You are on page 1of 59

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ – UECE


CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA – CCT
CURSO LICENCIATURA EM INFORMÁTICA

O USO DA INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA


OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL

TAUÁ-CE
2013
1

MARIA GERLANNE DE SOUZA

O USO DA INTERNET COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA PARA


OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL

Trabalho de Conclusão de Curso, Monografia


apresentada ao Curso de Graduação em
Licenciatura em Informática da Universidade Aberta
do Brasil e Universidade Estadual do Ceará, como
requisito parcial para a obtenção do grau de
graduado em Licenciatura em informática.

Orientador: Profº. Ms. Daniel Gadelha Martins.

TAUÁ-CE
2013
2

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação


Universidade Estadual do Ceará
Biblioteca Central Prof. Antônio Martins Filho
Bibliotecário(a) Responsável – Giordana Nascimento de Freitas CRB-3 / 1070

S719u Souza, Maria Gerlanne de


O uso da internet como ferramenta pedagógica para os
professores do ensino fundamental / Maria Gerlanne de Sousa. —
2013.
CD-ROM. 58 f. ; 4 ¾ pol.

“CD-ROM contendo o arquivo no formato PDF do trabalho


acadêmico, acondicionado em caixa de DVD Slin (19 x 14 cm x 7
mm)”.
Monografia (graduação) – Universidade Aberta do Brasil,
Universidade Estadual do Ceará, Centro de Ciências e Tecnologia,
Curso de Licenciatura Plena em Informática, Tauá, 2013.
Orientação: Prof. Ms. Daniel Gadelha Martins.

1. Internet. 2. Ferramenta de aprendizagem. 3. Prática


pedagógica. I. Título.

CDD: 001.6
3
4

Dedico esse trabalho à Antônia Irene, a eterna e


incondicional incentivadora dos meus sonhos, a pessoa
que sempre está ao meu lado em todos os momentos,
minha Mãe.
5

AGRADECIMENTOS

Agradeço a Deus por sempre iluminar meus caminhos e por fazer com que
mais esse sonho se realize.
Agradeço a minha família que é base da minha vida, sinônimo de amor,
compreensão e dedicação.
Agradeço aos colegas de curso, por tudo que pudemos compartilhar a
convivência, as alegrias, as frustrações, as descobertas, enfim pelo que
aprendemos.
Agradeço a todos os professores por todos esses anos de transmissão
segura e paciente do conhecimento, e pelas palavras de incentivo que me fizeram
acreditar na realização deste sonho.
A todos os meus amigos que sempre me apoiaram, me aturaram, me
corrigiram nos momentos precisos, e me fizeram entender que, antes de tudo, a vida
sem eles não teria graça alguma.
Em especial a amiga Ecília Cartaxo, que se encontra no plano espiritual, mas
que deixou aqui na terra um grande exemplo de Fé, Coragem e Amizade.
Enfim, a todos aqueles que contribuíram direta ou indiretamente na
elaboração deste trabalho, quer criticando, quer incentivando, gostaria de manifestar
meus sinceros agradecimentos.
6

“O mundo não é. O mundo está sendo. Como


subjetividade curiosa, inteligente, interferidora
na objetividade com que dialeticamente me
relaciono, meu papel no mundo não é só o de
quem constata o que ocorre mas também o de
quem intervém como sujeito de ocorrências.
Não sou apenas objeto da História mas seu
sujeito igualmente.”

Paulo Freire
7

RESUMO

Os recursos tecnológicos estão cada vez mais presentes nas escolas, em especial a
internet. Atualmente é vista como um recurso dinâmico e interativo que possibilita novas
formas de ensinar e aprender, oferecendo uma variedade de benefícios no processo de
aprendizagem, facilitando o acesso à recursos didáticos e melhorando a interação entre
professores e alunos. Nesse sentido, a presente investigação buscou analisar o uso da
internet como ferramenta de ensino para os professores do ensino fundamental de uma
escola privada conveniada com a rede publica municipal de Tauá-Ce. Procurou-se analisar
a utilização dos recursos da internet junto aos professores, verificando os impactos,
possibilidades e desafios que causam no processo de ensino e aprendizagem. Para tanto,
foi utilizada como metodologia a pesquisa bibliográfica e a pesquisa de campo com
abordagem qualitativa, tendo como instrumentos de investigação a utilização de
questionários e a observação. A pesquisa é considerada relevante, pois a internet tornou-se
uma ferramenta essencial na educação, sendo importante que o professor tenha o
conhecimento adequado do uso dessa tecnologia se atualizando diante das mudanças
existentes, para que se tenha uma educação de qualidade.

Palavras-chave: Internet. Ferramenta de Aprendizagem. Prática Pedagógica.


8

ABSTRACT

The technological resources are increasingly present in schools, in particular the Internet. He
is currently seen as a dynamic and interactive feature that enables new ways of teaching and
learning, offering a variety of benefits in the process of learning by facilitating access to
learning resources and improving the interaction between teachers and students.
Accordingly, the present investigation sought to examine the use of the internet as a teaching
tool for teachers of elementary education at a private school contracted with the network
publishes municipality of Taua-Ce. We sought to examine the use of Internet resources with
teachers, verifying the impacts, opportunities and challenges that cause the process of
teaching and learning. Therefore, it was used as a methodology to literature and field
research with qualitative approach, having as research tools using questionnaires and
observation. The research is considered relevant because the internet has become an
essential tool in education, it is important that the teacher has adequate knowledge of the
use of this technology is updating existing before the change, in order to have a quality
education.

Keywords: Internet. Learning Tool. Teaching Practice.


9

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

ARPANET- Advanced Research Projects Agency Network


AVA- Ambiente Virtual de Aprendizagem
BITS - Dígito binário, "BInary digiT"
BLOG - Web log
CD- Compact Disc
HTML- HyperText Markup Language
ICQ- I Seek You
FTP – File Transfer Protocol
IDEB- Índice de Desenvolvimento da Educação Básica
LMS- Learning Management System
NTE- Núcleo de Tecnologia Educacional
PROINFO- Programa Nacional de Tecnologia Educacional
TCP/IP – Tramission Control Protocol / Internet Protocol
USA- Estados Unidos
UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro
VLOG- Videoblog, Videolog
WWW – World Wide Web
10

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 – Tempo de acesso à Internet........................................................ 38


Tabela 2 – Ações desempenhadas no computador...................................... 38
Tabela 3 – Frequência de uso dos Recursos da Internet ............................. 40
Tabela 4 – Uso de ferramentas da Internet para a elaboração de
planejamento e desenvolvimento de aula..................................................... 42
11

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO.............................................................................................. 12

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA.................................................................... 14

2.1 Breve histórico sobre a origem da internet.............................................. 14


2.2 A informática educacional no Brasil: o uso da internet e os novos
desafios para a educação........................................................................... 16
2.3 A internet no processo de ensino e aprendizagem: vantagens e
desvantagens............................................................................................... 21
2.4 Educar com a internet: recursos e possibilidades.................................. 24

3 METODOLOGIA........................................................................................... 31

3.1 Caracterização do local da pesquisa......................................................... 32


3.2 Classificação da pesquisa.......................................................................... 33
3.3 Procedimentos e instrumentos.................................................................. 34

4 RESULTADOS E DISCUSSÕES.................................................................. 36

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS.......................................................................... 48

BIBLIOGRAFIA............................................................................................. 50

ANEXO ......................................................................................................... 53
12

1 INTRODUÇÃO

A sociedade contemporânea está baseada na informação, na interação e na


troca de opiniões, ideias e experiências, tendo em vista o crescente uso das
tecnologias da informação e da comunicação no dia-a-dia. Nesse sentido, é exigido
que as pessoas se atualizem constantemente sobre esse tema, e sejam capazes de
analisar e refletir criticamente sobre as diversas situações vivenciadas.
Diante dessa premissa, a Internet se constitui como um poderoso recurso de
informação e comunicação, que vem transformando o modo de vida e as relações
humanas em todas as suas dimensões: política, social, econômica, inclusive
educacional, conforme é possível observar no comentário de Silva, a seguir:

O uso da internet na escola é exigência da cibercultura, isto é, do novo


ambiente comunicacional-cultural que surge com a interconexão mundial de
computadores em forte expansão no inicio do século XXI. Novo espaço de
sociabilidade, de organização, de informação, de conhecimento e de
educação. (2013, p. 63).

No ambiente educacional, a Internet vem assumindo uma importante função


de apoio pedagógico, como recurso mediador de uma aprendizagem dinâmica.
Porém, é importante enfatizar que este recurso não substitui a figura do professor,
ele apenas auxilia no processo de ensino e aprendizagem. É necessário que o
professor saiba utilizar essa ferramenta de maneira apropriada para o bom
desempenho e eficácia de seu trabalho escolar.
Nesse sentido o presente trabalho tem como objetivo analisar e discutir as
possibilidades que a Internet oferece para a construção de uma aprendizagem de
qualidade no ensino fundamental, sendo verificados os impactos e desafios dentro
do processo escolar.
São inúmeras as pesquisas realizadas sobre essa temática, dessa forma,
procurou-se analisar trabalhos semelhantes a este, como as pesquisas de Zacarias
Nascimento de Lima Vieira, intitulada como “A informática na educação” (2006) e de
Luciano Bitencourt Fernandes, que trata sobre “A internet como ferramenta de apoio
ao professor em sala de aula” (2004). Ambas serviram de suporte, enriquecendo as
leituras e a condução desse trabalho.
Os encaminhamentos para a discussão encontram-se descritos nas seguintes
sessões. A primeira sessão trata da fundamentação teórica, que aborda brevemente
13

sobre a origem da Internet, sequenciando uma introdução da informática educativa


no Brasil e o uso da Internet na educação, no qual mostra como a Internet está
inserida dentro do contexto educacional do país e como vem se tornando uma
importante ferramenta pedagógica. Ainda é discutido nessa sessão, o uso da
Internet no âmbito escolar, proporcionando aos professores o conhecimento de tal
recurso, as novas possibilidades que ela oferece; os desafios e as incertezas no
processo de ensino e aprendizagem.
A segunda sessão, diz respeito à metodologia, aos procedimentos e
instrumentos utilizados na pesquisa, no qual relata o objeto de investigação: o uso
da Internet como ferramenta pedagógica pelos professores do ensino fundamental
de uma escola de Tauá-Ce, sendo descrita a estrutura, organização e a política
pedagógica da escola, características importantes para a compreensão do contexto
em estudo.
A terceira sessão descreve os resultados e as discussões da pesquisa, sendo
apresentadas as expectativas dos professores sobre o uso da Internet enquanto
recurso pedagógico; como essa utilização auxilia à prática pedagógica dos mesmos;
as formas de uso; os avanços e dificuldades em relação ao manuseio dessa
ferramenta, além dos impactos causados no processo de ensino aprendizagem.
Nas considerações finais são destacados os pontos mais importantes obtidos
na pesquisa, e informações relevantes que visam contribuir para a formação de
professores sobre essa temática de maneira integradora e transformadora.
14

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
2.1 Breve histórico sobre a origem da internet

A Internet é um grande conjunto de redes de computadores interligadas pelo


mundo inteiro, um mecanismo responsável pela disseminação da informação e
divulgação mundial, colaborando e integrando pessoas e seus computadores,
independentemente de suas localizações geográficas. A Internet tornou-se a
invenção de maior destaque dentre muitas outras no meio da comunicação e
disseminação de informações.
A história da Internet teve inicio na década de 1960, no período da Guerra
Fria, com o Departamento de Defesa dos Estados Unidos (USA), que desenvolveu a
Advanced Research Projects Agency (ARPA), que tinha o intuito de desenvolver
projetos para garantir a segurança do país em caso de acidentes nas comunicações,
evitando a perda de dados e informações em caso de ataques de guerra. O seu
principal projeto foi a Arpanet, primeira rede nacional de computadores. Segundo
Rodrigues:

Esta rede privada era destinada a interligar os computadores dos centros de


pesquisa, universidades e instituições militares americanas, permitindo o
compartilhamento de recursos entre os pesquisadores que trabalhavam com
projetos estratégico-militares. (2008, p.1).

Nas décadas de 1970 e 1980, a Internet passou a ser utilizada não somente
para fins militares, mas tornou-se um importante meio de comunicação acadêmico.
Essa ferramenta era utilizada por estudantes e professores universitários,
principalmente dos Estados Unidos, que utilizavam a rede mundial para a troca de
ideias, mensagens e conhecimento. Rodrigues relata que:

Em 1972 o governo americano decidiu mostrar o projeto pioneiro à


sociedade, e a idéia expandiu-se entre as universidades americanas,
interessadas em desenvolver trabalhos cooperativos. Para interligar os
diferentes computadores dos centros de pesquisa, em 1980 a Internet
adotou o protocolo aberto TCP/IP para conectar sistemas heterogêneos,
ampliando a dimensão da rede, que passou a falar com equipamentos de
diferentes portes, como micros, workstations, mainframes e
supercomputadores. (2008, p.1).
15

Somente na década de 1990 a Internet foi privatizada e começou a alcançar a


população em geral. Neste ano, foi desenvolvida a World Wide Web (WWW),
possibilitando a utilização de uma interface gráfica e a criação de sites mais
dinâmicos e visualmente interessantes. Como afirma o pesquisador Bruno:

Com o WWW, a tarefa de navegar pela Internet tornou-se extremamente


simples, com endereços amigáveis e visualização clara e rápida. Para esse
novo sistema, foi desenvolvido um programa de computador que ficou
conhecido como navegador de hipertexto de World Wide Web. Das versões
modificadas do WWW, a que teve maior impacto foi o Mosaic, que se
espalhou por milhares de usuários. Projetado por um estudante, Marc
Andreessen, e um profissional, Eric Bina, no National Center for
Supercomputer Applications da Universidade de Illinois.(2006, p.12)

A partir disso, surgiram vários navegadores (browsers) como, por exemplo, o


Internet Explorer®, da Microsoft, o Mozilla Firefox® e o Netscape Navigator®,
provedores de acesso, portais de serviços online, contribuindo para o crescimento
acelerado da Internet e, posteriormente, passando a ser considerada a maior criação
tecnológica de todos os tempos.
Com isso a Internet se popularizou e passou a ser utilizada com diferentes
finalidades: no meio acadêmico, as pessoas utilizam-na como ferramenta de
pesquisa e propagação da informação e do conhecimento, além de ser um
importante mecanismo de comunicação, onde através das salas de chats, possibilita
encontro e bate papos entre pessoas a qualquer momento ou distância.
No setor econômico-financeiro a Internet é utilizada como meio de
propagação de compra e venda, nas quais as páginas virtuais são transformadas em
grandes shoppings centers virtuais. As pessoas utilizam a internet para ingressarem
no mercado de trabalho, enviando currículos por e-mails e procurando empregos
através de anúncios. A Internet também é utilizada para o lazer e diversão, através
dos sites de jogos que proporcionam diferentes formas de entretenimento. Além de
tudo isso, essa ferramenta possibilita o acesso a inúmeras e diversas informações.
A partir dos anos 2000, começou uma nova era na Internet com outro tipo de
comunicação e entretenimento: as redes sociais. Daquino (2012) destaca que o ano
de: “2004 pode ser considerado o ano das redes sociais, pois nesse período foram
criados o Flickr, o Orkut e o Facebook - algumas das redes sociais mais populares,
incluindo a maior de todas até hoje.” ( p.1).
16

As redes sociais são consideradas importantes ferramentas da internet por


vários motivos, dentre eles estão a eficiência de propaganda no mercado de
trabalho, a comunicação entre pessoas e a propagação de informações.

2.2 - A informática educacional no Brasil: o uso da internet e os novos


desafios para a educação.

A história da informática educacional no Brasil começa na década de 1960.


Segundo Moraes (1997), a primeira experiência educacional nessa área aconteceu
na Universidade Federal do Rio de Janeiro (URFJ), na disciplina de Física. (apud
TAVARES, 2013, p.1). Posteriormente, com o desenvolvimento dos computadores
pessoais, algumas escolas particulares do país incluíram em suas grades
curriculares a disciplina de informática, com foco no conhecimento técnico da
informática, ou seja, a informática como fim e não como meio.
O setor público por sua vez começou a investir na informática educacional,
elaborando alguns projetos pioneiros que passaram a contribuir para o
fortalecimento da informática nas escolas. Tavares informa que:

O projeto EDUCOM é o primeiro projeto público a tratar da informática


educacional, agregou diversos pesquisadores da área e teve por princípio o
investimento em pesquisas educacionais. Este projeto forneceu as bases
para a estruturação de outro projeto, mais completo e amplo, o PRONINFE.
O PROINFO, praticamente uma releitura do projeto PRONINFE, teve maior
incentivo financeiro e está sendo, até o momento, o mais abrangente no
território nacional entre todos os projetos, através de seus Núcleos de
Tecnologia Educacional (NTE). (2013, p.1)

De acordo com Tavares (2013), os Núcleos de Tecnologia Educacional – NTE


foram criados em todos os estados do país, dispondo de projetos educacionais que
trabalhavam a informática. Foram distribuídos computadores com acesso à Internet
em escolas públicas estaduais e municipais, com o intuito inicial de capacitar os
professores na área tecnológica.
Com esses equipamentos as escolas públicas passaram a dispor de um
aparato tecnológico, embora ainda limitado, passando a ter condições reais de
17

trabalharem com a informática na área educacional, tendo a Internet como uma


ferramenta de apoio diferenciada.
A partir de então, o uso da Internet nas escolas marca uma nova era na
educação, caracterizada por novas possibilidades e desafios dentro do processo de
ensino e aprendizagem. As mudanças são muitas, as metodologias e práticas
pedagógicas podem agora contar com tecnologias cada vez mais sofisticadas.
Atualmente o uso da Internet pode ser visto em todas as modalidades de
ensino, seja o ensino presencial ou o ensino à distância, oferecendo ferramentas
que proporcionam interatividade e dinamicidade, facilitando a troca de
conhecimento, experiências, dúvidas e divulgação de materiais didáticos. Como
declara Moran:

Hoje, começam a se aproximar metodologias, programas, tecnologias e


gerenciamento, tanto dos cursos presenciais como dos cursos a distância
ou virtuais. Aos poucos a educação vai-se tornando uma mistura de cursos,
de sala de aula física e também de intercâmbio virtual. (2001, p.2).

Dessa forma, não existe mais uma separação entre modalidade de ensino
presencial e à distância, haja vista na realidade existir uma mistura dos dois
modelos. Por mais que um curso seja presencial ele se utiliza muitas vezes de
elementos que constituem um ensino virtual. Dessa maneira, o conceito de aula
presencial vai se ampliando diante de tantas possibilidades que a internet
proporciona a professores e alunos, conforme explica Moran:

O conceito de aula muda porque, mesmo distante, o processo de


aprendizagem pode acontecer. À medida que essas tecnologias vão-se
tornando mais e mais rápidas, além de escrever coisas e ler mensagens,
poderemos ver os alunos, eles verão o professor, a um custo relativamente
barato. Então, isto vai modificar profundamente todo o conceito que nós
temos de aula e o nosso papel professor e aluno. (2001, p.2).

Com tantas mudanças no meio tecnológico e com o crescente uso da Internet


por milhares de pessoas, surgem novos desafios para a educação e devido a isso,
são exigidas novas formas de ensinar e aprender. Esses desafios não se definem
somente na utilização de tecnologias em si. A questão é saber como integrar as
tecnologias em projetos pedagógicos, inovadores e participativos.
18

Os professores têm o desafio de preparar os alunos para a sociedade


tecnológica, onde a maioria dos professores são iniciantes e os alunos muitas vezes
mais ágeis e experientes com as tecnologias. Com base nisso, Mendes (2001)
afirma que: “Os computadores nos desafiam a buscar ações inovadoras e a
repensar o nosso papel de educadores no atual contexto”. ( p. 1)
O computador é utilizado como uma ferramenta pedagógica, e as escolas
devem se adequar a essa situação, disponibilizando laboratórios de informática,
para que os alunos possam aprender também através do computador,
ultrapassando as aulas tradicionais. Dessa forma, a educação de hoje precisa se
modernizar, oferecendo menos momentos presenciais tradicionais e proporcionando
mais momentos de inovação que possibilite múltiplas formas de ensinar, motivar e
avaliar.
Nesse sentido, torna-se uma necessidade dos professores trabalharem com
projetos pedagógicos que enfatizem novas formas de ensinar, utilizando a
interdisciplinaridade para contribuir com uma aprendizagem contextualizada que leve
o aluno a construir seu próprio conhecimento. Os professores precisam conduzir os
alunos na busca do conhecimento na cultura da informática, orientando sobre as
formas corretas de pesquisar, selecionar e analisar as informações. Cruz enfatiza
que a cultura da informática:

[...] é um espaço discursivo e político no qual estudantes, professores e


cidadãos podem intervir, engajando-se em grupos de discussão e projetos
de pesquisa em equipes, criando seus sites, produzindo multimídia criativa
para a divulgação cultural e entrando em novos modos de interação e
aprendizagem inovadoras. (2013, p.2)

Surge então, a aprendizagem colaborativa ou cooperativa, que reúnem


atividades que envolvem vários indivíduos em busca da construção coletiva do
conhecimento. Nessa perspectiva, Cruz revela que:

O trabalho na internet implica a criação de ambientes de aprendizagem


colaborativos voltados para a socialização, à solução de problemas, a
gestão compartilhada de dados, que contenham informações de interesses
de grupo, capazes de modelar conhecimentos sobre as mais diferentes
áreas. Alunos e professores participam ativamente do processo continuo de
colaboração, interação, motivação, desenvolvimento da criticidade e
autonomia, da criatividade e descoberta. Nele Também se permite a
pesquisa individual, em que cada aluno segue seu próprio ritmo e a
19

pesquisa em grupo, em que se desenvolve a aprendizagem colaborativa.


(2013, p. 5)

A Internet pode ser utilizada como uma ferramenta de ensino que proporcione
aos alunos, novas descobertas, rompendo com velhos paradigmas da educação e
propiciando práticas pedagógicas inovadoras.
De acordo com Neto e Rocha (2013) o uso da Internet proporciona a
interatividade, que está caracterizada na arquitetura hipertextual e no ciberespaço,
elementos que permitem a comunicação sob múltiplas redes articulatórias de
conexões e liberdades de trocas, associações e significações potenciais. Os autores
enfatizam ainda que a:

[...] emergência da interatividade como perspectiva comunicacional no


ambiente educacional da sociedade moderna, na era digital, da cibercultura,
cria a necessidade de os professores coadunarem sua prática docente com
a dinâmica interativa das tecnologias digitais e com o perfil comunicacional
dos seus alunos. As tecnologias digitais rompem com a mensagem fechada,
fortalecendo a cultura da participação, onde o receptor é convidado à
criação compartilhada diante da mensagem, e, que ganha sentido sob sua
intervenção. (2013, p.5)

Nessa perspectiva, a interatividade permite aos alunos e professores


ultrapassarem a sua condição de passividade e assumirem uma condição ativa no
processo. Ambos podem ser co-autores dos conteúdos. Como afirma Casagrande
(2008): “Uma característica importante quanto ao uso da internet, é que ela
possibilita o aprendizado colaborativo, o que significa que tanto alunos como
professores são participantes ativos no processo de aprendizagem.” (p.5). Dessa
forma, é papel da educação proporcionar aos alunos condições de pensar, analisar,
trocar ideias e informações coletivamente.
A informática educativa deve ser uma ferramenta motivadora que promova o
desenvolvimento da criatividade e autonomia dos alunos, possibilitando o diálogo e a
interatividade através dos recursos da internet, buscando com isso a construção de
um espaço que promova a aprendizagem para além das paredes da sala de aula.
Segundo Avala (2013), o ciberespaço elimina obstáculos como tempo e
espaço, e através do acesso às tecnologias possibilita o desenvolvimento de
competências fundamentais:
20

[...] como o senso crítico; o pensamento hipotético e dedutivo; as faculdades


de observação e de pesquisa; o julgamento; a capacidade de memorizar e
classificar; a leitura e a análise de textos e de imagens; a imaginação; a
representação em redes e os procedimentos e estratégias de comunicação.
(apud CASAGRANDE, 2008, p. 4)

A Internet precisa ser utilizada nas escolas a fim de disponibilizar aos alunos
diferentes formas de elaboração e construção do conhecimento, promovendo o
acesso a novas estruturas do ensino a fim de alcançar uma educação de qualidade.
Os alunos têm a necessidade de relacionar o conhecimento estudado com o meio
em que vivem.
Partindo disso, a escola tem a obrigação de traçar estratégias que se utilize
de mídias e tecnologias que tragam as informações do contexto do aluno. Compete
ao professor ter o conhecimento desses recursos, conhecer as particularidades de
cada um, para ter o domínio das tecnologias.
Andrade (2011) faz referência ao pensamento de Chaves (2004), enfatizando
que a escola deve preparar indivíduos suficientemente familiarizados com os mais
básicos desenvolvimentos tecnológicos, para que possa participar e acompanhar o
processo de geração e incorporação da tecnologia do país.
O professor não precisa ser especialista no uso da Internet, mas é preciso
conhecer as possibilidades dessa ferramenta no processo de ensino e
aprendizagem, saber usá-la com o intuito de desenvolver aulas mais prazerosas e
dinâmicas. Muitas vezes os alunos se sentem mais seguros no uso das tecnologias,
quando percebem que o professor se utiliza de tais recursos de maneira útil e
significativa.
Diante disso, o professor precisa saber trabalhar o conhecimento de forma
integradora visando o pleno desenvolvimento do aluno. Para tanto, é necessário
acompanhar as mudanças e avaliar constantemente a metodologia utilizada,
analisando importantes questões que de fato influenciam para a qualidade do
ensino, definindo de forma coerente que tipo de aula será desenvolvida; quais
atividades serão aplicadas; como serão desenvolvidas e que valores serão
abordados pelo conteúdo exposto.
21

2.3 A internet no processo de ensino e aprendizagem: vantagens e


desvantagens

O uso do computador nas escolas traz inúmeras possibilidades e mudanças


significativas para o processo de ensino e aprendizagem, pois oferece diversos
recursos que exprimem diferentes atividades, principalmente quando conectados à
Internet, uma vez que a Internet amplia as possibilidades, e concebe ao aluno as
diferentes experiências e aprendizagens, fazendo-o interagir com diferentes formas
de textos, imagens, sons e relações interpessoais, propondo a comunicação com
pessoas geograficamente distantes e de culturas diferentes.
São muitas as vantagens que a Internet oferece para o processo de ensino e
aprendizagem quando utilizada de forma adequada, no entanto, existem alguns
problemas e limitações quando sua utilização é feita de maneira incorreta e
despreparada, podendo gerar alguns transtornos no processo educacional.
Como já foi dito anteriormente, a Internet é uma importante fonte de pesquisa
e canal de comunicação, e as escolas precisam acompanhar essas mudanças
adaptando-se à novas formas de atender a atual demanda social.
Sendo assim, torna-se necessário que as crianças tenham, desde cedo, o
acesso a essa tecnologia. As escolas de ensino fundamental devem estimular o uso
dos computadores e da Internet a fim de dinamizar o processo de ensino e
aprendizagem, auxiliando o aluno na construção do seu próprio conhecimento de
forma interativa. Lévy (1998) diz que:

Já no começo do século XXI, as crianças aprenderão a ler e escrever com


máquinas editoras de texto. Saberão servir-se dos computadores como
ferramentas para produzir sons e imagens. Gerirão seus recursos
audiovisuais com o computador, pilotarão robôs... (...) O uso dos
computadores no ensino prepara mesmo para uma nova cultura
informatizada. (apud NETO e ROCHA, 2013, p.1)

Nesse sentido, a Internet facilita a inserção da cultura informatizada na


escola. De acordo com Possidonio (2011): “[...] o ambiente da internet permite ao
aluno a possibilidade de acessar as informações no seu próprio ritmo, nível de
interesse, profundidade e permitindo a interatividade [...]” (apud ANDRADE, 2011,
p.13), isso possibilita aos professores diagnosticar as dificuldades dos alunos e a
fazer as intervenções necessárias dentro do processo de ensino e aprendizagem.
22

Além disso, Cruz (2013) enfatiza que: “[...] a internet é uma interface que pode
ajudar os alunos a desenvolverem um sentido de responsabilidade pessoal com seu
próprio aprendizado. Através dela, eles expandem seus horizontes, aprendendo a
comunicar-se, a colaborar e, de fato, a aprender” (p. 2).
Outra vantagem de se utilizar as tecnologias como ferramentas didáticas, é a
dinamização dos conteúdos que elas permitem, estimulando os alunos a trabalhar a
autonomia e a criatividade, fazendo com que a educação ultrapasse as paredes da
sala de aula, e contribuindo para a diminuição da exclusão digital. A Internet
aproxima as pessoas e diminui os espaços, e muitos dos indivíduos que tem
dificuldades de se socializar, conseguem através dela se expressar e se comunicar
melhor.
Moran (2009) diz que: “[...] à maior parte dos projetos de internet confirma a
riqueza de interações que surgem, os contatos virtuais, as amizades, as trocas
constantes com outros colegas tanto por parte de professores como dos alunos.”
(p.24). Além disso, para o autor, os alunos desenvolvem novas formas de
comunicação, como por exemplo, a escrita:

A possibilidade de divulgar páginas pessoais e grupais na internet gera uma


grande motivação, visibilidade, responsabilidade para professores e alunos.
Todos se esforçam por escrever bem, por comunicar melhor suas ideias,
para serem bem aceitos, para não fazer feio. Alguns dos endereços mais
interessantes ou visitados da internet no Brasil são feitos por adolescentes
ou jovens. (MORAN, 2009, p. 24)

As tecnologias podem ajudar por um lado, mas também podem atrapalhar por
outro. Nunca se viu tanta informação disponível, tantas tecnologias, mas nunca se
teve tanta dificuldade de comunicação, quando se trata de interação, participação e
qualidade da informação. Nesse sentido, Moran revela que:

A questão fundamental não é a tecnológica. As tecnologias podem nos


ajudar, mas, fundamentalmente, educar é aprender a gerenciar um conjunto
de informações e torná-las algo significativo para cada um de nós, isto é, o
conhecimento [...] Educar também é aprender a gerenciar tecnologias, tanto
de informação quanto de comunicação. Ajudar a perceber onde está o
essencial, e a estabelecer processos de comunicação cada vez mais ricos,
mais participativos. (2001, p. 4)

O uso das tecnologias nas escolas também deveria atender as necessidades


pedagógicas, porém nem sempre isso acontece. De acordo com Santos (2012)
23

existe um despreparo dos professores e uma infraestrutura indisponível na maioria


das escolas públicas. Como afirma o IDEB, tais escolas muitas vezes seguem uma
linha tradicional de ensino, sem uma proposta pedagógica inovadora que motive os
alunos a uma aprendizagem efetiva.
Algumas escolas utilizam os computadores para o simples ensino de
informática, ensinando os alunos a mera digitação e pesquisas na Internet. Tais
pesquisas, muitas vezes acontecem de forma superficial, na qual os alunos apenas
copiam e imprimem os textos tais quais são encontrados nas páginas da Internet,
contribuindo para o baixo desenvolvimento cognitivo dos mesmos. Além disso,
existem professores que utilizam as novas tecnologias sem refletir muitas vezes
sobre o seu papel pedagógico, que deveria estar direcionado para uma prática
construtiva do conhecimento.
Outro problema é que a Internet oferece diversas possibilidades de busca, e
as suas páginas muitas vezes encantam os alunos e tiram o foco principal que é a
interpretação. Na realização de aulas com o uso da Internet, os alunos podem ficar
dispersos navegando pelos sites, abrindo muitas páginas, confundindo qualidade
com quantidade. Existe um deslumbramento com as imagens e sons encontrados na
Internet, levando muitas vezes os alunos a não considerarem o conteúdo,
consumindo a informação de modo rápido e superficial, sem internalizar e refletir
sobre o conteúdo. Como afirma Moran:

Os alunos tendem a dispersar-se diante de tantas conexões possíveis e de


endereços dentro de outros endereços, de imagens e textos que se
sucedem ininterruptamente. Tendem a acumular muitos textos, lugares,
idéias, que ficam gravados, impressos, anotados. Colocam os dados em
seqüência mais do que em confronto. Copiam os endereços, os artigos uns
ao lado dos outros, sem a devida triagem. (1999, p.19)

Contudo percebe-se, que a Internet utilizada de maneira errada pode causar


danos à qualidade do ensino. O pesquisador Primo chama atenção para a má
utilização das tecnologias:

A utilização burocrática das novas tecnologias de mediação pode apenas


mecanizar a educação, sofisticar métodos reprodutores e transmissionistas
e valorizar técnicas de controle dos estudantes. Ocupar alunos em clicar
botões de “avanço” e “recuo” em uma interface limitada de ensino à
distância é tentar dissimular um texto linear e fechado através de uma
fantasia tecnológica de interatividade. (2001, p. 14)
24

Percebe-se que esses agravantes, juntamente com a falta de organização e


capacitação dos profissionais da educação, caracterizam o uso inadequado da
Internet, contribuindo para uma educação de má qualidade, que pode formar alunos
desestimulados e sem senso crítico.
O uso dos computadores e Internet podem inovar, mas também podem
reproduzir um ensino tradicional, pois o fato de usar as tecnologias não garante a
qualidade do ensino, mas sim a forma como são utilizadas.
Nesse sentido, os professores precisam se dispor de métodos interativos e
socializadores para estimular uma aprendizagem significativa e romper com métodos
tradicionais. Santos chama a atenção para o seguinte fato:

Ensinar utilizando a Internet pressupõe uma atitude do professor diferente


da convencional. O professor não é o informador, aquele que centraliza a
informação. [...] Sua primeira tarefa é sensibilizar os alunos, motivá-los para
a importância da matéria, mostrando entusiasmo, ligação da matéria com os
interesses dos alunos, com a totalidade da habilitação escolhida. (2012, p.
20)

Na utilização da Internet pelos alunos, é importante que o professor faça um


monitoramento, evitando acessos a sites não permitidos e que desviem daquilo que
é proposto. É preciso ainda, que o professor conheça as particularidades de cada
aluno, acompanhe o ritmo, as formas de acesso à Internet, sugerindo aos alunos
sites que contenham informações confiáveis, incentivando a discussão do conteúdo,
questionando e promovendo a construção do conhecimento.

2.4 Educar com a internet: recursos e possibilidades

A Internet é considerada uma mídia extremamente popular, pois oferece


diversos serviços e utilidades, possibilitando aos indivíduos uma constante interação
na busca de conhecimento. Ela pode ser utilizada como mídia de pesquisa e
comunicação, como ferramenta de trabalho e entretenimento, como meio de
negócios, facilitando a vida pessoal e profissional de milhares de pessoas, dentre
outras. E isso não é diferente na área educacional, a Internet tornou-se um
importante recurso pedagógico, ampliando as possibilidades e formas de aprender e
ensinar.
25

A Internet proporciona o acesso a uma “linguagem linkada1”. De acordo com


Moran (2000) a informação incorporada de forma hipertextual diz respeito a uma
construção do conhecimento de maneira lógica e coerente seguindo uma linha de
ramificações que se interligam por diferentes caminhos, que juntam textos de várias
linguagens de forma multimídia que conduz o processamento do texto de forma mais
livre e flexível, interferindo nos elementos sensorial, emocional e racional dos
indivíduos. O autor acrescenta que:

[...] as formas de informação multimídia ou hipertextual são mais difundidas.


As crianças e jovens sintonizados com esta forma de informação quando
lidam com textos, fazem-no de forma mais fácil com texto conectado através
de links, o hipertexto. O livro então se torna uma opção menos atraente.
Não podemos nos limitar em uma ou outra forma de lidar com a informação,
devemos utilizar todas em diversos momentos. (MORAN, 2000, p.3).

A Internet faz com que as pessoas interajam, não permanecendo como seres
meramente passivos, no entanto muitas outras não estão preparadas para lidar com
a variedade de trocas de informações que ocorrem. Esse é um desafio para o
professor, conciliar a variedade de informações e fonte de acesso, selecionar as
informações mais importantes e facilitar a compreensão de uma maneira mais
profunda a fim de que os alunos aprendam de forma significativa.
São diversas as ferramentas da Internet que podem ser utilizadas com fins
educacionais. Segundo Silva:

Algumas das interfaces on-line mais conhecidas são chat, fórum, lista, blog,
site e LMS ou AVA. Como ambientes ou espaços de encontro, propiciam a
criação de comunidades virtuais de aprendizagem. O professor pode lançar
mão dessas interfaces para a co-criação da comunicação e da
aprendizagem em sua sala de aula presencial e on-line. Elas favorecem
integração, sentimento de pertença, trocas, crítica e autocrítica, discussões
temáticas, elaboração, colaboração, exploração, experimentação, simulação
e descoberta. (2013, p.65)

Tais recursos favorecem uma construção cooperativa do conhecimento, na


qual o trabalho coletivo de professores e alunos pode acontecer presencialmente ou
virtualmente. Pode-se trabalhar com pesquisas em tempo real, investigação de um

1 Linguagem estruturada por links. Um link é um ponteiro para um arquivo. É uma ligação entre
documentos na internet. Podem ser ligações de um texto para outro texto, imagem, som ou vídeo (ou
vice-versa). Um clique em um Link conduzirá automaticamente para o documento “linkado” (ligado).
Atalho.
26

problema da atualidade, projetos em grupos, dentre outros. Todos esses recursos


que permitem a troca de informações são chamados de meios de comunicação.
A comunicação é uma área bastante interessante e proveitosa para
educação, quando se pretende trabalhar atividades bem focadas, como o trabalho
em grupo. As salas de bate papo são úteis para orientar grupos, tirar dúvidas,
aproximar alunos que moram longe, permitindo que eles possam se reunir
virtualmente para desenvolver as atividades, em um ambiente síncrono, ou seja,
todos os alunos estão “online” no mesmo instante. Segundo Silva:

O chat é um espaço on-line de bate-papo síncrono (com hora marcada) com


envio e recepção simultâneos de mensagens textuais e imagéticas.
Professor e aprendizes podem propor o tema e debatê-lo. Podem convidar
outros participantes do curso e colaboradores externos, agendando dia e
hora. Os temas podem ser vinculados às unidades ou atividades do curso,
porém muitas vezes tomam rumos próprios numa polifonia favorável ao
estreitamento dos laços de interesses e desbloqueio da participação. O chat
potencializa a socialização on-line quando promove sentimento de
pertencimento, vínculos afetivos e interatividade. Mediado ou não, permite
discussões temáticas e elaborações colaborativas que estreitam laços e
impulsionam a aprendizagem. O texto das participações é quase sempre
telegráfico, ligeiro, não linear e próximo da linguagem oral, efervescente e
polifônico. ( 2013, p. 65).

Já segundo Cruz (2013), dentre as interfaces que a Internet possibilita como


recurso didático para a educação, uma das mais interessantes é o chat por ser um
recurso dinâmico e ser facilmente utilizado na aprendizagem de projetos
colaborativos, pois envolve uma maior interação entre professores e alunos,
contribuindo para uma aprendizagem mais prazerosa. O chat ainda permite o uso
dos nicknames (codinomes), isso permite que as pessoas permaneçam anônimas ou
assumam uma nova identidade. Essa característica torna o chat um dos recursos
mais populares da Internet, porém é considerado um fator de reprovação para os
educadores por tornar pouco valor educacional. Nesse sentido, o autor revela que:

Ainda há muito a aprender sobre como usar o chat em diferentes ambientes


educacionais e sobre qual a melhor maneira de integrar essa interface com
as demais tecnologias de informática e da internet ao processo educacional.
Algumas experiências utilizando-as como recurso nos cursos à distância e
nos presenciais mostram que ela pode ser utilizada como recurso no
processo de ensino e aprendizagem combinada com outras. À medida que
mais e mais professores por todo o Brasil começarem a usar o chat como
parte rotineira da educação, mais aprenderemos sobre o poder pedagógico
dessa interessante interface de comunicação. (CRUZ, 2013, p. 3).
27

Os fóruns são também importantes recursos didáticos, com eles os


professores podem discutir temas trabalhados em sala, disponibilizar materiais
didáticos, indicar bibliotecas virtuais, endereços para pesquisa dentre outras
orientações.
Essa ferramenta promove uma interatividade, onde os participantes podem
se posicionar, opinando e debatendo temas propostos, além de abrir novos tópicos
de discussões. É um lugar de partilha da informação, onde os participantes podem
refletir e analisar as perspectivas dos outros, refletindo seus próprios conhecimentos
e leituras. Silva ressalta que:

[...] o fórum é assíncrono (as participações em texto e em imagens ficam


disponibilizadas nesse espaço, esperando que alguém do grupo se dê conta
e se posicione a respeito). No fórum, o professor abre provocações em texto
– ou em outras fontes de visibilidade – e juntamente com os estudantes
desdobra elos dinâmicos de discussões sobre temas de aprendizagem.
(2013, p.66)

Já a lista de discussão é mais uma ferramenta que permite interações entre


pessoas, que permite debates e exposição de opiniões, contribuindo para a
construção cooperativa do conhecimento, misturando espaços da sala do ambiente
virtual. De acordo com Primo:

Uma lista de discussão é um serviço que recebe e distribui mensagens de


todos seus “assinantes”. Logo, um e-mail enviado ao endereço eletrônico da
lista é distribuído a todos participantes. [...] as listas permitem discussões de
“muitos para muitos”. [...] a grande maioria das listas de discussão tem por
objetivo uma temática específica, muitas são as comunidades virtuais que
se organizam a partir e em torno desse serviço eletrônico. Os participantes
dessas comunidades acabam por demonstrar uma responsabilidade pelo
bom andamento das discussões e pela manutenção da coesão do grupo.
(2001, p. 9)

O blog é uma ferramenta que permite a publicação de textos, imagens, fotos,


proporcionando um espaço no qual os professores e alunos podem disponibilizar
conteúdos de aprendizagem e produzir seus próprios textos. Segundo Silva:

O blog é um diário on-line no qual seu responsável publica histórias,


notícias, idéias e imagens. Se quiser, ele pode liberar a participação de
colaboradores que terão acesso para também publicar no seu blog. Como
diário aberto, pode ter autoria coletiva, permitindo a todos publicar ou postar
seus textos e imagens, como dialógica, como registro da memória de um
curso. [...] O responsável cuida da publicação do conteúdo diário e da
interação com os comentários postados pelos leitores-interatores. O blog
28

abriu caminho para congêneres como o fotolog, que permite publicar


imagens ou fotos que os visitantes podem comentar. O responsável pelo
blog libera seu espaço para mensagens e para inclusão de novas imagens.
(2013, p. 66)

Os e-mails são outros meios que possibilitam a comunicação de professores


e alunos através da linguagem escrita. Primo (2008) declara que: “[...] o serviço de e-
mails permite uma discussão assíncrona entre no mínimo duas pessoas (tendo em
vista que uma mesma mensagem pode ser enviada para um número bem maior de
destinatários).” (p. 8).
Esse serviço de mensagem pode ser escrito em HTML e conter imagens,
pode ainda carregar consigo qualquer outro arquivo. O e-mail possibilita discutir
sobre vários assuntos, comunicar-se e fazer a transferência de arquivos. Enviar
textos pela Internet pode chamar atenção dos alunos, fugindo um pouco da prática
tradicional do texto escrito.
A videoconferência, por sua vez, proporciona recursos de emissão e
visualização de imagens em vídeo dos participantes, proporcionado ainda à emissão
do áudio. Primo (2001) diz que essa ferramenta conta com recursos como a
webcams, onde os participantes podem-se ver fisicamente no diálogo. No entanto,
por conta da grande quantidade de dados necessários para a constituição de cada
quadro (frame) da imagem videográfica, a qualidade do movimento do vídeo pode
ser prejudicada, pois existe uma baixa taxa de transmissão de bits por segundo na
Internet.
O site é outro importante recurso da Internet, para Silva (2013): “Um site ou
sitio da Internet é um espaço, ambiente ou lugar na WWW (World Wide Web) que
oferece informações sobre determinada assunto, pessoa, instituição ou evento. É
acessado por meio de um endereço que indica exatamente onde se encontra no
ciberespaço [...]” ( p.66).
Segundo Primo (2001), os sites apresentam textos e imagens que são
estruturados por uma linguagem de programação com interfaces de interação
reativa. O internauta pode ter a sua disposição recursos como chats ou links para
intercambio de e-mails, proporcionando interações mútuas.
A respeito disso, o professor pode construir o seu próprio site e incluir
diversas interfaces que permitam a socialização do conhecimento com seus alunos,
disponibilizando textos, imagens, animações gráficas, sons e vídeos que auxiliem no
29

processo de ensino e aprendizagem, estendendo esse processo para além da sala


de aula. Como afirma Cruz:

[...] uma das formas mais interessantes de trabalhar colaborativamente é


criar uma página dos alunos, como espaço virtual de referência, aonde vão-
se construindo e colocando o que acontece de mais importante no curso, os
textos, os endereços, as análises e as pesquisas (2013, p. 3)

Semelhante a esse recurso, encontra-se o LMS (Learning Management


System) ou AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem). Para Silva (2013) ambos são:
“[...] ambiente de gestão e construção integradas de informação, comunicação e
aprendizagem on-line. Tal como o site, é, na verdade, uma hiperinterface, podendo
reunir diversas interfaces síncronas e assíncronas integradas” (p. 66).
Funcionam como uma sala de aula on-line não limitada à temporalidade do
espaço físico. Nesse ambiente o professor pode postar conteúdos e atividades de
aprendizagem, podendo acompanhar e avaliar a aprendizagem dos alunos, além de
disponibilizar conteúdo didático multimídia, objetos de aprendizagem e materiais
complementares. Os alunos podem ter acesso ao ambiente a qualquer momento e
interagir com o professor e demais colegas expondo opiniões, tirando dúvidas e
participando das atividades.
Outra ferramenta importante são os buscadores, os alunos podem pesquisar,
explorando as mais diferentes fontes, tais como: bibliotecas, e-books, vídeos,
arquivos.
Além desses, a Internet proporciona também o acesso aos softwares
educacionais, com eles os professores podem trabalhar os conteúdos estudados de
uma maneira mais lúdica e interativa, tornando as aulas mais agradáveis e
adequadas ao desenvolvimento de cada aluno. Com eles os alunos podem explorar
atividades que envolvem letras, números, formas e cores. Estimulando, assim, o
aprendizado de maneira descontraída e interativa. De acordo com Vesce:

Os softwares podem ser considerados programas educacionais a partir do


momento em sejam projetados por meio de uma metodologia que os
contextualizem no processo ensino-aprendizagem. Desse modo, mesmo um
software detalhadamente pensado para mediar a aprendizagem pode deixar
a desejar se a metodologia do professor não for adequada ou adaptada a
situações específicas de aprendizagem.( 2013, p.1 )
30

Em decorrência disso, Morais afirma:

[...] o professor deve avaliar a qualidade dos softwares a serem utilizados,


buscando critérios adequados à faixa etária, à motivação e interesse para o
conhecimento do conteúdo a ser contemplado, e dos níveis de aprendizado
que o programa proporciona (2013, p.2).

Como foi possível observar, são várias as possibilidades e facilidades que a


Internet promove, para tanto é necessário que essas ferramentas sejam utilizadas
adequadamente a fim de atingir os objetivos propostos. Com tanto aparato
tecnológico, o professor precisa estar preparado para utilizar as diferentes mídias no
intuito de promover uma educação de qualidade. Moran chama atenção dos
professores sobre os chats e fóruns, para ele:

[...] chats e fóruns permitem contatos a distância, podem ser úteis, mas não
podemos esperar que só assim aconteça uma grande revolução,
automaticamente. Depende muito do professor, do grupo, da sua
maturidade, sua motivação, do tempo disponível, da facilidade de acesso.
Alguns alunos comunicam-se bem no virtual, outros não. Alguns são rápidos
na escrita e no raciocínio, outros não. Alguns tentam monopolizar as falas
(como no presencial), outros ficam só como observadores. Por isso, é
importante modificar os coordenadores, incentivar os mais passivos e
organizar a seqüência das discussões. (2001, p. 8)

Contudo o professor precisa ter muita flexibilidade e capacidade de adaptação


neste processo, estar pronto para mudar de estratégia sempre que for necessário,
ser criativo, pois trabalhar com tecnologias muitas vezes requer improviso e preparo,
planejando sempre formas alternativas de se trabalhar, caso haja alguma falha
técnica.
O fato do professor está atualizado com o uso das Tecnologias Digitais na
Educação, faz com que os alunos tenham mais confiança e segurança no processo
de ensino-aprendizagem, estando mais a disposição para aprender.
31

3. METODOLOGIA

O processo de construção do conhecimento é viabilizado pelo conhecimento


científico que envolve atividades relacionadas com a produção, disseminação e uso
da informação se estendendo na ideia inicial da pesquisa até os resultados colhidos
durante o trabalho. Minayo (1993) considera a pesquisa como “[...] atividade básica
das ciências na sua indagação e descoberta da realidade. É uma atitude e uma
prática teórica de constante busca que define um processo intrinsecamente
inacabado e permanente. É uma atividade de aproximação sucessiva da realidade
que nunca se esgota, fazendo uma combinação particular entre teoria e dados”.
(apud MORESI, 2003 p.8).
A pesquisa é definida por atividades que propõe a solução de um problema,
tendo como base procedimentos orientados, planejados, racionais e sistêmicos.
Nesse sentido, Fonseca (2002) define a metodologia como “[...] estudo da
organização, dos caminhos a serem percorridos, para se realizar uma pesquisa ou
um estudo, ou para se fazer ciência.” (apud GERHARDT e SILVEIRA, 2009, p. 13).
O pesquisador diferencia ainda metodologia de método. Acrescentando que:

A metodologia se interessa pela validade do caminho escolhido para se


chegar ao fim proposto pela pesquisa; portanto, não deve ser confundida
com o conteúdo (teoria) nem com os procedimentos (métodos e técnicas).
Dessa forma, a metodologia vai além da descrição dos procedimentos
(métodos e técnicas a serem utilizados na pesquisa), indicando a escolha
teórica realizada pelo pesquisador para abordar o objeto de estudo. (apud
GERHARDT e SILVEIRA, 2009, p 13).

Dessa forma, entende-se como método a forma de conduzir o caminho,


sendo os instrumentos básicos que conduz um percurso para se alcançar um
objetivo. Nérice (1978) diz que o método é, portanto, um “[...] conjunto coerente de
procedimentos racionais ou prático racionais que orienta o pensamento para serem
alcançados conhecimentos válidos" (apud GERHARDT e SILVEIRA, 2009, p 13.).
O objetivo de uma investigação requer a adequação de métodos e técnicas
para responder as indagações da investigação, na qual o pesquisador tem a
importante função de usar a sua subjetividade e criatividade para articular teorias e
métodos a fim de compreender melhor a realidade.
32

3.1 Caracterização do local da pesquisa

A pesquisa sobre o Uso da Internet como Ferramenta Pedagógica no Ensino


Fundamental foi realizada na cidade de Tauá-Ce, na EEIF Cantinho do Saber,
localizada na Rua Fausto Barreto, nº 251, Alto Brilhante. Foi executada no ano de
2013, como parte da monografia do curso de Licenciatura em Informática da
Universidade Estadual do Ceará - UECE e Universidade Aberta do Brasil – UAB.
A realização da pesquisa ocorreu na EEIF Cantinho do Saber, pelo fato de ter
sido realizada nessa unidade de ensino, a terceira etapa do Estágio Supervisionado
do Curso de Graduação em Licenciatura em Informática da UAB. Dessa forma,
pretendeu-se dar continuidade ao desenvolvimento dos trabalhos acadêmicos nessa
mesma escola. Além disso, a escola possui boa estrutura para o funcionamento da
informática educativa, como laboratório de informática com acesso à internet,
elementos essenciais para a realização da pesquisa.
A EEIF Cantinho do Saber é uma instituição privada conveniada com a
Prefeitura Municipal de Tauá. Foi fundada no dia 18 de março de 1998, pela
professora e atual diretora Francisca Gonçalves Fernandes.
Atualmente, conta com um quadro de 50 funcionários, sendo destes 36
professores, funcionando nos turnos manhã e tarde com as seguintes modalidades:
educação infantil: maternal, Infantil I, II e III e Ensino Fundamental 1º ao 9º ano, com
um total de 660 alunos. Este estabelecimento dispõe de uma sala de leitura/
biblioteca, laboratório de informática, laboratório de ciências, parque infantil, cantina
e quadra esportiva, além de recursos tecnológicos como: televisões, computadores,
aparelhos de som, DVD, data-show, câmeras fotográficas e filmadoras.
De acordo com o Projeto Político Pedagógico da EEIF Cantinho do Saber
(2010), a escola vem trabalhando dentro de uma tendência construtivista com
práticas pedagógicas e metodologias que vislumbra a formação de um aluno
reflexivo, atuante e agente do seu próprio conhecimento, acreditando e valorizando
a inclusão social.
A informática educativa está presente na escola, através das aulas de
informática, que consta na grade curricular da escola como disciplina, além de servir
de apoio as demais disciplinas, no qual os professores das salas regulares têm
acesso ao laboratório de informática, para uso nos desenvolvimentos de
33

planejamentos e aulas. Os planejamentos são realizados coletivamente, na qual os


professores das salas regulares planejam juntamente com a professora da
informática. Nesse momento, são vistos e analisados os conteúdos a serem
trabalhados, dos quais são definidos os objetivos, metodologias e formas de
avaliação, tendo por base a informática educativa em busca da realização de
atividades escolares diversificadas e mais dinâmicas.

3.2 Classificação da pesquisa

A realização desta pesquisa buscou investigar materiais e referenciais


teóricos sobre o uso da internet como ferramenta de apoio pedagógico aos
professores do Ensino Fundamental, estabelecendo uma compreensão dos
objetivos propostos com o estudo em questão. Utilizou-se de uma revisão
bibliográfica e de pesquisa de campo de caráter qualitativo, com o intuito de
interpretar os fenômenos e dar a eles significados, para uma melhor compreensão e
explicação da dinâmica das relações sociais.
A pesquisa qualitativa compreende a relação dinâmica entre o meio e o
sujeito, considerando o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito, interpretando os
fenômenos e atribuindo a eles um significado, não requer métodos e técnicas
estatísticas, se preocupa com a descrição das relações dos processos e fenômenos
e seus significados, valores, atitudes e aspirações. Para Gerhardt e Silveira:

A pesquisa qualitativa preocupa-se, portanto, com aspectos da realidade


que não podem ser quantificados, centrando-se na compreensão e
explicação da dinâmica das relações sociais.[...] As características da
pesquisa qualitativa são: objetivação do fenômeno; hierarquização das
ações de descrever, compreender, explicar, precisão das relações entre o
global e o local em determinado fenômeno.( 2009, p.32)

Moresi (2003) diz que a pesquisa qualitativa é descritiva por expor


características de determinada população ou fenômeno, estabelecendo correlações
entre variáveis e definindo sua natureza. Não tem a função de explicar os
fenômenos que descreve, mas serve de base para explicação.
Nesse contexto, a pesquisa bibliográfica busca uma problematização de um
projeto de pesquisa a partir de referencias teóricos, sendo analisadas e discutidas as
contribuições culturais e cientificas. Como afirma Fonseca (2002):
34

A pesquisa bibliográfica é feita a partir do levantamento de referências


teóricas já analisadas, e publicadas por meios escritos e eletrônicos, como
livros, artigos científicos, páginas de web sites. Qualquer trabalho científico
inicia-se com uma pesquisa bibliográfica, que permite ao pesquisador
conhecer o que já se estudou sobre o assunto. Existem porém pesquisas
científicas que se baseiam unicamente na pesquisa bibliográfica,
procurando referências teóricas publicadas com o objetivo de recolher
informações ou conhecimentos prévios sobre o problema a respeito do qual
se procura a resposta ( apud GERHARDT e SILVEIRA, 2009, p 37).

Quanto à pesquisa de campo, esta por sua vez procura fazer uma observação
dos fatos tal como ocorrem. Não permite isolar e controlar as variáveis, mas procura
perceber e estudar as relações estabelecidas. Esse tipo de pesquisa pode incluir
entrevistas, aplicação de questionários, testes e observação participante ou não.
Fonseca (2002) diz que:

A pesquisa de campo caracteriza-se pelas investigações em que, além da


pesquisa bibliográfica e/ou documental, se realiza coleta de dados junto a
pessoas, com o recurso de diferentes tipos de pesquisa (pesquisa ex-post-
facto, pesquisa-ação, pesquisa participante, etc.) (apud GERHARDT e
SILVEIRA, 2009, p. 37).

Assim a pesquisa de campo baseia-se na observação de fatos e fenômenos


exatamente como ocorrem na realidade, para coletar, analisar e interpretar dados
com base numa fundamentação teórica consistente, com o intuito de compreender e
explicar o problema pesquisado.

3.2 Procedimentos e instrumentos

A realização da revisão bibliográfica focada no estudo da Internet como


ferramenta didática para o ensino fundamental buscou de forma ampla e geral,
coletar informações e dados a partir da literatura especializada do uso da informática
na educação, na qual se baseou em publicações científicas condizentes com a área
de estudo.
Finalizada essa etapa iniciou-se a pesquisa de campo, que proporcionou a
análise da relação entre a teoria e a prática vivenciada. A pesquisa de campo teve
como instrumentos de investigação a observação e aplicação de questionários
35

(Anexo I) a fim de conhecer e analisar a realidade do estudo enfocado neste


trabalho.
A observação é uma técnica que propicia uma compreensão melhor da
realidade. Para Gerhardt e Silveira:

A observação permite descrever o que vemos, mas também faz emergir


questões [...] sobre o que procuramos compreender das representações, do
simbólico, das relações sociais, das interações lógicas, etc.[...] A
compreensão dessas questões (subjetivas) se constrói, não está dada.(
2009, p. 101).

Nesse sentido, foram realizadas visitas a escola, na qual foi observado à


rotina da mesma, o seu funcionamento didático-pedagógico, o planejamento de
aulas dos professores do Ensino Fundamental, a prática na sala de aula e no
laboratório de informática, sendo analisada a utilização e a não utilização da internet
nas atividades docentes e as formas de sua utilização.
Para a elaboração dos questionários, procurou-se elaborar perguntas através
de blocos temáticos, obedecendo a uma ordem lógica, em uma linguagem
compreensível, nas quais as perguntas tratam de questões subjetivas e objetivas,
que necessitam serem analisadas pelo professor.
Tendo por base o pensamento de Moresi, verifica-se que o questionário:

[...] é uma série ordenada de perguntas que devem ser respondidas por
escrito pelo informante. O questionário deve ser objetivo, limitado em
extensão e estar acompanhado de instruções As instruções devem
esclarecer o propósito de sua aplicação, ressaltar a importância da
colaboração do informante e facilitar o preenchimento. (2003, p.29)

Assim sendo, os questionários contribuem para uma melhor descrição e


compreensão da realidade, proporcionando uma análise paralela sobre o que foi
observado no dia-a-dia da escola e sobre o que foi descrito pelos professores.
36

4. RESULTADOS E DISCUSSÕES

Conforme comentado anteriormente, o questionário aplicado aos professores


do Ensino Fundamental teve o intuito de analisar o uso da Internet, enquanto
ferramenta didática no contexto de ensino e aprendizagem. O mesmo foi elaborado
com 21 perguntas, sendo questões objetivas e discursivas. Responderam o
questionário 06 professores do Ensino Fundamental da EEIF Cantinho do Saber.
A quantidade de participantes definida representa os professores regentes
que fazem parte do convênio entre a Prefeitura Municipal de Tauá e a referida
escola. Sendo que 04 (quatro) professores são polivalentes e atuam no ensino
fundamental I, nas turmas do 1º, 3º e 5º anos; e os outros 02 (dois) professores
atuam no Ensino Fundamental II com as disciplinas de língua portuguesa e
matemática, nas turmas do 6º ao 9º ano. Pretendeu-se com isso, formar uma
representatividade significativa dos níveis de ensino, com o intuito de evitar a
repetição de informações e conseguir atingir os objetivos da pesquisa de maneira
satisfatória.
Junto à aplicação dos questionários foram realizadas observações, a qual se
pode ter uma validação da realidade vivenciada na EEIF Cantinho do Saber,
podendo-se expandir as conclusões para escolas de situações e estruturas
semelhantes.
Os resultados da pesquisa aqui expostos, estão conduzidos de acordo com a
apresentação e discussão das perguntas do questionário, paralelo às observações
feitas na escola, na qual está sendo analisada e comparada a teoria, aquilo que foi
exposto no questionário, com a prática, aquilo que foi observado nas experiências
vivenciadas.
Inicialmente foi constatado o tempo de magistério dos professores no Ensino
Fundamental. Sendo que 04 (quatro) professores disseram ter experiência: “Maior
ou igual a 05 anos” e apenas 02 (dois) professores disseram: “Maior que 02 anos e
menor que 05 anos”. Ficando claro que todos os professores possuem certa
experiência na atuação do Ensino Fundamental.
Verificou-se também que 05 (cinco) professores têm nível superior completo e
apenas 01 (um) tem nível superior incompleto, pois ainda esta cursando. Isso retrata
37

a exigência dos órgãos educacionais de terem professores formados e preparados


para a atividade docente nas escolas.
Quanto à área de formação profissional dos professores. Foram identificadas
as seguintes áreas: Pedagogia; Ciências Biológicas; Ciências Humanas; Linguística
- Letras e Artes. Sendo que 03 (três) professores possuem pós-graduação Latu-
sensu e 03 (três) não possuem.
Um ponto importante a ser observado são as diversas formações dos
professores que atuam no Ensino Fundamental, sendo que a metade dos
professores tem especialização.
Em relação ao domínio dos professores no uso do computador, ficou
evidenciada a falta de preparo no uso dessa tecnologia: 03 (três) professores
disseram que o seu domínio no uso do computador era “Regular” e 03 (três)
disseram que seu domínio era “Bom”. Devido a isso, conclui-se que eles ainda não
possuem o conhecimento suficiente sobre as funções e usos dos computadores, o
que impossibilita usufruir das suas vantagens enquanto recurso tecnológico. Esse
fator pode dificultar a aplicação das novas tecnologias nas atividades pedagógicas.
Ficou constatado que todos os professores utilizam a internet. Esse fato
confirma o crescente uso da internet nas escolas, e como essa ferramenta é
necessária e importante para o dia-a-dia. A internet é um fenômeno que facilita a
vida de milhares de pessoas, facilitando a comunicação e a rápida difusão da
informação.
Além disso, foi identificado que 05 (cinco) dos professores pesquisados
acessam a internet predominantemente “Em casa e no trabalho” e apenas 01 (um)
acessa “Em casa”. Os dados indicam à disseminação da cultura digital, reafirmando
a facilidade de acesso a internet em diversos lugares, levando a perceber a
existência das diversas possibilidades de rede.
Foi observado que na escola, o acesso à internet ocorre da seguinte forma:
No laboratório de informática, no horário de estudo do professor, ou na sala dos
professores nas horas vagas, alguns professores acessam a internet em seus
próprios notebooks.
A tabela a seguir mostra o tempo que o professor utiliza a internet em seu dia-
a-dia:
38

TABELA 1 - TEMPO DE ACESSO À INTERNET

Nº de horas semanais Nº de professores


04 horas 02
07 horas 01
14 horas 01
15 horas 01
20 horas 01
Fonte: Trabalho de campo realizado na EEIF Cantinho do Saber

Verifica-se com isso, que os professores navegam em média de 11 horas


semanais.
Sobre as tarefas que os professores conseguem desempenhar no
computador, a tabela abaixo indica as seguintes ações:

TABELA 2 - AÇÕES DESEMPENHADAS NO COMPUTADOR

Ações Nº de professores
Usar programas de busca na Internet ex. 06
Google
Abrir arquivos 06
Imprimir textos 05
Usar programas de comunicação em 04
tempo real (ex. MSN, ICQ, Skype)
Criar/ editar aquivo 04
Salvar um arquivo no word 04
Apagar/ deletar um arquivo 04
Copiar ou baixar arquivos da internet 04
Anexar arquivo ao e-mail 03
Copiar arquivo para CD/ pendrive 02
Mover arquivos no computador 02
Usar planilha eletrônica. Ex. Calc, Excel 01
Fonte: Trabalho de campo realizado na EEIF Cantinho do Saber

Das ações apontadas, admite-se que a maioria dos professores não tem
conhecimento e domínio do uso de planilhas eletrônicas; e outras ações como copiar
arquivos para CD/pendrive; mover arquivos no computador, ou seja, conhecimentos
operacionais básicos para a realização de atividades no computador. Quanto às
ações referentes ao uso da Internet, o número de professores que desempenha a
ação cresce. É possível utilizar a Internet sem muito conhecimento específico da
39

informática. A utilização da informática e da Internet existe apesar de não haver o


conhecimento necessário sobre as ações básicas do uso do computador.
Os professores demonstram ter consciência sobre a necessidade do uso da
informática no seu dia-a-dia. 02 (dois) professores afirmaram ser obrigados a
aprender a utilizar a informática para poder estudar e/ou trabalhar e 04 (quatro)
professores disseram utilizar a informática com tranquilidade, mas ainda quererem
ampliar os conhecimentos relacionados a ela.
Os dados mostram a importância e a necessidade dos professores em
conhecer e aprimorar o uso das novas tecnologias, para inserirem-se dentro do novo
cenário educacional e profissional. Como alerta Moran (2009) quanto mais
tecnologias, maior a exigência de profissionais competentes, humanos e criativos
para utilizá-las.
Nesse sentido, Cruz (2013) sugere que o professor que deseja melhorar suas
competências profissionais e metodológicas de ensino, além da própria reflexão e
atualização sobre o conteúdo da matéria ensinada, precisa estar em estado
permanente de aprendizagem. As mais modernas tecnologias de informação e
comunicação exigem uma reestruturação ampla dos objetivos educacionais, da
metodologia e da postura docente adotada.
A respeito dos conteúdos mais acessados durante a navegação na Internet,
dos seis professores questionados, todos citaram acessar sites sobre “Educação” e
utilização de “E-mail”, 05 (cinco) professores citaram “Sites de busca”, e apenas 02
(dois) professores disseram acessar “Sites de relacionamentos” e “Notícias”. Isso
demonstra a ampliação da visão em relação aos objetivos de navegação na Internet
por parte dos professores. Também demonstra o cuidado dos professores de não
evidenciar a utilização à sites de relacionamentos, acredita-se que os próprios
professores consideram esse uso inapropriado para finalidades pedagógicas. Esse
fato pode ser percebido no pensamento de Lorenzo (2011) sobre o conceito que
maioria dos professores tem em relação às redes sociais:

O problema está no fato das redes sociais serem consideradas como


elemento de distração nas escolas. Na maior parte das instituições de
ensino o acesso a essas páginas é bloqueado para os alunos. Assim, para
que se possa usufruir desta ferramenta para otimizar o ensino, é preciso
que as redes sociais sejam melhor exploradas através do planejamento de
uso com critérios, ética e responsabilidade (apud JULIANNI et al,2012, p. 2).
40

Quanto aos conhecimentos sobre os recursos/ferramentas da Internet, a


tabela a seguir mostra o número de professores que utilizam e não utilizam esses
recursos/ferramentas em seu dia-a-dia e com que frequência:

TABELA 3 - FREQUÊNCIA DE USO DOS RECURSOS DA INTERNET

Recursos da Frequência de uso


Internet Não Não Utiliza Utiliza Utiliza Não
utiliza utiliza raramente toda várias respondeu
e não mas semana vezes
conhece tem por
noção semana
Navegadores - - - - 06 -
Criação de sites 02 03 01 - - -
Mecanismos de 01 - - - 05 -
pesquisas
E-mail 01 - 01 01 03 -
Chat (Bate-papo) 02 - 01 01 01 01
Download 01 - 01 01 03 -
Comunicação 01 - - - 03 02
com amigos(ICQ,
MSN, Orkut.
Blog, Vlog, 01 02 01 01 - 01
Fotolog
Fórum e Lista de 01 02 02 01 - -
discussão
Comércio 01 01 03 01 - -
eletrônico
Sites específicos - - - 01 04 01
da educação
(Portal do
professor, Banco
Internacional de
Objetos
educacionais,
outros).
Fonte: Trabalho de campo realizado na EEIF Cantinho do Saber

Os dados evidenciam que a maior utilização dos recursos da Internet está nos
mecanismos de pesquisas e nos sites específicos da educação. Esse fator é positivo
por demonstrar a busca dos professores por fontes especializadas como o Portal do
Professor, dentre outros que tem a finalidade de tratar de questões educacionais.
41

Por outro lado, mostra a falta ou pouco conhecimento de alguns professores


em relação a outros mecanismos que a Internet oferece e que podem servir de
auxilio para atividades pedagógicas: como e-mails, chats, downloads, blogs e fóruns,
ferramentas essas que podem diversificar e tornar as aulas mais dinâmicas e
interativas.
Isso mostra que mesmo tendo o conhecimento da importância do
computador e da Internet na diversificação de aulas, os professores não estão
preparados e ainda tem muito que aprender sobre a utilização desses recursos.
Como afirma Santos, apesar dos professores demonstrarem:

[...] interesse e vontade de inovar, estão de mãos vazias, sem instrumentos


teóricos e empíricos para o uso, de modo que o uso da internet ainda é
bastante limitado, embrionário e aquém das possibilidades desse poderoso
meio de comunicação e informação. (2003, p.311)

Ao serem questionados sobre o uso da Internet como auxilio para a


elaboração de seus planos de aula, todos os professores afirmaram que a utilizam.
Dentre as formas de utilização citaram: Pesquisas de jogos e dinâmicas
relacionados aos conteúdos estudados; pesquisas para a ampliação de temas,
busca de novas informações e imagens, pesquisas em sites educacionais e blogs
para diversificar as aulas e melhorar a aprendizagem.
Está comprovado que os professores acreditam que o computador e a
Internet contribuem para o desenvolvimento dos alunos e para o enriquecimento das
aulas, pois trabalham numa dimensão lúdica e flexível, possibilitando a criatividade e
autonomia para a construção do conhecimento, além de melhorarem a atenção com
relação aos conteúdos e tornar a aprendizagem mais significativa, como enfatiza
Moran (1999). No entanto, o que pode ser observado nesse contexto, sobre o uso
da internet como auxílio dos planos de aula, é a grande ênfase que se dá a ela
enquanto ferramenta de pesquisa.
Nesse sentido os dados a seguir mostram de fato as ferramentas da Internet
que os professores utilizam em seus planejamentos e desenvolvimento de aulas:
42

TABELA 4 - USO DE FERRAMENTAS DA INTERNET PARA A


ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE AULA

Ferramentas Nº de professores
Sites de busca 06
E-mail 04
Ambientes Virtuais de Aprendizagem 03
Chat/ Bate-papo 02
Lista de discussão 02
Blog 02
Softwares educacionais 02
Fórum 01
Redes sociais 01
Fonte: Trabalho de campo realizado na EEIF Cantinho do Saber

Esses indicadores confirmam mais uma vez a predominância do uso de sites


de buscas como fonte de pesquisa e a pouca utilização e conhecimento das demais
ferramentas. Portanto, ressalta-se o fato dos professores utilizarem ferramentas
como: e-mail, ambientes virtuais de aprendizagem, chats, lista de discussões, blogs
e fórum apenas como fonte de pesquisa nos planejamentos, não usando essas
ferramentas diretamente com os alunos. Ou seja, tais ferramentas não são usadas
para apresentar ou discutir um conteúdo em estudo, tirar dúvidas e expor opiniões,
atividades essas de extrema importância para desenvolver a aprendizagem.
No entanto, pode-se verificar o uso de softwares educacionais e redes sociais
como o facebook junto aos alunos no desenvolvimento de algumas aulas. Foi visto
que existe a utilização de jogos educativos nas aulas de informática, esses jogos
complementam e reforçam os conteúdos vistos em sala de aula.
Foi observado que as aulas de informática são conduzidas pela professora do
laboratório de informática, e os professores das salas regulares pouco acompanham
essas aulas, limitando-se muitas vezes apenas a repassar para professora do
laboratório os conteúdos que serão vistos na semana, através do planejamento
semanal. A partir disso, a professora do laboratório escolhe os jogos e atividades a
serem utilizados com os alunos.
Uma prática interessante é o uso das redes sociais, como o facebook, na qual
é utilizada como uma verdadeira ferramenta pedagógica. É nesse momento que
percebe-se de fato a condução do processo educativo com o uso de recurso da
internet por alguns professores da sala regular. Tais professores incentivam o uso do
43

facebook como uma espécie de diário eletrônico para os alunos do 6º ao 9º ano.


Cada turma tem uma página no facebook, nesse espaço são postadas às atividades
diárias, como discussões de conteúdos, apresentações, fotos, vídeos, eventos
realizados pela turma, onde cada aluno tem que acessar, curtir, comentar e
compartilhar os pensamentos e experiências. Para isso, cada turma possui dois
monitores que se responsabilizam pelas postagens no facebook. O conteúdo
postado é discutido por toda a turma, na qual os alunos escolhem coletivamente as
melhores informações, fotos, dentre outros procedimentos sob a orientação do
professor.
Ao serem indagados sobre o uso de recursos tecnológicos em sala de aula:
05 (cinco) professores responderam que utilizam e apenas 01 (um) professor
respondeu que não utiliza. Os professores citaram o uso de: “Data show e notebook
para o uso de slides e vídeos”. Percebe-se com isto que a maioria dos professores
sempre busca utilizar vídeos para dinamizar as aulas, chamar atenção dos alunos
para o assunto em questão, isso consegue motivar a turma.
Os professores afirmaram existir um estímulo quanto ao uso dos
computadores por parte do núcleo gestor, ao relatarem que existe: “Incentivo do uso
de computadores e da Internet no laboratório de informática, para a busca de aulas
diversificadas e pesquisas diversas na Internet”.
O fato também foi observado nos planejamentos pedagógicos. Os
professores são incentivados pelos coordenadores a buscarem outras fontes de
conhecimentos, como filmes, vídeos, slides, jogos e atividades diversificadas. Existe
um momento reservado no laboratório de informática para os professores
pesquisarem e realizarem estudos.
Sobre as maiores dificuldades que os professores sente em relação ao uso da
Internet, eles citaram: “Baixar arquivos e salvar conteúdos; anexar arquivos no e-
mail; trabalhar com conteúdos que contenham planilhas e gráficos”. Ainda foram
citadas questões de segurança da informação como “problemas com vírus”. Apenas
01 (um) professor disse não sentir dificuldades.
A falta de domínio e conhecimento de alguns professores em relação ao uso
dos computadores atrasa muitas vezes o trabalho pedagógico e inviabiliza a
realização de alguns projetos por não terem o conhecimento necessário sobre a
utilização da mídia, como por exemplo: a elaboração de slides, apresentação de
gráficos etc. Dessa maneira, torna-se necessário a capacitação ou atualização dos
44

professores para aumentar o conhecimento em relação ao uso do computador, para


que não fiquem defasados em relação às inovações tecnológicas e para que
possam aprimorar as atividades pedagógicas de maneira mais atrativa e condizente
com a realidade dos alunos, como sugere Dorneles, é preciso:

[...] haver cursos de formação continuada destinados aos professores que


estão atuando em sala de aula, uma vez que muitos desses professores
não tiveram, em seus cursos de licenciatura, uma disciplina ou mesmo
preparação para o uso das TICs aliadas ao processo de ensino-
aprendizagem.[...] Portanto, deve-se investir nos cursos de formação
continuada para que se tenha o uso adequado das novas tecnologias no
processo educacional. Enfim, o professor deve entender que, com as TICs
tem-se uma ruptura com os métodos tradicionais, bem como avanços e
melhorias na educação. (2012, p. 8)

A formação continuada permite ao professor se capacitar e refletir sobre a sua


prática, levando-o a compreender que a qualidade de um ensino que se utiliza das
tecnologias depende muito mais de como ele é explorado didaticamente do que pela
mera utilização de recursos tecnológicos.
A respeito da contribuição que o uso da Internet traz para a aprendizagem, os
professores relataram que são muitas as vantagens, dentre elas: “As pesquisas da
internet acrescentam novos conhecimentos aos planos de aulas, atualizando e
aprofundando conhecimentos; esclarecem dúvidas sobre os conteúdos; é uma
ferramenta de aprendizagem que possibilita novas formas de gerir as informações e
conhecimentos”.
Dentre as declarações houve o seguinte relato que chama atenção: “A
internet é apenas um meio para aprimorar a aprendizagem, mas não possui o poder
de sistematizar conhecimentos como a escola”. Essa declaração afirma que apenas
o uso da Internet não contribui para a sistematização do processo de ensino e
aprendizagem, é necessário a figura do professor, como mediador desse processo,
a sua metodologia é o que fará a diferença e tornará a aula mais significativa.
Os professores demonstraram que o uso da Internet facilita a comunicação
entre professor e aluno, quando justificaram que a Internet: “Possibilita maior
interação entre professor e aluno, pois chama a atenção com suas imagens, cores e
sons; inova o conhecimento e conecta o aluno na relação com o professor e com o
mundo através de novas formas de interação”. De fato a Internet facilita a
comunicação e socialização, visto que esse recurso torna as aulas mais dinâmicas e
prazerosas, proporcionando uma aprendizagem colaborativa.
45

Quando questionados sobre a importância da Internet para o ensino, os


professores declararam que: “A internet oportuniza a socialização do conhecimento
sem fronteiras; acrescenta novos conhecimentos nos planos de aulas quando se
adéquam a necessidade e a realidade de cada turma; é importante para atualizar os
conhecimentos e melhorar a aprendizagem.”
Essas declarações confirmam que a Internet é um fator de enriquecimento
das aulas e melhoria dos instrumentos didáticos pedagógicos. Porém a intenção é
utilizar a Internet para ampliar o enfoque do ensino, sem ficar limitada apenas a
figura do professor, contando com a participação e autonomia do aluno para a
construção do conhecimento.
Diante de tantas vantagens e possibilidades que a Internet proporciona ao
ensino, os professores elencaram as tarefas que não poderiam realizar sem esse
tipo de tecnologia. As tarefas foram as mais variadas: “Não haveria uma maior
comunicação entre professor e aluno, pois ficariam longe da atualidade, haveria
pouco estímulo e subsídios para aprimorar as aulas; Não poderia ver e conversar
com pessoas de qualquer lugar do mundo ao mesmo tempo; Não haveria realização
de pesquisas de vídeos e outras mídias, pesquisas complementarem sobre os
conteúdos estudados, compartilhamento de experiências exitosas, troca de
informações, notícias e etc.; O mundo limitou-se a internet então quase nada poderia
ser realizado sem ela.” Tais declarações reforçam a dependência que se tem com a
Internet nos dias de hoje, sem ela seria impossível realizar determinadas atividades
que facilitam a vida das pessoas, no trabalho, na escola, no lazer, no mercado
financeiro dentre outros.
Contudo, percebe-se que na escola pesquisada apesar de existir uma
facilidade de acesso aos computadores e o interesse dos professores em usar o
computador e a Internet, ainda existe pouco conhecimento dos professores em
relação à informática. Pouco é visto a utilização do computador e da Internet como
recurso didático pelos professores da sala regular para promover aulas práticas junto
aos alunos. O uso da Internet é limitada a pesquisas de bibliografias digitalizadas e a
consultas a sites educacionais, não sendo utilizados os demais recursos oferecidos
pela a internet.
Um fator que pode contribuir para essa realidade é que não existe um
planejamento de implementação da tecnologia educacional que envolva a todos.
Dessa forma, Santos (2003) chama a atenção para o fato de que os professores não
46

tem a formação necessária para o uso criativo e contextualizado da informática em


sala de aula. Para o autor apesar de algumas escolas procurarem inovar, existe uma
descaracterização do trabalho docente. Alguns laboratórios são conduzidos por
técnicos em informática sem preparação pedagógica, na medida que o professor
regente não acompanham seus alunos no uso do computador como apoio à
aprendizagem.
Dessa maneira, acredita-se que o uso do computador e da Internet na escola
deve estar baseado na reflexão sobre a necessidade de mudança na concepção de
aprendizagem. Não adianta a escola estar totalmente equipada com recursos
tecnológicos, é preciso ter professores capazes de atuar e criar condições de
aprendizagem para o processo de mudança no sistema de ensino. Como esclarece
Nogueira (1996) “Os efeitos do computador são determinados, não pelo computador,
mas pelas características dos alunos e professores, pela metodologia de ensino,
pela organização social da turma”. (apud NETO e ROCHA, 2013, p.3). Em
concordância a esse pensamento Moran (1999) acrescenta que:

Ensinar na e com a internet atinge resultados significativos quando se está


integrado em um contexto estrutural de mudança no processo de ensino-
aprendizagem, na qual professores e alunos vivenciam formas de
comunicação abertas, de participação interpessoal e grupal efetivas [...] a
internet sozinha não modifica o processo de ensinar e aprender, mas
modifica a atitude básica pessoal e institucional diante da vida, do mundo,
de si mesmo e do outro. (1999, p.26)

Nesse sentido o professor tem a importante missão de orientar aos alunos na


utilização adequada das ferramentas da Internet, oferecendo não apenas o acesso
às tecnologias, mas ensinando a usá-las adequadamente, fazendo com que os
alunos participem e se sintam motivados na construção do conhecimento,
assumindo a sua condição ativa no processo de ensino e aprendizagem.
Vale ressaltar, que os resultados obtidos com essa pesquisa, serão
apresentados a EEIF Cantinho do Saber, como forma de feedback do trabalho
desenvolvido. O trabalho servirá de subsidio, para que possam compreender o atual
contexto que se encontra a escola sobre o uso da Internet e das tecnologias como
ferramentas pedagógicas. Sendo assim, terão o conhecimento de importantes
informações que podem ajudar a traçar ações pedagógicas que fortaleçam o
desempenho dos professores em relação ao uso da internet no processo de ensino
47

e aprendizagem, principalmente no que diz repeito a realização de capacitações


para professores no uso da informática educativa.
48

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Como foi possível observar ao longo da pesquisa, o uso da Internet na


educação se constitui como um meio de relevantes possibilidades pedagógicas, não
se limitando apenas a uma disciplina e a uma única forma de ensino, permitindo a
interdisciplinaridade que oferece uma educação global e que estimula o processo de
ensino e aprendizagem em todos os níveis de ensino, a começar pelo ensino
fundamental.
Os resultados da pesquisa mostram a importância do uso da Internet como
ferramenta pedagógica para os professores do ensino fundamental, se configurando
em um recurso dinâmico que favorece o trabalho do professor, enriquecendo as
suas possibilidades metodológicas. A Internet possibilita que o trabalho se torne
mais interessante, criativo e interativo, facilitando o acesso a uma infinidade de
informações independente de tempo e espaço.
Os recursos da Internet aplicados no ambiente educativo podem contribuir
qualitativamente, ajudando a ampliar e a modificar as formas de ensinar e aprender
nos dias atuais. É importante salientar que o uso desses recursos no processo de
ensino e aprendizagem deve levar em considerações as particularidades de cada
turma e as ações construídas pelos agentes educacionais de cada contexto.
Diante das reflexões desenvolvidas através deste estudo, acredita-se que a
Internet é um recurso facilitador da aprendizagem, porém é um grande desafio
metodológico para os professores. Pois, embora exista um interesse por parte dos
professores em superarem uma postura tradicional do ensino e de utilizarem a
Internet como apoio pedagógico, ainda existe dificuldades e barreiras que limitam
essas ações, como a falta de preparo com o manuseio das novas tecnologias.
Dessa forma, torna-se necessária uma formação inicial e continuada de
professores para a utilização pedagógica da Internet e de outras tecnologias no
ambiente escolar. Visto que, nos dias atuais o uso dessas tecnologias é fundamental
para tornar as mais dinâmicas e produtivas. Essa formação deve levar em
consideração as mudanças que as tecnologias provocam na sociedade, na cultura e
na identidade dos alunos.
O professor precisa se apropriar do uso da Internet não somente como fonte
de pesquisa, para a mera consulta de informações e conhecimentos. É preciso
49

utilizar os recursos da Internet de forma prática com os alunos, ultrapassando o


isolamento do espaço físico da sala de aula e proporcionando a construção coletiva
do conhecimento a partir de outros meios, compartilhando experiências, ideias,
materiais didáticos, opiniões, debates, seja através de fóruns, listas de discussão, e-
mail, ambientes virtuais de aprendizagem – AVA, blogs, sites ou até mesmo nas
redes sociais. Desse modo a educação estará assumindo uma aprendizagem
coletiva e interativa, tornando-se acessível a todos.
Vale ressaltar que a aplicação prática da Internet no processo de ensino e
aprendizagem podem gerar resultados tanto positivos quanto negativos, pois apesar
deste recurso oferecer meios que melhora os métodos e as técnicas de ensino, se
utilizado de forma errada poderá trazer danos para a educação, assim cabe ao
professor analisar, selecionar e utilizar as tecnologias de maneira adequada.
Assim sendo, a postura pedagógica que o professor assume no processo de
ensino e aprendizagem é o que fará a diferença, pois as tecnologias sozinhas não
são capazes de ensinar. O professor que se limita a utilização dos recursos apenas
para produzir o conhecimento pode estar contribuindo para o desenvolvimento de
indivíduos passivos e reprodutores da cultura dominante.
Nesse sentido, é competência dos professores saber como utilizar as
tecnologias em favor da educação, assumindo o papel de facilitador no processo,
orientando os alunos na busca de informações, problematizando e desafiando os
alunos no uso dessas tecnologias, proporcionando uma leitura critica desses usos,
para que de fato eles possam construir o conhecimento de maneira significativa e
transformadora.
50

BIBLIOGRAFIA

ANDRADE, A.P.R. O Uso das tecnologias na educação. Trabalho de Conclusão


de Curso (Graduação em Licenciatura em Biologia) – Curso Licenciatura em Biologia
à distância, Universidade de Brasília e Universidade Estadual de Goiás. Brasília,
2011. Disponível em: <http://www.fe.unb.br> Acesso em: 22 abr. 2013

BRUNO, M. R. A influência da internet no setor bancário no Brasil. Trabalho de


Conclusão de Curso (Especialização em MBIS – Master Business Information
Systems) Curso Executivo em Ciências da Computação, Pontifícia Universidade
Católica. São Paulo: 2006. Disponível em:
<http://www.mbis.pucsp.br/monografias/Monografia_-_Marcio_Bruno.pdf.> Acesso
em: 19 abr. 2013

CASAGRANDE, R. B. A importância da internet no contexto escolar. Crisciúma-


SC, 2008. Disponível em: <http://www.nead.riogrande.ifrs.edu.br> Acesso em: 19
abr. 2013.

CRUZ, W. B. Experiência utilizando ferramenta síncrona no processo de


aprendizagem. Disponível em:
<http://www.colombiaaprende.edu.co/html/mediateca/1607/articles-
08372_archivo.pdf> Acesso em 19 abr. 2013

DAQUINO, F. A história das redes sociais: como tudo começou. 2012.


Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/redes-sociais/33036-a-historia-das-
redes-sociais-como-tudo-comecou.htm#ixzz2P1wwyNRO> Acesso em: 19 abr. 2013

DORNELES, D. M. A Formação do professor para o uso das TICS em sala de


aula: Uma discussão a partir do projeto piloto uca no acre. 2012. Disponível em:
http://www. www.periodicos.letras.ufmg.br. Acesso em: 19 abr. 2013

FERNANDES, B. L. A Internet como ferramenta de apoio ao professor em sala


de aula. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Prática Docente) –
Universidade do extremo Sul Catarinense - UNESC, Criciúma, 2004. Disponível em:
<http:// www. bib.unesc.net.> Acesso em: 19 abr. 2013.

GERHARDT, T. E ; SILVEIRA, D. T. (Org.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre:


Editora da UFRGS, 2009. Disponível em:
<http://www.ufrgs.br cursopgdr downloadsSerie derad005.pdf.> Acesso em 24 abr.
2013.
51

JULIANI. D. P. et. al. Utilização das redes sociais na educação: guia para o uso
do Facebook em uma instituição de ensino superior. Florianópolis-SC: 2012.
Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br> Acesso em: 19 abr. 2013.

MENDES, Tereza Marte Ribeiro. Curso de inclusão digital no campestre I. 2011.


Disponível em: <http://www.barbacenadigital.com.br/noticias/curso-de-inclusao-
digital-no-campestre-i.html.> Acesso em: 19 abr. 2013.

MORAIS, G. A importância dos softwares educativos. Disponível em:


<http://mestradogloria.blogspot.com.br/2012/03/importancia-dos-softwares-
educativos.html> Acesso em: 13 de abr. 2013

MORAN, J. M. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus,


2000. <Disponível em: http://www.adidatica.com.br arquivos MORAN.doc.> Acesso
em: 19 abr. 2013

MORAN, J. M. Novos desafios na educação - A internet na educação presencial


e virtual. Pelotas: Editora da UFPel, 2001. Disponível em: <http://
www.eca.usp.br/moran/novos.htm> Acesso em: 19 abr. 2013.

MORAN, J. M. Educação em tempo de twitter. Campinas: Papirus, 2009.


Disponível em: <http://www.eca.usp.br/prof/moran/twitter.html.> Acesso em: 19 abr.
2013.

MORAN, J. M. A internet no ensino: Uso da internet no ensino transforma o papel


do professor, exigindo dele maior atenção para orientação e acompanhamento do
aluno. São Paulo: 1999. Disponível em: <http://www.
200.144.189.42/ojs/index.php/comeduc/article viewFile 40 3 3 33> Acesso em: 19
abr. 2013.

MORESI, E. Metodologia da pesquisa. Brasília – DF, 2003. Disponível em: <http://


www.unisc.br/portal/upload/com.../metodologia_da_pesquisa...> Acesso em: 21 abr
2013.

NETO, H. E; ROCHA, S. A. A informática como ferramenta para a melhoria do


processo ensino-aprendizagem na escola pública. Disponível em: <http://
www.ufrgs.br cursopgdr downloadsSerie derad005.pdf> Acesso em: 19 abr. 2013.

PRIMO, A. Ferramentas de interação em ambientes educacionais mediados por


computador. Universidade Estadual do rio Grande do Sul: 2001. Disponível em:
<http://www.ufrgs.br/limc/PDFs/ferramentas interacao.pdf> Acesso em 19 abr. 2013.
52

Projeto Político Pedagógico – PPP da EEIF Cantinho do Saber. Tauá-Ce, 2010.

RODRIGUES, V. A origem da internet. Ministério da Educação: 2008. Disponível


em: <http://www.grupoescolar.com/pesquisa/a-origem-da-internet.html> Acesso em:
19 abr. 2013.

SANTOS, A. F. P. Uso de tecnologias digitais em atividades do ensino


fundamental: Uma experiência com alunos da rede municipal de Vesparsiano.
Uberlandia: EDUFU, 2012. Disponível em:
<http://200.144.189.42/ojs/index.php/comeduc/article/viewFile/4083/3833.pdf>
Acesso em: 19 abr. 2013.

SANTOS, G. L. A internet na escola Fundamental: Sondagem de modos de uso


por professores. São Paulo: 2003. Disponível em: <http://
www.scielo.br/pdf/ep/v29n2/a08v29n2.pdf > Acesso em: 19 abr. 2013.

SILVA, M. Internet na escola e inclusão. Tecnologias na escola – Ministério da


Educação. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/2sf.pdf>
Acesso em: 19 abr. 2013.

TAVARES, N. R. B. História da informática educacional no Brasil observada a


partir de três projetos públicos. São Paulo. Disponível em: <http://
www.lapeq.fe.usp.br textos tics ticspdf neide.pdf> Acesso em: 19 abr. 2013.

VESCE, G. P. Softwares Educacionais - InfoEscola. Disponível em:


<http://www.infoescola.com> Acesso em: 29 abr. 2013.

VIEIRA, Z. N. L. A informática na educação. Trabalho de Conclusão de Curso


(Especialização em Tecnologia Educacional) – Universidade Candido Mendes, Rio
de Janeiro, 2006. Disponível em: <http://www.avm.edu.br> Acesso em: 19 abr. 2013.
53

ANEXO
54

ANEXO I: QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR


(Utilizado na coleta de dados)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE


SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - SEaD
UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL – UAB
PÓLO DE TAUÁ-CE
CURSO: LICENCIATURA EM INFORMÁTICA

Prezado(a) Professor(a)

O uso das tecnologias está cada vez mais presente nas escolas, elas são utilizadas
muitas vezes como ferramentas pedagógicas. Dentre elas, a internet vem ganhando
destaque e importância, pois a mesma possibilita a difusão de uma nova estrutura
de ensino, possibilitando que o espaço da aprendizagem não se limite apenas ao
espaço físico da sala de aula. A internet proporciona recursos que possibilitam a
dinamização das aulas tradicionais, estimulando a participação e aprendizagem dos
alunos e auxiliando no trabalho do professores. Diante disso, solicitamos o
preenchimento deste questionário para a verificação e análise de algumas questões
relacionadas ao uso da internet como ferramenta pedagógica no Ensino
Fundamental.

Agradecemos antecipadamente pela sua participação.


Maria Gerlanne de Souza – Graduanda

01. Qual o tempo de magistério no Ensino Fundamental?


( )  2 anos ( ) > 2 anos e < 5 anos ( )  5 anos

02. Nível de Formação:

( ) Magistério
( ) Nível Superior incompleto
( ) Nível Superior completo

03. Área da Formação Profissional:

( ) Pedagogia ( ) Ciências sociais aplicadas


( ) Ciências biológicas ( ) Matemática
( ) Ciências Humanas ( ) Linguística, Letras e Artes
( ) Outras _____________

04. Pós-graduação

( ) Lato-sensu ( ) Mestrado ( ) Doutorado

05. Qual o seu domínio com o uso do computador?


( ) Excelente ( ) Péssimo
55

( ) Bom ( ) Nenhum
( ) Regular
06. Você utiliza a internet?
( ) Sim ( ) Não
07. Onde você acessa a Internet?
( ) em casa ( ) no trabalho
( ) na escola ( ) na casa de amigos / parentes
( ) em Lan Houses ( ) não acesso Internet
08. Se você acessa, quantas horas, geralmente, usa a Internet por semana?
________ horas.
09. Você consegue fazer uma dessa tarefas num computador? (Marque mais de
uma alternativa, se for o caso).

( ) Anexar um arquivo ao e-mail


( ) Usar programas de busca na internet (exemplo: Google)
( ) Usar planilha eletrônica (exemplo: Excel ou Calc)
( ) Abrir um arquivo
( ) Usar programas de comunicação em tempo real (exemplo: MSN, ICQ, Skype)
( ) Criar/editar um arquivo
( ) Salvar um arquivo no Word
( ) Copiar arquivo para CD/pendrive
( ) Imprimir um texto
( ) Apagar (deletar) um arquivo
( ) Mover arquivos no computador
( ) Copiar ou baixar arquivos da Internet

10. Como você se sente em relação à informática?

( ) Utilizo com tranqüilidade e quero ampliar meus conhecimentos


( ) Sou obrigado a aprender para poder estudar e/ou trabalhar
( ) Reconheço que é necessário aprendera usar, mas ainda não utilizo
( ) Acho tudo muito difícil e complicado e não quero aprender a utilizá-lo

11. Os conteúdos mais acessados durante a navegação na Internet são:


( ) Sites de buscas.
( ) Educação.
( ) E-mail.
( ) Notícias
( ) Esportes.
( ) Sites de relacionamentos.

12. Para cada recurso da Internet listado abaixo, marque com um X a sua frequência
de uso:
56

Frequência Não utilizo... Utilizo...


de uso ...e não ...mas raramente toda várias
conheço tenho semana vezes
Recursos alguma por
da Internet noção semana
NAVEGADORES
(como Internet
Explorer, Mozilla
Firefox, Netscape, ...)
CRIAÇÃO DE SITES
(criar sua própria
página na Internet)
MECANISMOS DE
PESQUISA (Google,
Cadê, Aonde, ...)
E-MAIL (correio
eletrônico)
CHATS (bate-papos)
DOWNLOADS
(superdownloads,
napster, etc)
COMUNICAÇÃO COM
AMIGOS (ICQ, MSN,
orkut, ...)
BLOG, VLOG
FOTOLOG
Fórum e Listas de
discussões
COMÉRCIO
ELETRÔNICO
(compras pela
Internet)
SITES ESPECÍFICOS
DE EDUCAÇÃO
(Portal do professor,
Banco internacional de
objetos educacionais,
outros
13. Você utiliza a internet para fazer os seus planejamentos de aula?
( ) sim ( ) não
57

Como?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

14. Quais das ferramentas da internet abaixo você utiliza ou já utilizou em seu
planejamento e desenvolvimento de aula?
( ) E-mail
( ) Fórum
( ) Chat (Bate papo)
( ) Lista de discussões
( ) Blog
( ) Sites de buscas
( ) Bibliotecas online
( ) Ambientes virtuais de aprendizagem
( ) Softwares educacionais
( ) Redes sociais

15. Você utiliza recursos tecnológicos em sala de aula?

( ) sim ( ) não
Se sim, quais tipos de recursos?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
_________________________________________________________________

16. A escola onde você trabalha estimula a usar o computador?

( ) sim ( ) não
Como?___________________________________________________________
_________________________________________________________________
_________________________________________________________________

17. Quais as maiores dificuldades que você sente no uso da internet?


___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

18. Qual a contribuição que o uso da internet traz para aprendizagem?


___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

19. Você acha que com o uso da internet facilita a comunicação entre o professor e
o aluno?
( ) sim ( ) não ( ) um pouco
Por quê?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
58

20. Você considera que a internet é importante para o ensino?


( ) sim ( ) não ( ) um pouco
Por quê?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

21. O que não poderia ser feito sem esse tipo de tecnologia?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________