Sie sind auf Seite 1von 3

LENDA DE OXOSSI E APAOKÁ

O oráculo foi consultado para Oxossi no dia em que ele estava indo caçar,

Òrúnmìlà disse para Oxossi que ele deveria realizar oferendas propicias para que ele não se
perdesse na floresta.

Oxossi não ouviu, ele não realizou as oferendas, Ele disse que conhecia a floresta muito bem e
nunca se perderia dentro dela.

Oxossi foi a floresta, Ele estava procurando uma caça, viu um rastro no chão e começou a segui-
lo.

Quando Oxossi parou para olhar o rastro, Ele colocou seu ofà no chão, olhou o rastro
novamente, levantou-se e continuou a seguir o rastro.

Quando Oxossi foi pegar seu ofà, Ele não o encontrou mais, começou a procurar, procurou na
frente, procurou atrás, procurou a direita, procurou a esquerda, procurou em cima, procurou
embaixo, mas não encontrou seu ofà.

Ele estava cansado e com fome, não tinha mais arma para caçar.

Continuou andando sem rumo, não sabia mais onde estava.

Oxossi viu uma árvore - Igi Apáòka, foi a árvore que ele viu, Ele estava exausto.

Ewé jagba (folhas da jaqueira) eram as folhas que estavam forrando o chão, ele deitou-se em
cima destas folhas e adormeceu.

Um Ilé Oyin (casa de mel/ de abelha) estava na Igi Apáòka.

Oyin (mel) começou a pingar sobre a boca de Oxossi, quando ele acordou sua boca estava doce e
seu corpo estava todo coberto de mel. Oxossi estava com fome, Ele aparou o mel com as mãos
e começou a comê-lo. Enquanto estava comendo, uma fruta da Igi Apáòka caiu ao seu lado.

Quando ela caiu, ela se abriu e um cheiro delicioso começou a exalar. Oxossi começou a comê-
la.

As abelhas também sentiram o cheiro, elas começaram a rodear Oxossi e também desejavam o
doce da fruta, então elas começaram a se juntar. Oxossi as espantava com o irùkèrè, e não pode
mais comer a fruta.

Ele viu que era da fruta dessa arvore que as abelhas faziam o mel.

Oxossi compreendeu. Ele ficou ali 16 dias.


Mel foi o alimento de Oxossi naqueles dias.

Ewé jagba (folha da jaqueira) foi a folha que ele dormiu em cima.

Oxossi recuperou-se. Ele estava bom. Ele já sabia como voltar.

Ele apanhou dezesseis otás da mata e começou a fazer o caminho de volta.

Quando chegou no lugar onde tinha visto o rastro Ele encontrou seu ofà.

Oxossi voltou e foi ver Òrúnmìlà, e foi fazer a oferenda que ele tinha recusado fazer.

Oxossi disse:

“A partir de agora nenhum caçador da minah familia deverá entrar na floresta sem antes realizar
a oferenda prescrita por Ifá. Todos os meus descendentes não se alimentarão mais de mel nem
do fruto da Igi Apaoká, somente se alguém não tiver nada para comer e em casos de extrema
necessidade. Somente nesses casos alguém podera comer mel e do fruta da igi apaoká. Todos os
meus descendentes nunca mais matarão nenhuma abelha, e a Ewé jagba (folha da jaqueira)
sera sua principal folha e sempre deverá estar presente em seus rituais”

Oxossi estava alegre, estava contente.

Foi acolhido, cuidado e alimentado pela Igi Apaoká sem saber que na realidade era sua mãe Yá
Bambá/Yá Apaoká quem lhe cuidava.

Por isto de assenta Yá Bambá – o verdadeiro nome da mãe passaro de Oxossi, na arvore da
jaqueira - apaoká, e os terreiros que tem oxossi como patrono, plantam esta arvore para que a
grande Yá Mi apaoká os proteja e acolha de todo mal e traga muita prosperidade aquela casa e
seus filhos.

Por isto a folha da jaqueira serve tanto para os abôs de oxossi e sua familia e principalmente se
poe esta folha na esteira aonde se recolhem os filhos de oxossi.

Nesta lenda é que se baseia o ritual das quartinhas de oxossi do terreiro do gantois, realizada
com os 16 otas para relembrar o trajeto com que ele fez o caminho ate seu ofá.

REZA DE OXOSSI E APAOKÁ

Ode Aro bí ewé,

Olowo bí ewé jagba.

Ode Aro bí ewé jagba


Ode Aro bí Apaoká.

O Caçador da família Aro nasce da folha

O Rico nasce da folha jagba

O Caçador da família Aro nasce da folha jagba

O Caçador da família Aro nasce da apaoká.

REZA DE YÁ MI APAOKÁ - JAQUEIRA - MÃE DE OXOSSI

Ìyá mi O

Ìyá bambá, mi apaoká

Ìyá mi O

Ìyá odé, mi apaoká

Minha Mãe,

Mãe Bambá, minha Apaoká.

Minha Mãe

Mãe de Ode, minha apaoká