You are on page 1of 113

Matemática Básica e Financeira

FORMAÇÃO
TÉCNICA

Curso Técnico em Agronegócio

Matemática Básica e
Financeira

SENAR - Brasília, 2015


S474m

SENAR – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural.


Matemática básica e financeira / Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. –
Brasília: SENAR, 2015.
91 p. : il.

ISBN: 978-85-7664-080-6

Inclui bibliografia.

1. Matemática. 2. Matemática financeira. 3. Estatística. I. Serviço Nacional de


Aprendizagem Rural. II. Título.

CDU: 806.90-5
Sumário
Introdução à Unidade Curricular 7

Tema 1: Matemática Básica 9

Tópico 1: Expressões Matemáticas 10

Tópico 2: Potenciação 12

Tópico 3: Razão e Proporção 13

Tópico 4: Proporção 16

Tópico 5: Grandezas Proporcionais 21

Tópico 6: A Regra de Três 23

Tópico 7: Unidades de Medida 32

Encerramento 45

Tema 2: Matemática Financeira 47

Tópico 1: Uso da Moeda 48

Tópico 2: Dinheiro x Tempo 49


Tópico 3: Juros Simples 49

Tópico 4: Juros Compostos 55

Tópico 5: Descontos 61

Tópico 6: Séries de Pagamento 67

Tópico 7: Sistemas de Amortização 73

Encerramento 77

Tema 3: Estatística 79

Tópico 1: Conceitos da Estatística 80

Tópico 2: Coleta de Dados 81

Tópico 3: Séries Estatísticas 82

Tópico 4: Medidas de Tendência Central 84

Tópico 5: Medidas de Dispersão 86

Tópico 6: Probabilidade 88
Encerramento da Unidade Curricular 91

Referências 91

Gabarito 92
Introdução à Unidade
Curricular
Introdução à Unidade Curricular
Seja bem-vindo à unidade curricular de Matemática Básica e Financeira. Os temas que
veremos aqui serão essenciais para sua atuação como técnico em agronegócio. Eles também
fornecem uma base para unidades curriculares seguintes, como Administração, Economia e
Contabilidade Rural e Finanças Aplicadas ao Agronegócio. 7

Objetivos de aprendizagem

Ao fim desta unidade curricular, você deverá ser capaz de:

• revisar os conceitos fundamentais da matemática básica;

a • aplicar os conhecimentos matemáticos em situações concretas da


administração rural;
• desenvolver o raciocínio lógico;
• conhecer as definições básicas e os principais elementos da estatística;
• compreender a estatística descritiva aplicada à pesquisa em agronegócio.

Os temas apresentam diversas atividades para que você possa exercitar o conteúdo. Certifique-
se de praticar o que aprendeu e lembre-se de que você também conta com o conteúdo
disponível no AVA e as videoaulas! Se tiver alguma dúvida, contate o tutor a distância.

Matemática Básica e Financeira


01
Matemática Básica
Tema 1: Matemática Básica
Independentemente do nível de matemática que estudamos, é sempre bom rever alguns
tópicos básicos. Este primeiro tema é composto por conteúdos elementares muito úteis no
dia a dia. Além disso, a partir do que veremos aqui, você poderá avançar com mais facilidade
nos estudos seguintes de matemática financeira e estatística.

Comentário do autor

Ao fim deste tema, espera-se que você seja capaz de:


9
• utilizar expressões algébricas para resolver problemas;
• identificar e avaliar a variação de grandezas para explicar fenômenos
naturais, processos socioeconômicos e da produção tecnológica;

d • resolver problemas envolvendo grandezas direta e inversamente


proporcionais e porcentagem;
• recorrer a cálculos com porcentagem e relações entre grandezas
proporcionais para avaliar a adequação de propostas de intervenção na
realidade;
• identificar as unidades de medida mais utilizadas e resolver situações práticas
que envolvam a conversão de medidas.

Inicialmente, veremos como combinar números, operações e variáveis em expressões


matemáticas. Em seguida, estudaremos razões, proporções e grandezas, o que nos levará
a revisar a regra de três, uma das técnicas matemáticas mais utilizadas no dia a dia. Por fim,
veremos neste tema algumas unidades de medida aplicadas ao agronegócio.

Matemática Básica e Financeira


Todos esses tópicos são importantes para o seu aprendizado, pois fornecem uma base para
os temas seguintes. A partir deles, você poderá estabelecer conexões entre conhecimentos
10 matemáticos e outros que serão úteis por toda a vida profissional.

Fonte: Shutterstock

Lembre-se de que, caso tenha alguma dúvida, você poderá procurar o tutor a distância desta
unidade curricular. Vamos lá?

Tópico 1: Expressões Matemáticas


Expressão matemática é uma sentença numérica na qual é possível encontrar uma ou mais das
quatro operações básicas: adição, subtração, multiplicação e divisão. A ordem de resolução
será: primeiro a multiplicação e a divisão, depois a adição e a subtração. Então, se você tem:
3+ 2× 5= ?, não poderá somar antes de multiplicar.

Para separar e organizar as expressões numéricas, definindo o que deve ser resolvido
primeiro, é comum utilizar símbolos matemáticos. Os mais conhecidos são os parênteses (...),
os colchetes [...] e as chaves {...}, e devem ser utilizados nessa ordem. A resolução fica então:
primeiro os parênteses, depois os colchetes e, por fim, as chaves.

Observe no exemplo a seguir o que deve ser calculado primeiro:

15 + [ 22 - ( 7 + 6 ) + 3 ]

Para resolver a expressão, é preciso começar pelo que se encontra entre parênteses (7 + 6) = 13
e, em seguida, dentro dos colchetes [22 - 13 + 3]= 12. No final, executamos as soma resultante
15 + 12 = 27. O resultado da expressão é 27.

Curso Técnico em Agronegócio


Confira um outro exemplo:

2 - {-11 + [17- (-12 + 10) - 3]}


2 - { -11 + [17 - (-2) -3]}
2- {-11+ [16]}
2- {5}
-3

Atenção

Você deve atentar para os sinais, positivo e negativo, ao multiplicar e dividir.

` Sendo que menos com menos será positivo (-2) x (-2) = +4, e menos com mais
será negativo (-2) x (+2) = -4. Observe, também, que o sinal de multiplicação
poderá aparecer como asterisco (-2)*(-2) ou ainda não aparecer (-2)(-2).

Vamos praticar?

Atividade 1
1) Resolva as expressões a seguir:

a) 20 + 3 (–4) –2 (–5) =

b) 20 + [3 – 5 × 2 + (3 – 5) ×2] =

c) 20 – [(8 – 3) + 4] – 1 =

d) 123 – [90 – (38 + 50) – 1] =

e) 10 + [– 8 –(– 1 + 2)] = 11

f) {[(8 × 4 + 3) ÷ 7 + (3 + 15 ÷ 5) × 3] × 2 – (19 – 7) ÷ 6} × 2 + 12 =

g) {[(6 × 4 × 7) ÷ 3 + 9] ÷ 5} × 13 =

h) [9 + (585 – 15 × 6)] ÷ 56 =

2) Escreva a expressão numérica que representa cada situação abaixo e as resolva:

a) Um milionário, antes de morrer, deixou escrito no testamento: “Dos três milhões que
tenho no banco, deixo 1 milhão e 800 mil para instituições de caridade e o restante para
ser repartido igualmente entre meus três filhos”. Quanto recebeu cada filho?

Matemática Básica e Financeira


b) Gaspar comprou uma bicicleta pagando um total de R$ 960,00, sendo R$ 336,00 de entrada
e o restante em 8 prestações mensais iguais. Qual o valor de cada prestação?
12
c) Em cada mão humana há 27 ossos e, em cada pé, 26. Quantos ossos há, ao todo, nas mãos
e nos pés humanos?

d) João tem 26 tickets de vale-refeição e André tem o triplo. Quantos tickets de vale-refeição
têm os dois juntos?

e) Dois operários, Paulo e Pedro, cobram juntos R$ 385,00 por um trabalho a ser realizado
em 5 dias. Paulo ganha R$ 32,00 por dia de trabalho. Quanto ganha Pedro pelo trabalho?

Tópico 2: Potenciação
Potência é uma operação matemática que pode ser lida como um numeral qualquer “a” elevado
a outro numeral qualquer “n”, sendo este número chamado de expoente. Essa operação (an)
representa a multiplicação do número “a” por ele mesmo um total de “n” vezes. Veja na prática:

Lê-se dois elevado à terceira potência ou dois elevado à potência 3 (ou, ainda,
2 3 dois ao cubo). Isso significa multiplicar o número dois por ele mesmo três vezes.
Matematicamente, temos: 23 = 2 × 2 × 2 = 8

Lê-se cinco elevado à quarta potência ou, ainda, cinco elevado à potência
5 4 4. O que representa multiplicar o número 5 por ele mesmo quatro vezes.
Matematicamente, temos: 54 = 5 × 5 × 5 × 5 = 625

Atenção

` Em uma expressão matemática, a operação de potência deve ser executada


primeiramente, antes das operações de multiplicação e divisão.

Vamos praticar?

Atividade 2
1) Calcule o valor numérico das potências apresentadas abaixo:

a) 16=

b) 25=

c) 47=

Curso Técnico em Agronegócio


d) 120=

e) 131=

2) Resolva as expressões numéricas a seguir:

a) 25 × 5 + 32 – 63 ÷ 25 =

b) 40 - { 3 × [ ( 23 + 12 ) + ( 13 + 22 × 3 ) ] × 5 } =

c) { 25 – [ 5 + ( 3 × 7 ) ] } ÷ 35 + 32 - (82 - 60 ) × 5 =

d) { [ ( 23 × 22 + 3) ÷ 7 + ( 3 + 15 ÷ 5 ) × 3 ] × 2 - ( 19 - 7 ) ÷ 6 } × 2 + 22 × 3 =

e) { [ ( 32 × 22 × 7 ) ÷ 3 + 6 ] ÷ 5 } × 3 × 22

f) { [ ( 22 × 42 × 5 ) ÷ 4 + 10 ] ÷ 3 } × 3 × 22 =

Dica

' Sempre que você se deparar com um expoente negativo, deverá fazer a
1
inversão da fração. Por exemplo: 3² = 9, mas 3− 2 = 2 =
1
3 9

Tópico 3: Razão e Proporção


Quando foi a última vez que você viu alguém utilizando porcentagem? Seja como desconto
13
em uma loja ou na proporção de fertilizante em uma plantação, os conceitos da matemática
aparecem em nossa vida praticamente todos os dias. Entre eles estão a razão e a proporção,
que estudaremos neste tópico. Mas, antes de pensarmos neles, vamos compreender as
grandezas. Você sabe o que é uma grandeza?

Grandeza é tudo aquilo que pode ser medido, contado e ter suas medidas
aumentadas e diminuídas. São exemplos de grandezas o comprimento, o
peso e o tempo. Observe ao seu redor: o que pode ser medido? Quantas
grandezas diferentes você consegue identificar?

Além de aparecerem sozinhas, é comum fazermos relações entre duas ou mais grandezas.
Pense em como se expressa a velocidade de um carro. Quais são as grandezas relacionadas?
Se você pensou em distância e tempo, parabéns! O quilômetro é uma grandeza de distância
e a hora, de tempo.

Matemática Básica e Financeira


14

O painel do carro apresenta diversas grandezas. Quantas você consegue identificar?


Fonte: Shutterstock

1. O que é Razão?
A relação entre grandezas é conhecida como razão, palavra que vem do latim ratio e significa
“divisão”. Nada mais é do que uma das várias maneiras que temos para fazer comparações em
matemática. Uma razão é dada pela divisão de dois valores numéricos “a” e “b” (“b” diferente
de zero), e deve ser lida: “a” (ascendente) está para “b” (consequente).

a
= a/b= a : b
b
2 1
Por exemplo, a razão de 2 para 10 é , ou ainda, se simplificarmos, .
10 5

2. Razão entre Duas Grandezas


Como vimos, a razão é a divisão entre duas grandezas – sempre a primeira em relação à
segunda. Por exemplo, se, em um mapa, um comprimento de 8 m está representado por 16
cm, qual é a escala utilizada para fazer o mapa?

rep. no mapa 16 cm 16 cm 1
= = =
comp. original 8m 800 cm 50

Quando tratamos de grandezas de mesma espécie (no caso, comprimento), devemos


apresentar a unidade de referência, mas o valor que expressa a razão entre as grandezas será

Curso Técnico em Agronegócio


1
apenas uma representação matemática numérica. Assim, temos que a escala é de (um
para cinquenta), o que significa que 1 cm no mapa está para 50 cm na realidade. 50

3. Razão Inversa
Duas razões são inversas entre si quando o ascendente de uma delas é o consequente da
outra. Isso implica que o produto entre as duas razões será igual a 1. Por exemplo:

2 3 2 3
As razões e são inversas, pois x = 1
3 2 3 2

4. Razão Equivalente
A equivalência entre razões é dada quando os termos de uma razão (tanto ascendente quanto
descendente diferentes de zero) são múltiplos dos termos de outra razão. Veja no exemplo:
4 12 12 4x3 4
As razões e são equivalentes, pois = = 3 x
7 21 21 7x3 7

Atividade 3
Vamos praticar? Observe a resolução da primeira questão e indique a razão nas demais.

1) Em uma seleção de concurso público, houve 1.200 candidatos inscritos e foram aprovados
240. Qual é a razão de candidatos aprovados?

candidatos aprovados 240 1


= =
total de candidatos 1200 5

Assim, podemos dizer que a razão é de 1 candidado aprovado a cada 5 inscritos.


15

2) João tem 24 anos e Pedro tem 60 anos. Qual é a razão entre as idades de João e Pedro?

3) Um saco de fertilizante para flores apresenta peso líquido de 180 g e peso bruto de 210 g.
Qual a razão entre o peso líquido e o peso bruto?

4) Na temporada de 2013 do Campeonato Brasileiro de futebol, foram marcados 936 gols,


e o artilheiro do campeonato, Éderson (jogador do Atlético Paranaense), marcou 21 gols.
Qual é a razão entre os gols do artilheiro e os gols do campeonato?

5) No ano de 2003, a produção brasileira de tilápias foi estimada em 84.416 toneladas


distribuídas por 30.639 hectares. Qual é a razão da produção brasileira de tilápias por
hectare?

6) Antônio possui uma pequena propriedade de 75 hectares onde planta soja e, na colheita
de 2014, produziu 7.284 sacas. Qual é a razão de produção de sacas por hectare?

Matemática Básica e Financeira


7) Um fazendeiro plantou 5.000 pés de eucalipto e, desses, 150 não cresceram, enquanto
seu vizinho plantou 6.500 pés da mesma espécie e, desses, 189 não cresceram. Quem
16 apresentou a menor perda?

Atividade 4
Nas situações as seguir, partimos das razões para descobrir um dos valores. Observe a
resolução da primeira e resolva as demais.

2
1) A razão entre a sombra de uma árvore e a sua altura é de . Sabendo que a árvore tem
12 m de altura, qual é o tamanho da sombra? 3

sombra 2 ? 2 8
= = Como 12 = 3 x 4, temos que: x 4=
altura 3 12 3 12
Assim, podemos dizer que a sombra da árvore tem 8 metros.

5
2) A razão entre a quantia que gasto e a quantia que recebo como salário por mês é de .O
6
que resta, coloco em caderneta de poupança. Se neste mês meu salário foi de R$ 2.400,00,
qual será a quantia que aplicarei na caderneta de poupança?

3) A distância entre uma fazenda e a cidade em um dado mapa com escala de 1:3.000 é de 9
cm. Qual é a distância real entre a fazenda e a cidade?

Tópico 4: Proporção
Agora que conhecemos melhor o conceito de razão, fica mais fácil entender a proporção,
afinal, ela é dada pela igualdade entre duas razões. Assim, dizemos que há proporção quando
a razão entre os dois primeiros números é igual à razão entre os dois últimos.

a c
=
b d

Em uma proporção, os termos “a” e “d” são conhecidos como extremos, e os termos “b” e “c”
são conhecidos como meios. Ao ler, dizemos:

“a” está para “b” assim como “c” está para “d”.

Você sabia que existe uma razão, encontrada na natureza, que é considerada

g a mais agradável proporção entre duas medidas? Ela é chama de razão áurea!
Saiba mais sobre ela acessando o AVA.

Curso Técnico em Agronegócio


As sementes do girassol crescem sempre na mesma proporção, seguindo a sequência de Fibonacci.
Fonte: Shutterstock

1. Propriedade Fundamental das Proporções


Em uma proporção, a propriedade fundamental diz que o produto dos meios é igual ao
produto dos extremos.
a c
= ⇔ axd=bxc
b d

4 20 17
Por exemplo, a expressão = é uma proporção, pois 4 x 30 = 120 e 6 x 20 = 120.
6 30

2. Outras Propriedades das Proporções


a c
A partir da proporção = , podemos observar ainda outras propriedades:
b d

a) A razão entre as somas (ou diferença) dos antecedentes e a soma (ou diferença) dos
consequentes:
a±c a a±c c
= ou =
b±d b b±d d

b) A razão entre a soma (ou diferença) dos termos de uma razão e seus antecedentes:

a±b c±d
=
a c

Matemática Básica e Financeira


c) A razão entre a soma (ou diferença) dos termos de uma razão e seus consequentes:

a±b c±d
18 =
b d

d) A razão entre o produto dos antecedentes e o produto dos consequentes está para o
quadrado dos antecedentes e o quadrado de seus respectivos consequentes:

axc a²
=
bxd b²

3. Encontrando o Termo Desconhecido


Como consequência da propriedade fundamental de uma proporção, é sempre possível
encontrar o valor de um termo desconhecido: a quarta proporcional. Por exemplo, na
expressão
8 6
=
12 x

aplicando a propriedade fundamental, temos que

8 * x = 6 * 12
8x = 72
x = 72
8
x=9

Comentário do autor

d Observe que a propriedade fundamental é a base para o entendimento da regra


três, que veremos adiante.

4. Proporções Múltiplas
Chamamos de proporções múltiplas qualquer proporção que envolva a igualdade de três ou
mais razões. Esse tipo ainda pode ser chamado de “série de razões iguais”.

a c m
= = ... =
b d n

Observe que cada uma das razões é igual a um mesmo número “k”, isto é:

a c m
= k, = k,... = k
b d n

Curso Técnico em Agronegócio


Esse valor de “k” é conhecido por coeficiente de proporcionalidade. A partir dele, podemos
afirmar que a soma dos antecedentes está para a soma dos consequentes assim como qualquer
antecedente está para seu consequente. Veja no exemplo a seguir:

1 3 5 1 + 3 + 5 1 3 5
= = ⇒ = ou ou
5 15 25 5 + 15 + 25 5 15 25

1 1
O coeficiente de proporcionalidade dessa proporção é , pois todas as razões são iguais a .
5 5

Fonte: Shutterstock

Atividade 5
Observe a resolução do primeiro exercício e resolva os demais. 19
1) Se eu digo que 10 está para 8 assim como 25 está para x, qual é o valor do número x?

10 25
=
8 x
10x = 8 x 25

10x = 200
x = 200
10
x = 20

1
2) Determine dois números sabendo que sua soma é 54 e a razão entre eles é .
2
6
3) Determine dois números sabendo que a diferença entre eles é 12 e a razão é .
5

Matemática Básica e Financeira


6
4) Sabendo-se que a razão entre dois números é e a soma deles é 20, quais são os números?
4
20
5) Dois números “a” e “b” diferem entre si em 18 unidades e “a” está para “b” assim como 825
está para 627. Qual é o valor de “a” e o de “b”?

6) Relativamente aos tempos de serviço de dois funcionários, sabe-se que sua soma é 5 anos
3
e 10 meses e que estão entre si na razão . Nessas condições, qual é a diferença positiva
2
entre os tempos de serviço desses funcionários?

x y z
7) Determine os valores de “x”, “y” e “z” sabendo que x + y + z = 80 e = = .
2 4 14
x y z
8) Determine os valores de “x”, “y” e “z” sabendo que x + y + z = 90 e = = .
8 5 2
x z y
9) Determine o valor de “x”, “y” e “z” sabendo que x + y + z = 420 e = .
=
9 11 15

10)Três herdeiros de um grande fazendeiro receberão uma propriedade de 1.800 hectares


dividida proporcionalmente em 3, 4 e 5 partes. Sabendo que o mais velho dos três irá
receber a maior parte, qual será o tamanho da área que lhe caberá?

11)As demissões de três homens (x, y e z) implicaram o pagamento de uma verba rescisória na
importância total de R$ 36.000,00, que deveria ser repartida por eles de modo que fossem
diretamente proporcionais ao número de meses trabalhados. Quanto deve receber cada
um desses três homens (x, y, z) se, respectivamente, trabalharam 50, 70 e 60 meses?

12)Determine quais das expressões a seguir podem ser consideradas uma proporção:

2 11
a) =
13 60

2 120
b) =
4 240

21 189
c) =
7 63
6 38
d) =
11 66

2 45
e) =
3 65

13) Calcule o valor do termo desconhecido.

2 4
a) =
3 x

Curso Técnico em Agronegócio


10 x
b) =
75 100
12 36
c) =
x 60

12 36
d) =
x 60
2x 6
e) =
15 5

Tópico 5: Grandezas Proporcionais


Quando uma variação em uma grandeza provoca uma variação em outra grandeza, dizemos
que elas são proporcionais, pois estão relacionadas. Elas podem ser classificadas em grandezas
diretamente proporcionais ou grandezas inversamente proporcionais de acordo com o tipo
de relação estabelecida entre elas.

g Saiba mais sobre proporcionalidade assistindo ao vídeo disponível no AVA.

1. Grandezas diretamente Proporcionais


Podemos dizer que duas grandezas são diretamente proporcionais sempre que uma alteração
em uma delas apresentar variação de mesma razão na outra grandeza. Isso quer dizer que,
se aumentarmos (ou diminuirmos) o valor de uma, o valor da outra também irá aumentar (ou
diminuir). Veja um exemplo: 21
Uma empresa de produção de frangos possui três filiais no Estado de Mato Grosso do Sul e
está fazendo acompanhamento da produção anual e do número de funcionários de cada uma
delas. Para tanto, gerou da seguinte tabela de dados.

Filial A Filial B Filial C

Funcionários 120 180 300

Produção de frangos (em


720 1.080 1.800
toneladas)

720 1080 1800


= = = 6
120 180 300

As razões acima são ditas diretamente proporcionais, pois os termos correspondentes são iguais.

Matemática Básica e Financeira


22

Quanto mais funcionários, mais se produz.


Fonte: Shutterstock

2. Grandezas inversamente Proporcionais


Duas grandezas serão inversamente proporcionais sempre que a variação apresentada
em uma delas implicar variação contrária na outra grandeza. Isto é, se aumentarmos (ou
diminuirmos) uma delas em determinada razão, a outra grandeza irá diminuir (ou aumentar).
Vamos ver um exemplo?

Uma empresa de entregas leva 8 horas para percorrer uma determinada


distância em velocidade média de 50 km/h. Sabendo que é possível
aumentar a velocidade média para 100 km/h, o tempo necessário para
percorrer a mesma distância seria reduzido para 4 horas.

Observe que, quando a grandeza velocidade aumentou, a grandeza tempo diminuiu.

Atividade 6
1) Vamos praticar? Observe como foi resolvido o primeiro problema e calcule os demais.

Uma torneira derrama uniformemente em um tanque 4 litros de água por minuto. Quantos
litros de água a torneira derrama em 1 hora?

4 litros x litros
=
1 min 1 hora

4 litros x litros
=
1 min 60 min

1x = 4 x 60
x = 240 = 240 litros
1

Curso Técnico em Agronegócio


2) Um produtor rural percorre a distância de 120 km para vender sua produção de leite
para um laticínio. Com seu veículo viajando a 30 km/h, ele leva 4 horas para percorrer o
caminho. Caso ele dobrasse a velocidade (viajando a 60 km/h), quanto tempo levaria?

3) Para construir um aviário, foram contratados 3 pedreiros que conseguem terminar o


serviço em 120 dias. Para que a obra seja entregue em 90 dias, quantos pedreiros serão
necessários?

4) Três funcionários arquivaram um total de 382 documentos em quantidades inversamente


proporcionais às suas respectivas idades: 28, 32 e 36 anos. Nessas condições, quantos
foram os documentos arquivados pelo funcionário mais velho?

5) Para executar a tarefa de manutenção de 111 microcomputadores, 3 técnicos judiciários


dividiram o total de microcomputadores entre si na razão inversa de suas respectivas
idades: 24, 30 e 36 anos. Assim sendo, quanto recebeu o técnico de 30 anos?

Tópico 6: A Regra de Três


Até agora, revisamos um pouco da matemática básica e os conceitos de razão, proporção e
grandezas proporcionais. Neste tópico, veremos um processo matemático bastante comum: a
regra de três. Essa técnica é amplamente utilizada para resolver problemas nos quais figuram
grandezas que são direta ou inversamente proporcionais das quais conhecemos apenas
alguns valores.

Existem dois tipos de regra de três: a simples, que é aquela que envolve
apenas duas grandezas, e a composta, que é aquela que envolve mais de
duas grandezas.
23
1. Regra de Três Simples
Regra de três é um daqueles recursos matemáticos que utilizamos cotidianamente e são
bastante úteis para resolver diversas situações. A regra de três simples envolve problemas
com quatro valores, sendo que, desses, apenas três são conhecidos.

Para resolver, seguimos o mesmo processo que vimos anteriormente para encontrar o termo
desconhecido. O primeiro passo é dispor os dados em razões que agrupem as grandezas. Após
o arranjo, é necessário determinar se as grandezas são direta ou inversamente proporcionais
entre si e, então, aplicar o conceito já conhecido para encontrar a quarta proporcional. Confira
no exemplo a seguir como funciona:

Se 30 sacas de soja custam em média R$ 2.100, quanto irão custar 45


sacas de soja?

Matemática Básica e Financeira


Podemos adotar um conjunto de passos visando à resolução do problema: o primeiro deles
seria dispor as informações de acordo com sua grandeza.
24

Grandeza – saca de soja Grandeza – preço

30 2.100

45 x

Com as informações arranjadas, podemos analisar a proporcionalidade das grandezas. Se a


quantidade de sacas aumentar, o que deverá acontecer com o preço? Para uma quantidade
maior de sacas, temos um preço maior, ou seja, as grandezas estão variando no mesmo
sentido.

Grandeza – saca de soja Grandeza – preço

30 2100

ꜛ 45 x ꜛ

Podemos escrever, então, a proporção formada pelas razões das grandezas e resolver
encontrando o valor desconhecido. Confira:

30 2100 94500
= => 30x = 45 x 2100 => x = => x = 3150
45 x 30

Por fim, podemos responder ao que foi questionado: o preço de 45 sacas de soja será R$ 3.150.

É importante observar que, em problemas que envolvam regra de três,


as quantidades de uma mesma grandeza devem estar sempre na mesma
unidade de medida, evitando assim equívocos.

Dica

Nos exemplos apresentados aqui, usamos setas ao lado das grandezas, o que é

' um artifício bastante útil, mas lembre-se de padronizar como você irá utilizá-las.
Aqui, padronizamos que a seta para cima indica crescimento e a seta para baixo
indica redução.

Curso Técnico em Agronegócio


2. Regra de Três Simples Inversa
Uma regra de três simples é inversa se suas grandezas são inversamente proporcionais,
ou seja, essas grandezas variam em sentidos contrários – enquanto uma aumenta, a outra
diminui. Veja na prática como funciona:

Se 3 pedreiros constroem uma granja em 10 dias, em quantos dias 5


pedreiros fazem a mesma granja?

O primeiro passo, como vimos, é dispor as informações de acordo com sua grandeza e analisar
a proporcionalidade. Observe que a quantidade de dias diminuirá se aumentarmos o número
de pedreiros trabalhando na obra, o que torna essas grandezas inversamente proporcionais.

Grandeza – pedreiros Grandeza – dias

3 10

ꜛ 5 x ꜜ
Para escrevermos a proporção formada pela razão das grandezas, devemos inverter a ordem
de uma das razões para que ambas se tornem diretamente proporcionais (com as setas na
mesma direção). Nesse caso, inverteremos a grandeza “dias”. Confira:

3 x 30
= => 5x = 3 x 10 => x = =6
5 10 5

Respondendo à questão, para construir a mesma granja, 5 pedreiros levarão 6 dias.

25
Comentário do autor

d Exemplos são ótimos para compreender melhor o conteúdo. Acesse o AVA e


confira outro caso de aplicação da regra de três inversa.

Atividade 7
Para exercitar seus conhecimentos sobre regra de três simples, resolva as questões a seguir.

1) Levo 2h30min para percorrer 15 km. Se eu tiver que percorrer 54 km, quanto tempo levarei?

2) Viajando a 60 km/h, faço o percurso entre duas cidades em 2 horas. Trafegando a 80 k m/h,
qual seria o tempo estimado de viagem?

Matemática Básica e Financeira


3) 7 litros de leite geram 1,5 kg de manteiga. Quantos litros de leite serão necessários para se
obter 9 kg de manteiga?
26
4) Paguei R$ 6,00 por 1,250 kg de fertilizante. Quanto pagaria por 0,750 kg desse mesmo
fertilizante?

5) 6 máquinas colhem uma plantação de soja em 5 dias. Quantas máquinas idênticas serão
necessárias para colher essa mesma plantação em 3 dias?

6) (TRT-21ª REGIÃO-2003-FCC) Um determinado serviço é realizado por uma única máquina


em 12 horas de funcionamento ininterrupto e, em 15 horas, por outra máquina nas
mesmas condições. Se funcionarem simultaneamente, em quanto tempo realizarão esse
mesmo serviço?

7) Um automóvel percorre 380 km em 5 horas. Quantos quilômetros serão percorridos em 7


horas mantendo-se a mesma velocidade média?

8) Um automóvel gasta 24 litros de gasolina para percorrer 192 km. Quantos litros de gasolina
serão gastos para percorrer 120 km?

9) Uma máquina varredeira limpa uma área de 5.100 m² em 3 horas de trabalho. Nas mesmas
condições, em quanto tempo limpará uma área de 11.900 m²?

10) Um produtor pagou R$ 960,00 por um rolo de arame farpado e R$ 768,00 por outro
de mesma qualidade. Qual é o comprimento de cada uma das peças sabendo-se que a
primeira tem 12 m a mais do que a segunda?

11) Em um acampamento, 3 peões dispõem de alimento para 60 dias. Se mais 9 peões


chegarem ao acampamento, por quanto tempo eles permanecerão abastecidos?

12) Um laticínio engarrafa 3.000 litros leite em 6 horas. Quantas horas serão necessárias
para engarrafar 4.800 litros de leite?

3. Regra de Três Composta


Até o momento, vimos situações que abrangiam duas grandezas, como trabalhadores e dias
ou distância e horas. Porém, quando temos mais de duas grandezas envolvidas, precisamos
seguir outro processo: a regra de três composta. Neste caso, uma das grandezas apresenta
apenas um valor conhecido, enquanto que as demais apresentam os dois. Para resolver,
utilizamos um método semelhante ao da regra de três simples. Observe no exemplo a seguir.

Trabalhando 8 horas por dia durante 12 dias, 30 operários produzem


1.000 unidades de determinado implemento agrícola. Quantos dias serão
necessários para que 48 operários, trabalhando 6 horas por dia, produzam
1.200 unidades desse mesmo implemento agrícola?

Curso Técnico em Agronegócio


Assim como nos outros casos que vimos até agora, o primeiro passo é dispor as informações
de acordo com sua grandeza.

Horas Dias Funcionários Produção

8 12 30 1.000

6 x 48 1.200

Com as informações arranjadas, podemos analisar a proporcionalidade das grandezas. Nesse


caso, devemos analisá-las duas a duas, sempre considerando a grandeza que possui o valor
desconhecido.

Dias Horas

12 8

ꜛ x 6

Se o número de horas por dia de trabalho diminui, devemos trabalhar um número maior de
dias para realizar o mesmo trabalho. Ou seja, essas grandezas são inversamente proporcionais.

Dias Operários

12 30

ꜜ x 48 ꜛ
27
Se o número de operários aumenta, podemos diminuir o número de dias para realizar o
trabalho. Ou seja, essas duas grandezas são inversamente proporcionais.

Dias Produção

12 1.000

ꜛ x 1.200 ꜛ
Quando o número de unidades a serem produzidas aumenta, precisamos de mais dias para
essa produção. Por isso, as grandezas “produção” e “dias” são diretamente proporcionais.

Matemática Básica e Financeira


O passo seguinte é reorganizar os dados fazendo a inversão dos pares identificados como
inversamente proporcionais quando comparados à grandeza que tem o valor desconhecido
28 (nesse caso, “dias”).

Horas Dias Funcionários Produção

8 12 48 1.000

6 x 30 1.200

Para resolver, consideramos que a razão que apresenta o valor desconhecido é igual ao
produto das demais razões (após a inversão, conforme fizemos anteriormente). Observe:

12 6 48 1000
= x x
x 8 30 1200

12 6 x 48 x 1000
=
x 8 x 30 x 1200

288000x = 12 x 288000

3456000
x= = 12
288000

Chegamos, assim, ao resultado: serão necessários 12 dias para que os 48 funcionários


trabalhando 6 horas por dia produzam 1.200 unidades.

Atividade 8
Hora de exercitar! Observe como foi resolvido o primeiro problema e solucione os demais.

1) Para esvaziar um compartimento com 700 m3 de capacidade, 3 ralos levaram 7 horas para
fazê-lo. Se o compartimento tivesse 500 m3 de capacidade, ao utilizarmos 5 ralos, quantas
horas seriam necessárias para esvaziá-lo?

Primeiro, vamos atribuir uma letra para cada grandeza:


M: a capacidade em metros cúbicos do compartimento;
R: a quantidade de ralos;
H: a duração da operação de esvaziamento em horas.

Curso Técnico em Agronegócio


A representação para a análise do problema, obtida segundo os dados do enunciado, é a
seguinte:
M R H
700 3 7
500 5 x

Vamos determinar se as grandezas são diretamente ou inversamente proporcionais em


relação à grandeza H. Para isso, utilizaremos setas com a mesma orientação para indicar
grandezas diretamente proporcionais e com orientação inversa para indicar o oposto.

Vamos considerar que a orientação da grandeza H seja para baixo:

M R H↓
700 3 7
500 5 x

Agora, vejamos se H e M são diretamente proporcionais ou não. Sabemos que, ao diminuirmos


a capacidade do compartimento, também iremos diminuir o tempo necessário para esvaziá-
lo, então, logicamente, as duas grandezas são diretamente proporcionais. A seta de M terá a
mesma orientação da seta de H, que é para baixo:

M↓ R H↓
700 3 7
500 5 x

Vamos analisar, agora, se R e H são diretamente ou inversamente proporcionais. Ao


aumentarmos a quantidade de ralos, automaticamente iremos diminuir o tempo necessário
para esvaziar o compartimento – isso indica que as duas grandezas são inversamente
proporcionais. A seta de R será orientada para cima, direção oposta à da seta de H:

M↓ R↑ H↓ 29
700 3 7
500 5 x

Em seguida, devemos deixar todas as grandezas com a mesma orientação. Nesse caso,
somente a grandeza R possui orientação oposta à da grandeza H e, por isso, somente ela será
invertida:

M↓ R↓ H↓
700 5 7
500 3 x

Por fim, podemos montar a proporção e resolvê-la:


7 700 x 5 7 x 500 x 3
= => x = => x = 3
x 500 x 3 700 x 5

Portanto, com 5 ralos poderíamos esvaziar 500 m3 em 3 horas.

Matemática Básica e Financeira


2) Um aterro foi feito em 18 dias por 10 máquinas trabalhando 8 horas por dia. Em quantos
dias 12 máquinas, trabalhando 6 horas por dia, farão outro aterro nas mesmas condições?
30
3) Em uma granja, em 60 dias, 3.000 frangos consumiram 12.900 kg de ração. Quantos quilos
de ração seriam consumidos em 55 dias por 2.400 frangos?

4) Um frigorífico fornece refeições a seus 45 funcionários gastando R$ 16.200,00 durante 100


dias. Quanto gastaria para fornecer refeições a 60 funcionários durante um mês (30 dias)?

5) Em 6 dias, 8 marceneiros fazem 40 caixas de madeira. Quantos marceneiros serão


necessários para fabricar 70 caixas em 14 dias?

6) Um andarilho percorre 60 km em 2 dias andando 12 horas por dia. Quantos dias levará
para percorrer 200 km andando 10 horas por dia?

7) Um muro de 4 m de comprimento, 3 m de largura e 5 m de altura foi feito por 10 operários


em 20 dias. Quantos dias serão necessários para 12 operários fazerem um muro de 6 m
de comprimento por 1,5 m de largura e 6 m de altura?

8) (ENEM 2009) Uma cooperativa de colheita propôs a um fazendeiro um contrato de


trabalho nos seguintes termos: a cooperativa forneceria 12 trabalhadores e 4 máquinas,
em um regime de trabalho de 6 horas diárias, capazes de colher 20 hectares de milho por
dia, ao custo de R$ 10,00 por trabalhador por dia de trabalho, e R$ 1.000,00 pelo aluguel
diário de cada máquina. O fazendeiro argumentou que fecharia contrato se a cooperativa
colhesse 180 hectares de milho em 6 dias, com gasto inferior a R$ 25.000,00. Para atender
às exigências do fazendeiro e supondo que o ritmo dos trabalhadores e das máquinas seja
constante, a cooperativa deveria:

a) manter sua proposta.

b) oferecer 4 máquinas a mais.

c) oferecer 6 trabalhadores a mais.

d) aumentar a jornada de trabalho para 9 horas diárias.

e) reduzir em R$ 400,00 o valor do aluguel diário de uma máquina.

9) Uma empresa, para construir o sistema de drenagem de uma rua que possui 120 metros
de comprimento, precisa escavar um buraco de 5 metros de profundidade e 2 metros
de largura, e, para tanto, utiliza 10 operários trabalhando 7 horas por dia, que demoram
2 meses para realizar a obra. Se aumentar o número de operários em 40 e o turno de
trabalho for de 10 horas, em quanto tem tempo será construído o sistema de drenagem
de outra rua com largura e profundidade duas vezes maiores?

10)A produção de 400 hectares onde trabalham 50 homens sustenta 5 famílias. Quantas
famílias poderão ser sustentadas, nas mesmas condições, com 600 hectares e 60 homens
trabalhando?

Curso Técnico em Agronegócio


11)São necessários 1.064 quilos de feno para alimentar 14 cavalos durante 12 dias. Que
quantidade de feno seria necessária para a alimentação de 6 cavalos durante 60 dias?

4. Regra de Três e Taxa Percentual


É bastante comum em nosso dia a dia ouvirmos expressões como “desconto de até 50% na
liquidação de final de ano”, “a inflação registrada em 2012 foi de 5,84%”. Elas envolvem um
tipo especial de razão chamada de “percentagem”. Quando uma razão é apresentada com o
consequente 100, ela é chamada de “razão centesimal”. Outra forma de representarmos as
razões centesimais é adotar o símbolo “%” (que é lido como “por cento”) em vez da razão.

Comentário do autor

d Você pode escrever (e dizer) porcentagem ou percentagem, pois a palavra tem


origem no latim per centum, que significa “por cento” ou “cada centena”.

O conceito de porcentagem se dá quando fazemos a comparação entre duas razões diretas


sendo que, em uma delas, o consequente é igual a 100 e, em outra, temos um termo
desconhecido. Observe no exemplo:

30 x
30% de 120 é o mesmo que escrever a proporção = , e,
100 120
aplicando a propriedade fundamental de proporção, temos que:
30 × 120 = 100x => x = 360 / 100 = 36

Da mesma forma, para calcular quanto é 16% de 80, você pode escrever a proporção
16 / 80 = x / 100, chegando a 20. Agora, digamos que você queira saber de qual valor 18
representa 9%? Isso é o mesmo que escrever a proporção 18 / x = 9 / 100. Resolvendo, temos
31
que: 18 × 100 = 9x => x = 1800/9 = 200.

Fonte: Shutterstock

Matemática Básica e Financeira


Até agora, vimos a regra de três simples e a composta, conhecemos as diferenças entre as
grandezas direta e inversamente proporcionais, e ainda conseguimos aplicar esse conceito
32 à porcentagem, que será muito útil nos próximos momentos. A seguir, veremos algumas
unidades de medida.

Atividade 9
Vamos praticar? Resolva as questões sobre porcentagem apresentadas a seguir.

1) Das 20 moedas que possuo em meu bolso, apenas 15% delas são moedas de um real.
Quantas moedas de um real eu possuo em meu bolso?

2) Um produto tem preço de 250 reais à vista. A prazo, em 5 parcelas mensais iguais, seu
preço sofre acréscimo de 16%. Qual é o valor de cada parcela?

3) (OBMEP/2006) Um trabalho de matemática tem 30 questões de aritmética e 50 de


geometria. Júlia acertou 70% das questões de aritmética e 80% do total de questões. Qual
é o percentual das questões de geometria que ela acertou?

4) O salário de Antônio é 90% do de Pedro. A diferença entre os salários é de R$ 500,00. Qual


é o salário de Antônio?

5) (TRT24-FCC) Quanto cobrou um marceneiro para realizar a reforma de uma mesa de


2.500 × 1.100 × 740 mm sabendo-se que o valor do material empregado foi de R$ 645,00 e
a mão de obra custou 45% do valor do material gasto?

Tópico 7: Unidades de Medida

A necessidade de medir surgiu há muito tempo juntamente com as civilizações. No início,


as medidas eram feitas com o que estivesse mais próximo, como mãos e pés. E, como não
existiam medidas padronizadas – cada um tinha a sua –, sempre havia confusão.

Com o tempo, começaram a surgir, em algumas comunidades e regiões, medidas padronizadas.


Em sua maioria, eram medidas de pouca ou nenhuma precisão, que tinham como referência
o corpo humano, como, por exemplo, a polegada. Em 1789, o governo republicano francês
solicitou à Academia de Ciências um sistema de medida para ser padrão: o sistema métrico
decimal. Ele foi aperfeiçoado e substituído, em 1960, pelo Sistema Internacional de Unidades
(do francês, Système international d’unités – SI).

1. Unidade de Tempo
Durante muito tempo, a unidade de referência para o tempo foi o sol, e o intervalo entre duas
passagens sucessivas do sol pelo mesmo meridiano, como Greenwich, é conhecido como dia
solar.

Curso Técnico em Agronegócio


Fonte: Shutterstock

Atualmente, a unidade adotada como padrão no SI é o segundo (s), o equivalente a 1/84.600 de


um dia solar. Em algumas situações, devido à necessidade de medidas maiores (ou menores),
podemos utilizar múltiplos dos segundos:

• o minuto (min) é equivalente a 60 s;

• a hora (h) é equivalente a 3.600 s;

• o dia (d) é equivalente a 84.600 s;

• o décimo de segundo é equivalente a 0,1 s;


33
• o centésimo de segundo é equivalente a 0,01 s;

• o milésimo de segundo é equivalente a 0,001 s.

Atenção

Ao escrevermos uma medida de tempo como 1,4 h, devemos cuidar para não
substituir por 1h40min uma vez que, no Sistema Internacional, as medidas de
tempo não são decimais:

4 4
` 1,4h => 1h + 0,4h = 1h +
10
h => 1h +
10
x 60min

=> 1h + 240 min => 1h + 24min


10
Note ainda que, ao escrever as medidas de tempo, deve-se utilizar corretamente
os símbolos das unidades.

Matemática Básica e Financeira


Grandeza Símbolo
34 Segundo s

Minuto min

Hora h

Dia d

Quadro 1: Símbolos das unidades de medida de tempo.

2. Operar Medidas de Tempo


Imagine que Seu Afonso percorre o trecho entre sua casa e o galinheiro em 15min12s e precisa
de 8min27s para percorrer a distância entre o galinheiro e o armazém. Quanto tempo Seu
Afonso leva para chegar ao armazém?

É comum nos depararmos com situações como essa, do Seu Afonso, na qual precisamos fazer
cálculos com medidas de tempo. Nesse caso, para descobrir o tempo necessário para Seu
Afonso ir de casa ao armazém, basta somarmos as medidas, colocando os termos de mesma
unidade um embaixo do outro:

15 min 12s
+ 8 min 27s

23min 39s

Assim, seu Afonso irá levar 23min39s para ir de sua casa até o armazém.

Veja agora um outro caso: determinado medicamento deve ser ministrado a uma criança 5
vezes por dia. Qual é o intervalo entre as doses do remédio?

Para descobrirmos, dividimos o dia (24 h) pela quantidade de intervalos, que é 5.

24h 8h
= 4,8h => 4h + 0,8h = 4h +
5 10

8 480
4h + x 60 = 4h + min = 4h + 48min
10 10

Observe que 0,8 hora corresponde à 48 min, logo, o medicamento deve ser administrado a
cada 4h48min.

Vamos praticar? Resolva as questões propostas na atividade a seguir.

Curso Técnico em Agronegócio


Atividade 10
1) Considerando que o ponteiro de minutos de um relógio que apresenta um defeito dê uma
volta completa em 1min6s, qual será o tempo necessário para que esse relógio registre
uma hora, ou seja, d 60 voltas no ponteiro dos minutos?

2) Um torno produz, a cada minuto, um total de 480 rotações. Quantas rotações esse tipo de
torno produz por segundo? Conhecendo as condições de rotação do torno, quanto tempo
dura cada uma de suas rotações?

3) Em uma prova de atletismo, um corredor percorreu o circuito com os seguintes tempos: (1ª
volta) 10min55s; (2ª volta) 11min5s e (3ª volta) 11min48s. Qual o tempo total desse corredor?

4) Nos treinos do primeiro final de semana de testes da Fórmula 1 em Jerez de la Frontera,


um piloto faz sua volta rápida em 1min20s419. Após algum tempo, o mesmo piloto volta à
pista com alguns ajustes no motor e um novo jogo de pneus, e faz sua melhor volta no dia
com tempo de 1min19s809. Em quanto o piloto diminuiu seu tempo de volta?

5) Converta as unidades de tempo:

a) Uma hora tem quantos segundos?

b) Um dia tem quantos segundos?

c) Uma semana tem quantas horas?

d) Quantos minutos são 3h45min?

e) Uma década tem quantos anos?

f) Quantos minutos são 5h5min?

g) Quantos minutos se passaram das 9h50min até às 10h35min?

h) Quantos segundos têm 35 min? 35


i) Quantos segundos têm 2h53min?

j) Quantos minutos têm 12 horas?

3. Unidade de Comprimento
O Sistema Internacional utiliza o metro (m) como medida base para o comprimento, e foi
1
instituído que a medida do metro seria equivalente a da distância entre o Polo
10.000.000
Norte e a Linha do Equador, no meridiano que atravessa a cidade de Paris (França).

g
O Meridiano de Paris é o equivalente ao Meridiano de Greenwich que passa pela
capital francesa, onde está o observatório nacional. Saiba mais acessando o AVA!

Matemática Básica e Financeira


36

Fonte: Shutterstock

Da mesma forma que precisamos de medidas que sejam maiores (ou menores) do que o
segundo, também há essa necessidade com o metro. Nesse caso, podemos utilizar alguns de
seus múltiplos, como:
• quilômetro (km), equivalente a 1.000 m;

• hectômetro (hm), equivalente a 100 m;

• decâmetro (dam), equivalente a 10 m;

• decímetro (dm), equivalente a 0,1 m;

• centímetro (cm), equivalente a 0,01 m;

• milímetro (mm), equivalente a 0,001 m.

Comentário do Autor

d Existem, também, outras medidas relacionadas ao metro que não são


composições decimais, mais que, entretanto, ainda são utilizadas em alguns
países, como, por exemplo, a polegada (equivalente a 2,54 cm).

Como ler uma medida de comprimento


Para fazer a leitura de uma medida de comprimento, principalmente com partes decimais, é
importante seguir algumas etapas:
• lembrar a ordem das medidas;

Curso Técnico em Agronegócio


• localizar a parte inteira da medida (o algarismo antes da vírgula);

• posicionar todos os algarismos de acordo com a sequência das unidades.

Vejamos na prática como ler a altura de uma pessoa que mede 1,68 m. Primeiramente,
devemos estabelecer a ordem das unidades. Para facilitar, nas primeiras vezes, você pode criar
um quadro com as unidades de medida. Em seguida, escrevemos os algarismos encontrados,
começando pela parte inteira logo abaixo da unidade descrita, e depois um algarismos abaixo
de cada unidade menor. Observe:

km hm dam m dm cm mm

1, 6 8

A leitura é feita a partir da unidade inteira (um metro) e da parte decimal (sessenta e oito)
acompanhada da medida do último algarismo (neste caso, centímetros), ou seja, um metro e
sessenta e oito centímetros.

Convertendo medidas de comprimento


Para converter as medidas de comprimento, basta lembrar da relação entre essas unidades e
organizá-las em um quadro - esse método ajuda muito.

x 10 x 10 x 10 x 10 x 10 x 10 x 10

km hm dam m dm cm mm

÷ 10 ÷ 10 ÷ 10 ÷ 10 ÷ 10 ÷ 10 ÷ 10 37

No sistema métrico, cada unidade tem um valor 10 vezes maior que a unidade à sua esquerda:
1 cm equivale à 10 mm, por exemplo. Assim, quando convertemos uma medida para uma
unidade menor que a unidade fornecida, devemos multiplicar o valor por 10. E assim,
sucessivamente, quantas vezes forem necessárias. Por exemplo, para escrever a medida 8,2
quilômetros (km) em metros (m), fazemos o seguinte:

km hm dam m dm cm mm

A unidade quilômetro está três unidades para a esquerda da unidade metro. Para chegar do
quilômetro ao metro, devemos multiplicar o valor por 10 três vezes, ou seja: 10 × 10 × 10 (que
dá 1.000).

Então 8,2 × 1000 = 8200, ou seja, 8,2 km é o mesmo que 8.200 m.

Matemática Básica e Financeira


Agora, quando convertemos uma medida para uma unidade maior que a unidade dada é
preciso dividir o valor numérico que a representa por 10, sucessivamente, quantas vezes
38 forem necessárias. Por exemplo, para transformar 191cm em metros, que está duas unidades
para a esquerda, devemos dividir o valor dessa medida por 100. Logo, 191 cm é igual a 1,91 m.

km hm dam m dm cm mm

Vamos exercitar? Resolva as questões da atividade a seguir.

Atividade 11
1) Um quadrado apresenta perímetro (soma da medida dos lados) igual a 32 cm. Qual é a
medida de cada lado?

2) Uma corda tem 8,1 m de comprimento. Quero cortá-la em 9 partes iguais. Quantos
centímetros deve ter cada pedaço?

3) Desejo emoldurar um quebra-cabeça que montei. As medidas dele são 1,21 m de


comprimento e 80 cm de largura. Quanto custará a moldura se o metro linear dela custar
R$ 99?

4) Quantos centímetros possui um cano de 4 polegadas?

5) Faça a leitura e escreva cada uma das medidas a seguir:

a) 10,7 dam

b) 2,3 km

c) 8,09 hm

d) 10,5 mm

e) 9,89 dm

f) 7,95 m

6) Complete as igualdades a seguir representando-as na unidade de medida equivalente:

a) 10,4 km = _____ dam

b) 80 hm = _____ dm

c) 90000 mm = _____ km

d) 100,3 m = ____ hm

Curso Técnico em Agronegócio


4. Unidade de Área
Você já teve que calcular a área de um terreno ou mesmo de um cômodo? No dia a dia, é
comum tratarmos dessas unidades, conhecidas como medidas de superfície. A superfície é uma
grandeza em duas dimensões, e a área é o número que representa essa medida.

Um dos instrumentos utilizado para medir distâncias maiores é conhecido como “trena de roda”.
Fonte: Bosch.

De acordo com o Sistema Internacional de medida, a unidade-padrão para medida de área é


o metro quadrado (m²). A partir dela, temos:
• quilometro quadrado (km²), que equivale a 1.000.000 m²;
39

• centímetro quadrado (cm²), que equivale a 0,0001 m²;

• cilímetro quadrado (mm²), que equivale a 0,000001 m².

Existem, ainda, outras medidas para representar áreas que são aceitas pelo Sistema
Internacional, principalmente quando tratamos de medidas agrárias. São elas:
• are (a), equivalente a 100 m²;

• hectare (ha), equivalente a 10.000 m²;

• acre, equivalente a 4.047 m².

Matemática Básica e Financeira


Você já ouviu falar em alqueire? Trata-se de uma unidade que apresenta medidas
40
 diferentes de acordo com a região onde você mora. Que tal você pesquisar
quanto vale essa medida na sua região?

Convertendo unidade de medida de superfície


Enquanto estivermos tratando dentro do sistema decimal, o processo de conversão será muito
parecido com a conversão de unidade de medida de comprimento, no entanto, o múltiplo
será de 100.

x 100 x 100 x 100 x 100 x 100 x 100 x 100

km2 hm2 dam2 m2 dm2 cm2 mm2

÷ 100 ÷ 100 ÷ 100 ÷ 100 ÷ 100 ÷ 100 ÷ 100

Por exemplo, para saber quanto é 7,1 dam² em metros quadrados (m²), contamos uma casa
para direita, ou seja, devemos multiplicar o valor dessa medida por 100. Assim, temos que
7,1dam² é o mesmo que 710m².

Comentário do autor

Lembre-se de que você pode contar o número de unidades entre a medida que

d você tem e aquela que deseja saber e multiplicar (ou dividir) de uma só vez. Por
exemplo, para converter km² em m², basta observar que as unidades estão 3
casas distantes, ou seja, multiplica-se por 1.000.000 (que é 100 x 100 x 100). Caso
tenha alguma dúvida, contate o tutor pelo AVA.

É hora de treinar seus conhecimentos em unidades de área! Resolva as questões a seguir e


certifique-se de tirar todas as suas dúvidas.

Atividade 12
1) O Parque Nacional da Serra da Canastra, situado em Minas Gerais, tem 71.525 ha. Quantos
alqueires paulistas (24,2 mil m²) possui o parque mineiro?

2) A quantos metros quadrados correspondem 11 hectares?

3) Converta 2,42 ha em ares.

Curso Técnico em Agronegócio


4) Dê a soma em m²:

a) 40dm² + 0,001m² + 3000cm² + 40000mm²

b) 35dam² + 180cm² + 8000mm²

c) 102m² + 0,1km² + 12hm²

5) Observe os anúncios de jornal abaixo e responda:

Mogi-Mirim (SP) – 2 alq. Cercado com alambrado, casarão


centenário, refor. Todos os melhoramentos R$ 500.000,00

Campinas (SP) – 15 ha formados, arborizados, 1.000 m2


de constr. Perímetro urbano. Próprio para clube, hospital.
Clínica de repouso, condomínio, etc. R$ 950.000,00

a) Quantos metros quadrados tem o sitio de Mogi-Mirim?

b) Qual o preço do metro quadrado?

c) Quantos metros quadrados tem o sítio de Campinas?

d) Qual o preço do metro quadrado?

e) Qual é a razão de preço entre os sítios de Campinas e Mogi-Mirim?

5. Unidade de Volume
As unidades de volume são caracterizadas por serem compostas por três dimensões:
comprimento, largura e altura. É comum encontrar esse tipo de medida no transporte de
produtos, por exemplo.
41
A unidade de medida padrão para o volume é chamada de metro cúbico. O metro cúbico (m³)
é a referência do espaço ocupado por um sólido quadrangular que possui arestas da base
com medidas de 1 metro.

Quadrangular

Sólido cuja base é um quadrado. No caso do cubo, tanto a base como as demais faces são
quadrangulares.

Enquanto estivermos tratando dentro do sistema decimal, o processo de conversão será


muito parecido com a conversão de unidades de medida de comprimento e de área. Aqui, no
entanto, o múltiplo será de 1.000.

Matemática Básica e Financeira


42 x 1000 x 1000 x 1000 x 1000 x 1000 x 1000 x 1000

km3 hm3 dam3 m3 dm3 cm3 mm3

÷ 1.000 ÷ 1.000 ÷ 1.000 ÷ 1.000 ÷ 1.000 ÷ 1.000 ÷ 1.000

Vamos ver um exemplo? Para escrever a medida 8,5 dam³ em metros cúbicos (m³), devemos
observar que a unidade de medida de decâmetro cúbico (dam³) está uma unidade para a
esquerda do metro cúbico. Logo, devemos multiplicar o valor dessa medida por 1.000. Então,
8,5 × 1000 = 8500, ou seja, 8,5 dam³ é o mesmo que 8.500 m³.

Uma relação muito utilizada para volume é a unidade de litros (L):


1 litro equivale à 1 dm³. Sabendo disso, quando litros cabem em um
metro cúbico?

Atividade 13
1) Calcule a capacidade, em litros, de uma piscina com as seguintes dimensões: 8 m de
comprimento, 6 m de largura e 1,8 m de profundidade (altura).

2) Um reservatório possui volume de 3.000 m³. Qual é a capacidade desse reservatório em


litros?

3) Um monumento tem a forma de um paralelepípedo retângular de dimensões 4 m x 2,5 m


x 1,2 m. Qual é o volume desse monumento?

4) Uma caixa de sapatos, em forma de paralelepípedo retângular, tem as seguintes medidas:


30 cm de comprimento, 18 cm de largura e 15 cm de altura. Qual é o volume dessa caixa?

5) Um volume de 1 m³ de um líquido deve ser distribuído em recipientes de 25 cm3 de volume


cada um. Quantos recipientes serão necessários?

6) Pretende-se abrir um buraco de 8,5 m de comprimento, 1,5 m de largura e 2 m de


profundidade. Quantas viagens deverá fazer uma caminhonete que, no máximo, carrega
1,5 m3 de terra por viagem para transportar toda a terra removida desse buraco?

6. Unidade de Massa
Para encerrar este tópico sobre unidades de medida, vamos tratar de uma que está muito
presente no trabalho do técnico em agronegócio: a unidade de massa. Podemos dizer que

Curso Técnico em Agronegócio


massa é o que mede a quantidade de matéria que está contida em um corpo. No Sistema
Internacional de Unidades, a unidade de massa é o grama (g).

As quantidades de massa relacionadas ao grama são:


• kg (quilograma);

• hg (hectograma);

• dag (decagrama);

• dg (decigrama);

• cg (centigrama);

• mg (miligrama).

Além desses, podemos verificar em cargas de grande porte o uso de outras unidades, como
a tonelada, que corresponde a 1.000 quilogramas. Por isso, a tonelada também pode ser
chamada de “megagrama”.

Além da tonelada, é comum contarmos massa em arrobas. Uma arroba


equivale a quinze quilos.

Os submúltiplos do grama são encontrados com maior frequência em corpos de pequeno


porte, como remédios e produtos laboratoriais. Ainda assim, é importante sabermos como
realizar as conversões necessárias para facilitar certos tipos de situação que envolvam
massa. Para isso, contamos com uma tabela de transformação de múltiplos e submúltiplos
apresentada abaixo.

43
x 10 x 10 x 10 x 10 x 10 x 10

kg hg dag g dg cg mg

÷ 10 ÷ 10 ÷10 ÷10 ÷10 ÷10

Por exemplo, para escrever 10.000 g em quilogramas (kg), precisamos transformar a


unidade de medida de gramas (g) em quilogramas (kg), que está três unidades para a
esquerda. Para isso, divide-se o valor por 10 três vezes (10 ÷ 10 ÷ 10), ou seja, 1.000. Assim,
temos que 10.000 g é o mesmo que 10 kg.

Vamos exercitar resolvendo algumas questões?

Matemática Básica e Financeira


Atividade 14

44 1) Expresse em gramas:

a) 7 kg

b) 3,5 kg

c) 0,640 kg

d) 0,78 kg

e) 92,3 kg

f) 1/2 kg

g) 5,84 kg

h) 0,06 kg

i) 3/4 kg

2) Expresse em quilogramas:

a) 3 t

b) 0,5 t

c) 18,1 t

d) 4,89 t

e) 4.000 g

f) 1/4 t

g) 3.750 g

h) 12.859 g

i) 2/5 t

3) Um mamão pesa 872 gramas, um abacaxi 1,208 kg e uma melancia 7,05 kg. Qual é o peso
total em quilogramas?

4) Quantos quilogramas pesa um boi de 25 arrobas?

5) Uma tonelada e meia equivale a quantos quilogramas?

Curso Técnico em Agronegócio


6) Um quilograma de um produto alimentício custa R$ 84,00. Calcule o preço de:

a) 500 g

b) 750 g

c) 900 g

d) 1,2 kg

e) 2,5 kg

f) 6,4 kg

Encerramento
Chegamos ao fim do primeiro tema desta unidade curricular. A partir dos tópicos que vimos
aqui, você pôde conhecer e revisar assuntos da matemática essenciais para sua atuação
profissional. Do mesmo modo, eles também formam uma base para que você possa avançar
com mais segurança nos próximos temas. Em seguida, estudaremos a matemática financeira!

45

Matemática Básica e Financeira


02
Matemática Financeira
Tema 2: Matemática Financeira
Bem-vindo(a) à matemática financeira! Neste tema, estudaremos conceitos necessários para
pensarmos em dinheiro, finanças, investimentos e financiamentos. Dentre eles, veremos
como calcular juros, descontos e diferentes séries de pagamento.

Comentário do autor

Neste tema, espera-se que você desenvolva as seguintes competências:


47
• entender os principais conceitos da matemática financeira;
• distinguir os juros simples dos compostos, aplicando-os em situações
problema;

d • calcular descontos simples e compostos;


• calcular o valor da prestação, do principal e do valor futuro das séries de
pagamento;
• conhecer os principais conceitos relacionados aos Sistemas de Amortização
de Empréstimos e Financiamentos;
• utilizar os conceitos de matemática financeira para resolver problemas do dia
a dia.

A matemática financeira é um ramo da matemática que tem a função de estudar o dinheiro e/


ou seu valor no passar do tempo. A partir dela, é possível fazer análises e comparações para
aplicar em suas atividades diárias, pensando em bens de consumo, investimentos ou finan-
ciamentos.

Matemática Básica e Financeira


Tópico 1: Uso da Moeda
48 Hoje, a moeda está presente em praticamente todos os momentos da vida, desde grandes
negócios e cotações do chamado mercado financeiro até as ações as mais triviais. Um
trabalhador pode até não precisar de moeda para desempenhar suas tarefas na fazenda, mas,
se, ao final do dia, ele resolver tomar um refrigerante, ter dinheiro no bolso é fundamental
para que ele possa satisfazer seu desejo.

Praticamente todas as relações materiais da sociedade exigem a presença da moeda. Para


satisfazer as necessidades materiais, quaisquer que elas sejam, as pessoas são obrigadas a
utilizar a unidade monetária de referência, ou moeda local.

Antigamente, nas primeiras atividades comerciais, não havia moeda. O tipo de atividade
comercial utilizado era o escambo, uma simples troca de mercadoria por mercadoria ou de
serviço por mercadoria e que originou todas as atividades comerciais que conhecemos hoje.

No escambo, o valor da mercadoria dependia apenas da quantidade de tempo ou do trabalho


humano que foi necessário para produzi-la. Assim, se alguém cultivasse ou pescasse peixes
em maior quantidade que a necessária para manter a si e a sua família, trocava esse excesso
de produção com o de outra pessoa (ou grupo) que tivesse plantado e colhido outra cultura
mais que o necessário, por exemplo, o arroz.

Essa forma primitiva de comércio foi dominante no início da civilização humana e ainda pode
ser encontrada atualmente. Porém, ela traz certas dificuldades, visto que não há uma medida-
padrão entre os elementos a serem trocados.

Com a evolução das negociações comerciais, alguns produtos passaram a ser mais procurados
do que outros. Os de maior aceitação passaram a assumir a função de moeda, sendo adotados
como elemento de troca por outras mercadorias e servindo como valor-padrão na avaliação
dos demais – eram as chamadas “moedas-mercadorias”.

Entre as principais moedas–mercadorias, temos o gado e o sal, cuja utilização foi tão marcante
que se faz presente até hoje em nosso vocabulário. As palavras “pecúnia” (dinheiro) e “pecúlio”
(dinheiro acumulado) derivam do latim pecus (gado). A palavra “capital” (patrimônio) vem
do latim capita (cabeça). E a palavra “salário” (salarium - remuneração geralmente efetuada
em dinheiro, realizada pelo empregador por serviço desenvolvido por seu empregado) teve
origem em Roma, com a utilização do sal para o pagamento de serviços prestados.

Com o passar do tempo, as moedas–mercadorias se tornaram inconvenientes para as


transações comerciais, pois havia instabilidade de valor, dificuldade de fracionamento e
perecibilidade, que impedia o acúmulo de patrimônio.

Perecibilidade

Propriedade de algo que é perecível, que pode estragar com o tempo, como os alimentos.

Curso Técnico em Agronegócio


Quando o homem descobriu o metal, logo passou a utilizá-lo para fabricar seus utensílios e
armas, que anteriormente eram feitos de pedra. Por apresentar diversas vantagens em rela-
ção a outros materiais, o metal passou a ser utilizado como principal padrão de valor e meio
de troca.

Inicialmente, o metal era trocado em seu estado natural, em barras ou sob a forma de objetos.
Quando comercializado, já manufaturado, exigia aferição de peso e avaliação de seu grau de
pureza a cada troca. Depois, ganhou peso determinado e forma definida (geralmente em
discos circulares), recebendo uma marca com seu valor e também do responsável por sua
emissão. Essa medida veio facilitar as negociações, dispensando as constantes pesagens e
permitindo uma rápida informação da quantidade de metal disponível para a troca.

Com a evolução do dinheiro, veio a necessidade da criação de estabelecimentos responsáveis


pelo depósito e pela guarda desses bens, que são os bancos. Com os bancos surgiu uma nova
atividade financeira em que o próprio dinheiro é uma mercadoria.

Atenção

Quando tratamos de dinheiro e tempo, alguns elementos básicos devem ser


levados em consideração, tais como:

• inflação → os preços não são os mesmos sempre;

` • risco → investimentos envolvem risco que geram perda ou ganho de


dinheiro;
• incerteza → não há como saber que tipo de investimento é mais rentável sem
estudo prévio;
• utilidade → se não é útil, deve ser adquirido?
• oportunidade → sem dinheiro, as oportunidades dizem adeus.

Tópico 2: Dinheiro x Tempo 49


A matemática financeira está diretamente relacionada com a forma com que vemos e
manipulamos o dinheiro e suas fases na história da humanidade.

A matemática financeira estuda a forma com que o dinheiro muda de


valor no decorrer do tempo e nos permite tirar o maior proveito desta
relação.

O dinheiro que você possui na carteira hoje possui um valor maior do que a mesma quantida-
de valerá daqui a um ano. Ou seja, R$ 100,00 hoje não compram a mesma coisa que R$ 100,00
comprarão daqui a um ano. A relação entre tempo e dinheiro é de constante mudança.

Tópico 3: Juros Simples


Podemos definir juros como o rendimento que se obtém quando emprestamos “dinheiro”
por um período determinado. Vamos estudar como calcular os juros simples e os compostos,
começando pelo simples.

Matemática Básica e Financeira


No regime de capitalização simples, os juros gerados a cada período serão sempre idênticos,
obtidos pelo produto da taxa de juros pelo capital inicial. Esse tipo de capitalização tem
50 uso restrito a operações de curto (ou ainda curtíssimo) prazo. Ele aparece no cálculo de
algumas operações financeiras, tais como os encargos a serem pagos de algumas operações
de empréstimo.

Capitalização

Podemos entender por capitalização a ação de formar um capital, ou seja, juntar dinheiro, seja
para economizar ou para pagar uma dívida.

No cálculo dos juros simples, estão envolvidos os seguintes elementos:

j → “juros simples”

C → “capital inicial”

i → “taxa de juros”

n → “período da aplicação”

A fórmula para calcular os juros simples é: j = C × i × n

Por exemplo, se João tomou um empréstimo de R$ 1.000,00, pelo prazo de 2 anos, à taxa de
juros de 30% ao ano, quais serão os juros pagos pelo empréstimo?

Dados do problema:

j→?

C → 1.000

i → 30% a.a. => 0,3

n → 2 anos

Pela fórmula: j = C × i × n => j = 1000 × 0,3 × 2 = 600. Logo, os juros a serem pagos pelo
empréstimo serão de R$ 600,00.

É muito importante observar que a fórmula só pode ser aplicada se o


período e a taxa de juros estiverem na mesma unidade de referência de
tempo.

Veja este outro exemplo: um capital de R$ 10.000,00 é aplicado a juros simples, à taxa de 2,5%
a.m., durante 4 meses. Calcule os juros e o montante da aplicação.

Curso Técnico em Agronegócio


Dados do problema:

j→?

M →?

C → 10.000

i → 2,5% a.m. → 0,025

n → 4 meses

Pela fórmula: j = C × i × n => j = 10000 × 0,025 × 4 = 1000. Logo, os juros pagos pela aplicação
serão de R$ 1000,00, e o montante da aplicação será R$ 11.000,00.

1. Montante
Já vimos que o montante é a soma do capital inicial com os juros produzidos no período de
aplicação. Ele é representado pela seguinte expressão matemática:

M=C+j

Como os juros são dados por j = C × i × n, então o montante pode ser reescrito como sendo:

M = C (1 + in)

Por exemplo, que montante receberá um aplicador que tenha investido R$ 20.000 durante 10
meses à taxa de 5% ao mês?

Dados do problema:

M=?

C = 20.000,00
51
i = 5% a.m. = 0,05

n = 10 meses

Pela fórmula: M = C (1+in) = M = 20.000 × (1+0,05 × 4) = 30.000,00. Assim, esse investidor


receberá R$ 30.000,00 da aplicação após 10 meses.

Atividade 1
Vamos praticar? Resolva as questões a seguir sobre juros simples.

1) Calcule os juros simples produzidos por R$40.000,00, aplicados à taxa de 36% a.a., durante
125 dias.

Matemática Básica e Financeira


2) Obtenha os juros simples recebidos nas seguintes aplicações

a) C = 5000, i = 2,5% ao mês, n = 8 m


52
b) C = 4000, i = 4% ao trimestre, n = 1,5 a

c) C = 7000, i = 1,7% ao mês, n = 1 s

d) C = 10500, i = 3,6% ao bimestre, n = 2 t

3) Um capital de R$ 20.000,00 é aplicado a juros simples, durante 2 anos, à taxa de 2% a. m.


Qual o montante obtido?

4) Qual é o capital que, aplicado a juros simples, à taxa de 2% a.m., durante 8 meses, resulta
em um montante de R$ 6.000,00?

5) Determine o capital que, aplicado a juros simples, à taxa de 2,5% a. m., durante 2 anos,
resulta em um montante de R$ 16.000,00.

6) Calcule o capital que, aplicado a juros simples, durante 11 meses e à taxa de 1,5% a.m.,
proporciona juros de R$ 700,00.

7) O banco RST empresta R$ 2.000.000,00 a um fazendeiro pelo prazo de 120 dias, cobrando
juros simples à taxa de 3% a.m. Simultaneamente, ele paga aos aplicadores dessa quantia
juros simples com prazo de 120 dias, à taxa de 2% a.m.:

a) qual a diferença entre os juros recebidos e os pagos após os 120 dias?

b) qual o valor dos juros pagos aos aplicadores?

8) Roberto pretende comprar um trator usado cujo preço é R$ 12.000,00 para pagamento
daqui a 4 meses. Se ele conseguir aplicar seu dinheiro a juros simples e à taxa de 2% a. m.:

a) quanto deverá aplicar no ato da compra para fazer frente ao pagamento?

b) se o preço para pagamento à vista for R$ 11.200,00, será melhor ele pagar à vista ou a
prazo?

9) Macedo quer dividir seu capital de R$ 30.000,00 em duas partes, uma para ser aplicada no
banco A, que paga juros simples à taxa de 1,8% a.m., e a outra no banco B, que também
paga juros simples à taxa de 2,2% a. m. A aplicação no banco A será por 2 anos e no B, por
1 ano e meio. Calcule o valor aplicado em cada banco de modo que os juros sejam iguais.

10)Uma motosserra é vendida à vista por R$ 1.800,00 ou, então, por R$ 400,00 de entrada
mais uma parcela de R$ 1.500,00 após 3 meses. Qual é a taxa mensal de juros simples do
financiamento?

Curso Técnico em Agronegócio


11)Uma roçadeira é vendida à vista por R$ 1.500,00 ou, então, com 30% de entrada mais
uma parcela de R$ 1.200,00 após 3 meses. Qual é a taxa mensal de juros simples do
financiamento?

3. Taxas Proporcionais e Taxas Equivalentes


Até agora, nos exemplos que vimos sobre juros simples, ocorreu de a taxa de juros e o período
no qual a aplicação está sendo feita coincidirem na periodicidade, ou seja, ambos encontram-se
na mesma unidade de tempo. Entretanto, esse fato nem sempre ocorre. Quando as unidades
de tempo da taxa e do período da aplicação forem diferentes, será possível converter uma
delas para que coincidam.

Para isso, utilizamos a proporcionalidade entre as taxas. Duas taxas são proporcionais quando
seus valores apresentam uma proporção com os tempos a elas referidos, sempre reduzidos

à mesma unidade. Assim, para as taxas i’ e i’’ relacionadas aos períodos n’ e n’’, ambos
i’ n’
na mesma unidade, teremos que: =
i’’ n’’

A partir daí, obtemos uma fórmula que nos permite converter uma taxa em outra proporcional:
i k = i’
k’’

Onde temos:

ik → taxa de juro proporcional

i → taxa de juro

k’ → período da proporcional

Por exemplo, para calcular a taxa de juros mensal proporcional a 36% ao ano, devemos
0,36
53
considerar que 1 ano possui 12 meses. Logo, i k = = 0,03 = 3% ao mês.
12

Ou ainda, imagine que você quer saber a taxa anual proporcional à 7% ao bimestre. Como
i
1 ano possui 6 bimestres, temos que 0,07 = => i = 0,07 x 6 = 0,42, isto é, 42% ao ano.
6

Comentário do autor

Nos cálculos de juros, estamos considerando que um ano possui 360 dias (o que

d é chamado de “ano comercial”). Essa utilização nos dá o juro simples comercial.


Entretanto, podemos também utilizar o ano civil (usando o número exato de dias:
365 ou 366, se o ano for bissexto). Neste caso, o resultado é denominado juro
simples exato.

Matemática Básica e Financeira


Determinando o número exato de dias entre duas datas

54 Podemos obter o número exato de dias entre duas datas de três maneiras diferentes:
I. pela contagem direta dos dias em um calendário, lembrando que apenas um dos extremos
deve ser incluído;

II. considerando o número exato de dias de cada mês;

III. e utilizando uma tabela para a contagem de dias.

Que tal exercitar esse conhecimento sobre a determinação do número exato de dias? Veja o
exemplo:

Um empréstimo de R$ 10.000 foi realizado em 17/9 e pago em 23/11 do mesmo ano. Sabendo
que a taxa foi de 72% ao ano, qual o juro total a ser pago?

Inicialmente, temos que determinar o número de dias de cada uma das datas. Para isso
podemos consultar uma tabela de contagem de dias no ano.
A data 23/11 corresponde a 327 dias.
A data 17/9 corresponde a 260 dias.

Logo, o número de dias procurado é: 327 – 260 = 67, ou seja 67 dias. Assim, podemos continuar
com o cálculo:

C = 10.00
n = 67
0,72
i = 72% a.a. => 0,72 => => 0,002 a.d.
360

j = 10.000 x 0,002 x 67 = 1340

Isto é, o juro a ser pago é de R$ 1.340,00.

Vamos praticar o que você aprendeu até aqui?

Atividade 2
1) Um empréstimo de R$ 15.000 foi realizado em 10/5 e pago em 20/6 do mesmo ano.
Sabendo que a taxa foi de 10% ao ano, qual o juro total pago?

2) Qual o juro simples exato do capital R$ 3.800,00, colocado a uma taxa de 5% a.a., de 2 de
janeiro de 2005 a 28 de maio do mesmo ano?

3) Qual o juro simples exato do capital R$ 5.000,00, colocado à taxa de 5% a.a., de 2 de janeiro
de 2005 a 28 de maio do mesmo ano?

Curso Técnico em Agronegócio


4) A quantia de R$ 1.000,00 foi aplicada a juros simples exatos do dia 8 de agosto de 2013 ao
dia 2 de julho de 2014. Calcule os juros exatos obtidos à taxa de 10% ao mês.

5) Uma prestação no valor de R$ 14.500,00 venceu em 1/2/2014 sendo quitada em 15/3/2014,


com taxa de 48% ao ano. Determine os juros exato (365 dias) e comercial (360 dias) pagos
nessa operação.

6) Um capital de R$ 9.840 foi aplicado à taxa de 3% ao mês no período compreendido entre


15/4 e 23/7 do mesmo ano. Qual o juro recebido?

7) Qual deverá ser o capital aplicado no período de 5/6 e 30/11 do mesmo ano, à taxa de 36%
ao ano, para render um juro de R$ 5.696?

8) A que taxa mensal foi aplicado um capital de R$ 6.000 que, durante 6 meses e 20 dias,
rendeu R$ 1.320 de juro?

9) Um capital foi aplicado à taxa de 45% ao ano em 12/2. Em 3/5 do mesmo ano, foi efetuado
o resgate no valor de R$ 107.800. Qual o valor do capital inicial?

10)Um investidor aplicou R$ 200.000 no dia 6/1/2015 à taxa de 27% ao ano. Em que data esse
capital alcançará R$ 219.500?

11)Um capital inicial de R$ 16.000, à taxa de 36% ao ano, rendeu R$ 2.192 de juros. Sabendo
que a aplicação foi feita no dia 15/5/1988, qual foi a data de vencimento do contrato?

Tópico 4: Juros Compostos


Os juros compostos estão mais presentes no nosso cotidiano, principalmente no sistema
financeiro. Esses juros são incorporados ao montante a cada período financeiro para o
cálculo dos juros do período seguinte. Assim, o cálculo desse tipo de juro se dará sempre pelo 55
montante.

1. Calculando o Montante
Imagine que você aplica um capital de R$ 100, a 3% ao mês. Quanto terá em 5 meses?
Diferentemente do regime de capitalização simples, no qual os juros são capitalizados sobre
o valor inicial, aqui a taxa de juros é aplicada ao montante de cada período. Observe:

Período Juro Montante

0 - 100,00
1 100 × 0,03 × 1 = 3,00 103,00
2 03 × 0,03 × 1 = 3,09 106,09
3 106,09 × 0,03 × 1 = 3,18 109,27
4 109,27 × 0,03 × 1 = 3,28 112,55
5 112,55 × 0,03 × 1 = 3,38 115,93

Matemática Básica e Financeira


Assim, sabemos que o rendimento será de R$ 115,93. Se compararmos com rendimento do
regime simples de capitalização, observaremos uma diferença de R$0,93. Veja só:
56
M = 100 (1 + 0,03 × 5) = 115

Por isso, no caso dos juros compostos, devemos utilizar uma fórmula específica:

M = C × (1 + i)n

Note que as informações M, C, i, n já foram vistas anteriormente. O termo (1+ i)n é conhecido
como “fator de capitalização”. Confira um exemplo:

Para calcular o montante produzido por um capital de R$ 240.000, aplicados em regime de


juros compostos a 6% ao ano durante 3 anos, fazemos:

Dados do problema:

M→?

C → 240.000

i → 6% a.a. → 0,06

n → 3 anos

Pela fórmula: M = C (1+ i)n => M = 240000 × (1 + 0,06)3 => M = 240000 × (1,191016) = 285.843,84

Ou seja, a aplicação rendeu após três anos R$ 285.843,84.

Dica

' Confira nas videoaulas desta unidade curricular algumas dicas de como calcular
a potenciação na calculadora científica. Em caso de dúvida, contate o tutor a
distância - ele está à sua disposição.

Para exercitar o que você acabou de ver, resolva as questões propostas na atividade a seguir.

Atividade 3
1) Calcule o montante produzido por um capital de R$ 10.000, aplicados em regime de juros
compostos a 10% ao ano durante 2 anos.

2) Calcule o montante de uma aplicação de R$ 8.200, por um prazo de 8 meses, no regime de


juro composto, à taxa de 1,5% ao mês.

3) Calcule o montante do capital de R$ 75.000, colocado a juros compostos, à taxa de 2,75%


ao mês, ao fim de 6 meses.

4) Qual o montante produzido por R$ 12.000, em regime de juros compostos, à taxa de 2%


ao mês durante 40 meses?

Curso Técnico em Agronegócio


5) Calcule o montante produzido por R$ 2.000, aplicados em regime de juros compostos a 5%
ao mês, durante 2 meses.

6) Calcule o montante de um capital de R$6.000,00, aplicado a juros compostos, durante 1


ano, à taxa de 3,5% ao mês.

7) Aplicando hoje na caderneta de poupança a quantia de R$ 20.000,00, qual será o montante


gerado ao final de 4 anos, sabendo-se que a rentabilidade mensal é de 0,5%?

8) Aplicando-se R$ 15.000,00 a uma taxa de juro composto de 1,7% a.m., quanto receberei de
volta após um ano de aplicação? Qual o juro obtido nesse período?

9) Calcule o montante de uma aplicação de R$ 3.500,00 pelas seguintes taxas efetivas e


prazos:
a) 4% a.m. em 18 meses

b) 8% a.t. em 18 meses

c) 12% a.a. em 18 meses

2. Cálculo do Capital
A fórmula que produz o montante nos juros compostos pode ser manipulada e reescrita para con-
seguirmos descobrir qualquer uma das informações que nos seja desconhecida. Para o cálculo do
capital, a manipulação é a mais simples. Temos: M = C × (1 + i)n, que podemos reescrever como:
C (1 + i)n = M e, então, C = M / (1 + i)n, de modo a encontrar o capital que gerou dado montante.

Veja um exemplo prático: encontre o capital inicial que, no prazo de 4 meses, a 2% ao mês
produziu um montante de R$ 5.412.

Pela fórmula: C = M / (1 + i)n => C = 5412 / (1 + 0,02)4 => C = 5412 / 1,08243 = 4999,85 57
Assim, sabemos que a aplicação que após quatro meses rendeu R$ 5.412 foi de R$ 5.000.

3. Calculando o Período
Existem situações em que é necessário calcular o prazo no qual ocorre a aplicação. Para isso,
também é necessário que façamos alguma manipulação na fórmula do montante, da qual
chegamos a: (1 + i)n = M / C. Entretanto, observe que continuamos com o período (n) como
potência do fator de capitalização. Para resolver, isso podemos utilizar a operação matemática
M
log C
de logaritmo. Concluímos, assim, que para encontrar o período basta fazer n = .
log (1 + i)

'
Saiba mais sobre os logaritmos e suas propriedades assistindo ao vídeo que
indicamos no AVA. Acesse e confira!

Matemática Básica e Financeira


Para entender melhor, imagine que você precise determinar o prazo, no regime de juros
compostos, no qual um empréstimo de R$ 11.000,00, à taxa de 15% ao semestre, possa ser
58 quitado em um único pagamento de R$ 22.125,00. Para resolver, procedemos da seguinte forma:

Dados do problema:
n=?
M = 22.125
C = 11.000
i = 15% a.s. => 0,15
M 22125

Pela fórmula: n = log C


=> n = log
11000
=> n = log 2,01136 = 5
log (1+i) log 1,15 log 1,15

Ou seja, serão necessários 5 semestres para que o empréstimo seja quitado em pagamento
único no valor de R$ 22.125.

Agora resolva alguns exercícios para reforçar esse conteúdo.

Atividade 4
1) Qual é o capital que, aplicado a juros compostos durante 9 anos, à taxa de 10% a.a., produz
um montante de R$ 175.000?

2) Uma empresa vende um componente eletrônico por R$ 200 a unidade, sendo o pagamento
feito 2 meses após a compra. Para pagamento à vista, o preço é R$ 192. Qual é a taxa
mensal de juros compostos do financiamento?

3) Um capital de R$ 7.000 foi aplicado a juros compostos durante um ano e meio, à taxa de
2,5% a.m. Calcule os juros auferidos no período.

4) Uma pessoa aplica hoje R$ 4.000 e aplicará R$ 12.000 daqui a 3 meses em um fundo que
rende juros compostos à taxa de 2,6% a.m. Qual será seu montante daqui a 6 meses?

5) Um capital de R$ 3.000 foi aplicado a juros compostos, durante 10 meses, gerando um


montante de R$ 3.500. Qual a taxa mensal?

6) Uma aplicação feita a juros compostos, em período de 10 meses rende de juros o mesmo
valor do capital aplicado. Qual é o valor da taxa de juros mensal dessa aplicação?

7) Apliquei em um fundo de investimentos um capital que, no período de 9 meses, produziu


montante equivalente ao triplo do capital aplicado. Sabendo que os juros são trimestrais,
qual é a taxa da aplicação?

Curso Técnico em Agronegócio


8) Um eletrodoméstico é vendido à vista, sem desconto, por R$ 800 ou, então, em duas vezes:
uma entrada de R$ 480 e uma parcela para dois meses após a compra no valor de R$ 500.
Qual é o valor da taxa de juros mensal dessa compra?

9) Qual é o período necessário para que uma aplicação de R$ 4.500, em juros mensais
compostos, à taxa de 2% a.m., gere um montante de R$ 5.700?

10)Preciso duplicar um capital visando comprar um carro. Sabendo que determinado banco
paga juros compostos de 2,5% ao mês pelo capital investido, quanto tempo devo deixar
meu dinheiro aplicado para que eu alcance meu objetivo?

11)Bernardete aplicou R$ 6.000 a juros compostos, durante um ano, à taxa de 24% a.a.

a) Qual o montante?

b) Qual a taxa mensal de juros da aplicação?

c) Qual a taxa semestral de juros da aplicação?

12)Gisele aplicou R$ 6.000 a juros compostos, sendo uma parte no banco A, à taxa de 2%
a.m., e outra no banco B, à taxa de 1,5% a.m. O prazo das duas aplicações foi de 6 meses.
Calcule quanto foi aplicado em cada banco sabendo-se que os montantes resultantes
foram iguais.

13)Aplique hoje R$ 55.000 e receba após 6 meses R$ 60.000. Qual é a taxa mensal de
rendimento dessa aplicação, considerando o regime de juros compostos?

3. Taxa Efetiva e Taxa Nominal


O juro só é formado no final de cada período financeiro. Entretanto, são frequentes os casos em
que o período da taxa não coincide com o período da capitalização. A esse fato convencionou-
59
se chamar de taxas nominais.

Quando a unidade de tempo coincide com o período de capitalização, tem-se o que chamamos
de taxa efetiva. Por exemplo: em uma capitalização semestral a taxa de juros deve ser
semestral.

4. Taxas Equivalentes e Taxas Proporcionais


Vimos, ao estudar os juros simples, que duas taxas são proporcionais quando seus valores
formam uma proporção com o tempo a elas referido. Além de proporcionais, as taxas eram
ainda equivalentes. Taxas equivalentes são aquelas que, em um mesmo período de tempo,
com capitalização diferente, aplicadas a um mesmo capital, produzem o mesmo montante.

Por exemplo, um capital de R$ 1.000,00, empregado durante 1 ano, à taxa de juros compostos
de 24% ao ano, e durante 12 meses à taxa de 2% ao mês, deve render R$ 1.240 e R$ 1.268,
respectivamente. Note que, apesar das taxas serem proporcionais (24% a.a. e 2% a.m.), elas
não são equivalentes, pois geram montantes diferentes.

Matemática Básica e Financeira


Para calcular uma taxa equivalente, é interessante observar que a única parte da fórmula do
montante dos juros compostos que será alterada é o fator de capitalização. Portanto temos
60 para as frações de ano, a seguinte transformação:

(1 + ia)1 = (1 + is)2 = (1 + it)4 = (1 + ib) = (1 + im)12 = (1 + id)360

Assim, digamos que você precise saber qual é a taxa bimestral equivalente a 10% ao mês. Para
isso, temos que: im= 10% a.a. = 0,1

Como: (1 + im)2 = (1 + ib) => (1 + 0,1)2 = (1 + ib) => ib = (1,21) - 1 = 0,21, isto é, 21% a.b.

Agora que você já sabe calcular juros simples, compostos e fazer as devidas conversões das
taxas, exercite seus conhecimentos resolvendo as questões a seguir.

Atividade 5
1) Para uma aplicação que rende 2,20% ao mês a juros compostos, qual é a taxa equivalente
diária?

2) Para uma aplicação financeira que rende juros compostos de 0,8% ao mês, qual a taxa
equivalente anual?

3) Qual é a taxa diária equivalente a juros compostos:

a) 30% ao mês.

b) 18% ao ano.

c) 4,5% ao semestre.

4) Qual é a taxa para 63 dias equivalente a juros compostos a 8% ao mês?

5) Qual é a taxa semestral equivalente a juros compostos a 10% ao bimestre?

6) A taxa anual de juros compostos para aplicações em Certificados de Depósitos Bancários


está em 20% ao ano. Determine a taxa equivalente para os seguintes prazos de aplicação:

a) 30 dias.

b) 90 dias.

c) 120 dias.

7) Você aplicou suas economias em determinado investimento que lhe rendeu 5,8% em 39
dias. Qual foi o ganho equivalente mensal a juros compostos que você auferiu?

8) Um fundo de investimento rende em média 0,07% ao dia por dia útil. Qual será o
rendimento percentual projetado para um período de 22 dias úteis, segundo o regime de
juros compostos?

Curso Técnico em Agronegócio


9) Uma aplicação por 165 dias rendeu 31,125% de juros. Calcule as taxas juros compostos
equivalentes anual e mensal.

10)O Salt Bank remunera suas aplicações com uma taxa de 30% ao ano, no regime de juros
compostos, e assume um ano de 360 dias. Determine os rendimentos para uma aplicação
com os prazos:

a) 45 dias.

b) 180 dias.

c) 225 dias.

11)Uma instituição financeira oferece a um aplicador uma remuneração de 2,2%, a juros


compostos, pelo prazo de 25 dias, para qualquer valor de sua aplicação. Determine as
rentabilidades diária e mensal dessa aplicação?

12)Sendo 18% a inflação de determinado ano, calcule a taxa equivalente mensal.

13)A inflação de certo mês atingiu 9%. Tendo esse mês 20 dias úteis, determine a taxa de
inflação por dia útil.

Tópico 5: Descontos
Sempre que existe uma dívida, é normal que o credor receba um título de crédito, que nada
mais é do que o comprovante de que a dívida será paga. Como todo título de crédito tem uma
data de vencimento, é possível que o emissor do título queira resgatá-lo antecipadamente, ou
seja, pagar a dívida antes do prazo. Nesse caso, é justo que ele receba um abatimento, que é
denominado de “desconto”.

61
1. Tipos de Títulos de Crédito
Os títulos de crédito mais comuns e mais utilizados em transações financeiras são a nota
promissória, a duplicata e a letra de câmbio.
• Nota promissória: é um comprovante da aplicação de um capital com vencimento
predeterminado. É um título muito utilizado entre pessoas físicas ou entre pessoa física e
instituições financeiras.

• Duplicata: é um título emitido por uma pessoa jurídica contra seu cliente para o qual
vendeu mercadorias a prazo ou prestou algum serviço a ser pago no futuro, segundo um
contrato.

• Letra de câmbio: da mesma forma que a nota promissória, é um comprovante de uma


aplicação com vencimento predeterminado; porém, é um título ao portador, emitido
exclusivamente por instituições financeiras.

Matemática Básica e Financeira


2. Desconto de Título

62 Quando o devedor efetua o pagamento de forma antecipada, ele pode receber um desconto
dos juros que incidem na dívida. Esta operação é chamada de “descontar um título”. Antes de
prosseguirmos, confira alguns conceitos importantes ao trabalharmos com descontos:
• valor nominal (ou valor de face): é o valor indicado no título, importância a ser paga na
data de vencimento;

• valor atual (ou valor descontado): é o líquido que foi pago (ou recebido) pelo título antes
do vencimento;

• dia de vencimento: é a data fixada para o pagamento do título;

• tempo ou prazo: é o número de dias compreendido entre o dia em que se negocia o título
e o seu vencimento.

O desconto será o valor a ser abatido do valor nominal do título de crédito


no momento do pagamento antecipado. Ele é calculado pela diferença
entre o valor nominal e o valor atual.

O desconto pode ser feito considerando-se como capital tanto o valor nominal, denominado
de desconto comercial, ou o valor atual, denominado desconto racional. Na prática,
somente o desconto comercial é utilizado. Assim, trataremos do desconto racional apenas
quando falarmos de descontos compostos em que ele se faz necessário devido aos conceitos
estarem ligados.

3. Desconto Comercial
Conhecido por desconto bancário (ou por fora), o desconto comercial é equivalente aos juros
simples, calculado pelo valor nominal do título no período de tempo correspondente e à taxa
fixada. Confira os elementos e a fórmula utilizados para calcularmos esse desconto:

d → Valor do desconto comercial

N → Valor nominal do título

i → Taxa de desconto

n → Tempo

A → Valor atual comercial (descontado)

Por definição, temos que o valor do desconto comercial é: d = N × i × n e o valor atual, ou valor
descontado, é dado por A = N - d => A = N (1 - in).

Comentário do autor

d O desconto comercial é aplicado apenas em períodos curtos, pois, em prazos


longos, o valor do desconto pode ultrapassar o valor nominal do título.

Curso Técnico em Agronegócio


Para entender melhor como calcular esse desconto, confira o exemplo:

Um título de R$ 5.000 vai ser descontado à taxa de 1,8% ao mês. Faltando 36 dias para o seu
vencimento, determine o valor do desconto comercial e o valor atual do título.

Dados do problema:

d→?

N → 5.000

i → 1,8% a.m. => 0,018 a.m. => 0,0006 a.d.

n → 36 dias

Pela fórmula: d = N × i × n => d = 5000 × 0,0006 × 36 = 108

Como A = N - d => A = 5000 - 108 = 4892, logo, o valor atual será de R$ 4.892, e o valor do
desconto de R$ 108.

Vamos praticar? Resolva os exercícios a seguir.

Atividade 6
1) Um título de R$ 10.000 será descontado à taxa de 2,1% ao mês. Faltando 33 dias para o seu
vencimento, determine o valor do desconto comercial e o valor atual do título.

2) Determine o valor do desconto comercial de uma promissória de R$ 500,00, à taxa de 36%


ao ano, resgatada 60 dias antes do vencimento.

3) Um título de R$ 350,00 foi descontado faltando 90 dias para o seu vencimento. Sabendo-se
que o desconto foi de R$ 26,25, calcule a taxa de desconto e a taxa de juro efetiva.
63
4) Uma duplicata foi descontada 60 dias antes de vencer, e por ela foram pago R$ 2.300,00
com taxa de desconto de 42% a.a. Qual era o valor nominal da duplicata?

5) Por um título de R$ 460,00 é pago com taxa de descontos de 2,5% a.m. o valor de R$
442,75. Assim, em quanto tempo o título foi antecipado?

6) Precisando repor seu estoque, um comerciante desconta um título no valor de R$ 65.000,00


com vencimento para 120 dias, à taxa de 2% a.m. mais taxas de administração no valor
total de 3%. Qual será o valor líquido creditado pelo banco pelo título?

7) Ao pagar um título de R$ 660,00 com antecipação de 60 dias, recebo um desconto de R$


39,60. Determine a taxa de desconto.

8) Uma duplicata no valor de R$ 860,00 foi resgatada 90 dias antes do seu vencimento por
R$ 769,70. Sabendo que a taxa de desconto foi de 3,5% ao mês, determine a taxa de juro
efetiva.

Matemática Básica e Financeira


9) Calcule o tempo de antecipação de uma nota promissória, sabendo que o seu valor nominal
é duas vezes o valor do desconto, à taxa de 24% ao ano.
64
10) Um comerciante que necessitava de dinheiro descontou uma nota promissória com
vencimento em 90 dias. A taxa de juros foi de 3% ao mês além de uma taxa de 1,5% de
comissão pelos serviços. Ao final da operação, o comerciante recebeu pela nota o valor
líquido de R$ 2.680,50. Qual era o valor de face do título?

11) Sou portador de duas promissórias: uma no valor de R$ 600,00, vencível em 150 dias, e
outra no valor de R$ 400,00, vencível em 120 dias. Pretendendo descontá-las dentro de 75
dias. Qual o será o valor líquido recebido à taxa de desconto de 3,5% ao mês?

12) Um comerciante descontou dois títulos em um banco: um de R$ 6.000,00 para 90 dias,


e outro de R$ 3.652,17 para 120 dias. Desejando substituí-los por um único título com
vencimento para 5 meses, calcule o valor nominal deste último supondo que a taxa de
desconto de 24% ao ano permaneça inalterada.

13) Um comerciante contraiu uma dívida de R$ 4.687,50 para ser paga com dois títulos de
mesmo valor, vencíveis dentro de 60 e 90 dias, respectivamente. Sabendo que a taxa de
desconto é de 2,5 % ao mês, calcule qual deverá ser o valor nominal de cada título.

14) Tenho três títulos, cujos valores são de R$ 3.000,00, R$ 4.000,00 e R$ 5.000,00 com
vencimentos, respectivamente, para 60, 90 e 120 dias, que foram substituídos por dois
outros de R$ 6.622,00 cada um, vencíveis em 150 e 210 dias. Calcule a taxa de desconto,
sabendo que é a mesma para qualquer transação.

4. Descontos Compostos
O desconto composto é empregado em operações de longo prazo uma vez que a utilização de
desconto simples nesses casos nos levaria a valores descontados maiores do que o próprio
título.

Da mesma forma que acontece no desconto simples existem duas formas de desconto com-
posto: o desconto racional (dito desconto por dentro) e o desconto comercial. Entretanto,
nesse caso, não empregamos o desconto comercial.

Cálculo do valor atual


Como acontece quando tratamos de desconto simples, o desconto composto está diretamente
associado ao regime de juros simples. Assim, o valor atual de um capital N disponível ao final
de n períodos, à taxa i relativa a esse período, será o capital A que, a juros compostos, produz
o montante N. Isso tudo nos leva às seguintes fórmulas:

N = A (1 + i)n e A = N / (1 + i)n ,

onde (1 + i)n será o fator de descapitalização.

Por exemplo, para determinar o valor atual de um título de R$ 1.000, saldado 4 meses antes
do vencimento, à taxa de desconto composto de 2,5% ao mês, procedemos da seguinte forma:

Curso Técnico em Agronegócio


Dados do problema:

A→ ?

N → 1000

i → 2,5% a.m. = 0,025

n → 4 meses

Assim, podemos fazer A = 1000 / (1 + 0,025)4 => A = 1000 / 1.10381 = 905,95, ou seja, o valor
atual do título será de R$ 906.

Valor do desconto racional


O valor do desconto racional composto pode ser obtido de duas formas: aplicado à noção de
desconto, que é a diferença entre o valor nominal (de face) do título e o valor atual (o pago),
ou ainda por meio de um pouco de manipulação matemática obtida pelas representações
matemáticas dessa noção.
N
d=N-
(1 + i )ⁿ

Utilizando essa fórmula, sabemos, por exemplo, que um título que tem valor nominal de R$
10.000 e será descontado 6 meses antes do vencimento, sob uma taxa de 5% ao mês, terá um
desconto racional composto de R$ 2.538,00.

Que tal praticar um pouco? Resolva as questões a seguir sobre desconto composto.

Atividade 7
1) Um título tem valor nominal de R$ 5.000 e será descontado 3 meses antes do vencimento,
sob uma taxa de 3,5% ao mês. Determine o valor do desconto racional composto. 65

2) O valor nominal de um título é de R$ 28.800,00 e será descontado antecipadamente no


prazo de 120 dias. A taxa aplicada pela financeira é de 2,5% ao mês, de acordo com o
conceito de desconto composto. Calcule o valor do desconto.

3) Determine o valor do desconto composto racional de um título no valor de R$ 50.000,00


sabendo que o seu prazo é de 5 meses e que a taxa de desconto cobrada é de 3,5% ao mês.

4) Um título de R$ 1.000,00 é descontado 3 meses antes do vencimento à taxa racional


composta de 10% ao mês. Qual é o seu valor atual?

5) Resgata-se um título por R$ 1.645,41 com 4 meses de antecedência. Quais são o valor
nominal do título, sendo a taxa de 60% ao ano com capitalização mensal, e o critério do
desconto racional composto?

Matemática Básica e Financeira


6) Um título de valor nominal igual a R$ 2.000,00 sofre um desconto racional composto a uma
taxa de 1% ao mês 2 meses antes do vencimento. Qual é o valor do desconto?
66
7) Um título de valor nominal igual a R$ 1.000,00 é resgatado 4 anos antes do vencimento à
taxa de desconto racional composto de 10% ao ano. Calcule o valor atual do título.

8) Qual será o valor do desconto racional composto pago por um título cujo valor nominal
seja de R$ 10.000,00 e que possua desconto de 3,5% a.m. e vencimento previsto para 5
meses?

5. Equivalência de Capitais
Em alguns casos, é possível substituir um título por outro com diferentes datas de vencimento.
Essa situação está ligada à equivalência de capital, que pode ser usada ainda para sabermos
se duas formas de pagamento são equivalentes.

Dois (ou mais) capitais são equivalentes, em determinada época, se seus


valores atuais, nessa época, forem iguais.

Confira um caso em que a equivalência de capitais está presente:

Um produtor deseja substituir um título de R$ 5.000, vencível em 3 meses, por outro com
vencimento em 5 meses. Sabendo que esses títulos podem ser descontados à taxa de 3,5% ao
mês, qual será o valor nominal comercial do novo título?

Levantando os dados do problema, temos que:

N’ = 5000

i = i’ = 3,5% a.m. = 0,035

n’ = 3 meses

n = 5 meses

Para que sejam equivalentes, A deve ser igual à A’.


Como A = N (1 - in) => A = N (1 - 0,035 × 5) => A = 0,825N
e ainda A’ = N’ (1 - i’ n’) => A’ = 5.000 (1 - 0,035 × 3) => A = 5.000 × 0,895 => A’ = 4.475.
Como A = A’, então 0,825N = 4.475 => N = 4.475 / 0,825 = 5.424,24.
Ou seja, o valor do novo título será de R$ 5.424,24.

Atividade 8
1) Um produtor deseja substituir um título de R$ 500.000, vencível em 2 anos, por outro com
vencimento em 5 anos. Sabendo que esses títulos podem ser descontados à taxa de 12%
ao ano, qual será o valor nominal comercial do novo título?

2) Uma pessoa, devedora de um título de valor nominal de R$ 10.000,00 com vencimento


daqui a 1 ano, deseja resgatar essa dívida com dois pagamentos mensais iguais: um no

Curso Técnico em Agronegócio


final de 4 meses e outro no final de 8 meses. Estabelecendo a taxa de 18% ao ano com
capitalizações mensais para o desconto, calcule o valor desses pagamentos

3) Um título de R$ 5.000,00 para 45 dias foi trocado por outro de R$ 6.000,00 para 90 dias,
ambos capitalizados diariamente. Qual foi a taxa de desconto real utilizada para que esses
títulos fossem considerados equivalentes?

4) Um título de R$ 10.000,00 para 62 dias vai ser trocado por outro de R$ 15.000,00. Qual será
o prazo desse novo título se a troca for feita com desconto real à taxa de 12% ao mês com
capitalizações diárias?

5) Um título de valor nominal igual a R$ 6.780,00 com vencimento para 3 anos, deverá
ser substituído por 3, de mesmo valor nominal, para 1, 2 e 3 anos, respectivamente.
Considerando o desconto de 24% ao ano, capitalizado semestralmente, determine o valor
nominal dos novos títulos.

6) Uma empresa deve pagar 3 títulos de R$ 1.700,00 exigíveis em 2, 3 e 4 bimestres. Entretanto,


a empresa pretende substituir os 3 títulos por um único de R$ 6.268,33. Qual será o prazo
desse novo título empregando uma taxa de 25,2% ao ano, capitalizado bimestralmente?

7) Uma empresa devedora de 2 títulos de R$ 2.000,00, para 2 e 4 anos, respectivamente,


propõe resgatar a dívida com 3 pagamentos anuais iguais, realizáveis no fim de 2, 3 e 4
anos, respectivamente. Calcule o valor desses pagamentos, sendo o desconto real de 20%
ao ano, capitalizados trimestralmente.

8) Um empréstimo, cujo capital foi de R$ 2.600,00, deve ser pago no fim de 3 anos e meio com
juros de 18% ao ano, capitalizado trimestralmente. Entretanto, passado um ano, o devedor
propõe resgatar a dívida com um pagamento imediato de R$ 1.200,00 e o saldo em um
ano. Calcule o valor desse saldo, sabendo-se que o desconto concedido é de 18% ao ano,
capitalizado semestralmente.

9) Um empresário tem uma dívida R$ 2.000,00 com vencimento hoje e R$ 5.000,00 para 67
daqui a 1 ano. Propõe-se ao credor um refinanciamento de sua dívida, que se compromete
a liquidá-la em 3 parcelas semestrais iguais e consecutivas, vencendo a primeira em 6
meses. De quanto serão as parcelas, se a taxa contratada for de 20% ao ano, capitalizado
semestralmente?

Tópico 6: Séries de Pagamento


Quando queremos fazer um investimento, podemos depositar uma determinada quantia de
dinheiro na poupança. Quando pretendemos comprar algo, podemos fazê-lo pela compra
em prestações. Esses casos podem ser denominados de capitalização, para a construção de
capital, e amortização, para o pagamento de uma dívida.

Uma sucessão de depósitos ou de prestações, em épocas diferentes, destinados a formar um


capital ou com o intuito de liquidar uma dívida é o que chamamos de renda. A quantidade
de depósitos (ou pagamentos) efetuados é denominada de termos da renda (ou número
de prestações), e o intervalo em que ocorre o vencimento de dois termos consecutivos, de
período da renda.

Matemática Básica e Financeira


Na compra de um telefone celular em 10 prestações mensais de R$99,
68 cada uma das parcelas é um termo da renda,e o período da renda é
mensal.

As rendas podem ser de dois tipos: as certas (ou anuidades), quando ocorrem com o número
de termos, vencimentos e valores pré-fixados, ou ainda as aleatórias, quando algum dos
elementos que compõem não pode ser predeterminado.

Quanto ao período, uma renda pode ser periódica, quando o período é sempre o mesmo, ou
não periódica. Outra classificação importante está na relação com a data do vencimento do
primeiro termo, que pode ser imediata, antecipada ou diferida. Confira cada uma delas a
seguir.

Imediata (ou postecipada) ocorre


quando o vencimento do primeiro
termo se dá ao final do primeiro 0 1 2 3 4 5
período a contar da data zero (data da
assinatura do contrato). Assim, o último
termo ocorre ao final do período n. An i

Antecipada ocorre quando o


vencimento do primeiro termo ocorre 0 1 2 3 4 5
na data zero e o vencimento do último
termo ocorre no início do período n.
An i

Diferida ocorre quando o primeiro Carência


termo sedá ao final de algum prazo
determinado (uma quantidade de 0 1 2 3 1 2 3 4
períodos, a contar da data zero) e o 0
vencimento do último termo ocorre ao
final depois de n + m períodos. An i

Comentário do autor

d Sempre que o tipo da renda não for identificado, deveremos supor que se trate
de uma renda imediata, por ser esse o tipo mais comum.

1. Capitalização - Renda Imediata (ou Postecipada)


Imagine que uma pessoa deposite em uma financeira, ao fim de cada mês, durante 5 meses,
a quantia de R$ 100,00. Qual será o montante da renda sabendo que a financeira rende juros
de 2% ao mês, capitalizados mensalmente?

Curso Técnico em Agronegócio


Começamos levantando os dados do problema:

C = 100

i = 2% a.m. = 0,02

n = 5 meses

Cada depósito (C=100) representa o capital inicial, aplicado a 2% ao mês, por períodos que
irão de 1 a 5 meses. Como queremos determinar o montante dos depósitos na data final,
temos: M = C (1 + i)n para calcular o montante, sendo que o último depósito não apresentará
rendimentos.

0 1 2 3 4 5

100 100 100 100 100

100 x (1 + 0,02) = 100 x 1,02


100 x (1 + 0,02)2 = 100 x 1,022
100 x (1 + 0,02)3 = 100 x 1,023
100 x (1 + 0,02)4 = 100 x 1,024

Logo podemos ver que o montante da renda será dado pela soma dos montantes de cada um
dos depósitos, o que pode ser escrito como
₅ ₀,₀₂ = 100 + (100  1,02) + (100  1,02)

+ (100  1,02)

₅ ₀,₀₂ = 100  (1,02 + 1,02 + 1,02 + 1,02)

₅ ₀,₀₂ = 100  5,204 = 520,4

Ou seja, a renda será de R$ 520. 69

A partir da resolução apresentada, podemos observar que o montante da renda apresenta


uma lógica para ocorrência. Dessa lógica, podemos descrever uma fórmula que facilita muito
o procedimento.

Com T → valor dos depósitos periódicos


n → número de períodos
i → taxa de juros da operação
(1 + i) – 1
  = T  —————
i
(1 + i)n -1
Onde o termo ————— é o fator de capitalização da renda, e, dessa forma, podemos obter o
i
montante de forma imediata.

Para compreender melhor, resolva os exercícios a seguir. Em caso de dúvida, você pode
conversar com o tutor.

Matemática Básica e Financeira


Atividade 9

70 1) Uma pessoa deposita na caderneta de poupança, ao final de cada mês, durante 1 ano, a
quantia de R$ 1.500. Calcule o montante da renda sabendo que a poupança paga juros
compostos de 0,5% ao mês, capitalizados mensalmente.

2) Deposito em uma instituição financeira, ao final de cada mês, a importância de R$ 500 a


juros de 1,6% ao mês. Quanto terei ao término de 2 anos?

3) Qual deverá ser a importância depositada em um banco, ao final de cada ano, à taxa de
7,6% ao ano, capitalizados anualmente, para que, ao fazer o décimo depósito, forme um
capital de R$ 650.000?

4) Quero formar um capital de R$ 120.000 pensando em comprar uma casa sabendo que o
banco do qual sou correntista possui um tipo de aplicação que me permite fazer depósitos
mensais a juros de 5% ao mês. Qual será o valor que devo depositar para possuir o capital
após 2,5 anos?

2. Capitalização - Renda Antecipada


Na renda antecipada, os depósitos são feitos no início do período (a tal da hora zero) em n
parcelas iguais, referenciadas à taxa i de juros na mesma unidade do período. Como esse será o
único diferencial, o primeiro depósito terá n períodos de juros e o último depósito terá 1 período
de juro. Dessa forma, podemos representar o montante para renda antecipada como sendo:

Com T → valor dos depósitos periódicos


n → número de períodos
i → taxa de juros da operação

(1 + i)(n⁺¹) – 1
  = T  ——————
i
Dessa forma podemos obter o montante de forma antecipada.

3. Amortização - Renda Imediata


A amortização é utilizada para o pagamento de dívidas em prestações periódicas e constantes
sobre as quais incidem a mesma taxa. Da mesma forma como procedemos com a renda imediata
para a formação de um capital, podemos proceder agora na amortização de uma dívida.

Por exemplo: que dívida pode ser amortizada por 5 prestações mensais (n) de R$ 100 (T),
sendo que são cobrados juros de 2% ao mês (i)? Para resolver, utilizamos a seguinte fórmula:

(1 + i) – 1 (1 + 0,02) – 1
A  = T  —————— => A , = 100  ———————
i (1 + i)n 0,02 (1 + 0,02)

Resolvendo, temos que pode ser amortizada uma dívida de R$471.

Curso Técnico em Agronegócio


4. Amortização - Renda Antecipada
Como a primeira prestação é paga na data zero (assinatura do contrato), o valor atual de uma
renda antecipada de n termos é determinado por:

An i = T 
[ (1 + i)(n-¹) – 1
i (1 + i )(n-¹)
+1
[
5. Amortização - Renda Diferida
As rendas diferidas são aquelas em que existe um prazo antes do pagamento da primeira
prestação, chamado de “período de carência”. Para construir o valor atual da renda diferida,
precisamos pensar nela como sendo duas rendas imediatas, uma que termina no prazo de
carência e a outra que vai até o final do período. Assim, o valor atual da renda diferida é dado
por:

m/A  = T 
[( (1 + i)(m+n) – 1
i (1 + i )⁽m⁺n⁾ ((–
(1 + i)m – 1
i (1 + i)m ([

g
No AVA, você pode acompanhar a resolução de alguns exemplos que utilizam as
fórmulas vistas aqui. Acesse e confira!

Atividade 10
1) Um empréstimo, cujo principal é de R$ 20.000,00, foi realizado a juros compostos e deve
71
ser liquidado mediante o pagamento de 12 prestações mensais, iguais e sucessivas.
Determine o valor dessas prestações sabendo-se que a taxa de juros cobrada é de 12% ao
ano e que a primeira prestação ocorre 30 dias após a liberação dos recursos.

2) Um principal de R$ 10.000,00 deve ser liquidado em 4 prestações semestrais, iguais e


sucessivas. Determine o valor dessas prestações para uma taxa de 1,5% ao mês a juros
compostos.

3) Um cliente de uma agência de automóveis adquiriu um veículo financiado em 24 prestações


de R$ 1.500,00 com uma taxa de juros de 1% ao mês no regime de juros compostos. Ao
final de um ano, esse cliente procurou a mesma agência para vender esse automóvel, e a
ela lhe ofereceu R$ 18.000,00 para pagamento à vista. Determine quanto deve ser pago
ao cliente para que a agência adquira esse veículo assumindo o restante do financiamento
com a mesma taxa de 1% ao mês.

4) Uma betoneira cujo valor à vista é de R$ 30.000,00 será financiada em 20 prestações mensais
e sucessivas, além de uma entrada de R$ 7.500,00 por ocasião da compra. Determine

Matemática Básica e Financeira


o valor das 20 prestações mensais sabendo que o financiamento será realizado a juros
compostos de 1,25% ao mês, capitalizados mensalmente, considerando que a primeira
72 prestação vencerá:

a) 30 dias após a data da compra.

b) no ato da compra.

5) Um financiamento, com o principal de R$ 10.000,00, deve ser liquidado em 10 prestações


mensais, iguais e sucessivas, com uma taxa de 1,2% ao mês, no regime de juros compostos.
Assuma os meses com 30 dias e determine o valor dessas prestações sendo que a primeira
prestação deve ser paga 120 dias após a liberação dos recursos.

6) Um investidor efetuou 10 depósitos mensais de R$ 2.000,00 em uma instituição financeira


e verificou que o saldo à sua disposição, imediatamente após a efetivação de seu último
depósito, era de R$ 21.000,00. Determine a taxa de remuneração mensal desses depósitos
no regime de juros compostos.

7) Ana Maria, pensando em pagar seus estudos, passa a poupar mensalmente um determinado
valor. Sabendo que ela está agora no primeiro ano do Ensino Médio e planeja utilizar esses
recursos para pagar a universidade e que os gastos estimados serão de R$ 25.000,00,
quanto deverá ser poupado por Ana Maria para que no final do terceiro ano ela tenha
condições de cursar uma universidade sabendo que o banco no qual ela planeja fazer as
aplicações paga juros de 1,5% ao mês?

8) Determinada empresa toma empréstimos com uma instituição financeira no valor de


R$ 10.000.000,00, e esse empréstimo deve ser liquidado em 10 prestações semestrais
iguais e sucessivas com juros compostos de 6% ao semestre. Logo após o pagamento da
5ª prestação, a empresa manifestou o interesse em prorrogar o prazo do empréstimo de
forma a pagá-lo em 12 prestações iguais e sucessivas. O banco atualiza o empréstimo com
nova taxa de juros de 8% a.s. Determine o valor da nova prestação paga pela empresa.

9) Em um determinado ano civil um empresário efetuou 4 depósitos mensais, iguais e


sucessivos, em um banco que remunera seus depósitos a juros compostos, com uma
taxa de 1,2% ao mês. No final de dezembro desse exercício, o total acumulado por esse
empresário, por esses depósitos, foi de R$ 100.000,00. Assumindo os meses com 30 dias,
determine o valor desses depósitos mensais, sabendo que o primeiro depósito ocorreu ao
final do mês de janeiro.

10) Um grande amigo interessou-se em comprar um carro usado na Calhambeque e Cia,


...nas seguintes condições R$ 2.000,00 de entrada e 8 prestações mensais iguais no valor
...de R$ 3.000,00. Sabendo que a taxa de juros cobra é de 2% a.m. e que comprando à vista
...o desconto seria de 10% qual o valor veículo?

11) No ano de 2010, um determinado empresário efetuou 5 depósitos mensais iguais em


...meses alternados, no Banco BANGISA, que remunera seus depósitos a juros compostos,
...com taxa de 1,8% a.m. Em dezembro desse mesmo ano, o valor acumulado pelo

Curso Técnico em Agronegócio


empresário em depósitos foi de R$ 100.000,00. Assumindo que cada um dos meses possua
30 dias, determine o valor dos depósitos mensais realizados. DICA: o primeiro depósito
ocorreu ao final de abril, o segundo, ao final de junho, o seguinte, ao final de agosto e o
último, ao final de outubro.

12) A Casas Alagoas vende um aparelho televisor em 14 parcelas mensais sem entrada.
...Sabe-se que o valor da primeira prestação irá vencer ao final do primeiro mês, e será de
...R$ 400,00, e o das demais, vencendo também ao final do mês, no valor de R$ 250,00,
...sendo que a taxa de juros cobrada na loja é de 4% a.m. Caso eu quisesse pagar o televisor
...à vista com desconto de 5%, qual seria o valor?

13) Joãozinho ganhou na loteria esportiva o valor de R$ 160.000,00 e decidiu comprar um


...sítio para morar. Empolgado pela proposta do corretor, considera a hipótese de comprar
...o sítio em 24 prestações mensais (postecipadas) no valor de R$ 8.600,00, aproveitando
...para aplicar o prêmio da loteria no banco à taxa de juros de 2% a.m. Sabendo de tudo
...isso, Joãozinho lhe pede um conselho: é melhor pagar à vista ou em prestações?

14) Um cidadão resolve que aplicará parte do seu salário todo mês, durante o próximo ano, em
...um fundo de renda fixa que paga juros de 4,3% ao mês. Após um detalhado levantamento
...do seu orçamento, decide que pode aplicar R$ 1.000,00 por mês mais as gratificações
...que recebe a cada seis meses no valor de R$ 5.000,00. Qual será o valor global que essa
...pessoa possuirá ao final do 18º mês pensando pelos termos antecipados?

Tópico 7: Sistemas de Amortização


Você já viu que amortização é o processo financeiro pelo qual uma dívida (ou obrigação) é paga
por intermédio de prestações em um prazo determinado. Essas prestações são compostas
por duas partes importantes: a amortização da dívida e os juros. Olhando a prestação dessa
forma, podemos discriminar o que representa a devolução do valor original (principal) e o que
representa os encargos da dívida.
73
E dentre os principais sistemas de amortização encontramos o sistema francês de amortização
(conhecido como sistema Price), o sistema de amortização constante e o sistema misto de
amortização. Veremos, aqui, como funcionam os dois primeiros.

1. Sistema de Amortização Francês (Tabela PRICE)


O sistema de amortização francês recebe essa denominação pelo fato de ter sido utilizado
inicialmente na França, ainda no século XIX. O sistema se caracteriza por pagamentos em
prestações constantes (iguais), periódicas e imediatas. É o sistema mais utilizado pelas
instituições financeiras e pelo comércio em geral.

Pelo fato de os juros incidirem sobre o saldo devedor, que, por sua vez, decresce na medida
em que as prestações são pagas, eles vão diminuindo, e, consequentemente, a amortização
da dívida vai aumentando.

Matemática Básica e Financeira


Por exemplo, um empréstimo de R$ 200.000 pago utilizando a Tabela Price em 4 prestações
mensais imediatas, a juros efetivos de 10% a.m. apresenta o seguinte esquema de amortização:
74
Mês Saldo devedor Amortização Juros Prestação

0 R$ 200.000 -- -- --

1 R$ 156.906 R$ 43.094 R$ 20.000 R$ 63.094

2 R$ 109.502 R$ 47.403 R$ 15.691 R$ 63.094

3 R$ 57.359 R$ 52.144 R$ 10.950 R$ 63.094

4 -- R$ 57.359 R$ 5.735 R$ 63.094

Observe que as prestações são valores constantes, os juros pagos reduzem e a amortização
aumenta conforme acontece o pagamento das prestações.

Agora podemos aproveitar as informações do exemplo e encontrar os valores que constituem


a tabela. Fique atento!

Cálculo da prestação
O sistema de amortização francês utiliza a noção de renda imediata para operar, por isso, para
encontrar o valor da prestação, podemos manipular algumas fórmulas que já conhecemos,
chegando à:

SD
T = —————
(1 + i)n - 1
—————
i(1 + i)n

Lembrando sempre que SD → valor da dívida


T → valor da prestação
n → número de prestações
i → taxa de juros

Se utilizarmos os dados do exemplo acima, poderemos constatar que o valor da prestação


será de R$ 63.094. Calcule e veja se você chega ao mesmo resultado!

Confira no quadro a seguir como calcular outros elementos da amortização.

Juros
Os juros pagos serão sempre o percentual da taxa aplicado jt= SD(t-1) × i
sobre o saldo devedor da dívida.

Curso Técnico em Agronegócio


Amortização
A amortização é dada pela diferença entre o valor da
prestação e o valor que foi pago de juros no período em a t = T - jt
questão, sendo que os juros são sempre pagos primeiro
lugar.

Saldo devedor
O saldo devedor é o valor da dívida, que decresce conforme
vão acontecendo os pagamentos das prestações, computado SDn = SD(n - 1) - an
como sendo a diferença entre o saldo do período anterior e a
amortização.

Atividade 11
Para compreender como aplicar as fórmulas, observe a resolução do primeiro exercício e
resolva os demais.

1) Uma instituição financeira faz um empréstimo de R$ 100.000 para ser pago pelo sistema
Price em 4 prestações anuais à taxa de juros de 15% ao ano. Calcule o valor da prestação
e monte a planilha de amortização.
Valor da prestação:
100000 100000
T= = = 35026,54
(1 + 0,15)4 - 1 2,855

0,15 (1 + 0,15)4
75
2) Um financiamento no valor de R$ 200.000,00 é concedido para ser amortizado em 12
pagamentos mensais pela tabela Price. A taxa de juros contratada é de 2% ao mês. Com
base nessas informações, determine:

a) o valor de cada prestação mensal;

b) o saldo devedor ao final;

c) construa a tabela de amortização.

3) Em um empréstimo no valor de R$ 100.000,00, feito em 24 prestações mensais e iguais, à


taxa de 51,1069% ao ano, qual será o saldo devedor no quinto mês?

4) A BrasilSoja solicita um financiamento, no valor de R$ 12.000.000.000,00, para ser


amortizado em 18 meses com carência de 12 meses de acordo com a tabela Price. Para
essa operação, a taxa de juros será de 170% a.a. Sabendo-se que as prestações são
mensais antecipadas e que são pagos juros no período de carência, elabore a planilha de
desembolso para o financiamento.

Matemática Básica e Financeira


5) Um empréstimo no valor de R$ 420.000 foi concedido a uma empresa nas seguintes
condições: taxa de juros de 5% a.m. e prazo de amortização de 5 meses. Construa a tabela
76 de amortização e determine o valor final a ser pago pelo empréstimo.

6) Um empréstimo de R$ 160.000 é concedido a uma empresa para ser liquidado em 2 anos


e meio mediante pagamentos semestrais. A taxa de juros contratada é de 24% ao ano.
Construa a tabela de amortização pelo sistema Price e determine qual será o valor da 3ª
parcela.

7) Uma indústria tomou emprestado R$ 2.000.000 concordando em saldar o débito em 8


pagamentos anuais postecipados a juros efetivos de 36% a.a. pela tabela Price. Determine
a planilha de amortização.

2. Sistema de Amortização Constante (SAC)


O sistema de amortização constante é amplamente difundido no Brasil, sendo utilizado
principalmente pelo Sistema Financeiro Habitacional, por alguns bancos comerciais em
financiamentos imobiliários, além de alguns casos de empréstimos a empresas privadas por
entidades governamentais.

No SAC, o valor do principal é pago em prestações com amortização iguais, por isso o nome
Sistema de Amortização Constante. O valor das prestações é decrescente uma vez que os
juros se reduzem com o pagamento de cada prestação.

Para calcular o valor da amortização dividimos o valor principal pelo número de prestações.
Veja no exemplo.

Um produtor rural faz um empréstimo de no valor de R$ 100.000, que


será amortizado em 5 prestações bimestrais à taxa de juros de 7% ao
trimestre, pelo sistema de amortização constante.

Podemos iniciar construindo a tabela de amortização. No SAC, o pagamento da dívida é dado


por taxas iguais, portanto: A = SD / n => 100.000 / 5 = 20.000. Os juros são calculados sobre
o saldo devedor. Assim, no primeiro mês temos: j = i * SD => 0,07 * 100.000 = 7.000, no
segundo 0,07 * 80.000, e assim por diante.

Mês Saldo devedor Amortização Juros Prestação

0 R$ 100.000 -- -- --

1 R$ 80.000 R$ 20.000 R$ 7.000 R$ 27.000

2 R$ 60.000 R$ 20.000 R$ 5.600 R$ 25.600

3 R$ 40.000 R$ 20.000 R$ 4.200 R$ 24.200

4 R$ 20.000 R$ 20.000 R$ 2.800 R$ 22.800

5 -- R$ 20.000 R$ 1.400 R$ 21.400

O total pago por esse empréstimo foi de R$ 112.100, o que representa juros de R$ 12.100.

Curso Técnico em Agronegócio


Atividade 12
1) Um empresário realiza um empréstimo no valor de R$ 50.000,00 para ser devolvido em 100
prestações mensais com juros de 1% a.m. Qual será o valor das 5 primeiras prestações?

2) Um veículo no valor de R$ 30.000,00 foi adquirido em um financiamento seguindo o SAC,


para ser pago em 60 prestações com taxa de juros de 1,2% a.m.. Determine o valor da 36ª
prestação e quanto será pago de juros nela.

3) (Receita Federal) Um empréstimo no valor de R$ 40.000,00 foi concedido no regime de


amortizações constantes e deverá ser quitado em 40 prestações mensais. Considerando
a taxa de juros de 2% ao mês, determine os valores da amortização acumulada, dos juros,
da prestação e do saldo devedor correspondente ao 21º mês.

4) (Receita Federal) Um empréstimo no valor de R$ 2.000.000 é concedido à taxa de juros


compostos de 10% ao ano, a ser reembolsado em 5 anos de acordo com o SAC. Determine
o valor total do financiamento após a quitação por meio da construção da planilha de
dados dessa operação financeira.

Agora que você já conhece dois sistemas de amortização diferentes, que tal

j
compará-los? Pense em dados como valor do principal, taxa de juros e número
de parcelas, e aplique-os nos dois sistemas. Observe como se comporta cada um
deles.

Encerramento
Neste tema de matemática financeira você tomou conhecimento sobre o dinheiro e a sua
evolução no tempo. Também viu como calcular os juros em empréstimos, financiamentos
ou sempre que houver algum tipo de taxa, assim como, aprendeu diferentes formas 77
de descontar um título e conheceu algumas séries de pagamento. Por fim, viu ainda dois
sistemas de amortização, a tabela PRICE e o SAC. No próximo tema, trataremos da estatística,
um conteúdo essencial para o planejamento, a pesquisa e a tomada de decisão de um técnico
em agronegócio.

Matemática Básica e Financeira


03
Estatística
Tema 3: Estatística
A estatística é uma ciência com raízes na história do homem. Sua origem está relacionada à
necessidade de se manterem registros sobre a população, suas características e os negócios
do Estado (daí o nome “estatística”). Diversos povos tinham o hábito de registrar a população,
os nascimentos, os óbitos, as riquezas pessoais, as terras, os impostos etc. Na Idade Média,
colhiam-se informações geralmente com finalidades tributárias ou bélicas. A partir do século
XVI, de uma maneira mais sistemática, começaram a surgir as primeiras tabelas e os primeiros
números relativos associados a fatos sociais. No século XVIII, o estudo foi adquirindo feições
verdadeiramente científicas, e Godofredo Achenwall definiu efetivamente seus objetivos
relacionando a estatística com as demais ciências. Hoje, ela é essencial para organizar as
informações com as quais lidamos todos os dias.

A estatística fornece as ferramentas para coletar, organizar, resumir,


analisar e apresentar dados, bem como tratar de parâmetros extraídos
da população, tais como média ou desvio-padrão (CRESPO, 2002).
79
Por meio da estatística, é possível extrair informações de um conjunto de dados, os quais
muitas vezes seriam incompletos isoladamente. A partir das informações, podemos encontrar
algo útil sobre um problema, obtendo uma melhor compreensão da situação representada.

Comentário do autor

Este tema foi elaborado para que você pudesse desenvolver as seguintes
competências:

• entender e aplicar os conceitos básicos de estatística;

d • conhecer e calcular as medidas de tendência central e as medidas de


dispersão;
• resolver situação-problema que envolva conhecimentos de estatística e
probabilidade;
• utilizar conhecimentos de estatística e probabilidade como recurso para a
construção de argumentação.

Matemática Básica e Financeira


80

Fonte: Shutterstock

Tópico 1: Conceitos da Estatística


Crespo (2002), um dos principais autores de livros sobre estatística no Brasil, define os
seguintes conceitos básicos:

Fenômeno estatístico

É qualquer evento que se pretenda analisar no qual seja possível aplicar o método estatístico.
São divididos em três grupos:

• fenômenos de massa ou coletivos: são aqueles que não podem ser definidos por uma simples
observação;

• fenômenos individuais: são aqueles que irão compor os fenômenos de massa;

• fenômenos de multidão: quando as características observadas para a massa não se verificam


para o particular.

Dado estatístico

É um dado numérico e considerado a matéria-prima sobre a qual aplicamos os métodos


estatísticos.

Curso Técnico em Agronegócio


População

É o conjunto total de elementos portadores de, pelo menos, uma característica comum.

Amostra

É uma parcela representativa da população que é examinada com o propósito de tirarmos


conclusões sobre essa população.

Parâmetros

São valores singulares que existem na população e que servem para caracterizá-la. Para
definirmos um parâmetro, devemos examinar toda a população.

Estimativa

É um valor aproximado do parâmetro e é calculado com o uso da amostra.

Atributo

Quando os dados estatísticos apresentam um caráter qualitativo, o levantamento e os estudos


necessários ao tratamento desses dados são designados genericamente de “estatística de
atributo”.

Estimativa

São, convencionalmente, o conjunto de resultados possíveis de um fenômeno. Elas podem ser:

• variável qualitativa: quando seus valores são expressos por atributos;

• variável quantitativa: quando os dados são de caráter nitidamente quantitativo, e o conjunto


dos resultados possui uma estrutura numérica. Divide-se em: 81
• variável discreta ou descontínua: seus valores são expressos geralmente por meio de
números inteiros não negativos. Resulta, normalmente, de contagens. Por exemplo, o
número de alunos presentes;

• variável contínua: resulta, normalmente, de uma mensuração. Por exemplo, em um


termômetro.

Tópico 2: Coleta de Dados


A escolha da fonte de obtenção dos dados está diretamente relacionada a tipo do problema,
objetivos do trabalho, escala de atuação e disponibilidade de tempo e recursos (CRESPO,
2002). Existem dois tipos de fontes: as primárias e as secundárias.

Matemática Básica e Financeira


São o levantamento direto no campo por meio de mensurações
82 Fontes primárias
diretas, de entrevistas ou de questionários aplicados a sujeitos de
interesse para a pesquisa. Suas principais vantagens são: grau de
(coleta direta)
detalhamento com respeito ao interesse dos quesitos levantados e
maior precisão das informações obtidas..

Fontes Ocorrem quando os dados são publicados ou registrados por outra


secundárias organização. Sua principal vantagem é a redução e agregação de
(coleta indireta) informações.

Existem três formas de coleta direta:


• contínua: quando os dados são obtidos ininterruptamente, automaticamente e na vigência
de um determinado período: um ano, por exemplo. É o caso dos registros de casamento,
óbito, nascimento e construções civis;

• periódica: quando feita em intervalos constantes de tempo, como o recenseamento


demográfico a cada dez anos;

• ocasional: quando os dados são colhidos esporadicamente, atendendo a uma conjuntura


qualquer ou a uma emergência, como, por exemplo, um surto epidêmico.

1. O Instrumento de Coleta
Um dos meios mais comuns para a pesquisa estatística é a realização de questionários. Na
elaboração de um instrumento de pesquisa, seja ele um questionário ou qualquer outro, é
importante que uma pequena parcela dos respondentes seja consultada com o intuito de testar
o instrumento, a boa aceitação e a iniciativa das respostas. Essa atividade, chamada de “pesquisa
piloto”, determina a necessidade de alterações e o tempo de realização da pesquisa oficial.

Existem três formas básicas para se apresentarem os resultados de um


' estudo: tabelas, quadros e gráficos. Acesse o AVA e veja alguns exemplos.

Tópico 3: Séries Estatísticas


Série estatística é todo tipo de tabela que apresenta um conjunto de dados organizados em:

1) época;

2) local;

3) espécie.

Esses elementos determinam quatro tipos fundamentais de séries estatísticas:

Curso Técnico em Agronegócio


Séries Temporais ou Cronológicas

São aquelas nas quais os dados são reunidos segundo o tempo, que varia, permanecendo fixos o
local e a espécie. Por exemplo:

Produção de soja – Brasil 2010-2013

Anos Quantidade (em milhões de toneladas)

2010 69,0

2011 75,3

2012 66,5

2013 82,0
Fonte: USDA (nov./2013).

Séries Geográficas

São aquelas nas quais os dados são reunidos segundo o local, que varia, permanecendo fixos o
tempo e a espécie. Por exemplo:

Estimativa da produção de soja para os maiores produtores mundiais em 2014

Países Quantidade (em milhões de toneladas)

EUA 88,6

Brasil 88,0

Argentina 53,5

Outros 53,4

Fonte: USDA (nov./2013). 83

Séries Específicas

São aquelas nas quais os dados são reunidos segundo a espécie, que varia, permanecendo fixos o
tempo e o local.

Estimativa da safra dos principais cultivares brasileiros para 2014

Produtos Quantidade (em milhões de toneladas)

Arroz 11,8

Feijão 2,8

Milho 81,5

Soja 81,5

Trigo 5,5

Fonte: CONAB (dez./2013).

Matemática Básica e Financeira


Séries Compostas ou Mistas
84 São a combinação de dois ou mais elementos fundamentais de séries estatísticas.

Produção, area e produtividade de soja no mundo – safras de 2009-10 a 2012-13

Área Produção Produtividade


Safra
(milhões de Ha) (milhões de t) (kg/ha)

2009-10 102,25 260,4 2.547

2010-11 103,18 263,9 2.558

2011-12 102,93 239,1 2.323

2012-13 108,69 267,9 2.465

Fonte: USDA (nov./2013).

Tópico 4: Medidas de Tendência Central


Vamos conhecer, agora, as duas principais medidas estatísticas: de tendência central e de
dispersão. As medidas de tendência central mostram um valor representativo em torno
do qual os dados tendem a se agrupar com maior ou menor frequência. São utilizadas
para sintetizar em um único número o conjunto de dados observados. Já as medidas de
dispersão mostram o grau de afastamento dos valores observados em relação àquele valor
representativo (veremos estas medidas no Tópico 5).

1. Média Aritmética Simples


A mais comum das medidas de tendência central é a média aritmética simples. Ela pode ser
obtida somando-se todos os valores e dividindo a soma total pelo número de valores. Por
exemplo, para saber a média das idades de 7 trabalhadores com 54, 30, 43, 27, 37, 37 e 24
anos, devemos somar todos os valores (54 + 30 + 43 + 27 + 37 + 37 + 24 = 252) e dividir pelo
total de trabalhadores (252 / 7 = 36). Assim, temos que a idade média dos trabalhadores é
36 anos.

2. Mediana
A mediana é um valor central de um conjunto de valores ordenados (crescente ou decrescente).
É a medida que divide esse conjunto em duas partes iguais. Para saber o elemento mediano,
basta organizar os valores em ordem. Se a quantidade de valores for ímpar, a mediana será
exatamente o valor central. Se o número de valores for par, deve-se fazer uma média aritmética
entre os dois elementos centrais. Por exemplo, no caso das idades dos 7 trabalhadores, se
colocarmos os valores em ordem, teremos:

24 27 30 37 37 43 54


elemento central

Curso Técnico em Agronegócio


Logo, a mediana, nesse caso, é 37. Se tivéssemos apenas 6 números, excluindo, por exemplo,
o 54, teríamos que fazer a média entre os elementos centrais:

24 27 30 37 37 43


30 + 37 / 2 = 33,5

3. Moda
Moda é o valor mais frequente da distribuição. Para identificar a moda, basta observar o
elemento que mais se repete. No exemplo das idades, observamos que a moda é 37.

24 27 30 37 37 43 54

Para praticar a identificação das medidas de tendência central, resolva as questões da


atividade a seguir.

Atividade 1
1) (FALCO e MEDEIROS JR., 2012) Para os dados brutos que representam a safra em alqueires,
por árvore, para um conjunto de 40 pessegueiros: 11,1; 12,5; 32,4; 7,8; 21,0; 16,4; 11,2;
22,3; 4,4; 6,1; 27,5; 32,8; 18,5; 16,4; 15,1; 6,0; 10,7; 15,8; 25,0; 18,2; 12,2; 12,6; 4,7; 23,5;
14,8; 22,6; 16,0; 19,1; 7,4; 9,2; 10,0; 26,2; 3,5; 16,2; 14,5; 3,2; 8,1; 12,9; 19,1; 13,7, calcule as
medidas pedidas a seguir:

a) média aritmética;

b) mediana;

c) moda.
85

2) (FALCO e MEDEIROS JR., 2012) Considere os seguintes dados relativos ao número de


acidentes diários em um grande estacionamento durante um período de 50 dias. 0; 0; 0; 1;
1; 2; 2; 2; 2; 2; 3; 3; 3; 3; 3; 3; 4; 4; 4; 4; 4; 4; 4; 4; 4; 5; 5; 5; 5; 5; 5; 5; 6; 6; 6; 6; 6; 6; 6; 7; 7; 7;
7; 7; 7; 8; 8; 8; 8; 9 e encontre as medidas de tendência central.

3) Suponha que os tempos de vida útil de 10 aparelhos de biossensoriamento sejam: 10; 29;
26; 28; 15; 23; 17; 25; 0; 20. Qual é a média de vida útil desses aparelhos?

4) As idades de 11 alunos de uma turma de matemática são respectivamente iguais a: 18; 18;
19; 20; 21; 21; 21; 22; 30; 45; 70. Quais são a mediana e a moda dos dados?

Matemática Básica e Financeira


5) (ENEM/2011) A participação dos estudantes na Olimpíada Brasileira de Matemática das
Escolas Públicas (OBMEP) aumenta a cada ano. O quadro indica o percentual de medalhistas
86 de ouro, por região, nas edições da OBMEP de 2005 a 2009:

Região 2005 2006 2007 2008 2009

Norte 2% 2% 1% 2% 1%

Nordeste 18% 19% 21% 15% 19%

Centro-Oeste 5% 6% 7% 8% 9%

Sudeste 55% 61% 58% 66% 60%

Sul 21% 12% 13% 9% 11%

Em relação às edições de 2005 a 2009 da OBMEP, qual é o percentual médio de medalhistas


de ouro da região Nordeste?

a) 14,6%

b) 18,2%

c) 18,4%

d) 19,0%

e) 21,0%

6) (FALCO e MEDEIROS JR., 2012) Os salários por hora de sete funcionários de uma companhia
são: R$ 180,00, R$ 220,00, R$ 253,00, R$ 220,00, R$ 192,00, R$ 1.200,00 e R$ 750,00.
Determine a média, a moda e a mediana. O que você pode observar a partir dos resultados?

7) A pulsação de 10 estudantes após exercícios físicos foram as seguintes (em batimentos


por minuto): 80; 91; 84; 86; 80; 89; 85 e 86. Determine a média, a moda e a mediana.

Tópico 5: Medidas de Dispersão


As medidas de dispersão servem para verificar o quanto os valores estão agrupados em torno
das medidas de tendência central (principalmente a média), bem como a representatividade
que possui a média no conjunto de dados.

1. Amplitude Total
É a diferença entre o maior e o menor valor da série (R = xmax - xmin). A utilização da amplitude
total como medida de dispersão é muito limitada, pois é uma medida que depende apenas
dos valores extremos.

Curso Técnico em Agronegócio


2. Desvio Médio
O desvio médio apresenta quanto os valores variam no entorno da média, o quanto eles estão
“afastados” da média. Para isso, somam-se todos os desvios e divide-se esse valor pelo total
de elementos, conforme apresenta a expressão:

∑ xi - x
dm =
n

No exemplo das idades 24, 27, 30, 37, 37, 43 e 54, o desvio de 54 para a média, que é 36, dá
18. Se calcularmos todos os desvios e fizermos a média desses valores, chegaremos ao desvio
médio de 7,71.

3. Variância
A variância é a média aritmética dos quadrados dos desvios. É dada por:

∑ (xi - x)² i
σ² =
n

O símbolo σ2 indica variância e lê-se “sigma ao quadrado”, e é a média da população. Assim,


para saber a variância das idades dos 7 trabalhadores, fazemos:

(24 - 36)2 + (27 - 36)2 + (30 - 36)2 + (37 - 36)2 + (37 - 36)2 + (43 - 36)2 + (54 - 36)2
σ² =
7

636
σ² =
7

σ² = 90,85

4. Desvio-padrão
87
O desvio-padrão é a raiz quadrada da variância. Assim, o desvio-padrão populacional será:

σ = √ σ²

Logo, o desvio-padrão das idades do nosso exemplo é √ 90,85 = 9,53 .

5. Coeficiente de Variação
Por fim, para encerrarmos as medidas de dispersão, vamos ver o coeficiente de variação. Ele
fornece a variação dos dados obtidos em relação à média. Quanto menor for o seu valor, mais
homogêneos serão os dados. O coeficiente de variação é considerado baixo (apontando um
conjunto de dados bem homogêneos) quando é menor ou igual a 25%.
σ
Ele é dado pela fórmula: Cv =
x

O coeficiente de variação das idades que utilizamos de exemplo até agora é de 0,26 ou 26%.

Matemática Básica e Financeira


Atividade 2

88 1) Para os dados brutos que representam a safra em alqueires, por árvore, para um conjunto
de 40 pessegueiros: 11,1; 12,5; 32,4; 7,8; 21,0; 16,4; 11,2; 22,3; 4,4; 6,1; 27,5; 32,8; 18,5;
16,4; 15,1; 6,0; 10,7; 15,8; 25,0; 18,2; 12,2; 12,6; 4,7; 23,5; 14,8; 22,6; 16,0; 19,1; 7,4; 9,2;
10,0; 26,2; 3,5; 16,2; 14,5; 3,2; 8,1; 12,9; 19,1; 13,7, calcule as medidas pedidas a seguir:

a) desvio médio;

b) variância;

c) desvio-padrão;

d) coeficiente de variação.

2) Suponha que os tempos de vida útil de 10 aparelhos de biossensoriamento sejam: 10; 29;
26; 28; 15; 23; 17; 25; 0; 20. Qual é a desvio-padrão da vida útil desses aparelhos?

3) As idades de 11 alunos de uma turma de matemática são respectivamente iguais a: 18; 18;
19; 20; 21; 21; 21; 22; 30; 45; 70. Quais são o desvio-padrão e o coeficiente de variação?

4) Os salários por hora de sete funcionários de uma companhia são: R$ 180,00, R$ 220,00,
R$ 253,00, R$ 220,00, R$ 192,00, R$ 1.200,00 e R$ 750,00. Determine a variância, o desvio-
padrão e o coeficiente de variação, e interprete os resultados.

5) A pulsação de 10 estudantes após exercícios físicos foram as seguintes (em batimentos


por minuto): 80, 91, 84, 86, 80, 89, 85 e 86. Determine a variância, o desvio-padrão e o
coeficiente de variação, e interprete os resultados.

6) Os dados abaixo se referem a uma amostra de produção de peixes de um produtor


durante o ano de 2014: 60; 58; 80; 78; 95; 56; 67; 59; 90; 100; 51 e 75. Com base nesses
dados, determine:

a) a amplitude total;

b) a variância;

c) o desvio-padrão;

d) o coeficiente de variação.

Tópico 6: Probabilidade
A probabilidade, no geral, está relacionada a um tipo de fenômeno em que só é possível
determinar o seu resultado após o acontecimento. O exemplo mais comum é o lançamento
de uma moeda. Por mais que saibamos que em uma moeda possa sair ou “cara” ou “coroa”,
até que a moeda pare não podemos afirmar qual será. Esse tipo de fenômeno é chamado de
“fenômeno aleatório”. São exemplos de fenômenos aleatórios:
• lançamento de um dado;

Curso Técnico em Agronegócio


• número de peças defeituosas fabricadas por uma máquina;

• resultado de um jogo de roleta;

• resultado de uma extração da Mega-Sena;

• número de chamadas telefônicas que serão efetuadas em uma cidade no Dia das Mães.

Como não sabemos o resultado exato de um fenômeno desse tipo, buscamos “chances”
analisando as probabilidades de um evento ocorrer.

Para estudar a probabilidade, é importante ter claros os seguintes conceitos:


• espaço amostral: é o conjunto formado por todos os resultados possíveis de um fenômeno
aleatório. É simbolizado pela letra grega ômega (Ω);

• evento: é qualquer subconjunto de um espaço amostral. É simbolizado por uma letra


maiúscula do nosso alfabeto.

A probabilidade de ocorrer um desses resultados ou um conjunto de resultados que satisfaçam


uma condição ou exigência E é representada por p(E) e calculada por:

p(E) = número de eventos favoráveis a E


número total de eventos Ω

Por exemplo, no lançamento de um dado, qual é a probabilidade de o resultado ser um


número par?

O total de resultados de um dado são seis números Ω=(1;2;3;4;5;6) e, destes, são resultados
favoráveis os números pares E=(2;4;6). Generalizando,
p(E)=(nº resultados E)/(nº total de resultados Ω)=3/6=0,5.

Assim, a probabilidade de sair um número par em um dado será de 50%. 89

Agora, imagine que em um grupo de jovens estudantes a probabilidade de que um desses


jovens, escolhido ao acaso, tenha média acima de 7,0 é de 1/5. Nesse mesmo grupo,
a probabilidade de que um jovem saiba jogar futebol é de 5/6. Qual é a probabilidade de
escolhermos um jovem (ao acaso) que tenha média maior que 7,0 e saiba jogar futebol?

O fato de ter média maior que 7,0 não depende do fato de saber jogar futebol, e vice-versa.
Quando isso ocorre, dizemos que os eventos são independentes. Considere, então, os eventos:

A: ter média acima de 7,0;

B: saber jogar futebol;

A e B: ter média acima de 7,0 e saber jogar futebol.

Como queremos calcular P(A e B), pense o seguinte: de todos os jovens, 1/5 tem média acima
de 7,0 e 5/6 sabem jogar futebol. Ora, 5/6 de 1/5, ou seja, 5/6 × 1/5 = 1/6 sabe jogar futebol e
tem média acima de 7,0. Portanto, P(A e B)=1/6.

Matemática Básica e Financeira


Repare que, para encontrarmos P(A e B), efetuamos P(A) × P(B). Então, concluímos que, quando
A e B são eventos independentes (não têm “nada a ver” um com o outro), P(A e B) = P(A) × P(B).
90
Comentário do autor

d Quando A e B são eventos dependentes, a probabilidade de ocorrência de A e B é


calculada por: P(A e B)=P(A)*P(B/A), onde P(B/A) é a probabilidade de B, dado que
A já ocorreu. Acesse o AVA e veja um vídeo sobre o assunto!

Atividade 3
Hora de exercitar! Resolva as questões a seguir sobre probabilidade.

1) Em cidades do interior do Brasil, apesar de serem pequenas, os moradores possuem


acesso a algumas comodidades, e a probabilidade de escolhermos ao acaso um morador
e ele possuir aparelho de televisão em casa é de 11/12, enquanto que a probabilidade de
esse habitante ser um comerciante é de 1/11. Se eu escolher aleatoriamente um habitante
da cidade, qual será a probabilidade de que ele seja comerciante e possua televisor?

2) Uma escola abriu concurso para a contratação de professores. O concurso se divide em


duas etapas: provas escritas e provas práticas, sendo que apenas os aprovados na prova
escrita realizam a prática e apenas os aprovados na prática são efetivados. A probabilidade
de um professor ser aprovado na prova escrita é de 3/8, e a probabilidade de ser aprovado
na prova prática depois de ter passado na escrita é de 2/3. Calcule a probabilidade de um
professor, escolhido ao acaso, ser contratado.

3) Uma fábrica situada em uma pequena cidade do interior possui 140 funcionários, e
desses sabemos que metade prefere refrigerante, 60 preferem suco e que 40 tomam as
duas bebidas sem preferência. Existem, ainda, 25 funcionários que não bebem suco nem
refrigerante. Escolhendo ao acaso um dos funcionários, qual é a probabilidade de que:

a) ele beba suco e refrigerante?

b) ele beba suco ou refrigerante?

4) Utilize as informações apresentadas no exercício acima e calcule a probabilidade de que


um novo funcionário escolhido ao acaso:

a) beba apenas refrigerante;

b) beba apenas suco;

c) não beba nenhum dos dois;

d) não beba refrigerante;

e) não beba suco.

Curso Técnico em Agronegócio


Encerramento da Unidade Curricular
Você chegou ao fim da unidade curricular de Matemática Básica e Financeira! Sente-se mais
preparado para as próximas unidades que tratarão de temas relacionados à matemática?
Procure aplicar o que você aprendeu no seu dia a dia profissional e pessoal, e lembre-se de
que, caso tenha ficado com alguma dúvida, pode revisar o conteúdo nas diferentes mídias ou
ainda falar com o tutor desta unidade. Sucesso e até a próxima!

Referências
Básicas
BUSSAB, W. O.; MORETTIN, P. A. Estatística básica. São Paulo: Saraiva, 2002.

FERREIRA, R. S. Matemática aplicada às ciências agrárias: análise de dados e modelos.


Viçosa/MG: UFV, 1999.

QUILELLI, Paulo. Raciocínio Lógico Matemático. Rio de Janeiro: Ferreira, 2009.

Complementares
CRESPO, Antonio Arnot. Estatística Fácil. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

91

Matemática Básica e Financeira


Gabarito da apostila
92

Tema 1 | Atividade 1

1) a) 18

b) 9

c) 10

d) 122

e) 1

f) 100

g) 169

h) 9

2) a) Cada filho recebeu R$ 400.000,00.

b) O valor de cada prestação é R$ 78,00.

c) Há 106 ossos ao todo nas mãos e nos pés humanos.

d) Os dois juntos têm 104 tickets de vale-refeição.

e) Pedro ganha R$225,00 pelo trabalho.

Tema 1 | Atividade 2

1) a) 1

b) 32

c) 16.384

d)1

e) 13

Curso Técnico em Agronegócio


2) a) 127,25

b) -635

c) -379/35

d) 100

e) 216

f) 360

Tema 1 | Atividade 3

1) Já está resolvida na própria apostila.

2) A razão entre as idades de João e Pedro é 2/5.

3) A razão entre o peso líquido e o peso bruto é 6/7.

4) A razão entre os gols do artilheiro e os gols do campeonato é 7/312.

5) A razão da produção brasileira de tilápias por hectare é aproximadamente 2,75.

6) A razão da produção de sacas por hectare é 97,12.

7) A menor perda foi a do vizinho.

Tema 1 | Atividade 4 93

Questão 1

1) Já está resolvida na própria apostila.

2) R$ 400,00

3) A distância real entre a fazenda e a cidade é 27.000 cm.

Matemática Básica e Financeira


Tema 1 | Atividade 5
94 1) Já está resolvida na própria apostila.

2) Os números são 18 e 36.

3) Os números são 60 e 72.

4) Os números são 8 e 12.

5) Os números são 57 e 75.

6) A diferença positiva é 42-28=14 meses = 1 ano e 2 meses.

7) x = 8 , y = 16 e z = 56.

8) x = 48 , y = 30 e z = 12.

9) x = 108 , y = 132 e z = 180.

10) x = 450, y = 600 e z = 750. Portanto, a área que caberá ao irmão mais velho é 750 hectares.

11) x = 10.000, y = 14.000 e z = 12.000. Portanto, o homem x deve receber R$10.000,00, o


homem y R$ 14.000,00 e o homem z R$12.000,00.

12) a) Não é proporção pois 13 × 11 ≠ 2 × 60.

b) É proporção pois 4 × 120 = 2 × 240.

c) É proporção pois 7 × 189 = 21 × 63.

d) Não é proporção pois 11 × 38 ≠ 6 × 66.

e) Não é proporção pois 3 × 45 ≠ 2 × 65.

13) a) x = 6

b) x = 40/3

c) x = 20

d) x = 20

e) x = 9

Curso Técnico em Agronegócio


Tema 1 | Atividade 6

1) Já está resolvida na própria apostila.

2) O produtor levará 2 horas para fazer a entrega.

3) Serão necessários 4 pedreiros.

4) O funcionário mais velho arquivou 112 documentos.

5) O técnico de 30 anos recebeu 36 microcomputadores.

Tema 1 | Atividade 7

1) Para percorrer 54km levarei 540 minutos ou 9 horas.

2) O tempo estimado de viagem é 1,5 hora ou 1 hora e 30 minutos.

3) Para se obter 9kg de manteiga, serão necessários 42 litros de leite.

4) Por 0,750kg desse mesmo fertilizante pagaria R$ 3,60.

5) Para colher a mesma plantação em 3 dias serão necessárias 10 máquinas.

6) Se funcionarem simultaneamente as máquinas farão o serviço em 400 minutos ou em 6


horas e 40 minutos.

7) Em 7 horas serão percorridos 532km.

8) Para percorrer 120km serão gastos 15 litros de gasolina.


95
9) Para limpar a área de 11.900m2 a máquina levará 7 horas.

10) O rolo de R$ 768,00 tem 48 metros de comprimento e o rolo de R$ 960,00 tem 60 metros
de comprimento.

11) Os 12 peões estarão abastecidos por 15 dias.

12) Para engarrafar 4.800 litros de leite serão necessárias 9,6 horas ou 9 horas e 36 minutos.

Matemática Básica e Financeira


Tema 1 | Atividade 8
96 1) Já está resolvida na própria apostila.

2) Serão necessários 20 dias.

3) Serão necessários 9.460 kg de ração.

4) O frigorífico gastaria R$ 6.480,00.

5) Serão necessários 6 marceneiros.

6) O andarilho levará 8 dias.

7) Serão necessários 15 dias.

8) Alternativa D: será necessário aumentar a jornada de trabalho para 9 horas diárias.

9) O sistema de drenagem será construído em 1,4 meses ou 42 dias.

10) Poderão ser sustentadas 9 famílias.

11) Serão necessários 2.280kg de feno.

Tema 1 | Atividade 9

1) Possuo 3 moedas de um real em meu bolso.

2) Cada parcela é R$ 58,00.

3) Júlia acertou 64 questões no total, 21 questões de aritmética, e 43 de geometria. Portanto,


Júlia acertou 86% das questões de geometria.

4) O salário de Pedro é R$ 5.000,00. Logo, o salário de Antônio é R$ 4.500,00.

5) O marceneiro cobrou R$ 935,25.

Tema 1 | Atividade 10

1) O tempo necessário para que esse relógio registre uma hora será de 66 minutos.

2) O torno produz 8 rotações por segundo, portanto, cada rotação desse torno dura 0,125
segundo.

3) 33min 48s.

Curso Técnico em Agronegócio


4) O piloto diminuiu seu tempo de volta em 610 milésimos de segundo.

5) a) 3.600 segundos

b) 86.400 segundos.

c) 168 horas.

d) 225 minutos.

e) 10 anos.

f) 305 minutos.

g) 45 minutos.

h) 2.100 segundos.

i) 10.380 segundos.

j) 720 minutos.

Tema 1 | Atividade 11

1) A medida de cada lado do quadrado é 8 cm.

2) Cada pedaço deve ter 90 cm.

3) Para emoldurar o quebra-cabeça gastarei R$ 397,98.

4) 4 polegadas equivalem a 10,16cm.


97

5) a) 10,7 decâmetros

b) 2,3 quilômetros

c) 8,09 hectômetros

d) 10,5 milímetros

e) 9,89 decímetros

f) 7,95 metros

Matemática Básica e Financeira


6) a) 1.040dam

98 b) 80.000dm

c) 0,09km

d) 1,003hm

Tema 1 | Atividade 12

1) 29.555,78 alqueires paulistas.

2) 110.000m2

3) 242 ares

4) a) 0,741m2

b) 3.500,028m2

c) 220.102m2

5) a) 48.400 m2.

b) O preço do metro quadrado é aproximadamente R$ 10,33.

c) 150.000m2

d) O preço do metro quadrado é aproximadamente R$ 6,33.

e) A razão de preço entre os sítios de Campinas e Mogi-Mirim é 1,9.

Tema 1 | Atividade 13

1) 86.400 litros.

2) 3.000.000 litros.

3) O volume do monumento é 12m3.

4) O volume da caixa é 8.100cm3.

5) 400 recipientes.

6) Serão necessárias 17 viagens para transportar toda a terra removida do buraco.

Curso Técnico em Agronegócio


Tema 1 | Atividade 14

1) a) 7.000g

b) 3.500g

c) 640g

d) 780g

e) 92.300g

f) 500g

g) 5.840g

h) 60g

i) 750g

2) a) 3.000kg

b) 500kg

c) 18.100kg

d) 4.890kg

e) 4kg

f) 250kg 99
g) 3,75kg

h) 12,859kg

i) 400kg

3) O peso total em quilogramas é 9,13kg.

4) 375kg.

5) Uma tonelada e meia equivale a 1.500 quilogramas.

6) a) R$ 42,00.

b) R$ 63,00.

c) R$ 75,60.

Matemática Básica e Financeira


d) R$ 100,80.

100 e) R$ 210,00.

f) R$ 537,60.

Tema 2 – Matemática Financeira

Tema 2 | Atividade 1

1) Os juros simples produzidos são R$ 4.930,56.

2) a) Os juros simples recebidos são R$ 1.000,00.

b) Os juros simples produzidos são R$ 960,00.

c) Os juros simples produzidos são R$ 714,00.

d) Os juros simples produzidos são R$ 1.134,00.

3) O montante será R$ 29.600,00.

4) O capital é R$ 5.172,41.

5) O capital é R$ 10.000,00.

6) O capital é R$ 4.242,42.

7) a) A diferença entre os juros recebidos e os juros pagos após os 120 dias é R$ 80.000,00.

b) O valor dos juros pagos aos aplicadores é R$ 160.000,00.

8) a) O capital que deverá ser aplicado é R$ 11.111,11.

b) Se o preço à vista for R$ 11.200,00, ainda vale a pena ele fazer o pagamento a prazo pois
investiria um capital de R$ 11.111,11 que é inferior a R$ 11.200,00.

9) O valor aplicado no banco A deve ser R$ 14.350,55 e no banco B deve ser R$ 15.649,45.

10) O valor da taxa de juro simples é 0,0238a.m. ou 2,38%a.m.

11) O valor da taxa de juro simples é 0,0476a.m. ou 4,76%a.m.

Curso Técnico em Agronegócio


Tema 2 | Atividade 2

1) O juro a ser pago é R$ 166,05.

2) O juro a ser pago é R$ 75,45.

3) O juro a ser pago é R$ 99,28.

4) O juro a ser pago é R$ 1.082,40.

5) O juro exato a ser pago é R$ 810,58. O juro comercial a ser pago é R$ 809,97.

6) O juro recebido é R$ 974,16.

7) O capital aplicado deverá ser R$ 32.000,00

8) A taxa de juro diária é i=0,0011. Portanto, a taxa de juro mensal é 0,0011?30=0,033=3,3%a.m.

9) O capital inicial é R$ 98.000,00.

10) Esse capital alcançará R$ 219.500,00 após 130 dias, ou seja, no dia 16 de maio do mesmo
ano.

11) A data de vencimento do contrato foi no dia 135+137=272, ou seja, em 29 de setembro


do mesmo ano.

Tema 2 | Atividade 3

1) O montante será de R$ 12.100,00.


101
2) O montante será de R$ 9.233,20.

3) O montante será de R$ 88.200,00.

4) O montante será de R$ 26.496,00.

5) O montante será de R$ 2.205,00.

6) O montante será de R$ 9.066,41.

7) O montante será de R$ 25.400,00.

8) Após um ano de aplicação receberei de volta R$ 18.360,00. O juro obtido nesse período foi
R$ 18.360,00 – R$ 15.000,00=R$ 3.360,00.

9) a) M=7.070,00

b) M=5.530,00

c) M=4.148,53
Matemática Básica e Financeira
Tema 2 | Atividade 4
102 1) O capital é R$ 74.218,58.

2) A taxa mensal de juros é 0,02 ou 2%.

3) Os juros auferidos no período foram de R$ 3.917,20 .

4) Ao final de 6 meses a pessoa terá um montante igual a R$ 17.625,60.

5) A taxa mensal de juros é 0,0155 ou 1,55%.

6) A taxa mensal de juros é 0,0717 ou 7,17%.

7) A taxa trimestral de juros é 0,4422 ou 44,22%.

8) O valor da taxa de juro simples é 0,25a.m. ou 25%a.m.

9) O período necessário é 11,94 meses.

10) Devo deixar meu dinheiro aplicado 28,13 meses.

11) a) M=7.440

b) i = 24%a.a.=0,24a.a. → 0,24/12 → 0,02 a.m.

c) i = 24%a.a.=0,24a.a. → 0,24/2 → 0,12 a.s.

12) O valor aplicado no banco A deve ser R$ 2.955,40 e no banco B deve ser R$ 3.044,60.

13) A taxa mensal de juros é 0,0146 ou 1,46%.

Tema 2 | Atividade 5

1) A taxa equivalente diária é 0,000725 ou 0,0725%.

2) A taxa equivalente anual é 0,1003 ou 10,03%.

3) a) A taxa equivalente diária é 0,0087 ou 0,87%.

b) A taxa equivalente diária é 0,0004598ou 0,04598%.

c) A taxa equivalente diária é 0,000244ou 0,0244%.

Curso Técnico em Agronegócio


4) A taxa equivalente para 63 dias é 0,1754 ou 17,54%.

5) A taxa equivalente ao semestre é 0,331 ou 33,1%.

6) a) A taxa equivalente para 30 dias é 0,01531 ou 1,531%.

b) A taxa equivalente para 90 dias é 0,0466 ou 4,66%.

c) A taxa equivalente para 120 dias é 0,06265 ou 6,265%.

7) A taxa equivalente mensal é 0,04432 ou 4,43%.

8) A taxa equivalente para 22 dias é 0,0155 ou 1,55%.

9) Anual – a taxa equivalente anual é 0,8062 ou 80,62%.

Mensal – a taxa equivalente mensal é 0,0505 ou 5,05%.

10) a) A taxa equivalente para 45 dias é 0,0333 ou 3,33%.

b) A taxa equivalente para 180 dias é 0,1401 ou 14,01%.

c) A taxa equivalente para 225 dias é 0,1782 ou 17,82%.

11) Rentabilidade diária - a rentabilidade diária é 0,00087ou 0,087%.

Rentabilidade mensal - a rentabilidade mensal é 0,02645 ou 2,64%.

12) A taxa equivalente mensal é 0,0139 ou 1,39%.

13) A taxa de inflação por dia útil é 0,004318 ou 0,4318%.


103

Tema 2 | Atividade 6

1) O desconto comercial é R$ 231,00.

O valor atual do título é de R$ 9.769,00.

2) O desconto comercial é R$ 30,00.

Matemática Básica e Financeira


3) Taxa de desconto é 0,00083 ao dia ou 0,083% a.d. = 2,5% a.m. = 30% a.a.

104 Taxa de Juro Efetiva – a taxa de juro efetiva é 0,0009 ao dia ou 0,09% a.d. = 2,7% a.m. =
32,4% a.a.

4) O valor nominal da duplicata era de R$ 2.473,17.

5) O título foi antecipado em um mês e meio.

6) O valor líquido creditado pelo banco é R$ 57.850,00.

7) A taxa de desconto é 0,001 ao dia ou 0,1% a.d.

8) A taxa de juro efetiva é 0,0391a.m.

9) O tempo de antecipação da nota promissória é 2,083 anos ou 25 meses.

10) O valor de face do título era de R$ 2.995,00.

11) O valor líquido recebido é R$ 926,50.

12) O valor nominal do título é R$ 10.000,00.

13) O valor nominal de cada título deve ser R$ 2.500,00.

14) A taxa de desconto é 0,03 a.m.

Tema 2 | Atividade 7

1) O desconto é R$ 490,28.

2) O desconto é R$ 2.708,62.

3) O desconto é R$ 7.901,34.

4) O valor atual é R$ 751,31.

5) O valor nominal do título é R$ 2.000,00.

6) O desconto é R$ 39,40.

7) O valor atual é R$ 683,02.

8) O desconto é R$ 1.580,27.

Curso Técnico em Agronegócio


Tema 2| Atividade 8

1) O valor nominal comercial do novo título será R$ 950,00.

2) O valor de cada pagamento será R$ 4.505,50.

3) A taxa de desconto foi de 0,00317 ao dia ou 0,317%a.d.

4) O novo prazo para o título é 129,5 dias.

5) O valo nominal de cada novo título é R$ 1.320,40.

6) O prazo desse novo título é 7,32 bimestres.

7) O valor dos pagamentos será R$ 1.333,33.

8) O valor do saldo será de R$ 2.258,03.

9) As parcelas serão de R$ 2.465,93.

Tema 2| Atividade 9

1) O montante é igual a R$ 18.503,25.

2) O montante é igual a R$ 14.490,30.

3) A importância depositada deve ser R$ 45.728,70.

4) O valor que deve ser depositado é de R$ 1.806,17.


105

Tema 2 | Atividade 10

1) O valor das prestações será de R$ 1.770,73.

2) O valor das prestações será de R$ 3.110,03.

3) O valor a ser pago ao cliente é de R$ 19.023,75.

4) a) O valor da prestação 30 dias após a data da compra será de R$ 1.278,06.

b) O valor da prestação no ato da compra será de R$ 1.262,14.

5) O valor das prestações será de R$ 1.105,81.

6) A taxa será de 1% a.m.

Matemática Básica e Financeira


7) O valor será de R$ 528,81.

106 8) O valor será de R$ 424.122,04.

9) O valor será de R$ 22.320,22.

10) O valor à vista será de R$ 21.581,56.

11) O valor será de R$ 19.292,84.

12) O valor à vista será de R$ 2.647,91.

13) É melhor João pagar à vista.

14) O valor será de R$ 44.146,51.

Tema 2 | Atividade 11

1) Já está feita na própria apostila.

2) a) O valor de cada prestação mensal será de R$ 18.656,71.

b) O saldo devedor final será e R$ 3.422,93.

c) Tabela de Amortização:

Mês Saldo Devedor Amortização Juros Prestação


0 200.000,00 - - -
1 185.343,29 14.656,71 4.000 18.656,71
2 170.393,45 14.949,84 3.706,86 18.656,71
3 155.144,61 15.248,84 3.407,87 18.656,71
4 139.590,80 15.553,82 3.102,89 18.656,71
5 123.725,91 15.864,89 2.791,81 18.656,71
6 107.543,72 16.182,19 2.474,52 18.656,71
7 91.037,90 16.505,83 2.150,87 18.656,71
8 74.201,95 16.835,95 1.820,75 18.656,71
9 57.029,28 17.172,67 1.484,04 18.656,71
10 39.513,16 17.516,12 1.140,58 18.656,71
11 21.646,71 17.866,45 790,26 18.656,71
12 - 18.223,78 432,93 18.656,71

Curso Técnico em Agronegócio


3) O saldo devedor no quinto mês será de R$ 85.375,00.

Mês Juros Amortização Prestação Saldo Devedor


0 100.000
1 3.500,00 2.727,00 6.227,00 97.273,00
2 3.405,00 2.823,00 6.227,00 94.450,00
3 3.306,00 2.922,00 6.227,00 91.528,00
4 3.203,00 3.024,00 6.227,00 88.505,00
5 3.098,00 3.130,00 6.227,00 85.375,00

4) Planilha do financiamento:

n Saldo Devedor Amortização Juros Prestação


0 12.000.000.000,00 - - -
1 12.000.000.000,00 - 1.700.000.000,00 1.700.000.000,00
2 12.000.000.000,00 - 1.700.000.000,00 1.700.000.000,00
3 12.000.000.000,00 - 1.700.000.000,00 1.700.000.000,00
4 12.000.000.000,00 - 1.700.000.000,00 1.700.000.000,00
5 12.000.000.000,00 - 1.700.000.000,00 1.700.000.000,00
6 12.000.000.000,00 - 1.700.000.000,00 1.700.000.000,00
7 12.000.000.000,00 - 1.700.000.000,00 1.700.000.000,00
8 12.000.000.000,00 - 1.700.000.000,00 1.700.000.000,00
9 12.000.000.000,00 - 1.700.000.000,00 1.700.000.000,00
10 12.000.000.000,00 - 1.700.000.000,00 1.700.000.000,00
11 12.000.000.000,00 - 1.700.000.000,00 1.700.000.000,00
12 12.000.000.000,00 - 1.700.000.000,00 1.700.000.000,00
13 10.599.945.750,00 1.400.054.251,00 1.700.000.000,00 3.100.054.251,00
14 9.001.585.813,00 1.598.359.937,00 1.501.694.314,00 3.100.054.251,00
15 7.176.786.224,00 1.824.799.589,00 1.275.254.662,00 3.100.054.251,00
107
16 5.093.467.277,00 2.083.318.947,00 1.016.735.304,00 3.100.054.251,00
17 2.715.004.535,00 2.378.462.742,00 721.591.509,20 3.100.054.251,00
18 - 2.715.419.559,00 384.634.692,5 3.100.054.251,00

5)

Mês Saldo Devedor Amortização Juros Prestação


0 420.000,00 - - -
1 343.961,94 76.038,06 21.000,00 97.038,06
2 264.121,98 79.839,96 17.198,09 97.038,06
3 180.290,02 83.831,96 13.206,10 97.038,06
4 92.266,46 88.023,56 9.014,50 97.038,06
5 - 92.424,74 4.613,32 97.038,06

O valor final a ser pago pelo empréstimo é de R$ 550.222,31.

Matemática Básica e Financeira


6) O valor da 3ª parcela será de R$ 44.387,98.

108 Semestre Saldo Devedor Amortização Juros Prestação


0 160.000,00 - - -
1 134.812,02 25.187,98 19.200,00 44.387,98
2 106.601,48 28.210,54 16.177,44 44.387,98
3 75.005,68 31.595,80 12.792,18 44.387,98
4 39.618,40 35.387,29 9.000,68 44.387,98
5 - 39.633,77 4.754,20 44.387,98

7)

Ano Saldo Devedor Amortização Juros Prestação


0 2.000,00 - - -
1 1.932,73 67,27 720,00 787,27
2 1.841,23 91,48 695,78 787,27
3 1.716,80 124,43 662,84 787,27
4 1.547,58 169,22 618,05 787,27
5 1.317,44 230,14 557,13 787,27
6 1.004,45 312,99 474,28 787,27
7 578,78 425,67 361,60 787,27
8 578,91 208,36 787,27

Tema 2 | Atividade 12

1)

Mês Saldo Devedor Amortização Juros Prestação


0 50.000,00 - - -
1 49.500,00 500,00 500,00 1.000,00
2 49.000,00 500,00 495,00 995,00
3 48.500,00 500,00 490,00 990,00
4 48.000,00 500,00 485,00 985,00
5 47.500,00 500,00 480,00 980,00

Curso Técnico em Agronegócio


2) O valor da 36ª prestação será de R$ 650,00 e o seu juros será de R$ 150,00.

3) Amortização = 1.000,00

Juros = 400,00

Prestação = 1.400,00

Saldo devedor = 19.000,00

4) O valor total será de R$ 2.600.000,00.

Tema 3 – Estatística

Tema 3 | Atividade 1

1) a) Média artimética = 15,0175

b) Mediana = 14,65

c) Moda = 16,4 e 19,1

2) a) Média artimética = 4,52

b) Mediana = 4,5

c) Moda = 4

3) Média = 19,3 109


4) Mediana = 21

Moda = 21

5) Alternativa C.

6) Observe que a moda é igual a mediana.

7) Média = 85,125

Moda: 80 e 86

Matemática Básica e Financeira


Mediana = 85,5

110
Tema 3 | Atividade 2

1) a) Desvio médio = 5,93

b) Variância = 57,37

c) Desvio-padrão = 7,57

d) Coeficiente de variação = 0,50

2) O desvio-padrão é 8,1.

3) Desvio-padrão = 15,32

Coeficiente de variação = 0,55

4) Variância = 133.424,2

Desvio-padrão = 363,27

Coeficiente de variação = 0,84

Portanto, a variação dos dados é alta em relação à média, pois o coeficiente de variação é um
valor alto.

5) Variância = 13,10

Desvio-padrão = 3,62

Coeficiente de variação = 0,042

Portanto, a variação dos dados é baixa em relação à média, pois o coeficiente de variação
é um valor baixo.

6) a) Amplitude total = 49

b) Variância = 276,05

c) Desvio-padrão = 16,61

d) Coeficiente de variação = 0,23

Curso Técnico em Agronegócio


Tema 3 | Atividade 3

1) A probabilidade é 1/12.

2) A probabilidade é 1/4.

3) a) 40/115 = 8/23

b) 50/115 = 10/23

4) a) 30/115 = 6/23

b) 20/115 = 4/23

c) 25/115 = 5/23

d) 45/115 = 9/23

e) 55/115 = 11/23

111

Matemática Básica e Financeira


SGAN 601 MÓDULO K - EDIFÍCIO ANTÔNIO
ERNESTO DE SALVO - 1º ANDAR - BRASÍLIA
DISTRITO FEDERAL - CEP: 70830-021
FONE: + 55 61 2109 1300

WWW.SENAR.ORG.BR/ETEC
WWW.SENAR.ORG.BR