Sie sind auf Seite 1von 11

Grupamento Águia na batalha da 73 Longitude

Leste

H.R. McMaster, 26 de fevereiro de 2016

LIÇÕES PARA OS LÍDERES DE PEQUENAS UNIDADES HOJE

“Outras batalhas seriam mais destrutivas do que a 73 Longitude Leste. Outras unidades
lutariam com a mesma competência demonstrada pelos dragões de Holder. Contudo, neste
primeiro grande embate contra a Guarda Republicana, o Exército dos EUA demonstrou em
poucas horas os resultados de vinte anos de trabalho desde o Vietnã. Aqui se podia ver, com
precisão quase perfeita, a letalidade das armas americanas modernas, a hegemonia da
doutrina da Batalha Terra-Ar, com seu brutal balé de cavalaria, artilharia e poder aéreo; e, não
menos importante, a aura do soldado americano, que lutou com uma competência digna de
seus antepassados nos campos de batalha mais célebres das guerras mais memoráveis ".

Rick Atkinson, Crusade

A batalha 73 Longitude Leste (uma linha de norte a sul no mapa) era uma de muitas lutas
durante a Tempestade no Deserto. Cada uma dessas batalhas era diferente. Experiências
individuais e de unidades na mesma batalha muitas vezes variam muito. As táticas que as
unidades do Exército usam para lutar futuras batalhas variam consideravelmente daquelas
empregadas na Tempestade no Deserto. Indicadores de futuros conflitos armados, como a
invasão da Rússia na Ucrânia, o estabelecimento do EI como um proto-estado terrorista de
crescente alcance transnacional, a busca do Irã por mísseis balísticos de longo alcance, o uso
de armas químicas e explosivos por parte da Síria a fim de cometer assassinato em massa
contra seus cidadãos, a insurgência do Talibã em curso no Afeganistão e no Paquistão, o
crescente arsenal nuclear da Coréia do Norte e o comportamento irracional de seu governo
indicam que as forças do Exército devem estar preparadas para lutar e vencer uma grande
variedade de inimigos, em ambientes complexos e em uma ampla gama de condições. Há, no
entanto, lições gerais e observações de experiências de combate que se aplicam ao nível tático
em uma série de inimigos e condições de campo de batalha. O objetivo deste ensaio é refletir
sobre a experiência do Grupamento Águia, 2° esquadrão, 2° regimento de cavalaria blindada
vinte e cinco anos atrás durante a Operação Tempestade no Deserto para identificar segredos
duradouros para o sucesso na batalha.
CONTEXTO: FORÇA DE COBERTURA DO REGIMENTO DA SEGUNDA CAVALARIA E DEFESA DA
DIVISÃO TAWAKALNA

Em 23 de fevereiro de 1991, o 2° Regimento de Cavalaria Blindada deslocou-se para o Iraque e


iniciou uma missão como força ofensiva de cobertura em uma posição avançada ao VII Corpo
de Exército do General de Divisão Frederick Franks. A missão do VII Corpo era envolver e
derrotar a Guarda Republicana a partir do oeste. A defesa iraquiana foi orientada
principalmente para o sul. A Guarda Republicana foi posicionada em profundidade ao norte
para preservar sua liberdade de manobra. Uma vez que os iraquianos detectaram nosso
esforço para envolver e destruir seu Exército no Kuwait com o VII e XVIII Corpos de Exército
Aereomóveis, elementos da Guarda Republicana, incluindo a Divisão de Tawakalna, se
reorientaram para o oeste. Como uma força de cobertura ofensiva, o 2° Regimento de
Cavalaria Blindada liderou o ataque para facilitar o movimento para a frente do Corpo, impedir
sua desdobramento prematuro na luta e derrotar unidades inimigas com seus próprios meios.
Nossa tropa, Tropa de Águia do 2° Esquadrão, fazia parte dessa operação em nível regimento,
uma operação que finalmente localizou a fronteira entre a Guarda Republicana e as divisões
mecanizadas do Exército Iraquiano. O combate de nossas tropas e engajamentos de nível
regimento deram ao comandante do Corpo de Exército a informação que ele queria antes de
fazer a penetração de quatro divisões pesadas que estavam se movendo atrás de nosso
Regimento.

No primeiro dia, viajamos apenas cerca de vinte quilômetros para dentro do território do
Iraque e esperamos que as divisões cerrassem atrás de nós. O pelotão precursor do primeiro
tenente TJ Linzy pertencente ao Grupamento F do Capitão Tom Sprowls liderou o esquadrão,
encontrando e rapidamente derrotando várias unidades de infantaria inimigas. A ênfase era
em chegar à Guarda Republicana e passamos prisioneiros em unidades que vinham atrás de
nós. Nossa tropa teve nossa primeira ação de combate na noite do dia 24, depois de se
deslocar para o norte. Era o anoitecer e uma posição inimiga disparou contra nós quando
paramos. Nós engajamos contra eles com fogo direto dos Bradleys e um tanque, bem como
fogo indireto de nossos morteiros, eliminamos alguns deles, e então muitos se renderam ao
Grupamento F em nosso flanco direito. Conforme continuamos o ataque, os líderes advertiram
os soldados para que não se tornassem complacentes devido à facilidade de ações de contato
com o inimigo antes do previsto; nós logo encontraríamos unidades da Guarda Republicana
mais capazes. Eram veículos da Guarda Republicana. O Grupamento G levou os veículos
capturados para o posto de comando do esquadrão. Examinamos mapas e armas. Algumas das
armas eram novas. Nós previmos uma luta. Estava claro que tínhamos entrado na zona de
segurança da Guarda Republicana. Uma ordem do VII Corpo de Exército recebida cedo na
manhã seguinte, mudou a direção do nosso Regimento e as seguintes divisões de um nordeste
para um eixo de ataque do leste. O General de Divisão Franks disse ao Segundo Comandante
do Regimento de Cavalaria, o Coronel Don Holder, que esperasse passar a Primeira Divisão de
Infantaria para frente, já às 1800. O General Franks deu a 2° RCB um limite inicial de avanço da
60 Longitude Leste. Choveu forte durante a noite do dia 25, e houve nevoeiro pesado na
manhã do dia 26. Mal podíamos ver duzentos metros à frente. O nevoeiro levantou-se no final
da manhã, mas foi substituído por uma tempestade de areia que também limitava a
visibilidade a curtas distância. O esquadrão aéreo do Regimento de Cavalaria permaneceu em
terra por mais da metade do dia. A medida que tempo se deteriorava, tornou-se claro que 1ID
demoraria a chegar à retaguarda do 2° RCB. O General de Divisão Franks ordenou ao
Regimento que se deslocasse mais dez quilômetros para a 70 longitude leste e esperasse o
avanço a da 1ID por volta das 0200. Na tarde de 26 de fevereiro, o Regimento ordenou que
seus três esquadrões continuassem o ataque a leste para identificar as posições defensivas da
Guarda Republicana. Tivemos a sensação de que em breve estaríamos em uma briga, embora
não tivéssemos informações detalhadas sobre a disposição ou a força do inimigo.

Depois de se deslocar à frente ao longo da fronteira sul do 2° Esquadrão com o 3° Esquadrão


com o terceiro esquadrão, nossa Grupamento recebeu ordens para sair. Eram 1607. Nosso
limite inicial de avanço era a 67 longitude leste. Nós nos deslocamos em uma formação
chamada Segurança a Direita com Coluna Modificada. Um pelotão de escoteiros, o 1° pelotão
do Tenente Mike Petschek, liderou com três esquadras precursoras com dois veículos de
combate de cavalaria cada um em um formação V. O outro pelotão precursor, o 3° Pelotão do
1° Tenente Tim Gauthier, deslocou-se ao longo de nosso flanco sul, com canhões voltados para
o sul para cobrir a lacuna entre nós e o 3° Esquadrão que estava se deslocando atrás de nós
em direção ao nosso sul. Nossa seção de morteiro seguiu o primeiro pelotão. Nossos tanques
se deslocavam atrás dos morteiros em uma formação U com nove tanques com meu tanque
no centro. O segundo pelotão do primeiro tenente Mike Hamilton foi para a esquerda do meu
tanque em uma formação à esquerda do escalão e o quarto pelotão do primeiro tenente Jeff
Destefano foi para a direita de meu tanque em um escalão de direita. Porque não tínhamos
mapas da área (usamos mapas de escala genéricos de 1: 100.000 para traçar nosso progresso
no deserto plano e sem traços caracterçisticos), nós não sabíamos que estávamos em paralelo
com uma estrada que seguia de oeste a leste ao longo de nossa fronteira com o Terceiro
Esquadrão. A estrada atravessava uma pequena aldeia e depois ia para o Kuwait. Também não
sabíamos que estávamos entrando em um antigo campo de treinamento iraquiano ocupado
por uma brigada da Divisão Tawakalna e elementos da 10ª Divisão Blindada que haviam
recebido a missão de parar o nosso avanço em direção ao Kuwait.
O comandante inimigo, Major Mohammed, e seus soldados conheciam bem o terreno. A
unidade tinha usado a aldeia como alojamento quando eles conduziram seu treinamento com
muniação real. Mohammed, que se formou no Curso Avançado de Oficial de Infantaria em Fort
Benning, na Geórgia, achou que era o terreno ideal para se defender. Não estando ciente de
nossos novos meios de sistema de posicionamento global, ele supôs que teríamos de nos
deslocar ao longo de estradas para não nos perdermos no deserto. Ele organizou sua defesa ao
longo da estrada, fortificando a vila com armas anti-aviões para ser usado no modo chão,
metralhadoras e infantaria. A defesa de Mohammed era fundamentalmente sólida.
Aproveitou-se de uma subida imperceptível no terreno que correu perpendicular à estrada e
diretamente através da vila para organizar uma defesa de inclinação reversa no lado do leste
daquela serra. Ele imaginou que ao encontrar seu ponto forte na aldeia, nós o contornaríamos
ao norte ou ao sul. Ele construiu duas áreas de engajamento no lado leste da serra ao norte e
ao sul da aldeia, colocou campos minados para interromper o avanço e posicionou
aproximadamente quarenta tanques e dezesseis BMPs a cerca de mil metros da serra. Seu
plano era engajar e destruir-nos fragmentadamente conforme nos movíamos sobre a serra.
Centenas de infantes ocupavam bunkers e trincheiras entre seus veículos blindados. Ele
posicionou uma reserva de dezoito T72s e seu posto de comando ao longo de outro tênue
segmento da serra a cerca de três mil metros mais para leste. Nossa experiência geral - longos
períodos de movimento, espera e preparação pontuada por curtos períodos de atividade
furiosa - seria consistente com as experiências da unidade no combate blindado no norte da
África na Segunda Guerra Mundial.

10 LIÇÕES EM 23 MINUTOS
O primeiro contato ocorreu às 1607, quando o sargento John McReynolds da Bradley dirigiu
diretamente para cima de um bunker iraquiano posicionado para dar aviso prévio às forças na
aldeia. Dois soldados inimigos emergiram e renderam-se. O sargento McReynolds os levou
prisioneiros e os transportou para nossa área. Os recursores inimigos alertaram as forças
iraquianas na aldeia antes da captura. Um subordinado de McReynolds, sargento Maurice
Harris, permaneceu no limite do avanço e varreu a aldeia enquanto o vento soprava a areia. O
Bradley do sargento Harris estava sob fogo de canhão e metralhadora de 23mm. Elese
apresentou ao seu líder de pelotão, que respondeu, "bem, mate-os." Este engajamento e a
batalha de vinte e três minutos que se seguiram revelou dez elementos essenciais de sucesso
na batalha que permanece relevante hoje.

1. Comande partir do front. Os líderes devem estar à frente para ter uma imagem fiel e
tomar decisões.A medida que o sargento Harris combatia com um 25mm, o tenente
Gauthier avançou para avaliar e desenvolver a situação. Gauthier disparou um míssil
TOW para o centro da posição inimiga na aldeia para orientar nossos tanques. Depois
que nosso artilheiro, o sargento Craig Koch, disparou um projetil redondo com po
tanque para marcar o centro, todos os nove tanques dispararam tiros explosivos na
aldeia simultaneamente para suprimir a posição inimiga. Apesar das explosões
secundárias na vila ao sul, o primeiro pelotão manteve sua observação preliminar a
leste.
2. Atire primeiro. Se você sabe onde estão as forças amigas e não há perigo de vítimas
civis, não hesite em atirar ou conduzir o reconhecimento pelo fogo. O lado que atira
primeiro tem uma tremenda vantagem. O sargento David Lawrence era o comandante
do Bradley, o primeiro pelotão mais ao norte. Quando seu artilheiro, o sargento
Bradley Feltman, disse: "Ei, eu encontrei um ponto suspeito, eu não tenho certeza o
que é", respondeu Lawrence, "Coloque um TOW nele, veja o que é." Lawrence
Identificou o ponto suspeito como um T72 quando a torre foi arrancada de seu casco
na explosão que se seguiu. A experiência de nossa tropa foi consistente com a
observação de Erwin Rommel em seu livro da Primeira Guerra Mundial, Ataques da
Infantaria: "Eu constatei repetidas vezes em ações de contato que ganha o dia quem
primeiro acertar seus oponentes com fogo".
3. Luta no calor da batalha. Esteja preparado para confusão e atividade simultânea.
Como nós suprimimos posições inimigas na aldeia e enquanto Lawrence estava
lançando um míssil, a tropa recebeu permissão para avançar para a 70 latitude leste.
Eu instrui o Primeiro Pelotão a retomar o movimento para o leste. O tenente Petschek
não respondeu imediatamente porque Lawrence estava relatando na rede de rádio do
pelotão, "Contato! Contato, leste, tanque! "Ordens simples e relatórios completos são
essenciais para manter um mesmo entendimento na batalha.
4. Siga seus instintos e intuição. Quando o sargento Feltman lançou o míssil TOW, decidi
ir a uma formação de tanques de tanques e instruiu Green e White, os pelotões de
tanques, a "seguir o meu movimento". O primeiro pelotão puxou para trás enquanto a
formação em U dos tanque avançava e cobria a retaguarda dos tanques. O terceiro
pelotão manteve a responsabilidade pela segurança do flanco. Quando começamos a
avançar, o Primeiro Pelotão, respondendo ao relatório de contato em sua rede de
rádio do pelotão, começou a disparar munições explosivas de vinte e cinco milímetros
para a frente. Foi um pouco inquietante para os tanques a medida que avançamos. Eu
dei ao Primeiro Pelotão uma ordem de cessar-fogo - "Vermelho 1, Aqui é Black 6,
cessar fogo." Os dois pelotões de tanque foram ligeiramente atrasados. Quando nosso
tanque veio sobre a crista da ascensão imperceptível ao norte da aldeia, o sargento
Craig Koch, o artilheiro, relatou "tanques à frente", eu contei oito T72s em posições
preparadas. Eles estavam a curta distância e visíveis a olho nu.
5. Use o fogo padrão e os exercícios de batalha. Aponte para sobrecarregar o inimigo em
cima no contato e reter a iniciativa com a velocidade da ação. Quando o sargento Koch
disparou a arma principal e destruiu o primeiro tanque, enviei um relatório de contato
para a tropa: "Este é o Black 6. Entre em contato com o leste. Oito veículos blindados.
Verde e branco, vocês estão comigo? "O sargento Koch destruiu mais dois tanques
quando nossos pelotões de tanques aceleraram o movimento. Todos os nove tanques
começaram a se juntar à medida que avançávamos. Em aproximadamente um minuto,
tudo no alcance de nossas armas estava em chamas. A distribuição e o controle do
fogo permitiram destruir uma força inimiga muito maior em um curto período de
tempo.
6. Manter a iniciativa. Todos os soldado entendiam como nossos pelotões e a tropa
conduziam fogo e manobra. O motorista do nosso tanque, o especialista Christopher
Hedenskog sabia que ele tinha que dirigir um caminho que permitisse ambos os
pelotões de tanque obter suas armas para a luta. Ele fez 45 graus para a direita e
manteve nossa blindagem frontal em direção aos primeiros tanques inimigos que
engajamos. Ele dirigiu através de um campo minado, evitou as minas antitanque,
informando sobre o intercomunicador, "Senhor, eu acho que você precisa saber, nós
acabamos de atravessar um campo minado." Ele sabia que seria perigoso parar bem
no meio da zona de morte do inimigo. Hedenskog viu que nossos pelotões de tanques
tinham uma janela de oportunidade para sacudir o inimigo e aproveitar os primeiros
golpes que o sargento Koch havia dado.
7. Use tanques para desequilibrar a batalha. Tanques dirigiram em torno das minas
antitanque e Bradleys e outros veículos seguiram em suas trilhas. O tanque do S3 do
nosso esquadrão, comandado pelo Major Douglas MacGregor, atingiu uma mina
antitanque, mas a explosão danificou o tanque apenas levemente. Continuou o ataque
e fez um rápido reparo quando paramos. Passamos sobre as minas antipessoal, mas
elas soaram como pipoca de microondas estourando e não teve nenhum efeito em
veículos blindados. O ritmo de fogo de nossos tanques permitiu que os tanques
inimigos disparassem apenas dois disparos de armas principais errantes no início da
batalha e dois mais tarde, quando a tropa fez o assalto. O fogo inimigo da
metralhadora não teve efeito no avanço da tropa. O choque psicológico de nossos
tanques avançando impávidos em direção a posições defensivas do inimigo os
paralisado e os deixou em pânico inimigo.
8. Esteja preparado para falhas e operações que dão errado. A tripulação do tanque do
Tenente Jeff DeStefano veio ao redor da aldeia, destruiu o tanque imimigo, e acertou,
a curta distância, um segundo tanque que estava cruzando o seu caminho. Um disparo
ficou preso na culatra do canhão de De Stefano. O carregador agarrou o gancho do
carregador, chutou o círculo, a culatra subiu, e o artilheiro, o sargento Matthew Clark,
destruiu o T72. Em outro exemplo, o sargento Digbie ordenou que o soldado Charles
Bertubin recarregasse mísseis TOW. Bertubin não conseguia abrir a escotilha de carga.
Quando o magro carregador chutou a escotilha de liberação e a arrancou. Ao invés de
dizer ao seu comandante Bradley que ele não conseguiu recarregar, ele pulou para
fora pela porta dos fundos enquanto o veículo estava sendo alvejado por armas de
pequeno porte e disparos de metralhadora. Ele subiu na parte de trás do Bradley,
carregou os dois mísseis, e depois bateu no ombro do seu comandante Bradley
enquanto gritava, "TOWs estão prontos." Sargento Digbie tomou um grande susto
porque ele pensou que um iraquiano tinha subido para o Bradley.
9. Fazer a coordenação entre pelotões e assegurar apoio mútuo. Os tanques em chamas
e os veículos de transporte blindados da primeira linha defensiva do inimigo formaram
uma cortina de fumaça que ocultava o inimigo mais ao leste. À medida que os nossos
tanques continuavam assaltavam atravésda fumaça, vimos outros veículos blindados
inimigos e um grande número de infantes correndo para voltar às linhas e posições
subsequentes da trincheira. Destruímos os veículos blindados inimigos rapidamente e
disparamos contra a infantaria com metralhadoras, enquanto cerrávamos sobre eles.
Grupos de soldados inimigos jogaram as armas para cima. Nossos soldados eram
disciplinados, as torres deixava de mirar qualquer soldado inimigo com as mãos
levantadas. Líderes de pelotão de tanques pediram pelotões de precursores para fazer
uma observação da infantaria inimiga quando seus Bradleys surgiram em meio à
fumaça. Os precursores viram que o inimigo tinha usado a rendição falsa para ganhar
uma posição melhor. Soldados inimigos estavam recuperando seus fuzis seus rifles e
granadas propulsadas por fogueres. Nossos Bradleys surpreenderam o inimigo e
mataram-nos antes que pudessem emgajar os nossos tanques.
10. Assuma o risco de vencer. Porque o Grupamento águia pressionou o assalto, o inimigo
não conseguiu reagir eficazmente. Enquanto limpávamos as posições defensivas mais
ocidentais, nosso S3, o tenente John Gifford, interveio no rádio: "Eu sei que você não
quer saber isso agora, mas você está no limite do avanço; O Easting 70. "Eu respondi,"
Diga-lhes que não podemos parar. Diga-lhes que estamos em contacto e temos de
continuar este ataque. Diga a eles que sinto muito. "Nós tínhamos surpreendido o
inimigo, parando teria permitido que eles se recuperassem. Como Erwin Rommel
observou em Infantaria Ataques: "O homem que se encontra em desvantagem e
aguarda os acontecimentos perde. . . . É fundamentalmente errado parar - ou esperar
mais forças tomarem parte na ação. "O Grupamento Águia continuou a atacar em
direção a outra linha da serra muito tênue em que o inimigo colocou sua reserva, um
emaranhado de dezoito tanques T72. O Major Mohammed disse mais tarde a um de
nossos soldados que ele não sabia que estava sob ataque até que um soldado
encontrou seu elaborado bunker de comando gritando "tanques, tanques!" Quando
chegou ao posto de observação, todos os veículos em posições defensivas a oeste
estavam em chamas. Ele ordenou a reserva atrás dele para estabelecer uma segunda
linha defensiva. Era tarde demais. Os tanques da Tropa de Águia subiram até o cume e
entraram na área de reunião. Os tanques começaram a sair quando os destruímos a
curta distância.

Continuar o ataque além do limite de avanço foi consistente com um clima de comando
que não só encorajou, mas também exigiu que os líderes juniores tomassem iniciativa.
Coronel Holder, nos disse durante o treinamento na Alemanha que, "Devido ao ritmo da
ação e ao tamanho do campo de batalha da cavalaria, decisões importantes devem ser
tomadas rapidamente por jovens oficiais em contato ... todos os líderes nível batalhão
devem treinar seus oficiais subalternos para fazer a coisa certa e depois confiar nelas para
agir de forma independente ... Os líderes devem ensinar e praticar ordens de missão. "Era
uma mensagem que todos os líderes do Regimento internalizaram.

A ação furiosa durou vinte e três minutos. A tropa parou quando não havia mais nada para
atirar. O contato esporádico variou de fogos de inquietação com metralhadora a um
contra-ataque de T72s e veículos de trabsporte de pessoal blindados BMP nível companhia.
Tanques e Bradleys destruíram veículos inimigos a longo alcance da posição dominante no
cume. Três Bradleys do primeiro pelotão, liderados pelo Tenente Michael Petschek
encontraram e destruíram quatro T72s enquanto se moviam para o norte para
restabelecer contato com o Grupamento G. Os médicos trataram e evacuaram o inimigo
ferido. Os morteiros suprimiram a infantaria inimiga mais ao leste, como nosso oficial de
apoio de fogo, pois o tenente Dan Davis solicitou ataques de artilharia devastadores em
bases logísticas inimigas. Os precursores e uma equipe sob o controle do primeiro
sargento Bill Virrill limparam os bunkers usando granadas e cargas de satchel, e
conduziram então um comboio de reabastecimento seguindo a nossa retaguarda através
de campos de minados. Uma equipe de operações psicológicas transmitiu apelos de
rendição para os postos avançados e a tropa tomou a primeira de centenas de prisioneiros,
incluindo o comandante da brigada. Soldados isolaram, procuraram e prenderam presos
durante a noite. Muitos prisioneiros choravam por se surpreenderem com um tratamento
tão humano, pois seus oficiais haviam dito que os executaríamos. Os prisioneiros não
acreditaram fquando nossos soldados devolveram suas carteiras sem tomar qualquer valor
roubado da Cidade do Kuwait. Logo após as 2200, 1ID conduziu uma passagem para a
frente de linhas na área de operação do Terceiro Esquadrão ao sul a partir do nosso ponto.

CONCLUSÃO

Na manhã seguinte à batalha, os soldados estavam exaustos. Muitos dos cerca de


cinquenta T72s, vinte e cinco veículos blindados de transporte de pessoal, quarenta
caminhões e vários outros veículos que a tropa destruiu ainda estavam fumegando. A
nossa tropa não tinha sofrido nenhuma baixa. Agradecemos a Deus e estvávamos
determinados a manter a nossa vantagem. Implementamos um plano de descanso e
escoltamos grupos de prisioneiros inimigos para enterrar seus companheiros soldados
mortos durante o assalto. A liderança da tropa se amontoou para conduzir uma APA. À
medida que a notícia de um cessar-fogo chegou até nós, discutimos a luta do dia anterior
para identificar o que poderíamos fazer para melhorar nossa prontidão para a próxima
batalha, se tivéssemos de continuar a ofensiva. Nos meses seguintes, refletimos sobre
nosso treinamento e preparação e identificamos o que achamos que melhor explicava o
resultado da batalha. Concluímos que o treinamento duro e realista realizado na Alemanha
e após a chegada ao Kuwait deram à nossa tropa a capacidade de dominar os iraquianos
em combate corpo a corpo e deu aos nossos soldados e equipes a confiança para reprimir
o medo e cerrar sobre um inimigo numericamente superior que possuía as vantagens Da
defesa. O especialista Rodrigo Martinez escreveu após a batalha que nunca experimentou
o medo porque "treinamos muito e muitas vezes a batalha real parecia apenas mais um
problema de campanha". Depois da batalha, nosso carregador de primeira classe, Jeffrey
Taylor, me disse: "Eu não vou mentir, estava prestes a entrar em pânico, mas eu disse para
mim mesmo 'não entre em pânico, faça o seu trabalho." Sargento John McReynolds,
Sargento do Terceiro Pelotão, lembrou que "a tripulação não precisava ser informada do
que fazer." O terceiro líder do pelotão, o tenente Timothy Gauthier, observou que as ações
de seu pelotão eram "quase uma empresa". Não era exclusivo do Grupamento Águia,
eram resultado, em grande medida, das reformas do Exército em doutrina, treinamento,
desenvolvimento de líderes e modernização que se seguiram à Guerra do Vietnã.

Em um estudo de 1996 da batalha, Steven Biddle chegou a uma conclusão semelhante,


argumentando que a vantagem dos EUA tanto em habilidade e tecnologia dá conta do
resultado desigual em Tempestade no Deserto. Os comandantes das três tropas de
cavalaria blindada que viram a preponderância da ação em 73 longitude leste ingressaram
em West Point em 1980, uma década antes da invasão do Kuwait por Saddam Hussein. Um
renascimento em nosso exército já estava em andamento. Depois do Vietnã, os líderes do
Exército superaram uma crise de prontidão associada à tensão de uma longa guerra sem
mobilização, esboçando políticas que minaram a qualidade da força, diluindo a formação
de oficiais e especialmente de suboficiais para preencher espaços para o Vietnã; De
recursos para treinamento e modernização, desagregação da disciplina e das normas,
incluindo o racismo e o abuso de drogas, e uma difícil transição pós-guerra para um
Exército menor, todo voluntário. Embora nosso Exército não enfrente uma crise como
aconteceu depois da Guerra do Vietnã, a necessidade de antecipar as demandas de
batalha futura e preparar nossos soldados para lutar e vencer contra inimigos
determinados e adaptáveis é inalterada. Os futuros inimigos aprenderam com as
esmagadoras vitórias táticas da Tempestade no Deserto. Eles emularam algumas
capacidades dos EUA ao desenvolverem contramedidas às vantagens dos EUA e adotando
abordagens assimétricas de combate. A orientação do General Mark Milley para os líderes
do Exército é clara: concentre-se acima de tudo na prontidão de soldados e unidades para
lutar e vencer em todas as condições de batalha. Porque o excesso tecnológico dos EU
sobre inimigos potenciais está diminuindo devido ao financiamento diminuído para a
modernização do exército ea facilidade da transferência de tecnologia, nossa vantagem
diferencial na habilidade é ainda mais importante. Embora futuras batalhas provavelmente
serão combatidas contra inimigos mais capazes e em condições mais desafiadoras e
complexas, há lições de vitórias no campo de batalha vinte e cinco anos atrás que
permanecem relevantes para a prontidão de combate hoje e no futuro. Pelotões e
companhias bem treinados e confiantes fornecem a fundação para o nosso poder de
combate do exército e da força comum de lutar. Como o General Ernest Harmon, o
comandante da Segunda Divisão Blindada observou antes da invasão da Normandia na
Segunda Guerra Mundial, "A divisão só terá sucesso quando o pelotão for bem sucedido".

O General de Divisão H. McMaster é o Diretor do Centro de Integração de Combate do


Exército e Comandante Geral Adjunto de Projetos Futuros, Comando de Treinamento e
Doutrina do Exército dos EUA. Este ensaio baseia-se, em parte, na descrição original do autor
da batalha. Partes deste relato aparecem em Líderes na Guerra: Lembranças de Guerra do
Golfo de 1991 e as Histórias de Guerra dos Petroleiros: Combate Armado Americano, 1918 até
hoje.