You are on page 1of 269

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

MJSP - POLÍCIA FEDERAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2016

BRASÍLIA
2017
SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
MJSP - POLÍCIA FEDERAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2016

Relatório de Gestão do exercício de 2016 apresentado aos órgãos de controle interno e externo e à
sociedade, como prestação de contas anual a que esta Unidade Prestadora de Conta está obrigada, nos
termos do parágrafo único do art. 70 da Constituição Federal, elaborado de acordo com as disposições da
Instrução Normativa TCU nº 63/2010, de 1º de setembro de 2010, da Decisão Normativa TCU nº 154/2016,
de 19 de outubro de 2016, da Decisão Normativa TCU nº 156/2016, de 30 de novembro de 2016, da Portaria
TCU nº 59/2017, de 17 de janeiro de 2017, orientações do Sistema de Prestação de Contas do Tribunal de
Contas da União, e das orientações do órgão de controle interno.

Unidade Prestadora de Contas: Polícia Federal

BRASÍLIA
2017

2
LISTA DE SIGLAS E ABREVIAÇÕES

ABIN - Agência Brasileira de Inteligência


ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas
ACAF - Autoridade Central Administrativa Federal
AFIS - Automated Fingerprint Identification System (Sistema de Identificação Automatizada de
Impressões Digitais)
ANAC - Agência Nacional de Aviação Civil
ANP/DGP/PF - Academia Nacional de Polícia
BDCRIM - Biblioteca Digital da Criminalística
CEF - Caixa Econômica Federal
CENSIPAM - Centro Gestor do Sistema de Proteção da Amazônia
CETIR - Centro de Pesquisas Bancos Centro de Coordenação
CGCINTEPOL/DIP/PF - Coordenação-Geral do Centro Integrado de Inteligência Policial e Análise
Estratégica
CGCOR/COGER/PF - Coordenação-Geral de Correições
CGTI/DLOG/PF - Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação
CGU - Controladoria Geral da União
CIAER - Centro de Inteligência da Aeronáutica
CIE - Centro de Inteligência do Exército
CIGE/PF - Coordenação Integrada de Gestão Estratégica
CIM - Centro de Inteligência da Marinha
CINDACTA II - Segundo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo
CINTEPOL - Centro Integrado de Inteligência Policial e Análise Estratégica
CNJ - Conselho Nacional de Justiça
CNV – Carteira Nacional de Viajante
COAD/DLOG/PF - Coordenação de Administração
COAF/MINISTÉRIO DA FAZENDA - Conselho de Controle de Atividades Financeiras
COCIT/MRE - Coordenação-Geral de Combate a Ilícitos Transnacionais
COF/DLOG/PF - Coordenação de Orçamento, Finanças e Contabilidade
COGER/PF - Corregedoria-Geral de Polícia Federal
COMDABRA - Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro
CONAT – Comissão Nacional de Credenciamento de Instrutor de Armamento e Tiro
COPS - Controle de Operações Policiais Permanentes
CPDs - Comissões Permanentes de Disciplina
CPGF - Cartão de Pagamento do Governo Federal
CRAF - Certificado de Registro de Arma de Fogo
CSP - Conselho Superior de Polícia
DARM/DIREX/PF - Divisão Nacional de Armas
DBR - Declaração de Bens e Rendas
DCPQ/DIREX/PF - Divisão de Controle de Produtos Químicos
DCS/GAB/PF - Divisão de Comunicação Social
DELECOR - Delegacia de Repressão a Corrupção e Crimes Financeiros
DELEFIN - Delegacia de Repressão a Crimes Financeiros e Desvios de Recursos Públicos
DELEMIG - Delegacia de Polícia de Imigração
DELESP - Delegacia de Controle de Segurança Privada
DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito
DEPEN - Departamento Penitenciário Nacional
DETRAN - Departamento de Trânsito
3
DFIN/DICOR/PF - Divisão de Repressão a Crimes Financeiros
DFSP - Departamento Federal de Segurança Pública
DG - Direção-Geral
DGP/PF - Diretoria de Gestão de Pessoal
DICOR/PF - Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado
DIP/PF - Diretoria de Inteligência Policial
DIREX/PF - Diretoria-Executiva
DITEC/PF - Diretoria Técnico-Científica
DITEL - Divisão de Telecomunicações
DLOG/PF - Diretoria de Administração e Logística Policial
DMAT/COAD/DLOG/PF - Divisão de Materiais
DOU - Diário Oficial da União
DPAG/CRH/DGP/PF - Divisão de Pagamento
DPF/CAS/SP - Delegacia de Polícia Federal em Campinas
DPF/FIG/PR - Delegacia de Polícia Federal em Foz do Iguaçu
DPF/LDA/PR - Delegacia de Polícia Federal em Londrina
DPF/STS/SP - Delegacia de Polícia Federal em Santos
DPF/VLA/RO - Delegacia de Polícia Federal em Vilhena
DPREC - Divisão Policial de Retiradas Compulsórias
DRCI - Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional
DSG/COAD/DLOG/PF - Divisão de Serviços Gerais
DSIC - Departamento de Segurança da Informação e Comunicação
EDUCA - Gestão de Atividades Acadêmicas da Academia Nacional de Polícia
E-LOG - Sistema de Gestão Eletrônica de Administração e Logística
EMBRATEL - Empresa Brasileira de Telecomunicações
ENAFRON - Estratégia Nacional de Segurança Pública nas Fronteiras
E-PLAN - Módulo Metas
E-POL - Gestão da Atividade de Polícia Judiciária
ETIR - Equipes de Tratamentos
FEBRABAN - Federação Brasileira de Bancos
FGTS - Fundo de Garantia por Tempo de Serviço
FPI - Ficha-Padrão de Indicador
FUNAI - Fundação Nacional do Índio
FUNAPOL - Fundo para Aparelhamento e Operacionalização das Atividades-fim da Polícia Federal
GED - Gestão Eletrônica de Documentos
GEINC/COINC/STN - Gerência de Informação de Custos
GESCON - Gestão de Contratos
GESP - Gestão de Segurança Privada
GesPública - Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização
GISE – Grupos Especiais de Investigações Sensíveis
GRFIN - Grupo de Repressão a Crimes Financeiros
GRU - Guia de Recolhimento da União
GTED - Grupo Técnico de Edificações
IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis
ICE - International Collaborative Exercise
ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
II - Institutos de Identificação
IML - Instituto Médico Legal
INC/DITEC/PF - Instituto Nacional de Criminalística
4
INCRA - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária
INI/DIREX/PF - Instituto Nacional de Identificação
INPC - Índice Nacional de Preços ao Consumidor
INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
INTERPOL - International Criminal Police Organization (Organização Internacional de Polícia
Criminal)
LDO - Lei de Diretrizes Orçamentárias
LOA - Lei Orçamentária Anual
MD - Ministério da Defesa
MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior
MJ - Ministério da Justiça
MOC - Mensagem Oficial-Circular
MPF - Ministério Público Federal
MRE - Ministério das Relações Exteriores
NAD/SELOG/SR/PF/RO - Núcleo Administrativo
NBR - Norma Brasileira
NUCOR/COR/SR/PF - Núcleo de Correições
NUDIS/COR/SR/PF - Núcleo de Disciplina
NUMAT/SELOG/SR/PF/RJ - Núcleo de Material
OACI - Organização de Aviação Civil Internacional
OCI - Órgão de Controle Interno
OEA - Organização dos Estados Americanos
OEPJ - Operações Especiais de Polícia Judiciária
ONU - Organização das Nações Unidas
PAAV - Plano Anual de Aquisição de Veículos
PAC – Programa de Aceleração do Crescimento
PAI - Processo Administrativo de Infração
PALAS - Sistema de Cadastro de Informações de Interesse Policial
PF - Polícia Federal
PNPT - Programa Nacional de Proteção à Testemunha
PPA- Plano Plurianual
PPNE - Pessoas Portadoras de Necessidades Especiais
PRB - Consulta Integrada às Bases de Dados Corporativas
RAVEL - Rastreamento Veicular
REF - Controle de Frequência
REMOC - Controle de Processo Seletivo Interno de Servidores
RFB – Receita Federal do Brasil
RIP - Registro Imobiliário Patrimonial
RMB - Relatório de Movimentação de Bens
SAD - Sistema de Acompanhamento de Processo Disciplinar
SAMU - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência
SAPS - Sistema de Acompanhamento do Processo de Software
SAS - Sistema de Afastamento de Sigilos
SCGPCI - Sistema de Gestão de Processos da Coordenação Geral de Polícia Criminal Internacional
SCGPCI - Sistema de Gestão de Processos da Coordenação Geral de Polícia Criminal Internacional
SECAD/DRH/CRH - Serviço de Cadastro
SECC/DICON/COAD/DLOG/PF - Serviço de Contratos e Convênios
SECONT/COF/DLOG/PF - Serviço de Contabilidade
SEDH - Secretaria Especial de Direitos Humanos
5
SELOG - Setor de Administração e Logística Policial
SENAD - Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas do Ministério da Justiça
SENASP - Secretaria Nacional de Segurança Pública
SEPAT/DMAT/COAD/DLOG/PF - Setor de Patrimônio
SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados
SGU - Sistema de gerenciamento de usuários: controle do cadastro de usuários de TI
SIAFI - Sistema de Administração Financeira do Governo Federal
SIAPE - Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos
SIAR 2 - Sistema de Informações de Arrecadação - versão 2
SIASG - Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais
SIC - Serviço de Informações ao Cidadão
SIC - Sistema de Custos do Governo Federal
SICONV - Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse
SIGAI - Sistema de Gerenciamento de Adoção Internacional
SIGRH/UFRN - Sistema Integrado de Gestão de Recursos
SINARM - Sistema Nacional de Armas
SINCAC - Sistema Nacional de Antecedentes Criminais
SINCRE - Sistema Nacional de Cadastro e Registro de Estrangeiros
SINDRE - Sistema Nacional de Repressão a Entorpecentes
SINESP - Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública
SINIC - Sistema Nacional de Informações Criminais
SINPA - Sistema Nacional de Passaporte
SINPI - Sistema Nacional de Procurados e Impedidos
SINTERPOL - Sistema de Meios Eletrônicos de Comunicação de Polícia Criminal Internacional
SINTI - Sistema Nacional de Tráfego Internacional de Pessoal
SIORG - Sistema de Informações Organizacionais do Governo Federal
SIPAC/UFRN - Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos da Universidade Federal do
Rio Grande do Norte
SIPEC - Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal
SIPROQUIM - Sistema de Controle de Produtos Químicos
SIS - Sistema de Interceptação de Sinais
SISBIN - Sistema Brasileiro de Inteligência
SISCAER - Sistema de Controle de Aeroportos
SISCART - Sistema de Controle de Atividades Cartorárias
SISEG - Sistema de Segurança
SISREI - Sistema de Requerimento Eletrônico de Imóveis
SISVANT - Sistema de Veículos Aéreos Não Tripulados
SISVIP - Sistema Nacional de Vigilância Privada
SPIUnet - Sistema de Gerenciamento do Patrimônio Imobiliário
SR/DPF - Superintendência Regional de Polícia Federal
SR/PF/AC - Superintendência Regional de Polícia Federal no Acre
SR/PF/AL - Superintendência Regional de Polícia Federal em Alagoas
SR/PF/AM - Superintendência Regional de Polícia Federal no Amazonas
SR/PF/AM - Superintendência Regional de Polícia Federal no Amazonas
SR/PF/AP - Superintendência Regional de Polícia Federal no Amapá
SR/PF/BA - Superintendência Regional de Polícia Federal na Bahia
SR/PF/CE - Superintendência Regional de Polícia Federal no Ceará
SR/PF/DF - Superintendência Regional de Polícia Federal no Distrito Federal
SR/PF/ES - Superintendência Regional de Polícia Federal no Espírito Santo
6
SR/PF/GO - Superintendência Regional de Polícia Federal em Goiás
SR/PF/MA - Superintendência Regional de Polícia Federal no Maranhão
SR/PF/MG - Superintendência Regional de Polícia Federal em Minas Gerais
SR/PF/MS - Superintendência Regional de Polícia Federal no Mato Grasso do Sul
SR/PF/MT - Superintendência Regional de Polícia Federal no Mato Grosso
SR/PF/PA - Superintendência Regional de Polícia Federal no Pará
SR/PF/PB - Superintendência Regional de Polícia Federal na Paraíba
SR/PF/PE - Superintendência Regional de Polícia Federal em Pernambuco
SR/PF/PI - Superintendência Regional de Polícia Federal no Piauí
SR/PF/PR - Superintendência Regional de Polícia Federal no Paraná
SR/PF/RJ - Superintendência Regional de Polícia Federal no Rio de Janeiro
SR/PF/RN - Superintendência Regional de Polícia Federal no Rio Grande do Norte
SR/PF/RO - Superintendência Regional de Polícia Federal em Rondônia
SR/PF/RR - Superintendência Regional de Polícia Federal em Roraima
SR/PF/RS - Superintendência Regional de Polícia Federal no Rio Grande do Sul
SR/PF/SC - Superintendência Regional de Polícia Federal em Santa Catarina
SR/PF/SE - Superintendência Regional de Polícia Federal em Sergipe
SR/PF/SP - Superintendência Regional de Polícia Federal em São Paulo
SR/PF/TO - Superintendência Regional de Polícia Federal em Tocantins
SRCC/CGPFAZ - Serviço de Repressão a Crimes Cibernéticos
SRH - Sistema de Gestão de Recursos Humanos
SSP - Secretaria de Segurança Pública
STI - Sistema de Tráfego Internacional
TAC – Termo de Ajustamento de Conduta
TCU - Tribunal de Contas da União
TI - Tecnologia da Informação
TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação
TJ - Tribunal de Justiça
UG - Unidade Gestora
UJ- Unidade Jurisdicionada
VANT - Veículo Aéreo Não Tripulado

7
LISTA DE TABELAS, QUADROS, GRÁFICOS E FIGURAS

Quadro 1: Normas de criação e alteração e funcionamento da unidade........................................... 15


Quadro 2: Informações sobre áreas ou subunidades estratégicas............................. ....................... 17
Quadro 3: Macroprocessos Finalísticos.............................................. ............................................ 19
Figura 1: Objetivos Institucionais e Ações Estratégicas............................ ..................................... 33
Quadro 4 - Distribuição da Quantidade dos Projetos por Objetivos Institucionais.......................... 34
Figura 2: Ciclo PDCA................................................................................ ..................................... 35
Tabela 1 - Dois projetos estratégicos da PF e que compõem a carteira de projetos estratégicos do 53
MJSP monitorados pelo Gepnet2 ...................................................................................................
Quadro 5 - Ações relacionadas a PROGRAMA TEMÁTICO do PPA de responsabilidade da UPC 55
– OFSS ...................................................................................................................................
Quadro 6 - Ações não previstas na loa do exercício – restos a pagar não processados – OFSS .... 69
Quadro 7 – Dotações orçamento fiscal e orçamento de seguridade social ...................................... 76
Quadro 8: Resumo dos instrumentos celebrados e dos montantes transferidos nos últimos três 77
exercícios........................................................................................................................................
Quadro 9: Resumo da prestação de contas sobre transferências concedidas pela UJ na modalidade 78
de convênio, termo de cooperação e de contratos de repasse......................................
Quadro 10: Situação da análise das contas prestadas no exercício de referência do relatório de 78
gestão...............................................................................................................................................
Quadro11: Perfil dos atrasos na análise das contas prestadas por recebedores de recursos............. 78
Quadro 12: Despesas por modalidade de contratação.................................................................... 80
Quadro 13: Despesas por grupo e elemento de despesa.................................................................. 82
Tabela 2 – Indicadores de desempenho institucional (medidos no nível global) ............................ 84
Quadro 14 - Indicadores de desempenho das unidades descentralizadas da PF (medidos e 87
consolidados por Unidade da Federação – Superintendência Regional e suas unidades vinculadas)
Quadro 15: Atividades de correição e de apuração de ilícitos administrativos................................ 92
Quadro 16: Distribuição do Efetivo.................................................................................................. 94
Quadro 17: Cargos Ocupados da Carreira Policial Federal.............................................................. 95
Quadro 18: Cargos Ocupados e Vagos do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal................ 95
Quadro 19: Força de Trabalho da UPC............................................................................................ 97
Quadro 20: Distribuição da Lotação Efetiva ................................................................................... 97
Quadro 21: Detalhamento da estrutura de cargos em comissão e funções gratificadas da UPC .... 97
Quadro 22: Despesas do pessoal..................................................................................................... 99
Quadro 23: Composição de Cargos Policiais.................................................................................. 100
Quadro 24: Composição de Cargos Administrativos...................................................................... 101
Quadro 25: Evolutivo do efetivo nos últimos anos......................................................................... 103
Quadro 26: Contratos de prestação de serviços não abrangidos pelo plano de cargos da unidade.. 104
Quadro 27: Quantitativo de contratos de estágio vigentes............................................................... 138
Quadro 28: Gestão do Patrimônio Imobiliário................................................................................. 140
Quadro 29: Cessão de espaço para terceiros.................................................................................... 152
Quadro 30: Principais sistemas de informação da CGTI................................................................. 165
8
Quadro 31: Cursos concedidos para licença capacitação do pessoal de TI...................................... 168
Tabela 3 – Status de implantação de processos.............................................................................. 171
Tabela 4 – Projetos desenvolvidos................................................................................................. 171
Quadro 32: Aspectos sobre a gestão ambiental e Licitações Sustentáveis....................................... 176
Quadro 33: Arrecadação do FUNAPOL em 2015............................................................................ 179
Quadro 34: Séria histórica da arrecadação do FUNAPOL desde 2006............................................ 180
Quadro 35 – Caracterização da determinação/recomendação do TCU............................................ 189
Quadro 36: Medidas Adotadas em Caso de Dano ao Erário em 2016............................................. 191
Quadro 37 - Despesas com publicidade........................................................................................... 192

9
LISTA DE ANEXOS E APÊNDICES

ANEXO I - Apenso I - Indicadores de Desempenho das Unidades Descentralizadas

ANEXO II - Apenso II – Outras Informações do Desempenho Operacional

ANEXO III – Relatório Espelho de Monitoramento Simplificado PPA

ANEXO IV - Demonstrações contábeis exigidas pela Lei 4.320/64 e notas explicativas.

10
SUMÁRIO

1. APRESENTAÇÃO................................................................................................................ 13
2. VISÃO GERAL DA UNIDADE........................................................................................... 14
2.1 Finalidade e Competências...................................................................................................14
2.2 Normas e regulamento de criação, alteração e funcionamento da Unidade........................ 15
2.3. Ambiente de atuação........................................................................................................... 15
2.4 Organograma........................................................................................................................ 16
2.5. Macroprocessos finalísticos................................................................................................ 19
3. PLANEJAMENTO ORGANIZACIONAL E RESULTADOS............................................. 32
3.1. Planejamento organizacional...............................................................................................32
3.1.1.Descrição sintética dos objetivos do exercício.................................................................. 32
3.1.2.Estágio de implantação do planejamento estratégico....................................................... 33
3.1.3.Vinculação dos planos da unidade com as competências institucionais e outros planos.. 34
3.2. Formas e instrumentos de monitoramento da execução e resultados dos planos................37
3.3. Desempenho Orçamentário................................................................................................. 54
3.3.1 Execução física e financeira das ações da Lei Orçamentária Anual de responsabilidade
da unidade.................................................................................................................................. 54
3.3.2 Fatores intervenientes no desempenho orçamentário........................................................76
3.3.3 Execução descentralizada com transferência de recursos................................................. 77
3.3.3.1 Informações sobre a estrutura de pessoal para análise das prestações de contas...........77
3.3.4 Informações sobre a execução das despesas..................................................................... 79
3.4. Desempenho operacional.................................................................................................... 84
3.4.1 Apresentação e análise de indicadores de desempenho.................................................... 84
4. GOVERNANÇA, GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS.............................90
4.1. Descrição das estruturas de governança.............................................................................. 90
4.2. Atividades de correição e apuração de ilícitos administrativos.......................................... 91
4.3. Gestão de riscos e controles internos.................................................................................. 92
5.ÁREAS ESPECIAIS DA GESTÃO...................................................................................... 94
5.1.Gestão de Pessoas................................................................................................................ 94
5.1.1.Estrutura de pessoal da unidade........................................................................................ 97
5.1.2.Demonstrativo das despesas com pessoal......................................................................... 99
5.1.3.Gestão de riscos relacionados ao pessoal.......................................................................... 100
5.1.4.Contratação de pessoal de apoio e de estagiários.............................................................. 104
5.1.4.1 Contratação de pessoal de apoio.................................................................................... 104
5.1.4.2 Contratação de estágiario............................................................................................... 138
5.2.Gestão do patrimônio e infraestrutura.................................................................................. 139
5.2.1.Gestão do patrimônio imobiliário da União...................................................................... 139
5.3.Gestão da tecnologia da informação.................................................................................... 164
5.3.1.Principais sistemas de informações.................................................................................. 164
5.3.2.Informações sobre o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação (PETI) e
sobre o Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI)......................................................166
5.4. Gestão ambiental e sustentabilidade....................................................................................176
5.4.1.Adoção de critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens e na
contratação de serviços ou obras.................................................................................................176
5.5.Gestão de Fundos e de Programas.........................................................................................178
5.5.1.Identificação e informações dos fundos na gestão da unidade...........................................178
6. RELACIONAMENTO COM A SOCIEDADE..................................................................... 181
6.1.Canais de acesso do cidadão................................................................................................ 181
11
6.2.Carta de Serviços ao Cidadão.............................................................................................. 182
6.3.Aferição do grau de satisfação dos cidadãos-usuários......................................................... 182
6.4.Mecanismos de transparência das informações relevantes sobre a atuação da unidade...... 183
6.5.Medidas para garantir a acessibilidade aos produtos, serviços e instalações....................... 183
7. DESEMPENHO FINANCEIRO E INFORMAÇÕES CONTÁBEIS....................................185
7.1.Tratamento contábil da depreciação, da amortização e da exaustão de itens do patrimônio
e avaliação e mensuração de ativos e passivos.......................................................................... 185
7.2.Sistemática de apuração de custos no âmbito da unidade.................................................... 186
7.3.Demonstrações contábeis exigidas pela Lei 4.320/64 e notas explicativas......................... 187
8. CONFORMIDADE DA GESTÃO E DEMANDAS DOS ÓRGÃOS DE CONTROLE...... 188
8.1.Tratamento de determinações e recomendações do TCU.................................................... 188
8.2. Tratamento de recomendações do Órgão de Controle Interno............................................ 190
8.3. Medidas administrativas para apuração de responsabilidade por dano ao Erário............... 191
8.4. Demonstração da conformidade do cronograma de pagamentos de obrigações com o
disposto no art. 5º da Lei 8.666/1993..........................................................................................191
8.5. Informações sobre a revisão dos contratos vigentes firmados com empresas beneficiadas
pela desoneração da folha de pagamento....................................................................................192
8.6. Informações sobre ações de publicidade e propaganda.......................................................192

12
1. APRESENTAÇÃO

O presente Relatório de Gestão constitui uma das peças do processo de prestação de contas
relativa ao exercício de 2016 da atual gestão da Polícia Federal a que está obrigada nos termos do art. 70
da Constituição Federal, consolidando as informações sobre a gestão das unidades das 27 (vinte e sete)
Superintendências Regionais de Polícia Federal, da Delegacia de Polícia Federal em Foz do Iguaçu/PR, da
Diretoria Técnico-Científica (DITEC/PF), da Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação
(CGTI/DLOG/PF), da Academia Nacional de Polícia (ANP/DGP/PF), da Coordenação de Administração
(COAD/DLOG/PF) e da Coordenação de Orçamento, Finanças e Contabilidade (COF/DLOG/PF).

A forma e conteúdo deste documento seguem as orientações e os atos normativos emanados


do Tribunal de Contas da União - TCU e da Controladoria-Geral da União - CGU, tendo por referência a
Instrução Normativa TCU nº 63/2010; , da Decisão Normativa TCU nº 154/2016, de 19 de outubro de 2016,
da Decisão Normativa TCU nº 156/2016, de 30 de novembro de 2016, da Portaria TCU nº 59/2017, de 17
de janeiro de 2017 e as orientações do Sistema de Prestação de Contas – e-contas -, do Tribunal de Contas
da União, que dispõem sobre as orientações de preenchimento dos conteúdos do relatório de gestão.

Neste documento, o cidadão terá acesso às principais realizações da Polícia Federal no


exercício de 2016, dentre as quais se destacam a intensa atividade de investigação policial realizada pela
instituição, especialmente no combate à corrupção e à lavagem de dinheiro, em que foram recuperados para
o patrimônio da União valores de grande vulto, desviados dos cofres públicos. Outro destaque no exercício
de 2016 foi a relevante atuação da Polícia Federal nas atividades de Cooperação Internacional e na área de
Segurança para Grandes Eventos, em que o órgão desempenhou diversas atividades estratégicas para a
ocorrência de forma segura e organizada de todas as atividades relacionadas à segurança dos Jogos
Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, além da atuação nas eleições 2016.

Em que pese as limitações de ordem orçamentária impostas a todos os órgãos da


Administração Pública no exercício de 2016, a Unidade elaborou uma programação orçamentária que lhe
permitiu suprir da melhor forma possível suas atividades administrativas, operacionais e de infraestrutura,
sempre obedecendo aos normativos correlatos, nestes considerados os relacionados a contingenciamentos
e controle de gastos do Governo Federal, conforme se depreenderá da leitura deste Relatório. Um outro
ponto que merece destaque é incerteza gerada pela não aprovação dos créditos da PLOA original para o
serviço de emissão de passaportes, que mesmo não estando na alçada de decisão da PF, causa insegurança
quanto ao serviço prestado ao cidadão, gerando transtornos na execução contratual.

Desta forma, restou como principal dificuldade enfrentada por esta UPC a carência de
efetivo, diante das inúmeras atribuições que desempenha e a grande extensão territorial do país.

13
2. VISÃO GERAL

2.1 Finalidade e Competências

A Polícia Federal é órgão integrante da administração pública direta do Governo Federal,


subordinado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública e encontra raízes históricas na Intendência Geral
da Polícia da Corte do Estado do Brasil de Dom João VI, em 1808. Posteriormente, recebeu a denominação
de Departamento Federal de Segurança Pública - DFSP, conforme Decreto-Lei nº 6378/1944, passando por
outras mudanças até tomar a atual configuração.

As atribuições da Polícia Federal estão previstas na Constituição Federal, sendo um dos


órgãos responsáveis pela segurança pública nacional, devendo atuar na preservação da ordem pública, da
incolumidade das pessoas e do patrimônio público. O art. 144 da Constituição Federal, com redação dada
pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998, prevê que:

§ 1º A polícia federal, instituída por lei como órgão permanente, organizado e mantido pela
União e estruturado em carreira, destina-se a:

I - apurar infrações penais contra a ordem política e social ou em detrimento de bens,


serviços e interesses da União ou de suas entidades autárquicas e empresas públicas, assim
como outras infrações cuja prática tenha repercussão interestadual ou internacional e exija
repressão uniforme, segundo se dispuser em lei;

II - prevenir e reprimir o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o contrabando e o


descaminho, sem prejuízo da ação fazendária e de outros órgãos públicos nas respectivas
áreas de competência;

III - exercer as funções de polícia marítima, aeroportuária e de fronteiras;

IV - exercer, com exclusividade, as funções de polícia judiciária da União.

A sede da Polícia Federal fica situada em Brasília, no Distrito Federal, havendo unidades
descentralizadas (Superintendências Regionais) em todas as capitais dos estados da federação, bem como
delegacias e postos avançados em diversas cidades do país, e apura crimes contra o meio ambiente, contra
a ordem tributária, contra o Sistema Financeiro de Habitação, contra a Previdência Social, contra a
organização do trabalho, contra os índios, contra os direitos humanos, os crimes eleitorais, de genocídio,
terrorismo, de tráfico ilícito de drogas e armas, dentre outros.

Cabem ainda à Polícia Federal as seguintes atribuições: Controle Migratório (Lei nº 6.815,
de 19 de agosto de 1980 - Estatuto do Estrangeiro), Controle de Armas (Lei nº 10.826, de 22 de dezembro
de 2003 -SINARM); Controle de Empresas de Segurança Privada (Lei nº 7.102, de 20 de junho de 1983 e
Lei nº 9.017, de 30 de março de 1995); Controle de Precursores Químicos - que possam ser utilizados no
preparo de substâncias entorpecentes (Lei nº 10.357, de 17 de dezembro de 2001); Segurança de Dignitários
- oficiais e autoridades estrangeiras (Lei nº 4.483/1964); Identificação Criminal e Civil (Lei nº 4.483/1964);
Segurança ao Patrimônio da União coibindo turbação ou esbulho possessório (Lei nº 10.683, de 28 de maio
de 2003), Serviço de Estatística Criminal (Código de Processo Penal), Controle de Conflitos Fundiários
(Decreto nº 6.061, de 15 de março de 2007), Representação Externa – INTERPOL (Lei nº 4.483/1964), e
de Proteção à Testemunhas (Lei 9.807, de 13 de julho de 1999).

1
Com a finalidade de proporcionar recursos e meios destinados a aparelhar a Polícia Federal
e a manter suas atividades essenciais e competências típicas, foi instituído pela Lei Complementar nº 89,
de 18 de fevereiro de 1997, o Fundo para Aparelhamento e Operacionalização das Atividades-fim da Polícia
Federal – FUNAPOL.

Conforme o Decreto nº 2.381, de 12 de novembro de 1997, os recursos do FUNAPOL são


aplicados em ações de modernização, aparelhamento e operacionalização das atividades da PF, na
construção/reforma/revitalização de suas edificações, na formação de seus quadros e na participação em
eventos técnico-científicos de interesse policial, no custeio de despesas com transporte, hospedagem e
alimentação de servidores policiais em missão, dentre outras aplicações.

Atualmente a Polícia Federal está organizada de acordo com a Portaria nº 490/MJ, de 25 de


abril de 2016, que aprova o Regimento Interno do órgão, bem como pela Portaria nº 6.335-DG/PF, de 12
de maio de 2016, que define a estrutura das Superintendências Regionais e das Delegacias Descentralizadas
da Polícia Federal.

2.2 Normas e regulamento de criação, alteração e funcionamento da unidade

Quadro 1: Normas de criação e alteração e funcionamento da unidade


CRIAÇÃO

A Polícia Federal foi criada em 28 de março de 1944, data em que Decreto-Lei nº 6.378 transformou a antiga Polícia Civil do Distrito
Federal (na cidade do Rio de Janeiro então capital da República) em Departamento Federal de Segurança Pública (DFSP).

ALTERAÇÃO
Decreto-Lei nº 9.353, de 13 de junho de 1946 (Dispôs sobre novas atribuições do Departamento Federal de Segurança Pública);
Lei nº 4.483, de 16 de novembro de 1964 (Reorganizou o Departamento Federal de Segurança Pública);
A Constituição Federal de 24 de janeiro de 1967 alterou o nome do órgão para Departamento de Polícia Federal, estabelecendo atribuições
de caráter nacional.

FUNCIONAMENTO
Art. 144 da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988;
Lei Complementar 89, de 18 de fevereiro de 1997, que institui o Fundo para Aparelhamento e Operacionalização das Atividades-fim da
Polícia Federal – FUNAPOL);
Portaria nº 490/MJ, de 25 de abril de 2016, que aprova o Regimento Interno da Polícia Federal;
Portaria Nº 6335-DG/PF, de 12 de maio de 2016, que define a estrutura das Superintendências Regionais e das Delegacias Descentralizadas
da Polícia Federal.
Instrução Normativa nº 013/2005-DG/DPF, de 15 de junho de 2005, que define competências e atribuições das Unidades da Polícia Federal.

2.3 Ambiente de atuação

O ambiente de atuação da Polícia Federal cinge-se ao cumprimento de suas atribuições


constitucionais e infraconstitucionais, abarcando todo o território nacional, em que realiza, mais
especificamente:

• a apuração de infrações penais contra a ordem política e social ou em detrimento de


bens, serviços e interesses da União ou de suas entidades autárquicas e empresas públicas,
bem assim outras infrações cuja prática tenha repercussão interestadual ou internacional e
exija repressão uniforme, segundo se dispuser em lei;

2
• a prevenção e repressão do tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, contrabando
e descaminho de bens e valores, sem prejuízo da ação fazendária e de outros órgãos públicos
nas respectivas áreas de competência;

• o exercício das funções de polícia marítima, aeroportuária e de fronteiras, além de


exercer, com exclusividade, as funções de polícia judiciária da União.

Além disso, sua atuação inclui coibir a turbação e o esbulho possessório dos bens e dos
prédios da União e das entidades integrantes da administração pública federal, sem prejuízo da manutenção
da ordem pública pelas Polícias Militares dos Estados e o acompanhamento e instauração de inquéritos
relacionados aos conflitos agrários ou fundiários e os deles decorrentes, quando se tratar de crime de
competência federal, bem assim prevenir e reprimir esses crimes.

Dentro desse contexto, a Polícia Federal atua, em âmbito nacional, nas investigações
policiais, operações policiais, levantamentos de inteligência, perícias e condução de inquéritos policiais,
que tratem das matérias relacionadas aos temas acima especificados.

Além disso, também atua nas atividades de polícia administrativa, realizando a expedição
de passaportes e documentos de viagem, registro de estrangeiros, controle de produtos químicos, controle
de armas, controle de segurança privada, e demais atribuições, que serão detalhadas no decorrer deste
relatório.

2.4 Organograma

3
Quadro 2: Informações sobre áreas ou subunidades estratégicas
Áreas/ Período de
Subunidades Competências Titular Cargo atuação
Estratégicas
Promover a execução das atividades, ações e operações, a
fim de estabelecer os objetivos, políticas, metas
prioritárias da Polícia Federal em consonância com as
diretrizes de segurança pública estabelecidas pelo
Ministro de Estado da Justiça, expedindo os atos
administrativos necessários à consecução dos objetivos Delegado 01/01/2016
Direção-Geral Leandro Daiello a
finalísticos; firmar contratos, convênios e outros atos de Polícia
(DG) Coimbra 31/12/2016
negociais congêneres com entidades de direito público e Federal
privado; gerir os recursos orçamentários e financeiros
consignados à Polícia Federal; administrar o
Departamento de Polícia Federal procedendo as
adequações necessárias a estrutura do órgão, bem como as
demais incumbências definidas em Regimento Interno.
Dirigir, planejar, coordenar, controlar e avaliar as
atividades de polícia marítima, aeroportuária, de
fronteiras, registro de estrangeiros, controle migratório,
Diretoria- segurança privada, controle de produtos químicos, 01/01/2016
Delegado
Executiva controle de armas, e outras atividades de polícia Rogério Augusto a
de Polícia
(DIREX) administrativa; além de prestar apoio operacional e de Viana Galloro 31/12/2016
Federal
aviação operacional às atividades finalísticas, bem como
de segurança institucional, de segurança de dignitários e
depoente especial, identificação humana civil e criminal e
emissão de documentos de viagem.
Dirigir, planejar, coordenar, controlar e avaliar a atividade
de investigação criminal de infrações penais praticadas
por organizações criminosas, contra os direitos humanos e
Diretoria de comunidades indígenas, contra o meio ambiente e
Investigação e patrimônio histórico, contra a ordem econômica e o 01/01/2016
Delegado
Combate ao sistema financeiro nacional, contra a ordem política e Maurício Leite a
de Polícia
Crime social, de tráfico ilícito de drogas e de armas, de Valeixo 31/12/2016
Federal
Organizado contrabando e descaminho de bens, de lavagem de ativos,
(DICOR) de repercussão interestadual ou internacional e que exija
repressão uniforme e em detrimento de bens, serviços e
interesses da União ou de suas entidades autárquicas e
empresas públicas.
Dirigir, planejar, coordenar, controlar e avaliar as
Corregedoria- 01/01/2016
atividades correicional e disciplinar, orientar a Delegado
Geral de Polícia Roberto Mario da a
interpretação e o cumprimento da legislação pertinente às de Polícia
Federal Cunha Cordeiro 31/12/2016
atividades de polícia judiciária; disciplinar e apurar as Federal
(COGER)
infrações cometidas por servidores da Polícia Federal.
Diretoria de Dirigir, planejar, coordenar, controlar, avaliar e orientar as 01/01/2016
Delegado
Inteligência atividades de inteligência no âmbito da Polícia Federal, Sandro Luciano a
de Polícia
Policial bem como planejar e executar operações de Caron de Moraes 31/12/2016
Federal
(DIP) contrainteligência e antiterrorismo.
Diretoria 01/01/2016
Dirigir, planejar, coordenar, orientar, executar, controlar e Perito
Técnico- a
avaliar as atividades de perícia criminal. José Jair Wermann Criminal
Científica 31/12/2016
Federal
(DITEC)
Dirigir, planejar, coordenar, orientar, executar, controlar e 01/01/2016
Diretoria de Delegado
avaliar as atividades de seleção, formação e capacitação Luiz Pontel de a
Gestão de de Polícia
de servidores, pesquisa e difusão de estudos científicos Souza 31/12/2016
Pessoal (DGP) Federal
relativos à segurança pública e gestão de pessoal.
Diretoria de Dirigir, planejar, coordenar, orientar, executar, controlar e 01/01/2016
Delegado
Administração e avaliar as atividades de orçamento e finanças, Omar Gabriel Haj a
de Polícia
Logística modernização da infraestrutura e logística policial e Mussi 31/12/2016
Federal
Policial (DLOG) gestão administrativa de bens e serviços.

4
Propor diretrizes para o planejamento, a supervisão, a
coordenação, a orientação e a avaliação da política de
informática, tecnologia da informação e de
telecomunicações; dotar a Polícia Federal de sistemas
Coordenação- informatizados integrados, administrar os recursos da
Geral de tecnologia da informação, incluindo a internet e intranet, Perito 01/01/2016
Marcelo de a
Tecnologia da bem como as instalações da rede de telecomunicações; Criminal
Azambuja Fortes 31/12/2016
Informação identificar as necessidades, bem como supervisionar, Federal
(CGTI) acompanhar e avaliar o desenvolvimento, a implantação,
a implementação, a manutenção e a atualização
tecnológica dos sistemas corporativos; coordenar e
acompanhar a manutenção preventiva e corretiva dos
equipamentos de informática e de telecomunicações.

5
2.5 Macroprocessos finalísticos

A Arquitetura de Processos da Polícia Federal está representada por 25 macroprocessos, os quais contemplam 275 processos. Desses 25, 14
são considerados Macroprocessos Finalísticos, conforme detalhamento na tabela a seguir.

Quadro 3: Macroprocessos Finalísticos


Macroprocessos/ Processo Responsável pela Principais Parceiros Subunidades
Produtos e Serviços Principais Clientes Responsáveis
Descrição Entrega
Levantamento Preliminar de
Informações sobre DICOR/PF
Informações Sobre Crimes de Polícia Federal Não se aplica
Tráfico de Drogas
Tráfico de Drogas
Informações Análise de Resultado da Operação DICOR/PF
Polícia Federal Não se aplica
estruturadas Especial de Polícia Administrativa
Realização da Investigação Poder Judiciário, DICOR/PF
Inquérito Policial Sociedade
Criminal Ministério Público
Planejamento Planejamento da Operação DICOR/PF
Polícia Federal Força Nacional, Ibama
Operacional Especial de Polícia Administrativa
Investigação Criminal - Execução da Operação Especial de DICOR/PF
Operações Especiais Sociedade Força Nacional, Ibama
Conjunto de processos que visa à Polícia Administrativa
apuração das infrações penais e Órgãos Governamentais, DICOR/PF
Fase Ostensiva da Operação
respectiva autoria, incluindo Produção de Provas Sociedade Ministério Público, Poder
Especial de Polícia Judiciária
aquelas a cujo teor deva ser dado Judiciário
tratamento sigiloso, sendo Análise de Material e Produção de DICOR/PF
Informações
formalizado por meio de Resultado da Operação Especial Polícia Federal Não se aplica
Estruturadas
instrumentos como inquérito de Polícia Judiciária
policial e termo circunstanciado, Produção de Informações Sobre DICOR/PF
Informações sobre
que configuram a exteriorização Crimes Praticados com Uso da Polícia Federal Não se aplica
crimes
da investigação criminal. Inclui Web
as operações policiais Informações de Fase Sigilosa da Operação Ministério Público, Poder DIP/PF
Polícia Federal
necessárias à obtenção do Inteligência Especial de Polícia Judiciária Judiciário
conjunto probatório necessário à Termo Lavratura do Termo DICOR/PF
Poder Judiciário Não se aplica
conclusão da investigação. Circunstanciado Circunstanciado de Ocorrência
Registro Especial Efetivação do Registro Especial Poder Judiciário Não se aplica DICOR/PF
Arquivos Unidades responsáveis pela DICOR/PF
Interceptação Telemática Provedores
interceptados investigação
Poder Judiciário Ministério Poder Judiciário, DICOR/PF
Inquérito Policial Condução do Inquérito Policial
Público Ministério Público
Atendimento a Situações que DIP/PF
Dados de inteligência
Exijam Técnicas Especiais de Polícia Federal Não se aplica
Provas
Investigação
Imagens (eletro-ótico, Operação do Sistema VANT da Órgãos externos com acordo Segundo Centro Integrado DIP/PF

14
Macroprocessos/ Processo Responsável pela Principais Parceiros Subunidades
Produtos e Serviços Principais Clientes Responsáveis
Descrição Entrega
SAR, Polícia Federal de cooperação, Secretarias de de Defesa Aérea e
eletromagnética, Segurança, CENSIPAM, Controle de tráfego Aéreo
ISAR), INPE, IBAMA, FUNAI, (CINDACTA II)
Conhecimento CGCINTEPOL/DIP Comando de Defesa
produzido a partir das Aeroespacial Brasileiro
imagens obtidas, (COMDABRA)
Informação (dado não
trabalhado),
Patrulhamento
ostensivo, Repetição
de sinais
Informações Caixa Econômica Federal DICOR/PF
Produção de Informações sobre Unidades descentralizadas,
estratégicas e de (CEF)
Fraudes Eletrônicas (Projeto Grupos, Alta Administração,
inteligência sobre Federação Brasileira de
Tentáculo) Sociedade
fraudes eletrônicas Bancos (FEBRABAN)
Departamento de DICOR/PF
Segurança da Informação e
Informações de Comunicação (DSIC)
inteligência de Órgãos Governamentais, Alta Centro de Pesquisas
ataques cibernéticos, Segurança Cibernética Nacional Administração, Delegacias Bancos
Relatórios estatísticos Descentralizadas Centro de Coordenação
e gerenciais (CETIR)
Equipes de Tratamentos
(ETIR)
Relatórios analisados Delegacia de Crimes DICOR/PF
Conselho de Controle de
pela DFIN Financeiros (DELEFIN)
Gerenciamentos dos Relatórios de Atividades Financeiras
disponibilizados, Grupo de Repressão a Crimes
Inteligência Financeira do COAF (COAF/Ministério da
Cadastramento no Financeiros (GRFIN)
Fazenda)
SEI Servidores cadastrados no SEI
Inteligência Policial - Produção de Conhecimento em DIP/PF
Conhecimento Polícia Federal Não se aplica
Conjunto de processos relativo à Nível de Polícia Judiciária
atividade de produção e proteção Relatórios
de conhecimentos, exercida pela identificadores das
Polícia Federal, por meio do uso vulnerabilidades e Gestão da Segurança Orgânica da DIP/PF
Polícia Federal Não se aplica
de metodologia própria e de mecanismos de Polícia Federal
técnicas acessórias, com a segurança a ser
finalidade de apoiar o processo implementados
decisório do órgão, quando Diretoria de Inteligência Integrantes dos Sistema
Produção de Conhecimento em
atuando no nível de Relatórios de Policial (DIP), Demais Brasileiro de Inteligência DIP/PF
Nível Estratégico em Caso
assessoramento, ou ainda, de Inteligência Diretorias, Órgãos do (SISBIN)
Específico
subsidiar a produção de provas SISBIN, Polícias e órgãos de Polícias e órgãos de
15
Macroprocessos/ Processo Responsável pela Principais Parceiros Subunidades
Produtos e Serviços Principais Clientes Responsáveis
Descrição Entrega
penais, quando for necessário o Inteligência, International inteligência internacionais,
emprego de suas técnicas e Criminal Police Organization International Criminal
metodologias próprias, atuando, (INTERPOL), outras Police Organization
neste caso, no nível operacional. unidades de inteligência da (INTERPOL)
Polícia Federal
Plano de Inteligência,
Sistema Brasileiro de
Relatórios de
Inteligência (SISBIN)
Inteligência Produção de Conhecimento em DIP/PF
Alta Administração (ABIN, MD, CIE, CIM,
(Apreciação e Nível Estratégico
CIAER, etc)
Estimativa)

Relatório de Produção de Conhecimento Sobre Alta Administração, Órgãos Sistema Brasileiro de DIP/PF
inteligência Pessoas governamentais Inteligência (SISBIN)
Planejamento e Execução de DIREX/PF
Apoio Aéreo Órgãos e entidades externas Não se aplica
Operações Aéreas Externas
Emprego de Planejamento e Execução de DIREX/PF
Polícia Federal Não se aplica
Embarcações Operações com Embarcações
Produção de Informações
Relatórios Gerenciais Estatísticas da Aviação Polícia Federal Não se aplica DIREX/PF
Operacional
Fornecedores de peças
Documentação Manutenção de Documentação Fornecedores de aeronaves DIREX/PF
Recursos Especiais Polícia Federal
técnica atualizada Técnica da Aviação Operacional Órgãos de fiscalização e
Conjunto de processos que tem
controle da aviação
por objetivo fornecer os suportes
Unidades Descentralizadas,
táticos e técnicos necessários à
Operação executada Alta Administração, Órgãos
execução dos processos Planejamento e Execução de DIREX/PF
Relatórios das do Governo (Caixa Não se aplica
finalísticos de Polícia Judiciária e Operações Táticas
Polícia Administrativa da operações Estatísticas Econômica Federal, IBAMA,
Instituição. Incluem-se nesse INCRA e FUNAI)
macroprocesso a aviação Alta Administração
operacional, o comando tático e (Diretorias), Unidades
os cães de serviço. Descentralizadas,
Departamento Penitenciário
Nacional (DEPEN), Secretaria
Planejamento da Ministério da Justiça e
Planejamento e Execução de Nacional de Políticas sobre DIREX/PF
operação aérea e a Segurança Pública - MJSP
Operações Aéreas Internas Drogas do Ministério da
execução exitosa (autorização dos PCDPs)
Justiça (SENAD), Secretaria
Nacional de Segurança
Pública (SENASP), Fundação
Nacional do Índio, ICMBio,
MJ, entre outros
16
Macroprocessos/ Processo Responsável pela Principais Parceiros Subunidades
Produtos e Serviços Principais Clientes Responsáveis
Descrição Entrega
Aquisição e Adestramento de Cães Canil Central e Canis DICOR/PF
Cão adestrado Não se aplica
de Serviço Regionais
Superintendências Regionais,
Delegacias Descentralizadas,
Instituto Nacional de
Serviço de detecção Planejamento e Execução de DICOR/PF
Criminalística (INC), Órgãos Não se aplica
disponibilizado Operações com Cães de Serviço
externos (Correios, Receita
Federal do Brasil,
Embaixadas, etc)
Coordenação de
serviço de emissão Emissão de Documentos de Unidades Descentralizadas, DIREX/PF
Não se aplica
Documentos de Viagem Cidadão
viagem
Controle Migratório,
Relatório anual,
Controle Migratório - Alta Administração, DIP,
Estatísticas de
Conjunto de processos que visa DELEMIGs, MRE, Ministério DIREX/PF
entrada e saída de Controle Migratório Internacional Não se aplica
ao estabelecimento e à da Justiça, Ministério do
pessoas, Número de
implantação de critérios e regras Turismo, ANAC
impedidos de entrar
para o ingresso e para a saída de no Brasil
nacionais e estrangeiros do
Registro das DIREX/PF
território brasileiro, bem como a Cadastro de Empresas de Empresas que necessitam do
empresas de
expedição e o controle de Transporte Internacional de cadastro de transporte Não se aplica
transporte, Relatórios
documentos de viagem de Pessoas e Cargas internacional
estatísticos
cidadãos brasileiros. Contempla
Manutenção dos DIREX/PF
a permanente atualização do
Registros, Descentralizadas, Alta
cadastro dos estrangeiros Gerenciamento do Sistema
Padronização dos Administração, Poder
residentes no País e a execução Nacional de Procurados e Não se aplica
procedimentos, Judiciário, Órgãos do
dos procedimentos para a Impedidos
Orientações, Insumo Governo
emissão da Carteira de
para capacitação
Estrangeiro, documento que
Carteira de Expedição da Carteira de DIREX/PF
garante a legalidade da Estrangeiros Não se aplica
permanência dos estrangeiros no Estrangeiro Identidade de Estrangeiro
País. Coordenação DIREX/PF
realizada com
MJSP,
emissão de relatórios Alta Administração,
Retirada Compulsória de Ministério das Relações
anuais e relatórios Ministério da Justiça,
Estrangeiros Exteriores,
pontuais, Retirada Presidência da República
Poder Judiciário
Compulsória de
Estrangeiros
Segurança de Portos e Planejamento e Execução da DIREX/PF
Segurança Portuária Portos Não se aplica
Aeroportos – Segurança Portuária
17
Macroprocessos/ Processo Responsável pela Principais Parceiros Subunidades
Produtos e Serviços Principais Clientes Responsáveis
Descrição Entrega
Conjunto de processos que visam Policiamento Planejamento e Execução do DIREX/PF
Sociedade Não se aplica
ao planejamento e ao controle da Marítimo e Fluvial Policiamento Marítimo e Fluvial
segurança aeroportuária e DIREX/PF
portuária, bem como no
Segurança Planejamento e Execução da Comunidade Aeroportuária, Ministério das Relações
policiamento marítimo e fluvial
Aeroportuária Segurança Aeroportuária Alta Administração Exteriores (MRE)
executado pelas Unidades
Descentralizadas
Ministério das Relações DIREX/PF
Fiscalização de Adoção Entidades de adoção
Emissão do Exteriores (MRE), MJSP,
Internacional de Crianças e internacional
Certificado Consulados Entidades
Adolescentes Brasileiros Superintendências Regionais
credenciadas, Justiça
Proteção à Vida e aos Direitos Secretaria Especial de DIREX/PF
Humanos -Conjunto de Direitos Humanos (SEDH)
processos destinado à proteção à Secretarias de Segurança
Proteção de Pessoas que
vida e aos direitos humanos, em Proteção à Pública Estadual
Aguardam Decisão de Inclusão no Testemunhas
especial nos casos de proteção ao testemunha Procuradoria da República
PNPT
réu colaborador preso, proteção Poder Judiciário
de pessoas que aguardam Ministério de Relações
acolhimento no Programa Exteriores (MRE)
Nacional de Proteção a Departamento DIREX/PF
testemunhas (PNPT), bem como Penitenciário Nacional
à fiscalização de adoção (DEPEN) Poder Judiciário
internacional de crianças. Proteção ao réu Proteção ao Réu Colaborador Réu colaborador preso e seus Secretaria Especial de
colaborador preso Preso familiares Direitos Humanos
Ministério Público
Estadual e Federal

Institutos de Identificação DIREX/PF


Boletim de (II) de alguns Estados
Elaboração e Atualização do
Identificação Criminal - Informações Polícia Federal Tribunais de Justiça (TJ)
Boletim de Informações Criminais
Conjunto de processos Criminais dos Estados
relacionados ao registro, à Justiça Federal
guarda, à recuperação e ao Secretarias de Segurança DIREX/PF
fornecimento, quando solicitado, Folha de Poder Judiciário, Polícia Pública
Emissão de Folhas de
de todos os dados e informações Antecedentes Federal, Secretarias de Tribunais de Justiça dos
Antecedentes Criminais
necessários para estabelecer a Criminais Segurança Pública Estados
identidade de acusados da prática Justiça Federal
de infrações criminais. Certidão de DIREX/PF
Emissão da Certidão de
Antecedentes Sociedade Não se aplica
Antecedentes Criminais
Criminais

18
Macroprocessos/ Processo Responsável pela Principais Parceiros Subunidades
Produtos e Serviços Principais Clientes Responsáveis
Descrição Entrega
Institutos de Identificação DIREX/PF
Banco de dados de (II) de alguns Estados
Gestão dos Registros de
informações Polícia Federal Tribunais de Justiça (TJ)
Informações Criminais
criminais atualizados dos Estados
Justiça Federal
Segurança das Pessoas – Segurança de Realização de Segurança de DIREX/PF
Presidenciáveis MJSP, Justiça Eleitoral
Consiste no conjunto de Presidenciáveis Presidenciáveis
processos que tem por objetivo Segurança de Realização de Segurança de DIREX/PF
Dignitários MJSP
resguardar a integridade física de Dignitários Dignitários
pessoas, em especial as DIREX/PF
autoridades nacionais e
internacionais (dignitários) e as
Segurança de Realização de Segurança de Órgão Governamentais
testemunhas em processos Autoridades
Autoridades Autoridades MJSP
judiciais ou em investigações
criminais de competência
federal.
Credenciamento de DIREX/PF
Credenciamento de Instrutores que Instrutores de armamento e
instrutores de
Atuam na Iniciativa Privada Sob o tiro que atuam na iniciativa Não se aplica
armamento e tiro da
Controle da CONAT privada
iniciativa privada
Controle de Armas de Fogo - Certificado de DIREX/PF
Conjunto de processos Credenciamento de Psicólogos, Requerente (Psicólogos,
credenciamento Não se aplica
destinados à regulação e à Instrutores de Tiro e Armeiros armeiro, instrutor)
Licença (armeiro)
fiscalização do registro, da posse Arma retirada de Requerentes (possuidores de Parceiros conveniados para DIREX/PF
e da comercialização de armas de Recebimento de Armas de Fogo
circulação armas) coleta, Exército
fogo e munições, incluindo a
Autorização para Trânsito de Requerentes (Proprietários de Instrutores de tiro, DIREX/PF
gestão do Sistema Guia de trânsito
Arma de Fogo arma) Psicólogo
Nacional de Armas de Fogo
Autorização para Emissão de DIREX/PF
(SINARM) e o controle de Secretarias de Segurança
Convênio Porte de Arma de Fogo para Requerentes (Prefeituras)
instrutores de tiro e dos Pública (SSPs) Prefeituras
Guarda Municipal
profissionais habilitados para a
Concessão (ou não) Autorização do Porte de Arma de Requerentes (cidadão DIREX/PF
realização de avaliações Não se aplica
da autorização Fogo de Uso Permitido proprietário de arma de fogo)
psicológicas para emissão dos
documentos autorizativos para Autorização do Porte de Arma de DIREX/PF
Estados estrangeiros Ministério das Relações
aquisição e para registro e porte Porte de arma de fogo Fogo para Segurança de
(Embaixadas) Exteriores (MRE)
de armas no País. Dignitários Estrangeiros
Concessão (ou não) Autorização para Aquisição de DIREX/PF
Requerentes (cidadão) Não se aplica
da autorização Armas de Fogo de Uso Permitido
Registro de arma de Exército, Secretarias de DIREX/PF
Registro de Arma de Fogo Requerentes (cidadão)
fogo (CRAF) Segurança Pública
Controle de Precursores Autorizações de Controle de Importação e Pessoas Físicas e Jurídicas Receita Federal do Brasil DIREX/PF

19
Macroprocessos/ Processo Responsável pela Principais Parceiros Subunidades
Produtos e Serviços Principais Clientes Responsáveis
Descrição Entrega
Químicos - Conjunto de importação e Exportação de Produtos Químicos (requerentes), Órgãos de (RFB)
processos destinado ao controle e exportação controle dos países-sede das Serviço Federal de
à fiscalização dos produtos Notificações empresas que recebem as Processamento de Dados
químicos e das substâncias às bilaterais autorizações (SERPRO)
quais se refere a Lei 10.357, Banco Central do Brasil
27/12/2001, sendo executado Ministério do
mediante o cadastramento e Desenvolvimento,
fiscalização das empresas que Indústria e Comércio
exerçam ou venham a exercer Exterior (MDIC)
quaisquer das atividades Organização das Nações
elencadas nessa lei, por meio da Unidas (ONU)
expedição dos certificados e Organização dos Estados
autorizações pertinentes. Americanos (OEA)
Órgão de Fiscalização de
outros Países
Penalidade DIREX/PF
Instauração e Condução de
administrativa (multa,
Processo Administrativo de Sociedade Não se aplica
advertência, perda de
Infração (PAI)
produto, etc)
Certificados de DIREX/PF
Cadastro e/ou de
Licença Informações
Pessoas Físicas e Jurídicas Secretaria Nacional de
sobre empresas Cadastro e Licenciamento de
conforme descrição Políticas sobre Drogas
cadastradas e Empresas de Produtos Químicos
(requerente) (SENAD)
licenciadas para
prática de atividades
controladas
Processos de Fiscalização de Empresas de DIREX/PF
Sociedade Não se aplica
fiscalização Produtos Químicos
Controle da Segurança Empresas Especializadas de DIREX/PF
Privada - Conjunto de processos Portaria de Cancelamento de Atividade e de Segurança Privada, Empresas
Não se aplica
destinado ao controle das Cancelamento Autorização de Funcionamento de Serviço Orgânico de
atividades de segurança privada Segurança Privada
no País, desenvolvidas por Empresas Especializadas de DIREX/PF
Autorização para Aquisição de
empresas especializadas, com a Autorizações para Segurança Privada, Empresas
Armas, Munições, Petrechos e Não se aplica
finalidade de proceder à Aquisição de Serviço Orgânico de
Coletes Balísticos
vigilância e segurança Segurança Privada
patrimonial das instituições Credenciamento de DIREX/PF
financeiras e de outros instrutor para Escola Credenciamento de Instrutor para Escolas de Formação de
Não se aplica
estabelecimentos; à garantia da de Formação de Escola de Formação de Vigilante Vigilantes Instrutores
incolumidade física de pessoas; à Vigilante credenciado
20
Macroprocessos/ Processo Responsável pela Principais Parceiros Subunidades
Produtos e Serviços Principais Clientes Responsáveis
Descrição Entrega
realização do transporte de Encerramento de Atividade DIREX/PF
Decisão Final Sociedade Não se aplica
valores e da provisão de Clandestina de Segurança Privada
segurança no transporte de Certificado de DIREX/PF
Aprovação do Plano de Segurança
qualquer outro tipo de carga; e ao Aprovação do Plano Instituições Financeiras Não se aplica
Bancária
recrutamento, seleção, formação de Segurança
e reciclagem do pessoal a ser Certificado de DIREX/PF
qualificado e autorizado a Emissão do Certificado de Empresas de Transporte de
Vistoria de Carro- Não se aplica
exercer essas atividades. Esse Vistoria de Carro-Forte Valores
Forte
controle prevê a normatização e a Vigilante habilitado DIREX/PF
concessão das autorizações ao exercício de Emissão do Registro de
pertinentes ao serviço de Escolas de Formação de
vigilância patrimonial Certificado de Formação do Não se aplica
segurança privada do País. Vigilante, Vigilante
em todo o território Vigilante
nacional
Guia de Transporte Empresas Especializadas de DIREX/PF
Emissão de Guia de Transporte de
de Armas, Munições, Segurança Privada, Empresas
Armas, Munições, Explosivos e Não se aplica
Explosivos e de Serviço Orgânico de
Petrechos de Recarga
Petrechos de Recarga Segurança Privada
Emissão da Carteira Nacional de Empresas de segurança e DIREX/PF
Carteira emitida Não se aplica
Vigilante - CNV vigilantes
Empresas Especializadas de DIREX/PF
Expedição da Autorização de
Segurança Privada, Empresas
Alvará de autorização Funcionamento e Alteração de Não se aplica
de Serviço Orgânico de
Atos Constitutivos
Segurança Privada
Delegacia de Controle de DIREX/PF
Portaria de Processo Punitivo em Desfavor de Segurança Privada
julgamento publicada Empresas de Segurança Privada e (DELESP), Comissão de Não se aplica
no DOU Instituição Financeira Vistoria Coordenação

Criminalística - Conjunto de Órgãos no campo da


Vistoria, Formulário
processos de descoberta, análise, atribuição da Polícia Federal, Policia Militar Polícia
de entrega, DITEC/PF
coleta e exame pericial de Vistoria Antibomba Grandes eventos, Civil, Bombeiros
Formulário de
vestígios criminais, outros órgãos governamentais Defesa Civil Exército
dispensa de vistoria
indispensáveis para elucidação sob demanda
de crimes. Seus objetivos são a Polícia Militar, Polícia DITEC/PF
elucidação da dinâmica, a Civil, Defesa Civil
Ambiente Seguro, Órgãos e pessoas no campo
explicação da prova material dos Segurança e Contramedidas Bombeiros Exército,
ameaça neutralizada, da atribuição da Polícia
delitos e a identificação de seus Antibomba Serviço de Atendimento
Relatório Federal, Grandes eventos
autores e vítimas. A Móvel de Urgência
criminalística se utiliza de (SAMU)
conhecimentos científicos e Parecer Técnico Avaliação Técnica de Documentos Autarquias, Departamento Não se aplica DITEC/PF

21
Macroprocessos/ Processo Responsável pela Principais Parceiros Subunidades
Produtos e Serviços Principais Clientes Responsáveis
Descrição Entrega
aplica diferentes procedimentos e de Segurança Nacional de Trânsito
técnicas para reprodução dos (Denatran), Conselhos de
fatos sob investigação criminal, Classe, Ministérios, Polícia
sendo as disciplinas em que se Federal
baseia denominadas Ciências Secretaria de Direitos Secretaria de Direitos DITEC/PF
Forenses. O desenvolvimento Localização e Identificação de Humanos da Presidência da Humanos da Presidência
das atividades dos Peritos Relatórios Técnicos Vestígios de Desaparecidos República, Comissão Especial da República
Criminais Federais resulta em Políticos de Mortos e Desaparecidos Ministérios Públicos
Laudos Periciais Criminais, Políticos IML
fornecendo elementos técnicos Órgãos e entidades dos DITEC/PF
probatórios à investigação poderes Executivo, Judiciário
policial e ao processo criminal. Documento Técnico Varredura Eletrônica Não se aplica
e Legislativo, em todas as
esferas
Laudo de Perícia Autoridade Policial, DITEC/PF
Criminal, Informação Realização de Exames Periciais Ministério Público, Poder Poder Judiciário
Técnica Judiciário
Formulários de DITEC/PF
avaliação dos Laudos
Periciais Criminais,
Manuais e Instituto Nacional de
orientações para Criminalística (INC),
elaboração de laudos Avaliação da Qualidade dos Diretoria Técnico-Científica
Não se aplica
e documentos Laudos Periciais Criminais (DITEC), Unidades
contendo Descentralizadas, Peritos
informações para Criminais Federais
subsidiar a tomada de
decisões pela
diretoria do INC
Embaixadas DITEC/PF
Indústrias farmacêuticas
Associação Brasileira de
Normas Técnicas (ABNT)
Padrões de referência Peritos Criminais Federais,
Departamento de Trânsito
e fontes de pesquisa Provimento de Padrões de Polícia de Imigração
(Detran) dos estados
para realização de Referência e Fontes de Pesquisa (servidores policiais),
Secretaria de Segurança
perícias para Realização de Perícias Exceção (outros policiais,
Pública (SSP) dos estados
disponibilizados BDCRIM)
Instituto Brasileiro do
Meio Ambiente e dos
Recursos Naturais
Renováveis (IBAMA)

22
Macroprocessos/ Processo Responsável pela Principais Parceiros Subunidades
Produtos e Serviços Principais Clientes Responsáveis
Descrição Entrega
Autoridade Central
Administrativa Federal
(ACAF)
Autoridade Central Ministério das Relações
Localização de Localização de Pessoas com Fins Administrativa Federal Exteriores (MRE), DIREX/PF
Pessoas Humanitários (ACAF), Parentes dos International Collaborative
localizados Exercise (ICE)
International Criminal
Police Organization
(INTERPOL)
Ministério da Justiça (MJ) DIREX/PF
Cooperação Internacional - Autoridades estrangeiras
Transferência de Transferências Ativas e Passivas
Conjunto de processos que visa à Ministério da Justiça (MJ) Ministério das Relações
Presos de Presos para Fins Humanitários
cooperação, ao intercâmbio de Exteriores (MRE)
informações e à gestão do
relacionamento da Polícia Controle das DIREX/PF
Federal com outras instituições demandas, Unidades Descentralizadas,
policiais internacionais visando Informações ou Controle de Demandas de Poder Judiciário, Polícias
Não se aplica
ao cumprimento das atribuições providências Cooperação Internacional Congêneres estrangeiras
institucionais recíprocas. solicitadas

Autoridades Estrangeiras, DIREX/PF


Atendimento às
Polícia Federal, Departamento Departamento de
demandas
de Recuperação de Ativos e Recuperação de Ativos e
apresentadas pelas Cooperação Jurídica Internacional
Cooperação Jurídica Cooperação Jurídica
autoridades
Internacional (DRCI) Internacional (DRCI)
estrangeiras
Relatório de Polícia Federal, Coordenação- DIREX/PF
Supervisão Relatório Geral de Combate a Ilícitos
Supervisão das Adidâncias e
consolidado Transnacionais Não se aplica
Oficialatos de Ligação no Exterior
trimestral para a (COCIT/MRE)
COCIT/MRE
Identificação Civil - Conjunto Prospecção de Métodos, Padrões e DIREX/PF
Aperfeiçoamento da
de processos destinados à Ferramentas para Identificação Polícia Federal Não se aplica
Identificação Civil
individualização das pessoas por Humana
meio de suas impressões Gerenciamento e Administração de Documentos DIREX/PF
Usuários do AFIS, Usuários
datiloscópicas, consistindo nas disponibilização de Relacionados à Identificação Não se aplica
do SINIC
etapas de coleta, análise e documentos Humana
armazenamento, a fim de Gestão dos Registros de DIREX/PF
Gestão dos Registros Polícia Federal MJSP
possibilitar a emissão de Identificação Civil

23
Macroprocessos/ Processo Responsável pela Principais Parceiros Subunidades
Produtos e Serviços Principais Clientes Responsáveis
Descrição Entrega
inúmeros documentos de Laudos e DIREX/PF
Superintendências Regionais,
identificação, a exemplo da Informações
Representação Facial Humana Delegacias Descentralizadas, Não se aplica
Carteira de Identidade de Técnicas, Retrato
Órgãos Externos
Estrangeiro, Passaporte Falado
Nacional, Carteira de Vigilante, Usuários do Sistema AFIS, DIREX/PF
Carteira Funcional de Servidores Poder Judiciário, Secretarias
Laudo, Registro no
da Polícia Federal. de Segurança Pública,
AFIS, Incremento da Poder Judiciário
Individualização Humana Superintendências, Delegacias
base de dados de Secretarias de Segurança
(Sistema AFIS) Descentralizadas, Postos
individualização da Pública
Avançados, Instituto Nacional
Pessoa
de Identificação (INI)

24
3. PLANEJAMENTO ORGANIZACIONAL E RESULTADOS

3.1 Planejamento organizacional

3.1.1 Descrição sintética dos objetivos do exercício

Objetivos Institucionais:

I - fortalecer a cultura de gestão estratégica: implantar uma cultura permanente de gestão


estratégica no âmbito da Polícia Federal, em busca da eficácia, eficiência e efetividade de seus serviços e
atividades;

II - valorizar o Servidor: estabelecer e implantar estratégias de avaliação do mérito e


valorização do pessoal, motivando todas as categorias de servidores e agregando valores de maneira a
formar um grupo coeso e permanente;

III – ampliar a Credibilidade Institucional: estabelecer e promover ações para a proteção da


imagem, políticas de responsabilidade socioambiental e implantação de canais de comunicação que possam
responder com rapidez e eficiência às demandas da sociedade e dos servidores;

IV - reduzir a Criminalidade: reduzir a atuação da criminalidade organizada, aprimorando e


modernizando constantemente as técnicas investigativas, em todos os segmentos de atuação;

V - promover a Cidadania: promover o reconhecimento formal de direitos e deveres na vida


cotidiana dos indivíduos, por meio da divulgação e fortalecimento das ações de polícia administrativa no
território brasileiro e suas fronteiras;

VI - incrementar os Acordos e Parcerias: promover, consolidar, regular e oficializar parcerias


estratégicas, em âmbito nacional e internacional, de maneira a conferir respaldo e legitimidade às ações
operacionais, de inteligência, de treinamento, de transferência de tecnologia, entre outras;

VII - otimizar o Emprego dos Bens e Recursos Materiais: modernizar a gestão do patrimônio
e dos recursos materiais da instituição, aperfeiçoando o seu emprego e utilização;

VIII - consolidar a Governança em Tecnologia da Informação: estruturar as práticas,


padrões, processos, recursos e relacionamentos na área de Tecnologia da Informação, aprimorando seus
serviços e agregando valor à instituição;

IX - integrar o Orçamento ao Planejamento Estratégico: vincular a proposta orçamentária da


Polícia Federal ao seu planejamento estratégico, de maneira a dispor de um plano orçamentário sustentável
que permita adequar qualitativa e quantitativamente os recursos financeiros ao cumprimento de sua missão;
e,

X – fortalecer a Governança: fortalecer os mecanismos do órgão que definem o


direcionamento estratégico, supervisionam a gestão, promovem o envolvimento das partes interessadas,
gerenciam riscos estratégicos, monitoram os resultados, o desempenho e o cumprimento de políticas e
planos e promovem a accountability e a transparência, garantindo a eficácia e efetividade das ações e
fornecendo subsídios para processo decisório de qualidade.

32
A seguir são elencados, em forma gráfica, os Objetivos Institucionais e as respectivas Ações
Estratégicas - priorizadas pela Polícia Federal para buscar ao alcance desses objetivos:

Figura 1 - Objetivos Institucionais e Ações Estratégicas

INCREMENTAR CONSOLIDAR A INTEGRAR O


FORTALECERA VALORIZAR AMPLIAR A OTIMIZAR O EMPREGO
REDUZIR A PROMOVER A GOVERNANÇA EM ORÇAMENTO AO FORTALECER A
CULTURA DE GESTÃO CREDIBILIDADE OS ACORDOS DOS BENS E RECURSOS
O SERVIDOR CRIMINALIDADE CIDADANIA TECNOLOGIA DA PLANEJAMENTO GOVERNANÇA
ESTRATÉGICA INSTITUCIONAL E PARCERIAS MATERIAIS
INFORMAÇÃO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO PROTEÇÃO DA DEFESA DOS GESTÃO DE GESTÃO APRIMORAMEN-


GESTÃO POR PREVENÇÃO À DIREITOS ALIANÇAS GOVERNANÇA DE
ESTRATÉGICO IMAGEM OBRAS E ORÇAMENTÁRIO- TO DO AMBIENTE
COMPETÊNCIA CRIMINALIDADE INTERNACIONAIS TI
INSTITUCIONAL HUMANOS INFRAESTRUTURA FINANCEIRA DE CONTROLE

ASSISTÊNCIA DIFUSÃO DA OTIMIZAÇÃO DOS


REPRESSÃO A GESTÃO DO GESTÃO DA
GESTÃO DE COMUNICAÇÃO SERVIÇOS AO COOPERAÇÃO GESTÃO DE ENTREGA E
À SAÚDE DO ORGANIZAÇÕES ORÇAMENTO AVALIAÇÃO DE
PROCESSOS INTERNA E USUÁRIO/ NACIONAL CONTRATOS SUPORTE DE TI
SERVIDOR CRIMINOSAS ESTRATÉGICO RISCOS
EXTERNA CIDADÃO

DESENVOLVIMEN ATENDIMENTO DE
POLÍTICA DE ATUAÇÃO INDIVIDUALIZA-
TO DA GESTÃO DE DEMANDAS DE TI APRIMORAMEN-
GESTÃO DE APOIO AO POLICIAL EM ÇÃO GESTÃO DE
RESPONSABILIDA ACORDOS E E TO DAS POLÍTICAS
PROJETOS SERVIDOR RECÉM GRANDES COMPRAS
DE DO CIDADÃO PARCERIAS TELECOMUNICA- DE CONTROLE
EMPOSSADO EVENTOS
SOCIOAMBIENTAL ÇÕES

GESTÃO DO
APRIMORAMEN-
CONHECIMENTO,
POLÍTICA DE INCREMENTAR GESTÃO DA CONTROLE TO DOS
FOMENTO À GESTÃO
REMOÇÃO DO RELAÇÕES QUALIDADE DA REGULATÓRIO E MECANISMOS E
PESQUISA, PATRIMONIAL
SERVIDOR INSTITUCIONAIS PROVA FISCALIZATÓRIO ESTRATÉGIAS DA
DESENVOLVIMEN
COMUNICAÇÃO
TO E INOVAÇÃO

APRIMORAMEN-
POLÍTICA DE APERFEIÇOAMEN
TO DO
APOIO AO TO DOS ACESSO DE
MONITORAMEN-
SERVIDOR COM PROCEDIMENTOS INFORMAÇÕES
TO DOS
TEMPO PARA DE POLÍCIA AO CIDADÃO
CONTROLES
APOSENTAR JUDICIÁRIA
INTERNOS

EFETIVAÇÃO DE PROMOÇÃO DA
GESTÃO POLÍTICA MECANISMOS DE ACCOUNTABILITY
JUNTO À ÓRGÃOS ANÁLISE E E DA
EXTERNOS INTELIGÊNCIA TRANSPARÊNCIA
POLICIAL DA GESTÃO

ATUAÇÃO
POLICIAL EM Objetivos Institucionais
ÁREAS DE
FRONTEIRA

Ações Estratégicas

Outras informações atinentes aos objetivos e metas do exercício estão apresentadas nos itens
3.1.2, 3.1.3 e 3.2 deste relatório.

3.1.2. Estágio de implementação do planejamento estratégico

Em relação ao estágio de implementação do planejamento estratégico, a Polícia Federal (PF)


vem concentrando esforços para a melhoria de sua capacidade gerencial e para a modernização dos seus
mecanismos de gestão.

Os documentos estratégicos da PF, em vigor para o período de 2014 a 2022, estão


formalizados por meio do Plano Estratégico 2014/2022, Portfólio Estratégico e Mapa Estratégico. A última
atualização foi publicada nos termos da Portaria nº 4.453/2014-DG/DPF, de 16 de maio de 2014, Boletim
de Serviço nº 093, de 19 de maio de 2014.

A composição desses documentos estratégicos é a seguinte: a) Plano Estratégico - é


composto de: I – Histórico; II – Negócio; III – Missão; IV – Visão; V – Valores; VI – Fatores Críticos de
Sucesso; VII – Políticas Corporativas; VIII – Macro-objetivos; IX – Objetivos Institucionais; e X – Ações
Estratégicas; b) Portfólio Estratégico - é composto por: I - Objetivos Institucionais (dez) e II - Ações
Estratégicas (quarenta e quatro); e c) Mapa Estratégico - é composto de: I – Missão; II – Visão; III –
33
Perspectivas (Orçamento e Finanças; Aprendizado e Crescimento; Processos Internos; e Clientes e
Resultados); IV – Macro-objetivos; V – Objetivos Institucionais, contendo as respectivas sínteses; e VI –
Síntese das Ações Estratégicas, conforme vinculação aos respectivos Objetivos Institucionais.

A Missão da PF, prevista no planejamento estratégico é:

“Exercer as atribuições de polícia judiciária e administrativa da União, a fim de contribuir


na manutenção da lei e da ordem, preservando o estado democrático de direito”.

Os Objetivos Institucionais da PF, previstos no planejamento estratégico, foram


apresentados no item 2.1.1, supra.

3.1.3. Vinculação dos planos da unidade com as competências institucionais e outros


planos

Os documentos estratégicos da PF estão aderentes às suas atribuições, previstas na


Constituição Federal, e em outras leis específicas (já citadas no item Visão Geral da Unidade deste
relatório).

Além disso, estão aderentes ao programa Justiça, Cidadania e Segurança Pública do PPA
2016-2019 e ao Planejamento Estratégico do Ministério da Justiça (MJ) 2015-2019. Nesta oportunidade,
cumpre destacar que as informações sobre o cumprimento das metas e objetivos previstos no Plano
Purianual da Polícia Federal, encontram-se no ANEXO I deste relatório, por meio de Relatório Espelho de
Monitoramento Simplificado extraído do Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento Governo Federal
– SIOP.

Destaque para o exemplo abaixo:

Quadro 4 – Objetivos estabelecidos para a UPC


Objetivo Institucional da
Objetivo do PPA Objetivo Estratégico do MJ
PF
Fortalecer o enfrentamento à Fortalecer o enfrentamento à Reduzir a Criminalidade.
criminalidade, com ênfase nas criminalidade, com enfoque
organizações criminosas, tráfico, em organizações criminosas,
corrupção e lavagem de dinheiro e tráfico, corrupção e lavagem
atuação na faixa de fronteira. Metas de dinheiro e atuação na faixa
PPA: “Incrementar o combate ao crime de fronteira.
organizado por meio de operações
especiais de polícia judiciária da
União” e “Contribuir para a redução da
impunidade ampliando o percentual de
elucidação de infrações penais de
atribuição da Polícia Federal.

Dentre outras ações e projetos, no que tange ao monitoramento da atuação da PF para o


alcance do seu objetivo institucional de Reduzir a Criminalidade, da sua contribuição para o atingimento
daquele objetivo estratégico do MJ e das supracitadas metas do PPA, foram formulados, respectivamente,
34
dois indicadores estratégicos: “Quantidade de operações especiais de polícia judiciária desencadeadas pelo
Departamento de Polícia Federal” e “Eficácia dos inquéritos do Departamento de Polícia Federal” (Relação
entre a quantidade inquéritos relatados COM INDICAÇÃO DA AUTORIA somados aos relatados SEM
INDICAÇÃO DA AUTORIA por não constatação de prática de infração penal e o total de inquéritos
relatados).

Esses indicadores tem o propósito de mensurar o esforço de atuação da PF na repressão


efetiva ao crime e avaliar a eficácia das investigações criminais, respectivamente, já que a profundidade e
a clareza do trabalho desenvolvido pelos órgãos policiais na elucidação de infrações penais impactam
diretamente nas atribuições de órgãos ligados à justiça criminal.

Em relação à gestão de riscos que podem comprometer o alcance dos Objetivos


Institucionais, além das ações atinentes aos gestores, relativas à gestão diária dos seus processos, em 2016,
destaca-se a atuação da PF para atingir os objetivos institucionais de Reduzir a Criminalidade e Promover
a Cidadania.

A instituição, a partir de 2012, elegeu como uma de suas prioridades a identificação e análise
de riscos com foco em áreas sensíveis relacionadas às suas atribuições constitucionais exercidas nos grandes
eventos previstos para serem realizados no Brasil, como a Copa das Confederações 2013, a Copa do Mundo
de Futebol 2014 e as Olimpíadas e Paraolimpíadas 2016.

Com esse fito, a Diretoria de Inteligência Policial, por parte do Serviço de Análise
Estratégica e Estatística, desenvolveu e vem aperfeiçoando o método SABRE, destinado a estimar riscos,
e o aplicou de forma pioneira junto à Coordenação de Segurança em Grandes Eventos. Para desenvolver
esse método, foram utilizadas normas internacionais como referência, principalmente as técnicas elencadas
na ABNT NBR ISO/IEC 31010:2012, que descreve e avalia técnicas para o processo de avaliação de riscos.

Esse método objetiva a identificação e mensuração de ameaças com o intuito de sugerir


ações que mitiguem, controlem ou evitem as consequências danosas às atribuições constitucionais
exercidas pela PF naqueles Grandes Eventos.

Além disso, visa a fornecer informações baseadas em cenários e evidências, para servir como
um instrumento de assessoramento estratégico ao planejamento e ao processo decisório, destinado ao mais
alto escalão da organização, como subsídio à seleção e ao tratamento de riscos detectados.

Ressalta-se que seu produto está inserido no Ciclo PDCA (Planejar, Fazer, Checar e
Corrigir), cujo objetivo final é a melhoria contínua, conforme demonstrado abaixo:

Conforme exposto, o trabalho de elaboração da “Estimativa dos Riscos” na PF vem sendo


balizado pelo método SABRE, fundamentado em uma análise qualitativa onde especialistas são
35
consultados, sendo estruturado sob um Programa de Desenvolvimento de Contrainteligência e posterior
cruzamento com dados obtidos em uma análise quantitativa.

Assim, a prioridade estabelecida foi a de análises de risco relativas às Olimpíadas e


Paralimpíadas 2016. Uma vez que os sistemas analisados referem-se às atribuições constitucionais
desempenhadas pela PF com influência direta sobre esses grandes eventos através da valoração do risco
frente a ameaças, habituais ou inopinadas, estabelecidas pelos especialistas, o método SABRE focou sua
atuação nas seguintes áreas técnicas, definidas no Manual de Segurança em Grandes Eventos: Inteligência,
Vistoria e Contramedidas (Grupo de Bombas e Explosivos), Canil, Comunicação Social, Controle
Migratório, Segurança Cibernética, Operações Especiais, Segurança Aeroportuária, Segurança de
Dignitários, Polícia Marítima e Varredura Eletrônica. Destaca-se que a execução dessas áreas com
profissionalismo e maestria contribui sobremaneira para a PF alcançar seus objetivos institucionais de
Reduzir a Criminalidade e Promover a Cidadania.

Dessa forma, utilizando o método SABRE, foram analisados sistemas com as respectivas
ameaças e oportunidades, proporcionando à PF a capacidade de agir preventivamente através do
planejamento de suas ações, no sentido de mitigar perdas ou aproveitar cenários favoráveis.

Assim, por meio da compreensão da natureza do risco e da determinação de seu nível,


baseado em critérios de probabilidade e da estimativa dos impactos resultantes do acontecimento de um
evento, é possível apresentar ações que mitiguem os riscos inerentes e auxiliem na condução de resultados,
de forma a subsidiar a tomada de decisão.

Por fim, valendo-se deste método, é possível ampliar a capacidade em priorizar requisitos
concorrentes, de forma a propiciar uma abordagem abrangente para acompanhar o desempenho e
detalhamento do progresso de ações.

Além de contribuir para o fortalecimento da governança da PF, a análise de riscos insere a


instituição em seleto grupo de órgãos que utilizam essa prática, e apresenta-se como uma ferramenta de
consolidação de sua posição junto ao Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) e de destaque entre
os atores envolvidos na segurança pública brasileira.

Ainda como forma de planejamento, a PF conta com outros planos institucionalizados e com
foco em áreas específicas de atuação, de médio e curto prazos, aderentes ao Plano Estratégico da PF, que
são:

1. Plano Estratégico de Tecnologia da Informação (PETI CGTI 2015-2017) – nível


estratégico: estabelece os princípios de trabalho, os objetivos estratégicos e as metas balizadoras do plano
tático de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Esse plano é um instrumento derivado do
planejamento estratégico da PF para as ações dependentes de TIC.

2. Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI 2015-2016) – nível tático: tem


como objetivo a priorização de ações e investimentos na área de Tecnologia da Informação para o referido
biênio, definindo essas ações, seus prazos e orçamento, que deverão ser executadas em alinhamento ao PETI
e ao Plano Estratégico da PF. É composto por 65 ações demandadas pelas áreas de negócio e aprovadas pelo
Comitê de Governança em Tecnologia da Informação.

Tanto o PETI como o PDTI são instrumentos de planejamento da Coordenação-Geral de


Tecnologia da Informação (CGTI/DPF), que possui a responsabilidade pela sua execução e monitoramento,
36
utilizando-se para tal de pessoal do quadro próprio e de fornecedores externos. No nível operacional, a
CGTI/DPF definiu um portfólio de projetos que é gerenciado com a utilização de ferramentas próprias para
tal, principalmente, do sistema GEPnet2.

3. Plano Anual de Capacitação (PAC/2016) – nível tático: tem a finalidade de definir


as ações educacionais de formação profissional, de educação continuada, de especialização e outras
instituídas, gerenciadas e monitoradas pela Academia Nacional de Polícia (ANP), no decorrer do ano de
2016, em conformidade com as Diretrizes Gerais de Ensino publicadas pela Portaria nº 5.657/2015-
GAB/ANP/DGP, de 02 de dezembro de 2015.

3.2. Formas e instrumentos de monitoramento da execução e resultados dos planos

A seguir, apresentam-se as principais formas utilizadas pela PF para monitorar a execução


de projetos e ações planejadas com o fim de implementar melhorias em seus processos de trabalho, com
vistas a atribuir maior eficiência, eficácia e efetividade na entrega de seus produtos e serviços e a contribuir
para o alcance dos objetivos institucionais.

O monitoramento da execução dos planos específicos – PETI CGTI 2015-2017 e PDTI


2015-2016 – é realizado no âmbito da CGTI//DLOG/PF, e do PAC/2016, no âmbito da ANP/DGP/PF.

O acompanhamento do resultado dos indicadores de desempenho institucional e das


unidades descentralizadas é realizado pelas unidades centrais gestoras dos temas relacionados a cada
indicador e consolidados pela Coordenação do Centro de Gestão Estratégica (CIGE/PF).

FORTALECER A CULTURA DE GESTÃO ESTRATÉGICA

CIGE/PF

Acompanhamento de indicadores e projetos estratégicos da PF inseridos no Plano


Estratégico 2015-2019 do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP).

Continuidade na proposição ao Diretor-Geral de formalização de normas para estabelecer o


desdobramento do Plano Estratégico 2014-2022 da PF para os níveis tático-operacionais (projetos,
iniciativas e indicadores).

Na área de gestão de processos, foram treinados, na modalidade à distância, 44 servidores


no curso EAD-Fundamentos de Gestão de Processos e 55 servidores no curso EAD-Fundamentos em
Modelagem de Processos. Na modalidade presencial, foram capacitados 32 servidores no Treinamento em
Modelagem de Processos.
A Biblioteca de Processos, que se destina à publicação, na intranet corporativa, dos
processos organizacionais que foram mapeados e documentados pelas áreas gestoras, com apoio da
CIGE/PF, estava sendo elaborada pela CGTI/DLOG/PF por intermédio de uma empresa contratada e
encontrava-se em fase de homologação e testes finais para ser disponibilizada aos usuários. Durante os
testes de homologações, o contrato com a empresa findou e, portanto, os ajustes detectados durante os testes
não puderam ser implementados. Após a contratação de outra empresa será dada continuidade aos testes de
homologações.

37
Em gestão de projetos, o sistema Gepnet2 foi disponibilizado no novo Portal do Software
Público Brasileiro (Portal SPB) da Secretaria de Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento.
Até dezembro de 2016, o sistema já contava com 4.603 visitas na página do software e 682 downloads no
novo Portal SPB.

Finalizada a primeira versão do Manual do Usuário do Gepnet2 e disponibilizada tanto para


o público interno da PF quanto para o público do Portal SPB.

Foram realizados cinco encontros com órgãos parceiros para troca de experiências, relatos
de boas práticas, lições aprendidas e prestação de constas na área de gestão de projetos.

Além disso, foram capacitados, na modalidade à distância, 38 servidores no curso sobre a


Metodologia de Gerenciamento de Projetos da PF. Na modalidade presencial, foram capacitados 34
servidores no Treinamento Gepnet - Nível Básico e 16 no Treinamento para Gerentes de Projetos.

DIREX/PF

Participação em foros técnicos da Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias


(CONAERO), em especial: (i) no Comitê Técnico de Operações Especiais (CTOE), responsável pela
articulação das instituições que tiveram atuação nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos; (ii) no Comitê
Técnico de Segurança da Aviação Civil (CTSAC), responsável pela coordenação dos estudos atuais
relativos à alteração do Programa Nacional de Segurança da Aviação Civil contra Atos de Interferência
Ilícita (PNAVSEC); no (iii) Comitê Técnico de Facilitação (CTFAL), responsável pela coordenação dos
estudos atuais relativos à proposição do Programa Nacional de Facilitação (PROFAL); no (iv) Comitê
Técnico de Carga Aérea, responsável pela coordenação dos estudos atuais relativos ao Programa Nacional
de Segurança da Carga Aérea; e no (v) Grupo de Trabalho de Aeronaves Remotamente Pilotadas
(GT/RPA), responsável pela elaboração de cartilha informativa destinada aos órgãos de segurança e de
defesa diante de tais aeronaves (os denominados drones).

Publicação da Instrução Normativa nº 106 – DG/DPF, em boletim de serviço, que visa a


regulamentação do embarque de passageiro armado e do despacho de armas de fogo. Está pendente de
publicação no Diário Oficial da União e encontra-se com sua eficácia suspensa por decisão judicial.

Proposição de Minuta da Instrução Normativa, em adiantada fase de elaboração, que deverá


regulamentar, no âmbito interno da PF e conforme normas vigentes, o embarque de passageiro sob custódia.

Proposição de Minuta da Instrução Normativa, em fase de elaboração, que deverá


regulamentar, no âmbito interno da PF e conforme normas vigentes, as atividades de polícia aeroportuária
e de segurança aeroportuária.

Início do trabalho com vistas a realizar desdobramento do planejamento estratégico da PF


para o nível da DIREX/PF, com definição de indicadores de desempenho, metas e alinhamento dos projetos.

Levantamento e publicação de indicadores de desempenho e modelagem de processos dessa


Diretoria.

38
DIP/PF

Com foco na Ação Estratégica Planejamento Estratégico a Diretoria direcionou esforços para
a execução das 14 (quatorze) propostas de melhorias do Diagnóstico para Melhoria da Gestão, sendo que
algumas foram concluídas e outras estão em fase de implementação pelas unidades.

Na área de Gestão de Processos, com a utilização do Modelador de Processos Bizagi, foi


realizada a modelagem de 8 (oito) processos, que se encontram em fase de alinhamento entre prática e
fundamentação teórica e logo após a revisão, serão publicados na Biblioteca de Processos da PF.

Com relação à Gestão de Projetos, todos os projetos em andamento foram acompanhamentos


por meio do sistema Gepnet2 pela Unidade de Gestão Estratégica (UIGE/DIP/PF), facilitando a tomada de
decisão.

Encontra-se em operação o Centro de Documentação (CEDOC), que está sob a coordenação


da Divisão de Doutrina e Capacitação em Inteligência (DDCI/DIP/PF), destinado ao armazenamento de
documentos úteis ao ensino e à pesquisa na área especializada de inteligência e informação, assim como a
Doutrina de Inteligência da DIP/PF. O CEDOC está disponível aos servidores da PF, especialmente aqueles
lotados nos órgãos de inteligência que compõem o Sistema Integrado de Inteligência Policial (SINPOL),
além dos alunos participantes das ações de capacitação nessa Diretoria.

DITEC/PF

Foi organizado e realizado o XXII Encontro Anual de Chefes da Perícia Criminal Federal.
O Encontro reúne todos os chefes das unidades da Perícia Criminal Federal no Brasil e Diretores da PF e
tem como objetivo o compartilhamento de experiências e conhecimento, além do estudo e proposição de
melhorias no trabalho. Busca, assim, promover maior efetividade no combate aos crimes.

Em complemento ao encontro presencial foi realizada reunião virtual com os chefes de


unidades da Perícia Criminal Federal, permitindo o avanço nas discussões, de forma econômica e eficaz.

DGP/PF (Academia Nacional de Polícia – ANP/DGP/PF)

Em gestão e desenvolvimento foi criado o Projeto Desenvolvimento Humano com foco em


ferramentas de Coaching, Gestão e Mentoria de lideranças de alta performance a ser implementado a partir
de 2017 para os líderes da PF, abarcando desde a alta administração até as demais chefias.

Na área de gestão do conhecimento foram instituídos grupos de pesquisa voltados ao estudo


dos temas de Direitos Humanos e Polícia Judiciária e um Observatório de Criminalidade Organizada
(OBCOR). Foi realizado o 2º Seminário Internacional de Ciências Policiais, além da divulgação de
publicações científicas sobre pesquisas produzidas em seu âmbito através da publicação de dois números
da Revista Brasileira de Ciências Policiais. Foram realizados 10 cursos de pós-graduação (aperfeiçoamento
profissional para promoção funcional), além de promovidos a reestruturação e o aprimoramento de todos
os demais cursos exigidos para a progressão na carreira policial federal. Além disso, foram viabilizados
relatórios gerenciais com informações estratégicas em tempo real capazes de transmitir dados e informações
de suporte à decisão acerca do Ensino à Distância (EAD) na ANP. Ainda em relação ao EAD, foram
estabelecidos modais, suportes e mídias para divulgação ao público interno da PF, em fluxo constante e em
tempo real, acerca dos dados mais relevantes da dinâmica de oferta-procura de ações EAD da ANP.

39
No processo de melhoria contínua da educação e oferta de cursos de pós-graduação, a ANP
obteve aprovação no processo de recredenciamento perante o MEC para oferta de cursos de pós-graduação
lato sensu (especialização), com previsão de retorno em 2017. Além disso, a contratação de cursos de pós-
graduação stricto sensu (mestrado profissional) junto a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e a
Universidade de Brasília (UnB), são ações em desenvolvimento que visam a promover a capacitação e o
aprimoramento dos servidores do órgão, buscando a consecução da missão institucional da PF.

Realizaram-se correções e atualizações no Sistema Educa, bem como foi elaborado manual
do processo de conferência e liberação da Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso (GECC) no
Sistema Educa.

Foi aperfeiçoada a usabilidade das plataformas de ensino à distância, com uso de portais
responsivos e amigáveis a vários dispositivos mobile para uso em qualquer local e equipamento, bem como
houve atualização do sistema Moodle para sua versão mais recente e estável, além do uso do Moodle
mobile.

Foi criado instrumento de avaliação do atendimento às demandas encaminhadas ao Serviço


de Capacitação e Ensino a Distância (SECAED), por meio de pesquisas que possam ajudar a identificar
oportunidades de melhoria.

VALORIZAR O SERVIDOR

DGP/PF

Elaboração e impressão do Manual de Saúde Integral do Servidor pelo Setor de Psicologia


contendo procedimentos e orientações acerca da saúde do servidor para os gestores. O manual já está sendo
distribuído para os 3.500 aos gestores de toda a PF.

Realização da Semana de Preparação para Aposentadoria como projeto piloto a ser


implementado em diversas descentralizadas como programa oficial da DGP/PF.

Realização do Programa Bem Start, implementado no âmbito da ANP, com ações voltadas
ao convívio interpessoal, ações de incentivo e promoção da atividade física orientada, valorização dos
talentos pessoais com oficinas de artes e culinária, incentivo ao cuidado e prevenção de doenças, realização
de avaliações antropométricas e prescrição de exercícios físicos.

Solicitado ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP), via Ministério


da Justiça e Segurança Pública (MJSP), autorização para a nomeação de 204 candidatos aprovados e não
convocados no concurso público (Portaria MP nº 184, de 21/05/2013) para o cargo de Agente
Administrativo, cujo deferimento ocorreu por intermédio da Portaria MP nº 138, de 28/04/2016, DOU nº
81, de 29/04/2016, retificada no DOU nº 99, de 25/05/2016, Seção 1, pg. 48.

Encaminhado ao MJSP, por intermédio do Ofício nº 150/2016-GAB/ PF, de 04/05/2016,


projeto de reestruturação de cargos e funções do Plano Especial de Cargos – PEC/PF, que propôs a criação
dos cargos de Instrutor de Educação Física e de Agente de Telecomunicações e Eletricidade, atualizou as
atribuições dos cargos do PEC/PF, apresentou tabela própria de vencimentos e modificou a estrutura
remuneratória, além de prever a criação de 460 (quatrocentos e sessenta) cargos de nível superior e 2.800
(dois mil e oitocentos) cargos de nível médio, em trâmite no Departamento de Processo Legislativo –
DPL/MJSP sob o protocolo nº 0800.0016967/2016-92.
40
Instaurado expediente visando à realização de concurso público para o provimento de cargos
de EPF: 600 vagas, protocolo nº 08064.004034/2016-14, tendo o Senhor Diretor-Geral autorizado a
realização do concurso, em 12/07/2016. Ato contínuo, foi encaminhado ao MP, via MJSP, solicitação de
manifestação prévia quanto à existência de disponibilidade orçamentária para a realização do mencionado
concurso.

Instaurado expediente visando à realização de concurso público para o provimento de cargos


de APF: 600 vagas, protocolo nº 08064.4316/2016-11, tendo o Senhor Diretor-Geral autorizado a realização
do concurso, em 01/08/2016. Ato contínuo, foi encaminhado ao MP, via MJSP, solicitação de manifestação
prévia quanto à existência de disponibilidade orçamentária para a realização do mencionado concurso.

Acompanhamento junto ao MP da tramitação do Processo Administrativo nº


08001015073/2014-10, no qual foi solicitada a manifestação prévia quanto à existência de disponibilidade
orçamentária para a realização de concursos públicos para o provimento de 491 vagas do cargo de DPF e
de 67 vagas do cargo de PCF; cujo concurso foi autorizado pelo Senhor Diretor-Geral em dezembro de
2014.

DITEC/PF

Com a finalidade de valorizar e reconhecer a dedicação dos servidores, em 2016 foi


promovida a premiação das unidades que se destacaram no ano de 2015, em cerimônia realizada no XXII
Encontro Anual de Chefes da Perícia Criminal Federal.

DIP/PF

Também buscando a valorização do seu quadro de pessoal, a DIP/PF indicou servidores para
a Escola Superior de Guerra, no intuito de desenvolverem conhecimentos voltados à inteligência
estratégica.

AMPLIAR A CREDIBILIDADE INSTITUCIONAL

Divisão de Comunicação Social (DCS/GAB/PF)

Na área de comunicação social, em 2016, deu-se continuidade à manutenção dos produtos e


serviços já desenvolvidos anteriormente, a exemplo de "Destaque Nacional", "Direto da Sede" e "Linha
Direta com a Direção".

Além disso, foram acrescidos os produtos "PF em destaque" (newsletter semanal interna
com resumo de informações relevantes aos servidores) e "Fica a dica" (quinzenalmente é encaminhado aos
e-mails de todos os servidores uma informação específica e objetiva sobre serviços disponíveis aos
servidores).

A política de atuação nas redes sociais foi reformulada, com incremento de perfis em redes
distintas.

Foi dado início à produção do novo vídeo institucional.


41
Foi apresentada proposta de novo normativo interno de comunicação social.

Além disso, foram iniciadas tratativas para apresentação de um Planejamento de


Comunicação Social e do novo Manual de redação e comunicação social da PF, além de uma campanha
institucional interna de motivação.

DIP/PF

Visando atender às demandas apresentadas no Diagnóstico para Melhoria da Gestão e


aperfeiçoar a comunicação entre os servidores e os órgãos de inteligência, a DIP/PF implantou as ações a
seguir elencadas.

Canal Fale com o DIP: canal de comunicação direto entre os servidores das unidades centrais
e descentralizadas da Diretoria com o seu Diretor de Inteligência Policial. Com esse canal, todos os
servidores podem comunicar-se diretamente ao Diretor, sem intermediários ou burocracia, encaminhando
dúvidas, propondo sugestões, enviando elogios e efetuando reclamações.

Dúvidas sobre Verba Secreta: instrumento criado para sanar dúvidas sobre a Verba Secreta.

Boletim Informativo Inteligência em Foco: O Boletim de Inteligência intitulado


“Inteligência em Foco”, nasceu de um projeto elaborado e mantido pela DDCI/DIP/PF. Com publicações
mensais, de maneira dinâmica, concisa e atualizada, informa as novidades, não só no âmbito da DIP como
também nos outros órgãos do SINPOL.

COGER/PF

A política adotada ao longo dos últimos anos para a instauração de Processos


Administrativos Disciplinares (PADs), os quais tendem a ser reservados àquelas situações efetivamente
merecedoras de persecução disciplinar mais grave, tem resultado numa proporção maior de punições por
PADs decididos, atestando a boa qualidade de grande parte dos procedimentos.

DICOR/PF

Com o intuito de promover o desenvolvimento da responsabilidade socioambiental, desde


2013, a PF integra o Programa Greenhouse Gas Protocol (GHG) no qual está inserido o Programa Carbono
Neutro. Assim, em continuidade a esses programas, em 2016 foram realizados eventos sobre
sustentabilidade e importância da preservação do meio ambiente, sendo ministradas palestras e realizados
plantios de árvores.

REDUZIR A CRIMINALIDADE

DICOR/PF

No intuito de proporcionar o aperfeiçoamento da atuação dos servidores em ações de polícia


judiciária e contribuir para a redução da criminalidade, houve atualização e disseminação de procedimentos
padronizados para investigação criminal, aprimoramento dos sistemas que auxiliam nas investigações e
estímulo para os encontros e eventos de capacitação. Para tanto, foram aperfeiçoados os canais de contato
entre as unidades centrais e as descentralizadas com destaque para a criação de espaços específicos nas
42
páginas das especializadas, facilitando o acesso aos conteúdos didáticos, aos sistemas que auxiliam no
cumprimento das diligências investigativas e aos eventos de capacitação.

Houve a aprovação do novo Manual de Planejamento Operacional, que estabelece o padrão


para as ações e operações da Instituição, com a finalidade de tornar a PF referência em qualidade de atuação
e difundir a cultura do planejamento operacional, tendo sido, ainda, publicada a Instrução Normativa de
Polícia Judiciária visando ao alinhamento entre os procedimentos.

Os Resultados Operacionais de polícia judiciária são obtidos pela medição de diversos


indicadores operacionais, que geram o Índice de Produtividade Operacional (IPO), podendo ser destacados
entre eles os valores das drogas apreendidas, dos bens apreendidos, sequestrados e recuperados, dos
prejuízos causados e evitados à união pelas ações e operações, demonstrando que o retorno dos recursos
investidos na PF é positivo, e, ainda, tal atuação contribui para o desestímulo para a realização de novos
crimes.

As Operações Especiais de Polícia Judiciária tiveram seus critérios de classificação alterados


em 2016, por meio do Memorando Circular nº 09/2016-DICOR/PF. Também foi criado o conceito de
Operação Comum, que passou a abarcar parte das operações que eram classificadas até 2015 como
Especiais. Assim, a exigência para que uma operação seja classificada como Especial foi ampliada. Apesar
disso, houve um crescimento no número das Operações Especiais em comparação a 2015. Em 2016, foram
deflagradas 922 operações, sendo 372 Comuns e 550 Especiais.

DIREX/PF

Em relação à atuação na segurança para Grandes Eventos, foi elaborado o planejamento


operacional integrado com as diversas forças de segurança pública, visando à coordenação da atuação da
instituição na segurança nas seis cidades-sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

Além disso, realizaram-se diversas ações de capacitação, visando a qualificar os policiais e


servidores para o melhor desempenho de suas funções durante esses Jogos.

DIP/PF

Na área de inteligência policial, verificou-se a atuação conjunta de todo o efetivo da DIP/PF


sob a coordenação da Coordenação-Geral de Inteligência (CGI/DIP/PF), principalmente no sentido de
prover informações estratégicas e operacionais para as operações de segurança dos Grandes Eventos 2016,
conforme descrito a seguir.

Assessoramento aos dirigentes da PF com a revisão das análises de risco na área de


inteligência estratégica nas cidades sede dos Jogos Olímpicos 2016: Manaus/AM, São Paulo/SP, Belo
Horizonte/MG, Salvador/BA, Brasília/DF e Rio de Janeiro/RJ, inclusive acrescentando análise de risco
para o terminal de passageiros do Pier Mauá e da Companhia Docas do Rio de Janeiro/RJ.

Implantação e operacionalização da Unidade de Geointeligência no âmbito da Coordenação


Geral de Inteligência (CGI/DIP) para produção e difusão de produtos cartográficos georreferenciados que
foram fundamentais para operações policiais da PF, e demais órgãos de Segurança Pública na cidade do
Rio de Janeiro/RJ.

43
Aumento da participação da DIP/PF nas ações de combate às fraudes no Exame Nacional do
Ensino Médio (ENEM) com a aplicação da ferramenta computacional SINAPSE-BI, utilizada para análise
de grande volume de dados com incontáveis cruzamentos de informações dos participantes no certame,
além de empregar policiais em ações de escolta e segurança no deslocamento físico de meios digitais
contendo provas e resultados.

Participação da diretoria em gabinetes de crise no MJSP com emprego de técnicas


especializadas e recursos estratégicos, buscando a prevenção de distúrbios durante as manifestações
populares, visando garantir a ordem na sociedade.

ANP/DGP/PF

Atendendo aos anseios de cooperação institucional foi realizada parceria com a Secretaria
Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (SESGE) na qual a ANP proporcionou a efetivação de
36.129 ações de capacitação direcionadas para a segurança dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016.

DITEC/PF

Também no intuito de contribuir para a segurança dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio
2016, em relação à área técnico-científica, foram executadas capacitações relacionadas à coleta e
preservação de vestígios biológicos para fins de exame de DNA; atualização em processamento de locais
de crime; identificação, em odontologia forense, de vítimas de desastres; e treinamento na coleta,
armazenamento e envio de vestígios de pós-explosão. Assim, foram realizadas 37 ações de capacitação pela
DITEC/PF, totalizando 1300 horas-aula, nas quais 770 servidores receberam certificados. Nessas
oportunidades, além de peritos criminais federais, também foram capacitados peritos criminais dos estados,
bombeiros, policiais civis, militares e servidores de outros órgãos atuantes na segurança pública.

PROMOVER A CIDADANIA

DIREX/PF

Em relação às atividades que contribuem para a promoção da cidadania destaca-se o


aperfeiçoamento dos produtos e serviços disponibilizados ao público interno e externo, provenientes de
processos relacionados às áreas que atuam com controle regulatório e fiscalizatório (produtos químicos,
segurança privada, registro de armas e emissão de documentos), segurança de portos e aeroportos, controle
migratório, individualização do cidadão.

Neste sentido, foram expedidos 2.249.790 (dois milhões, duzentos e quarenta e nove mil, e
setecentos e noventa) documentos de viagem, predominantemente passaportes.

Para enfrentar o aumento de demanda em controle migratório (entradas e saídas do país) e


atendê-la com qualidade, segurança e rapidez, a PF tem adotado novas tecnologias, a exemplo dos portais
de autoatendimento (E-Gate) que foram instalados em 2015 no aeroporto de Guarulhos e, em 2016, no
Galeão e em Viracopos, com a finalidade de atender brasileiros em viagens internacionais.

Foi implantado em abril de 2016, um novo sistema nacional de procurados e impedidos


conhecido como STI-MAR em substituição ao antigo Sistema Nacional de Procurados e Impedidos
(SINPI), representando um grande avanço em termos de modernização da gestão e celeridade na análise
dos casos de alertas e restrições quando da realização do controle migratório no país.
44
Foram emitidas 197.852 carteiras de identidade de estrangeiros. Os pedidos de refúgio
alcançaram a marca de aproximadamente 10 mil solicitações registradas no STI-MAR.

Na questão de segurança privada, destaca-se o acompanhamento do trâmite do novo estatuto


sobre esse tema no Congresso Nacional.

Destaca-se a melhoria nas análises dos processos autorizativos das empresas de segurança
privada e a contínua evolução do sistema de Gestão Eletrônica de Segurança Privada (GESP), o que
permitiu maior celeridade e produtividade no atendimento dos pedidos dos usuários e incremento nos
procedimentos de controle, aumentando a eficiência, eficácia e efetividade da ação nessa área.

Em relação ao controle de produtos químicos destaca-se que foram fiscalizadas 505


empresas, emitidas mais de 12 mil autorizações prévias de importação ou exportação e, entre certificados
e licenças, foram emitidos e/ou renovados aproximadamente 30 mil unidades. Também houve apreensão
de pouco mais de 39 mil litros de produtos químicos e o total arrecadado em taxas e multas foi em torno
R$ 53 milhões.

Realizada a interoperabilidade entre o Sistema Nacional de Informações Criminais (SINIC)


e o sistema utilizado pelos Tribunais de Justiça. Essa interoperabilidade possibilita a inclusão de dados no
SINIC pelos próprios Tribunais, assim como a realização de consultas diretamente nesse sistema pelos
mesmos.

A Divisão de Segurança de Dignitários e Proteção ao Depoente Especial, além de suas ações


de rotina como a proteção ao depoente especial, desenvolveu o Plano Estratégico para a Segurança de
Dignitários dos Jogos Olímpicos Rio 2016, que orientou a atuação nesse evento.

INCREMENTAR ACORDOS E PARCERIAS

DIREX/PF

A Coordenação-Geral de Cooperação Internacional (CGCI/DIREX) visa à execução no


exterior de atos de investigações para instrução de inquéritos policiais no Brasil e à realização de diligências
em território brasileiro, a pedido de autoridades policiais estrangeiras. Dessa maneira, em 2016, foi atingido
o seu objetivo de garantir alcance transnacional aos atos de polícia judiciária, com o gerenciamento de 145
(cento e quarenta e cinco) pedidos ativos e 250 (duzentos e cinquenta) pedidos passivos de Cooperação
Jurídica Internacional.

Outra atividade de extrema importância realizada pelo Serviço de Cooperação Policial –


INTERPOL/CGCI é a busca, localização e captura de foragidos internacionais. Para tanto, foi fortalecido
o Grupo de Capturas no Escritório Central Nacional, com o apoio das Representações da Área Internacional
nos Estados (Representações Regionais). A captura de foragidos internacionais foi efetivamente uma das
mais marcantes atividades, contribuindo com a realização da justiça em todo o mundo, de maneira a
possibilitar que pessoas que buscassem o exterior para esquivar-se da aplicação da lei penal fossem enviadas
aos países onde cometeram os ilícitos para responder por seus atos.

A atuação desse Grupo de Capturas culminou com a efetiva prisão de 46 foragidos


estrangeiros no Brasil. Foram também realizadas 26 extradições ativas e 32 passivas, contando ainda com
aproximadamente em andamento 46 extradições ativas e 94 passivas.
45
No campo humanitário, por meio da Divisão de Cooperação Jurídica Internacional, foram
realizadas 163 (cento e sessenta e três) localizações de pessoas. Também foram executadas 15 (quinze)
transferências ativas e 22 (vinte e duas) transferências passivas.

Participação em discussões com representantes do Serviço Europeu de Polícia (EUROPOL)


acerca da minuta de Acordo de Cooperação Estratégica a ser firmado entre a República Federativa do Brasil
e a União Europeia.

Realizado o Programa de Cooperação Internacional em Aeroportos (INTERCOPS), que visa


ao intercâmbio de experiências e metodologias de trabalho entre policiais de vários países envolvidos na
repressão ao tráfico internacional de drogas e outros crimes.

Deu-se sequência ao acompanhamento de reuniões relacionadas aos tratados internacionais


sobre armas de fogo, a exemplo da Convenção Interamericana Contra a Fabricação e o Tráfico Ilícitos de
Armas de Fogo, Munições, Explosivos e Outros Materiais Correlatos (CIFTA) da Organização dos Estados
Americanos (OEA) e do Grupo de Trabalho de Armas e Munições (GTAM) do Mercado Comum do Sul
(MERCOSUL).

Além disso, diante do aumento da demanda e da importância do tema, foi constituída


comissão temporária que apresentou à Direção-Geral proposta de uma Instrução Normativa disciplinando
os procedimentos a serem adotados no âmbito da PF nos pedidos de cooperação jurídica internacional para
a instrução de procedimento investigatório. A regulamentação busca definir conceitos, estabelecer rotinas
de trabalho e orientar os atores envolvidos na Instituição no processo de cooperação jurídica internacional
para a incorporação de provas obtidas no exterior que serão utilizadas em investigações criminais no país,
assim como para o adequado cumprimento de medidas dessa natureza solicitadas por outros países.

DITEC/PF

Incremento e renovação de acordos e parcerias objetivando o compartilhamento e


intercâmbio de informações e banco de dados com outros órgãos e instituições, nacionais e internacionais,
robustecendo a capacidade decisória em ações envolvendo polícia judiciária e administrativa.

Com o objetivo de aprimoramento na luta contra a proliferação de armas de destruição em


massa e aumentar a capacidade de prevenção, detecção e resposta a ameaças químicas, biológicas,
radiológicas e nucleares, foi assinado um Memorando de Entendimento com o Departamento de Relações
Exteriores, Comércio e Desenvolvimento do Canadá. Foram recebidos, como doação do Canadá,
equipamentos e treinamento de policiais federais para sua utilização em resposta a ameaças QBRN.

Na área de Química Forense, a Diretoria Técnico-Científica celebrou mediante instrumentos


de cooperação firmados pela PF, acordos de cooperação técnica e científica com o Instituto Nacional de
Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e com o Instituto de Química da Universidade Federal do
Rio de Janeiro.

O Acordo com o Inmetro foi formalizado em março de 2016 e visa a suprir uma das
principiais carências dos laboratórios de química forense, que é a produção e fornecimento de materiais de
referência certificados das principais drogas de abuso e outras substâncias de interesse forense.

46
Também foram celebrados Acordos de Cooperação Técnica da Rede Integrada de Banco de
Dados de Perfis Genéticos entre a PF, Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP) e as Secretarias
Estaduais de Segurança Pública dos estados do Rio Grande do Sul, Pernambuco, Rondônia e Maranhão.
A Rede Integrada de Banco de Dados de Perfis Genéticos (RIBPG) tem por objetivo
propiciar o intercâmbio de perfis genéticos de interesse da Justiça, obtidos em Laboratórios de Perícia
Oficial, para subsidiar a apuração criminal e a identificação de pessoas desaparecidas. Concebida em 2009,
já com a adesão das diversas Unidades da Federação por meio de Acordos de Cooperação Técnica, a RIBPG
foi normatizada no ordenamento jurídico por meio do Decreto Presidencial nº 7.950, de 12 de março de
2013.
Ligada diretamente ao MJSP, a RIBPG é formada pelos diversos Bancos de Perfis Genéticos
(nível estadual, distrital e federal) e o Banco Nacional de Perfis Genéticos (nível nacional). O Banco
Nacional de Perfis Genéticos, necessário para o confronto interestadual de perfis genéticos, é alimentado
pela sincronização periódica dos diversos Bancos e está sob a responsabilidade de unidade de perícia oficial
daquele Ministério, administrada por Perito Criminal Federal.

Efetivado o recadastramento do Instituto Nacional de Criminalística (INC) como entidade


de pesquisa junto ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Tal
credenciamento tem validade até o ano de 2021.

DIP/PF

No sentido de estabelecer mútua cooperação voltada para a troca de informações e ampliação


das capacidades operacionais, relacionada com a busca de dados para confirmação de identidades de
pessoas físicas e jurídicas, a DIP vem trabalhando no sentido de firmar acordos e parcerias com diversos
órgãos da administração pública.

Com o advento do Decreto Presidencial nº 8789/2016 editado para simplificar o


compartilhamento das bases de dados na Administração Pública Federal, foi estabelecido por meio da
Mensagem-Oficial Circular n. 5/2016-GAB/PF, que todas as solicitações de acessos a bases de dados da
PF devem ser submetidas à DIP para análise prévia e centralização do conhecimento sobre órgãos e sistemas
compartilhados.

Cumpre registrar que está em processo de desenvolvimento, solução tecnológica para a


melhoria do acesso e compartilhamento das informações das bases de dados dos sistemas institucionais da
PF, cuja implantação está prevista para o final do primeiro semestre de 2017, a qual facilitará a
disponibilização de dados para outros órgãos da Administração Pública e permitirá estabelecer os
mecanismos de segurança necessários.

ANP/DGP/PF

Realizadas diversas atividades de formação de multiplicadores com alcance internacional,


desenvolvendo cursos destinados às Forças de Segurança Pública de outros países e mantendo o Programa
de Capacitação Internacional em Aeroportos (INTERCOPS). Em 2016, cerca de 347 policiais da Guiné
Bissau e de São Tomé e Príncipe foram capacitados nesses programas.

DICOR/PF

As ações de erradicação da maconha no Brasil e no Paraguai, merecem destaque na atuação


para contribuir para o alcance do objetivo de incrementar acordos e parcerias, que retiraram do mercado
47
pelo menos 2.781 toneladas de maconha, sendo 2.598 toneladas de erradicação de maconha somente no
Paraguai.

Outra ação relevante nesse sentido é a Operação Trapézio, na fronteira do Brasil com o Peru,
que deverá ser fortalecida em 2017 com a criação do oficialato de ligação no Peru que está em andamento
e facilitará muito as ações de repressão ao tráfico de drogas.
Verificou-se, também, incremento e renovação de acordos e parcerias objetivando o
compartilhamento e intercâmbio de informações e banco de dados com outros órgãos e instituições,
nacionais e internacionais, robustecendo a capacidade decisória em ações envolvendo polícia judiciária e
administrativa.
Cabe destacar que a PF sempre procurou agilizar o processo de obtenção de bases de dados
externas, por meio do Sistema ATLAS, utilizando, sempre que possível, um simples ofício de solicitação
para obtenção das bases de dados, cujos gestores fossem órgãos do próprio Poder Executivo Federal.
Posteriormente, o próprio Governo Federal passou a adotar essa metodologia de compartilhamento de bases
de dados entre os órgãos da administração pública federal, com a edição do Decreto 8.789/2016, no qual
determinou que fossem dispensados os acordos de cooperação técnica para tal desiderato.

Dessa maneira, todas as parcerias para obtenção de bases de dados, firmadas até o presente
momento e geridos pelo Serviço de Repressão a Desvios de Recursos Públicos
(SRDP/CGPFAZ/DICOR/PF) foram consolidadas através de ofícios de solicitação.

A única exceção à regra foi a base de dados do Sistema de Repasses de Recurso de Governo
do Banco do Brasil, a qual foi obtida mediante ação judicial, cujo acórdão do Tribunal Regional Federal da
1ª Região teve sua execução regulamentada através de acordo de cooperação técnica.

Por meio de incentivo do SRDP/CGPFAZ/DICOR/PF às 27 Superintendências Regionais


da PF para firmarem parceria com os Tribunais de Contas Estaduais para obtenção das bases de dados de
execução financeira e orçamentária, de licitações e contratos e de servidores públicos estaduais e
municipais, já foram firmados acordos de cooperação técnica com os Tribunais de Contas dos Estados de
Mato Grosso e de Tocantins.

Além destas, outras bases foram obtidas de fontes abertas na internet e através do Portal
Nacional de Dados Abertos do Governo Federal (http://dados.gov.br /), dos seguintes órgãos:

 Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União,


 Tribunal Superior Eleitoral,
 Conselho Nacional de Justiça, e
 Tribunal de Contas da União.

Por fim, estão em tramitação, duas propostas de acordos de cooperação técnica para
incremento da base de dados.

OTIMIZAR O EMPREGO DOS BENS E RECURSOS MATERIAIS

O arcabouço ferramental existente e a demanda pela maximização do potencial dos recursos


do Órgão, demandam a constante revisão de preceitos, inclusive no sentido de descompartimentar
ferramentas e sistemas.

48
No ano de 2016, iniciou-se o remodelamento e redimensionamento da utilização das
ferramentas na repressão ao crime organizado, de forma a otimizar e integrar não apenas os recursos da PF,
como também de outros órgãos. Exemplo disso são os esforços na consolidação de ferramentas e estratégias
de georreferenciamento. Para tanto, tem-se buscado o fortalecimento de parcerias identificadas como
essenciais para a melhor e mais eficiente utilização dos recursos públicos.

DLOG/PF

Para otimizar o uso de seus recursos e a celeridade do trâmite dos expedientes


administrativos na PF, foi implantado, desde agosto de 2016, o Sistema Eletrônico de Informações (SEI),
o que já trouxe resultados significativos na economicidade e celeridade das atividades do órgão.

No tocante à gestão de obras e infraestrutura, foram realizadas visitas técnicas a diversas


unidades da PF com o intuito de levantamento de dados para acompanhamento, propostas de intervenção e
de mudanças de imóveis.

Quanto às atividades voltadas à estruturação física e melhoria das condições dos edifícios da
PF, foi realizada a reforma para a implantação do Centro de Cooperação de Polícia Internacional na
SR/PF/RJ, e dada continuidade à execução das obras de construção do Comando de Operações Táticas, do
Núcleo de Polícia Marítima de Guaíra e do Centro Nacional de Ciências Forenses. Além disso, iniciou-se
a reforma da SR/PF/RS.

CONSOLIDAR A GOVERNANÇA EM TI

CGTI/DLOG/PF

A fim de avançar nos estudos e na contextualização de governança corporativa e de


Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), formou-se um grupo de trabalho na CGTI para
identificar normativos e recomendações existentes, além de prospectar e analisar melhores práticas no tema
em outros órgãos e entidade da Administração Pública Federal (APF).

Em continuidade ao mencionado trabalho, o grupo participou de encontros, palestras,


debates e ações promovidas por outros órgãos públicos, no sentido de compartilhar experiência em relação
à implantação da Estratégia de Governança Digital (EGD), instituída pelo Decreto Presidencial nº 8.638,
de 15/01/2016.

Destaca-se a conclusão de vários projetos que beneficiam diretamente às áreas finalísticas


do órgão, em relação aos sistemas de informação, cabendo destacar: entrega dos sistemas de Afastamento
de Sigilos (SAS), de Interceptação de Sinais (SIS), de Carteira Funcional (SISCIF) e de Rastreamento
Veicular (RAVEL); entrega e implantação do sistema e-Pol; implantação do SEI, integrado às bases
corporativas; entrega do aplicativo CHECKPOL/Mobile para a Interpol (antes das Olimpíadas 2016);
entrega do projeto UNICART/BI; entrega do aplicativo RAVEL/Mobile; implantação do STI-MAR, novo
módulo de alertas e restrições do STI; implantação dos e-Gates em aeroportos e finalização e módulos do
Sistema de Controle de Produtos Químicos (SIPROQUIM).

Implantação da nova Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas da PF, baseada em


métodos ágeis e contratação e implantação de novo serviço de administração de dados.

49
Aquisição de novos equipamentos para modernização do datacenter da PF e para a expansão
da rede de dados em todos os órgãos centrais, superintendências e delegacias.

Renovação do parque de informática para atendimento das necessidades do usuário final,


inclusive no que se refere à expansão e regularização da utilização de softwares.

Reformulação da fiscalização e gestão dos contratos da CGTI para atendimento às novas


diretrizes da IN 04-MPOG.

Adequação (capacidade, atualização tecnológica e quantidade) das instalações, dos


equipamentos e dos sistemas necessários aos serviços ofertados pela CGTI para garantir a operação e o
suporte aos serviços de TIC colocados em produção.

Participação do grupo de trabalho no MJSP e Anatel, para definição de assuntos relacionados


a sistema unificado de comunicação crítica em nível nacional.

Melhorias significativas nos procedimentos de segurança e acesso às instalações do edifício


sede da CGTI.

INTEGRAR O ORÇAMENTO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

ANP/DGP/PF

Visando também a uma melhor aplicabilidade dos recursos, foi proposta uma atualização
das regras de pagamento da Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso (GECC).

DLOG/PF

Com o objetivo de obter o maior grau de vinculação da proposta orçamentária da PF ao seu


planejamento estratégico, de maneira a dispor de um plano orçamentário sustentável que permita adequar
qualitativa e quantitativamente os recursos financeiros ao cumprimento de sua missão realizaram-se
diversas ações.

O Plano Plurianual e o Orçamento Anual foram programados com o fim de atender às


diversas demandas do órgão, buscando sempre a maior confluência possível ao planejamento estratégico.

As Diretorias responsáveis por cada área, guiadas pelo planejamento, foram consultadas a
respeito de suas demandas, que, compiladas, formaram o arcabouço necessário para a formulação do
orçamento plurianual e anual.

Assim, a partir dos dados recebidos, dentro das possibilidades de limites concedidos pelo
MJSP, foram alocados os recursos disponíveis.

Não obstante as diretrizes definidas, cabe salientar que a gestão orçamentária e financeira
busca sempre o maior índice de execução possível.

A fim de atender as necessidades do órgão, foram efetuadas as devidas realocações das


dotações não utilizadas ou subutilizadas a projetos e atividades. Como resultado desta gestão, em 2016 a

50
PF obteve um índice de execução das dotações discricionárias de 97% para o custeio e 93% para o
investimento.

FORTALECER A GOVERNANÇA

ACI/PF

Criação da comunidade temática de Controle Interno na plataforma ANP.net, visando à


integração e ao aprimoramento do ambiente de controle e à uniformização de procedimentos. A
Comunidade pretende estabelecer um espaço duradouro, atual e dinâmico para discussões relacionadas ao
tema e para centralização de materiais de referência, perguntas frequentes, fluxos dos processos e
formulários padronizados, entre outros materiais de suporte ao exercício de nossas atribuições
institucionais, os quais estão sendo disponibilizados paulatinamente na plataforma.

Apresentada proposta à Academia Nacional de Polícia (ANP/DGP/PF) para inclusão no


Plano Anual de Capacitação (PAC) 2017 de cursos relacionados à Governança e ao Controle Interno,
totalizando de cinco cursos, os quais abrangem modalidades à distância e presencial e alcançam todos os
segmentos funcionais e níveis hierárquicos. Os cursos serão disponibilizados ao longo do exercício 2017,
sendo dois deles, à distância, já no 1º semestre.

Desenvolvimento do processo de Planejamento, Execução e Monitoramento de Auditorias


Internas, o qual se encontra em fase de documentação. O projeto piloto para validação e homologação da
metodologia está previsto para ser realizado no primeiro trimestre de 2017. O processo foi construído com
foco na análise dos riscos de maior relevância.

Revisão e padronização dos processos relacionados ao controle preventivo e voltados para


contratações, para a celebração de instrumentos de cooperação e edição de atos normativos. Os fluxos e
padrões dos processos foram disponibilizados na Comunidade de Controle Interno na ANP.net.

Além disso, em 2016, manteve-se a estratégia de centralização adotada no ano anterior, de


forma que todas as demandas e as respectivas respostas ao Ministério da Transparência, Fiscalização e
Controladoria-Geral da União e ao Tribunal de Contas da União (TCU), relativas às unidades centrais,
fossem concentradas na ACI, possibilitando interação entre as áreas da PF, bem como a prestação
tempestiva de informações aos Órgãos de Controle e, ainda, a proposição de estratégias para melhoria da
governança.

A Alta Administração manteve postura proativa e próxima das questões tratadas pelos TCU
e CGU, metodologia cuja aplicação foi incentivada junto às Superintendências Regionais que possuem
Unidade de Controle Interno (UCI).

Foi mantido o acompanhamento do atendimento às demandas dos Órgãos de Controle


Externo, com a elaboração de relatórios de monitoramento, com ênfase nos acórdãos de maior
complexidade, sensibilidade e impacto institucional. Esse acompanhamento possibilitou a apresentação de
propostas de ações para pleno atendimento às determinações e recomendações.

Em relação ao Plano de Providências Permanentes, o acesso ao sistema Monitor, do


Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União foi consolidado, de forma que o
sistema passou a ser utilizado para o acompanhamento das recomendações apresentadas por aquele
Ministério por ocasião de seus trabalhos de auditoria no âmbito da Polícia Federal. Registra-se, no entanto,
51
a necessidade de refinar os dados constantes no sistema, o que foi sugerido ao Ministério da Justiça e
Segurança Pública.

Novas Unidades de Controle Interno (UCI) foram instaladas no âmbito das


Superintendências Regionais, totalizando 15 unidades, contribuindo para o fortalecimento das ações
descentralizadas de Governança e Controle Interno. Treinamentos práticos foram ministrados para os novos
servidores lotados nas UCI como mais uma estratégia de alinhar procedimentos e padronizar a atuação.

As normas relacionadas aos limites e instâncias de governança e estrutura e atribuições do


controle interno encontram-se em fase final de revisão, de forma a compatibilizar os procedimentos às
melhores práticas em uso pelo setor público e fortalecer os mecanismos de controle e governança.

SERVIÇO DE INFORMAÇÕES AO CIDADÃO e OUVIDORIA

Ainda em relação a atividades que buscam o aprimoramento dos mecanismos e estratégias


da comunicação e da transparência da gestão, em relação ao Serviço de Informação ao Cidadão (SIC/PF),
observou-se um crescimento na demanda em relação ao exercício anterior: em 2016 foram 1.180 (mil cento
e oitenta) pedidos de acesso à informação recebidos e respondidos, além de 111 (cento e onze) recursos em
primeira instância, enquanto que em 2015 foram recebidos 1.029 (mil e vinte e nove) pedidos, com
interposição de 113 (centro e treze) recursos em primeira instância.

No que tange à Ouvidoria, foi iniciado profundo processo de reestruturação, tendo em vista
o exponencial aumento de acionamentos. Estruturalmente, a Ouvidoria passou a integrar o Gabinete da
Direção-Geral, com nova indicação de servidor para exercer as funções de Ouvidor da PF. A partir disso, a
estrutura utilizada para atendimento das atividades do SIC/PF passou também a apoiar a atuação da
Ouvidoria.

Além disso, foram iniciados testes para a adoção de sistema informatizado para
acompanhamento e atendimento das demandas da Ouvidoria e, assim que disponibilizado ao público,
permitirá ao cidadão realizar o acionamento e acompanhamento diretamente através da internet,
proporcionando mais transparência ao processo e maior proximidade com a sociedade. Tal sistema, com
previsão de disponibilidade no início de 2017, visa a substituir o endereço eletrônico ouvidoria@dpf.gov.br,
que tem sido o único canal de acesso à Ouvidoria, atualmente com um média de 150 (cento e cinquenta)
acionamentos diários.

Ainda, nesta etapa inicial de reestruturação, encontra-se em andamento a elaboração de


normatização interna com vistas a regulamentar o funcionamento da Ouvidoria, instituindo-a formalmente
no âmbito da PF.

DIP/PF

Com o intuito de aprimorar a gestão de riscos na Instituição, o Serviço de Análise Estratégica


(SAE/DIP/PF) vem aperfeiçoando o método de Avaliação de Riscos denominado SABRE, que consiste em
identificar e estimar os riscos no âmbito das atribuições constitucionais da PF, bem como sugerir ações que
mitiguem, controlem ou evitem suas consequências à segurança do evento sob análise, em diversos níveis,
permitindo, assim, apontar opções de tratamento dos riscos identificados (contramedidas), bem como
mensurar a capacidade de resiliência dos setores avaliados.

52
O método SABRE foi aplicado nos grandes eventos sediados no Brasil no ano de 2016,
contando com o apoio da PF e atuação conjunta com órgãos de segurança congêneres, nacionais e
internacionais.

O foco das Avaliações de Riscos foram os setores considerados mais sensíveis da PF


envolvidos durante a realização dos grandes eventos, de acordo com o Manual de Segurança em Grandes
Eventos: Segurança de Dignitário, Grupo Especialização em Bombas e Explosivos, Inteligência, Controle
Migratório, Segurança Aeroportuária, Grupo de Pronta Intervenção, Comunicação Social, Varredura
Eletrônica, Canil, Grupo de Repressão aos Crimes Cibernéticos e Polícia Marítima.

Além de contribuir para o fortalecimento da governança da Instituição, a análise de riscos


insere a instituição em seleto grupo de órgãos que utilizam essa prática e apresenta-se como uma ferramenta
de consolidação de sua posição junto ao MJSP e de destaque entre os atores envolvidos na segurança pública
brasileira.

CIGE/PF

Também com o objetivo de aprimorar a atuação da Instituição em relação à gestão de riscos


e atender ao disposto na Instrução Normativa Conjunta nº 01 do Ministério do Planejamento, Orçamento e
Gestão e da Controladoria Geral da União, de 10 de maio de 2016, publicada no D.O.U nº 89 de 11/05/2016
– Seção 1, foi iniciada a elaboração de projeto com o objetivo de propor uma metodologia de gestão de
riscos na PF.

Nesse contexto, como primeira entrega, foi elaborada proposta para instituir a Política de
Gestão de Riscos da PF. Após sua publicação, serão direcionados esforços para a continuidade da
elaboração da metodologia de gestão de riscos, para abranger toda a PF, aplicando-se teste piloto, antes de
sua efetiva implantação.

Além das estratégias de ação supracitadas, outro instrumento (ferramenta) de planejamento


e monitoramento da execução do planejamento estratégico pela PF é o Sistema Gestor de Escritórios de
Projetos – Gepnet2, estruturado em conformidade aos processos da Metodologia de Gerenciamento de
Projetos da PF (MGP-PF).

Destacam-se dois projetos estratégicos da PF e que compõem a carteira de projetos


estratégicos do Ministério da Justiça, monitorados utilizando esse sistema, apresentados na tabela a seguir.

Tabela 1 - Dois projetos estratégicos da PF e que compõem a carteira de projetos estratégicos do MJ, monitorados pelo Gepnet2.
Projetos Estratégicos Objetivo Institucional Objetivo Estratégico MJ % de Execução % de Execução
(PF e MJ) PF (até jan/2016) (até dez/2016)
Fortalecer o Enfrentamento à
Perfil Químico de Criminalidade, com Enfoque em
Drogas – PeQui – FASE Reduzir a criminalidade Organizações Criminosas, Tráfico, 45 68
II Corrupção, Lavagem de Dinheiro e Atuação
na Área de Fronteira
Modernização da
Consolidar a
solução SINAPSE Fortalecer a Estrutura e os Serviços de TI 29 60
Governança em TI
Busca e SINAPSE BI

53
No exercício de 2016 foi dada continuidade ao “Diagnóstico para Melhoria da Gestão” que
tem como principal objetivo a identificação e o registro de sugestões de melhorias para os processos de
trabalho da PF, observado o alinhamento aos objetivos institucionais.

A média geral de execução desse portfólio em 2016 ficou em 48%. Em 2015 a média
observada foi de 36,71%.

Várias melhorias priorizadas já foram concluídas, trazendo ganhos para a gestão da unidade
e valorização do cidadão e do servidor, autores legítimos das sugestões que as originaram.

3.3 Desempenho Orçamentário

3.3.1. Execução física e financeira das ações da Lei Orçamentária Anual de


responsabilidade da unidade

Consta na, LOA 2016, dotação orçamentária para os seguintes programas:

• 0089 - Previdência de Inativos e Pensionistas Da União


• 0909 - Operações Especiais: Outros Encargos Especiais
• 0999 - Reserva de Contingência
• 2081 - Seguranca Pública Com Cidadania
• 2112 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Justiça

Conforme orientações, as ações a serem apresentadas neste quadro devem ser aquelas
vinculadas aos programas temáticos estabelecidos no PPA 2016-2019. Em consulta aos documentos do
PPA disponíveis no site do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - MPOG1, observou-se que
apenas o programa temático 2081 - Segurança Pública com Cidadania integra os programas do PPA, sendo
equivalente ao programa temático 2070 - Segurança Pública com Cidadania integrante do PPA 2012-2015.

As consultas às ações do PPA 2016-2019 estão apresentadas abaixo. Todos os dados foram
extraídos do Tesouro Gerencial, utilizando como critérios de pesquisa:

1) Execução da LOA2016 e inscrição de restos a pagar não processados. Grupo de itens


do PUBLIC MENSAL e itens de informação de RESTOS A PAGAR; Programa Governo = 2081 -
Segurança Pública com Cidadania; Saldo do mês de referência = 12/2016; ÓRGÃO DA UG Executora
=30108; Orçamento Fiscal e de Seguridade Social = S.

2) Inscrição, reinscrição e execução de restos a pagar. Grupo de itens de informação de


RESTOS A PAGAR; Programa Governo = 2070 - Segurança Pública com Cidadania; Saldo do mês de
referência = 01/2016; ÓRGÃO DA UG Executora =30108 e 30909; Orçamento Fiscal e de Seguridade
Social = S.

Cabe ressaltar, que a captação física não tem relação direta com a execução financeira dos
restos a pagar, visto que o produto medido restringe-se ao exercício financeiro e as cobranças pendentes
dos últimos meses do ano se transferem para o exercício seguinte.

1
http://www.planejamento.gov.br/secretarias/upload/arquivo/spi-1/ppa-2016-2019/anexo-iii.pdf
54
Quadro 6 - Ações relacionadas a PROGRAMA TEMÁTICO do PPA de responsabilidade da UPC – OFSS
Identificação da Ação

Responsabilidade da UPC na execução da ação (X) Integral ( ) Parcial

Código 154W Tipo: Projeto


Construção do Comando de Operações Táticas da Polícia Federal no Distrito
Título
Federal
Iniciativa -
Fortalecer o enfrentamento a criminalidade, com ênfase nas organizações
Objetivo criminosas, tráfico, corrução, lavagem de dinheiro, e atuação na faixa de
fronteira. Código: 1041
Justiça, Cidadania e Segurança Pública
Programa
Código: 2081 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108 e 30909
( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria
Ação Prioritária
( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Não
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados
Processados
5.500.000,00 5.500.000,00 5.500.000,00 - - - 5.500.000,00
Execução Física
Unidade Meta
Descrição da meta de
medida Prevista Reprogramada Realizada
% de
Prédio Construído 24 - 19
execução
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor Descrição da Unidade de
Valor em 1º janeiro Valor Liquidado Realizada
Cancelado Meta medida
8.101.307,73 561.163,49 - - - -

55
Identificação da Ação

Responsabilidade da UPC
(X) Integral ( ) Parcial
na execução da ação

Código 154Y Tipo: Projeto


Título Reestruturação do Complexo da Polícia Federal no Setor Policial Sul do Distrito Federal
Iniciativa -
Objetivo -
Justiça, Cidadania e Segurança Pública Código: 2081
Programa
Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108
( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria
Ação Prioritária
( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Não
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados
Processados
8.000.000,00 - - - - - -
Execução Física
Unidade de Meta
Descrição da meta
medida Prevista Reprogramada Realizada
Prédio Construído % de execução 7 - 0
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor em 1º
Valor Liquidado Valor Cancelado Descrição da Meta Unidade de medida Realizada
janeiro
- - - - - -

56
Identificação da Ação

Responsabilidade da UPC
(X) Integral ( ) Parcial
na execução da ação

Código 154Z Tipo: Projeto


Título Construção da Superintendência Regional no Estado do Pará
Iniciativa -
Fortalecer o enfrentamento a criminalidade, com ênfase nas organizações criminosas, tráfico,
Objetivo
corrupção, lavagem de dinheiro, e atuação na faixa de fronteira. Código: 1041
Justiça, Cidadania e Segurança Pública Código:
Programa
2081 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108
( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria
Ação Prioritária
( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Não
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados
Processados
7.000.000,00 1.200.000,00 - - - - -
Execução Física
Unidade de Meta
Descrição da meta
medida Prevista Reprogramada Realizada
% de execução
Prédio Construído 17 - 0
física
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor em 1º Valor
Valor Liquidado Descrição da Meta Unidade de medida Realizada
janeiro Cancelado
- - - - - -

57
Identificação da Ação
Responsabilidade da UPC
(X) Integral ( ) Parcial
na execução da ação
Código 155D Tipo: Projeto
Título Construção do Novo Edifício-Sede do Departamento de Polícia Federal
Iniciativa Construção doEdifício Sede da Polícia Federal Código: 04ZB
Objetivo -
Justiça, Cidadania e Segurança Pública Código:
Programa
2081 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108
( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria
Ação Prioritária
( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados Não Processados
8.000.000,00 - - - - - -
Execução Física
Unidade de Meta
Descrição da meta
medida Prevista Reprogramada Realizada
% de
Prédio Construído 3 - 0
execução
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor Unidade de
Valor em 1º janeiro Valor Liquidado Descrição da Meta Realizada
Cancelado medida
- - - - - -

58
Identificação da Ação
Responsabilidade da UPC
(X) Integral ( ) Parcial
na execução da ação
Código 155H Tipo: Projeto
Título Construção da Delegacia de Juiz de Fora/MG
Iniciativa -
Fortalecer o enfrentamento a criminalidade, com ênfase nas organizações criminosas,
Objetivo
tráfico, corrupção, lavagem de dinheiro, e atuação na faixa de fronteira. Código: 1041
Justiça, Cidadania e Segurança Pública Código:
Programa
2081 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108
( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria
Ação Prioritária
( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Não
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados
Processados
5.800.000,00 5.800.000,00 5.800.000,00 - - - 5.800.000,00
Execução Física
Unidade de Meta
Descrição da meta
medida Prevista Reprogramada Realizada
% de
Prédio Construído 25 - 0
execução
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor Unidade de
Valor em 1º janeiro Valor Liquidado Descrição da Meta Realizada
Cancelado medida
- - - - - -

59
Identificação da Ação
Responsabilidade da UPC
(X) Integral ( ) Parcial
na execução da ação
Código 15F2 Tipo: Projeto
Título Construção da Superintendência Regional no Estado da Paraíba
Iniciativa -
Fortalecer o enfrentamento a criminalidade, com ênfase nas organizações criminosas, tráfico,
Objetivo
corrupção, lavagem de dinheiro, e atuação na faixa de fronteira. Código: 1041
Justiça, Cidadania e Segurança Pública Código:
Programa
2081 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108
( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria
Ação Prioritária
( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados Não Processados
5.500.000,00 6.600.000,00 6.600.000,00 - - - 6.600.000,00
Execução Física
Unidade de Meta
Descrição da meta
medida Prevista Reprogramada Realizada
% de
Prédio Construído 16 - 0
execução
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor em 1º Valor Unidade de
Valor Liquidado Descrição da Meta Realizada
janeiro Cancelado medida
- - - - - -

60
Identificação da Ação
Responsabilidade da UPC
(X) Integral ( ) Parcial
na execução da ação
Código 15F3 Tipo: Projeto
Título Construção do Anexo da Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro
Iniciativa -
Objetivo -
Programa Justiça, Cidadania e Segurança Pública Código: 2081 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108
Ação Prioritária ( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria ( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados Não Processados
- - - - - -
1.000.000,00
Execução Física
Unidade Meta
Descrição da meta
de medida Prevista Reprogramada Realizada
% de
Prédio Construído 2 - 0
execução
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor em 1º Valor Descrição da Unidade de
Valor Liquidado Realizada
janeiro Cancelado Meta medida
- - - - - -

61
Identificação da Ação
Responsabilidade da UPC
(X) Integral ( ) Parcial
na execução da ação
Código 15F4 Tipo: Projeto
Título Construção do Centro de Comando e Controle no Distrito Federal
Iniciativa -
Objetivo -
Justiça, Cidadania e Segurança Pública Código:
Programa
2081 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108
( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria
Ação Prioritária
( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados Não Processados
500.000,00 - - - - - -
Execução Física
Unidade de Meta
Descrição da meta
medida Prevista Reprogramada Realizada
Prédio Construído % de execução 2 - 0
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor Unidade de
Valor em 1º janeiro Valor Liquidado Descrição da Meta Realizada
Cancelado medida
- - - - - -

62
Identificação da Ação
Responsabilidade da UPC
(X) Integral ( ) Parcial
na execução da ação
Código 15F5 Tipo: Projeto
Título Construção da Delegacia de São José do Rio Preto/SP
Iniciativa -
Fortalecer o enfrentamento a criminalidade, com ênfase nas organizações criminosas,
Objetivo
tráfico, corrupção, lavagem de dinheiro, e atuação na faixa de fronteira. Código: 1041
Justiça, Cidadania e Segurança Pública Código:
Programa
2081 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108
( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria
Ação Prioritária
( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Não
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados
Processados
2.000.000,00 1.600.000,00 - - - - -
Execução Física
Unidade de Meta
Descrição da meta
medida Prevista Reprogramada Realizada
% de
Prédio Construído 7 - 0
execução
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor Unidade de
Valor em 1º janeiro Valor Liquidado Descrição da Meta Realizada
Cancelado medida
- - - - - -

63
Identificação da Ação
Responsabilidade da UPC
(X) Integral ( ) Parcial
na execução da ação
Código 15F6 Tipo: Projeto
Título Reforma e Ampliação da Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro
Iniciativa -
Fortalecer o enfrentamento a criminalidade, com ênfase nas organizações criminosas, tráfico,
Objetivo
corrupção, lavagem de dinheiro, e atuação na faixa de fronteira. Código: 1041
Justiça, Cidadania e Segurança Pública Código:
Programa
2081 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108
( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria
Ação Prioritária
( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados Não Processados
2.800.000,00 2.783.832,00 1.931.132,61 4.031,61 4.031,61 - 1.927.101,00
Execução Física
Unidade de Meta
Descrição da meta
medida Prevista Reprogramada Realizada
% de
Prédio Construído 9 - 8
execução
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor Unidade de
Valor em 1º janeiro Valor Liquidado Descrição da Meta Realizada
Cancelado medida
- - - - - -

64
Identificação da Ação
Responsabilidade da UPC
(X) Integral ( ) Parcial
na execução da ação
Código 15F9 Tipo: Projeto
Título Aprimoramento Institucional da Polícia Federal
Iniciativa -
Fortalecer o enfrentamento a criminalidade, com ênfase nas organizações criminosas, tráfico,
Objetivo
corrupção, lavagem de dinheiro, e atuação na faixa de fronteira. Código: 1041
Justiça, Cidadania e Segurança Pública Código:
Programa
2081 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108
Ação Prioritária ( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria ( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Não
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados
Processados
33.345.498,00 26.872.667,00 20.177.078,57 4.529.070,57 4.529.070,57 - 15.648.008,00
Execução Física
Unidade de Meta
Descrição da meta
medida Prevista Reprogramada Realizada
Obra concluída unidade 9 - 2
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor Unidade de
Valor em 1º janeiro Valor Liquidado Descrição da Meta Realizada
Cancelado medida
- - - - - -

65
Identificação da Ação
Responsabilidade da UPC
(X) Integral ( ) Parcial
na execução da ação
Código 2586 Tipo: Atividade
Manutenção do Sistema de Emissão de Passaporte, Controle do Tráfego Internacional e
Título
de Registros de Estrangeiros
Iniciativa -
Fortalecer o enfrentamento a criminalidade, com ênfase nas organizações criminosas,
Objetivo
tráfico, corrução, lavagem de dinheiro, e atuação na faixa de fronteira. Código: 1041
Justiça, Cidadania e Segurança Pública Código:
Programa
2081 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108 e 30909
Ação Prioritária ( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria ( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Não
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados
Processados
158.883.677,00 211.897.577,00 211.896.078,17 153.903.674,11 153.903.674,11 - 57.992.404,06
Execução Física
Unidade de Meta
Descrição da meta
medida Prevista Reprogramada Realizada
Passaporte emitido unidade 1.817.256 - 2.249.790
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor Unidade de
Valor em 1º janeiro Valor Liquidado Descrição da Meta Realizada
Cancelado medida
60.570.970,31 9.800.905,48 - - - -

66
Identificação da Ação
Responsabilidade da UPC
(X) Integral ( ) Parcial
na execução da ação
Código 2726 Tipo: Atividade
Prevenção e Repressão ao Tráfico Ilícito de Drogas e a Crimes Praticados contra Bens,
Título
Serviços e Interesses da União
Iniciativa -
Fortalecer o enfrentamento a criminalidade, com ênfase nas organizações criminosas,
Objetivo
tráfico, corrução, lavagem de dinheiro, e atuação na faixa de fronteira. Código: 1041
Justiça, Cidadania e Segurança Pública Código:
Programa
2081 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108 e 30909
Ação Prioritária ( )Sim ( X )Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria ( ) Outras
Lei Orçamentária do exercício
Execução Orçamentária e Financeira
Dotação Despesa Restos a Pagar do exercício
Não
Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados
Processados
226.685.989,00 221.871.728,00 204.104.763,58 124.878.243,68 124.525.807,01 - 79.226.519,90
Execução Física
Meta
Unidade de
Descrição da meta Reprograma
medida Prevista Realizada
da
Operação realizada unidade 1300 - 1.672
Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores
Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Metas
Valor Unidade de
Valor em 1º janeiro Valor Liquidado Descrição da Meta Realizada
Cancelado medida
111.376.358,87 9.155.607,29 10.433,28 - - -

67
AÇÕES NÃO PREVISTAS NA LOA DO EXERCÍCIO – RESTOS A PAGAR NÃO
PROCESSADOS – OFSS

Os quadros a seguir apresentam as informações de ações não mais previstas na LOA e que
foram executadas no exercício 2016 a título de restos a pagar não processados.

Todos os dados foram extraídos do Tesouro Gerencial utilizando como critérios de pesquisa:
1) Inscrição, reinscrição e execução de restos a pagar. Grupo de itens de informação de
RESTOS A PAGAR; Programa Governo = 2070 - Segurança Pública com Cidadania; Saldo do mês de
referência = 01/2016; ÓRGÃO DA UG Executora =30108 e 30909; Orçamento Fiscal e de Seguridade
Social = S.

2) O valor em 01/01/2016 dos Restos a Pagar Não Processados - Exercícios Anteriores


equivale à soma dos RP inscritos e RP reinscritos.

Cabe ressaltar que a captação física não tem relação direta com a execução financeira dos
restos a pagar, visto que o produto medido restringe-se ao exercício financeiro e as cobranças pendentes
dos últimos meses do ano se transferem para o exercício seguinte.

68
Quadro 7 - Ações não previstas na loa do exercício – restos a pagar não processados – OFSS
Identificação da Ação
Código 154U Tipo: Projeto
Título Construção do Centro Nacional de Capacitação e Difusão de Ciências Forenses
Apoiar a modernização organizacional e tecnológica, o reaparelhamento, a construção e
reformas das instituições de segurança pública e de controle externo e interno (ouvidoria e
Iniciativa
corregedoria) dos estados, do Distrito Federal, dos municípios e da Força Nacional de
Segurança Pública, incluindo o desenvolvimento do Sinesp. Código: 03DV
Propiciar a atuação de excelência dos órgãos de segurança pública da União, dos estados, do
Distrito Federal e dos municípios, assim como de outras instituições, com ênfase no
aprimoramento de suas estruturas físicas, organizacionais e modelos de gestão, do
Objetivo
desenvolvimento de sistemas de informação e bancos de dados, do fortalecimento da
atividade de inteligência e reestruturação e modernização do sistema de produção da prova
material. Código: 0830
Programa Segurança Pública com Cidadania Código: 2070 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108

Ação Prioritária ( ) Sim (X)Não Caso positivo: ( )PAC ( ) Brasil sem Miséria ( )Outras

Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores


Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Meta
Valor em 1º de Valor Unidade de
Valor Liquidado Descrição da Meta Realizado
janeiro Cancelado medida
6.549.449,54 - - Unidade construída % execução -

69
Identificação da Ação
Código 155I Tipo: Projeto
Título Construção de Unidades do Departamento de Polícia Federal
Apoiar a modernização organizacional e tecnológica, o reaparelhamento, a construção e
reformas das instituições de segurança pública e de controle externo e interno (ouvidoria e
Iniciativa
corregedoria) dos estados, do Distrito Federal, dos municípios e da Força Nacional de
Segurança Pública, incluindo o desenvolvimento do Sinesp. Código: 03DV
Propiciar a atuação de excelência dos órgãos de segurança pública da União, dos estados, do
Distrito Federal e dos municípios, assim como de outras instituições, com ênfase no
aprimoramento de suas estruturas físicas, organizacionais e modelos de gestão, do
Objetivo
desenvolvimento de sistemas de informação e bancos de dados, do fortalecimento da
atividade de inteligência e reestruturação e modernização do sistema de produção da prova
material. Código: 0830
Programa Segurança Pública com Cidadania Código: 2070 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108

Ação Prioritária ( ) Sim (X)Não Caso positivo: ( )PAC ( ) Brasil sem Miséria ( )Outras

Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores


Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Meta
Valor em 1º de Valor Unidade de
Valor Liquidado Descrição da Meta Realizado
janeiro Cancelado medida
131.452,81 127.600,50 3.852,31 Unidade construída % execução -

70
Identificação da Ação
Código 155J Tipo: Projeto
Título Ampliação, Reforma e Modernização das Unidades do Departamento de Polícia Federal
Apoiar a modernização organizacional e tecnológica, o reaparelhamento, a construção e
reformas das instituições de segurança pública e de controle externo e interno (ouvidoria e
Iniciativa
corregedoria) dos estados, do Distrito Federal, dos municípios e da Força Nacional de
Segurança Pública, incluindo o desenvolvimento do Sinesp. Código: 03DV
Propiciar a atuação de excelência dos órgãos de segurança pública da União, dos estados, do
Distrito Federal e dos municípios, assim como de outras instituições, com ênfase no
aprimoramento de suas estruturas físicas, organizacionais e modelos de gestão, do
Objetivo
desenvolvimento de sistemas de informação e bancos de dados, do fortalecimento da
atividade de inteligência e reestruturação e modernização do sistema de produção da prova
material. Código: 0830
Programa Segurança Pública com Cidadania Código: 2070 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108

Ação Prioritária ( ) Sim (X)Não Caso positivo: ( )PAC ( ) Brasil sem Miséria ( )Outras

Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores


Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Meta
Valor em 1º de Valor Unidade de
Valor Liquidado Descrição da Meta Realizado
janeiro Cancelado medida
1.760.596,17 1.191.151,29 2.240,50 Unidade reformada % execução -

71
Identificação da Ação
Código 20IC Tipo: Atividade
Título Estratégia Nacional de Seguranca Publica nas Fronteiras - ENAFRON
Implementação da Estratégia Nacional de Segurança Pública nas Fronteiras
para o monitoramento das regiões fronteiriças e Amazônia Legal, bem como para a ampliação da
Iniciativa
presença dos órgãos de segurança pública e outras
instituições nessas regiões.
Aprimorar o combate à criminalidade, com ênfase em medidas de prevenção, assistência,
repressão e fortalecimento das ações integradas para superação do tráfico de pessoas, drogas,
Objetivo armas, lavagem de dinheiro e
corrupção, enfrentamento de ilícitos característicos da região de fronteira e na intensificação da
fiscalização do fluxo migratório.
Programa Segurança Pública com Cidadania Código: 2070 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108 e 30909

Ação Prioritária ( ) Sim (X)Não Caso positivo: ( )PAC ( ) Brasil sem Miséria ( )Outras

Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores


Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Meta
Valor em 1º de Descrição da Unidade de
Valor Liquidado Valor Cancelado Realizado
janeiro Meta medida
Operação
58.328.107,23 35.210.062,53 1.429.699,56 unidade -
apoiada

72
Identificação da Ação
Código 20UE Tipo: Atividade
Título Aprimoramento Institucional da Policia Federal
Apoiar a modernização organizacional e tecnológica, o reaparelhamento, a construção e
reformas das instituições de segurança pública e de controle externo e interno (ouvidoria e
Iniciativa corregedoria) dos estados, do Distrito Federal,
dos municípios e da Força Nacional de Segurança Pública, incluindo o desenvolvimento
da Rede Infoseg, do SINISP e do SIS.
Propiciar a atuação de excelência dos órgãos de segurança pública da União, dos estados,
do Distrito Federal e dos municípios, assim como de outras instituições, com ênfase
no aprimoramento de suas estruturas físicas,
Objetivo
organizacionais e modelos de gestão, do desenvolvimento de sistemas de informação e
bancos de dados, do fortalecimento da atividade de inteligência
e reestruturação e modernização do sistema de produção da prova material.
Programa Segurança Pública com Cidadania Código: 2070 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108

Ação Prioritária ( ) Sim (X)Não Caso positivo: ( )PAC ( ) Brasil sem Miséria ( )Outras

Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores


Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Meta
Valor em 1º de Descrição da Unidade de
Valor Liquidado Valor Cancelado Realizado
janeiro Meta medida
Instituição
29.997.157,85 14.503.603,21 4.376.995,01 unidade -
aprimorada

73
Identificação da Ação
Código 20V2 Tipo: Atividade
Implantação, Manutenção e Atualização do Centro Integrado de Inteligência Policial e
Título
Análise Estratégica - Cintepol
Iniciativa Aprimorar as ações de investigação e operações de inteligência policiaL
Propiciar a atuação de excelência dos órgãos de segurança pública da União, dos estados,
do Distrito Federal e dos municípios, assim como de outras instituições, com ênfase
no aprimoramento de suas estruturas físicas,
Objetivo
organizacionais e modelos de gestão, do desenvolvimento de sistemas de informação e
bancos de dados, do fortalecimento da atividade de inteligência e reestruturação e
modernização do sistema de produção da prova material.
Programa Segurança Pública com Cidadania Código: 2070 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30108

Ação Prioritária ( ) Sim (X)Não Caso positivo: ( )PAC ( ) Brasil sem Miséria ( )Outras

Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores


Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Meta
Valor em 1º de Descrição da Unidade de
Valor Liquidado Valor Cancelado Realizado
janeiro Meta medida
8.251.103,75 6.833.396,27 582.916,48 Acesso realizado unidade -

74
Identificação da Ação
Código 2679 Tipo: Atividade
Repressao ao Tráfico Ilícito de Drogas e Atividades de Controle e Fiscalização de
Título
Produtos Químicos
Fortalecimento e aprimoramento da capacidade de enfrentamento à criminalidade, em
especial ao crime organizado, ao tráfico de pessoas, drogas e armas, à pirataria, aos ilícitos
Iniciativa
característicos da região de fronteira, à lavagem de dinheiro e ao financiamento do
terrorismo, pelos órgãos de segurança pública e outras instituições.
Aprimorar o combate à criminalidade, com ênfase em medidas de prevenção,
assistência, repressão e fortalecimento das ações integradas para superação do tráfico de
Objetivo pessoas, drogas, armas, lavagem de dinheiro e
corrupção, enfrentamento de ilícitos característicos da região de fronteira e na
intensificação da fiscalização do fluxo migratório.
Programa Segurança Pública com Cidadania Código: 2070 Tipo: Temático
Unidade Orçamentária 30909

Ação Prioritária ( ) Sim (X) Não Caso positivo: ( ) PAC ( ) Brasil sem Miséria ( ) Outras

Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores


Execução Orçamentária e Financeira Execução Física - Meta
Valor em 1º de Valor Descrição da Unidade de
Valor Liquidado Realizado
janeiro Cancelado Meta medida
102.000,00 102.000,00 - - - -

75
AÇÕES – ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO – OI

Este item não se aplica à PF, pois a composição do orçamento do órgão limita-se às esferas
Fiscal e de Seguridade Social, não havendo ações integrantes do orçamento de investimento. Dados em
conformidade com a LOA 2016.

Os critérios para levantamento desses valores no Tesouro Gerencial foram:

• Itens de Informação: todos os itens de dotação


• Unidade Orçamentária=30108
• Mês de referência = 12/2016

Quadro 8 – Dotações orçamento fiscal e orçamento de seguridade social


9 10 13 14
Esfera Item
Orçamentária Informação DOTACAO DOTACAO DOTACAO DOTACAO CANCELADA E
INICIAL SUPLEMENTAR ATUALIZADA REMANEJADA

ORÇAMENTO
1 4.018.090.731,00 435.255.872,00 4.340.822.892,00 (112.523.711,00)
FISCAL
ORÇAMENTO DE
2 SEGURIDADE 1.575.175.819,00 89.313.146,00 1.664.488.965,00 0,00
SOCIAL
TOTAL 5.593.266.550,00 524.569.018,00 6.005.311.857,00 (112.523.711,00)

3.3.2. Fatores Intervenientes no desempenho orçamentário

A programação orçamentária da Polícia Federal busca suprir da melhor forma possível suas
atividades administrativas, operacionais e de infraestrutura, sempre obedecendo aos normativos correlatos,
nestes considerados os relacionados a contingenciamentos e controle de gastos do Governo Federal.

Diante da apresentação da PLOA 2016 ao Congresso Nacional e a programação


orçamentária nela constate, foram definidas as cotas orçamentárias das diversas Unidades Gestoras da
Polícia Federal.

Com a publicação do decreto de programação financeira de 2016, manteve-se a definição


inicial das cotas, dando às 32 Unidades Gestoras a segurança necessária ao custeio e manutenção de suas
atividades.

As solicitações de crédito adicional foram oportunas e efetivas, propiciando a adequada


realocação orçamentária para execução de despesas previstas ou imprevistas no transcorrer do exercício.

As atividades de acompanhamento e controle orçamentário (custeio, pessoal e investimento)


foram executadas conforme planejado, sendo elaboradas ferramentas específicas para a obtenção de dados
mais apurados.

As demandas financeiras da Instituição foram devidamente apresentadas à Setorial de


Programação Financeira do Ministério da Justiça com vistas à liberação de recursos suficientes para a
satisfação dos credores e fornecedores das Unidades Gestoras. No entanto, apesar dos esforços envidados
nesse sentido, o atendimento ficou aquém do desejado durante todo o exercício, motivo pelo qual prazos
de pagamento foram alongados.
76
No tocante as receitas que a Polícia Federal é responsável os índices de execução
ultrapassaram o volume de recursos planejados em 9,67%.

A partir de uma visão global da execução da despesa, detalhada pelo quadro 4.3.4 e outros,
observa-se que:

a. houve incremento relativo da execução da despesa mediante processos licitatórios,


passando de 7,95% em 2015 para 9,11% em 2016 do total das dotações do órgão;

b. houve redução das contratações diretas, passando de 5,92% em 2015 para 4,59%
em 2016;

c. houve redução da execução de suprimento de fundos, passando de 0,27% em 2015


para 0,25% em 2016;

d. houve redução da execução de diárias, passando de 1,58% em 2015 para 1,52% em


2016;

e. dos valores executados pela Polícia Federal em 2016, 84,54% relacionam-se a


despesas obrigatórias e apenas 15,46% a despesas discricionárias.

3.3.3 Execução descentralizada com transferência de recursos

3.3.3.1 Informações sobre a estrutura de pessoal para análise das prestações de contas

Quadro 9: Resumo dos instrumentos celebrados e dos montantes transferidos nos últimos três exercícios
Unidade concedente ou contratante
Nome: COORDENACAO DE ORCAMENTO E FINANCAS - COF/DPF

UG/GESTÃO: 200336/0001
Quantidade de instrumentos celebrados Montantes repassados no exercício (em R$ 1,00)
Modalidade
2016 2015 2014 2016 2015 2014
Termo de
- 1 - 115.511,21 31.556,97 -
Cooperação
Termo de
Execução 1 1 - 1.477.281,68 385.512,10 -
Descentralizada
Totais 1 2 - 1.592.792,89 417.069,07 -
Fonte: TESOURO GERENCIAL

Nota 01: No Relatório de Gestão de 2015 foram informados dois instrumentos para o
exercício de 2014, porém tais instrumentos se referem a Termos de Execução Descentralizadas
celebrados 2013 com execução em 2014 (em andamento), por isso não há a inserção desta
informação no presente relatório.

Nota 02: No Relatório de Gestão de 2015 os montantes repassados informados em 2015 se


referem aos valores dos Termos firmados e não aos valores repassados, o que justifica a diferença
daquele valor para o informado no presente relatório.

77
Quadro 10: Resumo da prestação de contas sobre transferências concedidas pela UJ na modalidade de convênio, termo de
cooperação e de contratos de repasse.
Valores em R$ 1,00
Unidade Concedente
Nome: COORDENACAO DE ORCAMENTO E FINANCAS - COF/PF
UG/GESTÃO: 200336/00001
Instrumentos
Exercício
(Quantidade e Montante Repassado)
da
Quantitativos e montante repassados Termo de
Prestação Termo de
Convênios Execução
das Contas Cooperação
Descentralizada
Exercício Quantidade
Contas Prestadas
do Montante Repassado
relatório de Contas NÃO Quantidade 1
gestão Prestadas Montante Repassado 147.068,18
Exercícios Contas NÃO Quantidade
anteriores Prestadas Montante Repassado

No encerramento do exercício de 2016 havia ainda o TED celebrado com a Universidade Federal de Campina
Grande – UFCG, cujo prazo de prestação de contas se encerrava somente em 2017, razão pela qual não consta no quadro.

Quadro 11: Situação da análise das contas prestadas no exercício de referência do relatório de gestão
Unidade Concedente ou Contratante
Nome: COORDENACAO DE ORCAMENTO E FINANCAS - COF/DPF
UG/GESTÃO: 200336/00001
Instrumentos
Contas apresentadas ao repassador no exercício de referência do
Contratos de Termo de
relatório de gestão Convênios
repasse Cooperação
Quantidade aprovada
Quantidade reprovada
Contas analisadas
Quantidade de TCE instauradas
Montante repassado (R$)
Quantidade 1
Contas NÃO analisadas
Montante repassado (R$) 147.068,18
Fonte: SIAFI
Valores em R$ 1,00

Quadro12: Perfil dos atrasos na análise das contas prestadas por recebedores de recursos
Unidade Concedente ou Contratante
Nome: COORDENACAO DE ORCAMENTO E FINANCAS - COF/DPF
UG/GESTÃO: 200336/00001
Instrumentos da Quantidade de dias de atraso na análise das contas
transferência Até 30 dias De 31 a 60 dias De 61 a 90 dias De 91 a 120 dias Mais de 120 dias
Convênios
Contratos de repasse
Termo de Cooperação 1
...

78
3.3.4. Informações sobre a execução das despesas

DESPESAS TOTAIS POR MODALIDADE DE CONTRATAÇÃO

Os dados foram extraídos do Tesouro Gerencial, utilizando como critérios de pesquisa:

1) Despesa executada e paga por modalidade de licitação. Grupo de Itens: Itens do


Public Mensal; Itens de informação referentes à despesa executada e a despesa paga; Saldo do mês de
referência = 12/2015 e 12/2016; Unidade Orçamentária=30108; Orçamento Fiscal e de Seguridade Social
= S.
2) Despesa executada e paga de pessoal. Grupo de Itens: Itens do Public Mensal; Itens
de informação referentes à despesa executada e a despesa paga; Grupo Despesa = 1; Saldo do mês de
referência = 12/2015 e 12/2016; Unidade Orçamentária=30108; Orçamento Fiscal e de Seguridade Social
= S.
3) Despesa executada e paga de diárias. Grupo de Itens: Itens do Public Mensal; Itens
de informação referentes à despesa executada e a despesa paga; Elemento de Despesa = 14 e 15; Naturezas
de Despesa = 33903602, 33903603, 44903602 e 449303603; Saldo do mês de referência = 12/2015 e
12/2016; Unidade Orçamentária=30108; Orçamento Fiscal e de Seguridade Social = S.

79
Quadro 13: Despesas por modalidade de contratação
Modalidade de Contratação Despesa executada Despesa paga
2016 % 2015 % 2016 % 2015 %
1. Modalidade de Licitação
501.757.655,76 9,11 432.877.682,80 7,95 262.472.137,57 5,08 262.738.969,72 5,15
(a+b+c+d+e+f+g)
a) Convite - - 75.867,37 0,001 - - 75.867,37 0,002
b) Tomada de Preços 2.051.549,95 0,04 1.378.212,19 0,03 640.838,90 0,01 898.279,24 0,02
c) Concorrência 32.888.718,33 0,60 17.664.449,54 0,32 3.240.030,60 0,06 3.013.692,27 0,06
d) Pregão 466.817.387,48 8,47 413.759.153,70 7,60 258.591.268,07 5,01 258.751.130,84 5,07
e) Concurso - - - - - - - -
f) Consulta - - - - - - - -
g) Regime Diferenciado de
- - - - - - - -
Contratações Públicas
2. Contratações Diretas (h+i) 253.164.146,22 4,59 322.499.217,29 5,92 207.391.557,13 4,02 190.102.752,03 3,72
h) Dispensa 95.072.145,34 1,72 90.397.098,85 1,66 70.036.653,30 1,36 63.881.263,56 1,25
i) Inexigibilidade 158.092.000,88 2,87 232.102.118,44 4,26 137.354.903,83 2,66 126.221.488,47 2,47
3. Regime de Execução
13.610.747,31 0,25 14.770.642,58 0,27 13.610.747,31 0,27 14.770.642,58 0,29
Especial
j) Suprimento de Fundos 13.610.747,31 0,25 14.770.642,58 0,27 13.610.747,31 0,27 14.770.642,58 0,29
4. Pagamento de Pessoal (k+l) 4.742.832.676,63 86,05 4.677.964.865,11 85,86 4.678.522.649,35 90,63 4.636.956.619,74 90,84
k) Pagamento em Folha 4.659.172.179,26 84,53 4.591.528.130,17 84,28 4.594.877.214,36 89,01 4.550.525.242,11 89,15
l) Diárias 83.660.497,37 1,52 86.436.734,94 1,58 83.645.434,99 1,62 86.431.377,63 1,69
5. Total das Despesas acima
5.511.365.225,92 100,00 5.448.112.407,78 100,00 5.161.997.091,36 100,00 5.104.568.984,07 100,00
(1+2+3+4)

6. Total das Despesas da UPC 5.511.365.225,92 100,00 5.448.112.407,78 100,00 5.161.997.091,36 100,00 5.104.568.984,07 100,00

80
DESPESAS POR GRUPO E ELEMENTO DE DESPESA

Conforme orientações para elaboração do quadro “Despesas por grupo e elemento de


despesa”, esse quadro demonstra a execução da despesa de acordo com a classificação nos grupos e
elementos de despesa, composto por quatro colunas com os seguintes campos: Despesa Empenhada,
Despesa Liquidada, RP não processados e Valores Pagos, sendo que cada coluna é representada pelos dois
últimos exercícios. As linhas, por sua vez, discriminam as Despesas Correntes e Despesas de Capital.

Todos os dados foram extraídos do Tesouro Gerencial – 2015 e 2016 utilizando como
critérios de pesquisa: Despesa executada e paga por grupo e elemento de despesa. Grupo de Itens do Public
Mensal; Saldo do mês de referência = 12/2015 e 12/2016; Unidade Orçamentária=30108; Orçamento Fiscal
e de Seguridade Social = S.

81
Quadro 14: Despesas por grupo e elemento de despesa
DESPESAS CORRENTES
Grupos de Despesa Empenhada Liquidada RP não processados Valores Pagos
1. Despesas de Pessoal 2016 2015 2016 2015 2016 2015 2016 2015

Vencimentos e Vantagens Fixas -


2.455.024.318,52 2.450.116.471,00 2.453.576.772,1 2.446.250.307,25 1.447.546,39 3.866.163,75 2.453.550.706,04 2.446.248.954,28
Pessoal Civil
3
Aposent.Rpps, Reser. Remuner. e
1.108.917.361,94 1.072.093.687,23 1.108.823.616,8 1.072.092.505,39 93.745,08 1.181,84 1.108.811.953,37 1.072.092.505,39
Refor.Militar
6
Obrigações Patronais 508.067.251,62 501.966.314,62 501.910.364,21 140.689,96 55.950,41 507.926.561,66 501.910.364,21
507.926.561,66
Demais elementos do grupo 587.163.247,18 567.351.657,32 530.459.791,29 62.423.868,81 36.891.866,03 524.587.993,29 530.273.418,23
524.739.378,37
2. Juros e Encargos da Dívida - - - - - - - -
3. Outras Despesas Correntes - - - - - - - -

Outros Serviços de Terceiros - PJ 418.649.113,59 467.904.224,59 342.976.646,50 113.161.460,61 124.927.578,0 302.162.220,91 286.694.160,20
305.487.652,98
9
Locação de Mão-de-obra 136.620.303,08 127.227.495,62 111.128.546,92 19.090.120,71 117.191.767,65 104.663.666,66
117.530.182,37 16.098.948,70
Indenizações e Restituições 136.583.363,48 56.141.730,93 54.138.921,53 40.507.815,22 96.015.328,91 52.463.092,39
96.075.548,26 2.002.809,40
Demais elementos do grupo 303.616.327,80 289.141.860,48 258.588.260,77 30.172.251,39 273.312.986,28 253.324.925,10
273.444.076,41 30.553.599,71
DESPESAS DE CAPITAL
Grupos de Despesa Empenhada Liquidada RP não Processados Valores Pagos
4. Investimentos 2016 2015 2016 2015 2016 2015 2016 2015
Equipamento e material permanente 95.567.854,01 52.026.769,96 3.669.706,91 6.514.924,68 91.898.147,10 45.511.845,28 3.655.878,81 5.764.679,92
Obras e instalações 39.370.002,13 21.379.934,12 4.354.855,55 4.837.127,87 35.015.146,58 16.542.806,25 4.354.855,55 4.731.945,54
Despesas de Exercícios Anteriores 1.809.043,11 1.657.020,47 1.809.043,11 1.657.020,47 - - 1.809.043,11 1.657.020,47
Demais elementos do grupo 589.463,85 16.249.787,18 485.210,52 8.050.891,00 104.253,33 8.198.896,18 206.338,52 8.050.891,00
5. Inversões Financeiras - - - - - - - -
6. Amortização da Dívida - - - - - - - -

82
As Despesas Correntes em 2016 mantiveram padrão de execução semelhante às
mesmas despesas em 2015. O maior montante executado nos Grupos de Despesas de Capital
em 2016 engloba os elementos de despesa Equipamento e material permanente, Obras e
instalações e Despesas de Exercícios Anteriores, diferentemente do que foi apresentado em
2015 onde o elemento “Outros serviços de terceiros – PJ” fazia parte dos 80% do valor
executado no Grupo de Despesa de Investimento.

Em 2016, o montante executado na área de tecnologia da informação aumentou


em relação a 2015, pois houve renovação e ampliação do parque tecnológico com a aquisição
de equipamentos que compõem a solução de data center e núcleo de rede da PF. Além disso,
foram adquiridas licenças de softwares, sistema de gerenciamento de equipamentos de
segurança, aquisição de ferramenta de gestão administrativa e financeira - licenças e hardwares.

Nos investimentos em obras e instalações também houve incremento, pois foram


realizadas reformas e a construção de novas unidades da Polícia Federal em todo território
nacional.

83
3.4 Desempenho operacional

3.4.1 Apresentação e análise de indicadores de desempenho

Indicadores de desempenho institucional (medidos no nível global)

Tabela 3 – Indicadores de desempenho institucional (medidos no nível global) *Medição realizada em dez/2015
Índice
Objetivo Índice de Índice Previsto Periodi Análise do Resultado
Denominação Observado Fórmula de Cálculo
Institucional Referência* (meta 2016) cidade
(2016)
A medição alcançada ficou abaixo da
[Quantidade de horas aulas estimada em razão da realização dos
realizadas (EAD e Grandes Eventos (Olímpiadas,
78,63 Paralimpíadas e Eleições Municipais),
Esforço para 75,1 horas-aula 43,74 horas-aula presenciais)/Número total de
Valorizar o Servidor horas-aula por Anual ações que demandaram deslocamento do
capacitação por servidor por servidor servidores na ativa (Média de
servidor contingente policial, dificultando as ações
número de servidores obtida
no início e final do ano)] de capacitação em razão da necessária
dedicação ao serviço.
[(Quantidade de inquéritos
relatados com indicação da
autoria de todas as unidades
da PF no período em
apuração + Quantidade de A DICOR/PF manteve a meta estabelecida
inquéritos relatados sem para 2016 para os exercícios seguintes até
Eficácia dos
Reduzir a Anual indicação da autoria por não 2019, tendo em vista considerar o valor
inquéritos da Polícia 74,36% 71% 72,28%
Criminalidade constatação de prática de acertado e que não seria adequado aumentar
Federal
infração penal de todas as tal meta no período de 2017 a 2019.
unidades da PF no período em
apuração) / Quantidade total
de inquéritos relatados de
todas as unidades do DPF no
período em apuração] * 100.
O índice apurado foi muito elevado neste
ano, tendo em vista que a ferramenta
Sinapse Busca passou a contemplar
[Número de servidores que servidores que não são usuários do Portal
Índice de acessos ao Reduzir a utilizam o Portal Cintepol (via intranet), através da
1,593 1,752 3,275
Portal CINTEPOL Criminalidade Anual Cintepol/Número total de plataforma Policial (Sinapse Busca – Perfil
licenças de AD] Policial). E também pelo fato de que,
embora a PF tenha adquirido novas licenças
de AD, essas licenças não foram
incorporadas ao ambiente Cintepol.
Relação entre os Reduzir a [Inquéritos Detectada leve queda de produtividade em
Inquéritos Criminalidade
0,97 0,9 0,92 Anual Relatados/Inquéritos relação ao ano anterior. Todavia, a meta foi

84
Índice
Objetivo Índice de Índice Previsto Periodi Análise do Resultado
Denominação Observado Fórmula de Cálculo
Institucional Referência* (meta 2016) cidade
(2016)
Relatados e Instaurados] superada, em que pese a realização dos
Instaurados grandes eventos: Olimpíadas e
Paralimpíadas 2016, e das eleições
municipais, ocorrências que demandaram
mobilização e deslocamento de efetivo.
Tendo em vista as melhorias implantadas
nos procedimentos de análise jurídica, o que
proporcionou que processos há muito
tempo aguardando prioridade para tal
análise (a exemplo de três procedimentos
Média dos prazos dos aquisitivos com mais de 500 dias de
Otimizar o Emprego
Prazo Médio dos 279 dias Anual processos de licitação aguardo e vários com mais de 300 dias)
dos Bens e Recursos 200 dias 120 dias
Pregões Eletrônicos concluídos na modalidade fossem concluídos e devolvidos para
Materiais
Pregão Eletrônico prosseguimento no Serviço de Compras
(SECOM/DICON/COAD/ DLOG/PF).
Assim, a vazão dada aos saldos antigos de
análises jurídicas impactou no resultado do
indicador.
Ocorreram atrasos nas execuções de obras,
devidos a vários fatores, como novas
demandas da Administração, atrasos em
análises de aditivos pela Assessoria
Jurídica, problemas climáticos(chuvas em
determinadas fases da obra que atrapalham
seu andamento), atrasos injustificados pelas
empresas (para os quais a Administração
tomou as devidas providências como aplicar
Otimizar o Emprego as sanções contratuais). Além dos atrasos na
Índice de execução 0,2564 Anual [Valor Executado / Valor obra, também houve atraso nos contratos de
dos Bens e Recursos 0,19 0,92
das obras Planejado] projeto, nesse caso, em especial causado
Materiais
pelos órgãos municipais na análise dos
projetos, o que inviabilizou a contratação de
algumas obras no exercício. Há, por fim,
situações em que os projetos estavam
prontos e foram encaminhados para
contratação, o que não foi realizado em
tempo hábil, por atrasos em análises, na
publicação de editais ou problemas no
fechamento das contratações.
Índice de execução Integrar o 0,93 - Outras 0,96 - Outras O resultado obtido decorreu de esforços da
do total dos créditos Orçamento ao Despesas Despesas Anual [Valor empenhado/Valor DLOG/PF em realocar os recursos não
0,95
recebidos (por Planejamento Correntes Correntes recebido] utilizados no encerramento do exercício,
categoria Estratégico destinando-os a demandas antes represadas,

85
Índice
Objetivo Índice de Índice Previsto Periodi Análise do Resultado
Denominação Observado Fórmula de Cálculo
Institucional Referência* (meta 2016) cidade
(2016)
econômica) das 0,48 - 0,93 - seja de investimento, seja de custeio, assim
despesas Investimentos Investimentos obtendo um elevado grau de execução
discricionárias orçamentária.
Quantidade de A PF está próxima do limite com os
Somatório da quantidade de
operações especiais recursos atuais e a meta combinada com os
operações especiais de polícia
de polícia judiciária Estados para 2017 será repetida em 2018 e
Reduzir a judiciária desencadeadas pelo
(OEPJ) 516 OEPJ 398 OEPJ 550 OEPJ Anual 2019. (Houve incremento da meta
Criminalidade Departamento de Polícia
desencadeadas pelo anteriormente prevista e acordada com o
Federal no período de
Departamento de Ministério da Justiça e Segurança Pública).
apuração (anual)
Polícia Federal

Considerando a necessidade de estabelecer indicadores e metas de desempenho das Superintendências Regionais (SR) e suas
unidades vinculadas para direcionar as ações como uma forma de desdobramento dos Objetivos Institucionais do Plano Estratégico 2014-2022 da
PF, o Conselho Superior de Polícia da instituição aprovou onze indicadores de desempenho, por meio da Resolução nº 003-CSP/DPF, de 26 de
março de 2015, publicada no BS 060, de 30 de março de 2015, retificada pela Nota para BS Nº 78/2015-DG/DP, de 31 de março de 2015, publicada
no BS 062, de 1º de abril de 2015.

Além disso, durante o ano de 2015, foram elaborados outros dois indicadores, propostos pelos gestores dos respectivos processos,
os quais também compõem o conjunto de indicadores de desempenho das unidades descentralizadas.

A primeira medição destes indicadores (relacionados na tabela a seguir) foi em 2015, e, a partir daí, foram definidas metas para
2016, 2017, 2018 e 2019 para cada SR (e suas unidades vinculadas), demonstrando a contribuição esperada de cada SR para os resultados da
instituição, nesses períodos. Anualmente, os gestores dos processos nas unidades centrais, a partir da medição verificada e de outras informações,
reavalia as metas estabelecidas, podendo ou não realizar ajustes necessários.

86
Quadro 15 - Indicadores de desempenho das unidades descentralizadas da PF (medidos e consolidados por Unidade da Federação – Superintendência Regional e suas
unidades vinculadas)
Objetivo
Denominação Periodicidade Fórmula de Cálculo
Institucional
[Quantidade de inquéritos relatados de todas as unidades vinculadas à
Superintendência Regional no período em apuração / Quantidade de inquéritos
1. Relação entre inquéritos relatados e Reduzir a instaurados de todas as unidades vinculadas à Superintendência Regional no
Anual
instaurados Criminalidade período em apuração] * 100.

2. Relação entre as cartas precatórias [Quantidade de cartas precatórias cumpridas + quantidade de cartas precatórias
cumpridas e/ou devolvidas e as cartas devolvidas pela SR e suas unidades vinculadas no período em apuração /
Reduzir a Quantidade de cartas precatórias recebidas pela SR e suas unidades vinculadas
precatórias recebidas pela Anual
Criminalidade no período em apuração] * 100.
Superintendência Regional e suas
unidades vinculadas
3. Relação entre Notícias-crime
analisadas pela Corregedoria e [Quantidade de Notícias-crimes analisadas pela Corregedoria no período em
Reduzir a
Notícias-crime protocoladas na Anual apuração / Quantidade de Notícias-crime protocoladas na SR e suas unidades
Criminalidade
Superintendência Regional e suas vinculadas no período em apuração] * 100.
unidades vinculadas
4. Relação entre a quantidade de
operações especiais de polícia [Total da quantidade de operações especiais da SR e de suas unidades
Reduzir a
judiciária e o total de servidores da Anual descentralizadas no período em apuração / Quantidade total de servidores da SR
Criminalidade
Superintendência Regional e de suas e de suas unidades descentralizadas]
unidades jurisdicionadas
5. Relação entre a quantidade inquéritos
relatados COM INDICAÇÃO DA [(Quantidade de inquéritos relatados com indicação da autoria de todas as unidades
AUTORIA somados aos relatados SEM vinculadas à SR no período em apuração + Quantidade de inquéritos relatados
INDICAÇÃO DA AUTORIA por não Reduzir a sem indicação da autoria por não constatação de prática de infração penal de todas
Anual
constatação de prática de infração penal Criminalidade as unidades vinculadas à SR no período em apuração) / Quantidade total de
e o total de inquéritos relatados inquéritos relatados de todas as unidades vinculadas à SR no período em
(Eficácia dos inquéritos do apuração] * 100.
Departamento de Polícia Federal)
6. Relação entre a quantidade de vistorias
realizadas em empresas de segurança
privada na circunscrição da
Promover a [Quantidade de vistorias de empresas de segurança privada realizadas na
Superintendência Regional (DELESP e Anual
Cidadania circunscrição/Total de empresas de segurança privada da circunscrição]*100
Delegacias Descentralizadas) e o total
de empresas de segurança privada da
circunscrição da SR

87
Objetivo
Denominação Periodicidade Fórmula de Cálculo
Institucional
7. Relação entre a quantidade de vistorias
realizadas em agências bancárias e
postos de atendimento bancário na
[Quantidade de vistorias realizadas em agências bancárias e postos de atendimento
circunscrição da Superintendência Promover a
Anual bancário na circunscrição da SR/Total de agências bancárias e de postos de
Regional (DELESP e Delegacias Cidadania
atendimento bancário da circunscrição da SR]*100
Descentralizadas) e o total de agências
bancárias e postos de atendimento
bancário da circunscrição da SR
8. Relação entre a quantidade de
passaportes comuns emitidos na [Quantidade de passaportes comuns emitidos na circunscrição da SR/Total de
circunscrição da SR e o total de Promover a estações de trabalho de expedição de passaportes cadastradas nos postos de
Anual expedição de passaportes da SR]
estações de trabalho de expedição de Cidadania
passaportes cadastradas nos postos de
expedição de passaportes da SR
Os dados serão coletados nos principais aeroportos brasileiros (atualmente nos
aeroportos internacionais em Manaus, Campinas, Confins, Curitiba, Fortaleza,
Porto Alegre, Recife, Salvador, Brasília, Galeão, Guarulhos e Natal), pela
empresa especializada contratada pela SAC para a realização de pesquisa in loco.
O Comitê Técnico de Indicadores da Comissão Nacional das Autoridades
Aeroportuárias (CONAERO) encaminha os relatórios trimestrais à Divisão de
9. Tempo de espera para atendimento nas Controle de Imigração (DCIM/CGPI/DIREX). Com base nos relatórios
cabines de fiscalização migratória Promover a disponibilizados, irá somar os resultados de cada trimestre, correspondentes ao
Anual
localizadas nas áreas de embarque Cidadania aeroporto internacional de sua circunscrição, dividir o número alcançado por 4,
internacional de aeroportos chegando-se, assim, a uma média anual.
Fórmula: [(te 1ºt + te 2ºt + te 3ºt + te 4ºt)/4], onde:
"te 1ºt" corresponde ao tempo de espera para atendimento nas cabines de
fiscalização migratória localizadas nas áreas de embarque internacional no
primeiro trimestre do ano sob apuração (e assim respectivamente para o 2º, 3º e
4º trimestres).

Os dados serão coletados nos principais aeroportos brasileiros (atualmente nos


aeroportos internacionais em Manaus, Campinas, Confins, Curitiba, Fortaleza,
Porto Alegre, Recife, Salvador, Brasília, Galeão, Guarulhos e Natal), pela
10. Tempo de espera para atendimento nas empresa especializada contratada pela SAC para a realização de pesquisa in loco.
cabines de fiscalização migratória Promover a O Comitê Técnico de Indicadores da Comissão Nacional das Autoridades
Anual
localizadas nas áreas de desembarque Cidadania Aeroportuárias (CONAERO) encaminha os relatórios trimestrais à Divisão de
internacional de aeroportos Controle de Imigração (DCIM/CGPI/DIREX). Com base nos relatórios
disponibilizados, irá somar os resultados de cada trimestre, correspondentes ao
aeroporto internacional de sua circunscrição, dividir o número alcançado por 4,
chegando-se, assim, a uma média anual.
88
Objetivo
Denominação Periodicidade Fórmula de Cálculo
Institucional
Fórmula: [(te 1ºt + te 2ºt + te 3ºt + te 4ºt)/4], onde:
"te 1ºt" corresponde ao tempo de espera para atendimento nas cabines de
fiscalização migratória localizadas nas áreas de desembarque internacional no
primeiro trimestre do ano sob apuração (e assim respectivamente para o 2º, 3º e
4º trimestres).

[Número de laudos periciais criminais elaborados em todas as unidades de


11. Produtividade média de elaboração de
Reduzir a criminalística vinculadas à SR] / [Número de Peritos Criminais Federais (PCFs)
laudos de perícia criminal da Anual
Criminalidade atuantes na elaboração de laudos periciais criminais na SR e nas suas unidades
Superintendência Regional
descentralizadas].
12. Quantidade de operações especiais de
Somatório da quantidade de operações especiais de polícia judiciária
polícia judiciária desencadeadas pela Reduzir a
Anual desencadeadas pela Superintendência Regional de Polícia Federal (SR/DPF) e
Superintendência Regional de Polícia Criminalidade
suas descentralizadas no período de apuração, com o total agregado por UF.
Federal *
O cálculo da Média mensal de dias para Atendimento é realizado de forma
13. Disponibilidade imediata de vagas em
automatizada pelo sistema SINPAWEB.
dias de agendamento eletrônico para Promover a
Mensal Uma rotina automatizada simula diariamente um conjunto de solicitações de
atendimento ao cidadão requerente de Cidadania
agendamento para atendimento ao cidadão requerente de passaporte obtendo o
passaporte*
número de dias até a data da última vaga disponível.
* Indicadores Propostos Após Deliberação Do CSP.

A seguir, são apresentados em forma gráfica, os resultados das medições desses indicadores em 2015 e 2016, bem como, a comparação
entre resultado 2016 e meta 2016 (linha em preto nos gráficos). No Apêndice I, apresentam-se as informações dos resultados das medições desses
indicadores em 2015 e 2016 e as metas previstas para 2016 a 2019, em forma de tabelas.

No Apêndice II, apresentam-se outras informações do desempenho operacional, resultado de atividades realizadas pelas diversas unidades
da PF no intuito de contribuir para o alcance daqueles objetivos e ações.Além das informações dos indicadores de desempenho (objeto desta seção)
e das principais estratégias de atuação da PF em 2016, relacionadas aos objetivos institucionais e respectivas ações estratégicas do Plano Estratégico
2014-2022, já demonstradas no item 3.2 Formas e instrumentos de monitoramento da execução e resultados dos planos,

89
90
4. GOVERNANÇA, GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTERNOS

4.1 Descrição das estruturas de governança

A estrutura de governança interna da PF consiste na existência de segmentos que têm por


fim auxiliar o órgão no alcance dos objetivos institucionais.

Como primeira instância de governança, está instituído nos termos da Instrução Normativa
nº 04/1994-DPF, de 18 de abril de 1994, o Conselho Superior de Polícia (CSP), como órgão de deliberação
coletiva, integrante da estrutura básica organizacional do Órgão. Com funcionamento permanente, sua
finalidade é orientar as atividades policiais e administrativas em geral e examinar assuntos de alta relevância
submetidos ao Diretor, tendo como membros os titulares dos órgãos centrais. As matérias sob sua
deliberação devem se referir ao que dispõe o Regimento Interno e as normas da Polícia Federal.

A Polícia Federal conta também com um Assessor de Controle Interno, cujas atribuições
estão previstas na Instrução Normativa nº. 013/2005-DG/DPF, de 15 de junho de 2005, resumidas em:
auxiliar a Direção-Geral em assuntos relacionados à aderência do órgão aos atos legais e normativos; à
comunicação interna de decisões; à comunicação externa com órgãos diversos, sobretudo Controladoria-
Geral da União - CGU e Tribunal de Contas da União - TCU.

Acrescenta-se a existência de 16 Unidades de Controle Interno em Superintendências


Regionais, replicando nas estruturas descentralizadas a instância de apoio presente no Órgão Central.

Em suporte ao processo de aperfeiçoamento da governança, em 16 de maio de 2014, foi


publicada a Portaria nº. 4453/2014-DG/DPF, que atualizou o Planejamento Estratégico da PF, incluindo o
Objetivo Institucional “Fortalecer a Governança”, direcionado a robustecer os mecanismos do órgão que
definem o direcionamento estratégico, supervisionam a gestão, promovem o envolvimento das partes
interessadas, gerenciam riscos estratégicos, monitoram os resultados, o desempenho e o cumprimento de
políticas e planos, e promovem a accountability e a transparência, garantindo a eficácia e efetividade das
ações e fornecendo subsídios para processo decisório de qualidade.

Como ações de fortalecimento da governança, registra-se que, desde 2012, a área de


Tecnologia da Informação - TI conta com uma estrutura de governança específica, o Comitê de Governança
em Telemática - CGT, estabelecido conforme Instrução Normativa Nº 54/2012-DG/DPF, de 12 de janeiro
de 2012. Participam do CGT, além de representantes da área de tecnologia, integrantes de todas as
Diretorias, auxiliando na consolidação das políticas de gestão e no planejamento das ações de TI.

Ainda com relação à área de TI, há a Política de Gestão de Continuidade de Negócios,


conforme Portaria nº 4859/2014-DG/DPF, 23 de outubro de 2014, e a Política de Gestão de Riscos de
Segurança da Informação, conforme Portaria nº Portaria Nº 5633-DG/DPF, 4 de agosto de 2015.

Em acréscimo, durante o exercício de 2015, houve a publicação da Resolução nº 004, de 26


de março de 2015, do Conselho Superior de Polícia do Departamento de Polícia Federal, que estabeleceu o
Código de Ética da Polícia Federal.

Apesar de a Polícia Federal não contar com uma unidade de auditoria interna em virtude da
impossibilidade legal de adoção da mesma no âmbito da administração direta, registram-se avanços no
desenvolvimento de parâmetros para a criação de um Plano Anual de Auditoria Interna, bem como das
etapas para a realização dessa auditoria.
90
Como outro pilar da estrutura de governança está o sistema de correição da PF que conta
com a presença, na unidade central, da Corregedoria-Geral (COGER/PF). A COGER/PF dispõe de 02
(duas) unidades específicas para desenvolvimento de atividades de correição: a Coordenação-Geral de
Correições e a Coordenação de Disciplina.

Ademais, as unidades descentralizadas contam com as Corregedorias Regionais de Polícia


Federal, que são responsáveis, entre outros, por planejar e executar o Plano de Correições e determinar a
instauração de sindicância para apurar irregularidades ou infrações cometidas por servidores lotados na
Superintendência ou em suas unidades subordinadas descentralizadas.

Complementarmente, agregam valor à estrutura interna de governança a existência dos


controles internos administrativos consubstanciados nos normativos internos; nos controles setoriais de
procedimentos; nas fiscalizações internas; nas ações como revogação e anulação de atos administrativos;
nas apurações de responsabilidades quando da ocorrência de fraudes, desvios e danos ao erário, com o
devido ressarcimento aos cofres públicos; e nas comunicações oficiais por meio de Boletins de Serviço ou
e-mail funcional. Quanto à estrutura de governança externa à UPC, vale mencionar os trabalhos
desenvolvidos pela Advocacia-Geral da União, que como órgão governante superior assiste a PF no
controle interno da legalidade dos atos administrativos por ele praticados. Mencionem-se ainda os trabalhos
de auditorias anuais de gestão, de auditorias de acompanhamento e de julgamento das contas da PF
desenvolvidos pela CGU e pelo TCU.

4.2 Atividades de correição e apuração de ilícitos administrativos

O sistema de correição conta com a presença, na unidade central, da Corregedoria-Geral


(COGER/PF) e de 27 (vinte e sete) Corregedorias Regionais, uma em cada Superintendência Regional. A
autoridade competente para instaurar e julgar os procedimentos instaurados no âmbito da Corregedoria-
Geral é o Corregedor-Geral. Nas unidades descentralizadas, essa atribuição é do Superintendente Regional.

A COGER/PF dispõe de 02 (duas) unidades específicas para desenvolvimento de atividades


de correição: a Coordenação-Geral de Correições (CGCOR/COGER/PF) - responsável pela correição dos
inquéritos policiais e a Coordenação de Disciplina (CODIS/COGER/PF) - responsável pela correição dos
procedimentos administrativos disciplinares. Nas Superintendências Regionais tais atividades são
desempenhadas, respectivamente, pelo Núcleo de Correições (NUCOR/COR/SR/PF) e Núcleo de
Disciplina (NUDIS/COR/SR/PF).

Na Corregedoria-Geral e nas Corregedorias Regionais funcionam as Comissões


Permanentes de Disciplina (CPDs). Cada comissão é composta de quatro servidores, sendo um presidente,
dois membros e um secretário.
Segue o relatório com a descrição sucinta dos fatos apurados no exercício de 2016 ou em
apuração pelas Comissões de Inquérito em Processos Administrativos Disciplinares (PAD) e Sindicâncias
instauradas na unidade jurisdicionada, com o intuito de apurar Dano ao Erário, fraudes e corrupção.

Quanto à inserção dos procedimentos administrativos disciplinares no Sistema CGU-PAD,


informamos que todas as Unidades deste Departamento de Polícia Federal cumprem os preceitos
estabelecidos na Portaria CGU nº.1043, de 24/07/2007.

91
Quadro 15: Atividades de correição e de apuração de ilícitos administrativos
ESTRUTURA CORREICIONAL Quantitativo de
SRS / DELEGACIAS EXISTENTE - 2016 (Quantitativo de procedimentos destinados
Comissões Permanentes de Disciplina = às CPDs (2016)
Regionais + Delegacias)
SR/PF/AC 2
2
SR/PF/AL 2
4
SR/PF/AM 6
15
SR/PF/AP 2 5
SR/PF/BA 3 3
SR/PF/CE 2 1
SR/PF/DF 3 12
SR/PF/ES 6 5
SR/PF/GO 5 11
SR/PF/MA 4 4
SR/PF/MG 11 4
SR/PF/MS 4 29
SR/PF/MT 0 0
SR/PF/PA 3 3
SR/PF/PB 2 0
SR/PF/PE 1 2
SR/PF/PI 2 1
SR/PF/PR 10 8
SR/PF/RJ 11 27
SR/PF/RN 3 3
SR/PF/RO 5 1
SR/PF/RR 3 1
SR/PF/RS 3 11
SR/PF/SC 12 3
SR/PF/SE 2 1
SR/PF/SP 6 62
SR/PF/TO 1 2
COGER 3 18
TOTAL 117 238

4.3 Gestão de riscos e controles internos

Em 4 de agosto de 2015, por meio da Portaria nº 5633-DG/DPF, foi institucionalizada a


Política de Gestão de Riscos de Segurança da Informação da Polícia Federal, importante instrumento que
visa à definição de responsabilidades, princípios e diretrizes para o estabelecimento de um processo
sistemático para controlar os riscos que afetam os ativos de tecnologia da informação da PF, incluindo a
identificação, a análise e a avaliação de riscos, bem como o tratamento, o monitoramento e a comunicação
dos riscos identificados.

92
Também em 2015, a Direção-Geral aprovou a atualização do Manual de Planejamento
Operacional, elaborado no intuito de aperfeiçoar e difundir a doutrina de planejamento operacional,
uniformizando as ações e operações da PF.

Ao longo dos anos, as ações da PF têm chamado a atenção do país, seja por combater a
criminalidade de forma impessoal em nome de todos os brasileiros, seja pela capacidade de realizar grandes
operações policiais com absoluto sigilo, êxito e, muitas vezes, sem a necessidade de qualquer disparo de
arma de fogo. Uma das razões desse sucesso está no respeito à doutrina de planejamento operacional da
instituição.

Nesse Manual, item importante diz respeito ao princípio da segurança, que é orientador de
toda atividade policial. Especificamente em relação ao planejamento operacional, tal princípio implica a
adoção de todas as providências necessárias à minimização dos riscos que envolvem determinada operação
policial. Deve nortear o planejamento nos aspectos que abrangem a proteção de pessoas (servidores e
terceiros) e a preservação das informações, instalações e equipamentos. Questões concernentes à gestão de
riscos relativos à compartimentação de informações, ao trâmite e à guarda de documentos sigilosos, à
composição qualitativa e quantitativa das equipes, bem como à escolha do armamento e equipamento, são
alguns dos desdobramentos do princípio da segurança aplicadas ao planejamento operacional.

Além disso, com o intuito de buscar a sistematização das práticas de gestão de risco, em
2015 foram iniciadas ações para prospecção de iniciativas e métodos de gestão de risco junto a áreas da
própria PF, a exemplo do método SABRE, já utilizado para a avaliação de riscos relativos às áreas de
atuação da PF em Grandes Eventos (conforme detalhamento no item Planejamento Organizacional), e a
instituições externas, para posterior análise de viabilidade para implantação, adaptação e padronização em
demais áreas da PF.
Também com o objetivo de aprimorar a atuação da Instituição em relação à gestão de riscos
e atender ao disposto na Instrução Normativa Conjunta nº 01 do Ministério do Planejamento, Orçamento e
Gestão e da Controladoria Geral da União, de 10 de maio de 2016, publicada no D.O.U nº 89 de 11/05/2016
– Seção 1, foi iniciada a elaboração de projeto com o objetivo de desenvolver uma metodologia de gestão
de riscos na PF, conforme já citado na seção 3 deste relatório. A proposta de normativo para instituir a
Política de Gestão de Riscos da PF encontra-se em fase de finalização.

Após sua publicação, serão direcionados esforços para a continuidade da elaboração da


metodologia de gestão de riscos da PF e para aplicação de teste piloto, antes de sua efetiva implantação.

93
5. ÁREAS ESPECIAIS DA GESTÃO

5.1 Gestão de Pessoas

A Diretoria de Gestão de Pessoal inicialmente informa que a distribuição do efetivo entre as


unidades centrais, que na sua maioria são responsáveis pelos macroprocessos finalísticos, e as unidades e
subunidades descentralizadas se dá da seguinte forma:

Quadro 16: Distribuição do Efetivo


Servidores Administrativos de nível
Policiais Total de servidores
Médio e Superior
TOTAL - Unidades
10379 1901 12262
Descentralizadas
TOTAL - Unidades
1325 918 2243
Centralizadas
TOTAL GERAL 11704 2819 14523

Não há como quantificar exatamente aqueles servidores que estariam trabalhando direta ou
indiretamente na consecução destes macroprocessos, pois um mesmo servidor em um dado momento
poderia estar empenhado neste estudo e noutro poderia já estar realizando atividades próprias de execução.

Cumpre destacar também que atualmente não há estudo específico produzido com a
finalidade de avaliar a distribuição do pessoal no âmbito das unidades, especialmente no contexto da
execução da sua atividade fim. A análise do presente tema se mostra bastante complexa, vez que demanda
a análise de uma série de fatores que são altamente voláteis, ou seja, estão sujeitos a constantes alterações.

As alterações das políticas e as definições dos objetivos e prioridades governamentais são


exemplos destes fatores, os quais estão sujeitos a interferências das mais variadas espécies, sejam por razões
sócio-econômico-políticas, ou mesmo em razão de atividades específicas a que se comprometeu nosso país.
A título de exemplo podemos citar políticas de enfrentamento ao crack, que centraliza efetivo nas grandes
capitais; fortalecimento institucional nas regiões de fronteira, que tem por condão aumentar o efetivo
policial nestas áreas; e realização de grandes eventos, tais como Copa do Mundo e Olimpíadas, que exigem
do governo a concentração de grande efetivo policial em determinadas localidades.

Em consequência, apresentar uma distribuição de efetivo ideal ou necessária se torna uma


tarefa praticamente impossível.

Para adequar este tema, a Polícia Federal vem realizando frequentemente Concursos de
Remoções, que ocorrem na modalidade a pedido, sem ônus para a administração pública, lotando os
interessados naquelas unidades que se mostram com deficiência de efetivo.

Acerca do quantitativo de polícias e servidores administrativos trazemos abaixo tabela com


a quantidade de servidores por cargo e o número de cargos vagos atualmente:

1
Quadro 17: Cargos Ocupados da Carreira Policial Federal
CARGO CÓDIGO OCUPADOS
DPF ESPECIAL 901 001 814
DPF 1ª CLASSE 901 002 557
DPF 2ª CLASSE 901 003 12
DPF 3ª CLASSE 901 010 131
TOTAL 1614
PCF ESPECIAL 901 004 513
PCF 1ª CLASSE 901 005 500
PCF 2ª CLASSE 901 006 4
PCF 3ª CLASSE 901 011 90
TOTAL 1107
APF ESPECIAL 902 004 3.552
APF 1ª CLASSE 902 005 1.340
APF 2ª CLASSE 902 006 627
APF 3ª CLASSE 902 011 552
TOTAL 6071
EPF ESPECIAL 902 001 978
EPF 1ª CLASSE 902 002 289
EPF 2ª CLASSE 902 003 306
EPF 3ª CLASSE 902 010 316
TOTAL 1889
PPF ESPECIAL 902 007 347
PPF 1ª CLASSE 902 008 19
PPF 2ª CLASSE 902 009 88
PPF 3ª CLASSE 902 012 3
TOTAL 458

Quadro 18: Cargos Ocupados e Vagos do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal
CARGO CÓDIGO DO CARGO OCUPADOS
NÍVEL SUPERIOR
ADMINISTRADOR 432 005 41
ARQUITETO - LEI 12.277 476 001 1
ARQUIVISTA 432 002 4
ASSISTENTE SOCIAL 432 001 26
BIBLIOTECÁRIO 432 017 2
CONTADOR 432 006 13
ECONOMISTA 432 004 0
ENFERMEIRO 432 010 6
ENGENHEIRO - LEI 12.277 476 005 13
ESTATÍSTICO – LEI 12.277 476 018 4
ESTATÍSTICO 432 007 0
FARMACEUTICO 432 012 2

2
MÉDICO 432 009 48
MÉDICO VETERINÁRIO 432 085 2
NUTRICIONISTA 432 084 1
ODONTÓLOGO 432 013 4
PSICÓLOGO 432 011 14
TÉCNICO EM ASSUNTOS CULTURAIS 432 073 1
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 432 008 26
TÉCNICO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL 432 016 1
TOTAL 209
NÍVEL INTERMEDIÁRIO E NÍVEL AUXILIAR
AGENTE ADMINISTRATIVO 432 038 1954
AGENTE DE CINEFOTOGRAFIA E
MICROFILMAGEM 432 042 3
AGENTE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 432 041 1
AGENTE DE MECANIZAÇÃO DE APOIO 432 046 2
AGENTE DE PORTARIA 432 043 54
AGENTE DE SERVIÇOS COMPLEMENTARES 432 044 1
AGENTE DE TELECOMUNICAÇÃO E
ELETRICIDADE 432 034 119
AGENTE DE VIGILÂNCIA 432 045 85
AUXILIAR OPERACIONAL DE AGROPECUÁRIA 432 068 2
ARTÍFICE DE ARTES GRÁFICAS 432 033 8
ARTÍFICE DE CARPINTARIA E MARCENARIA 432 032 3
ARTÍFICE DE ELETRICIDADE E
COMUNICAÇÕES 432 031 10
ARTÍFICE DE MECÂNICA (NI) 432 030 15
ARTÍFICE DE MECÂNICA (NA) 432 064 1
AUXILIAR OPERACIONAL DE
CINEFOTOGRAFIA E MICROFILMAGEM 432 069 1
AUXILIAR DE ENFERMAGEM 432 053 19
AUXILIAR EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 432 054 2
AUXILIAR OPERACIONAL DE SERVIRÇOS
DIVERSOS (NI) 432 035 44
AUXILIAR OPERACIONAL DE SERVIRÇOS
DIVERSOS (NA) 432 066 11
DATILÓGRAFO 432 052 78
DESENHISTA 432 056 4
MOTORISTA OFICIAL 432 023 107
OPERADOR DE COMPUTADOR 432 057 5
PERFURADOR DIGITADOR 432 059 2
PROGRAMADOR 432 036 1
TÉCNICO EM CONTABILIDADE 432 037 58
TÉCNICO DE LABORATÓRIO 432 048 2
TÉCNICO SE SEGURANÇA DO TRABALHO 432 024 1
TELEFONISTA 432 025 2
TOTAL 2595
TOTAL GERAL 2804

3
Por fim, faz-se necessário mencionar que a Polícia Federal adota a praxe de não nomear para
seus cargos em comissão pessoas que não façam parte do seu quadro de servidores, facilitando o controle
acerca de uma possível acumulação ilegal de cargos. Ademais, ao ser autorizado o acesso à DIRPF, o
próprio servidor inibe qualquer tentativa neste sentido. Também temos de mencionar que o servidor policial
tem dedicação exclusiva e está sujeito a regime de plantão e de sobreaviso, o que o obriga a permanecer
em condições de ser acionado em horários e dias diversos daqueles normalmente adotados pela
Administração Pública em geral.

5.1.1 Estrutura de pessoal da unidade

Quadro 19: Força de Trabalho da UPC


Lotação Ingressos
Egressos no
Tipologias dos Cargos no
Exercício
Autorizada Efetiva Exercício
1. Servidores em Cargos Efetivos (1.1 + 1.2) 17.770 13.981 728 449
1.1. Membros de poder e agentes políticos 0 0
1.2. Servidores de Carreira (1.2.1+1.2.2+1.2.3+1.2.4) 17.770 13.981 728 449
1.2.1. Servidores de carreira vinculada ao órgão 17.770 13.943 723 446
1.2.2. Servidores de carreira em exercício descentralizado 0 3 1 2
1.2.3. Servidores de carreira em exercício provisório 0 35 4 1
1.2.4. Servidores requisitados de outros órgãos e esferas - - - -
2. Servidores com Contratos Temporários - - - -
3. Servidores sem Vínculo com a Administração Pública - - - -
4. Total de Servidores (1+2+3) 17.770 13.981 728 449
Fonte: Diretoria de Gestão de Pessoal

Quadro 20: Distribuição da Lotação Efetiva


Lotação Efetiva
Tipologias dos Cargos
Área Meio Área Fim
1. Servidores de Carreira (1.1) 2.842 11.139
1.1. Servidores de Carreira (1.2.1+1.2.2+1.2.3+1.2.4) 2.842 11.139
1.1.2. Servidores de carreira vinculada ao órgão 2.804 11.139
1.1.3. Servidores de carreira em exercício descentralizado 3 -
1.1.4. Servidores de carreira em exercício provisório 35 -
1.1.5. Servidores requisitados de outros órgãos e esferas - -
2. Servidores com Contratos Temporários - -
3. Servidores sem Vínculo com a Administração Pública - -
4. Total de Servidores (1+2+3) 2.842 11.139

Quadro 21: Detalhamento da estrutura de cargos em comissão e funções gratificadas da UPC


Lotação Ingressos Egressos
Tipologias dos Cargos em Comissão e das Funções no no
Gratificadas Autorizada Efetiva Exercício Exercício
1. Cargos em Comissão 271 265 84 28
1.1. Cargos Natureza Especial 0 0 0 0
1.2. Grupo Direção e Assessoramento Superior 271 265 84 28
1.2.1. Servidores de Carreira Vinculada ao Órgão 271 265 84 28
1.2.2. Servidores de Carreira em Exercício Descentralizado 0 0 0 0
1.2.3. Servidores de Outros Órgãos e Esferas 0 0 0 0
1.2.4. Sem Vínculo 0 0 0 0
1.2.5. Aposentados 0 0 0 0
2. Funções Gratificadas 796 752 220 111
4
2.1. Servidores de Carreira Vinculada ao Órgão 796 752 220 111
2.2. Servidores de Carreira em Exercício Descentralizado 0 0 0 0
2.3. Servidores de Outros órgãos e Esferas 0 0 0 0
3. Total de Servidores em Cargo e em Função (1+2) 1.067 1.017 304 139
Fonte: Diretoria de Gestão de Pessoal

5
5.1.2 Demonstrativo das Despesas com pessoal
Quadro 22: Despesas do pessoal Em R$ 1,00
Despesas Variáveis
Benefícios
Despesas de
Vencimentos e Assistenciais Demais Decisões
Tipologias/ Exercícios Exercícios Total
vantagens fixas Retribuições Gratificações Adicionais Indenizações e despesas Judiciais
Anteriores
previdenciár variáveis
ios
Membros de poder e agentes
políticos
cícios
Exer

2016 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
2015 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
Servidores de Carreira
vinculados ao órgão da
unidade
cícios
Exer

2016 2.124.237.616 9.581.830 190.264.983 63.236.328 83.417.420 79.776.094 304.507 1.699.797 24.823.491 2.577.342.066
2015 2.088.152.149 9.339.962 187.224.109 76.730.887 65.453.402 60.691.364 429.173 672.441 13.510.720 2.502.204.208
Servidores de Carreira SEM
VINCULO com órgão da
unidade
cícios
Exer

2016 20.467 2.968 989 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 24.424
2015 0,00 33.759 2.813 983 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 37.556
Servidores de Carreira SEM
VINCULO com a
administração pública (exceto
temporários)
cícios
Exer

2016 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
2015 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
Servidores cedidos com ônus
cícios
Exer

2016 32.822.910 5.232 2741793,00 921.662 855.292 1.177.562 37.478 41.469 182.624 38.786.022
2015 32.159.692 1.864 2.854.691 1.078.120 707.913 838.625 10.635 38.667 163.247 37.853.455
Servidores com contrato
temporário
cícios
Exer

2016 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
2015 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
Fonte: SIAPE; Extrator de Dados SIAPE e DW-SIAPE

6
5.1.3 Gestão de riscos relacionados ao pessoal

Um dos principais riscos relacionados ao pessoal é a existência de efetivo de Policiais


Federais e servidores do Plano Especial de Cargos em quantitativo inadequado, significando risco de
comprometimento do cumprimento da missão institucional da Polícia Federal.

Inicialmente, cabe destacar que a Polícia Federal possui um rol extenso de competências
institucionais previstas na Constituição Federal e na legislação federal, a qual vem sendo ampliada, a
exemplo da Lei nº 10.446/2002 (e suas recentes inserções dos incisos V e VI do art. 1º), Lei nº 10.683/2003
(art. 27, §7º), Lei nº 11.829/2008 (art. 241-A Pornografia Infantil na Internet), dentre outras. Destaque-se,
ainda, que o volume da prestação dessas atribuições vem sendo ampliado em todas as áreas, seja na
atividade de polícia judiciária, com o aumento numérico das investigações, seja no exercício do poder de
polícia administrativa e a consequente prestação de serviços em atividades estratégicas para a segurança
pública (controle migratório, de armas, de segurança privada e produtos químicos).

Para cumprir a sua missão constitucional, a Polícia Federal realiza o dimensionamento da


força de trabalho e se vale do Decreto nº 6.944/2009, de 21 de agosto de 2009, para estabelecer as medidas
organizacionais para o fortalecimento da capacidade institucional. Dentre as medidas necessárias para o
fortalecimento da capacidade institucional, a Polícia Federal monitora a necessidade de criação de cargos
de provimento efetivo (art. 1º, § 2º, inciso I).

O quadro de cargos da Polícia Federal, composto por 11.139 cargos policiais e 2.804 cargos
administrativos, apresenta-se na seguinte disposição:

Quadro 23: Composição de Cargos Policiais


CARGOS POLICIAIS OCUPADOS TOTAL
DELEGADO DE POLÍCIA FEDERAL 1614 2185
PERITO CRIMINAL FEDERAL 1107 1194
AGENTE DE POLÍCIA FEDERAL 6071 8037
ESCRIVÃO DE POLÍCIA FEDERAL 1889 2712
PAPILOSCOPISTA POLICIAL FEDERAL 458 565
TOTAL 11.139 14.693

Extração do SIAPE em 22.12.2016.

94
Quadro 24: Composição de Cargos Administrativos
CARGO VAGOS OCUPADOS
NÍVEL SUPERIOR
ADMINISTRADOR 14 41
ARQUITETO - LEI 12.277 0 1
ARQUIVISTA 7 4
ASSISTENTE SOCIAL 7 26
BIBLIOTECÁRIO 1 2
CONTADOR 5 13
ECONOMISTA 3 0
ENFERMEIRO 1 6
ENGENHEIRO - LEI 12.277 2 13
ESTATÍSTICO – LEI 12.277 0 4
ESTATÍSTICO 4 0
FARMACEUTICO 1 2
MÉDICO 57 48
MÉDICO VETERINÁRIO 0 2
NUTRICIONISTA 0 1
ODONTÓLOGO 10 4
PSICÓLOGO 3 14
TÉCNICO EM ASSUNTOS CULTURAIS 0 1
TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 9 26
TÉCNICO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL 3 1
TOTAL 127 209
NÍVEL INTERMEDIÁRIO E NÍVEL AUXILIAR
AGENTE ADMINISTRATIVO 136 1954
AGENTE DE CINEFOTOGRAFIA E
MICROFILMAGEM 1 3
AGENTE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 0 1
AGENTE DE MECANIZAÇÃO DE APOIO 0 2
AGENTE DE PORTARIA 0 54
AGENTE DE SERVIÇOS COMPLEMENTARES 0 1
AGENTE DE TELECOMUNICAÇÃO E
ELETRICIDADE 2 119
AGENTE DE VIGILÂNCIA 0 85
AUXILIAR OPERACIONAL DE AGROPECUÁRIA 0 2
ARTÍFICE DE ARTES GRÁFICAS 0 8
ARTÍFICE DE CARPINTARIA E MARCENARIA 0 3
ARTÍFICE DE ELETRICIDADE E COMUNICAÇÕES 1 10
ARTÍFICE DE MECÂNICA (NI) 0 15
ARTÍFICE DE MECÂNICA (NA) 0 1
AUXILIAR OPERACIONAL DE CINEFOTOGRAFIA
E MICROFILMAGEM 0 1
AUXILIAR DE ENFERMAGEM 0 19
AUXILIAR EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 0 2
95
AUXILIAR OPERACIONAL DE SERVIRÇOS
DIVERSOS (NI) 0 44
AUXILIAR OPERACIONAL DE SERVIRÇOS
DIVERSOS (NA) 0 11
DATILÓGRAFO 5 78
DESENHISTA 0 4
MOTORISTA OFICIAL 0 107
OPERADOR DE COMPUTADOR 0 5
PERFURADOR DIGITADOR 0 2
PROGRAMADOR 0 1
TÉCNICO EM CONTABILIDADE 1 58
TÉCNICO DE LABORATÓRIO 0 2
TÉCNICO SE SEGURANÇA DO TRABALHO 0 1
TELEFONISTA 0 2
TOTAL 146 2595
Total Geral 273 2804
Extração do SIAPE em 22.12.2016.

Por meio do Decreto nº 8.326/2014, que inseriu o inciso IV, do § 1º, do art. 10 do Decreto
nº 6.944/2009, o Exmo. Sr. Diretor-Geral da Polícia Federal recebeu delegação de competência para
autorizar a realização de concursos públicos para a Carreira Policial Federal sempre que o número de cargos
vagos exceder a 5% (cinco por cento) ou, com menor número, de acordo com a necessidade e a critério do
Ministro de Estado da Justiça.

No exercício da competência delegada, o Exmo. Sr. Diretor-Geral da Polícia Federal


autorizou a realização de concursos públicos para o provimento de 467 (quatrocentos e sessenta e sete)
cargos de Delegado de Polícia Federal e 67 (sessenta e sete) cargos de Perito Criminal Federal, cujo trâmite
se encontra no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - MP o procedimento de confirmação
prévia de existência de disponibilidade orçamentária para cobrir as despesas com o provimento dos cargos,
na forma do art. 10, § 4º, do Decreto nº 6.944/2009.

Na mesma seara também foram autorizados concursos públicos para provimento de 600
cargos vagos de Agente de Polícia Federal e de 600 cargos vagos de Escrivão de Polícia Federal, os quais
igualmente se encontram em trâmite no MP para a formalidade prevista no § 4º do art. 10 do Decreto nº
6.944/2009.

Sobre a carreira administrativa (cargos de nível superior e intermediário do Plano Especial


de Cargos da Polícia Federal), foi concluído concurso público para provimento de cargos de nível
intermediário e superior, tendo sido efetivadas as nomeações originárias. Foram ainda autorizadas as
nomeações de 204 cargos de nível intermediário do cadastro reserva, sendo que em razão das restrições
impostas na portaria autorizativa, somente foi possível proceder à nomeação de 157 Agentes
Administrativos.

Apesar da dificuldade logística e operacional de desenvolver suas atividades frente ao


reduzido efetivo, o Tribunal de Contas da União, no exercício de fiscalização operacional da atividade de
controle migratório da Polícia Federal nos aeroportos, concluiu pela necessidade de apresentação de um
plano de substituição da força de trabalho terceirizada por cargos de provimento efetivo. Para dar
cumprimento ao referido acórdão, a Polícia Federal realizou estudo e concluiu pela necessidade de criação
96
de 2.255 (dois mil duzentos e cinquenta e cinco) cargos de Agente Administrativo para atuar
exclusivamente na função de atendimento nas cabines de fiscalização migratória dos aeroportos
internacionais de todo o País, e o processo referente a este novo concurso encontrava-se em tramite no MP.

Todavia, após análise e modificações pelo MP, houve a inclusão no art. 46, IV, do Projeto
de Lei nº 4.253/2015, da Câmara dos Deputados, da criação de 683 (seiscentos e oitenta e três) cargos de
Agente Administrativo, de nível intermediário do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal. Entretanto,
por intermédio da Mensagem nº 438, de 29 de julho de 2016, o Exmo. Presidente da República decidiu
vetar parcialmente o projeto de lei, por inconstitucionalidade e por contrariedade ao interesse público,
incluindo o art. 46 em seu veto. A razão dos vetos foi explicada da seguinte forma: " Como não serão
realizados concursos públicos no curto prazo, não há necessidade de criação das carreiras neste
momento. Ademais, o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão está realizando análise dos
cargos e carreiras existentes no Poder Executivo Federal, de modo a se verificar, de maneira global, a
real necessidade de ajustes ou de eventual criação de carreiras e cargos, a exemplo dos constantes do
projeto que ora se encontra sob sanção."

Nos últimos 5 anos, foi constatada um decréscimo do efetivo Polícia Federal, principalmente
se considerada a previsão de vacâncias decorrentes de aposentadorias. A tabela a seguir contém o quadro
evolutivo do efetivo no período de 2005 a 2016:

Quadro 25: Evolutivo do efetivo nos últimos anos


TOTAL TOTAL
ANO DPF PCF EPF APF PPF PEC
POLICIAL SERVIDORES
2005 1.204 520 1.360 5.380 496 8.960 3.365 12.325
2006 1.355 622 1.542 5.690 481 9.690 3.345 13.035
2007 1.585 824 1.684 5.949 474 10.516 3.201 13.717
2008 1.764 939 1.690 6.225 469 11.087 3.053 14.140
2009 1.852 1.119 1.627 6.415 463 11.476 3.054 14.530
2010 1.820 1.117 1.926 6.409 454 11.726 2.755 14.481
2011 1.774 1.107 1.880 6.147 439 11.347 2.627 13.974
2012 1.744 1.107 1.843 5.964 423 11.081 2.532 13.613
2013 1.708 1.097 1.798 6.219 514 11.336 2.413 13.749
2014 1.686 1.089 1.768 6.178 504 11.225 2.343 13.568
2015 1.654 1.117 1.947 5.707 467 10.892 2.741 13.633
2016 1.614 1.107 1.889 6.071 458 11.139 2.804 14.943

Assim, resta evidente que a forma conclusiva para suprir as necessidades das unidades da
Polícia Federal é por meio do fortalecimento da capacidade institucional com a criação de cargos públicos
e o respectivo provimento por meio de concursos públicos, medidas já propostas, porém dependentes de
fatores externos.

97
5.1.4 Contratação de pessoal de apoio e estagiários

5.1.4.1 Contratação de pessoal de apoio

Quadro 26: Contratos de prestação de serviços não abrangidos pelo plano de cargos da unidade
Unidade Contratante
Nome: ACADEMIA NACIONAL DE POLÍCIA
UG/Gestão: 200340 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de Execução
Ano do Nível de Escolaridade Exigido
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) das Atividades Contratadas Situação
Contrato dos Trabalhadores Contratados
Início Fim
PONTUAL ASSESSORIA 05/11/2013 04/11/2017 Nível Médio A
EMPRESARIAL LTDA – ME
2013 Serviços de recepcionista CNPJ: 02.780.863/0001-54
EXACT CLEAN COMÉRCIO 01/02/2014 31/01/2017 Nível Fundamental A
Serviços de limpeza, conservação e E SERVIÇOS LTDA.
2014 higienização CNPJ: 11.818.593/0001-14
PRESTA CONSTRUTORA E 01/02/2014 02/02/2017 Nível Fundamental A
SERVIÇOS GERAIS LTDA
2014 Serviços de lavagem de veículo CNPJ: 02.282.245/0001-84
PRESTA CONSTRUTORA E 02/02/2017 Nível Fundamental A
SERVIÇOS GERAIS LTDA 01/022014
2014 Serviços de jardinagem CNPJ: 02.282.245/0001-84

98
Engenheiro - N. Superior
Mecânico de refrigeração –
Fundamental
31/07/2017 A
01/08/2015 Eletricista - Fundamental
ENGEPROM ENGENHARIA
Encarregado de manutenção – N.
LTDA.
Médio
Serviços de manutenção predial CNPJ: 04.762.861/0001-68
2015 Bombeiro hidráulico –
preventiva e corretiva Fundamental
Ajudante de Eletricista -
Fundamental

G&E SERVIÇOS
04/01/2016 31/12/2017 Nível Fundamental A
TERCEIRIZADOS LTDA.
2016 Serviços de copeiragem
CNPJ: 08.744.139/0001-51
NEW LINE 25/07/2016 25/07/2017 4ª Série do primeiro grau A
2016 Serviços na área de vigilância armada
CNPJ: 08.931.820/0002-90
Unidade Contratante
Nome: COORDENAÇÃO GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
UG/Gestão: 200342 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade Exigido
Ano do Execução das Atividades
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratadas
Contratados
Início Fim
Prestação, de forma contínua, dos
serviços de limpeza e conservação
diária, com fornecimento de mão-de-
Não é exigível nenhum nível de
obra, materiais e equipamentos para CNPJ: 01.608.603/0001-33 15/01/2013 15/01/2018 A
escolaridade
atender à Coordenação-Geral de
2013
Tecnologia da Informação – CGTI, em
Brasília/DF.
Unidade Contratante
Nome: COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO

99
UG/Gestão: 200334 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade Exigido
Ano do Execução das Atividades
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratadas
Contratados
Início Fim
2012 Serviços de Mensageria 16.922.477/0001-64 31.12.2012 31.12.2016 Nível Médio Incompleto E
2013 Serviços de copeiragem 10.534.960/0001-95 21.08.2013 20.08.0216 Nível fundamental Completo P
2014 Serviços de adestradores de cães 01.588.672/0001-95 01.04.2014 01.04.2017 Nível Médio Completo P
2014 Serviços de Carregadores 00.712.411/0001-00 20.05.2014 31.01.2017 Nível Fundamental Completo A
Serviços de Analista de Comercio
2014 15.718.607/0001-89 01.10.2016 01.10.2017 Nível Superior Completo P
Exterior
Serviços de montador de divisórias e
2014 11.545.051/0001-15 02.12.2016 02.12.2017 Nível Fundamental Completo P
móveis
2015 Serviços de brigadistas 72.591.894/0001-42 01.05.2015 01.05.2017 Nível Médio Completo P
2015 Serviços de recepção 15.351.310/0001-28 18.06.2015 18.06.2017 Nível Médio Completo P
2015 Serviços de limpeza e conservação 38.054.508/0001-45 14.09.2015 14.09.2017 Nível Fundamental Incompleto P
2015 Serviços de tratador de animal 12.164.385/0001-01 11.09.2015 11.09.2017 Nível Médio Completo P
2015 Serviços de vigilância armada 72.619.976/0001-58 01.10.2015 01.10.2017 Nível Médio Completo P
Unidade Contratante
Nome: DIRETORIA TÉCNICO-CIENTÍFICA
UG/Gestão: 200406 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período
Nível de Escolaridade Exigido
Ano do Contratual de Execução das
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) dos Trabalhadores Situação
Contrato Atividades Contratadas
Contratados
Início Fim
Agente de Integração recrutamento de Nível Médio Completo,
2015 20.639.411/0001-39 19/02/2015 29/12/2016 E
estagiários cursando ensino superior.
2015 Serviços de copeiragem 08.247.960/0001-62 25/03/2015 25/03/2017 Nível Fundamental incompleto A
2015 Serviços de limpeza e conservação 01.608.603/0001-33 17/12/2015 17/12/2017 Nível Fundamental Completo A
Serviços especializados em suporte
Nível superior completo ou pós-
técnico ao usuário de tecnologia da
2015 32.203.135/0001-40 06/01/2011 06/01/2016 graduação na área de tecnologia E
informação na área de Tecnologia da
da informação.
Informação

100
Serviços especializados em suporte Nível superior completo ou pós-
2015 técnico em infraestrutura de tecnologia 01.645.738/0001-79 06/06/2011 06/06/2016 graduação na área de tecnologia E
da informação. da informação.
Agente de Integração recrutamento de Nível Médio Completo,
2016 01.406.617/0001-74 30/12/2016 30/12/2017 A
estagiários cursando ensino superior.
Serviços de suporte técnico Nível superior completo ou pós-
2016 especializado em atendimento ao 00.308.141/0009-23 17/02/2016 17/08/2018 graduação na área de tecnologia A
usuário de tecnologia da informação da informação.
Serviços de suporte técnico Nível superior completo ou pós-
2016 especializado em infraestrutura de 32.203.135/0001-40 07/06/2016 07/06/2017 graduação na área de tecnologia A
tecnologia da informação da informação.
Unidade Contratante
Nome: DELEGACIA DE POLÍCIA FEDERAL EM FOZ DO IGUAÇU
UG/Gestão: 200366 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de Situação
Nível de Escolaridade Exigido
Execução das Atividades
Ano do Empresa Contratada (CNPJ) dos Trabalhadores
Objeto Contratadas
Contrato Contratados
Início Fim
Recepção e requerente de documentos AVANTT
17/09/2012 15/08/2017 Nível Médio completo Vigente
2012 de viajem CNPJ: 10.328.720/0001-05
PROSIGA
29/02/2012 28/02/2017 A
Vigilância patrimonial armada CNPJ: 06.297.793/0001-39
2012 Nível Médio completo
SEGPLUS
29/02/2012 28/02/2017 A
2012 Vigilância patrimonial armada CNPJ: 11.933.418/001-78 Nível Médio completo
TOTALCOB
18/06/2013 17/06/2017 Nível fundamental completo A
2013 Limpeza e conservação CNPJ: 10.398.338/001-05
Contratação de estagiários de nível AGIEL
31/07/2014 31/07/2017 A
2014 superior. CNPJ: 01.406.617/0001-74 Cursando Nível Superior
AVANTT
Apoio administrativo e operacional 25/06/2015 30/11/2017 A
2015 CNPJ: 10.328.720/0001-05 Nível Médio completo
PLANSERVICE
15/07/2015 14/07/2017
CNPJ: 04.970.088/0001-25
2015 Serviços de marinheiro de convés Nível fundamental completo A

101
AIRTON GOMES
27/04/2015 23/09/2016 Nível Médio completo E
2015 Serviços de contínuo CNPJ:
AIRTON GOMES
28/06/2015 27/06/2016 Nível Médio completo E
2015 Serviços de motorista CNPJ:
Serviços de recepção e apoio AGILE
20/07/2015 19/10/2016 Nível Médio completo E
2015 administrativo CNPJ: 03.767.254/0001-28
LANLINK
01/09/2015 31/09/2016 Nível Superior e técnico E
2015 Suporte técnico em TI. CNPJ: 19.877.300/0002-62
A
AVALANCHE
Execução de limpeza e conservação 01/01/2016 01/01/2018
2016 CNPJ: 01.302.562/0001-52 Nível fundamental completo

AZTECA
25/04/2016 24/12/2017 A
CNPJ: 07.682.925/0001-67
2016 Operador de central telefônica Nível Médio completo

CLAUDIO ANTONIO
MORAES 26/09/2016 25/09/2017 A
CNPJ: 06.094.697/0001-93
2016 Serviços de contínuo Nível Médio completo

Manutenção predial com fornecimento DINÂMICA SERVIÇOS DE


de peças e reposição de materiais não ENGENHARIA LTDA 30/12/2016 29/12/2017 A
2016 Nível fundamental completo
básicos. CNPJ:
LANLINK
03/10/2016 02/102017 Nível Superior e técnico A
2016 Suporte técnico em TI. CNPJ: 19.877.300/0002-62
MDF MOREIRA
01/09/2016 31/08/2017 A
2016 Serviços de motorista CNPJ: 12.818.051/0001-04
Nível Médio completo
PLANSERVICE
2016 Operador de central telefônica 01/12/2016 31/07/2018 A
CNPJ: 04.970.088/0001-25
Nível Médio completo
SETA
Serviços de apoio administrativo e 20/10/2016 19/10/2017 A
2016 CNPJ: 04.854.298/0001-58
operacional Nível Médio completo

102
LABOR
01/01/2016 27/12/2016 Nível fundamental completo E
2016 Manutenção predial CNPJ: 08.431.911/0001-85
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO ACRE
UG/Gestão: 200380 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Execução das Atividades Nível de escolaridade mínimo
Ano do Empresa
Objeto Contratadas exigido dos trabalhadores Situação
Contrato Contratada (CNPJ)
contratados
Início Fim
Contratação de prestação de serviços
continuados de vigilância armada, GOLD SERVICE
visando atender às necessidades da VIGILÂNCIA E Curso de Formação de Vigilante
2011 Superintendência Regional do SEGURANÇA LTDA– 01/09/2011 31/08/2016 – que exige a atual 3ª série do E
Departamento de Polícia Federal no Ensino Fundamental.
Estado do Acre – SR/PF/AC e suas CNPJ nº. 02.764.609/0001-62.
unidades descentralizadas.
2º Grau Completo: Em 2015
Contratação de pessoa jurídica
passou a exigir Superior
especializada para prestação de
Completo – Cláusula Quarta do
serviços de recepção, nível I, no âmbito
Acordo Coletivo de Trabalho
de atuação da Superintendência
2015/2015 AC000030/2015
Regional do Departamento de Polícia
DATA DE REGISTRO NO
Federal no Acre e suas Unidades VIEIRA E GOMES LTDA –
2011 13/12/2011 30/11/2016 MTE: 21/08/2015 NÚMERO E
descentralizadas, para a recepção a CNPJ nº. 11.223.797/0001-02.
DA SOLICITAÇÃO:
estrangeiros em trânsito pelo território
MR028551/2015 NÚMERO DO
nacional, bem como recepção de
PROCESSO:
requerentes de documentos de viagem
46200.002298/2015-21 DATA
nos pontos de emissão de passaportes
DO PROTOCOLO: 02/07/2015.
localizados neste Estado,
Item 9.1.23 do contrato: utilizar
Contratação de serviços de serviços de
SERVIÇO DE EMPRESA empregados habilitados e com
limpeza e conservação, com
TERCEIRIZADA DO ACRE – conhecimentos básicos dos
2013 fornecimento de material necessário, 02/12/2013 01/12/2017 A
SETAC – serviços a serem executados, de
para atender às necessidades da
CNPJ nº. 04.103700/0001-62. conformidade com as normas e
Superintendência Regional do
determinações em vigor.

103
Departamento de Policia Federal no
Estado do Acre e suas descentralizadas.
Lopes e Cavalcante Ltda –
Contratação de serviço de 13/01/2014 12/07/2016 2º Grau Completo. E
2014 CNPJ nº. 07.533.627/0001-57.
Recepcionista.
Anexo A - item 5.2. Equipe de
Serviço (QUALIFICAÇÃO
PROFISSIONAL)
ENGENHEIRO DE
MANUTENÇÃO
Formação Plena em Engenharia
Elétrica, Mecânica ou Civil com
treinamento em planejamento e
controle de manutenção e
Contratação de serviços de
experiência mínima de 03 anos
MANUTENÇÃO PREDIAL
na função.
PREVENTIVA E CORRETIVA, onde
TÉCNICO ENCARREGADO
será adotada a modalidade de execução
GERAL DE MANUTENÇÃO
de empreitada por preço global, dos
Formação técnica em
quais integra serviços continuados de
JURUÁ SERVIÇOS eletromecânica ou eletrotécnica e
operação, supervisão, assessoramento
2014 TECNICOS LTDA – EPP – 03/11/2014 02/11/2017 conhecimentos avançados em A
técnico, visando atender às
CNPJ nº. 01.153.381/0001-01. informática, com nível de
necessidades da nova sede da
escolaridade de 2º grau completo
Superintendência Regional do
e conhecimentos gerais de
Departamento de Polícia Federal do
manutenção predial e
Acre.
experiência mínima de 05 anos
(MÃO DE OBRA NÃO
na função.
EXCLUSIVA).
ELETRICISTA E
BOMBEIRO HIDRÁULICO
DE MANUTENÇÃO
Formação plena em curso de
instalações prediais
preferencialmente pelo SENAI e
experiência comprovada de pelo
menos 03 anos no exercício da
função.

104
TÉCNICO EM
ELETRÔNICA, SOM E
TRADUÇÃO
Experiência comprovada de pelo
menos 03 anos na manutenção
de equipamentos eletro-
eletrônicos, tais como quadros
de supervisão, estabilizadores de
tensão, no breaks, painéis de
controle e sistemas de combate e
proteção contra incêndios.
Formação plena em curso
técnico de eletrônica a nível de
2º grau, conhecimento e
operação de sistema de CFTV e
sistema de som e tradução
simultânea.
TÉCNICO EM REDE
LOCAL
Experiência técnica em mecânica
de refrigeração
preferencialmente pelo SENAI e
experiência comprovada de 03
anos em manutenção de ar
condicionado.
TÉCNICO EM SUPERVISÃO
E CONTROLE PREDIAL
Com experiência comprovada de
pelo menos três anos em
serviços de operação e
manutenção em sistemas de
Automação predial, com
formação técnica avançada em
programas de computadores e
nível de escolaridade técnico de
2º grau.

105
AUXILIAR DE
MANUTENÇÃO (serviços
gerais)
Grau de ensino básico
com experiência em carteira de
trabalho na função especificada.

Contratação de serviços de empresa


especializada para prestação de
ALL MEDEIROS –
2015 serviços mão-de-obra terceirizada na 17/06/2015 16/06/2017 Nível Fundamental Incompleto. A
CNPJ nº. 13.291.768/0001-03.
função de Marinheiro Fluvial de convés
(barqueiro).
Contratação de pessoa jurídica
especializada para prestação de
GOLD SERVICE
serviços de vigilância armada no Nível Fundamental Incompleto –
VIGILÂNCIA E
2016 âmbito de atuação da Superintendência 01/09/2016 01/09/2017 Curso de Vigilante – atual 3ª A
SEGURANÇA LTDA –
Regional do Departamento de Polícia série do Ensino Fundamental.
CNPJ nº. 02.764.609/0001-62.
Federal no Acre e suas Unidades
descentralizadas.
Contratação de pessoa jurídica
especializada para prestação de
serviços de recepção (alocação de
D.S. MAIA LIMA ME –
2016 pessoal) no âmbito de atuação da 01/09/2017 01/09/2018 2º Grau Completo. A
CNPJ nº. 13.286.217/0001-51.
Superintendência Regional do
Departamento de Polícia Federal no
Acre e suas Unidades descentralizadas.
Contratação de pessoa jurídica
especializada para prestação de
serviços continuados de recepção
A
(alocação de pessoal) – Nível 1 (ensino
MAXIMUS EMPRESARIAL
superior completo), no âmbito de
2016 LTDA – 01/12/2016 01/12/2017 Nível Superior Completo.
atuação da Superintendência Regional
CNPJ nº. 03.927.476/0001-60.
do Departamento de Polícia Federal no
Acre e suas Unidades descentralizadas,
para recepção à requerentes de
documentos de viagem nos pontos de

106
emissão de passaportes localizados
neste Estado.

Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍCIA FEDERAL EM ALAGOAS
UG/Gestão: 200358 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Execução das Atividades Nível de Escolaridade Exigido
Ano do
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) Contratadas dos Trabalhadores Situação
Contrato
Fi Contratados
Início
m
08.966.334/0001-26 12/05/2012 12/05/2017 Nível Médio P
2012 Serviços de recepcionistas
Serviços de Segurança patrimonial 11.179.264/0007-66 01/02/2013 01/02/2017 Nível Fundamental A
2013
41.587.502/0001-48 18/02/2013 18/02/2017 Nível Médio A
2013 Sustentação e suporte técnico de T.I.
Serviços de Limpeza e Conservação
06.123.260.0001-30 02/02/2015 02/02/2017 Nível Fundamental A
2014 Predial
09.198.704/0001-95 19/09/2014 19/09/2017 Nível Fundamental A
2014 Serviços de Lavagem de veículos
06.123.260.0001-30 29/09/2014 29/09/2017 Nível Fundamental A
2014 Serviços de copeiragem
Serviço de manutenção de sistema de Nível Fundamental, Médio e
22.029.598/0001-84 13/07/2015 13/05/2016 P
2015 refrigeração Superior
07.325.162/0001-49 22/06/2015 22/02/2017 Nível Fundamental e Médio A
2015 Serviço de manutenção predial
03.758.809/0001-75 27/04/2015 27/04/2017 Nível Médio A
2015 Serviço de manutenção de elevadores
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE POLÍCIA FEDERAL NO ESTADO DO AMAPÁ
UG/Gestão: 200402 / 0001
Informações sobre os Contratos

107
Período Contratual de
Nível de Escolaridade Exigido
Ano do Execução das Atividades
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratadas
Contratados
Início Fim

Empresa de vigilância patrimonial 12.066.015/0013-75 01/01/2013 31/12/2017 Nível Fundamental Incompleto A


2013
armada
14.533.285/0001-30 18/06/2015 17/06/2017 Nível Fundamental Incompleto A
2015 Empresa de serviço de limpeza
Empresa de recepção e copeiragem 07.304.842/0001-86 20/07/2015 19/07/2017 Nível Médio Completo A
2015
Unidade Contratante
Nome: MJ – DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL – SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO AMAZONAS
UG/Gestão: 200382
Informações sobre os Contratos

Período Contratual de
Execução das Atividades Nível de escolaridade mínimo
Ano do Empresa Contratada Contratadas
Objeto exigido dos trabalhadores Situação
Contrato (CNPJ)
contratados
Início Fim

Apoio às atividades de navegação:


AD SERVIÇOS
2013 Marinheiro de convés, Marinheiro de 22/01/2016 22/04/2017 Nível Fundamental P
10.969.189/0001-89
Máquinas e Mecânico de Motor Naval
Apoio às atividades de Navegação: AD SERVIÇOS
2013 22/01/2016 22/04/2017 Nível Fundamental P
Eletricista de Motor Naval 10.969.189/0001-89
CRIART
2013 Serviço de Recepcionista 10/04/2016 10/04/2017 Nível Médio P
07.783.832/0001-70
G. REFRIGERAÇÕES
2016 Serviço de Manutenção Predial 05/12/2016 05/12/2017 Nível Médio A
02.037.069/0001-15
M.B BARROS
2014 Serviço de Recepcionista 10/04/2016 10/04/2017 Nível Médio P
03.325.110/0001-11
M.B BARROS
2014 Serviço de Recepcionista Bilíngue 01/10/2016 30/09/2017 Nível Médio P
03.325.110/0001-11

108
Serviços de Limpeza, Conservação e SHEKINAH
2015 24/02/2017 24/05/2017 Nível Fundamental P
Higienização 03.761.180/0001-12
VISAM
2013 Serviço de Vigilância Armada 30/08/2016 29/08/2017 Nível Médio P
63.724.470/0001-18
Contratação de Agente de Integração
CIEE
2016 para Execução de Estágio no âmbito da 09/03/2016 09/03/2017 Nível Superior A
61.600.839/0001-55
SR/PF/AM
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE POLÍCIA FEDERAL NO ESTADO DA BAHIA
UG/Gestão: 200346 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Ano do Execução das Atividades Nível de Escolaridade Exigido
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) Situação
Contrato Contratadas dos Trabalhadores Contratados
Início Fim
Pontual Assessoria
02/12/2013 02/12/2017 Nível Médio A
2013 Recepção (02780863/0001-54)
SOLL
01/07/2013 30/06/2017 Nível Médio A
2013 Limpeza e conservação (00323090/0001-51)
Pontual Assessoria
02/12/2013 02/12/2017 Nível Médio A
2013 Auxiliar de almoxarife (02780863/0001-54)
Katre Mão de Obra
02/12/2013 02/12/2017 Nível Médio A
2013 Copeiragem (12633102/0001-23)
Epic Empreendimentos
02/12/2013 02/12/2017 Nível Médio A
2013 Jardinagem (07244760/0001-93)
SEVMAX vigilância e segurança
01/09/2015 01/09/2017 Nível Médio A
2015 Vigilância patrimonial ltda.
SEVMAX vigilância e segurança
06/12/2016 06/12/2017 Nível Médio A
2015 Vigilância patrimonial ltda.

2016 Marinharia (moço de convés) Ferrari Leal 01/04/2016 01/04/2017 Nível Médio A
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL NO ESTADO DO CEARÁ
UG/Gestão: 200392 / 0001
Informações sobre os Contratos

109
Período Contratual de
Nível de Escolaridade Exigido
Ano do Execução das Atividades
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratadas
Contratados
Início Fim
Serviços de Recepção na DELEMIG,
localizada no Aeroporto Internacional
09/2012 Pinto Martins, em Fortaleza/CE, para ATITUDE- RECEPÇÃO
1º/09/2016 16/04/2017 Nível Médio P
atendimento no embarque e CNPJ: 09.019.150/0001-11
desembarque internacional de
passageiros e tripulantes.
Manutenção das instalações elétricas da
ATITUDE- ELETRICISTA 31/07/2016 31/07/2017 Ensino Fundamental
10/2012 SR/PF/CE P
CNPJ: 09.019.150/0001-11
PROTEMAXI SEGURANÇA
Prestação de serviços continuados de
PATRIMONIAL ARMADA Nível Médio
03/2013 Vigilância Armada 1º/01/2016 1º/01/2017 P
LTDA
CNPJ: 04.808.914/0001-34
LANLINK INFORMÁTICA
20/05/2016 01/03/2017
05/2013 Suporte em Tecnologia da Informação LTDA. Curso Técnico P
CNPJ: 41.587.502/0001-48
FUTURA SERVIÇOS- 05/06/2016 05/06/2017 Ensino Fundamental.
10/2013 Conservação de Bens Móveis e Imóveis. P
CNPJ: 06.234.467/0001-82
L & S SOLUÇÕES EM
Prestação de serviços continuados, com
SERVIÇOS DE LIMPEZA Ensino Fundamental e Nível
14/2015 dedicação de mão-de-obra exclusiva de
LTDA-ME 03/08/2016 03/08/2017 médio. P
apoio administrativo (recepcionista,
CNPJ 14.828.536/0001-04
contínuo e copeiragem).
Prestação de serviços de limpeza e
L & S SOLUÇÕES EM
conservação, com fornecimento de
SERVIÇOS DE LIMPEZA 16/11/2016 16/11/2017
18/2015 material e equipamentos necessários, Ensino Fundamental P
EIRELI-ME
para atender as necessidades da
CNPJ 14.828.536/0001-04
PF/JNE/CE
Prestação de serviços de limpeza e
FAS SERVIÇOS E
17/2015 conservação, com fornecimento de 16/11/2016 16/02/2017 Ensino Fundamental
TRANSPORTES LTDA P
material para atender as necessidades da
CNPJ 03.651.472/0001-00
SR/PF/CE.
110
Prestação de serviços de limpeza e
conservação, com fornecimento de JPA SERVIÇOS COMBINADOS
19/2015
material e equipamentos necessários, LTDA - ME 16/11/2016 16/02/2017 Ensino Fundamental P
para atender as necessidades da CNPJ: 03.340.389/0001-02
SR/PF/CE.
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA POLÍCIA FEDERAL NO DISTRITO FEDERAL
UG/Gestão: 200338 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade Exigido
Ano do Execução das Atividades
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratadas
Contratados
Início Fim
08.139.629/0001-29 02/01/2015 08/04/2017 Nível Médio P
2012 Recepção
61.600.839/0001-55 08/07/2013 07/07/2017 Nível Médio e Superior P
2013 Estagiários
01/01/2014 31/12/2017 Todos os níveis P
2014 Manutenção e Conservação Predial 04.762.861/0001-68
03.434.777/0002-33 01/02/2015 31/01/2018 Nível Médio P
2015 Vigilância
01.608.603/0001-33 18/07/2016 18/07/2017 Nível Fundamental A
2016 Limpeza e Conservação Predial
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
UG/Gestão: 200352 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade Exigido
Ano do Execução das Atividades
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratadas
Contratados
Início Fim
Serviços de limpeza, conservação e
2011 00.482.840/0001-38 01/04/2011 23/11/2016 Nível fundamental E
higienização
Contratação de prestação de serviços
2014 continuados COPEIRAGEM e 05.436.371/0001-34 01/08/2014 31/12/2016 Nível médio E
RECEPÇÃO.

111
Serviços de limpeza, conservação e
10.189.253/0001-09 24/11/2016 23/11/2017 Nível fundamental A
2016 higienização
47.190.129/0001-73 01/01/2016 31/12/2017 Nível médio A
2016 Serviço de vigilância
03.354.844/0001-29 01/01/2016 31/12/2017 Nível superior A
2016 Manutenção de rede de informática
30.964.795/0001-19 01/04/2016 31/12/2017 Nível médio A
2016 Manutenção predial
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DPF NO MARANHÃO
UG/Gestão: 200388 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade Exigido
Ano do Execução das Atividades
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratadas
Contratados
Início Fim
Serviço de limpeza e conservação
2014 19.192.104/0001-73 24/04/2014 23/05/2016 Nível Fundamental E
predial
Serviço de técnico em secretariado,
auxiliar de serviços gerais, recepção,
2014 10.325.416/0001-33 16/05/2014 15/07/2016 Nível Médio E
oficial de manutenção, copeiragem e
motorista

2014 Serviço de técnico em informática 10.325.416/0001-33 16/05/2014 15/07/2016 Nível Médio E

2014 Serviço de vigilância armada 11.393.595/0002-90 30/10/2014 29/10/2017 Nível Médio P


Serviço de limpeza e conservação
2016 11.873.594/0001-61 17/05/2016 16/05/2017 Nível Fundamental A
predial
Serviços de auxiliar de serviços gerais
2016 11.873.594/0001-61 15/07/2016 14/07/2017 Nível Fundamental A
e recepcionista
2016 Serviço de motorista 13.519.211/0001-87 15/07/2016 14/07/2017 Nível Médio A
2016 Serviço de oficial de manutenção 13.519.211/0001-87 15/07/2016 14/07/2017 Nível Médio A
Serviço de técnico em secretariado e
2016 16.698.131/0001-24 15/07/2016 14/07/2017 Nível Médio A
informática
2016 Serviço de copeiragem 11.873.594/0001-61 22/08/2016 21/08/2017 Nível Fundamental A
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE POLÍCIA FEDERAL EM MINAS GERAIS
112
UG/Gestão: 200350 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Execução das Atividades Nível de Escolaridade
Ano do
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) Contratadas Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato
Contratados
Início Fim
05.208.408/0001-77 01/12/2011 31/03/2017 Nível Médio P
2011 Recepção
04.552.404/0001-49 21/11/2013 31/12/2017 Nível Médio P
2013 Recepção
07.655.416/0001-97 02/03/2015 02/03/2017 Nível Fundamental P
2015 Limpeza
66.398.652/0001-34 01/12/2015 01/12/2016 Nível Médio E
2015 Vigilância
05.457.677/0004-10 01/12/2016 30/11/2017 Nível Médio A
2016 Vigilância
Lavador de carro, jardineiro, operador
04.552.404/0001-49 01/06/2016 31/05/2017 Nível Fundamental A
2016 de carga, telefonista e copeiragem
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍCIA FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL
UG/Gestão: 200354 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade
Ano do Execução das Atividades
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratadas
Contratados
Início Fim
(Área 4) - Prestação de serviços de Luger Serviços Ltda.
01/01/12 31/12/16 Nível Fundamental P
copeiragem e auxiliar de armazenagem (07.562.469/0001-63)
2012
e natureza ordinária (O)
(Área 12) - Prestação de serviços de Instituto Blaise Pascal.
09/10/13 08/10/17 Nível Superior – cursando P
agentes de integração para estágio e (07.787.415/0001-04)
2013
natureza ordinária (O)
Brilhar Serviços Terceirizados
01/01/15 31/12/17 Nível Fundamental P
Ltda-EPP.
2015
(10.648.254/0001-74)
113
(L) Prestação de serviços de limpeza,
conservação e garagistas e natureza
ordinária (O)
Suporte Serviços de Segurança
Ltda. 01/02/15 31/12/17 Nível Médio P
(V) Prestação de serviços de vigilância
2015 (67.803.726/0010-24)
armada e natureza ordinária (O)

Silvia Helena Fernandes Juca e Cia


(Área 5) - Prestação de serviço de
Ltda-EPP 02/05/16 01/05/17 Nível Médio A
recepcionistas e postos de emissão de
(09.484.770/0001-21)
2016 passaporte e natureza ordinária (O)

Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍCIA FEDERAL DE MATO GROSSO
UG/Gestão: 200374 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade
Ano do Execução das Atividades
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratadas
Contratados
Início Fim
CENTRO DE INTEGRAÇÃO
Serviço de Agente de Integração para o Nível Médio Incompleto, e
EMPRESA ESCOLA – CIEE, 09/03/2012 13/03/2017 A
2012 preenchimento de vagas de estagiário, Nível Superior Incompleto
CNPJ nº 61.600839/0001-55
Serviços de vigilância armada, Nível Médio Completo e
SAWAGE – Empresa de
vigilância patrimonial mediante uso de Curso de formação A
Segurança e Vigilância Ltda, 12/11/2014 12/11/2017
2014 arma letal, incluindo o fornecimento de profissionalizante de
CNPJ nº 36.916.104/0001-98
uniformes e equipamentos 240h/aula
PEDRO REGINALDO DE
ALBERNAZ FARIA E
01/07/2015 01/07/2017 Nível Médio Completo A
2015 Serviço de Secretária FAGUNDES LTDA, CNPJ nº
10.439.655/0001-80
I.F. PIRES LOPES SERVIÇOS
Serviço de Limpeza e Conservação ESPECIALIZADOS – ME, CNPJ 20/01/2016 20/01/2017 Nível Fundamental Completo A
2016
Predial nº 01.048.117/0007-08
PEDRO REGINALDO DE
26/12/2016 17/04/2016 Nível Médio Completo A
2016 Serviço de Recepcionista ALBERNAZ FARIA E
114
FAGUNDES LTDA, CNPJ nº
10.439.655/0001-80
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE POLÍCIA FEDERAL DO ESTADO DO PARÁ.
UG/Gestão: 200386 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade
Ano do Execução das Atividades
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratadas
Contratados
Início Fim
Contrato de Empresa Especializada na
Prestação de Serviços de Operador de
L.G.Serviços Profissionais LTDA.
Máquina, Copiadora, Telefonista, 03/11/2016 02/11/2017 Nível. Fundamental A
2013 CNPJ:06.028.733/0001-10
Recepcionista, Copeira, Limpador de
Veículos.
Contrato de Empresa Especializada na
L.G. Serviços Profissionais
Prestação de Serviço de Recepção a
LTDA. 01/12/2016 30/11/2017 Nível Fundamental A
2013 Passageiros e Tripulantes, Recepção a
CNPJ: 06.028.733/0001-10
Requerentes de Documentos de Viagens
Contrato de Empresa Especializada na L.G. Serviços Profissionais
Prestação de Serviços de Conservação, LTDA. 12/04/2016 11/04/2017 Nível Fundamental A
2015
Limpeza e Higienização. CNPJ: 06.028.733/0001-10
Contratação de Serviço Continuado de
Office Service Terceirização de
Movimentação, Manuseio, Carga e
Mão de Obra LTDA. 10/05/2016 09/05/2017 Nível Fundamental A
2015 Descarga de Bens Móveis, Duráveis ou
CNPJ: 16.887.298/0001-33
de Consumo
Contrato de empresa para prestação de PUMA Serviços de Vigilância e
serviços de vigilância armada, diurno e Transporte de Valores LTDA. 14/12/2016 13/12/2017 Nível Fundamental A
2015
noturno. CNPJ: 15.752.934/0001-57
Contratação de Serviços de Manutenção
Predial, com Disponibilização de Mão
de Obra em Regime de Dedicação Copbessa LTDA
11/01/2016 10/01/2017 Nível Fundamental A
2016 Exclusiva, nos Imóveis Próprios e CNPJ: 01.427.148/0001-70
Locados, da SR/PF/PA e de suas
Descentralizadas
Agência de Integração Empresa
30/03/2016 29/03/2017 Nível Médio/Superior
2016 Escola LTDA/ME – AGIEL
115
Contratação de Agente de Integração CNPJ: 01.406.617/0001-74
para Intermediar a Celebração de Termo A
de Compromisso entre a SR/PF/PA, o
Estudante e sua Instituição de Ensino

Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA
UG/Gestão: 200396 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade
Ano do Execução das Atividades
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratadas
Contratados
Início Fim
Limpeza e
2012 24.270.795/0001-16 09/07/12 08/07/17 Nível Fundamental e Médio P
Higiene
2013 Recepcionista 15.120.825/0001-17 08/01/13 31/12/17 Nível Médio P
2013 Copeiragem 15.120.825/0001-17 08/01/13 31/12/17 Nível Fundamental e Médio P
2013 Copeiragem 15.120.825/0001-17 08/01/13 31/12/17 Nível Fundamental P
Vigilância
2014 15.184.327/0001-38 01/01/14 31/12/17 Nível Fundamental e Médio P
Ostensiva
Vigilância Nível Fundamental e Médio
2014 11.730.274/0001-52 01/01/14 31/12/17 P
Ostensiva
Vigilância Nível Fundamental e Médio
2014 11.730.274/0001-52 01/01/14 31/12/17 P
Ostensiva
Limpeza e Nível Fundamental e Médio
2015 15.039.942/0001-50 05/08/15 04/08/17 P
Higiene
Limpeza e Nível Fundamental e Médio
2016 07.767.949/0001-60 19/09/16 18/09/17 A
Higiene
2016 Recepcionista 07.187.088/0001-41 24/10/16 23/10/17 Nível Médio A
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍCIA FEDERAL NO ESTADO DO PIAUÍ
UG/Gestão: 200390 / 0001
Informações sobre os Contratos

116
Período Contratual de
Nível de Escolaridade
Ano do Empresa Execução das Atividades
Objeto Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratada (CNPJ) Contratadas
Contratados
Início Fim
Contratação de serviços continuados de
2014 10.013.974/0001-63 01/11/2014 31/10/2017 Nível Fundamental e Médio P
recepção e manutenção predial.
Prestação de serviços continuados de
2016 limpeza, conservação e higienização 10.992.653/0001-58 01/10/2016 30/09/2017 Nível Fundamental A
predial e veicular, copeiragem
Serviços Continuados de vigilância
2016 01.668.768/0001-09 01/04/2016 31/03/2017 Nível Fundamental A
armada
Prestação de serviços de limpeza e
2016 conservação para a delegacia de 13.224.659/0001-73 01/10/2016 30/09/2017 Nível Fundamental A
Parnaíba
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
UG/Gestão:200356 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Empresa Nível de Escolaridade
Ano do Execução das Atividades
Objeto Contratada Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratadas
Contratados
(CNPJ) Início Fim
Tratador de cães 40.246.233/0001-93 01.03.2012 28.02.2017 Nível Fundamental P
2012
2013 Limpeza 07.592.889/0001-92 16.05.2013 06.07.2016 Nível Fundamental E
2014 Vigilância 03.007.660/0001-92 01.01.2014 31.12.2017 Nível Fundamental P
2014 Recepção 08.629.207/0001-31 01.01.2016 12.3.2017 Nível Médio P
2014 Marinheiro de convés 17.298.685/0001-05 01.01.2014 31.12.2016 Nível Médio E
2015 Manutenção Predial 39.128.525/0001-42 01.04.2015 31.03.2017 Nível Médio P
2015 Ascensorista 02.215.262/0001-07 01.07.2015 29.02.2016 Nível Fundamental E
2015 Telefonista 02.215.262/0001-07 01.07.2015 29.02.2016 Nível Fundamental E
2015 Recepção aeroportuária 11.406.610/0001-06 01.01.2016 31.12.2016 Nível Médio P
2015 Carregadores 07.244.952/0001-08 01.04.2015 31.03.2017 Nível Fundamental P
2015 Lavadores de Carro 10.189.253/0001-09 01.04.2015 31.03.2017 Nível Fundamental P
2016 Limpeza 78.533.312/0001-58 22.07.2016 15.05.2017 Nível Fundamental A
117
2016 Telefonista 04.350.057/0001-71 25.07.2016 24.07.2017 Nível Fundamental A
2016 Informática 36.084.895/0001-37 01.01.2016 25.07.2016 Nível Médio E
2016 Informática 36.084.895/0001-37 26.07.2016 26.07.2017 Nível Médio A
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA DE POLICIA FEDERAL EM RONDÔNIA
UG/Gestão: 200378 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de Nível de Escolaridade
Ano do Empresa Execução das Atividades Exigido dos
Objeto Situação
Contrato Contratada (CNPJ) Contratadas Trabalhadores
Início Fim Contratados
2015 Copeiragem 12.159.225/0001-74 01/01/2016 21/03/2016 Nível Fundamental E
Manutenção Predial–Oficial de Nível Fundamental/Curso
2015 04.844.192/0001-73 01/01/2016 31/12/2016 A
Manutenção Técnico
Manutenção Predial–Auxiliar de
2015 04.844.192/0001-73 01/01/2016 31/12/2016 Nível Médio A
Manutenção
Nível Fundamental/Curso
2015 Manutenção Predial–Eletricista 04.844.192/0001-73 01/01/2016 31/12/2016 A
Técnico
Nível Médio/Curso de
2015 Vigilância Armada 12.159.225/0001-74 01/01/2016 31/12/2016 A
Vigilante
Nível Médio/Curso
2015 Recepção 04.844.192/0001-73 01/01/2016 05/10/2016 E
Técnico
Nível Médio/Curso
2016 Recepção 10.609.260/0001-12 07/11/2016 31/12/2016 A
Técnico
2016 Limpeza e Conservação 07.436.461/0001-50 01/01/2016 31/12/2016 Nível Fundamental A
2016 Lavador 07.436.461/0001-50 01/01/2016 31/12/2016 Curso Técnico A
2016 Copeiragem 04.844.192/0001-73 22/03/2016 31/12/2016 Nível Fundamental A
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA DA POLÍCIA FEDERAL EM RORAIMA
UG/Gestão: 200384 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade
Ano do Empresa Execução das Atividades
Objeto Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratada (CNPJ) Contratadas
Contratados
Início Fim
118
PRESTA –
2012 Auxiliar de serviços gerais Sem exigência A
10.446.523/0001-10 21/04/2016 20/04/2017
VITTORIA –
2012 Conservação e limpeza da SR/RR
10.631.850/0001-41 28/11/2016 27/11/2017 Sem exigência A
IRANEIDE –
2013 Conservação e limpeza – Bonfim/PAC
84.038.678/0001-53 03/12/2016 02/12/2017 Sem exigência A
INOVE –
2014 Copeiragem
08.940.297/0001-87 07/11/2016 06/02/2017 Sem exigência E
IEL – Nível Médio
2014 Estagiários
02.777.249/0001-33 01/07/2016 30/06/2017 A
Nível Médio
2014 Vigilância SERVI SAN - 12.066.015/0021-85
30/06/2016 29/06/2017 A
INOVE – Nível Médio
2014 Motoboy
08.940.297/0001-87 01/10/2015 30/09/2016 E
SUPLEX – Nível Médio
2015 Recepcionista
04.465.383/0001-24 04/01/2016 03/01/2017 E
INOVE – Nível Médio
2015 Recepcionista
08.940.297/0001-87 04/01/2016 03/01/2017 E
ELITE –
2015 Jardinagem SR/PF/RR
83.907.766/0001-81 04/01/2016 03/01/2017 Sem exigência E

2015 Jardinagem Pacaraima VITTORIA –


04/01/2016 03/01/2017 Sem exigência E
10.631.850/0001-41
BITROL –
2015 Jardinagem Bonfim
10.612.140/0001-74 04/01/2016 03/01/2017 Sem exigência E
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA DA POLÍCIA FEDERAL NO RIO GRANDE DO SUL
UG/Gestão: 200372 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade
Ano do Empresa Execução das Atividades
Objeto Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratada (CNPJ) Contratadas
Contratados
Início Fim
Nível Médio
2011 02.877.566/0001-21 01/05/2016 30/06/2016
Informática E

119
2011 Informática 76.366.285/0001-40 01/05/2016 30/06/2016 Nível Médio E
2013 Copeiragem e Limpeza/outras 02.252.865/0001-70 28/01/2013 31/12/2016 Nível Fundamental e Médio P
2013 Recepção 78.533.312/0001-58 01/08/2013 31/12/2016 Nível Médio P
2013 Recepção 78.533.312/0001-58 24/07/2013 31/12/2016 Nível Médio P
2013 Segurança orgânica/vigilância 13.624.934/0001-46 01/04/2013 31/12/2016 Nível Médio P
Apoio Administrativo – Menores Nível Médio
92.954.957/0001-95 01/01/2014 31/12/2016 P
2014 Aprendizes
2015 Manutenção de bens móveis 86.937.992/0001-01 01/01/2015 31/12/2016 Nível Médio P
2015 Limpeza/outras 02.252.865/0001-70 28/01/2015 31/12/2016 Nível Médio P
2015 Transportes 14.010.744/0001-00 24/02/2015 31/12/2016 Nível Médio P
2016 Segurança orgânica/vigilância 10.364.152/0002-08 01/08/2016 31/12/2016 Nível Médio A
2016 Informática 85.240.869/0001-66 01/07/2016 31/06/2017 Nível Médio A
2016 Segurança orgânica/vigilância 09.524.716/0001-62 01/01/2016 31/07/2016 Nível Médio E
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA POLÍCIA FEDERAL EM SANTA CATARINA
UG/Gestão: 200370 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade
Ano do Empresa Execução das Atividades
Objeto Exigido dos Situação
Contrato Contratada (CNPJ) Contratadas
Trabalhadores Contratados
Início Fim
2011 Serviços de vigilância armada - Nepom 05.497.780/0001-40 01/02/2011 31/01/2016 Nível Fundamental E
Serviços de limpeza nas Delegacias de
2012 Criciúma, Itajaí, Dionísio Cerqueira e 03.767.254/0001-28 01/04/2012 31/03/2017 Ensino Básico P
Lages
Serviços de limpeza no NEPOM e nas
2012 03.116.865/0001-06 01/04/2012 31/03/2017 Ensino Básico P
Delegacias de Joinville e Chapecó
Serviços de limpeza e conservação na
2012 08.629.207/0001-31 01/06/2012 31/05/2017 Ensino Básico P
SR
Serviços de vigilância nas Delegacias de
2012 05.449.286/0001-00 01/06/2012 31/05/2017 Ensino Fundamental P
CCM, LGE, IJI, JVE, XAP e DCQ
2012 Serviços de copeiragem na SR/SC 05.600.954/0001-59 01/08/2012 31/07/2017 Ensino Básico P
2012 Serviços de vigilância na SR/SC 79.894.168/0001-48 01/08/2012 31/07/2017 Ensino Fundamental P
Serviço de recepção a requerentes de
2013 03.360.551/0001-54 01/01/2014 30/11/2016 Nível Médio E
documentos de viagem, em pontos de

120
emissão de passaportes (SR, CCM,
LGE, IJI, JVE, XAP e DCQ)
2014 Serviços de suporte técnico em TI 02.877.566/0001-21 01/07/2014 30/06/2017 Nível Médio P
2015 Serviço de recepcionistas DPF/JVE/SC 02.891.176/0001-06 01/04/2015 30/11/2016 Nível Médio E
2015 Serviços de recepcionista DPF/XAP/SC 10.439.655/0001-14 01/04/2015 30/11/2016 Nível Médio E
Serviço de manutenção de ar
2015 78.214.905/0001-51 01/06/2015 31/05/2016 Curso profissionalizante E
condicionado na SR
2015 Serviço de recepcionistas DPF/DCQ/SC 15.757.904/0001-33 20/07/2015 30/11/2016 Nível Médio E
Serviços de recepcionista no Aeroporto
2015 07.593.524/0001-82 01/09/2015 30/04/2017 Nível Médio E
Hercílio Luz
Serviços de recepcionista (CCM, LGE,
2015 07.593.524/0001-82 01/01/2016 21/08/2017 Nível Médio A
IJI)
Serviços de recepcionistas, motorista e
2016 13.697.422/0001-00 01/01/2016 30/11/2016 Nível Médio E
garagista na SR/PF/SC
2016 Serviços de vigilância armada - Nepom 11.650.232/0001-01 01/01/2016 30/09/2017 Nível Médio A
2016 Manutenção de ar condicionado 11.955.729/0001-38 07/11/2016 06/07/2018 Curso profissionalizante A
Serviços de recepcionistas Estado de
2016 04.970.088/0001-25 01/12/2017 31/07/2018 Nível Médio A
Santa Catarina
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA POLÍCIA FEDERAL NO TOCANTINS
UG/Gestão: 200404 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Execução das Atividades Nível de Escolaridade
Ano do
Objeto Empresa Contratada (CNPJ) Contratadas Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato
Contratados
Início Fim
Prestação dos serviços continuados de:
Item 01 - Recepção - PF/AGA/TO, Item
02 - Recepção - SR/PF/TO, Item 03 - INSTITUTO BRASILEIRO DE
Trabalhador Braçal -SR/PF/TO, Item 04 POLITICAS PUBLICAS 01/11/2013 01/11/2017 Nível Médio A
2013
- Artífice de Manutenção Predial - CNPJ: 09.611.589/0001-39
SR/PF/TO e Item 05 - Office-Boy -
SR/PF/TO.
ALVES E FEITOSA LTDA - ME
Prestação de serviços continuados de 18/03/2013 18/03/2017 Nível Fundamental A
CNPJ: 00.087.391.0001-23
2013 manutenção preventiva e corretiva de
121
aparelhos de ar condicionado, com
fornecimento de peças, materiais,
componentes genuínos do fabricante,
acessórios e outros, visando atender á
SR/PF/TO.
Contratação de empresa especializada
para prestação de serviços continuados
de suporte técnico em Tecnologia da
Informação (TI), abrangendo a
instalação de uma Central de Serviços
(Service Desk) para atendimento aos
IBROWSE - CONSULTORIA &
usuários finais, a assistência técnica ao
2014 INFORMATICA LTDA 20/10/2014 20/10/2017 Nível Médio A
parque de equipamentos de TI e a
CNPJ: 02.877.566/0001-21
manutenção das redes de cabeamento
estruturado as instalações prediais,
incluindo atendimento presencial,
suporte técnico administração de rede
de dados local e gerenciamentos sob
regime de empreitada preço unitário.
Contratação de empresa especializada
na prestação dos serviços de vigilância
armada a serem executados de forma
contínua, no âmbito da
Superintendência Regional do
RG SEGURANÇA E
Departamento de Polícia Federal no
2015 VIGILÂNCIA LTDA 02/11/2015 02/11/2017 Nível Fundamental A
Estado do Tocantins, nos seguintes
CNPJ: 13.019.295/0002-70
locais, que serão prestados nas
condições estabelecidas no Termo de
Referência, anexo do Edital.

Contratação de serviços continuados de J. D. & S ADM. SERVIÇOS


2015
recepção para atender necessidade da EIRELI-ME 25/08/2016 25/08/2017 Nível Médio A
SR/PF/TO, em Palmas - TO. CNPJ: 08.583.683/0001-69
Contratação de serviços de recepcionista G. A SERVIÇOS DE APOIO
2016 para a Superintendência Regional de ADMINISTRATIVOS PARA 02/05/2016 02/05/2017 Nível Médio A
Policia federal no Tocantins, em TERCEIROS LTDA-ME
122
palmas/TO e/ou outros locais CNPJ: 03.637.812/001-30
vinculados á SR/PF/TO em Palmas-TO.
G. A SERVIÇOS DE APOIO
Prestação do serviço de copeiragem na ADMINISTRATIVOS PARA
2016 01/08/2016 01/08/2017 Nível Fundamental A
SR/PF/TO TERCEIROS LTDA-ME
CNPJ: 03.637.812/001-30
Contratação de empresa especializada
na prestação de serviços de limpeza e
conservação predial, manutenção das NORTE SUL LIMPEZA E
2016 instalações mobiliárias em geral, áreas CONSERVAÇÃO LTDA. 01/09/2016 01/09/2017 Nível Fundamental A
externas adjacentes, calçadas, garagens, CNPJ: 01.116.584/0001-04
pátios, gramados, envolvendo serventes,
para as instalações da SR/PF/TO.
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DEPARTAMENTO DE POLICIA FEDERAL EM GOIÁS
UG/Gestão: 200376 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade
Ano do Empresa Execução das Atividades
Objeto Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratada (CNPJ) Contratadas
Contratados
Início Fim
Serviço continuado de limpeza,
conservação e serviços gerais com
fornecimento de mão-de-obra, materiais, APECE SERVIÇOS GERAIS
2011 16/09/2011 16/03/2017 Nível Fundamental A
equipamentos, ferramentas e utensílios (00.087.163/0001-53)
na SR/PF/GO, DPF/JTI/GO e
DPF/ANS/GO
LANLINK SERVIÇOS DE
Serviços continuados em suporte
2012 INFORMÁTCA 31/12/2012 31/12/2017 Nível Superior A
técnico em tecnologia da informação.
(41.587.502/0001-48)
CENTRO DE INTEGRAÇÃO
EMPRESA ESCOLA – CIEE
2012 CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS 21/03/2012 21/03/2017 Nível Superior Incompleto
(61.600.839/0001-55) A

Nível Fundamental para


Serviço continuado de recepcionista, HK TERCEIRIZAÇÕES
2016 04/04/2016 03/04/2016 copeiragem os demais, nível A
garagista, copeiragem e telefonista (15.718.607/0001-89)
médio
123
Serviços continuados de vigilância PAV ENGENHARIA
2016 19/07/2016 18/07/2017 Nível fundamental A
patrimonial armada e desarmada (08.931.820/0001-09)
Serviço continuado com mão de obra
exclusiva para serviços de manutenção NEW LINE VIGILÂNCIA
2016 04/04/2016 03/04/2017 Nível fundamental A
elétrica com fornecimento de (22.068.336/0001-29)
equipamentos e materiais.
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL NO ESTADO DE PERNAMBUCO
UG/Gestão: 200398 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade
Ano do Empresa Execução das Atividades
Objeto Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratada (CNPJ) Contratadas
Contratados
Início Fim
ADSERV
2010 Recepcionista 19/09/2010 01/08/2016 Nível fundamental E
(08.362.490/0001-88)
TKS
2012 Vigilância armada 01/01/2012 01/01/2017 Nível fundamental P
(07.774.050/0001-75)
Copeiragem e Operador de Máquina ACESSE
2012 08/10/2012 08/10/2017 Nível fundamental P
reprográfica (08.966.334/0001-26)
SOLL
2014 Limpeza, asseio e conservação 30/10/2014 30/10/2017 Nível fundamental P
(00.323.090/0001-51)
A&D
2015 Manutenção predial 09/06/2015 09/06/2017 Nível fundamental P
(09.181.545/0001-16)
PRIMER
2016 Recepcionista 01/08/2016 01/08/2017 Nível fundamental A
(11.235.004/0001-75)
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍCIA FEDERAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE
UG/Gestão: 200394 / 0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade
Ano do Empresa Execução das Atividades
Objeto Exigido dos Trabalhadores Situação
Contrato Contratada (CNPJ) Contratadas
Contratados
Início Fim
LANLINK SERVIÇOS DE Nível Médio com
2012 Serviços de suporte técnico em T.I. 01/01/2014 31/12/2017 Ativo
INFORMÁTICA S/A especialização

124
(41.587.502/0001-48)
CP – CONSTRUTORA
Nível Médio com A
2014 Serviço de manutenção predial PADILHA LTDA 01/03/2014 28/02/2017
especialização
(09.3473808/0001-14)
JMT SERVIÇOS E LOCAÇÃO
Serviço de conservação e limpeza da
2014 DE MÃO DE OBRA LTDA 01/03/2014 28/02/2017 Nível Fundamental A
SR/PF/RN
(07.442.731/0001-36)
TOP SERVICE
Serviço de conservação e limpeza da
2014 TERCEIRIZAÇÃO EIRELI 01/03/2014 28/02/2017 Nível Fundamental A
DPF/MOS/RN
(09.281.162/0001-10)
Serviços de vigilância SR/PF/RN ROLAND VIGILÂNCIA LTDA Nível Médio
2014 01/01/2015 31/12/2017 A
(07.573.897/0001-82)
BRASIFORT SERVIÇOS DE Nível Médio
2014 Serviços de vigilância da DPF/MOS/RN VIGILÂNCIA LTDA 01/01/2015 31/12/2017 A
(06.263.849/0005-68)
CP – CONSTRUTORA
Serviços de manutenção em sistema de Nível Médio com
2015 PADILHA LTDA 01/01/2016 31/12/2017 A
climatização especialização
(09.3473808/0001-14)
TALIMPO LIMPEZA URBANA
Serviços de jardinagem e paisagismo da
2016 LTDA – ME (03.116.706/0001- 01/08/2016 31/072017 Nível Fundamental A
SR/PF/RN
01)
MÁXIMA PRESTAÇÃO DE Nível Médio
Serviço de coleta, entrega e transporte
2016 SERVIÇOS – EIRELI 01/09/2016 31/08/2017 A
de documentos - Motofretista
(14.572.458/0001-20)
L.D. MONITORAMENTOS E Nível Médio
SERVIÇOS TECNICOS DE
2016 Serviços de recepção da SR/PF/RN 02/01/2017 01/01/2018 A
ELETRÔNICO (07.187.088/0001-
41)
CONAMA – CONSTRUÇÕES
2016 Serviços de recepção da DPF/MOS/RN AMAPAENSE EIRELI – ME 02/01/2017 01/01/2018 Nível Médio A
(14.533.285/0001-30)
CONAMA – CONSTRUÇÕES
Serviços de copeiragem da SR/PF/RN e
2016 AMAPAENSE EIRELI – ME 02/01/2017 01/01/2018 Nível Médio A
DPF/MOS/RN
(14.533.285/0001-30)
Unidade Contratante
Nome: DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL NO PARANÁ
125
UG/Gestão: 200364/0001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de Nível de Escolaridade
Ano do Empresa Execução das Atividades Exigido dos
Objeto Situação
Contrato Contratada (CNPJ) Contratadas Trabalhadores
Início Fim Contratados
EXCELLEN SERVIÇOS E Nível Médio
MANUTENÇÕES DE OBRA 30/05/201
2011 Serviço de manutenção predial - sr 01/06/2011 E
(12.229.984/0001-66) 6

AVANTT SELEÇÃO E Nível Médio


07/10/201
2012 SERVIÇOS DE RECEPÇÃO PARA TREINAMENTO DE MÃO DE 08/10/2012 A
7
EMISSÃO PASSAPORTE OBRA (10.328.740/0001-05)
S9 SERVIÇOS Nível Médio
SERVIÇO OPERAÇÃO DE ESPECIALIZADOS E MÃO DE 19/04/201
2012 19/11/2012 E
CENTRAL TELEFÔNICA OBRA LTDA (03.025.281/0001- 6
250)
REAL SERVIÇOS Nível Médio
ESPECIALIZADOS DE MÃO DE 19/04/201
2012 Serviço de recepção 19/12/2012 E
OBRA LTDA 6
(07.188.842/0001-68)
Nível Médio
AVANTT SELEÇÃO E
SERVIÇOS DE RECEPÇÃOPARA EMISSÃO 07/10/201
2012 TREINAMENTO DE MÃO DE 07/01/2013 A
PASSAPORTE 7
OBRA (10.328.740/0001-05)
ANALISTAS SISTEMAS E TÉCNICO VISIONNAIRE INFORMÁTICA Nível Médio
03/06/201
2013 DE INFORMÁTICA - DPF/LDA e S/A 04/06/2013 E
6
DPF/MGA 01.289.298/0001-64)
SUL AMÉRICA SEGURANÇA E Nível Médio
21/12/201
SERVIÇOS VIGILÂNCIA VIGILÂNCIA 22/08/2013 A
2013 6
PATRIMONIAL - DPF/MGA (12.138.329/0001-00)
Nível Médio
SUL AMÉRICA SEGURANÇA E
SERVIÇOS VIGILÂNCIA 01/02/201
2013 VIGILÂNCIA 01/10/2013 A
PATRIMONIAL GISE/LDA 7
(12.138.329/0001-00)

126
VIP SUL CONSTRUÇÕES E Nível Médio
Serviços limpeza, higiene e conservação 29/11/201
2013 SERVIÇOS LTDA – 01/08/2013 E
predial. 6
(13.682.207/0001-35)
FEDERAL SOLUÇÕES Nível Médio
Serviços limpeza, conservação e 30/11/201
2013 CORPORATIVAS LTDA 02/01/2014 E
manutenção predial dpf/lda e dpf/mga 6
(13.691.967/0001-09)
AVANTT SELEÇÃO E Nível Médio
Serviço recepção dpf/lda/pr e 26/10/201
2014 TREINAMENTO DE MÃO DE 27/02/2014 E
dpf/mga/pr 6
OBRA (10.328.740/0001-05)
RW ADMINISTRADORA DE Nível Médio
30/11/201
2014 Serviço de copeiragem sr MÃO DE OBRA LTDA 19/05/2014 E
6
(11.027.483/0001-34)
Nível Médio
AVANTT SELEÇÃO E A
Limpeza e conservação predial unidades 24/01/201
2015 TREINAMENTO DE MÃO DE 25/05/2015
descentralizadas 7
OBRA (10.328.740/0001-05)

AVANTT SELEÇÃO E Nível Médio


Serviço de recepção aeroporto afonso 30/11/201
2015 TREINAMENTO DE MÃO DE 01/07/2015 E
pena 6
OBRA (10.328.740/0001-05)
JURISEG SEGURANÇA E Nível Médio
Contratação de serviço de vigilância 31/08/201
2015 VIGILÂNCIA LTDA 01/01/2016 A
armada 7
(07.658.074/00001-69)
Serviço de recepção e telefonista AZTECA SERVIÇOS Nível Médio
24/12/201
2016 SR/PF/pr e descentralizadas PROFISSIONAIS LTDA 25/04/2016 A
7
(07.682.995/0001-67)
ENERGIZA ENGENHARIA Nível Médio
Prestação de serviço de manutenção 28/02/201
2016 LTDA – ME 01/07/2016 A
predial. 8
(17.856.676./0001-84)
SERVTRON PRESTAÇÃO DE Nível Médio
Prestação de serviço de limpeza, 31/07/201
2016 SERVIÇOS E COMERCIO LTDA 01/12/2016 A
higienização, consevação e copeiragem 8
(09.201.726/0001-67)
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL EM SÃO PAULO
UG/Gestão: 200360/0001
Informações sobre os Contratos

127
Período Contratual de Execução Nível de escolaridade
Ano do Empresa Contratada das Atividades Contratadas mínimo exigido dos
Objeto Situação
Contrato (CNPJ) trabalhadores
Início Fim
contratados
VIGILÂNCIA RPO AQA SJE JLS 66.700.295/0001-17 Nível Médio
2012 16/09/2016 15/09/2017 P
CT17/2012 ALBATROZ
VIGILÂNCIA SR, depósito água Nível Médio
66.700.295/0001-17
2012 Branca, Ed. Jaguaribe, Ed. Brig. Luís 01/11/2016 01/11/2017 P
ALBATROZ
Antônio CT 24/2012.
Nível Médio
VIGILÂNCIA BRU, MII, PDE, ARU 66.700.295/0001-17 P
2012 01/11/2016 01/11/2017
CT 25/2012. ALBATROZ

10.928.126/0001-84 Nível Médio


REAK SEGURANÇA E
2012 VIGILÂNCIA CZO/SJK CT 22/2015 23/10/2016 23/10/2017 P
VIGILÂNICA
PATRIMONIAL LTDA
2012 NOWA Nível Médio
Manutenção CAS-CT 06/2012 10/04/2012 10/02/2017 P
03.927.256/0001-37
78.533.312/0001-58 Nível Médio
RECEPÇÃO-SR/PF/SP E PLANSUL
2013 26/12/2016 26/12/2017 P
DESCENTRALIZADAS CT 45/2016 PLANEJAMENTO E
CONSULTORIA EIRELI
03.539.770/0001-03 Nível Médio
MANUTENCAO DE BENS IMÓVEIS
2013 MRO SERVICOS EIRELI 05/03/2013 05/03/2017 P
Del Bauru CT08/2013
- EPP
Hanner Serviços
LIMPEZA STS – CT 03/2013 31/12/2016 31/12/2017
2013 Terceizados LTDA-ME Nível Fundamental P
10.297.576/0001-16
M&S Monitoramento 01/09/2016 Nível Médio
2013 Recepcionistas-STS - CT 09/2013 31/08/2017 P
14.848.060/0001-73
Erodata Consultoria e Nível Médio
23/02/2014 23/02/2017
2013 Recepcionistas-CAS - CT 02/2013 Serviços Ltda – EPP P
68.970.680/0001-00
06.069.276/0001-02 Nível Médio
2014 VIGILÂNCIA-SOD-PCA-CT 22/2014 ATENTO SAO PAULO 20/06/2014 20/06/2017
P
SERVICOS DE
128
SEGURANCA
PATRIMONIAL EIRELI
RECEPÇÃO 03.022.122/0001-77 Nível Médio
2014 AEROPORTO DE GUARULHOS CT BK CONSULTORIA E 15/11/2016 15/11/2017 A
39/2014 SERVIÇOS LTDA
Atento São Paulo Serviços Nível Médio
VIGILÂNCIA CAS-CT 04/2014 de Segurança patrimonial 05/06/2014 14/10/2017
2014 P
Ltda.
06.069.276/0001-02
55.905.350/0001-99
LIMPEZA CAS – CT 05/2014 PAINEIRAS LIMPEZA E
2014 01/09/2014 31/08/2017 Nível Fundamental P
SERVICOS GERAIS
LTDA
05.408.389/0001-22 P
2015 VIGILÂNCIA SSB CT 23/2015 ESC FONSECCAS 03/11/2016 03/11/2017
Nível Médio
SEGURANÇA EIRELI

00.482.840/0001-38
MANUTENCAO DE BENS IMÓVEIS
2015 LIDERANÇA LIMPEZA E 31/07/16 31/07/17 Nível Médio P
CT 16/2015
CONSERVAÇÃO LTDA
61.600.839/0001-55
2015 ESTAGIARIOS – CT 11/2015 30/04/2015 30/04/17 Nível Superior P
CIEE
CIBAM ENGENHARIA Nível Médio
2015 Manutenção STS-CT 03/2015 EIRELLI 01/01/2017 31/01/2017 A
01.211.015/0001-61
2015 VIGILÂNCIA STS-CT 02/2015 SHIELD SEGURANÇA Nível Médio
02/03/2015 02/03/2017 A
15.252.971/0001-04
55.905.350/0001-99 Nível Fundamental
LIMPEZA SR/SP, CAB, JGB CT PAINEIRAS LIMPEZA E
2016 12/05/2016 12/01/2018 P
20/2016. SERVICOS GERAIS
LTDA
11.873.000/0001-12 Nível Fundamental
PLANSERV LIMPEZA E
2016 LIMPEZA PCA/SOD CT21/2016 12/05/2016 15/05/2018 P
CONSERVAÇÃO LTDA-
EPP
2016 LIMPEZA RPO, AQA, JLS, SJE Nível Fundamental
02.415.338/0001-30 12/05/2016 12/05/2018 P
CT23/2016.
129
INTERLIMP GESTÃO DE
SERVIÇOS LTDA
55.905.350/0001-99 Nível Fundamental
LIMPEZA PAINEIRAS LIMPEZA E
2016 12/05/2016 12/05/2018 P
ARU, BRU, MII, PDE CT24/2016. SERVICOS GERAIS
LTDA
14.914.101/0001-82 Nível Fundamental
GMS SERVIÇOS
2016 LIMPEZA STS CT 25/2016. 02/01/2017 02/09/2018 A
TERCEIRIZADOS
EIRELI-ME
14.914.101/0001-82 Nível Fundamental
LIMPEZA SJK, SSB, CZO CT GMS SERVIÇOS
2016 19/07/2016 19/03/2018 A
22/2016. TERCEIRIZADOS
EIRELI-ME
07.200.004/0001-62 Nível Fundamental
COPEIRAGEM SR, DEAIN/DEAER PROGRESSO
2016 12/5/2016 12/5/2017 P
CT 26/2010. CONSTRUÇÕES E
SERVIÇOS LTDA-EPP
78.533.312/0001-58
RECEPÇÃO AEROPORTO DE PLANSUL
2016 26/12/2016 26/12/2017 Nível Médio A
GUARULHOS CT 45/2016 PLANEJAMENTO E
CONSULTORIA EIRELI
Anabim Assessoria
Nacional em Gestão
2016 Plano Assistência à Saúde 01/12/2016 01/12/2017 - P
Pública e Meio Ambiente
LTDA-EPP
Unidade Contratante
Nome: SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA POLÍCIA FEDERAL EM SERGIPE
UG/Gestão: 200344/00001
Informações sobre os Contratos
Período Contratual de
Nível de Escolaridade
Ano do Empresa Execução das Atividades
Objeto Exigido dos Trabalhadores
Contrato Contratada (CNPJ) Contratadas Situação
Contratados
Início Fim
01/04/201
2013 Limpeza e Conservação do prédio 12.915.712/0001-10 01/04/2013 Nível Fundamental A
7

130
17/02/201
2014 Gerenciamento dos Estagiários 01.406.617/0001-74 17/02/2014 Nível Médio/Superior A
7
25/02/201
2014 Serviço de Recepção 08.727.425/0001-09 25/02/2014 Nível Médio A
7
Serviço de copa, jardinagem, lavagem 31/07/201
17.976.212/0001-01 01/08/2016 Nível Fundamental/Técnico A
2016 de viaturas e manutenção predial 7

131
5.1.4.2 Contratação de estagiários

Com relação à contratação de estagiários, no âmbito desta UPC, todos os estagiários


desenvolvem suas atividades na área meio do órgão, em razão da especialidade, sigilo, periculosidade e
demais características das atividades realizadas na área fim.

A contratação de estagiários é gerenciada por cada unidade descentralizada de recursos


humanos da Polícia Federal, em conjunto com o agente de integração, empresa contratada por meio de
processo licitatório para recrutamento e seleção. A participação de estagiários alia a oportunidade de
aquisição de conhecimento profissional em contrapartida à aplicação de conhecimento técnico às atividades
laborais, propiciando a melhoria constante dos serviços. Para toda a Polícia Federal, o quantitativo de
estagiários de nível superior se limita a 20% do número de policiais federais, enquanto que, de nível médio,
se limita a 10% dos cargos administrativos de nível médio.

Quadro 27: Quantitativo de contratos de estágio vigentes


Nível de escolaridade Quantitativo de contratos de estágio vigentes Despesa no exercício
1º Trimestre 2º Trimestre 3º Trimestre 4º Trimestre (em R$ 1,00)
1. Nível superior 1.120 1.274 1.328 1.379 4.586.173,02
1.1 Área Fim
1.2 Área Meio
2. Nível Médio 77 85 86 86 195.495,42
2.1 Área Fim
2.2 Área Meio
3. Total (1+2) 1.197 1.359 1.414 1.465 4.781.668,44
Fonte: DRH/CRH/DGP/PF

132
5.2. Gestão do Patrimônio imobiliário e infraestrutura

5.2.1. Gestão do Patrimônio imobiliário da União

Não foi determinado modelo padronizado para apresentação destas informações, assim a
UPC julgou adequado a elaboração de quadros contemplando informações dos pontos principais, dos
números relacionados aos imóveis da União à disposição da UPC e as despesas envolvidas. O primeiro
quadro contém os seguintes dados relevantes:

a) identificação do imóvel;
b) distribuição geográfica dos imóveis da União;
c) despesas de manutenção, valor dos imóveis e data da avaliação;
d) qualidade e completude dos registros das informações dos imóveis no Sistema de
Registro dos Imóveis de Uso Especial da União SPIUnet e qualidade dos registros contábeis
dos imóveis;

Elaborou-se um segundo quadro, que traz informações sobre a ocorrência e os atos de


formalização de cessão para terceiros, de imóveis da União na responsabilidade da unidade, ou de parte
deles, para empreendimento com fins lucrativos ou não, informando-se o locador, a forma de contratação,
os valores e benefícios recebidos pela unidade jurisdicionada em razão da locação, bem como a forma de
contabilização e de utilização dos recursos oriundos da locação;

Por fim, descreve-se a estrutura de controle e de gestão do patrimônio no âmbito da Polícia


Federal e os riscos relacionados à gestão dos imóveis e os controles para mitigá-los apresentados pelas
UGs.

133
Quadro 28: Gestão do Patrimônio Imobiliário
Registros no SPIUnet estão Registros contábeis contemplam reformas e
Localização Geográfica
Despesas com completos? avaliações?
Identificação do Data da
Manutenção Valor do Imóvel
Imóvel Avaliação Resposta Resposta
Justificativa Justificativa
Município UF (Sim / (Sim /
(em caso negativo) (em caso negativo)
Não) Não)
RIP 9701
Brasília DF R$1.905.363,44 R$52.238.593,36 07/10/16 Sim Sim
22323.500-0
RIP Nº Aguardando comissão de
9701.32581.500-5 avaliação patrimonial para
Brasília DF R$ 583.297,12 R$ 4.877.131,60 30/12/2016 Sim Não
incorporação da sala cofre ao
patrimônio em tela.
RIP
Brasília DF R$77.204.343,52 22/12/2016 Sim Sim
9701.21540.500-7
RIP
Brasília DF R$1.061.129,62 R$65.734.557,80 26/12/2016 Sim Sim
9701.21541.500-2
RIP
Brasília DF R$7.213.536,00 27/12/2016 Sim Sim
9701.26997.500-6
RIP
Brasília DF R$716.174,20 R$17.337.921,94 26/12/2016 Sim Sim
9701.29883.500-4
RIP
Brasília DF R$545.178,79 R$10.749.675,43 22/12/2016 Sim Sim
9701.32583.500-6
RIP Cascavel R$633.083,05 05/12/16 Sim Sim
PR
7493.00066.500-6
RIP Cascavel R$1.540.350,10 05/12/16 Sim Sim
PR
7493.00108.500-3
RIP Foz Do Iguaçu R$285.424,81 R$24.206.707,80 03/10/16 Sim Sim
PR
7563.00821.500-4
RIP Foz Do Iguaçu R$73.646.066,05 15/02/16 Sim Sim
PR
7563.00810.500-4
RIP Guaíra R$111.009,89 R$5.638.133,71 23/02/15 Sim Sim
PR
7571.00020.500-0
RIP Guaíra R$297.656,19 15/05/15 Sim Sim
PR
7571.00038.500-9
RIP Guaíra R$3.267.141,84 7/01/16 Sim Sim
PR
7571.00040.500-0

134
RIP AC R$496.233,71 3/3/2016 Sim Sim
Cruzeiro Do Sul
0107.00079.500-7
RIP Rio Branco AC R$178.951,68 30/5/2016 Sim Sim
0139.00272.500-4
RIP Rio Branco AC R$22.124.973,60 27/3/2015 Sim Sim
R$217.366,00
0139.00292.500-3
RIP
Epitaciolândia AC R$257.392,43 5/12/2016 Sim Sim
0651.00005.500-2
RIP
Epitaciolândia AC R$1.333.981,50 5/12/2016 Sim Sim
0651.00007.500-3
RIP
Epitaciolândia AC R$65.503,82 5/12/2016 Sim Sim
0651.00009.500-4
RIP
Epitaciolândia AC R$65.503,82 5/12/2016 Sim Sim
0651.00011.500-5
RIP
Maceió AL R$135.463,30 R$17.700.000,00 15/09/16 Sim Sim
2785.00237.500-6
RIP
Maceió AL R$3.600.000,00 15/08/16 Sim Sim
2785.00257.500-5
RIP
Manaus AM R$300.000,00 3/02/17 Sim Sim
0255.00640.500-2
RIP
Manaus AM R$500.000,00 3/02/17 Sim Sim
0255.00641.500-8
RIP
Manaus AM R$217.366,00 R$25.000.018,52 11/04/18 Sim Sim
0255.00698.500-9
RIP
Manaus AM R$380.000,00 22/02/18 Sim Sim
0255.00716.500-5
RIP
Macapá AP R$269.846,35 R$34.387.171,39 5/9/2016 Sim Não Somente avaliações
0605.00228.500-1
*Manutenção
predial incluída no
RIP
Oiapoque AP contrato do R$1.951.704,14 10/5/2016 Sim Não Somente avaliações
0609.00029.500-2
imóvel RIP
0605.00228.500-1
RIP
Macapá AP R$369.529,63 10/5/2016 Sim Não Somente avaliações
0605.00128.500-8

135
RIP
Macapá AP R$417.528,52 10/5/2016 Sim Não Somente avaliações
0605.00129.500-3
RIP
Macapá AP R$361.623,67 10/5/2016 Sim Não Somente avaliações
0605.00175.500-4
RIP
Macapá AP R$ 331.927,78 10/5/2016 Sim Não Somente avaliações
0605.00178.500-0
RIP
Oiapoque AP R$ 212.813,03 10/5/2016 Sim Não Somente avaliações
0609.00027.500-1
RIP
Oiapoque AP R$264.106,91 10/5/2016 Sim Não Somente avaliações
0609.00028.500-7
RIP
Oiapoque AP R$264.106,91 10/5/2016 Sim Não Somente avaliações
0609.00030.500-8
RIP
Oiapoque AP R$264.106,91 10/5/2016 Sim Não Somente avaliações
0609.00031.500-3
RIP Salvador
BA R$300.000,00 R$24.253.208,07 01/02/17 Sim Sim
3849.00865.500-6
RIP
Barreiras BA R$24.000,00 R$1.067.603,84 10/11/16 Sim Sim
3363.00051.500-4
RIP
Ilhéus BA R$60.000,00 R$2.284.912,87 22/01/15 Sim Sim
3573.00014.500-2
RIP
Fortaleza CE R$933.948,00 R$17.203.559,62 1º/11/2016 Sim Sim
1389.00460.500-0
RIP
Vitória ES R$471,85 R$1.363.828,93 23/02/16 Sim Sim
5705.00352.500-0
RIP Cachoeira Do
ES R$7.923,66 R$1.913.339,26 23/02/16 Sim Sim
5623.00024.500-8 Itapemirim
RIP
São Mateus ES R$ 41.519,29 R$1.765.253,53 23/02/16 Sim Sim
5697.00023.500-6
RIP
Vila Velha ES R$721.786,26 23/02/16 Sim Sim
5703.00044.500-9
RIP
Vila Velha ES R$717.386,65 R$35.341.402,74 23/02/16 Sim Sim
5703.00043.500-3
RIP
Goiânia GO R$359.666,64 R$34.082.265,97 17/10/16 Sim Sim
9373.00323.500-2
RIP
Jataí GO R$2.235.826,61 08/12/15 Sim Sim
9433.00017.500-6
136
RIP
Senador Canedo GO R$300.122,70 20/08/15 Sim Sim
9753.00005.500-8
RIP
Anápolis GO R$870.000,00 17/10/16 Sim Sim
9221.001818.500-2
RIP
São Luís MA R$13.853.428,80 25/05/16 Sim Sim
0921.00629.500-2
RIP
Imperatriz MA R$2.541.282,47 20/05/16 Sim Sim
0803.00068.500-9
RIP
Belo Horizonte MG R$800,00 R$9.290.055,12 07/12/15 Sim Sim
4123.00207.500-5
RIP
Belo Horizonte MG R$2.872.171,01 07/12/15 Sim Sim
4123.00221.500-1
RIP
Belo Horizonte MG R$6.801,32 R$3.810.288,27 07/12/15 Sim Sim
4123.00249.500-4
RIP
Belo Horizonte MG R$40.807,89 R$81.786.742,67 07/12/15 Sim Sim
4123.00282.500-4
RIP
Belo Horizonte MG R$10.201,97 R$2.000.209,96 07/12/15 Sim Sim
4123.00396.500-4
RIP
Belo Horizonte MG R$6.121,18 R$497.395,02 07/12/15 Sim Sim
4123.00398.500-5
RIP 4123.00400-
Belo Horizonte MG R$4.080,79 R$454.606,48 07/12/15 Sim Sim
500-4
RIP 4553.00113- Governador
MG R$18.500,00 R$3.967.030,16 07/12/15 Sim Sim
500-1 Valadares
RIP
Juiz De Fora MG R$25.600,00 R$9.938.710,72 07/12/15 Sim Sim
4733.00172.500-1
RIP
Juiz De Fora MG R$5.500,00 R$74.521.500,04 07/12/15 Sim Sim
4733.00156.500-4
RIP
Uberlândia MG R$7.500,00 R$4.737.860,76 07/12/15 Sim Sim
5403.00288.500-7
RIP
Uberlândia MG R$583.338,00 07/12/15 Sim Sim
5403.00418.500-2
RIP
Uberlândia MG R$3.200,00 R$3.309.272,49 07/12/15 Sim Sim
5403.00420.500-3
RIP
Campo Grande MS R$515.558,22 R$7.726.224,24 29/12/2016 Sim Sim
9051.00014.500-2
137
RIP
Campo Grande MS R$1.422.064,21 29/12/2016 Sim Sim
9051.00029.500-4
RIP
Naviraí MS R$2.062.439,95 28/12/2016 Sim Sim
9113.00039.500-2
RIP
Dourados MS R$5.200.948,68 30/12/2016 Sim Sim
9073.00114.500-7
RIP
Corumbá MS R$12.804,36 R$850.435,74 3/11/2016 Sim Sim
9063.00005.500-7
RIP
Corumbá MS R$551.996,25 3/11/2016 Sim Sim
9063.00207.500-5
RIP
Dourados MS R$22.735,67 R$4.676.544,27 14/10/2016 Sim Sim
9073.00096.500-0
RIP
Dourados MS R$1.046.010,00 30/12/2016 Sim Sim
9073.00144.500-0
RIP
Naviraí MS R$7.561,97 R$3.351.483,77 28/12/2016 Sim Sim
9113.00022.500-0
RIP
Ponta Porã MS R$9.810,59 R$1.349.169,68 17/10/2016 Sim Sim
9131.00018.500-6
RIP
Ponta Porã MS R$5.908.374,86 17/10/2016 Sim Sim
9131.00286.500-4
RIP
Três Lagoas MS R$39.904,37 R$ 883.238,88 29/11/2016 Sim Sim
9165.00112.500-1
RIP
Três Lagoas MS R$ 583.660,64 29/11/2016 Sim Sim
9165.00114.500-2
RIP
Ladário MS R$ 2.902.843,98 4/11/2016 Sim Sim
9103.00051.500-0
RIP 9067.
Cuiabá MT R$6.282.673,93 30/9/2014 Não Não
00239.500-2
RIP
Cuiabá MT R$1.511.891,26 30/9/2014 Não Não
9067.00296.500-3
RIP 9067.
Cuiabá MT R$340.215,21 30/9/2014 Não Não
00203.500-6
RIP 9035.
Barra Do Garças MT R$874.662,96 30/9/2014 Não Não
00040.500-2
RIP
Cáceres MT R$382.950,00 30/9/2014 Não Não
9047.00193.500-9

138
RIP
Pontes E Lacerda MT R$312.697,14 17/7/2015 Sim Sim
8999. 00008.500-6
RIP
Rondonópolis MT R$671.487,61 30/9/2014 Não Não
9151.00050.500-5
RIP
Rondonópolis MT R$1.404.000,00 30/9/2014 Não Não
9151.00117.500-9
RIP 8985
Sinop MT R$413.974,35 9/6/2015 Sim Sim
00077.500-2
RIP
João Pessoa PB R$395.982,73 11/12/15 Sim Sim
2051.00227.500-2
RIP
Campina Grande PB R$4.778.406,55 18/11/16 Sim Sim
1981.00050.500-4
RIP/I
Patos PB R$815.404,29 31/07/15 Sim Sim
2117.00012.500-0
RIP
Recife PE R$361.484,09 R$12.604.824,13 21/07/15 Sim Sim
2531.00525.500-0
RIP
Floresta PE R$500.402,00 27/05/16 Sim Sim
2413.00030.500-4
RIP
Salgueiro PE R$26.491,85 R$2.239.688,37 21/07/15 Sim Sim
2543.00048.500-0
RIP
1153.00076.500-0 e Parnaíba PI R$2.434.771,71 28/07/16 Sim Sim
1153.00075.500-4
RPI
Teresina PI R$46.245,41 R$7.478.304,16 01/09/16 Sim Sim
1219.00224.500-0
RIP 7535
Curitiba PR R$880.900,00 15/09/16 Sim Sim
00375.500-5
RIP 7535
Curitiba PR R$185.757,65 R$27.864.538,81 15/09/16 Sim Sim
00424.500-0
RIP 7535
Curitiba PR R$7.180.200,00 15/09/16 Sim Sim
00405.500-7
RIP 7667
Londrina PR R$1.801.055,26 15/04/15 Sim Sim
00109.500-2
RIP 7667
Londrina PR R$5.000.452,75 15/04/15 Sim Sim
00096.500-3

139
RIP 7691
Maringá PR R$1.645.935,64 25/08/16 Sim Sim
00228.500-2
RIP 7745
Paranaguá PR R$5.762.252,36 21/07/16 Sim Sim
00111.500-9
RIP 7745
Paranaguá PR R$2.000.000,00 27/07/16 Sim Sim
00140.500-7
RIP 7745
Paranaguá PR R$837.652,19 09/09/16 Sim Sim
00171.500-6
RIP 7745
Paranaguá PR R$210.893,40 09/09/16 Sim Sim
00179.500-0
RIP
Rio De Janeiro RJ R$1.537.770,00 R$45.278.227,00 26/03/15 Sim Sim
6001.02786500-3
RIP
Rio De Janeiro RJ R$8.145.420,21 16/04/15 Sim Sim
6001.03640500-1
RIP
Rio De Janeiro RJ R$1.271.077,00 29/10/15 Sim Sim
6001.02253500-5
RIP
Rio De Janeiro RJ R$124.737,47 31/10/15 Sim Sim
6001.02193500-0
RIP
Rio De Janeiro RJ R$230.156,24 31/10/15 Sim Sim
6001.02327500-7
RIP Campos Dos
RJ R$ 11.084.654,39 20/04/15 Sim Sim
5819.00195500-3 Goytacazes
RIP
Volta Redonda RJ R$334.640,00 26/03/15 Sim Sim
5925.00011500-2
RIP
Natal RN R$850.898,38 R$30.035.283,56 2/8/2016 Sim Sim
1759.00006.500-7
RIP
Mossoró RN R$3.801,82 R$1.601.440,00 2/8/2016 Sim Sim
1759.00100.500-6
RIP
Macaíba RN R$44.630,25 R$1.083.775,30 2/8/2016 Sim Sim
1741.00035.500-0
RIP
Mossoró RN R$1.444.174,00 2/8/2016 Sim Sim
1759.00096.500-6
Encontra-se em
RIP regularização na SPU/RO
Vilhena RO R$1.358.540,54 26.03.2013 Não OF.69/2013/ Sim
0013.00044500-4
NAD/SR/RO

140
Encontra-se em
RIP regularização na SPU/RO
Vilhena RO R$108.509,60 R$1.447.630,00 26.03.2013 Não OF.69/2013/ Sim
0013.00043500-9
NAD/SR/RO
Encontra-se em
RIP regularização na SPU/RO
Ji-Paraná RO R$149.212,81 R$2.437.603,04 26.03.2013 Não OF.69/2013/ Sim
000.00051.500-1
NAD/SR/RO
RIP
Porto Velho RO R$278.449,53 R$1.454.624,56 26.06.2015 Sim Falta escritura publica Sim
0003.00416.500-9
RIP
Porto Velho RO R$713.277,77 26.06.2015 Sim Falta escritura publica Sim
0003.00417.500-4
RIP
Porto Velho RO R$1.190.340,27 26.06.2015 Sim Falta escritura publica Sim
0003.00362.500-6

Encontra-se em
RIP regularização na SPU/RO
Guajará-Mirim RO R$12.924,16 R$55.844,00 26.03.2013 Não OF.69/2013/ Sim
0001.00200.500-8
NAD/SR/RO

Encontra-se em
RIP regularização na SPU/RO
Guajará-Mirim RO R$50.332,16 24.06.2015 Não OF.69/2013/ Sim
0001.00054.500-5
NAD/SR/RO
RIP
Guajará-Mirim RO R$91.418,67 R$1.404.511,92 26.06.2015 Sim Cedido Sim
0001.00206.500-0
Encontra-se em
RIP regularização na SPU/RO
Costa Marques RO R$22.325,00 26.03.2013 Não OF.69/2013/ Sim
0021.00032.500-0
NAD/SR/RO
Encontra-se em
RIP regularização na SPU/RO
Pimenta Bueno RO R$83.321,51 R$211.687,50 26.03.2013 Sim OF.69/2013/ Sim
0011.00046.500-9
NAD/SR/RO
RIP
Pacaraima RR R$109.429,84 R$563.841,33 16/12/16 Sim Sim
0034.00001.500-2
RIP
Boa Vista RR R$839.158,72 R$21.977.415,29 16/12/16 Sim Sim
0301.00116.500-0

141
RIP
Boa Vista RR R$20.421,08 22/05/17 Sim Sim
0301.00242.500-6
RIP
Bonfim RR R$108.229,8 R$745.010,04 22/05/17 Sim Sim
0307.00022.500-9
RIP
Caxias Do Sul RS R$14.723.121,10 28/12/2016 Sim Sim
8599.00034.500-2
RIP
Jaguarão RS R$500.863,93 28/12/2016 Sim Sim
8721.00031.500-2
RIP
Passo Fundo RS R$3.342.742,47 28/12/2016 Sim Sim
8785.00030.500-3
RIP
Porto Alegre RS R$2.118.315,30 28/12/2016 Sim Sim
8801.00513.500-4
R$600.299,44
RIP
Porto Alegre RS R$12.743.701,99 28/12/2016 Sim Sim
8801.00577.500-3
RIP
Rio Grande RS R$2.333.284,80 28/12/2016 Sim Sim
8815.00114.500-5
RIP
Rio Grande RS R$1.530.174,84 28/12/2016 Sim Sim
8815.00165.500-3
RIP
Santa Maria RS R$312.476,94 28/12/2016 Sim Sim
8841.00306.500-8
RIP
Santa Maria RS R$1.418.214,74 28/12/2016 Sim Sim
8841.00352.500-9
RIP
Santa Maria RS R$2.558.767,80 28/12/2016 Sim Sim
8841.00453.500-8
RIP Santana Do
RS R$122.588,95 28/12/2016 Sim Sim
8845.00130.500-4 Livramento
RIP Santana Do
RS R$174.282,47 28/12/2016 Sim Sim
8845.00132.500-5 Livramento
RIP Santa Vitória Do
RS R$1.026.040,08 28/12/2016 Sim Sim
8849.00028.500-2 Palmar
RIP
Santo Ângelo RS R$4.220.000,00 28/12/2016 Sim Sim
8853.00039.500-0
RIP
São Borja RS R$232.260,00 28/12/2016 Sim Sim
8863.00033.500-5
RIP
São Borja RS R$4.044.421,33 28/12/2016 Sim Sim
8863.00044.500-5

142
RIP Dionísio
SC R$3.936,60 R$1.872.424,88 4/7/2016 Sim Sim
8097.00003.500-5 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$76.188,77 29/12/2015 Sim Sim
8097.00005.500-6 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$154.295,23 29/12/2015 Sim Sim
8097.00006.500-1 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$154.295,23 29/12/2015 Sim Sim
8097.00007.500-7 Cerqueira
RIP 8097.00008- Dionísio
SC R$154.295,23 29/12/2015 Sim Sim
500-2 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$134.376,40 29/12/2015 Sim Sim
8097.00009.500-8 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$109.835,90 29/12/2015 Sim Sim
8097.00010.500-3 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$102.827,16 29/12/2015 Sim Sim
8097.00011.500-9 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$105.164,14 29/12/2015 Sim Sim
8097.00012.500-4 Cerqueira
RIP
Itajaí SC R$19.423,48 R$948.765,60 29/12/2015 Sim Sim
8161.00004.500-6
RIP
Joinville SC R$10.506,16 R$982.314,67 29/12/2015 Sim Sim
8179.00070.500-9
RIP Dionísio
SC R$103.878,81 29/12/2015 Sim Sim
8097.00013.500-0 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$123.859,99 29/12/2015 Sim Sim
8097.00014.500-5 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$128.934,84 29/12/2015 Sim Sim
8097.00015.500-0 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$84.393,71 29/12/2015 Sim Sim
8097.00016.500-6 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$17.582,03 29/12/2015 Sim Sim
8097.00017.500-1 Cerqueira
Sim
RIP Dionísio
SC R$11.334,36 29/12/2015 Sim
8097.00018.500-7 Cerqueira

143
RIP Dionísio
SC R$108.003,23 29/12/2015 Sim Sim
8097.00020.500-8 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$125.626,73 29/12/2015 Sim Sim
8097.00021.500-3 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$99.858,95 29/12/2015 Sim Sim
8097.00022.500-9 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$72.483,15 29/4/2016 Sim Sim
8097.00023.500-4 Cerqueira
RIP Dionísio
SC R$164.051,18 29/12/2015 Sim Sim
8097.00025.500-5 Cerqueira
RIP
Florianópolis SC R$24.588,60 1/2/2016 Sim Sim
8105.00135.500-8 R$16.318.341,82
RIP
Florianópolis SC R$4.254,50 R$2.908.089,53 29/12/2015 Sim Sim
8105.00439.500-0
RIP
Florianópolis SC R$548.264,64 29/12/2015 Sim Sim
8105.00484.500-6
RIP
Lages SC R$8.894,25 R$2.595.207,79 29/4/2016 Sim Sim
8183.00076.500-0
1 -Não houve reforma.
2 – O terreno foi incorporado ao
RIP acervo patrimonial desta SR/PF/SE,
Aracaju SE R$36.596,65 R$1.541.008,87 29/10/2013 Sim Não em 06/07/2016, já com a avaliação
3105.00267.500-9
vencida, mas em janeiro de 2017, será
regularizada
RIP
Bauru SP R$67.849,20 R$9.228.501,89 01/12/16 Sim Sim
6219.0276.500-0
RIP Presidente
SP R$128.471,32 R$2.112.135,63 01/12/16 Sim Sim
6929.00045.500-6 Prudente
RIP
Ribeirão Preto SP R$476.083,84 01/12/16 Sim Sim
6969.00041.500-3
RIP
Santos SP R$253.725,84 R$1.719.492,95 01/12/16 Sim Sim
7071.00795.500-3
RIP São José Do Rio
SP R$252.490,00 01/12/16 Sim Sim
7097.00156.500-2 Preto
RIP São José Do Rio
SP R$242.446,64 01/12/16 Sim Sim
7097.00162.500-5 Preto
RIP São José Do Rio
SP R$281.400,00 01/12/16 Sim Sim
7097.00160.500-4 Preto
144
RIP
São Paulo SP R$2.292.180,68 R$78.034.003,00 01/12/16 Sim Sim
7107.01060.500-4
RIP
São Paulo SP R$10.943.043,00 01/12/16 Sim Sim
7107.00390.500-6
RIP
São Paulo SP R$7.732.186,00 01/12/16 Sim Sim
7107.00492.500-0
RIP
Palmas TO R$2.063.859,33 09/10/15 Sim Sim
9733.00383.500-6
RIP
Gurupi TO R$196.000,00 09/10/15 Sim Sim
9385.00012.500-5

145
Quadro 29: Cessão de espaço para terceiros
9701.22323.500-0
RIP
Caracterização do
imóvel Objeto de Rodovia DF 001 Km 02 / Setor Habitacional Taquari - Lago Norte / CEP
Cessão Endereço 71559-900 / Brasília-DF

17.008.737.0001-53
CNPJ
Identificação do
DMI - Comércio de Alimentos e Bebidas Ltda (tipo de negócio:
Cessionário Nome ou Razão
Lanchonete)
Social
Licitação - Contrato nº 05/2016 - ANP/DGP, decorrente do Pregão
Forma de Seleção
Eletrônico nº 3/2016 - ANP/DGP.
do Cessionário
Valores e
Valor mensal de R$ 671,72, se estiver ocorrendo Curso de Formação
Benefícios
Profissional - CFP. Se não tiver CFP, o valor mensal será de R$ 201,56.
recebidos pela UJ
Cedente
Caracterização da Tratamento
Os valores e benefícios são depositados na conta única do Tesouro por
Cessão Contábil dos
meio de Guia de Recolhimento da União - GRU.
Valores ou
Benefícios
Os recursos são contabilizados no montante arrecadado pela PF durante
Forma de utilização o exercício e farão parte do cálculo de eventuais excessos de arrecadação
dos Recursos no período ou comporão eventual superávit financeiro apurado no
Recebidos balanço patrimonial do exercício anterior.

9701.22323.500-0
RIP
Caracterização do
imóvel Objeto de Rodovia DF 001 Km 02 / Setor Habitacional Taquari - Lago Norte / CEP
Cessão Endereço 71559-900 / Brasília-DF

17.790.280/0001-56
CNPJ
Identificação do
Cessionário Nome ou Razão RMP - Romero - EPP (tipo de negócio: Restaurante)
Social
Licitação - Contrato nº 06/2015 - ANP/DGP, decorrente do Pregão
Forma de Seleção
Eletrônico nº 03/2015 - ANP/DGP.
do Cessionário
Valores e Valor mensal de R$ 5.297,00, se estiver ocorrendo Curso de Formação
Benefícios Profissional - CFP. Se não tiver CFP, o valor mensal será de R$
recebidos pela UJ 1.589,10.
Cedente
Caracterização da Tratamento
Os valores e benefícios são depositados na conta única do Tesouro por
Cessão Contábil dos
meio de Guia de Recolhimento da União - GRU.
Valores ou
Benefícios
Os recursos são contabilizados no montante arrecadado pela PF durante
Forma de utilização o exercício e farão parte do cálculo de eventuais excessos de arrecadação
dos Recursos no período ou comporão eventual superávit financeiro apurado no
Recebidos balanço patrimonial do exercício anterior.

RIP 9701.32583.500-6

146
Caracterização do Endereço Edifício do Instituto Nacional de Criminalística - SAIS Quadra 7 Lote 23
imóvel objeto de Setor Policial Sul DITEC/DPF
Cessão
Identificação do CNPJ 00000000/4120-31
Cessionário
Nome ou Razão Banco do Brasil S/A
Social
Caracterização da Forma de Seleção Cessão de uso de área
Cessão do Cessionário
Valores e 2050,44
Benefícios
recebidos pela UJ
Cedente
Tratamento Receita ( GRU - código de recolhimento 18815-8)
Contábil dos
Valores ou
Benefícios
Forma de utilização Ressarcimento ao Tesouro
dos Recursos
Recebidos

1389.00460.500-0
Caracterização do RIP
imóvel Objeto de
Av. Borges de Melo n° 820, térreo - Fátima. CEP 60.415-510
Cessão Endereço
10.520.135/0001-31
CNPJ
Identificação do
Cessionário Nome ou Razão
Maria Alves Cavalcante Almeida - ME
Social
Forma de Seleção Licitação na modalidade Pregão Eletrônico (n° 09/2015) e subsequente
do Cessionário contrato n° 01/2016 SR/PF/CE. Processo n° 08270.025162/2015-77.
Valores e
Recolhimento mensal: R$ 551,43 (quinhentos e cinquenta e um reais e
Benefícios
quarenta e três centavos). Recolhimento anual R$ 6.617.16 (seis mil,
recebidos pela UJ
seiscentos e dezessete reais e dezesseis centavos).
Cedente
Caracterização da Tratamento
Cessão Contábil dos Os valores e benefícios são depositados na Conta Única do Tesouro
Valores ou Nacional, por intermédio de Guia de Recolhimento da União (GRU).
Benefícios
Os recursos são contabilizados no montante arrecadado pela Polícia
Forma de utilização
Federal, durante o exercício, e farão parte do cálculo de eventuais
dos Recursos
excessos de arrecadação no período, ou comporão eventual superávit
Recebidos
financeiro, apurado no balanço patrimonial do exercício anterior.

1389.00460.500-0
Caracterização do RIP
imóvel Objeto de
Av. Borges de Melo n° 820, térreo - Fátima. CEP 60.415-510
Cessão Endereço
03.620.772/0001-14
CNPJ
Identificação do
Cessionário Nome ou Razão Cooperativa de Crédito Mútuo dos Policiais Federais e Servidores da
Social União do Estado do Ceará
Caracterização da Forma de Seleção Licitação na modalidade Tomada de Preços (n° 02/2015) e subsequente
Cessão do Cessionário contrato n° 06/2016 SR/PF/CE. Processo n° 08270.018933/2015-70.

147
Valores e
Benefícios Recolhimento mensal: R$ 475,00 (quatrocentos e setenta e cinco reais).
recebidos pela UJ Recolhimento anual: R$ 5.700,00 (cinco mil e setecentos reais).
Cedente
Tratamento
Contábil dos Os valores e benefícios são depositados na conta única do tesouro
Valores ou nacional, por intermédio de Guia de Recolhimento da União (GRU).
Benefícios
Os recursos são contabilizados no montante arrecadado pela Polícia
Forma de utilização
Federal, durante o exercício, e farão parte do cálculo de eventuais
dos Recursos
excessos de arrecadação no período, ou comporão eventual superávit
Recebidos
financeiro apurado no balanço patrimonial do exercício anterior.

Caracterização do RIP 5703.00043.500-3


imóvel Objeto de Rua Vale do Rio Doce, 01 São Torquato, Vila Velha/ES, CEP 29114-
Endereço
Cessão 105
CNPJ Nº 02.083.914/0001-99
Identificação do
Nome ou Razão Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos servidores do DPF/ES -
Cessionário
Social FEDERALCRED
Forma de Seleção
Cessão de uso onerosa
do Cessionário
Valores e
Benefícios Aluguel R$ 837,11 mensal (R$10.045,32 anual); rateio de despesas:
recebidos pela UJ média de R$ 861,00 mensal (R$ 10.332,00 anual)
Cedente
Caracterização da Pagamento do valor do aluguel e participação proporcional no rateio das
Tratamento
Cessão despesas com manutenção, conservação e vigilância do prédio, despesas
Contábil dos
inerentes aos serviços públicos de água, esgoto, coleta de lixo.
Valores ou
Pagamento da despesa de seu próprio consumo de energia elétrica e
Benefícios
telefone
Forma de utilização O recurso referente ao aluguel é destinado ao Tesouro Nacional. O valor
dos Recursos referente ao rateio de despesas volta para a conta de contratos desta
Recebidos SR/PF/ES

Caracterização do RIP 5703.00043.500-3


imóvel Objeto de Rua Vale do Rio Doce, 01 São Torquato, Vila Velha/ES, CEP 29114-
Endereço
Cessão 105
CNPJ Nº 00.000.000/3827-01
Identificação do
Nome ou Razão
Cessionário Banco do Brasil S.A.
Social
Forma de Seleção
Cessão de uso onerosa
do Cessionário
Valores e
Benefícios Aluguel R$ 1.095,43 mensal (R$ 13.145,16 anual); rateio de despesas:
recebidos pela UJ média de R$ 1.364,00 mensal (R$ 16.368,00 anual)
Cedente
Caracterização da Pagamento do valor do aluguel e participação proporcional no rateio das
Tratamento
Cessão despesas com manutenção, conservação e vigilância do prédio, despesas
Contábil dos
inerentes aos serviços públicos de água, esgoto e coleta de lixo.
Valores ou
Pagamento da despesa de seu próprio consumo de energia elétrica e
Benefícios
telefone
Forma de utilização O recurso referente ao aluguel é destinado ao Tesouro Nacional. O valor
dos Recursos referente ao rateio de despesas volta para a conta de contratos desta
Recebidos SR/PF/ES

RIP 5703.00043.500-3

148
Caracterização do
Rua Vale do Rio Doce, 01 São Torquato, Vila Velha/ES, CEP 29114-
imóvel Objeto de Endereço
105
Cessão
CNPJ Nº 00.360.305/0001-04
Identificação do
Nome ou Razão
Cessionário Caixa Econômica Federal
Social
Forma de Seleção
Contrato de comodato a título oneroso
do Cessionário
Valores e
Benefícios
R$ 76,15 mensal (anual R$ 913,80)
recebidos pela UJ
Cedente
Caracterização da
Tratamento
Cessão Pagamento das despesas relativas à manutenção da infraestrutura do
Contábil dos
imóvel, tais como impostos, taxas, tarifas de utilização de água e energia
Valores ou
elétrica
Benefícios
Forma de utilização O recurso referente ao alugue l é destinado ao Tesouro Nacional. O
dos Recursos valor referente ao rateio de despesas volta para a conta de contratos
Recebidos desta SR/PF/ES

Caracterização do RIP 4123.00735.500-6 (RIP Utilização)


imóvel Objeto de Rua Nascimento Gurgel, nº 30, bairro Gutierrez, andar térreo, Belo
Endereço
Cessão Horizonte/MG
CNPJ 00.000.000/4780-59
Identificação do
Nome ou Razão
Cessionário BANCO DO BRASIL S/A
Social
Forma de Seleção Dispensa de Licitação nº 012/2011-SR/PF/MG, Processo nº
do Cessionário 08350.008384/2011-10 - posto de autoatendimento do Banco do Brasil
Pagamento Mensal de R$ 73,50 com vencimento no 10º dia, com
Valores e
apuração anual pelo INPC. Benefícios: atendimento bancário para
Benefícios
servidores do DPF no interior do edifício sede, tendo em vista a grande
recebidos pela UJ
quantidade de servidores policiais e administrativos que possuem conta
Cedente
Caracterização da bancária naquela instituição.
Cessão Tratamento
Pagamento efetuado via GRU, para a Unidade Arrecadadora 015-9 –
Contábil dos
SR/PF/MG – SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE
Valores ou
MINAS GERAIS, UG 200350.
Benefícios
Forma de utilização
dos Recursos Não há gestão de receitas nessa UG.
Recebidos

Caracterização do RIP 4123.00736.500-1 (RIP Utilização)


imóvel Objeto de Rua Nascimento Gurgel, nº 30, bairro Gutierrez, andar térreo, Belo
Endereço
Cessão Horizonte/MG
CNPJ 00.360.305/0001-04
Identificação do
Nome ou Razão
Cessionário CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Social
Forma de Seleção Dispensa de Licitação nº 014/2009-SR/PF/MG, Processo nº
do Cessionário 08350.011269/2009-08
Pagamento Mensal de R$ 30,54 para instalação de posto de
Valores e autoatendimento, de R$ 740,88 para uso de agência bancária e R$
Caracterização da Benefícios 247,50 para rateio de despesas - com apuração anual pelo INPC.
Cessão recebidos pela UJ Benefícios: atendimento bancário para servidores do DPF no interior do
Cedente edifício sede, tendo em vista a grande quantidade de servidores policiais
e administrativos que possuem conta bancária naquela instituição.
Tratamento Pagamento efetuado via GRU ou Depósito em Dinheiro para a SRMG
Contábil dos via GRU, para a Unidade Arrecadadora 015-9 – SR/PF/MG, UG

149
Valores ou 200350.
Benefícios
Forma de utilização
dos Recursos Não há gestão de receitas nessa UG.
Recebidos

Caracterização do RIP 4123.00737.500-7 (RIP Utilização)


imóvel Objeto de Rua Nascimento Gurgel, nº 30, bairro Gutierrez, edifício anexo à sede
Endereço
Cessão principal, Belo Horizonte/MG
CNPJ 08.306.456/0001-96
Identificação do
Nome ou Razão ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA POLÍCIA FEDERAL EM
Cessionário
Social BELO HORIZONTE - ANSEF
Forma de Seleção Concorrência nº 01/2010-SR/PF/MG, Processo nº 08350.003079/2010-
do Cessionário 42
Valores e Pagamento Mensal de R$ 419,72 para uso do espaço da Associação e R$
Benefícios 510,39 para rateio de despesas - com apuração anual pelo INPC.
recebidos pela UJ Benefícios: atendimento aos servidores públicos policiais e
Cedente administrativos que possuem conta bancária naquela instituição.
Caracterização da
Tratamento
Cessão Pagamento efetuado via GRU ou Depósito em Dinheiro para a SRMG
Contábil dos
via GRU, para a Unidade Arrecadadora 015-9 – SR/PF/MG, UG
Valores ou
200350.
Benefícios
Forma de utilização
dos Recursos Não há gestão de receitas nessa UG.
Recebidos

Caracterização do RIP 4123.00738.500-2 (RIP Utilização)


imóvel Objeto de Rua Nascimento Gurgel, nº 30, bairro Gutierrez, edifício anexo à sede
Endereço
Cessão principal, Belo Horizonte/MG
CNPJ 01.760.242/0001-46
SICOOB NOSSACOOP – Cooperativa de Economia e Crédito dos
Identificação do
Nome ou Razão Empregados das Instituições de Ensino Superior e Pesquisas Científica e
Cessionário
Social Tecnológica e dos Servidores do Ministério do Trabalho e Emprego de
Minas Gerais Ltda.
Forma de Seleção Concorrência nº 02/2012-SR/PF/MG, Processo nº 08350.020177/2012-
do Cessionário 14
Valores e Pagamento Mensal de R$ 486,00 para uso do espaço da Cooperativa e
Benefícios R$ 389,32 para rateio de despesas - com apuração anual pelo INPC.
recebidos pela UJ Benefícios: atendimento aos servidores públicos policiais e
Cedente administrativos que possuem conta bancária naquela instituição.
Caracterização da
Tratamento
Cessão Pagamento efetuado via GRU ou Depósito em Dinheiro para a SRMG
Contábil dos
via GRU, para a Unidade Arrecadadora 015-9 – SR/PF/MG, UG
Valores ou
200350.
Benefícios
Forma de utilização
dos Recursos Não há gestão de receitas nessa UG.
Recebidos

Caracterização do RIP 2531.00008.500-9


imóvel Objeto de
Endereço Sala de 20m2 na Av. Cais do Apolo, n° 321, Bairro do Recife
Cessão
CNPJ 00.000.000/0001-91
Identificação do
Nome ou Razão
Cessionário Banco do Brasil S/A
Social
Caracterização da Forma de Seleção
Onerosa (contrato 11/2013)
Cessão do Cessionário

150
Valores e
Benefícios
5162,88
recebidos pela UJ
Cedente
Tratamento
Contábil dos
Rateio de despesas de água, energia elétrica, limpeza e segurança.
Valores ou
Benefícios
Forma de utilização
dos Recursos Devolução ao tesouro.
Recebidos

Caracterização do RIP 2531.00008.500-9


imóvel Objeto de
Endereço Sala de 20m2 na Av. Cais do Apolo, n° 321, Bairro do Recife
Cessão
CNPJ 00.360.305/0001-04
Identificação do
Nome ou Razão
Cessionário Caixa Econômica Federal
Social
Forma de Seleção
Onerosa (contrato 13/2013)
do Cessionário
Valores e
Benefícios
5162,88
recebidos pela UJ
Cedente
Caracterização da
Tratamento
Cessão
Contábil dos
Rateio de despesas de água, energia elétrica, limpeza e segurança.
Valores ou
Benefícios
Forma de utilização
dos Recursos Devolução ao tesouro.
Recebidos

Caracterização do RIP 1761.00006.500-7


imóvel Objeto de Área de 3m2, localizada no Andar Térreo do Prédio situado na Rua Dr.
Endereço
Cessão Lauro Pinto, 155 – Bairro Lagoa Nova – Natal/RN.
CNPJ 00.360.305/0001-04
Identificação do
Nome ou Razão
Cessionário Caixa Econômica Federal
Social
Inexigibilidade de licitação: Contrato 13/2016-SR/PF/RN. Vigência: 60
Forma de Seleção
meses a contar de 1º de dezembro de 2016. Cessão de uso de espaço
do Cessionário
público onerosa.
Valores e
Benefícios
Aluguel: R$ 320,00 + Rateio: R$ 61,73 = R$ 381,73
recebidos pela UJ
Cedente
Os benefícios recebidos são depositados na Conta Única do Tesouro
Nacional por meio de pagamento de Guia de Recolhimento da União, no
Caracterização da Tratamento código de recolhimento do Tesouro Nacional 28802 (Receita de
Cessão Contábil dos Aluguéis), na unidade gestora 200336 – Coordenação de Orçamento e
Valores ou Finanças do DPF. Após o recolhimento, o SIAFI registra uma Variação
Benefícios Patrimonial Aumentativa do valor correspondente na conta contábil
413110000 – Aluguéis, com contrapartida, a débito, na Conta Única do
Tesouro Nacional.
Os recursos são contabilizados no montante arrecadado pelo DPF
Forma de utilização durante o exercício e farão parte do cálculo de eventual excesso de
dos Recursos arrecadação no período ou comporão eventual superávit financeiro
Recebidos apurado no Balanço Patrimonial do Exercício anterior. Esses recursos
servirão de fontes para abertura de créditos suplementares (Lei nº
151
4.320/64: art. 43, § 1º, III e IV) e/ou créditos especiais. (Lei nº 4.320/64:
art. 43, § 1º, II e § 3º).

Caracterização do RIP 1761.00006.500-7


imóvel Objeto de
Endereço Rua João Celso Filho, 2532 – Bairro Lagoa Nova – Natal/RN.
Cessão
CNPJ 04.412.778/0001-69
Identificação do
Nome ou Razão Associação Norte-rio-grandense dos Servidores do Departamento de
Cessionário
Social Polícia Federal – ASPOFERN
Forma de Seleção
Inexigibilidade de Licitação
do Cessionário
Não se aplica (Cláusula Terceira, item “e” do Contrato dispõe que o
Valores e cessionário deverá arcar com “... despesas de fornecimento de energia
Benefícios elétrica e água, manutenção, conservação e vigilância, decorrentes da
recebidos pela UJ regular utilização do imóvel e de suas atividades, informando
Cedente mensalmente à Administração os valores efetivamente pagos,
Caracterização da
apresentando os documentos comprobatórios de quitação”).
Cessão
Tratamento
Contábil dos
Não se aplica.
Valores ou
Benefícios
Forma de utilização
dos Recursos Não se aplica.
Recebidos

Caracterização do RIP 1761.00006.500-7


imóvel Objeto de Área de 27,10m2, localizada no Andar Térreo do Prédio situado na Rua
Endereço
Cessão Dr. Lauro Pinto, 155 – Bairro Lagoa Nova – Natal/RN.
CNPJ 00.000.000/4090-81
Identificação do
Nome ou Razão
Cessionário Banco do Brasil S.A.
Social
Forma de Seleção Inexigibilidade de licitação: Contrato S/N - Vigência: 01/07/2012 a
do Cessionário 30/06/2017. Cessão de uso de espaço público onerosa.
Valores e De janeiro a junho de 2016 R$ 1.102,41 (hum mil, cento e dois reais e
Benefícios quarenta e hum centavos) mensais.
recebidos pela UJ A partir de julho de 2016 o valor foi reajustado para R$ 1.237,12 (hum
Cedente mil, duzentos e trinta e sete reais e doze centavos).
Os benefícios recebidos são depositados na Conta Única do Tesouro
Nacional por meio de pagamento de Guia de Recolhimento da União, no
Tratamento código de recolhimento do Tesouro Nacional 28802 (Receita de
Contábil dos Aluguéis), na unidade gestora 200336 – Coordenação de Orçamento e
Caracterização da
Valores ou Finanças do DPF. Após o recolhimento, o SIAFI registra uma Variação
Cessão
Benefícios Patrimonial Aumentativa do valor correspondente na conta contábil
413110000 – Aluguéis, com contrapartida, a débito, na Conta Única do
Tesouro Nacional.
Os recursos são contabilizados no montante arrecadado pelo DPF
durante o exercício e farão parte do cálculo de eventual excesso de
Forma de utilização arrecadação no período ou comporão eventual superávit financeiro
dos Recursos apurado no Balanço Patrimonial do Exercício anterior. Esses recursos
Recebidos servirão de fontes para abertura de créditos suplementares (Lei nº
4.320/64: art. 43, § 1º, III e IV) e/ou créditos especiais. (Lei nº 4.320/64:
art. 43, § 1º, II e § 3º).

Caracterização do RIP 8801.00577.500-3


imóvel Objeto de
Endereço Av. Ipiranga, n° 1365, Porto Alegre/RS, CEP 90.160-093
Cessão
CNPJ 03.000.142/0001-47

152
Nome ou Razão
SICREDIPOL
Identificação do Social
Cessionário Atividade ou Ramo
Cooperativa de crédito
de Atuação
Forma de Seleção
Inexigibilidade
do Cessionário

Finalidade do Uso Agência


do Espaço Cedido

Prazo da Cessão 01/10/2012 a 30/09/2017


Cessão onerosa de área de 55,26 m² localizado no pavimento térreo da
Caracterização do
SR/PF/RS, no saguão de atendimento da Delegacia de Imigração da
Caracterização da espaço cedido
Regional
Cessão Valores e
Benefícios
recebidos pela UJ
Cedente
Tratamento
Os valores pagos não são recebidos pela SR/PF/RS e sim pagos em
Contábil dos
conta única da União.
Valores ou
Benefícios
Forma de utilização
dos Recursos
Recebidos

Caracterização do RIP 8801.00577.500-3


imóvel objeto de
Endereço Av. Ipiranga, n° 1365, Porto Alegre/RS, CEP 90.160-093
Cessão
Identificação do CNPJ 00.360.305/0001-04
Cessionário
Nome ou Razão CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Social
Atividade ou Ramo Bancária
de Atuação
Caracterização da Forma de Seleção Contratação direta (dispensa de licitação)
Cessão do Cessionário
Finalidade do Uso Agência bancária
do Espaço Cedido
Prazo da Cessão 01/05/2011 a 30/09/2016
Caracterização do Cessão onerosa de área de 44,69 m² localizado no pavimento térreo da
espaço cedido SR/PF/RS, no saguão de atendimento da Delegacia de Imigração desta
Regional
Valores e
Benefícios
recebidos pela UJ
Os valores pagos não são recebidos pela SR/PF/RS e sim pagos em conta
Cedente
única da União..
Tratamento
Contábil dos
Valores ou
Benefícios

153
Forma de utilização
dos Recursos
Recebidos
Caracterização do RIP 8105 00135.500-8
imóvel objeto de
Endereço Av. Paschoal Apóstolo, 4.744, Florianópolis/SC
Cessão
Identificação do CNPJ 00.000.000/5833-59
Cessionário
Nome ou Razão BANCO DO BRASIL
Social
Atividade ou Ramo Bancária
de Atuação
Caracterização da Forma de Seleção Inexigibilidade de licitação
Cessão do Cessionário
Valores e 25789,03
Benefícios
recebidos pela UJ
Cedente
Tratamento Recolhimento Receita – 067-1 – COD STN 288020
Contábil dos
Valores ou
Benefícios
Forma de utilização . Custeio - Tesouro
dos Recursos
Recebidos

Caracterização do RIP 7107.01060.500-4


imóvel objeto de
Cessão Endereço Rua Hugo D’Antola nº 95, CEP: 05038-090, São Paulo, SP

Identificação do CNPJ 00.000.000/3992-64


Cessionário
Nome ou Razão Banco do Brasil
Social
Atividade ou Ramo Serviços Bancários
de Atuação
Caracterização da Forma de Seleção Inexigibilidade de licitação nº 13/2012
Cessão do Cessionário
Finalidade do Uso Posto Bancário conforme Inciso I do Art. 12 do Decreto 3.725 de 10 de
do Espaço Cedido Janeiro de 2001
Prazo da Cessão 60 meses – Data término da cessão 27/03/2018

Caracterização do Área de 72,64 m2 (setenta e dois metros quadrados e sessenta e quatro


espaço cedido centímetros quadrados) no segundo andar do edifício sede da
Superintendência Regional de Policia Federal em São Paulo
Valores e Pagamento Mensal Estimado de R$ 2.100,00 (dois mil e cem reais) em
Benefícios favor da Conta Única do Tesouro Nacional
recebidos pela UJ
Cedente

154
Tratamento . Anulação de despesas do exercício
Contábil dos
Valores ou
Benefícios
Forma de utilização . Retorno à Nota de Empenho despesas
dos Recursos
Recebidos
Forma de Rateio dos Taxa de ocupação, despesas com serviço de manutenção do prédio,
Gastos vigilância e limpeza, consumo estimado de água e esgoto, consumo
Relacionados ao estimado de energia elétrica.
Imóvel

Caracterização do RIP 7107.01060.500-4


imóvel objeto de
Cessão Endereço Rua Hugo D’Antola nº 95, CEP: 05038-090, São Paulo, SP

Identificação do CNPJ 00.360.305/0001-04


Cessionário
Nome ou Razão Caixa Econômica Federal
Social
Atividade ou Ramo Serviços Bancários
de Atuação
Caracterização da Forma de Seleção Inexigibilidade de licitação nº 15/2011
Cessão do Cessionário
Finalidade do Uso Posto Bancário conforme Inciso I do Art. 12 do Decreto 3.725 de 10 de
do Espaço Cedido Janeiro de 2001
Prazo da Cessão 60 meses – Data término da cessão 08/09/2021

Caracterização do Área de 98,15 m2 (noventa e oito metros quadrados e quinze centímetros


espaço cedido quadrados) no segundo andar do edifício sede da Superintendência
Regional de Policia Federal em São Paulo
Valores e Pagamento Mensal Estimado de R$ 4.269,48 (quatro mil, duzentos e
Benefícios sessenta e nove reais e quarenta e oito centavos) em favor da Conta Única
recebidos pela UJ do Tesouro Nacional.
Cedente
Tratamento Direto à STN
Contábil dos
Valores ou
Benefícios
Forma de utilização Não se aplica
dos Recursos
Recebidos
Forma de Rateio dos Taxa de ocupação, despesas com serviço de manutenção do prédio,
Gastos vigilância e limpeza, consumo estimado de água e esgoto, consumo
Relacionados ao estimado de energia elétrica.
Imóvel

155
Caracterização do RIP 7107.01060.500-4
imóvel objeto de
Cessão Endereço Rua Hugo D’Antola nº 95, CEP: 05038-090, São Paulo, SP

Identificação do CNPJ 43.419.613/0096-31


Cessionário
Nome ou Razão Ordem Dos Advogados Do Brasil - Secção De São Paulo - Sub Secção
Social Lapa
Atividade ou Ramo Atividades de organizações associativas profissionais
de Atuação
Caracterização da Forma de Seleção Inexigibilidade de licitação nº 15/2013
Cessão do Cessionário
Finalidade do Uso Apoio aos advogados para exercício da profissão, tais como solicitação
do Espaço Cedido de documentos, extração de copias dos inquéritos que tramitam junto a
SR/PF/SP, digitalização de documentos, utilização de computadores para
peticionamento como também impressão
Prazo da Cessão 36 meses - – Data término da cessão 18/03/2017

Caracterização do Área de 27,14 m2 (vinte e sete metros quadrados e quatorze centímetros


espaço cedido quadrados) no segundo andar do edifício sede da Superintendência
Regional de Policia Federal em São Paulo
Valores e Pagamento Mensal Estimado de R$ 575,29 (quinhentos e setenta e cinco
Benefícios reais e vinte e nove centavos) em favor da Conta Única do Tesouro
recebidos pela UJ Nacional.
Cedente
Tratamento Anulação de despesas do exercício.
Contábil dos
Valores ou
Benefícios
Forma de utilização Retorno à Nota de Empenho despesas
dos Recursos
Recebidos
Forma de Rateio dos Taxa de ocupação, despesas com serviço de manutenção do prédio,
Gastos vigilância e limpeza, consumo estimado de água e esgoto, consumo
Relacionados ao estimado de energia elétrica.
Imóvel

Caracterização do RIP 7107.01060.500-4


imóvel objeto de
Cessão Endereço Rua Hugo D’Antola nº 95, CEP: 05038-090, São Paulo, SP

Identificação do CNPJ 05.613.379/0001-29


Cessionário
Nome ou Razão Selma Guazzelli Nanni – EPP - Gnanni Food Service - Serviços De
Social Alimentação & Eventos
Atividade ou Ramo Fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para
de Atuação empresas
Caracterização da Forma de Seleção Pregão 01/2013
Cessão do Cessionário

156
Finalidade do Uso Funcionamento do restaurante e lanchonete
do Espaço Cedido
Prazo da Cessão 12 meses prorrogáveis até 60 meses – Data término da cessão 30/06/2017

Caracterização do Área de 44,22 m2 (quarenta e quatro metros quadrados e vinte e dois


espaço cedido centímetros quadrados) no primeiro andar, para serviço de lanchonete, e
área com 243,33 m2 (duzentos e quarenta e três metros quadrados e trinta
e três centímetros quadrados, no quarto andar, para serviço de restaurante,
ambas as áreas no edifício sede da Superintendência Regional de Policia
Federal em São Paulo
Valores e Pagamento Mensal Total Estimado de R$ 4.486,54 (quatro mil,
Benefícios quatrocentos e oitenta e seis reais e cinquenta e quatro centavos) em favor
recebidos pela UJ da Conta Única do Tesouro Nacional.
Cedente
Tratamento Anulação de despesas do exercício
Contábil dos
Valores ou
Benefícios
Forma de utilização Retorno à Nota de Empenho despesas
dos Recursos
Recebidos
Forma de Rateio dos Taxa de ocupação R$ 300,00 / despesas com serviço de manutenção do
Gastos prédio, vigilância e limpeza R$ 3.580,00 / consumo estimado de água e
Relacionados ao esgoto R$ 1.494,00 / consumo estimado de energia elétrica R$ 2.341,65.
Imóvel

O controle e a gestão do patrimônio imobiliário são responsabilidade, nas unidades centrais


da Polícia Federal, do Setor de Patrimônio - SEPAT/DMAT/COAD/DLOG. Nas descentralizadas, o Setor
de Administração e Logística Policial – SELOG executa essa tarefa. A estrutura de controle e gestão dos
imóveis conta ainda com o suporte técnico dos GTEDs - Grupos Técnicos de Edificações, criados no âmbito
de subordinação das Superintendências Regionais, onde atuam servidores desenvolvendo atividades
arroladas na Instrução Normativa nº 05/2009-DG/DPF de 14/04/2009.

O controle e a gestão do patrimônio são realizados por meio dos registros no Sistema de
Gerenciamento do Patrimônio Imobiliário – SPIUnet, em conformidade com as determinações do MPOG.
São realizadas reavaliações periódicas nos prazos estabelecidos no referido sistema. Os registros contábeis
são lançados no SIAFI em conformidade com SPIUnet.

Além das informações constantes nos quadros acima, algumas unidades acrescentaram as
seguintes observações no tocante à gestão do patrimônio imobiliário:

A UG 200346 (SR/PF/BA) identificou como risco na gestão o estado dos imóveis de


Salvador e Ilhéus que são muito antigos e demandam constantes manutenções. Em observância a essa
situação, o processo de reforma da SR/BA está em andamento e estudos estão sendo realizados para
melhorar a infraestrutura em Ilhéus.

A UG 200350 (SR/PF/MG) informou que atualmente a SRMG não tem Contrato de


Manutenção Predial e de Ar Condicionado, dificultando a gestão sobre os imóveis, dependendo em grande
parte de recursos provenientes de Suprimento de Fundos e Registros de Preços realizados junto ao SELOG.
O GTED está envidando esforços para possibilitar a contratação dos modelos firmados pela PF em Brasília,
157
mas com grande dificuldade de aprovação pela AGU. Foi encontrado modelo de manutenção do TCU que
tem aprovação parcial da AGU, dependendo de ajustes para possibilitar a contratação via processo
licitatório. Essa versão já é a quinta, mas acredita-se que com pequenos ajustes, o modelo seja aprovado
em até 30 dias, estimando o início do contrato para meados de maio/2017.

A UG 200354 (SR/PF/MS) apresentou como riscos, o espaço físico insuficiente, tanto para
a Sede em Campo Grande, como para as delegacias de Corumbá e Ponta Porã. Diante disso, está em
execução pela Sede da PF em Brasília o projeto de construção das novas delegacias de Corumbá e Ponta
Porã. Além disso, são solicitados anualmente recursos para ampliação da Sede da Superintendência
Regional em Campo Grande.

A UG 200374 (SR/PF/MT) informou que, no tocante as despesas com manutenção das


unidades vinculadas à SR/PF/MT, no ano de 2016 não tiveram contrato de manutenção, uma vez que a
Superintendência em Mato Grosso está passando por processo de licitação para reforma integral da SR,
possível mudança do Setor de Passaporte para o Aeroporto Internacional Marechal. No que se refere às
Avaliações de Imóveis, as mesmas encontram-se vencidas em relação às Descentralizadas e à SR/PF/MT
em razão de os servidores com formação em engenharia e que poderiam efetuar as avaliações estarem
sobrecarregados com as demandas de reformas e mudanças de endereço de unidade, acima mencionadas.

A UG 200384 (SR/PF/RR) destacou que os imóveis localizados na cidade de Pacaraima


(DPF/PAC/RR) e em Bonfim (Posto Avançado) necessitam de aporte de recursos para reforma. O imóvel
situado em Boa Vista (Base Macuxi) também precisa de recursos para reforma.

A UG 200372 (SR/PF/RS) indicou como fatores de risco a falta de servidores com formação
técnica para gestão dos imóveis (engenheiros, arquitetos, etc). A fim de diminuir riscos os servidores que
atualmente fazem a gestão dos imóveis buscam subsídios junto à DLOG/PF, que proporcionou curso de
gestão de imóveis patrimônios da União em anos anteriores e é feito contato com a Secretaria do Patrimônio
da União/MPOG e COF/DLOG/PF buscando orientações. Além do esforço individual dos servidores
envolvidos (SR e Descentralizadas) em atender as demandas com os meios disponíveis (consulta ao
Executivo Municipal, Cartórios e imobiliárias).

A UG 200370 (SR/PF/SC) apresentou como dificuldade de gestão as restrições


orçamentárias para custeio de despesas com manutenção de imóveis. As reformas dependem da
descentralização dos recursos pela unidade central após a avaliação do Plano de Obras, encaminhado por
cada unidade da Federação, anualmente, versus as limitações da LOA para tal ação. A UG, para minimizar
a carência de reformas e manutenções, atua pontualmente nas demandas de cada delegacia do interior, a
fim de garantir no mínimo a segurança orgânica dos espaços de trabalho da PF em SC.

5.3. Gestão da tecnologia da informação

5.3.1 Principais sistemas de informações

Descrição dos principais sistemas de informação da CGTI, especificando pelo menos seus
objetivos, principais funcionalidades, responsável técnico, responsável da área de negócio e criticidade para
a unidade.

158
Quadro 30: Principais sistemas de informação da CGTI
Nome do Responsável Responsável da
sistema Técnico área de negócio Principais funções Criticidade
Área de Negócio
computacion (detalhar) *
al
Solange Berto de Solange Berto de Controle de agendamento
AGENDA Medeiros CGTI/DLOG/PF Medeiros unificado para os serviços 5
prestados pela PF
COPs/MORS Solange Berto de Cleber Abreu Controle de operações
DIREX/PF 4
E Medeiros Borges policiais permanentes
Solange Berto de Antônio Carlos Gestão de recursos
e-GP DGP/PF 5
Medeiros Moriel Sanchez humanos
Solange Berto de Robson Ferreira Administração e logística:
Medeiros Polito controle de almoxarifado,
e-LOG DIREX/PF 3
gestão do patrimônio,
gestão de transporte
Solange Berto de Ricardo Henrique Gestão de atividades
EDUCA Medeiros DGP/PF Pereira acadêmicas da Academia 5
Nacional de Polícia
Solange Berto de Márcio de Moraes
GEPNET CIGE/DG/PF Gestão de projetos 3
Medeiros Palmeira
Solange Berto de Licínio Nunes de Gestão de segurança
GESP DIREX/PF 5
Medeiros Moraes Netto privada
Solange Berto de Sergio Antônio
Consulta integrada às bases
PBR Medeiros DIP/PF Soares Coelho 4
de dados corporativas
Junior
Solange Berto de Antônio Carlos
REF DGP/PF Controle de frequência 5
Medeiros Moriel Sanchez
Solange Berto de Antônio Carlos Controle de processo
REMOC Medeiros DGP/PF Moriel Sanchez seletivo interno de 5
servidores (remoções)
Solange Berto de Alysson Moreira
Acompanhamento de
SAD Medeiros COGER/PF de 5
processo disciplinar
Agostini
Solange Berto de Solange Berto de Sistema de
Medeiros Medeiros acompanhamento do
SAPS/RedMi Processo de Software:
CGTI/DLOG/PF 3
ne gestão de demandas de
desenvolvimento e
sustentação de sistemas
Solange Berto de João Carlos Controle de arrecadação do
SIAR DLOG/PF 5
Medeiros Gonçalves Pereira órgão
Solange Berto de Nelbe Ferraz de Gerenciamento de adoção
SIGAI DIREX/PF 3
Medeiros Freitas internacional
Solange Berto de Tony Gean de Controle de armas:
SINARM Medeiros DIREX/PF Castro aquisição, registro, porte e 5
ocorrências
Solange Berto de Marcos Rosseti
Emissão de antecedentes
SINCAC Medeiros DIREX/PF Picinin Arruda 5
criminais
Vieira
Solange Berto de Flavio Henrique Cadastro e registro de
SINCRE DIREX/PF 5
Medeiros Diniz Oliveira estrangeiros
Solange Berto de Alons
SINDRE Medeiros DICOR/PF o Vinicius Caldas Repressão a entorpecentes 1
Souto
Solange Berto de Marcos Rosseti
Registro de informações
SINIC Medeiros DIREX/PF Picinin Arruda 5
criminais
Vieira
Solange Berto de Hugo Uruguai Gestão de passaporte:
Medeiros Bentes Lobato cadastro e consulta às
SINPA DIREX/PF informações de solicitação, 5
emissão e controle do
passaporte

159
Solange Berto de Hugo Uruguai Gestão de passaporte:
SINPA_WEB DIREX/PF 5
Medeiros Bentes Lobato informações gerenciais
Solange Berto de Hugo Uruguai Cadastro de procurados e
SINPI DIREX/PF 5
Medeiros Bentes Lobato impedidos
Solange Berto de Celso Magalhaes Consolida informações de
SINPRO Medeiros COGER/PF Sena procedimentos cartorários 5
provenientes do SISCART
Solange Berto de Nelbe Ferraz de Controle do tráfego
SINTI DICOR/PF 4
Medeiros Freitas internacional de pessoas
Solange Berto de Tarcisio Jose da Controle de produtos
SIPROQUIM DIREX/PF 5
Medeiros Silva Junior químicos
Solange Berto de Solange Berto de Controle de autenticação de
Medeiros Medeiros usuários, perfis de
SISEG CGTI/DLOG/PF 5
autorização e acesso aos
sistemas corporativos
Solange Berto de Antônio Carlos Gestão de recursos
SRH Medeiros DGP/PF Moriel Sanchez humanos. Disponível 2
apenas para consulta
Solange Berto de Nelbe Ferraz de Controle do tráfego
STI DIREX/PF 5
Medeiros Freitas internacional de pessoas
Solange Berto de Nelson Levy
Medeiros Kneip de Freitas Sistema de controle dos
DIP/PF
SIS Macedo processos de interceptação 2
DICOR/PF
Alonso Vinicius de sinais.
Caldas Souto
Solange Berto de DICOR/PF Joao Vianey Sistema para tratamento de
Medeiros Xavier Filho informações relacionadas ao
SITTEL 1
afastamento judicial de
sigilos protegidos por lei.
Solange Berto de DICOR/PF Alonso Vinicius Sistema para tratamento de
RAVEL Medeiros Caldas Souto informações recebidas de 5
equipamentos rastreadores
Solange Berto de COGER/PF Carlos Eduardo Sistema Cartorário, que
Medeiros Ferrari Cardoso permite a otimização das
SISCART 5
atividades de polícia
judiciária.
Solange Berto de DLOG/PF Robson Ferreira Sistema Eletrônico de
SEI 5
Medeiros Polito Informações
Solange Berto de COGER/PF Joao Vianey Sistema de Inquérito
e-Pol 5
Medeiros Xavier Filho Eletrônico
* Os níveis de criticidade dos sistemas da CGTI foram definidos em uma escala de 1 (não crítico) a 5 (criticidade
máxima).

5.3.2 Informações sobre o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação


(PETI) e sobre o Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI)

a) Descrição sucinta do Plano Estratégico de TI (PETI) e/ou Plano Diretor do TI


(PDTI), apontando o alinhamento destes planos com a Plano Estratégico Institucional.

O Planejamento Estratégico da CGTI para o período 2015/2017 estabelece a missão, os


princípios de trabalho, os objetivos estratégicos e as metas da instituição, os quais servem de balizas para
o PDTI - Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação. O documento está publicado no
Boletim de Serviço 082/2015 de 05/05/2015 e disponível na intranet da CGTI (endereço eletrônico
http://intranet.dpf.gov.br/cgti).

O Plano Diretor de Tecnologia da Informação - PDTI tem como objetivo a priorização de


ações e investimentos na área de Tecnologia da Informação para o biênio de 2015/2016. As ações do PDTI
são definidas pelo CGT - Comitê de Governança em Telemática, alinhando-as ao planejamento estratégico

160
da Polícia Federal. O PDTI foi aprovado pelo CGT e publicado no Boletim de Serviço 082/2015 de
05/05/2015.

b) Descrição das atividades do Comitê Gestor de TI, especificando sua composição,


quantas reuniões ocorreram no período e quais as principais decisões tomadas.

O PDTI 2015/2016 foi aprovado pela Portaria nº 5341-DG/DPF, de 04 de maio de 2015 e


publicado no Boletim de Serviço nº 082/2015 em 05/05/2015, pág. 45.

Seu acompanhamento e evolução ocorreram em encontros mensais, num total de 10


reuniões, de janeiro a dezembro de 2016, cujas atas estão disponíveis em sistemas internos.

Em relação à composição do CGT – Comitê de Governança em Telemática, a Portaria nº


6177-DG/DPF, de 04 de março de 2016 define seus membros, conforme quadro a seguir (nova portaria está
sendo elaborada para alterar novos membros em substituição):

Composição do CGT:

Participantes Representação Diretoria


PCF Marcelo de Azambuja Fortes Efetivo CGTI/DLOG/PF
PCF Delluiz Simões de Brito Suplente CGTI/DLOG/PF
DPF Jairo Souza da Silva Efetivo COGER/PF
DPF Anny Karliene Praciano Cavalcante
Suplente COGER/PF
Fontenele
PCF Alessandro Dias Gonçalves Efetivo DITEC/PF
PCF João Cesar de Oliveira Suplente DITEC/PF
DPF Nelson Levy Kneip de Freitas Macedo Efetivo DIP/PF
DPF Christiane Correa Machado Suplente DIP/PF
EPF Angélica Duarte de Aguiar Efetivo DLOGDPF
EPF Maria Cláudia Schiavolini Corrêa Suplente DLOGDPF
DPF Henrique Silveira Rosa Efetivo DIREXDPF
PPF Carla Moreira Sá de Souza Suplente DIREXDPF
DPF João Vianey Xavier Filho Efetivo DICORDPF
PCF Roberto Feijó Machado Suplente DICORDPF
DPF Décio Pereira de Moura Efetivo DGP/PF
PCF Roberto de Oliveira Garcia Suplente DGP/PF

Dentre as decisões tomadas pelo colegiado no exercício de 2016, cabe destacar:

• Foi apresentado o projeto SRDP Consulta (Sistema de repressão aos desvios de


recursos) elaborado pelo EP/CGTI, sendo nesse ato, aprovado sem restrições pelo CGT.

• A Divisão de Engenharia e Arquitetura – DEA/CGPLAM, da DLOG/PF apresentou


proposta para aquisição e implantação de plataforma de software para projetos de
engenharia - conceito BIM (Building Information Modeling), tendo o CGT aprovado a
inclusão dessa ação no PDTI 2015/2016.

161
• Foi feita uma apresentação pela CGTI ao Comitê do Processo de Análise e Priorização
de Demandas à fila dos slots a vagarem, tendo sido aprovado como fluxo de trabalho a
ser seguido pelo CGT.

• Foi definido que, para que um projeto possa ser analisado e priorizado pelo CGT a área
usuária solicitante deverá, previamente, elaborar documento padronizado pela CGTI,
com todas as informações necessárias para um debate nas reuniões de acompanhamento
do PDTIC.

• O acompanhamento da situação dos projetos foi feito com base nos registros constantes
junto ao GepNet e apresentado pelo Gerente do Escritório de Projetos ao Comitê.

• Foram mapeadas as ações do PDTI 2015/2016 para elaboração do novo período


2017/2018. Os membros do CGT debateram, analisaram, definiram e aprovaram as
ações que deveriam ser retiradas, as que permaneceriam e as novas necessidades que
farão parte do novo PDTIC 2017/2018, cujo artefato está sendo elaborado para
aprovação final e publicação.

c) Descrição do plano de capacitação do pessoal de TI, especificando os treinamentos


efetivamente realizados no período.

O quadro a seguir informa os cursos concedidos para licença capacitação durante o exercício
de 2016:

Quadro 31: Cursos concedidos para licença capacitação do pessoal de TI


Curso Instituição Período Servidor
Direito Administrativo,
Desenvolvimento de equipes, Gestão
Vera Lúcia Costa
Estratégica, Modalidades, tipos e fases Senado Federal 60 dias
Guimarães
da licitação, Excelência no
atendimento
Faifer
Helvio Pereira
Ferramentas de produtividade Office Treinamentos 90 dias
Peixoto
em Informática
Faifer
Sara Lais Lenharo
Web-design Treinamentos 90 dias
Rhal
em Informática
Divulgação de compras, Pregoeiros, Odilon Teles de
Senado Federal 40 dias
Direito administrativo, LAI. Mesquita

Visitas técnicas ocorridas:

Ocorreram as seguintes visitas técnicas, a fim de agregar conhecimento ao processo de


especificação e contratação do sistema AFIS/ABIS, principalmente em relação a temas como características
gerais do sistema, especificação, execução do projeto, migração do legado, capacitação dos servidores,
processos de aceite, garantia e manutenção do sistema biométrico, dentre outros a vários países, sendo eles:

162
• Os servidores Clauber Franco Miranda, Luana Nunes Santana e Sérgio Ramalho
Rezende realizaram visitas na Immigration and Naturalisation Service (IND) dos Países
Baixos (Amsterdã), na Polícia da Finlândia (Helsinki) e a Polícia Nacional da Ucrânia
(Zytomir);

• Os servidores Altamir Araujo Guimarães Júnior, Luís Otávio Gouveia e Daniel da


Silva Carvalho participaram de "Visitas Técnicas de modernização do Sistema AFIS -
Automated Fingerprint Identification System" nos EUA, visitando a sede da US
Identification Network e na sede da NEC, em Sacramento, Califórnia;

• Os servidores Leonardo Garcia Greco, Magda Martins Magalhães e André Luiz de


Almeida Porto realizaram visitas a órgãos de segurança pública aos países Dinamarca
(Danish National Forensic Center), Suécia (Swedish National Police) e França (Ministère de
L’Interieur).

Os servidores Marcelo de Azambuja Fortes, Leonardo Garcia Greco, Sérgio Ramalho


Rezende e Cláudio Rodrigues de Medeiros, em conjunto com a equipe da DIP/PF: Nelson Levy Kneip de
Freitas Macêdo, Paulo Henrique Parísio Lima e Álvaro Camilo Costa, realizaram visitas às empresas
Microsoft em Washington/DC e da IBM em Nova Iorque, bem como ao LMCC da Polícia de Nova Iorque:

• Foram realizadas apresentações de soluções informáticas para cruzamento, análise e


disponibilização de dados em tempo real a equipes policiais em campo;

• Visitas técnicas no Centro de Tecnologia da Microsoft em Reston e Visita ao LMCC


(Lower Manhattan Security Coordination Center) da Polícia de Nova Iorque/EUA, onde foi
feita apresentação da solução Microsoft Aware utilizada pela NYPD;

• Na sede da IBM foram realizadas apresentações da ferramenta Watson, caso de uso


da NCFTA (National Cyber-Forensics & Training Alliance), apresentações das soluções dos
parceiros IBM: Via Appia e Safer Planet, que consolidaram o entendimento de uma
aplicação mais focada ao processamento e cognição de informações coletadas e armazenadas
previamente nos sistemas computacionais da PF, tendo um campo promissor de
modernização nos processos de busca, recuperação e correlação de informações.

Ocorreram os seguintes treinamentos por participação em eventos:

• Os servidores Odilon Teles de Mesquita, Rafael Divino de Souza e Deborah


Rodrigues Afonseca participaram do XI Congresso Brasileiro de Pregoeiros, realizados no
período de 14 a 17 de março de 2016, na cidade Foz do Iguaçu;

• Os servidores Aluísio Sardinha Garcia, José Ronaldo Santos Alcântara, Élcio Inácio
da Silva e Vinícius Marcelino Ilha participaram de treinamento em Radiocomunicação
Tetrapol - Nível Avançado - visando o aperfeiçoamento para operação da rede de rádio para
os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos - Rio 2016.

163
d) Descrição de quantitativo de pessoas que compõe a força de trabalho de TI,
especificando:

1) servidores/empregados efetivos da carreira de TI da unidade: 17 servidores, sendo 14


Agentes de Telecomunicações e Eletricidade, 01 Radiotelegrafista, 01 Programador, 01
Operador de Computador;

2) servidores/empregados efetivos de outras carreiras da unidade: 61 servidores, sendo 37


servidores policiais e 24 servidores administrativos;

3) servidores/empregados efetivos da carreira de TI de outros órgãos/entidades: 06


servidores/empregados, sendo 01 ATI – MPOG, 01 Analista de Sistema – MME, 02
Técnicos de Processamento – MME, 01 Analista de Sistemas – DNPM e 01 Engenheiro
de Telecomunicações – DNPM;

4) servidores/empregados efetivos de outras carreiras de outros órgãos/entidades: 13


servidores/empregados, sendo 01 Auxiliar de Codificação e Conferência – MME, 01
Técnico de Controle e Qualidade – MME, 01 Auxiliar Operacional – MME, 01
Assistente Técnico – MAPA, 01 Auxiliar Técnico Administrativo – IMBEL, 01 Técnico
Industrial Especializado – IMBEL, 01 Auxiliar de Operação – MME, 01 Programador
de Aplicação – MME, 01 Aux. Codificação e Conferência – MME, 01 Assistente
Técnico – MAPA, 01 Auxiliar Administrativo – IMBEL, 01 Digitador – MME e 01
Auxiliar de Controle de Qualidade – MME;

5) terceirizados: não há.

6) estagiários: 01 (contratado pela DGP/PF)

e) Descrição dos processos de gerenciamento de serviços TI implementados na


unidade, com descrição da infraestrutura ou método utilizado.

No ano de 2015, a Coordenação-Geral de TI do Departamento de Polícia Federal


(CGTI/DLOG/PF) realizou planejamento para a contratação de serviços especializados de TI, tendo como
meta a melhoria do gerenciamento dos serviços de TI e o aumento da sua qualidade para os usuários
corporativos.

No início de 2016 entrou em vigência o atual contrato de prestação de serviços


especializados de TI com a empresa ALGAR TECNOLOGIA E CONSULTORIA S.A. O contrato engloba
as atividades de suporte ao usuário e de suporte à infraestrutura de TI.

Desde o início do contrato, os diferentes processos de gerenciamento de serviços de TI, de


acordo com a metodologia ITILv3, passaram por revisões ou aprimoramentos. No estágio atual, houve
sensível evolução no tratamento dado para mudanças e problemas na infraestrutura de TI, e também estão
sendo unificados os repositórios de bases de dados de configuração e de conhecimentos.

Houve também no período de 2016 a adoção e implantação de novo software para tratamento
de demandas e gerenciamento de serviços de TI, o CA Service Desk Manager, o que permitiu a unificação

164
do gerenciamento dos diferentes processos sob encargo da área de infraestrutura de TI, exercida na Polícia
Federal pelo Serviço de Suporte Técnico (SST/DINF/CGTI/DLOG/PF).

A tabela a seguir relaciona o status atual da adoção de processos de gerenciamento


relacionados no ITILv3:

Tabela 42 – Status de implantação de processos


Processo ITILv3 Status de Implantação
Gestão de Incidentes Implantado
Gestão de Problemas Implantado
Gestão de Eventos/Riscos Em Implantação
Gestão de Requisições Implantado
Gestão de liberação e Deployment Implantado
Gestão de Acesso Em implantação
Gestão de Mudanças Implantado
Gestão de Ativos de Hardware e Software Implantado
Gestão de Configuração Implantado
Gestão de Base de Conhecimento Implantado
Gestão de Níveis de Serviço Em implantação
Gestão do Catálogo de Serviços Em implantação
Gestão de Capacidade Implantado
Gestão de Disponibilidade Em implantação
Gestão da Continuidade de Negócio Em implantação

g) Descrição dos projetos de TI desenvolvidos no período, destacando os resultados


esperados, o alinhamento com o Planejamento Estratégico e Planejamento de TI, os valores orçados
e despendidos e os prazos de conclusão.
Tabela 43 – Projetos desenvolvidos
Projeto Resultado Esperado Alinhamento Conclusão
Estratégico
Palas - Sistema de Otimizar o serviço executado pela Reduzir a Criminalidade 2017
Cadastro de CGPRE. Evoluir tecnologicamente
Informações de os sistemas de forma integrada.
Interesse Policial

SISCAER – Este projeto visa suprir o DPF com Reduzir a Criminalidade 2017
Sistema de um sistema de informação para dar o
Controle de suporte tecnológico suficiente para o
Aeroportos – alto desempenho das atividades de
Módulo controle do embarque armado,
Embarque conforme necessidades apontadas na
Armado justificativa acima.
SIS – Sistema de Modernizar a tecnologia da solução Reduzir a Criminalidade 2017
Interceptação de atual de interceptação de sinais da
Sinais Polícia Federal.
SIAR 2 - Sistema Criar a versão 2 do SIAR para Integrar o Orçamento ao 2017
de Informações de atender às melhorias propostas. Planejamento
Arrecadação, Estratégico
versão 2
e-Log - Otimizar o processo de transporte Otimizar o Emprego dos 2017
Transporte terrestre da PF permitindo a Bens e Recursos
165
sustentação da frota e o controle de Materiais
deslocamento, abastecimento, frota,
gastos/manutenção, licenciamento,
multas, auditoria e relatórios de
gestão.
RAVEL - Apresentar informações de Reduzir a Criminalidade 2017
Rastreamento posicionamento geográfico de
Veicular rastreadores acoplados a veículos
alvos, diretamente aos responsáveis
pelas investigações.
SAS - Sistema de Visar à eficiência no gerenciamento Reduzir a Criminalidade 2017
Afastamento de de pedidos de afastamentos de sigilos
Sigilos bancários, fiscais ou telefônicos.
GEPNet 2 (Gestor O produto deste projeto visa atender Fortalecer a Cultura de 2017
de Escritório de às necessidades de evolução Gestão Estratégica
Projetos) funcional e tecnológica da versão
anterior.
Contratação de Atender as necessidades de Consolidar a 06/09/2016
empresas de TI provimento e sustentação de Governança em TI
para sistemas.
SDS/DINF/CGTI
Contratação de Atender a entrega dos serviços de TI Consolidar a 05/05/2016
empresas de TI da Polícia Federal. Governança em TI
para
SST/DINF/CGTI
Contratação de Atender à demanda de projetos de TI, Consolidar a 11/08/2016
Serviços de conforme PDTI da PF. Governança em TI
Suporte à
Gerência de
Projetos
Telefonia Móvel Dotar todos os cargos de chefia da Otimizar o Emprego dos 2017
Institucional Polícia Federal (DAS e FG), bem Bens e Recursos
como todo o efetivo policial, de Materiais
telefones móveis de forma a permitir
a comunicação e o acesso móvel à
internet aos bancos de dados e
sistemas corporativos do Órgão e
reduzir custos de comunicação.
Modernização e Através da expansão da capacidade Otimizar o Emprego dos 21/03/2016
Expansão da de backup de dados do datacenter da Bens e Recursos
Infraestrutura de CGTI/DPF espera-se garantir a Materiais
Backup de Dados confiabilidade e a continuidade da
prestação de serviços de TI,
melhorando os mecanismos de
recuperação de desastres, e também
melhorar a capacidade de
gerenciamento do arquivamento de
dados históricos.
Modernização do Modernizar a infraestrutura do Otimizar o Emprego dos 2017
Núcleo da Rede e núcleo (core) da rede do DPF, Bens e Recursos
do Datacenter do responsável pelo tráfego rápido e Materiais
DPF seguro de todos os dados que
necessitam ser transportados entre
166
unidades e sistemas corporativos do
departamento, além do acesso de
seus servidores à Internet.
ePol - Gestão da Propiciar o controle dos processos e Reduzir a Criminalidade 2017
Atividade de atividades inerentes à polícia
Polícia Judiciária judiciária e dotar o Departamento de
Polícia Federal de informações
gerenciais para auxílio à tomada de
decisão para o efetivo emprego dos
recursos disponíveis, assim como
garantir a celeridade dos
procedimentos, a integridade das
informações e o auxílio ao trabalho
dos policiais envolvidos nas
investigações.
SINCRE II - Desenvolver e implantar o novo Reduzir a Criminalidade 2017
Sistema Nacional sistema SINCRE para subsidiar a
de Cadastro e Polícia Federal visando agilidade e
Registro de flexibilidade no atendimento aos
Estrangeiros estrangeiros no território nacional.
SINARM 2 - Desenvolver um novo SINARM, que Reduzir a Criminalidade 2017
Novo Sistema de esteja nos padrões de
Controle de desenvolvimento, segurança e
Circulação de intercomunicação dos sistemas DPF
Arma de Fogo estabelecido pela CTI, sanando todos
os erros e falhas apresentados no
antigo SINARM.
TENTÁCULOS - Melhorar o processamento dos Reduzir a Criminalidade 2017
Combate a Fraude registros de fraude bancária enviados
Bancária à PF por meio de tratamento
computacional das atividades desse
processo.
e-GP - Otimizar o processo de montagem de Valorizar o Servidor 2017
mobilização equipes para os trabalhos policiais e
administrativo.
TCU - Atender às determinações e Consolidar a 2017
Atendimento às recomendação do TCU, conforme Governança em TI
Determinações/Re acórdão n° 417/2008 do TCU -
comendações do Plenário.
TCU-Acórdão
417/2008-
Plenário.
SCGPCI - Desenvolver e implantar o sistema Fortalecer a governança 2017
Sistema de Gestão SCGPCI visando eficiência no
de Processos da gerenciamento e controle dos
Coordenação documentos que tramitam na CGPCI
Geral de Polícia otimizando seus processos e
Criminal principais atividades.
Internacional
SIPROQUIM 2 - O desenvolvimento do novo sistema Promover a Cidadania 2018
Modernização do visa:
Sistema de a) Facilitar e agilizar as atividades
Controle de de controle e de fiscalização por
167
Produtos intermédio da substituição dos
Químicos documentos e processos físicos por
documentos eletrônicos; e
b) Eliminar os problemas
decorrentes da falta de integração
entre os dados de todos os módulos
existentes.
STI-MAR - Este projeto será feito para melhorar Reduzir a Criminalidade 2016
Módulo de os processos do PROMASP por meio (Foi
Alertas e da incorporação do módulo sobre incorporado ao
Restrições alertas e restrições a respeito de sistema STI)
pessoas, funções estas até então
desempenhadas pelo sistema SINPI
(Sistema Nacional de Procurados e
Impedidos), com convergência para a
mesma tecnologia e para o mesmo
ambiente operacional, e centrando-se
em um único fornecedor dos serviços
de sustentação e evolução, o
SERPRO.
Revisão do Melhorar o atendimento dos serviços Otimizar o Emprego dos 2017
Processo de prestados no âmbito do PROMASP Bens e Recursos
Manutenção do Materiais
PROMASP
SRDP Consultas Este projeto tem o objetivo de Reduzir a Criminalidade 2017
otimizar e diminuir o tempo de
duração das investigações policiais,
bem como orientar atuação proativa
da Polícia Federal no combate aos
desvios de recursos públicos, por
meio de resposta instantânea a
questionamentos que, há muito,
reverberam nas salas de investigação
da Polícia Federal sem respostas ou
com respostas que demandam
enorme tempo e recursos humanos
para serem produzidas.

Na CGTI ainda não se pratica o controle de custos por projeto.

h) Medidas tomadas para mitigar eventual dependência tecnológica de empresas


terceirizadas que prestam serviços de TI para a unidade.

A CGTI adota várias medidas para mitigar a dependência das empresas terceirizadas que
prestam serviço nas unidades: a) designação de gestores para cada sistema em desenvolvimento ou
produção, por meio da atribuição de responsabilidades a servidores de carreira, responsável por realizar a
interface entre a área de negócio e a fábrica de software; b) realização de contratações em que são
priorizadas a transferência de tecnologia, proporcionando que servidores do DPF absorvam o conhecimento
dos sistemas e infraestrutura existentes; c) formação de equipes multidisciplinares de especificação de
sistemas, buscando, dessa maneira, compreender com detalhes os processos e tecnologias que fazem parte
da solução (um exemplo é a contratação da nova solução ABIS, cuja equipe de especificação técnica é
composta por 9 servidores do DPF, sendo 3 deles da CGTI).
168
Cabe ressaltar que a CGTI, visando melhorar a gestão dos contratos terceirizados, vem
buscando formas de aumentar seu efetivo, por meio de solicitações reiteradas ao Ministério do
Planejamento de vagas de servidores do cargo de ATI – Analista de Tecnologia da Informação, responsável
pelo planejamento, supervisão, coordenação e controle dos recursos de tecnologia da informação, uma vez
que o DPF não possui cargo efetivo próprio na área de tecnologia da informação na carreira administrativa.

Em relação às atividades de telecomunicações, a CGTI vem realizando tratativas, junto às


instâncias superiores, no sentido de reverter os atos administrativos que extinguiram o cargo de Agente de
Telecomunicação e Eletricidade do DPF (ATE), buscando garantir o bom funcionamento de suas atividades
finalísticas. Cabe alertar que as atividades de gestão e operação da rede de comunicações da Polícia Federal
não podem ser executadas por terceiros, pois não se trata de serviços meramente acessórios ou
instrumentais, como passagem de cabos e instalação e configuração de equipamentos telefônicos; os ATEs
desempenham tarefas com conexão direta à atividade finalística da Polícia Federal, as quais devem ser
prestadas por servidor de carreira possuidor de conhecimento técnico específico.

169
5.4. Gestão ambiental e sustentabilidade

5.4.1 Adoção de critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens e na


contratação de serviços ou obras

Quadro 32: Aspectos sobre a gestão ambiental e Licitações Sustentáveis


Avaliação
Aspectos sobre a gestão ambiental e Licitações Sustentáveis
Sim Não
1 A unidade participa da Agenda Ambiental da Administração Pública (A3P)? X
Na unidade ocorre separação dos resíduos recicláveis descartados, bem como sua destinação a associações e
2 X
cooperativas de catadores, conforme dispõe o Decreto nº 5.940/2006?
As contratações realizadas pela unidade jurisdicionada observam os parâmetros estabelecidos no Decreto nº
3 X
7.746/2012?
A unidade possui plano de gestão de logística sustentável (PLS) de que trata o art. 16 do Decreto 7.746/2012? Caso
4 X
a resposta seja positiva, responda os itens 5 a 8.
5 A Comissão gestora do PLS foi constituída na forma do art. 6º da IN SLTI/MPOG 10, de 12 de novembro de 2012? X
O PLS está formalizado na forma do art. 9° da IN SLTI/MPOG 10/2012, atendendo a todos os tópicos nele
6 X
estabelecidos?

7 O PLS encontra-se publicado e disponível no site da unidade (art. 12 da IN SLTI/MPOG 10/2012)? X

Os resultados alcançados a partir da implementação das ações definidas no PLS são publicados semestralmente no
8 sítio da unidade na Internet, apresentando as metas alcançadas e os resultados medidos pelos indicadores (art. 13 da X
IN SLTI/MPOG 10/2012)?

As compras e contratações do órgão vedam a participação de empresas que estejam proibidas


de contratar com a Administração Pública, em razão de sanção restritiva de direito decorrente de infração
administrativa ambiental, nos termos do artigo 72, § 8°, inciso V, da Lei n° 9.605, de 1998;

Na contratação de serviços, notadamente, manutenção predial, limpeza e conservação e


outros de natureza semelhante, são incluídas as seguintes exigências nos editais:

• Para a perfeita execução dos serviços, a contratada deverá utilizar os materiais,


equipamentos, ferramentas e utensílios necessários, nas quantidades estimadas e qualidades exigidas no
edital e seus anexos e proposta da empresa;

• Os materiais e peças empregados deverão atentar para a redução de impacto ambiental,


ficando a Contratada obrigada a:

• Utilizar, quando disponíveis no mercado, materiais que sejam reciclados, reutilizados e


biodegradáveis.

• Priorizar o emprego de mão de obra, materiais, tecnologias e matérias-primas de origem


local para execução e operação do objeto.

• Utilizar obrigatoriamente agregados reciclados, sempre que existir a oferta de agregados


reciclados, capacidade de suprimento e custo inferior em relação aos agregados naturais.

• Utilizar materiais e bens que não contenham substâncias perigosas em concentração


acima da recomendada na diretiva RoHS (Restriction of Certain Hazardous Substances), tais como
mercúrio (Hg), chumbo (Pb), cromo hexavalente (Cr(VI)), cádmio (Cd), bifenil-polibromados (PBBs),
éteres difenil-polibromados (PBDEs).A Administração reserva-se o direito de exigir tal comprovação que

170
poderá ser feita mediante apresentação de certificação emitida por instituição pública oficial ou instituição
credenciada, ou por qualquer outro meio de prova que ateste que o bem fornecido cumpre com as exigências
do edital.

• Utilizar produtos de limpeza e conservação de superfícies e objetos inanimados que


obedeçam às classificações e especificações determinadas pela ANVISA;

• Observar a Resolução CONAMA nº 20, de 7 de dezembro de 1994, quanto aos


equipamentos que gerem ruído no seu funcionamento; Respeitar as Normas Brasileiras – NBR publicadas
pela Associação Brasileira de Normas Técnicas sobre resíduos sólidos.

No que diz respeito à área de Engenharia, desde 2006 todos os projetos para construção das
unidades são elaborados a partir de estudos para aplicação de critérios de sustentabilidade nas construções,
como utilização de água de reuso, melhor aproveitamento da iluminação e ventilação natural, racionamento
no uso da energia. A partir de 2013, esses estudos se aprofundaram e foram agregados estudos referentes a
envoltória do edifício. O objetivo atual é que os prédios atendam a todos os critérios para que sejam
certificáveis do ponto de vista ambiental, ainda que não os certifiquemos formalmente.

Alguns dos sistemas que vem sendo empregados, sempre precedidos de estudos de
viabilidade, são:

 telhado verde;

 reservatórios de reuso de água cinza e água da chuva;

 reaproveitamento de água proveniente do dreno do sistema de ar condicionado;

 envoltória do prédio com o objetivo de utilizar o máximo a ventilação e iluminação


naturais, buscando minimizar o uso do ar condicionado e da iluminação forçada;

 utilização de torneiras com fechamento automático;

 utilização de válvulas de descarga duo fluxo;

 utilização de redutores de pressão nas tubulações de água, quando necessário;

 reutilização de materiais recicláveis; e,

 eficientização energética.

171
5.5 Gestão de fundos e de programas

5.5.1 Identificação e informações dos fundos na gestão da unidade

O Fundo para Aparelhamento e Operacionalização das Atividades-fim da Polícia Federal -


FUNAPOL foi instituído pela Lei Complementar nº 89, de 18 de fevereiro de 1997, e tem por finalidade
proporcionar recursos e meios destinados a aparelhar a Polícia Federal e a manter suas atividades essenciais
e competências típicas.

Conforme o Decreto nº 2.381, de 12 de novembro de 1997, os recursos do FUNAPOL são


aplicados em ações de modernização, aparelhamento e operacionalização das atividades da PF, na
construção/reforma/revitalização de suas edificações, na formação de seus quadros e na participação em
eventos técnico-científicos de interesse policial, no custeio de despesas com transporte, hospedagem e
alimentação de servidores policiais em missão, dentre outras aplicações.

A seguir são apresentadas informações sobre a arrecadação da Polícia Federal, relacionadas


ao exercício 2016, bem como dados consolidados da série histórica desde 2006:

172
Quadro 33: Arrecadação do FUNAPOL em 2015
ARRECADAÇÃO DO FUNAPOL E FUNAD(QUÍMICOS) - 2016
MÊS Fonte Vinculada: 174 Fonte Própria 150 e Fonte de Alienações 163
TOTAL
MIGRAÇÃO ARMAS SEG. PRIVADA QUÍMICOS CONCURSOS ALUGUÉIS INDENIZAÇÕES ALIENAÇÕES JUDICIAIS

JANEIRO 40.641.973,21 1.123.768,88 4.937.876,40 2.124.522,49 0,00 14.532,89 16.833,14 0,00 0,00 48.859.507,01
FEVEREIRO 39.765.468,92 1.019.410,90 5.683.690,91 2.362.314,41 0,00 10.946,85 16.511,83 0,00 0,00 48.858.343,82
MARCO 45.111.970,29 1.158.649,62 38.323.965,54 2.621.674,44 0,00 22.705,39 22.224,38 0,00 0,00 87.261.189,66
ABRIL 42.823.735,63 156.241,57 10.867.950,83 2.534.358,27 0,00 14.432,33 15.151,43 0,00 0,00 56.411.870,06
MAIO 8.290.848,65 1.111.117,87 13.815.788,70 2.844.640,83 0,00 14.381,54 0,00 894.300,00 0,00 26.971.077,59
JUNHO 48.520.381,65 1.310.300,77 14.294.675,31 2.896.918,59 0,00 22.557,44 132.995,23 1.845.000,00 0,00 69.022.828,99
JULHO 46.582.891,31 1.097.686,79 16.773.719,38 2.515.543,36 0,00 13.022,42 0,00 0,00 0,00 66.982.863,26
AGOSTO 46.032.720,87 1.284.364,73 9.264.743,83 2.747.975,59 0,00 18.211,11 0,00 0,00 0,00 59.348.016,13
SETEMBRO 42.793.634,11 1.154.451,84 7.082.714,79 2.477.426,68 0,00 13.081,93 0,00 260.900,00 0,00 53.782.209,35
OUTUBRO 42.943.087,55 1.115.942,11 8.913.350,35 2.060.429,05 0,00 15.559,40 13.604,04 0,00 0,00 55.061.972,50
NOVEMBRO 42.095.652,91 1.105.015,26 7.382.100,82 2.326.185,21 0,00 11.428,57 13.592,59 526.500,00 0,00 53.460.475,36
DEZEMBRO 33.559.923,16 1.290.671,80 6.965.214,52 1.866.966,13 0,00 13.216,05 0,00 0,00 0,00 43.695.991,66
TOTAL 479.162.288,26 12.927.622,14 144.305.791,38 29.378.955,05 0,00 184.075,92 230.912,64 3.526.700,00 0,00 R$ 669.716.345,39

PERCENTUAL 71,55% 1,93% 21,55% 4,39% 0,00% 0,03% 0,03% 0,53% 0,00% 100,00%

173
Quadro 34: Séria histórica da arrecadação do FUNAPOL desde 2006
ARRECADAÇÕES DO FUNAPOL E FUNAD(QUÍMICOS) (2006 a 2016)
Ano ARMAS MIGRAÇÃO SEG. PRIVADA OUTROS QUÍMICOS TOTAL PERCENTUAL
2006 11.745.601,41 147.011.998,78 31.827.026,49 99.836,21 14.022.764,30 204.707.227,19 100
2007 10.920.151,92 189.559.859,88 37.721.392,18 243.994,08 15.562.848,27 254.008.246,33 1,24
2008 5.183.984,30 247.403.436,86 36.647.986,77 0,00 15.318.661,64 304.554.069,57 1,49
2009 4.781.872,87 235.372.221,11 50.677.148,82 0,00 16.772.257,66 307.603.500,46 1,50
2010 6.714.872,21 312.294.651,49 48.781.334,05 0,00 17.109.732,15 384.900.589,90 1,88
2011 7.634.556,00 398.198.757,31 46.581.261,53 163.907,89 17.708.638,24 470.287.120,97 2,30
2012 8.558.025,08 372.483.042,25 49.650.584,06 25.882.891,76 17.660.141,29 474.234.684,44 2,32
2013 11.947.975,29 417.306.075,26 55.551.668,11 17.158.684,51 19.551.449,07 521.515.852,24 2,55
2014 10.703.376,93 442.553.445,12 60.585.834,04 26.619.873,09 19.342.384,22 559.804.913,40 2,73
2015 11.772.865,20 521.088.727,96 85.715.504,69 7.460.132,59 27.610.018,00 653.647.248,44 3,19
2016 12.927.622,14 479.162.288,26 144.305.791,38 3.941.789,77 29.378.955,05 669.716.446,60 3,27

174
175
176
6. RELACIONAMENTO COM A SOCIEDADE

6.1 Canais de acesso do cidadão

O cidadão dispõe de acesso às informações de seu interesse por meio do portal eletrônico da
instituição (www.dpf.gov.br ou www.pf.gov.br). Nele, está disponível o acesso às informações
institucionais da Polícia Federal, tais como as unidades centrais da Polícia Federal, Superintendências
Regionais e Delegacias de Polícia Federal e as Adidâncias e Oficialatos da Polícia Federal no mundo, entre
outras informações.

Ainda no sítio da internet da instituição, existe uma série de serviços à disposição da


sociedade, sendo possível emissão de passaporte comum, certidão de antecedentes criminais, carteira
nacional de vigilante, cadastramento de entidade de adoção internacional e agendamento de estrangeiros
para regularização de estadia. O cidadão também pode consultar a regularidade de empresa de segurança
privada, bem como emitir guia de recolhimento da União – GRU nos diversos casos em que é necessária a
impressão do documento.

O site ainda conta com o link da Ouvidoria da Polícia Federal e uma Pesquisa de Satisfação,
um espaço em que o cidadão avalia os serviços prestados pela Polícia Federal, indicando a unidade em que
foi atendido, o tipo de serviço prestado, os horários de atendimento, tempo de espera para ser atendido,
prazo para conclusão do serviço, dentre outros itens.

A Ouvidoria da Polícia Federal é acessada por meio do email ouvidoria@dpf.gov.br. Por


este canal a Polícia Federal recebe uma média estimada mensal de 2300 (dois mil e trezentos) acionamentos,
dentre os quais se destacam denúncias, reclamações, elogios, sugestões e pedidos, estes últimos os não
abrangidos pela Lei de Acesso à informação.

Os acionamentos são analisados e direcionados para as áreas técnicas responsáveis pela


adoção de providências pertinentes. Atualmente a Ouvidoria da Polícia Federal está passando por uma
reestruturação da unidade, tanto normativa, como de efetivo e desenvolvimento de sistemas para gestão das
demandas, a fim de melhorar os atendimentos, bem como monitorar as providências adotadas e os
resultados obtidos.

O cidadão tem acesso, ainda, a um rol de perguntas frequentes sobre os mais diversos temas
inerentes à instituição.

É disponibilizado um link no campo “institucional” ao site específico da Academia Nacional


de Polícia, unidade responsável pela formação e especialização de profissionais de segurança pública.

O site também permite acesso aos releases e notas à imprensa divulgados pelo órgão e que
podem ser de interesse da população. As três principais notícias divulgadas pela área de assessoria de
imprensa institucional ficam disponibilizadas no portal e é possível o acesso a um hotsite que hospeda todos
os comunicados oficiais do órgão através do link “Agência de Notícias da PF”.

É crescente a interação dos cidadãos com a Polícia Federal por meio das redes sociais.
Solicitações, dúvidas, denúncias e reclamações são encaminhadas aos respectivos perfis oficiais do órgão,
administrados pela Divisão de Comunicação Social. No último ano houve um crescente aumento dos
seguidores da Polícia Federal em suas redes sociais oficias, sendo atualmente mais de 2.496.000 (dois
milhões e quatrocentas e noventa e seis mil) pessoas na rede social Facebook, 491.000 (quatrocentos e
181
noventa e um mil) seguidores no perfil oficial do Twitter e mais de 157.000 (cento e cinquenta e sete) mil
seguidores no Instagram. As respostas e os esclarecimentos são enviados diretamente ao cidadão por meio
de mensagens.

Por último, o Serviço de Informações ao Cidadão (SIC) possui vários canais de acesso, por
meio do sítio eletrônico, via telefone ou atendimento pessoal na própria instituição.

O portal sofreu uma alteração em seu layout no primeiro trimestre de 2016, seguindo o
padrão instituído pelo Governo Federal e adotando regras de acessibilidade digital mais eficientes.

6.2 Carta de Serviços ao Cidadão

A Carta de Serviços ao Cidadão, ferramenta de gestão criada pelo Programa Nacional de


Gestão Pública e Desburocratização (GesPública), é disponibilizada no campo “Institucional” do site do
DPF. Ao procurar simplificar o atendimento do serviço público ao cidadão, são detalhados o funcionamento
desses serviços nas seguintes áreas: Antecedentes Criminais, Armas, Imigração, Produtos Químicos e
Segurança Privada.

Para cada área, foi elaborada uma carta específica e revisada pelo setor pertinente dentro do
órgão. O material pode ser encontrado no sítio eletrônico, através do link
http://www.dpf.gov.br/institucional/carta-de-servicos/.Acesso às informações da unidade jurisdicionada.

Além da disponibilização da Carta de Serviços aos Cidadãos, que agrupa informações sobre
os serviços mais procurados pela população, a seção “Acesso à Informação” do campo “Institucional” do
site disponibiliza as atribuições e competências do órgão, de acordo com as disposições constitucionais e
legais.

No espaço, podem ser consultadas informações sobre auditorias e seus resultados, detalhes
sobre repasses e transferência de recursos (convênios), despesas diversas, servidores, concursos públicos
promovidos pela UJ, bem como toda documentação relacionada aos certames licitatórios e seus contratos.
No local ainda é proporcionado ao cidadão em espaço de perguntas frequentes com as respectivas respostas
acerca das ações no âmbito de atribuição do PF. Da mesma forma, a estrutura organizacional da entidade é
disponibilizada no mesmo campo do portal.

6.3 Aferição do grau de satisfação dos cidadãos-usuários

No campo “Institucional” do portal da PF na internet está disponível pesquisa de satisfação


para que o cidadão possa avaliar os serviços prestados pelo órgão.

Ao clicar no painel intitulado “pesquisa de satisfação”, o público pode escolher a unidade de


prestação do serviço, o tipo de serviço procurado e, por fim, avaliar o grau de satisfação no atendimento,
por meio de oito parâmetros, quais sejam: 1) acesso às informações sobre o serviço; 2) horário de
atendimento; 3) cortesia e educação dos atendentes; 4) tempo de espera para ser atendido; 5) prazo para
conclusão do serviço; 6) localização da unidade da PF ou do posto de atendimento; 7) instalações físicas e
8) conservação e limpeza do local de atendimento. Para cada item, podem ser atribuídos os valores “não se
aplica”, “insatisfeito”, “satisfeito” e “muito satisfeito”.

Em relação ao serviço de emissão de passaporte, um dos mais procurados pela sociedade, já


que no ano de 2016 foram emitidos mais de 2.249.790 (dois milhões, duzentos e quarenta e nove mil, e
182
setecentos e noventa) documentos de viagem, predominantemente passaportes, a pesquisa de satisfação dos
cidadãos-usuários reportou um índice médio nacional de 4,62 de satisfação, em um máximo de 5.

Os resultados das pesquisas de satisfação são analisados pelas unidades centrais responsáveis
pela prestação dos serviços e utilizados para a melhoria das rotinas de trabalho, melhoria de condições
físicas de instalação e infraestrutura dos locais, alterações de endereços das unidades, replicação de
metodologias e processos que tenham auferido melhor resultado para a satisfação dos cidadãos, dentre
outras providências eficazes para a melhoria da efetividade dos serviços prestados nas unidades
descentralizadas e Postos de Emissão de Passaporte – PEP´s.

6.4 Mecanismos de transparência das informações relevantes sobre a atuação da


unidade

Inúmeras informações sobre a atuação e competência do órgão são disponibilizadas no


campo “Institucional” do portal nas seções “Acesso à Informação”, “Carta de serviços” e “Histórico”.

Na seção “Acesso à Informação”, também disponível por meio de banner específico, podem
ser consultadas informações sobre auditorias e seus resultados, detalhes sobre repasses e transferência de
recursos (convênios), despesas diversas, servidores, concursos públicos promovidos pelo órgão, bem como
toda documentação relacionada aos certames licitatórios e seus contratos. No local ainda é proporcionado
ao cidadão em espaço de perguntas frequentes com as respectivas respostas acerca das ações no âmbito de
atribuição da PF. Da mesma forma, a estrutura organizacional da entidade é disponibilizada no mesmo
campo do portal.

Ainda sobre o acesso à informação, a Polícia Federal mantém o Serviço de Informação ao


Cidadão – SIC/PF, vinculado ao Gabinete da Direção-Geral, o qual avalia, direciona e responde às
solicitações da sociedade. No ano de 2016 o SIC/PF recebeu 1180 pedidos (média de 98,33 por mês), com
tempo médio de resposta de 12,44 dias, inferior ao prazo legal de 20 dias (prorrogáveis por mais 10 dias).
Dentre as demandas respondidas, foram contabilizadas 9 perguntas duplicadas/repetidas; 40 não
relacionadas com as atribuições da PF; 14 não eram pedidos de informação; 42 informações inexistentes;
143 acessos parcialmente concedidos; 277 acessos negados e 652 acessos concedidos.

Por meio desse canal, o cidadão recebe a resposta de sua demanda, podendo ainda apresentar
recurso, caso discorde do resultado obtido. No ano de 2016 foram analisados 115 recursos de primeira
instância, ou seja, destinados ao Diretor-Geral, com os seguintes resultados: 12 recursos deferidos; 56
recursos indeferidos; 14 recursos não conhecidos; 26 recursos parcialmente deferidos e 1 com perda de
objeto.

6.5 Medidas para garantir a acessibilidade aos produtos, serviços e instalações

A partir de 2004, todos os projetos para construções e reformas dos prédios da Polícia
Federal obedecem aos normativos de acessibilidade, como as Leis nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000
e Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015 e a norma NBR 9.050/2004, e ainda os normativos estaduais,
municipais e distritais, que definem diretrizes para promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de
deficiência ou com mobilidade reduzida.

Desde então, também os prédios existentes, para os quais não estavam sendo previstas
reformas, vêm passando por adequações com o objetivo de deixá-los acessíveis para PPNE – Pessoas
183
Portadoras de Necessidades Especiais, quais sejam: substituição de portas; instalação de pisos podo táteis;
instalação de comunicação visual em braile; instalação de avisos sonoros em elevadores; aquisição de
mobiliário ergonômico; dentre outras intervenções que busquem a maior acessibilidade possível, ainda que
não exigidas em normativos.

No ano de 2016 foram contratadas as obras de reforma da Superintendência Regional de


Polícia Federal no Mato Grosso e dado andamento aos projetos de reformas e contratação do Edifício-Sede
da Polícia Federal em Brasília/DF, a Superintendência Regional de Polícia Federal na Bahia,
Superintendência Regional de Polícia Federal em Pernambuco, Delegacia de Polícia Federal em Londrina,
entre outros.

184
185
7. DESEMPENHO FINANCEIRO E INFORMAÇÕES
CONTÁBEIS

7.1 Tratamento contábil da depreciação, da amortização e da exaustão


de itens do patrimônio e avaliação e mensuração de ativos e passivos.

A Unidade Prestadora de Contas (UPC) está aplicando regularmente a


NBC T 16.9, de acordo com as orientações da macrofunção 02.03.30 do Manual SIAFI
em relação à depreciação, por meio do módulo Patrimônio do Sistema de GESTÃO
ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA (E-LOG) e registrando no
SIAFI. Quanto à amortização, a Polícia Federal (PF) está adotando as medidas necessárias
para ajustar o sistema E-LOG, a fim de permitir o controle e o cálculo da amortização dos
bens intangíveis. Além disso, está sendo levantado o prazo de amortização dos bens
intangíveis das Unidades Gestoras do Órgão. Em relação à exaustão, não há bens sujeitos
a esse tipo de redução de valor.

Quanto à aplicação da NBCT 16.10, a maioria das Unidades Gestoras


vinculadas a esta UPC realizou a avaliação dos bens elencados no Manual SIAFI,
macrofunção 02.03.35, em conformidade com as orientações da referida macrofunção e
da MOC 11/2011 – DLOG/DPF. As Unidades Gestoras que não concluíram a avaliação
dos bens apresentaram justificativas que estão evidenciadas na Declaração do Contador.

A vida útil econômica do ativo foi obtida da macrofunção 02.03.30 do


Manual SIAFI, item 6, que padroniza a estimativa de vida útil e valor residual dos ativos.

As taxas de depreciação utilizadas foram obtidas a partir da vida útil


econômica do ativo, obtida da macrofunção 02.03.30 do Manual SIAFI, item 6.

O método de cálculo dos encargos de depreciação utilizado foi o das quotas


constantes, em conformidade com o item 7.2 da macrofunção 02.03.30 do Manual SIAFI.

A metodologia de avaliação e mensuração dos ativos e passivos consiste


em:
 As disponibilidades são mensuradas ou avaliadas pelo valor
original, feita a conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa de câmbio
vigente na data do Balanço Patrimonial;
 O crédito e as dívidas são mensurados ou avaliados pelo valor
original, feita a conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa de câmbio
vigente na data do Balanço Patrimonial;
 Os estoques são mensurados ou avaliados com base no valor de
aquisição. O método para mensuração e avaliação das saídas do
almoxarifado é o custo médio ponderado;
 A UPC não possui Ativo de Investimentos;
 O imobilizado, incluindo os gastos adicionais ou complementares,
é mensurado ou avaliado com base no valor de aquisição, produção ou
construção. O teste de recuperabilidade e a depreciação foram realizados
em conformidade com a macrofunção 02.03.30 e 02.03.35 do Manual
SIAFI;
 O intangível é mensurado ou avaliado com base no valor de
aquisição ou de produção; e

185
 A UPC não possui Ativo Diferido.

A utilização dos critérios contidas nas NBC T 16.9 e NBC T 16.10


possibilitou evidenciar adequadamente os ativos e passivos da UPC, para fins de apoio
ao processo de tomada de decisão; à adequada prestação de contas; e ao necessário
suporte para a instrumentalização do controle.

7.2 Sistemática de apuração de custos no âmbito da unidade

A Polícia Federal (PF) sempre se preocupou em manter estreitos os laços


com o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) e a Secretaria do Tesouro
Nacional (STN), no intuito de manter os órgãos superiores cientes do trabalho realizado,
além de buscar orientação relacionada ao assunto custos. Todos os procedimentos
pensados na PF foram levados ao conhecimento do MJSP e da STN, a fim de definir a
melhor estratégia a ser adotada para alcançar os objetivos.

Dando continuidade às ações iniciadas em 2014, o Serviço de


Contabilidade (SECONT/COF/DLOG/PF), realizou pesquisa para levantar informações
que subsidiassem a Implantação da Informação de Custos na PF, no período de 25 à
29/5/2015, a fim de conhecer as atividades e procedimentos realizados no âmbito da
Superintendência Regional de Polícia Federal no Distrito Federal (SR/PF/DF). Essa
unidade foi escolhida como piloto, por ser uma unidade localizada em Brasília, e que
apresenta estrutura organizacional e operacional semelhante às demais Superintendências
Regionais.

Foi aplicado um questionário aos 36 chefes das Delegacias, Setores e


Núcleos da SR/PF/DF, respeitando os departamentos definidos no organograma,
levantando informações gerenciais, como atividades desenvolvidas, quantidade de
servidores envolvidos, espaço físico utilizado na execução das atividades e uso dos
sistemas estruturantes. O objetivo era identificar os atores na operação desses sistemas,
possíveis divergências com os quantitativos informados e, principalmente, apurar
possíveis critérios de distribuição de custos. Com os resultados do levantamento,
formulou-se um modelo de centros de custos, baseado em atividades e departamentos, o
qual foi validado pelos gestores da SR/PF/DF.

Ainda, em 17/8/2015, foi cadastrado no Sistema Gestor de Escritório de


Projetos (GEPnet), o Projeto “Implantação da Informação de Custos na Polícia Federal”,
integrante do Programa de Melhorias Nacionais da Polícia Federal em 2015. Nesse
Sistema, todas as atividades relacionadas à Implantação da Informação de Custos na PF
estão sendo incluídas e monitoradas, possuindo prazos e metas a serem cumpridos.

A fim de iniciar o cadastramento dos objetos de custos para iniciar a


apuração de custos, a PF formalizou junto ao MJSP, por meio do Ofício nº 318/2015-
GAB/PF, de 18/09/2015, requerimento para delegar, por meio de Portaria, as atividades
do Sistema de Custos do Governo Federal à PF como Órgão Seccional de Custos,
considerando que a PF é um Órgão Seccional de Contabilidade e está subordinado
tecnicamente à Setorial de Contabilidade do Ministério da Justiça e também por ter sido
criado o macroprocesso do Sistema de Custos do Governo Federal pela Portaria/STN nº
421, de 24 de julho de 2013.

186
Este contato com o MJSP foi importante na troca de informações entre os
dois órgãos, agregando conhecimento e consolidando uma metodologia que atendesse ao
interesse de ambas as partes. Dessa forma, o trabalho que vinha sendo desenvolvido na
PF foi interrompido, a fim de cumprir o disposto no Ofício nº
6/2015/CGPLAN/SPOA/SE-MJ, de 13/11/2015, o qual determina que a PF adote o
Modelo de Apuração de Custos definido pelo MJSP, no sentido de unificar a metodologia
de apuração de custos e aplicá-la a todos os órgãos subordinados.

Em 2015, a PF trabalhou no levantamento das informações sobre os


macroprocessos do Planejamento Estratégico do órgão nas unidades gestoras, para
atender à solicitação do MJSP na apuração de custos de pessoal baseado no percentual de
execução de cada unidade nos macroprocessos relacionados à Policia Federal. Esse
mecanismo foi adotado, pois o Sistema de Custos do Governo Federal (SIC) não
apresentou informações em conformidade com o Sistema de Gestão de Pessoal
(SIGEPE).

Em 2016, a PF elaborou o Roteiro para Implantação da Informação de


Custos na PF, onde foram definidos: os centros de custos; as unidades gestora
responsável; as orientações para preenchimento da aba “centro de custos” no SIAFI web;
orientações para alocação dos custos com suprimento de fundos; pagamento de pessoal;
diárias; passagens; depreciação; materiais de consumo e operações permanentes.

Após a conclusão dos estudos e levantamentos relatados, a PF definiu a


data de 02/01/2017 para iniciar o registro das informações de custos na Unidade Gestora
Piloto 200338 – SR/PF/DF, conforme o Modelo de Apuração de Custos, no âmbito do
MJSP, descrito na Portaria nº 34, de 11 de janeiro de 2017, publicada na página 19, da
seção 1, em 12 de janeiro de 2017, no Diário Oficial da União.

7.3 Demonstrações contábeis exigidas pela Lei 4.320/64 e notas


explicativas

As informações referentes a este item encontram-se apresentadas no


ANEXO I, o qual traz as informações relacionadas às demonstrações contábeis
obrigatórias para a UPC conforme a Lei nº 4.320/64, as Normas Brasileiras de
Contabilidade Aplicada ao Setor Público e o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor
Público.

187
8. CONFORMIDADE DA GESTÃO E DEMANDAS DOS ÓRGÃOS DE
CONTROLE

A Polícia Federal conta com um Assessor de Controle Interno, fazendo parte de suas
atribuições, conforme previsto na Instrução Normativa nº. 013/2005-DG/DPF, de 15 de junho de 2005, a
prestação de auxílio a Direção-Geral em assuntos relacionados à aderência do órgão aos atos legais e
normativos, o que inclui o atendimento às recomendações dos Órgãos de Controle, quais sejam o Tribunal
de Contas da União - TCU e a Controladoria-Geral da União - CGU.

Nesse contexto, o Assessor de Controle Interno tem atuado, dentre outros pontos, no suporte
ao planejamento e à execução dos trabalhos de auditoria realizados periodicamente pelo TCU e pela CGU,
o que inclui o posterior acompanhamento às determinações e recomendações resultantes desses trabalhos.

Com o fito de ampliar a efetividade de sua atuação no que se refere ao tratamento das
demandas dos Órgãos de Controle, há Unidades de Controle Interno no âmbito das Superintendências
Regionais, de forma que, atualmente, essas Unidades encontram-se em funcionamento em 16 das 27
Superintendências Regionais localizadas nos Estados e no Distrito Federal.

Ressalta-se, ainda, que todas as demandas apresentadas pelos Órgãos de Controle têm como
padrão estabelecido o devido trâmite pelo Assessor de Controle Interno, ampliando os mecanismos de
controle de atendimento, unificando procedimentos e permitindo o conhecimento e a disseminação de boas
práticas adotadas pelas áreas.

8.1 Tratamento de determinações e recomendações do TCU

No tocante ao Tribunal de Contas da União, no exercício 2016, um total de 217 Acórdãos


tiveram a UPC como interessada, sendo que destes, em maior volume, 197 relacionaram-se à análise da
legalidade de atos de admissão e de concessão de aposentadoria e de pensão civil. Verifica-se, assim, que
a expressiva maioria dos Acórdãos registrados, cerca de 90%, referiram-se à área de Gestão de Pessoal.

Nesse contexto, o Assessor de Controle Interno tem buscado identificar oportunidades de


melhorias nos procedimentos relacionados à área de pessoal e atuado conjuntamente no sentido de tornar
mais ágeis as ações para atendimento das determinações de que se trata, bem como para melhoria do
processo de concessão de aposentadorias.

Em acréscimo, dos demais Acórdãos exarados em 2016, dentre outros, 10 referiram-se à


análise de representações, 4 relacionaram-se a processos de Prestação de Contas de Unidades Gestoras da
UPC e 5 disseram respeito à análise de tomadas de contas. Dos Acórdãos de Prestações de Contas, apenas
um resultou em recomendações ainda pendentes para a UPC, conforme discriminado no quadro abaixo:

188
Quadro 35 – Caracterização da determinação/recomendação do TCU
Caracterização da determinação/recomendação do TCU

Processo Acórdão Item Comunicação expedida Data da ciência


Ofício nº 0712/2016-TCU
TC 024.367/2014-1 9.320 2ªC 1.7.1 e 1.7.2 19/09/16
/SECEX-RO
Órgão/entidade/subunidade destinatária da determinação/recomendação

DGP/PF e SR/PF/RO

Descrição da determinação/recomendação
1.7.1. adote as medidas pertinentes, oportunizando o exercício do contraditório e da ampla defesa pela parte
beneficiária do instituidor de pensão de matrícula 20115-0183717, acionando, se necessário, o setor responsável, com vistas
à correção da rubrica 82487 (Parcela complementar Subsídio AP) lançada na folha do instituidor da referida pensão, que
ocasionou um aumento de R$ 98,91, desde fevereiro de 2009, dispensando a restituição dos valores pagos até a data desta
decisão, nos termos da Súmula TCU n.º 249, e alertando à parte interessada de que a obrigação de devolver valores
indevidamente recebidos de boa-fé retroage ao momento em que não restem dúvidas de que os afetados pela decisão
obtiveram ciência da irregularidade dos pagamentos;
1.7.2. obtenha, junto ao Governo do Estado do Rio de Janeiro, as informações referentes aos valores recebidos
pelo servidor de matrícula 20115-2074345 decorrente desse vínculo. E, em caso de existência de valores a restituir, que o
órgão adote providências para devolução ao erário dos valores pagos indevidamente acima do teto do serviço público,
oportunizando ao interessado o exercício do contraditório e da ampla defesa

Justificativa do não cumprimento e medidas adotadas


Quanto ao item 1.7.1, foi objeto de auditoria da CGU o recebimento indevido por parte da Pensionista, beneficiária
de pensão civil citada, sendo devidamente esclarecido.
Quanto ao item 1.7.2, a determinação encontra-se em atendimento. O servidor citado no Acórdão foi notificado
do mesmo e foi providenciada a planilha com os cálculos dos valores de abate teto que deixaram de ser abatidos da
remuneração ao longo do período levantado pelo TCU. Assim o servidor está ciente de que será efetuada a devolução ao
Erário de seus subsídios.

Cumprimento dos Acórdãos 1449/2012- TCU - Plenário e do respectivo monitoramento


nos termos do Acordão 1740/2015- TCU – Plenário

O Tribunal de Contas da União, nos termos dos Acórdãos nº 1449/2012 - TCU - Plenário e
1740/2015- TCU - Plenário, determinou ao DPF a prestação de informações sobre as medidas adotadas
para melhoria dos serviços relacionados ao controle migratório, incluindo regularização da situação
decorrente da utilização de terceirizados e garantia dos níveis mínimo de supervisão dos agentes
administrativos e empregados da Infraero que desempenham tarefas de controle migratório.

Em cumprimento aos Acórdãos em questão, foi entregue no TCU, sob protocolo 49.46.067-
6, de 21/12/12, Plano de Ação, de modo a substituir, gradualmente, os terceirizados por servidores do
quadro.

Após estudos realizados pela administração do órgão, concluiu-se pela necessidade de


criação de 1.900 cargos de Agente Administrativo do Plano Especial de Cargos, nível intermediário, para
operacionalização do controle migratório nos aeroportos internacionais, portos e postos de fronteira.

189
Nesse sentido, foram realizadas gestões junto ao Ministério da Justiça para a realização de
concurso público para o provimento das vagas necessárias, sendo encaminhado ao Ministério de
Planejamento Orçamento e Gestão - MPOG minuta de Projeto de Lei que trata da reestruturação da carreira
administrativa do DPF, com o propósito de convertê-la na Carreira Técnico-Administrativa da Polícia
Federal, com a criação de 5.000 (cinco mil) cargos, entre níveis intermediário e superior.

Outra ação adotada pelo Órgão culminou na autorização do MPOG, em 2013, para realização
de concurso público para provimento de 534 (quinhentos e trinta e quatro) vagas com o fim de suprir a
necessidade premente do órgão, em razão de aposentadorias e exonerações. O referido concurso foi
realizado em 2014 e os servidores iniciaram suas atividades.

Em face das dificuldades do DPF na obtenção dos concursos públicos necessários à efetiva
regularização da situação, a cooperação com a Infraero tem se mantido a fim de empregar funcionários da
empresa no apoio às atividades de controle migratório.

Além dos aspectos já citados, novas medidas foram adotadas, no exercício de 2015, para
aprimoramento do processo de controle migratório, entre as quais destacam-se:

a) disponibilização de funcionalidade no Sistema de Tráfego Internacional - STI para


consulta a dados antecipados dos passageiros de voos internacionais disponibilizados pelas
empresas aéreas, para controle do uso off-line do sistema e para captura dos dados sobre
autorização de viagem para menores diretamente do Sistema Nacional de Passaporte -
SINPA, contribuindo para melhoria da segurança e da qualidade do processo de entrada e
saída;
b) disseminação da Mensagem Oficial Circular nº 06/2015 com informações aos
usuários do sistema sobre rotinas de auditoria e sobre a necessidade de supervisão;
c) instalação do recurso do e-Gate no aeroporto de Guarulhos, atendendo a 25% dos
brasileiros maiores de idade que realizam viagens internacionais, havendo, ainda, a previsão
de ampliação do recurso para outros aeroportos, em especial Viracopos, aeroporto no qual
foram instalados 3 portais e-Gate em 2015; e
d) disponibilização de módulo de contingência do STI e adoção de tokens para
autenticação de todos os usuários do sistema.

No exercício de 2016 o Projeto de Lei (nº 38/16 no Senado e no 4.253/15 na Câmara dos
Deputados) que previa a criação de 683 (seiscentos e oitenta e três) cargos de Agente Administrativo, de
nível intermediário, do Plano Especial de Cargos do Departamento de Polícia Federal, a serem empregados
no controle migratório, foi vetado, conforme Mensagem de Veto Presidencial nº 438, de 29 de julho de
2016.
Em razão do Acórdão nº 1740/2015- TCU – Plenário, houve a diretriz da Direção-Geral de
diminuição do emprego de funcionários da Infraero em exercício temporário na PF, com previsão para
devolução de todos os empregados da Infraero no Exercício de 2017.

8.2 Tratamento de recomendações do Órgão de Controle Interno

Conforme orientações para elaboração do presente relatório, esta seção trata de uma visão
geral sobre das recomendações feitas pelo Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral
da União , no exercício de 2016.

190
Da análise dos Relatórios de Auditoria nº 201600107 e nº 201505158, verificou-se que no
exercício foram feitas 6 novas recomendações, das quais se consideram atendidas 4 repercutindo na redução
do estoque e evidenciando o resultado positivo das ações de governança, as quais tem repercutido na
melhoria dos processos internos e na consequente redução no número de falhas e fragilidades

Atualmente encontram-se sob monitoramento da CGU no sistema Monitor, um total de 104


recomendações, distribuídas por 25 Unidades Gestoras das 32 que integram a UPC.

8.3 Medidas administrativas para apuração de responsabilidade por dano ao Erário

Quadro 36: Medidas Adotadas em Caso de Dano ao Erário em 2016


Tomadas de Contas Especiais
Casos de dano Não instauradas Instauradas
objeto de Dispensadas Não remetidas ao TCU
medidas Arquivamento Não enviadas
administrativas Débito Prazo Outros > 180 dias do Remetidas
internas < R$ Recebimento Não Débito <
> 10 anos Casos* exercício ao TCU
75.000 Débito Comprovação R$ 75.000
instauração*
218 0 0 0 0 0 0 0 0

Os 218 (duzentos e dezoito) procedimentos relacionados em caso de dano ao erário em


apuração no exercício foram realizados por meio de sindicância investigativa ou processo administrativo
disciplinar e estão discriminados no Relatório de Correições da Unidade Jurisdicionada. As ocorrências se
dividem em acidente com viatura, extravio de carteira funcional e extravio de arma de fogo.

Em nenhum caso houve tomada de contas especiais, pelos seguintes motivos: não
configuração de infração disciplinar, ausência de culpa do servidor, ressarcimento pelo servidor do dano
causado, dentre outros.

Os detalhes dos procedimentos, tais como data de instauração, data do relatório, instrumento
de publicação, local da ocorrência e autoridade julgadora podem ser consultados no Relatório de
Correições, apresentado ao final da Prestação de Contas, na Seção RELATÓRIOS, PARECERES E
DECLARAÇÕES, Subseção Relatório de Instância ou área de correição.

8.4 Demonstração da conformidade do cronograma de pagamentos de obrigações com


o disposto no art. 5º da Lei 8.666/1993

A UPC observa, como medida primordial e sempre que dentro do possível, o cronograma de
pagamentos de obrigações nos moldes definidos pelo art. 5º da Lei 8.666/1993.
Ocorre que esse estágio da despesa pública depende, primordialmente, da liberação dos
recursos financeiros pela Coordenação de Orçamento e Finanças COF/DLOG/DPF, que nem sempre
dispõe, necessariamente, em montante suficiente para atender aos pagamentos na ordem cronológica das
datas de suas exigibilidades. A unidade gestora deverá liquidar tempestivamente as faturas para que
constem no SIAFI, para que assim, possa sinalizar para à Coordenação responsável pelo repasse de recursos
financeiro, para que promova os devidos pedidos de programação financeira para os órgãos responsáveis.

Quando são liberados recursos financeiros insuficientes para o pagamento da despesa que
foi exigida em primeiro lugar, utilizam-se esses recursos para o pagamento de despesas posteriormente
exigidas, a fim de que não se perca o recurso ora disponibilizado.

191
Assim, é respeitada a ordem cronológica, ressalvada a diretriz para pagamento prioritário
das faturas em moeda estrangeira para evitar os efeitos nocivos da variação cambial por determinação do
órgão de controle interno.

8.5 Informações sobre a revisão dos contratos vigentes firmados com empresas
beneficiadas pela desoneração da folha de pagamento

Foi expedida a Mensagem 082578, de 13/04/2015, da DLSG/SIASG/DF, comunicando que


foi conhecido o pedido de reexame com efeito suspensivo em relação aos itens 9.2 e 9.3 do Acórdão nº
2.859/2013-TCU/Plenário, que tratam da desoneração da folha de pagamento. Ao final da mensagem, foi
informado que a SLTI expediria orientações aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal
Direta, autárquica e fundacional, integrantes do SISG, após o exame final da matéria pelo TCU.

Posteriormente, em junho e julho de 2015, a DLOG/DPF, solicitou às UGs, que informassem


as providências referentes à revisão dos contratos firmados com empresas beneficiadas pela desoneração
da folha de pagamento, todavia, as UGs, em virtude da citada suspensão, proposta pelo TCU não adotaram
as devidas providências, inclusive aguardando novas orientações da SLTI/MPOG.

8.6 Informações sobre ações de publicidade e propaganda

O quadro a seguir demonstra os valores empenhados e pagos com contratos de publicidade


e propaganda firmados pela UPC no exercício.

Todos os dados foram extraídos do Tesouro Gerencial, utilizando como critérios de pesquisa:

Grupo de Itens do Public Mensal;


Mês de Referência = dez/2016;
Unidade Orçamentária = 30108;
Naturezas de despesa detalhada: 33903990, 33903993 e 33913990.

Quadro 37 - Despesas com publicidade


Valores
Publicidade Programa/Ação orçamentária Valores pagos
empenhados
Institucional - - - - - -
PROGRAMA
DE GESTAO E
MANUTENCAO
ADMINISTRACAO DA
Legal 2112 DO 2000 459.293,01 229.637,28
UNIDADE
MINISTERIO
DA JUSTICA E
C
Mercadológica - - - - - -
PROGRAMA
DE GESTAO E
Utilidade MANUTENCAO ADMINISTRACAO DA
2112 2000 320,00 320,00
pública DO UNIDADE
MINISTERIO
DA JUSTICA

192
193
ANEXO I

APENSO I - Indicadores de Desempenho das Unidades Descentralizadas

A seguir, são apresentados os resultados das medições desses indicadores em 2015 e 2016 e metas
para 2016 a 2019.

Indicador 1: Relação entre inquéritos relatados e instaurados


UF
Resultado do Indicador Resultado do Indicador
(SR e unidades
01/01/2015 a 31/12/2015 (%) 01/01/2016 a 31/12/2016 (%)
vinculadas)
AC 130 98
AL 151 98
AM 72 94
AP 97 69
BA 122 102
CE 101 85
DF 79 96
ES 92 109
GO 92 75
MA 107 93
MG 96 78
MS 114 112
MT 93 88
PA 97 108
PB 104 90
PE 112 91
PI 90 80
PR 92 91
RJ 86 87
RN 120 133
RO 109 87
RR 116 99
RS 102 90
SC 106 92
SE 108 88
SP 94 95
TO 123 88
 A meta definida para 2016 e 2017 é de 90% para cada uma das unidades descentralizadas.
 A meta definida para 2018 e 2019 é de 100% para cada uma das unidades descentralizadas.
Indicador 2: Relação entre as cartas precatórias cumpridas e/ou devolvidas e as cartas precatórias recebidas pela
Superintendência Regional e suas unidades vinculadas
UF
Resultado do Indicador Resultado do Indicador
(SR e unidades
01/01/2015 a 31/12/2015 (%) 01/01/2016 a 31/12/2016 (%)
vinculadas)
AC 102 108
AL 121 86
AM 83 137
AP 107 103
BA 77 113
CE 95 118
DF 74 133
ES 106 98
GO 110 96
MA 95 118
MG 99 102
MS 103 101
MT 103 109
PA 124 105
PB 100 106
PE 89 111
PI 77 94
PR 106 101
RJ 98 99
RN 100 101
RO 101 92
RR 89 95
RS 111 100
SC 98 101
SE 101 92
SP 102 102
TO 88 97
 A meta definida para 2016 e 2017 é de 90% para cada uma das unidades descentralizadas.
 A meta definida para 2018 e 2019 é de 100% para cada uma das unidades descentralizadas.
Indicador 3: Relação entre Notícias-crime analisadas pela Corregedoria e as Notícias-crime protocoladas na
Superintendência Regional e suas unidades vinculadas
UF
Resultado do Indicador Resultado do Indicador
(SR e unidades
01/01/2015 a 31/12/2015 (%) 01/01/2016 a 31/12/2016 (%)
vinculadas)
AC 93 96
AL 98 82
AM 99 85
AP 98 96
BA 69 90
CE 97 87
DF 93 90
ES 98 92
GO 100 97
MA 72 88
MG 96 95
MS 96 90
MT 97 89
PA 64 91
PB 90 89
PE 86 82
PI 99 99
PR 98 95
RJ 77 80
RN 97 79
RO 93 86
RR 92 90
RS 92 90
SC 96 92
SE 99 99
SP 96 96
TO 100 99
 A meta definida para 2016 e 2017 é de 90% para cada uma das unidades descentralizadas.
 A meta definida para 2018 e 2019 é de 100% para cada uma das unidades descentralizadas.
Indicador 4: Relação entre a quantidade de operações especiais de polícia judiciária (OEPJ) e o total de servidores da
Superintendência Regional e de suas unidades jurisdicionadas
UF Resultado do Indicador Resultado do Indicador Meta 2016 Meta 2017
(SR e unidades 01/01/2015 a 31/12/2015 01/01/2016 a 31/12/2016 (nº de OEPJ (nº de OEPJ por
vinculadas) (nº de OEPJ por servidor) (nº de OEPJ por servidor) por servidor) servidor)
AC 0,04 0,0631 0,0311 0,0922
AL 0,09 0,0230 0,0292 0,0690
AM 0,09 0,0476 0,0208 0,0675
AP 0,10 0,0493 0,0310 0,1197
BA 0,07 0,0688 0,0302 0,0542
CE 0,03 0,0349 0,0253 0,0411
DF 0,09 0,0981 0,0213 0,0663
ES 0,05 0,0550 0,0298 0,0581
GO 0,15 0,1016 0,0367 0,0794
MA 0,06 0,0466 0,0182 0,0896
MG 0,05 0,0399 0,0349 0,0347
MS 0,03 0,0579 0,0316 0,0558
MT 0,09 0,0324 0,0609 0,0678
PA 0,08 0,0395 0,0296 0,0395
PB 0,04 0,0566 0,0573 0,0566
PE 0,07 0,1125 0,0620 0,0537
PI 0,02 0,0619 0,0327 0,0619
PR 0,05 0,0418 0,0258 0,0282
RJ 0,02 0,0173 0,0181 0,0226
RN 0,04 0,0594 0,0220 0,0594
RO 0,02 0,0433 0,0362 0,0600
RR 0,13 0,0468 0,0606 0,0760
RS 0,05 0,0408 0,0341 0,0369
SC 0,03 0,0266 0,0370 0,0368
SE 0,03 0,0255 0,0190 0,0764
SP 0,05 0,0210 0,0452 0,0303
TO 0,06 0,1338 0,0541 0,0955
 Foi considerado o efetivo total de servidores do respectivo Estado em dezembro de 2016 para o realizado em 2016
e para a definição das metas de 2017, 2018 e 2019.
 As metas para 2018 e 2019 são iguais às definidas para 2017, por Estado, conforme acima.
 Este indicador também será utilizado para apuração da meta do PPA 2016-2019 “Incrementar o combate ao crime
organizado por meio de operações especiais de polícia judiciária da União”.
Indicador 5: Relação entre a quantidade inquéritos relatados com indicação da autoria somados aos relatados sem
indicação da autoria por não constatação de prática de infração penal e o total de inquéritos relatados (Eficácia dos
inquéritos do Departamento de Polícia Federal)
UF Resultado do Indicador Resultado do Indicador
(SR e unidades vinculadas) 01/01/2015 a 31/12/2015 (%) 01/01/2016 a 31/12/2016 (%)
AC 81,46 86,61
AL 76,86 79,66
AM 83,13 78,80
AP 85,04 91,35
BA 69,60 70,81
CE 74,19 75,20
DF 78,74 76,72
ES 66,33 82,72
GO 72,11 67,28
MA 65,31 48,96
MG 74,02 68,66
MS 87,28 89,39
MT 80,81 79,67
PA 63,71 73,12
PB 74,62 81,13
PE 67,91 65,52
PI 79,91 85,20
PR 74,94 73,01
RJ 71,28 65,51
RN 79,61 83,52
RO 86,06 81,16
RR 82,59 87,88
RS 84,59 80,33
SC 79,31 78,05
SE 80,00 70,78
SP 67,80 65,06
TO 80,33 79,90
 A meta para os anos de 2016, 2017, 2018 e 2019 é de 71% para cada uma das unidades descentralizadas.
 Este indicador também será utilizado para apuração da meta do PPA 2016-2019 “Contribuir para a redução da
impunidade ampliando o percentual de elucidação de infrações penais de atribuição da Polícia Federal”.
Indicador 6: Relação entre a quantidade de vistorias realizadas em empresas de segurança privada na circunscrição
na Superintendência Regional (DELESP e Delegacias Descentralizadas) e o total de empresas de segurança privada
da circunscrição da SR

UF Resultado do Indicador Resultado do Indicador


(SR e unidades vinculadas) 01/01/2015 a 31/12/2015 ( %) 01/01/2016 a 31/12/2016 ( %)

AC 33,33 33,33
AL 41,86 54,32
AM 110,64 54,39
AP 180,00 55,00
BA 115,81 57,20
CE 51,81 34,68
DF 66,42 75,68
ES 148,00 66,67
GO 121,56 55,70
MA 173,91 58,54
MG 176,53 54,29
MS 125,29 40,66
MT 108,75 53,49
PA 54,37 40,34
PB 96,05 60,27
PE 79,05 35,32
PI 63,27 27,55
PR 54,35 60,73
RJ 153,21 61,99
RN 95,77 52,86
RO 38,60 37,04
RR 66,67 66,67
RS 82,97 46,79
SC 50,78 48,62
SE 154,55 64,71
SP 115,41 50,90
TO 112,90 51,52

A meta definida para os anos de 2016, 2017, 2018 e 2019 é de 100% para cada uma das unidades descentralizadas.
Indicador 7: Relação entre a quantidade de vistorias realizadas em agências bancárias e postos de atendimento
bancário na circunscrição da Superintendência Regional (DELESP e Delegacias Descentralizadas) e o total de
agências bancárias e postos de atendimento bancário da circunscrição da SR

UF Resultado do Indicador Resultado do Indicador


(SR e unidades vinculadas) 01/01/2015 a 31/12/2015 ( %) 01/01/2016 a 31/12/2016 ( %)

AC 91,76 80,49
AL 98,37 98,36
AM 1,31 89,83
AP 80,82 95,24
BA 90,89 93,94
CE 52,28 81,04
DF 95,39 95,56
ES 7,28 91,22
GO 48,22 91,20
MA 100,00 56,81
MG 74,67 72,41
MS 3,80 79,30
MT 8,82 64,41
PA 9,10 96,82
PB 80,49 74,84
PE 31,52 72,07
PI 3,15 73,42
PR 72,61 64,47
RJ 7,17 45,85
RN 3,16 86,67
RO 102,89 88,00
RR 38,10 40,32
RS 13,41 57,15
SC 93,49 87,79
SE 90,20 99,59
SP 20,19 79,67
TO 97,42 74,84

A meta definida para os anos de 2016, 2017, 2018 e 2019 é de 100% para cada uma das unidades descentralizadas.
Indicador 8: Relação entre a quantidade de passaportes comuns emitidos na circunscrição da SR e o total de estações
de trabalho de expedição de passaportes cadastradas nos postos de expedição de passaportes da SR
UF
Resultado do Indicador Resultado do Indicador
(SR e
26/06/2015 a 31/12/2015 01/01/2016 a 31/12/2016 Meta 2016 Meta 2017 Meta 2018 Meta 2019
unidades
vinculadas)
AC 245,30 480,50 502,87 528,01 554,41 582,13
AL 1537,67 3627,24 3152,22 3309,83 3475,33 3649,09
AM 1442,76 2863,59 2957,66 3105,54 3260,82 3423,86
AP 651,63 1081,10 1335,84 1402,63 1472,77 1546,40
BA 1610,98 3427,39 3302,51 3467,63 3641,02 3823,07
CE 2064,20 3515,71 4231,61 4443,19 4665,35 4898,62
DF 1042,39 3699,63 2136,90 2243,74 2355,93 2473,73
ES 3865,71 7830,62 7924,71 8320,94 8736,99 9173,84
GO 2185,83 6544,40 4480,95 4705,00 4940,25 5187,26
MA 945,92 1777,62 1939,14 2036,09 2137,90 2244,79
MG 3276,52 6648,19 6716,87 7052,71 7405,34 7775,61
MS 1061,62 2232,00 2176,32 2285,14 2399,39 2519,36
MT 1553,92 2804,12 3185,54 3344,81 3512,05 3687,66
PA 1472,11 2386,26 3017,83 3168,72 3327,15 3493,51
PB 1506,40 3562,40 3088,12 3242,53 3404,65 3574,88
PE 1952,82 4303,25 4003,28 4203,45 4413,62 4634,30
PI 1086,97 2460,13 2228,29 2339,70 2456,69 2579,52
PR 2127,66 4610,23 4361,70 4579,79 4808,78 5049,22
RJ 2875,25 6315,91 5894,26 6188,98 6498,42 6823,35
RN 2040,05 4539,00 4182,10 4391,21 4610,77 4841,31
RO 1788,81 3562,25 3667,06 3850,41 4042,93 4245,08
RR 707,67 1411,69 1450,72 1523,26 1599,42 1679,39
RS 2140,51 3937,89 4388,05 4607,45 4837,82 5079,71
SC 2930,61 5697,58 6007,75 6308,14 6623,54 6954,72
SE 2343,56 28262,86 4804,30 5044,51 5296,74 5561,58
SP 3585,00 7469,54 7349,25 7716,71 8102,55 8507,68
TO 941,53 2259,33 1930,14 2026,64 2127,98 2234,37
Para o ano de 2015, a produtividade foi calculada a partir do dia 26/06/2015, marco inicial do cálculo do indicador.
A unidade de medida é “nº de passaportes comuns emitidos por ano, por estação de trabalho de expedição de
passaporte”.
Indicador 9: Tempo de espera para atendimento nas cabines de fiscalização migratória localizadas nas áreas de
embarque internacional de aeroportos (Manaus, Campinas, Confins, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, Recife,
Salvador, Brasília, Galeão, Guarulhos e Natal)
UF (Aeroporto da Resultado do Indicador Resultado do Indicador
circunscrição da SR) janeiro a dezembro/2015 (em minutos) janeiro a setembro/2016 (em minutos)

AM (Manaus) 17 9
BA (Salvador) 3 3
CE (Fortaleza) 1 2
DF (Brasília) 2 2
MG (Confins) 1 1
PE (Recife) 2 3
PR (Curitiba) 1 4
RJ (Galeão) 5 5
RN (Natal) 2 4
RS (Porto Alegre) 2 2
SP (Campinas) 3 3
SP (Guarulhos) 3 4
 A meta, que é definida pela Comissão Nacional das Autoridades Aeroportuárias (CONAERO), é de 16 minutos.
 Os resultados do 4º trimestre de 2016 ainda não foram disponibilizados pela CONAERO, logo, o resultado do
indicador considerou a média de tempo dos três primeiros trimestres de 2016.

Indicador 10: Tempo de espera para atendimento nas cabines de fiscalização migratória localizadas nas áreas de
desembarque internacional de aeroportos (Manaus, Campinas, Confins, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, Recife,
Salvador, Brasília, Galeão, Guarulhos e Natal)
UF
Resultado do Indicador Resultado do Indicador
(Aeroporto da
janeiro a setembro/2015 (em minutos) janeiro a setembro/2016 (em minutos)
circunscrição da SR)
AM (Manaus) 17 17
BA (Salvador) 12 20
CE (Fortaleza) 21 12
DF (Brasília) 10 9
MG (Confins) 6 11
PE (Recife) 3 3
PR (Curitiba) 5 11
RJ (Galeão) 12 6
RN (Natal) 10 12
RS (Porto Alegre) 7 6
SP (Campinas) 3 5
SP (Guarulhos) 8 8
 A meta, que é definida pela Comissão Nacional das Autoridades Aeroportuárias (CONAERO), é de 16 minutos.
 Os resultados do 4º trimestre de 2016 ainda não foram disponibilizados pela CONAERO, logo, o resultado do
indicador considerou a média de tempo dos três primeiros trimestres de 2016.
Indicador 11: Produtividade média de elaboração de laudos de perícia criminal da Superintendência Regional

Resultado do Resultado do
UF
Indicador Indicador Meta 2016 Meta 2017* Meta 2018* Meta 2019*
(SR e unidades
01/01/2015 a 01/01/2016 a
vinculadas)
31/12/2015 31/12/2016

AC 40,63 46,02 45,02 51,54 56,60 59,55


AL 33,80 25,65 38,30 38,30 38,30 38,30
AM 64,35 79,04 69,89 84,18 88,76 91,53
AP 51,22 87,47 56,75 91,93 95,87 98,32
BA 44,26 47,84 49,95 52,58 56,88 59,42
CE 46,69 49,13 51,88 54,00 58,42 61,02
DF 48,08 61,42 53,27 66,39 70,88 73,52
ES 51,15 55,83 56,67 61,36 66,38 69,34
GO 57,43 77,52 63,63 82,56 87,06 89,77
MA 36,80 47,25 41,72 52,92 58,12 61,14
MG 52,66 59,52 57,84 64,34 68,68 71,24
MS 106,09 114,76 109,59 118,09 120,85 122,80
MT 56,01 75,18 61,78 80,06 84,42 87,05
PA 52,34 54,06 57,99 59,41 64,28 67,14
PB 42,38 38,78 46,96 46,96 47,70 50,18
PE 39,41 54,74 44,09 60,16 65,08 67,98
PI 32,94 42,02 37,32 47,06 51,69 54,37
PR 117,47 115,26 119,77 118,60 121,37 123,33
RJ 56,38 50,23 61,23 61,23 61,23 62,39
RN 52,28 57,72 57,92 63,43 68,63 71,69
RO 82,74 75,14 88,43 80,02 84,38 87,01
RR 61,78 77,82 67,09 82,88 87,39 90,12
RS 53,06 65,48 57,50 70,78 75,56 78,38
SC 76,69 75,74 81,75 80,66 85,06 87,71
SE 65,53 60,00 71,17 71,17 71,17 71,82
SP 86,22 93,03 89,11 97,77 101,96 104,56
TO 48,96 62,44 53,17 67,49 72,05 74,74

 A meta estabelecida para o ano de 2017 foi revisada, conforme previsto no Relatório de Gestão da PF de 2015.
 É importante ressaltar as metas estabelecidas para 2017, 2018 e 2019 são metas ousadas e provavelmente necessitarão
de revisões futuras, pois foram baseadas em cenários prospectivos que estão sujeitos a diversos fatores externos.
Indicador 12: Quantidade de operações especiais de polícia judiciária (OEPJ) desencadeadas pela Superintendência
Regional de Polícia Federal (SR/PF)
UF Resultado do Indicador Resultado do Indicador
Meta 2016 Meta 2017
(SR e unidades 01/01/2015 a 31/12/2015 01/01/2016 a 31/12/2016
(nº de OEPJ) (nº de OEPJ)
vinculadas) (nº de OEPJ) (nº de OEPJ)
AC 6 13 6 19
AL 12 4 5 12
AM 17 12 5 17
AP 9 7 4 17
BA 26 33 14 26
CE 12 17 12 20
DF 26 37 8 25
ES 13 18 9 19
GO 34 32 11 25
MA 13 13 5 25
MG 37 31 26 27
MS 13 28 15 27
MT 24 11 19 23
PA 26 17 12 17
PB 9 18 18 18
PE 22 44 24 21
PI 3 13 7 13
PR 37 37 22 25
RJ 21 23 24 30
RN 9 17 6 17
RO 4 13 10 18
RR 17 8 10 13
RS 31 32 26 29
SC 12 13 17 18
SE 4 4 3 12
SP 68 34 72 49
TO 7 21 8 15
Consolidado SRs 512 550 398 577
 As metas para 2018 e 2019 são as mesmas definidas para 2017, por Estado, conforme demonstrado na tabela
acima.
 Este indicador faz parte do conjunto de indicadores estratégicos do Ministério da Justiça (Planejamento Estratégico
2015-2019). Além disso, também será utilizado para a apuração da meta do PPA 2016-2019 “Incrementar o
combate ao crime organizado por meio de operações especiais de polícia judiciária da União”.
Indicador 13: Disponibilidade imediata de vagas em dias de agendamento eletrônico para atendimento ao
cidadão requerente de passaporte
Resultado do Indicador Resultado do Indicador
UF 01/01/2016 a 31/12/2016
01/06/2015 a 31/12/2015
(SR e unidades vinculadas) (em dias)
(em dias)
AC 2,59 3,10
AL 11,30 5,00
AM 5,13 3,90
AP 1,97 1,40
BA 3,10 3,10
CE 1,68 13,10
DF 7,24 22,60
ES 2,91 3,20
GO 3,51 4,70
MA 3,38 5,70
MG 6,62 2,10
MS 3,18 11,00
MT 4,21 8,80
PA 1,85 2,40
PB 3,12 2,20
PE 4,95 6,60
PI 1,88 4,10
PR 6,85 8,00
RJ 12,94 6,40
RN 1,36 1,70
RO 6,48 6,70
RR 1,53 3,10
RS 7,29 10,00
SC 6,13 13,50
SE 3,55 4,40
SP 9,00 13,90
TO 1,47 2,40

Consolidado PF 4,64 5,90

 A meta definida para 2016 e 2017 é de 7 dias, tanto para o consolidado da PF, como para cada uma das
unidades descentralizadas.
 A meta definida para 2018 e 2019 é de 5 dias, tanto para o consolidado da PF, como para cada uma das
unidades descentralizadas.
 Para o ano de 2015, a produtividade foi calculada a partir do dia 01/06/2015, marco inicial do cálculo do
indicador.
ANEXO II

Apenso II – Outras Informações do Desempenho Operacional

Além das principais estratégias de atuação da PF em 2016, relacionadas aos objetivos


institucionais e respectivas ações estratégicas do Plano Estratégico 2014-2022, já demonstradas no item 3.2
Formas e instrumentos de monitoramento da execução e resultados dos planos, a seguir, apresentam-
se outras informações do desempenho operacional, resultado de atividades realizadas pelas diversas
unidades da PF no intuito de contribuir para o alcance daqueles objetivos e ações.

Objetivo Institucional: Fortalecer a cultura de gestão estratégica

Ações Estratégicas: Planejamento Estratégico; Gestão de Processos; Gestão de Projetos; e


Gestão do Conhecimento, Fomento à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação.

CIGE/PF

Coordenação do trabalho de elaboração da Mensagem Presidencial 2017, relativa às ações


desenvolvidas pelas diversas diretorias da PF, para subsidiar a Mensagem a ser enviada pelo MJSP à
Presidência da República.

Solicitação e consolidação de informações das unidades centrais da PF e elaboração do


Relatório Gerencial da PF de 2015, que subsidiaram a construção do Relatório de Gestão 2015 da
Instituição.

Foram apresentadas diversas propostas de melhorias para o sistema Gepnet2 à


CGTI/DLOG/PF. A previsão de conclusão do desenvolvimento e testes das melhorias evolutivas é até maio
de 2017.

A partir de janeiro de 2017, o controle de versionamento do sistema Gepnet2 será realizado


pela ferramenta GIT instalada na CGTI/DLOG/PF, o que tornará possível a sincronização do código-fonte
de desenvolvimento entre a PF e o Portal SPB.

Está sendo operacionalizada junto aos escritórios de projetos da PF a migração dos projetos
que ainda são acompanhados pelo sistema Gepnet1 para o Gepnet2. Devido às restrições de recursos
orçamentários que impedem a migração total de toda base de dados do Gepnet1 para o Gepnet2, grande
parte dos dados dos projetos ainda em acompanhamento no Gepnet1 deverão ser migrados manualmente
para o sistema Gepnet2. Tal medida afetará principalmente o escritório de projetos da CGTI (EGPS-CGTI)
e o escritório de projetos da DITEC (AGE-DITEC). Os demais escritórios de projetos não possuem projetos
em andamento no Gepnet1 ou os mesmos já foram migrados manualmente pelo EGPE/CIGE/PF.

DGP/PF (Academia Nacional de Polícia – ANP/DGP/PF)

A seguir, são apresentados os resultados quantitativos alcançados no tocante a capacitações


realizadas por meio da ANP/DGP/PF.
EVENTOS DE CAPACITAÇÃO (FONTE: DGP)
2014 2015 2016

CARGA CARGA CARGA


DESCRIÇÃO HORÁRIA HORÁRIA HORÁRIA
Nº DE AÇÕES ALUNOS Nº DE AÇÕES ALUNOS Nº DE AÇÕES ALUNOS
TOTAL TOTAL TOTAL
INSTITUÍDAS MATRICULADOS INSTITUÍDAS MATRICULADOS INSTITUÍDAS MATRICULADOS
(ALUNOS X (ALUNOS X (ALUNOS X
H/A) H/A) H/A)

Cursos de Pós-
Graduação: 3 91 32.811 (1*) 0 0 (1*) 0 0
Especializações

Cursos da Escola
Superior de 10 804 151.860 10 1.030 216.468 14 1.405 232.573
Polícia

Curso de
Formação 3 655 529.520 1 736 606.464 1 143 37.466
Profissional

184.002 329.756
Ensino Presencial 139 4.027 184.928 136(2*) 3.788 152 (2*) 4.993
(3*) (3*)

Ensino à
106 22.230 1.101.706 108 7981 (4*) 435.300 183 63.639(4*) 1.549.692
Distância

Ações
Educacionais 4 129 29154 8 227 15.576 8 347 472
internacionais

Serviços
Contratados - 209 842 6.103 194 830 39.426 164 1.143 35.077
CGC/DGP

Ações EAD
Não
oferecidas à Não medido Não medido 21 2.572 120.720 41 42.132 915.895
medido
público externo

Ações Presenciais
Não
oferecidas à Não medido Não medido (6*) 187 9.806 (5*) 353 18.510
medido
público externo

TOTAL 474 28.778 2.036.082 478 14.592 1.627.762 563 114.149 3.119.441

Comentários 2016:
(1*) Não houve instituição de curso de especialização (Pós-Graduação Lato Sensu) em 2016 posto que a referida ação tem como pré-
requisito a expedição pelo MEC do ato de recredenciamento da ANP para a oferta de cursos de especialização.
(2*) Inclui as seguintes ações: Seminários, Treinamentos, Encontros, Curso de Formação Profissional e Cursos de capacitação.
(3*) Inclui a carga horária de ações de capacitação presenciais (seminários, cursos, encontros).
(4*) Inclui todos os participantes inscritos em cursos a distância, independentemente do resultado educacional atingido (aprovação,
reprovação ou evasão). Consideram-se oportunizadas as vagas a partir do momento em que se efetivam as inscrições
(5*) Valores precisos não contabilizados até a data de fechamento do relatório.

Comentários 2015:
(1*) Não houve instituição de curso de especialização (Pós-Graduação Lato Sensu) em 2016 devido ao término do credenciamento
concedido à ANP. Ressalte-se que a ANP recebeu comissão de avaliação instituída pelo Inep/MEC somente em novembro/2015.
(2*) Inclui as seguintes ações: Seminários, Treinamentos, Encontros, Curso de Formação Profissional e Cursos de capacitação.
(3*) Inclui a carga horária de ações de capacitação presenciais (seminários, cursos, encontros).
(4*) O número informado inclui todos os participantes inscritos em cursos a distância, independentemente do resultado educacional atingido
(aprovação, reprovação ou evasão). Consideram-se oportunizadas as vagas a partir do momento em que se efetivam as inscrições
(5*) Estes alunos foram inscritos em vagas de ações presenciais ofertadas aos servidores.
(6*) Valores precisos não contabilizados até a data de fechamento do relatório.

Comentários 2014:
Os cursos de especialização (Pós-Graduação Lato Sensu) que constam como instituídos em 2014 foram iniciados em 2012, registrados nesta
estatística devido à sua finalização em 2014. Não foram iniciados cursos de especialização em 2014.
Os cursos de Condutores de Veículos de Emergência na modalidade EAD impactaram no resultado final considerando a grande quantidade
de servidores capacitados.
Objetivo Institucional: Valorizar o Servidor

Ações Estratégicas: Gestão por Competência; Assistência à Saúde do Servidor; Política de


Apoio ao Servidor Recém-Empossado; Política de Remoção do Servidor; Política de Apoio ao Servidor
com Tempo para Aposentar; e Gestão Política Junto a Órgãos Externos

Seguem as principais atividades e resultados de 2016 realizados com a finalidade de atingir


o objetivo de Valorizar o Servidor.

Objetivo Institucional: Ampliar a Credibilidade Institucional

Ações Estratégicas: Proteção da Imagem Institucional; Difusão da Comunicação Interna e


Externa; Desenvolvimento da Responsabilidade Socioambiental; e Incrementar Relações Institucionais.

COGER/PF

A tabela a seguir apresenta dados quantitativos relativos aos procedimentos disciplinares e


penalidades aplicadas:

PROCEDIMENTOS DISCIPLINARES E PENALIDADES APLICADAS


(FONTE: COGER)
DESCRIÇÃO 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Procedimento Administrativo Disciplinar
366 242 258 216 176 123
(PAD)
Sindicância Investigativa 718 556 583 610 397 287
Sindicância de Natureza Especial - Armas - - - - 23 22
Sindicância de Natureza Especial - CIF - - - - 72 77
Sindicância de Natureza Especial - Veículos - - - - 87 103
Defesa Prévia - 327 326 441 427 402
Sindicância Acusatória 22 7 19 7 10 11
Advertência Aplicada 25 17 14 15 17 10
Repreensão Aplicada 7 6 4 15 10 3
Suspensão Aplicada (até 30 dias) 134 124 69 74 91 64
Suspensão Aplicada (acima de 30 dias) 0 2 3 4 6 5
Demissão 28 18 16 8 9 34
Cassação de aposentadoria 1 8 3 0 2 5

Comentários 2016: Os números de 2016, se comparados aos de 2015, indicam uma redução de aproximadamente
30,11% no número de PADs instaurados, confirmando a tendência de queda verificada nos últimos anos.
As penalidades aplicadas em 2016 foram em quantidades semelhantes aos últimos anos, de acordo com cada tipo de
punição, com exceção do número de demissões aplicadas, que aumentou 377% em relação ao ano de 2015 (de 9 para 34). As
suspensões aplicadas (até 30 dias) diminuíram 29,67%, se comparadas ao ano de 2015.
O gráfico a seguir ilustra a tendência de queda no número de PADs instaurados verificada
nos últimos anos.

Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD)


Instaurados
366

258
242
216
176

123

2011 2012 2013 2014 2015 2016

A COAIN/COGER/PF investiga, em caráter excepcional, crimes que, em tese, tenham sido


praticados por servidores da Polícia Federal.

Os números apresentados na tabela a seguir correspondem ao somatório das intimações e


notificações efetuadas pela COGER em 2016 em procedimentos de ordem disciplinar. Dentre as
notificações/intimações 63 (sessenta e três) foram efetuadas diretamente pela 1ª Comissão Permanente de
Disciplina (CPD/COGER) no Estado do Paraná.

PROCEDIMENTOS DISCIPLINARES E PENALIDADES APLICADAS (FONTE: COGER)


DESCRIÇÃO 2013 2014 2015 2016
Sindicâncias Investigativas Iniciadas 27 23 25 80
Cumprimento de
55 18 156 186
Notificações/Intimações
Comentários 2016: As sindicâncias investigativas assim nominadas foram 11 em 2016, porém as sindicâncias especiais em
razão de acidente com veículo, as de extravio de carteira de identificação funcional ou de arma, também são de caráter
investigativo, por isso na informação prestada foram somadas as denominadas investigativas e as especiais, que totalizaram
80 sindicâncias.

DITEC/PF

A DITEC/PF realizou atualizações frequentes em sua intranet e constatou aumento na


quantidade de acessos.

Objetivo Institucional: Reduzir a Criminalidade

Ações Estratégicas: Prevenção à Criminalidade; Repressão a Organizações Criminosas;


Atuação Policial em Grandes Eventos; Gestão da Qualidade da Prova; Aperfeiçoamento dos Procedimentos
de Polícia Judiciária; Efetivação de Mecanismos de Análise e Inteligência Policial; e Atuação Policial em
Áreas de Fronteira.

DICOR/PF

Em 2016, o valor em drogas apreendidas foi de R$ 795.862.000,00.

Nos gráficos a seguir, estão demonstrados outros valores obtidos por meio das ações e
operações de polícia judiciária.

Prejuízos Causados à União (R$)

100.067.254.151,98

32.387.196.401,00

6.821.748.217,00

2014 2015 2016

Bens Apreendidos (R$)

12.405.381.653,88

4.296.837.987,00

2.229.907.552,00

2014 2015 2016


Prejuízos Evitados à União (R$)

59.135.646.583,56

10.042.873.697,00
2.868.724.100,00

2014 2015 2016

As Operações Especiais de Polícia Judiciária tiveram seus critérios de classificação alterados


em 2016, por meio do Memorando Circular nº 09/2016-DICOR/PF. Também foi criado o conceito de
Operação Comum, que passou a abarcar parte das operações que eram classificadas até 2015 como
Especiais. Assim, exigência para que uma operação seja classificada como Especial foi ampliada. Apesar
disso, houve um crescimento no número das Operações Especiais em comparação a 2015.

Em 2016, foram deflagradas 922 operações, sendo 372 Comuns e 550 Especiais. No gráfico
que segue é demonstrado o histórico de Operações Especiais da PF.

Operações Especiais de Polícia Judiciária Deflagradas - PF

550
516

390

287 301
270 266

2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

Na sequência, apresentam-se as principais realizações e algumas operações realizadas em


2016, classificadas por área de investigação, demonstrado que mesmo num ano em que ocorreram os Jogos
Olímpicos e Paralímpicos e as eleições municipais, o número de operações aumentou e que houve atuação
da PF em todos os Estados da Federação envolvendo toda a sua atribuição prevista na Constituição, fato
devido ao grande engajamento dos seus servidores.

Foram deflagradas operações para o enfrentamento de crimes nas áreas de desvios de


recursos públicos, cibernéticos, previdenciários, fazendários, ambientais, eleitorais, direitos humanos,
tráfico de drogas, financeiros e contra o patrimônio.

Na área de desvio de recursos públicos foram deflagradas 152 operações entre especiais e
comuns, evitando-se prejuízos superiores a R$ 45,9 bilhões.

Na área de crimes cibernéticos foram deflagradas 72 operações entre especiais e comuns e a


atuação ocorreu principalmente no enfrentamento aos crimes de pornografia infantil e de fraudes bancárias.

Estão em aprimoramento sistemas que auxiliam nas investigações dessa área de atuação,
com vistas a otimizar ainda mais o trabalho dos investigadores. Destacam-se, entre outras, as operações
Cartão Vermelho da SR/PF/PE, Chargeback da SR/PF/TO, Internet Segura da SR/PF/CE, Fraude Postal II
da SR/PF/SP e Darknet II da SR/PF/RS.

No combate às organizações criminosas voltadas para delitos contra a Previdência Social


foram deflagradas 62 operações entre especiais e comuns, com destaque para as operações Tânato da
SR/PF/MA, Lenda Urbana da SR/PF/RJ e Clone da SR/PF/PB. Ressalta-se que o prejuízo apurado ao erário,
oriundo de ações debeladas pela PF, foi superior a R$ 233 milhões e o prejuízo evitado foi estimado em
mais de R$ 563 milhões.

Na repressão aos Crimes Fazendários foram deflagradas 152 operações entre especiais e
comuns, sendo o prejuízo evitado estimado em mais de R$ 4,9 bilhões. Destacam-se as operações Tríplice
Aliança da DPF/NVI/SR/PF/MS, Sala Azul da DPF/NVI/DR/PF/RO e Formiga da DPF/DCQ/SR/PF/SC.

Ainda nessa área de atuação, está em andamento o aprimoramento das investigações de


falsificação de moedas e de fraudes praticadas mediante o uso de cheques, sendo necessária a finalização
da estruturação da base de investigação centralizada.

Na repressão aos crimes contra o Meio Ambiente foram intensificadas as investigações


contra grandes organizações criminosas, com especial foco na repressão à corrupção de servidores públicos
e na quantificação dos danos ambientais. O prejuízo causado e investigado foi superior a R$ 20,3 bilhões,
dado utilizado para a adoção de medidas de descapitalização dos grupos criminosos como estratégia de
combate à impunidade. Foram deflagradas 57 operações entre especiais e comuns, com destaque para as
operações Rio Doce da SR/PF/MG, Knossos da SR/PF/RR, Rios Voadores da SR/PF/PA, Hymenaea da
SR/MA e Tubarão da SR/ES.

Para 2017, está prevista a intensificação da utilização de técnicas modernas de investigação,


como o georreferenciamento e a utilização de imagens de satélite, o que demandará investimento para
implementar laboratórios de geointeligência.

Na área de enfrentamento aos crimes eleitorais houve a elaboração de planejamento


operacional e uma atuação destacada com a investigação proativa e a deflagração de diversas operações
para prevenir e punir abusos ocorridos nas eleições municipais de 2016. A ações ocorreram no âmbito das
27 Superintendências Regionais, 124 Delegacias Descentralizadas, além de outras 325 Cidades-Pólo
criadas estrategicamente a fim de cobrir e atender o maior número de municípios possíveis, agilizando a
atuação na repressão aos ilícitos eleitorais. Também nesse intuito, foi criado em Brasília/DF o Centro de
Controle das Eleições 2016, com a utilização da mesma estrutura dos jogos Olímpicos 2016. No total, foram
deflagradas 125 operações entre especiais e comuns, com destaque para as operações Maçarico da
SR/PF/ES, Niágara e Vassalagem da SR/PF/AL, Clístenes da SR/PF/RS e Entrega da SR/PF/SE.

Em relação aos crimes contra Direitos Humanos foram feitas diversas investigações visando
enfrentar o tráfico de pessoas, o trabalho escravo e os grupos de extermínio, resultando na deflagração de
28 operações entre especiais e comuns. Destaque para as operações Salve Jorge da SR/PF/AM, Guarantã
da DPF/SIC/SR/PF/MT e Maracá da SR/PF/AP.

No combate às organizações criminosas relacionadas ao tráfico de drogas, destacam-se os


investimentos para a ampliação e o desenvolvimento das ações do Grupo Especial de Investigações
Sensíveis (GISE), resultando em altos índices de apreensão de entorpecentes. Além disso, ressaltam-se as
ações de erradicação da maconha no Brasil e no Paraguai, que visam a eliminar no nascedouro uma
importante fonte de produção de toneladas de maconha, além de diversas ações conjuntas com outros países
que permitiram excelentes resultados. Como resultado, foram deflagradas 152 operações entre especiais e
comuns e o valor, somente das drogas apreendidas, foi superior a R$ 795 milhões, com ênfase nas operações
Sertão Livre da SR/PF/BA, Resistência da DPF/BRU/SR/PF/SP e Açougue da SR/PF/PI.

No que diz respeito à atuação operacional da PF sobre os crimes financeiros, podemos citar
as atividades relacionadas ao recebimento e análise dos Relatórios de Inteligência Financeira (RIF) do
Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), com a produção de informações para subsidiar
investigações criminais e sua disseminação, quando confirmados indícios de práticas criminosas. Além
disso, foram deflagradas 38 operações entre especiais e comuns, com destaque para as operações Lava Jato
da SR/PF/PR, Greenfield da SR/PF/DF e Recomeço da SR/PF/RJ. O valor, somente relativo aos bens
apreendidos, foi superior a R$ 8,3 bilhões.

Em relação à repressão aos crimes contra o patrimônio e ao tráfico de armas, foi dado ênfase
aos crimes relacionados a roubos a bancos, agências dos correios e carros fortes. Foram deflagradas 84
operações entre especiais e comuns com destaque para as operações Freguesia da SR/PF/PE, Clientela da
SR/PF/RN e Velho Oeste da SR/PF/TO.

Nos gráficos a seguir, são destacados outros resultados operacionais da PF que visam à
redução da criminalidade, como o número de buscas e apreensões e o número de prisões realizadas ao longo
dos últimos sete anos.

Total de Buscas e Apreenções em Operações Deflagradas


6865
5958

4199 4427 4153 4474


3989

2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016


Total de Prisões e Mandados de Condução Coercitivas em Operações
Deflagradas
6415

4356
3769
3300 3168
2973
2557

2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

DIREX/PF

Com relação ao Grupo Especial de Busca e Capturas (GECAP), ao longo do ano passado,
passou a atuar de forma proativa, ou seja, mediante a pesquisa própria no Banco Nacional de Mandados de
Prisão (BNMP) visando a coletar casos de condenações a penas de maior duração e crimes de maior impacto
social (tráfico de pessoas, tráfico de drogas, roubos, etc.).

Como meta para 2017, além de dar continuidade na busca dos foragidos nos casos em aberto
acima indicados, o GECAP ainda pretende lançar mão de dados obtidos pela DIP/PF e compartilhados com
o GECAP, relativos a outros mandados de prisão (Federais e Estaduais, sobretudo do Distrito Federal -
DF), visando retornar à população do DF alguma segurança adicional, mediante a retirada de tais pessoas
de circulação. O quantitativo de casos a serem priorizados ainda está em fase inicial, visto que somente em
data recente foram recebidos os dados.

A seguir, são apresentadas atividades que visam contribuir para a segurança de portos e
aeroportos.

PARTICIPAÇÕES EM FOROS - SAER/DIREX (FONTE: DIREX)


DESCRIÇÃO 2015 2016
Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias - CONAERO 92 98
Gabinete de Segurança Institucional – Instalações Estratégicas 5 2
Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC 4 8
Casa Civil 7 9
Ministério das Relações Exteriores 8 7
Ministério da Justiça e Segurança Pública 2 1
Outras (CGTI/CGCI/CGE/Adidos/Aeroportos/DEPEN) 19 38
Total 137 163

DIP/PF
Implantação de dezenove bases operacionais em todas as cidades sedes dos Jogos Olímpicos
2016, das quais quatorze foram implantadas na cidade do Rio de Janeiro/RJ.

No enfrentamento ao terrorismo a Divisão de Antiterrorismo (DAT) coordenou a Operação


Hashtag, deflagrada em quatro fases distintas, com dezesseis Mandados de prisão, trinta Mandados de
Busca e Apreensão e oito Mandados de Condução Coercitiva, além de uma Prisão não relacionada à
Operação Hashtag.

DITEC/PF

Foi dada continuidade à execução a obra de reforma e ampliação do Instituto Nacional de


Criminalística, que será o maior centro de difusão de ciências forenses da América Latina, reforçando sua
atuação como Centro Nacional de Capacitação e Difusão de Ciências Forenses. Com a ampliação, a perícia
criminal federal busca a constante excelência dos resultados técnicos (gestão da qualidade da prova) e o
apoio no desenvolvimento científico dos institutos estaduais de criminalística que buscam atender às novas
demandas, frente aos crescentes níveis de conhecimento e especialização requeridos na apreciação de
vestígios em procedimentos pré-processuais e judiciários da esfera criminal.

O Instituto Nacional de Criminalística renovou o Certificado de Acreditação dos dois


laboratórios acreditados em 2015, pela norma internacional ISO/IEC 17025:2005.

As tabelas e os gráficos a seguir, apresentam informações relativas aos resultados e à


produtividade dos Peritos Criminais Federais (PCF), ao longo dos últimos seis anos.

Laudos Produzidos
Área de perícia /
2011 2012 2013 2014 2015 2016
Período
Audiovisual e
3.317 2.887 2.983 2.421 2.855 2.512
Eletroeletrônicos

Balística e Caracterização
2.621 2.098 2.103 2.114 2.243 2.248
Física de Materiais

Biometria Forense 13 7 6 2 14 9

Bombas e Explosivos 12 12 20 36 24 39

Contábeis e Financeiras 1.638 1.296 1.539 1.320 1.512 2.128

Documentoscópicas 11.911 10.698 9.588 9.223 10.191 10.228

Engenharia 712 571 554 471 707 749

Genética Forense 172 141 118 483 597 760

Informática 9.150 7.883 6.851 6.816 9.509 11.398

Local 1.700 1.569 1.690 2.042 2.657 3.180

Medicina e Odontologia
53 120 72 31 43 56
Forense

Meio Ambiente 2.470 1.951 3.608 2.758 3.015 2.650

Merceológicas 3.344 2.568 2.494 2.063 2.177 1.914


Laudos Produzidos
Área de perícia /
2011 2012 2013 2014 2015 2016
Período
Patrimônio Histórico,
26 24 17 17 8 71
Artístico e Cultural

Química Forense 10.030 8.508 8.372 7.818 8.772 8.955

Veículos 3.756 3.512 4.115 3.930 4.497 4.571

Total 50.925 43.846 44.130 41.546 48.821 51.468

A evolução das requisições atendidas pelos peritos criminais federais e das solicitações de
laudos ainda pendentes de resposta, ilustram essas observações e são apresentados a seguir.

Requisições Atendidas

43.658
41.545 41.008
36.688 37.283
34.995

2011 2012 2013 2014 2015 2016


Solicitações Pendentes

13.831
12.991

11.148
9.850

7.293 7.385

2011 2012 2013 2014 2015 2016

Objetivo Institucional: Promover a Cidadania

Ações Estratégicas: Defesa dos Direitos Humanos; Otimização dos Serviços ao


Usuário/Cidadão; Individualização do Cidadão; Controle Regulatório e Fiscalizatório; e Acesso de
Informações ao Cidadão.

DIREX/PF

A seguir, são apresentadas informações provenientes de processos relacionados às áreas que


atuam com controle regulatório e fiscalizatório (produtos químicos, segurança privada, registro de armas e
emissão de documentos), segurança de portos e aeroportos, controle migratório, individualização do
cidadão.

PASSAPORTES (FONTE: DIREX)


DESCRIÇÃO 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Passaporte comum expedido -
2.094.589 1.935.680 2.121.483 2.267.654 2.290.403 2.234.406
padrão ICAO
Passaporte taxa em dobro - - 32.310 39.665 19.192 -
Passaporte brasileiro para
217 217 243 276 336 560
estrangeiro expedido
Passaporte extraviado 1.424 1.976 685 13.851 949 -
Laissez - passer expedido 446 369 442 278 66 22
Passaporte cancelado 92.051 297.143 613.916 820.698 1.080.026 1.165.149
Passaporte cancelado por decurso
14.780 18.743 13.587 16.630 17.580 -
de prazo
Passaporte furtado/roubado 422 485 573 625 533 -
Passaporte Comum - Padrão ICAO

2.267.654 2.290.403 2.234.406


2.094.589 2.121.483
1.935.680

2011 2012 2013 2014 2015 2016

CONTROLE DE IMIGRAÇÃO (FONTE: DIREX)


DESCRIÇÃO 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Movimentos de 6.069.584
6.330.612 6.001.892 6.016.777 6.423.381 6.671.363
Entradas Brasileiros
Movimentos de 6.367.004
6.688.612 6.104.377 6.159.591 6.756.118 6.775.244
Saídas Brasileiros
Movimentos de 5.897.891
Entradas 5.803.710 4.973.963 4.747.027 5.192.741 5.372.587
Estrangeiros
Movimentos de 5.859.435
5.617.401 4.852.714 4.511.825 4.989.727 5.151.530
Saída Estrangeiros
Total por ano 24.440.335 21.932.946 21.435.220 23.361.967 23.970.724 24.193.914

CIDADÃOS ESTRANGEIROS (FONTE: DIREX)


DESCRIÇÃO 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Estrangeiros Multados (SINPI) 16.697 14.210 8895 8.498 9.748 25.338
Estrangeiros Notificados para sair
17.092 14.841 13305 536 7.468 3.274
do país
Estrangeiros Repatriados 142 36 42 22 22 143
Estrangeiros Expulsos 139 139 276 198 65 79
Estrangeiros Autuados 17.092 14.210 8.895 6.151 39.236 55.268
Deportação Efetivada 131 61 23 76 131 147
Inquéritos Policiais de Expulsão
899 771 579 128 299 212
Instaurados
Inquéritos Policiais de Expulsão
1.359 1.426 710 404 372 367
Concluídos
Não se
Criação de Dossiês no SINPI 54.800 46.855 47.988 71.080 67.784
aplica1
CIDADÃOS ESTRANGEIROS (FONTE: DIREX)
DESCRIÇÃO 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Não se
Deleção de Dossiês no SINPI 5.958 12.610 13785 78.003 30.903
aplica1
Impedimentos Judiciais de saída do
1.232 1.498 1152 1.216 2.398 1.367
país
Impedimentos de Entrada no país2 409 29 11 11 38 53
Registro de Estrangeiro 82.767 106.757 113.365 122.665 188.192 126.141
Carteira de Estrangeiro Emitida 117.484 124.749 170.500 217.000 202.066 197.852
Pedido de Asilo/Refúgio 3.540 4.265 17.930 28.955 29.615 9.088
1Em 2016 se deixou de utilizar dossiês/SINPI com o advento do STI-MAR.
2Até 2015, a descrição desta linha era “Impedimentos de Entrada no país por resolução da ONU”. A partir de 2016, com o advento
do STI-MAR, a descrição foi ajustada para “Impedimentos de Entrada no país”.

Na área de segurança privada foram julgados 17.605 processos punitivos, aplicadas multas
no valor total de cerca de R$ 48.484.418,93 além do cancelamento de funcionamento de 357 empresas de
segurança privada. Foram emitidas 174.701 (cento e setenta e quatro mil e setecentos e uma) Carteiras
Nacionais de Vigilantes gerando uma arrecadação de R$ 2.886.780,95.

SEGURANÇA PRIVADA (FONTE: DIREX)


DESCRIÇÃO 2012 2013 2014 2015 2016
Armas
Cadastradas por 231.624 245.697 259.501 251.539 245.356
Empresa
Agências
Bancárias 35.935 36.860 35.987 33.346 28.826
Cadastradas/PAB
Vistoria das
Instalações de
2.539 2.471 2.474 2.282 2.941
Empresas de
Segurança
Vistoria de
Veículos
Especiais de 4.982 4.330 5.054 Não disponível 3.942
Transporte de
Valores
Renovação de
Certificado de
2.175 2.072 2.408 2.282 2.778
Segurança das
Instalações
Expedição de
Alvará de
Funcionamento
25 257 263 372 450
de Empresa de
Segurança
Privada
Expedição de
Carteira Nacional 169.428 154.582 284.397 153.075 141.435
de Vigilantes
SEGURANÇA PRIVADA (FONTE: DIREX)
DESCRIÇÃO 2012 2013 2014 2015 2016
Revisão de
Autorização de 2.061 2.159 2.499 2.465 2.778
Funcionamento
Autorização de 4.695 4.700 4.471 4.664 3.145
Funcionamento,
Aquisição de 801 510 1.265 961 1.148
Armas/Munições,
etc. 384 302 165 8.926* 6.060

Vistoria de
Estabelecimento
27.775 25.834 26.995 6.521 4.011
Financeiro por
Agência ou Posto

ATIVIDADES DO SINARM – ARMAS E MUNIÇÕES (FONTE: DIREX)

DESCRIÇÃO 2011 2012 2013 2014 2015

Registros expedidos 246.371 156.917 29.623 226.798 201.640


Portes expedidos 5.679 4.912 839 5.595 4.416
Valor arrecadado em taxas R$ 7.634.556,00 8.397.581,94 11.779.490,10 10.703.376,93 11.769.687,79
Visitas a psicólogos - - 623 - 533
Credenciamento de Instrutores de
- - 339 343 131
Tiro
Armeiros Avaliados - - 15 30 06
Campanha do Desarmamento –
37.609 27.316 31.269 19.192 8.883
armas recebidas

CONTROLE DE PRODUTOS QUÍMICOS (FONTE: DIREX)


DESCRIÇÃO 2012 2013 2014 2015 2016
Empresas
437 632 487 519 505
fiscalizadas
Certificados
16.294 21.131 24.856 29.442 28.952
emitidos/renovados
Autorizações
prévias emitidas - 12.895 14.062 16.157 15.667 12.471
Imp/Exp
Produtos químicos
245.467 408.753 36.650 134.000 39.034
apreendidos (litros)
Notificações
prévias recebidas e 660 1.494 1.306 1.201 612
respondidas
Total arrecadado
20.159.618,06 22.120.217,40 22.628.253,95 32.294.428,68 52.200.333,07
em taxas (em R$)
Total arrecadado
655.333,56 980.789,42 1.679.495,49 2.217.511,66 1.144.080,20
em multas (em R$)
Além das ações consideradas de empenho ordinário (apresentadas na tabela acima) a Divisão
de Controle de Produtos Químicos (DCPQ/DIREX) realizou outras atividades, a seguir discriminadas.

Treinamento operacional em nove cidades: Guajará-Mirim/RO; Cáceres/MT; Dourados e


Ponta Porã/MS; Campinas, Ribeirão Preto e Bauru/SP; e Cascavel e Guaíra/PR. Tal treinamento consistia
na realização de breve capacitação e fiscalização in loco de empresas, sempre sob a supervisão de policiais
do órgão central (DCPQ).

Operação Suporte SP – Capacitação para 45 servidores (AADMs e PFs), sendo que na


primeira semana foi ministrada a parte teórica e na segunda fiscalizações in loco. Ressaltamos a
participação de três bolivianos e do adido adjunto da PF na Bolívia.

Operação Conjunta - 02 etapas. A primeira em Guajará-Mirim/RO, juntamente com a polícia


boliviana e a segunda na região de Epitaciolândia e Assis Brasil/AC, em conjunto com as polícias boliviana
e peruana. Consistiu em ações concomitantes nos três países, notadamente barreiras, fiscalizações em
empresas e destruição de pistas clandestinas do lado boliviano.

Operação Ions - Participação na referida operação de repressão ao desvio de produtos


químicos - Ribeirão Preto/SP.

Acompanhamento do desenvolvimento do sistema Siproquim 2 e do Sistema Reversa.

Acompanhamento legislativo (PLS 304/2011).

Participação na "1ª Semana Anual de Precursores COPOLAD ", realizada em


Barcelona/Espanha.

Participação no SIREN - Encontro do Sistema Nacional de Repressão às Drogas.

Participação em operações da Defesa Civil do Distrito Federal.

Realização do encontro de chefes de Delegacia de Controle de Armas e Produtos

Químicos (DELEAQ), juntamente com a Divisão Nacional de Controle de Armas de Fogo


(DARM), em Natal/RN.

Acompanhamento e apoio na construção do Portal Único do Comércio Exterior - Ação da


SECEX/SRF.

ATIVIDADES DO INSTITUTO NACIONAL DE IDENTIFICAÇÃO (FONTE: DIREX)


DESCRIÇÃO 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Número de Registro no
7.799.362 10.675.947 13.839.976 15.778.341 16.971.314 17.669.182
Sistema AFIS
Identificações de
2.485.360 2.876.585 3.164.029 1.938.367 1.192.973 697.868
pessoas (*)
Laudos papiloscópicos
2.342 2.442 2.759 4.297 2.509 3798
produzidos
ATIVIDADES DO INSTITUTO NACIONAL DE IDENTIFICAÇÃO (FONTE: DIREX)
DESCRIÇÃO 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Produção de
Representações Faciais 119 49 116 108 51 130
Humanas
Inclusões no SINIC
140.713 113.219 150.587 152.592 194.158 144.830
(BIC, BDI e BDJ)
Pesquisas no SINIC 1.124.267 978.154 1.293.136 1.145.739 1.543.512 1.194.219
Emissões de folha de
antecedentes criminais 97.323 74.909 82.105 73.434 89.471 58.961
(SINIC)
Emissão/substituição
994 1.802 3.048 1.398 1.085 1387
de carteiras funcionais

A Divisão de Segurança de Dignitários e Proteção ao Depoente Especial participou de cinco


reuniões presenciais das Oficinas Temáticas e Briefing Diplomático na cidade do Rio de Janeiro, quatro
Visitas Técnicas para levantamento de dados para elaboração de planejamento para os jogos, Visita Técnica
à United States Diplomatic Security Service e ao U.S. Secret Service para desenvolvimento de matriz de
análise e Visita Técnica de observação do plano operacional e execução de segurança da assembleia geral
da ONU, em New York.

Nas tabelas a seguir, são apresentadas outras informações que objetivam à defesa dos direitos
humanos.

ATIVIDADES DE PROTEÇÃO A TESTEMUNHAS (FONTE: SPDE/DSDE/DIREX)


DESCRIÇÃO 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Pessoas protegidas integralmente em unidade de proteção 29 35 52 44 37 50
Escoltas no interesse da Justiça 10 12 11 05 03 4
Pessoas protegidas em medida isolada de proteção 4 4 4 4 4 4

CURSOS DA DIVISÃO DE SEGURANÇA DE DIGNITÁRIOS E PROTEÇÃO AO DEPOENTE ESPECIAL


(FONTE: DSDE/DIREX)
DESCRIÇÃO PARTICIPANTES
Treinamento Amazonas – Jogos Olímpicos 20
Capacitação de Terceiros– HOTÉIS RIO DE JANEIRO (APFs Fábio e Fitchner) 600
Curso EAD de atualização em Segurança de Dignitários para os Jogos Olímpicos de
2016
700

Atualização em Segurança de Dignitários – Efetivo Policial NSD/RJ (APFs Fábio e


Fitchner)
16

Treinamento Jogos Olímpicos – Rio (APF Raphael) 118


SEGURANÇA DE DIGNITÁRIOS E DEMAIS PROTEÇÕES PESSOAIS (FONTE: DSDE/DIREX)
DESCRIÇÃO 2014 2015 2016
Solicitações de Segurança MRE (atendidas) 78 63 110
Solicitações de Segurança outros Ministérios Permanente Esporádica
26 3
(atendidas) 1 13
Operações de Segurança apoiadas/planejadas pelo 4
4 3
órgão central
Seguranças Candidatos Presidência da República 4 - -
Análise de Visita de Autoridade (Matrizes de nível de 75
0 6
segurança)
Relatórios de análise de risco à vida de Juízes e 5
6 6
Promotores
Total pactuado e despendido com apoio da SESGE ou R$ -
-
CGE em capacitação para os Jogos 2016 478.795,00

Objetivo Institucional: Incrementar os Acordos e Parcerias

Ações Estratégicas: Alianças Internacionais; Cooperação Nacional; e Gestão de Acordos e


Parcerias.

DIREX/PF

A seguir, apresentam-se informações quantitativas relativas às atividades de cooperação


internacional e às representações da PF existentes no exterior para apoiá-las.

ATIVIDADES DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL (FONTE: CGCI/DIREX)


DESCRIÇÃO 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Pedidos de cooperação
4.986 4.165 5.652 3.969 3.623 3.928
jurídica internacional
Pedidos de cooperação
41.840 30.393 27.108 15.955 17.461 20.677
policial internacional
Acordos de cooperação com
organismos internacionais 3 1 0 1 4
**
Estrangeiros presos no
26 28 20 32 56 46
Brasil

DADOS REFERENTES ÀS ADIDÂNCIAS (FONTE: CGCI/DIREX)


DESCRIÇÃO 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Adidâncias 13 16 16 16 22 16
Oficialatos de 14 14 16 15 16
16
Ligação
DITEC/PF

Na área de Química Forense, a Diretoria Técnico-Científica formalizou acordo com o


Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) em março de 2016 para suprir uma das
principiais carências dos laboratórios de química forense, que é a produção e fornecimento de materiais de
referência certificados das principais drogas de abuso e outras substâncias de interesse forense. O referido
acordo possibilitou, ainda no ano de 2016, a produção de materiais de referência certificados para cocaína
(base livre), flunitrazepam e diazepam e já está em fase adiantada a produção de material de referência
certificado para benzoiecgonina, ecgonina e metil ecgonina.

O Acordo entre a PF e o Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro,


mediante a interveniência do Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD) do Laboratório de
Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (LADETEC), possibilitou a capacitação de Peritos Criminais
Federais (PCF) no LBCD, bem como o acompanhamento dos trabalhos de análises de dopagem realizados
durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 por PCFs. A próxima etapa da capacitação no LBCD
está prevista para ocorrer no primeiro semestre de 2017 e deve continuar durante a vigência do acordo.

Ainda no âmbito do acordo com o LBCD, foi iniciada a troca de informações e protocolos
de validação entre as instituições, abrangendo tanto a parte de coleta quanto à metodologia de análise de
drogas de abuso e outras substâncias de interesse forense, e existe a possibilidade de ocorrer a doação à PF
do equipamento Orbitrap (cromatografia líquida acoplada a espectrometria de massas - LC/MS), usado pelo
LBCD durante os Jogos Olímpicos.

DIP/PF

A DIP/PF, visando ao compartilhamento de bases de dados com órgãos da administração


pública, mantém convênios e acordos de cooperação que estão em fase de andamento (20), de negociação
(8) e, até mesmo, vencidos e com interesse em renovação (50).

Objetivo Institucional: Otimizar o Emprego dos Bens e Recursos Materiais

Ações Estratégicas: Gestão de Obras e Infraestrutura; Gestão de Contratos; Gestão de


Compras; e Gestão Patrimonial.

ANP/DGP/PF

Foi concluído o estudo para a construção da Cidade Cenográfica e da pista de direção


operacional on road e off road, e do plano de Segurança Orgânica da ANP.

Além disso, foi instalada rede wifi para acesso remoto na sala destinada aos professores e
readequado o mobiliário da sala de projeções, e foram renovados o mobiliário de sala de aula e as
impressoras usadas na execução de cursos.

DIP/PF
Durante o exercício foi executado o plano de readaptação das instalações e equipamentos de
uso das atividades do Serviço de Operações de Inteligência (SOI) para acomodação do Serviço de Análise
Estratégica (SAE) no SPS/DF.

Objetivo Institucional: Consolidar a Governança em Tecnologia da Informação

Ações Estratégicas: Governança de Tecnologia da Informação (TI); Entrega e Suporte de


TI; e Atendimento de Demandas de TI e Telecomunicações.

CGTI/DLOG/PF

No intuito de contribuir para a consolidação da governança em TI, foram adotadas as ações


qualitativas e quantitativas a seguir relacionadas.

ATIVIDADES DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (FONTE: CGTI)


DISCRIMINAÇÃO 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Entregas de sistemas (ou
15 56 16 (1) 229 (1) 316 (1) 269 (1)
módulos)
Manutenções de sistemas
1221 747 570 (2) 643 (2) 502 (2) 868 (2)
existentes
Apurações especiais
(extrações não previstas nos 279 142 426 (3) 61 (3) 252 (3) 571 (3)
sistemas)
Atendimentos de suporte 50.090 43.365 54.377 (4) 70.319 (4) 81.530 (4) 81.530 (4)
Manutenções do ambiente
2.605 2.438 3.019 (5) 2.816 (5) 3.143 (5) 3.143 (5)
tecnológico
Observações: (1) Quantidade de novas releases ou sprints homologadas pelo gestor do sistema. Foram consideradas neste indicador, as entregas
de novas releases evolutivas de sistemas legados. (2) Quantidade de chamados de manutenção executados pela fábrica de software. Inclui
manutenções corretivas, ajustes de interface e atendimentos de suporte. (3) Quantidade de apurações especiais (executados pelos contratos de
administração de dados e fábrica de software). (4) Quantidade de chamados de suporte executados. (5) Quantidade de solicitações e mudança
abertas e executadas.

Objetivo Institucional: Integrar o Orçamento ao Planejamento Estratégico

Ações Estratégicas: Gestão Orçamentário-Financeira; e Gestão do Orçamento Estratégico.

ANP/DGP/PF

No intuito de contribuir para o acompanhamento e controle orçamentário foi elaborado um


plano de rotinas pela DAD/ANP, cuja minuta se encontra com o Diretor para análise e deliberação.

Visando também uma melhor aplicabilidade dos recursos foi proposta uma atualização das
regras de pagamento da Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso (GECC), já encaminhada para a
Assessora de Controles Internos.
ANEXO III

PROGRAMA: 2081 - Justiça, Cidadania e Segurança Pública

Indicador Unid. Medida Referência Acompanhamento


Data Índice Data Índice
Índice de acesso à Justiça índice numérico 31/12/2014 36,94 31/12/2016 49,06
População atendida no âmbito dos pessoa por ano 30/06/2015 1.735.820 31/12/2016 2.747.127
sistemas de informação de Defesa do
Consumidor
Taxa de acidentes graves em rodovias acidentes graves/1 31/12/2014 297,44 31/12/2016 227,35
federais milhão de veículos
Taxa de encarceramento pessoas 30/06/2014 299,7 31/12/2014 306,22
presas/100.000
habitantes
Taxa de Homicídio 1/100.000 31/12/2014 23,22 31/12/2014 29,37
Taxa de Homicídio de pessoas negras 1/100.000 30/09/2013 146,59 31/12/2014 153,65
do sexo masculino com idade de 15 a
29 anos
Taxa de Homicídios de mulheres 1/100.000 30/09/2013 4,6 31/12/2014 4,61
Taxa de mortos em acidentes em mortos em 31/12/2014 97,57 04/01/2017 69,2
rodovias federais acidentes/1 milhão
de veículos
Valor recolhido ao Fundo de Direitos R$ 31/12/2014 169.098.785,48 31/12/2016 700.381.945,87
Difusos (FDD) referente a multas e
contribuições pecuniárias relativas ao
combate a condutas
anticoncorrenciais e ao controle de
atos de concentração

Observações:
Taxa de encarceramento - Indicador não apurado em 2016, devido problemas nos estados que não atualizaram os
dados no SISDEPEN.
Taxa de Homicídio - Excepcionalmente, em 2016, a fonte utilizada foi o Sistema de Informações de Mortalidade
(SIM) do DATASUS/MS, referente ao ano de 2014, onde foram registrados 59.681 homicídios (CID 10 X85-Y09) e
população de 203.190.852 segundo PNAD de 2014.
Taxa de Homicídio de pessoas negras do sexo masculino com idade de 15 a 29 anos - Indicador calculado a partir de
dados do DATASUS e da PNAD, considerando 21.982 vítimas fatais de homicídios e uma população de 14.122.328
de jovens negros masculino com idade de 15 a 29 anos.
Taxa de Homicídios de mulheres - Indicador calculado a partir de dados do DATASUS e da PNAD, considerando
4.832 vítimas fatais de homicídios e uma população de 104.771.572 de jovens negros masculino com idade de 15 a
29 anos.

OBJETIVO: 1039 - Promover a redução de homicídios com foco em populações vulneráveis e atuação integrada
em áreas críticas.

Órgão Responsável: Ministério da Justiça

Análise Situacional do Objetivo


Entre 2015 e 2016, houve a discussão de um pacto pela redução de homicídios, a ser discutido e firmado junto aos
Estados e Municípios e incluindo ações que visavam atingir as áreas mais críticas, ou seja, com maior quantidade de
homicídios, em cada localidade, de forma a reduzir de forma gradativa os índices deste crime. Em razão das mudanças
ocorridas no governo em 2016, a continuidade da discussão e da implementação de um pacto voltado para a redução de
homicídios foi suspensa, e os esforços da SENASP foram redirecionados para a construção de uma nova política de
segurança pública.

1 Justiça, Cidadania e Segurança Pública


Contudo, ainda no final de 2016 buscando um alinhamento com as propostas para Segurança Pública do novo governo,
foi realizada a primeira reunião técnica do Grupo de Trabalho para atuar na formulação nacional da política de
patrulhamento especializado na proteção à mulher em situação de violência de gênero, denominada Patrulha Maria da
Penha. Este grupo é composto por representantes dos Estados Brasileiros – profissionais de Segurança Pública atuantes
nesta temática – e por profissionais da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres e da Secretaria Nacional de
Segurança Pública. Como resultado deste trabalho serão entregues diretrizes para disseminação desta política em todos os
Estados, objetivando a redução da violência contra a mulher.
No tocante ao financiamento de projetos, também no final do mês de dezembro de 2016, foram liberados recursos
financeiros para o pagamento de convênios firmados em 2014 entre o Ministério da Justiça e Cidadania e os Entes
Federados no âmbito do Programa Casa da Mulher Brasileira. No bojo dos projetos de Estruturação de Delegacias
Especializadas de Atendimento às Mulheres, foram repassados recursos para os Estados do CE e ES, cujos instrumentos
de convênios ainda se encontravam vigentes.
Apesar das restrições para execução dos projetos, algumas iniciativas foram realizadas. Com relação à Campanha
Nacional do Desarmamento, em 2016, foram entregues 13.716 armas de fogo. Podem ser mencionadas também a
realização de uma reunião do pleno do Grupo de Trabalho de Controle de Armas em janeiro, e de eventos voltados para o
tema do Desarmamento em João Pessoa e Recife com o apoio e participação de membros do GT, ocorridas em fevereiro e
março. Em 15 de março, houve a comemoração do Dia Sul-americano do Desarmamento na reunião de Ministros da
Justiça e Interior do Mercosul realizada em Montevideo, Uruguai. A criação de tal data foi uma iniciativa brasileira que
havia sido debatida e decidida nas reuniões de 2015 realizadas no Brasil e no Paraguai.
Por fim, foi firmado um novo Contrato para o pagamento das indenizações com o Banco do Brasil em julho. Outrossim, o
Sistema Desarma (sistema responsável pelo registro de entregas e pagamento das indenizações) foi aprimorado e
problemas técnicos antigos foram resolvidos.
No que tange ao fortalecimento das Perícias Criminais dos Estados e da Polícia Federal, foram doadas 338 viaturas
equipadas para atendimento de local de crime, dotando as corporações de capacidade de mobilidade para o cumprimento
de sua missão institucional.
Houve a continuidade da entrega de equipamentos de proteção individual – coletes balísticos, voltados para o
fortalecimento das Polícias Militares e Civis dos Estados, bem como o prosseguimento do programa “Crack, é Possível
Vencer” através do fornecimento de bases comunitárias móveis, sistemas de videomonitoramento e demais equipamentos
relacionados, destinados às Polícias Militares dos Estados e às Guardas Civis Municipais.
É importante mencionar a restrição orçamentária do ano de 2016, que impediu a realização ou a continuidade de outros
projetos do Departamento de Políticas, Programas e Projetos que poderiam vir a contribuir com o objetivo geral de
redução de homicídios, mesmo sem o lançamento formal do pacto.
Para o ano de 2017, o Ministério da Justiça e Cidadania está realizando esforços no sentido da construção de uma nova
política na área de Segurança Pública, que balizará os próximos esforços a serem realizados pela SENASP.

Metas 2016-2019
· 045H - Celebrar e implementar 27 planos integrados com os estados no âmbito do Pacto Nacional de Redução
de Homicídios.
Análise Situacional da Meta
A implementação de 27 planos integrados com os Estados para redução de homicídios estava inserida no âmbito da
discussão de um pacto nacional pela redução deste crime, visando à discussão e implementação de ações conjuntas
com os Estados e Municípios que contavam com o maior número de ocorrências deste crime. Tendo em vista que o
pacto nacional pela redução de homicídios foi descontinuado e redesenhado após a mudança de governo, e que novas
diretrizes foram estabelecidas com o novo plano de segurança pública, não houve a implementação de ações voltadas
para a redução de homicídios anteriormente relacionadas a esta meta, o que implica em uma revisão da mesma a partir
dos novos projetos a serem implementados.

Justiça, Cidadania e Segurança Pública 2


Quantidade alcançada
0 unidades
Data de Referência
31/12/2016
Providências a serem tomadas
É sugerido que a meta seja revista a partir das diretrizes da nova política de segurança pública a ser implementada, não
apenas em relação ao valor estabelecido, mas também sobre a pertinência de continuidade de uma meta relacionada a
este objetivo, considerando a nova estratégia do MJC com relação à temática de segurança pública.
Regionalização da Meta Total Unidade Qtde. Alcançada Data
Região Centro-Oeste 4 unidade 0 31/12/2016
Região Nordeste 9 unidade 0 31/12/2016
Região Norte 7 unidade 0 31/12/2016
Região Sudeste 4 unidade 0 31/12/2016
Região Sul 3 unidade 0 31/12/2016

· 0455 - Reduzir em 15% o número de homicídios.


Análise Situacional da Meta
A meta de 15% de redução de homicídios estava vinculada à discussão e implementação de ações conjuntas com os
Estados e Municípios que contavam com o maior número de ocorrências deste crime, consolidado na forma de um
pacto para a redução de homicídios. Tendo em vista que o pacto nacional não foi implantado e seu conteúdo foi
redesenhado após a mudança de governo, e que novas diretrizes foram estabelecidas com o novo plano nacional de
segurança pública, não houve a implementação de ações voltadas para a redução de homicídios anteriormente
relacionadas a esta meta, o que implica em uma revisão da mesma a partir das novas ações planejadas.
Quantidade alcançada
0 %
Data de Referência
31/12/2016
Providências a serem tomadas
É sugerido que a meta seja revista a partir das diretrizes da nova política nacional de segurança pública a ser
implementada, não apenas em relação ao valor estabelecido, mas também sobre a pertinência de continuidade de uma
meta relacionada a este objetivo, considerando a nova estratégia do MJC com relação à temática de segurança pública.

OBJETIVO: 1040 - Promover a redução da violência no trânsito das rodovias federais.

Órgão Responsável: Ministério da Justiça

Análise Situacional do Objetivo


Em 2016 houve queda na taxa de acidentes graves e na taxa de mortalidade em rodovias federais. Em ambas as taxas a
PRF atingiu as metas propostas.
A meta para 2016 era reduzir os acidentes graves em rodovias federais de 298 para 260 a cada 1 milhão de veículos da
frota nacional.
A taxa de acidentes graves para 2016 foi de 225,9 acidentes graves para cada um milhão de veículos da frota nacional,
superando em 13 % a meta inicial.
Em relação a Taxa de Mortalidade, a meta em 2016 era reduzir o número de mortos em acidentes em rodovias federais de
98 para 80 a cada 1 milhão de veículos da frota nacional.
A taxa de mortalidade aferida em 2016 foi de 69,2 mortos para cada um milhão de veículos da frota nacional, superando
em 13,75 % a meta estipulada.
A PRF tem pautado as atividades de fiscalização de trânsito com base nos dados estatísticos dos pontos críticos com
maior índice de acidentes, entendendo que os recursos humanos e materiais devem ser alocados com a maior eficiência

3 Justiça, Cidadania e Segurança Pública


possível, para atingir os objetivos estabelecidos.
Além das atividades de fiscalização de trânsito, a PRF intensificou suas atividades na área de mudança legislativa, e
atuou ativamente na alteração do Código de Trânsito Brasileiro para punir com maior rigor os infratores. Em 05 maio de
2016 foi publicada a lei n° 13.281 que endureceu as punições aos infratores.
Em 2016 a PRF também atuou fortemente na área de educação para o trânsito. Realizando os eventos de Cinema
Rodoviário e Festivais de Trânsito em Escolas.
Em relação à 2016, vale ressaltar que a conjuntura econômica do país, ambiente de recessão, também pode ter
contribuído para a redução dos índices de acidentes. Segundo a ABCR (Associação Brasileira de Concessionárias de
Rodovias), em 2016, houve redução de 2,8 % no fluxo de veículos leves e de 6% no fluxo de veículos pesados nas
rodovias administradas por concessionárias.
Nos últimos anos, a concessão de rodovias para a iniciativa privada melhorou a prestação dos serviços de auxílio
emergencial em caso de acidentes, duplicação de rodovias, resolvendo problemas de trechos críticos, instalação de
radares fixos, entre outras soluções, também tem contribuído para uma redução dos índices de acidentes nas rodovias
federais.
Em 2017 a PRF utilizará a mesma estratégia que tem surtido resultado nos últimos anos, investindo numa fiscalização
mais focada e eficiente, atuando na área legislativa para o aperfeiçoamento das leis e ampliando as ações de educação
para o trânsito.

Metas 2016-2019
· 043R - Reduzir o número de mortos em acidentes em rodovias federais de 98 para 80 a cada 1 milhão de
veículos da frota nacional.
Análise Situacional da Meta
No final de 2015 a PRF já atingiu a meta estabelecida para todo o período do PPA 2016-2019. Em 2015 houve um
queda muito grande no número de mortos em acidentes em rodovias federais. Continuando essa tendência, em 2016 a
taxa de mortos foi de 69,2 mortos por um milhão de veículos. Os resultados positivos são uma associação de fatores
que envolvem uma fiscalização mais efetiva, concentrada em pontos críticos de acidentes, aquisições de novos radares
fotográficos de alta tecnologia, privatização de rodovias com instalação de vários radares fixos pela ANTT em pontos
críticos, melhoria no atendimento médico emergencial nas novas rodovias pedagiadas, melhoria da qualidade das
rodovias pedagiadas ( duplicações, manutenção preventiva), melhorias legais ( aumento do valor das infrações,
desburocratização do processo de suspensão de habilitações), e até a redução do fluxo de veículos nas rodovias federais
em decorrência da crise econômica dos últimos anos, conforme último informe da ABCR ( Associação Brasileira de
Concessionarias de Rodovias) em 2016 houve uma redução de 2,8 % no fluxo de veículos leves e de 6% no fluxo de
veículos pesados.
Quantidade alcançada
69,2 1/milhão
Data de Referência
04/01/2017
Providências a serem tomadas
Alterar meta do PPA para 2019, visto que a meta pactuada já foi atingida.

· 043Q - Reduzir os acidentes graves em rodovias federais de 298 para 260 a cada 1 milhão de veículos da frota
nacional.
Análise Situacional da Meta
No final de 2015 a PRF já atingiu a meta estabelecida para todo o período do PPA 2016-2019. Em 2015 houve um
queda muito grande no número de mortos e vitimas graves de acidentes em rodovias federais. Continuando essa
tendência, em 2016 a taxa de acidentes graves foi de 225,90 acidentes graves por um milhão de veículos. Os resultados
positivos são uma associação de fatores que envolvem uma fiscalização mais efetiva, concentrada em pontos críticos de
acidentes, aquisições de novos radares fotográficos de alta tecnologia, privatização de rodovias com

Justiça, Cidadania e Segurança Pública 4


instalação de vários radares fixos pela ANTT em pontos críticos, melhoria no atendimento médico emergencial nas
novas rodovias pedagiadas, melhoria da qualidade das rodovias pedagiadas ( duplicações, manutenção preventiva),
melhorias legais ( aumento do valor das infrações, desburocratização do processo de suspensão de habilitações), e até a
redução do fluxo de veículos nas rodovias federais em decorrência da crise econômica dos últimos anos, conforme
último informe da ABCR ( Associação Brasileira de Concessionarias de Rodovias) em 2016 houve uma redução de 2,8
% no fluxo de veículos leves e de 6% no fluxo de veículos pesados.

Quantidade alcançada
225,9 1/milhão
Data de Referência
04/01/2017
Providências a serem tomadas
Como a meta de todo o PPA já foi atingida, será necessário pactuarmos uma nova meta para 2019.

Iniciativas
· 06W1 - Construção do Edifício Sede da Polícia Rodoviária Federal no Estado do Piauí.
Individualizada: Sim
Análise Situacional da Iniciativa
Com base nos documentos contidos no processo nº 08668.002236/2014-52, que a demanda encontra-se em fase de
elaboração de projeto executivo e a empresa contratada tem até 9 meses para entrega do objeto conforme contrato nº
21/16 assinado em 26/08/2016. Após recebimento definitivo dos projetos, estimado para meados de 2017, a Regional
baseando-se na oportunidade e conveniência instruirá novo processo visando a contratação de empresa para execução
da obra.
· 06YZ - Construção do Edifício Sede da Polícia Federal no Estado da Paraíba
Individualizada: Sim
Análise Situacional da Iniciativa
Ainda está sendo elaborado o projeto Básico desta obra. Provavelmente só será executada em 2018.
· 06ZB - Construção do Edifício Sede da Polícia Rodoviária Federal no Estado do Rio Grande do Sul
Individualizada: Sim
Análise Situacional da Iniciativa
Ainda não foram iniciados os estudos para elaboração dos projetos da obra.

OBJETIVO: 1041 - Fortalecer o enfrentamento à criminalidade, com ênfase nas organizações criminosas,
tráfico, corrupção, lavagem de dinheiro e atuação na faixa de fronteira.

Órgão Responsável: Ministério da Justiça

Análise Situacional do Objetivo


A Polícia Federal, no intuito de conter o avanço da criminalidade em todo o contexto nacional, procura sempre investir
seus recursos para reduzir os danos de ordem social, política e econômica. Com relação aos custos econômicos, em 2016,
a Polícia Federal efetuou inúmeras ações de polícia judiciária da União, com destaque para as investigações que são
conduzidas nos inquéritos que muitas vezes são exteriorizados por meio das operações policiais, objetivando o retorno
aos cofres públicos das verbas desviadas pela corrupção.

O acompanhamento deste Objetivo pela Polícia Federal foi descontinuado em 2016, destacando que o Decreto no.
7.496/2011 que havia instituído o Plano Estratégico de Fronteiras foi revogado.

Em relação ao combate à criminalidade, os principais resultados que a instituição Polícia Rodoviária Federal conseguiu
entregar à sociedade em 2016 foram : apreensão de mais de 200 toneladas de maconha e 06 toneladas de cocaína,
apreensão de volume de contrabando de diversas mercadorias que poderiam gerar ao país mais de 01 bilhão de reais em

5 Justiça, Cidadania e Segurança Pública


impostos e a prisão de mais de 20.000 pessoas pelos mais diversos crimes.
Quadro Comparativo
Tipo 2015 2016%
Maconha (Kg) 164.527 220.464 34%
Cocaina (kg) 7.640 6.633 -13%
Crack (Kg) 1.027 1.241 21%
Armas de Fogo (Un) 2.096 1.572 -25%

Iniciativa: 04ZA Ampliação da cobertura de rádio digital da Polícia Rodoviária Federal.

Em 2015 havia instaladas em rodovias federais, 28 ERB’s( estações radiobases) para transmissão dos sinais de rádio
digital. Em 2016 houve uma ampliação de mais 65 ERBs, fechando o ano com 93 unidades instaladas, uma expansão de
232%.
A comunicação das viaturas utilizando a tecnologia de rádio digital é mais segura, pois é criptografada, além de ser
possível a transmissão de voz e dados.

Iniciativa: 04Z9 Ampliação da quantidade de pontos de monitoramento eletrônico em rodovias federais de regiões
estratégicas e de fronteira.

Em 2016, foi realizada a nova licitação para ampliação do Alerta Brasil, porém os novos pontos somente serão
concluídos em 2017.

Para 2017, como os recursos investidos na Polícia Federal sempre retornam para a sociedade de maneira muito superior
ao valor investido, pretende-se continuar buscando o incremento de efetivo, aprimoramento dos equipamentos, sistemas e
recursos que auxiliam nas investigações e valorização dos servidores, o que irá permitir a ampliação dos resultados que
são entregues para a sociedade.

Metas 2016-2019
· 0469 - Aprimorar o enfrentamento ao tráfico de drogas, armas e munições e demais crimes transfronteiriços
ampliando o número de procedimentos de fiscalização policial em rodovias federais.
Análise Situacional da Meta
Em relação ao combate à criminalidade, os principais resultados que a Polícia Rodoviária Federal conseguiu entregar à
sociedade em 2016 foram: apreensão de mais de 200 toneladas de maconha e 06 toneladas de cocaína, apreensão de
volume de contrabando de diversas mercadorias que poderiam gerar ao país mais de 01 bilhão de reais em impostos e a
prisão de mais de 20.000 pessoas pelos mais diversos crimes.
Quadro Comparativo 2016/2015
Tipo 2015 2016 %

Maconha (Kg) 164.527 220.464 34%


Cocaina (kg) 7.640 6.633 -13%
Crack (Kg) 1.027 1.241 21%
Armas de Fogo (Un) 2.096 572 -25%

Providências a serem tomadas


Em 2017 a PRF instalará novos pontos de monitoramento de veículos ( Sistema Alerta Brasil), o que aumentará a
apreensão de ilícitos em rodovias federais.

Justiça, Cidadania e Segurança Pública 6


· 0468 - Contribuir para a redução da impunidade ampliando o percentual de elucidação de infrações penais de
atribuição da Polícia Federal.
Análise Situacional da Meta
A Polícia Federal avalia o desenvolvimento de suas investigações mensurando o percentual de elucidação de infrações
penais, ou seja, de inquéritos relatados COM INDICAÇÃO DA AUTORIA e de inquéritos SOLUCIONADOS onde a
indicação da autoria não é um resultado possível, haja vista terem sido concluídos em razão da não constatação de
prática de infração penal.

O índice de elucidação para o ano de 2016 foi de 72,28%, sendo 45,09% para inquéritos relatados em que houve
elucidação da autoria e 27,19% para inquéritos relatados em que foi constatada uma das três situações seguintes: (1)
não ocorrência de crime, (2) atipicidade da conduta, (3) falta de atribuição da PF para investigar o fato.

Providências a serem tomadas


Meta com bom andamento. Em 2017, a PF pretende aumentar o efetivo policial, aprimorar seus equipamentos, sistemas
e recursos que auxiliam nas investigações e valorização dos servidores, o que irá permitir a ampliação dos resultados
que são entregues para a sociedade.

· 0465 - Incrementar o combate ao crime organizado por meio de operações especiais de polícia judiciária da
União.
Análise Situacional da Meta
A Polícia Federal realizou 550 Operações Especiais de Polícia Judiciária no período de 01 de janeiro a 31 de dezembro
de 2016. Essas operações são aquelas executadas com o emprego de uma ou mais técnicas especiais de investigação,
como monitoramento telemático, monitoramento telefônico, captação ambiental de sinais, infiltração de policiais,
utilização de fontes humanas de informações, cumprimento de busca e apreensão e análise de material obtido através
da quebra de sigilo financeiro e fiscal.

Nas operações deflagradas envolvendo desvio de recursos públicos, temos até outubro de 2016 mais de 60 operações
entre especiais e comuns, nas quais já se evitou prejuízos superiores a R$ 5 bilhões.

Dando continuidade ao processo de aprimoramento da melhoria nas investigações, já se está utilizando o sistema de
acompanhamento das contas vinculadas a repasses de recursos públicos da União, que permite rastrear a sua efetiva
aplicação em Saúde, Educação e Assistência Social, pelos Estados, DF, Municípios e entidades privadas sem fins
lucrativos. Podendo ser destacadas entre outras as Operações Zelotes da SR/PF/DF, O Recebedor da SR/PF/GO e
Cartas Chilenas da SR/PF/AC.

No combate às organizações criminosas voltadas para delitos contra a Previdência Social, destaca-se que o prejuízo
apurado ao erário, oriundo de ações debeladas pela PF, que foi superior a R$ 180 milhões, bem como o prejuízo
evitado que é estimado em mais de R$ 450 milhões. Podendo ser destacadas entre outras as Operações Tânato da
SR/PF/MA, Lenda Urbana da SR/PF/RJ e Clone da SR/PF/PB.

Providências a serem tomadas


Meta com bom andamento. Em 2017, a PF pretende aumentar o efetivo policial, aprimorar seus equipamentos, sistemas
e recursos que auxiliam nas investigações e valorização dos servidores, o que irá permitir a ampliação dos resultados
que são entregues para a sociedade.

Iniciativas

7 Justiça, Cidadania e Segurança Pública


· 04ZB - Construção do Edifício Sede da Polícia Federal.
Individualizada: Sim
Análise Situacional da Iniciativa
A iniciativa 04ZB Construção do Edifício Sede da Polícia Federal – foi sobrestada em virtude da limitação
orçamentária pela qual o país passa. Porém, a intenção do órgão é a construção de sua nova sede, tão logo sejam
reestabelecidas as condições para tal. Espera-se que seja possível a inclusão da ação no PLOA 2018.

OBJETIVO: 1043 - Ampliar o acesso à justiça e à informação, promover os direitos da justiça de transição, os
direitos de migrantes e refugiados e fortalecer o enfrentamento ao tráfico de pessoas.

Órgão Responsável: Ministério da Justiça

Análise Situacional do Objetivo


O Brasil sancionou a Lei nº 13.344, em 06/10/2016, que dispõe sobre a prevenção e punição ao tráfico interno e
internacional de pessoas, bem como sobre medidas de proteção às vítimas. A legislação considera o crime do tráfico de
pessoas como crime contra liberdades individuais, vinculado a outras formas de exploração, como o trabalho escravo,
adoção ilegal e remoção de órgãos e não só exploração sexual como era antes. Constitui harmonização da lei brasileira ao
Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional Relativo à Prevenção,
Repressão e Punição do Tráfico de Pessoas (Protocolo de Palermo), do qual o Brasil é signatário. Elaborada em três
eixos, a lei abrange repressão, prevenção e atenção à vítima. Finalização da Execução do II Plano Nacional de
Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (2012-2016) e Contratação de consultoria para sua avaliação. Ele foi estruturado em
cinco linhas operativas, que se desdobraram em atividades e 115 metas, sendo que apenas 3 metas não foram iniciadas,
perfazendo um percentual superior a 97% de metas executadas (iniciadas/concluídas).
No ano de 2016, o Departamento de Migrações e a Secretaria Nacional de Justiça realizaram uma série de iniciativas no
intuito de promover os direitos e a integração de migrantes e refugiados no Brasil.
No que tange à oferta de serviços, foram realizados repasses financeiros no âmbito dos convênios para a implantação de
dois centros de referência e acolhida a migrantes e refugiados (CRAIs), um no município de Porto Alegre/RS e outro em
Florianópolis/SC. Também foi lançado Edital de Chamamento Público para que organizações da sociedade civil
apresentem projetos que fomentem a integração de migrantes e refugiados. Complementarmente, foram realizados
repasses de recursos para organizações da sociedade civil ofertarem cursos de português para migrantes e refugiados.
Em novembro, por intermédio do Despacho nº 1.921/2016 GAB/SNJ, foi prorrogado, por seis meses, o prazo para que os
cidadãos haitianos beneficiários de permanência em território nacional por razões humanitárias apresentem-se à
autoridade competente para a realização de seus registros, para efeitos de regularizando de suas situações migratórias no
País.
Em relação a ações específicas para a garantia dos direitos e integração de refugiados no Brasil, destaca-se as seguintes
iniciativas do Comitê Nacional para os Refugiados - CONARE, em 2016: a) disponibilização de turmas para migrantes e
refugiados no curso PRONATEC Língua Portuguesa e Cultura Brasileira para Estrangeiros, em parceria com o Instituto
Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) e Instituto Federal de Brasília (IFB; b) lançamento, em abril, juntamente com o
SEBRAE Nacional e SEBRAE-SP, o projeto Refugiado Empreendedor, oferecendo cursos gratuitos de
empreendedorismo a refugiados; c) estabelecimento, junto à Universidade de Ottawa, Canadá, da Iniciativa Conjunta para
Fortalecer o Patrocínio Privado de Refugiados; d) desburocratização das solicitações de autorização de viagens, por
intermédio da aprovação da Resolução Normativa 23, de 30 de setembro de 2016, a qual “estabelece procedimentos de
solicitação de passaporte e viagem ao exterior para pessoas refugiados e solicitantes de refúgio”.
As iniciativas para atualização da legislação migratória brasileira também merecem destaque entre as ações realizadas em
2016, seja em termos pontuais, a exemplo do Decreto nº 8.757, de 10 de maio de 2016, seja em termos mais abrangentes,
com o avanço da tramitação, no Congresso Nacional, do projeto de lei que estabelecerá uma nova legislação sobre o
tema, alinhando-a aos preceitos da Constituição Federal de 1988.

Justiça, Cidadania e Segurança Pública 8


No ano de 2016, o Arquivo Nacional realizou atividades de processamento técnico, conservação e reformatação de
documentos com objetivo de preservar e facultar o acesso ao patrimônio arquivístico nacional sob sua guarda. Dentre os
fundos trabalhados, cabe destacar: Conservação Preventiva (Higienização e acondicionamento) e reformatação: 435470
itens (Fundos da Delegacia de Censura e Diversões Publica (DCDP); Serviço Nacional de Informação - SNI );
Restauração: 2 livros manuscritos (Portarias de Naturalização – Livro 100 datado de 1871 a 1890, pertencente ao
Ministério da Justiça – MJ e Livro 101);Encadernação: 60 itens produção de materiais para acondicionamento;
Processamento Técnico (elaboração/alimentação/atualização) Foram elaboradas alimentação e instrumento de pesquisa
nos fundos: Serviço de Polícia Marítima, Aérea e de Fronteiras -SPMAF ( 387 caixas-arquivo); Delegacia de Censura e
Diversões Publica - DCDP e Serviço Nacional de Informação - SNI; Alimentação do Sistema de Informações do Arquivo
Nacional - SIAN em 2016: 205.874 registros e 13.010 dossiês - Fundo Correio da Manhã; Fundo da Fundação Nacional
do Índio - FUNAI; Fundo Objeto Voador Não Identificador – OVNI; Fundo Agência Nacional.
A Comissão de Anistia participa no objetivo 1043, na promoção dos direitos da justiça de transição e a necessidade de
reparação contra aqueles que foram perseguidos politicamente no período de exceção. Podemos citar que no ano 2016 a
Comissão julgou 718 requerimentos de anistia – 446 em sessões de turma e 272 em plenárias mantendo, dessa forma, o
seu compromisso com a manutenção da política de reparação econômica.
Com relação as políticas de reparação moral, a Comissão de Anistia atendeu diretamente 1809 pessoas por meio de seus
eventos educativos e cerca de 4129 pessoas por meio do projeto Clínica do Testemunho. Houve ainda a realização de
Caravana da Anistia na cidade de São Paulo, com julgamento de requerimentos de anistia.
A preservação da memória histórica e a construção pública da verdade sobre períodos autoritários continuam orientando a
política de promoção da justiça de transição. Um avanço nesse sentido será a conclusão da implantação e a manutenção
do Memorial da Anistia Política do Brasil, mas importante informar que o Memorial da Anistia Política do Brasil, passa
por processo administrativo de auditoria pelo Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União,
e, por cautela, houve uma redução na velocidade do andamento das atividades. Com as conclusões da auditoria, a
continuidade do projeto prosseguirá já com o atendimento às recomendações por ventura encaminhadas pelos órgãos de
controle.
Para 2017, a Comissão trabalhará para melhorar o fluxo de trabalho com a adoção de força-tarefa e solicitação de
incremento na força de trabalho visando dar maior celeridade a análise processual.

Metas 2016-2019
· 045Q - Alcançar 6 milhões de acessos do cidadão ao acervo da memória nacional no período 2016-2019.
Análise Situacional da Meta
O Arquivo Nacional tem como missão institucional garantir ao cidadão o pleno acesso à informação e promover
estudos de caráter acadêmico, artístico e cultural por meio da difusão de seu acervo. Em conjunto com as demais
Coordenações-Gerais do Arquivo Nacional, a COACE planeja ações estratégicas para ampliar a difusão do acervo, o
acesso aos sítios institucionais e para atender a uma demanda crescente nos atendimentos presencial e a distância.
O acervo do Arquivo Nacional é constituído de documentos textuais, fotografias e negativos, álbuns fotográficos,
diapositivos, caricaturas e charges, cartazes, cartões postais, desenhos, gravuras e ilustrações, além de mapas, filmes,
registros sonoros e uma coleção de livros raros.
Para mensurar a meta, o Arquivo Nacional opera com o indicador “Acesso à Informação”. Entre janeiro e dezembro de
2016, o quantitativo do indicador atingiu a marca de 2.840.889, divididos em três atividades: 1) Atendimento ao
Usuário (Presencial e à Distância): 41.306; 2) Difusão do Acervo: 9.278; e 3) Acesso aos sítios institucionais:
2.790.305.
O número de acessos verificado em 2016 permite avaliar que a estimativa para o período de 2016 a 2019 será superada.
Esse resultado foi alcançado por meio de ações específicas adotadas pela Coordenação-Geral de Acesso e Difusão

9 Justiça, Cidadania e Segurança Pública


Documental – COACE, em articulação com a Direção-Geral do Arquivo Nacional e com o apoio das Coordenações-
Gerais no Rio de Janeiro e em Brasília. Dentre as principais medidas adotadas estão:
1)Execução de atividades voltadas à modernização do atendimento ao usuário, através da criação da Sala de Consultas
online, da informatização de processos e da simplificação de rotinas operacionais;
2)Ampliação do horário de atendimento presencial para 12 horas;
3)Aumento do quantitativo de servidores nos serviços de atendimento presencial e a distância;
4)Articulação com Instituições públicas e privadas para a realização de exposições itinerantes; e
5)Modernização da plataforma web com o objetivo de ampliar a difusão virtual do acervo, com a criação ou
reformulação dos sítios eletrônicos institucionais.

Quantidade alcançada
2,84 milhões
Data de Referência
31/12/2016
Providências a serem tomadas
Em conjunto com as demais Coordenações-Gerais do Arquivo Nacional, a COACE planeja ações estratégicas para
ampliar a difusão do acervo, o acesso aos sítios institucionais e para atender a uma demanda crescente nos
atendimentos presencial e a distância. Para que resultados ainda mais positivos sejam alcançados nos próximos anos, a
COACE vem adotando iniciativas para concretizar as seguintes metas:

1)Ampliação da difusão do acervo por meio das mídias sociais;


2)Disponibilização das versões em inglês e espanhol do portal do Arquivo Nacional;
3)Aprimoramento da comunicação com a sociedade, por meio da criação de novas ferramentas de divulgação das
atividades da Instituição. Dentre as ações específicas para esse fim, a COACE vem trabalhando, em articulação com a
Coordenação de Tecnologia da Informação – COTIN, para o desenvolvimento do Aplicativo do Arquivo Nacional, um
aplicativo institucional para difusão do acervo por meio de dispositivos eletrônicos móveis (celulares e tablets);
4)Implantação de um programa de itinerância de exposições. A principal medida para a concretização dessa meta é a
implantação do projeto AN Itinerante, por meio da locação de uma unidade móvel para percorrer municípios de todas
as regiões do país realizando atividades culturais e educativas.
5)Mapeamento e padronização de processos de atendimento ao usuário no Rio de Janeiro e em Brasília; e
6)Desenvolvimento de política de capacitação de profissionais de referência da área de atendimento.

· 045N - Apreciar 5.000 requerimentos de anistia política.


Análise Situacional da Meta
A política de reparação econômica de caráter indenizatório, baseada na Lei nº 10.559/2002, prevê prestação mensal,
permanente e continuada aos anistiados políticos que conseguem comprovar a existência de vínculos laborais à época
das violações de seus direitos. Já a reparação em prestação única é concedida aos anistiados que tiveram seus direitos
violados, porém, não conseguem comprovar perda de vínculo empregatício nos períodos de exceção do Estado
Brasileiro.
Ao longo de seu período de funcionamento, a Comissão recepcionou mais de 75.000 requerimentos. Cerca de 60.000
processos já foram apreciados, restando, portanto, aproximadamente 15.000 requerimentos a serem julgados.
Em 2016, a Comissão julgou 718 requerimentos de anistia – 446 em sessões de turma e 272 em plenárias.
Quantidade alcançada
718 unidades
Data de Referência
31/12/2016

Justiça, Cidadania e Segurança Pública 10


Providências a serem tomadas
Melhorias no fluxo de trabalho com adoção de força-tarefa e solicitação de incremento na força de trabalho visando dar
maior celeridade a análise processual.

· 045U - Aprimorar o atendimento de demandas de migrantes, reduzindo o tempo médio dos processos de
naturalização, igualdade de direitos e permanência.
Análise Situacional da Meta
Em 2016 foi consolidado o processo de transição do trâmite processual em meio físico para o trâmite eletrônico, por
meio do Sistema Eletrônico de Informação, implantado em 2015. Foi criado um novo fluxo para o trâmite dos
processos dentro do referido sistema, ocasionando redução no tempo médio de decisão dos processos de regularização
migratória que tramitam no Departamento.
Ao longo do ano de 2016 também houve melhorias significativas no atendimento de demandas de migrantes, reduzindo
o tempo médio dos processos de naturalização e igualdade de direitos, em razão da adoção das medidas de
desburocratização implementadas no final do ano de 2015, por intermédio da Portaria do Ministro da Justiça e
Cidadania nº 1.949, de 25 de novembro de 2015, a qual “dispõe sobre os procedimentos relativos à naturalização, à
alteração dos assentamentos de estrangeiros e averbação de nacionalidade, e à igualdade de direitos entre portugueses e
brasileiros”, e que implementou as seguintes mudanças:
- estabelecimento da competência para a análise dos pedidos de alteração de assentamento pela Polícia Federal, o que
simplificou e acelerou o tramite deste procedimento;
- a Polícia Federal pode solicitar documentos ao interessado para a devida instrução do pedido de naturalização e
arquivá-lo, caso a instrução não seja sanada pelo interessado, o que simplificou e acelerou o procedimento de análise
destes casos;
- estabelecimento do prazo de 30 dias para a análise dos pedidos de naturalização devidamente instruídos, a contar da
data em que o pedido é recebido no DEMIG, o que acarretou significativa aceleração na análise e no tramite dos
processos de naturalização;
- expedição de certificado digital¬, que tornou mais seguro e acelerou significativamente o procedimento de expedição
e entrega de certificado, eliminando a tanto a possibilidade de extravio ou perda quanto os custos de seu envio
fisicamente;
- ratificação da dispensa do refugiado requerente de naturalização apresentar certidão de antecedentes criminais do país
de origem, desburocratizando o procedimento e ampliando o acesso a esta possibilidade para os refugiados.
Considera-se que, em relação a processos de naturalização, a meta está sendo parcialmente cumprida, sobretudo devido
ao fato de alguns processos apresentarem instrução incompleta e o quadro de servidores ainda ser insuficiente.
No que diz respeito a processos de solicitação de permanência, o cumprimento da meta está correndo de forma
satisfatória, sendo alcançados os resultados previstos, embora para eliminar de vez o passivo existente será necessário
tempo adicional. Vale ressaltar que ainda há milhares de processos antigos pendentes de análise e decisão, a maioria
referentes a estrangeiros que inicialmente solicitaram refúgio, mas que o pedido foi e/ou deve ser encaminhado ao
Conselho Nacional de Imigração, para que seja analisado como pedido de concessão de permanência em caráter
humanitário, uma vez que não se enquadram nas hipóteses para concessão de refúgio.
Em relação à naturalização, a principal dificuldade enfrentada refere-se a processos recebidos no DEMIG sem a devida
instrução processual, sem os documentos previstos nos Anexos da Portaria nº 1949 de 25.11.2015 publicada em
26.11.2015, bem como sem as diligências necessárias conforme disposto no Decreto nº 86.715/81, que regulamenta a
Lei nº 6.815/80.
No que diz respeito a processos de permanência, a maior dificuldade enfrentada foi a ausência de fluxo definido e
pessoal específico e devidamente capacitado para tratar dos processos de haitianos e demais processos retornados do
Conselho Nacional de Imigração.

11 Justiça, Cidadania e Segurança Pública


Providências a serem tomadas
As principais providências necessárias para garantir o atingimento da meta no que se refere aos processos de
naturalização são as seguintes: a) devido cumprimento da Portaria nº 1949 de 25.11.2015, publicada em 26/11/2015,
com a instrução completa dos processos de naturalização, incluindo documentos necessários conforme anexos desta
Portaria e realização de diligências; capacitação específica dos servidores de todos os órgãos públicos envolvidos, tanto
quanto ao funcionamento do Sistema Eletrônico de Informações -SEI, quanto ao atendimento ao migrante e aos
procedimentos dos processos de naturalização, em todas as suas fases.
Em relação aos processos de permanência, uma das providências que já está sendo tomada no intuito de garantir o
atingimento da meta é a definição do fluxo dos processos de haitianos e demais processos retornados do Conselho
Nacional de Imigração. Uma providência importante e que ainda precisa ser efetiva é a formação de equipe voltada
especificamente para trabalhar com esse tipo de processo.

· 045P - Fortalecer ações educativas, de memória e reparação integral, por meio da implantação e manutenção do
Memorial da Anistia Política do Brasil e promoção dos projetos Caravanas da Anistia, Marcas da Memória e
Clínicas do Testemunho.
Análise Situacional da Meta
Com relação ao Memorial da Anistia Política do Brasil, necessário informar que o processo administrativo passa por
auditoria pelo Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União, e, por cautela, houve uma
redução na velocidade no andamento das atividades. Com as conclusões da auditoria, a continuidade do projeto
prosseguirá já com o atendimento às recomendações por ventura encaminhadas pelos órgãos de controle.
Com relação as políticas de reparação moral, a Comissão de Anistia atendeu diretamente 1809 pessoas por meio de
seus eventos educativos e cerca de 4129 pessoas por meio do projeto Clínica do Testemunho. Houve ainda a realização
de Caravana da Anistia na cidade de São Paulo.

Providências a serem tomadas


Manutenção das ações de reparação moral realizadas no âmbito da Comissão de Anistia, quais sejam: eventos
educativos (oficinas, lançamentos de livros, seminários e cursos) e, no que concerne à obra do Memorial da Anistia
Política do Brasil, aguardaremos a conclusão da auditoria e então, sanearemos os procedimentos na busca de acertos e
de melhorias constantes para o bom atendimento do interesse público.

· 04ML - Fortalecer a Política de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, em todas as suas modalidades, com ênfase
nas situações relacionadas à exploração do trabalho análogo ao escravo e à exploração sexual.
Análise Situacional da Meta
O II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas expressa o compromisso do Estado brasileiro em
prevenir e reprimir o crime do tráfico de pessoas e garantir a necessária assistência e proteção às vítimas. Para avaliar
o II Plano, e produzir subsídios necessários ao Encontro Nacional da Rede, a SNJ, em parceria com o UNODC realizou
a contratação de consultoria no 2º semestre de 2016. O II Plano teve duração de quatro anos, e finalizou em dezembro
de 2016, sua avaliação é pertinente para que se compreenda a dimensão do tráfico de pessoas no Brasil e ao mesmo
tempo possibilite apontar novas diretrizes para a Política Nacional. Os produtos desta consultoria serão entregues no
decorrer do primeiro semestre de 2017.
No âmbito dessa política, conforme Portaria Interministerial nº 634, de 25 de fevereiro de 2013 –, gerido pela
Coordenação Tripartite (instituída pelo Decreto nº 7.901, de 4 de fevereiro de 2013) composta pelo MJC, SPM e pela
SDH. Além da Coordenação Tripartite, a SPM integra o Grupo Interministerial (GI) de Monitoramento e Avaliação do
II PNETP, criado para formulação implementação do plano, composto por 17 ministérios e coordenado pela Secretaria
Nacional de Justiça (SNJ) conforme Portaria nº 1.239, de 27 de junho de 2011. No GI a SPM participa da gestão do II
PNETP, que possui 115 metas, das quais 17 contam com a participação da SPM, e 5 dessas estão em execução devido à
realização do Projeto Fronteiras, executado pela ASBRAD, por meio do Convênio 814312/2014, no valor global de R$
773.563,19 (setecentos e setenta e três quinhentos sessenta e três mil e dezenove centavos), sendo R$ 750.840,00 de

Justiça, Cidadania e Segurança Pública 12


responsabilidade da SPM. Aprovado em dezembro de 2014 e executado desde janeiro de 2015, o projeto tem por
objetivo “disseminar a metodologia de atendimento às vítimas de tráfico de pessoas do Posto de Atendimento
Humanizado a Deportados e Inadmitidos do Aeroporto Internacional de Guarulhos/SP em 10 (dez) municípios de
fronteira do Brasil” com Bolívia, Guiana Inglesa, Paraguai e Uruguai: Bonfim (RR), Brasiléia (AC), Corumbá (MS),
Jaguarão (RS), Ponta Porã (MS), Santana do Livramento (RS), Tabatinga (AM), Foz do Iguaçu (PR), Oiapoque (AP) e
Pacaraima (RR). Tais municípios são os mesmos onde o Programa “Mulher, Viver sem Violência” prevê a instauração
de Centros de Fronteira para atendimento de mulheres em situação de tráfico.
O projeto está sendo executado em duas fases: a primeira constituiu a coleta de informações por meio de visitas e
entrevistas com profissionais de serviços de saúde, unidades de detenção, sistema de justiça, assistência social e
segurança pública nas dez cidades do projeto. A segunda fase do projeto – que constitui as capacitações para
profissionais da rede de saúde, assistência social, justiça, segurança pública e sociedade civil nos 10 municípios
previstos – foi iniciada em abril de 2016 e ainda está em andamento. Até janeiro de 2016, foram realizadas as seguintes
capacitações: Bonfim (RR); Pacaraima (RR); Foz do Iguaçu (PR); Tabatinga (AM); Oiapoque (AP).
As metas do II PNETP que o Projeto Fronteiras contribui diretamente são:
1.Meta 2.D.19 - Vinte Centros de Referência Especializados de Atendimento à Mulher qualificados para promoverem
atenção às vítimas do tráfico de pessoas e integrados à rede de atenção e proteção dessas vítimas. 2.Meta 3.A.5 -
Projetos anuais de capacitação realizados com organizações da sociedade civil e com órgãos públicos, alcançando
profissionais da rede de enfrentamento ao tráfico de pessoas, apoiados. 3. Meta 3.A.12 - Dez projetos de formação
sobre prevenção ao tráfico de pessoas apoiados. 4.Meta 3.A.5 - Capacitação das equipes de saúde da família para
identificar e mediar situações de violência doméstica como fator de vulnerabilidade ao tráfico de pessoas, realizada. 5.
Meta 3.A.17 - Capacitação dos serviços de atendimento à mulher (Centro de Referência de Atendimento à Mulher) em
abordagens no atendimento às vítimas de tráfico de pessoas, realizada.
A SDH participou da construção e execução do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. No PNETP,
a SEDH assumiu a liderança de 20 metas, das quais, uma encontra-se concluída, 11 (onze) com avanços significativos
e 8 (oito) foram consideradas estagnadas. Especificamente sobre os temas referidos no objetivo 0975, não houve
continuidade nas capacitações realizadas para no âmbito da Escola de Conselhos, encarregada de abordar o tema do
tráfico de pessoas para os conselheiros tutelares, na perspectiva da vulnerabilidade de crianças e adolescentes. Em
relação às ações realizadas para o enfrentamento ao trabalho análogo ao escravo e sua interface com o tráfico de
pessoas, foi lançada em 2015, com caráter permanente, a campanha #somoslivres, que consistiu na veiculação de peças
de áudio, vídeo e imagens para conscientização da população para a temática do trabalho escravo, com apoio do
CONATRAE, da ONG Reporter Brasil e com a Organização Internacional do Trabalho.

Providências a serem tomadas


É preciso garantir o direcionamento de esfor