Sie sind auf Seite 1von 2

Oi Gente, como professora de inglês e tradutora aqui em Belo Horizonte gostaria de

compartilhar o que percebi depois de muitas viagens: Depois de 18 anos desde a


primeira vez em que fui a Londres, resolvi voltar lá e conhecer um pouco do interi
or da Inglaterra (que eu não conhecia). Li muito, me informei e parti para a Ingla
terra. Passei 5 noites em Londres, depois duas noites em Bath, duas em Stratford
-upon-Avon, 3 em Oxford e mais uma Londres para enfim voltar para casa. Sempre h
ospedada em albergues como faço também aqui no Brasil, mas só credenciados (Hostelling
International). Encontrei e conheci gente do mundo todo, tanto de férias quanto e
studando inglês. Muitos decepcionados pois acho que quando saem do Brasil (no caso
, dos brasileiros, of course) acham que vão entrar na era dos Jetsons (do desenho
animado): tudo muito moderno, muito cheio de recursos tecnológicos, e a realidade
não é bem assim. Claro que existem Escolas e escolas, mas muitas das pessoas com que
m conversei me disseram que eles ainda usam fitas k7 por lá...Eu, aqui trabalhando
sozinha em um país do chamado "terceiro mundo" tenho CD ROMs em sala de aula há 14
anos (mais de 90 dependendo da necessidade do aluno), internet em sala de aula há
12 anos, sem contar com os vários CDs de áudio...e nada xerocado ou pirateado. Vi mu
itos brasileiros submetidos aos chamados sub-empregos e muitos deles voltam ao B
rasil achando que são professores de inglês!!! Isso sem ter formação nenhuma como profes
sores. Eu sempre digo que o fato de sermos brasileiros e falarmos a língua portugu
esa não nos torna professores de português, imagina se apenas pelo fato de a pessoa
morar fora (e nem sempre estudar) ela se torna professora daquele idioma... O pr
oblema é que as escolas de idiomas no Brasil aceitam este tipo de "profissional" e
a grande maioria dos alunos não pergunta se aquele "professor" tem mesmo formação com
o professor. "Ah, mas é só para o nível básico, ou é so para crianças". Mais um motivo para
ensinar bem para ter um nível básico realmente bom para poder passar para os outros
níveis e não criar traumas e bloqueios com o idioma devido a professores sem formação e
sem didática. É o tipo "profissional" que não "é" professor de inglês, mas "está" professor
de inglês enquanto não termina a faculdade ou não encontra emprego melhor!! Outro prob
lema é que os brasileiros têm mania de achar que tudo o que vem de fora é melhor do qu
e temos aqui e que brasileiro é que é sem educação, corrupto, etc... e os que viajam par
a fora geralmente só falam de glamour, das coisas lindas que viram, quase ninguém dá o
braço a torcer de que viu desorganização, ou sujeira, ou coisas deste tipo...estive n
o supermercado Marks & Spencer perto do Covent Garden e vi um ratinho andando no
meio das gôndolas... como também vi um rato no metrô. Assisti o Sex and the City e o
Indiana Jones lá e fiquei impressionada com a sujeira do cinema depois dos filmes.
..como vi gente furando fila, vi muita gente com os dentes totalmente estragados
... e gente bem vestida, não era mendigo não...Além daqueles que não gostam de um chuvei
ro ou não usam desodorante... será que eles não sentem que estão fedendo?? Como em outra
s viagens vi gente andando de trem/metrô em Houston sem comprar a passagem, como v
i gente andando de ônibus em Roma sem passar o bilhete na maquininha dentro do ônibu
s (se é que compraram o bilhete) e vi gente segurando a porta para entrar no metrô s
em pagar em Paris...Aí a gente se pergunta, qual é o país de terceiro mundo mesmo? Cla
ro que vi muita gente interessante bem como visitei muitos lugares lindos, inclu
sive palácios e castelos, cidadezinhas típicas e tal, mas acredito que nós brasileiros
temos que nos dar mais valor antes de tudo, temos que saber que qualquer país do
mundo tem coisas boas bem como coisas ruins. E não é indo lá para fora trabalhar de ca
pacho de gringo que mudaremos esta situação...Temos que viajar e conhecer muitos lug
ares sim, mas com orgulho de sermos brasileiros, divulgando tudo de bom que noss
o país tem [sempre falo de Foz do Iguaçú (tem muito brasileiro que vai conhecer Niagar
a Falls e não conhece Foz do Iguaçu...), Bonito, Manaus, Abrolhos, Diamantina, Salva
dor, Tiradentes, Fernando de Noronha, Chapada dos Guimarães, Trancoso, Floripa,
Gramado, Canela, Jericoacoara...], de nossa comida, de nosso povo, de nosso clim
a abençoado!! Sei que temos problemas em nosso país (e não são poucos) mas é estudando, t
rabalhando e fazendo a nossa parte como cidadãos que melhoraremos o nosso Brasil.
Não estou dizendo para não ir para fora, muito pelo contrário, mas se você tem um curso
superior, vá procurar alguma coisa na sua área, e por favor, já tente ir pelo menos no
nível intermediário de inglês (ou da língua do país que você for visitar, se for o caso).
E não deixe nunca de conhecer o nosso país... que é tão lindo e merece nosso respeito e
o nosso carinho. Somos dos poucos, talvez até o único país no livro The Travel Book da
Lonely Planet que na seção melhor época para visitar eles dizem que não há época ruim para
visitar o Brasil...). Conhecer povos e culturas é sempre muito bom, enriquece a ge
nte como pessoa, nos traz bagagem de vida, nos faz aprender. Quando vamos para f
ora (no meu caso, já estive em 27 países) temos de estar com a mente aberta, para ap
render o que eles têm de diferente e valorizar cada vez mais o que nós temos de bom.
Gostaria de acrescentar aqui que nunca tive a intenção de depreciar nenhum outro país
e nem fingir que aqui tudo é lindo e sem problemas. A intenção sempre foi a de alerta
r que todos os lugares, sem exceção, têm seu lado positivo bem como o seu lado negativ
o e que se nós brasileiros não valorizarmos o que é nosso, ninguém irá fazê-lo!!!
Carolina Dias, BH 02/07/2008