Sie sind auf Seite 1von 16

UNIVERSIDADE PITÁGORAS

UNOPAR

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO


GEOGRAFIA – 7º SEMESTRE

CELSO RODRIGO DOS SANTOS


CLÍCIA MARA LOPES COSTA
LUCIANO FERNANDES PRADO
OBERDAN GOMES DE FREITAS

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS


MODIFICAM O MEIO AMBIENTE

Betim
2018
CELSO RODRIGO DOS SANTOS
CLÍCIA MARA LOPES COSTA
LUCIANO FERNANDES PRADO
OBERDAN GOMES DE FREITAS

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS


MODIFICAM O MEIO AMBIENTE

Trabalho apresentado ao Curso de Geografia -


PITAGORAS - UNOPAR - Universidade Norte do
Paraná, ao 7º semestre.

Disciplinas: Climatologia, Biogeografia; Recursos


Naturais, Meio Ambiente e Desenvolvimento; Projeto
de Ensino e Seminário da Prática.

Professores: Flávia Bortoloti, Tais Berbet, Flávia Coclet


Lilian Gavioli e Heloisa Bezerra.

Tutor eletrônico: Diego Armando dos Santos


Tutor de sala: Elder Gonçalves da Silva

Betim
2018
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO.......................................................................................................04

2 . REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO FONTES DE RECURSOS...........................05

2.1 Fonte de energias renováveis..............................................................................06

2.2 Fontes energias não renováveis..........................................................................10

3. CONCLUSÕES FINAIS..........................................................................................11
4. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS......................................................................12
5. ANEXO...................................................................................................................14
5.1 Prática pedagógica – interdisciplinar...............................................................14
4

1- INTRODUÇÃO

O presente trabalho interdisciplinar em grupo, visa abranger as diferentes


fontes de energia disponíveis alternativas ou clássicas, sejam elas renovavam e não
renováveis. Dentre ela temos os combustíveis fósseis – gás, petróleo, e carvão
mineral -. Há também a hidroeletricidade, a energia nuclear e as fontes energéticas
alternativas como energia do hidrogênio, pilhas a combustível, eólicas e a biomassa.

Estudos demostram que as fontes energéticas tradicionais estão se


esgotando rapidamente e além de contribuem de forma acentuada para os impactos
ambientais, associados à poluição do ar, do solo e dos recursos hídricos.

Este assunto é intensamente relevante e a população desconhece


importantes informações sobre a utilização das referidas fontes de energia. Portanto,
justificamos a necessidade de aprofundar no assunto e assim podermos passar para
nossos futuros alunos.

O objetivo da proposta é que alcance toda humanidade e que de fato possam


entender a gravidade da falta de tais recursos, tendo o compromisso de zelar pelo
meio ambiente, podendo utilizar de maneira consciente tais elementos naturais.

É preciso problematizar a respeito de tais fontes. O que pensar e fazer a


respeito sobre da extinção desse recurso? Como a humanidade poderá ser afetada,
caso acabe tais recursos?

E para alargar nossos conhecimentos, utilizaremos da pesquisa bibliográfica e


teórica, utilizando o material aplicado no curso de Geografia, no intuito de alcançar
nossos objetivos e elaboração de uma sequência de atividades interdisciplinar
voltada para a temática.
5

2 – REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO FONTES DE RECURSOS E O ESPAÇO

As fontes de energia são recursos naturais nos quais, há um grande interesse


de diferentes nações transformando a gestão dos mesmos em uma questão
geopolítica, logo que se trata de um assunto indefinidamente estratégico dentro do
contexto geopolítico global, uma vez que para o pais se desenvolver ele necessita
de uma infraestrutura energética capaz de suprir as demandas de sua população e
de suas atividades econômicas.
Essas fontes de energia são de suma importância nas atividades humanas de
forma que supra suas necessidades básicas de sobrevivência tais como iluminar,
movimentar maquinas, comércio, agricultura e vários campos da sociedade,
dependem totalmente da disponibilidade de energias de recursos de fontes naturais
renováveis e não renováveis.
As mesmas estão no centro da questão ambiental, logo que, conforme a
utilização dos recursos energéticos, os graves impactos ambientais sobre a natureza
são irreversíveis. O crescimento socioeconômico de vários países, crescem em
busca de recursos que para geração e manutenção das energias elevando as
disputas internacionais.

Fonte: <http://autossustentavel.com/2014/12/energia-nuclear-a-energia-que-soluciona-e-o-
rejeito-sem-solucao-parte-i.html>.
6

2.1 Fonte de energias renováveis

As fontes renováveis captam a potência de serem naturais, mas que também


que podem esgotar (a água), porem algumas delas são permanentes, como: o
vento, a luz solar, a biomassa contrarias aos combustíveis fosseis. É coerente
salientar que nem toda fonte renovável de energia é limpa, ou seja, está livre da
emissão de poluentes ou de impactos ambientais em larga escala.

Nessa categoria destacam-se os biocombustíveis, hidrelétricas, energia solar,


eólica e outras, que podem causar impactos ao meio ambientes. A biomassa é uma
fonte muito importante, a qual acumula todos os derivados recentes
de organismos vivos que são utilizados como combustíveis ou para a sua produção
desses mesmos combustíveis. Do ponto de vista ecológico, ela é a quantidade da
matéria viva existente em um ecossistema ou numa população quer
animal quer vegetal. Estes dois conceitos estão, por conseguinte interligados entre
eles, embora sejam algo diferentes. Ela pode ser considerada um recurso natural
renovável, contrariamente aos combustíveis fosseis.

A biomassa é utilizada diretamente como combustível ou através da produção de


energia a partir de processos de pirólise, gasificação, combustão ou co combustão
de material orgânico que se encontra presente num ecossistema.

Esquema de funcionamento:

Fonte: <https://www.portal-energia.com/o-que-e-energia-biomassa/>

Há quatro maneiras para transforar a energia biomassa:


7

 Pirólise: através dessa técnica, a biomassa é exposta a supremas


temperaturas sem a presença de oxigénio, mirando o acelerar da
decomposição da mesma. O que sobra da decomposição é uma mistura de
gases, líquidos (óleos vegetais) e sólidos (carvão vegetal);

 Gasificação: assim como na pirólise, aqui a biomassa também é acalorada


na ausência do oxigénio, originando como produto final um gás inflamável.
Esse gás ainda pode ser filtrado, visando à remoção de alguns componentes
químicos residuais. A diferença básica em relação à pirólise é o fato de a
gaseificação exigir menor temperatura e resultar apenas em gás;

 Combustão: aqui a queima da biomassa é realizada a altas temperaturas na


presença abundante de oxigénio, produzindo vapor a alta pressão. Esse
vapor geralmente é usado em caldeiras ou para mover turbinas. É uma das
formas mais comuns hoje em dia e sua eficiência energética situa-se na faixa
de 20 a 25%;

 Co combustão: essa prática propõe a substituição de parte do carvão


mineral utilizado em urnas termoelétricas por biomassa. Dessa forma, reduz-
se significativamente a emissão de poluentes. A faixa de desempenho da
biomassa encontra-se entre 30 e 37%, sendo por isso uma escolha bem
atrativa e económica atualmente.

Existem inúmeros benefícios na utilização da energia da biomassa, tem baixo


custo de aquisição, as emissões não contribuem para o efeito estufa, é menos
agressiva ao meio ambiente do que as provenientes de combustíveis fosseis
diminuindo assim o risco ambiental. Entretanto, na produção de energia elétrica,
existem também algumas desvantagens, a seguir

 Deflorestação de florestas, além da destruição da fauna, flora e de habitats;

 Possui um menor poder calorífico quando comparado com outros


combustíveis;
8

 Os biocombustíveis líquidos contribuem para a formação de chuvas ácidas;

 Dificuldades no transporte e no armazenamento de biomassa sólida.

A energia eólica tem seu termo derivado do do latim aeolicus, pertencente ou


relativo a Éolo, deus dos ventos na mitologia grega e, portanto, pertencente ou
relativo ao vento. O vento resulta do deslocamento de massas de ar. Pode ser
considerado, portanto, como o ar em movimento. Derivado das diferenças de
pressão atmosférica entre duas regiões distintas é influenciado por efeitos locais,
como a orografia (nuances do relevo de uma região) e, ainda, a rugosidade do solo.

 Energia eólica: essa fonte de energia se faz presente a várias eras antigas,
equivalente a uma das primeiras fontes naturais do mundo, com baixo
impacto ambiental.

Essas diferenças de pressão têm uma origem térmica e estão diretamente


relacionadas com a radiação solar e os processos de aquecimento das massas de
ar. Formam-se a partir de influências naturais, como continentalidade, maritimidade,
latitude, altitude. O uso da energia eólica consiste da conversão da energia cinética
de uma massa (ar em movimento) em energia mecânica. Esta, por sua vez, é
gerada pela rotação das pás em torno de um eixo, que, através de um gerador
elétrico, converte a mesma em energia elétrica.

Corroborando Hinrichss, Kleinbache Reis (2014), há países que seus


governantes apresentam plano de incentivos econômicos em uma escala de número
alto de instalações de energia eólica, incentivando a construção de parques eólicos
em campos ou em costas marinhas, a exemplo a cidade de Betim/MG.

Outro fator importante é que a energia eólica contribui para a redução de


gases de efeito estufa, e não existe uma evidência que as turbinas eólicas
contribuam para uma poupança do CO2.

Entretanto, indaga-se através pesquisas que as adversidades mais


importantes relacionado com a energia eólica é a inconstância do vento, uma vez
que os ventos variam de acordo com as estações, fazendo com que a rede elétrica
9

tem que ajustar-se continuamente ao fornecimento e à procura, para manter a


voltagem constante no sistema.

Sendo, o custo da construção de um parque eólico muito elevado, os


governos retiram do bolso do contribuinte o dinheiro necessário para pagar a
eletricidade gerada pelas turbinas eólicas, porque caso contrário a energia eólica
não é competitiva. Esta fonte é livre de emissões de CO2.

 A energia solar: utiliza da luz do sol para a geração de eletricidade e também


para o aquecimento da água para uso. Esta conversão recebe o nome de
geração fotovoltaica, sendo uma fonte de energia financeiramente muito alta.
Por causa das células solares, pesquisadores estão em busca de novos
avanços com matérias de custo mais baixo e com maior eficiência. Esta fonte
de energia e inesgotável, configurando manter-se-á por longos anos.

Devido aos elevados custos, a energia solar ainda não é muito utilizada.
Todavia, atualmente na Europa, Ásia e América do Norte são os continentes onde há
maior investimento na utilização. Salvo as instalações de placas em residências,
indústrias e grandes empreendimentos quanto com a construção de usinas solares
especificamente voltadas para a geração de energia elétrica no Brasil e em outros
países.

Fonte: <https://novaescola.org.br/conteudo/6006/energia-solar-e-sustentavel>
10

2.2 Fontes energias não renováveis

As fontes de energia, faz-se a utilização de recursos naturais que não estão


disponíveis incessantemente na natureza, denominados recursos esgotáveis, se não
cuidar podem ser eliminados em curto, médio ou a longo prazo. Esses elementos
provenientes da natureza, após serem empregados jamais corre o risco de não
serem supridos. Sua classificação se dá em duas classes:

 Minerais não energéticos, como: O fosforo e o cálcio, levam anos para se


recuperar para serem novamente explorado;

 OS minerais energéticos, que são a base de Urânio e combustíveis fósseis.

Tais fontes não renováveis são aquelas abastecidas por recursos naturais que se
esgotam e a não renovação está relacionada a muitos aspectos, mas a que
predomina é a disponibilidade no meio ambiente. É importante entender quais as
características peculiares de cada fonte considerada esgotável, a começar pelo:

 Petróleo, raiz dos grandes caoses: ele é considerado a principal matéria


prima e suntuosa fonte de energia, por toda a história, sua extração foi alvo
de conflitos entre povos. Sua utilização é ampla desde: combustível para
veículos a fabricação de produtos, mas infelizmente sua queima causa
grandes prejuízos ao meio ambiente.

 Carvão Mineral: fonte esgotável que surgiu com a necessidade dos órgãos
ambientais formulados normais e por leis para conter a exploração
indiscriminada. A extração desse mineral e sua exploração, causa diversos
impactos ambientais como erosão, poluição dos rios
e aquíferos subterrâneos, sendo um dos vilões contribuidores para o efeito
estufa, por ser produtor de uma grande quantidade de dióxido de
carbono (CO2), por unidade de energia.

Assim como o petróleo é um combustível fóssil, formado a partir de milhares


de anos de natureza morta, restos de animais e gases.
11

Segundo Hinrichs, Kleinbach e Reis (2014b), “as reservas desses


combustíveis podem não durar muito mais do as pessoas vivas hoje”. Sendo, o
carvão mineral uma fonte de recursos minerais utilizada há anos, para aquecer as
casas e cozinhar. Mas com a desenvolvimento tecnológico, foi utilizado nas
industrias, como combustível as maquinas a vapor e também para mover os trens.

 Gás Natural: É menos poluente que o petróleo e o carvão mineral, sua


extração segue o processo semelhante a do petróleo, e se forma a partir da
mistura de: metano, etano, propano, butano e outros. E também é uma
grande fonte de energia doméstica e utilizada pela maioria das famílias.

 Óleo de pedra: Este é o termo popular para Xisto betuminoso, que também é
um recurso natural fóssil, mas concentrado em forma de pedras, que podem
ser diluídas quando expostas a altíssimas temperaturas. É bastante agressivo
ao meio ambiente, e de difícil extração.

 Energia nuclear: Remete-nos ao potencial de destruição ao qual o mundo já


foi exposto. Mas é uma alternativa para países com baixa capacidade
hidroelétrica, e até de forma vantajosa, pois não emitem poluentes gasosos e
absorvem áreas menores.

Contudo não temos como ignorar o alto potencial de destruição caso


aconteça obstrução de reservas, além da intenção de utilizá-lo como imponente
arma.
12

3. CONCLUSÕES FINAIS

A Pesquisa levou o grupo a entender que as manifestações investigativas


sobre a temática energética provêm de desejos diversos atrelados aos interesses
dos agentes do poder público, em várias esferas. Cabe então, a partir das decisões
governamentais aplicar novos investimentos que não irão afetar as pessoas e
grupos sociais diversos que as políticas públicas possam ser mais proativas nas
discussões e entendimentos sobre as decisões que afetam o meio ambiente e seus
recursos cotidianamente.
Mesmo sabendo que as fontes energéticas abrangem grande importância
para a sobrevivência mundial, independentemente de serem elas renovavam ou não
renovável, é preciso que como futuros professores, abrangemos as práticas
educativas no que diz respeito a preservação de tais elementos da natureza, sem
agredir o meio ambiente.
É conciso lembrar o quão importante se faz os investimentos em pesquisas
para a geração de matrizes energéticas mais limpas, eficientes e que gerem
economia para o consumidor final.
Portanto, é preciso focar quais são os principais setores de produção
energética que contribuem para o dano ambiental. Essa preocupação atual se dá
devido à necessidade de serem identificadas formas de geração de energia que
estejam dentro de padrões viáveis de sustentabilidade nos níveis local e regional.
Para isso, novos estudos sobre os atuais projetos de usinas planejadas para
a produção de biocombustíveis vêm surgindo para que esses projetos se adéquem
aos padrões de sustentabilidade exigidos numa lógica de um mercado global.
De acordo com Dias. (1998), contribui afirmando que:

É incumbência da educação e formação, como meio fundamental de


interação e de mudança social e cultural, conhecer e empregar novos
métodos capazes de tornar os indivíduos conscientes, mais responsáveis e
mais preparados para lidar com os desafios de preservação da qualidade do
meio ambiente e da vida, no contexto do desenvolvimento sustentado para
todos os povos. (1998, p. 82).
13

4. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BORTOLOTI, Flávia et al. Recursos naturais, meio ambiente e desenvolvimento.


Editora e distribuidora Educacional S.A. Londrina. 2016.

BRAGA, et al. Introdução à engenharia ambiental. 2. ed. São Paulo: Pearson


Prentice Hall, 2005. 58-63 p.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental. Lei 9795/99. Brasília, 1999.

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Global, 1998.

GUBERT, Tatiane & GOMES, Sônia M. da S. 2011. Recursos naturais não


renováveis: procedimento contábil de duas empresas brasileiras. Revista de
Contabilidade e Controladoria, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, v. 3, n.1,
43-60 p. ISSN 1984-6266.

HINRICHS, R. A.; KLEINBACH, M.; REIS, L. B. Energia e Meio Ambiente. São


Paulo: Cengage Learning, 2014.

SITES

<https://novaescola.org.br/conteudo/6006/energia-solar-e-sustentavel>
<https://www.ambienteenergia.com.br/index.php/2017/02/mapa-de-potencial-para-
energia-solar-e-divulgado-pelo-banco-mundial/31094>
<https://www.portal-energia.com/o-que-e-energia-biomassa/>
<http://autossustentavel.com/2014/12/energia-nuclear-a-energia-que-soluciona-e-o-
rejeito-sem-solucao-parte-i.html>.
<www.aneel.gov.br/aplicacoes/Atlas/energia_solar/energia_solar.htm>.
<https://novaescola.org.br/conteudo/6006/energia-solar-e-sustentavel>.
Acesso em 04/05/2018
14

5. ANEXO

5.1 Prática pedagógica – interdisciplinar

Instituição: Escola Estadual Marques Cardoso


Professores acadêmicos: Grupo da disciplina de Geografia do 7º semestre
Disciplinas: Geografia interdisciplinar
Tema: Energia e seus impactos socioambientais
Série: 6º ano - Tempo estimado: 4 aulas de 50 minutos – 07/05 a 10/05/2018
Período: Vespertino

- Objetivo geral:

 Identificar a produção de energia e evitar o uso desnecessário mesma.

- Objetivos específicos:

 Avaliar eventuais impactos socioambientais provocados pelos sistemas de


geração de energia das usinas hidrelétricas;
 Promover ações na escola, para evitar usos inadequados da energia
disponível;
 Identificar e analisar os processos produtivos, o papel e a importância da
produção de energia a partir do aproveitamento da energia elétrica
sustentável.

- Conteúdos: a questão da energia de hidrelétricas no Brasil e no mundo e


assuntos como a falta de água, na geração e distribuição de energia elétrica - face
às condições naturais e, principalmente, aos usos desse recurso - e também suas
modalidades de utilização e repercussões na conta de luz e no ambiente
apontando a necessidade de visões integradas e usos compartilhados das bacias
hidrográficas.
15

- Prática Metodológica:

1ª etapa - dividir a turma, cada um prepara listas das atividades diárias de


cada membro que envolvem o consumo de energético, desde o despertar até a
hora de dormir.
Propor que listem os aparelhos utilizados, conversar sobre os resultados e
questionar: como a energia chega até a casa de cada família; se consome
muita/pouca energia; aumenta/diminui, é possível descobrir essa informação; O
que fazer para evitar gastos desnecessários?

2ª etapa - Para responder a essas questões, propõe-se que cada aluno


examine a conta de luz de sua casa. Nela, há um campo de "Informações de
Leitura”, aparece um pequeno gráfico de barras comparando o consumo dos
meses do ano, que pode descobrir os níveis de consumo na residência.

3ª etapa - considerar os resultados de redução (lâmpadas/aparelhos ligados,


banhos demorados) e nos meses (férias/recesso escolar, e no período do horário
de verão), contribuem para reduzir a pressão sobre os recursos naturais e a
instalação de novas usinas hidrelétricas. O abastecimento chega pela rede elétrica,
que está ligada a subestações e às usinas geradoras e a energia gerada não pode
ser armazenada:
Culminância: elaboração de desenhos, abordando a importância da economia de
energia por todos os setores e expor os cartazes dos resultados na escola.
4ª etapa – elaboração de gráficos de energias alternativas, fontes, escassez
e de gastos energéticos da região sudeste; Crescimento da população/produção e
fontes renováveis para contribuição elétrica das cidades rurais;
Relacionar a análise de consumo de energia elétrica, seus excessos e suas
consequências durante os meses do ano;
Elaborar tabela atmosférica, ciclo da água, fonte, consumo de água e o uso
racional.

- Recursos:
 Internet, cartolina, Jornal, gravuras, pinceis, conta de luz, material do aluno,
lousa, pincel, sala de informática, wifi, data show, dentre outros;
16

 Professores, alunos, família, comunidade escolar, direção e equipe


pedagógica.

- Avaliação: considerar a participação dos estudantes nas tarefas coletivas e


individuais. Na produção de textos, observar a compreensão da importância da
economia de água e energia nos relatórios da leitura da conta de luz.

- Referências:

 Atlas com tabelas, Internet, Ministério das Minas e Energia e livros das
disciplina do curso.
 Dossiê Terra: por uma Vida Sustentável no Século XXI, e o especial O Poder
do Sol, publicado em setembro de 2009 na Revista National Geographic.
 Atlas da Energia-Aneel, Disponível em:
<www.aneel.gov.br/aplicacoes/Atlas/energia_solar/energia_solar.htm>.
 <https://novaescola.org.br/conteudo/6006/energia-solar-e-sustentavel>.
Acesso em 04/05/2018.