Sie sind auf Seite 1von 28

SIAFI Operacional – Glossário.

-A-
Acao: São de três naturezas diferentes as ações de governo que podem ser classificadas como
categorias de programação orçamentária: Atividade, Projeto e Operação Especial.

Administração Pública Federal Direta: Representa o conjunto de Órgãos que respondem


pelos serviços integrados na estrutura administrativa da Presidência da República e dos
Ministérios ( art.4., inciso I, do Decreto-lei n. 200, de 25 de fevereiro de 1967).

Administração Pública Federal Indireta: Compreende as seguintes categorias de


entidades, dotadas de personalidade jurídica própria:
a) Autarquias;
b) Empresas Públicas;
c) Sociedade de Economia Mista;
d) Fundações Públicas (art. 4., inciso II do Decreto-lei n. 200, de 25 de fevereiro de
1967).

Apropriação Física: Consiste no processo de registrar no SIAFI os empenhos que foram


liquidados (por OB ou NL), pelos Órgãos que utilizam o PROGORCAM, informando a quantidade
de itens que foram realizados fisicamente.

Ativo: Representa o 1º nível ( Classe ) da estrutura de uma conta contábil. Essa conta tem a
função de registrar o somatório dos valores dos bens e direitos, agrupados em ativo circulante,
realizável a longo prazo, ativo permanente e ativo compensado.

Atividade: É um instrumento de programação para alcançar o objetivo de um Programa,


envolvendo um conjunto de operações que se realizam de modo contínuo e permanente, das
quais resulta um produto necessário a manutenção da Ação de governo.

Atuconfcon: Transação do SIAFI que significa ATUALIZA CONFORMIDADE CONTÁBIL.


Finalidade: permitir o registro da Conformidade Contábil pelas Unidades Setoriais de
Contabilidade, nas UG de sua jurisdição.

Atuconfdia: Transação do SIAFI que significa ATUALIZA CONFORMIDADE DIÁRIA. Finalidade


permitir que a UG efetue o registro da Conformidade Diária, quando existirem documentos
lançados nesta UG/GESTAO/DATA.

Atuconfdoc: Transação do SIAFI que significa ATUALIZA CONFORMIDADE DE DOCUMENTO.


Finalidade permitir que a UG efetue o registro da Conformidade de Documento, quando
existirem documentos lançados nesta UG/GESTAO/DATA.

Atufecmes: Transação do SIAFI significa ATUALIZA CALENDÁRIO DE FECHAMENTO. Finalidade


permitir a inclusão e a alteração do cronograma de fechamento mensal e da data limite da
conformidade contábil da CCONT, da Unidade Setorial de Órgão e da Unidade Setorial de
Contabilidade.

Autarquia: Serviço autônomo, criado por lei, com personalidade jurídica, patrimônio e
receita próprios, para executar atividades típicas da Administração Pública, que
requeiram, para seu melhor funcionamento, gestão administrativa e financeira
descentralizada. (art. 5., inciso I, do Decreto-lei 200, de 25 de fevereiro de 1967).
-B-
Balanço Geral da União (BGU): Conjunto de informações orçamentarias, financeiras e
contábeis de um exercício financeiro, englobando, as contas de todos os Órgãos e Entidades
da Administração Pública Federal acompanhado do Relatório das atividades desenvolvidas no
período. O BGU deve ser encaminhado ao Congresso Nacional, anualmente, com os dados do
exercício anterior, dentro de sessenta dias após a abertura da sessão legislativa (inciso XXIV,
art. 84, da Constituição Federal).

-C-
Cadastrador Geral: É o responsável pela autorização de uso das transações do SIAFI pelos
operadores das UG, cadastramento de seus operadores em níveis de acesso mais
abrangentes e no Extrator de Dados e cadastramento, no Sistema SENHA, dos
cadastradores parciais.

Cadastrador Parcial: É o responsável pelo cadastramento e habilitação, no SIAFI, dos


operadores a ele vinculados.

Canob: Transação do SIAFI que significa SOLICITA CANCELAMENTO OB CONTA ÚNICA.


Finalidade permitir o cancelamento de uma OB, por dois processos:
a) Transação CANOB
- cancela OB antes da remessa da RE ao banco;
- cancela OB de cancelamento, gerados indevidamente pelo processo de conciliação.
b) Rotina de Conciliação
- cancela OB depois da remessa da RE ao banco.

Canrel: Transação do SIAFI significa CANCELA RELAÇÃO OB EXTERNAS (RE). Finalidade


permitir o cancelamento da relação de OB impressa no mesmo dia de sua emissão.

Cansolicit: Transação do SIAFI significa CANCELA SOLICITAÇÃO. Finalidade permitir o


cancelamento da solicitação de extração, via processo batch, dos arquivos solicitados, através
do Extrator de Dados do SIAFI.

Categoria de Gasto: Classificação atribuída ao desembolso quando é feita a emissão da Nota


de Programação Financeira no SIAFI.
CATEGORIA DE GASTO X GRUPO DE DESPESA

A - 1 (PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS)


B - 2 (JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA)
6 (AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA)
C - 3 (OUTRAS DESPESAS CORRENTES)
4 (INVESTIMENTOS)
5 (INVERSÕES FINANCEIRAS)

Categoria Econômica: Classificação das receitas e despesas em operações correntes ou de


capital, objetivando propiciar elementos para uma avaliação do efeito econômico das
transações do setor público.

CCONT/STN – Coordenação Geral de Contabilidade: CCONT compete:

I - estabelecer normas e procedimentos contábeis para o adequado registro dos atos e dos
fatos da gestão orçamentária, financeira e patrimonial dos órgãos e entidades da
Administração Pública Federal;

II - manter e aprimorar o Plano de Contas Único da União, a Tabela de Eventos e o Manual


SIAFI;

III - promover o acompanhamento, a sistematização e a padronização da execução contábil da


União e avaliar a consistência dos dados orçamentários, financeiros e patrimoniais decorrentes
dessa execução;

IV - efetuar, com base em apurações realizadas por instituição competente, os registros


pertinentes de atos e fatos inquinados de ilegais ou irregulares e adotar as providências
necessárias à responsabilização do agente, comunicando o fato à autoridade a quem o
responsável esteja subordinado e ao órgão ou unidade do Sistema de Controle Interno;

V - instituir, manter e aprimorar sistemas de informação que permitam realizar a


contabilização dos atos e fatos da gestão orçamentária, financeira e patrimonial da União e
produzir informações gerenciais necessárias à tomada de decisão e à supervisão ministerial;

VI - elaborar e divulgar balanços, balancetes e outras demonstrações contábeis da gestão


orçamentária, financeira e patrimonial dos órgãos da Administração Direta e das entidades da
Administração Indireta, bem como publicar o resumo da execução orçamentária oficial dos
orçamentos e da seguridade social;

VII - elaborar o Balanço Geral da União;

VIII - definir, orientar e acompanhar os procedimentos relacionados com a integração dos


dados dos balancetes dos Estados, Municípios e Distrito Federal e dos órgãos e entidades não
integrantes do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal - SIAFI;

IX - consolidar os balanços da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, com
vistas à elaboração do Balanço do Setor Público Nacional;

X - instruir processos de tomadas de contas dos ordenadores de despesa e demais


responsáveis por bens e valores públicos e de todo aquele que der causa a perda, extravio ou
outra irregularidade que resulte dano ao Erário;

XI - gerenciar o atendimento ao usuário do Sistema Integrado de Administração Financeira do


Governo Federal - SIAFI, nos aspectos pertinentes à aplicação de normas e à utilização de
técnicas contábeis;

XII - planejar e coordenar treinamentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do


Governo Federal - SIAFI, em articulação com as áreas financeira, de informática e de
planejamento técnico;

XIII - coordenar as ações de integração na modalidade de uso total de órgãos e entidades no


SIAFI;

XIV - articular-se com os órgãos setoriais do Sistema de Contabilidade Federal em assuntos de


caráter orçamentário, financeiro e contábil; e

XV - prestar cooperação técnica aos órgãos e entidades do Governo Federal para melhoria da
qualidade do processo organizacional de gestão contábil.

Célula Orçamentária ou Célula da Despesa: Forma representativa da estrutura


orçamentária (EO + PTRES + FR + ND + UGR + PI), ou seja, indica a estrutura combinada
dos códigos de Esfera Orçamentária (EO), Programa de Trabalho Resumido (PTRES),
Fonte de Recursos (FR), Natureza da Despesa (ND), Unidade Gestora Responsável (UGR) e
Plano Interno (PI), no formato: X+XXXXXX+XXXXXXXXXX+XXXXXX+XXXXXX+XXXXXXXXXXX,
onde:
X : 1 dígito numérico que identifica a Esfera Orçamentária
XXXXXX : 6 dígitos numéricos que identificam o Programa de Trabalho Resumido;
XXXXXXXXXX : 10 dígitos que individualizam a Fonte de Recursos
XXXXXX : 6 dígitos numéricos que identificam a Natureza da Despesa (resumida);
XXXXXX : 6 dígitos numéricos que identificam a Unidade Gestora Responsável
XXXXXXXXXXX: até 11 dígitos alfanuméricos que identificam o Plano Interno (se o Órgão
utiliza-lo).

COFIN/STN – Coordenação Geral de Programação Financeira: COFIN compete:

I - elaborar propostas de programação financeira mensal e anual do Tesouro Nacional, a serem


submetidas à aprovação do Ministro de Estado da Fazenda

II - gerenciar a Conta Única do Tesouro Nacional e praticar os atos necessários à sua


manutenção junto ao Banco Central do Brasil - BACEN e à sua movimentação perante os
agentes financeiros autorizados

III - acompanhar a movimentação de recursos na sub-conta do Instituto Nacional de


Seguridade Social - INSS no Banco Central do Brasil

IV - acompanhar e avaliar os efeitos da legislação tributária e das medidas que se pretendam


adotar no contexto do setor público sobre o fluxo de caixa do Tesouro Nacional

V - manifestar-se sobre a compatibilização entre a política monetária e fiscal e avaliar seus


reflexos sobre o resultado financeiro do Tesouro Nacional

VI - definir, em articulação com a área competente, o montante mensal da colocação líquida de


títulos da dívida pública, dentro dos limites legais e regulamentares, para financiamento do
Orçamento Geral da União

VII - executar a programação financeira aprovada

VIII - editar normas sobre a programação financeira e a execução orçamentária e financeira

IX - praticar todos os atos referentes à liberação de recursos financeiros aos órgãos setoriais do
sistema de administração financeira e aos beneficiários das transferências constitucionais e
legais, assim como os referentes às restituições de receitas federais recolhidas a maior ou
indevidamente e às aplicações financeiras na Conta Única do Tesouro Nacional

X - estimar, acompanhar e analisar a execução das transferências constitucionais e legais,


consignadas no Orçamento Geral da União

XI - autorizar e controlar a abertura de contas correntes bancárias dos órgãos e entidades da


Administração Pública Federal no País e no exterior

XII - articular-se com os órgãos setoriais do Sistema de Administração Financeira Federal e


com os órgãos responsáveis pelo orçamento federal e pela arrecadação das receitas federais.

Comunica: O COMUNICA representa um Módulo do subsistema ADMINISTRA –


ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA do SIAFI, cuja finalidade é permitir a comunicação ou troca de
informações entre as Unidades Gestoras que utilizam o SIAFI.

Conarq: Transação do SIAFI que significa CONSULTA ARQUIVO. Finalidade consultar os


arquivos do banco de dados do SIAFI e, através de critérios específicos de seleção, extrair as
informações pertinentes a cada tipo de arquivo.

Conconfcon: Transação do SIAFI que significa CONSULTA CONFORMIDADE CONTÁBIL.


Finalidade é permitir a consulta da Conformidade Contábil de Unidade Gestora, de Órgão e
Geral.
Conconfdia: Transação do SIAFI significa CONSULTA CONFORMIDADE DIÁRIA. Finalidade
permitir a consulta da Conformidade Diária de um Órgão ou de uma Unidade Gestora.

Conconta: Transação do SIAFI significa CONSULTA PLANO DE CONTAS. Finalidade permitir a


consulta da relação das contas contábeis existentes no Sistema, a partir dos parâmetros
informados.

Confecmes: Transação do SIAFI significa CONSULTA CALENDÁRIO DE FECHAMENTO.


Finalidade permitir consultar os cronogramas de fechamento mensal dos diversos níveis da
hierarquia existente no Sistema e as datas limites da conformidade contábil.

Confonte: Transação do SIAFI significa CONSULTA FONTE POR CODIGO. Finalidade permitir a
consulta da relação de Fontes de Recursos cadastradas.

Conformidade: É um dos instrumentos de segurança do SIAFI. Permite às UG’S garantir a


fidedignidade das operações por elas realizadas (Diária, Contábil e de Operadores).

Conformidade Contábil: Consiste na responsabilidade pelos registros contábeis efetuados e


demonstrações deles decorrentes. Esta conformidade deverá ser registrada por profissional
habilitado a vista de exames realizados em demonstrativos contábeis, extraídos do SIAFI e da
comprovação de Conformidade de Suporte Documental. A Conformidade Contábil poderá
também ser automática, sendo registrada pelo SIAFI após comprovada a existência de
Conformidade de Suporte Documental e a verificação da existência de inconsistências
apresentadas na transação CONCONTIR.

Conformidade de Operadores: Consiste numa rotina periódica para automatizar a


confirmação ou desativação de usuários pela própria UG, através de seu Operador
Representante ou Substituto. A Conformidade de Operadores integra o processo de
gerenciamento de acesso e segurança do SIAFI.

Conformidade Diária: Consiste na conferência diária, feita pela própria UG, verificando a
correspondência entre a documentação comprobatória das operações e os respectivos
lançamentos contábeis, registrados no SIAFI, devendo ser feita no dia útil seguinte ao da
emissão.

Conformidade Documental: Consiste na responsabilidade do servidor, designado pela UG,


quanto a certificação da existência de documento hábil que comprove a operação e retrate a
transação efetuada.

Conmsg: Transação do SIAFI significa CONSULTA MENSAGEM. Finalidade permitir a consulta


de mensagens emitidas nos últimos 90 dias pela UG.

Connatsof: Transação do SIAFI significa CONSULTA NATUREZA SOF. Finalidade permitir a


consulta da relação de Naturezas de Despesa/SOF cadastradas.

Conne: Transação do SIAFI que significa CONSULTA NOTA DE EMPENHO. Finalidade permitir a
consulta de uma nota de empenho específica ou uma lista de empenhos originais de acordo
com as combinações de pesquisa disponíveis.

Conob: Transação do SIAFI significa CONSULTA ORDEM BANCÁRIA. Finalidade permitir a


consulta das OB emitidas por uma determinada UG/GESTAO, conforme os parâmetros
informados.

Conpi: Transação do SIAFI significa CONSULTA PLANO INTERNO. Finalidade permitir a


consulta da relação de Planos Internos cadastrados, bem como a alteração de seus dados,
associados ao desdobramento de Célula Orçamentária.

Conpt: Transação do SIAFI significa CONSULTA PROGRAMA DE TRABALHO. Finalidade permitir


a consulta da relação de Programa de Trabalho cadastrados.
Conptres: Transação do SIAFI significa CONSULTA PTRES (PROGRAMA DE TRABALHO
RESUMIDO). Finalidade permitir a consulta da relação de Programas de Trabalho Resumidos
cadastrados, com suas respectivas UO/PT.

Conrecmens: Transação do SIAFI que significa CONSULTA MENSAGENS RECEBIDAS.


Finalidade permitir a consulta das mensagens recebidas pela UG.

Conrestcon: Transação do SIAFI significa CONSULTA RESTRIÇÃO CONFORMIDADE.


Finalidade permitir a consulta da relação de códigos de Restrição de Conformidade
cadastrados.

Conrestdia: Transação do SIAFI significa CONSULTA RESTRIÇÃO DIARIA. Finalidade permitir


a consulta da relação de códigos de Restrição Diária cadastrados.

Consolicit: Transação do SIAFI significa CONSULTA SOLICITACAO. Finalidade permitir a


consulta as solicitações para gerar arquivos, através do Extrator de Dados do SIAFI.

Convincpag: Transação do SIAFI significa CONSULTA VINCULAÇÃO DE PAGAMENTO.


Finalidade permitir a consulta da Tabela de Códigos de Vinculação de Pagamentos.
Conselho Regional de Contabilidade (CRC): Representam nos Estados e Distrito Federal o
Conselho Federal de Contabilidade (CFC), com função de orientar, normatizar e fiscalizar o
exercício da profissão contábil. Os CRC constitui-se pessoa jurídica de direito privado que, por
delegação, presta serviço público.

Conta ou Conta Contábil: Título representativo da formação, composição, variação e


situação de um patrimônio, bem como de bens, direitos, obrigações e situações nele não
compreendidas, mas que, direta ou indiretamente, possam vir a afeta-lo, exigindo por isso
controle contábil específico.

Conta Corrente Bancária: Contas mantidas pelas UG junto as agências bancárias,


destinadas a movimentação de seus recursos financeiros quando houver necessidade de
realização de operações que não possam ser efetuadas através da Conta Única, e
identificadas pelos códigos alfabéticos A, B, C, D, e K.

Conta Corrente Contábil: Representa o menor nível de desdobramento da estrutura de


uma conta contábil, permitindo o controle individualizado de saldos para os quais seja
necessário maior detalhamento, principalmente para identificar fornecedores, empenhos,
transferências e célula orçamentária. As contas contábeis que exigem conta corrente estão
identificadas com o sinal (=) antes do seu título e as retificadoras identificadas com (*).

Contas a Pagar e Receber (CPR): É um subsistema do SIAFI desenvolvido de forma a


otimizar o processo de programação financeira dos Órgãos/Entidades ligadas ao sistema,
proporcionando informações em nível analítico e gerencial do fluxo de caixa. O CPR permite o
cadastramento de contratos, notas fiscais, recibos e outros documentos hábeis, cuja
contabilização é efetuada por eventos de sistema. Estes documentos geram compromissos de
pagamento e de recebimento que montarão o fluxo financeiro. Outros documentos do SIAFI,
como a NE e a PF, também geram compromissos para as UG dos Órgãos que utilizam o CPR.

Conta Única: Conta mantida junto ao BANCO CENTRAL operacionalizada pelo Banco do Brasil,
destinada a acolher, em conformidade com o disposto no art. 164 da Constituição Federal, as
disponibilidades financeiras da União, a disposição das UG "on-line".

Conug: Transação do SIAFI que significa CONSULTA UG, cuja finalidade é permitir a consulta
da relação de Unidades Gestoras (UG) do SIAFI, bem como os seus dados, por código ou por
nome.

COSIS/STN – Coordenação Geral de Sistemas de Informática: COSIS, seguindo políticas,


diretrizes, normas e orientações dos órgãos central e setorial dos sistemas federais de
administração dos recursos de informação e informática e no âmbito da Secretaria do Tesouro
Nacional, compete:
I - planejar, coordenar, executar e supervisionar as atividades inerentes a gestão de tecnologia
de informação no âmbito da Secretaria do Tesouro Nacional

II - estabelecer diretrizes, normas e padrões técnicos para prospectar, avaliar, adquirir,


desenvolver, homologar e implantar sistemas de informática, hardware, software e
metodologias, para suporte às atividades da Secretaria

III - supervisionar o desenvolvimento e a manutenção dos sistemas sob a responsabilidade do


Tesouro Nacional, bem como zelar pelo bom desempenho e disponibilidade dos sistemas

IV - definir padrões de segurança física e lógica para acesso aos sistemas sob gestão do
Tesouro Nacional, em especial ao SIAFI

V - gerenciar e manter sob sua responsabilidade o Sistema Integrado de Administração


Financeira do Governo Federal - SIAFI

VI - gerenciar o atendimento ao usuário do Sistema Integrado de Administração Financeira do


Governo Federal - SIAFI, nos aspectos pertinentes à utilização do Sistema, atualização de
tabelas e cadastramento de usuários

VII - planejar e coordenar treinamentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do


Governo Federal - SIAFI, em articulação com as áreas contábil, financeira e de planejamento
técnico

VIII - gerenciar a Rede Local do Tesouro Nacional, promovendo a sua integração com a Rede
Corporativa do Ministério da Fazenda, bem como orientar e supervisionar a interligação de
outras redes de computadores à Rede utilizada pelo SIAFI

IX - administrar os recursos tecnológicos necessários aos sistemas sob a responsabilidade do


Tesouro Nacional, em especial ao SIAFI, e à divulgação de informações institucionais via
INTERNET e INTRANET e

X - elaborar e manter atualizado o plano de tecnologia e sistemas de informação do Tesouro


Nacional.

Cota Financeira: Montante de recursos financeiros que a COFIN coloca a disposição dos
usuários, em cada período, podendo ter ou não valor uniforme.

Crédito Adicional: Destina-se a atender despesas não computadas ou insuficientemente


dotadas na LOA, podendo ser caracterizados como: especial, extraordinário e suplementar.

Crédito Especial:Destinados a atender despesas para as quais não haja dotação orçamentária
específica. (Lei n. 4.320, de 17 de março de 1964, art. 41, inciso II).

Crédito Extraordinário: Destinados ao atendimento de despesas urgentes e imprevisíveis,


em caso de guerra, subversão interna ou calamidade pública. E autorizado e aberto por
medida provisória, podendo ser reaberto no exercício seguinte, nos limites do seu saldo, se o
ato que o autorizou tiver sido promulgado nos últimos quatro meses do exercício.

Crédito Orçamentário ou Inicial: Destinado ao registro dos valores dotados para cada
unidade orçamentária e identificados na LOA, aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada
pelo Presidente da República e detalhados no QDD.

Crédito Suplementar: Destinado ao reforço de dotação orçamentária já existente no


orçamento. A autorização legislativa pode constar na própria lei orçamentária.
-D-
Darf: Transação do SIAFI significa DARF EM PROCESSO DE REGISTRO. Finalidade permitir o
registro da arrecadação de receitas federais efetivadas pelos Órgãos e Entidades, por meio de
transferências de recursos intra-SIAFI entre a UG recolhedora e a Conta Única do Tesouro
Nacional.OBS: Ele deve ser emitido na data do vencimento, ou até dois dias após esta.

Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF): Instrumento de registro da


arrecadação de tributos e demais receitas do Tesouro Nacional, instituído pela SRF/MF.

Decreto de Programação Financeira: Trata principalmente sobre a compatibilização entre a


realização da receita e a execução da despesa, sobre a programação orçamentária e financeira
anual do Poder Executivo.

Descentralização de Crédito Orçamentário: Transferência (externa ou interna) concedida


por uma UO ou UA, para outra Unidade, do poder de utilizar créditos orçamentários ou
adicionais que estejam sob a sua supervisão ou lhe tenham sido dotados ou transferidos.

Descentralização Externa de Créditos: Movimentação de recursos orçamentários entre UG


de Órgão/Ministério ou Entidade integrantes do orçamento fiscal e da seguridade social (art.2.
parágrafo único, do Decreto n. 825, de 28 de maio de 1993).

Descentralização Interna de Créditos: Movimentação de recursos orçamentários entre UG


de um mesmo Órgão/Ministério ou Entidade integrantes dos orçamentos fiscal e da
seguridade social (art. 2., do Decreto n. 825, de 28 de maio de 1993).

Descentralização Financeira: Movimentação de recursos financeiros entre as diversas


unidades orçamentárias e administrativas, compreendendo:

Cota - Crédito colocado à disposição do órgão ou Ministério, em conta, na instituição bancária


credenciada como o agente financeiro do Tesouro.

Repasse - Distribuição pelo órgão ou Ministério dos recursos financeiros correspondentes ao


seu crédito, para utilização pelas unidades orçamentárias.

Sub-Repasse - Redistribuição, pelas unidades orçamentárias, às unidades administrativas ou a


outras unidades orçamentárias incumbidas de fazer os pagamentos necessários à realização de
seus programas de trabalho.

Despesa: Representa o 1º nível ( Classe ) da estrutura de uma conta contábil. Esta conta
contábil tem a função de representar o somatório das despesas correntes e despesas de capital
realizadas.

Despesa Pública: – 1 - Em sua acepção financeira, é a aplicação de recursos pecuniários em


forma de gastos e em forma de mutação patrimonial, com o fim de realizar as finalidades do
estado e, em sua acepção econômica, é o gasto ou não de dinheiro para efetuar serviços
tendentes àquelas finalidades;

2 - Compromisso de gasto dos recursos públicos, autorizados pelo Poder competente, com o
fim de atender a uma necessidade da coletividade prevista no orçamento.

Despesa de Exercícios Anteriores: São despesas de exercícios encerrados, para os quais o


orçamento respectivo consignava crédito próprio, com saldo suficiente para atende-las, mas
que não tenham sido processados na época própria. Representam, ainda, os Restos a Pagar
com prescrição interrompida e os compromissos reconhecidos após o encerramento do
exercício correspondente, que poderão ser pagos a conta de dotação específica consignada no
orçamento, discriminada por elementos, obedecida, sempre que possível, a ordem
cronológica. (art. 37, Lei Na 4.320, de 17 de marco de 1964).

Despesa Não Processada (Não Liquidada): É aquela cujo empenho foi legalmente emitido
e que depende da fase de liquidação, ou seja, do reconhecimento da correspondente despesa.

Despesa Processada (Liquidada): É aquela cujo credor, de posse do empenho


correspondente, forneceu o material, prestou o serviço ou ainda executou a obra, e mediante o
atesto da despesa orçamentária tenha sido reconhecida pela Unidade Gestora beneficiária.

Despesa corrente: Encargo que não produz acréscimo patrimonial, respondendo pela
manutenção das atividades de cada órgão/entidade.

Despesa de capital: Encargo que resulta em acréscimo do patrimônio do órgão/entidade que


a realiza, aumentando sua riqueza patrimonial.

Destaque: É a descentralização de crédito de um Ministério ou Órgão para outro Ministério ou


Órgão, bem como das dotações globais ou dos Encargos Gerais da União consignadas na
Lei de Orçamento ou em créditos adicionais.

Detalhamento de Crédito: Consiste no processo de detalhar os créditos orçamentários em


nível de Fonte de Recursos, UGR e PI através de uma ND (Nota de Dotação). Este processo é
executado no SIAFI através da transação DETAORC.

Detalhamento de Fonte de Recursos: Além dos 04 dígitos que identificam a fonte de


recursos, na execução orçamentária e financeira a fonte passa a ser detalhada com mais 6
(seis) dígitos, totalizando em 10 (dez) quando somados com o código originário. Neste caso o
detalhamento é procedido no sistema da seguinte forma:
1 - detalhamento com número atribuído pelo usuário;
2 - detalhamento com número atribuído pelo cadastro de obrigação;
3 - detalhamento com número atribuído pelo cadastro de transferência

Detaorc: Transação do SIAFI que significa DETALHAMENTO ORÇAMENTÁRIO, cuja finalidade é


permitir o detalhamento dos créditos orçamentários em nível de Fonte de Recursos, UGR e PI
através de uma ND (Nota de Dotação).
Dispensa de Licitação – Situação prevista na lei das licitações (lei 8666 de 21 de junho de
1993 ) para aquisição de bens e/ou serviços, em que a modalidade de licitação não seja uma
das previstas na lei (convite, tomada de preços, concorrência pública, leilão e concurso
público).

Dívida Interna: Representa os compromissos assumidos por entidade pública dentro do país,
portanto, em moeda nacional.

Dívida Externa: Compromissos assumidos por entidade pública gerando a obrigação de


pagamento do principal e acessórios.

Dívida Pública: Compromissos de entidade pública decorrentes de operações de créditos, com


o objetivo de atender às necessidades dos serviços públicos, em virtude de orçamentos
deficitários, caso em que o governo emite promissórias, bônus rotativos, etc., a curto prazo, ou
para a realização de empreendimentos de vulto, em que se justifica a emissão de um
empréstimo a longo prazo, por meio de obrigações e apólices. Os empréstimos que
caracterizam a dívida pública são de curto ou longo prazo. A dívida pública pode ser
proveniente de outras fontes, tais como: depósitos (fianças, cauções, cofre de órgãos, etc.), e
de resíduos passivos (restos a pagar). A dívida pública classifica-se em consolidada ou fundada
(interna ou externa) e flutuante ou não consolidada.

Dotação: Limite de crédito consignado na lei de orçamento anual ou crédito adicional, para
atender determinada despesa.
-E-
Elemento de Despesa: Desdobramento da despesa com pessoal, material, serviços, obras e
outras meios de que se serve a administração pública para a consecução dos seus fins (art.15,
Lei 4.320, de 17 de março de 1964).

Empenho com Garantia de Pagamento Contra Entrega: É o processo pelo qual as


Unidades Gestoras Executoras garantem aos fornecedores de pequenas compras de bens,
materiais e serviços, inscritos no SICAF, o pagamento das despesas até 72 horas após o
recebimento do bem, material ou serviço.

Empresa Pública: Entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado, com


patrimônio próprio e capital que poderá ser exclusivo da União ou desde que a maioria do
capital votante permaneça de propriedade da União, admitindo participação de outras pessoas
jurídicas de direito público interno, bem como de entidades da administração indireta da
União, Estados, Distrito Federal e Municípios. É criada por lei para exploração de atividade
econômica que o governo seja levado a exercer por forca de contingência ou de conveniência
administrativa, podendo revestir-se de qualquer das formas admitidas em direito. (art. 5.,
Inciso II, Decreto-lei 200, de 25 de fevereiro de 1967).

Encargos Sociais: Representa as despesas referentes as obrigações de responsabilidade do


empregador, pertinentes ao pagamento do efetivo serviço exercido de cargo/emprego ou
função no setor público.

Entidade Supervisionada: Unidade da administração descentralizada federal que recebe


recursos do OGU, sujeitando-se, dessa forma ao controle e acompanhamento decorrente da
execução orçamentária, do Governo Federal. Não inclui a entidade que receba recurso
exclusivamente a título de aumento de capital ou de prestação de serviço.

Escrituração Contábil: Ato de lançamento contábil realizado nas contas em nível de


escrituração. As que exigem conta corrente estão identificadas com o sinal (=) antes do seu
título e as retificadoras identificadas com (*).

Esfera Orçamentária: Compreende o nível de elaboração e execução orçamentária da


União representando os três tipos de orçamento federal: Orçamento Fiscal, Orçamento da
Seguridade Social e Orçamento de Investimentos das Empresas Estatais.

Estatais Dependentes: Empresas controladas que recebam do ente controlador recursos


financeiros para pagamento de despesas com o pessoal ou de custeio em geral ou de capital,
excluídos, no último caso, aqueles provenientes de aumento de participação acionária.

Evento: Código estruturado que identifica o fluxo contábil completo de atos ou fatos
administrativos e que substitui, de forma automática, o tradicional procedimento de registro
contábil mediante a indicação das contas devedoras e credoras que constituem um
determinado lançamento.

Exercício financeiro: Período correspondente à execução orçamentária, financeira e


patrimonial da União, que coincide com o ano civil.

Extrator de Dados: O EXTRATOR DE DADOS representa um Módulo do subsistema CI –


CENTRO DE INFORMAÇÃO do SIAFI, cuja finalidade é permitir a consulta aos arquivos da base
de dados do SIAFI.
-F-
Fases de Programação: Trata-se de um componente da Proposta Orçamentária inserida no
SIAFI através do PROGORCAM. O parâmetro denominado Fase de Programação indica a fase da
elaboração da proposta e o tipo de usuário responsável por sua atualização, de acordo com os
seguintes códigos:

00 - Bloqueado para Programação Inicial


01 - Programação Orçamentária a Cargo das UGR
02 - Programação Orçamentária a Cargo dos Coordenadores de Subórgão
03 - Programação Orçamentária a Cargo dos Coordenadores de Subação
04 - Programação Orçamentária a Cargo dos Coordenadores de Ação
05 - Programação Orçamentária a Cargo dos Coordenadores de Subação/Ação
06 - Programação Orçamentária a Cargo dos Coordenadores Orçamentários de Órgãos
07 - Programação Orçamentária a Cargo dos Coordenadores Orçamentários de Órgãos
Superiores
08 - Programação Orçamentária da SOF
09 - Programação Orçamentária do Congresso Nacional
10 - Programação Orçamentária Lei Orçamentária Inicial Valor Programado
11 - Programação Orçamentária Lei Orçamentária Inicial Valor Corrigido

O Órgão escolhe as Fases de Programação que deseja utilizar e define um cronograma de


utilização, e sendo que somente uma fase fica ativa de cada vez. O cadastramento das Tabelas
e das Células de Planejamento descritas no item e realizado na Fase de Programação 00. Para
iniciar a inclusão das propostas, a Unidade Setorial Orçamentária deve alterar o código da
Fase de Programação de 00 para aquele que permita a inclusão. Após o término de utilização
de cada fase a mesma fica arquivada como histórico e como registro das necessidades
levantadas por cada tipo de usuário.

Fonte de Recursos (FR): Indica a origem de recursos orçamentários transferidos para um


determinado Órgão/Entidade, destinados a manutenção das suas atividades permanente
programadas.

A Fonte de Recursos é originalmente composta por quatro dígitos:


O primeiro dígito é o indicador de uso (aplicação) do recurso, expectativa de empréstimos
externos:
0 - no pais
1 - contrapartida BIRD
2 - contrapartida BID
3 - contrapartida outros
4 - no exterior

O segundo dígito é o indicador do grupo de recursos correspondentes a respectiva origem ou


destinação:
1 - recursos do Tesouro Nacional
2 - recursos de outras fontes
3 - transferencia de recursos do Tesouro Nacional
4 - transferencia de recursos de outras fontes

O terceiro e quarto dígitos são os indicadores do estado de vinculação dos recursos:


- zero (00) indica recursos ordinários.
- Os demais indicam os recursos vinculados a uma determinada aplicação,
órgão ou entidade.

Função: Representa o maior nível de agregação, das diversas áreas de despesa que competem
ao setor público, o Governo busca atingir os objetivos nacionais.
Funcional Programática: A Função, Sub-função, Programa, Ação e Localização, compõem a
aclassificação Funcional Programática que tem o propósito de identificar as áreas de atuação
do Estado, mediante a fixação de objetivos e as ações para alcance de tais objetivos.
Na composição dessa estrutura funcional, cada um dos elementos assume a capacidade de
dígitos suficientes para representar sua utilidade no contexto, da seguinte forma:

Função: XX

Sub-função: XXX

Programa: XXXX

Ação: XXXX

Localização: XXXX

Fundação Pública: Entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado, sem fins
lucrativos, criada em virtude de autorização legislativa, para o desenvolvimento de atividades
que não exijam execução por órgãos ou entidades de direito público, com autonomia
administrativa, patrimônio próprio gerido pelos respectivos órgãos de direção, e funcionamento
custeado por recursos da União e de outras fontes (Lei n. 7.596, de 10 de abril de 1987).

Fundo: Conjunto de recursos com a finalidade de desenvolver ou consolidar, através de


financiamento ou negociação, uma atividade pública específica.

Fundos Especiais: Produto de receitas especificadas por lei, que se vinculam a realização de
determinados objetivos ou serviços, facultada a adoção de normas peculiares de aplicação
(art. 71, Lei 4.320, de 17 de marco de 1964).

-G-
Gestão: Parcela do patrimônio de uma UG correspondente a entidade administrada pela
mesma Unidade que, tendo ou não personalidade jurídica própria, deva ter demonstrações,
acompanhamento e controles distintos, caracterizada por Gestão Tesouro, Gestão Fundo e
Gestão 10.000.

Gestão Fundo: Parcela de recursos que se destinam a Órgãos e Entidades Supervisionadas,


para realização de determinados objetivos ou serviços e que na sua transferência foram
registrados como despesa na Gestão Tesouro.

Gestão Principal: Parcela de recursos pertencentes ao OGU, onde predominam as dotações


orçamentárias do órgão. No caso dos órgãos da administração direta, a gestão principal e a
gestão tesouro.

Gestão Tesouro: Parcela de recursos previstos no OGU para os Órgãos da Administração


Direta, sendo a principal Gestão desses Órgãos.

Gestão 10.000: Parcela representada pelos recursos decorrentes dos Orçamentos Fiscal e da
Seguridade Social.

Gestor Financeiro: Toda e qualquer autoridade que possua competência decorrente de lei ou
de atos regimentais, podendo ser delegada, para autorizar pagamento. (& 1. do art.43 do
Decreto 93.872, de 23 de dezembro de 1986). Em obediência ao citado dispositivo legal e ao
principio de Controle Interno da Segregação de Funções, o cargo de Gestor Financeiro não
poderá ser exercido pela mesma pessoa que ocupa o cargo de Ordenador de Despesa.

GPS: Transação do SIAFI significa GUIA DA PREVIDENCIA SOCIAL. Finalidade permitir o


registro do recolhimento das contribuições para a Seguridade Social por meio de transferências
de recursos intra-SIAFI entre a UG recolhedora e a Conta Única do Tesouro Nacional.

Grupo de Despesa: Representa a classificação da despesa quanto à sua natureza,


compreendendo os grupamentos, a saber:

1 - Pessoal e encargos sociais


2 - Juros e encargos da dívida (interna e externa)
3 - Outras despesas correntes
4 – Investimentos
5 - Inversões financeiras
6 - Amortização da dívida (interna e externa)
9 - Outras despesas de capital.

Grupo de Fonte: Forma utilizada para diferenciar os recursos da fonte tesouro das demais
fontes. Na transação CONFONTE, o código “1” representa o grupo de Fonte Recursos do
Tesouro e o código “2” representa o grupo Recursos de Outras Fontes.

-H-
HOD: Sigla utilizada para identificar o produto HOST-ON-DEMAND. É um emulador de
terminais desenvolvido em Java, que suporta TN3270E e emulação de impressora 3287, entre
outros dispositivos. O HOD tem o processamento centralizado num servidor de grande porte
OS/390 (mainframe). É uma forma simples e rápida de oferecer acesso a aplicações 3270 em
uma Intranet ou Internet utilizando um Web browser (Internet Explorer ou Netscape), com
recursos de criptografia forte de 128 bits e controle de acesso integrado ao Senha Rede do
SERPRO.

-I-
Identificador de Uso: Complementa informação concernente à aplicação dos recursos,
inclusive para destacar contrapartida de recursos externos:

0 - No país
1 - Contrapartida BIRD
2 - Contrapartida BID
3 - Contrapartida KFW
4 - No exterior.

Impconform: Transação do SIAFI significa IMPRIME A CONFORMIDADE DIÁRIA. Finalidade


permitir a impressão do relatório da Conformidade Diária, onde serão relacionados todos os
documentos registrados em uma Unidade Gestora/Gestão, na data solicitada. Nesta transação
são relacionados:

1 - documentos emitidos pela própria Unidade Gestora emitente;


2 - documentos emitidos por terceiros;
3 - todos os documentos da Unidade Gestora/Gestão na data solicitada.

Incmsg: Transação do SIAFI significa INCLUI MENSAGEM. Finalidade permitir a emissão de


mensagem para uma determinada UG, para um grupo de UG, previamente cadastrado ou para
todas as UG (ON LINE) de um determinado Órgão.
nversão Financeira: Caracteriza a despesa com a aquisição de imóveis ou bens de capital já
em utilização e também a aquisição de títulos representativos do capital de empresas ou
entidades de qualquer espécie, já constituídas, quando a operação não importe aumento do
capital e com a constituição ou aumento do capital de entidades ou empresas que visem a
objetivos comerciais ou financeiros, inclusive operações bancárias ou de seguros.

Investimento: Denominação de despesa destinada ao planejamento e execução de obras,


inclusive as destinadas a aquisição de imóveis considerados necessários a realização de obras,
bem como a programas especiais de trabalho, aquisição de instalações, equipamentos e
material permanente e constituição ou aumento de capital de empresas que não sejam de
caráter comercial ou financeiro.

-L-
Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO): Compreende o conjunto de metas e prioridades da
Administração Pública Federal, incluindo as despesas de capital, para o exercício financeiro
subsequente, orientando a elaboração da Lei Orçamentária Anual, dispondo sobre as alterações
na legislação tributária e estabelecendo a política de aplicação das agências financeiras oficiais
de fomento. (art. 165, & 2, da Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988).

Lei Orçamentária Anual (LOA): chave="leiorcamentariaanual">Discrimina a receita e a


despesa, de forma a evidenciar a política econômico-financeira e o programa de trabalho do
Governo, obedecidos os princípios de unidade, universalidade e anualidade (art. 2., Lei n.
4.320, de 17 de março de 1964,).

Licitação: Processo pelo qual o poder público adquire bens e/ou serviços destinados à sua
manutenção e expansão. São modalidades de licitação: convite, tomada de preços,
concorrência pública, leilão e concurso público. (Lei 8.666 de 21 de junho de 1993).

Limite de Saque: Disponibilidade financeira da UG, para a realização de pagamentos num


determinado período.

Limite de Saque com Vinculação de Pagamento: Disponibilidade financeira da UG, para


a realização depagamentos num determinado período, vinculados a um tipo de categoria de
gasto.

Limite de Saque para Empenho Contra-Entrega: Disponibilidade financeira da UG, para


a realização de pagamentos num determinado período, para atender compromissos de
empenhos emitidos como despesas com empenho com garantia de pagamento contra entrega.

Localização: Localização de Gastos as atividades, projetos e operações especiais são


complementadas por localizadores de gasto. A localização do gasto corresponde ao menor nível
de detalhamento da estrutura programática, sendo o produto, o mesmo da Ação.

-M-
Material de Consumo: Aquele cuja duração é limitada a curto lapso de tempo. Exemplos:
artigos de escritório, de limpeza e higiene, material elétrico e de iluminação, gêneros
alimentícios, artigos de mesa, combustíveis etc.
Material Permanente: Aquele de duração superior a dois anos. Exemplos: mesas, máquinas,
tapeçaria, equipamentos de laboratórios, ferramentas, veículos, semoventes etc.

Modalidade de Aplicação: Classificação da natureza da despesa que traduz a forma como os


recursos serão aplicados pelos órgãos/entidades, podendo pelos mesmos ou sob a ser
diretamente forma de transferências a outras entidades públicas ou privadas que se
encarregarão da execução das ações.

Módulo: Representa o 2º nível da hierarquia definida no diagrama do SIAFI.

Movimento líquido: Mostra a diferença entre o saldo credor e o saldo devedor.

Movimento líquido acumulado: Mostra a diferença acumulada dos movimentos credor e


devedor até o mês de referência.

-N-
Natureza da Despesa (ND): Estrutura de codificação para classificação Econômica da
Despesa, composta por categoria econômica, pelo grupo a que pertence a despesa, pela
modalidade de sua aplicação e pelo objeto final de gasto. Possibilita tanto informação
macroeconômica sobre o efeito do gasto do setor público na economia, através das primeiras
três divisões, quanto para controle gerencial do gasto, através do elemento de despesa. O
código da classificação da natureza da despesa é constituído por seis algarismos, distribuídos
da seguinte forma:
Categoria Econômica: X
Grupo de Despesa: X
Modalidade de Aplicação: XX
Elemento de Despesa: XX

Duas situações especiais devem ser consideradas. A primeira relativa aos "investimentos em
regime de programação especial", cujo código, na Lei Orçamentária, é "4.5.xx.99", onde "99"
representa "elemento de despesa a classificar". Neste caso, o elemento de despesa "99" deve
ser obrigatoriamente especificado quando da aprovação do plano de aplicação correspondente.
A segunda situação diz respeito à reserva de contingência, que é identificada pelo código
"9.0.00.00".

NC: Transação do SIAFI significa MOVIMENTAÇÃO DE CRÉDITO. Finalidade permitir o registro


da movimentação de créditos interna e externa e suas anulações.

NE: Transação do SIAFI significa EFETUA EMPENHO. Finalidade permitir registrar o


comprometimento de despesa, bem como os casos em que se faça necessário o reforço ou a
anulação desse compromisso.

NL: Transação do SIAFI significa NOTA DE LANÇAMENTO POR EVENTO. Finalidade permitir
registrar apropriações de despesas e receitas, e outras situações não vinculadas a documentos
específicos.

Nível de Acesso: Indica o tipo de informação a que o operador do SIAFI pode ter acesso.

ND: Transação do SIAFI significa NOTA DE DOTACAO. Finalidade permitir registrar os valores
decorrentes de desdobramento, por PI e/ou por fonte de Recursos (quando detalhada), dos
créditos previstos no Orçamento Geral da União - OGU, bem como a inclusão dos Créditos nele
não consignados.

Nota de Dotação (ND): Documento utilizado para registro de desdobramento do Plano


Interno ou detalhamento da Fonte de recursos (se for detalhada), dos créditos previstos no
OGU e a inclusão de créditos nele não incluídos.

Nota de Empenho (NE): Documento utilizado para registrar as operações que envolvem
despesas orçamentárias realizadas pela Administração Pública e que indica o nome do credor,
a especificação e a importância da despesa, bem como a dedução desta do saldo da dotação
própria. (art. 61, Lei n. 4.320, de 17 de março de 1964).

Nota de Lançamento (NL): Documento utilizado para registrar a apropriação/liquidação de


receitas e despesas, bem como outros atos e fatos administrativos, inclusive os relativos a
entidades supervisionadas.

Nota de Lançamento de Sistema (NS): Processo no qual é registrado no Siafi, de forma


automática, eventos contábeis.

Nota de Movimentação de Crédito (NC): Documento utilizado para o registrar eventos


vinculados a movimentação interna e externa de créditos.

Nota de Programação Financeira (PF): Documento utilizado para registrar os valores


constantes da Proposta de Programação Financeira - PPF e a Programação Financeira Aprovada
– PFA.

-O-
OB: Transação do SIAFI significa REGISTRA ORDEM BANCÁRIA. Finalidade permitir registrar
o pagamento de compromissos, bem como a transferência de recursos entre UG, liberação de
recursos para fins de adiantamento, Suprimento de Fundos, Repasse, Sub-repasse.

Operação de Crédito: Levantamento de empréstimo pelas entidades da administração


pública, com o objetivo de financiar seus projetos e/ou atividades, podendo ser interna ou
externa.

Operação Especial: São Ações que não contribuem para a manutenção das Ações de governo,
das quais não resulta um produto e não geram contra-prestação direta sob a forma de bens ou
serviços. Porém um grupo importante de ações com a natureza de Operações especiais quando
associadas a programas finalísticos podem apresentar uma medição correspondente a volume
ou carga de trabalho.

Ordem Bancária (OB): Documento destinado ao pagamento de compromissos, bem como a


liberação de recursos para fins de adiantamento, em contas bancárias mantidas no Banco do
Brasil.

Ordem Bancária Avulsa (OB): Utilizada em situações extraordinárias, a critério da Secretaria


do Tesouro Nacional.

Ordem Bancária Banco (OBB): Utilizada para pagamentos a diversos credores ou folha de
pessoal, com lista de credores; para pagamento de documentos em que o agente financeiro
deva dar quitação e contratação de câmbio com outros bancos. Para possibilitar a quitação dos
documentos pelo agente financeiro até o vencimento, a UG deverá emitir a OB com pelo menos
2 (dois) dias de antecedência.

Ordem Bancária de Aplicação (OBA): Utilizada pelos Órgãos autorizados para aplicações
financeiras de recursos disponíveis na Conta Única.

Ordem Bancária de Câmbio (OBK): Utilizada para pagamento de operações de contratação


de câmbio, no mesmo dia de sua emissão e pagamentos de diárias em moeda estrangeira,
tendo como destinatário o Banco do Brasil.
Ordem Bancária de Cartão (OBCartão): Utilizada para registro de saque, efetuado pelo
portador do Cartão Corporativo do Governo Federal, em moeda, observado o limite estipulado
pelo Ordenador de Despesas.

Ordem Bancária de Crédito (OBC): Utilizada para pagamentos por meio de crédito em
conta-corrente do favorecido na rede bancária e transferência entre contas de UG (INTRA-
SIAFI).

Ordem Bancária de Depósito Judicial (OBJ): Utilizada por qualquer UG, destina-se a
pagamentos oriundos de decisões judiciais, não transitadas em julgado, que exijam efetivação
imediata, ou seja, no mesmo dia de emissão da respectiva OB, os quais deverão ser
comprovados com documentação junto a agência de relacionamento da UG. Todo e qualquer
pagamento que não obedeça a estas condições deverá ser efetivado observando-se as demais
regras de emissão de ordem bancária disponíveis no SIAFI.

Ordem Bancária de Fatura (OBD): Utilizada para pagamento de título de cobrança/boletos


bancários, pela UG, com uso de código de barras. Como exemplo, tem-se os boletos emitidos
para pagamento de fatura de concessionárias de água, energia e telefone ou para quitação de
tributos estaduais (IPTU) e municipais (ISS), junto aos respectivos governos.

Ordem Bancária de Folha de Pagamento (OBF): Utilizada para pagamento de despesas


relacionadas com pessoal apropriadas por meio de folha de pagamento.

Ordem Bancária de Pagamento (OBP): Utilizada para disponibilização imediata dos


recursos a pessoa física, junto a qualquer agência do Banco do Brasil, ou quando for necessária
a efetivação de pagamento a pessoa jurídica desde que comprovado a inexistência de domicílio
bancário, cadastrado no SIAFI.

Ordem Bancária de Processo Judicial (OBH): Utilizada para pagamento parcial ou integral
de sentenças judiciais transitadas em julgado, após o cadastramento prévio do processo
judicial por meio da transacao ATUPROCJUD, sendo obrigatório a indicação dos seguintes tipos
de sentenças:

a) 1 - RPV SEM ALVARÁ


b) 2 - RPV COM ALVARÁ
c) 3 - JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEM ALVARÁ
d) 4 - JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS COM ALVARÁ
e) 5 - PRECATÓRIO SEM ALVARÁ
f) 6 - PRECATÓRIO COM ALVARÁ
g) 9 - OUTRAS SENTENCAS JUDICIAIS

Ordem Bancaria de Sistema (OBS): Utilizada para cancelamento de OB pelo agente


financeiro com devolução dos recursos correspondentes, bem como pela STN para
regularização das remessas não efetivadas.

Ordem Bancária Intra-Siafi: Denominação dada para as ordens bancárias, cujo favorecido é
uma outra Unidade Gestora que utiliza a Conta Única.

Ordem Bancária para Crédito de Reservas Bancárias (OBR): Utilizada pelas UG


autorizadas pela COFIN/STN, será indicada a possibilidade ou não de uso, na transação
ATUUG, para realizar pagamentos por meio de crédito as contas Reservas Bancárias dos
bancos, bem como outras mantidas no Banco Central do Brasil sendo obrigatória a indicação
do Código de Finalidade STN, constante da transação CONFINSPB.

Ordem Bancária para pagamentos da STN (OBSTN): Utilizada pelas UG da Secretaria do


Tesouro Nacional, e por outras por ela autorizada para pagamentos específicos de
responsabilidade do Tesouro Nacional, no mesmo dia de sua emissão, tendo. como destinatário
o Banco do Brasil.
Ordem Bancária SPB (OBSPB): Utilizada para pagamento de despesas diretamente na conta
corrente do beneficiário, em finalidade específica autorizada pela STN, por meio do Sistema de
Pagamentos Brasileiro (SPB).

Ordenador de Despesa: Toda e qualquer autoridade de cujos atos resultarem emissão de


empenho, autorização de pagamento, suprimento ou dispêndio de recursos da União ou pela
qual esta responda (art. 80, & 1., Decreto-lei n. 200, de 25 de fevereiro de 1967), em
obediência ao art.43 Decreto , 93 873, de 23 de dezembro de 1986, e ao principio de Controle
Interno da Segregação de Funções, o cargo de Gestor Financeiro não poderá ser exercido pela
mesma pessoa que ocupa o cargo de Ordenador de Despesa.

Orçamento da Seguridade Social: Abrange os recursos dos Órgãos e Entidades que


respondem pela função de Seguridade Social da administração direta ou indireta, bem como os
Fundos e Fundações instituídos e mantidos pelo Poder Público (art. 165, & 5a, inciso III,
Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988).

Orçamento de Investimento das Empresas Estatais: Compreende o orçamento de


investimento das empresas em que a União, direta ou indiretamente, detenha a maioria do
capital social com direito a voto (art. 165, & 5., inciso II, Constituição Federal, de 5 de
outubro de 1988).

Orçamento Fiscal: Engloba os recursos dos Poderes da União, representado pelos Fundos,
Órgãos e Entidades da Administração Direta e Indireta, inclusive Fundações instituídas e
mantidas pelo Poder Público (art.165, & 5., inciso I, Constituição Federal, de 5 de outubro de
1988).

Orçamento Geral da União (OGU): O Orçamento Geral da União (OGU) é formado pelo
Orçamento Fiscal, da Seguridade e pelo Orçamento de Investimento das empresas estatais
federais. Existem princípios básicos que devem ser seguidos para elaboração e controle do
Orçamento que estão definidos na Constituição, na Lei 4.320, de 17 de março de 1964, no
Plano Plurianual e na Lei de Diretrizes Orçamentárias.

A Constituição Federal de 1988 atribui ao Poder Executivo a responsabilidade pelo sistema de


Planejamento e Orçamento que tem a iniciativa dos seguintes projetos de lei:

Plano Plurianual (PPA)


e Diretrizes Orçamentárias (LDO)
De Orçamento Anual (LOA)

Órgão: Denominação dada aos Ministérios, Ministério Público, Entidades Supervisionadas,


Tribunais do Poder Judiciário, Casas do Poder Legislativo e às Secretarias da Previdência da
República.

Órgão Central: Unidade que responde pela normatização e coordenação da ação dos outros
Órgãos que compõem um sistema.

Órgão Setorial: Articulador entre o órgão central e os órgãos executores, dentro de um


sistema, sendo responsável pela coordenação das ações na sua esfera de atuação.

Órgão Setorial de Programação Financeira (OSPF): Unidade que responde pela


consolidação das propostas e elaboração do Cronograma de Desembolso Setorial, para
apresentação a STN, de acordo com as diretrizes fixadas em Decreto e as normas gerais
emanadas do Órgão Central.

Órgão Subordinado: Entidade supervisionada por um Órgão da Administração Direta.

Órgão Superior: Unidade da Administração Direta que tenha entidades por ele
supervisionadas.
Outras Despesas Correntes: Despesas com a manutenção e funcionamento da máquina
administrativa do governo, tais como: aquisição de pessoal, material de consumo, pagamento
de serviços prestados por pessoa física sem vínculo empregatício ou pessoa jurídica
independente da forma contratual, e outras não classificadas nos demais grupos de despesas
correntes.

Outras Despesas de Capital: Despesas de capital não classificáveis como "investimentos" ou


"inversões financeiras".

-P-
Passivo: Representa em 1º nível ( Classe ) da estrutura de uma conta contábil. Esta conta
compreende os valores do passivo circulante, exigível a longo prazo, resultado de exercícios
futuros, patrimônio líquido e passivo compensado. Nesta conta fica registrado o somatório dos
valores de obrigações que a UG tem com terceiros, tais como, por exemplo, contas a pagar.

Perfil: Conjunto de determinadas transações atribuídos a cada Operador, para atender as


necessidades de execução e consulta ao Sistema.

Pessoal e Encargos Sociais: Despesa com o pagamento pelo efetivo serviço exercido de
cargo/emprego ou função no setor público, quer civil ou militar, ativo ou inativo, bem como as
obrigações de responsabilidade do empregador.

Plano de Contas: Estruturação ordenada e sistematizada das contas utilizadas por uma
entidade. O Plano contém as diretrizes técnicas gerais e especiais que orientam os registros
dos atos e fatos praticados na entidade.

Plano Interno (PI): Instrumento de planejamento e de acompanhamento da ação


programada, usado como forma de detalhamento de um projeto/atividade, de uso exclusivo
de cada Ministério ou Órgão, podendo desdobrar-se ou não em etapas.

Plano Plurianual (PPA): Na esfera federal, o Governo ordena suas ações com a finalidade de
atingir objetivos e metas por meio do PPA, um plano de médio prazo elaborado no primeiro
ano de mandato do presidente eleito, para execução nos quatro anos seguintes. O PPA é
instituído por lei, estabelecendo, de forma regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas da
Administração Pública para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para aquelas
referentes a programas de duração continuada. Os investimentos cuja execução seja levada a
efeito por períodos superiores a um exercício financeiro, só poderão ser iniciados se
previamente incluídos no PPA ou se nele incluídos por autorização legal. A não observância
deste preceito caracteriza crime de responsabilidade.

Poderes da União: São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo,
o Executivo e o Judiciário. (artigo 2 da CF).

Poder Executivo: O Poder Executivo é exercido pelo Presidente da Republica, auxiliado pelos
Ministros de Estado. (artigo 76 da CF).

Poder Judiciário: São Órgãos do Poder Judiciário (artigo 92 da CF):

O Supremo Tribunal Federal


O Superior Tribunal de Justiça
Os Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais
Os Tribunais e Juízes do Trabalho
Os Tribunais e Juízes Eleitorais
Os Tribunais e Juízes Militares
Os Tribunais e Juízes dos Estados e do Distrito Federal e Territórios
Poder Legislativo: O Poder Legislativo é exercido pelo Congresso Nacional, que se compõe da
Câmara dos Deputados e Senado Federal. (artigo 44 da CF).

Prestação de contas anual: Processo organizado pelo agente responsável pelos Órgãos de
Contabilidade Analítica das Entidades da Administração Indireta, referente aos atos de gestão
praticados pelos dirigentes em um determinado período.

Progorcam: É um sub-sistema do SIAFI que foi concebido para servir de instrumento


gerencial de controle e tomada de decisões no âmbito interno dos Órgãos, permitindo maiores
níveis de detalhamento e acompanhamento da elaboração e execução orçamentárias. O
PROGORCAM, ainda é um instrumento de planejamento/orçamento, que permite definir,
orientar, acompanhar e controlar em nível físico-financeiro as Ações empreendidas no âmbito
das Unidades Setoriais Orçamentárias de cada Ministério.

Programa: É o instrumento de organização da atuação governamental. Articula um conjunto


de ações que concorrem para um objetivo comum preestabelecido, mensurado por indicadores
estabelecidos no Plano Plurianual, visando à solução de um problema ou ao atendimento de
uma necessidade ou demanda da sociedade.

PF: Transação do SIAFI significa NOTA DE PROGRAMACAO FINANCEIRA. Finalidade permitir


ajustar o rítmo de execução do orçamento ao fluxo provável de recursos financeiros, de modo
a assegurar a execução dos programas anuais de trabalho, com registro da Proposta de
Programação Financeira e a Programação Financeira Aprovada, envolvendo a COFIN/STN e os
Órgãos Setoriais do Sistema de Programação Financeira – OSPF.
Sistematizar e uniformizar procedimentos para transferência financeira de forma a permitir
apuração do gasto efetivo.

Programação Financeira: Quantificação do conjunto de ações desenvolvidas com o objetivo


de estabelecer o fluxo de caixa da União, para determinado período, tendo como parâmetros a
previsão da receita, os limites orçamentários, as demandas para despesas e a tendência de
resultado (déficit, equilíbrio ou superávit) considerada na política macroeconômica para o
mesmo período.
Programação Financeira Aprovada (PFA): Ato de registro da COFIN/STN que informa aos
OSPF, através de lançamento contábil, o montante dos recursos aprovados e que serão
liberados para a execução financeira descentralizada.

Programação Orçamentária:" chave="programacaoorcamentaria">Identificação dos


produtos finais de uma organização, representados pelos seus programas e subprogramas,
fixados a partir dos objetivos constantes dos planos de governo, além da determinação dos
recursos reais e financeiros exigidos e das medidas de coordenação e compatibilização
requeridas.

Programa de Trabalho (PT): Estrutura codificada (funcional programática) que permite a


elaboração e a execução orçamentária, bem como o controle e acompanhamento dos planos
definidos pela Unidade para um determinado período.

Programa de Trabalho Resumido (PTRES): Corresponde a codificação resumida do


Programa de Trabalho, de forma a facilitar e agilizar sua utilização, sobretudo quanto as
consultas do SIAFI. Essa codificação e atribuída automaticamente pelo Sistema para cada
Programa de Trabalho.
Projeto: É um instrumento de programação para alcançar o objetivo de um Programa,
envolvendo um conjunto de operações, que se realizam num período limitado de tempo, das
quais resultam produtos quantificáveis física e financeiramente, que concorrem para a
expansão ou o aperfeiçoamento da Ação de governo.

Proposta de Programação Financeira (PPF): Ato de registro dos OSPF, mediante


lançamento contábil, para solicitação de recursos financeiros junto a COFIN/STN.Provisão –
Descentralização de crédito entre as Unidades do próprio Ministério ou Órgão.
-Q-
Quadro de Detalhamento da Despesa (QDD): Demonstrativo que detalha as dotações
relativas a cada Projeto ou Atividade, até o nível de elemento de despesa por UO.

-R-
Receita: Representa em 1º nível ( Classe ) da estrutura de uma conta contábil. Esta conta
contábil tem a função de registrar o somatório da arrecadação das diversas receitas correntes
e de capital.

Receita Prevista, Estimada ou Orçada: Volume de recursos, previamente estabelecido, a


ser arrecadado em um determinado exercício financeiro, de forma a melhor fixar a execução da
despesa. É essencial o acompanhamento da legislação específica de cada receita onde são
determinados os elementos indispensáveis a formulação de modelos de projeção, como a base
de cálculo, as alíquotas e os prazos de arrecadação.

Receitas Correntes: Ingressos destinados a atender as despesas classificáveis em Despesas


Correntes representados pelas receitas tributaria, patrimonial, industrial e diversas e, ainda, as
provenientes de recursos financeiros recebidos de outras pessoas de direito público ou privado
(art. 11, & 1., Lei n. 4.320, 17 de março de 1964).

Receitas de Capita: Ingressos destinados a atender despesas classificáveis em Despesas de


Capital, representados pelos recursos financeiros oriundos da constituição de dívidas, da
conversão em espécie de bens e direitos, recursos recebidos de outras pessoas de direito
público ou privado e, ainda, o superávit do Orçamento Corrente (art. 11, & 2., Lei n. 4.320, 17
de março de 1964).

Rede Serpro: Rede de computadores do SERPRO - Serviço Federal de Processamento de


Dados. Essa é uma rede de âmbito nacional, estando conectada a outras redes de
computadores de órgãos públicos e permitindo o acesso a mais de 100 mil usuários.

Regconfop: Transação do SIAFI significa REGISTRA CONFORMIDADE DE OPERADOR.


Finalidade permitir a confirmação e/ou exclusão de operadores no SIAFI. Deverá ser
efetuada uma vez por mês.

Regime de Competência: Princípio contábil que define o momento de apropriação das


receitas e despesas, determinando o seu reconhecimento na apuração do resultado do período
a que pertencerem e, de forma simultânea, quando se relacionarem. As despesas devem ser
reconhecidas, independentemente do seu pagamento, e as receitas somente quando de sua
realização.

Regionalização: É o detalhamento baseado no código do IBGE, dispondo de um campo para a


indicação da Região, Estado e Município. Não havendo regionalização, a ação será Nacional,
tendo o detalhamento identificadas correspondente replicado no subtítulo.

Relação de Ordens Bancárias Externas (RE): Relatório no qual constam todas as Ordens
Bancárias da Conta Única, emitidas por uma UG cujo pagamento se faz por meio de crédito na
conta corrente do favorecido, mediante autorização expressa do Ordenador de Despesa.

Relação de Ordens Bancárias Intra-Siafi (RT): Relatório no qual constam todas as Ordens
Bancárias emitidas por UG "online", em que tanto o emitente como o favorecido sejam UG do
SIAFI, movimentando, ambos.
Repasse ou Repasse Financeiro:Tipo de liberação de recursos do OSPF para Entidade da
Administração Indireta, e entre estas e de Entidade da Administração Indireta para Órgão da
Administração Direta, ou entre estes, se de outro Órgão ou Ministério (art. 19, inciso II,
Decreto n. 825, de 28 de maio de 1993).

Restos a Pagar: Representam as despesas empenhadas e não pagas até 31 de dezembro,


distinguindo-se as despesas processadas das não processadas. Entende-se por processadas e
não processadas, respectivamente, as despesas liquidadas e as não liquidadas (art. 67,
Decreto n. 93.872, de 23 de dezembro de 1986).

Resultado Aumentativo do Exercício: Representa em 1º nível ( Classe ) da estrutura de


uma conta contábil. Essa conta contábil tem a função de registrar o somatório dos valores das
contas representativas das variações positivas da situação líquida do patrimônio e da
apuração do resultado respectivo, tanto orçamentário quanto extra-orçamentário.

Resultado Diminutivo do Exercício: Representa em 1º nível ( Classe ) da estrutura de uma


conta contábil. Essa conta contábil tem a função de registrar o somatório dos valores das
contas representativas das variações negativas da situação líquida do patrimônio e da
apuração do resultado respectivo, tanto orçamentário quanto extra-orçamentário.

-S-
Saldo contábil: Diferença entre o débito e o crédito de uma conta.

Saldo orçamentário: Saldo do orçamento aprovado.

Secretaria de Orçamento Federal (SOF): A SOF é uma Secretaria vinculada ao Ministério


do Planejamento, Orçamento e Gestão, com as seguintes atribuições:

Coordenar, consolidar e supervisionar a elaboração da Lei de Diretrizes Orçamentárias e da


Proposta Orçamentária da União, compreendendo os Orçamentos Fiscal e da Seguridade
Social, em articulação com a Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos;
Preparar os Projetos de Lei de Diretrizes Orçamentárias e de Orçamento da União;
Estabelecer as normas necessárias à elaboração e à implementação dos orçamentos federais;
Propor medidas para o aperfeiçoamento do Sistema de Planejamento e de Orçamento da
Administração Pública Federal;

Proceder, sem prejuízo da competência atribuída a outros órgãos, ao acompanhamento


gerencial, físico e financeiro da execução orçamentária;
Realizar estudos e pesquisas concernentes ao desenvolvimento e ao aperfeiçoamento do
processo orçamentário federal;

Orientar, coordenar e supervisionar, tecnicamente, os órgãos setoriais de orçamento;


Estabelecer a classificação funcional, em articulação com a Secretaria de Planejamento e
Investimentos Estratégicos, e a classificação institucional, da receita e da despesa; e
Planejar e coordenar as atividades relativas à tecnologia de informações orçamentárias.

Secretaria do Tesouro Nacional (STN): Órgão responsável pela administração dos recursos
financeiros do Tesouro Nacional, que realiza, através do SIAFI, o acompanhamento e controle
da execução orçamentária e financeira do Governo Federal.

Segregação de Funções: Princípios básicos do sistema de controlo/controle interno que


consiste na separação de funções, normalmente de autorização, aprovação, execução,
controlo/controle e contabilização das operações (Fonte Boletim Interno do TCU n. 34 de
23/07/92).
Senha-Rede: Sistema de controle de acesso à Rede Serpro.

Senha ou Senha-Siafi: É o sistema de segurança do complexo SIAFI que é responsável pelo


controle de acesso e navegação. O Senha tem como objetivo autorizar o uso dos recursos do
SIAFI, especificando:

Quais os usuários autorizados a terem acesso ao SIAFI;


Quais transações poderão ter acesso; e
Qual nível de acesso terão.

SERPRO: Sigla de Serviço Federal de Processamento de Dados. Empresa pública do Ministério


da Fazenda, prestadora de serviços em Tecnologia da Informação, que visa à promoção de
soluções que possibilitem a transformação de dados em informações de qualidade, oferecendo
subsídios à tomada de decisões estratégicas dos órgãos governamentais.

Setorial Contábil de Órgão: Unidade responsável pelo registro da Conformidade Contábil de


um Órgão, tendo por base a avaliação das conformidades de todas as UG pertencentes a tal
Órgão, cujo responsável é o mesmo da Setorial de Contabilidade de UG.

Setorial Contábil de UG: Unidade responsável pela execução contábil no Sistema e registro
da Conformidade Contábil de um determinado numero de UG, cujo responsável é um
Contabilista devidamente registrado no Conselho Regional de Contabilidade (CRC), em dia com
suas obrigações profissionais, lotado em unidade contábil e credenciado no SIAFI.

SIAFI (Sistema Integrado de Administração Financeira): Principal instrumento da


Secretaria do Tesouro Nacional (STN), que realiza o acompanhamento e controle de toda a
execução orçamentária e financeira do Governo Federal.

O SIAFI é utilizado pelas Unidades Gestoras (UG) de todos os ministérios e demais órgãos e
entidades, para registro de documentos (empenho, ordem bancária, etc.) cujos lançamentos
contábeis são automaticamente efetuados. O SIAFI possibilita, de forma integrada e on-line, o
conhecimento atualizado das receitas, despesas e disponibilidades financeiras do Tesouro
Nacional.

SIAFI Gerencial: Sistema informatizado, em ambiente Windows, que permite à administração


pública ter acesso a informações gerenciais provenientes do SIAFI, referentes à execução
orçamentária, financeira, contábil e patrimonial do Governo Federal. Seu objetivo é o de
atender às demandas de informações gerenciais das áreas que possuem atribuições de
gerência orçamentária, financeira e de controle, além de subsidiar áreas estratégicas para o
aperfeiçoamento de tomada de decisões. Criado através do projeto Modernização e
Aperfeiçoamento da Administração Financeira do Governo Federal, o SIAFI Gerencial propicia,
aos usuários do SIAFI, flexibilidade e autonomia na obtenção de informações gerenciais, no
contexto da execução orçamentária e financeira.

SIAFI Operacional: Sistema informatizado, em ambiente Windows, cujos dados de execução


orçamentária, contábil e patrimonial servem de base ao SIAFI Gerencial, para a realização de
pesquisas e a geração de relatórios.

SIASG: Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais – É um sistema informatizado


de apoio às atividades operacionais no âmbito do SISG. Ferramenta para a mordernização da
área de serviços gerais na Administração Federal, em especial nas atividades de
cadastramento de fornecedores, catálogo de materiais e serviços e registro de preços de bens e
serviços.

O SIASG está ramificado pelos órgãos e pelas entidades integrantes do SISG, por meio de
terminais informatizados. O Sistema é constituído por diversos módulos, sendo que alguns
ainda estão em desenvolvimento, oferecendo ainda o acesso na Internet a um conjunto de
serviços e informações. O SIASG tem a missão de integrar os órgãos da administração direta,
autárquica e fundacional, em todos os níveis, com instrumentos e facilidades para a
melhoramento dos serviços públicos. Os três módulos básicos do SIASG são o catálogo
unificado de materiais e serviços, o cadastro unificado de fornecedores e o registro de preços
de bens e serviços.

SICAF: Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores – O Sistema de Cadastramento


Unificado de Fornecedores – SICAF é o módulo informatizado do SIASG, operado “on-line”, que
cadastra e habilita as pessoas físicas ou jurídicas interessadas em participar de licitações
realizadas por órgãos e pelas entidades integrantes do SISG. O SICAF desburocratiza e facilita
o cadastramento dos fornecedores do Governo Federal, contribuindo para aumentar a
transparência e a competitividade das licitações.

SIDOR (Sistema Integrado de Dados Orçamentários): Sistema utilizado para


processamento dos dados relativos a preparação da elaboração orçamentária, administrado
pela Secretaria de Orçamento Federal do Ministério do Planejamento e Orçamento.

Sistema de Controle Interno: A missão institucional da Secretaria Federal de Controle


Interno é “ zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos “, que está fundamentada
nos artigos 70 e 74 da Constituição Federal.Art. 70. A fiscalização contábil, financeira,
orçamentária, operacional e patrimonial da União e das entidades da administração direta e
indireta, quanto à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação das subvenções e
renúncia de receitas, será exercida pelo Congresso Nacional, mediante controle externo, e pelo
sistema de controle interno de cada Poder.

Parágrafo único. Prestará contas qualquer pessoa física ou jurídica, pública ou privada, que
utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiros, bens e valores públicos ou pelos
quais a União responda, ou que, em nome desta, assuma obrigações de natureza
pecuniária.Art. 74. Os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário manterão, de forma
integrada, sistema de controle interno com a finalidade de:

I - avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual, a execução dos programas
de governo e dos orçamentos da União;

II - comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à eficácia e eficiência, da gestão


orçamentária, financeira e patrimonial nos órgãos e entidades da administração federal, bem
como da aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado;

III - exercer o controle das operações de crédito, avais e garantias, bem como dos direitos e
haveres da União;

IV - apoiar o controle externo no exercício de sua missão institucional.

§ 1.º Os responsáveis pelo controle interno, ao tomarem conhecimento de qualquer


irregularidade ou ilegalidade, dela darão ciência ao Tribunal de Contas da União, sob pena de
responsabilidade solidária. § 2.º Qualquer cidadão, partido político, associação ou sindicato
parte legítima para, na forma da lei, denunciar irregularidades ou ilegalidades perante o
Tribunal de Contas da União.

Sociedade de Economia Mista: Entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado,


criada por lei para a exploração de atividade econômica, sob a forma de sociedade anônima,
cujas ações com direito a voto pertençam em sua maioria a União ou a entidade da
Administração Indireta (art.5, inciso III, Decreto Lei n. 200, de 25 de fevereiro de 1967).

SPOA: Sigla que representa as Sub-secretarias de Planejamento, Orçamento e Administração


dos Ministério.

Sub-Atividade: Representa o menor nível de programação do OGU, desdobrando uma


Atividade (ver sub-projeto).

Sub-Função: Representa uma partição da Função, visando agregar determinado subconjunto


de despesas do setor público e identifica a natureza básica das ações que se aglutinam em
torno das funções de Governo.
Sub-Órgão: Representa um subconjunto de UG pertencentes a um mesmo Órgão.

Sub-Projeto: Representa o menor nível de programação do OGU, desdobrando um Projeto


(ver sub-atividade).

Sub-Repasse ou Sub-Repasse Financeiro: Tipo de liberação de recursos dos OSPF para as


UG de sua jurisdição e entre as UG de m mesmo Ministério, Órgão ou Entidade (art.19, inciso
III, Decreto n. 825, de 28 de maio de 1993).

Subsistema: Representa em 1º nível da hierarquia definida no diagrama do SIAFI.

Superávit Financeiro: Diferença positiva entre o ativo financeiro e o passivo financeiro,


conjugando-se, ainda, os saldos dos créditos adicionais transferidos e as operações de crédito
a eles vinculadas (art. 43, & 2, Lei n. 4.320, de 17 de março de 1964,).

Suprimento de Fundos: Modalidade de pagamento de despesa, permitida em casos


excepcionais e somente quando sua realização não possa subordinar-se ao processo normal de
atendimento por via de Ordem Bancária, sujeito a posterior comprovação.

-T-
Tabelas Administrativas: Sub-sistema definido no diagrama do SIAFI.

Tabelas de Apoio: Sub-sistema definido no diagrama do SIAFI.

Tabela de Eventos: Instrumento utilizado pelas UG no preenchimento das telas e/ou


documentos de entrada no SIAFI para transformar os atos e fatos administrativos rotineiros em
registros contábeis automáticos, substituindo a forma usual de indicação da conta ou contas
devedoras e credoras.

Tempus-Tranfer: É um software de ligação entre MICROCOMPUTADOR e MAINFRAME


(computador de grande porte) tendo como uma de suas funções o acesso de um ou mais
MICROCOMPUTADORES ao DISCO VIRTUAL (área específica destinada ao usuário). O acesso ao
DISCO VIRTUAL possibilita, de forma simples e segura, a transferência de arquivos, o
armazenamento extra para os diversos microcomputadores ligados a Rede SERPRO.O TEMPUS-
TRANSFER é utilizado na distribuição de softwares e arquivos para usuários nas mais diversas
localidades.

Transação: Unidade de operação do SIAFI que corresponde a determinadas atividades de


entrada ou de consulta aos dados do sistema.

Tomada de contas anual: Processo preparado, ao final do exercício financeiro, pela Unidade
Setorial de Contabilidade Analítica da Administração Direta, referente aos atos de gestão
orçamentária, financeira e patrimonial e à guarda de bens e valores públicos sob a
responsabilidade de um agente.

Tomada de Contas Especial: Processo preparado pela Unidade Setorial de Contabilidade


Analítica da Administração Direta ou Indireta, quando se verificar que ocorreu desfalque,
desvio de bens, ou outra irregularidade de que resulte prejuízo para a Fazenda Pública, ou
quando se verificar que determinada conta não foi prestada pelo responsável pela aplicação
dos recursos públicos, no prazo e na forma fixados.

Tribunal de Contas da União (TCU): O Tribunal de Contas da União (TCU) tem suas
competências previstas nos artigos 33, § 2o, 71 a 74 e 161, parágrafo único, da Constituição
Federal. Além disso, em razão do exercício das competências constitucionais, outras
incumbências lhe foram atribuídas por lei. As competências constitucionais e legais do TCU
estão listadas no quadro adiante.

COMPETÊNCIAS CONSTITUCIONAIS FUNDAMENTO


Apreciar as contas anuais do Presidente da República

art.71, I
Julgar as contas dos administradores e demais responsáveis por dinheiros, bens e valores
públicos

art. 33, § 2º e art. 71, II


Apreciar a legalidade dos atos de admissão de pessoal e de concessões de aposentadorias,
reformas e pensões civis e militares

art. 71, III


Realizar inspeções e auditorias por iniciativa própria ou por solicitação do Congresso Nacional

art. 71, IV
Fiscalizar as contas nacionais das empresas supranacionais

art. 71, V
Fiscalizar a aplicação de recursos da União repassados a Estados, ao Distrito Federal ou a
Municípios

art. 71, VI
Prestar informações ao Congresso Nacional sobre fiscalizações realizadas

art. 71, VII


Aplicar sanções e determinar a correção de ilegalidades e irregularidades em atos e contratos

art. 71, VIII a XI


Fiscalizar as aplicações de subvenções e a renúncia de receitas

art. 70
Emitir pronunciamento conclusivo, por solicitação da Comissão Mista Permanente de Senadores
e Deputados, sobre despesas não autorizadas

art. 72, § 1º
Apurar denúncias apresentadas por qualquer cidadão, partido político, associação ou sindicato
sobre irregularidades ou ilegalidades

art. 74, § 2º
Fixar os coeficientes dos fundos de participação dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios, e fiscalizar a entrega dos recursos aos governos estaduais e às prefeituras

art. 161,
parágrafo único

COMPETÊNCIAS LEGAIS FUNDAMENTO

Decidir sobre consulta formulada por autoridade competente acerca de dúvida na aplicação de
dispositivos legais ou regulamentares concernentes a matéria de competência do Tribunal

Lei nº. 8.443/92


Exercer o controle da legalidade e legitimidade dos bens e rendas de autoridades e servidores
públicos

Lei nº. 8.730/93


Apreciar o processo de privatização das empresas incluídas no Programa Nacional de
Desestatização
Lei nº. 8.031/90
Apreciar representações apresentadas por licitante, contratado ou pessoa física ou jurídica
acerca de irregularidades na aplicação da Lei de Licitações e Contratos

Lei nº. 8.666/93


Apreciar representações apresentadas pelas Câmaras Municipais acerca de não-comunicação
da liberação de recursos federais

Lei nº. 9.452/97


Na hipótese de contrato, cabe ao Congresso Nacional a sustentação do ato, que solicitará ao
Poder Executivo as medidas cabíveis. Se o Congresso Nacional ou o Poder Executivo, no prazo
de noventa dias, nenhuma providência adotar, o Tribunal decidirá a respeito.

A decisão do Tribunal da qual resulte imputação de débito ou cominação de multa torna a


dívida líquida e certa e tem eficácia de título executivo. Nesse caso, o responsável é notificado
para, no prazo de quinze dias, recolher o valor devido. Se o responsável, após ter sido
notificado, não recolher tempestivamente a importância devida, é formalizado processo de
cobrança executiva, o qual é encaminhado ao Ministério Público junto ao Tribunal para, por
meio da Advocacia-Geral da União (AGU) ou das unidades jurisdicionadas ao TCU, promover a
cobrança judicial da dívida ou o arresto de bens.

Ainda de acordo com o disposto no art. 71, o TCU deve apresentar ao Congresso Nacional,
trimestral e anualmente, relatório de suas atividades.

O art. 72 da Constituição Federal estabelece que o Tribunal deverá se pronunciar


conclusivamente sobre indícios de despesas não autorizadas, em razão de solicitação de
Comissão Mista de Senadores e Deputados. Entendendo-as irregulares, proporá ao Congresso
Nacional a sua sustação.

Finalmente, pela Constituição de 1988, o Tribunal de Contas da União teve a sua jurisdição e
competência substancialmente ampliadas. Recebeu poderes para, no auxílio ao Congresso
Nacional, exercer a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da
União e das entidades da administração direta e indireta, quanto à legalidade, legitimidade e
economicidade e a fiscalização da aplicação das subvenções e renúncia de receitas.

-U-
UF da UG Executora: Unidade federativa à qual a UG Executora pertence.

Unidade Gestora (UG): Unidade orçamentária ou administrativa que realiza atos de gestão
orçamentária, financeira e/ou patrimonial, cujo titular, em conseqüência, está sujeito à tomada
de contas anual na conformidade dos disposto nos artigos 81 e 82 do Decreto-lei n. 200, de
25 de fevereiro de 1967.

Unidade Gestora Executora (UGE): Unidade que realiza atos de gestão orçamentária,
financeira e/ou patrimonial, cujo titular, em conseqüência, está sujeito à prestação de contas
anual.

Unidade Gestora 'OFF-LINE': Unidade que não possui condições técnicas de acesso ao
SIAFI. Para dispor de informações esta UG se utiliza de sua Unidade Polo de Digitação.

Unidade Gestora ON-LINE: É aquela que tem acesso direto as informações do SIAFI, seja
para consultas ou para entrada de dados, por seus próprios operadores.
Unidade Gestora Polo de Digitação: Unidade responsável pela entrada de dados e pelo
fornecimento das saídas necessárias as UG "off-line" de sua jurisdição.

Unidade Gestora Responsável (UGR): Unidade que responde pela realização da parcela do
programa de trabalho contida num crédito.

Unidade Gestora Setorial de Auditoria: Unidade responsável, perante um Órgão, pelas


funções de auditoria das UGE a ele vinculados.

Unidade Gestora Setorial de Contabilidade: Unidade responsável pelos dados contábeis


apresentados pelas UGE a ela jurisdicionadas. De acordo com IN/DTN/MEFP n. 05 de 23 de
junho de 1992.

Unidade Gestora Setorial Financeira: Unidade que exerce supervisão dos atos de
programação e de execução financeira de uma UG. Cada Órgão poderá ter somente uma
setorial de programação financeira que será indicada no cadastro de Órgão.

Unidade Gestora Setorial Orçamentária: Unidade que exerce supervisão funcional dos atos
de execução orçamentária de uma UG. Cada Órgão poderá ter somente uma setorial
orçamentária que será indicada no cadastro de Órgão.

Unidade Orçamentária (UO): Unidade da Administração Direta a que o Orçamento da União


consigna dotações específicas para a realização de seus programas de trabalho e sobre os
quais exerce o poder de disposição.

-V-
Vinculação de Pagamento: Processo pelo qual a STN fixa, limita e controla pagamentos
dentro de cada Fonte de Recursos do Tesouro Nacional, no formato 01XXXXXXXX, combinada
com a codificação de cada tipo de pagamento de forma a vincular a liberação com o respectivo
pagamento.