação [694 –
696].
Foram propostos também, estudos comparativos entre a alimentação do eletroímã
por corrente alternada ou o chaveamento por corrente contínua [697, 698], ou um maior
aprofundamento analítico do modelo para a levitação e a ejeção do anel [699, 700], a
otimização dos parâmetros do sistema [701], além de técnicas de controle não-linear
em tempo real para a flutuação do anel [702].
Por se tratar de um experimento com baixo custo de fabricação, com destaque
apenas para um eletroímã e um anel condutor, e não necessitar, a princípio, de nenhum
tipo de controle para o seu funcionamento, o “anel de Thomson” teve seu uso
disseminado como ferramenta de ensino e de divulgação científica em universidades e
centros de pesquisa ao redor do mundo [703 – 709].
No Brasil, destaca-se o trabalho do LASUP (COPPE/UFRJ), que construiu um
protótipo de demonstração, ilustrado na Figura 3.38, em que foram avaliados o
comportamento da levitação de anéis de alumínio e de cobre, com aproximadamente
as mesmas dimensões, onde observou-se que o alumínio por apresentar menor
densidade, conseguia atingir maiores alturas de flutuação. Além disso, um inversor foi
utilizado para analisar o funcionamento do sistema para diferentes valores de tensão e
de frequência de alimentação do eletroímã [497, 646]. Além desse, uma outra
demonstração da levitação eletrodinâmica também é exibida no Espaço COPPE Miguel
de Simoni de Tecnologia e Desenvolvimento Humano, ilustrando o princípio tradicional
desta flutuação, que pode ser vista na Figura 3.39.
O artigo de da SILVEIRA e AXT [710] apresenta uma explicação qualitativa para
o experimento do “anel de Thomson”, enfatizando que a defasagem entre as correntes
alternadas do eletroímã e a induzida no anel dá origem a uma interação de força entre
eles que oscila entre atração e repulsão ao longo de um ciclo completo da frequência

90
de alimentação, de modo que na média, a força entre eles possui um comportamento
repulsivo, o que justifica o fenômeno da levitação observado. Em seguida, este sistema
foi exibido em feiras de ciências na universidade UNIJUÍ.

Figura 3.39. Modelo didático da levitação eletrodinâmica no espaço COPPE.

Da mesma forma como em outros países, o “anel de Thomson” tem sido


amplamente explorado como recurso educacional e de difusão do conhecimento, como
forma de auxiliar o aprendizado dos conceitos vistos em disciplinas de Física e
Engenharia e, inclusive, motivar e despertar o interesse de estudantes para a área de
Ciência e Tecnologia. Assim, pode-se destacar o trabalho de divulgação realizado,
principalmente, pelo Laboratório Didático do Instituto de Física (LADIF) da UFRJ [711]
e pelos Institutos de Física da Universidade de Brasília (UnB) [712] e da UNICAMP
[713].
Atualmente, algumas empresas fabricantes de produtos educacionais
comercializam kits didáticos do “anel de Thomson”, que incluem diferentes tipos de
dimensões ou de material utilizado para o anel condutor, reforçando os conceitos de
indução eletromagnética da Lei de Faraday-Lenz e de correntes de Foucault [714 – 716].
Além das soluções comerciais, a levitação eletrodinâmica por corrente alternada
pode ser encontrada em museus de Ciência e Tecnologia, que ativam a curiosidade do
visitante, enquanto ensinam conceitos físicos de forma lúdica. Dois exemplos desta
atividade são a flutuação de uma enorme chapa de alumínio sobre um eletroímã
alimentado por corrente alternada, que se encontra exposto no Palais de la Decouverte
[717], em Paris, e um sistema de levitação dual, no qual um eletroímã é suspenso sobre
uma chapa de alumínio, que foi elaborado pela Universidade Estadual de Londrina
(UEL) para ser adaptado aos museus de Ciência e Tecnologia brasileiros [718, 719].

91
3.6.5. Mancal Eletrodinâmico

De maneira semelhante às técnicas de levitação eletromagnética ou


supercondutora, a levitação eletrodinâmica também explora o seu princípio de operação
para aplicações envolvendo máquinas e equipamentos rotativos ou lineares, que não
possuem contato entre a parte fixa e a móvel. A sua principal diferença em relação aos
demais, é a necessidade de um mancal mecânico de suporte (touchdown bearing) [720]
para a situação em que o sistema esteja em baixas velocidades, onde não há uma
geração de força eletromotriz induzida suficiente para produzir uma força de repulsão
capaz de manter a parte fixa e móvel afastadas sem contato.
Em comparação com os mancais magnéticos ativos, os mancais eletrodinâmicos
apresentam como vantagens, a ausência de uma malha de controle e seus elementos
adicionais, como sensores, processadores e amplificadores de potência para a
estabilização de seu sistema, e a possibilidade de operação em maiores velocidades de
rotação em máquinas de grandes diâmetros, em que os rotores suportam melhor às
forças centrífugas impostas [721].
A sua principal desvantagem, além da assinalada acima, é o fato das correntes
de Foucault provocarem, sobretudo para mancais de pequenas dimensões, perdas
ôhmicas elevadas acarretando em aumentos de temperaturas excessivos, que por
vezes inviabilizam esta técnica para uma operação contínua ou prolongada [722]. O
fator de amortecimento reduzido nesta técnica também exige a utilização de algum tipo
de amortecimento externo para evitar oscilações que instabilizem o sistema [22].
Por conta deste inconveniente com o aquecimento provocado pelas correntes
parasitas, a maioria das aplicações envolvendo estes mancais ficou limitada em atender
apenas equipamentos muito específicos com tempo de funcionamento reduzido. A partir
do final da década de 60, surgiram as primeiras alternativas para contornar este
problema, conhecidas como Null-Flux [723, 724], que se basearam em um condutor
posicionado entre ímãs permanentes, de tal forma que as correntes induzidas nele se
anulavam durante a operação normal, e se tornavam diferente de zero apenas nas
situações em que a lâmina condutora se afastava de um ímã e se aproximava de outro,
produzindo uma força restaurativa em direção à centralização do condutor na posição
de equilíbrio [725 – 727].
A utilização de ímãs permanentes em diferentes configurações para os mancais
eletrodinâmicos amplia as possibilidades para obtenção de forças de repulsão maiores.
Uma destas combinações largamente exploradas é a que utiliza o arranjo de Halbach.

92
As chamadas rodas magnéticas consistem em aros formados por ímãs
permanentes posicionados de acordo com o arranjo de Halbach, que ao girarem no
entorno de condutores são capazes de produzir forças de levitação apreciáveis e torque
necessário para o seu movimento [728 – 733].
As principais aplicações desta proposta estão relacionadas ao transporte de
superfícies planas condutoras com alta precisão, como materiais semicondutores para
displays de LCD ou plasma [734, 735], eliminando o contato e qualquer forma de
contaminação, hoverboards flutuando sobre lâminas condutoras para fins de
entretenimento [736], e armazenadores cinéticos de energia para veículos elétricos e
trens de levitação magnética [737 – 739].
No início do século XXI, um novo arranjo de mancal eletrodinâmico que tem se
demonstrado promissor, conhecido como homopolar, também se baseia na redução de
correntes parasitas na operação de elementos rotativos. Neste tipo de mancal, a sua
própria configuração e a geometria eliminam as correntes de Foucault desnecessárias,
não sendo necessário recorrer à circuitos elétricos alternativos conforme os mancais
eletrodinâmicos anteriores. Além disso, ele possui uma forma compacta circular muito
próxima dos mancais mecânicos tradicionais, que pode se adequar facilmente à
estrutura de máquinas [740 – 747]. Este mancal eletrodinâmico, com rotor de alumínio
e estator de ímãs permanentes em anéis pode ser visto na Figura 3.40.

Figura 3.40. Rotor e estator do mancal eletrodinâmico homopolar.


(Fonte: LOPES [747], com permissão)

As aplicações destes mancais se concentram em sistemas com altas velocidades


de rotação, como armazenadores cinéticos de energia para satélites, equipamentos
especiais operando com velocidade constante, e amortecedores eletrodinâmicos para
redução de vibrações mecânicas [748 – 756].

93
3.6.6. Aplicações nos Transportes

3.6.6.1 Primeiras Propostas

As primeiras tentativas de se combinar a propulsão e a levitação magnética


aplicada para meios de transporte remontam ao início do século XX. Em 1902, o
engenheiro alemão Alfred Zehden inventou uma versão de um motor de indução linear,
com uma chapa de alumínio entre um primário de cada lado, dedicado à tração de trens
de passageiros [757].
Em 1912, o engenheiro franco-americano Emile Bachelet registrou uma proposta
de um trem capaz de levitar, por repulsão, se mover e manter-se guiado sobre os trilhos
pela interação entre eletroímãs posicionados nos trilhos e abaixo do veículo. Cada uma
destas três ações era controlada de forma independente e em uma sequência definida
periódica, a partir do acionamento de cada um dos eletroímãs correspondentes [758].
Em 1914, um modelo em escala reduzida foi apresentado com sucesso em uma
exposição científica em Londres, porém, apesar de seu aspecto inovador, a ausência
de tecnologia disponível na época para o seu funcionamento em larga escala foi um
entrave para a sua viabilidade.
Conforme foi apresentado na seção 2.4.2, que tratou dos hovertrains, o
surgimento de meios de transporte não convencionais como estes, ou os trens de
levitação magnética (MagLev), em que o veículo não está em contato com a via, a partir
da década de 60, exigiu dos projetistas encontrar maneiras alternativas para a sua
propulsão. Assim, foram introduzidos ao longo da fase de testes as turbinas aero
geradoras, turbinas a jato, propulsão por foguetes e os motores elétricos lineares de
indução (LIM) e síncronos (LSM).
Sob este contexto histórico, o professor britânico Eric Laithwaite continuou e
aprimorou o trabalho iniciado por Emile Bachelet e Alfred Zehden, ao desenvolver um
motor de indução linear com capacidade de propulsão e levitação magnética, ambos
produzidos pelo mesmo efeito de indução eletromagnética.
Primeiramente, durante a realização de testes para o projeto do Hovertrain
britânico ele demonstrou que o motor linear proposto por Zehden era inadequado para
o transporte em altas velocidades, sobretudo por razões de segurança, uma vez que as
chapas de alumínio poderiam sofrer deformações e as suas junções reduziam a força
de propulsão [759 – 761].

94
Em seguida, ele desenvolveu o conceito conhecido como “magnetic river”, no qual
semelhante a um rio que empurra um objeto em direção a correnteza, assim um material
condutor seria empurrado por ação do campo magnético trafegante formado por
eletroímãs nos trilhos na direção de tração do motor, e como consequência o veículo
atrelado ao condutor também seria movimentado.
Inspirado pela suspensão de esferas e discos condutores que utilizavam a técnica
de levitação eletrodinâmica por corrente alternada, Laithwaite elaborou uma proposta
equivalente na qual era possível flutuar e mover uma placa condutora de acordo com o
acionamento dos eletroímãs abaixo dele. Assim, ele concebeu o motor de indução linear
de fluxo transversal (TFM), no qual o fluxo magnético principal do primário é transversal
ao movimento provocado pela propulsão, reduzindo a quantidade de núcleo
ferromagnético empregada e o peso total do veículo [761 – 763].

3.6.6.2 Propulsão de Foguetes

Conforme visto anteriormente, a técnica de levitação eletrodinâmica tem sido


estudada para o lançamento de projéteis para aplicações militares, como o coilgun. Da
mesma forma, ela é um método de levitação magnética alternativo adequado para o
lançamento e a propulsão de foguetes e satélites para o espaço.
Ao final da década de 60, GUDERJAHN et al [764, 765] idealizaram uma proposta
na qual bobinas supercondutoras no foguete produzem campos magnéticos intensos e,
por sua vez, induzem correntes parasitas de alta intensidade nas paredes condutoras
de um longo tubo a vácuo proporcionando forças de repulsão e de tração, responsáveis
por movimentá-lo sem contato e atingindo velocidades de 5000 m/s.
A agência espacial americana NASA tem, desde o final do século XX, investigado
técnicas alternativas para o lançamento de foguetes e ônibus espaciais como forma de
reduzir os altos custos empregados nesta tarefa. Uma destas técnicas é a chamada
assistência de lançamento magnética, que consiste em um sistema de levitação
eletrodinâmica para suspensão e o uso de motores lineares para a propulsão. As
diferentes configurações avaliadas consideraram o uso de bobinas supercondutoras e
eletroímãs convencionais para a levitação e a suspensão por um motor síncrono linear
nos trilhos.
Outra possibilidade, conhecida como Inductrack, utiliza ímãs permanentes em
arranjo de Halbach no veículo, enquanto bobinas curto-circuitadas de reação nos trilhos,
induzem correntes parasitas produzindo forças de repulsão, enquanto eletroímãs
independentes controlam a tração. Além dessas, um outro protótipo considerou o uso
de um motor de indução linear na via produzindo um campo magnético para suspender
uma chapa de alumínio no foguete e movimentá-lo [766 – 769].

95
O projeto StarTram planeja realizar o lançamento de foguetes através de um tubo
à vácuo, no qual o veículo percorre sem contato com a via até atingir a velocidade de
escape necessária para sua ejeção ao espaço. Durante o trajeto, o foguete é suspenso
pela levitação eletrodinâmica, em que bobinas supercondutoras atreladas a ele
produzem um campo magnético intenso, que induzem correntes parasitas em
condutores de alumínio nas bordas do tubo, em um arranjo do tipo Null-Flux, de forma
a proporcionar uma força de repulsão [770, 771].
Outros programas espaciais também analisaram diferentes topologias para a
propulsão de foguetes, satélites e veículos para o espaço [772 – 780]. Os seus grandes
desafios tecnológicos estão na capacidade destes sistemas imprimirem uma grande
quantidade de tração em um curto intervalo de tempo, enquanto espera-se uma redução
significativa nas dimensões dos veículos, com a diminuição do consumo de combustível
total exigido em uma missão espacial. Este mesmo argumento favorável tem sido
avaliado em pesquisas envolvendo o uso esta tecnologia de levitação magnética no
auxílio da decolagem e da aterrissagem de aeronaves reduzindo ainda, o impacto
ambiental e o ruído [781 – 783].

3.6.6.3 Trens de Levitação Magnética

Da mesma forma como no caso dos demais métodos de levitação magnética, a


técnica eletrodinâmica despertou o interesse de diversos projetos ao redor do mundo,
de modo a explorar as suas potencialidades como, por exemplo, a ausência de
complexos sistemas de controle existentes em trens de levitação eletromagnética
(ativa), e a simplicidade conceitual do princípio de indução eletromagnética e suas
forças de repulsão.
Assim, foram concebidos variados conceitos para veículos urbanos e de altas
velocidades. A seguir será apresentado um resumo dos principais projetos de cada um
destes segmentos.
O projeto de MagLev urbano desenvolvido pela empresa americana General
Atomics, na cidade de San Diego (EUA), consiste na utilização de um duplo conjunto de
ímãs permanentes no arranjo Halbach no veículo, com uma lâmina condutora entre eles
junto a via. Ao iniciar seu movimento, ainda sobre rodas, os ímãs induzem correntes
parasitas no condutor, que produzem uma força de repulsão e, conforme o aumento da
velocidade de tração, torna-se suficiente para suspender o trem.

96
A sua propulsão é fornecida por um motor síncrono linear (LSM), onde bobinas
condutoras no solo formam a armadura e o campo é devido aos próprios conjuntos de
ímãs permanentes. A sua operação é com um alto valor de entreferro, em torno de 25
cm, com velocidade máxima de 160 km/h, em um veículo em escala real com 13 metros
de extensão, e tem sido testado em uma linha experimental de 500 metros [784, 785].
O projeto de MagLev de alta velocidade eletrodinâmico japonês, conhecido como
SCMagLev, é do ponto de vista de seu estudo, planejamento e execução, o mais antigo
do mundo, surgido na década de 60, fruto de um estudo do governo japonês em busca
de uma nova tecnologia para os trens de alta velocidade, em substituição ao
convencional Tokaido Shinkansen.
Este veículo de levitação eletrodinâmica utiliza bobinas supercondutoras com alta
capacidade de circulação de correntes, que estão inseridas nas paredes do veículo, e
por sua vez geram campos magnéticos intensos que ao se movimentarem induzem
correntes parasitas intensas em bobinas convencionais situadas nas laterais da via. Ao
atingir uma determinada velocidade, a interação entre estas correntes produz uma força
de repulsão que suspende o trem.
Um engenhoso arranjo geométrico nos condutores da via, proposto por POWELL
e DANBY [725], conhecido como Null-Flux, torna o veículo estável durante a sua
operação, uma vez que qualquer deslocamento vertical ou lateral proporciona forças
restaurativas que atuam no sentido de movê-lo novamente para a sua posição de
equilíbrio, flutuando a uma altura de aproximadamente 10 cm do solo. A propulsão do
veículo é feita por um motor síncrono linear onde outro conjunto de bobinas nas paredes
da via correspondem a armadura, e o campo é produzido pelas mesmas bobinas
supercondutoras dispostas no trem. Estas bobinas supercondutoras são resfriadas em
temperaturas criogênicas com Hélio líquido e contam com um sistema de refrigeração
em dois estágios.
Entre 1977 e 1997, os primeiros protótipos foram analisados na linha de testes de
7 km em Miyazaki, onde o veículo ML-500 atingiu velocidades superiores a 500 km/h.
Em seguida, uma nova linha foi construída em Yamanashi, com extensão atual de 42,8
km em via dupla, com curvas e diferentes graus de inclinação, simulando um terreno
com relevo real. O protótipo L0 atual, ilustrado na Figura 3.41, possui escala real de um
trem de transporte de passageiros com até doze vagões e conquistou, em abril de 2015,
o recorde mundial de velocidade para um veículo terrestre alcançando 603 km/h.

97
O consórcio responsável pelo projeto estima para o ano de 2027 o início da
operação comercial da linha de trens de alta velocidade Chuo Shinkansen, com a
conexão entre as cidades de Tóquio e Nagoia, e em 2045 o estabelecimento de um
novo corredor de alta velocidade entre as cidades de Tóquio e Osaka com esta
tecnologia [786 – 788].

Figura 3.41. Protótipo L0 na linha de testes em Yamanashi (Japão).


(Fonte: Wikimedia, CC BY-SA 3.0 [789])

3.6.6.4 Outros Projetos

Em 2013, o empreendedor sul-africano Elon Musk idealizou um meio de transporte


de passageiros ou de cargas capaz de se mover com velocidades de até 1200 km/h em
um tubo à vácuo, percorrendo o trajeto entre as cidades de Los Angeles e San
Francisco, na Califórnia (EUA), em apenas 30 minutos, superando as velocidades de
aeronaves. O estudo inicial sugerido pela companhia SpaceX sugeria a flutuação do
veículo, o Hyperloop Alpha, através da técnica por colchão de ar (ACV) operando em
um tubo sob vácuo parcial. Um motor elétrico linear seria responsável pela propulsão,
com a energia elétrica produzida por painéis solares [790]. Este projeto foi considerado
de “código aberto”, de modo a incentivar diversos grupos a elaborar estudos
semelhantes e produzir aprimoramentos [791].
A empresa Hyperloop One surgiu, em 2014, com o intuito de desenvolver este
projeto, porém diferentemente do conceito original, a levitação sugerida foi substituída
pela levitação eletrodinâmica passiva com a configuração Inducktrack, no qual ímãs
permanentes em arranjo Halbach no veículo, ao se movimentarem, induzem correntes
parasitas em bobinas condutoras curto-circuitadas ao longo do tubo.

98
Em 2016, sistema de propulsão foi submetido a testes em uma área no deserto
de Nevada (EUA), onde alcançou uma velocidade de 180 km/h, com uma aceleração
de 2,5 g. Atualmente, está sendo construído o primeiro trecho de 3,2 km de tubo para
estudos dos sistemas de vácuo e de levitação, com expectativa de funcionamento até o
final do primeiro semestre de 2017. Estudos de viabilidade técnica deste projeto foram
feitos para a Finlândia, para a Rússia e para a cidade de Dubai, nos Emirados Árabes
Unidos (EAU) [792].
A startup Hyperloop Transport Technology (HTT) tem desenvolvido, desde 2013,
um programa semelhante ao Hyperloop One, incluindo o mesmo tipo de levitação
eletrodinâmica passiva, que foi escolhido em 2016, após um acordo com o Lawrence
Livermore National Laboratory, idealizador desta configuração. Em 2015, foi iniciada a
construção de uma linha de testes de 8 km em Quay Valley, na Califórnia e em janeiro
de 2017, um novo centro de pesquisa e desenvolvimento foi planejado para a cidade de
Toulouse, na França. Estudos de viabilidade técnica foram conduzidos para a
Eslováquia, para a República Tcheca, para a cidade de Jacarta, na Indonésia, e para
uma conexão entre as cidades de Abu Dhabi e Al Ain, nos EAU [793].
O projeto canadense TransPod surgiu em 2016 com o mesmo princípio de
funcionamento dos anteriores, porém com o principal objetivo de realizar uma conexão
entre as regiões metropolitanas de Montreal e Toronto, no Canadá [794]. Diversos
centros de pesquisa e universidades têm se empenhado para apresentar protótipos do
Hyperloop, com destaque para a equipe do MIT, que venceu, em 2016, uma competição
patrocinada pela SpaceX, apresentando o método de levitação eletrodinâmica em seu
protótipo [795].
O princípio do Inductrack também é encontrado no projeto skyTran, que consiste
em um veículo automatizado e pessoal rápido (PRT), de até dois passageiros, que
funciona suspenso, abaixo de uma via elevada, de forma que a levitação eletrodinâmica
garante a ausência de contato entre eles. O principal objetivo deste meio de transporte
é reduzir a poluição e o consumo de combustíveis fósseis para os automóveis e eliminar
os congestionamentos ao se tornar uma alternativa a eles. O design compacto do
veículo permite um perfil aerodinâmico capaz de atingir altas velocidades e a construção
de estruturas leves e de baixo impacto visual. Em junho de 2014, foi firmado um contrato
para a construção de uma linha de demonstração de 300 metros no campus do Israel
Aerospace Industries (IAI), em Tel-Aviv, ainda em andamento. Atualmente, a cidade de
Lagos, na Nigéria, e a ilha artificial de Yas, em Abu Dhabi (EAU), demonstraram
interesse nesta tecnologia [796 – 798].

99
3.7. Levitação Mixed-µ

Além dos métodos de levitação magnética tradicionais, existe ainda uma técnica
de suspensão de objetos que envolve a utilização de vários tipos de materiais com
permeabilidades magnéticas diferentes, como supercondutores, condutores e materiais
ferromagnéticos e combina dois ou mais dos métodos vistos anteriormente, derivando
assim a origem do seu nome. De forma geral, a levitação magnética do tipo Mixed-µ
combina as forças atrativas da levitação eletromagnética e as forças repulsivas da
levitação diamagnética para garantir um sistema estável em malha aberta.
Vários experimentos realizados para esta técnica produziram a levitação de um
material ferromagnético nas proximidades de um eletroímã e de um material
supercondutor. Conforme visto na técnica de levitação eletromagnética, a suspensão
deste tipo de material pela ação de um condutor com corrente constante é instável, uma
vez que o ferro é atraído pelo eletroímã por uma força constante e a sua tendência será
cair ou ficar atrelado ao eletroímã, caso esteja abaixo ou acima da posição de equilíbrio,
respectivamente. A estabilidade deste sistema, no entanto, não é fornecida por um
circuito de controle de posição e de corrente, mas da característica diamagnética de um
material supercondutor entre eles.
O supercondutor do tipo I ao ser resfriado abaixo da temperatura crítica encontra-
se no estado Meissner e, na presença de um campo magnético produzido pelo
eletroímã, surgem correntes de blindagem que circulam sobre a sua superfície no
sentido de impedir a penetração de campo magnético no seu interior, gerando uma força
de repulsão entre eles. Esta força, por sua vez, também ocorre entre o supercondutor e
o material ferromagnético, evitando qualquer forma de contato entre eles. Desta forma,
a força de atração entre o condutor e o ferro é limitada pela presença do supercondutor
que os separa [799].
Por se tratar de um tipo de levitação de análise mais complexa, por envolver uma
variedade de materiais com características magnéticas distintas e ter sido idealizada
apenas na década de 70, o seu número de aplicações é reduzido. Entretanto, a
possibilidade da suspensão de um trem de levitação sobre um trilho ferromagnético,
semelhante ao caso eletromagnético, porém sem a necessidade de uma malha de
controle e seus sistemas auxiliares, incentivou rapidamente o surgimento das primeiras
propostas de veículos de levitação magnética calcados neste princípio para o transporte
em alta velocidade, urbano ou inclusive no espaço, em atividades futuras de colonização
[800 – 803].

100
Recentemente, novas investigações sugeriram o emprego de supercondutores
de alta temperatura crítica (HTS) do tipo II de forma a explorar o efeito pinning
encontrado nestes materiais durante o estado misto nestes sistemas [804 – 806].

3.8. Conclusão

Este capítulo apresentou o princípio de funcionamento e um panorama completo


das aplicações encontradas na levitação magnética de ímãs permanentes,
diamagnética, eletromagnética, supercondutora, eletrodinâmica e mixed-µ.
Foi possível observar que a levitação eletromagnética (EML) é a que mais se
encontra em estágio avançado em sua tecnologia, em função do longo tempo de
pesquisa desde o início do século XX, e do avanço tecnológico dos materiais, dos
motores elétricos, da eletrônica de potência e do sensoriamento, o que justifica o maior
número de setores em que ela é encontrada.
Além das tradicionais áreas em que a levitação magnética é aplicada, como nos
transportes, com os trens de levitação magnética, e na indústria, com os mancais
magnéticos, ela também já é utilizada em bens de consumo tecnológicos, como
impressoras, luminárias, brinquedos, produtos educacionais, de decoração e de
entretenimento, conseguindo arrecadar facilmente dinheiro para a elaboração de seus
projetos em plataformas de financiamento coletivo (crowdfunding). Assim, foram
concebidos os produtos LunaLuxx, Air Bonsai, OM/ONE e Mars, o que revela o apelo
estético e comercial da levitação magnética, e o fascínio que exercem em seus clientes.
Sendo assim, o avanço desta tecnologia pode proporcionar cada vez mais inovações
neste mercado, ampliando o número de segmentos em que ela é adotada.
A levitação eletrodinâmica e, mais recentemente, a levitação supercondutora tem
evoluído e ampliando a sua área de atuação com projetos economicamente e
tecnologicamente viáveis nos setores de transporte de passageiros, propulsão de
foguetes, aquecimento indutivo e mancais magnéticos.

101
4. Conclusões

Este trabalho apresentou todas as tecnologias existentes capazes de suspender


objetos e suas respectivas aplicações. De modo geral, é possível dividir estas técnicas
de acordo com a origem das forças que produzem a levitação. Assim, as levitações
acústica, aerostática e aerodinâmica derivam de forças Mecânicas, enquanto que as
levitações óptica, eletrostática e magnética vêm de forças do Eletromagnetismo.
Conforme foi apresentado, apesar de algumas técnicas pertencerem ao mesmo
grupo, Mecânica ou Eletromagnetismo, as forças capazes de levitarem objetos não
possuem a mesma ordem de grandeza, variando drasticamente de uma para outra e,
consequentemente, adequando-se a uma determinada aplicação.
A Tabela 4.1, baseada em PARADIS et al [233], apresenta uma comparação entre
as diferentes técnicas de levitação, em relação ao tipo de material que ele é capaz de
suspender e a ordem de grandeza típica do seu gap de levitação, além de algumas de
suas aplicações mais relevantes.
É possível observar, no entanto, a extensa variedade de aplicações nas quais as
técnicas de levitação estão inseridas. De estudos atômicos e biológicos à flutuação de
trens com centenas de toneladas, de pesquisas com micro gravidade à suspensão de
aeronaves, de brinquedos ao coração artificial, de cortadores de grama à levitação de
rotores de máquinas e equipamentos ou da indústria de semicondutores à ultra
centrífugas de enriquecimento de urânio.
É notável ainda, a participação crescente de produtos e meios de transporte sem
nenhuma forma de contato no dia a dia da população, retirando a imagem futurista ou
de ficção sobre esta tecnologia. Deve-se ressaltar o extraordinário avanço obtido ao
longo dos séculos com as técnicas aerostáticas e aerodinâmicas, que atingiram um grau
de maturidade tecnológica na primeira metade do século XX, revolucionando a
humanidade com a introdução de aeronaves, ao reduzir substancialmente tempos de
deslocamento e contribuindo para um fluxo global de pessoas, mercadorias e serviços.
Destaca-se, com o aprimoramento da eletrônica e dos materiais, na segunda
metade do século XX, uma maior atenção para a levitação magnética e suas
promissoras aplicações. Ao superar a técnica aerostática em pesquisas sobre meios de
transporte não convencionais, ela atraiu mais interesse e esforços na substituição de
trens convencionais pelos trens MagLev, mais eficientes e ecologicamente limpos.

102
Tabela 4.1. Comparação entre as técnicas de levitação.

Material

Técnica de Ordem de Aplicações Típicas


Levitação grandeza
Tipo (gap)

Acústica Qualquer cm Processamento de


materiais e estudos
biológicos

Óptica Qualquer nm a µm Manipulação de partículas


e estudos biológicos

Aerostática Qualquer mm Mancais fluidostáticos e


hovercrafts

Aerodinâmica Qualquer mm Aeronaves e mancais


fluidodinâmicos

Eletrostática Condutor ou mm Processamento de


semicondutor materiais, MEMS

Eletromagnética Ferromagnético mm Mancais magnéticos ativos


e MagLev EML

Eletrodinâmica Condutor cm MagLev EDL e mancais


magnéticos
eletrodinâmicos

Supercondutora Diamagnético ou mm Mancais Supercondutores


Ferromagnético e MagLev SML

Mixed-µ Ferromagnético mm Mancais magnéticos

103
Dentro da levitação magnética, três técnicas se sobressaíram em função de seu
potencial. Inicialmente, a levitação eletromagnética (EML), seguida pela eletrodinâmica
(EDL) e por fim, pela supercondutora (SML).
A levitação eletromagnética (EML), devido ao seu estudo desde o início do século
XX e a evolução tecnológica, alcançou um maior grau de conhecimento e maturidade,
sendo aplicada com sucesso em trens operando comercialmente na China, no Japão e
na Coreia do Sul, além dos mancais magnéticos ativos em diversos setores, como o
petroquímico, de alimentos e na área da saúde.
A levitação eletrodinâmica (EDL) tradicional, mais adequada para trens de altas
velocidades, só evoluiu a partir da década de 60, com o início do projeto de trem MagLev
japonês Chuo Shinkansen, planejado para conectar Tóquio a Osaka. Os mancais
magnéticos eletrodinâmicos conseguiram maior destaque apenas no início do século
XXI, com a configuração homopolar.
A levitação supercondutora (SML) só progrediu de maneira comercialmente viável,
após a década de 80, com a descoberta de materiais supercondutores do tipo II de alta
temperatura crítica (HTS), como o Y-Ba-Cu-O, e o desenvolvimento de materiais
magnéticos de alta densidade de energia magnética, como o Nd-Fe-B. A partir disto, foi
possível conceber mancais magnéticos e trens MagLev supercondutores, com
refrigeração por nitrogênio líquido (LN2).
A Tabela 4.2, baseada em STEPHAN et al [14], apresenta uma comparação entre
as técnicas de levitação magnética mais importantes, indicando o entreferro típico de
operação, a pressão magnética, que indica a força de levitação por unidade de área
sobre o objeto e os projetos de trens de levitação magnética mais relevantes e o seus
respectivos status atuais.
Conforme pode ser observado, a levitação eletromagnética possui maior
capacidade de força por unidade de área em relação às demais, constituindo a sua
maior vantagem comparativa, ao custo da necessidade de uma malha de controle para
a suspensão, o que aumenta a sua complexidade e a robustez e o peso da estrutura.
Atualmente, quatro trens MagLev desta técnica já estão em operação comercial:
além dos três destacados, o Transrapid (China) de alta velocidade, e os urbanos
ECOBEE (Coreia do Sul) e HSST Linimo (Japão), a cidade chinesa de Changsha
inaugurou sua linha urbana em maio de 2016. Os projetos das demais técnicas ainda
se encontram na etapa de testes e consolidação da tecnologia, com o trem
eletrodinâmico japonês em estágio mais avançado para a comercialização.

104
Tabela 4.2. Comparação entre as técnicas de levitação magnética.

Técnica de Entreferro Ordem de Trens MagLev Status


Levitação típico grandeza da mais relevantes atual
pressão
magnética
(N/cm²)

Transrapid (China),
HSST Linimo
Eletromagnética Milímetros 100 (Japão) e ECOBEE Operação
(EML) (Coreia do Sul) Comercial

Eletrodinâmica Centímetros 10 Chuo Shinkansen Testes


(EDL) (Japão)

MagLev-Cobra
(Brasil) e
Supercondutora Milímetros 10 SupraTrans II Testes
(SML) (Alemanha)

Sob o ponto de vista tecnológico, os trens de levitação magnética, de forma geral,


apresentam uma série de vantagens sobre os trens convencionais do tipo roda-trilho. A
ausência de contato mecânico, evita o desgaste de componentes, reduz a necessidade
de manutenção e de perdas por atrito, diminuindo substancialmente o nível de ruído, o
que é vital para o uso deste transporte de superfície em áreas urbanas, além de possuir
maior capacidade de atingir maiores velocidades, sem a limitação mecânica. A utilização
de motores elétricos lineares para a sua propulsão elimina a dependência de
combustíveis fósseis, reduzindo a incerteza econômica com a variabilidade do preço
deste insumo e a “pegada ambiental”, sendo o MagLev ecologicamente sustentável.
Com estas vantagens, os trens de levitação magnética podem ser adotados como
meios de transporte de superfície em cidades evitando as complexas obras civis de
túneis e passagens subterrâneas, que consomem maiores tempos e custos de
execução.

105
Além disso, por conta da distribuição uniforme de carga ao longo da via, os trens
MagLevs, podem operar em vias elevadas, com estruturas mais compactas e se
integrado à paisagem da cidade. O seu principal inconveniente em relação aos trens de
roda trilho são os custos de adoção da tecnologia, por conta da diferença do nível de
maturidade tecnológica entre elas. Estas comparações podem ser sintetizadas de
acordo com STEPHAN [807] na Tabela 4.3.

Tabela 4.3. Comparação entre o trem MagLev e o convencional Roda-Trilho.

(Fonte: STEPHAN [807], com permissão)

Sob o ponto de vista histórico, pode-se notar, no início da segunda metade do


século XX, um movimento mundial para o desenvolvimento do transporte de
passageiros de alta velocidade, o que consolidou a tecnologia de trens convencionais
roda-trilho nesta área. A partir da inauguração do trem bala japonês Tokaido
Shinkansen, em 1º de outubro de 1964, o primeiro marco tecnológico nesta área, o seu
funcionamento começou a ser difundido e adotado na Europa, por exemplo, na França,
na Itália, na Espanha e na Alemanha.
Esta sequência de operação dos trens de alta velocidade (TAV) pode ser
representada de acordo com o conceito da curva S, que representa as etapas de
inovação, massificação e saturação de adoção de uma tecnologia.

106
A Figura 4.1 ilustra como a curva S, em preto, corresponde ao fenômeno de
implantação de linhas de trens de alta velocidade no mundo. De forma análoga, este
princípio pode ser transferido para a adoção de trens de levitação magnética de alta
velocidade. Considerando o primeiro marco tecnológico, como o Transrapid,
desenvolvido na Alemanha, desde a década de 70, e que entrou em operação comercial
na China, em 2003, pode-se estimar um comportamento semelhante para a curva S,
em vermelho, com a linha japonesa Chuo Shinkansen, prevista para 2027, seguido de
outros projetos que corresponderão as etapas de massificação desta tecnologia.

Figura 4.1. Curvas S de adoção de novas tecnologias exemplificando os TAV´s.


(Fonte: STEPHAN [808], com permissão)

Em face deste cenário atual do estado da arte da tecnologia de levitação


magnética, que a cada momento amplia a sua área de mercado, como a de transportes,
industrial e de bens de consumo, atingindo cada vez mais pessoas e melhorando as
suas vidas, pode-se obter uma perspectiva futura positiva para a adoção de trens de
levitação magnética, tanto urbanos, quanto de alta-velocidade. Assim, de acordo com
as palavras do Instituto Coreano de Máquinas e Materiais (KIMM) pode-se concluir que
“Os Trens MagLev não são apenas trens convencionais, mas asas que ajudam a
humanidade a dar mais um salto avante em direção ao futuro”. (KIMM, Center for Urban
MagLev Program)

107
Referências Bibliográficas
[1] DuraHeart LVAS. Terumo Heart, Inc. Disponível em:
http://terumoheart.net/us/index.php/medical-professionals/duraheart-lvas – Acesso em:
28 de fevereiro de 2017.

[2] Calnetix Technologies. Disponível em: http://www.calnetix.com/applications-


industries – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[3] Magneticbearings.org. Disponível em: http://www.magneticbearings.org/applied-rd/


– Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[4] STEPHAN, R. M. “MagLev-Cobra: Tecnologia de levitação magnética no Brasil”.


Revista Ciência Hoje, v. 55, n. 325, pp. 20–25, maio de 2015.

[5] Feedback Instruments, Ltd. Disponível em: http://www.feedback-


instruments.com/products/education/control_instrumentation/magnetic_levitation_syste
m – Acesso em: 31 de janeiro de 2017.

[6] Crealev B. V. Disponível em: http://www.crealev.com/ – Acesso em: 28 de fevereiro


de 2017.

[7] Elivatix. Disponível em: http://www.elivatix.com/ – Acesso em: 28 de fevereiro de


2017.

[8] LG Levitating Portable Speaker. Disponível em:


http://www.lgnewsroom.com/2016/12/lgs-levitating-speaker-expected-to-mesmerize-
audience-at-ces-2017/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[9] Laboratório de Máquinas Elétricas (LabMaq). Disponível em:


http://www.dee.ufrj.br/labmaq/index.html – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[10] Laboratório de Aplicações de Supercondutores (LASUP). Disponível em:


http://www.dee.ufrj.br/lasup/index.html – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[11] BRANDT, E. H. “Levitation in Physics”. Science, v. 243, pp. 349–355, janeiro de


1989.

[12] SCHWEITZER, G.; MASLEN, E.; BLEULER, H. et al. Magnetic Bearings: Theory,
Design, and Application to Rotating Machinery. Heildelberg, Springer Verlag Berlin
Heildelberg, 2009.

[13] CHIBA, A. FUKAO, T.; ICHIKAWA, O. et al. Magnetic Bearings and Bearingless
Drives. Oxford, Elsevier, Newnes, 2005.

[14] STEPHAN, R. M.; CASTRO PINTO, F. A. N.; GOMES, A. C. del N. et al. Mancais
Magnéticos: Mecatrônica sem Atrito. Rio de Janeiro, Ed. Ciência Moderna, 2013.

[15] JAYAWANT, B. V. “Electromagnetic suspension and levitation”. IEE Proceedings,


v. 129, pt. A, n. 8, pp. 549–581, novembro de 1982.

108
[16] JAYAWANT, B. V. “Electromagnetic suspension and levitation”. Reports on
Progress in Physics, v. 44, pp. 411–474, 1981.

[17] LAITHWAITE, E. R. A History of Linear Electric Motors. Londres, Macmillan


Education Ltd, 1987.

[18] LAITHWAITE, E. R. “Electromagnetic levitation”. Proceedings of the IEE, v. 112,


n. 12, pp. 2361–2375, dezembro de 1965.

[19] SINHA, P. K. Electromagnetic Suspension, Dynamics and Control. IEE Control


Engineering Series, Londres, Peter Peregrinus Ltd., 1987.

[20] MOON, F. C. Superconducting Levitation: Applications to Bearings and Magnetic


Transportation. Nova Iorque, John Wiley & Sons, Inc., 1994.

[21] BOLDEA, I. Linear Electric Machines, Drives, and MAGLEVs Handbook. Boca
Raton, CRC Press, Taylor & Francis Group, LLC., 2013.

[22] HAN, H. S.; KIM, D. S. Magnetic Levitation: Maglev Technology and Applications.
Dordrecht, Volume 13 – Springer Tracts on Transportation and Traffic, Springer Science
+ Business Media, 2016.

[23] LIU, Z.; LONG, Z.; LI, X. Maglev Trains: Key Underlying Technologies. Dordrecht,
Springer Tracts in Mechanical Engineering, Springer-Verlag Berlin Heidelberg, 2015.

[24] Michaelis Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. Disponível em:


http://michaelis.uol.com.br/busca?r=0&f=0&t=0&palavra=levitar – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[25] BRANDT, E. H. “Suspended by sound”. Nature, v. 413, pp. 474–475, Macmillan


Magazines Ltd, outubro de 2001.

[26] AGUIAR, R. “Suspenso pelo som: Aparato de levitação acústica pode contribuir
para manipulação de substâncias delicadas”. Revista Pesquisa FAPESP, n. 228, pp. 58–
59, fevereiro de 2015.

[27] ANDRADE, M. A. B.; PÉREZ, N.; ADAMOWSKI, J. C. “Levitação Acústica”.


Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 37, n. 2, pp. 2304, 2015.

[28] ANDRADE, M. A. B.; BUIOCHI, F..; ADAMOWSKI, J. C. “Finite Element


Analysis and Optimization of a Single-Axis Acoustic Levitator”. IEEE Transactions on
Ultrasonics, Ferroelectrics, and Frequency Control, v. 57, n. 2, pp. 469–479, fevereiro
de 2010.

[29] ANDRADE, M. A. B.; PÉREZ, N.; ADAMOWSKI, J. C. “Particle manipulation by


a non-resonant acoustic levitator”. Applied Physics Letters, v. 106, n. 1, 014101, janeiro
de 2015.

[30] ANDRADE, M. A. B.; PÉREZ, N.; ADAMOWSKI, J. C. “Simulação de um Sistema


de Levitação Acústica para Manipulação de Partículas em Ar”. In: COMSOL
Conference 2015, Curitiba, Brasil, 05 e 06 de novembro de 2015.

109
[31] OCHIAI, Y.; HOSHI, T.; REKIMOTO, J. “Three-dimensional Mid-air Acoustic
Manipulation by Ultrasonic Phased Arrays”. PLoS ONE, v. 9, n. 5, maio de 2014.

[32] JIAO, X. Y.; LIU, G. J.; LIU, J. F. et al. “Research on Levitation Coupled with
Standing Wave Levitation and Electromagnetic Levitation”. Journal of Mechanical
Engineering. v. 59, n. 12, pp. 763–771, 2013.

[33] BOWEN, L. “Floating on sound waves with acoustic levitation”. COMSOL News,
pp. 44–45, 2014.

[34] XIE, W. J.; CAO, C. D.; LÜ Y. J. et al. “Acoustic method for levitation of small
living animals”, Applied Physics Letters, v. 89, 214102, novembro de 2006.

[35] CASTRO, A. Manipulation of biomimetic objects in acoustic levitation. Université


Pierre et Marie Curie – Paris VI, 2013.

[36] FORESTI, D.; NABAVI, M.; POULIKAKOS, D. “On the acoustic levitation
stability behaviour of spherical and elipsoidal particles”. Journal of Fluid Mechanics.
Cambridge University Press, pp. 1–12, 2012.

[37] BAUERECKER, S.; NEIDHART, B. “Cold Gas Traps for Ice Particle Formation”.
Science, v. 282, pp. 2211–2212, dezembro de 1998.

[38] WEBER, J. K. R.; HAMPTON, D. S.; MERKLEY, D. R. et al. “Aero-acoustic


levitation: A Method for containerless liquid-phase processing at high temperatures”.
Review of Scientific Instrumentation, v. 65, 456, 1994.

[39] ASHKIN, A. “Acceleration and Trapping of Particles by Radiation Pressure”.


Physical Review Letters, v. 24, n. 4, pp. 156–159, janeiro de 1970.

[40] GAUTHIER, R. C.; WALLACE, S. “Optical levitation of spheres: analytical


development and numerical computations of the force equations”. Journal of Optics
Society of America. v. 12, n. 9, pp. 1680–1686, setembro de 1995.

[41] LETT, P. D.; WATTS, R. N.; WESTBROOK, C. I. et al. “Observation of Atoms


Laser Cooled below the Doppler Limit”. Physical Review Letters, v. 61, 169, julho de
1988.

[42] McGLOIN, D. “Optical tweezers: 20 years on”. Philosophical Transactions of Royal


Society A, 364, pp. 3521–3537, outubro de 2006.

[43] AMBARDEKAR, A. A.; LI, Y. Q. “Optical levitation and manipulation of stuck


particles with pulsed optical tweezers”. Optical Letters, v. 30, n. 14, pp. 1797–1799, julho
de 2005.

[44] ASHKIN, A. “Applications of Laser Radiation Pressure”. Science, v. 210, n. 4474,


pp. 1081–1088, dezembro de 1980.

[45] OGURA, Y.; SHIRAI, N.; TANIDA, J. “Optical levitation and translation of a
microscopic particle by use of multiple beams generated by vertical-cavity surface-
emitting laser array sources”. Applied Optics, v. 41, n. 27, pp. 5645–5654, setembro de
2002.

110
[46] PFLANZER, A. C. Optomechanics with Levitating Dielectrics: Theory and
Protocols. Technische Universität München Max-Planck-Institut für Quantenoptik, 2013.

[47] Balão. In: Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil
Publicações, 2000, v. 2, pp. 304–305.

[48] U.S. Department of Transportation – Federal Aviation Administration. “Balloon


Flying Handbook”. 2008.

[49] HELOU, R. D.; VILLAS BOAS, N.; GUALTER, B. Tópicos de Física – Volume 1.
Ed. Saraiva, 16ª edição, São Paulo, 2001.

[50] Altave. Disponível em: http://www.altave.com.br/ – Acesso em: 22 de julho de 2016.

[51] DESRAIS, C. L. The first manned hot-air balloon, designed by the Montgolfier
brothers, takes tethered off at the garden of the Reveillon workshop, Paris, on October
19, 1783. Século XVIII. Pintura à óleo em tela. Disponível em:
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Montgolfier_brothers_flight.jpg – Acesso em:
28 de fevereiro de 2017.

[52] Dirigível. In: Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do
Brasil Publicações, 2000, v. 5, pp. 203–204.

[53] SANTOS-DUMONT, A. My Airships: The Story of My Life. Londres, Grant


Richards, 1904.

[54] Zeppelin, Ferdinand. In: Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo: Encyclopaedia
Britannica do Brasil Publicações, 2000, v. 14, p. 488.

[55] Zepelim. In: Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do
Brasil Publicações, 2000, v. 14, pp. 487–488.

[56] “THE Conquest of the Air”. Scientific American, p. 57, 27 de julho de 1901.

[57] “SANTOS-DUMONT Wins the Deutsche Prize”. Scientific American, p. 314, 16 de


novembro de 1901.

[58] Portal Domínio Público. O Dirigível Nº 6 de Alberto Santos Dumont. Centro


Contemporâneo de Tecnologia. Disponível em:
http://www.dominiopublico.gov.br/download/imagem/te000009.jpg – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[59] COCKERELL, C. S. Hovercraft Dev. Ltd. “Vehicle for travelling over land and/or
water”. US3412956A. 22 de março de 1960. 26 de novembro de 1968.

[60] Hovercraft. In: Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do
Brasil Publicações, 2000, v. 7, pp. 476–477.

[61] YUN, L.; BLIAULT, A. Theory & Design of Air Cushion Craft. Ed. Elsevier, 2000.

[62] ARAUJO COSTA, T. A. de. Geração de Trajetórias Sub-Óptimas para Plataformas


Flutuantes do Tipo Hovercraft. 183 p. Tese de Doutorado em Engenharia Mecânica.

111
Universidade Federal do Rio de Janeiro, Programa de Engenharia Mecânica, Rio de
Janeiro, 2011.

[63] HALL, K. “Hovercraft today and tomorrow”. New Scientist, n. 373, pp. 76–80, 9 de
janeiro de 1964.

[64] Airlift Hovercraft. Disponível em: http://airlifthovercraft.com/ – Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[65] Hover Travel. Disponível em: http://www.hovertravel.co.uk/about-the-


hovercraft.php – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[66] Marine Insight. “What are Surface Effect Ships”. Disponível em:
http://www.marineinsight.com/types-of-ships/what-are-surface-effect-ships/ – Acesso
em: 28 de fevereiro de 2017.

[67] BERRIDGE, A. SRN4 Hovercraft (Mountbatten Class). Disponível em:


https://commons.wikimedia.org/wiki/File:SRN4_Hovercraft_Mountbatten_Class.jpg –
Acesso em: 28 de fevereiro de 2017. Uso sobre a licença Creative Commons Attribution-
Share Alike 2.5 Generic license.

[68] “CARS That Fly”. Modern Mechanix, pp. 92–95, outubro de 1958.

[69] JAY, D. J.; PEITHMAN, H. W. Ford Motor Co. “High speed transportation
vehicle”. US3055312A. 03 de março de 1958. 25 de setembro de 1962.

[70] HALL, D. W. “Personal Air Vehicle & Flying Jeep Concepts: A commentary on
Promising Approaches or What Goes Around Comes Around (about every twenty
years)”. NASA Report, 24 de julho de 2001.

[71] EGGINTON, W. J. “Air-Cushion Vehicles: Present and Future”. FLIGHT


International supplement, pp. 22–25, 28 de fevereiro de 1963.

[72] LINKLETTER, J. “The PM Editor Rides the Air Cars”. Popular Mechanics, pp. 91–
96, junho de 1960.

[73] LAITHWAITE, E. R.; BARWELL, F. T. “Application of linear induction motors to


high-speed transport systems”. Proceedings of the Institution of Electrical Engineers, v.
116, n. 5, pp. 713–724, maio de 1969.

[74] BOLTON, T. G.; LAITHWAITE, E. R.; EASTHAM, J. F. et al. Tracked Hovercraft


Ltd. “Linear Induction Motor”. US3585423A. 1º de maio de 1970. 15 de junho de 1971.

[75] FELLOWS, T. G.; GARSTIN, D. J. I.; CHARITY, M. Tracked Hovercraft Ltd.


“High speed ground transportation systems”. US3823672A. 7 de julho de 1972. 16 de
julho de 1974.

[76] HART, W. B. Tracked Hovercraft Ltd. “Gas cushion load supporting device”.
US3602147A. 23 de junho de 1969. 31 de agosto de 1971.

[77] ENGLISH, C. D. Tracked Hovercraft Ltd. “Electro-magnetically propelled vehicle”.


US3557704A. 18 de abril de 1969. 26 de janeiro de 1971.

112
[78] HOPE, R. “Dropping the tracked hovercraft”. New Scientist, pp. 358–360, 15 de
fevereiro de 1973.

[79] WAHIBA. Hovertrain RTV 31. Disponível em:


https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Hovertrain1.jpg – Acesso em: 28 de fevereiro
de 2017.

[80] BERTIN, J. H.; GUIENNE, P. Bertin & Cie. “Vehicles associated to a guiding
track”. US3190235A. 17 de junho de 1963. 22 de junho de 1965.

[81] BERTIN, J. H. Bertin & Cie. “Air cushion track arrangement for vehicle”.
US3261418A. 10 de março de 1964. 19 de julho de 1966.

[82] BERTIN, J. H.; FEVE, M. L. B.; GUIENNE, P. J. Bertin & Cie. “Air-cushion
sustained vehicles”. US3417709. 31 de maio de 1966. 24 de dezembro de 1968.

[83] GIRAUD, F L. “Tracked Air-Cushion Vehicles for Ground Transportation System”.


Proceedings of the IEEE, v. 56, n. 4, pp. 646-653. abril de 1968.

[84] MEUNIER, J. On the Fast Track: French Railway Modernization and the Origins
of the TGV, 1944–1963. Westport, Praeger Publishers, 2002.

[85] FlyAkwa. Aérotrain I80-HV. Disponível em:


https://commons.wikimedia.org/wiki/File:A%C3%A9rotrainI80HV.jpg – Acesso em: 28
de fevereiro de 2017. Uso sobre a licença Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0
Unported license.

[86] AEROTRENO in Sicilia. l’Unitá, Ed. Nazionale, anno 46, 23 de abril de 1970.
Cultura, p. 12.

[87] VANNO a rilento gli stanziamenti per l’aerotreno. l’Unitá, Ed. Nazionale, anno 48,
16 de maio de 1972. Echi e notizie, p. 6.

[88] ZUREK, R. “Methods of levitation for tracked high-speed traffic”. Endeavour, v. 2,


n. 3, pp. 108–114, 1978.

[89] TÖNNINGSEN, U. J. Transrapid: Eine Vision wird Wirklichkeit (A Vision becomes


Reality). Berlim, Transrapid International, 2007.

[90] Estados Unidos da América. Public Law 89-220, 30 de setembro de 1965. To


authorize the Secretary of Commerce to undertake research and development in high-
speed ground transportation, and for other purposes. High Speed Ground Transportation
Act of 1965.

[91] REIFF, G. A. “New Capabilities in Railroad Testing”. Proceedings of the American


Railway Engineering Association, Bulletin 639, v. 74, pp. 1–10, setembro-outubro de
1972.

[92] DANNAN, J. H.; DAY, R. N.; KALMAN, G. P. “A Linear-Induction-Motor


Propulsion System for High-Speed Ground Vehicles”. Proceedings of the IEEE, v. 61, n.
5, pp. 621–630, maio de 1973.

113
[93] VOLPE, J. A. “Coming: Streamliners Without Wheels”. Popular Science, p. 51–55
e 184, dezembro de 1969.

[94] WAHL, P. “The Transportation Muddle – There Must Be a Better Way to Get From
Here to Here”. Popular Science, pp. 91–93 e 182, maio de 1972.

[95] SCOTT, D.; FREE, J. “Maglev: How They’re Getting Trains Off the Ground”.
Popular Science, pp. 94–97 e 133, dezembro de 1973.

[96] McALLISTER, B. U.S. National Archives and Records Administration. Tracked Air
Cushion Research Vehicle at the Department of Transportation’s High Speed Ground
Test Center. The Experimental Vehicle Rides on a Cushion of Air and is Propelled by a
Linear Induction Motor. It may eventually be used at speeds up to 300 miles per hour.
Disponível em:
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:TRACKED_AIR_CUSHION_RESEARCH_
VEHICLE_AT_THE_DEPARTMENT_OF_TRANSPORTATION%27S_HIGH_SPEE
D_GROUND_TEST_CENTER._THE..._-_NARA_-_545935.tif – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[97] Centro Universitário da FEI. “Mecânica Automobilística 40 anos”. Projetos de


Comunicação e Editora, 2003.

[98] “300-mph trains”. Popular Mechanics, p. 113, janeiro de 1969.

[99] BROWER, W. B. “Tubeflight – A Review”. In: The Space Congress Proceedings,


7th Technology Today and Tomorrow, Paper 2, pp. (10–15) a (10–45), Cocoa Beach,
Flórida, EUA, 22-24 de abril de 1970.

[100] COQUERY, G.; PERROT, C.; COMBETTE, M. et al. “Fast Ultra Light Tracked
Air Cushion interurban transportation system moved by Linear Induction Motor:
Discussions on Technologies and Environmental criteria’s”. In: The 22nd International
Conference on Magnetically Levitated Systems and Linear Drives (MAGLEV’14), Rio
de Janeiro, Brasil, 28 de setembro – 1º de outubro de 2014.

[101] TACV Project. Disponível em: http://www.tacvproject.com/br/sobre.php – Acesso


em: 28 de fevereiro de 2017.

[102] DAVID, E. G. O Futuro das Estradas de Ferro no Brasil. Niterói, Portifolium,


2009.

[103] BARTHALON, M. Maurice Barthalon. “Suspended railway car fluidicly


supported”. US3511186A. 15 de maio de 1968. 12 de maio de 1970.

[104] ROSE, J. Wheels of Progress? Motor Transport, Pollution and the Environment.
Londres, Gordon and Breach, Science Publishers Ltd., 1973.

[105] “A HOVER-TRAIN service by 1970”. New Scientist, 19 de dezembro de 1968.

[106] Estados Unidos da América. Public Law 88-365, 9 de julho de 1964. To authorize
the Housing and Home Finance Administrator to provide additional assistance for the
development of comprehensive and coordinated mass transportation systems, both public

114
and private, in metropolitan and other urban areas, and for other purposes. Urban Mass
Transportation Act of 1964.

[107] BERGGREN, L. E. Loyd E. Berggren. “Pneumatic propulsion transportation


system”. US3242876A. 2 de janeiro de 1964. 29 de março de 1966.

[108] BLOOMFIELD, R. D. Uniflo Systems Co. “Valve for levitated vehicle track”.
US3685788A. 15 de maio de 1970. 22 de agosto de 1972.

[109] BERGGREN, L. E. “The Uniflo Personal Rapid Transit System”. Society of


Automotive Engineers Technical Paper 710111.

[110] WAHL, P. “Personal Rapid Transit”. Popular Science, pp. 73–77 e 136, novembro
de 1971.

[111] SAUNDERS, L. L. “Automated Transit Technology Development a Key to the


Future”. In: 30th Annual Conference of the IEEE Vehicular Technology Society,
International Conference on Transportation Electronics, pp. 1–6, Dearborn, Michigan,
EUA, 15–17 de setembro de 1980.

[112] McLEAN, R. F. General Motors Corp. “High-speed land transportation system”.


US3470827A. 27 de fevereiro de 1967. 7 de outubro de 1969.

[113] CATLING, D. “The Otis Shuttle”. Highways and Transportation, v. 39, n. 6, pp.
12–13, junho de 1992.

[114] ANDERSON, J. E. “Some Lessons from the History of Personal Rapid Transit
(PRT)”. PRT International, LLC. 30 de outubro de 2009. Disponível em:
https://faculty.washington.edu/jbs/itrans/Evolution%20of%20PRT1.pdf – Acesso em: 28
de fevereiro de 2017.

[115] SAGDEJEV, I. The Patient Rapid Transit (PRT) monorail train connecting parts
of the Duke University Medical Center (DUMC) in Durham, North Carolina. Disponível
em: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:2008-07-24_Duke_Hospital_PRT_5.jpg –
Acesso em: 28 de fevereiro de 2017. Uso sobre a licença Creative Commons Attribution-
Share Alike 4.0 International license.

[116] Harbour Island People Mover. Disponível em:


http://www.tampapix.com/peoplemover.htm – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[117] Otis Fact Sheet Milestones. Disponível em:


http://www.otis.com/site/ie/OT_DL_Documents/OT_DL_DownloadCenter/Otis_Fact_S
heet_Milestones_2011.pdf – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[118] Shuttle between Main building and satellite of Narita International Airport
Terminal 2 July, 2005. Disponível em:
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Shuttle_of_Narita_Turminal_2_200507-2.jpg
– Acesso em: 28 de fevereiro de 2017. Uso sobre a licença Creative Commons
Attribution-Share Alike 3.0 Unported license.

[119] PYRGIDIS, C. N. Railway Transportation Systems: Design, Construction and


Operation. Flórida, CRC Press, 2016.

115
[120] SIMPSON, B. J. Urban Public Transport Today. Londres, E & FN SPON, 1994.

[121] POMA. Disponível em: http://www.poma.net/wp-


content/uploads/2015/06/urban_brochure.pdf – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[122] Dorfbahn Serfaus. Disponível em: https://www.serfaus-fiss-


ladis.at/en/winter/highlights/dorfbahn – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[123] US Department of Transportation. “Precursor Systems Analyses of Automated


Highway Systems”. Federal Highway Administration. Publication No. FHWA-RD-95-
120, novembro de 1994.

[124] Otis Elevator Company. Disponível em: http://www.otisworldwide.com/d31-


timeline.html – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[125] POMA. Disponível em: http://www.poma.net/en/solutions-2/products/apm-


minimetro-2/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[126] BARES, F. P. “Rope Automatic People Mover Systems”. Disponível em:


https://dspace.library.colostate.edu/bitstream/handle/11124/70529/n12-Frank-
Bares.pdf?sequence=1 – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[127] Skymetro. Disponível em: http://www.myswitzerland.com/en-


us/home/summervacations/hiking1/switzerland-alpinism/cable-railways/zuerich-airport-
skymetro-to-terminal-e.html – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[128] POMA. Congresso Mobilidade Urbana Transporte por Cabo. São Paulo e Rio de
Janeiro, março de 2013. Disponível em:
http://www.youbuyfrance.com/medias/press/06.01.-poma_22_3_2013_23_52.pdf –
Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[129] MiniMetro. Disponível em: https://www.leitner-


ropeways.com/fileadmin/user_upload/pages/MiniMetro-en.pdf – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[130] The ExpressTram inside the Detroit International Airport Edward H. McNamara
Terminal. Disponível em:
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:DTW_Edward_H._McNamara_Terminal.jpg
– Acesso em: 28 de fevereiro de 2017. Uso sobre a licença Creative Commons
Attribution-Share Alike 3.0 Unported license.

[131] WILBOURN, L. Huntsville Hospital Tram System. Disponível em:


https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Huntsville_Hospital_Tram_System.jpg –
Acesso em: 28 de fevereiro de 2017. Uso sobre a licença Creative Commons Attribution-
Share Alike 3.0 Unported license.

[132] SECK, W. G. The Hoover Company. “Air Supported Cleaner with Diffuser”.
US2743787. 7 de abril de 1954. 1º maio de 1956.

[133] COONS, C. C.; MONTGOMERY, J. C. The Hoover Company. “Air Supported


Cleaner”. US2780826. 25 de março de 1954. 12 de fevereiro de 1957.

116
[134] ROONEY, M. J.; MAILES, M. T. Michael J. Rooney. “Hover Vacuum Cleaner”.
US6209167B1. 18 de novembro de 1998. 3 de abril de 2001.

[135] HALL, R. V. Russel V. Hall. “Air supported lawn mower”. US3170276A. 18 de


junho de 1962. 23 de fevereiro de 1965.

[136] CAMPH, S. E. Flymo Sa. “Lawn mowers”. US3338038A. 1º de outubro de 1964.


29 de agosto de 1967.

[137] Flymo AB. Disponível em: http://www.flymo.com/int/about-flymo/ – Acesso em:


28 de fevereiro de 2017.

[138] Traveler100. Flymo hover lawn mower. Disponível em:


https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Flymo-e25.jpg – Acesso em: 28 de fevereiro
de 2017. Uso sobre a licença Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported
license.

[139] SCALES, J. T.; HOPKINS, L. A.; BLOCH, M. et al. “Levitation in the Treatment
of Large-Area Burns”. The Lancet, v. 289, n. 7502, pp. 1235–1240, 10 de junho de 1967.

[140] SANDERS, R.; SCALES, J. T.; MUIR, I. F. K. “Levitation in Treatment of Large-


Area Burns”. The Lancet, v. 296, n. 7675, pp. 677–681, 03 de outubro de 1970.

[141] SCALES, J. T.; HOPKINS, L. A. “Patient-Support System Using Low-Pressure


Air”. The Lancet, v. 298, n. 7730, pp. 885–888, 23 de outubro de 1970.

[142] CROSSMAN, P. E.; KENRICK, R. G.; LEMIEUX, R. W. Brunswick Corp. “Air


cushion table game.” US3773325A. 13 de setembro de 1971. 20 de novembro de 1973.

[143] CHAN, A. W. T. “Air-Cushioned Toy”. US5564963. 2 de setembro de 1993. 15 de


outubro de 1996.

[144] POWELL, J. W. The design of aerostatic bearings. Londres, The Machinery


Publishing Co. LTD., 1970.

[145] SOTELO, G. G. Modelagem de Supercondutores Aplicada ao Projeto de Mancais


Magnéticos. 182 p. Tese de Doutorado em Engenharia Elétrica. Universidade Federal do
Rio de Janeiro, Programa de Engenharia Elétrica, Rio de Janeiro, 2007.

[146] AeroLas GmbH. Disponível em: http://www.aerolas.de/en/ – Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[147] Zollern GmbH & Co. KG. Disponível em: http://www.zollern.de/en.html – Acesso
em: 28 de fevereiro de 2017.

[148] Loadpoint Bearings Ltd. Disponível em: http://www.loadpoint-bearings.co.uk/ –


Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[149] OAV Air Bearing Co. Disponível em: http://oavco.com/ – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

117
[150] AeroLas GmbH. Luftlagerung einer Hochfrequenz-Spindel für das
Leiterplattenbohren. Disponível em:
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Luftlagerung_einer_Hochfrequenz-
Spindel_f%C3%BCr_das_Leiterplattenbohren.jpg – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.
Uso sobre a licença Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Germany license.

[151] RAHMAN, A.; MOHIUDDIN, A. K. M.; ISMAIL, A. F. et al. “Development of


hybrid electrical air-cushion tracked vehicle for swamp peat”. Journal of
Terramechanics, v. 47, pp. 45–54, 2010.

[152] CRIMMINS, A. G.; NISSLEY Jr., W. J. All American Industries, Inc. “Air Cushion
Apparatus”. US3826329. 8 de maio de 1972. 30 de julho de 1974.

[153] MACKIE, H. A. General Motors Corporation. “Pendant Air Bearing Load


Supporting Device”. US3167145. 21 de dezembro de 1961. 26 de janeiro de 1965.

[154] SNOEYENBOS, D. R. General Motors Corporation. “Reversible Air Bearing


Support”. US3246711. 27 de janeiro de 1964. 19 de abril de 1966.

[155] Aerofilm Systems. Disponível em: http://aerofilmsystems.com/ – Acesso Acesso


em: 28 de fevereiro de 2017.

[156] Airfloat. Disponível em: http://www.airfloat.com/ – Acesso Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[157] AirCaster. Disponível em: http://aircaster.com/ – Acesso em: 28 de fevereiro de


2017.

[158] AeroGo. Disponível em: http://www.aerogo.com/ – Acesso em: 28 de fevereiro de


2017.

[159] Hovair Systems. Disponível em: http://hovair.com/material-handling-


equipment/air-casters.htm – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[160] American Solving. Disponível em: http://www.solvinginc.com/ – Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[161] ASE Systems. Disponível em: http://www.asesystems.com/air-casters/ – Acesso


em: 28 de fevereiro de 2017.

[162] FOX, R. W.; McDONALD, A. T.; PRITCHARD, P. J. Introdução à Mecânica dos


Fluidos. Rio de Janeiro, Ed. LTC, 2006.

[163] Aviação. In: Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do
Brasil Publicações, 2000, v. 2, pp. 237-245.

[164] Wright, Wilbur e Orville. In: Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo: Encyclopaedia
Britannica do Brasil Publicações, 2000, v. 14, pp. 462-463.

[165] WRIGHT, O.; WRIGHT, W. “Flying Machine”. US821393A. 23 de março de


1903. 22 de maio de 1906.

118
[166] “A SUCCESSFUL Experiment with a Motor-Driven Aeroplane”. Scientific
American, v. 89, n. 26, p. 486, 26 de dezembro de 1903.

[167] “RECENT Aeroplanes and Airships in France”. Scientific American, v. 95, n. 7, pp.
116–117, 18 de agosto de 1906.

[168] “SANTOS-DUMONT Experiments in His Aeroplane “14-bis””. Scientific


American, v. 94, n. 14, p. 250, 06 de outubro de 1906.

[169] “SUCCESSFUL Flight of Santos Dumont’s Aeroplane”. Scientific American, v. 95,


n. 18, pp. 318–319, 03 de novembro de 1906.

[170] “PROGRESS of Aeronautics in France: Santos Dumont’s Flight with his aeroplane,
and the new dirigible, the “Ville de Paris””. Scientific American, v. 95, n. 20, pp. 363–
364, 17 de novembro de 1906.

[171] BARROS, H. L. de. “Santos-Dumont e a Invenção do Avião”. Centro Brasileiro de


Pesquisas Físicas, Rio de Janeiro, 2006.

[172] Santos-Dumont, Alberto. In: Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo: Encyclopaedia
Britannica do Brasil Publicações, 2000, v. 13, pp. 105–106.

[173] Portal Domínio Público. A aeronave 14 Bis de Alberto Santos Dumont (13 set
1906). Centro Contemporâneo de Tecnologia. Disponível em:
http://www.dominiopublico.gov.br/download/imagem/te000015.jpg – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[174] “AN Aeroplane Factory”. Scientific American, v. 99, n. 21, pp. 356–358, 21 de
novembro de 1908.

[175] Aviação Militar. In: Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo: Encyclopaedia
Britannica do Brasil Publicações, 2000, v. 2, pp. 245–248.

[176] Foguete, míssil, projétil. In: Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo: Encyclopaedia
Britannica do Brasil Publicações, 2000, v. 6, pp. 340–343.

[177] Avião. In: Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do
Brasil Publicações, 2000, v. 2, pp. 249–252.

[178] LUYTIES, O. G. “Experiments with a Helicopter”. New Scientist, pp. 26–27, 11 de


julho de 1908.

[179] Helicóptero. In: Nova Enciclopédia Barsa. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do
Brasil Publicações, 2000, v. 7, pp. 342–344.

[180] CUI, E. J.; ZHANG, X., "Ground effect aerodynamics," in Blockley, R.; Shyy, W.
Encyclopedia of Aerospace Engineering, Capítulo 18, pp. 246–256, John Wiley & Sons,
Ltd., 2010.

[181] YUN, L.; BLIAULT, A.; DOO, J. WIG Craft and Ekranoplan: Ground Effect Craft
Technology. Nova Iorque, Springer-Verlag US, 2010.

119
[182] Universal Hovercraft of America, Inc. Disponível em:
http://hovercraft.com/content/index.php?main_page=index&cPath=34_53 – Acesso em:
28 de fevereiro de 2017.

[183] Wing Ship Technology Corp. Disponível em:


http://www.wingship.com/?page_id=248 – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[184] Wigetworks Pte Ltd. Disponível em: http://wigetworks.com/ – Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[185] GRAY, R. “Is it a hovercraft? Is it a plane? No, it’s the Chinese CYG-11 craft that
can fly or ‘float’ on a cushion o fair above the sea”. Daily Mail, 17 de abril de 2015.
Disponível em: http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-3043298/Is-hovercraft-
plane-No-s-Chinese-CYG-11-craft-fly-float-cushion-air-sea.html – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[186] “IRAN is developing a new flying boat”. Business Insider, 06 de julho de 2015.
Disponível em: http://www.businessinsider.com/iran-is-developing-a-new-flying-boat-
2015-7 – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[187] RICHTER, S. Russian ekranoplan “Aquaglide 2” at Berlin Air Show ILA2006.


Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/File:Aquaglide_2.jpg – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017. Uso sobre a licença Creative Commons Attribution 2.0 Germany
license.

[188] BERTIN, J. H. Bertin & Cie. “Ground-Effect Machines”. US3688724A. 8 de junho


de 1970. 5 de setembro de 1972.

[189] BERTIN, J. H.; CROIX-MARIE, F. M. J. Bertin & Cie. “Surface-Effect Transport


Support”. US3580181A. 29 de dezembro de 1969. 25 de maio de 1971.

[190] BERTIN, J. H. Bertin & Cie. “Flying wing having Ground-Effect Takeoff and
Landing”. US3640486A. 24 de março de 1970. 8 de fevereiro de 1972.

[191] GIRAUD, F. L. Aerotrain. “Fluidic track for ground-effect transportation”.


US3540378A. 19 de março de 1968. 17 de novembro de 1970.

[192] SUGAHARA, Y.; IKEUCHI, Y.; SUZUKI, R. et al. “Levitation control of


experimental wing-in-ground effect vehicle along Z axis and about roll and pitch axes”.
In: IEEE International Conference on Robotics and Automation (ICRA), Xangai, China,
09–13 de maio de 2011.

[193] YOON, D. H.; KOHAMA, Y.; KIKUCHI, S. et al. “Improvement of Aerodynamic


Performance of the Aero-Train by Controlling Wing-Wing Interaction Using Single-
Slotted Flap”. Japan Society of Mechanical Engineers (JSME) International Series B
Fluids and Thermal Engineering, v. 49, n. 4, pp. 1118–1124, 2006.

[194] MATSUZAKI, T.; YOSHIOKA, S.; KATO, T. et al. “Unsteady Aerodynamic


characteristics of Wings in Ground Effect”. In: Proceedings of the 40th JAXA Workshop
on “Investigation and Control of Boundary-Layer Transition”, Japan Aerospace
Exploration Agency, Hyuga City, Japão, 14–16 de março de 2007.

120
[195] SUGAHARA, Y.; IKEUCHI, Y.; SUZUKI, R. et al. “Levitation Control of
AEROTRAIN: Development of Experimental Wing-in-Ground Effect Vehicle and
Stabilization Along Z Axis and About Roll and Pitch Axes”. Journal of Robotics and
Mechatronics, v. 23, n. 3, pp. 338–349, 2011.

[196] SUGAHARA, Y.; KIKUCHI, S.; KOSUGE, K. et al. “Levitation Control System
of The Manned Experimental Wing-in-Ground Effect Vehicle ART003R”. In: International
Symposium on Micro-Nano Mechatronics and Human Science (MHS), pp. 479–481,
Nagoia, Japão, 06–09 de novembro de 2011.

[197] Flyboard® Air. Disponível em: https://flyboard.com/flyboardair/ – Acesso em: 28


de fevereiro de 2017.

[198] Confederação Brasileira de Aeromodelismo. Disponível em:


https://www.cobra.org.br/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[199] Parrot SA. Disponível em: https://www.parrot.com/ – Acesso em: 28 de fevereiro


de 2017.

[200] GoPro. Disponível em: https://pt.gopro.com/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[201] Amazon PrimeAir. Disponível em: https://www.amazon.com/b?node=8037720011


– Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[202] EHANG, Inc. Disponível em: http://www.ehang.com/ehang184 – Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[203] Aerofex Corp. Disponível em: http://aerofex.com/ – Acesso em: 28 de fevereiro de


2017.

[204] COANDA, H. Henri Coanda. “Lifting apparatus”. US3261162A. 20 de maio de


1964. 19 de julho de 1966.

[205] NAUDIN, J. L. “The GFS-UAV project”. Disponível em:


http://jlnlabs.free.fr/gfsuav/index.htm – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[206] NAUDIN, J. L. “The Coanda Saucer or the “Repulsin type A” test”. Disponível
em: http://jnaudin.free.fr/html/repcotst.htm – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[207] RADZIMOVSKY, E. I. Lubrication of Bearings: Theoretical Principles and


Design. Nova York, The Ronald Press, 1ª ed., 1959.

[208] RUSH, J. E. “Containerless Processing”. NASA Final Technical Report NAS8-


33731, 8 de maio de 1980.

[209] WILLIAMSON, J. W.; AL-DARWISH, M. M.; CASHEN, G. E. Vanderbilt


University. “Apparatus and method for aerodynamic levitation”. US5215688A. 12 de
abril de 1991. 1º de junho de 1993.

[210] WEBER, J. K. R.; TANGEMAN, J. A.; KEY, T. S. et al. “Novel Synthesis of


Calcium Oxide-Aluminum Oxide Glasses”. Japanese Journal of Applied Physics, v. 41,
parte 1, n. 5A, 2002.

121
[211] ROCKE, M. J. “Cooper coated laser fusion targets using molecular beam
levitation”. Journal of Vacuum Science & Technology, v. 20, pp. 1325–1327, 1982.

[212] CRANE, J. K.; SMITH, R. D.; JOHNSON, W. L. et al. “The Use of Molecular
Beams to Support Microspheres During Plasma Coating”. 27th National American
Vacuum Society Symposium, 14–17 de outubro de 1980, Detroit, EUA.

[213] EARNSHAW, S. “On the nature of molecular forces which regulate the constitution
of luminiferous ether”. Transactions of the Cambridge Philosophical Society, v. 7, pp.
97–112, 1842.

[214] NUSSENZVEIG, H. M. Física Básica – Volume 3: Eletromagnetismo. São Paulo,


Ed. Blücher, 1997.

[215] WOO, S. J. Contact-free Handling Using Activelly Controlled Electrostatic


Levitating Fields. PhD Thesis, 290 pp., Precision and Microsystems Engineering,
Technische Universiteit Delft, 2012.

[216] TANG, W. C.; LIM, M. G.; HOWE, R. T. “Electrostatic Comb Drive Levitation
Control Method”. Journal of Microelectromechanical Systems, v. 1, n. 4, pp. 170–178,
dezembro de 1992.

[217] WOOLDRIDGE, J.; BLACKBURN, J.; MUNIZ-PINELLA, A. et al. “Finite


Element Analysis of the Vertical Levitation Force in an Electrostatic MEMS Comb Drive
Actuator”. Journal of Physics: Conference Series, 472, Dielectrics 2013, 2013.

[218] JIN, J.; HIGUCHI, T.; KANEMOTO, M. “Electrostatic Silicon Wafer Suspension”.
In: 4th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Zurique, Suíça, 23–26 de
agosto de 1994.

[219] VAN WEST, E.; YAMAMOTO, A.; HIGUCHI, T. “Transportation of Hard Disk
Media using Electrostatic Levitation and Tilt Control”. In: IEEE International
Conference on Robotics and Automation, pp. 756–760, Pasadena, EUA, 19–23 de maio
de 2008.

[220] JEON, J. U.; HIGUCHI, T. “Electrostatic Suspension of Dielectrics”. IEEE


Transactions on Industrial Electronics, v. 45, n. 6, pp. 938–946, dezembro de 1998.

[221] KUMAR, S.; CHO, D.; CARR, W. N. “Experimental Study of Electric Suspension
for Microbearings”. Journal of Microelectromechanical Systems, v. 1, n. 1, pp. 23–30,
março de 1992.

[222] WITT, D. C. “A spinning-rotor vacuum gauge with electrostatic suspension”.


Vacuum, v. 46, n. 4, pp. 397–405, abril de 1995.

[223] KUMAR, S.; CHO, D., CARR, W. N. “A proposal for electrically levitating
micromotors”. Sensors and Actuators A: Physical, v. 24, n. 2, pp. 141–149, julho de 1990.

[224] YAMAMOTO, A.; YASUI, H.; SHIMIZU, N. et al. “Development of Electrostatic


Levitation Motor for Vacuum Condition”. In: IEEE International Symposium on
Industrial Electronics (ISIE ‘03), pp. 934–939, Rio de Janeiro, Brasil, 09–11 de junho de
2003.

122
[225] HAN, F. T.; LIU, Y. F.; WANG, L. et al. “Micromachined electrostatically
suspended gyroscope with a spinning ring-shaped rotor”. Journal of Micromechanics and
Microengineering, v. 22, 105032, 2012.

[226] KRAFT, M.; EVANS, A. “System Level of an Electrostatically Levitated Disk”. In:
Technical Proceedings of the 2000 International Conference on Modeling and Simulation
Microsystems, pp. 130-133, San Diego, Califórnia, EUA, 27–29 de março de 2000.

[227] JEON, J. U.; HIGUCHI, T. “Induction motors with electrostatic suspension”.


Journal of Electrostatics, v. 45, pp. 157–173, 1998.

[228] JEON, J. U.; PARK, K. Y.; HIGUCHI, T. “Contactless suspension and


transportation of glass panels by electrostatic forces”. Sensors and Actuators A, v. 134,
pp. 565–574, 2007.

[229] KATO, T.; TSUKADA, S.; ISHINO, Y. et al. “Electrostatic Suspension Using
Variable Capacitors”. Journal of System Design and Dynamics, v. 3, n. 4, pp. 617–626,
2009.

[230] KATO, T.; MIZUNO, T.; ISHINO, Y. et al. “Self-Sensing Control of Electrostatic
Suspension Using Variable Capacitor”. Journal of System Design and Dynamics, v. 6, n.
5, pp. 729–739, 2012.

[231] KATO, T.; ISHINO, Y.; TAKASAKI, M. “Study on Self-Sensing Electrostatic


Suspension Using a Variable Capacitor”. In: The 11th IEEE International Workshop on
Advanced Motion Control, pp. 426–429, Nagaoka, Japão, 21–24 de março de 2010.

[232] HAN, F. T.; WU, Q. P.; WANG, L. “Experimental study of a variable-capacitance


micromotor with electrostatic suspension”. Journal of Micromechanics and
Microengineering, v. 20, 115034, 2010.

[233] PARADIS, P. F.; ISHIKAWA, T.; LEE, G. W. et al. “Materials properties


measurements and particle beam interactions studies using electrostatic levitation”.
Materials Science and Engineering R, v. 76, pp. 1–53, 2014.

[234] RUSTAN, G. E. Electrostatic levitation studies of supercooled liquids and


metastable solid phases. PhD Thesis, 288 p., Iowa State University, 2014.

[235] COLVER, G. M.; KIM, S. W.; YU, T. U. “An electrostatic suspension method for
testing spark breakdown, ignition, and quenching of powders”. Journal of Electrostatics,
v. 37, n. 3, pp. 151–172, julho de 1996.

[236] RULISON, A. J.; WATKINS, J. L.; ZAMBRANO, B. “Electrostatic containerless


processing system”. Review of Scientific Instruments, v. 68, n. 7, pp. 2856–2863, julho
de 1997.

[237] RHIM, W. K.; CHUNG, S. K.; BARBER, D. et al. “An electrostatic levitator for
high-temperature containerless materials processing in 1-g”. Review of Scientific
Instruments, v. 64, n. 10, pp. 2961–2970, outubro de 1993.

[238] WILLEMENOT, E.; TOUBOUL, P. “Electrostatically suspended torsion


pendulum”. Review of Scientific Instruments, v. 71, n. 1, pp. 310–314, janeiro de 2000.

123
[239] WANG, X. B.; HUANG, Y.; BECKER, F. F. et al. “A unified theory of
dielectrophoresis and travelling wave dielectrophoresis”. Journal of Physics D: Applied
Physics, v. 27, n. 7, pp. 1571–1574, 1994.

[240] KNOBEL, H. W. “Electric Vacuum Gyro”, Control Engineering, v. 11, pp. 70–73,
1964.

[241] CHO, D. I. D.; KUMAR, S.; CARR, W. N. Princeton University. “Electrostatic


levitation control system for micromechanical devices”. US5015906A. 3 de novembro de
1989. 14 de maio de 1991.

[242] VIG, J. R. The United State Of America As Represented By The Secretary of The
Army. “Levitated crystal resonator”. US5604392A. 12 de maio de 1995. 18 de fevereiro
de 1997.

[243] WUERKER, R. F.; SHELTON, H.; LANGMUIR, R. V. “Electrodynamic


Containment of Charged Particles”. Journal of Applied Physics, v. 30, 342, 1959.

[244] PHILLIPS, W. D.; GOULD, P. L.; LETT, P. D. “Cooling, Stopping, and Trapping
Atoms”. Science, v. 239, n. 4842, pp. 877–883, 19 de fevereiro de 1988.

[245] ARNOLD, S.; HESSEL, N. “Photoemission from single electrodynamically


levitated microparticles”. Review of Scientific Instruments, v. 56, 2066, 1985.

[246] ARNOLD, S.; FOLAN, L. M. “Fluorescence spectrometer for a single


electrodynamically levitated microparticle”. Review of Scientific Instruments, v. 57, 2250,
1986.

[247] ARNOLD, S.; FOLAN, L. M. “Spherical void electrodynamic levitator”. Review


of Scientific Instruments, v. 58, 1732, 1987.

[248] BROWN, T. T. Whitehall Rand Inc. “Electrokinetic apparatus”. US2949550A. 3


de julho de 1957. 16 de agosto de 1960.

[249] BAHDER, T. B.; FAZI, C. “Force on an Asymmetric Capacitor”. Army Research


Laboratory, março de 2003.

[250] NAUDIN, J. L. “The story of the Lifter Project”. Disponível em:


http://jnaudin.free.fr/html/lifterstory.htm – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[251] de QUEIROZ, A. C. M. “Experiments with flybacks”. Disponível em:


http://www.coe.ufrj.br/~acmq/flyback/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[252] CAMPBELL, J. W. The United States Of America As Represented By The


Administrator Of The National Aeronautics and Space Administration. “Apparatus for
generating thrust using a two dimensional, asymmetrical capacitor module”.
US6411493B2. 20 de setembro de 2001. 25 de junho de 2002.

[253] CANNING, F. X.; MELCHER, C.; WINET, E. “Asymmetrical Capacitors for


Propulsion”. National Aeronautics and Space Administration (NASA). NASA/CR –
2004-213312, outubro de 2004.

124
[254] National Aeronautics Space Administration (NASA) Marshall Space Flight Center
(MSFC). Titanium-Zirconium-Nickel Alloy Inside Marshall’s Electrostatic Levitator
(ESL). Disponível em:
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Electrostatic_Levitation_of_a_Titanium-
Zirconium-Nickel_Alloy.jpg – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[255] LIVINGSTON, J. D. Rising Force: The Magic of Magnetic Levitation. Cambridge,


Harvard University Press, 2011.

[256] RITTS, G. Csd, Inc. “Magnetically levitated spinning axel display apparatus”.
US5182533A. 11 de outubro de 1991. 26 de janeiro de 1993.

[257] EASTHAM, A. R.; HAYES, W. F. “Maglev Systems Development Status”. IEEE


Aerospace and Electronic Systems (AES) Magazine, v. 3, n. 1, pp. 21–30, janeiro de 1988.

[258] TSUNASHIMA, H.; ABE, M. “Dynamics of the Mechanical Levitation Control


System for a Maglev Transport Vehicle”. JSME International Journal. Serie C,
Dynamics, control, robotics, design and manufacturing, v. 37, n.3, pp. 528–535, 1994.

[259] ABE, M.; TSUNASHIMA, H. “Mechanically Controlled Permanent Magnet


Levitation System for Maglev Transport Vehicle”. In: Future Transportation Technology
Conference and Exposition, Costa Mesa, Califórnia, EUA, 10–13 de Agosto de 1992.

[260] POLGREEN, G. R. “The ideal magnet-fully controllable permanent magnets for


power and transport”. Electronics & Power, v. 17, n. 1, pp. 31–34, janeiro de 1971.

[261] FISKE, J. O. “The Magtube Low Cost Maglev Transportation System”. In: The 19th
International Conference on Magnetically Levitated Systems and Linear Drives
(MAGLEV’06), Dresden, Alemanha, 13–15 de setembro de 2006.

[262] CULLITY, B. D.; GRAHAM, C. D. Introduction to Magnetic Materials. Hoboken,


Nova Jérsei, John Wiley & Sons, Inc., IEEE Press, 2ª ed., 2009.

[263] GOULD, J. E. “Permanent magnets”. Proceedings of the IEE, v. 125, n. 11R, pp.
1137–1151, novembro de 1978.

[264] COEY, J. M. D. “Permanent magnet applications”. Journal of Magnetism and


Magnetic Materials, v. 248, pp. 441–456, 2002.

[265] FITZGERALD, A. E.; KINGSLEY Jr., C.; UMANS, S. D. Máquinas Elétricas.


Porto Alegre, Bookman Companhia Editora, 6ª ed., 2006.

[266] STEPHAN, R. M. Acionamento, Comando e Controle de Máquinas Elétricas. Rio


de Janeiro, Ed. Ciência Moderna, 1ª ed., 2013.

[267] OLSON, R. D. “Magnetic vehicle suspension foreseen”. Westinghouse Engineer,


v. 25, pp. 95–96, 1965.

[268] POLGREEN, R. P. General Electric Co. Ltd. “Magnetic system of transportation”.


US3158765A. 25 de agosto de 1958. 24 de novembro de 1964.

125
[269] McCAIG, M. “Present and Future Technological Applications of Permanent
Magnets”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 4, n. 3, pp. 221–228, setembro de 1968.

[270] THOMPSON, M. T. “Practical Issues in the Use of NdFeB Permanent Magnets in


Maglev, Motors, Bearings, and Eddy Current Brakes”. Proceedings of the IEEE, v. 97, n.
11, pp. 1758–1767, novembro de 2009.

[271] MALLINSON, J. C. “One-Sided Fluxes – A Magnetic Curiosity?”. IEEE


Transactions on Magnetics, v. MAG-9, n. 4, pp. 678–682, dezembro de 1973.

[272] HALBACH, K. “Design of Permanent Multipole Magnets with Oriented Rare Earth
Cobalt Material”. Nuclear Instruments and Methods, v. 169, n. 1, pp. 1–10, fevereiro de
1980.

[273] SHUTE, H. A.; MALLINSON, J. C.; WILTON, D. T. et al. “One-Sided Fluxes in


Planar, Cylindrical, and Spherical Magnetized Structures”. IEEE Transactions on
Magnetics, v. 36, n. 2, pp. 440–451, março de 2000.

[274] HE, J. L.; ROTE, D. M.; COFFEY, H. T. “Survey of Foreign Maglev Systems”.
Center for Transportation Research, Energy Systems Division, julho de 1992.

[275] SPONSELLER, M. “Magnetic train”. Popular Science, v. 233, n. 6, pp. 97–98,


dezembro de 1988.

[276] FloSch. A car of the Berlin M-Bahn at the Museum of Deutsche Bahn (Nürnberg),
Germany. Disponível em: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:M-
Bahn_Museum_N%C3%BCrnberg.JPG – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017. Uso sobre
a licença Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported license.

[277] LaunchTechnologies, Inc. Disponível em:


http://www.launchpnt.com/portfolio/transportation/spm-maglev – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[278] Magnovate. Disponível em: http://www.magnovate.com/home – Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[279] Applied Levitation LLC. Disponível em: http://www.appliedlevitation.com/ –


Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[280] LONG, G. A.; FISKE, J. O.; PADEN, B. E. “Design of a Small-Scale Prototype for
a Stabilized Permanent Magnet Levitated Vehicle”. In: The 20th International Conference
on Magnetically Levitated Systems and Linear Drives (MAGLEV’08), San Diego,
Califórnia, EUA, 15–18 de dezembro de 2008.

[281] FISKE, O. J.; LONG, G. A. “Switching, Networks and Maglev”. In: The 20th
International Conference on Magnetically Levitated Systems and Linear Drives
(MAGLEV’08), San Diego, Califórnia, EUA, 15–18 de dezembro de 2008.

[282] Levx®. Disponível em: http://www.levx.com/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[283] BAERMANN, M. Max Baermann. “Bearings for instruments and machines”.


US2747944A. 16 de setembro de 1950. 29 de maio de 1956.

126
[284] EVERSHED, S. “A frictionless motor meter”, Journal of the IEE, v. 29, n. 146, pp.
743–781, julho de 1900.

[285] STETTLER, O. Philips Corp. “Electricity meter”. US2900602A. 7 de março de


1955. 18 de agosto de 1959.

[286] STETTLER, O. Philips Corp. “Electricity meter”. US2917708A. 7 de março de


1955. 15 de dezembro de 1959.

[287] TREKELL, H. F.; MENDELSOHN, L. I.; WRIGHT, J. H. “Magnetic Suspension


of the Watt-Hour Meter Rotor”. Transactions of the American Institute of Electrical
Engineers, v. 67, n. 2, pp. 1180–1185, janeiro de 1948.

[288] HANSEN Jr., A. General Electric. “Magnetic system”. US2254698A. 4 de outubro


de 1940. 2 de setembro de 1941.

[289] FAUS, H. T. General Electric. “Magnetic suspension”. US2315408. 12 de outubro


de 1939. 30 de março de 1943.

[290] SCHUG, H. L. Hoover Co. “Magnetic coupling and bearing”. US2436939A. 21 de


outubro de 1943. 2 de março de 1948.

[291] TSUI, J.; IDEN, D.; STRNAT, K. et al. “The effect of intrinsic magnetic properties
on permanent magnet repulsion”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 8, n. 2, pp. 188–
194, junho de 1972.

[292] YONNET, J. P. “Passive magnetic bearings with permanent magnets”. IEEE


Transactions on Magnetics, v. 14, n. 5, pp. 803–805, setembro de 1978.

[293] YONNET, J. P. “Permanent magnet bearings and couplings”. IEEE Transactions


on Magnetics, v. 17, n. 1, pp. 1169–1173, janeiro de 1981.

[294] RAVAUD, R.; LEMARQUAND, G.; LEMARQUAND, V. “Force and Stiffness


of Passive Magnetic Bearings Using Permanent Magnets. Part 1: Axial Magnetization”.
IEEE Transactions on Magnetics, v. 45, n. 7, pp. 2996–3002, julho de 2009.

[295] RAVAUD, R.; LEMARQUAND, G.; LEMARQUAND, V. “Force and Stiffness


of Passive Magnetic Bearings Using Permanent Magnets. Part 2: Radial Magnetization”.
IEEE Transactions on Magnetics, v. 45, n. 9, pp. 3334–3342, setembro de 2009.

[296] ZHU, Z. Q.; HOWE, D. “Halbach permanent magnet machines and applications: a
review”. IEE Proceedings – Electric Power Applications, v. 148, n. 4, pp. 299–308, julho
de 2001.

[297] RODRIGUEZ, E. F.; STEPHAN, R. M. “Radial and axial forces of a passive


magnetic bearing”. In: 1st Brazilian Workshop on Magnetic Bearings (BWMB), Rio de
Janeiro, Brasil, 25 e 26 de outubro de 2013.

[298] RODRIGUEZ, E. F.; STEPHAN, R. M. “Study of Passive Magnetic Bearings for


Vertical-Axis Wind Turbines”. In: 13th International Symposium on Magnetic Bearings
(ISMB), Arlington, Virgínia, EUA, 06-09 de agosto de 2012.

127
[299] HEDLUND, M.; ABRAHAMSSON, J.; PÉREZ-LOYA, J. J. et al. “Passive Axial
Thrust Bearing for a Flywheel Energy Storage System”. In: 1st Brazilian Workshop on
Magnetic Bearings (BWMB), Rio de Janeiro, Brasil, 25 e 26 de outubro de 2013.

[300] ABRAHAMSSON, J. HEDLUND, M.; BERNHOFF, H. “Prototype of Kynetic


Energy Storage System for Electrified Utility Vehicles in Urban Traffic”. In: 13th
International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Arlington, Virgínia, EUA, 06–
09 de agosto de 2012.

[301] TOH, C. S.; CHEN, S. L.; JUANG, D. P. “Development of a Ring-type Flywheel


Battery System for Storage of Renewable Energy”. In: 13th International Symposium on
Magnetic Bearings (ISMB), Arlington, Virgínia, EUA, 06–09 de agosto de 2012.

[302] CHEN, H. M.; WALTER, T.; WHEELER, S. et al. “A Passive Magnet Bearing
System for Energy Storage Flywheels”. In: 9th International Symposium on Magnetic
Bearings (ISMB), Lexington, Kentucky, EUA, 03–06 de agosto de 2004.

[303] FREMEREY, J. K.; KOLK, M. “A 500-Wh Power Flywheel on Permanent Magnet


Bearings”. In: 5th International Symposium on Magnetic Suspension Technology
(ISMST), Santa Barbara, Califórnia, EUA, 01–03 de dezembro de 1999.

[304] QIAN, K. X. “World-unique Permanent Maglev Turbine Reaches a Speed Over


30,000 rpm”. In: 13th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Arlington,
Virgínia, EUA, 06–09 de agosto de 2012.

[305] WEICKHMANN, M.; KATTER, M.; SCHLEEDE, B. “Nd-Fe-B permanent


magnets for passive and hybrid magnetic bearings with extended application temperature
range”. In: 14th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), pp. 503-508,
Linz, Áustria, 11–14 de agosto de 2014.

[306] PAULIDES, J. J. H.; JANSSEN, J. L. G.; LOMONOVA, E. “Passive Attraction


Reduction for Linear Permanent Magnet Actuators”. In: 11th International Symposium
on Magnetic Bearings (ISMB), pp. 319–325, Nara, Japão, 26-29 de agosto de 2008.

[307] KWAK, H. S.; KIM, S. J. “A self-bearing Motor with a Passively Levitated Rotor”.
In: 10th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Martigny, Suíça, 21–23
de agosto de 2006.

[308] HARRIGAN, R. M. Roy Major Harrigan. “Levitation device”. US4382245A. 19 de


dezembro de 1979. 03 de maio de 1983.

[309] HONES, E. H.; HONES, W. G. Creative Gifts, Inc. “Magnetic levitation device
and method”. US5404062A. 17 de fevereiro de 1994. 04 de abril de 1995.

[310] MICHAELIS, M. M. “Horizontal axis Levitron® – a physics demonstration”.


Physics Education, v. 49, n. 1, p. 67, 2014.

[311] JONES, T. B.; WASHIZU, M.; GANS, R. “Simple theory for the Levitron®”,
Journal of Applied Physics, v. 82, n. 2, pp. 883–888, 15 de julho de 1997.

[312] SIMON, M. D.; HEFLINGER, L. O.; RIDGWAY, S. L. “Spin stabilized magnetic


levitation”. American Journal of Physics, v. 65, n. 4, pp. 286–292, abril de 1997.

128
[313] BERRY, M. V. “The LevitronTM: an adiabatic trap for spins”. Proceedings of the
Royal Society of London A. v. 452, pp. 1207–1220, 1996.

[314] EDGE, R. “Levitation using only permanent magnets”. The Physics Teacher, v. 33,
n. 4, 252, 1995.

[315] BRAUNBECK, W. “Free suspension of objects by electric and magnetic fields”.


Zeitschrift für Physik, v. 112, n. 11, pp. 753–763, 1939.

[316] SADIKU, M. N. O. Elementos de Eletromagnetismo. Porto Alegre, Ed. Bookman,


3ª ed, 2004.

[317] JEFFERS, F. Mondo Magnets – 40 Attractive (and Repulsive) Devices &


Demonstrations. Chicago, Chicago Review Press, 2007.

[318] Splarka. A small (~6mm) piece of pyrolytic grafite levitating over a permanente
neodymium magnet array (5mm cubes on a piece of steel). Note that the poles of the
magnets are aligned vertically and alternate (two with north facing up, and two with
South facing up, diagonally). Disponível em:
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Diamagnetic_graphite_levitation.jpg – Acesso
em: 28 de fevereiro de 2017.

[319] SIMON, M. D.; HEFLINGER, L. O.; GEIM, A. K. “Diamagnetically stabilized


magnet levitation”. American Journal of Physics, v. 69, n. 6, pp. 702–713, junho de 2001.

[320] BERRY, M. V.; GEIM, A. K. “Of flying frogs and levitrons”. European Journal
of Physics, v. 18, pp. 307–312, 1997.

[321] GEIM, A. K.; SIMON, M. D.; BOAMFA, M. I. et al. “Magnetic levitation at your
fingertips”. Nature, v. 400, pp. 323–324, 22 de julho de 1999.

[322] PELRINE, R. E. Sri International. “Magnetic field levitation”. US5396136A. 28 de


outubro de 1992. 07 de março de 1995.

[323] Magnetic Levitation Sculpture. Disponível em:


http://www.instructables.com/id/Magnetic-Levitation-Sculpture/ – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[324] K&J Magnetics, Inc. Disponível em:


https://www.kjmagnetics.com/blog.asp?p=diamagnetic-levitation – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[325] KÜSTLER, G. “Diamagnetic levitation of pyrolitic graphite over monolithic


magnet”. Electronics Letters, v. 50, n. 18, pp. 1289–1290, 28 de agosto de 2014.

[326] KÜSTLER, G. “Extraordinary Levitation Height in a Weight Compensated


Diamagnetic Levitation System With Permanent Magnets”. IEEE Transactions on
Magnetics, v. 48, n. 6, pp. 2044–2048, junho de 2012.

[327] BARROT, F.; BLEULER, H. “Application of Diamagnetic Levitation in


Mechatronic Systems”. In: 11th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB),
pp. 333-336, Nara, Japão, 26–29 de agosto de 2008.

129
[328] SUZUKI, H.; ITATSU, K.; SAITO, R. et. al. “Design of Novel Contact-Free Disk
Suspension and Rotation System Utilizing Diamagnetic Graphite”. In: 11th International
Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Nara, Japão, 26–29 de agosto de 2008.

[329] SUZUKI, H.; SUZUKI, A.; SASAKI, S. et al. “Proto-model of novel contact-free
disk suspension system utilizing diamagnetic material”. In: 10th International Symposium
on Magnetic Bearings (ISMB), Martigny, Suíça, 21–23 de agosto de 2006.

[330] BARROT, F.; BURNS, B.; CHAPUIS, D. et al. “Position controlled diamagnetic
linear conveyor”. In: 10th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB),
Martigny, Suíça, 21–23 de agosto de 2006.

[331] MOSER, R.; REGAMEY, Y. J.; SANDTNER, J. et al. “Passive Diamagnetic


Levitation for Flywheels”. In: 8th International Symposium on Magnetic Bearings
(ISMB), pp. 599–603, Mito, Japão, 26–28 de agosto de 2002.

[332] MOSER, R.; BLEULER, H. “Precise Positioning Using Electrostatic Glass Motor
with Diamagnetically Suspended Rotor”. IEEE Transactions on Applied
Superconductivity, v. 12, n. 1, pp. 937–939, março de 2002.

[333] PELRINE, R. E. “Space Applications of Diamagnetic Suspensions”. In: 1st


International Symposium on Magnetic Suspension Technnolgy (ISMST), pp. 847–856,
Virginia, EUA, 19–23 de agosto de 1991.

[334] SOTELO, G. G.; STEPHAN, R. M.; BRANCO, P. J. et al. “A didactic comparison


of magnetic forces”. International Journal of Electrical Engineering Education, v. 48, n.
2, pp. 117–129, outubro de 2012.

[335] BEAMS, J. W. “High Rotational Speeds”. Journal of Applied Physics, v. 8, pp.


795–806, dezembro de 1937.

[336] HOLMES, F. T. “Axial Magnetic Suspensions”. Review of Scientific Instruments,


v. 8, pp. 444–447, novembro de 1937.

[337] BEAMS, J. W.; YOUNG III, J. L.; MOORE, J. W. “The Production of High
Centrifugal Fields”. Journal of Applied Physics, v. 17, pp. 886–890, novembro de 1946.

[338] BEAMS, J. W. “Production and Use of High Centrifugal Fields”. Nature, v. 120,
n. 3121, pp. 619–625, 22 de outubro de 1954.

[339] BEAMS, J. W.; HOLMES, F. T. Research Corp. “Suspension of rotable bodies”.


US2256937A. 17 de dezembro de 1938. 23 de setembro de 1941.

[340] BEAMS, J. W.; KINSEY, E. E.; National Bank The Peoples. Jesse W. Beams,
Eugene E. Kinsey, National Bank The Peoples. “Magnetically supported rotating
bodies”. US2691306A. 30 de janeiro de 1951. 12 de outubro de 1954.

[341] BEAMS, J. W. Jesse W. Beams. “Apparatus for rotating freely suspended bodies”.
US3041482A. 19 de fevereiro de 1953. 26 de junho de 1962.

[342] BEAMS, J. W. Jesse W. Beams. “Magnetic suspension system”. US3196694A. 19


de fevereiro de 1964. 27 de julho de 1965.

130
[343] GRAEMIGER, B. Benjamin Graemiger. “Improvements in or relating to Electro-
magnetic Suspension Devices”. GB191224499A. 27 de outubro de 1911. 15 de maio de
1913.

[344] GRAEMIGER, B. Benjamin Graemiger. “Improvements in or relating to


Electromagnetic Suspension Devices”. GB191224541A. 26 de outubro de 1912. 18 de
setembro de 1913.

[345] KEMPER, H. “Schwebebahn mit raederlosen Fahrzeugen, die an eisernen


Fahrschienen mittels magnetischer Felder schwebend entlang gefuehrt werden”.
DE643316C. 11 de agosto de 1934. 05 de abril de 1937.

[346] KEMPER, H. “Schwebebahn mit raederlosen Fahrzeugen, die mittels magnetischer


Felder an eisernen Fahrschienen schwebend entlang gefuehrt werden”. DE644302C. 21
de setembro de 1935. 29 de abril de 1937.

[347] SCHACH, R.; JEHLE, P.; NAUMANN, R. Transrapid und Rad-Schiene-


Hochgeschwindigkeitsbahn: Ein gesamtheitlicher Systemvergleich. Berlim, Springer-
Verlag Berlin, 2006.

[348] JENKINS, A. W.; PARKER, H. M. “Electromagnetic Support Arrangement with


Three-Dimensional Control. I. Theoretical”. Journal of Applied Physics, v. 30, n. 4, pp.
238S–239S, abril de 1959.

[349] FOSQUE, H. S.; MILLER, G. “Electromagnetic Support Arrangement with Three-


Dimensional Control. II. Experimental”. Journal of Applied Physics, v. 30, n. 4, pp.
240S–241S, abril de 1959.

[350] DUKES, T. A.; ZAPATA, R. N. “Magnetic Suspension with Minimum Coupling


Effects for Wind Tunnel Models”. IEEE Transactions on Aerospace and Electronic
Systems, v. AES–1, n. 1, pp. 20–28, agosto de 1965.

[351] COVERT, E. E.; FINSTON, M.; VLAJINAC, M. et al. “Magnetic Balance and
Suspension Systems for Use with Wind Tunnels”. Progress in Aerospace Sciences,
Pergamon Press, v. 15, pp. 27–94, 1973.

[352] ANSCHUETZ & Company. “Improvements in or relating to gyroscopes”.


GB193397A. 09 de fevereiro de 1923. 11 de outubro de 1923.

[353] Rosemount Engineering Co. Ltd. “Magnetic suspension of rotors”. GB1497801A.


04 de fevereiro de 1974. 12 de janeiro de 1978.

[354] HABERMANN, H.; LIARD, G. L. “Practical magnetic bearings”. IEEE Spectrum,


pp. 26–30, setembro de 1979.

[355] STUDER, P. A. “A practical magnetic bearing”. IEEE Transactions on Magnetics,


v. MAG–13, n. 5, pp. 1155–1157, setembro de 1977.

[356] HARRIS, T.; WIDBRO, L. “Magnetic bearings – a new world opens for design
engineers”. World Pumps, pp. 21–25, novembro de 2003.

131
[357] ROBERTS, C. “The multiple attarctions of magnetic bearings”. World Pumps, pp.
34–38, dezembro de 2006.

[358] DENK, J. “Active Magnetic Bearing Technology Running Successfully in Europe’s


Biggest Onshore Gas Field”. Oil Gas European Magazine, pp. 91–92, v. 2/2015, 2015.

[359] ALVES, P. S.; ALAVI, B. M. “Magnetic Bearing Improvement at Nova”. In:


International Gas Turbine and Aeroengine Congress & Exhibition, pp. 1–5, Birmingham,
Reino Unido, 10–13 de junho de 1996.

[360] SWANN, M. K. “Industrialisation Trends for Active Magnetic Bearings in the


Turbomachinery Industry”. In: 14th International Symposium on Magnetic Bearings
(ISMB), Keynote Speech, Linz, Áustria, 11–14 de agosto de 2014.

[361] MASALA, A.; SHULTZ, R.; JAYAWANT, R. et al. “The Move of Active Magnetic
Bearings into Upstream Oil & Gas Applications”. In: 1st Brazilian Workshop on
Magnetic Bearings (BWMB), Rio de Janeiro, Brasil, 25 e 26 de outubro de 2013.

[362] SILVA, J. da; CARRERE, F.; PONSON, F. “Subsea Gas Compression Station:
Collaborative Design Using Multiphysics/Multiscale System Simulation Applied to Active
Magnetic Bearings”. In: 1st Brazilian Workshop on Magnetic Bearings (BWMB), Rio de
Janeiro, Brasil, 25 e 26 de outubro de 2013.

[363] CANDERS, W; UEFFING, N.; SCHRADER-HAUSMANN, U. et al. “MTG400:


A magnetically levitated 400 kW turbo generator system for natural gas expansion”. In:
4th International Symposium on Magnetic Bearings, pp. 435–440, Zurique, Suíça, 23-26
de agosto de 1994.

[364] SLOUPENSKÝ, J. “Magnetic Bearings: Application to High Speed Textile


Processing”. In: 14th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Keynote,
Linz, Áustria, 11–14 de agosto de 2014.

[365] SEARS, J.; UPTIGROVE, S. “Magnetic Bearing Operating Experience”. In:


Proceedings of the 23rd Turbomachinery Symposium, pp. 235–242, Texas, EUA, 1994.

[366] UEDA, K.; HASEGAWA, Y.; YAWATA, N. “First Domestic High-Efficiency


Centrifugal Chiller with Magnetic Bearings: The ETI-MB Series”. Mitsubishi Heavy
Industries Technical Review, v. 51, n. 1, pp. 82–86, março de 2014

[367] SCHÖB, R. “Centrifugal pump without bearings or seals”. World Pumps, pp. 2–5,
Elsevier Science Ltd., julho de 2002.

[368] HAWKINS, L. A.; ZHU, L. “Development of a 125 kW AMB Expander/Generator


for Waste Heat Recovery”. Journal of Engineering for Gas Turbines and Power, v. 133,
julho de 2011.

[369] SCHMIED, J. “Experience with magnetic bearings supporting a pipeline


compressor”. In: 2nd International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Tóquio,
Japão, 12–14 de julho de 1990.

132
[370] McMULLEN, P.; VUONG, V.; HAWKINS, L. “Flywheel energy storage system
with active magnetic bearings and hybrid backup bearings”. In: 10th International
Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Martigny, Suíça, 21–23 de agosto de 2006.

[371] YU, S.; YANG, G.; SHI, L. et al. “Application and research of the active magnetic
bearing in the nuclear power plant of high temperature reactor”. In: 10th International
Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Martigny, Suíça, 21–23 de agosto de 2006.

[372] ROSA, F. C.; LIMA, F.; FUMAGALLI, M. A. “A High-Speed Shaft Supported by


Magnetic Bearings Applied to Energy Generation Purposes” In: 1st Brazilian Workshop
on Magnetic Bearings (BWMB), Rio de Janeiro, Brasil, 25 e 26 de outubro de 2013.

[373] SCHWEITZER, G. “Active magnetic bearings – chances and limitations”.


Disponível em: http://mcemechanical2006.pbworks.com/f/AMB-chances_and_limit.pdf
– Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[374] Pfeiffer Vacuum GmbH. Disponível em: https://www.pfeiffer-


vacuum.com/en/products/turbopumps/magnetically-levitated/ – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[375] Daikin Applied. Disponível em: http://www.daikinapplied.com/chiller-magnitude-


magnetic.php – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[376] SCHWEITZER, G. “Safety and Reliability Aspects For Active Magnetic Bearing
Applications – A Survey”. Disponível em: http://mcgs.ch/web-
content/Safety%20and%20Reliability%20Aspects.pdf – Acesso em: 28 de fevereiro de
2017.

[377] KNOSPE, C. R. “Active magnetic bearings for machining applications”. Control


Engineering Practice, v. 15, pp. 307–313, 2007.

[378] de MORAES, D. C.; NICOLETTI, R. “Hydrodynamic Bearing With


Electromagnetic Actuators: Rotor Vibration Control and Limitations”. In: Proceedings
of the 24th International Conference on Noise and Vibration Engineering, pp. 3715–3722,
Leuven, Bélgica, 20–22 de setembro de 2010.

[379] CHEN, S.; ZHANG, Q. “Electric spindle motor with magnetic bearing and
hydrodynamic bearing”. US 20020089245A1. 21 de dezembro de 2001. 11 de julho de
2002.

[380] Waukesha Bearings Corporation. Disponível em:


http://www.waukbearing.com/en/magnetic-bearing-systems/ – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[381] Mecos AG. Disponível em: http://www.mecos.com/en/ – Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[382] Levitronix. Disponível em: http://www.levitronix.com/en/magnetic-bearings.html


– Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[383] LTI Motion. Disponível em: https://www.lti-motion.com/products/magnetic-


bearing-systems – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

133
[384] SKF/S2M. Disponível em: http://www.skf.com/group/products/magnetic-
systems/index.html – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[385] Calnetix Technologies, LLC. Disponível em: https://www.calnetix.com/ – Acesso


em: 28 de fevereiro de 2017.

[386] Synchrony. Disponível em: http://www.synchrony.com/ – Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[387] Schaeffler AG. Disponível em:


http://www.schaeffler.com/content.mobile.products/en/products/amb/amb_explorer.htm
l?amb – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[388] Siemens AG. Disponível em:


http://www.siemens.com/global/en/home/products/drives/motors/high-voltage-
motors/simotics-active-magnetic-bearing-technology.html – Acesso em: 28 de fevereiro
de 2017.

[389] EMAGING. Disponível em:


http://www.emaging.com.cn/MAGNETICBEARINGEN – Acesso em: 28 de fevereiro
de 2017.

[390] Fosham Genesis AMB Tech Co., LTD. Disponível em:


http://www.fgamb.com/active-magnetic-bearing – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[391] HILTON, E. F.; ALLAIRE, P. E.; BALOH, M. J. et al. “Magnetic Suspension Test
Controller for a New Continuous Flow Ventricular Assist Device”. In: 6th International
Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), pp. 86–94, Cambridge, EUA, 28–30 de
agosto de 1998.

[392] OSA, M.; MASUZAWA, T.; TATSUMI, E. “5-DOF control double stator motor
for paediatric ventricular assist device”. In: 13th International Symposium on Magnetic
Bearings (ISMB), pp. 1–9, Arlington, Virgínia, EUA, 06–09 de agosto de 2012.

[393] OSA, M.; MASUZAWA, T.; TATSUMI, E. “Miniaturized Magnetically Levitated


Motor for Pediatric Artificial Heart”. In: 12th International Symposium on Magnetic
Bearings (ISMB), pp. 674–679, Wuhan, China, 22–25 de agosto de 2010.

[394] CHENG, S.; OLLES, M. W.; OLSEN, D. B. et al. “Miniaturization of a


Magnetically Levitated Axial Flow Blood Pump”. Artificial Organs, v. 34, n. 10, pp. 807–
815, 2010.

[395] LEE, J. J.; AHN, C. B.; PARK, J. W. “Development of Magnetic Bearing System
for a New Third-Genereration Blood Pump”. Artificial Organs, v. 35, n. 11, pp. 1082–
1094, 2010.

[396] MENG, L. T.; SHANBAO, C.; DONGSHENG, Z. “A compact Magnetic Bearing


System for Axial Flow Blood Pump”. In: Proceedings of the International
MultiConference of Engineers and Computer Scientists (IMECS), Hong Kong, China,
21–23 de março de 2007.

134
[397] ONUMA, H.; MURAKAMI, M.; MASUZAWA, T. “Design of the Permanent
Magnet Bearing of the Maglev Artificial Heart”. In: 9th International Symposium on
Magnetic Bearings (ISMB), Lexington, Kentucky, EUA, 03–06 de agosto de 2004.

[398] OKADA, Y.; YAMASHIRO, N.; OHMORI, K. et al. “Mixed Flow Artificial Heart
Pump with Axial Self-Bearing Motor”. In: 9th International Symposium on Magnetic
Bearings (ISMB), Lexington, Kentucky, EUA, 03–06 de agosto de 2004.

[399] MAMIYA, T.; HIJIKATA, W.; SHINSHI, T. “A Disposable Magnetic Bearing


System for an Extracorporeal Centrifugal Blood Pump”. In: 13th International
Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Arlington, Virgínia, EUA, 06–09 de agosto
de 2012.

[400] HIJIKATA, W.; SOBAJIMA, H.; SHINSHI, T. et al. “Disposable MagLev


Centrifugal Blood Pump Utilizing a Cone-Shaped Impeller”. Artificial Organs, v. 34, n.
8, pp. 669–677, 2010.

[401] HORIKAWA, O.; YAMAMOTO, R. I.; da SILVA, I. “Development of Single Axis


Controlled Attraction Type Magnetic Bearing and its Application in Ventricular Assist
Device”. In: 1st Brazilian Workshop on Magnetic Bearings (BWMB), Rio de Janeiro,
Brasil, 25 e 26 de outubro de 2013.

[402] HORIKAWA, O.; da SILVA, I. “Mancal Magnético do Tipo Atração com Controle
Uniaxial”. In: XV Congresso Brasileiro de Engenharia Mecânica (COBEM), Águas de
Lindóia, São Paulo, 22–26 de novembro de 1999.

[403] ANTUNES, P.; da SILVA, I.; CARDOSO, J. R. et al. “Magnetic Suspension of the
Rotor of a Ventricular Assistance Device of Mixed Flow Type – Hall Sensor for Rotor
Position Measurement – Use of Compensator”. ABCM Symposium Series in
Mechatronics, v. 5, Section VIII – Sensors & Actuators, pp. 1249–1256, 2012. In: 21st
International Congress of Mechanical Engineering, Natal, Brasil, 24–28 de outubro de
2011.

[404] FILHO, A. F. B.; FERREIRA, J.; CARVALHO NETO, J. T. et al. “Bearingless


Permanent Magnet Synchronous Machine Design for use as Artificial Heart”. In: 1st
Brazilian Workshop on Magnetic Bearings (BWMB), Rio de Janeiro, Brasil, 25 e 26 de
outubro de 2013.

[405] ANTUNES, P. I. T. de C. Medição de Posição de Rotor em Mancal Magnético


Através de Sensor Hall. 65 pp. Dissertação de Mestrado em Engenharia. Universidade de
São Paulo, Departmento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos, São Paulo,
2012.

[406] KOHUTEK, C.; PAI, C. N.; SHINSHI, T. “Sensorless Measurement of the Heart
Rate Using the Radial Magnetic Bearing of an Implantable Centrifugal Blood Pump
During Ventricular Assistance for the Adjustment of the Pump Flow”. In: 1st Brazilian
Workshop on Magnetic Bearings (BWMB), Rio de Janeiro, Brasil, 25–26 de outubro de
2013.

[407] MERKEL, T.; ARNDT, A.; HOFFMANN, J. et al. “Magnetic Bearing in INCOR
Axial Blood Pump Acts as Multifunctional Sensor”. In: 9th International Symposium on
Magnetic Bearings (ISMB), Lexington, Kentucky, EUA, 03–06 de agosto de 2004.
135
[408] OSA, M.; MASUZAWA, T.; OMORI, N. et al. “Radial Position Active Control of
Double Stator Axial Gap Self-bearing Motor for Paediatric VAD”. In: 14th International
Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), pp. 187–192, Linz, Áustria, 11–14 de agosto
de 2014.

[409] CHENG, S.; DAY, S. W. “Design and Control of Hybrid Magnetic Bearings for
Maglev Axial Flow Blood Pump”. In: International Conference on Advanced Intelligent
Mechatronics (AIM), pp. 187–192, Montreal, Canadá, 06–09 de julho de 2010.

[410] MURAKAMI, M.; MASUZAWA, T.; YOSHIDA, S. et al. “Thin Maglev


Ventricular Assist Device with Radial Type Self-bearing Motor”. In: 14th International
Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), pp. 168–173, Linz, Áustria, 11–14 de agosto
de 2014.

[411] Guest Editorial. “Progress of Rotary Blood Pumps: Presidential Address,


International Society for Rotary Blood Pumps 2006, Leuven, Belgium”. Artificial
Organs, v. 31, n. 5, pp. 329–344, 2007.

[412] HOSHI, H.; SHINSHI, T.; TAKATANI, S. “Third-generation Blood Pumps With
Mechanical Noncontact Magnetic Bearings”. Artificial Organs, v. 30, n. 5, pp. 324–338,
2006.

[413] ALLAIRE, P.; JIANG, W.; KAILASAN, A. et al. “Magnetic Bearing System for
Left Ventricular Assist Artificial Heart Pump – Combined Active and Passive
Configuration”. In: 14th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), pp.
426–432, Linz, Áustria, 11–14 de agosto de 2014.

[414] BOURQUE, K.; GERNES, D. B.; LOREE II, H. M. et al. “HeartMate III: Pump
Design for a Centrifugal LVAD with a Magnetically Levitated Rotor”. American Society
for Artificial Internal Organs Journal, v. 47, n. 4, pp. 401–405, julho de 2001.

[415] HETZER, R.; WENG, Y.; POTAPOV, E. V. et al. “First experiences with a novel
magnetically suspended axial flow left ventricular assist device”. European Journal of
Cardio-thoracic Surgery, v. 25, n. 6, pp. 964–970, junho de 2004.

[416] De ROBERTIS, F.; ROGERS, P.; AMRANI, M. et al. “Bridge to Decision Using
the Levitronix CentriMag Short-term Ventricular Assist Device”. The Journal of Heart
and Lung Transplantation, v. 27, n. 5, pp. 474–478, maio de 2008.

[417] SHUHAIBER, J. H.; JENKINS, D.; BERMAN, M. et al. “The Papworth


Experience With the Levitronix CentriMag Ventricular Assist Device”. The Journal of
Heart and Lung Transplantation, v. 27, n. 2, pp. 158–164, fevereiro de 2008.

[418] De ROBERTIS, F.; BIRKS, E. J.; ROGERS, P. et al. “Clinical Performance with
the Levitronix Centrimag Short-term Ventricular Assist Device”. The Journal of Heart
and Lung Transplantation, v. 25, n. 2, pp. 181–186, fevereiro de 2006.

[419] MORSHUIS, M.; EL-BANAYOSY, A.; ARUSOGLU, L. et al. “European


experience of DuraHeart™ magnetically levitated centrifugal left ventricular assist
system”. European journal of cardio-thoracic surgery, v. 35, n. 6, pp. 1020–1028, 2009.

136
[420] RICCI, M. R.; ANTAKI, J. F.; VERKAIK, J. E. Worldheart Corporation, Carnegie
Mellon University. “Magnetically-levitated blood pump with optimization method
enabling miniaturization”. US9314557B2. 24 de setembro de 2009. 19 de abril de 2016.

[421] PADEN, B. E. Magnetic Moments, LLC. “Magnetically-suspended centrifugal


blood pump”. US6227817B1. 03 de setembro de 1999. 08 de maio de 2001.

[422] ANTAKI, J. F.; PADEN, B.; BURGREEN, G. et al. University Of Pittsburgh, The
United States Of America As Represented By The United States National Aeronautics
And Space Administration. “Blood pump having a magnetically suspended rotor”.
US6447266B2. 26 de junho de 1996. 10 de setembro de 2002.

[423] Thoratec CentriMag™. Thoratec Corporation. Disponível em:


http://www.thoratec.com/medical-professionals/vad-product-information/thoratec-
centrimag.aspx – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[424] Thoratec PediMag™. Thoratec Corporation. Disponível em:


http://www.thoratec.com/medical-professionals/vad-product-information/thoratec-
pedimag.aspx – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[425] Thoratec HeartMate 3™ LVAD. Thoratec Corporation. Disponível em:


http://www.thoratec.com/medical-professionals/vad-product-
information/heartmate3.aspx – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[426] INCOR®. Berlin Heart. Disponível em:


http://www.berlinheart.de/index.php/mp/content/products/incor – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[427] Streamliner VAD. LaunchPoint Technologies. Disponível em:


http://www.launchpnt.com/portfolio/biomedical/streamliner-vad – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[428] ROBERGE, J. K. Operational Amplifiers: Theory and Practice. Nova Iorque, John
Wiley & Sons, Inc, 1975.

[429] WONG, T. H. “Design of a Magnetic Levitation Control System – An


Undergraduate Project”. IEEE Transactions on Education, v. E-29, n. 4, pp. 196–200,
novembro de 1986.

[430] CARMICHAEL, A. T.; HINCHLIFFEM S.; MURGATROYD, P. N. et al.


“Magnetic suspension systems with digital controllers”. Review of Scientific Instruments,
v. 57, n. 8, pp. 1611–1615, agosto de 1986.

[431] SCUDIERE, M. B.; WILLEMS, R. A.; GILLIES, G. T. “Digital controller for a


magnetic suspension system”. Review of Scientific Instruments, v. 57, n. 8, pp. 1616–
1626, agosto de 1986.

[432] LAWSON, M. A.; GILLIES, G. T. “Interrupt-driven digital controller for a


magnetic suspension system”. Review of Scientific Instruments, v. 60, n. 3, pp. 456–466,
março de 1989.

137
[433] HURLEY, W. G.; WÖLFLE, W. H. “Electromagnetic Design of a Magnetic
Suspension System”. IEEE Transactions on Education, v. 40, n. 2, pp. 124–130, maio de
1997.

[434] HURLEY, W. G.; HYNES, M.; WÖLFLE, W. H. “PWM Control of a Magnetic


Suspension System”. IEEE Transactions on Education, v. 47, n. 2, pp. 165–173, maio de
2004.

[435] CRAIG, K.; KURFESS, T.; NAGURKA, M. “Magnetic Levitation Testbed for
Controls Education”. Proceedings of the ASME Dynamic Systems and Control Division,
v. 64, pp. 83–88, 1998.

[436] GIERAS, J. F. “Teaching Magnetic Levitation at Graduate Level”. In: The 21st
International Conference on Magnetically Levitated Systems and Linear Drives
(MAGLEV’11), Daejeon, Coreia do Sul, 10–13 de outubro de 2011.

[437] NAUMOVIC´, M. B. “Modeling of a Didactic Magnetic Levitation System for


Control Education”. In: 6th International Conference on Telecommunications in Modern
Satellite, Cable and Broadcasting Service (TELSIKS), pp. 783–786, Nis, Sérvia e
Montenegro, 01–03 de outubro de 2003.

[438] AWELEWA, A. A.; SAMUEL, I. A.; ADEMOLA, A. et al. “An Undergraduate


Control Tutorial on Root Locus-Based Magnetic Levitation System Stabilization”.
International Journal of Engineering & Computer Science (IJECS-IJENS), v. 13, n. 1,
pp. 22–30, fevereiro de 2013.

[439] LI, J. H. “An undergraduate digital control project: a digital signal processor (DSP)-
based magnetic levitation system”. World Transactions on Engineering and Technology
Education, v. 5, n. 1, pp. 207–210, 2006.

[440] TRUMPER, D. L.; OLSON, S. M.; SUBRAHMANYAN, P. K. “Linearizing


Control of Magnetic Suspension Systems”. IEEE Transactions on Control Systems
Technology, v. 5, n. 4, pp. 427–438, julho de 1997.

[441] BOJAN-DRAGOS, C. A.; PREITL, R. E.; HERGANE, S. et al. “State Feedback


and Proportional-Integral-Derivative Control of a Magnetic Levitation System”. In:
IEEE 14th International Symposium on Intelligent Systems and Informatics, pp. 111–116,
Subotica, Sérvia, 29–31 de agosto de 2016.

[442] THIELMAN, S. C.; FABIEN, B. C. “Experimental Application of an Observer-


Based Feedback Linearizing Controller to an Electromagnetic Suspension”. Proceedings
of the American Control Conference, pp. 3818–3819, Seattle, Washington, EUA, junho
de 1995.

[443] DRAGOS, C. A.; PREITL, S.; PRECUP, R. M. et al. “Magnetic Levitation System
Laboratory-based Education in Control Engineering”. In: 3rd Conference on Human
System Interactions (HSI), pp. 496–501, Rzeszow, Polônia, 13–15 de maio de 2010.

[444] BARANOWSKI, J.; PIATEK, P. “Nonlinear dynamical feedback for motion


control of magnetic levitation system”. In: 13th International Power Electronics and
Motion Control Conference (EPE-PEMC), pp. 1446–1453, Poznan, Polônia, 01–03 de
setembro.

138
[445] TANG, J. “Magnetic Levitation Systems Using Analog and Digital Controllers for
Control Systems and other related Courses”. Disponível em:
http://stl.asee.org/papers_2011/Tang.pdf – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[446] EL HAJJAJI, A.; OULADSINE, M. “Modeling and Nonlinear Control of Magnetic


Levitation Systems”. IEEE Transactions on Industrial Electronics, v. 48, n. 4, pp. 831–
838, agosto de 2011.

[447] RODRIGUEZ, H.; SIGUERDIDJANE, H.; ORTEGA, R. “Experimental


Comparison of Linear and Nonlinear Controllers for a Magnetic Suspension”. In:
Proceedings of the 2000 IEEE International Conference on Control Applications, pp.
715–719, Anchorage, Alasca, EUA, 25–27 de setembro de 2000.

[448] ZHANG, F.; SUYAMA, K. “Nonlinear Feedback Control of Magnetic Levitating


System by Exact Linearization Approach”. In: Proceedings of the 4th IEEE Conference on
Control Applications, Albany, Nova Iorque, EUA, 28–29 de setembro de 1995.

[449] YANG, Z.; PEDERSEN, G. K. M.; PEDERSEN, J. H. “Cap. 21: Model-Based


Control of a Nonlinear One Dimensional Magnetic Levitation with a Permanent-Magnet
Object”. In: Automation and Robotics, pp. 359–374. ARREGUIN, J. M. R. (Ed.). 2008,
InTech.

[450] SHIAKOLAS, P. S.; VAN SCHENCK. S. R.; PIYABONGKARN, D. et al.


“Magnetic Levitation Hardware-in-the-Loop and MATLAB-Based Experiments for
Reinforcement of Neural Network Control Concepts”. IEEE Transactions on Education,
v. 47, n. 1, pp. 33–41, fevereiro de 2004.

[451] SHIAKOLAS, P. S.; PIYABONGKARN, D. “Development of a Real-Time Digital


Control System With a Hardware-in-the-Loop Magnetic Levitation Device for
Reinforcement of Controls Education”. IEEE Transactions on Education, v. 46, n. 1, pp.
79–87, fevereiro de 2003.

[452] CAO, G.; LI, H.; HUANG, S. et al. “Development of a Control Platform for the
Magnetic Suspension System”. In: 1st International Symposium on Magnetic Bearings
(ISMB), Arlington, Virgínia, EUA, 06–09 de agosto de 2012.

[453] KWONG, W. A.; PASSINO, K. M. “Dynamically Focused Fuzzy Learning


Control”. IEEE Transactions on Systems, Man, and Cybernetics – Part B: Cybernetics,
v. 26, n. 1, pp. 53–74, fevereiro de 1996.

[454] SONI, A.; GARG, A.; KUMAR, N. et al. “Position Control for Electromagnetic
Suspension System using FLC”. International Journal of Emerging Technology and
Advanced Engineering, v. 4, n. 6, pp. 329–334, junho de 2014.

[455] CHO, D.; KATO, Y.; SPILMAN, D. “Sliding Mode and Classical Controllers
Magnetic Levitation Systems”. IEEE Control Systems, v. 13, n. 1, pp. 42–48, fevereiro
de 1993.

[456] CHIANG, H. K.; TSENG, W. T.; FANG, C. C. et al. “Integral backstepping sliding
mode control of a magnetic ball suspension system”. In: IEEE 10th International
Conference on Power Electronics and Drive Systems, pp. 44–49, Kitakyushu, Japão, 22–
25 de abril de 2013.

139
[457] PEDERSEN, G. K. M.; YANG, Z. “Multi-Objective PID-Controller Tuning for a
Magnetic Levitation System using NSGA-II”. In: Proceedings of the 8th annual conference
on Genetic and evolutionary computation, pp. 1737–1744, Seattle, Washington, EUA,
08–12 de julho de 2006.

[458] MAJI, D.; BISWAS, M.; BHATTACHARYA, A. et al. “MAGLEV System


Modeling and LQR Controller Design in Real Time Simulation”. In: 2016 International
Conference on Wireless Communications, Signal Processing and Networking
(WiSPNET), pp. 1562–1567, Chennai, Índia, 23–25 de março de 2016.

[459] LI, J. H.; CHIOU, J. S. “Digital Control Analysis and Design of a Field-Sensed
Magnetic Suspension System”. Sensors, v. 15, pp. 6174–6195, 2015.

[460] da ROCHA, P. H.; FERREIRA, H. C.; PORSCH, M. C. et al. “Fixed-Point DSP


Implementation of Nonlinear H∞ Controller for Large Gap Electromagnetic Suspension”.
In: Proceedings of the 17th World Congress The International Federation of Automatic
Control, pp. 14223–14228, Seul, Coreia do Sul, 06–11 de julho de 2008.

[461] NAMERIKAWA, T.; FUJITA, M. “Uncertainty Structure and µ-Synthesis of a


Magnetic Suspension System”. Transactions of The Institute of Electrical Engineers of
Japan, v. 121-C, n. 6, 2001.

[462] FUJITA, M.; NAMERIKAWA, T.; MATSUMURA, F. et al. “µ-Synthesis of an


Electromagnetic Suspension System”. IEEE Transactions on Automatic Control, v. 40,
n. 3, pp. 530–536, março de 1995.

[463] PIŁAT, A. K. “Cap. 24: Active Magnetic Suspension and Bearing”. In: Automation
and Robotics, pp. 453–470. ARREGUIN, J. M. R. (Ed.). 2008, InTech.

[464] PIŁAT, A. K. “Modeling, Simulation and Control of Dual Electromagnet Active


Magnetic Levitation”. In: Proceedings of the 2012 COMSOL Conference in Milan,
Milão, Itália, 10–12 de outubro de 2012.

[465] PIŁAT, A. K. “Features and Limitations of 2D Active Magnetic Levitation Systems


Modeling in COMSOL Multiphysics”. In: Proceedings of the COMSOL Conference 2010
Paris, Paris, França, 17–19 de novembro de 2010.

[466] PIŁAT, A. K.; WŁODARCZYK, P. “The µ-Synthesis and Analysis of the Robust
Controller for the Active Magnetic Levitation System”. Automatyka, v. 15, n. 1, pp. 85–
98, 2011.

[467] MIZUNO, T.; NISHIMURA, K.; ISHINO, Y. et al. “Realization of Parallel-


Connected Double Magnetic Suspension”. In: 13th International Symposium on Magnetic
Bearings (ISMB), Arlington, Virgínia, EUA, 06–09 de agosto de 2012.

[468] MIZUNO, T.; ISHINO, Y.; TAKASAKI, M. “Fabrication of a Three-dimensional


Force Measurement System Using Double Series Magnetic Suspension”. In: 7th IFAC
Symposium on Mechatronic Systems (MECHATRONICS) 2016, v. 49, n. 21, pp. 536–
540, Leicestershire, Reino Unido, 06–08 de setembro de 2016.

140
[469] MIZUNO, T.; SAKAI, Y.; ISHINO, Y. et al. “Fabrication of a New Wind Tunnel
for Spinning Body Using Magnetic Suspension”. In: 13th International Symposium on
Magnetic Bearings (ISMB), Arlington, Virgínia, EUA, 06–09 de agosto de 2012.

[470] MIZUNO, T.; YONENO, Y.; ISHINO, Y. et al. “Proposal of Flux-Path Control
Magnetic Suspension using Flux Concentration”. In: 1st Brazilian Workshop on Magnetic
Bearings (BWMB), Rio de Janeiro, Brasil, 25 e 26 de outubro de 2013.

[471] ISHINO, Y.; TAKASAKI, M.; MIZUNO, T. “Development of a Solar Photovoltaic


Magnetic Suspension System”. In: 13th International Symposium on Magnetic Bearings
(ISMB), Arlington, Virgínia, EUA, 06–09 de agosto de 2012.

[472] LILIENKAMP, K. A.; LUNDBERG, K. H. “Low-cost magnetic levitation project


kits for teaching feedback system design”. In: American Control Conference, Boston,
Massachusetts, EUA, 30 de junho–06 de julho de 2004.

[473] LUNDBERG, K. H.; LILIENKAMPM K. A.; MARSDEN, G. “Low-Cost


Magnetic Levitation Project Kits”. IEEE Control Systems Magazine, v. 24, n. 5, pp. 65–
69, outubro de 2004.

[474] MARSDEN, G. “Levitation! Float objects in a servo-controlled magnetic field”.


Nuts & Volts Magazine, Everything For Electronics, v. 24, n. 9, pp. 58–61, setembro de
2003.

[475] ARTIGAS, J. I.; BARRAGÁN, L. A.; LLORENTE, S. et al. “Low-Cost Magnetic


Levitation System for Electronics Learning”. In: 4th IEEE International Conference on E-
Learning in Industrial Electronics (ICELIE), pp. 55–60, Glendale, Arizona, EUA, 07–10
de novembro de 2010.

[476] OLIVEIRA, V. A.; COSTA, E. F.; VARGAS, J. B. “Digital Implementation of a


Magnetic Suspension Control System for Laboratory Experiments”. IEEE Transactions
on Education, v. 42, n. 4, pp. 315–322, novembro de 1999.

[477] OLIVEIRA, V. A.; TOGNETTI, E. S.; SIQUEIRA, D. “Robust Controllers


Enhanced With Design and Implementation Process”. IEEE Transactions on Education,
v. 49, n. 3, pp. 370–382, agosto de 2006.

[478] ROSADO FILHO, M.; MUNARO, C. J. “A Design Methodology of Tracking


Controllers for Magnetic Levitation Systems”. In: Proceedings of the 2001 IEEE
International Conference on Control Applications, pp. 47–51, Cidade do México,
México, 05–07 de setembro de 2001.

[479] MUNARO, C. J.; ROSADO FILHO, M.; BORGES, R. M. et al. “Modeling and
Observer-Based Nonlinear Control of a Magnetic Levitation System”. In: Proceedings of
the 2002 IEEE International Conference on Control Applications, pp. 162–167, Glasgow,
Escócia, Reino Unido, 18–20 de setembro de 2002.

[480] MUNARO, C. J.; ROSADO FILHO, M.; BORGES, R. M. et al. “Nonlinear


Tracking Control Design for Magnetic Levitation System”. In: XIV Congresso Brasileiro
de Automática (CBA), pp. 2178–2183, Natal, Brasil, 02–05 de setembro de 2002.

141
[481] GALVÃO, R. K. H.; YONEYAMA, T.; de ARAÚJO, F. M. U. et al. “A Simple
Technique for Identifying a Linearized Model for a Didactic Magnetic Levitation
System”. IEEE Transactions on Education, v. 46, n. 1, pp. 22–25, fevereiro de 2003.

[482] MESQUITA, A. R.; KIENITZ, K. H. “Otimização em Tempo de Execução de


Controladores usando Hardware Computacional na Configuração Mestre-Escravo”.
Revista Controle & Automação, v. 16, n. 1, pp. 76–83, janeiro, fevereiro e março de 2005.

[483] MILHOMEM, R. L. Construção de uma Bancada Didática de Processo de


Levitação Magnética - MAGLEV. 110 p. Projeto de Graduação em Engenharia Elétrica.
Universidade Federal do Pará, Faculdade de Engenharia Elétrica, Tucuruí, Pará, 2010.

[484] STEPHAN, R. M., FORAIN, I, MACHADO, O. J. et al. “Experiências de


Levitação Magnética”. In: XIV Congresso Brasileiro de Automática (CBA), pp. 309–
312, Natal, Brasil, 02–05 de setembro de 2002.

[485] GOMES, R. R., SILVA, D. C. V. da, SILVA NETO, J. L. da. “Electromagnetic


Levitation Using MATLAB Real Time Control Toolbox”. In: IEEE International
Symposium on Industrial Electronics (ISIE ‘03), v. 2, pp. 1144–1146, Rio de Janeiro,
Brasil, 09–11 de junho de 2003.

[486] GOMES, R. R.; STEPHAN, R. M. “Um experimento para ilustrar o sistema de


levitação eletromagnética utilizado em trens MAGLEV”. Disponível em:
http://www.coe.ufrj.br/~ramos/se.pdf – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[487] GOMES, R. R. Um Experimento para Ilustrar o Sistema de Levitação


Eletromagnética Utilizando em Trens Maglev. Projeto de Graduação em Engenharia
Elétrica. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Engenharia Elétrica,
Rio de Janeiro, 2004.

[488] GOMES, R. R.; SOTELO, G. G.; STEPHAN, R. M. “Desenvolvimento de um


Sistema Didático para Levitação Eletromagnética com o Auxílio do Método de
Elementos Finitos”. Disponível em: http://www.coe.ufrj.br/~ramos/cba.pdf – Acesso em:
28 de fevereiro de 2017.

[489] SOTELO, G. G.; GOMES, R. R.; STEPHAN, R. M. “Comparação de


configurações para um levitador eletromagnético pelo método dos elementos finitos”. In:
VI Congresso Brasileiro de Eletromagnetismo (CBMAG), v. 6, pp. 1–4, São Paulo,
Brasil, agosto de 2004.

[490] MOTA, D. J. P. de S. Controle da Posição de uma Esfera em um Sistema de


Levitação Eletromagnética. 60 p. Projeto de Graduação em Engenharia Elétrica.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Engenharia Elétrica, Rio de
Janeiro, 2008.

[491] VALLE, R., NAVES, F., de ANDRADE Jr., R. et al. “Electromagnetic Levitation
of a Disc”. IEEE Transactions on Education. v. 55, n. 2, pp. 248–254, maio de 2012.

[492] VALLE, R. L. de S. Levitação Eletromagnética de um Disco. 66 p. Projeto de


Graduação em Engenharia Elétrica. Universidade Federal do Rio de Janeiro,
Departamento de Engenharia Elétrica, Rio de Janeiro, 2010.

142
[493] Introdução à Engenharia Elétrica do Departamento de Engenharia Elétrica da
Universidade Federal do Rio de Janeiro (EEE200). Disponível em:
http://www.coe.ufrj.br/~richard/EEE200/Levitation%20of%20a%20disk/ – Acesso em:
28 de fevereiro de 2017.

[494] NEVES, F. F.; VALLE, R. S. STEPHAN, R. M. “Rejeição de Distúrbios em um


Sistema de Levitação Eletromagnética”. In: XVIII Congresso Brasileiro de Automática
(CBA), pp. 902–907, Bonito, Brasil, 12–16 de setembro de 2010.

[495] NEVES, F. F. Controle Adaptativo Programado, Rejeição de Distúrbios e


Estimador de Posição Aplicado ao Sistema de Levitação Eletromagnética de um Disco.
Projeto de Graduação em Engenharia de Controle e Automação. Universidade Federal do
Rio de Janeiro, Departamento de Engenharia de Controle e Automação, Rio de Janeiro,
2012.

[496] ENDALÉCIO, A. D. de M. Estudo e Implementação de um Sistema de Levitação


Eletromagnética Utilizando Sensores de Efeito Hall. 69 p. Projeto de Graduação em
Engenharia Eletrônica. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de
Engenharia Eletrônica e de Computação, Rio de Janeiro, 2013.

[497] FERREIRA, H. P.; ENDALÉCIO, A. D. de M.; STEPHAN, R. M. “Development


of Levitation Experiments for Teaching Purposes”. In: 1st Brazilian Workshop on
Magnetic Bearings (BWMB), Rio de Janeiro, Brasil, 25 e 26 de outubro de 2013.

[498] Bytronic. Disponível em: http://www.bytronic.net/product/magnetic-levitation-


system/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[499] TecQuipment Ltd. Disponível em:


http://www.tecquipment.com/Control/MATLAB_Simulink/CE152.aspx – Acesso em:
28 de fevereiro de 2017.

[500] INTECO. Disponível em: http://www.inteco.com.pl/products/magnetic-levitation-


systems/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[501] Quanser Inc. Disponível em: http://www.quanser.com/Products/maglev – Acesso


em: 28 de fevereiro de 2017.

[502] JAYAWANT, B. V.; REA, D. P. “New electromagnetic suspension and its


stabilisation”. Proceedings of the IEE, v. 115, n. 4, pp. 549–554, abril de 1968.

[503] JAYAWANT, B. V.; REA, D. P. “New electromagnetic suspension and its


stabilisation”. Electronics Letters, v. 3, n. 9, pp. 401–402, setembro de 1967.

[504] KAPLAN, B. Z. “Analysis of a method for magnetic levitation”. Proceedings of


the IEE, v. 114, n. 11, pp. 1801–1804, novembro de 1967.

[505] KAPLAN, B. Z. “Recent Developments in Magnetic Levitation”. Electronics


Letters, v. 6, n. 8, pp. 230–231, 16 de abril de 1970.

[506] KAPLAN, B. Z. “A new analysis of tuned circuit levitators”. International Journal


of Non-Linear Mechanics, v. 9, n. 1, pp. 75–87, fevereiro de 1974.

143
[507] KAPLAN, B. V. “Estimation of meachanical transients in “tuned-circuit” levitators
by employing steady-state impedances”. Journal of Applied Physics, v. 47, n. 1, pp. 78–
84, janeiro de 1976.

[508] HAGIHARA, S. “Performance and stability of a magnetic suspension device using


a tuned LCR circuit”. Proceedings of the Institution of Electrical Engineers - Control
Science, v. 125, n. 2, pp. 153–156, fevereiro de 1978.

[509] HAGIHARA, S. “Quasiperiodic oscillations caused by magnetic saturation in a


tuned-circuit levitator”. Proceedings of the IEE – Science, v. 127, Pt. A, n. 4, pp. 245–
249, maio de 1980.

[510] BLEULER, H. “A Survey of Magnetic Levitation and Magnetic Bearing Types”.


Japan Society of Mechanical Engineers International Journal, Series III, v. 35, n. 3, pp.
335–342, 1992.

[511] BLEULER, H. “Magnetic Levitation: A Challenge for Control Design in


Mechatronics”. Seisan-Kenkyu, v. 44, n. 12, pp. 578–583, dezembro de 1992.

[512] KAPLAN, B. Z.; REGEV, D. “Dynamic Stabilization of Tuned-Circuit Levitators”.


IEEE Transactions on Magnetics, v. MAG-12, n. 5, pp. 556–559, setembro de 1976.

[513] KAPLAN, B. Z. Magnetic Levitation Using Tuned LCR Circuits. 187 p. Tese de
Doutorado. The University of Sussex, School of Applied Sciences, Brighton, Reino
Unido, outubro de 1971.

[514] JIN, J.; HIGUCHI, T. “Modeling and Dynamic Stabilization for Suspension System
Using Tuned LC Circuit”. In: IEEE International Conference on Systems Engineering,
pp. 411–415, Kobe, Japão, 17–19 de setembro de 1992.

[515] JIN, J.; HIGUCHI, T. “Dynamics and Stabilization of Magnetic Suspension Using
Tuned LC Circuit”. In: 4th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), pp.
321-326, Zurique, Suíça, 23–26 de agosto de 1994.

[516] JIN, J.; HIGUCHI, T. “Dynamics and Stabilization of Magnetic Suspension


Systems Using Tuned LC Circuit”. Japanese Society of Mechanical Engineers
International Journal, Series C, v. 37, n. 3, pp. 494–498, 1994.

[517] CHOI, C.; PARK, K. “Self-sensing magnetic levitation using a LC resonant


circuit”. Sensors and Actuators A – Physical, v. 72, pp. 168–172, 1999.

[518] DESHPANDE, M. “LC Tuned Magnetic Levitation System”. British Journal of


Applied Science & Technology, v. 4, n. 3, pp. 568–577, 2014.

[519] MIZUNO, T.; TAKAHASHI, K.; ISHINO, Y. et al. “Proposal of AC Magnetic


Suspension Using Magnetic Resonant Coupling”. In: 14th International Symposium on
Magnetic Bearings (ISMB), pp. 491–494, Linz, Áustria, 11–14 de agosto de 2014.

[520] MIZUNO, T.; TAKAHASHI, K.; ISHINO, Y. et al. “Novel AC magnetic


suspension using magnetic resonant coupling”. Mechanical Engineering Journal, v. 3,
n.2, pp. 15–00687, fevereiro de 2016.

144
[521] KAPLAN, B. Z.; SARAFIAN, G. “RC-electromechanically variable L resonator:
The chaotic shaver”. Electronics Letters, v. 33, n. 2, pp. 111–113, 16 de janeiro de 1997.

[522] KAPLAN, B. Z.; SARAFIAN, G. “Control strategy for stabilising magnetic


levitation”. Electronics Letters, v. 33, n. 23, pp. 1960–1961, 06 de novembro de 1997.

[523] KAPLAN, B. Z.; SARAFIAN, G. “Employing chaos tools and methods in magnetic
levitation”. Proceedings of the IEE – Science, Measurement and Technology, v. 146, n.
1, pp. 15–20, janeiro de 1999.

[524] KAPLAN, B. Z.; HOREN, Y.; COHEN, G. et al. “Magnetic Levitation by Chaotic
Oscillation: A New Method”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 38, n. 5, pp. 3475–
3481, setembro de 2002.

[525] KAPLAN, B. V.; JAYAWANT, B. V. “The development and stabilization of a new


electromagnetic suspension”. Journal of Physics E: Scientific Instruments, v. 4, n. 4, pp.
301–306, 1971.

[526] TSUKAMOTO, O.; YASUDA, K.; CHEN, J. Z. “A New Magnetic Levitation


System with AC Magnets”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 24, n. 2, pp. 1497–1500,
março de 1998.

[527] JIN, J.; HIGUCHI, T. “Current Feedback Stabilization of Tuned Magnetic


Suspension System”. In: 5th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), pp.
19–24, Kanazawa, Japão, 28–30 de agosto de 1996.

[528] McGUIRE, N.; WURMSDOBLER, P. “Stable Magnetic Suspension in Fluids


Using Tuned LC-Circuits”. In: 7th International Symposium on Magnetic Bearings
(ISMB), pp. 129–134, Zurique, Suíça, 23–25 de agosto de 2000.

[529] CHEN, H. M.; WALTER, T. J. “A Foil-Magnetic Thrust Bearing Using LCR


Circuit”. In: 10th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Martigny,
Suíça, 21–23 de agosto de 2006.

[530] CHEN, H. M.; CHAPMAN, P. A.; DONAHUE, A. C. et al. “A Magnetically


Levitated Blood Pump using LCR Circuits”. In: 11th International Symposium on
Magnetic Bearings (ISMB), pp. 212–216, Nara, Japão, 26–29 de agosto de 2008.

[531] PARENTE, R. B. “Stability of a Magnetic Suspension Device”. IEEE Transactions


on Aerospace and Electronic Systems, v. AES-5, n. 3, pp. 474–485, maio de 1969.

[532] KAPLAN, B. Z. “New Combination: Motor – Levitator”. Proceedings of the IEE


– Correspondence, v. 122, n. 4, pp. 430–431, abril de 1975.

[533] GODDARD, R. “The Limit of Rapid Transit”. Scientific American, v. 101, n. 21,
p. 366, 20 de novembro de 1909.

[534] BOLDEA, I.; TRICA, A.; PAPUSOIU, G. et al. “Field Tests on a MAGLEV with
Passive Guideway Linear Inductor Motor Transportation System”. IEEE Transactions on
Vehicular Technology, v. 37, n. 4, pp. 213–219, novembro de 1988.

145
[535] ROSS, J. A. “ROMAG® Transportation System”. Proceedings of the IEEE, v. 61,
n. 5, pp. 617–620, maio de 1973.

[536] GILLILAND, R. G. “Mag-Transit – Development at Boeing”. In: 29th IEEE


Vehicular Technology Conference, pp. 148–151, Arlington Heights, Illinois, EUA, 27-
30 de março de 1979.

[537] GILLILAND, R. G.; SMITH, R. J. “Power Conditioning Unit Development for


Mag-Transit”. In: IEEE Power Electronics Specialists Conference, pp. 297–301, Boulder,
Colorado, EUA, 29 de junho-03 de julho de 1981.

[538] SCHNEIDER, J. “The ROMAG Maglev GRT Technology”. University of


Washington. Disponível em: https://faculty.washington.edu/jbs/itrans/romag.htm –
Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[539] Shaghai Maglev Transportation Development Co., Ltd. Disponível em:


http://www.smtdc.com/en/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[540] POLLARD, M. G. “Maglev – A British First at Birmingham”. Physics in


Technology, v. 15, pp. 61–66, 72, 1984.

[541] Linimo. Disponível em: http://www.linimo.jp/en/ – Acesso em: 28 de fevereiro de


2017.

[542] JakeLM. Shanghai Maglev Train on the track. Disponível em:


https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Maglev_june2005.jpg – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017. Uso sobre a licença Creative Commons Attribution 2.5 Generic
license.

[543] GUOBIN, L.; XIONGWEI, S. “Application and Development of Maglev


Transportation in China”. In: The 22nd International Conference on Magnetically
Levitated Systems and Linear Drives (MAGLEV’14), Keynote, Rio de Janeiro, Brasil,
28 de setembro – 1º de outubro de 2014.

[544] Chris 73. Linimo approaching Banpaku Kaijo Station, located at the main gate of
Expo 2005, westbound towards Fujigaoka Station in Nagoya on the line’s opening day.
Disponível em:
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Linimo_approaching_Banpaku_Kinen_Koen,
_towards_Fujigaoka_Station.jpg – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017. Uso sobre a
licença Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported license.

[545] ACKERMAN, E. “Maglev Elevators Will Take You Up, Down, and Sideways by
2016”. IEEE Spectrum. Disponível em: http://spectrum.ieee.org/tech-
talk/transportation/mass-transit/maglev-elevators-will-take-you-up-down-and-sideways-
by-2016 – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[546] ThyssenKrupp. Disponível em: https://multi.thyssenkrupp-elevator.com/en/ –


Acesso em: 28 de novembro de 2016.

[547] Minseong Kim. Incheon Airport Maglev. Disponível em:


https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Incheon_Airport_Maglev.jpg – Acesso em: 28

146
de fevereiro de 2017. Uso sobre a licença Creative Commons Attribution-Share Alike 4.0
International license.

[548] HAN, H. S.; KIM, C. H.; LEE, J. M. et al. “System Integration of a Non-Contact
Conveyer Using Magnetic Levitation Technology”. In: Proceedings of the 2011 IEEE
International Conference on Mechatronics, pp. 708–712, Istambul, Turquia, 13–15 de
abril de 2011.

[549] KIM, C. H.; LEE, J.M.; HAN, H. S. et al. “Levitation and Thrust Control of a
Maglev LCD Glass Conveyor”. In: 37th Annual Conference on IEEE Industrial
Electronics Society (IECON), pp. 610–615, Melbourne, Austrália, 07–10 de novembro
de 2011.

[550] HA, C. W.; KIM, C. H.; LIM, J. et al. “Development of High Accuracy Magnetic
Levitation Transport System for OLED Evaporation Process”. In: The 23rd International
Conference on Magnetically Levitated Systems and Linear Drives (MAGLEV’16), pp.
275-279, Berlim, Alemanha, 23–26 de setembro de 2016.

[551] JANSEN, J. W. Magnetically levitated planar actuator with moving magnets:


electromechanical. 180 p. Technische Universiteit Eindhoven. Eindhoven, Holanda,
2007.

[552] RENKENS, M.; TABOR, R.; RUIJL, T. “Providing Precision Mechatronic


Solutions for the Challenges of EUV-Lithography”. Disponível em:
http://aspe.net/publications/Spring_2008/Spr08Ab/2574-Renkens%202.pdf – Acesso
em: 28 de fevereiro de 2017.

[553] IQDEMY Maglev. Disponível em: http://iqdemy-print.com/uv-led-printers/iqdemy-


maglev – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[554] BAKER, W.; ROBINSON, J.; ARTIMOVICH, A. Span Inc. “Magnetic Floatation
Control System”. US6373676B1. 01 de outubro de 1999. 16 de abril de 2002.

[555] JOACHIM, G. L. Identified Flying Objects, Ltd. “Magnetic Suspension System”.


US7110236B2. 18 de junho de 2003. 19 de setembro de 2006.

[556] SMOOT, L. S.; SCHNUCKLE, G. W. Disney Enterprises, Inc. “Magnetic


Levitation Novelty Device”. US8258663B2. 28 se setembro de 2009. 04 de setembro de
2012.

[557] HCNT Technology. Disponível em: http://www.hcnt.cn/en/Default.asp – Acesso


em: 28 de fevereiro de 2017.

[558] YANG, W. M.; WANG, M. Z. “The Stable Levitation of an Iron Ball over a Ring
Magnet”. Journal of Superconductivity and Novel Magnetism, v. 25, pp. 421–425, 2012.

[559] LI, C.; LI, L. “The Stable Magnetic Levitation of a Cylindrical Ferromagnetic
Object”. Journal of Superconductivity and Novel Magnetism, v. 27, pp. 2773–2778, 2014.

[560] Floating Lamps. Disponível em: http://www.floating-lamps.com/ – Acesso em: 28


de fevereiro de 2017.

147
[561] JANSEN, G. L. M. Crealev BV. “Magnetic Levitation Apparatus”. EP2210336B1.
19 de setembro de 2008. 28 de julho de 2010.

[562] Kibardindesign. Disponível em: http://www.kibardindesign.com/products/in-


progress/the-bat-levitating-kibardin/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[563] Hoshinchu Air Bonsai Garden. Disponível em: http://hoshinchu.com/ – Acesso em:
28 de fevereiro de 2017.

[564] Levitation Arts, Inc. Disponível em: http://levitationarts.com/ – Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[565] DAVIS, H.; WHITEHEAD, L. Levitation Arts Inc. “Magnetic Levitation


Apparatus”. US7348691B2. 29 de setembro de 2003. 25 de março de 2008.

[566] WHITEHEAD, L. Levitation Arts Inc. “Levitation system with permanent magnets
and coils”. US5168183A.27 de março de 1991. 1º de dezembro de 1992.

[567] WANG, X. B.; LI, L. Q. “Magnetic Suspension Device”. US8294542B2. 12 de


dezembro de 2009. 23 de outubro de 2012.

[568] WANG, X. B.; LI, L. Q. “Method for Positioning a Suspension Body and Magnetic
Suspension Device using the Method”. US8823479B2. 06 de junho de 2010. 02 de
setembro de 2014.

[569] WANG, X. B.; LI, L. Q. “Automatic rotating decoration”. US20080098632A1. 03


de março de 2007. 1º de maio de 2008.

[570] WANG, X. B.; LI, L. Q. “Automatic rotary ornament”. WO2009062394A1. 30 de


outubro de 2008. 22 de maio de 2009.

[571] WANG, X. B.; LI, L. Q. “Automatic rotary speaker”. WO2015003577A1. 03 de


julho de 2014. 15 de janeiro de 2015.

[572] Ice Orb. Disponível em: http://icemobile.in/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[573] Wasserstein. Disponível em: https://wasserstein-home.com/products/levitating-


bluetooth-speaker-floating-wireless-speaker-scifi-speaker-by-wasserstein – Acesso em:
28 de fevereiro de 2017.

[574] Uppel Tech. Disponível em: http://www.uppel-tech.com/product/57605357.html –


Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[575] OM/ONE. Disponível em: https://omone.tilt.com/om-one – Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[576] Mars. Disponível em: https://crazybaby.com/mars – Acesso em: 28 de fevereiro de


2017.

[577] 2017 CES Innovation Awards. Disponível em: https://crazybaby.com/press/2017-


ces-awards – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

148
[578] 2015 CES Innovation Awards. Disponível em:
http://content.ce.org/PDF/2015_CES_Innovations_Awards.pdf – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[579] ONNES, H. K. “Report on the researches made in the leiden cryogenic laboratory
between the second and the third international congress of refrigeration”. Selected
Reprints of American Association of Physics Teachers, v. 34, n. b, pp. 55–70, 1913.

[580] LUIZ, A. M. Aplicações dos Supercondutores na Tecnologia e na Medicina. São


Paulo, Ed. Livraria da Física, 1ª ed., 2012.

[581] MEISSNER, W.; OCHSENFELD, R. “Ein neuer Effekt bei Eintritt der
Supraleitfähigkeit”. Naturwissenschaften, v. 21, n. 44, pp. 787–788, 1933.

[582] ROSE-INNES, A. C. Introduction to Superconductivity. 1ª ed., Oxford, Pergamon


Press Ltd, 1969.

[583] SOTELO, G. G. Proposta de um Mancal Magnético Supercondutor com Fita de


YBCO de Segunda Geração. 64 p. Projeto de Graduação em Engenharia Elétrica.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Engenharia Elétrica, Rio de
Janeiro, junho de 2008.

[584] IEEE Council on Superconductivity. “Superconductivity: Present and Future


Applications”. Coalition for the Commercial Appliaction of Superconductors, 2009.

[585] ARKADIEV, V. “A floating magnet” Nature, v. 160, n. 4062, pp. 330, 1947.

[586] SIMON, I. “Forces Acting on Superconductors in Magnetic Fields”. Journal of


Applied Physics, v. 24, pp. 19–24, 1953.

[587] BUCHHOLD, T. A. General Electric. “Gyroscope”.US3044309A. 09 de fevereiro


de 1959. 17 de julho de 1962.

[588] SCHOCH, K. F.; DARREL, B. “A Superconducting Gyroscope for Gimballed


Platform Application”. Advances in Cryogenic Engineering, TIMMERHAUS, K. D.
(ed.), v. 12, pp. 657–665, 1966.

[589] BEDNORZ, J. G.; MÜLLER, K. A. “Possible High Tc Superconductivity in the


Ba-La-Cu-O System”. Zeitschrift für Physik B Condensed Matter, v. 64, n. 2, pp. 189–
193, 1986.

[590] WU, M. K.; ASHBURN, J. R.; TORNG, C. J. et al. “Superconductivity at 93 K in


a New Mixed-Phase Y-Ba-Cu-O Compound System at Ambient Pressure”. Physical
Review Letters, v. 58, n. 9, pp. 908–910, 02 de março de 1987.

[591] HOR, P. H.; GAO, L.; MENG, R. L. et al. “High-Pressure Study of the New Y-Ba-
Cu-O Superconducting Compound System”. Physical Review Letters, v. 58, n. 9, pp.
911–912, 02 de março de 1987.

[592] WILLIAMS, R.; MATEY, J. R. “Equilibrium of a magnet floating above a


superconducting disk”. Applied Physics Letters, v. 52, pp. 751–753, 1988.

149
[593] MACFARLANE, J. C.; MULLER, K. H.; DRIVER, R. “Synchronous Rotation of
a Floating Magnet and Flux Penetration in Y-Ba-Cu-O Superconductor”. IEEE
Transactions on Magnetics, v. 25, n. 2, pp. 2515–2517, março de 1989.

[594] da ROCHA, F. S.; FRAQUELLI, H. A. “Roteiro para a experiência de levitação de


um ímã repelido por um supercondutor no Ensino de Física”. Revista Brasileira de Ensino
de Física, v. 26, n. 1, pp. 11–18, 2004.

[595] SASS, F. Mancais Magnéticos Supercondutores Utilizando Fitas de Segunda


Geração. 97 p. Dissertação de Mestrado em Engenharia Elétrica. Universidade Federal
do Rio de Janeiro, Programa de Engenharia Elétrica, Rio de Janeiro, março de 2011.

[596] Levitação Supercondutora. Disponível em:


http://www.dee.ufrj.br/lasup/projetos.html – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[597] NAGASHIMA, K. “Research and Development Concerning Superconducting


Maglev and Research on Applying Its Technology to the Conventional Railway System”.
Quaterly Report of RTRI, v. 56, n. 2, pp. 86–90, maio de 2015.

[598] MUKOYAMA, S.; MATSUOKA, T.; FURUKAWA, M. et al. “Devlopment of


REBCO HTS Magnet of Magnetic Bearing for Large Capacity Flywheel Energy Storage
System”. Physics Procedia, v. 65, pp. 253–256, 2015.

[599] RODRIGUEZ, E.; de SANTIAGO, J.; PÉREZ-LOYA, J. J. et al. “Analysis of


passive magnetic bearings for kinetic energy storage systems”. In: 14th International
Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), pp. 611–615, Linz, Áustria, 11–14 de agosto
de 2014.

[600] RIBEIRO, M. R.; EL-MANN, M.; SOTELO, G. G. et al. “Sistema Armazenador


de Energia Cinética – SAEC – Simulações e Implementação Experimental”. In: 23º
Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore, Rio de
Janeiro, Brasil, 25–29 de outubro de 2010.

[601] STEPHAN, R. M.; de ANDRADE Jr., R.; SOTELO, G. G. “Third generation of


flywheels: a substitute to batteries”. In: IX Congresso Brasileiro de Eletrônica de Potência
(COBEP’07), Blumenau, Brasil, 30 de setembro – 04 de outubro de 2007.

[602] de ANDRADE Jr.; R.; SOTELO, G. G.; FERREIRA, A. C. et al. “Flywheel Energy
Storage System Description and Tests”. IEEE Transactions on Applied
Superconductivity, v. 17, n. 2, pp. 2154–2157, junho de 2007.

[603] da SILVA NETO, J. L.; de ANDRADE Jr.; ROLIM, L. G. B. et al. “Experimental


Validation of a Dynamic model of a SEM used in superconducting bearing flywheel
energy storage system”. In: International Symposium on Industrial Electronics (ISIE ‘06),
pp. 2492–2497, Montreal, Canadá, 09–12 de julho de 2006.

[604] da SILVA NETO, J. L.; ROLIM, L. G. B.; SOTELO, G. G. “Control of a Power


Circuit Interface of a Flywheel-based Energy Storage System”. In: International
Symposium on Industrial Electronics (ISIE ‘03), pp. 962–967, Rio de Janeiro, Brasil, 09–
11 de junho de 2003.

150
[605] SOTELO, G. G.; ROLIM, L. G. B.; FERREIRA, A. C. “Uso de uma Máquina de
Relutância Variável para Armazenamento Energético: uma Aplicação para Qualidade
de Energia”. In: XIV Congresso Brasileiro de Automática (CBA), pp. 2617–2622, Natal,
Brasil, 02–05 de setembro de 2002.

[606] ROLIM, L. G. B.; FERREIRA, A. C.; SOTELO, G. G. et al. “Flywheel Generator


with Switched Reluctance Machine”. In: 15th International Conference on Electrical
Machines (ICEM), Bruges, Bélgica, 25–28 de agosto de 2002.

[607] SOTELO, G. G.; ROLIM, L. G. B.; FERREIRA, A. C. et al. “High-Speed Flywheel


System with Switched Reluctance Motor/Generator”. In: Conferência de Aplicações
Industriais (INDUSCON), Salvador, Brasil, 03–05 de julho de 2002.

[608] HULL, J. R. “Flywheels on a roll”. IEEE Spectrum, v. 43, n. 7, pp. 20–25, julho de
1997.

[609] HULL, J. R.; MULCAHY, T. M.; UHERKA, K. L. et al. “Flywheel Energy Storage
Using Superconducting Magnetic Bearings”. Applied Supeconductivity, v. 2, n. 7/8, pp.
449–455, 1994.

[610] MIYAGAWA, Y.; KAMENO, H.; TAKAHATA, R. et al. “A 0.5 kWh Flywheel
Energy Storage System using a High-Tc Superconducting Magnetic Bearing”. IEEE
Transactions on Applied Superconductivity, v. 9, n. 2, pp. 996–999, junho de 1999.

[611] KAMENO, H.; MIYAGAWA, Y.; TAKAHATA, R. et al. “A Measurement of


Rotation Loss Characteristics of High-Tc Superconducting Magnetic Bearings and Active
Magnetic Bearings”. IEEE Transactions on Applied Superconductivity, v. 9, n. 2, pp.
972–975, junho de 1999.

[612] HULL, J. R. “Superconducting bearings”. Superconductor Science and


Technology, v. 13, pp. R1–R15, 2000.

[613] MA, K. B.; POSTREKHIN, Y. V.; CHU, W. K. “Superconductor and magnet


levitation devices”. Review of Scientific Instruments, v. 74, n. 12, pp. 4989–5017, 2003.

[614] RIVETTI, A.; MARTINI, G.; GORIA, R. et al. “Turbine flowmeter for liquid
helium with the rotor magnetically levitated”. Cryogenics, v. 27, n. 1, pp. 8–11, janeiro
de 1987.

[615] DECHER, R.; PETERS, P. N.; SISK, R. C. et al. “High Temperature


Superconducting Bearing for Rocket Engine Turbopumps”. Applied Superconductivity,
v. 1, nos. 7–9, pp. 1265-1278, 1993.

[616] HULL, J. R.; MULCAHY, T. M. “Gravimeter Using High-Temperature


Superconducting Bearing”. IEEE Transactions on Applied Superconductivity, v. 9, n. 2,
pp. 390–393, junho de 1999.

[617] WEINSTEIN, R.; PARKS, D.; SAWH, R. P. et al. “A Magnetic Bumper Tether
System Using ZFC Y123”. In: 3rd International Symposium on Magnetic Suspension
Technology (ISMST), pp. 207–216, Tallahassee, Flórida, EUA, 13–15 de dezembro de
1995.

151
[618] MOON, F. C.; GOLKOWSKI, C.; KUPPERMAN, D. “Superconducting Bearings
for High Load Applications”. Applied Superconductivity, v. 1, nos. 7–9, pp. 1175–1184,
1993.

[619] KUMMETH, P.; NICK, W.; NEUMÜLLER, H. W. “Development of


Superconducting Bearings for Industrial Application”. In: 10th International Symposium
on Magnetic Bearings (ISMB), Martigny, Suíça, 21–23 de agosto de 2006.

[620] KIM, Y. K.; KATSURAI, M.; FUJITA, H. “A Superconducting Actuator Using the
Meissner Effect”. Sensors and Actuators, v. 20, pp. 33–40, 1989.

[621] BINNIG, G.; ROHRER, H.; GERBER, C. et al. “Tunneling through a controllable
vacuum gap”. Applied Physics Letters, v. 40, pp. 178–180, 1982.

[622] BRITCHER, C.; GOODYER, M. J.; SCURLOCK, R. G. et al. “A flying


superconducting magnet and cryostat for magnetic suspension of wind-tunnel models”.
Cryogenics, v. 24, n. 4, pp. 185–189, abril de 1984.

[623] OKADA, Y.; MATSUDA, K. I.; KANAZAWA, T. “Robust Vibration Control


using Superconductor as Levitation Device and Velocity Sensor”. In: 5th International
Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), pp. 467–472, Kanazawa, Japão, 28-30 de
agosto de 1996.

[624] SPARING, M.; HOSSAIN, M.; BERGER, D. et al. “Superconducting Magnetic


Bearing as Twist Element in Textile Machines”. IEEE Transactions on Applied
Superconductivity, v. 25, n. 3, 3600504, junho de 2015.

[625] KUEHN, L.; de HAAS, O. “LN2-free Superconducting Magnetic Bearings


continuous cooled by cryocoolers for industrial application and urban transportation
systems”. In: The 22nd International Conference on Magnetically Levitated Systems and
Linear Drives (MAGLEV’14), Rio de Janeiro, Brasil, 28 de setembro – 1º de outubro de
2014.

[626] OGIWARA, H.; AZUKIZAWA, T.; MORISHITA, M. “A Novel Use of


Superconducting Oxides in a Non-Contact Carrier for VLSI Plants”. Applied
Superconductivity, v. 1, nos. 7–9, pp. 1185–1192, 1993.

[627] KOMORI, M.; KAMOGAWA, G. I. “Magnetically Levitated Conveyer using


Superconducting Magnetic Levitation”. In: 9th International Symposium on Magnetic
Bearings (ISMB), Lexington, Kentucky, EUA, 03–06 de agosto de 2004.

[628] de HAAS, O. “Superconducting magnetic bearings for industrial application”. In:


14th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Linz, Áustria, 11–14 de
agosto de 2014.

[629] WERFEL, F. N.; FLOEGEL-DELOR, U.; ROTHFELD, R. et al. “HTS Bulk


Magnetic Application in Flywheel Energy Storage System FESS and MAGLEV
Transportation”. In: The 22nd International Conference on Magnetically Levitated
Systems and Linear Drives (MAGLEV’14), Rio de Janeiro, Brasil, 28 de setembro – 1º
de outubro de 2014.

152
[630] WERFEL, F. N.; FLOEGEL-DELOR, U.; RIEDEL, T. et al. “Technical Progress
in HTS Magnetic Bulk Application Development”. In: Applied Superconductivity
Conference, Charlotte, Carolina do Norte, EUA, 10–15 de agosto de 2014.

[631] WERFEL, F. N.; FLOEGEL-DELOR, U.; ROTHFELD, R. et al. “Superconductor


bearings, flywheels and transportation”. Superconductor Science and Technology, v. 25,
pp. 1–16, 2012.

[632] WERFEL, F. N.; FLOEGEL-DELOR, U.; ROTHFELD, R. et al. “Recent Up-


Scaling in HTS Magnetic Device Technology”. IEEE Transactions on Applied
Superconductivity, v. 21, n. 3, pp. 1473–1476, junho de 2011.

[633] WERFEL, F. N.; FLOEGEL-DELOR, U.; RIEDEL, T. et al. “HTS Magnetic


Bearings in Prototype Application”. IEEE Transactions on Applied Superconductivity, v.
20, n. 3, pp. 874–879, junho de 2010.

[634] WERFEL, F. N.; FLOEGEL-DELOR, U.; ROTHFELD, R. et al. “Application


Advances in HTS Bearing Technology”. In: 7th International Symposium on Magnetic
Bearings (ISMB), pp. 601–606, Zurique, Suíça, 23–25 de agosto de 2000.

[635] SupraTrans II. Disponível em: http://www.ifw-


dresden.de/institutes/imw/research/functional-oxide-layers-and-
superconductors/supratrans-ii/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[636] SOTELO, G. G.; OLIVEIRA, R. A. H. de, COSTA, F. S. et al. “A Full Scale


Superconducting Magnetic Levitation (MagLev) Vehicle Operational Line”. IEEE
Transactions on Applied Superconductivity, v. 25, n. 3, 3601005, junho de 2015.

[637] Southwest Jiaotong University. Disponível em:


http://english.swjtu.edu.cn/public/viewNews.aspx?ID=154 – Acesso em: 28 de fevereiro
de 2017.

[638] LANZARA, G.; D’OVIDIO, G.; CRISI, F. “UAQ4 Levitating Train: Italian
Maglev Transportation System”. IEEE Vehicular Technology Magazine, v. 9, n. 4, pp.
71–77, dezembro de 2014.

[639] Lexus Hoverboard. Disponível em: http://www.lexus-


int.com/amazinginmotion/slide/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[640] HAYT Jr., W. H.; BUCK, J. A. Eletromagnetismo. 8ª ed. Porto Alegre, McGraw
Hill, 2013.

[641] HILL, R. J. “Teaching Electrodynamic Levitation Theory”. IEEE Transactions on


Education, v. 33, n. 4, pp. 346–354, novembro de 1990.

[642] REITZ, J. R. “Forces on Moving Magnets due to Eddy Currents”. Journal of


Applied Physics, v. 41, n. 5, pp. 2067–2071, abril de 1970.

[643] REITZ, J. R.; DAVIS, L. C. “Force on a Rectangular Coil Moving above a


Conducting Slab”. Journal of Applied Physics, v. 43, n. 4, pp. 1547–1553, abril de 1972.

153
[644] DAVIS, L. C. “Drag force on a magnet moving near a thin conductor”. Journal of
Applied Physics, v. 43, n. 10, pp. 4256–4257, outubro de 1972.

[645] LAITHWAITE, E. R. “Linear propulsion by electromagnetic ‘river’”. The


Production Engineer, pp. 219–223, julho/Agosto de 1974.

[646] FERREIRA, H. P.; ENDALÉCIO, A. D. de M.; RODRIGUEZ, E. et al. “Design of


an Electrodynamic Levitation System with COMSOL Multiphysics® Software”. In: 10th
COMSOL Conference, Curitiba, Brasil, 23 e 24 de outubro de 2014.

[647] EASTHAM, J. F.; LAITHWAITE, E. R. “Linear induction motors as


‘electromagnetic rivers’”. Proceedings of the IEE, v. 121, n. 10, pp. 1099–1108, outubro
de 1974.

[648] BARRY, N.; HUDGINS, J. “Levitation of an Aluminium Disc in a Magnetic Flux


Well”. International Journal of Electrical Engineering Education, v. 44, n. 3, pp. 280–
288, julho de 2007.

[649] ANSCHUTZ-KAEMPFE, H. Nl Tech Handel Mij Giro. “Gyroscopic apparatus”.


US1589039A. 14 de fevereiro de 1923. 15 de junho de 1926.

[650] MUCK, O. Otto Muck. “Verfahren und Vorrichtung zum Schmelzen, insbesondere
von Leitern u. dgl. durch elektrische Induktionsstroeme”. DE411004C. 30 de outubro de
1923. 23 de novembro de 1925.

[651] WROUGHTON, D. M.; OKRESS, E. C. Westinghouse Electric Corp. “Magnetic


levitation and heating of conductive materials”. US2686864A. 17 de janeiro de 1951. 17
de agosto de 1954.

[652] OKRESS, E. C.; WROUGHTON, D. M.; COMENETZ, G. et al. “Electromagnetic


Levitation of Solid and Molten Metals”. Journal of Applied Physics, v. 23, n. 5, pp. 545–
552, maio de 1952.

[653] BOERDIJK, A. H. “Technical Aspects of Levitation”. Philips Research Reports,


v. 11, pp. 45–56, 1956.

[654] COMENETZ, G.; SALATKA, J. W. “Ten-Gram Levitation-Melted Ingots”.


Journal of the Electromechanical Society, v. 105, n. 11, pp. 673–676, novembro de 1958.

[655] WEISBERG, L. R. “Levitation of Ga, In, Au, and Sb”. Review of Scientific
Instruments, v. 30, n. 2, p. 135, 1959.

[656] HARRIS, B.; JENKINS, A. E. “Controlled atmosphere levitation system”. Journal


of Scientific Instruments, v. 36, n. 5, pp. 238–240, maio de 1959.

[657] LEWIS, J. C.; NEUMAYER, H. R. J.; WARD, R. G. “The stabilization of liquid


metal during levitation melting”. Journal of Scientific Instruments, v. 39, n. 11, p. 569,
1962.

[658] HOSHINO, T.; SATO, N.; HAYASHI, Y. “Levitating Force Working to Metal
Specimens in Electromagnetic Levitation System Using a Cusp Coil”. Electrical
Engineering in Japan, v. 101, n. 2, pp. 110–116, 1981.

154
[659] CIRIC, I. R.; MATHUR, R. M. “Electromagnetic levitation of rotating cylinders”.
IEE Proceedings, v. 132, Pt. A, n. 1, pp. 21–27, janeiro de 1985.

[660] PEIFER, W. A. “Levitation Melting: A Survey of the State-of-the-Art”. Journal of


Metals, v. 17, n. 5, pp. 487–493, maio de 1965.

[661] SZEKELY, J.; SCHWARTZ, E.; HYERS, R. “Electromagnetic Levitation – A


Useful Tool in Microgravity Research”. Journal of Metals, v. 47, n. 5, pp. 50–53, maio
de 1995.

[662] Ambrell Corporation. Disponível em: https://www.ambrell.com/levitation-melting


– Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[663] UltraFlex Power Technologies. Disponível em:


https://ultraflexpower.com/levitation-with-induction-application-examples/levitation-
melting-of-2g-of-aluminum-with-induction/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[664] MTI Corporation. Disponível em:


http://www.mtixtl.com/CompactVacuumableLevitationMeltingSystem-EQ-SPG-
6VMS.aspx – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[665] LAITHWAITE, E. R. “Induction coil guns for hypervelocities”. IEE Proceedings


- Electric Power Applications, v. 142, n. 3, pp. 215–221, maio de 1995.

[666] DRIGA, M. D.; WELDON, W. F.; WOODSON, H. H. “Electromagnetic Induction


Launchers”. IEEE Transactions on Magnetics, v. MAG-22, n. 6, pp. 1453–1458,
novembro de 1986.

[667] DRIGA, M. D.; WELDON, W. F. “Induction Launcher Design Considerations”.


IEEE Transactions on Magnetics, v. 25, n. 1, pp. 153–158, janeiro de 1989.

[668] ELLIOTT, D. G. “Travelling-Wave Induction Launchers”. IEEE Transactions on


Magnetics, v. 25, n. 1, pp. 159–163, janeiro de 1989.

[669] ZABAR, Z.; NAOT, Y.; BIRENBAUM, L. et al. “Design and Power Conditioning
for the Coil-Gun”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 25, n. 1, pp. 627–631, janeiro de
1989.

[670] INGRAM, M. W.; ANDREWS, J. A.; BRESIE, D. A. “An Actively Pulsed


Accelerator”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 27, n. 1, pp. 591–595, janeiro de 1991.

[671] KAYE, R. J.; BRAWLEY, E. L.; DUGGIN, B. W. et al. “Design and Performance
of a Multi-Stage Cylindrical Reconnection Launcher”. IEEE Transactions on Magnetics,
v. 27, n. 1, pp. 596–600, janeiro de 1991.

[672] HAINSWORTH, G.; RODGER, D. “Design Optimisation of Coilguns”. IEEE


Transactions on Magnetics, v. 31, n. 1, pp. 473–477, janeiro de 1995.

[673] HAGHMARAM, R.; SHOULAIE, A. “Literature Review of Theory and


Technology of Air-Core Tubular Linear Induction Motors”. In: 39th International
Universities Power Engineering Conference, pp. 517–522, Bristol, Reino Unido, 06–08
de setembro de 2004.

155
[674] BALIKCI, A.; ZABAR, Z.; BIRENBAUM, L. et al. “On the Design of Coilguns
for Super-Velocity Launchers”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 43, n. 1, pp. 107–
110, janeiro de 2007.

[675] GHERMAN, L.; PEARSICA, M.; STRIMBU, C. et al. “Induction Coilgun Based
on “E-Shaped” Design”. IEEE Transactions on Plasma Science, v. 39, n. 2, pp. 725–729,
fevereiro de 2011.

[676] HASIRCI, U.; BALIKCI, A. “Design, Fabrication and Test of a 250 m/s
Generator-Driven Coil Launcher”. In: 6th International Conference on Recent Advances
in Space Technologies (RAST), pp. 815–820, Istambul, Turquia, 12–14 de junho de 2013.

[677] LI, X.; WANG, H. S.; CHEN, S. Z. et al. “Design and Test of a Five-Section Linear
Induction Coil Launcher”. In: Proceedings of 2015 IEEE International Conference on
Applied Superconductivity and Electromagnetic Devices, pp. 422–424, Xangai, China,
20–23 de novembro de 2015.

[678] LIPINSKI, R. J.; BEARD, S.; BOYES, J. et al. “Space Applications for Contacless
Coilguns”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 29, n. 1, pp. 691–695, janeiro de 1993.

[679] ZABAR, Z.; LEVI, E.; BIRENBAUM, L. et al. “Pulsed Power to Aid of Chemical
Guns”. In: 10th IEEE International Pulsed Power Conference, pp. 167–173, Albuquerque,
Novo México, EUA, 03–06 de julho de 1995.

[680] KATHE, E.; GAST, R.; VOTTIS, P. et al. “Analysis of Launch Induced Motion of
a Hybrid Electromagnetic/Gas Gun”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 33, n. 1, pp.
178–183, janeiro de 1997.

[681] LIAO, M.; ZABAR, Z.; CZARKOWSKI, D. et al. “On the Design of a Coilgun as
a Rapid-Fire Grenade Launcher”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 35, n. 1, pp. 148–
153, janeiro de 1999.

[682] WANG, D. M.; LIU, P.; LIU, H. Q. et al. “The Design and Structural Analysis of
a Coilgun for Low Acceleration of Heavy Loads”. IEEE Transactions on Magnetics, v.
35, n. 1, pp. 160–165, janeiro de 1999.

[683] SASLOW, W. M. “Electromechanical implications of Faraday’s law: A problem


collection”. American Journal of Physics, v. 55, n. 11, pp. 986–993, novembro de 1987.

[684] HALL, J. “Forces on the Jumping Ring”. The Physics Teacher, v. 35, pp. 80–83,
fevereiro de 1997.

[685] LAITHWAITE, E. R. “The Circle of Magnetism”. Imperial College London,


Londres, 1968. Palestra. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=0tJfqMYHaQw – Acesso em: 28 de fevereiro de
2017.

[686] LAITHWAITE, E. R. “Electromagnetic Levitation”. Electronics & Power, pp.


408–410, 413, v. 11, n. 12, dezembro de 1965.

156
[687] THOMPSON, M. T. “Electrodynamic Magnetic Suspension – Models, Scaling
Laws, and Experimental Results”. IEEE Transactions on Education, v. 43, n. 3, pp. 336–
342, agosto de 2000.

[688] GIERAS, J. F. “Teaching Linear Motors and Magnetic Levitation at Graduate


Level”. In: XXth International Conference on Electrical Machines (ICEM), Marselha,
França, 02–05 de setembro de 2012.

[689] Massachusetts Institute of Technology Department of Physics. “Physics Demo:


Jumping Ring”. Disponível em:
http://techtv.mit.edu/collections/physicsdemos/videos/514-physics-demo-jumping-ring
– Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[690] BARRY, N.; CASEY, R. “Elihu Thomson’s Jumping Ring in a Levitated Closed-
Loop Control Experiment”. IEEE Transactions on Education, v. 42, n. 1, pp. 72–80,
fevereiro de 1999.

[691] BARRY, N. “Dynamics of Jumping Rings and Collars”. International Journal of


Electrical Engineering Education, v. 35, n. 4, pp. 357–369, outubro de 1998.

[692] BARRY, N.; CASEY, R.; POWER, M. “Levitation of the ‘Jumping Ring’ using a
Fuzzy Logic Controller”. International Journal of Electrical Engineering Education, v.
34, n. 3, pp. 211–222, julho de 1997.

[693] WASCHKE, F.; STRUNZ, A.; MEYN, J. P. “A safe and effective modification of
Thomson’s jumping ring experiment”. European Journal of Physics, v. 33, n. 6, pp.
1625–1634, setembro de 2012.

[694] FORD, P. J.; SULLIVAN, R. A. L. “The jumping ring experiment revisited”.


Physics Education, v. 26, n. 6, pp. 380–382, 1991.

[695] BAYLIE, M.; FORD, P. J.; MATHLIN, G. P. et al. “The jumping ring experiment”.
Physics Education, v. 44, n. 1, pp. 27–32, janeiro de 2009.

[696] TAWEEPONG, J.; THAMAPHAT, K.; LIMSUWAN, S. “Jumping ring


experiment: effect of temperature, non-magnetic material and applied current on the jump
height”. Procedia Engineering, v. 32, pp. 982–988, 2012.

[697] JEFFERY, R. N.; AMIRI, F. “DC-Powered Jumping Ring”. The Physics Teacher,
v. 54, n. 2, janeiro de 2016.

[698] QUINTON, A. R. “The ac repulsion demonstration of Elihu Thomson” The Physics


Teacher, v. 17, n. 1, pp, 40–41, janeiro de 1979.

[699] SUMNER, D. J.; THAKKRAR, A. K. “Experiments with a ‘jumping ring’


apparatus”. Physics Education, v. 7, n. 4, pp. 238–242, 1972.

[700] DONOSO, G.; LADERA, C. L. “The naked toy model of a jumping ring”.
European Journal of Physics, v. 35, n. 1, 015002, 2014.

[701] BOSTOCK-SMITH, J. M. “The jumping ring and Lenz’s law – an analysis”.


Physics Education, v. 43, n. 3, pp. 265–269, maio de 2008.

157
[702] PARK, S. W. “System Development for Education and Design of a Nonlinear
Controller with On-Line Algorithm”. International Journal of Control, Automation, and
Systems, v. 1, n. 2, pp. 215–221, junho de 2003.

[703] MATOS, V.; SILVA, L.; SENA ESTEVES, J. “Induction Ring Launcher”. In: 3rd
International Conference on “Hands-on Science. Science Education and Sustainable
Development”, pp. 348–352, Braga, Portugal, 04–09 de setembro de 2006.

[704] University of Manchester. “Ring Jump Demonstration”. Disponível em:


https://www.youtube.com/watch?v=T9PflsLZqY8 – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[705] Utah State University. “Faraday’s Law Demo: Thomson Coil”. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=dQ6Ct5hx914 – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[706] Carleton University. “Physics Lab Demo 11: Jumping Ring”. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=0_kKXJUargU – Acesso em: 28 de fevereiro de
2017.

[707] Purdue University. “Demos: 6D-11 Jumping Ring”. Disponível em:


https://www.physics.purdue.edu/demos/display_page.php?item=6D-11 – Acesso em: 28
de fevereiro de 2017.

[708] The University of Iowa. “Lenz’s Law – Jumping Rings”. Disponível em:
http://faraday.physics.uiowa.edu/em/5K20.30.htm – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[709] University of Southern California. “Jumping Ring Experiment”. Disponível em:


https://dornsife.usc.edu/labs/lecture-support-lab/induced-current/ – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[710] da SILVEIRA, F. L.; AXT, R. “Explicação Qualitativa do “Anel de Thomson”.


Como Ocorre a “Levitação Magnética”?”. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 25,
n. 1, pp. 81–85, março de 2003.

[711] Laboratório Didático do Instituto de Física da UFRJ. Disponível em:


http://ladif.if.ufrj.br/anel-saltador/ – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[712] Instituto de Física da UnB. Disponível em:


http://www.fis.unb.br/gefis/index.php?option=com_content&view=article&id=198&Ite
mid=314 – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[713] Instituto de Física da UNICAMP. Disponível em:


http://www.ifi.unicamp.br/~lunazzi/pagina_EaF/Modulo_IV_Eletromagnetismo/Modul
o_IV.htm – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[714] Azeheb Laboratórios de Física. Disponível em: https://azeheb.com.br/ensino-


superior/anel-de-thompson-anel-saltante.html – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[715] CIDEPE – Centro Industrial de Equipamentos de Ensino e Pesquisa. Disponível


em: http://www.cidepe.com.br/index.php/br/produtos-interna/conjunto-anel-saltante-
anel-de-thomson-1671 – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

158
[716] PASCO. Disponível em: https://www.pasco.com/prodCompare/ring-
launcher/index.cfm – Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[717] Palais de la Decouvert. Disponível em:


http://www.dailymotion.com/video/xewkxo_levitation-d-un-plateau-d-aluminium_tech
– Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[718] da SILVA, O. H. M.; LABURÚ, C. E.; ARRUDA, S. de M. et al. “Um equipamento


demonstrativo de levitação magnética de uma bobina com automatização adaptada aos
Museus de Ciência e Tecnologia”. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 31, n. 1,
pp. 78–97, abril de 2014.

[719] da SILVA, O. H. M.; MATHIAS, L. C. “Possíveis Aplicações do Arduino em


Equipamentos Interativos de Ambientes Planejados à Educação Não Formal: uma
Proposta Equivalente nas Escolas”. Novas Tecnologias na Educação, v. 13, n. 1, pp. 1–
11, julho de 2015.

[720] LEMBKE, T. Magnetal AB. “Compliant foil fluid film bearing with eddy current
damper”. US6269411B2. 15 de dezembro de 2000. 22 de outubro de 2002.

[721] TAKANASHI, T.; MATSUYA, Y.; OHTSUKA, Y. et al. “Analysis of Magnetic


Bearing Using Inductive Levitation by Relative Motion between Magnet and Conductor”.
Electrical Engineering in Japan, v. 166, n. 4, pp. 80-87, 2009.

[722] LEMBKE, T. A. Design and Analysis of a Novel Low Loss Homopolar


Electrodynamic Bearing. 212 pp. Tese de Doutorado em Engenharia Elétrica. KIT Royal
Institute of Technology, Department of Electrical Engineering, Estocolmo, 2005.

[723] THOMPSON, M. T.; THORNTON, R. D.; KONDOLEON, A. “Flux-Canceling


Electrodynamic Maglev Suspension: Part I Test Fixture Design and Modeling”. IEEE
Transactions on Magnetics, v. 35, n. 3, pp.1956–1963, maio de 1999.

[724] THOMPSON, M. T.; THORNTON, R. D. “Flux-Canceling Electrodynamic


Maglev Suspension: Part II Test Results and Scaling Laws”. IEEE Transactions on
Magnetics, v. 35, n. 3, pp. 1964–1975, maio de 1999.

[725] POWELL Jr., J. R.; DANBY, G. T. James R Powell Jr.; Gordon T. Danby.
“Electromagnetic inductive suspension and stabilization system for a ground vehicle”.
US3470828A. 21 de novembro de 1967. 07 de outubro de 1969.

[726] SACERDOTI, G.; CATITTI, A.; SOGLIA, L. Comitato Nazionale per L’Energia
Nucleare, Enea, Agenzia Nazionale per le Nuove Tecnologie l’energia e lo Sviluppo
Economico Sostenible. “Self-centering rotary magnetic suspension device”.
US3811740A. 24 de abeil de 1972. 21 de maio de 1974.

[727] POST, R. F. Lawrence Livermore National Security LLC. “Dinamically stable


magnetic suspension/bearing system”. US5495221A. 09 de março de 1993. 27 de
fevereiro de 1996.

[728] FUJII, N.; NAOTSUKA, K.; OGAWA, K. et al. “Basic Characteristics of Magnet
Wheels with Rotating Permanent Magnets”. In: Conference Record of the 1994 IEEE

159
Industry Applications Society Annual Meeting, pp. 203–209, Denver, Colorado, EUA,
02–06 de outubro de 1994.

[729] OGAWA, K.; HORIUCHI, Y. “Calculation of Electromagnetic Forces for Magnet


Wheels”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 33, n. 2, pp. 2069–2072, março de 1997.

[730] FUJII, N.; CHIDA, M.; OGAWA, K. “Three Dimensional Force of Magnet with
Revolving Permanent Magnets”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 33, n. 5, pp. 4221–
4223, setembro de 1997.

[731] FUJII, N.; NONAKA, S.; HAYASHI, G. “Design of Magnet Wheel Integrated Own
Drive”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 35, n. 5, pp. 4013–4015, setembro de 1999.

[732] FUJII, N.; HAYASHI, G.; SAKAMOTO, Y. “Characteristics of Magnetic Lift,


Propulsion and Guidance by Using Magnet Wheels with Rotating Permanent Magnets”.
In: Conference Record of the 2000 IEEE Industry Applications Conference, pp. 257–262,
Roma, Itália, 08–12 de outubro de 2000.

[733] FUJII, N.; ITO, Y.; YOSHIHARA, T. “Characteristics of a Moving Magnet Rotator
Over a Conducting Plate”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 41, n. 10, pp. 3811–3813,
outubro de 2005.

[734] JUNG, K. S.; SHIM, K. B. “Noncontact conveyance of conductive plate using


omni-directional magnet wheel”. Mechatronics, v. 20, n. 4, pp. 496–502, junho de 2010.

[735] JUNG, K. S.; LEE, S. H. “Contact-free planar stage using linear induction
principle”. Mechatronics, v. 20, n. 4, pp. 518–526, junho de 2010.

[736] Arx Pax Labs, Inc. Disponível em: http://hover.arxpax.com/ – Acesso em: 28 de
fevereiro de 2017.

[737] POST, R. F.; FOWLER, T. K.; POST, S. F. “A High-Efficiency Electromechanical


Battery”. Proceedings of The IEEE, v. 81, n. 3, pp. 462–474, março de 1993.

[738] BENDER, D. A.; POST, R. F. “Ambient-Temperature Passive Magnetic Bearings


for Flywheels Energy Storage Systems”. In: 7th International Symposium on Magnetic
Bearings (ISMB), pp. 153–158, Zurique, Suíça, 23–25 de agosto de 2000.

[739] KRATZ, R.; POST, R. F. “A Null-Current Electro-Dynamic Levitation System”.


IEEE Transactions on Applied Superconductivity, v. 12, n. 1, pp. 930–932, março de
2002.

[740] FILATOV, A. V.; MASLEN, E. H.; GILLIES, G. T. “A method of noncontact


suspension of rotating bodies using electromagnetic forces”. Journal of Applied Physics,
v. 91, n. 4, pp. 2355–2371, 15 de fevereiro de 2002.

[741] FILATOV, A. V.; MASLEN, E. H. “Stability of an electrodynamic suspension”.


Journal of Applied Physics, v. 92, n. 6, pp. 3345–3353, 15 de setembro de 2002.

[742] DAVEY, K.; FILATOV, A.; THOMPSON, R. “Design and Analysis of Passive
Homopolar Null Flux Bearings”. IEEE Transactions on Magnetics, v. 41, n. 3, pp. 1169–
1175, março de 2005.

160
[743] SANDTNER, J.; BLEULER, H. “Electrodynamic Passive Magnetic Bearing with
Planar Halbach Arrays”. In: 9th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB),
Lexington, Kentucky, EUA, 03–06 de Agosto de 2004.

[744] LEMBKE, T. A. “3D-FEM Analysis of a Low Loss Homopolar Induction Bearing”.


In: 9th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Lexington, Kentucky,
EUA, 03–06 de Agosto de 2004.

[745] BERMUDEZ, J. L.; ZANOLLI, S.; SANDTNER, J. et al. “Premilinary


Experiments on an Eddy Currents Bearing”. In: 7th International Symposium on Magnetic
Bearings (ISMB), pp. 135–140, Zurique, Suíça, 23–25 de agosto de 2000.

[746] MURAKAMI, C.; SATOH, I. “Experiments of a Very Simple Radial-Passive


Magnetic Bearing Based on Eddy Currents”. In: 7th International Symposium on
Magnetic Bearings (ISMB), pp. 141–146, Zurique, Suíça, 23–25 de agosto de 2000.

[747] LOPES, M. de A. Estudo de um Mancal Magnético Eletrodinâmico. 99 pp.


Dissertação de Mestrado em Engenharia Elétrica. Universidade Federal do Rio de
Janeiro, Programa de Engenharia Elétrica, Rio de Janeiro, 2014.

[748] LEMBKE, T. “Review of Electrodynamic Bearings”. In: 14th International


Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), pp. 257–262, Linz, Áustria, 11–14 de agosto
de 2014.

[749] FILATOV, A.; McMULLEN, P.; DAVEY, K. et al. “Flywheel Energy Storage
System with Homopolar Electrodynamic Magnetic Bearing”. In: 10th International
Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Martigny, Suíça, 21–23 de agosto de 2006.

[750] SANDTNER, J.; BLEULER, H. “Passive Electrodynamic Magnetic Thrust


Bearing Especially Designer for Constant Speed Applications”. In: 10th International
Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Martigny, Suíça, 21–23 de agosto de 2006.

[751] SANDTNER, J.; BLEULER, H. “Compact Passive Electrodynamic Thrust


Bearing”. In: 11th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), pp. 347–350,
Nara, Japão, 26–29 de agosto de 2008.

[752] LEMBKE, T. A. “Understanding Electrodynamic Dampers”. In: 10th International


Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), Martigny, Suíça, 21–23 de agosto de 2006.

[753] LEMBKE, T. A. “1-Dof Bearing Arrangement with Passive Radial Bearings and
Highly Efficient Inegrated Electrodynamic Dampers”. In: 13th International Symposium
on Magnetic Bearings (ISMB), Arlington, Virgínia, EUA, 06–09 de agosto de 2012.

[754] KLUYSKENS, V.; DEHEZ, B. “Induced currents in magnetic bearings: dynamical


electromechanical model”. In: 10th International Symposium on Magnetic Bearings
(ISMB), Martigny, Suíça, 21–23 de agosto de 2006.

[755] KLUYSKENS, V.; DEHEZ, B. “Parameterized Electromechanical Model for


Magnetic Bearings with Induced Currents”. In: 11th International Symposium on
Magnetic Bearings (ISMB), pp. 621–626, Nara, Japão, 26–29 de agosto de 2008.

161
[756] KLUYSKENS, V.; DEHEZ, B. “Optimization of a new radial electrodynamic
damper”. In: 14th International Symposium on Magnetic Bearings (ISMB), pp. 281–285,
Linz, Áustria, 11–14 de agosto de 2014.

[757] ZEHDEN, A. Alfred Zehden. “Electric traction apparatus”. US782312A. 21 de


junho de 1902. 14 de fevereiro de 1905.

[758] BACHELET, E. Emile Bachelet. “Levitating transmitting apparatus”.


US1020942A. 12 de junho de 1911. 19 de março de 1912.

[759] LAITHWAITE, E. R. “Linear induction motors for high-speed vehicles”.


Electronics & Power, v. 15, n. 7, pp. 230–233, julho de 1969.

[760] CURTIS, A. “Linear motors for high-speed vehicles”. New Scientist, v. 58, pp. 802–
805, 28 de junho de 1973.

[761] LAITHWAITE, E. R. “Linear Electric Machines – A Personal View”. Proceedings


of the IEEE, v. 63, n. 2, pp. 250–290, fevereiro de 1975.

[762] LAITHWAITE, E. R.; EASTHAM, J. F.; BOLTON, H. R. “Linear motors with


transverse flux”. Proceedings of the IEE, v. 118, n. 12, pp. 1761–1767, dezembro de 1971.

[763] EASTHAM, J. F.; LAITHWAITE, E. R. “Linear induction motors as


‘electromagnetic rivers’”. Electronics & Power, v. 20, n. 22, p. 1108, 12 de dezembro de
1974.

[764] GUDERJAHN, C. A.; WIPF, S. L.; FINK, H. J. et al. “Magnetic Suspension for
High Speed Rockets by Superconducting Magnets”. Journal of Applied Physics, v. 40, n.
5, pp. 2133–2140, abril de 1969.

[765] GUDERJAHN, C. A.; WIPF, S. L. “Magnetically levitated transportation”.


Cryogenics, v. 11, n. 3, pp. 171–178, junho de 1978.

[766] JACOBS, W. A. “Magnetic Launch Assist – NASA’s Vision for the Future”. IEEE
Transactions on Magnetics, v. 37, n. 1, pp. 55–57, janeiro de 2001.

[767] JACOBS, W. A. “Magnetic Launch Assist”. In: 10th EML Symposium, San
Francisco, Califórnia, EUA, 25–28 de abril de 2000.

[768] TSUNG, L. S.; POST, R. F.; COOK, E. et al. “The NASA Inductrack Model Rocket
Launcher at the Lawrence Livermore National Laboratory”. In: 5th International
Symposium on Magnetic Suspension Technology (ISMST), pp. 93–101, Santa Barbara,
Califórnia, EUA, 01–03 de dezembro de 1999.

[769] POST, R. F.; RYUTOV, D. D. “The Inductrack: a simpler approach to magnetic


levitation”. IEEE Transactions on Applied Superconductivity, v. 10, n. 1, pp. 901–904,
março de 2000.

[770] POWELL, J. R.; MAISE, G. “StarTram: The Maglev Launch Path to Very Low
Cost, Very High Volume Launch to Space”. In: 14th Symposium on Electromagnetic
Launch Technology, Victoria, Canadá, 10–13 de junho de 2008.

162
[771] POWELL, J. R.; MAISE, G.; PANIAGUA, J. “StarTram: A New Approach for
Low-Cost Earth-to-Orbit Transport”. In: IEEE Proceedings Aerospace Conference, Big
Sky, Montana, EUA, 10–17 de março de 2001.

[772] YOSHIDA, K.; KAWANAMI, T. “Feasibility Study of Superconducting LSM


Launcher System for Practical H-II Rocket”. In: 5th International Symposium on
Magnetic Suspension Technology (ISMST), pp. 77–91, Santa Barbara, Califórnia, EUA,
01–03 de dezembro de 1999.

[773] YOSHIDA, K.; OHASHI, T.; SHIRAISHI, K. et al. “Feasibility Study of


Superconducting LSM Rocket Launcher System”. In: 2nd International Symposium on
Magnetic Suspension Technology (ISMST), pp. 607–621, Seattle, Washington, EUA,
11–13 de agosto de 1993.

[774] YOSHIDA, K.; HAYASHI, K.; TAKAMI, H. “Electromechanical Dynamics


Simulations of Superconducting LSM Rocket Launcher System in Attractive-Mode”. In:
3rd International Symposium on Magnetic Suspension Technology (ISMST), pp. 623–
638, Tallahassee, Flórida, EUA, 13–15 de dezembro de 1995.

[775] HANEY, J. W.; LENZO, J. “Issued Associated with a Hypersonic Maglev Sled”.
In: 3rd International Symposium on Magnetic Suspension Technology (ISMST), pp. 607–
621, Tallahassee, Flórida, EUA, 13–15 de dezembro de 1995.

[776] DRIGA, M. D. “Electromagnetic Launchers for Space Applications: Coilguns for


Repetitive Launching”. In: 4th International Symposium on Magnetic Suspension
Technology (ISMST), pp. 313–324, Gifu City, Japão, 30 de outubro - 1º de novembro de
1997.

[777] DRIGA, M. D. “High Power Electrical Machines for Space Applications


Electromagnetic Launchers (Quality Functions and Goodnes Factors)”. In: 4th
International Symposium on Magnetic Suspension Technology (ISMST), pp. 409–423,
Gifu City, Japão, 30 de outubro – 1º de novembro de 1997.

[778] FAIR, H. D.; MEINEL, C. P.; TIDMAN, D. A. “Electromagnetic Earth-to-Space


Launch”. In: 4th Symposium on Electromagnetic Launch Technology, Austin, Texas,
EUA, 12–14 de abril de 1988.

[779] McNAB, I. R. “Launch to Space with an Electromagnetic Railgun”. IEEE


Transactions on Magnetics, v. 39, n. 1, pp. 295–304, janeiro de 2003.

[780] JOHNY K., R.; POORVIKA, E. “Levitated Launch Vehicle for Launching
Satellites”. In: International Conference Recent treads in Engeneering & Technology
(ICRET’2014), pp. 58–62, Batam, Indonésia, 13 e 14 de fevereiro de 2014.

[781] ROHACS, D.; ROHACS, J. “Magnetic levitation assisted aircraft take-off and
landing (feasibility study – GABRIEL concept)”. Progress in Aerospace Sciences, v. 85,
pp. 33–50, agosto de 2016.

[782] ROHACS, J.; ROHACS, D. “The potential application method of magnetic


levitation technology – as a ground-based power – to assist the aircraft takeoff and landing
process”. Aircraft Engineering and Aerospace Technology: An International Journal, v.
86, n. 3, pp. 188–197, 2014.

163
[783] SIBILSKI, K.; FALKOWSKI, K. “Magnetic Levitation System for Take-off and
Landing Airplane – Project GABRIEL”. In: Proceedings of the 2013 COMSOL
Conference, Roterdã, Holanda, 23–25 de outubro de 2013.

[784] GUROL, H. “General Atomics Linear Motor Applications: Moving Towards


Deployment”. Proceedings of the IEEE, v. 97, n. 11, pp. 1864–1871, novembro de 2009.

[785] GUROL, S.; BALDI, B.; POST, R. “General Atomics Urban Maglev Program
Status”. In: The 19th International Conference on Magnetically Levitated Systems and
Linear Drives (MAGLEV’2006), Dresden, Alemanha, 13–15 de setembro de 2006.

[786] OHSAKI, H. “Japanese Superconducting Maglev – Development and Commercial


Service Plan”. In: The 22nd International Conference on Magnetically Levitated Systems
and Linear Drives (MAGLEV’14), Keynote, Rio de Janeiro, Brasil, 28 de setembro – 1º
de outubro de 2014.

[787] SAWADA, K. “Outlook of a Maglev Chuo Shinkansen”. In: The 22nd International
Conference on Magnetically Levitated Systems and Linear Drives (MAGLEV’14), Rio
de Janeiro, Brasil, 28 de setembro – 1º de outubro de 2014.

[788] SAWADA, K. “Outlook of the Superconducting Maglev”. Proceedings of the


IEEE, v. 97, n. 11, pp. 1881–1885, novembro de 2009.

[789] Saruno Hirobano. A JR Central L0 series 5-car maglev train undergoing test-
running on the Yamanashi Test Track. Disponível em:
https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Series_L0.JPG – Acesso em: 28 de fevereiro
de 2017. Uso sobre a licença Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported
license.

[790] Hyperloop Alpha. Disponível em:


http://www.spacex.com/sites/spacex/files/hyperloop_alpha-20130812.pdf – Acesso em:
28 de fevereiro de 2017.

[791] ROSS, P. E. “Hyperloop: No pressure”. IEEE Spectrum, v. 53, n. 1, pp. 51–54,


janeiro de 2016.

[792] Hyperloop One. Disponível em: https://hyperloop-one.com/ – Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[793] Hyperloop Transportation Technologies. Disponível em: http://hyperloop.global/ –


Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[794] TransPod. Disponível em: http://transpodhyperloop.com/ – Acesso em: 28 de


fevereiro de 2017.

[795] MIT Hyperloop. Disponível em: http://www.mithyperloop.org/lift-suspension.html


– Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[796] MALEWICKI, D. J. “Silicon Is about to Change the World – Again!”. Proceedings


of the IEEE, v. 97, n. 11, pp. 1750–1753, novembro de 2009.

164
[797] MALEWICKI, D. J. “Data Entry – March 31, 2052: A Retrospective of Solid-State
Transportation Systems”. Proceedings of the IEEE, v. 87, n. 4, pp. 680–687, abril de
1999.

[798] skyTran. Disponível em: http://www.skytran.com/ – Acesso em: 28 de fevereiro de


2017.

[799] HOMER, G. J.; RANDLE, T. C.; WALTERS, C.R. et al. “A new method for stable
levitation of an iron body using superconductors”. Journal of Physics D: Applied Physics,
v. 10, n. 6, pp. 879–886, 1977.

[800] JOYCE, H.; WILLIAMS, J. T.; PAUL, R. J. A. “Some Initial Experimental Results
for a New Form of Magnetic Suspension”. IEEE Transactions on Magnetics, v. MAG–
170, n. 5, pp. 2154–2157, setembro de 1981.

[801] ORAEE MIRZAMANI, S. J.; ASHER, G. M.; PAUL, R. J. A. “Feasibility of


Passive Damping from Mixed-Mu Levitation”. IEEE Transactions on Magnetics, v.
MAG–20, n. 6, pp. 1681–1683, setembro de 1984.

[802] ORAEE MIRZAMANI, S. J.; PAUL, R. J. A. “Guidance Dynamics of Mixed-Mu


Levitators for MAGLEV Vehicles”. IEEE Transactions on Magnetics, v. MAG–21, n. 6,
pp. 2404–2407, novembro de 1985.

[803] JOYCE, H. “Planetary Surface Transport Systems using Mixed-Mu Magnetic


Levitation”. Journal of the British Interplanetary Society: Space Technology, v. 38, n. 9,
pp. 415–421, setembro de 1985.

[804] GHODSI, M.; UENO, T.; HIGUCHI, T. “Improvement of Magnetic Circuit in


Levitation System Using HTS and Soft Magnetic Material”. IEEE Transactions on
Magnetics, v. 41, n. 10, pp. 4003–4005, outubro de 2005.

[805] GHODSI, M.; UENO, T.; HIGUCHI, T. et al. “Shape Dependency in Levitation
System Using HTS and Soft Magnetic Material”. In: 10th International Symposium on
Magnetic Bearings (ISMB), Martigny, Suíça, 21–23 de agosto de 2006.

[806] GHODSI, M.; UENO, T.; TESHIMA, H. et al. “The characteristics of trapped
magnetic flux inside bulk HTS in the Mixed-µ levitation system”. Physica C:
Superconductivity and its Applications, vv. 445–448, pp. 343–346, 1º de outubro de 2006.

[807] STEPHAN, R. M. “MagLev-Cobra: inovação e sustentabilidade em sistemas para


transporte urbano”. Apresentação nos Seminários do Instituto de Física, 14 de maio de
2015, Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em:
http://www.if.ufrj.br/~pef/aulas_seminarios/seminarios/2015_1_06_stephan.pdf –
Acesso em: 28 de fevereiro de 2017.

[808] STEPHAN, R. M. “Levitação Magnética: Um assunto estratégico para o


desenvolvimento do Brasil”. Revista do Crea-RJ, n. 84, pp. 12–15, Setembro/Outubro de
2010.

165

View publication stats