Sie sind auf Seite 1von 4

Manual SIAFI - Relativo à operacionalização do suprimento de fundos

SUPRIMENTO DE FUNDOS

1 - REFERÊNCIAS:

1.1 - RESPONSABILIDADE - Coordenador-Geral de Contabilidade

1.2 - COMPETÊNCIA - IN/STN Nº 05, de 06 de novembro de 1996.

1.3 - FUNDAMENTO

1.3.1 - BASE LEGAL

Estes procedimentos descrevem o contexto do Decreto nº 93.872 (Cap. III, Seção V), de 23 de
dezembro de 1986, alterado pelo Decreto nº 2.289, de 04 de agosto de 1997, que dá nova redação
ao inciso I do artigo 45 e, pelo Decreto nº 2.397, de 20 de novembro de 1997, no que tange o art.
47. Descrevem também o contexto da Portaria nº 492, de 31 de agosto de 1993.

1.3.2 - BASE ADMINISTRATIVA

É constituída da Instrução Normativa nº 09, de 23 de dezembro de 1992 e da Norma de Execução


nº13, também de 23 de dezembro de 1992.

2 - PROCEDIMENTOS

2.1 - Em cumprimento ao Decreto nº 93.872 (Cap.III, Seção V) de 23 de dezembro de 1986, são


definidos os procedimentos a serem adotados pelas UG quando do Pagamento de Despesas por
meio de Suprimento de Fundos.

2.1.1 - Excepcionalmente, a critério do Ordenador de Despesa e sob sua inteira responsabilidade,


poderá ser concedido Suprimento de Fundos a servidor, sempre precedido de empenho na dotação
própria às despesas a realizar, e que não possam subordinar-se ao processo normal de aplicação,
nos seguintes casos:

2.1.1.1 - para atender despesas eventuais, inclusive em viagens e com serviços especiais, que
exijam pronto pagamento em espécie;

2.1.1.2 - quando a despesa deva ser feita em caráter sigiloso, conforme se classificar em
regulamento; e

2.1.1.3 - para atender despesas de pequeno vulto, assim entendidas aquelas cujos valores, em
cada caso, não ultrapassarem limites estabelecidos no item 4 (Quadros I e II).

2.1.2 - A entrega do numerário será mediante:

2.1.2.1 - crédito em conta bancária, com autorização do Ordenador de Despesa, para esse fim,
quando seu montante for igual ou superior a 50% (cinqüenta por cento) do valor estabelecido para
o item II do art. 24 da Lei nº 8.666/93 (conforme alteração efetivada pelo art. 1º da Lei nº 9.648, de
27 de maio de 1998), a ser aberta em nome do Suprido, com a sigla da UG concedente, contendo
o respectivo CGC, e enquadrada contabilmente no Banco como conta do Governo Federal para
atender suprimento de fundos, com a sua numeração variando de 55595000 à 55596999.

2.1.2.2 - entrega do numerário ao suprido através de OBP, quando o valor for inferior ao previsto no
subitem anterior.
Neste caso, o prazo de entrega do numerário dependerá de o seu valor ser inferior ou não ao limite
estabelecido na transação CONLIMIOBP. Se for igual ou inferior, paga-se no mesmo dia. Se for
superior, paga-se 1 dia após a emissão da OBP.
2.1.3 - A concessão de Suprimento de Fundos deve ser classificada em função do objeto de gasto.

2.1.3.1 - para a concessão de Suprimento de Fundos a despesa deverá ser contabilizada no


elemento de despesa correspondente ao da sua realização, subitem 96, não podendo o saldo deste
subitem ultrapassar 5% do total do
respectivo elemento.

2.1.3.2 - caso o valor da despesa ultrapasse o percentual fixado no item anterior, esta deverá ser
contabilizada no subitem específico de sua realização.

2.1.4 - O Suprimento de Fundos será contabilizado e incluído nas contas do Ordenador como
despesa realizada; as restituições, por falta de aplicação, parcial ou total, ou aplicação indevida,
constituirão anulação de despesa, ou receita orçamentária, se recolhidas após o encerramento do
exercício.

2.1.5 - Na prestação de contas, para a comprovação das despesas realizadas, deverão ser
observados os seguintes procedimentos:

2.1.5.1 - O servidor que receber Suprimento de Fundos, na forma do subitem anterior, é obrigado a
prestar contas de sua aplicação, procedendo-se, automaticamente, à tomada de contas se não o
fizer no prazo assinalado pelo Ordenador de Despesa, sem prejuízo das providências
administrativas para apuração das responsabilidades e imposição das penalidades cabíveis.

2.1.5.2 - A comprovação das despesas realizadas, deverá estar devidamente atestada, por outros
servidores que tenham conhecimento das condições em que estas foram efetuadas, em
comprovante original cuja emissão tenha ocorrido em data igual ou posterior a de entrega do
numerário e compreendida dentro do período fixado para aplicação, em nome do órgão emissor do
empenho.

2.1.6 - Não se concederá Suprimento de Fundos:

2.1.6.1 - a responsável por dois suprimentos;

2.1.6.2 - a servidor que tenha a seu cargo e guarda ou a utilização do material a adquirir, salvo
quando não houver na repartição outro servidor;

2.1.6.3 - a servidor declarado em alcance.

2.1.7 - Cabe aos detentores de Suprimento de Fundos fornecer indicação precisa dos saldos em
seu poder em 31 de dezembro, para efeito de contabilização e reinscrição da respectiva
responsabilidade pela sua aplicação em data
posterior, observados os prazos assinalados pelo Ordenador da Despesa.

A importância aplicada até 31 de dezembro será comprovada até 15 de janeiro seguinte.

2.1.8 - A concessão e aplicação de Suprimento de Fundos, ou adiantamentos, para atender


peculiaridades da Presidência e Vice-Presidência da República, do Ministério da Fazenda, das
Repartições do Ministério das Relações Exteriores no exterior, bem assim Órgãos Militares e de
Inteligência, obedecerão a regime especial de execução estabelecidos em instruções aprovadas
pelos respectivos Ministros de Estado, pelo Chefe da Casa Militar e pelo Secretário-Geral da
Presidência da República, sendo vedada a delegação de competência.

3 - CONTAS-CORRENTES BANCÁRIAS ACOLHEDORAS DE SUPRIMENTO DE FUNDOS

3.1 - As Contas-Correntes bancárias dos Órgãos e Entidades da Administração Pública Federal


que integram os Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social serão abertas e mantidas no Banco do
Brasil S.A.
3.2 - As Contas-Correntes bancárias destinadas a acolher recursos de Suprimento de Fundos
serão classificadas como tipo B, movimentada pelo agente pagador beneficiário e, vinculada à UG
responsável.

3.3 - A numeração das Contas-Correntes bancárias será fornecida pela Instituição Financeira.

3.4 - Aplicam-se às contas do tipo "B" as seguintes disposições:

3.4.1 - serão abertas mediante autorização do Ordenador de Despesas, sendo encaminhadas ao


agente financeiro contendo os dados dos responsáveis por sua movimentação;

3.4.2 - serão movimentadas por cheques e guias de depósitos da própria instituição financeira;

3.4.3 - serão obrigatoriamente encerradas pelo titular, imediatamente após o período de aplicação
dos recursos, quando este deixar de ser movimentador de recursos de suprimento de fundos;

3.4.4 - os saldos não movimentados por mais de 60 dias serão encerrados pela UG, por
determinação da área de controle interno do respectivo órgão. E aqueles não movimentados, por
mais de 180 dias, serão encerrados pelo Banco do Brasil, conforme orientação da COFIN/STN;

3.4.5 - quando se tratar de UG "OFF LINE", poderão ser abertas junto à Caixa Econômica Federal,
em casos excepcionais, conforme previsto no § 2º do Art. 5º da Lei nº 7.862, de 30/10/89, com a
redação dada pelo Art. 8º da Lei nº 8.177, de 1º/03/91.

4 - LIMITES PARA CONCESSÃO DE SUPRIMENTO DE FUNDOS E DESPESAS DE PEQUENO


VULTO

4.1 - O limite máximo para a concessão de SUPRIMENTO DE FUNDOS deve obedecer aos
valores do Quadro I.

4.1.1 - Excepcionalmente, a critério da autoridade de nível ministerial, desde que caracterizada a


necessidade em despacho fundamentado, poderão ser concedidos suprimentos de fundos em
valores superiores aos fixados no Quadro I.

QUADRO I
OBJETO LIMITE
1 - OBRAS E SERVIÇOS DE 5% DO VALOR MÁXIMO PARA OBRAS E
ENGENHARIA SERVIÇOS DE ENGENHARIA NA
MODALIDADE DE LICITAÇÃO "CONVITE"
(alínea a do inciso I do art. 23 da Lei 8.666/93 –
alterada pela Lei 9.648 de 27/05/98)
2 - OUTROS SERVIÇOS E COMPRAS EM 5% DO VALOR MÁXIMO PARA OUTROS
GERAL SERVIÇOS E COMPRAS EM GERAL NA
MODALIDADE DE LICITAÇÃO "CONVITE"
(alínea a do inciso II do art. 23 da Lei 8.666/93 -
alterada pela Lei 9.648 de 27/05/98)

4.2 - O limite máximo de CADA DESPESA DE PEQUENO VULTO deve obedecer aos valores do
Quadro II.

4.2.1 - O limite a que se refere este artigo é o de cada despesa, vedado o fracionamento de
despesa ou documento comprobatório, para adequação a este valor.

QUADRO II
OBJETO LIMITE
1 - OBRAS E SERVIÇOS DE 0,25% DO VALOR MÁXIMO PARA OBRAS
ENGENHARIA E SERVIÇOS DE ENGENHARIA NA
MODALIDADE DE LICITAÇÃO "CONVITE"
(alínea a do inciso I do art. 23 da Lei
8.666/93 – alterada pela Lei 9.648 de
27/05/98)
2 - OUTROS SERVIÇOS E COMPRAS EM 0,25% DO VALOR MÁXIMO PARA
GERAL OUTROS SERVIÇOS E COMPRAS EM GERAL
NA MODALIDADE DE LICITAÇÃO "CONVITE"
(alínea a do inciso II do art. 23 da Lei 8.666/93 –
alterada pela Lei 9.648 de 27/05/98)

4.3 - Os valores referidos nos QUADROS I e II serão atualizados na forma do parágrafo único do
artigo 120 da Lei 8.666/93 (valores publicados no Diário Oficial da União pelo Poder Executivo
Federal).

Fonte: Manual SIAFI