You are on page 1of 6

A Reestruturação das Forças Armadas da Colômbia: Desenvolvimento de Capacidades e Perfil de Força

ARTIGO 36

A REESTRUTURAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS DA


D
esde a década de 1960, o governo vo para a determinação do processo de coop-
colombiano enfrentava as ações das eração em defesa e segurança na América do
COLÔMBIA: Desenvolvimento de Capacidades e Perfil atividades guerrilheiras em seu ter-
ritório. Além disso, com o passar do tempo,
Sul.
Nesse sentido, o presente trabalho é com-
de Força o país passou de mero caminho para o trans-
porte de substância ilícitas para tornar-se o
posto de três seções que encontram-se estru-
turadas da seguinte maneira: a primeira seção
epicentro do narcotráfico e da produção de trata acerca da situação colombiana no perío-
João Estevam dos Santos Filho* entorpecentes da América do Sul. Entretan- do pré-reestruturação militar, apresentando
to, transformações nesse cenário a partir da as variáveis que impulsionaram a execução
década de 1980 exigiram uma mudança nas desse processo; tais variáveis são: pressões
atitudes do Estado colombiano. Isso porque, e políticas norte-americanas voltadas à luta
desde essa década, as Forças Armadas Revolu- contra o narcotráfico; o avanço estratégico e
cionárias da Colômbia (FARC) e o Exército operacional dos grupos contra insurgentes,
de Libertação Nacional (ELN) não apenas re- sobretudo das FARC e do ELN; e o estado de
RESUMO ABSTRACT crudesceram suas ações como transformaram obsolescência e atraso das Forças Armadas da
sua organização interna a ponto de tornarem- Colômbia. Na segunda seção, será descrito o
se verdadeiras ameaças ao governo central. processo de reestruturação propriamente dito,
Este artigo tem como objetivo analisar descriti- This paper has the objective of analyze descrip- Ademais, nesse mesmo período, o governo ressaltando-se os dois tipos de transformações
vamente o processo de reestruturação das Forças tively the process of restructuration of the Co- norte-americano pressionava a Colômbia para pelas quais passaram as forças militares, quais
Armadas colombianas nos governos de Andrés lombian armed forces in the government of tomar maiores atitudes contra o problema do sejam, as quantitativas e as organizacionais.
Pastrana (1998-2002) e Álvaro Uribe (2002- Andrés Pastrana (1998-2002) and Álvaro Uribe narcotráfico. Esses e outros aspectos da con- No que se refere às primeiras, serão analisa-
2010). A pergunta da pesquisa é: em que resultou (2002-2010). The research question is: in what juntura nacional impulsionaram um proces- dos os gastos em defesa no período, a variação
a reestruturação das Forças Armadas colombia- resulted the restructuration of the Colombian so de reestruturação das Forças Armadas, os no número de efetivos e a quantidade bem
nas no período mencionado? A hipótese inicial armed forces in the mentioned period? The ini- quais começaram no governo de Andrés Pas- como os tipos de sistemas de defesa adquiri-
é de que houve o surgimento de um novo perfil tial hypothesis is that there was the emergence of trana Arango (1998-2002) e que se seguiram dos. Quanto às transformações organizacion-
de força contrainsurgente, caracterizado por: 1) a new counterinsurgent force profile, character- nos dois mandatos de seu sucessor, Álvaro ais, será dada atenção à variação no número de
maior integração entre Exército, Força Aérea e ized by: 1) greater integration among the army, Uribe Vélez (2002-2010). unidades militares no período – bem como ao
Marinha; 2) maior mobilidade do Exército e 3) the air force and the navy; 2) greater army mobil- Dessa maneira, o presente trabalho tem caráter das novas unidades criadas –e à quan-
engajamento mais intenso em operações anti- ity and 3) more intense engagement in antinar- como objetivo realizar uma análise descritiva tidade de efetivos profissionais; ademais, será
narcóticos. As considerações finais do trabalho cotics operations. The final considerations of the do processo de reestruturação das Forças Ar- feita uma análise das mudanças na área de in-
reforçam a hipótese inicial da pesquisa. work reinforce the initial research hypothesis. madas colombianas no período mencionado. teligência, uma vez que essa é entendida como
O problema da pesquisa resume-se na seguin- de grande importância para atividades de con-
te pergunta: em que resultou a reestruturação trainsurgência. Por fim, na terceira seção, serão
Palavras-chave: Colômbia; Forças Armadas; Re- Keywords: Colombia; Armed Forces; Restruc- das Forças Armadas da Colômbia no período expostas as considerações finais do trabalho,
estruturação. turation. que vai de 1998 a 2010? A hipótese utilizada demonstrando se houve ou não a emergência
para responder a tal pergunta é a de que tal de um novo perfil de força contrainsurgente
processo resultou no surgimento de um novo com as características supramencionadas.
perfil de força contrainsurgente das Forças
Armadas colombianas, cujas principais carac- ANTECEDENTES À REESTRUTURAÇÃO
terísticas são: 1) maior integração entre as três MILITAR
Forças (Exército, Força Aérea e Marinha); 2)
maior mobilidade do Exército Nacional e 3) Desde a década de 1980, os Estados Uni-
engajamento mais intenso em operações anti- dos começaram a prestar auxílio ao governo
narcóticos. A importância de fazer tal análise colombiano, tanto financeiro quanto mili-
advém do fato de que atualmente o governo tar. Essa ajuda era fornecida tanto às Forças
colombiano dispõe de uma instituição mili- Armadas colombianas quanto à Polícia Na-
tar cujos contornos diferenciam-se de outros cional (GAO, 2008). No entanto, ela era es-
países da região, sendo voltada para o com- tritamente direcionada ao combate do nar-
* João Estevam dos Santos Filho - Graduando em Relações Internacionais pela UFRGS. E-mail: joaoestevam08@hotmail.com bate das ameaças internas,o que é significati- cotráfico no país andino e relacionada

NOVAS FRONTEIRAS: Revista Acadêmica de Relações Internacionais da ESPM-Sul - v.3, n.2 (Jul-Dez 2016) NOVAS FRONTEIRAS: Revista Acadêmica de Relações Internacionais da ESPM-Sul - v.3, n.2 (Jul-Dez 2016)
37 ARTIGO
A Reestruturação das Forças Armadas da Colômbia: Desenvolvimento de Capacidades e Perfil de Força A Reestruturação das Forças Armadas da Colômbia: Desenvolvimento de Capacidades e Perfil de Força
ARTIGO 38
à chamada “guerra às drogas”1. Apesar de A partir da década de 1980, também ocorre primeiro, apesar do crescimento de seu núme- o grupo realizou várias ofensivas no sul e leste
esse termo já ter sido citado no governo Nix- na Colômbia uma mudança na dinâmica envol- ro de combatentes que, no ano de 1998 chega- colombianos (PÉCAUT, 2010). Ademais, con-
on, tal política foi posteriormente intensificada vendo os diversos movimentos guerrilheiros que va a cerca de 5.000 (IISS, 1998), decidiu-se por seguiram lançar ataques contra as regiões ao re-
no governo de Ronald Reagan (1981-1989), em atuavam no país. Nesse período, houve, ao mes- evitar uma confrontação militar com o Exér- dor de Bogotá em 2000 e cortar comunicações
que ficou atribuído ao Departamento de Defe- mo tempo, o surgimento de um grande núme- cito, limitando-se apenas a realizar ataques entre tal cidade e a capital do departamento de
sa (DOD) a responsabilidade sobre recursos fi- ro de guerrilhas3 e o fortalecimento e intensifi- a infraestruturas de comunicação e energia, Meta, Villavicencio, a maior cidade das planícies
nanceiros destinados à luta contra o narcotráf- cação das ações militares das principais4. Esse propaganda armada, sequestro de pessoas e orientais (RABASA; CHALK, 2001). Importante
ico, tanto no âmbito interno quanto externo. fortalecimento se deu em grande parte devido de aviões (RABASA; CHALK, 2001). também notar que, em várias dessas operações
Esse papel seria reafirmado e consolidado à expansão financeira que esses grupos tiveram, No caso das FARC, na década de 1990 esse militares, as FARC utilizaram frentes com mais
por meio da National Defense Authorization seja por meio de recursos provenientes da pro- grupo obteve grandes resultados, tanto na sua de 1.000 combatentes, o que prova que essa
Act (NDAA), de 1981, e da National Security dução de coca e do narcotráfico, seja da extração reorganização militar quanto nas suas ações. guerrilha havia conseguido passar da guerra de
DecisionDirective 221 (NSDD 221)2, em 1986 de petróleo e de ouro ou da produção de outros No que se refere àsua estrutura organizacion- guerrilha para uma guerra de movimentos6.
(VIANA; VIGGIANO, 2013). Ainda nesse últi- bens primários. Assim, as FARC aumentaram o al, o grupo conseguiu aumentar o número de Apesar de grande parte desses avanços es-
mo ano, foi enviada uma unidade de combate número de suas frentes; o ELN teve um aumento seus combatentes de 2.000, em 1982, para em tratégico-operacionais ter se dado pelos êxitos
do Exército para levar a cabo a Operação Blast no número de seu efetivo, bem como uma con- torno de 15.000 a 20.000, em 2001 (MARKS, econômicos que os grupos armados tiveram e
Furnace, cujo objetivo era destruir laboratóri- solidação em regiões de importância econômi- 2002). Também expandiram a quantidade de pela reorganização e aumento de suas estruturas
os e centros de produção de cocaína na Bolívia ca e o EPL também aumentou o seu número frentes de 10, em 1980, para 60, em 2001. A militares, tais fatos apenas foram possíveis dev-
(TOKATLIÁN, 2009). de combatentes e o controle sobre as áreas nas partir de 1993, foram formados blocos que ido ao estado em que se encontravam as Forças
Essa campanha contra as drogas continu- quais já tinha presença (PÉCAUT, 2010). abrigariam as frentes e ficariam sob o coman- Armadas da Colômbia no período anterior a sua
ou no governo de George Bush (1989-1993), no Além disso, entre a década anterior e essa, do de um membro do Secretariado (PÉCAUT, reestruturação, sobretudo nos anos entre 1996
qual foi criada a Estratégia Internacional Contra as FARC lograram expandir o número de suas 2010). Essa evolução de efetivos e frentes está e 1998. Até então, a questão da guerrilha, ape-
Narcóticos (ou simplesmente, Iniciativa Andi- frentes de cinco para 24 e realizaram, em 1982, a apresenta da na Figura 1. sar de grave e de ter-se tornado um problema
na). Nesse período, o Comando do Sul dos Es- sua VII Conferência e uma Plenária Ampliada. Figura 1. Evolução do efetivo e do número de frentes das FARC (1964-1999) de âmbito nacional (e não mais limitado a uma
tados Unidos (SOUTHCOM) também começou Nessas duas reuniões, foi delineado o que ficou determinada região do país) desde a década de
a expandir suas operações para a assistência aos conhecido como Plano Estratégico das FARC, 1980, fora parcialmente resolvido tanto por al-
países andinos, sobretudo à Colômbia, na luta que estabelecia o grupo como um Exército Pop- guns avanços militares por parte das Forças Ar-
antinarcóticos, chegando a mobilizar um por- ular, que deveria expandir suas atividades para madas como pela situação política da década de
ta-aviões e uma fragata para realizar patrulhas as grandes cidades, em conjunto com outras 1990 que favoreceu a desmobilização total ou
nas proximidades do país (TOKATLIÁN, 2009). organizações revolucionárias (FARC, 1982). parcial de algumas das guerrilhas do país. No
Apesar das críticas a tais políticas –sobretudo à Além disso, ficou decidido que seria expan- entanto, o período da grande ofensiva das FARC
Iniciativa Andina –a política militar contra as dido o número de suas frentes de 24 para 48 e e do ELN, entre 1995 e 2000, demonstrou as pre-
drogas prosseguiu no governo de Bill Clinton criados comandos móveis e unidades grandes cárias condições das Forças Armadas, tanto em
(1993-1997), inclusive por meio da aprovação o bastante para atacar o Exército Nacional de matéria de pessoal quanto de equipamentos.
pelo Congresso do Western Hemisphere Drug frente, e não mais por emboscadas; também O emprego das forças do Exército em op-
Fonte: PÉCAUT, 2010.
Elimination Act. Tal ajuda norte-americano decidiu-se aumentar o número de combatentes erações contrainsurgentes era caracterizado
perpetuou-se até a meados do governo de Er- para 28.000(MARKS, 2002). No que se refere às suas operações, entre pela rápida dispersão das forças, sem que ao
nesto Samper, na Colômbia, quando, devido às Na década de 1990, apesar da desmobi- 1995 e 2000, a guerrilha conseguiu alcançar mesmo tempo houvesse mobilidade. Des-
acusações de violações aos direitos humanos e lização completa ou parcial de algumas guer- vários êxitos, tanto na expansão de seu con- sa forma, as forças não podiam responder a
aos escândalos envolvendo o presidente colom- rilhas, como o M-19, o Quintín Lame e o trole territorial sobre áreas periféricas do país, ataques de certa magnitude, porque não se
biano, o país foi de certificado pelos Estados Un- EPL,esse período foi marcado por uma forte conseguindo controlar áreas estrategicamente podia reuni-las em prazos curtos nem movê-
idos (VIANA; VIGGIANO, 2013). ofensiva do ELN e das FARC. No que tange ao importantes, como a zona desmilitarizada de las com rapidez ao lugar onde eram requeri-
El Caguán5 e áreas ao sul do país,quanto na ex- das (BORRERO, 2006). Além disso, as uni-
1 A Guerra às Drogas foi um conceito utilizado para definir a campanha militar empreendida pelos governo norte-americano contra
ecução de ações que visavam causar danos aos dades táticas possuíam uma quantidade muito
a produção e comercialização de drogas. Tal “política” enfatizava uma abordagem de supply-side, em que se pretendia acabar com o grandes centros urbanos. Assim, nesse período, pequena de combatentes, sendo empregados
narcotráfico por meio de estratégias voltadas para a produção de entorpecentes.
2 Essa Diretiva declarava que as drogas constituíam uma ameaça letal à segurança dos Estados Unidos e, consecutivamente, ampliouo
papel dos militares norte-americanos na luta antinarcóticos (TOKATLIÁN, 2009). 5 A desmilitarização desta zona de 42.139 km² foi uma das condições estabelecidas pelas FARC para que se desse as negociações de
paz entre elas e o governo. No entanto, mesmo em meio às conversações de paz, a guerrilha utilizou essa zona como plataforma de
3 Incluem-se aí o M-19 e a guerrilha de caráter indígena Quintín Lame. operações em várias frentes no sul e leste do país, atacando bases militares e cidades em vários departamentos (MARKS, 2002).

4 Nesse momento, as guerrilhas mais importantes eram, em primeiro lugar, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), o 6 A guerra de movimentos é uma guerra de exércitos regulares, onde a mobilidade ampla da tropa é o determinante e onde tais exér-
Exército de Libertação Nacional (ELN) e o Exército Popular de Libertação (EPL), todas ligadas à ideologia marxista e de base camponesa. citos realizam campanhas ou combates ofensivos de decisão rápida em linhas exteriores ao longo de frentes amplas (MARTÍNEZ, 2008).

NOVAS FRONTEIRAS: Revista Acadêmica de Relações Internacionais da ESPM-Sul - v.3, n.2 (Jul-Dez 2016) NOVAS FRONTEIRAS: Revista Acadêmica de Relações Internacionais da ESPM-Sul - v.3, n.2 (Jul-Dez 2016)
39 ARTIGO
A Reestruturação das Forças Armadas da Colômbia: Desenvolvimento de Capacidades e Perfil de Força A Reestruturação das Forças Armadas da Colômbia: Desenvolvimento de Capacidades e Perfil de Força
ARTIGO 40
basicamente no patrulhamento das áreas da à luz de duas categorias principais: transfor- nanciamento do Exército, tendo conseguido 33 aeronaves UH-1N, em setembro de 1999; 14
que lhes eram subjacentes, não tendo assim mações quantitativas e organizacionais. arrecadar em torno de COP 1,4 milhões (CAR- UH-60 Black Hawk, entre julho e dezembro de
capacidade de mobilização de um contingente REÑO, 2014). Apesar da importância desse 2001, e 25 UH-II, entre março e novembro de
expressivo para partes mais remotas do país GOVERNO PASTRANA (1998-2002): A aumento nos gastos com as Forças Armadas, 2002. Além disso, técnicos da Narcotics Affairs
(MARKS, 2002). REESTRUTURAÇÃO ENTRA EM MARCHA essa não foi a única medida central na reestru- Section (NAS) forneceram treinamento aos pi-
Além disso, em 1998, dos 121.000 solda- turação do aparato militar colombiano. lotos colombianos para a utilização dos UH-60
dos das Forças Públicas7, 23% se dedicavam ao Com a vitória de Andrés Pastrana Arango Igualmente ou até mais significativo foi o e UH-II, entre 2001 e 2003 (GAO, 2003).
policiamento, 35% eram soldados graduados8, nas eleições de 1998, deu-se início a um proces- aumento no número de efetivos e o processo de Entretanto, essas 72 aeronaves tinham autor-
15% eram dedicados ao treinamento e cuidado so de diálogo de paz entre o governo e as FARC profissionalização das Forças Armadas. Como ização para serem usadas apenas em operações
de infraestrutura e apenas 33% eram empre- e o ELN. Isso foi possível devido à conjuntura dito anteriormente, um dos maiores problemas antinarcóticos, como as que foram realizadas no
gados em operações militares. Ademais, essa nacional que se seguiu à sua vitória. Primeira- do Exército Nacional era o de conseguir mobi- sul do país (departamentos de Caquetá e Putu-
proporção de efetivos era disposta em uma es- mente, as Forças Armadas não se encontravam lizar uma quantidade suficientemente grande de mayo), em 2000. Em vista dessa restrição no uso
trutura organizacional complexa e pouco efi- em situação capaz de fazer frente a um processo combatentes para os teatros de operações, dev- das aeronaves, o governo colombiano adquiriu
ciente para fazer frente às guerrilhas, sendo de paz, em grande parte por causa do seu de- ido tanto ao pequeno número de militares nas outros helicópteros destinados a operações con-
composta de cinco divisões, 25 brigadas, 43 sprestígio público em face das derrotas sofridas unidades táticas quanto àpouca quantidade de trainsurgentes, como seis UH-60L, seis Mi-17 e
batalhões de infantaria, nove de cavalaria, oito para as guerrilhas. Em segundo lugar, tanto o soldados disponíveis para atuar em combate. 25 UH-1H. No entanto, ao mesmo tempo que
de artilharia, 12 de engenharia, 19 de serviços, ELN quanto as FARC se mostraram dispostos Assim, para suprir esse problema, o governo eram adquiridas essas aeronaves, o número de
50 de contraguerrilha e três de brigadas móveis a começar as negociações. Em terceiro lugar, Pastrana assumiu uma política de aumento no caças do país diminuiu. Assim, enquanto em
(BUITRAGO, 2002). Dessa forma, para con- as ações violentas tanto dos grupos guerrilhei- contingente das forças do governo e de profis- 1998 havia 25 deles (12 Mirage V e 13 Kfir), em
seguir resolver o problema da produção de en- ros quanto dos paramilitares levaram a opinião sionalização das mesmas. Assim, o número de 2002 esse número tinha diminuído para 18 (7
torpecentes e, sobretudo, para fazer frente aos pública a mostrar-se favorável a um processo de efetivos aumentou de 154.878, em 1998, para Mirage V e 11 Kfir) (IISS, 2002).
avanços guerrilheiros, as Forças Armadas da paz (BUITRAGO, 2002). Entretanto, essas ne- 191.537, em 2002 (IISS, 2002). No que tange às transformações organiza-
Colômbia necessitavam passar por um proces- gociações não impediram que fossem tomadas Além disso, foram postos em prática dois cionais que ocorreram nas Forças Armadas du-
so de reestruturação militar. providência para garantir uma maior eficiência planos para profissionalizar as Forças Armadas, rante o governo Pastrana, pode-se ver a criação
das Forças Armadas ante os grupos insurgentes. sobretudo o Exército: o Plano 10.000 e o Plano de novas unidades que, para além da questão de
A REESTRUTURAÇÃO DAS FORÇAS Dessa forma, ao mesmo tempoem que negoci- Fortaleza. Tais planos visavam substituir uma sua quantidade, tiveram um impacto significa-
ARMADAS ava com tais grupos, o presidente Pastrana le- quantidade significativa dos soldados gradua- tivo na reorganização do aparato castrense. En-
vava a cabo um processo de reestruturação das dos por profissionais e regulares – que podiam tre 1998 e 2002, o número de unidades aumen-
Entre os períodos de 1998 e 2010, ocorreu Forças Armadas colombianas. executar tarefas operacionais. O primeiro tinha tou de 217 para 283. Dentre essas, algumas têm
uma reestruturação nas Forças Armadas da No que se refere às transformações quan- como meta substituir 10.000 soldados gradua- destaque por seu significado na criação de um
Colômbia resultante das variáveis apresentadas titativas, o governo Pastrana deu uma grande dos por profissionais em cada um dos três anos novo perfil de força e de capacidades das Forças
na seção anterior. Neste trabalho, o conceito de ênfase na mobilidade das Forças, sobretudo do de sua vigência, enquanto o segundo procurava Armadas colombianas. Entre 1999 e 2001, foi
reestruturação equivale ao mesmo que transfor- Exército, que assumia o principal papel na luta substituir os soldados profissionais que prote- criada a Brigada Antinarcóticos, composta por
mação militar, sendo ambas definidas como um contrainsurgente. Apesar de nos anos de 1998 giam infraestruturas por soldados graduados, três Batalhões Antinarcóticos, que reunia 2.285
processo pelo qual as forças militares de um país e 1999 o governo passar por graves problemas para que os primeiros pudessem atuar em com- soldados profissionais e conscritos (GAO, 2003).
desenvolvem”novas unidades, utilizando novas fiscais, com um déficit anual de 5% do PIB bate. Dessa maneira, o número de regulares e A criação dessa unidade se deu mediante
tecnologias e operando de maneira inovadora” nesse último ano (CARREÑO, 2014), o gov- profissionais passou de 82.000, em 1998, para o apoio financeiro dos Estados Unidos, em um
(VILLAMIZAR, 2003, p. 42). Assim, a análise erno aumentou os seus gastos em defesa, que 132.000, em 2002. (CARREÑO, 2014). montante de US$ 45 milhões para equipamento
do processo de reestruturação pelo qual passar- foram de 2,7%, em 1998, para 3,3% do PIB, em As transformações quantitativas nas Forças e treinamento. A função primária dessa brigada
am as forças colombianas, tanto no que se refere 2002 (COLÔMBIA, 2009). Além disso, a partir Armadas também foram conformadas por era planejar e conduzir operações de interdição
ao modo como ele se deu quanto aos resulta- de 2000, o governo norte-americano passou a aquisições de sistemas de defesa, visando mu- contra o narcotráfico; a secundária era prover
dos obtidos, deve ser feita segundo três aspec- fornecer ajuda financeira para as Forças Arma- dar o então cenário de obsolescência e sucatea- segurança para a condução de operações de er-
tos complementares: mudanças institucionais, das colombianas, destinando US$ 683,5 mil- mento dos equipamentos e materiais utilizados radicação aérea em áreas controladas pelos in-
tecnológicas e doutrinárias. A fim de tornar a hões em 2000 e continuando nos anos seguintes pelos militares. Assim, as Forças colombianas surgentes (GAO, 2003). Em 1999, também foi
análise mais simples, sem perder, porém, o seu (GAO, 2008). Além disso, o governo decretou adquiriram 72 novas aeronaves de asa rotati- criada a Força de Intervenção Rápida (FUDRA),
conteúdo, a transformação militar será estuda- um “bônus de segurança” para auxiliar no fi- va, através do Pacote de Helicópteros do Plano que reunia em torno de 6.000 combatentes e
Colômbia, que custou em torno de US$ 260 mil- era composta por cinco Brigadas Móveis, uma
7 Na Colômbia, as Forças Públicas são integradas pelas três Forças Armadas mais a Polícia Nacional.
hões e foram destinadas à Brigada de Aviação Brigada de Forças Especiais e tinha o apoio da
8 Em espanhol, bachilleres. Esses soldados eram proibidos por lei de serem empregados em tarefas operacionais. do Exército. Tal pacote incluía a aquisição de aviação do Exército e da Força Aérea no forneci

NOVAS FRONTEIRAS: Revista Acadêmica de Relações Internacionais da ESPM-Sul - v.3, n.2 (Jul-Dez 2016) NOVAS FRONTEIRAS: Revista Acadêmica de Relações Internacionais da ESPM-Sul - v.3, n.2 (Jul-Dez 2016)
41 ARTIGO
A Reestruturação das Forças Armadas da Colômbia: Desenvolvimento de Capacidades e Perfil de Força A Reestruturação das Forças Armadas da Colômbia: Desenvolvimento de Capacidades e Perfil de Força
ARTIGO 42
mento de aeronaves de asas fixas e rotati- terra e a Central de Inteligência Conjunta, con- a luta contrainsurgente, alegando, mediante a empresas com capital maior que COP 60.000 de-
vas, tanto de combate quanto de transporte. A formaram o Sistema de Inteligência Técnico, uti- utilização do termo “narcoterrorismo”, que os veriam pagar um imposto de 1,2% sobre sua ren-
FUDRA era utilizada em operações contrain- lizado para o combate ao narcotráfico. Também movimentos guerrilheiros eram, na verdade, da. Tal fato possibilitou ao governo coletar COP
surgentes e conseguia mobilizar 1.000 homens foi desenvolvido um sistema de comando, con- terroristas.. Iniciava-se assim, a segunda fase do 800 milhões, que foram alocados no Ministério
de seu contingente total em poucas horas para trole e comunicações (C3), que incluía o Centro Plano Colômbia. da Defesa para o Plano Choque. Além disso –e
empregá-los em várias regiões do país (CAR- de Operações Conjuntas do Comando Geral das As bases da política militar do governo diferentemente do governo anterior –, os gastos
REÑO, 2014). A Figura 2, abaixo, mostra algu- Força Armadas. Outra unidade de inteligência Uribe na luta contra as guerrilhas foram traça- em defesa foram beneficiados pelo aumento do
mas das unidades táticas criadas nesse período, criada nesse período foi a Central de Inteligência das, por sua vez, na Política de Defesa e Segu- PIB colombiano nesse período, que teve uma
bem como suas quantidades. Conjunta, em Tres Esquinas (Caquetá), que teve rança Democrática (PDSD), anunciada em expansão de US$ 98 bilhões, em 2002, para US$
Figura 2. Unidades militares criadas (1998-2002) seus equipamentos fornecidos pelo SOUTH- 2003. O documento colocava entre as principais 162,6 bilhões, em 2006 (BANCO MUNDIAL,
COM. Além disso, as comunicações por satélite ameaças ao Estado colombiano o terrorismo, o 2016).
entre as três Forças foram padronizadas para negócio de drogas ilícitas, o tráfico de armas, Também nesse governo verificou-se um
que houvesse uma maior coordenação entre as munições e explosivos, o sequestro, a extorsão aumento no número de efetivos das Forças Ar-
tropas terrestres e os aviões ou unidades navais e o homicídio. Os objetivos estratégicos postos madas. Enquanto em 2002 esse número era de
ou fluviais (VILLAMIZAR, 2003). eram cinco: consolidação do controle estatal 191.537, em 2006 já havia subido para 256.526.
do território, a proteção da população, a elim- O processo de profissionalização das Forças
GOVERNO URIBE: CONTINUIDADE E inação do negócio das drogas ilícitas, a eficiên- também continuou, agora sob a direção do Plano
INTENSIFICAÇÃO DA REESTRUTURAÇÃO cia, transparência e redução das contas públicas Choque. Além disso, esse governo foi caracter-
e, finalmente, a manutenção de uma capacidade izado pela criação e utilização de outros tipos de
Os anos de 2001 e 2002 foram de extrema dissuasória . combatentes nas operações contrainsurgentes,
importância para o processo de reestruturação Além disso, o texto propunha o fortalec- para além dos soldados profissionais e regulares.
e, consequentemente, para a formação de um imento do sistema judicial, das Forças Arma- Assim, foram criados os soldados camponeses
novo perfil contrainsurgente das Forças Arma- das, da Polícia Nacional, da inteligência e das (soldados campesinos), que eram combatentes
das colombianas. Primeiramente, em setem- finanças estatais (COLÔMBIA, 2003). Dessa treinados como tropas regulares e liderados por
bro de 2001, os atentados terroristas contra o forma, a política de Uribe tinha um forte com- oficiais não comissionados profissionais e que
World Trade Center e o Pentágono impulsio- ponente militar, dando grande atenção ao tema serviam por dois anos em suas cidades (MO-
Fonte: COLÔMBIA, 2016. Elaborado pelo autor. naram o surgimento de uma nova agenda de do controle territorial por parte das forças es- YAR; PAGAN; GRIEGO, 2014). Eles também
segurança internacional proposta pelos Esta- tatais. Essa linha de ação, por sua vez, moldará o atuavam em conjunto com a Polícia Nacional ao
Por fim, a outra transformação organiza- dos Unidos, essencialmente relacionada com processo de reestruturação das Forças Armadas redor das cidades, a fim de isolar os insurgentes
cional de grande importância que ocorreu nesse a chamada “Guerra ao Terror”. Essa mudança – tanto nos seus aspectos quantitativos quanto da população e proteger a infraestrutura urbana
período foi a reforma da inteligência colombia- seria traduzida em uma revisão da política de organizacionais – que, nessa fase, será intensifi- (RESTREPO, 2006). Também foram criados os
na. Esta foi marcada tanto pela busca por uma segurança norte-americana para América Lati- cada, embora ainda partindo das bases estabele- policiais carabineros, que recebiam treinamento
melhor eficiência nas operações antinarcóticos na, que acabaria por fundir a luta contra o nar- cidas pelo governo Pastrana. contraguerrilha e armas e eram melhor armados
quanto pelas condições impostas pelo gover- cotráfico e contra o terrorismo em uma só. Já Nas transformações quantitativas , o gover- do que os soldados camponeses (MOYAR; PA-
no norte-americano de centralizar algumas de no ano seguinte, ainda no governo Pastrana, as no Uribe continuou muitas das tendências ori- GAN; GRIEGO, 2014).
suas unidades nesses tipos de operações. As- conversações de paz iniciadas naquele governo ginas no governo anterior. No que se refere aos Em relação às aquisições de sistemas de def-
sim, houve uma melhora na inteligência técni- fracassaram, tanto com as FARC quanto com gastos em defesa, estes continuaram a aumentar, esa, bem como de outros equipamentos e mate-
ca e nas comunicações, através da aquisição de o ELN. Tal fato legitimou na opinião pública a indo de COP 8,4 bilhões, em 2002, para COP riais de uso militar, manteve-se uma tendência
aeronaves rastreadoras (trackers) e plataformas visão de que a maneira mais eficaz de lidar com 12,6 bilhões, em 2006 (SIPRI, 2016). Além disso, de aquisição de aeronaves de asa rotativa, tanto
de inteligência, que estavam equipadas “com o fenômeno das guerrilhas era intensificando a houve uma certa tendência de crescimento da para auxiliar as tropas em terra por meio apoio
sofisticada tecnologia de interceptação de co- luta contrainsurgente. assistência militar norte-americana , que cres- aéreo aproximado e transporte quanto para re-
municações, fotografia aérea e radiogonome- Assim, com base em uma proposta de gov- ceu de US$ 257,1 milhões, em 2002, para US$ alizar missões de reconhecimento. Assim, nesse
tria” (VILLAMIZAR, 2003, p. 54). erno que visava resolver a questão dos grupos 382,8 milhões, em 2006 (GAO, 2008). O aumen- período, houve a aquisição de um Bell 212 e de
Foram adquiridas nove dessas aeronaves, armados ilegais pela via militar, foi eleito para to nos gastos em defesa e segurança pelo gov- dois UH-60 Black Hawk, pela Força Aérea, e
duas para o Exército e sete para a Força Aérea a presidência da república Álvaro Uribe Vélez. erno colombiano vieram, tal como no governo de três Mi-17 e de 13 UH-60 Black Hawk, pela
e também foram fornecidas ao governo colom- A fim de conseguir intensificar a luta contrain- Pastrana, de um esforço fiscal para alocar parte aviação do Exército. Também foram adquiridos,
biano cinco aeronaves Schweitzer SA2-37B pelo surgente, ainda em 2002, o presidente conseguiu da renda do país na área de defesa. pela Força Aérea, 14 aeronaves de asa rotati-
Estados Unidos (CARREÑO, 2014). Essas aer- que o governo norte-americano aprovasse a uti- Assim, em agosto de 2002, foi decretado um va A-37B Dragonfly para suporte aéreo tático
onaves, juntamente com os radares baseados em lização dos recursos do Plano Colômbia para novo “imposto estatal”, em que os cidadãos e (IISS, 2006).

NOVAS FRONTEIRAS: Revista Acadêmica de Relações Internacionais da ESPM-Sul - v.3, n.2 (Jul-Dez 2016) NOVAS FRONTEIRAS: Revista Acadêmica de Relações Internacionais da ESPM-Sul - v.3, n.2 (Jul-Dez 2016)
43 ARTIGO
A Reestruturação das Forças Armadas da Colômbia: Desenvolvimento de Capacidades e Perfil de Força A Reestruturação das Forças Armadas da Colômbia: Desenvolvimento de Capacidades e Perfil de Força
ARTIGO 44
É importante frisar que agora o governo cinco brigadas móveis, com seus postos de co- cia (DINTE) pelo Exército para coordenar a impostos pelo governo norte-americano, que
norte-americano permitia a utilização desses mando estabelecido no departamento de Meta administração e os recursos da inteligência, e estavam relacionadas com a preocupação deste
sistemas também em operações contrainsurgen- (CARREÑO, 2014). Assim, essas duas inovações de Unidade de Inteligência de Sinais (UIS), que com a sua segurança nacional. Dessa forma,
tes e não mais apenas de combate ao narcotráf- de caráter doutrinário e operacional deram con- melhorou consideravelmente a capacidade de o novo modelo contrainsurgente colombiano
ico, como no período anterior. Dessa maneira, tinuidade à integração entre as Forças, o que já monitoramento; também foi criada a Unidade deriva de uma inter-relação entre pressões in-
vários dos helicópteros fornecidos pelo Plano havia sido inicia dono governo Pastrana. Outra de Inteligência de Alta Mobilidade (UIAM), que ternas e externas.
Colômbia foram utilizados para operações de- inovação desse período – e que era própria do reforçava a capacidade de emprego rápido de Quanto à primeira característica, o au-
fensivas e para apoiar tropas em estradas, ga- modelo norte-americano de contrainsurgência força. mento na integração entre as três forças, verifi-
rantir a segurança de infraestrutura petrolei- – foi a criação e desenvolvimento de forças de Além disso, houve uma melhora das ca- cou-se que esta se deu tanto pela natureza das
ra e corredores de passagem em montanhas, operações especiais. pacidades de HUMINT, sobretudo por meio aquisições dos sistemas de defesa quanto pelas
bem como cidades remotas. A partir de 2004, Apesar de os esforços de Uribe terem ido na da criação da já citada “Rede de Cooperadores” transformações organizacionais. Com o com-
as aeronaves de asa rotativa também puderam direção de construir uma estratégia contrainsur- (informantes) e pela intensificação da capaci- pra de aeronaves, tanto de asas fixas quanto
ser utilizadas para missões de caráter ofensivo, gente mais ampla, também houve uma pressão dade de infiltração e penetração nos postos das rotativas, que foram realocados para a Brigada
inclusive prestando auxílio para os batalhões da por parte dos analistas de defesa norte-ameri- FARC (PORCH; DELGADO, 2010). Ademais, de Aviação do Exército e para a Força Aérea
FUDRA na coleta de inteligência (ZALTZMAN, canos para a criação de pequenas unidades de as agências norte-americanas prestaram inten- Colombiana (FAC), houve uma maior coor-
2015). operações especiais que realizassem ataques so apoio em inteligência às Forças Armadas denação entre essas duas Forças. Isso pode ser
Em termos de transformações organizacio- cirúrgicos contra as guerrilhas, tanto para a colombianas, tanto no aspecto de treinamento visto no caso das operações militares (contra as
nais, houve um aprofundamento das linhas de libertação de reféns quanto para a execução de e fornecimento de equipamentos quanto no de guerrilhas e o narcotráfico), que envolveram a
ação estabelecidas no período Pastrana, tanto no tarefas de decapitação.Dessa forma, “em 2002, provisão de informações e dados. Assim, agên- presença de tropas em terra operando conjun-
que se refere à variação no número de unidades o governo dos Estados Unidos decidiu finan- cias de inteligência como a CIA, a NAS e o Cen- tamente com aeronaves da FAC, utilizadas tanto
táticas quanto no perfil estabelecido pela criação ciar um Batalhão de Comando colombiano tro de Fusão de Inteligência, as duas últimas li- em missões de apoio aéreo aproximado quanto
delas. Nesse caso, a quantidade dessas unidades como um meio de atacar líderes [guerrilheiros] gadas à embaixada norte-americana,forneceram de transporte.
aumentou de 283 para 337 e, além disso, houve a e infraestrutura [da guerrilha]” (MOYAR; PA- informações para as forças de operações especi- Já as transformações de âmbito organiza-
criação de 563 pelotões de soldados camponeses GAN; GRIEGO, 2014, p. 30). Assim, foi ofereci- ais (MOYAR; PAGAN; GRIEGO, 2014). cional tiveram um efeito muito mais claro sobre
. Dessas unidades, algumas merecem destaque. do treinamento por técnicos norte-americanos essa característica. Primeiramente, o estabelec-
Houve a criação de seis Batalhões de Montanha, em táticas avançadas de unidades pequenas, CONSIDERAÇÕES FINAIS imento de unidades de integração das Forças
cuja missão era cortar as linhas de comunicação operações noturnas, reconhecimento especial, cooperou fortemente para que houvesse uma
e controle dos corredores de mobilidade das operações de mobilidade aérea e planejamento As mudanças pelas quais passaram as maior interoperabilidade não somente entre Ex-
guerrilhas. Também foram criados 11 Batalhões operacional. Além disso, em 2003, foi criado Forças Armadas da Colômbia no período que ército e Força Aérea, mas também entre ambos
de Plano de Energia para a proteção de torres de o Batalhão Lancero, a fim de abrigar unidades vai de 1998 a 2010 acabaram por engendrar e a Marinha, cuja tarefa nessas unidades era a de
eletricidade e produção de óleo das companhias que executassem operações contra alvos de alto um processo de reestruturação que implicou o apoiar as demais por meio de interdição maríti-
. Também foram criadas sete unidades de segu- valor. Esses dois batalhões, por sua vez, foram surgimento de um novo perfil de força contra- ma ou fluvial, contra a insurgência e o nar-
rança de estradas por meio do Plano Meteoro. incorporados ao Comando de Operações Espe- insurgente dessa organização. Esse perfil que cotráfico. Além disso, a reforma na inteligência
Houve também a criação de Grupos Gaulas, que ciais do Exército, que recebeu treinamento do 7º emerge possui algumas características, dentre as também garantiu uma maior integração entre as
eram unidades antissequestro e, por fim, de 18 Grupo de Forças Especiais dos Estados Unidos quais se destacam, segundo a análise feita neste três Forças, sobretudo com uma estandardização
Forças Especiais urbanas, criadas para combater (MOYAR; PAGAN; GRIEGO, 2014). trabalho: uma maior integração entre as três das comunicações entre elas e com o compartil-
o sequestro, a extorsão e os ataques de milícias Por fim, tratando-se da reforma da in- Forças; um aumento na mobilidade do Exército hamento de informações sobre ameaças.
nas cidades principais (RESTREPO, 2006). teligência, esta seguiu-se nesse período, tanto Nacional e um engajamento mais intensificado A segunda característica, por sua vez, é
Também foi introduzida nas Forças Arma- com a criação de novas unidades –tal como no em operações antinarcóticos. Cada uma dessas resultante também dos dois tipos de transfor-
das a doutrina dos Comandos Conjuntos, que governo anterior –quanto pela continuação do características é fruto de transformações tanto mações mencionados, tendo sido, porém, fru-
colocaria os efetivos das três forças sob o man- desenvolvimento da inteligência técnica. Assim, quantitativas quanto organizacionais que foram to principalmente das quantitativas. Primei-
do de um único oficial de qualquer uma delas nesse período foram criadas Unidades Region- feitas nesse período. Também é importante res- ramente, o aumento tanto no contingente das
em determinada zona. Assim, o país foi divid- ais de Inteligência, cuja missão era de obter in- saltar que as mudanças na instituição castrense tropas terrestres quanto no número de soldados
ido em seis áreas e cada uma delas ficava sob teligência de recursos técnicos e humanos e for- resultaram tanto de uma “vontade” própria, que poderiam ser empregados efetivamente nos
a responsabilidade de seu respectivo chefe de necer apoio às operações de divisões e brigadas, gerada domesticamente, pelo governo colom- teatros de operação favoreceram uma maior
comando comum, que era subordinado ao Co- além de coordenar e organizar a “Rede de Co- biano –que, por sua vez, foram moldadas pela possibilidade de movimentação das tropas para
mandante Geral das Forças Armadas. Outra operantes” – pessoas que forneciam HUMINT conjuntura interna pré-reestruturação, como já outras áreas do país. Assim, enquanto antes
mudança foi a criação da Força Tarefa Conjunta à agência de inteligência (RESTREPO, 2006). foi visto – quanto de pressões advindas do exte- várias unidades não tinham a capacidade de
Ômega (FUTCO), integrada pela FUDRA e suas Além da criação de uma Direção de Inteligên- rior, sobretudo por meio dos condicionamentos defender mais do que as áreas que lhes eram

NOVAS FRONTEIRAS: Revista Acadêmica de Relações Internacionais da ESPM-Sul - v.3, n.2 (Jul-Dez 2016) NOVAS FRONTEIRAS: Revista Acadêmica de Relações Internacionais da ESPM-Sul - v.3, n.2 (Jul-Dez 2016)
45 ARTIGO
A Reestruturação das Forças Armadas da Colômbia: Desenvolvimento de Capacidades e Perfil de Força A Reestruturação das Forças Armadas da Colômbia: Desenvolvimento de Capacidades e Perfil de Força
ARTIGO 46
adjacentes, no período pós-reestruturação ver- lização de recursos das Forças Armadas para _____________. The Military Balance. Londres: Guerra e Crime nas Políticas dos Estados Unidos
ificou-se que essas unidades conseguiam trans- operações antinarcóticos ainda foi uma reali- IISS, 2002. para a Colômbia. In: MEI, Eduardo. Paz e Guerra:
ferir tropas inclusive para áreas remotas do país, dade bastante presente e, por conseguinte, uma Defesa e Segurança entre as Nações. São Paulo:
uma vez que possuíam um maior número de característica marcante da instituição militar _____________. The Military Balance. Londres: Unesp, 2013. p. 75-104.
soldados e uma maior proporção na quantidade colombiana. IISS, 2006.
VILLAMIZAR, Andrés. Fuerzas Militares para la
de recursos humanos empregáveis em ambi-
MANCILLA, Armando Borrero. Los Militares: Los Guerra: La Agenda Pendiente de la Reforma Mil-
entes operacionais. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS Dolores del Crecimiento. In: BUITRAGO, Francis- itar. Bogotá: Fundación Seguridad y Democracia,
Outra medida que possibilitou esse au- co Leal. En la Encrucijada: Colombia en el Siglo 2003.
mento na mobilidade, ainda em termos quanti- BANCO MUNDIAL. GDP (current US$). XXI. Bogotá: Norma, 2006. p. 113-145.
tativos, foi a aquisição de aeronaves, sobretudo 2016. Disponível em: <http://data.world- ZALTZMAN, Mario E.. The Role of the Plan Co-
de asas rotativas. Isso porque, como já foi dito, bank.org/indicator/NY.GDP.MKTP.CD?loca- MARKS, Thomas. Colombian Army Adaptation lombia Helicopter Package in Strengthening
tions=CO&view=chart&year_high_desc=true>. to FARC Insurgency. Carlisle: SSI, 2002. the Legitimacy of the Colombian Govern-
tais aeronaves conseguiam transportar tropas
Acesso em: 10 set. 2016. ment. 2015. 86 f. Tufts University, Massachu-
para outras regiões do país. Essa é uma das ex-
plicações, por exemplo, da alta velocidade de MARTÍNEZ, Ariel Fernando Ávila. FARC: Dinámi- setts, 2015.
BUITRAGO, Francisco Leal. La Seguridad Na- ca Reciente de la Guerra. Bogotá: Fundación Ide-
emprego de tropas da FUDRA. No campo das cional a la Deriva: Del Frente Nacional a la Pos-
transformações organizacionais, as novas un- as Para La Paz, 2008.
guerra Fría. Bogotá: Alfaomega, 2002.
idades criadas, justamente por oferecerem um
MOYAR, Mark; PAGAN, Hector; GRIEGO, Wil R..
maior grau de integração e coordenação entre CAMACHO, David A. Rodriguez. Counterinsur- Persistent Engagement in Colombia. Florida:
as três Forças, possibilitaram uma maior mobi- gency Lessons from Colombia: An Assessment JSOU Press, 2014.
lidade das tropas do Exército pelo território co- of the Colombian Army Transformation from
lombiano. 1998 to 2010. 2014. 101 f. Dissertação (Mestra- PÉCAUT, Daniel. As FARC: Uma Guerrilha sem
Por fim, a terceira característica, inten- do) - Curso de Estudos de Segurança, Naval Fins?. São Paulo: Paz e Terra, 2010.
Postgraduate School, Monterey, 2014.
sificação no engajamento nas operações anti-
narcóticos, foi resultado principalmente das PORCH, Douglas; DELGADO, Jorge. ‘Masters of
CARREÑO, Alexander Arciniegas. Relações today’: military intelligence and counterinsur-
transformações organizacionais. Assim, com Civis-Militares na América do Sul: O Caso
a criação de unidades como a Brigada Anti- gency in Colombia, 1990–2009. Small Wars & In-
Colombiano Durante o Plano Colômbia (2000- surgencies, v. 21, n. 2, p.277-302, jun. 2010.
narcóticos e a Força de Tarefa Conjunta do Sul, 2010). 2014. 264 f. Tese (Doutorado) - Curso de
as Forças Armadas tiveram uma maior partici- Ciência Política, Universidade Federal do Rio RABASA, Angel; CHALK, Peter. Colombian Laby-
pação na luta contra o narcotráfico. Esse enga- Grande do Sul, Porto Alegre, 2014. rinth: The Synergy of Drugs and Insurgency and
jamento foi ainda reforçado com a reforma de Its Implications for Regional Stability. California:
inteligência colombiana, que instituiu várias un- COLÔMBIA. Política de Defensa y Seguridad Rand Corporation, 2001.
idades destinadas para o combate ao narcotráf- Democrática. Bogotá, 2003. p. 1-68.
ico, como a Central de Inteligência Conjunta. RESTREPO, Germán Giraldo. Transforming the
_____________. Gasto en Defensa y Seguridad: Colombian Army During the War on Terror-
Entretanto, faz-se mister lembrar que essa car-
1998-2011. Bogotá: Ministerio de Defensa Na- ism. 2006. 32 f. Dissertação (Mestrado) - Curso
acterística em particular possui mais um caráter cional, 2009.
de pressão externa do que um resultado prático de Estudos Estratégicos, U.S. Army War College,
da reestruturação das Forças, como o foram as Carlisle, 2006.
GAO. Drug Control: Specific Performance Meas-
duas primeiras. ures and Long-Term Costs for U.S. Programs in SIPRI. SIPRI Military Expenditure Database.
Isso porque, essa maior participação Colombia Have Not Been Developed.Washing- 2016. Disponível em: <https://www.sipri.org/da-
na luta contra os narcóticos foi uma condição ton, D.C: GAO, 2003. tabases/milex>. Acesso em: 22 abr. 2015.
imposta pelos Estados Unidos para que o país
andino recebesse ajuda financeira e militar. _____________. Plan Colombia: Drug Reduction TOKATLIÁN, Juan Gabriel. El Papel del Coman-
Mesmo no governo Uribe, quando os recursos Goals Were Not Fully Met, But Security Has Im- do Sur y la Guerra Contra las Drogas. In: AR-
financeiros e militares fornecidos pelo gover- proved; U.S. Agencies Need More Detailed Plan GENTINA. Consejo de Defensa Suramericano:
for Reducing Assistance.Washington, D.C: GAO, Una Mirada desde Argentina. San Carlos de Bari-
no norte-americano foram liberados para a
2008. loche: Ministerio de Defensa, 2009. p. 13-19.
utilização em operações contrainsurgentes, a
“guerra às drogas” continuou –e continua –sen- IISS. The Military Balance. Londres: IISS, 1998.
do central na estratégia norte-americana para a VIANA, Manuela Trindade; VIGGIANO, Juliana
Colômbia. Assim, mesmo nesse período, a uti- Lyra. Indefinição de Fronteiras: A Fusão entre

NOVAS FRONTEIRAS: Revista Acadêmica de Relações Internacionais da ESPM-Sul - v.3, n.2 (Jul-Dez 2016) NOVAS FRONTEIRAS: Revista Acadêmica de Relações Internacionais da ESPM-Sul - v.3, n.2 (Jul-Dez 2016)