You are on page 1of 54

Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)

p/ Auditor Fiscal do Trabalho


Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

AULA 4: Orçamento Público


SUMÁRIO PÁGINA
Apresentação do tema 1
Conceitos 2
Histórico do Orçamento 3
Características do Orçamento Brasileiro 6
Funções Clássicas do Orçamento 7
Normas Gerais de Direito Financeiro 9
Natureza Jurídica do Orçamento 10
Aspectos do Orçamento 14
Tipos de Orçamento 14
Espécies de Orçamento 15
Funções de Planejamento, Gerência e Controle 23
Mais Questões de Concursos Anteriores do CESPE 25
Memento (resumo) 41
Lista das questões comentadas nesta aula 45
Gabarito 54

Olá amigos! Como é bom estar aqui!

“Conta-se que um fazendeiro, dono de excelentes cavalos de muita valia nos


trabalhos de sua propriedade rural recebeu um dia a notícia de que o preferido
dele, um alazão forte e muito bonito, havia caído num poço abandonado.

O capataz que lhe trouxe a má notícia estava desolado porque o poço era
muito fundo e pouco largo e não havia como tirar o animal de lá, apesar de
todos os esforços dos peões da fazenda.

O fazendeiro foi até o local, tomou tento da situação e concordou com seu
capataz: não havia mais o que fazer, embora o animal não estivesse
machucado. Não achou que valia a pena resgatá-lo, ia ser demorado e custaria
muito dinheiro. Já que está no buraco - disse ao capataz - você acabe de
enterrá-lo, jogando terra em cima dele.

Virou as costas, preocupado com seus negócios, e os peões de imediato


começaram a cumprir a sua ordem. Cinco homens, sob o comando do capataz,
atiravam terra dentro do buraco, em cima do cavalo.
Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 1 de 54
Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

A cada pazada, o alazão se sacudia todo e a terra ia-se depositando no fundo


do poço seco. Os homens ficaram admirados com a esperteza do animal: a
terra ia enchendo o poço e o cavalo subindo em cima dela!

Não demorou muito e o animal já estava com a cabeça aparecendo na saída do


poço; mais algumas pazadas de terra e ele saltou fora, sacudindo-se e
relinchando, feliz”.

Caro estudante, não aceite a terra que os pessimistas possam vir a jogar sobre
você! Tenha confiança, estude, se esforce, acredite e aproveite para subir
nessa terra cada vez mais! Quando pensarem que você não tem chances, a
sua aprovação será ainda mais espetacular!

Estudaremos nesta aula os temas atinentes ao Orçamento Público.

1. CONCEITOS

Vamos relembrar os conceitos vistos na aula demonstrativa.

Segundo Aliomar Baleeiro, o orçamento público é o ato pelo qual o Poder


Executivo prevê e o Poder Legislativo autoriza, por certo período de tempo, a
execução das despesas destinadas ao funcionamento dos serviços públicos e
outros fins adotados pela política econômica ou geral do país, assim como a
arrecadação das receitas já criadas em lei.

Consoante Giacomoni, de acordo com o modelo de integração entre


planejamento e orçamento, o orçamento anual constitui-se em instrumento, de
curto prazo, que operacionaliza os programas setoriais e regionais de médio
prazo, os quais, por sua vez, cumprem o marco fixado pelos planos nacionais
em que estão definidos os grandes objetivos e metas, os projetos estratégicos
e as políticas básicas.

De acordo com Abrúcio e Loureiro, “o orçamento é um instrumento


fundamental de governo, seu principal documento de políticas públicas.
Através dele os governantes selecionam prioridades, decidindo como gastar os
recursos extraídos da sociedade e como distribuí-los entre diferentes grupos
sociais, conforme seu peso ou força política. Portanto, nas decisões
orçamentárias os problemas centrais de uma ordem democrática como
representação e accountability estão presentes. (...) A Constituição de 1988
trouxe inegável avanço na estrutura institucional que organiza o processo
orçamentário brasileiro. Ela não só introduziu o processo de planejamento no
ciclo orçamentário, medida tecnicamente importante, mas, sobretudo, reforçou
o Poder Legislativo”.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 2 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

2. HISTÓRICO DO ORÇAMENTO

2.1 Origens

Historicamente, a Carta Magna, outorgada no início do século XIII pelo Rei


João Sem Terra, é considerada o embrião do orçamento, por meio de seu art.
12:
“Nenhum tributo ou auxílio será instituído no Reino senão pelo seu conselho
comum, exceto com o fim de resgatar a pessoa do Rei, fazer seu primogênito
cavaleiro e casar sua filha mais velha uma vez, e os auxílios serão razoáveis
em seu montante”.

Veja que esse artigo não trata da despesa pública, mas aparece como a
primeira tentativa formal de controle das finanças do Rei, ou trazendo para a
atualidade, do Legislativo sobre o Executivo. E olha que interessante: já nasce
com exceções! Veja que a ideia permanece a mesma do nosso conceito atual!
O orçamento é elaborado pelo Executivo e aprovado previamente pelo
Legislativo, sendo que hoje também há exceções. Por exemplo, temos os
créditos extraordinários, os quais são destinados a despesas urgentes e
imprevisíveis, tais como em casos de guerra ou calamidade pública, e por isso
são abertos pelo executivo antes da autorização do Poder Legislativo. Neste
tipo de crédito, a comunicação ao Legislativo deve ser feita imediatamente
após a abertura do crédito.

No entanto, apenas por volta de 1822, na Inglaterra, o Orçamento Público


passa a ser considerado um instrumento formalmente acabado. Nessa época,
tem-se o desenvolvimento do liberalismo econômico, o que acarretava em
oposição a quaisquer aumentos de carga tributária, necessários para o
crescimento das despesas públicas. Nesta visão de orçamento tradicional,
típica do liberalismo, as finanças públicas deveriam ser neutras e o equilíbrio
financeiro impunha-se naturalmente pelo próprio mercado. Esse
posicionamento vem ao encontro do conceito de “mão invisível” de Adam
Smith, para descrever que em uma economia de mercado a interação dos
indivíduos resulta numa determinada ordem, sem a necessidade de
intervenção do Estado (laissez-faire). Assim, o aspecto econômico do
orçamento tinha posição secundária, privilegiando o aspecto controle.

Antes do final do mesmo século XIX, percebe-se que o orçamento elaborado


com base na neutralidade não mais atendia às necessidades do Estado.
Desenvolveu-se a tese de um orçamento moderno, o qual deveria ser um
instrumento de planejamento e de administração.

Já no século XX, a partir da década de 1930, no momento em que o


capitalismo vivia uma de suas mais graves crises, o economista britânico John

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 3 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

Maynard Keynes revisou as teorias liberais de Adam Smith, principalmente no


que se refere a não intervenção do Estado na economia. A doutrina keynesiana
passou a reconhecer o orçamento público como instrumento a ser utilizado
sistematicamente para o alcance da política fiscal, com vistas à estabilização, à
expansão ou à retração da atividade econômica. Para Keynes, em momento de
retração econômica, quando as empresas tendem a investir cada vez menos,
piorando cada vez mais a crise, o Estado deveria aumentar seus gastos para
aquecer a economia, por meio, por exemplo, de aumento dos investimentos e
das linhas de concessão de crédito. Nesse caso, o aumento dos gastos
acarretaria endividamento público e flexibilização do princípio do equilíbrio, pois
o orçamento desequilibrado seria necessário para superar a crise. O orçamento
apontaria na promoção de uma expansão da demanda, gerando déficit. Em
outros casos, em que fosse necessária uma contração da demanda, teríamos a
geração de superávit, por meio da diminuição dos gastos públicos.

1) (CESPE – AUFC – TCU – 2009) Em épocas de estagnação e recessão


econômica, as concepções keynesianas têm dado suporte à
flexibilização na aplicação do princípio do equilíbrio orçamentário,
defendendo, inclusive, um maior endividamento público, possibilitando
uma utilização intensiva de recursos ociosos esterilizados por agentes
econômicos privados.

Para Keynes, em momento de retração econômica, quando as empresas


tendem a investir cada vez menos, piorando cada vez mais a crise, o Estado
deveria aumentar seus gastos para aquecer a economia, por meio, por
exemplo, de aumento dos investimentos e das linhas de concessão de crédito.
Nesse caso, o aumento dos gastos acarretaria em endividamento público e na
flexibilização do princípio do equilíbrio, pois o orçamento desequilibrado seria
necessário para superar a crise.
Resposta: Certa

2.2 Orçamento nas Constituições brasileiras pretéritas

Vamos falar agora resumidamente do Orçamento em nossas Constituições


pretéritas.

A Constituição Imperial de 1824 foi a pioneira nas exigências para elaboração


de orçamentos formais. A competência da proposta era do Executivo e da
aprovação do Legislativo (assembleia-geral composta pelos deputados e
senadores).

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 4 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

Com a República e a Constituição de 1891, a elaboração do orçamento tornou-


-se privativa do Congresso Nacional, com iniciativa da Câmara dos Deputados.

Na Constituição outorgada de 1934, no governo de Getúlio Vargas, o


orçamento passa a ter destaque, com capítulo próprio. Ao Presidente da
República cabia a elaboração da proposta orçamentária e, ao Legislativo, a
votação. Assim, havia participação conjunta dos poderes, já que a Constituição
não trazia limitações ao poder de emendas do Legislativo.

Na Constituição de 1937, do Estado Novo, o orçamento passa a ser elaborado


por um departamento administrativo ligado à Presidência e votado pela
Câmara e pelo Conselho Federal, o qual contava com membros nomeados pelo
Presidente. Na prática, era elaborado e decretado pelo Executivo.

Com a redemocratização na Constituição de 1946, voltamos à elaboração pelo


Executivo e à votação com a possibilidade de emendas pelo Legislativo.

Na Constituição de 1967, do Regime Militar, o Executivo elaborava a proposta


e cabia ao Legislativo a aprovação, sem a possibilidade de emendas
relevantes, enfraquecendo o Legislativo. Constata-se tal fato porque não eram
permitidas emendas que causassem aumento de despesa ou que visassem a
modificar o seu montante, natureza ou objeto. Ainda, o projeto da lei
orçamentária anual deveria ser enviado à Câmara dos Deputados até cinco
meses antes do início do exercício financeiro (1º de agosto) e se não fosse
devolvido para sanção dentro do prazo de quatro meses de seu recebimento
(1º de dezembro) seria promulgado como lei. Nesse período surgiu no Brasil a
ideia de orçamento-programa, por meio da Lei 4.320/1964 e do Decreto-lei
200/1967.

2) (CESPE – Analista Judiciário – Administração - TRE/BA – 2010) No


período do regime autoritário (1964-1984), o processo orçamentário
brasileiro foi completamente reorganizado com o fortalecimento do
Poder Legislativo e a recuperação do orçamento fiscal, que expressava
a totalidade das receitas e das despesas públicas.

Na Constituição de 1967, do Regime Militar, o Executivo elaborava a proposta


e cabia ao Legislativo a aprovação, sem a possibilidade de emendas
relevantes, enfraquecendo o Legislativo. Constata-se tal fato porque não
eram permitidas emendas que causassem aumento de despesa ou que
visassem a modificar o seu montante, natureza ou objeto.
Resposta: Errada

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 5 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

3. CARACTERÍSTICAS DO ORÇAMENTO BRASILEIRO

Já estudamos exaustivamente os instrumentos de planejamento e orçamento


da atual Constituição Federal de 1988. Da mesma forma fizemos com o ciclo
orçamentário e com os princípios orçamentários. Já sabemos que a
competência para a elaboração do orçamento é do Poder Executivo e, ao
Legislativo, cabe a votação e a proposição de emendas. Têm-se, ainda,
novidades trazidas pela atual Carta Magna, como a LDO e o PPA.

Ressaltam-se, agora, algumas características típicas do orçamento em nosso


País:
 Não cumprimento de prazos, o que prejudica a execução de forma
sistemática e coordenada da LOA. Por exemplo, para o nível federal, já
houve ano em que a LOA foi aprovada pelo Congresso no fim do ano
subsequente, ou seja, no final do ano em que deveria estar em vigor. A
falta de rigor nos prazos também compromete a integração entre PPA e
LOA. No entanto, atualmente, os atrasos na sanção da LOA são bem
menores.
 Grande número de alterações orçamentárias ao longo do exercício, com
frequentes aberturas de créditos adicionais.
 Os contingenciamentos têm sido decretados com frequência, e como a
liberação depende da conveniência da Administração, estimula a
negociação política entre o Poder Executivo e os parlamentares que
querem ver suas bases eleitorais atendidas na execução orçamentária e
financeira. O mecanismo utilizado para limitação dos gastos do Governo
Federal é o Decreto de Programação Orçamentária e Financeira, mais
conhecido como “Decreto de Contingenciamento”, juntamente com a
Portaria Interministerial que detalha os valores autorizados para
movimentação e empenho e para pagamentos no decorrer do exercício.
Deve haver flexibilidade para a programação financeira a fim de que seja
possível efetuar pequenos realinhamentos, porém, devido principalmente
a superestimativas de receitas, o mencionado Decreto não se presta
apenas a ajustes pontuais e acaba por contingenciar parte considerável
das despesas discricionárias aprovadas na LOA. Apesar disso, busca-se
evitar a utilização da linearidade, por ser esta incompatível com o
estabelecimento de metas e prioridades para a Administração Pública,
como aconteceria caso houvesse cortes indiscriminados de gastos, com
base em um percentual único e predeterminado.
 Apesar de a vedação à vinculação de receitas abranger apenas os
impostos, os demais tributos são vinculados pela sua própria natureza.
Mesmo em relação aos impostos, há várias exceções constitucionais que
acarretam em mais vinculações. Há, ainda, as despesas obrigatórias, que
também acabam por vincular o orçamento, porque não se pode deixar de

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 6 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

executá-las, como acontece com o pagamento de pessoal, por exemplo.


Isso tudo diminui a capacidade de discricionariedade do gestor público,
engessando o orçamento.

4. FUNÇÕES CLÁSSICAS DO ORÇAMENTO

O Governo desenvolve funções com objetivos específicos, porém relacionados,


utilizando os instrumentos de intervenção de que dispõe o Estado.
A classificação cobrada em concursos é a de Richard Musgrave (1974), a qual
se tornou clássica. Ele propôs uma classificação denominada de funções
fiscais. Entretanto, considerando o orçamento como principal instrumento de
ação do Estado na economia, o próprio autor as considera também como as
próprias funções do orçamento: alocativa, distributiva e estabilizadora.

Função alocativa: visa à promoção de ajustamentos na alocação de recursos.


É o Estado oferecendo determinados bens e serviços necessários e desejados
pela sociedade, porém que não são providos pela iniciativa privada. O setor
público pode atuar produzindo diretamente os produtos e serviços ou via
mecanismos que propiciem condições para que sejam viabilizados pelo setor
privado. Tal função é evidenciada quando no setor privado não há a necessária
eficiência de infraestrutura econômica ou provisão de bens públicos e bens
meritórios. Investimentos na infraestrutura econômica são fundamentais para
o desenvolvimento, porém são necessários altos valores com retornos
demorados, que muitas vezes desestimulam a iniciativa do setor privado nessa
área. Quanto aos bens públicos e meritórios, suas demandas possuem
características peculiares que tornam inviável seu fornecimento pelo sistema
de mercado. Bens públicos são aqueles usufruídos pela população em geral e
de uma forma indivisível, independentemente de o particular querer ou não
usufruir desse bem. Já os bens meritórios excluem a parcela da população que
não dispõe de recursos para o pagamento. Assim, podem ser explorados pelo
setor privado, no entanto, podem e devem também ser produzidos pelo
Estado, em virtude de sua importância para a sociedade, como a educação e a
saúde.

Função distributiva: visa à promoção de ajustamentos na distribuição de


renda. Surge em virtude da necessidade de correções das falhas de mercado,
inerentes ao sistema capitalista, contrabalanceando equidade e eficiência. Os
instrumentos mais usados para o ajustamento são os sistemas de tributos e
as transferências. Cita-se como exemplo de medida distributiva o imposto de
renda progressivo, realocando as receitas para programas de alimentação,
transporte e moradia populares. Outro exemplo é a concessão de subsídios
aos bens de consumo popular, financiados por tributos incidentes sobre os
bens consumidos pelas classes de rendas mais altas.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 7 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

Função estabilizadora: visa manter a estabilidade econômica, diferenciando-


-se das outras funções por não ter como objetivo a destinação de recursos. O
campo de atuação dessa função é principalmente a manutenção de elevado
nível de emprego e a estabilidade nos níveis de preços. Destaca-se, ainda, a
busca do equilíbrio no balanço de pagamentos e de razoável taxa de
crescimento econômico. O mecanismo básico da estabilização é a atuação
sobre a demanda agregada, que representa a quantidade de bens ou serviços
que a totalidade dos consumidores deseja e está disposta a adquirir por
determinado preço e em determinado período. Assim, a função estabilizadora
age na demanda agregada de forma a aumentá-la ou diminuí-la.

3) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa – TRT/10 – Prova


cancelada - 2013) O investimento na infraestrutura econômica
configura um dos campos exclusivos da função distributiva do
orçamento.

O investimento na infraestrutura econômica configura um dos campos


exclusivos da função alocativa do orçamento.
Resposta: Errada

(CESPE – Analista – Economia - ECB – 2011) Julgue o item


subsequente, relativo às funções econômicas do governo.
4) Em ocasiões em que o desemprego prevalece, a atuação do governo
no sentido de aumentar o nível de demanda no mercado com a
recolocação da produção no pleno emprego é um exemplo de aplicação
da função distributiva do Estado.

Em ocasiões em que o desemprego prevalece, a atuação do governo no


sentido de aumentar o nível de demanda no mercado com a recolocação da
produção no pleno emprego é um exemplo de aplicação da função
estabilizadora do Estado.
Resposta: Errada

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 8 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

5. NORMAS GERAIS DE DIREITO FINANCEIRO

O estudo de AFO/Orçamento Público está relacionado ao estudo do Direito


Financeiro. É importante destacar que compete à União, aos Estados e ao
Distrito Federal legislar concorrentemente sobre Direito Financeiro. No
entanto, compete aos Municípios legislar sobre assuntos de interesse local e
suplementar à legislação federal e à estadual no que couber. Assim, apesar de
não concorrerem com a União e os estados, os municípios legislam naquilo que
for de interesse local e suplementam a legislação federal e a estadual, sem
contrariá-las.

Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar


concorrentemente sobre Direito Financeiro.

Inexistindo lei federal sobre normas gerais de Direito Financeiro, os Estados


exercerão a competência legislativa plena, para atender às suas
peculiaridades; sobrevindo lei federal sobre normas gerais, a lei estadual
restará suspensa sua eficácia, no que lhe for contrária. Assim, inicialmente, se
a União não exercer a sua competência legislativa concorrente em Direito
Financeiro e o Estado-Membro exercer a sua, em sobrevindo lei federal que
regule a questão, a lei estadual restará suspensa. Não é revogada, o que
significa que se a União revogar a sua lei geral, a lei estadual sairá da inércia e
entrará em vigor, até que outra lei federal lhe suspenda novamente os efeitos
ou outra lei estadual a revogue.

Atualmente, ainda é a Lei n.°4.320, de 17 de março de 1964, que estatui


normas gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos
orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito
Federal. Embora ela tenha passado pelo rito de elaboração reservado às leis
ordinárias, a CF/1967 e a CF/1988 trouxeram a orientação de que as normas
gerais de Direito Financeiro seriam disciplinadas por lei complementar. Assim,
a Lei 4.320/1964 possui o status de lei complementar, já que trata de normas
gerais de Direito Financeiro. Houve a novação de sua natureza normativa pelo
art. 165, § 9º, I e II, da CF/1988, o qual lhe conferiu uma posição sui generis
no quadro das fontes do Direito: como lei ordinária em sentido formal e lei
complementar no sentido material.

5) (CESPE – Analista Legislativo – Direito – ALCE – 2011) Não há que


se falar em competência concorrente em matéria de direito financeiro
Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 9 de 54
Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

entre União, estados e Distrito Federal, na medida em que o sistema


financeiro nacional se amolda ao pacto federativo, devendo cada ente
da federação legislar adstrito à sua competência constitucional.

De acordo com o art. 24 da CF/1988, compete à União, aos Estados e ao


Distrito Federal legislar concorrentemente sobre Direito Financeiro:

“Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar


concorrentemente sobre:
I – direito tributário, financeiro, penitenciário, econômico e urbanístico;
II – orçamento;
(...).”

Resposta: Errada

6. NATUREZA JURÍDICA DO ORÇAMENTO BRASILEIRO

Antes de tratarmos da natureza jurídica do orçamento brasileiro, vamos


entender uma importante diferença entre lei em sentido formal e lei em
sentido material. Lei em sentido formal representa todo o ato normativo
emanado de um órgão com competência legislativa, sendo o conteúdo
irrelevante. Todos os Poderes possuem a função legislativa. Por exemplo, o
Executivo possui também a função legislativa, apesar de não ser a principal, o
que fica claro quando o art. 84 da CF/1988 enumera as competências
privativas do Presidente da República, dispondo no inciso III que compete
privativamente ao Presidente iniciar o processo legislativo, na forma e
nos casos previstos nesta Constituição. Ele exerce a função legislativa por
meio de medidas provisórias, decretos autônomos, leis delegadas, leis
orçamentárias etc. Assim, a lei orçamentária em nosso País é uma lei formal.
Já lei em sentido material corresponde a todo o ato normativo, emanado por
órgão do Estado, mesmo que não incumbido da função legislativa. O
importante agora é o conteúdo, que define qualquer conjunto de normas
dotadas de abstração e generalidade, ou seja, com aplicação a um número
indeterminado de situações futuras.

Desta forma, a partir desses conceitos, nota-se que há leis que são
simultaneamente formais e materiais. Por outro lado, há leis somente formais.
São estas as denominadas leis de efeitos concretos (ou leis individuais),
pois seu conteúdo assemelha-se a atos administrativos individuais ou
concretos.

Embora existam divergências doutrinárias, o orçamento brasileiro é uma lei


formal porque é emanada de um órgão com competência legislativa;
entretanto, não é material, pois apenas prevê as receitas públicas e
autoriza os gastos, não tendo a necessária abstração e generalidade que

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 10 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

caracteriza as leis materiais. O orçamento não modifica as leis financeiras e


tributárias, tampouco cria direitos subjetivos. É uma condição, um pré-
requisito para que a despesa seja realizada (ato-condição), já que a
arrecadação de receitas e a realização de despesas, na maioria das vezes,
decorrem de leis ou contratos anteriores (atos-regra). Assim, judicialmente,
não se pode exigir que determinada despesa prevista no orçamento seja
realizada. O orçamento é concreto, por exemplo, quando diz que com R$ 20
milhões predeterminados o Governo poderá construir um campo da
Universidade X. Logo, é apenas uma lei formal, por isso é chamada de lei de
efeitos concretos.

As características da lei orçamentária brasileira são as seguintes:


Lei formal: a lei orçamentária não obriga o administrador
público a realizar determinada despesa, apenas autoriza
os gastos. Falta coercibilidade, pois nem sempre obriga o
Poder Público, que pode, por exemplo, deixar de realizar
uma despesa autorizada pelo legislativo. É considerada
uma lei de efeitos concretos.

Lei temporária: vigência limitada ao período de um ano.

Lei ordinária: as leis orçamentárias (PPA, LDO e LOA) e


Características da os créditos suplementares e especiais são leis ordinárias.
LOA Não se exige quorum qualificado para sua aprovação,
sendo necessária apenas a maioria simples.

Lei especial: possui processo legislativo diferenciado. A


iniciativa é do Executivo e trata de matéria específica:
previsão de receitas e fixação de despesas.

A Lei Orçamentária é ainda denominada de Lei de Meios, porque possibilita os


meios para o desenvolvimento das ações relativas aos diversos órgãos e
entidades que integram a administração pública. Essa denominação é oriunda
do orçamento clássico, que enfatizava os meios sem se preocupar com os fins.
Atualmente, com o orçamento-programa, o principal foco da Lei de Meios são
os resultados.

O STF pode exercer o controle abstrato de


constitucionalidade de normas orçamentárias
STF sobre a LOA

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 11 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

O Supremo Tribunal Federal deve exercer sua


função precípua de fiscalização da constitucionalidade das leis e dos atos
normativos quando houver um tema ou uma controvérsia constitucional
suscitada em abstrato, independente do caráter geral ou específico, concreto
ou abstrato de seu objeto. Assim, há a possibilidade de submissão das normas
orçamentárias ao controle abstrato de constitucionalidade.

Os orçamentos públicos podem ainda ser classificados em orçamentos de


natureza impositiva e de natureza autorizativa:
 Orçamento impositivo: é aquele em que, uma vez consignada uma
despesa no orçamento, ela deve ser necessariamente executada. Nesta
visão, o orçamento, por se tratar de uma lei, deve ser rigorosamente
cumprido.
 Orçamento autorizativo: não existe obrigatoriedade de execução das
despesas consignadas no orçamento público, já que o Poder Público tem
a discricionariedade para avaliar a conveniência e a oportunidade do que
deve ou não ser executado. O STF entende que em nosso País o
orçamento não é impositivo, mas sim autorizativo. O fato de ser fixada
uma despesa na lei orçamentária anual não gera o direito de exigência
de sua realização por via judicial.

No orçamento impositivo, uma vez consignada


uma despesa no orçamento, ela deve ser
necessariamente executada.

No orçamento autorizativo, adotado no Brasil,


o Poder Público tem a discricionariedade para
Orçamento impositivo
avaliar a conveniência e oportunidade do que
≠ autorizativo deve ou não ser executado.

6) (CESPE – Auditor de Controle Externo – TCDF – 2012) Considerando


os mecanismos básicos de atuação do Estado nas finanças públicas,
julgue o seguinte item.
No atual ordenamento constitucional brasileiro, a LOA é,
simultaneamente, uma lei especial e ordinária.

A LOA é, simultaneamente, uma lei especial e ordinária:


Lei ordinária: as leis orçamentárias (PPA, LDO e LOA) e os créditos
suplementares e especiais são leis ordinárias. Não se exige quorum qualificado
para sua aprovação, sendo necessária apenas a maioria simples.
Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 12 de 54
Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

Lei especial: possui processo legislativo diferenciado, como estudado no


âmbito do Ciclo Orçamentário. Possui iniciativa do Executivo e trata de matéria
específica: previsão de receitas e fixação de despesas.

Resposta: Certa

7) (CESPE – Procurador – ALES – 2011) O STF não tem reconhecido a


possibilidade de submissão das normas orçamentárias ao controle
abstrato de constitucionalidade em virtude dos efeitos concretos de
seu conteúdo.

O Supremo Tribunal Federal deve exercer sua função precípua de fiscalização


da constitucionalidade das leis e dos atos normativos quando houver um tema
ou uma controvérsia constitucional suscitada em abstrato, independente do
caráter geral ou específico, concreto ou abstrato de seu objeto. Assim, há a
possibilidade de submissão das normas orçamentárias ao controle abstrato
de constitucionalidade.
Resposta: Errada

8) (CESPE – Administrador - TJ/RR – 2012) O orçamento público


fixado na Lei Orçamentária Anual não determina os gastos de modo
impositivo ou obrigatório.

No orçamento impositivo, uma vez consignada uma despesa no orçamento, ela


deve ser necessariamente executada. Já no orçamento autorizativo, adotado
no Brasil, o Poder Público tem a discricionariedade para avaliar a conveniência
e oportunidade do que deve ou não ser executado.
Resposta: Certa

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 13 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

7. ASPECTOS DO ORÇAMENTO

Político: tem a característica do grupo partidário que detém a maioria,


consoante a escolha dos cidadãos. É a ótica que diz respeito à sua
característica de plano de governo ou programa de ação do grupo/facção
partidária que detém o poder. O parlamento autoriza a despesa pública,
levando em consideração as necessidades coletivas. Parte da ideia de que os
recursos são limitados e as necessidades são ilimitadas, logo são definidas
prioridades.

Econômico: busca racionalizar o processo de alocação de recursos, zelando


pelo equilíbrio das contas públicas, com foco nos melhores resultados para a
Sociedade. É ainda um instrumento de atuação do Estado na Economia, por
meio do aumento ou diminuição do gasto público. É a ótica que atribui ao
orçamento, como plano de ação governamental que é, o poder de intervir na
atividade econômica, propiciando a geração de emprego e renda em função
dos investimentos que podem ser previstos e realizados pelo setor público,
resultando com isso o desenvolvimento do país.

Jurídico: o processo orçamentário é regido por normas legais que compõem o


ordenamento jurídico brasileiro. É a ótica em que se define ou integra a lei
orçamentária no conjunto de leis do país

Financeiro: caracterizado pelo fluxo monetário na execução, por meio de


entrada de receitas e saída de despesas. É a ótica que representa o fluxo
financeiro gerado pelas entradas de recursos, obtidos com a arrecadação de
receitas, e os dispêndios com as saídas de recursos proporcionados pelas
despesas, evidenciando a execução orçamentária.

Técnico: relacionado à observância de técnicas e classificações claras,


coerentes, racionais e metódicas. É a ótica que representa o conjunto de
regras e formalidades técnicas e legais exigidas na elaboração, na aprovação,
na execução e no controle do orçamento.

8. TIPOS DE ORÇAMENTO

Nesta ótica sobre os tipos de orçamento, tem-se a visão do regime político em


que é elaborado o orçamento combinado com a forma de governo. O Brasil
vivenciou os três tipos:
 Orçamento Legislativo: a elaboração, a votação e o controle do
orçamento são competências do Poder Legislativo. Normalmente ocorre
em países parlamentaristas. Ao Executivo cabe apenas a execução.
Exemplo: Constituição Federal de 1891.
 Orçamento Executivo: a elaboração, a votação, o controle e a
execução são competências do Poder Executivo. É típico de regimes

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 14 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

autoritários. Exemplo: Constituição Federal de 1937.


 Orçamento Misto: a elaboração e a execução são de competência do
Executivo, cabendo ao Legislativo a votação e o controle. Exemplo: a
atual Constituição Federal de 1988.

9. ESPÉCIES DE ORÇAMENTO

9.1 Considerações iniciais

Com o passar do tempo, o conceito, as funções e a técnica de elaboração do


orçamento público foram alterados. Acabaram por evoluir para que pudessem
se aprimorar e racionalizar sua utilização, tornando-se um instrumento da
moderna Administração Pública, com uma concepção de orçamento como um
ato preventivo e autorizativo das despesas que o Estado deve efetuar para
atingir objetivos e metas programadas.

Essas alterações foram motivadas por novas teorias e técnicas que se


difundiram ao redor do mundo, sendo chamadas de espécies ou, por outros
autores, de tipos de orçamento. Utilizaremos a denominação espécies por ser
mais adequada para se diferenciar dos tipos legislativo, executivo e misto.

9.2 Orçamento tradicional ou clássico

A falta de planejamento da ação governamental é uma das principais


características do orçamento tradicional. Constitui-se num mero instrumento
contábil e baseia-se no orçamento do exercício anterior, ou seja, enfatiza
atos passados. Demonstra uma despreocupação do gestor público com o
atendimento das necessidades da população, pois considera apenas as
necessidades financeiras das unidades organizacionais. Assim, nesta espécie
de orçamento não há preocupação com a realização dos programas de
trabalho do Governo, importando-se apenas com as necessidades dos
órgãos públicos para realização das suas tarefas, sem questionamentos
sobre objetivos e metas. Predomina o incrementalismo.

É uma peça meramente contábil financeira, sem nenhuma espécie de


planejamento das ações do Governo, onde prevalece o aspecto jurídico do
orçamento em detrimento do aspecto econômico, o qual possui função
secundária. Almeja-se a neutralidade e a busca pelo equilíbrio financeiro. As
funções de alocação, distribuição e estabilização ficam em segundo plano.
Portanto, o orçamento tradicional é somente um documento de previsão de
receita e de autorização de despesas.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 15 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

9) (CESPE – Analista Judiciário – Economia – STM - 2011) A principal


função do orçamento público tradicional é possibilitar aos órgãos de
representação um controle econômico sobre o Poder Executivo.

O orçamento público tradicional é uma peça meramente contábil – financeira,


sem nenhuma espécie de planejamento das ações do governo, onde
prevalece o aspecto jurídico do orçamento em detrimento do aspecto
econômico, o qual possui função secundária.
Resposta: Errada

9.3 Orçamento de desempenho ou por realizações

O orçamento de desempenho ou por realizações enfatiza o resultado dos


gastos e não apenas o gasto em si. A ênfase reside no desempenho
organizacional. Caracteriza-se pela apresentação de dois quesitos: o objeto de
gasto (secundário) e um programa de trabalho contendo as ações
desenvolvidas.

Nessa espécie de orçamento, o gestor começa a se preocupar com os


benefícios dos diversos gastos e não apenas com seu objeto. Apesar da
evolução em relação ao orçamento clássico (tradicional), o orçamento de
desempenho ainda se encontra desvinculado de um planejamento central das
ações do Governo, ou seja, nesse modelo orçamentário inexiste um
instrumento central de planejamento das ações do Governo vinculado à peça
orçamentária. Apresenta, assim, uma deficiência, que é a desvinculação
entre planejamento e orçamento.

Dois quesitos:
O objeto de gasto (secundário) e um programa de
trabalho contendo as ações desenvolvidas.

Deficiência:
Orçamento de desempenho Desvinculação entre planejamento e orçamento.

10) (CESPE – Contador – IPAJM – 2010) No orçamento de


desempenho, em sua concepção mais recente, os produtos obtidos
pela ação governamental são muito mais relevantes que os resultados
econômicos e sociais alcançados.

O orçamento de desempenho ou por realizações enfatiza o resultado dos

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 16 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

gastos e não apenas o gasto em si. O produto é importante, porém o


resultado (efetividade) é mais. A ênfase reside no desempenho organizacional.
Resposta: Errada

9.4 Orçamento de base zero ou por estratégia

O orçamento de base zero consiste basicamente em uma análise crítica de


todos os recursos solicitados pelos órgãos governamentais. Nesse tipo de
abordagem, na fase de elaboração da proposta orçamentária, haverá um
questionamento acerca das reais necessidades de cada área, não havendo
compromisso com qualquer montante inicial de dotação.

O processo do orçamento de base zero concentra a atenção na análise de


objetivos e necessidades, o que requer que cada administrador justifique seu
orçamento proposto em detalhe e cada quantia a ser gasta, aumentando a
participação dos gerentes de todos os níveis no planejamento das atividades e
na elaboração dos orçamentos.

Esse procedimento requer ainda que todas as atividades e operações sejam


identificadas e classificadas em ordem de importância por meio de uma análise
sistemática para que os pacotes de decisão sejam preparados. Em regra, a alta
gerência, por meio do planejamento estratégico, fixa previamente os critérios
do orçamento de base zero, de acordo com cada situação. São confrontados os
novos programas pretendidos com os programas em execução, sua
continuidade e suas alterações. Isso faz com que os gerentes de todos os
níveis avaliem melhor as prioridades, confrontando-se incrementos pela
ponderação de custos e benefícios, a fim de que ocorra uma aplicação eficiente
das dotações em suas atividades. Por isso, incluem-se entre as desvantagens a
dificuldade, a lentidão e o alto o custo da elaboração do orçamento.

Os órgãos governamentais deverão justificar anualmente, na fase de


elaboração da sua proposta orçamentária, a totalidade de seus gastos, sem
utilizar o ano anterior como valor inicial mínimo.

Alguns autores consideram que o orçamento de base zero é uma técnica do


Orçamento-Programa.

Os órgãos governamentais deverão justificar


anualmente, na fase de elaboração da sua proposta
orçamentária, a totalidade de seus gastos, sem
utilizar o ano anterior como valor inicial mínimo.
Orçamento de Base Zero

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 17 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

11) (CESPE – Auditor Substituto de Conselheiro – TCE/ES – 2012) O


orçamento de base zero não pode ser implantado em instituições que
adotem o modelo de orçamento-programa.

Alguns autores consideram que o orçamento de base zero é uma técnica do


Orçamento-Programa. Logo, se isso é possível, não há incompatibilidade ente
o Orçamento Base Zero e o Orçamento Programa.
Resposta: Errada

9.5 Orçamento-programa

De acordo com Core, “em um processo de planejamento e orçamento


integrados, ressalta a imperiosa necessidade de que os fins e os meios
orçamentários sejam tratados de uma forma equilibrada. Considerando que,
desde o decreto-lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967, a Administração
Pública Federal estabeleceu o orçamento-programa anual como um
instrumento de planejamento, a ideia de discriminar a despesa pública por
objetivo, ou seja, de acordo com os seus fins, já é bastante familiar a todos
quantos atuam nessa área.”

Ainda de acordo com o autor, “a Constituição Federal de 1988, cumprindo a


tradição das anteriores, ocupou-se profusamente de matéria orçamentária,
chegando até a definir instrumentos de planejamento e orçamento com
elevado grau de detalhe. (...) A atual Constituição optou por um modelo
fortemente centralizado, a partir da constatação de que havia uma excessiva
fragmentação orçamentária, inclusive com importantes programações e
despesas inteiramente (previdência social, por exemplo) fora da lei
orçamentária, sem a observância, portanto, do princípio da universalidade.”

No entanto, o orçamento-programa tornou-se realidade apenas com o Decreto


2.829/1998, o qual estabeleceu normas para elaboração e execução do plano
plurianual e dos orçamentos da União. Ainda, a Portaria 117/1998, substituída,
posteriormente, pela Portaria 42, de 14 de abril de 1999, com a preservação
dos seus fundamentos, atualizou a discriminação da despesa por funções da
Lei 4.320/1964 e revogou a Portaria 9, de 28 de janeiro de 1974 (Classificação
Funcional – Programática); e a Portaria 51/1998 instituiu o recadastramento
dos projetos e das atividades constantes do orçamento da União.

Na verdade, tais modificações, que em razão da Portaria 42/1999 assumiram


uma abrangência nacional, com aplicação também para Estados, municípios e
Distrito Federal, representam a segunda etapa de uma reforma orçamentária

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 18 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

que se delineou pelos idos de 1989, sob a égide da nova ordem constitucional
recém-instalada.

O orçamento-programa é um instrumento de planejamento da ação do


Governo, por meio da identificação dos seus programas de trabalho, projetos e
atividades, com estabelecimento de objetivos e metas a serem implementados
e previsão dos custos relacionados.

Por meio do orçamento-programa, tem-se o estabelecimento de objetivos e a


quantificação de metas, com a consequente formalização de programas
visando ao atingimento das metas e alcance dos objetivos. Com esse modelo,
passa a existir um elo entre o planejamento e as funções executivas da
organização, além da manutenção do aspecto legal, porém não sendo
considerado como prioridade. É a espécie de orçamento utilizada no Brasil.

A organização das ações do Governo sob a forma de programas visa


proporcionar maior racionalidade e eficiência na Administração Pública e
ampliar a visibilidade dos resultados e benefícios gerados para a sociedade,
bem como elevar a transparência na aplicação dos recursos públicos. Tal
espécie de orçamento equivale a um plano de trabalho expresso por um
conjunto de ações a realizar e pela identificação dos recursos necessários à sua
execução. Como instrumento de programação econômica, o orçamento-
programa procura levar os decisores públicos a uma escolha racional, que
maximize o dinheiro do contribuinte, destinando os recursos públicos a
programas e projetos de maior necessidade. As decisões orçamentárias são
tomadas com base em avaliações e análises técnicas das alternativas
possíveis. O gasto público no orçamento programa deve estar vinculado a uma
finalidade.

A definição dos produtos finais de um programa de trabalho é um dos desafios


do orçamento-programa, já que algumas atividades também adicionam valores
intangíveis, em complemento aos físicos, como uma ação de qualificação do
servidor. O número de servidores qualificados é um resultado tangível, porém
a capacidade de inovação, a melhora do processo de trabalho, a retenção de
talentos no serviço público e a satisfação do cidadão atendido pelo servidor são
metas bem mais subjetivas. É difícil para os sistemas contábeis mensurarem
esse tipo de valor e, particularmente, na Administração Pública, há dificuldades
para a medição, em termos quantitativos.

Em algumas situações podem ser utilizadas outras espécies de orçamento


como apoio ao orçamento-programa. A elaboração do orçamento de algumas
ações pode ocorrer de maneira incremental, por exemplo, nas ações ligadas ao
funcionamento do órgão. O valor a ser pago, em condições normais, pelas
contas de luz, água e telefone, sofre pequena variação de um ano para outro,
normalmente apenas a inflação acumulada. Assim, para o cálculo do valor do

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 19 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

orçamento atual, pode ser utilizado o método tradicional, acrescentando a


inflação do período sobre o valor do orçamento desta ação no ano anterior.

O orçamento tradicional quase sempre aparece em


contraponto a outro tipo de orçamento, normalmente o
orçamento-programa. No memento há um quadro
comparativo Orçamento Tradicional X Orçamento-
programa. Consulte-o antes de resolver as questões
abaixo.

12) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa – TRT/10 – 2013)


Concomitantemente ao aumento dos gastos, o orçamento público
evoluiu como peça de planejamento, ao mesmo tempo em que perdeu
a sua forma de programa de operação e apresentação dos meios de
financiamento desse programa, assumindo características contábeis
formais, determinadas por lei.

O orçamento não perdeu a sua forma de programa de operação e


apresentação dos meios de financiamento desse programa, bem como não
assumiu características contábeis formais, determinadas por lei. Essas são
características fundamentais do orçamento clássico e não de uma evolução.
Resposta: Errada

13) (CESPE – Auditor de Controle Externo – Contábeis - TCE/ES –


2012) O orçamento-programa consagra o principio de que o gasto
público deve estar vinculado a uma finalidade.

O gasto público no orçamento programa deve estar vinculado a uma finalidade.


O orçamento-programa é um instrumento de planejamento da ação do
governo, por meio da identificação dos seus programas de trabalho, projetos e
atividades, com estabelecimento de objetivos e metas a serem implementados
e previsão dos custos relacionados.
Resposta: Certa

9.6 Orçamento participativo

O orçamento participativo não se opõe ao orçamento-programa. Na verdade,


trata-se de um instrumento que busca romper com a visão política tradicional
e colocar o cidadão como protagonista ativo da gestão pública. Objetiva a
participação real da população no processo de elaboração e a alocação dos
recursos públicos de forma eficiente e eficaz segundo as demandas sociais.
Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 20 de 54
Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

Dessa forma, democratiza-se a relação Estado e sociedade e são considerados


os diversos canais de participação, por meio de lideranças e audiências
públicas.

O processo de orçamento participativo tem a necessidade de um contínuo


ajuste crítico, baseado em um princípio de autorregulação, com o intuito de
aperfeiçoar os seus conteúdos democráticos e de planejamento, e assegurar a
sua não estagnação.

Assim, não possui uma metodologia única. Além disso, os problemas são
diferentes de acordo com o tamanho dos municípios, principais
implementadores do processo.

Ressalta-se que, apesar de algumas experiências na esfera estadual, na


experiência brasileira o orçamento participativo foi concebido e praticado
inicialmente como uma forma de gerir os recursos públicos municipais. No
nosso País, destaca-se a experiência da Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

Não há perda da participação do Legislativo e nem diretamente de


legitimidade. Há um aperfeiçoamento da etapa que se desenvolveria apenas
no Executivo. No orçamento participativo, a comunidade é considerada
parceira do Executivo no processo orçamentário. O que ocorre é que muitas
vezes desigualdades socioeconômicas tendem a criar obstáculos à
participação dos grupos sociais desfavorecidos.

Quando a decisão está nas mãos de poucos, torna-se mais rápida a mudança
de direção ou de opiniões. Em um orçamento como o participativo, são feitas
várias reuniões em diversas regiões para se chegar a uma conclusão. Em caso
de necessidade de mudanças, é muito trabalhoso efetuá-las. Por isso, no
orçamento participativo considera-se que há uma perda da flexibilidade.
Ocorre uma maior rigidez na programação dos investimentos, pois se tem uma
decisão compartilhada com a comunidade, ao contrário da decisão
monopolizada pelo Executivo no processo tradicional.

Segundo a LRF, deve ser incentivada a participação popular e a realização de


audiências públicas durante os processos de elaboração das leis orçamentárias.
No entanto, segundo a CF/1988, a iniciativa das leis orçamentárias é privativa
do Poder Executivo. Assim, o Poder Executivo não é obrigado a seguir as
sugestões da população, no entanto, deve ouvi-las.

14) (CESPE - Agente Técnico de Inteligência – Administração - ABIN -


2010) No Brasil, vigora o orçamento do tipo participativo, visto que

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 21 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

todos os poderes e órgãos da administração direta e alguns da


administração indireta têm a prerrogativa de elaborar suas próprias
propostas orçamentárias.

A iniciativa dos projetos dos instrumentos de planejamento e orçamento é


sempre do Poder Executivo. No orçamento participativo, a comunidade é
considerada parceira do Executivo no processo orçamentário.
Resposta: Errada

9.7 Outras Técnicas

O Glossário do Tesouro Nacional apresenta ainda mais duas técnicas,


denominadas “teto fixo” e “teto móvel”.

Orçamento com teto fixo: critério de alocação de recursos que consiste em


estabelecer um quantitativo financeiro fixo, geralmente obtido mediante a
aplicação de percentual único sobre as despesas realizadas em determinado
período, com base no qual os órgãos/unidades deverão elaborar suas
propostas orçamentárias parciais. Também conhecido, na gíria orçamentária,
como “teto burro”.

Orçamento com teto móvel: critério de alocação de recursos que representa


uma variação do chamado “teto fixo”, pois trabalha com percentuais
diferenciados, procurando refletir um escalonamento de prioridades entre
programações, órgãos e unidades. Em gíria orçamentária, conhecido como
“teto inteligente”.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 22 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

10. FUNÇÕES DE PLANEJAMENTO, GERÊNCIA E CONTROLE

Segundo Allen Schick (1966 apud Core, 2001), todo sistema orçamentário,
mesmo o mais rudimentar, compreende as funções de planejamento, gerência
e controle:
“Na operação dos sistemas orçamentários, raramente o planejamento, a
gerência e o controle recebem igual atenção. Na prática, planejamento,
gerência e controle tenderam até a ser processos competitivos no orçamento,
sem haver uma clara divisão de funções entre os diversos participantes. (...) o
mais importante talvez sejam as diferenças nas exigências de informação dos
processos de planejamento, controle e administração. As necessidades
informativas diferem em termos de períodos de tempo, níveis de agregação,
ligações com as unidades organizacionais e operacionais e no enfoque insumo-
produto (...) tem havido uma forte tendência a homogeneizar as estruturas de
informação e a contar com um único esquema de classificação, para servir a
todas as necessidades do orçamento. Em sua maior parte o sistema
informativo foi estruturado para atender aos objetivos de controle.”

Ainda, “toda reforma altera o equilíbrio entre planejamento, gerência e


controle, mediante a atribuição de maior ênfase a alguma dessas funções. A
predominância da função controle, por exemplo, acarreta um deslocamento
para o segundo plano das funções de planejamento e gerência, que, no
entanto, continuam presentes. A questão-chave é o balanceamento entre
essas três orientações ou funções com a atribuição de pesos para cada uma
delas. Assim, todo o sistema orçamentário contém características de
planejamento, gerência e controle.”

Vamos dividir as três funções, de acordo com o eminente autor Fabiano Core:

Controle: “no orçamento tradicional, que caracteriza os primeiros estágios


evolutivos da técnica orçamentária, a orientação predominante é a do controle.
Prevalece a preocupação com o cumprimento dos tetos orçamentários e o
estabelecimento de limites para as unidades orçamentárias no que se refere a
tipos de despesas (pessoal, serviços de terceiros, equipamentos etc.) e as
classificações de despesas são estruturadas com base em itens
pormenorizados de objeto de gastos.”

Gerência: “a predominância da orientação gerencial no processo orçamentário


traduz uma preocupação maior com o trabalho a ser feito e as realizações a
serem alcançadas. As informações são estruturadas segundo funções, projetos
e atividades, evidenciando-se o trabalho ou serviço a ser cumprido, com os
respectivos custos. As categorias orçamentárias são classificadas em termos
funcionais, com mensurações que possibilitem a avaliação do desempenho das

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 23 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

atividades previstas. Essas características identificam o orçamento funcional ou


de desempenho.”

Planejamento: “a orientação para o planejamento marca o advento do


orçamento-programa, que tem como característica dominante a racionalização
do processo de fixação de políticas, mediante o manuseio de dados sobre
custos e benefícios das formas alternativas de se atingir os objetivos propostos
e a mensuração dos produtos para propiciar eficácia no atingimento desses
objetivos.”

15) (CESPE – Auditor de Controle Externo – TCE/ES – 2012) A


principal função do orçamento, na sua forma tradicional, e o controle
político; em sua forma moderna, o orçamento foca o planejamento.

No orçamento tradicional, que caracteriza os primeiros estágios evolutivos da


técnica orçamentária, a orientação predominante é a do controle. Já a
orientação para o planejamento marca o advento do orçamento-programa, que
tem como característica dominante a racionalização do processo de fixação de
políticas.
Resposta: Certa

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 24 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

MAIS QUESTÕES DE CONCURSOS ANTERIORES DO CESPE

16) (CESPE – Técnico Judiciário – Contabilidade – STM - 2011) O


orçamento de desempenho é a mais recente evolução do orçamento-
programa, fruto das pressões sociais por serviços públicos de melhor
qualidade e por mais transparência na gestão pública.

O orçamento programa é evolução do orçamento de desempenho.


Resposta: Errada

Julgue o item a seguir, a respeito dos métodos, técnicas e


instrumentos do orçamento público.
17) (CESPE – Analista – Contabilidade - ECB – 2011) A vinculação ao
planejamento constitui a principal característica do orçamento
tradicional transferida ao orçamento-programa.

A vinculação ao planejamento é uma das características do orçamento-


programa. Entretanto, a falta de planejamento da ação governamental é
uma das principais características do orçamento tradicional.
Resposta: Errada

18) (CESPE – Técnico Judiciário – Contabilidade – STM - 2011) Os


objetivos e propósitos, os programas e seus custos e as medidas de
desempenho são componentes essenciais do orçamento-programa.

O orçamento-programa é um instrumento de planejamento da ação do


governo, por meio da identificação dos seus programas de trabalho, projetos e
atividades, com estabelecimento de objetivos e metas a serem implementados
e previsão dos custos relacionados.
Resposta: Certa

19) (CESPE – Técnico Judiciário – Contabilidade – STM - 2011) O


orçamento-programa objetiva facilitar o planejamento governamental.

Com o orçamento-programa passa a existir um elo entre o planejamento e as


funções executivas da organização.
Resposta: Certa

20) (CESPE – AUFC – TCU – 2009) Um dos desafios do orçamento-


programa é a definição dos produtos finais de um programa de
trabalho. Certas atividades têm resultados intangíveis e que,

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 25 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

particularmente na administração pública, não se prestam à medição,


em termos quantitativos.

A definição dos produtos finais de um programa de trabalho é um dos desafios


do orçamento-programa, já que algumas atividades também adicionam valores
intangíveis, em complemento aos físicos. É difícil para os sistemas contábeis
mensurarem esse tipo de valor e, particularmente, na administração pública,
há dificuldades para a medição, em termos quantitativos.
Resposta: Certa

21) (CESPE – Analista Judiciário – Contabilidade - TRE/RJ – 2012) A


ênfase no objeto do gasto, na classificação institucional e por
elemento de despesa são características do orçamento-programa.

A ênfase no objeto do gasto, na classificação institucional e por elemento de


despesa é característica do orçamento clássico.
Resposta: Errada

22) (CESPE – Auditor de Controle Externo – TCE/ES – 2012) A


alocação dos recursos visa, no orçamento tradicional, a aquisição de
meios e, no orçamento-programa, ao atendimento de metas e
objetivos previamente definidos.

Uma das diferenças: o orçamento tradicional visa à aquisição de meios,


enquanto o orçamento programa visa a objetivos e metas.
Resposta: Certa

23) (CESPE – Contador – IPAJM – 2010) O orçamento moderno nasceu


sob a égide do primado dos aspectos econômicos, deixando em
segundo plano as questões atinentes à programação.

O orçamento-programa, considerado o orçamento moderno, também é um


instrumento de programação econômica.
Resposta: Errada

(CESPE – Analista – Economia - ECB – 2011) Julgue o item


subsequente, relativo às funções econômicas do governo.
24) A função alocativa do governo se justifica pela necessidade da
oferta de bens e serviços desejados pela sociedade, mas que não são
provisionados pelo sistema de mercado.

A função alocativa visa à promoção de ajustamentos na alocação de recursos.


É o Estado oferecendo determinados bens e serviços necessários e desejados
pela sociedade, porém que não são providos pela iniciativa privada.
Resposta: Certa

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 26 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

25) (CESPE – Contador – IPAJM – 2010) O orçamento tradicional, ao


colocar em segundo plano os aspectos jurídicos, desconsiderava o
critério da neutralidade.

O orçamento tradicional é uma peça meramente contábil – financeira –, sem


nenhuma espécie de planejamento das ações do governo, onde prevalece o
aspecto jurídico do orçamento em detrimento do aspecto econômico, o qual
possui função secundária. Almeja-se a neutralidade e a busca pelo equilíbrio
financeiro.
Logo, o orçamento tradicional, ao colocar em primeiro plano os aspectos
jurídicos, considerava o critério da neutralidade.
Resposta: Errada

26) (CESPE – Administrador – Ministério da Previdência Social – 2010)


A execução orçamentária no Brasil, representada pelo modelo
gerencial, caracteriza-se pelo controle rígido do objeto dos gastos,
independentemente da consecução dos objetivos e das metas.

A execução orçamentária no Brasil, representada pelo modelo gerencial do


orçamento programa, enfatiza o objetivo do gasto e os resultados. O
orçamento tradicional é que se caracteriza pelo controle rígido do objeto dos
gastos, independentemente da consecução dos objetivos e das metas.
Resposta: Errada

27) (CESPE - Técnico de Orçamento - MPU - 2010) O orçamento


tradicional tinha como função principal a de possibilitar ao parlamento
discutir com o órgão de execução as formas de planejamento
relacionadas aos programas de governo, visando ao melhor
aproveitamento dos recursos, com base nos aspectos relativos a
custo/benefício.

O orçamento tradicional não se preocupava com o planejamento ou com os


resultados.
Resposta: Errada

28) (CESPE - Técnico de Controle Externo - TCE/TO - 2008) O


orçamento-programa tem seus principais critérios de classificação são
as classificações institucional e funcional.

O orçamento programa tem como principais critérios de classificação a


funcional e programática.
Resposta: Errada

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 27 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

29) (CESPE – Contador – IPAJM – 2010) No orçamento-programa, a


alocação dos recursos está dissociada da consecução dos objetivos.

No orçamento-programa, a alocação dos recursos está associada a


consecução dos objetivos.
Resposta: Errada

30) (CESPE - Contador – Min Saúde – 2010) Uma das diferenças


essenciais entre o orçamento tradicional e orçamento-programa diz
respeito ao planejamento. Enquanto o orçamento tradicional é o elo
entre o planejamento e as funções executivas da organização, no
orçamento-programa, os processos de planejamento e programação
são dissociados.

Uma das diferenças essenciais entre o orçamento tradicional e orçamento-


programa diz respeito ao planejamento. Enquanto o orçamento-programa é
o elo entre o planejamento e as funções executivas da organização, no
orçamento tradicional os processos de planejamento e programação são
dissociados.
Resposta: Errada

31) (CESPE – Oficial Técnico de Inteligência – Planej Estrat. - ABIN –


2010) O orçamento base-zero deve ser desenvolvido de forma isolada,
com base nas peculiaridades de cada área a ser atendida.

O processo do orçamento de base zero concentra a atenção na análise de


objetivos e necessidades, o que requer que cada administrador justifique seu
orçamento proposto em detalhe e cada quantia a ser gasta, aumentando a
participação dos gerentes de todos os níveis no planejamento das
atividades e na elaboração dos orçamentos.
Resposta: Errada

32) (CESPE – Inspetor de Controle Externo – TCE/RN – 2009) O


orçamento participativo, que apresenta vantagens inegáveis do ponto
de vista da alocação de recursos segundo as demandas sociais
existentes, não é utilizado no âmbito do governo federal.

Apesar de algumas experiências na esfera estadual, na experiência brasileira o


Orçamento Participativo foi concebido e praticado inicialmente como uma
forma de gerir os recursos públicos municipais.
Resposta: Certa

(CESPE - Analista Judiciário – Administração - TRE/BA - 2010) Um dos


objetivos estratégicos do TRE/BA consiste em aprimorar a
comunicação com o público externo. Para tanto, o plano de atuação

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 28 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

institucional do Tribunal estabeleceu como objetivo: “Aprimorar a


comunicação com o público externo, com linguagem clara e acessível,
disponibilizando, com transparência, informações sobre o papel, as
ações e as iniciativas do TRE/BA, o andamento processual, os atos
judiciais e administrativos, os dados orçamentários e de desempenho
operacional”.
Internet: <www.tre-ba.gov.br> (com adaptações).
Tendo como referência o texto acima, julgue o item seguinte acerca de
planejamento e transparência de informações orçamentárias.
33) O orçamento-programa permite a alocação de recursos visando à
consecução de objetivos e metas, além da estrutura do orçamento ser
direcionada para os aspectos administrativos e de planejamento, o que
vai ao encontro do planejamento e da gestão estratégica do TRE/BA.

O orçamento-programa é um instrumento de planejamento da ação do


governo, por meio da identificação dos seus programas de trabalho, projetos e
atividades, com estabelecimento de objetivos e metas a serem implementados
e previsão dos custos relacionados. Permite a alocação de recursos visando à
consecução de objetivos e metas, além da estrutura do orçamento ser
direcionada para os aspectos administrativos e de planejamento, o que vai ao
encontro do planejamento e da gestão estratégica do TRE/BA.
Resposta: Certa

34) (CESPE – Analista Judiciário – Administração – TJCE - 2008) A


proposta orçamentária para 2009, em tramitação no Congresso,
poderá servir de experimento para uma iniciativa que a Comissão
Mista de Orçamento quer adotar nos próximos anos: o orçamento
federal participativo. A principal característica desse tipo de
orçamento é a participação direta da população na definição das
prioridades para a obtenção da receita e para as despesas correntes
obrigatórias.

Ainda que o orçamento participativo alcançasse o nível federal, a principal


característica desse tipo de orçamento é a participação direta da população na
definição das prioridades na fase de elaboração, no que se refere às despesas
discricionárias. A população não opina na obtenção da receita, tampouco
para as despesas obrigatórias.
Resposta: Errada

35) (CESPE - Analista de Controle Externo - TCE/TO - 2008)


Orçamento programa possui medidas de desempenho com a finalidade
de medir as realizações, os esforços despendidos na execução do
orçamento e a responsabilidade pela sua execução.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 29 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

Por meio do orçamento-programa, tem-se o estabelecimento de objetivos e a


quantificação de metas, com a consequente formalização de programas
visando ao atingimento das metas e alcance dos objetivos. As medidas de
desempenho têm diversas finalidades, como a medição de realizações, os
esforços despendidos na execução do orçamento e a responsabilidade pela sua
execução.
Resposta: Certa

36) (CESPE – Analista Administrativo – ANTAQ – 2009) A necessidade


de definição clara e precisa dos objetivos governamentais é condição
básica para a adoção do orçamento-programa. No caso, por exemplo,
de tornar-se um rio navegável, serão necessárias indicações sobre os
resultados substantivos do programa, que envolverão informações,
tais como redução no custo do transporte e diminuição dos acidentes e
das perdas com a carga.

O orçamento-programa tem como foco os fins, o objetivo do gasto. Por isso,


não basta apenas ter como meta tornar um rio navegável. São necessárias
indicações sobre os resultados substantivos do programa, com os respectivos
benefícios para a sociedade.
Resposta: Certa

37) (CESPE – Procurador Federal – AGU – 2010) Tratando-se de


orçamento participativo, a iniciativa de apresentação do projeto de lei
orçamentária cabe a parcela da sociedade, a qual o encaminha para o
Poder Legislativo.

O orçamento participativo visa à participação real da população no processo


de elaboração e a alocação dos recursos públicos de forma eficiente e eficaz
segundo as demandas sociais. Há um aperfeiçoamento da etapa que se
desenvolveria apenas no Executivo. No orçamento participativo, a comunidade
é considerada a parceira do Executivo no processo orçamentário. A iniciativa
de apresentação do projeto de lei orçamentária permanece com o Poder
Executivo.
Resposta: Errada

38) (CESPE - Analista de Controle Externo - TCE/TO - 2008)


Orçamento programa tem como característica a não existência de
direitos adquiridos em relação aos recursos autorizados no orçamento
anterior, devendo ser justificadas todas as atividades a serem
desenvolvidas no exercício corrente.

O Orçamento Base Zero tem como característica a não existência de direitos


adquiridos em relação aos recursos autorizados no orçamento anterior,

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 30 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

devendo ser justificadas todas as atividades a serem desenvolvidas no


exercício corrente.
Resposta: Errada

39) (CESPE – Analista Judiciário – TST – 2008) O orçamento público


passa a ser utilizado sistematicamente como instrumento da política
fiscal do governo a partir da década de 30 do século XX, por influência
da doutrina keynesiana, tendo função relevante nas políticas de
estabilização da economia, na redução ou expansão do nível de
atividade.

Já no século XX, a partir da década de 30, no momento que o capitalismo vivia


uma de suas mais graves crises, o economista britânico John Maynard Keynes
revisou as teorias liberais de Adam Smith, principalmente no que se refere a
não intervenção do Estado na economia. A doutrina Keynesiana passou a
reconhecer o orçamento público como instrumento a ser utilizado
sistematicamente para o alcance da política fiscal, com vistas à estabilização, à
expansão ou à retração da atividade econômica.
Resposta: Certa

40) (CESPE - Analista Judiciário – STF - 2008) A adoção do orçamento


moderno está associada à concepção do modelo de Estado que, desde
antes do final do século XIX, deixa de caracterizar-se por mera postura
de neutralidade, própria do laissez-faire, e passa a ser mais
intervencionista, no sentido de corrigir as imperfeições do mercado e
promover o desenvolvimento econômico.

Antes do final do século XIX, percebe-se que o Orçamento elaborado com base
na neutralidade não mais atendia às necessidades do Estado. Desenvolveu-se
a tese de um Orçamento moderno, o qual deveria ser um instrumento de
administração.
Resposta: Certa

41) (CESPE – Oficial Técnico de Inteligência – Planej Estrat. - ABIN –


2010) Na elaboração do orçamento base-zero, é possível alterar a
responsabilidade da carga de trabalho, a partir de uma base-zero,
prescindindo-se da análise do custo-benefício de todos os projetos,
processos e atividades.

No orçamento de base zero são confrontados os novos programas pretendidos


com os programas em execução, sua continuidade e suas alterações. Isso faz
com que os gerentes de todos os níveis avaliem melhor as prioridades,
confrontando-se incrementos pela ponderação de custos e benefícios, a fim de
que ocorra uma aplicação eficiente das dotações em suas atividades.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 31 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

Assim, não há como prescindir (dispensar) da análise do custo-benefício de


todos os projetos, processos e atividades.
Resposta: Errada

42) (CESPE – Contador – IPAJM – 2010) Foi particularmente a partir


da revolução keynesiana que o orçamento passou a ser concebido
como instrumento de política fiscal, com vistas à estabilização, à
expansão ou à retração da atividade econômica.

Já no século XX, a partir da década de 30, no momento que o capitalismo vivia


uma de suas mais graves crises, o economista britânico John Maynard Keynes
revisou as teorias liberais de Adam Smith, principalmente no que se refere a
não intervenção do Estado na economia. A doutrina Keynesiana passou a
reconhecer o orçamento público como instrumento a ser utilizado
sistematicamente para o alcance da política fiscal, com vistas à estabilização, à
expansão ou à retração da atividade econômica.
Resposta: Certa

43) (CESPE - Analista Judiciário – STF - 2008) Com a Constituição de


1891, que se seguiu à Proclamação da República, a elaboração da
proposta orçamentária passou a ser privativa do Poder Executivo,
competência que foi transferida para o Congresso Nacional somente na
Constituição de 1934.

Com a Constituição de 1891, que se seguiu à Proclamação da República, a


elaboração da proposta orçamentária passou a ser privativa do Congresso
Nacional, competência que foi compartilhada com o Poder Executivo
somente na Constituição de 1934.
Resposta: Errada

44) (CESPE - Gestão Econômico-Financeira e de Custos- Min. da Saúde-


2008) As superestimativas de receita na proposta orçamentária
somente são possíveis porque a lei orçamentária anual tem o caráter
autorizativo.

O intuito de superestimar a receita da LOA é para aumentar também a


despesa, acomodando interesses políticos, já que pelo princípio do equilíbrio,
os valores totais de receitas e despesas devem ser iguais. As superestimativas
de receita em uma proposta orçamentária somente são possíveis porque a LOA
tem o caráter autorizativo, ou seja, não existe obrigatoriedade de execução
das despesas consignadas.
Caso a LOA tivesse caráter impositivo, todas as despesas deveriam ser
necessariamente executadas, logo não seria possível criar receitas fictícias que
não se efetivariam para cobrir as despesas.
Resposta: Certa

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 32 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

45) (CESPE – Oficial Técnico de Inteligência – Administração - ABIN –


2010) De acordo com a concepção tradicional, o orçamento público é
caracterizado como mero inventário dos meios com os quais o Estado
conta para cumprir suas tarefas, sendo as funções de alocação,
distribuição e estabilização relegadas a segundo plano.

O orçamento tradicional é uma peça meramente contábil financeira, sem


nenhuma espécie de planejamento das ações do Governo, onde prevalece o
aspecto jurídico do orçamento em detrimento do aspecto econômico, o qual
possui função secundária. Almeja-se a neutralidade e a busca pelo equilíbrio
financeiro. As funções de alocação, distribuição e estabilização ficam em
segundo plano. Portanto, o orçamento tradicional é somente um documento de
previsão de receita e de autorização de despesas.
Resposta: Certa

46) (CESPE - Agente Técnico de Inteligência - Administração - ABIN -


2010) A ação do governo por meio da política fiscal abrange as
funções alocativa, distributiva e fiscalizadora.

O Governo desenvolve funções com objetivos específicos, porém relacionados,


utilizando os instrumentos de intervenção de que dispõe o Estado.
A classificação cobrada em concursos é a de Richard Musgrave (1974), a qual
se tornou clássica. Ele propôs uma classificação denominada de funções fiscais.
Entretanto, considerando o orçamento como principal instrumento de ação do
Estado na economia, o próprio autor as considera também como as próprias
funções do orçamento: alocativa, distributiva e estabilizadora.
Resposta: Errada

47) (CESPE - AUFC - TCU - 2008) A teoria de finanças públicas


consagra ao Estado o desempenho de três funções primordiais:
alocativa, distributiva, e estabilizadora. A função distributiva deriva da
incapacidade do mercado de suprir a sociedade de bens e serviços de
consumo coletivo. Como esses bens e serviços são indispensáveis para
a sociedade, cabe ao Estado destinar recursos de seu orçamento para
produzi-los e satisfazer sua demanda.

A função alocativa visa à promoção de ajustamentos na alocação de


recursos. É o Estado oferecendo determinados bens e serviços necessários e
desejados pela sociedade, porém que não são providos pela iniciativa privada.
O setor público pode atuar produzindo diretamente os produtos e serviços ou
via mecanismos que propiciem condições para que sejam viabilizados pelo
setor privado.
Assim, a função alocativa deriva da incapacidade do mercado de suprir a
sociedade de bens e serviços de consumo coletivo. Como esses bens e serviços

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 33 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

são indispensáveis para a sociedade, cabe ao Estado destinar recursos de seu


orçamento para produzi-los e satisfazer sua demanda.
Resposta: Errada

48) (CESPE - Gestão de orçamento e finanças - IPEA - 2008) Após a


Segunda Guerra Mundial, os déficits públicos excessivamente altos e a
crise econômica mundial levaram à assinatura do Acordo de Bretton
Woods e à criação do Banco Mundial e do Fundo Monetário
Internacional (FMI). É correto afirmar que, nessas circunstâncias, a
maior preocupação dos formuladores de políticas públicas devia ser
com a função alocativa dos governos.

Em situações de crise econômica, a maior preocupação dos formuladores de


políticas públicas deveria ser com a função estabilizadora dos governos. O
campo de atuação dessa função é principalmente a manutenção de elevado
nível de emprego e a estabilidade nos níveis de preços. Destaca-se ainda a
busca do equilíbrio no balanço de pagamentos e de razoável taxa de
crescimento econômico.
Resposta: Errada

49) (CESPE - Analista Judiciário - TST - 2008) A utilização da política


orçamentária para os propósitos de estabilização econômica implica
promover ajustes no nível da demanda agregada, expandindo-a ou
restringindo-a, e provocando a ocorrência de déficits ou superávits.

O mecanismo básico da estabilização é a atuação sobre a demanda agregada,


que representa a quantidade de bens ou serviços que a totalidade dos
consumidores deseja e está disposta a adquirir por determinado preço e em
determinado período. Assim, a função estabilizadora age na demanda
agregada de forma a aumentá-la ou diminuí-la, provocando a ocorrência de
déficits ou superávits.
Resposta: Certa

50) (CESPE – Analista Judiciário – TST – 2008) A principal


característica do orçamento-programa, em contraposição com os
orçamentos tradicionais, é a ênfase no objetivo — e não no objeto —
do gasto. Em organizações mais simples, que desempenham uma única
função, a indicação do objeto do gasto ou a natureza da despesa é
suficiente para se identificar, ainda que indiretamente, o objetivo dos
dispêndios realizados pela unidade responsável.

A principal característica do orçamento-programa é a ênfase no objetivo do


gasto. Em alguns casos, a definição do objeto do gasto é suficiente para se
identificar, ainda que indiretamente, o objetivo dos dispêndios realizados pela
unidade responsável, como por exemplo, nas ações ligadas ao funcionamento

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 34 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

de um órgão com estrutura mais simples.


Resposta: Certa

51) (CESPE – Consultor do Executivo – SEFAZ/ES – 2010) A


intervenção do Estado na economia, justificada pela função
distributiva, tem por objetivo complementar a ação privada, por meio
do orçamento público, com investimentos em infraestrutura e provisão
de bens meritórios.

A intervenção do Estado na economia, justificada pela função alocativa, tem


por objetivo complementar a ação privada, por meio do orçamento público,
com investimentos em infraestrutura e provisão de bens meritórios.
Resposta: Errada

52) (CESPE – Oficial Técnico de Inteligência – Planej Estrat. - ABIN –


2010) Identificam-se duas vantagens na implementação do orçamento
base-zero: a rapidez de elaboração e a facilidade de execução.

Incluem-se entre as desvantagens do Orçamento de Base-zero a dificuldade,


a lentidão e o alto o custo da elaboração.
Resposta: Errada

53) (CESPE - Analista Ambiental - Administração e Planejamento -


MMA - 2008) O orçamento base-zero caracteriza-se como um modelo
do tipo racional, em que as decisões são voltadas para a maximização
da eficiência na alocação dos recursos públicos. Adota-se, como
procedimento básico, o questionamento de todos os programas em
execução, sua continuidade e possíveis alterações, em confronto com
novos programas pretendidos.

Na abordagem do orçamento de base-zero, na fase de elaboração da proposta


orçamentária, haverá um questionamento acerca das reais necessidades de
cada área, não havendo compromisso com qualquer montante inicial de
dotação. São confrontados os novos programas pretendidos com os programas
em execução, sua continuidade e suas alterações. Isso faz com que os
gerentes de todos os níveis avaliem melhor a aplicação eficiente das dotações
em suas atividades.
Resposta: Certa

54) (CESPE - Técnico de Orçamento - MPU - 2010) De acordo com o


conceito de orçamento-programa, devem-se valorizar o gasto público e
o que o governo adquire, em detrimento do que se pretende realizar.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 35 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

O orçamento tradicional é que valoriza o que se adquire, ou seja, o objeto do


gasto. Já o orçamento programa privilegia o objetivo do gasto, ou seja, o que
se pretende realizar.
Resposta: Errada

55) (CESPE – Analista Judiciário – TST – 2008) O orçamento-programa


se diferencia do orçamento incremental pelo fato de que este último
pressupõe uma revisão contínua da estrutura básica dos programas,
com aumento ou diminuição dos respectivos valores.

O orçamento-programa se diferencia do orçamento incremental pelo fato de


que o primeiro pressupõe uma revisão contínua da estrutura básica dos
programas, com aumento ou diminuição dos respectivos valores.
Resposta: Errada

56) (CESPE - AUFC - TCU - 2008) Entre as maiores restrições


apontadas em relação ao chamado orçamento participativo, destacam-
se a pouca legitimidade, haja vista a perda de participação do Poder
Legislativo, e a maior flexibilidade na programação dos investimentos.

No orçamento participativo considera-se que há uma perda da flexibilidade.


Ocorre uma maior rigidez na programação dos investimentos, pois se tem uma
decisão compartilhada com a comunidade, ao contrário da decisão
monopolizada pelo Executivo no processo tradicional. Ainda, não há perda da
participação do Legislativo e nem diretamente de legitimidade.
Resposta: Errada

57) (CESPE – Administrador – Ministério da Previdência Social – 2010)


Para os críticos da concepção do orçamento integrado ao
planejamento, gera-se forte tendência à perpetuação de programas e à
preservação dos recursos assegurados ao longo do tempo. Quanto
mais intenso e acelerado for o incrementalismo orçamentário, mais
essa tendência à inércia se acentua.

O orçamento integrado ao planejamento evita o incrementalismo. No


orçamento tradicional, desvinculado do planejamento, é que se gera forte
tendência à perpetuação de programas e à preservação dos recursos
assegurados ao longo do tempo. Quanto mais intenso e acelerado for o
incrementalismo orçamentário, mais essa tendência à inércia se acentua.
Resposta: Errada

58) (CESPE - Técnico de Controle Externo - TCE/TO - 2008) O


orçamento-programa, também conhecido como orçamento clássico,
possui apenas uma dimensão explicitada do orçamento. Todos os

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 36 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

programas devem ser justificados cada vez que se inicia um novo ciclo
orçamentário.

O orçamento tradicional, também conhecido como orçamento clássico, possui


apenas uma dimensão explicitada do orçamento. Ainda, é no Orçamento de
Base Zero que todos os programas devem ser justificados cada vez que se
inicia um novo ciclo orçamentário.
Resposta: Errada

59) (CESPE – Técnico Administrativo – ANTAQ – 2009) O orçamento de


desempenho, também identificado como orçamento moderno, é aquele
elaborado com base nos programas de trabalho de governo que serão
executados durante o exercício financeiro.

O orçamento de desempenho se caracteriza pela apresentação de dois


quesitos: o objeto de gasto (secundário) e um programa de trabalho contendo
as ações desenvolvidas. No entanto, o orçamento identificado como moderno é
o orçamento-programa.
Resposta: Errada

60) (CESPE – Administrador – Ministério da Previdência Social – 2010)


Uma das vantagens apontadas com a adoção do orçamento
participativo é a sua maior legitimidade, com a substituição do Poder
Legislativo pela participação direta da comunidade nas decisões sobre
a alocação das dotações.

Uma das vantagens apontadas com a adoção do orçamento participativo é a


sua maior legitimidade, porém a participação direta da comunidade nas
decisões sobre a alocação das dotações não substitui o Poder Legislativo.
Resposta: Errada

61) (CESPE – Administrador – Ministério da Integração - 2013) A


função estabilizadora do Estado consiste na intervenção do governo na
economia, mediante políticas fiscal e monetária, para protegê-la de
flutuações bruscas, caracterizadas por desemprego em alta ou por
inflação em alta.

O campo de atuação da função estabilizadora é principalmente a manutenção


de elevado nível de emprego e a estabilidade nos níveis de preços.
Resposta: Certa

62) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa – TRT/10 – 2013) O


orçamento-programa é uma técnica ambiciosa de conciliação entre
planejamento e controle político na peça orçamentária. É sua eficácia
como instrumento de controle político que torna difícil sua

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 37 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

implantação, já que não há grandes dificuldades técnicas para a sua


operacionalização.

Há grandes dificuldades técnicas para a implantação do orçamento programa.


Uma delas é a definição dos produtos finais de um programa de trabalho, já
que algumas atividades também adicionam valores intangíveis, em
complemento aos físicos.
Resposta: Errada

63) (CESPE – Analista Técnico-Administrativo – Ministério da


Integração - 2013) O orçamento moderno, produto da evolução do
orçamento público, consiste no demonstrativo de autorizações do
legislativo e tem como finalidade a rigidez da gestão administrativa e a
redução da despesa pública.

O gasto público no orçamento programa deve estar vinculado a uma finalidade


relacionada aos resultados das ações governamentais. Não tem como
finalidade a rigidez da gestão administrativa e a redução da despesa pública,
ainda que isso possa ocorrer.
Resposta: Errada

64) (CESPE – Analista Técnico-Administrativo – Ministério da


Integração - 2013) A elevada despesa pública não supre a necessidade
da sociedade por bens e serviços, o que faz com que o setor privado,
em sua eficiência, intervenha nas ações do governo, mitigando as
falhas de mercado.

É o setor público que age para mitigar as falhas de mercado.


Resposta: Errada

65) (CESPE – Analista Técnico-Administrativo – Ministério da


Integração - 2013) Com a evolução do orçamento como instrumento
de planejamento, ampliaram-se as atribuições econômicas
governamentais voltadas para a promoção de ajustamentos na
alocação de recursos, na distribuição de renda e na manutenção da
estabilidade econômica.

Com a evolução do orçamento como instrumento de planejamento, ampliaram-


se as atribuições econômicas governamentais voltadas para a promoção de
ajustamentos na alocação de recursos (função alocativa), na distribuição de
renda (função distributiva) e na manutenção da estabilidade econômica
(função estabilizadora).
Resposta: Certa

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 38 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

66) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa - TRE/RJ – 2012)


Somente depois da CF, com a criação da lei de diretrizes orçamentárias
servindo de instrumento de ligação entre o plano plurianual e os
projetos e ações colocados efetivamente em prática, o orçamento
passou a exercer um papel no planejamento governamental.

Antes do final do mesmo século XIX, percebe-se que o orçamento


elaborado com base na neutralidade não mais atendia às necessidades do
Estado. Desenvolveu-se a tese de um orçamento moderno, o qual deveria ser
um instrumento de planejamento e de administração.
Resposta: Errada

67) (CESPE – Analista – Economia - ECB – 2011) Em uma economia de


livre mercado, sem a interferência do governo, fatores como a
oportunidade educacional, a habilidade individual e a propriedade dos
fatores de produção permitem garantir uma distribuição mais
igualitária da riqueza gerada pelo sistema econômico.

Uma economia de livre mercado não garante uma distribuição mais igualitária
da riqueza gerada pelo sistema econômico. É por isso que existe a função
distributiva, a qual visa à promoção de ajustamentos na distribuição de
renda. Ela surge em virtude da necessidade de correções das falhas de
mercado, inerentes ao sistema capitalista, contrabalanceando equidade e
eficiência.
Resposta: Errada

68) (CESPE – Especialista – FNDE – 2012) Quando usado como


instrumento de planejamento governamental, os recursos são
alocados no orçamento visando à consecução de objetivos e metas
previamente estabelecidas.

O orçamento-programa é um instrumento de planejamento da ação do


Governo, por meio da identificação dos seus programas de trabalho, projetos e
atividades, com estabelecimento de objetivos e metas a serem implementados
e previsão dos custos relacionados.
Resposta: Certa

69) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – CNJ - 2013) A


organização e a apresentação do orçamento público são as principais
preocupações do orçamento base-zero, enquanto a avaliação e a
tomada de decisão acerca das despesas ocupam, nesse modelo, um
papel secundário.

A avaliação de cada despesa e a tomada de decisão ocupam, no orçamento


base-zero, um papel de destaque. Os órgãos governamentais deverão

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 39 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

justificar anualmente, na fase de elaboração da sua proposta orçamentária, a


totalidade de seus gastos, sem utilizar o ano anterior como valor inicial
mínimo.
Resposta: Errada

70) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – CNJ - 2013) O


orçamento de desempenho pode ser considerado uma importante
evolução no processo de integração entre orçamento e planejamento.
Uma de suas principais características é a apresentação dos propósitos
e objetivos para os quais os créditos se fazem necessários.

O orçamento de desempenho ou por realizações pode ser considerado uma


importante evolução no processo de integração entre orçamento e
planejamento. Enfatiza o resultado dos gastos e não apenas o gasto em si. Em
outras palavras, há a apresentação dos propósitos para os quais os gastos se
fazem necessários. A ênfase reside no desempenho organizacional.
Resposta: Certa

E aqui terminamos nossa aula 4.

Na próxima aula trataremos da Receita Pública.

Forte abraço!

Sérgio Mendes

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 40 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

MEMENTO IV

ORÇAMENTO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS

ANO Elaboração e apreciação da proposta orçamentária

A competência da proposta era do Executivo e a aprovação do Legislativo


1824
(assembleia-geral composta pelos deputados e senadores).

Elaboração privativa do Congresso Nacional, com iniciativa da Câmara dos


1891
Deputados.

Presidente da República elabora e Legislativo vota, porém sem limites para


1934
emendas.

Elaborado por um departamento administrativo ligado à Presidência e votado


1937 pela Câmara e pelo Conselho Federal, o qual contava com membros nomeados
pelo Presidente.

Elaboração pelo Executivo e votação com a possibilidade de emendas pelo


1946
Legislativo.

Executivo elaborava a proposta e cabia ao Legislativo a aprovação,


1967
praticamente sem a possibilidade de emendas.

Elaboração é do Executivo e ao Legislativo cabe a votação e a proposição de


1988
emendas.

CLASSIFICAÇÕES:

Orçamento impositivo: despesas consignadas no orçamento devem ser


necessariamente executadas.

Orçamento autorizativo: não existe obrigatoriedade de execução das despesas


consignadas no orçamento público. É o adotado no Brasil.

FUNÇÕES CLÁSSICAS DO ORÇAMENTO

Alocativa: visa à promoção de ajustamentos na alocação de recursos quando no setor


privado não há a necessária eficiência de infraestrutura econômica ou provisão de bens
públicos e bens meritórios.

Distributiva: visa à promoção de ajustamentos na distribuição de renda. Surge em


virtude da necessidade de correções das falhas de mercado, inerentes ao sistema
capitalista.

Estabilizadora: visa a manter a estabilidade econômica, principalmente a manutenção


de elevado nível de emprego e a estabilidade nos níveis de preços. Destaca-se ainda a
busca do equilíbrio no balanço de pagamentos e de razoável taxa de crescimento
econômico.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 41 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

TIPOS DE ORÇAMENTO

Orçamento Legislativo: a elaboração, a votação e o controle do orçamento são


competências do Poder Legislativo. Normalmente ocorre em países parlamentaristas. Ao
executivo, cabe apenas a execução. Exemplo: Constituição Federal de 1891.
Orçamento Executivo: a elaboração, a votação, o controle e a execução são
competências do Poder Executivo. É típico de regimes autoritários. Exemplo: Constituição
Federal de 1937.
Orçamento Misto: elaboração e execução são de competência do Executivo, cabendo
ao Legislativo a votação e o controle. Exemplo: Constituição Federal de 1988.

ESPÉCIES DE ORÇAMENTO

Orçamento Tradicional ou Clássico: é uma peça meramente contábil – financeira –,


sem nenhuma espécie de planejamento das ações do governo, baseando-se no
orçamento anterior. Portanto, somente um documento de previsão de receita e de
autorização de despesas.

Orçamento de Base Zero: determina o detalhamento justificado de todas as despesas


públicas a cada ano, como se cada item da despesa fosse uma nova iniciativa do
governo.

Orçamento de Desempenho ou por Realizações: a ênfase reside no desempenho


organizacional, porém há desvinculação entre planejamento e orçamento.

Orçamento-Programa: instrumento de planejamento da ação do governo, por meio da


identificação dos seus programas de trabalho, projetos e atividades, com
estabelecimento de objetivos e metas a serem implementados e previsão dos custos
relacionados. Privilegia aspectos gerenciais e o alcance de resultados.

Orçamento Participativo: objetiva a participação real da população e a alocação dos


recursos públicos de forma eficiente e eficaz segundo as demandas sociais. Não se opõe
ao orçamento-programa e não possui uma metodologia única. No entanto, há perda da
flexibilidade e maior rigidez na programação dos investimentos. Experiência brasileira
ocorreu principalmente nos municípios.

ORÇAMENTO TRADICIONAL X ORÇAMENTO-PROGRAMA

TRADICIONAL PROGRAMA

Dissociação entre planejamento e


Integração entre planejamento e orçamento
orçamento

Visa à aquisição de meios Visa a objetivos e metas

Consideram-se as necessidades Consideram-se as análises das alternativas


financeiras das unidades disponíveis e todos os custos

Ênfase nos aspectos administrativos e de


Ênfase nos aspectos contábeis
planejamento

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 42 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

Classificação principal por unidades Classificação principal: funcional-


administrativas e elementos programática

Acompanhamento e aferição de Utilização sistemática de indicadores para


resultados praticamente inexistentes acompanhamento e aferição dos resultados

Controle da legalidade e honestidade do Controle visa a eficiência, eficácia e


gestor público efetividade

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 43 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

Complemento do aluno

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 44 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

LISTA DE QUESTÕES COMENTADAS NESTA AULA

1) (CESPE – AUFC – TCU – 2009) Em épocas de estagnação e recessão


econômica, as concepções keynesianas têm dado suporte à flexibilização na
aplicação do princípio do equilíbrio orçamentário, defendendo, inclusive, um
maior endividamento público, possibilitando uma utilização intensiva de
recursos ociosos esterilizados por agentes econômicos privados.

2) (CESPE – Analista Judiciário – Administração - TRE/BA – 2010) No período


do regime autoritário (1964-1984), o processo orçamentário brasileiro foi
completamente reorganizado com o fortalecimento do Poder Legislativo e a
recuperação do orçamento fiscal, que expressava a totalidade das receitas e
das despesas públicas.

3) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa – TRT/10 – Prova cancelada -


2013) O investimento na infraestrutura econômica configura um dos campos
exclusivos da função distributiva do orçamento.

(CESPE – Analista – Economia - ECB – 2011) Julgue o item subsequente,


relativo às funções econômicas do governo.
4) Em ocasiões em que o desemprego prevalece, a atuação do governo no
sentido de aumentar o nível de demanda no mercado com a recolocação da
produção no pleno emprego é um exemplo de aplicação da função distributiva
do Estado.

5) (CESPE – Analista Legislativo – Direito – ALCE – 2011) Não há que se falar


em competência concorrente em matéria de direito financeiro entre União,
estados e Distrito Federal, na medida em que o sistema financeiro nacional se
amolda ao pacto federativo, devendo cada ente da federação legislar adstrito à
sua competência constitucional.

6) (CESPE – Auditor de Controle Externo – TCDF – 2012) Considerando os


mecanismos básicos de atuação do Estado nas finanças públicas, julgue o
seguinte item.
No atual ordenamento constitucional brasileiro, a LOA é, simultaneamente,
uma lei especial e ordinária.

7) (CESPE – Procurador – ALES – 2011) O STF não tem reconhecido a


possibilidade de submissão das normas orçamentárias ao controle abstrato de
constitucionalidade em virtude dos efeitos concretos de seu conteúdo.

8) (CESPE – Administrador - TJ/RR – 2012) O orçamento público fixado na Lei


Orçamentária Anual não determina os gastos de modo impositivo ou
obrigatório.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 45 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

9) (CESPE – Analista Judiciário – Economia – STM - 2011) A principal função


do orçamento público tradicional é possibilitar aos órgãos de representação um
controle econômico sobre o Poder Executivo.

10) (CESPE – Contador – IPAJM – 2010) No orçamento de desempenho, em


sua concepção mais recente, os produtos obtidos pela ação governamental são
muito mais relevantes que os resultados econômicos e sociais alcançados.

11) (CESPE – Auditor Substituto de Conselheiro – TCE/ES – 2012) O


orçamento de base zero não pode ser implantado em instituições que adotem
o modelo de orçamento-programa.

12) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa – TRT/10 – 2013)


Concomitantemente ao aumento dos gastos, o orçamento público evoluiu como
peça de planejamento, ao mesmo tempo em que perdeu a sua forma de
programa de operação e apresentação dos meios de financiamento desse
programa, assumindo características contábeis formais, determinadas por lei.

13) (CESPE – Auditor de Controle Externo – Contábeis - TCE/ES – 2012) O


orçamento-programa consagra o principio de que o gasto público deve estar
vinculado a uma finalidade.

14) (CESPE - Agente Técnico de Inteligência – Administração - ABIN - 2010)


No Brasil, vigora o orçamento do tipo participativo, visto que todos os poderes
e órgãos da administração direta e alguns da administração indireta têm a
prerrogativa de elaborar suas próprias propostas orçamentárias.

15) (CESPE – Auditor de Controle Externo – TCE/ES – 2012) A principal função


do orçamento, na sua forma tradicional, e o controle político; em sua forma
moderna, o orçamento foca o planejamento.

16) (CESPE – Técnico Judiciário – Contabilidade – STM - 2011) O orçamento de


desempenho é a mais recente evolução do orçamento-programa, fruto das
pressões sociais por serviços públicos de melhor qualidade e por mais
transparência na gestão pública.

Julgue o item a seguir, a respeito dos métodos, técnicas e instrumentos do


orçamento público.
17) (CESPE – Analista – Contabilidade - ECB – 2011) A vinculação ao
planejamento constitui a principal característica do orçamento tradicional
transferida ao orçamento-programa.

18) (CESPE – Técnico Judiciário – Contabilidade – STM - 2011) Os objetivos e


propósitos, os programas e seus custos e as medidas de desempenho são
componentes essenciais do orçamento-programa.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 46 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

19) (CESPE – Técnico Judiciário – Contabilidade – STM - 2011) O orçamento-


programa objetiva facilitar o planejamento governamental.

20) (CESPE – AUFC – TCU – 2009) Um dos desafios do orçamento-programa é


a definição dos produtos finais de um programa de trabalho. Certas atividades
têm resultados intangíveis e que, particularmente na administração pública,
não se prestam à medição, em termos quantitativos.

21) (CESPE – Analista Judiciário – Contabilidade - TRE/RJ – 2012) A ênfase no


objeto do gasto, na classificação institucional e por elemento de despesa são
características do orçamento-programa.

22) (CESPE – Auditor de Controle Externo – TCE/ES – 2012) A alocação dos


recursos visa, no orçamento tradicional, a aquisição de meios e, no orçamento-
programa, ao atendimento de metas e objetivos previamente definidos.

23) (CESPE – Contador – IPAJM – 2010) O orçamento moderno nasceu sob a


égide do primado dos aspectos econômicos, deixando em segundo plano as
questões atinentes à programação.

(CESPE – Analista – Economia - ECB – 2011) Julgue o item subsequente,


relativo às funções econômicas do governo.
24) A função alocativa do governo se justifica pela necessidade da oferta de
bens e serviços desejados pela sociedade, mas que não são provisionados pelo
sistema de mercado.

25) (CESPE – Contador – IPAJM – 2010) O orçamento tradicional, ao colocar


em segundo plano os aspectos jurídicos, desconsiderava o critério da
neutralidade.

26) (CESPE – Administrador – Ministério da Previdência Social – 2010) A


execução orçamentária no Brasil, representada pelo modelo gerencial,
caracteriza-se pelo controle rígido do objeto dos gastos, independentemente
da consecução dos objetivos e das metas.

27) (CESPE - Técnico de Orçamento - MPU - 2010) O orçamento tradicional


tinha como função principal a de possibilitar ao parlamento discutir com o
órgão de execução as formas de planejamento relacionadas aos programas de
governo, visando ao melhor aproveitamento dos recursos, com base nos
aspectos relativos a custo/benefício.

28) (CESPE - Técnico de Controle Externo - TCE/TO - 2008) O orçamento-


programa tem seus principais critérios de classificação são as classificações
institucional e funcional.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 47 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

29) (CESPE – Contador – IPAJM – 2010) No orçamento-programa, a alocação


dos recursos está dissociada da consecução dos objetivos.

30) (CESPE - Contador – Min Saúde – 2010) Uma das diferenças essenciais
entre o orçamento tradicional e orçamento-programa diz respeito ao
planejamento. Enquanto o orçamento tradicional é o elo entre o planejamento
e as funções executivas da organização, no orçamento-programa, os processos
de planejamento e programação são dissociados.

31) (CESPE – Oficial Técnico de Inteligência – Planej Estrat. - ABIN – 2010) O


orçamento base-zero deve ser desenvolvido de forma isolada, com base nas
peculiaridades de cada área a ser atendida.

32) (CESPE – Inspetor de Controle Externo – TCE/RN – 2009) O orçamento


participativo, que apresenta vantagens inegáveis do ponto de vista da alocação
de recursos segundo as demandas sociais existentes, não é utilizado no âmbito
do governo federal.

(CESPE - Analista Judiciário – Administração - TRE/BA - 2010) Um dos


objetivos estratégicos do TRE/BA consiste em aprimorar a comunicação com o
público externo. Para tanto, o plano de atuação institucional do Tribunal
estabeleceu como objetivo: “Aprimorar a comunicação com o público externo,
com linguagem clara e acessível, disponibilizando, com transparência,
informações sobre o papel, as ações e as iniciativas do TRE/BA, o andamento
processual, os atos judiciais e administrativos, os dados orçamentários e de
desempenho operacional”.
Internet: <www.tre-ba.gov.br> (com adaptações).
Tendo como referência o texto acima, julgue o item seguinte acerca de
planejamento e transparência de informações orçamentárias.
33) O orçamento-programa permite a alocação de recursos visando à
consecução de objetivos e metas, além da estrutura do orçamento ser
direcionada para os aspectos administrativos e de planejamento, o que vai ao
encontro do planejamento e da gestão estratégica do TRE/BA.

34) (CESPE – Analista Judiciário – Administração – TJCE - 2008) A proposta


orçamentária para 2009, em tramitação no Congresso, poderá servir de
experimento para uma iniciativa que a Comissão Mista de Orçamento quer
adotar nos próximos anos: o orçamento federal participativo. A principal
característica desse tipo de orçamento é a participação direta da população na
definição das prioridades para a obtenção da receita e para as despesas
correntes obrigatórias.

35) (CESPE - Analista de Controle Externo - TCE/TO - 2008) Orçamento


programa possui medidas de desempenho com a finalidade de medir as

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 48 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

realizações, os esforços despendidos na execução do orçamento e a


responsabilidade pela sua execução.

36) (CESPE – Analista Administrativo – ANTAQ – 2009) A necessidade de


definição clara e precisa dos objetivos governamentais é condição básica para
a adoção do orçamento-programa. No caso, por exemplo, de tornar-se um rio
navegável, serão necessárias indicações sobre os resultados substantivos do
programa, que envolverão informações, tais como redução no custo do
transporte e diminuição dos acidentes e das perdas com a carga.

37) (CESPE – Procurador Federal – AGU – 2010) Tratando-se de orçamento


participativo, a iniciativa de apresentação do projeto de lei orçamentária cabe
a parcela da sociedade, a qual o encaminha para o Poder Legislativo.

38) (CESPE - Analista de Controle Externo - TCE/TO - 2008) Orçamento


programa tem como característica a não existência de direitos adquiridos em
relação aos recursos autorizados no orçamento anterior, devendo ser
justificadas todas as atividades a serem desenvolvidas no exercício corrente.

39) (CESPE – Analista Judiciário – TST – 2008) O orçamento público passa a


ser utilizado sistematicamente como instrumento da política fiscal do governo
a partir da década de 30 do século XX, por influência da doutrina keynesiana,
tendo função relevante nas políticas de estabilização da economia, na redução
ou expansão do nível de atividade.

40) (CESPE - Analista Judiciário – STF - 2008) A adoção do orçamento


moderno está associada à concepção do modelo de Estado que, desde antes do
final do século XIX, deixa de caracterizar-se por mera postura de neutralidade,
própria do laissez-faire, e passa a ser mais intervencionista, no sentido de
corrigir as imperfeições do mercado e promover o desenvolvimento econômico.

41) (CESPE – Oficial Técnico de Inteligência – Planej Estrat. - ABIN – 2010) Na


elaboração do orçamento base-zero, é possível alterar a responsabilidade da
carga de trabalho, a partir de uma base-zero, prescindindo-se da análise do
custo-benefício de todos os projetos, processos e atividades.

42) (CESPE – Contador – IPAJM – 2010) Foi particularmente a partir da


revolução keynesiana que o orçamento passou a ser concebido como
instrumento de política fiscal, com vistas à estabilização, à expansão ou à
retração da atividade econômica.

43) (CESPE - Analista Judiciário – STF - 2008) Com a Constituição de 1891,


que se seguiu à Proclamação da República, a elaboração da proposta
orçamentária passou a ser privativa do Poder Executivo, competência que foi
transferida para o Congresso Nacional somente na Constituição de 1934.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 49 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

44) (CESPE - Gestão Econômico-Financeira e de Custos- Min. da Saúde-2008)


As superestimativas de receita na proposta orçamentária somente são
possíveis porque a lei orçamentária anual tem o caráter autorizativo.

45) (CESPE – Oficial Técnico de Inteligência – Administração - ABIN – 2010)


De acordo com a concepção tradicional, o orçamento público é caracterizado
como mero inventário dos meios com os quais o Estado conta para cumprir
suas tarefas, sendo as funções de alocação, distribuição e estabilização
relegadas a segundo plano.

46) (CESPE - Agente Técnico de Inteligência - Administração - ABIN - 2010) A


ação do governo por meio da política fiscal abrange as funções alocativa,
distributiva e fiscalizadora.

47) (CESPE - AUFC - TCU - 2008) A teoria de finanças públicas consagra ao


Estado o desempenho de três funções primordiais: alocativa, distributiva, e
estabilizadora. A função distributiva deriva da incapacidade do mercado de
suprir a sociedade de bens e serviços de consumo coletivo. Como esses bens e
serviços são indispensáveis para a sociedade, cabe ao Estado destinar recursos
de seu orçamento para produzi-los e satisfazer sua demanda.

48) (CESPE - Gestão de orçamento e finanças - IPEA - 2008) Após a Segunda


Guerra Mundial, os déficits públicos excessivamente altos e a crise econômica
mundial levaram à assinatura do Acordo de Bretton Woods e à criação do
Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI). É correto afirmar
que, nessas circunstâncias, a maior preocupação dos formuladores de políticas
públicas devia ser com a função alocativa dos governos.

49) (CESPE - Analista Judiciário - TST - 2008) A utilização da política


orçamentária para os propósitos de estabilização econômica implica promover
ajustes no nível da demanda agregada, expandindo-a ou restringindo-a, e
provocando a ocorrência de déficits ou superávits.

50) (CESPE – Analista Judiciário – TST – 2008) A principal característica do


orçamento-programa, em contraposição com os orçamentos tradicionais, é a
ênfase no objetivo — e não no objeto — do gasto. Em organizações mais
simples, que desempenham uma única função, a indicação do objeto do gasto
ou a natureza da despesa é suficiente para se identificar, ainda que
indiretamente, o objetivo dos dispêndios realizados pela unidade responsável.

51) (CESPE – Consultor do Executivo – SEFAZ/ES – 2010) A intervenção do


Estado na economia, justificada pela função distributiva, tem por objetivo
complementar a ação privada, por meio do orçamento público, com
investimentos em infraestrutura e provisão de bens meritórios.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 50 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

52) (CESPE – Oficial Técnico de Inteligência – Planej Estrat. - ABIN – 2010)


Identificam-se duas vantagens na implementação do orçamento base-zero: a
rapidez de elaboração e a facilidade de execução.

53) (CESPE - Analista Ambiental - Administração e Planejamento - MMA -


2008) O orçamento base-zero caracteriza-se como um modelo do tipo racional,
em que as decisões são voltadas para a maximização da eficiência na alocação
dos recursos públicos. Adota-se, como procedimento básico, o questionamento
de todos os programas em execução, sua continuidade e possíveis alterações,
em confronto com novos programas pretendidos.

54) (CESPE - Técnico de Orçamento - MPU - 2010) De acordo com o conceito


de orçamento-programa, devem-se valorizar o gasto público e o que o governo
adquire, em detrimento do que se pretende realizar.

55) (CESPE – Analista Judiciário – TST – 2008) O orçamento-programa se


diferencia do orçamento incremental pelo fato de que este último pressupõe
uma revisão contínua da estrutura básica dos programas, com aumento ou
diminuição dos respectivos valores.

56) (CESPE - AUFC - TCU - 2008) Entre as maiores restrições apontadas em


relação ao chamado orçamento participativo, destacam-se a pouca
legitimidade, haja vista a perda de participação do Poder Legislativo, e a maior
flexibilidade na programação dos investimentos.

57) (CESPE – Administrador – Ministério da Previdência Social – 2010) Para os


críticos da concepção do orçamento integrado ao planejamento, gera-se forte
tendência à perpetuação de programas e à preservação dos recursos
assegurados ao longo do tempo. Quanto mais intenso e acelerado for o
incrementalismo orçamentário, mais essa tendência à inércia se acentua.

58) (CESPE - Técnico de Controle Externo - TCE/TO - 2008) O orçamento-


programa, também conhecido como orçamento clássico, possui apenas uma
dimensão explicitada do orçamento. Todos os programas devem ser
justificados cada vez que se inicia um novo ciclo orçamentário.

59) (CESPE – Técnico Administrativo – ANTAQ – 2009) O orçamento de


desempenho, também identificado como orçamento moderno, é aquele
elaborado com base nos programas de trabalho de governo que serão
executados durante o exercício financeiro.

60) (CESPE – Administrador – Ministério da Previdência Social – 2010) Uma


das vantagens apontadas com a adoção do orçamento participativo é a sua

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 51 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

maior legitimidade, com a substituição do Poder Legislativo pela participação


direta da comunidade nas decisões sobre a alocação das dotações.

61) (CESPE – Administrador – Ministério da Integração - 2013) A função


estabilizadora do Estado consiste na intervenção do governo na economia,
mediante políticas fiscal e monetária, para protegê-la de flutuações bruscas,
caracterizadas por desemprego em alta ou por inflação em alta.

62) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa – TRT/10 – 2013) O


orçamento-programa é uma técnica ambiciosa de conciliação entre
planejamento e controle político na peça orçamentária. É sua eficácia como
instrumento de controle político que torna difícil sua implantação, já que não
há grandes dificuldades técnicas para a sua operacionalização.

63) (CESPE – Analista Técnico-Administrativo – Ministério da Integração -


2013) O orçamento moderno, produto da evolução do orçamento público,
consiste no demonstrativo de autorizações do legislativo e tem como finalidade
a rigidez da gestão administrativa e a redução da despesa pública.

64) (CESPE – Analista Técnico-Administrativo – Ministério da Integração -


2013) A elevada despesa pública não supre a necessidade da sociedade por
bens e serviços, o que faz com que o setor privado, em sua eficiência,
intervenha nas ações do governo, mitigando as falhas de mercado.

65) (CESPE – Analista Técnico-Administrativo – Ministério da Integração -


2013) Com a evolução do orçamento como instrumento de planejamento,
ampliaram-se as atribuições econômicas governamentais voltadas para a
promoção de ajustamentos na alocação de recursos, na distribuição de renda e
na manutenção da estabilidade econômica.

66) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa - TRE/RJ – 2012) Somente


depois da CF, com a criação da lei de diretrizes orçamentárias servindo de
instrumento de ligação entre o plano plurianual e os projetos e ações colocados
efetivamente em prática, o orçamento passou a exercer um papel no
planejamento governamental.

67) (CESPE – Analista – Economia - ECB – 2011) Em uma economia de livre


mercado, sem a interferência do governo, fatores como a oportunidade
educacional, a habilidade individual e a propriedade dos fatores de produção
permitem garantir uma distribuição mais igualitária da riqueza gerada pelo
sistema econômico.

68) (CESPE – Especialista – FNDE – 2012) Quando usado como instrumento de


planejamento governamental, os recursos são alocados no orçamento visando
à consecução de objetivos e metas previamente estabelecidas.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 52 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

69) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – CNJ - 2013) A organização


e a apresentação do orçamento público são as principais preocupações do
orçamento base-zero, enquanto a avaliação e a tomada de decisão acerca das
despesas ocupam, nesse modelo, um papel secundário.

70) (CESPE – Técnico Judiciário – Administrativa – CNJ - 2013) O orçamento


de desempenho pode ser considerado uma importante evolução no processo
de integração entre orçamento e planejamento. Uma de suas principais
características é a apresentação dos propósitos e objetivos para os quais os
créditos se fazem necessários.

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 53 de 54


Administração Geral e Pública (Parte de Orçamento Público)
p/ Auditor Fiscal do Trabalho
Teoria e Questões Comentadas – Com Videoaulas
Prof. Sérgio Mendes – Aula 04

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
C E E E E C E C E E
11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
E E C E C E E C C C
21 22 23 24 25 26 27 28 29 30
E C E C E E E E E E
31 32 33 34 35 36 37 38 39 40
E C C E C C E E C C
41 42 43 44 45 46 47 48 49 50
E C E C C E E E C C
51 52 53 54 55 56 57 58 59 60
E E C E E E E E E E
61 62 63 64 65 66 67 68 69 70
C E E E C E E C E C

Prof. Sérgio Mendes www.estrategiaconcursos.com.br 54 de 54