Sie sind auf Seite 1von 6

1 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL: definição e finalidade

Para a Contabilidade atingir seu objetivo de avaliar e controlar o patrimônio das


empresas, são realizados os registros dos fatos contábeis por meio de diferentes técnicas, entre
elas a Escrituração. “Escriturar é registrar. Esses registros podem ser feitos em livros próprios
de forma eletrônica ou manual”1. O registro é feito em livros apropriados, com formalidades
intrínsecas e extrínsecas que asseguram a confiabilidade e tempestividade dos fatos contábeis.
“Escrituração significa, portanto, uma técnica que a Contabilidade utiliza e que consiste
no registro, nos livros próprios, de todos os fatos que provocam alterações no patrimônio da
empresa.”2 A partir dessa técnica “se desenvolvem as demais técnicas de demonstração, análise
e auditoria”3. “Sem a escrituração contábil não há controle do patrimônio das empresas e das
demais entidades. Se não houver a escrituração, o empresário perde o principal instrumento
para a tomada de decisões.”4

a) Elementos essenciais do registro contábil


 A data da ocorrência da transação;
 O histórico da transação de forma descritiva ou por meio do uso de código de histórico
padronizado, quando se tratar de escrituração eletrônica, baseado em tabela auxiliar inclusa
em plano de contas;
 A conta debitada;
 A conta creditada;
 O valor da transação;

b) Métodos de Escrituração
“A escrituração tem a função de relatar o passado da empresa; assim, o poder de
informação sobre o que acontecerá no futuro, que é um dos pontos mais importantes a esperar
da contabilidade.”5 Existem diversos métodos de escrituração, entre eles o Método das partidas
dobradas:

1
Fonte: <http://redeetec.mec.gov.br/images/stories/pdf/proeja/contabil_basica.pdf>
2
ARAÚJO (2009, p. 33)
3
Fonte: <http://www.contabeis.com.br/artigos/685/escrituracao-contabil/>
4
Fonte: <https://bachfatec.files.wordpress.com/2011/08/contabilidade_geral_livro.pdf> Acesso: 27 Abr. 2018
5
CREPALDI, (2003, p. 94)
“A essência deste método, é que o registro de qualquer operação implica que um débito
em uma ou mais contas deve corresponder um crédito equivalente, em uma ou mais contas, de
forma que a soma dos valores debitados seja sempre igual a soma dos valores creditados.” 6

c) Livros de Escrituração
São vários os livros utilizados para monitorar e controlar a gestão de uma azienda, seja
empresa ou entidade pois há momentos que envolvem as mais variadas situações, a saber: do
ponto de vista global e do ponto de vista específico. Sob a ótica global podemos verificar os
livros fiscais, sociais, trabalhistas e contábeis. Sob a ótica específica, diríamos que a
escrituração tem caráter contábil, pois registra todos os fatos contábeis. 7 Os livros contábeis
registrarão todos os fatos contábeis decorrentes da gestão. Entre eles tem-se: o Diário e Razão8.
 O Livro Diário: é obrigatório, exigido pelo Código Civil Brasileiro, livro essencialmente
cronológico registra, em ordem de dia, mês e ano, todas as operações contabilizáveis
verificados na existência de uma pessoa jurídica, ou seja, todos os fatos contábeis; por
isso principal. O registro de uma operação no Livro Diário denomina-se partida de
diário ou lançamento contábil.
 O Livro Razão: assim como o Livro Diário, o Livro Razão é principal, pois registra
todos os fatos contábeis. É sistemático porque esses registros são realizados por tipo de
conta e não cronologicamente como no Livro Diário. O Livro Razão tem a finalidade
de demonstrar a movimentação analítica das contas escrituradas no Livro Diário, de
forma individualizada, ou seja, controla o saldo de cada conta. Demonstra também os
saldos constantes no Balanço Patrimonial.

d) Lançamentos contábeis9
“Lançamento é o registro dos fatos contábeis, efetuados de acordo com o método das
partidas dobradas. É feito em ordem cronológica e obedecendo a determinada técnica. [...] O
lançamento é feito nas contas Patrimoniais, pertencentes ao grupo do ATIVO, PASSIVO
EXIGÍVEL e PATRIMÔNIO LÍQUIDO, e nas contas de Resultado, representadas pelas
RECEITAS, e DESPESAS.”

6
Fonte: <http://www.cliqueapostilas.com.br/contabilidade/contabilidade-i> Acesso: 27 abr. 2018
7
Fonte: <https://bachfatec.files.wordpress.com/2011/08/contabilidade_geral_livro.pdf> Acesso: 27 Abr. 2018
8
Fonte: <https://bachfatec.files.wordpress.com/2011/08/contabilidade_geral_livro.pdf> Acesso: 27 Abr. 2018
9
Fonte: <http://www.cliqueapostilas.com.br/contabilidade/contabilidade-i> Acesso: 27 abr. 2018
e) Fórmulas de lançamento10
Há quatro tipos de fórmulas para escriturar os lançamentos no Livro Diário. Fórmula é
a maneira pela qual se faz o registro das operações mercantis pelo método das partidas dobradas.
1 – Primeira fórmula (ou fórmula simples): aparecem, no lançamento, uma conta no débito (D)
e uma conta no crédito (C).
2 – Segunda fórmula: aparece, no lançamento, uma só conta no débito e mais de uma conta no
crédito.
3 – Terceira fórmula: aparece, no lançamento, mais de uma conta no débito e uma só conta no
crédito.

4 – Quarta fórmula: aparece, no lançamento, mais de uma conta no débito e mais de uma conta
no crédito.

2 TIPOS DE FATOS CONTÁBEIS

“Para manter um controle efetivo sobre o patrimônio da empresa, a Contabilidade


mantém, através da escrituração, que é uma técnica contábil, um permanente registro, em livros
próprios de todos os fatos contábeis resultantes da gestão do patrimônio no período.”11
Segundo Araújo, (2009, p. 33), é importante diferenciar fatos administrativos dos fatos
contábeis, assim conceituados:
Os fatos administrativos são ocorrências que podem ou não modificar os elementos
do patrimônio. Por exemplo, compra de um veículo, reunião da diretoria, contagem
física de estoque, etc. Enquanto os fatos contábeis são ocorrências que provocam
alterações qualitativas e quantitativas nos elementos do patrimônio. Tanto o fato
administrativo como o contábil decorrem de decisões administrativas das entidades.
No entanto, o objeto da Contabilidade se restringe aos fatos contábeis, que são aqueles
mensurados em moeda.

“Assim, todos os eventos que modifiquem o patrimônio, consentidos ou não pela


administração, são chamados de fatos contábeis, e são objeto de registro pela Contabilidade”12.

2.1 CLASSIFICAÇÃO DOS FATOS CONTÁBEIS13

Os fatos contábeis são classificado em: Fatos Permutativos, Fatos Modificativos e Fatos
Mistos.

10
Fonte: <https://bachfatec.files.wordpress.com/2011/08/contabilidade_geral_livro.pdf> Acesso: 27 Abr. 2018
11
Fonte: <https://bachfatec.files.wordpress.com/2011/08/contabilidade_geral_livro.pdf> Acesso: 27 Abr. 2018
12
CREPALDI, (2003, 49-50)
13
Fonte: <https://bachfatec.files.wordpress.com/2011/08/contabilidade_geral_livro.pdf> Acesso: 27 Abr. 2018
a) Fatos Permutativos ou Compensativos
Os fatos permutativos representam permutas ou trocas entre elementos ativos, passivos ou entre
ambos simultaneamente, sem provocar variações no patrimônio líquido, ou seja, o patrimônio
líquido não altera seu valor, pois somente haverá permutações entre Ativo (bens e direitos) e
Ativo; Passivo exigível (obrigações) e Passivo exigível; ou Ativo e Passivo exigível, que poderá
ser para mais quando aumentar ou para menos quando diminuir. Os fatos contábeis
permutativos envolvem apenas contas patrimoniais.
Exemplos:
 Compra de mercadorias a vista (bens por bens);
 Compra de instalações a prazo (bens por obrigações);
 Recebimento de direitos (direitos por bens);
 Pagamento de obrigações (bens por obrigações);

b) Fatos Modificativos
Os fatos modificativos provocam variações no Patrimônio líquido, para mais ou para
menos. Enquanto os fatos contábeis permutativos envolvem apenas contas patrimoniais, e não
interferem no PL, os fatos modificativos envolvem contas de resultado (Receitas e Despesas)
e, consequentemente, alteram Patrimônio líquido.
Sempre que nos depararmos com fatos contábeis relacionados com Despesas, o PL
diminuirá, pois as Despesas provocam um efeito negativo no Patrimônio líquido.
Exemplos:
 Receitas de aluguel – fato modificativo aumentativo;
 Receitas de juros – fato modificativo aumentativo;
 Despesas de salários – fato modificativo diminutivo;
 Despesas financeiras – fato modificativo diminutivo;
c) Fatos Mistos ou Compostos
Os fatos mistos envolvem, ao mesmo tempo, um fato permutativo e um fato
modificativo. Podem acarretar mudanças no Ativo e no Patrimônio líquido, ou no Passivo e no
Patrimônio líquido, ainda no Ativo, Passivo e no Patrimônio líquido.
Exemplos:
 Venda de mercadoria com lucro – (entrou dinheiro no caixa, saiu mercadoria
(modificações no Ativo) e aumentou o Patrimônio Líquido);
 Pagamento por duplicatas com juros (saiu dinheiro do caixa (Ativo), diminuiu as
obrigações (Passivo) e houve uma despesa (os juros pagos), diminuindo o Patrimônio
Líquido)
 Venda de um veículo com lucro ou prejuízo;
 Recebimento de um direito com juros ou com descontos;
 Pagamento de uma obrigação com juros ou com descontos;

3 DÉBITO E CRÉDITO: conceitos

Os termos Débito e Crédito são nomes utilizados para indicar o ingresso ou saída de
recursos das contas. Cada lançamento efetuado provoca modificações patrimoniais e/ou de
resultado. Cada vez que um lançamento a débito ou crédito é feito, o saldo de uma conta está
sendo alterada. Sendo assim, O débito corresponde à aplicação do valor, à destinação do recurso
ou onde o dinheiro foi investido. E o crédito corresponde à origem do valor, a fonte do dinheiro
ou de onde são conseguidos os recursos para a empresa.14
De uma forma mais ampla pode se observar essa relação da seguinte forma:15
1. Débito de uma conta – situação de dívida de responsabilidade da conta. As contas que
representam: bens, direitos, despesas e custos têm saldo devedor.
2. Crédito de uma conta – situação de direito de haver da conta. As contas que representam:
obrigações, Patrimônio Líquido e receitas, têm saldo credor.
3. Saldo de uma conta - representa a diferença entre o valor do débito e do crédito. Os saldo
podem ser: devedor, credor ou nulo.
a. Devedor - quando o valor do débito for superior ao do crédito (D > C);
b. Credor - quando o valor do crédito for superior ao do débito (D < C);
c. Nulo - quando o valor do débito for igual ao do crédito (D = C).

NATUREZA DA CONTA SALDO AUMENTA SALDO DIMINUI


ATIVO DEVEDORA DÉBITO CRÉDITO
PASSIVO CREDORA CRÉDITO DÉBITO
PL CREDORA CRÉDITO DÉBITO
DESPESAS DEVEDORA DÉBITO CRÉDITO
RECEITAS CREDORA CRÉDITO DÉBITO

RETIFICADORA DO ATIVO CREDOR


RETIFICADORA DO PASSIVO DEVEDOR

REFERÊNCIAS

ARAÚJO, Inaldo da Paixão Santos. Introdução à Contabilidade. 3ª edição. Saraiva. São


Paulo, 2009.

CREPALDI, Silvio Aparecido. Curso básico de contabilidade: Resumo da teoria, atendendo


às novas demandas da gestão empresarial. Editora Atlas. São Paulo, 2003.

MOREIRA, Sherley Cabral; OLIVEIRA, Michelle Silva de. Noções de Contabilidade Básica
para cursos técnicos. Editora IFB. Brasília, 2013. Disponível em:
<http://www.ifb.edu.br/attachments/6243_no%C3%A7%C3%B5es%20de%20contabilidade
%20b%C3%A1sica%20para%20cursos%20t%C3%A9cnicos%20final.pdf> Acesso em: 30
mar. 2018

14
Fonte: <http://redeetec.mec.gov.br/images/stories/pdf/proeja/contabil_basica.pdf>
15
Fonte: <http://www.cliqueapostilas.com.br/contabilidade/contabilidade-i> Acesso: 27 abr. 2018