Sie sind auf Seite 1von 12

INSTITUTO FEDERAL DE ENSINO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ

CAMPUS TERESINA-CENTRAL
DIRETORIA DE ENSINO
DEPARTAMENTO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA
PROF.: JOAQUIM SOARES DA COSTA JÚNIOR E RAFAEL LISANDRO PEREIRA DA
ROCHA

AQUISIÇÃO DE DADOS.

HELLYAN WILKER MIRANDA JANSEN

TERESINA-PI, JUNHO DE 2018


3

Sumário
Resumo ....................................................................................................................................... 4
Objetivos gerais .......................................................................................................................... 5
Objetivos específicos: ................................................................................................................. 5
Introdução ................................................................................................................................... 6
Material, reagente e procedimento. ............................................................................................ 8
Procedimento .............................................................................................................................. 8
Resultados obtidos e discursão ................................................................................................... 9
Conclusão ................................................................................................................................. 11
Referências ............................................................................................................................... 12

.
4

Resumo.
A aquisição de dados é um método de análise e estudo, é por meio dela que tem-se
valores usados hoje como referência para muitos feitos no campo da ciência e da tecnologia.
Consiste basicamente na apropriação de valores de um determinado fenômeno, para fins de
estudos do sistema. Aquecendo 150 mL de água num béquer, foi verificado o seu
comportamento ao ser aquecida e a evaporação ocorrida. Depois, foi examinado o ponto de
fusão do α-naftol, ácido benzoico e suas respectivas misturas.
5

Objetivos gerais:
 Apresentar o ponto de fusão do α-naftol.
 Apresentar o ponto de fusão do ácido benzoico.
 Apresentar o ponto de ebulição da água.
Objetivos específicos:
 Entender as fases e algumas das propriedades físicas da matéria.
 Abranger a reação de aquecimento da água.
 Obter os dados da troca de fase.
6

Introdução

A obtenção de dados é um dos meios mais utilizados a fim de ter o conhecimento de


determinada propriedade de um sistema. É muito útil na área das ciências onde pode ser usada
na amostragem e verificação de resultados que se relacionam desde o diagnostico de doenças à
determinação da qualidade de um produto. (SKOOG, D. A., WEST, D. M., HOLLER, F. J., &
COUCH, S. R. (2005). FUNDAMENTOS DE QUÍMICA ANALÍTICA.).
Vindo de um processo histórico e social, a busca por conhecimento e o entendimento
da natureza é algo ativo e único no ser humano. Por isso, a obtenção de saberes é inerente do
próprio. Logo, é essa busca insaciável por conhecimento que tem movimentado a tecnologia e
a ciência. Nos dias de hoje, todo material e aparato tecnológico que temos se deve a busca por
dados relacionados com o conhecimento e ,por isso, tem-se feito possível progredir tanto como
ser humano. Atkins, P., & De Paula, J. (2010). Físico-Química - Volume1.)
Não obstante a isso, o ponto de ebulição e o ponto de fusão são as propriedades mais
importantes de um estado condensado (líquido e sólido) e são constantemente usados em
projetos de engenharia simplesmente percebendo as interações intermoleculares- ocorrida nas
ligações entre moléculas. (Brown, Lawrence S. Química geral aplicada à engenharia. São
Paulo. (2009.)
Algumas dessas características de interações são de suma importância para o meio
ambiental. Por exemplo, as moléculas de água que apresentam um ponto de ebulição a 100 ºC
nas CNTP’s, esse alto valor é por motivo das interações das ligações de hidrogênio que ocorrem
pois a molécula tem um parte extremamente eletronegativa. Devido a essa interação, as
mudanças de fase necessitam de um alto valor de energia para que ocorram. Caso contrario, a
água de toda da terra e dos seres que a habitam evaporaria e, dessa forma, seria impossível a
sobrevivência. A vida seria estreitamente restrita para organismo simples que conseguem viver
em condições extremas. Atkins, P. (2003). Físico-Química (3a edição)
As forças de interação entre moléculas também define a estrutura dos sólidos e suas
características. Uma muito comum à todas as moléculas é a força de dispersão. Que consiste
em uma concentração de carga negativa momentânea causada pela oscilação e movimentação
de elétrons, fluindo assim um campo magnético externo que se propaga causando uma interação
nos elétrons de uma outra molécula. Desse modo, um dipolo-dipolo induzido é formado. Esse
tipo de atração momentânea ocasiona interações muito fracas, mas em uma amostra
macroscópica tem energia de valor bem razoável, capaz de dar estrutura a um solido e, também,
controlar suas interações com o calor. Um outro tipo de interação, mas não tão comum, é a do
dipolo-dipolo, ela acontece nas interações das disparidades de eletronegatividade contidas nas
moléculas. (Brown, Lawrence S. Química geral aplicada à engenharia. São Paulo. 2009.)
Ademais, o aumento de temperatura pode ocasionar a transição de fase. Isso acontece
pois a elevação de temperatura tem por consequência o aumento da energia cinética e quando
essa energia é maior que a força de atração entre as moléculas ocorre essa mudança. Todavia,
as trocas de fase nem sempre apresentaram mudança de temperatura. Tome-se como exemplo
7

o gelo: ele se funde e se transforma em água líquida que, no entanto, permanece na temperatura
de 0 ºC. Isso ocorre porque o calor foi inteiramente usado para vencer as atrações
intermoleculares e ,por isso, ocorre só a mudança de fase, não de temperatura. (Brown,
Lawrence S. Química geral aplicada à engenharia. São Paulo. 2009.).

O calor de vaporização e o calor de fusão dependerá de cada substância, por isso eles serão
adquiridos de forma adequada e serão transformados em dados para serem usados
posteriormente em algum experimento, se necessário. E esses só são alguns de milhares
de exemplo onde a ciência precisa de conhecimento para exercer suas funções. E, como
há propriedades que são funções de estado, esses valores serão de muita relevância, pois
esses só dependerão do seu estado- não das circunstâncias que o levaram a tal. Atkins, P.,
& De Paula, J. (2010). Físico-Química - Volume1.)
8

Material, reagente e procedimento


Material Reagentes

Aparelho de ponto de fusão Tubos capilares Ácido benzoico


(PF 1500 FARMA
Tubo de vidro Água
GEHAKA®)
Vidro de relógio
Bico de Bunsen α-naftol
Béquer de 250 mL
Mistura de -naftol e ácido benzóico (1:1)
Cronometro
Espátula
Garra metálica
Suporte universal
Termômetro (-10 a 110 oC)
Tela de amianto

Procedimento
1. Ao ter todo equipamento montado, coloque o termômetro imerso em 150 mL de
água para a obtenção de temperatura ambiente e tê-la como valor inicial. Em seguida,
utilizando o bico de Bunsen, aqueça o líquido e faça as anotações da variância da
temperatura a cada dois minutos usando o cronômetro. Concluir quando a água aquecer
por vinte minuto.
2. Fechando o capilar, utilizando altas temperaturas. Acrescenta-se 1 cm de α-naftol
dentro do capilar e amolgando com o tubo de vidro para fazer a entrada da substância
sólida pela abertura. (fazer triplicatas). Após o processo de depositar o sólido no tubo,
coloca-se os capilares no aparelho de determinação do ponto de fusão e determina-se a
temperatura de fundição.
9

3. Repetir o procedimento anterior com o ácido benzoico e em seguida com a mistura


acido benzoico e α-naftol (1:1)

Resultados obtidos e discursão

Tabela 1 – variação de temperatura por minutos da água em aquecimento


Tempo / min Temperatura / oC
00 30 ºC
02 49 ºC
04 66 ºC
06 83 ºC
08 94 ºC
10 99 ºC
12 100 ºC
14 100 ºC
16 100 ºC
18 100 ºC
20 100 ºC

Tabela 2 – pontos de fusões das substancias.


Substâncias: Ponto de fusão inicial. Ponto de fusão final.

α-naftol 95,25 96,25


Ácido benzoico 121,4 123,15
Mistura ácido 74 77,85
benzoico e α-naftol

Diante disso, tendo todos os resultados alcançados, é possível observar que os valores
obtidos foram bem próximos dos resultados tidos como reais e usados na literatura. Qualquer
variância ou desvio do valor real no experimento da água dá-se devido, em grande parte, ao
10

fato dela ter sido adquirida da torneira e, como essa água apresenta varias substâncias usadas
em questões de saúde e ser provida de um determinado processo de saneamento, ela não é
apresentavelmente pura. Mas, não houve drásticos distanciamentos. Logo, visto o gráfico, sua
interação com o calor foi intensamente visível, havendo até evaporação de uma parte do líquido
no decorrer do processo. O líquido não apresentou bolhas, logo, sua pressão de vapor não foi o
suficiente para se igualar a da atmosfera. A quantidade também foi verificada como fator de
relevância na amostra e concluiu-se que, se fosse acrescentada uma maior quantidade do líquido
o ponto de ebulição continuaria o mesmo, já que a temperatura de ebulição da água é uma
propriedade intensiva. Chang, R., & Goldsby, K. A. (2013). Chang - Química, 11a Edição
(Bookman).
O evento do ponto de fusão das substâncias utilizadas, α-naftol e ácido benzoico,
aconteceu bem dentro do comum, tendo a média ponderada dos resultados de 95,25 a 96,26 ºC
e 121,4 a 123,15 ºC respectivamente, estando bem próximo dos valores usados na literatura.
Que são de 95-96 ºC para o α-naftol e 122-123 ºC para o ácido benzoico. Além do mais, a
passagem do sólido para o líquido foi um evento rápido, onde pôde-se ver apenas a mudança
de textura na amostra. O motivo essencial pelo qual as amostras têm um ponto de fusão tão
impares está nas ligações ,em que, quem apresenta uma maior força intermolecular terá um
maior ponto de fusão. Desse modo, o ácido benzoico tem dois oxigênios, um elemento muito
eletronegativo, em uma mesma extremidade. Portanto, ele apresentará uma assimetria de cargas
na molécula, uma interação dipolo-dipolo ocorrerá e será necessária uma maior quantidade de
energia para vencer as suas interações para que, assim, haja a troca de fase.

.
11

Conclusão
 As propriedades intermoleculares.
 Importância da estrutura de uma molécula nas suas características.
 O ponto de ebulição da água e o ponto de fusão do α-naftol e do ácido benzoico.
 Energia de um sistema.
 A obtenção de dados no cotidiano.
12

Referências
Atkins, P. (2003). Físico-Química (3a edição)

Brown, Lawrence S. Química geral aplicada à engenharia. São Paulo. 2009.)

Brown, T. L., Lemay, H. E., Bursten, B. E., Catherine, J., Petrucci, R. H., Harwood,
W. S., … Perry, M. (2009). 408 Theodore L. Brown, H. Eugene LeMay, Jr., Bruce E. Bursten,
& Catherine J. (2006)

Chang, R., & Goldsby, K. A. (2013). Chang - Química, 11a Edição (Bookman).

(SKOOG, D. A., WEST, D. M., HOLLER, F. J., & COUCH, S. R. (2005). FUNDAMENTOS DE
QUÍMICA ANALÍTICA.)
13

1. Que se entende por ponto de fusão? Com que finalidade é usado?


2. Procurar na bibliografia indicada o ponto de fusão do -naftol, do ácido benzóico.
Comparar com os resultados obtidos.
3. Por que se recomenda que a determinação do ponto de fusão seja realizada inicialmente
com o -naftol e não com o ácido benzóico?
4. Tendo em vista a estrutura molecular do -naftol, do ácido benzóico, apresentar uma
explicação para as diferenças de seus pontos de fusão.
5. De acordo com o ponto de fusão pesquisado, qual deveria ser a temperatura em que o ácido
benzóico passaria do estado líquido para o sólido ou seja qual seria o ponto de solidificação
do ácido benzóico?