You are on page 1of 3

Os perfis da Empresa – A visão de Alberto Asquini

Um fenômeno poliédrico

Identifica-se o conceito jurídico de empresa com aquele conceito econômico,


pretendendo-se estabelecer um conceito unitário (o econômico = ao jurídico); afirmou-
se que “a empresa é um organismo econômico que sob seu próprio risco recolhe e põe
em atuação sistematicamente os elementos necessários para obter um produto destinado
à troca. A combinação dos fatores – natureza, capital e trabalho – que, associados,
produzem resultados impossíveis de conseguir se fossem divididos, e o risco, que o
empresário assume ao produzir uma nova riqueza, são os requisitos indispensáveis a
toda empresa” 1.

Couberam a Asquini, no estudo do conceito de empresa, as argutas observações


de que o fenômeno “empresa” não poderia ser obtido de um conceito unitário (o
econômico = ao jurídico), pois a empresa é um fenômeno poliédrico e que não se deve
buscar fixar um conceito jurídico da empresa, mas sim examinar os “aspectos jurídicos
da empresa econômica”, separadamente os quatro perfis em que ela se apresenta 2: a) o
perfil subjetivo; b) o perfil funcional; c) o perfil patrimonial ou objetivo; d) o perfil
corporativo.

3
1.1.1. Os quatro perfis da empresa

Por essas e outras ponderações, Asquini passa a focalizar os quatro perfis


jurídicos do conceito econômico de empresa no Código Civil italiano de 1942.

Profilo soggetivo: l'impresa come imprenditore – O Código Civil e as leis


especiais consideram, muitas vezes, a organização econômica da empresa pelo seu
vértice, empregando a expressão em sentido subjetivo, como sinônima de empresário.

1
Cesare Vivante, Trattato di Diritto Commerciale, 4ª ed., Casa Editrice Dott. Francesco Vallardi,
Milão, 1912, apud Rubens Requião, Curso de Direito Comercial, vol. 1: 18ª ed.; São Paulo:
Saraiva, 1988, p. 51.
2 Alberto Asquini Perfis da Empresa Tradução de Fábio Konder Comparato Revista de Direito Mercantil vol. 104, out-dez/1996, págs. 109/126
, , , .
3
Alberto Asquini, Profili dell´impresa, in Rivista Del Diritto Comerciale, Milão, 1943, vol. 41, 1ª
parte, nº 11 e 12, p. 16 a 18, apud Sylvio Marcondes, Problemas de Direito Mercantil, São Paulo:
Max Limonad, 1970, 2ª tiragem; nº 11 p. 23 a 25.
Essa metonímia justifica-se, porque o empresário não só está na empresa (em sentido
econômico), como dela é a cabeça e a alma; isso, porém, não impede que, na linguagem
jurídica, o uso do vocábulo "empresa", por "empresário", seja uma metáfora, que pode
ser evitada, ainda quando este seja uma pessoa jurídica.

Profilo funzzionale: l'impresa come atività imprenditrice - Dado que a empresa


econômica é uma organização produtiva, que, por definição, opera no tempo, guiada
pela atividade do empresário, ela, sob o aspecto funcional ou dinâmico, manifesta-se
como uma força especial em movimento, que é a atividade empreendedora dirigida para
determinado escopo. Se o nosso vocabulário não dispõe de outro termo simples, como a
palavra empresa, para exprimir o conceito de atividade empreendedora, difícil é resistir
ao seu emprego em tal sentido, muito embora não se trate de um uso exclusivista.

Profilo patrimoniale e oggetivo: l'impresa come patrimonio aziendale e come


azienda - Propiciando a atividade empreendedora a formação de um complexo de
relações jurídicas a cuja frente se encontra o empresário, o fenômeno da empresa,
projetado no terreno patrimonial, dá lugar a um patrimônio especial, distinto, por seu
fim, do remanescente patrimônio do empresário. Mas é de notar-se que as doutrinas
tendentes a personalizar tal patrimônio especial e, com isso, identificar a empresa como
sujeito de direito, não foram esposadas pelo ordenamento jurídico; nem o foi a
construção propensa a fazer dele um patrimônio juridicamente separado do restante
patrimônio do empresário. Quanto ao estabelecimento (azienda), a doutrina dominante
tem indicado, sob esse nome, não o complexo de relações jurídicas do empresário, para
o exercício da sua atividade empreendedora - patrimonio aziendale - mas o complexo
de bens, que são os instrumentos com os quais o empresário exerce aquela atividade.

Profilo corporativo: l'impresa come istituzione - Ao esboçar esse perfil,


Asquini esclarece haver colocado em último lugar a conceituação da empresa como
instituição, em conformidade com o ordenamento corporativo e o do Código Civil
italiano, porque, se nos anteriores ela é observada à luz do interesse individualista do
empresário, sob o aspecto corporativo é considerada como uma especial organização de
pessoas, formada pelo empresário e prestadores de trabalho, seus colaboradores. "O
empresário e seus colaboradores - dirigentes, empregados, operários - não constituem
simplesmente uma pluralidade de pessoas, ligadas entre si por uma soma de relações
individuais de trabalho, com fins individuais; antes, formam um núcleo social
organizado, em função de um objetivo econômico comum, no qual se fundem os fins
individuais do empresário e dos colaboradores singulares: a obtenção do melhor
resultado econômico na produção”. Acentua, então, que nesse perfil se colhe o
significado substancial do principio corporativo, o qual considera o trabalho como
sujeito e não objeto da economia - porque, embora o estabelecimento pertença ao
empresário, da empresa, em sentido corporativo, fazem parte, como sujeitos de direito,
tanto o empresário, quanto os seus colaboradores.

Pode-se concluir que: “ Instituição é toda organização de pessoas -, voluntária


ou coacta - fundada sobre uma relação de hierarquia e de cooperação entre seus
membros, em função de um objetivo comum... O reconhecimento de uma organização
de pessoas como instituição não significa personalização - nem perfeita, nem imperfeita
- da organização. Instituição e pessoa jurídica operam em direções diferentes. A outorga
de personalidade jurídica a uma organização de pessoas tem essencialmente o escopo de
atribuir, a um sujeito diverso dos indivíduos singulares, as relações jurídicas externas da
organização. O reconhecimento de uma organização de pessoas, como instituição,
implica somente no reconhecimento de um determinado modo de ser das relações
interna, entre os seus componentes, em vista de um fim comum. É certo que, quando
uma organização de pessoas é elevada pelo direito ao grau de pessoa jurídica, o
fenômeno da personalidade pode absorver o da instituição também nas relações
internas, tal como nas sociedades. Mas a vida de uma organização de pessoas, como
instituição, é uma vida interna que, por si mesma, não acarreta, absolutamente,
personalização” 4.

4
Alberto Asquini, Profili dell´impresa, in Rivista Del Diritto Comerciale, Milão, 1943, vol. 41, 1ª
parte, nº 11 e 12, p. 16 a 18, apud Sylvio Marcondes, Problemas de Direito Mercantil, São Paulo:
Max Limonad, 1970, 2ª tiragem; nº 11, p. 23 a 25.