Sie sind auf Seite 1von 6

Relação entre Renda e Emprego e Crescimento Econômico: Uma

abordagem voltada ao Desenvolvimento Regional

Carlos Miguel Montiel Ahamad

Resumo

Este projeto tem como intuito apresentar a comissão de avaliação do Programa


de Pós-Graduação Strico Sensu em Desenvolvimento Regional e Sistemas
Produtivos a relevância da discussão da relação entre o binômio renda/emprego
na seara do desenvolvimento regional. O país está começando a sair da maior
crise econômica da sua história que gerou igualmente os maiores índices de
desemprego. Neste sentido a competitividade das regiões estão sendo postos a
prova e capacidade de geração de renda dos mesmos. Mas a pergunta mais
importante que se pode fazer é qual a importância do uso da força de trabalho
para a recuperação econômica na região sul-fronteira. Esta e outras perguntas
que este presente trabalho deseja responder. A metodologia para isso é
empírica, utilizando as ferramentas de pacotes estatísticos disponíveis para
pesquisadores, análise de dados e estatística descritiva. Por fim, este projeto é
a continuação e aprofundamento de trabalho de conclusão de curso de ciências
econômicas apresentado o ano de 2017 na Universidade Estadual do Mato
Grosso do Sul.

1. Introdução

Em 2010 o Brasil começou a sentir as consequências da crise internacional de


2008, o Estado brasileiro optou em um primeiro momento ataca-la fomentando
a demanda agregada e assim conseguiu ter naquele ano um resultado bom, mas
logo isso começou a refletir em aumento da inflação.
Já nos anos que seguinte a manutenção desta política causou deterioração das
contas públicas e resseção na economia. As empresas começaram a demitir
gerando desemprego que nos últimos anos chegaram a níveis históricos.
O Brasil optou por mudar a forma de atacar os componentes da crise, deixando
Keynes indo para a Escola de Chicago, o que faz a economia experimentar na
atualidade uma retomada econômica tímida e cada região do país tem seu ritmo
que denota a desigualdade interna.
Ahamad (2017) apresentou um estudo que tinha como escopo analisar a relação
entre indicadores de intensidade do uso da força de trabalho e a renda nos
estados brasileiros entre os anos de 1993 2012.
Naquela oportunidade o trabalho encontrou foi encontrada fortes indícios que o
uso intensivo da força de trabalho tem grande importância no incremento da
renda das famílias.
Tendo em vista o mesmo escopo, ou seja, analisar a relação do binômio
trabalho/renda e o ineditismo daquele trabalho que evidencia a carência de
estudos nesta área nos leva a propor um trabalho que caminharia para uma
análise dos indicadores, contudo voltado para os municípios da fronteira sul e as
dinâmicas da relação de trabalho em renda especificas desta região.
O trabalho acima citado se utilizou da metodologia tradicional dos modelos
neoclássicos de crescimento econômico para fazer a análise. Mas este projeto
propõe ademais do estudo dos modelos neoclássicos utilizar os pressupostos da
economia institucional para explicar as diferenças entre os municípios da região
e como influenciam a dinâmica do emprego/renda.

2. Revisão

Para que se possa perceber a necessidade deste estudo segue uma pequena
revisão da literatura.
Muls (2008) traz uma discussão instigante sobre as duas formas as duas
soluções para as crises econômicas, a saber a solução do Estado e solução do
Mercado. Para este autor estas duas formas não estão em si erradas, mas
quando não se leva em conta as dinâmicas institucionais de cada região estão
fadadas ao fracasso. Para ele a solução mora na interligação entre instituições
públicas, o tecido empresarial e a sociedade civil organizada que seriam os
pilares onde se construiria um modelo de crescimento endógeno regional.
Já Fochezatto (2010) identificou que atualmente abordagem dos modelos de
desenvolvimento regional focam em identificar o potencial da região em se
integrar com outras regiões e países. Com este novo foco o autor identifica três
hipóteses i) as regiões que mais cresce são as mais diversificadas; ii) as regiões
que mais cresce são as mais especializadas em estrutura de mercado horizontal;
iii) as regiões que mais cresce são as mais especializadas e competitivas.
Depois de observar dois textos fundamentais para o estudo do estado da arte do
desenvolvimento regional tem-se o texto que se assemelha a linha de pesquisa
que este projeto pretende adentrar.
Ao pesquisar a literatura recente foi encontrado o trabalho de Vargas (2012) que
debruça-se em analisar a dinâmica de emprego na região da Zona Sul do Estado
do Rio Grande do Sul, mais particularmente os municípios de Pelotas e Rio
Grande. O autor detém-se na questão em identificar o impacto da crescimento
econômico na geração de empregos formais. O trabalho chegou à conclusão
que as mudanças socioeconômicas dos anos noventa, junto com esgotamento
do modelo de desenvolvimento regional calcado na indústria causou grave
desemprego estrutural e ao mesmo tempo se criou no setor de serviços
empregos precários.
Todavia, este projeto tem como base o inverso, ou seja, como o emprego
impacta no crescimento econômico, conforme Jones (2000) identificou o papel
do uso da força de trabalho como motor da crescimento da economia.
Foi exatamente essa tese que Ahamad (2017) buscou analisar em seu trabalho.
Naquele trabalho o autor analisou empiricamente a relação entre renda e
emprego e encontrou indícios substanciosos que provam tal relação. O trabalho
consistiu em analisar dados de desemprego renda per capta utilizando como
base o modelo de crescimento de Mankiw et al. (1993).
Jungindo estes autores e outros que cá não estão elencados pode-se traçar um
caminho que nos leve a verificar empiricamente a importância do emprego no
desenvolvimento regional endógeno com base nos modelos neoclássicos e
analisa-los como as instituições podem intensificar esse crescimento e ao
mesmo tempo verificar a importância da dinâmica da mão de obra para a
diversificação do mercado, a especialização do mercado e competividade, como
a economia da região se integra no mundo.
3. Objetivo

Este projeto tem como objetivo-geral analisar empiricamente a dinâmica entre


emprego e renda na região sul-fronteira, analisando os dados de desemprego,
renda, tecnologia, capital físico e capital humano.
Além disso, tem-se como objetivo-especifico verificar e discutir como a dinâmica
mão de obra e sua formação são essenciais para o desenvolvimento da
economia da região sul-fronteira e como ela é importante para aumentar a
competividade e a inserção da região no mercado extra regional.

4. Metodologia

A metodologia de abordagem será a empírica utilizando ferramenta estática.


Com esse método espera que seja feita a pesquisa de dados nos data bank
institucionais a saber IPEADATA, IBGE cidades, Banco Mundial, Cagede e
outros meios que possam ser requeridos pelo orientador ou pela própria
pesquisa.
Mas ao lado do método empírico será utilizada ferramentas do método dialético
para construir as pontes entre abordagem neoclássica de desenvolvimento e a
abordagem institucionalista de desenvolvimento.

5. Cronograma

O cronograma que parece se adequar ao projeto é que segue em duas tabelas


divididas entre os anos de 2018 (corrente) e 2019. A pretensão inicial é de
defender a dissertação em agosto de 2019.
Ano: 2018

A S O N D
Plano de atividades – AÇÕES - 1º Ano

Revisão teórica – levantamento de obras publicadas e formação de banco X X X X X


de dados

Revisão teórica – Leitura, fichamento e redação X X X X X


Elaboração do instrumento de coleta de dados parte de caracterização X X X X X

Cursar disciplinas obrigatórias X X X X X

Cursar disciplinas eletivas X X X X X

Ano: 2019
J F M A M J J A
Plano de atividades – AÇÕES 2º Ano
Cursar disciplinas obrigatórias X X X X X X

Cursar disciplinas eletivas X X X X X X

Revisão teórica - Leitura, fichamento e redação X X X X X X X

Elaboração do instrumento de coleta de dados específicos X X

Elaboração parcial da dissertação X X

Teste de instrumento de coleta de dados X X

Revisão e Adaptação de Instrumento de coleta de dados X X


Coleta de dados X X X

Elaboração das análises e interpretação de dados X X X X

Confecção da dissertação X X X X X

Apresentação diante da banca X

6. Referência

AHAMAD, Carlos Miguel M. Crescimento econômico, renda familiar e


intensidade no uso da força de trabalho: Uma análise empírica entre 1993
e 2012. 2017. 59f. Monografia – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.
Ponta Porã, 2017.
FOCHEZATTO, Adelar. “Desenvolvimento regional: novas abordagens para
novos paradigmas produtivos”. In: CONCEIÇÃO, Octávio A. C. et al. (Org.). O
ambiente regional. Porto Alegre: FEE,
2010.<https://www.fee.rs.gov.br/3decadas/detalhe.php?ref=05&vol=volume1>
visitado em 21 de maio 2018, às 18:20 .

JONES. C. Introdução à teoria do crescimento econômico. Rio de Janeiro:


Campus, 2000.

MULS, Leonardo Marco. “Desenvolvimento Local, Espaço e Território: o


Conceito de Capital Social e a Importância da Formação de Redes entre
Organismos e Instituições Locais”. In: Economia, Brasília(DF), v.9, n.1, p.1–21,
jan/abr, 2008. <http://www.anpec.org.br/revista/vol9/vol9n1p1_21.pdf> visitado
em 21 de maio de 2018, às 18:25.

VARGAS F. Emprego e desenvolvimento regional: contornos de uma questão


social. Revista da ABET, v. 9 n. 2, jul-dez, 2012. <
https://wp.ufpel.edu.br/observatoriosocial/publicacoes/artigos/artigo-f-vargas-
revista-da-abet-v-xi-n-2-jul-dez-2012/ > visitado em 07 de junho de 2018, às
20:25.