Sie sind auf Seite 1von 1025

TRATORES

MAXXUM 135-150-165-180

MANUAL DAS REPARAÇÕES

SEÇÕES:
INSTRUÇÕES GERAIS................................................................................ 00
MOTOR......................................................................................................... 10
TRANSMISSÃO............................................................................................ 21
EIXOS DE TRANSMISSÃO.......................................................................... 23
EIXO MECÂNICO FRONTAL ....................................................................... 25
TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA ................................................................ 27
TOMADA DE FORÇA ................................................................................... 31
FREIOS......................................................................................................... 33

S E R V I C E
NOTAS INTRODUTIVAS
š Este manual está subdividido em seções marcadas por números com duas cifras e há
um número da página independente no âmbito de cada seção.
Para uma referência imediata, estas seções mantêm o mesmo número de localização e
a mesma denominação dos grupos no qual está subdividido o relativo Tarifário das
Reparações.
š Os assuntos tratados e as notícias a procurar podem ser facilmente localizadas
consultando o índice indicado nas páginas seguintes.
š Cada página tem em baixo o número da impressão do manual e a respectiva data da
edição/atualização.
š As páginas objeto de futuras atualizações serão localizadas pelo mesmo número da
impressão seguido por um número de duas cifras (por exemplo: 1ª Atualização
604.55.066.31; 2ª Atualização 604.55.066.32; etc.) e pela respectiva data de emissão.
Estas páginas serão completadas pela reimpressão do índice devidamente atualizado.
š As informações contidas neste manual são atualizadas na data indicada no fascículo.
Pois que a CASE IH melhora constantemente a própria gama de produtos, algumas
informações poderiam resultar não atualizadas em conseqüência de modificações
adotadas por razões de natureza técnica ou comercial além de que por adaptação aos
requisitos de lei dos vários Países. No caso de discordância, consulte as nossas
Organizações de Venda e de Assistência CASE IH.

AVISOS IMPORTANTES
š Todas as operações de manutenção e de reparação indicadas neste manual devem ser
executadas exclusivamente pela Rede de Assistência CASE IH rigorosamente as
indicações fornecidas e utilizando, onde necessário, as ferramentas específicas
previstas.
š Qualquer um que efetue as operações de intervenção aqui descritas sem seguir
escrupolosamente as indicações tornar-se-á responsável em próprio dos danos
conseqüentes.
š O Fabricante e todas as Organizações da sua cadeia de distribuição, incluídos mas não
limitando-se aos distribuidores nacionais, regionais ou locais, declinam qualquer
responsabilidade por danos que possam derivar do comportamento anômalo de peças
e/ou componentes não aprovados pelo Fabricante, incluídos os empregados na
manutenção e/ou reparação do produto fabricado ou comercializado pelo Fabricante.
Em todo caso, não é emitida ou estabelecida nenhum tipo de garantia, em relação ao
produto fabricado ou comercializado pelo Fabricante por danos conseqüentes a um
comportamento anômalo de peças e/ou componentes não aprovados pelo Fabricante.

É proibida a reprodução mesmo parcial


do texto e das ilustrações

IMPRESSO NO BRASIL
ÍNDICE 3

ÍNDICE

Página Página
00 - ESPECIFICAÇÕES
CAPÍTULO 2 - Detecção de avarias cambio Semi-
Instruções gerais ............................................................. 1 Power Shift (Range Command)
Normas de segurança ..................................................... 3
IIntrodução....................................................................... 2
Abastecimentos ............................................................... 6
Códigos de Erros - Range Command
(Semi-Power Shift) Lógica de Mostrador de Erros....... 3
Códigos de Erros ............................................................. 6
10 - MOTOR Rotina de Diagnóstico da Transmissão ........................... 9
Códigos das anomalias ................................................. 23
Sumário ........................................................................... 1 Teste de Pressão........................................................... 55
Especificações gerais ...................................................... 3 H1 - Calibrações ............................................................ 58
Dimensões para montagem............................................. 4 H2 - Visualização de calibração do
Torques de aperto ........................................................... 7 ângulo de esterçamento............................................. 59
Ferramentas especiais .................................................. 11 Esquema Semi-Powershift e Levantador Eletrônico ..... 61
Partida do motor a frio ................................................... 11
Sistema de arrefeciemento............................................ 12
Sistema de lubrificação.................................................. 13
23 - EIXOS DA TRANSMISSÃO
Diagnóstico de falhas .................................................... 14
Remoção e instalação do motor no trator...................... 16
Especificações................................................................. 1
Desmontagem do motor ................................................ 22
Torques de Aperto ........................................................... 2
Montagem do motor....................................................... 34
Ferramentas Especiais .................................................... 2
Verificações de medições.............................................. 55
Cortes .............................................................................. 4
Regulagem da folga de válvulas.................................... 75
Detecção de Avarias........................................................ 5
Remoção, instalação e sincronização da
Descrição e Funcionamento ............................................ 5
bomba injetora rotativa............................................... 76
Diagramas dos Fluxos Hidráulicos .................................. 6
Eixo da Transmissão e Rolamento
(Desmontagem-Instalação) .......................................... 8
21 - TRANSMISSÃO Vedante do óleo do Eixo da Caixa de Transmissão
(Substituição com o eixo da caixa de
CAPÍTULO 1 - Semi-Power Shift (Range transmissãoremovido do trator..................................... 9
Command) Caixa de Transferência da Embreagem
Eletro-Hidráulica (Desmontagem-Instalação) ............ 10
Especificações................................................................. 1
Torques de aperto ........................................................... 3
Ferramentas especiais .................................................... 5
Cortes ............................................................................ 10 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL
Descrição e funcionamento ........................................... 12
Alojamento da transmissão Especificações................................................................. 1
Semi-Power Shift (Desmontagem-Instalação) ........... 15 Torques de Aperto ........................................................... 3
Transmissão Semi-Power Shift Ferramentas Especiais .................................................... 4
(Desmontagem-Remontagem)................................... 30 Cortes .............................................................................. 5
Ajuste da folga da extremidade do eixo de Descrição e Funcionamento ............................................ 6
acionamento da transmissão ..................................... 46 Detecção de Avarias - Bloqueio do Diferencial
Ajuste dos rolamentos da engrenagem acionada ......... 47 Hidráulico. .................................................................... 8
Ajuste do rolamento cônico do veio de saída e do Conjunto do Eixo Mecânico
eixo de acionamento .................................................. 48 (Desmontagem-Instalação) .......................................... 9
Grupo de válvulas de controle do Redutor Conjunto da Engrenagem Planetária
Semi-Power Shift (Desmontagem-Instalação) ........... 50 (Desmontagem-Instalação) ........................................ 12
Grupo de válvulas de controle do Redutor Conjunto do Cubo da Roda e Pinos
Semi-Power Shift (Desmontagem-Instalação) ........... 53 Articulados (Desmontagem-Instalação) ..................... 16
Solenóide de controle do Redutor Potenciômetro do Ângulo de Direção
Semi-Power Shift (Substituição)................................. 56 (Substituição) ............................................................. 19
Grupo de válvulas de controle da transmissão Engrenagem da Coroa Dentada /
Semi-Power Shift (Desmontagem-Instalação) ........... 58 Transportador do Diferencial
Solenóide da transmissão (Desmontagem-Instalação) ........................................ 20
Semi-Power Shift (Substituição)................................. 60 Bloqueio do Diferencial da Embreagem
Dianteira (Revisão)..................................................... 24

73403960 - 05.2008
4 ÍNDICE

Página Página

Pinhão do Eixo Dianteiro e Engrenagem Descrição e funcionamento ............................................. 5


da Coroa Dentada (Revisão)...................................... 27 Detecção de avarias ........................................................ 5
Ajustes do Pinhão e da Engrenagem da Freio, direita ou esquerda
Coroa Dentada ........................................................... 30 (Desmontagem-Instalação) .......................................... 7
Conjunto do Diferencial do Eixo Dianteiro Cilindro principal do freio hidráulico
(Revisão) .................................................................... 37 (Desmontagem-Instalação) ........................................ 11
Pinos Articulados e Rolamentos (Substituição) ............. 38 Sistema hidráulico de freios........................................... 13
Teste de Convergência das Rodas Dianteiras ............. 39 Conjunto do freio do estacionamento
Bloqueio do Diferencial da Embreagem (Desmontagem-Instalação) ........................................ 15
Dianteira (Revisão)..................................................... 40 Controle manual do freio ............................................... 20

27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA

Especificações................................................................. 1
Torques de aperto ........................................................... 3
Ferramentas especiais .................................................... 5
Cortes .............................................................................. 8
Descrição e funcionamento ........................................... 10
Detecção de problemas................................................. 12
Alojamento do eixo traseiro
(Desmontagem-Instalação) ........................................ 14
Alojamento do eixo traseiro
(Substituição) ............................................................. 36
Ajuste do pinhão e engrenagem da coroa
dentada ...................................................................... 46
Ajuste da engrenagem intermediária do
controle da bomba hidráulica ..................................... 56
Conjunto do Diferencial de Bloqueio Hidráulico
(Desmontagem-Instalação) ........................................58
Controle Hidráulico de Bloqueio do Diferencial
(Desmontagem-Instalação) ........................................62
Caixa do Redutor Lateral
(Desmontagem-Instalação) ........................................64
Eixo do Volante (Desmontagem-Instalação) .................67
Conjunto do Redutor Epicicloidal
(Desmontagem-Instalação) ........................................71

31 - TOMADA DE FORÇA

Especificações................................................................. 1
Torques de aperto ........................................................... 3
Ferramentas especiais .................................................... 3
Vista em Corte ................................................................. 4
Descrição e funcionamento ............................................. 5
Detecção e correção de anomalias ............................... 13
Tomada de força TDF
(Desmontagem e instalação) ..................................... 15

33 - FREIOS

CAPÍTULO 1 - Freios
Especificações................................................................. 1
Torque de aperto ............................................................. 2
Vistas em cortes .............................................................. 2
Ferramentas especiais .................................................... 4

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1 1

INSTRUÇÕES GERAIS

AVISO IMPORTANTE
Todas as operações de manutenção e reparação descritas neste manual devem ser efetuadas
exclusivamente pelo serviço de assistência CASE IH. Seguindo rigorosamente as instruções indicadas e
utilizando, se for necessário, os equipamentos específicos previstos.
Qualquer pessoa que efetuar as operações descritas sem seguir escrupulosamente as indicações tornar-se-
á o próprio responsável pelos danos conseqüentes.

CALÇOS DE AFINAÇÃO
A cada afinação, selecione os calços de afinação medindo-os um por um, com um micrômetro e somando
sucessivamente os valores medidos. Não confie uma medição errada do pacote completo ou do valor nominal
indicado para cada anel.

GUARNIÇÕES DE VEDAÇÃO PARA EIXOS ROTATIVOS


Para a correta montagem das guarnições de vedação para os eixos rotatórios, siga as seguintes instruções:
– Antes da montagem, mantenha as guarnições em banho de óleo pelo menos meia hora no mesmo óleo de
qual farão a vedação;
– Limpe cuidadosamente o eixo e assegure-se que a superfície de trabalho do mesmo não esteja estragada;
– Oriente o lábio de vedação para o fluido. No caso de lábio hidrodinâmico as riscas devem estar orientadas
de modo que, considerando o sentido de rotação do eixo, tendem a levar o fluido para dentro da vedação;
– Espalme no lábio de vedação uma camada de lubrificante (o óleo é preferível à massa) e encha com massa
a folga entre o lábio de vedação e a borda do retentor de óleo das guarnições com lábio duplo;
– Introduza a guarnição na relativa sede pressionando-a ou utilizando um punção com superfície de contato
plana. Evite absolutamente golpeá-la com um martelo ou um martelo de borracha;
– Durante a sua colocação certifique-se de que a guarnição esteja perpendicularmente em relação ao
alojamento. Quando terminar esta colocação, certifique-se de que nos casos necessários estejam em
contato com o apoio;
– Para evitar que o lábio de vedação da guarnição possa ser estragado pelo eixo, interponha uma proteção
durante a montagem das duas peças.

O-RINGS
Lubrifique as guarnições O-rings antes de introduzi-las nas respectivas sedes. Para evitar que, durante a fase
de montagem, rolem sobre si mesmas e adquiram uma posição enroscada que prejudicaria a vedação.

JUNTAS DE VEDAÇÃO
Aplique um dos seguintes juntas de vedação: RTV SILMATE, RHODORSIL CAF 1, ou LOCTITE PLASTIC
GASKET sobre as superfícies a emparelhar indicadas com um X.
Antes de proceder à aplicação, prepare a superfície no seguinte modo:
– remova as eventuais incrustações com uma escova metálica;
– desengordure cuidadosamente as superfícies mediante um dos seguintes detergentes: tricloretilena,
petróleo ou solução de água e soda.

ROLAMENTOS
É aconselhável aquecer os rolamentos de 80 a 90C antes de montá-los nos seus respectivos eixos, arrefeça-
os antes de inseri-los nas relativas sedes com anéis externos.

PINOS ELÁSTICOS
Na montagem dos pinos elásticos com cabeça fendida assegure-se de que o entalhe dos mesmos seja
orientado no sentido do esforço, que atua sobre o pino.
Os pinos elásticos em espiral, pelo contrário, não precisam de nenhuma orientação durante a instalação.

73403960 - 05.2008
2 SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1

NOTAS PARA PEÇAS SOBRESSELENTES


Utilize exclusivamente peças originais Case, as únicas com esta marca.

São as únicas que garantem a mesma qualidade, a mesma duração, a mesma segurança das peças originais
porque são as mesmas peças montadas na produção.
Só as peças sobressalentes originais Case podem oferecer esta garantia.
As encomendas das peças sobressalentes devem ser completas das seguintes indicações:
– modelo do trator (denominação comercial) e número do chassis;
– tipo e número do motor;
– número da encomenda da peça pedida, a qual pode ser encontrada nas "Micro-fichas" ou no "Catálogo das
peças sobressalentes", em base do qual são emitidas as encomendas.

NOTAS PARA O EQUIPAMENTO


Os equipamentos que a Case propõe e ilustra neste manual são:
– estudados e desenhados expressamente para utilizar em tratores da gama Case
– necessários para obter uma reparação fiável;
– cuidadosamente realizados e severamente verificados para oferecer meios de trabalho eficientes e
duradouros.
Lembramos também ao Pessoal técnico da reparação que equipar-se significa:
– trabalhar em condições tecnicamente ideais;
– obter o melhor resultado;
– economizar tempo e fatiga;
– trabalhar com maior segurança.

AVISOS
Os limites de desgaste fornecidos para alguns pormenores devem ser entendidos como valores
aconselhados, mas não absolutamente vinculados. As indicações "anterior", "posterior", "direita", e "esquerda"
referida a partes diferentes são entendidas com o operador no banco do condutor e orientado de acordo com
o sentido normal de movimento do trator.

COMO MOVIMENTAR O TRATOR SEM A BATERIA


Os cabos do alimentador externo devem estar ligados exclusivamente aos respectivos terminais dos cabos
positivo e negativo do trator usando pinças em boas condições que permitam um contato apropriado e estável.
Desligue todos os utilizadores (luzes, pare-brisas, etc.) antes de arrancar com o trator. Se for necessário a
verificação do funcionamento da instalação elétrica do trator, efetue-a exclusivamente com o alimentador
ligado. No final da verificação, desligue todos os utilizadores e desative o alimentador antes de desligar os
cabos.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1 3

NORMAS DE SEGURANÇA

ATENÇÃO A ESTE SÍMBOLO


Este símbolo de aviso indica as mensagens importantes que interessam à sua
segurança.
Leia atentamente as normas de segurança indicadas e siga as precauções
aconselhadas para evitar potenciais perigos e proteger a sua saúde e integridade
física.
Neste manual encontrará este símbolo junto às seguintes palavras-chaves:
AVISO - para avisos finalizados para evitar operações de reparações
inadequadas e com potenciais conseqüências que afetem a segurança do
pessoal técnico de manutenção.
PERIGO - na presença de avisos que indiquem especificamente potenciais
perigos para a integridade física do condutor ou de outras pessoas diretamente
ou indiretamente envolvidas.

PARA EVITAR ACIDENTES š Nunca faça a máquina funcionar ou usar as


relativas ferramentas de outra posição que não
A maioria dos acidentes e acidentes pessoais que seja aquela de sentada no banco de condutor.
se verificam nas oficinas são causados pela falta de
š Nunca efetue nenhuma operação na máquina
obediência de determinada norma simples e
quando o motor está em movimento, exceto
fundamental de prudência e de segurança Por este
quando for especificamente indicado.
motivo, NA MAIORIA DOS CASOS ESSES PODEM
SER EVITADOS. Basta prever as causas possíveis š Pare o motor e certifique-se de que não tenha
e agir de conseqüência com a necessária cautela e mais pressão nos circuitos hidráulicos antes de
prudência. retirar capuzes, tampas, válvulas, etc.
Com qualquer tipo de máquina, embora seja bem š Todas as operações de reparação e manutenção
projetada e construída, não é possível excluir em devem ser efetuadas com a máxima atenção e
absoluto qualquer eventualidade de acidente. cuidado.
Um mecânico atento e prudente é a melhor garantia š As escalas e as plataformas de serviço utilizadas
contra os acidentes. na oficina ou no campo devem ser de fabrico
conforme as normas contra acidentes de
A observância escrupulosa de uma única e
trabalho em vigor.
elementar norma de segurança seria já o suficiente
para evitar muitos acidentes graves. š Desligue as baterias e rotule todos os comandos
para avisar que tem uma operação em curso.
PERIGO: Nunca execute nenhuma operação de
Trave a máquina e qualquer equipamento que
limpeza, lubrificação ou manutenção com o motor
deve ser levantado.
ligado.
š Nunca verifique ou abasteça os depósitos, as
baterias com acumuladores, nem use o líquido
NORMAS DE SEGURANÇA para arranque, enquanto se fuma ou nas
GENERALIDADES proximidades de chamas soltas, porque os
fluidos são inflamáveis.
š Siga atentamente os procedimentos de
manutenção e de reparação indicadas. š Os freios são inativos quando são soltos
manualmente para operações de manutenção.
š Não use anéis, relógios de pulso, jóias, roupas
Nestes casos, é preciso providenciar a
desabotoadas ou soltas, tais como gravatas,
manutenção do controle da máquina mediante
roupas rasgadas, cachecol, casacos
paragens ou dispositivos similares.
desabotoados ou blusas com fecho aberto que
possam agarrar-se nas partes em movimento. š A pistola de distribuição do combustível deve
Aconselha-se, pelo contrário, que use roupas sempre estar em contato com a boca de
aprovadas para fins de segurança, por exemplo: enchimento. Mantenha este contato até a
sapatos anti-escorregamento, luvas, óculos de interrupção do abastecimento para evitar a
proteção, capacetes, etc possibilidade de fazer surgir faíscas devido à
acumulação de eletricidade estática.
š Nunca efetue nenhuma intervenção de
assistência na máquina com pessoas no banco
do condutor, exceto se eles são condutores
autorizados para assistir na operação a
desenvolver.

73403960 - 05.2008
4 SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1

š Nos reboques utilize exclusivamente os pontos š No caso de operações fora da oficina, leve o
de engate indicados. Ligue as peças com trator para uma área plana e bloqueie-o. Se o
atenção. Assegure-se de que os pinos e/ou trabalho em declive for inevitável, trave primeiro
trincos previstos estão bem fixados antes de o trator com cuidado. Mova-o para uma área
aplicar a tração. Não pare perto das barras do plana logo que seja possível com uma certa
reboque, cabos ou correntes que trabalham sob margem de segurança.
carga. š Desconfie das correntes ou cabos deteriorados
š Para as transferências de um trator em avaria ou dobrados. Não os utilize em levantamento ou
utilize um reboque ou um carro com um plano de tensão. Para manuseá-los use sempre as luvas
carga rebaixado, se estiver disponível. de espessura apropriada.
š Para carregar ou descarregar a máquina do š As correntes devem estar sempre bem fixadas.
veículo de transporte, escolha uma área plana Certifique-se de que o engate é bastante robusto
que ofereça um sólido suporte às rodas do para suportar a carga prevista. Não deve haver
reboque ou camião. Fixe bem a máquina no pessoas próximas do ponto de engate das
plano do camião ou do reboque e trave as rodas correntes ou dos cabos.
como requerido pelo vetor. š A área de trabalho deve ser mantida sempre
š Para os aquecedores elétricos, o carregador de LIMPA e SECA. Limpe imediatamente qualquer
baterias e equipamentos similares utilize derramamento de água ou de óleo.
exclusivamente fontes de alimentação auxiliares š Não amontoe os trapos embebidos de massa ou
de corrente com uma ligação à terra eficaz para de óleo, pois constituem um grande risco de
evitar o risco de choques elétricos. incêndio. Coloque-os sempre num recipiente
š Se tiver que levantar ou transportar peças metálico fechado.
pesadas utilize sempre equipamento de š Antes de colocar em movimento o trator ou as
suspensão ou similares com capacidade ferramentas, controle, regule e bloqueie o banco
apropriada. do condutor. Assegure-se também de que não há
š Preste especial atenção à presença de pessoas pessoas no raio de ação do trator ou da
nas proximidades. ferramenta.
š Nunca despeje gasolina ou óleo diesel em š Não traga nos bolsos nenhum objeto que possa
recipientes abertos, amplos e baixos. cair sem ser visto dentro dos vãos internos do
š Nunca utilize gasolina, óleo diesel ou outros trator.
líquidos inflamáveis como detergentes. Utilize š Se houver a possibilidade de ser atingidos pela
solventes existentes no mercado não inflamável projeção de peças metálicas ou similares, utilize
e não tóxico. a máscara de proteção ou óculos com proteções
š Ao utilizar o ar comprimido para a limpeza dos laterais, capacetes, sapatos especiais e luvas
pormenores, proteja-se com óculos que tenham pesadas.
proteções laterais. š Se tiver que efetuar operações de soldadura, é
š Limite a pressão a um máximo de 2.1 bar, necessário utilizar as proteções contra acidentes
segundo as normas locais ou nacionais em vigor. de trabalho: os óculos escuros, capacetes, fato-
š Não faça o motor funcionar em recintos fechados macaco, luvas e sapatos especiais. Os óculos
sem adequada ventilação. escuros devem ser usados também pelas
pessoas que não efetuam o trabalho mas estão
š Não fume, não utilize chamas livres, nem cause
nas proximidades durante a soldadura. NUNCA
faísca nas proximidades quando se abastece ou
OLHE PARA O ARCO DA SOLDADURA SE OS
manuseia líquidos facilmente inflamáveis.
OLHOS NÃO ESTÃO PROTEGIDOS DE MODO
š Não utilize chamas como fonte de iluminação APROPRIADO.
quando está trabalhando ou procurando fugas na
š Cabos de metal com o uso começam a desfazer-
máquina.
se. Ao manuseá-los proteja-se sempre de modo
š Mova-se com cautela quando tiver que efetuar adequado (luvas pesadas, óculos de proteção,
trabalhos debaixo do trator, por cima ou nas suas etc.)
proximidades. Use os equipamentos de proteção
š Manuseie todas as peças com muito cuidado.
previstos: capacetes, óculos e sapatos especiais.
Mantenha as mãos e dedos longe de folgas,
š Durante os controles nos quais o motor deve mecanismos de rotação e similares. Use sempre
estar ligado, peça ajuda à um assistente que equipamento de proteção aprovado tais como:
deve permanecer sentado no banco do condutor óculos de proteção, luvas pesadas e sapatos de
e manter sob controle visual o mecânico em cada proteção.
momento.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1 5

ARRANQUE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA


š Nunca faça o motor funcionar em recintos š Um fluido que passa por um orifício muito
fechados que não disponham de sistemas pequeno pode ser quase invisível e ser o
adequados de ventilação capaz de eliminar os bastante para penetrar na pele. Por esta razão,
gases de descarga. NUNCA USE AS SUAS MÁOS PARA
š Nunca aproxime a cabeça, corpo, braços, CONTROLAR AS FUGAS, utilize um pedaço de
pernas, pés, mãos, dedos das ventoinhas ou cartão ou um pedaço de madeira. Se o jato de
correias em rotação. fluido for injetado na pele, dirija-se
imediatamente a um médico. De facto, se faltar
MOTOR um tratamento sanitário imediato, podem
verificar-se sérias infecções ou uma dermatose.
š Antes de retirar o tampo do radiador desatarraxe-
š Se tiver que verificar as pressões da instalação
o muito lentamente para descarregar a pressão
utilize os instrumentos apropriados.
da instalação. Os enchimentos de líquido
refrigerante devem ser efetuados
RODAS E PNEUS
exclusivamente com o motor parado ou no
mínimo, se estiver quente. š Certifique-se de que os pneus estejam calibrados
š Não abasteça o depósito quando o motor está corretamente na sua pressão indicada pelo
em funcionamento, principalmente se está fabricante. Verifique periodicamente os
quente, para evitar provocar incêndio no caso de eventuais estragos dos aros e pneus.
borrifos de combustível. š Permaneça afastado, ao lado do pneu para
š Nunca tente verificar ou regular a tensão das corrigir a pressão de enchimento.
correias da ventoinha com o motor em š Verifique a pressão somente quando o trator
funcionamento. estiver descarregado e os pneus estiverem frios
Nunca regule a bomba de injeção de combustível para evitar uma errada medição com
quanto o trator está em movimento. sobrepressão. Não reutilize partes de pneus
š Nunca lubrifique o trator quando o motor está em recauchutados porque soldas, abrasivos ou
funcionamento. aquecimentos mal feitos podem tê-los
enfraquecidos e causar quebras.
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS š Nunca corte nem solde um aro com o pneu
montado e cheio.
š Se for necessário usar baterias auxiliares,
lembre-se que em ambas as extremidades os š Para desmontar os pneus, trave a dianteira e a
cabos devem ser ligados do seguinte modo: (+) traseira do trator em todas as rodas. Depois de
com (+) e (-) com (-). Evite curto-circuito nos ter levantado o trator, para evitar que caia,
terminais. O GÁS QUE SE SOLTA DAS predisponha suportes debaixo do trator de
BATERIAS É MUITO INFLAMÁVEL. Durante as acordo com as normas em vigor.
recargas, deixe descoberto o vão das baterias š Esvazie o pneu antes de remover qualquer
para melhorar a ventilação. Nunca verifique o objeto que tenha ficado preso na banda de
estado da carga da bateria mediante "pontes" rodagem.
feitas apoiando objetos metálicos nos terminais. š Nunca encha os pneus com gases inflamáveis
Evite faíscas ou chamas na área das baterias. porque poderiam provocar explosões e
Não fume para não provocar riscos de explosão. ferimentos às pessoas nas proximidades.
š Antes de qualquer operação, controle que não
tenha fugas de combustível ou de eletricidade. REMOÇÃO E INSTALAÇÃO
Remova estas fugas antes de prosseguir com o š Levante e manuseie todos as peças pesadas
trabalho. com um equipamento de levantamento de
š Não recarregue as baterias em recintos capacidade adequada. Assegure-se que as
fechados. Assegure-se que a ventilação é peças sejam suportadas por correntes e ganchos
apropriada para evitar a possibilidade de apropriados. Utilize os olhais de levantamento
explosões acidentais devidas à acumulação dos previstos para esta finalidade. Preste atenção às
gases emitidos durante as recargas. pessoas próximas às cargas a levantar.
š Desligue sempre as baterias antes de qualquer š Manuseie todas as peças com muita atenção.
operação na instalação elétrica. Não coloque as mãos e os dedos entre duas
peças. Use as roupas de proteção aprovadas tais
como: óculos, luvas e sapatos de proteção.
š Evite enroscar as correntes ou cabos metálicos.
Use sempre as luvas de proteção para manusear
cabos ou correntes.

73403960 - 05.2008
6 SEÇÃO 00 - GENERALIDADES - CAPÍTULO 1

ABASTECIMENTOS

A tabela a seguir resume as recomendações de óleos e lubrificantes para a manutenção e o abastecimento


do trator MAXXUM.

NOTA: Para informações detalhadas sobre períodos de troca de fluídos e recomendações de manutenção,
consultar o Manual do Operador do trator.

LUBRIFICAR COM:
Lubrificare con:
Lubrificate with:
Lubrifier avec:
Engrasar con:

N° 1 ENGINE OIL
Cárter do motor Coppa motore Engine sump Carter moteur Carter de aceite

NEXPLORE TRANSMISSION OIL


Caixa de câmbio Scatola cambio Gearbox Bolte de vitesses Caja de cambios
Eixo traseiro Transmissione posteriore Rear axle Transmissione arrière Transmissón posterior
Comandos finais Riduttori laterali Final drives Reducteurs lateraux Reductores laterales
Sistema hidráulico Sollevatore idraulico Hydraulic lift Relevage hydraulique Elevador hidráulico
Tomada de força Preza di forza P.T.O. Frise de force Toma de fuerza
Eixo dianteiro Ponte anteriore Front axle Pont avant Puente anterior
Direção hidrostática Guida idrostatica Power steering Diretion hidrostatique Servodirección
LHM FLUID
Comando de freio e Comando freni e frizione Brake & Clutch Commande freines et Comando frenos y
embreagem control embrayage embrague

MULTI PURPOSE GREASE 251 H EP


Pinos graxeiros Ingrassatori a pressione Grease fittings Graisseurs à pression Engrassadores a
presion
PREMIUM ANTI-FREEZE
Radiador Radiatore Radiator Radiateur Radiator

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 1

SEÇÃO 10 - MOTOR

Capítulo 1 - Motor

ÍNDICE

Descrição Página
ESPECIFICAÇÕES GERAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
DIMENSÕES PARA MONTAGEM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
TORQUES DE APERTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
FERRAMENTAS ESPECIAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
PARTIDA DO MOTOR A FRIO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
SISTEMA DE ARREFECIMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
DIAGNÓSTICO DE FALHAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
REMOÇÃO E INSTALAÇÃO DO MOTOR NO TRATOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
INSTALAÇÃO DO MOTOR NO CAVALETE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
DESMONTAGEM DO MOTOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Remoção do turbocompressor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Desmontagem das válvulas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Substituição das buchas do bloco de cilindros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
MONTAGEM DO MOTOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Instalação dos Tuchos e da Árvore de Comando de Válvulas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Instalação dos bicos aspersores de óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Instalação dos mancais principais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Instalação da árvore de manivelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Instalação das capas dos mancais principais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Montagem do conjunto pistão/biela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Acoplamento pistão/biela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Instalação dos anéis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Instalação das bronzinas de biela. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Instalação dos conjuntos pistão/biela nas camisas de cilindro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Esquema para instalação dos conjuntos pistão/biela nas camisas de cilindro. . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Instalação das capas de biela. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Sincronismo da árvore de comando de válvulas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Instalação da caixa de engrenagens de sincronismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Instalação da bomba d’água. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Instalação da bomba de óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Instalação da junta de vedação do cárter do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Instalação do cárter de óleo do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Instalação do volante do motor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Instalação do cabeçote do filtro de óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Instalação do alternador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Montagem do cabeçote de cilindros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Instalação do cabeçote de cilindros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Instalação dos conjuntos dos balancins . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Instalação dos bicos injetores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Instalação das tampas de válvulas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Instalação do coletor de escape . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Instalação do termostato. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Instalação da polia do ventilador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Instalação da correia do alternador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Instalação do coletor de admissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Instalação da bomba de alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Instalação dos tubos de pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Instalação do filtro de combustível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Instalação do turbocompressor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Completando o motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

73403960 - 05.2008
2 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

VERIFICAÇÕES E MEDIÇÕES. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Bloco de cilindros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Árvore de manivelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Árvore de comando de válvulas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Conjunto pistão/biela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Cabeçote de cilindros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
REGULAGEM DA FOLGA DE VÁLVULAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
REMOÇÃO, INSTALAÇÃO E SINCRONIZAÇÃO DA BOMBA INJETORA ROTATIVA . . . . . . . . . . . . . . 76
Remoção da bomba injetora. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Remoção e instalação da luva dentada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Sincronismo da bomba injetora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Instalação da bomba injetora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
Desaeração (sangria) do sistema de combustível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
Verificação do sincronismo da bomba injetora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 3

ESPECIFICAÇÕES GERAIS

MODELO MAXXUM 135 MAXXUM 150 MAXXUM 165 MAXXUM 180


Motor, tipo F4CE0684J.D600
Ciclo Diesel, 4 tempos
Sistema de alimentação Turboalimentador com pós-resfriador
Número de cilindros 6
Diâmetro. . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 104
Curso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 132
Cilindrada . . . . . . . . . . . . . . . . .cm3 6728
Relação de compressão 17,5:1
Ordem de injeção 1-5-3-6-2-4
Marcha lenta. . . . . . . . . . . rpm ± 25 800 800 1000 800
Rotação máxima sem carga
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . rpm ± 25 2500 2500 2450 2530
Potência e rotação nominal 105 (143) 113 (154) 125 (170) 135 (183)
. . . . . . . . . . . . . . . . kW (cv) @ rpm @ 2200 @ 2300 @ 2200 @ 2300

Sistema de injeção Direta


Bomba injetora, tipo Bomba injetora rotativa Bosch VE
Pressão de injeção. . . . . . . . . . bar 245
Ponto de injeção (levantamento do el-
emento da bomba injetora, cilindro no.
1 do motor no PMS) . . mm @ PMS 1,00 ± 0,05

Lubrificação forçada via bomba de lóbulos, válvula de alívio de


Sistema de lubrificação
pressão, filtro de óleo
Pressão de óleo (quente)
- Em marcha lenta . . . . . . . . bar mín. 1,2
- Na rotação máxima . . . . . . bar máx. 3,8

Sistema de arrefecimento, tipo Pressurizado com fluxo total, desvio e tanque de expansão
Bomba d'água Acionamento por correia
Válvula termostática, temperatura
início de abertura . . . . . . . . . . . . °C 81 ± 2
Pressão da tampa do radiador
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . bar 1,0

Folga das válvulas (motor frio)


- Admissão . . . . . . . . . . . . . . mm 0,25 a 0,35
- Escape . . . . . . . . . . . . . . . . mm 0,50 a 0,60

73403960 - 05.2008
4 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

DIMENSÕES PARA MONTAGEM

DESCRIÇÃO mm
MONTAGEM NO BLOCO DE CILINDROS
Camisas de cilindro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 1 104,0 a 104,024
Camisas de cilindro:
- diâmetro externo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 2 -
- comprimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . L -
Camisas de cilindro - sedes no bloco de cilindros (interferência) -
Diâmetro externo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 2 -
Camisas de cilindro:
- diâmetro interno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 2 -
Pistões fornecidos como peça de reposição:
- medida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X 55,9
- diâmetro externo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 1 103,730 a 103,748
Sede do pino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 2 38,010 a 38,016
Pistão - camisas de cilindro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,252 a 0,294
Diâmetro do pistão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,5
Projeção do pistão acima do bloco de cilindros . . . . . . . . . . . . . X 0,28 a 0,42
Pino do pistão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 3 38,000 a 38,006
Pino do pistão - sede do pino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,004 a 0,016
Canaletas dos anéis de pistão: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X1 2,690
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X2 2,44 a 2,46
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X3 4,03 a 4,05
Anéis de pistão: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . S1 2,560 a 2,605
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . S2 2,340 a 2,350
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . S3 3,970 a 3,990
Anéis de pistão - canaletas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 0,245 a 0,265
...................................................2 0,100 a 0,110
...................................................3 0,004 a 0,008
Anéis de pistão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,5
Abertura dos anéis na camisa de cilindros. . . . . . . . . . . . . . . . . X1 0,3 a 0,4
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X2 0,25 a 0,55
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X3 0,25 a 0,55
Alojamento do casquilho de biela. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 1 40,987 a 41,013
Alojamento da bronzina de biela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 2 72,987 a 73,013
Diâmetro do casquilho de biela:
- externo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 3 40,987 a 41,013
- interno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 4 38,019 a 38,033
(continua)

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 5

DESCRIÇÃO mm
(continuação)
Bronzina de biela fornecida como peça de reposição . . . . . . . . . S 1,955 a 1,
968
Bronzina de biela - alojamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . -
Pino de pistão - bucha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,013 a 0,033
Bronzina de biela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,250 a 0,500
Medida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X -
Desalinhamento máximo no eixo da biela . . . . . . . . . . . . . . . . . . = -
Munhões principais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 1 82,990 a 83,001
Munhões de biela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 2 68,987 a 69,013
Bronzinas principais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . S1 2,456 a 2,464
Bronzinas de biela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . S2 1,955 a 1,968
Bronzinas principais:
- nº. 1 - 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 3 87,982 a 88,008
- nº. 2 - 3 - 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 4 87,977 a 88,013
Bronzinas principais - munhões principais:
- nº. 1 - 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,064 a 0,095
- 2-3-4-5-6 ..................................... 0,059 a 0,100
Bronzinas de biela - munhões de biela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,064 a 0,090
Bronzinas principais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . + 0,250; + 0,500
Bronzinas de biela
Bronzinas principais para folga axial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X1 37,475 a 37,550
Bronzinas principais para folga axial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X2 31,730 a 32,280
Arruelas de encosto semicirculares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X3 37,280 a 37,380
Folga axial da árvore de manivelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,095 a 0,270

CABEÇOTE DE CLINDROS
Diâmetro das guias de válvulas no cabeçote. . . . . . . . . . . . . . Ø 1 8,019 a 8,039
................................................. Ø2 -
Guias de válvulas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 3 -
Guias de válvulas e diâmetros no cabeçote. . . . . . . . . . . . . . . . . . -
Guias de válvulas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . -
Válvulas:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 4 7,963 a 7,943
............................................... α 60º
................................................. Ø4 7,963 a 7,943
............................................... α 45º
Haste de válvula e respectiva guia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,052 a 0,092
(continua)

73403960 - 05.2008
6 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

DESCRIÇÃO mm
(continuação)
Diâmetro no cabeçote para sede de válvula:
- admissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 1 46,987 a 47,013
- escape . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 1 43,637 a 43,663
Diâmetro externo da sede de válvula; ângulo da sede de válvula no
cabeçote:
- admissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 2 47,063 a 47,089
............................................... α 60º
- escape . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 2 47,713 a 43,739
............................................... α 45º
Recesso:
- admissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X 0,356 a 1,102
- escape . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X 0,104 a 0,84
Entre sede de válvula e cabeçote:
- admissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,050 a 0,102
- escape . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,050 a 0,102
Sedes de válvula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . -
Altura da mola de válvula: -
- mola livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . H 63,05
sob carga de:
- 329 N . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . H1 49,02
- 641 N . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . H2 38,20
Projeção do bico injetor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . X não ajustável
Alojamentos das buchas da árvore de comando de válvulas nº. 1 - 7 59,222 a 59,248
Assentos da árvore de comando de válvulas nº. 2 - 3 - 4 - 5 - 6 . . 54,089 a 54,140
Munhões da árvore de comando de válvulas 1 => 7 . . . . . . . . . . . 53,995 a 54,045
Diâmetro externo da bucha da árvore de comando de válvulas . Ø 59,222 a 59,248
Diâmetro interno da bucha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 54,083 a 54,147
Buchas e assentos no bloco de cilindros
Buchas e munhões de apoio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,038 a 0,162
Levantamento útil do came . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . H -
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .H -
Alojamento do tucho no bloco de cilindros. . . . . . . . . . . . . . . . Ø 1 -
Diâmetro externo do tucho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 2 15,929 a 15,959
................................................. Ø3 15,965 a 15,930
Entre tuchos e alojamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,025 a 0,070
Tuchos
Eixo dos balancins . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 1 18,963 a 18,975
(continua)

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 7

DESCRIÇÃO mm
(continuação)
Balancins . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ø 2 19,000 a 19,026
Entre balancins e eixo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,025 a 0,063

TORQUES DE APERTO

COMPONENTE N.m

Bicos aspersores (M8 x 1,25 x 10) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 ± 3

Mancais principais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1a etapa 50 ± 3


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2a etapa 80 ± 5
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3a etapa 90º ± 5º

Caixa de engrenagens de sincronismo. . . . . . . . . (M8 x 1,25 x 40) 24 ± 4


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . (M10 x 1,5 x 30) 47 ± 5

Bomba de óleo (M8 x 1,25 x 30). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1a etapa 8±1


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2a etapa 24 ± 4

Parafusos das capas de biela (M11 x 1,25) . . . . . . . . . . . 1a etapa 30 ± 3


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2a etapa 60 ± 5
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3a etapa 60º ± 5º

Parafusos de fixação do cárter de óleo (ver Figura 5)


Parafusos Nº 23 e 26 M10 x 1,5 x 45 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 ± 5
Parafusos Nº 3 - 10; 13 - 20; 24 - 25 M10 x 1,5 x 90 . . . . . . . . . . . 70 ± 5
Parafusos Nº 1 - 2 - 21 - 22 M10 x 1,5 x 125 . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 ± 5
Parafusos Nº 11 - 12 M10 x 1,5 x 190 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 ± 5

Instalação da bomba de combustível


Parafusos M8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 ± 4
Parafusos M6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 ± 1
Porcas M6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 ± 1

Porcas de fixação da bomba injetora M10x1,5 . . . . . . . para fixar 10 - 15


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . torque final 50 - 55

Fixação dos balancins / cabeçote (M8) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 ± 4

Aperto da porca de regulagem (3/4”-24). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 ± 4

Parafusos de fixação do cabeçote de cilindros


Etapa 1 (M12 x 1,75 x 70 - 10.9) Parafusos 3, 6, 11, 14, 19 e 22. . 50
Etapa 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . + 90º
Etapa 1 (M12 x 1,75 x 140 - 10.9)
Parafusos 1, 2, 7, 8, 9, 10, 15, 16, 17, 18, 23, 24, 25 e 26. . . . . . . 40
Etapa 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . + 90º
Etapa 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . + 90º
Etapa 1 (M12 x 1,75 x 180 - 10.9) Parafusos 4, 5, 12, 13, 20 e 21 70
Etapa 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . + 90º
Etapa 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . + 90º
Tampa de válvulas (M8 x 1,25 x 25) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 ± 4

(continua)

73403960 - 05.2008
8 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

COMPONENTE N.m

(continuação)

Fixação do coletor de admissão (M8 x 1,25) . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 ± 4

Montagem da união do ar de admissão (M8 x 1,25) . . . . . . . . . . . 24 ± 4

Fixação do coletor de escape (M10 x 1,5 x 65) (ver fig 2) . . . . . . . 43 ± 6

Fixação da bomba d’água (M8 x 1,25 x 25) . . . . . . . . . . . 1a etapa 24 ± 4


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2a etapa 43 ± 6

Fixação da polia do ventilador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . (M6) 10 ± 2


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . (M10) 43 ± 6

Fixação do ventilador (M10) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 ± 5

Fixação dos suportes para içamento . . . . . . . . . (M12 x 1,75 x 25) 7 ± 12


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . (M10) 43 ± 5

Polia da árvore de manivelas (M12 x 1,75 - 10,9) . . . . . . . . . . . . . 50 ± 5


+ 90º ± 5º

Fixação volante / árvore de manivelas (M12x1,25) . . . . . 1a etapa 85 ± 10

Fixação bico injector / cabeçote de cilindros . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 ± 5

Fixação da bomba de alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 ± 4

Fixação do turbocompressor / coletor de escape (M10). . . . . . . . . 43 ± 6

Fixação do tubo de lubrificação / turbocompressor (M12 x 1,5) . . . 35 ± 5

Fixação da engrenagem de sincronismo (M8 x 1,25 x 20) . . . . . . . 36 ± 4

Fixação da chapa de retenção da árvore de comando de válvulas


(M8 x 1,25 x 20) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 ± 4

Fixação da polia dianteira (M12 x 1,25) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 ± 5


+ 90º ± 5º

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 9

Seqüência de aperto dos parafusos do cabeçote de


cilindros:
1ª etapa - aperto com torquímetro:
• Parafuso M12 x 1,75 x 70
(ref. 3-6-11-14-19-22) 50 Nm
• Parafuso M12 x 1,75 x 140
(ref. 1-2-7-8-9-10-15-16-17-18- 23-24-25-26)
40 Nm
• Parafuso M12 x 1,75 x 180:
(ref. 4-5-12-13-20-21) 70 Nm
2ª etapa - aperto com ângulo de 90º em todos os
parafusos. 1
3ª etapa - aperto adicional com ângulo de 90º somente
para os parafusos de 140 e 180 mm.
A = lado do ventilador

Seqüência de aperto dos parafusos do coletor de


escape.

Seqüência de aperto dos parafusos e porcas do


turbocompressor:
• Pré-aperto 4-3-1-2
• Aperto 1-4-2-3

73403960 - 05.2008
10 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Seqüência de aperto dos


parafusos do cárter do motor.

Seqüência de aperto dos


parafusos do trocador de calor.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 11

FERRAMENTAS ESPECIAIS

Nº. DA FERRAMENTA DESCRIÇÃO

291182 Extrator da engrenagem da bomba injetora

380000988 Ferramenta para girar e travar o motor

380001003 Dispositivo de verificação da biela

380001601 Adaptador para sincronizar a bomba injetora

CNHT 0013 Martelo deslizante

CNHT 0908 Extrator da pista externa do retentor dianteiro

CNHT 0909 Extrator da pista externa do retentor traseiro

CNHT 0910 Extrator dos bicos injetores

CNHT 0911 Suportes de fixação do motor ao cavalete

PARTIDA DO MOTOR A FRIO

A partida a frio, que é automática, é constituída por


um elemento aquecedor instalado no coletor de
admissão, conectado à chave de partida pelo cabo
(1), e um sistema de controle.
Quando acionado pela chave de partida, o sistema
inflamará o combustível presente no coletor de
admissão, aquecendo o ar admitido antes de este
ser aspirado para a câmara de combustão.

Uma luz indicadora (2) no painel de instrumentos


acenderá, indicando que o aquecedor do sistema de
partida a frio foi ativado. Apenas quando equipado com
equipamento opcional de partida a frio.

73403960 - 05.2008
12 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

SISTEMA DE ARREFECIMENTO

O sistema de arrefecimento de circuito fechado e circulação forçada é composto pelos seguintes componentes:
- Tanque de expansão: sua localização, forma e tamanho dependem da versão do motor.
- Radiador, cuja função é dissipar o calor que o líquido refrigerante absorve do motor. Este componente também
é um equipamento dependente da versão do motor e de posicionamento.
- Arrefecedor do óleo de lubrificação.
- Bomba d’água centrífuga alojada na parte dianteira do bloco de cilindros.
- Termostato controlando a circulação de líquido refrigerante.
- O circuito também pode ser estendido ao compressor de ar, caso a versão o inclua.

A = Para o radiador
B = Do radiador

DIAGRAMA DO SISTEMA DE ARREFECIMENTO

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 13

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

O sistema de lubrificação de circulação forçada é complementado pela bomba de óleo alojada na parte dianteira
do bloco de cilindros.
O óleo lubrificante é enviado do cárter para a árvore de manivelas, árvore de comando de válvulas e válvulas de
controle.
O sistema de lubrificação inclui também o arrefecedor de óleo e turbocompressor. Todos estes componentes
podem mudar de acordo com a utilização e serão cobertos mais à frente sob títulos específicos.

Óleo pressurizado
Óleo sob ação da gravidade

9
1. Filtro de óleo - 2. Arrefecedor de óleo - 3. Válvula de alívio - 4. Bomba de óleo -
5. Peneira na sucção do cárter de óleo - 6. Cárter de óleo

73403960 - 05.2008
14 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

DIAGNÓSTICO DE FALHAS

IMPORTANTE: Ao efetuar uma reparação no motor, é importante pesquisar a causa da avaría e procurar eliminá-
la para evitar que a falha ocorra novamente.

A seguir, como orientação, são apresentadas várias ocorrências e suas possíveis causas, bem como respectivas
ações corretivas.

PROBLEMA CAUSAS POSSÍVEIS AÇÃO CORRETIVA

O motor não • Processo de partida incorreto. • Rever o processo de partida.


funciona ou tem
• Pouco ou nenhum combustível. • Verificar o nível de combustível.
dificuldade em
trabalhar • Ar nas tubulações do combustível. • Sangrar o sistema de combustível.
• Temperatura ambiente baixa. • Usar a partida a frio.
• Sistema de combustível • Limpar e sangrar o sistema de
contaminado. combustível.
• Bomba do combustível inoperante. • Verificar fusíveis. Se bons, substituir
a bomba.
• Filtro(s) do combustível entupido(s). • Substituir elemento(s) filtro
combustível.
• Falha nos injetores do combustível. • Consultar o seu Concessionário
Case IH.
• Falha no solenóide do combustível • Consultar o seu Concessionário
ou no relé do solenóide. Case IH.
• Óleo do motor de viscosidade • Usar óleo de viscosidade correta.
incorreta.
• Combustível incorreto para a • Utilizar o tipo correto do
temperatura de trabalho. combustível para as condições da
temperatura.
• Baixa rotação de partida. • Ver a rotação de partida na parte
Elétrica.
• Filtro(s) do combustível entupido(s). • Substituir elemento(s) filtro
combustível.

O funcionamento do • Sistema de combustível • Limpar e sangrar o sistema de


motor é irregular ou contaminado. combustível.
perde rotação
• Regulagem incorreta do solenóide • Consultar o seu Concessionário
do combustível. Case IH.
• Respiro da tampa do combustível • Lavar o respiro da tampa em diesel
entupido. limpo.

Continua...

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 15

...Continuação
PROBLEMA CAUSAS POSSÍVEIS AÇÃO CORRETIVA

Motor sem força • Motor sobrecarregado. • Reduzir: marcha, carga, lastro.


• Filtro de ar entupido. • Limpar filtro de ar.
• Temperatura do funcionamento do • Verificar os termostatos.
motor muito baixa.
• Superaquecimento do motor. • Ver causa do aquecimento do
motor.
• Filtro(s) de combustível entupido(s). • Substituir elemento(s) filtro do
combustível.
• Combustível incorreto. • Utilizar o tipo correto de
combustível.
• Folga das válvulas do motor • Verificar e ajustar.
incorreta.
• Falha nos injetores de combustível. • Consultar o seu Concessionário
Case IH.
• Falha na bomba injetora de • Consultar o seu Concessionário
combustível. Case IH.
• Rotação máxima sem carga muito • Consultar o seu Concessionário
baixa. Case IH.
• Vazamento de ar nos coletores de • Verificar, corrigir ou consultar seu
admissão e escape. Concessionário Case IH.
• Falha do turbocompressor (se • Consultar o seu Concessionário
instalado). Case IH.
• Implemento mal regulado. • Ver o Manual do Operador
implemento.

Motor com batidas • Sincronismo da bomba injetora. • Consultar o seu Concessionário


Case IH.
• Nível do óleo do motor baixo. • Adicionar óleo conforme
necessário.
• Pressão do óleo no motor baixa. • Consultar o seu Concessionário
Case IH.
• Temperatura funcionamento motor • Verificar os termostatos.
baixa.
• Superaquecimento do motor. • Ver causa do aquecimento do
motor.

Superaquecimento • Nível do óleo de motor baixo. • Adicionar óleo conforme


do motor necessário.
• Nível baixo do líquido arrefecimento • Encher tanque de expansão do
do motor. líquido de arrefecimento. Verificar
fugas no sistema de arrefecimento.
• Termostato(s) defeituoso(s). • Verificar termostato(s).
• Colméia do radiador sujo ou • Limpar.
entupido.
• Sobrecarga excessiva do motor. • Reduzir: marcha, carga, lastro.

Continua...

73403960 - 05.2008
16 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

...Continuação
PROBLEMA CAUSAS POSSÍVEIS AÇÃO CORRETIVA

Superaquecimento • Tampa de pressão do radiador • Substituir a tampa do radiador.


do motor deficiente.
(continuação)
• Sistema de arrefecimento obstruído. • Lavar o sistema de arrefecimento.
• Correia da ventoinha folgada ou • Verificar tensor automático,
gasta. substituir correia se estiver gasta.
• Vazamento nas mangueiras ou nas • Apertar uniões e/ou substituir
uniões. mangueiras.
• Deficiência no termostato ou no • Consultar o seu Concessionário
indicador. Case IH.
Baixa temperatura • Termostato(s) danificado(s). • Substituir termostato(s).
de funcionamento
do motor

Baixa pressão do • Nível de óleo baixo. • Adicionar óleo conforme


óleo do motor necessário.
• Graduação ou viscosidade do óleo • Drenar e colocar óleo de
incorreta. especificação correta.

Consumo excessivo • Nível do óleo do motor muito alto. • Reduzir ao necessário o nível do
do óleo do motor óleo.
• Graduação ou viscosidade do óleo • Drenar e colocar óleo de
incorreta. especificação correta.
• Tubo do filtro de ventilação do • Substituir o filtro de ventilação.
carter, obstruído.
• Falha no turbocompressor (se • Consultar o seu Concessionário
instalado). Case IH.
• Vazamento de óleo. • Reparar vazamentos.
• Guias/vedantes das válvulas, • Consultar o seu Concessionário
gastas. Case IH.
Consumo excessivo • Baixa temperatura de • Ver, baixa temperatura de
do combustível funcionamento do motor. funcionamento do motor.
• Falha no turbocompressor (se • Consultar o seu Concessionário
instalado). Case IH.
• Motor sobrecarregado. • Reduzir: marcha, carga ou lastro.
• Filtro de ar obstruído. • Limpar filtro de ar.
• Combustível incorreto. • Utilizar o tipo correto de
combustível.
• Folga das válvulas de motor, • Verificar e ajustar.
incorreta.
• Injetores de combustível danificado. • Consultar o seu Concessionário
Case IH.
• Bomba injetora danificada. • Consultar o seu Concessionário
Case IH.
• Vazamento de ar, coletores de • Verificar e corrigir e/ou Consultar o
admissão e escape. seu Concessionário Case IH.
• Implemento mal ajustado. • Ver o Manual do Operador do
implemento.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 17

REMOÇÃO E INSTALAÇÃO DO MOTOR NO TRATOR

Remoção do eixo dianteiro do motor


1. Desligue a bateria, desligando primeiro o cabo
massa.
2. Desligue as tubagens da direção hidráulica do
cilindro.

10

3. Remova a proteção da roda motriz dianteira do


suporte do eixo e o próprio eixo, se montado.
4. Desligue o tubo hidráulico de bloqueio do diferencial
dianteiro nos modelos de Tração às Quatro Rodas.
Figura 11.
5. Se o ar condicionado estiver montado, extraia o
condensador do suporte do radiador e retire o filtro
desidratador. Retire cuidadosamente ambas as peças
da parte dianteira do trator e fixe-as ao lado do motor
certificando-se de que não fiquem penduradas dos
tubos.
6. Extraia o radiador do óleo do suporte do radiador
do motor e fixe-o longe, certificando-se de que também 11

neste caso não fique pendurado dos tubos.


7. Desligue a ligação elétrica do sensor do ângulo de
esterçamento, se montado.
8. Drene o fluido do sistema de arrefecimento num
recipiente limpo e desligue as mangueiras do radiador.
Desligando a mangueira inferior obtém-se um ótimo
ponto de drenagem. Coloque uma bandeja larga e
limpa sob o veículo para recuperar o líquido para uma
sucessiva reutilização.
9. Remova o cárter da ventoinha do radiador, deixando
o cárter na posição.
10. Desligue o tubo de aspiração do filtro do ar. Figura. 12

73403960 - 05.2008
18 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

11. Posicione os cavaletes da ferramenta, 292320 com


o suporte do motor, na posição. Se um cavalete da
ferramenta não for disponível use um guindaste no
painel superior com lâminas adequadas. Coloque a
lâmina frontal e posterior do suporte axial dianteiro
para mantê-lo em equilíbrio.
NOTA: É necessário retirar a tampa do motor.
Coloque cunhas entre o eixo e o respectivo suporte
para evitar oscilações. Remova a ferragem de retenção
do motor dianteiro e afaste o próprio eixo e o
respectivo suporte do motor.
13

Remoção do motor da transmissão (com o mo-


tor já desmontado do eixo dianteiro)
1. Remova o silenciador de descarga.
2. Desligue o ligador do capô e retire o grupo do capô
do motor. Figura 14.

14
3. Desligue os cabos do motor de arranque retire os
parafusos de retenção e remova o motor de arranque.
Figura 16.
4. Desligue os tubos hidráulicos do filtro sedimentador
do combustível e de retorno ao depósito.
5. Desligue as ligações principais do motor.
6. Desligue o tubo da água da união-válvula do
dispositivo de aquecimento colocado na cabeça do
cilindro.
7. Desligue os tubos hidráulicos, perto do alojamento
da carcaça.
8. Desligue os tubos dos freios das bombas de
comando. 15
10. Desligue o tubo flexível esquerdo do dispositivo
de aquecimento à cabine, perto do alojamento da
carcaça.
11. Desligue as juntas rápidas do sistema de ar
condicionado.
12. Engate o motor ao guincho apropriado, utilizando
a ferramenta N.° 290740 com as braçadeiras 50075 e
50076. Desaperte os parafusos de fixação do motor
à transmissão. Remova com cuidado o motor da
transmissão, certificando-se de que todos os cabos,
mangueiras e tubos estão desligados. Coloque o mo-
tor sobre um cavalete adequado para a reparação.

16

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 19

Instalação do Motor
A instalação do motor segue o processo inverso da
desmontagem, tendo em conta os seguintes pontos:
• Assegure-se de que todos os parafusos de fixação
estão apertados ao torque correto como indicado
nas especificações.
• Depois de ter ligado a bateria, será necessário
ajustar o rádio e o relógio.
• Certifique-se depois da instalação que o nível de
todos os fluidos e lubrificantes é o correto. Arranque
o motor e faça-o funcionar até alcançar a
temperatura de funcionamento correta para purgar 17
o ar do sistema de arrefecimento. Pare o motor,
verifique se existem fugas, repare se necessário e
volte a verificar os vários níveis.

73403960 - 05.2008
20 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

INSTALAÇÃO DO MOTOR NO CAVALETE

! CUIDADO !
Ver procedimentos específicos para as operações de
remoção do motor. As operações de remoção,
desmontagem e montagem do motor, devem ser
executadas por pessoas habilitadas e utilizando
ferramentas específicas.

! CUIDADO !
Devido aos requisitos ditados pela aplicação, alguns
conjuntos podem estar localizados em posições
diferentes do motor.

Para estar apto a fixar o suporte CNHT 0911 para


fixar o motor no cavalete e executar a reforma,
proceder conforme a seguir.
Retirar do lado direito:
1. Retirar o filtro de óleo (1) localizado no arrefecedor
de óleo.

! CUIDADO !
Notar que o filtro de óleo contém aprox. 1 kg de óleo
de motor.
Coletar e dispor o óleo do motor de acordo com a
legislação vigente.
Posicionar o recipiente coletor de fluido de maneira
apropriada.
Cuidado! Evitar o contato do óleo de motor com a
pele: em caso de contato, lavar a área de contato 18
com água corrente.

2. Desconectar o tubo de drenagem do óleo lubrificante


(1) do turbocompressor:
• Soltar os dois parafusos (2) da parte inferior do
turbocompressor;
• Soltar o parafuso (3) de fixação do tubo ao bloco
com a braçadeira (4);
• Por último, soltar a união (5) do bloco. Tampar as
extremidades do tubo e a saída do turbocompres-
sor.

19

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 21

3. Suportar o motor apropriadamente e instalar o


suporte CNHT 0911, utilizando os furos de fixação
existentes na face traseira (1).

20

4. Conectar o segundo suporte CNHT 0911 utilizando


os furos roscados (2) na parte frontal do motor.

21

NOTA: O suporte frontal requer 2 parafusos com


medidas (M 20 x 1,5 x 50 mm) para fixação (3).

5. Levantar o motor e colocá-lo no cavalete giratório.

22

73403960 - 05.2008
22 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

DESMONTAGEM DO MOTOR

6. Drenar o óleo através do bujão de drenagem sob o


cárter.

! CUIDADO !
Cuidado! Evitar o contato do óleo de motor com a
pele: em caso de contato, lavar a área de contato
com água corrente. Óleo para motor é altamente
poluidor; dispor o óleo do motor de acordo com a
legislação vigente.

7. Remover o corpo do termostato (2) com o


termostato (5), vedador (4) e suporte (3) soltando os
parafusos (1).

23

Remoção do turbocompressor
8. Soltar a porca (1) e desconectar o tubo de
lubrificação do turbocompressor. Proceder de maneira
semelhante na outra extremidade do tubo e
desconectá-lo do topo do arrefecedor de óleo.
9. Soltar as porcas de fixação (2) do turbocompres-
sor ao coletor de escape.
10. Suportar o turbocompressor (5), levantá-lo e retirar
a junta.
11. Soltar as porcas de fixação (3) e retirar o coletor
de escape (4).
24

12. Posicionar um recipiente coletor sob o filtro de


diesel e abrir a torneira de drenagem (6) de
condensação, localizada sob o filtro. Drenar todo o
diesel contido.
13. Abrir totalmente a torneira e retirar o filtro de die-
sel (1).
14. Desconectar os tubos de combustível (2 e 3)
respectivamente da bomba de alimentação para o
cabeçote do filtro e deste para a bomba injetora.
15. Retirar o cabeçote do filtro (4) de seu suporte
fixado ao cabeçote de cilindros.
16 . Desconectar o cabo elétrico (5) da bomba injetora.
25

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 23

! CUIDADO !
Para desconectar os tubos de baixa pressão (2 e 3
da figura anterior) de suas fixações, será necessário
pressionar as travas (1), conforme mostrado na figura
B.
Após desconectar o tubo, posicionar a trava (1)
novamente em sua posição de bloqueio (figura A)
evitando que fique travada.

26

17. Desconectar o tubo (1) do LDA do cabeçote e da


bomba injetora. Colocar bujões nas extremidades do
tubo, no cabeçote e na bomba injetora.

27

28
1. Tubo de retorno de combustível para a bomba - 2. Bomba injetora rotativa - 3. Bico injetor -
4. Tubo de pressão - 5. Tudo de retorno de combustível dos injetores

73403960 - 05.2008
24 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

18. Remover os tubos (2) de retorno e alimentação


de combustível entre a bomba e os injetores: soltar
as porcas de fixação dos tubos aos elementos de
bombeamento; soltar a braçadeira do tubo de
recuperação de combustível para a bomba injetora;
soltar as porcas nos injetores e soltar os parafusos
de fixação do tubo de retorno de combustível; soltar
os parafusos de fixação (1) dos suportes dos tubos
acima mencionados. Tampar as extremidades dos
tubos.

29

19. Remover os bicos injetores (2) e extraí-los de seus


alojamentos, utilizando a ferramenta CNHT 0910 junto
com o martelo deslizante (1) CNHT 0013. Resgatar
os vedadores.

30

20. Soltar os dois parafusos de fixação (2) e remover


a bomba de alimentação (1).

31

21. Com o motor no PMS (ver “REMOÇÃO,


INSTALAÇÃO E SINCRONIZAÇÃO DA BOMBA
INJETORA ROTATIVA” neste manual), soltar o
parafuso (1) e remover o espaçador (2). Apertar
novamente o parafuso (1) bloqueando o eixo da bomba
injetora.
NOTA: Conservar o espaçador (2). Recomenda-se
prendê-lo à bomba com um grampo ou arame.
22. Soltar as porcas (3) de fixação da bomba ao bloco
de cilindros.
23. Remover a bomba injetora e o seu vedador.

32

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 25

24. Remover as tampas das válvulas: soltar os


parafusos de fixação (1) e levantar as tampas (2).
Resgatar as juntas.

! CUIDADO !
A tampa dianteira já foi retirada na ilustração.
A tampa central contém a válvula de respiro dos
vapores do óleo lubrificante (blow-by).
Todas as juntas devem ser substituídas durante a
montagem.

33

25. Remover o coletor de admissão: soltar os oito


parafusos de fixação (1) da placa do coletor de
admissão ao cabeçote (dois deles já foram soltos,
um vez que eles seguram os suportes dos tubos de
pressão dos bicos injetores).

34

26. Remover os conjuntos dos balancins: soltar os


dois parafusos de fixação (2) e remover o conjunto de
balancins. Extrair as varetas de válvulas.
Repetir esta operação para todos os conjuntos de
balancins.
27. Remover o sensor de temperatura do líquido
refrigerante (1).

35

73403960 - 05.2008
26 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

28. Utilizando uma catraca com encaixe de ½”, aliviar


a tensão do tensionador (1) e remover a correia de
acionamento (2).
NOTA: A correia possui comprimento maior nos
tratores equipados com ar condicionado.

36

29. Soltar os parafusos (2) e remover o cabeçote do


filtro de óleo (1) do bloco de cilindros. Remover os
vedadores e o arrefecedor de óleo.

37

30. Soltar os parafusos (1) e remover o alternador do


motor.

38

31. Soltar os parafusos de fixação (1) do conector de


entrada de líquido refrigerante (2).

39

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 27

32. Remover a polia intermediária (1) da dianteira do


motor.
33. Soltar os quatro parafusos (2) e remover a polia
(3).
34. Soltar o parafuso (4) e remover o tensionador (5).
35. Soltar o parafuso (6) e remover o suporte do
tensionador (5).
36. Soltar os parafusos (8) e remover a base (7) do
bloco de cilindros.
37. Soltar os parafusos (10) e remover a bomba d‘água
(9) do bloco de cilindros.

40

38. Soltar os parafusos (1) e (2) de fixação do cabeçote


de cilindros (3).
39. Passando cabos de aço nos suportes e utilizando
uma talha, remover o cabeçote de cilindros do bloco
de cilindros.
40. Remover a junta (4) do bloco de cilindros.

41

Desmontagem das válvulas


41. As cabeças das válvulas de admissão (1) e es-
cape (2) possuem diâmetros diferentes.

! CUIDADO !
Antes de remover as válvulas do cabeçote de cilindros,
numerá-las para que sejam instaladas nas mesmas
posições, caso não sejam substituídas.
A = lado da admissão

42

73403960 - 05.2008
28 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

42. As válvulas são retiradas utilizando-se uma


ferramenta geral para comprimir molas de válvulas (1).
Aplicar pressão sobre o disco (3), e assim
comprimindo a mola (4), torna-se possível remover
as travas (2). Remover o disco (3) e a mola (4).
43. Repetir esta operação para todas as válvulas.
44. Girar o cabeçote e remover as válvulas (5).

43

45. Remover os vedadores (1) e (2) das guias das


válvulas.

! CUIDADO !
Os vedadores (1) para as válvulas de admissão são
amarelos.
Os vedadores (2) para as válvulas de escape são
verdes.

44

46. Instalar no motor a ferramenta para retenção e


giro da árvore de manivelas, 380000988 (1) para
bloquear o giro do volante do motor.
47. Soltar os parafusos de fixação do volante do mo-
tor à árvore de manivelas.

45

48. Soltar os parafusos (1) e remover a polia (2).

46

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 29

49. Extrair o vedador da tampa dianteira. Instalar a


ferramenta (4) CNHT 0908 na extremidade dianteira
(2) da árvore de manivelas. Furar o vedador interno (1)
com uma broca de 3,0 mm, através dos furos-guia da
ferramenta, com uma profundidade de 5 mm.
50. Fixar a ferramenta no vedador utilizando os seis
parafusos fornecidos. Extrair o vedador (1) rosqueando
o parafuso (3) no sentido horário.

Obs: Existem outros tipos de extratores disponíveis


para este retentor, os quais devem ser utilizados
conforme as recomendações do fabricante.

47

51. Utilizar um gancho adequado (3) com o auxílio


de uma alavanca (4) para extrair o vedador externo
(2) da tampa dianteira (1).

48

52. Remover os parafusos (1) e remover a bomba de


óleo (2).

! CUIDADO !
Anotar a posição de montagem dos parafusos (1),
uma vez que eles são de comprimentos diferentes.

49

73403960 - 05.2008
30 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

53. Remover dois parafusos (1), simetricamente


opostos, onde serão instalados os pinos extratores
(ver ilustração a seguir).
54. Soltar os demais parafusos de fixação do volante
(3) na árvore de manivelas (2).
55. Remover a ferramenta de bloqueio do volante do
motor (4).

50

56. Colocar dois parafusos de comprimento adequado


nos furos (4) para suportar o volante do motor com
uma talha.
57. Utilizando os dois pinos-guia (2) previamente
instalados nos furos da árvore de manivelas (3), guiar
a extração do volante do motor (1) com o auxílio de
uma talha.

51

58. Extrair o vedador, aplicando a ferramenta (3) CNHT


0909 na extremidade traseira (5) da árvore de
manivelas.
59. Furar o vedador interno (1) com uma broca de 3,0
mm, através dos furos-guia da ferramenta, com uma
profundidade de 5 mm.
60. Fixar a ferramenta (3) CNHT 0909 no vedador (1)
utilizando os seis parafusos fornecidos (4).
61. Extrair o vedador (1) rosqueando o parafuso (2)
no sentido horário.
62. Utilizar um gancho adequado com o auxílio de
uma alavanca para extrair o vedador externo da tampa 52
traseira.

Obs: Existem outros tipos de extratores disponíveis


para este retentor, os quais devem ser utilizados
conforme as recomendações do fabricante.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 31

63. Girar o motor de cabeça para baixo.


64. Soltar os parafusos (2) e remover o cárter de óleo
do motor (1).
65. Soltar os parafusos (3) e remover a caixa de
engrenagens de sincronismo (4) do bloco de cilindros.

53

66. Soltar os parafusos (1) e remover a engrenagem


(3) da árvore de comando de válvulas (2).

54

67. Soltar os parafusos (1) de fixação das capas de


biela (2) e retirá-las.
NOTA: Marcar as capas para certificar-se de que
serão instaladas nas mesmas bielas originalmente
instaladas.
68. Extrair os pistões juntamente com as bielas, pela
parte de cima do bloco de cilindros.

! CUIDADO !
Manter as bronzinas em seus respectivos
alojamentos uma vez que, se elas forem reutilizadas,
elas deverão ser montadas na mesma posição 55
encontrada na desmontagem.

73403960 - 05.2008
32 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

69. Soltar os parafusos (1) e remover as capas dos


mancais principais (2).

56

70. A capa do penúltimo mancal principal (1) e seu


mancal, possuem bronzina (2) com encosto lateral.

! CUIDADO !
Marcar, por trás, a posição de montagem das
bronzinas, do bloco e da capa, uma vez que, se elas
forem reutilizadas, elas deverão ser montadasna
mesma posição encontrada na desmontagem.

57

71. Utilizando ganchos adequados (1), levantar e re-


mover a árvore de manivelas (2) do bloco de cilindros.

! CUIDADO !
Nunca remover o flange e a engrenagem da árvore de
manivelas, os quais são montados com interferência,
sem chaveta.

58

72. Remover as bronzinas principais (1); remover os


parafusos (2) e remover os ejetores de óleo (3).

59

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 33

73. Soltar os parafusos (1) e remover a chapa (2) de


retenção da árvore de comando de válvulas (3).

! CUIDADO !
Anotar a posição de montagem da chapa (2).

60

74. Cuidadosamente, extrair a árvore de comando de


válvulas (1) do bloco de cilindros.

61

75. Extrair os tuchos (1) do bloco de cilindros.

62

Substituição das buchas do bloco de cilindros


76. Para substituir a bucha dianteira (1), utilizar uma
haste adequada para sua remoção e instalação.

! CUIDADO !
Durante a instalação, a bucha (1) deve ser direcionada
de forma que os furos de lubrificação coincidam com
os furos do seu alojamento no bloco de cilindros.

63

73403960 - 05.2008
34 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

MONTAGEM DO MOTOR

Instalação dos Tuchos e da Árvore de Comando


de Válvulas
77. Lubrificar os tuchos (1) e posicioná-los em seus
alojamentos no bloco de cilindros.

64

78. Lubrificar as buchas de apoio da árvore de


comando de válvulas e instalar a árvore de comando
de válvulas (1), tomando cuidado para não danificar
as buchas nem os alojamentos, durante este
processo.

65
79. Posicionar a chapa (1) de retenção da árvore de
comando de válvulas (3) com a ranhura voltada para o
topo do bloco de cilindros e a marca puncionada
voltada para o operador. Apertar os parafusos (2) com
o valor especificado de torque.

66
80. Verificar a folga axial da árvore de comando de
válvulas (1); deve ser 0,23 ± 0,13 mm.

67

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 35

Instalação dos bicos aspersores de óleo


81. Posicionar os bicos aspersores (2) e apertar os
parafusos de fixação (1) com o valor especificado de
torque (15 ± 3 Nm).

68

Instalação dos mancais principais

! CUIDADO !
Caso não seja necessário substituir as bronzinas dos
mancais principais, as mesmas devem ser instaladas
exatamente na mesma ordem e nas mesmas
posições em que se encontravam quando da
desmontagem.

NOTA: As bronzinas principais (1) são fornecidas


como peça de reposição em sub-medidas de
diâmetro interno de 0,250 – 0,500 mm.

! CUIDADO !
Não modificar os mancais de nenhuma maneira.

82. Limpar cuidadosamente as bronzinas (1) com furo


de lubrificação e instalá-las em seus respectivos
alojamentos.
83. A penúltima bronzina dos mancais principais (1)
possui arruelas de encosto semicirculares.

69

Instalação da árvore de manivelas


84. Instalar a árvore de manivelas (1) em seu
alojamento.
85. Verificar a folga entre os munhões principais da
árvore de manivelas e suas respectivas bronzinas,
procedendo conforme descrito a seguir na próxima
operação.

70

73403960 - 05.2008
36 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Instalação das capas dos mancais principais


86. Certificar-se de que todas as peças estejam
perfeitamente limpas e sem vestígios de óleo.
87. Instalar as capas (1) com as bronzinas (2) em
seus respectivos alojamentos.
NOTA: Para medir a folga dos mancais principais,
ver “VERIFICAÇÕES E MEDIÇÕES” neste manual.

71

88. Antes de reutilizar os parafusos de fixação das


capas dos mancais principais, efetuar duas medições
no diâmetro conforme mostrado na figura, medindo
os diâmetros D1 e D2:
• Se D1 – D2 < 0,1 mm, o parafuso pode ser
reutilizado.
• Se D1 – D2 > 0,1 mm, o parafuso deve ser
substituído.

72

89. Apertar os parafusos pré-lubrificados (1) em três


estapas sucessivas.
• 1ª etapa com torquímetro 50 ± 3 Nm.
• 2ª etapa com torquímetro 80 ± 5 Nm.

73

90. 3ª etapa com um medidor de ângulo (1) instalado


e posicionado conforme a figura, apertar os parafusos
(2) com um ângulo de 90º ± 5º.

74

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 37

Montagem do conjunto pistão/biela


Acoplamento pistão/biela
91. As seguintes referencias são estampadas no in-
terior da coroa do pistão:
(1) Número de peça de reposição e número de
modificação de projeto.
(2) Seta indicando a direção de montagem do pistão
no cilindro, deve indicara frente do bloco de
cilindros.
(3) Data de fabricação.
(4) Estampagem indicando teste do inserto da 1ª 75
canaleta.

92. Utilizando o pino (3) conectar o pistão (2) à biela


(4), de modo que a seta de referência (1) para
instalação do pistão (2) na camisa do cilindro e os
números (5) estampados na biela (4) sejam
observados conforme mostrado na figura.

76

93. Inserir os anéis-trava (2) do pino (1) do pistão.

Instalação dos anéis


77
94. Para instalar os anéis (1) no pistão (2), utilizar
um alicate para anéis adequado (3).
95. Os anéis devem ser instalados com a palavra
“TOP” voltada para cima e posicionados de maneira
que suas aberturas fiquem defasadas em 120º.

! CUIDADO !
Anéis de pistão são fornecidos como peça de
reposição nas seguintes medidas:
- standard, marcado com tinta amarela;
- sobre-medida 0,5 mm e marcado com tinta amarela/
verde.
78

73403960 - 05.2008
38 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Instalação das bronzinas de biela


96. Instalar as bronzinas (1) nas bielas e nas capas.

! CUIDADO !
Caso não seja necessário substituir as bronzinas de
biela, as mesmas devem ser instaladas exatamente
na mesma ordem e nas mesmas posições em que
se encontravam quando da desmontagem. As bielas
são produzidas utilizandose uma técnica de corte
tornando cada biela e capa únicas e tendo apenas
uma única maneira de montagem.
Não modificar as bronzinas de nenhuma maneira. 79

Instalação dos conjuntos pistão/biela nas


camisas de cilindro
97. Lubrificar bem os pistões, incluindo os anéis e o
interior das camisas de cilindro.
98. Com o auxílio de uma cinta para anéis (2), instalar
os conjuntos pistão/biela (1) nas camisas de cilindro,
verificando que:
• O número de cada capa de biela corresponda à
sua biela.

80

Esquema para instalação dos conjuntos pistão/


biela nas camisas de cilindro
• As aberturas dos anéis devem ficar defasadas em
120º
• Os conjuntos pistão/biela devem ser todos da
mesma classe de peso.
• A seta (1) estampada na coroa do pistão deve estar
voltada para a frente do bloco de cilindros, ou o
recesso na saia do pistão deve corresponder à
posição dos bicos aspersores de óleo.

81

Instalação das capas de biela


99. Apertar os parafusos (1) pré-lubrificados com óleo
de motor com o valor especificado de torque utilizando
um torquímetro (2).
• 1ª etapa com torquímetro 30 ± 3 Nm
• 2ª etapa com torquímetro 60 ± 5 Nm.
NOTA: Para medir a folga das capas de biela, ver
procedimento em “VERIFICAÇÕES E MEDIÇÕES”
neste manual.

82

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 39

100. Instalar um medidor de ângulo (1) na catraca e


apertar os parafusos (2) com um ângulo de 60º ± 5º.

83

Sincronismo da árvore de comando de válvulas


101. Utilizar uma caneta de marcação para marcar o
dente da engrenagem de acionamento (1) instalada
na árvore de manivelas (2) no lado onde a marca de
referência para sincronismo está estampada.
NOTA: Instalar dois pinos roscados no flange da árvore
de comando para auxiliar na operação de girar a árvore
de manivelas.

84

102. Guiar a árvore de manivelas (4) e a árvore de


comando de válvulas (2) de maneira que quando
instalar a engrenagem conduzida (1) na árvore de
comando de válvulas, as marcas estampadas nas
engrenagens (3) e (4) coincidam.

85

103. Apertar os parafusos (1) de fixação da


engrenagem (2) à árvore de comando de válvulas (3)
com o valor especificado de torque 36 ± 4 Nm.

86

73403960 - 05.2008
40 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Instalação da caixa de engrenagens de


sincronismo
DIAGRAMA DA ZONA PARA APLICAÇÃO DO
SELANTE LOCTITE 5205 NA PLACA ADAPTADORA
104. Limpar cuidadosamente a placa adaptadora e o
bloco de cilindros.

! CUIDADO !
A limpeza das superfícies de vedação é necessária e
indispensável para obter-se vedação efetiva. Aplicar
selante LOCTITE 5205 na caixa de maneira a formar
um fio (1) de poucos milímetros de diâmetro. Deve
87
ser uniforme, sem caroços, sem bolhas de ar, sem
afinamentos e sem rupturas. Qualquer falha deve ser
corrigida no menor tempo possível. Evitar utilizar
excesso de material para formar a junta. Muito selante
tende a sair para os dois lados da junta, obstruindo
passagens de lubrificante. Após aplicar o selante, unir
as peças imediatamente (10 – 20 minutos).

SEQÜÊNCIA DE APERTO DOS PARAFUSOS DA


PLACA ADAPTADORA
105. Instalar a caixa de engrenagens de sincronismo
(1) no bloco de cilindros.
106. Colocar dois parafusos de fixação (2) para
prender a caixa de engrenagens de sincronismo (1).
107. Utilizando um torquímetro apertar os parafusos
(2 - 3) com o valor especificado de torque, em
seqüência cruzada.
• Parafusos M8 – 20 a 28 Nm
• Parafusos M10 – 42 a 52 Nm
88
! CUIDADO !
Antes de cada montagem, verificar sempre se as
roscas dos furos e dos parafusos apresentam
desgaste ou vestígios de sujeira.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 41

108. Colocar o retentor traseiro sobre o flange da


árvore de manivelas. Instalar a ferramenta CNHT 0909
e apertar o fuso central no sentido anti-horário, até
encostar a ferramenta na tampa.

89

Instalação da bomba d’água


109. Instalar um novo vedador (2) na bomba d’água
(1).

90

110. Instalar a bomba d’água (1); apertar os parafusos


(2) com o valor especificado de torque.

91

Instalação da bomba de óleo


111. Remover o vedador (2) da bomba de óleo/tampa
dianteira (1). Limpar cuidadosamente o alojamento
do vedador.

92

73403960 - 05.2008
42 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

112. Limpar cuidadosamente a superfície de contato


no bloco de cilindros e posicionar a junta (1) no bloco.

93

113. Instalar a tampa dianteira/bomba de óleo no bloco


de cilindros e apertar os parafusos com o valor
especificado de torque.

94

114. Colocar o retentor dianteiro sobre o flange da


árvore de manivelas. Instalar a ferramenta CNHT 0908
e apertar o fuso central no sentido anti-horário, até
encostar a ferramenta na tampa.

95

115. Instalar a polia (1) e o anel espaçador (3) na


árvore de manivelas.
116. Apertar os parafusos de fixação (2) com o torque
especificado.
• 1ª etapa com torquímetro: 50 ± 5 Nm
• 2ª etapa ângulo: 90º ± 5º
117. Instalar um anel de vedação novo no sensor de
rotação (4) e instalar o sensor na tampa dianteira,
apertando o parafuso de fixação.

96

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 43

Instalação da junta de vedação do cárter do


motor
118. Colocar uma junta nova (1) sobre o bloco de
cilindros (2).

97

Instalação do cárter de óleo do motor


119. Instalar o cárter (1) e apertar os parafusos (2)
com o valor especificado de torque.

! CUIDADO !
Antes de cada montagem, verificar sempre se as
roscas dos furos e dos parafusos apresentam
desgaste ou vestígios de sujeira.

98

Instalação do volante do motor


120. Verificar as condições dos dentes da cremalheira
(2). Caso seja encontrado algum dente quebrado ou
desgaste excessivo dos dentes, removê-la do volante
(1) utilizando um batedor universal e instalando uma
nova, previamente aquecida a temperatura de 150ºC
por 15 a 20 minutos; o chanfro existente diâmetro
interno deve ficar voltado para o lado do motor do
volante.

99

121. Instalar dois ganchos ou olhais no volante (1),


utilizando os furos (4). Com a ajuda de uma talha,
aproximar o volante em seu alojamento.
122. Instalar dois pinos (2), de comprimento adequado,
nos furos da árvore de manivelas (3) e utilizando-os
como guia, instalar o volante (1) na árvore de
manivelas.

100

73403960 - 05.2008
44 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

123. Instalar os parafuso de fixação (1) do volante do


motor (3) na árvore de manivelas (2).
124. Instalar a ferramenta (4) 380000988 para retenção
e giro da árvore de manivelas, para evitar a rotação da
árvore de manivelas.

101

125. Apertar os parafusos (2) de fixação do volante


do motor (1) e, duas etapas:
• 1ª etapa com torquímetro 30 ± 4 Nm
• 2ª etapa com ângulo de 60º ± 5º.

! CUIDADO !
Utilizar um medidor de ângulo adequado para executar
o aperto final. Antes de cada montagem, verificar
sempre se as roscas dos furos e dos parafusos
apresentam desgaste ou vestígios de sujeira.

102

Instalação do cabeçote do filtro de óleo


126. Instalar no bloco de cilindros: uma nova junta
(1), o arrefecedor de óleo (2), uma nova junta (3) e o
cabeçote do filtro de óleo (4).
127. Apertar os parafusos (5) com o valor especificado
de torque.

! CUIDADO !
Antes de cada montagem, verificar sempre se as
roscas dos furos e dos parafusos apresentam
desgaste ou vestígios de sujeira.
103

128. Posicionar um vedador novo (1) no assento do


bloco de cilindros para o conector de entrada do líquido
refrigerante.

104

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 45

129. Instalar o conector de entrada (1) do líquido


refrigerante e apertar os parafusos (2) com o valor
especificado de torque.

! CUIDADO !
Antes de cada montagem, verificar sempre se as
roscas dos furos e dos parafusos apresentam
desgaste ou vestígios de sujeira.

105

Instalação do alternador
130. Instalar o alternador (1).
131. Apertar os parafusos (2) com o valor especificado
de torque.

106

Montagem do cabeçote de cilindros


132. Lubrificar a haste das válvulas (1) e inseri-las em
suas guias, de acordo com as posições marcadas
durante a desmontagem.
133. Instalar os vedadores (2 e 3) nas guias das
válvulas.

! CUIDADO !
Os vedadores (2) para as válvulas de admissão são
amarelos e os vedadores (3) para as válvulas de es-
cape são verdes.
107

134. Posicionar as seguintes peças no cabeçote de


cilindros: capa protetora (5), mola (4) e disco (3).
Utilizar uma ferramenta para comprimir a mola (4) e
travar as peças na válvula (6) com as travas (2).

NOTA: Antes da montagem, verificar a flexibilidade


da mola da válvula. Comparar os dados da
deformação elástica e carga com aqueles de molas
novas.

108

73403960 - 05.2008
46 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Instalação do cabeçote de cilindros


135. Posicionar a junta do cabeçote (1) com a palavra
“TOP” voltada para o cabeçote.

! CUIDADO !
Certificar que a superfície do bloco de cilindros esteja
limpa. Não engraxar a junta.
Recomenda-se que a junta seja mantida em sua
embalagem até que cabeçote seja instalado.

NOTA: A espessura da junta deve ser selecionada


em função da medida da projeção do pistão sobre a 109
face do bloco de cilindros. A junta encontra-se
disponível em duas espessuras: 1,15 mm e 1,25 mm.
Selecionar a junta correta conforme a dimensão da
projeção do pistão:
• Projeção do pistão até 0,35 mm, utilizar junta de
1,15 mm.
• Projeção do pistão de 0,35 mm acima, utilizar junta
de 1,25 mm.
A seta indica o local onde é mostrada a espessura
da junta.

136. Colocar o cabeçote (3) sobre o bloco de cilindros


e inserir os parafusos (1) e (2).

! CUIDADO !
Caso as válvulas tenham sido retiradas do cabeçote,
é necessário que elas sejam instaladas antes da
instalação do cabeçote no bloco de cilindros do mo-
tor.
Antes da instalação, verifique a estanqueidade do
cabeçote.

137. Lubrificar os parafusos e instalá-los no cabeçote


110
de cilindros.

! CUIDADO !
Antes de reutilizar os parafusos de fixação do
cabeçote de cilindros, verifique se apresentam sinais
de deterioração ou deformação. Caso positivo,
substitua os parafusos.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 47

138. Os parafusos devem ser apertados seguindo um


padrão de alongamento, partindo dos parafusos
centrais em direção aos externos.
1ª etapa - aperto com torquímetro:
• Parafuso M12 x 1,75 x 70
(ref. 3-6-11-14-19-22) 50 Nm
• Parafuso M12 x 1,75 x 140:
(ref. 1-2-7-8-9-10-15-16-17-18-
23-24-25-26) 40 Nm
• Parafuso M12 x 1,75 x 180:
(ref. 4-5-12-13-20-21) 70 Nm
2ª etapa - aperto com ângulo de 90º em todos os 111
parafusos.
3ª etapa - aperto adicional com ângulo de 90º somente
para os parafusos de 140 e 180 mm.
A = lado do ventilador

Instalação dos conjuntos dos balancins


139. Instalar os conjuntos dos balancins após verificar
as peças.
As peças que compõem o conjunto dos balancins
são: 1. Anel-trava - 2. Espaçador - 3. Balancim - 4.
Suporte

112

140. Antes da montagem, verificar as varetas de


válvulas: não devem possuir deformações; não devem
apresentar sinais de raspagem ou desgaste nas
superfícies de contato com os assentos esféricos nos
parafusos de ajuste dos balancins ou dos tuchos
(setas). Caso ocorra algum dos itens, substituir as
varetas.
141. As varetas das válvulas de admissão e escape
são idênticas, podendo ser intercambiadas.

113

73403960 - 05.2008
48 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

142. Inserir as varetas e os conjuntos dos balancins.


Antes de reutilizar os parafusos de fixação, efetuar
duas medições no diâmetro conforme mostrado na
figura, medindo os diâmetros D1 e D2:
• Se D1 – D2 < 0,1 mm, o parafuso pode ser
reutilizado.
• Se D1 – D2 > 0,1 mm, o parafuso deve ser
substituído.

114

143. Apertar os parafusos (2) com o valor especificado


de torque e instalar o sensor de temperatura do
refrigerante (1).

115

Instalação dos bicos injetores


144. Instalar os bicos injetores após substituir os
vedadores (1).

! CUIDADO !
Durante a instalação dos bicos injetores, verificar que
a esfera do bico injetor esteja assentada em sua sede
no cabeçote de cilindros.

116

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 49

Instalação das tampas de válvulas


145. Instalar as tampas de válvulas (2) com seus
respectivos vedadores. Inserir os bujões vedadores e
apertar os parafusos (1) com o valor especificado de
torque.

! CUIDADO !
Utilizar sempre juntas novas.
Verificar as roscas dos parafusos de fixação: elas
não podem apresentar sinais de desgaste ou vestígios
de sujeira.
Os bujões de vedação não podem apresentar sinais
óbvios de deformação. Substituir aqueles que
apresentarem deformação.

117

Instalação do coletor de escape


146. Instalar o coletor de escape (1) com juntas no-
vas (2).

Instalação do termostato 118


147. Instalar o corpo do termostato (2) com o
termostato (5) e o vedador (4).
148. Apertar os parafusos com o valor especificado
de torque.

! CUIDADO !
Os parafusos (1) são utilizados para fixar o suporte
(3).
Remover o suporte e recolocar as peças de 1 a 5
conforme mostrado na figura.
O vedador (4) deve ser novo.
119

73403960 - 05.2008
50 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Instalação da polia do ventilador


149. Instalar a base (4) da polia e apertar os parafusos
com o valor especificado de torque.
150. Instalar a polia (3) e fixá-la com os parafusos
(2).
151. Instalar a polia intermediária (1).
152. Instalar o tensionador automático (5) e fixá-lo
com o parafuso (6). Apertar o parafuso com o valor
especificado de torque.

120

Instalação da correia do alternador


153. Instalar a correia (1) de acionamento da bomba
d’água e do alternador, movendo o tensionador (2) no
sentido de aliviar a tensão.
154. Girar o motor algumas voltas para que a correia
de acionamento assente.

Instalação do coletor de admissão


155. Posicionar a junta (3) e instalar a placa (1) do 121
coletor de admissão. Apertar os parafusos (2) com o
valor especificado de torque.
156. Caso o tubo (7) tenha sido retirado da placa (1)
do coletor de admissão, instalá-lo novamente
substituindo o vedador (6).
157. Apertar os parafusos (8) com o valor especificado
de torque.

! CUIDADO !
Para as versões equipadas com aquecedor para
partida a frio, instalar também as peças (4) e (5).
122

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 51

158. Instalar o suporte (1) de fixação dos tubos de


pressão dos bicos injetores; utilizar os mesmos
parafusos (2) de fixação da placa do coletor de
admissão, conforme mostrado na figura.

123

Instalação da bomba de alimentação


159. Instalar a bomba de alimentação (1) juntamente
com um novo vedador e apertar os parafusos (2) com
o valor especificado de torque.

124

160. Instalar a bomba injetora (1) (ver procedimento


em “REMOÇÃO, INSTALAÇÃO E SINCRONIZAÇÃO
DA BOMBA INJETORA ROTATIVA” neste manual).

125

73403960 - 05.2008
52 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Instalação dos tubos de pressão

126

1. Tubo de retorno de combustível para a bomba - 2. Bomba injetora rotativa - 3. Bico injetor -
4. Tubo de pressão - 5. Tudo de retorno de combustível dos injetores

161. Instalar os tubos (2) de retorno e alimentação de


combustível entre a bomba e os bicos injetores.
162. Apertar as porcas de fixação dos tubos aos
elementos de bombeamento; apertar a braçadeira do
tubo de retorno de combustível para a bomba injetora;
apertar os parafusos de fixação do tubo de retorno de
combustível para a bomba injetora; apertar as porcas
nos injetores e apertar os parafusos de fixação (1)
dos suportes dos tubos acima mencionados.

127

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 53

163. Fixar o tubo (1) do LDA no cabeçote de cilindros


e na bomba injetora.

128

Instalação do filtro de combustível


164. Instalar o cabeçote (4) do filtro de combustível.
165. Conectar as tubos de combustível (2 e 3),
respectivamente, da bomba de alimentação ao
cabeçote do filtro e do cabeçote à bomba injetora.
166. Instalar o filtro de combustível (1).

! CUIDADO !
Antes da sua instalação, o filtro de diesel deve ser
cheio com combustível para facilitar a operação de
desaeração do sistema de combustível.

129

! CUIDADO !
Para conectar os tubos de baixa pressão (2 e 3, Figura
anterior) de suas fixações, será necessário pressionar
as travas (1), conforme mostrado na figura B.

130

73403960 - 05.2008
54 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Instalação do turbocompressor
Para instalar o turbocompressor:
167. Apoiar o turbocompressor e posicioná-lo sobre
o coletor de escape, após ter inserido uma nova junta.
168. Apertar os parafusos de fixação do turbocom-
pressor ao coletor de escape com o valor especificado
de torque.
169. Apertar a porca (1) do tubo de lubrificação do
turbocompressor.
Proceder de maneira semelhante na outra extremidade
do tubo e conectá-lo do topo do arrefecedor de óleo.
131
Para completar a montagem do motor, é necessário
retirá-lo do cavalete giratório.
170. Suportar adequadamente o motor com uma talha
e retirá-lo do cavalete giratório.
171. Remover os suportes do motor, após colocá-lo
convenientemente sobre apoios de madeira.

Completando o motor
172. Instalar o filtro de óleo (1) no suporte (2).

132

173. Instalar o tubo de retorno da lubrificação do


turbocompressor (1):
• Apertar os dois parafusos por debaixo do
turbocompressor;
• Apertar o parafuso (2) de fixação do tubo ao bloco
de cilindros com a braçadeira (3);
• Por último, conectar a união (4) no bloco de cilindros.

133

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 55

174. Instalar o motor de partida (2) e, apoiando-o


convenientemente, apertar os parafusos (1) de fixação
com o valor especificado de torque.

134

73403960 - 05.2008
56 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

VERIFICAÇÕES E MEDIÇÕES

Bloco de cilindros
175. Após desmontar o motor, limpar completamente
o bloco de cilindros. Utilizar anéis apropriados para
transportar o bloco de cilindros.
176. Verificar cuidadosamente a existência de trincas
no bloco de cilindros.
177. Verificar as condições dos bujões e selos
mecânicos. Caso eles estejam enferrujados ou haja
dúvidas quanto a sua vedação, substituí-los.
178. Examinar a superfície das camisas de cilindro;
elas não podem apresentar sinais de alargamento,
escoriações, ovalização, conicidade ou desgaste 135
excessivo.
179. Para verificar o diâmetro interno das camisas de
cilindro quanto à ovalização, conicidade ou desgaste,
utilizar um súbito (1), equipado com um relógio
comparador zerado em um anel padrão (2) do mesmo
diâmetro da camisa de cilindro.

! CUIDADO !
Se não houver disponibilidade do anel padrão, utilizar
um micrômetro.

180. As medições devem ser tomadas em cada


camisa de cilindro, em três diferentes alturas na
camisa e em duas faces ortogonais: uma paralela
ao eixo axial do motor e a outra perpendicular; o
desgaste máximo geralmente é encontrado nesta face,
correspondendo à primeira medição.
181. Caso seja notado ovalização, conicidade ou
desgaste em geral, brunir e recondicionar as camisas
de cilindro. As camisas de cilindro devem ser
retificadas de acordo com o diâmetro dos pistões
fornecidos como peça de reposição em sobre-medida
de 0,5 mm acima da medida nominal e das dimensões
especificadas para montagem.
136

! CUIDADO !
Em caso de retífica, todas as camisas de cilindro
deverão ter a mesma sobre-medida de 0,5 mm.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 57

182. Verificar os assentos dos mancais principais,


procedendo conforme a seguir:
• Instalar as capas dos mancais principais nos
alojamentos sem as bronzinas;
• Apertar os parafusos de fixação com o valor
especificado de torque;
• Utilizando um relógio comparador apropriado para
diâmetros internos, verificar se o diâmetro dos
assentos está conforme especificado.
Caso a medição resulte algo maior, substituir o bloco
de cilindros.

Verificação da superfície de contato do cabeçote


183. Após localizar qualquer deformidade na superfície
de contato, aplainar a mesma.
184. Não pode haver diferença de planicidade maior
que 0,075 mm. Verificar as condições dos bujões (1)
do bloco de cilindros. Caso eles estejam enferrujados
ou haja dúvidas quanto a sua vedação, substituí-los.

137

Tuchos
185. Dimensões para tuchos e furos no bloco de
cilindros.

138

73403960 - 05.2008
58 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Árvore de manivelas

Dimensões dos munhões principais e de biela


186. Caso haja algum sinal de riscos, escoriações
ou ovalização nos munhões principais ou de biela,
eles devem ser retificados. Antes de recondicionar
os munhões (2), utilizar um micrômetro (1) para medi-
los e definir para qual diâmetro eles serão reduzidos.

! CUIDADO !
Anotar os valores em esquema abaixo.

As classes de sub-medida são: 0,250 – 0,500 mm


139
! CUIDADO !
Os munhões principais e de biela devem sempre ser
recondicionados para a mesma classe de sub-medida.
Após a sub-medida, puncionar o munhão principal e
de biela na lateral da manivela nº 1.

140

ANOTAR AS DIMENSÕES DOS MUNHÕES PRINCIPAIS E DE BIELA NO ESQUEMA


* Valor nominal

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 59

141

PRINCIPAIS TOLERÂNCIAS DA ÁRVORE DE MANIVELAS

TOLERÂNCIAS CARACTERÍSTICAS OBJETIVO DA TOLERÂNCIA SÍMBOLO GRÁFICO


Circularidade
FORMA
Cilindricidade
Paralelismo
ORIENTAÇÃO Perpendicularidade
Planicidade
POSIÇÃO Concentricidade ou coaxialidade
Oscilação circular
OSCILAÇÃO Oscilação total
Conicidade

CLASSE DE IMPORTÂNCIA ASSOCIADA ÀS CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO SÍMBOLO GRÁFICO


CRÍTICA
IMPORTANTE
SECUNDÁRIA

73403960 - 05.2008
60 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

DETALHE C DETALHE N

DETALHE F DETALHE P

142

Folga dos mancais principais


187. Verificar a folga entre os munhões principais da
árvore de manivelas e suas respectivas bronzinas,
procedendo conforme descrito a seguir.
188. Certificar-se de que todas as peças estejam
perfeitamente limpas e sem vestígios de óleo.
189. Posicionar um segmento de fio calibrado (3) nos
munhões principais (4), paralelo ao eixo axial da árvore
de manivelas.
190. Instalar as capas (1) com as bronzinas (2) em
seus respectivos alojamentos.
143

191. Apertar os parafusos pré-lubrificados (1) em três


etapas sucessivas.
• 1ª etapa com torquímetro 50 ± 3 Nm.
• 2ª etapa com torquímetro 80 ± 5 Nm

144

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 61

192. 3ª etapa com um medidor de ângulo (1) instalado


e posicionado conforme a figura, apertar os parafusos
(2) com um ângulo de 90º ± 5º.

145

193. Remover as capas de seus alojamentos.


194. A folga entre a bronzina e o munhão é obtida
pela comparação da largura do fio calibrado (2), no
ponto de maior amassamento, com a graduação da
escala (1).
195. Os números mostrados na escala indicam a folga
em milímetros.
196. Caso a folga encontrada seja diferente da
especificada, substituir as bronzinas e repetir a
verificação; após obter a folga especificada, lubrificar
as bronzinas e instalar as capas dos mancais,
apertando os parafusos de fixação com o valor
especificado de torque. 146

Verificação da folga do anel de encosto da árvore


de manivelas
197. A verificação da folga do anel de encosto da
árvore de manivelas é obtida posicionando-se um
relógio comparador (2) com uma base magnética na
árvore de manivelas (3), conforme mostrado na figura.
A folga norma de montagem é 0,068 a 0,410 mm.
198. Caso a folga encontrada seja maior, substituir
as bronzinas do penúltimo mancal principal (1) e
verificar novamente a folga entre as bronzinas e os
munhões principais.

147

73403960 - 05.2008
62 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Árvore de comando de válvulas

148
DADOS DA ÁRVORE DE COMANDO DE VÁLVULAS
Os dados informados referem-se aos diâmetros normais

199. As superfícies dos munhões de apoio e dos


cames devem ser finamente retificadas. Caso haja
sinais de riscos ou escoriações, substituir a árvore e
respectivas buchas.

Verificação do levantamento e alinhamento da


árvore de comando de válvulas
200. Posicionar a árvore de comando de válvulas en-
tre pontas e utilizando um relógio comparador com
escala 1/100 mm, posicionado no apoio central,
verificar que o desalinhamento não seja maior que
0,04 mm. Substituir a árvore caso isto ocorra. Verificar
o levantamento do came: deve ser de 6,045 mm para
os cames de escape e de 7,582 mm para os cames
de admissão. Substituir a árvore caso as medidas
sejam diferentes destas.
201. Verificar o diâmetro dos munhões de apoio da
árvore de comando de válvulas (2) com um micrômetro 149
(1) em dois eixos perpendiculares.

Buchas
202. As buchas (2) da árvore de comando de válvulas
devem ser instaladas forçadas em seus respectivos
alojamentos.
203. As superfícies internas não podem apresentar
sinais de riscos ou desgaste.
204. Utilizando um medidor de furos (1), medir o
diâmetro das buchas dianteira e traseira (2) e dos
apoios intermediários da árvore de comando de
válvulas.
205. As medições devem ser realizadas em dois eixos
perpendiculares. 150

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 63

A = FACE TRASEIRA
B = FACE DIANTEIRA
* Instalação de buchas no bloco de cilindros

151

DADOS DAS BUCHAS E DOS APOIOS INTERMEDIÁRIOS DA ÁRVORE DE COMANDO DE VÁLVULAS


*Medido com as buchas instaladas

Conjunto Pistão/Biela

206. Peças componentes do conjunto pistão/biela

1. Anel-trava - 2. Pino de pistão - 3. Pistão - 4. Anéis


de pistão - 5. Parafuso - 6. Bronzinas de biela -
7. Biela - 8. Casquilho

! CUIDADO !
Os pistões são fornecidos como peça de reposição
em sobre-medida de 0,5 mm.

152

73403960 - 05.2008
64 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

207. Remover os anéis (1) do pistão (2) com um alicate


para anéis (3) adequado.

153

208. Os anéis-trava (2) dos pinos do pistão (1) devem


ser retirados utilizando um alicate de trava ou um
punção (3).

154

155
DADOS DO PISTÃO, PINO E ANÉIS MONDIAL
* Medida obtida em um diâmetro de 92 mm

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 65

Pistões
Medição do diâmetro do pistão
209. Medir o diâmetro do pistão (1) utilizando um
micrômetro (2) para determinar a folga de montagem.

! CUIDADO !
O diâmetro deve ser medido a uma distância de 12
mm da base da saia do pistão.

156

210. A folga entre o pistão e a camisa de cilindro


pode ser medida com um calibrador de lâminas (1),
conforme mostrado na figura.

157

Pinos de pistão
211. Medir o diâmetro do pino do pistão (1) utilizando
um micrômetro (2).

158

Condições para correto acoplamento do pino do


pistão
212. Lubrificar o pino (1) e a bucha de no pistão com
óleo para motor. O pino deve entrar no pistão com
uma leve pressão dos dedos e não deve cair fora.

159

73403960 - 05.2008
66 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Anéis de pistão
213.Verificar a espessura dos anéis (2) com um
micrômetro (1).
• 1º Anel: 2,560 a 2,605 mm
• 2º Anel: 2,340 a 2,350 mm
• 3º Anel: 3,970 a 3,990 mm

160

214. Verificar a folga entre os anéis (3) da segunda e


terceira canaleta do pistão (2) com um calibrador de
lâminas (1).
• Folga do segundo anel: 0,100 - 0,110 mm
• Folga do terceiro anel: 0,004 - 0,008 mm

161

MEDIÇÃO DA FOLGA X ENTRE A PRIMEIRA


CANALETA E O ANEL EM V
215. Devido à forma especial do primeiro anel com
secção transversal trapezoidal, a folga entre a canaleta
e o anel deve ser medida como segue.
216. Mover o pistão (1) para fora do bloco de cilindros
de forma que o anel (2) saia aprox. a metade da sua
espessura para fora da camisa do cilindro (3).

162

217. Nesta posição, utilizando um calibrador de


lâminas, verificar a folga entre o anel e a canaleta.
Esta folga deve estar entre 0,245 mm a 0,265 mm.
218. Medir a folga entre as pontas dos anéis (2)
introduzidos na camisa de cilindro (3), utilizando um
calibrador de lâminas (1).
• 1º Anel: 0,30 a 0,40 mm
• 2º Anel: 0,25 a 0,55 mm
• 3º Anel: 0,25 a 0,55 mm

163

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 67

Bielas
Dados de biela, bucha do pino do pistão e bronzina
* Diâmetro interno a ser medido após instalação na
biela e retificada com alargador.
** Não pode ser medido livre

! CUIDADO !
As superfícies de contato das bielas – capas de biela
são serrilhadas para um melhor acoplamento. Não
se recomenda retirar este serrilhado. As bielas são
produzidas utilizando-se uma técnica de corte
tornando cada biela e capa únicas e tendo apenas
uma única maneira de montagem.

164
! CUIDADO !
Toda biela é marcada:
- No corpo e na capa com um número indicando seus
pares e cilindro onde montado. No caso de
substituição, numerar a nova biela com o mesmo
número da biela substituída.
- No corpo da biela com uma letra indicativa da classe
de peso da biela montada na produção.
· V, 1600 a 1640 g
· W, 1641 a 1680 g
· X, 1681 a 1720 g

As bielas são fornecidas como peça de reposição na


classe W e marcadas em verde*.
Não é permitido retirar material.

Buchas
219. Verificar se as buchas das bielas não apresentam
sinais de frouxidão, riscos ou escoriações. Caso
apresentem, substituí-las.
220. A retirada e instalação são executadas com um
ferramenta adequada.
221. Durante a instalação, certificar-se de que os furos
para lubrificação na bucha e na biela, coincidem.
Utilizando um alargador, retificar a bucha para obter o
diâmetro especificado.
165

73403960 - 05.2008
68 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Verificação da biela
222. Verificar o paralelismo axial da biela (1) utilizando
a ferramenta (5) 380001003 como segue:
• Instalar a biela (1) no eixo da ferramenta (5)
380001003 e travá-la com o parafuso (4);
• Colocar o eixo (3) sobre blocos em V, ajustando a
biela (1) na barra limitadora (2).

166

Verificação de torção
223. Verificar a torção da biela (5) comparando dois
pontos (A e B) do pino (3), no plano horizontal do eixo
axial da biela.
224. Posicionar o suporte (1) do relógio comparador
(2), de modo que haja uma pré-carga de aprox. 0,5
mm no pino (3), no ponto A e zerar o mostrador do
relógio (2). Mover o eixo (4) com a biela (5) para o
lado oposto (B) do pino (3).
225. Comparar qualquer desvio. A diferença entre A e
B não pode ser maior que 0,08 mm.

167

Verificação de empenamento
226. Verificar o empenamento da biela (5) comparando
dois pontos (C e D) do pino (3) no plano vertical do
eixo axial da biela.
227. Posicionar o suporte vertical (1) do relógio
comparador (2) de maneira a que se apóie sobre o
pino (3) no ponto C.
228. Girar a biela para frente e para trás, observando
a posição mais alta do pino e zerar o relógio (2) nesta
condição.
229. Mover o eixo com a biela (5) para o lado oposto
(D) do pino (3). Repetir a verificação do ponto mais
alto. A diferença entre os pontos C e D não pode ser
maior que 0,08 mm.

168

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 69

Folga dos mancais de biela


Para medir a folga proceder como segue:
230. Limpar cuidadosamente todas as peças,
removendo qualquer vestígio de óleo.
231. Posicionar um segmento de fio calibrado (2) nos
munhões de biela (1).
232. Instalar as respectivas capas de biela (3) com
as bronzinas (4).

169

233. Utilizando um torquímetro (2), apertar os


parafusos pré-lubrificados (1) com o valor especificado
de torque.

170

234. Instalar um medidor de ângulo (1) na catraca e


apertar os parafusos (2) com um ângulo de 60º.

171

235. Remover as capas e determinar a folga entre


bronzina e munhão pela comparação da largura do
fio calibrado (1), no ponto de maior amassamento,
com a graduação da escala (2).

172

73403960 - 05.2008
70 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

236. Caso a folga encontrada seja diferente da


especificada, substituir as bronzinas e repetir a
verificação.
237. Após obter a folga especificada, lubrificar as
bronzinas e instalar as capas de biela, apertando os
parafusos de fixação com o valor especificado de
torque.

! CUIDADO !
Antes de instalar definitivamente os parafusos de
fixação das capas de biela, verificar que seus
diâmetros medidos no centro do comprimento da
rosca, não sejam menores que 0,1 mm do que o
diâmetro medido aproximadamente 10 mm da
extremidade do parafuso.

238. Verificar manualmente, o deslocamento axial da


biela (1), sobre o munhão da árvore de manivelas.
Medir com um calibrador de lâminas (2). A folga axial
deve ser de 0,250 a 0,275 mm.

173

Verificação da projeção do pistão


239. Após instalar os conjuntos pistão/biela, utilizando
um relógio comparador (1) instalado em uma base
magnética (2), verificar a projeção do pistão (3), no
PMS, acima da face superior do bloco de cilindros.
Deve ser 0,30 ± 0,12 mm.

174

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 71

Cabeçote de cilindros

Verificação de estanqueidade do cabeçote de


cilindros
240. Verificar a estanqueidade utilizando ferramentas
apropriadas.
241. Utilizar uma bomba para introduzir água aquecida
a aproximadamente 90º C, a uma pressão de 2 - 3
bar.
242. Caso ocorra algum vazamento pelos selos
mecânicos (1), substitua-os, utilizando uma ferramenta
adequada para sua remoção e instalação.

! CUIDADO ! 175
Antes de instalar os bujões, aplicar selante reagente
com água nas superfícies de vedação.

243. Caso ocorra algum vazamento no cabeçote de


cilindros, o mesmo deverá ser substituído.

Verificação da superfície de contato do cabeçote


de cilindros
244. A deformação máxima medida no comprimento
total do cabeçote não pode ser maior que 0,20 mm.
245. Caso seja maior, retificar o cabeçote de cilindros
de acordo com as dimensões e especificações
fornecidas abaixo e na ilustração ao lado.
246. A espessura nominal A do cabeçote de cilindros
é 95 ± 0,25 mm. O máximo permitido para remoção
de material não pode exceder a espessura B de 0,13
mm.

176
! CUIDADO !
Após a retífica, verificar os recessos das válvulas.
Caso seja necessário, retificar as sedes das válvulas
para obter os recessos especificados.

73403960 - 05.2008
72 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Válvulas VÁLVULA VÁLVULA DE


DE ESCAPE ADMISSÃO
Dados para válvulas de admissão e escape.

177

Descarbonização, verificação e retífica de


válvulas
247. Remover todo o carvão depositado nas válvulas
utilizando um escova de aço.
248. Verificar que as válvulas não apresentem sinais
de riscos, trincas ou queimaduras.
249. Caso necessário, retificar as sedes das válvulas,
retirando o mínimo possível de material.

178

250. Utilizando um micrômetro (2), medir a haste da


válvula (1). Deve ser 7,960 a 7,980 mm.

179

Verificação da folga entre a haste e a guia da


válvula e a centralização da válvula
251. As verificações são feitas com um relógio
comparador (1) em uma base magnética,
posicionados conforme a ilustração. A folga de
montagem é de 0,052 a 0,092 mm.
252. Girar a válvula (2) para verificar que o erro de
centralização não seja maior que 0,03 mm.

180

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 73

Guias de válvulas
253. Utilizar um súbito para medir o diâmetro interno
das guias das válvulas. Deve ser como indicado na
figura.

ADMISSÃO ESCAPE

181

Sedes de válvulas
Retífica – substituição de sedes
254. Verificar as sedes das válvulas (2). Encontrando
alguma escoriação leve ou queimadura, retificar,
utilizando uma ferramenta adequada para retífica de
válvulas (1), de acordo com os ângulos indicados na
figura seguinte.

182

183
DADOS PARA SEDES DE VÁLVULAS

73403960 - 05.2008
74 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

255. Caso as sedes das válvulas não possam ser recondicionadas apenas com a retífica, elas podem ser
substituídas por peças fornecidas como reposição. Utilizando a mesma ferramenta da figura anterior e tomando
cuidado para não cortar o cabeçote de cilindros, remover tanto material quanto possível da sede da válvula, até
que seja possível extraí-la do cabeçote com o auxílio de um punção.
256. Aquecer o cabeçote entre 80 e 100º C e com uma ferramenta adequada, instalar as novas sedes de
válvulas, previamente resfriadas.
257. Utilizando a ferramenta adequada, retificar as sedes das válvulas de acordo com os valores informados na
figura anterior.

258. Após a retífica, verificar utilizando um relógio


comparador (1) em base magnética (2), se o recesso
da válvula (3) está conforme especificado.

184

Molas de válvulas
DADOS PARA VERIFICAÇÃO DAS MOLAS DE
VÁLVULAS DE ADMISSÃO E DE ESCAPE
259. Antes da montagem, verificar a flexibilidade da
mola da válvula. Comparar os dados da deformação
elástica e carga com aqueles de molas novas.

Altura (mm) Carga (N)


H (Livre) 63,50 0
H1 49,02 329 (P1)
H2 38,20 641 (P2)
185

Eixo dos balancins


DADOS PARA O EIXO DOS BALANCINS
260. Verificar as superfícies de contato do suporte e
do eixo dos balancins: não deve haver sinais de danos
ou desgaste excessivo. Substituir se necessário.

186

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 75

DADOS PARA O PARAFUSO DE REGULAGEM


DOS BALANCINS
261. Se retirado, verificar o ajuste.
262. Apertar as porcas (1) com torque de 0,25 – 0,75
Nm

187

REGULAGEM DA FOLGA DE VÁLVULAS

NOTA: A verificação e ajuste são feitas somente após


a instalação do cabeçote no bloco de cilindros e a
instalação da árvore de comando de válvulas.
263. Regular a folga entre os balancins e as válvulas
utilizando uma chave allen (1), chave estrela (3) e
calibrador de lâminas (2).
A folga de trabalho deve ser:
• Válvulas de admissão 0,25 ± 0,05 mm
• Válvulas de escape 0,51 ± 0,05 mm
264. Para regular a folga das válvulas mais
rapidamente, proceder como segue:
• Girar o motor, balançando as válvulas do cilindro
nº. 1 e regular as válvulas marcadas com asterisco, 188
conforme indicado na tabela:

Cilindro nº 1 2 3 4 5 6
Admissão - - * - * *
Escape - * - * - *

• Girar o motor, balançando as válvulas do cilindro


nº. 6 e regular as válvulas marcadas com asterisco,
conforme indicado na tabela:

Cilindro nº 1 2 3 4 5 6
Admissão * * - * - -
Escape * - * - * -

73403960 - 05.2008
76 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

REMOÇÃO, INSTALAÇÃO E SINCRONIZAÇÃO DA BOMBA INJETORA ROTATIVA

Remoção da bomba injetora


265. Caso seja necessário substituir a bomba injetora,
ela é fornecida já pré-ajustada como peça de
reposição.
266. Contudo, se a bomba deve ser retirada e
reinstalada mais tarde, sem qualquer reparo, é
necessário ser pré-ajustada enquanto ainda está
instalada no motor e só então retirada.
267. O procedimento a seguir considera a segunda
hipótese por ser a mais complexa.
268. Remover o motor de partida (2) e os parafusos
(1) de fixação. 189

269. Instalar a ferramenta (2) 380000988 para


possibilitar girar o volante do motor.
270. Girar cuidadosamente o volante do motor no
sentido normal de giro para eliminar as folgas dos
dentes das engrenagens.
271. Girar o motor até que o pino (1) encaixe através
do rasgo na placa (2), no recesso do volante do mo-
tor (3).

190

272. Soltar os parafusos (2) de fixação da bomba de


alimentação (1) e removê-la do bloco de cilindros.

191

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 77

273. Verificar pelo alojamento da bomba de


alimentação, que a árvore de comando de válvulas (1)
está na posição de PMS, utilizando as marcas de
referências (2) na árvore.
274. Caso as marcas não sejam evidentes, remover
o pino do volante e girar o motor 360º (uma volta) até
que as marcas de referências sejam visíveis. Recolocar
o pino de bloqueio.
NOTA: O pistão no.1 deverá estar na fase de
compressão/explosão.

192

275. Soltar parcialmente o parafuso lateral (1) de


bloqueio do eixo da bomba e remover a arruela
espaçadora (2). Esta arruela deve ser conservada
(recomenda-se prendê-la à bomba com um grampo
ou um arame).
276. Rosquear totalmente o parafuso lateral (1)
bloqueando a rotação do eixo da bomba.
277. Soltar os parafusos de fixação (3) e remover a
bomba injetora.

193

Remoção e instalação da luva dentada


278. Remover a porca de fixação da luva dentada.
279. Utilizando um conjunto de sacador universal, re-
mover a luva.

194

73403960 - 05.2008
78 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

280. Controlar que o canal de chaveta (1) do eixo


esteja na direção da saída do 1o cilindro (Saída A).
281. Instalar a luva alinhando um dente (2), com a
marca na carcaça da bomba (3).

195

282. Com a bomba injetora instalada em uma morça,


apertar a porca de fixação com um torque de 95 Nm
(9,5 kgf/m).

196

Sincronismo da bomba injetora


283.Montar o relógio comparador na ferramenta (1)
380001601 e instalar na bomba injetora, com uma
pré-carga no relógio de 2,5 mm.
284. Com o eixo da bomba preso em uma morsa,
colocar o comparador em zero e girar a bomba no
sentido anti-horário até obter a leitura de 1 mm.
285. Bloquear o eixo da bomba através do parafuso
(2).

197

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 79

Instalação da bomba injetora


NOTA: Durante a instalação da bomba injetora no
motor, é necessário ver as condições de PMS do
cilindro nº 1, conforme descrito anteriormente.

! CUIDADO !
O vedador retirado quando a bomba foi removida não
deve ser reutilizado. Utilizar sempre peças de
reposição genuínas.

286. Instalar a bomba injetora no motor rodando-a


levemente para que encaixe nos prisioneiros e na
engrenagem. Apertar as porcas de fixação (3).
287. Soltar parcialmente o parafuso (1) de bloqueio
da bomba e inserir a chapa espaçadora (2). Apertar o
parafuso, travando a chapa espaçadora. Desta maneira
o eixo da bomba injetora está livre para girar.

198

288.Remover a ferramenta 380000988 para retenção


e giro da árvore de manivelas.
289. Instalar o motor de partida (2) em seu alojamento
e apertar os parafusos (1) de fixação.
290.Conectar todos os tubos (dos elementos de
injeção aos bicos injetores, o retorno dos bicos
injetores para a bomba, o tubo do LDA e a alimentação
da bomba de alimentação).

199

291. Instalar a bomba de alimentação (1) no bloco de


cilindros e apertar os parafusos de fixação (2) com o
valor especificado de torque.
292. Conectar todas as conexões elétricas.

200

73403960 - 05.2008
80 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

Desaeração (sangria) do sistema de combustível


293. Caso tenha sido executado algum serviço em
componentes do circuito de alimentação, é necessário
desaerar o sistema.
294. Desconectar o tubo (3) do filtro de combustível e
acionar repetidas vezes a alavanca (2) da bomba de
alimentação.
295. Continuar bombeando até que saia combustível.
296. Conectar o tubo (3) ao filtro de combustível.

201

Verificação do sincronismo da bomba injetora


297. Remover o motor de partida e instalar a
ferramenta (2) 380000988 para possibilitar girar o
volante do motor.

202

298. Desconectar todos os tubos da bomba injetora


e da bomba alimentadora (dos elementos de injeção
aos bicos injetores, o retorno dos bicos injetores para
a bomba, o tubo do LDA e a alimentação da bomba
de alimentação).
299. Soltar os parafusos (2) de fixação da bomba de
alimentação (1) e removê-la do bloco de cilindros.

203

300. Com a bomba injetora em posição, porém com


seus parafusos de fixação frouxos, remover o bujão
da tampa da bomba.
301. Montar o relógio comparador (2) na ferramenta
(1) 380001601 e instalar na bomba injetora com uma
pré-carga no relógio de 2,5 mm.

204

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1 81

302. Girar a árvore de manivelas saindo o cilindro nº.1


da condição de PMS. Para isso, verificar pelo
alojamento da bomba de alimentação, que a árvore
de comando de válvulas (1) está na posição de PMS,
utilizando as marcas de referências (2) na árvore.
303. Caso as marcas não sejam evidentes, remover
o pino do volante e girar o motor 360º (uma volta) até
que as marcas de referências sejam visíveis.
304. Zerar o relógio comparador e girar a árvore de
manivelas no sentido contrário ao normal de giro,
voltando o cilindro nº. à condição de PMS, em final
de compressão.
Nesta posição o relógio comparador da bomba deve 205
indicar 1 mm.
• Caso não obtenha 1 mm girar a bomba no sentido
anti-hodrário para aumentar ou no sentido horário
para diminuir o valor, até que seja obtido o valor
correto.

305. Verificada esta condição, fixar a bomba apertando


seus parafusos e porcas de fixação (1).

206

306. Remover a ferramenta 380000988 para retenção


e giro da árvore de manivelas.
307. Instalar o motor de partida (2) e apertar os
parafusos (1) de fixação.
308.Conectar todos os tubos (dos elementos de
injeção aos bicos injetores, o retorno dos bicos
injetores para a bomba, o tubo do LDA e a alimentação
da bomba de alimentação).

207

73403960 - 05.2008
82 SEÇÃO 10 - MOTOR - CAPÍTULO 1

309. Conectar todas as conexões elétricas.


310. Instalar a bomba de alimentação (1) no bloco de
cilindros e apertar os parafusos de fixação (2) com o
valor especificado de torque.
311. Caso tenha sido executado algum serviço em
componentes do circuito de alimentação, é necessário
desaerar o sistema.

208

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 1

SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO

CAPÍTULO 1 - TRANSMISSÃO SEMI-POWERSHIFT (RANGE COMMAND)

CONTEÚDO

Descrição Página
Especificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Torques de Aperto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Ferramentas Especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Cortes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Descrição e Funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Detecção de Avarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .consulte Capítulo 2
Desmontagem - Instalação - Revisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

21 000 - ESPECIFICAÇÕES - TORQUES DE APERTO - FERRAMENTAS ESPECIAIS - CORTES -


DESCRIÇÃO E FUNCIONAMENTO - DETECÇÃO DE AVARIAS

ESPECIFICAÇÕES - TRANSMISSÃO SEMI-POWERSHIFT E REDUTOR

Transmissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 velocidades com marchas de


velocidade constante controladas por
três embreagens.
Tipo das engrenagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . com dentes helicoidais
Redutor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 faixas à frente e 1 faixa atrás num
total de 18 marchas à frente e 6
marchas atrás

- Tipo de engrenagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . com dentes helicoidais

- Taxas de redução:
Baixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . (24x15): (46 x 55) =1 : 7.03
Normal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . (24 x 25) : (46 x 37) = 1 : 2,84
Alta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Comando da caixa de velocidades e do redutor . . . . . . . . . . . . . . . . através de três botões localizados na
alavanca de controle
Lubrificação da engrenagem de mudança e redução . . . . . . . . . . . . injeção forçada por uma bomba de
engrenagens (a mesma que a bomba
do circuito de potência de direção)
Número de discos acionados-Embreagem A . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
- Espessura dos discos acionados-Embreagem A . . . . . . . . . . . mm 2,65 ÷ 2,75
Número de discos de acionamento - Embreagem A . . . . . . . . . . . . 7
- Espessura dos discos de acionamento - Embreagem A . . . . . . mm 1,80 ÷ 2,00
Espessura do conjunto da embreagem A sob uma
carga de 163 kg (1600 N) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 32,7 ÷ 32,9
Número de molas cônicas Belleville - Embreagem A . . . . . . . . . . . . 9
- Comprimento da mola livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 4,2
- Comprimento da mola comprimida sob carga de 215 kg
(2108 N) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 3,28

(continua)

73403960 - 05.2008
2 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

ESPECIFICAÇÕES - TRANSMISSÃO SEMI-POWERSHIFT E REDUTOR

Número de discos acionados-Embreagem B . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7


- Espessura dos discos acionados-Embreagem B . . . . . . . . . . . mm 2,65 ÷ 2,75
Número de discos de acionamento - Embreagem B . . . . . . . . . . . . . 7
- Espessura dos discos de acionamento - Embreagem B . . . . . . mm 1,80 - 2,00
Espessura do conjunto da embreagem B sob uma carga
de 163 kg (1600 N) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 32,7 ÷ 32,9
Número de molas cônicas Belleville - Embreagem B . . . . . . . . . . . . 9
- Comprimento da mola livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 4,2
- Comprimento da mola comprimida sob carga de 215 kg
(2108 N) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 3,28
Número de discos acionados-Embreagem C . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
- Espessura dos discos acionados-Embreagem C . . . . . . . . . . . mm 2,70 ÷ 2,80
Número de discos de acionamento - Embreagem C . . . . . . . . . . . . . 8
- Espessura dos discos de acionamento - Embreagem C . . . . . . mm 1,5
Espessura do conjunto da embreagem C sob uma carga
de 163 kg (1600 N) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 26,2 ÷ 26,4
Número de molas cônicas Belleville - Embreagem C . . . . . . . . . . . . 6
- Comprimento da mola livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 4,1
- Comprimento da mola comprimida sob carga de 182 kg
(1784 N) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 3,22
Número de discos acionados - Embreagens D-E . . . . . . . . . . . . . . . 6
- Espessura dos discos acionados - Embreagens D-E . . . . . . . . mm 2,70 ÷ 2,80
Número de discos de acionamento - Embreagens D-E. . . . . . . . . . . 6
- Espessura dos discos de acionamento - Embreagens D-E . . . mm 1,5
Espessura do conjunto de embreagens D-E sob uma carga
de 163 kg (1600 N) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 26,2 ÷ 26,4
Número de molas cônicas Belleville - Embreagens D-E . . . . . . . . . . 6
- Comprimento da mola livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 4,1
- Comprimento da mola comprimida sob carga de 182 kg
(1784 N) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 3,22
Diâmetro do eixo motor da TDF (7) nas buchas . . . . . . . . . . . . . mm 31,950 ÷ 31,975
Diâmetro interno da bucha de ajuste da pressão . . . . . . . . . . . . mm 31,990 ÷ 32,085 (°)
Folga entre o eixo motor da TDF e as buchas. . . . . . . . . . . . . . . mm 0,015 ÷ 0,135
Calço de ajuste do eixo de acionamento da transmissão (6) . . . mm 3,80 - 3,85 - 3,90 -3,95 - 4,00 - 4,05 -
4,10 - 4,15 - 4,20 - 4,25 - 4,30 - 4,35
- 4,40 - 4,45 - 4,50 - 4,55 - 4,60 - 4,65
- 4,70 - 4,75 - 4,80
Ajuste do rolamento do eixo de acionamento de transmissão . . . . . consulte pág. 46
Calço de ajuste do eixo acionado de transmissão (26) . . . . . . . . mm 9,80 - 9,825 - 9,85 - 9,875 - 9,90 -
9,925 - 9,95 - 9,975 - 10,00 - 10,025 -
10,05 - 10,075 - 10,10 - 10,125 -
10,15 - 10,175 - 10,20 - 10,225 -
10,25 - 10,275 - 10,30 - 10,325 -
10,35 - 10,375 - 10,40 - 10,425 -
10,45 - 10,475 - 10,50 - 10,525 -
10,55 - 10,575 - 10,60 - 10,625 -
10,65 - 10,675 - 10,70
Ajuste do rolamento do eixo de acionamento de transmissão . . . . . consulte pág. 47
Anilha de impulso do acionamento de transmissão. . . . . . . . . . . mm 3,95 ÷ 4,00

(°) Dimensão final a ser obtida sem esmerilar (continua)

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 3

ESPECIFICAÇÕES - TRANSMISSÃO SEMI-POWERSHIFT E REDUTORS


(continuação)
Ajuste do eixo de acionamento do redutor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . consulte pág. 48
Calços de ajuste dos rolamentos de acionamento do
redutor(12, Fig.11) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 1,70-1,75-1,80-1,85-1,90-1,95-2,00-
2,05 - 2,10 - 2,15 - 2,20 - 2,25 - 2,30-
2,35 - 2,40 - 2,45 - 2,50 - 2,55 - 2,60-
2,65 - 2,70 - 2,75 - 2,80 - 2,85 - 2,90-
2,95 - 3,00 - 3,10 - 3,20 - 3,30
Ajuste dos rolamentos do eixo acionado do redutor . . . . . . . . . . . . . consulte pág. 48
Calços de ajuste dos rolamentos acionados do redutor
(14, Fig. 11) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 1,70 -1,75 - 1,80 -1,85 - 1,90 -1,95 -
2,00 - 2,05 - 2,10 - 2,15 - 2,20 - 2,25
- 2,30 -2,35 - 2,40 - 2,45 - 2,50 -
2,55 - 2,60 - 2,65 - 2,70 - 2,75 - 2,80
- 2,85 - 2,90 - 2,95 - 3,00 - 3,10 -
3,20 - 3,30
Mola da válvula de regulagem de baixa pressão (9, Fig. 12):
- Comprimento da mola livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 127
- Comprimento da mola comprimida sob carga de 278 ÷
304 N (28,4 ÷ 31 kg) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 102,5
Ajuste da baixa pressão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .bar (kg/cm²) 16,7-17,6(17-18)
Mola da válvula de regulagem da pressão de lubrificação
(32, Fig. 11):
- Comprimento da mola livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 35,5
- Comprimento da mola comprimida sob carga de 37 ÷
41 N (3,8 - 4,2 kg) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 25,5
Pressão de lubrificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . bar (kg/cm2) 2,7 - 3,4 (2,8 - 3,5)

ESPECIFICAÇÕES - CREEPER GEARS

Tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . epicicloidal com engrenagem de


dentes retos
Taxa de redução: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20: (20+100) =1:6 através de uma
Tipo de controle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . alavanca no lado esquerdo do
Espessura dos anéis de rasamento e anilha de impulso da assento do condutor
engrenagem acionada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 1,465 ÷ 1,535

TORQUES DE APERTO

Torques de Aperto
Tamanho
Torque
da rosca
Porcas e parafusos, alojamento da embreagem/transmissão
(consulte C3 e C4, pág. 2, Sec. 18)
no motor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Porcas e parafusos, alojamento da embreagem/transmissão
M14x1,5 176 18
no eixo traseiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Parafusos de fixação da cabine SILENTBLOCK . . . . . . . . . . . . . . . . – 340 ÷ 420 34,7 ÷ 42,8
Parafusos, braçadeira de apoio da cabine (dianteira) . . . . . . . . . . . . – 114 ÷148 11,6 ÷15,1
Parafusos, braçadeira de apoio da cabine (traseira) . . . . . . . . . . . . . – 250 ÷ 309 25,5 ÷ 31,5

73403960 - 05.2008
4 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

Parafusos, tampa -frontal da embreagem (C1) . . . . . . . . . . . . . . . . . M 8 x 1,25 23 2,4


Parafusos, tampa do alojamento da transmissão (C2) . . . . . . . . . . . M 10 x 1,25 49 5
Parafusos de fixação, placa de retenção dos rolamentos traseiros do
M 10 x 1,25 49 5
redutor(C3) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Porca, eixo acionado do redutor (C4) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M47,5 x
294 30
1,5
Porca, eixo acionado da transmissão (C5) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M45 x 1,5 490 50
Parafusos, do amortecedor ao volante (C6) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M 12 x 1,25 23 24
Parafusos, alojamento do pistão de acionamento do redutor (C7) . . M10 x 1,25 49 5
Parafuso, solenóide (C8) (*) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . – 5,4 ÷ 8,1 0,55 ÷ 0,83
Parafuso, pino da solenóide (C9) (*) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . – 47 ÷ 54 4,8 ÷ 5,5
Parafusos, placa de suporte dos rolamentos traseiros do redutor M14 x 1,5 142 14,5
Parafusos, placa de suporte do eixo acionador da transmissão M8 x 1,25 23 2,4

(*) Aplique algumas gotas do Vedante de Roscas da CASE IH 82995768

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 5

FERRAMENTAS ESPECIAIS epicicloidal.


292906 Alicates de instalação do anel de encaixe
Atenção - As operações descritas nesta Seção do do tambor.
Manual devem ser realizadas utilizando-se as 293343 Chave inglesa para o eixo acionador.
seguintes ferramentas marcadas como X 293805 Extrator dos rolamentos do eixo acionado
ESSENCIAIS com o código identificador (X). (use com a ferramenta n.°50062).
Para uma maior segurança e para obter os melhores X 293808 Ferramenta para o eixo acionado.
resultados ao mesmo tempo em que poupa tempo e 292176 Ferramenta de teste da faixa de folga dos
esforços, recomendamos que estas ferramentas terminais dos eixos acionador e acionado
essenciais sejam usadas em conjunto com as (use com as ferramentas nos. 50013 e
ferramentas específicas que são enumeradas em 50018).
baixo e determinadas ferramentas que serão feitas 291525 Pinos de alinhamento para o eixo traseiro
segundo os desenhos de construção que são dados e a transmissão.
neste manual. 291051 Extrator de engrenagens e do rolamento
do eixo do acionador do redutor.
Lista das ferramentas especiais necessárias para a X 293869 Dispositivo de instalação do rolamento do
realização das diferentes operações descritas nesta eixo acionado (use com a ferramenta n.°
Seção: 50108).
295027 Adaptador para levantamento da cabine 292927 Martelo corrediço.
(use com a ferramenta n.° 290740) X 293975 Ferramenta de ajuste do rolamento do
290740 Gancho para levantar a cabine (use com tambor da embreagem C .
a ferramenta n.° 295027). 293510 Manômetro de ajuste do rolamento do
290090 Cavalete rotativo para revisões. tambor da embreagem C .
292320 Carro para desmontagem do trator. 295021 Compressor da mola da embreagem.
291517 Gancho para levantar a caixa de 294035 Kit de testes de pressão (use com a
velocidades. ferramenta n.° 295024).
293971 Suporte dianteiro para revisões (use com 295024 Ajuste (Kit n.° 294035).
a ferramenta n.° 290090). 295047 Adaptador (use com a ferramenta n.°
293972 Suporte traseiro para revisões (use com a 293975 ou 293510).
ferramenta n.° 290090). 295049 Ferramenta de retenção do eixo acionado
292888 Pinos de montagem da tampa do redutor do redutor.

2
Ferramenta a fabricar para ajuste do rolamento dos eixos acionadores e acionado do redutor (Marcar
a ferramenta com o n.° 50018 - Cotas em mm).
Faça a ferramenta usando material Aq 42.

73403960 - 05.2008
6 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

3
Ferramenta a fabricar para a montagem do rolamento de roletes cônicos do eixo de entrada do redutor
(Marcar a ferramenta com o n.° 50013 - Cotas em mm).
Faça a ferramenta usando material UNI C40. - Use apenas a peça (a).

4 5
Ferramenta a ser fabricada para a montagem do Ferramenta a ser fabricada para a montagem do
anel de retenção da embreagem B (Marcar a rolamento do eixo acionado do redutor (Marcar a
ferramenta com o n.° 50115 - Cotas em mm). ferramenta com o n.° 50061 - Cotas em mm).
Faça a ferramenta usando material UNI C40. Faça a ferramenta usando material C30.
Fazer 3.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 7

Ferramenta a ser fabricada para a montagem do


rolamento do eixo acionador do redutor (Marcar
a ferramenta com o n.° 50060 - Cotas em mm.)
Faça a ferramenta usando material C30.

6
Braçadeira a ser fabricada para consertar a
transmissão no cavalete rotatório. Use com a
ferramenta braçadeira n.° 293971 (Marcar a
ferramenta com o n.° 50110 - Cotas em mm).
Faça a ferramenta usando material Fe 42 C.

73403960 - 05.2008
8 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

Ferramenta a ser fabricada para montagem do


rolamento dos eixos acionador e acionado
(Marcar a ferramenta com o n.° 50108 - Cotas em
mm).
Faça a ferramenta usando material UNI C40.

8
Pinos de alinhamento a serem fabricados para a
desmontagem/instalação da carcaça do motor e
da caixa de velocidade/transmissão (Marcar a
ferramenta com o n.° 50117 -Cotas em mm).
Faça a ferramenta usando material UNI C40.

9
Adaptador para extração do pino de marcha
atrás (Marcar a ferramenta com o n.º 50143 -
Cotas em mm).
Faça a ferramenta usando material UNI C40.

10

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 9

11
Seções Longitudinais e Transversais da Transmissão
1. Acoplador do amortecedor. 17. Discos acionados da embreagem E .
2. Alojamento da embreagem . 18. Alojamento da embreagem E .
3. Discos acionadores da embreagem A . 19. Discos de acionamento da embreagem E .
4. Discos acionados da embreagem A . 20. Molas cônicas Belleville, embreagens D e E.
5. Tampa suporte. 21. Alojamento da embreagem D .
6. Calço de ajuste do eixo acionador da 22. Discos acionados da embreagem C .
transmissão 23. Discos de acionamento da embreagem C .
7. Eixo acionador da transmissão . 24. Alojamento da embreagem C .
8. Discos acionados da embreagem D . 25. Molas cônicas Belleville da embreagem C .
9. Discos acionadores da embreagem D . 26. Calço de ajuste da folga da extremidade da
10. Eixo acionador da engrenagem do redutor. engrenagem acionada da transmissão
11. Carreto intermédio atrás . 27. Eixo acionado da transmissão .
12. Calço de ajuste do eixo acionador do redutor. 28. Molas cônicas Belleville da embreagem B .
13. Eixo acionado do redutor. 29. Molas cônicas Belleville da embreagem A .
14. Calço de ajuste do eixo acionado do redutor. 30. Tubagem de controle de lubrificação da
15. Sincronizador de engate de marchas médias e engrenagem e transmissão do redutor.
marchas atrás. 31. Mola da válvula (32).
16. Sincronizador de engate de marchas lentas e 32. Válvula de regulagem da pressão de
marchas rápidas. lubrificação

73403960 - 05.2008
10 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

12

Cortes e Vistas da Montagem da Válvula de Controle do Redutor

a. Visão do Topo . 8. Válvula de regulagem de baixa pressão .


b. Visão de Baixo . 9. Mola da (8) válvula.
1. Solenóide de marcha atrás . 10. Sensor de pressão .
2. Solenóide de gama alta . 11. Solenóide de freio TDF .
3. Solenóide de gama baixa . 12. Solenóide de TQR .
4. Solenóide de gama média . 13. Anéis de retenção.
5. Solenóide de bloqueio do diferencial. 14. Alojamento do pistão .
6. Solenóide de TDF . 15. Pistões de acionamento do redutor.
7. Válvula. 16. Válvula de desvio .

Nota - Durante a instalação, aplique o junta de vedação, nas superfícies marcadas com um X conforme
detalhado na página 45.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 11

13
Cortes e Vistas da Montagem da Válvula de Controle de Transmissão SEMI-POWERSHIFT

C1. Parafuso de retenção da válvula de controle 3. Porta de teste da pressão - Embreagem C .


SEMI-POWERSHIFT, 24,5 Nm (2,5 kgm). 4. Porta de teste da pressão - Embreagem A .
C2. Parafuso de retenção do pino do solenóide,14,9 5. Porta de teste da pressão - Embreagem B .
÷ 20,3 Nm (1,520 - 2,071 kgm). 6. Solenóide de controle da embreagem A .
C3. Parafuso de retenção do solenóide, 1,72 ÷ 2,79 7. Solenóide de controle da embreagem B .
Nm (0,175 ÷ 0,285 kgm). 8. Solenóide de controle da embreagem C .
1. Porta de teste da pressão - Embreagem E. 9. Solenóide de controle da embreagem D .
2. Porta de teste da pressão - Embreagem D. 10. Solenóide de controle da embreagem E .

Nota: Aplique algumas gotas do Vedante de Roscas da Loctite 542, 82995768, aos parafusos C2 e C3.

73403960 - 05.2008
12 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

DESCRIÇÃO E FUNCIONAMENTO
A transmissão SEMI-POWERSHIFT é ativada por 5
embreagens lubrificadas que permitem o
acoplamento hidráulico de marchas de 6
velocidades ou mudanças por redução. A selecção
da velocidade é gerida eletronicamente pala
Unidade de Gestão Eletrônica (EM U).
O desenho da embreagem permite a mudança de
uma velocidade para outra quando o trator está em
movimento. As embreagens são operadas pelo óleo
de controle das respectivas válvulas solenóides
localizadas no conjunto da válvula de controle,
anexada ao lado direito da caixa de transmissão. . As
mudanças de uma marcha ou taxa de velocidade
para outra são feitas usando-se a alavanca de
mudança em questão localizada ao lado direito do
assento do condutor.
Há três botões na alavanca. Os botões (1 e 2) estão
localizados na parte de trás da alavanca e são
usados para as mudanças de todas as taxas dentro
da mesma redução.
Para mudar de uma redução para a outra, pressione
um dos botões acima (1 ou 2).
Os redutores são operados por dois cilindros
hidráulicos que atuam em dois cilindros
sincronizadores. Os cilindros hidráulicos são 14
ativadas através do óleo de controle das
respectivas válvulas solenóides localizadas no
conjunto da válvula de controle anexo ao lado direito
da caixa de transmissão.

O conjunto de transmissão e redutor proporcionam:


– 18 marchas à frente e 6 marchas atrás na opção
40 KPH;
– 31 marchas à frente e 12 marchas atrás na opção
40 KPH com engate e desengate instalados;
– 17 marchas à frente e 6 marchas atrás na opção
30 KPH;
– 30 marchas à frente e 12 marchas atrás na opção
30 KPH com engate e desengate instalados.
Para comandar de marcha à frente para marchas
atrás, é necessário mover a alavanca à esquerda do
volante. Não é necessário pressionar o pedal de
embreagem.
A transmissão SEMI-POWERSHIFT não é instalada
com uma embreagem central no volante do motor.
Portanto, o pedal da embreagem não deve ser
pressionado para mudança de velocidade ou
redução.
O pedal de embreagem deve ser usado para parar o
trator, conectar implementos e operar o trator em
áreas restritas.

15

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 13

16
Fluxo do Óleo da Transmissão SEMI-POWERSHIFT com a 1a. Marcha À Frente Engatada

Quando a 1a. marcha ou mudança é selecionada molas cônicas Belleville (2 e 4). As embreagens são
usando-se os botões de controle (1 e 3, Fig. 13), as então libertadas.
solenóides (6 e 8, Fig. 12) enviam óleo da bomba
hidráulica para as embreagens A e C,
respectivamente.
O óleo chega aos pistões (1 e 3), empurra-os contra
a força das molas cônicas Belleville (2 e
4,respectivamente) e comprime as duas
embreagens A e C, engatando a 1a. marcha ou
mudança.
O óleo de lubrificação sob pressão alimenta todos os
componentes da transmissão SEMI-POWERSHIFT.
A pressão do óleo é regulada pela válvula (2, Fig.
10).
Se o pedal de embreagem for pressionado, as
solenóides (6 e 8) param de enviar óleo para as
embreagens A e C, portanto os pistões (1 e 3) são
afastados dos discos de embreagem pela ação das

73403960 - 05.2008
14 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

17
Fluxo de Óleo da Transmissão SEMI-POWERSHIFT com a 6a. Marcha à Frente Engatada

Quando a 6a. marcha ou mudança é selecionada componentes da transmissão SEMI-POWERSHIFT.


usando-se os botões de controle (1 e 3, Fig. 13), as A pressão do óleo é regulada pela válvula (32, Fig.
solenóides (7 e 10, Fig. 12) enviam óleo da bomba 10).
hidráulica para as embreagens B e E, Se o pedal de embreagem for pressionado, as
respectivamente. solenóides (7 e 10) param de enviar óleo para as
O óleo chega aos pistões (2 e 4), empurra-os contra embreagens B e E, portanto os pistões (2 e 4) são
a força das molas cônicas Belleville (1 e 3, afastados dos discos de embreagem pela ação das
respectivamente) e comprime as duas embreagens molas cônicas Belleville (1 e 3). As embreagens são
B e E, engatando a 6a. marcha ou mudança. então libertadas.
O óleo de lubrificação sob pressão alimenta todos os

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 15

ALOJAMENTO DA TRANSMISSÃO SEMI-


POWERSHIFT

Desmontagem - Instalação (Op. 21 111 10)

PERIGO
Levante e manuseie todas as peças pesadas
servindo-se do equipamento de elevação com uma
capacidade suficiente.Certifique-se de que as
unidades e as peças estão apoiadas em cintos e
ganchos adequados.Verifique se não está
ninguém em volta da carga que vai ser elevada.

Desmonte o alojamento da transmissão do trator do


seguinte modo:
1. Separe o cabo negativo da bateria e isole-o.
2. Abra e levante a tempa do motor.

18

3. Ligue a tampa do motor a um guincho utilizando


um cabo de nylon (1) e desligue os apoios (2)
(um do lado esquerdo e outro do lado direito).

19

4. Desaperte os parafusos (3) de retenção da


tampa do motor ao motor, desligue o ligador
elétrico das luzes dianteiras e retire a tampa
utilizando um guincho. Certifique-se de que a
tampa é retirada sem obstruções e de que não
há interferência de outros componentes.

20
73403960 - 05.2008
16 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

5. Desaperte os parafusos de retenção e remova


os painéis laterais (1) (um de cada lado).

21
6. Eleve a traseira do trator e posicione dois
cavaletes (2) adequados sob as caixas de
transmissão laterais de modo a levantar as
rodas do chão. Se necessário, retire as varetas
de elevação dos braços de ligação inferiores.

22
7. Amarre a roda com um cabo de nylon (3),
desaperte as porcas de fixação e retire a roda.
Repita a operação na outra roda.

23

8. Desaperte os dois parafusos do tejadilho da


cabine e fixe a ferramenta n.° 295027 (4)
utilizando dois parafusos apropriados. Ligue a
ferramenta a um guincho utilizando o gancho n.°
290740 e mantenha o gancho sob tensão.

24

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 17

9. Separe os ligadores do motor da anilha. Separe


as tubagens do reservatório (1) do dispositivo
de lavagem do pára-brisas e remova o
reservatório.

25
10. Retire a presilha e separe a alavanca (2) de
transmissão do comando do redutor
suplementar. Desaperte o parafuso de retenção
do cabo de controle do freio de estacionamento
(3).

26
11. Retire o pino e desloque o pino que prende a
forquilha (4) à alavanca de comando do freio de
estacionamento. Desaperte a porca que prende
o cabo à forquilha (4) e desaperte o cabo.

12. Desaperte a porca de fixação e desligue o cabo 27


de ligação à terra (5) entre a cabine e o eixo
traseiro.

28

73403960 - 05.2008
18 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

13. Desaperte a braçadeira (1) de fixação e


desligue o tubo de purga do reservatório
principal.

29
14. Desligue da haste a mangueira flexível (2) da
TDF.

30
15. Separe os dois ligadores (3 e 4) localizados sob
a plataforma da cabine.

31
16. Separe os dois ligadores (5 e 6) que ligam o
motor à cabine.

32

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 19

17. Desligue os ligadores do radar e do filtro de


combustível (4 e 3, respectivamente). Retire a
proteção e desligue os ligadores (1 e 2) do
motor de arranque.

33
18. Desligue o ligador das luzes (5) situado no
corrimão (repita a operação em ambos os lados
do trator).

34
19. Desligue os tubos (6) que ligam o dispositivo de
aquecimento ao motor, situados sob o lado
direito da dianteira da cabine.

35

20. Desaperte a porca e desligue o cabo de controle


do acelerador (7) da bomba de injeção.

36

73403960 - 05.2008
20 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

21. Desligue os ligadores (1) dos cilindros de


comando da travagem.
22. Desaperte os ajustes (2) e desligue as
mangueiras flexíveis de controle da travagem.
23. Desligue o tubo do reservatório do cilindro
principal.

37
24. Desaperte os tubos de ligação (4) da válvula de
potência da direção da bomba de controle.

38
25. Desligue os tubos de ligação (5) da válvula de
potência da direção dos cilindros da direção.

39
26. Desaperte os ajustes e desligue os tubos (6) do
circuito do ar condicionado.

40

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 21

27. Desaperte a porca de fixação, faça deslizar o


contrapino e desligue o cabo de controle da TDF
(1).

41
28. Retire os pinos (2), desaperte os parafusos de
retenção (3) e desligue os cabos de controle da
válvula auxiliar do lado direito.
29. Caso as válvulas auxiliares estejam encaixadas
também no lado esquerdo, repita o a operação
28 para as válvulas auxiliares do lado esquerdo.

42
30. Desaperte o parafuso de fixação dos degraus
(6) ao suporte de apoio.

43
31. Desaperte o parafuso de fixação dos degraus
(1) da plataforma da cabine.
32. Repita os passos 30 e 31 do lado oposto,
retirando os degraus.

44

73403960 - 05.2008
22 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

33. Levante o tapete (2) da cabine e desaperte o


parafuso de montagem da cabine mantendo fixa
a porca de fixação sob a plataforma da cabine.
Retire o parafuso e a anilha. Repita as
operações em ambos os lados do trator.

45
34. Desaperte os parafusos traseiros de fixação da
cabine (em ambos os lados).
35. Eleve lentamente a cabine, certificando-se de
que não há componentes ligados, encaixados
ou interferindo. Retire a cabine e coloque-a
sobre uma base de apoio adequada.

46
36. Desaperte o tampão (3) e drene o óleo do eixo
traseiro e da caixa de transmissão traseira num
reservatório adequado (a quantidade é
especificada na página 6, Seção 00).

47
37. Drene os depósitos de combustível, em seguida
desaperte a braçadeira (1) de retenção do tubo
de ligação entre os depósitos principal e auxiliar.

48

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 23

38. Desaperte a braçadeira e o tubo (3) entre os


depósitos principal e auxiliar.
39. Separe o tubo (2) de retorno do combustível (2)
da bomba de injeção ao depósito auxiliar.
Remova o depósito auxiliar.

49
40. Desaperte a braçadeira e retire o tubo (5) de
fornecimento da bomba de injeção. Separe os
ligadores (4), em seguida desaperte e retire o
grupo do sensor do nível de combustível.

50
41. Desaperte a porca da braçadeira metálica (6) de
retenção do depósito principal. Retire a
braçadeira e o depósito.

51
42. Desaperte os parafusos de retenção e retire a
braçadeira (1) de fixação da cabine e do
depósito de combustível (1). (Repetir em ambos
os lados do alojamento da embreagem-
transmissão da velocidade).

52
73403960 - 05.2008
24 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

43. Desaperte os parafusos de retenção e retire a


braçadeira de apoio (2) do depósito principal.

53
44. Desaperte os parafusos de retenção e retire a
unidade radar junto com o respectivo suporte
(3).

54
45. Desaperte os parafusos de retenção e retire a
braçadeira (4) do tubo de controle do freio.

Nota: Não dobre excessivamente os tubos de


controle do freio ao afastá-los do alojamento da
transmissão, para evitar danificá-los.

55

46. Desaperte as braçadeiras e separe as


mangueiras flexíveis (1) do refrigerador do óleo
do eixo traseiro (1) dos tubos.

56

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 25

47. Desligue e retire os tubos do acumulador (2),


desaperte os parafusos de retenção e remova o
acumulador.

57
48. Separe todos os ligadores do conjunto da
válvula de controle de gama, do grupo de
válvulas de controle da embreagem SEMI-
POWERSHIFT e dos diferentes sensores.

Nota: Antes de separar os ligadores de ambos os


alojamentos da válvula de controle, assinale cada
ligador e o respectivo solenóide para facilitar a
remontagem e evitar a inversão das ligações.

58

49. Separe e remova os tubos da válvula de


lubrificação (3) da elevação e da TDF, e da
válvula de desvio (4).

59
50. Separe e remova as linhas de fornecimento e de
retorno (1 e 2) da direção da potência.

60

73403960 - 05.2008
26 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

51. Desligue todas as linhas de controle acessórias


dos respectivos alojamentos situados na parte
inferior do grupo (3) de válvulas de controle da
gama.

61
52. Desaperte os parafusos de retenção e retire o
alojamento (3) da válvula de controle de gama
(3) utilizando dois pinos de alinhamento.

62
53. Separe a mangueira flexível da válvula de
desvio (4).
54. Desligue e remova o tubo(5) de controle da
embreagem A.

63

55. Desaperte os parafusos de retenção e remova o


grupo (1) das válvulas de controle SEMI-
POWERSHIFT.

64

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 27

56. Desaperte os parafusos de retenção e remova a


proteção do suporte do eixo.
57. Retire o anel de retenção (4) e faça deslizar a
manga (5). Repita a operação para o anel de
retenção e para a manga da caixa de
transferência.

65
58. Desaperte os parafusos de retenção do apoio
do rolamento (3) no alojamento da transmissão,
desligue e retire o tubo (2) de controle do
bloqueio do diferencial dianteiro.

66
59. Posicione o cavalete n.° 292320 com um dos
dois guinchos (6) debaixo do motor e o outro sob
o alojamento da transmissão.
60. Coloque duas cunhas de madeira (uma de cada
lado) entre o suporte do eixo dianteiro e o
próprio eixo para evitar a oscilação do motor.

67

61. Desaperte os parafusos de retenção e retire o


motor de arranque (1).

68

73403960 - 05.2008
28 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

62. Retire o alojamento da transmissão dos


parafusos de retenção do motor.

69
63. Desaperte o parafuso de retenção (2) do
espaçador de metal no alojamento da
transmissão.
64. Separe o motor do alojamento da transmissão.

70
65. Desaperte dois parafusos da tampa superior (3)
do alojamento da transmissão, aperte as
correntes do gancho n.° 291517 ao encaixe e
mantenha-as sob tensão com um guincho.
66. Posicione um cavalete sob o apoio da unidade
sensível de tração. Posicione o suporte móvel
do cavalete n.° 292320 sob o alojamento do eixo
traseiro.
67. Retire os parafusos de retenção do alojamento
da transmissão, e remova o encaixe.

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
71
DEDOS.
68. Volte a instalar o alojamento da transmissão no
alojamento do eixo traseiro e no motor,
observando as indicações seguintes:
– Para a reinstalação é preciso seguir o
procedimento de desmontagem no sentido
contrário, da operação 67 à operação 1.
– Antes de voltar a montar os alojamentos, apoios
e tampas, limpe inteiramente e retire a massa das
superfícies concordantes, aplicando um filete de
junta de vedação de 2 mm. de acordo com o
padrão indicado na figura das páginas 29 e 13,
Seção 18.
– Aperte nos torques corretos como é indicado na
página 3.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 29

72

Modelo de aplicação do vedante durante a instalação do alojamento da transmissão-embreagem ao


alojamento do eixo traseiro.

Os vedantes a serem aplicados estão indicados na página 1, Seção 00

73403960 - 05.2008
30 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

TRANSMISSÃO SEMI-POWERSHIFT

Desmontagem-Remontagem (Op. 21 111 85)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Antes de realizar a assistência à transmissão SEMI-


POWERSHIFT, é necessário remover o alojamento
da transmissão seguindo o procedimento indicado
nas páginas 15 a 28.

1. Bloqueie o alojamento da transmissão no


cavalete rotativo n.° 290090 com o auxílio das
braçadeiras dianteira e traseira, ferramentas
nas 293971 (1) e 293972 (2), respectivamente,
2. Realize os passos 3 a 5 para retirar os grupos
da válvula de controle da transmissão e da
gama, caso não tenham sido removidos
anteriormente.
73

3. Desligue o tubo (3) do grupo da válvula de


controle da transmissão e do alojamento da
transmissão.

74

4. Desaperte os parafusos de retenção (4) do


alojamento da válvula de controle da
transmissão, e retire o alojamento.

75

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 31

5. Desloque o tubo de controle (3) das


embreagens B, C, D e E e liberte o encaixe (1).
Desaperte e retire o tubo de controle (2) da
embreagem A.

76
6. Desaperte os parafusos de retenção e retire o
grupo da válvula de controle da gama (1)
utilizando um parafuso de 80 mm de
comprimento como pino de alinhamento.

77
7. Desaperte os parafusos de retenção e faça
deslizar a proteção (5) para um lado, por alguns
centímetros, sobre os fios elétricos.

78

8. Retire os anéis de retenção e as anilhas. Faça


deslizar para fora os sensores (6).

79

73403960 - 05.2008
32 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

9. Desaperte os parafusos de retenção e retire os


sensores (1 e 2).

80
10. Desaperte os parafusos de retenção e retire a
tampa (6).

81
11. Desaperte os parafusos de fixação a tampa da
embreagem A (3) ao alojamento da
transmissão. Introduza três parafusos (4) nos
orifícios com rosca e aperte-os, até destacar do
alojamento da transmissão a tampa (3) junto
com a embreagem A.

82

12. Remova o anel de retenção (5) e retire os discos


da embreagem e as molas de centralização.

83

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 33

13. Monte a ferramenta n.° 295021 (2) e o extrator


n.° 292651 (1) de 300 mm de comprimento
munidos de braçadeiras de extração n.° 292655
de 300 mm de comprimento no alojamento da
carcaça da embreagem B, rode o parafuso da
ferramenta para comprimir as molas cônicas de
liberação da embreagem B e retire o anel de
retenção da mola. Retire a ferramenta do
alojamento da carcaça e recolha as molas
cônicas.
14. Injete ar comprimido dentro do orifício da
alimentação de óleo da embreagem B para
expelir o pistão de acionamento da embreagem.

15. Retire o anel de retenção (1) e desloque o 84


alojamento da embreagem B.

16. Desaperte os parafusos de retenção da tampa 85


(1), posicione a ferramenta n.º 295049 (2) no
alojamento da transmissão, desaperte a porca
de retenção do veio de saída utilizando a chave
inglesa n.° 293343 (3) e retire a tampa.

17. Retire os parafusos de retenção e remova a 86


tampa (1) do rolamento dos veios de entrada e
de saída da engrenagem de gama.

87

73403960 - 05.2008
34 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

18. Utilizando um extrator n.° 291051 (1) e um bloco


adequado, retire a engrenagem de gama média,
o rolamento e a bucha.

88
19. Utilizando um extrator (2) e um bloco de suporte
apropriado, retire a engrenagem de
acionamento de gama média, o rolamento e a
bucha.

89
20. Desaperte os tampões (3) e recolha as molas e
as esferas de atuação. Retire o tampão do
alojamento da transmissão e desloque o pino de
fixação da forquilha de controle de marcha atrás
média.

90

21. Faça deslizar par fora os pinos da mola de


retenção do detentor de comando do redutor (4)
e remova as hastes.

91

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 35

22. Retire a forquilha (1) de controle das marchas


atrás e média junto com o sincronizador (2).

92
23. Retire as engrenagens de marcha atrás e as de
acionamento (3 e 4, respectivamente).

93
24. Desaperte o parafuso de pressão (5) do eixo do
carreto intermédio da marcha atrás.

94

25. Monte o adaptador n.º 292313 (7) e faça


deslizar o extrator n.° 292927 (6) no eixo do
carreto intermédio de marcha atrás (8).

95

73403960 - 05.2008
36 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

26. Desenfie a engrenagem acionada de gama


lenta (1).

96
27. Retire a forquilha (4) de controle das gamas
lenta e alta, o sincronizador (3) e o veio de saída
(2).

97
28. Desenfie o eixo de acionamento (5).

98

29. Retire as forquilhas (6) de controle do sensor de


posição (6). Recolha as buchas e os vedantes
do lado externo do alojamento da transmissão.

99
73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 37

30. Desaperte os parafusos de retenção e retire a


placa da tampa frontal (1).

100
31. Desenfie a engrenagem de acionamento (2) e o
rolamento (3).

101
32. Retire o anel (4) que retém as engrenagens no
eixo de avanço.

102

33. Desenfie o eixo de acionamento (5) com os


anéis internos dos rolamentos do lado posterior
do alojamento. Recolha as engrenagens, a
anilha de impulso e os calços de afinação.

103

73403960 - 05.2008
38 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

34. Monte a ferramenta n.° 293808 (1) no veio de


saída, introduza uma chave inglesa (2) para
manter o veio na posição, aperte a ferramenta
n.° 293805 (3) no alojamento e aperte o
parafuso da mesma para sustentá-la.

104
35. Desaperte e liberte a porca, recupere a bucha e
a mola cônica.

105
36. Desenfie o coletor (4) e a anilha de impulso do
rolamento do veio de saída. Retire a ferramenta
n.° 293805 (3), a chave inglesa (2) e a
ferramenta n.° 293808 (1) do lado traseiro.

106

37. Retire os vedantes do veio de saída (5) e,


utilizando um furador de alumínio e um martelo,
retire o veio parcialmente.

107
73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 39

38. Rode o alojamento da transmissão na posição


vertical, retire o veio de saída (1) e recolha o
grupo de rolamento/engrenagem/embreagem
junto com o rolamento.

108
39. Desaperte o dispositivo do óleo lubrificante (2) e
retire a bucha interna.

109
40. Retire o encaixe do alojamento e desenfie o
tubo de lubrificação do interior do alojamento da
transmissão.

110

41. Para desmontar a embreagem C, remova o anel


de retenção (3) e recupere os discos da
embreagem acionada e os de acionamento da
própria embreagem.

111
73403960 - 05.2008
40 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

42. Fixe a ferramenta n.° 295021 (2) e o extrator n.°


292651 (1) de 300 mm de comprimento,
munidos de braçadeiras de extração n.° 292655
de 300 mm de comprimento, ao alojamento da
carcaça da embreagem, aperte o parafuso da
ferramenta até comprimir as molas cônicas, em
seguida remova o anel de retenção das molas.
Desaperte o parafuso da ferramenta, recolha as
molas cônicas e retire a ferramenta do
alojamento da carcaça da embreagem.

112
43. Aperte dois parafusos nos orifícios com rosca
do pistão (2), em seguida retire o pistão,
puxando-o com a ajuda dos parafusos.

44. Repita as operações 40 a 42 para desmontar as


embreagens D e E.

113
45. Retire o anel de retenção (1), o anel interno de
bloqueio do rolamento e recupere os eixos das
embreagens A e B com o rolamento e os discos
da embreagem A com as molas de
centralização.

114

46. Retire o vedante (3).

115

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 41

47. Retire os anéis de retenção externo (4) e interno


do exterior da embreagem A (5), em seguida
retire a embreagem A, a partir da tampa. Retire
o rolamento.

116
48. Posicione a ferramenta n.° 295021 (2) e o
extrator n.° 292651 (1) de 300 mm de
comprimento, munido de braçadeiras de
extração n.° 292655 de 300 mm de
comprimento mm, na embreagem A (5), rode o
parafuso da ferramenta para comprimir as
molas cônicas de liberação da embreagem e
retire o anel de retenção. Desmonte a
ferramenta n.° 295021 (2) e o extrator (1) e retire
as molas cônicas.

49. Posicione o alojamento da embreagem A na


tampa (2), injete ar comprimido dentro do orifício
de entrada do óleo de controle e retire o pistão
(1). 117

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.
50. Volte a transmissão SEMI-POWERSHIFT no
alojamento da transmissão respeitando as
seguintes indicações:
– A remontagem segue o procedimento de
desmontagem no sentido contrário, a partir do
passo 49 ao passo 1.
– Consulte as figuras das páginas 9,10 e 11 para
obter uma orientação correta das diferentes
peças. 118
– Certifique-se de que o alojamento está
totalmente limpo (especialmente nos
compartimentos internos).
– Verifique os vedantes e substitua-os, caso
estejam danificados.
– Antes de voltar a montar os alojamentos,
suportes e tampas, limpe cuidadosamente e
retire a massa das superfícies concordantes,
aplicando uma filete de 2 mm. de vedante de
acordo com o padrão indicado na figura da
página 45.
– Aperte nos torques corretos como é indicado na
página 3.
– Efetue as seguintes operações e ajustes como
é indicado nas páginas 46 a 49.

73403960 - 05.2008
42 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

51. Monte a ferramenta de retenção n.° 293808 (1)


no veio de saída da transmissão, introduza uma
chave inglesa (3) para retê-la e suporte a
ferramenta (1) com a ferramenta de fixação n.°
293805 (2) ao alojamento.

119
52. Ao montar as embreagens C, D, e E e
respectivos eixos ao alojamento da
transmissão, faça coincidir os sinais de
referência (1).

120
53. Monte o rolamento dianteiro (7) utilizando as
ferramentas n.° 50108 (6) e 293869 (5).

121
54. Após instalar os pormenores do veio de saída,
bloqueie-o com a porca. Instale provisoriamente
a tampa frontal (9) e introduza os três tubos (8)
de controle da embreagem.

122
73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 43

55. Injete ar comprimido através das tubagens (1) e


verifique se é o correto funcionamento das
embreagens C, D, e E. Após o teste, remova as
tubagens (1) e retire a tampa frontal. Monte o
eixo de acionamento munido de seus
acessórios. Após instalar a tampa frontal e
apertar os parafusos de fixação, efetue
novamente o teste acima para verificar a
ausência de fugas do coletor.

123
56. Ao voltar a montar a embreagem A, instale o
rolamento (1), em seguida levante o eixo (8)
utilizando uma ferramenta adequada e
introduza o anel de retenção (10).

124
57. Durante a reinstalação do anel de retenção (1)
na tampa (8) da embreagem, verifique se o
orifício (7) de fuga do óleo (7) está exactamente
no centro das extremidades do anel de retenção
externo.

125

58. Para facilitar a montagem do anel de retenção


do disco da embreagem B, é preciso introduzir
duas cavilhas apropriadas (1) em dois orifícios
de descarga do óleo de modo a manter
comprimidas as molas de centralização da
embreagem.

126

73403960 - 05.2008
44 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

59. Utilizando um extrator de expansão n.° 292906


(5), posicione a ferramenta n.° 50018 (3) com
três colunas no 50112 (2) (consulte a página 6).
Rode o parafuso do extrator e monte o anel de
retenção do disco da embreagem no seu
alojamento.

127
60. Com o alojamento da embreagem A montado
no alojamento da transmissão, monte o
rolamento (7) utilizando a ferramenta n.°
293869. Fixe o rolamento com os anéis de
retenção e aplique o vedante.

128
61. Aqueça e instale o rolamento (3) sobre o eixo de
avanço utilizando a ferramenta n.° 50060 (2)
indicada na página 7. Utilizando a ferramenta
n.° 50013 (1) (consulte a página 6), mantenha o
rolamento corretamente em contato com a
engrenagem durante o resfriamento.

129

62. Aqueça e monte o rolamento (1) no veio de


acionamento utilizando a ferramenta n.° 50061
(2) indicada na página 6. Utilizando a
ferramenta n.° 50018 (1) (consulte a página 5),
mantenha o rolamento corretamente em contato
com a engrenagem durante o arrefecimento.

Nota: Remova as ferramentas no 50060 (2, Fig. 57)


e 50061 (2, Fig. 58) após o completo arrefecimento
dos rolamentos (3 e 1).

130

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 45

131

Modelo de aplicação do vedante durante a instalação de: alojamento da válvula de controle da redutor,
tampa superior das embreagens A e B.

Os vedantes a serem utilizados são indicados na página 1, Seção 00.

73403960 - 05.2008
46 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

ALOJAMENTO DA TRANSMISSÃO

Ajuste da folga da extremidade do eixo de


acionamento da transmissão

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.

Proceda do seguinte modo:


63. Posicione o eixo de acionamento (1) da
transmissão numa bancada, enfie a
engrenagem (6), o espaçador (5), um calço de
afinação de calibragem (4) de 3,5 mm de
espessura, a engrenagem (3). Bloqueie o grupo
com um anel de retenção (2).
64. Assente o grupo. Utilizando um calibrador de
folgas (7), meça a folga axial entre o anel de
retenção (2) e a engrenagem (3).
65. O calço de afinação a ser montado resulta da
dimensão avaliada mais o calço de calibragem
menos a folga axial especificada.

Exemplo:
132
Leitura do calibradora 0,90 mm
Calço de afinação de calibragem:= 3,50 mm
Folga axial especificada: = 0 ÷ 0,15 mm
Calço a ser montado:= 0,90 ÷ 3,50 - 0,10= 4,30 mm.

Nota: Os calços de afinação disponíveis são


indicados na página 2.

66. Retire o anel de retenção (2), desloque a


engrenagem (3) e o calço de calibragem (4).
Acrescente o calço de afinação (8) previamente
calculado, a engrenagem (3) e bloqueie o grupo
com um anel de retenção (2).
67. Assente o grupo. Utilizando um calibrador de
folgas (7) verifique se a folga axial é a mesma
especificada.

133

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 47

ALOJAMENTO DA TRANSMISSÃO

Ajuste dos rolamentos da engrenagem acionada

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.

Proceda do seguinte modo:


68. Coloque a ferramenta n.° 293975 (6) num torno,
acrescente os rolamentos (2 e 5), o espaçador
(4), o calço de calibragem (3), a ferramenta n.°
295047 (1) e aperte a porca (6) da ferramenta. 134
69. Utilizando um medidor de profundidade, meça a
distância (L1) entre a extremidade da
ferramenta n.° 293975 e o topo do pino de
retenção com rosca da ferramenta. Desmonte o
conjunto.

70. Introduza os dois rolamentos (2 e 5), a 135


engrenagem (7), a ferramenta n.° 295047 (4) na
ferramenta n.° 293975 (6) e aperte a porca (6)
da última. Utilizando um medidor de
profundidade, meça a distância (L) entre a
extremidade da ferramenta n.° 293975 e o topo
do pino de retenção com rosca da ferramenta.

71. O calço de ajuste a ser montado é dado por:

S = L - Li + P - 0,1 mm
onde
S = Calço de ajuste a ser montado
L e L1 = Leituras na ferramenta n.° 293975.
P = Calço de calibragem.
0,1 mm = Redução necessária para compensar o
136
aumento da carga do rolamento, devido ao aperto da
porca de fixação do veio de saída da transmissão
Caso seja necessário, arredonde o valor (S) por
excesso entre 0,025 mm.
Exemplo:
Leitura L = 18,50 mm
Leitura L1 = 11,30 mm
Calço de calibragem = 3,00 mm
Calço de ajuste a ser montado
S = 18,50 - 11,30 + 3,00 - 0,1 = 10,15 mm.

Nota: Os valores dos calços de ajuste disponíveis


para a engrenagem acionada da transmissão SEMI-
POWERSHlFT são indicados na página 2.

73403960 - 05.2008
48 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

ALOJAMENTO DA TRANSMISSÃO

Ajuste do rolamento cônico do veio de saída e do


eixo de acionamento

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.

Proceda do seguinte modo:


72. Coloque a tampa (2) sem o calço de afinação.
Coloque a ferramenta n.° 50013 (1) no eixo de
acionamento (consulte a página 6).

137

73. Aperte na ferramenta 292176 (2) o dispositivo


de instalação 50013 (3). Posicione um indicador
(1) com o ponteiro em contato com a pista
interna do rolamento. Rode os eixos para
assentar os rolamentos de esferas. Ponha em
zero o indicador certificando-se de que o
conjunto está no fim de curso. Através da
alavanca do dispositivo de instalação n.°
292176 (2). ponha o conjunto em contato com a
tampa (4) e leia o percurso (L) no indicador.

O calço de ajuste a ser acrescentado é dado por:


S = L - (O ÷ 0,06 mm)
onde:
S = Calço de calibragem. 138
L = Leitura do percurso.
O ÷ 0,06 mm = Folga axial do rolamento do eixo de
acionamento.

Nota: Os calços de afinação para os rolamentos do


eixo de acionamento da gama são indicados na
página 3.

74. Desmonte as ferramentas (2 e 3), remova a


tampa (4), coloque o calço de afinação
previamente calculado, reponha a tampa (4) e
as ferramentas (2 e 3). Repita a operação 73
para verificar se a folga axial é a mesma
especificada, 0 ÷ 0,06 mm. Remova as
ferramentas (2 e 3).

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 49

75. Monte o disco (1) com um calço de calibragem


(Sp). Retire o tampão do lubrificante do veio de
saída. Monte a ferramenta n.° 50018 (4)
(consulte a página 5), o dispositivo de instalação
n.° 292176 (3) e o indicador (2). Certifique-se de
que o ponteiro do indicador está localizado na
pista interna do rolamento.
Certifique-se de que o ponteiro do indicador
localiza-se na pista interna do rolamento .Rode
os eixos para assentar as esferas do rolamento
e ponha em zero o indicador, certificando-se de
que o conjunto está no fim de curso. Utilizando
a alavanca do dispositivo de instalação n.°
292176 (3) ponha o conjunto em contato com o
disco (1) e leia o funcionamento (H) no 139
indicador. O calço de afinação a ser instalado é
dado por:
S1 = H + Sp - (O ÷ 0,06 mm)
onde:
S1 = Calço de afinação.
Sp = Calço de calibragem.
H = Leitura do percurso.
O ÷ 0,06 mm = Folga axial do rolamento do veio de
saída.

Nota: Os calços de afinação dos rolamentos do veio


de saída do redutor são indicados na página 3.

76. Desmonte as ferramentas (3 e 4), remova o


disco (1), substitua o calço de afinação (Sp) pelo
calço de afinação (S1), reinstale o disco (1) e as
ferramentas (3 e 4). Repita a operação 75 para
verificar se a folga axial é a mesma
especificada, O ÷ 0,06 mm. Remova as
ferramentas (3 e 4) e aperte o tampão do
lubrificante do veio de saída.

73403960 - 05.2008
50 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

GRUPO DE VÁLVULAS DE CONTROLE DO


REDUTOR SEMI-POWERSHIFT

Desmontagem-Instalação (Op. 21 133 30)

PERIGO
Levante e manuseie todas as peças pesadas
servindo-se do equipamento de elevação com uma
capacidade suficiente.Certifique-se de que as
unidades e as peças estão apoiadas em cintos e
ganchos adequados.Verifique se não está
ninguém em volta da carga que vai ser elevada.

Remova o grupo da válvula de controle do redutor


SEMI-POWERSHIFT do seguinte modo:
1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.

140
2. Desaperte o parafuso de fixação dos degraus
(6) do suporte de apoio.

141
3. Desaperte o parafuso de fixação dos degraus
(1) à plataforma da cabine.

142

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 51

4. Esvazie os depósitos de combustível, em


seguida desaperte a braçadeira (1) de retenção
do tubo do combustível entre os depósitos
principal e auxiliar.

143
5. Desaperte a braçadeira e retire o tubo (3) entre
os depósitos principal e auxiliar.
6. Desligue o tubo de retorno do combustível (2)
que vai da bomba ao depósito auxiliar. Remova
este último.

144
7. Separe e remova a tubagem do acumulador (2).
Desaperte os parafusos de retenção e remova o
acumulador.

145
8. Separe todos os ligadores do grupo de válvulas
de controle do redutor e dos sensores.

Nota: Antes de separar os ligadores do alojamento


da válvula de controle, assinale cada ligador e o
solenóide respectivo para facilitar a remontagem e
evitar a inversão das ligações.

146

73403960 - 05.2008
52 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

9. Desaperte os parafusos de retenção e remova o


acumulador (1).

147
10. Desligue todos os tubos de controle de
assistência das juntas na parte inferior do
alojamento das válvulas de controle do redutor
(2).

148
11. Alivie os ajustes (3 e 4) dos tubos do lubrificante
do levantador e da TDF, desaperte os parafusos
de retenção e remova o grupo (3) de válvulas de
controle do redutor utilizando dois pinos de
alinhamento.

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.
12. Volte a montar o grupo de válvulas de controle
do redutor SEMI-POWERSHIFT no alojamento
da transmissão respeitando as indicações
seguintes: 149
– A reinstalação segue o procedimento de
desmontagem no sentido contrário, do passo
12 ao passo 1.
– Antes de voltar a montar o grupo de válvulas de
controle do redutor SEMI-POWERSHIFT, limpe
totalmente e retire a massa das superfícies
concordantes, aplicando um filete de vedante
de 2 mm. de acordo com o modelo indicado na
figura da página 45.
– Aperte nos torques corretos como é indicado na
página 3.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 53

GRUPO DE VÁLVULAS DE CONTROLE DO


REDUTOR SEMI-POWERSHIFT

Desmontagem-Instalação (Op. 21 133 32)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Para fazer a revisão do grupo de controle do redutor


SEMI-POWERSHIFT é necessário removê-lo do
alojamento da transmissão seguindo os
procedimentos de desmontagem-instalação descrito
nas páginas 50 a 52.
1. Desaperte o parafuso (1) e remova o solenóide
(2) de bloqueio do diferencial.

150

2. Desaperte o encaixe (3). Desaperte o tampão


do lado oposto.

151

3. Recupere a válvula (4) de ajuste da pressão e a


mola (5).

152

73403960 - 05.2008
54 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

4. Desaperte o encaixe (1) e recupere a válvula de


desvio.

153
5. Remova o sensor (2) de pressão da tração às
quatro rodas.

154
6. Desaperte os parafusos de retenção e remova
os pistões (3) de acionamento do redutor.

155
7. Desaperte a válvula de sucção do óleo para o
circuito da potência da direção hidrostática em
caso de motor desligado e todos os solenóides.

156

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 55

8. Retire o anel de retenção (1). Remova a tampa


da guia corrediça, o anel interno e o pistão.

157
9. Utilizando um furador adequado, retire o anel de
retenção interno (2) e recupere o anel interno.

158

10. Peças constituintes do pistão de acionamento


do redutor.

Nota: Caso seja necessário substituir os vedantes


(3) e os anéis anti-extrusão, introduza-os o mais
rápido possível para evitar que se deformem. Espere
15 minutos antes de instalar o pistão dentro do furo.

11. 11. Volte a montar o grupo de válvulas de


controle do redutor SEMI-POWERSHIFT
respeitando as indicações seguintes:
– A reinstalação segue os procedimentos de
desmontagem no sentido contrário, do passo
10 ao passo 1.
159
– Consulte as figuras da página 10 para obter
uma orientação correta sobre as diferentes
peças.
– Certifique-se de que todas as peças estão
totalmente limpas.
– Verifique os vedantes e substitua-os se
estiverem danificados.
– Aperte nos torques corretos como é indicado na
página 3.

73403960 - 05.2008
56 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

SOLENÓIDE DE CONTROLE DO REDUTOR


SEMI-POWERSHIFT

Substituição (0p. 21 133 72)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Substitua um dos solenóides pertencentes ao grupo


das válvulas de controle do redutor SEMI-
POWERSHIFT do seguinte modo:
1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.

160
2. Desligue o ligador (1) do solenóide.

161
3. Desaperte a porca de retenção (2) e remova o
solenóide (3).

162

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 57

4. Desaperte o pino (1) e retire-o.

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.
5. Volte a instalar o solenóide no grupo de válvulas
de controle do redutor SEMI-POWERSHIFT
respeitando as indicações seguintes:
– A reinstalação segue os procedimentos de
desmontagem no sentido contrário, do passo 5
ao passo 1.
– Verifique os vedantes e substitua-os se
estiverem danificados. 163
– Aperte nos torques corretos como é indicado na
página 3.

73403960 - 05.2008
58 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

GRUPO DE VÁLVULAS DE CONTROLE DA


TRANSMISSÃO SEMI-POWERSHIFT

Desmontagem-lnstalação(0p. 21 133 40)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Remova o grupo de válvulas de controle da


TRANSMISSÃO SEMI-POWERSHIFT do seguinte
modo:
1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.

164

2. Desaperte o parafuso de fixação dos degraus


(6) ao suporte de apoio.

165

3. Desaperte o parafuso que prende os degraus


(1) à plataforma da cabine.

166

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 59

4. Esvazie os depósitos de combustível, em


seguida desaperte a braçadeira (1) de fixação
dos tubos do combustível entre os depósitos
principal e auxiliar.

167
5. Desaperte a braçadeira e desligue a tubagem
(3) entre os depósitos principal e auxiliar.
6. Desligue a tubagem (2) de retorno do
combustível que vai da bomba ao depósito
auxiliar. Remova o depósito auxiliar.

168
7. Desligue todos os ligadores (4) do grupo de
solenóides de controle da embreagem SEMI-
POWERSHIFT.

Nota: Antes de separar os ligadores do alojamento


das válvulas de controle, assinale cada ligador e
solenóide respectivo para facilitar a remontagem e
evitar a inversão das ligações.

8. Desligue os tubos (5 e 6), desaperte os


parafusos de retenção e remova o alojamento 169
das válvulas de controle.

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.
9. Volte a instalar o grupo das válvulas de controle
SEMI-POWERSHIFT observando as seguintes
advertências:
– Aperte nos torques corretos como é indicado na
página 11.
– A reinstalação segue os procedimentos de
desmontagem no sentido contrário, do passo 9
ao passo 1.
170

73403960 - 05.2008
60 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

SOLENÓIDE DA TRANSMISSÃO SEMI-


POWERSHIFT

Substituição (Op. 21 133 70)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Substitua um dos solenóides do grupo de válvulas


do controle da transmissão SEMI-POWERSHIFT do
seguinte modo:
1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.

171

2. Desaperte o parafuso de fixação dos degraus


(6) ao suporte de apoio.

172

3. Desaperte o parafuso de fixação dos degraus


(1) à plataforma da cabine.

173

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 61

4. Esvazie os depósitos de combustível, em


seguida solte a braçadeira (1) de fixação da
tubagem de combustível entre os depósitos
principal e auxiliar.

174
5. Desaperte a braçadeira e desligue a tubagem
(3) entre os depósitos principal e auxiliar.
6. Desligue o tubo de retorno do combustível (2)
que vai da bomba ao depósito auxiliar. Remova
o depósito auxiliar.

175
7. Desligue o ligador (4) do solenóide a ser
substituído.

176
8. Desaperte a porca de fixação (6) e remova o
solenóide (5).

177

73403960 - 05.2008
62 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

9. Desaperte o pino (1) e remova-o.

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.
10. Volte a instalar o solenóide no grupo de válvulas
de controle da transmissão SEMI-
POWERSHIFT respeitando as indicações
seguintes:
– A reinstalação segue os procedimentos de
desmontagem no sentido contrário, do passo
10 ao passo 1.
– Verifique os vedantes e substitua-os se 178
estiverem danificados.
– Aperte nos torques corretos como é indicado na
página 11.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 63

Corte Longitudinal da Transmissão

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 1

SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO

Capítulo 2 - Transmissão Range Command (SEMI-POWERSHIFT)


Calibrações, Detecção e Correção de Anomalias, Teste de Pressão e
Avanço Lento

ÍNDICE

Descrição Página
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Códigos de Erros - Range Command (Semi Power Shift) Lógica de Mostrador de Erros . . . 3
Códigos de Erros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Rotina de Diagnóstico da Transmissão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Códigos das anomalias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Teste de Pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
H1 - Calibrações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
H2 - Visualização de calibração do ângulo de esterçamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Esquema Semi-Powershift e Levantador Eletrônico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

73403960 - 05.2008
2 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

Introdução Ver diagramas elétricos completos na Seção 55.


Nos casos em que o procedimento de detecção de
Códigos de Erro e Detecção e Correção de anomalias exigir testes de continuidade, dever-se-á
Anomalias efetuar uma inspeção da fiação antes de executar os
testes, a fim de assegurar-se de que não houve
O sistema de gerenciamento eletrônico da
danos "mecânicos" óbvios no chicote ou nos
transmissão possui um sistema de diagnóstico
conectores.
embutido. Este sistema utiliza o mostrador digital do
Um multímetro de boa qualidade é essencial para o
conjunto da alavanca de mudanças para indicar, de
diagnóstico de anomalias. Este deve ser capaz de
forma codificada, qualquer irregularidade no circuito
medir resistência de pelo menos 20.000 ohms, além
elétrico e eletrônico, bem como no
de medir tensão e corrente. Ao utilizar o multímetro,
microprocessador. Convém observar que o sistema
é aconselhável selecionar um valor alto e ir
de auto-diagnose limita-se ao diagnóstico dos
reduzindo, a fim de evitar danificar o instrumento.
circuitos elétrico e eletrônico e componentes afins,
todavia, existem alguns códigos que podem ser
IMPORTANTE: Deve-se tomar o devido cuidado ao
gerados se os circuitos dos interruptores de pressão
utilizar-se o multímetro. Usar o instrumento somente
não forem completados devido a uma falta de
conforme instruções, a fim de evitar danos aos
pressão hidráulica. Qualquer irregularidade no
elementos internos do microprocessador. Ao fazer o
funcionamento dos componentes mecânicos e
teste de continuidade da fiação, sensores ou
hidráulicos precisa ser diagnosticada adotando-se
interruptores, é necessário isolar o
técnicas convencionais, características de
microprocessador eletrônico e assegurar-se de que
desempenho e ferramentas, como por exemplo
a chave de partida esteja desligada para evitar
equipamento de teste de pressão.
danos maiores. A chave de partida só deve ser
O diagnóstico deve ser sempre executado numa
ligada e o processador conectado, onde houver
seqüência lógica e planejada; muitos defeitos
instrução específica nesse sentido no procedimento
aparentes associados aos componentes eletrônicos
de diagnóstico.
são muitas vezes apressadamente diagnosticados,
Se for julgado necessário limpar os conectores,
resultando na substituição de componentes caros.
deve-se utilizar um spray de contato aprovado. NÃO
Alguns poucos minutos para confirmação da falha
USAR QUALQUER OUTRO MÉTODO PARA A
aparente resultarão num reparo mais positivo e mais
LIMPEZA DOS TERMINAIS. Não utilizar produto de
econômico.
limpeza que contenha tricloro-etileno, pois este
Com o uso de microprocessadores, verifica-se com
solvente danificará o corpo de plástico do conector.
freqüência que este item é culpado por qualquer
É preferível utilizar um solvente à base de freon TF.
irregularidade, mas a verdade é que este item
normalmente está perfeito e que a falha deve-se a
mal contato nos respectivos conectores.
Cada conector elétrico ilustrado e identificado nos
diagramas elétricos da Seção 55 e referidos no
procedimento de diagnóstico a seguir, possui a
mesma referência de identificação. Por exemplo, os
conectores do processador principal da transmissão
são chamados de Conectores C100 e C101 na
ilustração e também como conectores C100 e C101
no procedimento de detecção e correção de
anomalias. Muitas vezes no fluxograma de detecção
e correção de anomalias o conector e pinos são
abreviados e aparecerão, por exemplo, como C100-
21. O C 100 refere-se ao conector, e 21 ao número
do pino. Alternativamente, para os conectores com
um menor número de pinos, a identificação
aparecerá como G014-FM3100-B/G/S. Cuja
composição é a seguinte:
1
C014 Número do Conector
FM 3100 Chicote principal dianteiro, circuito No.
3100
B/G/S Cor do fio

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 3

CÓDIGOS DE ERRO - RANGE COMMAND (SEMI-


POWERSHIFT) LÓGICA DE MOSTRADOR DE
ERROS
1. Os erros são mostrados na parte do mostrador
de cristal líquido da alavanca de mudanças.
2. Os códigos de erro sempre aparecerão
piscando.
3. Há quatro tipos de erros: Desabilitar, "N", "CP",
e Oculto.
4. Os erros de desabilitação desabilitam
permanentemente a transmissão (até a próxima
partida).

2
5. Os erros de desabilitação e ocultos são
acompanhados de um alarme fixo durante 5s.
Após 5 segundos o código de erro continua
piscando no visor de cristal líquido, mas o
alarme pára. Se o erro apagar durante o
período de 5 segundos, o alarme pára de soar
quando o erro for apagado, e a tela de cristal
líquido retornará ao mostrador normal.
6. Se houver erros de desabilitação e/ou ocultos
múltiplos para mostrar no visor, os mesmos
serão mostrados seqüencialmente. Exemplo,
para os códigos F2A, F2b e F2C:
LCD: | F2A- - - - - - - | F2b------ | F2A | F2C |
F2A |
Tempo: | 5 seg | 1 s | 5 seg | 1 s | 5 seg | 1 s |
5seg | 5 seg | 5 seg | 5 seg | etc. 3
Alarme: | firme | off|firme |off|firme
|off|off- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

NOTA: A seqüência mostrada no visor nem sempre


poderá começar com o número de erro mais baixo,
e os erros podem no início não ser mostrados em
ordem numérica. Existe uma certa "aleatoriedade"
dependendo do timing exato e da seqüência de
eventos
7. Os erros "N" e "CP" são acompanhados de um
alarme de pulso e exigem a iniciativa do
motorista. O alarme continuará e a transmissão
será desabilitada até que o operador tome uma
iniciativa.
Os erros "CP" podem ser apagados acionando-
se o pedal da embreagem. Em alguns casos, os
erros "CP" podem também ser apagados
acionando a alavanca de inversão. 4
Os erros "N" podem ser apagados, colocando-
se a alavanca de inversão em neutro.

73403960 - 05.2008
4 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

Os códigos de erro "N" e "CP" podem resultar de


uma ação inadequada do operador, ou podem
resultar de falhas no sistema que requerem ação por
parte do operador para reiniciar a operação.

8. Módulo normal de mostrador de erro:


Se houver qualquer erro de desabilitação, serão
mostrados somente os erros de desabilitação.
Se não houver erro de desabilitação e estiver
ativado pelo menos um erro "N", o "N" piscará.
Se não houver nem erros de desabilitação e
nem erros "N", e estiver ativo pelo menos um
erro "CP", o "CP" piscará.
Os erros ocultos não serão mostrados.
5
9. Hd no menu de diagnóstico habilitará o modo
"mostrar todos os erros". Da mesma forma um
novo módulo (ou um módulo antigo depois de
zerada a memória utilizando H8) estará
automaticamente no modo "mostrar todos os
erros" até que não haja mais nenhum erro para
ser mostrado durante 6 minutos. O intervalo de
6 min deve ocorrer durante um ciclo de
ativação, ou seja, desligando-se a chave de
partida, será zerado o temporizador.

6
Se houver erros de desabilitação, TODOS os erros
serão mostrados seqüencialmente. Os erros "N" e
"CP" não serão mostrados; ao invés disso serão
mostrados os códigos de erro associados com "N"
ou "CP".
Se não houver erros de desabilitação e houver pelo
menos um erro "N" o primeiro erro "N" será
mostrado. O mostrador alternará a intervalos de 1
segundo entre "N" (para informar o operador o que
fazer) e o código de erro associado (para ajudar no
diagnóstico de anomalias).

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 5

Se não houver erros de desabilitação ou erros "N", e


houver pelo menos um erro "CP", o primeiro erro
"CP" será mostrado. O mostrador alternará a
intervalos de 1 segundo (para informar o operador o
que fazer) e o código de erro associado (para
auxiliar no diagnóstico de anomalias).
Se não houver erros de desabilitação, erros "N" ou
erro "CP", quaisquer erros ocultos serão mostrados
seqüencialmente.

Da mesma forma um novo módulo (ou um módulo


antigo depois de zerada a memória utilizando H8)
estará automaticamente no modo "mostrar todos os
erros" até que não haja mais nenhum erro para ser
mostrado durante 6 minutos. O intervalo de 6 min
deve ocorrer durante um ciclo de ativação, ou seja,
desligando-se a chave de partida, será zerado o
temporizador. Após 6 minutos sem nenhum erro, o
módulo muda automaticamente para o modo de
mostrador de erro normal, e serão apagados todos
os códigos de erro armazenados.

73403960 - 05.2008
6 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

Códigos de Erro

CÓDI- DESCRIÇÃO DO ERRO PRIORI STATUS MODO


GO DE -DADE TRANSM. ALARME
ERRO

F02 Sincro Rápidas/Lentas - valor calibração errado no NVM ou 42 Habilitado


descalibrado
F03 Sincro M/R -valor calibração errado no NVM ou 41 Habilitado
descalibrado
F11 Subtensão no potenciômetro de avanço lento 14& Desabilitado Pulso
71 Habilitado
F12 Sobretensão no potenciômetro de avanço lento 13& Desabilitado Pulso
70 Habilitado
F13 Interruptores marchas acima e abaixo ambos fechados 78 Habilitado
F20 Sincronizador não engata - mudanças gamas 23 Habilitado
F21 Bobinas desconectadas - Erro avanço lento ou do chicote 1 Desabilitado
F22 Sincronizador não desengata - mudanças gamas 24 Habilitado
F23 Super-redutor engatado, velocidade ou marcha muito alta 35 Habilitado
F24 Todas as embreagens/sincronizadores precisam 11 Desabilitado
recalibração
F27 rpm muito baixa - circuito aberto ou curto 60 Habilitado
F31 Sincronizador não engata - inversão 19 Desabilitado Pulso
F32 Sincronizador não engata após a partida 20 Desabilitado Pulso
F33 Sincronizador não desengata - inversão ou neutro 21 Desabilitado Pulso
F34 Sincronizador não desengata após a partida 22 Desabilitado Pulso
F35 Deixa de engatar gama anterior após códigos de erro F20 18 Desabilitado Pulso
&F22
F36 Sincronizador não engata (possivelmente escapando) 17 Desabilitad Pulso
F37 Interruptor energização solenóide circuito aberto 31 Desabilitado
F38 Gama desabilitada selecionada pelo operador 25 & Habilitado
16& Desabilitado Pulso
15 Desabilitado Pulso
F40 Sobretensão potenciômetro Sincronizador Médias/Ré 43 Habilitado
F41 Subtensão potenciômetro Sincronizador Médias/Ré 44 Habilitado
F42 Sobretensão potenciômetro Sincronizador Rápida/Lenta 45 Habilitado
F43 Subtensão potenciômetro Sincronizador Rápida/Lenta 46 Habilitado
F44 Potenciômetro Sincronizador Médias/Ré fora da faixa de 76 Habilitado
calibração
F45 Potenciômetro Sincronizador Rápida/Lenta fora da faixa de 77 Habilitado
calibração
F47 Interruptor energização solenóide mal ajustado (pedal 69 Habilitado
embr.)
F48 Interruptor energização solenóide em curto com 12 volts 68 Habilitado
F49 Sensor velocidade das rodas circuito aberto 47 Habilitado
F50 Sensor velocidade das rodas em curto 48 Habilitado
F51 Temperature sensor circuit open 66 Habilitado

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 7

CÓDI- DESCRIÇÃO DO ERRO PRIORI STATUS MODO


GO DE -DADE TRANSM. ALARME
ERRO

F52 Sensor temperatura curto à massa 67 Habilitado


F53 Regulagem 5/7 volts muito alta 7 Desabilitado
F54 Regulagem 5/7 volts muito baixa 8 Desabilitado
F55 Regulagem 8 volts muito alta 9 Desabilitado
F56 Regulagem 8 volts muito baixa 10 Desabilitado
F59 Incompatibilidade interruptor Avante/Ré/Neutro 12 Desabilitado Pulso
F60 Subtensão entrada marchas acima 50 Habilitado
F61 Sobretensão entrada marchas acima 51 Habilitado
F62 Subtensão entrada marchas abaixo 52 Habilitado
F63 Sobretensão entrada marchas acima 53 Habilitado
F64 Subtensão entrada marchas Alta/Baixa 54 Habilitado
F65 Sobretensão entrada marchas Alta/Baixa 55 Habilitado
F66 Subtensão entrada marcha avante 56 Habilitado
F67 Sobretensão entrada marcha avante 57 Habilitado
F68 Subtensão entrada marcha ré 58 Habilitado
F69 Sobretensão entrada marcha ré 59 Habilitado
F73 Sensor Médias circuito aberto 79 Habilitado
F74 Sensor Médias curto à massa ou curto com 12V 80 Habilitado
F75 Sensores Ré e Médias trocados 82 Habilitado
F77 Ausência de sinal do sensor de velocidade das rodas 49 Habilitado
F78 Ausência de sinal do sensor de Médias 81 Habilitado
F79 Motor rpm >3000 34 Habilitado Pulso
F80 Velocidade da roda muito alta para a marcha selecionada 33 Habilitado Pulso
F81 Não detectada relação correia 30 Desabilitado Pulso
F1A Embreagem A circuito aberto ou curto à massa 36 Desabilitado
F1b Embreagem B circuito aberto ou curto à massa 37 Desabilitado
F1C Embreagem B circuito aberto ou curto à massa 38 Desabilitado
F1d Embreagem D circuito aberto ou curto à massa 39 Desabilitado
F1E Embreagem E circuito aberto ou curto à massa 40 Desabilitado
F2A Embreagem A curto com 12V 2 Desabilitado
F2b Embreagem B curto com 12V 3 Desabilitado
F2C Embreagem C curto com 12V 4 Desabilitado
F2d Embreagem D curto com 12V 5 Desabilitado
F2E Embreagem D curto com 12V 6 Desabilitado
F1P Solenóide de Ré circuito aberto ou curto à massa 27 & Desabilitad Pulso
73 Desabilitado Firme

73403960 - 05.2008
8 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDI- DESCRIÇÃO DO ERRO PRIORI STATUS MODO


GO DE -DADE TRANSM. ALARME
ERRO

F1L Solenóide de Lenta circuito aberto ou curto à massa 28 & Desabilitado Pulso
74 Desabilitado Firme
F1U Solenóide de Médias circuito aberto ou curto à massa 26 & Desabilitado Pulso
72 Desabilitado Firme
F1h Solenóide de Rápida circuito aberto ou curto à massa 29 & Desabilitado Pulso
75 Desabilitado Firme
FCA Embreagem A descalibrada 61 Habilitado
FCB Embreagem B descalibrada 62 Habilitado
FCC Embreagem C descalibrada 63 Habilitado
FCD Embreagem D descalibrada 64 Habilitado
FCE Embreagem E descalibrada 65 Habilitado
CP Acionar pedal embreagem ou selecionar neutro para 32 Desabilitado Pulso
reengatar
ERROS DE CALIBRAÇÃO
U19 Temperatura do óleo inferior a 20°C
U21 Rotação do motor muito baixa
U22 Rotação do motor muito alta
U23 Alavanca de inversão está em neutro
U26 Pedal embreagem não liberado
U31 Detectada velocidade de saída - trator está se
movimentando
U36 Valor máximo de calibração da embreagem excedido
U37 Rotação do motor caiu muito rápido durante a calibração
da embreagem
U81 Não detectado movimento do sincronizador de Médias-Ré
U82 Não detectado movimento do sincronizador de Baixa-Alta
U83 Conectares potenciômetro sincronizador trocados
U84 Conectares solenóide sincronizador Ré e Alta trocados
U85 Conectares solenóide sincronizador Médias e Baixa
trocados
U86 Erro de neutro sincronizador Médias-Ré
U87 Sincronizador de Baixa-Alta, erro de neutro
U88 Valores calibração sincronizador Médias-Ré fora das
tolerâncias
U89 Valores calibração sincronizador Baixa-Alta fora das
tolerâncias
MENSAGENS DE CALIBRAÇÃO
CF Procedimento calibração concluído com êxito
CH Temperatura do óleo superior a 50°C - Pressionar botão
marchas acima para prosseguir
CL Temperatura do óleo entre 10 e 20°C - pressionar botão
marchas acima para prosseguir

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 9

ROTINA DE DIAGNÓSTICO DA TRANSMISSÃO


Tratores com transmissão Semi-Powershift possui
um sistema de diagnóstico incorporado.

Para ter acesso ao procedimento de diagnóstico “H”


é necessário utilizar a ferramenta No. 380000488

10

O dispositivo de visualização da transmissão é


utilizado para mostrar as informações da
transmissão e o grupo de instrumentos para as
informações do controlo electrónico da elevação
(EDC).

11
Instale o dispositivo de diagnóstico 380000488 no
conector de diagnóstico branco, localizado sob o
painel EDC. Funcione o motor. No painel aparece
SEL. Pelo botão de gamas, selecione “F” no painel
e após entre no modo H1, pela ferramenta, no
mostrador de marchas.

12

73403960 - 05.2008
10 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

Utilizando a ferramenta especial de diagnóstico (P/N


380000488), no soquete de diagnóstico branco.
Ligar a chave de partida, o mostrador no painel de
instrumentos indicará “HH”. Apertar repetidamente o
botão do interruptor de diagnóstico até que o
mostrador no painel de instrumentos mude para o
menu necessário.

13

A Rotina “H” consiste nos seguintes códigos de


menu:

HH Menu de Serviço da Transmissão


H1 Calibração das embreagens e dos sincronizadores
H2 Visualizar calibração das embreagens
H3 Revisar temperatura de calibração das embreagens
H4 Nível de revisão do software
H5 Teste do interruptor
H6 Visualizar calibração dos sincronizadores
H7 Reserva (não utilizado)
H8 Limpeza da memória não volátil
H9 Teste de tensão
HA Visualizar posição do pedal da embreagem (%) e temperatura do óleo da
transmissão
HB Mostrar códigos de erro armazenados
HC Limpar códigos de erro armazenados
HD Mostrar códigos de erro ao vivo (Dinâmico)
HE Ajuste do tempo de enchimento rápido
HF Ajuste manual calibração embreagem
HJ Modo de teste da pressão das embreagens
HL Modo de mudança/posição sincronizador

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 11

H2 - Visualizar calibração das embreagens


Mostra as calibrações de cada embreagem.

14

É mostrada a Embreagem “A”, seguido do seu


número de calibração.

15

Prosseguir, pressionando os botões de marchas para


a troca dos pacotes.

16

H3 - Revisar temperatura de calibração das


embreagens
Mostra a temperatura da transmissão em que cada
embreagem foi calibrada pela última vez.

17

73403960 - 05.2008
12 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

Mostra o pacote “A” primeiro, com a temperatura.

18

Prosseguir, pressionando os botões de marchas para


a troca dos pacotes.

19

H4 - Nível de revisão do software


Mostra o software instalado no processador.
O mostrador mostrará 4 números sucessivamente.
CB Semi Powershift
05 Nível do software da Produção
09 Nível do software do Protótipo
30/40 Tipo de transmissão: 30 ou 40 km/h

20

H5 - Teste do interruptor
No modo “H5” é possível testar o funcionamento de
todos os interruptores utilizados no sistema elétrico
da transmissão.
O mostrador mostrará um número de código.

21

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 13

Ao ser acionado um interruptor, o código a ele


correspondente será mostrado, seguido de um tom
audível indicando seu correto funcionamento.
Se o código não for mostrado e o tom não puder ser
ouvido, o interruptor ou a fiação do interruptor estão
com defeito.

22

Identificador
Interruptor/Entrada Especiais
Requisitos
d20 Potenciômetro do pedal da embreagem Pedal embreagem acionado
d21 Interruptor do pedal da embreagem Alavanca inversor em avante
d22 Interruptor avante Pedal embreagem pressionado
d23 Interruptor ré Pedal embreagem pressionado
d24 Interruptor marchas abaixo –
d25 Interruptor marchas acima –
d26 Interruptor de gamas –
d27 Potenciômetro sincronizador Médias/Ré Acionar manualmente
d28 Potenciômetro sincronizador Baixa/Alta Acionar manualmente
d29 Interruptor temperatura óleo Desligar e ligar o terminal
d30 Interruptor pressão óleo Desligar e ligar o terminal
d31 Interruptor super-redutor –

H6 - Visualizar calibração dos sincronizadores


Mostra os valores armazenados no microprocessador.

23

73403960 - 05.2008
14 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

Mostra primeiro “1”, seguido de seu número de


calibração. Existem 6 visualizações:

1 Lenta (baixa) 362-912


2 Médias (média) 50-601
3 Rápida (alta) 50-601
4 Ré 362-912
5 Lento/Rápido (neutro) 242-722
6 Médias/Ré (neutro) 242-722
Prosseguir, pressionado o botão de marchas acima.
24

H7 - Não utilizado
O H7 será mostrado ao navegar pelo menu H, no
entanto não possui função.

25

H8 - Limpeza da memória não volátil


Utilizado para limpar todos os dados de calibração
do processador.
Com H8 selecionado, o procedimento é automático.

26

O mostrador muda de “H8” para “EE” para “HH”,


indicando que agora o processador está limpo.

NOTA: Todas as calibrações deverão ser executadas


após uma operação H8.

27

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 15

H9 - Teste de tensão
Permite que sejam executados vários testes de
tensão nas entradas e saídas do Módulo de Controle
XCM.
Se uma falha intermitente for exibida em um circuito
em particular, pode ser realizado um teste de busca
na fiação correspondente, enquanto se observa o
mostrador, em busca de uma mudança repentina de
valores, o que auxilia a isolar a área defeituosa.

28

Existem 26 canais que podem ser acessados.


Utilizar o botão de marchas acima para selecionar o
canal requerido.

NOTA: Os canais 21 ao 26, inclusive, são vagos,


sem função.

29

Entrando no canal desejado, será mostrado um valor.


Comparar o valor mostrado com o valor apresentado
na tabela da página seguinte.

NOTA: O valor é a tensão de saída do processador,


mostrado como porcentagem. Não pode ser
transformado diretamente em tensão devido ao
processo interno do módulo.

30

Se o valor mostrado variar mais de 10% do valor


indicado na tabela, há uma falha no componente ou
no circuito daquele canal.

NOTA: Vale a pena verificar os conectores do circuito


afetado, incluindo o conector do processador, antes
de substituir qualquer componente.

31

73403960 - 05.2008
16 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

Canal Descrição Valor Típico Notas


Posição do pedal da 91% Liberado
0
embreagem 26% Pressionado
24% Alta Ver nota 1
1 Sincronizador Alta/Baixa* 45% Neutro Alavanca Inversão em Neutro
71% Baixa Ver Nota 2
24% Média Ver nota 3
2 Sincronizador Média/Ré 45% Neutro Alavanca Inversão em Neutro
71% Ré Alavanca Inversão em Ré
Passar ao canal 2, pressionar
30% Liberado
3 Interruptor marchas acima e manter pressionado o botão
67% Pressionado
de marcha acima
Passar ao canal 5, pressionar
30% Liberado
4 Interruptor marchas abaixo e manter pressionado o botão
67% Pressionado
de marcha abaixo
30% Liberado
5 Interruptor de gamas
67% Pressionado
30% Liberado
6 Interruptor de avante
67% Pressionado
30% Liberado
7 Interruptor de ré
67% Pressionado
71% a 0°C
46% a 30°C
8 Sensor de temperatura
26% a 60°C
14% a 90°C
9 Alimentação + 12V (vf) 43%
10 Alimentação + 12V (vf) 43%
Interruptor do pedal da 43% Pedal em cima, avante O trator se deslocará se o
11
embreagem 0% Pedal em baixo neutro motor estiver funcionando
12 Alimentação do sensor 5V 50%
13 Alimentação do sensor 8V 80%
0% Embreagem desacoplada
14 Embreagem A* Ver nota 4
40-60% Embreagem acoplada
0% Embreagem desacoplada
15 Embreagem B* Ver nota 4
40-60% Embreagem acoplada
0% Embreagem desacoplada
16 Embreagem C* Ver nota 4
40-90% Embreagem acoplada
0% Embreagem desacoplada
17 Embreagem D* Ver nota 4
40-90% Embreagem acoplada
0% Embreagem desacoplada
18 Embreagem E* Ver nota 4
40-90% Embreagem acoplada
19 Tensão diagnóstico veloc. Ré 49%
20 Tensão diagnóstico Médias 49%
* O Motor deve estar funcionando.
Nota 1: Voltar ao canal 0. Pressionar e manter pressionado o botão de marchas acima para passar ao canal 1.
Somente soltar o botão de marchas acima quando o LED no mostrador de marchas estiver na faixa C. Com o pedal
de embreagem pressionado coloca a alavanca de Frente/Ré em Avante. O sincronizador de Alta (gama C) deve ter
sido selecionado, dando uma leitura de aproximadamente 25%.
Nota 2: Passar no canal 2, e em seguida pressionar e manter pressionado o botão de marchas abaixo para passar ao
canal 1. Somente soltar o botão de marchas acima quando o LED no mostrador de marchas estiver na faixa A. Com
o pedal de embreagem pressionado colocar a alavanca de Frente/Ré em Avante. O sincronizador de Alta (gama A)
deve ter sido selecionado, dando uma leitura de aproximadamente 75%.
Nota 3: Seguir o mesmo procedimento das Notas 1 e 2, asegurando-se que os botões de marchas acima somente
seja liberado quando o LED no mostrador estiver na faixa B (gama Média).
Nota 4: Acessar o canal correspondente, pressionar e manter pressionado o botão de marchas acima ou o botão de
marchas para baixo. Soltar quando o LED no mostrador de marchas estiver numa marcha que utilize embreagem (ex:
embreagem A - soltar quando o LED estiver na marcha 1, 3 ou 5). Pressionar o pedal da embreagem, engatar a
marcha avante e gradualmente soltar o pedal da embreagem. Observar a leitura no mostrador de marchas enquanto
a embreagem está sendo acoplada.
73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 17

HA - Posição do pedal da embreagem e


temperatura do óleo da transmissão
Este modo permite conduzir o trator ao mesmo tempo
mostrando a posição do pedal da embreagem ou a
temperatura do óleo.
A indicação no mostrador da posição do pedal da
embreagem é expressa em porcentagem de
deslocamento (0-99) e é indicada por “C” no primeiro
dígito do mostrador.

32

O interruptor de segurança de partida, do pedal da


embreagem pode ser ajustado neste modo.
Este interruptor deverá ser ajustado de forma que seja
ouvido um “clic” quando o pedal estiver subindo, em
alguma posição entre 8 - 14%.
O ajuste incorreto deste interruptor causará o
aparecimento de códigos de erros durante a operação
do pedal da embreagem.

33

A temperatura do óleo em °C pode ser mostrada


quando o pedal da embreagem estiver totalmente
pressionado ou totalmente liberado, pressionando-se
e mantendo-se pressionados o botão de
marchas acima ou marchas abaixo. Igualmente,
quando a embreagem estiver totalmente liberada, o
mostrador mudará para indicar temperatura do óleo,
dentro de cinco segundos.

34

HB - Visualização dos códigos de erros


armazenados
Este modo mostra os códigos de erros armazenados
na memória do processador da transmissão.
Podem ser armazenados até 10 códigos de erros. O
modo de mostrador seleciona os erros de forma que
os códigos de erros mais recentes sejam mostrados
primeiro.

35

73403960 - 05.2008
18 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

Enquanto está neste modo, os interruptores de


marchas acima e marchas abaixo são utilizados para
controlar o mostrador.
Para selecionar o próximo código de erros
armazenado, pressionar o botão de marchas abaixo.

36

Para ver as horas decorridas desde a última ocorrência


do código de erro, pressionar e manter pressionado o
botão de marchas cima. As horas serão mostradas
2 SEGS
durante um espaço de até 2 segundos.

NOTA: As horas são contadas sempre que o motor


esteja funcionando.

37

Para ver o número de vezes que o erro ocorreu, ou


seja, quantas vezes a falha foi detectada, (os erros
que vão ocorrendo serão armazenados toda vez que
a chave de partida for ligada), continuar pressionando
o interruptor de marchas acima depois de mostradas
as horas.

38

Para voltar ao ‘início” da lista, pressionar os botões


de marchas acima e marchas abaixo
simultaneamente.
Quando não houver mais códigos de erros para
mostrar, ou for mostrado o último código de erro, o
mostrador exibirá dois traços “- -”.

39

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 19

HC - Limpeza dos códigos de erros armazenados


Esta função permite apagar todos os códigos de erros
armazenados na memória.
Com o modo HC selecionado, o processo é
automático.
O mostrador muda de “HC” para “EE” e para “HH”,
indicando que os erros armazenados já foram
apagados.

40

HD - Mostrar códigos de erros momentâneos


(ativos)
O trator operará normalmente neste modo, contudo
quaisquer erros detectados serão mostrados.

41

HE - Ajuste do tempo de enchimento


Permite ajustar o tempo de enchimento do pacote de
embreagem.
Isto pode ser executado com o motor funcionando.

42

Aparece “A” no mostrador seguido do valor de


calibração do tempo de enchimento.

43

73403960 - 05.2008
20 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

Ajustar o tempo de enchimento utilizando os botões


de marchas acima / abaixo.
Para mudar as embreagens, pressionar o botão de
gamas.

44

Selecionado avante, pode-se verificar o tempo para


engatar a marcha.

45

HF - Ajuste manual da calibração da embreagem


Permite ajustar manualmente o engate da
embreagem. Isso pode ser feito com o motor
funcionando.

46

Aparece “A”, seguido do número de calibração da


embreagem executada em “H1”.

47

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 21

Ajustar o número de calibração pressionando os


botões de marchas acima ou abaixo.

48

Mudar a embreagem a ser ajustada, utilizando o botão


de gamas.
Selecionado avante, ou liberando a embreagem, pode-
se verificar o engate da embreagem.
O mostrador mostrará a posição do pedal da
embreagem em %.

49

HJ - Modo de teste da pressão das embreagens


Este modo de teste é para se ser utilizado no teste
da pressão das embreagens A, B, C, D, e E, da
transmissão. Permite energizar independentemente
cada embreagem, e permite a operação do pedal da
embreagem para controlar a pressão. Ver Seção de
teste de pressão da transmissão para instruções
completas de operação.

50

73403960 - 05.2008
22 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

HL - Modo de mudança/posição do sincronizador


Verifica a operação dos 2 sincronizadores.
Este modo também é utilizado durante o teste de
pressão do circuito de atuação do sincronizador. O
motor deve estar funcionando, a transmissão em
neutro e o pedal da embreagem liberado.
Para verificar o sincronizador de média/ré, pressionar
e manter pressionado o botão de marchas abaixo,
para mostrar a posição Média como uma % do
movimento do potenciômetro (aprox.25%).
Pressionar o botão de marchas acima para Ré (75%).
Pressionar ambos os botões para Neutro (50%). 51

No display aparecerá a letra correspondente à gama


que estiver engatada.
Se o pedal de embreagem for agora pressionado,
poderá ser feita uma verificação semelhante para o
sincronizador de Baixa/Alta.

NOTA: Antes de passar de um sincronizador para


outro, certificar-se de que o sincronizador volte para
neutro, caso contrário o mecanismo de bloqueio
evitará o movimento do outro sincronizador.

52

Interruptor acionado Visualização do sincronizador no painel Porcentagem aproximada


Tartaruga B 25%
Lebre R 75%
Ambos juntos N 50%

Com o pedal de embreagem acionado:

Interruptor acionado Visualização do sincronizador no painel Porcentagem aproximada


Tartaruga C 25%
Lebre A 75%
Ambos juntos N 50%

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 23

CÓDIGO DE ERRO F02


SINCRONIZADOR DE RÁPIDA/LENTA DESCALIBRADO OU CALIBRAÇÃO INCORRETA
EFEITO - impossível obter gama baixa ou alta e gama intermediária (se for o caso) sele-
cionada automaticamente.
Executar
procedimento de
calibração -
consegue baixa & SIM Trator OK
alta?
NÃO

Substituir o
processador por
um outro de
desempenho
conhecido.

CÓDIGO DE ERRO F03


SINCRONIZADOR DE MÉDIAS/RÉ DESCALIBRADO OU CALIBRAÇÃO INCORRETA
EFEITO - impossível obter gama média ou ré e gama baixa (se esta puder ser conseguida)
Executar
procedimento de
calibração - possível
obter média/ré após SIM Trator OK
a calibração?
NÃO

Substituir o
processador

73403960 - 05.2008
24 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGOS DE ERRO;
F11 - POTENCIÔMETRO DA EMBREAGEM EM CIRCUITO ABERTO
F12 - POTENCIÔMETRO DA EMBREAGEM EM CURTO COM + 12V
EFEITOS - A ocorrência durante a condução desabilitará a transmissão. O acionamento da
alavanca de inversão reabilitará a transmissão. O trator pode ser utilizado com a alavanca
de inversão. Se for acionado o CP, a transmissão será desabilitada novamente até que o
erro seja apagado através do acionamento da alavanca de inversão. Esquema elétrico da
transmissão e localização do conector no final desta Seção.

Verificar funcionamento do potenciômetro. Remover o


painel lateral inferior do lado esquerdo abaixo do painel de
instrumentos para acessar o potenciômetro e a fiação.
Substituir o
Desconectar o conector C077 do potenciômetro e verificar o
funcionamento do potenciômetro entre os fios laranja e verde. potenciômetro
NÃO
Com o pedal liberado, a resistência entre 3,1 k e 3,9k muda conforme
gradualmente para 640k e 2,1 k enquanto é pressionado o necessário
pedal da embreagem?
SIM

Desconectar os conectores C100 e C101 do processador


GCM e conectar um ohmímetro alternadamente entre o conec-
tor C077 do potenciômetro da embreagem, pino No. 3 (7070- Verificar e reparar
B) e pino No. 2 (7430-Y/R/B) e em seguida entre o pino No. 1 NÃO o curto-circuito
(7525 -G/B/S) e pino NO. 2 e finalmente entre o pino No. 1 e
pino No. 3, foi indicado circuito aberto em cada caso?
SIM

Conectar um ohmímetro entre o pino No.1 (7525 -G/B/S) Verificar e


do conector-C077 do chicote e a massa. Foi indicado NÃO reparar o curto com
circuito aberto? a massa
SIM
Conectar um ohmímetro entre o pino No.2 (7430 -Y/R/B) Verificar e
do conector C077 do chicote e a massa. Foi indicado NÃO reparar o curto com
circuito aberto? a massa
SIM
Conectar um ohmímetro entre o pino No.3 (7070 - B) do Verificar e
conector C077 do chicote e a massa. Foi indicado NÃO reparar o curto com
circuito aberto? a massa
SIM

Conectar novamente o processador GCM. Verificar a continuidade


Com a chave de partida na posição LIGADA, NÃO do fio entre C077-1 e
a tensão no conector C077 - 1 é 5 volts? C101-5
SIM
Verificar e reparar os
Verificar a continuidade entre os conectores C077 - 2 e
C100-19 e a continuidade entre C101-1 a 3. Ambos os NÃO curtos-circuitos,
fios estão O. K? conforme necessário
SIM

Pode haver falha no módulo ETC, substituir


por um módulo de desempenho conhecido.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 25

CÓDIGO DE ERRO F13


INTERRUPTORES DE MUDANÇAS ACIMA E ABAIXO AMBOS FECHADOS
EFEITO - O trator continuará a movimentar-se mas as tentativas de mudanças de marchas
não serão reconhecidas.

A operação volta ao
Erro do operador. Ambos os normal depois de
interruptores foram acionados SIM liberados os
pelo condutor? interruptores.
NÃO

Acessar o modo H5. Verificar


qual o interruptor que está com
defeito e substituí-lo.

CÓDIGO DE ERRO F20


SINCRONIZADOR DE MUDANÇAS DE GAMA NÃO ENGATOU
EFEITO - A transmissão tenta mudar e volta a gama anteriormente engatada.
A velocidade de deslocamento do tratar estava
excessiva durante a mudança? Ou seja, mudança Reduzir a velocidade do
para baixo nas gamas e ao mesmo tempo SIM trator e tentar novamente.
acelerando na decida. As mudanças estão O.K?
NÃO NÃO

Foram mostrados quaisquer outros códigos de


erro. Ligar e desligar novamente a chave de
partida e observar a indicação das marchas no Consultar o fluxograma de
Mostrador. Para os códigos de erro 40, 41, 42, SIM diagnóstico de falhas e retificar. A
43, 44, 45, FIP, FIL, FIU, Flh. transmissão efetua as mudanças?
NÃO NÃO
Acessar o modo "hd" do menu H
para verificar se o processador
está detectando movimento do Tentar recalibrar a transmissão. O
sincronizador. Está ocorrendo SIM
erro apagou?
movimento?
NÃO
NÃO

Remover a tampa lateral da transmissão.


Efetuar teste de pressão no ponto de
Assegurar-se de que o pistão do
teste do respectivo solenóide na tam-
SIM sincronizador não esteja preso/
pa lateral. A pressão está entre 15-18
prendendo e verificar se o sincronizador
bar?
dentro da transmissão consegue
NÃO engatar. Retificar conforme necessário.
Enquanto a tampa lateral estiver
Remover o conjunto da válvula solenóide removida inspecionar também o
e inspecionar. Limpar/substituir. Verificar potenciômetro e a contraporca.
novamente a pressão - está O. K.?
NÃO

Remover a tampa lateral e


inspecionar os vedadores do
cilindro de atuação.

73403960 - 05.2008
26 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGO DE ERRO F21


CHICOTE DE EXTENSÃO DA TRANSMISSÃO AO CHICOTE PRINCIPAL
DESCONECTADO
EFEITO: Transmissão inoperante
Inspecionar os conectores do
chicote C019 e C020. Conectar
novamente, se
necessário.

Se os conectores estiverem O. K, verificar os


conectores C024, C025, C26 dos solenóides da
embreagem C, D, e E e os solenóides do
sincronizador C031, C032, C039 e C040.

CÓDIGO DE ERRO F22


SINCRONIZADOR DE GAMAS NÃO DESENGATA
EFEITO: Transmissão tenta mudança e retorna à gama anteriormente engatada.
Foram mostrados Retificar conforme necessário. O
quaisquer outros SIM sincronizador desengata?
códigos de erro?
NÃO

Acessar o modo "HL" do menu H Tentar recalibrar a transmissão. O


para verificar se o processador está SIM erro foi apagado?
detectando qualquer movimento do
sincronizador. Existe movimento? NÃO

NÃO

Teste de pressão. A
pressão está em 15- SIM Remover a tampa lateral da transmissão.
18 bar? Verificar: - pistão de atuação do
sincronizador - sincronizador -
NÃO potenciômetro e articulações.
Remover a tampa lateral da
transmissão: Verificar pistão de
atuação do sincronizador. Verificar
sincronizador. Verificar
potenciômetro e articulações
NÃO

Remover a tampa lateral e


inspecionar os vedadores do cilindro
atuador.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 27

CÓDIGO DE ERRO F23


SUPER-REDUTOR ENGATADO (VELOCIDADE OU MARCHA MUITO ALTA)
EFEITO: Restrições às mudanças ascendentes.

Reduzir para C1 (ou mais baixa)


[mudar para neutro ou acionar a Trator
SIM
embreagem fará também com que a O.K.
transmissão reduza para C1]

O código de erro ocorre nos tratores


100 super-redutor ou quando o super- NÃO
redutor é engatado?
SIM

Verificar interruptor C021 do super-redutor ou


circuito aberto na fiação. Usar o modo H5 Substituir o processador por um
SIM
para verificar a transição do interruptor. É de desempenho conhecido.
detectada transição do H5?
NÃO

Verificar regulagem do interruptor. Se estiver O.K, verificar o


funcionamento do interruptor. Se estivar O.K, verificar a fiação
entre C100-2 e o interruptor, C021-RM7460-W/0/B, quanto a
circuito aberto e verificar se o outro lado do interruptor acusa
tensão de + 12V com a chave ligada. Reparar se necessário.

CÓDIGO DE ERRO F24


TODAS AS EMBREAGENS E SINCRONIZADORES REQUEREM CALIBRAÇÃO
EFEITO: A transmissão está desativada

Foi instalado um Executar


novo processador? SIM calibração
NÃO

Os valores de calibração foram


misturados no processador. Tentar
calibração. Na impossibilidade de
manter a calibração instalar um
novo processador.

73403960 - 05.2008
28 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGO DE ERRO F27


SINAL DE RPM NÃO PRESENTE
EFEITO: Incompatibilidade de marchas. Retardo nas subidas de marcha após a partida
automática. Pouca redução no desempenho das mudanças (rotação de 2300 rpm assumida
pelo processador)
A correia do
alternador está SIM Substituir a correia
partida?
NÃO

Verificar se há saída de velocidade do


alternador. Conectar um voltímetro entre o Reparar ou
conector de velocidade do alternador e a NÃO substituir o
massa. Existe aproximadamente 7 volts com o alternador
motor em funcionamento?
SIM

As seguintes verificações devem ser feitas com o motor


parado e a chave desligada.
Localizar e
Verificar a continuidade nos fios reparar
Verificar curto-circuito na
do alternador: desconectar o SIM curto-circuito
fiação. Com o C100
conector C100 do módulo do com a massa.
SIM desconectado e o cabo do
processador e verificar entre
alternador desconectado
C100-15 e a conexão do
verificar a resistência en-
sensor de velocidade do
tre a massa e o pino
alternador. A resistência é Verificar
C100-15. A resistência é
menos de 10 ohms? módulo TCM.
menos de 10 ohms?
NÃO Substituir por
NÃO um módulo de
Verificar continuidade desempenho
entre C100-15 e conhecido.
C001-6. Localizar e reparar
NÃO circuito aberto
(CM2015-W/B/S)
O fio está O.K.?
SIM

Verificar a
continuidade entre o
conector C013-W e Localizar e reparar
C001-6 NÃO circuito aberto
(FM2015-W/S)
O fio está O. K?

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 29

CÓDIGO DE ERRO F31


O SINCRONIZADOR NÃO ENGATOU DURANTE A MUDANÇA DO INVERSOR
EFEITO: Transmissão desativada

Foram mostrados
quaisquer outros Retificar conforme necessário
SIM
códigos de erro? O sincronizador desengata?
NÃO
NÃO

Cessar o modo "HL" do menu H para


verificar se o processador está detectando Tentar recalibrar a transmissão. O
qualquer movimento do sincronizador. SIM erro foi apagado?
Existe movimento?
NÃO
NÃO

Remover a tampa lateral da transmissão.


Teste de pressão. A Verificar: - pistão atuador do
pressão está entre SIM
sincronizador, sincronizador,
15-18 bar? potenciômetro e articulações
NÃO

Remover a tampa lateral da transmissão:


Verificar pistão atuador do sincronizador.
Verificar sincronizador.
Verificar potenciômetro e articulações
NÃO

Remover a tampa lateral


e inspecionar os vedadores do cilindro
atuador

CÓDIGO DE ERRO F32


O SINCRONIZADOR DE ALTA NÃO ENGATOU DURANTE A SEQÜÊNCIA DE PARTIDA,
NO TEMPO ESPECIFICADO (FAZ PARTE DO TESTE DO SISTEMA DURANTE A PARTIDA)
EFEITO: Transmissão desativada

Se a luz de baixa pressão de óleo estiver acesa, reparar o circuito


de baixa pressão conforme descrito na Seção do Hidráulico.

Caso contrário, movimentar a alavanca do inversor. Se persistir o


problema, ocorrerá um código de erro diferente, provavelmente
F31. Ver nova página de código de erros.

73403960 - 05.2008
30 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGO DE ERRO F33


O SINCRONIZADOR NÃO DESENGATOU, INVERSÃO OU NEUTRO
EFEITO: Transmissão desativada

Foram mostrados
outros códigos de Retificar conforme necessário.
SIM
erro? O sincronizador desengata?
NÃO
NÃO

Acessar o modo "HL" do menu H


para verificar se o processador está Tentar recalibrar a transmissão. O
detectando movimento do erro foi apagado?
sincronizador. Existe movimento?
NÃO
NÃO

Teste de pressão. Remover a tampa lateral da transmissão.


A pressão está SIM Verificar: - pistão atuador do
entre 15-18 bar? sincronizador, sincronizador,
NÃO potenciômetro e articulações

Remover a tampa lateral da transmissão:


Verificar pistão atuador do sincronizador
Verificar sincronizador
Verificar potenciômetro e articulações
NÃO

Remover a tampa lateral e inspecionar os


vedadores do cilindro atuador

CÓDIGO DE ERRO F34


O SINCRONIZADOR DE ALTA NÃO ENGATOU APÓS A PARTIDA, (FAZ PARTE DA
SEQÜÊNCIA DE PARTIDA)
EFEITO: Transmissão desativada

Se a luz de baixa pressão de óleo estiver acesa, reparar o circuito


de baixa pressão conforme descrito na Seção do Hidráulico.

Caso contrário, movimentar a alavanca do inversor. Se persistir o


problema, ocorrerá um código de erro diferente, provavelmente F33.
Ver nova página de código de erros.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 31

CÓDIGO DE ERRO F35


O SINCRONIZADOR NÃO ENGATOU A GAMA ANTERIOR APÓS O ERRO F20 OU F22
EFEITO: Transmissão desativada
RECUPERAÇÃO - Movimentar a alavanca de inversão para tentar novamente ou selecionar
outra gama enquanto ainda em neutro.
A velocidade do trator era excessiva Reduzir a velocidade do trator e tentar
durante a mudança? novamente. Verificar erro F20 ou F22
NÃO NÃO

Acessar o modo "HL" do menu H


para verificar se o processador Tentar recalibrar a transmissão.
está detectando movimento do SIM
O erro foi apagado?
sincronizador. Existe movimento?
NÃO
NÃO

Teste de pressão Remover a tampa da transmissão. Assegurar-se de que


no ponto de teste o pistão atuador não esteja preso e verificar se o
na tampa lateral. A SIM sincronizador dentro da transmissão engata. Com a
pressão está entre tampa lateral removida, inspecionar também o
15-18 bar funcionamento do potenciômetro e as articulações.
NÃO

Remover o conjunto da
válvula solenóide.
Limpar/substituir e
verificar novamente a
pressão - está O. K?
NÃO

Remover a tampa lateral e


inspecionar os vedadores do pistão
atuador.

CÓDIGO DE ERRO F36


SINCRONIZADOR DESENGATA SEM INICIATIVA DO CONDUTOR
EFEITO: Transmissão desativada
Verificar defeito no potenciômetro
ou articulações do potenciômetro.
Movimentar a alavanca de inversão. O Usando o modo H9 Canal 0, verificar
código de erro é apagado? NÃO
o funcionamento do potenciômetro/
SIM articulações. Reparar conforme
necessário.
Conduzir o trator e
tentar reproduzir o Possivelmente o sincronizador
erro. O erro volta? NÃO pulou devido a um engate ini-
SIM cial apenas parcial.

Se o erro voltar, verificar defeito


no sincronizador. Inspecionar o
sincronizador e reparar/substituir
conforme necessário.

73403960 - 05.2008
32 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGO DE ERRO F37


INTERRUPTOR DO PEDAL DA EMBREAGEM CIRCUITO ABERTO
EFEITO: Transmissão desativada

Acionar o pedal da
embreagem. O erro foi O interruptor estava temporariamente preso.
apagado? SIM
Inspecionar o interruptor. Limpar ou substituir
NÃO
Remover o painel esquerdo direito da coluna de
direção. Desligar o conector C076 do interruptor Ajustar ou substituir o
e testar o funcionamento do interruptor com um interruptor conforme
NÃO
multímetro. O interruptor está funcionando O.K.? necessário.
SIM

Desconectar os conectores C100 e C101


do processador e verificar circuito aberto
entre C100-27 e entre os pino 2 e 4 do
interruptor C076-2 (7420-Y/P/B) e C101-30
e C076-3 do interruptor (7050-R/G/B).
Localizar a falha e reparar a fiação.

CÓDIGO DE ERRO F38


GAMA DESATIVADASELECIONADA PELO OPERADOR
(i) Mudança de gama do sincronizador (para Intermediária) não concluída
(ii) Avante/Ré do sincronizador não concluída
(iii) Ré não selecionada de uma marcha mais alta que C1

NOTA: Este código de erro será mostrado juntamente com outro código de erro, geral-
mente informando de uma falha do solenóide ou do potenciômetro.

Para os itens (i) e (ii)


Ligar e desligar a chave.
Observar os códigos de
erro. Retificar os códigos
de erro e tentar
selecionar as gamas.
Será eliminado o erro
F38, se forem retificadas
outras falhas.
(iii) Se tiver sido feita a tentativa de selecionar a ré numa marcha mais alta do que C1 quando
tiver ocorrido um erro do sensor de velocidade da roda (F49, F50 ou F77) a ré não será
selecionada. A transmissão será desabilitada mas pode ser recuperada, para marcha
avante, acionando-se a alavanca de inversão ou o pedal da embreagem. Não será possível
obter marcha a ré durante 10 segundos. O processador entenderá então que a velocidade do
trator foi reduzida o suficiente para permitir a mudança. Retificação do erro do sensor de
velocidade da roda eliminará a incidência do erro F38.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 33

CÓDIGO DE ERRO F40


SOBRETENSÃO NO POTENCIÔMETRO DO SINCRONIZADOR DE MÉDIAS/RÉ
EFEITO: Não é possível conseguir as gamas média/ré

Desconectar o conector
CO3O do potenciômetro do
sincronizador de média/ré.
Ligar o trator. Com um
voltímetro, verificar a tensão
em cada pino. O pino No. 3
deve apresentar tensão de Verificar
8 volts, os outros dois NÃO curto-circuito na
devem ser 0 volts. As fiação e reparar.
tensões estão corretas?
SIM
Remover o potenciômetro do sincronizador de
médias/ré da transmissão e verificar seu
funcionamento com um multímetro. O
NÃO Substituir o potenciômetro
multímetro acusa um ligeiro
aumento/diminuição em OHMS enquanto o
potenciômetro é operado?
SIM
Verificar defeito no processador. Substituir
por outro de desempenho conhecido

SUBTENSÃO DO POTENCIÔMETRO DO SINCRONIZADOR DE MÉDIAS/RÉ


EFEITO: Impossível selecionar as gamas média/ré

Desconectar o conector do potenciômetro do


sincronizador de médias ré e desconectar os Verificar
conectores C100 e C101 do processador. curto-circuito na
Verificar curto com o terra ou circuito aberto SIM
fiação e reparar.
entre C100-33 e o conector C030-2 do
potenciômetro. Foi indicado um destes?

NÃO

Remover o potenciômetro e verificar seu


funcionamento com um multímero. O multímero acusa Substituir o
NÃO potenciômetro
um ligeiro aumento/diminuição em OHMS enquanto o
potenciômetro é operado?
SIM

Substituir o potenciômetro por um


outro de desempenho conhecido

73403960 - 05.2008
34 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGO DE ERRO F42


SOBRETENSÃO DO POTENCIÔMETRO DO SINCRONIZADOR DE RÁPIDA/LENTA
EFEITO: Impossível selecionar gamas baixa e alta

Desconectar o conector C029 do


potenciômetro do sincronizador de
rápida/lenta. Ligar o trator usando um Verificar
multímetro. Verificar a tensão em curto-circuito na
cada pino. O pino No. 3 deve NÃO
fiação e reparar.
apresentar tensão de 8 volts, os
outros dois devem ser 0 volts. As
tensões estão corretas?
SIM
Remover o potenciômetro do sincronizador de
rápida/lenta da transmissão e verificar seu
funcionamento com um multímetro. O
multímetro acusa um ligeiro NÃO Substituir o potenciômetro
aumento/diminuição em OHMS enquanto o
potenciômetro é operado?
SIM
Verificar defeito no processador. Substituir
por outro de desempenho conhecido

CÓDIGO DE ERRO F43


SUBTENSÃO DO POTENCIÔMETRO DO SINCRONIZADOR DE RÁPIDA/LENTA
EFEITO: Impossível slecionar gamas lenta e rápida
Desconectar o conector C029 do potenciômetro
do sincronizador rápidas/lenta e desconectar os
conectores C100 e C101 do processador. Verificar Verificar
curto com o terra ou circuito aberto entre C100-11 SIM curto-circuito na
e o conector C029-2 do potenciômetro. Foi fiação e reparar.
indicado um destes?
NÃO

Remover o potenciômetro e verificar seu


funcionamento com um multímetro. O multímetro Substituir o
acusa um ligeiro aumento/diminuição em OHMS NÃO potenciômetro
enquanto o potenciômetro é operado?
SIM
Substituir o potenciômetro por um
outro de desempenho conhecido

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 35

CÓDIGO DE ERRO F44


POTENCIÔMETRO DO SINCRONIZADOR DE MÉDIAS/RÉ FORA DA FAIXA DE CALIBRAÇÃO
EFEITO: A transmissão funciona normalmente, mas pode levar a uma detecção prematura de
acoplamento do sincronizador, resultando em avaria do sincronizador.

Executar a rotina de calibração da


embreagem e do sincronizador para
eliminar o erro.
NOTA: Este erro pode estar indicando
desgaste dos componentes da
transmissão ou falha do potenciômetro.

CÓDIGO DE ERRO F45


POTENCIÔMETRO DO SINCRONIZADOR DE RÁPIDA/LENTA FORA DA FAIXA DE
CALIBRAÇÃO
EFEITO: A transmissão funciona normalmente, mas pode levar a uma detecção prematura
de acoplamento do sincronizador, resultando em avaria do sincronizador.

Executar a rotina de calibração da


embreagem e do sincronizador para
eliminar o erro.
NOTA: Este erro pode estar indicando
desgaste dos componentes da
transmissão ou falha do
potenciômetro.

CÓDIGO DE ERRO F47


INTERRUPTOR DO PEDAL DA EMBREAGEM MAU REGULADO
EFEITO: O avanço lento pode ser irregular e numa posição do pedal mais alta do que o
normal.
Indica circuito aberto no
Ao ser liberado o pedal da embreagem, SIM interruptor ou na fiação. Ver
é mostrado o erro F37?
erro F37,
NÃO

Remover a tampa esquerda da coluna de direção e Ajustar o


verificar o ajuste do interruptor. O interruptor está NÃO interruptor.
ajustado O.K?
SIM
O interruptor pode estar "lento",
principalmente em baixas
temperatura. Substituir o interruptor.

73403960 - 05.2008
36 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGO DE ERRO F48


CURTO-CIRCUITO NO INTERRUPTOR DO PEDAL DA EMBREAGEM
EFEITO: Nenhum efeito sobre o funcionamento normal, mas desligará a energia para os
solenóides da embreagem.
Remover a tampa lateral esquerda da
coluna de direção e verificar o ajuste e NÃO Ajustar ou substituir o
funcionamento do interruptor. - Está interruptor
O.K?
SIM
Desconectar o conector C076 do
interruptor da embreagem. Com a
chave "LIGADA", verificar tensão em
C076-3 (CM7050-R/G/B).
A tensão deve ser 0. Se houver
tensão, verificar e reparar
curto-circuito na fiação

CÓDIGOS DE ERRO;
F49 - CIRCUITO ABERTO NO SENSOR DE VELOCIDADE DE SAÍDA DA TRANSMISSÃO
F50 - SENSOR DE VELOCIDADE DE SAÍDA DA TRANSMISSÃO EM CURTO COM A
MASSA
EFEITO: - (i) Impossível mudar para marchas mais altas em alta
(ii) Retardo de 1 -2 segundos na mudanças para cima após a partida sem uso da
embreagem
Desconectar os conectores C100 e C101 do processado e
desconectar o conector C038 do sensor de velocidade de saída da
transmissão. Verificar a fiação quanto a circuito aberto/curto entre
C400-Y/N/B e C101-6 e reparar conforme necessário. Se a fiação
estiver O. K, testar o sensor.

Com o sensor instalado na transmissão, verificar curto com o terra


em cada terminal do sensor. Verificar a resistência do sensor, a qual
deve ser de aproximadamente 0,8 - 1,2 k/W a 20°C. Substituir se
fora de especificação

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 37

CÓDIGOS DE ERRO;
F51 - SENSOR DE TEMPERATURA CIRCUITO ABERTO
F52- SENSOR DE TEMPERATURA CURTO COM MASSA
EFEITO: Interpreta como óleo quente, Se o óleo estiver frio apresentará mudanças lentas e
uma posição do pedal da embreagem mais alta do que o normal.

Desconectar os conectores C100 e C101 do processador e


desconectar o sensor de temperatura C023. Testar o fio 7500 B/G
quanto a circuito aberto/curto com C100-18 e reparar conforme
necessário. Se a fiação estiver O.K, verificar o sensor de
temperatura.

Com o sensor instalado, verificar curto com o terra, e circuito aberto


entre o terminal do sensor e o Chassi.

73403960 - 05.2008
38 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGOS DE ERRO;
F53 - TENSÃO DE REFERÊNCIA 5 VOLTS MUITO ALTA
F54 - TENSÃO DE REFERÊNCIA 5 VOLTS MUITO BAIXA
EFEITO:TRANSMISSÃO DESATIVADA

Desconectar os seguintes componente, um por vez, para


isolar a área com defeito.

Desconectar o potenciômetro do pedal


da embreagem, C077. Os erros F53/54
foram apagados? SIM Substituir o potenciômetro
NOTA: Aparecerá o erro F11 se o
potenciômetro estiver defeituoso.
NÃO

Desconectar o conector de avante/ré, C075 (sob a


capa da coluna de direção)? Foram apagados os erros
Substituir o interruptor
F53/54? SIM
NOTA: Aparecerão os erros F66 e F68 se os avante/ré
interruptores estiverem com defeito.
NÃO
Desconectar o conector dos interruptores de
Substituir o conjunto do
mudanças acima/abaixo e gamas, C103. Os erros
interruptor de
F53/54 foram apagados? SIM mudanças
NOTA: Devem aparecer os erros F60 e F62 se os
acima/abaixo e gamas
interruptores estiverem defeituosos.
NÃO

Verificar o fio 7525 G/B/S de cada um dos Verificar e reparar


componentes acima até o conector C101-5 SIM defeito na fiação
do processador. É indicado curto ou circuito
aberto?
NÃO

Verificar se o processador está com


defeito. Substituir por um de
desempenho conhecido.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 39

CÓDIGOS DE ERRO ;
F55 - TENSÃO REGULADA DE 8 VOLTS MUITO ALTA
F56 - TENSÃO REGULADA DE 8 VOLTS MUITO BAIXA
EFEITO: Transmissão desativada

Remover os seguintes componentes, um por vez, para


tentar isolar a área com defeito.

Desconectar o potenciômetro do sincronizador


de MÉDIA/RÉ da transmissão, C030. Foram
apagados os erros F55/56? NOTA: Devem Substituir do sincronizador de
SIM MÉDIAS/RÉ
aparecer os erros F41 ou F44 se o
potenciômetro estiver com defeito.
NÃO

Desconectar o potenciômetro do sincronizador de


LENTA/ALTA, C029. Foram apagados os erros
Substituir o potenciômetro do
F55/56? NOTA: Devem aparecer os erros F43 ou SIM sincronizador de BAIXA/ALTA
F45 se o potenciômetro estiver com defeito.

NÃO

Verificar o fio 7520-G/N/S entre cada um


dos componentes acima e o pino Verificar fiação com
C101-25. É indicado curto ou circuito SIM defeito e reparar
aberto?
NÃO

Verificar defeito no processador. Substituir por


um outro de desempenho conhecido

73403960 - 05.2008
40 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGO DE ERRO F59


INCOMPATIBILIDADE DO INTERRUPTOR DE AVANTE/RÉ/NEUTRO
(MAIS DE UM INTERRUPTOR ACIONADO)
EFEITO: Transmissão desativada
Desconectar os conectores C100 e C101 do processador.
Desconectar o conector C075 do interruptor FNR. É SIM Verificar e reparar a
indicado circuito aberto entre C100-27 e C075-4? fiação
NÃO

Substituir o interruptor de
AVANTE/NEUTRO/RÉ

CÓDIGOS DE ERRO;
F60 - TENSÃO DE ALIMENTAÇÃO DO INTERRUPTOR DE MARCHAS ACIMA BAIXA
F61 - TENSÃO DE ALIMENTAÇÃO DO INTERRUPTOR DE MARCHAS ACIMA ALTA
EFEITO: O interruptor de mudanças acima não funciona, impossível selecionar as marchas
mais altas.
Desconectar os conectores C100 e C101 do processador, e
desconectar o conector C103 do conjunto de mudanças Verificar e
acima/abaixo/gamas. Com um multímetro adequado, verificar SIM reparar a
entre C100/32 e C103/3 (CM7210-S/LG/B). Para: (1) circuito fiação
aberto (2) curto com o terra. É indicada uma destas condições?
NÃO

Ligar novamente os conectores do processador. Deixar o conjunto


do interruptor de mudanças acima/abaixo/gamas desconectado
com a chave ligada. Verificar se há tensão em C103-3
(CM7210-S/LG/B). É indicada tensão de +5V +8V ou +12V?
SIM NÃO

Verificar e reparar Ligar novamente o conector do interruptor de


curto-circuito, utilizando a mudanças acima/abaixo/gamas se o erro continuar
tensão anteriormente aparecendo. Inspecionar o conector e verificar o
indicada para determinar funcionamento dos interruptores com o multímetro.
possível área de falha Se não for encontrada qualquer falha, substituir o
módulo por um de desempenho conhecido.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 41

CÓDIGOS DE ERRO;
F62 - TENSÃO DE ALIMENTAÇÃO DO INTERRUPTOR DE MARCHAS ABAIXO
F63 - TENSÃO DE ALIMENTAÇÃO DO INTERRUPTOR DE MARCHAS ABAIXO
EFEITO: - O interruptor de mudanças abaixo não funciona, impossível selecionar as marchas
mais baixas.
NOTA: Se necessário, ligar o motor e dar partida novamente para selecionar
B1/R1

Desconectar os conectores C100 e C101 do processador, e


desconectar o conector C103 do conjunto de mudanças
acima/abaixo/gamas. Com um multímetro adequado, Verificar e
verificar entre C100-6 e C103-4 (CM7200-S/K/B). Para: (1) SIM reparar defeito
circuito aberto (2) curto com o terra. É indicada uma destas na fiação
condições?
NÃO

Ligar novamente os conectares do processador. Deixar o conjunto


do interruptor de mudanças acima/abaixo/gamas desconectado
com a chave ligada. Verificar se há tensão em C103-4
(CM7200-S/K/B). É indicada tensão de +5V +8V ou +12V?
SIM NÃO

Verificar e reparar Ligar novamente o conector


curto-circuito, do interruptor de mudanças
utilizando a tensão acima/abaixo/gamas se o erro
anteriormente continuar aparecendo.
indicada para Inspecionar o conectpr e
determinar verificar o funcionamento dos
possível área de interruptores com o
falha. multímetro. Se não for
encontrada qualquer falha,
substituir o módulo por um de
desempenho conhecido.

73403960 - 05.2008
42 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGOS DE ERRO;
F64 - TENSÃO DE ALIMENTAÇÃO DO INTERRUPTOR DE GAMAS BAIXA
F65 - TENSÃO DE ALIMENTAÇÃO DO INTERRUPTOR DE GAMAS ALTA
EFEITO: - O interruptor de gamas não funciona. Pode ser selecionada outra gama,
acionando-se o pedal da embreagem ou mudando para o neutro.

Desconectar os conectores C100 e C101 do processador, e


desconectar o conectar C103 do conjunto de mudanças
acima/abaixo/gamas. Com um multímetro adequado, Verificar e
verificar entre C100/17 e C103-CM4101- TQ/B. Para: (1) SIM reparar defeito
circuito aberto (2) curto com o terra. É indicada uma destas na fiação
condições?
NÃO

Ligar novamente os conectores do processador. Deixar o conjunto


do interruptor de mudanças acima/abaixo/gamas desconectado
com a chave ligada. Verificar se há tensão em 0103
(CM4101 -TQ/B). E indicada tensão de +5V +8V ou +12V?
SIM NÃO

Verificar e reparar Ligar novamente o conector


curto-circuito, do interruptor de mudanças
utilizando a tensão acima/abaixo/gamas se o erro
anteriormente continuar aparecendo.
indicada para Inspecionar o conector e
determinar verificar o funcionamento dos
possível área de interruptores com o
falha. multímetro. Se não for
encontrada qualquer falha,
substituir o módulo por um de
desempenho conhecido.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 43

CÓDIGOS DE ERRO;
F66 - TENSÃO DE ALIMENTAÇÃO DO INTERRUPTOR DE AVANTE MUITO BAIXA
F67 - TENSÃO DE ALIMENTAÇÃO DO INTERRUPTOR DE AVANTE MUITO ALTA
EFEITO: O trator funcionará normalmente, exceto que haverá um ligeiro atraso para
reconhecer que foi selecionada a marcha avante.

Desconectar os conectores C100 e C101 do processador, e


desconectar o conector C075 do conjunto de mudanças
avante/ré/neutro. Com um multímetro adequado, verificar Verificar e
entre C-l 00-20 e 0075-2 (CM725Q- S/R/B). Para: (1) SIM reparar defeito
circuito aberto (2) curto com o terra. É indicada uma destas na fiação
condições?
NÃO

Ligar novamente os conectores do processador. Deixar o conjunto


do interruptor avante/ré/neutro desconectado com a chave ligada.
Verificar se há tensão em C075-2 (CM7250-S/R/B). É indicada
tensão de +5V +8V ou +12V?
SIM NÃO

Verificar e reparar Ligar novamente o conector


curto-circuito, do interruptor de mudanças
utilizando a tensão avante/ré/neutro se o erro
anteriormente continuar aparecendo.
indicada para Inspecionar o conector e
determinar verificar o funcionamento dos
possível área de interruptores com o
falha. multímetro. Se não for
encontrada qualquer falha,
substituir o módulo por um de
desempenho conhecido.

73403960 - 05.2008
44 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGOS DE ERRO;
F68 -TENSÃO DE ALIMENTAÇÃO DO INTERRUPTOR DE RÉ MUITO BAIXA
F69 - TENSÃO DE ALIMENTAÇÃO DO INTERRUPTOR DE RÉ MUITO ALTA
EFEITO: O trator funcionará normalmente, exceto que haverá um ligeiro atraso para
reconhecer que foi selecionada a marcha-a-ré

Desconectar os conectores C100 e C101 do processador, e


desconectar o conector C075 do conjunto de mudanças
avante/ré/neutro. Com um multímetro adequado, verificar Verificar e
entre C100-7 e 0075-3 (CM7260- S/U/B). Para: (1) circuito SIM reparar defeito
aberto (2) curto com o terra. É indicada uma destas na fiação
condições?
NÃO

Ligar novamente os conectores do processador. Deixar o conjunto


do interruptor avante/ré/neutro desconectado com a chave ligada.
Verificar se há tensão em 0075-3 (CM7260-S/U/B). É indicada
tensão de +5V +8V ou +12V?
SIM NÃO

Verificar e reparar Ligar novamente o conector


curto-circuito, do interruptor de
utilizando a tensão avante/ré/neutro se o erro
anteriormente continuar aparecendo.
indicada para Inspecionar o conector e
determinar verificar o funcionamento dos
possível área de interruptores com o
falha. multímetro. Se não for
encontrada qualquer falha,
substituir o módulo por um de
desempenho conhecido.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 45

CÓDIGOS DE ERRO;
F73 - SENSOR DE VELOCIDADE INTERMEDIÁRIA CIRCUITO ABERTO
F74 - SENSOR DE VELOCIDADE INTERMEDIÁRIA EM CURTO
EFEITO: A compensação centrífuga interpreta 2300 rpm para a embreagem b, pequena
perda de desempenho de mudanças em outras velocidades. Marchas afetadas 2a, 4a, 6a.

O sensor de velocidade
intermediária está conectado NÃO Religar o conector, C037
ao chicote?
SIM

Desconectar o conector do sensor de velocidade


intermediária, C037, do chicote e desconectar os Verificar e reparar
conectores C100 e C101 do processador. Com um SIM falha na fiação
multímetro adequado verificar a fiação entre C101-2 e
C037-RM 7401-P/B/G, quanto a circuito aberto/curto.
Foi detectada a falha?
NÃO

Com o sensor de velocidade


intermediária instalado, verificar entre
os terminais do conector do sensor se
há curto ou circuito aberto dentro do
sensor. Substituir o conjunto do
sensor se for detectada a falha.

CÓDIGO DE ERRO F75


SENSORES DE MÉDIAS E RÉ TROCADOS
EFEITO: Depois de detectado o erro, o trator funcionará normalmente.

Trocar os conectores do
sensor de velocidades, C037 e
C038

73403960 - 05.2008
46 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGO DE ERRO F77


AUSÊNCIA DE SINAL DO SENSOR DE VELOCIDADE DAS RODAS TRASEIRAS
EFEITO: Impossível obter marchas acima na gama alta. Mudanças de inversão bruscas ou
lentas e partida automática além de mudanças de uma maneira geral ruins.

Defeito mecânico na
O trator se desloca? NÃO transmissão/eixo traseiro,
SIM impedindo o deslocamento.
O sensor está instalado
corretamente? Remover e instalar
NÃO
SIM corretamente

Substituir conjunto do sensor de


velocidade das rodas traseiras.

CÓDIGO DE ERRO F78


AUSÊNCIA DE SINAL DO SENSOR DE VELOCIDADES INTERMEDIÁRIAS
EFEITO: A compensação centrífuga interpreta 2300 rpm para a embreagem B. Pequena
perda de qualidade de mudanças em outras velocidades, afetando somente a 2a, 4a e 6a
marchas.
Falha mecânica na
O trator se desloca? NÃO transmissão/eixo traseiro,
SIM impedindo o deslocamento.
O sensor está instalado
corretamente? NÃO Remover e instalar
corretamente
SIM
Substituir o sensor de
velocidades intermediárias

CÓDIGO DE ERRO F79


A ROTAÇÃO DO MOTOR EXCEDE 3000 RPM
EFEITO: Qualidade geral das mudanças ruim e/ou demorada.
Ao reduzir a rotação do motor para menos de 2800 Trator
rpm, o código de erro apaga? SIM funcionando
NÃO O.K

Verificar a saída no terminal de saída de


velocidades do alternador, C013/W. A tensão NÃO Substituir/reparar alternador
é de aproximadamente 7 volts em
SIM

Inspecionar a fiação entre o alterna-


dor e o pino C100-15 do processa-
dor. Verificar possível curto-circuito
intermitente em + 12V. Reparar con-
forme necessário.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 47

CÓDIGO DE ERRO F80


ROTAÇÃO NA SAÍDA DA TRANSMISSÃO MUITO ALTA PARA MARCHA SELECIONADA
EFEITO: Nenhum

Apagamento automático
do erro quando velocidade
estiver O.K para a marcha
selecionada.

CÓDIGO DE ERRO F81


RELAÇÃO CORRETA NÃO DETECTADA (ROTAÇÃO DE SAÍDA MUITO BAIXA PARA A
MARCHA SELECIONADA)
EFEITO: Transmissão desativada
Os conectores C027
Embreagem A e C028
Embreagem B estão Montar os conectores
NÃO
montados corretamente corretamente
SIM

Embreagem possivelmente deslizando.


Efetuar teste de pressão das Todas as embreagens estão
embreagens. As embreagens estão NÃO com baixa pressão?
com 16 bar?
SIM NÃO
SIM
Falha do
Discos da embreagem sistema Possível defeito na
gastos. Desmontar hidráulico de válvula PWM ou
transmissão e inspecionar baixa pressão. vazamento no retentor
Ver Seção do do pistão ou outro tipo
Hidráulico. de vazamento na
embreagem, indicando
baixa pressão.

73403960 - 05.2008
48 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

CÓDIGO DE ERRO CP
ACIONAR O PEDAL DA EMBREAGEM PARA REATIVAR A TRANSMISSÃO
EFEITO: Transmissão desativada
Acionar o pedal da embreagem ou o interruptor de
inversão para reativar a transmissão. Se não for
apagado o código CP, prosseguir.
Inspecionar o
Fazer um teste drive do
Verificar se existem conector e
trator para assegurar-se
conectores soltos do assegurar-se de que SIM
SIM de que o código de erro
chicote em C100, C101, esteja bem apertado.
não aparece novamente
C019 e C001. Existe O código de erro foi
alguma conexão solta? eliminado?
NÃO NÃO

Verificar se existe curto-circuito intermitente a massa na fiação do


interruptor de partida em neutro:
Com a DESLIGADA e a alavanca FNR na posição F ou R, ligar um Localizar e
medidor de continuidade entre o conector C100-27 e a massa. Deve SIM reparar o
ser indicado um circuito aberto. Torcer o chicote entre C100 e o curto-circuito
interruptor de inversão. Existe alguma indicação de continuidade?
NÃO

Verificar curto-circuito intermitente à massa na fiação do interruptor de


inversão: Localizar e
Com a chave desligada e a alavanca FRN na posição N, ligar um medidor reparar
de continuidade entre o conector C100-27 e C075-4 (CM7420-Y/P/B). SIM o circuito
Deve haver indicação de continuidade. Torcer o chicote entre C100 e aberto
C075. Existe alguma indicação de circuito aberto?
NÃO
Localizar
Verificar falha intermitente na alimentação + 12V para o módulo do e reparar
processador. Verificar continuidade entre a saída do fusível 13 e SIM o circuito
C101-34 e C101-35. Existe indicação de circuito aberto? aberto
NÃO
Localizar e
Verificar falha intermitente na alimentação + 12V para o módulo reparar
do processador. Verificar continuidade entre C101-32, C101-33 e SIM o circuito
C101-9 e a massa. Existe indicação de circuito aberto? aberto
NÃO
Remover e inspecionar o interruptor de neutro do inversor. Descartar
Substituir por um interruptor sabidamente bom. Fazer um SIM interruptor
teste drive do trator. Foi eliminado o código de erro. removido
NÃO
Substituir o processador
por um sabidamente bom

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 49

SEMI-POWER (18X6) -
CALIBRAGEM, DETECÇÃO DE AVARIAS E TESTES DE PRESSÃO
CÓDIGOS DE ERRO F1A A F2E

F1A - EMBREAGEM A - CIRCUITO ABERTO OU CURTO À MASSA


F2A - EMBREAGEM A - CURTO COM 12 V
F1B - EMBREAGEM B - CIRCUITO ABERTO OU CURTO À MASSA
F2B - EMBREAGEM B - CURTO COM 12 V
F1C - EMBREAGEM C- CIRCUITO ABERTO OU CURTO À MASSA
F2C - EMBREAGEM C - CURTO COM 12 V
F1D - EMBREAGEM D - CIRCUITO ABERTO OU CURTO À MASSA
F2D - EMBREAGEM D - CURTO COM 12V
F1E - EMBREAGEM E - CIRCUITO ABERTO OU CURTO À MASSA
F2E - EMBREAGEM E - CURTO COM 12 V

Os códigos de erro F1A a F2E indicam curto-circuito ou circuito aberto na fiação de um dos
solenóides das válvula PWM. Com um multímetro adequado, verificar a fiação entre o solenóide da
válvula PWM e o módulo do processador. Localizar o curto-circuito/circuito aberto, reparar ou
substituir a fiação conforme necessário.
Se a fiação estiver O. K, desligar o solenóide da válvula PWM do chicote e assegurar-se de que a
resistência da bobina do solenóide PWM seja de aproximadamente 10W a 20°C. Caso contrário,
substituir o solenóide da válvula PWM.
Se a fiação e os solenóides da válvula PWM estiverem O. K., substituir o microprocessador por um
outro com performance conhecida.

73403960 - 05.2008
50 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

SEMI-POWER (18X6) -
CALIBRAGEM, DETECÇÃO DE AVARIAS E TESTES DE PRESSÃO

CÓDIGOS DE ERRO F1P A F1H

F1P - SOLENÓIDE DE RÉ CIRCUITO ABERTO OU CURTO À MASSA


F1L - SOLENÓIDE DE BAIXA CIRCUITO ABERTO OU CURTO À MASSA
F1U - SOLENÓIDE DE MÉDIA CIRCUITO ABERTO OU CURTO À MASSA
F1H - SOLENÓIDE DE RÁPIDA CIRCUITO ABERTO OU CURTO À MASSA

Os códigos de erro F1P, F1L, F1U e F1H, indicam circuito aberto ou curto à massa na fiação
do solenóide. Com um multímetro adequado, verificar a fiação entre o solenóide e o proces-
sador. Localizar o defeito na fiação e reparar ou substituir a fiação conforme necessário.

Se a fiação estiver O.K desligar a fiação do chicote e verificar se a resistência do chicote é de


aproximadamente 6-8 W a 20°C. Se não estiver correto ou houver circuito aberto/curto,
substituir o solenóide.d.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 51

CÓDIGOS DE ERRO;
FCA - EMBREAGEM A DESCALIBRADA
FCB - EMBREAGEM B DESCALIBRADA
FCC - EMBREAGEM C DESCALIBRADA
FCD - EMBREAGEM D DESCALIBRADA
FCE - EMBREAGEM E DESCALIBRADA
EFEITO: Desempenho ruim da embreagem descalibrada

Executar o procedimento de
calibração. O erro foi apagado? SIM Trator O.K.
NÃO

São mostrados erros ou mensagens


durante a calibração? SIM Ver erros de calibração
NÃO

Remover a válvula PWM, limpar,


reparar ou substituir. A calibração SIM Trator O.K
pôde ser feita com sucesso?
NÃO

Executar teste de pressão da


embreagem. A pressão Possível vazamento do retentor da
é de aproximadamente 16 bar. NÃO embreagem ou vazamento no
SIM pistão da válvula PWM.

Defeito mecânico na transmissão.


Desmontar e inspecionar as
embreagens.

73403960 - 05.2008
52 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

ERROS E MENSAGENS DE CALIBRAÇÃO


U19 - TEMPERATURA DO ÓLEO ABAIXO DE 10°C

Aquecer o óleo acima de 10°C antes de proceder à calibração.

U21 - RPM DO MOTOR MUITO BAIXA

Aumentar rpm do motor para 1200 +/- 100

U22 - RPM DO MOTOR MUITO ALTA

Reduzir a rpm do motor para 1200 +/- 100

U23 - ALAVANCA DE INVERSÃO EM NEUTRO

Colocar a alavanca de inversão em avante

U26 - PEDAL DA EMBREAGEM NÃO LIBERADO

Soltar o pedal da embreagem

U31 - DETECTADA A VELOCIDADE DE SAÍDA - TRATOR EM MOVIMENTO


Assegurar-se de que o freio de estacionamento esteja aplicado e as rodas calçadas.
Se o erro persistir assegurar-se de que o sensor de velocidade de média e da
transmissão traseira não estejam trocados, se estiverem O.K., existe um possível
defeito mecânico na transmissão.

U36 - EXCEDIDO O VALOR MÁXIMO DE CALIBRAÇÂO DA EMBREAGEM

Valor atual excedido sem redução da rotação do motor. Indica defeito na válvula
PWM, Falha de baixa pressão do hidráulico ou defeito no sincronizador,
deixando de transmitir tração.

U37 - RPM DO MOTOR CAI RAPIDAMENTE


Rotação do motor reduzida rápido demais. Indica defeito da
válvula PWM ou defeito mecânico na transmissão.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 53

ERROS E MENSAGENS DE CALIBRAÇÃO (CONTINUAÇÃO)

U81 - Não detectado qualquer movimento do sincronizador de médias/ré

U82 - Não detectado qualquer movimento de baixa/alta

Defeito mecânico no potenciômetro do sincronizador ou baixa/nenhuma pressão


hidráulica para o pistão do sincronizador. Testar pressão - se estiver baixa,
remover e inspecionar a válvula solenóide. Se a pressão estiver boa, verificar se
o pistão está prendendo - remover a tampa lateral e inspecionar.

U83 - Conectores do potenciômetro do sincronizador trocados


Montar corretamente os conectores

U84 - Conectores do solenóide do sincronizador de ré e alta trocados

Montar corretamente os conectores

U85 - Conectores do solenóide do sincronizador de médias e baixas trocados

Montar corretamente os conectores

U86 - Erro de neutro do sincronizador de médias/ré

U87 - Erro de neutro do sincronizador de baixa/alta

Sincronizador NÃO se encontra em neutro: acessar o modo HL, confirmar se o


sincronizador está funcionando, se for confirmado o erro de neutro, verificar defeito
mecânico no sincronizador. Remover a tampa lateral e inspecionar. Com a tampa
lateral removida inspecionar, também, as articulações do potenciômetro.

73403960 - 05.2008
54 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

ERROS DE MENSAGEM DE CALIBRAÇÃO (CONTINUAÇÃO)

U88 - Valores de calibração do sincronizador de médias/ré fora da tolerância

U21 - Valores de calibração do sincronizador de baixa/alta fora da tolerância

Verificar o funcionamento do potenciômetro removido da transmissão, se dentro


da especificação, remover a tampa lateral e inspecionar as articulações do
potenciômetro.

CF - Procedimento de calibração concluído com sucesso

CH - Temperatura do óleo acima de 50°C

Mensagem apenas para informação. Pressionar o botão


de marchas acima para prosseguir.

CL - Temperatura do óleo entre 10 e 20°C

Mensagem apenas para informação. Pressionar o botão


de marchas acima para prosseguir.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 55

TESTE DE PRESSÃO
Embreagens A, B, C, D e E
1. Preparar o trator para teste de pressão:

(i). Assegurar-se de que o freio de estacionamento


esteja totalmente desaplicado.
(ii). Instalar o interruptor de diagnóstico Ferramenta
No. 4FT.950 no plugue de diagnóstico branco
do chicote do trator.
(iii). Dar partida e funcionar o trator para aquecer o
óleo da transmissão até a temperatura mínima
de operação de 50°C (122°F).

2. Instalar manômetros adequados (0-40 bar, 0- 53


600 lbf.pol2), cinco se disponível, em cada um
dos pontos de teste de pressão, da
embreagem, localizados no coletor horizontal,
sob o degrau do lado direito, Figura 54. Ver
Figura 53 quanto aos detalhes dos
manômetros, mangueiras e adaptador:
1. Manômetro, FT8503A com adaptador
FT8503-8
2. Adaptador, CASE IH 35-103 (10 -1,00 mm x
7/16JIC)
3. Mangueira (código finis 3936707)

54
3. Dar partida no motor e acessar o modo HJ.
Acionar o pedal da embreagem e deslocar a
alavanca de inversão para à frente. Desaplicar
a embreagem. A letra na parte superior do
mostrador indicará "A" , indicando que será
energizado o solenóide da embreagem "A".
Para energizar o solenóide, pressionar e manter
pressionado o botão de marchas abaixo e
observar a leitura de pressão no manômetro
que deverá ser de 17 ± 1 bar.

4. Para selecionar outras embreagens, B, C, D ou


E pressionar repetidamente o botão de marchas
acima e em seguida pressionar o botão de
55
marchas abaixo para energizar o solenóide.

5. A pressão pode ser controlada com o pedal da


embreagem. Ao ser pressionado o pedal da
embreagem os dois dígitos inferiores mudarão
para 0-16, indicando a pressão aproximada em
bar, desde que o pedal da embreagem esteja
corretamente calibrado. Com o pedal
totalmente liberado, será mostrada a indicação
"FP", indicando Pressão Total.

56

73403960 - 05.2008
56 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

Teste de Pressão do Sincronizador de Baixa,


Média, Alta e Ré
Figura 9 - 1. Ponto de teste do sincronizador de ré
2. Ponto de teste do sincronizador de alta

Figura 10 -1. Ponto de teste do sincronizador de


baixaLow synchroniser test point
2. Ponto de teste do sincronizador de
média
57

Devido as características de operação da


transmissão, não é possível efetuar o teste de
pressão dos circuitos do sincronizador durante o
funcionamento normal do trator.

Para testar a pressão nos circuitos do sincronizador,


recomenda-se usar o procedimento de calibração
da embreagem utilizando o modo "N" do menu H1.

58
1. Preparar o trator para o teste de pressão:

(i). Assegurar-se de que o freio de estacionamento


esteja totalmente aplicado e as rodas calçadas.

(ii). Instalar o interruptor de diagnóstico,


Ferramenta 4FT.950 no plugue de diagnóstico
branco do chicote do trator.

(iii). Dar partida e funcionar o motor do trator para


aquecer o óleo da transmissão a uma
temperatura mínima de 50°C (122oF).

59
2. Instalar manômetros adequados, Figura 59,
1. Manômetro FT8503A, com adaptador
FT8503-8
2. Adaptador CASE IH 35-102 (10-1, 25 mm x 7/
16 JIC)
3. Mangueira (Código Finis 3936707), 0-40 bar,
0-600 Ibf.pol2), 4 se disponível, nos pontos
deteste de pressão do sincronizador, localizado
na tampa lateral da transmissão, Figura 60.

60

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 57

3. Dar partida no motor e acessar o modo H1.

4. Acionar o pedal da embreagem e posicionar a


alavanca da inversão em avante.

5. Funcionar o motor à rotação de 1100 rpm.

61

6. Mudar as marchas em H1 para "N", utilizando o


botão de marchas acima.

7. Acionar o botão de marchas abaixo para ativar


todos os solenóides do sincronizador.

8. Cada manômetro deve indicar 17 ± 1 bar


quando os solenóides estiverem ativados e zero
quando desativados, Figura 60.

9. ISe todos os manômetros apresentarem leitura 62


baixa, verificar falha no sistema hidráulico de
baixa pressão, ver Seção 35.

10. Se um ou mais manômetros apresentarem


leituras corretas e os demais manômetros
apresentarem leitura baixa, isso indica que o
sistema hidráulico está O.K. e que a falha está
no conjunto da transmissão. Remover e
inspecionar a válvula solenóide, se não for
encontrada nenhuma falha, remover a tampa
lateral da transmissão e inspecionar o pistão
atuador e os vedadores.

63

73403960 - 05.2008
58 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

H1 - Calibrações
Este sub-menu é utilizado para uma das duas calibrações abaixo:
a) Calibração estática para o ângulo do sensor da direção
b) Calibração de velocidade em 100 metros, incluindo a calibração dinâmica (em movimento) do ângulo do
sensor da direção
O modo de calibração também pode ser acessado mantendo acionado o interruptor de gamas por três segundos
enquanto aciona a partida do motor.

Calibração estática do sensor de ângulo da


direção: 3
2
Ao entrar no sub-menu H1, aparecerá à palavra “CAL”
no painel e as lâmpadas (2 e 3) de aviso do bloqueio
dos diferenciais piscarão alternadamente. Acionar o
interruptor de bloqueio na posição (1) “Auto” três vezes
seguidas e rapidamente, assim entrará no modo de
calibração do ângulo.

64

O valor do ângulo de esterçamento aparecerá no


painel. Ajustar a posição das rodas alinhadas com o
trator. Quando realizado esta operação, acionar
novamente o interruptor (1) “Auto” do bloqueio dos
diferenciais três vezes, assim a calibração do sensor
está completada.

65

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 59

Calibração em deslocamento de 100 metros


Nesta calibração executam-se ambas as calibrações,
de velocidade e do sensor de esterçamento. Neste
caso é necessário demarcar corretamente 100 metros
em linha reta.
O sub-menu é acessado como acima, via menus H
ou interruptor de gamas e a palavra “CAL” aparecerá
no painel com as lâmpadas de aviso de bloqueio (2 e
3) dos diferencias piscando alternadamente.
Movendo o trator, quando este alcançar a primeira
marca dos 100 m, acionar uma vez o interruptor de
bloqueio (1) “Auto”. A palavra “CAL” piscará no painel,
somente a lâmpada (3) de “Auto” do painel piscará e 66
o módulo estará executando sua calibração.
Ao alcançar a segunda marca dos 100 m, acionar
2 3
novamente uma vez o interruptor do bloqueio em (1)
“Auto”, isto fará com que pare de calibrar. Desligar o
motor para armazenar a calibração.

67

H2 - Visualização de calibração do ângulo de


esterçamento
Este menu mostra o valor de calibração do ângulo do
sensor de esterçamento. Tipicamente deve situar-se
entre 400 – 600.

68

73403960 - 05.2008
60 SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2

NOTAS:

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 21 - TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 2 61
ESQUEMA SEMI-POWERSHIFT E LEVANTADOR ELETRÔNICO
1 - BATERIA DESENGATADO
2 - LIGAÇÃO DOS FUSÍVEIS 38 - INTERRUPTOR DE PRESSÃO DO ÓLEO DA
3 - INTERRUPTOR DA LIGAÇÃO CAIXA DE VELOCIDADES
4 - RELÉ DE LIGAÇÃO 39 - SENSOR DE VELOCIDADE DE SAÍDA DA
5 - HABILITAÇÃO DO ALARME EXTERNO CAIXA DE VELOCIDADES
6 - SINAL RADAR (NA AIEC) INSTR. ELECTR. 40 - SENSOR DE VELOCIDADE MÉDIA DA
7 - RADAR CAIXA DE VELOCIDADES
8 - ALTERNADOR 41 - MÓDULO DE VISUALIZAÇÃO DAS
9 - RPM DO MOTOR MARCHAS
10 - SINAL DE VELOCIDADE DAS RODAS 42 - CONECTOR DE DIAGNÓSTICO DA CAIXA
11 - ENTRADA SERIAL DE DADOS DE VELOCIDADES (BRANCO)
12 - SAÍDA SERIAL DE DADOS 43 - VÁLVULA ELÉTRICA DE ABAIXAMENTO
13 - CONDIÇÃO DA ALFAIA 44 - VÁLVULA ELÉTRICA DE LEVANTAMENTO
14 - UNIDADE DE GESTÃO ELETRÔNICA 45 - INDICADOR LUMINOSO DE
15 - VÁLVULA ELÉTRICA DE MARCHA ATRÁS DESLIZAMENTO
16 - VÁLVULA ELÉTRICA DAS MARCHAS 46 - INDICADOR LUMINOSO DE ESTADO
RÁPIDAS 47 - INTERRUPTOR EXTERNO DE
17 - VÁLVULA ELÉTRICA DAS MARCHAS LEVANTAMENTO/TRABALHO
MÉDIAS 48 - INTERRUPTOR DO GUARDA-LAMAS
18 - VÁLVULA ELÉTRICA DAS MARCHAS ESQUERDO
LENTAS 49 - INTERRUPTOR DO GUARDA-LAMAS
19 - VÁLVULA ELÉTRICA DA EMBREAGEM E DIREITO
20 - VÁLVULA ELÉTRICA DA EMBREAGEM D 50 - POTENCIÔMETRO DO LIMITE DE ALTURA
21 - VÁLVULA ELÉTRICA DA EMBREAGEM C 51 - POTENCIÔMETRO DO LIMITE DE
22 - VÁLVULA ELÉTRICA DA EMBREAGEM B DESLIZAMENTO
23 - VÁLVULA ELÉTRICA DA EMBREAGEM A 52 - REGULAÇÃO DÁ VELOCIDADE DE
24 - INTERRUPTOR DO PEDAL DA DESCIDA
EMBREAGEM (NA FIGURA: LEVANTADO) 53 - REGULAÇÃO MISTA ESFORÇO/POSIÇÃO
25 - POSIÇÃO DE ARRANQUE 12V 54 - PAINEL DE COMANDO DO LEVANTADOR
26 - INTERRUPTOR DE NEUTRO DO ELETRÔNICO (EDC)
INVERSOR (NA FIGURA: EM NEUTRO) 55 - POTENCIÔMETRO DOS BRAÇOS DO
27 - RELÉ DE ARRANQUE LEVANTADOR
28 - POTENCIÔMETRO DO PEDAL 56 - POTENCIÔMETRO DO QUADRANTE
29 - INTERRUPTOR DO INVERSOR PARA 57 - PRISIONEIRO DE MEDIÇÃO DE ESFORÇO
FRENTE ESQUERDO
30 - INTERRUPTOR DO INVERSOR PARA 58 - PRISIONEIRO DE MEDIÇÃO DE ESFORÇO
ATRÁS DIREITO
31 - INTERRUPTOR DE AUMENTO DAS 59 - SENSOR DE VELOCIDADE DAS RODAS
MARCHAS AUTOMÁTICO 60 - CONECTOR DE DIAGNÓSTICO DO
32 - INTERRUPTOR DE DIMINUIÇÃO DAS LEVANTADOR ELETRÔNICO (EDC)
MARCHAS AUTOMÁTICO (PRETO)
33 - INTERRUPTOR DA TROCA DE GAMA 61 - MASSA DO ARCO
34 - POTENCIÔMETRO DO SINCRONIZADOR 62 - MASSA
DAS MARCHAS LENTAS/RÁPIDAS 63 - MASSA DO SINAL DO SENSOR
35 - POTENCIÔMETRO DO SINCRONIZADOR LEVANTADOR ELETRÔNICO (EDC)
DAS MARCHAS MÉDIAS/MARCHAS 64 - MASSA DO SINAL DO SENSOR DA CAIXA
ATRÁS DE VELOCIDADES
36 - TRANSMISSOR DA TEMPERATURA DO
ÓLEO DA CAIXA DE VELOCIDADES
37 - INTERRUPTOR DO SUPERREDUTOR

A - INSTRUMENTOS (ELETRÔNICO/EIC OU ANALÓGICO - ELETRÔNICO/AElO)


B - PROCESSADOR DA CAIXA DE VELOCIDADES
C - PROCESSADOR DO LEVANTADOR ELETRÔNICO (EDC)

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 1

SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO

Capítulo 1 - Eixos de transmissão

CONTEÚDO

Descrição Página
Especificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Torques de Aperto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Ferramentas Especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Cortes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Detecção de Avarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Descrição e Funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Diagramas dos Fluxos Hidráulicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Eixo da Transmissão e Rolamento (Desmontagem-Instalação) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Vedante do óleo do Eixo da Caixa de Transmissão
(Substituição com o eixo da caixa de transmissãoremovido do trator . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Caixa de Transferência da Embreagem Eletro-Hidráulica (Desmontagem-Instalação) . . . . . . . . . . . . . . 10

23 000 - ESPECIFICAÇÕES - TORQUES DE APERTO - FERRAMENTAS ESPECIAIS - CORTES -


DESCRIÇÃO E FUNCIONAMENTO - DETECÇÃO DE AVARIAS

ESPECIFICAÇÕES DA TRAÇÃO À QUATRO RODAS COM EMBREAGEM ELETRO-HIDRÁULICA

Taxa de Redução:
- Modelos 110, 120 e 130 HP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50/57=1:1,14
- Modelo 140 HP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51/55=1:1,08
Anéis de afinação para ajuste do rolamento da
tração à quatro rodas (5, página 4) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 1,00-1,05-1,10-1,15-1,20-1,25
1,30-1,35-1,40-1,45-1,50-1,55
1,60-1,65-1,70-1,75-1,80-1,85
1,90-1,95-2,00-2,05-2,10-2,15 -
2,20
Espessura do disco de reação da embreagem (9) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7,1 -7,3-7,5-7,7-7,9-8,1 -8,3 8,5-
8,7-8,9-9,1-9,3-9,5-9,7 9,9-10,1
Discos acionado da embreagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Discos acionador da embreagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Espessura disco acionado da embreagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 1,7 ÷ 1,8
Espessura disco acionador da embreagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 1,45÷1,55 e 1,65÷1,75
Altura livre da mola cônica (uma) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 9,85÷10,10
Altura livre da mola cônica sob uma carga de 19341 N ou de 1972 kg. mm 7,75

ESPECIFICAÇÕES DO EIXO DE TRANSMISSÃO

Anéis de afinação para ajuste do posicionamento da


manga dianteira (2, página 4) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 1 -1,2-1,5-1,8-2-2,2-2,5-3-
3,33,7-4-4,3
Folga axial da manga dianteira (L) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 1,2 ÷ 1,7

73403960 - 05.2008
2 SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

TORQUES DE APERTO

Tamanho Torque de aperto


DESCRIÇÃO
da rosca Nm kgm
Parafuso de fixação do rolamento principal do eixo de transmissão (C1) . M12x1,5 88 9
Parafuso de fixação da caixa de transferência (C2) . . . . . . . . . . . . . . . . . M10x1,25 49 5

FERRAMENTAS ESPECIAIS

Atenção - As operações descritas nesta seção só 293996 Adaptador do extrator do eixo de


devem ser levadas a cabo utilizando as seguintes transmissão da caixa de transferência
ferramentas ESSENCIAIS que aparecem em baixo (M8x1,25) (para ser usado com a
com o símbolo (X). ferramenta n.° 292927)
Contudo, para uma maior segurança e para obter os
292927 Extrator (para ser usado com a
melhores resultados ao mesmo tempo que poupa
ferramenta n.° 293996)
tempo e esforços, recomendamos que estas
ferramentas essenciais sejam usadas em conjunto X 293995 Braçadeira de verificação da folga axial
com as ferramentas específicas que são do eixo de transmissão da caixa de
enumeradas em baixo e determinadas ferramentas transferência
que serão feitas segundo os desenhos de
construção que são dados neste manual.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 3

Ferramenta a ser feita para remover o copo


traseiro da caixa de transferência eletro-
hidráulica. (Ferramenta marcada com o n.°
50067. Dimensões em mm.)
Nota: Faça a ferramenta usando o material F42.

2
Ferramenta a ser feita para remover o disco de
reação da caixa de transferência eletro-
hidráulica (Ferramenta marcada com o n.° 50068.
Dimensões em mm.)
Nota: Faça ferramenta usando o material F42.

Ferramenta a ser feita para remover o conjunto


da embreagem eletro-hidráulica da caixa de
transferência. (Ferramenta marcada com o n.°
50069. Dimensões em mm.)
Nota: Faça a ferramenta usando o material F42.

73403960 - 05.2008
4 SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

5
Cortes da Embreagem Eletro-Hidráulica da Tração à Quatro Rodas

G= 1 ÷ 1,2 mm. Curso livre. 7. Engrenagem acionada


L= 1,2 ÷ 1,7 mm. Folga axial da manga (3). 8. Engrenagem de acionamento
1. Anel de retenção 9. Disco de reação da embreagem
2. Anel de ajuste da posição da manga (3). 10. Discos acionadores
3. Manga dianteira 11. Discos acionados
4. Anel de retenção 12. Pistão de controle
5. Calços de ajuste da afinação do rolamento do 13. Mola cônica
eixo da tração à quatro rodas. 14. Disco de reação da mola cônica
6. Eixo da tração à quatro rodas

Nota: Durante a instalação aplicar um composto vedante nas superfícies marcadas com um X conforme
indicado na página 18.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 5

DETECÇÃO DE AVARIAS

Problemas Causas Possíveis Soluções

A tração à quatro rodas não 1. Interruptor de engate da Substitua o interruptor.


engata tração à quatro rodas com
defeito.
2. O eletromagneto não está Religue as ligações elétricas e
energizado: está danificado substitua as peças com defeito.
ou desligado das ligações,
interruptor remoto com
defeito.
3. Solenóide de controle da Repare ou substitua o solenóide.
tração à quatro rodas (4,
página 27, Sec. 35, Cap. 1)
permanece aberto.
4. Discos da embreagem Substitua os discos da
gastos. embreagem.
5. Molas cônicas flexionadas. Repare o conjunto da
embreagem.
A tração à quatro rodas não 1. Pouco óleo de transmissão. Restabeleça o nível de óleo.
desengata 2. Filtro de óleo obstruído. Substitua o filtro.
3. Bomba de água com defeito. Revise ou substitua a bomba.
4. Interruptor de engate da Substitua o interruptor.
tração à quatro rodas com
defeito.
5. O eletromagneto não está Religue as ligações elétricas e
energizado: está danificado substitua as peças com defeito.
ou desligado das ligações,
interruptor remoto com
defeito.
6. Solenóide de controle da Repare ou substitua o solenóide.
tração à quatro rodas
permanece aberto.
7. Fuga de óleo através dos Substitua os vedantes de óleo
vedantes com conseqüente com defeito.
queda de pressão: vedantes
do cubo, do pistão, do
encaixe de entrada e do eixo
da caixa de transferência.
Com a embreagem eletro- 1. Interruptor da bomba de Substitua o interruptor.
hidráulica da tração à quatro pressão com defeito.
rodas desengatada, a tração à
quatro rodas engata quando os
pedais do freio são pressionados.

DESCRIÇÃO E FUNCIONAMENTO
A caixa de transferência está localizada sob o embreagem e move uma engrenagem estriada para o
alojamento da caixa de transmissão traseira e liga a eixo da tração à quatro rodas.
transmissão traseira ao eixo dianteiro através de um Consulte as páginas 6 e 7 para uma descrição do
eixo que acompanha todo o eixo central do trator. funcionamento da caixa de transferência da
A caixa de transferência é controlada por uma embreagem.
engrenagem de controle localizada numa engrenagem
biselada de dentes retos. Esta engrenagem atua na

73403960 - 05.2008
6 SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

Óleo estático

Óleo lubrificante

EMBREAGEM ELETRO-HIDRÁULICA DA TRAÇÃO À QUATRO RODAS (TRAÇÃO À QUATRO RODAS


ENGATADA)

Quando atração à quatro rodas está engatada O engate da tração à quatro rodas é feito através
através do interruptor localizado no painel de das molas cônicas (2) que mantém pressionadas o
comando, o óleo dentro do encaixe sob a forma de conjunto da embreagem (4) que transfere o
anel do pistão de controle (3) é estático e está sem movimento que alcança do eixo dianteiro através do
pressão. O solenóide (4, página 27, Sec. 35, Cap. 1) eixo de transmissão (1).
está na posição de descarga (desenergizado).

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 7

Óleo sob pressão


Óleo lubrificante

EMBREAGEM ELETRO-HIDRÁULICA DA TRAÇÃO À QUATRO RODAS (TRAÇÃO À QUATRO RODAS


DESENGATADA)

Quando o interruptor localizado no painel de O óleo sob pressão atua contra a ação das molas
comando é pressionado, o solenóide (4, página 27, cônicas (2) e move o pistão (3).
Sec. 35, Cap. 1) abre e deixa o óleo fluir da bomba Nessas condições, o controle da embreagem (4)
para dentro do encaixe sob forma de anel do pistão não está comprimido e o eixo de transmissão (4) que
de controle (3). atinge o eixo dianteiro pode girar livremente pois não
está mais integrado ao conjunto.

73403960 - 05.2008
8 SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

EIXO DE TRANSMISSÃO E ROLAMENTO


Desmontagem - Instalação
(Op. 23 101 20 - 23 101 26)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Proceda do seguinte modo:

1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.

2. Solte os parafusos de fixação e remova a


proteção do eixo de transmissão.

3. Remova o anel de retenção (4) e retire a manga


(5). Repita para o anel de retenção da caixa de
transferência e da manga.

4. Solte os parafusos que fixam o rolamento (3) na


transmissão e no alojamento da velocidade da
embreagem e retire o rolamento assim como os
eixos de transmissão.

5. A reinstalação do eixo de transmissão segue o


procedimento de desmontagem ao inverso.

10

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 9

VEDANTE DO ÓLEO DO EIXO DA CAIXA DE


TRANSMISSÃO
Substituição com o eixo da caixa de transmissão
removido do trator. (Op. 23 101 32 - 23 202 44)

O vedante do óleo do eixo da caixa de transmissão


pode ser substituído com o alojamento da
transmissão colocado numa bancada ou instalado
no trator (tanto para a embreagem na versão
mecânica ou na versão eletro-hidráulica).

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Proceda do seguinte modo:


1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.
2. Se o alojamento da transmissão estiver
instalado no motor, drene o óleo dos
alojamentos da transmissão traseira e da
velocidade da embreagem e remova o eixo de
transmissão que alcança o eixo dianteiro
(consulte a página 8).

11

3. Usando uma chave de fenda ou um punção,


remova o anel guarda-pó e o vedante do óleo
que deve ser substituído.

12
4. Instale um novo vedante e ajuste-o
corretamente na sua sede usando a ferramenta
broca n.° 293475(1).

5. Instale um novo anel guarda-pó.

6. Monte o eixo de transmissão que alcança o eixo


dianteiro, encha a transmissão com o óleo
especificado, e ligue o cabo negativo na bateria.

13

73403960 - 05.2008
10 SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

CAIXA DE TRANSFERÊNCIA DA EMBREAGEM


ELETRO-HIDRÁULICA
Desmontagem - Instalação (Op. 23 202 46)
A desmontagem e a instalação da caixa de
transferência da embreagem eletro-hidráulica pode
ser feita com o alojamento da transmissão colocado
em uma bancada ou instalado no trator.

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Proceda do seguinte modo:


1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.
2. Se o alojamento da transmissão estiver
instalado no motor, drene o óleo dos
alojamentos da transmissão traseira e da caixa
de velocidades da embreagem e remova o eixo
de transmissão que alcança o eixo dianteiro
(consulte a página 8).

14
3. Desligue a linha de alimentação da tampa
inferior da caixa de transferência.

15
4. Remova a tampa inferior da caixa de
transferência.

16

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 11

5. Remova a proteção interna da caixa de


transferência.

17

6. Remova a linha de sucção do óleo.

18

7. Remova o anel guarda pó, o vedante do óleo e


os anéis de retenção que fixam os rolamentos
do eixo da caixa de transferência.

19

8. Retire o anel de ajuste do rolamento do eixo da


caixa de transferência.

9. Faça na oficina uma ferramenta braçadeira n.°


50069 seguindo as instruções dadas no
desenho da página 3.

10. Instale a ferramenta braçadeira n.° 50069 no


alojamento da transmissão para bloquear a
embreagem da tração à quatro rodas.

20

73403960 - 05.2008
12 SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

11. 12.Usando a ferramenta extrator n.° 292927 (1)


e a ferramenta de adaptação n.° 293996 (2)
retire parcialmente o eixo da caixa de
transferência.

21
12. Complete a desmontagem do eixo da caixa de
transferência manualmente e assegure-se de
que a embreagem seja mantida no lugar pela
ferramenta braçadeira n.° 50069 (3).

22

13. Remova a ferramenta braçadeira n.° 50069 e


retire a embreagem completa com o dispositivo
de controle do engate da tração à quatro rodas.

Nota: A ferramenta braçadeira n.° 50069 é


necessária para remover a caixa de transferência da
embreagem eletro-hidráulica quando o alojamento
da transmissão estiver instalado no trator. Se o
alojamento da transmissão estiver instalado numa
bancada proceda conforme a seguir:

23
14. Usando a ferramenta extrator n.° 292927 (1) e a
ferramenta adaptador n.º 293996 (2) retire
parcialmente o eixo da caixa de transferência.

24

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 13

15. Com o assento voltado para cima, complete a


remoção da caixa de transferência com uma
das mãos e segure a embreagem da tração à
quatro rodas fixada com a outra mão.

25
16. Remova a embreagem completa com
dispositivo de controle do engate da tração à
quatro rodas.

26

17. Remova a seção do tubo que protege o eixo da


caixa de transferência.

18. Revise a embreagem eletro-hidráulica da


tração à quatro rodas numa bancada do
seguinte modo:

19. Faça na oficina as ferramentas nos. 50067 e


50068 seguindo as instruções dadas no
desenho da página 3.

20. Coloque a embreagem numa prensa hidráulica


com os discos da embreagem voltados para
cima. 27

21. Instale na embreagem a ferramenta n.° 50068,


feita na oficina anteriormente.

22. Ultrapasse a resistência da mola da


embreagem com a prensa e remova o anel de
retenção que prende os discos da embreagem.

28

73403960 - 05.2008
14 SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

23. Liberte a prensa hidráulica e retire os discos da


embreagem junto com o anel de retenção, e
com os discos de reação e de libertação da
embreagem.

29
24. Coloque o conjunto da embreagem com as
molas voltadas para cima e instale a ferramenta
n.° 50067 na embreagem. Ultrapasse a ação da
mola usando a prensa hidráulica e remova os
dois anéis de guia que prendem as molas.

30

25. Solte a prensa hidráulica e retire as molas


completas e com o disco de reação.
26. Verifique as guarnições 0-ring quanto ao
desgaste e substitua se estiverem danificadas.
27. Para a reinstalação da embreagem siga o
procedimento de desmontagem ao inverso.
28. Coloque a embreagem completa com todas as
partes na prensa e com os discos voltados para
cima.
29. Instale na embreagem a ferramenta n.° 50068,
feita anteriormente na oficina,.

31

30. Ultrapasse a ação da mola da embreagem com


a prensa e usando um calibrador meça a folga
entre o anel de retenção e o disco de reação. A
folga deve estar entre 1÷1,2 mm. Caso isto não
aconteça, substitua o disco de reação
embreagem (9, página 4). Com o novo disco de
reação instalado, use de novo a prensa para
verificar se a folga entre o anel de retenção e o
disco de reação está entre 1 ÷ 1,2 mm.

32

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 15

31. 32.Instale a seção do tubo que protege a eixo


da caixa de transferência assegurando-se de
que o corte esteja voltado para cima.

33
32. Instale a embreagem no alojamento da
transmissão e se o alojamento da transmissão
estiver instalado no trator, prenda a embreagem
usando a ferramenta braçadeira n.° 50069 (3).
Instale o eixo da caixa de transferência.

33. Remova a ferramenta braçadeira n.° 50069 e


insira a pista externa do rolamento do eixo da
caixa de transferência na sua sede mantendo o
contato com os roletes.

34
34. Instale o anel de retenção que prende os
rolamentos do eixo da caixa de transferência.

35
35. Prenda a chave da ferramenta n.° 293995 (1) ao
eixo da caixa de transferência.

36

73403960 - 05.2008
16 SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

36. Prenda a ferramenta n.º 293995 (1) no


alojamento da transmissão. (Se necessário,
solte o pino da porca com rosca da ferramenta
para alinhar os furos do alojamento da
transmissão.)

37
37. Instale um medidor de nível e prenda-o no
alojamento da transmissão (não à ferramenta)
em sua base magnetizada. Posicione a ponta
do medidor no topo do eixo da caixa de
transferência.

38

38. Com a porca inferior completamente solta,


aperte manualmente a porca superior da
ferramenta n.° 293995 até que toque o copo
superior da mola. Em seguida dê mais uma
volta e meia. Quando atingir esta condição,
recoloque o medidor em zero.

39
39. Solte a porca superior da ferramenta n.° 293995
completamente e aperte manualmente a porca
inferior até que esta toque o copo inferior da
mola. Em seguida dê mais uma volta e meia.

40. Leia o deslocamento axial do eixo da caixa de


transferência (L) no medidor de nível. O
conjunto de calços de afinação (5, página 4) a
ser inserido entre o anel de retenção e a pista
do rolamento será como segue:

S1 = L - 0,05
onde:
L = deslocamento axial da caixa de transferência
lido no medidor 40

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1 17

0,05 = redução necessária para evitar o pré


carregamento do rolamento.
Arredonde o valor obtido para o menor valor dentro
de 0,05 mm.

41. Remova a ferramenta n.° 293995 do alojamento


da transmissão.

42. Remova o anel de retenção que prende os


rolamentos do eixo da caixa de transferência.

43. Insira os calços de afinação (1) conforme


previamente calculados.

44. Instale o anel de retenção que prende os


rolamentos do eixo da caixa de transferência.

41
45. Instale o vedante do óleo e assentando-o
corretamente usando a ferramenta de
posicionamento n.° 293475 (1). Finalmente,
instale o anel guarda pó.

42

46. Instale a linha do óleo de sucção.

47. Instale a proteção interna da caixa de


transferência.

43

73403960 - 05.2008
18 SEÇÃO 23 - EIXOS DE TRANSMISSÃO - CAPÍTULO 1

48. Limpe com cuidado e retire a massa das


superfícies concordantes entre o alojamento da
transmissão e a tampa inferior da caixa de
transferência. Aplique um dos compostos
vedantes especificados e listados na página 1,
Sec. 00, seguindo o padrão mostrado na figura.

44
49. Instale a tampa inferior da caixa de
transferência e ligue a linha de alimentação à
tampa.

45

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 1

SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL

Capítulo 1 - Eixo Mecânico Frontal

CONTEÚDO

Descrição Página
Especificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Torques de Aperto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Ferramentas Especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Cortes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Descrição e Funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Detecção de Avarias - Bloqueio do Diferencial Hidráulico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Remoção - Instalação - Reparo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

25 000 - ESPECIFICAÇÕES - TORQUES DE APERTO - CORTES - FERRAMENTAS ESPECIAIS -


DESCRIÇÃO E FUNCIONAMENTO - DETECÇÃO DE AVARIAS

ESPECIFICAÇÕES

Tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Direção, suporte de esforços,


articulada no centro
Pinhão e Engrenagem da Coroa Dentada - Diferencial
Taxa de redução do pinhão para engrenagem da coroa dentada . . . . . . . 10/34=1:3,4
Folga entre o pinhão e a engrenagem da coroa dentada . . . . . . . . . . mm 0,18 ÷ 0,23
Calços de afinação da ponta do cone (8, página 5) . . . . . . . . . . . . . . mm 2,3-2,4-2,5-2,6-2,7-2,8-2,9-3,0-
3,1-3,2-3,3-3,4-3,5
Calços de afinação (12) do rolamento do pinhão . . . . . . . . . . . . . . . . mm 2,2-2,25-2,3-2,35-2,4-2,45-2,5-
2,55-2,6-2,65-2,7-2,75-2,8-2,85-
2,9-2,95-3,00-3,05-3,10-3,15-
3,20-3,25-3,3-3,35-3,4-3,45
Calços de afinação (2) da ponta da engrenagem da coroa dentada . mm 1-1,1-1,2-1,3-1,4-1,5-1,6-1,7-1,8-
1,9-2
Folga entre a engrenagem lateral e a engrenagem do diferencial . . . mm 0,18
Espessura das anilhas de impulso (5) da engrenagem do diferencial mm 1,470 ÷ 1,530
Espessura das anilhas de impulso (3) da engrenagem lateral . . . . . . mm 1,4-1,5-1,6-1,7-1,8
Diâmetro da engrenagem do pino do diferencial (6) . . . . . . . . . . . . . . mm 24,939 ÷ 24,960
Diâmetro do furo do pinos nas engrenagens do diferencial (7) . . . . . . mm 25,040 ÷ 25,061
Folga de montagem dos pinos nas sedes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 0,080 ÷ 0,122
Diâmetro do cubo da engrenagem lateral (4) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 50,954 ÷ 51,000
Diâmetro do furo do cubo na caixa do diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . mm 51,100 ÷ 51,146
Folga de montagem das engrenagens laterais nas sedes . . . . . . . . . mm 0,100 ÷ 0,192
(continua)

73403960 - 05.2008
2 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

ESPECIFICAÇÕES

(continuação)
Conjunto do Bloqueio do Diferencial (110,120,130 e 140 HP)
Comprimento livre da mola (1, página 5) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm aproximadamente 87
Comprimento da mola comprimida, sob uma carga de
1888 ÷ 2035 N (192,5 ÷ 207,5 kg) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm aproximadamente 48
Conjuntos dos Veios do Eixo e da Articulação
Diâmetro do veio externo do eixo (7, página 6) nas buchas (8) . . . . . . . . mm 44,975 ÷ 45,000
Diâmetro interno da bucha (8) do tipo ajuste de pressão . . . . . . . . . . . . . mm 45,100 ÷ 45,175 (¹)
Folga de montagem dos veios do eixo nas buchas . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 0,100 ÷ 0,200
Interferência das buchas no ajuste nas sedes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 0,064 ÷ 0,129
Ajuste dos calços de afinação do rolamento do pino de articulação (10) . mm 0,10 - 0,15 - 0,20 - 0,25 - 0,30
Cubos do Redutor Planetário
Taxa de redução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16:(16+68) = 1:5,25
Espessura das anilhas de impulso (9) da engrenagem planetária . . . . . . mm 0,77 ÷ 0,83
Colunas de Suporte do Eixo Dianteiro
Folga do alojamento do eixo no suporte das colunas . . . . . . . . . . . . . . . . mm 0,3 ÷ 1,1
Folga máxima devida ao desgaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 2
Diâmetro da coluna de suporte (1) frontal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 62,720 ÷ 62,740
Diâmetro interno da bucha frontal do tipo de ajuste de pressão (2) . . . . . mm 62,80 ÷ 62,884 (1)
Folga de montagem entre a coluna (1) e a bucha (2) . . . . . . . . . . . . . . . . mm 0,060 ÷ 0,164
Diâmetro externo da bucha traseira (4) (do ajuste de pressão
no suporte do pinhão) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 115,527 ÷ 115,585
Diâmetro interno da bucha traseira (5) (do ajuste de pressão
no suporte da coluna) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 115,636 ÷ 115,711 (1)
Folga de montagem entre as buchas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 0,051 ÷ 0,184
Espessura das anilhas de impulso (3 e 6) do eixo dianteiro e do traseiro. . . . 4,90 ÷ 5,00

(¹) Dimensão final sem alargamento

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 3

TORQUES DE APERTO

DESCRIÇÃO Rosca Torques


Nm kgm
Eixo Dianteiro
Parafuso da engrenagem da coroa dentada para a caixa do M12x1,25 113 11,5
diferencial (C1);
Arruela do eixo do pinhão (C2); M40x1,5 Consulte a página 33
Parafuso do portador da engrenagem da coroa dentada/
M12x1,25 113 11,5
diferencial para o alojamento central (C3);
Parafuso dos pinos de articulação (C4); M14x1,5 Consulte as páginas 18-19
Arruela dos rolamentos do cubo da roda (C5); M90x2 consulte a página 15
Parafuso do Portador planetário (C6); M12x1,25 113 11,5
Parafuso das colunas dianteiras e traseiras para o eixo dianteiro
M12x1,25 113 11,5
(Ci, página 4);
Parafuso das tampas da caixa do diferencial (C2 página 4); M14x1,5 176 18
Parafuso ou porcas do eixo dianteiro para o motor (C3 página 4); 3/410 UNC 333 ÷ 373 34 ÷ 38
Parafuso do conjunto da embreagem e do conjunto do bloqueio
M8 19,6 2
do diferencial (C4, página 4);
Porca da aresta para o parafuso do disco de fixação M16x1,5 245 25

73403960 - 05.2008
4 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

FERRAMENTAS ESPECIAIS 293400 Calibrador universal para o


posicionamento do pinhão cônico
Aviso - As operações descritas nesta seção só X 293665 Chave para a porca de regulagem de
devem ser levadas a cabo utilizando as ferramentas registro do jogo do pinhão e coroa cônica
ESSENCIAIS que aparecem em baixo com o (de 100 e de 155 CV)
símbolo (X).
X 293798 Chave para a porca de regulagem de
Contudo, para uma maior segurança e para obter os
registro do jogo do pinhão e coroa cônica
melhores resultados ao mesmo tempo que poupa
(de 135 e de 160 CV)
tempo e esforços, recomendamos que estas
X 293880 Chave para a porca do cubo da roda (100
ferramentas essenciais sejam usadas em conjunto
e 115 CV)
com as ferramentas específicas que são
enumeradas em baixo e determinadas ferramentas X 293881 Chave para a porca do cubo da roda
que serão feitas segundo os desenhos de (135e160CV).
construção que são dados neste Manual. X 293882 Par de ganchos para extração do anel
interno do rolamento com rolos cônico do
Lista das Ferramentas Especiais necessárias para cubo da roda (dois)
efetuar as diferentes intervenções descritas nesta 292888 Pinos guia para a tampa do redutor
Seção. epicicloidal (M 12x1.25)
293460 Cavalete para revisão da ponte dianteira 293812 Pinos para a guia da montagem das
291517 Gancho para desmontagem - instalação rodas (M 16x1.25)
do eixo dianteiro da caixa do diferencial
X 293857 Extrator para o prisioneiro de articulação
293743 Suporte para revisão da engrenagem da junta de articulação do cubo da roda
cônica X 292161 Extrator para o anel externo do rolamento
X 293878 Chave inglesa para a porca do pinhão de do prisioneiro da articulação da junta de
transmissão do eixo dianteiro (100 e 115 articulação do cubo da roda
CV) X 292220 Adaptador para relevo da engrenagem
X 293879 Chave inglesa para a porca do pinhão de da junta de articulação do cubo da roda.
transmissão do eixo dianteiro (135 e 160 293889 Guia de montagem do veio do eixo
CV) dianteiro no alojamento dos pinos de
X 293438 Ferramenta para ajuste do rolamento do articulação (100 e 115 CV)
pinhão de transmissão 293888 Guia de montagem do veio do eixo
X 293510 Medidor do ajuste do rolamento do dianteiro no alojamento dos pinos de
pinhão de transmissão. articulação (135 e160 CV)
X 292903 Alicates de tração X 293876Ferramenta 292870 Kit universal de manômetros, juntas e
de fixação do pinhão de transmissão do tubos para o controle da pressão
eixo dianteiro (100 e 115 CV)
X 293877 Ferramenta de fixação do pinhão de
transmissão do eixo dianteiro (135
e160CV)

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 5

3
Cortes Transversais do Eixo Dianteiro

a. 110,120, 130 e 140 HP 6. Pino da engrenagem do diferencial


1. Mola 7. Engrenagens do diferencial
2. Calços de afinação do ajuste do rolamento da 8. Calços de afinação do ajuste da ponta do cone
engrenagem da coroa dentada do pinhão
3. Calços de afinação das anilhas de impulso da 9. Discos de acionamento da embreagem
engrenagem lateral 10. Discos acionados da embreagem
4. Engrenagens laterais 11. Vedantes
5. Calços de afinação das anilhas de impulso da 12. Calços de afinação do ajuste do rolamento do
engrenagem do diferencial pinhão

73403960 - 05.2008
6 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

Cortes Transversais das Colunas de Suporte e do Cubo do Redutor Planetário


6. Anilha de impulso traseira
1. Coluna de suporte frontal 7. Veio dos eixos externos
2. Bucha da coluna de suporte frontal 8. Buchas
3. Anilha de impulso frontal 9. Anilhas de impulso da engrenagem acionada
4. Bucha traseira (fixada na coluna de suporte) 10. Calços de afinação do ajuste dos pinos de
5. Bucha traseira (fixada no suporte do pinhão) articulação

DESCRIÇÃO E FUNCIONAMENTO
Os tratores de 110, 120, 130, e de 140 HP estão O conjunto do diferencial é composto de duas
equipados com um eixo dianteiro central articulado engrenagens planetárias. O movimento é
com as colunas de suporte e um suporte de eixo transferido para o cubo da engrenagem de redução
paralelo a linha central do trator. O suporte de eixo epicíclica através de uma junta universal auto
não tem juntas universais. lubrificada.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 7

Bloqueio do diferencial dianteiro


desengatado

Bloqueio do diferencal dianteiro


engatado

Óleo estático

Óleo sob pressão

5
CONJUNTO DO BLOQUEIO DO DIFERENCIAL DIANTEIRO (110, 120, 130 e 140 HP)
Quando o bloqueio do diferencial não está bloqueio do diferencial.
engatado, o solenóide (1, Fig. 43, página 27, Seção Quando o interruptor do painel de instrumentos é
35, Capítulo 1) está na posição de descarga (não ativado, o solenóide (1, Fig. 43, página 27, Seção
energizado) e portanto o óleo sem pressão 35, Capítulo 1) abre e dirige o óleo da bomba para
permanece estático dentro do encaixe sob a forma dentro do encaixe sob a forma de anel do pistão de
de anel do pistão (1). acionamento (1), onde ao vencer a resistência da
Nessas condições, a mola helicoidal (2) mantém mola (2) força e move o pistão que está bloqueando
separadas as mangas dentadas do controle do o diferencial.

73403960 - 05.2008
8 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

DETECÇÃO DE AVARIAS - BLOQUEIO DO DIFERENCIAL HIDRÁULICO

Problemas Causas Possíveis Soluções

O bloqueio do diferencial não 1. Nível do óleo do eixo Encha até o nível correto.
engata. dianteiro baixo
2. Filtro de óleo obstruído. Substitua o filtro.
3. Bomba hidráulica com Efetue a revisão ou substitua a
defeito. bomba.
4. Interruptor do bloqueio do Substitua o interruptor.
diferencial com defeito
5. O fornecimento de energia Restabeleça as ligações elétricas
não atinge o solenóide: e substitua as partes com defeito.
ligações separadas ou
danificadas, interruptor
remoto com defeito. Repare ou substitua o solenóide.
6. O solenóide do bloqueio do
diferencial (1, Fig. 43, página
27, Seção 35, Cap. 1)
encravado na posição de
descarga. Substitua os vedantes com
7. Fuga de óleo através dos defeito.
vedantes com conseqüente
queda de pressão (no pistão
ou na linha de alimentação). Substitua os discos de fricção.
8. Discos de fricção
desgastados (160CV) Repare ou substitua o solenóide.
O bloqueio do diferencial não 1. Solenóide do bloqueio do
desengata diferencial (5) encravado na
posição ligado Substitua a mola.
2. Mola de desbloqueio do
diferencial quebrada. Restabeleça as ligações elétricas
3. O fornecimento de energia e substitua as partes com defeito.
não atinge o solenóide:
ligações separadas ou
danificadas, interruptor Substitua o interruptor.
remoto com defeito.
1. Interruptor do bloqueio do
Com o bloqueio do diferencial
diferencial com defeito
engatado e o botão de controle
(ligado no interruptor para
colocado na posição n.° 3, o
LEVANTE RÁPIDO).
bloqueio do diferencial não
desengata quando se está
levantando os braços usando o
interruptor para LEVANTE Substitua o interruptor.
RÁPIDO.
1. Interruptor do bloqueio do
Com o bloqueio do diferencial
diferencial com defeito
engatado, o bloqueio do
(ligado a bomba do freio).
diferencial não desengata quando
os pedais do freio são
pressionados.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 9

CONJUNTO DO EIXO MECÂNICO


Desmontagem - Instalação (Op. 25 100 30)

PERIGO
Levante e manuseie todas as peças pesadas
servindo-se do equipamento de elevação com uma
capacidade suficiente.Certifique-se de que as
unidades e as peças estão apoiadas em cintos e
ganchos adequados.Verifique se não está
ninguém em volta da carga que vai ser elevada.

Proceda do seguinte modo:

Nota - O conjunto do eixo frontal pode ser separado


do trator tanto com o suporte do eixo removido do
trator, ou instalado no trator. As seguintes
operações dão em detalhes como remover o
conjunto do eixo frontal com o suporte do eixo ainda
instalado no trator. Para remover o suporte do eixo,
tome como referência a descrição da página 8,
Seção 23.

1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.

2. Abra e levante a tampa do motor.

3. Se o lastro dianteiro estiver colocado, passe um


cabo de nylon (1) na primeira fila do lastro,
desaperte a placa de apoio (2) e remova o lastro
utilizando um guincho.

4. Solte os parafusos de retenção da segunda fila


do lastro e faça deslizar para fora, um de cada
vez.

73403960 - 05.2008
10 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

5. Solte os parafusos de retenção e remova a


proteção do suporte do eixo.

6. Remova o anel de retenção (4) e faça deslizar a


manga (5) para fora.

8
7. Levante ligeiramente o trator usando um
guincho e um cabo de nylon (1) e coloque um
cavalete estacionário sob o cárter.

8. Prenda o eixo dianteiro relativo ao motor


usando cunhas de madeira. Solte os parafusos
de fixação e remova as rodas dianteiras.

10

9. Solte os cilindros das linhas de controle da


direção (3). Assinale as linhas e os respectivos
acessórios para auxiliar na remontagem.

11

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 11

10. Solte a linha de controle de bloqueio do


diferencial (1).

12
11. Solte os parafusos de fixação que prendem as
colunas de suporte dianteiro (3) e traseiro e
remova o eixo dianteiro usando um guincho e
dois cabos de nylon (2) (um de cada lado).

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.

12. Reinstale o conjunto do eixo dianteiro


observando o seguinte:
– A remontagem segue o procedimento de
desmontagem ao inverso dos passos de 13
número 11 ao passo 1.
– Aperte com os torques corretos conforme
descrito na página 3.

73403960 - 05.2008
12 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

CONJUNTO DA ENGRENAGEM PLANETÁRIA


Desmontagem - Instalação (Op. 25 108 30)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

A desmontagem e a instalação do conjunto da


engrenagem planetária podem ser executadas com
o eixo retirado do veículo e colocado na ferramenta
bancada n.° 293460, ou com o eixo ainda instalado
no trator. Neste caso, coloque um cavalete sob o
cárter do motor.
Remova os cilindros de potência da direção antes de
colocar o eixo na ferramenta bancada n.° 293460.

1. Drene o óleo dos cubos planetários.

2. Remova os parafusos de fixação do portador


planetário e prenda dois pinos de alinhamento
da ferramenta n.° 292888

14
3. Insira um extrator móvel no furo de drenagem
das velas e separe o portador planetário.

15

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 13

4. Remova o portador planetário e as


engrenagens.

16

5. Remova o anel de retenção da engrenagem


central.

17

6. Remova a engrenagem central.

18

7. Remova o anel de retenção traseiro da


engrenagem central.

19

73403960 - 05.2008
14 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

8. Liberte a porca de bloqueio dos rolamentos do


cubo da roda.

20
9. Remova a porca de bloqueio dos rolamentos do
cubo da roda usando a ferramenta chave
inglesa (1)n.° 293880 para os tratores de
110,120 e de 130 H P e a ferramenta n. °
293881 para os tratores de140HP.

21

10. Remova o anel da engrenagem.

11. Remonte o conjunto da engrenagem planetária


seguindo os procedimentos de desmontagem
ao inverso.

12. Reinstale o anel da engrenagem e a porca de


bloqueio dos rolamentos do cubo da roda.

22

13. Usando uma chave inglesa e a (1) ferramenta


chave inglesa n.° 283880 para os tratores de
110, 120 e de 130HP e a de n.°293881 para os
tratores de 140 HP, aplique gradualmente na
arruela (C5, página 3) um torque de 392 Nm (40
kgm) para os tratores de 110, 120 e de 130 H P
e de 490 Nm (50 kgm) para os tratores de 140
HP. Enquanto estiver apertando a porca,
continue a girar o cubo da roda para garantir
que os rolamentos estejam corretamente
assentados.

23

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 15

14. Coloque a arruela. Gire o cubo com a mão e


verifique se move-se sem agarrar ou sem folga.

15. Instale a engrenagem central, os anéis elásticos


e o portador planetário.

16. Antes da instalação do portador planetário,


limpe com cuidado e retire a massa das
superfícies concordantes e aplique uma
camada de 2 mm de um composto vedante
flexível. Consulte o padrão para aplicação de
vedantes na página 36.

17. Aperte com os torques corretos conforme


listados na página 3. 24

73403960 - 05.2008
16 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

CONJUNTO DO CUBO DA RODA E DOS PINOS


ARTICULADOS
Desmontagem - Instalação (Op. 25 108 38)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

O cubo da roda pode ser desmontado somente


depois de ser removido do conjunto redutor da
engrenagem planetária como descrito na página 13.
Proceda do seguinte modo:

1. Remova o cubo da roda.

2. Remova o esticador da direção, como descrito


na página 20.

25
3. Remova o lubrificador do pino articulado e os
parafusos de retenção. Monte um extrator
móvel no furo do lubrificador e remova o pino
articulado.

26

4. Remova o pino articulado e o alojamento


cuidando para não danificar a vedação interna.

5. Remonte o cubo da roda e o conjunto de pinos


articulados seguindo o procedimento de
desmontagem ao inverso. Ajuste os rolamentos
dos pinos articulados conforme descrito a
seguir.

27

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 17

6. Lubrifique as pistas externas do rolamento com


graxa AKCELA MULTIPURPOSE GREASE
215H EP e monte a tampa superior, sem calços
de afinação mas completa com a ferramenta n.º
292220 (2). Aperte os parafusos de fixação (C4,
página 3) com 113 Nm (11,5 kgm) para o trator
de 130 HP e com 176 Nm (18 kgm) para os
acima.

Nota - Para ajudar na montagem do conjunto de


pinos articulados, monte no veio do eixo a
ferramenta (1) guia n.° 293889 para os tratores de
130 e 140 HP

28
7. Monte a tampa inferior sem ajustar os calços de
afinação usando os três parafusos de retenção
que foram previamente lubrificados com óleo
para motor.

8. Aperte os três parafusos da tampa inferior de


modo intercalado e progressivo enquanto gira o
alojamento para eliminar o excesso de massa.

9. Usando um medidor de torque e a ferramenta


n.° 292220 (1) verifique se o torque requerido
para girar o alojamento dos pinos articulados
está entre 15 ÷ 25 Nm (de 1,5 ÷ 2,5 kgm),
excluído o valor de fuga. Caso seja diferente,
solte ou aperte os parafusos da tampa inferior. 29

73403960 - 05.2008
18 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

10. Com um torquímetro e a Ferramenta 292220


(1), assegurar-se de que o torque necessário
para girar a carcaça de esterçamento seja de
15-25 Nm. Ajustar os três parafusos inferiores
até conseguir o torque correto.

11. Medir a folga (H) criada entre a tampa inferior e


a carcaça em três lugares.

12. Calcular a média dos três valores medidos. A 30


espessura total dos calços de ajuste a serem
montados sob a tampa inferior é Calço S3= H -
0.20 mm.
Se necessário, arredondar o valor para os próximos
0,05 mm.

13. Inserir os calços sob a tampa inferior da carcaça


de esterçamento. Apertar com torque de 113
Nm.

14. Depois de haver girado a carcaça algumas


vezes para permitir o assentamento dos
componentes, assegurar-se de que o torque
necessário para girar a carcaça seja de 118-147
Nm.

15. Se o valor do torque medido for maior do que o


valor especificado, aumentar as espessuras
dos calços; se menor do que o valor
especificado, reduzir a espessura dos calços.

16. Remover a Ferramenta 2922220, montar as


graxeiras nas tampas superior e inferior e
lubrificar o conjunto. 31

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 19

POTENCIÔMETRO DO ÂNGULO DE
DIREÇÃO
SUBSTITUIÇÃO
– Passar os fios novos do potenciômetro através
do eixo dianteiro e instalar o potenciômetro
assegurando-se de que o mesmo fique
corretamente localizado nos pinos. Aplicar
silicone em volta do potenciômetro e ao longo
dos fios nos pontos em que fizerem contato
com a viga do eixo.
– Montar o semi-eixo, os calços de ajuste, e os
pinos superior e inferior.
– Colocar as rodas alinhadas para a frente.
Instalar o pino de acionamento do 32
potenciômetro com cuidado na parte superior
da carcaça até que o mesmo se localize na
Seção "D" do potenciômetro. Quando o pino
estiver assentado, o mesmo ficará a
aproximadamente 45 graus do parafuso do
furo de fixação. Girar o pino contra a pressão
da mola para permitir instalar o parafuso de
fixação.

NOTA: A calibração do sensor do ângulo de direção


precisa, então, ser feita de acordo com o
procedimento descrito na Seção 55, Capítulo 2.

33

73403960 - 05.2008
20 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

ENGRENAGEM DA COROA DENTADA/


TRANSPORTADOR DO DIFERENCIAL Instalação
- Desmontagem (Op. 25 102 15)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Coloque o eixo dianteiro na ferramenta bancada n.°


293460 e proceda do seguinte modo:

1. Drene o óleo dos cubos planetários e do


alojamento do eixo.

2. Remova a porca dos esticador da direção e


usando um extrator separe a junta da sua sede
nos alojamentos dos pinos articulados. Retire o
esticador da direção.

34

3. Remova os parafusos de retenção do portador


planetário e aperte dois pinos de alinhamento
da ferramenta n.° 292888.

35
4. Com o uso de um extrator corrediço apertado
nos furos de drenagem das velas solte o
portador planetário.

36

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 21

5. Remova o portador planetário.

37

6. Remova o anel de retenção da engrenagem


central.

38

7. Remova a engrenagem central.

39

8. Remova o anel de retenção traseiro da


engrenagem central.

9. Ligue o cubo da roda e o alojamento dos pinos


articulados num guincho e remova os pinos
articulados como descrito na página 17.

40

73403960 - 05.2008
22 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

10. Remova o cubo da roda e o alojamento dos


pinos articulados cuidando para não danificar
os vedantes internos.

41

11. Remova o parafuso que prende o semi-eixo.

42

12. Remova o semi-eixo e a junta universal e a


bucha do rolamento.

43

13. Remova dois dos parafusos que fixam a


engrenagem da coroa dentada/transportador
do diferencial no alojamento do eixo e aperte
dois pinos de alinhamento (1) nos furos.
Remova os parafusos restantes assegurando-
se de que a engrenagem da coroa dentada/
transportador do diferencial está suportada
firmemente pelos pinos de alinhamento (1).

44

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 23

14. Prenda a engrenagem da coroa dentada/


transportador do diferencial num guincho e
solte-a do alojamento do eixo.

15. Remonte a engrenagem da coroa dentada/


transportador do diferencial seguindo o
procedimento de desmontagem ao inverso e
observe o seguinte:

45
16. Para auxiliar a remontagem do alojamento do
cubo da roda e dos pinos articulados, monte a
ferramenta guia (1) n.° 293889 para os tratores
de 110,120 e de 130 HP e a n.° 293888 para os
trator de 140 H P no veio do eixo.

17. Ajuste os rolamentos do pino articulado como


descrito na página 18, passos de 6 a 15.

18. Instale a engrenagem central completa com os


anéis de retenção.

19. Instale o portador planetário.

20. Instale o esticador da direção. 46

21. Encha os cubos planetários e o alojamento do


eixo com a quantidade de óleo especificada.

22. Antes de remontar a engrenagem da coroa


dentada/transportador do diferencial, limpe com
cuidado e retire a massa das superfícies
concordantes e aplique uma camada de
composto vedante de 2 mm. Consulte o padrão
para aplicação de vedantes na página 36.

23. Aperte com os torques corretos, conforme


especificado na página 3.

73403960 - 05.2008
24 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

BLOQUEIO DO DIFERENCIAL DA EMBREAGEM


DIANTEIRA (110,120 e 130 HP)
Revisão (Op. 25 104 34)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Coloque a engrenagem da coroa dentada/


transportador do diferencial na ferramenta fixa n.°
293743. Proceda do seguinte modo:

1. Solte o dispositivo de fornecimento de óleo para


o bloqueio do diferencial.

2. Remova os parafusos de fixação superiores e


inferiores do alojamento externo da carcaça do
bloqueio do diferencial e instale nos furos dois
parafusos longos com no mínimo 70 mm. Solte
gradualmente os quatro parafusos restantes do
alojamento externo da carcaça do bloqueio do
diferencial para permitir a libertação gradual da
mola de desloquei do diferencial.
47
Nota - é essencial que os parafusos provisórios
tenham no mínimo 70 mm de comprimento pois os
parafusos normais para fixação do alojamento da
carcaça não permitem a completa libertação da
mola de desbloqueio do diferencial.

3. Solte finalmente os parafusos de 70 mm.

48

49

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 25

4. Remova o alojamento da carcaça da


embreagem completo com a mola de
desbloqueio do diferencial e o pistão de controle
do bloqueio do diferencial.

50
5. Remova o cabo de retenção da manga do
bloqueio do diferencial.

51

6. Remova a manga do bloqueio do diferencial.

52

7. Remova o anel de retenção do pistão de


controle do diferencial e solte as duas mangas
corrediças com as duas anilhas de impulso.

53

73403960 - 05.2008
26 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

8. Bata suavemente e de leve no pistão para


removê-lo do alojamento da embreagem na
carcaça.

54

9. Desmonte o pistão de controle do bloqueio do


diferencial.

10. Remonte os componentes do bloqueio do


diferencial da embreagem seguindo o
procedimento de desmontagem ao inverso e
observe o seguinte:

11. Verifique com cuidado se as duas guarnições 0-


rings do pistão estão em boas condições.

55

12. Monte o alojamento da embreagem na carcaça


completo com a mola de desbloqueio e o pistão
do transportador do diferencial usando os dois
parafusos com o mínimo de 70 mm de
comprimento. Aperte gradualmente para
comprimir a mola.

56

13. Instale os quatro parafusos originais da


embreagem, remova os parafusos de 70 mm e
instale os dois últimos parafusos da
embreagem nos seus respectivos locais.

57

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 27

PINHÃO DO EIXO DIANTEIRO E ENGRENAGEM


DA COROA DENTADA
Revisão (Op. 25 102 20)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

1. Remova a porca de retenção da engrenagem


da coroa dentada.

2. Solte a arruela de ajuste do rolamento da


engrenagem da coroa dentada usando a
ferramenta (1) chave inglesa n.º 293665 para as
unidade de 110,120 e de 130 HP e a n.° 293798
para as unidades de 140 H P.

58
3. Remova os parafusos que prendem a tampa da
engrenagem da coroa dentada/transportador
do diferencial.

59
4. Remova a engrenagem da coroa dentada e
retire os calços de afinação do ajuste
localizados do lado oposto da porca do anel de
ajuste.

60

73403960 - 05.2008
28 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

5. Remova o anel de retenção do eixo do pinhão.

61

6. Liberte a porca de bloqueio do eixo do pinhão.

62

7. Solte a porca de bloqueio do pinhão usando a


ferramenta chave de boca n.° 293878 (2) e a
ferramenta pinhão n.º 293876 (1) para as
unidades de 110, 120 e de 130 HP ou a
ferramenta n.° 293879 (2) e a ferramenta
pinhão n.° 293877 (1) para as unidades de 140
HP.

63

8. Retire a lingüeta da esfera (3).

64
73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 29

9. Retire o eixo do pinhão com batidas leves na


extremidade traseira do eixo do pinhão.

10. Remova os vedantes de óleo e o guarda-pó e


retire o rolamento e o espaçador traseiro.

11. Reinstale o conjunto do pinhão e da


engrenagem da coroa dentada observando o
seguinte:
– A remontagem segue os procedimentos de
desmontagem ao inverso dos passos de
número 10 ao passo 1.
– Consulte as figuras na página 5 para a correta
orientação das diferentes partes.
– Aperte com os torques corretos como descrito 65
na página 3.
– Faça os ajustes seguindo os procedimentos
recomendados nas páginas de 30 até 36.

73403960 - 05.2008
30 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

AJUSTES DO PINHÃO E DA ENGRENAGEM DA


COROA DENTADA
Determinação da pré carga para o rolamento do
eixo do pinhão (12, página 5).

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Proceda do seguinte modo:

12. Fixe a ferramenta n.° 293438 (1) em um torno,


instale as pistas internas do rolamento (2 e 4) e
o espaçador (3) e aperte completamente a boca
da ferramenta.

66

13. Usando um medidor de profundidade, meça a


dimensão (H1) entre o topo e o final da
ferramenta pino n.° 293438(1).

67
14. Desmonte o conjunto dos calços de afinação
anterior, lubrifique os rolamentos com óleo para
motor e remonte o conjunto completo, exceto o
espaçador (3, Fig. 9) na engrenagem da coroa
dentada/transportador do diferencial completo
com as pistas externas do rolamento que já
estão fixadas na ferramenta torno n.° 293743.
15. Aperte totalmente a boca da ferramenta n.°
293438 (1) e gire a ferramenta para assentar
corretamente os rolamentos.
16. Usando um medidor de profundidade, meça a
dimensão (H2) na ferramenta sob esta
condição.
17. A espessura do anel de ajuste (12) a ser
instalado é dado por: 68

S = H2 - H1 + 0,05 mm

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 31

Arredonde o valor obtido (12) para o anel de ajuste


para o próximo 0,05 mm se necessário

Nota - Quando completar o ajuste, não desmonte a


ferramenta do conjunto da engrenagem da coroa
dentada/ diferencial para o posterior ajuste da ponta
do cone.

AJUSTES DO PINHÃO E DA ENGRENAGEM DA


COROA DENTADA
Determinação da espessura do anel de ajuste do
ponta do cone (8, pagina 5).

Proceda do seguinte modo:

18. Monte a ferramenta n.° 293400 (1) na


engrenagem da coroa dentada/transportador
do diferencial completa com as pistas externas
do rolamento, com a porca de ajuste do
rolamento da engrenagem da coroa dentada,
com os calços de afinação do ajuste do
rolamento da engrenagem da coroa dentada
com os anéis de retenção e com as tampas do
alojamento do diferencial.

19. Aperte ou desaperte os cones (3) da ferramenta


n.° 293400 (1) para dirigir a ponta do medidor
de profundidade para a pista interna do
rolamento (2) e remova toda a folga entre os
cones e as pistas externas do rolamento da 69
engrenagem da coroa dentada.

20. Coloque a ponta do medidor de profundidade


em contato com a pista interna do rolamento (2)
e meça as dimensões obtidas (H3).

21. Determine a dimensão nominal correta (H5)


entre a linha central da engrenagem da coroa
dentada e a base mais larga do pinhão:

H5 = H4 ± C
onde:
H4 = 115 mm (110, 120 e 130 HP) e 122,5 mm (140
HP). Dimensão nominal entre a linha central da
engrenagem da coroa dentada e a base mais larga
do pinhão.
C = Fator de correção inscrito no pinhão, com o
prefixo + ou - caso seja diferente de 0, a ser
adicionado ou subtraído da dimensão nominal (H4),
dependendo do sinal.

22. A espessura do anel de ajuste (8, página 5) é


dada por:
S = H3 - H5
onde:
H3 = Leitura no medidor de profundidade
H5 = Dimensão nominal correta entre a linha central
da engrenagem da coroa dentada e a base mais
larga do pinhão.

73403960 - 05.2008
32 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

Exemplos (110,120 e 130 HP):

– Leitura do medidor de profundidade: H5 = 118


mm.

– Dimensão nominal entre a linha central da


engrenagem da coroa dentada e a base mais
larga do pinhão: H4 = 115 mm.

– Fator de correção: C = + 0,2 mm.

– Dimensão nominal correta: H5 = 115 + 0,2 =


115,2 mm

– Espessura do anel de ajuste:


S = 118 - 115,2 = 2,8 mm.

– Fator de correção: C = - 0,2 mm.

– Dimensão nominal correta: H5 = 115 - 0,2 =


114,8 mm.

– Espessura do anel de ajuste:


S = 118 - 114,8 = 3,2 mm.

– Fator de correção: C = 0 mm.

– Dimensão nominal correta: H5 = H4 = 115 mm.

– Espessura do anel de ajuste:


S = 118 - 115 = 3mm.

23. Remova as ferramentas universais n.° 293438


e 293400 do pinhão e do portador da coroa da
roda.

24. Monte o pinhão com as pistas internas do


rolamento, com o espaçador e com os anéis de
ajustes (11 e 8) conforme previamente
determinado.

25. Monte a guarnição 0-ring (1) no eixo do pinhão.

26. Faça deslizar o espaçador e a lingüeta de


esfera sobre o pinhão, depois de ter
cuidadosamente lubrificado a superfície externa
da esfera.

70

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 33

27. Monte a ferramenta pinhão (2) n.° 293876 para


as unidades de 110, 120 e de 130 HP e a n.°
293877 para as unidades de 140 HP.

28. Insira a ferramenta (1) chave inglesa n.° 293878


para as unidades de 110, 120 e de 130 HP e a
n.° 293879 para as unidades de 140 HP na
porca para ajuste.

71
29. Usando uma chave inglesa colocada na
ferramenta pinhão (2) segure o pinhão e com
um medidor de torque colocado na porca da
chave inglesa (1) exatamente como mostrado
na figura, aperte a porca (C2, página 3) para
294 Nm (30 kgm) enquanto gira o eixo do
pinhão para assentar os rolamentos
corretamente.

30. Usando a ferramenta medidor de torque n.°


293952 (1) montada na ferramenta (2) pinhão
n.° 293876 para as unidades de 110, 120 e de
130 HP ou a n.° 293877 para as unidades de
140 HP, verifique se o torque de giro do pinhão
está entre 0,5 ÷ 1 Nm (0,050 ÷ 0,100 kgm) sem 72
os vedantes de óleo (11, página 5) e o guarda-
pó. Se o torque de giro for menor que o
especificado, reduza os calços de afinação (12,
página 5); se for maior, aumente os calços.

31. Solte a porca e monte o vedante do óleo (11,


página 5) e o guarda-pó. Aperte a porca com
294 N (30 kg) girando o eixo do pinhão para
assentar os rolamentos corretamente.

32. Usando a ferramenta medidor de torque n.°


293952 (1) montada na ferramenta pinhão (2)
n.° 293876 para as unidades de 110,120 e de
130 HP ou a n.° 293877 para as unidades de
140 HP, verifique se o torque de giro do pinhão
é de 0,75 Nm (0,075 kgm) com os vedantes de
óleo (11, página 5) e o guarda-pó instalados.
Solte a porca e instale o anel de retenção no
eixo do pinhão.

73403960 - 05.2008
34 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

AJUSTE DO PINHÃO E DA ENGRENAGEM DA


COROA DENTADA
Ajuste dos rolamentos da engrenagem da coroa
dentada e da folga entre a engrenagem da coroa
dentada e o pinhão.

Proceda do seguinte modo:

33. Monte o conjunto do diferencial completo com a


engrenagem da coroa dentada, com as pistas
internas do rolamento da engrenagem da coroa
dentada na engrenagem da coroa dentada/
transportador do diferencial.
73

34. Insira as pistas internas no transportador da


engrenagem coroa dentada/transportador do
diferencial, monte a tampa da caixa do
diferencial e aperte os parafusos com 59 Nm (6
kgm). Solte os parafusos e aperte-os de novo
com 20 Nm (2 kgm).

35. Monte os calços de ajuste (2, página 5)


removidos durante a revisão do eixo e do anel
de retenção.

74
36. Com os rolamentos completamente
lubrificados, gire a engrenagem da coroa
dentada e ao mesmo tempo usando a
ferramenta (1) chave inglesa n.° 293665 para as
unidades de 110,120 e de 130 HP e a n.°
293798 para as unidades de 140 Hp aperte a
porca com 39 ÷ 59 Nm (4 ÷ 6 kgm) para garantir
que a folga entre os componentes seja
restabelecida.

37. Coloque o medidor em ângulo reto com o lado


externo de um dos dentes da engrenagem da
coroa dentada (1) e meça a folga entre o pinhão
e a engrenagem da coroa dentada.
75
38. Repita a medição em mais dois pontos
localizados a 120° um do outro e compare a
média (Gm) das três leituras com a folga
especificada de 0,18 ÷ 0,23 mm, com uma
média de 0,20 mm. Se a folga determinada for
maior do que a especificada, reduza o conjunto
final dos calços de afinação (2, página 5) a
serem montados. O conjunto final dos calços de
afinação (2, página 5) a ser montado na
engrenagem da coroa dentada/transportador
do diferencial é dado por:

76

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 35

S = Sp - { (Gm - 0,20) x 1,35}


onde:
Sp = Calço de teste de afinação montado na
engrenagem da coroa dentada/transportador do
diferencial

Gm = Folga média entre o pinhão e a engrenagem


da coroa dentada.

Se o valor calculado para a folga for menor do que o


especificado, aumente o tamanho do conjunto dos
calços (2, página 5) a ser montado, calculando o
valor como a seguir:

S = Sp + { (0,20 - Gm) x 1,35}


onde:
Sp = Calço de teste de afinação montado na
engrenagem da coroa dentada/transportador do
diferencial

Gm = Folga média entre o pinhão e a engrenagem


da coroa dentada

39. Monte o calço de afinação (2, página 1)


calculado e usando um medidor colocado em
ângulo reto na parte externa de um dos dentes
da engrenagem da coroa dentada, verifique a
folga entre o pinhão e a engrenagem da coroa
dentada está dentro do intervalo admissível de
0,18 ÷ 0,23 mm.

40. Usando a ferramenta (1) chave inglesa n.°


293665 para as unidades de 110, 120 e de 130
HP e a n.° 293798 para as unidades de 140 HP,
gire a porca de ajuste e usando a ferramenta
medidor de torque n.° 293952 (1).

verifique se o torque de giro entre o pinhão e o


rolamento da engrenagem da coroa dentada,
medido nas mesmas condições de quando verificou
o torque somente para o pinhão, é:

A2 = A1 + 1 ÷ 1,5 Nm (0,10 ÷ 0,15 kgm)


onde:
A2 = Torque de giro entre o pinhão e a engrenagem
da coroa dentada 77

A1 = Torque encontrado previamente somente para


o pinhão

0,1 ÷ 1,5 Nm (0,10 ÷ 0,15 kgm) = Torque de giro


medido somente para a engrenagem da coroa
dentada na extremidade do pinhão usando a
ferramenta chave inglesa n.° 293876 para as
unidades de 110, 120 e de 130 HP e a n.°293877
para as unidades de 140 HP e a ferramenta medidor
de torque n.° 293952.

78
73403960 - 05.2008
36 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

41. Aperte os parafusos da tampa (C2, página 4)


com um valor de torque de 176 Nm (18 kgm).

42. Instale a lingüeta de bloqueio e aperte e


desaperte a porca de ajuste até o dente mais
próximo.

43. Fixe a engrenagem da coroa dentada/


transportador do diferencial no alojamento do
eixo e depois de limpar com cuidado e retirar a
massa das superfícies concordantes aplique
uma camada de 2 mm massa vedante conforme
mostrado na figura abaixo.

79

Aplicação do vedante padrão para a coroa


portador da roda e para o portador planetário.

Os compostos vedantes a serem usados estão


listados na página 1, Seção 00.

80

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 37

CONJUNTO DO DIFERENCIAL DO EIXO


DIANTEIRO
Revisão (Op. 25 102 24)
Se o conjunto do diferencial foi revisado, a folga
entre as engrenagens planetárias do diferencial as
engrenagens laterais deve ser ajustada. Proceda do
seguinte modo:

1. Limpe com cuidado todos os componentes do


diferencial para remover todo o óleo que
poderia afetar o teste de folga.

2. Monte as duas engrenagens na caixa do


diferencial, sem anilhas de impulso.

3. Insira as engrenagens planetárias completas


com as anilhas de impulso e os pinos. Gire
algumas vezes os parafusos de fixação do pino
para impedir que os pinos caiam.

4. Coloque um medidor na caixa do diferencial.

5. Coloque a engrenagem lateral esquerda em


total contato com a engrenagem planetária e
depois empurre para fazer o contato com a
caixa do diferencial. Meça a folga (Gs) da
engrenagem lateral esquerda no medidor.

81
6. Repita para a engrenagem lateral direita e meça
a folga (Gd) da engrenagem lateral direita.
A folga especificada deve ser de 0,25 mm para
as unidades de 110, 120 e de 130 HP e de 0,30
mm para as unidades de 140 HP. Portanto, o
ajuste dos calços de afinação a serem
montados na caixa do diferencial são dados
por:
Ss = Gs - 0,25 mm engrenagem lateral
esquerda, unidades de 110, 120 e de 130 HP.
Sd = Gd - 0,25 mm engrenagem lateral direita,
unidades de 110, 120 e de 130 HP.
Ss = Gs - 0,30 mm Engrenagem lateral
esquerda, unidades de 140 HP.
Sd = Gd - 0,30 mm Engrenagem lateral direita, 82
unidades de 140HP.
7. Monte as anilhas de impulso com valor mais
próximo do valor obtido. Usando um medidor e
seguindo os procedimentos acima, verifique se
a folga da direita e da esquerda das
engrenagens laterais está próxima de 0,25 mm
para as unidades de 110,120 e de 130 HP e de
0,30 mm para as unidades de 140 HP.

73403960 - 05.2008
38 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

PINOS ARTICULADOS E ROLAMENTOS


Substituição (Op. 25 108 46 OU 25 108 47)

Se os pinos articulados estiverem difíceis de serem


desmontados, proceda do seguinte modo:

1. Remova os lubrificadores e os parafusos de


retenção dos pinos articulados.

2. Instale as chaves (1) da ferramenta n.° 293857.

3. Instale uma ferramenta placa (2) e fixe-a com os


parafusos usando porcas (5).

4. Instale o eixo de fixação (4) e aperte-o


completamente dentro do furo do lubrificador no
pino (6).

5. Aperte a porca (3) até retirar o pino.

83

6. Usando a ferramenta extrator n.º 292161 (1)


remova os rolamentos dos pinos articulados.

7. Remonte os rolamentos do pino articulado


usando um dispositivo de instalação adequado.

84

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 39

TESTE DE CONVERGÊNCIA DAS RODAS


DIANTEIRAS (Op. 44 511 80)

Quando o trator se move numa linha reta, as rodas


do trator com tração à quatro rodas devem estar
paralelas a linha central do trator. Uma pequena
convergência frontal de no máximo 6 mm, medida
entre as arestas das rodas, também é aceitável.

Verifique a convergência correta do trator com


tração à quatro rodas, como segue:

1. Encha os pneus dianteiros com a pressão


especificada.

2. Coloque a direção das rodas em meia volta,


com um raio da roda ao longo da linha central
do trator.

3. Verifique se as rodas estão paralelas com a


linha central do trator.

4. Meça a distância (1) entre as arestas internas


da roda na altura do cubo na parte da frente das
rodas.

5. Gire as duas rodas dianteiras em 180° e


verifique de novo a distância (2), na altura do
cubo, e desta vez na parte traseira das rodas.
Esta medida deve ser a mesma que a (1) ou
maior em até um máximo de 6 mm. A rotação de
180° das rodas é necessária para eliminar erros
de alinhamento das arestas.

85
6. Caso seja necessário ajustar a convergência
das rodas dianteiras, proceda do seguinte
modo:
Remova a porca (2) e retire a extremidade da
vareta (1) da sua sede.
Solte a porca de bloqueio (3) e aperte e
desaperte a extremidade da vareta (1) para
diminuir ou aumentar a distância (2, Fig. 1).
Insira a extremidade da vareta (1) na sua sede
e verifique a convergência como descrito nos
passos 4 e 5.
Quando a convergência estiver dentro do
especificado, aperte a porca de bloqueio (3)
com 180 Nm (18,3 kgm) e a porca (2) com 100
Nm (10,2 kgm).
86
Nota - A porca auto bloqueadora (2) deve ser
recolocada cada vez que for desmontada ou
desapertada.

73403960 - 05.2008
40 SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1

BLOQUEIO DO DIFERENCIAL DA EMBREAGEM


DIANTEIRA
Revisão (Op. 25 104 34)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Com o pinhão e a coroa do portador da roda


colocados na ferramenta de fixação n.° 293743.

Proceda do seguinte modo:

1. Remova o anel de retenção (3), alojamento na


carcaça (2), o disco da embreagem (4) o anel
de retenção do cubo (1).

87

2. Remova o anel de retenção (1), desmonte o


anel de reação (2) junto com os discos da
embreagem s (3) e o cubo do disco da
embreagem (4).

88
3. Remova a anilha de impulso (1), a anilha (2) e
liberte o rolamento (3).

89

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 25 - EIXO MECÂNICO FRONTAL - CAPÍTULO 1 41

4. Injete ar comprimido no dispositivo da entrada


de óleo e retire o pistão do bloqueio do
diferencial da embreagem (1).

90

5. Remova os parafusos que prendem (1) a placa


de suporte do bloqueio do diferencial (2). Retire
os vedantes de óleo (5, página 40).

6. Verifique se todas as superfícies corrediças dos


cilindros hidráulicos estão livres de arranhões e
em perfeitas condições.

7. Verifique os discos da embreagem quanto


desgaste ou imperfeições anormais. Substitua
se estiverem danificados.

8. Reinstale o conjunto do bloqueio do diferencial


observando o seguinte:
– A remontagem segue os procedimentos de 91
desmontagem ao inverso, desde o passo 5 até
o passo 1.
– Consulte as figuras na página 5 para a correta
orientação das diferentes partes.
– Verifique os vedantes e substitua se estiverem
danificados.
– Aperte com o torque correto como descrito na
páginas.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 1

SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA

Capítulo 1 - Tração Traseira Mecânica

ÍNDICE

Descrição Página
Especificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Torques de Aperto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Ferramentas Especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Cortes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Descrição e Funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Detecção de Problemas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Remoção - Instalação - Reparo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

27 000 - ESPECIFICAÇÕES - TORQUES DE APERTO - FERRAMENTAS - VISTAS EM CORTE

DESCRIÇÃO E FUNCIONAMENTO - DETECÇÃO E CORREÇÃO DE ANOMALIAS

PINHÃO, COROA E DIFERENCIAL - ESPECIFICAÇÕES

Relação pinhão e coroa:


Maxxum 165 e 180 com Range Command e todos os modelos
Maxxum 135 e 150 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10/43 = 1:4, 30
Folga pinhão e coroa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 0. 20 to 0. 28
Diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4-pinion
Controle bloqueio diferencial:
- Embreagem tipo "Cachorro" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Atuando através das engrenagens
dianteiras acionadas hidraulicamente
- Embreagem de discos múltiplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Atuando através do conjunto da
embreagem de discos múltiplos em
banho de óleo
Número de discos da embreagem:
- Discos acionados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . n. 7
- Discos acionadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . n. 7
- Espessura dos discos acionados (cada) . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 2. 85 to 2. 95
- Espessura dos discos acionadores (cada) . . . . . . . . . . . . . . . . . . » 1. 75 to 1. 85
Diâmetro alojamento pinhão diferencial (5, figuras 7 e 8) . . . . . . mm 28. 04 to 28. 061
Diâmetro mancal pinhão diferencial (6) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . » 27. 939 to 27. 960
Folga pinhão diferencial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . » 0.080 to 0.122
Assento cubo engrenagem planetária no diferencial
Casing dia. (4, figures NO TAG and NO TAG) . . . . . . . . . . . . . . mm 65.0
Side gear hub dia. (3) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . » 62. 8 to 63. 0

73403960 - 05.2008
2 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

FOLGA PINHÃO E COROA E DIFERENCIAL - ESPECIFICAÇÕES


(cont.)
Ajuste do rolamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ver páginas 47, 48, 50 e 51
Calços de ajuste do rolamento (5, Figura 6):
- modelo c/ bloqueio diferencial de embreagem tipo "Cachorro" . mm 1,40-1,45-1,50-1,55-1,60-1,65 1.70-
1.75-1.80-1.85-1.90-1.95 2.00-2.05-
2.10-2.15-2.20-2.25 2.30-2.35
- modelo c/ bloqueio diferencial embreagem discos múltiplos. . . mm 2.40-2.45-2.50-3.0-3. 1-3. 3-3.4-3.5-
3.6-3.7-3.8-3. 9-4.0
Ajuste rolamento do pinhão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ver páginas 49 e 52
Calços rolamento do pinhão (3, Fig.6) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 4.40-4.50-4. 60-4.70-4. 80-4. 85-
4.90-4. 95-5.00-5. 05-5. 10-5.15-
5.20-5.25-5. 30-5. 35-5.40-5.45-5.50-
5. 55-5. 60-5.65-5.70-5.75-5. 80-5.
85-5. 90-5. 95-6.00-6.05-6. 10-6.15-
6.20-6.30-6.40-6. 50-6.60
Rolamento e folga entre dentes da coroa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ver páginas 53, 54, 55 e 56
Calços disponíveis (item 21, Figura 7 e item 25, Figura 8) . . . . . mm 0. 15-0.20-0.50
Folga entre dentes engrenagem diferencial e pinhão . . . . . . . . . mm 0.20
Espessura arruela encosto engrenagem diferencial
(item 20, Figura 7 e item 24, Figura 8). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . » 2. 80-2.85-2.90-2.95-3.00-3. 053.10-
3.15-3.20-3. 25-3. 30
Folga axial engrenagem diferencial (cada) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . » 0.30
Ajuste folga axial engrenagem diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ver páginas 61 e 62

REDUÇÕES FINAIS - ESPECIFICAÇÕES

Tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Epicíclica, com três engrenagens de


dentes retos
Relações de redução:
- Modelos Maxxum 135 e 150 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12:(12+63)=1:6.25
- Modelo Maxxum 165 e 180 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14:(14+88)=1:7.28
Espessura arruelas encosto engrenagem planetária (8 e 10, Figuras
7 e 8) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 1
Espessura espaçador rolamento engrenagem planetária (9) . . . . . » 4.90 to 4.95
Ajuste rolamentos rolos cônicos roda de tração . . . . . . . . . . . . . . . . ver página 72

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 3

TORQUES DE APERTO

DESCRIÇÃO Rosca Torques


Nm kgm
Porca, eixo pinhão cônico (C1, Fig. 1) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M45x1.5 490 50
Porca, carcaça reduções finais (C2) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M14x1.5 176 18
Porca, disco da roda ao aro (C3). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M16x1.5 294 30
Porca, disco de aço ao cubo da roda (C4) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M18x1.5 255 26
Parafuso, cubo da roda no semi-eixo do rodado duplo (C5) . . . . . . . . . . . M16x1.5 294 30
Parafuso, disco RAIL no semi-eixo do rodado duplo (C7) . . . . . . . . . . . . . M16x1.5 294 30
Parafuso, eixo da roda de tração (C8) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M18x1.5 88 (*) 9 (*)
Parafuso, tampas coroa e diferencial (C9) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M10x1.25 54 5.5
Porca auto-travante, coroa (C10) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M12x1.25 137 14
Porca, bloco disco RAIL (C6). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M20x2.5 245 25
Porca, disco RAIL ao cubo da roda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M18x1.5 314 32
Porca, parafuso do contrapeso ao disco de aço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M16x1.5 294 30
Parafusos de fixação, contrapesos das rodas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M16x1.5 211 21.5
Parafuso Allen, contrapesos das rodas ao disco de ferro fundido. . . . . . . M16x1.5 186 19
Parafuso, suporte filtro e bomba ( C2 pag 3, seção 35, cap 3 ) . . . . . . . . M12x1.5 83 8.5
Porca, bloqueio do disco do CARRIL (C6) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M20x2,5 245 25
Porca, disco do CARRIL para o cubo da roda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M18x1,5 314 32
Porca, parafuso de peso para disco de aço da roda . . . . . . . . . . . . . . . . . M16x1,5 294 30
Parafusos de ligação, pesos da roda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M16x1,5 211 21,5
Parafuso sextavado, pesos da roda para disco de ferro fundido. . . . . . . . M16x1,5 186 19
Parafuso da tampa, bomba e apoio do filtro (Cs pág. 3 , sez.35, tampa 3) M12x1,5 83 8,5

(*) Ver procedimento de ajuste na página 72

73403960 - 05.2008
4 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 5

FERRAMENTAS ESPECIAIS 292870 Kit universal de manômetros, juntas e


tubos para o controle da pressão
Aviso- As operações descritas nesta Seção do X 293986 Ferramenta de ajuste da engrenagem
Manual devem ser levadas a cabo utilizando as planetária do diferencial
ferramentas ESSENCIAIS que aparecem em baixo
X 293811 Gancho de elevação do conjunto da
com o símbolo (X).
engrenagem de redução
Contudo, para uma maior segurança e para obter os
melhores resultados ao mesmo tempo que poupa 292400 Gancho de elevação da roda traseira.
tempo e esforços, recomendamos que estas
291221 Plataforma para revisão do diferencial.
ferramentas essenciais sejam usadas em conjunto
com as ferramentas específicas que são 292927 Macho de prensa.
enumeradas em baixo e determinadas ferramentas X 295026 Espaçador e casquilho (a ser utilizado
que serão feitas segundo os desenhos de com 293975 ou 293510).
construção que são dados neste Manual.
X 295026 Espaçador e casquilho (a ser utilizado
Lista de ferramentas especiais necessárias para com 293975 ou 293510).
levar a cabo as diferentes operações descritas nesta 295048 Espaçadores, dois (a serem utilizados
Seção. com 293975).

290090 Cavalete rotativo para a revisão da caixa


de velocidades
292320 Carro para engate e desengate de
grupos do trator
293812 Pinos para a guia da montagem das
rodas
291517 Gancho para levantar a caixa de
velocidades
293972 Suporte diantero de revisão eixo traseiro
(a ser utilizado em conjunto com
ferramenta 290090)
293973 Suporte traseiro para a revisão do eixo
traseiro (a ser utilizado em conjunto com
a ferramenta 290090)
X 293343 Chave de porcas para verificar o torque
de aperto do pinhão

292865 Ferramenta de verificação do torque de


aperto entre o pinhão e a engreangem
coroa dentada
X 293510 Ferramenta de ajuste do rolamento do
pinhão universal
X 293975 Ferramenta de ajuste do rolamento do
pinhão
X 293977 Espaçador (a ser utilizado em conjunto
com a ferramenta 293510 ou 293975)
X 293976 Espaçador (a ser utilizado em conjunto
com a ferramenta 293510 ou 293975)
293400 Instalador universal do pinhão
X 293994 Gancho de elevação do diferencial
engrenagem de coroa dentada
291525 Pinos de localização da tampa do
diferencial

73403960 - 05.2008
6 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

Ferramenta a ser construída para montar-desmontar as direcções finais (Ferramentas assinaladas


com o n.° 50091 - Dimensões em mm).
Construa ferramentas utilizando o material Aq 42 D.
1. Faça 2 pernas com o material C 40 H&T

Ferramenta a ser construída para montar-


desmontar as direcções finais (Ferramentas
assinaladas com o n.° 50078
– Dimensões em mm).

Construa ferramentas utilizando o material 38 NCD


4.

1. Faça um parafuso macho M12 DIN 580

2. Aplique o bloqueio do parafuso prisioneiro


Loctite 270.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 7

Ferramenta a ser construída para desmontar o


pino articulado do carreto intermédio da bomba
hidráulica (Marque a ferramenta com o n.° 50143
- Dimensões em mm)
Nota - Construa a ferramenta utilizando o material
UNI C 40.

Ferramenta a ser construída para desmontar o


parafuso da mancal do mancal do carreto
intermédio da bomba hidráulica (Marque a
ferramenta com o n.° 50140
- Dimensões em mm)
Nota - Construa a ferramenta utilizando o material
UNI C40.

73403960 - 05.2008
8 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

Corte Longitudinal do Eixo Traseiro

1. Eixo do pinhão de ranhura 5. Calço de afinação da ponta do cone


2. Mancal de roletes cônicos 6. Mancal de roletes cônicos
3. Calço de afinação para ajuste do rolamento do 7. Engrenagem de coroa dentada.
pinhão de ranhura 8. Cubo de engrenagem do diferencial
4. Roda fónica 9. Engrenagem do diferencial

Note - Durante a instalação, aplique composto de vedação líquida nas superfícies marcadas com o símbolo
X tal como descrito nas páginas 34 e 35.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 9

Corte Transversal do Eixo Traseiro (130 e 140 HP).

1. Tampa de rolamento da engrenagem de coroa 11. Engrenagens planetária de redução final


dentada 12. Eixo da Roda
2. Semi-eixo de saída diferencial 13. Vedante
3. Engrenagens laterais 14. Vedante
4. Caixa do diferencial 15. Portador Planetário
5. Engrenagens do diferenciais 16. Semi-eixo de saída diferencial
6. Cubo de engrenagem diferencial (5) 17. Pistão de controle do bloqueio do diferencial
7. Tampa do rolamento da engrenagem de coroa 18. Vedante
dentada 19. Engrenagem de coroa dentada
8. Anilha de Impulso 20. Anéis de ajuste da folga da engrenagem lateral
9. Espaçador do rolamento da engrenagem 21. Folga entre dentes do pinhão para a
planetária (11) engrenagem da coroa dentada e anéis de
10. Anilha do Impulso Ajuste dos rolamentos

Nota - Durante a instalação, aplique composto de vedação líquida nas superfícies marcadas com o símbolo
X tal como descrito nas páginas 34 e 35.

73403960 - 05.2008
10 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

DESCRIÇÃO E FUNCIONAMENTO

O conjunto do eixo traseiro transfere ao impulso da


transmissão para as direcções finais epicíclicas
através de um pinhão de ranhura e da união de
engrenagem de coroa dentada. As engrenagens de
ranhura são do tipo espiral e são apoiadas mancais
de roletes cônicos. O diferencial encontra-se
montado com quatro engrenagens planetárias e
bloqueio do diferencial hidráulico.
Em alguns modelos de tratores, o bloqueio do
diferencial é acionado pelas engrenagens de dentes
retos dianteiras controladas hidraulicamente.
Os conjuntos de engrenagem de redução final
epicíclica são controlados por um pinhão de ranhura
e um semi-eixo de saída da engrenagem de coroa
dentada, que também controla os freios.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 11

Bloqueio do diferencial traseiro desengatado Bloqueio do diferencial traseiro engatado

Óleo de pressão

Óleo estático

CONJUNTO DE BLOQUEIO HIDRÁULICO DO DIFERENCIAL TRASEIRO

Quando não for necessário bloquear o diferencial, o A pressão aplicada à maior superfície do pistão (1)
bloqueio do diferencial é mantido desengatado pela é muito mais forte do que a pressão atuando na
pressão do óleo atuando sobre a superfície do anel menor superfície do mesmo pistão (1) e, por
menor do pistão de controle (1). conseguinte, o pistão (1) move-se, engata as
mangas dentadas dianteiras e bloqueia o
Quando o interruptor no painel de instrumentos é diferencial.
ativado, o solenóide (1, Fig. 43, página 27, Seção
35, Capítulo 1) abre-se e conduz o óleo da bomba
para o anel maior do pistão de controle (1).

73403960 - 05.2008
12 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

DETECÇÃO DE PROBLEMAS - PINHÃO, ENGRENAGEM DE COROA DENTADA E DIFERENCIAL

Problemas Causas Possíveis Soluções

Eixo traseiro ruidoso quando o 1. Mau ajuste do rolamento do Remova o alojamento do eixo
trator se encontra em movimento pinhão ou da engrenagem da traseiro e ajuste corretamente o
e também quando a transmissão coroa dentada pinhão e os rolamentos da
se encontra em ponto neutro (a engrenagem da coroa dentada
origem do ruído não é (página 46).
proveniente das direcções finais)
2. Engrenagens planetárias e Remova o alojamento do eixo
laterais desgastadas ou mal traseiro, substitua as peças
ajustadas desgastadas e ajuste a folga da
engrenagem do diferencial
(página 60).
3. Folga excessiva entre as Remova o alojamento do eixo
engrenagens laterais do traseiro e substitua as peças
diferencial e a estria do meio- danificadas.
eixo
Eixo traseiro ruidoso quando o 1. Folga excessiva entre o Remova o alojamento do eixo
trator se encontra sob carga ou pinhão de ranhura e a traseiro e ajuste corretamente o
após a libertação desta engrenagem de coroa pinhão e os rolamentos da
dentada engrenagem da coroa dentada
(página 46).
2. Componente interior Remova o alojamento do eixo
avariado ou defeituoso. traseiro, substitua as peças
desgastadas e ajuste a folga da
engrenagem do diferencial
(página 60).
Eixo traseiro ruidoso 1. Folga insuficiente do pinhão Remova o alojamento do eixo
acompanhado de sobre- e/ou engrenagem de coroa traseiro e ajuste corretamente o
aquecimento dentada pinhão e os rolamentos da
engrenagem da coroa dentada
(página 46)
2. Folga insuficiente do pinhão Remova o alojamento do eixo
e/ou dente da engrenagem traseiro e ajuste corretamente a
de coroa dentada engrenagem de coroa dentada
(página 52).

DETECÇÃO DE PROBLEMAS - DIREÇÃO FINAL

Problemas Causas Possíveis Soluções

Direção final ruidosa quando o 1. Mau ajuste do rolamento do Remova a caixa de direção final e
trator se encontra em movimento eixo da roda. ajuste os rolamentos (página 71).
e também quando a transmissão Remova a caixa de direção final e
se encontra em ponto neutro 2. Componente interior substitua as peças danificadas.
avariado ou defeituoso.
Remova a caixa de direção final e
3. Folga em excesso entre o substitua as peças danificadas.
eixo da roda e a estria da
direção final

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 13

DETECÇÃO DE PROBLEMAS - BLOQUEIO DO DIFERENCIAL HIDRÁULICO

Problemas Causas Possíveis Soluções

Bloqueio do diferencial não 1. Nível do óleo do eixo traseiro Complete para corrigir o nível.
engata. inferior.
2. Filtro de óleo bloqueado. Substitua o filtro.
3. Bomba hidráulica avariada. Faça uma revisão ou substitua a
bomba.
4. Interruptor do bloqueio do Substitua o interruptor.
diferencial avariado
5. Fornecimento de energia não Reinicie a ligação elétrica e
atinge o solenóide: ligadores substitua as peças avariadas.
desligados ou danificados, Faça uma revisão ou substitua o
interruptor remoto avariado. solenóide.
6. O solenóide do controle do Faça uma revisão ou substitua o
bloqueio do diferencial (1, solenóide.
Fig. 43, página 27, Sec. 35,
Cap. 1) fica preso após a
descarga.
7. O óleo verte através dos Substitua os vedantes avariados.
vedantes causando descida
de pressão: vedantes da
linha de fornecimento do óleo
do pistão do cilindro.
O bloqueio do diferencial não 1. Interruptor de bloqueio- Substitua interruptor
desengata desbloqueio do diferencial
avariado
2. Fornecimento de energia não Reinicie a ligação elétrica e
atinge o solenóide: ligadores substitua as peças avariadas.
desligados ou danificados,
interruptor remoto avariado.
3. Solenóide de controle do Faça a revisão ou substitua o
bloqueio do diferencial preso solenóide.
após o transporte.
4. O óleo verte através dos Substitua os vedantes avariados.
vedantes causando queda de
pressão: vedantes da linha
de fornecimento ou pistão do
cilindro.
Com o bloqueio do diferencial 1. Interruptor de bloqueio do Substitua o interruptor.
engatado e o interruptor de diferencial avariado (ligado
controle em modo automático, o ao interruptor de Subida
bloqueio do diferencial não Rápida).
desengata quando se levantam
os braços de elevação utilizando
o interruptor de Subida Rápida.
Com o bloqueio do diferencial 1. Interruptor de bloqueio do Substitua o interruptor.
engatado, o bloqueio do diferencial avariado (ligado
diferencial não desengata quando aos interruptores de pressão
os pedais do freio são premidos. dos freios/interruptores dos
pedais).

73403960 - 05.2008
14 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

ALOJAMENTO DO EIXO TRASEIRO


Desmontagem - Instalação (Op. 27 100 10)

ATENÇÃO
Levante e manuseie todas as peças pesadas
servindo-se do equipamento de elevação com uma
capacidade suficiente.Certifique-se de que as
unidades e as peças estão apoiadas em cintos e
ganchos adequados.Verifique se não está
ninguém em volta da carga que vai ser elevada.

Remova o alojamento do eixo traseiro do seguinte


modo:
1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.
2. Abra e levante a tampa do motor.

3. Fixe a tampa do motor a um guincho utilizando


um fio de nylon (1) e desligue os apoios da
tampa (2) (um em cada lado).

10

4. Desaperte os parafusos de fixação (3) da tampa


do motor, desligue os ligadores elétricos das
luzes e remova a tampa utilizando o guincho.
Certifique-se de que não existem obstáculos ou
interferência por parte de outros componentes.

11

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 15

5. Desaperte os parafusos de retenção e remova


os painéis laterais (1) (um em cada lado).

12
6. Levante a traseira do trator com o auxílio de um
macaco e coloque dois cavaletes (2) de suporte
adequados debaixo das caixas dos redutores
laterais de modo que as duas rodas fiquem
afastadas do solo. Se necessário, desligue as
varetas de elevação dos braços inferiores.

13
7. Prenda a roda utilizando um cabo de nylon (3),
desaperte as porcas de retenção e remova a
roda. Repita o mesmo processo para a roda
esquerda.

14
8. Solte os dois parafusos do teto da cabine e fixe
a ferramenta n°. 295027 (4) utilizando dois
parafusos apropriados.Ligue a ferramenta a um
guincho utilizando o gancho n°. 290740 e
mantenha o gancho esticado.

15

73403960 - 05.2008
16 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

9. Desligue os ligadores das bombas e os tubos


do reservatório (1). Remova o reservatório.

16

10. Remova o contraceno e desligue a alavanca de


transmissão do controle do redutor suplementar
(2), solte o parafuso (3) de fixação do cabo de
controle do freio de estacionamento.

17

11. Remova o pino de bloqueio e retire o pino de


fixação da forquilha (4) na alavanca de controle
do freio de estacionamento. Solte a porca que
fixa o cabo na forquilha (4) e liberte o cabo.

18

12. Solte a porca de retenção e desligue o fio terra


(5) entre a cabine e o eixo traseiro.

19

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 17

13. Desaperte a braçadeira (1) e desligue o tubo de


respiração do depósito principal.

20
14. Desligue o cabo flexível da TDF sincronizada
(2) com a caixa de velocidades da respectiva
haste.

21
15. Desligue os dois ligadores (3 e 4) localizados
debaixo do pavimento da cabine.

22
16. Desligue os dois ligadores (5 e 6) que ligam o
motor à cabine.

23

73403960 - 05.2008
18 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

17. Desligue a ligação do radar, a ligação do filtro


do combustível (3), remova a proteção e
desligue os ligadores do motor de arranque.

24
18. Desligue o ligador de luz (5) localizado no
corrimão (repita este processo para ambos os
lados do trator).

25
19. Desligue as tubagens (6) que ligam o
aquecedor ao motor, localizadas debaixo da
dianteira à direita da cabine.

26

20. Solte a porca de retenção e desligue o cabo de


controle do acelerador da bomba de injeção.

27

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 19

21. Desligue os ligadores (1) dos cilindros principais


do freio e reservatório do fluido do freio.

22. Solte as juntas (2) e desligue as mangueiras


flexíveis de controle do freio.

23. Desaperte as mangueiras flexíveis que ligam o


cilindro principal do freio ao reservatório.

28
24. Desaperte as tubagens (4) de ligação do
distribuidor da guia hidrostática à respectiva
bomba.

29
25. Desligue as tubagens (5) de ligação do
distribuidor da guia hidrostática aos cilindros
hidráulicos de direção.

30

26. Desaperte as juntas e retire as tubagens do


sistema de ar condicionado (6).

31

73403960 - 05.2008
20 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

27. Solte a porca de retenção, deslize para fora o


contrapino e desligue o cabo de controle da
TDF (1).

32
28. Remova os contrapinos (2), desaperte os
parafusos de retenção (3) e desligue os cabos
flexíveis de controle da válvula auxiliar no lado
direito.

29. Se existirem válvulas também no lado


esquerdo, repita a fase 28 para estas válvulas.

33
30. Solte o parafuso de fixação dos degraus (6) à
braçadeira de suporte.

34

31. Solte o parafuso de fixação dos degraus (1) ao


pavimento da cabine.

32. Repita as fases 30 e 31 para remover os


degraus do lado oposto.

35

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 21

33. Levante o tapete do chão (2) no interior da


cabine e solte o parafuso de fixação da cabine
mantendo bloqueada a porca debaixo do
pavimento da cabine. Retire o parafuso e a
anilha. Repita este processo para ambos os
lados da cabine.

36
34. Solte os parafusos de fixação traseiros da
cabine (em ambos os lados).

35. Erga lentamente a cabine, certificando-se de


que não restam componentes ainda ligados,
enganchados ou a obstruírem a operação.
Remova a cabine e coloque-a num suporte
adequado.

37

36. Solte a vela (3) e drene o óleo dos alojamentos


da transmissão-embreagem e eixo traseiro para
um recipiente adequado (a quantidade
especificada é indicada na página 6, Seção 00).

38
37. Drene os depósitos de combustível e, de
seguida, solte a braçadeira (1) que retém as
tubagens de combustível entre os depósitos
principal e auxiliar.

39

73403960 - 05.2008
22 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

38. Solte a braçadeira e desligue o tubo (3) entre os


depósitos principal e auxiliar.

39. Desligue a tubagem de retorno do combustível


(2) da bomba para o depósito auxiliar. Remova
o depósito auxiliar.

40
40. Solte a braçadeira e desligue a tubagem de
alimentação da bomba de injeção (5). Desligue
os ligadores (4) e, de seguida, desaperte e
remova o conjunto do sensor de nível do
combustível.

41
41. Solte a porca da faixa de metal (6) que fixa o
tanque principal. Remova a faixa e o depósito.

42

42. Solte os parafusos de retenção e remova a


cabine e a braçadeira de apoio do depósito de
combustível (1). (Repita o mesmo processo em
ambos os lados do alojamento de transmissão).

43

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 23

43. Solte os parafusos de retenção e remova a


braçadeira de apoio do depósito principal (2).

44
44. Solte os parafusos de retenção e remova a
proteção do eixo de direção para o eixo
dianteiro.

45. Remova o anel elástico (4) e retire a manga (5).


Repita o processo para o anel elástico da caixa
de transferência e manga.

45

46. Solte os parafusos de fixação do rolamento de


apoio (3) ao alojamento da transmissão,
desligue e remova a tubagem (2) de controle de
bloqueio do diferencial dianteiro.

46

47. Deslize para fora o pino de articulação (1) e


remova a vareta de ligação superior.

47

73403960 - 05.2008
24 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

48. Fixe o suporte do gancho do reboque (1) a um


guincho, solte os parafusos de fixação e remova
o mesmo suporte.

48
49. Solte os parafusos de retenção e remova as
braçadeiras traseiras da cabine (2) (em ambos
os lados).

49

50. Solte os parafusos de retenção e remova as


braçadeiras (3) de articulação do estabilizador
telescópico (em ambos os lados).

50

51. Solte todas as juntas das tubagens (1) nas


válvulas auxiliares, válvula do elevador de
controle eletrônico, bomba com caudal variável,
válvula do freio do reboque e remova a própria
tubagem.

51

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 25

52. Solte e desligue as tubagens (1 e 2) da válvula


EDC.

52
53. Solte e remova a junta da tubagem de vazão (3)
do filtro da bomba com caudal variável.

53
54. Solte as braçadeiras e retire a manga (4) da
tubagem de vazão (3).

54

55. Solte os parafusos de retenção e remova as


duas válvulas (5) juntamente com a tubagem (2)
e o suporte respectivo.

55

73403960 - 05.2008
26 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

56. Desligue a ficha multipolar (1) e o terminal da


tubagem do freio do reboque (2) da braçadeira.

57. Solte os parafusos de retenção e remova a 56


braçadeira (3) de suporte da ficha multipolar e a
tubagem de freio do reboque.

57
58. Solte a porca de retenção e remova o tubo de
enchimento do óleo (4) da caixa da
transmissão.

58
59. Remova os parafusos de fixação e desligue as
válvulas auxiliares (5), juntamente com as
tubagens de vazão e retorno e com a respectiva
braçadeira.

59

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 27

60. Desligue a ligação do distribuidor do elevador


eletrônico (1).

60
61. Desligue as tubagens (2, 3, e 4) do distribuidor
do elevador hidráulico, da junta do corpo
elevador do distribuidor do elevador eletrônico
da válvula de freio do reboque,
respectivamente.

61

62. Remova os parafusos de retenção e desligue a


válvula do distribuidor do elevador eletrônico
(5).

62

63. Desligue as tubagens (6 e 7) do conjunto da


bomba com caudal variável e as tubagens (8)
da caixa de transmissão traseira.

63

73403960 - 05.2008
28 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

64. Solte os parafusos de retenção e remova a


válvula do freio do reboque (1), a braçadeira e
as tubagens desligadas na fase 63.

64
65. Desligue as seguintes ligações: (2) do sensor
de velocidade da TDF, (3) da ligação do sensor
de tração e (4) da altura máxima dos braços de
elevação.

65

66. Desligue as seguintes ligações: (5) do sensor


sincronizado de velocidade da TDF, (6) do
sensor de velocidade e (7, 8, e 9) do conjunto da
bomba de caudal variável. Remova o
contrapino e remova a haste de controle da TDF
sincronizada (10).

66

67. Desligue e remova as tubagens do elevador


hidráulico e de lubrificação da TDF (11,12, e
14). Remova o parafuso retentor (13) da
braçadeira da tubagem do freio.

67

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 29

68. Desaperte e remova a tubagem de alimentação


da guia hidrostática (1).

68
69. Desligue e remova a tubagem de ligação do
acumulador (2) à bomba.

69
70. Solte e remova a tubagem de controle do
desbloqueio do diferencial (3).

70

71. Ligue a bomba de caudal variável a um guincho,


solte os parafusos de fixação e remova o grupo.

71
73403960 - 05.2008
30 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

72. Faça deslizar para fora os pinos de articulação


e desligue as varetas de elevação (1).

72
73. Desligue a tubagem de vazão de óleo (2), retire
os pinos articulados (3 e 4) e remova o cilindro
suplementar.

73

74. Desligue a faixa de fixação do cabo elétrico do


sensor de velocidade da TDF.

74

75. Ligue a corrente n°. 291517(6) ao elevador e ao


guincho, desaperte os parafusos de retenção
do elevador e remova-o.

75

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 31

76. Solte os parafusos de retenção e remova o


sensor de altura máxima do braço de elevação
(1).

76
77. Remova os parafusos de retenção, faça
deslizar o sensor de tração para fora (2) com a
sua proteção (4) e a flange (3). Retire o braço
inferior (5). (Repita o mesmo para ambos os
lados).

77

78. Desligue a tubagem de controle da embreagem


da TDF (6).

78

79. Fixe um cabo de metal ao guincho e ao grupo


da TDF (7), solte os parafusos de fixação (8) e
remova o conjunto da TDF (7).

79

73403960 - 05.2008
32 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

80. Usando dois prisioneiros adequados, conectar


o suporte do sensor de esforço (1) a um cabo de
nylon. Prender o cabo de nylon a uma calha,
afrouxar os parafusos de fixação e remover o
suporte.

80
81. Desconectar e remover a haste de controle do
super-redutor (2) e o cabo do freio de
estacionamento (3)

81

82. Soltar o bloqueio do diferencial, o engate da


tração dianteira, o controle da TDF, e tubos do
freio da TDF do suporte do solenóide (4) e
carcaça do eixo traseiro e remover os tubos.

82

83. Afrouxar e remover os tubos de controle do freio


(5) da carcaça do eixo traseiro

83

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 33

84. Colocar o suporte No. 292320 com o carrinho


estacionário sobre a carcaça da transmissão e
os dois carrinhos móveis sob a carcaça do eixo
traseiro.

85. Fixar a Ferramenta 50091 (1) à carcaça da


redução final, prendê-la a uma talha, afrouxar
os parafusos de fixação e remover o conjunto
completo da redução final com a coroa,
espaçador, disco do freio e pistão de controle
do freio. (Repetir este processo para a redução
final do lado oposto).

84
86. Conectar a corrente No. 291517 (2) à carcaça
do eixo traseiro e à talha, tensionar a correia,
afrouxar os parafusos de fixação (3) e separar a
carcaça do eixo traseiro da carcaça da
transmissão.

ADVERTÊNCIA
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.

87. Reinstalar o conjunto da carcaça do eixo


traseiro na carcaça da embreagem de
velocidades -transmissão, observando o 85
seguinte:
– Montar na ordem inversa da desmontagem,
do item 86 até o item 1
– Verificar os vedadores e substituí-los se
estiverem danificados.
– Antes de montar as carcaças, os suportes e
as tampas, limpar bem e desengraxar as
superfícies de contato e aplicar um cordão de
junta química de aproximadamente 2 mm de
diâmetro de acordo com o mostrado nas
figuras das páginas 35 e 36.
– Apertar com o torque correto indicado nas
páginas 2 e 3.
88. Para auxiliar na instalação da carcaça da
redução final, aconselhamos posicionar o semi- 86
eixo (4) em seu assento no diferencial e disco
do freio

73403960 - 05.2008
34 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

87

Esquema para a aplicação do junta de vedação durante a reinstalação do: (a) alojamento de
transmissão-embreagem de velocidade para o alojamento do eixo traseiro; (b) caixas do redutor
suplementar no alojamento do eixo traseiro.

Os vedantes a serem utilizados encontram-se descritos na página 1, Seção 00

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 35

88

Esquema para a aplicação do junta de vedação durante a reinstalação de: (a) placas de fixação da
bomba hidráulica; (b) elevador hidráulico; (c) alojamento da TDF; (d) apoio da barra flexível; (e)
braçadeira do freio de estacionamento; (f) tampa inferior do alojamento do eixo traseiro.

Os vedantes a serem utilizados encontram-se descritos na página 1, Seção 00.

73403960 - 05.2008
36 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

ALOJAMENTO DO EIXO TRASEIRO


Substituição (Op. 27 100 85)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos, as luvas e os sapatos de
proteção.

Para substituir o alojamento do eixo traseiro, é


necessário, em primeiro lugar, desligar o alojamento
do eixo traseiro do alojamento de transmissão. De
seguida, proceda do seguinte modo:
1. Remova o anel elástico (1) de bloqueio da
engrenagem de controle das bombas
hidráulicas.

89

2. Retire a engrenagem (1) de controle das


bombas hidráulicas (1) e retire o espaçador.

90

3. Remova o anel elástico de retenção do


rolamento do eixo da TDF.

91

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 37

4. Retire o eixo de controle da TDF e o rolamento


(1) de suporte.

92
5. Coloque o alojamento do eixo traseiro no
cavalete rotativo n.º 200090 utilizando uma
braçadeira dianteira n.º 293972 (1) e uma
braçadeira traseira n.º 293973 (2).

93

6. Solte os parafusos de fixação e remova o


conjunto de controle do freio de estacionamento
(1).

94

7. Solte as tubagens de controle de bloqueio do


diferencial (1).

95

73403960 - 05.2008
38 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

8. Retire as tubagens de controle de bloqueio do


diferencial (1).

96
9. Solte os parafusos de retenção e retire a tampa
inferior da caixa de transferência.

97

10. Endireite as lingüetas de bloqueio, desaperte os


parafusos e remova a proteção interior da caixa
de transferência.

98

11. Solte o pino de articulação e retire o grupo (1)


de transmissão do esforço da barra de flexão.

99

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 39

12. Remova o anel elástico de retenção (2) da


engrenagem (1) de controle da TDF
sincronizada com a caixa de velocidades.

100
13. Utilizando uma ferramenta adequada, empurre
a alavanca (1) para o lado e liberte a
engrenagem acima mencionada (2, Fig. 12).
Remova a engrenagem.

101

14. Remova o anel elástico de retenção (1) e


deslize para fora o eixo de controle da TDF
sincronizada (2) e o rolamento.

102

15. Retire o pino elástico e remova a alavanca (1)


de controle da TDF sincronizada com a caixa de
velocidades.

103

73403960 - 05.2008
40 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

16. Solte o parafuso de retenção utilizando o


adaptador n.° 50140 (1, consulte a página 6) e
instale o macho de prensa n.° 292927.

104
17. Utilizando o adaptador n°. 50143 (1, consulte a
página 6) e o macho de prensa n°. 292927,
retire o pino e recupere a engrenagem, os
rolamentos e o calço de afinação.

105

18. Remova a mola (2) utilizando um gancho (1)


adequado.

106

19. Desligue a presilha de bloqueio (1) .

107

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 41

20. Remova os pinos elásticos, retire a alavanca (1)


e recupere a forquilha.

108
21. Coloque o alojamento da transmissão na
posição vertical, fixe a ferramenta n°. 293994
(1) na engrenagem de coroa dentada e fixe-a a
um equipamento de elevação adequado.

109

22. Solte os parafusos de fixação, remova o suporte


da coroa dentada/diferencial (1) em ambos os
lados, retire a engrenagem de coroa dentada e
remova a proteção interior de metal.

110

23. Remova o pistão de controle do freio (1)


utilizando ar comprimido e retire as presilhas de
ambos os lados.

111

73403960 - 05.2008
42 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

24. Desmonte o tubo de sucção do óleo.

112
25. Remova o anel guarda-pó, o vedante e o anel
elástico de retenção do rolamento do eixo da
caixa de transferência.

113

26. Retire o anel de ajuste do rolamento do eixo da


caixa de transferência.

114

27. Utilizando um macho de prensa n.° 292927 (1)


e um adaptador n.° 293996 (2) retire
parcialmente o eixo da caixa de transferência.

115

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 43

28. Com uma mão, remova o eixo da caixa de


transferência e com a outra mantenha fixa a
embreagem de engate da tração às quatro
rodas.

116
29. Remova a embreagem de engate de tração às
quatro rodas.

117

30. Remova o tubo de proteção do eixo da caixa de


transferência.

118

31. Retire a porca anteriormente pressionada,


bloqueie o pinhão e utilizando uma chave n.°
293343(1), desaperte a mesma porca.

119

73403960 - 05.2008
44 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

32. Utilizando um extrator universal (1), retire


parcialmente o pinhão cônico.

120
33. Desmonte o extrator universal e remova o
rolamento dianteiro (1).

121
34. Deslize o pinhão para fora e retire as peças
interiores através do compartimento do freio de
estacionamento.

122

35. Deslize o rolamento para fora (1) a partir do


pinhão utilizando o extrator com guilhotina e
uma prensa hidráulica.

123
73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 45

36. Remova o anel externo (1) do rolamento


traseiro do pinhão (1) e recupere o calço de
afinação (S).

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.
37. Reinstale todos os componentes no alojamento
do eixo traseiro tendo em consideração os
seguintes aspectos:
– Limpe cuidadosamente o alojamento,
especialmente os compartimentos internos. 124
– A remontagem segue o processo de
desmontagem pela ordem inversa, desde a
fase 36 à fase 1.
– Consulte as figuras nas páginas 7, 8, e 9 para
a posição correta e orientação das diferentes
peças.
– Aperte para corrigir os torques tal como
descrito nas páginas 2 e 3.
– Antes de voltar a montar os alojamentos, os
suportes e as tampas, limpe cuidadosamente
e sem resíduos de massa as superfícies
concordantes e aplique um filete de junta de
vedação de aproximadamente 2 mm. de
diâmetro seguindo a ordem indicada nas
figuras das páginas 34 e 35.
– Durante a instalação do pinhão cônico,
proceda aos ajustes tal como descrito nas
páginas 46-51.
– Durante a instalação da engrenagem de
coroa dentada, proceda às operações
descritas desde a fase 63 na página 52 para
ajustar os rolamentos de roletes cônicos e
para a concordância correta das
engrenagens de coroa dentada.
– Durante a instalação do conjunto de
engrenagem lenta de direção da bomba
hidráulica, ajuste os rolamentos de roletes
cônicos tal como descrito na página 56.
– Instale e ajuste os rolamentos da caixa de
transferência tal como descrito nas páginas
15, 16, 17, Seção 23, Capítulo 1.
– Consulte a Seção 21, Capítulo 1 para ajustar
o nível de controle do redutor suplementar.

73403960 - 05.2008
46 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

PINHÃO E ENGRENAGEM DA COROA DENTADA


AJUSTES
Determinando a espessura do anel de ajuste da
ponto do cone (5, página 7) utilizando a
ferramenta universal n.º 293510.

Proceda do seguinte modo:


38. Monte a ferramenta n.° 293976 (1) juntamente
com o anel do rolamento traseiro do pinhão (2)
no alojamento do eixo traseiro

125

39. Coloque o rolamento traseiro juntamente com o


casquilho n.º 293636 (1) da ferramenta
universal n.º 203510 (1) no alojamento do eixo
traseiro e insira a extremidade final (2) na
ferramenta universal.

Nota - Coloque o espaçador n.º 295026 nos


rolamentos para tratores equipados com
transmissão de SEMI-POWER SHIFT.

126

40. Monte a ferramenta universal n.° 293510


juntamente com a bucha n.° 293638 (1),
espaçadores nos. 293619 e 293625 (2) e um
rolamento dianteiro. Aperte o volante até o
ponteiro indicar 175 kg enquanto roda a
ferramenta para assentar os rolamentos.

127

41. Coloque uma ferramenta universal n.º 293400


(1) nas tampas da engrenagem de coroa
dentada (2) juntamente com os anéis externos
dos rolamentos.

128

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 47

42. Ponha a vareta da ferramenta em contato com


o anel interno do rolamento. Anote a dimensão
(H1).

43. Determine a dimensão nominal correta (H2)


entre o centro da engrenagem da coroa
dentada e a base mais larga do pinhão:

H2 = H3 ± C
onde:
H3 = 183 mm. Dimensão nominal entre o centro da
engrenagem da coroa dentada e a base mais larga
do pinhão para tratores equipados com
transmissões de SEMI-POWER SHIFT.
C = O factor de correcção gravado no pinhão, 129
expresso em mm e cujo prefixo pode ser + ou - se o
valor for diferente de 0, deve ser adicionado ou
subtraído à dimensão nominal (H3, dependendo do
sinal.
44. A espessura do anel de ajuste (S1) é calculada
do seguinte modo:

S1= H1 + 35 - H2
onde:
H1 = Leitura do manômetro de profundidade
35 mm = Espessura do casquilho n.º 293976 (1, fig.
37).
H2 = Dimensão nominal correta entre o centro da
engrenagem da coroa dentada e a base mais larga
do pinhão.
Se necessário, arredonde o valor (S1) para os
próximos 0,05 mm.

Exemplos:
– Leitura do manômetro de profundidade:: H1 =
146,9 mm
– Espessura do casquilho n.º 293976 (1, fig. 37) =
35 mm
– Dimensão nominal entre o centro da
engrenagem da coroa dentada e a base mais
larga do pinhão. H3 = 180 mm
– Factor de correcção: C = + 0,1 mm
– Dimensão nominal correta: H2 = 180 + 0,1 =
180,1 mm
– Espessura do anel de ajuste
– S1 =146,9 + 35 - 180,1 = 1,8 mm
– Factor de correcção: C = - 0,1 mm
– Dimensão nominal correta : H2 = 180 - 0,1 =
179,9 mm
– Espessura do anel de ajuste::
– S1 = 146,9 + 35 - 179,9 = 2,0 mm
– Factor de correcção C = O mm
– Dimensão nominal correta: H2 = H3 = 180 mm
– S Espessura do anel de ajuste :
– S1 = 146,9 + 35 -180 =1,9 mm
45. Remova a ferramenta universal n.° 293400.

73403960 - 05.2008
48 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

AJUSTES DO PINHÃO E DA ENGRENAGEM DE


COROA DENTADA
Determinando a espessura do anel de ajuste (3,
página 7) dos rolamentos do mancal cônico do
eixo do pinhão utilizando a ferramenta universal
n.° 293510.
Proceda do seguinte modo:
46. Utilizando um manômetro de profundidade,
meça a dimensão (H4).

47. Remova a ferramenta universal n.° 293510 do


alojamento do eixo traseiro e fixe-o utilizando a
peça n.° 293617 (2).
130
48. Insira os casquilhos n.°s 293636 e 293638, os
espaçadores nos. 293619 e 293625, os anéis
internos dos rolamentos, um calço de afinação
de teste (P) para evitar interferência do
rolamento na engrenagem, espaçador n.°
293977 (1) e as peças indicadas na figura.

49. Coloque o ponteiro da ferramenta nos 175 kg e


meça a dimensão (H5) utilizando o manômetro
de profundidade.

50. A espessura correta para o anel de ajuste (S2)


é calculada do seguinte modo:

S3 = H5 + P + S1 - H4 + 0,2
131
onde:
P = Calço de afinação de teste
S1 = Calço de afinação da ponta do cone, tal como
descrito no parágrafo anterior.
0,2 mm = Aumento necessário para compensar o
aumento da pré-carga do rolamento derivada do
aperto da porca de bloqueio do eixo do pinhão

Se necessário, arredonde o valor (S2) para os


próximos 0,05 mm.

Exemplos:
– Calço de afinação da ponte do cone, calculado
no parágrafo anterior: S1 = 1,8 mm
– Leitura do manômetro de profundidade: H4 =
74,30 mm
– Calço de afinação de teste: P = 2 mm
– Leitura do manômetro de profundidade:
H5 = 75,80 mm.
– Espessura do anel de ajuste.
S2 = 75,80 + 2 + 1,8 - 74,3 + 0,2 = 5,5 mm

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 49

AJUSTES DO PINHÃO E DA ENGRENAGEM DA


COROA DENTADA
Para determinar a espessura do anel de ajuste da
ponto do cone (5, página 7) utilizando a
ferramenta universal n.° 293975.

Proceda do seguinte modo:

51. Monte a ferramenta n.° 293976 (1) juntamente


com o anel do rolamento traseiro do pinhão (2)
no alojamento do eixo traseiro.

132

52. Monte a ferramenta n.° 293975 (1) juntamente


com os rolamentos no alojamento do eixo
traseiro. Bloqueie a porca enquanto roda os
rolamentos.

Note - Coloque o espaçador n.° 295026 nos


rolamentos para tratores equipados com
transmissões de SEMI-POWER SHIFT.

133

53. Monte a ferramenta universal n.° 293400 (2)


nas tampas da engrenagem de coroa dentada
(1) juntamente com os anéis externos de
rolamentos.

54. Coloque a vareta da ferramenta n.° 293400 (H)


em contato com o anel interno do rolamento e
meça a dimensão (H1).

55. Determine a dimensão nominal correta (2) entre


o centro da engrenagem da coroa dentada e a
base mais larga do pinhão:

H2 = H3 ± C 134
onde
H3 = 183 mm. A dimensão nominal entre o centro da
engrenagem da coroa dentada e a base mais larga
do pinhão para tratores equipados com
transmissões de SEMI-POWER SHIFT.
C = O factor de correcção gravado no pinhão,
expresso em mm e cujo prefixo pode ser + ou - se o
valor for diferente de 0, deve ser adicionado ou
subtraído à dimensão nominal (H3), dependendo do
sinal.

73403960 - 05.2008
50 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

56. A espessura do anel de ajuste (S) é calculada


do seguinte modo:
S1 = H1 + 35 - H2
onde
H1 = Leitura do manômetro de profundidade
35 mm = Espessura do casquilho no 293976 (1,
fig. 44).
H2 = Determine a dimensão nominal correta
entre o centro da engrenagem da coroa dentada
e a base mais larga do pinhão.
Se necessário, arredonde o valor (S) para os
próximos 0,05 mm.

Exemplos:
– Leitura do manômetro de profundidade: H1 =
146,9 mm
– Espessura do casquilho n.° 293976 (1, fig. 44) =
35 mm
– Dimensão nominal entre o centro da
engrenagem da coroa dentada e a base mais
larga do pinhão: H3 = 180 mm
– Factor de correcção: C = - 0,1 mm
– Dimensão nominal correta: H2 = 180 - 0,1 =
179,9 mm
– Espessura do anel de ajuste :
– S1 = 146,9 + 35 - 179,9 = 2,0 mm
– Factor de correcção: C = +0,1 mm
– Dimensão nominal correta: H2 = 180 + 0,1 =
180,1 mm
– Espessura do anel de ajuste:
– S1 = 146,9 + 35 - 180,1 = 1,8 mm
– Factor de correcção: C = 0 mm
– Dimensão nominal correta: H2 = H3 = 180 mm
– Espessura do anel de ajuste :
– S1 = 146,9 + 35 - 180 = 1,9 mm

57. Remova a ferramenta universal N.° 293400.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 51

AJUSTES DO PINHÃO E ENGRENAGEM DA


COROA DENTADA
Para determinar a espessura do anel de ajuste (3,
página 7) dos rolamentos do mancal cônico do
eixo do pinhão utilizando a ferramenta especial
n.° 293975.
Proceda do seguinte modo:

58. Utilizando um manômetro de profundidade,


meça a dimensão (H6) entre a extremidade da
ferramenta n.° 293975 (1) e a extremidade do
parafuso interior.

59. Remova a ferramenta n.° 293975 do alojamento 135


do eixo traseiro.

60. Fixe a ferramenta n.° 293975 num torno, monte


todas as peças nele incluindo um calço de
afinação de teste (P) e um espaçador n.°
293977 (1).

61. Aperte a porca da ferramenta para bloquear a


ferramenta e, utilizando um manômetro de
profundidade, meça a dimensão (H7) entre a
extremidade da ferramenta e a extremidade do
parafuso interior.

62. A espessura do anel de ajuste (S2) é calculada


do seguinte modo:

S2 = H6 + P + S1 - H7 + 0,2
onde:
P = Calço de afinação de teste
S1= Calço de afinação de ajuste da ponta do cone,
tal como calculado no parágrafo anterior.
0,2 mm = Aumento necessário para compensar o
aumento da pré-carga do rolamento derivada do
aperto da porca de bloqueio do eixo do pinhão Se 136
necessário, arredonde o valor (S2) para os próximos
0,05 mm

Exemplo
– Calço de afinação de ajuste da ponta do cone,
tal como calculado no parágrafo anterior: S1=
1,8 mm
– Leitura do manômetro de profundidade:
H6 = 13,60mm
Calço de afinação:P = 2 mm
Leitura do manômetro de profundidade:
H7 =12,10 mm
Espessura do anel de ajuste.
S2 = 13,60 + 2 + 1,8 - 12,1 + 0,2 = 5,5 mm

73403960 - 05.2008
52 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

AJUSTES DO PINHÃO E DA ENGRENAGEM DA


COROA DENTADA
Ajuste da folga entre os rolamentos da
engrenagem de coroa dentada e a engrenagem
de coroa dentada e o pinhão.

Proceda do seguinte modo:

63. Monte o anel exterior do rolamento traseiro (1)


e os anéis de ajuste (S1) tal como nos ajustes
anteriores.

137

64. Monte o pinhão completo, (1) juntamente com


todos os componentes e respectivos anéis de
ajuste dos rolamentos (3, página 7) tal como
calculado durante os ajustes anteriores. Se
necessário, segure o pinhão utilizando uma
ferramenta adequada.

Note - Os calços de afinação da ponte do cone e do


rolamento do pinhão (3 e 5, página 7) encontram-se
descritos na página 1.

138
65. Utilizando a ferramenta chave n.° 293343
aperte a porca (C1, página 3) para 490 N m (50
kgm) enquanto roda o eixo do pinhão para
assentar os rolamentos. Remova a ferramenta
pinhão.

66. Verifique se o torque de rotação necessário


para girar o eixo do pinhão é de 1,0 - 2,0 Nm
(0,1 - 0,2 kgm) medido na extremidade do eixo
utilizando a chave ferramenta n.° 293343 (1) e
a ferramenta chave torque n.° 292865 (2).
Aperte a porca (C1, página 3).

Nota - Diminua o conjunto dos calços de afinação


para ajuste do rolamento (3, página 7) se o torque 139
rotativo for menor que o especificado ou aumente-o
se for maior,

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 53

67. Monte a engrenagem de coroa dentada -


conjunto do diferencial no alojamento do eixo
traseiro, insira a tampa do lado direito (2)
juntamente com um calço de afinação de teste
(1) e fixe-os com três parafusos. Aperte os
parafusos com 54 Nm (5,5 kgm).

140
68. Meça a espessura da tampa do lado esquerdo
(D1).

141
69. Monte a tampa do lado esquerdo sem os anéis
de ajuste, utilizando três parafusos lubrificados
(1) dispostos a 120°.

70. Aperte alternada e gradualmente os três


parafusos (1) até 6 ÷ 9 Nm (0,6 ÷ 0,9 kgm)
enquanto roda a engrenagem de coroa dentada
para assentar os rolamentos

71. Utilizando o manômetro de profundidade, meça


a dimensão (D) nos dois nichos da tampa do 142
lado esquerdo. Calcule a média das duas
leituras.
72. O conjunto total de calços de afinação (S) a
serem inseridos nas tampas do lado direito e
lado esquerdo é calculado do seguinte modo:
S = D2 - D1 + A + 0,3
onde:
A = Calço de afinação = 1,5 mm
D1 = Espessura da tampa do lado esquerdo, em
mm.
D2 = Dimensão calculada na fase 56, em mm.
0,3 mm =Aumente, se necessário, para diminuir a
pré-carga do rolamento derivada dos parafusos (1).
Se necessário, arredonde o valor (S) para os
próximos 0,05 mm.
143
73403960 - 05.2008
54 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

73. 73.Utilizando um medidor, meça a folga (G)


entre a engrenagem de coroa dentada e os
dentes do pinhão (meça três vezes a 120° e
faça a média das leituras).

74. A folga normal entre a engrenagem de coroa


dentada e o pinhão é de 0,20 - 0,28 mm, com
uma média de 0,24 mm.

75. Para compensar possíveis valores de folga


maiores ou menores que o especificado,
considere a proporção de 1:1,34 entre a folga
normal e o deslocamento correspondente da
extremidade da engrenagem de coroa dentada.
Sendo assim, o deslocamento da extremidade 144
(Z) necessário para restaurar por a folga
especificada é de:

Z = (G - 0,24) x 1,34
Os conjuntos de calços de afinação para ajuste (Sd
e Ss) a serem inseridos nas tampas do lado direito e
esquerdo são calculadas do seguinte modo:

Sd = A ± Z
Ss = S - Sd
onde:
S = Valor total do pacote de calços de afinação
Z = Deslocamento da engrenagem de coroa
dentada, calculada conforme acima.
A = Calço de afinação de teste = 1,5 mm

76. Monte os conjuntos dos calços de afinação


determinados conforme acima nas tampas e
aperte os parafusos (1) no torque especificado.

77. Verifique se o torque de aperto necessário para


virar o conjunto da engrenagem de coroa
dentada e o pinhão é de:
Rp + (1,25 - 2,0 Nm)
opp. Rp + (0,125 - 0,2 kgm)
medindo-o na extremidade do eixo do pinhão
utilizando a ferramenta chave n.° 293343 (1) e
a chave de torque n.° 292865 (2).
onde:
Rp = Torque de prender medido apenas para o
pinhão (consulte a página 52).

Exemplo:
– Medida da espessura da tampa do lado direito
(D1) = 14,00 mm 145
– Calço de afinação A = 1,5 mm
– Medida da folga de D2 entre a tampa do lado
direito e o seu assento no alojamento do eixo
traseiro:
14,15 mm; 14,25 mm.
D2 =Valor médio (14,15 + 14,25): 2 = 14,20 mm

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 55

– Espessura total do anel de ajuste


S = 14,20 - 14,00 + 1,5 + 0,3 = 2,00 mm
– Folga medida : 0,13 mm; 0,12 mm; 0,14 mm;
G = Valor médio = (0,13 + 0,12 + 0,14): 3 = 0,13
mm
– Deslocamento final (Z) necessário para
restaurar a folga especificada. Z - (0,13 - 0,24) x
1,34= - 0,11 x 1,34 - 0,15
– A espessura do anel de ajuste a ser inserido na
tampa do lado direito é de:
Sd = 1,5 - 0,15 = 1,35 mm
– A espessura do anel de ajuste a ser inserido no
lado esquerdo é de: Ss = 2,00 -135 = 0,65 mm

73403960 - 05.2008
56 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

AJUSTE DA ENGRENAGEM INTERMEDIÁRIA DO


CONTROLE DA BOMBA HIDRÁULICA

Nota: verifique se a mola livre da ferramenta n.°


293975 tem 51 mm de comprimento. Se for menor,
adicione alguns calços de afinação apropriados até
atingir o comprimento especificado.

Proceda do seguinte modo:

78. Coloque a ferramenta n.° 293975 (1) num torno


e coloque por cima o espaçador menor da
ferramenta dupla n.° 295048 (5), o rolamento
(4), o carreto intermédio (3) e o rolamento (2).

146

79. Coloque o espaçador maior da ferramenta


dupla n.° 295048 (6) na ferramenta n.° 293975,
bloqueie a porca e rode o carreto intermédio (3)
para assentar corretamente os rolamentos.

147

80. Utilizando um medidor de profundidade, meça a


folga (L) entre a extremidade do espaçador n.°
295048 (6) e a extremidade do parafuso
prisioneiro de rosca da ferramenta n.° 293975.

81. Solte a porca e remova o espaçador n.° 295048


(6), o rolamento (2) e o carreto intermédio (3).

148

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 57

82. Coloque no rolamento inferior um calço de


afinação de teste (3), o rolamento (2) e o
espaçador n.° 295048 (1). Aperte a porca e
meça a folga (L) entre a extremidade do
espaçador n.° 295048 (1) e a extremidade do
parafuso prisioneiro de rosca da ferramenta n.°
293975.
Espessura do calço de afinação (S) calculada
do seguinte modo:

S = L2 - L1 + P
onde:
L1 e L2 = Dimensões medidas
P = Calço de afinação de teste
149
Exemplo
Dimensão medida L2 = 5,20 mm
Dimensão medida L1 = 5,00 mm
Calço de afinação = 12 mm
S = 5,20 - 5,00 + 12,00 = 12,20 mm

83. Utilizando um macho de prensa, coloque o pino


articulado (5) com a ranhura horizontal, o
espaçador, os rolamentos, o carreto intermédio
(6), o calço de afinação (S) anteriormente
calculado e parafuso de retenção.

150

84. Aperte o parafuso de retenção ao torque de 49


Nm (5 kgm) e rode o carreto intermédio para
assentar os rolamentos.

85. Solte o parafuso de retenção e, de seguida,


aperte-o de novo para 29 Nm (3 kgm).

151

86. Com uma corda enrolada no carreto intermédio


(6) e utilizando um medidor de torque (7),
verifique se o esforço necessário para rodar o
carreto intermédio é de 0,150 + 0,400 kg.
Se não for o caso, repita as fases de 78 a 86.

152

73403960 - 05.2008
58 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

CONJUNTO DIFERENCIAL DE BLOQUEIO


HIDRÁULICO
Desmontagem-Instalação (Op. 27 106 37)

Com o conjunto do alojamento da caixa da


transmissão traseira, proceda do seguinte modo.

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

1. Solte os parafusos de fixação da engrenagem


de coroa dentada.

153

2. Desligue a engrenagem de coroa dentada (1)


da caixa do diferencial (2).

154

3. Remova a engrenagem lateral (1) da caixa do


diferencial.

155

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 59

4. Remova os pinos de bloqueio (1) dos pinos


articulados da engrenagem lateral.

156
5. Deslize os pinos articulados para fora (2) e
retire as engrenagens diferenciais de ambos os
lados. Aconselhamos a manter o pino articulado
e a engrenagem lateral em concordância à
medida que são removidos.

157

6. Retire o pino articulado (2), retire o suporte do


pino articulado (1) e engrenagens laterais.

158

7. Remova o anel de retenção da engrenagem de


controle do bloqueio do diferencial.

159

73403960 - 05.2008
60 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

8. Utilizando extratores adequados, remova o


rolamento da engrenagem de coroa dentada.

9. Remova o rolamento da caixa do diferencial tal


como indicado na fase 8.

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.
10. Reinstale todos os componentes do conjunto do
diferencial tendo em conta os seguintes
aspectos:
– A remontagem segue o processo de 160
desmontagem pela ordem inversa, desde a
fase 9 à fase 1.
– Consulte as figuras das páginas 8 e 9 para
uma orientação correta das diferentes peças.
– Aperte para corrigir os torques tal como
descrito nas páginas 2 e 3.
– Considere as seguintes operações e efetue o
ajuste descrito em baixo.

11. Monte o rolamento (1) na engrenagem de coroa


dentada e caixa do diferencial utilizando um
martelo apropriado.

Ajuste da folga axial da engrenagem lateral 161

Nota: Para a folga do planetário do lado do suporte


esquerdo tal como indicado na engrenagem lateral
do lado direito.

12. Monte as engrenagens laterais, pinos


articulados e pinos de retenção.

13. Coloque a engrenagem lateral (3) juntamente


com o calço de afinação (2) na ferramenta n.°
293986(1).

162

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 61

14. Monte o planetário da ferramenta n.° 293986 na


caixa do diferencial, coloque a engrenagem de
coroa dentada por cima e fixe-a com três
parafusos (1). Rode o conjunto para o assentar.

163
15. Coloque um indicador de teste com o estilete no
parafuso da ferramenta (1), prima a ferramenta
e coloque o manômetro a zero.

164
16. Puxe a ferramenta (1) para cima e leia o
percurso (H) no manômetro.

17. A espessura do anel de ajuste a ser inserida no


planetário do lado direito é calculada do
seguinte modo:
Rd = (B + H) - 0,05 - 0,30
onde:
Rd = O ajuste do calço de afinação a ser inserido no
planetário do lado direito.
B = Calço de afinação de teste = 3,00 mm
H = Percurso medido utilizando o manômetro
0,05 mm = Metade da folga dos satélites em relação
aos pinos articulados
0,30 mm = Folga axial do planetário especificado. 165

Exemplo
– Percurso medido utilizando o manômetro H =
0,50 mm
– Calços de afinação de teste B = 3,00 mm
– Espessura do anel a ser inserido na
engrenagem do lado direito é de Rd = (3,00 +
0,50) - 0,05 - 0,30 = 3,15 mm

18. Uma vez determinados os calços de afinação


para os planetários do lado direito e esquerdo,
volte a montar toda a unidade e aperte as
porcas para parafusos de fixação da
engrenagem de coroa dentada na caixa do
diferencial ao torque de 137 Nm (14 kgm).

73403960 - 05.2008
62 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

CONTROLE HIDRÁULICO DE BLOQUEIO DO


DIFERENCIAL (110, 120,130 e 140 HP)
Desmontagem-Instalação (Op. 27 110 44)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos, as luvas e os sapatos de
proteção

1. Com o conjunto desmontado do alojamento da


transmissão traseira, proceda do seguinte
modo. Coloque o conjunto (1) num banco vazio.

166

2. Actue no pistão (1) para libertar o anel de


retenção.

167

3. Remova o anel de retenção (1).

168

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 63

4. Retire o grupo de bloqueio (1) do suporte,

169

5. Remova o anel elástico (1).

170

6. Desmonte a unidade, inspeccione todos os


componentes e vedantes, substitua peças
desgastadas ou danificadas.

7. Reinstale todos os componentes no grupo de


controle de bloqueio do diferencial tendo em
conta os seguintes aspectos
– A remontagem segue o processo de
desmontagem pela ordem inversa, desde a
fase 6 à fase 1.
– Consulte as figuras na página 8 para a
orientação correta sobre as diferentes peças.
– Lubrifique todos as peças com óleo
AKCELA. 171

73403960 - 05.2008
64 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

CAIXA DO REDUCTOR LATERAL


(LADO ESQUERDO OU DIREITO)
Desmontagem-Instalação
(Op. 27 120 10 - 27 120 20)

ATENÇÃO
Levante e manuseie todas as peças pesadas
servindo-se do equipamento de elevação com uma
capacidade suficiente.Certifique-se de que as
unidades e as peças estão apoiadas em cintos e
ganchos adequados.Verifique se não está
ninguém em volta da carga que vai ser elevada.

Remova a caixa de direção final do seguinte modo:

1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.

2. Abra e levante a tampa do motor.

172

3. Solte a vela (3) e drene o óleo do eixo traseiro e


os alojamentos da transmissão/embreagem de
velocidade para um recipiente adequado. (A
quantidade especificada é indicada na página 6,
Seção 00).

173

4. Levante a traseira do trator com a ajuda de um


macaco e coloque um cavalete fixo debaixo da
camisa do eixo traseiro e uma coluna fixa
debaixo dos degraus do lado esquerdo da
cabine.

5. Prenda a roda utilizando um cabo de nylon (3),


solte as porcas de retenção e remova a roda.
Repita o mesmo processo para a roda
esquerda.

174

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 65

6. Solte os dois parafusos do teto da cabine e fixe


a ferramenta n.° 295027 (4) utilizando dois
parafusos adequados. Ligue a ferramenta a um
guincho utilizando o guincho n.° 290740 e
mantenha o gancho tensionado.

175
7. Solte e remova os parafusos que fixam a cabine
às braçadeiras traseiras (nos dois conjuntos
traseiros).

176

8. Desligue o estabilizador telescópico, solte os


parafusos de fixação e remova a braçadeira da
cabine (2) e a braçadeira do estabilizador
telescópico (3).

9. Reinstale o parafuso e porca na montagem


traseira do lado direito.

177

10. Solte os parafusos de fixação e remova a


proteção do cabo elétrico do sensor de tração
(5).

178

73403960 - 05.2008
66 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

11. Coloque a ferramenta n.° 50091 (1) e ligue-a


num guincho utilizando uma corda. Solte a
caixa do redutor lateral e as porcas de fixação
do alojamento do eixo.

179
12. Remova o conjunto do redutor lateral (2) do
alojamento do eixo traseiro juntamente com o
semi-eixo (3)

180

13. Desligue o cilindro suplementar do espaçador


(5), retire o anel exterior (4) da engrenagem, o
espaçador e disco de fricção (6).

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.
14. Reinstale o conjunto da caixa do redutor lateral
no alojamento do eixo traseiro tendo em conta
os seguintes aspectos:
– A remontagem segue o processo de
desmontagem pela ordem inversa, desde a 181
fase 13 à fase 1.
– Antes de montar novamente a caixa do
redutor lateral limpe cuidadosamente e
desengordure as superfícies concordantes e
aplique um filete de junta de vedação com
aproximadamente 2 mm. de diâmetro
seguindo a ordem indicada nas figuras da
página 34.
– Aperte para corrigir os torques tal como
descrito nas páginas 2 e 3.
– Para auxiliar na reinstalação da caixa do
redutor lateral, coloque o semi-eixo (4, Fig.
11) em seu assento no diferencial e no disco
do freio.
182

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 67

EIXO DO VOLANTE
Desmontagem-Instalação (Op. 27 120 34)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Com a caixa do redutor lateral removida do


alojamento do eixo traseiro, proceda do seguinte
modo:

1. Coloque a caixa do redutor lateral (1) num


cavalete rotativo.

183

2. Se necessário, remova a placa de bloqueio (1)


rodando-a ligeiramente

184

3. Solte o parafuso de fixação do suporte das


engrenagens (1) no eixo da roda motriz.

185

73403960 - 05.2008
68 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

4. Deslize o suporte das engrenagens acionadas


(1).

186
5. Recupere a anilha de impulso (1).

24612
187

6. Utilizando um extrator adequado, remova o eixo


da roda motriz (1).

24613
188

7. Remova o vedante (1) e recupere o anel interno


do rolamento do lado da roda.

24614
189

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 69

8. Utilizando um extrator de expansão e um


macho de prensa, remova o anel externo do
rolamento do lado do volante.

9. Utilizando um extrator de expansão e um


macho de prensa, remova o anel externo do

24616
rolamento (1) do lado do redutor.

190

10. Remova o vedante (1).

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.

11. Reinstale todos os componentes do conjunto do


24617
eixo da roda motriz tendo em conta os
seguintes aspectos:
– A remontagem segue o processo de
desmontagem pela ordem inversa, desde a
fase 10 à fase 1. 191
– Consulte as figuras nas páginas 8 e 9 para a
orientação correta sobre as diferentes peças.

12. Instale os anéis externos dos rolamentos e os


vedantes no alojamento utilizando punções
adequadas.

13. Após instalar todos os componentes na caixa


do redutor, ajuste os rolamentos cônicos da
roda motriz.

73403960 - 05.2008
70 SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1

Ajustamento dos rolamentos cônicos da roda


motriz.

14. Aperte o parafuso (C3, página 2) ao torque de


196 Nm (20 kgm) enquanto roda o eixo para
assentar o conjunto.

15. Solte o parafuso (C3, página 2) e, de seguida,


aperte-o de novo até 88 Nm (9 kgm) enquanto
roda o eixo para assentar corretamente os
rolamentos.

16. Insira a placa de segurança com o vedante PPG


- 851130 e fixe-a apertando ou desapertando o
parafuso (C3) até atingir o próximo entalhe

Nota: Aperte ou desaperte para uma variação


angular máxima de 15°.

17. Rode o eixo à mão e verifique se este roda


livremente, sem nenhuma folga ou resistência
em excesso

18. Utilizando uma pistola graxeira, encher os


espaços inernos com graxa Multipurpose
Grease 251HEP bico de graxa, encha os nichos
internos com graxa AKCELA MULTIPURPOSE
GREASE 251HEP (serão necessárias várias
aplicações da graxa). Se existir um bujão no
lugar do bico da graxa, removê-lo e substitui-lo
pelo bico de graxa. 24619
192

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 27 - TRAÇÃO TRASEIRA MECÂNICA - CAPÍTULO 1 71

CONJUNTO DO REDUTOR EPICICLOIDAL


Desmontagem-Instalação (Op. 27 120 32)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Com o conjunto removido da caixa, proceda do


seguinte modo:

1. Remova o anel de retenção (1).

27-1-72-1
193

2. Deslize os pinos articulados para fora o redutor


epicicloidal juntamente com os rolamentos de
agulha. Remova a anilha de impulso (1).

3. Reinstale todos os componentes do conjunto de


do redutor epicicloidal tendo em conta os
seguintes aspectos:
– A remontagem segue o processo de
desmontagem pela ordem inversa, desde a
fase 2 à fase 1.
24621
– Insira primeiro a anilha de impulso (1) no
suporte das engrenagens acionadas.

194

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 1

SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA

Capítulo 1 - Tomada de Força

ÍNDICE

Descrição Página
Especificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Torques de Aperto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Ferramentas Especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Vistas em Corte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Descrição e Funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Diagramas do Fluxo Hidráulico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Detecção e Correção de Anomalias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Remoção - Instalação - Reparo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

31 000 - ESPECIFICAÇÕES - TORQUES DE APERTO - FERRAMENTAS ESPECIAIS -VISTAS EM CORTE


- DESCRIÇÃO E FUNCIONAMENTO - DETECÇÃO DE ANOMALIAS

ESPECIFICAÇÕES

Maxxum 135 e 150 Maxxum 165 e 180


TDF 540/1000 rpm: Totalmente independente da
Tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . velocidadede deslocamento do trator ou
sincronizada com a transmissão
Atuação e Comando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . através de um conjunto de embreagem
de atuação eletro-hidráulica em banho de
óleo
Rotação (visto de trás do trator) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . horária
Seleção de Velocidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . através de alavanca manual lado direito
do operador
Rotação do motor a 540 rpm da TDF . . . . . . . . . . . . . . . . . .rpm 1969
Rotação do motor a 1000 rpm da TDF . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2120
Velocidade da TDF à Máxima Potência do Motor:
- 540 rpm . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . » 603 631
- 1000 rpm . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . » 1038 1085
Velocidade da TDF Sincronizada com a Transmissão e Range
Command
- 540 rpm (Maxxum 135 & Maxxum 150). . . . . . . . . . . . . . . . . . 16.0
- 1000 rpm (Maxxum 135 & Maxxum 150). . . . . . . . . . . . . . . . . 27.6

73403960 - 05.2008
2 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

ESPECIFICAÇÕES
(cont.)
Maxxum 135 e 150 Maxxum 165 e 180
Diâmetro Eixo Saída Entalhado:
- 540 rpm . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13/8" (6 entalhes) ou
3
1 /4" (6 entalhes) (opcional)
- 1000 rpm . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13/8" (21 entalhes)
Ø Ext. Bucha Engrenagem Conduzida (9, páginas 4 e 5) . . . mm 54.910 a 54.940
Ø Int. Engrenagem Conduzida (8) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . » 55.060 a 55.106
Folga Engrenagens Buchas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . » 0.120 a 0.196
Diâmetro Eixo Acionado (11, páginas 4 e 5) . . . . . . . . . . . . . mm 44.366 a 44.391
Ø Int. Bucha (9) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . » 44.400 a 44.425
Folga Eixo às Buchas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . » 0.009 a 0.059
TDF 540/750/1000 rpm . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ver descrição anterior para TDF 540/
1000 rpm exceto o seguinte
Rotação do motor a 750 rpm da TDF . . . . . . . . . . . . . . . . . .rpm 2148
Velocidade da TDF à Máxima Potência do Motor . . . . . . . . .rpm 768 803
Diâmetro eixo saída entalhado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13/8" (6 entalhes)
Velocidade TDF sincronizada com a Transmissão e Range
Command 20.4
Maxxum 135 & Maxxum 150 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Embreagem Atuação TDF
Tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Conj. embreagem atuado
hidraulicamente em banho de óleo
Número de Discos da Embreagem:
- Discos Acionadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 8
Espessura Discos Acionadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 1.45 a 1.55 1.45 a 1.55
- Discos Acionados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 8
Espessura dos Discos Acionados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 2.35 a 2.40 2.35 a 2.40
Número de Molas de Atuação da Embreagem . . . . . . . . . . . . . . 1 1
Freio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . cinta do freio controlada hidraulicamente
atuando na carcaça da embreagem
Control Oil Pump . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Bomba de Óleo de Controle
Filtro de Óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . tipo cartucho de papel
Localização do Filtro de Óleo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . na entrada da bomba

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 3

TORQUES DE APERTO

Torques de Aperto
Nm kgm
Parafusos fixação carcaça TDF (C1 página 4) M16x1.5 211 21,5
Porca auto-travante eixo saída da TDF (C2) M12x1.25 137 14
Porca fixação eixo da TDF (C3) M 32 x 1.5 294 30
Plugue conexão freio embreagem TDF (C4) M 35 x 1.5 83 8,5
Plugue retenção da Mola (C5) M 16 x 1.5 49 5
Parafusos fixação rolamento apoio (C6) M12x1.25 88 9
Parafuso fixação válvula solenóide – 5.4 a 8.1 0.55 - 0.83
Parafusos fixação pino válvula solenóide – 47 a 54 4.8 a 5.5

FERRAMENTAS ESPECIAIS
PRECAUÇÃO
As operações descritas nesta seção do manual
devem ser executadas utilizando as seguintes
ferramentas ESSENCIAIS marcadas com o código
de identificação (X).
Para trabalhar com segurança e conseguir os
melhores resultados técnicos com economia
adicional de tempo e esforço, estas ferramentas
obrigatórias devem ser usadas em conjunto com
as ferramentas especiais sugeridas, listadas
abaixo e integradas às ferramentas fabricadas
para as quais incluímos aqui os desenhos de
construção e especificação necessários.

Lista de ferramentas especiais necessárias para


executar as operações de serviço cobertas:
292870 Kit de teste de pressão hidráulica da
embreagem.
X 293997 Instalador do rolamento do eixo de
acionamento da embreagem (com a
Ferramenta No.293800)
X 293836 Proteção do vedador do eixo de
acionamento da embreagem.
X 293993 Instalador do vedador do eixo de
acionamento da embreagem (com a
Ferramenta No.293800) X 290785
Proteção de montagem do vedador do
tambor da embreagem X 294000Alicate 1
para remoção da bucha do eixo
293812 Pinos-guia da TDF Ferramenta para o encosto da mola da
293800 Fixação (para Ferramentas No. 293993 e embreagem da TDF hidráulica (ferramenta
293997) marcada com o n° 50063. Dimensões em mm.)
293998 Instalador do copo do eixo da
embreagem Ferramenta fabricada com material Fe42C.
293999 Adaptador do extrator do êmbolo do freio
da embreagem
50063 Ferramenta para o encosto da mola da
embreagem (Usar com as ferramentas
No. 292651 e 292654) a serem
fabricadas no local, ver Figura 1.

73403960 - 05.2008
4 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

2
(540 - 750 - 1000 rpm) Vista em corte da TDF
C 1. Parafusos de fixação da carcaça da TDF 8. Engrenagens conduzidas
C 2. Porca de fixação do eixo de saída da TDF 9. Buchas de apoio da engrenagem conduzida
C 3. Porca de fixação do eixo da TDF 10. Luvas de engate
C 4. Plugue do freio da embreagem da TDF 11. Eixo acionado
C 5. Plugue de fixação da mola 12. Vedador
C 6. Parafusos de fixação do rolamento de apoio 13. Vedador
1. Discos acionadores 14. Pistão atuador
2. Discos acionados 15. Pistão do freio
3. Mola de aplicação da embreagem 16. Cinta do freio
4. Corpo da embreagem 17. Anéis "O"
5. Mola de retorno 18. Linhas de controle da embreagem
6. Anéis de aço do vedador 19. Alavanca seletora de velocidade da TDF
7. Engrenagem condutora 20. Garfo seletor de velocidades

NOTA: Durante a instalação, aplicar junta química nas superfícies marcadas com um X.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 5

3
Cortes da TDF Sincronizada da Transmissão

1. Anel elástico de retenção 6. Engrenagem de controle


2. Manga do engate 7. Eixo de transmissão da TDF controlada do
3. Anéis elásticos de retenção motor
4. Rolamento de apoio do eixo de transmissão 8. Anéis elásticos de retenção
5. Eixo de transmissão da TDF sincronizada da 9. Engrenagem lenta
transmissão.
DESCRIÇÃO E FUNCIONAMENTO

A TDF transfere a potência diretamente do motor A TDF tem duas ou três velocidades ou está
para o implemento através de um veio de saída sincronizada com a velocidade do trator.
estriado localizado na traseira do trator.
A velocidade de funcionamento da TDF é
O eixo de transmissão da TDF atua nos eixos selecionada através da alavanca de controle
superiores da transmissão. A extremidade frontal do localizada no lado direito do assento do condutor ou
eixo de transmissão da TDF é diretamente estriada da substituição do eixo estriado.
no volante e a extremidade traseira está ligada à
embreagem de controle da TDF. O funcionamento sincronizado da transmissão é
obtido pelo acionamento da alavanca localizada
Quando a TDF é engatada, o conjunto da perto da alavanca de selecção da velocidade da
embreagem controlada hidraulicamente é TDF.
comprimido e transfere o movimento (potência) do
volante para o eixo de transmissão estriado da TDF. Veja nas páginas 7, 8, e 9 para a descrição da
embreagem de controle da TDF e para o
funcionamento dos freios.

73403960 - 05.2008
6 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

O processador da Unidade de Gerenciamento


Eletrônica permite o controle da TDF traseira. O
processador recebe informações dos interruptores
de TDF ACOPLADA/DESACOPLADA (da cabine e
do pára-lama), sensor de velocidade da TDF,
interruptores do freio, da partida lenta, e da
velocidade de deslocamento e em seguida fornece
os sinais de saída para o solenóide de aplicação da
embreagem da TDF ou solenóide do freio da TDF e
da luz de aviso de TDF LIGADA/Sobrevelocidade.
Se as condições correias forem atendidas, ou seja,
parâmetros de velocidade e acionamento dos
interruptores, a TDF poderá ser acionada.
Existem quatro tipos de sistemas de TDF,
dependendo do modelo do tratar e país. 4
a) TDF de duas velocidade (somente América do
Norte) com troca de eixos.
b) TDF de duas ou três velocidades (exceto
América do Norte) com eixos intercambiáveis e
mudanças na alavanca e a opção de
interruptores montados no pára-lama para
trabalho estacionário com a TDF
c) TDF de três velocidades sincronizada com a
roda, disponível com a TDF de três velocidades
acima (exceto na América do Norte).

Figura 5
A TDF é engatada e desengatada através de um
botão (2) no console direito. A luz de aviso adjacente
(1) acende ao ser acoplada a TDF.

5
Figura 6
Existe um dispositivo de "partida suave" em todos os
modelos para facilitar a partida de equipamento
pesado, de alta inércia, acionado pela TDF. A
partida suave é acionada através de um interruptor
(1), localizado na coluna B direita.
A partida suave "suaviza" a embreagem da TDF
durante os primeiros 5 segundos de acoplamento,
proporcionando uma tomada mais lenta e gradual da
tração.
NOTA: A partida suave somente funciona em
rotações do motor de 1800 rpm e abaixo. Acima
desta rotação, ocorrerá o engate normal da TDF,
mesmo que o interruptor esteja acionado.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 7

IMPORTANTE: é montado um eixo automático da


TDF para parar rapidamente a rotação do eixo ao
ser desacoplada a TDF. Para evitar forçar o eixo da
TDF, reduzir a velocidade do implemento reduzindo
a rotação do motor antes de desacoplar a TDF. Isto
é especialmente importante com implementos de
alta inércia. Esses implementos devem, idealmente,
possuir uma embreagem de roda livre. Para evitar
danificar o freio ao operar implementos de alta
inércia, manter pressionado o interruptor (1) para
desaplicar o freio e permitir que o implemento fique
em repouso naturalmente.

PERIGO 7

Para evitar movimento acidental do implemento,


desengatar a TDF depois de cada uso.

73403960 - 05.2008
8 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

CONTROLES EXTERNO DA TDF - Figura 8


Pode ser instalado um interruptor opcional da TDF,
montado no pára-lama (1), na lateral externa de
ambos os pára-lamas para auxiliar o alinhamento
dos entalhes do eixo da TDF com o implemento e
facilitar operações estacionárias com a TDF.
Com o motor funcionando, tocar momentaneamente
no interruptor para fazer com que o eixo da TDF
alinhe os entalhes. Se o interruptor for pressionado
durante menos de 5 segundos, o eixo pára de girar
ao ser liberado o interruptor.
Pressionar e manter pressionado o interruptor
durante mais de 5 segundos para permitir o
funcionamento contínuo da TDF. Pressionar 8
novamente o interruptor para parar a TDF.
Alternativamente, a TDF pode ser parada através
dos controles na cabine, conforme anteriormente
descrito.
NOTA: A luz de aviso, no painel de controle da TDF,
acende ao ser engatada a TDF, momentânea ou
permanentemente.
NOTA: A TDF pode ser engatada ou desengatada
através do interruptor do pára -lama,
independentemente se o controle da cabine está
ligado ou desligado.
NOTA: O acionamento simultâneo, durante dois
segundos, dos controles da cabine e externos da
TDF fará com que seja mostrado o Código de Erro
P38. Ocorrerá, também, um atraso de 10 segundos
antes do reinício de funcionamento da TDF.
NOTA: A função de partida suave, se selecionada,
funcionará independentemente se a TDF é
engatada através do controle da cabine ou através
do interruptor do pára -lama.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 9

PRECAUÇÃO
Antes de deixar o trator para operar os
interruptores externos da Tomada de Força:
• Colocar as alavancas de mudanças em
neutro;
• Desengatar a TDF;
• Aplicar o freio de estacionamento.
Com o motor funcionando, colocar a alavanca do
acelerador na posição de marcha lenta (totalmente
para a frente).

Figura 9

O Operador somente deverá acionar os


interruptores internos da Tomada de Força (1)
posicionada de pé ao lado do trator (ao lado dos
pneus traseiros). Para evitar danos ao implemento
ou ao trator, os interruptores da cabine e os
interruptores externos da TDF não devem ser
acionados simultaneamente.
ADVERTÊNCIA
Antes de usar a Tomada de Força, assegurar-se
de que não haja qualquer pessoa ou objeto na
área do implemento, do terceiro ponto ou do eixo
9
da TDF.
Nunca acionar os interruptores externos da TDF
enquanto posicionados:
• Diretamente atrás do trator ou dos pneus;
• Entre os braços do hidráulico;
• Sobre ou próximo ao implemento;
• Nunca estender os braço, as pernas, qualquer
parte do corpo ou objeto para dentro da área
próxima ao terceiro ponto, eixo da TDF ou
implemento enquanto aciona o interruptor
externo;
• Nunca pedir a um assistente para acionar os
controles do lado oposto;
• Ao passar para o conjunto oposto de
controles, faça dando a volta ao trator ou ao
implemento;
• Não cruzar entre o implemento e o trator.

73403960 - 05.2008
10 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

Óleo de retorno ao reservatório


Óleo de lubrificação pressurizado

10

EMBREAGEM DE CONTROLE DA TDF DESAPLICADA


Quando a TDF não está em operação, o óleo retorna controle flua para dentro do alojamento do êmbolo
ao reservatório, sem pressão, uma vez que a válvula de descarga da embreagem.
solenóide encontra-se na disposição de carga
(desenergizada).
Nessas condições, a mola espiral (5) mantém a
embreagem de controle (4) desaplicada.
Uma ranhura anular na válvula de controle de
lubrificação (1) garante a passagem de óleo
suficiente para lubrificar o rolamento de roletes do
eixo de acionamento da TDF (3).
Quando a embreagem está sendo desaplicada, a
esfera (2) desloca-se, permitindo que o óleo de

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 11

Óleo de retorno ao reservatório


Óleo de lubrificação pressurizado

11

EMBREAGEM DE CONTROLE DA TDF APLICADA


Ao ser pressionado o interruptor no console direito,
a válvula solenóide abre e desvia óleo da bomba
para dentro da canaleta anular do pistão (3), onde
vence a força da mola (5) e comprime o pacote da
embreagem.
Desta forma, a potência é transferida do eixo de
acionamento da TDF (2) para o eixo de saída da
TDF (6).
Além disso, o óleo pressurizado desloca a válvula de
controle de lubrificação (1), permitindo que o óleo
lubrifique todo o conjunto da embreagem.

73403960 - 05.2008
12 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

Óleo sob pressão

12

FREIO DA EMBREAGEM DA TDF


O freio da embreagem tipo cinta opera
automaticamente. Aplica quando a embreagem da
TDF está sendo desaplicada (início da frenagem) e
pára de freiar quando a embreagem está totalmente
aplicada.
Ao trabalhar com implementos de alta inércia, é
possível manter o freio desaplicada pressionando-
se o interruptor situado no console direito próximo à
alavanca de controle da TDF. Ao se aplicada a
embreagem da TDF, o óleo de controle do freio
retorna ao reservatório uma vez que a válvula
solenóide encontra-se na posição de descarga
(desenergizada) e portanto não há atuação do
pistão (1) sobre a alavanca de acionamento da cinta
(2), sendo o pistão (1) retornado pela mola (5).
Quando a embreagem de controle da TDF está
sendo desaplicada, a válvula solenóide energiza-se
e abre, desviando o óleo da bomba para o pistão (1).
O pistão contata a alavanca (2) e a cinta (4) é
apertada contra a carcaça (3) para frear o conjunto.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 13

DETECÇÃO E CORREÇÃO DE ANOMALIAS


A tabela abaixo detalha algumas possível falhas prefixados com a letra "P" e mostrado no painel de
mecânicas /hidráulicas. O processador da Unidade instrumentos. Os códigos de erro gerados pela TDF
de Gerenciamento Eletrônico/Painel Sensível ao são mostrados adiante. Para detalhes mais
toque também gerará códigos de erro relacionados completos, ver Unidade de Gerenciamento
com o sistema da TDF. Os códigos de erro são Eletrônica, Seção 55, Capítulo 2.

Problema Possíveis Causas Correção

TDF não funciona 1. Baixo nível de óleo da Completar o nível.


transmissão.
2. Filtro de óleo obstruído. Substituir o filtro.
3. Bomba hidráulica com Reparar ou substituir a bomba.
defeito.
4. Defeito no interruptor Substituir o interruptor.
atuação TDF
5. Falta de alimentação para a Verificar conexões elétricas e
válvula solenóide: substituir peças defeituosas.
conectores soltos ou
danificados, defeito no
interruptor remoto.
6. Válvula solenóide controle Reparar ou substituir a válvula
TDF presa na posição solenóide
aberta.
7. Vazamento de óleo nos Replace damaged seals.
vedadores com resultante
queda de pressão:
vedadores do coletor ou do
êmbolo de controle.

TDF permanece engatada. 1. Defeito no interruptor de Substituir o interruptor.


atuação da TDF.
2. Falta de alimentação para a Verificar conexões elétricas e
válvula solenóide: substituir peças defeituosas.
conectores soltos ou
danificados, defeito no
interruptor remoto.
3. Válvula controle TDF presa Reparar ou substituir a válvula
na posição aberta. solenóide.

Embreagem da TDF arrasta. 1. Defeito no interruptor de Substituir o interruptor.


atuação do freio.
2. Falta de alimentação para a Verificar conexões elétricas e
válvula solenóide: substituir peças defeituosas.
conectores soltos ou
danificados, defeito no
interruptor remoto.
3. Válvula controle do freio Reparar ou substituir a válvula
presa na posição fechada. solenóide.
4. Freio da TDF gasto. Freio da TDF gasto

73403960 - 05.2008
14 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

Unidade de Gerenciamento Eletônico / Códigos de Erro Gerados pela TDF no Painel de Toque

PRIORIDADE CÓDIGO DESCRIÇÃO DO ERRO


(1 = Maior) DO
ERRO

1 P01 Solenóide do freio da TDF traseira engripado na posição desligada (circuito


em curto à massa ou falha do módulo)
2 P02 Solenóide do freio da TDF traseira engripado na posição ligada (circuito em
curto com +12V ou falha do módulo)
3 P03 Circuito aberto na saída do freio da TDF traseira
4 P04 Temperatura excessiva do acionamento do freio da TDF traseira (circuito
em curto com +12V ou falha do módulo)
7 P07 Solenóide da TDF traseira engripado na posição desligada (circuito em
curto à massa ou falha do módulo)
8 P08 Excesso de corrente no circuito do solenóide da TDF traseira (circuito em
curto à massa)
27 P27 Sensor velocidade da TDF circuito aberto
33 P33 Circuito aberto momentâneo do contato do interruptor da TDF traseira na
cabine
34 P34 Interruptor da TDF traseira montado no pára-lama (se equipado) - circuito
aberto ou curto à massa
35 P35 Interruptor da TDF traseira montado no pára-lama (se equipado) em curto
com +12V ou curto com os terminais dos fios do interruptor do pára-lama
36 P36 Falha na partida da TDF
37 P37 Interruptor momentâneo da TDF traseira na cabine engripado na posição
fechada (mais de 30 segundos)
38 P38 Comandos da TDF traseira na cabine ou no pára-lama acionados com
intervalo de 2 segundos entre um e outro
39 P39 Tensão incorreta na entrada do interruptor da TDF traseira (se montado)
40 P40 Bobina do relé da TDF em curto com +12V, ou circuito aberto
41 P41 Bobina do relé da TDF em curto à massa

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 15

TOMADA DE FORÇA (TDF)


Remoção - Instalação
(Op.31 114 20 - 31 116 20)
ADVERTÊNCIA
Manusear todos os componentes com o máximo
cuidado.
Não inserir as mãos ou os dedos entre as peças.
Usar roupa de proteção adequada, inclusive
óculos de segurança, luvas e calçado.

Remover a embreagem da TDF e hidráulica como


segue:
1. Soltar o cabo negativo da bateria e isolá-lo;

13
2. Soltar o bujão (3) e drenar o óleo da
transmissão e do eixo traseiro. Recolher o óleo
em uma vasilha adequada;

14
3. Soltar os parafusos de fixação e remover a
tampa da TDF (1);
4. Soltar os parafusos de fixação e remover o pino
do engate;
5. Remover o tirante do braço superior do terceiro
ponto

15

73403960 - 05.2008
16 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

6. Solte os parafusos que prendem o sensor da


velocidade (2), separe o ligador (1) e recupere o
sensor da velocidade. Retire o apoio (3).

16
7. Separe as linhas de controle da embreagem (1)
e a alavanca de selecção da velocidade da
rotação da TDF (2).

17

8. Solte os parafusos de retenção da montagem


da TDF (1).

18

9. Usando um guincho e um gancho adequado


separe a montagem da TDF (1) do alojamento
do eixo traseiro.

19
73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 17

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.

10. Reinstale a caixa da TDF no alojamento do eixo


traseiro tomando em consideração o seguinte:
– A remontagem segue-se ao procedimento da
desmontagem no sentido inverso, do passo 10
para o passo 1.

– Antes de reinstalar a caixa da TDF, limpe


completamente e retire a massa das
superfícies concordantes e aplique um filete de
junta de vedação com aprox. 2 mm de diâmetro
seguindo o padrão mostrado na figura em
baixo.

– Aperte nos torques corretos como é indicado


na página 3.

Padrão para aplicação de junta de vedação entre


a caixa da TDF e o alojamento do eixo traseiro.

Os vedantes a serem usados são enumerados na


página 1, Seção 00.

20

73403960 - 05.2008
18 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

TOMADA DE FORÇA
Desmontagem-instalação da TDF de 540/750/
1000 rpm (Op. 31 114 46 - 31 114 47 - 31 114 48 -
31 114 60 - 31 116 46 - 31 116 47 - 31 116 48).

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Proceda do seguinte modo:

1. Coloque a montagem da TDF (1) numa


bancada rotativa.

21

2. Retire o anel elástico de retenção (2) e recupere


a engrenagem (1).

22

3. Retire a montagem do disco acionado e do


disco de acionamento (1) junto com a
engrenagem interna (2).

23

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 19

4. Reinstale o anel elástico de retenção (2) usando


o extrator (1) e a ferramenta especial 50063 (4,
página 3). Aperte o extrator até libertar e retirar
o anel de retenção (3).Retire o anel elástico de
retenção (1).

24
5. Recupere a anilha (1), a mola (2), a anilha
inferior (3), e a mola Belleville (4).

25

6. Usando a ferramenta especial n°. 29400(1) e


um extrator deslizante 292927 retire o copo (2)
e o rolamento interno (3).

26

7. Usando ar comprimido, retire o extrator de


controle da embreagem (1).

27

73403960 - 05.2008
20 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

9. Remover o tirante do braço superior do terceiro


ponto

28

10. Soltar a porca de fixação do eixo acionado (1)

29

11. Remover o conjunto do detentor do garfo


seletor, esfera (1), mola (2) e tampa (3)

30

12. Soltar os parafusos (2) que fixam a placa de


apoio do eixo de acionamento (1)

31

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 21

13. Remover a placa de apoio (1) juntamente com o


eixo de acionamento

32

14. Remover o pino de fixação da catraca (1) e


apanhar a catraca (2)

33

15. Soltar a porca (1), deslizar o eixo (3) para fora e


remover todo o conjunto das engrenagens
acionadas (2) completo com os garfos e a haste

34

16. Remover o retentor (1)

35

73403960 - 05.2008
22 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

15. Retire o anel elástico de retenção (2) e recupere


o rolamento (1).

36

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 23

16. Retire o rolamento superior (1) usando um


extrator deslizante equipado com um expansor
do anel.

37

17. Retire o pino das molas (1) e remova a alavanca


completa com o controle de selecção.

38

18. Remova o anel elástico de retenção (1).

39

19. Solte os parafusos (1) que retêm o cano de


distribuição do controle da embreagem
hidráulica (2).

40

73403960 - 05.2008
24 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

20. Retire a anilha de impulso (1), a pista interna do


rolamento (2), a engrenagem (4), o cano de
distribuição (3) com especial cuidado com os
anéis vedantes de metal (1, fig. 21).

41

21. Desenganche e remova os anéis de metal (1).

42

22. Remova o anel elástico de retenção (1) e faça


deslizar para fora as engrenagens (2) e a anilha
de impulso (3).

43

23. Coloque o prato de apoio (2) sobre dois blocos


de madeira e retire o eixo (1) usando um
punção de latão e um martelo.

44

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 25

24. Abra o anel elástico de retenção (2) e remova o


rolamento (1).

25. Volte a montar todas as peças na caixa da TDF


tomando em consideração o seguinte:
– A remontagem segue-se à desmontagem com
um procedimento inverso, do passo 24 para o
passo 1.
– Verifique todos os vedantes e substitua-os se
for necessário.
– Aperte nos torques corretos como é indicado
na página 3.
– Consulte as figuras nas páginas 4 e 5 para
orientar corretamente os componentes.
– Considere os passos seguintes. 45

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.

26. Instale o rolamento superior (1) usando um


dispositivo de instalação adequado.

46
27. Aplique o vedante (1).

47

73403960 - 05.2008
26 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

28. Instale o rolamento (2) no eixo de transmissão


da TDF(1).

48
29. Coloque o eixo de transmissão (1) completo
com o rolamento no prato de apoio (3) e
bloqueie-o no lugar usando o anel elástico de
retenção (2).

49
30. Insira o eixo de comando (2) na caixa da
embreagem case (1) e mantenha-o no lugar
usando um suporte adequado até a montagem
estar completa.

50

31. Aplique o vedante (2) usando a ferramenta de


proteção n°. 290785(1).

NOTA: Espere pelo menos 15 minutos antes de


montar o pistão de compressão (3).

51

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1 27

17. Instalar o rolamento (1) usando a ferramenta


especial No. 293997 (1) e a Ferramenta No.
293800.

52
18. Posicionar o cone (2) usando a ferramenta
especial No. 293998 (1) completa com um
parafuso sextavado M14 x 1,5 de comprimento
adequado.

53
Ajuste do Interruptor de Interligamento da TDF
Sincronizada com a Roda.

1. Colocar a alavanca da TDF sincronizada com a


roda (1), na posição de engatada, Figura 14.
A alavanca não deve encostar no interruptor.

2. Ajustar a posição do interruptor, afrouxando as 54


duas porcas (1) no suporte do interruptor, afim de
conseguir uma folga de 12 mm entre o interruptor
e o conjunto do pivô.
3. Depois de conseguida a folga correta, verificar o
funcionamento do interruptor com um multímetro
adequado. Com a alavanca engatada (na posição
de TDF sincronizada com a roda), o interruptor
deve ficar em circuito aberto, com a alavanca
desengatada (na posição de TDF sincronizada
com a rotação do motor) o interruptor deve estar
na posição de circuito fechado e a resistência de
aproximadamente 4 .
NOTA: Para melhor visualização, a cabine e a
alavanca de comando foram removidas na Figura 15.
55

73403960 - 05.2008
28 SEÇÃO 31 - TOMADA DE FORÇA - CAPÍTULO 1

NOTAS
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1 1

SEÇÃO 33 - FREIOS

Capítulo 1 - Freios do Trator

ÍNDICE

Descrição Pág.
Especificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Torques de Aperto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Vistas em Corte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Ferramentas Especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Descrição e Funcionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Detecção de Avarias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Remoção - Instalação - Reparo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

33 000 - ESPECIFICAÇÕES - TORQUES DE APERTO - FERRAMENTAS ESPECIAIS -VISTAS EM CORTE


- DESCRIÇÃO E FUNCIONAMENTO - DETECÇÃO DE ANOMALIAS

ESPECIFICAÇÕES

Tipo:
- Freio de Serviço. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . discos em banho de óleo atuando
sobre os semi-eixos do diferencial
- Freio de Estacionamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . três discos em banho de óleo atuando
sobre o eixo do pinhão
Controles:
- Freio de Serviço. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . atuação hidráulica, pedais
independentes, (ou travados juntos
para atuação simultânea)
- Freio de Estacionamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Freios dianteiros assistidos atuação
mecânica por alavanca manual
Especificação Óleo Freio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . AKCELA
LHM Fluid (óleo mineral)
Material Disco Freio Serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . resina/grafite
Material Disco Freio Estacionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . aço (liso)
Material Revestimento Freio Estacionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . sinterizado ou composto orgânico
Espessura do disco:
- Freios Serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . mm 10 (min 8,6)
Desgaste Máximo Admissível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 0,7 por lado
- Freio de Estacionamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

73403960 - 05.2008
2 SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1

ESPECIFICAÇÕES

Espessura Revestimento Freio Estacionamento:


- Lateral mm 3.1 a 3.4
- Intermediária 4.2 a 4.5
Sistema de Atuação Hidráulica
Bomba Hidráulica 2 cilindros mestres operados
Pressão de Atuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . bar independentemente através do
circuito hidráulico de baixa pressão
dos pedais do freio. Válvula de reforço
com cilindro mestre para os freios
dianteiros
17.6 bar
Ajuste do Pedal ver página 19
Sangria do Freio ver página 22

TORQUES DE APERTO

Torques de Aperto
DESCRIÇÃO Rosca
Nm kgm
Porcas fixação redução final à carcaça do eixo traseiro (C1 página 3) . . . M14x1.5 176 18
Parafusos guia pastilha freio estacionamento (C2) . . . . . . . . . . . . . . . . . . M14x1.5 24 2.5
Parafusos fixação conjunto freio à carcaça do eixo traseiro (C3) . . . . . . . M10x1.25 49 5

1
VISTA EM CORTE DO CILINDRO MESTRE DO FREIO TRASEIRO
21. Mola 24. Vedador Traseiro
22. Corpo da Bomba 25. Vedador Central
23. Pistão Atuador 26. Vedadores Dianteiros

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1 3

2
Cortes do Freio de Estacionamento e Assistência
a. Modelos 135 e 150 CV 1. Vedante
b. Modelo 165 e 180 CV 2. Pistão de controle do freio
C1. Porcas de fixação da caixa do redutor lateral na 3. Espaçador da caixa de transmissão final
caixa de transmissão traseira 4. Disco do freio de assistência
C2. Parafusos da guia de apoio do freio de 5. Discos do freio de estacionamento
estacionamento 6. Conjunto de apoios de fricção
C3. Parafuso de fixação do suporte do freio de 7. Alavanca de controle do freio de
estacionamento na caixa de transmissão estacionamento
traseira 8. Apoios

Nota: Durante a instalação, aplique o junta de vedação nas superfícies assinaladas com X tal como descrito
nas páginas 10 e 20.

73403960 - 05.2008
4 SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1

FERRAMENTAS ESPECIAIS

Atenção - As operações descritas nesta seção só


devem ser levadas a cabo utilizando as ferramentas
ESSENCIAIS que aparecem em baixo com o símbolo
(X). Contudo, para uma maior segurança e para obter
os melhores resultados ao mesmo tempo que poupa
tempo e esforços, recomendamos que estas
ferramentas essenciais sejam usadas em conjunto
com as ferramentas específicas que são enumeradas
em baixo e determinadas ferramentas que serão feitas
segundo os desenhos de construção que são dados
neste manual.

Lista de ferramentas especiais necessárias para


realizar as operações de assistência detalhadas
nesta seção do Manual:
X 295016 Ferramenta de alinhamento do freio de
estacionamento.
292400 Gancho para levantamento das rodas
traseiras
Ferramentas a serem fabricadas para montar e
desmontar as transmissões finais (Marque a
ferramenta com o no. 50078. Dimensões em mm.)
Faça a ferramenta utilizando material 38 NCD 4.
1. Faça a partir de um parafuso macho M12 DIN
580
2. Aplique o adesivo Loctite 270.
3

4
Ferramentas a serem fabricadas para montar e desmontar as transmissões finais (Marque a ferramenta
com o no. 50091. Dimensões em mm.)
Nota: Faça a ferramenta utilizando material Aq 42 D material.
1. Faça 2 esticadores em material C 40 H&T

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1 5

DESCRIÇÃO E FUNCIONAMENTO

FREIOS DE ASSISTÊNCIA Os discos dos freios (um para cada roda traseira)
encontram-se localizados entre a caixa de
Os freios de assistência são do tipo hidraulicamente
transmissão traseira e a caixa do redutor lateral e
controlados e de disco húmido. Os dois cilindros
estão integrados nos semi-eixos de saída do
principais, um para cada pedal, encontram-se
diferencial.
localizados na parte da frente da cabine e ligados
aos respectivos pedais por meio de esticadores. Os
FREIO DE ESTACIONAMENTO
cilindros podem ser acionados individualmente ou
em conjunto quando os pedais são unidos por um O freio de estacionamento é controlado
pino. Os cilindros são ligados por um tubo de mecanicamente. Atua no eixo de engrenagem do
ligação. Isto permite uma travagem equilibrada pinhão traseiro e é controlado através de uma
mesmo se os discos dos freios estiverem alavanca manual situada à esquerda do lugar do
desgastados a níveis diferentes. Os cilindros condutor.
principais são alimentados por um único Quando a alavanca de controle do freio de
reservatório localizado debaixo da tampa do motor e estacionamento é erguida, o cabo tensor atua sobre
montado no motor por intermédio de uma o atuador forçando os apoios contra os três discos
braçadeira. de freio integrados na engrenagem do pinhão
traseiro.

DETECÇÃO DE AVARIAS

Problemas Causas Possíveis Soluções

Os pedais são difíceis de operar 1. Gripagem do cilindro Substitua o cilindro principal.


hidráulico principal.
2. Tubagens de controle do Limpe ou substitua as linhas
freio obstruídas ou tubagens.
achatadas.
Os freios ficam bloqueados 1. Pistões do cilindro principal Liberte os pistões e substitua os
quando soltam-se os pedais de presos. cilindros, se necessário.
comando. 2. Cilindros principais presos. Substitua os cilindros principais
dos freios.
Ruído proveniente dos freios. 1. Material de atrito dos discos Substitua os disco dos freios.
dos freios (4, página 3)
desgastados.
Descida excessiva do pedal 1. Ar no interior do circuito Purgue o ar do circuito hidráulico
hidráulico do freio. do freio.
2. Cilindros principais do freio Substitua os cilindros principais
desgastados. dos freios.
3. Fuga de óleo das linhas de Repare a fuga.
pressão.
(continua)

73403960 - 05.2008
6 SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1

DETECÇÃO DE AVARIAS
(continuação)
Problemas Causas Possíveis Soluções

Travagem desequilibrada 1. Pressão dos pneus incorreta. Encha os pneus de ar para


corrigir pressão
2. Cilindros principais dos freios
desgastados. Substitua os cilindros principais
dos freios
3. Tubo de ligação da bomba
obstruído ou achatado. Limpe ou substitua o tubo em
ponte
4. Tubagens de controle do
freio obstruídas ou Limpe ou substitua as tubagens
achatadas. de controle
5. Vedantes do pistão do
cilindro principal Substitua cilindros principais
desgastados ou partidos.
6. Alinhamento desgastado
num dos discos de freio (4, Substitua o disco
página 3).
1. Material de atrito dos discos
Freios funcionam incorretamente dos freios (4, página 3) Substitua os discos do freio
desgastado.
2. Cilindros principais do freio
desgastados. Substitua os cilindros principais
do freio
3. Ar no circuito hidráulico do
freio. Esvazie o ar do sistema hidráulico
do freio
4. Fuga de óleo nas tubagens
de controle do freio. Repare a fuga
5. Vedantes do pistão de
acionamento do cilindro Substitua os cilindros
hidráulico partidos ou
desgastados.
Freio de estacionamento ineficaz 1. Mau ajustamento do controle
do freio. Ajuste corretamente
2. Apoios de travagem
desgastados (8, página3). Substitua os apoios
O trator continua travado após a
libertação da alavanca de 1. Movimento de retorno da
controle do freio de alavanca de controle Repare conforme necessário
estacionamento bloqueado.

2. Gripagem dos apoios nos


discos do freio (8, página 3). Repare e substitua as peças
danificadas

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1 7

FREIO, DIREITA OU ESQUERDA


Desmontagem - Instalação (Op. 33 202 65)

PERIGO
Levante e manuseie todas as peças pesadas
servindo-se do equipamento de elevação com uma
capacidade suficiente.Certifique-se de que as
unidades e as peças estão apoiadas em cintos e
ganchos adequados.Verifique se não está
ninguém em volta da carga que vai ser elevada.

Separe e remova a caixa de transmissão final do


seguinte modo:
1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.

2. Desaperte a vela (3) e drene o óleo das caixas


de transmissão traseira e embreagem/caixa de
velocidades. Recolha o óleo num recipiente
apropriado. A quantidade especificada é
indicada na página 6, Sec. 00.

3. Levante o trator com um macaco e coloque um


cavalete fixo de suporte debaixo do alojamento
do-eixo traseiro e uma coluna fixa debaixo dos
degraus do lado esquerdo de acesso a cabine.

4. Amarre a roda com um fio de nylon (3),


desaperte as porcas de fixação e remova a
roda. Repita o processo para a roda esquerda.

73403960 - 05.2008
8 SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1

5. Solte os dois parafusos do teto da cabine e fixe


a ferramenta no. 295027 (4) utilizando dois
parafusos adequados. Ligue a ferramenta a um
guincho utilizando cabos de metal e mantenha
os cabos esticados.

8
6. Desaperte e remova os parafusos traseiros que
fixam a cabine às braçadeiras de apoio (repita
este processo para ambas as montagens
traseiras).

7. Remova o estabilizador telescópico, solte os


parafusos de fixação e remova a braçadeira (2),
apoiando a cabine e a braçadeira (3) que apóia
o estabilizador telescópico.

8. Reinstalar o parafuso e porca na montagem


traseira do lado direito.

10

9. Solte os parafusos de engate e remova a


proteção do cabo do sensor de controle da
tração.

11

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1 9

10. Coloque ferramenta no 50091 (1), ligue-a a um


guincho utilizando um cabo e desaparafuse as
porcas de fixação da caixa do redutor lateral na
caixa de transmissão traseira.

12
11. Separe a montagem da transmissão final (2) do
alojamento do eixo traseiro juntamente com o
veio do eixo (3).

13

12. Separe o braço auxiliar do espaçador (5),


recupere a engrenagem do anel externo (4),
espaçador e prato de fricção (6).

14

13. Remova o pistão (7) do freio de assistência.


Prima o pedal do freio para retirar o pistão da
sua base, se necessário.

15

73403960 - 05.2008
10 SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.

14. Reinstalar a caixa de transmissão final no


alojamento camisa do eixo traseiro tendo em
consideração os seguintes aspectos:
– A remontagem segue o processo de
desmontagem na ordem inversa, desde a fase
14 à fase 1.
– Consulte as figuras na página 3 para orientar
as diferentes peças.
– Antes de reinstalar a caixa de transmissão final
no alojamento do eixo traseiro, limpe
cuidadosamente e desengordure as
superfícies concordantes, e aplique um filete
de junta de vedação de aproximadamente 2
mm de diâmetro, seguindo a ordem indicada na
figura em baixo.
– Verifique os vedantes e substitua os
danificados.
– Aplique nos torques de aperto como descrito
na página 2.

16
Esquema de aplicação do junta de vedação entre a caixa de transmissão final e o alojamento do eixo
traseiro.
Os vedantes a serem utilizados encontram-se descritos na página 1, Sec. 00.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1 11

CILINDRO PRINCIPAL DO FREIO HIDRÁULICO


Desmontagem-Instalação (Op. 33 202 46)

AVISO
Manuseie todas as peças com muito cuidado. Não
coloque as mãos ou os dedos entre duas peças.
Use sempre o equipamento de segurança referido,
incluindo os óculos de proteção, as luvas e os
sapatos.

Remova o cilindro principal do freio hidráulico do


seguinte modo:
1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.
2. Abra e levante a tampa do motor.

17

3. Remova os parafusos de retenção (1) e remova


a proteção do lado direito.

18

73403960 - 05.2008
12 SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1

4. Desligue os ligadores (1) dos cilindros principais


do freio.

5. Solte os dispositivos (2) e desligue as linhas de


controle dos freios.

6. Solte as tubagens ligando os cilindros principais


do freio ao reservatório.

7. Remova as pinças de bloqueio e faça deslizar


os pinos (1) da articulação dos grampos de
comando das bombas dos freios.

8. Solte os parafusos (2) de retenção dos cilindros


principais do freio na cabine e retire os cilindros 19
do trator pela lateral do motor.

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.

9. Reinstale os cilindros principais do freio


hidráulico tendo em consideração os seguintes
aspectos:
– A remontagem segue o processo de
desmontagem na ordem inversa, desde a fase
9 à fase 1.
– Proceda aos ajustamentos descritos em baixo 20
e esvazie o ar dos circuitos hidráulicos dos
freios seguindo as instruções detalhadas na
página 13.

Ajustamento da Altura do Pedal do Freio de


Assistência

10. Com os pedais do freio ligados às suas


forquilhas e com o pino de ligação removido,
verifique a distância (H) entre o centro do pedal
e o tapete do chão. A distância deve ser de
aproximadamente 185 mm.

21

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1 13

11. Se não for o caso, libere as contraporcas (2) e


aperte ou desaperte para ajustar o parafuso (1)
e para atingir a distância desejada. Aperte as
contraporcas.

22
SISTEMA HIDRÁULICO DE FREIOS

Purga do Ar (Op. 33 202 04).


A purga do ar é indispensável toda vez que efetue-
se intervenções no sistema hidráulico tenha sido
reforçado ou reparado. Proceda da seguinte
maneira:

1. Limpe cuidadosamente o exterior do grupo em


redor do parafuso de purga (1, Fig. 2) e a tampa
do reservatório de óleo hidráulico (1).

2. Certifique-se de que o reservatório (1) se enche


antes ou durante a purga.
23
3. Prima o pedal do freio do lado esquerdo
lentamente e até ao fundo para pressurizar o
óleo.

4. Mantenha o pedal do freio em baixo e desaperte


o parafuso de purga (1) dando-lhe meia volta.
Deixe o óleo drenar com as bolhas de ar.

5. Aperte o parafuso (1) e repita os passos em


cima descritos até que o óleo sem ar comece a
sair.

6. Prima de novo o pedal do freio do lado


esquerdo para pressurizar o circuito. Esta
situação ocorre quando o funcionamento do
pedal for de novo normal.

7. Repita os passos acima descritos para o pedal


do freio do lado direito. 24

8. Após terminar a purga, ateste o óleo no


reservatório para corrigir o nível (1, Fig. 1).

73403960 - 05.2008
14 SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1

9. Se o trator se encontrar equipado com uma


válvula de freio de reboque hidráulico utilizando
válvulas auxiliares Kontak, proceda à purga do
ar tal como em cima descrito e depois purgue o
ar do parafuso de purga (1) seguindo o mesmo
procedimento do utilizado para o parafuso de
purga (1, Hg. 2).

10. Após completar a purga, ateste o óleo no


reservatório para corrigir o nível (1).

25
11. Se o trator se encontrar equipado com uma
válvula de freio de reboque hidráulico utilizando
válvulas auxiliares Rexroth, proceda à purga do
ar tal como em cima descrito e depois purifique
o ar dos parafusos de purga (1,2, e 3)) seguindo
o mesmo procedimento do utilizado para o
parafuso de purga (1, Fig. 2).

12. Após completar a purga, ateste o óleo no


reservatório para corrigir o nível (1).

26

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1 15

CONJUNTO DO FREIO DE ESTACIONAMENTO


Desmontagem - Instalação (Op. 33 110 40)

PERIGO
Levante e manuseie todas as peças pesadas
servindo-se do equipamento de elevação com uma
capacidade suficiente.Certifique-se de que as
unidades e as peças estão apoiadas em cintos e
ganchos adequados.Verifique se não está
ninguém em volta da carga que vai ser elevada.

Remova o conjunto do freio de estacionamento do


seguinte modo:
1. Desligue o cabo negativo da bateria e isole-o.

27

2. Levante a traseira do trator com a ajuda de um


macaco e coloque dois cavaletes fixos de
suporte adequados por debaixo das caixas de
transmissão finais. As rodas traseiras devem
estar afastadas do solo. Desligue as ligações
verticais dos braços de elevação inferiores se
necessário.

28

3. Amarre a roda utilizando um cabo de nylon (3),


desaperte as porcas de fixação e remova a
roda. Repita o mesmo para a roda do lado
esquerdo.

29

73403960 - 05.2008
16 SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1

4. Solte o parafuso que fixa os degraus (6) à


braçadeira de apoio.

30
5. Solte o parafuso que fixa os degraus (1) ao
chão da cabine.

31

6. Esvazie os depósitos de combustível e remova


a braçadeira (1) na tubagem que liga o depósito
principal ao tanque auxiliar.

32

7. Remova a braçadeira e desligue a tubagem de


purga (3) entre o tanque principal e o tanque
auxiliar.

33

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1 17

8. Solte a braçadeira e desligue a tubagem (5) de


fornecimento da bomba de injeção, desligue os
ligadores (4), solte e remova a unidade sensível
do nível do combustível.

34

9. Solte a porca do prato de bloqueio de metal do


tanque principal (6), remova o prato e remova o
depósito. Incline o depósito para facilitar a sua
remoção por entre a cabine e a braçadeira de
montagem.

35

10. Desligue o cabo da alavanca de controle do


freio de estacionamento.

11. Solte os parafusos de retenção e remova a


montagem de controle do freio de
estacionamento.

36

12. Endireite as lingüetas de fixação (1).

37

73403960 - 05.2008
18 SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1

13. Solte os parafusos de guia (1) e recolha os


apoios.

38

14. Remova o anel elástico (2).

Nota: As setas indicam as marcas de referência que


devem ser combinadas durante a remontagem.

39

15. Deslize a alavanca de controle para fora e


recolha a alavanca interna (3).

AVISO
Utilize sempre ferramentas adequadas para
alinhar os orifícios, NÃO USE AS MÃOS OU OS
DEDOS.
16. Reinstale a montagem do freio de
estacionamento tendo os seguintes aspectos
em consideração:
– A remontagem segue o processo de
desmontagem na ordem inversa, da fase 16 à
fase 1. 40
– Consulte as figuras na página 3 para orientar
as diferentes peças.
– Tenha em conta as fases 17, 18, e 19.
– Antes de reinstalar a unidade de apoio do freio
de estacionamento para a caixa de
transmissão traseira, é preciso limpar
cuidadosamente e desengordurar as
superfícies concordantes e aplicar um filete de
junta de vedação de aproximadamente. 2 mm
de diâmetro seguindo a ordem indicada na
página 20.
– Aplique nos torques de aperto tal como descrito
na página 2.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1 19

17. Para o auxiliar na remontagem do conjunto de


controle do freio de estacionamento, utilize a
ferramenta no 295016 (2) para instalar os
discos (1) na engrenagem do pinhão.

41
18. Insira a ferramenta no 295016 (2) entre os
apoios de travagem de estacionamento (3).

42

19. Posicione o conjunto de freio de


estacionamento completo com a ferramenta no
205016 (2) nos discos, chegando tão perto
quanto possível da camisa do eixo traseiro.
Retire a ferramenta no 205016 (2), ponha a
unidade em contato com o alojamento do eixo
traseiro e segure-a no seu lugar apertando os
parafusos de retenção no respectivo torque
(veja a página 2).

43

73403960 - 05.2008
20 SEÇÃO 33 - SISTEMA DE FREIOS - CAPÍTULO 1

Seqüência para a aplicação da junta de vedação


entre a caixa do freio de estacionamento e a
camisa do eixo traseiro.
Os vedantes a serem utilizados encontram-se
descritos na página 1, Sec. 00.

CONTROLE MANUAL DO FREIO


Ajustamento do Movimento (Op. 33 110 08)
O ajustamento do movimento da alavanca de
controle do freio de estacionamento deve ser
realizada de cada vez que o freio de estacionamento
for reforçado ou reparado e quando o movimento
solto da alavanca for excessivo. Proceda do
seguinte modo:
1. Bloqueie as rodas dianteiras utilizando métodos
apropriados.

2. Levante a parte traseira do trator utilizando um


macaco até que as rodas fiquem ligeiramente
afastadas do solo.
44
3. Levante a alavanca de controle do freio de
estacionamento até ao quarto entalhe do
quadrante.

4. Liberte a porca de fixação (2) e aparte o


parafuso de ajustamento (1) até que as rodas
fiquem presas.

5. Desça a alavanca de controle do freio de


estacionamento e assegure-se de que as rodas
podem movimentar-se livremente.

6. Aplique o freio de estacionamento várias vezes


para se certificar de que o conjunto não fica
preso ou funcione incorretamente. 45

7. Aperte o porca de retenção (2) e desça o trator.

73403960 - 05.2008
TRATORES
MAXXUM 135-150-165-180

MANUAL DAS REPARAÇÕES


VOLUME 2
SEÇÕES:

SISTEMA HIDRÁULICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

DIREÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

UNIDADES AUXILIARES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

SISTEMA ELÉTRICO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

CABINE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90

S E R V I C E
NOTAS INTRODUTIVAS
š Este manual está subdividido em seções marcadas por números com duas cifras e há
um número da página independente no âmbito de cada seção.
Para uma referência imediata, estas seções mantêm o mesmo número de localização e
a mesma denominação dos grupos no qual está subdividido o relativo Tarifário das
Reparações.
š Os assuntos tratados e as notícias a procurar podem ser facilmente localizadas
consultando o índice indicado nas páginas seguintes.
š Cada página tem em baixo o número da impressão do manual e a respectiva data da
edição/atualização.
š As páginas objeto de futuras atualizações serão localizadas pelo mesmo número da
impressão seguido por um número de duas cifras (por exemplo: 1ª Atualização
604.55.066.31; 2ª Atualização 604.55.066.32; etc.) e pela respectiva data de emissão.
Estas páginas serão completadas pela reimpressão do índice devidamente atualizado.
š As informações contidas neste manual são atualizadas na data indicada no fascículo.
Pois que a CASE IH melhora constantemente a própria gama de produtos, algumas
informações poderiam resultar não atualizadas em conseqüência de modificações
adoptadas por razões de natureza técnica ou comercial além de que por adaptação aos
requisitos de lei dos vários Países. No caso de discordância, consulte as nossas
Organizações de Venda e de Assistência CASE IH.

AVISOS IMPORTANTES
š Todas as operações de manutenção e de reparação indicadas neste manual devem ser
executadas exclusivamente pela Rede de Assistência CASE IH rigorosamente as
indicações fornecidas e utilizando, onde necessário, as ferramentas específicas
previstas.
š Qualquer um que efetue as operações de intervenção aqui descritas sem seguir
escrupolosamente as indicações tornar-se-á responsável em próprio dos danos
conseqüentes.
š O Fabricante e todas as Organizações da sua cadeia de distribuição, incluídos mas não
limitando-se aos distribuidores nacionais, regionais ou locais, declinam qualquer
responsabilidade por danos que possam derivar do comportamento anômalo de peças
e/ou componentes não aprovados pelo Fabricante, incluídos os empregados na
manutenção e/ou reparação do produto fabricado ou comercializado pelo Fabricante.
Em todo caso, não é emitida ou estabelecida nenhum tipo de garantia, em relação ao
produto fabricado ou comercializado pelo Fabricante por danos conseqüentes a um
comportamento anômalo de peças e/ou componentes não aprovados pelo Fabricante.

É proibida a reprodução mesmo parcial


do texto e das ilustrações

IMPRESSO NO BRASIL
ÍNDICE 3

Página Página
35- SISTEMA HIDRÁULICO
Rotina de teste de diagnóstico de assistência............... 32
CAPÍTULO 1 - Circuitos hidráulicos
Códigos de erro do controle eletrônico de
Introdução e identificação dos circuitos........................... 2 esforço - Tratores Range Command.......................... 40
Circuito hidráulico alta pressão centro-fechado Válvula de controle hidráulico
com sensor de carga.................................................... 4 (Desmontagem e instalação) ..................................... 93
Esquemas dos circuitos hidráulicos................................. 5 Substituição do pino sensor à carga.............................. 97
Funcionamento do circuito de baixa pressão Reforma da cobertura do levantador hidráulico............. 98
Tratores com transmissão Semi-Power Shift ............. 10 Circuito elétrico do controle de esforço eletrônico ....... 107
Circuito de lubrificação, baixa pressão e direção
Tratores com transmissão Semi-Power Shift ............. 13
CAPÍTULO 6 - Válvulas de controle remoto
centro fechado
CAPÍTULO 2 - Bomba hidráulica de fluxo variável
Ferramentas especiais .................................................... 2
Ferramentas especiais .................................................... 2
Especificações................................................................. 2
Especificações................................................................. 3
Torques de aperto ........................................................... 2
Torques de aperto ........................................................... 4
Descrição e operação...................................................... 3
Descrição e operação...................................................... 5
Fluxo de óleo em neutro .................................................. 8
Funcionamento do circuito hidráulico ............................ 11
Fluxo de óleo em sobe (Cilindro distende) .................... 10
Detecção e correção de anomalias ............................... 26
Fluxo de óleo em desce (Cilindro detrai) ....................... 12
Teste de pressão e débito da bomba ............................ 33
Fluxo de óleo em flutuação............................................ 14
Revisão.......................................................................... 43
Operação da válvula reguladora de pressão
Desmontagem da bomba .............................................. 47 do bloqueio................................................................. 16
Instalação ...................................................................... 49 Solução de dificuldades e teste de pressão .................. 18
Reforma ......................................................................... 19
Desmontagem e montagem da válvula remota ............. 23
CAPÍTULO 3 - Bombas de engrenagens de
Revisão.......................................................................... 31
deslocamento fixo
Inspeção e montagem ................................................... 38
Especificações................................................................. 1
Ajuste dos cabos ........................................................... 40
Torques de aperto ........................................................... 3
Ferramentas especiais .................................................... 4
Cortes .............................................................................. 5 CAPÍTULO 7 - Válvulas de controle remoto
Descrição e funcionamento ............................................. 5 centrais abertas
Bomba de óleo do sistema de levantamento Especificações................................................................. 1
hidráulico (Desmontagem-Instalação).......................... 6
Torques de aperto ........................................................... 1
Montagem do controle da bomba do elevador
Ferramentas especiais .................................................... 1
hidráulico e direção hidrostática................................... 8
Cortes ............................................................................. 2
Descrição e funcionamento ............................................. 4
CAPÍTULO 4 - Controle eletrônico de esforço Válvula de controle remoto
(Desmontagem-Instalação) .......................................... 8
Especificações................................................................. 2
Válvula de controle remoto (Removidas)
Ferramentas especiais .................................................... 2
(Desmontagem-Montagem) ....................................... 10
Torques de aperto ........................................................... 3
Ajuste da pressão de libertação automática.................. 12
Descrição e operação...................................................... 4
Calibrador do controle de fluxo
Componentes .................................................................. 7 (Desmontagem-Montagem) ....................................... 13
Range Command........................................................... 10 Calibrador do controle de fluxo
Operação do controle de esforço .................................. 14 (Ajuste da taxa de fluxo - no trator) ............................ 14
Operação hidráulica da válvula de controle
do levantador.............................................................. 18
Detecção de anomalias e calibração............................. 29

73403960 - 05.2008
4 ÍNDICE

Página Página

CAPÍTULO 8 - Válvula auxiliar do freio reboque


Teste dos componentes e especificações ..................... 18
Cortes .............................................................................. 1
Descrição e funcionamento ............................................. 1
Detecção de avarias e teste de pressão da CAPÍTULO 3 - Grupo de Instrumentos
válvula do freio de reboque ........................................ 10 eletrônicos
Introdução........................................................................ 1
CAPÍTULO 9 - Cilindro auxiliar Transmissores, sensores e interruptores ........................ 9
Especificações................................................................. 1 Programação do LCD central ........................................ 15
Cortes .............................................................................. 1 Instalação do monitor da performance do trator ............ 17
Descrição e Funcionamento ............................................ 1 Assistência EIC.............................................................. 19
Cilindro auxiliar (Desmontagem-Instalação).................... 2 Quadros dos códigos das falhas ................................... 20
Cilindro auxiliar (Desmontagem - Montagem) ................. 2 Memória de diagnóstico................................................. 31
Níveis dos bytes do painel de instrumentos .................. 32

41- DIREÇÃO

Especificações................................................................. 2 CAPÍTULO 6 - Sistema de partida


Ferramentas especiais .................................................... 3 Especificações................................................................. 1
Descrição e funcionamento ............................................. 4 Torques de aperto ........................................................... 1
Detecção de avarias ........................................................ 7 Operação ......................................................................... 2
Testes do sistema............................................................ 8 Localização de falhas ..................................................... 4
Distribuidor da direção hidráulica (Revisão) .................. 11 Teste do sistema do motor de partida no trator ............... 5
Barra de direção (Desmontagem e instalação) ............. 19 Desmontagem e instalação do motor de partida ............. 7
Cilindro de direção de veículos de Remoção e instalação do motor de partida .................... 8
tração à 4 rodas - Desmontagem e Instalação .......... 20 Testes de bancada ........................................................ 10

50- UNIDADES AUXILIARES CAPÍTULO 7 - Sistema de recarga


Especificações................................................................. 1
Especificações................................................................. 1 Torques de aperto ........................................................... 1
Torques............................................................................ 1
Ferramentas especiais .................................................... 2 Descrição e funcionamento ............................................. 2
Medidas de segurança .................................................... 2 Testes do sistema e detecção de avarias ....................... 4
Princípios do ar condicionado.......................................... 3 Revisão do alternador e teste dos componentes .......... 10
Componentes do sistema - Descrição e
Remontagem ................................................................. 16
funcionamento.............................................................. 7
Identificação de avarias e testes do Instalação ...................................................................... 16
sistema de ar condicionado........................................ 14
Diagnóstico do teste da performance ............................ 17
Testes de fugas, descarga e recarga, CAPÍTULO 8 - Bateria
lavagem do sistema ................................................... 31
Especificações................................................................. 1
Revisão dos componentes (excluindo o compressor) ... 36
Desmontagem, instalação e revisão do compressor ..... 43 Descrição e funcionamento ............................................. 1
Assistência da cabeça do cilindro.................................. 52 Desmontagem e instalação ............................................. 2
Manutenção e testes da bateria ...................................... 3
Recarga da Bateria.......................................................... 4
55- SISTEMA ELÉTRICO
Causas Comuns das Falhas da Bateria .......................... 7
CAPITULO 1 - Introdução
Sistema elétrico e fusíveis ............................................... 2
CAPÍTULO 9 - Circuitos elétricos
Proteção dos sistemas eletrônicos / elétricos
durante carga ou soldagem.......................................... 6 Descrição dos esquemas elétricos .................................. 1
Controles e instrumentos - Localização e função............ 7 Como usar os diagramas lineares ................................... 2
Desmontagem e substituição dos interruptores ............ 15

73403960 - 05.2008
ÍNDICE 5

Página Página

Identificação dos componentes e chave para Potenciômetro do Braço de Levantamento


localização dos esquemas ........................................... 5 (Eixo transversal) ....................................................... 40
Esquemas Elétricos ....................................................... 11 Interruptor de Pressão da Embreagem de Gamas ........ 41
Painel de Controle de Esforço de Tração Eletrônico ..... 42
Códigos de Erro............................................................. 43
CAPÍTULO 10 - Teste de componentes elétricos Interruptor Multifunção Luzes / Indicadores / Buzina..... 44
Dispositivo Auxiliar de Partida ......................................... 2 Interruptor Multifunção Limpador / Lavador do
Sensor de Nível do Líquido de Arrefecimento ................. 3 Pára-brisa................................................................... 45
Sensor de Temperatura do Líquido de Arrefecimento..... 4
Alternador ........................................................................ 5
Interruptor de Pressão de Óleo do Motor ........................ 6 CAPÍTULO 11 - Rotinas de Diagnóstico do
menu “H”
Sensor de Pressão de Óleo do Motor ............................. 7
Introdução........................................................................ 2
Interruptor de Restrição do Filtro de Ar ........................... 8
Menus “H” para a Transmissão ....................................... 3
Baterias............................................................................ 9
Menus “H” para Teste do Levantador Hidráulico (LH) ... 16
Água no Sensor de Combustível ................................... 10
Códigos de Erro da Transmissão .................................. 24
Interruptor de Pressão do Bloqueio do Diferencial ........ 11
Códigos de Erro do Sistema do Levantador
Interruptor de Pressão da Tração Dianteira .................. 12
Hidráulico (LH) ........................................................... 26
Interruptor de Baixa Pressão de Óleo da
Códigos de Erro da Unidade de Gerenciamento
Transmissão............................................................... 13
Eletrônico ................................................................... 27
Interruptor de Nível do Fluido do Freio .......................... 14
Teste do Menu H9 - Levantador Hidráulico ................... 28
Interruptor do Freio de Estacionamento ........................ 15
Sensor de Combustível ................................................. 16
Interruptor de Restrição do Filtro de Óleo
(Centro aberto) ........................................................... 17 CAPÍTULO 12 - Chicotes Elétricos
Sensor de Velocidade da Tomada de Força ................. 18 Chicotes Elétricos ............................................................ 2
Alavanca de Inversão Frente/Ré ................................... 19 Conectores Principais ...................................................... 3
Potenciômetro do Pedal da Embreagem....................... 21 Identificação e códigos de cores dos fios ........................ 4
Interruptor de Desligamento do Pedal da Chicote das Luzes ........................................................... 6
Embreagem................................................................ 22 Chicote Principal Dianteiro (Motor) ................................ 10
Radar ............................................................................. 23 Conector Engate/TDF Dianteiros................................... 12
Potenciômetro do Range Command ............................. 24 Chicote Principal Traseiro (Transmissão)...................... 14
Sensores de Velocidade da Transmissão ..................... 25 Chicote Principal da Cabine .......................................... 22
Alavanca Seletora e Gamas Range Command Chicote do Console Direito ............................................ 35
(Semi-Power Shift) ..................................................... 26
Válvulas Solenóides PWM A, B, C, D & E -
Range Command ....................................................... 27 90- CABINE
Potenciômetro do Sincronizador Frente/Ré................... 29
Válvulas Solenóides ...................................................... 30 CAPÍTULO 1 - Substituição do vidro
Interruptor de 40 Graus - Bomba CCLS ........................ 31 Remoção - Vidro Intacto .................................................. 1
Interruptor de Restrição do Filtro de Entrada - Remoção - Vidro Partido ................................................. 1
Bomba CCLS ............................................................. 32 Substituição - Vidro Novo ................................................ 3
Interruptor de Baixa Pressão de Carga - Substituição - Vidro Já Colocado..................................... 4
Bomba CCLS ............................................................. 33
Potenciômetro do Ângulo de Direção ............................ 34
Interruptores do Freio .................................................... 35
Sensor de Temperatura do Óleo da Transmissão......... 36
Pinos Sensores de Carga.............................................. 37
Unidade de Controle EDC ............................................. 38
Solenóides Sobe & Desce - Válvula EDC ..................... 39

73403960 - 05.2008
6 ÍNDICE

Página

CAPÍTULO 2 - Componentes interiores da cabine


Desmontagem e Instalação da Armação da Cabine ....... 1
Desmontagem e Instalação do Motor da
Ventoinha do Dispositivo de Aquecimento................... 4
Desmontagem e Instalação dos Motores do
Dispositivo de Limpeza do Pára-Brisas........................ 5

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1 1

SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO

Capítulo 1 - Circuitos Hidráulicos

CONTEÚDO

Descrição Página
Introdução e identificação dos circuitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Esquemas do circuito hidráulico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Funcionamento do circuito de baixa pressão - Tratores com Transmissão Semi-Power Shift . . . . . . . . . 10
Circuito de lubrificação, baixa pressão e direção - Tratores com transmissão Semi-Power Shift . . . . . . . 13

73403960 - 05.2008
2 SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1

INTRODUÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DOS


CIRCUITOS
O sistema hidráulico dos tratores série MAXXUM Acionamento da Embreagem do Sincronizador
divide-se entre os seguintes circuitos:- de Gamas

Circuito de Alta Pressão Circuito de Lubrificação


Conjunto do Levantador Hidráulico Discos da Embreagem da TDF
Válvulas de Controle Remoto Discos da Embreagem da Transmissão
Freio do Reboque (se montado) Lubrificação Pressurizada do Eixo da
Freio do Reboque (se montado) Transmissão
TDF Dianteira, se montado Rolamento da Engrenagem de Acionamento da
Bomba
Circuito da Direção Eixo Transversal do Levantador Hidráulico
Motor e Cilindros da Direção
O circuito de alta pressão pode ser do tipo "centro-
aberto" ou "centro-fechado" com sensor de carga e
Circuito de Baixa Pressão
depende das opções de modelo de trator.
Tomada de Força Independente (TDF)
Os circuitos da direção, de baixa pressão e
Bloqueio do Diferencial lubrificação são do tipo "centro-aberto".
Acionamento da Tração Dianteira
Acionamento da Embreagem e do Sincronizador
da Transmissão Dual Command

OPÇÕES DE CONSTRUÇÃO DE TRATORES

Transmissão Sistema Bomba Levantador Válvulas de


Hidráulico Alta Hidráulica Hidráulico Controle Remoto
Pressão

Range Command Centro Fechado CCLS de fluxo Controle de Centro Fechado


variável Esforço Eletrônico

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1 3

Antes de começar o trabalho no trator, é importante


identificar se o mesmo possui Sistema Hidráulico de
centro-aberto ou centro-fechado, bem como o tipo
de transmissão
Os sistemas hidráulicos de alta pressão do tipo
centro-fechado com sensor de carga podem ser
identificados pelas seguintes características:
Bomba de pistão de cilindrada variável, centro-
fechado e sensor de carga.

Válvulas de controle remoto centro-fechado (1) e


controle eletrônico e de esforço (2). O controle
eletrônico de esforço não se encontra disponível
nos sistemas hidráulicos de alta pressão centro-
aberto.

Os tratores equipados com o levantador


hidráulico com controle eletrônico de esforço
utilizam um painel de controle exclusivo.

O controle de posição do braço do levantador (1),


interruptor de levantamento e abaixamento
rápido na cabine (2) e os controles de esforço (3)
são também exclusivos dos tratores com controle
de esforço eletrônico.

73403960 - 05.2008
4 SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1

CIRCUITO HIDRÁULICO ALTA PRESSÃO


CENTRO-FECHADO COM SENSOR DE CARGA

5
Componentes e Tubulações do Circuito de Alta Pressão
Tratores com bomba de pistão fluxo variável
1. Válvulas de Controle Remoto e o EDC 4. Para o Levantador Hidráulico e Cilindro Auxiliar
2. Para as Válvulas de Controle Remoto e de (se montado)
Controle do Levantador Hidráulico 5. Bomba Hidráulica de Fluxo Variável
3. Retorno ao Reservatório (através da carcaça do 6. Válvula do Freio do Reboque
freio da transmissão) 7. Tubulações do Sensor de Carga
O princípio de funcionamento do circuito hidráulico se montado. A bomba de pistão de fluxo variável e
de alta pressão centro-fechado com sensor de carga sensor de carga oferece importantes vantagens
com bomba de pistão de fluxo variável é fornecer reduzindo a perda de potência do motor que ocorre
fluxo de óleo quando necessário. Permite, também, nos sistemas de centro-aberto nos quais um grande
o funcionamento simultâneo do freio do reboque, do volume de óleo, muitas vezes superior à demanda,
levantador hidráulico e das válvulas de controle é continuamente bombeado no circuito hidráulico,
remoto, bem como da suspensão do eixo dianteiro, mesmo quando este não está sendo operado.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1 5

Esquemas de circuitos hidráulicos

Esquema hidráulico
Tratores com bomba hidráulica central fechada de detecção de carga e transmissão SemiPowershift

Circuito de alta pressão Circuito de direção

Circuito de baixa pressão Circuito de lubrificação

Retorno ao carter

6
1. Bomba de pistão de fluxo variável 12. Para a embreagem da TDF
2. Válvula do freio do reboque 13. Para a tração as quatro rodas
3. Válvula de segurança do cilindro de elevação e 14. Para o engate do diferencial do eixo dianteiro
coletor 15. Para o engate do diferencial do eixo frontal
4. Válvula do controle de tração eletrônico do elevador 16. Para os atuadores de forquilha do sincronizador de
hidráulico gamas
5. Elevador hidráulico 17. Tampa de distribuição de óleo da embreagem
6. Válvulas de controle remoto 18. Para as embreagens da transmissão
7. Bomba de circuito de baixa pressão/direção 19. Refrigerador de óleo
8. Motor de direção 20. Válvula de descarga do refrigerador de óleo
9. Para o bloqueio do diferencial do eixo dianteiro - 21. Para a lubrificação da transmissão
Desengate 22. Para a lubrificação da engrenagem de acionamento,
10. Tampa lateral da transmissão e válvula reguladora da TDF e do eixo transversal do elevador
de pressão 23. Válvula de alívio do circuito de lubrificação
11. Para o freio da TDF

Da figura 9 à figura 13 mostramos, no formato A explicação pormenorizada do funcionamento dos


básico, os circuitos de alta pressão, direção, baixa circuitos de alta e baixa pressão e a localização dos
pressão e lubrificação para cada tipo de bomba componentes no circuito começa na página 9.
hidráulica e transmissão disponível.

73403960 - 05.2008
6 SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1

O circuito de alta pressão é ilustrado na Figura 26 e


identifica os seguintes componentes:
Conjunto da bomba hidráulica (1) e válvula
sensora de carga (2) situados na lateral direita da
transmissão. A válvula sensora de carga possui uma
válvula compensadora de pressão e fluxo que
controla a saída o débito da bomba de acordo com
a demanda do circuito.

Válvula do freio do reboque localizada embaixo da


cabine logo à frente da tampa do levantador
hidráulico. Esta válvula desvia a pressão de óleo
para os freios do reboque sempre que ambos os
pedais do freio do trator forem acionados
simultaneamente.

Válvula do Controle Eletrônico de Esforço (2) é


do tipo empilhado montada juntamente com as
Válvulas de Controle Remoto (1) na traseira abaixo
da cabine, e incorpora a válvula de segurança do
cilindro de levantamento.
A válvula de segurança do cilindro de levantamento
protege o cilindro de levantamento das cargas de
choque e limita a pressão do cilindor a 210-215 bar
(3050-3100 Ibf/pol2).
A válvula de controle do levantador hidráulico é uma
válvula operada por solenóide, controlada por
microprocessador para levantar e baixar o
levantador hidráulico.
As válvulas de controle remoto centro-fechado 9
com sensor de carga (2) encontram-se disponíveis
na configuração de duas ou quatro válvulas por
trator.
Para maiores detalhes sobre o funcionamento da
válvula de freio do reboque, as válvulas de controle
remoto e o controle eletrônico de esforço, ver os
respectivos Capítulos nesta Seção do Manual de
Oficina.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1 7

10
Corpo das Válvulas do Controle Eletrônico de Esforço e Válvula de Controle Remoto Centro-Fechado
1. Válvula de Controle Remoto No. l
2. Válvula de Controle Remoto No. II 7. Bloco Coletor
3. Válvula do Controle Eletrônico de Esforço 8. Retorno ao Reservatório
4. Válvula de Controle Remoto No. Ill 9. Ao Levantador Hidráulico
5. Válvula de Controle Remoto No. lIIl 10. Conexão do Tubo do Sensor de Carga
6. Orifício de Entrada 11. Tampa

Referindo-se à Figura 10.


O circuito hidráulico de alta pressão centro-fechado carga e força da mola da válvula de controle de
funciona da seguinte forma:- fluxo, o débito da bomba continuará aumentando.
Os componentes do circuito hidráulico de alta Ao ser atendida a demanda do circuito, a pressão da
pressão são conectados pelos tubos do sensor de bomba vence a pressão combinada da linha sensora
carga à válvula hidráulica do sensor de carga que de carga e da mola da válvula compensadora de
controla o débito da bomba hidráulica. fluxo. Isso desloca o carretel da válvula
Quando os freios do reboque, válvulas de controle compensadora de fluxo para a direita, permitindo
remoto, levantador hidráulico ou suspensão do eixo direcionar o óleo da pressão de controle para o
dianteiro (se montado) estão operando, a válvula do servo pistão da placa distribuidora de fluxo variável,
sensor de carga na bomba de pistão de fluxo que regula a bomba para ajustar o débito à demanda
variável, compara a pressão na tubulação sensora do circuito
de carga do componente com a pressão de saída da Para uma explicação detalhada do princípio de
bomba hidráulica. operação do sensor de carga da bomba de pistão de
Se a pressão do débito da bomba for inferior à fluxo variável, ver Capítulo 2 nesta Seção do Manual
pressão combinada da tubulação do sensor de de Oficina.

73403960 - 05.2008
8 SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1

A válvula reguladora de pressão está localizada na


tampa lateral da transmissão, em todos os tipos de
transmissão, regulando a pressão no circuito de
baixa pressão em 16-18 bar (232-261lbf/pol²).
Em tratores com controle eletrônico de esforço
instaldo, o circuito de baixa pressão também é
utilizado para acionar o carretel da válvula do
controle eletrônico de esforço.

11

As válvulas de controle remoto de centro fechado


sensível à carga são disponíveis em válvulas de
dois, três ou quatro corpos por trator.
Para mais detalhes a respeito do funcionamento da
válvula do freio do reboque, válvulas de controle
remoto e sistema eletrônico de controle de esforço,
refrir-se ao Capítulo apropriado nesta seção do
Manual de Reparos.

12
Figura 13
Controle da Bomba de Pistão de Vazão Variável com CCLS quando o circuito de
Alta Pressão está Operando (Alta Demanda)

13. Válvula Reguladora de Pressão (Localizada na


1. Entrada da Bomba Tampa Lateral da Transmissão)
2. Interruptor de Baixa Temperatura no Filtro de 14. Bomba de Pistão de Vazão Variável
Entrada (Previne restrição do Filtro de Entrada 15. Válvula Compensadora de Pressão
acionando a Lâmpada de Operação quando a 16. Válvula Compensadora de Vazão
Temperatura do Óleo está Abaixo de 40°C, 17. Válvula do Freio do Reboque
104°F) 18. Válvula de Segurança da Admissão e do
3. Filtro de entrada Cilindro do Levantador
4. Interruptor de Restrição do Filtro de Entrada 19. Válvula do EDC
5. Bomba de Carga 20. Levantador Hidráulico
6. Válvula de Descarga do Filtro da Pressão de 21. Válvula de Controle Remoto de Centro Fechado
Carga
7. Filtro da Pressão de Carga A Linha Sensora de Carga do Levantador
8. Interruptor de Baixa Pressão de Carga Hidráulico, Freio do Reboque e Circuitos das
9. Válvula By-Pass da Pressão de Carga Válvulas de Controle Remoto
10. Bomba do Circuito de Direção e de Baixa B Galeria de Retorno ao Cárter das Válvulas
Pressão Compensadoras de Vazão e Pressão
11. Válvula de Controle da Vazão da Direção C Galeria para o Pistão Servo das Válvulas
12. Servostato da Direção Compensadoras de Vazão e Pressão
D Galeria do Sistema de Sensor de Pressão para
as Válvulas Compensadoras de Pressão e de
Vazão

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1 9

13
Circuito Hidráulico de Centro Fechado de Alta Pressão

73403960 - 05.2008
10 SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1

Funcionamento do circuito de baixa pressão


Tratores com transmissão Semi Powershift

Com referência à figura NO TAG.

O óleo é extraído da bomba do circuito de baixa


pressão e direção (1) para a válvula de controle do
fluxo de direção (2), garantindo um fornecimento
constante de 25 L/min ao motor de direção antes de
voltar a misturar-se com o restante fluxo da direção
e da bomba do circuito de baixa pressão.
14

A válvula reguladora de baixa pressão da tampa


lateral da transmissão limita a pressão neste circuito
a 16÷18 bar e o fluxo em excesso passa para o
circuito de lubrificação.

15
A tampa lateral da transmissão contém solenóides
para engate dos sincronizadores de transmissão,
para o funcionamento do bloqueio do diferencial, o
freio e a embreagem da TDF e o desengate da
tração às quatro rodas.

NOTA: a tração às quatro rodas é aplicada à mola e


o solenóide é acionado sempre que for necessário
desengatar a tração.

Função do solenóide

1. Sincronizador de marcha atrás


2. Sincronizador de alinhamento elevado
3. Engate da TDF
4. Bloqueio do diferencial
5. Sincronizador de alinhamento baixo
6. Sincronizador de alinhamento médio
7. Tração às quatro rodas
8. Freio da TDF

16

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1 11

Os solenóides de largura de impulso modulado


(PWM) da tampa de distribuição de óleo da
embreagem aparafusados à parte lateral da
transmissão são utilizados para engatar/desengatar
progressivamente as embreagens da transmissão.

Função da válvula solenóide PWM

1. Embreagem A
2. Embreagem B
3. Embreagem C
4. Embreagem D
5. Embreagem E
17

O óleo do circuito de baixa pressão é conduzido


para o refrigerador de óleo existente na parte frontal
do trator e está limitado a uma pressão máxima de 7
bar pela válvula de lubrificação localizada na parte
frontal da transmissão. Os componentes
lubrificados por este óleo são as embreagens e os
eixos de transmissão, a engrenagem de
acionamento da bomba hidráulica, o eixo
transversal do elevador hidráulico e o dispositivo de
lubrificação da embreagem da TDF.

18

Quando o óleo estiver frio e o diferencial de pressão


dentro do refrigerador de óleo for superior a 3,5 bar,
a válvula de descarga do refrigerador, localizada na
tampa lateral, é ativada para garantir a manutenção
do fluxo adequado ao circuito de lubrificação. Esta
característica de desvio de óleo garante um
aquecimento do óleo mais rápido a baixa
temperatura ambiente.

19

73403960 - 05.2008
12 SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1

NOTAS
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 1 13

Circuito de lubrificação, baixa pressão e direção Tratores


com transmissão Semi Powershift

Óleo do sistema de direção

Óleo do circuito de lubrificação

Óleo do circuito de baixa pressão


16+ 18 bar

Retorno ao depósito de óleo

Óleo de sucção

1. Bomba do circuito de baixa pressão e da direção


2. Válvula de controle de fluxo da direção
3. Bloqueio do diferencial
4. Solenóide de engate da TDF
5. Válvula reguladora de baixa pressão
6. Solenóide do bloqueio do diferencial
7. Solenóide da tração às quatro rodas
8. Válvula PWM da embreagem A
9. Válvula PWM da embreagem B
10. Válvula PWM da embreagem C
11. Válvula PWM da embreagem D
12. Válvula PWM da embreagem E
13. Válvula de descarga do refrigerador de óleo
14. Refrigerador de óleo
15. Lubricação para a engrenagem de acionamento da
bomba, TDF e eixo transversal do elevador
16. Válvula de alívio do circuito de lubrificação
17. Atuador-sincronizador de alinhamento elevado e
baixo
18. Atuador-sincronizador de marcha atrás e
alinhamento médio
19. Solenóide de marcha atrás
20. Solenóide de alinhamento médio
21. Solenóide de alinhamento baixo
22. Solenóide de alinhamento elevado
23. Motor de direção

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 2 1

SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO

Capítulo 2 - Bomba Hidráulica de Fluxo Variável

ÍNDICE

Descrição Página
Ferramentas especiais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
Especificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Torques de aperto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Descrição e operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Funcionamento do circuito hidráulico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Detecção e correção de anomalias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Teste de pressão e débito da bomba . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Revisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Desmontagem da bomba. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Instalação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

73403960 - 05.2008
2 SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 2

FERRAMENTAS ESPECIAIS
No. DE PEÇA NÚMERO ANTERIOR
CASE IH DA FERRAMENTA
Suporte Remoção Bomba 295046 NH35100
Retentor Eixo Acionamento Bomba 295033 NH 35101
Extrator Válvula "Bypass" e de Descarga 295025 4FT. 857
Manômetro 0-6.6 bar (0- 100 Ibf/pol²) 297320 FT. 4096
Manômetro 0-414 bar (0-6000 Ibf/pol²) 297156 FT. 8503A
Adaptador Teste Pressão Carga 295024 NH 35102
Kit Teste Pressão Hidráulica 292870
Adaptador Remoção Pino Eixo Engrenagem Bomba 50140*
Adaptador Remoção Eixo Engrenagem Bomba 290793
Adaptador "T" 1/4 ORSF (F) x 1/4 ORFS (F) X 7/16 UNF 297603
Adaptador "T" 3 /8 ORSF (F) 3/8 ORFS (M) X 7/16 UNF (F) 297600
Adaptador M10x1 (M) X 7/16 UNF (F) 297404
Adaptador M10x1 (M) X 7/16 JIC (M) 297417
Tampa 1/4 ORFS 297604
Acoplamento Rápido 291924
Adaptador Rápido X 7/16 UNF (M) 297240
Pino Alinhamento Fabricação Local
Plugue (Modificar Adaptador No. Peça CASEIH 83928452
Fluxômetro 0-200 l/min Comprar Localmente

SELANTE
Selante Junta Flexível 82995771

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 2 3

35 000 ESPECIFICAÇÕES

Bomba de Carga
Tipo Bomba de Engrenagens

Válvula Descarga Filtro Pressão de Carga Início Abertura @ 6,9 bar (100 Ibf/pol²)
Totalmente Aberta @ 12,4 bar (180 Ibf/pol²)

Pressão de Carga Mínima 1,6-3.4 bar (23-50 Ibf/pol²)


@2100 rpm e bomba de pistão de fluxo variável
"Em Carregar"

Interruptor Pressão de Carga Fecha a 0,55-0,82 bar (8-12 Ibf/pol²)


Fazendo piscar luz aviso pressão carga

Bomba de Pistão Centro Fechado Fluxo Variável com Sensor de Carga


Tipo Bomba Pistão Fluxo Variável
(Controlado por Chapa Osciladora)

Vazão Mínima @ 2200 rpm 111 l/min


24 Imp gals/min
29 US gals/min

Pressão de "Standby" ("Standby" de Baixa Pressão) 21 -24 bar (310-350 Ibf/pol²)

Pressão Máxima do Sistema ("Standby" de Alta Pressão) 200-207bar (2900 - 3000 Ibf/in²)

Bomba da Direção/Circuito de Baixa Pressão


Tipo Bomba do tipo engrenagem

Vazão Mínima @ 2200 rpm 61.5 l/min


13 Imp gals/min 16 US gals/min

Vazão para o Motor da Direção 22-28 l/min


4,8-6,2 Imp gals/min
5,8-7,4 US gals/min

Pressão de Direção 190 bar (2750 Ibf/pol²) max

73403960 - 05.2008
4 SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 2

TORQUES

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 2 5

35 000 DESCRIÇÃO E OPERAÇÃO

2
Bomba Hidráulica de Fluxo Variável Centro Fechado e Sensor de Carga
1. Bomba de Engrenagens do circuito da direção, 2. Bomba de Carga de Engrenagens
baixa pressão e lubrificação 3. Bomba de pistões de fluxo variável

A bomba hidráulica de fluxo variável Centro • uma bomba de engrenagens de fluxo fixo,
Fechado com sensor de carga é montada na lateral chamada de Bomba da Direção e Circuito de
direita da carcaça central do eixo traseiro e contém Baixa Pressão, que fornece óleo para operação
três bombas hidráulicas em seu corpo. do:
• uma bomba de carga de engrenagens para Sistema de Direção
enviar óleo a uma pressão de 1,6-3,4 bar (23-50 Tomada de Força Independente
Ibf./pol²) a uma bomba hidráulica de pistão de Bloqueio do Diferencial
fluxo variável Centro Fechado e sensor de Eixo da Tração Dianteira
carga. Embreagens da Transmissão
• uma bomba hidráulica de pistão fluxo variável Circuito de Lubrificação
Centro Fechado e sensor de carga que fornece
óleo aos circuitos de alta pressão para Débito da bomba da Direção e Baixa Pressão @
operação do:- 2200 rpm
Freio do Reboque 61.5 l/min
Levantador Hidráulico 13 Imp gals/min
Válvulas de Controle Remoto 16 US gals/min
• Suspensão do eixo dianteiro Saída da Bomba
de Pistão de Fluxo Variável no curso total @
2200 rpm
111 l/min
21 Imp gals/min
25 US gals/min

73403960 - 05.2008
6 SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 2

Componentes da Bomba de Pistão de Fluxo Variável 3


1. Mola 5. Placa de Encosto
2. Mola 6. Cabeçote de bombeamento de 9 elementos
3. Assento 7. Conjunto tampa e pistão servo
4. Chapa distribuidora 8. Válvula sensora de carga

Princípio de Funcionamento total da bomba.


Todos os três elementos de bombeamento são
Bomba de Pistão de Fluxo Variável
acionados por um trem de engrenagens diretamente
conectado ao eixo de entrada da embreagem de Os componentes principais da bomba de pistão de
TDF e acionados pelo volante do motor. fluxo variável e de Centro Fechado e sensor de
O princípio de funcionamento das bombas de carga são:
engrenagem de fluxo fixo é proporcionar um fluxo de 1. Cabeçote bombeador de nove elementos.
óleo contínuo diretamente proporcional a velocidade 2. Um mecanismo de chapa (chapa distribuidora)
de rotação da bomba. para ajustar o curso do pistão e o respectivo
O princípio de funcionamento da bomba do pistão de débito da bomba.
fluxo variável é fornecer fluxo de óleo de acordo com 3. Uma válvula sensora de carga que monitora as
a demanda e minimizar a potência do motor solicitações dos circuitos hidráulicos e envia um
absorvida no acionamento da bomba hidráulica sinal à bomba para aumentar ou diminuir o fluxo
quando os circuitos hidráulicos não exigem fluxo de óleo hidráulico, conforme o caso.
máximo da bomba.
A bomba de pistão de fluxo variável, nos sistemas
hidráulicos, portanto, oferece vantagens distintas de
perda de potência em relação às bombas de
engrenagem de fluxo fixo, que fornecem fluxo de
óleo contínuo e absorvem potência do motor mesmo
quando os circuitos hidráulicos não exigem débito

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 2 7

Bomba de Pistão de Fluxo Variável - Vista em Corte 4


1. Tampa 6. Eixo de Acionamento
2. Pistão Servo da Chapa Distribuidora 7. Deslizador (9x)
3. Chapa Distribuidora 8. Pistão e Tambor
4. Mola de Retorno da Chapa Distribuidora 9. Orifício de Entrada
5. Engrenagem do Eixo de Acionamento 10. Mola de pré-carga do cabeçote da bomba

O cabeçote de bombeamento de nove elemento é À medida que o cabeçote de bombeamento gira,


cilíndrico e possui nove cilindros, dentro de cada um cada cilindro passa sobre as aberturas de entrada e
dos quais é instalado um pistão. Na extremidade de depois de saída da bomba, durante o ciclo de
cada pistão é prensado um deslizador que entrada para cada pistão e cilindro, o óleo é
permanece sempre em contato com a face da faixa bombeado para dentro do cilindro, empurrando o
distribuidora situada na frente do cabeçote pistão para a frente a fim de que o mesmo se
bombeador. mantenha sempre em contado com a chapa
O eixo de acionamento, que é acionado pela distribuidora. O curso de cada pistão e o volume de
engrenagem da bomba, gira o cabeçote bombeador. óleo carregado para dentro do seu cilindro,
À medida que o cabeçote bombeador gira, os depende, portanto, do ângulo da chapa
pistões se deslocam para dentro e para fora dos distribuidora.
seus cilindros, acompanhando o contorno da chapa Depois que um pistão e cilindro tiver concluído o
distribuidora. Para cada giro do eixo de curso de entrada, a rotação do cabeçote alinha o
acionamento, cada pistão completa um ciclo de cilindro com a abertura de saída. O óleo que se
bombeamento. encontra dentro do cilindro é, então, expulsado pelo
A chapa distribuidora, que não gira, mas pivoteia em pistão através da abertura de saída para os circuitos
torno da parte dianteira do cabeçote de hidráulicos.
bombeamento é um mecanismo de controle que
limita o curso de cada pistão e trabalha em conjunto
com as válvula compensadoras de pressão e fluxo
na linha sensora de carga.

73403960 - 05.2008
8 SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO - CAPÍTULO 2

5
Instalação da Bomba Hidráulica CCLS
1. Filtro de Entrada 8. Válvula de Descarga do Filtro da Pressão de
2. Interruptor de Baixa Temperatura do Óleo Carga
3. Interruptor de Restrição do Filtro de Entrada 9. Bomba de Carga
4. Interruptor de Baixa Pressão de Carga 10. Filtro de Pressão de Carga
5. Válvula "By Pass" da Pressão de Carga 11. Bomba de Pistão de Fluxo Variável
6. Válvula de Controle de Fluxo da Direção 12. Válvula Sensora de Carga (Válvulas
7. Bomba de Direção e do Circuito de Baixa Compensadoras de Fluxo e Pressão)
Pressão

A localização dos componente principais da bomba Uma vez que o óleo é mais viscoso (mais espesso)
hidráulica encontra-se identificada na Figura acima. quando frio e pode gerar uma indicação falsa de que
Estes itens são mostrados nos diagramas do circuito o filtro precisa de manutenção, é também usado um
hidráulico que descrevem as modalidades de interruptor de baixa temperatura do óleo no circuito
operação da bomba. A principal função das válvulas de restrição. Este interruptor garante que a luz de
e dos interruptores é a seguinte: - aviso não acenderá se a temperatura do óleo estiver
abaixo de 40°C
Interruptor de Restrição e Filtro de Entrada
Interruptor de Baixa Pressão de Carga
O óleo para a bomba de carga e da direção é puxado
da carcaça central do eixo traseiro através do filtro O interruptor de baixa pressão de carga fará "piscar"
de entrada. O filtro incorpora uma válvula "Bypass", uma lâmpada no painel de instrumentos sempre que
que faz parte integrante do filtro descartável e a pressão de carga estiver inferior a 0,75 bar (11 Ibf/
portanto é essencial instalar o filtro correto em cada pol²).
troca de filtro.
Quando o filtro entope o interruptor de restrição do
filtro de óleo é acionado e faz acender a luz de aviso
de restrição do filtro de óleo no painel de
instrumentos.

73403960 - 05.2008
SEÇÃO 35 - SISTEMA HIDRÁULICO -