You are on page 1of 2

FACULDADE DE FILOSOFIA

FACULDADE DE EDUCAÇÃO FISICA


DISCIPLINA DIDÁTICA GERAL
Profa. Mônica Martinez
2018

Alunos:
Jocinei Godói – RA 17752106
José Vilela – RA 17752072
Julio Ferreira – RA 17229204
Mateus Batista – RA 17478801

Data: 30/04/2018

Obra:
DUARTE, Newton. Concepções afirmativas e negativas sobre o ato de ensinar. Cad.
Cedes, v. 19, n. 44, p. 85-106, 1998.

Resumo da obra:
O texto de Newton Duarte defende a pedagogia vigotskiana (da experiência histórica
acumulada e socialmente necessária) como contraponto às ideias defendidas pelo
Construtivismo. Partindo de um viés iluminista, postula-se o trabalho educativo como o
ato de produzir humanidade em cada indivíduo, a partir de uma apropriação histórica dos
elementos culturais necessários à sua humanização, isto é, afirma-se uma ideia
emancipadora do ato educacional, através da relação professor-aluno em que há ação
direta do educador. Ao contrário do Construtivismo, criticado pelo autor, que possui
postura negativa ao diminuir a ação do professor e descaracterizar seu papel, dando certa
autonomia ao educando, eliminando a relação dialógica do ato de ensinar (relação entre o
professor, quem ensina, e o aluno, quem aprende).

Citações:
“O que o trabalho educativo produz? Ele produz, nos individ́ uos singulares, a
humanidade, isto é, o trabalho educativo alcança sua finalidade quando cada individ́ uo
singular apropria-se da humanidade produzida histórica e coletivamente, quando o
individ́ uo apropria-se dos elementos culturais necessários à sua formaçaõ como ser
humano, necessários à sua humanizaçaõ " (DUARTE apud SAVIANI, 1995, p. 17).

“A primeira dessas condições é naturalmente o recurso aos métodos ativos, conferindo-se


especial relevo à pesquisa espontânea da criança ou do adolescente e exigindo-se que
toda verdade a ser adquirida seja reinventada pelo aluno, ou pelo menos reconstruída e
não simplesmente transmitida” (DUARTE apud PIAGET, 1984, p.15)

“O conflito entre as pedagogias da essência e as pedagogias da existência, traduzido de


forma esquemática, é um conflito entre educar guiado por um ideal abstrato de ser
humano, por uma essência humana a-histórica e educar para a realização dos objetivos
imanentemente surgidos na vida de cada pessoa, na sua existência” (DUARTE, 1998, p.
2).
Comentários:
O caminho percorrido pelo autor do texto se mostrou coerente com a proposta de trabalho
educativo, cuja eficiência se dá na valorização da atuação do professor como sujeito de
transmissão do conhecimento. O texto nos apresenta algumas visões de formas de ensino,
no que tange a transmissão de conhecimento por parte do professor. Ao citar a
contribuição de Dermeval Saviani na definição da pedagogia da essência e pedagogia da
existência, devo concordar com tal conflito, podendo inclusive comparar as escolas
tradicionalistas e as de modelos escolanovistas, no que diz respeito a primeira valorizar o
que há de ideal e essencial no ser humano, enquanto a segunda, se debruça sobre a visão
concreta e histórica social do individuo. Porém, não avançaria no que ele interpretou esse
conflito sendo a passagem da classe revolucionária à classe defensora da ordem
estabelecida, pois trata-se de uma visão que as reduz em aspectos socioeconômicos,
desconsiderando os demais, como: moral religioso, psicológico, etc. O autor busca
comparar também, as visões piagetiana e vigotskiana. Piaget se mostra otimista em
relação ao aprendizado autônomo do aluno, sendo assim como ele mesmo disse: “A
primeira dessas condições é naturalmente o recurso aos métodos ativos, conferindo-se
especial relevo à pesquisa espontânea da criança ou do adolescente e exigindo-se que
toda verdade a ser adquirida seja reinventada pelo aluno, ou pelo menos reconstruída e
não simplesmente transmitida”. A despeito dessa visão Construtivista, da quase anulação
da atuação do professor em sala de aula, Vigostki propõe que o processo educativo deve
abarcar tanto a ideia de desenvolvimento atual e de zona de desenvolvimento próximo,
constituindo, assim a totalização do desenvolvimento intelectual escolar. Para isto, a
intervenção do professor para a transmissão assertiva de conteúdos provenientes da
experiência histórica acumulada e socialmente necessária, é fundamental para a
eficiência do trabalho educativo. Sobre esta questão, Ivan Izquierdo, Neurobiologista da
memória do aprendizado, ao conceder uma entrevista ao Jornal do Comércio em 2012,
asseverou: “[...] já não é tanto assim [uso da memória para o ensino das crianças]. Os
construtivistas acabaram com isso”.

Ideação:
A partir da leitura do texto, o conceito de trabalho educativo merece que a atenção seja
sobre ele depositada: é bastante acertada a leitura da ação pedagógica sob tal perspectiva.
Imprimir em cada indivíduo concreto as produções da humanidade é atestar que somos
seres de intensa racionalidade e que podemos perceber, compreender e nos apropriar da
Natureza. Além disso, podemos significar tanto a Natureza como nossas idealizações
sobre ela. Porém, tal atitude de compreensão e apreensão não escapa da dialética entre o
dominante (a razão) e o dominado (a matéria, natureza), sendo o trabalho (trabalho, nesse
sentido, como toda ação racional humana sobre a realidade material bem como suas
significações) tanto atividade humana como reconhecimento pelo homem de sua própria
atividade. O trabalho educativo, portanto, é uma atitude totalmente emancipadora do
espírito humano ao passo que, se bem aplicado, afirma esta dialética. Já no campo da
pedagogia, o Construtivismo, por exemplo, nega essa dialética ao propor que o aluno
pode, salvas as proporções, construir por si próprio o conhecimento ou, melhor dizendo,
reduz a ação do professor a um mero incentivador – e não co-construtor – do processo de
aprendizagem. Deixar que o indivíduo caminhe por si mesmo, principalmente em fase de
aprendizagem, pode não ser o melhor caminho. Entretanto, não se trata de defender aqui
posturas totalitárias ou superestimar o todo em relação a parte, mas de preservar a
educação como uma postura essencialmente dialógica e de partes que dependem umas
das outras (quem ensina e quem aprende).