Sie sind auf Seite 1von 38

Serial ATA

Esta página ou secção cita fontes


fiáveis e independentes, mas que não
cobrem todo o conteúdo, o que
compromete a verificabilidade
(desde setembro de 2013). Por favor,
insira mais referências no texto.
Material sem fontes poderá ser
removido.
—Encontre fontes: Google (notícias,
livros e acadêmico)
Esta página precisa ser reciclada de
acordo com o livro de estilo (desde
novembro de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que
esta possa atingir um nível de
qualidade superior.

Cabo de alimentação para drives Serial ATA.


Slot Serial ATA em uma placa-mãe.

Serial ATA, SATA ou S-ATA (acrônimo


para Serial AT Attachment) é uma
tecnologia de transferência de dados em
série entre um computador e
dispositivos de armazenamento em
massa (mass storage devices) como
unidades de disco rígido e drives ópticos.

É o sucessor da tecnologia ATA


(acrônimo de AT Attachment, introduzido
em 1984 pela IBM em seu computador
AT. ATA, também conhecido como IDE ou
Integrated Drive Electronics) que foi
renomeada para PATA (Parallel ATA) para
se diferenciar de SATA.

Diferentemente dos dispositivos de


interface PATA, que transmitem os dados
através de cabos de quarenta ou oitenta
fios paralelos, o que resulta num cabo
demasiadamente largo, os dispositivos
de interface SATA transferem os dados
em série. Os cabos Serial ATA são
formados por dois pares de fios (um par
para transmissão e outro par para
recepção) usando transmissão
diferencial, e mais três fios terra,
totalizando 7 fios,[1] o que permite usar
cabos com menor diâmetro que não
interferem na ventilação do gabinete.

As principais vantagens sobre a


tradicional interface paralela é que o
SATA, com a estratégia de transmissão
serial, possui maior rapidez na
transferência de dados, possibilidade de
remover ou acrescentar dispositivos do
tipo hot-swap e utilização de cabos mais
finos que permitem o resfriamento de ar
de forma mais eficiente.

Advanced Host Controller


Interface
O padrão de interface dos controladores
SATA é AHCI (Advanced Host Controller
Interface) que permite a utilização de
recursos avançados, como o SATA hot
plug e NCQ (Native Command Queuing),
sejam ativados quando o AHCI não está
conectado no chipset da placa-mãe. Isso
porque os controladores SATA,
normalmente funcionam em emulação
"IDE", cuja função não permite que os
recursos do dispositivo sejam
acessados, pois o padrão ATA/IDE não
suporta. Os controladores de
dispositivos de drivers do Windows são
rotulados como SATA, mas funcionam
normalmente na emulação do modo IDE,
exceto se forem expressos como AHCI.
Enquanto que os drivers incluídos com o
Windows XP não suportam AHCI devido
ter sido implementada por proprietários
controladores de dispositivos. As
versões atuais do Windows7, Windows
Vista, Mac OS X e Linux [1] têm suporte
nativo para AHCI.

Características

Cabo de dados serial para conexão com um disco


rígido.

O padrão Serial ATA usa o esquema de


codificação conhecido como 8B/10B,
também usado na Fast Ethernet.
Hot swapping - pode ser trocado a
"quente", ou seja, enquanto está ligado.
Capacidade de reconhecer os
dispositivos de imediato após serem
conectados.
Ligação de dispositivos exteriores.
A atual especificação SATA pode
apoiar as taxas de transferência de
dados tão elevadas quanto 6,0 Gbit / s
por aparelho.
SATA usa apenas 4 sinais de linhas.
Os cabos são mais compactos e mais
baratos do que PATA.
SATA suporta hot-swap e NCQ.
Existe um conector especial (eSATA)
especificado para dispositivos
externos e, opcionalmente
implementado como uma provisão
para clips, com o objetivo de assegurar
que as conexões internas fiquem
firmemente no lugar.
Os drives SATA podem ser conectados
em SAS (Serial Attached SCSI) e
comunicar-se ao mesmo cabo físico
em discos nativos do SAS, mas os
controladores SATA não podem
manipular discos do SAS.

Throughput
Função dos pinos de um cabo Serial ATA, onde A e

B representam os dois canais separados usados


para a transmissão de dados diferencial.

A primeira geração Serial-ATA, também


conhecida como SATA/150 ou mesmo
SATA I, funciona em 1,5 giga-hertz. A
transferência de dados é de 1,2 gigabits
por segundo ou 150 megabytes por
segundo, o que permite cabos mais
longos do que os antigos cabos IDE ou
ATA/133.
Disco rígido com entrada Serial ATA da Samsung.

Com o lançamento do chipset NVIDIA


nForce4 em 2004 a taxa de clock dos
Discos Rígidos SATA foi duplicada
chegando a 3.0 GHz com uma
transferência máxima de 300 MB/s.
SATA II é geralmente compatível com
SATA I, tanto de SATA II para SATA I
quanto ao contrário, o que permite usar
os mesmos plugs e os mesmos cabos.
No entanto alguns sistemas não
suportam a velocidade SATA II e a
velocidade do clock deve ser limitada
manualmente para 150 Mb/s por meio
de um jumper. A tecnologia SATA II
também é conhecida como SATA/300.
Abaixo uma tabela com o resumo das
características de velocidade do padrão.

Características SATA 1.5 Gb/s SATA 3 Gb/s SATA 6 Gb/s

Frequência do barramento 100 MHz 100 MHz 100 MHz - Bits/clock 1 1 1

Codificação 8B/10B 80% 80% 80%

bits/Byte 8 8 8

Velocidade máxima teórica 1,5 Gbits 3 GBits/s 6 GBits

SATA 1,5 Gbit/s

Interfaces SATA de primeira geração,


também conhecidas como SATA/150 ou
não oficialmente como SATA 1, que se
comunicam a uma taxa de 1,5 gigabits
por segundo (Gbit / s). Tendo em conta
as codificações gerais 8b10b, cuja taxa
real de transferências não codificadas é
de 1,2 Gbit/s, ou 1200 megabits por
segundo (Mbit/s), mas com a diferença
que a frequência do barramento PCI
atinge velocidade 33 MHZ para transmitir
IDE 133 MB/s e o Serial ATA atinge 100
MHZ para transmitir 150 MB/s. A teórica
ruptura throughput de SATA/150 é
semelhante ao de ATA / 133, mas os
mais recentes dispositivos SATA
oferecem acessórios como NCQ que
melhoram o desempenho em um
ambiente multitarefa. As taxas de
transferência de dados são limitados por
processos mecânicos de discos rígidos
por eles mesmos, e não as interfaces: o
mais rápido e moderno desktop hard
drives transfere dados no máximo, 120
MB / s, que está bem dentro das
potencialidades especificadas na mais
antiga PATA/133.

Durante o período inicial após a


finalização e adaptação de SATA/150 's,
e fabricação do drive usando um "bridge
chip" para converter designs existentes
no PATA para uso com a interface SATA.
Os drives tem uma conexão SATA e
podem incluir ambos os tipos de power
connectors, e geralmente executam
identicamente aos seus equivalentes
PATA. Na maioria das características
específicas falta suporte de SATA, tais
como NCQ. Produtos Bridge que davam
gradativamente uma função a nativa
SATA .

SATA 3.0 Gbit/s

Logo após a introdução de SATA/150


uma série de falhas foram observadas.
No mesmo nível da aplicação SATA só
poderia tratar uma transação pendente
em um momento, como PATA; a
interface SCSI há muito tempo aceita
vários pedidos pendentes e, de
prestação de serviços na ordem resposta
que minimiza o tempo. Este recurso,
NCQ (Native Command Queuing), foi
aprovado como um recurso opcional
apoiado por SATA 1,5 Gbit / s SATA e 3,0
Gbit / s dispositivos.

Os dispositivos da primeira geração


SATA, na melhor das hipóteses era
pouco mais rápida que os dispositivos
parallel ATA/133 . Com o acréscimo de 3
Gbit /s, a taxa de sinalização foi
acrescentada à Physical layer (PHY
layer), duplicando eficazmente o máximo
lançamento de dados (throughput) de
150 MB / s para 300 MB / s. Com a taxa
de transferência SATA/300 's espera-se
satisfazer as exigências de lançamentos
de drives (throughput) em algum tempo.
Os discos rígidos mais rápidos desktop,
mal preenchem um link SATA/150. Um
cabo de dados SATA classificado para
1,5 Gbit / s irá assegurar a segunda
geração atual de dispositivos SATA 3,0
Gbit / s, sem qualquer perda de rebentar
a transferência dos dados sustentados e
desempenhados.

A Compatibilidade inversa entre os


controladores SATA 1,5 Gbit / s e os
dispositivos SATA 3,0 Gbit / s foi
importante, por isso a seqüência da auto-
negociação SATA/300 's é projetada para
cair a velocidade SATA/150 (taxa de 1,5
Gbit / s), quando em comunicação com
tais dispositivos. Na prática, alguns dos
mais antigos controladores SATA não
aplicam corretamente velocidade
negociada de SATA. Sistemas atingidos
requerem que o utilizador possa definir
os periféricos de SATA 3,0 Gbit / s para o
modem 1,5 Gbit / s, geralmente através
do uso de um jumper. Chipsets são
conhecidos por ter esta falha e inclui o
VIA VT8237 e VT8237R south bridges, e
os controladores autônomos de
chipsets, VIA VT6420 e VT6421L SATA;
SiS's 760 e 964 inicialmente exibiram
também este problema, embora possa
ser corrigido com uma atualização no
controlador ROM SATA.

SATA II Misnomer
A especificação dos 3,0 Gbit / s foi
amplamente referida como "Serial ATA II"
( "SATA II" ou "SATA2"), contra a vontade
da Organização Internacional do Serial
ATA (SATA-IO) que define a norma. SATA
II foi originalmente o nome de uma
comissão que define normas atualizadas
SATA, da qual o padrão 3 Gbit / s era
apenas um. No entanto, uma vez que foi
um das mais proeminentes
características definidas pela comissão
ex-SATA II, Este nome tornou-se
sinônimo padrão de 3 Gbit / s, de modo
que o grupo tenha mudado tais nomes,
para a Organização Internacional Serial
ATA, ou SATA-IO, para evitar futuras
confusões.
SATA 6.0 Gbit/s

O roteiro do SATA inclui planos para o


padrão de 6,0 Gbit / s. Nos PCs atuais,
SATA 3,0 Gbit / s que já excede
largamente as rupturas não sustentáveis
(non-burst) de taxas de transferência,
dos discos rígidos mais rápidos. O
padrão dos 6,0 Gbit / s é útil no momento
de uso de multiplicadores de porta (port
multipliers), que permitem que os
dispositivos múltiplos sejam ligados a
uma única porta Serial ATA, partilhando
assim com múltiplos drives. Drives do
tipo SSD (Solid-state drives) podem
também um dia fazer uso da taxa de
transferência mais alta.
Cabos e conectores

A esquerda um cabo SATA, e a direita um cabo


eSATA.

Os conectores e cabos são as partes


mais visíveis da diferença entre SATA e o
drives Parallel ATA. Ao contrário PATA, os
mesmos são utilizados em conectores
3.5-in (90 mm )nos discos rígidos SATA,
para computadores desktop e servidor e
2.5-in (70 mm), discos para
computadores portáteis ou pequenos, o
que permitem 2,5 drives para serem
usados em computadores desktop sem
a necessidade de cabos adaptadores
(montando um adaptador que ainda seja
necessário montar um drive
firmemente).

Os power connectors SATA e os


conectores de dados foram criticados
pela sua fragilidade e robustez pobre - e
tops de plástico fino para conexão
(power conectors ver a foto à direita)o
qual pode facilmente quebrar devido à
força, quando o usuário puxa o plugue
em um ângulo não-ortogonal, isso
porque os conectores podem ligá-los à
drives. No caso de um conector quebrar
em um disco rígido, isto poderia resultar
em uma perda completa de acesso a
todos os dados armazenados no disco
rígido.

Dados

O padrão SATA define um cabo de dados


com sete condutores (3 terras e 4 linhas
de dados ativadas em dois pares) e com
conectores wafer de 8 mm de largura em
cada extremidade. Os cabos SATA
podem ser de até 1 m (39 in) de
comprimento, ligando um soquete da
placa-mãe a uma unidade de disco
rígido. Em comparação PATA ribbon
cable, que conecta um socket da placa-
mãe até dois discos rígidos, carregando
40 - ou 80 fios-condutores, limitados a
45 cm (a 18 in) na extensão pela
especificação PATA (entretanto, cabos
de até 90 centímetros (a 36) estão
facilmente disponíveis). Assim, cabos e
conectores SATA são mais fáceis para
se encaixar em espaços fechados e
reduzir os obstáculos para o ar frio (air
cooling). Eles são mais susceptíveis à
quebra acidental e delegável do que
PATA, mas os cabos podem ser
adquiridos por um "bloqueio"
característico, segundo a qual uma
pequena mola (normalmente metais)
prende o plugue no soquete.[2]
O Parallel ATA utiliza sinais únicos de
acabamento (single-ended signalling).
Neste sistema, o ruído combina com os
sinais dados durante a transmissão. O
ruído provoca interferência significativa
com os sinais dados em alta velocidade.
A fim de reduzir o ruído de interferências;
a tensão de condução Parallel ATA é tão
elevada como 5 volts . Apesar da maior
tensão reduzir o ruído interferência, 5
volts é demasiadamente elevado para a
alta velocidade de dispositivos
modernos de silício. Assim, o custo de
fabricação de condução ICs é mais
elevado, cuja velocidade é limitada em
comparação com baixa tensão de
circuitos s de silício integrado.
Em comparação, o uso sistemas SATA
de um diferencial de sinalização
(differential signaling). Neste sistema, é
fácil filtrar para fora o ruído do sinal dos
dados na extremidade de recepção. O
sistema SATA permite maior rejeição do
ruído, usando apenas 500 mV pico-a-pico
de tensão diferencial para transportar o
sinal em alta velocidade sem distorção
ou ruído interferência.

Em comparação com tensão 5 V na


condução ribbon cables PATA, os cabos
SATA de 0,5 V, na teoria, tornam o
sistema SATA muito mais poderoso e
eficiente. Porém, a maioria dos chipsets
SATA precisam significativamente mais
energia do que os chipsets PATA, devido
à rapidez exigida na codificação por fio.

Potência

O padrão especifico SATA tem um novo


conector de força. Como o cabo de
dados, ele é wafer-based, mas seu pino-
15 mais largo impede que
acidentalmente seja forçado uma
inserção do tipo errado de conector. Os
dispositivos SATA favorecem
naturalmente o conector de força SATA
ao longo dos conhecidos conectores
Molex de 4 pinos(encontrado em todo o
equipamento PATA), contudo algumas
unidades SATA mantém conectores
Molex ultrapassados de 4 pinos.

Há mais pinos do que o conector


tradicional por várias razões:

Uma terceira tensão é fornecida - 3,3 V


- além da tradicional 5 V, e 12 V.
Cada tensão é fornecida por três pinos
ligados juntos - porque os pinos
pequenos sozinhos não podem
fornecer a corrente suficiente para
alguns dispositivos.
Para cada uma das três tensões, um
dos três pinos é usado para
hotplugging.
O terra é fornecido por cinco pinos
ligados.
Pino 11 é utilizado em drives mais
novos para staggered spinup.
Os adaptadores disponíveis para
converter um conector Molex de 4
pinos a uma conexão de alimentação
SATA.
Entretanto porque os conectores
Molex de 4-pinos não fornecem um
power, estes adaptadores de 3.3 V
fornecem energia de apenas 5 V e 12
V, deixando as linhas de 3.3 V
desligadas. Isso impede a utilização
de tais adaptadores exigidos pelos
drivers de 3,3 V.
Compreendendo isto, os fabricantes
de drivers têm deixado os pinos de 3,3
V desligados.

No entanto, sem a tensão de 3,3 V, o


dispositivo SATA não é capaz de aplicar
os hotplugging mencionado no parágrafo
anterior.

Topologia
SATA é uma arquitetura ponto a ponto. A
ligação é direta entre o controlador e o
dispositivo de armazenamento.

Em um PC moderno, o controlador SATA


é normalmente encontrado na placa-
mãe, ou instalado em um slot PCI.
Alguns controladores SATA podem ter
múltiplas portas SATA e pode ser ligado
a vários dispositivos de armazenamento.
Há também o expansor de porta que
possibilita que os dispositivos de
múltiplo armazenamento sejam
conectados a uma única porta do
controlador SATA.

Codificação
Estes protocolos de transmissão de alta
velocidade usam uma codificação lógica
conhecida como 8b10b. O sinal é
enviado usando o NRZ (Non-return to
Zero) que codifica a LVDS (Low Voltage
Differential Signaling).
A codificação e sincronização do sinal
no 8b10b é incluído na seqüência dos
dados. Esta técnica é conhecida como
recuperação dos dados do relógio(Clock
Data Recovery), porque ela não usa um
sinal separado de sincronização. Em vez
disso, ela usa o serial do sinal de 0 a 1
transição para recuperar o sinal do
relógio.

Armazenamento Externo Visando o


mercado de consumo armazenamento
externo, eSATA entra no mercado já
servido pela interface USB e FireWire. É
provável que eSATA venha acompanhado
com USB 2,0 e FireWire external storage
por várias razões. Tal como no início de
2008 a grande maioria do mercado de
massa de computadores têm portas USB
e muitos computadores e aparelhos
eletroeletrônicos têm portas FireWire,
mas poucos têm dispositivos externos
SATA .

A partir do segundo semestre de 2008,


SATA-IO espera eSATA, para fornecer
energia a eSATA dispositivos, sem a
necessidade de um conector de força
adicional, separado.

Antes de descobrir o padrão eSATA,


houve uma série de produtos projetados
para conexões externas de unidades
SATA. Algumas destas utilizaram o
conector SATA interno ou mesmo
conectores destinados a outros
interfaces, tais como FireWire. Estes
produtos não são como o padrão eSATA.
A especificação final eSATA traz como
características específicas um conector
projetado para manuseio, semelhante ao
conector SATA regular, mas com
reforços em ambos os lados "macho e
fêmea, inspirado pelo conector USB. É
mais difícil de se desconectar, e com um
conector exata, consideravelmente, mais
força é necessário para danificar o
conector, e se ele quebrar, é provável que
seja o lado fêmea, sendo um cabo de
fácil substituição.

SATA e SCSI
SCSI, oferece atualmente taxas de
transferência mais altas do que SATA,
mas é um bus mais complexo
geralmente tendo por resultado um custo
mais elevado de produção. Alguns
fabricantes de drives SCSI oferecem
garantias mais longas para seus
dispositivos, indicando um controle de
qualidade possivelmente mais elevado
de produção comparados aos
dispositivos de PATA/SATA. Os drives
SCSI, SAS e FC são tipicamente mais
caros por isso são tradicionalmente
usados em servidores e array discs, onde
o alto custo é justificável. Unidades ATA
e SATA evoluíram no mercado de
computadores domésticos, daí a opinião
geral de que eles são menos confiáveis.
Como esses dois mundos começaram a
sobreposição, o tema da confiabilidade
se tornou um tanto controverso. Vale a
pena notar que geralmente a unidade de
disco tem uma baixa taxa de insucesso
(ou alta taxa de sucesso) devido ao
aumento de qualidade das suas cabeças,
bandejas e suporte a processos de
produção, não por causa de ter uma
certa interface.

Ver também
NCQ
Disco Rígido
IDE/ATA

Referências
Referências
1. «Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre
o Serial ATA» . Consultado em 26 de
março de 2007
2. «Serial ATA: Meeting Storage Needs
Today and Tomorrow» (PDF) (em inglês).
Consultado em 30 de outubro de 2011

Ligações externas
Serial ATA (SATA), funções dos pinos
(em inglês)
Artigo: Tudo o Que Você Precisa Saber
Sobre o Serial ATA (em português)

Obtida de "https://pt.wikipedia.org/w/index.php?
title=Serial_ATA&oldid=49765964"
Última modificação há 7 meses po…

Conteúdo disponibilizado nos termos da CC BY-


SA 3.0 , salvo indicação em contrário.