Sie sind auf Seite 1von 31

o

0DSXWRGH-DQHLURGH‡$12;;,9‡1o‡3UHoR0W‡0RoDPELTXH

Três anos de Nyusi aos olhos dos analistas

log
ció
so
um
de
io

Pág.s 2 e 3
Naita Ussene
ár

Caso “Valentina Guebuza” Pág. 4


Diligências que a investigação ignorou
Di

SÁBADO, ANDA A RODA AS 12.00HORAS  



 

EXTRACÇÃO ABERTA AO PÚBLICO PREVIS ES PARA JACKPOT
SALA DE EXTRACÇÃO, RUA TIMOR LESTE Nº54 TOTOBOLA - 529.993,11 Mt
    #$ 
TOTOLOTO - 383.134,24 Mt
$''')$$########
  o 1º Prémio:
JOKER - Valor para
%&***((######
 
 %(######

&&%$+)%(#####
 facebook: sojogo
   
2
TEMA
TEMADA
DASEMANA
SEMANA Savana 12-01-2018

Analistas avaliam terceiro ano do PR

Nyusi não conseguiu se revelar


P
Por Argunaldo Nhampossa

o
róxima segunda-feira, sidente que prometia ser um grande Ericino de Salema acha que já não
Filipe Nyusi completa líder, vimos um líder mais fraco do se deve esperar muito de Nyusi nos
três anos, após tomar que aquilo que havia sido prometi- anos que faltam, pois ele e o seu par-

log
posse como Presidente do. Ainda faltam dois anos, há um tido estarão focados na renovação do
da República (PR) de potencial de coisas que poderiam ter mandato do que eventualmente na
Moçambique a 15 de Janeiro de sido feitas, mas não foram e, por isso, efectivação do seu discurso e promes-
2015. Analistas ouvidos pelo SA- ele tem uma base muito grande para sas, sobretudo no contexto de blo-
VANA consideram que o discurso que faça diferença, apesar de isso de- queio financeir
financeiro do país pelo sistema
de esperança e de roptura de ciclo, pender da forma como vai demostrar financeiro internacional.
proferido na tomada de posse “caiu a liderança”, precisou. Salema diz que o trajecto de Nyusi
por terra”. Macuane destaca também pela nega- como técnico e gestor e pelo discur-
Fazem notar que os três anos foram tiva a escalada da violação dos direitos so de tomada de posse que proferiu
marcados por uma fraca liderança, fizeram lhe sonhar muito alto, mas

ció
humanos, no mandato que se preten-
apesar do potencial que o chefe de dia ser uma nova etapa de harmonia e chegados a esta fase, resta-lhe pouca
Estado tem, principalmente, de se desenvolvimento, tal como anunciou esperança de mudança e não há mo-
reinventar em momentos de crise. Nyusi a 15 de Janeiro de 2015. tivos para ficar impressionado com a
Entendem que houve um défice de Diz o politólogo que está a ser um administração Nyusi.
ideias que pudessem imprimir uma mandato histórico, em termos de Com nostalgia, recorda que a 15 de
nova dinâmica na Presidência da violação dos direitos humanos, com Janeiro de 2015, em plena Praça da
República. o agravante de as instituições do Es- Independência, Nyusi disse que iria
Numa altura em que só faltam dois tado não mostrarem interesse, muito defender os direitos humanos, em
anos para o fim do mandato, defen- menos compromisso de investigá-las. particular a vida, mas, contrariamen-
dem os analistas, nada mais se pode
esperar, porque o PR está a desilu-
dir.

O analista político José Jaime Ma-


cuane diz que, nos três anos de admi-
nistração Nyusi, viu uma Presidência
A título ilustrativo, citou a questão
das valas comuns em Manica, local
para o qual foi despachada a Comis-
são Parlamentar de Inquérito, que,
no entender do académico, trouxe “
explicações superficiais”.
Apontou a crise dos refugiados de
so te ao seu discurso, os seus primeiros
dois anos foram marcados por as-
sassinatos políticos nunca vistos na
história democrática do país em igual
período de direção do país.
Estas acções foram extensivas a
membros do Conselho de Estado e
que apresentou grandes ideias, que Kapise, em Malawi que, segundo Jai- Felipe Nyusinão consegue transformar promessas em prática até o líder do maior partido de opo-
mostrou que potencialmente poderia me Macuane foi gerido de forma ir- sição nacional foi alvo de dois aten-
ter feito mais, mas ficou na narrativa processo de resolução do assunto via Salema diz que Filipe Nyusi elevou tados em plena luz do dia no decor-
um
reprovável e dos esquadrões de morte.
de que as grandes ideias expressas, Diz estranhar a postura do chefe de militar, mas acabou se optando pelo muito a fasquia no acto de investidu- rer de actividade política. Tal como
tanto na sua tomada de posse, como Estado que, em nenhum momento, diálogo,, que levou o PR até à serra da ra e os seus três anos de governação Jaime Macuane, Ericino de Salema
nos momentos subsequentes, não chegou a pronunciar-se de forma in- Gorongosa para um encontro com o tem sido um misto de avanços e es- estranha que até hoje o PR não se te-
foram realizadas, porque estava a ser cisiva em torno da violação dos direi- líder da Renamo. tagnação. nha posicionado ou tecido qualquer
vítima de sabotagem na sua própria tos humanos. Lamenta, contudo, que o processo se “Avanço, porque, amiúde, há algum comentário à volta do assunto.
base de apoio. “Um país que outrora foi sinónimo arraste até hoje. discurso promissor, principalmente, Essa atitude, de acordo com Salema,
Para o académico, isto não abona a “Eu ainda não sei se de facto é por- quando fala de inclusão e meritocra- revela que a transição do discurso à
de pacificação, hoje se tornou num
favor do chefe de Estado sob o ponto que a abordagem é de preferência em cia; Recuo ou estagnação, porque, em prática está aquém daquilo que o PR
país com histórico de violência, vio-
de vista de liderança, pois todo aquele relação a via pacifica ou porque a so- termos práticos, não há nada disso, prometeu.
lação dos direitos humanos e de inca-
que escolhe ser Presidente sabe o que lução militar se revelou ineficiente e nem o mínimo que se aproxima nis- Sobre o desenrolar do processo de
pacidade de resolução de conflitos em
lhe espera. ineficaz. É uma dúvida que tenho. Só so”. paz, o jurista considera que nada nos
termos sustentáveis”, disse.
Macuane diz que o PR deu uma ima- o futuro dirá se esta postura é paci- A falta de uma visão clara em termos garante que a trégua vai se traduzir
de

gem negativa de si mesmo e que a


sua liderança não era suficientemente
Gastos exorbitantes fista ou não, mas o que retiro disto é
alguma postura diferente do anterior
de projecto de sociedade é apontada em paz efectiva, pois pode se assi-
nar mais um acordo que não passe
O ano recém-terminado foi marcado por Salema como uma das marcas da
forte e revelava incapacidade de cum- mandato no sentido de cultivar uma administração Nyusi. de simples acordo, tal como o de 5
por gastos exorbitantes do Estado
prir as promessas políticas feitas. maior aproximação e diálogo com a Diz que ainda não conseguiu captar de Setembro [acordo de cessação de
para coisas supérfluas, numa altura de
Isso, segundo Macuane, teve conse- Renamo”,
Renamo anotou. de facto qual é o projecto de socieda- hostilidades entre o líder da Renamo,
crise, contrariando o discurso inau-
quências práticas, porque a questão Macuane descreve Filipe Nyusi como de do PR, considerando que o actual Afonso Dhlakama e o antigo chefe
gural que prometia orientar a sua po-
da paz se arrastou mais do que se es- um dirigente que tem uma grande de Estado Armando Guebuza] por-
lítica para racionalização da despesa chefe de Estado passou à margem de
tava à espera e ainda continua neste capacidade de melhorar a sua ima- que há questões de integração dos
pública. uma grande oportunidade de se re-
terceiro ano do seu mandato. gem em momentos de crise e de en- homens da Renamo, que são sérias
Para Macuane, a crise constitui uma velar como um líder e não conseguiu.
Fala da crise e da intolerância políti- contrar soluções, “mas isso tem sido e urgentes e não se sabe como serão
oportunidade
tunidade de ouro para se apren- “Os momentos de crise não são para
io

ca, que se revela através da vandaliza- episódico, é preciso mais articulação, ultrapassadas.
der a viver com recursos próprios, mas clemência, são para grandes líderes
ção das sedes de partidos políticos, o porque faltam apenas dois anos e a No que diz respeito à crise que afecta
houve essa situação em que o execu- se revelarem. O PR teve tudo para
que mostra que grande parte daquilo impressão que fica é que ele só resolve o país, defende que o facto de o país
tivo anunciava austeridade devido à focos de crise e o país como tal conti- se revelar e não o fez e num man-
que era o esforço de reconciliação, não ter colapsado, apesar de estar na
falta de recursos em sectores sensíveis nua em crise”. dato de cinco anos, os três primeiros
democratização e direitos humanos iminência disso, devido ao alto en-
como educação e saúde, porém ao Considera que Nyusi tem que encon- são dedicados à governação pública,
não está sendo efectivado e isso tem, dividamento interno, mostra que há
ár

mesmo tempo
tempo, assistia-se à compra trar formas de realizar esse potencial enquanto os últimos dois anos são
em grande parte, a ver com essa fraca um forte potencial, faltando apenas
de jatos executivos e viaturas de luxo que tem, tendo sublinhado que a para governação política, sobretudo,
liderança que se instalou. uma liderança clarividente.
e dando justificações irresponsáveis. marca do PR “é essa capacidade de se no contexto igual ao nosso, em que
“A narrativa que queria justificá-la foi “O potencial está lá e se não estivesse
Macuane considera que há um desa- reinventar em actos e factos em mo- os restantes coincidem com os anos
desastrosa, porque, depois de um Pre- ou se fosse como alguns países daqui
fio do lado ético do executivo, pois, mentos de crise”, porém falta-lhe a eleitorais”, disse.
de África, estaríamos pior do que
quando se decdeclara austeridade, deve capacidade de tirar o país da letargia estamos, mas o facto de não termos
ser para todos e num contexto de cri- geral em que está e da crise estrutural.
Di

colapsado mostra que há potencial e


se, impõe-se a redefinição da forma precisamos de uma liderança clarivi-
como são geridos os recursos. 'pÀFHGHOLGHUDQoD dente, ideias claras e progressistas”,
Entende que a aprovação do novo Quem também aceitou analisar os observou.
decreto, que introduz algumas medi-
decr três anos de Filipe Nyusi na liderança Para Salema, o novo decreto que re-
das de austeridade, não é suficiente, do país foi o jurista e activista Ericino gula os limites para as despesas dos
pois, se não existe o lado ético, pode de Salema. funcionários públicos constitui um
ser uma letra morta, isto porque o “Quero desfazer equívoco de que bom sinal, contudo diz desconhecer
exemplo deve provir do próprio go- o Presidente Nyusi é o autor da ex- a utilidade do mesmo numa situação
verno, que tem muitas despesas que pressão segundo a qual “o povo é meu em que ninguém sabe qual é salário
bem vistas podem ser cortadas. patrão. Não é nenhuma invenção do de um ministro, sob pena de se re-
Macuane diz que, nestes três anos, Presidente. Isso está na Constitui- duzir as regalias mas incrementar os
viu um Filipe Nyusi que mostra um ção e qualquer Presidente tem como salários a 100 ou 200% para obviar as
potencial de ressurgir em tempos de patrão o seu povo. Ser Presidente, limitações.
crise, mas o problema é que depois é saber que há um emprego de alto Deste modo considera que a inexis-
não consegue realizar esse potencial. nível, candidatar-se e, se ganhar esse tência daquela informação que, na
Tomou como exemplo a questão da emprego, é só servir, não se trata de história do país, só foi revelada
Jaime Macuana paz, que foi antecedida de um intenso favor”. Ericino de Salema
Savana 12-01-2018
TEMA DA SEMANA 3

por Samora Machel, através do Bo- (CEDE). Sitoe considera que o Go- as ofensivas de Nyusi não trouxeram Saudou o facto de o PR ter consegui- pítulo da paz, ainda não há um acor-
letim da República, torna tudo ane- verno, no seu todo, foi menos fértil resultados e, se houve, não foram re- do assegurar que o país tivesse uma do definitivo, porque o pais está em
dótico e exemplificou. em ideias quando comparado com os velados. paz relativa, o que permitiu a retoma tréguas, cujos pressupostos são des-
“Quanto custou a ida da Primeira anteriores. Reconheceu que o PR é bom condu- da produção nas machambas, regres- conhecidos pelo povo.
Dama, Isaura Nyusi aos EUA para Diz que estávamos habituados a todo tor destas ofensivas, mas o problema so das crianças a escola e retoma da Precisou que em 1992 foi assinado
receber material hospitalar avaliado o tipo de experimentações, apesar de é que ficam se pelo caminho. vida. um acordo de paz que, depois foi pa-
em USD 40 mil USD? Será que não em algum momento terem faltado De Chissano falou da frente diplo- rar na “caixa de lixo”, pelo que não há
poderia se adquirir aquele material estudos, aprofundamento ou imple- mática, que foi o seu forte, o que Sentimo-nos órfãos motivos para euforia, se não aguardar

o
mentação de projectos como “revolu- ajudou o país a ter amigos e a sobre- Para a activista social Graça Samo, a pelos resultados definitivos, que mes-
com os valores que custearam a via-
ção verde, sete milhões, um líder uma viver em tempos mais difíceis. Nyusi recém-terminada quadra festiva pode moçambicanos
mo assim deixam os moçambic
gem dela e sua comitiva?, questionou.
floresta, entre outros”. tentou esta via, mas não está a ter su- ser vista como um retrato fiel dos re- apreensivos porque desconhecem o
teor das negociações.
Faltam ideias Pese embora as críticas a estas ini- cesso e lamentou a falta de pujança sultados desta governação, que espe-
De acordo com a activista, são des-

log
ciativas, no mínimo, mostravam que diplomática numa altura como esta, lha o sofrimento do povo.
Quem também comunga da opinião conhecidos os prós e contras da des-
havia ideias, o que difere da apatia em que o país enfrenta uma crise de Segundo Samo, quando há crise, di-
de que faltam ideias ao Presidente da do actual executivo, com a sua equipa transparência, devido às dividas ocul- ficilmente se vai dizerer que as coisas centralização, o que coloca o cidadão
República é Eduardo Sitoe, direc- que apenas tentou introduzir “tseke” tas. estão boas, há muito desemprego, refém dos políticos.
tor executivo do Centro de Estudos e substituir o pão pela mandioca, o “Se você é auto-suficiente, pode ser empresas a fecharem as portas, pouco
de Democracia e Desenvolvimento que dá uma sessão de falta de criati- soberbo, mas se você não é auto-sufi- investimento e isso tem repercussões
vidade no pensamento. ciente e quer se tornar soberbo então muito fortes na qualidade dos servi-
Sitoe, que também é docente de isso revela imbecilidade”, disse. ços de saúde e na educação que aca-
Ciência Política, diz que não se está a Sublinhou, de seguida, que Moçam- bam sendo precárias.
referir à construção ou asfaltagem de bique sempre foi uma economia de “Esta situação contraria as promessas

ció
estradas, centros de saúde, escolas en- ajuda e não se passa desse tipo de feitas durante a campanha eleitoral,
tre ouros, que são trabalhos rotineiros economia para resiliência sem mais visto que, durante aquele período, não
do estado, mas sim à capacidade de nem menos. falou de desafios mas foram promes-
introduzir coisas novas. De Guebuza apontou as presidências sas e o povo está espera”, precisou.
Sitoe diz que prefere dizer que o tra- abertas, que eram guiadas por temas Graça Samo, coordenadora do Se-
balho de Nyusi ainda não está a pro- acimas referidos como “auto-estima”, cretariado Internacional da Marcha
duzir resultados, ao invés de afirmar “Cahora Bassa é nossa”, “jatropha”, Mundial da Mulher, diz que nada
que o PR não tem marca própria. entre outros. mais resta se não dizer que o povo
Porque, prossegue, ele experimentou Nyusi faz as presidências abertas, mas moçambicano se sente órfão e de-

Eduardo Sitoe
ideias e projectos dos três primeiros
presidentes da República.
Falou das visitas às empresas públicas
e ministérios, que se enquadram na
ofensiva política e organizacional de
Samora Machel. Sucede, porém, que
so
estão desprovidas de conteúdo, diz
Eduardo Sitoe, considerando que há
muito trabalho intelectual que tem
de ser feito, quer pelo Presidente quer
pela sua equipa, no sentido de rever-
ter esta situação.
samparado, porque enquanto vive
debaixo de sofrimento o mesmo go-
verno preocupa-se em prover luxo aos
seus dirigentes.
Diz Samo que ainda não há motivos
para celebrar, porque, mesmo no ca- Graça Samo

“Queremos paz!”
um

Por Sheila Magumane (texto) e Ilec Vilanculos (fotos)

“ Juro, por minha honra,


respeitar e fazer respeitar
a Constituição, desem-
penhar com fidelidade o
cargo de Presidente da Repú-
blica de Moçambique, dedicar
$YDOLDomRSRVLWLYD
A primeira avaliação positiva vem de
Belgarde Ngulela, docente da Escola
Comunitária Metodista Unida, que
aponta, por um lado, a desaceleração da
inflação, que chegou a atingir os histó-
de Ngulela afirma que persistem alguns
desafios e o maior deles é a conclusão
das negociações com a Renamo para o
alcance da paz efectiva.
Aliás, a trégua, por tempo indetermina-
do, é tido como o maior trunfo de Fili-
Outras questões que mancham a gover-
nação de Nyusi, na óptica deste entre-
vistado, são a subida do custo de vida
e as dívidas ocultas, que provocaram a
crise económica.
Por sua vez, Olívia Chiziane aponta
Porém, segundo este, os primeiros
seis meses do mandato de Nyusi
foram confusos e não responderam
as expectativas que criou. “Nós achá-
vamos que seria um presidente que
estaria preocupado com governação
de

todas as minhas energias à defe- ricos 23%, em 2016 e, por outro lado, o pe Nyusi, durante estes três anos, a par às vistas aos Ministérios, empresas e inclusiva, o que não aconteceu”, diz.
restabelecimento da paz. do encontro, na Gorongosa, com o pre- outras instituições públicas relevantes A fonte diz que no segundo ano
sa, promoção e consolidação da
“É de louvar a iniciativa de Nyusi de sidente do maior partido da oposição. como aspectos positivos que marcam de mandato, Nyusi ainda tentou
unidade nacional, dos direitos
criar condições para as negociações com Esses factos merecem uma nota po- o mandato de Nyusi, pois, permite que animar os moçambicanos com sua
humanos, da democracia e ao sitiva por parte de Verónica Joaquim, este conheça a real situação que vive as
o Presidente da Renamo, pessoalmente prontidão para a resolução do con-
bem-estar do povo moçambica- e de forma presencial, o que contribuiu, uma doméstica, que sublinha que com a nossas instituições públicas.
no e fazer justiça a todos os ci- flito armado que se vivia no centro
em grande medida, para se estender o trégua, houve circulação normal de pes- Mas, entre os desafios existentes, estão
dadãos”. do país, mas, no terceiro ano, pecou
período das tréguas”, defende. soas e bens, porém, considera ser neces- as negociações com Afonso Dhlakama,
por deixar os moçambicanos sofre-
Outra questão que merece aplausos sário o restabelecimento da paz efectiva. para o alcance da paz efectiva no país,
Foi com este juramento consti- rem com a crise económica, ao “não
do nosso entrevistado, é o combate à Em relação a crise financeira que assola pois, “é o que os moçambicanos mais
tucional que, a 15 de Janeiro de demonstrar nenhum interesse” em
corrupção, defendida por Filipe Nyusi. o país, a entrevistada afirma: “cada um desejam porque sem paz nada aconte-
io

2015, uma quinta-feira, Filipe resolver essa questão.


Para Ngulela, os discursos do Chefe do de nós é responsável por lutar para con- ce”.
Nyusi tomou posse como o IV “O PR tem toda autonomia para
Estado fizeram com que alguns diri- seguir sobreviver, pois, são tempos maus
Chefe do Estado e o III eleito de- que o país atravessa”. $YDOLDomRQHJDWLYD exigir da PGR celeridade no proces-
gentes políticos, em particular minis-
mocraticamente. tros, fossem levados à barra do tribunal, Isaías Manhiça, segurança de profissão, No entanto, enquanto uns elogiam a so [dívidas ocultas] que nos levou a
Perante os 250 deputados da As- o que prova que ninguém está imune, a é outro cidadão que aponta a trégua mi- postura de Nyusi, há quem, durante esta crise para que volte a haver fi-
sembleia da República, Chefes de justiça funciona para todos. litar como trunfo de Nyusi, embora a este período, não viu nenhum trabalho nanciamento do FMI, assim como
ár

Estados convidados, presentes na O último ponto destacado pelo entre- mesma não traga uma paz efectiva. relevante. É o caso de Orlindo Macupa, dos parceiros de cooperação”, disse.
Praça da Independência, Nyusi vistado está relaciona
relacionado com as medi- Entretanto, no meio destes elogios, contabilista de profissão, que diz ter fi- “Se o que é exigido é a divulgação
garantiu que o seu compromisso das de contenção aprovadas pelo Con- Manhiça diz haver muitas questões cado defraudado com o trabalho do seu dos nomes dos envolvidos na con-
era de “servir o povo moçambi- selho de Ministros, a 27 de Dezembro ainda por resolver, com destaque para o “empregado”. tração das dívidas de forma ilegal,
cano como meu único e exclusivo de 2017, relativamente à alienação de sector da educação, onde vários alunos Macupa recorre à campanha eleitoral o PR pode se posicionar no sentido
patrão”. viaturas e arrendamento de imóveis, estudam em condições precárias. para afirmar que Nyusi elevou as ex- de ordenar a punição desses indi-
Passados três anos, o SAVANA considerando a mesma como uma de- “Continuamos a ter alunos a estudar pectativas do povo moçambicano, com víduos. Mas, a questão é a falta de
Di

procurou o “patrão” para ouvir des- monstração de vontade do PR em pou- debaixo das árvores e outras a sentarem promessas que pareciam estar a romper vontade e é isso que está a prolongar
te, a avaliação que faz do seu “em- par fundos do Estado. no chão. Isso desmotiva o aluno”, con- com os ciclos anteriores de governação, o sofrimento dos moçambicanos”,
pregado”. Entretanto, apesar dos elogios, Belgar- sidera. em particular de Armando Guebuza. acrescenta.

Belgarde Nguylela Isaías Manhiça Olívia Chiziane Orlindo Macupa Verónica Joaquim
4
TEMA DA SEMANA Savana 12-01-2018

Caso “Valentina Guebuza”

Diligências que a investigação ignorou


Por Raul Senda

o
“caso Valentina Guebuza” Porém, os laudos dos relatórios de Ajudante de Campo (AD (ADC), segundo
ainda não teve desfecho perícia, que também constam do pro- a qual, horas antes do infortúnio, ela
mas, os termos em que de- cesso, indicam que os tiros foram dis- terá recebido ordens da vítima para

log
correu a investigação deixa parados a longa distância. que ficasse atenta a qualquer movi-
muitas zonas de penumbra. Fala- Um dos criminalistas disse ao SA- mento dentr quarto do casal.
dentro do quar
-se de várias diligências ignoradas VANA que soube que durante a Os depoimentos da ADC, foram re-
e de procedimentos não seguidos. instrução preparatória, bem como petidas por Mussumbuluko Guebuza
Diz-se, por exemplo, que o local ia, uma das partes pediu
contraditória, que referiu, também em sede do Tri-
dos factos não foi isolado e pessoas a inclusão de peritos independen- bunal que, a finada advertiu-o para
estranhas tiveram acesso antes da tes para a verificação da informação estar atento a qualquer situação que
chegada da perícia policial; que as obtida localmente ou a realização de poderia acontecer por aqueles dias.
chaves da casa estiveram à guarda exames ignorados, mas que os reque- Estes depoimentos levam algumas
do advogado da família da vítima rimentos foram também indeferidos. correntes a presumir que a vítima

ció
e não da polícia; que não foi feita a “O que temiam os investigadores do já sabia que algo de anormal podia
recolha de impressões digitais, exa- caso para não aceitar a presença de acontecer.

Ilec Vilanculos
mes de sangue, parafina, biologia peritos independentes ou a realização Também estranha-se o facto do Tri-
forense, perícias ao local dos factos de exames de parafina, biologia fo- bunal ter ignorado a falta da verdade
e que os relatórios dos laudos foram rense, ADN e de impressões digitais? do lado de Mussumbuluko quando
produzidos na base de presunções. Porque é que não se permitiu acesso este, afirmou que a vítima não tinha
´&DVR9DOHQWLQD*XHEX]DµPXLWDVGLOLJrQFLDVÀFDUDPSRUID]HU
´&DVR9DOHQWLQD*XHEX]DµPXLWDVGLOLJrQFLDVÀFDUDPSRUID]HU
No meio das investigações, o juiz de imediato ao local dos factos?”, ques- habilidades para o uso da arma de
causa foi substituído e a decisão veio tionou o especialista. fogo enquanto esta passou pela car-
do Conselho Superior de Magistra- prido, tendo o relatório do laudo de a primeira inspecção foi feita à vítima Para este criminalista, muitas diligên- reira do tiro.
peritos dos Serviços de Investigação no Instituto do Coração, ão, pelo que,
tura Judicial (CSMJ) onde Alexan-
dre Chivale, advogado da família
Guebuza, é membro. Ao SAVANA,
Alexandre Chivale nega as acusa-
ções, e a defesa de Zófimo Muiuane
não entrou em detalhes.
Criminal (SERNIC) se baseado em
presunções.
Sublinham que não se explica que
numa morte tão mediática, a polícia
científica tenha descartado várias di-
ligências quer na instrução preparató-
ria quer na fase do contraditório.
so
não houve preocupação imediata em,
pelo menos, garantir o isolamento,
preservação e protecção do local dos
factos ”, concluiu a fonte.
De meios forenses, SAVANA sou-
be que na perícia criminal há outros
cias requeridas por uma das partes
durante a instrução contraditória não
foram realizadas, porque se achou que
se tinha encontrado o responsável do
infortúnio, o que em direito penal é
completamente errado.
Consta igualmente que no dia em que
os peritos da polícia científica tiveram
acesso à residência do casal foram re-
cebidos por dois jovens. Foram estes
que abriram as portas para a polícia.
Porém, até hoje ninguém conhece a
identidade destes.
Para além disso, terá sido o assisten-
Com o fim do julgamento, Zófi-
De acordo com estas fontes, exames
elementos essenciais para a busca de
Penumbras em torno do te da família da vítima, Alexandre
mo Muiuane, acusado da autoria
do assassinato a tiro da sua esposa, de roupa tanto da vítima como do
provas. Trata-se de exames de biolo-
gia forense, a que se recorre em casos
processo Chivale, quem entregou ao SERNIC
A névoa que paira em torno do caso
um
Valentina Guebuza, na noite de 14 suspeito são fundamentais na busca de homicídio onde uma equipe espe- os equipamentos e bens recolhidos
de provas, facto que neste caso foi ale- não se limita apenas à não realização na casa do casal, dois dias depois da
de Dezembro de 2016, conhecerá a ada de peritos faz a colecta de
cializada
gadamente ignorado. de exames laboratoriais fundamentais ocorrência.
decisão do tribunal, ao nível da pri- vestígios que podem ser fundamen-
Outro exame que terá sido descarta- para o esclarecimento de crime, mas a Até hoje, não é do domínio público
meira instância, no próximo dia 23 de tais para se chegar à conclusão sobre
do, e que seria fundamental para de- outros acontecimentos que podem ser e nem consta no processo o relató-
Janeiro, data marcada para a leitura da as circunstâncias de um crime e, até
terminar quem disparou a arma é o alvo de questionamento. rio produzido pelos peritos que se
sentença. mesmo, apontar o principal suspeito.
de parafina. No início do processo, o caso estava deslocaram à casa pouco depois da
A investigação que durou cerca de um São vestígios como roupas, sangue,
“Cientificamente, só o exame de para- a cargo do Juíz Salomão Paulo Ma- ocorrência dos factos. Os nomes dos
ano, juntou factos que desaguaram na fios de cabelos, pelos entre outros. Po-
fina é que determina quem disparou a nhiça. Foi este magistrado que acom- quatro peritos também não são co-
acusação e pronúncia do réu. rém, este exame também foi ignorado.
arma. O resto é opinião de pessoas, e panhou grande parte das diligências, nhecidos.
Contudo, ao que o SAVANA apurou, “Como é que na falta daqueles exames
no direito penal não servem opiniões, incluindo a reconstituição dos factos No dia 04 de Janeiro de 2017, José
independentemente do veredicto da fundamentais para o esclarecimento
mas factos comprovados”, disse um no local do crime. Matsinhe e Mauro Chaguala, agen-
juíza de causa, a condução deste caso do caso, a investigação chegou à con-
criminalista. Contudo, na fase final, o magistrado tes do SERNIC, assinaram um auto
foi marcada por um conjunto de ví-
de

clusão de que o autor dos disparos foi foi transferido para Segunda Secção de exame directo ao local dos factos,
cios que podem influenciar a decisão Na investigação criminal a recolha de
fulano ou beltrano?”, questionou um Cível do Tribunal Judicial da Provín- contudo o documento não indica o
final. impressões digitais é meio de prova
especialista. cia de Maputo, tendo o processo pas- dia em que foi feita a referida ins-
De entre várias alegadas falhas, cri- técnica essencial para a determinação
Neste caso concreto, avança a fonte, sado para a direcção da juíza Flávia pecção, para além de que os outros
minalistas ouvidos pelo SAVANA das circunstâncias exactas em que ti-
a consequência directa da rejeição de Mondlane. agentes que faziam parte da equipa,
indicam a prevalência de erros pro- ver ocorrido um crime.
vários exames durante a averiguação A transferência foi decidida pelo nomeadamente José Miguel, José
cedimentais, falhas de instrução, de Porém, consta também que a perícia
do crime foram as contradições dos Conselho Superior da Magistratura Guardajé e Moniz Macuiane não as-
condução, de metodologias de inves- policial não terá recolhido impressões
digitais da vítima, do suspeito, no lo- peritos durante as audiências do jul- Judicial (CSMJ), do qual Alexandre sinaram o referido documento.
tigação criminal e da falta de exames
cal dos factos, no gatilho da arma, no gamento. Chivale, um dos advogados da acusa- Os peritos do SERNIC não tiveram
fundamentais para a descoberta da
invólucro, no projéctil e nas almofadas No julgamento do caso, a maioria dos ção, é membro. acesso ao coldre da pistola usada nos
verdade material.
io

que alojaram o invólucro. peritos da balística disseram à juíza Outro facto que não mereceu uma disparos, e o mesmo nunca foi loca-
Contam as fontes que a busca da ver-
dade material num crime desta mag- De acordo com os especialistas ouvi- que os tiros foram à curta distância. análise profunda foi a afirmação da lizado.
nitude [homicídio] não se resume a SAVANA,, o local do crime é
dos peloSAVANA
pelo
peloSAVANA,
presunções ou pontos de vista resul- um dos pontos mais importantes para
tantes de depoimentos de técnicos ou
peritos de criminologia ou balística,
a realização de diligências.
Nessa linha, para garantir maior fia-
Versão dos advogados
ár

E
mas sim, em exames periciais em la- bilidade no esclarecimento dos factos,
boratórios qualificados. o local do crime deve ser isolado e
Sublinham que, tendo em conta a preservado. Fora de peritos de inves- m contacto com o SAVA- mento tenha ficado com a chave das partes procura discutir o jogo
eitos em causa, o
sensibilidade dos direitos tigação criminal, não se pode permitir NA, o advogado do réu, da residência do casal, sublinhando (de futebol) depois dos 90 minutos.
direito penal não se compadece com que pessoas estranhas acedam ao local Amadeu Uqueio, recusou-se que na altura dos factos encontra- “Isso não cola”, acrescentou.
presunções, deduções, analogias ou sob o risco de viciação de vestígios e a tecer quaisquer comentá- va-se fora do centro da cidade de Referiu que o facto de ser mem-
rios directamente ligados ao pro- Maputo. bro do CSMJ não teve nenhuma
Di

induções. até de destr


destruição de provas.
Num crime de homicídio, um dos cesso de julgamento. Também desmente que tenha feito influência na troca do juiz do caso.
exames básicos que deve ser feito é o Chaves da casa Contudo, lamentou o facto da
juíza ter recusado receber as ale-
a entrega do material recolhido no “O CSMJ é um colégio que tem
de Tanatologia forense, que consiste No entanto, contrariando as exigên- local do baleamento à polícia. seus órgãos. Eu sou apenas um
gações finais da defesa por escrito, “As chaves da residência da víti- membro, não sou o CSMJ, não
no estudo científico da morte. O exa- cias da criminalística, o local onde afirmando que na sua óptica, teria
me investiga os mecanismos e aspec- ocorreu o baleamento não foi isolado, ma sempre estiveram ao cuidado tenho nenhum poder decisório
sido uma oportunidade para a juíza
tos forenses da morte,
te, tais como mu- os peritos do SERNIC não tiveram da família. Sempre que a polícia e nem de influenciar. Dizer que
analisar detalhadamente as referi-
danças corporais que acompanham o acesso imediato, sofreu modificações quisesse fazer trabalho no imóvel, forcei a mudança do juiz não faz
das falhas da investigação.
período após a morte. e alterações do estado inicial e as cha- “Provou-se em tribunal que a in- a família da vítima abria as portas nenhum sentido. Ademais, o juiz
Este exame é possível depois da ava- ves da casa ficaram à guarda do advo- vestigação teve muitas lacunas que e, no fim, fechava. Isto não passa de Salomão Manhiça é que proferiu
liação do local dos factos, das cir- gado da família da vítima. mereciam algum esclarecimento”, manobras dilatórias”, disse. o despacho de pronúncia, a juíza
cunstâncias que rodearam a morte, A polícia científica só teve acesso ao disse. Para o causídico, as acusações vi- Flávia apenas conduziu o julga-
informação clínica mais detalhada e local do crime depois de 24 horas e os Alexandre Chivale considerou sam sufragar a tese de que o local mento”, frisou, para depois acres-
acompanhada de resultados de exames peritos da balística forense desloca- que todas estas alegadas falhas de do crime foi contaminado com o centar que ao processo interessa
complementares, para além de um es- ram-se ao local duas semanas depois investigação são “falsas e infunda- objectivo de eliminar provas. a matéria do direito e dos factos.
tudo minucioso do cadáver. dos acontecimentos. das”. Para Chivale, as acusações equiva- “isso é que é bom para o direito”,
No entanto, consta que neste caso “No julgamento, José Dorito Guarde- Chivale nega que em algum mo- lem a uma situação em que uma rematou Chivale.
concreto, este requisito não foi cum- já, técnico da criminalística, disse que
Savana 12-01-2018
TEMA DA SEMANA 5
6
SOCIEDADE Savana 12-01-2018

Indicador do Clima Económico


melhora em Novembro Matrículas para 2018
O Indicador do Clima
Económico (ICE) em
subida das previsões da procura
nos sectores de produção indus-

o
Moçambique melhorou trial, construção e de outros ser- A Escola Comunitária Luís Cabral-
ligeiramente em No- viços não financeiros que, juntos,
vembro do ano passado, atingin- suplantaram os restantes sectores ECLC informa aos alunos, pais, encarregados

log
do 9,6%, refere o último Indica- que registaram um sentido des-
dores de Confiança e de Clima
Económico do Instituto Nacio-
cendente da sua perspectiva de de educação e ao público em geral, que ainda
procura no mesmo mês em aná-
nal de Estatísticas (INE), divul-
gado esta semana.
lise. tem vagas para matricular novos ingressos
O indicador da perspectiva de

De acordo com o INE, a melho-


emprego continuou em incre- da 6ª, 7ª, 8ª, 9ª, 10ª, 11ª e 12ª classe por 500,00
mento no mês de Novembro,
ria do ICE em Novembro ainda
está aquém do máximo que este
atingindo 98,2%, consolidando
assim as previsões favoráveis de
meticais.. Podendo obter mais informações

ció
parâmetro já atingiu no país nos
últimos anos, quando alcançou
emprego pelo quarto mês conse-
cutivo, tendo o respectivo saldo se
na secretaria daquela escola sita na sede do
103,8% em Fevereiro de 2015.
A conjuntura favorável registada
situado acima da média da res-
pectiva série temporal.
Cabral, entrada a partir da Junta
bairro Luís Cabral,
em Novembro de 2017 foi in-
fluenciada, principalmente, pelas
Essa consolidação de aumento do
emprego futuro deveu-se a uma
ou Maquinague ou pelos telefones: 847700298
perspectivas de subida de empre-
go e da procura para os próximos
apreciação positiva do indicador
em todos os sectores excepto o
ou 826864465 ou ainda 871232355.
871232355
meses, continuando assim com
sinais de recuperação da conjun-
tura económica.
“Sectorialmente, contribuíram
para consolidação do ICE, à
melhoria da confiança em todas
sector de transportes e armazena-
gem que registou uma substancial
queda no mês em análise.
Em Novembro, o indicador de
confiança do sector de alojamen-
to, restauração e similares regis-
so
as actividades alvos do inquérito
com excepção dos ramos empre- tou uma recuperação ligeira pelo
sariais do comércio e de transpor- segundo mês, tendo o respectivo
um
tes incluído a armazenagem [que saldo atingido o nível mais alto
diminuiu pelo quarto mês con- desde o mês de Novembro de
secutivo] que registaram ligeiras 2015.
quedas no mesmo período em “A recuperação da confiança no
análise”, referiu. sector resultou da avaliação muito
Em Novembro, o indicador da positiva do volume de negócios e
perspectiva da procura continuou da procura corrente no mês de re-
o comportamento favorável das ferência, o que permitiu suplantar
previsões da procura pelo terceiro a avaliação desfavorável da pers-
mês consecutivo, tendo o seu sal- a”, diz o INE.
pectiva da procura”,
do se situado acima do observado A situação anterior terá sido jus-
de

nos últimos dezoito meses da sua tificada pelos contributos positi-


série cronológica. vos de aumento de preços futuros
A perspectiva favorável da procu- e do ligeiro incremento da pers-
ra no mês em análise resultou da pectiva da capacidade hoteleira.
io
ár
Di

Machava despachado para Cuba

E liseu Machava, antigo secretário-geral da Frelimo, afas-


tado no XI Congresso do partido em Outubro de 2017,
acaba de ser nomeado pelo Presidente da República,
Filipe Nyusi, novo embaixador Extraordinário e Pleni-
potenciário de Moçambique junto de Cuba. Machava, que já
ocupou o cargo de governador da nortenha província de Cabo
Delgado, substitui Miguel Mkaima, que esteve em Cuba deste
Junho de 2012, após seis anos em Portugal. Mkaima foi exo-
nerado de Cuba em Outubro do ano passado.
Savana 12-01-2018
PUBLICIDADE
SOCIEDADE 7
o
log
ció
so
um
de
io
ár
Di
8
SOCIEDADE Savana 12-01-2018

Candidatos esgrimem argumentos para atrair eleitores no município de Nampula

Corrida pela sucessão de Amurane ao rubro


,JUHMD&DWyOLFDH[LJHUHWLUDGDGHSDQÁHWRVGD)UHOLPRHPWRGRVHGLItFLRVGDFRQJUHJDomR

o
Por Raul Senda

S ob fantasma da fraude e acu- dade cujo foco da última administra- Promete melhorar o abastecimento iniciado pelo MDM e seu candidato, de todos no desenvolvimento da cida-

log
sações a mistura, os cinco ção concentrou-se apenas na zona de de água e incentivar actividades eco- Mahamudo Amurane em 2013,  que de e resolverá os problemas da falta de
candidatos à sucessão de Ma- cimento e ignorou-se os bairros de nómicas em sectores como, indústria sem dúvidas, mudou por completo água, electricidade e vias de acesso aos
humudo Amurane, na pre- periferia. cerâmica, lacticínio, agro-pecuária, Nampula,  fazendo desta cidade ape- suburbanos.
bairros subur
sidência do município de Nampula, “Nunca na minha vida fiz uma ca- piscicultura e apicultura. tecível, bela, vibrante e acolhedora”,
terceira cidade mais importante do minhada sequer sem contar com os Sublinha que as ruas da cidade de disse Saíde aoo apoiantes. Igreja católica protesta
país, estão, desde terça-feira, 09, nas outros, pois o sentido de comunidade Nampula estão em péssimo estado O candidato do MDM ignorou a A Arquidiocese de Nampula en-
ruas a caça de votos. e entreajuda sempre ficou no meu ser de transitabilidade. As travessias nos relação azeda entre o edil finado e a viou uma carta ao partido Frelimo
desde os ensinamentos dos meus pais, riachos são feitas com grande perigo direcção
ão do seu partido e referiu que queixando-se do facto dos membros
Trata-se Amisse Cololo (Frelimo), pelo que, mais uma vez, hoje, preciso devido a falta de pontes e ele na presi- assumiu o desafio em memória  ao daquele partido terem, sem consen-
Paulo Vahanle (Renamo), Carlos de caminhar convosco para que todos dência vai melhorar as vias de acesso. companheiro de jornada, que tombou timento da igreja, invadido o espaço

ció
Saíde (MDM), Mário Muquissinse possamos levar avante o sonho de “A cidade de Nampula possui uma em defesa dos mais nobres interesses privado e colar panfletos de propa-
(Acção Movimento Unido Para Sal- tornar Nampula uma cidade cada vez rede de transportes públicos deficien- do povo de cidade de Nampula e pe- ganda do candidato daquela organi-
vação Integral-AMUSI) e Filomena mais próspera”, disse. te e não humanizante. Se for eleito diu um minuto de silêncio
silêncio. zação.
Mutoropa (PAHUMO). Amisse Cololo diz que os seus so- como presidente do município vou Saíde sublinhou que quer abraçar Os panfletos foram colados no muro
Nota de realce é a presença da Re- nhos de infância para com a urbe são adoptar medidas adequadas para que o projecto iniciado pelo MDM em de vedação e no portão da residência
namo na corrida, tendo em conta os mesmos de qualquer cidadão da
os munícipes se beneficiem de um 2013, que permitiu resgatar Nampula episcopal do arcebispo de Nampula,
que o partido de Afonso Dhlakama cidade de Nampula, pelo que, juntos
boicotou as autárquicas de 2013, por transporte público condigno”, com- da desesperante agonia, caracterizada no bairro de Namicopo.
podem tornar esse sonho realidade, e
discordar com a lei eleitoral.Até ao prometeu-se. pelo cheiro nauseabundo, do lixo em Assinado pelo Arcebispo Metropo-
assim deixarem um legado para gera-
próximo dia 22 de Janeiro, os cinco Vahanle promete melhorias no acesso qualquer esquina, das estradas esbu- litano de Nampula, Inácio Saure,
ções futuras.
candidatos vão percorrer bairros e
ruas da cidade de Nampula para con-
vencer os autarcas a apostar nos seus
projectos na eleição do dia 24 de Ja-
neiro.
Até ao fecho da nossa edição, as ma-
nifestações políticas decorriam de
Aos munícipes de Nampula, Cololo
prometeu o bem estar dos citadinos
através da melhoria das vias de acesso,
água potável, expansão da rede eléc-
trica, justiça social e convivência mú-
tua entre diversas forças políticas.
Na primeira semana, Cololo tem
do meio.

MDM e o legado de
Amurane
so
à assistência médica e medicamento-
sa, melhorar o sistema de drenagem,
combate a criminalidade, iluminação
públicaa e do sistema de saneamento
racadas, da falta de jardins,  dos mer-
cados desorganizados.
Saíde atacou a equipe do edil assassi-
nado referindo que o desaparecimen-
to físico de Amurane, permitiu que
um grupo de ambiciosos, ganancio-
sos, vendidos, tomassem o município
e transformassem as contas e bens de
a carta datada de 09 de Janeiro de
2018, refere que a Igreja Católica é
uma instituição religiosa sem nenhu-
ma filiação partidária, pelo que, seus
espaços não podem, de modo algum
ser utilizados para fins propagandís-
ticos político-partidários de nenhum
partido.
forma pacífica e sem incidentes de apostado em passeatas, comícios po-
vulto. pulares e contactos porta a porta para Carlos Saíde, candidato do MDM, todos nós, numa machamba privada. Inácio Saure convida o partido Freli-
Devido a sua pujança financeira, alia- espalhar a sua mensagem. escolheu o populoso bairro de Na- “Votar em Carlos Saíde é votar na mo a retirar imediatamente todos os
um
do ao controlo da administração pú- micopo para lançar a campanha elei- reposição da verdade, porque neste cartazes propagandísticos à favor do
blica, o partido Frelimo e o seu candi- Vahanle evoca toral. Antes desfilou pelas artérias da momento o município  está rodeado seu candidato colados no muro de ve-
dato é que aparentam ser mais fortes, antepassados cidade e em alguns bairros da peri- por vereadores que não se identificam dação e do portão em causa.
quando se leva em conta a quantida- O candidato da Renamo, Paulo Va- feria,
ia, lançando a imagem de que é a com a causa e que não foram eleitos A igreja Católica exige que a partido
de

Amisse Cololo, FRELIMO Paulo Vahanle, RENAMO Carlos Saíde, MDM Filomena Mutoropa, PAHUMO Mário Maquissinse, AMUSE

de de meios que movimenta nas suas hanle adoptou a estratégia de dividir continuidade de Mahamudo Amura- por ninguém, mas que roubam e go- Frelimo repinte os espaços sujos pela
caravanas. a maratona de caça ao voto entre co- ne, edil assassinado no passado dia 4 zam na cara de todos nós. Votar em colagem e descolagem dos panfletos,
io

Para reforçar a campanha de Cololo, mícios populares, campanha porta a de Outubro. Carlos Saíde é ter a certeza de que para lhes devolver o seu aspecto ini-
a Frelimo, que a todo custo quer re- porta e passeatas nas ruas da cidade e Recordar que Carlos Saíde fez parte os dias de desordem no município, cial.
cuperar o município de Nampula, que dos bairros da periferia. do executivo de Mahamudo Amura- orquestrados por aqueles que querem “Este protesto é válido para todas as
escapa desde 2013, destacou para a Com uma caravana mais humilde, a ne, mas foi expurgado pelo falecido manchar a  nossa obra iniciada com o instituições da Igreja Católica em
capital do norte parte dos seus pesos campanha de Vahanle conta com o edil acusado de prática de actos de nosso saudoso Amurane, chegarão ao Nampula, (paróquias e casas religio-
pesados a saber: o secretário-geral do reforço do secretário-geral do partido, corrupção e uso indevido de bens pú- fim”, arrancando ruidosos aplausos.
ár

sas)”., lê-se na missiva.


partido,, Roque Silva, os membros da Manuel Bissopo, dos deputados da blicos. Ao terminar o seu discurso, Saíde Contactado pelo SAVANA, na tarde
Comissão Política, Tomás Salomão, Assembleia da República (AR) elei- Sem presença de figuras sonantes do apelou aos presentes para que este-
tos pelo círculo eleitoral de Nampula desta quarta-feira, Caifadine Ma-
Margarida Talapa e Manuel Tomé. partido como é o caso do presidente, jam atentos aos mafiosos e desones- nasse, secretário para a Mobilização
No primeiro dia, a caravana da Fre- entre outros quadros seniores vindos Daviz Simango, seu irmão Lutero Si- tos, que pensam que com camisetes e
da capital do país. e Propaganda no Comité Central
limo partiu da sede do partido na mango, edil de Quelimane, Manuel bonés, podem comprar a consciência da Frelimo, reconheceu a falha e diz
cidade de Nampula perto das nove Na última semana de “caça ao voto” de Araújo e os deputados Venâncio do povo  macua  e dos munícipes da
espera-se que a campanha de Vahan- que o partido encontrará formas de
Di

horas da manhã e percorreu algumas Mondlane e Silvério Ronguane, a fase cidade.


le receba reforços de todos deputados resolver a questão junto com a Igreja
artérias da cidade antes de desaguar inicial da campanha do MDM foi A AMUSI e PAHUMO apostaram
da Renamo na AR, incluindo a chefe Católica.
ico bairro de Namuteque-
no histórico reforçada pelo respectivo secretário- em campanhas menos onerosas e pri-
da bancada Ivone Soares. Manasse referiu que não foi vontade
liua, onde Roque Silva apresentou o -geral, Luís Boavida e pelo deputado vilegiam a táctica de porta a porta e
Paulo Vahanle iniciou a sua campa- do partido invadir espaços privados,
candidato e depois seguiram-se dis- nha invocando os antepassados na Fernando Bismarque. contactos directos com os munícipes
cursos. “Estamos aqui hoje  para dar conti- nas zonas de maior concentração po- porém, por se tratar de um momento
residência da Rainha Irene, no bairro de festa, caracterizado por emoções,
Para atrair a audiência, a Frelimo de Muhala-Expansão, arredores da nuidade a uma jornada que iniciamos pulacional como mercados, paragens
também movimentou alguns artistas há sensivelmente um mês, quando de transportes públicos entre outros esperava-se mais ponderação da parte
cidade. da direcção da Igreja.
mais populares da actualidade. Deste Vahanle diz que é por uma cidade aceitamos o desafio do nosso partido, locais.
grupo destaca-se o cantor Salvador para liderar um projecto visando de- Filomena Mutoropa convidou os mu- Sobre as exigências do arcebispo de
onde todos, independentemente da
Pedro Maiaze, mais conhecido por fender as conquistas de 2013, altura nícipes de Nampula a fazer justiça, repintar o muro, Manasse referiu que
idade, raça, religião e filiação política,
Mr Bow. tenham emprego. em que pela primeira vez, o MDM e em alusão ao assassinato do edil de o diálogo fará as partes a alcançar
Amisse Cololo disse ao munícipes de Diz que no município de Nampula há seu candidato, mereceram a confian- Nampula, votando numa figura que consensos.
Nampula que é um pai de família, que falta de escolas de Artes e Ofício para ça dos munícipes desta cidade para por si é dotada de sentimentos, uma Para além da Igreja Católica, o MDM
passa mais tempo a ouvir, a indagar e jovens e que se chegar a presidência liderar o processo de transformação mulher. também queixou-se do facto dos
a tentar buscar soluções para o bem do município vai construir escolas desta cidade. Por isso, contrariamen- Disse que em caso de vitória vai privi- apoiantes da Frelimo colarem panfle-
estar dos autarcas da urbe. técnicas de modo a promover o auto- te aos outros candidatos, nós somos legiar a remoção de lixo, promoção de tos acima do material propagandísti-
Promete restituir a dignidade da ci- -emprego. a continuidade do grande trabalho acções que estimulem a participação co do partido de Daviz Simango.
Savana 12-01-2018
PUBLICIDADE 9

CONSELHO CONSULTIVO
L I C H I N G A , J A N E I R O 2 0 1 8

COMUNICADO
Com vista a garantir o cumprimento do preconizado no nº. 2 do artigo 56 da Lei nº 1/92, de 3 de Janeiro
– Lei Orgânica do Banco de Moçambique, o Conselho de Administração, no uso das competências
competênc que
lhe são conferidas pelo artigo 46 da referida Lei, deliberou fixar os dias 24, 25 e 26 de Janeiro
Jan de 2018,
para a realização do 42º Conselho Consultivo do Banco de Moçambiquee (CCBM), na Cidade Cid da Lichinga,
Província de Niassa.

O Conselho Consultivo é um órgão alargado de consulta do Conselho


onselho de Administração,
A que reúne
pre que convocado
ordinariamente uma vez por ano e extraordinariamente sempre conv pelo Governador do
Banco, competindo-lhe:

a) Apreciar questões de interesse relevante paraa as actividades


actividad do Banco e para a economia
nacional;
funcioname
b) Apreciar questões sobre a organização e funcionamento do Banco;
essamente cometidos
c) Apreciar assuntos que lhe forem expressamente co pelo Conselho de Administração; e
gramar acções
d) Fazer balanço de actividades e programar acçõe futuras.

Assim, os primeiros dois dias, 24 e 25 de Janeiroo de 2018,


2 estão reservados para apresentação e análise
erceiro dia, 26
de temas de carácter interno e o terceiro 2 de Janeiro de 2018, será aberto ao público, com apre-
sentação e debate do seguintee tema:

pacto na economia local”.


“Comércio fronteiriço e seu impacto

Dada a importânciaia e natureza do tema


t e por forma a permitir a participação pública na referida sessão,
essados e ao público
informa-se aos interessados p em geral o seguinte:

inscriçõ para participação no evento;


a) Estão abertas inscrições
po
b) Os interessados poderão efectuar as suas inscrições, no período de 11 de Janeiro 2018 a 18 de
o de 2018, no seguinte
Janeiro se endereço electrónico: ccbm2018@bancomoc.mz
o
c) Por razões organizativas, serão aceites apenas as primeiras 30 (trinta) inscrições;
d)) Todas as despesas
d referentes à participação no evento estarão por conta de cada participante.

Maputo, 11 de Janeiro de 2018

PROMOVENDO A INCLUSÃO FINANCEIR A E A


VALORIZAÇÃO DO METICAL
10
PUBLICIDADE
SOCIEDADE Savana 12-01-2018

Cônsul Honorário da Ucrânia em Moçambique ao SAVANA

“Existem margens enormes de crescimento


no comércio bilateral”

o
log
A
Por Abílio Maolela
República Popular da -estruturas, transporte, recursos mi- próprio, pensado nas necessidades
Ucrânia abriu, recente- nerais, defesa, bens manufacturados dos seus estudantes. Os moldes con-
mente, em Maputo, a sua e serviços. Hoje já existe essa coo- cretos terão de ser acordados entre
primeira representação di- peração, mas de uma forma bastante os organismos competentes dos dois
plomática, em Moçambique, desde tímida, algo que se espera que possa estados e naturalmente dependerão
o estabelecimento das relações di- mudar nos próximos tempos. do nível de cooperação bilateral en-
plomáticas entre os dois países, em Na década 1960, a Ucrânia alocou tre os nossos países.
1960 e formalizadas, em 1993.

ció
diversas bolsas de estudos para os Foi nomeado Cônsul Honorário
Convidado a explicar as razões jovens moçambicanos. Neste mo- da Ucrânia, no país. Como se sente
que ditaram esta decisão, 24 anos mento, será que ainda existe esse por esta distinção e, na sua óptica,
depois, o Cônsul Honorário da programa? que razões ditaram a sua escolha?
Ucrânia, Abílio Soeiro, afirmou Ultimamente, a Ucrânia está en- Sinto-me muito honrado e feliz
que a mesma surge como resultado gajada na alocação de bolsas de com a escolha e confiança deposi-
da “diversificação das relações di- estudo aos estudantes estrangeiros. tados em mim pelo governo ucra-
plomáticas” daquele país do leste Ao atribuir essas bolsas é dada a niano, através do seu Ministério
europeu, depois de, nos primei- preferência às áreas de educação dos Negócios Estrangeiros. Como
ros anos, ter privilegiado os seus
parceiros regionais, com destaque
para os países da Europa e do gru-
po G20.
Em entrevista ao nosso jornal,
Soeiro destaca que as relações di-
plomáticas entre os dois países A diplomacia é uma espécie de
dança, onde sempre é necessária a
so
“A cooperação bilateral possui um enorme potencial, em vários
domínios”, Abílio Soeiro
bique ascendeu aos 34,6 milhões de
dólares. Olhando para as potenciali-
pedagógica, arte, ciências humanas
e sociopolíticas, jornalismo e
informação, etc. Anualmente, cer-
ca de mil bolsas são concedidas aos
estudantes estrangeiros, suporta-
das pelo Orçamento do Estado da
Ucrânia. Os estudantes estrangeiros
Cônsul, irei defender os interesses
dos cidadãos ucranianos, em Mo-
çambique, dando-lhes todo o apoio
que possam precisar. Mas, também
defenderei os interesses mútuos dos
dois países, procurando e fomentan-
do as diversas oportunidades que
“sempre foram muito cordiais” e
presença de um parceiro. Como tal, dades de Moçambique
ambique e da Ucrânia podem escolher entre cerca dos 200 possam beneficiar quer Moçambi-
que, no ano de pico (2014), o vo-
temos de entender que, quer Mo- que,, neste momento, praticamente estabelecimentos de ensino supe- que, quer Ucrânia. As principais ra-
lume comercial total de bens e
rior da Ucrânia, que possuem uma zões que ditaram essa escolha foram
um
serviços fixou-se nos USD 34,6 çambique, quer Ucrânia, durante voltou aos níveis de crescimento
alguns anos, privilegiaram os seus económico da pré-guerra de 2014, licença correspondente em todas as múltiplas, desde o meu perfil como
milhões (USD 20,5 milhões em
exportações ucranianas e USD parceiros regionais. Para Ucrânia, podemos chegar à conclusão de especialidades, excepto as médicas. cidadão e empresário, passando pela
14,1 milhões moçambicanas), mas estes parceiros eram os países da que existem as margens enormes de Neste momento, o programa de bol- minha disponibilidade e vontade
sublinha ainda existir um enorme Europa e do grupo G20. Neste mo- crescimento, principalmente, no do- sas está focado nos “ucranianos es- de abraçar os novos desafios. Cer-
potencial por explorar, nas áreas mento, a Ucrânia está a diversificar mínio do comércio bilateral. trangeiros”, ou seja, nos cidadãos de tamente para essa decisão também
do turismo, educação, recursos a sua presença diplomática, quer um país estrangeiro, mas de origem contribuiu a minha relação próxima
ucraniana, que pretendem estudar e de amizade com a comunidade
minerais e na cooperação técnico-
-militar.
ao nível global, quer no continente
africano. Em 2016, obtivemos o es-
Cooperação militar na Ucrânia. Actualmente, estudam ucraniana residente em Moçambi-
Mas, qual é o nível de investimen-
O autor do livro “Obrigado Ma- tatuto oficial de Estado Observador pelo menos dois estudantes moçam- que. Não muito numerosa, formada
to ucraniano, em Moçambique e
diba” garante que tudo fará para na União Africana e possuímos 11 bicanos, na Ucrânia, o que é bastante por cerca de 150 adultos e possi-
que produtos dominam nas trocas
defender os interesses mútuos dos embaixadas, no continente africano, pouco para o nível das capacidades velmente até 350 crianças, com um
comerciais entre os dois países?
de

dois países, procurando e fomen- assim como estamos a desenvolver a educativas ucranianas. Esperamos espírito próprio e ao mesmo tempo,
De acordo com os dados do Mi-
tando as diversas oportunidades nossa rede de Consulados honorá- que, futuramente, Moçambique absolutamente enquadrada na so-
nistério dos Negócios Estrangeiros
que possam beneficiá-los. rios. Um factor importante da coo- possa beneficiar de um programa ciedade moçambicana.
da Ucrânia, em 2014, no “pico” das
peração entre Ucrânia e África é o relações comerciais bilaterais, o vo-
Acompanhe, de seguida, os excer- comércio exterior. Em 2015, o volu- lume comercial total de bens e ser-
tos editados desta conversa. me comercial entre Ucrânia e países
“Moçambique é um dos parceiros
viços entre Ucrânia e Moçambique
O governo ucraniano abriu, recen- africanos ascendeu aos 4,4 bilhões perfez 34,6 milhões de dólares: as
temente, o seu Consulado Hono- de dólares, das quais as exportações exportações ucranianas ascenderam
rário na cidade de Maputo, a pri- de bens ucranianos totalizaram 3,8 aos 20,5 milhões de dólares e ex-
tradicionais da Ucrânia”

A
meira representação diplomática, biliões de dólares. Neste momento,
io

em Moçambique, desde o estabe- portações moçambicanas foram de


a Ucrânia também participa acti- 14,1 milhões de dólares. Em 2015,
lecimento das relações diplomáti- vamente nas operações de paz da té que ponto a abertura desta missão diplomática, no país,
cas entre os dois países, na década o volume baixou aos 30,7 milhões
ONU, em cinco países africanos, de dólares e em 11 meses de 2016 e a sua nomeação para este cargo poderá dinamizar as re-
de 1960. Que significado tem este nomeadamente, Libéria, Costa do lações entre Moçambique e a Ucrânia?
facto? totalizou 12,1 milhões de dólares: as
Marfim, República Democrática exportações ucranianas a Moçambi- O papel do Consulado é de facilitação, principalmente,
Ucrânia, não sendo, na altura, um
ár

do Congo, Sudão e Sudão do Sul. que foram de 2,6 milhões de dólares aos empresários e governantes dos dois países, que pretendem levar
país independente, reconheceu a avante os diversos programas bilaterais de cooperação em diversas
Naturalmente, esperamos aumen- e as exportações moçambicanas à
independência de Moçambique ambique áreas do interesse mútuo. Ucrânia está interessada em intensificar
tar e reforçar a nossa presença, em Ucrânia de 9,5 milhões de dólares.
ainda em 1975, na sua qualidade de
Moçambique, nos diversos níveis de
Moçambique No que toca à nomenclatura dos o diálogo político e diplomático, a busca de novos parceiros eco-
membro-fundador da Organização
cooperação bilateral, principalmen- produtos concretos, o Consulado, de nómicos e mercados para os produtos ucranianos. Moçambique é
das Nações Unidas (ONU). Por
te, no campo económico. momento, não possui estes dados de um dos parceiros tradicionais da Ucrânia no campo da cooperação
sua vez, Moçambique foi um dos
Di

Que avaliação faz a este período de uma forma estruturada. técnico-militar. Como tal, qualquer dinamização futura dependerá
primeiros países de África a reco-
nhecer a independência da Ucrânia, cooperação (24 anos) entre os dois Durante o período colonial, Mo- das vontades e das capacidades bilaterais de estabelecer essas rela-
em Março de 1992. Os dois países países? çambique e Ucrânia cooperaram ções, certamente, mutuamente proveitosas.
passaram por períodos complicados As relações diplomáticas entre os na área militar, assim como na for- Tendo em conta que os dois países atravessaram momentos con-
da sua própria história, amadurece- nossos países sempre foram muito mação do capital humano. Neste turbados em termos políticos, assim como económicos, quais se-
ram e, neste momento, procuram a cordiais. No entanto, a cooperação momento, quais as áreas de coope- riam as áreas prioritárias de cooperação?
diversificação das relações bilaterais, bilateral possui um enorme po- ração entre os dois países? Moçambique é uma economia em rápido crescimento e com boas
pretendendo, entre outras coisas, tencial, em vários domínios, desde As áreas de cooperação devem ser e, perspectivas para o seu desenvolvimento económico a médio prazo.
marcar a sua presença nos mercados turismo aos recursos minerais, pas- naturalmente, serão definidas, quer Actualmente, o país aposta em diversos programas de moderniza-
promissores. sando pela educação ou produção pelos governos dos dois países, quer ção da sua economia. Como tal, podemos prever as possibilidades
As relações bilaterais entre os industrial. O que, por sua vez, po- pelo seu tecido empresarial. Mo- de cooperação bilateral nas áreas de educação, infra-estruturas,
dois países foram oficializadas, derá trazer benefícios mútuos às çambique é um país em rápido cres- transporte, recursos minerais, defesa, bens manufacturados e servi-
em 1993, entretanto, só este ano nossas economias nacionais. Por cimento e com diversos programas ços. Ucrânia possui o saber-fazer e também mantém e desenvolve
é que a Ucrânia decidiu abrir uma exemplo, num dos melhores anos, de modernização da sua economia a sua produção industrial que possa satisfazer a demanda diversi-
representação diplomática, em em termos do comércio bilateral, em curso, como tal, podemos prever ficada da economia moçambicana: alimentos, meios de transporte,
Moçambique. Que razões ditaram em 2014, o comércio total de bens as possibilidades de cooperação bi- equipamentos da defesa ou sistemas de prospecção geológica.
este facto? e serviços entre Ucrânia e Moçam- lateral nas áreas de educação, infra-
Savana 12-01-2018
PUBLICIDADE 11

COMUNICADO
ALERTA SOBRE OS RISCOS DECORRENTES DE TRANSACÇÕES
ACÇÕES
RELACIONADAS COM BITCOIN
O BM no exercício das suas funções de supervisor do sistema financeiro, atribuídas
uídas pela Lei nº 1/92,
1/ de 3 de Janeiro,
vem a público informar o seguinte:

1. Está a circular em território nacional uma moeda virtual descentralizada e convertível designada
de BITCOIN;

2. O BITCOIN está a tornar-se cada vez mais popular pela facilidade que esta possui de p
permitir a transacção de somas
ência de fundos,
avultadas em dinheiro, para a aquisição de bens e serviços, transferência fun realização de investimentos ou
pagamentos;

3. Embora, por um lado haja benefícios, por outro há grandes riscos que devem
de ser acautelados, pois dada a sua
natureza, esta moeda pode estar ligada a acções criminosas como o branqueamento
bran de capitais, financiamento ao
terrorismo, tráfico de drogas, entre outras;

4. É importante clarificar a diferença entre o BITCOIN e o dinheiro electrónico


ele (e-money). O dinheiro electrónico é ger-
almente aceite como meio de pagamento por outras tras pessoas q
que não sejam o emissor, e é convertido por dinheiro
quando solicitado. A emissão de moeda electrónica ónica está pre
prevista na legislação de vários países, incluindo Moçam-
ições Financ
bique, como uma actividade autorizada às Instituições Financeiras;

5. Assim, o Banco de Moçambique vem esclarecer que


que:

a) Não regula, não fiscaliza, nem


em supervisiona, quaisquer actividades e transacções efectuadas através de BIT-
COINS; e

b) Não se responsabiliza por qua


quaisquer efeitos resultantes de transacções relacionadas com BITCOIN, pois esta
moeda:
i. Não têm enquadramento legal e não é emitida pela autoridade monetária nacional, o Banco de
êm enquadramen
Moçambique;
ii. As empresas que negoceiam o BITCOIN não são reguladas, autorizadas ou supervisionadas pelo Banco
oçambique;
de Moçambique;
iii.i. Não oferece segurança,
s estando vulnerável a fraudes e a outro tipo de crimes perpetrados com
recurso a meios informáticos;
in
iv. É altament
altamente volátil, ou seja, o seu preço varia com muita frequência;
v. Permite
Permi a realização de transacções em anonimato, favorecendo actividades criminosas.

O Banco de Moçam
Moçambique afirma o seu compromisso em apoiar as inovações financeiras, inclusive as baseadas em
novas tecnologias que tornem o sistema financeiro mais seguro e eficiente.
Maputo, 08 de Janeiro de 2018

PROMOVENDO A INCLUSÃO FINANCEIR A E A


VALORIZAÇÃO DO METICAL
12 Savana 12-01-2018
NO CENTRO DO FURACÃO Savana 12-01-2018 17

Presidente angolano falou com os jornalistas numa entrevista inédita

JLo espera que Zedú cumpra promessa de sair em 2018*


É Caso Manuel Vicente
inédito. Em Angola não há nação, de forma geral, na sociedade poderá acontecer. Só a ele compete Rádio Ecclésia possa expandir o seu de exportações, falemos sobretudo de corrupção: um caminho sustentável
memória de um Chefe de angolana perpassa a ideia da exis- dizer, não me compete a mim. Quan- sinal em todo o território nacional outros produtos. para a transformação de África”. O

o
O Governo entende que o caso Ma-
Estado responder às per- tência de um mal estar entre o ac- to a isso, não tenho razões de estarem nuel Vicente seja transferido para não haja necessidade de nenhum pro- As exonerações na Sonangol foram senhor fez da luta contra a corrup-
guntas de jornalistas de for- tual Presidente e o ex-Presidente da impacientes, porquanto do ano 2018 Angola, à luz dos acordos da CPLP, nunciamento do Presidente da Repú- por questões profissionais ou de ção uma grande prioridade. Quais
blica, mas podemos reconhecer que confiança política? são as estratégias que adoptou para

g
ma directa, sem pré-condi- República. Existe ou não crispação decorreram apenas oito dias. Oito mas as autoridades portuguesas de-
ções. Foram cerca de cem jornalistas entre o Presidente João Lourenço e dias não são nada. Vamos aguardar os por razões que não importa adiantar Por confiança política, o que isso quer obter os resultados pretendidos?
fendem o contrário. Vai manter essa
angolanos e estrangeiros que toma- o Presidente José Eduardo dos San- próximos dias. aqui, a Ecclésia não conseguiu fazer dizer? A pessoa exonerada não era da A estratégia para garantir o êxito
posição? A que preço?

o
ram parte da primeira entrevista co- tos? O preço do petróleo, enquanto essa mesma extensão. Consideramos oposição. Não estou a ver por que ra- nesta luta contra a corrupção só tem
A responsabilidade está do lado de duas palavras: coragem e determina-
que, desde que se respeite a Lei, so- zão exoneraria por falta de confiança

l
lectiva, que assinalou os 100 dias de Talvez estejamos a olhar com olhos principal matéria-prima e produto Portugal. Como se costuma dizer,
João Lourenço ( JLo) na presidência diferentes. Não sinto esta crispação de exportação do país, tem estado bretudo a Lei da Radiodifusão, a Lei política. As exonerações, regra geral, ção. Vamos buscar forças no sentido
a bola está do lado de Portugal. O 4/17, a Ecclésia pode perfeitamente não são justificadas. O nosso país está de não nos faltar esta coragem e de-
do país. Durante a entrevista desta nas nossas relações. As nossas re- acima dos 60 dólares. Especialistas processo está a decorrer em Portugal.

ó
expandir o seu sinal a todo o territó- independente há 42 anos. Não recor- terminação.
segunda-feira, que durou cerca de lações são, sobretudo, de trabalho. estimam que até ao final do ano o Dizia e bem que existe um acordo rio nacional. Se tem os investimentos do nenhum Presidente ter vindo a pú- Tem dito que a Justiça é um pilar

i
uma hora, o Presidente garantiu re- Relações entre o presidente de um preço se vai manter. O que pensa fa- judiciário no quadro da CPLP que feitos para que assim possa parecer, blico justificar-se porque exonerou A, fundamental do Estado de Direi-
ver os contratos de grandes dimen- partido e o seu vice-presidente e re- zer com este diferencial? Vai manter permite que este e outros proces- pode começar de imediato. Se não B e C. Em 42 anos, foram exonerados to. Há um acórdão do Tribunal
sões assinados pelo antigo Execu- lações entre o presidente do partido a estratégia do Governo anterior de

c
sos a decorrer em Portugal possam tiver, que se prepare e que faça os in- não sei se milhares, mas pelo menos Constitucional que proíbe que a
tivo e desvantajosos para o Estado, que me apresentou como candidato canalizar para o Fundo Soberano? ser transferidos para a jurisdição Assembleia Nacional fiscalize os
vestimentos necessários na certeza de centenas de membros do Governo ou
como o porto de águas profundas do e hoje Presidente da República. Nas O excedente vai reforçar o Orçamen- de Angola. Esse procedimento foi actos do Governo. Como será do-
que, da nossa parte, não encontramos ministros. Porque é que tenho de me

o
Dande. Na entrevista, João Louren- minhas funções de Presidente da to Geral do Estado. Há programas e feito por Angola, mas Portugal, la- justificar por ter exonerado o PCA de ravante enquanto Titular do Poder
problemas absolutamente nenhuns
ço negou qualquer crispação com o República, baseio-me, sobretudo, na projectos que não foram contempla- mentavelmente, não satisfez o nosso em que a Rádio Ecclésia estenda o uma empresa pública? Isso não faço. Executivo? O Tribunal Supremo é
Presidente José Eduardo dos San- Constituição e na Lei. Em princípio, dos por escassez de recursos. Se vie- pedido, alegando que não confia na Aliás, não é por mero acaso quando o tribunal que em ordem de prece-

s
seu sinal a todo o território nacional.
tos (Zedú), que é o líder do partido nada está acima da Constituição. O rem estes recursos a mais, com certeza justiça angolana. Consideramos isso A rádio está ligada a uma Igreja que as exonerações são feitas o que vem a dência protocolar deveria estar em 
(MPLA), considerou uma ofensa presidente do partido, enquanto pre- que vamos introduzir nos programas uma ofensa, não aceitamos esse tipo consideramos séria e secular e, talvez, público, regra geral, é: por conveniên- terceiro como órgão de soberania,
a forma como as autoridades por- sidente do partido, fundamenta a sua e projectos a serem executados. de tratamento e, por esta razão, essa com essa expansão do sinal nos possa cia de serviço é exonerado fulano de e não um tribunal especial, que é o
tuguesas se recusam a remeter o acção em algo que se chama Estatu- Como reage quando lê sobre alega- é a nossa posição. Vamos aguardar a ajudar a estancar a proliferação de tal. Mas se quer mesmo a resposta, foi Tribunal Constitucional. Existe al-
caso Manuel Vicente (antigo vice- tos do partido. Estamos em campos da perseguição aos filhos do ante- pacientemente o desfecho desse caso seitas que surgiram nos últimos anos por conveniência de serviço. guma perspectiva de alteração desta

m
-presidente) às autoridades angola- distintos e acredito que se cada um rior Presidente da República? em Portugal. Não temos pressa. Sa- no nosso país com práticas contrárias Qual é a situação entre o Governo situação?
nas. João Lourenço revelou também de nós cumprir bem com o seu papel Alegada perseguição? Foi isso que à nossa cultura e que atentam à pró- angolano e o Vaticano na possibili- O Executivo que dirijo não teme a
bemos que os processos na justiça João Lourenço, presidente de Angola fiscalização pelos deputados da As-
que está em curso uma auditoria às não haverá crispações. Tudo farei, en- disse? Porquê? Apresente factos. Pen- levam algum tempo. Temos paciência pria vida humana. No que me cabe, dade de assinatura de uma concor-

u
contas do Fundo Soberano e afirma quanto Presidente da República, para so que esta é uma forma incorrecta a Rádio Ecclésia tem as mãos livres. data? sembleia Nacional. A fiscalização é
suficiente para aguardar esse mesmo que um projecto desta dimensão, -Presidente. Os partidos concorrem e o pedido de Angola, para que as auto-
que, numa altura em que o actual não prescindir de nenhum dos direi- de se analisar o problema. Na verda- Que estenda o seu sinal a todo o ter- A única coisa que posso dizer é que salutar quer esta seja feita pela As-
desfecho. Qualquer posição nova de que envolve biliões, com a garantia durante a campanha eleitoral lutam ridades judiciais tratem do caso. Não
preço do petróleo está acima dos 65 tos que a Constituição da República de, não sou director da TPA. Quem ritório nacional. existem negociações entre o Gover- sembleia Nacional, quer a fiscaliza-
Angola vai depender muito do desfe- soberana do Estado, não pode ser para vencer as eleições e para cons- estamos a pedir o arquivamento do
me confere para que possa cumprir o no angolano e o Estado do Vaticano. ção mais geral, feita pela sociedade.
dólares, valor estabelecido no Or- rescindiu o contrato com a empresa cho desse caso. Por isso, não interes- entregue de bandeja, como se diz, a tituir Governo. Não fizemos coisa di- processo. Estamos a pedir simples-

e
mandato que o povo me conferiu nas Estas negociações decorrem. Não co- Afinal de contas nós, querendo ou
çamento Geral do Estado, que é de [Nota do SAVANA: Semba Comuni-
eleições de 2017.
sa adiantarmos absolutamente mais um empresário, sem submissão de ferente do que fazem os outros países. mente que o processo seja remetido “Temos de passar a acções nheceram ainda o seu desfecho, por- não, os nossos actos são fiscalizados
50 dólares o barril, o diferencial vai
servir para financiar aqueles pro- Nos últimos anos, o país investiu
cação tem como sócios os irmãos Welwit-
shea ‘Tchizé’ e José Paulino dos Santos
nada sobre o caso Manuel Vicente concurso público. Quer este projecto Não vou citar exemplos concretos, a Angola. concretas” tanto, vamos aguardar. No essencial, pela sociedade, pelos eleitores que
versus relações Angola-Portugal, en- em concreto, quer as obras públicas mas em princípio quem vence elei- Os membros do Executivo já decla-

d
Quando é que vamos ver concursos existe entendimento. Haverá uma nos colocaram neste lugar. E vamos
jectos não contemplados no OGE muito em zonas económicas espe- ‘Coreon Du’, filhos do ex-chefe de Estado quanto não houver o desfecho que a da dimensão deste terão um modelo ções, constitui Governo. Chamamos raram os seus bens? Se  não o fize- públicos em empresas como a So- ou outra coisa em que ainda não se ter que prestar contas a eles daqui a
deste ano. Nas linhas abaixo, acom- ciais e em pólos de desenvolvimen- angolano, José Eduardo dos Santos] que Justiça Portuguesa der ao caso. de adjudicação bem diferente, aber- o Fernando Heitor para um banco e rem, que medidas serão tomadas? O nangol, Endiama? Quando é que chegou a acordo. Vamos continuar cinco anos, sensivelmente. Portanto,
panhe a entrevista que é considera- to, mas os resultados práticos não geria o Canal 2 e a TPA Internacio-  Não queremos e nem estamos a pedir to, que vai permitir que quem estiver poderíamos não ter feito. Não éramos senhor Presidente já fez a declara- veremos cidadãos nacionais a con- a trabalhar para que esses pequenos não há como fugir à fiscalização. Não
da pela generalidade da crítica como são ainda visíveis. Como pensa re- nal foi a TPA. Nós não perseguimos que ele seja absolvido. Não estamos a em condições, desde que concorra e obrigados a fazê-lo. Fizemo-lo, mas ção de bens?  correr para estas empresas? é uma questão de querer ou não. Nós

ir o
lançar estes passos e que incentivos impedimentos sejam ultrapassados.
histórica. pessoas. Tanto quanto sabemos, a ra- pedir que o processo seja arquivado. vença, obviamente, poder executar a nada nos obrigava a pôr o Fernando A informação que tenho é que os A função pública é que abre con- aceitamos a fiscalização a ser feita
conta oferecer? Está a gostar de ser o nosso Presi-
Se houve uma palavra que muito foi zão da rescisão desse contrato é que Não somos juízes. Não temos com- obra.  Heitor na posição em que se encon- membros do Executivo já deram en- cursos. As empresas, em princípio, nos moldes em que a Constituição e
dente?
usada durante os 100 dias de gover- Vamos apostar bastante no empresa- era bastante desfavorável. Foi assi- petência para dizer se o engenheiro Ao longo da campanha eleitoral fa- tra hoje. Agora não se pode dizer que trada da sua declaração de bens. Só não abrem concursos. Não são bem a lei estabelecem. Há uma interpre-
No mínimo seria ingratidão, se não
nação foi “exoneração”, que ocorreu riado privado, nacionais e estrangei- nado numa determinada conjuntura Manuel Vicente cometeu ou não co- lou muito da despartidarização das quem é da oposição não tem direito a que, como também deve saber, a de- concursos. Os cidadãos apresentam tação à Constituição feita pelo Tri-
gostasse daqueles que me elegeram.
em várias instituições estratégicas ros. A actividade privada deve ser a e hoje é diferente. Constatou-se que meteu o crime de que é acusado. Mas instituições públicas. A esta altura, emprego. Pode chegar a um certo ní- claração de bens é entregue em enve- os seus currículos que são analisados bunal Constitucional. Os acórdãos
Eu não sou ingrato. Obviamente
principal responsável para a criação

á
do país. Apesar de denúncias de ale- os contratos são bastante lesivos aos que isso fique bem claro! A intenção alguns sectores da sociedade dizem vel e pode ser director, mas é evidente lope fechado, lacrado e ninguém pode e em função disso são ou não admi- que estou a gostar. É trabalhoso, mas do Tribunal Constitucional são de
de bens e serviços. A Zona Econó- abrir o envelope, salvo por decisão de

i
gada má utilização de verbas, não interesses do Estado. E se não for o não é livrar o engenheiro Manuel não ver sinais disso, até porque tem que não será ministro, vice-presiden- tidos, porque embora sejam do fó- quem corre por gosto não se cansa. aceitação por todos, devem ser res-
mexeu no Fundo Soberano. Por que mica foi concebida num modelo em Estado a defender os seus interesses, Vicente, a intenção é que o processo estado a resistir a nomeações de go- te e muito menos Presidente. um Tribunal. Só quem se meter em rum público, elas não deixam de ser Na qualidade de Comandante em peitados. Mas apenas para dizer que
não mexeu, senhor Presidente? Vai que a gestão ficava a cargo do Estado. quem o fará? Tem de ser o Estado, siga os seus trâmites, que pode che- As relações entre Portugal e Angola problemas e for parar à justiça, a so- empresas. O estatuto da Sonangol é Chefe das Forças Armadas Angola- nos moldes previstos quer na Consti-
vernadores e secretários do MPLA.
mexer? E que dinheiro encontrou Consideramos que este modelo, con- nesse caso a TPA, que nesse domínio têm sido significativamente afecta- ciedade saberá que bens é que este mesmo de empresas públicas, tem um nas, quais são as principais ameaças tuição, quer na lei, que permitem pelo
gar até à fase de julgamento,  mas que Quando é que vamos começar a as-

D
nos cofres do Estado? forme disse, e confirmo, não deu os representa o Estado, e a TPA não fez membro do Governo tem e declarou regime de qualquer empresa. A única a enfrentar? menos a fiscalização no quadro da
isso seja feito aqui pela justiça ango- sistir a isso? das pelo caso que corre em Portugal
A exoneração é um acto normal de resultados que seriam de esperar. Por outra coisa senão defender os seus e quais são os que efectivamente ele diferença é quem são os accionistas Felizmente o regime do “apartheid” avaliação e aprovação da Conta Geral
lana e aqui em Angola. Primeiro gostaria que me dissesse a respeito do caso Manuel Vicente.
governação. É evidente que houve esta razão, vamos melhorar aquilo interesses, os interesses do Estado. tem.  destas empresas, se são do Estado ou caiu há bastante tempo. Era a princi- do Estado pela Assembleia Nacio-
O senhor Presidente da República qual é o seu entendimento de despar- Que passos pensa dar, no caso do
que está mal. De que forma? Privati- particulares ou privados. pal ameaça não só para Angola, mas nal, nós, o Executivo, estamos cem
muitas exonerações, mas houve tantas O que foi orientado fazer é corri- defende o aumento das exportações tidarização da sociedade. Quer dizer julgamento começar como está pre-
quantas eram necessárias. Em relação zando todas as unidades estatais que gir o que está mal. Vamos continuar e isso implica uma maior capacida- visto agora em Janeiro? Que con-
Liberdade de expressão e a No ano passado, foi apresentado de uma maneira geral para o conti- por cento abertos para que isso seja
ao Fundo Soberano [Era gerido por não sejam lucrativas a favor do sector nessa senda de continuar a corrigir de de quadros. Como está a execu-
que a totalidade dos funcionários
públicos em Angola é militante do sequências imediatas é que podem
liberdade de imprensa o Programa Intercalar do Gover- nente, com destaque para a região feito. Aliás, eu venho da Assembleia
privado. A sociedade tem elogiado a abertura no e, recentemente, o Programa de da África Austral. O “apartheid” foi Nacional antes de passar pelo Mi-
José Filomeno dos Santos, filho do antigo o que está mal. Este Executivo está ção da construção do Porto do Dan- MPLA? Acho que não. daí decorrer para as relações já de si nistério da Defesa. Fui deputado (às
dos órgãos de comunicação social e Estabilização Macroeconómica. enterrado bem lá para o fundo, não
chefe do Estado, que, no entanto, foi exo- empenhado em procurar fazer esta de e se o contrato de exploração se Isto é um falso problema. É evidente muito tensas entre Lisboa e Luan- vezes ainda me sinto deputado). Por-
o seu relacionamento com os jor- Analisando profundamente os dois
nerado por João Lourenço nesta quarta- Dois centros do poder correcção sem olhar às pessoas que vai replicar para todo o país? que não tendo havido nenhuma coli- da? nalistas. Há um assunto que já leva programas notam-se medidas de
vai levantar nunca mais. Angola tem
o orgulho de ter contribuído para tanto, se os deputados querem fisca-
-feira], não diria que vou exonerar, A questão da bicefalia continua na estão à frente deste ou daquele pro- O porto de águas profundas do Dan- gação, não havia razões para tal, pois Dizia, há bocado, que temos toda a lizar a nossa acção, essa fiscalização é
muitos anos, que é a extensão do si- austeridade. Ainda é possível falar isso, para o fim do “apartheid”. Outra
mas pode vir a acontecer. Gostaria de ordem do dia a todos os níveis da jecto. Os contratos são prejudiciais de não iniciou ainda as suas obras. A o partido vencedor venceu de forma paciência do mundo. Se o julgamento bem-vinda. Quanto à hierarquia dos
nal da Rádio Ecclésia. Como é que da diversificação da economia? ameaça…considero que a principal
informar que foi contratada uma em- sociedade. Tem necessidade de ser ao Estado. Dei, há bocado, o exemplo pergunta não foi muito clara, mas se tão convincente que não dava para começa agora em Janeiro, em De- pretende lidar com este problema? Não só é possível, como é absoluta- tribunais, eles constituem um poder
ameaça ainda é o terrorismo inter-
presa idónea para realizar um diag- presidente do MPLA para materia- do porto de águas profundas da Barra bem entendo, quer saber se o mode- nenhuma coligação. Constituiu Go- zembro ou se começa no próximo Os bispos da Igreja Católica já fala- mente necessário. A nossa salvação próprio. Deixemos que esta discussão
nacional. Falando assim muito va-
nóstico às contas do Fundo Sobera- lizar o seu programa de governação? do Dande. Mas, se o contrato é lesivo lo de adjudicação praticado para o verno com os cidadãos angolanos que ano, vamos continuar à espera do des- ram com o Presidente? está aí. A austeridade não significa seja feita primeiro ao seu nível, pelos
gamente, o terrorismo é uma ameaça
no. Na sequência do trabalho dessa Não há nada que me obrigue a ser aos interesses do Estado, com certeza Porto da Barra do Dande vai servir entendeu. Não tendo feito esta coli- fecho dessa situação. Que medidas é Este é um velho problema, mas con- não diversificar a economia. Antes real, em relação ao qual todos os Es- órgãos de justiça, e depois chegue à
empresa, o Ministério das Finanças presidente do meu partido para poder temos de defender e fazer algo para para outros tipos de obras públicas. É gação, o Executivo é constituído pe- que serão tomadas no caso de o des- sidero hoje um falso problema. É um pelo contrário, é precisamente a aus- tados devem estar permanentemente minha mesa. Os próprios órgãos, os
apresentou uma proposta de medi- ser Presidente da República. Aliás, de que tenhamos moral de exigir boas evidente que não. Não só para outras los cidadãos que entendemos terem fecho não ser favorável a Angola? É falso problema porque defendemos a teridade que nos obriga a diversifi- atentos. Portanto, Angola não é ne- tribunais superiores, cheguem a um
das a tomar e de passarmos a ter um alguma forma, esta questão já foi le- práticas aos cidadãos ou aos privados. obras públicas, mas mesmo para o competência para desempenharem evidente que não posso revelar. A seu liberdade de expressão e a liberdade carmos a economia. Angola não tem nhuma excepção. Estamos atentos à entendimento antes de qualquer pro-
controlo mais efectivo dos dinheiros vantada. Sinto-me bem na situação Só o pode fazer, se for o primeiro a caso concreto deste projecto do Porto os cargos que desempenham, inde- devido tempo, Portugal tomará co- de imprensa e não o dissemos apenas outra saída senão diversificar a sua eventualidade de o terrorismo querer posta chegar à minha mesa e eu aí me
postos à disposição do Fundo Sobe- em que me encontro. O Presidente dar o exemplo. Não foram pessoas da Barra do Dande, vamos procurar pendentemente da sua filiação parti- nhecimento das posições que Angola no período de campanha para a ob- economia. Tudo isso já se falou e já estender os seus tentáculos ao nosso poder pronunciar a respeito.                          
rano. Estamos a analisar as medidas José Eduardo dos Santos compro- que foram perseguidas, mas situações rever todo o processo, no sentido de, dária. É evidente que não podíamos vai tomar. O que é preciso fazer para tenção de votos, mas porque sincera- correu muita tinta. Temos de passar a país.
propostas e é muito provável que nos meteu-se a abandonar a vida política que comprovadamente são lesivas ao enquanto é tempo, e porque o projec- indicar como Vice-Presidente da Re- que as relações entre Angola e Portu- mente entendemos que devemos não acções concretas no sentido de fazer A 30ª Cimeira da União Africana *Entrevista na íntegra foi retirada do
próximos dias elas venham a ser im- activa este ano, 2018. Só a ele compe- interesse público, do Estado. Acredi- to não começou ainda a ser executa- pública o presidente da UNITA, da gal voltem aos níveis de um passado só defender, mas também promover com que as nossas exportações não se vai ter lugar de 22 a 29 de Janei- jornal de Angola. Edição, antetítulos,
plementadas. te dizer se o fará, se vai cumprir com tamos que a grande maioria dos cida- do, corrigirmos aquilo que nos parece CASA-CE  ou FNLA ou alguém da recente? Queremos um gesto: é re- as liberdades de expressão e de im- baseiem apenas no crude, portanto no ro, em Adis Abeba, Etiópia, e tem título e entretítulos são da responsabili-
Nesses primeiros 100 dias de gover- este compromisso, quando é que isso dãos apoiou a medida. ferir a transparência, na medida em oposição. Não podia ser o meu Vice- meter o processo a Angola, satisfazer prensa. É evidente que para que a petróleo bruto, mas quando falarmos como tema “Vencer a luta contra a dade do SAVANA
Savana 12-01-2018 13
EVENTOS

EVENTOS
0DSXWRGH-DQHLURGH‡$12;;,9‡1o 1253

Dimas apresenta “Reencontro

o
log
de Três Sentimentos”
O

ció
artista moçambicano sua exposição individual e o BCI
Dimas apresentou nesta continuará a dar apoio incondicio-
terça-feira, no auditório nal  a cultura moçambicana.
do BCI, em Maputo, uma “Como Banco assumimos desde
exposição intitulada “Reencon- sempre uma postura de intervenção
tro de Três Sentimentos”. Trata- activa na valorização dos artistas
-se duma amostra composta por moçambicanos, agentes fundamen-
20 obras, em que o artista revela tais na elevação da auto-estima e na
uma outra face da sua expressão

so artística,   mais dinâmica,   única e


própria.

Nascido na década de 60, em


Chongoene, na província de Gaza,
Dimas deu os seus primeiros pas-
defesa de uma identidade cultural
de Moçambique cada vez mais rica
e forte”, frisou Furtado.
Por sua vez, o artista plástico mo-
çambicano, João Tinga,   fez notar
que nas suas obras Dimas “demons-
tra as quão as transformações dão
sos artísticos no Bairro T3, em
continuidade ao desenvolvimento
Maputo.
Maputo É membro-fundador do
Núcleo de Arte, local que acolheu da comunicação, que vem desde a
um
oito exposições colectivas, em que mímica, o grafismo até a escrita”.
participou. Fez ainda a sua aparição Acrescentou que:  “com esta forma
em quatro exposições colectivas ex- gráfica de expressão, este artista
postas na FACIM e, a título indivi- vem nos revelar que tem mão firme
dual, realizou duas exposições, uma na sua forma de desenhar e distri-
no Núcleo de Arte e outra na Bar- buir os pontos. Tem forma muito
ragem dos Pequenos Libombos. própria de usar as linhas, os arcos,
Na ocasião o representante do BCI, linhas rectas, segmentos ovais, cír-
José Furtado referiu que é pela ter- culos, circunferências, tudo através

22.527 candidatos
ceira vez que o artista apresenta a da sua forma própria de traçar”.
de

disputam 4960 mil vagas Juventude de Hoje,

E stão a decorrer desde esta


segunda-feira até hoje
(sexta-feira), os exames de
lectivoo 2018,  4.960 vagas, das quais
2.870 para o curso laboral e 1.665
pós-laboral e 430 para os cursos
o menor número de candidatos,
cada uma delas com aproximada-

E
porquê age assim?!
io

mente 1% do total de candidatos à


admissão para ingresso na leccionados à distância. UEM cenário igual ao de 2017. ste é o título da obra da escritora e jornalista angolana,
Universidade Eduardo Mondla- De acordo com as estatísticas. cerca  Em relação a este informe,  a che- Luísa Santos, que será lançada na próxima quarta-feira,
ne (UEM), a maior e mais antiga de 70% destes candidatos são  pro- fe de Departamento de exames de 17 de Janeiro, na associação dos escritores moçambicanos
instituição de ensino superior em venientes da província e cidade de admissão à UEM, Isabel Guiamba, (AEMO).
Moçambique. Maputo (contr
(contra 73% do total de  Com esta intervenção, a autora revela a sua preocupação pessoal
explicou que a maior parte dos can-
ár

candidatos do ano de 2017), se- para com a degradação da pessoa humana, alertando, muito
didatos estão concentrados na zona
  São no total 22.527 Candidatos, guidos das províncias de Gaza e especialmente, aos jovens para os males modernos e actuais. Na
sul, porque  a universidade está se-
51% do sexo masculino e 49% do Inhambane, que contam, cada uma, obra, a escritora faz menção a experiências reais, pensamentos de 
diada nesta região do país. Recor-
sexo feminino,,  que disputam 4.960 com cerca de 6% do total de can- como melhorar o comportamento dos jovens com vista a alcançar
dou que a existência de universida-
o sucesso. É uma reflexão sobre alguns males contemporâneos
vagas dos diferentes
erentes cursos. didatos à UEM. As Províncias de des como a UniLúrio no norte e a
como  alcoolismo, os narcóticos e prostituição.
A UEM disponibilizou para o ano Tete e Niassa são as que registaram Uni Zambeze no Centro do país,
Di

Para além do lançamento e publicação da obra, Luísa dos Santos


ajuda na descentralização do en- tenciona angariar, com a venda destas obras, fundos para um
sino superior para fora da capital projecto social, denominado “a juventude e o consumo excessivo
moçambicana. de bebidas alcoólicas, porquê?”.
“Os exames estão a decorrer tran-
quilamente, notamos que houve
pontualidade por parte dos can-
didatos e portavam igualmente os
documentos de identidade. Na-
turalmente houve casos de alguns
candidatos que não cumpriram
com as regras e, por isso, perderam
o exame”, disse Guiamba.
Refira-se que este ano, os cursos de
medicina, direito, contabilidade e
finanças, estão entre os cursos mais
procurados.
14 Savana 12-01-2018
EVENTOS
Jovens desafiados a enveredar pelo auto-emprego
M ais de 80 jovens, que ferramentas atribuídas e referiu quinquenal do Governo, urge a atribuídas ferramentas para o empreendedoras, de modo a
terminaram os seus que estes devem servir de ele- necessidade de se apostar na for- incentivo às alternativas da cria- concorrerem a determinados
cursos profissionais mentos catalisadores para a in- mação de jovens e esta cerimó- ção e manutenção de empregos, serviços que demandam no dis-
o

nas especialidades dução do emprego e geração de nia é o testemunho da resposta asseverou Maria Nhalivilo. trito, visto que existem certos
de electricidade instaladora, pe- renda, para o seu próprio susten- aos desafios da empregabilidade, Pediu ainda aos   jovens recém requisitos para a elegibilidade
dreiro, pintura civil e serralharia to e dos seus dependentes. sobretudo, dos candidatos ao formados para se organizarem dos concorrentes a concursos
civil promovidos pelo Instituto No cumprimento do plano primeiro emprego, onde lhes são e registarem-se em associações públicos.
log

de Formação Profissional e Es-


tudos Laborais Alberto Cassi-
mo (IFPELAC) - Delegação
de Cabo Delgado, receberam
kits para o início de auto em-
prego, no distrito municipal de
Mueda, na província de Cabo
Delgado.
ció

Trata-se de filhos e/ou depen-


dentes de Combatentes da Luta
de Libertação Nacional que,
durante três meses, foram ca-
pacitados em matérias do “saber
fazer”, em electricidade insta-
ladora, pedreiro, pintura civil e
so

serralharia civil que beneficia-


ram de kits de ferramentas, cujo
objectivo consiste em estimular
iniciativas empreendedoras dos
jovens recém formados.
A cerimónia de distribuição dos
Kits contou coma presença de
membros do Governo distrital,
um

presidente do Conselho Muni-


cipal de Mueda, líderes de mo-
vimentos associativos, forman-
dos, encarregados de educação,
entre outros convidados.
Intervindo na ocasião, o presi-
dente do Conselho Municipal
de Mueda, Cristiano Patrício
André, saudou aos presentes e,
em particular, aos beneficiários
e candidatos ao auto emprego
de
pela dedicação demonstrada ao
longo da formação profissional,
tendo realçando a responsabi-
lidade que os jovens têm tido,
desde o processo de formação
até à recepção dos kits, com vis-
ta a responderem aos desafios
que o distrito enfrenta. “Este é o
momento de mudarem o rumo
io
do nosso distrito a partir dos
kits em vossa posse, pois rareia a
existência de mão-de-obra qua-
lificada”, apelou Cristiano Patrí-
ár
cio André.
Num outro desenvolvimento, o
edil de Mueda apelou ao IFPE-
LAC para intensificar as suas
acções, naquela parcela da pro-
víncia, com a diversificação de
Di
cursos profissionais, tais como o
de canalização, de forma a res-
ponder ao problema de escassez
de técnicos daquela especialida-
de.
Por sua vez, a administradora

IMP.ACA.138.01 25-11-2013
do distrito de Mueda, Maria
Constância Nhalivilo, felicitou
aos jovens que acabavam de re-
ceber certificados de conclusão
de cursos, bem como a recepção Escritório de Maputo:
Escritório Sede:
de kits de ferramentas, para o Caixa Postal – 263 – Songo
Edifício JAT I – Av. 25 de Setembro, 420 – 6º andar
Caixa Postal: 4120
início da actividade de geração PBX: +258 252 82221/4 | Fax Geral: +258 252 82220
PBX: +258 21 350700| Fax Geral: +258 21 314147
de renda.
Apelou para a conservação das
15
Savana 12-01-2018
PUBLICIDADE
EVENTOS
16 Savana 12-01-2018
PUBLICIDADE
EVENTOS

1(&52/2*,$‡1(&52/2*,$‡1(&52/2*,$‡1(&52/2*,$‡1(&52/2*,$‡1(&52/2*,$

ANTÓNIO ARMANDO TIMANA


FALECEU

Os Órgãos Sociais da mediacoop SADVFKHÀDVHGLWRULDLVHUHVWDQ


DVFKHÀDVHGLWRULDLVHUHVWDQ-
WHV FRODERUDGRUHV GD HPSUHVD ODPHQWDP FRP SURIXQGD PiJRD H

ANÚNCIO DE VAGAS

o
FRQVWHUQDomRRIDOHFLPHQWRDGH-DQHLURGHGR6U$QWy
FRQVWHUQDomRRIDOHFLPHQWRDGH-DQHLURGHGR6U$QWyQLR
$UPDQGR7LPDQDSDLGH+HUPHQHJLOGR7LPDQDFRODERUDGRUGHVWD
HPSUHVDFXMRIXQHUDOVHUHDOL]RXQRGLDGH-DQHLURQR&HPLW
HPSUHVDFXMRIXQHUDOVHUHDOL]RXQR GLDGH-DQHLURQR&HPLW
HPSUHVDFXMRIXQHUDOVHUHDOL]RXQRGLDGH-DQHLURQR&HPLWpULR
GH/KDQJXHQH­IDPtOLDHQOXWDGDHQGHUHoDPRVRVQRVVRVVHQWLGRV
GH/KDQJXHQH­IDPtOLDHQOXWDGDHQGHUHoDPRVRVQRVVRVVHQWLGRV
UNFPA, Fundo das Nações Unidas para População, é uma

log
SrVDPHV
agência internacional de desenvolvimento que trabalha em
prol de um mundo onde cada gravidez é desejada, cada par-
to é seguro e o potencial de cada jovem é realizado. O UNFPA
VROLFLWDFDQGLGDWXUDVGHFLGDGmRVPRoDPELFDQRVTXDOL½FD-
dos e experientes para as seguintes vagas:
Local de Trabalho: Maputo, Moçambique
Prazo da candidatura: A data de submissão das
candidaturas vai até 19 de Janeiro

ció
de 2018
Titulo do posto: Posto nº 13804, Gestor de Projecto
- Censo,
NO-C – Temporary Appointment
Duração: 364 dias do calendário
Requisitos Gerais: Mínimo Mestrado em Desenvolvimen-
to Social, Saúde Pública e /ou outro campo relacionado de
FLrQFLDV VRFLDLV &LQFR DQRV GH H[SHULrQFLD SUR½VVLRQDO GH
preferência em gestão/coordenação de programas/projectos
de desenvolvimento na região da África; Mínimo de 5 anos de
experiência em gestão de projectos, coordenação e relató-
rios; Mínimo de 5 anos de experiência em trabalho com ins-
tituições governamentais, organização bilateral/multilateral
so
de desenvolvimento e /ou ONU; Excelente conhecimento
sobre construção de parcerias, coordenação de doadores e
gestão/relatórios baseados em resultados; Experiência em
um
programação de desenvolvimento e prestação de assistên-
cia técnica; Capacidade de executar de forma independente
dentro de prazos apertados.
Titulo do posto: Posto nº 13781, Analista de Comunicação
NO-A, Fixed Term
Duração: Um ano com a possibilidade de renovação
dependendo do desempenho e da dispo-
nibilidade de fundos
Requisitos Gerais: Mestrado em Ciências sociais, Comuni-
cação, Saúde Pública e/ou outras áreas relacionadas; Míni-
de

PRGHDQRVGHH[SHULrQFLDSUR½VVLRQDOHPRUJDQL]Do}HV
nacionais ou internacionais; Mínimo de 1 ano de experiência
na preparação de documentos, materiais de comunicação,
eventos e coordenação com vários parceiros; Experiência
em trabalhar com instituições governamentais, ONGs e/ou
ONU; Experiência na elaboração de relatórios para agências
doadoras multilaterais ou bilaterais; Experiência na gestão
de websites, bem como do conteúdo das redes sociais; Bom
conhecimento da mídia e relações públicas; Compreensão
do sistema das Nações Unidas em geral e do mandato do
io

UNFPA, bem como dos tópicos de desenvolvimento actual


e de cultura socio-económica e questões políticas em Mo-
çambique; Familiaridade com questões da população, saúde
sexual e reproductiva e de direitos das mulheres e jovens (in-
cluindo adolescentes); A experiência em trabalhar no sector
ár

de saúde, especialmente em direitos sexuais e reproducti-


vos, será desejável; Fluência em inglês e português na fala
e na escrita;
Para mais informações relacionadas com os termos de refe-
rência, os interessados podem tê-las através dos links usa-
Di

dos para as candidaturas:


http://www.unfpa.org/jobs/national-post-communications-analyst
http://www.unfpa.org/jobs/national-post-project-manager-census-project
Como se candidatar: As aplicações/candidaturas devem ser
submetidas através dos links acima mencionados. Não há
nenhuma cobrança de taxa de candidatura, processamento
ou de outra natureza. O UNFPA não solicita ou procura obter
informações dos candidatos quanto ao seu estado de HIV ou
SIDA e não discrimina com base na situação de HIV e SIDA.
UNFPA, Fundo das Nações Unidas para População
Av. Julius Nyerere, 1419, PO Box 4595,
Maputo, Mozambique
18
OPINIÃO Savana 12-01-2018

Cartoon
EDITORIAL
Batalha por Nampula
A eleição intercalar para a presidência do município da

o
cidade de Nampula, programada para o dia 24 deste
mês marca, efectivamente, a abertura do novo ciclo
eleitoral em Moçambique, que deverá culminar com

log
as eleições presidenciais e parlamentares do próximo ano.
É, para todos os efeitos, uma espécie de antecâmara para o
alinhamento do xadrez político moçambicano nos próximos
anos, que agora se espera que venha a ser mais interessante
com as mudanças constitucionais ainda na forja.
A participação da Renamo traz um renovado espírito de com-
petitividade para o processo. O efeito da Renamo ter boico-
tado as últimas eleições autárquicas, em 2013, foi que elas se
tornaram apenas num duelo entre a Frelimo e o Movimento

ció
Democrático de Moçambique (MDM), de onde esta novel
formação política saiu vencedora, à semelhança dos municí-
pios da Beira, Gurué e Quelimane. Permanece uma incógnita
que sorte teria recaído sobre esses municípios, numa eleição
entre os três do topo.

A Hora dos deputados


Tratando-se da terceira maior cidade do país, Nampula pode
vir a ser um importante indicador sobre para que lado pende
a balança em termos da tendência de voto para os próximos
processos eleitorais e, por essa via, poder-se determinar qual
será, de facto, a força política dominante no país.
so
A
O processo político em Moçambique já não é o mesmo de há Por Moiani Matondo*
24 anos, quando o país realizou as suas primeiras eleições mul-
tipartidárias. Muitos dos eleitores dessa época já não existem. estratégia desenvolvida desde logo o de aprovarem as leis Os deputados são, por definição,
Os jovens que nasceram em 1994 estarão agora a votar pela por José Eduardo do dos e o Orçamento Geral do Estado mandatários em representação
segunda vez, e a estes se acrescerão os nascidos em 2000, que Santos no sentido de (artigo 161.º da CRA), de autori- do povo (artigo 147.º da CRA),
estarão a votar pela primeira vez. travar a acção de João zarem o executivo a contrair em- e não do partido. O seu mandato
Nenhum destes dois últimos grupos terá a sua tendência de Lourenço através do MPLA está préstimos (artigo 162.º da CRA) inicia-se com a tomada de posse
um
voto condicionada por factores históricos, como poderá ter condenada ao fracasso. Esse fra- e de nomearem juízes (artigo e cessa com a primeira reunião da
casso resulta do facto de Angola 163.º da CRA). Portanto, podem Assembleia, após novas eleições
acontecido com os seus predecessores. Ambos devem tomar
ter uma Constituição. É esta lei criar obstáculos legislativos e or- (artigo 148.º). Os deputados go-
as suas decisões em função das circunstâncias que os rodeiam,
fundamental do país que funda- çamentais a João Lourenço. zam de várias imunidades (artigo
incluindo a situação dos seus próprios progenitores (também
menta juridicamente os órgãos Para o presidente, será difícil – 150.º), designadamente: não res-
ainda jovens).
de soberania: determina-lhes mas não impossível – governar pondem civil, criminal nem dis-
Este grupo de eleitores, com a excepção dos poucos já formata-
as funções, o âmbito de acção e sem o acordo dos deputados na ciplinarmente pelos votos ou opi-
dos ideologicamente, tomam as suas decisões também em fun-
impõe-lhes limites. Acresce que Assembleia Nacional. Para con- niões que emitam em reuniões,
ção da sua crença quanto a quem lhes oferece maior confiança
a Constituição de Angola criou tornar estes obstáculos, o presi- comissões, ou grupos de trabalho
sobre a segurança do seu futuro e dos seus próprios descenden- uma Presidência da República dente tem ao seu dispor o acór- da Assembleia Nacional, no exer-
tes. É por isso um terreno bastante competitivo, e os resultados “imperial”. dão do Tribunal Constitucional cício das suas funções.
de

do escrutínio de Nampula serão um indicador importante para Aliás, só os poderes “imperiais” n.º 319/2013, que determinou O MPLA bem pode gizar as es-
o que se pode antecipar nas próximas duas grandes contendas. do presidente permitiram que, uma interpretação da Constitui- tratégias que entender, porque,
O que significa que para os três principais partidos políticos, em apenas três meses, este desen- ção e do seu sistema de poderes em última análise, será a cons-
Nampula não será uma simples eleição intercalar. É também laçasse os nós grossos que lhe ti- segundo a qual a Assembleia Na- ciência de cada deputado, bem
um laboratório a partir de onde sairão as estratégias organiza- nham sido deixados pelo anterior cional tem diminutos poderes de como o respeito de cada um pela
cionais de longo prazo. presidente. JES fez o que quis, fiscalização – só os expressamen- Constituição, que determinarão
Mas para os eleitores de Nampula, esta será mais uma oportu- mas agora João Lourenço tem a te previstos na Constituição – das o seu sentido de voto. Não existe
nidade para expressar a sua vontade política sobre quem deve mesma prerrogativa. actividades do presidente, não forma de punir disciplinarmente,
estar à frente dos seus destinos como munícipes. Para eles, a Em termos jurídico-constitu- sendo este responsável perante nem de afastar, os deputados que
io

questão será quem oferece melhores garantias para continua- cionais, JES e o MPLA só po- a Assembleia, nem tendo de lhe votem contra as orientações do
rem com uma cidade limpa e bem organizada, onde serviços dem condicionar João Lourenço prestar contas. Nessa medida, o partido.
essenciais como transporte público, água e saneamento são através da enorme maioria par- papel dos deputados do MPLA Esta é também a hora dos depu-
tratados pelas autoridades com a devida seriedade e responsa- lamentar de que dispõem. Na face a João Lourenço tem peso tados. Eles têm o mandato inde-
bilidade. Quem com eles dialoga, e não se põe com arrogância Assembleia Nacional, os depu- reduzido. Este poderá governar o clinável da nação para mudarem o
ár

a vomitar ordens. E nisto, as suas experiências sobre as várias tados do MPLA, se forem fiéis país sem o apoio da maioria dos estado das coisas. E podem, com
governações ao longo de anos serão cruciais para determinar a JES, poderão tentar manietar deputados do MPLA, e tem le- toda a legitimidade moral e cons-
quem fica com o troféu na mão. João Lourenço. Poderão nomear gitimidade constitucional para o titucional, afugentar as tentativas
A seriedade deste escrutínio exige uma responsabilidade redo- secretários disto e daquilo, mas fazer. serôdias de boicote ao movimen-
brada por parte das instituições de gestão eleitoral envolvidas, o seu papel mantém-se limitado. Mas será que os deputados que- to de luta contra o nepotismo, a
o que requer que demonstrem um elevado sentido de respeito Não terão poder para coarctar rem realmente opor-se ao fio corrupção e a impunidade gene-
Di

pela vontade dos eleitores, e que vença quem justamente tiver significativamente a dinâmica de condutor da história e de pro- ralizada, criado pelo presidente
obtido o maior número de votos nas urnas, em estrita confor- Lourenço. gresso do povo angolano, criando da República.
midade com os requisitos da lei. Através da Assembleia Nacional, obstáculos a João Lourenço, por *Makaangola.org
os deputados têm vários poderes, ordem das cúpulas do MPLA?

KOk NAM Editor Executivo: Ivone Soares, Luis Guevane, João


Mosca, Paulo Mubalo (Desporto).
Distribuição:
Miguel Bila
Director Emérito Francisco Carmona
(franciscocarmona@mediacoop.co.mz) Colaboradores: (824576190 / 840135281)
Conselho de Administração: André Catueira (Manica) (miguel.bila@mediacoop.co.mz)
Fernando B. de Lima (presidente) Aunício Silva (Nampula) (incluindo via e-mail e PDF)
e Naita Ussene Redacção: Eugénio Arão (Inhambane)
Raúl Senda, Abdul Sulemane, Argunaldo Fax: +258 21302402 (Redacção)
Direcção, Redacção e Administração: António Munaíta (Zambézia) 82 3051790 (Publicidade/Directo)
Nhampossa, Armando Nhantumbo e Maquetização: Delegação da Beira
AV. Amílcar Cabral nr.1049 cp 73 Abílio Maolela
Telefones: Auscêncio Machavane e Prédio Aruanga, nº 32 – 1º andar, A
)RWRJUDÀD Hermenegildo Timana. Telefone: (+258) 825 847050821
(+258)21301737,823171100, Naita Ussene (editor) Revisão savana@mediacoop.co.mz
Registado sob número 007/RRA/DNI/93 Propriedade da 843171100 e Ilec Vilanculos Gervásio Nhalicale Redacção
NUIT: 400109001 Editor: Colaboradores Permanentes: Publicidade admc@mediacoop.co.mz
Maputo-República de Moçambique
Fernando Gonçalves Fernando Manuel, Fernando Lima, Benvinda Tamele (82 3171100) Administração
editorsav@mediacoop.co.mz António Cabrita, Carlos Serra, (benvinda.tamele@mediacoop.co.mz) www.savana.co.mz
Savana 12-01-2018
OPINIÃO 19

Os ingredientes que faltam ao crescimento


Por Michael Spence e Karen Karniol-Tambour*

A prazo, o que vai ser de-


terminante para o cres-
vidas estão a sair de uma fase alar-
gada de desalavancagem que na-
vivência dos países em desenvol-
vimento, mas aplica-se também às
como é que as exigências ao nível
das competências estão a evoluir
adicional do investimento privado,
mas que vai fazer pouco para di-

o
cimento do PIB – e dos turalmente oprimiu o crescimento economias desenvolvidas. Infeliz- e, por isso, não conseguem basear minuir a desigualdade, restabelecer
padrões de crescimento do lado da procura. À medida que mente, em grande parte das econo- as suas decisões em dados concre- e redistribuir o capital humano,
inclusivos – vão ser os ganhos de o nível e a composição da dívida mias, as competências e as capaci- tos. Os governos, as instituições de melhorar as infra-estruturas ou ex-
produtividade. Da forma que as foram mudando, as pressões para dades não parecem acompanhar as educação e as empresas não deram pandir o conhecimento científico e

log
coisas estão, há motivos para duvi- a desalavancagem foram dimi- rápidas mudanças estruturais nos uma orientação adequada nesta tecnológico. Por outras palavras, a
dar que a produtividade vá crescer nuindo, permitindo uma expansão mercados de trabalho. Os governos frente. reforma ignora os principais ingre-
apenas por si mesma. mundial sincronizada. provaram ou não terem vontade ou Em terceiro lugar, as firmas e os dientes necessários para estabelecer
Grande parte da economia mun- Ainda assim, a prazo, o que vai ser não serem capazes, de actuar agres- indivíduos tendem a ir para onde a base para padrões de crescimento
dial está agora sujeita a tendências determinante para o crescimento sivamente em termos de educação as oportunidades estão a surgir, os futuro sustentáveis e equilibrados,
futur
económicas positivas: o desempre- do PIB – e dos padrões de cresci- e reconversão de qualificações ou custos de fazer negócio são baixos, caracterizados por trajectórias ele-
go está a cair, as lacunas na produ- mento inclusivos – vão ser os gan- na redistribuição dos rendimentos. as perspectivas para o recruta- vadas de produtividade económica
ção estão perto de ser totalmente hos de produtividade. Da forma E, em países como os Estados Uni- mento de trabalhadores são boas e social, apoiadas tanto pelo lado da
colmatadas e, por motivos que ain- que as coisas estão, há motivos para dos, a distribuição dos rendimen- e a qualidade de vida é elevada. oferta como da procura (incluindo

ció
da não são claros, a inflação conti- duvidar que a produtividade vá tos e da riqueza está tão distorcida Os factores ambientais e as infra- investimento).
nua abaixo dos objectivos da maio- -estruturas
uturas são críticos no sentido   Ray Dalio descreve  um caminho
crescer apenas por si mesma. Fal- que as famílias com baixos rendi-
de criar esta dinâmica e condições que pode ser caracterizado pelo
ria dos bancos centrais. Por outro tam vários itens importantes, o que mentos não conseguem investir em
concorrenciais. Por exemplo, as investimento em capital humano,
lado, o crescimento da produtivi- lança dúvidas tanto sobre o cresci- medidas que lhes permitam adap-
infra-estruturas baixam os custos infra-estruturas e numa economia
dade continua baixo, a desigualda- mento da produtividade em larga tarem-se às rápidas mudanças nas
e melhoram a qualidade da conec- de base científica, como o caminho
de de rendimentos está a aumentar escala como sobre uma mudança condições de trabalho.
tividade. A maior parte dos argu- A. O caminho alternativo, o B, é
e os trabalhadores com um nível para padrões de crescimento mais Em segundo lugar,, a maioria dos
mentos a favor do investimento em
educativo mais baixo enfrentam inclusivos. mercados de trabalho tem uma caracterizado pela falta de investi-
infra-estruturas foca-se no negati-
dificuldades para encontrar opor- Em primeiro lugar, o potencial de grande lacuna de informação que mento em áreas que vão impulsio-
tunidades de emprego atractivas.
Depois de oito anos de estímulos
agressivos, as economias desenvol-
crescimento não pode ser alcança-
do sem capital humano suficiente.
Esta lição é supostamente uma
so
precisa de ser colmatada. Os tra-
balhadores sabem que as mudan-
ças estão a chegar, mas não sabem
vo: queda de pontes, auto-estradas
congestionadas, transporte aéreo
de má qualida
qualidade e por aí em diante.
Mas os políticos devem olhar para
além da necessidade de acompa-
nhar a manutenção destas vias. O
objectivo deveria ser investir em
nar directamente a produtividade,
como as infra-estruturas e a edu-
cação. 
Apesar de as economias estarem
actualmente a favorecer o caminho
B, é o caminho A que produziria
um crescimento mais elevado, mais
infra-estruturas que criem novas
oportunidades para o investimento sustentável e inclusivo, enquanto
amenizava a dívida persistente que
um
do sector-privado e inovação.
Em quarto lugar, investigação em está associada à dívida soberana
ciência, tecnologia e biomedicina, elevada e às responsabilidades que
não geram dívida em áreas como

Limão com piripiri verde e sal


financiada por fundos públicos, é
vital para conduzir a inovação no as pensões, segurança social e os
longo prazo. Ao contribuir para o cuidados de saúde financiados pu-
blicamente.

E
conhecimento público, a investi-
gação de base abre portas para que Pode ser uma ilusão, mas as nossas
ra uma construção antiga -se a ir avante com o projecto que sões, e reviu-se na jura que fez a o sector privado inove em novas esperanças são que neste novo ano,
e sólida, erguida no alto da vinha acalentando havia já alguns si própria de caminhar pelos seus áreas. E independentemente de os governos façam esforços mais
Malanga. Porém, por falta anos. próprios pés. onde é conduzida esta investiga- concretos para irem do caminho
de manutenção, a sua notá- Fechou os olhos e sobrevoou o caos Por volta de 76 teve o seu primeiro ção, ela vai produzir efeitos colate- B de Ray Dalio para o caminho A.
de

vel robustez cedia espaço a que o organizado do mercado da Ma- matrimónio do qual resultaram os
matrimónio,  
rais na economia local que está nas
langa, plantado mesmo numa das dois únicos filhos que teve. Depois *Michael Spence, laureado com
tempo marcasse nela a sua passa- redondezas.
margens no final da Avenida 24 veio o resto, e o resto resumiu-se a
gem. A brancura das paredes dava uma luta tenaz e perseverante con- Quase nenhuma destas quatro o Prémio Nobel da Economia, é
de Julho, adejou sobre as casas e
lugar a um cinzento amarelado, armazéns junto ao cais, passou em tra tudo o que eram as adversidades considerações é uma característica professor de Economia na Stern
onde se notavam claramente as voo raso sobre as águas da baía, so- da vida. Aprendeu a viver o prazer significativa do enquadramento School of Business da Universidade
manchas deixadas pelas chuvas ao brevoou a Catembe, viu-se na Bela da sua solidão assumida e quando político que prevalece actualmente de Nova Iorque, e conselheiro no
longo de vários anos. No entanto, Vista e pousou suavemente num se instalou no alto da Malanga e na maioria dos países desenvol- Instituto Hoover. Karen Karniol-
no seu conjunto, apresentava-se bosque de Catuane, onde se notava nela abriu a sua pequena loja de vidos. Por exemplo, nos EUA, o -Tambour é a líder da área de
com saúde para continuar de pé perfeitamente a subtil fragrância confecção de vestidinhos e calções
Congresso aprovou a reforma fis- pesquisa de investimentos na
ainda longos anos. vores de sândalo.
das árvores para meninos, fonte garantida –
io

apesar de parca – da sua subsis- cal que pode produzir um aumento Bridgewater Associates.
Era uma casa de 3 divisões. No seu O chão era atapetado por folhas
destas e de outras árvores. Ermelin- tência, sentiu-se realizada na sua
quintal, embora não muito espa-
da João era, então, menina e moça, plenitude.
çoso, cabiam à vontade 3 limoei-
que, de cesto na mão, colhia cogu- Ermelinda João não tinha, contu-
ros entremeados por 4 ou 5 pés
do, muito por onde se queixar, não
de piripíri e uma papaeira. Como melos para a refeição do dia e, nas
obstante, bem vistas as coisas, ter
entrelinhas, frutos silvestres, dentre
ár

construções subsidiárias, estavam motivos – e até de sobra – para isso.


a cozinha de blocos sem reboco e os quais adorava os de palmeiras
Limitava-se a olhar para as suas Email: carlosserra_maputo@yahoo.com
a casa de banho multifuncional. O bravas. Na sua casa, passavam tam- pernas já inúteis, para a sua cadeira Portal: http://oficinadesociologia.blogspot.com
chão do quintal era de areia solta, bém pela ementa o peixe seco que de rodas, para a sua casa sólida com 562

O limbo de Maputo
cinzenta. lhes vinham trazer da lagoa Pati, e, manchas de infiltração de água,
Quase sempre que a Ermelin- de tempos em tempos, uma gazela para o seu quintal, para os seus
da João olhava para isto tudo, ao caçada junto ao rio Maputo. Apesar 3 limoeiros, piripíris e papaeira,

A
Di

amanhecer,, ocorria-lhe uma frase de o pai possuir umas duas ou três aquecendo-se ao sol, e dizia – “Es-
recorrente – “É isto que estou a dezenas de gado bovino, era raríssi- tou a colher aquilo que plantei, com
colher,, como fruto de dezenas de mo que na sua mesa provassem da trabalho árduo, com perseverança, cidade de Maputo vive apresamento: cada passo é uma
anos de trabalho árduo, de perse- sua carne. Como veio a perceber-se com sonhos e amores imolados à ainda aquele limbo aposta na descoberta, na ex-
verança e sacrifícios consentidos, ao longo da vida, a carne de vaca nascença no altar da decência e da clássico, vírgula entre a pectativa do ainda não sentido.
e de sonhos e amores imolados à não era para ser consumida; era conveniência social”. festa e o remanso di- Pelo contrário, os mais velhos
nascençaa no altar da decência e da tr
moeda de troca. Quando se preparava para levantar gestivo, na expectativa de um exibem o hábito, o viço é sua
conveniência social.” Reviu-se na adolescência a fre- voo de regresso a casa, sentiu uma fôlego mais vigoroso. Este mês vestimenta de cada coisa, o
Naquele final de tarde de Maio, quentar a primária, que, por ra- palmada ligeira no ombro, e alguém e Fevereiro serão, para mui- cansaço a proa de tudo. Roupas
sentada na sua cadeira de rodas a zões óbvias, só existia na Vila de lhe disse:
aquecer-se com os últimos raios de Bela Vista, onde teve de ir morar – Avó, já cheguei. É tempo de en- tos, um apertar-cintos duro. pesadas e quentes, ícones eró-
sol, Ermelinda João tinha as mãos com uma tia. Viu-se na travessia da trar para casa, para lhe servir o jan- Apesar disso, a 24 de Julho con- genos cobertos ou descaídos,
em concha, recolhidas no regaço, Catembe para Lourenço Marques, tar. Já está a esfriar aqui fora. tinua a ser a montra da vida. barrigas salientes, calvícies so-
e olhava de modo abstracto para viu-se a frequentar as aulas de corte – De onde vens? Os mais jovens estão na cris- noras, cabelos pintados, gestos
tudo o que se estendia à sua fren- e costura na Casa Singer, na Aveni- – Venho da escola, avó. Hoje ainda ta do espanto e da conquista, iguais, nada surpreende, tudo
te: era um horizonte cujos limites da Manuel de Arriaga, reviu-se nos é sexta. Amanhã é que estaremos elas afoitas em seu esperar, eles é conhecido. O combóio não
eram feitos apenas pelo céu e pelo primeiros namoros, nos primeiros juntas todo o dia. avançadores em seus jeitos de mais se espanta com os carris.
chão. Naquele momento, decidiu- desamores, nas primeiras desilu- – Óptimo!
20
OPINIÃO Savana 12-01-2018

O conto de Natal de Trump


Jeffrey D. Sachs*

O presidente Donald Trump e Haley


insistem que os custos das opera-
orçamento corrente das Nações Unidas in-
clui as operações da Assembleia-Geral, do
actualmente cerca de 700 mil milhões de
dólares por ano em defesa, ou cerca de dois
do mundo: “os Estados Unidos vão colocar
a sua embaixada em Jerusalém. É isso que a

o
ções da ONU estão insuflados e que Conselho de Segurança e do Secretariado mil milhões de dólares por dia. Assim, o or- população americana quer que façamos e é
há margem para alguns cortes. Mas (incluindo o escritório do Secretário-geral, çamento corrente total das Nações Unidas, a coisa acertada a fazer. Nenhuma votação
o mundo recebe um retorno estrondoso com o Departamento de Assuntos Económicos por ano, representa cerca de um dia e nove realizada pelas Nações Unidas fará diferença

log
o investimento nas Nações Unidas. e Sociais, o Departamento de Assuntos Po- horas da despesa militar dos Estados Uni- em relação a isso”.
Este Natal, a prenda que os Estados Uni- líticos e o pessoal administrativo). Quando dos da América. A percentagem dos EUA Esta abordagem à soberania é extremamen-
dos deram ao mundo foi um corte de 285 uma ameaça grave à paz surge, tal como o paraa o orçamento corrente da ONU equiva- te perigosa. Obviamente, repudia o direito
milhões de dólares no orçamento corrente impasse actual entre os Estados Unidos e le aproximadamente
oximadamente a sete horas dos gastos internacional. No caso de Jerusalém, as re-
das Nações Unidas (ONU). Tecnicamente, a Coreia do Norte, é o Departamento de do Pentágono. Que desperdício. soluções adoptadas pela Assembleia-Geral
o orçamento corrente da ONU é o refle- Assuntos Políticos das Nações Unidas que Trump e Haley estão a apertar o orçamen- e pelo Conselho de Segurança declararam
xo de um consenso entre os 193 Estados- muitas vezes facilita a diplomacia nos basti- to das Nações Unidas por três motivos. O repetidamente que o estatuto final de Jeru-
-membros, mas os Estados Unidos foram dores, algo que é vital. primeiro é para agradar à base política de salém é uma questão de direito internacio-
claramente o grande motor deste corte. De  Além disso, o orçamento corrente da ONU Trump. A maioria dos norte-americanos nal. Ao anunciar descaradamente o direito

ció
facto, Nikki Haley, embaixadora dos EUA inclui verbas para o Fundo para as Crian- reconhece o enorme valor da ONU e apoia- de anular o direito internacional, os EUA
nas Nações Unidas, acompanhou o anúncio, ças da ONU (UNICEF), para o Programa -a, mas a ala mais à direita do eleitorado do ameaçam as fundações da cooperação in-
feito na véspera de Natal, com o aviso de que para Desenvolvimento da ONU, para a Or- Partido Republicano considera que a ONU ternacional conforme a Carta das Nações
os EUA estariam a olhar para mais reduções. ganização Mundial de Saúde, para o Alto é uma afronta aos Estados Unidos. O  Pew Unidas.
Ebenezer Scrooge não teria feito melhor. Comissariado das Nações Unidas para os Survey, de 2016, indica que a aprovação   Ainda assim, outro perigo grave é para os
Os cortes orçamentais vão fazer com que refugiados, para o Alto Comissariado das pública dos norte-americanos em relação Estados Unidos. Quando a América deixar
seja muito mais difícil para as agências da Nações Unidas para os Direitos Humanos, às Nações Unidas era de 64%, com apenas de ouvir os outros países, o seu vasto poder
ONU evitarem guerras, ajudarem milhões para as entidades regionais (para a Ásia, 29% a ter uma opinião desfavorável. Mas, militar e arrogância vão levar a frequentes
de pessoas que estão deslocadas por causa África, Europa e América Latina), para o por exemplo, o Partido Republicano do Te- desastres auto-inflingidos. Os que defendem
dos conflitos, alimentarem e vestirem crian-
ças famintas, lutar contras as doenças que
surgem, fornecer água potável e saneamento
e promover o acesso à educação e dar cuida-
dos de saúde para os pobres.
 O presidente Donald Trump e Haley insis-
Programa das Nações Unidas para o Meio
Ambiente, para o Gabinete de Coordena-
ção dos Assuntos Humanitários das Nações
Unidas (para resposta a desastres), para a
Organização Meteorológica Mundial, para
o Gabinete da ONU para a Droga e Cri-
so
xas pediu repetidamente para os EUA dei-
xarem
em a ONU.
ONU
O segundo motivo é para que haja poupan-
ças em alguns programas, o que é necessário
em qualquer organização. O erro é reduzir
o orçamento geral em vez de se proceder a
a “América Primeiro”, como Trump e Ha-
ley, não aceitam quando os outros países se
opõem à política externa norte-americana;
mas estes outros países estão frequentemen-
te a dar bons e francos conselhos, que os
EUA seriam sábios em dar atenção. A opo-
tem que os custos das operações da ONU minalidade,, para a ONU Mulheres (pelos uma relocalização de fundos e a um aumen- sição do Conselho de Segurança à guerra no
estão insuflados e que há margem para al- direitos das mulheres) e muitas outras agên- to da despesa dos programas de necessidade Iraque, liderada pelos americanos, em 2003,
guns cortes. Mas o mundo recebe um retor- cias, cada uma especializada em dar resposta vital que lutam contra a fome e as doenças, por exemplo, não tinha como objectivo en-
um
no estrondoso com o investimento nas Na- a crises, conflitos, pobreza, desalojamento, apostam na educação das crianças e evitam fraquecer os Estados Unidos, mas protegê-
ções Unidas e os Estados-membros deviam riscos ambientais, doenças ou outras neces- conflitos. -los, assim como ao Iraque e ao mundo, da
estar a investir bem mais, e não menos, nas sidades públicas. O terceiro motivo, e o mais perigoso, para raiva da América e da sua cegueira quanto
suas organizações e programas. Muitas das organizações da ONU rece- reduzir o orçamento das Nações Unidas é aos factos.
Consideremos os valores. O orçamento bem contributos adicionais “voluntários” enfraquecer o multilateralismo em nome da “Bah! Treta!” disse Scrooge. Mas a questão
corrente da ONU para um período de dois de países que estão interessados em apoiar “soberania” norte-americana. Trump e Haley de Charles Dickens era precisamente que
anos – 2018 e 2019 – será de 5,3 mil milhões iniciativas especializadas de agências como insistem que os EUA são soberanos e, por Scrooge era o que mais perdia com a sua ar-
de dólares – menos 285 milhões de dólares a UNICEF e a Organização Mundial de isso
isso, podem fazer o que querem, indepen- rogância, mesquinhez e insolência.
que no orçamento de 2016 e 2017. Os gas- Saúde. Afinal, essas agências têm um man- dentemente da oposição das Nações Unidas  
tos anuais serão de cerca de 2,7 mil milhões dato global único, legitimidade política e a ou de qualquer outro grupo de países. *Jeffrey D. Sachs, professor de Desenvolvi-
de dólares. A percentagem norte-americana capacidade para operar em todas as partes No seu discurso recente na sessão da As- mento Sustentável e de Políticas e Gestão
de

vai ser de 22%, ou cerca de 580 milhões de do mundo. sembleia-Geral das Nações Unidas sobre de Saúde na Universidade de Columbia, é
dólares por ano, o equivalente a 1,80 dólares A estupidez do ataque norte-americano à Jerusalém, onde a maioria dos Estados- director do Centro para o Desenvolvimento
por americano, por ano. dimensão do orçamento da ONU é  mais -membros rejeitaram o reconhecimento Sustentável de Columbia e director da rede de
O que é que os americanos recebem por evidente através da comparação com o or- unilateral feito pelos EUA de Jerusalém soluções para o Desenvolvimento Sustentável
esses 1,80 dólares por ano? Para começar, o çamento do Pentágono. Os EUA gastam como capital de Israel, Haley disse ao resto das Nações Unidas.

SACO AZUL Por Luís Guevane


io

Entre calares e barulhos nas intercalares em Nampula


O
ár

que está em causa nas interca- coerente com a filosofia de isenção e não fa- A preparação dos partidos políticos foi fei- bre o “técnico”. A fraude eleitoral é o pri-
lares em Nampula é saber se, de vorecimento de resulados. Podemos dizer que ta tomando em conta o respeito pela vonta- meiro passo para a eclosão de conflitos
facto, o nível de organização do foi o modelo possível, modelo apaziguador de de dos eleitores? E as entidades (de topo) pós-eleitorais. Como se trata da eleição
processo garante a desejada fia- tensões. Mas, se as missões desestruturantes responsáveis pelo processo reequacionaram de um edil talvez não se coloque a ques-
bilidade ao processo. Daqui decorrerá a já foram cumpridas cabe, pois, enveredar por e assumem o significado de conceitos como tão em termos de tensão político-militar.
legitimidade do futuro edil de Nampula. missões estruturadoras de democracia que se imparcialidade, isenção, transparência? Pode ser que crie algum “barulho” e, no
Di

Se o nível de organização tiver fraque- compadecem com os valores defendidos por As eleições intercalares em Nampula têm final, a lei será obrigada a impôr-se des-
zas produzidas, induzidas e consentidas uma instituição eleitoral que se preze; não sido assumidas como estando minimamente compassada com a legitimidade.
então estaremos perante mais uma evi- por uma “forjadora”. organizadas. O apelo do Presidente da CNE
dência de orquestração, mais um forte O que aqui está em causa não é mais do que é que os participantes se comportem de acor- Cá entre nós: há irregularidades nas in-
indicador de mudança urgente. Uma vez a organização. Mas a organização tem níveis. do com os padrões socialmente aceites, mas, tercalares em Nampula. É urgente que as
mais colocar-se-à o debate sobre quem Pode ser boa ou má, o que põe de lado, tec- entretanto, não transpira para fora daquele mesmas sejam esclarecidas para o bem da
ou o que tem que mudar: o eleitorado, os nicamente, a existência de qualquer tipo de orgão o padrão que se impõe aos seus cola- democracia e da imagem do país. Esperamos
membros da CNE (Comissão Nacional “desorganização organizada”. Entretanto, boradores, incluindo as sansões aos “crimes que a CNE em tempo oportuno se pronuncie
de Eleições) e do STAE (Secretariado esta última tem o seu valor político, tem o seu dolosos” e a firmeza com que se deseja que publicamente e sem subterfúgios de ordem
Técnico de Administração Eleitoral) ou saudosismo, tem a marca política e de tempo as mesmas sejam aplicadas. Que não apareça alguma. A denúncia de irregularidades por
o peso dos partidos políticos? A máquina que lhe é inerente. Em Nampula as eleições alguém a dizer que o país ainda está a ganhar parte da Renamo e do MDM pode e deve
eleitoral, pelo percurso dos membros ou intercalares estão à porta e já se fala de ir- experiências no assunto das eleições. servir de alerta para a existência de baixos
pelo historial real de como cada um che- regularidades. Será que os seus actuais níveis Infelizmente, na África subsariana, em parti- níveis de organização e de controlo do pro-
gou ao poleiro, já dá (ou dava) mostras de de organização vão a tempo de produzir um cular, multiplicam-se exemplos dando conta cesso eleitoral. A fiabilidade do processo pode
que o modelo adoptado, à partida, era in- Presidente do Município com legitimidade? de que o “político” exerece forte influência so- estar em causa.
Savana 12-01-2018
PUBLICIDADE 21

*/45*5650461&3*03%&3&-"±¿&4*/5&3/"$*0/"*4

EDITAL

o
$"/%*%"563""0

log
.&453"%0&.4&(63"/±"."3¶5*."
(Sob a coordenação científica do Professor Almirante, Rodolfo Codina Diaz, da Pontifícia Universidade Católica de Valparaíso - PUCV
PUCV - Chile)

ão do curso de Mestrado em Segurança Marítima, com início


Torna-se público que se encontram abertas inscrições para a primeira edição iní a 02 de Abril
Abr de
2018, na cidade de Maputo, Rua dos Desportistas, Prédio Jat V-1, 2º andar.

1. Requisitos de admissão

ció
Podem candidatar – se ao Mestrado em Segurança Marítima:
FODJBUVSBFN3FMBÎÜFT*OUFSOBDJPOBJTF%JQMPNBDJB "ENJOJTUSBÎÍ
FODJBUVSBFN3FMBÎÜFT*OUFSOBDJPOBJTF%JQMP NBDJB "ENJOJTUSBÎÍ
t5PEPTPTFTUVEBOUFTRVFUFOIBNPCUJEPPHSBVBDBEÏNJDPEF-JDFODJBUVSBFN3FMBÎÜFT*OUFSOBDJPOBJTF%JQMPNBDJB "ENJOJTUSBÎÍP1ÞCMJDB 4FHVSBOÎB
Marítima ou Direito, em universidades nacionais ou estrangeiras, reconhecidas pela entidade moçambicana competente.
DJBJTPVFN$JÐODJBT.JMJUBSFT FNPVUSBTJOTUJUVJÎÜFTEFFOTJO
t&TUVEBOUFTRVFUFOIBNDPODMVÓEP-JDFODJBUVSBFN$JÐODJBT1PMJDJBJTPVFN$JÐODJBT.JMJUBSFT FNPVUSBTJOTUJUVJÎÜFTEFFOTJOPTVQFSJPS SFDPOIFDJEBT
pela entidade moçambicana competente.
TEF$JÐODJBT4PDJBJTF1PMÓUJDBT FNVOJWFSTJEBEFTEF.PÎBNCJR
t0TFTUVEBOUFTRVFUFOIBNPCUJEPB-JDFODJBUVSBFNPVUSBTÈSFBTEF$JÐODJBT4PDJBJTF1PMÓUJDBT FNVOJWFSTJEBEFTEF.PÎBNCJRVFPVFTUSBOHFJSBT TPCB

2. Estrutura e Duração do Curso so


evereiro e 23 de Março de 2018.
condição de frequentarem o Curso de reorientação Académica, entre 12 de Fevereiro 2018

0.FTUSBEPFN4FHVSBOÎB.BSÓUJNB DPNSFDVSTPBNÏUPEPTEFFOTJOPoBQSFOEJ[BHFNJOUFSBDUJWPT JSÈQSJWJMFHJBSVNBGPSNBÎÍPUFØSJDBFQSÈUJDB DFOUSBEB


no estudante.
OPoBQSFOEJ[BHFNJOUFSBDUJWPT JSÈQSJWJMFHJBSVNBGPSNBÎÍPUFØS

MFDDJPOBEPTPTNØEVMPTDPOTUBOUFTEPRVBESP
0DVSTPDPNQSFFOEFTFNFTUSFT BOPT
EVSBOUFPTRVBJTTFSÍPMFDDJPOBEPTPTNØEVMPTDPOTUBOUFTEPRVBESPinfra, em regime presencial e termina, como
um
forma de obtenção do mestrado, com a apresentação de uma dissertação, no quarto semestre.

Anos
1º Ano 2º Ano
Lectivos

 Introdução à Administração Marítima  Regimes, Políticas e Estratégias de


 Estado e Segurança Internacional Segurança Marítima
Iº Semestre

 Direito do Mar  Economia e Serviços Marítimos


 Metodologia de pesquisa  Conflitos, Disputas e Diplomacia
de

Marítimas
 Seminário de Dissertação
 Direito Marítimo  Dissertação
IIº Semestre

 Mar, Poder e Estratégia


 Segurança Marítima
 Mar, Territórios e Comunidades
Costeiras
io

3. Procedimentos para candidatura


Os (as) candidatos (as) deverão apresentar os seguintes documentos:
ár

3.1 Carta explicativa da motivação da candidatura,GLULJLGDDR([PR6HQKRU'LUHFWRU&LHQWtÀFR


3.2 Formulário de inscrição ao curso devidamente preenchido DVHUREWLGRQRORFDOGHLQVFULomRRXQRSRUWDORÀFLDOGR,65, 
3.3 'XDV&ySLDVGRFHUWLÀFDGRGH/LFHQFLDWXUDRXHTXLYDOHQWH
'XDV&ySLDVGRFHUWLÀFDGRGH/LFHQFLDWXUDRXHTXLYDOHQWH DSHQDVXPDGHYHUiVHUDXWHQWLFDGD 
'XDVFDUWDVGHUHFRPHQGDomRSRUSURÀVVLRQDLVFRPRQtYHOGH
'XDVFDUWDVGHUHFRPHQGDomRSRUSURÀVVLRQDLVFRPRQtYHOGHGRXWRUDPHQWRRXSRUHQWLGDGHVLGyQHDVTXHWHQKDPVLGRGRFHQWHVGR
FDQGLGDWRDRQtYHOGH/LFHQFLDWXUD IRUPXOiULRSUySULRDVHURE
FDQGLGDWRDRQtYHOGH/LFHQFLDWXUD IRUPXOiULRSUySULRDVHUREWLGRQRORFDOGHLQVFULomRRXQRSRUWDORÀFLDOGR,65, 
Di

3.5 Curriculum VitaeGHYLGDPHQWHDVVLQDGR


3.6 Fotocópia autenticada do BI ou do Passaporte
3.7 Declaração do NUIT
3.8 $QWHSURMHFWRGHSHVTXLVDSDUD'LVVHUWDomR
$QWHSURMHFWRGHSHVTXLVDSDUD'LVVHUWDomR PRGHORSUySULRDVHUREWLGRQRORFDOGHLQVFULomRRXQRVLWHRÀFLDOGR,65, 
3.9 No acto da candidatura, para efectivação da mesma deverá ser entregue o comprovativo de depósito ou pagamento via POS da Ta
Taxa
GHFDQGLGDWXUDQRYDORUGH0WV TXDWURPLOPHWLFDLV 
GHFDQGLGDWXUDQRYDORUGH0WV TXDWURPLOPHWLFDLV 

4. Informações e Contactos
4XDLVTXHULQIRUPDo}HVVREUHRFXUVRGHPHVWUDGRSRGHPVHUREWLGDVQRDepartamento de Pós-graduação na rua dos desportistas, Prédio
Jat V, 2ºandar.
7HOHPyYHO
Email:dpgisri@gmail.com Website : www.isri.ac.mz
22
DESPORTO Savana 12-01-2018

Liga Moçambicana de Futebol ainda não sabe quando arranca o Moçambola-2018

Clubes trabalham debaixo de incertezas


Por Abílio Maolela

o
inda não se sabe quando é ninho do “canário”, destacando-se
que o campeonato nacio- apenas a contratação de Raul (ex-
nal de futebol irá arrancar e -Ferroviário de Nampula) e Chawa

log
muitos menos a data da rea- (ex-Chibuto).
lização da Assembleia-Geral da Liga
Moçambicana de Futebol (LMF), Chibuto renova com 20
reunião que discute e aprova as ac- reforços
tividades e o orçamento da prova. O Se, em Maputo, os números rondam
facto deve-se as incertezas existen- entre 13 a 15 reforços, em Chibuto
tes nas negociações entre a direcção a realidade é diferente. O polémico
da LMF e alguns patrocinadores, Artur José Semedo fez uma lava-
com destaque para a Linhas Aéreas gem quase completa do balneário, ao
de Moçambique, que não quer ceder

ció
contratar 20 jogadores, numa clara
à pressão política, devido as dívidas demonstração de ambição pelo título
acumuladas junto daquela compa- nacional.
nhia de bandeira. Aliás, o Vice-presidente do Chibu-
to para a área de Administração e
Em entrevista ao RM Desporto, o É com este plantel que o Ferroviário de Maputo pretende regressar aos títulos Finanças, Junneid Lalgy, citado pelo
presidente da LMF, Ananias Coua- Com uma casa cheia, o Ferroviário jogar, pois, é um jogador de selecção. manter, mais uma vez, os “tricolores” Desafio, afirma que “há três anos que
ne, disse que para além desse dossier, de Maputo apresentou 13 caras no- Do plantel da época passada, desta- na primeira divisão. Recorde-se que, integra o role de candidatos ao títu-
a sua instituição está a espera da mar- vas, das 15 projectadas (duas ainda que vai para a permanência de Diogo, com o mesmo treinador, o Maxaque- lo”. Recorde-se que na época passada,
cação da Supertaça Nacional, uma o Clube de Chibuto terminou a pro-
competição que é organizada pela
Federação Moçambicana de Futebol.
O braço-de-ferro entre a LMF e a
LAM vem desde o princípio do ano
passado e foi o maior responsável
pelo arranque tardio do Moçambola.
Aliás, em Julho, aquela companhia
por contratar) e uma promoção, num
total de 28 jogadores que irão consti-
tuir o plantel, capaz de regressar aos
títulos.
Lembre-se que há três anos que a
“locomotiva” não ganha o Moçam-
bola (o último foi conquistado, em
so
Chico, Sidique, Germano e Timbe.
Os adeptos, assim como a direcção
do clube “locomotiva” exigem títulos,
enquanto o treinador e os jogadores
pedem apoio para concretizarem
objectivo.
etizarem esse
ne terminou o Moçambola-2017, na
12ª posição com 34 pontos e um sal-
do negativo de três golos.
Nas bandas da Matchiki-Tchiki, as
portas
por abriram
abr na semana passada,
com a apresentação do técnico ar-
gentino, Leonardo Costas, que pro-
va na sétima posição com 43 pontos.
A campeã União Desportiva de Son-
go contratou 14 jogadores, com o
objectivo de revalidar o título, con-
quistar a Taça de Moçambique e
qualificar-se para a fase de grupos da
Liga dos Campeões Africanos.
área ameaçou suspender a emissão de
2015, por Carlos Manuel) e há sete Maxaquene em mais mete “muito trabalho” para alcançar
Enquanto isso, o Ferroviário da Beira
bilhetes das equipas do Moçambola, anos que não vence a Taça de Mo- um triagem dos “não os seus objectivos traçados: conquista abre as suas portas na próxima segun-
facto que não aconteceu porque, por çambique, depois de Nacir Armando experimentados” do campeonato e da Taça de Mo- da-feira, depois de ter apresentado a
um
um lado, o assunto foi encaminhado ter ganho a quinta Taça para aquele Enquanto o Ferroviário de Mapu- çambique. dupla João Chissano e Mano-Mano
ao Gabinete do Primeiro-Ministro “colosso” da capital do país, naquela to apresentava o seu novo plantel, o Tal como os outros, o “canário” foi ao para esta época, com o campeonato
e, por outro lado, a LMF conseguiu que foi a primeira final a ser disputa- Maxaquene fazia mais uma triagem mercado buscar 14 jogadores, depois nacional na mira.
recuperar a dívida da Televisão de da no Estádio Nacional do Zimpeto. aos jovens que procuram um lugar na de ter dispensado 13, um número Outros clubes que também já abri-
Moçambique de cerca de 30 milhões Para alcançar os seus objectivos, o fina flor do nosso futebol. considerado alto, tendo em conta a ram as suas portas são os Ferroviários
de MT decorrentes das transmissões Ferroviário de Maputo foi ao mer- São mais de 20 candidatos que, desde participação da equipa na Taça CAF, de Nampula e de Nacala, o Incomati
televisivas. cado buscar alguns nomes sonantes, segunda-feira, se exibem no degra- onde joga com o Jwaneng Galaxy de Xinavane, o 1º de Maio de Que-
Devido a estas questões, Couane pro- com destaque para os ex-canarinhos dado relvado do Maxaquene, na bai- FC, do Botswana, entre os dias 10 e limane, o Desportivo de Nacala e o
jecta o arranque da prova para o mês Loló e Kito, Liberty (ex-LDM) e o xa da Cidade de Maputo, sob olhar 11 de Fevereiro. Sporting de Nampula, apesar de al-
de Março e a realização do sorteio regressado Jeitoso (ex-Cape Town atento de Antoninho Muchanga, Diferentemente da época passada, gumas incertezas, devido a ausência
para o dia da Assembleia-Geral. City), que afirma ter voltado para técnico confiado a difícil missão de este ano não há nomes sonantes, no do cérebro do clube, Mussito Júnior.
de

Entretanto...
Apesar de toda esta incerteza, os
Clubes já estão no terreno a arrumar
as suas casas. Depois da União Des-
Leia Dongue a caminho da liga espanhola
A
portiva de Songo, Costa do Sol, 1º de
Maio de Quelimane, UP de Manica e internacional moçam- dois campeonatos angolanos, quatro celente, liderada por Nasir Salé, e
Sporting de Nampula terem arranca- bicana de basquetebol, Taças dos Clubes Campeões de Áfri- “sempre trabalhamos aquilo que
do com os trabalhos, na semana finda, Leia Tânia do Bastião ca (dois pelo 1º de Agosto, um pelo o mundo trabalha”.
esta semana, foi a vez do Maxaquene, Dongue, anunciou, esta Desportivo e outra pela Liga Mu- “Mesmo, em 2016, não tive pro-
Ferroviários de Maputo e de Nam- semana, a sua retirada do cam- çulmana) e dois prémios de Jogado-
io

blemas. A linhagem será a mes-


pula, Liga Desportiva de Maputo, peonato angolano, para continuar ra Mais Valiosa, ao nível continental ma: trabalhar, disciplina e o resto
Ferroviário e Desportivo de Nacala a sua carreira profissional, na Es- (2014 e 2015). vai acontecer no campo”, disse.
e Incomati de Xinavane abrirem as panha, ao serviço do Gernika Bi- A internacional moçambicana, de 26 O Gernika Bizkaia foi fundado
oficinas para mais uma época futebo- zkaia, um clube da primeira liga, anos de idade, explica ainda que vai à em 1996 e ascendeu a Liga Fe-
lística,
a, que se perspectiva mais difícil sediado na cidade de Bilbau, no Espanha para “internacionalizar” ain- minina Baloncesto, em 2014. Nas
ár

que a anterior, devido as questões fi- norte daquele país ibérico. da mais a sua carreira, devido a visi- primeiras duas épocas na primei-
nanceiras. bilidade que aquele campeonato tem. ra liga (2014/15 e 2015/16) ter-
Do norte ao sul e do zumbo ao ín- O anúncio foi feito pela atleta, “Sonho em jogar na WNBA minou a fase regular no sexto lu-
dico, os clubes remodelaram os seus esta segunda-feira, em Maputo, (Women’s National Basketball As-
planteis, tendo dispensado mais de gar e na época passada terminou
numa conferência de imprensa, sociation), porém, é preciso seguir
10 atletas, com o Clube de Chibuto a nos quartos-de-final da prova.
na qual esteve presente o selec- etapas. Penso que o campeonato eu-
ser o maior protagonista, ao contratar Na presente temporada, com 15
cionador nacional, Nasir Salé. ropeu, em particular o espanhol, tem
Di

vos jogadores.
20 novos jornadas disputadas, o Gernika
Dongue, que deixa para trás o mais visibilidade que o africano”,
Aliás, esta atitude não constitui novi- Bizkaia ocupa a quinta posição
1º de Agosto, de Luanda, após disse a atleta, sublinhando que teve
dade. Anualmente, os clubes contra- quatro anos e meio, revelou que com 24 pontos, quando ainda há
convites da Turquia, França e Sérvia,
tam e dispensam mais de uma dezena o vínculo contractual com a sua outros países com tradição no bas- 11 jornadas por disputar.
de atletas, sem falar da constante tro- nova equipa é válido até ao final quetebol. Nasir Salé considera acertada a
ca de treinadores. da época (termina em Março) e, Questionada sobre os valores envol- escolha feita pela atleta moçam-
posteriormente, “vamos ver quais vidos no negócio, a atleta remeteu a bicana, pois, há uma grande di-
Ferroviário de Maputo com serão os próximos planos, mas resposta ao seu agente, Prudep Ma- ferença entre o basquetebol mo-
15 reforços que passam pela minha perma- nagement, uma agência espanhola do çambicano e o angolano.
A maior emoção da abertura da épo- nência na Europa”, frisou. sem deixar de lado os títulos indivi- desporto, especializada na represen- Referir que esta será a segunda
ca, viveu-se, esta segunda-feira, no A atleta justifica a sua saída do duais. tação exclusiva de atletas femininas passagem de Leia Dongue pela
Clube Ferroviário de Maputo, du- campeonato angolano, pelo facto Lembre-se que, na carreira, Leia de basquetebol de alto nível. Espanha, depois de, em 2016,
rante a apresentação do plantel e da de ter “ganho tudo”, em África, Dongue colecciona, entre outros títu- Em relação a sua afirmação no cam- ter sido emprestada pelo 1º de
sua respectiva equipa técnica para a desde as ligas nacionais (moçam- los, cinco campeonatos moçambica- peonato espanhol, Dongue garantiu Agosto ao Cáceres Extremadura,
presente época, a ser liderada pelo ex- bicana e angolana) até as Taças nos (três pelo Desportivo de Maputo que não terá grandes dificuldades da segunda divisão.
-treinador do Costa do Sol, Nelson dos Clubes Campeões Africanos, e dois pela extinta Liga Muçulmana), porque teve uma formação quase ex- Abílio Maolela
Santos.
Savana 12-01-2018
PUBLICIDADE
DESPORTO 23

EDITAL “... o melhor


2018

o
lugar para

log
Testes de e moldar o meu
)ĹƋųåƴĜŸƋ±ŸVocacionais
Diagnóstico

potencial!”

ció
so
um
No âmbito das condições gerais de ingresso no Ensino Superior, previstos na lei n° 27/2009, de Setembro (Lei do Ensino
Superior, artigo 23, n° 5 alínea a) onde a condição de acesso à formação conducente ao grau académico de Licenciatura, é a
conclusão com aprovação da 12a classe ou equivalente, o ISCTEM torna público que irão decorrer no dia 24 de Janeiro de
2018, Testes de Diagnóstico e Entrevistas Vocacionais para admissão aos cursos que a seguir se indica:

Escola/Curso Vagas Disciplinas Requisitos


Diurno Nocturno Disciplina 1 Peso Disciplina 2 Peso
Poderão candidatar-se aos Testes de Diagnóstico
de

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE


indivíduos que preencham os seguintes requisitos:
Medicina Geral 150 - Biologia 50% Química 50% Î )ŸƋƚÚ±ĹƋåŸ ÚŅ )ĹŸĜĹŅ „åÏƚĹÚ´ųĜŅ :åų±Ĭ ŧƚå ƋåĹʱĵ
Medicina Dentária 90 - Biologia 50% Química 50% ÏŅĹÏĬƚĝÚŅ±ŎƖřÏĬ±ŸŸåÚŅ„c)ŅƚåŧƚĜƴ±ĬåĹƋåſ
Farmácia e Controle de Qualidade de Medicamentos 70 70 Biologia 50% Química 50%
Ήų±Æ±ĬʱÚŅųåŸŧƚåƋåĹʱĵÏŅĵŞĬåƋ±ÚŅ±ŎƖřÏĬ±ŸŸåÚŅ
ESCOLA SUPERIOR DE ECONOMIA E
GESTÃO DE NEGÓCIOS „c) Ņƚ åŧƚĜƴ±ĬåĹƋå ޱų± ÏŅĹƋĜĹƚ±ÓÅŅ Úå åŸƋƚÚŅŸØ Ÿåĵ
ŞųåģƚĝDŽŅÚ±ĬåčĜŸĬ±ÓÅŅåĵƴĜčŅų.
Gestão de Empresas 90 90 Matemática 50% Português 50%
io

Contabilidade e Auditoria Matemática 50% Português 50%


Período de Inscrição
90 90

Gestão Financeira e de Seguros 90 40 Matemática 50% Português 50%


e±ŞųåŸåĹƋ±ÓÅŅÚ±ŸϱĹÚĜÚ±Ƌƚų±ŸÚåÏŅųųåű„åÏųåƋ±ųĜ±ÚŅ
Gestão de Marketing Matemática 50% Português 50%
F„‰)aرƋæŅÚĜ±23 de Janeiro de 2018.
45 45

Gestão de Recursos Humanos e Negociação 45 45 Matemática 50% Português 50%


ár

Os candidatos aos testes serão avaliados apenas nas


ESCOLA SUPERIOR DE ENGENHARIAS E
TECNOLOGIAS disciplinas nucleares dos cursos da sua preferência.
Engenharia Informática 100 100 Matemática 50% Física 50% BŅų´ųĜŅ×í×ƐLjBŠ%ĜƚųĹŅšåŎƀ×ƐLjBŠ{ņŸěĬ±ÆŅų±Ĭšţ

Engenharia Geológica e de Minas 50 - Matemática 50% Física 50%


Di

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS


JURÍDICAS E ARTES
Arquitectura e Urbanismo 45 - Desenho 50% Matemática 50%
Direito 90 90 Português 50% História 50%

Para mais informações contacte:


Secretaria do ISCTEM, no Campus Universitário
Rua 1394 - Zona da FACIM, 322 - Maputo.
Tel: 82 309 41 30 ou 82 31 32 200
E-mail: secretaria@isctem.ac.mz

www.isctem.ac.mz
24
CULTURA Savana 12-01-2018

“Timbila – Património Mundial” é finalista na Inglaterra


O compositor
prete
e intér-
moçambicano
D’Manyissa, nome artísti-
co de Demócrito Manyis-
e, é uma satisfação para mim como
artista a ser projectado pelo mundo,
pois só chega à final 1% do vas-
to universo de participantes. Para
mim, neste momento, resta-me um
replicação. Até ao momento conto
com apoio da EDM, CFM e South
African Airways (SAA), para a sua
gravação”, frisa.
Não é a primeira vez que

o
sa, foi um dos finalistas na edição
sentimento de gratidão ao Celso D’Manyissa participa deste con-
2017 do concurso de composições
Paco, que aceitou ser meu convida- curso. Esta foi a sua terceira via-
musicais da Inglaterra denomi- gem. “Tudo começa em 2015 com a
do especial e a todos os outros mú-
nado Uk Songwriting Contest. música “Conta comigo”, uma com-
sicos envolvidos”, disse.

log
D’Manyissa é único africano a posição interpretada pela cantora
Trata-se de uma música que se
chegar na fase final deste certa- vai juntar a outras 14 e compor o brasileira, Bárbara Silva, formada
me de âmbito internacional, onde seu primeiro projecto discográfico em música pelo Berklee College
participam compositores de vários “D’Manyissa Instrumental - Volu- of Music nos Estados Unidos de
quadrantes do mundo, indepen- me 1”. E porque são mesmo ins- América. Esta música, foi uma du-
dentemente do seu estilo musical. trumentais, descontando três faixas pla satisfação para mim, foi finalista
“É sempre uma honra para um em que o autor aventura-se pelas em duas categorias: Jazz/Blues e
naquilo que o certamente considero
artista saber que é finalista neste formances vocais, conta com
performances
Open Category (categoria aberta).
tipo de concursos internacionais. É executores de vários instrumentos:
No ano seguinte, em 2016, regressei
uma forma de divulgar a nossa cul- Orlando Venhereque (Flauta), Júlio

ció
ao concurso já com “Força Interior”,
tura a nível internacional”, explica Sigaúque e Allou April (guitarra), música que conta com os sopros
Manyissa. Ivan Mazuze (Saxofone alto e so- de flauta de Orlando Venhereque,
prano), Banda Macozomi e Hélder para ser finalista na categoria Jazz/
Gonzaga (Baixo), Lwanda Gog- Blues”, destaca.
A lista dos finalistas foi divulgada no
wana (Trompete), Seredeal “Sha- O júri do concurso é constituído por
dia 25 de Dezembro, no website do ggy” Scheepers (Teclados), Galina
UK Songwriting Contest. Na pági- profissionais renomados da indús-
Juritz (Violino) e Kika Materula tria da música, entre eles composi-
na do concurso está patente o nome (Oboé). “Neste álbum, Celso Paco, tores, arranjistas e produtores. “Eles
de cada finalista por categoria, entre como se pagasse pelo seu dom, não têm na bagagem trabalhos com
elas Pop, R&B, Rock, Instrumental,
Jazz, entre outros estilos. Os certifi-
cados de participação, por sua vez,
são disponibilizados no respectivo
website, disponíveis para download
pelo próprio finalista. “Concorri
com a música “Timbila – Patrimó-
eternizou na música os seus dotes
de multi-instrumentista ao executar
a bateria, percussão, udo e, claro, a
so
'·0DQ\LVVDp~QLFRDIULFDQRDFKHJDUDIDVHÀQDOGHVWHFHUWDPH
GHkPELWRLQWHUQDFLRQDO
outros instrumentistas de luxo: An-
tónio “Dodó” Milisse na guitarra,
Orlando Venhereque no saxofone,
podia ficar de fora. O artista que
respira ares europeus lhe convidei
para fazer a performance de vários
instrumentos do seu domínio. O
álbum está totalmente gravado,
faltando apenas apoio para a fase
da mistura, masterização e a sua
artistas de renome mundial como
Mary J. Blige, Tina Turner, Diana
Ross, Chaka Khan, Robyn Willia-
ms, Cher, entre outros. Alguns in-
clusive já compuseram músicas para
trilhas sonoras e outros projectos
distantes da música”, finaliza. A.S
nio Mundial”, na categoria World timbila. Esta música é mesmo uma e o recém-falecido Filipinho no
Music, que contou com a participa- homenagem a este instrumento que baixo. Ao D’Manyissa, mentor da
ção de Celso Paco, meu convidado foi proclamado património oral obra, coube os arranjos (juntamente

Dia Internacional de
um
especial, músico moçambicano ra- e imaterial da humanidade pela com Celso Paco, Dodó, Filipinho e
dicado na Suécia, por sinal, país em UNESCO”, frisa o compositor. Orlando Venhereque) e comandou
que será produzido em breve o ví- Além da excelente prestação de a produção. “A música foi gravada

Jazz no Franco
deo-clip da respectiva música. Paco Celso Paco, participam da música em Moçambique na Zep Estúdios

Sete anos sem Malangatana


M alangatana Valente
Ngwenya, nascido a 06
O Dia Internacional do
Jazz, criado pela UNES-
CO para lembrar a im-
portância deste género
musical, celebra-se um pouco
e povos ao longo da história. O
jazz está associado à luta pela
liberdade e a abolição da escra-
vatura.
Para promover o Dia Internacio-
de

de Junho de 1936, em por todo o mundo e Moçambi- nal do Jazz decorrem vários con-
Matalana, distrito de que não é excepção. O Dia In- certos de jazz, promovidos por
Marracuene, Maputo, faleceu na ternacional do Jazz é celebrado a escolas, grupos e músicos, com o
madrugada de 5 de Janeiro 2011, no 30 de Abril. intuito de apresentar à população
Hospital Pedro Hispano, em Mato- este género musical. O jazz é um
sinhos, Portugal, vítima de doença. O saxofonista moçambicano é a estilo musical que apela à criati-
“A cada ano que passa a data fica figura de cartaz para a celebração vidade e a improvisação.
cada vez mais esquecida. Já não do Dia Internacional do Jazz a O jazz teve origem nos Estados
sentimos por parte das entidades ter lugar a 30 de Abril no Centro Unidos da América, através da
responsáveis pela cultura o enalte- cultural Franco-Moçambicano. comunidade afro-americana no
io

cimento do papel que este grande A data criada pela Organiza- século XIX, tendo-se populari-
artista teve para o país”, lamenta o ção das Nações Unidas para a zado nas primeiras décadas do
artista plástico Falcão. Educação, a Ciência e a Cultura século XX. New Orleans é re-
(UNESCO) foi assinalada pela conhecida como a cidade onde
Malangatana foi um artista versátil, primeira vez em 2012 para lem- nasceu o jazz. Acredita-se que a
que fez com que o nome de Moçam- brar a importância do jazz e “o palavra jazz advém da gíria nor-
ár

bique fosse conhecido no mundo. seu papel diplomático de unir te-americana.


0DODQJDWDQD pessoas em todos os cantos do Miles Davis, Chet Baker, Billie
Com as suas obras, tornou-se uma
Malangatana fez cerâmica, tapeça- arquitecto de um sonho antigo, que globo”, como se lê na página ofi- Holiday, Ella Fitzgerald, Nina
referência internacional. “Não deixa
ria, gravura e escultura. Fez expe- levou para a frente, a criação de um cial do Dia Internacional do Jazz. Simone, John Coltrane, Louis
de ser uma referência da nossa cul-
Centro Cultural em Matalana. A data foi criada pela UNES- Armstrong, Edward Ellington e
tura. Como as futuras gerações vão riências com areia, conchas, pedras
CO e anunciada pelo pianista e Dizzy Gillespie são alguns dos
conhecer a vida e obra do artista se e raízes. Foi poeta, actor, dançarino, “O centro que ele criou está como
embaixador da boa vontade da grandes nomes do jazz.
Di

anualmente é relegado ao esqueci- músico, dinamizador cultural, orga- ele deixou. Não conseguiu finalizar.
nizador de festivais, filantropo e até UNESCO, Herbie Hancock. A.S
mento. Assim, a nossa arte, cultura Era tempo do Estado se preocupar
deputado da FRELIMO, partido no Foi em 2012
fica pobre cada vez mais”, lamenta o em preservar aquele local e torna-lo
poder em Moçambique desde a in- que se celebrou
artista Makolua. num centro turístico. Falam tanto de
dependência. pela primeira
Em vida, fez um pouco de tudo: turismo mas na prática não vimos vez o Dia In-
“Como é que os mais novos vão
foi pastor, aprendiz de curandeiro, nada”, lamenta João Paulo. ternacional do
conhecer a história, vida e obra dos
empregado doméstico mas viria a Malangatana expôs em Moçambi- Jazz. A come-
artistas? Nestes últimos anos dificil-
notabilizar-se no mundo das artes, mente vimos eventos culturais. Nós que e em Portugal mas também na moração tem
tornando-se num dos mais famo- trabalhamos aqui no Núcleo de Arte Alemanha, Áustria e Bulgária, Chi- como objectivo
sos artistas moçambicanos. “Se não porque temos este espaço, mas isso le, Brasil, Angola e Cuba, Estados lembrar a im-
eternizarmos as nossas referências não basta. Precisamos de mais es- Unidos entre outros. portância deste
vamos ficar com sem história. Como paços para eternizar nossos grandes Malangatana foi nomeado artista género musical
um país pode desenvolver a margi- artistas”, frisa Makolua. pela paz (UNESCO), recebeu o pré- e o seu contri-
nalizarem a cultura que é uma das Malangatana foi um dos criadores mio Príncipe Claus e, de Portugal buto na pro-
bandeiras que temos para sermos co- do Museu Nacional de Arte de Mo- levou também a medalha da Ordem moção de dife-
nhecidos e reconhecidos pelo mun- çambique, dinamizador do Núcleo do Infante D. Henrique entre outros rentes culturas Ivan Mazuze
do fora?”, questiona Falcão. de Arte, colaborador da UNICEF e reconhecimentos. A.S
Dobra por aqui
g o
SUPLEMENTO HUMORÍSTICO DO SAVANA Nº 1253 ‡ DE JANEIRO DE 2018

ól o
c i
s o
u m
d e
ir o
D iá
3

g o
ól o
c i
o
Savana 12-01-2018

s
SE TIVESSES QUE SALVAR UM DESTES SERE VIVOS, DIZ HONES-
m
TAMENTE QUAL DESTES SALVARIAS
SUPLEMENTO

u
Savana 12-01-2018

d e
ir o
iá D
2
Savana 12-01-2018
OPINIÃO 27

Abdul Sulemane (Texto)


Ilec Vilanculos (Fotos)

o
Vão apertar

log
C
om as dificuldades que o país atravessa já ouvíamos que neste novo ano as
coisas vão apertar. Para os mais sabidos dizem que este ano a situação vai
piorar, comparativamente com o anterior.
Nisso é sempre bom ouvir quem tem algo de novo a dizer sobre o ambiente
que nos espera no decorrer deste ano, pois logo no inicio já começamos a

ció
sentir as dificuldades.
Os gestores de bancos não escondem as suas preocupações. Procuram a todo o custo
ver de que maneira podem permanecer da melhor forma, num ambiente turbulento
que tanto se fala. Por isso que o antigo PCA do Moza, Prakash Ratilal tranquiliza o
vice Governador do Banco de Moçambique, Victor Gomes. Como se estivesse a dizer
que apesar das críticas públicas, valeu apena terem tirado o Moza do fundo do poço.
Outros mesmo com o ambiente caótico que vamos ter que enfrentar neste ano nem
mostram-se indeferentes. Aproveitam os momentos para lançar umas gracinhas.
Como se as dificuldades não lhes atingissem. É o que está acontecer nesta segunda
imagem onde o antigo estadista, Joaquim Chissano, aproveita para uma conversa com
a Ministra da Educação e Desenvolvimento Humano, Conceita Sortane, que reage
com um sorriso. Mesmo sem ter admitido que existem fraquezas nas primeiras class-
es, resumiu todos os problemas de aprendizagem em uma só palavra - preocupante.
Mesmo com o ambiente de preocupação encontramos algumas pessoas que nem por
isso deixam de dar uma gargalhada. Talvez não têm com que se preocupar. Mesmo
so
que não seja o caso devem ter encontrado algo que despoletou a chocalhada. Vejam
como Luísa Diogo, PCA do Barclays Bank Moçambique partilha a risada com Salim
um
Valá, Presidente da Bolsa de Valores de Moçambique.
Deve ter descoberto um ambicioso programa de reposicionamento competitivo com
vista a responder às oportunidades que as dificuldades podem trazer. Será que há al-
gum negócio do banco por tramitar via Bolsa de Valores? Deve ser isso.
Praticar desporto não é actividade para todos. A correria da vida muita vezes não
deixa espaço para a prática de exercícios físicos. Mas para mostrarem que mesmo com
a correria da vida é sempre possível improvisar para exercer a actividade física. As
jovens cantoras Marlene e Dama do Bling não se deixam levar pelo público e aprovei-
taram a relva do Estádio Nacional do Zimpeto para mexer um bocado no esqueleto.
Saber que alguém exerce ou exerceu uma actividade semelhante a nossa dá o prazer
de estar ao lado dessa pessoa. É uma forma de recordar os tempos passados. Foi o que
fez a antiga basquetebolista, agora vice-ministra da Juventude e Desporto, Ana Flávia
de

Azinheira quando soube que a atleta que jogava num dos clubes de Angola, Leia
Dongue,, estava na área. Da para perceber que as duas são bem altas. Outra coisa que
chama atenção são os penteados que as duas ostentam. É a moda. Já ouvi por aí que
o penteado da vice-ministra da Juventude e Desporto tem é chamado de penteado
da crise. Não precisa estar no cabeleireiro constantemente. Sinal de que as coisas vão
apertar mesmo. Preparem mais um furo nos cintos.
io
ár
Di
À HORA DO FECHO
www.savana.co.mz EF+BOFJSPEFt"/099*7t/o 1253
z- se
IMAGEM DA SEMANA Naita Ussene Di z- s e . . . Di

ͻ "QFTBSEFIBWFSBKVTUJmDBÎÍPEBTNVEBOÎBTDMJNÈUJDBT DPNF-


EBTNVEBOÎBTDMJNÈUJDBT DPNF
ÎBBTFSDÓDMJDBOBSFHJÍPEF.BQVUP BJOUFSSVQÎÍPEFDPNCPJPT
ÎBBTFSDÓDMJDBOBSFHJÍPEF.BQVUP BJOUFSSVQÎÍPEFDPNCPJPT
OB BMUVSB EBT DIVWBT  DPNP TF OP BOUJHBNFOUF OÍP IPVWFTTF

o
DIVWBT0VTFSÈRVFÏQPSRVFBEJSFDÎÍPEBDPNQBOIJB IPKF
FNEJBNBJTQSFPDVQBEBDPNBDPCSBOÎBFEJWJTÍPEBTSFOEBT
EBTEJWFSTBTJOGSBFTUSVUVSBT FTUÈTFOBTUJOUBTQBSBBNBOV
EBTEJWFSTBTJOGSBFTUSVUVSBT FTUÈTFOBTUJOUBTQBSBBNBOV-
UFOÎÍPEBTMJOIBTFTFVTEJWFSTPTDPNQPOFOUFT

log
ͻ )ÈDMBSBNFOUFNJMBHSFTMÈQBSBPTMBEPTEPNJOJTUSPMBOÎBQFS
)ÈDMBSBNFOUFNJMBHSFTMÈQBSBPTMBEPTEPNJOJTUSPMBOÎBQFS-
GVNF %FQPJT EP  BCPOBEP Ë NBTTB EF GVODJPOÈSJPT RVF
TÍP QPUFODJBJT WPUBOUFT GSFM  MÈ GPSBN EFTFOSBTDBEPT NBJT 
NJMIÜFTEFWFSEJOIBTQBSBBTIPSBTFYUSBPSEJOÈSJBTEPTQSPGFT
NJMIÜFTEFWFSEJOIBTQBSBBTIPSBTFYUSBPSEJOÈSJBTEPTQSPGFT-
TPSFT VNEPTQFDBEPTOPDBEBGBMTPEPOÍPNFOPTTJNQÈUJDP
BOUJHPNJOJTUSPEBTFTDPMJOIBTTFOUBOPDIÍP3FTUBTBCFSDPNP
WBJPNJOJTUÏSJPBQVSBSPTQBHBNFOUPTFNGVOÎÍPEBFTDBOEB
WBJPNJOJTUÏSJPBQVSBSPTQBHBNFOUPTFNGVOÎÍPEBFTDBOEB-
MPTB UBYB EF BCTFOUJTNP EPT QSPGFTTPSFT  EFUFDUBEB OVNB EBT

ció
NBJT SFDFOUFT BWBMJBÎÜFT JOUFSOBDJPOBJT TPCSF B FEVDBÎÍP FN
.PÎBNCJRVF

ͻ
ͻ 4JOBJTEFRVFPTUFNQPTTÍPPVUSPTOP;JNCBCXF/BTFNBOB
QBTTBEB POPWP1SFTJEFOUFEB3FQÞCMJDB &NNFSTPO.OBO-
QBTTBEB POPWP1SFTJEFOUFEB3FQÞCMJDB &NNFSTPO.OBO
HBHXB GPJWJTJUBS OBTVBSFTJEÐODJB PQSJODJQBMMÓEFSEBPQP
HBHXB GPJWJTJUBS OBTVBSFTJEÐODJB PQSJODJQBMMÓEFSEBPQPTJ-
Mocímboa da Praia ÎÍP .PSHBO5TWBOHJSBJ RVFTFFODPOUSBBSFDFCFSUSBUBNFOUPT
DPOUSB VN DBODSP JOUFTUJOBM & OB ÞMUJNB RVBSUBGFJSB  B MJHB
KVWFOJMEB;BOV1'EFTFODPSBKPVPTTFVTNFNCSPTEFVTBSFN
Angola

Finalmente Zenu afastado


so ͻ
WFTUFTQBSUJEÈSJBTQPSPDBTJÍPEFVNBWJTJUBEB1SJNFJSB%BNB 
"VYJMJB  Ë DJEBEF EF (XFSV  OB QSPWÓODJB EF .JEMBOET +È TF
EJ[JBRVFBÞOJDBDPJTBQFSNBOFOUFÏBNVEBOÎB

ͻ "JOEBGBMBOEPEFNVEBOÎBT0OPWPHPWFSOPBOVODJPVOBTF
"JOEBGBMBOEPEFNVEBOÎBT0OPWPHPWFSOPBOVODJPVOBTF-

do Fundo Soberano
NBOB QBTTBEB VN BNCJDJPTP QMBOP EF SFTUSVUVSBÎÍP EF VNB
FOPSNFRVBOUJEBEFEFFNQSFTBTQÞCMJDBTEFmDJUÈSJBT JODMVJO
FOPSNFRVBOUJEBEFEFFNQSFTBTQÞCMJDBTEFmDJUÈSJBT JODMVJO-
EP VN EPT CFCÏT NBJT BDBSJOIBEPT FN «GSJDB  BT DIBNBEBT
DPNQBOIJBTBÏSFBTEFCBOEFJSB

J
um
osé Filomeno era o último dos DFSDBEFDJODPNJMNJMIÜFTEFEØMBSFT  EF VNB FNQSFTB HFSJEB QPS VN FN-FN ͻ 6NPVUSPOPWBUP EFTUBWF[OBPSMBJSNÍEP"UMÉOUJDP UBNCÏN
filhos de José Eduardo dos TFNEFJYBSEFTVCMJOIBSRVFUBMiQPEF QSFTÈSJP TVÓÎPBOHPMBOP QSØYJNP EF BOVODJPVNFEJEBTTFNFMIBOUFTOBTVBQSJNFJSBDPOGFSÐODJBEF
Santos que ainda tinha um alto BDPOUFDFSw 'JMPNFOP EPT 4BOUPT 6N GBDUP RVF JNQSFOTBFTUBTFNBOB&ORVBOUPVOTPMIBNQBSBUSÈTFBQFSDF-
cargo ligado ao Estado ango- "mSNPV  OP FOUBOUP  RVF UJOIB TJEP mDPV FYQPTUP  DPN WJTJCJMJEBEF JOUFS
JOUFS- CFNTFRVFFTTFOÍPÏPDBNJOIPBTFHVJS PVUSPTWÍPQSFDJTB-
lano, mas acabou por ser afastado DPOUSBUBEBVNBFOUJEBEFFYUFSOBQBSB OBDJPOBM  OBT SFDFOUFT SFWFMBÎÜFT EPT
NFOUFOPTFOUJEPJOWFSTP²UVEPVNBRVFTUÍPEFFTDPMIBT
pelo  novo Presidente da República, WFSJmDBS BT DPOUBT EP 'VOEP 4PCFSB- 1BSBEJTF1BQFST BJOWFTUJHBÎÍPEPTØS-
1BSBEJTF1BQFST BJOWFTUJHBÎÍPEPTØS
João Lourenço, que o exonerou da OP BMHPRVFEFWFSÈFTUBSMJHBEPBFTUB $PO-
HÍPT EF DPNVOJDBÎÍP TPDJBM EP $PO
presidência do Fundo Soberano esta FYPOFSBÎÍP i/B TFRVÐODJB EP USBCB-
USBCB TØSDJP *OUFSOBDJPOBM EF +PSOBMJTUBT EF ͻ &FTDPMIBTÏPRVFPTNVOÓDJQFTEF/BNQVMBJSÍPGB[FSEFOUSP
quarta-feira. MIP EFTTB FNQSFTB  P .JOJTUÏSJP EBT *OWFTUJHBÎÍP $*+*
 POEF TF JODMVJ P EPTQSØYJNPTEP[FEJBT6NBFTDPMIBGPSÎBEB EJHBTFFNBCP-
'JOBOÎBTBQSFTFOUPVVNBQSPQPTUBEF TFNBOÈSJPʪ&YQSFTTP OPEBWFSEBEF NBTRVFTFSÈEFUFSNJOBOUFQBSBTFmDBSBTBCFS
De acordo com a agência de informa- NFEJEBTBUPNBSFEFQBTTBSNPTBUFS HFSJ-
0T JOWFTUJNFOUPT FN DBVTB TÍP HFSJ RVFNÏRVFNOB1ÏSPMBEP¶OEJDP
de

ÎÍPEF"OHPMB B"OHPQ QBSBPTFVMV- VNDPOUSPMPNBJTFGFDUJWPEPTEJOIFJ--


VNDPOUSPMPNBJTFGFDUJWPEPTEJOIFJ EPT QFMB 2VBOUVN (MPCBM  EJSJHJEB
HBS GPJ OPNFBEP $BSMPT "MCFSUP -P- SPTQPTUPTËEJTQPTJÎÍPEP'VOEP4P--
SPTQPTUPTËEJTQPTJÎÍPEP'VOEP4P
QFT RVFUSB[DPOTJHPVNBOPWBFRVJQB
QPS +FBO$MBVEF #BTUPT EF .PSBJT  ͻ &GBMBOEPEF/BNQVMB BRVFTUÍPDPMPDBEBQPSNVJUPTPCTFS-
CFSBOP&TUBNPTBBOBMJTBSBTNFEJEBT VN FNQSFTÈSJP BNJHP F QBSDFJSP EF
DPN +PTÏ 'JMPNFOP DBJ UBNCÏN B QSPQPTUBTFÏNVJUPQSPWÈWFMRVFOPT
WBEPSFTÏTFPQBSUJEÍPOÍPDPOTFHVJVFODPOUSBSNÞTJDPTMPDBJT
OFHØDJPT EP mMIP EP FY1SFTJEFOUF  QBSBPMBOÎBNFOUPEFVNBDBNQBOIBMPDBM BPQPOUPEFMFWBSP
SFTUBOUFBENJOJTUSBÎÍP
 QSØYJNPT EJBT FMBT WFOIBN B TFS JN-
JN
DPN RVFN GVOEBSB P QSJNFJSP CBODP TFNQSFEJTQPOÓWFM.S#PX QBSBDBOUBSFN$IBOHBOB QBSBB
0 BGBTUBNFOUP EF +PTÏ 'JMPNFOP  QMFNFOUBEBTw BmSNPV+PÍP-PVSFOÎP
EF JOWFTUJNFOUP BOHPMBOP  P #BODP VNBBVEJÐODJBFNJOFOUFNFOUF.BDVB 
DPOIFDJEP QPS i;FOVw  OÍP Ï VNB /BNFTNBPDBTJÍP BQØTVNBQFSHVO--
/BNFTNBPDBTJÍP BQØTVNBQFSHVO
2VBOUVN SFCBQUJ[BEPFNDPN
TVSQSFTB  KÈ RVF P TVDFTTPS EF +PTÏ UBRVFFOWPMWJBSFGFSÐODJBTBiBMFHBEBT
POPNFEF#BOL,XBO[B*OWFTU
&EVBSEPEPT4BOUPTʪUFNGFJUPNVJUBT QFSTFHVJÎÜFT BPT mMIPT EP BOUFSJPS t %BOÎBEFDBEFJSBTEFWFSÈBUJOHJSBTFNQSFTBTEFDPNVOJDBÎÍP
"JOGPSNBÎÍPBWBOÎBEBQFMBJNQSFO
"JOGPSNBÎÍPBWBOÎBEBQFMBJNQSFO-
BMUFSBÎÜFTOPVOJWFSTPFTUBUBM/PDBTP 1SFTJEFOUFw  EJTTF RVF OÍP TF QFSTF-
QFSTF TPDJBMEPTFDUPSQÞCMJDP%FTEF/PWFNCSPRVFPTSFTQFDUJWPT
TB JOUFSOBDJPOBM OPT 1BSBEJTF 1BQFST
EPTEFTDFOEFOUFTEF+PTÏ&EVBSEPEPT HVJBNQFTTPBT EBOEPBFOUFOEFSRVF
io

DPNCBTFFNmDIFJSPTEPFTDSJUØSJPEF
$" TFTUÍPGPSBEPNBOEBUP"RVFNSFDBJSÍPBTFTDPMIBT
4BOUPT  -PVSFOÎP KÈ UJOIBʪ FYPOFSBEP BD-
P RVF FTUBWB FN RVFTUÍP FSBN BT BD
*TBCFM EPT 4BOUPT EB QSFTJEÐODJB EB ÎÜFT OPDBTPEF5TDIJ[ÏFEB4FNCB BEWPHBEPT "QQMFCZ NPTUSB RVF  EPT
QFUSPMÓGFSB 4POBOHPM  F BGBTUBEP 5T- TFSJBVNDPOUSBUPiCBTUBOUFMFTJWPQBSB DJODPNJMNJMIÜFTEFFVSPTBUSJCVÓEPT ͻ 2VFNFTUÈQBSBTFUPSOBSVNWFSEBEFJSPNFSDFOÈSJPÏPBOUJHP
DIJ[ÏEPT4BOUPTEBUFMFWJTÍPQÞCMJDB  PTJOUFSFTTFTEP&TUBEPw
ʪʪ JOJDJBMNFOUFBP'VOEP4PCFSBOP DFS- OÞNFSP  F  DBQJUÍP EPT mambas  RVF  BDBCB EF BCSBÎBS VN
B51" ËRVBMFTUBWBMJHBEBBUSBWÏTEB 'JMPNFOPEPT4BOUPTDPNFÎPVQPSTFS DB EF  NJMIÜFT GPSBN BQMJDBEPT OPWP QSPKFDUP EFOPNJOBEP BDBEFNJB Ticofoot OB RVBM EFWFSÈ
FN TFUF GVOEPT EF JOWFTUJNFOUP5P- FYFSDFS PT DBSHPT EF 1$"  EJSFDUPS FYFDVUJWP F USFJOBEPS EF
ár

4FNCB BENJOJTUSBEPSʪEP'VOEP4PCFSBOPEF
0 BGBTUBNFOUP EF +PTÏ 'JMPNFOP "OHPMBF FN+VOIPEF ʪTVCJVB EPT FTUBWBN TFEJBEPT OBT .BVSÓDJBT  BWBOÎBEPT7BNPTBJTTP5JDP
PDPSSF BQFOBT EPJT EJBT EFQPJT EB QSFTJEFOUF EP DPOTFMIP EF BENJOJT
BENJOJT- VN UFSSJUØSJP PĊTIPSF JODMVÓEP QFMB
FOUSFWJTUB DPMFDUJWB EP 1SFTJEFOUF EF USBÎÍP POEFTØUÐNBTTFOUPNBJTEPJT 6OJÍP&VSPQFJBOBiMJTUBDJO[FOUBwEF
"OHPMB  EVSBOUF B RVBM SFTQPOEFV B NFNCSPT RVBOEP"SNBOEP.BOVFM  QBSBÓTPT mTDBJT  VN HSVQP EF  QBÓ- Em voz baixa
RVFTUÜFTTPCSFP'VOEP4PCFSBOPFPT FOUÍP Ë GSFOUF EP 'VOEP  GPJ DIBNB
DIBNB- TFTRVFTØFTDBQBSBNËQSJNFJSBiMJTUB ͻ 3PMBNDPQJPTBTMÈHSJNBTEFDSPDPEJMPEPTDBVTÓEJDPT"SNBOJ
mMIPTEPTFVBOUFDFTTPS FBJOEBQSFTJ-
mMIPTEPTFVBOUFDFTTPS FBJOEBQSFTJ EP B NJOJTUSP EBT 'JOBOÎBT QPS +PTÏ OFHSBw FVSPQFJB QPSRVF  FNCPSB OÍP QFMBQVCMJDJEBEFEBEBBPDBTPEBTMVWBTFOWPMWFOEPPTBWJÜFT
Di

EFOUFEP.1-"i/ÍPEJSJBRVFWPV &EVBSEPEPT4BOUPT DVNQSBN UPUBMNFOUF PT QBESÜFT EF CSBTVDBTQBSBBOPTTBDPNQBOIJBEFCBOEFJSB$SJNFEFDPMBSJ-


FYPOFSBSw EJTTF-PVSFOÎPFNSFTQPTUB 0 'VOEP 4PCFSBOP EF "OHPMB UFN DPPQFSBÎÍP FVSPQFJB FN NBUÏSJB mT- OIPCSBODPÏBTTJN2VFNQBHBBUÏUFNEJSFJUPBFYJHJSRVFTF
BVNBQFSHVOUBTPCSFRVBMTFSJBPGV-
BVNBQFSHVOUBTPCSFRVBMTFSJBPGV BQMJDBÎÜFT FN GVOEPT EF JOWFTUJNFO
JOWFTUJNFO- DBM KÈTFDPNQSPNFUFSBNBNFMIPSBS DBMFNBTJOTUJUVJÎÜFTEP&TUBEP
UVSP EF 'JMPNFOP OP GVOEP RVF HFSF UPTFEJBEPTFNQBSBÓTPTmTDBJTBUSBWÏT BTSFHSBT
Savana 12-01-2018
PUBLICIDADE 1

Suplemento sobre
Literacia Financeira da

o
log
A BOLSA DE VALORES E O PROCESSO DE COMPRA DE ACÇÕES

ció
1. A CRIAÇÃO E OBJECTIVOS DA BOLSA DE VALORES DE Actualmente existem 10 Operadores de Bolsa a actuar em Moçam-
MOÇAMBIQUE bique, e na sua maioria são bancos comerciais (Standard
( Bank, Bar-
No âmbito da implementação da sua política económica, o Gover- clays Bank, BCI-Banco Comercial e de Investimento, Millennium
no de Moçambique criou a Bolsa de Valores através do Decreto nº BIM, Banc ABC, Moza Banco, BNI – Banco Nacional de Investimen-
to, Banco Único, CPC-Cooperativa de Poupança e Crédito e o Banco
GHGH6HWHPEURFRPD½QDOLGDGHGH
so
BIG-Banco de Investimento Global).
O funcionamento do mercado de valores mobiliários e da BVM re-
ge-se pelo Código do Mercado de Valores Mobiliários e demais le-
gislação aplicável (Código Comercial, Actividade de Intermediação
Financeira, Constituição de Sociedades Financeiras, Lei Cambial,
um
Custos de Mercado e Central de Valores Mobiliários). São os seus
participantes e regulamentos que asseguram a existência de um
Com a criação da BVM, as Empresas e o Estado passaram a poder mercado bolsista em conformidade com as normas e “boas práti-
VDWLVID]HUDVVXDVQHFHVVLGDGHVGH½QDQFLDPHQWR, recorrendo aos
cas” internacionais.
produtos e serviços do mercado de capitais, através da captação das
poupanças dos investidores na compra de acções, obrigações, papel
comercial e outros títulos.
INTERMEDIAÇÃO
de

REGULADORES SUPERVISORES

2. OS PARTICIPANTES NA BOLSA DE VALORES EMPRESÁRIOS INVESTIDORES

MERCADO BOLSA
2VLQWHUYHQLHQWHVSULQFLSDLVQD%ROVDGH9DORUHVVmR DE CAPITAIS DE VALORES

(i) as Entidades Emitentes (Empresas e Estado,) pelo lado da ofer-


io

ta; MULTIPLICIDADE
DE EMPRESAS E
INVESTIDORES
DIVERSIFICAÇÃO
DE PRODUTOS E
SERVIÇOS

(ii) os Investidores, pelo lado da procura; LIVRE ACESSO LIQUIDEZ DO

(iii)os Intermediários Financeiros (Bancos Comerciais, Bancos de


AO MERCADO MERCADO
ár

TRANSPARÊNCIA

Custódia de Títulos, Operadores de Bolsa), do lado da interme- DO MERCADO

diação, e;
(iv) a Entidade de Tutela e de Supervisão, do lado da regulamen- 3. SERVIÇOS PRESTADOS PELA BVM
WDomR
Di

As atribuições nucleares da Bolsa de Valores de Moçambique (BVM)


Banco de
Moçambique
Estado Entidade
Entidades
Empresas
Bancos
Emitentes
Emitente Supervisão
consistem na gestão do mercado secundário de valores mobiliários
cotados e do sistema de negociação para a sua transacção, para
Investidores Tutela
Ministro da além das competências como entidade gestora da Central de Valo-
UHV0RELOLiULRV &90 GH$JrQFLD1DFLRQDOGH&RGL½FDomR,QWHUQD-
Mercado de Economia e
Valores Finanças
Mobiliários

Particulares
cional de Valores Mobiliários e Instrumentos Financeiros, e Promo-
Empresas
Investidores Institucionais
Regula-
tor da Dívida Pública Interna.
Entidades Não Residentes Assembleia da Repúblic
mentação
A Bolsa de Valores presta serviços de âmbito geral ao mercado
Conselho de Ministros
Ministério da Economia
Finanças
Instituições Financeiras
Operadores de Bolsa
Intermediários
Financeiros Banco de Moçambique
Bolsa de Valores
(prestação de informação, divulgação da bolsa, apoio às empresas e
2
PUBLICIDADE Savana 12-01-2018

aos investidores, adesão ao mercado bolsista), e outros de elevada 6. AS CONDIÇÕES E OS REQUISITOS PARA UMA EMPRESA
especialização, como a negociação dos títulos cotados na Bolsa, o COTAR-SE NA BOLSA
registo dos títulos emitidos em Moçambique e dos seus titulares, Quando as empresas tomam consciência das oportunidades que
DFRGL½FDomRLQWHUQDFLRQDOGRVWtWXORVSURGXWRVHLQVWUXPHQWRV½- podem ter por estar cotadas na Bolsa de Valores, logo de seguida
nanceiros negociados em Moçambique. VHFRORFDPDVVHJXLQWHVTXHVW}HVDPLQKDHPSUHVDSRGHHQWUDUQD
VHFRORFDPDVVHJXLQWHVTXHVW}HVDPLQKDHPSUHVDSRGHHQWUDUQ

o
Bolsa? O que preciso fazer concretamente para tal? É muito com-
01. 02.
plicado o processo? Demora muito tempo? Quanto custa? O que vai
PXGDUQDPLQKDHPSUHVD"(VWDQGRFRWDGDHPEROVDTXHGLIHUHQoD
PXGDUQDPLQKDHPSUHVD"(VWDQGRFRWDGDHPEROVDTXHGLIHUHQoD

log
APOIO AO NEGOCIAÇÃO
MERCADO E SEUS DE TÍTULOS DPLQKDHPSUHVDWHUiHPUHODomRDRXWUDVQmRFRWDGDV"
PARTICIPANTES COTADOS
BOLSA O mercado bolsista está segmentado em função da dimensão das
DE HPSUHVDVKDYHQGRSRULVVRXPPHUFDGRSDUDR(VWDGRHDV*UDQ-
VALORES GHV (PSUHVDV ° R 0&2 RX 0HUFDGR GH &RWDo}HV 2½FLDLV ° H XP
03. 04. mercado de bolsa para as PME (Pequenas e Médias Empresas) – o

ció
SME ou Segundo Mercado.
AGÊNCIA CENTRAL DE
NACIONAL DE
CODIFICAÇÃO
VALORES
MOBILIÁRIOS O mercado de bolsa para as Pequenas e Médias Empresas foi criado
pela BVM em 2008, para permitir o acesso deste importante seg-
mento do sector empresarial moçambicano ao Mercado de Capitais
4. PRODUTOS NEGOCIÁVEIS NA BOLSA HDVVLPVHUHP½QDQFLDGDVDXPFXVWRGHFDSLWDOUHODWLYDPHQWHPD
HDVVLPVHUHP½QDQFLDGDVDXPFXVWRGHFDSLWDOUHODWLYDPHQWHPDLV
2 PHUFDGR GH FDSLWDLV GLVS}H GH XP FRQMXQWR GH LQVWUXPHQWRV ½-
nanceiros, com diferentes graus de risco, liquidez e rentabilidade,
baixo.
so
emitidos por entidades públicas e privadas, e negociáveis em Bolsa. O Código do Mercado de Valores Mobiliários, aprovado pelo Decreto-
Estes instrumentos são títulos ou valores mobiliários, representa- /HL Qž  GH  GH -XOKR HVWDEHOHFH FRPSHWrQFLDV j %ROVD
%ROVD
dos de forma física ou materializada (as acções em papel) ou escri- de Valores para a criação de novos mercados de bolsa. A título de
turais/desmaterializados (registos electrónicos). Podem ainda ser H[HPSORSRGHPVHUFULDGRVRVVHJXLQWHVPHUFDGRV
um
WtWXORVDRSRUWDGRU VHPLGHQWL½FDomRGRVHXWLWXODU RXQRPLQDWLYRV
WtWXORVDRSRUWDGRU VHPLGHQWL½FDomRGRVHXWLWXODU RXQRPLQDWLYRV
FRPLGHQWL½FDomRGRWLWXODU  1) Mercado sem Cotações (mercado para as empresas que ainda
não cumprem todos os requisitos do MCO e do SME);
2) Mercado de “Startups”;

3) Mercado de MegaProjectos, e;

4) 2XWURVPHUFDGRVTXHSHODVXDQDWXUH]DGLPHQVmRHHVSHFL½FL-
de

GDGHMXVWL½TXHPDVXDFULDomR

3DUDGDUPDLRUQtYHOGHFRQ½DQoDDRPHUFDGRHDRVVHXVLQYHVWL-
dores, a BVM condiciona a cotação das empresas ao cumprimento
de um conjunto de requisitos (legais, económicos e de mercado),
que são diferentes para cada um dos tipos de títulos (acções, obri-
gações, papel comercial e outros) e para cada um dos Mercados de
io

%ROVD 0HUFDGRGH&RWDo}HV2½FLDLVH6HJXQGR0HUFDGRGH%ROVD 
De entre as condições exigidas para a admissão em bolsa, as mais
5. VANTAGENS DAS EMPRESAS COTADAS NA BOLSA relevantes são os requisitos de mercado (livre negociação dos títulos
e dispersão mínima de capital social da empresa pelo público). Vide
ár

MERCADO BOLSISTA,
DOS INVESTIDORES
ESTRANGEIROS
WDEHODDVHJXLUTXHDSUHVHQWDRVUHTXLVLWRVGHDGPLVVmRjFRWDomR
ISENÇÃO DE
MUITOS INVESTIDORES, IMPOSTO DE
POTENCIAL DE MAIS SELO NAS
NEGÓCIO 04 TRANSACÇÕES MERCADO DE COTAÇÕES OFICIAIS SEGUNDO MERCADO
REQUISITOS DE ADMISSÃO À COTAÇÃO PARA ACÇÕES (Estado e Grandes Empresas) (Pequenas e Médias Empresas)
TEMPO E CUSTOS
Di

DE BOLSA
03
05
POUPANÇA
CONFORMIDADE LEGAL DA EMPRESA E DAS ACÇÕES
ü ü TEMPO DE UM PROCESSO DE
ADMISSÃO À COTAÇÃO DE
OPÇÕES DE FISCAL DE 50%
FINANCIAMENTO NOS ACÇÕES: 3 A 6 MESES
SEM JUROS DIVIDENDOS
CAPITALIZAÇÃO BOLSISTA PREVÍSIVEL OU VALOR DE CAPITAIS PRÓPRIOS 16 000 000 MT 4 000 000 MT
02 06 CUSTOS DA BVM
ADEQUADA SITUAÇÃO ECONÓMICA-FINANCEIRA DA SOCIEDADE
ü ü
EXPATRIAMENTO TAXA DE ADMISSÃO: 0,05%
MAIOR DE CAPITAIS PUBLICAÇÃO DE RELATÓRIOS DE GESTÃO E CONTAS ANUAIS DA SOCIEDADE 2 anos 9 meses
VISIBILIDADE FAVORÁVEL TAXA DE MANUTENÇÃO: 0,01%
DA EMPRESA
VANTAGENS
01 DAS EMPRESAS 07
LIVRE TRANSMISSIBILIDADE DAS ACÇÕES
ü ü TAXA DA CENTRAL: 0,08%

COTADAS NA TAXA DO BANCO: VARIÁVEL


BOLSA DISPERSÃO DE ACÇÕES A COTAR EM BOLSA 15% 5%
Savana 12-01-2018
PUBLICIDADE 3

As condições mais importantes para uma empresa ser admitida à Os investidores devem comprar acções de empresas cotadas na
FRWDomRVmRTXDWUR  DHPSUHVDGHYHVHUXPD6RFLHGDGH$QyQLPD bolsa por ser um investimento de menor risco que as acções não
para ter o capital social representado por acções; (2) as acções da cotadas. As empresas cotadas na bolsa são obrigadas a publicar
sociedade devem ser livremente transmissíveis; (3) a sociedade tem informação relevante para o mercado e para os investidores, o que
de ter contas auditadas, e; (4) parte das acções que representam o UHIRUoDDWUDQVSDUrQFLDHDFRQ½DQoDGDTXHOHVTXHSRXSDPHTXH-

o
capital social das empresas devem estar dispersas pelo público. rem investir. As empresas não cotadas não, sendo portanto o risco
relativamente maior.
8PD YH] TXH DV HPSUHVDV WHQKDP DV FRQGLo}HV EiVLFDV SDUD FR-

log
tarem-se na Bolsa de Valores, as empresas têm de assegurar que Os investidores podem comprar acções no mercado bolsista, mas
as suas acções estão registadas na Central de Valores Mobiliários, WDPEpPDVSRGHPFRPSUDUHPRSHUDo}HVHVSHFLDLVDV239°2IHU-
assim como os seus accionistas, e solicitarem à Bolsa de Valores o tas Públicas de Venda – onde as empresas lançam para o mercado
pedido de Admissão à Cotação, cujo processo documental faz parte um conjunto de acções para serem compradas pelos investidores
um dos mais importantes documentos para a tomada de decisão durante um certo período de tempo (de 2 a 4 semanas), com o ob-
dos investidores, o Prospecto de Admissão à Cotação. MHFWLYRGH½QDQFLDUDHPSUHVDRXGLVSHUVDUDVDFo}HVSHORS~EOL
MHFWLYRGH½QDQFLDUDHPSUHVDRXGLVSHUVDUDVDFo}HVSHORS~EOLFR

ció
SDUDGHSRLVVHUHPFRWDGDVQDEROVDGHYDORUHVHDVVLPEHQH½FLD
SDUDGHSRLVVHUHPFRWDGDVQDEROVDGHYDORUHVHDVVLPEHQH½FLDU
&RQGLo}HVSDUDDDGPLVVmRjFRWDomRQD%ROVD
das suas vantagens. É desta forma que as acções da HCB serão
vendidas aos investidores nacionais
1 A Empresa tomou a decisão de cotar-se em Bolsa 6 Registo das acções na Central dee Valores Mobiliári
Mo
(os cidadãos, as empresas e as ins-
Organizar o Processo Documental de Admissão à tituições moçambicanas que fazem
2 7 (Prospecto)
poupanças e querem investir nessa
É uma Sociedade Anónima

4
3 As acções a cotar são livremente transmissíveis

Tem Contas auditadas e publicadas em B.Cotaçõe 9


8 Pedido de
so
Admissão
são

BVM analisa e decide


à Cotação na BVM via

ecide da Admissão à Cotação


Cota
Corre
Co empresa estratégica do país).

8. COMO OS INVESTIDORES PODEM


5 10
COMPRAR ACÇÕES?
As acções estão suficientemente dispersas pelos accio EMPRESA ADMITIDA
DMITIDA À COTAÇ
COTAÇÃO NA BOLSA DE VA
um

7. OS INVESTIDORES E O MERCADO BOLSISTA


As acções estão cotadas na Bolsa de Valores, mas os investidores
Cada vez mais se ouve falar da bolsa de valores em Moçambique. É compram as acções dirigindo-se não à Bolsa nem às empresas,
a televisão, é a rádio, são os jornais e as revistas, nas instituições mas sim às instituições bancárias, e manifestam essa intenção ao
IXQFLRQiULRGREDQFRTXHSRUVXDYH]OKHHQWUHJDXPLPSUHVVRH -
½QDQFHLUDVQRTXDGURGDVQHFHVVLGDGHVGH½QDQFLDPHQWRQDVFRQ- IXQFLRQiULRGREDQFRTXHSRUVXDYH]OKHHQWUHJDXPLPSUHVVRHV
YHUVDVGHFDIpHQRFRQWH[WRGHQHJyFLRVHGRVLVWHPD½QDQFHLUR
YHUVDVGHFDIpHQRFRQWH[WRGHQHJyFLRVHGRVLVWHPD½QDQFHLUR SHFLDOSDUDSUHHQFKHUR,035(662'(25'(0'(&2035$
frequentemente se fala da bolsa de valores, das empresas que estão
de

cotadas na bolsa, das empresas que querem admitir-se na bolsa,


Onde e Como é que eu posso comprar acções ?
das acções que podem ser compradas pelos investidores e cida-
dãos (por aqueles que tem poupanças e querem investir).E o mais
recente exemplo é o anúncio da venda de 7,5% das acções da HCB 1) Vá ao seu Banco, e diga que quer comprar acções.
através da BVM. 2) O Banco vai dar-lhe um impresso de ordem de compra para
io

Quando se ouve falar de acções, também se abordam termos como preencher.


dividendos, cotações, expressões que parecem ser atractivas, e que 3) O Banco vai inserir a sua ordem de compra no Sistema de
WRGRVTXHUHPWHU0DVFRPRRFRQVHJXLU"$VROXomRpLQYHVWLUQ
WRGRVTXHUHPWHU0DVFRPRRFRQVHJXLU"$VROXomRpLQYHVWLUQR Negociação da BVM, que funciona de 2ª a 6ª feira, das 8h às
mercado da Bolsa e comprar acções, passando a ser um accionista.
ár

12h.

Só quem Posso aumentar


Di

conseguir poupar as minhas


é que vai poder poupanças, se
investir em souber como
acções da Bolsa investir na Bolsa

Todos devem Uma regra de 1HVVHLPSUHVVRWDPEpPFKDPDGR25'(0'(&2035$RLQYHVWL-


fazer um esforço ouro quando se
de poupar,
GRUYDLSUHHQFKHURVGDGRVGDVXDLGHQWL½FDomR QRPHQ~PHURGR
investe na Bolsa:
mesmo que a Poupar é muito
importante,
“não pôr todos os BI, NUIT, morada, contacto), e os dados das acções que quer com-
poupança seja
pequena porque se não há
ovos no mesmo
cesto” prar (a empresa detentora das acções que quer comprar, a quanti-
poupança, não há
como investir dade de acções desejada, o preço que está disposto a pagar por cada
DFomR HREDQFRHQWUHJDXPFRPSURYDWLYRGD25'(0'(&2035$
4
PUBLICIDADE Savana 12-01-2018

Em Moçambique, é obrigatório que as empresas e os accionistas re- Os investidores compram acções cotadas na Bolsa de Valores pelas
gistem as suas acções na Bolsa de Valores de Moçambique, através VHJXLQWHVUD]}HV
da Central de Valores Mobiliários (CVM). Este serviço centralizado
GRUHJLVWRGHDFo}HVpVLPLODUDR$UTXLYRGH,GHQWL½FDomRPDVHP 1) Para receber os lucros distribuídos pela empresa aos seus ac-
vez de se registar pessoas, registam-se as acções das empresas e cionistas (dividendos);
outros títulos (obrigações, papel comercial, …). 2) Porque espera que as acções subam de preço (valorização das

o
Se o investidor ainda não está registado na CVM, a instituição bancá- acções);
ria vai promover o seu registo sem custos adicionais, da mesma for- 3) Prestígio de ser accionista de uma determinada empresa;

log
ma que as operadoras móveis o fazem em relação aos seus clientes.
4) 3DUDGLYHUVL½FDUDDSOLFDomRGDVVXDVSRXSDQoDV
5) Como investimento de médio e longo prazo;
9. QUE ACÇÕES COMPRAR E A QUE PREÇO? 6) Como mecanismo de empoderamento económico (caso da CDM,
CMH, EMOSE, e agora, HCB!).
Para o investidor saber quais as empresas cotadas na bolsa, e as

ció
acções que estão à venda, assim como o preço a que têm sido ne-
JRFLDGDV FKDPDVHDLVWR&27$d¬2GDVDFo}HV GHYHFRQVXOWDUR
website da BVM (www.bvm.co.mz)RXDVXDSXEOLFDomRR½FLDORBo-
letim de Cotações, onde vai localizar essas informações e muitas
outras disponíveis como, por exemplo, o prospecto de admissão à Anualmente, as empresas
cotação da empresa, contendo informação útil sobre a empresa. distribuem lucros aos seus
Para além disso, também os jornais diários, os programas econó-
micos de televisão, as revistas e outras fontes de informação, fazem
divulgação das acções cotadas na Bolsa de Valores.
Com base no preço a que as acções têm sido negociadas na Bolsa,
so accionistas

o investidor diz qual o preço pelo qual quer comprar as acções. Nas
239RSUHoRGDVDFo}HVp½[RHMiFRQKHFLGRDQWHVGRLQtFLRGDVXD
239RSUHoRGDVDFo}HVp½[RHMiFRQKHFLGRDQWHVGRLQtFLRGDVXD Os lucros distribuídos aos
venda aos investidores.
um
accionistas chamam-se
Ao valor da compra das acções são acrescidas as taxas obrigatórias dividendos
por lei - a taxa de bolsa (0,1%), a taxa da central de valores mobiliá-
rios (0,2%), a taxa de corretagem (0,2%) – e as taxas do banco nas
condições do respectivo preçário.
11. NOTA FINAL
8VDUD%90pXPDRSRUWXQLGDGHFRQFUHWDGHDFHGHUD½QDQFLDPHQ-
de

10. O INVESTIDOR DEU A ORDEM DE COMPRA AO BANCO. E to para os programas de investimento e desenvolvimento das em-
DEPOIS? presas e um mecanismo para a aplicação de poupanças pelos cida-
GmRVHPSUHVDVHLQVWLWXLo}HVTXHWHPKiELWRVGHID]HUSRXSDQoDV

Os Bancos que receberam as ordens de compra dos investidores, Para comprar acções de uma empresa cotada em Bolsa, o interes-
YmRUHJLVWDUHVVDVRUGHQVQD%ROVDGH9DORUHVRQGH½FDPUHJLVWD- sado deve dirigir-se a um Operador de Bolsa especialmente cre-
YmRUHJLVWDUHVVDVRUGHQVQD%ROVDGH9DORUHVRQGH½FDPUHJLVW
das todas as ordens de bolsa, para serem processadas na Sessão de denciado para o efeito, e referido no Ponto 2 deste suplemento, que
está em permanente articulação com os serviços da BVM, através
io

%ROVDTXHGHFRUUHWRGRVRVGLDV~WHLVGDVKjVK
GHXPDSODWDIRUPDHVSHFt½FDSDUDDQHJRFLDomRHP%ROVD
DFo}HVIRUDPGLVWULEXtGDVSHODV -
1R½QDOGD6HVVmRGH%ROVDDVDFo}HVIRUDPGLVWULEXtGDVSHODVRU
1R½QDOGD6HVVmRGH%ROVDDVDFo}HVIRUDPGLVWULEXtGDVSHODV
1R½QDOGD6HVVmRGH%ROVDDV
dens de compra dos investidores, de acordo com as regras de nego- Apelamos a todos os interessados em investir em Bolsa ou os que
ciação que são públicas, garantindo a transparência e a igualdade WHQKDPLQWHUHVVHHPWHUPDLVLQIRUPDomRVREUHRDVVXQWRDYLVLWDU
ár

de tratamento entre todos os investidores. o Website e o Boletim de Cotações da BVM.


Depois da Sessão de Bolsa, a BVM comunica ao Banco onde cada $SUHVHQWDVH HP GHVWDTXH QR ½QDO GH 6XSOHPHQWR RV FRQWDFWRV
investidor deu a sua ordem de compra, a quantidade de acções que da instituição, por forma a assegurar que todos os cidadãos, empre-
OKHIRLDWULEXtGDTXHSRGHWHUVLGRQDWRWDOLdade ou só parte das ac- sas, investidores, estudantes, investigadores, instituições, possam
Di

ções que pretendia comprar. O investidor só paga pelas acções que contactar-nos sobre qualquer dúvida, esclarecimento, assistência e
comprou. DFRQVHOKDPHQWR

$V DFo}HV FRPSUDGDV YmR ½FDU UHJLVWDGDV HP QRPH GR LQYHVWLGRU INVESTIR EM BOLSA É APOSTAR NA ECONOMIA E NO
DJRUD DFFLRQLVWD  MXQWR GR VHX EDQFR QXPD FRQWD HVSHFLDO FKD- DESENVOLVIMENTO DE MOÇAMBIQUE!
mada de CONTA DE TÍTULOS, cujo extracto mostra a quantidade de
acções comprada. Maputo, 12 de Janeiro de 2018

Avenida 25 de Setembro, 1230, 5º andar - Bloco 5 do Prédio 33 Andares Maputo – Moçambique


4`_eRTe`d+7Zi`#&)#"$!))#' ( )7Ri#&)#"$"!&&*6^RZ]+Sg^1Sg^T`^khVSdZeV+hhhSg^T`^k