Sie sind auf Seite 1von 12

Centro Comunitário da Paróquia de Carcavelos

ÁGORA Feira do Vende Tudo


158
Setembro 2010

Agenda
Outubro:
início dos ateliês
Feira das Velharias
6 de Outubro:
Feira do Vende Tudo
20 de Outubro:
Passeio Mistério
31 de Outubro:
Feira das Velharias
14 de Novembro:
Feira do Livro

Todas as 4ªs Feiras de


manhã - Mini-Feira do
Vende Tudo

Apoios recebidos

Projecto Reutilização
Os “bastidores” das Feiras do
Centro Feira do Vende Tudo, todas as 4ªs, e Feira das Velharias, no úl-
timo Domingo de cada mês. Os que as frequentam procuram de tudo um pouco: des-
de as antiguidades raras a boas opor-
tunidades, livros a brinquedos, roupas a
loiças… Os produtos à venda nas feiras
vêm das doações que fazem ao Centro,
Distribuição
depois de seleccionados os materiais
que o Centro e as famílias apoiadas pre-
Gratuita
Ler mais - pág. 2 e 3 cisam. (págs. 6 e 7)
Venha visitar-nos em www.centrocomunitario.net e em http://centrocomunitariocarcavelos.blogspot.com
Nutkase oferece design de folhetos informativos
A Nutkase, uma empresa de
marketing que tem por objec-
que se distingue por se diri-
gir “especialmente a projec-
tos que mantêm a paixão pelo
tivo tornar o design e a criativi- que fazem”. Tem como missão
dade acessível a todos, ofereceu “oferecer a todos estes clien-
ao Centro o design de novos fo- tes estratégias de comunicação
lhetos informativos. eficientes e acessíveis, com
Direccionada para projectos de um grau de personalização e
solidariedade social, a Nutkase atendimento superior ao que é
acredita que “o tamanho de oferecido por empresas seme-
uma empresa, ou a sua factura- lhantes no mercado”.
ção, não devem diminuir o seu Para o Centro foram elaborados
acesso a ferramentas de comu- três folhetos informativos, um bre as formas de nos apoiarem.
nicação eficazes”. sobre as actividades e serviços Brevemente poderá vê-los nos
Trata-se de uma marca jovem, do Centro e os outros dois so- nossos espaços de divulgação
de informaçãoo

Doações de material escolar ao Centro


Empresas da PT doam sete caixas
A PT Contact (gestão, implementação e optimização
de Contact Centers), a PT Pro (outsourcing de profis-
sionais nas áreas de contabilidade, recursos humanos
e outras) e a PT SI (fornecimento de Soluções de Tec-
nologias e Sistemas de Informação ao mercado empre-
sarial) fizeram uma recolha de donativos e compraram
material escolar
para doar às crian-
ças apoiadas pelo
Projecto Intervir. As
Ficha Técnica: sete caixas de material escolar novo foram entregues pelas colabora-
doras da PT Ana Rita Soares e Mafalda Pereira Nunes.
Coordenação:
Natércia Martins
Redacção: Entrajuda ofereceu 19 conjuntos de material
Susana Teodoro
Layout e Grafismo:
Susana Teodoro A Entrajuda também angariou para o Centro 19 conjuntos de ma-
Revisão: terial escolar, no valor de 285€, através do Banco de Bens Doados.
Mário Marfim, Conceição Fernando
Colaboraram neste número:
Moira (receita), Cátia Silva. Ficam alguns agradecimentos das crianças e pais que usufruíram
deste material:
Propriedade:
Centro Comunitário da Paróquia de “Queria agradecer pelo material escolar que deram ao Centro. Es-
Carcavelos tamos todos muito agradecidos! Obrigada!” Magali, 12 anos.
Av. do Loureiro, 394 “Obrigado por este acto tão generoso da vossa parte. Estão a ajudar
2775-599 Carcavelos
Tel: 214 578t 952 imensas famílias carenciadas num momento de muita dificuldade.”
Fax: 214 576 768 Narith, 31 anos
Email: ccpc@netcabo.pt “Muito obrigada pelo material escolar. Vai dar-me muito jeito!”
Mónica, 13 anos. o
Visite-nos em
www.centrocomunitario.net
centrocomunitariocarcavelos.blogspot.com

2
Cá em casa
Centro no Concerto da Banda “Morangos com Açúcar”

A través da Associação Link (que faz a ponte entre grandes empresas e instituições de solidariedade
social), a TVI doou ao Centro 35 bilhetes para o concerto de final de Verão da nova banda que integrou
o elenco da série “Morangos com Açúcar”. Os bilhetes foram para as crianças do espaço ABC do Centro,
assim como para as que frenquentam o Apoio Escolar do Projecto Intervir. O ÁGORA procurou saber
como correu esta aventura e foi falar com a Mónica e a Magali Pimentel, com 13 e 12 anos, respectiva-
mente, que frequentam o Apoio Escolar.
O concerto foi às 11h, no Coliseu dos Recreios, sendo que as crianças do Apoio escolar foram todas jun-
tas de comboio, acompanhadas por alguns voluntários. Na entrada para o Coliseu a TVI fez questão de
acompanhar as crianças e fazer
algumas entrevistas, o que en-
tusiasmou muitos dos alunos.
Mas o passeio não terminou
com o concerto, e depois de
um lanche a meio da manhã,
as crianças ainda foram visitar
o Terreiro do Paço. Aqui tiraram
uma foto que marcou o dia,
onde contaram com a compa-
nhia de um artista de rua.
A Mónica e a Magali gostaram
especialmente do concerto,
mas em geral gostaram de tudo
o que o passeio trouxe.
O Centro Comunitário agradece
à TVI e à Link a oportunidade
que proporcionaram a estas
crianças!o Foto tirada depois do concerto, no Terreiro do Paço, com um artista de rua.

Agenda 2011 Agenda

2011
A Agenda 2011, sobre o tema
do Voluntariado está prestes a
e dão o seu tempo pelas nossas
causas.
Ano
Europeu do
Esperamos poder ter à venda a Voluntariado
sair! Agenda de 2011 o mais depres-
Como já indicámos anterior- sa possível. As verbas revertem
mente, 2011 foi declarado como para a construção do novo edi-
o Ano Europeu do Voluntariado fício do Centro, que inclui uma
e da Cidadania Activa, e a longa creche com capacidade para 60
tradição do Centro nesta área crianças.
fez com que quiséssemos ho- Contamos com a sua Contri-
menagear todos os que deram buição! o Centro Comunitário da Paróquia de Carcavelos

3
Traga os seus óleos usados e
ajude o Centro!
N o Centro, temos um oleão, para reco-
lha do óleo doméstico. Ao fazer a sua en-
trega a instituição recebe 0,20€ por cada
litro.

O nosso oleão encontra-se atrás da ca-


pela. Pode deixar lá as suas garrafas de
óleo usado. Colabore, divulgue e es-
tará a ajudar o Centro e a proteger o
meio ambiente!o

É obra!
Como estão as obras no Centro?
P assado o tempo de férias voltamos de novo a fa-
lar da nossa obra.
ores, onde se ini-
ciará em breve o
seu revestimento.
Neste período foram grandes as mudanças no as- Neste período foi lançado o concurso do equi-
pecto da obra, sendo já possível ver os novos espa- pamento da cozinha e solicitada a respectiva
ços que o Centro vai ganhar. Foram concluídas todas comparticipação da Segurança Social.
as paredes exteriores e interiores, tendo-se ainda Como já referimos antes, houve necessidade de re-
iniciado a aplicação de estuque. fazer as áreas da cozinha e apoios pois o projecto,
As coberturas foram impermeabilizadas e iniciado o sendo de 1996, não cumpria a actual legislação. As
revestimento final das mesmas. alterações foram muito significativas com conse-
Foram concluídos os pavimentos, com excepção da quências no agravamento quer no prazo da obra,
zona da creche. quer nos seus custos. Assim vimos mais uma vez
Para que estes trabalhos fossem feitos foi necessário apelar à generosidade de todos, pois precisamos de
a realização de um volume significativo das redes angariar cerca de 500 000€.o
águas, esgotos, aquecimento, ventilação, electrici-
dade, comunicações e segurança.
Em breve as Águas de Cascais executarão a ligação Fernando Fradique
dos esgotos à rede pública. Membro da Direcção do Centro
Estão em curso os trabalhos nas fachadas exteri-
4
Ateliês
42€ / 1 aluno - 78€ Horário: Sexta-feira 10h00 às
Duração: Outubro a Junho 12h30 Preço: 30€ (sem material
incluído)
Tapeçaria Duração: Outubro a Junho

2010-2011 Formador: Fernanda Ro-


balo
Público-alvo: maiores de
Teatro
Formador: Natacha Marjanovic
15 anos Público-alvo: maiores de 15 anos
Horário: às 4ªs, das 10h às Horário: às 3ªs, das 20h15 -
13h00 21h45
Canto e Técnica Vocal Preço: 14€ Preço: 27€
Formador: Pedro Pires Duração: Outubro a Junho Duração: Outubro a Junho
Público-alvo: maiores de 12 anos
Horário: 5ªs a partir das 17h30 Ginástica Geriátrica Teatro para
(em três turnos seguidos) Formador: Emanuel Pereira crianças
Preço: 2 alunos - 35€ / 1 aluno - 50€ Público-alvo: idade igual ou supe- Formador: Natacha Marjanovic
Duração: Outubro a Junho rior a 65 anos Público-alvo: dos 6 aos 14 anos
Horário: às 3ªs e 6ªs das 9h às Horário: às 3ªs das 17h30 às
Pintura e Artes 10h 18h30 ou das 18h40 às 19h40
Decorativas Preço: por capitação Preço: 27€
Formador: Manuela Vasconcelos Duração: Outubro a Julho Duração: Outubro a Junho
Público-alvo: maiores de 12 anos
Horário: às 5ªs, das 10h às 13h Guitarra Clássica Informática
Preço: 37€ Formador: Paulo Villa de Freitas Módulos: Windows, Word,
Duração: Outubro a Junho Público-alvo: maiores de 6 anos Excel, Power Point, Access,
Horário: às 2ªs e 4ªs a partir das Internet.
Guitarra 18h30 Horário: todos os dias úteis - 9h-
Formador: Pedro Pires e Tânia Preço: 2 alunos 42€ / 1 aluno 78€ 11h / 11h-13h / 19h30 - 21h30
Ramalho Duração: Outubro a Junho
Público-alvo: maiores de 8 anos
Horário: às 3ªs e 5ªs a partir das Azulejaria Taxa de inscrição: 26€
17h00 Formador: Elsa Figueiredo
Preço: 3 alunos - 26€ / 2 alunos - Público-alvo: maiores de 12 anos

Azulejaria este ateliê com o intuito de vir a abrir a cerâmica à


Comunidade, uma vez que o azulejo é uma forma
de cerâmica. Elsa salienta que a cerâmica foi o

E lsa Figueiredo tem 18 anos de experiência em


Cerâmica e desde há cerca de 10 que contamos com
primeiro material artificial feito pelo homem e
que a sua capacidade de resistência ao tempo
fez com que os historiadores se baseassem em
ela no Centro Comunitário. muitos achados de cerâmica para determinar a
Tirou um curso completo de 3 anos no ARCO (Centro forma como viviam os Homens há milénios.
de Arte e Comunicação Visual), e é nesta instituição O ateliê de azulejaria prevê a execução em barro do
que também é professora desde 2006. próprio azulejo e posterior decoração. Passa depois
Ao longo dos anos participou vários workshops de para o trabalho da técnica “majólica” (os azulejos
porcelana, azulejaria, processos de queima, forno que revestem o Centro provêm deste tipo de tra-
escultura (esculturas que necessitam de ser cozidas balho) e finalmente utilizam-se técnicas mais mo-
no local onde estão construídas) e construções com dernas: a Serigrafia (os azulejos da estação de metro
terras (adobe, taipa e prensa). das Laranjeiras são um bom exemplo desta técnica).
O seu percurso no Centro Comunitário começou há O objectivo deste ateliê é aproximar as pessoas de
10 anos, num ateliê de cerâmica para as crianças que uma técnica que pode ser executada por todos.
participavam na Porta Aberta. A experiência correu Pretende-se também estimular a criatividade e fo-
bem e ficou no ano lectivo seguinte a monitorizar o mentar a ligação do programa curricular com visitas
mesmo ateliê com as crianças do Espaço ABC. culturais a locais que apliquem estas técnicas.o
A azulejaria surgiu apenas no ano passado. Criou-se
5
Feira do Vende Tudo e das Velharias
Os “bastidores” das feiras do Centro
F eira do Vende Tudo, todas as
4ªs, e Feira das Velharias, no últi-
com a mãe de Alexandre, Pureza
Rodeia. Temos o seu apoio há
cerca de 4 anos.
no Centro. Vêem que produtos
é que estão disponíveis no Cen-
tro para venda e vão buscar o
mo Domingo de cada mês. Os que São eles que tratam da prepara- que falta com base nisso. Nessa
as frequentam procuram de tudo ção da Feira das Velharias e, em mesma tarde montam os cava-
um pouco: desde as antiguidades conjunto com os funcionários do letes e arrumam os produtos
raras a boas oportunidades, Centro, da Feira do Vende Tudo. todos num local mais acessível
livros a brinquedos, roupas O ÁGORA falou com os voluntári- para poderem colocar nas ban-
a loiças… Os produtos à venda nas os Isabel e Nicolau e procurou cas logo de manhã.
feiras resultam das doações que saber como funciona todo este Na 4ª feira o dia destes volun-
se fazem ao Centro, depois de se- processo de preparação. tários começa logo às 7h, com
leccionados os bens que o Centro a arrumação dos produtos nas
e as famílias apoiadas precisam. Feira e Mini-Feira do bancas. Contam também com o
Mas até estar tudo arrumadinho Vende Tudo apoio de Abaris Silva e outros co-
nas bancadas à nossa disposição, O projecto das feiras já tem al- laboradores do Centro.
há muito trabalho a ser feito. E guns anos e foi crescendo com A disposição dos produ-
para tal o Centro tem a agra- o passar do tempo. Inicialmente tos não é feita ao acaso. Os
decer aos seus colaboradores e apenas se organizava uma feira produtos de drogaria ficam
aos voluntários que se dedicam quando existiam produtos a logo na entrada, seguidos
a esta iniciativa. mais. Depois a feira tornou-se das roupas, malas e sapatos,
Os bens são deixados no Centro, trimestral, mensal, e finalmente depois as loiças e livros, e mais
no vão da escada do piso zero do semanal. Ainda assim as feiras ao fundo as antiguidades e os
edifício principal. Daqui seguem de 4ª são um pouco mais peque- produtos que não se costumam
para a zona de triagem onde é nas, excepto na primeira 4ª feira vender tanto.
feita a escolha dos produtos que de cada mês, onde existem mais A arrumação dos produtos no
já não estão em bom estado. Esta produtos disponíveis e mais va- final da feira é também feita pe-
é uma fase muito importante e riedade. los voluntários em colaboração
trabalhosa. É preciso que a es- Isto implica, como é natural, com os funcionários do Centro.
colha comece mesmo em nossas uma diferente intensidade de Todas as semanas são desig-
casas, tendo em consideração trabalho por parte de funcionári- nados alguns funcionários,
que estes produtos vão voltar a os e voluntários. Nas feiras mais que, na sua hora de almoço,
ser utilizados. Não dê nada que pequenas, à 3ª de manhã, Isabel se disponibilizm para ajudar
não ache digno desse propósito. e Nicolau começam por ir buscar na arrumação. É também
Na triagem determinam-se logo os cavaletes e bancadas e deixar nesta fase que se faz mais uma
os bens que vão ser aproveita-
dos pelo Centro, os que vão ser
doados às famílias e os que se
destinam às feiras. A triagem é
feita por Abaris Silva e Emídia
Borges, com o apoio da equipa
da manutenção e de Amadeu
Ferreira.
Em geral, é depois desta fase
que começa o trabalho dos vo-
luntários. Contamos com o casal Emídia Borges e Abaris Silva fazem a triagem dos produtos e ajudam na
Isabel e Alexandre Nicolau, e Feira do Vende Tudo

6
Isabel Nicolau e Cristina Moreira (colab.) Alexandre Nicolau Pureza Rodeia
triagem de material vendável ou do Vende Tudo. O espaço de ex- grande apoio nesta feira de Do-
não-vendável. posição dos produtos também mingo.
Alguns produtos ficam cá no é menor, por isso tem de ser Por volta das 15h começam a
Centro, outros vão para os bem racionado e considerar-se arrumar as coisas e vão encer-
armazéns e outros ainda vão que produtos com dimensões rando a banca aos poucos. “Por
para o Banco de Roupa. Agora grandes, de baixo preço não vezes basta só uma viagem
é preparar tudo de novo até compensam o transporte. para levar as coisas de volta. É
chegar à próxima feira. A Feira das Velharias, promovida quando ficamos mais contentes
Na Feira do Vende Tudo que pela Junta de Freguesia de Car- porque é sinal que vendemos
acontece na primeira 4ª feira do cavelos, acontece no último Do- muito”, afirma Alexandre com
mês, a grande diferença reside mingo de cada mês mas é logo satisfação.
na quantidade de produtos à no Sábado à tarde que carregam No final do dia ainda arranjam
venda, o que naturalmente im- o carro da D. Pureza. Seguem fôlego para descarregar a
plica mais trabalho por parte de para o mercado de Carcavelos carrinha e depois é começar
todos. onde montam as bancadas e logo a pensar na feira do
Segundo Alexandre e Isabel, são finalmente para casa onde vão mês seguinte e na póxima
feitos três transportes de produ- carregar a carrinha com o grosso feira do Vende Tudo.
tos (incluindo bancadas e cava- dos produtos que vão vender. O nosso agradecimento mui-
letes) na véspera da feira. Mais O Domingo começa logo às to especial a todos os que co-
uma vez são apoiados no trans- 5h30/6h00. Descarregam a car- laboram na realização destas
porte, carregamento e monta- rinha quando chegam e, por feiras de angariação de fundos.
gem por alguns colaboradores volta das 7h, enquanto a Isa- No mês de Setembro somando
do Centro e pelos voluntários bel fica a colocar os produtos todas as feiras e mobiliário que
disponíveis na altura. na bancada, o Alexandre segue se vendeu conseguimos an-
para um dos armazéns onde gariar 3.701,17€. o
Feira das Velharias vai buscar mais algum material.
A triagem dos produtos para a Muitas vezes
Feira das Velharias começa logo para esta fei-
no início do mês. Isabel, Alexan- ra, estes vo-
dre e Pureza fazem esta selecção luntários têm
e preparação em casa e às vezes também a
deparam-se com o quintal cheio ajuda da filha
de sacos com produtos. “As pes- do casal, Ana
soas sabem que fazemos isto Isabel Nico-
para o Centro e às vezes deixam lau e da irmã
logo lá”, afirma Isabel. da D. Isabel.
A voluntária salienta ainda que Também um
para esta feira a selecção dos companheiro
produtos para venda é direccio- feirante, o
nada para um público diferente Senhor Cabri-
do que o que frequenta a Feira ta, lhes dá um
Feira das Velharias

7
Isabel Jonet
Observatório da Pobreza
to, acesso a subsídios, reali-
necessidades alimen- dade pelo
tares e de outros ti- grande
pos) e descrever o que conhe-
representa para elas o cimento e
fenómeno da pobreza proximidade que têm de cada
e da insegurança ali- família.
mentar e da fome. Toda a informação será traba-
Foram realizados dois lhada estatisticamente e anali-
inquéritos a nível na- sada qualitativamente pela

O s Bancos Alimentares de-


sempenham desde 1992 um
cional (Portugal Con-
tinental e Regiões Autónomas
Universidade Católica, que se
constituiu parceiro deste pro-
Madeira e Açores) através de jecto, assim como os CTT são
papel relevante na temática do questionários estruturados: um que apoiaram os envios.
Combate à Pobreza e à Exclusão dirigido às instituições de soli-
Social; assim tem sido também dariedade e Conferências de S. As instituições de solidarie-
com a ENTRAJUDA desde 2004. Vicente de Paulo, e o segundo dade constituem uma rede
Se no primeiro caso a lógica de às famílias carenciadas por elas extraordinária de luta con-
intervenção tem sido assisten- apoiadas. tra a pobreza: conhecem
cialista, no segundo ela é es- O estudo tem características cada caso e com afecto po-
truturante e de capacitação da diferenciadoras assentes na re- dem promover a inclusão so-
rede de assistência aos pobres. colha dos dados através de uma cial e quebrar ciclos de pobreza.
Pareceu-nos uma boa opor- rede muito capilar, com envolvi- Para isso é necessário conhecê-
tunidade lançar neste Ano Eu- mento das instituições na re- -las, avaliar as suas expectativas
ropeu de Combate à Pobreza e colha da informação e promo- para propor soluções. O mesmo
à Exclusão Social uma iniciativa vendo o trabalho em rede. se passa em relação às pessoas
que vigorará para além dele: a O 1º Inquérito (Instituições) foi necessitadas. Esperamos
criação de um Observatório da enviado, entre 8 e 16 de Abril, que este novo Observatório
Pobreza em Portugal. para 3276 instituições tendo ajude a propor medidas
O objectivo é estudar e obser- sido recebidos 1500 respostas mais ajustadas a uma reali-
var a pobreza em Portugal, de- (taxa de resposta de 46%); o dade que provavelmente é
tectar as suas causas para as 2º Inquérito (Famílias, idosos diferente daquela que julga-
poder corrigir e conhecer a rede e utentes de lares) foi enviado mos conhecer.o
de instituições de solidariedade para 1445 instituições, entre 25
social que lutam contra a pobre- de Junho e 4 de Agosto. Foram Isabel Jonet - Presidente do
za no terreno. enviados 10 inquéritos por ins- Banco Alimentar contra a Fome
O estudo vai permitir construir tituição, num total de 14.450
um perfil, a nível nacional e inquéritos.
regional, das instituições de
solidariedade social que desen- Esperamos que os resulta-
volvem um trabalho junto das dos, previstos para Outubro,
famílias carenciadas e ainda car- permitam servir de suporte
acterizar as pessoas carencia- a políticas adequadas à rea-
das e os respectivos agregados lidade, reforçando o papel
familiares (características de- activo que as instituições
mográficas, níveis de rendimen- podem ter na mudança da

8
Agenda Cultural
Gru - O Maldisposto - estreia a 2 de Setembro
Género: Animação M6 | Realização: Chris Renaud, Pierre

Cinema
Coffin | Vozes: Jason Segel, Julie Andrews, Ken Jeong, Rus-
sell Brand, Steve Carell | Argumento: Cinco Paul, Ken Daurio.

Num feliz bairro suburbano, numa casa negra com a relva


morta vive Gru, que planeia o maior golpe na história do
mundo. Ele vai roubar a Lua...

Exposição de homenagem a António Feio


até 16 de Janeiro

António Feio nunca esqueceu o início da sua carreira no Teatro


Exposição Experimental de Cascais dirigido por Carlos Avilez. Nesta ho-
menagem ao actor e amigo recentemente falecido, o TEC expõe
diversas fotografias da estreia de António Feio nos palcos.
Horário: 3ª a Dom das 15h às 19h|Local: Espaço Memória
Teatro Experimental de Cascais (junto ao Jumbo de Cascais) |
Informações: 214670320 ou t.e.c@netcabo.pt

CICLO “VOZES DO FADO 2010”


Oeiras - Auditório Municipal Ruy de Carvalho

15 de Out. – 22h – Joana Amendoeira

Música 22 de Out. – 22h – Ricardo Ribeiro

Informações e reservas: (2ª a 6ª feira, entre as


14h e as 19h) - 214 408 582 / 24 - paulo.afonso@
cm-oeiras.pt | Preço: 7,50 € (plateia e balcão)

Espectáculo infantil Mãe Mão


2 e 16 de Outubro | 6 e 27 de Novembro

Mãe-Mão é um espectáculo teatral de música, dança e pa-


Crianças lavra destinado à muito pequena infância: bebés e crianças
dos 6 meses aos 3 anos de idade.

Local: Centro Cultural de Cascais | Preço: 5€ p/ pessoa |


Horário: 10h e às 11h30 | Duração: 25 minutos | Informa-
ções e reservas: 915816107

9
Aconteceu
“Vento Leste”, um grande sucesso no
cine-teatro de Carcavelos

Natasha Marjanovic
cavelos, que cedeu de imediato
a sua sala para podermos trazer
a cena este espectáculo de an-
gariação de fundos.
O resultado foi muito satis-
fatório. Conseguimos anga-
riar 1.203€, com uma lota-
ção totalmente esgotada.
Agradecemos a todos os
Natasha Marjanovic em cena que colaboraram para levar
a cabo esta iniciativa e especial-
A estória contada neste
“Vento Leste” não é mais que a
país.
A peça já foi apresentada em inú-
meros locais do país, incluindo a
mente à Natasha Marjanovic e
ao Sr. Semedo, sem os quais este
resultado não teria sido possível.
própria estória de Natasha Mar- Fundação Calouste Gulbenkian. Agradecemos aos que fizeram
janovic que já aqui publicámos O seu sucesso é sempre notório questão de estar presentes não
no ÁGORA. e foi de coração que Natasha só pela qualidade notória da
No dia 28 de Setembro pude- doou ao Centro o seu tempo e peça, mas também para apoiar a
mos rir, chorar e reflectir sobre dedicação. nossa causa: a construção de
as nossas acções como portu- Pudemos também contar com uma creche para cerca de 60
gueses, depois desta imigrante o precioso contributo do Sr. Se- crianças. o
mostrar a sua perspectiva deste medo, do Atlântida Cine de Car-

D eixamo-vos com alguns teste-


munhos da nossa página da rede
“Para a Natasha que tão bem de-
screveu o que é caír do céu num
país estrangeiro...os meus para-
social “Facebook” (facebook.com/ béns!” - Cristina Antunes
centro.comunitario.carcavelos):
“Parabéns à Natasha! Em menos
“Adorei a peça (esta Natasha é A de uma hora proporcionou-nos al-
melhor!), adorei o serão e acima guns sentimentos contraditórios:
de tudo adorei sentir que as pes- humor, ternura, gratidão, solida-
soas estavam ali não só p passar riedade e compaixão. Senti-me
um bom bocado, mas principal- enriquecido. Obrigado.” - João Car-
mente para se juntarem a esta doso
NOSSA causa! Obrigado a todos e
contamos convosco para futuras “Obrigada! Para mim foi um
iniciativas!” - Marta Pereira (Téc- grande prazer!”
nica de Serviço Social do Centro) Natasha Marjanovic

10
Vidas Com História
Famílias anónimas
Q uando abrimos o site das
famílias anónimas encontramos
este caos há uma pessoa que
sofre, sofre e sofre… “ Diz que
o seu sofrimento não foi nada
tra maneira. A um adulto… mui-
to difícil dizer «não»”.
E é de tão difícil aplicação que só
esta pergunta. De facto os mem- comparado com o do filho. “Na ao fim de alguns anos Maria con-
bros das famílias anónimas não sociedade são excluídos, na seguiu dizer não ao filho.
têm nenhuma adicção. O que família não são preferidos, os “Todas as mães tentam dar o
não significa que não precisem amigos perdem-se todos… São melhor aos filhos. Senão agora,
de ajuda. anos de solidão interior ”. daqui a uns tempos mas tentam
Maria, nome fictício, criou dois As Famílias Anónimas ajudaram sempre dar o melhor. É o normal
filhos “pacificamente” (citando muito. Maria começou a fre- de uma família onde os filhos
as palavras da própria) antes quentar as reuniões à cerca de 15 não são adictos. Com um adicto
de ter de lidar com a realidade anos. “Senti-me num ambiente nós temos de funcionar ao con-
muito difícil da adicção. O seu fi- onde as pessoas sabiam porque trário”.
lho mais novo, ainda adolescen- é que eu estava ali, porque é Foram muitos anos de tentati-
te, começava a manifestar um que estava arrasada, porque é vas de reabilitação, intercaladas
temperamento um pouco mais que tinha a minha vida pessoal por recaídas, mentiras, distan-
agressivo. “Era irreverente nas completamente desorganizada… ciamentos, discussões… tudo
aulas, provocador com os pro- estava confusa, sofrida e não sa- “gerido” com a ajuda do grupo
fessores… os comportamentos bia o que havia de fazer.” das “Famílias Anónimas”.
começam a notar-se ainda sem A partilha de experiências é um Actualmente o filho está
usos.” factor fundamental. “Vamos per- numa comunidade terapêu-
Quando o filho, com apenas 19 cebendo que alguma coisa resul- tica. No dia em que o ÁGORA
anos, se começou a isolar, Maria tou. Será que também resulta falou com Maria a satisfação
vai-se apercebendo que o pro- para mim?” Muitos familiares lia-se-lhe nos olhos depois
blema está relacionado com entram para o grupo à procura de relatar um telefonema que
uma adicção “Eles têm de se iso- de um remédio para a pessoa lhe tinha reacendido a esperança
lar para conseguir fazer o que adicta. “Engano”, salienta Ma- de dias melhores. Tinha dito um
querem. É uma coisa ilícita…”. ria. As Famílias Anónimas são «não» firme ao filho na semana
Começou a desconfiar quando para os familiares e não para os anterior. E depois de ouvir os gri-
dava por falta de algum dinhei- adictos. “Temos de tratar de nós tos de desagrado e a posição
ro na carteira. Teve a certeza para poder depois ajudá-los. Até agressiva, esta semana ele
quando encontrou “a ponta dos porque eu só me posso mudar ligava-lhe a agradecer a res-
charros no jardim do quintal”. a mim. Não tenho poder nem posta. o
Seguiu-se uma torrente de nega- capacidade para mudar mais
ções, justificações desonestas, ninguém. Por isso é comigo que
manipulações cuidadas… “São tenho de trabalhar”. Informação útil:
tão sedutores quanto perversos. O programa das Famílias Anóni- Associação Portuguesa de
Para satisfazer aquilo que pre- mas é muito simples mas muito Famílias Anónimas
cisam são sedutores. A adicção difícil de aplicar. É preciso “não Morada: Rua Manuel Almeida
assim o exige - Não é que se- facilitar”. E Maria fala-nos de Vasconcelos, Lote 51, 2º Dt.;
jam pessoas de índole má - Mas um “amor firme”: “é um amor Quinta do Barão
quando a coisa já entrou em des- em que se tem de dizer «não». Telefone/Fax: 214 538 709
calabro total… aí vai tudo à fren- Diz-se «não» muito facilmente a Telemóveis: 916 718 947 – 962
te. Não há pai, não há mãe…”. uma criança até aos 10 anos. A 688 811
Apesar do que passou Maria re- um adolescente já se tem de ter Email:
familiasanonimas@gmail.com
conhece que “no meio de todo cuidado. A um jovem já é de ou-

11
Receitas em Conta
Dicas para “Re-cozinhar” comida
Salada Fria de Frango Preparação:
Para aproveitar uns restos de frango assado, e porque o
calor continua tirando o apetite, quer de cozinhar, quer
de comer coisas quentes, surgiu esta Salada Fria de Fran-
go.
A confecção foi rápida e fácil.
Optou-se pela massa verde para dar mais colorido à sala-
da, mas pode ser qualquer massa média, deixando-a “al
dente”. Nada pior do que uma salada em que a massa
fique demasiado cozinhada. Depois de cozida, escorra e
passe por água fria.
Desfie o frango assado, corte dois tomates aos pedaci-
Ingredientes: nhos, uns quantos espargos de conserva às rodelas, e um
- restos de frango assado pedaço de queijo emmental aos cubinhos.
- massa verde ou qualquer outra massa Misture todos os ingredientes numa saladeira, polvilhe
média com um pouco de oregãos e tempere com azeite e vi-
- dois tomates nagre.
- orégãos, azeite e vinagre q.b.
- espargos de conserva às rodelas Poderá adicionar uma latinha de milho cozido para fazer
- queijo emmental contraste entre o doce do milho e o amargo do espargo.o
- 1 lata de milho cozido

Por: Moira http://tertuliadesabores.blogs.sapo.pt


Patrocinador

44 anos de experiência efectiva


no sector do controle de pragas
Tel: 213012294
Fax:213018411

www.ctd-desinfecoes.pt

ccpc@netcabo.pt
Este é o nosso endereço de e-mail. Está interessado em receber informação regular sobre as
nossas actividades e serviços? Então envie-nos um e-mail.