Sie sind auf Seite 1von 16
ADRIANA CRISTINA BOULHOÇA SUEHIRO E EVELY BORUCHOVITCH CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES A necessidade de se comunicar é inerente

ADRIANA CRISTINA BOULHOÇA SUEHIRO E EVELY BORUCHOVITCH

CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

A necessidade de se comunicar é inerente ao ser humano. Desde os tempos mais remotos,

“passar” uma informação, “contar” sobre os acontecimentos, “dar” notícias se faziam

exclusivamente pela tradição oral, através dos arautos, dos contadores de história, que, na maioria das vezes, relatavam os fatos sem a preocupação de mencionar sua origem ou fonte. Com o surgimento da linguagem escrita, a especialização e o aprofundamento das ciências em torno do universo humano, no entanto, tornaram o registro das mensagens mais permanente e deram lugar de destaque às atividades gráficas, já que se tornou impossível transmitir pela fala todos os conhecimentos adquiridos pela humanidade. Assim, o surgimento dessas atividades e a intensificação da veiculação de informações por meio delas, especialmente a partir do século XIX, sobretudo com o advento da Internet, tornaram cada vez mais necessária a citação dessas fontes de informação como forma de consulta e verificação dos acontecimentos descritos.

Diferentemente do senso comum ou do cotidiano, na ciência a transmissão das informações e dos conhecimentos construídos requer clareza, concisão, eficiência, universalidade e outras habilidades que, com os avanços científicos e tecnológicos, culminaram na necessidade de sistematização de normas e diretrizes capazes de garantir não apenas o reconhecimento e a compreensão desses registros, mas também sua recuperação rápida e precisa, apresentação e desenvolvimento. Destarte, tal sistematização tem por objetivos amenizar os aspectos subjetivos envolvidos na produção científica do texto e possibilitar a verificação, a reprodução e a confrontação dos resultados e conclusões a partir dele gerados, permitindo, assim, que eles sejam incorporados ao campo do conhecimento em questão. Tais objetivos justificam a necessidade e relevância da referenciação dos autores utilizados para o desenvolvimento do texto produzido. Para além desses aspectos, há que se ressaltar questões relativas ao direito autoral e à propriedade intelectual. O direito autoral, regido por leis internacionais, está respaldado na Lei n.º 9.610 de 19/02/1998, que regulamenta e descreve detalhadamente sua aplicabilidade e limites. Dentre eles, destacam-se a importância do respeito à autoria e a necessidade de se evitar o plágio.

O plágio consiste na utilização de palavras ou ideias de outro(s) autor(es), de forma direta ou indireta, sem que se identifique a devida autoria (autor original). De modo semelhante, o autor não deve apresentar seu próprio trabalho, já publicado, como se fosse resultante de um novo conhecimento (autoplágio). Tais práticas, além de criminosas, afetam a credibilidade e a confiabilidade do(s) autor(es) que as cometeram, desvalorizam o trabalho produzido pela fonte original e, inevitavelmente, enfraquecem o debate acadêmico e o desenvolvimento científico. Portanto, tal qual enfatizado na edição anterior deste capítulo,

...

citar

autores cujas ideias ou palavras foram incorporadas na produção, seja na forma de crítica,

conceitualização, ironia ou reverência; fornecer os dados que permitam que outros pesquisadores investiguem, confirmem ou aprofundem suas conclusões; respeitar ideias apresentadas por outros autores, essas são as motivações éticas que permeiam os sistemas de referenciação adotados pela produção científica no mundo, em suas diversas variedades.

Diante do exposto, conhecimentos básicos sobre referenciação e citações são essenciais para qualquer produção científica, seja ela um artigo, um capítulo de livro ou uma tese. Assim, este capítulo pretende oferecer subsídios básicos para a compreensão e a elaboração de referências e citações segundo as duas normas mais empregadas no Brasil, quais sejam, ABNT e APA. Ele não esgota as possibilidades de referenciação existentes, mas apresenta um guia de seus principais empregos. Ao lado disso, faz-se necessário salientar que cada área do conhecimento e instituição adota uma forma de sistematização de suas produções, o que potencializa a necessidade de atenção e cuidado do autor no momento de referenciar suas produções.

CONCEITUAÇÃO DE REFERÊNCIA

As Referências podem ser definidas como um conjunto padronizado de informações agrupadas em elementos descritivos retirados de um documento, que possibilitam sua identificação, no todo ou em parte, e a localização de documentos impressos ou eletrônicos citados na pesquisa e ordenados criteriosamente, segundo uma norma específica. Constituem-se em uma seção insubstituível e imprescindível de qualquer texto acadêmico por permitirem não apenas a ampliação do conhecimento sobre o assunto em foco mediante a consulta às fontes empregadas nos estudos, mas também a verificação e análise das afirmações do autor da pesquisa sobre os trabalhos de outros autores. Do mesmo modo, quando apresentam todas as informações necessárias no documento, facilitam o acesso a trabalhos sobre determinado assunto em fontes impressas e/ou eletrônicas, uma vez que aparecem listadas em conjunto.

Dentre as formas de disponibilização de informações, a eletrônica tem ganhado destaque por diversos motivos. O primeiro e mais óbvio está relacionado ao fato de que o mundo tem vivenciado um acesso crescente aos recursos tecnológicos, dentre os quais o computador e os tablets. Outro dado, não menos importante, são as facilidades promovidas pelo seu advento e, especialmente, pela Internet, que não apenas disponibiliza Informações Eletrônicas, mas o acesso a essas informações praticamente em tempo real.

Esse tipo de informação depende do computador, tablet ou similar para ser lido e acessado, no entanto sua versão não é necessariamente gerada eletronicamente. Portanto, um documento eletrônico, suporte físico no qual as informações eletrônicas são armazenadas, pode dispor de diferentes formatos e/ou tipos que vão desde os antigos disquetes, fitas magnéticas, discos rígidos, discos ópticos, passando por CD-ROM e canais eletrônicos (hypertext transfer protocol http, world wide web www, file transfer protocol ftp), até mensagens eletrônicas (lista de discussão, anotações ou comentários técnicos e pessoal e-mail).

Independentemente do tipo de fonte ou documento consultado, tais como livros, periódicos, normas técnicas, materiais cartográficos, gravações sonoras e em vídeo, fotografias, selos, arquivos magnéticos e eletrônicos, jogos, entre outros, deve-se atentar sempre para a parte do documento na qual as informações para a confecção das referências serão obtidas. Sempre que possível, os elementos essenciais e secundários para a lista de referências devem ser retirados da folha de rosto de documentos impressos, tais como livros, monografias, periódicos, entre outros; de etiquetas e invólucros de disquetes, fitas de vídeo, fitas cassete, discos e similares (DVD); de molduras e materiais explicativos de slides, transparências e similares; do próprio documento, quando este se constitui em uma única parte, como globos, cartões-postais, cartazes, selos similares; e da página principal de sítios na rede mundial de computadores.

São considerados elementos essenciais para a construção de uma listagem de referências dados que são obrigatórios e indispensáveis à identificação de um documento, como autor, título, local, editor ou produtor, ano de publicação/produção e, no caso da internet, da data da consulta. Esses elementos são vinculados ao suporte documental no qual são veiculados e variam conforme o tipo de documento.

Já os elementos complementares são opcionais e, quando acrescidos aos essenciais, possibilitam uma melhor caracterização do documento referenciado, o que aumenta as chances de sua localização. São elementos complementares subtítulo da obra, nome do tradutor, número de páginas e/ou volumes completos, título e número da série, International Standard Book Number (ISBN), indicação de tipo de fascículo, e, ainda, dimensões da obra, quando tratar-se de

resenhas. Isso é importante porque apenas o conhecimento acerca do que seja uma referência e de seus elementos essenciais não é suficiente para a elaboração de um trabalho científico de qualidade. A confiabilidade das informações, especialmente as veiculadas eletronicamente por meio da internet, e a atualização das referências devem fazer parte dos cuidados e precauções que qualquer autor deve ter em relação a sua produção.

Tal qual ressaltado na edição anterior deste capítulo, as informações veiculadas pela internet nem sempre seguem os mesmos rigores e procedimentos adotados por um livro ou uma revista científica, que dispõem de um processo de seleção das suas publicações que, por sua vez, envolvem o trabalho de profissionais qualificados em suas revisões. Nesse sentido, a utilização de textos divulgados na rede mundial de computadores necessita de um cuidado maior que deve levar em consideração desde a investigação das credenciais acadêmicas do(s) autor(es) no campo do conhecimento em questão, a validade científica do material disponibilizado, até a aceitação do texto como referência pela comunidade científica, o que pode ser facilmente obtido na própria rede, seja pelo acesso imediato a currículos, publicações e informações institucionais ou a bases de dados e sites confiáveis de trabalhos científicos, como as revistas acadêmicas, os portais (Scielo (www.scielo.br) e o PePSIC (http://pepsic.bvsalud.org), por exemplo), ou as associações profissionais.

Do mesmo modo, destaca-se a relevância de se verificar se a informação utilizada é a mais atual, uma vez que a ciência dá um passo adiante a todo momento e, para que a contribuição do trabalho que está sendo produzido seja frutífera e agregue novos conhecimentos, é necessário que se busque por referências atualizadas e compatíveis com o desenvolvimento da ciência e/ou da tecnologia.

FORMAS DE ENTRADA PARA REFERENCIAÇÃO

As “entradas” para referenciação são expressões ou palavras que apresentam uma informação

e determinam sua localização em índices, catálogos e bibliografias. São apresentadas via Autor,

Edição, Imprenta e Coleção.

Autor último sobrenome (com exceção para os autores de língua espanhola ou hispano- americana, que se faz pelo penúltimo sobrenome) ou sobrenome do autor principal. No caso de autoria múltipla, utiliza-se vírgula entre o sobrenome e o prenome do autor da obra.

Em casos nos quais há trabalhos múltiplos do mesmo autor, tais estudos devem ser citados em ordem cronológica, da produção mais antiga à mais recente. Já em obras de autoria desconhecida, entidades coletivas ou institucionais, a entrada é feita pelo título da publicação, exceto anais de congressos e trabalhos de cunho administrativo e legal, cuja entrada é pela entidade ou nome do congresso. Edição quando consta do documento, deve ser referenciada em algarismos arábicos, seguidos de ponto final e da abreviatura da palavra edição na língua do documento referenciado. No caso de 1.ª edição, esta não deve ser aludida.

Imprenta composta por informações como local, editora e data da publicação. O local diz respeito à cidade onde a obra foi publicada. No caso de homônimos, acrescentam-se o estado, o país e, na ausência desse elemento, indica-se entre colchetes [s.l.].

A Editora é a responsável pela reprodução editorial e deve ser indicada de forma que os prenomes sejam abreviados e suprimindo elementos de natureza jurídica ou comercial. Se o nome do editor não aparecer na publicação, coloca-se entre colchetes [s. n.]. No caso da data da publicação, deve-se referenciar o ano da publicação em algarismos arábicos, sem espaço ou pontuação entre eles. No caso de periódicos, acrescenta-se o mês ou mês e dia. Nomes de meses com mais de quatro letras devem ser abreviados no idioma original da publicação. As abreviaturas em inglês e alemão têm letra inicial maiúscula. Se a data não aparece na publicação, coloca-se entre parênteses a data provável: [2005?] ou aproximada [ca.2005]. Na ausência da data de publicação usa-se [s.d.].

Séries e Coleções o título da série ou coleção deve ser acompanhado de sua numeração, tal como estiver mencionado na publicação e entre parênteses. Publicações com mais de um volume são referenciadas indicando-se em algarismo arábico a quantidade de volumes seguida da

abreviatura “v”.

É importante lembrar que a pontuação da referência deve ser rigorosamente seguida de acordo com o padrão adotado. Deve-se observar atentamente onde colocar vírgula, ponto, dois pontos, parênteses, entre outros. Colchetes devem ser usados para informações identificáveis, porém que não constam da publicação, e o Hífen, entre os números das páginas. Reticências são utilizadas somente quando se suprimem palavras do título.

DIVERSIDADE DE NORMAS DE REFERENCIAÇÃO

A recuperação da informação só será possível na medida em que a referência estiver correta. Para elaborar corretamente uma referência, existe uma normalização internacional para o registro de todas as formas de pesquisa, divulgada no Brasil pelo Instituto Brasileiro de Bibliografia e Documentação (IBBD) e pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Embora as normas técnicas propostas pela ABNT sejam as recomendadas para uso em território nacional, algumas áreas, pela especificidade de suas publicações, requerem a adoção de padrões internacionais das revistas indexadas, tais como as de Ciências da Saúde, que utilizam a padronização denominada Vancouver Style, elaborada pelo Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas, recomendada pelo Index Medicus/MEDLINE, ou, ainda, como nas áreas de Microbiologia, Bioquímica, Biologia e Psicologia, que adotam o formato de referência apresentado pela American Psychological Association (APA) e pela Modern Language Association (MLA) recomendado pelo Chemical Abstract.

Além dessas, outras variantes nacionais são exigidas para usos específicos, como a publicação em periódicos científicos. O estilo Chicago é o mais solicitado em publicações norte-americanas e canadenses nas Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, enquanto nas publicações inglesas e de diversas partes do antigo império, como a Austrália, a Índia, entre outros países, solicitam conformidade com o padrão de referências elaborado pela Universidade de Harvard.

O uso de um ou outro padrão tem constantemente gerado controvérsias. Tendências e iniciativas correntes, por parte dos editores de revistas científicas, em criar um padrão unificado de referenciação ainda não produziram resultados práticos, embora continuem em pauta.

A ideia neste capítulo é orientar o pesquisador provendo-o de normas e de um padrão para a elaboração das referências de acordo tanto com a norma elaborada pela ABNT quanto com a recomendada pela APA. Atende-se, assim, tanto à especificidade de um campo de conhecimento quanto às determinações nacionais, pois ambas são regras que permitem a recuperação da informação na íntegra, objetivando complementar os conteúdos descritos no texto, facilitar a localização no corpo do trabalho, permitir conhecimento da literatura consultada pelo autor, de forma precisa e ágil, atendendo às necessidades do pesquisador.

CITAÇÃO NO TEXTO E SUA REFERENCIAÇÃO

Embora o desenvolvimento deste trabalho esteja direcionado a orientar os pesquisadores sobre a elaboração de referências, entende-se que são necessários esclarecimentos sobre como inserir a citação de outros autores no texto. Portanto, tratar brevemente das formas de citação empregadas pelas normas mais frequentemente utilizadas nos documentos produzidos pelos cursos de graduação, programas de pós-graduação e periódicos científicos brasileiros, quais sejam, ABNT e APA, parece ser uma temática relevante para este capítulo, uma vez que todos os autores citados no corpo do trabalho devem constar impreterivelmente na seção ou item de Referências. Como os padrões de formatação e normalização ABNT e APA apresentam algumas diferenças, ambos serão comparativamente tratados, a seguir.

Sendo assim, o primeiro passo para se trabalhar a citação de autores é saber o que significa uma citação e qual é a sua finalidade. A Citação diz respeito a informações advindas de fontes

que foram consultadas e que, portanto, devem ser mencionadas no decorrer da obra com o objetivo de dar sustentação teórica ao tema abordado e reiterar o pensamento ou ideia do autor.

Existem dois tipos de citação, quais sejam, a direta e a indireta ou livre. Na citação direta, ocorre a transcrição exata, literal, de um texto de outro autor, ou de parte dele, o que significa que houve uma “cópia” do original, com a mesma grafia e pontuação. Nesse caso deve-se apresentar o texto citado sempre entre aspas, acompanhado do(s) sobrenome(s) do(s) autor(es), ano da publicação e número da página onde aparece.

As citações diretas podem ser classificadas, ainda, em citação direta curta ou citação direta longa. A citação direta curta é composta de, no máximo, três linhas (ABNT) ou aproximadamente quarenta palavras (APA), mantendo-se o mesmo tipo e tamanho de fonte utilizados no texto onde está localizada.

Exemplo:

ABNT

“A depressão é caracterizada como um transtorno de humor multifatorial que envolve aspectos

afetivos, motivacionais, cognitivos e neurovegetativos que devem ser levados em conta em sua avaliação e tratamento“ (LEMOS; BAPTISTA; CARNEIRO, 2011, 22).

APA

“A depressão é caracterizada como um transtorno de humor multifatorial que envolve aspectos

afetivos, motivacionais, cognitivos e neurovegetativos que devem ser levados em conta em sua avaliação e tratamento“ (Lemos, Baptista & Carneiro, 2011, 22).

Já a Citação direta longa (ABNT) é caracterizada por quatro ou mais linhas. Nesse caso, a transcrição se faz em parágrafo independente, com recuo de 4 cm da margem esquerda, com entrelinhas simples e fonte de tamanho menor, deixando-se uma linha em branco entre a citação e os parágrafos anterior e posterior.

Exemplo:

Focalizando apenas os instrumentos nacionais, pode-se observar uma concentração na área de leitura e aprendizagem de conteúdos acadêmicos, não tendo sido encontrado um instrumento que incluísse itens referentes à metacognição aplicada em outros contextos do dia a dia, como aqueles relativos a atividades corriqueiras, feitas em casa e atividades de lazer. As atividades não acadêmicas também envolvem o uso de habilidades metacognitivas. Assim, uma criança que se questiona se entendeu o que assistiu em um programa na televisão ou que pensa em diferentes maneiras para brincar com um jogo e escolhe a melhor se vale de habilidades metacognitivas. Vale ressaltar que a ênfase dos instrumentos tende a recair sobre o uso de estratégias metacognitivas. A proposta da escala, cuja análise das evidências de validade de conteúdo é apresentada no presente estudo, tem como ideia subjacente a avaliação da metacognição em termos de conhecimento e autorregulação metacognitivos (Pascualon-Araujo; Schelini, 2013,150).

No caso da APA, a Citação direta longa ocorre quando a citação excede 40 palavras, sendo a transcrição realizada em parágrafo independente, com recuo de 5 toques a partir da margem esquerda, empregando-se a mesma fonte, tamanho e entrelinhas do texto.

Exemplo:

Focalizando apenas os instrumentos nacionais, pode-se observar uma concentração na área de leitura e aprendizagem de conteúdos acadêmicos, não tendo sido encontrado um instrumento que incluísse itens referentes à metacognição aplicada em outros contextos do dia a dia, como aqueles relativos a atividades corriqueiras, feitas em casa e atividades de lazer. As atividades não acadêmicas também envolvem o uso de habilidades metacognitivas. Assim, uma criança que se questiona se entendeu o que assistiu em um programa na televisão ou que pensa em diferentes maneiras para brincar com um jogo e escolhe a melhor se vale de habilidades metacognitivas. Vale ressaltar que a ênfase dos instrumentos tende a recair sobre o uso de estratégias metacognitivas. A proposta da escala, cuja análise das evidências de validade de

conteúdo é apresentada no presente estudo, tem como ideia subjacente a avaliação da metacognição em termos de conhecimento e autorregulação metacognitivos (Pascualon-Araujo & Schelini, 2013,150).

O outro tipo de citação, a indireta ou livre, envolve a reprodução das ideias de outro autor, porém sem transcrição literal. Nela o sentido original do texto é preservado, sem que haja distorção de seu conteúdo. Deve ser escrita sem aspas, utilizando-se o mesmo tipo e tamanho de fonte e entrelinhas adotados no trabalho e vir acompanhada do(s) sobrenome(s) do(s) autor(es) e ano de publicação.

A exemplo da citação direta, a citação indireta ou livre pode ser apresentada sob dois tipos, quais sejam, a citação indireta em forma de paráfrase e a citação indireta condensada. A citação indireta em forma de paráfrase é construída quando o autor do trabalho interpreta a ideia, conceito ou expressão da fonte original e, mediante uma redação própria, a reescreve, mantendo fidelidade ao teor e ao tamanho do texto original.

Exemplo:

Segundo Pascualon-Araujo e Schelini (2013), há uma concentração de instrumentos nacionais na área da leitura e de aprendizagem de conteúdos acadêmicos. Consideram as autoras que existe uma lacuna de instrumentos que mensurem a metacognição em situações do dia a dia, já que ela está inegavelmente presente nessas situações. As crianças utilizam habilidades metacognitivas mesmo quando estão assistindo a um programa de televisão ou jogando, ao se questionarem a respeito do programa que assistiram ou da melhor estratégia a adotar para alcançarem os resultados almejados num jogo. Destacam ainda que os instrumentos existentes enfatizam o emprego das estratégias metacognitivas. Assim, propõem uma escala que avalia a metacognição em termos de conhecimento e autorregulação metacognitivos, para a qual apresentam, em seu estudo, evidências de sua validade de conteúdo.

A citação indireta condensada, por sua vez, é garantida quando a ideia, conceito ou expressão interpretado pelo autor do trabalho é expresso preservando a ideia da fonte original, porém de maneira resumida.

Exemplo:

Pascualon-Araujo e Schelini (2013) afirmam a necessidade de escalas de habilidades metacognitivas que considerem outros contextos além da leitura e da aprendizagem de conteúdos acadêmicos, como os relacionados às atividades do dia a dia, e propõem um instrumento que avalia a metacognição em termos de conhecimento e autorregulação metacognitivos, apresentando evidências de sua validade de conteúdo.

Todas as fontes documentadas no corpo do trabalho devem ser formatadas considerando o sobrenome do autor, a data das fontes e o número da página, quando for o caso de citação direta. Quando o(s) nome(s) do(s) autor(es) faz(em) parte da frase, coloca-se unicamente o ano da publicação em questão entre parênteses (Exemplo 1). Já quando o(s) autor(es) não compõe(m) parte formal da frase, o(s) sobrenome(s) do(s) autor(es) e o ano de publicação são citados entre parênteses, separados por vírgula (vide Exemplo 2).

Exemplos:

Exemplo 1. Corso e Salles (2009) explicam que é na rota lexical que ocorre a acessibilidade imediata ao significado a partir das letras impressas.

Exemplo 2. Diversos estudos têm apontado para a forte relação existente entre a leitura e a escrita (Cunha, 2006; Cunha & Santos, 2010; Gidetti & Martinelli, 2007; Lima, 2012; Lima & Santos, 2009a; Lima & Santos, 2009b; Lima Mognon & Santos, 2009; Suehiro, 2008; Suehiro & Santos, 2012).

Existem, ainda, regras específicas para citações, diretas ou indiretas (livres), ao se considerar o quantitativo de autores das informações que serão utilizadas para dar suporte teórico ao texto produzido e sua localização no texto. No caso da citação de um trabalho com dois autores, os sobrenomes de ambos são incluídos em todas as citações subsequentes, utilizando-se, para tanto,

as expressões “e”, nas normas ABNT e APA, quando os sobrenomes compõem a frase (Exemplo 1). Quando os sobrenomes não fazem parte integrante da frase e são citados entre parênteses, faz- se uso de “;” na ABNT e de “&” na APA (vide Exemplo 2).

Exemplos:

Exemplo 1

ABNT e APA

Troop-Gordon e Kopp (2011) realizaram um estudo longitudinal com alunos do quarto e quinto anos do Ensino Fundamental e verificaram correlações, em ambos os tempos, entre características da relação professor-aluno (proximidade, dependência e conflito), níveis de vitimização e níveis de agressão. De acordo com Troop-Gordon e Kopp (2011), a relação de proximidade foi suficiente para predizer alterações apenas nos índices de agressão física, enquanto a relação de dependência com o professor foi capaz de predizer níveis elevados de vitimização física ou relacional. Já o relacionamento conflituoso com o docente, por sua vez, não representou um preditor relevante para agressão.

Exemplo 2

ABNT

Percebe-se que, nos diferentes níveis de ensino, professores se queixam de alunos desmotivados (Tapia, 2003; Tapia; Fita, 2006).

APA

Percebe-se que, nos diferentes níveis de ensino, professores se queixam de alunos desmotivados (Tapia, 2003; Tapia & Fita, 2006).

De três a cinco autores, todos os sobrenomes são incluídos na primeira vez que o trabalho é citado e, em citações subsequentes, o sobrenome do primeiro autor é seguido pela expressão “et al.”, tanto nas normas da ABNT quanto nas da APA.

Exemplos:

ABNT e APA

No artigo de Joly, Santos e Sisto (2005), a discussão sobre barreiras à criatividade e personalidade refere-se exclusivamente à população de universitários. Joly et al. (2005) acreditam que uma avaliação inicial no momento do ingresso favoreça a criação de programas de caráter preventivo e remediativo, facilitando o processo de formação profissional.

Para citações de obras com seis ou mais autores, coloca-se entre parênteses o sobrenome do

primeiro autor, seguido de “et al.” (ABNT e APA) para cada citação, inclusive na primeira.

Exemplo:

ABNT

O foco principal do desenvolvimento da criança volta-se para o processo de escolarização, e a partir dos seis anos ou terceira infância inicia-se a aprendizagem formal por meio da aquisição de habilidades básicas como leitura, escrita e cálculo, sobre as quais se apoiarão todos os conhecimentos a serem incorporados posteriormente, os quais são necessários para as aprendizagens que se processarão em cada etapa desse processo (Tonelotto et al., 2005).

APA

O foco principal do desenvolvimento da criança volta-se para o processo de escolarização, e a partir dos seis anos ou terceira infância inicia-se a aprendizagem formal por meio da aquisição de habilidades básicas como leitura, escrita e cálculo, sobre as quais se apoiarão todos os

conhecimentos a serem incorporados posteriormente, os quais são necessários para as aprendizagens que se processarão em cada etapa desse processo (Tonelotto et al., 2005).

Por fim, outra possibilidade de citação de um texto é a citação de citação. Nela o autor do trabalho faz a transcrição, direta ou indireta (livre), de informações contidas em fontes secundárias, sem ter tido acesso à fonte original. Faz-se necessário, no entanto, destacar que esse tipo de citação deve ser evitada, procurando-se ao máximo sempre citar fontes realmente lidas.

Exemplo:

ABNT

Martinelli e Genari, apud Rueda e Monteiro, 2013

APA

Martinelli e Genari, citados por Rueda e Monteiro, 2013

Independentemente do tipo de citação adotada, destaca-se novamente que todos os autores citados no corpo do trabalho devem constar na seção ou item de Referências. A listagem de Referências deve ser construída de acordo com a norma adotada, cujos formatos estão exemplificados no tópico seguinte.

USOS MAIS FREQUENTES E EXEMPLOS DE REFERENCIAÇÃO

Os elementos que compõem uma referência cumprem uma sequência padronizada, de acordo com a norma adotada, que deve ser considerada em toda a extensão do trabalho. A ausência de um elemento quando da citação da informação no corpo do texto pode gerar inconsistências e erros em sua referenciação, o que, certamente, acarretará dificuldades em sua localização.

De maneira geral, as publicações impressas devem conter elementos como: a identificação do(s) autor(es), pelo sobrenome, seguido da(s) inicial(is) do(s) prenome(s), título da obra em destaque (negritado, sublinhado ou em itálico) ou do capítulo, quando for o caso, (sem destaque), título do periódico (com destaque), dados da imprenta e ainda da série ou coleção, quando pertinente. De modo semelhante, as referências disponibilizadas eletronicamente devem conter os mesmos dados, quais sejam, identificação do autor, da obra, da imprenta (quando possível), data do acesso à informação e o endereço eletrônico em que foi disponibilizada.

A seguir serão apresentados descrições e exemplos relativos às duas normas mais frequentemente utilizadas em trabalhos científicos da ciência psicológica. Ressalta-se, no entanto, que os exemplos aqui abordados não têm a pretensão de esgotar a temática, mas sim mostrar as situações mais frequentes. Situações não contempladas no presente capítulo poderão ser consultadas em obras especializadas e em páginas específicas na Internet, tais como:

FONTES IMPRESSAS

LIVRO (livro na íntegra)

ABNT

SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome(s) ou inicial(is). Título do livro. Edição. Local de publicação: Editora. Data de publicação. Paginação (opcional). (Coleção ou série).

Exemplo:

BORUCHOVITCH, E.; SANTOS, A. A. A.; NASCIMENTO, E. Avaliação psicológica nos contextos educativo e psicossocial. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2012. 334 p .

APA

Sobrenome do autor, Inicial(is) do(s) prenome(s). (Ano da publicação). Título do livro:

subtítulo. (Edição. Volume). Local de publicação: Editora.

Exemplo:

Boruchovitch, E., Santos, A. A. A., & Nascimento, E. (2012). Avaliação psicológica nos contextos educativo e psicossocial. São Paulo: Casa do Psicólogo.

CAPÍTULO DE LIVRO

ABNT

SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome(s) ou inicial(is). Título do capítulo:

subtítulo. In: SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome ou iniciais. Título do livro:

subtítulo. Edição. Local de publicação: Editora, ano de publicação, páginas inicial-final do capítulo.

Exemplo:

CARVALHO, L. F.; PRIMI, R. Uma perspectiva integrativa e evolutiva da personalidade. In:

Couto, G.; Pires, S. D.; Nunes, C. H. S. S. (Orgs.). Os contornos da psicologia contemporânea:

temas em avaliação psicológica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2012. p. 11-20.

APA

Sobrenome(s) do(s) autor(es), Inicial(is) do(s) prenome(s). (Ano da publicação). Título do capítulo. In Inicial(is) do(s) prenomes(s) e sobrenome(s) do(s) autor(es) (Eds.), Título do livro:

subtítulo, (edição) página inicial-final do capítulo). Local de publicação: Editora.

Exemplo:

Carvalho, L. F., & Primi, R. (2012). Uma perspectiva integrativa e evolutiva da personalidade. In G. Couto; S. D. Pires; C. H. S. S. Nunes (Eds.). Os contornos da psicologia contemporânea:

temas em avaliação psicológica. (p. 11-20). São Paulo: Casa do Psicólogo.

PERIÓDICOS CIENTÍFICOS

ABNT

SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome(s) ou inicial(is). Título do artigo:

subtítulo. Título da revista, local de publicação, volume, número, página inicial-final do artigo, mês/ano da publicação.

Exemplo:

CARDOSO, H. F.; BAPTISTA, M. N. Escala de Suporte Laboral (ESUL): construção e estudos das qualidades psicométricas. Avaliação Psicológica (Impresso), São Paulo, v. 11, n. 1, p. 23- 35, 2012.

PACICO, J. C.; BASTINELLO, M. R.; ZANON, C.; REPPOLD, C. T.; HUTZ, C. S. Adaptation and

validation of

the

Brazilian

version

of

the

Hope

Testing, Philadelphia, v.13, n. 3, p. 193-200, 2013.

Index. International

Journal

of

APA

Sobrenome(s) do(s) autor(es), Inicial(is) do(s) prenome(s). (Ano da publicação). Título do artigo: subtítulo. Título do Periódico, volume (número ou suplemento), página inicial-final do artigo. Doi.

Exemplo:

Cardoso, H. F., & Baptista, M. N. (2012). Escala de Suporte Laboral (ESUL): construção e estudos das qualidades psicométricas. Avaliação Psicológica (Impresso), 11(1), 23-35.

Pacico, J. C., Bastinello, M. R., Zanon, C., Reppold, C. T., & Hutz, C. S. (2013). Adaptation and validation of the brazilian version of the Hope Index. International Journal of Testing, 13(3), 193- 200. Doi: 10.1080/15305058.2012.664833.

ARTIGOS DE JORNAIS

ABNT

SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome(s) ou inicial(is). Título do artigo:

subtítulo. Título do Jornal, local de publicação, data de publicação. Seção, Caderno ou parte do jornal, página.

Exemplo:

POLYCARPO, C. Demanda por geógrafo é grande. Correio Popular, Campinas, 23 agosto 2013. Cenário XXI, A8.

APA

Sobrenome(s) do(s) autor(es), Inicial(is) do(s) prenome(s). (Ano, dia e mês da publicação). Título do artigo. Título do jornal, página inicial-página final.

Exemplo:

Polycarpo, C. (2013, 23 agosto). Demanda por geógrafo é grande. Correio Popular, A8.

MONOGRAFIA, DISSERTAÇÃO DE MESTRADO E/OU TESE DE DOUTORADO

ABNT

SOBRENOME(S)

DO(S) AUTOR(ES),

acadêmico, Instituição, data.

Prenome(s)

ou inicial(is). Título. Local.

Nível

Exemplo:

ROBBI, D. M. P. Compreensão leitora e desempenho e matemática e escrita: estudo com alunos do ensino fundamental I. Itatiba. Dissertação de Mestrado, Universidade São Francisco, 2013.

APA

Sobrenome(s) do(s) autor(es), Iniciais do(s) prenome(s). (Ano de publicação). Título do trabalho (Nível acadêmico). Instituição, Local.

Exemplo:

Robbi, D. M. P. (2013). Compreensão leitora e desempenho e matemática e escrita: estudo com alunos do ensino fundamental I (Dissertação de Mestrado). Universidade São Francisco, Itatiba.

OBRA NO PRELO

ABNT

SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome(s) ou inicial(is). Título do trabalho. Nome do periódico e/ou Instituição. No prelo.

Exemplo:

ROSARIO, P.; NUNEZ, J. C.; VALLE, A.; PAIVA, O.; POLYDORO, S. A. J. Approaches to teaching in high school when considering contextual variables and teacher variables. Revista de Psicodidáctica. No prelo.

APA

Sobrenome(s) do(s) autor(es), Inicial(is) do(s) prenome(s) do(s) autor(es) (no prelo). Título do trabalho. Nome do Periódico.

Exemplo:

Rosario, P., Nunez, J. C., Valle, A., Paiva, O., & Polydoro, S. A. J. (no prelo). Approches to teaching in high school when considering contextual variables and teacher variables. Revista de Psicodidáctica.

TRABALHOS APRESENTADOS EM EVENTOS (resumo com publicação)

ABNT

SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome(s) ou inicial(is). Título do trabalho apresentado: subtítulo. In: Evento, Ano, Local de realização. Título da publicação. Local:

Editora, data da publicação. Páginas inicial-final do trabalho.

Exemplo:

SILVA, C. P.; ALENCAR, E. M. L. S. Percepção de professores de língua portuguesa sobre práticas pedagógicas que promovem a criatividade. In: V Colóquio de Psicologia Escolar do Distrito Federal, 2013, Brasília. V Colóquio de Psicologia Escolar do DF Anais 2013. Brasília:

Laboratório de Psicologia Escolar, Universidade de Brasília, 2013. p. 66-66.

APA

Sobrenome do autor, Inicial(is) do(s) prenome(s). (Ano da publicação). Título do trabalho. In Inicial(is) do(s) prenomes(s) e sobrenome(s) do(s) autor(es) (Eds.), Título do livro:

subtítulo, (edição) (páginas inicial-final do resumo). Local de publicação: Editora.

Exemplo:

Silva, C. P., & Alencar, E. M. L. S. (2013). Percepção de professores de língua portuguesa sobre práticas pedagógicas que promovem a criatividade. In V Colóquio de Psicologia Escolar do DF Anais 2013, (p. 66-66). Brasília: Laboratório de Psicologia Escolar, Universidade de Brasília.

TRABALHOS APRESENTADOS EM EVENTOS (sem publicação)

ABNT

SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome(s) ou Inicial(is). Título do trabalho. Evento. Local, data.

Exemplo:

BORUCHOVITCH, E. Como motivar alunos? Considerações para professores do ensino superior. V Fórum de Professores do Ensino. São Paulo, 01/08/2013.

APA

Sobrenome do autor, Inicial(is) do(s) autor(es). (Ano, mês). Título do trabalho. In Evento. Nome da Organização, Local.

Exemplo:

Boruchovitch, E. (2013, agosto). Como motivar alunos? Considerações para professores do ensino superior. In: V Fórum de Professores do Ensino. São Paulo.

ENTIDADES INSTITUCIONAIS

Entidades coletivas, como órgãos governamentais, empresas, instituições, congressos, devem ser referenciadas com entrada pelo título.

ABNT

TÍTULO DA ENTIDADE. Título da obra. Local de publicação: editora, data.

Exemplo:

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Avaliação psicológica: diretrizes na regulamentação da profissão. Brasília: CFP, 2010.

APA

Título da entidade (Ano de publicação). Título da obra. Local: editora.

Exemplo:

Conselho Federal de Psicologia (2010). Avaliação psicológica: diretrizes na regulamentação da profissão. Brasília: CFP.

FONTES ELETRÔNICAS ON-LINE

ARTIGOS EM PERIÓDICOS DISPONIBILIZADOS EM MEIO ELETRÔNICO

ABNT

SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Inicial(is) ou prenome(s). Nome do artigo. Nome do periódico (online), ano de publicação. Disponível em: <endereço da internet>. Acesso em: data da consulta.

Exemplo:

MAZER, S. M.; MELO-SILVA, L. L. Identidade profissional do psicólogo: uma revisão da produção científica no Brasil. Psicologia: Ciência e Profissão (online), 2010. Disponível em:< http://www.revistacienciaeprofissao.org/index_04_02.htm>. Acesso em 11/07/2013.

APA

Sobrenome(s) do(s) autor(es), Inicial(is) do(s) prenome(s). (Ano da publicação, mês). Título do artigo. Título do periódico, volume (número). Recuperado de URL. Doi.

Exemplo:

Mazer, S. M, & Melo-Silva, L. L. (2010). Identidade profissional do psicólogo: uma revisão da produção científica no Brasil. Psicologia: Ciência e Profissão (online), 30(1), Recuperado de http://www.revistacienciaeprofissao.org/index_04_02.htm. Doi: 10.1590/S1414-

98932010000200005

DOCUMENTOS ELETRÔNICOS NÃO PERIÓDICOS (Livros, eventos e base de dados)

ABNT

SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome(s) ou Inicial(is) do(s) autor(es). Título da obra. <Disponível em: endereço eletrônico>. Acesso em: data da consulta.

Exemplo:

VYGOTSKY. L. S. Pensamento e linguagem. Disponível em: <http://ebookbrowsee.net/livro- vygotsky-pensamento-e-linguagem-pdf-d368346308>. Acesso em 08/08/2013.

APA

Sobrenome(s) do(s) Autor(es), Inicial(is) do(s) prenome(s). (Ano da publicação). Título da obra. Volume. Local: Editora. Recuperado de URL. Doi.

Exemplo:

Vygotsky. L. S. (2002). Pensamento e linguagem. Recuperado de http://virtualbooks.terra.com.br/freebook/colecaoridendo/Pensamento_e_Linguagem.htm.
Vygotsky.
L.
S.
(2002). Pensamento
e
linguagem.
Recuperado
de http://virtualbooks.terra.com.br/freebook/colecaoridendo/Pensamento_e_Linguagem.htm.

CD-ROM com autoria

ABNT

SOBRENOME(S) DO(S) AUTOR(ES), Prenome(s) ou Inicial(is) do(s) autor(es). Título do CD-ROM. Local: Editora, número, data da publicação. Tipo de informação.

Exemplo:

LIMA, T. H.; MOGNON, J. F.; SANTOS, A. A. A. XV Encontro de Iniciação Científica, VIII Encontro de Pós-Graduação, IV Encontro de Extensão Universitária. Campinas: Universidade São Francisco, 2009. CD-ROM.

APA

Sobrenome(s) do(s) autores, Inicial(is) do(s) prenome(s). (Ano). Título do CD. Local:

Editora.

Exemplo:

Lima, T. H., Mognon, J. F., & Santos, A. A. A. (2009). XV Encontro de Iniciação Científica, VIII Encontro de Pós-Graduação, IV Encontro de Extensão Universitária. Campinas, Universidade São Francisco. CD-ROM.

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

American Psychological Association (2012). Manual de publicação da American Psychological Association. 6. ed. Porto Alegre, Penso.

Associação Brasileira de Normas Técnicas (2002). NBR 6023; informação e documentação:

referências: elaboração. Rio de Janeiro, ABNT.

BOURDIEU, P. (1998). A economia das trocas linguísticas; o que falar quer dizer. São Paulo:

Editora da Universidade de São Paulo.

BORUCHOVITCH, E. (2013, agosto). Como motivar alunos? Considerações para professores do ensino superior. In V Fórum de Professores do Ensino. São Paulo.

BORUCHOVITCH, E., Santos, A. A. A., & Nascimento, E. (2012). Avaliação psicológica nos contextos educativo e psicossocial. São Paulo: Casa do Psicólogo.

CARDOSO, H. F., & Baptista, M. N. (2012). Escala de Suporte Laboral (ESUL): construção e estudos das qualidades psicométricas. Avaliação Psicológica (Impresso), 11(1), 23-35.

CARVALHO,

L.

F.,

&

Primi,

R.

(2012).

Uma

perspectiva

integrativa

e

evolutiva

da

personalidade. In G. Couto; S. D. Pires; C. H. S. S. Nunes (Eds.). Os contornos da psicologia contemporânea: temas em avaliação psicológica, p. 11-20. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Conselho Federal de Psicologia (2010). Avaliação psicológica: diretrizes na regulamentação da profissão. Brasília: CFP.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES (2011). Orientações Capes: combate ao plágio. Recuperado de http://capes.gov.br/images/stories/download/- diversos/OrientacoesCapes_CombateAoPlagio.pdf.

CORSO, H. V.,

& SALLES, J.

F. de. (2009). Relação

entre leitura

de palavras

isoladas e

compreensão de leitura textual em crianças. Letras de Hoje, 44(3), 28-35.

CUNHA,

N.

B.

(2006). Instrumentos

para

avaliação

da

leitura

e

escrita:

estudos de

validade (Tese de Doutorado). Universidade São Francisco, Itatiba.

CUNHA, N. B., & SANTOS, A. A. A (2010). Estudos de validade entre instrumentos que avaliam habilidades linguísticas. Estudos de Psicologia (Campinas), 27(1), 305-31.

DINIZ, D., & MUNHOZ, A. T. M. (2011, jan./jun.). Cópia e pastiche: plágio na comunicação

científica. Argumentum,

1(3).

Recuperado

GUIDETTI, A. A., & MARTINELLI, S.C. (2007). Compreensão em leitura e desempenho em escrita de crianças do ensino fundamental. PSIC Revista de Psicologia da Vetor Editora, 8(2), 175-184.

JOLY, M.

C.

R.

A.,

SANTOS, A. A. A.,

& SISTO, F. F. (2005). Questões do cotidiano

universitário. São Paulo: Casa do Psicólogo.

LEMOS, V. A., BAPTISTA, M. N., & CARNEIRO, A. M. (2011). Suporte familiar, crenças irracionais e sintomatologia depressiva em estudantes universitários. Psicologia: Ciência e Profissão (Impresso), 31(1), 20-29.

LIMA, L. B. V. (2012). Depressão infantil, compreensão de leitura e escrita: um estudo com criança do ensino fundamental (Dissertação de Mestrado). Universidade São Francisco, Itatiba.

LIMA, T. H., Mognon, J. F., & Santos, A. A. A. (2009). Estudo da compreensão em leitura e da escrita em alunos do ensino fundamental. Em XV Encontro de Iniciação Científica, VIII Encontro de Pós-Graduação, IV Encontro de Extensão Universitária [CD-ROM]. Universidade São Francisco, Campinas.

LIMA, T. H., & SANTOS, A. A. A. (2009a). O teste de Cloze como instrumento de avaliação do desempenho escolar. Em XV Encontro de Iniciação Científica, VIII Encontro de Pós- Graduação, IV Encontro de Extensão Universitária [CD-ROM]. Universidade São Francisco, Campinas.

LIMA, T. H., & SANTOS, A. A. A. (2009b). O Teste de Cloze e sua relação com o desempenho escolar. Em IV Congresso Brasileiro de Avaliação Psicológica; V Congresso da Associação Brasileira de Rorschach e Métodos Projetivos; XIV Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos [CD-ROM]. Instituto Brasileiro de Avaliação Psicológica, Campinas.

MAZER, S. M, & MELO-SILVA, L. L. (2010). Identidade profissional do psicólogo: uma revisão da produção científica no Brasil. Psicologia: Ciência e Profissão (online), 30(1), Recuperado de http://www.revistacienciaeprofissao.org/index_04_02.htm. Doi:

10.1590/S1414-98932010000200005

MUNHOZ, A. T. M., & DINIZ, D. (2011, jan./jun.). Nem tudo é plágio, nem todo plágio é igual:

infrações éticas na comunicação científica. Argumentum, 1(3). Recuperado de http://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/1434/1162.

PACICO, J. C., BASTINELLO, M. R., ZANON, C., REPPOLD, C. T., & HUTZ, C. S. (2013). Adaptation and validation of the Brazilian version of the Hope Index. International Journal of Testing, 13(3), 193-200. Doi: 10.1080/15305058.2012.664833.

PASCUALON-ARAUJO, J. F., & SCHELINI, P. W. (2013). Escala de Avaliação da Metacognição Infantil: evidências de validade e análise semântica. Avaliação Psicológica (online), 12(2), 147-156.

Pontifícia

Universidade

Católica

do

Rio

Grande

do

Sul

(2005). Referências

conforme

ROBBI, D. M. P. (2013). Compreensão leitora e desempenho e matemática e escrita: estudo com alunos do ensino fundamental I (Dissertação de Mestrado). Universidade São Francisco, Itatiba.

ROSARIO, P., NUNES, J. C., VALLE, A., PAIVA, O., & POLIDORO, S. A. J. (no prelo). Approaches to teaching in high school when considering contextual variables and teacher variables. Revista de Psicodidáctica.

ROTHER,

E.

T.,

&

BRAGA,

M.

E.

R.

referências. São Paulo, [s.n.].

(2001). Como

elaborar

sua tese; estrutura e

RUEDA, F. J. M., & MONTEIRO, R. M. (2013). Bateria Psicológica para Avaliação da Atenção (BPA): desempenho de diferentes faixas etárias. Psico-USF (Impresso), 18(1), 99-108.

SANTOS, A. R. (2002). Metodologia científica: a construção do conhecimento. 5. ed. Rio de Janeiro: DP&A.

SBARDELINE, E. T. B., & DENIPOTI, C. (2007), Referências, citações e seus usos. In M. N. Baptista, & D. C. Campos (Eds.), Metodologias de Pesquisa em Ciências: Análises Quantitativa e Qualitativa (p. 25-37). Rio de Janeiro: LTC.

SEVERINO, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez.

SILVA, C. P., & ALENCAR, E. M. L. S. (2013). Percepção de professores de língua portuguesa sobre práticas pedagógicas que promovem a criatividade. In V Colóquio de Psicologia Escolar do DF Anais 2013, (p. 66-66). Brasília: Laboratório de Psicologia Escolar, Universidade de Brasília.

SUEHIRO, A. C. B. (2008). Processos fonológicos e perceptuais e aprendizagem da leitura e escrita: instrumentos de avaliação (Tese de Doutorado). Universidade São Francisco, Itatiba.

SUEHIRO, A. C. B., & SANTOS, A. A. A. (2012). Validade concorrente entre instrumentos de avaliação da compreensão em leitura e da escrita. Psicologia Argumento (PUCPR-Online), 30(1), 131-138.

TONELOTTO, J. M.

F., FONSECA, L. C., TEDRUS, G. M.

S. A., MARTINS, S. M.

V.,

GILBERT, M. A. P., ANTUNES, T. A., & PENSA, N. A. S. (2005). Avaliação do

desempenho escolar e habilidades básicas de leitura em escolares do ensino fundamental. Avaliação Psicológica, 4(1), 33-43.

TROOP-GORDON, W., & KOPP, J. (2011). Teacher-child relationship quality and children’s peer victimization and aggressive behavior in late childhood. Social Development, 20(3), 536-561. Doi:10.1111/j.1467-9507.2011.00604.x.

Universidade Federal do Paraná (2000). Referências. Curitiba: Editora da Universidade Federal do Paraná.

Universidade Tuiuti do Paraná (2003). Normas técnicas: elaboração e apresentação de trabalho acadêmico científico. Curitiba: Universidade Tuiuti do Paraná.

VASCONCELOS, S. (2011) Plágio em ciência. Oficina de divulgação para cientistas. Rio de Janeiro: Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Recuperado de http://www.icb.ufrj.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=624&si.

VYGOTSKY.

L.

S.

(2002). Pensamento

e

linguagem. Recuperado