Sie sind auf Seite 1von 108

Formação

Gestão Empresarial

Todos os direitos autorais reservados pela TOTVS S.A.


Proibida a reprodução total ou parcial, bem como a armazenagem em sistema de recuperação e a transmissão, de
qualquer modo ou por qualquer outro meio, seja este eletrônico, mecânico, de fotocópia, de gravação, ou outros, sem
prévia autorização por escrito da proprietária.
O desrespeito a essa proibição configura em apropriação indevida dos direitos autorais e patrimoniais da TOTVS.
Conforme artigos 122 e 130 da LEI no. 5.988 de 14 de Dezembro de 1973.

Formação
Gestão Empresarial
Protheus – Versão 12

Versão 1.0 1
Formação
Gestão Empresarial

Sumário

1. Introdução ..................................................................................................................................... 4
2. Tecnologia da Informação, a Gestão Empresarial e o Papel do Governo .................................... 13
2.1. Ambiente Empresarial................................................................................................................ 13
2.2. O Papel do Governo .................................................................................................................. 14
2.3. Contas Nacionais e Internacionais............................................................................................. 14
2.4. Taxa de Câmbio ........................................................................................................................ 15
2.1..................................................................................................................................................... 15
2.2..................................................................................................................................................... 15
2.3..................................................................................................................................................... 15
2.4..................................................................................................................................................... 15
2.5. Protecionismo ............................................................................................................................ 15
2.6. Carga Tributária e o Crescimento Econômico ........................................................................... 16
2.7. Taxa de Juros ............................................................................................................................ 16
2.8. Principais Impostos no Brasil ..................................................................................................... 17
3. Contabilidade ................................................................................................................................ 19
3.1. Custos........................................................................................................................................ 19
3.2. Compras .................................................................................................................................... 20
3.3. PCP (Planejamento e Controle da Produção)............................................................................. 20
3.4. Faturamento .............................................................................................................................. 21
3.5. Livros Fiscais ............................................................................................................................. 21
3.6. Financeiro .................................................................................................................................. 22
3.7. Folha de pagamento .................................................................................................................. 22
3.8. Ativo Fixo ................................................................................................................................... 22
3.9. ERP Vertical ............................................................................................................................... 23
3.10. Importação ............................................................................................................................... 27
3.11. Gestão Hospitalar ..................................................................................................................... 27
4. Plano de Saúde ............................................................................................................................ 27
5. Controle de Direitos Autorais ........................................................................................................ 28
6. Gestão de Concessionárias........................................................................................................... 28
7. BI - Business Intelligence .............................................................................................................. 29
8. Data Warehouse ........................................................................................................................... 30
9. Drill-Down ..................................................................................................................................... 30
10. Workflow ..................................................................................................................................... 31
11. Balanced Scorecard (BSC) ......................................................................................................... 31
12. Contabilidade .............................................................................................................................. 33
13. Livros Fiscais .............................................................................................................................. 34
14. Ativo Fixo .................................................................................................................................... 35
15. Folha de Pagamento................................................................................................................... 36

2 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

16. Gestão de Materiais .................................................................................................................... 41


16.1. Faturamento ............................................................................................................................ 41
16.2. Compras .................................................................................................................................. 42
16.3. Estoque e Custos .................................................................................................................... 42
16.4. TOTVS Colaboração................................................................................................................ 43
16.5. Contratos ................................................................................................................................. 44
16.6. Planejamento e Controle da Produção .................................................................................... 44
16.7. Manutenção de Ativos ............................................................................................................. 45
17. Gestão de Qualidade .................................................................................................................. 46
17.1. Inspeção de entradas .............................................................................................................. 47
17.2. Inspeção de processos ............................................................................................................ 47
17.3 Metrologia ................................................................................................................................. 48
18. Gestão de controladoria.............................................................................................................. 49
18.1. Contabilidade ........................................................................................................................... 49
18.2. ECD – Escrituação COntábil Digital ......................................................................................... 49
18.3. Contas a Pagar e Contas a Receber ....................................................................................... 50
18.4. Livros Fiscais ........................................................................................................................... 51
18.5. Ativo Fixo ................................................................................................................................. 51
18.6. TOTVS Automação Fiscal (TAF) ............................................................................................. 53
18.7. Planejamento e Controle Orçamentário ................................................................................... 54
19. Gestão de Pessoal ..................................................................................................................... 54
19.1. Folha de Pagamento................................................................................................................ 54
19.2. E-Social ................................................................................................................................... 55
20. Gestão de Demanda ................................................................................................................... 56
20.1. Como fazer uma gestão de demanda ...................................................................................... 56
20.2. Caso da Fabricação de um Pen Drive ..................................................................................... 57
20.3. Como Informar ao Sistema a Conclusão da Produção do Pen Drive ...................................... 92

Versão 1.0 3
Formação
Gestão Empresarial

1. Introdução

A atual situação econômica do Brasil é tecnicamente de estagnação. A crise econômica de 2016 não é mais apenas uma
hipótese e consta como fato em toda pauta de reunião de empresários do país e também fora dele. Acreditar em mais
uma história sobre “marolas” é negar a realidade econômica do país e abrir a porta para o fracasso.
Saber como se preparar para a crise de 2016 é o primeiro passo não só para garantir a sobrevivência do seu negócio,
como também largar com toda força depois da crise.

Não adianta de nada entrar em desespero em razão dos sinais de desaquecimento da economia e queda nas vendas.
Isso não vai resolver o problema (Alberto Valle – Junho 2016).
Para se manter no controle da situação, as companhias, corporações e organizações precisaram otimizar processos
produtivos e rotinas administrativas, contar com gerenciamento adequado de seus recursos, dados e procedimentos. Um
dos caminhos mais utilizados para isso foi à adoção de soluções do Sistema de Gestão Empresarial - Enterprise
Resource Planning - ERP.

É um instrumento muito eficaz e eficiente para integrar várias áreas de uma organização empresarial, aumentando a
confiabilidade, a lucratividade e a produtividade. Setores como compras, estoques, produção, contabilidade, escrita fiscal,
recursos humanos, logística e marketing, entre outros, podem trabalhar e desenvolver-se de forma integrada.
Desse modo, a organização como um todo pode alcançar melhores resultados, maiores índices de eficiência e
credibilidade, qualidade no atendimento. Tudo isso com custos menores, elevação da lucratividade e um relacionamento
melhor entre clientes internos, externos e fornecedores. Além dessas qualidades, os motivos de uma empresa possuir um
sistema integrado de gestão é manter o controle e funcionamento, possuindo informações em tempo hábil, ajudando no
crescimento, diminuindo os custos, avaliando o sistema operacional, controlando os setores, com tudo isso, diminuir
possíveis erros, falhas e fraudes.

Sistema Integrado de Gestão Empresarial - SIGE, em inglês, Enterprise Resource Planning - ERP, é uma espécie de
sistema de informação que integram todos os dados e processos de uma corporação ou organização empresarial em um
único sistema. A integração desse sistema sob a perspectiva funcional de compras, contabilidade, fabricação (produção),
finanças, marketing, recursos humanos, vendas, entre outros e, sob a perspectiva sistêmica: sistema de processamento
de transações, sistemas de informações gerenciais, sistemas de apoio à tomada de decisão, entre outros.

Em termos gerais os sistemas são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos
de uma corporação empresarial, possibilitando a automação e armazenamento de todas as informações de negócios.

O Sistema Integrado de Gestão Empresarial pode ser definido como, sistema de informações integrado, adquirido na
forma de um pacote de software comercial com a finalidade de dar suporte à maioria das operações gerenciais e
operacionais de uma empresa. São geralmente divididos em módulos que se comunicam e atualizam uma mesma base
central de dados, de modo que informações alimentadas em um módulo são instantaneamente disponibilizadas para os
demais módulos que delas dependam.

Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Por exemplo, uma empresa que tem com vários sistemas,
um para lidar com as contas a pagar, um para gerar folhas de pagamento, um para controlar as vendas, um para
gerenciar os impostos (tributos), um para analisar as metas e desempenho, entre outros. Em vez de existir um ou mais
softwares isolados para cada departamento da corporação empresarial, não seria melhor ter com uma integração entre
estes setores, de forma que todos fizessem parte de um sistema unificado? É justamente isso que uma solução de ERP
oferece à empresa ou organização.

Com um único sistema integrando a todos os departamentos ou pelo menos integrando os setores mais importantes, a
comunicação interna se torna mais fácil e menos dispendiosa. Por exemplo, o departamento financeiro pode informar
rapidamente quanto dinheiro destinar à quitação de impostos e quando direcionarem ao pagamento de funcionários, de
acordo com as informações que o setor de gestão de recursos humanos disponibilizarem no sistema. O Coordenador ou
Diretor de um determinado departamento pode avaliar o desempenho de um funcionário e discutir junto ao Diretor de

4 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Recursos Humanos quanto à empresa pode lhe oferecer de aumento salarial. O departamento de marketing pode
consultar o controle de vendas, perceber que um determinado produto não está tendo a saída desejada e desenvolver
uma nova estratégia para reverter este quadro, ao mesmo tempo em que verifica se a verba disponibilizada é suficiente
para este trabalho ou se é necessário marcar uma reunião para solicitar mais recursos.

Percebemos, com estes exemplos, que há várias situações em que a integração de sistemas se mostra econômica,
eficaz, eficiente, lucrativa e vantajosa. Podemos notar que, com sistemas diferentes, cada departamento teria maior e
mais dificuldades para se comunicar com outro setor, resultando em maior decurso de tempo, mais dispêndios e até em
excessivos procedimentos burocráticos. Por estes motivos, uma empresa ter um sistema de ERP lhe favorecerá
substancialmente porque terão menos fornecedores de software, isso faz com que se reduzam custos com licenças,
suporte técnico, servidores, treinamentos, entre outros.

Os sistemas ERP também identificados por SIGE permitem a utilização de ferramentas de planejamentos que podem
analisar os impactos de decisões de finanças, manufaturas, recursos humanos ou suprimentos, em toda a empresa.
Para compreendermos o surgimento e a funcionalidade atual do sistema ERP é necessário recorremos à sua evolução
histórica.

No final da década de 1950, quando os conceitos e definições modernas de controle tecnológico e de


gestão e governa corporativa tiveram seu advento. A tecnologia que existia era alicerçada nos extraordinários
mainframes que giravam os primeiros sistemas de controle de estoques - primeira atividade desenvolvida da interseção
entre gestão e tecnologia. A automatização tinha custo elevado, além de ser morosa, mas já demandava menos tempo
que os processos manuais, portanto esses sistemas eram para poucas empresas, apenas para as empresas que tinha
um elevado volume de demanda e alta lucratividade.

No início da década de 1970 com a expansão econômica mundial, aliada ao avanço tecnológico centrado na maior
disseminação computacional, geraram o Planejamento das Requisições de Materiais conhecidos por Material
Requirement Planning - MRP, sistemas
Possibilitavam o planejamento da utilização de insumos e a administração das mais variadas etapas dos processos de
fabricações e produtivos.

Nesta cronologia histórica e evolutiva, a década de 1980 indicou o surgimento das redes de computadores ligadas aos
servidores - sistemas tecnológicos de menores custos e de fáceis utilizações e manuseios que os mainframes, sobretudo
em função da revolução nas atividades de gerenciamento e operacionalização da produção e da logística.
O MRP se transformou no Planejamento dos Recursos de Manufatura - MRP II que significa Manufacturing Resource
Planning, que controlava outras atividades de mão-de- obra e de maquinário.
Na prática, o sistema MRP II, já poderia ser chamado de ERP pela abrangência dos controles de gerenciamentos e
operacionalizações. Porém, não sabemos ao certo quando é que este conjunto de sistema recebeu essa denominação.
A sigla ERP foi tomada como base por uma empresa americana de pesquisa, o GartnerGroup. A intenção era definir
esses sistemas integrados como uma evolução dos sistemas MRP II - Manufacturing Resource Planning - Planejamento
dos Recursos de Produção.

Os sistemas ERP podem ser considerados uma evolução do modelo MRP II, pois permitem controlar os demais recursos
empresariais, tais como: recursos financeiros, recursos humanos indiretos, vendas, distribuição, entre outros.
Nesta década de 1980, estes sistemas serviram tanto para agilizar os processos quanto para estabelecer comunicação
interligada com os departamentos ou setores da organização. Nessa época foram agregados ao ERP, novos sistemas,
também conhecidos como módulos do pacote de gestão e operação. As principais áreas contempladas foram as de
finanças, compras e vendas, recursos humanos, entre outras, ou seja, contemplaram-se setores com uma conotação
administrativa e departamentos com uma automação de apoio à produção.

O sistema ERP ganhou muita força na década de 1990, entre outras razões pela evolução e avanço tecnológico em face
das redes de comunicação entre computadores e a disseminação da arquitetura cliente/servidor - microcomputadores
interligados a servidores com custos e preços mais competitivos - não mais mainframes. Sobretudo, por ser uma

Versão 1.0 5
Formação
Gestão Empresarial

ferramenta importante na filosofia de controle e gestão dos setores corporativos das empresas, que ganhou aspectos
mais próximos das tecnologias que, atualmente conhecemos.

Os avanços e desenvolvimentos das tecnologias eram rápidos e tantas, além de serem abrangentes que o período a
partir de 1995 seria caracterizado pela eclosão incontrolada nas vendas dos pacotes de gestão. Em conjunto com os
fabricantes internacionais surgiram diversos fornecedores brasileiros, empresas que obtiveram uma lucratividade
potencial e significativa com a venda do sistema ERP.

A arquitetura de software, o ERP - Enterprise Resource Planning ou Sistema Integrado de Gestão Empresarial facilita o
fluxo de informações entre todas as atividades da empresa como fabricação, logística, finanças e recursos humanos.

O esquema prático a seguir mostra os setores e recursos da funcionalidade do sistema:

Com a observação-visualização deste esquema, percebemos a importância dos sistemas de gestão para as empresas,
por que: diminuem custos - economicidade torna a comunicação mais eficaz e eficiente - agilidade de comunicação,

6 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

ajudam na tomada de decisões - assertividade e segurança, permitem uma apuração mais precisa do que está
acontecendo na organização - proporcionalidade e razoabilidade justa. Não é por menos que muitas empresas
consideram este tipo de software imprescindível às suas atividades empresariais e industriais.

O ERP é um sistema amplo de soluções e informações. Um banco de dados único, operando em uma plataforma comum
que interage com um conjunto integrado de aplicações, consolidando todas as operações do negócio em um simples
ambiente computacional. Idealmente, a vantagem de um sistema ERP é a habilidade de necessitar a entrada de
informações uma única vez. Por exemplo, um representante de vendas grava um pedido de compra no sistema ERP da
empresa. Quando a fábrica começa a processar a ordem, o faturamento e a expedição podem checar o status da ordem
de produção e estimar a data de embarque/entrega. O estoque pode checar se a ordem pode ser suprida pelo saldo e
podem notificar a produção com uma ordem que apenas complemente a quantidade de itens requisitados. Uma vez
expedida, a informação direciona-se diretamente para o relatório de vendas para gerenciamento da Administração ou
Direção.

O ERP emprega a tecnologia cliente/servidor. Isto significa que o usuário do sistema (cliente) roda uma aplicação (rotina
de um módulo do sistema) que acessa as informações de um sistema de gerenciamento de uma base de dados única
(servidor). Isto, ao contrário do antigo sistema de mainframe, reflete o conceito de computação descentralizada.
O sistema opera então com uma base de dados comum, no coração do sistema. O banco de dados interage com os
aplicativos do sistema, desta forma, elimina-se a redundância e redigitação de dados, o que assegura a integridade das
informações obtidas.

Cada sistema de ERP oferece um conjunto de módulos (aplicativos) para aquisição. Estes são os pacotes funcionais,
individualizados para cada unidade de negócio dentro da organização (financeiro, engenharia, PCP, administração de
materiais, contabilidade, entre outros).
Esquema prático mostra como se processa a funcionalidade do ERP:

Muitos sistemas ERP são comercializados em um pacote com os módulos básicos para a gestão do negócio e então
oferecem módulos adicionais que podem ser adquiridos individualmente em função do interesse e estratégia da empresa.
Todos esses aplicativos são completamente integrados a fim de propiciar consistência e visibilidade para todas as
atividades inerentes ao processo da organização. Entretanto, o sistema ERP requer do usuário o cumprimento dos
procedimentos e processos como descrito pelo aplicativo.

Versão 1.0 7
Formação
Gestão Empresarial

Os vendedores de ERP também oferecem aplicativos especializados em gerir processos diferenciados de atividades
específicas. Tais módulos atendem a mercados verticais, assim como: instituições bancárias e financeiras, instituições
previdenciárias e de planos de saúde, repartições públicas, entre outros.

Por exemplo, à empresa TOTVS, oferece um módulo específico para o gerenciamento de planos de saúde e convênios,
que apoiam processos orientados ao paciente dentro do hospital. A tendência atual mostra as vendas movendo-se mais
ainda para áreas específicas assim como gerenciamento do chão-de-fábrica, logística e automação de marketing direto.
As empresas em geral, possuem alta expectativa em relação a um sistema ERP. Antecipa-se que o sistema impulsionara
o desempenho das atividades do sistema da noite para o dia. As companhias querem um pacote de software entrelaçado
que cubra todos os aspectos do negócio, o que é uma percepção distorcida do ERP.

O ERP é a espinha dorsal do empreendimento. Permite que a empresa padronize seu sistema de informações.
Dependendo das aplicações, o ERP pode gerenciar um conjunto de atividades que permitam o acompanhamento dos
níveis de fabricação em balanceamento com a carteira de pedidos ou previsão de vendas. O resultado é uma organização
com um fluxo de dados consistente que flui entre as diferentes interfaces do negócio. Na essência, o ERP propicia a
informação correta, para a pessoa correta e no momento correto.
Destacamos algumas possíveis vantagens na implementação do ERP em uma empresa:

• Auxiliar na comunicação interna (eficácia);

• Eliminar a utilização de interfaces manuais (eficácia);

• Otimizar o fluxo da informação e a qualidade dessa informação dentro da organização (eficiência);


• Agilizar a execução de processos internos (eficiência);

• Otimizar e auxiliar o processo de tomada de decisão (assertividade);

• Eliminar a redundância de atividades (economicidade);

• Diminuir a quantidade de processos internos (eficiência);

• Reduzir os limites de tempo de resposta ao mercado (eficiência);

• Reduzir as incertezas do lead time (eficiência);

• Incorporar melhores práticas - codificadas no ERP - aos processos internos da empresa (eficácia);
• Reduzir o tempo dos processos gerenciais (eficiência);

• Reduzir os estoques (eficiência);

• Evitar erros humanos em cálculos de tributos e pagamentos, entre outros (eficácia);

• Auxiliar na elaboração de estratégias operacionais (eficiência);

• Agilizar a obtenção de dados referentes a determinados cenários (eficiência);

• Diminuir o tempo de entrega do produto ou serviço ao cliente (eficiência);

• Ajudar a lidar com grandes volumes de informação (eficácia);

• Evitar trabalhos duplicados (economicidade);

8 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

• Fazer com que a organização se adapte melhor as mudanças no mercado e ao cumprimento da legislação
(assertividade).

Com essas vantagens podemos relacionar, de igual modo, alguns benefícios do ERP. Tradicionalmente, as empresas
proliferaram-se com a utilização de sistemas incompatíveis, como, CAD e sistemas MRP, os quais armazenavam dados
vitais, sem mecanismos de busca e acesso a tais dados ou transferências entre sistemas.
Sistemas ERP funcionam com a utilização de uma base de dados comum. Assim, decisões que envolvem análise de
custos, por exemplo, podem ser calculadas com o rateio de todos os custos na empresa com melhor desempenho do que
com o levantamento parcial em cada unidade. Além de evitar a conciliação manual das informações obtidas entre as
interfaces dos diferentes aplicativos. Um sistema integrado oferece a possibilidade melhoria de relatórios, fidelidade de
dados, consistência e comparação de dados, devido à utilização de um critério único em todas as atividades da empresa.

Reconhecendo as necessidades das empresas em reduzir o tempo de resposta ao mercado de produtos e serviços, os
sistemas ERP são desenvolvidos para responder instantaneamente o surgimento de novas necessidades não previstas.
As operações podem facilmente mudar ou expandir sem romper com as atividades em curso. Daí, o tempo para
desdobrar e otimizar os processos é severamente reduzido.

As empresas estão sempre buscando novos nichos de mercado. Um negócio não envolverá necessariamente, sempre o
mesmo produto. Internamente teremos novas necessidades de processos, então devemos estar preparados para tanto.
Um aspecto importante atualmente é o bug do ano 2000. Devido a ser um sistema de última geração, a base de dados
relacional dos sistemas ERP suporta ano com quatro dígitos, o que não acontece em antigos sistemas ainda
remanescentes dos mainframes. Parece um fato de pouca importância, mas muitas empresas terão surpresas
desagradáveis com emissão de títulos, faturas, boletos, ente outros.

Outro detalhe importante é o surgimento de novas moedas, assim como o Euro. Em


Relatórios, fidelidade de dados, consistência e comparação de dados, devido à utilização de um critério único em todas as
atividades da empresa.

Impulsionado pelo processo de reengenharia do negócio, a implementação do ERP reduz, redundância de atividades na
organização. Com departamentos utilizando aplicativos integrados e compartilhando a mesma base de dados, não existe
a necessidade de repetição de atividades, tais como: reentrada de dados de um aplicativo para outro. Estatisticamente,
em sistemas não integrados, uma informação pode residir em até seis diferentes lugares.

Muitos sistemas de ERP já possuem dualidade de moeda como ferramenta inerente ao sistema, isto pode gerar uma
transição confortável e automática em uma situação de mudança de moeda. Quem administra o CPD de uma grande
corporação, sabe contabilizar as horas ou dias de desespero que poderão ser evitados.
Destacamos alguns possíveis benefícios do Sistema Integrado de Gestão:

• Melhoria de qualidade em produtos e serviços;

• Realização de objetivos e metas da empresa;

• Economia de tempo e custos;

• Transparência dos processos internos;

• Fortalecimento da imagem da empresa e a participação no mercado;

• Maior controle dos riscos com acidentes ambientais;

• Satisfação de clientes, funcionários e acionistas;

• Satisfação dos critérios dos investidores e melhoria do acesso ao capital;

Versão 1.0 9
Formação
Gestão Empresarial

• Aumento da competitividade;

• Assegurar às partes interessadas o comprometimento com uma gestão ambiental demonstrável;


• Redução e controle de custos ambientais;

• Oportunidades para conservação de recursos e energia;

• Melhoria do relacionamento com todas as partes interessadas (clientes, acionistas, fornecedores, governos e
funcionários);
• Prevenção de falhas ao invés de suas correções.

Destacamos algumas possíveis desvantagens da implementação do ERP de uma empresa:


• A utilização do ERP por si só, não torna uma empresa verdadeiramente integrada;

• Altos custos que, muitas vezes, não comprovam a relação custo/benefício;

• Dependência do fornecedor do pacote;

• Adoção de melhores práticas aumenta o grau de imitação e a padronização entre as empresas de um segmento;

Torna os módulos dependentes uns dos outros, porque cada departamento depende
Das informações do módulo anterior e as informações têm que ser constantemente atualizadas, uma vez que, essas
informações são em tempo real, com isso ocasiona maior trabalho;
• Aumento da carga de trabalho dos servidores da empresa, causando extrema dependência destes;
• Alto custo com a customização e a implantação;

• Implementação demorada, uma solução de ERP não fica pronta da noite para o
Dia;

• Risco de prejuízo financeiro ou de desempenho com erros ou falhas inesperadas do sistema;


• Possíveis problemas com suporte e manutenção, caso o fornecedor do software venda ou encerre suas atividades;
• Dependência, que pode dificultar as atividades da empresa quando o sistema permanecer ou ficar, por algum motivo,
indisponível;
• Adaptação e treinamento por parte de funcionários podem demorar mais tempo que o esperado;
• Resistência ao novo, em caso de implementações ou atualizações;

• A implantação ou atualização do sistema pode exigir mudanças em determinados aspectos da cultura interna da
empresa;
• Pode-se perceber tardiamente que aquela solução não oferece a relação custo/benefício esperada;
• Ao longo do tempo, atualizações e acréscimos de módulos podem tornar o sistema excessivamente complexo.
É possível aplicarmos alguns esforços para garantir que as vantagens tomem forma e que as desvantagens sejam
amenizadas. Para isso, é necessária dedicação da equipe de Tecnologia da Informação, comprometimento por parte de
toda a estrutura gerencial e operacional, acompanhamento constante das etapas de desenvolvimento e implementação,
análise de possíveis fatores internos e externos que podem influenciar no projeto, elaboração de uma boa política de
segurança, entre outros.

Em relação à análise para identificar possíveis problemas, podemos tomar como exemplo o aspecto do treinamento:
muitas vezes, é necessário treinar funcionários não apenas para que saibam manusear o programa, mas também para
que consiga identificar o propósito de sua otimização, procedimento que ajuda a evitar erros, falhas, fraudes e omissões.
Ressaltamos algumas possíveis maneiras de como obtermos sucesso na implantação

10 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Do ERP. Manter o programa de implantação de acordo com o cronograma é frequentemente muito difícil. Ninguém
afirmaria que este é um processo elementar, mas independentemente do sistema ou do projeto, existem alguns pontos
chave para o sucesso:

Comprometimento da administração-gestão no projeto: sem comprometimento de recursos (dinheiro, educação, tempo)


da administração, o projeto se estenderá por um extenso decurso tempo e o gerenciamento do projeto deve ser visível a
todos;
Destacamos ainda alguns fatores críticos de sucesso, segundo uma pesquisa realizada por Chãos e Unfinished Voyages
(1995), assim, alguns dos principais e possíveis fatores críticos de sucesso para um projeto de implantação de um ERP
são:
• Envolvimento do usuário;

• Apoio da direção;

• Definição clara de necessidades;

• Planejamento adequado;

• Expectativas realistas;

• Marcos intermediários;

• Equipe competente e dedicada;

• Comprometimento;

• Visão e objetivos claros;

• Infraestrutura adequada;

• Constante qualificação da equipe usuária.

A utilização de software é um dos pontos fortes do sistema é a integração entre os módulos. Os monitores, as operações
e a navegação dentro do sistema são de tal forma padronizadas que, à medida que o utilizador se familiariza com um
módulo, aprende mais fácil e rapidamente os demais.
Os acessos às informações são realizados por meio de menus com utilização de senhas, permitindo que se controlem
quais os utilizadores que têm acesso a que tipo de informações. Além disso, os menus são customizados de forma que
cada utilizador visualize e tenha acesso somente às operações que atendam aos objetivos específicos de seu interesse.

Entre as mudanças mais palpáveis que um sistema de ERP propicia a uma corporação, está: a) a maior confiabilidade
dos dados; b) o monitoramento em tempo real; a redução do retrabalho.
Algo que é conseguido com o auxílio e o comprometimento dos funcionários, responsáveis por fazer a atualização
dos dados que alimentam toda a cadeia de módulos do ERP, que em última instância, contribuem para que a
empresa possa interagir.

Assim, as informações trafegam pelos módulos em tempo real, ou seja, uma ordem de vendas dispara o processo de
fabricação com o envio da informação para múltiplas bases, do estoque de insumos à logística do produto. Tudo
realizado com dados orgânicos, integrados e não redundantes.
Para entender melhor como isto funciona, o ERP pode ser visto como um grande banco de dados com
informações que interagem e se realimentam. Assim, o dado inicial sofre uma mutação de acordo com seu status,
como a ordem de vendas que se transforma no produto final alocado no estoque da companhia.
Ao desfazer a complexidade do acompanhamento de todo o processo de produção, venda e faturamento, a
empresa tem mais subsídios para: a) planejar; b) diminuir gastos; c) repensar a cadeia de produção.

Versão 1.0 11
Formação
Gestão Empresarial

Um exemplo de como o ERP revoluciona uma corporação é que com uma melhor administração da produção, um
investimento, como uma nova infraestrutura logística, pode ser repensado ou simplesmente abandonado.

Neste caso, ao controlar e entender melhor todas as etapas que levam a um produto.

final, a companhia pode chegar ao ponto de produzir de forma mais inteligente, rápida e melhor, o que em outras
palavras, reduz o tempo que o produto fica parado no estoque.

A tomada de decisões também ganha outra dinâmica. Uma empresa que por alguma razão, talvez uma mudança nas
normas de segurança, precise modificar aspectos da fabricação de um de seus produtos. Com o ERP, todas as áreas
corporativas são informadas e se preparam de forma integrada para o evento, das compras à produção,
passando pelo almoxarifado e chegando até mesmo à área de marketing, que pode assim ter informações
para mudar algo nas campanhas publicitárias de seus produtos. Tudo é realizado, em muito menos tempo do que seria
possível sem a presença do sistema.

Diferença notável é a troca de documentos entre departamentos que demorava horas ou mesmo dias reduz para minutos.
Também é possível direcionar ou adaptar o ERP para outros objetivos, estabelecendo prioridades que podem
tanto estar na cadeia de produção quanto no apoio ao departamento de vendas como na distribuição, entre outras.
Com a capacidade de integração dos módulos, é possível diagnosticar as áreas mais e menos eficientes e focar em
processos que possam ter o desempenho melhorado com a ajuda do conjunto de sistemas.

Uma solução eficaz para melhorar a gestão das empresas contemporâneas mais eficientes são aquelas que sabem
acompanhar, no timing correto, a evolução dos mercados em que atuam, da tecnologia, da economia e da realidade de
seus clientes e do mundo. Saber adaptar-se às rápidas transformações é a principal regra de sobrevivência. Por isso, as
organizações devem estar sempre preparadas para executar o chamado Enterprise Resource Planning, que como
sabemos, é um método focado na busca de soluções amplas e integradas para a gestão, voltado a avaliar, implementar
e gerir os negócios de modo mais eficaz e eficiente.

Trata-se de uma forma de controlar e monitorar os processos, visando à clareza, transparência e qualidade nos
resultados. Ao final de sua implantação, se bem sucedida, pode- se observar o quanto o gerenciamento adequado torna
as rotinas diárias mais eficazes e mantém o dinamismo operacional, proporcionando aos gestores ferramentas ágeis e
eficientes para resolver problemas e atender às demandas cotidianas.

Nesse contexto, podemos identificar os seguintes objetivos da gestão de processos: diagnosticar todos os problemas,
conferindo foco correto à implantação do ERP; identificar a utilidade de cada etapa do processo; aplicar a gestão de
processos como metodologia para o ERP. É importante entender que essa metodologia de mudança pode abranger um
ou mais departamentos e áreas ou toda a estrutura da empresa. Neste último caso, obviamente, a complexidade é
maior, mas existe a vantagem de unificação de todas
as informações, proporcionando flexibilidade e controle de todos os processos estabelecidos na organização.

Em todos os casos, contudo, há um fator imprescindível, o envolvimento e participação direta dos sócios,
executivos e principais dirigentes. Seu efetivo engajamento passará uma mensagem de credibilidade quanto à
importância do ERP e ao seu comprometimento com o resultado final do trabalho e de cada uma de suas etapas: a)
estudo de sensibilidade dos processos; b) redesenho da definição das novas funções e fluxos; c) normalização e
apresentação da nova estrutura; d) implantação e treinamento; e) acompanhamento e avaliação inicial dos novos
procedimentos; e) quando necessário, correção de eventuais desvios.

O futuro do Sistema Integrado de Gestão Empresarial, atualmente é o grande desafio entre as empresas é a expansão do
ERP, integrando-se com o chão-de-fábrica e mercado externo. Estas empresas procuram na verdade estabelecer
um elo entre clientes e fornecedores, obtendo com isso um tempo de resposta menor ao mercado e uma vantagem
competitiva nos negócios. Os vendedores de ERP estão mudando o foco que possuíam nas atividades internas da
empresa e voltando as características dos sistemas ao gerenciamento das interfaces do negócio.

12 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Outra mudança que também começa a ser percebida é o interesse crescente no mercado de pequenas empresas.
Isto é um processo lógico quando considerado que as maiores organizações já implantaram ou já estão implantados seus
sistemas ERP. Também é obvio que o custo do desenvolvimento destes pacotes já está amortizado, assim é possível que
comece a ocorrer uma queda significativa no valor de comercialização do ERP e uma maior absorção por empresas de
médio e pequeno porte.
Nos serviços, a presença empresarial na Web está deixando de ser institucional e está passando a agregar serviços.
Por meio destes serviços, as empresas estão conseguindo melhorar o relacionamento com seus clientes, agilizar
seus processos internos, integrando suas informações e fazendo mais negócios.
O E-commerce, muitas pessoas associam o termo e-commerce às lojas virtuais, comuns na Internet.
O e-commerce é uma nova forma de relacionamento entre Business Partners, independente de ser pessoa física ou
jurídica.

2. Tecnologia da Informação, a Gestão Empresarial e o Papel do Governo

2.1. Ambiente Empresarial


Antes de estudar Gestão Empresarial é preciso que se analise quais são os objetivos de uma empresa. Uma empresa é
um conjunto de pessoas e recursos que geram uma receita, produzindo e vendendo seus produtos e serviços, através do
trabalho, a um determinado mercado.
Para sobreviver, essa receita precisa ser maior que as despesas gastas nesse processo. O que sobrar, ou seja, o lucro é
distribuído aos investidores, proprietários ou acionistas da empresa ou ainda pode ser reinvestido para alavancar o seu
crescimento.
Estes por sua vez, ao investirem seu capital na empresa esperam ter um retorno no mínimo tão bom quanto aquele obtido
em outras aplicações financeiras, na verdade um pouco mais, pois uma empresa tem um fator de risco bem maior. É o
ROI - Return On Investment ou Retorno Sobre o Investimento.
Não há bom negócio que seja eterno.

Um “Negócio da China” logo é copiado por outras pessoas. Surge a concorrência e com ela a pressão para uma melhoria
do produto, ou seja, uma redução na margem e nos preços. O lucro cai e os investidores começam a procurar outras
alternativas.
A taxa de “mortalidade” de empresas, em especial nos primeiros anos de vida, é muito maior do que se imagina. O
fracasso nem pode mesmo ser considerado uma incompetência de seus gestores. Mantê-la viva demanda que uma série
de fatores positivos ocorram simultaneamente. E nem sempre isto é possível.
De qualquer forma um fator é indispensável nos dias atuais, em que a concorrência é cada vez mais acirrada e cada
centavo é importante no seu sucesso: ter um bom sistema de gestão.

Há vários tipos de empresas. Públicas (estatais), privadas, comerciais, industriais, de serviços, filantrópicas,
associações, igrejas, clubes, condomínios, fundações, cooperativas, consórcios, ONGs, OSCIPS, Sociedades Anônimas,
Sociedades Civis Limitadas, Micro Empresas, Empresas de Pequeno Porte, Microempreendedor ou, até mesmo o
Autônomo, que não deixa de ser uma empresa. Na verdade, você também é uma empresa. Mesmo se a receita for
apenas a sua mesada ou o seu salário e a despesa o gasto com a alimentação, roupas, escola e a casa onde você mora.
E independente do tipo de empresa, para sobreviver, a equação R > D (Receita maior que Despesa) deve estar sempre
presente. Afinal vivemos em um país capitalista. Mas este é apenas um dos Indicadores ao qual o executivo deve estar
atento. A boa tomada de decisão depende de muitos outros, mesmo os intangíveis. O BI (Business Intelligence) e o BSC
(Balanced Scorecard) estão aí para ajudar nesta tarefa.E, é claro, uma boa dose de empreendedorismo é necessária:
visão, ousadia, iniciativa, disciplina, ética, liderança, foco, competitividade, estratégia, percepção, pioneirismo, espírito de
equipe, respeito, inovação. E isto a própria escola da vida nos ensina.
Mas as decisões mais acertadas são tomadas à luz de aspectos exatos, lógicos e bem
definidos. O uso de Modelos Matemáticos e boas

Versão 1.0 13
Formação
Gestão Empresarial

Regras de Negócios aliadas ao intensivo uso da Tecnologia da Informação – soluções ERP, CRM, BI, BSC, SCM,
e_business - aumentam a possibilidade de sucesso. Discutir esses aspectos e estudar a melhor forma de utilizá-los é o
que veremos nos capítulos que se seguem.
E agora também há de se considerar a crescente onda de Globalização. Que também só viabilizou-se da forma como
veio devido aos avanços tecnológicos – comunicações, facilidades de transporte, informática, eletrônica, Internet. A
Globalização, em última análise, nada mais é do que a queda das barreiras alfandegárias e a internacionalização das
empresas.

2.2. O Papel do Governo


A concorrência é mundial, mesmo se a empresa vende e produz um item em uma remota cidade do interior. Logo, sua
gerência deve ser tão eficiente quanto a mais eficiente empresa de seu setor.
E aí entra também o papel do Governo. Sua ação política afeta diretamente os custos da empresa. E há de se considerar
que as diferenças são grandes, mesmo entre países vizinhos, o que evidentemente leva as multinacionais a selecionarem
cada vez com mais critério o local de suas fábricas que alimentarão o resto do mundo com seus produtos.

Ou seja, o sucesso de uma empresa depende, também, das políticas do Governo onde ela atua.
Por sua vez, o próprio papel do Governo é, de alguma forma, semelhante ao de uma empresa, no sentido que ele deve
dar condições de desenvolvimento ao país, ao mesmo tempo que necessita de recursos que só podem ser obtidos no
seio de sua sociedade através de impostos, taxas e contribuições.
Antes de criticar ou elogiar este ou aquele Governo, vamos entender melhor como funciona sua economia.

2.3. Contas Nacionais e Internacionais


Uma diferença fundamental entre empresa e governo é que o Caixa do Governo trabalha com duas moedas: o Real e o
Dólar. O Real para as transações internas e o Dólar para as transações externas. Em princípio somente o Banco Central
deveria manipular dólares, ou seja, as transações de importação e exportação de uma empresa privada são por ele
convertidas, utilizando-se a Taxa de Cambio do dia. Na prática, no entanto, uma boa parte da moeda estrangeira é
negociada livremente por bancos e mesmo pessoas físicas, e a taxa de câmbio, que agora no Brasil é flutuante, tem seu
valor definido pela sua oferta e procura, baseada nos fatores que veremos a seguir.

14 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Assim, a cada exportação que uma empresa faz, os dólares pagos pelo comprador externo são recebidos pelo Banco
Central que os converte para Real, pagando para a empresa exportadora. Da mesma forma, quando uma empresa no
Brasil importa produtos, paga o seu valor em Real ao Banco Central, que após convertê-lo, envia os dólares ao vendedor
estrangeiro. Fica fácil perceber que se tivermos um aumento nas importações e uma redução nas exportações faltarão
dólares no Banco Cen- tral, pois mais dólares terão que ser remetidos ao exterior, comparando-se com as entradas
provenientes das vendas ao exterior. E o Governo não tem como emitir dólares. Este poder, infelizmente, é de
exclusividade do governo norte-americano.

2.4. Taxa de Câmbio


Por outro lado, o que influi basicamente no volume de exportações e importações é o próprio valor da Taxa de Câmbio.
Subindo a taxa, o exportador recebe mais por cada dólar vendido no exterior, tendo assim maiores possibilidades de
negociação. O importador, por sua vez, pagará mais caro por seus produtos, preferindo, se houver, o similar nacional. E
vale lembrar que os preços dos produtos em dólar são praticamente estáveis, variando apenas quando ocorre uma forte
alteração em sua oferta ou procura. Ocorre que há produtos estrangeiros indispensáveis para o nosso desenvolvimento,
não disponíveis no mercado interno e caso sejam comprados com a taxa de câmbio elevada provocam aumento de
preços, gerando, conseqüentemente, um processo inflacionário. É o caso de componentes eletrônicos, software, trigo,
perfumes, veículos e peças, tecidos, químicos e muitos outros, mesmo que, em alguns casos, tenhamos aqui um similar,
por vezes de melhor qualidade e preço mais baixo. Só que é nacional! Existem ainda outras fontes de entradas e saídas
de dólares no caixa do Banco Central. Serviços de frete, turismo, captações de empréstimos e investimentos e, saindo,
seus resgates e amortizações, pagamentos de juros, royalties e dividendos de multinacionais. A Reserva Internacional é o
saldo em dólares (as chamadas divisas, hoje também formadas pelo Euro criado pela Comunidade Européia) do Banco
Central e quando este zera a única saída é a moratória. O Brasil já utilizou-se deste expediente em 1982 e as
conseqüências são sempre um completo isolamento do país devedor. O México, em 1994, provocou o “efeito tequila”. Em
1997 foi a vez do Sudeste Asiático e em 1998 a Rússia. A Argentina também passou por um momento destes,
conseqüência da fixação da taxa de câmbio em níveis abaixo do necessário.

2.5. Protecionismo
Uma forma de barrar as importações é através de medidas protecionistas, tais como tarifas alfandegárias, impostos sobre
importações, criação de cotas, embargos sanitários, leis anti-dumping ou o próprio aumento artificial da taxa de câmbio.
Há até a medida extrema de criar taxas diferenciadas de acordo com o produto ou ainda proibir a importação daqueles
em que houver similar nacional. O consumidor normalmente reclama destas medidas, pois não acha justo arcar com
ineficiências que, em sua opinião, são de responsabilidade do empresariado nacional. A Reserva de Mercado no setor de
informática, tão criticada por alguns e elogiada por outros, que pairou entre nós de 1976 a 1991, é um bom exemplo do
que estamos falando.
Dooutro lado, oda exportação, oproblemaéomesmoeaquestão chegafreqüentemente aos tribunais internacionais, seja na
OMC – Organização Mundial de Comércio – seja nos acordos multilaterais criados por países de mesma índole ou
homogêneos. Assim, temos o Mercosul, União Européia, Nafta, Alca, Asean, União Africana, entre outros. São subsídios
que beneficiam o exportador que vão desde a isenção de impostos, financiamentos privilegiados e apoio logístico até a
obrigatoriedade do equilíbrio comercial, na base do “só compro de seu país se o seu país comprar do nosso”.

Versão 1.0 15
Formação
Gestão Empresarial

O saldo da Balança Comercial brasileira teve um excepcional desempenho a partir de


2000, beneficiado principalmente pelo aumento

2.6. Carga Tributária e o Crescimento Econômico


Do outro lado, temos as contas governamentais em Reais. É aqui que se trava a grande luta pelo superávit. O resultado
de um déficit é sempre o aumento da Carga Tributária e esta por sua vez inibe o crescimento econômico, com empresas
e consumidores arcando com impostos e contribuições cada vez mais onerosos. Também aqui temos uma polêmica, pois
é claro que muito do que o Governo gasta vai para obras sociais, serviços de infra- estrutura e em empresas que, se
privatizadas, não cumprem com o papel que a sociedade necessita, ou seja, um serviço público eficiente a um custo
acessível e disponível para todas as classes sociais. É o caso da Educação, Saúde, Energia, Segurança, Transporte,
Saneamento, Correios, Telecomunicações, Habitação e muitos outros, embora a iniciativa privada também participe hoje
da maioria desses setores.
O balanço das contas do Governo é o reflexo das entradas provenientes da cobrança de impostos e, caso estas sejam
insuficientes, de empréstimos obtidos com a venda das Letras do Tesouro Nacional (LTN). Há ainda a possibilidade da
emissão de papel moeda, medida altamente inflacionária, pois aumenta a base monetária sem um aumento
correspondente da produção de bens e serviços, criando uma demanda que pressiona o aumento dos preços.
As saídas por sua vez são representadas pelos gastos, que podem ser correntes (folha de pagamento, aluguéis, serviços,
enfim despesas de expediente), investimentos em obras e empresas, geridos normalmente pelos ministérios, gastos
sociais, pagamento aos aposentados e o incômodo pagamento de juros e financiamentos que se vencem.

Além de analisar cada número isoladamente, é importante verificar sua tendência e o porcentual em relação ao PIB
– Produto Interno Bruto. O diagrama da figura 1.4 representa o ciclo econômico:

Este diagrama estabelece a relação existente entre as pessoas, as empresas, o exterior e o governo. As linhas
serrilhadas representam o fluxo de dinheiro e as contínuas referem-se aos produtos e ao trabalho. O PIB é o valor de
bens e serviços produzidos pelo país. Considerando que um país tem normalmente um aumento populacional, é fácil
entender que a qualidade de vida do povo e a taxa de emprego, só irão melhorar se o crescimento do PIB for maior que o
demográfico. Isto descontando a inflação.
O Governo, por sua vez, dispõe de armas limitadas para provocar o aumento do PIB. A forma de consegui-lo é
incentivar as exportações, gerar condições para captação de recursos externos, desestimular as importações
substituindo-as por produtos nacionais e distribuir melhor a renda reduzindo a carga tributária para que haja um aumento
no consumo privado. Tudo isso sem perder a popularidade e sem provocar inflação. Equilíbrio de suas contas, melhor
distribuição de renda, um certo planejamento familiar nas camadas de menor renda e melhores condições para a
produção local são objetivos óbvios que o Governo persegue a cada medida.

2.7. Taxa de Juros

E é a definição da Taxa de Juros que remunera a venda das LTN, o principal calibrador que ao mesmo tempo provoca o
crescimento do PIB e por outro lado evita a volta da inflação. Isto porque, quando aumenta, reduz
Consumo Privado, já que as compras a prazo tornam-se mais caras, reduzindo preços e o próprio volume de
importações, ao mesmo tempo em que incentiva a venda de novas LTNs. Também faz crescer as exportações, pois os
produtos aqui fabricados não encontram demanda no mercado interno.
Quando baixa, por sua vez, aquece a economia, desestimulando o investidor que aplica em LTNs, lançando-o ao
Mercado de Capitais, ou seja, investir na produção e em novas empresas; aumenta as compras a prazo, pois os Bancos
acompanham a redução nos seus financiamentos e com isso incrementa as importações e desestimula as exportações.
Enfim, o aumento do Consumo Privado pressiona a demanda e, caso não haja um rápido crescimento da produção, gera
mais importações ou provoca um aumento de preços.
É a volta da inflação - que ninguém

16 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

quer - pois além de promover a desigualdade social, cria um ciclo cuja única saída é uma nova e forte ruptura no
processo de crescimento, ou seja, não é sustentado e provoca a volta da recessão.
Existem outros mecanismos alternativos para o controle da taxa de juros, tais como a obrigatoriedade dos Depósitos
Compulsórios que os Bancos devem fazer no BC, cujo aumento reduz a liquidez e diminui a disponibilidade de
financiamentos. Outra forma é a própria retenção de empréstimos públicos.

É nesse universo que trabalha a empresa privada e com a globalização aumenta a responsabilidade do Governo, pois
para ela é cada vez mais fácil fechar uma fábrica aqui e abrir outra num país que lhe ofereça melhores condições. E quem
se beneficia é a população, mesmo que o país sirva como “quintal” do mundo, recebendo investimentos em função de sua
farta e barata mão-de-obra, para reexportar aos países ricos através das empresas multinacionais que lá se instalam.
Cabe ao país saber aproveitar essa oportunidade e desenvolver seu próprio parque e sua própria tecnologia. Afinal é
preciso dar emprego à sua população.

2.8. Principais Impostos no Brasil

Os impostos pagos hoje pela empresa brasileira podem ser resumidos no seguinte:

A ME-Micro Empresa, restrita a alguns setores de atividade, não pode ter faturamento superior a R$ 240.000,00 por ano.
A EPP-Empresa de Pequeno Porte pode faturar de R$ 240.000,00 a R$ 2.400.000,00.
Em relação ao IRPJ, a opção pelo LP-Lucro Presumido é possível desde que a empresa não seja uma Sociedade
Anônima e que seu faturamento não seja superior a R$ 48 milhões por ano.

Os percentuais entre parênteses na linha IRPJ, no caso do Lucro Presumido, referem-se ao Faturamento. Assim, para
empresas de comércio optantes do LP, o IRPJ considera que o Lucro é de 8% sobre o Faturamento, ou seja o IRPJ é de
2% sobre Faturamento, já que a alíquota é de 25%. Para as empresas de Serviço, o Lucro Presumido é de 32%, o que dá
um IRPJ de 8% sobre o Faturamento. O mesmo para a CSSL.
A sigla nc/c significa não cumulativo/cumulativo, ou seja, no não cumulativo é permitido
o crédito dos insumos na base de cálculo, isto é, o valor agregado.

No caso do Simples, há municípios que incluem o ISS na alíquota geral, tornando-a mais alta. No caso de não inclui-la,
esta é mais baixa. Depende também do valor do faturamento e do segmento de atividade.

Os números a seguir referem-se= ao ano de 2007 e dão uma idéia da situação econômica do Brasil.

A relação PIB x Dívida x Superávit ou Déficit primário e secundário é uma das análises mais importantes levadas em
consideração pelos investidores internacionais e afeta bastante o risco de um país. A evolução anual do Déficit
Secundário pode ser observado na figura 1.10, o qual totalizou R$ 57,9 Bilhões em 2007. O Secundário difere do primário
pois considera os gastos com juros sobre a dívida.

Segue uma breve descrição sobre cada um dos impostos e contribuições acima elencados, lembrando que no Brasil
temos mais de sessenta tributos:
IRPJ - Imposto de Renda Pessoa Jurídica. Pago sobre o lucro das empresas. Até um lucro de R$ 20.000,00 para
cada mês do respectivo período de apuração a alíquota é de 15%. Daí para cima é de 25%.
IRPF - Imposto de Renda Pessoa Física. Pago sobre a renda do assalariado e qualquer renda auferida por um
indivíduo. Uma tabela em cascata de alíquotas que chega a 27,5% tributa a renda dentro do princípio de quem ganha
menos tem uma alíquota menor.
CSSL - Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido. Similar aoIRPJ,tem sua
Destinação pré-determinada para os gastos com a Previdência. A alíquota é de

Versão 1.0 17
Formação
Gestão Empresarial

COFINS Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social. É taxado sobre o faturamento, sendo que
para as micro-empresas, empresas de pequeno porte e as com Lucro Presumido é cumulativo, com a alíquota de 3%.
Para as demais empresas a taxa é maior, 7,6%, mas não é cumulativo, ou seja, pode-se deduzir da base de cálculo todas
as notas de compra de materiais e serviços. A COFINS taxa as importações e não taxa as exportações.
PIS - Programa de Integração Social. É taxado da mesma forma que a COFINS, tendo porém uma alíquota menor,
ou seja, 0,65 e 1,65 respectivamente.
IPI - Imposto sobre os Produtos Industrializados. É um tributo federal que recai sobre o faturamento, mas não é
cumulativo, pois permite a dedução do IPI pago sobre as compras de matéria-prima. O valor do IPI é cobrado
adicionando- se o seu valor ao total da nota. Tem alíquotas diferenciadas de acordo com o produto.
INSS - Instituto Nacional de Saúde e Seguro. O INSS é cobrado sobre praticamente todos os rendimentos recebidos
na folha de pagamento. Quem nãofor registrado pela CLT recolhe ocarnê. Ataxaé de 20% sobreafolha, além de outras,
cobradas de acordo com a atividade da empresa: Sesi, Senai, Sesc, Senac, Sebrae, Salário Educação, Funrural, etc., que
somadas chegam a mais de 5%.

Há ainda a cobrança da parte do funcionário, que varia de 9% a 11%, mas incide apenas sobre o Salário Contribuição
cujo teto é de R$ 2.668,15.
FGTS - Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. O valor do FGTS é pago pela empresa, 8% sobre a Folha, mas
esse dinheiro não pertence ao Governo. É do funcionário que pode sacá-lo ao ser demitido sem justa causa ou em outras
circunstâncias especiais. No caso de dispensa sem justa causa, há ainda a multa de 40% sobre o saldo depositado, que
também vai para o funcionário. Há também um adicional de 0,5% que é da Caixa Econômica.
CPMF - Contribuição Permanente sobre Movimentação Financeira. 0,38% sobre qualquer saque feito na conta
corrente bancária.
IOF- Imposto sobre Operações Financeiras. Esse imposto recai sobreoperações de financiamento, remessas ao
exterior, aplicações e leasing. A taxa é de 1,5%.
II - Imposto sobre Importações. Esse imposto serve como uma proteção aos produtos similares nacionais. Tem taxa
que varia de 10% a 35%.

ICMS - Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços. É um imposto estadual e é cobrado no faturamento de
mercadorias e alguns serviços, como telecomunicações. Não é cumulativo, mas permite apenas a dedução das entradas
de matéria-prima que façam parte do processo produtivo. O ICMS tem taxas de 7%, quando a mercadoria se destina ao
norte do país, 12% quando se destina aos estados do sul e 17% ou 18% quando for para dentro do estado. Há ainda
outras alíquotas que podem chegar a 25%, como por exemplo, na taxação dos serviços de eletricidade. O ICMS é
incluído no preço. Cada Estado tem sua própria legislação do ICMS, o que tem provocado uma forte guerra fiscal entre
eles.
IPVA - Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotivos. Tem alíquota variável de acordo com o ano e o tipo de
veículo.
ISS - Imposto sobre Serviços. É um imposto municipal e a alíquota varia de 2% a 5%. Em alguns casos, é cobrado
no município onde o serviço é efetivamente prestado, independente da localidade do prestador.
IPTU - Imposto sobre Propriedade Territorial e Urbana. É cobrado sobre os imóveis, com taxa variando de acordo
com o seu valor e categoria.
CIDE - Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico. Incidente sobre a comercialização de petróleo e seus
derivados, sobre o gás natural e seus derivados bem como sobre álcool etílico combustível e também sobre remessas de
royalties ao exterior.
ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis. É um imposto cobrado no ato da lavratura de contrato ou
promessa de compra e venda ou mesmo após a quitação final, caso conste no próprio contrato de compra e venda que a
emissão de posse seja realizada após a quitação final.
TFE - Taxa de Fiscalização de Estabelecimentos. É uma taxa municipal recolhida anualmente e que depende do
porte da empresa variando de R$ 50,00 a R$ 4.000,00.
TFA - Taxa de Fiscalização de Anúncios. É o antigo CADAN cobrado por metro quadrado de anúncios de cartazes e
out doors.

18 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

3. Contabilidade
É importante destacar que a contabilidade exerce um papel fundamental em um Siste- ma de ERP, pois é para lá que
convergem todos os dados que de alguma forma alteram o patrimônio de uma empresa.
Através dos lançamentos automáticos as contas de estoques, por exemplo, são atuali- zadas a cada movimentação de
material, ou seja, pelo recebimento de compras, requi- sições, produções e vendas. O custo da mercadoria vendida é
contabilizado a cada nota emitida, o que permite uma perfeita integração entre o controle de estoque e a contabi- lidade.
As contas de duplicatas a receber e a pagar devem ser mantidas na contabilidade de forma sintética, já que o controle
detalhado é feito no módulo financeiro gerando lançamentos à medida em que os títulos são movimentados.

As contas de despesas devem ser discriminadas por centros de custos para que se faça a devida apropriação nos
produtos. Logo, também é importante um bom critério de rateios.
De qualquer forma, a maior parte dos lançamentos é sempre feita de forma automática, a partir de regras definidas pelo
usuário para cada tipo de entrada ou saída de dados.

Os relatórios como diário, balancete e razão são impressos em formulários especiais e devem ser encadernados ou
armazenados em mídias eletrônicas para ficarem à disposição de qualquer consulta futura, principalmente fiscal.
Podemos concluir que dentro do fluxo ERP, a contabilidade é o módulo que mais recebe dados de outros, já que quase
todas as áreas geram informações contábeis.

3.1. Custos
O módulo de custos é totalmente integrado à contabilidade. Este é sem dúvida um dos grandes problemas das empresas
não só devido à nossa persistente, embora agora pequena, inflação, como também por causa das margens de lucro, cada
vez mais restritas em função da acirrada concorrência, agora global.
O custo de um produto pode ser visto sob diferentes óticas. Uma delas, o custo de reposição ou standard, com base em
valores atualizados e quantidades padrão de cada componente. Outra pelo custo médio que atende a todos os requisitos
de nossa complexa legislação de imposto de renda.

O custo real pode ainda ser calculado em moeda forte, para inibir os efeitos da inflação. Para o cálculo do custo de
reposição ou standard, este é baseado na estrutura do produto e sua implantação permite não somente este cálculo
como também o uso do MRP I e II, as variações do consumo de matéria-prima e eficiência da mão-de-obra, a
determinação dos preços de vendas e a tomada de decisão sobre o processo de fabricação de determinado item.

Os custos de reposição ou standard de cada matéria-prima podem ser atualizados a cada nova compra ou ainda através
de uma cotação específica, de modo que a consulta à es- trutura fornece o custo atualizado. Esta atualização poderá ser
visualizada no término ou durante a produção, conseguindo assim valorizar o custo do produto em cada etapa produtiva.
Com base nestes dados, o sistema pode sugerir o preço de venda levando ainda em consideração outros fatores
determinados pela empresa, como por exemplo, lucro desejado, volume de vendas, despesas administrativas e de
vendas e a própria elas- ticidade do produto no mercado.

O cálculo do custo real tem início no recebimento dos materiais, onde é determi- nado o novo custo médio das matérias-
primas que valorizarão as requisições, sejam elas manu- ais ou automáticas. A apropriação destas requisições para as
ordens de produção pode ser de forma direta ou indireta, total ou parcial. A direta é a mais trabalhosa, pois exige que na
própria requisição se informe o seu destino, porém mais exata pois cada ordem de produção recebe apenas o que de fato
foi consumido, ao passo que na indireta ou pelo standard o sistema distribui os materiais requisitados de acordo com as
quantidades informadas na estrutura do produto, permitindo que a saída do almoxarifado seja feita de forma simplificada e
genérica.
Esquema semelhante é usado na apropriação da mão-de-obra e dos gastos gerais de fabricação (GGF), ou seja, ou pelo
apontamento das horas ou apropriando-se com base nas estruturas, as quais contém o número de horas necessárias
para a alocação na produção.

Versão 1.0 19
Formação
Gestão Empresarial
Funcionalidades do ERP

A atualização dos custos propaga-se por todo o processo de produção chegando até o custo da mercadoria vendida,
onde ele pode ser comparado com o standard e definir o lucro da venda.

3.2. Compras
Como vimos, custos depende de compras e, esta por sua vez, é integrada ao PCP. O objetivo da informatização do
processo de Compras é suprir automaticamente o estoque com base em critérios pré-estabelecidos e flexíveis o suficiente
para atender as bruscas mudanças que ocorrem na previsão de vendas. Existem vários métodos para definir o que,
quando e quanto deve ser comprado de cada ítem dentro de um determinado período.
Se existir a estrutura dos produtos e uma certa previsão de vendas recomenda-se o MRP I (Material Requirement
Planning ou Planejamento das Necessidades de Materiais). Esta técnica parte de um plano de produção dependente de
uma previsão de vendas que pode inclusive ser uma carteira de pedidos já encomendados, dos estoques existentes, da
carteira atualizada das ordens de produção e da carteira dos pedidos de compras.

O futuro é dividido em períodos, que podem ser semanas, meses ou mesmo dias. O MRP I na verdade nada mais é do
que a projeção dos saldos de estoques. Através de uma rotina de explosão, o sistema calcula a necessidade de
compras/produção de cada componente intermediário, cada matéria-prima e da mão-de-obra a ser utilizada.
Já para as empresas que não dispõem de uma estrutura de produtos e nem de uma previsão de vendas confiável e para
os materiais de consumo adota-se o método de ponto de pedido. O sistema calcula inicialmente o consumo de cada item.
Isto é feito utilizando-se uma fórmula estatística de regressão linear onde a tendência do passado é transformada em uma
reta projetando qual será o consumo no futuro. Baseado na du- ração dos prazos de entrega e ainda nos estoques de
segurança estabelece-se o ponto de pedido, também chamado de estoque mínimo.

Por outro lado a quantidade a ser comprada, ou seja, o lote econômico é definido através de um cálculo que leva em
consideração a disponibilidade financeira da empresa, a classe que o item ocupa na curva ABC e a periodicidade básica
de compras para cada classe.A periodicidade, por sua vez, depende da taxa de juros que incide sobre o capital investido
no estoque, do custo de armazenagem e, por outro lado, do custo de cada pedido de compras. Todo o processo de
cotação, histórico das últimas compras, follow-up, variação nos preços de compras deve ser controlado pelo sistema.

Ao chegar a mercadoria, sua recepção é monitorada pelo sistema. A digitação da nota atualiza a carteira de pedidos, dá a
entrada nos estoques, inclui o título em contas a pagar, gera os lançamentos contábeis e dos livros fiscais, além de
conferir a nota não só quanto aos seus cálculos mas também quanto ao que foi estabelecido nos respectivos pedidos de
compras.
Se o departamento de compras trabalha com ferramentas BI, como o Workflow, os pedidos de compras poderão ser
liberados de forma automática. Vejamos um exemplo: Em uma das políticas internas da empresa, determinou-se que
apenas o gerente de compras poderá autorizar compras acima de R$ 15.000,00. Quando surgir um pedido neste perfil,
o sistema identifica este critério e gera um e-mail com o pedido em questão, envia para a caixa de entrada deste
gerente, que o analisa e devolve informando se a compra deve ser feita. Tudo isso de forma automática.

3.3. PCP (Planejamento e Controle da Produção)

O PCP (Planejamento e Controle da Produção), por sua vez, parte justamente do cál- culo das necessidades de cada
item a ser produzido (MRP I) e emite as respectivas or- dens de produção, em conjunto com o roteiro de operações da
carga-máquina (MRP II Manufactoring Resources Planning ou Planejamento dos Recursos da Manufatura). Uma rotina
simples porém cheia de dispositivos que atendem toda a dinâmica existente em uma fábrica. Máquinas e mais máquinas
executando as mais variadas operações com um calendário repleto de horas extras, fins de semana, feriados, greves,
ausências, variação na produtividade, etc.

O roteiro de operação é definido para cada componente. Informa-se para cada operação o recurso que ela utiliza, inclusive
os alternativos, a ferramenta, a duração, a descrição, o tamanho do lote padrão e o tempo de setup. O cadastramento dos
roteiros possibilita in- clusive a existência de calendários diferenciados. O sistema efetua a alocação dos recur- sos de

20 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Funcionalidades do ERP
forma otimizada programando a fábrica minuto a minuto, operação a operação proporcionando os meios necessários
para que medidas corretivas sejam tomadas no sentido de evitar os tão usuais transtornos ocorridos no dia-a-dia de
uma manufatura.

No mapa de recuo e avanços, por exemplo, o sistema mostra quais máquinas provoca- ram uma alocação das
operações fora do momento ideal para a produção. A produção é informada de tal forma que os dados servem para
atualizar os estoques, o próprio programa de carga-máquina e ainda alimentar os custos em número de horas reais utili-
zadas no processo.

3.4. Faturamento

O faturamento é uma área onde normalmente há a necessidade de fortes adaptações e é sem dúvida o setor onde sempre
existem diferenças entre as empresas. É a condição de pagamento, a política de reajuste de preços e descontos, o
pagamento de comissões, a legislação específica de ICMS e IPI, etc.
De qualquer forma, todas as exceções apresentadas devem ser incorporadas ao sistema de modo que apenas a nota fiscal
precise ser programada de forma específica. O módulo de faturamento controla a carteira de pedidos, administra a sua
liberação pelo crédito e pelo estoque de forma automática e emite todos os relatórios necessários para o setor de vendas,
além de gerar os títulos a receber, com base na condição de pagamento es- tipulada no Pedido de Venda.

Emitindo a Nota Fiscal, são realizadas as seguintes atualizações: a baixa no estoque, a contabilização, a escrituração dos
dados fiscais, a atualização financeira, a baixa a cartei- ra de clientes e a geração das informações necessárias para o
CRM.

3.5. Livros Fiscais

O módulo fiscal existe para que se cumpra nossa complexa legislação e é ele que se encarrega da emissão do registro de
entradas modelo 1, do registro de saídas modelo 2, do registro e apuração do ICMS e IPI modelos 8 e 9, do registro de
inventário modelo 7, do registro de controle de estoque e da produção modelo 3, do registro de detalhamento das operações e
da declaração de IPI.

Versão 1.0 21
Formação

Funcionalidades do ERP
Gestão Empresarial

3.6. Financeiro

No módulo financeiro grande parte das informações são geradas em outros módulos como, por exemplo, os títulos a pagar
gerados em compras, os títulos a receber gerados no faturamento, dados da folha de pagamento, impostos, aluguéis,
empréstimos além de outros títulos informados com o objetivo de manter o fluxo de caixa o mais próximo possível da
realidade.
Outros procedimentos como transmissão eletrônica dos títulos para bancos, a emissão automática dos cheques, a
geração de borderôs, a baixa automática de títulos na data do vencimento, a administração dos títulos com vencimentos
nos fins de semana possibilitam que a tesouraria se preocupe apenas com a estratégia a ser adotada para os recursos
financeiros. Para a análise de crédito existem as consultas a clientes que mostram suas compras, como pagou e outros
dados importantes, além do acesso, através da Internet, as informações de proteção ao crédito, como o SERASA e SCP.

3.7. Folha de pagamento

O módulo de folha de pagamento automatiza serviços do departamento de pessoal. Tudo se inicia com o cadastramento
de funcionários. Um verdadeiro arsenal de dados sobre a pessoa recém admitida. Com base neles é feito o pagamento
do salário, bem como informações para RAIS, Férias, FGTS, Imposto de Renda, etc. No módulo de folha de pagamento
são digitados os valores fixos e variáveis e para mudar o cálculo de um provento ou um desconto basta alterar a
respectiva fórmula. Os cálculos levam em consideração todas as hipóteses previstas na consolidação da leis do trabalho.

A própria folha, a relação de vencimentos e descontos, o FGTS, o recibo de férias ea provisão de férias e 13o. salário, a relação
de admitidos e demitidos, as guias de recolhimentos e encargos são apenas alguns exemplos dos relatórios emitidos neste
módulo.
O módulo de folha de pagamento conta com uma função específica para controlar a entrada e saída dos funcionários. É o
Controle do Ponto que visa eliminar o trabalho de digitação destes dados. O tradicional cartão de ponto é substituído por
um cartão magnético que acada entrada esaída do funcionárioépassado em um relógio apropriado, acoplado ao sistema.
Outra vez entra o Workflow com controles automáticos. Este poderá ser utilizado no controle de atrasos dos funcionários.
Para isso basta criar regras de controle entre o Workflow e o ponto eletrônico. Um exemplo desta situação pode ser
determinado pela área de RH que não admite atraso além de 15 minutos, e caso isso ocorra por mais que três vezes é
enviado um e-mail ao superior imediato do funcionário.

Um aspecto bastante relevante é a possibilidade de trabalhar com várias escalas de horários, além do cálculo das horas extras,
descontos, abonos de faltas, atrasos e saídas antecipadas.

3.8. Ativo Fixo

O Ativo Fixo é o módulo que administra os bens da empresa que constituem, na realidade, grande parte do capital nela investido.
Também neste módulo, o único trabalho de digitação é feito quando da aquisição dos bens. Todos os dados são incluídos no ato do
cadastramento do bem e servem de base para o cálculo e contabilização mensal das depreciações. Propicia tambem o efetivo
controle e fiscalização de todo o patrimônio da empresa.

22 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

3.9. ERP Vertical

Além dos módulos básicos descritos, umasolução ERP visa na realidade automatizartodos os processos de uma empresa,
seja ela comercial, industrial, de serviços ou distribuição. Não importa o ramo de atividade. Convencionou-se chamar de
VERTICAIS os módulos que são especificos a um setor de atividade. É claro que é inerente a integração entre os módulos
básicos e os verticais.

Entre eles destacam-se os seguintes:

3.9.1. Automação Comercial

Dentro de um comércio podemos dizer que temos algumas áreas a serem automatizadas: Gerência de Vendas, Finanças e
Estoques. Esta automação proporciona uma agilidade muito grande quando utilizado um ERP focado para a área. Este
sistema torna o atendimento mais ágil e com um controle maior, através de um atendimento de balcão ou mesmo uma
venda mais complexa, como um financiamento. Os estoques são atualizados a todo o momento, basta ter uma saída ou
entrada de mercadoria, evitando a falta de mercadorias nas prateleiras.
Pagamentos em cheque, inclusive os pré-datados, cartões de crédito, comissões, estoques, cálculo do ICMS e a emissão
do Cupom Fiscal são controlados neste módulo. A qualquer momento tem-se o volume de vendas por vendedor e
produto, a posição dos estoques inclusive das outras lojas acopladas à rede e estatística dos produtos mais vendidos
possibilitando assim o uso deste módulo para grandes redes de lojas varejistas ou atacadistas bem como para o pequeno
comerciante.

Podemos dizer que uma automação comercial completa necessita de vários equipamentos periféricos interagindo com o
sistema, tais como: leitor de código de barras, balanças eletrônicas, gaveta do caixa e o ECF (emissor de cupom fiscal).

A partir de 2001 o govêrno tornou obrigatório o uso do ECF – Emissor de Cupom Fiscal, que é o conjunto formado pela
impressora, o microcomputador e o software de automação comercial. O objetivo é acabar com a sonegação e para tanto a
impressora, que é lacrada, tem um dispositivo que grava em sua memória o conteúdo de todas as notas emitidas, à qual
somente a fiscalização tem acesso. O software precisa ser homologado e em alguns estados o desenvolvedor é co-
responsável por fraudes detectadas. O próprio cupom do cartão de crédito também precisa ser impresso no ECF.

Existem automações mais simples, onde se busca a informatização apenas da frente da loja, ou seja, apenas os caixas. O
objetivo é o controle total das vendas.

3.9.2. Sistemas de Apoio Logístico

Em se tratando de armazenagem de produtos, é possível que haja a necessidade de uma administração que possibilite o
controle e a manutenção dos respectivos produtos em lotes. Neste sentido, o WMS (Warehouse Management System) é
um sistema informatizado que auxilia no efetivo controle dos produtos, possibilitando sua alocação automática bem como o
controle de entradas/saídas, a otimização da localização do estoque, a melhor alocação de recursos humanos e físicos, a
identificação da prioridade de carga e descarga de produtos, o gerenciamento do pátio, etc.

Por outro lado, o TMS (Transportation Management System), um Sistema de Gerenciamento de Transporte, tem por
objetivo oferecer subsídios através do uso da tecnologia da informação, para proporcionar o perfeito planejamento,

Versão 1.0 23
Formação
Gestão Empresarial
Funcinalidades do ERP

administração e controle da movimentação de cargas, incluindo a frota de veículos. Abrange não só a geração de
conhecimentos, viagens e faturas conforme contrato do cliente como também o controle de pendências de sinistros, de
indenizações e serviços tanto regionais como nacionais e até mesmo internacionais.
Com o uso da tecnologia da informação, é possível uma perfeita integração com os sistemas de rastreamento GPS de
veículos além da integração com os clientes, postos fiscais e filiais. Outro aspecto relevante, em se tratando de
integração, é a manutenção dos próprios ativos envolvendo a frota de veículos e caminhões utilizados.

Com uma tabela de frete configurável, a utilização de tarifação para frete e com os demais recursos cadastrados no
sistema é possível a obtenção dos custos por veículo, frota, viagem englobando inclusive o tratamento de impostos entre
as consultas e relatórios disponíveis no sistema.

3.9.3. Gerenciamento de Projetos

O PMS (Project Management System) possibilita o planejamento e a execução de projetos incluindo o controle de
orçamentos. Entre suas diversas funcionalidades, o PMS possibilita, através da alocação dos recursos, o controle das
fases do projeto e o acompanhamento do progresso físico e financeiro.

Índices de desempenho, fluxo de caixa do projeto, quadros quantitativos demonstrando o previsto x realizado são alguns
exemplos de informações que podem ser facilmente obtidas com o uso de um Sistema de Gerenciamento de Projetos,
incluindo uma perfeita integração com o MS-Project e um conjunto de consultas e relatórios que permitem uma
abrangente análise da evolução e andamento do projeto.

3.9.4. Gestão da Qualidade

A Gestão da Qualidade pode ser auxiliada através de um conjunto de módulos pertencentes à “família quality” para tratar
dos aspectos da qualidade em particular. Entre eles destacam-se a Auditoria, o Controle de Documentos, a Inspeção de
Entradas, a Inspeção de Processos, a Metrologia, o Controle de Não-Conformidades e o Processo de Aprovação e
Planejamento Avançado da Qualidade (PPAP/ APQP).
A Auditoria engloba tanto os aspectos internos da empresa (sistemas, produtos e processos) bem como as relações
externas com fornecedores e clientes. O módulo de auditoria proporciona um melhor planejamento, controle e
acompanhamento através do cadastro dos tópicos e itens a serem auditados, do cadastro de unidades, do cadastro de
associados e através do controle de itens a serem reauditados. A implantação do sistema de auditoria possibilita o
cronograma, o agendamento e um check-list de auditorias além da obtenção de um relatório completo para atender os
itens 4.17 do padrão ISO 9000 e o item 8.2.2 do padrão ISO 9001 (2000).
Para auxiliar no atendimento do item 4.2.32 do padrão de qualidade ISO 9001 (2000), o módulo de controle de
documentos proporcionaa efetiva catalogação, acompanhamento e distribuição dos documentos da qualidade. Este
controle envolve a numeração de documentos, cópias por documento e a manutenção de referências e palavras-chaves
além da distribuição de senhas para a restrição de acesso por usuário, módulo, funções e relatórios.
A Inspeção de Entradas é um módulo que oferece um conjunto de funcionalidades para atender os itens 1, 2, 6, 7, 8, 10,
12, 13, 14, 15,
16 e 20 do padrão ISO 9000 e os itens 4, 5.1, 7.4, 7.5 e 8 do padrão ISO 9001 (2000). Estas funcionalidades envolvem
desde o registro e o controle das entregas de materiais por fornecedor, ensaios calculados por fórmulas, ensaios

24 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Funcionalidades do ERP
realizados por laboratórios até a geração de laudos automáticos para cada lote recebido e conseqüente emissão e
controle das notificações de não-conformidade (NNC) e emissão e controle dos planos de inspeção.
A Inspeção de Processos em conjunto com o módulo de Inspeção de Entradas é preponderante para a manutenção da
rastreabilidade dos produtos. A inspeção de processos é um módulo que visa o atendimento dos itens 1, 2, 8, 9, 10, 12,
13, 14 e 16 do
padrão ISO 9000 e dos itens 4, 5.1, 6.4, 7.4, 7.5 e 8 do padrão ISO 9001 (2000) através da manutenção de um plano de
inspeção por produto, por setor de controle e um plano de amostragem específica.
Através do cadastro de instrumentos, escalas, padrões e ainda com a coleta de dados de calibrações externas, o módulo
de metrologia efetua os cálculos para a confirmação no aspecto da exatidão, adequação e aceitabilidade, além do
cálculo completo das incertezas, permitindo a geração de relatórios ou consultas que possibilitam a visualização do
plano, a ficha, o certificado e o resumo das calibrações.
Outro aspecto bastante relevante no módulo de Metrologia é a rastreabilidade dos instrumentos x padrões e a
possibilidade dos cálculos de tolerância em termos percentuais.
O módulo de Metrologia mantém integração não só com os módulos de recebimento e controle de processos mas
também com os instrumentos Mitutoyo e Sylvac.
Em se tratando da norma ISO 9001 (2000), o módulo de metrologia atende o item 7.6 e incorpora, ainda, um conversor de
unidades de medidas.
Para atender a norma ISO 9001 (2000) nos itens 8.3 e 8.5.2/8.5.3, o módulo de não-conformidades permite o registro das
ocorrências e o registro dos planos de ações tanto corretivas como preventivas. Possibilita a utilização do método dos 8
passos além de um Follow-up estatístico das não-conformidades, das ações corretivas e dos controles de pendências por
usuário.
O módulo de não- conformidades se integra com os módulos de recebimento, processos, field service, auditorias,
metrologia e a manutenção de ativos. O Processo de Aprovação e Planejamento Avançado da Qualidade (PPAP/APQP)
conta com o auxílio de um módulo que oferece uma série de funcionalidades para atender a norma QS 9000. Estudo de R
& R, estudo de capabilidade, ensaio dimensional, ensaio material, ensaio de desempenho e aprovação de aparência são
alguns exemplos destas funcionalidades. Permite a análise de modo e efeito de falha potencial além da geração de
sumário e aprovação APQP. Uma outra facilidade incorporada a este módulo é a geração de diagrama de fluxo dos
dados.

3.9.5. Gestão Educacional

O Módulo de Gestão Educacional oferece uma série de funcionalidades abordando aspectos quanto:
 Ao Processo Seletivo;
 À Matrícula;
 Aos Requerimentos;
 Ao Curso Vigente;
 Ao Professor;
 Ao Financeiro/Tesouraria;
 A avaliação Institucional;

Versão 1.0 25
Formação
Gestão Empresarial

Em se tratando de Processo Seletivo, o Sistema de Gestão Educacional administra e controla os cursos ofertados e o
número de vagas para cada um deles. Permite a introdução de uma nota de corte e a adoção de critérios de
desclassificação e desempate. Proporciona a apuração dos aprovados, a reserva de vagas, a alocação do candidato e o
acompanhamento e controle financeiro.
Quanto às matriculas, o sistema de Gestão Educacional possibilita a efetivação da matricula por grade de disciplinas
avaliando, de maneira automática, os pré-requisitos e co-requisitos, além de administrar as transferências e manter
integração total com o financeiro.
O Sistema de Gestão Educacional auxilia na administração dos requerimentos através de uma configuração inicial quanto
ao tipo, à ação a ser tomada, ao fluxo de operações e ao controle do tempo, permitindo que seja realizado o
acompanhamento do fluxo de operações e o retorno automático ao solicitante através de e-mail além da solicitação do
requerimento via sistema ou mesmo pela WEB.
Gestão Educacional armazena as informações vitais de cada disciplina tais como carga
horária, conteúdo programático, bibliografia e número máximo de faltas.
Entre as facilidades oferecidas aos professores da instituição, destacam-se o apontamento e o acompanhamento do
conteúdo programático, o apontamento de faltas e notas incluindo a consulta da grade escolar.

3.9.6. Manutenção de Ativos

A manutenção de ativos envolve o cadastramento, a organização, a manutenção e o controle dos bens de uma
empresa, entidade ou órgão. Entre as suas diversas funcionalidades, o sistema de Manutenção de Ativos possibilita o
planejamento tanto de manutenções preventivas como manutenções corretivas. O registro de um histórico de
intervenções ocorridas além de possibilitar a revisão da ficha técnica e um comparativo entre o previsto e o realizado,
permite análises quanto à durabilidade por utilização, por serviço, marca e fabricante.
Outro aspecto relevante do sistema de Manutenção de Ativos é que além do controle dos custos relativos a cada centro
permite, ainda, um comparativo entre o previsto x realizado tanto para o ativo em si como peças ou mesmo serviços.

3.9.7. Exportação

O Sistema de Exportação tem por objetivo auxiliar a emissão de documentos e formulários relativos à exportação de bens
e produtos permitindo um total controle do desembaraço aduaneiro e uma perfeita integração com o Siscomex.
Entre estes diversos documentos e formulários gerados pelo Sistema de Exportação, destacam-se:
 Invoice;
 Shipping Instruction;
 Packing List;
 Certificado de Origem-FIESP;
 Certificado de Origem-Mercosul;
 Certificado Aladi;

26 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Funcionalidades do ERP
Funcionalidades do ERP

 Form-A;
 Acordo de alcance parcial;
 Saque cambial;
 Carta remessa de documentos;
 Aviso de embarque.

3.10. Importação

O Sistema de Importação trata das informações necessárias para que os pedidos de compras internacionais sejam
realizados, incluindo a emissão em inglês do pedido de compras e a Licença de Importação (LI) integrada ao sistema
governamental com alimentação automática das informações necessárias ao licenciamento de mercadorias.
O Sistema de Importação possibilita o registro do embarque das mercadorias, o desembaraço englobando o controle das
atividades alfandegárias necessárias à liberação das mercadorias importadas, o controle financeiro de adiantamento de
numerário ao despachante e a respectiva prestação de contas.
O recebimento de mercadorias importadas, a apuração do custo final das mercadorias, o fluxo de caixa das importações,
Follow-ups, avaliações e comunicações internacionais são outras funcionalidades oferecidas pelo sistema de importação.

3.11. Gestão Hospitalar

Com o cadastramento de pacientes, tipos de atendimento e a manutenção da agenda de consultas e cirurgias, o sistema
de Gestão Hospitalar efetua uma série de controles quanto às solicitações e prescrições médicas. Proporciona o controle
de múltiplos convênios incluindo o SUS a partir do cadastro de convênios com todos os valores de CH´s. Permite a
manutenção de tabela de preços diferenciados de materiais, medicamentos, taxas, diárias, procedimentos e honorários
para os convênios e, em destaque, as tabelas AMB e CID.
O sistema de Gestão Hospitalar permite também o controle de prontuários de pacientes e o lançamento de despesas com
exames, lavanderia e nutrição.

3.11.1. Medicina e Segurança do Trabalho

A partir de um conjunto de informações cadastradas e a programação automática dos exames de avaliação clínica
incluindo a convocação também automática dos funcionários para a realização dos exames, o Sistema de Medicina e
Segurança do Trabalho permite o perfeito planejamento, acompanhamento e execução de todas as atividades
necessárias para orientar a medicina e segurança no ambiente de trabalho através de uma série de relatórios mapas e
gráficos.

4. Plano de Saúde

Para manter uma boa qualidade tanto no atendimento ao cliente quanto ao atendimento ao credenciado, o sistema de
Plano de Saúde mantém uma série de funcionalidades que auxiliam o controle da execução dos procedimentos médicos,
consultas médicas e exames. Estas funcionalidades baseiam-se nas informações cadastradas a respeito dos
credenciados (médicos, hospitais, clínicas e laboratórios) e os associados com seus dependentes.
É necessaria a parametrização para inclusão de tabelas dinâmicas de eventos tais como AMB´s, Brasindice, Ciefas entre
outras.

Versão 1.0 27
Formação

Funcionalidades do ERP
Gestão Empresarial

Para possibilitar um melhor suporte na área comercial, o Sistema de Plano de Saúde permite, além dos cadastros
convencionais, o cadastramento dos vendedores internos e externos, regiões de atuação, formas de pagamento, alçadas
para liberação de propostas, simulação de vendas/prospects, metas mensais/anuais e dados sobre o
mercado/concorrência.
Em relação ao acompanhamento dos contratos/beneficiários, o sistema de Plano de Saúde permite a compra de
carências, atualização de preços, renegociação de dívidas, abono de juros além do fornecimento de informações sobre a
quantidade média de atrasos, dia de pagamento médio, perfil dos clientes, entre outras.

5. Controle de Direitos Autorais

O principal objetivo deste módulo é oferecer subsídios tanto na administração como no efetivo controle de produtos
considerando o seu lançamento através de diversas edições. Permite um eficaz controle dos contratos de direitos autorais
inseridos nos produtos editados.
Entre as suas funcionalidades, o Sistema de Controle de Direitos Autorais permite o acompanhamento financeiro dos
contratos incluindo adiantamento de pagamento, prestação de contas, apuração dos pagamentos e a apuração dos
acumulados.
O controle de sub-licenciamento e o controle de licitação também são tratados no sistema além das diversas consultas e
relatórios nos mais variados formatos e apresentações.

6. Gestão de Concessionárias

A gestão de concessionárias é um completo sistema que auxilia na administração de concessionárias sob 3 diferentes
abordagens:

 Peças;

 Oficina/Frotas;

 Veículos.

O módulo de auto-peças permite a montagem e desmontagem de Kit´s de peças e o orçamento integrado com
emissão de notas concatenando funções para facilitar o trabalho de venda balcão ou televendas.

Em se tratando da área comercial, o módulo de autopeças possibilita um melhor atendimento através do controle de
peças bloqueadas por defeito, reserva de peças para venda futura e parametrização de períodos de garantia.

Em relação à integração, o módulo de autopeças facilita a entrada dos dados dos catálogos das montadoras e os pagamentos
eletrônicos por intermedio de cartões de crédito.

O módulo Oficina/Frotas possibilita o acompanhamento e gerenciamento dos orçamentos de peças e serviços integrados
eletronicamente com as Ordens de Serviço enquadrados em escalas de trabalhos de 24 hora por dia.

O controle das frotas pode ser realizado para proporcionar um melhor custo beneficio através de manutenção de veículos
por correção e prevenção incluindo um efetivo controle de acompanhamento dos componentes dos veículos.

28 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

BI - Business Intelligence
No mercado surgem a cada dia novos sistemas Verticais, mesmo porque sempre há alguém criando um novo modelo de
negócio. Este capítulo visa apenas dar uma visão geral.

7. BI - Business Intelligence
O Business Intelligence (BI) é um termo criado pelo Gartner Group nos anos 80. É uma tecnologia que possibilita aos
usuários aces- sar dados e explorar as informações visando uma tomada de decisão mais correta. Pode-se dizer que é
um processo de evolução das tradicionais opções de Consultas, existentes em antigos sistemas, lentas, engessadas,
restritas aos dados da base operacional e pobres em seu visual. Transforma dados em informações, flexibilizando o modo
de visualizá-las de acordo com as solicitações dos usuários.

DSS – Decision Support System e EIS – Executive Information System são termos que antecederam ao BI. Por outro
lado, outras siglas começaram a aparecer. As mais recentes são BPM - Business Performance Management (ou CPM de
Corporate ou ainda EPM de Enterprise) e BAM - Business Activity Monitoring, sempre com o propósito de apresentar os
dados:

 Sob a forma de gráficos e tabelas dinâmicas;

 Classificadas em diversas dimensões (geográfica, temporal, grupos e subgrupos);

 Apresentando vários indicadores (valores e quantidades);

 Sintetizadas ou detalhadas;

 Com possibilidades de filtros e alertas;

 E principalmente, de forma rápida, fácil e flexível e, porque não, também na WEB.

Para tal foi necessário criar-se uma nova forma de armazenamento dos dados. Uma base separada da operacional para
não prejudicar a sua performance. Em contrapartida depende-se sempre de um processo de carga para atualizá-la com
as últimas informações. Além disso, coloca-se também nessa base, dados obtidos de outras fontes: informações de
concorrentes e do mercado e um histórico amplo do passado para permitir uma boa análise de tendências.

Este processo chama-se ETL de Extract, Transform e Load. Transforma pois normalmente é necessário um trabalho de
ajuste dos dados neste processo.

Versão 1.0 29
Formação

BI - Business Intelligece
Gestão Empresarial
BI - Business Intelligence

8. Data Warehouse

A essa base preparada dá-se o nome de Data Warehouse (armazém de dados) ou Data Mart, quando esses dados forem
departamentalizados.

A tecnologia empregada chama-se OLAP, que vem de On-Line Analitical Processing. Paradoxalmente, nesse caso o que
é on-line é a consulta, que é dinâmica no sentido de poder ser alterada pelo próprio usuário, pois as informações, conforme
já foi explanado, não estão na base operacional, esta sim, on-line.

Gravam-se os dados nas várias dimensões (seqüências) em que serão analisados e também já totalizados. Lembra uma
planilha eletrônica com várias páginas, cada uma com os dados colocados para análise. Com isso, qualquer pesquisa fica
rápida. Daí surgiu a expressão CUBO, que é usada para definir tal disposição de armazenamento: enxerga- se a informação
de qualquer ângulo.

A partir desta base, tem-se a apresentação dos dados, com recursos visuais gráficos de alta qualidade.

9. Drill-Down

Drill-down, que significa mergulhar, é o detalhamento, por exemplo, das vendas de uma região por produto. É feito em
qualquer uma das dimensões definidas, descendo até o último nível. Assim, pode-se analisar as vendas por estado,
produto, município e mês ou, inversamente, por mês, produto, município e cliente. Esta flexibilidade e agilidade levam o
usuário a um claro processo de análise

e conhecimento dos dados, induzindo-o a uma tomada de decisão. No ERPzinho a opção Consulta Multidimensional
simula essa operação.

Mas, a questão central em investir-se em um Data Warehouse está em definir-se quais informações devem ser
apresentadas aos usuários. Em que dimensões e com quais in- dicadores.

Alguns exemplos, normalmente, solicitados por usuários ligados a áreas estratégicas da empresa:

 Valor e quantidade das vendas por geografia, tempo e produto. Os valores englobam faturamento, custo,
lucratividade, comissões, impostos etc. A dimensão geográfica engloba região, estado, cidade e cliente. A
dimensão tempo discrimina ano, mês e dia. A dimensão de produto detalha tipo, grupo e item;
 Dados contábeis e financeiros, envolvendo ativos e passivos como contas a receber, a pagar e estoques;
 Dados de Recursos Humanos, como características, idade, motivações e desempenho de funcionários;
 Comparativos de custos, em especial com o Standard, visando determinar a causa das variações;
 Dados sobre a logística de distribuição de produtos;
 Dados de marketing e da concorrência.

30 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

BI - Business Intelligence
10. Workflow
Workflow é o acompanhamento da situação de um processo durante o seu ciclo de vida. Desta forma, o usuário
acompanha, passo a passo, onde está determinado documento, um produto que está em fabricação, um pedido ou
pagamento que precisa ser aprovado. Esse acompanhamento é feito pelo envio de um e-mail ao usuário que deve tomar
uma atitude em função de uma determinada situação. Quem dispara o e-mail é o próprio sistema. Com isso os processos
críticos de uma organização tornam-se mais ágeis e seguros, evitando o freqüente travamento operacional existente entre
eles.

O Workflow controla o time-out das decisões, re-enviando a mensagem a um usuário alternativo caso a resposta não seja
fornecida após um prazo pré-estabelecido.

11. Balanced Scorecard (BSC)

O Balanced Scorecard (BSC) é um modelo de gestão que auxilia as organizações a traduzirem a estratégia em
objetivos operacionais direcionando comportamentos e desempenhos, propiciando uma estrutura de
mensuração eficiente, definida e mantida pelos doutores David P. Norton e Robert S. Kaplan, professores de
Harvard.

Dentre seus principais objetivos, destacam-se:

• Alinhamento da organização rumo à estratégia e a transformação da estratégia em


“Tarefa de Todos” ( SFO – Strategy Focused Organization);
• Eliminação dos gaps de entendimento entre o Planejamento Estratégico e o
operacional;
• Comunica e não apenas informa a todos da corporação;
• Faz com que todas as pessoas da corporação entendam seu papel diante da
estratégia e como irão contribuir dentro do planejamento adotado;
• Permite que a empresa trace a rota e controle os caminhos a serem percorridos até
atingir os objetivos definidos na estratégia;
• Permite o acompanhamento da execução do planejamento em andamento.

Os sistemas de ERP vêm disponibilizando ferramentas de apoio à implementação dessa metodologia, fazendo com que
cada vez mais empresas a adotem.

Norton & Kaplan dividiram o controle da empresa em quatro perspectivas, criando os Mapas Estratégicos: financeira,
clientes, processos internos e aprendizado e crescimento dos colaboradores. Nota-se que o BSC mede também o
intangível, pois das quatro perspectivas apenas a financeira é baseada em indicadores exatos e fáceis de serem
obtidos.

Versão 1.0 31
Formação
Gestão Empresarial

Para cada perspectiva, identificam-se os objetivos estratégicos, associando-se um conjunto de indicadores. E para
cada indicador estabelece-se uma meta, um alvo. E claro, um responsável, um prazo, um custo, uma remuneração
variável pelo seu cumprimento e também uma pena, caso não seja atingido.

A avaliação quanto à realização da meta é apresentada e pontuada por cores (vermelho, amarelo, verde e azul) em um
quadro denominado Dashboard.

São exemplos de indicadores:

• Perspectiva Financeira: crescimento da receita, lucratividade, geração de caixa,


desenvolvimento de novasfontes de faturamento, redução e variação de custos, giro dos
estoques, otimização do uso dos ativos, aumento da participação nas vendas de itens de alta
margem, inadimplência no contas a receber;

• Perspectiva Clientes: rapidez e pontualidade no atendimento, entendimento da concorrência


e do mercado, preços competitivos, satisfação e queixas dos clientes, qualidade e defeitos
experimentados pelo consumidor, fidelidade, retenção e recuperação de clientes, portfólio
oferecido (atendimento das necessidades e falta de estoques), uso da garantia, relação leads
x taxa de conversão;

• Perspectiva Processos Internos: inovação de produtos, logística de entrega, marketing, dispendio


com tecnologia, nível de utilização do ERP;

• Perspectiva Aprendizado e Crescimento dos Colaboradores: esta perspectiva é formada pelo


Capital Humano, Capital da Informação e Capital Organizacional. O Capital Humano envolve o
desenvolvimento de competências e habilidades (Treinamentos) e a atração e retenção de
talentos. O Capital da Informação é o compartilhamento do conhecimento e o Capital
Organizacional representa o alinhamento dos objetivos de todos os colaboradores, em
especial a cultura orientada aos clientes.

32 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

12. Contabilidade

1) Questionar sobre o funcionamento do departamento contábil da empresa levando em consideração:


a) Existe integração contábil com os demais setores;
b) A contabilidade é integrada aos custos;
c) Existem somente lançamentos manuais.
2) Controle contábil:
a) Contabilidade externa;
b) Contabilidade manual;
c) Contabilidade via sistema.
3) Ferramenta de apuração dos resultados:
a) Planilhas;
b) Sistema de computação;
c) Relatórios manuais.
4) Centro de custos:
a) Centro de custo contábil;
b) Centro de custo extra-contábil;
c) Questionar sobre o critério da codificação do centro de custo.
Exemplo: xxyy onde xx = Diretoria yy = setor
5) Custos:
a) Funciona como um setor independente da contabilidade;
b) Funciona agregado a contabilidade.
6) Moedas:
a) Moedas que são utilizadas na contabilidade;
b) Contabilidade só na moeda corrente.
7) Correção integral do balanço:
a) Via conversão dos lançamentos um a um em moeda forte;
b) Via conversão dos lançamentos em valores distintos de moedas dependendo da conta contábil.
8) Diários auxiliares:
a) No contas a pagar;
b) No contas a receber;
c) No ativo fixo;
d) Na tesouraria.
9) Lançamentos no LALUR:
a) Lançamentos no livro de apuração do resultado para aplicação do Imposto de Renda;

Versão 1.0 33
Formação
Gestão Empresarial

b) Existe alguma particularidade da empresa na apuração do IR.


10) Questionar sobre possíveis lançamentos automáticos na contabilidade.
11) Anexar ao levantamento de dados os principais relatórios, controles paralelos e estatísticas do setor contábil.
12) Deficiências do setor Contábil:
a) Grande volume de dados;
b) Informações atrasadas;
c) Fluxo de papel incorreto;
d) Questionar as desvantagens do sistema atual.
13) Listar as vantagens da rotina ou sistema atual e questionar os aspectos relevantes de um sistema para o setor.

13. Livros Fiscais

1) Livros de entrada e saída (modelo 1 e 2):


a. Escriturados manualmente;
b. Sistema específico;
c. Escriturados externamente.
2) Regime atual da empresa:
a. Escrituração eletrônica;
b. Escrituração em livros;
c. Regime mecanográfico ou Especial.
3) Escrituração eletrônica:
a. Questionar qual é o software utilizado;
b. Questionar quais são os livros.
4) Anexar os principais relatórios do setor fiscal.
5) Deficiências do setor fiscal:
a. Falta de documentação;
b. Atraso no envio da documentação pelos demais setores;
c. Questionar as desvantagens do sistema atual.
6) Listar as vantagens da rotina ou sistema atual e questionar os aspectos relevantes de um sistema para o setor.

34 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

14. Ativo Fixo

1) Questionar sobre o funcionamento do departamento levando em consideração:


a. Bens não são controlados;
b. Bens controlados por grupo em fichas, manualmente;
c. Bens controlados por grupo, via sistema;
d. Bens controlados um a um em fichas, manualmente;
e. Bens controlados um a um, via sistema.
2) Patrimônio Líquido:
a. Capital e investimento são controlados dentro do sistema de ativo.
3) Ampliações e reforma de Bens:
a. Lançamento como despesa e não ativação;
b. Ativação no próprio Bem;
c. Criação de outro Bem.
4) Razão auxiliar:
a. Existe razão auxiliar do ativo;
b. Razão somente na contabilidade.
5) Questionar se os seguros são controlados junto com o ativo fixo.
6) Questionar se a empresa possui algum incentivo para a depreciação de seus Bens:
a. Depreciação acelerada;
b. Incentivo fiscal.
7) nexar ao levantamento de dados os principais relatórios, controles paralelos e estatísticas do setor do ativo fixo.
8) Deficiências do setor do ativo fixo:
a. Falta de informações;
b. Falta de auditoria;
c. Divergências do controle físico com o contábil;
d. Questionar as desvantagens do sistema atual.
9) Listar as vantagens da rotina ou sistema atual e questionar os aspectos relevantes de um sistema para o setor.

Versão 1.0 35
Formação
Gestão Empresarial

15. Folha de Pagamento

1) Questionar sobre o funcionamento do departamento de folha de pagamento levando em consideração:


a. Folha de pagamento processada externamente;
b. Folha de pagamento, manual;
c. Folha de pagamento, via sistema.
2) Listar os sindicatos que atuam na empresa e o processo de dissídio.
3) Listar as rotinas automatizadas:
a. Recibo de pagamento;
b. Impostos;
c. Férias;
d. Rescisão;
e. 13º salário;
f. DIRF/RAIS;
g. Recursos Humanos.
4) Resumo do cálculo das médias para efeito do 13º salário e férias:
a. Cálculo da média em horas;
b. Cálculo da média em valores.
5) Pagamento a funcionários:
a. Via cheque;
b. Em espécie;
c. Via depósito bancário.
6) Listar os bancos que efetuam o pagamento de salários.
7) DARP/RE:
a. Manual;
b. Via sistema.
8) Provisionamento de férias e 13º salário:
a. Mês a mês durante o ano;
b. Somente no segundo semestre.
9) Datas para adiantamento e folha:
a. Adiantamento de 50% dia 20 e 50% no quinto dia útil;
b. Adiantamento de 40% dia 20 e 60% no quinto dia útil;
c. Adiantamento de 50% dia 15 e 50% no dia 30.
10) Questionar sobre férias coletivas:
a. Não existem;
b. Setoriais;
c. Geral;
d. Questionar o período das férias coletivas.
11) Anexar ao levantamento de dados os principais relatórios, controles paralelos e estatísticas do setor.
12) Deficiências do setor:
a. Falta de pessoal qualificado;
b. Atraso nos apontamentos;
c. Decisões de última hora;
d. Questionar as desvantagens do sistema atual.
13) Listar as vantagens da rotina ou nasistema atual e questionar os aspectos relevantes de um sistema para o setor.

36 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

2ª Fase - Avaliação de Necessidades de Customização

Verificação de necessidade dos seguintes pontos:

1º Conversão de arquivos
• Definindo padrão de arquivos;
• Plataforma e sistema atuais.

1. Questionar sobre arquivos a serem convertidos destacando:

a. real necessidade da conversão;


b. volume de dados;
c. relacionamento, caso exista, com outros arquivos;
d. necessidade de desenvolvimento de rotinas para conversão;
e. padrão dos arquivos (.TXT, .DBF, SQL, etc);
f. plataforma atual;
g. sistemas atuais.

2º Customizações
• Definindo rotinas de processamento/atualização;
• Definindo relatórios.

1. Questionar sobre rotinas específicas a serem desenvolvidas destacando:

a. Real necessidade do desenvolvimento;


b. no caso de relatórios, verificar a possibilidade de compará-los com relatórios
existentes no sistema;
c. detalhar todos os parâmetros necessários;
d. detalhar, no caso de relatórios, as ordens possíveis de impressão;
e. detalhar para todas as rotinas a serem desenvolvidas:
• 1º - Horas necessárias para o levantamento detalhado;
• 2º - Horas necessárias para o desenvolvimento;
• 3º - Horas necessárias para a instalação e testes, com os respectivos valores.

Versão 1.0 37
Formação
Gestão Empresarial

Estratégico de TI
Planejamento
3ª Fase — Avaliação dos Recursos Físicos

1º Verificação do ambiente atual — hardware — e definições padrões


• Avaliação do parque instalado com base no volume de dados, módulos e número de usuários;
• Definição de configurações mínimas:
• Definição de programa de treinamento, com base em módulos utilizados.

1. Hardware:
a. questionar sobre a existência de uma rede. Caso positivo, qual?
b. para quantos usuários (a rede)?
c. quantos usuários acessarão o sistema, simultaneamente?
d. quantas estações estão conectadas à rede?
e. qual a configuração e localização física de cada uma das estações e conseqüentes
necessidades de contratações e/ou realocações;

2. Definir os usuários envolvidos no processo, direta e indiretamente (desde que


sejam responsáveis por decisões que afetem o processo):
a. definir os nomes dos envolvidos e suas atribuições básicas;
b. definir a relação usuários x módulos;
c. avaliar os pontos críticos entre número de módulos e usuários:
• Muitos módulos para um usuário;
• Usuários de um setor atuando em outro e vice-versa, proporcionando problemas pelo
desconhecimento da área de atuação.
d. avaliar a necessidade de treinamento de cada usuário, levando em conta o conhecimento das rotinas
administrativas e conhecimentos de microinformática.

38 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

4ª Fase - Elaboração de Plano e Cronograma Macro

1º Elaboração de PDI contendo:


• Diagnóstico da situação atual (retrato)
a. sistemas atuais;
b. parque instalado;
c. usuários envolvidos;
d. fluxo atual de informações;
e. pontos críticos;
f. pontos de atrito com o novo sistema.

• Sugestão para melhoria dos pontos críticos


g. aonde e quais sistemas deverão ser implantados;
h. mudanças necessárias no parque instalado (hardware);
i. treinamento dos envolvidos no processo;
j. sugestão de novo fluxo de informações;
k. resolução dos pontos de atrito, através das seguintes alternativas:
i) mudança de procedimentos;
ii) alteração no sistema padrão;
iii) criação de rotinas específicas;
iv) definição dos profissionais envolvidos;
v) prazos para execução dos serviços;
vi) horas previstas, dos profissionais definidos, para o projeto;
vii) custos envolvidos e forma de pagamento.

2º Elaboração de um cronograma macro:


• Definição dos módulos a serem implantados, contendo:
a. Prioridades de implantação dos módulos;
b. Prazos de implantação dos módulos;
c. Pré-requisitos para cada tarefa e/ou módulo.

Trata horistas e mensalistas, Tarefeiros e Folha semanal


Controla contratos de experiência, faz declaração de responsabilidade de dependentes e emite aviso de férias.

Versão 1.0 39
Formação
Gestão Empresarial

ESTRUTURAÇÃO DO ERP

Um Sistema de ERP (Enterprise Resource Planning) visa a automação dos procedimentos de uma empresa. Abrange o seu
planejamento, execução e controle sob o ponto de vista econômico e financeiro, através de uma série de técnicas,
conhecidas

e simples, que realizam esta tarefa de uma forma mais eficiente e rápida do que qualquer outro método de trabalho,
fornecendo mobilidade para toda a empresa, independente da sua área de atuação no mercado.

O objetivo é mostrar como um Sistema de ERP cumpre esta tarefa através de seus módulos básicos de Contabilidade, Custos,
Compras, PCP, Faturamento, Livros Fiscais, Financeiro, Ativo Fixo e Folha de Pagamento.

A integração entre os módulos é obtida através do aproveitamento total dos dados de entrada, onde estas informações são
compartilhadas entre os módulos correspondentes dentro do sistema. Com isso elimina-se qualquer tipo de redundância na
digitação dos dados, sem diminuir o rigoroso controle administrativo e financeiro.

Este compartilhamento de informações é a chave para o sucesso Administrativo, uma vez que o ERP proporciona a
atualização dos dados em tempo real (on-line) e de forma íntegra, formando assim a Base de Conhecimento da Empresa
com uma excelente qualidade.

40 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

16. Gestão de Materiais


16.1. Faturamento

O faturamento é uma área onde normalmente há a necessidade de fortes adaptações e é sem dúvida o setor onde
sempre existem diferenças entre as empresas. É a condição de pagamento, a política de reajuste de preços e
descontos, o pagamento de comissões, a legislação específica de ICMS e IPI, etc. e qualquer forma, todas as
exceções apresentadas devem ser incorporadas ao sistema de modo que apenas a nota fiscal precise ser programada
de forma específica. O módulo de faturamento controla a carteira de pedidos, administra a sua liberação pelo crédito e
pelo estoque de forma automática e emite todos os relatórios necessários para o setor de vendas, além de gerar os
títulos a receber, com base na condição de pagamento estipulada no Pedido de Venda.

Emitindo a Nota Fiscal Eletronica, são realizadas as seguintes atualizações: a baixa no estoque, a contabilização, a
escrituração dos dados fiscais, a atualização financeira, a baixa a cartei- ra de clientes e a geração das informações
necessárias para o CRM.

Versão 1.0 41
Formação
Gestão Empresarial

16.2. Compras

O objetivo da informatização do processo de Compras é suprir automaticamente o estoque com base em critérios pré-
estabelecidos e flexíveis o suficiente para atender as bruscas mudanças que ocorrem na previsão de vendas. Existem
vários métodos para definir o que, quando e quanto deve ser comprado de cada ítem dentro de um determinado
período.
Se existir a estrutura dos produtos e uma certa previsão de vendas recomenda-se o MRP I (Material Requirement
Planning ou Planejamento das Necessidades de Materiais). Esta técnica parte de um plano de produção dependente
de uma previsão de vendas que pode inclusive ser uma carteira de pedidos já encomendados, dos estoques
existentes, da carteira atualizada das ordens de produção e da carteira dos pedidos de compras.

16.3. Estoque e Custos

É uma das gestões que mais integra módulos no sistema. Abrange todo o Controle de Estoque, em níveis diversos de
local, lote e data de entrada ou validade para FIFO/FEFO, além de campos parametrizáveis, o que permite melhor
adaptação do sistema a qualquer tipo de negócio.

42 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

O módulo de custos é totalmente integrado à contabilidade. Este é sem dúvida um dos grandes problemas das
empresas não só devido à nossa persistente, embora agora pequena, inflação, como também por causa das margens de
lucro, cada vez mais restritas em função da acirrada concorrência, agora global.

O custo de um produto pode ser visto sob diferentes óticas. Uma delas, o custo de reposição ou standard, com base
em valores atualizados e quantidades padrão de cada componente. Outra pelo custo médio que atende a todos os
requisitos de nossa complexa legislação de imposto de renda.

O custo real pode ainda ser calculado em moeda forte, para inibir os efeitos da inflação. Para o cálculo do custo de
reposição ou standard, este é baseado na estrutura do produto e sua implantação permite não somente este cálculo como
também o uso do MRP I e II, as variações do consumo de matéria-prima e eficiência da mão-de-obra, a determinação dos
preços de vendas e a tomada de decisão sobre o processo de fabricação de determinado item.

16.4. TOTVS Colaboração

Conceito: O TOTVS colaboração é uma solução que permite o recebimento da Pré-Nota, Documento de Entrada no
ERP do cliente de forma automática através dos arquivos de Nf-e, emitido pelos fornecedores.
Processo: O processo é realizado da seguinte forma , fornecedor ao realizar uma venda, emite nf-e ao órgão
competente e esta fica registrada para validação o TOTVS Colaboração realiza constantes consulta ao órgão
competente buscando nf-e já aprovada.
O ERP realiza constante consultas ao TOTVS Colaboração para obter notas fiscais disponíveis para a geração de
documentos.

Versão 1.0 43
Formação
Gestão Empresarial

16.5. Contratos

A Gestão de Contrato tem o propósito de estruturar a redação dos contratos com fornecedores, clientes, bancos e
outras entidades. Organizado em níveis de objeto do contrato, cláusula, garantias e relacionamento entre
contratos permitem o Follow-up dos mesmos, avisando sobre os eventos e as ações a tomar.

16.6. Planejamento e Controle da Produção

O PCP (Planejamento e Controle da Produção), por sua vez, parte justamente do cáculo das necessidades de cada
item a ser produzido (MRP I) e emite as respectivas ordens de produção, em conjunto com o roteiro de operações da
carga-máquina (MRP II Manufactoring Resources Planning ou Planejamento dos Recursos da Manufatura). Uma rotina
simples porém cheia de dispositivos que atendem toda a dinâmica existente em uma fábrica. Máquinas e mais máquinas
executando as mais variadas operações com um calendário repleto de horas extras, fins de semana, feriados, greves,
ausências, variação na produtividade, etc.

O roteiro de operação é definido para cada componente. Informa-se para cada operação o recurso que ela utiliza, inclusive
os alternativos, a ferramenta, a duração, a descrição, o tamanho do lote padrão e o tempo de setup. O cadastramento dos
roteiros possibilita inclusive a existência de calendários diferenciados. O sistema efetua a alocação dos recursos de forma
otimizada programando a fábrica minuto a minuto, operação a operação proporcionando os meios necessários para que
medidas corretivas sejam tomadas no sentido de evitar os tão usuais transtornos ocorridos no dia-a-dia de uma
manufatura.

44 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

No mapa de recuo e avanços, por exemplo, o sistema mostra quais máquinas provocaram uma alocação das operações
fora do momento ideal para a produção. A produção é informada de tal forma que os dados servem para atualizar os
estoques, o próprio programa de carga-máquina e ainda alimentar os custos em número de horas reais utili- zadas no
processo.

16.7. Manutenção de Ativos

A manutenção de ativos envolve o cadastramento, a organização, a manutenção e o controle dos bens de uma
empresa, entidade ou órgão. Entre as suas diversas funcionalidades, o sistema de Manutenção de Ativos possibilita o
planejamento tanto de manutenções preventivas como manutenções corretivas. O registro de um histórico de
intervenções ocorridas além de possibilitar a revisão da ficha técnica e um comparativo entre o previsto e o realizado,
permite análises quanto à durabilidade por utilização, por serviço, marca e fabricante.

Outro aspecto relevante do sistema de Manutenção de Ativos é que além do controle dos custos relativos a cada
centro permite, ainda, um comparativo entre o previsto x realizado tanto para o ativo em si como peças ou mesmo
serviços.

Versão 1.0 45
Formação
Gestão Empresarial

17. Gestão de Qualidade

A Gestão da Qualidade pode ser auxiliada através de um conjunto de módulos pertencentes


à “família quality” para tratar dos aspectos da qualidade em particular. Entre eles destacam-
se a Auditoria, o Controle de Documentos, a Inspeção de Entradas, a Inspeção de Processos,
a Metrologia, o Controle de Não-Conformidades e o Processo de Aprovação e Planejamento
Avançado da Qualidade (PPAP/ APQP).

46 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

17.1. Inspeção de entradas

Estas funcionalidades envolvem desde o registro e o controle das entregas de materiais por fornecedor, ensaios
calculados por fórmulas, ensaios realizados por laboratórios até a geração de laudos automáticos para cada lote
recebido e consequente emissão e controle das notificações de não-conformidade (NNC) e emissão e controle dos
planos de inspeção.

17.2. Inspeção de processos

A Inspeção de Processos em conjunto com o módulo de Inspeção de Entradas é preponderante para a manutenção
da rastreabilidade dos produtos. A inspeção de processos é um módulo que visa o atendimento do padrão ISO 9001
(2000) através da manutenção de um plano de inspeção por produto, por setor de controle e um plano de amostragem
específica.

Através do cadastro de instrumentos, escalas, padrões e ainda com a coleta de dados de calibrações externas, o
módulo de metrologia efetua os cálculos para a confirmação no aspecto da exatidão, adequação e aceitabilidade,
além do cálculo completo das incertezas, permitindo a geração de relatórios ou consultas que possibilitam a
visualização do plano, a ficha, o certificado e o resumo das calibrações.

Versão 1.0 47
Formação
Gestão Empresarial

17.3 Metrologia

O módulo de Metrologia mantém integração não só com os módulos de recebimento e controle de processos mas
também com os instrumentos Mitutoyo e Sylvac.

Em se tratando da norma ISO 9001 (2000), o módulo de metrologia atende o item 7.6 e incorpora, ainda, um conversor de
unidades de medidas.

48 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

18. Gestão de controladoria

18.1. Contabilidade

É importante destacar que a contabilidade exerce um papel fundamental em um Siste- ma de ERP, pois é para lá que
convergem todos os dados que de alguma forma alteram o patrimônio de uma empresa.

Através dos lançamentos automáticos as contas de estoques, por exemplo, são atuali- zadas a cada movimentação de
material, ou seja, pelo recebimento de compras, requi- sições, produções e vendas. O custo da mercadoria vendida é
contabilizado a cada nota emitida, o que permite uma perfeita integração entre o controle de estoque e a contabi- lidade.
As contas de duplicatas a receber e a pagar devem ser mantidas na contabilidade de forma sintética, já que o controle
detalhado é feito no módulo financeiro gerando lançamentos à medida em que os títulos são movimentados.

18.2. ECD – Escrituação COntábil Digital

A ECD foi criada para fins fiscais e previdenciários, deve ser entregue ao SPED e traz livros contábeis emitidos em
formato eletrônico. Fazem parte do arquivo, se existirem, o Livro Diário e seus auxiliares, o Livro Razão e seus
auxiliares, e o Livro Balancetes Diários, com balanços e fichas de lançamento comprobatórias do que está transcrito. A
autoria do arquivo deve ser comprovada por meio de assinatura digital com certificado de segurança tipo A3, emitido por
entidade credenciada pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil).

Versão 1.0 49
Formação
Gestão Empresarial

18.3. Contas a Pagar e Contas a Receber

No módulo financeiro grande parte das informações são geradas em outros módulos como, por exemplo, os títulos a
pagar gerados em compras, os títulos a receber gerados no faturamento, dados da folha de pagamento, impostos,
aluguéis, empréstimos além de outros títulos informados com o objetivo de manter o fluxo de caixa o mais próximo
possível da realidade.
Outros procedimentos como transmissão eletrônica dos títulos para bancos, a emissão automática dos cheques, a
geração de borderôs, a baixa automática de títulos na data do vencimento, a administração dos títulos com
vencimentos nos fins de semana possibilitam que a tesouraria se preocupe apenas com a estratégia a ser adotada para
os recursos financeiros. Para a análise de crédito existem as consultas a clientes que mostram suas compras, como
pagou e outros dados importantes, além do acesso, através da Internet, as informações de proteção ao crédito, como o
SERASA e SCP.

50 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

18.4. Livros Fiscais

É a gestão mais abrangente e complexa do sistema, também a mais integradora e parametrizável, o que permite que
todas as situações de entrada e saída de notas fiscais sejam
contempladas no sistema. Os módulos de Faturamento e Recebimento de notas são integrados com os demais
módulos do sistema, o que significa que a nota é digitada uma única vez e
integrada aos Livros Fiscais, que disponibiliza todos os livros de operações exigidos legalmente, com a contabilidade,
financeiro e ativo.
O módulo fiscal existe para que se cumpra nossa complexa legislação e é ele que se encarrega da emissão do registro
de entradas modelo 1, do registro de saídas modelo 2, do registro e apuração do ICMS e IPI modelos 8 e 9, do registro de
inventário modelo 7, do registro de controle de estoque e da produção modelo 3, do registro de detalhamento das operações
e da declaração de IPI. E apurações EFD – ICMS/IPI e Contribuições.

18.5. Ativo Fixo

O Ativo Fixo é o módulo que administra os bens da empresa que constituem, na realidade, grande parte do capital nela
investido. Também neste módulo, o único trabalho de digitação é feito quando da aquisição dos bens. Todos os dados são
incluídos no ato do cadastramento do bem e servem de base para o cálculo e contabilização mensal das depreciações. Propicia
tambem o efetivo controle e fiscalização de todo o patrimônio da empresa.

Versão 1.0 51
Formação
Gestão Empresarial

52 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

18.6. TOTVS Automação Fiscal (TAF)

O produto TAF é um sistema desenvolvido com o objetivo de disponibilizar aos clientes contribuintes do Fisco um
aplicativo flexível e completo para atendimento das obrigações fiscais junto às esferas tributárias, em âmbito nacional e
internacional.
O TAF visa atender:
 Legislações específicas dos diferentes segmentos de mercado (Ex.: alimentício, combustíveis, etc.).
 Legislações de todo portfólio de produto do grupo TOTVS (ERP, RH, Agroindústria, Saúde, etc.).
TAF pode ser utilizado como um módulo Protheus, pode ser uma aplicação segregada do ERP, para outros produtos
TOTVS ou qualquer ERP de mercado.
ECF – Escrituração Contábil Fiscal é a obrigação acessória que escritura as informações necessárias para apuração da
base de cálculo e cálculo do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro
Líquido(CSLL).
Bloco K : Ao criar a obrigação denominada Sped Fiscal do ICMS/IPI o fisco passou a ter um controle bastante
detalhado das entradas (compras) e saídas (vendas) dos contribuintes do ICMS/IPI.
Mas ainda faltava um detalhe no caso das empresas industriais que era saber como era desenvolvido o processo
produtivo dessas empresas.
Com a inclusão do Livro Registro de Controle da Produção e do Estoque no Sped Fiscal, o governo terá acesso ao
processo produtivo e a movimentação completa de cada item de estoque, possibilitando o cruzamento quantitativo dos
saldos apurados eletronicamente pelo Sped com os informados pelas indústrias, através do livro de inventário. As
diferenças não justificadas poderão ser consideradas como sonegação fiscal.

Versão 1.0 53
Formação

Funcionalidades do ERP
Gestão Empresarial

18.7. Planejamento e Controle Orçamentário

Esta gestão compreende a Contabilidade Geral, com funcionalidades facilitadoras para o controle gerencial da
empresa, além de todos os relatórios exigidos por lei, apresent ados de forma sintética e analítica. Integrada ao
módulo de Planejamento e Controle Orçamentário (PCO), permite comparar o orçamento planejado no período com
o efetivamente realizado, possibilitando ao gestor aplicar medidas corretivas a tempo. Nesta gestão também está todo
o controle do Ativo Imobilizado da empresa, com controle de correção, depreciação e impostos.

19. Gestão de Pessoal

19.1. Folha de Pagamento

O módulo de folha de pagamento automatiza serviços do departamento de pessoal. Tudo se inicia com o cadastramento
de funcionários. Um verdadeiro arsenal de dados sobre a pessoa recém admitida. Com base neles é feito o pagamento
do salário, bem como informações para RAIS, Férias, FGTS, Imposto de Renda, etc. No módulo de folha de pagamento
são digitados os valores fixos e variáveis e para mudar o cálculo de um provento ou um desconto basta alterar a
respectiva fórmula. Os cálculos levam em consideração todas as hipóteses previstas na consolidação da leis do
trabalho.
A própria folha, a relação de vencimentos e descontos, o FGTS, o recibo de férias ea provisão de férias e 13o. salário, a
relação de admitidos e demitidos, as guias de recolhimentos e encargos são apenas alguns exemplos dos relatórios
emitidos neste módulo.
O módulo de folha de pagamento conta com uma função específica para controlar a entrada e saída dos funcionários. É
o Controle do Ponto que visa eliminar o trabalho de digitação destes dados. O tradicional cartão de ponto é substituído
por um cartão magnético que acada entrada esaída do funcionárioépassado em um relógio apropriado, acoplado ao
sistema. Outra vez entra o Workflow com controles automáticos. Este poderá ser utilizado no controle de atrasos dos
funcionários.
Para isso basta criar regras de controle entre o Workflow e o ponto eletrônico. Um exemplo desta situação pode ser
determinado pela área de RH que não admite atraso além de 15 minutos, e caso isso ocorra por mais que três vezes é
enviado um e-mail ao superior imediato do funcionário.

54 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Um aspecto bastante relevante é a possibilidade de trabalhar com várias escalas de horários, além do cálculo das horas
extras, descontos, abonos de faltas, atrasos e saídas antecipadas.

19.2. E-Social

É um projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações pelo empregador em relação aos seus
empregados. Desde 01/10/2015, está disponível a ferramenta que possibilitará o recolhimento unificado dos tributos e
do FGTS para os empregadores domésticos: Módulo Empregador Doméstico.

Versão 1.0 55
Formação
Gestão Empresarial

20. Gestão de Demanda


Roteiro para implantação de uma empresa com gestão de processos por demanda
A gestão de demandas é um processo estratégico desenvolvido no intuito de direcionar as decisões do presente com
vistas a se antecipar ao futuro. É, em meio às incertezas do mundo globalizado, trabalhar com precisão a análise de
variáveis atuais para entender os movimentos que estão por vir, reduzindo perdas, desperdícios e o sempre perigoso
improviso, que pode afetar o atendimento de demandas futuras e comprometer todo o gerenciamento das atividades
Produtiva.
20.1. Como fazer uma gestão de demanda
20.1.1. Conhecer os clientes e suas necessidades
Quando você conhece e entende as reais dificuldades do cliente, pode decidir sobre quais mecanismos são os mais
apropriados no gerenciamento da demanda de seus serviços. Uma empresa de tecnologia, por exemplo, pode separar
suas necessidades de demanda em três tipos de serviços diferentes: demandas de manutenção evolutivas, corretivas e
novos sistemas. A partir daí fica muito mais fácil estudar o histórico dos requerimentos e determinar quanto de cada
serviço geralmente é necessário, possibilitando, assim, uma previsão mais precisa de demandas futuras.
É importante observar, contudo, que há muito por trás do comportamento das demandas, devendo-se prestar atenção
às condições e à natureza a partir das quais elas surgem, pois alguns desses condicionantes podem ter frequência
regular e previsível.

20.1.2. Manter a consistência dos processos


Implementar uma forma padronizada para atender às solicitações de demandas influencia em seu modo de
gerenciamento. Quando há essa preocupação, a empresa adapta seus processos internos a fim de criar um fluxo de
demandas mais eficiente, a comunicação entre os departamentos envolvidos afeta diretamente o andamento dos
processos internos e os indicadores finais criam um histórico consistente — que, depois, informa futuras previsões e
correções de fluxo com mais precisão. Tudo isso evita análises com base em exceções inconsistentes, o que assegura
um padrão de qualidade insubstituível.

20.1.3. Revisar procedimentos regularmente


Um dos elementos principais para o sucesso da gestão de demandas está em revisar os procedimentos com
frequência, no mínimo uma vez por ano. Ao se fazer isso, é essencial ter claramente em mente o desejo de aumentar a
precisão do inventário e das previsões, elevar o rendimento dos serviços e aumentar a eficiência dos processos. No fim
das contas, estar disposto a fazer os ajustes necessários, mesmo que drásticos ou arriscados, é o que pode dar
vantagem a seu negócio, já que a capacidade de mudar e se adaptar de acordo com os desafios dos clientes é o que
torna sua empresa mais preparada para lidar com erros e mais apta a conquistar novos objetivos.
Como por trás da demanda há sempre um cliente ansioso por ser ouvido e atendido, para agilizar o procedimento, mais
e mais empresas buscam por ferramentas que facilitam a gestão de requerimentos nas empresas, afinal, a gestão
antecede a produção e é onde qualquer desperdício de tempo tem o potencial de afetar muito mais partes do processo.

56 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

20.2. Caso da Fabricação de um Pen Drive

O Caso do Pen Drive é um case prático que simula a implantação de um Sistema completo e o para treinar usuários de
soluções de ERP.
Premissas:
 Produto Pen Drive
 A montagem do Pen Drive é composta de duas operações:
o Junta os componentes dentro do Involucro.
o Mão de Obra Montagem

Estrutura do produto Pen Drive com as respectivas quantidades dos componentes;

Pen Drive

Circuito Impresso Involucro Mão de Obra


MMCircuito
Impresso

Chip de Memória Flash Conector USB LED


Alguns arquivos já possuem dados cadastrados, mas uma análise de seus conteúdos se faz necessária para melhor
compreensão do exercício. Portanto este deverá ser o primeiro passo do exercício. A representação em forma de
fluxograma proporciona uma melhor visualização da sequência do exercício, como segue:

Versão 1.0 57
Formação
Gestão Empresarial

Caso Pen Drive: Sequência de Execução

58 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Como iniciar o sistema


a. Dê um duplo clique no Link Remote para iniciar o Sistema

b. Digite no Campo Usuário: Admin


Senha: <Branco>

Versão 1.0 59
Formação
Gestão Empresarial

c. Confirme pressionando o botão “Entrar” e será apresentada uma tela solicitando a confirmação
de informações ainda a respeito do ambiente:

d. Pressione o botão “Entrar” para acionar efetivamente o Sistema

Definição do Exercício Contábil:

a. Acesse o Modulo Contabilidade Gerencial:

Wizard de Calendário Contábil.

Este assistente é um facilitador para a inclusão de dados do Calendário Contábil, Moeda e Moeda x Calendário.

O calendário contábil define o exercício social no qual a empresa está efetuando toda a sua movimentação contábil.
É permitido o cadastramento de até 999 calendários, os quais podem ser vinculados a uma ou, até mesmo, a várias
moedas.
Um calendário poderá ter até 99 períodos contábeis que poderão ser configurados livremente.
Todo e qualquer lançamento contábil é validado a partir das informações presentes nesse calendário. Portanto, os
mesmos devem ser cadastrados com muito critério.

Principais campos

 Dt Início: data inicial do período para o calendário em questão. Não poderão existir intervalos não
cadastrados entre as datas contábeis.
 Dt Final: Data Final do período para o calendário em questão. Não poderão existir intervalos não
cadastrados entre as datas contábeis.
 Status: Indicativo do status do período. Poderá ser:
 “1” Aberto: indica que este período poderá receber lançamentos normalmente.

60 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

 “2” Fechado: indica que o período já foi encerrado e nenhum lançamento poderá ser efetuado. A
visualização de informações (relatórios e consultas) está disponível.
 “3” Transportado: indica que o período foi encerrado e transportado para uma base "Backup". Nenhum
lançamento poderá ser efetuado. A visualização de informações (relatórios e consultas) não estará mais
disponível, pois as informações foram transportadas.
 “4” Bloqueado: indica que esse período está temporariamente suspenso para lançamentos contábeis. A
visualização de informações (relatórios e consultas) está disponível.

No módula Contabilidade Gerencial (SIGACTB) acesse Atualizações / Cadastros / Calendário


Contábil (CTBA010). O sistema apresentara a janela de inclusão de calendários.

Pressione a tecla <F12>. O Sistema exibe a tela de parâmetros, no campo Tipo de Interface selecione Assistente e
confirme.

Clique em Incluir. É apresentada a tela com o objetivo da rotina, clique em Avançar.

Versão 1.0 61
Formação
Gestão Empresarial

Informe a data inicial e final para o calendário contábil e clique em Avançar.

62 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Selecione o tipo de período e clique em Avançar.

Confira os períodos apresentados e clique em Avançar.

Versão 1.0 63
Formação
Gestão Empresarial

Confira Calendário e Exercício contábil e clique em Avançar.


Obs. Se for necessário a inclusão de uma nova moeda usar a opção “Incluir Moedas”
Neste momento já faça a amarração do calendário com a(s) moedas.

64 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Selecione Finalizar e seremos direcionados para a amarração moeda x Calendário

Clique em Avançar.

Versão 1.0 65
Formação
Gestão Empresarial

Marque as moedas que serão amarradas ao calendário

Clique em avançar e confirme a amarração.

Clique “Sim”.

66 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Atenção. Maiores Detalhes Sobre esta Rotina serão abordados no Formação de


Controladoria.

Definição dos cadastros básicos:

Objetivo: O objetivo deste exercício é efetuar a análise do Plano de Contas e dos Lançamentos Automáticos
através das consultas genéricas, as quais possibilitam a visualização ou a impressão dos arquivos disponíveis no
Sistema. A consulta poderá ser realizada através de pesquisa em um arquivo específico no qual podem ser aplicados
filtros para selecionar os registros desejados. O Sistema incorpora também um dicionário de dados que possibilita a
seleção dos campos a serem exibidos na tela.

Acesse o Modulo Contabilidade Gerencial.

Selecione atualizações > Entidades > Plano de Contas.

Versão 1.0 67
Formação
Gestão Empresarial

Selecione em Pesquisa a Conta “11101001” e Clique em Visualizar.

Posicione o Botão “Cancelar” para encerrar a consulta.

Repita todos os passos, pesquisando o arquivo CT5 (Lançamentos Padronizados);

68 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Dicas
 O arquivo de Lançamentos Padronizados mantém a definição de como serão feitos os
lançamentos automáticos;

 A relação entre os dados de entrada e o lançamento é o código de lançamento;

 O Débito, Crédito, Histórico e Valores são parametrizados com expressões escritas pelo
usuário;

 As rotinas que mantêm integração com o módulo contábil e fazem uso de Lançamentos
Padronizados, quando da entrada de dados, podem gerar vários lançamentos, um para
cada número de sequência;

 Muitos dos os Lançamentos Padronizados constantes no arquivo serão utilizados neste


exercício para a contabilização automática;

Selecione em Pesquisa o LP “563” e Clique em Visualizar.

Finalize a visualização pressionando o botão Cancelar;


Repita o Passo Acima Acesse o modulo de Compras e Selecione os cadastros de: Produtos, Tipo de Entradas e
Saídas(TES).
Selecione em Pesquisa o TES “001” e Clique em Visualizar.

Versão 1.0 69
Formação
Gestão Empresarial

Como Subscrever o Capital:

Objetivo: O objetivo principal deste exercício é simular a constituição de uma empresa. Para tanto, a primeira ação será
a subscrição do seu Capital, incluindo o respectivo Lançamento Contábil.

Acesse o Módulo Financeiro


Selecione a opção Atualizações/Movimento Bancário/ Movimentos Bancários da barra de menu;

Obs.: A exibição da tela de Lançamentos Contábeis pode ser inibida através da tecla F12 que apresenta uma série de
parâmetros que podem ser confirmados;

70 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Pressione o botão OK para confirmar os parâmetros que já estão com suas respostas
Adequadamente preenchidas caso tenha pressionado a tecla F12;
Selecione a opção Outras Ações > Receber, também da barra de menu e será apresentada a seguinte tela:

Informe o Data Hoje;


Pressione F3 no campo Numerário e selecione M1;
Valor do Movimento R$ 120.000,00;
Pressione F3 no campo Natureza e selecione uma;
Pressione no F3 no Campo Banco e selecione um;
Digite “Contrato 123456” no Campo Documento;

Versão 1.0 71
Formação
Gestão Empresarial

Informe o nome do suposto acionista no campo Beneficiário;


Confirme os dados e será apresentada a tela do Lançamento Contábil;

A tela referente ao Lançamento Contábil já está preenchida, embora ainda pudesse receber acertos julgados
necessários para a contabilidade. Esta tela apresenta o Lançamento Contábil com Débito na conta Caixa/Bancos e
Crédito na conta de Capital e o Histórico é uma concatenação do texto colocado no lançamento padrão e o
complemento digitado na tela de movimento;
Confirme o Lançamento;
Clique na opção Outras Ações / Legenda e note o que significa o marcador verde;

Cancele a tela “Movimentação Bancária – Receber” e selecione a opção sair da barra de menu para voltar ao menu
principal;

72 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Atenção. Maiores detalhes sobre esta rotina serão abordados no Formação de


Controladoria.

Como Cadastrar Produto.


Objetivo: Após a constituição da empresa, o próximo passo é o cálculo do custo do Pen Drive. Será utilizado o Custo
Standard e a sequência do exercício demonstra como pode ser sugerido um preço de venda para o chaveiro com base
em uma previsão de vendas e incluindo as despesas Fixas de Administração.

Para executar este exercício vamos cadastrar os produtos que compõe a estrutura do Pen Drive, para tal acesse o
Modulo Estoque e Custos conforme tabela abaixo.
Acesse Atualizações / Cadastros / Produtos e selecione “Incluir”

Cadastrais
Codigo Descrição Tipo Unidade Armazém Custo Cta
Stand. Contábil
000000000000001 Pen Drive PA PC 01 Selecione
000000000000002 Involucro MP PC 01 4,50 Selecione
000000000000003 Conector MP PC 01 2,34 Selecione
USB
000000000000004 Chip MP PC 01 10,50 Selecione
Memória
Flash
000000000000005 Led MP PC 01 1,23 Selecione
000000000000006 Circuito PI PC 01 12,67 Selecione
Impresso
MOD + CC Mão de MO HR 01 6,50 Selecione
Obra
Montagem

Versão 1.0 73
Formação
Gestão Empresarial

Impostos
Alíquota IPI Origem
10 0
10 0
10 0
10 0
10 0
10 0

Após o Cadastro dos componentes do Pen Drive, Selecione a opção Atualizações > Engenharia > Estruturas >
Estruturas e clique em “Incluir”

Pressione o botão Incluir situado no rodapé da tela e será apresentada uma tela que possibilita a inclusão de novos
componentes:

Digite 1 no campo Quantidade;

74 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Selecione a opção “OK” da barra de menu para voltar ao menu principal e será apresentada a seguinte caixa de
diálogo:

Atenção: Maiores detalhes sobre esta rotina serão abordados na Formação


Controladoria.

Versão 1.0 75
Formação
Gestão Empresarial

Como Formar o Preço do Pen Drive:


Objetivo: Após a definição do custo Standard e da Estrutura, o próximo passo é o cálculo do custo do chaveiro. O
objetivo do exercício é demonstrar como pode ser sugerido um preço de venda para o chaveiro com base no Custo
Standard e uma Previsão de Vendas incluindo.

Acesse o Modulo Estoque e Custos


Selecione a opção Atualizações > Cadastros > Formação de Preços;

Selecione a linha que contém o código 0000000000011;

Selecione a opção Forma Preços na barra de menu e será apresentada a tela “Planilha STANDARD – Custo
STANDARD”:

Definir o Preço de Venda

Objetivo: Após a definição do custo Standard e da Estrutura, o próximo passo é o cálculo do custo do Pen Drive na
Planilha de Formação de Preço veja qual foi o preço de venda sugerido e atualize no cadastro de produtos o preço e de
venda do Pen Drive.

Acesse o Modulo Faturamento > Atualizações > Cadastros > Produtos

76 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Selecione o Produto Pen Drive e coloque o preço de venda igual a R$ 62,27, conforme preço de venda sugerido na
formação de preços.

Atenção: Maiores detalhes sobre esta rotina serão abordados na Formação


Controladoria.

Como Gerar Pedido de Venda, Ordens de produção e Solicitação de Compras e Cotação.

Objetivo: Após a definição do preço de venda do Pen Dive, o objetivo do exercício é simular o Planejamento da
Produção e as Compras a serem realizadas. Para tal, será utilizado o MRP, que calculará as quantidades a serem
compradas e produzidas. Lembre-se de que os estoques estão zerados. No Cadastro de produtos há um prazo de
entrega para cada item da estrutura que determinará as datas de início das Ordens de Produção e da colocação dos
Pedidos de Compra. O ponto de partida do MRP pode ser uma Previsão de Vendas ou a própria Carteira de Pedidos de
Vendas. No exercício será considerada a carteira de Pedidos.

Gerando Pedido de Venda

Acesse o Módulo Faturamento


Selecione a opção Atualizações > Pedidos > Pedidos de Venda;
Selecione a opção Incluir;

Versão 1.0 77
Formação
Gestão Empresarial

Pressione a tecla F3 ou clique na lupa no campo cliente e selecione. O restante dos dados do cabeçalho do Pedido são
preenchidos com base no cadastro deste cliente.
Pressione a tecla F3 no campo Produto e selecione o “00000000000011”;
Selecione o campo Qtd. e informe 10, Prc. Unitário que já está preenchido tecle Enter para que o sistema atualize o
campo “Valor Total”, selecione o “Tipo de Saída” via F3.
Confirme o pedido pressionando o botão OK;
Feche a tela em branco e clique na opção sair para voltar ao menu principal;

Gerando Ordens de Produção e Solicitações de Compras

Acesse o Módulo PCP


Selecione a opção Atualizações / Movimentações / Produção / Ordens de Produção;
Selecione a opção Vendas e o Sistema apresenta uma tela com um conjunto de parâmetros;

78 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Confirme os parâmetros pressionando o botão OK;

Dicas

 O sistema mostra justamente os pedidos de vendas em aberto.


 A legenda verde, na segunda coluna, indica que para um determinado pedido ainda
não foi gerada uma ordem de produção;
 Uma Marque-Browse é apresentada na primeira coluna da tela indicando que o
usuário pode selecionar com um duplo clique os registros a serem tratados nesse
programa ou selecionar todos através de um clique no cabeçalho. Um segundo duplo
clique tanto no registro como no cabeçalho desfaz a seleção.

Versão 1.0 79
Formação
Gestão Empresarial

Selecione o seu pedido através de um duplo clique e aparecerá um “x” verde na primeira coluna;
Selecione a opção Gerar O.P. e o Sistema gera a Ordem de Produção e os Empenhos.
Clique na opção “Gera O.P.”;

Para certificar-se que o Ordem de Produção Foi Gerada, acesse Atualizações > Movimentações > Produção > Ordens
de Produção.

80 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Obs. Verificar que foram geradas duas Ordens de Produção: uma para Pen Drive e outra para o Circuito Impresso.

Com esse processo, foram geradas solicitações para os produtos, pois, os mesmos não tinham saldo em estoque.
Verifique que, para o Pen Drive / Circuito Impresso não foram geradas, já que são produtos fabricados internamente.
Para certificar-se de que também foram geradas as Solicitações de Compras, selecione a opção Consultas/Genéricos e
abra o arquivo (SC1).

Atenção: Maiores detalhes sobre esta rotina serão abordados na Formação


Controladoria.

Versão 1.0 81
Formação
Gestão Empresarial

Como gerar a Cotação e o Pedido de Compras.


Objetivo: O objetivo deste exercício é simular a geração das Cotações de Compras. Convém salientar que as cotações
são geradas de acordo com a informação contida no arquivo SA5 – Amarração Produto x Fornecedor.

Acesse o Módulo Compras


Acesse > Atualizações > Solicitar Cotar > Gerar Cotação.

82 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Confirme os Parâmetros e clique em “OK”

Selecione os Produtos e clique em “Gerar Cotação”

Versão 1.0 83
Formação
Gestão Empresarial

Como Atualizar as Cotações Manualmente.


Objetivo: O objetivo deste exercício é informar ao sistema os preços das matérias primas e materiais de consumo
necessários para a produção dos Pen Drive.

Acesse > Atualizações > Solicitar Cotar > Atualiza Cotação.

84 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Selecione Outras Ações > Atualizar


e informe os preços para os fornecedor -1 e fornecedor – 2.

Obs. Para o Processo de Cotação temos que ter pelo menos 2 Amarração Produto x Fornecedores

Versão 1.0 85
Formação
Gestão Empresarial

Como Analisar Cotações de Compras.


Objetivo: Mostrar como pode ser realizada a análise das cotações obtidas com o auxílio de ERP.

Acesse > Atualizações > Solicitar Cotar > Analise de Cotação

Clique em Analise de Cotação e confirme e será gerado o pedido de compra.

86 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Como dar Entrada em Materiais através de NF, com integração com a Contabilidade Gerencial.

Objetivo: O objetivo deste exercício é demonstrar como pode ser tratado o Recebimento dos Materiais encomendados.
A digitação da Nota Fiscal de Entrada é uma das mais completas do sistema pois, após sua confirmação, as seguintes
operações são realizadas: atualização dos pedidos de compras, da carteira de títulos a pagar, dos estoques em
quantidade e valor, dos fornecedores, dos livros fiscais, do arquivo produto x fornecedor e ainda são gerados os
lançamentos automáticos na contabilidade. Além disso é feita a conferência da própria nota e preparação dos dados
para a emissão do Boletim de Entrada.

Versão 1.0 87
Formação
Gestão Empresarial

Acesse o Módulo de Estoque

1. Selecione a opção Atualizações > Movimentações >/ Fiscais:

2. Clique no botão Incluir e o sistema apresenta a tela “Documento de Entrada”:

3. Tecle F12 , para fazer a integração com a Contabilidade:

4. Após Configurar os Parâmetros acima clique em “OK”:

5. Selecione a Opção “Incluir”:

88 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Mantenha os campos Tipo da Nota e Form. Prop. Inalterados, digite 000000001 no campo
Número da Nota, UNI no campo Série e mantenha a data do recebimento;

Pressione F3 no campo do Fornecedor, selecione o 000001 FORNECEDORES


PADRÃO com código de loja 01;
No campo Espécie de Documento, pressione F3 e selecione “SPED”;

Posicione o mouse no campo Produto e acesse Outras Ações pressione o botão Pedido para que o sistema abra uma
janela com todos os pedidos do respectivo fornecedor;

1Selecione o pedido com um duplo clique e confirme a tela que contém os itens. Eles serão transferidos para a janela
de itens da nota fiscal;

Versão 1.0 89
Formação
Gestão Empresarial

Dicas

 O sistema permite um ajuste caso a nota contenha valores diferentes;

 Estas diferenças são impressas no Relatório/Boletim de Entrada.

90 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Navegue nas seguintes pastas no rodapé do documento de entrada:


Totais, Inf.Fornecedor, Livros Fiscais, Impostos e Duplicatas.

Selecione “Salvar” para confirma em entrada da Nota Fiscal.

Neste momento são gerados os lançamentos de integração com a Contabilidade Gerencial.

Clique em “Salvar”, para concluir inclusão dos lançamentos na Contabilidade Gerencial.

Selecione a opção “Cancelar”, para fechar a tela de Inclusão de Documentos.

Atenção

Maiores detalhes sobre está rotina será abordado no Formação de Materiais.

Verificando a Integração com o Modulo Financeiro;

Objetivo: O objetivo deste exercício é demonstrar a integração com o modulo Financeiro Contas a Pagar.

Acesse o Modulo Financeiro

Selecione a opção Atualizações > Contas a Pagar >/ Contas a Pagar.

Selecione o Titulo gerado no sistema e clique em “Visualizar”.

Versão 1.0 91
Formação
Gestão Empresarial

Atenção

Maiores detalhes sobre está rotina será abordado no Formação de Controladoria.

20.3. Como Informar ao Sistema a Conclusão da Produção do Pen Drive

Objetivo: O objetivo deste exercício é demonstrar como podem ser baixadas as ordens de produção considerando que
os produtos foram manufaturados na linha de produção.

Acesse o Modulo PCP

A partir do menu, selecione a opção Atualizações/Movimentações /Produção/produção Simples. Por se tratar do mesmo
arquivo onde são armazenadas as requisições, estas já são apresentadas no browse de entrada;
Selecione a opção Incluir e será apresentada a tela “Produções – Incluir”;

92 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Selecione o tipo “001” através da tecla F3 no campo TP. Movimento e no campo produto digite “PEN DRIVE”;

Em Ordem de Produção, também via F4, selecione a OP do Pen Drive restante dos campos serão preenchidos
bem como serão geradas, a partir do arquivo de empenhos, as requisições necessárias para esta produção;

Clique em “OK”.

Versão 1.0 93
Formação
Gestão Empresarial

Selecione “Salvar”

Dicas

 O preenchimento desta tela pode ser substituído pela leitura do código de barras impresso na OP,
através de coletores eletrônicos instalados nos equipamentos de produção;

Atenção

Maiores detalhes sobre está rotina será abordado no Formação de Materiais.

Iniciando o Processo de Faturamento.

Objetivo: O objetivo do exercício é demonstrar como pode ser realizado um dos processos mais relevantes do
ponto de vista comercial: o Faturamento. O processo de Faturamento envolve uma série de etapas que são
detalhadas neste exercício tais como a liberação da nota, a verificação de disponibilidade dos produtos no estoque
e a verificação da situação de crédito do cliente.

Acesse o Módulo Faturamento.

94 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Selecione a opção Atualizações > Faturamento > Pedido > Liberação Pedidos de Venda:
Selecione o Pedido e em seguida vá em Outras Ações >/ Liberar, Será apresentada a tela de “Liberação de Pedidos
de Venda”:

Confirme a Liberação de Pedidos de Venda e o sistema apresenta a seguinte tela

Versão 1.0 95
Formação
Gestão Empresarial

Dicas

 Os pedidos são liberados respeitando a quantidade existente no estoque e analisandoo crédito


(como houveram perdas, a quantidade liberada é menor que a encomendada).

Selecione a opção Atualizações/Faturamento/Documento de Saída:

Confirme a tela de Parâmetros:

Marque o pedido, com um duplo clique;

96 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Selecione “Prep.Docs.;

Selecione Mostra Lançamentos Contábil = Sim e Lançamentos Contábil On-Line=Sim e Confirme a tela de Parâmetros;

Selecione a Serie e Numero da Nota Fiscal em seguida clique em “OK”;

Confirme a Geração;

Versão 1.0 97
Formação
Gestão Empresarial

A tela de Contabilização será exibida e em seguida confirme a Integração com a Contabilidade gerencial selecionando
“Salvar”;

Atenção

Maiores detalhes sobre está rotina será abordado no Formação de Materiais.

98 Versão 1.0
Formação
Gestão Empresarial

Versão 1.0 99
Formação
Gestão Empresarial

Verificando a Integração com o Modulo Financeiro;

Objetivo: O objetivo deste exercício é demonstrar a integração com o modulo


Financeiro Contas a Receber

Acesse o Modulo Financeiro

Selecione a opção Atualizações > Contas a Receber > Receber.

Atenção

Maiores detalhes sobre está rotina será abordado no Formação de Controladoria.

Controle Financeiro (Contas a Receber, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa)

Objetivo: O objetivo deste exercício é simular o controle de todas as contas a


pagar e a receber bem como o acompanhamento do fluxo de caixa.

Acesse Modulo Financeiro > Consulta > Movimento Bancários

Inicialmente efetue a consulta do fluxo de caixa através da opção Consultas/Fluxo


de Caixa do menu;

Selecione a opção saldos bancários com um duplo clique e será exibida uma tela com as disponibilidades em bancos;

100 Versão 1.0


Formação
Gestão Empresarial

Dicas

 No caso, as disponibilidades em Caixas e Bancos deve corresponder ao valor do capital.

Selecione o Banco do Brasil com um duplo clique e confirme pressionando o botão OK;

Marque a opção Processa Analítico;

Pressione mais uma vez o botão OK e o sistema apresenta o Fluxo de Caixa.

Dicas

 A coluna a Pagar representa os títulos referentes às compras e a coluna a Receber os respectivos


valores das notas fiscais de Vendas;
 No topo da tela existe um ícone “Simulação” que ao ser clicado proporciona a possibilidade de se
efeturar inclusões, alterações, exclusões, etc.

Versão 1.0 101


Formação
Gestão Empresarial

Atenção

Maiores detalhes sobre está rotina será abordado no Formação de Controladoria.

Recebendo os Títulos provenientes das Vendas.

Selecione a opção Atualizações/Contas a Receber /Baixas a Receber da barra de menu e o sistema apresenta uma
relação de títulos a receber através da tela:
Posicione o título a ser baixado, que aliás deve ser o único;

Selecione a opção Baixar e o sistema apresenta a tela de “Baixas a Receber”:

102 Versão 1.0


Formação
Gestão Empresarial

Pressione F3 no campo Banco e selecione o banco 001 – Banco do Brasil;

Conceda um desconto digitando um valor no de R$50,00. Note que o campo Valor Recebido é ajustado automaticamente;

Versão 1.0 103


Formação
Gestão Empresarial

Confirme a baixa e será exibida a tela de Lançamentos Contábeis:

104 Versão 1.0


Formação
Gestão Empresarial

Atenção

Maiores detalhes sobre está rotina será abordado no Formação de Controladoria.

Pagando os Títulos provenientes de Compras.

Selecione a opção Atualizações/Contas a Pagar /Baixas a Pagar da barra de menu e o sistema apresenta uma relação
de títulos a pagar através da tela:

Posicione o título a ser baixado, que também deve ser o único;

Selecione a opção baixar e o Sistema apresenta a tela “Baixas a Pagar”:

Pressione F3 no campo Banco e selecione o banco 001 – Banco do Brasil;

Informe um número de cheque qualquer;

Versão 1.0 105


Formação
Gestão Empresarial

Confirme a baixa e será exibida a tela de Lançamentos Contábeis

106 Versão 1.0


Formação
Gestão Empresarial

Atenção

Maiores detalhes sobre está rotina será abordado no Formação de Controladoria.

Observação

Toda parte de Apurações de Imposto será vista no Formação Controladoria.

Emitindo o Balancete e o Razão.

Objetivo: O objetivo deste exercício é possibilitar a análise dos resultados obtidos através da emissão do balancete e do
Razão Contábil

Acesso o Módulo Contabilidade Gerencial

Selecione a Opção Relatórios > Balancete > Modelo 1


Preencha tela de Parâmetro conforme orientação do Instrutor(a);

Selecione a Opção Relatórios / Razão

Preencha a tela de Parâmetro conforme orientação do Instrutor(a);

Versão 1.0 107


Formação
Gestão Empresarial

Dicas

 A consulta tem a vantagem de além de mostrar os saldos, discriminar todos os lançamentos por
conta.

108 Versão 1.0