Sie sind auf Seite 1von 3

DIREITO DO CONSUMIDOR Lupa Calc.

CCJ0023_A2_201505444667_V1
Vídeo PPT MP3

Aluno: ANTONIO MARCOS MEDEIROS DA SILVA Matrícula: 201505444667

Disciplina: CCJ0023 - DIR.CONSUMIDOR Período Acad.: 2018.2 (G) / EX

1. Com relação aos princípios do CDC, é incorreto afirmar:

os princípios da segurança e informação são os fundamentos do sistema de


responsabilidade civil nas relações de consumo;

o princípio da equidade não está previsto no CDC.

a principal consequência do princípio da transparência é o dever de informar;

vulnerabilidade é qualidade intrínseca , ingênita, peculiar e indissolúvel de todo


consumidor

2. Verossimilhança e hipossuficiência são pressupostos para a inversão do ônus da prova:

só para a inversão ope legis;

tanto para a inversão ope judicis como para a ope legis;

só para a inversão ope judicis;

são pressupostos sempre cumulativos;

são sempre alternativos.

3. No âmbito do Código de Defesa do Consumidor, em relação ao princípio da boa-fé


objetiva, é correto afirmar que

NENHUMA DAS RESPOSTAS ACIMA

sua aplicação se restringe aos contratos de consumo

importa em reconhecimento de um direito a cumprir em favor do titular passivo da


obrigação.
para a caracterização de sua violação imprescindível se faz a análise do caráter
volitivo das partes.

não se aplica à fase pré-contratual.

4. O direito de reflexão previsto no CDC poderá ser exercido:


Até 7 dias do recebimento do produto ou assinatura do contrato, sendo um direito
do consumidor e obrigação do fornecedor independente do local de aquisição do
produto ou serviço.
Até 7 dias do recebimento do produto ou assinatura do contrato, desde que a
relação de consumo seja firmada fora do estabelecimento do lojista.
Até 5 dias do recebimento do produto ou assinatura do contrato, desde que o
negócio seja realizado fora do estabelecimento
Até 30 dias do recebimento do produto ou assinatura do contrato, desde que a
compra ou serviço sejam realizados no estabelecimento.

5. (Defensor Público - DPE/MS - VUNESP - 2014). É princípio norteador da política nacional


das relações de consumo:

Incentivo à criação pelas defensorias públicas de meios eficientes de controle de


qualidade e segurança de produtos e serviços.

Racionalização e melhoria dos serviços privados de consumo.

Reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor no mercado de consumo, desde


que hipossuficiente financeiro.
Ação governamental no sentido de proteger efetivamente o consumidor pela
presença do Estado no mercado de consumo.

6. Veja a assertiva e, em seguida, marque a alternativa de acordo com o


direcionamento abaixo descrito.
Em relação à vulnerabilidade é INCORRETO afirmar:

As normas do CDC estão sistematizadas a partir da ideia básica de proteção do


consumidor, por ser ele vulnerável.
Vulnerabilidade é qualidade intrínseca, imanente e universal de todos que se
encontram na posição de consumidor.
Todos os consumidores são vulneráveis por presunção absoluta, mas nem todos são
hipossuficientes.
Hipossuficiência é um agravamento da situação de vulnerabilidade ligada a aspectos
processuais.
Vulnerabilidade e hipossuficiência são a mesma coisa porque ambas indicam a
fragilidade e a situação de desigualdade do consumidor.

7. Em relação aos princípios previstos no Código de Defesa do Consumidor, assinale a


alternativa correta.

O princípio da transparência impõe um dever comissivo e um omissivo, ou seja, não


pode o fornecedor deixar de apresentar o produto tal como ele se encontra nem
pode dizer mais do que ele faz; não pode, portanto, mais existir o dolus bonus.
O CDC é uma norma tipificadora de condutas, prevendo expressamente o
comportamento dos consumidores e dos fornecedores.

A boa-fé prevista no CDC é a boa-fé subjetiva.


O princípio da vulnerabilidade, que presume ser o consumidor o elo mais fraco da
relação de consumo, diz respeito apenas à vulnerabilidade técnica.

8. Sobre a boa-fé objetiva é incorreto afirmar:

é fonte de deveres anexos para as partes contratantes;

limita o exercício dos direitos subjetivos para coibir condutas abusivas

indica a ausência de malícia do agente ou a suposição de estar agindo corretamente

é critério hermenêutico ou paradigma interpretativo;