Sie sind auf Seite 1von 19

https://periodicos.utfpr.edu.

br/rbect

A avaliação do impacto do projeto “We Act”


nas percepções dos alunos acerca das suas
competências de ação sociopolítica
RESUMO
Pedro Guilherme Rocha dos Reis O principal objetivo do projeto "We Act" é apoiar professores e alunos na tomada de ações
preis@ie.ulisboa.pt
0000-0002-9549-2516 informadas e negociadas para resolver problemas sociais e ambientais de base científica e
Instituto de Educação da tecnológica. Através de uma abordagem quantitativa, este artigo investiga o impacte do
Universidade de Lisboa
envolvimento dos alunos em ação sociopolítica sobre controvérsias socio-científicas e
Luís Alexandre da Fonseca socioambientais – as iniciativas "We Act" – nas suas percepções sobre as suas competências
Tinoca
ltinoca@ie.ulisboa.pt
de cidadania ativa. Os dados foram obtidos através da aplicação de um questionário, sob a
0000-0001-6950-3245 forma de pré e pós-teste, e da análise estatística das respostas com o objetivo de detectar
Instituto de Educação da
Universidade de Lisboa
eventuais mudanças significativas nas percepções dos alunos. Foram detectadas diferenças
estatísticas significativas entre as percepções dos alunos antes e depois das ações
implementadas, nomeadamente no que respeita à sua capacidade de realizar iniciativas
que contribuam para a resolução de problemas sociais relacionados com a ciência, a
tecnologia e o ambiente.
PALAVRAS-CHAVE: Ação sociopolítica. Cidadania ativa. Educação em ciências.
Alfabetização científica.

Página | 214

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS E A AÇÃO SOCIOPOLÍTICA

Apesar dos enormes progressos efetuados durante as últimas décadas em


termos de melhoria das condições de vida das populações, ainda vivemos numa
sociedade marcada por problemas sociais e ambientais complexos, resultantes,
muitas vezes, da subjugação dos direitos das populações por interesses
económicos imediatistas de indivíduos ou grupos (GRAY; COLUCCI-GRAY; CAMINO,
2009). Por vezes, a pressão pelo lucro tem impacto na ciência e na tecnologia,
afetando negativamente a qualidade das práticas e dos produtos dos
investigadores e, consequentemente, o bem-estar das populações e dos
ecossistemas (BENCZE, 2008; NELKIN, 1992).
Entre a população, existe uma sensação de impotência perante esses
problemas. Os cidadãos questionam-se, frequentemente, acerca da sua
capacidade e do seu poder para alterar essas situações. Simultaneamente, as
práticas escolares acabam por reforçar o sentimento de incapacidade. O fato de
muitas aulas de ciências se centrarem exclusivamente nos produtos da ciência e
tecnologia, através de modalidades de ensino expositivas que suprimem os
desejos dos alunos de questionarem, seguirem seus próprios percursos de
inquérito, discutirem/criticarem perspectivas diferentes e desenvolverem suas
próprias conclusões, não contribui minimamente para o empoderamento dos
alunos como cidadãos críticos e ativos (BENCZE; CARTER, 2011; REIS, 2013, 2014a).
Estas práticas educativas expositivas, centradas no conhecimento consensual –
bem estabelecido e inequívoco – promovem uma concepção simplista positivista
da prática da ciência e a noção de que suas conclusões são absolutas, inequívocas
e não controversas. Simultaneamente, não capacita os alunos (os cidadãos) para o
conflito, a discussão e a resolução de problemas, promovendo, bem pelo contrário,
a conformidade e a dependência intelectual dos cidadãos relativamente às
ideias/opiniões de especialistas (sejam eles, professores, cientistas, políticos, etc.).
Trata-se de uma educação que prepara os cidadãos para ouvirem e aceitarem, sem
discussão ou análise crítica, as perspectivas desses especialistas e que se traduz
numa ausência de conhecimentos acerca da natureza e dos processos da ciência e
numa falta de experiência relativamente à discussão e à participação pública na
resolução de problemas que dificulta a assunção de papéis políticos e afeta a
qualidade do processo democrático (REIS, 2009).
Num contexto como este, as práticas de educação em ciências devem ser
transformadas e o conceito de alfabetização científica deve ser ampliado. De
acordo com Hodson (2003, 2011), a educação deve ser ampliada a fim de promover
conhecimento sobre a natureza da tecnociência, capacidades de investigação
científica e ação sociopolítica sobre problemas sócio-científicos e socioambientais.
Numa sociedade marcada por problemas sociais e ambientais complexos, tornam-
se críticos a análise e o reconhecimento explícito das injustiças sociais e da
consequente importância da ação sociopolítica sobre estas problemáticas.
Portanto, o conceito de alfabetização científica deve incluir o desenvolvimento nos
alunos da "capacidade e do compromisso de realizarem as ações adequadas,
responsáveis e eficazes em matéria de interesse social, econômico, ambiental e
ético-moral" (HODSON, 2003, p. 658). Alguns autores sugerem que a ação
sociopolítica dos alunos sobre problemas sócio-científicos e socioambientais tem
o poder de melhorar: a) os seus conhecimentos sobre estas questões; b) as suas
Página | 215
competências de pesquisa e de cidadania; e, eventualmente, c) o bem-estar dos
indivíduos, das sociedades e dos ambientes (BENCZE; CARTER, 2011; MARQUES;
R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
REIS, 2017; ROTH; DE'SAUTELS, 2002). A ação comunitária fundamentada é
considerada, frequentemente, um dos principais aspectos da alfabetização
científica (HODSON, 1998) e uma forma de capacitar os alunos como críticos e
construtores de conhecimento, em vez de restringi-los ao papel de simples
consumidores de conhecimento como o sistema educativo muitas vezes parece
fazer (BENCZE; SPERLING, 2012; REIS, 2013). Esta componente sociopolítica da
educação em ciência pretende preparar os cidadãos para: a) exigirem e exercerem
uma cidadania participativa e fundamentada; b) exigirem justiça social e ética nas
interações entre ciência, tecnologia, sociedade e ambiente; e c) contribuírem para
a superação de problemas que afetam a sociedade através de uma participação
social ativa e fundamentada. Reconhecem-se alunos e professores como agentes
de mudança que "recorrem à ciência para resolver os seus próprios problemas e,
como resultado desta tentativa de encontrar soluções, produzem novos
conhecimentos" (LEVINSON, 2008, p. 144). Desta forma, a ciência surge como um
meio de promover uma democracia onde os cidadãos agem de forma socialmente
responsável.

O PROJETO “WE ACT – PROMOTING COLLECTIVE ACTIVISM ON SOCIO-


SCIENTIFIC ISSUES”

Este projeto de pesquisa-ação, iniciado no Instituto de Educação da


Universidade de Lisboa em 2013, pretende construir conhecimento sobre o
recurso à ação sociopolítica coletiva na resolução democrática de problemas no
contexto do ensino das ciências. O principal objetivo do projeto "We Act" é apoiar
professores e alunos na tomada de ações fundamentadas e negociadas para
resolver problemas sociais e ambientais de base científica e tecnológica (REIS,
2014a,b). Este projeto combina componentes de desenvolvimento, ação e
pesquisa e envolve a aprendizagem ativa baseada em investigação (da expressão
inglesa “Inquiry-based science education”) sobre problemas da vida real
(considerados socialmente relevantes pelos alunos) e a estimulação da
participação dos alunos em ação coletiva e fundamentada de resolução
democrática de problemas (também designada ação sociopolítica). Por vezes, em
artigos e comunicações realizados em Portugal ou em países de língua inglesa, o
projeto refere as suas iniciativas como de ativismo. Contudo, no Brasil, evita-se
utilizar este termo pelo fato de estar conotado com ação sem reflexão em
resultado dos trabalhos de Paulo Freire.
Os aspetos principais deste projeto são: 1) a combinação de discussão de
questões sócio-científicas e socioambientais com o uso de abordagens baseadas
em arte e ferramentas da Web 2.0 para a promoção de ação sociopolítica sobre
essas questões; 2) o reconhecimento dos estudantes como importantes agentes
de mudança e, consequentemente, como "cidadãos" (em oposição a "futuros
cidadãos"); e 3) a melhoria das competências dos professores como educadores e
das competências de cidadania ativa dos seus alunos através do envolvimento em
processos de pesquisa-ação apoiados por uma comunidade de aprendizagem.
O projeto “We Act” surge na continuidade de uma linha de investigação e de
intervenção que tem recorrido à discussão e à ação sociopolítica sobre
controvérsias sócio-científicas e socioambientais como forma de preparar os
Página | 216 alunos para uma cidadania ativa, informada e socialmente responsável (REIS, 1997,
2004; REIS; GALVÃO, 2004, 2009). Ao nível das escolas, pretendem identificar-se

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
os fatores que influenciam positiva e negativamente o envolvimento neste tipo de
ações e construir conhecimento sobre os processos de intervenção mais
adequados ao apetrechamento dos professores com a confiança, a motivação e os
conhecimentos necessários à estimulação dessas ações informadas. Estas ações
são informadas porque resultam de processos de resolução de problemas e de
tomada de decisões baseados na recolha e na análise científica de dados pelos
alunos. Estes dados são obtidos por investigação primária (através da recolha
direta do meio) ou por investigação secundária (através da utilização de dados
procedentes de outras fontes fidedignas). Pretende-se que as ações realizadas se
baseiem em conhecimento científico e não em palpites ou impressões.
Simultaneamente, através da ação coletiva procura-se que os alunos percebam o
maior alcance (em termos de impacto) deste tipo de ação quando comparado com
a ação individual.
Desde 2013, têm sido utilizadas abordagens envolvendo arte (p. ex.,
dramatizações, cartoons, histórias em quadrinhos e exposições interativas) e
ferramentas da Web 2.0 (p. ex., para a produção de programas de rádio, vídeos e
animações e sua disseminação através de redes sociais) para a promoção, em
contexto escolar, de iniciativas coletivas de ação sociopolítica sobre problemas
sociais e ambientais (GARCÍA-BERMÚDEZ, et al., 2017; LINHARES; REIS, 2017;
SCHEID; REIS, 2016). Estas iniciativas têm sido realizadas desde o ensino pré-
escolar até ao ensino superior.
A preparação pelos alunos de atividades dramáticas e exposições sobre
problemas sócio-científicos e socioambientais apresenta potencialidades tanto em
termos de aprendizagem sobre o conteúdo, os processos e a natureza da ciência e
da tecnologia, como em termos de desenvolvimento cognitivo, social, político,
moral e ético (KOLSTØ, 2001). Simultaneamente, este tipo de iniciativas suscita
questões, reflexão e interação entre alunos e visitantes, transformando ambos em
aprendentes e ativistas políticos (LEVINSON; NICHOLSON; PARRY, 2008; LINHARES;
REIS, 2017; ØDEGAARD, 2003; REIS; MARQUES, 2016).
As ferramentas da Web 2.0 de livre acesso têm um grande potencial no
desenvolvimento de capacidades de comunicação e de argumentação e podem ser
muito úteis para as iniciativas de ação sociopolítica, permitindo que os alunos
divulguem mensagens que consideram socialmente relevantes, em formatos
diversos (p. ex., vídeo, áudio, texto, imagens) e de forma rápida, para um público
alargado (GARCÍA-BERMÚDEZ et al., 2017; MARQUES; REIS, 2017; STEGMANN et
al., 2007).
Na tabela 1 apresenta-se uma breve caracterização das iniciativas de ação
sociopolítica que são analisadas neste artigo.
Tabela 1 - Breve caracterização das iniciativas de ação sociopolítica realizadas pelos
participantes.

Escola N.º de Duração Nível de Disciplina Breve descrição da


turmas da ação escolaridade envolvida ação
1 2 4 meses 8.º ano Ciências Naturais Investigação sobre
os tipos de
contaminação do
curso de água que
Página | 217 atravessa a
localidade,

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
identificação das
causas dessa
situação e
realização de
iniciativas para
superação desse
problema:
dramatização
aberta à
comunidade,
dinamização de
programa de rádio
em rádio local.
2 1 5 meses 8.º ano Ciências Naturais Identificação de
problemas
ambientais na zona
em que se insere a
escola e
investigação de
formas de
contribuir para a
resolução desses
problemas.
Apresentação de
propostas à
autarquia local no
âmbito da
Assembleia
Municipal Jovem.
3 2 4 meses 12.º ano Química Investigação sobre
os efeitos dos
plásticos nos
ecossistemas
marinhos; ação de
limpeza de uma
praia perto da
escola, dinamização
de espaço no
Facebook e
realização de
exposição aberta à
comunidade sobre
o tema.
4 2 4 meses Ensino Ambiente e Ação que envolveu
Superior: 2.º Desenvolvimen a identificação de
ano curso de to Sustentável problemas
formação ambientais
inicial de considerados
professores relevantes pelos
do ensino alunos, a
básico e investigação de
educadores formas de
de infância solucionar esses
Página | 218 problemas e a
divulgação dessas
propostas através
R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
de cartazes
interativos e de
blogues colocados
na Internet.
5 1 4 meses 10.º ano Educação Cada grupo de
Multimídia alunos preparou
(Ensino uma campanha
profissional) multimídia para
uma organização
não governamental
com a qual os
alunos se
identificavam.
6 4 4 meses 5.º ano Ciências da Investigação de
Natureza formas de diminuir
o desperdício de
água e energia e
realização de uma
campanha de
sensibilização da
comunidade escolar
que envolveu uma
sessão pública e a
concepção e
distribuição de
panfletos.
7 2 3 meses Ensino Atelier Ação realizada no
Superior: 3.º e Didática das âmbito de uma
ano curso de Ciências e disciplina do curso
formação Educação de formação de
inicial de Ambiental professores de
professores educação básica e
do ensino que envolveu a
básico e identificação de
educadores problemas
de infância ambientais que
afetam a
comunidade local e
a realização de
campanhas diversas
(nomeadamente,
dinamização de
espaços em redes
sociais, elaboração
de cartazes e
folhetos, recolha de
diferentes tipos de
lixo, realização de
dramatizações
abertas à
comunidade).
8 1 2 meses 8.º ano Ciências Naturais Investigação sobre
formas de reduzir o
Página | 219 consumo
energético da
escola e
R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
apresentação de
propostas à
comunidade escolar
através de sessão
pública.
9 4 2 meses 12.º ano Biologia Identificação de
questões éticas
suscitadas por
inovações
tecnológicas na
área das ciências
naturais e
realização de uma
exposição (com
filmes e pôsteres)
para a
sensibilização da
comunidade escolar
para essas
temáticas.
10 1 4 meses 5.º ano Ciências da Identificação de
Natureza formas de reduzir o
desperdício de água
e apresentação de
propostas de ação
através de blogues
construídos pelos
alunos.
11 2 2 meses 7.º ano Educação para a Utilização de
Cidadania conhecimentos de
Responsável física e biologia para
o desenvolvimento
de uma campanha
de Educação
Rodoviária
realizada através de
teatro, filme e
histórias em
quadrinhos.
12 2 5 meses 11.º ano Química Desenvolvimento
de propostas de
ação sobre o tema
da segurança
química e
integradas no Plano
de Ação para a
Segurança Infantil
proposto pela
Direção Geral da
Saúde. Realização
de um videoclipe
(vídeo e música)
para o Youtube que
Página | 220 sensibilizasse pais e
avós de crianças
para o risco de
R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
alguns produtos
químicos
domésticos.
(Fonte: tabela elaborada pelos autores para este artigo)

METODOLOGIA

Objetivos

Este artigo investiga o impacte do envolvimento dos alunos em diversas ações


sociopolíticas sobre problemas sócio-científicos e socioambientais – realizadas no
âmbito do projeto "We Act"– nas suas percepções sobre as suas competências de
cidadania ativa. Para tal, recorre-se a uma abordagem quantitativa baseada no
desenvolvimento e aplicação de um questionário constituído por itens de tipo
Likert, seguida da análise estatística das respostas com o objetivo de detectar
eventuais diferenças significativas entre as percepções dos alunos antes e depois
da realização das iniciativas “We Act”.

Participantes

O questionário foi respondido 915 vezes por alunos envolvidos em iniciativas


de ação sociopolítica em 12 escolas portuguesas entre janeiro de 2013 e janeiro de
2015: 434 respostas como pré-teste e 481 respostas como pós-teste. Os
respondentes eram provenientes do ensino regular, básico (2º ciclo 16%, e 3º ciclo
25%) e secundário (34,7%), e do ensino superior (24,4%). As idades variaram entre
os 10 e os 59 anos (Média=17,38 e Desvio Padrão=6,6; Mediana=16), sendo que
65,1% tinham idades compreendidas entre os 10 e os 17 anos, 23,3%
apresentavam idades compreendidas entre os 18 e os 23 anos, e 11,6% tinham
idades superiores a 23 anos. A maioria dos participantes era do sexo feminino:
61,6%.

O processo de desenvolvimento e validação do questionário

A versão final do questionário foi composta por 2 partes. Uma 1ª parte de


caracterização do participante com 7 questões – escola; turma; ano; ciclo; código
de identificação para permitir emparelhamento entre as respostas individuais no
pré e no pós teste; idade; género. E uma 2ª parte para medir o impacte das ações
coletivas implementadas sobre as percepções dos alunos em relação às suas
competências de cidadania ativa, composta por 12 itens avaliados segundo uma
escala de tipo Likert de concordância, com 4 opções de resposta: discordo
totalmente, discordo, concordo, e concordo totalmente. Optou-se por uma escala
com um número par de opções de resposta de modo a evitar o problema da
tendência central, forçando assim os participantes a posicionarem-se positiva, ou
negativamente, relativamente a cada item. Os itens foram desenvolvidos de
acordo com os objetivos do projeto, nomeadamente, no que concerne ao tipo de
impacte desejado nas percepções dos participantes acerca das suas competências
Página | 221
de ativismo.

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
O processo de desenvolvimento do questionário envolveu: a) a sua análise por
um grupo de cinco educadores de ciências, dois psicólogos e cinco professores de
ciências tendo em vista a avaliação da sua adequação aos objetivos propostos; e
b) a sua análise psicométrica posterior, tendo por base a totalidade das respostas
obtidas no pré e pós teste.
Para fazer o tratamento estatístico dos dados recolhidos com o questionário
foi utilizado o SPSS versão 22. Para avaliar a credibilidade do questionário
utilizámos a totalidade das respostas dos alunos (915 respostas sob a forma de pré
e pós-teste) e recorremos a três índices: sensibilidade, validade fatorial e
fiabilidade.
De acordo com Maroco (2007), para avaliar a sensibilidade dos itens de um
questionário os seus valores de Skewness não devem ultrapassar 7 e os de Kurtosis
3. A Skewness é uma medida que caracteriza o enviesamento da distribuição da
amostra em relação à sua média; sendo a Kurtosis o coeficiente de achatamento
da sua distribuição. No nosso caso, o valor máximo obtido tanto para a Skewness
como para a Kurtosis foi de 1.
Relativamente à validade fatorial, de acordo com Maroco (2007) o valor do
índice Keiser-Meyer-Olkin (KMO) deve ser igual ou maior que .70 e o teste de
Esfericidade de Bartlett deve apresentar um coeficiente de significância com uma
probabilidade inferior a .001. O índice KMO é uma medida da homogeneidade das
variáveis estudadas que compara correlações simples com correlações parciais de
forma a julgar a qualidade da amostragem obtida. No nosso estudo o valor de KMO
obtido foi de .84 (p<.001). O teste de esfericidade representa uma condição
suficiente e necessária à análise fatorial realizada, avaliando a independência das
relações intra-sujeitos (whithin-subjects), ou seja, as variáveis medidas são
independentes dos sujeitos onde são medidas.
Relativamente à fiabilidade global dos itens da amostra, recorrendo ao teste
do Alfa de Cronbach, é possível avaliar a consistência dos resultados obtidos. Esta
estatística valia a consistência interna de um grupo de itens verificando itens
diferentes construídos para medir um mesmo construto geral produzem
resultados semelhantes, analisando a correlação ente as respostas obtidas. Os
valores deste índice variam entre -1 e +1 e a confiabilidade é tanto maior quanto
mais perto de 1 estiver o valor encontrado. De acordo com Dunn et al. (2013) uma
confiabilidade entre 0,6 e 0,7 é considerada razoável; entre 0,7 e 0,9 boa e entre
0,9 e 1 muito boa. Neste caso, o valor para o Alfa de Cronbach para o conjunto de
itens testado foi de .822.
Foi também feita uma análise exploratória para verificar que fatores poderiam
ser os responsáveis pela variância observada. Desta análise extraíram-se dois
fatores responsáveis por 47,2% da variância observada (ver tabela 2).
Sete itens ficaram agregados a F1, agregando-se os restantes três itens a F2
(assinalados a negrito na tabela 2). Para F1 obtivemos um Alfa de Cronbach =.77,
fator que designámos como “Competências de Ativismo” (CA). Para F2 obtivemos
um =.80, fator que designámos como “Dever de Participar” (DP).

Tabela 2 - Pesos fatoriais dos itens nos 2 fatores (rotação varimax).


Página | 222

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
Item CA1 DP2

1. Envolvo-me em ações/iniciativas com o objetivo de contribuir .577 .255


para a resolução de problemas sociais que me preocupam.
2. Os meus colegas envolvem-se em ações/iniciativas com o .630 .094
objetivo de contribuir para a resolução de problemas sociais que
os preocupam.
3. Sou capaz de influenciar as decisões dos meus colegas sobre .723 .073
problemas sociais relacionados com a ciência, a tecnologia e o
ambiente.
4. Tenho poder para influenciar as decisões de outros cidadãos .730 .102
sobre problemas sociais relacionados com a ciência, a tecnologia
e o ambiente.
5. Se me associar aos meus colegas, temos o poder para .591 .185
influenciar as decisões de outras pessoas sobre problemas sociais
relacionados com a ciência, a tecnologia e o ambiente.
6. Considero que tenho os meios necessários para desencadear .559 .243
iniciativas que contribuam para a resolução de problemas sociais
relacionados com a ciência, a tecnologia e o ambiente.
7. Conheço formas de influenciar as decisões dos cidadãos sobre .555 .150
problemas sociais relacionados com a ciência, a tecnologia e o
ambiente.
8. Considero que tenho o dever de participar em .121 .819
atividades/iniciativas que beneficiem a comunidade onde vivo.
9. Considero que tenho o dever de participar em .115 .782
atividades/iniciativas que contribuam para a resolução de
problemas globais/mundiais.
10. Tenho o dever de participar em atividades/iniciativas que .106 .825
contribuam para a resolução de problemas locais da comunidade
em que vivo.
1
“Competências de Ativismo” (CA)
2
“Dever de Participar” (DP).
Nota. A negrito estão indicados os “loadings” mais elevados de cada item. Dos 12 itens
originais, foram eliminados dois, por problemas de distribuição, nomeadamente: “Sei
pesquisar informação sobre problemas sociais relacionados com a ciência, a tecnologia
e o ambiente” e “Sou capaz de tomar decisões sobre problemas sociais relacionados
com a ciência, a tecnologia e o ambiente”. No entanto, estes itens estão direcionados
para dimensões importantes relacionadas com o ativismo, nomeadamente a
capacidade para pesquisar informação e a capacidade de tomar decisões, pelo que a
sua presença é pertinente, devendo no futuro ser complementada com novos itens para
cada uma destas dimensões.
(Fonte: tabela elaborada pelos autores para este artigo)

RESULTADOS

Com o objetivo de detectar eventuais diferenças significativas entre as


Página | 223 percepções dos alunos antes e depois da realização das iniciativas “We Act”, foi
analisada a diferença nos resultados obtidos nos dois momentos. Para tal,

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
recorreu-se a análise de variância dos resultados globais de cada momento, e
também isolando as variáveis género e ciclo de estudos.
Os questionários foram aplicados no início e no final de cada iniciativa de ação
sociopolítica, ou seja, conforme já foi referido na tabela 1, houve um intervalo
entre a aplicação do pré e do pós-teste que variou entre 2 e 5 meses.
A análise global, comparando um total de 434 respostas no pré-teste com 481
respostas no pós-teste, permitiu encontrar diferenças significativas tanto para o
fator CA – Competências de Ativismo (p<.001) como para o fator DP – Dever de
Participar (p=.032). Ou seja, detectaram-se diferenças estatísticas significativas
para os dois fatores resultantes do envolvimento dos alunos nas atividades deste
projeto.
A análise estatística por item permitiu também encontrar diferenças
significativas para a maioria dos itens propostos (ver tabela 3).

Tabela 3 – Análise de Variância Pré-Pós Global por fator e por item.


Item Sig.

Fator 1 – Competências e ativismo .000

Fator 2 – Dever de participar .032

1. Envolvo-me em ações/iniciativas com o objetivo de contribuir .000


para a resolução de problemas sociais que me preocupam.
2. Os meus colegas envolvem-se em ações/iniciativas com o .000
objetivo de contribuir para a resolução de problemas sociais que os
preocupam.
3. Sou capaz de influenciar as decisões dos meus colegas sobre .000
problemas sociais relacionados com a ciência, a tecnologia e o
ambiente.
4. Tenho poder para influenciar as decisões de outros cidadãos .000
sobre problemas sociais relacionados com a ciência, a tecnologia e
o ambiente.
5. Se me associar aos meus colegas, temos o poder para influenciar .000
as decisões de outras pessoas sobre problemas sociais relacionados
com a ciência, a tecnologia e o ambiente.
6. Considero que tenho os meios necessários para desencadear .000
iniciativas que contribuam para a resolução de problemas sociais
relacionados com a ciência, a tecnologia e o ambiente.
7. Conheço formas de influenciar as decisões dos cidadãos sobre .000
problemas sociais relacionados com a ciência, a tecnologia e o
ambiente.
8. Considero que tenho o dever de participar em .012
atividades/iniciativas que beneficiem a comunidade onde vivo.
9. Considero que tenho o dever de participar em .151
atividades/iniciativas que contribuam para a resolução de
problemas globais/mundiais.
10. Tenho o dever de participar em atividades/iniciativas que .122
contribuam para a resolução de problemas locais da comunidade
em que vivo.
Nota. Indicam-se a negrito os itens nos quais foi encontrada uma diferença
Página | 224
significativa (<.05).
(Fonte: tabela elaborada pelos autores para este artigo)

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
Fazendo a comparação entre os resultados no pré e pós teste levando em
consideração o género dos respondentes (masculino, n= 351; e feminino, n=544)
também se observaram diferenças significativas nos dois grupos embora de forma
distinta. Embora ambos os géneros tenham apresentado diferenças significativas
no caso do fator 1 – Competências de Ativismo (p=.002 para os moços, e p<.001
para as moças), no fator 2 – Dever de Participar, apenas foram observadas
diferenças significativas no caso das moças (p=.018) (ver figuras 1 e 2). De referir
também que, no caso das moças foram encontradas diferenças significativas para
todos os itens, exceto nos itens 9 e 10. No caso dos moços apenas foram
encontradas diferenças significativas nos itens 1, 2 e 7.

Figura 1 – Resultados Globais pré/pós por Género para o Fator 1 – Competências de


Ativismo

(Fonte: figura gerada pelo programa SPSS versão 22 a partir dos dados inseridos pelos
autores)

Figura 2 – Resultados Globais pré/pós por Género para o Fator 2 – Dever de Participar

(Fonte: figura gerada pelo programa SPSS versão 22 a partir dos dados inseridos pelos
autores)

Fizemos ainda a comparação entre os resultados no pré e pós teste levando


em consideração o ciclo de estudos dos respondentes (2.º ciclo – 5.º e 6.º anos de
Página | 225 escolaridade – n=153; 3.º ciclo – 7.º, 8.º e 9.º anos) – n=237; Ensino Secundário –
10.º, 11.º e 12.º anos – n=302; e Ensino Superior, n=201). Neste caso, apenas foram

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
identificadas diferenças significativas no fator 1 – Competências de Ativismo para
o 2.º ciclo (p<.001), para o Ensino Secundário (p=.016) e para o Ensino Superior
(p=.043) (ver figura 3). Destaca-se aqui claramente o 2.º ciclo com uma subida
substancialmente superior aos restantes.

Figura 3 – Resultados Globais pré/pós por Ciclo de Estudos para o Fator 1 – Competências
de Ativismo

(Fonte: figura gerada pelo programa SPSS versão 22 a partir dos dados inseridos pelos
autores)

Não foram identificadas diferenças significativas para o fator 2 – Dever de


Participar, em nenhum dos ciclos, sendo que embora o 3.º ciclo, o Ensino
Secundário e o Ensino Superior tenham registado pequenas subidas; o 2.º ciclo
registou até uma ligeira descida (ver figura 4).

Figura 4 – Resultados Globais pré/pós por Ciclo de Estudos para o Fator 2 – Dever de
Participar

(Fonte: figura gerada pelo programa SPSS versão 22 a partir dos dados inseridos pelos
autores)

Página | 226
CONSIDERAÇÕES FINAIS

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
Constata-se que o conjunto das iniciativas de ação sociopolítica analisadas
nesta investigação teve um impacte positivo nos alunos que as realizaram,
nomeadamente, no que respeita ao reforço das suas percepções acerca das suas
competências de ativismo e do dever de participar em ação coletiva e
fundamentada de resolução democrática de problemas. Globalmente, as
iniciativas realizadas no âmbito do projeto “We Act” fizeram com que os alunos se
sentissem mais capacitados e empoderados para: 1) influenciarem as decisões dos
colegas e dos cidadãos em geral sobre problemas sociais relacionados com a
ciência, a tecnologia e o ambiente; e 2) desencadearem, em associação com os
seus colegas, iniciativas que contribuam para a resolução de problemas sociais que
os preocupam.
Contudo, quando se estuda o impacte das iniciativas realizadas em função do
género, verifica-se que o sentimento de comprometimento e de capacitação para
a ação sociopolítica foi mais reforçado nas moças do que nos moços. Depois das
iniciativas “We Act”, estas sentem-se mais preparadas para resolver de problemas
e influenciar as decisões de outros cidadãos (nomeadamente, através da
colaboração com colegas) sobre questões sócio-científicas e ambientais. Para além
disso, também saiu reforçada a sua ideia de que têm o dever de participar em
atividades/iniciativas que beneficiem a comunidade onde vivem.
Verificou-se, também, que o reforço das percepções dos alunos acerca das
suas competências de ativismo foi bastante mais significativo entre os alunos do
2.º ciclo do ensino básico (aqueles que frequentam o 5.º e o 6.º anos de
escolaridade). A evolução neste grupo foi particularmente forte.
Estas diferenças em função do género e do nível de ensino merecem ser
investigadas através de estudos qualitativos baseados em entrevistas
aprofundadas a alunos envolvidos neste tipo de ações sociopolíticas.
Em síntese, pode afirmar-se que as iniciativas “We Act” contribuíram para o
empoderamento dos alunos como importantes agentes de mudança e,
consequentemente, como "cidadãos" (em oposição a "futuros cidadãos") capazes
de se envolverem ativamente na procura de soluções para os problemas que
afetam as comunidades onde vivem. Este tipo de iniciativas poderá ter um impacte
considerável no reforço da percepção dos alunos acerca da relevância social da
educação em ciências e do seu interesse pelas aulas de ciências.

Página | 227

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
The evaluation of the “We Act” Project
impact on students’ perceptions about their
socio-political action competences
ABSTRACT

The main objective of the "We Act" project is to support teachers and students in taking
informed and negotiated actions to solve social and environmental problems related with
science and technology. Through a quantitative approach, this article investigates the
impact of students' involvement in socio-political action regarding socio-scientific and socio-
environmental problems – the We Act initiatives – on their perceptions about their active
citizenship competences. The data were obtained through the application of a
questionnaire, in the form of pre- and post-test, followed by statistical analysis of the
answers in order to detect any significant changes in students' perceptions. Significant
statistical differences were detected between the students' perceptions before and after
the implemented actions, namely with regard to their capacity to carry out initiatives that
contribute to the resolution of social problems related to science, technology and the
environment.
KEYWORDS: Sociopolitical action. Active citizenship. Science education. Scientific literacy.

Página | 228

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
REFERÊNCIAS

BENCZE, J.L. Private profit, science and science education: Critical problems and
possibilities for action. Canadian Journal of Science, Mathematics & Technology
Education, v.8, n.4, p. 297–312, 2008.

BENCZE, L.; CARTER, L. Globalizing students acting for the common good. Journal
of Research in Science Teaching, v.48, n.6, p. 648-669, 2011.

BENCZE, J. L.; SPERLING, E. Student-teachers as advocates for student-led


research-informed socioscientific activism. Canadian Journal of Science,
Mathematics & Technology Education, v. 12, n.1, p. 62–85, 2012.

DUNN, T. J.; BAGULEY, T.; BRUNSDEN, V. From alpha to omega: A practical


solution to the pervasive problem of internal consistency estimation. British
Journal of Psychology, v.105, n.3, p. 399–412, 2013.

GARCÍA-BERMÚDEZ, S.; REIS, P.; VÁZQUEZ-BERNAL, B. Promoción del activismo


sobre cuestiones ambientales en estudiantes de básica secundaria a través de las
herramientas web 2.0. Da Investigação às Práticas, v.7, n.2, p. 34 – 53, 2017.

GRAY, D.; COLUCCI-GRAY, L.; CAMINO, E. (Eds) Science, Society and


Sustainability: Education and Empowerment for an Uncertain World. London:
Routledge Research, 2009.

HODSON, D. Becoming Part of the Solution: Learning about Activism, Learning


through Activism, Learning from Activism. In BENCZE, L.; ALSOP, S. (Eds). Activist
Science and Technology Education. London: Springer, 2014, p. 67-98.

HODSON, D. Looking to the future - Building a curriculum for Social Activism.


Rotterdam: Sense Publishers, 2011. 406 p.

HODSON, D. Time for action: science education for an alternative Future.


International Journal of Science Education, v. 25, n. 6, p. 645–670, 2003.

HODSON, D. Teaching and learning science: Towards a personalized approach.


Buckingham: Open University Press, 1998.

KOLSTØ, S. Scientific literacy for citizenship: Tools for dealing with the science
dimension of controversial socioscientific issues. Science Education, v.85, n.3, p.
291-310, 2001.
Página | 229

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
LEVINSON, R. A theory of curricular approaches to the teaching of socio-scientific
issues. Alexandria, v.1 , n.1, p. 133-151, 2008.

LEVINSON, R.; NICHOLSON, H.; PARRY, S. (eds.) Creative Encounters: new


conversations in science, education and the arts, London: The Wellcome Trust,
2008.

LINHARES, E. F.; REIS, P. Interactive exhibition on climate geoengineering:


empowering future teachers for sociopolitical action. Sisyphus – Journal of
Education, v.5, n.3, p. 85-106, 2017. Disponível em
http://revistas.rcaap.pt/sisyphus/article/view/13203/10251

MAROCO, J. Análise estatística com a utilização do SPSS. Lisboa: Edições silabo,


Lda, 2007.

MARQUES, A. R.; REIS, P. Producción y difusión de vídeos digitales sobre


contaminación ambiental. Estudio de caso: Activismo colectivo basado en la
investigación. Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las Ciencias,
v.14, n. 1, p. 215-226, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/10498/18857

NELKIN, D. (Ed.) Controversy: politics of technical decisions. London: Sage, 1992.

ØDEGAARD, M. Dramatic science. A critical review of drama in science


education. Studies in Science Education, v.39, p. 75-101, 2003.

REIS, P. Promoting students’ collective socio-scientific activism: Teacher’s


perspectives. In Larry B. & Steve A. (Eds.). Activism in science and technology
education. London: Springer, 2014a, p. 547-574.

REIS, P. Acción socio-política sobre custiones socio-científicas: reconstruyendo la


formación docente y el currículo. Uni-Pluri/versidad, v. 14, n. 2, p. 16-26, 2014b.
Disponível em: <http://aprendeenlinea.udea.edu.co/revistas/index.php/unip>.
Acesso em: 14 jun. 2016.

REIS, P. Da discussão à ação sociopolítica sobre controvérsias sócio-científicas:


uma questão de cidadania. Ensino de Ciências e Tecnologia em Revista, Santo
Ângelo, v. 3, n. 1, p. 1-10, 2013.

REIS, P. Ciência e controvérsia. Revista de Estudos Universitários, Sorocaba, v. 5,


n.2, p. 9-15, 2009. Disponível em: <http://repositorio.ul.pt/handle/10451/4615>
Página | 230

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
REIS, P. Controvérsias sócio-científicas: Discutir ou não discutir? Percursos de
aprendizagem na disciplina de Ciências da Terra e da Vida. 2004. Tese (Doutorado
em Didática das Ciências) – Departamento de Educação da Faculdade de Ciências
da Universidade de Lisboa.

REIS, P. A Promoção do Pensamento através da Discussão dos Novos Avanços


na Área da Biotecnologia e da Genética. 1997. Dissertação (Mestrado em
Didática das Ciências) – Departamento de Educação da Faculdade de Ciências da
Universidade de Lisboa.

REIS, P.; GALVÃO, C. (2009). Teaching controversial socio-scientific issues in


biology and geology classes: a case study. Electronic Journal of Science
Education, v.13, n.1, p. 162-185, 2009. Disponível em:
<http://ejse.southwestern.edu/ volumes/v13n1/articles/art7-reis.pdf>

REIS, P.; GALVÃO, C. The impact of socio-scientific controversies in portuguese


natural science teachers’ conceptions and practices. Research in Science
Education, v.34, n.2, p. 153-171, 2004.

REIS, P.; MARQUES, A. R. (Coords.). As exposições como estratégia de ação


sociopolítica: cenários do projeto IRRESISTIBLE. Lisboa: Instituto de Educação da
Universidade de Lisboa, 2016.

ROTH, W.-M.; DÉSAUTELS, J. (Eds.). Science education as/for socio-political


action. New. York: Peter Lang, 2002. p. 1-16.

SCHEID, N. M. J.; REIS, P. As TIC e a promoção da discussão sociopolítica em aulas


de Ciências Naturais em contexto português. Ciência & Educação, Bauru, v. 22, n.
1, p.129-144, jan./mar. 2016.

STEGMANN, K.; WEINBERG, A.; & FISCHER, F. Facilitating argumentative


knowledge construction with computer-supported collaboration scripts.
Computer-Supported Collaborative Learning, v.2, p. 421-447, 2007.

Página | 231

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.
Recebido: Dezembro de 2017
Aprovado: Junho de 2018
DOI: 10.3895/rbect.v11n2.8435
Como citar: REIS, P. G. R.; TINOCA, L. A. F. A avaliação do impacto do projeto “We Act”
nas percepções dos alunos acerca das suas competências de ação sociopolítica. Revista
Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 11, n. 2, 2018. Disponível em:
<https://periodicos.utfpr.edu.br/rbect/article/view/8435>. Acesso em: xxx.
Correspondência: Pedro Guilherme Rocha dos Reis - preis@ie.ulisboa.pt
Direito autoral: Este artigo está licenciado sob os termos da Licença Creative
Commons-Atribuição 4.0 Internacional.

Página | 232

R. bras. Ens. Ci. Tecnol., Ponta Grossa, v. 11, n. 2, p. 214-232, mai./ago. 2018.