Sie sind auf Seite 1von 76

LEIS DE NEWTON

1. (Uerj) Em uma área onde ocorreu uma catástrofe natural, um helicóptero em movimento
retilíneo, a uma altura fixa do chão, deixa cair pacotes contendo alimentos. Cada pacote
lançado atinge o solo em um ponto exatamente embaixo do helicóptero.

Desprezando forças de atrito e de resistência, pode-se afirmar que as grandezas velocidade e


aceleração dessa aeronave são classificadas, respectivamente, como:
a) variável − nula
b) nula − constante
c) constante − nula
d) variável − variável

2. (Espcex (Aman)) No interior de um recipiente vazio, é colocado um cubo de material


homogêneo de aresta igual a 0,40 m e massa M = 40 kg. O cubo está preso a uma mola ideal,
de massa desprezível, fixada no teto de modo que ele fique suspenso no interior do recipiente,
conforme representado no desenho abaixo. A mola está presa ao cubo no centro de uma de
suas faces e o peso do cubo provoca uma deformação de 5 cm na mola. Em seguida, coloca-
se água no recipiente até que o cubo fique em equilíbrio com metade de seu volume submerso.
Sabendo que a densidade da água é de 1000 kg / m3 , a deformação da mola nesta nova
situação é de

Dado: intensidade da aceleração da gravidade g = 10 m / s2


a) 3,0 cm
b) 2,5 cm
c) 2,0 cm
d) 1,5 cm
e) 1,0 cm

3. (Fuvest) Em uma aula de laboratório de Física, para estudar propriedades de cargas


elétricas, foi realizado um experimento em que pequenas esferas eletrizadas são injetadas na
parte superior de uma câmara, em vácuo, onde há um campo elétrico uniforme na mesma
direção e sentido da aceleração local da gravidade. Observou-se que, com campo elétrico de
módulo igual a 2 × 103 V / m, uma das esferas, de massa 3,2 × 10−15 kg, permanecia com
velocidade constante no interior da câmara. Essa esfera tem

Note e adote:
- c arga do elétron =−1,6 × 10−19 C
- c arga do próton =+1,6 × 10−19 C

Página 1 de 76
LEIS DE NEWTON

- aceleração local da gravidade = 10 m / s2


a) o mesmo número de elétrons e de prótons.
b) 100 elétrons a mais que prótons.
c) 100 elétrons a menos que prótons.
d) 2000 elétrons a mais que prótons.
e) 2000 elétrons a menos que prótons.

4. (Upf) Durante uma experiência em um laboratório de física, um balão (desses usados em


festas de aniversário) cheio de ar, de massa total m = 1 g, carregado eletricamente com uma
carga q negativa, flutua estaticamente numa região do espaço onde existe um campo elétrico
uniforme na direção vertical e no sentido de cima para baixo. Desprezando-se o empuxo sobre
2
o balão e considerando que a aceleração gravitacional local é g = 10 m/s e que o valor do
campo elétrico é de 50 N/C, pode-se afirmar que a carga elétrica do balão é de:
a) 200 μC
b) 2 mC
c) 2 × 10−1 C
d) 5 mC
e) 5 μC

5. (Ufsm) O principal combustível usado pelos grandes aviões de transporte de carga e


passageiros é o querosene, cuja queima origina diversos poluentes atmosféricos. As
afirmativas a seguir referem-se a um avião em voo, num referencial inercial.

I. Se a soma das forças que atuam no avião é diferente de zero, ele não pode estar em MRU.
II. Se a soma das forças que atuam no avião é zero, ele pode estar parado.
III. O princípio de conservação da energia garante que o avião se move em sentido contrário
àquele em que são jogados os gases produzidos na combustão.

Está(ão) correta(s)
a) apenas I.
b) apenas I e II.
c) apenas III.
d) apenas II e III.
e) I, II e III.

6. (Pucrs) Em muitas tarefas diárias, é preciso arrastar objetos. Isso pode ser mais ou menos
difícil, dependendo das forças de atrito entre as superfícies deslizantes. Investigando a força
necessária para arrastar um bloco sobre uma superfície horizontal, um estudante aplicou ao
bloco uma força horizontal F e verificou que o bloco ficava parado. Nessa situação, é correto
afirmar que a força de atrito estático entre o bloco e a superfície de apoio é, em módulo,
a) igual à força F.
b) maior que a força F.
c) igual ao peso do bloco.
d) maior que o peso do bloco.
e) menor que o peso do bloco.

7. (Enem) Para entender os movimentos dos corpos, Galileu discutiu o movimento de uma
esfera de metal em dois planos inclinados sem atritos e com a possibilidade de se alterarem os
ângulos de inclinação, conforme mostra a figura. Na descrição do experimento, quando a
esfera de metal é abandonada para descer um plano inclinado de um determinado nível, ela
sempre atinge, no plano ascendente, no máximo, um nível igual àquele em que foi
abandonada.

Página 2 de 76
LEIS DE NEWTON

Se o ângulo de inclinação do plano de subida for reduzido a zero, a esfera


a) manterá sua velocidade constante, pois o impulso resultante sobre ela será nulo.
b) manterá sua velocidade constante, pois o impulso da descida continuará a empurrá-la.
c) diminuirá gradativamente a sua velocidade, pois não haverá mais impulso para empurrá-la.
d) diminuirá gradativamente a sua velocidade, pois o impulso resultante será contrário ao seu
movimento.
e) aumentará gradativamente a sua velocidade, pois não haverá nenhum impulso contrário ao
seu movimento.

8. (Pucrs) O gráfico mostra a velocidade instantânea de uma gota de chuva caindo


verticalmente através da atmosfera. Analisando o gráfico, verifica-se que, após algum tempo de
queda, a gota de chuva atinge uma velocidade constante, denominada velocidade terminal.

Considerando que as únicas forças que atuam sobre a gota, em qualquer ponto da sua
trajetória, são a força peso (P), o empuxo exercido (E) e a força de atrito com o ar, também
chamada de força de arrasto (A), a partir do instante em que a gota atinge a velocidade
terminal, os módulos das forças atuantes sobre ela satisfazem a relação
a) P = E
b) P = A
c) E = A
d) P = E – A
e) P = E + A

9. (Ufrgs) Um plano inclinado com 5 m de comprimento é usado como rampa para arrastar
uma caixa de 120 kg para dentro de um caminhão, a uma altura de 1,5 m, como representa a
figura abaixo.

Considerando que a força de atrito cinético entre a caixa e a rampa seja de 564 N o trabalho
mínimo necessário para arrastar a caixa para dentro do caminhão é
a) 846 J.
b) 1056 J.

Página 3 de 76
LEIS DE NEWTON

c) 1764 J.
d) 2820 J.
e) 4584 J.

10. (Ueg) No reino animal, existem seres que têm a capacidade de realizar diferentes tipos de
voos. O voo pode ser dividido em três grupos: o paraquedismo, o planeio e o voo
propulsionado. Com relação aos tipos de voo, considera-se o seguinte:
a) no animal planador, a facilidade do voo depende da forma e da dimensão das asas, sendo o
movimento no ar ascendente e sem realização de trabalho.
b) no paraquedismo, a força de resistência do ar no animal equilibra-se com o seu peso,
fazendo-o cair com velocidade constante.
c) nos voos propulsionados, os animais exercem a movimentação de seus músculos para
impulsionarem o deslocamento vertical.
d) o paraquedismo e o planeio baseiam-se em princípios físicos iguais, pois as forças de
resistência e peso são um par de ação e reação.

11. (Ueg) Alguns conceitos de física aparecem comumente no cotidiano e são


equivocadamente interpretados. Com relação a esse fato, o conceito correto é o seguinte:
a) calor é energia térmica em trânsito, enquanto temperatura caracteriza a energia térmica de
um sistema em equilíbrio.
b) energia é a medida de uma força atuando sobre um determinado corpo em movimento.
c) massa é a medida de inércia, enquanto peso é a intensidade da força gravitacional.
d) movimento e repouso são consequências da velocidade uniforme de um corpo material.

12. (Uftm) Em um dia de calmaria, um barco reboca um paraquedista preso a um paraglider. O


barco e o paraquedista deslocam-se com velocidade vetorial e alturas constantes.

Nessas condições,
a) o peso do paraquedista é a força resultante sobre ele.
b) a resultante das forças sobre o paraquedista é nula.
c) a força resultante exercida no barco é maior que a resultante no paraquedista.
d) a força peso do paraquedista depende da força exercida pelo barco sobre ele.
e) o módulo da tensão na corda que une o paraquedista ao paraglider será menor que o peso
do paraquedista.

13. (Ulbra) A força de resistência do ar sobre um corpo, independentemente de sua massa, é


proporcional ao quadrado de sua velocidade, conforme indica a expressão matemática a
2
seguir: Far = 0,4 V . Nesse caso, V é a velocidade do corpo em m/s e Far a força de resistência
do ar em N. A máxima velocidade de um corpo, ao ser tracionado para frente com uma força
constante de 10 N, será a seguinte:
a) 2,0 m/s.
b) 2,5 m/s.
c) 5,0 m/s.
d) 7,5 m/s.

Página 4 de 76
LEIS DE NEWTON

e) 10,0 m/s.

14. (Enem PPL) Em 1543, Nicolau Copérnico publicou um livro revolucionário em que
propunha a Terra girando em torno do seu próprio eixo e rodando em torno do Sol. Isso
contraria a concepção aristotélica, que acredita que a Terra é o centro do universo. Para os
aristotélicos, se a Terra gira do oeste para o leste, coisas como nuvens e pássaros, que não
estão presas à Terra, pareceriam estar sempre se movendo do leste para o oeste, justamente
como o Sol. Mas foi Galileu Galilei que, em 1632, baseando-se em experiências, rebateu a
crítica aristotélica, confirmando assim o sistema de Copérnico. Seu argumento, adaptado para
a nossa época, é se uma pessoa, dentro de um vagão de trem em repouso, solta uma bola, ela
cai junto a seus pés. Mas se o vagão estiver se movendo com velocidade constante, a bola
também cai junto a seus pés. Isto porque a bola, enquanto cai, continua a compartilhar do
movimento do vagão.

O princípio físico usado por Galileu para rebater o argumento aristotélico foi
a) a lei da inércia.
b) ação e reação.
c) a segunda lei de Newton.
d) a conservação da energia.
e) o princípio da equivalência.

15. (Unesp) Em uma operação de resgate, um helicóptero sobrevoa horizontalmente uma


região levando pendurado um recipiente de 200 kg com mantimentos e materiais de primeiros
socorros. O recipiente é transportado em movimento retilíneo e uniforme, sujeito às forças peso
  
( P ), de resistência do ar horizontal ( F ) e tração ( T ), exercida pelo cabo inextensível que o
prende ao helicóptero.

Sabendo que o ângulo entre o cabo e a vertical vale θ, que senθ = 0,6, cosθ = 0,8 e g = 10
2
m/s , a intensidade da força de resistência do ar que atua sobre o recipiente vale, em N,
a) 500.
b) 1 250.
c) 1 500.
d) 1 750.
e) 2 000.

16. (Uern) Os baldes têm massas iguais a 300 g cada e apresentam no seu interior 0,6 L de
água e 1 L de óleo, estando ambos sustentados por duas molas de 45 cm de comprimento.

Página 5 de 76
LEIS DE NEWTON

A razão entre as constantes elásticas k1 e k2 é


2 3 3
(Considere: g = 10m/s , dágua = 1g/cm e dóleo = 0,9 g/cm )
a) 2,25.
b) 1,25.
c) 0,75.
d) 1,75.

17. (Ufrgs) Dois blocos, 1 e 2, são arranjados de duas maneiras distintas e empurrados sobre
uma superfície sem atrito, por uma mesma força horizontal F. As situações estão
representadas nas figuras I e II abaixo.

Considerando que a massa do bloco 1 é m1 e que a massa do bloco 2 é m2 = 3m1, a opção


que indica a intensidade da força que atua entre blocos, nas situações I e II, é,
respectivamente,
a) F / 4 e F / 4.
b) F / 4 e 3F / 4.
c) F / 2 e F / 2.
d) 3F / 4 e F / 4.
e) F e F.

18. (Espcex (Aman)) Em um parque aquático, um menino encontra-se sentado sobre uma
prancha e desce uma rampa plana inclinada que termina em uma piscina no ponto B,
conforme figura abaixo. O conjunto menino-prancha possui massa de 60 kg, e parte do
repouso do ponto A da rampa. O coeficiente de atrito cinético entre a prancha e a rampa vale
0,25 e β é o ângulo entre a horizontal e o plano da rampa. Desprezando a resistência do ar, a
variação da quantidade de movimento do conjunto menino-prancha entre os pontos A e B é
de

Página 6 de 76
LEIS DE NEWTON

Dados: intensidade da aceleração da gravidade g=10 m/s2


considere o conjunto menino-prancha uma partícula
cos β = 0,8
sen β = 0,6
a) 40 3 N ⋅ s
b) 60 3 N ⋅ s
c) 70 3 N ⋅ s
d) 180 3 N ⋅ s
e) 240 3 N ⋅ s

19. (Enem) Um professor utiliza essa história em quadrinhos para discutir com os estudantes o
movimento de satélites. Nesse sentido, pede a eles que analisem o movimento do coelhinho,
considerando o módulo da velocidade constante.

Página 7 de 76
LEIS DE NEWTON

Desprezando a existência de forças dissipativas, o vetor aceleração tangencial do coelhinho,


no terceiro quadrinho, é
a) nulo.
b) paralelo à sua velocidade linear e no mesmo sentido.
c) paralelo à sua velocidade linear e no sentido oposto.
d) perpendicular à sua velocidade linear e dirigido para o centro da Terra.
e) perpendicular à sua velocidade linear e dirigido para fora da superfície da Terra.

20. (Uece) Uma criança desliza em um tobogã muito longo, com uma aceleração constante.
Em um segundo momento, um adulto, com o triplo do peso da criança, desliza por esse mesmo
tobogã, com aceleração também constante. Trate os corpos do adulto e da criança como
massas puntiformes e despreze todos os atritos. A razão entre a aceleração do adulto e a da
criança durante o deslizamento é
a) 1.
b) 2.
c) 1/3.
d) 4.

21. (Upe) A figura a seguir representa um ventilador fixado em um pequeno barco, em águas
calmas de um certo lago. A vela se encontra em uma posição fixa e todo vento soprado pelo
ventilador atinge a vela.

Página 8 de 76
LEIS DE NEWTON

Nesse contexto e com base nas Leis de Newton, é CORRETO afirmar que o funcionamento do
ventilador
a) aumenta a velocidade do barco.
b) diminui a velocidade do barco.
c) provoca a parada do barco.
d) não altera o movimento do barco.
e) produz um movimento circular do barco.

22. (Ufsm) Os avanços nas técnicas observacionais têm permitido aos astrônomos rastrear um
número crescente de objetos celestes que orbitam o Sol. A figura mostra, em escala arbitrária,
as órbitas da Terra e de um cometa (os tamanhos dos corpos não estão em escala). Com base
na figura, analise as afirmações:

I. Dada a grande diferença entre as massas do Sol e do cometa, a atração gravitacional


exercida pelo cometa sobre o Sol é muito menor que a atração exercida pelo Sol sobre o
cometas.
II. O módulo da velocidade do cometa é constante em todos os pontos da órbita.
III. O período de translação do cometa é maior que um ano terrestre.

Está(ão) correta(s)
a) apenas I.
b) apenas III.
c) apenas I e II.
d) apenas II e III.
e) I, II e III.

23. (Cefet MG) Uma caixa, inicialmente em repouso, sobre uma superfície horizontal e plana, é
puxada por um operário que aplica uma força variando linearmente com o tempo. Sabendo-se
que há atrito entre a caixa e a superfície, e que a rugosidade entre as áreas em contato é
sempre a mesma, a força de atrito, no decorrer do tempo, está corretamente representada pelo
gráfico

a)

Página 9 de 76
LEIS DE NEWTON

b)

c)

d)

e)

24. (Unifor) Sobre um paralelepípedo de granito de massa m = 900,0 kg, apoiado sobre um
terreno plano e horizontal, é aplicada uma força paralela ao plano de F = 2.900,0 N. Os
coeficientes de atrito dinâmico e estático entre o bloco de granito e o terreno são 0,25 e 0,35,
respectivamente. Considere a aceleração da gravidade local igual a 10,0 m / s2 . Estando
inicialmente em repouso, a força de atrito que age no bloco é, em newtons:

a) 2.250
b) 2.900
c) 3.150
d) 7.550
e) 9.000

25. (Ufsm) O sangue é um exemplo de fluido real, responsável pelo transporte das substâncias
necessárias à vida em grande parte dos seres vivos. Uma propriedade hidrodinâmica
importante é a pressão exercida pelo sangue sobre os vasos sanguíneos. Essa grandeza varia
grandemente ao longo do circuito vascular, tal que, em seres humanos saudáveis, ela tem um
valor máximo de 120 mmHg quando sai do coração e cai a 4 mmHg ao retomar a esse órgão.
A que pode ser atribuída a queda de pressão ocorrida ao longo do circuito vascular?
a) Ao atrito entre o sangue e as paredes dos vasos.
b) À redução da vazão sanguínea ao longo do circuito.
c) À redução da área da seção reta dos vasos.
d) À transição do regime de escoamento laminar para turbulento.
e) Ao aumento da densidade do sangue.

Página 10 de 76
LEIS DE NEWTON

26. (Espcex (Aman)) Um trabalhador da construção civil tem massa de 70 kg e utiliza uma
polia e uma corda ideais e sem atrito para transportar telhas do solo até a cobertura de uma
residência em obras, conforme desenho abaixo.

O coeficiente de atrito estático entre a sola do sapato do trabalhador e o chão de concreto é


μ e = 1,0 e a massa de cada telha é de 2 kg.
O número máximo de telhas que podem ser sustentadas em repouso, acima do solo, sem que
o trabalhador deslize, permanecendo estático no solo, para um ângulo θ entre a corda e a
horizontal, é:

Dados:
 Aceleração da gravidade : g = 10 m / s2
cos θ = 0,8
senθ = 0,6
a) 30
b) 25
c) 20
d) 16
e) 10

27. (Ufpr) Um avião voa numa trajetória retilínea e horizontal próximo à superfície da Terra. No
interior da aeronave, uma maleta está apoiada no chão. O coeficiente de atrito estático entre a
maleta e o chão do avião é μ e a aceleração da gravidade no local do voo é g. Considerando
esta situação, analise as seguintes afirmativas:

1. Se a maleta não se mover em relação ao chão do avião, então um passageiro pode concluir
corretamente, sem acesso a qualquer outra informação, que o avião está se deslocando com
velocidade constante em relação ao solo.
2. Se o avião for acelerado com uma aceleração superior a μg, então o passageiro verá a
maleta se mover para trás do avião, enquanto um observador externo ao avião, em repouso
em relação à superfície da Terra, verá a maleta se mover no mesmo sentido em que o avião
se desloca.
3. Para um mesmo valor da aceleração da aeronave em relação à Terra, com módulo maior
que μg, maletas feitas de mesmo material e mesmo tamanho, mas com massas diferentes,
escorregarão no interior do avião com o mesmo valor da aceleração em relação ao chão da
aeronave.

Assinale a alternativa correta.


a) Somente a afirmativa 1 é verdadeira.
b) Somente a afirmativa 3 é verdadeira.
c) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras.
d) Somente as afirmativas 2 e 3 săo verdadeiras.
e) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras.

28. (Ufrgs) Um móvel percorre uma trajetória fechada, representada na figura abaixo, no
sentido anti-horário.

Página 11 de 76
LEIS DE NEWTON

Ao passar pela posição P, o móvel está freando. Assinale a alternativa que melhor indica,
nessa posição, a orientação do vetor aceleração total do móvel.
a) 1.
b) 2.
c) 3.
d) 4.
e) 5.

29. (Uece) Um ônibus trafega horizontalmente em linha reta e com velocidade constante, de
módulo V.
Durante a viagem chove, além de haver um vento soprando na mesma direção do movimento
do ônibus, conforme a figura abaixo. Isso faz com que os pingos de chuva caiam com
velocidade v, em módulo, seguindo trajetórias retilíneas que fazem um ângulo 0° < θ < 90°
com a vertical. Considere as velocidades medidas em relação ao solo.

Para que os pingos de chuva não atinjam diretamente a parte traseira vertical do ônibus, deve-
se ter
a) v > V / sen θ.
b) v > 2V / sen θ.
c) v < V / sen θ.
d) v = 2V / sen θ.

30. (Uerj) A imagem abaixo ilustra uma bola de ferro após ser disparada por um canhão
antigo.

Página 12 de 76
LEIS DE NEWTON

Desprezando-se a resistência do ar, o esquema que melhor representa as forças que atuam
sobre a bola de ferro é:

a)

b)

c)

d)

31. (Upf) A respeito do comportamento de um bloco apoiado sobre um plano inclinado, analise
as afirmativas a seguir e assinale a incorreta.
a) À medida que a inclinação do plano com a horizontal cresce, a componente da força peso
paralela ao plano também cresce.
b) Quando a inclinação do plano com a horizontal for de 30°, a componente da força peso
paralela ao plano terá um valor igual ao valor da metade do peso do bloco.
c) Para que a componente da força peso paralela ao plano tenha o mesmo valor que a
componente perpendicular ao plano, é preciso que a inclinação do plano seja de 45°.
d) Para um ângulo de 60° de inclinação, a componente da força peso paralela ao plano será de
3 do peso do bloco.
e) O peso do bloco será sempre o mesmo, independentemente do ângulo de inclinação do
plano.

32. (Fgv) Um avião decola de um aeroporto e voa 100 km durante 18 min no sentido leste; a
seguir, seu piloto aponta para o norte e voa mais 400 km durante 1 h; por fim, aponta para o
oeste e voa os últimos 50 km, sempre em linha reta, em 12 min, até pousar no aeroporto de
destino. O módulo de sua velocidade vetorial média nesse percurso todo terá sido, em km∕h, de
aproximadamente
a) 200.
b) 230.
c) 270.
d) 300.
e) 400.

33. (Ita) Num certo experimento, três cilindros idênticos encontram-se em contato pleno entre
si, apoiados sobre uma mesa e sob a ação de uma força horizontal F, constante, aplicada na
altura do centro de massa do cilindro da esquerda, perpendicularmente ao seu eixo, conforme
a figura. Desconsiderando qualquer tipo de atrito, para que os três cilindros permaneçam em
contato entre si, a aceleração a provocada pela força deve ser tal que

a) g ( 3 3 ) ≤ a ≤ g 3.
b) 2g ( 3 2 ) ≤ a ≤ 4g 2.

Página 13 de 76
LEIS DE NEWTON

c) g ( 2 3 ) ≤ a ≤ 4g ( 3 3 ) .
d) 2g ( 3 2 ) ≤ a ≤ 3g ( 4 2 ) .
e) g ( 2 3 ) ≤ a ≤ 3g ( 4 3 ) .

34. (Ufsm) O uso de hélices para propulsão de aviões ainda é muito frequente. Quando em
movimento, essas hélices empurram o ar para trás; por isso, o avião se move para frente. Esse
fenômeno é explicado pelo(a)
a) 1ª lei de Newton.
b) 2ª lei de Newton.
c) 3ª lei de Newton.
d) princípio de conservação de energia.
e) princípio da relatividade do movimento.

35. (Uern) Duas esferas metálicas idênticas estão carregadas com cargas elétricas de sinais
iguais e módulos diferentes e se encontram situadas no vácuo, separadas uma da outra por
uma distância x. Sobre a forca elétrica, que atua em cada uma destas esferas, tem-se que são
a) iguais em módulo e possuem sentidos opostos.
b) iguais em módulo e possuem o mesmo sentido.
c) diferentes em módulo e possuem sentidos opostos.
d) diferentes em módulo e possuem o mesmo sentido.

36. (Pucrj) Sobre uma superf‫ي‬cie sem atrito, h‫ ل‬um bloco de massa m1 = 4,0 kg sobre o qual
est‫ ل‬apoiado um bloco menor de massa m2 = 1,0 kg. Uma corda puxa o bloco menor com uma
força horizontal F de mَdulo 10 N, como mostrado na figura abaixo, e observa-se que nesta
situaç‫م‬o os dois blocos movem-se juntos.

A força de atrito existente entre as superf‫ي‬cies dos blocos vale em Newtons:


a) 10
b) 2,0
c) 40
d) 13
e) 8,0

37. (Esc. Naval) Considere uma força horizontal F aplicada sobre a cunha 1, de massa
m1 = 8,50 kg, conforme mostra a figura abaixo. Não há atrito entre a cunha e o chão, e o
coeficiente de atrito estático entre a cunha e o bloco 2, de massa m2 = 8,50 kg, vale 0,200. O
maior valor de F, em newtons, que pode ser aplicado à cunha, sem que o bloco comece a subir
a rampa é

Dados: g = 10,0 m s2 ; senθ = 0,600; cos θ = 0,800

Página 14 de 76
LEIS DE NEWTON

a) 85,0
b) 145
c) 170
d) 190
e) 340

38. (Uerj) Um bloco de madeira encontra-se em equilíbrio sobre um plano inclinado de 45º em
relação ao solo. A intensidade da força que o bloco exerce perpendicularmente ao plano
inclinado é igual a 2,0 N. Entre o bloco e o plano inclinado, a intensidade da força de atrito, em
newtons, é igual a:
a) 0,7
b) 1,0
c) 1,4
d) 2,0

39. (Fgv) A figura representa dois alpinistas A e B, em que B, tendo atingido o cume da montanha, puxa
A por uma corda, ajudando-o a terminar a escalada. O alpinista A pesa 1 000 N e está em equilíbrio na
encosta da montanha, com tendência de deslizar num ponto de inclinação de 60° com a horizontal (sen
60° = 0,87 e cos 60° = 0,50); há atrito de coeficiente 0,1 entre os pés de A e a rocha. No ponto P, o
alpinista fixa uma roldana que tem a função exclusiva de desviar a direção da corda.

A componente horizontal da força que B exerce sobre o solo horizontal na situação descrita, tem
intensidade, em N,
a) 380.
b) 430.
c) 500.
d) 820.
e) 920.

40. (Uepb) Um jovem aluno de física, atendendo ao pedido de sua mãe para alterar a posição
de alguns móveis da residência, começou empurrando o guarda-roupa do seu quarto, que tem
200 kg de massa. A força que ele empregou, de intensidade F, horizontal, paralela à superfície
sobre a qual o guarda-roupa deslizaria, se mostrou insuficiente para deslocar o móvel. O
estudante solicitou a ajuda do seu irmão e, desta vez, somando à sua força uma outra força
igual, foi possível a mudança pretendida.
O estudante, desejando compreender a situação-problema vivida, levou-a para sala de aula, a
qual foi tema de discussão. Para compreendê-la, o professor apresentou aos estudantes um
gráfico, abaixo, que relacionava as intensidades da força de atrito (fe, estático, e fc, cinético)
com as intensidades das forças aplicadas ao objeto deslizante.

Página 15 de 76
LEIS DE NEWTON

Com base nas informações apresentadas no gráfico e na situação vivida pelos irmãos, em
casa, é correto afirmar que
a) o valor da força de atrito estático é sempre maior do que o valor da força de atrito cinético
entre as duas mesmas superfícies.
b) a força de atrito estático entre o guarda-roupa e o chão é sempre numericamente igual ao
peso do guarda-roupa.
c) a força de intensidade F, exercida inicialmente pelo estudante, foi inferior ao valor da força
de atrito cinético entre o guarda-roupa e o chão.
d) a força resultante da ação dos dois irmãos conseguiu deslocar o guarda-roupa porque foi
superior ao valor máximo da força de atrito estático entre o guarda-roupa e o chão.
e) a força resultante da ação dos dois irmãos conseguiu deslocar o guarda-roupa porque foi
superior à intensidade da força de atrito cinético entre o guarda-roupa e o chão.

41. (Enem) Uma pessoa necessita da forηa de atrito em seus pιs para se deslocar sobre uma superfνcie.
Logo, uma pessoa que sobe uma rampa em linha reta serα auxiliada pela forηa de atrito exercida pelo
chγo em seus pιs.
Em relaηγo ao movimento dessa pessoa, quais sγo a direηγo e o sentido da forηa de atrito mencionada no
texto?
a) Perpendicular ao plano e no mesmo sentido do movimento.
b) Paralelo ao plano e no sentido contrário ao movimento.
c) Paralelo ao plano e no mesmo sentido do movimento.
d) Horizontal e no mesmo sentido do movimento.
e) Vertical e sentido para cima.

42. (Fatec) Um carro em um veículo do tipo “cegonha” (que transporta vários carros) tem cada
uma de suas rodas travada por uma cinta, cujos extremos estão presos sobre a plataforma em
que se apoia o carro. A cinta abraça parcialmente o pneu, e a regulagem de sua tensão
garante a segurança para o transporte, já que aumenta a intensidade da força de contato entre
cada pneu e a plataforma.
Se o ângulo formado entre a plataforma e a cinta, de ambos os lados do pneu, é de 60°,
admitindo que cada extremo da cinta se encontre sob uma tração de intensidade T, o
acréscimo da força de contato de intensidade F entre cada pneu e a plataforma, devido ao uso
desse dispositivo, é dado por

Página 16 de 76
LEIS DE NEWTON

Dados:
3 1
sen 60° = cos 60° = tg 60° = 3
2 2

T
a) F=
2
3
b)=
F ⋅T
2
c) F=T
d) =
F 3 ⋅T
4 3
=
e) F ⋅T
3
    
43. (Epcar (Afa)) Sejam três vetores A, B e C. Os módulos dos vetores A e B são,
  
respectivamente, 6u e 8u. O módulo do vetor S= A + B vale 10u, já o módulo do vetor
  
D= A + C é nulo.
     
Sendo o vetor R= B + C, tem-se que o módulo de F= S + R é igual a
a) 16u
b) 10u
c) 8u
d) 6u

44. (Uern) Antes de empurrar uma estante apoiada em uma superfície plana de uma sala, uma
pessoa decide retirar os livros do seu interior. Dessa maneira, a força que irá reduzir,
juntamente com o atrito, durante o deslocamento do móvel, é conhecida como força
a) normal.
b) elástica.
c) de tração.
d) centrípeta.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


Um estudante movimenta um bloco homogêneo de massa M, sobre uma superfície horizontal,
com forças de mesmo módulo F, conforme representa a figura abaixo.

Em X, o estudante empurra o bloco; em Y, o estudante puxa o bloco; em Z, o estudante


empurra o bloco com força paralela ao solo.

45. (Ufrgs) A força normal exercida pela superfície é, em módulo, igual ao peso do bloco
a) apenas na situação X.
b) apenas na situação Y.
c) apenas na situação Z.
d) apenas nas situações X e Y.
e) em X, Y e Z.

46. (Uespi) Três livros idênticos, de peso 8 N cada, encontram-se em repouso sobre uma
superfície horizontal (ver figura). Qual é o módulo da força que o livro 2 exerce no livro 1?

Página 17 de 76
LEIS DE NEWTON

a) zero
b) 4 N
c) 8 N
d) 16 N
e) 24 N

47. (Ufrn) Em Tirinhas, é muito comum encontrarmos situaçőes que envolvem conceitos de Física e que,
inclusive, tęm sua parte cômica relacionada, de alguma forma, com a Física.
Considere a tirinha envolvendo a “Turma da Mônica”, mostrada a seguir.

Supondo que o sistema se encontra em equilíbrio, é correto afirmar que, de acordo com a Lei da Açăo e
Reaçăo (3Ş Lei de Newton),
a) a força que a Mônica exerce sobre a corda e a força que os meninos exercem sobre a corda
formam um par ação-reação.
b) a força que a Mônica exerce sobre o chão e a força que a corda faz sobre a Mônica formam
um par ação-reação.
c) a força que a Mônica exerce sobre a corda e a força que a corda faz sobre a Mônica formam
um par ação-reação.
d) a força que a Mônica exerce sobre a corda e a força que os meninos exercem sobre o chão
formam um par ação-reação.

48. (Ufsm) Um halterofilista segura, por um curto intervalo de tempo, um haltere em equilíbrio,
conforme indica a figura. As forças indicadas não estão necessariamente representadas em
escala. Assim,

F1 representa a força do atleta sobre o haltere;

F2 representa o peso do haltere;

F3 representa a força do solo sobre o atleta e o haltere;

F4 representa o peso do atleta.

Página 18 de 76
LEIS DE NEWTON

São forças de mesmo módulo:


 
a) F1 e F3 .
 
b) F1 e F4 .
 
c) F3 e F4 .
  
d) F1 e (F3 − F4 ).
 
e) F2 e F3 .

49. (Enem PPL) Durante uma faxina, a mãe pediu que o filho a ajudasse, deslocando um
móvel para mudá-lo de lugar. Para escapar da tarefa, o filho disse ter aprendido na escola que
não poderia puxar o móvel, pois a Terceira Lei de Newton define que se puxar o móvel, o
móvel o puxará igualmente de volta, e assim não conseguirá exercer uma força que possa
colocá-lo em movimento.

Qual argumento a mãe utilizará para apontar o erro de interpretação do garoto?


a) A força de ação é aquela exercida pelo garoto.
b) A força resultante sobre o móvel é sempre nula.
c) As forças que o chão exerce sobre o garoto se anulam.
d) A força de ação é um pouco maior que a força de reação.
e) O par de forças de ação e reação não atua em um mesmo corpo.

50. (Uespi) A figura a seguir ilustra duas pessoas (representadas por círculos), uma em cada
margem de um rio, puxando um bote de massa 600 kg através de cordas ideais paralelas ao
solo. Neste instante, o ângulo que cada corda faz com a direção da correnteza do rio vale θ =
37°, o módulo da força de tensão em cada corda é F = 80 N, e o bote possui aceleração de
2
módulo 0,02 m/s , no sentido contrário ao da correnteza (o sentido da correnteza está indicado
por setas tracejadas). Considerando sen(37°) = 0,6 e cos(37°) = 0,8, qual é o módulo da força
que a correnteza exerce no bote?

a) 18 N
b) 24 N
c) 62 N
d) 116 N
e) 138 N

Página 19 de 76
LEIS DE NEWTON

51. (Unesp) Em uma obra, para permitir o transporte de objetos para cima, foi montada uma
máquina constituída por uma polia, fios e duas plataformas A e B horizontais, todos de massas
desprezíveis, como mostra a figura. Um objeto de massa m = 225 kg, colocado na plataforma
A, inicialmente em repouso no solo, deve ser levado verticalmente para cima e atingir um ponto
a 4,5 m de altura, em movimento uniformemente acelerado, num intervalo de tempo de 3 s. A
partir daí, um sistema de freios passa a atuar, fazendo a plataforma A parar na posição onde o
objeto será descarregado.

Considerando g = 10 m/s2 , desprezando os efeitos do ar sobre o sistema e os atritos durante o


movimento acelerado, a massa M, em kg, do corpo que deve ser colocado na plataforma B
para acelerar para cima a massa m no intervalo de 3 s é igual a
a) 275.
b) 285.
c) 295.
d) 305.
e) 315.

52. (Espcex (Aman)) Um elevador possui massa de 1500 kg. Considerando a aceleração da
gravidade igual a 10 m s2 , a tração no cabo do elevador, quando ele sobe vazio, com uma
aceleração de 3 m s2 , é de:
a) 4500 N
b) 6000 N
c) 15500 N
d) 17000 N
e) 19500 N

53. (Uespi) Dois blocos idênticos, de peso 10 N, cada, encontram-se em repouso, como
mostrado na figura a seguir. O plano inclinado faz um ângulo θ = 37° com a horizontal, tal que
são considerados sen(37°) = 0,6 e cos(37°) = 0,8. Sabe-se que os respectivos coeficientes de
atrito estático e cinético entre o bloco e o plano inclinado valem μ e = 0,75 e μc = 0,25. O fio
ideal passa sem atrito pela polia. Qual é o módulo da força de atrito entre o bloco e o plano
inclinado?

a) 1 N

Página 20 de 76
LEIS DE NEWTON

b) 4 N
c) 7 N
d) 10 N
e) 13 N

54. (Pucrj) Um ciclista tentando bater um recorde de velocidade em uma bicicleta desce, a
partir do repouso, a distância de 1440 m em uma montanha cuja inclinação é de 30°. Calcule a
velocidade atingida pelo ciclista ao chegar à base da montanha.
2
Dados: Não há atrito e g = 10 m/s
a) 84 m/s
b) 120 m/s
c) 144 m/s
d) 157 m/s
e) 169 m/s

55. (Ime)

A figura 1 mostra dois corpos de massas iguais a m presos por uma haste rígida de massa
desprezível, na iminência do movimento sobre um plano inclinado, de ângulo θ com a
horizontal. Na figura 2, o corpo inferior é substituído por outro com massa 2m. Para as duas
situações, o coeficiente de atrito estático é μ e o coeficiente de atrito cinético é μ para a
2
massa superior, e não há atrito para a massa inferior. A aceleração do conjunto ao longo do
plano inclinado, na situação da figura 2 é.
a) ( 2gsenθ) / 3
b) ( 3gsenθ) / 2
c) ( gsenθ) / 2
d) g ( 2senθ − cosθ)
e) g ( 2senθ + cosθ)

56. (Enem PPL) O freio ABS é um sistema que evita que as rodas de um automóvel sejam
bloqueadas durante uma frenagem forte e entrem em derrapagem. Testes demonstram que, a
partir de uma dada velocidade, a distância de frenagem será menor se for evitado o bloqueio
das rodas.
O ganho na eficiência da frenagem na ausência de bloqueio das rodas resulta do fato de
a) o coeficiente de atrito estático tornar-se igual ao dinâmico momentos antes da derrapagem.
b) o coeficiente de atrito estático ser maior que o dinâmico, independentemente da superfície
de contato entre os pneus e o pavimento.
c) o coeficiente de atrito estático ser menor que o dinâmico, independentemente da superfície
de contato entre os pneus e o pavimento.
d) a superfície de contato entre os pneus e o pavimento ser maior com as rodas
desbloqueadas, independentemente do coeficiente de atrito.
e) a superfície de contato entre os pneus e o pavimento ser maior com as rodas
desbloqueadas e o coeficiente de atrito estático ser maior que o dinâmico.

57. (Enem) Os freios ABS são uma importante medida de segurança no trânsito, os quais
funcionam para impedir o travamento das rodas do carro quando o sistema de freios é

Página 21 de 76
LEIS DE NEWTON

acionado, liberando as rodas quando estão no limiar do deslizamento. Quando as rodas


travam, a força de frenagem é governada pelo atrito cinético.
As representações esquemáticas da força de atrito fat entre os pneus e a pista, em função da
pressão p aplicada no pedal de freio, para carros sem ABS e com ABS, respectivamente, são:

a)

b)

c)

d)

e)

58. (Ucs) Uma família, passando suas férias num camping, resolveu fazer uma macarronada.
Após o preparo desse prato, a mãe improvisou uma mesa, usando a caixa de madeira que
serviu para transportar parte da bagagem. Sobre a tampa fechada, ela estendeu a toalha e por
cima colocou os talheres, pratos, copos e a panela com a macarronada. Aí ela se deu conta de
que tinha esquecido o pegador de macarrão dentro da caixa. Tradicional quanto aos costumes,
ela não admitia servir macarrão sem o pegador, mas não desejava desfazer a mesa já
arrumada. Suponha que ela precise de um ângulo mínimo de 15°, com a horizontal, na
abertura da tampa, para conseguir colocar o braço dentro da caixa e alcançar o pegador. Qual
deve ser o valor mínimo do coeficiente de atrito estático entre a madeira da tampa e a toalha
sobre a qual está a louça para que o desejo da mãe seja satisfeito? (Considere sen 15° =0,26
e cos15° =0,96.)
a) 0,03
b) 0,09
c) 0,11
d) 0,18
e) 0,27

59. (Unisc) Um livro de física, de peso 10 N, está em repouso e apoiado sobre uma superfície
horizontal e rugosa. Considerando que o coeficiente de atrito estático entre o livro e a
superfície é de 0,1 e o coeficiente de atrito dinâmico é de 0,05, qual deve ser a força mínima
necessária para provocar um deslocamento horizontal no livro?
a) 10 N

Página 22 de 76
LEIS DE NEWTON

b) 1 N
c) 100 N
d) 0,1 N
e) 0,5 N

60. (Epcar (Afa)) Considere um recipiente fixo contendo um líquido em repouso no interior de
um vagão em movimento retilíneo e uniforme que se desloca para a direita. A superfície de
separação entre o líquido e o ar contido no vagão forma um dióptro perfeitamente plano que é
atravessado por um raio luminoso monocromático emitido por uma fonte F fixa no teto do
vagão, como mostra a figura abaixo. Nessa condição, o ângulo de incidência do raio luminoso
é θ=1 60°.

Num determinado momento, o vagão é acelerado horizontalmente para a esquerda com


3
aceleração constante de módulo a = g e, nessa nova situação, o ângulo de incidência do
3
raio, neste dióptro plano, passa a ser θ2 . Considerando que a aceleração gravitacional no local
é constante e possui módulo igual a g, a razão entre os senos dos ângulos de refração dos
raios refratados na primeira e na segunda situações, respectivamente, é
1
a)
2
b) 1
c) 2
d) 3

61. (Fuvest) O gráfico abaixo representa a força F exercida pela musculatura eretora sobre a
coluna vertebral, ao se levantar um peso, em função do ângulo φ , entre a direção da coluna e
a horizontal. Ao se levantar pesos com postura incorreta, essa força pode se tornar muito
grande, causando dores lombares e problemas na coluna.

Com base nas informações dadas e no gráfico acima, foram feitas as seguintes afirmações:
I. Quanto menor o valor de φ , maior o peso que se consegue levantar.
II. Para evitar problemas na coluna, um halterofilista deve procurar levantar pesos adotando
postura corporal cujo ângulo φ seja grande.
III. Quanto maior o valor de φ , menor a tensão na musculatura eretora ao se levantar um peso.

Página 23 de 76
LEIS DE NEWTON

Está correto apenas o que se afirma em


a) I.
b) II.
c) III.
d) I e II.
e) II e III.

62. (Pucrj)

O vetor posição de um objeto em relação à origem do sistema de coordenadas pode ser


desenhado como mostra a figura.

Calcule o módulo em metros deste vetor.


a) 5,0
b) 7,5
c) 10,0
d) 11,2
e) 15,0

63. (Ufrn) O funcionamento de um gerador eólico é baseado na interação entre suas pás e o
vento. Nessa interação, as pás do gerador funcionam como defletor para a massa de ar

incidente. Durante a interação, o vetor quantidade de movimento do ar incidente Qinicial , tem a

orientação alterada para quantidade de movimento do ar refletido, Qfinal , pela presença das
pás, conforme mostrado na figura abaixo.

A variação da quantidade de movimento da massa de ar incidente sobre as pás faz com que
elas girem em torno de seu eixo gerando energia elétrica. Tal variação na quantidade de
   
movimento do ar, ΔQ, é expressa por= ΔQ Qfinal − Qinicial .

Página 24 de 76
LEIS DE NEWTON

Neste sentido, a composição de vetores que melhor representa a variação da quantidade do


movimento do ar está representada por:

a)

b)

c)

d)

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES:


Considere as leis de Newton e as informações a seguir.

Uma pessoa empurra uma caixa sobre o piso de uma sala. As forças aplicadas sobre a caixa
na direção do movimento são:
− Fp : força paralela ao solo exercida pela pessoa;
− Fa : força de atrito exercida pelo piso.
A caixa se desloca na mesma direção e sentido de Fp .
A força que a caixa exerce sobre a pessoa é FC .

64. (Uerj) Se o deslocamento da caixa ocorre com velocidade constante, as magnitudes das
forças citadas apresentam a seguinte relação:
a) F=
p F= C Fa
b) Fp > FC =
Fa
c) F=
p FC > Fa
d) F=
p FC < Fa

65. (Uerj) Se o deslocamento da caixa ocorre com aceleração constante, na mesma direção e
sentido de Fp , as magnitudes das forças citadas apresentam a seguinte relação:
a) F=
p F=
c Fa

Página 25 de 76
LEIS DE NEWTON

b) Fp > Fc =
Fa
c) F=
p Fc > Fa
d) F=
p Fc < Fa

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


Em setembro de 2010, Júpiter atingiu a menor distância da Terra em muitos anos. As figuras
abaixo ilustram a situação de maior afastamento e a de maior aproximação dos planetas,
considerando que suas órbitas são circulares, que o raio da órbita terrestre (RT ) mede
1,5 ⋅ 1011m e que o raio da órbita de Júpiter (RJ ) equivale a 7,5 ⋅ 1011m .

66. (Unicamp) Quando o segmento de reta que liga Júpiter ao Sol faz um ângulo de 120º com
o segmento de reta que liga a Terra ao Sol, a distância entre os dois planetas é de

a) R2J + R2T − RJRT 3

b) R2J + R2T + RJRT 3

c) R2J + R2T − RJRT

d) R2J + R2T + RJRT

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES:


Adote os conceitos da Mecânica Newtoniana e as seguintes convenções:

• O valor da aceleração da gravidade: g = 10 m/s2 ;


• A resistência do ar pode ser desconsiderada.

67. (Ufpb) Um vagão gôndola, mostrado na figura a seguir, transportando minério de ferro,
deve descer uma rampa inclinada para entrar em uma mina a certa profundidade do solo.

Página 26 de 76
LEIS DE NEWTON

Para controlar a velocidade de descida do vagão, um cabo de aço é amarrado a esse vagão e
a uma máquina que está na parte superior da rampa. Esse cabo aplica, no vagão, uma força
paralela à rampa e orientada para a máquina. Essa situação pode ser descrita em um
diagrama vetorial em que as forças aplicadas possuem as seguintes notações:

• T é a força feita pelo cabo de aço na gôndola;


• fa é a força de atrito na gôndola;
• P é a força peso da gôndola;
• N é a força normal na gôndola.

Nesse contexto, a situação descrita está corretamente reproduzida no diagrama vetorial:

a)

b)

c)

d)

e)

68. (Ufpb) Durante uma pesquisa em Botânica, realizada no interior de uma estufa, biólogos
observaram que o aumento da massa, ∆M , de uma determinada planta dependia das
seguintes grandezas físicas:

• F: fluxo de água depositada no solo, expresso em m3 /s ;


• d: densidade de nutrientes no solo, expresso em kg/m3 ;

Página 27 de 76
LEIS DE NEWTON

• ∆t : intervalo de tempo do experimento, expresso em segundos.

A partir das observações realizadas, os pesquisadores elaboraram uma equação empírica para
expressar o aumento da massa dessa planta em termos das grandezas apresentadas.
Nesse sentido, o aumento dessa massa pode ser, adequadamente, representado na equação:
a) ∆M = Fd
b) ∆M = Fd2 ∆t
c) ∆M = Fd2 ∆t 2
d) ∆M = Fd∆t
e) ∆M = F2 d∆t 2

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 3 QUESTÕES:


Quando precisar use os seguintes valores para as constantes:
1 ton de TNT = 4,0 ⋅ 109 J .
Aceleração da gravidade = g = 10 m/s2 .
1 atm = 105Pa .
Massa específica do ferro ρ = 8000 kg/m3 .
Raio da Terra = R = 6400 km .
Permeabilidade magnética do vácuo μ=
0 4 π ⋅ 10−7 N/A 2 .

69. (Ita) Considere uma rampa plana, inclinada de um ângulo θ em relação à horizontal, no
início da qual encontra-se um carrinho. Ele então recebe uma pancada que o faz subir até uma
certa distância, durante o tempo ts, descendo em seguida até sua posição inicial. A “viagem”
completa dura um tempo total t. Sendo μ o coeficiente de atrito cinético entre o carrinho e a
rampa, a relação t/ts é igual a.
a) 2
b) 1 + (tan θ + μ ) / tan θ − μ

c) 1 + (cos θ + μ ) / cos θ − μ

d) 1 + (senθ + μ ) / cos θ − μ

e) 1 − (tan θ + μ ) / tan θ − μ

70. (Ita) Um elevador sobe verticalmente com aceleração constante e igual a a. No seu teto está
preso um conjunto de dois sistemas massa-mola acoplados em série, conforme a figura. O primeiro
tem massa m1 e constante de mola k1 , e o segundo, massa m2 e constante de mola k 2 . Ambas as
molas têm o mesmo comprimento natural (sem deformação)  . Na condição de equilíbrio estático
relativo ao elevador, a deformação da mola de constante k1 é y, e a da outra, x. Pode-se então
afirmar que (y − x) é

a) [(k 2 − k1 )m2 + k 2m1 ] (g − a)/k1k 2


b) [(k 2 + k1 )m2 + k 2m1 ] (g − a)/k1k 2
c) [(k 2 − k1 )m2 + k 2m1 ] (g + a)/k1k 2

Página 28 de 76
LEIS DE NEWTON

d) [(k 2 + k1 )m2 + k 2m1 ] (g + a)/k1k 2 − 2


e) [(k 2 − k1 )m2 + k 2m1 ] (g + a)/k1k 2 + 2

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


Dois blocos, de massas m1=3,0 kg e m2=1,0 kg, ligados por um fio inextensível, podem deslizar
sem atrito sobre um plano horizontal. Esses blocos são puxados por uma força horizontal F de
módulo F=6 N, conforme a figura a seguir.

(Desconsidere a massa do fio).

71. (Ufrgs) A tensão no fio que liga os dois blocos é


a) zero.
b) 2,0 N.
c) 3,0 N.
d) 4,5 N.
e) 6,0 N.

72. (Ufsm) A produção de alimentos é muito influenciada pelas estações do ano, que se
repetem em ciclos anuais e se caracterizam pela variação da inclinação do movimento
aparente do Sol em relação a Terra. A mudança na duração relativa dos dias, períodos em que
o Sol está acima do horizonte, e das noites, períodos em que o Sol está abaixo do horizonte,
altera a incidência de radiação sobre as plantas. Essas mudanças ocorrem como consequência
da inclinação do eixo de rotação da Terra em relação ao plano da sua órbita, aproximadamente
circular, em torno do Sol. Para que a Terra orbite em torno do Sol, é necessário que

I. exista uma força de atração entre o Sol e a Terra.


II. a velocidade da Terra em relação ao Sol seja perpendicular ao segmento de reta que os
une.
III. a Terra gire em torno de seu próprio eixo.

Está(ão) correta(s)
a) apenas I.
b) apenas II.
c) apenas III.
d) apenas I e II.
e) apenas I e III.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:


Se precisar, utilize os valores das constantes aqui relacionadas.

=
Constante dos gases: R 8 J (mol ⋅ K).
Pressão atmosférica ao nível do mar: P0 = 100 kPa.
Massa molecular do CO2 = 44 u.
Calor latente do gelo: 80 cal g.
Calor específico do gelo: 0,5 cal (g ⋅ K).
1cal= 4 × 107 erg.
Aceleração da gravidade: g = 10,0m s2 .

Página 29 de 76
LEIS DE NEWTON

73. (Ita) Uma massa puntiforme é abandonada com impulso inicial desprezível do topo de um
hemisfério maciço em repouso sobre uma superfície horizontal. Ao descolar-se da superfície do
hemisfério, a massa terá percorrido um ângulo θ em relação à vertical. Este experimento é
realizado nas três condições seguintes, I, II e III, quando são medidos os respectivos ângulos
θI, θII e θIII :

I. O hemisfério é mantido preso à superfície horizontal e não há atrito entre a massa e o


hemisfério.
II. O hemisfério é mantido preso à superfície horizontal, mas há atrito entre a massa e o
hemisfério.
III. O hemisfério e a massa podem deslisar livremente pelas respectivas superfícies.

Nestas condições, pode-se afirmar que


a) θII < θI e θIII < θI.
b) θII < θI e θIII > θI.
c) θII > θI e θIII < θI.
d) θII > θI e θIII > θI.
e) θI = θIII.

74. (Ita) Um cilindro de altura h e raio a, com αgua atι uma certa altura, gira com velocidade angular ω
constante. Qual o valor mαximo de ω para que a αgua nγo transborde, sabendo que neste limite a altura z
(ver figura) ι igual a h / 3 + ω2a2 / ( 4g) ?

Dado: num referencial que gira com o cilindro, e, portanto, considerando a forηa centrνfuga, todos os
pontos da superfνcie da αgua tκm mesma energia potencial.
a) ω = 2gh / 3a2( )
b) ω = 4ga / ( 9h2 )

c) ω = 4ga / ( 3h2 )

d) ω = 4gh / ( 3a2 )

e) ω = 4gh / ( 9a2 )

75. (Fuvest) Uma estação espacial foi projetada com formato cilíndrico, de raio R igual a 100
m, como ilustra a figura abaixo.

Página 30 de 76
LEIS DE NEWTON

Para simular o efeito gravitacional e permitir que as pessoas caminhem na parte interna da
casca cilíndrica, a estação gira em torno de seu eixo, com velocidade angular constante ω. As
pessoas terão sensação de peso, como se estivessem na Terra, se a velocidade ω for de,
aproximadamente,

Note e adote:
2
A aceleração gravitacional na superfície da Terra é g = 10 m/s .
a) 0,1 rad/s
b) 0,3 rad/s
c) 1 rad/s
d) 3 rad/s
e) 10 rad/s

76. (Upe) Três partículas idênticas de massa 0,5 kg giram em um plano sem atrito,
perpendicular ao eixo de rotação E, conectadas por barras de massas desprezíveis e
comprimentos L = 1,0 m cada uma. Observe a figura a seguir:

Sabendo-se que a tensão na barra que une as partículas 2 e 3 vale 13,5 N e que a velocidade
angular de rotação do sistema é constante, determine o módulo da velocidade tangencial da
partícula 1.
a) 1 m/s
b) 2 m/s
c) 3 m/s
d) 4 m/s
e) 5 m/s

77. (Unesp) Em um show de patinação no gelo, duas garotas de massas iguais giram em
movimento circular uniforme em torno de uma haste vertical fixa, perpendicular ao plano
horizontal. Duas fitas, F1 e F2, inextensíveis, de massas desprezíveis e mantidas na horizontal,
ligam uma garota à outra, e uma delas à haste. Enquanto as garotas patinam, as fitas, a haste
e os centros de massa das garotas mantêm-se num mesmo plano perpendicular ao piso plano
e horizontal

Página 31 de 76
LEIS DE NEWTON

Considerando as informações indicadas na figura, que o módulo da força de tração na fita F1 é


igual a 120 N e desprezando o atrito e a resistência do ar, é correto afirmar que o módulo da
força de tração, em newtons, na fita F2 é igual a
a) 120.
b) 240.
c) 60.
d) 210.
e) 180.

78. (Fuvest) O pêndulo de um relógio é constituído por uma haste rígida com um disco de
metal preso em uma de suas extremidades. O disco oscila entre as posições A e C, enquanto a
outra extremidade da haste permanece imóvel no ponto P. A figura abaixo ilustra o sistema. A
força resultante que atua no disco quando ele passa por B, com a haste na direção vertical, é

(Note e adote: g é a aceleração local da gravidade.)


a) nula.
b) vertical, com sentido para cima.
c) vertical, com sentido para baixo.
d) horizontal, com sentido para a direita.
e) horizontal, com sentido para a esquerda.

79. (Unesp) A figura representa, de forma simplificada, o autódromo de Tarumã, localizado na


cidade de Viamão, na Grande Porto Alegre. Em um evento comemorativo, três veículos de
diferentes categorias do automobilismo, um kart (K), um fórmula 1 (F) e um stock-car (S),
passam por diferentes curvas do circuito, com velocidades escalares iguais e constantes.

Página 32 de 76
LEIS DE NEWTON

As tabelas 1 e 2 indicam, respectivamente e de forma comparativa, as massas de cada veículo


e os raios de curvatura das curvas representadas na figura, nas posições onde se encontram
os veículos.

TABELA 1 TABELA 2
Veículo Massa Curva Raio
kart M Tala Larga 2R
fórmula 1 3M do Laço R
stock-car 6M Um 3R

Sendo FK, FF e FS os módulos das forças resultantes centrípetas que atuam em cada um dos
veículos nas posições em que eles se encontram na figura, é correto afirmar que
a) FS < FK < FF.
b) FK < FS < FF.
c) FK < FF < FS.
d) FF < FS < FK.
e) FS < FF < FK.

80. (Ibmecrj) Um avião de acrobacias descreve a seguinte trajetória descrita na figura abaixo:

Ao passar pelo ponto mais baixo da trajetória a força exercida pelo banco da aeronave sobre o
piloto que a comanda é:
a) igual ao peso do piloto.
b) maior que o peso do piloto.
c) menor que o peso do piloto.
d) nula.
e) duas vezes maior do que o peso do piloto.

81. (Epcar (Afa)) Em um local onde a aceleração da gravidade vale g, uma partícula move-se
sem atrito sobre uma pista circular que, por sua vez, possui uma inclinação θ. Essa partícula
está presa a um poste central, por meio de um fio ideal de comprimento  que, através de uma
articulação, pode girar livremente em torno do poste. O fio é mantido paralelo à superfície da
pista, conforme figura abaixo.

Página 33 de 76
LEIS DE NEWTON

Ao girar com uma determinada velocidade constante, a partícula fica “flutuando” sobre a
superfície inclinada da pista, ou seja, a partícula fica na iminência de perder o contato com a
pista e, além disso, descreve uma trajetória circular com centro em C, também indicado na
figura.
Nessas condições, a velocidade linear da partícula deve ser igual a
3 
a)  g 
2 
b) ( g )
c) 3 g
d) 4 2 ( g )

82. (Ita) Uma corda, de massa desprezível, tem fixada em cada uma de suas extremidades, F
e G, uma partícula de massa m. Esse sistema encontra-se em equilíbrio apoiado numa
superfície cilíndrica sem atrito, de raio r, abrangendo um ângulo de 90° e simetricamente
disposto em relação ao ápice P do cilindro, conforme mostra a figura. Se a corda for levemente
deslocada e começa a escorregar no sentido anti-horário, o ângulo θ ≡ FOP ˆ em que a
partícula na extremidade F perde contato com a superfície é tal que

a) 2 cos θ = 1.
b) 2 cos θ − sen θ =
2.
c) 2 sen θ + cos θ =
2.
d) 2 cos θ + sen θ =
2.
e) 2 cos θ + sen θ =
2 2.

83. (Fgv) Em um dia muito chuvoso, um automóvel, de massa m, trafega por um trecho
horizontal e circular de raio R. Prevendo situações como essa, em que o atrito dos pneus com
a pista praticamente desaparece, a pista é construída com uma sobre-elevação externa de um
ângulo α , como mostra a figura. A aceleração da gravidade no local é g.

A máxima velocidade que o automóvel, tido como ponto material, poderá desenvolver nesse
trecho, considerando ausência total de atrito, sem derrapar, é dada por

Página 34 de 76
LEIS DE NEWTON

a) m ⋅ g ⋅ R ⋅ tgα .
b) m ⋅ g ⋅ R ⋅ cosα .
c) g ⋅ R ⋅ tgα .
d) g ⋅ R ⋅ cosα .
e) g ⋅ R ⋅ senα .

84. (Esc. Naval) Um pêndulo, composto de um fio ideal de comprimento L = 2,00 m e uma
massa M = 20,0 kg, executa um movimento vertical de tal forma que a massa M atinge uma
altura máxima de 0,400 m em relação ao seu nível mais baixo. A força máxima, em newtons,
que agirá no fio durante o movimento será

Dado: g = 10,0 m s2
a) 280
b) 140
c) 120
d) 80,0
e) 60,0

85. (Unesp) Uma pequena esfera de massa m, eletrizada com uma carga elétrica q > 0 , está
presa a um ponto fixo P por um fio isolante, numa região do espaço em que existe um campo
elétrico uniforme e vertical de módulo E, paralelo à aceleração gravitacional g, conforme mostra
a figura. Dessa forma, inclinando o fio de um ângulo θ em relação à vertical, mantendo-o
esticado e dando um impulso inicial (de intensidade adequada) na esfera com direção
perpendicular ao plano vertical que contém a esfera e o ponto P, a pequena esfera passa a
descrever um movimento circular e uniforme ao redor do ponto C.

Na situação descrita, a resultante das forças que atuam sobre a esfera tem intensidade dada
por
a) (m ⋅ g + q ⋅ E) ⋅ cos θ
b) (m ⋅ g − q ⋅ E ⋅ 2) ⋅ senθ
c) (m ⋅ g + q ⋅ E) ⋅ senθ ⋅ cos θ
d) (m ⋅ g + q ⋅ E) ⋅ tgθ
e) m ⋅ g + q ⋅ E ⋅ tgθ

86. (Uff) Uma criança se balança em um balanço, como representado esquematicamente na



figura a seguir. Assinale a alternativa que melhor representa a aceleração a da criança no
instante em que ela passa pelo ponto mais baixo de sua trajetória.

Página 35 de 76
LEIS DE NEWTON

a)
b)

c)

d)
e)

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 3 QUESTÕES:


Quando precisar use os seguintes valores para as constantes:
1 ton de TNT = 4,0 ⋅ 109 J .
Aceleração da gravidade = g = 10 m/s2 .
1 atm = 105Pa .
Massa específica do ferro ρ = 8000 kg/m3 .
Raio da Terra = R = 6400 km .
Permeabilidade magnética do vácuo μ=
0 4 π ⋅ 10−7 N/A 2 .

87. (Ita) Um funil que gira com velocidade angular uniforme em torno do seu eixo vertical de
simetria apresenta uma superfície crônica que forma um ângulo θ com a horizontal, conforme
a figura. Sobre esta superfície, uma pequena esfera gira com a mesma velocidade angular
mantendo-se a uma distância d do eixo de rotação. Nestas condições, o período de rotação do
funil é dado por

a) 2π d / g senθ
b) 2π d / g cosθ
c) 2π d / g tanθ
d) 2π 2d / g sen2θ
e) 2π dcos θ / g tanθ

Página 36 de 76
LEIS DE NEWTON

Gabarito:

Resposta da questão 1:
[C]

Depois de lançado, a componente horizontal da velocidade vetorial do pacote não mais se


altera, pois não há forças aplicadas no pacote nessa direção. Ou seja, nessa direção o
movimento é retilíneo e uniforme. Se cada pacote lançado atinge o solo em um ponto
exatamente embaixo do helicóptero, então a aeronave também está em MRU, sendo, então,
constante a velocidade e nula e aceleração.

Resposta da questão 2:
[E]

3
=
Dados: =
M 40kg; =
a 0,4m; =
dag 1.000kg / m ; x0 5cm.

Calculando a constante elástica da mola.


m g 400
Felá = P ⇒ k x 0 = m g ⇒ k = = ⇒ k = 80 N/cm.
x0 5

Na nova situação, o volume imerso é igual à metade do volume do corpo. Assim, no equilíbrio,
a resultante das forças atuantes, peso, empuxo e força elástica é nula.
( 0,4 )3
Felá + E = P ⇒ k x + dág Vim g = m g ⇒ 80 x + 103 × × 10 = 400 ⇒
2

80
80 x= 400 − 320 ⇒ x= ⇒ x= 1 cm.
80

Resposta da questão 3:
[B]

Dados:
q = e= 1,6 × 10−19 C; g =
10 m/s2 ; E = 3,2 × 10−15 kg.
2 × 103 N/m; m =

Como a velocidade é constante, a resultante das forças que agem sobre essa esfera é nula.
Isso significa que o peso e a força elétrica têm mesma intensidade e sentidos opostos. Assim,
a força elétrica tem sentido oposto ao do campo elétrico, indicando que a carga dessa esfera é
negativa. Portanto, a esfera tem mais elétrons que prótons.
A figura ilustra a situação.

Sendo n o número de elétrons a mais, temos:


mg 3,2 × 10−15 × 10
F= P ⇒ q E= m g ⇒ n e E= m g ⇒ n= ⇒ n= ⇒
eE 1,6 × 10−19 × 2 × 103
n = 100.

Página 37 de 76
LEIS DE NEWTON

Resposta da questão 4:
Sem resposta.

Gabarito Oficial: [A]


Gabarito SuperPro®: Sem resposta.

O próprio enunciado afirma que a carga do balão é negativa, mas não coloca o sinal (–) em
nenhuma das opções, que apresentam apenas o módulo dessa carga.
Se o balão está em equilíbrio, a intensidade da força elétrica é igual à do peso.
m g 10−1 ⋅ 10
Fel =
P ⇒ q E=
mg ⇒ q = = 2 × 10−4 ⇒
= 200 × 10−6 C ⇒
q =
E 50

q = −200 μC.

Resposta da questão 5:
[B]

[I] CORRETA. Se a resultante das forças é não nula, o avião deve sofrer aceleração, não
podendo estar em MRU.
[II] CORRETA. Pelo Princípio da Inércia, se a resultante das forças é nula, ele pode estar em
repouso ou em MRU.
[III] INCORRETA. Isso é garantido pelo Princípio da AÇÃO-REAÇÃO.

Resposta da questão 6:
[A]

Se o bloco não acelera, é porque a resultante das forças sobre ele é nula. Ou seja, a força de
atrito e a força aplicada pelo estudante têm a mesma intensidade:
R=F

Resposta da questão 7:
[A]

Se o ângulo de inclinação do plano de subida for reduzido à zero, a esfera passa a se deslocar
num plano horizontal. Sendo desprezíveis as forças dissipativas, a resultante das forças sobre
ela é nula, portanto o impulso da resultante também é nulo, ocorrendo conservação da
quantidade de movimento. Então, por inércia, a velocidade se mantém constante.

Resposta da questão 8:
[E]

Como a velocidade é constante, de acordo com o princípio da inércia, a resultante das forças é
nula. Então o peso (para baixo) é equilibrado pela soma do empuxo com a força de arrasto
(para cima). Assim: P = E + A.

Resposta da questão 9:
[E]

=
Dados: m 120kg; = =
ΔS 5m; =
h 1,5m; g 9,8m / s2= ; Fat 564N.
Considerando que as velocidades inicial e final sejam nulas, o trabalho é mínimo quando a
força na subida da rampa é aplicada paralelamente ao deslocamento. Aplicando o teorema da
energia cinética, temos:

Página 38 de 76
LEIS DE NEWTON

s =ΔEC ⇒ WF + WP + WFat



WRe  = 0 ⇒ WF − m g h − Fat ΔS =0 ⇒
WF = m g h + Fat ΔS ⇒ WF = 120 × 9,8 × 1,5 + 564 × 5 = 1.764 + 2.820 ⇒

WF = 4.584 J.

Resposta da questão 10:


[B]

Pelo Princípio da Inércia, se o animal cai com velocidade constante, a resultante das forças
sobre ele é nula, portanto o peso e força de resistência do ar se equilibram.

Resposta da questão 11:


[C]

Inércia é a resistência natural que um corpo oferece quando se tenta alterar seu estado de
movimento ou de repouso. A medida da Inércia de um corpo é sua massa. Peso é a força que
o campo gravitacional local aplica no corpo.

Resposta da questão 12:


[B]

Se a velocidade vetorial é constante, o movimento é retilíneo e uniforme. O Princípio da Inércia


(1ª Lei de Newton) estabelece que, nessas condições, a resultante das forças atuantes sobre o
paraquedista é nula.

Resposta da questão 13:


[C]

A velocidade atinge valor máximo quando a força de resistência do ar equilibrar a força de


tração.
10
Far =F ⇒ 0,4 V 2 = 10 ⇒ V 2 = ⇒ V 2 =25 ⇒
0,4

V = 5 m / s.

Resposta da questão 14:


[A]

A lei de inércia afirma que um corpo tende sempre a manter seu estado de movimento ou de
repouso. Manterá se a resultante das forças sobre ele for nula. No caso da bola solta dentro do
vagão, a resultante das forças horizontais é nula, então, por inércia, ela mantém a componente
horizontal de sua velocidade, caindo junto aos pés da pessoa.

Resposta da questão 15:


[C]
2
Dados: m = 200 kg; g = 10 m/s ; sen θ = 0,6 e cos θ = 0,8.

Como o movimento é retilíneo e uniforme, pelo Princípio da Inércia (1ª lei de Newton), a
resultante das forças que agem no recipiente é nula. Assim, as três forças mencionadas devem
fechar um triângulo, como mostrado na figura.

Página 39 de 76
LEIS DE NEWTON

F senθ 0,6
tgθ = ⇒ F = P tgθ = m g = 200 (10 ) ⇒
P cos θ 0,8
F = 1.500 N.

Resposta da questão 16:


[A]
2 3 3 3
Dados: g = 10 m/s , dágua = 1 g/cm e dóleo = 0,9 g/cm ; Vágua = 0,6 L = 600 cm ; Vóleo = 1 L =
3
1.000 cm ; x1 = 60 – 45 = 15 cm; x2 = 90 – 45 = 45 cm.
Como há equilíbrio, nos dois casos, os pesos são equilibrados pelas forças elásticas. Assim:

F = P
1 balde + Págua (
⇒ k1 x1 = mbalde + dágua Vágua )g k1 15 300 + 1× 600
 =÷ ⇒ ⇒
F2 = Pbalde + Póleo ⇒ k1 x1 = ( mbalde + dóleo Vóleo ) g k 2 45 300 + 0,9 × 1 000

k1 900 k1 9
= ⇒ = ⇒
3 k 2 1 200 k2 4

k1
= 2,25.
k2

Resposta da questão 17:


[D]

Nos dois casos a aceleração tem mesmo módulo:


F
F= (m1 + m2 ) a ⇒ F= (m1 + 3 m1 ) a ⇒ F = 4 m1 a ⇒ a =
4 m1
.

Calculando as forças de contato:


 F 3F
F12 = m2 a ⇒ F12 = 3 m1 ⇒ F12 = .
 4 m1 4

 F F
F21 = m1 a ⇒ F21 = m1 4 m ⇒ F21 = 4 .
 1

Resposta da questão 18:


[E]

Na Figura 1, calculamos a altura (h) e a distância percorrida (ΔS) percorrida pelo menino.

Página 40 de 76
LEIS DE NEWTON

 h 0,6 h 3 × 4,8
tg θ= 4,8 ⇒ 0,8= 4,8
⇒ h=
4
⇒ h= 3,6 m.

sen θ = h ⇒ 0,6 = 3,6
⇒ ΔS =
3,6
⇒ ΔS = 6 m.
 ΔS ΔS 0,6

Aplicando o Teorema da Energia Cinética na Figura 2.


m v 2 m v 02
WR = ΔEC ⇒ WP + WN + WFat
 = − ⇒
2 2
m v2 m v2
m g h + 0 + Fat Δ
=S − 0 ⇒ m g h − μ m g cos β Δ
=S ⇒
2 2

m g h − μ m g cos β=
ΔS
m v2
2

= v (
2 g h − μ g ΔS cos β ) ⇒

=
v 2 (10 × 3,6 ) − ( 0,25 × 10 × 6 × 0,8 )=
 48 ⇒ =
v 4 3 m/s.

Calculando o módulo da variação da Quantidade de Movimento:

ΔQ= m ( v − v 0 = (
) 60 4 3 − 0 ) ⇒ ΔQ= 240 3 kg ⋅ m ⋅ s−1.

Resposta da questão 19:


[A]

Como o módulo da velocidade é constante, o movimento do coelhinho é circular uniforme,


sendo nulo o módulo da componente tangencial da aceleração no terceiro quadrinho.

Resposta da questão 20:


[A]

A figura mostra as forηas que agem sobre o bloco e as componentes do peso.

Na direηγo paralela ao plano inclinado, a resultante ι a componente tangencial do peso.


Aplicando o Princνpio Fundamental da Dinβmica:
Px= m a ⇒ m g sen θ= m a ⇒ a= g sen θ.

Página 41 de 76
LEIS DE NEWTON

Como se pode notar, a intensidade da aceleraηγo independe da massa, tendo o mesmo valor
para a crianηa e para o adulto. Assim:
aadulto
= 1.
acriança

Resposta da questão 21:


[D]

O ventilador sopra ar para frente, recebendo uma força de reação para trás; todo o vento
soprado atinge a vela, aplicando nela uma força para frente. Assim, agem no sistema barco-
vela-ventilador duas forças de mesma intensidade e de sentidos opostos, sendo nula a
resultante nesse sistema. Portanto, nenhuma alteração ocorre no movimento do barco.

Resposta da questão 22:


[B]

[I] INCORRETA. Pelo Princípio da Ação-Reação, essas forças têm a mesma intensidade.
[II] INCORRETA. De acordo com a 2ª Lei de Kepler, se a trajetória do cometa é elíptica, seu
movimento é acelerado quando ele se aproxima do Sol e, retardado, quando se afasta.
[III] CORRETA. A 3ª Lei de Kepler garante que corpos mais afastados do Sol têm maior
período de translação.

Resposta da questão 23:


[B]

No início, a força de atrito (A) é estática e tem valor nulo. À medida que o operário aumenta a
intensidade da força aplicada, a intensidade da força de atrito estática também aumenta, até
atingir o valor máximo (A máx = μ eN), na iminência de escorregamento. Ultrapassado esse
valor, a caixa entra em movimento, a força de atrito passa a ser cinética, constante
(A cin = μc N), sendo A cin < A máx , pois o coeficiente de atrito cinético é menor que o estático.

Resposta da questão 24:


[B]

=
Dados: =
m 900kg; =
F 2.900N; =
μC 0,25; =
μE 0,35; g 10m / s2 .

Calculando a força de atrito estático máxima:


Fat máx = μE N= μE m g= 0,35 ⋅ 900 ⋅ 10= Fat máx = 3.150 N.

Como a força de atrito estático máxima tem maior intensidade que aplicada paralelamente ao
plano, o bloco não entra em movimento. Assim, a força resultante sobre ele é nula.
Então:

Fat =⇒
F Fat =
2.900 N.

Resposta da questão 25:


[A]

Como numa tubulação normal, a força de atrito entre o fluido (sangue) e as paredes da
tubulação (vasos sanguíneos) provoca perda de carga ao longo do percurso.

Resposta da questão 26:


[B]

Dados: M = 70 kg; m = 2 kg; µ =1,0;

Página 42 de 76
LEIS DE NEWTON

A figura mostra as forças atuantes nas telhas e no trabalhador.

Como se trata de repouso, tanto as forças atuantes no trabalhador como nas telhas estão
equilibradas. Sendo P1 o peso de uma telha e n a quantidade de telhas suspensas, temos:

- Nas telhas:
T =P =n P1 ⇒ T =n m g.

- No trabalhador:
Fat= Tx ⇒ Fat= T cos θ ⇒ Fat= n m gcos θ .

N + T=
y PT ⇒ N= M g − T sen θ ⇒ N= M g − n m g sen θ .

Na iminência de escorregar, a componente de atrito nos pés do trabalhador atinge intensidade


máxima.
=
Fatmáx n m gcos θ =
⇒ µ N n m gcos θ ⇒
µ (M g − n m g=
sen θ ) n m gcos θ ⇒
µ M g = µ n m g sen θ + n m g cos θ
µM
µ M = µ n m sen θ + n m cos θ ⇒ n = ⇒
m ( µ sen θ + cos θ )
1⋅ 70 70
= ⇒
2 ⋅ (1⋅ 0,8 + 0,6 ) 2,8

n = 25.

Resposta da questão 27:


[D]

[1] Incorreta. A maleta pode ser impedida de se mover pela ação da força de atrito.
[2] Correta. Se a trajetória é retilínea e horizontal, a intensidade (N) da força normal é igual a
do peso (P = m g), e a força resultante sobre a maleta é a força de atrito. Assim, na
iminência de a maleta escorregar:
Fres= m a ⇒ μ N= m a ⇒ μ m g= m a ⇒ a= μ g.
[3] Correta. Como mostrado no item anterior, a aceleração independe da massa, dependendo
apenas do coeficiente de atrito entre o materiais e da intensidade do campo gravitacional
local.

Comentário: nas afirmativas [2] e [3] deveria estar especificado que o movimento do avião é
retilíneo e horizontal.

Resposta da questão 28:


[D]

Página 43 de 76
LEIS DE NEWTON


O movimento é curvilíneo retardado. Portanto, a componente tangencial da aceleração ( at )

tem sentido oposto ao da velocidade a componente centrípeta ( ac ) dirigida para o centro. A
figura ilustra a situação.

Resposta da questão 29:


[C]

Para que as gotas de chuva não atinjam a parte traseira, as gotas devem cair, em relação ao
ônibus, verticalmente, ou inclinadas para trás.

As figuras mostram a velocidade das gotas (vg) para um referencial no ônibus, para os dois
casos.

Na Fig 1:
V = v sen θ.

Na Fig 2:

V
V > v sen θ ⇒ v sen θ < V ⇒ v< .
sen θ

Resposta da questão 30:


[A]

Após o lançamento, a única força que age sobre a bola é seu próprio peso, vertical e para
baixo.

Resposta da questão 31:


[D]

A figura mostra as componentes da força peso de um corpo que está sobre um plano inclinado:

Página 44 de 76
LEIS DE NEWTON

Calculando a intensidade (Px ) da componente paralela ao plano:


Px 3
sen 60=
° ⇒ P
=x P sen 60° ⇒ P
=x P .
P 2

Resposta da questão 32:


[C]

As figuras abaixo representam os sucessivos deslocamentos vetoriais e seus módulos, bem


como o deslocamento resultante.

Calculando o módulo do deslocamento resultante:


d2 = 502 + 4002 ⇒ d2 = 162.500 ⇒ d ≅ 403 km.

O tempo total gasto nesses deslocamentos é:


 18 12 

=t  +1+ = ( 0,3 + 1 + 0,5 )=
h 1,5 h.
 60 60 

A velocidade vetorial média tem módulo:


 d 403 
vm = = ⇒ vm = 268,7 km / h ⇒
∆t 1,5

vm ≅ 270 km / h.

Resposta da questão 33:


[A]

Em uma situação hipotética, onde não haveria a atuação da força F, se o conjunto fosse
abandonado do repouso, o cilindro 2 iria descer e promover a separação dos cilindros 1 e 3,
conforme figura abaixo:

Página 45 de 76
LEIS DE NEWTON

A partir desta situação hipotética, podemos concluir que, com a atuação da força F, teremos
uma aceleração mínima quando o cilindro 2 iniciar sua descida e os cilindros 1 e 2 ficarem na
iminência de perder o contato entre si, conforme figura abaixo:

Podemos concluir também, a partir da situação hipotética que, com a atuação da força F,
teremos uma aceleração máxima quando o cilindro 2 tender a se deslocar para cima do cilindro
1 e ficar na iminência de perder o contato com o cilindro 3, conforme figura abaixo:

Em ambos os casos, podemos escrever:

=R mtotal .a →
= F 3m.a

ACELERAÇÃO MÍNIMA: os cilindros 1 e 3 perdem contato entre si e o cilindro 2 fica em


contato com os cilindros 1 e 3.

Desenhando as forças que atuam nos cilindros:

Analisando o cilindro 2 (projeção vertical), teremos:

Página 46 de 76
LEIS DE NEWTON

3
N.cos30º + f.cos30º =P → (N + f ). =m.g (eq.1)
2

Analisando o cilindro 3 (projeção horizontal), teremos:

R = ma → N.cos 60º= ma → N = 2.ma (eq.2)

Analisando o cilindro 1 (projeção horizontal), teremos:

f
R= ma → F − f.cos 60º= ma → F − = ma
2

Mas como F = 3ma (análise inicial):

f f
F − = ma → 3ma − = ma → f = 4.ma (eq.3)
2 2

Substituindo “eq.2” e “eq.3” em “eq.1”:

3 3 3
(N + f ). = m.g → (2.ma + 4.ma). =
mg → 6.ma. =
mg
2 2 2
g
amínima =
3 3

ACELERAÇÃO MÁXIMA: o cilindro 2 perde contato com o cilindro 3 e mantém contato com o
cilindro 1.

Desenhando as forças que atuam nos cilindros 1 e 2:

Analisando o cilindro 2 (projeção horizontal), teremos:

R= ma → f.cos 60º= ma → f= 2.ma (eq.4)

Analisando o cilindro 2 (projeção vertical), teremos:

3 2.mg
f.sen60º = P → f. = mg → f = (eq.5)
2 3

Igualando “eq.4” com “eq.5”:

2.mg g
2.ma = → amáxima =
3 3

Página 47 de 76
LEIS DE NEWTON

CONCLUSÃO:

g g
≤a≤
3 3 3

Resposta da questão 34:


[C]

As forças do par ação-reação têm mesma intensidade, mesma direção e sentidos opostos,
conforme afirma a 3ª Lei de Newton (princípio da ação-reação).

Resposta da questão 35:


[A]

Essas forças formam um par ação-reação, portanto têm: mesmo módulo, mesma direção e
sentidos opostos.

Resposta da questão 36:


[E]

A força F acelera o conjunto.
FR = ma → 10 = 5a → a = 2,0m / s2

A força de atrito acelera o bloco de baixo.

Fat = ma → Fat = 4x2 = 8,0N

Resposta da questão 37:


[D]

Considerando o desenho, podemos trabalhar com as forças nas direções vertical e horizontal,
estabelecendo os equilíbrios:

Forças e suas componentes atuantes na vertical:


P + fat sen θ =
Ncos θ

=
mg N(cos θ − μ sen θ) (1)

Na direção horizontal:
=F Nsenθ + fat cos θ
=ma N(senθ + μ cos θ) (2)

Página 48 de 76
LEIS DE NEWTON

Dividindo (2) por (1), ficamos com:


=ma N(senθ + μ cos θ) a (senθ + μ cos θ)
⇒ = (3)
=
mg N(cos θ − μ sen θ) g (cos θ − μ sen θ)

Da segunda lei de Newton, extraímos a aceleração:


F
F= (m1 + m2 ) ⋅ a ⇒ F= 17a ⇒ a= (4)
17

Substituindo (4) em (3) e os valores:


F (0,6 + 0,2 ⋅ 0,8)
⇒ =
17 ⋅ 10 (0,8 − 0,2 ⋅ 0,6)
0,76
F= 170 ⋅ ⇒ F= 190 N
0,68

Resposta da questão 38:


[D]

Dado: N = 2 N; = θ 45°.
A figura ilustra a situação.

 
O bloco está sujeito a duas forças: O peso (P ) e a força aplicada pelo plano (F ) . Como ele
está em equilíbrio, a resultante dessas forças é nula, ou seja, elas têm mesma intensidade e
sentidos opostos.
Assim, da figura:
Fat F
=
tg 45 ° ⇒= 1 at ⇒ F= at 2 N.
N 2

Resposta da questão 39:


[D]

As figuras mostram as forças agindo no alpinista A na direção da tendência de escorregamento


(x) e direção perpendicular à superfície de apoio (y). No alpinista B, as forças são verticais e
horizontais.

Página 49 de 76
LEIS DE NEWTON

Como os dois estão em repouso, e considerando que o alpinista B esteja na iminência de


escorregar, temos:
 T + Fat A =
Px A
A →
 NA = Py A
 ⇒ Fat
= Px A - Fat A ⇒ Fat
= PA sen 60° − µ NA ⇒
 T = FatB B B

B →
 NB = PB

Fat=
B
PA sen 60° − µ PA cos 60° ⇒ Fat=
B
1.000 × 0,87 − 0,1× 1.000 × 0,5
= 870 − 50 ⇒

FatB = 820 N.

Resposta da questão 40:


[D]

Para haver movimento, a resultante das forças ativas deve ter intensidade maior que a da força
de atrito estática máxima.

Resposta da questão 41:


[C]

Quando a pessoa anda, ela aplica no solo uma força de atrito horizontal para trás. Pelo
Princípio da Ação-Reação, o solo aplica nos pés da pessoa uma reação, para frente (no
sentido do movimento), paralela ao solo.

Resposta da questão 42:


[D]

O acréscimo é igual à soma das trações.

Assim, pelo teorema dos cossenos:


2  1
F= T 2 + T 2 + 2 T T cos 60=
° 2 T2 + 2 T2   2
⇒ F= 3 T2 ⇒
2

F = 3 T.

Resposta da questão 43:


[A]
     
Dados: A = 6 u; B = 8 u; S= A + B = 10 u; D = A + C = 0.

Página 50 de 76
LEIS DE NEWTON

Embora já se saiba pela experiência que dois vetores de módulos 6u e 8u têm resultante de
módulo igual a 10u quando eles são perpendiculares entre si (α = 90°), comprovemos pela lei
dos cossenos.

S2 = A 2 + B2 + 2 A Bcos α ⇒ 102 = 62 + 82 + 2 ( 6 )( 8 ) cos α ⇒


96 cos α = 0 ⇒ cos α = 0 ⇒ α = 90°.

Essa conclusão nos leva à figura abaixo.

       
D= A+C = 0 ⇒ C=−A ⇒ C e A têm mesmo módulo e sentidos opostos ⇒
C = A = 10u.

A figura a seguir já mostra C.

     
As duas figuras a seguir mostram R= B + C e F= S+R
 
Pela regra do paralelogramo, notamos que F = 2 B
F = 2(8) ⇒ F = 16u.

Página 51 de 76
LEIS DE NEWTON

Resposta da questão 44:


[A]

A força de compressão entre um corpo e uma superfície e chamada força normal, pois é
sempre perpendicular à superfície.

Resposta da questão 45:


[C]


Nas Figuras X e Y a força F apresenta componentes vertical e horizontal. Como o movimento
é retilíneo, as forças verticais estão equilibradas. Assim, analisando cada uma das figuras:

Figura X: N = P + Fy ⇒ N > P

Figura Y: N + Fy = P ⇒ N < P

Figura Z: N = P

Resposta da questão 46:


[D]

Página 52 de 76
LEIS DE NEWTON

Consideremos que os livros 2 e 3 formem um único corpo de peso 16 N. A normal que o livro 1
exerce no livro 2 (N12 ) deve equilibrar o peso desse corpo. Portanto:
N12 = 16 N.

Pelo princípio da Ação-reação, o livro 2 exerce no livro 1 uma força de mesma intensidade, em
sentido oposto. Assim:
N=21 N =12 16 N.

Resposta da questão 47:


[C]

A Lei da Ação e Reação (3ª Lei de Newton) afirma que as forças do par Ação-Reação:
- São da mesma interação (Mônica-corda);
- Agem em corpos diferentes (uma na Mônica e a outra na corda), portanto não se equilibram,
pois agem em corpos diferentes;
- São recíprocas (Mônica na corda/corda na Mônica) e simultâneas;
- Têm mesma intensidade, mesma direção e sentidos opostos.

Resposta da questão 48:


Gabarito oficial: [D].

Gabarito SuperPro®: Sem resposta.

Como se trata de equilíbrio:


No haltere:
      
F1 + F2 =0 ⇒ F2 = −F1 ⇒ F2 =F1 .

No conjunto:
   
F2 + F4 + F3 =
0.

Mas:
 
F2 = −F1.

Então:
      
−F1 + F3 + F4 = 0 ⇒ F1 = F3 + F4 ⇒
  
F=1 F3 + F4 .

Logo, têm mesmo módulo:


  
(
F1 e F3 + F4 .)
A banca examinadora fez confusão quanto à forma de escrever uma equação na forma vetorial
e na forma escalar. A alternativa ficaria correta se fosse assim expressa:
  
=
F1 F3 − F4 .

Resposta da questão 49:


[E]

Ação e reação são forças de mesma intensidade, mesma direção e sentidos opostos, porém,
não se equilibram, pois não atuam no mesmo corpo.

Resposta da questão 50:


[D]

Apresentando as forças atuantes no bote coplanares ao leito do rio, temos:

Página 53 de 76
LEIS DE NEWTON

 
Em que Fx representa a componente da força F no sentido oposto da correnteza.

 
=
Fx =
F .cos37 ° 80.0,8
= 64N

Assim sendo, temos:


 
2. Fx − Fatr. =m. a

2.64 − Fatr. = 600.0,02

128 − Fatr. = 12

= 128 − 12
Fatr.

∴ Fatr. = 116N

Resposta da questão 51:


[A]

Dados: m = 225 kg; t = 3 s; ∆S = 4,5 m; v0 = 0; g = 10 m/s .


2

Calculando, então, o módulo da aceleração de cada bloco.


a 2 2∆S 2 ( 4,5 )
∆S= t ⇒ a= = ⇒ a= 1 m / s2 .
2 t2 32

Considerando desprezíveis as massas dos fios, a intensidade da resultante das forças externas
sobre o sistema formado pelos dois blocos é a diferença entre os módulos dos pesos.

Mg − mg =(M + m)a ⇒ M (10 ) − 225 (10 ) =M (1) + 225 (1) ⇒


2.475
10M − M= 225 + 2.250 ⇒ M= ⇒
9
M = 275 kg.

Resposta da questão 52:


[E]

Pela Segunda Lei de Newton, temos:

FR = m.a → T − P= ma → T − 15000= 1500x3 → T = 19500N.

Resposta da questão 53:


[B]

Apresentação das forças atuantes em cada bloco:

Página 54 de 76
LEIS DE NEWTON


Analisando as componentes da força peso (P) do bloco A em relação à direção do movimento
temos:

Em que:
 
=
PT =
P .sen37 ° 10.0,6
= 6,0N
 
=
PN P .cos37 = ° 10.0,8
= 8,0N
 
=T1 T = 2 T
 
Fat = μ. N
 
Fat=máx. =
0,75. = 6N
PN 0,75.8
 
=
Fat cin. =
0,25. = 2N
PN 0,25.8


Analisando as forças atuantes no conjunto, percebemos que a soma da componente PT com a
força de atrito estático máxima resulta:
 
PT. + Fatmáx. = 6 + 6 = 12N


Isso demonstra que para colocar o sistema em movimento, o módulo da força peso P do
bloco B deverá ser maior que 12N. Entretanto, devido ao módulo da força peso do bloco B ser
igual a 10N concluímos que o conjunto não entra em movimento. Assim sendo, a soma do

módulo da componente PT com o módulo da força de atrito estático deverá ser igual ao módulo
da força peso do bloco B. Logo:
  
PT. + Fat est. =
P


6 + Fat est. =10

∴ Fat est. = 4N

Resposta da questão 54:


[B]

Página 55 de 76
LEIS DE NEWTON

1ª Solução:
A figura mostra as forças (normal e peso) agindo no ciclista.

A resultante das forças é a componente tangencial do peso.


Aplicando o Princípio Fundamental da Dinâmica, Calculamos o módulo da aceleração escalar
na descida:
 1
Fres = Px ⇒ m a = m g sen 30° ⇒ a = g sen 30° = 10   ⇒ a = 5 m / s2 .
2

Aplicando a equação de Torricelli:


v 2 = v 02 + 2 a ∆S ⇒ v 2 = 02 + 2 ⋅ 5 ⋅ 1.440 ⇒ v = 14.400 ⇒
v = 120 m / s.

2ª Solução:
O sistema é conservativo.

Aplicando o teorema da conservação da energia mecânica entre os pontos A e B:


A B m v2 1
= EMec
EMec ⇒ = m g h ⇒ v 2= 2 g ∆S sen 30° ⇒ v= 2 ⋅ 10 ⋅ 1.440 ⋅ ⇒
2 2
v = 120 m / s.

Resposta da questão 55:


[A]

=
Dados: μ e μ=
; μc μ 2.
Para um corpo num plano inclinado com atrito temos:

Página 56 de 76
LEIS DE NEWTON

Px = Psenθ
=
N P= y Pcosθ

As figuras 1 e 2 mostram as forças paralelas ao plano inclinado nas duas situações propostas.

Como na situação da Figura 1 o corpo está na iminência de escorregamento, a força de atrito


tem intensidade máxima F= ( = μ=
at1 Fat máx eN μPy . )
Sendo uma situação de equilíbrio, a resultante das forças em cada um dos corpos é nula.
 A → Px − T1 = 0
 ( + ) ⇒ 2 Px − Fat =0 ⇒ 2 Px =μ Py ⇒
B → Px + T1 − Fat 1 =
0
2 sen θ
2m =g sen θ μ m gcos θ= ⇒ μ .
cos θ

O coeficiente de atrito cinético é:


2 sen θ
μ sen θ
μc = = cos θ ⇒ μc = .
2 2 cos θ

Na situação da Figura 2, o movimento é acelerado. Aplicando o Princípio Fundamental da


Dinâmica em cada corpo:
C → 2 Px − T2 = 2ma
 ( + ) ⇒ 2 Px + Px − μc=
Py 3 m a ⇒
B → Px + T2 − Fat 2 = ma
 sen θ
3 m g sen θ −   m gcos θ =3 m a ⇒ 3 g sen θ − g sen θ =3a ⇒
 cos θ 
2 g sen θ
a= .
3

Resposta da questão 56:


[B]

Página 57 de 76
LEIS DE NEWTON

O freio ABS é mais eficiente, pois impede o travamento das rodas, fazendo a frenagem com
força de atrito estática, que é maior que a dinâmica, pois o coeficiente de atrito estático e maior
que o dinâmico.

Resposta da questão 57:


[A]

Quando o carro não é provido de freios ABS, até um determinado valor de pressão no pedal, a
força de atrito é crescente, até atingir o valor máximo (fatmáx); a partir desse valor de pressão,
as rodas travam, e a força de atrito passa a ser cinética (fatcin), constante. Como o coeficiente
de atrito cinético é menor que o estático, a força de atrito cinética é menor que a força de atrito
estático máxima.
Para o carro com freios ABS, no limite de travar, quando a força de atrito atinge o valor máximo
(fatmáx), as rodas são liberadas, diminuindo ligeiramente o valor da força de atrito, que
novamente aumenta até o limite de travar e, assim, sucessivamente, mesmo que aumente a
pressão nos pedais.

Resposta da questão 58:


[E]

A figura a seguir ilustra a situação.

Como há equilíbrio:

Fat = P= x P sen15°

max
⇒=μ N P sen15° ⇒ μ P cos15
= ° P sen 15° ⇒
=
N P=y Pcos15°
sen 15°
=
μ = tg 15° ⇒ =μ 0,27.
cos15°

Resposta da questão 59:


[B]

A força mínima necessária para colocar o livro em movimento, tem que ser maior que a força
de atrito estática máxima.
F > Fatmáx ⇒ F > µe N ⇒ F > 0,1⋅ 10 ⇒ F > 1 N.

Observação: A rigor esta questão, tal como apresentada, não possui resposta, pois a
alternativa [B], para que fosse a correta, deveria ser “maior do que 1 N”.

Resposta da questão 60:


[D]

Analisando a refração da luz, antes do trem sofrer a aceleração, e aplicando a Lei de Snell
Descartes, teremos:

Página 58 de 76
LEIS DE NEWTON

3 3
nlíquido .senβ1 =nar .senθ1 → nlíquido .senβ1 =1. → senβ1 =
2 2.nlíquido
Onde β1 é o ângulo de refração na primeira situação.

Como o vagão se movimenta para a direita e sofre uma aceleração para a esquerda, o líquido
irá sofrer uma inclinação, representada por φ na figura abaixo.

Sendo assim, o novo ângulo de incidência ( θ2 ) do raio de luz passará a ser =


θ2 60º −φ .

Considerando o ponto “CM” como sendo o centro de massa do líquido e desenhando as forças
que atuam no líquido, teremos o seguinte esquema:

 
Onde P representa a força peso do líquido e N a força normal trocada entre o líquido e o
recipiente. Somando vetorialmente as forças, teremos a força resultante que proporciona a
aceleração sofrida pelo líquido.

   R
N+P =
R tgφ =
P
Como R = m.a e P = m.g :
R m.a a
tgφ = = → tgφ =
P m.g g
3
De acordo com o enunciado, a = g:
3
3
g
a 3 3
tgφ = → tgφ = → tgφ = → φ =30º
g g 3

Página 59 de 76
LEIS DE NEWTON

Como o ângulo de incidência ( θ2 ) na segunda situação passa a ser =


θ2 60º −φ , teremos:
θ2 = 60º −φ → θ2 = 60º −30º → θ2 = 30º

Aplicando a Lei de Snell Descartes na segunda situação:


1 1
nlíquido .senβ2 =
nar .senθ2 → nlíquido .senβ2 =
1. → senβ2 =
2 2.nlíquido
Onde β2 é o ângulo de refração na segunda situação.

Como o enunciado pede a razão entre os senos dos ângulos de refração dos raios refratados
na primeira e na segunda situações, teremos:
3
senβ1 2.nlíq. senβ1
= → = 3
senβ2 1 senβ2
2.nlíq.

Resposta da questão 61:


[E]

Analisando cada uma das afirmações:


I. Incorreta. Quando menor o ângulo Φ , mais inclinada está a pessoa, exigindo maior esforço
da coluna, portanto menor o peso que se consegue levantar.
II. Correta. Quanto maior o ângulo φ , mais ereto está o halterofilista, exigindo menor esforço
da coluna.
III. Correta. Quanto maior o valor de φ , menor a tensão na musculatura eretora ao se levantar
um peso, que é exatamente o que mostra o gráfico.

Resposta da questão 62:


[D]

Seja V o módulo desse vetor. Do gráfico: X = 5 m e Y = 10 m.


Então:
V 2 = X2 + Y 2 ⇒ V 2 =52 + 102 =25 + 100 ⇒ V = 125 ⇒ V =11,2 m.

Resposta da questão 63:


[C]
     
=
ΔQ Qfinal − Qinicial ⇒ = ( )
ΔQ Qfinal + −Qinicial .
Ou seja, subtrair é somar com o oposto.
Usando a regra da poligonal:

Resposta da questão 64:


[A]

Página 60 de 76
LEIS DE NEWTON

Observação: no enunciado, as forças deveriam levar o símbolo de vetor, pois, sem ele, refere-
se apenas ao módulo da força e módulo não tem direção. O correto é:

→ Fp : força paralela ao solo exercida pela pessoa;

→ Fa : força de atrito exercida pelo piso.

A caixa se desloca na mesma direção e sentido de Fp .

A força que a caixa exerce sobre a pessoa é FC .

 
( ) ( )
A força que a pessoa aplica na caixa Fp e a que a caixa aplica na pessoa FC formam um
par ação-reação, tendo, portanto, a mesma intensidade: Fp = FC .
Como o movimento é retilíneo e uniforme, as forças que agem sobre a caixa estão
equilibradas, ou seja: Fp = Fa . Assim: F=
p F=
C Fa

Resposta da questão 65:


[C]
 
( ) ( )
A força que a pessoa aplica na caixa Fp e a que a caixa aplica na pessoa FC formam um
par ação-reação, tendo, portanto, a mesma intensidade: Fp = Fc .
Como o movimento é retilíneo e acelerado, a força que a pessoa aplica na caixa tem
intensidade maior que a da força de atrito, ou seja: Fp > Fa .
Assim: F=
p Fc > Fa

Resposta da questão 66:


[D]

Lembrando que cos 120° = -0,5, aplicando a lei dos cossenos na figura abaixo, calculamos D:

D2 = RJ2 + R2T − 2RJRT cos120º ⇒ D2 = RJ2 + R2T − 2RJRT ( −0,5) ⇒


D= R2J + R2T + RJRT .

Resposta da questão 67:


[A]

Essas forças têm as seguintes características:



T : direção paralela à rampa e no sentido do vagão para a máquina, conforme afirma o
enunciado;

fa : força de atrito, paralela à rampa e em sentido oposto ao do movimento;

P : força peso, vertical e para baixo;

N : força normal, sempre perpendicular à superfície de apoio.

Assim, a representação correta dessas forças está na opção [A].

Página 61 de 76
LEIS DE NEWTON

OBS: os atritos internos de rolamento entre eixos e rodas são mais intensos que os atritos
entre as rodas e os trilhos, por isso, não consideramos normal o atrito como duas componentes
de uma mesma força.

Resposta da questão 68:


[D]

Sejam as seguintes dimensões:

M → Massa;
L → Comprimento;
T → Tempo.

Assim, para as grandezas apresentadas, temos:


[ΔM] = [M]
[F] = L3  T −1 
[d] = [M] T −3 
[Δt ] = [T ]
Seja: ΔM = F x dy Δt z a expressão que relaciona essas grandezas. Fazendo a análise
dimensional, temos:

{L  T } {[M] L } [T]


x y
=[M] [L ] [T ] 1 0 0 3 −1 −3 z

=[M]1 [L ]0 [T ]0 L3x  [T ]− x [M]y [L ]−3y [T ]z ⇒

[M]1 [L ]0 [T ]0 = [M]y [L ]3( x − y ) [T ]− x + z


Igualando os respectivos expoentes nos dois membros, montamos o sistema:

 y = 1 (I )

3 ( x − y ) =0 (II)

− x + z = 0 (III)

Substituindo (I) em (II):


3 ( x − y ) = 0 ⇒ 3 ( x − 1) = 0 ⇒ x = 1.

Em (III):
−1 + z= 0 ⇒ z= 1.

Substituindo esses valores na procurada:


Δ=
M F x dy Δt z ⇒ Δ=
M F1 d1 Δt1 ⇒
ΔM = F d Δt.

Resposta da questão 69:


[B]

Como o carrinho está apoiado em um plano inclinado, ele irá descrever um movimento retilíneo
uniformemente variado (MRUV), tanto na descida, como na subida.
a.t 2
A partir da equação dos espaços do MRUV ( ∆S= V0 .t + ) , teremos:
2

Página 62 de 76
LEIS DE NEWTON

a.t 2 2.∆S
V0 = 0 → ∆S= → t=
2 a

Como a distância na subida é igual à distância na descida, podemos escrever:


=
ΔSsubida Δ= Sdescida ΔS
2.∆S 2.∆S
t s= , t d= e =
t ts + td
as ad

Onde t s equivale ao tempo de subida, t0 equivale ao tempo de descida e t equivale ao tempo


total do movimento.

O enunciado pergunta a relação entre t e t s , ou seja:


2.∆S
t t +t t ad as t as
=s d =1+ d =1+ =1+ → =1+ (EQUAÇÃO 1)
ts ts ts 2.∆S ad ts ad
as

Para respondermos a pergunta do enunciado, teremos que encontrar a aceleração na subida


(as) e a aceleração na descida (ad), de acordo com a equação 1.

Análise das forças que atuam em um corpo apoiado num plano inclinado:

N = Py
= =
Px P.sen θ m.g.senθ
= =
Py P.cos θ m.g.cos θ

Lembre-se que:
FA : força de atrito
FA = μ ⋅ N
=
FA μ=
.Py μ.m.g.cos θ
FR : força resultante
FR = m.a

Corpo subindo o plano

Página 63 de 76
LEIS DE NEWTON

FR = Px + FA → m.as = m.g.senθ + μ.m.g.cos θ → as = g.senθ + μ.g.cos θ


=as g.(senθ + μ.cos θ)

Corpo descendo o plano

Px ≥ FA
FR = Px − FA → m.ad = m.g.senθ − μ.m.g.cos θ → ad = g.senθ − μ.g.cos θ
=ad g.(senθ − μ.cos θ)
Px ≥ FA ∴ ad ≥ 0
=ad g. | senθ − μ.cos θ |

Substituindo as e ad na equação 1, teremos:

t as t g.(senθ + μ.cos θ) t (senθ + μ.cos θ)


=+
1 → =+
1 → =+
1
ts ad ts g. | senθ − μ.cos θ | ts | senθ − μ.cos θ |
t (tanθ + μ )
= 1+
ts | tanθ − μ |

Resposta da questão 70:


[C]

Começaremos analisando a elongação da mola 1, ou seja, a mola de constante k1. Neste caso,
podemos analisar a elongação (y) considerando os dois blocos como um único de massa
m1+m2.

Página 64 de 76
LEIS DE NEWTON

Assim sendo:

k1 ⋅ y − (m1 + m2 ) ⋅ g = (m1 + m2 ) ⋅ a
k1 ⋅ y= (m1 + m2 ) ⋅ (a + g)
(m1 + m2 ) ⋅ (a + g)
y=
k1

Analisando o bloco de massa m2, temos:

k 2 ⋅ x − m2 ⋅ g= m2 ⋅ a
k 2 ⋅ x = m2 ⋅ (a + g)
m2 ⋅ (a + g)
x=
k2

Executando a operação y – x, temos:

(m1 + m2 ) ⋅ (a + g) m2 ⋅ (a + g)
=y−x −
k1 k2
k ⋅ (m1 + m2 ) ⋅ (a + g) − k1 ⋅ m2 ⋅ (a + g)
y − x =2
k1 ⋅ k 2
(k ⋅ m + k ⋅ m − k1 ⋅ m2 ) ⋅ (a + g)
y − x =2 1 2 2
k1 ⋅ k 2
[(k − k1) ⋅ m2 + k 2 ⋅ m1] ⋅ (a + g)
∴ y−x = 2
k1 ⋅ k 2

Resposta da questão 71:


[D]

Analisando as forças atuantes no sistema, podemos notar que a força F é responsável pela
aceleração dos dois blocos. Assim sendo:

=
R (m1 + m2 )a

Página 65 de 76
LEIS DE NEWTON

= (3 + 1)a
6
6= 4 ⋅ a
a = 1,5 m s2

Analisando agora, exclusivamente o corpo 1, notamos que a tensão é a força responsável pela
aceleração do mesmo.

=
T m1 ⋅ a
T= 3 ⋅ 1,5
T = 4,5 N

Resposta da questão 72:


[D]

[I] Correta. É necessária a força gravitacional agindo como resultante centrípeta.


[II] Correta. O vetor velocidade é tangente à trajetória e perpendicular ao raio.
[III] Incorreta. Os movimentos de rotação e translação são independentes.

Resposta da questão 73:


[C]

Condição I - Hemisfério fixo e a descida é sem atrito.

Aplicando a conservação da energia mecânica, considerando o plano de referência mostrado


na Figura 1:
m vB2
mec ⇒ m g (R − h1=
) ⇒ vB2= 2 g (R − h1 ) (I ) .
A
= EB
Emec
2

No ponto B, onde ocorre o descolamento, a normal se anula. Assim, a resultante centrípeta é a



componente radial do peso (Py ) .

m vB2
Py= Rcent ⇒ m g cos θ=I ⇒ vB2= R g cos θI (II).
R

Mas
h1
cos θI = (III).
R

Substituindo (III) em (II):


2 h 2
v=
B R g 1 ⇒ v= B g h1 (IV).
R

Igualando (IV) e (II):

Página 66 de 76
LEIS DE NEWTON

2
g h1 =2 g (R − h1 ) ⇒ h1 + 2 h1 =2 R = ⇒ h1 = R ( V ).
3

Substituindo (V) em (III):


( )
cos θI =
2 R
3 ⇒ cos θI =
2
(VI).
R 3

Página 67 de 76
LEIS DE NEWTON

Condição II - Hemisfério fixo e a descida é com atrito.

Como o sistema é não conservativo, a energia mecânica dissipada (Ed) entre A e C (ponto de
descolamento) é igual à diferença positiva entre energia mecânica inicial e a final.
Considerando o plano de referência indicado na Figura 2, temos:
m v C2 2 m g (R − h2 ) 2 Ed
Ed= EmecA C
− Emec ⇒ Ed= m g (R − h2 ) − ⇒ v C2 = − ⇒
2 m m
2 Ed
v C2 = 2 g R − 2 gh2 − ( VII) .
m

Repetindo o mesmo procedimento da condição anterior, para o novo ponto de descolamento


(C), obtemos:
m vB2
Py= Rcent ⇒ m g cos θII= ⇒ vB2= R g cos θII (VIII).
R

Mas
h2
cos θII = (IX).
R

Substituindo (IX) em (VIII):


h
vB2 R g 2 ⇒ =
= vB2 g h2 (X).
R

Igualando (X) e (VII):


2 Ed 2 Ed 2 gR 2 Ed
g h2 = 2 gR − 2 g h2 − ⇒ 3 g h2 = 2 gR − ⇒ h2 = − ⇒
m m 3g 3mg
2 2 Ed 
=
h2 R −  ( XI) .
3 3 m g

• Nota: como era de se esperar, a condição I é um caso particular da condição II, para quando
não há atrito (Ed = 0).
Comparando (V) e (XI) ⇒ h2 < h1 ⇒ cos θII < cos θI ⇒ θII > θ I.

Condição III - Hemisfério livre e a descida é sem atrito.


Nessa condição, na direção horizontal, o sistema é mecanicamente isolado. Assim, durante a
descida, nessa direção, o hemisfério ganha velocidade para a esquerda e a massa ganha um
adicional de velocidade para a direita. Então, ao passar por um mesmo ponto do hemisfério,
antes do descolamento, a velocidade na condição III é maior do que na condição I.
De acordo com a equação (IV), a velocidade e a altura no ponto de descolamento seguem a
expressão:

Página 68 de 76
LEIS DE NEWTON

v2
v2 = gh ⇒ h = ⇒ Quanto maior a velocidade, mais alto é o ponto de descolamento.
g
Sendo h3 a altura do ponto de descolamento na condição III, esse raciocínio nos leva a

concluir que: h3 > h1 ⇒ cos θIII > cos θI ⇒ θIII < θI .

Resposta da questão 74:


[D]

Quando uma força atua no sentido de levar o corpo para o ponto de referência, dizemos que
ela é uma força restauradora e associamos a ela uma energia potencial positiva e, quando atua
no sentido de afastar o corpo do ponto de referência, uma energia potencial negativa. Por
exemplo, para a força gravitacional, quando o corpo está acima do plano de referência a
energia potencial do sistema é positiva e, se está abaixo desse plano, a energia potencial é
negativa. Já para a força elástica, a energia potencial associada a ela é sempre positiva, pois
ela age sempre no sentido de levar o corpo para o ponto de referência, situação em que a mola
está relaxada.

No caso, como indica a figura, a força centrífuga (Fcf ) age no sentido de afastar o ponto P do
referencial. Devemos, então, associar a ela uma energia potencial negativa.

Sendo essa força diretamente proporcional à elongação:



Fcf = k x
 − m ω2 x 2
2
= k m ω ⇒
= Ep .
 2
2
E = − k x
 p 2

A energia potencial total associada a cada ponto é a soma da energia potencial devido à
rotação com a energia potencial gravitacional.
Como o enunciado afirma que a energia potencial é constante:
m ω2 x 2A m ω2 xB2
EPA =EB
P ⇒ − + m g ( h − z ) =− + m g h.
2 2

h ω2 a 2
Sendo: xA = 0; xB = a; z= + , substituindo valores:
3 4g

Página 69 de 76
LEIS DE NEWTON

ω2 a2 2g 2 g  h ω2 a2 
gh −g z =
− +g h ⇒ ω2 = z ⇒ ω2 =  +  ⇒
2 a2 a2  3 4 g 

2gh ω2 ω2 2 g h 4 gh
ω2= + ⇒ ω2 − = ⇒ ω2= ⇒
3 a2 2 2 3a 2
3 a2

4 gh
ω= .
3 a2

Resposta da questão 75:


[B]

A normal, que age como resultante centrípeta, no pé de uma pessoa tem a mesma intensidade
de seu peso na Terra.
g 10 1
N = Rcent = P ⇒ m ω2 R = m g ⇒ ω = = = ⇒
r 100 10
ω = 0,3 rad/s.

Resposta da questão 76:


[C]

Observação: O termo tensão tem a dimensão de força/área, a mesma de pressão. Se o


enunciado está se referindo apenas à força suportada pela barra, o termo correto é tração.

Dados: m = 0,5 kg; r1 = L = 1 m; r3 = 3 L = 3 m; F3 = 13,5 N.

Considerando que o referido plano seja horizontal, na partícula 3, a tração na barra age como
resultante centrípeta. Sendo a velocidade angular a mesma para as três esferas, temos:
F3 13,5
RC3 = F3 = m ω2 r3 ⇒ ω = = = 9 ⇒ ω = 3 rad/s.
m r3 0,5 ⋅ 3

v1 = ω r1 = 3 ⋅ 1 ⇒ v1 = 3 m/s.

Resposta da questão 77:


[E]

A fita F1 impede que a garota da circunferência externa saia pela tangente, enquanto que a fita
F2 impede que as duas garotas saiam pela tangente. Sendo T1 e T2 as intensidades das
trações nas fitas F1 e F2, respectivamente, sendo T1 = 120 N, temos:

Página 70 de 76
LEIS DE NEWTON

T m ω2 2 R =
= ⇒ T1 2 m = ω2 R 120
 1 T1 2 3 3
 ⇒ = ⇒ T2 = T1 = (120 ) ⇒
T2 m ω2 2 R + m ω2 R ⇒
= = T2 3 m ω2 R T2 3 2 2

T2 = 180 N.

Resposta da questão 78:


[B]

No ponto considerado (B), a componente tangencial da resultante é nula, restando apenas a


componente centrípeta, radial e apontando para o centro da curva (P). Portanto, a força
resultante tem direção vertical, com sentido para cima.

Resposta da questão 79:


[B]

Como as velocidades escalares são iguais e constantes, de acordo com a figura e as tabelas
dadas, comparando as resultantes centrípetas temos:

 M v2 1  M v2 
FK= ⇒ FK=  
 2R 2  R 

M v2  3 M v2  M v2 
=
Fc p = FF ⇒=FF 3   ⇒ FK < FS < FF.
R R  
  R 

 6 M v2  M v2 
=
FS ⇒=FS 2  
3R  R 
  

Resposta da questão 80:


[B]

Observe a figura abaixo onde estão mostradas as forças que agem no piloto.

Como o movimento é circular deve haver uma força centrípeta apontando para cima. Portanto,
a força da aeronave sobre o piloto deve ser maior que o peso.

Resposta da questão 81:


[A]

Observe na ilustração abaixo as forças exercidas sobre a esfera.

Página 71 de 76
LEIS DE NEWTON

/2 1
=
sen θ =
 2
∴ θ = 30°

Porém, a componente Tx representa a resultante centrípeta, logo:

Ty P P ⋅ Tx v 2 mg ⋅ T ⋅ cos θ
= → R CP = →m⋅ =
Tx Rcp Ty r T ⋅ senθ

v2 g ⋅ cos30 v2 g ⋅ ( 3 / 2)
= → =
 ⋅ cos30 sen30  ⋅ ( 3 / 2) (1/ 2)
2 3
v= g⋅
2
3
∴ v= g⋅
2

Resposta da questão 82:


[D]

MOMENTO INICIAL:

MOMETO FINAL:

Tomando o ponto O como referencial e analisando a energia mecânica do sistema, teremos:

Página 72 de 76
LEIS DE NEWTON

= E=
Em inicial p = 2m.g.(r.cos 45º )
2m.g.h

2m.V 2
Em final = Ep + Ec = (m.g.h'+ m.g.H) +
2
2m.V 2
Em final = m.g.(r.cos θ) + m.g.(r.cos β) +
2
cos β = senθ
2m.V 2
Em final = m.g.(r.cos θ) + m.g.(r.senθ) +
2

Como não há forças dissipativas, temos um sistema conservativo:

Em inicial = Em final

2m.V 2
2m.g.(r.cos 45º ) = m.g.(r.cos θ) + m.g.(r.senθ) +
2
g.r. 2 = g.r.cos θ + g.r.senθ + V 2
V 2 = g.r.( 2 − cos θ − senθ)

No momento que a partícula F perde contato com a superfície, não haverá força de contato
entre as duas, ou seja, a componente Px irá atuar como resultante centrípeta.

Px = Rc
m.V 2
mg.cos θ= → V 2= g.r.cos θ
r

Igualando as equações em V 2 :

g.r.cos θ= g.r.( 2 − cos θ − senθ)


2cos θ + senθ =
2

Resposta da questão 83:


[C]

A figura 1 mostra as forças (peso e normal) agindo nesse corpo. A resultante dessas forças é a
centrípeta (figura 2).

Página 73 de 76
LEIS DE NEWTON

Na figura 2, o triângulo é retângulo:

m v2
RC R v2 2
tg=
α = ⇒ tg=
α ⇒ v= R g tg α ⇒
P m g R g
=v R g tg α .

Resposta da questão 84:


[A]

Para calcularmos a tração máxima no fio usaremos a dinâmica do movimento circular:


=
Fc Tmáx − P (1)

2
v
Sabendo que: Fc = m máx e P = mg
R
vmáx 2
Tmáx = Fc − P ⇒ Tmáx = m + mg (2)
R

Da conservação de energia, tiramos o valor de vmáx

EM(A) = EM(B)
2
m vmáx 2
mgh= ⇒ vmáx= 2gh (3)
2

Substituindo (3) em (2):


2gh 20 ⋅ 2 ⋅ 10 ⋅ 0,4
= m
Tmáx + mg ⇒ Tmáx= + 20 ⋅ 10
R 2
Tmáx = 280 N

Resposta da questão 85:


[D]

Página 74 de 76
LEIS DE NEWTON

As figuras ilustram a situação descrita.

A Fig. 1 mostra as forças que atuam sobre a esfera.


 
Força Peso: P= m ⋅ g ;
 
Força Elétrica: F= q ⋅ E ;

Tração no fio: T.

( )
A Fig. 2 mostra a soma dessas forças (regra da poligonal) e a força resultante R .
Nessa figura:
R
tgθ = ⇒ R =(F + P ) tgθ ⇒ R =( m ⋅ g + q ⋅ E ) tgθ.
F+P

Resposta da questão 86:


[C]

Desenhando as forças que atuam na criança, temos a força peso e a força de tração no fio:

Verificamos que não há força tangente a trajetória, há apenas forças radiais, ou seja, não há
aceleração tangencial, mas apenas aceleração centrípeta (radial).

Como a criança está no ponto mais baixo de sua trajetória circular, a aceleração centrípeta
deve ser vertical para cima, ou seja, radial à trajetória para o centro da mesma.

A existência da aceleração centrípeta só é possível pelo fato da força de tração no fio ser maior
que a força peso (T>P), ou seja, por existir uma força resultante (F) vertical para cima:
F= T − P

Página 75 de 76
LEIS DE NEWTON

Resposta da questão 87:


[C]
 
A figura mostra as forças que agem no corpo: normal N e peso P . ( ) ( )

A componente da normal na direção horizontal tem a função de resultante centrípeta e a


componente vertical equilibra o peso.

 mv 2

N =
F ⇒ N senθ = N senθ m v v
2 2


x

d
rescentrípeta

÷ = ⇒ tan θ = ⇒
N = Ncos θ m g d gd
 P ⇒ Ncos θ =
y
mg
 2π d  4π d 4π d
2

2 2 2

=
v g d tan θ ⇒
2

 T=  g d tan θ ⇒ = g d tan θ ⇒ =
T ⇒ 2

  T 2

g tan θ
d
T = 2π .
g tan θ

Página 76 de 76