Sie sind auf Seite 1von 10

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ

PUBLICADO EM SESSÃO Acórdão n» 48.502

RECURSO ELEITORAL NA REPRESENTAÇÃO N° 1555-14.2014.6.16.0000

Procedência

: Curitiba - PR :Jorge Abrão Faiad Neto :Maurício Requião de Mello e Silva

Recorrente/representado :Marco Antônio Felipak

Advogado

Recorridos/re"prescntantes :Roberto Requião de Mello e Silva

: Fernando Gustavo Knoerr

Advogado

Relator

:Lourival Pedro Chemim

EMENTA - RECURSO ELEITORAL - ELEIÇÕES 2014 - ..

REPRESENTAÇÃO - PEDIDO DE DIREITO DE

INTERNET - BLOG - EXPOSIÇÃO DA

RESPOSTA

-

VIDA PRIVADA DE TERCEIRA PESSOA - BOLETIM

DE OCORRÊNCIA - LESÃO CORPORAL. FATO ACONTECIDO HÁ MAIS DE VINTE ANOS. DIREITO

AO ESQUECIMENTO. OCORRÊNCIA DE GRAVES

OFENSAS À HONRA DOS RECORRIDOS. RECURSO NÃO PROVIDO.

Vistos, relatados e discutidos estes autos, ACORDAM os Juizes do

Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, por unanimidade de votos, em conhecer do recurso e,no mérito, negar-lhe provimento, nos termos do voto do Relator.

Curitiba, 26 de Agosto de 2014.

IM- RELATOR

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ

Kltil-ttíil n'

RELATÓRIO

Cuida-se de recurso eleitoral, em representação, interposto por

MARCO ANTÔNIO FELIPAK ROBERTO, visando modificar sentença que deferiu

pedido de direito de resposta postulado por ROBERTO REQUIAO DÊ MELLO E

SILVA e MAURÍCIO REQUIAO DE MELLO E SILVA, diante de ofensas à honra

deles.

O recorrente sustentou, preliminarmente:

\

a) o descumprimento do despacho-de fl. 19, que determinou que a . inicial fosse emendada pelos representantes e a inépcia da inicial, em razão da ausência de conclusão lógica diante dos fatos narrados, pela ausência de pedido e.

pela ilegitimidade do representado para figurar no pólo passivo da representação.

Requereu a extinção do processo, sem resolução do mérito, nos termos do artigo 267,

inciso I, e artigo 295, inciso II, ambos do Código de Processo Civil.

No mérito, aduziu que:

a) em momento algum, o Boletim de Ocorrência Policial foi

declarado falso pela Justiça Eleitoral, de forma que a matéria publicada não é falsa

ou inverídica, não sendo cabível o direito de resposta pleiteado. Afirmou que não há, em momento algum, a divulgação de calúnias e falsas informações na notícia, haja vista este ser um fato notório no cenário político paranaense e amplamente noticiado

à época dos_ fatos. Sustentou que Roberto Requião é conhecido por suas

manifestações grosseiras, de forma que à notícia veiculada no blog não é apta a

macular a honra do candidato. Por fim requereu a improcedência da representação.

Os recorridos Roberto Requião de Mello e Silva e Maurício

Requiào de Mello e Silva apresentaram contrarrazões recursais e requereram a manutenção da decisão pelos seus próprias fundamentos.

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ

tcií,üíii fi1' i^55-Ul.^f.2OI 1.6.16.0000

VOTO

O recurso é tempestivo e presentes todos os demais requisitos de

admissibilidade, pelo quedeveserrecebido.

Trago à colação a parte da decisão e seus fundamentos e a parte

conclusiva da sentença.

II - Da decisão e séiis

a)DaPreliminardeinépciadapetiçãoinicial-ausênciadeconclusãotfgicados

fatos narrados einexistênciadepedido específit

tico

A defesa pleiteou, preliminarmente, a extinção do processo sem

resoluçãodomérito,alegandoqueamicialéinepta,devendooprocesso,nostermos

doArtigo295,incisoII,serextintosemojulgamentodomérito,eisquedanarração

dosfatosnãodecorrelogicamentea.conclusão,oqueseriaocasodainicial Disse

ainda,exisürausênciadenexodecausalidadeentreapretensãodorepresentanteeo

fundamentojurídicoporeleutilizado.Assim,pleiteouaextinçãodofeito,nostermos

do Artigo267, incisoI,do Código deProcesso Civil.

. Alegouqueháinexistênciadopedido,porqueosrepresentantesnão

o fizeram de maneira clara, não sendo possível assim compreender qual a sua

pre.cnsão. Assim, pleiteou a extmção do feito com supedâneo no Artigo 295,

parágrafo único, incisoII,do Código deProcesso Civil.

A petição inicialnarrou os latos e fezpedido. Mesmo "truncada"

elapodeseraproveitada.Épossívelsedepreenderqueopedidodorepresentanteéo

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ

Uciioml ii11 ixiSH yOÒU.6 I6.00ÜO

'

direitoderesposta,em facedenotíciaveiculadanoblogdorepresentado,veiculada

em 25 dejulhode2014, cujotextoconstaàsfls. 11-14.

A "truncada" exposição do nexo de causalidade entre apretensão

do representante e o fundamentojurídico por ele utilizado, não inviabilizaram o

exercíciodocontraditórioedaampladefesa,tantoéqueorepresentadomanifestou-

se acerca das questões de mérito da demanda. Ou seja, houve a compreensão do

pedidofonnuladoedacausadepediredonexodecausalidadequeosvmcula.

Assim, pela inexistência de prejuízo e pelo princípio "da

mstmmentaudade das formas,hádeseaproveitarapetição,afimdeprestaratutela

jurisdicionalrequerida. Houvepreenchimentodosrequisitoselencadosnosarts 282

e283doCPC.

EoquepreconizaaJurisprudênciadoSuperiorTribunaldeJustiça,

quanto ao tema, como se vê:

)A

moderna interpretação das regras do processo civil deve

%

..

tender na med.da do possível, para o aproveitamento dos atos

praticados e para a soluçãojusta do mérito das controvérsias Os

óbices processual não podem ser invocados livremente mas

apenas nashipótesesem queseuacolhimento sefaznecessáriopara processo legal,aparidadedearmas ouaampladefesa.Não sepode

a proteção de direitos fundamentais da parte, como o devido

transformaroprocesso civilem terrenoincerto, repletodeóbicese

armadilhas" (REsp 746.524/SC, DJ de 16.03.2009) 6 Recursos

especiaisconhecidoseprovidos."'

'

ULbO*

Pois bem. Assim équando setratade feitosprocessuaiscivis que

possuem uma possibilidade de dilação muito maior. Então, mais ainda deve se

observaroprincípio doaproveitamentodosatospraticadosparaasoluçãojustado

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ

! k:iiur;il n ' I55S f4 SH.ZU ) i.(i:I6.00(1(1

mérito das controvérsias neste microssistema eleitoral depropaganda, que tratade

matériasextremamente carasàcoletividadeeàordempúblic

lica.

.A petição estáaptaa serprocessada.

Nestascircunstâncias,afastoapreliminardeinépciadainicial.

b)Da preliminardeilegitimidadedo representado

■-;/■ O recorrentedisseaindaqueéparteilegítimaparafigurarno

processo,hajavistaainexistênciade provadeautoriadesuaconduta. Dissequénão «tio. Ass.m, entende que se aplicaria, no caso, o artigo 295, H do Código de

responsável pelaveiculaçãodasnotíciasem questão, que só foirepublicada no seu

Processo Civil.

Pelas provas produzidas, tem-se que demonstrada a

veiculaçao da notícia na data de em 25/07/2014, na sua página na mternet

denominada"Z)eolhoporFilipak»,oRepresentadoveiculouinformaçõesnapágina

na mternet identificada como http://marcofelipakvordpress.com/20I4/07/25/

^'Vdlini-rebate-füho-de-reciuiao-e-rno^^^

tornando-separte legítimaparacompor alide.

Rejeito apreliminar arguida.

c) Da análise do mérito

'

-

Os ao compartilharuma mensagem que JoséDo^ngos Scarpellini,um inimigo público

representantes/recorridos afirmaram

que

o

representado/reeon-ente teriapublicado infonnaçõespejorativo-eleitoreiras, ou seja

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ

Rwursó l.ichorai n'1 1555-1-1 "-1.201 UVT6.0ÍKÍÜ

deles, teria enviado a um conhecido blog. Tal mensagem, acompanhada de

documento falso, teria, conteúdo calunioso.

Eis o teor da notícia:

"Senhor #EsmaelMoares, apenas para responder o que foi noticiado eml seu blog como declarações do jovem Maurício

Bob Requião, tenho a esclarecer que nenhuma das denúncias

contra minha pessoa formulada tiveram sucesso, como teve

sucesso o caso Ferreirinha, em que na época o Governador eleito quis me usar de laranja para se proteger diante de

tamanha farsa.

.

Bem como, no caso Baiano da foice, que foi usado também

como laranja de Roberto Requião para derrotar o Martinez na

campanha de 1990 .

Fiquei muito próximo da família Requião, tanto assim, que guardo "uma queixa-crime que a senhora Maristela Requião registrou na delegacia da mulher contra o Sr. Roberto Requião no dia 2305/1994 e cujo procedimento policial terminou indo parar no IML naquela data, pois a senhora

Maristela foi por demais agredida com socos e lesões foram

constatadas no IML.

Para o senhor pequeno advogado Bob Requião Filho, não mais brincar com a honra e a moral alheia, pois durante 20 anos essa certidão não saiu da gaveta da minha casa, porém

dada as provocações do pequeno polegar não resta outra

alternativa a não ser mostrar o que realmente aconteceu.

E por falar nisso, temos também os dólares do armário do seu

lio Eduardo, dólares esses sem origem, roubados do Porto de

Paranaguá e depois tomados pela empregada.

Ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão. Vamos em frente garoto, esta é a hora da verdade e ojogo vai

ser jogando e você talvez não me conheça tanto quanto seu

pai, mas você vai aprender que eu vou até o fim e seu pai

sabe bem.

José Domingos Scarpellini - RG 701.342-6 PR CPF

202.528.039-49"

Junto a esta nota, teria sido divulgado um boletim de

ocorrência policial falso, onde se descreve que a Senhora Maristela Requião teria

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ

Recurso nieiioeüMi1 i.■>:>?-14.94.201-1.(S.Ui.OOííÕ " ■

-

registrado, na Delegacia de Polícia da Mulher, uma ocorrência contra Roberto

Rçquião, no dia 23/05/1994.

O Representante quer a aplicação do Art. 58, da Lei n° 9504/97, cujo

descreve que:

"Art. 58. A partirda escolha de candidatos em convenção, é assegurado o

direito de resposta a candidato,.partido ou.coligação atingidos, ainda que de~forma indireta, por conceito, imagem ou afirmação caluniosa,

difamatória, injuriosa ou sabidamente inverídica, difundidos por qualquer

veículo de comunicação social.

/

-

§ 1° O ofendido, ou seu representante legal, poderá pedir o exercício do direito de resposta à Justiça Eleitoral nos seguintes prazos, contados a

partir da veiculação da ofensa:

Extrai-se que o procedimento, previsto no artigo 58, da Lei 9.504/97, prevê o direito de resposta, quando o candidato for atingido, ainda que de forma indireta, por conceito, imagem ou afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou sabidamente inverídica, difundida por qualquer veículo de comunicação.

Sei que há princípio constitucional de liberdade de expressão e que

protege o recorrente Marcos Antônio Filipak. Mas, também sei que -há vários

princípios constitucionais do direito eleitoral que protegem a Democracia e o direito

de personalidade, da imagem, honra.

Por finai, a determinação, da retirada das veiculações, que consideraram "ofensivas aos representantes Roberto Requião de Melío e Silva e

Maurício Requião de Mello e Silva, deve permanecer. Não assiste razão ao

recorrente. Aliás, já foram retiradas.

As transcrições disponibilizadas contêm ataques difamatórios contra as pessoas dos representantes com o emprego de expressões ofensivas à honra

dos representantes.

TRDPR

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ

Liioríil ir I.^-l-l» 2ÍH l.ft i6.UÍI00

O caráter ofensivo da divulgação é inegável, com referências a

prática de conduta ilegal pelo representado, o que é vedado, iiõs termos nos termos

do artigo 243, IX, do Código Eleitoral (Lei n° 4.737/65). Houve ofensa à honra do

ofendido.

Observo que não há certeza se a notícia inserida na cópia do

boletim de ocorrência policial é falsa ou verdadeira. Isso não foi apurado, devido à.

celeridade que o caso requer.

Os Representantes trouxeram a copia e o representado/recoriente

não demonstrou que o inserido no BO é verdadeiro. Mas, isso não interessa. O que

interessa é que houve ofensas à honra de Roberto Requião è publicação de um

suposto BO (não se sabe se documento verdadeiro ou falso), dando notícia que o

candidato teria agredido sua esposa em 1994 ..

A matéria trazida em nada engrandece o debate eleitoral. Os

eleitores não querem saber disso. Eles estão cansados disso. Querem novidades,

propostas, projetos, políticos sérios e comprometidos com Democracia e o bem

comum.

Qualquer crime, lógico, desde que não seja considerado

imprescrítivel, previsto nas Leis Penais do Brasil, é alcançado pela prescrição da pretensão punitiva, no-máximo em 20 anos (prescrição da pretensão punitiva). Não é crível que.,o Poder Judiciário deixe alguém utilizar uma cópia de um eventual Boletim de Ocorrência, noticiando a prática de crime de lesão corporal, envolvendo

um cidadão candidato e sua esposa.

A proteção da honra está prevista na Constitucional da República

do Brasil.

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ

teüoml nn I55Í-H <M.2l)14.fi.W O0OO ..

Diante do exposto, voto pelo conhecimento e não provimento do

recurso interposto por Marcos Antônio Felipak, mantendo integralmente a decisão

recorrida.

Curitiba, 26 de Agosto de

IW- RELATOR

Tribunal Regional Eleitoral do Paraná

CERTIDÃO DE JULGAMENTO

Recurso na Representação N° 1555-14.2014.6.16.0000

ORIGEM: CURITIBA-PR

Prot. 45.228/2014

PAUTA: 77/2014

RELATOR(A): DR. LOURIVAL PEDRO CHEMIM

JULGADO EM: 26/08/2014 (SESSÃO N° 77/2014)

PRESIDENTE DA SESSÃO: DES. EDSON VIDAL PINTO

PROCURADOR-GERAL" ELEITORA!.: DR(A). ALESSANDRO JOSÉ FERNANDES DE SECRETÁRIO: DR(A)7MARLENE FLORES CARVALHO

OLIVEIRA

DECISÃO

À unanimidade de votos, a Corte conheceu do recurso e, no mérito, negou-lhe,

provimento, nos termos do voto do Relator. Presidência do Excelentíssimo Senhor Desembargador Edson Luiz Vida! Pinto.

Participaram do julgamento os Eminentes Julgadores: Desembargador Jucimar Novochadlo e os Juizes Josafá Antônio Lemes, Kennedy Josué Greca.de Mattos, Vera

Lúcia Feil Ponciano, Roberto Brzezinski Neto - substituto em exercício, e o Juiz Auxiliar

Lourival Pedro Chemim. Presente o Procurador Regional Eleitoral: Doutor Alessandra

José Fernandes de Oliveira. Por ser verdade, firmo a presente.

Curitiba, 26 de agosto de 2014.

CLAUDIA ELENICE ZAMODZKI TODA

CHEFE DA SEÇÃO DE ATAS