Sie sind auf Seite 1von 2

A Música Medieval

Ao serviço da Igreja

A Idade Média na Europa abrange o período compreendido entre a queda


do Império Romano e o Renascimento, o que constitui um vasto espaço de
tempo.
Em termos musicais, esta época testemunhou não só a emergência da
Igreja Católica enquanto grande força e influência sobre estilos musicais e
tradições, especialmente canções de amor e épicas. Nesta época o
confronto entre cidades pelo poder eclesiástico era comum sendo por
vezes absurdo pois envolvia guerras e casamentos interdinásticos.
Consequentemente, a realidade musical era igualmente complexa,
embora a influência da Igreja, especialmente a de Roma, tenha tido um
certo efeito unificador sobre a música litúrgica.
 No ano de 1100 Johannes Afflighemensis escreve DE MUSICA, onde
delineia as regras para a composição de organum.
 No ano de 1100-1300 os troubadours, os trouvères e os
minnesinger encontram-se ativos nas cortes provençal francesa e
alemã.
Um aspeto de importância fulcral para a música litúrgica foi a forte
insurreição por parte da vasta maioria dos primeiros compositores cristãos
contra o uso de instrumentos musicais, porventura em parte devido à sua
associação com o templo pagão – onde o seu papel era, até certo ponto,
apotropaico -, mas também porque, aos olhos dos padres da Igreja, os
instrumentalistas faziam as suas atuações em contextos imorais como os
festins e o teatro.
Esta condenação foi de tal maneira maligna que S. João Crisóstomo
descreveu-a como “ a pilha de lixo do Diabo” e Arnóbio de Sicca alegou
que ela transformava os homens em “prostitutos” e as mulheres em
“merestrizes”. Não será por acaso que após isto a maior parte da música
foi escrita para órgão.
A Música da Igreja Medieval

Em meados do século V d.C., as raízes da música litúrgica cristã haviam


sido estabelecidas. Hoje pensa-se que houve poucas adoções musicais
inicias da prática judaica e que a tradição de uma eucaristia cantadas,
estabelecida por volta do século II d.C., foi uma inovação cristã. Os
primeiros hinos consistiam em linhas melódicas cantadas a solo.

Compositor Importante:
Guido D’Arrezo :
Famoso por ter inventado os conceitos básicos da notação musical
ocidental moderna, Guido D’Arrezo foi também autor de um dos mais
influentes tratados desde a Idade Média clássica à Idade Média tardia, O
Micrologus e o Prolugus in Anthiphonarium.
O Canto Gregoriano
De modo a alcançar este propósito, foram depositados nos arquivos das
catedrais cópias de manuscritos procedentes dos escritos de Gregório,
fornecidos pelo Papa de Roma. Foi também por volta desta altura que a
notação dos cantos se tornou possível através do uso de neumas. Estes
correspondiam a um sistema de sinais que delineavam a forma de uma
melodia, embora não facultassem tons ou intervalos exatos; por
conseguinte, um certo grau de instrução oral representava ainda uma
parte necessária na aprendizagem do repertório.