Sie sind auf Seite 1von 66

Distúrbios do Desenvolvimento e

Crescimento...
... em populações especiais

Fabiana Guedes
Universidade de São Paulo
ESTIGMA
Definição:

•È um atributo depreciativo imposto pelo meio social.

•O indivíduo estigmatizado é visto como defeituoso, fraco ou


em situação de desvantagem em relação aos demais.

•È a singularidade do ser humano, que foge a padrões pré-


estabelecidos que produz o a riqueza cultural na sociedade.

Ser deficiente não significa ser incapaz!

Deficiente Superação Eficiência


Dicas Gerais
 Não tenha receio de esclarecer suas dúvidas
sobre a limitação do aluno.

 Dirija-se sempre que possível diretamente


ao aluno, ele provavelmente é capaz de
compreende-lo.

 Não subestime a capacidade do aluno.

 Evite superproteção
Desenvolvimento Humano

 Estudo científico de como as pessoas mudam.

 Cada pessoa se desenvolve dentro de um


conjunto de circunstâncias ou condições definidas
por tempo e lugar.

 Aquisição de habilidades motoras.

(Diane,2006)
Desenvolvimento Humano
 Para BRONFENBRENNER (1987):

“o desenvolvimento é uma troca


perdurável de modo que uma pessoa
percebe seu ambiente e se relaciona com
ele.”

Dessa forma, o ser humano é entendido como


capaz de processar informações e entender
como é feita a armazenagem destas
informações relativas ao movimento.
Desenvolvimento Humano
 O desenvolvimento humano é diversificado e cada pessoas tem
suas características próprias.
 Processo gradual e contínuo .

 Em alguns momentos ocorre maiores alterações infância e adolescência.

 Aspectos físicos Cognitivos Psicossocial


Desenvolvimento Humano
Físico:
 Corpo
Psicossocial:
 Capacidades
sensório motoras
Personalidade
Cognitivo:  Relacionamento social
 Capacidade mental  Sentimentos e emoções
 Aprendizado e
memória
Interrelação !
 Criatividade

(Diane, 2006)
DNPM

Desenvolvimento
Neuropsicomotor

(Inge Flehmig, 2002)

Desenvolvimento
Normal e Seus
Desvios no Lactente
O que acontece mês a mês?
Reflexos
Reflexos podem ser definidos como:

• Reações involuntárias em resposta a um estímulo externo e


consistem nas primeiras formas de movimento humano.

• Nos primeiros meses de vida, a presença, a intensidade e a simetria


destes reflexos podem ser usadas para avaliar a integridade do
SNC e para detectar anormalidades periféricas, como alterações
músculo-esqueléticas congênitas ou lesões nervosas.

• É fundamental saber que os reflexos primitivos tendem a


desaparecer ou a se modificar no decorrer do processo de
amadurecimento do SNC.
Reflexos
 Os reflexos proporcionam experiência motoras e
sensoriais

 Base dos movimentos voluntários futuros


!!!

Casos Patológicos:

Reflexos primitivos estarão ausentes ou não


serão modulados

Clonus e Babinski
Reflexos Primitivos

 Sucção

 Quando os lábios são estimulados ocorre o


reflexo da sucção.
(Inge Flehmig, 2002)
Reflexos Primitivos
 Moro

 Mudança rápida da posição da cabeça com


adução de membros superiores.

 De 4 a 6 meses de idade

 Susto ou desequilíbrio

 Extensão de cabeça

(Inge Flehmig, 2002)


Reflexos Primitivos
 Preensão palmar
 Preensão plantar(inicio da postura ereta)
(Inge Flehmig, 2002)
Reflexos Primitivos
 Galant

 Quando o bebê encontra-se prono (de bruços) deve ser feito um


estímulo na lateral das costas.

 A resposta será a flexão do tronco para o lado estimulado.

 No primeiro mês esta resposta é fraca.

 Este reflexo desaparece no segundo mês e interfere no


desenvolvimento do equilíbrio na postura sentada.
Reflexos Primitivos
 Galant

 Paravertebrais

 Inclinação ou
estiramento para
o lado estimulado

(Inge Flehmig, 2002)


Reflexos Primitivos

 Colocação plantar e palmar

 Toque no dorso do pé ou da mão

 Apoio positivo,
descarga de peso

 Em pé, apresenta
reação de subida

(Inge Flehmig, 2002)


Reflexo Tônico Cervical Assimétrico
(RTCA)

• Este reflexo, também conhecido como reflexo do esgrimista ou


reflexo do espadachim, é mediado pela estimulação proprioceptiva
dos músculos do pescoço em resposta a um movimento ativo ou
passivo de rotação lateral da cabeça.

• Presença: do nascimento aos 4 meses de idade.

• Ao girar a cabeça para um dos lados, ocorre uma modificação suave


no tônus do recém-nascido. O braço e perna do lado facial se
estendem - aumento do tônus extensor - enquanto os braços e
pernas do lado occipital fletem - aumento do tônus flexor.
Reflexo Tônico Cervical Assimétrico
(RTCA)

 O mais importante em relação a este


reflexo é saber que uma criança normal
deve ser capaz de vencer este reflexo e
de sair da postura sem dificuldades.

Atenção :

 Caso a criança esteja fixada ou não


consiga se mover, ficando "presa" na
postura do esgrimista, então este é um
forte indício de disfunção neuromotora.

 De fato, se o RTCA permanecer fixado,


impedirá algumas aquisições importantes
como a noção de simetria corporal e
coordenação.
Reflexo Tônico Cervical Simétrico
(RTCS)

• Este reflexo também é uma resposta proprioceptiva dos músculos


do pescoço, sendo comum em crianças com lesões cerebrais e
pouco encontrado em normais.

• Possui uma resposta flexora (RTCS em flexão) e uma extensora


(RTCS em extensão). Estas respostas são também denominadas de
"gato bebendo leite" e "gato olhando pra lua" respectivamente.

• Presença: De 2 até 4/6 meses.


Reflexo Tônico Cervical Simétrico
(RTCS)

Atenção:
 A persistência deste reflexo pode levar a criança a engatinhar em padrão
homólogo, e/ou manter os pés em dorsiflexão durante o engatinhar, além
de interferir com:

• A capacidade de apoiar-se nos membros superiores em prono


• A capacidade atingir e manter a posição sobre as mãos e joelhos
• O engatinhar
• O equilíbrio na posição sentada quando olha para os lados
Reflexos Primitivos
 RTCA  RTCS

Landau: extensão total de


Membros inferiores e Membros
superiores
Reação de Paraquedas
Reflexos
Babinski( estimulo na porção inferior da lateral do
pé):

• Reflexo de proteção, pois os estímulos que os desencadeiam são


nociceptivos, podendo ser considerado como uma manifestação
reflexa dos flexores, normalmente moderado pelo trato piramidal.

• O reflexo normal consiste no reflexo plantar dos dedos do pé,


uma lesão do trato piramidal irá resultar em dorsiflexão do hálux,
podendo haver flexão dorsal ou plantar dos demais dedos.
Reflexos
Clonus:
• Reflexo miotático, contrações rítmicas acionado ao rápido
estiramento muscular, este aumento da excitabilidade reflexa
acontece apenas por tensão, esforço muscular excessivo ou
seguindo um susto.

• O clonus é um sinal de algumas condições neurológicas, e é


particularmente associado à esclerose múltipla e a danos na medula
espinhal.
Como lidar com o problema?

 Diferenciar o sintoma da
causa
 Entender os fatores de
risco para distúrbios do
desenvolvimento
 Analisar atitudes próprias
 Não descartar
hereditariedade
 Compreender melhor o
diagnóstico
 Aprender a conviver com
o fato
Fatores de Risco

 Biológicos

 Ambientais

 Sociais/Culturais

Early identification of infants at risk for developmental disabilities (Bear, 2004)


Fatores de Risco Biológicos

 Prematuridade
 Asfixia perinatal
 Hemorragias
 Macrocefalia e microcefalia
 Má formações congênitas

(Bear, 2004)
Prematuridade
 Idade Gestacional:
 38 semanas (prematuro)

 38 a 42 semanas (esperado)

 Pós-termo: IG > 42 semanas

• Estudos mostram que a prematuridade pode


prejudicar o desenvolvimento motor e
cognitivo da criança .

Avaliação da idade gestacional e classificação do RN, (Naufel, 2008)


Prematuridade
Distúrbios sensório motores:

 Peso baixo, imaturidade do sistema neuronal

 Alto índice de paralisia cerebral

 Fatores agravantes: parto demorado,


forceps....
Asfixia Perinatal

 O feto ou RN sofre má
oxigenação (hipóxia) e/ou má
perfusão (isquemia) de
múltiplos órgãos.

 Encefalopatia hipóxico-
isquêmica (é a falta de
suprimento sanguíneo para
um tecido orgânico devido a
obstrução causada por um
trombo).
Asfixia Perinatal e Hemorragias
• Consequências:
• Morte celular por isquemia
• Déficit respiratório

• Extravasamento de sangue ou falta de


vascularização

• Resulta em lesão neurológica


• PC e transtornos cognitivos(incluindo déficit
neurocognitivo, alucinações, problemas de fala ou
movimento e retardo mental)
(Naufel, 2008)
Microcefalia
Microcefalia:
• Incapacidade do crescimento
cerebral normal.

• Pode estar associado com algum grau


de retardo mental.

• Pode ser congênita ou adquirida


(exposição a substâncias nocivas)

(Naufel, 2008)
Macrocefalia
Macrocafalia:
 Hidrocefalia (acumulação de
Crescimento anormal líquido cefalorraquidiano no
interior da caixa craniana).
do perímetro
encefáfico
 Hidrocefalia Congênita
 Desenvolvimento cerebral anormal.
 Causa desconhecida
 Infecções durante a gravidez.

 Hidrocefalia Adquirida

 Traumas ou doenças:meningites, trauma


ou tumores e cistos cerebrais.
Macrocefalia

Retardo no desenvolvimento
físico e mental
Má Formações Congênitas

Alterações Sindrômicas:
Fatores de Risco Ambientais
 Mãe usuária de drogas

 Desnutrição

 Agentes mutagênicos

 Infecções neonatal

 Condição social e familiar


Mãe x Drogas
Lícitas e Ilícitas:
 Síndromes
 Síndrome fetal do patológicas
tabaco
 Restringe o
 Síndrome alcoólica crescimento
fetal intrauterino

 O2 lesão
Mãe e uso de drogas

 O uso de drogas é responsável por 2 a


3% de todos os as patologias congênitas.

 Pode causar:
 Síndrome alcoólica fetal, microcefalia,
anormalidades faciais e deficiência mental.
Síndrome alcoólica fetal
 È caracterizada por déficit de crescimento,
dismorfismo fácil e anormalidade do SNC.

 Efeitos do álcool:

As crianças podem apresentar distúrbios de


comportamento e/ou déficit de crescimento.
Síndrome fetal do tabaco

 O fumo durante a gestação acarreta prejuízos que vão além dos danos á
saúde materna.
 O feto passa ser um fumante ativo, pois ele é transmitido para a criança
principalmente pela placenta.

 Os componentes químicos do tabaco interferem na vitalidade fetal .


 O fumo promove alterações bioquímicas e fisiológicas, podendo
comprometer o individuo até a vida adulta.
 Feto:
 A nicotina causa vaso-constrição placentária.

 Consequencia -> menos O2 para a placenta e feto .


Desnutrição

 Déficit de todos os
elementos da dieta
 Amamentação
interrompida

 Baixo peso e gordura


 Abdome protuso
 Baixa FM
Desnutrição
 Estudos mostram que regiões do sistema
nervoso são mais sensíveis aos efeitos da
desnutrição.

 Funções mais comprometidas:


 Equilíbrio estático e
dinâmico,coordenação , linguagem e
coordenação.
Agentes Mutagênicos

 Físicos: radiações ionizantes (raio X, e gama)

 Químicos: gás de mostarda, sais de metais


radioativos - chumbo, mercúrio, cobalto,
alcatrão, benzeno

NEUROTOXICIDADE
Infecções Neonatal
 Rubéola: Anomalias congênitas, retardo mental,
microcefalia, surdez...

 Sífilis: Lesões neurológicas (neurosífilis)

 Malária: parasitemia, anemia, isquemia tissular,


lesão nervosa, trombose, lesão alveolar aguda

 Toxoplasmose: Hidrocefalia, calcificação


cerebral, meningoencefalite , infecção ocular,
retardo mental
Condição Social e Familiar

Falta de intervenção precoce:


 Abandono
Procedimentos que  Desprezo
buscam alterações no  Rejeição
ambiente e no indivíduo
para provocarem
modificações
satisfatórias no
desenvolvimento dos
mesmos
Resumindo: Abordagem
Desenvolvimentista

 DETECTAR

 AVALIAR  DESENVOLVER

 ESTIMULAR
 ENTENDER

 PROMOVER
 ACEITAR

 CAPACITAR
AMAR !

VIVER !
Atividade Física
Atividade Física
Porque ?

 Visa melhorias específicas e localizadas

 Melhora habilidade para coordenar


movimentos, estando mais rápido, ágil e
flexível
Atividade Física
Objetivos:

 Melhorar e desenvolver a auto-estima, auto-


valorização e auto-imagem

 Estimular independência e autonomia

 Promover experiência com sua possibilidades,


potencialidades e limitações
Atividade Física

 Vivenciar de situações de sucesso e superar


frustrações

 Melhorar as condições organo-funcional


(sistema respiratório, circulatório, digestório,
reprodutor..)

 Melhorar FM, velocidade, coordenação,


equilíbrio e ritmo...
Atividade Física
Modalidades Esportivas:

 Baseada na classificação funcional

 Arco e flecha, atletismo, basquetebol, bocha,


ciclismo...

 Halterofilismo, iatismo, tênis de campo, tênis de


mesa...
Atividade Física

 Modalidades aquáticas apresentam a vantagem


de menor sobrecarga ósteo-articular

 Proporcionam melhor equilíbrio e


conseqüentemente menor probabilidade de
queda ou lesões

 Melhor desempenho
Atividade Física
 Redução do tônus
muscular

 Redução de esforço

 Relaxamento
Atividade Física
 Esporte terapêutico

 Um meio de terapia pelo movimento

 Utiliza se recursos adequados do esporte

 Visando compensar ou regenerar distúrbios


funcionais de ordem física, psíquica e social

 Prevenir contra distúrbios secundários e promover


um comportamento orientado para a saúde
Atividade Física

 Ficam neles retidas as capacidades de pensar,


sentir e agir

 É preciso dar a esse aluno deficiente plenas


capacidades de desenvolver suas capacidades
criativas e espontâneas

 Atividade física
Referências Bibliográficas
 1. Hernández-Muela S, Mulas F, Mattos L. Plasticidadneuronal funcional. Rev Neurol
2004;38(1 Supl):58-68.
 2. Sarue HE, Bertoni N, Diaz AG, Serrano CV. O conceito de risco e a programação dos
cuidados à saúde: manual básico de aprendizagem inicial.
 3. Bear LM. Early identification of infants at risk for developmental disabilities. Pediatr
Clin North Am 2004;51:685-701.
 4. Naufel HG. Avaliação da idade gestacional e classificação do RN. In: Rugolo LMSS.
Manual de neonatologia.
 2. ed. Rio de Janeiro; São Paulo: Revinter;
 Sociedade de Pediatria de São Paulo; 2000. p.37-43.
 6. Hack M, Fanaroff AA. Outcomes of children of extremely low birthweight and
gestational age in the 1990 s. Early Hum Dev 1999;53:193-218.
 7. Hack M, Taylor HG. Perinatal brain injury in preterm infants and later neurobehavioral
function. JAMA 2000;284:1973-4.
 8. Santos AMN, Myoshi MH. Asfixia perinatal: cuidados pós-reanimação. In: Kopelman
BI, Santos AMN,Goulart AL, Almeida MFB, Myoshi MH, Guinsburg R.Diagnóstico e
tratamento em neonatologia. São Paulo: Atheneu; 2004. p.39-43.
Referência Bibliográficas
 9. Robertson CMT, Finer NN. Long-term follow-up of term neonates with
perinatal asphyxia. Clin Perinatol 1993;20:483-500.
 10. Santos AMN, Myoshi MH. Encefalopatia hipóxico-isquêmica.In:
Kopelman BI, Santos AMN, Goulart AL,Almeida MFB, Myoshi MH, Guinsburg
R. Diagnóstico e tratamento em neonatologia. São Paulo: Editora Atheneu;
2004. p.565-71.
 11. Nelson KB, Ellenberg JH. Neonatal signs as predictors of cerebral palsy.
Pediatrics 1979;64:225-32.
 12. Shalak L, Perlman JM. Hemorrhagic-ischemic cerebral injury in the
preterm infant: current concepts. Clin Perinatol 2002;29:745-63.
 13. Ferlin ALS, Rugolo LMSS. Displasia broncopulmonar.In: Costa HPF,
Marba ST. O recém-nascido de muito baixo peso. São Paulo: Atheneu; 2003.
p.423-40.
 14. Bittar ER,Zagaid M. Restrição do crescimento fetal:ainda um grande desfio. Ver.
Ass. Med. Bras., São Paulo 2003, vol. 49;2
 15- Adms, R.C.; Daniel, A. N.; Cubbin, J.A.; Rullman, L. (1985) Jogos, Esportes e
Exercícios para o Deficiente Físico. São Paulo: Editora Manole
 16- Teixeira, L.Atividade Física Adaptada e Saúde: da teoria a prática, São Paulo,
Editora Phorte 2008
OBRIGADA!

 Contato:
 Email:fabisguedess@gmail.com
 Blog:http://fabianaguedesatividadefisica.blogspot.com.b
r
 Blog:http://atividadefisicaepromocao.blogspot.com.br