Sie sind auf Seite 1von 144

Copyrigth @ 2009 Irmãos Persegona Consultoria e Informática Ltda.

Editor
Marcelo Felipe Moreira Persegona

Coordenador editorial
Marcelo Felipe Moreira Persegona

Capa, projeto gráfico e editoração


Camila Ribeiro e Gabriel de Souza

Revisão
Priscilla Bernardes Álvares

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Persegona, Marcelo Felipe Moreira e Persegona, André Luiz Moreira.


Os segredos do Google: Como fazer uma pesquisa inteligente na Internet.
Brasília: IP Consultoria, 2009.
142 p

Índices para catalogação


1. Google 2. Buscadores 3. Pesquisa na Internet

IP Consultoria e Informática Ltda.

IP
SRTVS 701 Bloco O Sala 882
Ed. Multiempresarial - Asa Sul - Brasília - DF
CEP: 70.340-000
Tel.: 55 (61) 3039-3272 / 9983-3686
ipconsultores@ipconsultores.com.br
Consultores www.ipconsultores.com.br/ipc
Aos meus filhos, Júlia e Luiz Felipe.
Agradecemos a todos que trabalharam na
revisão dos textos, confecção das figuras,
editoração e publicação do livro. Deixa-
mos um agradecimento especial à amiga
Priscilla Bernardes Álvares pela leitura, re-
visão e sugestões dadas.
Índice

Introdução 10

1 Do dado à inteligência 14
1.1 Fontes de informação e confiabilidade 17
das informações
2 Estratégia de pesquisa na Internet para 22
qualquer buscador
3 Um breve histórico da Google Inc. 28

4 Soluções Google para todos 38


5 Um googol de possibilidades de pesquisas 47
com a Google
6 Google Web Search 62

6.1 O que é? 62
6.2 Para que serve? 62
6.3 O que devo fazer? 63
6.3.1 Realizando uma pesquisa básica 66
6.3.2 Letras maiúsculas/minúsculas interessam? 67
6.3.3 Consultas com “e” automático 67
6.3.4 Pesquisas de frases exatas 68
6.3.5 Radicais de palavras 68
6.3.6 Exclusão automática de palavras comuns 69
ou palavras de paradas (palavras descartáveis)
6.3.7 Descubra quem aponta para você ou “Link Love” 70
6.3.8 Encontrando sinônimos 70
6.3.9 Links ocultos ou páginas memorizadas (cache) 70
6.3.10 Excluindo um termo da pesquisa 72
6.3.11 Veja seus termos de pesquisa no contexto 72
6.3.12 Busca por intervalo entre números 73
6.3.13 Páginas Semelhantes (ou GoogleScout) 73
6.3.14 Busca por tipo específico de arquivo 74
6.3.15 Botão “Estou com sorte” 75
6.3.16 Procurar em um site específico utilizando o 76
“Domínio Restrito”
6.3.17 Tradução de Páginas da Web 76
6.3.18 Todas as palavras no texto da página 77
6.3.19 Busca no título da página 78

6.3.20 Caracter curinga “*” 78

6.3.21 Dicionário no Google 79

6.3.22 Operações de conversão 80


6.3.23 Google Spell Checker 81
6.3.24 Booleano OR ou | 82
6.3.25 time in 83
6.3.26 view:timeline 84
6.4 Outras categorias de pesquisa dentro do Google 85

6.4.1 Google Image Search 86

6.4.2 Google Diretório 87


6.4.3 Google Groups 88
6.4.4 Google Notícias 89
6.4.5 Google Catálogo 90
6.4.6 Google Froogle 91
6.4.7 Google Zeitgeist 93
6.4.8 Google Barra de Ferramentas 94
7 Google Acadêmico 95
7.1 O que é? 95
7.2 Para que serve? 95
7.3 O que devo fazer? 95
7.3.1 Como fazer uma pesquisa com o Google 97
Acadêmico?
7.3.1.1 Pesquisa por autor 97
7.3.1.2 Pesquisa por título 99
7.3.1.3 Pesquisa por publicações 99
7.3.1.4 Pesquisa por tópico específico 100
7.3.1.5 Pesquisa por data 100
7.3.1.6 Pesquisa por link artigos relacionados 101
8 Google Book Search ou Pesquisa de Livros 102

8.1 O que é? 102

8.2 Para que serve? 103

8.3 O que devo fazer? 104

8.3.1 Buscas que podem ser feitas com o 104


Pesquisa de Livros
8.3.2 Modos de visualização do livro 105
8.3.2.1 Full View ou Visualização Completa 106
8.3.2.2 Limited Preview ou Visualização Limitada 107
8.3.2.3 Snippet View ou Visualização de Cartão de 108
Catalogação
8.3.2.4 No Preview Avalilable ou Sem Visualização 108
9 Outras ferramentas de busca 110
9.1 Google Over Mail ou Asynchronous 110
Google Access
9.2 O que o Google pensa sobre você? 111
9.3 TouchGraph GoogleBrowser 112
9.4 Soople 113
9.5 Vivisimo 116
9.6 Scirus 116
9.7 Portal .periodicos. CAPES 118
Considerações finais 119
Referência Bibliográfica 122
Glossário 126
Guia de referências rápidas para os operadores 137
de busca no Google
Sobre os autores 142
Introdução

Houve o tempo em que informações eram caras e difíceis


de conseguir. Para obtê-las era necessário comprar um jornal,
ligar para outras pessoas, fazer perguntas, ir à biblioteca, mas,
em 1998, tudo isso mudou com a criação da empresa Google.
O uso de buscadores está tão presente no nosso cotidiano
que existe o perigo das pessoas acreditarem que, se não está
na Internet, é porque não existe nada sobre o assunto. Mas
isso é uma falácia, uma vez que a maior parte dos documentos
digitais está fora do alcance das ferramentas de pesquisa. Se-
gundo Abril (2007), o Google tem armazenado em seus servi-
dores apenas 1% (um porcento) do conteúdo da Internet, isso
sem dizer dos livros e artigos que existem apenas em livros e
revistas impressas.
Outro fato interessante destacado por Abril (2007) é que a
próxima safra de buscadores não mais se baseará na pesquisa
por palavras-chaves, e sim, pela análise de textos, agrupados
por assuntos e classificados em hierarquias de assuntos e as
taxonomias. Exemplo dessa tecnologia é o WebFountain da
IBM. O objetivo desse sistema é analisar todo o conhecimento
que está disponível na Internet e, com isso, tentar descobrir
tendências. Também está na lista de inovações que virão nos
próximos buscadores a capacidade de responder a pergun-
tas feitas em linguagem natural, tal como se o fizesse a outra
pessoa.
Enquanto essa nova safra de buscadores não está dispo-
nível, se faz necessário saber usar as ferramentas que se tem
à mão. E essa foi uma das razões que motivou a realização
deste livro: a intenção de compartilhar a experiência e os co-
nhecimentos que os autores possuem no uso de ferramentas
livres, disponíveis na Internet, para obtenção e tratamento de
informações de forma a torná-las relevantes e úteis à realiza-
ção de trabalhos acadêmicos e profissionais. Outra razão, foi
que, durante a realização de diversos cursos presenciais mi-

10
nistrados sobre “Como realizar pesquisas na Internet”, muitos
alunos questionavam a falta de bibliografia em português
para consulta dos assuntos abordados, dado a grande quan-
tidade de ferramentas identificadas e apresentadas durante o
curso. Dessa maneira, este livro mostra de que forma sistema-
tizar alguns recursos e dicas para a realização de uma coleta
de dados mais eficiente e “inteligente”.
Quando da pesquisa para a confecção do livro, os autores
também identificaram várias ferramentas da empresa Google
que desconheciam e que não estão facilmente acessíveis e nem
estão em sites conhecidos pela maioria dos internautas. Outro
fato interessante foi descobrir ferramentas de outras empresas
que implementam os comandos do Google Web Search em
seus sistemas de busca, permitindo o uso desses comandos de
uma maneira diferente e mais “amigável”.
Os assuntos abordados neste livro estão organizados em
quatro partes e distribuídos em nove capítulos. A primeira
parte trata da importância da coleta de dados e do tratamento
que deve dar ao dado para que este se converta em informa-
ção; a informação em conhecimento e o conhecimento em
inteligência. Na primeira parte, também serão abordados as
fontes de informação e a sua importância. Na segunda parte
será tratado como montar uma estratégia de pesquisa para
qualquer buscador, bem como será disponibilizado um for-
mulário que ajudará no planejamento de uma pesquisa na In-
ternet. Na terceira parte será abordado como utilizar o Google
Web Search e realizar uma pesquisa básica nessa ferramenta.
Também será tratado outras categorias de pesquisa dentro do
Google Web Search, tal como uso do Google Acadêmico e di-
versos comandos que podem ser utilizados nessa ferramenta,
e, finalmente, o Google Acadêmico e o Google Book Search ou
Pesquisa de Livros. Na última parte, são apresentadas outras
maneiras de realizar pesquisas com ferramentas externas ao
Google que utilizam a sua base dados, tais como: Google Over
Mail ou Asynchronous Google Access; o que o Google pensa
sobre você?; TouchGraph GoogleBrowser; Scirus; Potal Peri-

11
ódicos CAPES; Vivisimo e as ferramentas do Soople (Google
Search e Google Calculator). Adicionalmente, foi disponibili-
zado um guia de referências rápidas dos operadores de busca
no Google Web Search, um lembrete de dicas de pesquisa para
ser fixado no computador e um glossário de termos.
Para facilitar a consulta ao livro foram criados exemplos,
figuras e ícones para destacar a informação apresentada. Os
ícones são:

sinaliza um endereço (URL) onde se encontra a ferra-


menta ou mais informações sobre o assunto.

sinaliza uma dica ou um exemplo de pesquisa.

chama a atenção para alguma peculiaridade, novidade


ou dica em relação ao assunto abordado.

Os autores esperam que o presente livro contribua para


que os leitores consigam realizar uma pesquisa eficiente na In-
ternet e se colocam a disposição para realizar esclarecimentos
dos assuntos abordados pelo e-mail:

persegona@ipconsultores.com.br

Também gostariam de receber contribuições de novos as-


suntos, correções que o leitor julgar necessárias de algum as-
sunto abordado ou algumas curiosidades sobre buscadores que
queira compartilhar.

12
PARTE 1
1 Do dado à inteligência
Atualmente, o problema não é mais a falta dados, mas
excesso deles, sem importância ou sem relevância, que são
encontrados durante o processo de levantamento de dados,
principalmente quando realizado via Internet. Este fenômeno
é chamado por alguns autores como ¹info-intoxicação.
Portanto, o grande desafio está em como obter dados com
relevância, precisão, oportunidade e valor agregado, tornan-
do-os informação, informação em conhecimento, conheci-
mento em inteligência e inteligência em ação.
O senso comum admite um entendimento múltiplo dos
termos dados, informação, conhecimento e inteligência. Os
conceitos desses termos, abordados neste livro, serão os pro-
venientes da Ciência da Informação e Ciência da Computação.
Tarapanoff (2006, p. 19) esclarece que a Ciência da Informação
é uma ciência que tem como objeto de estudo as propriedades
gerais da informação; necessidades informacionais organiza-
cionais, sociais e individuais; e uso da informação. E a Ciência
da Computação provê a base para o processamento da infor-
mação, solução de problemas com a utilização de algoritmos,
criação de programas para computadores.
Entende-se por dados a forma primária da informação:
sinais não processados, integrados, avaliados ou interpretados
e sem qualquer sentido inerente em si mesmo, os quais são
facilmente estruturados, quantificados e de fácil aquisição por
¹ NEYRA, Osvaldo máquinas. Quando os códigos, até então indecifráveis, passam
Balmaseda. Socie-
dade do Conheci-
a ter um significado próprio para o receptor, estabelecendo
mento, Educação um processo comunicativo, nesse momento, obtém-se uma
e Pós-Graduação:
Estamos preparados informação. Portanto, pode-se dizer que dado não é somen-
para as mudan- te código agrupado, mas também uma base ou uma fonte de
ças? In: Lingua-
gens, Educação e informações que podem ser descritos por meio de represen-
Sociedade: Revista tações textuais ou pictográficas (SIANES, 2005, p. 259, PER-
do Programa de
Pós-Graduação em SEGONA et al, 2007).
Educação da UFPI.
Teresina: UFPI,
A informação pode ser entendida como uma série de dados
2004. organizados de um modo significativo, analisados e processa-

14
dos, que geram hipóteses, sugerem soluções, justificativas de
sugestões, críticas de argumentos, utilizada em processo de
apoio a decisão, a qual exige a mediação humana e seu valor
está associado à utilidade que ela apresenta. Ela é uma abs-
tração informal que representa algo que possui significativo
para alguém por meio de textos, imagens, sons ou animação.
A informação não pode ser processada diretamente em um
computador. Ela precisa ser reduzida a dados para ser arma-
zenada neste. Já o seu significado da informação é passado
por quem está entrando em contato com ela (o receptor).
As informações servem de base para a construção do co-
nhecimento. Então, como se pode perceber, o conhecimento
deriva das informações absorvidas pelo receptor (SIANES,
2005, p. 259). A informação, para Barreto (2005, p. 9), “é um
instrumento de modificação da consciência humana” e para
Machlup (1962, p. 15) “é a comunicação de conhecimento”.
E o que é conhecimento? A definição clássica de conheci-
mento, originada em Platão, diz que consiste na crença verda-
deira e justificada. Então, pode-se entender por conhecimen-
to como algo que está no interior do indivíduo, é abstração
pessoal, sobre alguma coisa que foi experimentada por esse
indivíduo (SIANES, 2005, p. 259). De uma maneira informal,
se pode conceituar conhecimento como sendo: “aquilo que já
se conhece sobre algo ou sobre alguém”. O conhecimento é a
informação agregada de valor. É um grupo de informações
avaliadas quanto a sua confiabilidade e relevância e assimi-
ladas pelo indivíduo ou pela organização, integrando-se ao
seu saber anterior e construindo um quadro da situação. O
conhecimento não é estático, modifica-se pela constante inte-
gração de informações e mudanças, contendo uma mistura de
experiências adquiridas, valores, informação contextual, que
provê um quadro de referência para avaliação e incorpora-
ção de novas experiências e informações. Quando se refere
ao conhecimento, trata-se sobre âmbito puramente subjetivo
do homem, o qual é um ser consciente do seu próprio co-
nhecimento, sendo capaz de descrevê-lo conceitualmente em

15
termos de informação e organizá-lo na forma de dados. Para
isso, ele se vale de vários instrumentos, entre eles o compu-
tador e seus programas, mas o conhecimento não pode ser
inserido em um computador por meio de uma representação,
pois neste caso, seria reduzido a dados. O conhecimento re-
laciona-se com algo existente no “mundo real” do qual se tem
uma experiência direta e usa-se a Tecnologia da Informação
(informática) para modelar um pedaço desse “mundo real”, o
qual é do interesse do indivíduo para um determinado fim.
Então, pode-se dizer que “conhecimento é aquilo que se aceita
como verdadeiro a partir da captação sensitiva, sendo assim
acumulável na mente humana” (PERSEGONA et al, 2007).
E, por último, tem-se a inteligência, a qual é definida como
um conhecimento contextualmente relevante e oportuno,
processado por um conjunto de estratégias utilizadas para
captar, avaliar, combinar e utilizar eficazmente informações
em decisões e ações necessárias para a sua adaptação a mu-
danças ambientais, tendo como finalidade de alcançar os ob-
jetivos organizacionais preestabelecidos. A inteligência é uma
síntese de conhecimentos com o uso do julgamento e da in-
tuição e visa à antecipação e à previsão, e é criada por meio
de um processo de síntese, de construção voluntária e ativa
de agregação de valor às informações assimiladas e analisadas
(SIANES, 2005, p. 259).
Como se pode perceber, os conceitos de: dados, informa-
ção, conhecimento e inteligência, abordados neste livro, são
diferentes dos utilizados pelo senso comum, mas entender
como esses conceitos são tratados na Ciência da Informação
e da Computação permite compreender como são gerados os
sistemas de informação que irão realizar seus processos de
coleta, tratamento, armazenamento, distribuição e uso dos
dados. A seguir será abordada a importância das fontes de in-
formação para a obtenção de dados confiáveis que permitem
a produção de informações com valor agregado.

16
1.1 Fontes de informação e confiabilidade das informações
A coleta de dados, abordada por Sianes (2005, p. 264), des-
taca que é uma etapa constituída pela reunião dos dados ne-
cessários à produção de conhecimentos e está estruturada em
três momentos: determinação da disponibilidade e da quali-
dade das informações existentes, identificação da informação
desejada ou dos vazios que deverão ser preenchidos e a ati-
vidade de coleta propriamente dita e sua ação direta sobre as
fontes de informação.
A etapa de coleta merece bastante cuidado na identifi-
cação das fontes quanto a sua confiabilidade. Este fato se dá
devido à necessidade de garantir que os dados levantados não
terão erros, não estarão desatualizados, conflitantes ou com
limitação de abrangência e de qualidade (SIANES, 2005).
Pinheiro e Savi (2005) observam que com o advento da
comunicação eletrônica a sociedade vem sofrendo transfor-
mações que afetam também a estrutura do fluxo da informa-
ção e do conhecimento. Para estas autoras o fluxo da informa-
ção envolve:
os pesquisadores e a literatura produzida e é um processo de transferência da informação
de um emissor para um receptor. Na comunicação científica engloba atividades ligadas
à produção, disseminação e uso da informação, desde a concepção de uma idéia até a sua
explicitação e aceitação como parte do conhecimento universal. Portanto, o fluxo de in-
formação na comunidade científica é um processo contínuo.

Ainda, Pinheiro e Savi (2005) acrescentam que a comu-


nicação científica é importante para a ciência, pois possibilita
que as descobertas sejam divulgadas. A figura 1 mostra como
se dá o fluxo da informação na comunidade científica. É im-
portante ressaltar, que o fluxo identifica entidades ou grupos
de informações que devem fazer parte do escopo de pesquisa
para encontrar os dados almejados durante os levantamentos
de dados via Internet. Portanto, saber onde iniciar uma pes-
quisa é muito importante para a obtenção de bons resultados
na coleta de dados.

17
Figura 1: O fluxo
da informação
científica – Fonte:
Pinheiro e Savi
(2005) REGISTRO DE INFORMAÇÕES DURANTE A PESQUISA

Reuniões científicas Conversas Informais

Apresentação de Eventos

Publicação em canais formais

Consulta por outros pesquisadores

Uso em outras pesquisas

Citaçao em outras publicações

Os fluxos de informações da figura 1 identificam os canais


de comunicação que tornam possíveis a divulgação das pes-
quisas e a troca de informações entre os pesquisadores e pro-
fissionais por meio de documentos provenientes das ativida-
des de pesquisa, os quais podem ser classificados em fontes:
• Primárias: apresentam informação segura e com-
pleta sobre determinado assunto e possibilitam um
maior aprofundamento. Ex: relatórios, livros, traba-
lhos apresentados em eventos, artigos de periódi-
cos, normas técnicas, patentes, teses e dissertações.

18
• Secundárias: visam facilitar o uso e a consulta de deter-
minada informação que, neste caso, é apenas superficial.
Ex: enciclopédias, entrevistas, dicionários, manuais, ta-
belas, revisões de literatura, tratados, fontes estatísticas e
anuários, entre outros.
• Terciárias: são aqueles que remetem e guiam o usuário
para as fontes primárias e secundárias. Ex: bibliografias,
catálogos, índices, guias, diretórios e bases de dados, entre
outras.
As fontes de informações, segundo Pinheiro e Savi (2005),
ocorrem por canais de comunicação que vão do informal ao
super-formal. A figura 2 mostra a relação entre as fontes de in-
formações e os canais de comunicação. É por meio dos canais
formais e informais que a comunidade científica divulga e
obtém informações.

Figura 2: canais
de comunicação
versus fontes de
Bibliografias de informação – Fon-
Bibliografias te: Pinheiro e Savi
Terciárias (2005)
Serviços de
Indexação e
Resumos
Secundárias
Revisões
Livros

Comunicação Anais de Artigos de


Primárias
a eventos Eventos Periódicos
Cartas
Conversas

Informal Semi- Formal Super-


Formal Formal

19
Wilson (2006, p. 53), Sêmola (2005, p. 289) e Tarapanoff (2006,
p. 22) observam que a informação, além de tudo que já foi
exposto, possui fases de ciclo de vida e que estas estão for-
temente relacionadas aos canais de comunicação e as fontes
de informações identificadas por Pinheiro e Savi (2005). As
fases identificadas por Sêmola são: manuseio, armazenamen-
to, transporte e descarte. Tarapanoff complementa o ciclo de
vida da informação apresentada por Sêmola detalhando que
esse ciclo é composto da geração, seleção/aquisição, represen-
tação, armazenamento, recuperação, distribuição e uso. É na
fase de manuseio/aquisição/compartilhamento de dados que
ocorre a coleta dos dados.
Os buscadores de Internet são uma das ferramentas utili-
zadas para realizar a coleta de dados e podem ser classificados
como sistemas de recuperação da informação. Como ferra-
mentas, estão classificados em Sistemas de Gestão da Infor-
mação, cujo conceito, para Araujo (2005, p. 311), consistem em
“sistemas que visam dar acesso às informações neles registra-
das. Tais sistemas constituem a memória humana registrada”,
que segundo Belkin e Robertson (1976, apud ARAÚJO, 2005,
p. 311) é a informação “cognitivo-social” que são estruturas
de conhecimento partilhadas pelos membros de um grupo
social em livros, periódicos, filmes, vídeos, partituras, pági-
nas de Internet etc. Portanto, pode-se dizer que os buscadores
de Internet são ferramentas de recuperação e facilitação de
compartilhamento de conhecimento social por indivíduos de
diversos grupos, integradas em um programa de computador
que opera em um canal de comunicação público, a Internet.
Sendo assim, este livro tem como finalidade ajudar aos
leitores realizarem uma coleta de dados via Internet de uma
maneira mais eficiente por meio de técnicas simples de plane-
jamento e identificação de necessidades informacionais. Para
atingir este objetivo, os autores confeccionaram um formulá-
rio que integra o roteiro com as recomendações de alguns au-
tores para se obter maior eficiência na fase de coleta/aquisição
de dados. Esse formulário será tratado no próximo capítulo.

20
PARTE 2
2 Estratégia de pesquisa na Internet
para qualquer buscador
Um bom planejamento é essencial para sucesso da coleta de
informações. Para Alfredo Passos (ORNELAS, 2008, p. 1):
a coleta consiste na busca de dados e informações dos ambientes interno e externo da
organização. É a fase onde informações previamente acumuladas de forma ordenada, são
resgatadas para posterior análise. Mas muitas vezes essa busca pela informação pode levar
um tempo excessivo quando não é feita de maneira objetiva.

Segundo o referido autor, para se fazer uma boa coleta


“é fundamental planejar” e acrescenta que “o que falta hoje é
uma correta definição do que se quer buscar”. Por isso, é fun-
damental planejar a coleta antes de começar a pesquisa.
Persegona (2005) ressalta a importância do usuário de
buscadores de dados levarem em conta os requisitos estrutu-
rais da informação para se obter bons e relevantes resultados
na coleta de dados. Esses requisitos são:
• Conteúdo: núcleo de valor da informação, o que ela trans-
mite ao receptor (pessoa que entra em contato com a in-
formação).
• Formato: pode ser alfabético (composto de letras, símbo-
los e sinais), numérico (composto apenas por números)
ou alfanumérico (composto de letras, símbolos, sinais e
números).
• Quantidade: fornecida na medida certa da necessidade.
Refere-se ao volume e periodicidade da publicação e da
atualização.
• Qualidade: definida pelos requisitos intrínsecos da infor-
mação, entendidos por:
• Adequabilidade: conteúdo e formato compatíveis com
a natureza da necessidade do usuário.
• Confiabilidade: garantia de origem.
• Integridade: precisão de conteúdo.
• Acessibilidade: facilidade de obtenção para aqueles
que têm direito ao acesso a informação.

22
• Oportunidade: disponível no momento e no local de sua
requisição (tempestividade).
• Clareza: de fácil entendimento.
Outra dica, para se realizar uma pesquisa na Internet mais
eficiente, está relacionada a correta utilização dos operado-
res booleanos. Os mais usuais são: AND (em português “e”),
OR (em português “ou”) e NOT (em português “não”). Para
se conseguir uma especificação melhor dos termos pesquisa-
dos, outros recursos são utilizados nos sistemas de busca, tais
como os operadores de proximidade como o NEAR e o ADJ,
o truncamento como o * (asterisco) no AltaVista e no Google
e a delimitação da pesquisa em determinadas partes do docu-
mento. Este último recurso permite que a busca seja realizada
restringindo a presença da palavra-chave no título do docu-
mento ou nos links ou no endereço da página ou no corpo
do texto. Alguns buscadores, ainda, permitem limitar mais a
pesquisa, utilizando-se filtros de idioma, região, países, domí-
nio (URL), sítio, tipo de arquivo e período da publicação da
página. No sítio www.notess.com pode-se encontrar os prin-
cipais recursos que os buscadores mais populares disponibili-
zam, tais como: Google; AltaVista; Teoma; Alltheweb; Hotbot
etc., os quais estão sintetizados na tabela 1: Características dos
mecanismos de pesquisa.
Uma vez definido por onde se vai iniciar a pesquisa, agora
falta elaborar um plano de busca, o qual auxiliará a encon-
trar resultados mais precisos, evitando os milhões de itens
de resultados sem nenhuma importância. No Box 1 está um
exemplo de plano de pesquisa, elaborados pelos autores deste
livro.
Segundo Yamaoka (2003), deve-se seguir os seguintes
passos para se ter um bom resultado:
1) Definir o que quer pesquisar em uma ou duas senten-
ças.
2) Identificar conceitos relacionados ao assunto que deseja
pesquisar, quebrando o assunto em conceitos.
3) Fazer uma lista de palavras-chave para cada conceito

23
identificado no passo anterior.
4) Listar os sinônimos e variantes da palavra e ortografia
alternativa.
5) Identificar qual é a característica da informação a ser
pesquisada, por exemplo, se é notícia, informação de governo,
estatística, informação sobre produtos ou serviços etc.
6) Selecionar um buscador que terá maior probabilidade
de retornar os resultados desejados.
7) Utilizar o relacionamento lógico (booleanos) entre as
palavras que serão utilizadas na pesquisa, tais como os sinôni-
mos e formas variantes identificados previamente nos passos
anteriores. Identifique qual será o melhor booleano para ser
utilizado na sua pesquisa para criar o relacionamento lógico
entre as palavras a serem utilizadas. Por exemplo: combinar
palavras-chave de cada conceito com AND. Combinar sinô-
nimos com OR. Usar truncamento para combinar formas va-
riantes da palavra.
8) Ter cuidado com a ortografia das palavras selecionadas
para a pesquisa, já que os mecanismos de busca utilizam as
palavras exatas, e por isso, se a palavra estiver escrita de ma-
neira incorreta, o site de busca retornará apenas os sítios com
o mesmo erro de ortografia.
Já na revista Super Interessante (ABRIL, 2004), a qual trata
sobre pesquisas na Internet utilizando o Google, sugere outras
dicas que podem ser acrescidas às de Yamaoka (2003):
• Use mais de uma palavra para realizar uma pesquisa.
• Se quiser achar uma frase, escreva tudo entre aspas.
• Formule as frases em forma de resposta. Em vez de per-
guntar “O que é desenvolvimento sustentável”, escreva
“desenvolvimento sustentável é”.
• Abandone o buscador que esteja utilizando quando en-
contrar uma página especializada no assunto que lhe inte-
ressa. Tente seguir as referências que encontrar lá.
• Use o sinal de menos para eliminar palavras. Por exem-
plo: desenvolvimento -econômico.
• Use * (asterisco) se não quiser especificar um termo

24
no meio de uma frase. Por exemplo: “desenvolvimento * sus-
tentável”
• Clique em “Pesquisa avançada” para restringir a busca por
língua, data, site ou tipo de arquivo.
Na página seguinte está disponibilizado, no box 1, um for-
mulário seguindo as sugestões de Yamaoka e da revista Super
Interessante. Este formulário foi criado para ajudar a estrutu-
rar a pesquisa na Internet de um usuário em qualquer busca-
dor de dados via Internet.

25
Box 1: Formulário para pesquisa na Internet
1. O que desejo localizar na Internet?

2. Conceitos relacionados

3. Lista de palavras chaves

4. Sinônimos e variantes das palavras-chaves

5. Características da informação
Idioma:
Região (país):

Formato do arquivo: PDF PS DWF KML KMZ

XLS PPT DOC RTF SWF

Data da informação: Em qualquer dia Nas últimas 24hs


Na última semana No último mês Últimos 2 meses

Últimos 3 meses Últimos 6 meses No último ano

Ocorrência: Em qualquer lugar da página No título da página


No corpo da página No endereço da página
Em links para a página

Domínio:

6. Sistema de busca: Google Altavista All the Web

26
Tabela 1: Características dos mecanismos de pesquisa
MECANISMO DE PESQUISA

GIGABLAST
GOOGLE

EXALEAD
YAHOO

SEARCH
LIVE
ASK
Booleano

And, OR, And, OR, And, OR, And, OR,


- , OR - , OR
NOT, ( ),- NOT, ( ), - NOT, ( ), - NOT, ( ), -
Padrão

and and and and and and


Proximidade

Frase Frase Frase Frase Frase Frase, NEAR

Não suporta
Nenhuma
Trucado

palavras Sim e
palavra na Não Não Não
sinônimas sinônimos
frase
em frases

intitle, inurl, intitle, inurl,


Campos

title, site, ip,


link, site, link, site, intitle, inurl, intitle, inurl,
mais intitle, inurl
mais mais site site
comandos
comandos comandos

Idioma, tipo Idioma, tipo Idioma, tipo


Limites

de arquivos, de arquivos, Idioma, site, Domínio, de arquivos,


Idioma, site
date, date, date tipo date,
domínio domínio domínio

Pouco usado,
Sim, sinal Vários sinal Vários sinal Vários sinal
Parada

sinal “+”
Não “+” termo a “+” termo a “+” termo a “+” termo a
termo a
pesquisar pesquisar pesquisar pesquisar
pesquisar
Ordenação

Relevância, Relevância, Relevância, Relevância, Relevância,


Relevância
site site metasite site, sliders data

Fonte: Greg R. Notess. Atualização: 01/10/2007 Disponível em: www.notess.com Acesso em: 22/04/2008.

27
3 Um breve histórico da Google Inc.

A quantidade de informações na Internet é tão grande e


diversificada que é, praticamente, impossível encontrar o que
se precisa sem o uso de um mecanismo de busca. Existem
muitas ferramentas de busca na Internet, tais como o Altavis-
ta, AlltheWeb, Yahoo, Teoma, Hotbot, LiveSearch, Gigablast,
Exaled e MSN. No entanto, nenhum desses sites consegue ter
a amplitude da Google.
Segundo o Prof. Joe Janes (ABRIL, 2007), que ministra
a disciplina “Google”, na Universidade de Washington, nos
Estados Unidos da América (EUA): “Ele tornou as informa-
ções mais fáceis e mais próximas da vida das pessoas”. Com o
Google Web Search, pode-se realizar pesquisas sobre núme-
ros de telefone, datas históricas, biografia de qualquer perso-
nalidade, notícias de cinco minutos atrás, o melhor lugar para
se comprar um determinado item, seja um alfinete ou um fo-
guete, qualquer desejo ou mistério urgente pode ser resolvido
em minutos. Depois do Google Web Search, o problema não
é mais achar o que se quer saber, e sim saber o que se quer
achar.
Contando um pouco da história desta empresa, o nome
Google, cuja pronúncia em português é “gugol”, é um troca-
dilho com a palavra “googol”, o qual foi inventada, em 1938,
pelo matemático Edward Kasner da Universidade da Colum-
bia. A curiosidade deste fato é que o Prof. Kasner pediu ao
seu sobrinho Milton Sirotta, de oito anos, que inventasse um
nome para dar a um número muito grande, mas não infinito,
e este assim o fez. O googol representa o número 1 seguido de
100 zeros (ou 10 elevado a 100) e este número foi apresentado
por Kasner em seu livro “Matemática e Imaginação”. O googol
não tem qualquer utilidade prática a não ser como explicação
da diferença entre um número imenso e o infinito. Devido
à sua grande magnitude, foi adaptado para batizar a empre-
sa Google e o uso do termo reflete a missão da empresa de

28
organizar a enorme quantidade de informação disponível na
Internet e no mundo (FORBELLONE, 2007; WIKIPEDIA-b,
2005; ABRIL, 2004, SANTANA, 2008 e GOOGLE-c, 2008).
A missão da Google: “... é oferecer a melhor experiência de
pesquisa na Internet, ao tornar a informação mundial acessí-
vel e útil em nível universal” (GOOGLE-c, 2008). A Google é
responsável pelo desenvolvimento do maior motor de busca
do mundo, e oferece o caminho mais rápido e fácil para en-
contrar informação na Internet. Com acesso a bilhões de pá-
ginas Web, proporciona resultados relevantes em nível mun-
dial, normalmente, em menos de meio segundo.
A interface simples do Google Web Search esconde um
arsenal tecnológico muito sofisticado. Essas ferramentas não
surgiram de uma hora para a outra, o Google Web Search co-
meçou pequeno e foi crescendo sem parar, como poderá ser
constatado neste relato.
Os fatores que ajudaram o Google Web Search a ser o que
é são a simplicidade e a clareza. A combinação desses itens foi
trabalhada desde a criação do Google Web Search. Devido a
isso, é possível acessar um site leve, sem poluição visual e cujas
opções são facilmente localizáveis em sua interface (ALE-
CRIM, 2004). O Google Web Search funciona por meio de
uma combinação complexa de hardware e de software tecno-
logicamente avançados. A velocidade de uma pesquisa neste
mecanismo de busca deve-se, em parte, à eficiência do algorit-
mo de pesquisa e, parcialmente, aos milhares de computado-
res pessoais de baixo custo que estão montados em rede com
o objetivo de criar um motor de busca extremamente rápido.
Segundo alguns especialistas, este grupamento de computa-
dores, criado pela Google, pode ser considerado o maior com-
putador do mundo, cujo tamanho exato é desconhecido. Para
garantir a estabilidade, o sistema foi concebido a partir da pre-
missa que parte da máquina irá falhar a qualquer momento,
e, portanto, as placas são fixadas com velcro para facilitar a
substituição.
A empresa Google foi concebida com a intenção de impor

29
a ordem no caos da informação e o Google Web Search não
ser apenas uma lista de resultados que foram leiloados ao
maior comprador, mas um método sério e coerente de orga-
nizar a Internet de acordo com a sua estrutura. Ao contrário
de outros motores de busca, o Google apenas gera resultados
que correspondam a todos os seus termos de pesquisa, quer
ao nível do texto da página, quer nos links que apontam para
a página.
O Google Web Search é capaz de realizar buscas em mais
de 300 tipos de arquivos diferentes. Outro fato que o destaca
é o de realizar buscas de conteúdos éticos em todos os países
em que trabalha. Um exemplo disso, é que se alguém pesqui-
sar por pedofilia, encontrará textos que abordam esse assunto
de maneira legal, ou seja, investigações, estudos, notícias etc.,
mas não encontrará sites que ofereçam conteúdo pedófilo
(ALECRIM, 2004).
O Google Web Search nasceu de um artigo acadêmico as-
sinado por dois estudantes de doutorado de ciência da com-
putação: Sergey Brin, russo, com 23 anos na época, e Larry
Page, americano, com 24 anos (FORBELLONE, 2007) que,
mais tarde, desenvolveram a idéia ali contida, criando um
sistema chamado BackRub, na Universidade de Stanford, nos
EUA. O BackRub surgiu após discussões de diferentes pontos
de vista de Page e Brin sobre os desafios da computação, que,
segundo eles, estava na obtenção de dados relevantes em gran-
des quantidades de informações, em outras palavras: a busca.
A Universidade de Stanford, onde surgiu a empresa Google,
também serviu de berço o site Excite e Yahoo!, de Jerry Yang e
David Filo (BORGES, 2006 e SANTANA, 2008).
Em janeiro de 1996, inicia-se o projeto BackRub que re-
cebeu esse nome devido à sua habilidade única de rastrear os
links na Internet. Larry Page, que se destacava por sua habili-
dade com hardware, formulou uma arquitetura de servidores
baseada em máquinas de baixo custo para realizar a indexa-
ção (classificação) de páginas de Internet. O sistema de inde-
xação de sites, chamava-se de PageRank, o qual é o coração do

30
motor de busca da empresa Google até hoje.
Mas o que é o PageRank? Page e Brin perceberam que as
teses acadêmicas mais valorizadas eram aquelas que recebiam
mais citações de outros autores/pesquisadores. Então, a idéia
foi a de aplicar essa mesma metodologia de valoração das teses
para as páginas da Web. Ou seja, as páginas que recebessem o
maior número de links das demais seriam as mais representa-
tivas no universo de buscas do Google Web Search (BORGES,
2006 e ABRIL, 2004). O PageRank utiliza a vasta estrutura de
links da Internet como medida de valor de uma página indi-
vidual. Essencialmente, o Google Web Search interpreta um
link da página “A” para a pagina “B”, como um voto da página
“A” em direção à página “B”. No entanto, o Google Web Search
analisa mais do que o simples volume dos votos, ou os links
recebidos por uma página; analisa, também, a página que
lança o voto. Os votos dados pelas páginas que são, por si pró-
prias, “importantes”, têm maior peso e ajudam a tornar outras
páginas “importantes”. Os sites importantes e de alta qualida-
de recebem um PageRank mais alto, que o Google Web Serach
recorda, cada vez que efetua uma pesquisa. Naturalmente, que
uma página importante não tem qualquer significado se não
corresponder à sua pesquisa, pelo que o Google Web Search
combina o PageRank com sofisticadas técnicas de corres-
pondência de texto, com o objetivo de encontrar páginas que
sejam, ao mesmo tempo, importantes e relevantes (GOOGLE-
b, 2008). Como conseqüência, o conteúdo desse site é listado
primeiro na página de resultado, porque o PageRank entende
que aquela página trata com maior relevância o assunto pes-
quisado. Além disso, o Google Web Search analisa os assuntos
mais pesquisados e verifica quais sites tratam aquele tema de
maneira significativa (ALECRIM, 2004).
Os métodos sofisticados e automatizados do Google Web
Search tornam difícil a manipulação humana dos resultados.
E, apesar de publicar anúncios relevantes acima e ao lado dos
resultados encontrados, a empresa Google não vende, nem
negocia posições dentro dos próprios resultados de pesquisa,

31
isto é, não é possível comprar um PageRank mais alto, uma
posição mais privilegiada na lista de resultados. Uma pesquisa
do Google Web Search é uma forma fácil, honesta e objetiva
de encontrar páginas Web de alta qualidade e com informa-
ção relevante (GOOGLE-b, 2008). Estabelecido o método de
valoração das páginas, o passo seguinte foi indexar toda a In-
ternet. Quanto mais páginas indexadas, mais o argumento de
“valoração” funcionaria.
O objetivo de Page e de Brin sempre foi por uma boa busca.
Seus fundadores, à medida que o serviço se consagrava, não
queriam sacrificar sua intenção inicial, a do Page Rank, e, por
conta disso, embora tenham lançado a idéia em 1997, aberto
a empresa em setembro de 1998, apenas conseguiram gerar
negócios consistentes em 2001. O modelo de negócio que eles
adotaram, surgiu de um concorrente que vendia as primeiras
posições de seus resultados: o site Goto.com, fundado por Bill
Gross, do IdeaLab, uma incubadora de projetos. O Goto.com
² Unidade de
armazenamento de chegou à famigerada venda de palavras-chave, que a empresa
dados. Um terabyte Google adotou na forma do conhecido programa “AdWords”
equivalente a 1.024
gigabyte. (ABRIL, 2004).
Bill Gross usou a lógica de associar palavras-chave de uma
³ Googlebot pode busca a determinados anunciantes que pagassem por isso.
ser entendido como
um “robô” que var- Este modelo de negócio prosperou com a empresa Google, a
re toda a Internet, qual aperfeiçoou o uso de palavras-chave pelo entendimento
partindo de algum
lugar previamente de como realizar a exibição de anúncios na Internet, gerando
conhecido e nave-
gando por todos
receita para sites pequenos, médios e grandes, dando origem,
os links da página dessa maneira, ao programa “AdSense” (BORGES, 2006).
Web, tomando o
cuidado para não
Em 1998, Page e Brin adquiriram um terabyte² em discos
passar em lugar rígidos, uma capacidade de armazenamento muito grande
repetido, excluindo
os links quebrados para a época. Surge, então, o primeiro Data Center da Google,
e armazenando as localizado no quarto de um dos fundadores. Com o passar do
páginas para o cál-
culo do PageRank. tempo e com o aumento de acessos pelos usuários, o Google
Seu ciclo de varre- Web Search ganhava popularidade e consumia cada vez mais
dura pode ser de
entre duas semanas banda de acesso à Internet da universidade. Quando os Goo-
a dois meses, isso
depende do Page-
glebots³ trabalhavam, a Internet de toda a universidade sim-
Rank da página. plesmente parava.

32
Encorajados por David Filo, fundador do portal Yahoo!,
Page e Brin continuaram seus trabalhos, apesar de estarem
endividados por causa dos gastos realizados com a empresa,
fato que os levou à necessidade de procurar um investidor.
Esse investidor foi Andy Bechtolsheim, um dos fundadores
da Sun Microsystems, do qual receberam um cheque no valor
de $100.000,00 dólares americanos, porém, o cheque estava
endereçado à Google Inc., que ainda não existia. Page e Brain
foram obrigados a formalizar a empresa para poder descon-
tar o cheque. Eles fundaram a primeira sede da empresa na
garagem da casa de uma amiga e, desta maneira, a Google Inc
começa a existir a partir de setembro de 1998 (FORBELLO-
NE, 2007). No final do ano, o sistema de busca já respondia a
10 mil acessos por dia (BORGES, 2006).
Em 1999, o Google atinge a marca 500 mil acessos diários
e muda para uma nova sede. Em 21 de setembro, o serviço sai
da fase de testes e o ‘BETA’ é removido do logotipo do Google
Web Search (BORGES, 2006). Em junho desse ano, a empre-
sa anunciava ter 25 milhões de dólares americanos em finan-
ciamento de capital. Os sócios fundadores incluem a Kleiner
Perkins Caufield & Byers e a Sequoia Capital (GOOGLE-c,
2008).
No ano 2000, a empresa que já possuía 60 funcionários
ocupando mesas bastante simples, e as salas não possuíam
paredes (como ocorre ainda hoje). Em cima dessas mesas,
estavam computadores de alto desempenho. O clima de in-
formalidade favorecia a troca de idéias entre os funcionários.
Em maio, após o recebimento de dois prêmios, o Google Web
Search torna-se o maior portal de buscas da Web, ao atingir
o surpreendente número de 1 bilhão de sites em seu índice.
Na mesma época, um sistema revolucionário de anúncios era
criado, o qual proporcionou os primeiros lucros para a empre-
sa pela utilização do AdWords. Nesse ano, também, a empresa
Google passa a fornecer seus serviços aos usuários do Yahoo!
por meio de uma parceria entre as duas empresas. Naquele
ano, também surgiu o Google Toolbar (BORGES, 2006).

33
O ano de 2001 foi considerado o ano das inovações da em-
presa Google, devido às dezenas de recursos introduzidos, em
sua busca incansável por uma informação livre e sem barrei-
ras, surgiam o Usenet archive, o maior grupo de discussão da
Web, comprado e remodelado pela empresa Google; Google
Zeitgeist que fornece estatísticas à respeito das palavras mais
procuradas; Google Image Search que faz busca de imagens
na Web; e Google Catalog Search. No final do ano, já havia 3
bilhões de sites indexados.
4
API são funções A partir de 2002, diversos empresários passaram a buscar
e/ou rotinas
contidas em formas de adicionar a tecnologia Google nos seus negócios.
bibliotecas de A resposta veio em forma de Google Mini, que é uma solu-
linguagem de
programação que ção integrada de hardware e software criada para ajudar as
são “exportadas”,
ou seja, podem ser
organizações a obter o máximo de seus ativos digitais. Para
usadas por outros isso, fornece a capacidade e a produtividade da pesquisa do
programas (SCRIPT
BRASIL, 2004).
Google Web Search para documentos e sites das empresas, de
maneira rápida, fácil e acessível (GOOGLE-d, 2008). Também
nesse ano, foram lançadas as API4 do Google Web Search,
permitindo que desenvolvedores utilizassem seus recursos
em seus aplicativos, e, mais tarde, a empresa adiciona recursos
de computação de cluster à Google Toolbar, permitindo que
os usuários colaborassem na pesquisa científica. O AdWords
foi atualizado e surgia, também, Google Labs, Google News e
Froogle (BORGES, 2006).
Em 2003, foi criado o AdSense, sistema que permitia aos
webmasters obterem recursos finaceiros por meio de vincu-
lação de anúncios de texto no Google Web Search. A busca
também foi melhorada, de acordo com a palavra-chave digi-
tada, a tradicional caixa de texto já era capaz de rastrear vôos
em aeroportos, realizar operações matemáticas e muito mais.
Em 2004, é inaugurada uma nova sede em Mountain
View e surgem os serviços de busca personalizada e Google
Local Search, no Google Labs. No dia 1º de abril, são reve-
lados planos para uma sede da Google na lua, prevista para
um futuro próximo. Neste mesmo dia, era anunciado o GMail,
serviço de correio eletrônico que provocou uma revolução na

34
Web ao oferecer um Gigabyte de espaço aos usuários gratui-
tamente. Em um esforço para promover meios de organizar
imagens e fotos, a empresa Google adquire o Picasa, serviço
voltado para o gerenciamento e organização de imagens.
Mais tarde, é lançada ao público a primeira versão do
Google Desktop Search, um pequeno utilitário para realiza-
ção de buscas rápidas no computador local do usuário. Surge
também o Google SMS, permitindo que usuários realizem
buscas diretamente de seus celulares. Buscando novos cami-
nhos e novas informações a serem organizadas, a empresa
Google adquire a Keyhole, empresa de mapeamento global e
inicia os trabalhos no Google Earth. Dezembro traria novida-
des, com o anuncio oficial do Google Print seguido de uma
atualização do Google Groups.
Em 2005, a quantidade de recursos continuava a crescer.
Surgia o My Search History, capaz de manter um histórico
dos últimos termos pesquisados pelo usuário e o Google Web
Accelerator, software para acelerar a navegação na Internet.
Seguindo uma tendência de personalização, a empresa anun-
cia o serviço Personalized Homepage, permitindo que cada
usuário criasse sua própria página personalizada. Procurando
trazer novidades ao já popular GMail, a empresa anuncia o
Google Talk, um comunicador instantâneo bastante simples.
Ainda em 2005, é lançada a segunda geração do Google
Desktop, tendo como principal novidade a SideBar, uma barra
de ferramentas lateral que busca integrar os serviços ofereci-
dos pelo Google Web Search.
Em 2006, começa com o Google Video Store, por meio
dela os produtores de vídeo passam a definir preços e licen-
ças de uso para o seu conteúdo. O Google Desktop é lançado
com a capacidade de exibir os painéis da SideBar em qualquer
lugar da área de trabalho. Poucas semanas depois, uma nova
versão é lançada em 15 idiomas. No dia 13 de abril, o Google
Calendar é lançado. O Google Talk ganha temas e imagens de
exibição. Em parceria com a Nike, surge Joga.com, o portal
dos amantes de futebol (BORGES, 2006).

35
5
La Monica, Paul Possivelmente interessado em expandir o mercado de
R. Google to buy
YouTube for $1.65
publicidade de vídeos por meio do AdSense e, também, em
billion CNN.com, se consolidar como um dos maiores serviços de Internet do
2006. (em inglês)
Disponível em: mundo, foi anunciada, em 9 de outubro de 2006, a compra
http://money.cnn. do YouTube pela empresa Google, pela quantia de US$1,65
com/2006/10/09/
technology/ bilhão em ações 5 . O resultado desta aquisição foi a unificação
googleyoutube_ do serviço Google Vídeo com o YouTube (WIKIPEDIA, 2006).
deal/index.htm
Acessado em: 9 de Na China, os conflitos com o governo se agravam e a em-
outubro de 2006.
presa Google acaba censurando seu mecanismo de busca,
atendendo as exigências governamentais daquele país. Re-
voltados, cerca de 20 usuários protestam na sede da Google.
Ainda em 2006, a empresa Google mapeia o planeta Marte e
disponibiliza esse serviço na Web. O Google Earth ganha uma
versão para Mac. Nasce o Google Finance com informações
sobre negócios e o GMail ganha recursos de chat.
6
Dado obtido Atualmente, o Google Web Search possui mais de 25,270
em 31/03/2008
na pagina Mundo
bilhões de páginas indexadas (BORGES, 2006), e conta com
Google, disponível mais de 17 mil funcionários, também conhecidos como goo-
em http://blog.
forbellone.com/ glers, em todo o mundo6 (SANTANA, 2008, p. 22) e possui
mundo-google uma equipe de administração a qual reúne os profissionais
de tecnologia mais experientes do mercado mundial (FOR-
BELLONE, 2007 e GOOGLE-a, 2008). Mais de um bilhão de
pessoas usam os produtos da Google (SANTANA, 2008, p.
22). A figura 3, ilustra os escritórios da empresa Google pelo
mundo.
7
Disponível em:
http://www.google.
com/intl/pt-BR/
corporate/address.
html Acessado em:
31/03/2008

Figura 3: Os escri-
tórios da empresa
Google no mundo.
Fonte: Google,
2008 7 .

36
Já no Brasil, a empresa Google possui dois escritórios, locali-
zados em:

• Google Belo Horizonte


Edifício Top Hill Tower
Av. Bias Fortes, 382 - Andares 6-9
Belo Horizonte, MG
30170-010
Fone: +55-31-2128-6800
Fax: +55-31-212- 6801

• Google São Paulo


Google Brasil Internet Limitada
Av. Brigadeiro Faria Lima
nº 3900 5° andar, Itaim
São Paulo, 04538-132
Brasil
Fone: +55-11-3797-1000
Fax: +55-11-3797-1001

A Google Inc. é comandada


Larry Page 8
As fotos
apresentadas
Co-fundador e Presidente de Produtos foram extraídas do
Larry Page foi o primeiro Diretor endereço http://
www.google.com/
Executivo da Google e desenvolveu a corporate/execs.
empresa até ela gerar lucro e ultrapassar html. Acesse o
referido endereço
o marco dos primeiros 200 funcionários. para saber mais
Em abril de 2001, passou para o cargo sobre o corpo
de executivos da
de Presidente de Produtos. O interesse de Larry pelos com- Google.
putadores iniciou aos seis anos de idade, seguindo os passos
do pai, se formou com menção honrosa pela Universidade de
Michigan, onde obteve o título de bacharel em Engenharia,
com especialização em Engenharia da Computação. Quando
cursava o doutorado em Ciência da Computação na Univer-
sidade de Stanford, conheceu Sergey Brin, e juntos criaram a
Google (GOOGLE-a, 2008).

37
Sergey Brin
Co-fundador e Presidente de Tecnologia
Sergey Brin nasceu em Moscou e é
bacharel, em Matemática, com menção
honrosa e Ciência da Computação pela
Universidade de Maryland, em College
Park. Atualmente, está afastado do dou-
torado em Ciência da Computação na Universidade de Stan-
ford, onde cursou o mestrado (GOOGLE-a, 2008).

Dr. Eric Schmidt


Presidente do Conselho Executivo e Di-
retor Executivo
Os fundadores da Google contra-
taram Eric Schmidt, então presidente e
diretor executivo da Novell, onde lide-
rava o desenvolvimento de tecnologias.
Desde que veio para a Google, Schmidt tem se concentrado
na construção da infra-estrutura corporativa necessária para
manter o rápido crescimento da empresa. Antes de trabalhar
na Novell, foi diretor de tecnologia e diretor executivo na Sun
Microsystems Inc., onde liderou o desenvolvimento do Java, e
definiu a estratégia da empresa para a Internet. Antes de entrar
na Sun, em 1983, ele foi membro da equipe de pesquisa do La-
boratório de Informática na Xerox Palo Alto Research Center
(PARC) e ocupou cargos na Bell Laboratories e na Zilog. Eric
é bacharel em Engenharia Elétrica, pela Universidade de Prin-
ceton, mestre e doutor em Ciência da Computação pela Uni-
versidade da Califórnia-Berkeley (GOOGLE-a, 2008).

38
4 Soluções Google para todos
A empresa Google possui suas soluções direcionadas para
cinco públicos-alvos: indivíduos, famílias ou grupos de inte-
resse, pequenas empresas, empresas e escolas. Dentro desses
grupos, ela apresenta sugestões de uso de suas tecnologias
para montar um ambiente para comunicação, integração, co-
laboração e publicação de conteúdos e facilidades para os ne-
gócios. Estes ambientes receberam o nome de “Google Apps9 ”.
O Google Apps oferece ferramentas de comunicação e co-
laboração avançadas que ajudam a aumentar os níveis de pro-
dutividade de empresas ou de grupos de trabalho. Ele inclui
endereços de e-mail com até 25 GB de capacidade de armaze-
namento por conta de usuário, ferramentas de publicação que
facilitam a disponibilização de informações empresariais im-
portantes, tanto para os funcionários quanto para os clientes,
ainda, assistência técnica 24 horas por dia, 7 dias por semana, 9
Para mais
inclusive suporte por telefone em vários idiomas, disponibi- informações acesse
http://www.google.
lizando especialistas dos produtos da empresa Google para com/a/?hl=pt_BR
cuidar das dúvidas que possam surgir.
Os serviços de comunicação e colaboração da Google se 10
Escalonável é
um termo utilizável
baseiam em infra-estrutura segura e escalonável10 , o que sig- na Ciência da
nifica que não há quase nada para se gerenciar localmente. Computação para
uma ambiente e
Não é necessário nenhum hardware ou software especial; os infra-estrutura
usuários do Google Apps precisam apenas de computadores capaz de crescer
conforme a
comuns, conectados à Internet com navegadores Web padrão. necessidade da
instituição.
Para administrar os serviços disponibilizados, basta efe-
tuar login no painel de controle on-line, onde é possível adi- 11
Significa
cionar, excluir e modificar contas de usuários, aliases11 e listas segundo nome,
ou apelido. Pode
de e-mail, personalizar a área de sua empresa, incorporando referenciar um
logotipos, esquema de cores e conteúdo personalizados, aces- endereço eletrônico
alternativo de uma
sar ferramentas para personalizar sua Página Inicial e publi- pessoa ou grupo
car páginas Web. de pessoas, ou um
segundo nome de
Para pequenas empresas com infra-estrutura de Tecnolo- uma máquina. É
gia da Informação (TI), o Google Apps Professional dispõe de também um dos
comandos básicos
APIs de extensibilidade para promover a integração com do Unix.

39
o diretório de usuários existente, proporcionar logon único
a seus usuários, usar um gateway de e-mail ou ser integrado
às soluções de arquivamento e conformidade, fornecidas por
parceiros da empresa Google e com garantia de disponibilida-
de do Gmail de 99,9%.
Entre as funcionalidades oferecidas pelo Google Apps estão12 :
• Gerenciamento de domínio simplificado;
• Gerenciar contas de usuário;
• Modificação e publicação de páginas Web;
• Personalização e configuração de serviços;
• Migração de arquivos de e-mail existentes para o Google
12
Para mais Apps; e
informações acesse
http://www.google.
• Integração do Google Apps ao ambiente de TI e processos
com/a/help/intl/ de negócios.
pt-BR/admins/
control_panel.html Para criação do ambiente de comunicação, a empresa
Google oferece contas do Gmail, o Google Agenda e Google
Talk aos usuários que utilizam os domínios personalizados,
ajudando-os a permanecer conectados e a trabalhar em equipe
com mais eficiência.
Para o ambiente de colaboração e publicação de conteúdos,
oferece o Google Docs que permite que os usuários comparti-
lhem arquivos e colaborem em tempo real. Outra tecnologia
disponibilizada é a “Página inicial”, a qual é o primeiro lugar
que os membros de sua família ou seus funcionários visitarão
para visualizar suas caixas de entrada de e-mails e agendas de
trabalho, acessar conteúdos importantes e pesquisar na Web.
Para o ambiente de facilidades para os negócios, a empresa
Google permite que seja tudo hospedado na própria Google;
sem ter que instalar hardware ou baixar programas para o seu
computador ou computadores da sua empresa, e sem ter pre-
ocupações com manutenção e configuração dos softwares.
Os usuários individuais da Google podem ter acesso a
muitas de suas tecnologias sem necessidade de pertencerem a
um grupo ou empresa. Para isso, basta clicar na opção “mais”
e, depois, clicar novamente na opção “e muito mais” para se ter
acesso a todo o arsenal tecnológico.

40
PESQUISA
Serviço Descrição Endereço de Internet
Pesquisa páginas de textos na
Pesquisa na Web www.google.com.br
Web.

Personalização da página inicial


iGoogle ou Página www.google.com.br/ig?source=b
do Google com notícias, jogos,
Inicial Personalizada rmm
etc.

Pesquisa de trabalhos acadêmicos


Acadêmico scholar.google.com.br
e técnicos.

Pesquisa de Livros Pesquisa de textos de livros. www.google.com.br/books

Pesquisa de imagens, gráficos e


Imagens www.google.com.br/imghp
fotos na Web.

Diretório Navegue pela Web por tópico. www.google.com.br/dirhp

Pesquisa de notícias com a


news.google.com
Notícias possibilidade de arquivar a
news.google.com/archivesearch
pesquisa realizada.

Pesquise de forma integrada no


desktop.google.com/pt/BR/inde
Desktop seu próprio computador e na
x.html
Internet.

Receba atualizações por e-mail


Alertas www.google.com/alerts
sobre os temas de sua escolha.

Permite compras on-line de


Checkout checkout.google.com
forma mais rápida e segura.

Explore o mundo a partir do seu


Terra earth.google.com
computador.

Informações de negócios, notícias


Finanças finance.google.com
e gráficos interativos.

Localizar e entrar em contato


GOOG-411 com empresa pelo telefone de www.google.com/goog411
graça.

Pesquisa de patentes nos Estados


Patentes www.google.com/patents
Unidos da América.

41
PESQUISA
Serviço Descrição Endereço de Internet

www.google.com/options/specia
Pesquisas Especiais Pesquisa temas específicos.
lsearches.html

Buscar vídeos no Google Video e


Vídeo Search video.google.com
YouTube.

Para encontrar filmes, música,


Web Search www.google.com/intl/en/help/fe
quotas de ações e fundos, livros e
características atures.html
muito mais.

Recortar e coletar informações ao www.google.com/intl/pt-


Bloco de notas
navegar na Internet. BR/googlenotebook/tour1.html

Consulta a mapas e traçado de


Mapas maps.google.com.br
melhor rota.

Pesquisa nas universidades, dos


Estados Unidos da América,
permite restringir a pesquisa a
uma determinada instituição de www.google.com/options/univer
University Search
ensino. Utilize este Buscador para sities.html
saber sobre informações de
admissão, horários, ou notícias de
grêmios estudantis.

Pesquisa de blogs sobre os


Pesquisa de blogs www.google.com.br/blogsearch
assuntos que lhe interessam.

Visualize páginas em outros


Tradução www.google.com/language_tools
idiomas.

Comunicação, exibição, compartilhamento e inovação

Organize o seu programa e www.google.com/intl/pt-


Agenda
compartilhe eventos com amigos. BR/googlecalendar/tour.html

Blogger Expresse as suas idéias online. www.blogger.com

Gmail E-mail grátis, 2.8 GB de espaço. www.gmail.com

42
PESQUISA

Serviço Descrição Endereço de Internet

Grupos Crie listas e grupos de discussão. www.google.com.br/grphp

Conheça gente nova e mantenha


Orkut www.orkut.com.br
contato com seus amigos.

Encontre, edite e compartilhe as


Picasa picasa.google.com.br
suas fotos.

Ligações e mensagens
Talk www.google.com/talk
instantâneas via computador.

Crie e compartilhe projetos on-


Google Docs line. Acesse seus arquivos onde www.google.com/google-d-s
estiver.

Assista, faça upload e


YouTube compartilhe vídeos. www.youtube.com

Construa modelos 3D de forma sketchup.google.com


SketchUp
rápida e fácil.

Comunicador instantâneo do
Google que permite o
compartilhamento interativo de
imagens entre amigos e
familiares. Além de integrar um
Hello chat, possibilitando que os www.hello.com
usuários do programa possam
conversar durante o
compartilhamento das imagens.
Hello é parte integrante do
Picasa.

Mantenha-se atualizado
verificando constantemente a
Reader www.google.com/reader
existência de novas notícias nos
sites e blogs preferidos.

Page Creator Crie e publique de páginas Web. pages.google.com

43
PESQUISA
Exploração e Inovação

Serviço Descrição Endereço de Internet

Download API e código-fonte


API (Código) code.google.com
aberto.

Explore a tecnologia do Google


Labs labs.google.com
playground.

Crie uma pesquisa personalizada


Custom Search experiência para sua www.google.com/coop/cse
comunidade.

Ferramentas para o seu computador

Pack Pacote de software gratuito. pack.google.com

Web Accelerator Acelerador de páginas Web webaccelerator.google.com

Adiciona uma barra de


toolbar.google.com/T4/intl/pt-
Barra de ferramentas ferramentas ao navegador de
BR/index_pack.html
Internet.

Permite voar para qualquer lugar


na Terra e ver imagens de satélite,
Google Earth earth.google.com
mapas, terrenos, edificações em
3D e até explorar galáxias no céu.

Aplicativo de gerenciamento de
campanhas publicitárias do
Google. Gerencie sua conta do
www.google.com/intl/pt-
AdWords Editor AdWords no seu computador,
BR/adwordseditor
realize as alterações desejadas e,
em seguida, faça upload das
campanhas revisadas.

Navegador de Internet
Google Chrome desenvolvido para ser rápido, www.google.com/chrome
estável e seguro.

44
Para os grupos familiares, o Google Apps permite que
todos os integrantes desses grupos se comuniquem e traba-
lhem em conjunto on-line, gratuitamente. Ele oferece contas
de e-mail, de mensagem instantânea e de agenda com o seu
próprio nome de domínio (por exemplo, jsilva@seu-grupo.
com), para manter seu grupo unido e criar uma identidade
on-line. Também, pode-se criar e publicar páginas Web para
mostrar as outras pessoas informações sobre suas atividades.
Para as pequenas empresas e empresas, o Google Apps
oferece para seus funcionários ferramentas de comunicação
e colaboração que os ajudarão a aumentar sua produtividade.
Inclui endereços de e-mail profissionais com 25 GB de capaci-
dade de armazenamento por conta, ferramentas de publicação
que facilitam o fornecimento de informações tanto para fun-
cionários quanto para clientes.
Para escolas, pode-se incorporar toda a comunidade do
campus (alunos, corpo docente e equipe administrativa) para
compartilhar informações e idéias com mais facilidade, com
as ferramentas gratuitas de comunicação, colaboração e pu-
blicação do Google Apps Education, a qual inclui contas de
e-mail do domínio da escola (por exemplo: aluno@sua-escola.
edu.br). Para isso, basta selecionar qualquer combinação dos
serviços e ferramentas disponíveis e personalizá-los com o
logotipo, o esquema de cores e o conteúdo da escola. Os usu-
ários podem ser gerenciados usando o painel de controle ou
as APIs para integrar o Google Apps aos sistemas existentes.
Tudo isso pode estar hospedado na empresa Google, ou seja,
não é necessário instalar, fazer download ou manutenção de
hardware ou software. Todo este arsenal tecnológico pode ser
ativado rapidamente com o mínimo de suporte da equipe de
TI da escola.
A seguir, apresenta-se a sugestão de ferramentas que a em-
presa Google dispõe para cada grupo de usuários:

45
COMUNICAÇÃO E CONEXÃO
Serviço G1 G2 G3 G4 G5 Descrição

6.5 6.5 25 25 6.5 E-mail, ferramentas de pesquisa de mensagem


Gmail
GB GB GB GB GB e bate-papo integrado.

Mensagens de texto e chamadas de voz


Google Talk x x x x x
gratuitas em todo o mundo.

Recurso de agenda compartilhada para marcar


Google Agenda x x x x x
reuniões e outros eventos.

Colaboração e publicação

Permite a criação de uma Página Inicial por


meio da qual se pode acessar a caixa de entrada
Página Inicial x x x x de e-mails, agenda, documentos e informações
de grupo, além de pesquisar na Web a partir de
um único local.

Criação, compartilhamento e colaboração na


Google Docs x x x x x
elaboração de documentos em tempo real.

Page Creator x x x x x Criação e publicação de páginas Web.

Gerenciamento de serviços

Gerenciamento de domínio e contas de


Painel de Controle x x x x
usuários on-line.

API de Opções disponíveis para integrar seus sistemas


x x x
extensibilidade de TI ou soluções de terceiros existentes.

Acesso a uma extensa base de conhecimentos


Ajuda e suporte x x x x
on-line para obtenção de suporte por e-mail.

Legenda:
G1 = Individual
G2 = Familiar e Grupos
G3 = Pequenas Empresas
G4 = Empresas
G5 = Escolas

Fonte: Google Apps, Disponível em: http://www.google.com/a/?hl=pt_BR Acesso em: 3/04/2008

46
5 Um googol de possibilidades de pesquisas
com a Google
O Google Web Search, além de oferecer acesso fácil a bi-
lhões de páginas Web, possui muitas características especiais
que podem ajudar no momento de uma pesquisa, permitindo
desta maneira encontrar exatamente o que se está procuran-
do. No link indicado, pode-se ter mais informações sobre as
caracteísticas do Google Web Search.
www.google.com.br/intl/pt-BR/help/features.html
A lista abaixo, conceitua cada ferramenta, destaca alguma
característica e indica a URL onde se pode acessar a ferra-
menta:
• Book Search: O Google Book Search é uma ferra-
menta de pesquisa especializada em busca de livros, trabalhos
acadêmicos e técnicos. O Google Book Search monta uma
página de resultados de pesquisa com links para os livros
que correspondem aos termos inseridos da caixa de pesquisa.
Para acessar o livro ou mais informações sobre o item pes-
quisado, clique no título do livro e terá acesso à página do
livro que contém os termos pesquisados, bem como outras
informações sobre o mesmo. Ainda, o Google Book Search
dá a possibilidade de clicar no link “Comprar este livro” e ser
direcionado a uma livraria que vende o livro online.
book.google.com.br
• Groups: O Google Groups é uma ferramenta de cola-
boração utilizada para que um grupo de pessoas possa admi-
nistrar e arquivar lista de e-mails, facilitar a comunicação e a
colaboração e enviar arquivos entre os membros do grupo. O
Google Groups oferece, ainda, grande capacidade de armaze-
namento e páginas personalizáveis com opções de adminis-
tração do grupo. Quando é realizada uma pesquisa no Google
Web Search, muitas vezes, também é apresentado na parte in-

47
ferior da página de resultados da pesquisa, itens que são do
Google Groups. Estes itens são mensagens que os usuários de
algum grupo de discussão postaram sobre um tema relacio-
nado à pesquisa realizada. Se clicar em um desses itens, será
conduzido para o texto completo da mensagem do grupo de
discussão correspondente.
groups.google.com.br
• Image Search: O Google Image Search é uma ferra-
menta de pesquisa de fotos, imagens, gráficos, logos, figuras
etc. que se encontram na Web. O Google Image search é in-
tegrado ao Google Web Search, e esta integração pode ser
percebida quando alguém realiza uma pesquisa, e o Google
Web Search apresenta algumas imagens no topo da página de
resultados. Outra maneira de forçar o Google Web Search a
encontrar imagens e fotos, é utilizando as palavras “pics” ou
“imagem” diante das palavras a serem pesquisadas.
images.google.com.br
• Product Search: O Google Product Search, faz busca
de produtos usando o Google, com ele, pode-se encontrar pro-
duto que atenda melhor os seus termos de pesquisa com links
que estarão na parte superior dos seus resultados de pesquisa.
Os produtos apresentados estão ligados a lojas comerciais que
participam do Google Product Search. Estes resultados não
são propagandas, uma vez que a participação no Google Pro-
duct Search é totalmente gratuita para todos os comerciantes.
Esta ferramenta é apresentada no idioma inglês.
www.google.com/products
• Local Search: O Google Local Search é uma ferramen-
ta de busca de endereços que permite que seja pesquisado,
por exemplo, uma loja ou empresa que esteja localizada em
um determinado bairro. Outra forma muito interessante de
utilizar esta ferramenta de pesquisa é fornecendo o número
do CEP que deseja localizar, como resultado o Google Local

48
Search apresenta um mapa da região com a localização desse
CEP. Outra forma de realizar pesquisa nesta ferramenta é di-
gitar na caixa de pesquisa o nome de uma loja ou empresa,
como resultado o Google Local Search localizará as lojas que
possuam esse nome na região do mapa. Outra forma de pes-
quisa, é a busca por cidades, para isso é necessário digitar o
nome da cidade seguido do nome do país onde está localizada
essa cidade, como resultado irá mostrar um mapa localizando
a cidade. O Google Local Search possui quatro maneiras de
exibir o mapa, na forma de desenho (opção mapa), imagem
de satélite (opção satélite), relevo do terreno (opção terreno)
e trânsito.
maps.google.com.br
• Cinema: O Google Web Search possui um comando
específico para localizar críticas de cinema ou o local mais
próximo onde o filme está sendo exibido. Para isso, digite na
caixa de pesquisa o comando “movie:” seguido do nome do
filme. Como resultado, o Google Web Search irá apresentar
uma lista de críticas e solicitará que especifique a cidade que
deseja saber a programação de cinema. Um ponto forte deste
tipo de pesquisa é que, o Google Web Search além de apresen-
tar as salas de cinema com a sua respectiva programação, per-
mite integrar a lista de resultado com o Google Local Search,
permitindo localizar a sala de cinema em um mapa.
O comando “movie:” também faz procura de filmes rela-
cionados com um determinado ator, diretor ou com outras
informações referentes ao filme.
Os resultados de pesquisa são apresentados com um
ranking de classificação média de cinco estrelas com base nas
opiniões emitidas sobre o filme. Para ter acesso a todos os co-
mentários, clique no botão “Comentários” que está próximo
do título do filme.
Outra maneira de chamar a pesquisa de cinema no
Google Web Search, é digitando na caixa de pesquisa a pala-
vra “movies”. Dessa maneira o Google Web Search irá exibir

49
uma lista de resultados e no topo uma caixa de pesquisa que
permite ser inserido o nome da cidade onde deseja realizar
a pesquisa, trazendo a programação de cinema dessa cidade,
por sala de cinema.

www.google.com.br/movie
• Music Search: Para encontrar informações sobre artis-
tas, músicas, álbuns e onde comprar a música que está pro-
curando utilize o Google Music Search. Digite, na caixa de
pesquisa, o nome do artista ou banda da sua preferência que o
Google Music Search trará como resultados informações rela-
cionadas na parte superior da página de resultados, exibindo
opiniões de fãs, títulos de canções, lojas onde comprar as mú-
sicas e outras informações úteis.

www.google.com.br
• Resultados Prefetching: Em algumas pesquisas, o
Google Web Search automaticamente instrui o navegador
para iniciar o download do primeiro resultado da página de
resultados, antes mesmo de se realizar um clique nele. Isso é
feito para que esse resultado (a princípio o mais relevante)
seja carregado mais rapidamente.
O Internet Explorer não dispõe dessa funcionalidade,
apenas o FireFox. O recurso de “prefetching” pode ser desa-
bilitado do seu navegador na área de preferências, conforme
descrito no Mozilla Prefetching FAQ.
www.google.com.br

• Q & A ou “Pergunta e Resposta”: A ferramenta de


“Pergunta e Resposta” está integrada ao Google Web Search e
basta colocar uma frase com o fato que se deseja na caixa de
pesquisa. O resultado da será exibido no topo da página de
resultados, assim como o link para a fonte da informação.

www.google.com.br

50
O Google “Pergunta e Resposta” também é conhecido
como “Pesquisa de conhecimentos”, e pode ser acessado por
meio do endereço:
otvety.google.ru
O “Pesquisa de conhecimentos” está em russo, portanto,
use a ferramenta de idiomas do Google para traduzir o site
para o português.
• Notícias: Ao realizar uma pesquisa no Google Web
Search, será apresentado links no topo da página de resultados
destacados como “Notícias”. Estes links o conduzem a vários
serviços de noticias que Google monitora continuamente. Os
links de notícias aparecem quando as palavras utilizadas na
pesquisa estão nas notícias. Também é possível ter acesso às
noticias por meio da ferramenta especializada de pesquisa de
noticias no endereço:
news.google.com
O Google Notícias é um site automatizado de notícias que
monitora as manchetes de mais de 1.500 fontes de notícias em
português no mundo todo, organizadas segundo o assunto e
exibidas de acordo com o interesse de cada leitor. Esta fer-
ramenta disponibiliza primeiro os links para diversos artigos
sobre um determinado tema escolhido.
Os artigos são selecionados e ordenados por computado-
res programados para avaliar, dentre outras variáveis, com que
freqüência e em que sites um artigo é veiculado on-line. Re-
sultado: as matérias são selecionadas sem considerar a linha
editorial ou ideologia da fonte, e é possível ler diferentes pers-
pectivas sobre o mesmo assunto.
• Street Maps: Para usar o Google para fazer mapas ou
encontrar rua, digite um endereço, incluindo o código postal
ou o nome da cidade/estado na caixa de pesquisa do Google.
Exemplo:

51
Usualmente, basta digitar o endereço e o nome da cidade.
Quando o Google encontra os dados da sua consulta, devolve
um mapa, mostrando-lhe o endereço.
maps.google.com
• Telefônico: O Google Web Search possui uma ferra-
menta de pesquisa de telefones e endereços particulares e
empresariais para os EUA. Esta ferramenta está integrada ao
Google Web Search e seus resultados serão exibidos no topo
da página de resultados que correspondam às palavras-chaves
digitadas. Para utilizar este recurso, digite na caixa de pesqui-
sa as seguintes combinações:
• Primeiro nome da pessoa (ou letra inicial), último
nome, cidade (estado é opcional);
• Primeiro nome da pessoa (ou letra inicial), último
nome, estado;
• Primeiro nome da pessoa (ou letra inicial), último
nome, o indicativo da zona;
• Primeiro nome da pessoa (ou letra inicial), último
nome, CEP;
• O número de telefone, incluindo o indicativo da zona;
• Sobrenome, cidade, estado;
• Sobrenome, CEP.
A Google também disponibiliza um mecanismo para reti-
rar o seu nome com endereço e telefone da sua base de dados
do Google PhoneBook.
www.google.com/help/pbremoval.html
• Refi ne a sua pesquisa: Para pesquisas em certos temas,
o Google Web Search apresentará uma lista de palavras-chaves
que ajudarão a restringir a sua pesquisa e serão apresentadas
no topo da página de resultados. Este recurso está disponível
na interface em inglês.

52
www.google.com.br
Estes links são rótulos que foram atribuídos a certas pági-
nas por instituições, empresas e pessoas que conhecem os we-
bsites. A inscrição em um prestador de informações pode ser
feito visitando o Google Co-op diretório, no endereço abaixo.
O Google Co-op diretório inclui também links subscritos,
que fornecem informações instantâneas para seus resultados
de pesquisa - tais como: reserva em restaurante, informações
financeiras, ou mesmo fofocas sobre celebridades.
www.google.com/coop/subscribedlinks/directory/All_categories

• Pesquisa por número: Em um esforço para organizar


melhor a informação mundial, a Google provê acesso a um
sistema de rastreamento de pacotes, patentes, marcas e muitos
outros números especializados que podem ser digitados na
caixa de pesquisa do Google para se ter acesso rápido a infor-
mações sobre as mesmos. Por exemplo, digitando um número
de pacote da FedEx retornará as informações mais recentes
sobre o mesmo. Outros recursos especiais de pesquisa por
número incluem:

Número de monitoramento da UPS 1Z9999W99999999999

Número de monitoramento da FedEx 999999999999

Número de monitoramento da SPS 9999 9999 9999 9999 9999 99

Número de identificação de veículo (VIN) AAAAA999A9AA99999

Códigos de UPC 073333531084

Códigos de área de números telefônicos 650


Número de patente patente 5123123.
Lembre-se de escrever a palavra "patente" antes do número da patente.

53
www.google.com.br
• Informações de viagem: Para ver os atrasos e as con-
dições meteorológicas em um determinado aeroporto, digite
a sigla do aeroporto composta três letras seguidas da palavra
“aeroporto”.
Exemplo:

Outro exemplo, para verificar o status de um vôo, escreva


o nome da companhia aérea seguido pelo número do vôo.
Exemplo:

Para ver o status da United Airlines vôo 134 digite:

www.google.com.br

• Quotas de Ações e Fundos de Ações: Para usar o


Google para obter informações sobre ações e fundos de ações,
basta digitar a sigla dessa ação ou fundo na caixa de pesquisa.

Alternativamente, clicando nos links fornecidos pode-se


ir diretamente para outros fornecedores de informação finan-
ceira para obter mais detalhes sobre essas ações ou fundos. A
lista de fornecedores de informações financeiras é composta
por itens que são selecionados e ordenados com base na po-

54
pularidade determinada por uma empresa independente de
medição de audiência.
www.google.com.br
• Clima: Para ver as condições meteorológicas e as pre-
visões de clima de um determinado local do mundo. Para isso,
digite a palavra “weather” seguida do nome do local desejado.
Normalmente, basta digitar o nome da cidade, mas também
pode incluir o nome do estado ou o CEP ou o nome do país.
Exemplo:

Para saber o tempo em Palo Alto, digite:

Outro exemplo:

Todas as condições meteorológicas e as previsões são for-


necidas pela empresa Weather Underground, Inc.
www.google.com.br

• Google Checkout: É um rápido e conveniente pro-


cesso de checkout que permite que clientes de sua empresa
possam realizar compras de sua loja com um único login e
a empresa possa processar as compras e cobrar nos cartões
de crédito ou de débito do cliente. Esta ferramenta possui
uma versão para o comerciante e outra para o comprador que
podem ser acessadas nos endereços abaixo:

checkout.google.com/sell

checkout.google.com

55
• Google Sites ou Jotspot: Google Sites é uma ferramen-
ta para criação de sites de tão fácil quanto criar um documen-
to em um editor de texto. Use-o para centralizar todo tipo de
informações, desde vídeos a apresentações e compartilhe com
quem quiser.

www.jot.com

sites.google.com

• Google Mobile: O Google oferece os seguintes servi-


ços para celular:
• Maps: Mostra rotas, imagens de satélite e trânsito em
tempo real em mapas interativos permitindo encontrar
lugares para sair e empresas em diversas cidades.
• Agenda: Permite ver a sua agenda no seu celular em qual-
quer lugar.
• Pesquisa: Encontre o que deseja utilizando o Google Web
Search.
• Gmail: Leia e escreva e-mails e abra anexos em uma inter-
face projetada especificamente para celular.
• Notícias: Informe-se, a qualquer momento, sobre eventos
locais e internacionais acessando as principais manchetes
de notícias.

www.google.com.br/mobile

• Mecanismo de pesquisa personalizado: É um motor


de pesquisa personalizado que permite construir um meca-
nismo de pesquisa com as tecnologias da Google, que prioriza
ou restringe os resultados da pesquisa baseada em Web sites
e páginas que lhe são especificados. O motor de pesquisa per-
sonalizado pode ser adaptado de modo a refletir o seu ponto
de vista ou área de especialização. Com um motor de pesquisa
personalizado, pode-se fornecer precisões dentro das páginas
dos resultados de pesquisa para tornar mais fácil aos usuá-

56
rios a encontrar as informações que desejam, adicionar sites
ao motor de pesquisa enquanto navega na web, convidar seus
amigos e usuários confiáveis para co-editar e contribuir para
o seu motor de pesquisa.
Uma vez definido o motor de pesquisa personalizado, a
Google lhe dará um pedaço de código que inserirá uma caixa
de pesquisa para colocar no site ou blog. Essa caixa de pesqui-
sa poderá ser personalizada segundo várias opções de aparên-
cia e funcionalidade.

www.google.com/coop/cse

• GrandCentral: É uma ferramenta que permite rece-


ber todas as suas chamadas telefônicas em um único lugar,
centralizando todos os números telefônicos. O GrandCentral
não substitui os seus telefones; apenas os integra. Isso é possí-
vel porque é criado um novo número que é atribuído à pessoa
– LifeTM – e não está vinculado a um telefone ou um local.
Este serviço permite verificar mensagens telefônicas, e-mails,
gravar todas as mensagens, gravar mensagens de boas-vindas,
agenda telefônica etc.

www.grandcentral.com

• Google Base: É um serviço gratuito do Google que


permite que você publique praticamente qualquer tipo de in-
formação.

base.google.com

• Google Radio Automation: É a única da indústria


de terceira geração Radio System Automation. Ela vem da
mesma equipe que trouxe a DCS, o primeiro sucesso Radio
System Automation, e Scott Studios, vendendo o melhor siste-
ma de automação de rádio.
• Google Grants: O Google Grants é o único programa
de publicidade gratuita destinado a organizações sem fins lu-

57
crativos no Brasil que atendam às exigências da Google e que
sejam certificadas como Organização Não Governamental
(ONG) ou Organização da Sociedade Civil de Interesse Públi-
co (OSCIP) pelo Ministério da Justiça ou por outra entidade
municipal ou estadual competente, como entidade filantrópi-
ca pelo Instituto Nacional de Seguridade Social, ou que sejam
registradas como associação ou fundação no Cartório de Re-
gistro de Pessoas Jurídicas competente.
O Google Grants coloca as vantagens do Google AdWords
à disposição de organizações sem fins lucrativos que busquem
informar e engajar simpatizantes utilizando-se do meio ele-
trônico. Cada organização que for beneficiada com o Google
Grants recebe, pelo menos, 3 meses de publicidade gratuita.

www.google.com/grants

• Hello: É um comunicador instantâneo da Google que


permite o compartilhamento interativo de imagens entre
amigos e familiares. Além de integrar um chat, possibilitan-
do que os usuários do programa possam conversar durante o
compartilhamento das imagens, Hello é parte integrante do
Picasa.

www.hello.com

• AdSense: O Google AdSense é um serviço rápido e


fácil que permite aos editores de sites de todos os tamanhos
veicular anúncios Google discretos e relevantes nas páginas
de conteúdo de seus sites e ainda ganhar dinheiro.
O programa é gratuito e combina publicidade de pagamento
por clique e de pagamento por impressão. Em outras palavras,
recebe-se pelos cliques válidos nos anúncios exibidos no seu
site ou nas páginas de resultados de pesquisa e também pelas
impressões nas suas páginas de conteúdo. Para participar do
AdSense é necessário ter um site. Caso não tenha um, pode criar
um blog gratuitamente em www.blogger.com ou criar e publicar
páginas usando o Google Page Creator em: pages.google.com.

58
www.google.com/adsense

• AdWords: Permite criar anúncios e escolher palavras-


chave relacionadas ao seu negócio e quando as pessoas pes-
quisarem uma de suas palavras-chave no Google, seu anún-
cio poderá será exibido próximo aos resultados de pesquisa.
As pessoas podem clicar no seu anúncio para realizar uma
compra ou saber mais sobre sua empresa.

adwords.google.com

O AdWords pode ser gerenciado a partir da área de tra-


balho do seu computador por meio do aplicativo de geren-
ciamento de campanhas disponível para download e gratuito
da Google. Faça download da sua conta do AdWords para o
computador e realize as alterações desejadas e, em seguida,
faça upload das campanhas publicitárias revisadas. O aplicati-
vo pode ser baixado do link abaixo:

www.google.com/intl/pt-BR/adwordseditor

• FeedBurner: A FeedBurner é uma empresa que foi re-


centemente adquirida pela Google que atua na distribuição e
na comunicação social de audiência envolvendo serviços de
blogs e feeds RSS.

www.feedburner.com
• Google Analytics: O Google Analytics mostra como
as pessoas encontraram o seu site, como navegaram nele e
como se pode melhorar o seu site para seus visitantes. Possui
mais de 80 relatórios, sua conta gratuita do Google Analytics
monitora os visitantes no seu site e mantém o monitoramento
do desempenho das campanhas de marketing - independente
de serem campanhas do AdWords, campanhas por e-mail ou
de qualquer outro programa de anúncios. Com essas infor-
mações, saberá quais palavras-chave estão realmente funcio-

59
nando, qual texto de anúncio é mais eficiente. Os anuncian-
tes do AdWords têm todas essas vantagens nas suas contas
do AdWords - o Google Analytics é totalmente integrado ao
AdWords.

www.google.com/analytics/pt-BR

Neste capítulo foram listadas várias ferramentas da em-


presa Google. A maioria está integrada ao Google Web Search
e são utilizadas de maneira transparente pelos internautas.
Em muitos casos, o usuário do Google Web Search pode nece-
sitar fazer uma busca mais refinada, com mais retrições, para
isso, aconselha-se utilizar o buscador apropriado para realizar
a pesquisa sobre o assunto desejado. Para saber mais sobre
os produtos e serviços disponíveis na Google, visite http://
www.google.com.br/support/bin/static.py?page=alpha_index.
html&hl=en. Esse endereço exibirá uma lista de ferramentas e
serviços em ordem alfabética no idioma inglês.

60
PARTE 3
6 Google Web Search
www.google.com.br

6.1 O que é?
O Google Web Search é um buscador textual e permite ao
usuário realizar buscar de uma ou várias palavras. As pala-
vras digitadas da caixa de busca também são denominadas de
“termos”. O Google Web Search leva em consideração a locali-
zação dos termos de busca dentro de uma página e o resulta-
do exibido da pesquisa mostra onde se encontram na página
os termos que foram pesquisados. Além disto, é analisada a
proximidade destes termos dentro da página. Ao contrário de
muitos outros mecanismos de pesquisa, o Google Web Search
dá prioridade aos resultados de acordo com a proximidade
dos termos pesquisados. Ainda, oferece uma pré-visualização
de cada resultado, extraindo o texto que corresponda a con-
sulta dentro do resultado de busca.

6.2 Para que serve?


O Google Web Search serve para realizar busca por palavra
ou palavras que foram inseridas no campo de pesquisa. Como
resultado, será exibida uma página com a lista de resultados
encontrados com a indicação das ocorrências dos termos pes-
quisados dentro da página encontrada. A página que contém
a lista de resultado da pesquisa chama-se de “página de resul-
tado”. Os componentes de cada item do resultado são exibidos
na figura abaixo, onde:

62
A – Indica o título da página na Internet que contém os termos utilizados na pesquisa.
B – Resumo da página com a indicação da ocorrência dos termos utilizados na pesquisa.
C – Endereço da página na Internet.
D – Tamanho da página.
E – Indica que a página possui uma versão armazenada nos computadores da Google.
F – Procura por páginas que tratam sobre o mesmo assunto.
G – Insere mais um filtro na pesquisa.

6.3 O que devo fazer?


Para fazer uma consulta no Google, basta digitar algumas
palavras descritivas e pressionar a tecla ‘enter’ (ou clicar no
botão Pesquisa Google) para que o Google monte uma lista
de resultados relevantes.
O Google Web Search usa técnicas sofisticadas de identifi-
cação exata de textos para encontrar páginas que sejam tanto
importantes como relevantes para a sua busca. Por exemplo,
quando o Google Web Search analisa uma página, ele olha
para o que as outras páginas que estão vinculadas à mesma
tem a dizer sobre ela. O Google Web Search prefere as páginas
nas quais os termos de busca estejam próximos entre si.
Para entender como utilizar o Google Web Search, faz-
se necessário saber quais são os elementos que compõe uma
página de resultado.

63
A. Guias
Clique na aba do tipo de pesquisa que deseja realizar. Esco-
lha entre pesquisar na Web, Imagens, Mapas, Notícias, Orkut,
Gmail ou mais.
B. Botão “Pesquisa Google”
Clique nesse botão para submeter seus termos de pesquisa.
C. Pesquisa Avançada
Dá acesso a uma página que permite restringir a pesquisa, se
necessário.
D. Campo de Pesquisa
Para solicitar uma pesquisa no Google, simplesmente digite
algumas palavras-chave sobre o assunto a pesquisar. Aperte a
tecla “Enter” ou clique no botão “Pesquisa Google” para obter
sua lista de resultados relevantes.
E. Preferências
Dá acesso a uma página que permite definir preferências, in-
cluindo o número padrão de resultados por página, o idioma
da interface, e se os resultados serão selecionados usando o
filtro SafeSearch.
F. Barra de Estatísticas
Esta linha descreve a pesquisa realizada e indica o número
de resultados retornados, assim como a quantidade de tempo
que levou para completá-la.
G. Dicas de Pesquisa
Dá acesso a informações que ajudarão a pesquisar de forma
mais eficiente, tais como as diferenças entre o Google e outros
mecanismos de busca, desde a forma como o Google com con-
sultas básicas até as facilidades especiais que o diferenciam.
H. Informações relevantes
A tecnologia de pesquisa do Google Web Search localiza inú-
meras fontes especializadas de informação. As informações
mais relevantes à busca são incluídas no topo dos resultados.
Notícias, o tempo, cotações de ações da bolsa e sites da região
pesquisada são resultados adicionais gerados com uma única
busca.

64
I. Título da Página
A primeira linha do resultado é o título da página Web encon-
trada. Ocasionalmente, em vez de um título haverá um URL, o
que significa que essa página não tem título, ou que o Google
não indexou todo o conteúdo dessa página. Apesar disso, sabe-
se que este é um bom resultado por causa de outras páginas
Web que já foram indexadas e que têm links para essa página.
Se o texto associado com esses links coincide com o texto da
consulta, então retornar a página como resultado, mesmo que
nem todo o seu texto tenha sido indexado.
J. Texto debaixo do título
Este texto é um excerto da página-resultado com os termos
de pesquisa em negrito. Estes excertos permitem prever o
contexto no qual os termos de pesquisa aparecem na página,
antes de clicar no resultado.
K. URL do Resultado
Este é o endereço Web do resultado.
L. Tamanho
Este número é o tamanho da parte texto da página Web en-
contrada. É omitido para sites que ainda não foram indexa-
dos, não constam no cache.
M. Em Cache
O Google armazena muitas páginas da Web em cache (me-
morizado) como se fosse um backup, no caso do servidor da
página estiver temporariamente fora do ar. Realizar a pesquisa
em cache é, geralmente, muito mais rápido do que pelo link
normal, porém, a sua informação pode ser menestar desatua-
lizada com relação àquela se encontra no site.
Para utilizar este recurso, clique no link em cache que permi-
tirá ver o conteúdo da página tal como era no momento em
que o Google a pesquisou e indexou. Os termos utilizados na
pesquisa serão realçados na versão em cache.
N. Páginas similares
Quando selecionado o link de Páginas Similares para um de-
terminado resultado, o Google automaticamente explora a
Web para encontrar páginas relacionadas com esse resultado.

65
O. Resultado Endentado
Quando Google encontra múltiplos resultados para um
mesmo Website, o resultado mais relevante é listado primeiro
com as outras páginas relevantes desse mesmo site endenta-
das logo abaixo dele.
P. Mais resultados
Se existirem mais de dois resultados de um mesmo site, os
resultados podem ser vistos no link “Mais resultados de...”.

6.3.1 Realizando uma pesquisa básica


É muito fácil fazer uma pesquisa no Google. Para isso, basta
digitar um ou mais termos de pesquisa na caixa de pesquisa e
clicar no botão Pesquisa Google. Em resposta, o Google gera
uma página de resultados. Esta página de resultados consiste
em uma lista de páginas da Web relacionadas aos termos da
pesquisa digitados, sendo que os resultados mais relevantes
estarão aparecendo primeiro, seguidos pelos menos relevan-
tes. A escolha dos termos de pesquisa certos é essencial para
encontrar as informações.
Para iniciar uma pesquisa, faça primeiro a definição do as-
sunto que será pesquisado, depois liste algumas palavras que
estão relacionadas ao assunto.
Exemplo:

Quero fazer uma pesquisa sobre Desenvolvimento Susten-


tável.

Desenvolvimento Sustentável é o meu assunto, porém, se


faz necessário ser mais específico para obter uma lista enxuta
de resultados, por isso, vamos procurar relacionar mais termos
ao assunto.
Uma lista de termos relacionados, poderia ser:
• desenvolvimento humano sustentável
• econômico
• impacto ambiental
• região norte
• Brasil

66
Com a lista de termos criada, coloque todos os termos na
caixa de pesquisa, assim você terá melhores resultados do que
realizando uma pesquisa com os termos separadamente.

O Google aceita até 10 termos digitados


na caixa de pesquisa que devem estar sepa-
rados apenas por espaço em branco. Repare
que no exemplo foram combinadas várias
frases com termos.

6.3.2 Letras maiúsculas/minúsculas interessam?


As pesquisas padrões do Google não são sensíveis a acen-
tos ou sinais diacríticos, ou seja, não são sensíveis a maiúsculas
e minúsculas. Todas as palavras, independentemente da forma
como forem escritas, serão entendidas como minúsculas.
Exemplo:

A pesquisa com os termos:


• Ignacy Sachs
• ignacy sachs
• IgNacY SaCHs
• IGNACY SACHS
Retornarão os mesmos resultados.
6.3.3 Consultas com “e” automático
Por padrão, o Google só retorna páginas que incluam
todos os seus termos de pesquisa. Não há necessidade de in-
cluir o booleano and entre os termos. Para tornar a pesquisa
mais restrita, basta incluir mais termos.

67
Exemplo:

Para encontrar o site do Centro de Desenvolvimento Sus-


tentável da Universidade de Brasília, digite:

A ordem que os termos são digitados afeta o


resultado da pesquisa.

6.3.4 Pesquisas de frases exatas


Em alguns casos, você pode querer obter resultados apenas
para uma frase exata, para isso, basta digitar os termos de pes-
quisa entre aspas.
Exemplo:

As pesquisas de frases são mais eficazes se estiver pesquisan-


do nomes próprios (“Santos Dumont”), letras de música (“a
beleza de ser um eterno aprendiz”), frases famosas (“Um
pequeno passo para homem, um grande salto para a hu-
manidade”) ou parágrafos de um texto.

13
No Google
Web Search o
6.3.5 Radicais de palavras
caracter curringa
é o * (asterisco). O O Google não utiliza radical de palavras, nem caracteres
caracter curinga
representa palavras
curingas13 . Isso se deve ao fato de o Google realizar pesqui-
inteiras de um sas que retornam resultados mais precisos, ou seja, o Google
texto, para que a
pesquisa retorne procura exatamente pelas palavras que são inseridas na caixa
uma seqüência de pesquisa.
contínua de
palavras.

Se realizar uma pesquisa por trans, Google


não procurará por transporte ou transgênico.

68
6.3.6 Exclusão automática de palavras comuns ou
palavras de paradas (palavras descartáveis)
O Google ignora palavras e caracteres comuns, como “onde”
e “como”, bem como determinados dígitos e letras isoladas.
Esses termos dificilmente ajudam a restringir uma pesquisa
e podem torná-la mais lenta sem aperfeiçoar os resultados. A
Google denominou essas palavras de “palavras de parada” ou
stop words, em inglês. O Google ignora as palavras de parada
quando elas são colocadas nas pesquisas ao lado de palavras
menos comuns.
Exemplo:

Se procurar por The Sound and the Fury, os resultados retor-


nados serão somente para as palavras “Sound” e “Fury”.

Outra forma de fazer isso é realizando uma pesquisa por


frase, o que significa simplesmente inserir duas ou mais pala-
vras entre aspas. Palavras comuns em uma pesquisa de frase
(como “onde você está”) são incluídas na pesquisa.
Mas quando uma pesquisa inclua apenas palavras de
parada será processada exatamente como foi digitada.
Exemplo:

Existem, outras duas maneiras de fazer com que o Google


inclua palavras de parada em sua pesquisa. A primeira delas é
destacar cada palavra de parada colocando um sinal de mais
(+) na frente dela.

Certifique-se de deixar um espaço antes


do sinal de “+”. Depois do sinal de “+” não
deve haver espaço.

69
Exemplo:

Uma segunda maneira é a de incluir palavras de parada é co-


locando duas ou mais palavras entre aspas.
Exemplo:

6.3.7 Descubra quem aponta para você ou “Link


Love”
Use o comando “link:” para exibir todas as páginas que
apontam para uma URL especificada.
Exemplo:

Mostrará todas as páginas que contêm um link para a página


principal da Universidade de Brasília.

Você não pode combinar uma pesquisa com


“link:” em uma pesquisa normal por pala-
vras-chave.

6.3.8 Encontrando sinônimos


Coloque o acento til (~) na frente da palavra que deseja
procurar; assim, o Google Web Search exibirá seus sinôni-
mos.
Exemplo:

6.3.9 Links ocultos ou páginas memorizadas


(cache)
O cache é um link apresentado abaixo de cada item da
lista de resultados que dá acesso a uma cópia da página que
foi indexada pelo GoogleBot.

70
Esta página fica armazenada nos computadores da Google
para o caso de algum dia o site não estar disponível. Se você
clicar nos links da versão em cache, verá as páginas como elas
estavam da última vez que foram carregadas. Essa ferramen-
ta é útil se a página não estiver disponível no momento da
pesquisa.
Quando a página armazenada é mostrada ela terá um cabe-
çalho, que servirá como um lembrete de que esta é uma página
armazenada e não a página em si. Os termos que coincidem
com sua pesquisa estão destacados na versão armazenada, para
que identifique mais facilmente porque essa página é relevante.

O link “Em cache” (memorizado) não


existirá para os sites que não foram indexa-
dos, e também para os sites cujos proprie-
tários solicitaram para remover o conteúdo
memorizado.
Exemplo:
Digite na caixa de pesquisa a frase “desenvolvimento sus-
tentável” seguido do termo cds. Como resultado, o Google
apresentará o item abaixo. Clique no link “Em cache” para
acessar a página memorizada, a qual será apresentada con-
forme a próxima figura.

71
6.3.10 Excluindo um termo da pesquisa
Se o termo de pesquisa tiver mais de um significado (ba-
teria, por exemplo, pode se referir à música ou à energia),
você poderá concentrar sua pesquisa, inserindo um sinal
de (“-”) antes das palavras relacionadas ao significado que
deseja evitar. O sinal de menos “-“ equivale ao booleano NOT.
Exemplo:
Deseja-se comprar uma bateria para um carro, mas não
quer nos resultados apareçam baterias de música. Então, de-
ve-se digitar, na caixa de pesquisa,

Quando se deseja excluir um termo da


pesquisa, termo negativo, lembre-se de inse-
rir um espaço antes do sinal de menos, porém,
depois do sinal não deve haver espaço.
14
O enxerto
de página é o
resultado da 6.3.11 Veja seus termos de pesquisa no contexto
pesquisa que se
encontra dentro da Cada resultado da pesquisa Google contém um ou mais
caixa vermelha. A
caixa vermelha foi excertos da página14 , que mostram como os termos da sua
inserida pelo autor
para destacar o
pesquisa são usados no contexto daquela página.
enxerto. Exemplo:

72
6.3.12 Busca por intervalo entre números
Se você está procurando um produto e quer apenas os
resultados de busca entre duas faixas de preço, use “valor1..
valor2”.
Exemplo:

O resultado conterá sites com a expressão “câmera digital”


e com preço entre 500 e 1.000.

6.3.13 Páginas Semelhantes (ou GoogleScout)


O link “Páginas Semelhantes”, também é conhecido como
GoogleScout, é uma maneira rápida e poderosa de realizar
uma busca de páginas similares ou relacionadas ao resultado
exibido na página de resultado. A utilidade desta ferramenta
de busca é que ela consegue gerar resultados que, de outra
forma, seria difícil de saber quais palavras-chaves utilizar para
identificar os sites relacionados.
O Google encontra páginas semelhantes para milhões
de páginas. Entretanto, quanto mais especializada for uma
página, menor o número de resultados que poderão ser en-
contrados.

O Google pode não conseguir encontrar


páginas relacionadas a uma página pessoal,
isso pode ocorrer se ela não contiver infor-
mações suficientes para associar com segu-
rança outras páginas a ela

Exemplo:
Para procurar páginas relacionadas à www.unb.br/temas/
desenvolvimento_sust/index.php, digite:

73
6.3.14 Busca por tipo específico de arquivo
O Google também pode realizar busca de arquivos 12 for-
matos específicos que sejam de seu interesse, tais como: Adobe
Portable Document Format (pdf), Adobe PostScript (ps),
Lotus 1-2-3, Lótus WordPro (lwp), MacWrite (mw), Microsoft
Excel (xls), Microsoft Word (doc), Microsoft Works (wks, wps,
wdb), Microsoft Write (wri), Rich Text Format (rtf), Shockwa-
ve Flash (swf) e Text (txt). Para isso basta utilizar o comando
filetype:extenção_do_arquivo ou ext:extensão do arquivo.
Google também oferece a possibilidade de “Ver em HTML”,
que permite aos usuários analisar o conteúdo desses arquivos,
mesmo que o respectivo programa não esteja instalado no
computador.
Exemplo:

Para pesquisar sobre o relatório Nosso Futuro Comum que


esteja no formato pdf, digite na caixa de pesquisa:

ou

O resultado irá apresentar apenas documentos PDF com o a


expressão “nosso futuro comum” em seu conteúdo.

Você pode combinar comando filetype:


com o booleano NOT (-) para dizer ao
Google que você deseja realizar uma pesqui-
sa no Web que traga como resultado páginas
Web que não contenha o tipo de arquivo es-
pecificado. Para isso, digite:

74
Como resultado, o Google irá apresentar
uma lista de páginas Web que contenham
o termo biocombustíveis, porém, que não
sejam do tipo documento do Word.

6.3.15 Botão “Estou com sorte”


O Google possui uma ferramenta em devolver primeiro
os resultados certos para consultas comuns, tais como nomes
de empresas e pessoas. O botão “Estou com sorte” é uma fa-
cilidade que foi concebida para se possa obter rapidamente
informação útil.

Este botão só é disponibilizado na página


inicial do Google Web Search, depois de uma
presquisa realizada ele não está mais dispo-
nível. Para acessá-lo novamente, retorne à
página inicial do Google Web Search.
Exemplo:
Se estiver procurando a página inicial do Centro de De-
senvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília, basta
inserir unb cds e clicar em “Estou com sorte”, em vez de usar
o botão Pesquisa Google. O Google o levará diretamente
para “www.unbcds.pro.br”.

75
6.3.16 Procurar em um site específico utilizando
o “Domínio Restrito”
O comando “site:” é utilizado para realizar uma pesquisa
dentro de determinado domínio, para isso, use a sintaxe “site:
dominio.com” na caixa de pesquisa.
Exemplo:

Mostrar todas as páginas do site “unbcds.pro.br” que tenham


o termo biocombustíveis. Para isso digite:

6.3.17 Tradução de Páginas da Web


Google quebra a barreira de línguas com sua ferramen-
ta de tradução. Usando uma tecnologia de tradução, a qual
permite que uma variedade de páginas sejam traduzidas para
vários idiomas, entre eles: inglês, árabe, chinês, francês, alemão,
italiano, coreano, japonês, espanhol; português; alemão e fran-
cês. Desta maneira, dá acesso a um número maior de páginas
ao internauta.
Para utilizar este recurso, o usuário deve estar na página
inicial do Google Web Search e clicar na opção Ferramenta
de Idiomas, será apresentada uma nova página, conforme a
figura abaixo, onde deverá ser digitado ou colado o endereço
da página que se deseja traduzir. Depois clique no botão tra-
duzir.

Esta ferramenta é encontrada dentro da


opção Ferramenta de Idiomas, e está dispo-
nibilizada na página inicial do Google Web
Search. Depois de uma pesquisa realizada,
ela não estará mais disponível. Para acessá-
la novamente, retorne à página inicial do
Google Web Search e clique em Ferramenta
de Idiomas ou digite o link:

76
www.google.com/language_tools

Você pode combinar comando site: com o


booleano NOT (-) para dizer ao Google que
você deseja realizar uma pesquisa na Web ex-
cluindo o site especificado. Para isso, digite:

Como resultado, o Google irá apresentar


uma lista de itens que estarão todas as pá-
ginas da Internet que contenham o termo
biocombustíveis, porém, que não estejam no
domínio unbcds.pro.br
6.3.18 Todas as palavras no texto da página
Para realizar uma pesquisa, cujos termos estejam todos no
corpo do texto, use o comando “allintext:”
Exemplo:

77
O resultado irá apresentar apenas os sites em que a expressão
“Desenvolvimento Sustentável” esteja no corpo do texto.

6.3.19 Busca no título da página


Para realizar pesquisa no título da página Web, escreva o
termo intitle: seguido da expressão que quer encontrar.
Exemplo:

Digite na caixa de pesquisa o comando:

O resultado irá apresentar as páginas que contenham a ex-


pressão “Desenvolvimento Sustentável” no título, e não neces-
sariamente no corpo da página Web.

Outra variante deste comando é allintitle:


que faz pesquisa por todas as palavras e ex-
pressões no título da página Web.

6.3.20 Caracter curinga “*”


O caractere “*” (asterisco) é curinga em uma pesquisa do
Google e representará uma ou mais palavras inteiras de um
texto.
Exemplo:

Em uma pesquisa por:

Retornará resultados que contiverem as frases “vasos de


vidro para flores” e “vasos para arranjo de flores”.

78
Outra maneira de empregar o asterisco em uma pesquisa
é para preencher os espaços em branco da pesquisa que cor-
responda a uma determinada questão:

Você poderá utilizar mais que um asterisco, tal como:

Atualmente o Google não suporta pes-


quisas em que o asterisco indica uma fração
ou a extensão de uma palavra [ vasos flor* ]
não encontrará [ vasos floridos ].
No entanto, o Google utiliza a tecnologia
“stemming” que, quando for necessário, pes-
quisará não apenas as palavras inseridas no
campo de pesquisa do Google Web Search,
como também as que são similares a algu-
mas ou todas aquelas palavras inseridas.
Por exemplo:
• Se pesquisar por [ saúde animal lêmure
], Google também pesquisará [ saudável
animal lêmure ] e outras variações rela-
cionadas aos seus termos.

6.3.21 Dicionário no Google


Para ver uma definição de uma palavra ou frase, basta di-
gitar o comando “define”, e depois um espaço e, em seguida, a
palavra que deseja conceituar. Se o Google tiver uma definição
para a palavra ou frase na Web, ele irá recuperar essas infor-
mações e apresentá-las na parte superior dos seus resultados
de pesquisa. Neste caso, o Google funciona como se fosse um
dicionário.

79
Exemplo:

Irá mostrar uma lista de definições de “Internet” recolhidas a


partir de várias fontes on-line.

Utilizando o Google com a interface em


português, é possível substituir o comando
“define” por “o que é” ou “o que são”.

6.3.22 Operações de conversão


Para usar o conversor, basta digitar a conversão que deseja
realizar na caixa de pesquisa do Google e clique na tecla
“Enter” ou clique no botão “Pesquisa Google”. Escreva o
valor, da moeda de origem, a palavra in e a moeda destino.
Exemplo:

Se o google aparece em português no seu


computador, use no lugar de IN a opção EM
200 USD em euros.
O Google não garante a precisão das taxas
de câmbio usadas pela calculadora. Essas
taxas são fornecidas pelo Citibank N. A. e
são apenas para fins informativos e estão su-
jeitas a alterações sem notificação prévia.
Exemplo:

Outras possibilidades de uso do conversor como sintaxe em


inglês e português:

80
Inglês Português

3,5 in GBP 3,5 dólares em GBP

currency of Brazil in Malaysian money Moeda do Brasil em malaio dinheiro

5 British pounds in South Korean money 5 libras esterlinas em dinheiro sul-coreano

2.2 USD per gallon in INR per litre 2,2 dólares por galão no INR por litro

6.3.23 Google Spell Checker


O Google Spell Checker ou, em português, “Você quis
dizer” é um programa de correção ortográfica automática que
checa a sua pesquisa e verifica se está usando a versão mais
comum de uma palavra da ortografia do seu idioma. Este pro-
grama verifica quais palavras poderiam gerar mais resultados
relevantes de pesquisa com ortografia alternativa. Após a che-
cagem de ortografia, o programa sugere uma palavra no “Você
quis dizer:”. Clicando sobre a palavra sugerida, o Google Web
Search refará a sua pesquisa para essa palavra. O Google Spell
Checker é baseado em ocorrências de todas as palavras na In-
ternet, e por essa razão ele é capaz de sugerir nomes comuns
para nomes e lugares, que podem não aparecer em um pro-
grama corretor ortográfico ou dicionário.
Exemplo:

Vamos fazer uma pesquisa utilizando a palavra seguransa


(escrito propositalmente com erro) para ver como funciona
o Google Spell Checker. O Resultado será a página abaixo, na
qual o Google irá sugerir a correção. Para aceitar a correção,
basta clicar em cima da palavra sugerida que o Google Web
Search irá realizar novamente a pesquisa com essa palavra.

81
6.3.24 Booleano OR ou |
O booleano OR serve para localizar páginas que possuem
um dos termos utilizados na pesquisa. Utilize este operador
sempre em letras maiúsculas entre os termos a serem pesqui-
sados. O operador OR que também pode ser representado
pela “|” (barra vertical).
Exemplo:

Se digitar na caixa de pesquisa do Google Web Search:

O Google retornará uma lista de resultados que inclui-


rá quer “natureza” ou “meio ambiente natural” ou ambos os
termos.

Se você escrever operador OR com uma


letra em minúscula, seja a letra “o” ou a letra “r”,
Google interpretará esse operdaor como uma
palavra de pesquisa em vez de um operador.
Ao contrário do operador OR, a | (barra
vertical), não tem de ser cercada por espa-
ços.

82
Use aspas “ “ ao grupo composto palavras e frases juntas.
Por exemplo:

6.3.25 time in
O comando “time in” é uma nova funcionalidade que a
empresa Google implantou no Google Web Search que per-
mite verificar o fuso horário (hora local) em diversas cidades
do mundo. Em alguns casos, o Google Web Search exibe a
hora local da cidade procurada. Um detalhe interessante é que
os ponteiros da imagem do “relógio” são atualizados confor-
me a hora exibida.
Para saber a hora exata de alguma localização, utilize a o
termo “time in” e o nome da cidade a ser pesquisada.
Exemplo:

O resultado será:

83
Este comando só funciona se a interface do
Google estiver configurada para o idioma
“inglês”. Para trocar o idioma da interface do
Google, clique em “Preferências” e selecione
em “Idioma da interface” inglês, conforme
indicado na figura abaixo. Depois clique no
botão “Salvar preferências”

6.3.26 view:timeline
Veja os resultados de sua pesquisa de forma cronológica.
Com esta ferramenta o Google consegue extrair as principais
datas, locais, medições, e muito mais, a partir da seleção dos
resultados da pesquisa, assim se pode ver as informações em
uma outra dimensão.
A pesquisa cronológica permite ver de uma maneira
melhor pesquisas relacionadas a pessoas, empresas, eventos e
lugares. Info view apresenta todos os resultados encontrados
para ajudá-lo a escolher a melhor opção.
Exemplo:

Se digitar na caixa de pesquisa do Google Web Search:

84
Este comando só funciona se a interface
do Google Web Search estiver configurada
para o idioma “inglês”.

6.4 Outras categorias de pesquisa dentro do Google


Para fazer uma consulta no Google Web Search, basta di-
gitar algumas palavras descritivas e pressionar a tecla “enter”
(ou clicar no botão Pesquisa Google) para que monte uma
lista de resultados relevantes. O Google Web Search usa técni-
cas sofisticadas de identificação exata de textos para encontrar
páginas que sejam tanto importantes como relevantes para a
sua pesquisa.

Quando o Google Web Search analisa


uma página, ele olha para o que as outras
páginas que estão vinculadas à mesma têm
a dizer sobre ela. O Google Web Search
também prefere as páginas nas quais os
termos de busca estejam próximos entre si.

85
6.4.1 Google Image Search
images.google.com

O Google Image Search é uma ferramenta de pesquisa de


fotos, imagens gráficos, logos, figuras etc. que se encontram
na Web. O Google Image Search é integrado ao Google Web
Search, e está integração pode ser percebida quando alguém
realiza uma pesquisa, e o Google Web Search apresenta algu-
mas imagens no topo da página de resultados.
A busca de imagens é realizada por palavras-chaves, seme-
lhante ao Google Web Search, e os resultados são exibidos em
grupos de vinte imagens reduzidas (thumbnail). Basta clicar
na imagem desejada para abrir no seu tamanho real.
Exemplo:

Para saber qual é a capa do livro a “A Grande Transfor-


mação Ambiental”, digite na caixa de pesquisa do Google
Image Search essa frase e depois clique em pesquisar. O re-
sultado será:

A pesquisa por palavras-chaves pode


produzir muitos resultados, portanto, seja o
mais específico possível e evite palavras que
possam ter muitas conotações.
Uma maneira de forçar o Google Web
Search a encontrar imagens e fotos, é utili-
zando as palavras “pics” ou “imagem” diante
das palavras a serem pesquisadas.

86
6.4.2 Google Diretório
directory.google.com

O Google Diretório permite realizar pesquisas por meio


de navegação dentro de categorias de assuntos. Este tipo de
pesquisa funciona como filtros pré-estabelecidos que irão re-
alizar a pesquisa apenas na categoria em que se encontra atu-
almente. Este recurso poderá ser muito útil para restringir a
pesquisa a um determinado tópico ou domínio.
O Google Web Search está integrado ao Google Diretório.
Esta integração permite aos usuários passar, com um único
clique, dos resultados de pesquisa normais do Google Web
Search às páginas mais relevantes do Google Diretório.

87
A principal diferença entre o Google Web
Search e Google Diretório é que este último
irá produzir uma página de resultado que
apontam para sites, enquanto que o primei-
ro irá produzir resultados que apontam para
páginas de Internet.
O conteúdo do Google Diretório é menor
que o do Google Web Search, por isso, é bas-
tante útil começar uma pesquisa por ele.

6.4.3 Google Groups


groups.google.com

O Google Groups é uma ferramenta de colaboração uti-


lizada para que um grupo de pessoas possa administrar e ar-
quivar lista de e-mails, facilitar a comunicação, a colaboração
e o envio de arquivos entre os membros do grupo. Ele oferece,
ainda, grande capacidade de armazenamento e páginas per-
sonalizáveis com opções de administração do grupo. O conte-
údo desses grupos de discussão é composto prioritariamente
por conteúdos textuais. O Google Groups permite realizar
pesquisas em grupos de discussão online.
Quando é realizada uma pesquisa no Google Web Search,
muitas vezes, também é apresentado na parte inferior da
página de resultados de pesquisa, itens que são do Google
Groups. Estes itens são mensagens que os usuários de algum
grupo de discussão postaram sobre um tema relacionado à
pesquisa realizada. Se clicar em um desses itens, será conduzi-
do para o texto completo da mensagem do grupo de discussão
correspondente.
Para utilizar este recurso de pesquisa deve-se digitar as pa-
lavras-chaves com relação a um grupo de discussão em parti-
cular, autor ou assunto no qual esteja interessado e o Google
retornará uma página de resultado com link para as mensa-
gens que contenham suas palavras-chaves.

88
Quando se realiza uma pesquisa por uma
frase exata no Google Groups, o mecanismo
de busca não utiliza as palavras descartáveis,
tal qual ocorre no Google Web Search. Por-
tanto, para que essas palavras façam parte de
sua pesquisa, use o sinal “+”.

6.4.4 Google Notícias


news.google.com.br
O Google Notícias pesquisa continuamente mais de 4.500
fontes de notícias no mundo inteiro para prover as últimas
notícias minuto a minuto. Essas notícias são classificadas au-
tomaticamente dentro de categorias, tais como: mundo, países,
negócios, ciência e tecnologia, esportes, meio ambiente, entre-
tenimento e saúde. O Google Notícias apenas possui artigos
que estavam disponíveis nos últimos três dias.

89
O conteúdo inteiro do Google Notícias é pro-
duzido somente utilizando algoritmo de com-
putadores, isto permite uma rápida atualização
das notícias e uma metodologia de classifica-
ção baseada na relevância e importância, tal
qual os resultados apresentados pelo Google
Web Search. Porém, este recurso ainda está
sendo aprimorado e pode apresentar erros de
direcionamento para o site onde se encontra
a notícia, mas mesmo assim, é muito útil.

6.4.5 Google Catálogo


catalog.google.com

O Google Catálogo torna fácil a localização de informa-


ções para solicitação de catálogos que podem ou não ser loca-
lizados online. Para utilizá-lo basta digitar na caixa de pesqui-

90
sa as palavras-chaves relevantes sobre o produto que deseja e
comparar fornecedores, preços e muito mais. O Google Ca-
tálogo irá retornar uma página de resultados com links para
vários catálogos.

Depois de selecionar um catálogo, será


apresentada uma barra de ferramentas, a
qual proporciona informações de fornece-
dores do produto, tais como telefone, ende-
reço, local para fazer pedido, site da empre-
sa e o número do catálogo. Esta ferramenta
também permite realizar pesquisa somente
dentro de um catálogo selecionado.

6.4.6 Google Froogle


froogle.google.com
O Google Froogle é um mecanismo de pesquisa de produ-
tos que apresenta o produto pesquisado com imagem, preço
e local onde pode ser adquirido. Também possui integração

91
com outra ferramenta da Google chamada de Google Che-
ckout que permite realizar transações comerciais seguras.
Exemplo:
Para saber quanto custa o computador de 9 polegadas da
marca Acer, digite no campo de pesquisa a seguinte expres-
são:

O resultado será:

Se clicar no botão “Compare Prices”, o Google apresen-


tará uma lista de resultados na qual serão exibidos todos os
locais onde é vendido esse computador com a comparação
dos preços e outros dados sobre o produto.

Esta ferramenta permite fazer classificação


dos produtos por relevância, preço, produto
e vendedor.

92
6.4.7 Google Zeitgeist
www.google.com/press/zeitgeist.html
Google Zeitgeist é um serviço da Google, que mostra as
palavras mais pesquisadas em cada país. O serviço se baseia
nos dados das milhares de pesquisas realizadas em períodos
diários, semanais e mensais. O nome tem origem na palavra
alemã Zeitgeist que significa espírito do tempo (Zeit = tempo
+ Geist = espírto), o qual é utilizado para se referir aos acon-
tecimentos de uma determinada época.
Utilize o Google Zeitgeist para saber quais foram os as-
suntos mais pesquisados dentro do Google Web Search no
âmbito mundial, regional, passado e presente.

Um fato curioso que pode ser visto no


Zeitgeist é que os acontecimentos de cada
país influenciam as palavras mais pesquisa-
das em cada período.

93
6.4.8 Google Barra de Ferramentas
toolbar.google.com

A barra de ferramentas da Google é uma ferramenta para


usuários experientes em pesquisa e abaixo é exibida a referida
barra.

Esta barra de ferramentas necessita ser bai-


xada e instalada no seu computador. Uma
vez instalada, ela estará integrada a barra de
ferramentas do seu navegador. Existem duas
versões de barra de ferramentas da Google,
uma para MS Internet Explorer e outra para
FireFox.
A barra de ferramenta permite que seja reali-
zada personalização quanto à sua aparência,
tamanho, botões e idioma que será exibido.

94
7 Google Acadêmico
scholar.google.com.br

7.1 O que é?
O Google Acadêmico ajuda a identificar as pesquisas mais
relevantes do mundo acadêmico de uma maneira simples e de
forma abrangente, pesquisando em várias disciplinas e fontes
em um só lugar: artigos revisados por especialistas (peer-
rewiewed), teses, livros, resumos e artigos de editoras acadê-
micas, organizações profissionais, bibliotecas, universidades e
outras entidades acadêmicas.
7.2 Para que serve?
O Google Acadêmico serve para encontrar artigos técnicos
e acadêmicos, monografias, dissertações de mestrado, teses de
doutorado, livros, resumos e artigos de editoras acadêmicas.

7.3 O que devo fazer?


Cada resultado de pesquisa do Google Acadêmico repre-
senta um conjunto de trabalhos acadêmicos. Isso pode incluir
um ou mais artigos relacionados, ou até mesmo várias versões
de um mesmo artigo. Por exemplo, o resultado de uma pesqui-
sa pode consistir em um grupo de artigos, incluindo uma pré-
publicação, um artigo apresentado em congresso, um artigo de
revista e um artigo antológico, todos associados a uma única
pesquisa. Estes artigos agrupados permitem medir com mais
precisão a relevância das pesquisas e apresentar melhor os di-
ferentes processos de pesquisas de uma área.
Cada resultado de pesquisa contém informações biblio-
gráficas, como título, nome de autores e fonte da publicação.
Um conjunto de dados bibliográficos é associado a todo o
grupo de artigos relacionados e é o que tem maior probabili-
dade de ser um artigo que represente o grupo. Esses dados bi-
bliográficos são baseados nas informações contidas nos arti-
gos do grupo, e nas referências feitas a esses artigos em outros

95
trabalhos acadêmicos.
Abaixo é apresentado o Google Acadêmico com a explica-
ção de cada um de seus componentes:

1. Título: Links para o resumo do artigo ou, quando disponí-


vel na web, para o artigo completo
2. Citado por: Identifica outros documentos que citaram
os artigos do grupo.
3. Artigos relacionados: Localiza outros documentos se-
melhantes aos artigos deste grupo.
4. Links de bibliotecas (on-line): Localiza uma versão
eletrônica do trabalho por meio dos recursos de sua bibliote-
ca afiliada. Esses links aparecem automaticamente quando a
conexão é feita dentro do campus.
5. Links de bibliotecas (off -line): Localiza bibliotecas
que tenham uma cópia impressa do trabalho.
6. Grupo de: Localiza outros artigos incluídos neste
grupo de trabalhos acadêmicos, possivelmente de caráter pre-
liminar, aos quais se pode ter acesso. Exemplos incluem pré-
publicações, resumos, trabalhos apresentados em congressos
ou outras adaptações.
7. Pesquisa na web: Pesquisa informações sobre esta pes-
quisa no Google.

96
7.3.1 Como fazer uma pesquisa com o Google
Acadêmico?
O Google Acadêmico permite realizar pesquisa por:
• autor
• título
• publicações
• datas
Além das possibilidades acima, também é possível utilizar
a maioria dos operadores avançados de pesquisa do Google
Web Search:
• operador “+” assegura que os seus resultados incluam
palavras, letras ou números comuns geralmente ignorados
pela tecnologia de pesquisa do Google, como em [+de olivei-
ra];
• operador “-” exclui todos os resultados que incluam o
termo de pesquisa, como em [flores -autor:flores];
• pesquisa por frase retorna apenas resultados incluin-
do a frase exata, como em [“No meio da rua”];
• operador “OR” retorna resultados incluindo alguns
dos termos pesquisados, como em [ações chamar OR colo-
car].
Para aumentar a precisão e a eficiência de suas pesquisas
no Google Acadêmico incluindo “operadores” que refine os
seus termos de pesquisa, em alguns casos, pode incluir opera-
dores diretamente na caixa de pesquisa do Google Acadêmi-
co; em outros, pode usar a página de “Pesquisa avançada do
Google Acadêmico”.

7.3.1.1 Pesquisa por autor


A pesquisa por autor é uma das maneiras mais eficazes de
se encontrar um artigo específico. Se souber quem escreveu
o artigo que está procurando, basta incluir o sobrenome do
autor nos termos pesquisados.
Digite o nome do autor entre aspas: “m persegona”. Para

97
aumentar o número de resultados, use as iniciais em vez do
primeiro nome, pois algumas fontes indexadas no Google
Acadêmico só fornecem as iniciais.
Quando uma determinada palavra pode ser considerada
tanto um nome próprio quanto um substantivo comum, use o
operador “autor:”. Esse operador afeta apenas o termo de pes-
quisa digitado imediatamente após ele.
Exemplo:

Retorna artigos escritos por alguém de sobrenome Silva.

Retorna artigos sobre flores e ignora artigos escritos por


alguém de sobrenome flores (um sinal de menos na frente do
termo pesquisado exclui resultados contendo esse termo).

Não deve haver espaço entre o operador


“autor:” e o termo pesquisado.

O operador “autor:” também pode ser usado com o nome


completo entre aspas para refinar ainda mais a pesquisa.
Exemplo:

Para encontrar artigos escritos por Marcel Burzstyn, digite


na caixa de pesquisa:

98
7.3.1.2 Pesquisa por título
Digite o título do artigo entre aspas: “No meio da rua” que
deseja localizar que o Google Acadêmico encontrará auto-
maticamente o artigo, assim como outras publicações que o
mencione.

7.3.1.3 Pesquisa por publicações


Uma pesquisa restrita a uma publicação retorna apenas
resultados com palavras específicas de uma publicação espe-
cífica. Lembre-se, porém, que a pesquisa restrita a publicações
pode ser incompleta. O Google Acadêmico coleta dados bi-
bliográficos de várias fontes, inclusive extraindo-os automati-
camente de textos e citações. Essas informações podem estar
incompletas ou até incorretas; muitas pré-publicações, por
exemplo, não mencionam onde (ou nem mesmo se) o artigo
chegou a ser publicado.
Pesquisas restritas a publicação costumam ser eficazes se
tem certeza daquilo que está procurando, mas geralmente são
mais restritas do que se espera.

Esta opção só está disponível na página de


“Pesquisa avançada do Google Acadêmico”.
Lembre-se de que o nome de uma revis-
ta pode ser escrito de várias formas (por
exemplo, Revista de Química Biológica
muitas vezes é abreviado como R Quím
Bio), portanto, deve-se tentar vários nomes
de uma determinada publicação para
obter resultados de pesquisa completos.

99
7.3.1.4 Pesquisa por tópico específico
Em qualquer página de resultados, clique no link “Artigos
recentes”, à direita, para ver pesquisas recentes pertinentes à
sua busca. Esses resultados são classificados com base em fa-
tores adicionais, e podem ajudar a encontrar mais rapidamen-
te as pesquisas mais recentes.

7.3.1.5 Pesquisa por data


Pesquisas restritas a datas podem ser eficazes quando se
procura pelos desenvolvimentos mais recentes de uma deter-
minada área. Este tipo de pesquisa é fito apenas por ano.
Exemplo:

Para encontrar artigos escritos por Persegona sobre geor-


referenciamento entre os anos 2003 a 2008, clique em “Pes-
quisa avançada do Google Acadêmico” e coloque os termos
nos campos correspondentes:

O resultado será a página apresentada a seguir. Repare


que agora o Google Acadêmico disponibilizou mais duas
caixas de pesquisa para se enserido nelas o intervalo da data
a ser pesquisada.

100
Esta opção só está disponível na página de
“Pesquisa avançada do Google Acadêmico”.
Lembre-se que algumas fontes da Web não
incluem as datas de publicação, portanto, uma
pesquisa restrita a datas não retornará artigos
cuja data de publicação não pode ser determi-
nada pelo Google Acadêmico. Sendo assim, se
tiver certeza de que um artigo foi publicado
este ano e ele não for encontrado na pesquisa,
pesquise novamente sem restringir por datas.

7.3.1.6 Pesquisa por link artigos relacionados


Em cada resultado de pesquisa do Google Acadêmico, é
realizada uma procura automática na base de índice pelos
artigos que mais se relacionam ao assunto pesquisado. Com
isso, ter-se-á uma lista de artigos clicando no link “Artigos re-
lacionados” que aparece ao lado dos resultados.
A lista de artigos relacionados é classificada segundo o
grau de semelhança dos artigos com o resultado original, mas
também leva em conta a relevância de cada artigo. Encon-
trar conjuntos de livros e artigos relacionados geralmente é
um ótimo modo para quem é iniciante começar a saber mais
sobre o tópico específico.

101
8 Google Book Search ou Pesquisa de Livros
Em cada resultado de pesquisa do Google Acadêmico, é
realizada uma procura automática na base de índice pelos
artigos que mais se relacionam ao assunto pesquisado. Com
isso, ter-se-á uma lista de artigos clicando no link “Artigos re-
lacionados” que aparece ao lado dos resultados.
A lista de artigos relacionados é classificada segundo o
grau de semelhança dos artigos com o resultado original, mas
também leva em conta a relevância de cada artigo. Encon-
trar conjuntos de livros e artigos relacionados geralmente é
um ótimo modo para quem é iniciante começar a saber mais
sobre o tópico específico.

books.google.com.br

8.1 O que é?
O Google Book Search, ou pesquisa de livros em portu-
guês, é um buscador especializado em localizar livros, traba-
lhos acadêmicos e técnicos na Internet. O Google Book Search
monta uma página de resultados de pesquisa com links para
os livros que correspondem aos termos inseridos da caixa de
pesquisa. Para acessar o livro ou mais informações sobre o
item pesquisado, clique no título do livro e terá acesso à página
do livro que contém os termos pesquisados, bem como outras
informações sobre o livro. Ainda, o Google Book Search dá a
possibilidade de clicar no link “Comprar este livro” e ser dire-
cionado a uma livraria que vende o livro online.
Cada livro possui uma página de sinopse (About this book)
com dados bibliográficos básicos, tais como título, autor, data
da publicação, tamanho e assunto. Para alguns livros existem
informações adicionais como: palavras-chaves, resumo, refe-
rências de publicações acadêmicas ou de outros livros, títulos
dos capítulos e lista de livros similares. Para cada livro, existe
links que levam diretamente para livrarias onde pode ser ad-
quirido o livro ou bibliotecas onde ele pode ser emprestado.

102
8.2 Para que serve?
O Google Books serve para localizar livros, autores, edito-
ras, título de obras literárias, data de publicação e ISBN. Basta
introduzir a palavra-chave ou a frase que procura na caixa de
pesquisa de livros do Google.
Exemplo:

Encontrará todos os livros cujo conteúdo corresponde


aos termos da pesquisa. Clique no título de um livro para
obter informações básicas sobre o mesmo, à semelhança do
que veria em um catálogo em fichas.

Poderão ainda ser apresentados alguns excer-


tos, frases que contextualizam o termo da pes-
quisa. Se a empresa Google tiver autorização
da editora ou do autor, será apresentada uma
página completa e poderá consultar o livro
para ver mais páginas. Se o livro não estiver
protegido por direitos autorais, será apresen-
tada uma página completa e poderá folhear o
livro para o consulta-lo na totalidade.
Se clicar em “Pesquisar neste livro”, poderá
efetuar mais pesquisas dentro do livro que se-
lecionou.

103
8.3 O que devo fazer?
O Google Books funciona praticamente igual ao Google
Web Search, o qual funciona por meio de pesquisa realiza-
da por palavras-chaves. A diferença está que o Google Books
permite, no item Pesquisa Avançada, realizar uma pesquisa de
livros com título do livro, nome do autor, nome da editora do
15
ISBN livro, data de publicação e ISBN15 .
(International
Standard Book
Number): Número
internacional do
livro. É um sistema
padronizado
que identifica
numericamente
os ivros, segundo
o assunto, título,
autor, país, editora,
individualizando-
os. Disponível
em: http://www.
printondemand.
com.br/materias.
php?cd_secao=10

8.3.1 Buscas que podem ser feitas com o Pesqui-


sa de Livros
A pesquisa de livros possui alguns comandos específicos
que permitem realizar uma pesquisa mais focada. Esses co-
mandos são:

intitle para pesquisar pelo título do livro.

inauthor para pesquisar pelo nome de autor.

inpublisher para pesquisar pelo nome da editora do livro.

subject para pesquisar pelo assunto do livro.

date para pesquisar pela data de publicação do livro.

isbn para pesquisar pelo número internacional do livro.

104
Exemplo:

Para encontrar o livro “No meio da rua”, cujo autor é Marcel


Burzstyn, publicado pela editora Garamond no ano de 2000,
sob o ISBN 8586435384, tratando de meio ambiente, poderia
ser escrito a seguinte expressão na caixa de pesquisa:

8.3.2 Modos de visualização do livro


Entre as possibilidades de visualização do livro estão:
• Full View (visualização completa)
• Limited Preview (visualização parcial)
• Snippet View (cartão de catalogação)
• No Preview Available (sem vizualização)

105
8.3.2.1 Full View ou Visualização Completa
O livro pode ser consultado com visualização completa
quando não possui diretos autorais, ou se sua editora ou autor
permitiu este modo de visualização. A visualização completa
permite consultar qualquer página do livro, e, se o livro for de
domínio público, poderá ser baixado para seu computador e
salvo e impresso na versão PDF.

106
8.3.2.2 Limited Preview ou Visualização Limitada
A editora do livro ou autor deu permissão para visualiza-
ção de um número limitado de páginas do livro.

107
8.3.2.3 Snippet View ou Visualização de Cartão
de Catalogação
A visualização Snippet View, é igual a um cartão de catalo-
gação, exibe informações sobre o livro e mais algumas senten-
ças exibidas na tela sobre os seus termos de pesquisa.

8.3.2.4 No Preview Avalilable ou Sem Visualização


Neste modo de exibição é apresentado um cartão de ca-
talogação da obra onde é possível ver apenas as informações
básicas do livro.

108
PARTE 4
9 Outras ferramentas de busca
Existem várias empresas que criaram ferramentas que
também fazem pesquisa na base de dados da Google utili-
zando mecanismos de integração com o Google Web Search.
Entre as ferramentas podem ser citadas, por exemplo:
• Google Over Email
• O que o Google pensa sobre você?
• TouchGraph GoogleBrowser
• Soople Google Search e Soople Calculator
• Vivisimo
• Scirus
• Periódicos da CAPES

9.1 Google Over Mail ou Asynchronous Google


Access
developer.capeclear.com/capemail

16
Sigla para Este serviço de consulta está integrado a interface Google
Personal Digital
Assistants. Este
Web Search por meio da API Google. Para utilizar este serviço,
equipamento basta digitar um e-mail para google@capeclear.com e colocar
eletrônico tem
as mesmas o texto da sua pesquisa no campo “Assunto” e o resultado da
características de pesquisa será enviado por e-mail.
um computador,
porém, com Este serviço de pesquisa é muito útil para PDA16 , tele-
dimensões fones celulares, usuários off-line e, em geral, as pessoas que
reduzidas.
têm baixa qualidade de acesso a Internet por causa da banda
de Internet que utilizam. Para algumas pessoas pode ser mais
fácil o uso do e-mail em vez de lançar sua pesquisa em um
navegador.

110
9.2 O que o Google pensa sobre você?
www.googlism.com

A pesar do nome deste serviço ser “O que o Google pensa


sobre você?”, os resultados da pesquisa não são as opiniões do
Google, mas de um grupo de desenvolvedores que criaram
uma ferramenta divertida que determina a opinião consen-
sual de várias pessoas com relação a nomes, coisas, período
(tempo cronológico) e lugares.

111
9.3 TouchGraph GoogleBrowser

www.touchgraph.com/TGGoogleBrowser.html

Esta ferramenta faz pesquisa no Google por meio de uma


interface que representa os resultados na forma de gráficos,
interconectando sites de forma a proporcionar uma nova
perspectiva dos dados encontrados. O TouchGraph Google-
Browser é um aplicativo desenvolvido em Java que exibe os
links encontrados no formato tridimensional. Este aplicativo
cria cluster dos resultados dos quais se pode obter informa-

112
ções de um ou vários sites ou fazendo um duplo-clique em
cima de um resultado de forma a expandir o universo de pes-
quisa visualizando novos sites similares ao clicado.
Exemplo:

Se digitar na caixa de pesquisa do TouchGraph Google-


Browser:

O TouchGraph GoogleBrowser retornará a imagem a


seguir.

9.4 Soople
A Soople é uma empresa independente que não está filiada
ou apoiada pela Google, cujo nome é uma gíria em Inglês que
significa “suavizar ou complementar”. E é isso exatamente que
a Soople quer ser, um site que suaviza todas as funções avan-
çadas que o Google oferece e foi concebido para todos aqueles
que ainda não estão familiarizados com as possibilidades de
pesquisa do Google e as sintaxes de seus comandos.

113
Além disso, a Google oferece muitas ferramentas úteis e inte-
ressantes, tais como: busca das últimas notícias, pesquisar por
definições ou usar o Google como uma agenda. O Soople in-
tegra tudo isso e muito mais em uma interface simples e fácil
de ser utilizada, Soople Search Google, que pode ser acessada
no endereço abaixo:

www.soople.com/soople_int.php

114
E por último, mas não menos importante, a calculadora
ou Soople Calculator. Esta ferramenta permite que faça todo
o tipo de cálculos, dos mais simples aos mais complexos. A
Soople acrescentou, ainda, um conversor de unidades para as
unidades comuns de medidas, tais como: metros para jardas e
vice versa. Esta ferramenta pode ser acessada no endereço:

www.soople.com/soople_intcalchome.php

115
9.5 Vivisimo

www.vivisimo.com

Este sistema tenta entender o significado das páginas e


reuní-las por assunto. Depois, organiza os temas em hierar-
quias, também chamadas de “taxonomias”. Possui recursos
muito interessantes, tais como classificação dos resultados por
cluster, fontes e sites. Além de permitir a visualização prévia
da página, mostrar em qual cluster está o resultado encontra-
do, ela abre a página selecionada.

9.6 Scirus

www.scirus.com

Uma ferramenta de pesquisa especializada em publicações


científicas que utiliza um mecanismo de busca que consulta
mais de 450 milhões de pesquisas científicas em páginas de
Internet, permitindo rapidamente:
• localizar artigos científi cos, acadêmicos, técnicos e mé-
dicos na web;

116
• encontrar os últimos relatórios e artigos revistos pelos
pares, patentes, publicações no prelo e revistas que outros me-
canismos de busca não encontram;
• é o único a oferecer funcionalidades projetadas exclu-
sivamente para cientistas e pesquisadores.
E por que usar o Scirus? Porque é um o mecanismo de
pesquisa de conteúdo científico que concentra suas buscas
em páginas que contenham conteúdo científico, pesquisando
mais de 450 milhões de páginas relacionadas com a ciência.
Exemplo:

Se você pesquisar sobre REM, o Google considera como


sendo um grupo de rock. Já o Scirus encontra informações
sobre sono, entre outras coisas.

Além de páginas Web, Scirus indexa as seguintes fontes:


American Physical Society, ArXiv.org , BioMed Central, Calte-
ch Coda, Cogprints, Crystallography Journals Online, CURA-
TOR, Digital Archives, DiVa, Project Euclid, HKUST Institu-
tional Repository, HKUTO, IISc, Humboldt Universit, Institute
of Physics Publishing, LexisNexis, Maney Publishing, MD
Consult, Nature Publishing Group, MedlineMIT Open, Cour-
seWare, NASA, NDLTD, Organic Eprints, PsyDok, PubMed
Central, RePEc, Royal Society Publishing, ScienceDirect, Sci-
tation, SIAM, University of Toronto T-Space e WaY.

117
9.7 Portal .periodicos. CAPES
www.periodicos.capes.gov.br

O Portal Periódicos da CAPES disponibiliza acesso ime-


diato à produção científica mundial atualizada, tais como,
textos completos de artigos de mais de 12.365 revistas inter-
nacionais, nacionais e estrangeiras, e 126 bases de dados com
resumos de documentos em todas as áreas do conhecimento,
e seu uso é livre e gratuito.

118
Considerações finais
Como já foi abordado no início deste livro, a algum tempo
atrás, o problema era conseguir informações as quais eram
caras e difíceis de se encontrar. Para obtê-las era necessário
comprar um jornal, ligar para outras pessoas, fazer pergun-
tas, visitar bibliotecas para encontrar o livro certo, contratar
serviços especializados de consultoria. Mas, nos dias atuais, o
problema não está mais na coleta dos dados, e sim, no excesso
deles, principalmente, sem importância ou relevância. Vive-
mos, o que muitos autores chamam de infointoxicação.
Portanto, o grande desafio está em como obter dados com
relevância, precisão, oportunidade e alto valor agregado para
processos de tomada de decisão, ações e realização de traba-
lhos.
Com o advento da Internet, tudo foi facilitado e compli-
cado ao mesmo tempo. Facilitado devido ao fato da Internet
se constituir em um grande e inesgotável “registro da memó-
ria humana”, como colocado por Araújo (2005), disponível 24
horas e 7 dias por semana de qualquer parte do planeta. Com-
plicado porque os sistemas de busca ainda fazem a procura
por palavras-chaves, sem analisar o conteúdo. Adicionalmen-
te a esse fato, tem-se, ainda, as pessoas podem publicar o que
quiserem na Internet, disponibilizando conteúdos irrelevan-
tes e questionáveis com relação a sua produção e referências.
Muitos deles não trazem referências às fontes bibliográficas
que o originaram, data de produção e data de última atualiza-
ção, nome do autor, origem do documento etc.
A quantidade de informações na Internet é tão grande e
diversificada que é, praticamente, impossível encontrar o que
se precisa sem o uso de um mecanismo de busca. Existem
muitas ferramentas de busca na Internet, tais como o Altavis-
ta, AlltheWeb, Yahoo e MSN.
Os buscadores de Internet são ferramentas bastante úteis
para realizar a coleta de dados, disponibilizados por um cole-
tivo social interessado em compartilhar seus conhecimentos.

119
Entre os arquivos mais frequentemente compartilhados
estão livros digitais, periódicos, notícias, filmes, vídeos, parti-
turas, diários do cotidiano etc.
Entre os diversos buscadores existentes, o Google se desta-
ca dentre eles pela maneira de classificar os dados, pela técni-
ca empregada para realizar a varredura da Internet em busca
de novos e atualizados dados e pela grande variedade de ferra-
mentas especializadas que oferece ao Internauta, tais como o
Google Acadêmico, Google Patentes, Google Vídeo e Youtube,
Google Maps entre outros.
O Google é tão eficiente na realização da coleta de dados e
sua base de dados é tão grande e abrange praticamente todos
os temas de todas as áreas de conhecimento, que hoje se corre
o risco das pessoas acreditarem que se não está no Google,
então esse assunto não existe. Mas como já foi dito, o Google
tem armazenado em seus servidores apenas 1% (um porcen-
to) do conteúdo de toda a Internet e, além do mais, nem todos
os livros existentes nas bibliotecas foram digitalizados ou dis-
ponibilizados pelos seus autores na Internet.
Mais do que saber utilizar um buscador, se faz necessário
saber planejar uma pesquisa, fundamentada em um bom pla-
nejamento inicial para definir com maior precisão o escopo
da pesquisa. Por isso, planejar a coleta antes de começar a pes-
quisa de dados na Internet é essencial.
Sendo assim, este livro teve como finalidade, ajudar aos lei-
tores saberem realizar um planejamento prévio de sua pesqui-
sa por meio de um formulário, o qual agrega as sugestões de
alguns especialistas sobre pontos importantes que devem ser
observados durante a definição do escopo da pesquisa. Assim
como, a descrição de ferramentas e comandos que podem ser
utilizados durante esse processo.
Também foram apresentados outros buscadores que uti-
lizam a base de dados do Google para realizarem a pesqui-
sa, porém, exibem a página de resultados em um formato de
apresentação diferente ao Google, tais como o Soople e o Tou-
chGraph GoogleBrowser. Mas, existem outros buscadores

120
que também são bastante interessantes e úteis, principalmente
se os assuntos pesquisados são tecnológicos e científicos, por
exemplo: Vivisimo, Scirus e Portal Periódicos da CAPES.
Depois da criação do Google, o problema não é mais
achar o que se quer saber, e sim saber o que se quer achar.

121
Referência Bibliográfica
ABRIL. O mundo Google. São Paulo: Editora Abril, Super
Interessante Edição 201 - Jun/2004. Disponível em: <http://
super.abril.com.br/superarquivo/index_superarquivo.shtml>
Acesso em: 20/05/2008.
ALECRIM, Emerson. A Internet e o Google: o casamento
perfeito. Info Wester, 2004. Disponível em: <http://www.info-
wester.com/col241004.php> Acesso em: 31/03/2008.
ARAUJO, Vania M. R. H. de. Sistemas de Recuperação da In-
formação: Uma abordagem conceitual. In: STAREC, Cláu-
dio, GOMES, Elizabeth B. P., CHAVES, Jorge B. L. Gestão Es-
tratégica da Informação e Inteligência Competitiva. São Paulo:
Editora Saraiva, 2005.
BARRETO, Aldo de Alburquerque. A condição da Informa-
ção. In: STAREC, Cláudio, GOMES, Elizabeth B. P., CHAVES,
Jorge B. L. Gestão Estratégica da Informação e Inteligência
Competitiva. São Paulo: Editora Saraiva, 2005.
BLACHMAN, Nancy. Guia de Referências Rápidas para
os Operadores de Busca no Google. UnderGoogle, 2006.
Disponível em: <http://www.undergoogle.com.br/tutoriais/
guia_referencias.html> Acesso em: 3/04/2008.
BORGES, Julio Daio. The Search, John Battelle e a história
do Google. Espaço Cultural, 2006. Disponível em: <http://
www.digestivocultural.com> Acesso em: 31/03/2008.
CHRISTOVÃO, Heloisa Tardin. Da comunicação informal
à comunicação formal: identificação da frente de pesquisa
através de filtros de qualidade. Ciência da Informação, Rio
de Janeiro, v. 8, n.1, p. 3-36, 1979.
DIGERATI. Segredos do Google: Desvende os recursos não
revelados do poderoso sistema de busca! São Paulo: Digerati
Books, 2004.
EXPERT, The Google. How to use Google: The 60 most im-
portant tips, hacks and tricks. Palo Alto: Titanium Books

122
Inc., 2003. Disponível em: <http://www.howtousegoogle.com/
how2usegoogle.pdf> Acesso em: 29/05/2008.
FORBELLONE, Aurélio. Mundo Google. Forbellone Blog,
2007. Disponível em: <http://blog.forbellone.com/mundo-
google> Acesso em: 31/07/2008.
GOOGLE-a. Informações Corporativas. Mountain View:
Google Inc., 2008. Disponível em: <http://www.google.com/
intl/pt-BR/corporate/execs.html> Acesso em: 31/03/2008.
GOOGLE-b. Razões para usar o Google. Mountain View:
Google Inc., 2008. Disponível em: <http://www.google.com.
br/intl/pt/why_use.html> Acesso em: 1/04/2008.
GOOGLE-c. Perfil da empresa. Mountain View: Google Inc.,
2008. Disponível em: <http://www.google.com.br/intl/pt/pro-
file.html> Acesso em: 1/04/2008.
GOOGLE-d. O Google Mini – Pesquisa do Google no site
e na rede corporativa. Mountain View: Google Inc., 2008.
Disponível em: <http://www.google.com.br/enterprise/mini/
index.html> Acesso em: 3/04/2008.
GUGOLOGIA. Por que o Google? Fã-clube O Mundo Google,
2008. Disponível em: <http://www.gugologia.hpg.ig.com.br/
decisaoPerfeita.html> Acesso em: 02/04/2008.
MACHLUP, F. The Production and Distribution of Know-
ledge in the Unites States. Princeton: Princeton University
Press, 1962.
ORNELAS, Ana Carona. COLETA: A Segunda etapa do
Ciclo de Produção de IC. In: Inteligência Competitiva – Ano
II N° 08. Brasília: ABRAIC, 2008.
PERSEGONA, M. F. M.; BURSZTYN, M.; ALVES, I. T. G.;
MARCOLINO, J.; ARANTES, C. S. A.; SILVA, M. W. Gestão
da Informação e Gestão do conhecimento utilizando mapas
geográficos gerados em softwares livres. In: KM Brasil 2007,
2007, São Paulo. São Paulo: KM Brasil 2007, 2007.
PERSEGONA, M. F. M. Aula 01 de Gestão da Informação
e do Conhecimento: Conceitos básicos. Brasília: IESB, 2005.

123
PINHEIRO, Liliane Vieira e SAVI, Maria Gorete Monteguti.
O fluxo de informação na comunicação científica: enfoque
nos canais formais e informais. Florianópolis: Universida-
de Federal de Santa Catarina, 2005. Disponível em: <http://
www.ced.ufsc.br/~ursula/3211/liliane.ppt> Acesso em:
29/04/2008.
SACERDOTI, Tod. How to use Google: The 30 most important
tips, hacks and tricks. Palo Alto: Titanium Books Inc., 2003.
SANTANA, Larissa. Por dentro da empresa que dominou
o mundo. In: EXAME. São Paulo: Editora Abril, edição 915,
Ano 42. nº 6, 2008.
SCRIPT BRASIL. API’s – Fórum script Brasil. Script Brasil,
2004. Disponível em: <http://scriptbrasil.com.br/forum/
index.php?showtopic=26595> Acesso em: 3/04/2008.
SEMÔLA, Marcos. Gestão da Segurança da Informação. In:
STAREC, Cláudio, GOMES, Elizabeth B. P., CHAVES, Jorge B.
L. Gestão Estratégica da Informação e Inteligência Competiti-
va. São Paulo: Editora Saraiva, 2005.
SIANES, Marta. Compartilhar ou proteger conhecimentos?
Grande desafio no comportamento informacional das or-
ganizações. In: STAREC, Cláudio, GOMES, Elizabeth B. P.,
CHAVES, Jorge B. L. Gestão Estratégica da Informação e Inte-
ligência Competitiva. São Paulo: Editora Saraiva, 2005.
TARAPANOFF, Kira. Informação, Conhecimento e Inteli-
gência em corporações: Relações e complementaridade. In:
TARAPANOFF, Kira (org.). Inteligência, Informação e Co-
nhecimento. Brasília: IBICT, UNESCO, 2006.
THE GOOGLE EXPERT. How to use Google: The most 60
most important tips, hacks and tricks. Palo Alto: Titanium
Books Inc., 2003.
TUMITUS. Glossário da Internet. Florianópolis: Tumitus
Comunicação e Design Ltda., 2008. Disponível em: <http://
tumitus.com/glossario.php> Acesso em: 8/10/2008.
WIKIPEDIA. YouTube. St. Petersburg: Wikimedia Founda-

124
tion Inc, 2006. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/
YouTube> Acesso em: 7/04/2008.
WIKIPEDIA-a. Eric Schmidt. St. Petersburg: Wikimedia
Foundation Inc, 2005. Disponível em: <http://pt.wikipedia.
org/wiki/Eric_Schmidt> Acesso em: 31/03/2008.
WIKIPEDIA-b. Googol. St. Petersburg: Wikimedia Founda-
tion Inc, 2005. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/
Googol> Acesso em: 2/04/2008.
WILSON, Thomas Daniel. A problemática da Gestão do Co-
nhecimento. Tradução de Ulf Gregor Baranow. In: TARAPA-
NOFF, Kira (org.). Inteligência, Informação e Conhecimento.
Brasília: IBICT, UNESCO, 2006.
YAMAOKA, Eloi Juniti. Recuperação de informação na
WEB. Brasília, 2003.

125
Glossário
@ (at ou arroba): significa “em”, antecedendo o local (pro-
vedor ou domínio próprio) onde suas caixas postais estão
hospedadas. Ex: internauta@dominio.com.br.
Acesso: entrada em um Website ou entrar na própria In-
ternet por meio de uma conexão feita por meio de um prove-
dor de acesso à Internet.
Ad Click: é o ato de clicar em um “ad”.
Ad View: é a página que mostra o “ad”. Podem ser mostra-
dos um ou vários “ads” em um mesmo “ad view”.
Ad: é um gráfico ou banner de uma página Web que,
quando clicado, leva o internauta a outro Website.
ARPANET: é a rede de compartilhamento de computado-
res da ARPA (Advanced Research Projects Agency) que mais
tarde evoluiu para a Internet.
Attachment: é o nome que se dá a um ou mais arquivos
que seguem anexados (attached ou, aportuguesando, atacha-
dos) a uma mensagem eletrônica.
Autenticação: é a técnica pela qual a Internet requer a
identificação (autenticação) do internauta pela digitação do
seu username (login) e password (senha).
Backbone: é a infra-estrutura formada pelas linhas de co-
municação e o hardware de transmissão e de recepção para
acesso à Internet mundial vendido aos provedores.
Backup: é o ato de copiar arquivos para um segundo dis-
positivo (um outro drive ou disquete) como medida de se-
gurança no caso de haver algum problema com o dispositivo
original onde os arquivos se encontram.
Baixar: é o mesmo que download, ou seja, trazer para seu
computador um programa, um texto ou uma imagem.
Banda Larga: tipo de conexão rápida feita na Internet.
Bandwidth: é a) a medida em Kb de dados transferidos
em um tráfego de um Website; b) a capacidade de transporte
da informação pelos fios, cabos e canais que nos conectam
no cyberspace, há um limite para a quantidade de dados que

126
qualquer tipo de fio/cabo/canal pode transportar em um de-
terminado momento, mesmo no caso de fibras óticas; c) a ca-
pacidade de armazenamento de um sistema.
Banner: (banner em inglês quer dizer estandarte) é um
anúncio de propaganda colocado em um Website na Internet,
são os anúncios comerciais ou institucionais que estão nas pá-
ginas de Internet.
Baud: são os bits por segundo que trafegam na internet.
Unidade de transferência de dados.
Bit: é a menor unidade de informação eletrônica. Repre-
senta o 0 ou 1, e cuja sigla significa BInary digiT ou dígito
binário
BMP: extensão de arquivos de imagem, também conheci-
da como bitmap.
BPS: significa bits por segundo. É uma medida de veloci-
dade de dados de transmissão via Internet.
Browser: são programas de computador usados para lo-
calizar e visualizar documentos em HTML ou páginas de
Internet. São esses programas que permitem a navegação no
ambiente WWW e a visualização de Websites. Exemplos: In-
ternet Explorer, Netscape Navigator, Opera entre outros.
Buttons: são botões ou selos ilustrativos que fazem parte
da programação visual do Website.
Byte: é uma medida de armazenamento em espaço em
disco igual a 8 bits, também conhecido como palavra-máqui-
na.
CGI (Common Gateway Interface): são scripts que per-
mitem a inclusão de formulários em páginas Web.
Chat: conversar pela Internet via textos.
Ciberespaço ou Cyberspace: denominação dada ao
espaço eletrônico onde as informações da Internet circulam.
Click through rate: é o percentual de usuários que clicam
em um “ad” exposto em uma página Web.
Cliente: programa de computador que faz requisição de
serviços em outros programas ou computadores que funcio-
nam como servidores ou hospedeiros (host).

127
Compressão: é mesmo que compactar um arquivo para
que ele ocupe menos espaço em um computador. Programas
como o Winzip e Winrar são utilizados para tal procedimen-
to.
Computador: é um equipamento eletrônico capaz de
ordenar, calcular, testar, pesquisar e editar informações de
acordo com instruções estabelecidas e segundo uma repre-
sentação binária, obedecendo a um conjunto de operações
aritméticas e lógicas.
Comunidade virtual: pessoas com mesmos interesses que
fazem parte de grupos na Internet.
Conta: é uma permissão para acesso à Internet, normal-
mente simbolizada por um login e uma senha.
Cookies: são arquivos contendo informações como nome
e preferências dos visitantes de um Website. Esta informação
é fornecida por cada internauta em sua primeira visita ao site.
O servidor do site visitado registra a informação em um ar-
quivo e armazena esse arquivo no disco rígido do internauta.
Quando o internauta retorna ao site, o servidor procura e acha
o cookie e se auto-configura de acordo com a preferências in-
dicadas pelo internauta.
Correio eletrônico ou e-mail: é o sistema de comunica-
ção baseado no envio e no recebimento de mensagens eletrô-
nicas via Internet. Indica tanto o ambiente da Internet onde
se envia mensagens eletrônicas como a própria mensagem
eletrônica em si.
E-mail: é o correio eletrônico, indica tanto o ambiente da
Internet onde se envia mensagens eletrônicas como a própria
mensagem eletrônica em si.
Criptografia: é o embaralhamento do conteúdo de uma
mensagem eletrônica ou e-mail em uma sequência de carac-
teres alfa-numéricos que torna o conteúdo não compreensí-
vel. É usada para dar maior segurança no envio de dados pela
Internet.
DHTML: é a sigla para Dynamic Hipertext Markup Lan-
guage. É um tipo de linguagem utilizada para construir as pá-

128
ginas da Web e os websites com recursos de acesso dinâmico.
Dial: o mesmo que discar, ou seja, fazer a conexão com a
Internet por meio de um provedor.
Dial-Up: é nome do programa utilizado pelo Windows
para fazer a conexão do internauta com o provedor de acesso
à Internet.
DNS (Domain Name Server): É um sistema hierárquico
de bases de dados distribuídas que converte um nome de do-
mínio em um endereço IP do computador/servidor Internet
de um provedor de acesso e hospedagem de Websites.
Domínio (Domain): é o nome de uma área reservada em
um servidor de Internet que corresponde ao endereço numé-
rico de um Website (endereço IP) que vem após a @ dos en-
dereços de e-mail.
Download: é o mesmo que baixar ou transferir dados de
uma página de Internet para seu computador.
Downtime: é a quantidade de minutos e horas por mês
que o provedor fica fora do ar para manutenção técnica pre-
ventiva e corretiva.
E-commerce ou comércio eletrônico: é a venda de pro-
dutos e serviços pela Internet.
Encriptação: codificação de dados para o envio e rece-
bimento em segurança. Somente quem envia e quem recebe
possui os códigos da encriptação dos dados eletrônicos.
Ethernet: é um sistema de redes que transporta sinais
(bits) para todos os microcomputadores dessa rede.
FAQ (Frequently Asked Questions): significa questões
frequentemente perguntadas. É um recurso muito útil no
atendimento aos clientes pela Internet, já que antecipa as per-
guntas que podem ser realizadas por eles e as responde sob a
forma de página Web.
Filtros: são formas de diminuir o escopo de consultas pela
definição de áreas ou tipos de dados a serem incluídos ou ex-
cluídos.
Firewall: são softwares de proteção cuja missão é impedir
a entrada de hackers em empresas conectadas à Internet.

129
Folder: mesmo que pasta, ou seja, local onde os arquivos
são armazenados.
Formulários: são páginas HTML usadas para coletar in-
formações dos internautas. São também chamadas “scripts”.
Frame: partes de páginas de Internet onde ficam barras
de rolagem.
Freeware: são programas de computador de domínio pú-
blico, ou seja, gratuitos.
FTP (File Transfer Protocol): protocolo de transferência
de arquivos pela Internet. É o método padrão de enviar arqui-
vos entre computadores pela Internet.
Gateway: é a porta de entrada de cada rede individual
ligada à Internet.
GB ou G ou gigabyte: é uma unidade de medida de arma-
zenamento de espaço em disco igual a 1,024 megabytes.
GIF (Graphic Interchange Format): é um padrão gráfico
que permite salvar imagens em tamanho reduzido e comu-
mente usado em páginas HTML.
Grupos de discussão: são os newsgroups ou fóruns de
discussão ou lista de discussão, onde pessoas com os mesmos
interesses entram para debater idéias. Este programa redistri-
bui a todos os mails que tenham sido passados por qualquer
um dos participantes da lista.
Hacker: são especialistas em violar sistemas de computa-
ção.
Hardware: é a estrutura e as peças eletrônicas, magnéticas
e mecânicas de um computador.
Help desk: serviço de auxílio técnico que os Websites ofe-
recem aos usuários.
Hiperlinks ou hipertextos: são palavras ou ilustrações
pré-estabelecidas como pontos de saltos. Quando clicadas,
provocam a transferência para outro assunto ou página Web.
Hiperlinks são comumente chamados links.
Hipermídia: é a mídia que inclui gráficos, sons e vídeos.
Hit: unidade que mede o número de visitações em pági-
nas de Internet. Cada hit corresponde a uma visitação.

130
Homepage: é a página de entrada ou página principal de
um Website e nela estão os links para as demais páginas do
Website.
Hospedagem: é o ato de armazenar Websites de clientes
por parte de um provedor de acesso.
Host: computador que hospeda os conteúdos de um site.
Hot link: é um link entre duas aplicações de forma que a
mudança em uma atualiza automaticamente a outra.
HTML (Hyper Text Markup Language): é a linguagem
padrão utilizada para construir e visualizar os documentos na
Web (Websites).
HTTP (Hyper Text Transfer Protocol): é o protocolo
padrão que permite a transferência de dados na Web entre
os servidores e os browsers, e que permite os saltos de uma
página para a outra pelos cliques realizados nos links do hi-
pertexto.
Ícone: uma figura utilizada para acessar uma página ou
um conteúdo específico de um site.
Internauta: é a gíria usada para identificar o usuário da
Internet, a pessoa que usa a Internet para comunicação, pes-
quisa, trabalho e/ou lazer.
Internet: é a rede mundial de computadores interconec-
tados. É o sistema de informação global que: a) é logicamen-
te ligado por um endereço único global baseado no Internet
Protocol (IP) ou suas subsequentes extensões; b) é capaz de
suportar comunicações usando o Transmission Control Pro-
tocol/Internet Protocol (TCP/IP) ou suas subsequentes ex-
tensões e/ou outros protocolos compatíveis ao IP; e c) provê,
usa ou torna acessível, tanto publicamente como privadamen-
te, serviços de mais alto nível produzidos na infra-estrutura
descrita.
Intranet: é uma rede baseada em protocolos TCP/IP (uma
internet) que pertence a uma empresa e que é acessada apenas
pelos membros e funcionários da empresa (e, eventualmente,
também por outras pessoas que tenham autorização para tal).
Como a Internet, Intranets são usadas para compartilhar in-

131
formações.
IP ou Internet Protocol: é o protocolo da Internet que
identifica, localiza e estabelece conexão entre computadores
ligados à Internet.
ISDN [RDSI] (Integrated Services Digital Network):
rede digital de transferência de dados, imagens, voz e sons
pela Internet.
ISP (Internet Service Provider): provedor de acesso à In-
ternet.
Java: linguagem de programação para páginas de Internet
com recursos rápidos e avançados.
JPEG ou JPG (Joint Photographic Experts Group): ex-
tensão ou formato de imagens, muito comum em fotos que
aparecem na Internet.
KB (Kilobyte): é uma unidade de medida de armazena-
mento de espaço em disco igual a 1.024 bytes.
Kbps (Kilobits Per Second): é uma unidade de medida
para velocidade de transmissão de dados, onde 1 Kbps = 1.000
bps (bits por segundo).
LAN (Local Area Network): é uma rede local de compu-
tadores localizados em uma área relativamente pequena.
Laptop: é um computador pequeno e portátil que pode
ser colocado no seu colo (top=em cima e lap=colo em inglês),
também conhecido como notebook.
Links: são palavras ou ilustrações pré-estabelecidas como
pontos de saltos. Quando clicadas, provocam a transferência
para outro assunto ou página Web.
Log: é um arquivo criado por um servidor Web que
contém todas as informações de acessos à Internet conside-
rando a atividade do servidor.
Login: pode significar: a) o ato de acessar a Internet; b) o
seu nome de usuário para o acesso à Internet (cadastrado em
um provedor em conjunto com uma senha) ou para o acesso a
um Website que exija um cadastramento prévio do internauta
(neste caso, o cadastramento do login é feito no Website).
MB (Megabyte): é uma unidade de medida de armaze-

132
namento em espaço de disco igual a 1.024 KB ou 1.048.576
bytes.
MbPS (Megabits per Second): é uma medida de velocida-
de de transmissão de dados via modem, e equivale a 1 MbPS =
1.000 KbPS = 1.000.000 BPS.
Mecanismo de busca: site utilizado como referência para
buscar outros sites ou informações pela Internet. Exemplos:
Google, Cadê, Yahoo!, Radaruol entre outros.
Modem: é a sigla para MOdulator/DEModulator. É um
equipamento que transforma os sinais digitais de seu micro-
computador em sinais analógicos que podem trafegar pela
linha telefônica.
MP3: formato de músicas e sons que circulam pela Inter-
net e que podemos armazenar no computador.
Multimídia: conceito usado para designar a existência de
imagens, sons, textos e animações em um programa.
Navegação: é o processo de se mover de um Website para
outro pelos links.
NCP (Network Control Protocol): protocolo de controle
de redes.
Nickname: apelido ou codinome usado na Internet ou em
sistemas.
Node: é uma unidade da informação.
Online: é estar conectado à Internet.
Page view: é o número de hits para páginas HTML e
também chamado “page impression”.
Página: é o conjunto de textos e ilustrações que são mos-
trados em uma mesma tela.
Password: quer dizer palavra-chave ou senha. Normal-
mente é associada a um login por questão de segurança.
Pixel: ponto que forma as imagens na Internet.
Plataforma: é o sistema operacional utilizado pelo inter-
nauta, e pode ser: Windows, Unix, Linux, etc.
Portal: é uma página ou Website que agrega vários links e
serviços, servindo como porta de entrada ou ponto de partida
para a navegação de internautas.

133
POP (Post Office Protocol): método antigo usado por
programas como o Eudora ou Netscape para enviar e receber
e-mail para outros servidores de e-mails.
Protocolo: informações e procedimentos técnicos que
possibilitam a transferência de dados pela rede.
Provedor de acesso: é uma empresa que provê acesso à
Internet aos seus clientes por meio da manutenção de uma
central de linhas telefônicas exclusivas ligadas aos seus servi-
dores de serviços de Internet. Podem ser pagas ou gratuitas.
Provedor de informação: é uma empresa que provê in-
formações variadas em seu website.
Rede: dois ou mais computadores conectados por cabos,
circuitos digitais, wireless, ou outros meios.
Referer: é a URL de uma página HTML que refere a um
Website.
Reload ou Refresh: o mesmo que carregar novamente
uma página de Internet.
Roteador ou router: é um equipamento que conecta qual-
quer número de LANs e otimiza o roteamento das conexões
Internet.
Search engines: são Websites onde os internautas fazem
buscas na Web a partir de palavras-chaves.
Senha: é uma palavra qualquer escolhida pelo usuário que,
em conjunto com o login, serve para liberar o acesso do usuá-
rio à Internet ou a websites que exijam senha para entrada.
SET (Secure Eletronic Transaction): é um padrão de se-
gurança utilizado em Websites de comércio eletrônico.
SGML (Standard Generalized Markup Language): é um
sistema de “tags” que permite que as especificações da lingua-
gem sejam interpretadas por vários sistemas de formas varia-
das, mas assegurando a formatação dos documentos Web.
Shareware: é o nome dado aos vários programas de com-
putador ou softwares disponíveis na Internet para avaliação e
uso gratuito por tempo limitado.
Shopping virtual: é um Website que agrupa Websites de
empresas que vendem produtos e serviços na Internet.

134
Site: é o conjunto de páginas ou lugar no ambiente Web da
Internet que é ocupado com informações (texto, fotos, anima-
ções gráficas, sons e até vídeos) de uma empresa ou de uma
pessoa. É também o diminutivo de Website.
Software: são os programas, dados e rotinas desenvolvi-
dos para computadores que precisam ser instalados neles para
que possam desempenhar determinadas funções.
Spam: é o envio de e-mails comerciais não solicitados.
Spider: é um programa automatizado que faz buscas pela
Internet.
Tags: são comandos inseridos num documento que defi-
nem como o documento deve ser formatado. Tags são usadas
pelas especificações de formatação que armazenam docu-
mentos como arquivos texto, incluindo SGML e HTML.
TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Pro-
tocol): é um protocolo de controle de transmissão que satis-
faz as necessidades de um ambiente de redes de arquitetura
aberta como a Internet.
Telnet: é uma aplicação onde o internauta acessa um ser-
vidor remoto pela Internet.
Upgrade: é melhorar as condições de desempenho de
micro-computadores, velocidade de linha telefônicas, etc.
Upload: é o ato de enviar arquivos para ou servidor ou
para outro computador.
URL (Uniform Resouce Locator): é um endereço virtual
que indica exatamente onde as informações da empresa ou
da pessoa se encontram. A primeira parte do endereço indica
que protocolo está sendo usado e a segunda parte especifica
o domínio onde o recurso está localizado, no formato http://
www.domínio.tipododominio.sigladopaís.
Vírus: é um programa de computador que foi desenvol-
vido intencionalmente para se associar a outro programa de
computador, de forma que quando este programa roda o pro-
grama do vírus também roda, replicando-se indefinidamente
por associar-se a outros programas.
VRML (Virtual Reality Modeling Language): é um

135
padrão de programação que permite modelagem e navegação
em terceira dimensão na Web.
W3C (World Wide Web Consortium): é a organização
oficial para os padrões Web, especialmente HTTP, HTML e
XML e foi fundado em 1994 por Tim Berners-Lee, considera-
do o inventor da Web.
WAN (Wide Area Network): é um sistema de LANs in-
terconectadas por linhas telefônicas ou ondas de rádio.
WAP (Wireless Application Protocol): é uma especifica-
ção segura que permite aos usuários acessar informações e a
Internet por meio de equipamentos portáveis, móveis e wire-
less, tais como celulares e pagers.
Web: abreviação de WWW.
Webmaster: é o profissional responsável por um ou mais
Websites.
Website: é um conjunto de páginas ou lugar no ambiente
Web da Internet que é ocupado com informações (texto, fotos,
animações gráficas, sons e até vídeos) de uma empresa ou de
uma pessoa.
Whois: banco de dados que possui informações sobre os
endereços e dados técnicos dos Websites da Internet.
WWW (World Wide Web): rede de comunicação que
permite o uso de imagens e textos na Internet.
XML (eXtensible Markup Language): é uma linguagem
baseada em SGML, desenvolvida pelo W3C para uso em pági-
nas e documentos Web e é mais funcional que HTML.

136
Guia de referências rápidas para os operadores de busca no Google

BÁSICOS LOCALIZA PÁGINAS COM:


futebol brasileiro as palavras futebol e brasileiro

Bermuda OR Grécia com qualquer uma das palavras: Bermuda ou Grécia

«Eu tive um sonho" exata frase:Eu tive um sonho

salsa –dance a palavra salsa mas NÃO a palavra dance

Star Wars Episode +I o título do filme, incluindo o algarismo romano I

sites sobre o Google que tenham a palavra guide e seus sinônimos: help, tutorial,
Google ~Guide
etc.

define:phishing definição para a palavra phishing encontrada em diversos sites na Web

ESCREVA NA CAIXA DE
CÁLCULOS USADO PARA:
BUSCA:
+–*/ operações básicas 12 + 34 - 56 * 7 / 8

% of porcentagem de... 45% of 39

^ or ** eleva a potência... 2^5 or 2**5

300 Euros in USD, 130 lbs in kg, or 31


unidade in unidade conversor de unidades
in hex

ESCREVA NA CAIXA DE
BUSCA RESTRITA SIGNIFICADO: BUSCA (DESCRIÇÃO DO
RESULTADO)
talk site:undergoogle.blogspot.com
Busca em somente um site ou
site: (Busca por todas as referências ao Talk
domínio
no undergoogle)

DVD player $100..150


Busca um intervalo de
[#]..[#] (Busca DVD players entre $100 e
números.
$150.)

Google Reference filetype:pdf


filetype: Busca arquivos por extensão
(Busca referências do Google no
(ou ext:) específica.
formato pdf.)

link:undergoogle.blogspot.com
Exibe páginas que apontam
link: (Busca páginas que linkam para o
para o link buscado.
Google Underground Blog )

safesearch: sex education


safesearch: Exclui conteúdo adulto. (Busca por Educação Sexual sem
retornar sites adultos.)

137
PARÂMETROS PARA INFORMAÇÕES ESPECÍFICAS
book hamlet
(Exibe resultados para livros do Google
book Busca textos completos em
Book Search.
(or books) livros.
Nota: Não é necessário dois pontos
após o book)

define blog, what is ram


(Exibe definição para as palavras blog e
define, what is, Exibe definição para uma
ram.
what are palavra ou frase.
Nota: sem dois pontos após define,
what is, ou what are)

define:Podcast
Resulta definições de palavras,
define: (Busca páginas que contenham a
frases, e acrônimos da web.
definição para Podcast.)

phonebook: Disney CA
Busca em toda a lista telefônica
phonebook: (Busca pelo telefone da Disney) Nota:
americana.
Somente disponível nos EUA.

bphonebook: Hearst Castle San


Exibe resultados telefônicos
bphonebook: Simeon CA
comerciais.
(Busca pelo telefone daHearst Castle)

rphonebook: Monty Python Oakland


Exibe resultados telefônicos
rphonebook: CA
residenciais.
(Busca pelo telefone de Monty Python)

movie: The Wizard of Oz


Busca reviews and informações
movie: (Busca informações sobre O Mágico de
de filmes.
Oz)

stocks: goog
Informações sobre ações e valor
stocks: (busca informações das ações do
de mercado.
Google na bolsa de valores)

weather Mountain View CA


(Busca previsão do tempo para
Retorna a previsão do tempo
weather Mountain View, sede do Google.
para uma localidade.
Nota: sem dois pontos após o weather./
Somente nos EUA)

PARÂMETROS ALTERNATIVOS

Retorna os resultados cache:www.undergoogle.com.br


cache: armazenados em cache do (Exibe uma cópia do Google
Google. Underground Blog que está em cache)

138
PARÂMETROS ALTERNATIVOS

info:www.undergoogle.com.br
info: Busca informações da página
(Busca informações sobre o Google
(ou id:) buscada.
Underground Blog)

related:undergoogle.blogspot.com
Lista páginas relacionadas a
related: (Busca páginas relacionadas ao Google
URL buscada.
Underground Blog)

BUSCA RESTRITA PARA SITES E TERMOS ESPECÍFICOS

allinanchor: S-and-S Coupling


Todos os temos devem aparecer
allinanchor: (Busca páginas cuja âncora dos links
nas âncoras de links da página.
contêm "S-and-S coupling")

restaurants inanchor:gourmet
Os temos devem aparecer nas (Busca por páginas de restaurantes em
inanchor:
âncoras de links da página. que os links menciosados possuem a
palavra "gourmet")

allintext: travel packing list


Todos os termos da busca
(Busca por páginas onde "travel,"
allintext: devem aparecer no corpo da
"packing," & "list" aparecem no texto da
página.
página.)

Hamish Reid intext:pandemonia


Os termos devem aparecer no (Busca páginas onde Hamish Reid
intext:
corpo da página. onde a companhia Pandemoniaestá
incluída no texto da página)

allintitle: Google Advanced Operators


Todos os temos buscados
(Busca por páginas que contenham
allintitle: devem aparecer no título da
"Google," "Advanced,", e "Operators".
página.
no título da página)

google intitle:ajuda
Os termos devem aparecer no
intitle: (Busca por sites com a palavra "Google"
topo da página.
que incluam "ajuda" no título da página)

allinurl:ajuda google
As palavras buscadas devem
allinurl: (Busca por sites com as palavras
aparecer inteiramente na URL.
"google" & "ajuda" na URL)

inurl:talk site:undergoogle.blogspot.com
Os termos devem aparecer na
inurl: (Busca páginas do Undergoogle cujo URL
URL da página.
contenha a palavra "talk")

139
PARÂMETROS RESTRITOS AO GOOGLE GROUPS

igoogle author:joao
Busca mensagem de um autor
author: (Busca por artigos do João sobre o
específico.
Google)

novidades groups:google
Busca mensagens de um grupo
group: (Busca artigos com novidades em
específico.
grupos sobre o Google")

Busca mensagens no Groups insubject:"css"


insubject: com o termo desejado no (Busca artigos contendo "css" na linha
assunto. do assunto.)

PARÂMETROS RESTRITOS AO GOOGLE NEWS

queen location:uk
Busca notícias para um
location: (Busca notícias sobre a Rainha em
determinado idioma.
todos os jornais britânicos)

peace source:ha_aretz
Busca notícias de uma fonte
source: (Busca notícias sobre paz no jornal
específica.
Israelense Ha'aretz)

PARÂMETROS RESTRITOS AO FROOGLE

Busca produtos em lojas sun hats store:llbean


store: específicas. (Busca chapéus da marca.L. Bean)

140
Dicas para o Google

Palavras-chaves
Seja específico
Tanto faz usar maiúsculas ou
minúsculas
Não precisa acentuar as palavras
O booleano AND é automático
Use o booleano OR quando possível
“frases exatas”
+palavra +descartável

Página de resultado
Apresenta itens relevantes
Cache link
Páginas semelhantes

Ferramentas avançadas
Recorte a caixa de
Dicionário
dicas ao lado e cole
Você quis dizer
no seu computador. Lista telefônica
Street Maps
Cotas de ações

Busca avançada
Tipos de arquivos
filetype:
Domínio restrito
site:
Quem aponta para você
link:

Outros buscadores da Google


Imagens
Grupos de discussão
Diretório
Notícias

Outros serviços da Google


Barra de ferramentas
Froogle
Catálogo

141
Sobre os autores
Marcelo Felipe Moreira Persegona

Possui mestrado em Desenvolvimen-


to Sustentável com ênfase em Política
e Gestão de Ciência e Tecnologia pela
Universidade de Brasília - UnB (2005) e
graduação em Ciência da Computação
pela Universidade Católica de Brasília
UCB (1998). Atualmente é aluno de
doutorado da Universidade de Brasília em Política e Gestão t
Ambiental, e professor das seguintes instituições: Faculdade t
Michelangelo/Instituto Rui Barbosa do Brasil, Faculdades g
Integradas da Terra de Brasília, Associação Brasileira das
Instituições de Pesquisa Tecnológica Industrial e Faculdade
SENAC. Exerce a função de Diretor de Projetos na IP Con-
sultoria e Informática Ltda. Associado à Associação Brasileira
dos Analistas de Inteligência Competitiva e à Câmara Ame-
ricana de Comércio, pesquisador da Universidade de Brasília
e da American Association for the Advancement of Sciences
nos temas de Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento Sus-
tentável. Tem experiência na área de Ciência da Computação,
atuando principalmente nos seguintes temas: gestão do co-
nhecimento, gestão da informação, Tecnologia da Informa-
ção, Sistemas de Informações Geográficas e Mapserver.

142
Sobre os autores
André Luiz Moreira Persegona

Bacharel em Administração em Gestão


de Negócios Internacionais. Ministra
diversos cursos de capacitação profissio-
nal e entre eles o de Coleta de Informa-
ções via Internet utilizando o Google.
Tem experiência na área de Ciência da
Computação e Administração, em sis-
temas de informações, atuando principalmente nos seguintes
temas: gestão da informação, gestão do conhecimento, Inteli-
gência Competitiva e Sistemas de Informações Geográficas.

143
O livro é composto pelas fontes Minion Pro (corpo do texto)
e Rotis Semi Serif (títulos e subtítulos).