You are on page 1of 22

IGREJA DE CRISTO EM APODI-RN

End. Praça da Redenção, nº 100. Apodi-RN. CEP 59.700-000


Pastor Presidente: David Marroque Teixeira.
DEPARTAMENTO DE ESCOLA BIBLICA DOMINICAL

1º CAPACITA PROFESSORES E LÍDERES DE EBD – 02 E 09 DE JUNHO DE 2018

Nome do Aluno:___________________________________________________________

O PERFIL DO PROFESSOR DE EBD – Comentários do Ir. Bruno Jeferson.

TEXTOS-BASE:
• “Meus irmãos, não sejam muitos de vocês mestres, pois vocês sabem que nós,
os que ensinamos, seremos julgados com maior rigor” (Tiago 3.1).
• “(...) Se é ensinar, haja dedicação ao ensino” (Rm.12.7b).

OBJETIVOS:
• ADVERTIR sobre a responsabilidade que tem o professor e líder de EBD na
educação cristã daqueles que estão sob sua influência.
• ANALISAR algumas das características que compõem o perfil que se espera do
professor e líder de EBD e que favorecerão o ensino por ele ministrado.
• PROPOR algumas sugestões para melhorar o processo ensino-aprendizagem das
lições da EBD.

INTRODUÇÃO:
A tarefa de ensinar é um ofício árduo e espinhoso para o professor e líder de Escola
Bíblica Dominical. Nada obstante isso, essa missão é muito gratificante e prazerosa
quando desenvolvida sob o temor de Deus e o respeito ao fiel ensino de sua Palavra.
Todo professor e líder de EBD precisa estar ciente da responsabilidade que lhe foi
confiada de instruir o povo de Deus, sabendo que prestará contas ao próprio Senhor
pelo que disse e pelo que deixou de dizer.

1) A RESPONSABILIDADE DO PROFESSOR/LÍDER
• Pela Bíblia Sagrada compreendemos que os mestres e pregadores cristãos serão
mais cobrados por Deus porque seu ofício tem grande influência sobre os outros:
Se você é professor ou líder na EBD esteja logo bastante consciente disso!
• Mestre cristão é todo aquele que tem a tarefa de ensinar a Palavra de Deus,
independente de sexo, faixa etária, condição social: ou seja, é aquele(a) que se
dedica a instruir todo e qualquer cristão no caminho o qual devem andar.
• (Tg.3.1) “seremos julgados com maior rigor”.
• Tiago não dá o alerta de juízo aos outros sem antes dá-lo a si mesmo.
• Os mestres estarão diante do Tribunal de Cristo e serão julgados com maior
rigor do que os outros.
• Sua maior influência se traduz em maior responsabilidade.
• Liderança requer responsabilidade e compromisso.
• Quando a honra é grande, a responsabilidade é ainda maior. Quando as
exigências são sérias, o castigo por não atender às exigências é, da mesma
forma, mais severo.
• Todas as heresias, grande parte das divisões e muitas das falhas da igreja ao
longo da história se deram por causa de mestres sem entendimento ou
sabedoria provenientes de Deus.
• A intenção de Tiago não é desanimar aqueles ensinam a Palavra de Deus e
os que pretendem ensinar, mas sim, adverti-los sobre a seriedade dessa
incumbência.

2) DEDICAÇÃO: A CHAVE PARA UM PROFESSOR/LÍDER ABENÇOADO


• Rm.12.7b)(...) Se é ensinar, haja dedicação ao ensino.

• Cabe ao professor e líder de EDB desenvolver as habilidades de interpretar,


esclarecer, sistematizar e explicar de maneira simples (descomplicar) o
ensino da Palavra de Deus.

• Ensinar é diferente de pregar: não quanto ao conteúdo, mas, quanto a


habilidade singular para a proclamação pública.
• Uns são chamados para serem professores, outros para serem
pregadores, e alguns podem desempenhar as duas funções.

• A chave para um ensino produtivo está na DEDICAÇÃO do professor/líder no


estudo da Palavra e no planejamento de como transmiti-la de forma
eficiente para aqueles que irão ouvi-lo.

• Quanto ao estudo da Palavra: deve-se escolher professores e líderes para


EBD dentre os irmãos:
• Que tem uma vida de leitura da Palavra do Senhor. É importante, pois,
que não sejam neófitos: que aprendam primeiro para poder ensinar
depois.

• Quanto à eficácia para repassar o conhecimento, temos gente que


conhece muito a Palavra, mas, não a transmite de forma satisfatória.
• Eis a importância da didática e da pedagogia no processo ensino-
aprendizagem.

• A mensagem a ser transmitida é a mesma. Mas, a forma de transmiti-la pode


variar de acordo com o público:
• Não se ensina uma criança da mesma forma que se ensina um adulto.

• O próprio Senhor Jesus fez uso de vários recursos para poder levar a sua
palavra adiante:
• As parábolas
• Figuras de linguagem
• Explicação das próprias parábolas

• PLANEJAMENTO PRÉVIO, portanto, é essencial para um eficaz ensino.


Devemos nos perguntar:
• Qual a melhor maneira de transmitir esse conteúdo?
• Que exemplos posso utilizar para aclarar o que está sendo posto?
• Quais recursos podem enriquecer o ensino? Exs. Cartazes, mapas,
ilustrações, pesquisas, apresentações com o projetor, vídeos, etc.

3) CARACTERÍSTICAS DO BOM PROFESSOR E LÍDER DE EBD.


 3.1) SER ASSÍDUO NA EBD: não se pode oportunizar a responsabilidade de
ensinar a quem não tem vontade de aprender.

 3.2) SER EXEMPLO DE CONDUTA CRISTÃ: não pode ser professor/líder quem
não tem bom testemunho perante a igreja e perante a sociedade civil.

 3.3) TER CHAMADO PARA ENSINAR: não adianta ser assíduo na EBD e ter bom
testemunho se não for vocacionado ao ensino.
 3.4) SER MUITO DEDICADO E COMPROMISSADO: no planejamento, na oração,
na disponibilidade (ensinar fazendo uso da internet, especialmente das redes
sociais).

 3.5) GOSTAR DE ESTUDAR: o bom professor deve ser estudioso da Palavra e de


literaturas cristãs, porque

o Essa prática vai incentivar os alunos a serem igualmente estudiosos e atentos


(como os crentes de Beréia).
o Essa prática vai dar legalidade ao que ele ensina (não é alguém que fala do
que não sabe ou vive).
o Essa prática vai ajudá-lo numa constante reciclagem e aprendizado.
o Essa prática vai habilitá-lo a ter uma cosmovisão maior e poder estar apto a
pontuar sobre os mais variados assuntos.
o A Palavra é o manual de fé e prática do Cristão e, indiscutivelmente suficiente
para alimentá-lo espiritualmente.
 Nada obstante isso, é salutar que o professor e líder de EBD esteja a
par de literaturas cristãs (pregações em DVD, vídeo aulas, livros,
folhetos, revistas, etc.) que abordem temas do cotidiano abordados ou
não, expressamente, na Bíblia.
 Essa prática vai contribuir para que tais temas sejam tratados a luz dos
princípios da Palavra.

4) ALGUMAS SUGESTÕES PARA A MELHORIA NO PROCESSO ENSINO-


APRENDIZAGEM

• Os próximos pontos vão tratar tão somente de SUGESTÕES para melhorar a


eficácia do processo ensino-aprendizagem na EBD.
• Cada um avalie se cabe o que está sendo posto e decida aplicar ou não a sua vida.

4.1) HUMILDADE SEMPRE: Ter conhecimento não significa ter sabedoria. Esteja sempre
pronto a aprender com seus alunos e a ouvi-los atentamente.
4.2) NÃO QUEIRA APARECER: Nada de discussões intermináveis, sobretudo em redes
sociais, que não levam a lugar nenhum. Deixe para os tolos que gostam de exibir o
conhecimento que tem, mas, não vivem o que sabem.

4.3) NÃO CONFUNDA OS PAPÉIS: Nossa função é ensinar a verdade, mas,


lembrando que é um moribundo ensinando a outro.
4.4) FAÇA A DIFERENÇA: Tem gente que nem se nota que serve a Deus pelo simples
fato de ser acomodado. Não seja um “crente apêndice”.

4.5) PERSISTA: Mesmo se houver críticas injustas, mesmo sem não tiver apoio de quem
você esperar receber, mesmo se ninguém te elogiar ou sequer reconhecer o seu esforço.

5) CONCLUSÃO:

Pelo que foi exposto concluímos que o professor ou líder de EBD deve ser alguém
verdadeiramente vocacionado para trabalhar no ministério do ensino cristão, consciente de
suas responsabilidades (que não são poucas), dedicado e zeloso no que faz antes, durante
e depois das ministrações, compromissado com o fiel ensino na Palavra, tendo por
referência e guia o Senhor Jesus, o Mestre dos mestres.
MATERIAL COMPLEMENTAR
1. AS SETE LEIS DO ENSINO

Ao longo desta Apostila vamos estudar algumas regras que se forem postas em prática
certamente ajudarão a melhorar o nosso ensino e com a ajuda de Deus poderemos ver
também resultados nas vidas dos nossos alunos.

1. Lei Do Professor

Definição: O professor precisa conhecer aquilo que vai ensinar.

- O saber, o conhecimento ocupa o centro da Lei do Professor, é com este material que nós
professores precisamos de trabalhar. Temos primeiro compreender para que depois
possamos transmitir - “Conhecimento imperfeito reflete-se em ensino imperfeito”.
Precisamos dominar a matéria, estar familiarizados com ela para que depois possamos
transmiti-la aos nossos alunos. - Alguém um dia afirmou: “O mestre que não sabe é como
um cego que guia outro cego.” - O professor precisa conhecer bem a matéria e assim estará
à vontade na apresentação dela, ajudando assim o aluno a confiar no professor e a crescer
no desejo de saber mais.

As Regras do Professor:

1. Preparar cada lição com tempo e estudo renovado. (O que aprendeu há um ano já não
serve).
2. Partir do conhecido para o desconhecido.
3. Usar uma linguagem simples que os alunos entendam.
4. Relacionar a matéria com a vida dos alunos.
5. Usar todos os meios legítimos para a boa compreensão da matéria.
6. Fazer uma avaliação da matéria. (Filtrar o que é importante).
7. Buscar informação em bons livros.

Erros a Evitar:

1. Ser tentado a não se preparar cuidadosamente, quando sabe que os alunos estão
ignorantes nesse campo.
2. Pensar que cabe ao aluno e não a si estudar a lição.
3. Na hora da aula “falar só palha” - O alvo é esquecido. (Se alguma vez ele existiu…)
4. Ocultar a sua má preparação através de uma linguagem eloquente.

Conclusão: Se esta primeira lei fundamental do ensino, for obedecida, e praticada, então
a nossa Escola Dominical crescerá em número e utilidade.

2. A Lei Do Aluno
Há características que diferenciam o aluno das outras pessoas, os elementos essenciais
que fazem dele o aluno.
Atenção e interesse caracterizam o estado mental do verdadeiro aluno, e constituem a base
essencial sobre a qual descansa o processo da aprendizagem. Definição: O aluno deve
dedicar-se com interesse à matéria a ser aprendida. Isto requer do aluno atenção

1. Descrição de Atenção:

Atenção significa a direção ou a concentração da mente num objeto. O objeto pode ser
externo ou mental.

Objeto externo é aquilo que pode ser observado pelos nossos cinco sentidos. Ex: Um
filme, observar o funcionamento de um carro, uma peça musical.

Objeto Mental está ligado à mente. É por ex: Quando alguém relembra uma experiência
passada, ou quando se medita no significado de uma ideia.

Filosofia da Lei:

1. Sem atenção o aluno não pode aprender.


2. Não podemos passar, de uma mente para a outra, o conhecimento como se fosse uma
substância material.
3. O aluno precisa de ter interesse no que se está a passar. O interesse aumenta a atenção.

Empecilhos à atenção

1. Apatia
2. Distração

Regras Para Os Professores

1. Nunca comece a dar a lição sem ter captado a atenção da classe


2. Desperte e mantenha o mais vivo interesse sobre o assunto
3. Adapte a duração da lição à idade dos alunos
4. Tome cuidado com as fontes de distração
5. Prepare antecedentemente perguntas que provoquem o pensamento
6. Torne a apresentação da lição o mais atrativo possível
7. Procure ilustrações que estejam de acordo com o gosto dos alunos

Dois Grandes Erros:

1. Começar a falar antes de ter captado a atenção dos alunos e continuar depois de a ter
perdido.
2. Não fazer nenhum esforço para descobrir os gostos dos alunos, nem para criar neles
vivo interesse pelo assunto.

Conclusão: O professor que não quer desobedecer a esta lei, deve aprender a arte de
chamar e captar a atenção e provocar interesse no aluno.
3. A Lei da Linguagem

Definição: A linguagem usada no ensino deve ser comum ao professor e aluno.

Regras Para Os Professores:

1. Expressar-se quanto possível na linguagem do aluno.


2. Se o aluno não entende, repita o pensamento, com outras palavras, e com simplicidade.
3. Ajude o significado das palavras com ilustrações.
4. Teste frequentemente o entendimento dos alunos.

Alguns Enganos:

1. O olhar aparentemente interessado do aluno muitas vezes pode enganar o mestre.


2. Muitas vezes os alunos apenas estão olhando os olhos, lábios ou dizem ter entendido
para agradar o professor.

4. A Lei Da Lição

Definição: A verdade a ser ensinada deve ser aprendida através de alguma verdade já
conhecida.

A Filosofia Da Lei:

1. A preocupação deve ser começar o ensino num ponto da lição que já seja conhecido,
pelo menos familiar.
2. Todo o ensino deve avançar numa direção. Esta direção deve ser para a aquisição de
algo novo. Ensinar de novo o que os alunos já sabem é matar o poder da atenção deles,
caindo numa rotina.
3. É necessário que o professor saiba o grau de conhecimento dos alunos para poder ter
um ponto de partida.

Regras Para Os Professores:

1. Descobrir o que os alunos sabem do assunto que se lhes vai ensinar.


2. Tirar o melhor partido possível do conhecimento e experiência dos alunos.
3. Relacionar, tanto quanto possível, cada lição com as anteriores.
4. Começar com ideias ou factos que sejam familiares ao aluno.
5. Manter o nível da lição em relação à idade do aluno.

Alguns Erros:

1. Professores mandam os alunos estudar lições novas quando estes ainda estão mal
preparados.
2. Não se preocupar com as bases que os alunos têm.
3. Não dar ligação às lições.
4. Avançar para outro ponto sem os alunos terem compreendido o ponto que foi dado.

Conclusão: Partindo do conhecido para o desconhecido o professor tem mais


probabilidades de ser compreendido pelos alunos e despertar neles o interesse necessário
para que possa haver atenção e, consequentemente, mais aprendizagem.
5. A Lei Do Processo Do Ensino

Definição: Fazer do aluno um descobridor da verdade, deixando que ele a encontre por si.

Filosofia Da Lei:

1. Podemos aprender sem professor. Ex: Pais, estudos individuais, a escola da vida, etc.
2. O verdadeiro ensino estimula os alunos a ganhar conhecimento.
3. O professor é um guia.

Regras Para os Professores:

1. Ter em mente o alvo: despertar as mentes dos alunos.


2. Estimular o interesse.

Alguns Erros:

1. Dar lições apenas prelecionando.


2. O professor exigir pronta e rápida recitação nas mesmas palavras.
3. Não dar tempo aos alunos para pensarem quando é feita uma pergunta.

6. A Lei da Aprendizagem

Definição: O aluno deve reproduzir em sua própria mente a verdade a ser aprendida.

Etapas da Aprendizagem:

1. Decorar apenas.
2. Decorar e compreender também.
3. Traduzir o ensino por palavras suas.
4. Procurar provas das afirmações que estuda.
5. Encontrar a parte prática da matéria.

Regras Práticas Para Professores e Alunos:

1. Ajudar o aluno a ter uma ideia clara do trabalho a ser feito.


2. Fazer o aluno expressar por palavras suas o assunto da lição.
3. Fazer perguntas para atingir o objetivo.
4. Testar o conhecimento dos alunos.

Erros a Evitar:

1. Deixar o aluno confuso e avançar sempre na matéria.


2. Dar mais valor às palavras do que ao seu significado.
3. Negligenciar as aplicações

Conclusão: Sem aprendizagem não há ensino eficiente!

7. Lei da Revisão e da aplicação

Definição: O acabamento, a prova e a confirmação do ensino, devem processar-se através


da recapitulação e aplicação.
Principais alvos da recapitulação:

1. Aperfeiçoar o conhecimento.
2. Confirmar o conhecimento.
3. Aplicar o conhecimento.

Regras Para o Professor:

1. Separar tempo para a recapitulação.


2. No final da lição, recordar o que se falou.
3. Procurar o máximo de aplicações.
4. Animar e encorajar os alunos a perguntar sobre a matéria anterior.

Erros a Evitar:

1. Esquecer a importância da recapitulação.


2. Guardar a revisão só para o fim dum período longo.

Conclusão: A lei da recapitulação quer e requer a presença de renovada visão, e novo uso
de material já aprendido.

COMO O ALUNO APRENDE

O que é ensinar?

Ensinar não é só narrar fatos.

- Ajudar a aprender
- Levar a pessoa a um conhecimento teórico e prático
- Comunicar algo de uma forma que o aprendiz entenda
- Despertar a mente do aluno para captar e reter o que é transmitido.

Definição do ensino cristão:

A transmissão por um professor cristão, de verdades cristãs, baseadas na Bíblia, para que
a vida do aluno seja transformada.
O professor tem de ter em mente o seguinte: - As necessidades do aluno. O que ele precisa
saber, sentir e fazer para ter êxito na aprendizagem. - O estilo de aprendizagem. As
preferências e tendências do aluno que influenciam a aprendizagem.

Dois tipos de alunos

O Aluno Independente Aluno Dependente


Analítico (resolve problemas) Mais global
Gosta de partir das partes para o assunto Parte do assunto em geral e depois analisa
em geral as partes
Menos rápido para chegar a uma Chega mais rapidamente a conclusões
conclusão
Gosta de pesquisar sozinho Menos confortável com a aprendizagem
autodirigida
Prefere o estudo individual Gosta de trabalhos ou atividades em grupo
É estimulado internamente para aprender Precisa de estímulos externos

Estilos de percepção:

1. Lendo
2. Ouvindo
3. Interagindo
4. Vendo
5. Tocando
6. Mexendo
7. Sentindo o cheiro \ Sabor Muitas das nossas experiências vêm através dos sentidos:
Vista- 83%. Audição 11%. Olfato- 3,5 %. Tato- 1,5%. Gosto- 1%

A aprendizagem é mais objetiva quando um aluno usa mais de um sentido ao mesmo


tempo:

Experiência Depois de 3 horas Depois de 3 dias


Se ouviu Retêm 70 % Retêm10%
Se viu Retêm 72% Retêm 20%
Se ouviu e viu Retêm 85% Retêm 65%

Tendo isto em mente o professor deve:

1. Encorajar o aluno a compreender-se a si mesmo. Entender qual o seu estilo de


aprendizagem, como prefere aprender.
2. Usar uma variedade de métodos. Temos alunos diferentes.
3. Criar um ambiente em que há colaboração. Incentivar a participação sem perder o
controle do tema que está a ser apresentado.

O ALVO DO ENSINO

Porque devemos ter alvos para o ensino?

O alvo cria a ponte entre a aprendizagem do aluno e o que é ensinado na aula.

O que é um alvo?

1. Um alvo indica em termos gerais o que o aluno deve aprender.


2. Um alvo explica o que deve acontecer no aluno.
3. Um alvo indica que mudança deve acontecer na vida do aluno.

Deve ter em mente o que quero que os meus alunos: - Saibam - Sintam - Façam

Conselho: É melhor ter um alvo apenas e se for preciso ensiná-lo de dez maneiras
diferentes do que tentar estabelecer 3 ou 4 alvos ao mesmo tempo. É impraticável ensinar
muitas verdades numa mesma lição.

Como Determinar o alvo da lição?


- Orando
- Estudando o texto bíblico a ser ensinado
- Determinando as necessidades dos alunos

ATINGINDO O ALVO

Como posso saber se o meu alvo foi atingido? Podemos saber através das reações dos
nossos alunos.

Níveis de Atitudes e Valores

1. Recebendo. O aluno reconhece a ideia transmitida. Apreende o que é transmitido.


2. Respondendo. O aluno está interessado no assunto. Faz perguntas tira dúvidas.
3. Avaliando. O aluno reconhece o valor do que foi ensinado e compromete-se com a ideia
transmitida.
4. Organização. O aluno sistematiza os seus valores.
5. Caracterização. O estilo de vida do aluno reflete o ensino que foi transmitido

COLABORANDO COM O ESPÍRITO SANTO EM TRANSFORMAR O ALUNO

Alguém disse as seguintes palavras: A educação cristã é sem igual por causa do seu tema
- A Bíblia, por causa do seu alvo.
- A transformação espiritual de vidas, e por causa da sua dinâmica espiritual
- a obra do Espírito Santo.

Porque é que o Espírito Santo é necessário no ensino?

1- O Espírito Santo é necessário porque o professor cristão precisa de capacitação divina.


“Uma tarefa espiritual, envolvendo verdades espirituais para satisfazer necessidades
espirituais requer poder espiritual. I Coríntios 3:6. Procurar servir a Deus na sua própria
força, sem a dependência do Espírito Santo não tem valor algum nem alcançará resultados
duradouros.
2- O Espírito Santo torna a Palavra de Deus eficaz na vida dos alunos. João 14:26; 16:13.
Somente o Espírito Santo pode convencer os nossos alunos a transformarem as suas vidas.

No ensino cristão há uma colaboração entre o professor cristão e o Espírito Santo. Há uma
parceria. Embora sabendo que é o Espírito que vai fazer a obra na vida dos nossos alunos.
isto não invalida que o professor não precisa de uma preparação adequada. Depender do
Espírito Santo no ensino cristão não quer dizer que não preciso estar preparado.

- Os professores tem a responsabilidade de comunicar a verdade; o Espírito Santo procura


dar direção, poder e discernimento aos professores.

- Os professores têm de depender do Espírito Santo para que Ele atue por meio deles e
possa usá-los a alcançar os alunos com a verdade. O Espírito Santo trabalha na vida dos
alunos convencendo-os da verdade.
- Os professores devem encorajar os alunos a entender a Palavra de Deus. O Espírito Santo
incentiva os alunos a apropriarem-se da Palavra.

Nunca devemos tentar fazer a obra sozinhos, pois só quando o Espírito Santo está presente
no processo do ensino é que alcançaremos resultados duradouros

2. COMO OBTER UM DISCIPULADO DINÂMICO NA EBD

A classe de novos convertidos na Escola Dominical é uma expressão ou extensão do amplo


ministério do Discipulado. O discipulado é um ministério pessoal, limitado e flexível. É uma
das formas mais rápidas de aumentar o número de batismos nas águas (membresia nova)
e aprofundar a qualidade de vida dos que são alcançados por Cristo. Antes de conhecer as
peculiaridades de sua classe e os métodos mais adequados a serem adotados, o ensinador
de novos convertidos precisa saber de antemão o que significa ser discípulo. Quem não é
discípulo não pode fazer discípulos! A palavra “discípulo” mathetés, é usada 269 vezes nos
Evangelhos e em Atos dos Apóstolos. Significa pessoa “ensinada” ou “treinada”, aluno,
aprendiz. (Texto-base: Mt 28.19,20). Nos evangelhos, Jesus define a palavra discípulo de
cinco maneiras:

1) Discípulo é um crente que está envolvido com a Palavra de Deus de


maneira contínua (Jo 8.31).
2) Discípulo é aquele que ama sacrificialmente, sem medir esforços (Jo
13.35; 1Jo 3.16).
3) Discípulo é alguém que permanece diariamente em união frutífera com
Cristo (Jo 15.8).
4) Discípulo é aquele que assume a sua cruz e segue a Cristo (Lc14. 27).
5) Discípulo é aquele que renuncia a tudo que tem em favor do Reino de
DEUS (Lc 14.33).

I – O PERFIL DOS ALUNOS


Quem são seus alunos? Naturalmente são novos convertidos. A diferença e a
ênfase estão justamente nisto: não são alunos comuns.

1 – SÃO COMO CRIANÇAS RECÉM-NASCIDAS EM CRISTO QUE PRECISAM SER


IDENTIFICADAS LOGO APÓS O NASCIMENTO.

O pecador se arrepende, o Espírito Santo o regenera (novo nascimento) = conversão.


Devem ser recepcionados imediatamente após a conversão e identificados, através da
“ficha de identificação e triagem”. Na triagem:
 Oferecer literatura;
 Orientar sobre os principais trabalhos da igreja;
 Orientar quanto à matrícula na EBD: O ideal é um orientador para cada faixa
etária (crianças, adolescentes, juvenis e jovens e adultos).
Qual a finalidade da identificação? Ter como localizá-los para posterior visita. Conhecer a
realidade dos seus alunos.

A – Sondagem: coleta de dados, conhecimento da realidade, diagnóstico.

B – Estratégia de trabalho: (nome, endereço, data de nascimento, data da decisão, origem


religiosa, sua relação com a comunidade, histórico familiar, nível socioeconômico, cultura,
necessidades pessoais, limitações físicas; Perguntas do tipo: É a primeira vez que está se
decidindo? Está vindo de outra igreja? Qual? Quanto tempo esteve por lá?). Elaborar
programa de assistência social. Formar comissões de visitadores (que atendam às
peculiaridades dos decididos: Idade, sexo, formação, entre outras). “A salvação é de graça,
mas o discipulado custa tudo o que temos” (Billy Graham). Você precisa conhecê-los
realmente! Vamos fazer um teste? -- - Pense em três novos convertidos de sua igreja.
1- Sabe o nome deles?
2- Lembra-se onde eles moram?
3- Sabe a data do aniversário deles?
4- Sabe como vão indo nos estudos ou no trabalho?
5- Mantém boas relações com suas famílias?
6- Conhece algum problema em particular, dos mesmos?
7- O que poderia dizer sobre seu testemunho cristão?
8- Há alguma coisa especial de que necessitam?
9- Quando foi que aceitaram a Cristo?

2 – SÃO PESSOAS ESPECIAIS QUE REQUEREM ATENÇÃO ESPECIAL.

A – São totalmente dependentes espirituais.


Só conseguem digerir os aspectos mais simples das verdades espirituais. “Com leite vos
criei e não com manjar, porque ainda não podíeis, nem tão pouco ainda agora podeis” (1Co
3.1-3). Precisam ser alimentadas por outrem. Têm dificuldade em falar (de explicarem a
razão da fé).

B – Falta-lhes um senso adequado de valores.


Agarram-se a detalhes sem importância, em vez de aprenderem o que tem realmente
valor. (Eles se escandalizam facilmente; apegam-se a rudimentos de doutrinas; podem criar
dogmas) O professor deve apresentar Cristo como Senhor e não apenas como Salvador
(Senhorio de Cristo Mt 16.24). Muitos querem as bênçãos do Salvador, mas não o aceitam
como Senhor. Precisamos aceitar o Senhorio de Cristo (diferente da confissão positiva). O
professor deve apresentar a real proposta do Evangelho: Livrar o homem da perdição
eterna (diferente do Evangelho da prosperidade).

3 – SÃO PESSOAS CARENTES QUE REQUEREM CUIDADOS ESPECIAIS.

A – Alimentação adequada (leite racional).


Não haverá crescimento espiritual independente da palavra de Deus. “Desejável
afetuosamente, como meninos novamente nascido o leite racional, não falsificado, para que
por ele vades crescendo” (1Pd 2.2).
Quando o homem aceita a Cristo torna-se nova criatura, ou seja, nasce de novo. Não
se pode administrar a criança recém-nascida com alimentos sólidos, antes, o leito materno.
O novo convertido precisa conhecer as doutrinas básicas da salvação. Portanto,
inicialmente, deve afastar-se de assuntos complexos e especulativos. A princípio, a criança
é alimentada pelos outros, mais tarde, começa a alimentar-se por conta própria e
finalmente, quando adulta, passa a alimentar outros. Um dos alvos do fazedor de discípulos
é ensinar o discípulo a alimentar-se, de forma que ele possa, mais tarde alimentar também
outros.

B – Meio ambiente propício (Lar espiritual).


Não haverá crescimento espiritual fora do contexto da comunhão cristã. “Até que
todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do filho de Deus, a varão perfeito, à
medida da estatura completa de Cristo” (Ef 4.13). Observando as palavras de Paulo em
Efésios 4.13. “Até que todos cheguemos...” verificamos que o meio ambiente propício ao
crescimento espiritual é encontrado no contexto da comunhão cristã (lar espiritual, família
espiritual). Não é suficiente o contato que o professor tem com o aluno durante a aula na
Escola Bíblica Dominical. O professor deve proporcionar um meio ambiente propício para
um inter-relacionamento com outros crentes onde se compartilham ideias, verdades
aprendidas na palavra, aspirações e onde haja compreensão e amor ágape (amor de
DEUS).

C – Precisam de um referencial no novo grupo de convivência.


Geralmente a primeira referência do novo convertido na igreja é o professor de sua
classe na Escola Bíblica Dominical.

3. DEZ PRINCIPIO DE LIDERANÇA

I. Saiba que liderar é servir.


A. “Pois o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar
a sua vida em resgate por muitos” Marcos 10:45
B. Mt. 25:11, Lc. 22:24-26 e Jo. 13:4, “... levantou-se da ceia, tirou a vestimenta de
cima e, tomando uma toalha, cingiu-se com ela”.
C. Para servir é preciso ser seguro de quem você é.
1. Os seguros gostam de toalhas
2. Os inseguros gostam de títulos.
3. Os seguros pensam em pessoas
4. Os inseguros em posições.
5. Os seguros querem acrescentar valor aos outros
6. Os inseguros querem receber valor dos outros.
7. A mais perigosa pessoa que existe é uma pessoa insegura porque ela
sempre serve a si mesma.

II. Estabeleça suas prioridades segundo o propósito de Deus para sua vida.

A. Mt. 6:33, “... buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas
estas coisas vos serão acrescentadas”.
B. Estabeleça as suas prioridades e todas as outras coisas virão se conformando.
C. Sucesso é:
1. Conhecer o propósito de Deus para sua vida.
2. Crescer até seu potencial máximo.
3. Semear na vida dos outros
D. Jesus estabeleceu prioridades baseadas em seu propósito...
1. Ele lidou com as distrações da vida. (Jo 11:6)
2. Ele respondeu sabiamente à rejeição pessoal.
3. Ele sofreu a dor voluntariamente.
4. Ele permaneceu apaixonado por Suas prioridades.
 Jo. 17:4, “Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me
confiaste para fazer...”.

III. Viva a vida de Deus – Seja um exemplo para os outros.

A. Jesus nunca implorou que alguém cresse nEle. Ele sabia que integridade não
podia ser comprovada com palavras mas deve ser discernida através da vida da
pessoa. Ele nunca perdeu tempo com seus acusadores. Ele manteve seu foco
no alvo. (Mt. 12:24).
B. Jesus nunca esforçou-se para parecer bom. Ele simplesmente era bom. Ele
não se esforçou para parecer honesto. Ele era honesto. Ele nunca se esforçou
para ter uma boa reputação. Ele tinha caráter.

IV. Importe-se com a vida dos outros.

A. O impacto de um líder não vem de títulos ou posições oficiais, mas de


relacionamentos autênticos. Jo. 4:5-30; 8: 1-11
B. Ele andou na feira. Ele entrou nos barcos dos pescadores. Ele entrou nas
sinagogas. Ele entrou nas casas das pessoas. Ele foi a todos os lugares
imagináveis.
C. Lc. 9:6, “Então, saindo, percorriam todas as aldeias, anunciando o evangelho
e efetuando curas por toda parte”.
D. At. 10:38, “...como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com
poder, o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os
oprimidos do diabo, porque Deus era com ele”
E. Não existe sucesso sem pessoas. São as próprias pessoas que ajudam você
a ser um sucesso e nem sempre elas vem atrás de você. A verdade é que
raramente elas vem por conta própria. Você precisa ir atrás delas.
1. Sucesso sempre começa em algum lugar
2. Sucesso sempre começa em algum momento
3. Sucesso sempre começa com alguém.
4. Sucesso começa aqui, agora e com você!

V. Renove-se a si mesmo. Ex de Davi - I Sm 30:6

A. Parece que a fé toma asas quando se está cansado.


B. Precisamos de tempos de refrigério e fortalecimento do nosso próprio espírito,
ou desfaleceremos.
1. Tempo de Descanso
2. Tempo de Refletir
3. Tempo de Avaliação
4. Tempo de Renovação
5. Tempo de Pensar

VI. Tenha um grande compromisso.

A. Jo. 14:2, “Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo
teria dito. Pois vou preparar-vos lugar”.
B. Embora Jesus tenha falado das maravilhas das coisas celestiais, Ele nunca
tentou enganar os seus discípulos.
1. Ele os advertiu das perseguições, Mc. 10:30.
2. Ele falou de aflições, Jo. 16:33.
3. Ele disse que teriam momentos de solidão.

VII. Precisamos demonstrar determinação e força quando lidamos com assuntos


difíceis.

A. Jesus sempre acordou bem cedo.


1. Aquele que domina seu tempo domina também a sua vida. Mc. 1:35; Js.
6:12; Êx. 8:20; Gn. 19:27.
B. Sempre se manteve calmo nas situações difíceis.
Mt. 8:25-26, “Mas os discípulos vieram acordá-lo, clamando: Senhor, salva-nos!
Perecemos! Perguntou-lhes, então, Jesus: Por que sois tímidos, homens de
pequena fé? E, levantando-se, repreendeu os ventos e o mar; e fez-se grande
bonança.
C. Sempre resolveu qualquer problema com seus adversários sem demora. Mt.
5:25, “Entra em acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás
com ele a caminho...”.
D. Sempre tratou com o pecado imediatamente.
Mt. 21:12, “Tendo Jesus entrado no templo, expulsou todos os que ali vendiam
e compravam; também derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que
vendiam pombas”.
E. Sempre completou o que começou.
Fp. 1:6, “Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós
há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus”.

VIII. Lidere com excelência, buscando sempre um nível mais alto.

A. O general ou líder sempre se posiciona numa posição alta para ter uma vista
mais ampla, a fim de liderar melhor seu exército.
B. Jesus...
1. Viveu uma vida de alto nível.
 Nunca construa seu futuro baseado em seu passado. Pare de olhar
por onde tem andado e comece a olhar para onde você está indo!
Cl. 3:1-2, “... buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à
direita de Deus. Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da
terra...”.
 Um dos segredos de andar em cima de coisas bem altas, é não olhar
para baixo!
2. Amou seu próximo com um amor mais nobre.
I Co. 12:31, “... E eu passo a mostrar-vos ainda um caminho sobremodo
excelente”.
 Jesus viu uma mulher cansada e ferida de alma, que já tinha cinco
maridos. Ele enxergou além dos fracassos dela e, além da reputação
dela. Ele viu um coração que queria ser transformado.
 Em Zaqueu a multidão viu um cobrador de impostos, Jesus viu um
homem confuso, que queria uma transformação de vida.
3. Liderou com excelência.
 Jesus nunca discriminou alguém por causa de raça, sexo, posição social
ou aparência física.
 Ele sentia-se confortável, tanto na presença de pescadores, como de
cobrador de impostos.
 Ele sentiu-se à vontade com homens e mulheres, ricos e pobres.
 Jesus reconhecia o potencial que existia em cada pessoa.
 Nascido de uma mulher que o concebeu ainda virgem, Ele sabia muito
bem o que era ter um passado questionável.
 Quebrou as tradições religiosas da época.
 Enquanto os judeus consideravam os samaritanos uma classe inferior
de pessoas, Jesus fez questão de conversar com eles.
 Esse é o tipo de líder que todo mundo quer seguir!!

IX. Escolha e Invista em pessoas chave que irão trabalhar com você.

Mc. 3:13, “Depois, subiu ao monte e chamou os que ele mesmo quis, e vieram
para junto dele...”.
Lc. 6:12-13, “Naqueles dias, retirou-se para o monte, a fim de orar, e passou a
noite orando a Deus. E, quando amanheceu, chamou a si os seus discípulos e
escolheu doze dentre eles...”.
A. Um dos maiores erros que as diretorias e lideranças de empresas cometem, é
escolher ou contratar um líder ou executivo e, então, escolher também a equipe
com quem ele vai trabalhar. Realmente, não importa quão boa seja a equipe,
caso ela não seja escolhida pelo próprio líder. Se o líder não escolheu sua
própria equipe e os membros da equipe não escolheram trabalhar com tal líder,
então as chances de fracasso são enormes!
B. Algumas empresas tem reconhecido também, que um outro grande erro é não
investir tudo que for necessário para preencher uma determinada vaga.
Precisamos da pessoa certa na função certa! Qualquer um não funciona. Se
tivéssemos seguido o exemplo de Jesus não teríamos cometido esse grande
erro.
C. Até mesmo com doze grandes homens funcionando em suas devidas funções
(lembre-se...Matias tomou o lugar de Judas), Jesus viu a necessidade de
acrescentar mais um homem de nível alto para sua organização. Dizer que Ele
fez tudo para alcançar esse homem seria pouco. Saulo de Tarso, numa viagem
para Damasco, foi literalmente derrubado no chão e cegado por uma luz
brilhante do céu. Jesus se identificou e disse para Saulo que ele seria um
grande apóstolo e deu ordens a ele acerca de como prosseguir. Que
recrutamento agressivo!!

X. Lembre-se, não existe sucesso sem um sucessor.

A. Desde o início Jesus falou para seus discípulos que Ele estaria com eles por
apenas um tempo. Às vezes os discípulos discutiram com Jesus, querendo
que Ele ficasse mas, Jesus os relembrava de vez em quando de que a hora
dEle estava chegando.
B. Jesus desenvolveu sucessores pelo...
1. Discipulado Constante
 Instrução ou ensino num contexto prático.
 Modelo ou exemplo num contexto prático.
 Experiência num contexto prático.
 Prestação de contas num contexto prático.
2. Avaliação Constante
 Quando fizer as perguntas certas, quando verificar e cavar nas questões
importantes, o desempenho da pessoa sempre irá melhorar.
3. Expectativa Constante
Tanto pelas suas ações, quanto em seus ensinos, Jesus deixou bem claro que esperava
que os Seus seguidores fossem frutíferos e produtivos. Jo. 15:1-2

Que Deus abençoe a todos.


Bruno Jeferson
BIBLIOGRAFIA

GANGEL, Kenneth O & HENDRICKS, Howard G. Manual de Ensino. Tradução de Luís


Aron de Macedo, CPAD, Rio de Janeiro, 1999.
AYRES, Antônio Tadeu. Como Tornar o Ensino Eficaz. CPAD, Rio de Janeiro, 1994
GILBERTO, Antônio. Manual da Escola Dominical, 16a. Edição, CPAD, Rio de Janeiro,
1996
LAMBDIN, Ina S. A Arte de Ensinar Adolescente. Tradução Carrie L. Gonçalves,
4a.Edição, JUERP, Rio de Janeiro, 1986
BURKHALTER, Frank E. Como Ganhar os Adolescentes. Tradução Lauro Bretones, 3a.
Edição, JUERP, Rio de Janeiro, 1984
FORD, Leroy. O Ensino Dinâmico e Criativo. JUERP, Rio de Janeiro, 1985
MARTIN, Willian. Primeiros Passos para Professores, Editora Vida, 1987
GREGORY, Jonh Milton. As Sete Leis do Ensino, Tradução Rev. Waldemar W. Wey,
JUERP, Rio de Janeiro, 1977
HOWSE, W. L. Orientando Jovens no Estudo Bíblico. Editora JUERP, Rio de Janeiro,
1979
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda . Dicionário da Língua Portuguesa, 3a. Edição,
Editora Nova Fronteira, São Paulo, 1999.