Sie sind auf Seite 1von 270

Acionamentos industriais ABB

Manual de hardware
Acionamentos ACS880-07 (560 a 2800 kW)
Lista de manuais relacionados
Manuais e guias de hardware do acionamento Código (Inglês) Código (Português)
ACS880-07 (560 to 2800 kW) hardware manual 3AUA0000143261 3AUA0000147983
ACS-AP-X assistant control panels user’s manual 3AUA0000085685

Manuais e guias de firmware do acionamento


ACS880 diode supply control program firmware manual 3AUA0000103295
ACS880 primary control program firmware manual 3AUA0000085967 3AUA0000132496
Quick start-up guide for ACS880 drives with primary 3AUA0000098062 3AUA0000098062
control program

Manuais e guias de opcionais


Drive composer start-up and maintenance PC tool user’s 3AUA0000094606
manual
FSO-12 safety functions module user’s manual 3AXD50000015612
User’s manual for Prevention of unexpected start-up 3AUA0000145922
(+Q950) for ACS880-07/17/37 drives
User’s manual for Emergency stop, stop category 0 3AUA0000119895
(+Q951) for ACS880-07/17/37 drives
User’s manual for Emergency stop, stop category 1 3AUA0000119896
(+Q952) for ACS880-07/17/37 drives
User’s manual for Prevention of unexpected start-up 3AUA0000119910
(+Q957) for ACS880-07/17/37 drives
User’s manual for Emergency stop, stop category 0 3AUA0000119908
(+Q963) for ACS880-07/17/37 drives
User’s manual for Emergency stop, stop category 1 3AUA0000119909
(+Q964) for ACS880-07/17/37 drives
User’s manual for Emergency stop, configurable stop 3AUA0000145920
category 0 or 1 (+Q978) for ACS880-07/17/37 drives
User’s manual for Emergency stop, configurable stop 3AUA0000145921
category 0 or 1 (+Q979) for ACS880-07/17/37 drives
Manuais e guias rápidos para módulos de extensão E/S,
adaptadores de fieldbus, etc.

Pode encontrar na Internet manuais e outros documentos dos nossos produtos em formato PDF. Veja a
secção Biblioteca de documentação na Internet no interior da contracapa. Para manuais não disponíveis
na biblioteca de Documentos, contacte o representante local da ABB.

ACS880-07 (560 to 2800 kW)


manuals
Manual de hardware
Acionamentos ACS880-07
(560 a 2800 kW)

Índice

1. Instruções de segurança

4. Instalação mecânica

6. Instalação elétrica

9. Arranque

 2015 ABB Oy. Todos os direitos reservados. 3AUA0000147983 Rev C


PT
EFETIVO: 2015-07-20
5

Índice

1. Instruções de segurança
Conteúdo deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Uso de avisos e notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Segurança geral na instalação, arranque e manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Segurança elétrica na instalação, arranque e manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Precauções antes do trabalho elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Instruções e notas adicionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Ligação à terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Instruções adicionais para acionamento de motores de ímanes permanentes . . . . . . . 22
Segurança na instalação, arranque e manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

2. Introdução ao manual
Conteúdo deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Destinatários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Conteúdo do manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Manuais relacionados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Categorização por tamanho e código de opção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Fluxograma de instalação rápida, comissionamento e operação. . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Termos e abreviaturas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Dados de segurança (SIL, PL) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

3. Princípio de operação e descrição de hardware


Conteúdo deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Resumo do produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Panorâmica do diagrama de circuito do acionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Ligação 12 impulsos (opção +A004) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Alinhamento do armário e esquemas de layout . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Chassis 1×D8T + 2×R8i . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Chassis 2×D7T + 2×R8i (ligação a 12 impulsos, opção +A004) . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Chassis 2×D8T + 3×R8i . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Chassis 3×D8T + 4×R8i (com disjuntor principal, opção +F255) . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Layout do cubículo de controlo auxiliar (ACU) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Panorâmica das ligações de potência e de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Interruptores e iluminação da porta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Dispositivo de corte principal (Q1.1) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Interruptor de tensão auxiliar (Q21) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Interruptor de terra (ligação à terra) (Q9.x) (opcional) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Outros dispositivos na porta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Consola de programação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Controlo por ferramentas para PC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Descrições das opções de armário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Grau de proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
IP22 (standard) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
IP42 (opção +B054) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
IP54 (opção +B055) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
6

Entrada de ar de refrigeração através do fundo do armário (opção +C128) . . . . 47


Saída de ar canalizada (opção +C130) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Construção marítima (opção +C121) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Listagem UL (opção +C129) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Aprovação CSA (opção +C134) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Altura do plinto (opções +C164 e +C179) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Desenho sísmico (opção +C180) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Resistência de travagem (opções +D150 e +D151) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Filtros EMC (opção + E202) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Aquecedor armário com alimentação externa (opção +G300) . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Terminais para tensão de controlo externa (opção +G307) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Saída para o aquecedor do motor (opção +G313) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Marcações adicionais de cabos (opções +G340 e +G342) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Entrada da conduta de cabos (opção +H358) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Cubículo do terminal comum do motor (opção +H359) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Terminal comum de saída (opção +H366) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Bloco terminal adicional X504 (opção +L504) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Relés de termistor (opções +L505, +2L505) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Relés Pt100 (opções +2L506, +3L506, +5L506, +8L506) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Conteúdo da opção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Descrição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Etiqueta de designação do tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Código de designação de tipo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

4. Instalação mecânica
Conteúdo deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Análise do local da instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Ferramentas necessárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Verificação da entrega . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Movimentar e desembalar o acionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Movimentar o acionamento na sua embalagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Levantar a palete com um empilhador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Levantar a palete com um guindaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Movimentar a palete com um empilhador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Remoção da embalagem de transporte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Movimentar o armário do acionamento desembalado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Levantar o armário com um guindaste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Movimentar o armário em rodas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Movimentar o armário sobre a parte traseira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Colocação final do armário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Fixação do armário ao chão, à parede ou teto (unidades não-marítimas) . . . . . . . . . . 65
Regras gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
Métodos de fixação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Alternativa 1 - Com grampos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Alternativa 2 – Usando os furos no interior do armário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Fixação do armário ao chão e ao teto/parede (unidades marítimas) . . . . . . . . . . . . . . 67
União das divisórias de transporte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Diversos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Conduta de cabos no chão por baixo do armário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Entrada de ar pelo fundo do armário (opção +C128) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Conduta de saída de ar no topo do armário (opção +C130) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Cálculo da diferença de pressão estática requerida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Soldadura por arco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
7

5. Recomendações para planeamento da instalação elétrica


Conteúdo deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Limites de responsabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Seleção do dispositivo de corte de alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Seleção do contactor principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Análise da compatibilidade do motor e do acionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Proteção dos enrolamentos e das chumaceiras do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Tabela de requisitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Requisitos adicionais para motores anti-deflagrantes (EX) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Requisitos adicionais motores ABB - tipos diferentes de M2_, M3_, M4_, HX_
e AM_ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Requisitos adicionais para aplicações de travagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Requisitos adicionais para motores de alta potência e motores IP 23 da ABB . . . 77
Requisitos adicionais para motores de alta potência e motores IP 23 não-ABB . . 77
Dados adicionais para cálculo do tempo de subida e do pico de tensão
linha-a-linha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Seleção dos cabos de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Regras gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Tamanhos de cabo comuns . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
Tamanhos de cabo de entrada (alimentação) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
Tamanhos do cabo de saída (motor) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Tipos de cabos de potência alternativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Tipos de cabos de potência recomendados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Tipos de cabo de potência para uso limitado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Tipos de cabos de potência não permitidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Blindagem do cabo do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Requisitos US adicionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Condutas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Cabo de potência blindado / cabo armado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Planeamento do sistema de travagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Seleção dos cabos de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Blindagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Sinais em cabos separados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Sinais permitidos passar no mesmo cabo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Tipo de cabo de relé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Comprimento e tipo de cabo da consola de programação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Passagem dos cabos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Condutas do cabo de controlo separadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Blindagem do cabo do motor contínuo ou estrutura para equipamento no cabo
do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Implementação da proteção contra sobrecarga térmica e curto-circuito . . . . . . . . . . . . 87
Proteção do acionamento e cabo de potência de entrada em curto-circuitos . . . . . . 87
Proteção do motor e do cabo do motor em curto-circuitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Proteção do acionamento e dos cabos dos cabos de potência contra sobrecarga
térmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Proteção do motor contra sobrecarga térmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Proteção do acionamento contra falhas à terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Compatibilidade com o dispositivo de corrente residual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Implementação da função de paragem de emergência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Implementação da função de Binário seguro off . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Implementação da função de Prevenção de arranque inesperado. . . . . . . . . . . . . . . . . 88
Implementação das funções fornecidas pelo módulo de funções de segurança FSO-xx
(opção +Q972 ou +Q973) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
8

Declaração de Conformidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Implementação da função Ultrapassagem de perda de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Unidades com contactor principal (opção +F250) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Fornecimento de potência aos circuitos auxiliares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Uso de condensadores de compensação do fator de potência com o acionamento . . 90
Implementação de um interruptor de segurança entre o acionamento e o motor . . . . . 91
Proteção do contactos das saídas a relé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
Ligação de um sensor de temperatura do motor às E/S do acionamento . . . . . . . . . . . 92

6. Instalação elétrica
Conteúdo deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
Avisos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
Verificar o isolamento do conjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
Acionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
Cabo entrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
Motor e cabo do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
Conjunto de resistência de travagem personalizado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
Verificar a compatibilidade com sistemas IT (sem ligação à terra) . . . . . . . . . . . . . . . . 94
Colocação dos autocolantes do dispositivo na porta do armário . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
Verificação dos ajustes dos transformadores T21 e T101 e T111 . . . . . . . . . . . . . . . . 94
Toque em definições T21 e T101 (unidades 400…500 V) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Toque em definições T21 e T101 (unidades 690 V) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Toque em definições T111 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
Ligação dos cabos de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
Procedimento da ligação do cabo de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
Ligação à terra das blindagens exteriores dos cabos de controlo no
passa-cabos do armário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
Passagem dos cabos de controlo pelo interior do armário . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Ligação à unidade de controlo do inversor (A41) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Ligação de uma alimentação de tensão auxiliar 230/115 V AC
(UPS, opção +G307) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
Ligação dos botões de pressão da paragem de emergência
(opções +Q951, +Q952, +Q963, +Q964, +Q978, +Q979) . . . . . . . . . . . . . . . 101
Ligação do arrancador para ventilador auxiliar do motor
(opções +M602…+M610) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
Ligação do(s) relé(s) termistor (opções +L505 e +2L505) . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
Ligação dos relés Pt100 (opções +2L506, +3L506, +5L506, +8L506) . . . . . . . . 103
Arranque do equipamento de aquecimento e iluminação (opções +G300,
+G301 e +G313) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Ligação da monitorização de falha à terra para sistemas IT sem ligação à terra
(opção +Q954) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Ligação dos cabos do motor (unidades sem cubículo do terminal comum de motor
ou filtro de saída sinusoidal) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Esquema de ligação (sem opção +H366) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Esquema de ligação (com opção +H366) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Procedimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
Remoção do(s) módulo(s) inversor(es) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
Remoção e reinstalação do tambor do ventilador de um módulo inversor . . . . 112
Ligação dos cabos do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
Reinstalação do tambor do ventilador de um módulo inversor . . . . . . . . . . . . . 116
Reinserção do módulo inversor no cubículo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
Ligação dos cabos do motor (unidades com cubículo do terminal comum de motor
ou filtro de saída sinusoidal) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
9

Barramentos de saída . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117


Esquema de ligação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
Procedimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
Ligação de um conjunto de resistência de travagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
Ligação dos cabos de entrada de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
Diagrama de ligação, unidades de 6 impulsos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
Diagrama de ligação, unidades de 12 impulsos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
Esquema dos terminais de ligação do cabo de entrada e dos passa cabos . . . . . . 120
Procedimentos de ligação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
Ligação a um PC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
Barramento de consola (Controlo de diversas unidades desde uma consola de
programação) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
Instalação de módulos opcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
Instalação mecânica da extensão de E/S, adaptador de fieldbus e módulos
de interface do codificador de impulsos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
Instalação mecânica de um módulo de funções de segurança FSO-xx . . . . . . . . . 125
Ligação dos módulos opcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126

7. Unidades de controlo do acionamento


Conteúdo do capítulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
Esquema e ligações da unidade de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Esquema E/S por defeito da unidade de controlo inversor (A41) . . . . . . . . . . . . . . 131
Alimentação de potência externa para a unidade de controlo (XPOW) . . . . . . . . . . 132
ED6 como entrada do sensor PTC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
EA1 ou EA2 como entrada do sensor Pt100, Pt1000 ou KTY84 . . . . . . . . . . . . . . . 133
Entrada DIIL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
Ligação accionamento-para-accionamento (XD2D) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
Binário seguro off (XSTO, XSTO OUT) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
Ligação do módulo de funções de segurança FSO-xx (X12) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
Ranhura do cartão de memória SDHC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
Dados do conector da unidade de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135

8. Lista de verificação da instalação


Conteúdo deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
Avisos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
Lista de verificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139

9. Arranque
Conteúdo deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
Procedimento de arranque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
Verificações/Ajustes sem tensão ligada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
Ligação do circuito auxiliar do acionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
Ajuste dos parâmetros da unidade de alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
Ajuste dos parâmetros do acionamento e execução do primeiro arranque . . . . . 143
Ligação do circuito principal do acionamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Verificações em carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
10

10. Deteção de falhas


Conteúdo deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
LED . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
Mensagens de aviso e de falha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145

11. Manutenção
Conteúdo deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Intervalos de manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Tabela de intervalos da manutenção preventiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Armário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Limpeza do interior do armário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Limpeza das entradas de ar da porta (IP22 e IP42) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Limpeza das entradas de ar da porta (IP54) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
Limpeza dos filtros de saída (topo) (IP54) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
Substituição dos filtros de saída (topo) (IP54) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
Dissipador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
Ligações de potência e ligadores rápidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
Reaperto das ligações de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
Ventoinhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
Substituição do ventilador de refrigeração no cubículo do controlo auxiliar . . . . . . 152
Substituição do(s) ventilador(es) de refrigeração no cubículo de entrada . . . . . . . 153
Substituição do ventilador do topo (IP54/UL tipo 12) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
Substituir uma ventoinha de refrigeração do módulo de alimentação (D7T) . . . . . . . . 155
Substituição de um ventilador de refrigeração do módulo inversor ou de
alimentação (D8T) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
Substituição de um módulo de alimentação chassis D7T . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
Substituição de um módulo de alimentação chassis D8T . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
Substituição de um módulo inversor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
Operação reduzida da unidade inversora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
Ativação da função de operação reduzida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
Fusíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
Substituição dos fusíveis CA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
Substituição dos fusíveis CC no cubículo do módulo inversor . . . . . . . . . . . . . . . . 171
Substituição dos fusíveis CC do módulo de alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
Condensadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Beneficiação dos condensadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Consola de programação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Substituição da bateria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Unidades de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
Tipos de unidades de controlo BCU . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
Unidade de memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
Bateria da unidade de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175

12. Dados técnicos


Conteúdo deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
Gamas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
Definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
Desclassificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
Desclassificação da temperatura ambiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
Desclassificação por altitude . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
11

Desclassificação da frequência de comutação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180


Desclassificação frequência de saída . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
Tamanhos de chassis e tipos de módulos de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
Fusíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
Fusíveis CA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
Fusíveis CC na entrada do módulo inversor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
Fusíveis CC do módulo de alimentação interno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
Dimensões e pesos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
Requisitos de espaço livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
Dados de refrigeração, ruído . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
Dados do filtro sinusoidal de saída . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
Terminal e valores guia para os cabos de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
Dados terminais das unidades de controlo da alimentação e do inversor . . . . . . . . . . 188
Especificação da rede de potência elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
Dados de ligação do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
Dados de ligação da unidade de controlo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
Rendimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
Classes de proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
Condições ambiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
Materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
Normas aplicáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192
Marcação CE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
Conformidade com a Diretiva Europeia de Baixa Tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
Conformidade com a Diretiva Europeia EMC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
Conformidade com a Diretiva Europeia de Maquinaria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
Declaração de conformidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
Conformidade com a EN 61800-3:2004 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
Definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
Categoria C2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
Categoria C3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
Categoria C4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
Marcação UL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
Lista de verificação UL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
marcação CSA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
Marcação “C-tick” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
Marcação EAC (Conformidade Euroasiática) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
Binários de aperto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
Ligações elétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
Ligações mecânicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
Suportes de isolamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
Bornes de cabo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
Exclusões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
Exclusão genérica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
Exclusão de segurança cibernética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200

13. Dimensões
Conteúdo do capítulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
Dimensões do alinhamento do armário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
Tabelas de dimensões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
1×D8T + 2×R8i – ligação de 6-impulsos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
2×D7T + 2×R8i – ligação de 12-impulsos sem opção +F259 (interruptor de
ligação á terra) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
12

2×D7T + 2×R8i – ligação 12-impulsos com opção +F259


(interruptor de ligação à terra) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
2×D8T + 2×R8i – ligação 6-impulsos, 400/500 V . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
2×D8T + 2×R8i – ligação 6-impulsos, 690 V . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
2×D8T + 2×R8i – ligação 12-impulsos sem opção +F259
(interruptor de ligação à terra) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
2×D8T + 2×R8i – ligação 12-impulsos com opção +F259
(interruptor de ligação à terra) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
2×D8T + 3×R8i – ligação 6-impulsos; ligação 12-impulsos sem opção +F259
(interruptor de ligação à terra) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
2×D8T + 3×R8i – ligação 12-impulsos com opção +F259
(interruptor de ligação à terra) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
3×D8T + 3×R8i . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
3×D8T + 4×R8i . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
4×D8T + 3×R8i . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
4×D8T + 4×R8i . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
4×D8T + 5×R8i . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
Pesos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
Exemplos de esquemas dimensionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
Chassis 2×D7T + 2×R8i (12-impulsos) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
Chassis 1×D8T + 2×R8i (IP22) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
Chassis 1×D8T + 2×R8i, IP54 (+B055) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
Chassis 1×D8T + 2×R8i com cubículo do terminal comum do motor
(+H359), 1/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
Chassis 1×D8T + 2×R8i com cubículo do terminal comum do motor
(+H359), 2/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
Chassis 1×D8T + 2×R8i com choppers e resistências de trav
(+D150 +D151), 1/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
Chassis 1×D8T + 2×R8i com choppers e resistências de trav
(+D150 +D151), 2/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
Chassis 1×D8T + 2×R8i com filtro de saída sinusoidal (+E206), 1/2 . . . . . . . . . 218
Chassis 1×D8T + 2×R8i com filtro de saída sinusoidal (+E206), 2/2 . . . . . . . . . 219
Chassis 2×D8T + 2×R8i (12-impulsos) com interruptor de ligação à terra
(+F259) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220
Chassis 2×D8T + 3×R8i, 1/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
Chassis 2×D8T + 3×R8i, 2/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
Chassis 2×D8T + 3×R8i com cubículo do terminal comum do motor
(+H359), 1/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223
Chassis 2×D8T + 3×R8i com cubículo do terminal comum do motor
(+H359), 2/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
Chassis 2×D8T + 3×R8i com entrada pelo topo/saída pelo topo, 1/2 . . . . . . . . 225
Chassis 2×D8T + 3×R8i com entrada pelo topo/saída pelo topo, 2/2 . . . . . . . . 226
Chassis 3×D8T + 4×R8i, 1/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227
Chassis 3×D8T + 4×R8i, 2/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
Chassis 3×D8T + 4×R8i com cubículo do terminal comum do motor
(+H359), 1/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
Chassis 3×D8T + 4×R8i com cubículo do terminal comum do motor
(+H359), 2/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
Chassis 3×D8T + 4×R8i com entrada pelo topo/saída pelo topo, 1/2 . . . . . . . . 231
Chassis 3×D8T + 4×R8i com entrada pelo topo/saída pelo topo, 2/2 . . . . . . . . 232
Chassis 4×D8T + 5×R8i (6-imp) com ent/saída pelo topo, Listagem UL
(+C129), 1/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233
Chassis 4×D8T + 5×R8i (6-imp) com ent/saída pelo topo, Listagem UL
(+C129), 2/2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
13

Localização e tamanho dos terminais de entrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235


400 mm, entrada de cabo pelo fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
400 mm, entrada de cabo pelo topo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
600 mm, sem disjuntor principal, entrada de cabo pelo fundo
(incluindo unidades de 12-impulsos com interruptor de ligação à terra) . . . . . . . . 236
600 mm, sem disjuntor principal, entrada de cabo pelo topo
(incluindo unidades de 12-impulsos com interruptor de ligação à terra) . . . . . . . . 236
600 mm, unidades de 12-impulsos sem interruptor de ligação à terra,
entrada de cabo pelo fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237
600 mm, unidades de 12-impulsos sem interruptor de ligação à terra,
entrada de cabo pelo topo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237
600 mm, com disjuntor principal, entrada de cabo pelo fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
600 mm, com disjuntor principal, entrada de cabo pelo topo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
1000 mm (UL/CSA), entrada de cabo pelo topo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239
1000 mm (UL/CSA), entrada de cabo pelo fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 240
Localização e tamanho dos terminais de saída (unidades sem cubículo para terminal
comum do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241
Cubículo do módulo inversor com dois módulos, entrada de cabo pelo fundo . . . . 241
Cubículo módulo inversor c/2 módulos, entrada de cabo pelo topo . . . . . . . . . . . . . 241
Cubículo módulo inversor c/3 módulos, entrada de cabo pelo fundo . . . . . . . . . . . . 242
Cubículo módulo inversor c/3 módulos, entrada de cabo pelo topo . . . . . . . . . . . . . 242
Cubículo filro sinusoidal (+F206), saída de cabo pelo fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
Cubículo filro sinusoidal (+F206), saída de cabo pelo topo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
Cubículo da resistência de travagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244
Localização e tamanho dos terminais de saída (unidades com cubículo para
terminal comum do motor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245
Largura do cubículo 300 mm, entrada de cabo pelo fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245
Largura do cubículo 300 mm, entrada de cabo pelo topo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246
Largura do cubículo 400 mm, entrada de cabo pelo fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
Largura do cubículo 400 mm, entrada de cabo pelo topo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
Largura do cubículo 600 mm, entrada de cabo pelo fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248
Largura do cubículo 600 mm, entrada de cabo pelo topo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248

14. Função de Binário seguro off


Conteúdo do capítulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
Descrição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
Conformidade com a Diretiva Europeia de Maquinaria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
Cablagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251
Interruptor de ativação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251
Tipos e comprimentos de cabos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251
Blindagens de proteção de ligação à terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251
Unidade inversora chassis n×R8i (alimentação interna) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 252
Múltiplas unidades inversoras (alimentação interna) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
Múltiplas unidades inversoras (alimentação externa) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254
Princípio de operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
Arranque incluindo o teste de aceitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
Pessoa autorizada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
Relatórios do teste de aceitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
Procedimentos do teste de aceitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
Uso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257
Manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258
Deteção de falhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258
Dados de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 259
14

Abreviaturas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 259
Declaração de conformidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260

15. Travagem com resistências


Conteúdo deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
Princípio de operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
Choppers de travagem e resistências instaladas em fábrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
Dados técnicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
Gamas de combinações de chopper/resistência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
Resistências SAFUR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263
Dados dos terminais e passa cabos dos cubículos do chopper/resistência
instalados na fábrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263
Planeamento do sistema de travagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264
Verificação da capacidade do equipamento de travagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264
Resistências personalizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264
Cálculo da potência máxima de travagem (Pbr) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265
Seleção e passagem dos cabos de uma resistência personalizada . . . . . . . . . . . . 266
Minimização da interferência eletromagnética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
Comprimento máximo do cabo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
Conformidade EMC da instalação completa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
Colocação das resistências de travagem personalizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
Proteção do motor contra sobrecarga térmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
Proteção térmica das resistências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
Proteção do cabo da resistência contra curto-circuitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
Instalação mecânica das resistências de travagem personalizadas . . . . . . . . . . . . . 267
Instalação elétrica de resistências de travagem personalizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
Esquema de ligação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
Procedimento de ligação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268
Arranque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268

Informação adicional
Consultas de produtos e serviços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
Formação em produtos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
Informação sobre os manuais de Conversores de Frequência ABB . . . . . . . . . . . . . . 269
Biblioteca de documentação na Internet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
Instruções de segurança 15

1
Instruções de segurança

Conteúdo deste manual


Este capítulo contém as instruções de segurança que devem ser cumpridas durante a
instalação, operação e manutenção do acionamento. O não cumprimento das instruções
pode provocar ferimentos, morte ou danos no equipamento.

Uso de avisos e notas


Os avisos informam sobre as condições que podem provocar ferimentos ou morte e/ou
danos no equipamento. Também explicam como prevenir o perigo. Notas que alertam
para um facto ou condição particulares, ou que informam sobre um assunto.
O manual usa os seguintes símbolos de aviso:

Aviso de eletricidade informa sobre os perigos derivados da eletricidade que


podem provocar ferimentos, morte e/ou danificar o equipamento.

Aviso geral informa sobre as condições, diferentes das provocadas pela


eletricidade, que podem resultar em ferimentos, morte e/ou danificar o
equipamento.
Aviso de dispositivos eletrostáticos sensíveis informa sobre o risco de
descarga eletrostática que pode provocar danos no equipamento.
16 Instruções de segurança

Segurança geral na instalação, arranque e manutenção


Estas instruções destinam-se a todo o pessoal que instala e efetua trabalhos de
manutenção no acionamento.

AVISO! Cumpra estas instruções. O não cumprimento das mesmas pode


provocar ferimentos ou morte, ou danificar os equipamentos.

• Fixe o armário ao chão para evitar que este caia quando retira o módulo de potência
(módulos inversor/alimentação). Os módulos de potência são pesados e têm um
centro de gravidade elevado.

• Use luvas de proteção e peças de vestuário com manga comprida. Algumas partes
têm pontas afiadas.
• Manuseie os módulos inversor e de alimentação com cuidado:
• Use calçado de segurança com biqueiras em metal para evitar ferimentos nos
pés. Use luvas de proteção.
• Levante o módulo apenas com um dispositivo de elevação. Use os pontos de
elevação disponíveis para esse efeito, como apresentado no desenho abaixo.
• Não incline o módulo. Pode virar-se muito facilmente, porque é pesado e o seu
centro de gravidade é elevado.
• Certifique-se de que o módulo não cai quando o movimenta no chão. Sempre que
possível segure o módulo com correntes. Não deixe o módulo sozinho sobre um
piso inclinado.
• Não use a rampa de extração/instalação do módulo com alturas de rodapé supe-
riores a 50 mm. A rampa fornecida com o sistema de acionamento foi desenhada
para uma altura de rodapé de 50 mm (a altura de rodapé standard dos armários
da ABB).
• Segure a rampa de extração/instalação do módulo com cuidado.
• Empurre o módulo para o interior do armário e retire-o com cuidado, de preferên-
cia com a ajuda de outra pessoa. Mantenha pressão constante com um pé na
base do módulo para evitar que o módulo caia para trás.
Instruções de segurança 17

Suporte o topo e o fundo Não incline! Não deixe o módulo sozinho


do módulo quando extrair sobre um piso inclinado!
o mesmo do armário!

50 mm max.

Levante o módulo pela parte Cuidado com os dedos! Mantenha Suporte o topo e o fundo do
superior usando apenas os os dedos afastados das módulo quando inserir o
olhais de elevação existentes extremidades da flange frontal do mesmo no armário!
no topo do mesmo! módulo!

• Cuidado com as superfícies quentes. Algumas partes, tais como os dissipadores dos
semicondutores de potência e as resistências de travagem, permanecem quentes
algum tempo após o corte da alimentação elétrica.
• Mantenha o acionamento na sua embalagem ou protegido contra poeiras e resíduos
das furações e cortes, até ser instalado. Proteger também o conversor de frequência
instalado contra poeira e resíduos das furações. Os resíduos são eletricamente con-
dutores e no interior do acionamento podem danificar ou provocar o seu mau funcio-
namento.
• Aspire a área em volta do acionamento antes do arranque para evitar que a ventoinha
de refrigeração atraia poeira para o interior do acionamento.
• Não tape a entrada ou a saída de ar quando o acionamento estiver a funcionar.
• Certifique-se de que existe refrigeração suficiente. Veja a secção Análise do local da
instalação (página 57).
18 Instruções de segurança

• Antes de ligar a tensão ao acionamento, certifique-se de que as portas do armário


estão fechadas. Mantenha as portas fechadas durante a operação.
• Antes de ajustar os limites de operação do acionamento, certifique-se de que o motor
e todo o equipamento acionado conseguem funcionar ao longo dos limites de opera-
ção definidos.
• Antes de ativar as funções de rearme automático de falhas ou de arranque automático
do programa de controlo do acionamento, certifique-se de que não poderão ocorrer
quaisquer situações perigosas. Estas funções restauram o acionamento automatica-
mente e continuam a operação depois de uma falha ou de uma falha de alimentação.
• O número máximo de arranques do acionamento é de cinco em dez minutos. Arran-
que muito frequentes podem danificar o circuito de carga dos condensadores CC.
• Certifique-se de que os circuitos de segurança (por exemplo, paragem de emergência
e Binário seguro off) são validados no arranque. Veja o capítulo Função de Binário
seguro off (na página 249). Sobre outras funções de segurança, consulte as
instruções separadas.
Nota:
• Se selecionar uma fonte externa para o comando de arranque e esta estiver ativa, o
acionamento arranca imediatamente após o rearme de uma falha exceto se o aciona-
mento for configurado para arranque por impulso. Consulte o manual de firmware.
• Quando o local de controlo não for ajustado para Local, a tecla de paragem da
consola de programação não faz o acionamento parar.
• Apenas pessoal qualificado está autorizado a reparar um acionamento avariado.
Instruções de segurança 19

Segurança elétrica na instalação, arranque e manutenção


 Precauções antes do trabalho elétrico
Estes avisos são destinados a todos os que efetuam intervenções no acionamento, cabo
do motor ou no motor.

AVISO! Cumpra estas instruções. Se ignorar as mesmas, podem ocorrer ferimen-


tos ou morte, ou danos no equipamento. Se não for um eletricista qualificado, não
execute qualquer trabalho de instalação ou de manutenção no acionamento. Leia
estes passos antes de iniciar qualquer trabalho de instalação ou de manutenção.
1. Identifique claramente o local do trabalho.
2. Desligue todas as fontes de tensão possíveis.
• Abra o interruptor-seccionador principal (Q1.1) (ou retire o disjuntor principal, Q1)
do acionamento.
Nota: Em algumas unidades de 12 impulsos, existem dois interruptores/seccionadores
principais separados (Q1.1 e Q1.2), um para linha de alimentação de 6 impulsos. Deve
abrir ambos.
• Abra o seccionador do transformador de alimentação já que o interruptor-
seccionador principal ou disjuntor do acionamento não remove a tensão dos
barramentos internos do acionamento.
• Certifique-se de que não é possível ocorrer uma ligação. Bloqueie os desconecto-
res na posição aberta e coloque uma etiqueta de aviso nos mesmos.
• Desligue todas as fontes de alimentação externas (ex. UPS, alimentação do
ventilador do motor ou alimentação aquecedor do cubículo) dos circuitos de
controlo antes de trabalhar nos cabos de controlo.
• Depois de desligar o acionamento, aguarde sempre 5 minutos para deixar que os
condensadores do circuito intermédio descarreguem.
3. Proteja todas as outras partes energizadas no local de trabalho contra contacto.
4. Tome precauções especiais quando se encontrar próximo de condutores nus.
5. Meça e verifique se a instalação está desligada.
• Use um multímetro com uma impedância mínima de 1 Mohm.
• Certifique-se de que a tensão entre os terminais de entrada de potência do
acionamento (L1, L2, L3) e o barramento de ligação à terra (PE) está próxima de
0 V.
• Certifique-se de que a tensão entre os barramentos CC do acionamento (+ e -) e
o barramento de ligação à terra (PE) está próxima de 0 V.
6. Instale uma ligação à terra temporária como exigido pelos regulamentos locais. Feche
o interrutor ou interrutores de ligação à terra (opção +F259, Q9), se presente(s).
7. Solicite ao responsável do trabalho de instalação elétrica a licença de trabalho.
20 Instruções de segurança

 Instruções e notas adicionais

AVISO! Cumpra estas instruções. O não cumprimento das mesmas pode


provocar ferimentos ou morte, ou danificar os equipamentos.

• Se não é um eletricista qualificado, não execute qualquer trabalho de instalação


elétrica ou de manutenção.
• Não instale um acionamento com opção de filtro EMC +E202 num sistema de
potência sem terra ou num sistema de potência de elevada resistência (acima de 30
ohms).
• Não ligue o acionamento a uma tensão superior à indicada na etiqueta de designação
de tipo. Se o fizer, o chopper de travagem (se presente) começa a funcionar o que
provoca o sobreaquecimento da resistência de travagem. A sobretensão também
pode provocar a aceleração do motor até à velocidade máxima.
• Não recomendamos que fixe o armário por soldadura por arco. Se for necessário
fazê-lo, cumpra as instruções na página 72.
• Não efetue testes de isolamento ou de tensão no acionamento ou nos seus módulos.
Nota:
• Os terminais do cabo do acionamento estão a uma tensão perigosamente alta
quando a alimentação está ligada, independentemente do motor estar a rodar ou não.
• O barramento CC, chopper de travagem e resistências de travagem encontram-se a
uma tensão perigosa.
• A cablagem externa pode fornecer tensões perigosas aos terminais das saídas a relé
das unidades de controlo do acionamento.
• A função de Binário seguro off não remove a tensão dos circuitos principais e auxiliares.
A função não é eficaz contra sabotagem ou má utilização deliberada.

AVISO! Use uma pulseira de ligação à terra quando manusear cartas de circuito
impresso. Não toque nas cartas desnecessariamente. As cartas contêm compo-
nentes sensíveis a descargas eletrostáticas.

AVISO! Cumpra estas instruções. Se as ignorar, pode ocorrer mau funciona-


mento do equipamento e danos nos cabos de fibra ótica.

• Os cabos de fibra ótica devem ser manuseados com cuidado.


• Quando desligar cabos, segure o ligador e não o cabo.
• Não toque nas pontas das fibras com as mãos uma vez que estas são extremamente
sensíveis à sujidade.
• Não dobre os cabos de fibra ótica com muita força. O raio mínimo de curvatura
permitido é 35 mm (1.4").
Instruções de segurança 21

 Ligação à terra
Estas instruções são destinadas aos responsáveis pelas ligações à terra do acionamento.

AVISO! Cumpra estas instruções. Se ignoradas, podem ocorrer ferimentos ou


morte, ou o mau funcionamento do equipamento e a interferência eletromagnética
pode aumentar.

• Se não for um eletricista qualificado, não execute trabalhos de ligação à terra.


• Ligue sempre à terra o acionamento, o motor e o equipamento circundante. Isto é
necessário por motivos de segurança pessoal. A ligação correta à terra também reduz
a emissão e a interferência eletromagnética.
• Certifique-se de que a condutividade dos condutores de ligação à terra é suficiente.
Veja a secção Seleção dos cabos de potência (página 78). Cumpra os regulamentos
locais.
• Ligue as blindagens do cabo de potência à terra de proteção (PE) do acionamento
para confirmar a segurança pessoal.
• Faça uma ligação à terra a 360° das blindagens dos cabos de potência e de controlo
nas entradas do cabo para suprimir os distúrbios eletromagnéticos.
• Numa instalação de múltiplos acionamentos, ligue cada acionamento separadamente
ao barramento de proteção à terra (PE) do quadro de distribuição ou do transformador.
Nota:
• Pode usar as blindagens do cabo de alimentação como condutores de ligação à terra
apenas quando a sua condutividade for suficiente.
• Como a corrente de toque normal do acionamento é superior a 3.5 mA CA ou 10 mA
CC, deve usar uma ligação fixa à terra de proteção. Consulte a norma EN 61800-5-1,
4.3.5.5.2.
22 Instruções de segurança

Instruções adicionais para acionamento de motores de


ímanes permanentes
 Segurança na instalação, arranque e manutenção
Estes avisos adicionais são relativos a acionamento de motores de ímanes permanentes.
As restantes instruções de segurança neste capítulo também são válidas.

AVISO! Cumpra estas instruções. Se ignorar as mesmas, podem ocorrer


ferimentos ou morte e danos no equipamento.

• Não efetue qualquer trabalho no acionamento quando o motor de ímanes permanen-


tes estiver a rodar. Um motor de ímanes permanentes a rodar energiza o aciona-
mento, incluindo os seus terminais de potência de entrada.
Antes da instalação, arranque e manutenção no acionamento:
• Pare o motor.
• Desligue o motor do acionamento com um interruptor de segurança ou por outros
meios.
• Se não for possível desligar o motor, certifique-se de que o motor não consegue rodar
durante os trabalhos. Certifique-se de que nenhum outro sistema, como acionamen-
tos de arrasto hidráulicos, consegue rodar o motor diretamente ou através de uma
ligação mecânica como, feltro, lâmina, corda, etc.
• Meça e verifique se a instalação está desligada.
• Use um multímetro com uma impedância mínima de 1 Mohm.
• Certifique-se de que a tensão entre os terminais de saída de potência do aciona-
mento (U2, V2, W2) e o barramento de ligação à terra (PE) está próxima de 0 V.
• Certifique-se de que a tensão entre os terminais de entrada de potência do
acionamento (L1, L2, L3) e o barramento de ligação à terra (PE) está próxima de
0 V.
• Certifique-se de que a tensão entre os barramentos mais (+) e menos (-) da
ligação CC do acionamento e o barramento de ligação à terra (PE) está próxima
de 0 V.
• Instale uma ligação à terra temporária para os terminais de saída do acionamento
(U2, V2, W2). Ligue os terminais de saída em conjunto assim como ao PE.
• Certifique-se de que o operador não pode operar o motor acima da velocidade
nominal. O excesso de velocidade do motor provoca sobretensão, o que pode
danificar os condensadores do circuito intermédio do acionamento.
Introdução ao manual 23

2
Introdução ao manual

Conteúdo deste manual


Este capítulo descreve o manual. Inclui uma tabela com os passos de verificação da
entrega, instalação e arranque do acionamento. A tabela faz referência a capítulos/secções
neste e em outros manuais.

Destinatários
Este manual é dirigido aos que planeiam, instalam, arrancam, usam e reparam o
acionamento. Leia o manual antes de trabalhar no acionamento. É esperado que o leitor
tenha conhecimentos básicos de eletricidade, eletrificação, componentes elétricos e
símbolos esquemáticos de eletricidade.
Este manual foi escrito para utilizadores em todo o mundo. São utilizadas unidades SI e
imperiais.

Conteúdo do manual
Este manual contém as instruções e informação para a configuração básica do aciona-
mento. Os capítulos deste manual são resumidos abaixo.
Instruções de segurança fornece as instruções de segurança para a instalação, arranque,
operação e manutenção do acionamento.
Introdução ao manual fornece uma introdução a este manual.
Princípio de operação e descrição de hardware descreve o princípio de operação e
construção do acionamento.
Instalação mecânica descreve como instalar mecanicamente o acionamento.
24 Introdução ao manual

Recomendações para planeamento da instalação elétrica contém instruções para a


seleção do motor e dos cabos, proteções e passagem de cabos.
Instalação elétrica apresenta instruções sobre as ligações do acionamento.
Unidades de controlo do acionamento contém os esquemas de ligação de E/S por defeito,
descrições dos terminaisi e dados técnicos para unidades de controlo das unidades de
alimentação e inversoras.
Lista de verificação da instalação contém a lista de verificação da instalação mecânica e
elétrica do acionamento.
Arranque descreve o procedimento de arranque do acionamento.
Deteção de falhas descreve as possibilidades de deteção de falhas do acionamento.
Manutenção contém instruções de manutenção preventiva.
Dados técnicos contém as especificações técnicas do acionamento, como as gamas, os
tamanhos e os requisitos técnicos, as disposições para cumprimento dos requisitos para
as marcações CE e outras.
Dimensões contém exemplos de esquemas dimensionais do acionamento.
Função de Binário seguro off descreve a função Binário seguro off do acionamento e
instruções sobre a sua implementação.
Travagem com resistências descreve como selecionar, proteger e ligar os choppers e as
resistências de travagem opcionais. O capítulo também contém dados técnicos.

Manuais relacionados
Consulte Lista de manuais relacionados no interior da capa frontal.

Categorização por tamanho e código de opção


Algumas instruções, dados técnicos e desenhos dimensionais que dizem respeito apenas a
determinados tamanhos de chassis estão marcados com o símbolo do tamanho do chassis. O
tamanho do chassis indica o número de módulos de potência que formam, respetivamente, as
unidades de alimentação e inversoras. Por exemplo, a marcação “2×D8T + 3×R8i” refere-se a
um acionamento com uma unidade de alimentação constituída por dois módulos de alimenta-
ção a díodos D8T com dois quadros e uma unidade inversora constituída por módulos inver-
sores R8i de três quadros. O tamanho de chassis está marcado na etiqueta de designação de
tipo (veja a página 53), e também pode ser determinada pelo código de tipo (consulte a tabela
por baixo de Tamanhos de chassis e tipos de módulos de potência, página 180).
As instruções, os dados técnicos e os esquemas dimensionais que apenas dizem respeito
a determinadas opções selecionáveis estão marcadas com os códigos da opção (como
+E205). As opções incluídas no acionamento podem ser identificadas pelos códigos
opcionais visíveis na etiqueta de designação do tipo. As seleções opcionais estão listadas
na secção Código de designação de tipo (página 53).
Introdução ao manual 25

Fluxograma de instalação rápida, comissionamento e


operação.
Tarefa Ver

Planeie a instalação elétrica e adquira os acessórios necessários Recomendações para planeamento


(cabos, fusíveis, etc.). da instalação elétrica (página 73)
Verifique as gamas, os requisitos de fluxo do ar de refrigeração, a Dados técnicos (página 177)
ligação da entrada de alimentação, a compatibilidade do motor, a
ligação do motor e outros dados técnicos.

Verificar o local da instalação. Condições ambiente (página 190)

Desembale e verifique o acionamento (apenas unidades intactas Instalação mecânica (página 57)
podem ser arrancadas). Se o acionamento tiver estado
Certifique-se de que todos os módulos opcionais e equipamento parado durante mais de um ano, os
necessário estão presentes e corretos. condensadores da ligação CC
Monte o acionamento. devem ser beneficiados (página
173).

Passar os cabos. Passagem dos cabos (página 85)

Verifique o isolamento do cabo de alimentação, do motor e do cabo Verificar o isolamento do conjunto


do motor. (página 93)

Se o acionamento for ligado a um sistema IT (sem terra), verificar Verificar a compatibilidade com
se o acionamento não está equipado com filtro EMC +E202. sistemas IT (sem ligação à terra)
(página 94)

Ligar os cabos de alimentação. Ligação dos cabos de entrada de


Ligar os cabos de controlo. potência (página 119), Ligação dos
cabos de controlo (página 97),

Verificar a instalação. Lista de verificação da instalação


(página 139)

Arranque do acionamento. Arranque (página 141)

Operar o acionamento: arranque, paragem, controlo de velocidade, Guia rápido de arranque do


etc. ACS880, manual de firmware
26 Introdução ao manual

Termos e abreviaturas
Termo/ Explicação
Abreviatura
BCU Unidade de controlo do acionamento. O acionamento tem duas unidades de controlo BCU.
Uma controla a unidade de alimentação e a outra controla a unidade inversora.
Como standard, os sinais de controlo das E/S externas são ligados à unidade de controlo,
ou extensões de E/S opcionais montadas na mesma.
Acionamento Acionamento para controlo de motores CA. O acionamento é composto pelo unidade de
alimentação (conhecido como, conversor do lado da linha) e pelo unidade inversora
(conhecido como, conversor do lado do motor) ligados em conjunto pela ligação CC.
Neste manual, o termo refere-se ao ACS880-07 no seu todo.
EMC Compatibilidade eletromagnética
EMI Interferência eletromagnética
EMT Tubagem metálica elétrica
FAIO-01 Módulo de extensão de E/S analógicas opcional
FCAN-01 Módulo adaptador opcional FCAN-01 CANopen
FCNA-01 Módulo adaptador ControlNet™ opcional
FDCO-01 Módulo de comunicação DDCS opcional com dois pares de canais DDCS de 10 Mbit/s
FDNA-01 Módulo adaptador DeviceNet™ opcional
FECA-01 Módulo adaptador opcional EtherCAT
FEN-01 Módulo interface codificador incremental TTL opcional
FEN-11 Módulo de interface codificador absoluto TTL opcional
FEN-21 Módulo de interface descodificador opcional
FEN-31 Módulo interface codificador incremental HTL opcional
FENA-11 Módulo adaptador opcional Ethernet para protocolos EtherNet/IP™, Modbus TCP e
PROFINET IO
FENA-21 Módulo adaptador opcional Ethernet para protocolos EtherNet/IP™, Modbus TCP e
PROFINET IO, 2-portas
FEPL-01 Módulo adaptador opcional Ethernet POWERLINK
FIO-01 Módulo de extensão de E/S digitais opcional
FIO-11 Módulo de extensão de E/S analógicas opcional
FLON-01 Módulo adaptador LonWorks® opcional
FPBA-01 Módulo adaptador PROFIBUS DP opcional
Tamanho de Refere-se ao tipo de construção do componente em questão. Por exemplo, diversos tipos
chassis de acionamentos com diferentes gamas de potência podem ter a mesma construção base e
(tamanho) um tamanho de chassis é usado em referência a todos os tipos de acionamento.
Com o ACS880-07 (> 560 kW), a marcação do tamanho de chassis do acionamento indica
a quantidade e o tamanho do chassis dos módulos de alimentação, mais a quantidade e
tamanho de chassis dos módulos inversores, ex. “2×D8T + 3×R8i”.
Para determinar o tamanho do chassis do seu acionamento, consulte as tabelas de gamas
no capítulo Dados técnicos.
FSO-12, Módulos de segurança funcional opcionais
FSO-21
IGBT Transistor bipolar de porta isolada; um tipo semicondutor controlado por tensão ampla-
mente usado em acionamentos devido à sua fácil controlabilidade e elevada frequência de
comutação
Unidade A parte do acionamento que converte CC para CA para o motor. Constituída por módulos
inversora inversores e pelos seus componentes auxiliares.
E/S Entrada/Saída
Módulo de Módulo de alimentação ou módulo inversor. Veja também Tamanho de chassis (tamanho).
potência
Introdução ao manual 27

Termo/ Explicação
Abreviatura
RFI Interferência de radiofrequência
SAR Gama de aceleração segura
SBC Controlo de travagem segura
SLS Velocidade segura limitada sem codificador
SS1 Paragem segura 1
SSE Paragem segura de emergência
SSM Monitor de velocidade segura sem codificador
STO Binário seguro off
Unidade de A parte do acionamento que converte CA para CC. Constituída por módulos de alimentação
alimentação e pelos seus componentes auxiliares.

 Dados de segurança (SIL, PL)


Abr. Referência Descrição
Cat. EN ISO 13849-1 A classificação das peças relacionadas com segurança de um sistema
de controlo no que se refere à sua resistência a falhas e ao seu subse-
quente comportamento em condições de falha, e qual é atingida pela
disposição estrutural das peças, deteção de falhas e/ou pela sua fiabili-
dade. As categorias são: B, 1, 2, 3 e 4.
CCF EN ISO 13849-1 Falha causa comum (%)
CC EN ISO 13849-1 Cobertura do diagnóstico
FIT IEC 61508 Falha em tempo: 1E-9 horas
HFT IEC 61508 Tolerância falha Hardware
MTTFd EN ISO 13849-1 Tempo médio para falha perigosa: (O número total de unidades de
vida) / (o número de falhas perigosas, não detetadas) durante um
intervalo particular de medições sob determinadas condições
PFD IEC 61508 Probabilidade de falha sob pedido
PFHD IEC 61508 Probabilidade de falhas perigosas por hora
PL EN ISO 13849-1 Nível de desempenho. Níveis a…e correspondem a SIL
SC IEC 61508 Capacidade sistemática
SFF IEC 61508 Fração de falha segura (%)
SIL IEC 61508 Nível de integridade de segurança (1...3)
SILCL IEC/EN 62061 SIL máximo (nível 1…3) que pode ser reivindicado por uma função de
segurança ou subsistema
SS1 IEC/EN 61800-5-2 Paragem segura 1
STO IEC/EN 61800-5-2 Binário seguro off
T1 IEC 61508 Intervalo do teste de ensaio. T1 é um parâmetro usado para definir a
taxa de falha probabilística (PFH ou PFD) para a função ou subsistema
de segurança. É necessário executar um teste de prova com um inter-
valo máximo de T1 para manter a capacidade SIL válida. Deve ser
seguido o mesmo intervalo para manter a capacidade PL y (EN ISO
13849) válida. De notar que quaisquer valores T1 dados não podem
ser considerados como uma garantia.
Veja ainda a secção Manutenção (página 258).
28 Introdução ao manual
Princípio de operação e descrição de hardware 29

3
Princípio de operação e
descrição de hardware

Conteúdo deste manual


Este capítulo descreve resumidamente os princípios de operação e de construção do
acionamento.

Resumo do produto
O ACS880-07 é um acionamento instalado em armário com refrigeração por ar para
controlo de motores CA assíncronos de indução, motores síncronos de íman permanente
e servomotores CA de indução.
O acionamento é constituído por diversos cubículos que contém os terminas de alimenta-
ção e do motor, 1 a 4 módulos de alimentação a díodos, 2 a 5 módulos inversores e equi-
pamento opcional. A disposição atual dos compartimentos pode variar de tipo para tipo e
das opções selecionadas. Consulte o capítulo Dimensões sobre as diferentes variações
de alinhamento.
30 Princípio de operação e descrição de hardware

 Panorâmica do diagrama de circuito do acionamento

Alimentação CA
5

6 6 9
1
12
2
4 7 7 10

3
13

11

M
8 3~

1 *Interruptor-seccionador principal (Q1.1)


2 *Fusíveis CA
• Os chassis 1×D8T + 2×R8i (6 impulsos), 2×D7T + 2×R8i (12 impulsos), 2×D8T + n×R8i (12
impulsos) tem fusíveis CA instalados apenas no cubículo de entrada (ICU).
• Os chassis 2×D8T + 2×R8i e superior (6 impulsos) e 4×D8T + n×R8i (12 impulsos) têm fusíveis
CA instalados para cada módulo de alimentação no(s) cubículo(s) do módulo de alimentação.
Os fusíveis CA comuns adicionais são instalados no cubículo de entrada (ICU) se estiver
instalado o contactor geral principal (+F250)
3 *Contactor principal (Q2.1). Opcional (+F250) com chassis 2×D7T + 2×R8i, 2×D8T + 2×R8i e
2×D8T + 3×R8i. Unidades de 12 impulsos tem dois contactores (Q2.1 e Q2.2).
*Com unidades maiores, um disjuntor do circuito de ar é opcional (+F255) ou standard, substituindo os itens
1…3. Cada módulo de alimentação tem fusíveis CA dedicados instalados no cubículo(s) do módulo de
alimentação.
4 Módulo de alimentação. Converte corrente e tensão alterna em corrente e tensão direta. O
ACS880-07 tem 1…4 módulos de alimentação ligados em paralelo. As unidades de 12 impulsos
têm um ou dois módulos de alimentação por cada linha de alimentação de 6 impulsos.
5 Barramento CC
6 Fusíveis inversor CC
7 Módulo inversor. Converte corrente e tensão direta em corrente e tensão alterna. O ACS880-07
tem 2…5 módulos inversores ligados em paralelo.
8 Motor
9 **Fusíveis CC do chopper de travagem
10 **Chopper de travagem. Conduz o excesso de energia do circuito CC intermédio do acionamento
para a resistência de travagem, quando necessário. O chopper opera quando a tensão CC excede
um determinado limite máximo. O aumento de tensão é tipicamente provocado por desaceleração
(travagem) de um motor de elevada inércia.
11 **Resistências de travagem
**O chopper travagem (+D150) e resistências (+D151) estão opcionalmente disponíveis para os tamanhos
de chassis 1×D8T + 2×R8i e superior. Veja o capítulo Travagem com resistências (na página 261).
12 Interruptor tensão auxiliar (Q21) com fusíveis
13 Transformadores de tensão auxiliar (T21, T101, T111). T21 é standard; T101 e T111 são
adicionados sempre que requerido pelas opções pedidas.
Princípio de operação e descrição de hardware 31

Ligação 12 impulsos (opção +A004)


A figura abaixo ilustra a diferença entre as ligações de alimentação CA a 6 e a 12 impulsos.
A ligação de 6 impulsos é standard. Se o acionamento tiver um número par de módulos de
alimentação, é possível pedir uma versão de 12 impulsos (opção +A004).
A ligação a 12 impulsos elimina a quinta e a sétima harmónicas, que reduz notavelmente
a distorção harmónica da corrente de linha e as emissões conduzidas.
A ligação a 12 impulsos requer um transformador de três enrolamentos, ou dois transfor-
madores separados. Existe um desvio de fase de 30 graus entre as duas linhas de ali-
mentação a 6 impulsos, que estão ligadas a diferentes módulos de alimentação através
de um equipamento de comutação elétrica separado.

Ligação a 6 impulsos
3

1 2

Ligação a 12 impulsos
3
1 2

Nr. Descrição

1. Transformador de alimentação. Veja a secção Especificação da rede de potência elétrica (página


189) sobre os requisitos do transformador.

2. Equipamento de comutação

3. Módulos de alimentação a díodos


32 Princípio de operação e descrição de hardware

Alinhamento do armário e esquemas de layout


 Chassis 1×D8T + 2×R8i

A B C D

3 4

Exemplo de alinhamento de armário


A Cubículo de controlo auxiliar (ACU). Contém controlos eletrónicos e ligações de E/S do cliente.
Ver a página 40.
B Cubículo de entrada (ICU). Contém os terminais do cabo de entrada de potência de entrada e
aparelhagem.
C Cubículo do módulo de alimentação. Contém o módulo de alimentação D8T.
D Cubículo do módulo inversor. Contém dois módulos inversores R8i. Como standard, os cabos
do motor são passados de cada módulo inversor para o motor, exceto se o acionamento estiver
equipado com as opções +H359 (cubículo do terminal comum do motor), +H366 (terminais de
saída comuns) ou +E206 (filtros sinusoidais).
1 Interruptor-seccionador principal (Q1.1)
2 Interruptor de tensão auxiliar (Q21)
3 Consola de programação do acionamento (ver a página 46)
4 Interruptores e luzes da porta (ver a página 44)
Princípio de operação e descrição de hardware 33

8 10

9 11
3

Exemplo de layout do armário


A Cubículo de controlo auxiliar (ACU). Ver a página 40.
1 Passa-cabo do cabo de entrada, barramento PE
2 Terminais de entrada
3 Interruptor-seccionador principal (Q1.1)
4 Interruptor de terra (ligação à terra) (Q9.1) (opcional)
5 Fusíveis CA
6 Contactor principal (Q2.1) (opcional)
7 Interruptor tensão auxiliar (Q21) com fusíveis
8 Ventilador de refrigeração do cubículo de entrada
9 Módulo de alimentação
10 Fusíveis inversor CC
11 Módulos inversores Os terminais de saída estão situados atrás de cada módulo. Cada módulo
deve ser individualmente ligado ao motor usando cabo separado, exceto se o acionamento
estiver equipado com as opções +H359 (cubículo do terminal comum do motor), +H366
(terminais de saída comuns) ou +E206 (filtros sinusoidais).
34 Princípio de operação e descrição de hardware

 Chassis 2×D7T + 2×R8i (ligação a 12 impulsos, opção +A004)

A B C D

3 4
2

Exemplo de alinhamento de armário


A Cubículo de controlo auxiliar (ACU). Contém controlos eletrónicos e ligações de E/S do cliente.
Ver a página 40.
B Cubículo de entrada (ICU). Contém os terminais do cabo de entrada de potência de entrada e
aparelhagem. Com a opção +F259 (interruptor de ligação à terra), existem dois cubículos de
entrada, um para cada linha de alimentação a 6 impulsos.
C Cubículo do módulo de alimentação. Contém dois módulos de alimentação D7T, cada um dos
quais ligado a diferentes linhas de alimentação a 6 impulsos.
D Cubículo do módulo inversor. Contém dois módulos inversores R8i. Como standard, os cabos
do motor são passados de cada módulo inversor para o motor, exceto se o acionamento estiver
equipado com as opções +H359 (cubículo do terminal comum do motor), +H366 (terminais de
saída comuns) ou +E206 (filtros sinusoidais).
1 Interruptor-seccionador principal (Q1.1)
2 Interruptor de tensão auxiliar (Q21)
3 Consola de programação do acionamento (ver a página 46)
4 Interruptores e luzes da porta (ver a página 44)
Princípio de operação e descrição de hardware 35

7 9

4
8
10

Exemplo de layout do armário


A Cubículo de controlo auxiliar (ACU). Ver a página 40.
1 Passa-cabo do cabo de entrada, barramento PE
2 Terminais de entrada
3 Interruptor-seccionador principal (Q1.1)
4 Fusíveis CA
5 Contactores principais (Q2.1 e Q2.2) (opcional)
6 Interruptor tensão auxiliar (Q21) com fusíveis
7 Ventiladores de refrigeração do cubículo de entrada
8 Módulos de alimentação. Cada módulo está ligado a diferentes linhas de alimentação a 6
impulsos.
9 Fusíveis inversor CC
10 Módulos inversores Os terminais de saída estão situados atrás de cada módulo. Cada módulo
deve ser individualmente ligado ao motor usando cabo separado, exceto se o acionamento
estiver equipado com as opções +H359 (cubículo do terminal comum do motor), +H366
(terminais de saída comuns) ou +E206 (filtros sinusoidais).
36 Princípio de operação e descrição de hardware

 Chassis 2×D8T + 3×R8i

A B C D

3 4

Exemplo de alinhamento de armário


A Cubículo de controlo auxiliar (ACU). Contém controlos eletrónicos e ligações de E/S do cliente.
Ver a página 40.
B Cubículo de entrada (ICU). Contém os terminais do cabo de entrada de potência de entrada e
aparelhagem.
C Cubículo do módulo de alimentação. Contém dois módulos de alimentação D8T.
D Cubículo do módulo inversor. Contém três módulos inversores R8i. Como standard, os cabos do
motor são passados de cada módulo inversor para o motor, exceto se o acionamento estiver
equipado com as opções +H359 (cubículo do terminal comum do motor) ou +H366 (terminais de
saída comuns).
1 Interruptor-seccionador principal (Q1.1)
2 Interruptor de tensão auxiliar (Q21)
3 Consola de programação do acionamento (ver a página 46)
4 Interruptores e luzes da porta (ver a página 44)
Princípio de operação e descrição de hardware 37

8 11
9

7
3

10 12
5

3 4

Exemplo de layout do armário


A Cubículo de controlo auxiliar (ACU). Ver a página 40.
1 Passa-cabo do cabo de entrada, barramento PE
2 Terminais de entrada
3 Interruptor-seccionador principal (Q1.1)
4 Interruptor de terra (ligação à terra) (Q9.1) (opcional)
5 Fusíveis CA comum (instalados com contactor principal opcional)
6 Contactor principal (Q2.1) (opcional)
7 Interruptor tensão auxiliar (Q21) com fusíveis
8 Ventiladores de refrigeração do cubículo de entrada
9 Fusíveis CA do módulo de alimentação
10 Módulos de alimentação
11 Fusíveis inversor CC
12 Módulos inversores Os terminais de saída estão situados atrás de cada módulo. Cada módulo
deve ser individualmente ligado ao motor usando cabo separado, exceto se o acionamento
estiver equipado com as opções +H359 (cubículo do terminal comum do motor) ou +H366
(terminais de saída comuns).
38 Princípio de operação e descrição de hardware

 Chassis 3×D8T + 4×R8i (com disjuntor principal, opção +F255)

A B C D E

3 4

Exemplo de alinhamento de armário


A Cubículo de controlo auxiliar (ACU). Contém controlos eletrónicos e ligações de E/S do cliente.
Ver a página 40.
B Cubículo de entrada (ICU). Contém os terminais do cabo de entrada de potência de entrada e
aparelhagem.
C Cubículo do módulo de alimentação. Contém três módulos de alimentação D8T.
D, E Cubículos módulo inversor 1 e 2. Cada cubículo contém dois módulos inversores R8i. Como
standard, os cabos do motor são passados de cada módulo inversor para o motor, exceto se o
acionamento estiver equipado com as opções +H359 (cubículo do terminal comum do motor) ou
+H366 (terminais de saída comuns).
1 Disjuntor principal (Q1) (opção +F255)
2 Interruptor de tensão auxiliar (Q21)
3 Consola de programação do acionamento (ver a página 46)
4 Interruptores e luzes da porta (ver a página 44)
Princípio de operação e descrição de hardware 39

7 9 9
6

4
8 10 10

Exemplo de layout do armário


A Cubículo de controlo auxiliar (ACU). Ver a página 40.
1 Passa-cabo do cabo de entrada, barramento PE
2 Terminais de entrada
3 Ventiladores de refrigeração do cubículo de entrada
4 Disjuntor principal (Q1) (opção +F255)
5 Interruptor tensão auxiliar (Q21) com fusíveis
6 Interruptor de terra (ligação à terra) (Q9.1) (opcional)
7 Fusíveis CA do módulo de alimentação
8 Módulos de alimentação
9 Fusíveis inversor CC
10 Módulos inversores Os terminais de saída estão situados atrás de cada módulo. Cada módulo
deve ser individualmente ligado ao motor usando cabo separado, exceto se o acionamento
estiver equipado com as opções +H359 (cubículo do terminal comum do motor) ou +H366
(terminais de saída comuns).
40 Princípio de operação e descrição de hardware

 Layout do cubículo de controlo auxiliar (ACU)


Um exemplo de layout do cubículo de controlo auxiliar (ACU) é apresentado abaixo.

Chassis basculante fechado, Chassis basculante aberto,


placas de montagem destacáveis colocadas sem placas de montagem destacáveis

1 2

4 5 6
7

20 21
8
22

23
10 24

11 27
25
9 9 26
12
25 30

13 28
34 32 31

33
14 15 16

29 35
17 18

19

1 Seccionadores-fusível F101. No primário do 19 Passa-cabos para cabos de controlo


transformador T101 (item 27).
2 Seccionadores-fusíveis (F27) para as saídas do 20 Bloco terminal (X68) para FSO-xx módulo de
ventilador de refrigeração do motor (opções funções de segurança (opção +Q973)
+M602…610)
3 Unidade de controlo de alimentação (A51). Veja 21 Bloco terminal de E/S (opção +L504). As E/S
o capítulo Unidades de controlo do aciona- da unidade de controlo do inversor são ligadas
mento (página 127) a este bloco.
4 Unidade inversora de controlo (A41). Podem 22 Ponto de ligação à terra/fixação para cabos de
ser instaladas na unidade três extensões de controlo
E/S opcionais, interface codificador ou módulos
adaptadores fieldbus. Os módulos adicionais
são instalados no item 13. Veja o capítulo
Unidades de controlo do acionamento (página
127)
Princípio de operação e descrição de hardware 41

5 Disjuntor de tensão auxiliar F112. No secundá- 23 Alimentação de potência a 24 V CC e módulo


rio do transformador T111 (item 29). Montado amortecedor
na parede interior do lado direito.
6 Interruptor (F90) para ligação à terra da 24 Arrancadores e contactores do ventilador do
monitorização de falhas (item 12). motor (opções +M602…610).
7 Módulo de funções de segurança FSO-xx 25 Blocos terminais (X601) para ligações do
(opção +Q973 e outras opções que requerem ventilador do motor (opções +M602…610).
FSO-xx)
8 Relés de monitorização de temperatura (opções 26 Alimentação de potência a 24 V CC para
+L505 e +L506). Os terminais (X506) estão iluminação do armário (opção +G301).
situados atrás da placa de montagem destacá-
vel.
9 Estrutura basculante 27 Transformador de tensão auxiliar T101 (atrás
do cubículo, não visível). Alimenta IP54, venti-
ladores de refrigeração do armário do chopper
de travagem e resistência de travagem (opções
+B055, +D150 e +D151).
10 Calha de montagem para equipamento 28 Transformador de tensão auxiliar T21 (atrás do
adicional cubículo, não visível). Alimenta os circuitos de
controlo e os ventiladores de refrigeração na
unidade de entrada (ICU) e na unidade de
controlo auxiliar (ACU).
11 Relés de segurança (paragem de emergência, 29 Transformador de tensão auxiliar T111. (Apenas
binário seguro off) equipamento personalizado.)
12 Monitorização de falha à terra para sistemas 30 Disjuntores de tensão auxiliar F22 e F102. No
não ligados à terra (opção +Q954) secundário dos transformadores T21 (item 28)
e T101 (item 27) respetivamente.
13 Adaptador de extensão FEA-03 (opção +L515). 31 Ajuste da tensão de entrada para transforma-
Ver o item 4. dor de tensão auxiliar T101 (item 27)
14 Interruptor e disjuntor para aquecedor de ambiente 32 Ajuste da tensão de entrada para transforma-
do motor fornecido externamente (opção +G313). dor de tensão auxiliar T21 (item 28)
Os terminais (X313) estão situados atrás da placa
de montagem destacável.
15 Interruptor e disjuntor para tensão de controlo 33 Ajuste da tensão de entrada para transforma-
fornecida exteriormente (opção +G307), ex. dor de tensão auxiliar T111 (item 29)
UPS. Os terminais (X307) estão situados atrás
da placa de montagem destacável.
16 Interruptor e disjuntor para iluminação e aqueci- 34 Blocos terminais
mento do armário fornecido externamente • X250: indicação do estado do interruptor-
(opções +G300 e +G301). Os terminais (X300) seccionador e do contactor
estão situados atrás da placa de montagem • X951: ligação do botão externo de paragem
destacável. de emergência
• X954: indicação do alarme de falha à terra
• X957: para ligação do interruptor de Preven-
ção de arranque inesperado
Montado na parede do lado esquerdo.
17 Seccionadores-fusíveis F21. No primário do 35 Elemento aquecedor do cubículo (opção
transformador T21 (item 28). Montado numa +G300). Montado na parede do lado direito.
placa destacável.
18 Seccionadores-fusível F111. No primário do
transformador T111 (item 29). Montado numa
placa destacável.
42 Princípio de operação e descrição de hardware

 Panorâmica das ligações de potência e de controlo


O esquema apresenta as ligações de potência e das interfaces de controlo do acionamento.

ACS880-07
Unid ctrl alimentação (A51)
Unid inversora controlo (A41)
7
Fxx
..........
.......... 1 2 3 X13
Ranhuras 1, 2 e 3.
Fxxx

..........
..........
5 4 Ranhura 4

. . .
8
.....
.....

X205
..........
..........

X12
V1T/R…
6 9

. 10
. .

L1 L1 U2
12
L2 L2 V2 M3~

L3 L3 11 13 W2

PE PE

14

1 Os módulos opcionais podem ser inseridos nas ranhuras 1, 2, 3 e 4 como se segue:


2 Tipo de módulo Ranhuras
3 Módulos de extensão de E/S analógicas e digitais 1, 2, 3
4 Módulos de interface de realimentação 1, 2, 3
Módulos de comunicação fieldbus 1, 2, 3
Módulo de comunicação opcional RDCO-xx DDCS (equipamento standard). Como 4
standard, uma ligação de fibra ótica liga as unidades de controlo da alimentação e do
inversor.
Veja a secção Código de designação de tipo, página 53

Os módulos adicionais podem ser instalados num adaptador de extensão opcional FEA-03 ligados ao
módulo RDCO na ranhura 4.
5 Unidade de memória (ver a página 174)
6 Conector para módulo de funções de segurança FSO-xx
7 Veja a secção Consola de programação (página 46)
8 Blocos terminais na unidade de controlo do inversor. Ver a página 99, e Unidades de controlo do
acionamento (página 127). Estes terminais são ligados opcionalmente ao bloco terminal X504 no
armário de controlo auxiliar do acionamento.
Princípio de operação e descrição de hardware 43

9 Ligação de fibra ótica para cada módulo inversor. Da mesma forma, cada módulo de alimentação
está ligado à unidade de controlo da alimentação por cabos de fibra ótica.
10 Blocos terminais para ligações do cliente instaladas no armário do acionamento. Sobre as
localizações, ver Layout do cubículo de controlo auxiliar (ACU) (página 40). Os detalhes sobre a
cablagem são apresentados na página inicial 101.
11 Unidade de alimentação (constituída por um ou mais módulos)
12 Ligação CC intermédia
13 Unidade inversora (constituída por dois ou mais módulos)
14 Chopper travagem opcional (+D150) e resistências (+D151)
44 Princípio de operação e descrição de hardware

 Interruptores e iluminação da porta

1 2 3

4 5

6 7

Etiqueta em Etiqueta no Descrição


Inglês idioma local
1 READY PRONTO Luz Pronto (opção +G327)
2 RUN EM FUNCIONA- Luz Run (opção+G328)
MENTO
3 FAULT FALHA Luz Falha (opção +G329)
4 RUN/ENABL PERMISSÃO Interruptor sinal de permissão func para a unidade de alimentação
OFF FUNC OFF-ON
OFF Sinal de Permissão Func desligado.
(o arranque da unidade de alimentação não é permitido)
ON Sinal de Permissão Func ligado.
(o arranque da unidade de alimentação é permitido)
Fechar o contactor principal, se presente.

5 E-STOP RESET REARME Botão de rearme da paragem de emergência com opções


PARAGEM DE +Q951, +Q952, +Q963 e +Q964
EMERGÊNCIA
6 EARTH FAULT FALHA TERRA Luz da Falha à terra com opção +Q954
7 - - Reservado para equipamentosde aplicações de engenharia
8 EMERGENCY PARAGEM DE Botão de restauro da paragem de emergência com opções
STOP EMERGÊNCIA +Q951, +Q952, +Q963 e +Q964
O esquema depende das opções selecionadas.
Princípio de operação e descrição de hardware 45

Dispositivo de corte principal (Q1.1)


Dependendo da configuração do acionamento, o dispositivo de corte principal do
acionamento é um interruptor-seccionador ou um disjuntor principal.
O dispositivo de corte principal liga e desliga a alimentação principal ao acionamento.
Para desligar a alimentação principal, rode o interruptor-seccionador para a posição 0
(OFF), ou retire o disjuntor principal (dependendo o dispositivo que está instalado).

AVISO! O dispositivo de corte principal não isola os terminais de entrada de


potência, medidores de tensão CA ou o circuito de tensão auxiliar da linha de
potência. Para isolar o circuito de tensão auxiliar, abra o interruptor de tensão
auxiliar (Q21). Para isolar os terminais de entrada de potência e os medidores de tensão
CA, abra o disjuntor principal do transformador de alimentação.

Para fechar o dispositivo de corte principal, a tensão auxiliar deve estar ligada e o
interruptor de terra (se presente) deve estar aberto.

Interruptor de tensão auxiliar (Q21)


O interruptor de tensão auxiliar controla a alimentação para os transformadores de tensão
auxiliar. O transformador alimenta os circuitos de controlo no interior da unidade, tais
como ventiladores, relés e equipamentos de medição. O interruptor está equipado com
fusíveis.

Interruptor de terra (ligação à terra) (Q9.x) (opcional)


O interruptor de ligação à terra (Q9.1, opção +F259) liga o barramento de potência CA
principal ao barramento PE. As unidades com ligação a 1 impulsos (+A004) têm dois
interruptores (Q9.1 e Q9.2), um para cada linha de alimentação a 6 impulsos.
Para fechar o interruptor de ligação à terra, a tensão auxiliar deve estar ligada e o
dispositivo de corte principal deve estar aberto.

AVISO! O interruptor de ligação à terra não liga à terra os terminais de entrada de


potência do acionamento ou dos circuitos de tensão auxiliares (controlo).

Outros dispositivos na porta


• Voltímetro (opção +G334); fornecido com um interruptor seletor de fase. Nota: A
tensão é medida no lado da alimentação do interruptor principal ou disjuntor.
• Medidor de corrente CA (opção +G335) em uma fase.
46 Princípio de operação e descrição de hardware

 Consola de programação
A ACS-AP-I é a interface do utilizador do acionamento. Fornece os controlos essenciais,
tais como Arranque/Paragem/Sentido/Rearme/Referência, e os ajustes dos parâmetros
para o programa de controlo do inversor.
Uma consola de programação pode ser usada para controlar diversos acionamentos
através de uma ligação da consola; consulte a secção Barramento de consola (Controlo
de diversas unidades desde uma consola de programação) (página 123).
A consola de programação pode ser retirada puxando-a para a frente a partir do bordo
superior e reinstalado pela ordem inversa. Sobre a utilização da consola de programação,
consulte ACS-AP assistant control panel user’s manual (3AUA0000085685 [Inglês]) e o
manual de firmware.

Controlo por ferramentas para PC


Existe um conector USB na frente da consola que pode ser usado para ligar um PC ao
acionamento. Quando um PC é ligado à consola de programação, o teclado da mesma é
desativado.
Princípio de operação e descrição de hardware 47

Descrições das opções de armário


Nota: Nem todas as opções estão disponíveis para todos os tipos de acionamento, não
coexistem com determinadas opções ou podem requerer engenharia opcional. Verifique a
disponibilidade com a ABB.

 Grau de proteção
Definições
Segundo a IEC/EN 60529, o grau de proteção é indicado por um código IP onde o primeiro
algarismo indica a proteção contra entrada de objetos estranhos e o segundo algarismo
indica proteção contra a entrada de água. Os códigos IP do armário standard e as opções
abrangidas neste manual são definidas abaixo.
Código O equipamento está protegido...
IP Primeiro número Segundo número
IP22 contra entrada de objetos sólidos estranhos > contra gotas de (15° inclinação) água
12.5 mm diâmetro *
IP42 contra entrada de objetos sólidos estranhos > contra gotas de (15° inclinação) água
1 mm
IP54 protegido contra poeiras contra salpicos de água

* significa para proteção de pessoas: contra acesso a partes perigosas com os dedos

IP22 (standard)
O grau de proteção do armário de acionamento standard é IP22 (UL tipo 1). As saídas de
ar no topo do armário estão cobertas com uma grade em bronze. As grades de entrada de
ar estão cobertas com grades em plástico. Com as portas abertas, o grau de proteção do
armário standard e todas as opções de armário é IP20. As partes vivas no interior do
armário estão protegidas contra contacto com proteções plásticas ou grades metálicas.
IP42 (opção +B054)
Esta opção fornece o grau de proteção do IP42 (UL tipo 1 Filtrado). As grades de entrada
de ar estão cobertas com uma malha metálica entre a grade metálica interior e a grade
plástica exterior.

IP54 (opção +B055)


Esta opção fornece o grau de proteção do IP54 (UL tipo 12). Fornece as entradas de ar do
armário com caixas de filtro contendo tapetes de filtros de ar dobrados entre a grade
metálica interior e a grade plástica exterior. Está incluído um ventilador adicional no topo
do armário.

Entrada de ar de refrigeração através do fundo do armário (opção +C128)


Veja a página 70.

Saída de ar canalizada (opção +C130)


Esta opção fornece um colar para ajustar uma conduta de saída de ar. O colar está
situado no topo do armário. A opção fornece as entradas de ar do armário com carcaças
de filtro contendo tapetes de filtros de ar dobrados entre a grade metálica interior e a
grade plástica exterior.
Ver ainda Conduta de saída de ar no topo do armário (opção +C130) na página 71.
48 Princípio de operação e descrição de hardware

 Construção marítima (opção +C121)


A opção inclui os seguintes acessórios e características:
• mecânica reforçada
• grades de agarre
• parafuso de cabeça escariada que abre a porta a 90 graus e evita que a mesma bata
ao fechar
• materiais auto-extintores
• barras planas na base do armário para fixação
• braçadeiras de fixação no topo do armário.
Opções requeridas: Opção de fio adicional de marcação (veja a página 50) segundo os
requisitos da sociedade de classificação

 Listagem UL (opção +C129)


A opção inclui inspeção do armário na fábrica de acordo com a UL 508C e os seguintes
acessórios e funcionalidades:
• entrada e saída pelo topo com condutas de entrada de ar US (placa simples com
furos já executados)
• todos os componentes Listados/Reconhecidos UL
• tensão de alimentação máxima 600 V
• disjuntor principal (circuito de ar) para acionamentos tipo com 2…4 módulos de
alimentação D8T

 Aprovação CSA (opção +C134)


A opção inclui os seguintes acessórios e características:
• entrada e saída pelo fundo com condutas de entrada de ar US (placa simples com
furos já executados)
• todos os componentes listados/reconhecidos UL/CSA
• tensão de alimentação máxima 600 V
• disjuntor principal (circuito de ar) com acionamentos tipo com 2…4 módulos de
alimentação D8T

 Altura do plinto (opções +C164 e +C179)


A altura standard do plinto do armário é 50 mm. Estas opções especificam uma altura de
plinto de 100 mm (+C164) ou 200 mm (+C179).

 Desenho sísmico (opção +C180)


A opção envolve capacidade sísmica de acordo com o código de construção internacional
2012, procedimento de teste ICC-ES AC-156. O nível de instalação não deve exceder
25% da altura do edifício e SDS (resposta espectral específica do local de instalação) não
deve exceder 2.0 g.
A opção acrescenta os seguintes acessórios e características:
• plinto reforçado
• barras planas na base do armário para fixação.

 Resistência de travagem (opções +D150 e +D151)


Veja o capítulo Travagem com resistências na página 261.
Princípio de operação e descrição de hardware 49

 Filtros EMC (opção + E202)


Veja a secção Código de designação de tipo na página 53 e secções Conformidade com a
Diretiva Europeia EMC na página 193 e Conformidade com a EN 61800-3:2004 na página
196.
Mais informação: Technical Guide No. 3 – EMC Compliant Installation and Configuration
for a Power Drive System (3AFE61348280 [Inglês])

 Aquecedor armário com alimentação externa (opção +G300)


A opção contém:
• elementos aquecedores nos cubículos e módulos de alimentação/inversores
• interruptor de carga para fornecer isolamento elétrico durante o serviço
• disjuntor miniatura para proteção contra sobrecorrente
• bloco terminal para alimentação externa.
O aquecedor evita condensação de humidade no interior do armário quando o aciona-
mento não está a funcionar. A saída de potência dos elementos de aquecimento tipo
semi-condutor depende da temperatura ambiente. O cliente deve desligar o aquecedor
quando este não é necessário, cortando a tensão de alimentação.
O cliente deve alimentar o aquecedor a partir de uma fonte de potência externa a
110...240 V CA.
Veja também
• Arranque do equipamento de aquecimento e iluminação (opções +G300, +G301 e
+G313)
• diagramas de circuito entregues com o acionamento para a cablagem atual.

 Terminais para tensão de controlo externa (opção +G307)


A opção fornece terminais para ligação da tensão de controlo externa interruptível para a
unidade de controlo e dispositivos de controlo, quando o acionamento não está alimentada.
Veja também
• Fornecimento de potência aos circuitos auxiliares na página 90
• Ligação de uma alimentação de tensão auxiliar 230/115 V AC (UPS, opção +G307)
na página 101
• diagramas de circuito entregues com o acionamento para a cablagem atual.

 Saída para o aquecedor do motor (opção +G313)


A opção contém:
• interruptor de carga para fornecer isolamento elétrico durante o serviço
• disjuntor miniatura para proteção contra sobrecorrente
• bloco terminal para ligação da alimentação externa e do(s) elemento(s) aquecedor(es)
O aquecedor está desligado quando o acionamento está a funcionar. O cliente controla os
elementos aquecedores no ligar e desligar das bobinas do motor com a alimentação
externa. A potência e a tensão do aquecedor do motor depende do motor.
Veja também
• Fornecimento de potência aos circuitos auxiliares na página 90
• Arranque do equipamento de aquecimento e iluminação (opções +G300, +G301 e
+G313) na página 104
• diagramas de circuito entregues com o acionamento para a cablagem atual.
50 Princípio de operação e descrição de hardware

 Marcações adicionais de cabos (opções +G340 e +G342)


Como standard, os terminais de entrada e de saída do acionamento, conectores plug-in,
conectores de fibra ótica e cabos de fita estão marcados. As opções de marcação de
cabos estão descritas abaixo.
Marcações adicionais
+G340 Os números pin do equipamento são assinalados com marcadores de encaixe nos cabos entre
módulos e nos cabos ligados ao equipamento, blocos terminais e terminais de parafuso destacá-
veis. As identificações do conector plug-in são marcadas nas etiquetas próximas dos conectores.
Os suportes da etiqueta são colocados em torno dos conjuntos de conectores. Os condutores do
circuito principal são marcados com fita branca ou impressos.

7
9. 7

+G342 As identificações do equipamento e os números pin dos blocos terminais e endereços remotos são
marcados com tubagem ou anéis entre os módulos e nos cabos ligados ao equipamento, blocos
terminal e terminais de parafuso destacáveis. As identificações do conector plug-in são marcadas
nas etiquetas coladas em torno dos conjuentos de condutores próximos dos conectores. Os
condutores do circuito principal são marcados com fita branca ou impressos.
Nota: Mesmo os cabos com identificadores de equipamento e pin já impressos no isolamento do
cabo são marcados com anéis e tubagem. Os endereços remotos não são marcados nas extremi-
dades dos cabos que são ligados aos conectores plug-in. As ligações curtas e óbvias são marca-
das apenas por impressão.

K1 24 K 1 2 4 T 2 3 T2 3

K1 24 K1 24 T2 3 T2 3

 Entrada da conduta de cabos (opção +H358)


A opção fornece placas condutoras US/UK (placas em aço não-ligado com 3 mm sem
furos). As placas condutoras US/UK são fornecidas como standard com as opções +C129
e +C134, em substituição das entradas de cabo normais.

 Cubículo do terminal comum do motor (opção +H359)


Como standard, cada módulo inversor deve ser individualmente cablado para o motor.
Esta opção fornece um cubículo adicional com um conjunto único de terminais para os
cabos do motor.
A largura do cubículo e o tamanho dos terminais depende da gama de potência do
acionamento. Veja o capítulo Dimensões (na página 201).
Note que esta opção não está disponível com a opção +E206 (filtros sinusoidais). Neste
caso, os cabos do motor estão ligados ao cubículo do filtro sinusoidal.

 Terminal comum de saída (opção +H366)


Como standard, cada módulo inversor deve ser individualmente cablado para o motor.
Esta opção acrescenta ponte que liga as saída de múltiplos módulos inversores (na
prática, dois ou três) montados no mesmo cubículo. A ponte equilibra a corrente do motor
entre os módulos, o que permite mais opções de cablagem. Por exemplo, é possível usar
um número de cabos que de outra forma não ficariam distribuídos uniformemente entre os
módulos inversores.
Princípio de operação e descrição de hardware 51

AVISO! A ponte pode transportar a saída nominal de um módulo inversor. No


caso de três módulos paralelos, verifique se a capacidade de carga da ponte não
é excedida. Por exemplo, se a cablagem é ligada aos barramentos de saída em
apenas um módulo, use o módulo no meio.

Nota: A opção +H366 apenas interliga as saídas dos módulos inversores dentro do
mesmo cubículo, não os módulos instalados em diferentes cubículos. Por isso, quando o
acionamento tem mais de três módulos inversores, certifique-se de que a carga é distri-
buída uniformemente entre os módulos:
• No caso de dois cubículos de dois módulos inversores, ligue o mesmo número de
cabos em cada cubículo.
• No caso de um cubículo inversor com três módulos e outro com dois, cada
cubículo requer um certo número de cabos proporcional ao número de módulos
no interior. Por exemplo, ligar três dos cinco cabos (ou seis de cada dez, etc.) ao
cubículo com três módulos, os restantes dois de cada cinco cabos (quatro em
cada dez) ao cubículo com dois módulos.

 Bloco terminal adicional X504 (opção +L504)


Os blocos terminais standard da unidade de controlo do acionamento são ligados ao
bloco terminal adicional na fábrica para controlo de cablagem pelo cliente. Os terminais
são acionados por mola.
Cabos aceites pelos terminais:
• cabo sólido 0.08 para 4 mm2
• cabo entrançado com casquilho 0.14 a 2.5 mm2
• cabo entranlado sem casquilho 0.08 para 2.5 mm2 (28 para 12 AWG).
Comprimento do desnude: 10 mm.
Nota: Os módulos opcionais inseridos nas ranhuras da unidade de controlo (ou adaptador
de extensão FEA-03 opcional) não são ligados ao bloco terminal adicional. O cliente deve
ligar os cabos do módulo de controlo opcional diretamente aos módulos.

 Relés de termistor (opções +L505, +2L505)


O relé de termistor é usado para a supervisão de sobretemperatura dos motores equipa-
dos com termistores PTC. Quando a temperatura do motor aumenta até a nível de des-
pertar do termistor, a resistência do termistor aumenta acentuadamente. O relé deteta a
mudança e indica a sobretemperatura do motor através dos seus contactos auxiliares.
A opção +L505 fornece um relé termistor e um relé auxiliar e terminais de ligação para um
circuito de medição (um termistor PTC) e para um contacto normalmente aberto. O relé
pode ser rearmado localmente ou a partir de um interruptor de rearme remoto ligado ao
relé.
A opção +2L505 fornece dois relés termistor e relés auxiliares e terminais de ligação para
dois circuitos de medição (um termistor PTC em cada um) e para dois contactos normal-
mente abertos. Os relés podem ser rearmados localmente ou a partir de um interruptor de
rearme remoto ligado ao relé.
52 Princípio de operação e descrição de hardware

O cliente liga os sensores PTC ao relé termistor e os terminais do relé auxiliar do contacto
normalmente aberto, por exemplo, ao
• circuito de controlo do disjuntor principal para abertura do disjuntor em caso de
sobretemperatura do motor ou
• entrada digital apropriada do acionamento para disparar o acionamento e gerar uma
mensagem de falha em caso de sobretemperatura do motor ou
• do circuito de controlo do cliente.
Veja também
• manual de firmware sobre os ajustes dos parâmetros
• Ligação do(s) relé(s) termistor (opções +L505 e +2L505) na página 102
• diagramas de circuito entregues com o acionamento para a cablagem atual.

 Relés Pt100 (opções +2L506, +3L506, +5L506, +8L506)


Conteúdo da opção
A opção standard de relé Pt100 inclui dois (+2L506), três (+3L506), cinco (+5L506) ou oito
(+8L506) relés de monitorização de temperatura Pt100 e um relé auxiliar ligado a um
bloco terminal. Outro número de relés Pt100 deve ser encomendado como aplicação de
engenharia.
Descrição
Um relé Pt100 é usado para supervisão de sobretemperatura dos motores equipados com
sensores Pt100. Por exemplo, três sensores medem a temperatura das bobinas do motor
e dois sensores a temperatura dos rolamentos. A resistência do sensor aumenta linear-
mente conforme a temperatura aumenta. O relé liberta a um nível de despertar ajustável e
indica a sobretemperatura do motor através do seu contacto de comutação.
O relé fornece terminais de ligação para um sensor de temperatura Pt100 e terminais de
um contacto normalmente aberto e um contacto normalmente fechado.
O cliente liga os sensores Pt100 aos relés Pt100 (um sensor por relé) e os relés auxiliares
dos contactos normalmente abertos dos relés Pt100, por exemplo, ao
• circuito de controlo do disjuntor principal para abertura do disjuntor em caso de
sobretemperatura do motor ou
• entrada digital apropriada do acionamento para disparar o acionamento e gerar uma
mensagem de falha em caso de sobretemperatura do motor ou
• do circuito de controlo do cliente.
Veja também
• manual de firmware sobre os ajustes dos parâmetros
• Ligação dos relés Pt100 (opções +2L506, +3L506, +5L506, +8L506) na página 102
• Instruções de ajuste do alarme e do limite de disparo do relé Pt100 na página 142
• diagramas de circuito entregues com o acionamento para a cablagem atual.
Princípio de operação e descrição de hardware 53

Etiqueta de designação do tipo


A etiqueta de designação do tipo inclui classificações, marcações adequadas, uma
designação do tipo e o número de série, que permitem a identificação de cada unidade.
Abaixo é apresentado o exemplo de uma etiqueta.
Indique a designação de tipo completa e o número de série quando contactar o suporte
técnico.

1
5
4

2
3
6

Nr. Descrição
1 Designação de tipo, veja a secção Código de designação de tipo abaixo)
2 Tamanho do chassis
3 Gama de corrente suportável de curta duração (veja a página 189); grau de proteção; especificações
UL/CSA
4 Gamas
5 Marcações válidas
6 Número de série. O primeiro dígito do número de série refere-se à fábrica de produção. Os quatro
dígitos seguintes indicam o ano e a semana de fabrico da unidade, respetivamente. Os restantes
dígitos completam o número de série para que não existam duas unidades com o mesmo número de
série.

Código de designação de tipo


A designação de tipo contém informação sobre as especificações e a configuração
do acionamento. Os primeiros dígitos da esquerda indicam a configuração base (ex.
ACS880-07-1580A-5)). As seleções opcionais são apresentadas a seguir, separadas
por sinais mais, ex. +E202. As seleções principais são descritas abaixo. Nem todas
as seleções estão disponíveis para todos os tipos. Para mais informações, consulte
ACS880 Ordering Information (3AXD10000052815, disponível sob pedido).
CODIGO DESCRIÇÃO
Códigos básicos
ACS880 Série do produto
07 Quando não são selecionadas opções: armário de acionamento instalado, IP22 (UL tipo 1),
interruptor-seccionador principal (e contator) ou disjuntor, fusíveis aR, consola de programação
com assistente ACS-AP-I, filtro EMC (categoria 3, 2º Ambiente), filtros du/dt, filtragem de modo
comum, Programa de controlo primário do ACS880, função de Binário seguro off, cartas de
circuito impresso revestidas, entrada e saída de cabos pelo fundo com entradas do tipo guia,
etiqueta autocolante multilingue na porta do dispositivo, cartão de memória USB com diagramas
de circuitos, desenhos dimensionais e manuais.
Tamanho
xxxxx Consulte as tabelas de gamas (página 177).
Tensão
3 380…415 V CA. Indicado na etiqueta de designação de tipo como nível de tensão de entrada
típica (3~ 400 V CA)
54 Princípio de operação e descrição de hardware

CODIGO DESCRIÇÃO
5 380…500 V CA. Indicado na etiqueta de designação de tipo como níveis de tensão de entrada
típicas (3~ 400/480/500 V CA)
7 525…690 V CA. Indicado na etiqueta de designação de tipo como níveis de tensão de entrada
típicas (3~ 525/600/690 V CA)
Códigos opcionais (códigos mais)
Ligação da alimentação
A004 Ligação da alimentação 12 impulsos
Grau de proteção
B054 IP42 (UL Tipo 1)
B056 IP54 (UL Tipo 12)
Construção
C121 Construção marítima (página 48)
C128 Entrada de ar pelo fundo do armário (página 70)
C129 Listagem UL (página 48)
C130 Saída de ar canalizada (página 47)
C134 Aprovação CSA (página 48)
C164 Altura do plinto 100 mm (página 48)
C179 Altura do plinto 200 mm (página 48)
C180 Desenho sísmico (página 48)
C199 Cubículo vazio com 400 mm na esquerda
C200 Cubículo vazio com 600 mm na esquerda
C201 Cubículo vazio com 800 mm na esquerda
Travagem com resistências
D150 Choppers de travagem (página 48)
D151 Resistências de travagem (página 48)
Filtros
E202 Filtro EMC para sistema TN (com terra), categoria C2 (página 49)
E206 Filtro sinusoidal de saída
Opções de linha
F250 Contactor de linha
F255 Disjuntor do circuito de ar
F259 Interruptor de terra (ligação à terra)
Equipamento do armário
G300 Elementos de aquecimento do armário e do módulo (alimentação externa) (página 49)
G301 Iluminação armário
G307 Terminais para ligação da tensão de controlo externo (230 V CA ou 115 V CA, ex. UPS) (página
49)
G313 Saída para aquecedor do motor (alimentação externa)
G317 Ligação de alimentação para barramentos
G327 Luz Pronto, branca
G328 Luz Run, verde
G329 Luz Falha, vermelha
G330 Cablagem e materiais livres de halogéneo
G334 Contador-V com interruptor seletor
Princípio de operação e descrição de hardware 55

CODIGO DESCRIÇÃO
G335 Contador-A em uma fase
G340
Marcações cablagem adicional (página 50)
G342
Cablagem
H350 Entrada pelo fundo
H351 Entrada pelo topo
H352 Saída pelo fundo
H353 Saída pelo topo
H358 Conduta de entrada de cabos (US/UK) (página 50)
H359 Cubículo do terminal comum do motor (página 50)
H366 Terminais comuns de saída (para módulos inversores montados no mesmo cubículo) (página 50)
Adaptadores fieldbus
K451 Módulo adaptador DeviceNet™ FDNA-01
K454 Módulo adaptador PROFIBUS DP FPBA-01
K457 Módulo adaptador CANopen FCAN-01
K458 Módulo adaptador RS-485 FSCA-01
K462 Módulo adaptador ControlNet™FCNA-01
K469 Módulo adaptador EtherCAT FECA-01
K470 Módulo adaptador EtherPOWERLINK FEPL-02
K473 Módulo adaptador Ethernet para EtherNet/IP™ FENA-11, Modbus TCP E Protocolos PROFINET
IO
K475 Módulo adaptador Ethernet para EtherNet/IP™ FENA-21, Modbus TCP e Protocolos PROFINET
IO, 2-portas
Extensões E/S e interfaces de feedback
L500 Módulo de extensão de E/S analógicas FIO-11
L501 Módulo de extensão de E/S digitais FIO-01
L502 Módulo de interface codificador diferencial HTL FEN-31
L503 Módulo adaptador de comunicação ótica DDCS, FDCO-01
L504 Bloco terminal de E/S adicional (página 51)
L505 Relé termistor (1 ou 2 peças) (página 51)
L506 Relé Pt100 (2, 3, 5 ou 8 peças) (página 52)
L508 Módulo adaptador de comunicação ótica DDCS, FDCO-02
L513 Proteção térmica com certificação ATEX com sensores PTC (1 ou 2 pçs)
L514 Proteção térmica com certificação ATEX com relés Pt100 (3, 5 ou 8 pçs)
L515 Adaptador de extensão de E/S FEA-03
L516 Módulo de interface descodificador FEN-21
L517 Módulo interface codificador diferencial TTL FEN-01
L518 Módulo interface codificador absoluto TTL FEN-11
L521 Módulo de interface do codificador de impulsos FSE-31
L525 Módulo de extensão de E/S analógicas FAIO-01
L526 Módulo de extensão de E/S digitais FDIO-01
Arrancador da ventilação forçada do motor
M602 Gama de ajuste do limite de disparo: 2.5 … 4 A
M603 Gama de ajuste do limite de disparo: 4 … 6.3 A
M604 Gama de ajuste do limite de disparo: 6.3 … 10 A
M605 Gama de ajuste do limite de disparo: 10…16 A
56 Princípio de operação e descrição de hardware

CODIGO DESCRIÇÃO
M606 Gama de ajuste do limite de disparo: 16…20 A
M610 Gama de ajuste do limite de disparo: 20…25 A
Programa de controlo
N8010 Programabilidade aplicação IEC 61131-3
Especialidades
P902 Personalizado
P904 Extensão de garantia
P912 Embalagem para transporte marítimo
P913 Cor especial
P929 Embalagem contentor
Funções de segurança
Q950 Prevenção de arranque inesperado com módulo de funções de segurança FSO-xx, ativando a
função de Binário seguro off
Q951 Paragem de emergência (categoria 0) com relés de segurança, abrindo o disjuntor/contactor
principal
Q952 Paragem de emergência (categoria 1) com relés de segurança, abrindo o disjuntor/contactor
principal
Q954 Monitorização de falhas à terra em sistemas IT (sem terra)
Q957 Prevenção de arranque inesperado com relés de segurança, ativando a função de Binário seguro
off
Q963 Paragem de emergência (categoria 0) com relés de segurança, ativando a função de Binário
seguro off
Q964 Paragem de emergência (categoria 1) com relés de segurança, ativando a função de Binário
seguro off
Q971 Função de corte em segurança com certificação ATEX
Q972 Módulo de funções de segurança FSO-21
Q973 Módulo de funções de segurança FSO-12
Q978 Paragem de emergência (configurável para categoria 0 ou 1) com módulo de funções de
segurança FSO-xx, abrindo o disjuntor/contactor principal
Q979 Paragem de emergência (configurável para categorias 0 ou 1) com módulo de funções de
segurança FSO-xx, ativando a função de Binário seguro off
Q982 PROFIsafe com módulo de funções de segurança FSO-xx e módulo adaptador Ethernet FENA-
21
Conjunto completo de manuais impressos no idioma selecionado
Nota: O conjunto de manuais entregue pode incluir manuais em Inglês se o manual no idioma selecionado
não estiver disponível.
R700 Inglês
R701 Alemão
R702 Italiano
R703 Holandês
R704 Dinamarquês
R705 Sueco
R706 Finlandês
R707 Francês
R708 Espanhol
R709 Português
R711 Russo
Instalação mecânica 57

4
Instalação mecânica

Conteúdo deste manual


Este capítulo descreve o procedimento da instalação mecânica do acionamento.

Análise do local da instalação


Análise do local da instalação:
• O local de instalação é suficientemente ventilador ou refrigerado para eliminar as
perdas do acionamento. 1)
• As condições ambiente do acionamento cumprem as especificações. 1)
• A parede por trás da unidade é de material não-inflamável.
• Existe espaço livre suficiente por cima do acionamento para permitir o fluxo do ar de
refrigeração, reparações ou manutenção.
• O piso sobre o qual a unidade está instalada é de material não inflamável, o mais liso
possível e suficientemente forte para suportar o peso da unidade. Verificar se o piso é
horizontal com um nível de bolha de ar. O desvio máximo permitido do nível da super-
fície é 5 mm em cada 3 metros. Nivelar o local da instalação, se necessário, pois o
armário não está equipado com pés ajustáveis.
1) As perdas de calor e as condições ambiente estão especificadas no capítulo Dados
técnicos.
Nota: A rampa de extração/instalação do módulo incluído com o acionamento é apenas
adequado para uma diferença de altura de, no máximo, 50 mm (ie. a altura de plinto
standard do acionamento).
58 Instalação mecânica

Ferramentas necessárias
As ferramentas requeridas para movimentar a unidade para a sua posição final, fixação
ao chão e à parede e aperto das ligações encontram-se listadas abaixo:
• guindastes, empilhadora ou porta paletes (verificar a capacidade de carga),
barra/encaixe, macaco e rolos
• chaves de fenda Pozidriv e Torx
• alicate de descarnar cabos
• conjunto de chaves ou casquilhos.

Verificação da entrega
O acionamento é entregue com:
• alinhamento do armário de acionamento
• módulos opcionais (se pedidos) instalados na unidade de controlo em fábrica
• manuais apropriados do acionamento e dos módulos opcionais
• documentos de entrega.
Verifique se não existem sinais de danos. Antes de proceder à instalação ou à operação,
verifique a informação nos autocolantes de designação de tipo para verificar se entrega
está correta. Veja a secção Código de designação de tipo na página 53.
Instalação mecânica 59

Movimentar e desembalar o acionamento


Movimente o acionamento na sua embalagem original para o local de instalação como
apresentado abaixo para evitar danificar as superfícies do armário ou os dispositivos das
portas. Quando usar um porta paletes, verifique a sua capacidade de carga antes de
tentar movimentar o acionamento.
O acionamento deve ser movimentado na posição vertical.
O centro de gravidade do armário é elevado. Tenha muito cuidado quando movimentar a
unidade. Evite inclinar a unidade.

 Movimentar o acionamento na sua embalagem


Levantar a palete com um empilhador
60 Instalação mecânica

Levantar a palete com um guindaste

max 20
Posicione cada linga o
mais próximo possível de
uma placa transversal.
Recomendamos o uso de
barras espaçadoras
transversais.

Ponto de elevação
Instalação mecânica 61

Movimentar a palete com um empilhador

Largura livre para os


dentes do garfo:
750 mm (29.5”)
62 Instalação mecânica

 Remoção da embalagem de transporte


Retire a embalagem de transporte como se segue:
1. Desaperte os parafusos que fixam as partes em madeira da palete de transporte.
2. Retire as partes em madeira.
3. Remova os grampos com os quais o armário do acionamento está montado sobre a
palete de transporte, desapertando os parafusos de fixação.
4. Remova o plástico de proteção.

 Movimentar o armário do acionamento desembalado


Levantar o armário com um guindaste
Levante o armário do acionamento usando os olhais de elevação. Os olhais de elevação
podem ser removidos depois do armário estar na sua posição final, mas os seus furos de
montagem devem ser bloqueados para manter o grau de proteção.
Nota: A altura mínima permitida das lingas elevação com unidades IP54 é de 2 metros
(6'7").

IP54
Instalação mecânica 63

Movimentar o armário em rodas

AVISO: Não movimente as unidades nas versões marítimas sobre rodas (opção
+C121).

Coloque o armário sobre as rodas e movimente a mesma com cuidado até próximo da sua
localização final. Remova as rodas levantando a unidade com um guindaste, empilhador,
porta paletes ou macaco.

Movimentar o armário sobre a parte traseira

AVISO: O transporte do armário sobre a parte traseira é apenas permitido com os


filtros sinusoidais (opção +E206) removida do armário.

Apoie o armário pelo fundo ao longo das juntas do cubículo..

Painel traseiro armário Apoio


64 Instalação mecânica

Colocação final do armário


Movimente o armário para a sua posição final com uma barra de ardósia (barra de anco-
ragem). Coloque um pedaço de madeira entre o bordo do armário e a barra para proteger
a estrutura do armário.
Instalação mecânica 65

Fixação do armário ao chão, à parede ou teto (unidades


não-marítimas)
 Regras gerais
• O acionamento deve ser instalado na posição vertical.
• O armário pode ser instalado contra uma parede (a), ou de costas com outra unidade
(b).
• Deixe 400 mm (15.75”) de espaço livre acima do nível básico do topo do armário para
refrigeração. A substituição do ventilador IP54 requer um espaço livre de 320 mm
(12.28”) acima do compartimento do filtro.
• Deixe algum espaço (w) do lado junto à dobradiça para permitir que as portas abram
o suficiente. As portas devem abrir a 120° para permitir a substituição do módulo de
alimentação ou inversor.

120° 320 mm (12.28”)

> 400 mm (15.75”)

Nota 1: Qualquer ajuste de altura deve ser efetuado antes de fixar ou de transportar as
unidades. O ajuste da altura pode ser efetuado usando calços de metal entre o fundo do
armário e o chão.
Nota 2: Se os olhais de elevação forem retirados, volte a apertar os parafusos para con-
servar o grau de proteção do armário.
66 Instalação mecânica

 Métodos de fixação
Fixe o armário ao chão usando os grampos incluídos ao longo dos cantos inferiores do
armário, ou aparafusando o armário ao chão através dos orifícios no interior (se estiverem
acessíveis).

 Alternativa 1 - Com grampos


1. Insira os grampos nas ranhuras gémeas ao longo dos
cantos frontais e posteriores da estrutura do chassis
do armário e aparafuse ao chão com um parafuso. A
distância máxima recomendadas entra os pontos de
fixação no canto da frente é de 800 mm (31.5”).
2. Se não for possível fixar na parte de trás, fixe o topo
do armário à parede no topo usando linguetas em L
(não incluídas na entrega) fixas à barra de elevação
1 com parafusos de fixação.

M16

Dimensões do grampo

 Alternativa 2 – Usando os furos no interior do armário


1. Fixe o armário ao chão através dos furos de aperto
inferiores com parafusos M10 a M12 (3/8” a 1/2”). A
distância máxima recomendada entra os pontos de
fixação no canto da frente é de 800 mm (31.5”).
2. Se não for possível fixar atrás, fixe o armário à parede no
topo usando linguetas em L (não incluídas na entrega),
usando os furos de aperto na barra de elevação.

M16
Instalação mecânica 67

Fixação do armário ao chão e ao teto/parede (unidades


marítimas)
Siga as regras gerais apresentadas na secção Regras gerais na página 65.
Consulte o esquema dimensional entregue com o acionamento sobre a localização dos
furos de aperto na barra de fixação por baixo do armário e sobre os pontos de aperto no
topo do armário. As braçadeiras de aperto superiores estão incluídas na entrega.
Fixe o armário ao chão e ao teto (parede) como se segue:
1. Aparafuse a unidade ao chão através dos furos em cada barra na base do armário
com parafusos M10 ou M12.
2. Se não existir espaço suficiente atrás do armário para a instalação, imobilize as
extremidades de parte de trás das barras.
3. Retire as pegas de elevação e aparafuse as braçadeiras de fixação nos furos das
pegas. Fixe o topo do armário à parede de trás e/ou ao teto com braçadeiras.

2. Imobilização do armário ao
d chão pela parte de trás
2 3
a Grampo
a b b Chapa traseira do armário
M16 c Barras na base do armário
c 3. Fixação do armário pelo
topo
d Braçadeira de fixação
68 Instalação mecânica

União das divisórias de transporte


Os alinhamentos de armários mais largos são entregues em múltiplas partes chamadas
"divisórias de transporte”. A ligação é efetuada usando um cubículo de ligação com 200 mm
de largura no lado da divisória de transporte (um cubículo terminal comum de motor pode
ser usado como cubículo de união). Os parafusos requeridos para a ligação estão incluídos
num saco plástico no interior do armário. As buchas roscadas já estão montadas nos postes
do armário.
1. Aparafuse a primeira divisória de transporte ao chão.
2. Retire todas as placas que cobrem o poste posterior do cubículo de união.
3. Alinhe as duas divisórias de transporte.
4. Aparafuse os postes frontal e posterior do cubículo de junção aos postes da outra
divisória de transporte com 14 parafusos (7 por poste). Aperte os parafusos para
5 N·m (3,6 lbf·ft).
5. Aparafuse a segunda divisória de transporte ao chão.

4
1 4 3

4 5

5 N·m (3.7 lbf·ft)


7 peças por poste

6. Ligue os barramentos PE usando os parafusos e as porcas M10 incluídos. Aperte


para 35…40 N·m (25…30 lbf·ft).

c
a Anilha plana
35…40 N·m
b Anilha com mola
(25…30 lbf·ft)
c Parafuso e porca

b
a a
Instalação mecânica 69

7. Retire o acrílico que cobre os barramentos CC no cubículo de união.


8. Use as peças de união para ligar os barramentos CC. Aperte os parafusos para para
55…70 N·m (40…50 lbf·ft).

a
a
a
Unidades com barramentos CC simples
aa
55…70 N·m
ad
(40…50 lbf·ft)

ac ad
ab

ac
ab
Unidades com barramentos CC duplos

a Peça de união

b Anilha plana com revestimento em zinco galvânico e passivação azul cromada

c Anilha com mola com revestimento em zinco pulverizado mecanicamente

d Porca

AVISO! Certifique-se de que as anilhas são instaladas pela ordem correta, como
apresentado. Por exemplo, a colocação de uma anilha de mola revestida a zinco
não passivado diretamente contra a peça de união provoca corrosão.

AVISO! Não use peças de união diferentes das entregues com a unidade. As
partes são cuidadosamente selecionadas para corresponder com os materiais
dos barramentos Outras partes ou materiais podem formar um par galvânico e
provocar corrosão.

9. Reinstale todas as placas de cobertura retiradas anteriormente.


10. Repita os passos 2 a 9 para todas as restantes divisórias de transporte.
70 Instalação mecânica

Diversos
 Conduta de cabos no chão por baixo do armário
Pode ser construída uma conduta de cabos com 500 mm de largura por baixo da parte
central do armário. O peso do armário recai sobre as duas secções transversais com
50 mm de largura, que o piso deve suportar.
Evite que o ar de refrigeração circule da conduta de cabos para o armário com placas
inferiores. Para assegurar o grau de proteção do armário, use as placas originais entre-
gues com a unidade. Com entradas de cabos definidas pelo utilizador, assegure o grau de
proteção, a proteção contra incêndios e a conformidade EMC.
500 (19.68”)

50 (1.97”) 500 (19.68”) 50 (1.97”)

 Entrada de ar pelo fundo do armário (opção +C128)


Os acionamentos com entrada de ar pelo fundo do armário (opção +C128) são destina-
dos para instalação numa conduta de ar no chão. Cada cubículo (exceto o adaptador de
entrada pelo topo e os cubículos de união) tem uma entrada através da placa do fundo. A
opção também acrescenta uma área de entrada com 130 mm de profundidade na parte
de trás do cubículo.
É apresentado abaixo um exemplo de entradas de ar na placa do fundo do armário.
Consulte os diagramas dimensionais entregues com o acionamento.

Apoie o plinto do armário a toda a volta.


Instalação mecânica 71

A conduta de ar deve poder fornecer um volume suficiente de ar de refrigeração. Ps valores


mínimos de fluxo de ar são apresentados na secção Dados de refrigeração, ruído (página
186).
O adaptador de entrada de cabo do topo e os cubículos de união não possuem entrada de
ar.

AVISO! Certifique-se de que o ar de entrada é suficientemente limpo. Caso


contrário, entrará poeira no armário. O filtro de saída no topo do armário evita a
saída da poeira. A poeira acumulada pode provocar o mau funcionamento do
acionamento e perigo de incêndio.

 Conduta de saída de ar no topo do armário (opção +C130)


O sistema de ventilação deve manter a pressão estática na conduta de saída de ar suficien-
temente abaixo da pressão da sala onde o acionamento está localizado para que os ventila-
dores do armário possam produzir o fluxo de ar necessário através do armário. Certifique-se
de que não existe possibilidade da sujidade ou humidade do ar entrar novamente para o
acionamento, mesmo durante períodos de inatividade ou durante alguma reparação do
acionamento ou do sistema de ventilação.

Cálculo da diferença de pressão estática requerida


A diferença da pressão estática requerida entre a conduta de saída de ar na sala de
instalação do acionamento pode ser calculada da seguinte forma:

 ps = (1.5…2) • pd

onde
pd = 0.5 •  • vm2
vm = q / Ac

pd Pressão dinâmica

 Densidade do ar (kg/m3)
vm Velocidade média do ar na(s) conduta(s) de saída de ar (m/s)
q Fluxo de ar nominal do acionamento (m3/s)
Ac Área de secção transversal da área da(s) conduta(s) de saída de ar (m2)

Exemplo
O armário tem 3 aberturas de saída com 315 mm de diâmetro. Fluxo de ar nominal do
armário é 4650 m3/h =1.3 m3/s.
Ac = 3 • 0.3152 •  / 4 = 0.234 m2
vm = q / Ac = 1.3 / 0.234 = 5.5 m/s

pd = 0.5 •  • vm2 = 0.5 • 1.1 • 5.52= 17 Pa


A pressão requerida na conduta de saída de ar é, por isso, 1.5…2 • 17 Pa = 26…34 Pa,
abaixo da pressão na sala.
Para mais informações: Contacte a ABB.
72 Instalação mecânica

 Soldadura por arco


Não é recomendado fixar armário através de soldadura por arco. No entanto, se a solda-
dura por arco for a única opção de montagem, ligue o condutor de retorno do equipamento
de soldadura à estrutura do armário a cerca de 0.5 metros (1’6”) do ponto de soldadura.
Nota: A espessura do revestimento de zinco da estrutura do armário é de 100 a 200
micrómetros (4 a 8 mil).

AVISO! Certifique-se de que o fio de retorno está ligado corretamente. A corrente


de soldadura não deve retornar através de qualquer componente ou cablagem do
acionamento. Se o condutor de retorno do equipamento de soldadura for ligado
incorretamente, o circuito de soldadura pode danificar os circuitos eletrónicos no armário.

AVISO! Não inale os fumos da soldadura.


Recomendações para planeamento da instalação elétrica 73

5
Recomendações para
planeamento da instalação
elétrica

Conteúdo deste manual


Este capítulo contém instruções sobre o planeamento da instalação elétrica do aciona-
mento. Algumas instruções são obrigatórias em cada instalação, outras fornecem infor-
mação útil que está relacionada apenas com certas aplicações.

Limites de responsabilidade
A instalação deve ser sempre projetada e executada de acordo com as leis e regulamen-
tos locais aplicáveis. A ABB não assume qualquer responsabilidade em instalações que
não cumpram a lei local e/ou outros regulamentos. Além disso, se as instruções forneci-
das pela ABB não forem cumpridas, podem ocorrer problemas ao acionamento que não
são abrangidos pela garantia.

Seleção do dispositivo de corte de alimentação


Como standard o acionamento está equipado com dispositivo de corte principal. Depen-
dendo do tamanho do acionamento e das opções selecionadas, o dispositivo de corte é
um interruptor-seccionador ou um disjuntor de ar comprimido. O dispositivo de corte pode
ser bloqueado na posição aberta durante a instalação e o trabalho de manutenção.
74 Recomendações para planeamento da instalação elétrica

Seleção do contactor principal


Os tamanhos de chassis 1×D8T + n×R8i, 2×D7T + 2×R8i e 2×D8T + n×R8i podem ser
equipados com um contactor de linha (opção +F250).

Análise da compatibilidade do motor e do acionamento


Use um motor de indução CA assíncrono, um motor síncrono de ímanes permanentes ou
um servomotor de indução CA com o acionamento. Podem ser ligados diversos motores
de indução ao acionamento em simultâneo.
Selecione o tamanho do motor e o tipo do acionamento da tabela de gamas no capítulo
Dados técnicos com base na tensão de linha CA e na carga do motor. Use a ferramenta
para PC DriveSize se necessitar de ajustar a seleção mais detalhadamente.
Certifique-se de que o motor suporta o pico de tensão máximo nos terminais do motor. Veja
Tabela de requisitos na página 75. Sobre as regras básicas de proteção do isolamento do
motor e das chumaceiras em sistemas de acionamento, consulte a secção Proteção dos
enrolamentos e das chumaceiras do motor abaixo.
Nota:
• Consulte o fabricante do motor antes de usar um motor cuja tensão nominal seja
diferente da tensão de linha CA ligada à entrada do acionamento.
• Os picos de tensão nos terminais do motor são relativos à tensão de alimentação do
acionamento, não à tensão de saída do acionamento.
• Se o motor e o acionamento não forem do mesmo tamanho, considere os seguintes
limites de operação do programa de controlo do acionamento:
• gama de tensão nominal do motor 1/6 ... 2 · UN
• gama corrente nominal do motor 1/6 ... 2 · IN do acionamento em controlo DTC e
0 ... 2 · IN em controlo escalar. O modo de controlo é selecionado com um
parâmetro do acionamento.

 Proteção dos enrolamentos e das chumaceiras do motor


O acionamento usa tecnologia moderna de inversores IGBT. Independentemente da
frequência, a saída do acionamento compreende impulsos de aproximadamente a tensão
do barramento CC do acionamento com um tempo de subida muito curto. A tensão de
impulso pode ser quase o dobro nos terminais do motor, dependendo das propriedades
de atenuação e reflexão do cabo do motor e dos terminais. Isto pode provocar stress
adicional no isolamento do motor e do cabo do motor.
Os acionamentos de velocidade variável modernos com os seus impulsos rápidos de
aumento de tensão e frequências de comutação elevadas podem provocar impulsos de
corrente que passam através das chumaceiras do motor. Isto pode provocar a erosão
gradual das pistas da chumaceiras e elementos rolantes.
Filtros du/dt opcionais protegem o sistema de isolamento do motor e reduzem as corren-
tes nas chumaceiras. Os filtros de modo comum opcionais reduzem principalmente as
correntes nas chumaceiras. As chumaceiras isoladas no lado-N (lado não-acionado) pro-
tegem as chumaceiras do motor.
Recomendações para planeamento da instalação elétrica 75

 Tabela de requisitos
A tabela seguinte mostra como selecionar o sistema de isolamento do motor e quando
são necessários filtros du/dt de modo comum opcionais e chumaceiras do motor isoladas
no lado N (lado não-acionado). O não cumprimento dos requisitos ou uma instalação
incorreta podem encurtar o tempo de vida ou danificar as chumaceiras do motor, o que
anula a garantia.
Tipo de Tensão nominal Requisitos para
motor CA de Sistema de Filtros du/dt e de modo comum da ABB, chumaceiras
alimentação isolamento do motor isoladas no lado-N
do motor P < 100 kW 100 kW < PN < PN > 350 kW
N
e tamanho 350 kW ou
de chassis ou tamanho de
< IEC 315 IEC 315 < tamanho chassis > IEC 400
de chassis < IEC 400
PN < 134 hp 134 hp < PN < 469 hp PN > 469 hp
e tamanho ou ou
de chassis NEMA 500 < tamanho de
< NEMA 500 tamanho de chassis chassis >
< NEMA 580 NEMA 580
Motores ABB
Bobinagem UN < 500 V Standard - +N + N + CMF
aleatória 500 V < UN < 600 V Standard + du/dt + N + du/dt + N + du/dt + CMF
M2_, M3_ e
ou
M4_
Reforçado - +N + N + CMF
600 V < UN < 690 V Reforçado + du/dt + N + du/dt + N + du/dt + CMF
(comprimento do
cabo < 150 m)
600 V < UN < 690 V Reforçado - +N + N + CMF
(comprimento do
cabo > 150 m)
Bobinagem 380 V < UN < 690 V Standard n.a. + N + CMF PN < 500 kW:
pré-formada +N + CMF
HX_ e AM_ PN > 500 kW
+N + du/dt + CMF
Bobinagem 380 V < UN < 690 V Verifique + N + du/dt com tensões superiores a 500 V + CMF
pré- com o
formada* fabricante
HX_ e o motor.
modular
Bobinagem 0 V < UN < 500 V Cabo + N + CMF
aleatória 500 V < UN < 690 V esmaltado + N + du/dt + CMF
HX_ e AM_ com fita de
** fibra de vidro
HDP Consulte o fabricante do motor
* fabricado antes de 1.1.1998
** Para motores fabricados antes de 1.1.1998, consulte as instruções adicionais do fabricante.
76 Recomendações para planeamento da instalação elétrica

Tipo de Tensão nominal Requisitos para


motor CA de Sistema de Filtros du/dt e de modo comum da ABB, chumaceiras
alimentação isolamento do motor isoladas no lado-N
do motor P < 100 kW 100 kW < PN < PN > 350 kW
N
e tamanho 350 kW ou
de chassis ou tamanho de
< IEC 315 IEC 315 < tamanho chassis > IEC 400
de chassis < IEC 400
PN < 134 hp 134 hp < PN < 469 hp PN > 469 hp
e tamanho ou ou
de chassis NEMA 500 < tamanho de
< NEMA 500 tamanho de chassis chassis >
< NEMA 580 NEMA 580
Motores não-ABB
Bobinagem UN < 420 V Standard: - + N ou CMF + N + CMF
aleatória e ÛLL =
pré-formada 1300 V
420 V < UN < 500 V Standard: + du/dt + du/dt + (N ou CMF) + N + du/dt + CMF
ÛLL = 1300 V
ou
Reforçado: - + N ou CMF + N + CMF
ÛLL = 1600 V,
0.2 micros-
segundos de
tempo de
subida
500 V < UN < 600 V Reforçado: + du/dt + du/dt + (N ou CMF) + N + du/dt + CMF
ÛLL =
1600 V
ou
Reforçado: - + N ou CMF + N + CMF
ÛLL =
1800 V
600 V < UN < 690 V Reforçado: + du/dt + du/dt + N + N + du/dt + CMF
ÛLL =
1800 V
Reforçado: - N + CMF + N + CMF
ÛLL =
2000 V, 0.3
microsse-
gundos de
tempo de
subida ***
*** Se a tensão CC do circuito intermédio do acionamento for aumentada do nível nominal por travagem
por resistências, confirme com o fabricante do motor se não são necessários filtros de saída adicionais
na gama de operação aplicada ao acionamento.

As abreviaturas usadas na tabela são descritas abaixo.


Abr. Definição
UN Tensão de linha CA nominal
ÛLL Picos de tensão composta nos terminais do motor suportados pelo isolamento do motor
PN Potência nominal do motor
du/dt filtro du/dt à saída do acionamento (equipamento standard)
CMF Filtro de modo comum (equipamento standard)
N Chumaceira do lado-N: chumaceira isolada do lado oposto ao ataque
n.a. motores desta gama de potências não estão disponíveis como unidades standard. Consulte o
fabricante do motor
Recomendações para planeamento da instalação elétrica 77

Requisitos adicionais para motores anti-deflagrantes (EX)


Se usar um motor anti-deflagrante (EX), cumpra as regras na tabela de requisitos acima.
Além disso, consulte o fabricante do motor para mais requisitos.

Requisitos adicionais motores ABB - tipos diferentes de M2_, M3_, M4_, HX_ e AM_
Use o critério de seleção apresentado para motores não ABB.

Requisitos adicionais para aplicações de travagem


Quando o motor trava a maquinaria, a tensão CC do circuito intermédio do acionamento
aumenta, sendo o efeito similar ao do aumento da tensão de alimentação do motor em
mais de 20%. Considere este aumento de tensão quando especificar os requisitos de
isolamento do motor se este for travar uma grande parte do seu tempo de operação.
Exemplo: O requisito de isolamento do motor para uma aplicação com 400 V de tensão de
linha deve ser selecionado como se o acionamento fosse alimentado a 480 V.

Requisitos adicionais para motores de alta potência e motores IP 23 da ABB


A potência de saída nominal de motores de alta potência é superior à apresentadas para
o tamanho de chassis particular na EN 50347 (2001). Esta tabela apresenta os requisitos
para as séries de motores bobinagem pré-formada da ABB (por exemplo, M3AA, M3AP e
M3BP).
Tensão nominal da Requisitos para
rede (tensão de Sistema de Filtros du/dt e de modo comum da ABB, chumaceiras do
linha CA) isolamento do motor isoladas no lado N
motor PN < 100 kW 100 kW < PN < 200 kW PN > 200 kW
PN < 140 hp 140 hp < PN < 268 hp PN > 268 hp
UN < 500 V Standard - +N + N + CMF
500 V < UN < 600 V Standard + du/dt + du/dt + N + du/dt + N + CMF
ou
Reforçado - +N + N + CMF
600 V < UN < 690 V Reforçado + du/dt + du/dt + N + du/dt + N + CMF

Requisitos adicionais para motores de alta potência e motores IP 23 não-ABB


A potência de saída nominal de motores de alta potência é superior à apresentadas para
o tamanho de chassis particular na EN 50347 (2001). Se planear usar um motor de alta
potência não ABB ou um motor IP23, consulte o fabricante do motor.
78 Recomendações para planeamento da instalação elétrica

Dados adicionais para cálculo do tempo de subida e do pico de tensão linha-a-linha


Se for necessário calcular a tensão de pico atual e o tempo de pico de tensão conside-
rando o comprimento atual do cabo, proceda da seguinte forma:
• Pico de tensão linha-a-linha: Consulte o valor relativo ÛLL/UN no esquema abaixo e
multiplique o mesmo pela tensão nominal de alimentação (UN).
• Tempo de aumento de tensão: Consulte os valores relativos ÛLL/UN e (du/dt)/UN no
esquema abaixo. Multiplique os valores pela tensão nominal de alimentação (UN) e
substitua pela equação t = 0.8 · ÛLL/(du/dt).

3.0
ÛLL/UN
2.5

2.0

1.5
du/dt
------------- (1/s)
UN
1.0

0.5

0.0
100 200 300 l (m)

I Comprimentos do cabo do motor


ÛLL/UN Pico de tensão linha-a-linha relativo
(du/dt)/UN Valor du/dt relativo
Nota: Os valores ÛLL e du/dt são aproximadamente 20% mais altos com travagem por resistência.

Seleção dos cabos de potência


 Regras gerais
Dimensione os cabos de entrada de potência e do motor de acordo com os regulamentos
locais:
• Selecione um cabo capaz de transportar a corrente nominal do acionamento. Con-
sulte a secção Gamas (página 177) para as correntes nominais e a secção Tamanhos
de cabo comuns (página 80) para tamanhos de cabo comuns.
• Selecione um cabo dimensionado para pelo menos 70 °C de temperatura máxima
permitida do condutor em uso contínuo. Para EUA, veja Requisitos US adicionais,
página 84.
• A indutância e a impedância do cabo/condutor PE (cabo de terra) devem ser dimen-
sionadas de acordo com a tensão de contacto permitida em condições de falha (para
que a tensão no ponto de falha não suba demasiado quando ocorrer uma falha à
terra).
• É aceite cabo de 600 V CA até 500 V CA. É aceite cabo de 750 V CA para até 600 V
CA. Para equipamento a 690 V CA, a tensão entre os condutores do cabo deve ser,
no mínimo, 1 kV.
Recomendações para planeamento da instalação elétrica 79

Use cabo de motor blindado simétrico, (ver página 83). Ligue à terra as blindagens do
cabo do motor a 360° em ambas as extremidades. Mantenha o cabo do motor e o PE
(blindagem entrançada) o mais curto possível para reduzir as emissões eletromagnéticas
de alta frequência.
Nota: Quando são usadas condutas metálicas contínuas, não é necessário o cabo
blindado. A conduta deve ser soldada em ambas as extremidades.
É permitido um sistema de quatro condutores para os cabos de entrada, mas recomenda-
se um cabo simétrico blindado.
Em comparação com um sistema de quatro condutores, o uso de um cabo simétrico blin-
dado reduz a emissão eletromagnética de todo o sistema de acionamento, as correntes
nas chumaceiras do motor e o desgaste.
O condutor de proteção deve ter sempre uma condutividade adequada. A tabela abaixo
apresenta a área transversal mínima relacionada com o tamanho do condutor de fase
segundo a IEC 61439-1 quando o condutor de fase e o condutor de proteção são fabrica-
dos no mesmo metal.
Secção dos condutores de fase Secção mínima do condutor de proteção
S (mm2) correspondente
Sp (mm2)
S < 16 S
16 < S < 35 16
35 < S < 400 S/2
400 < S < 800 200
80 Recomendações para planeamento da instalação elétrica

 Tamanhos de cabo comuns


Tamanhos de cabo de entrada (alimentação)
A tabela abaixo apresenta os tipos de cabos de cobre e de alumínio com blindagem de
cobre concêntrica para corrente nominal. Sobre os esquemas dos terminais, consulte o
capítulo Dimensões (página 201).
IEC 1) US 2)
Tipo de
acionamento Tamanho de Tamanho do
Tamanho de cabo Al Tamanho de cabo Cu
cabo Cu cabo de terra
ACS880-07-…
mm2 mm2 AWG/kcmil AWG/kcmil
UN = 400 V
0990A-3+A004 6 × (3 × 150 + 41 Cu) 4 × (3 × 240 + 120) 3 × 250 1/0
1140A-3 5 × (3 × 240 + 72 Cu) 4 × (3 × 240 + 120) 5 × 400 4/0
1140A-3+A004 6 × (3 × 185 + 57 Cu) 4 × (3 × 240 + 120) 3 × 300 3/0
1250A-3 6 × (3 × 240 + 72 Cu) 5 × (3 × 185 + 95) 6 × 350 3/0
1250A-3+A004 6 × (3 × 240 + 72 Cu) 6 × (3 × 150 + 70) 4 × 4/0 3/0
1480A-3 7 × (3 × 240 + 72 Cu) 5 × (3 × 240 + 120) 7 × 350 4/0
1480A-3+A004 8 × (3 × 185 + 57 Cu) 6 × (3 × 185 + 95) 4 × 300 4/0
1760A-3 8 × (3 × 240 + 72 Cu) 8 × (3 × 150 + 70) 7 × 500 4/0
1760A-3+A004 8 × (3 × 240 + 72 Cu) 8 × (3 × 150 + 70) 5 × 250 4/0
2210A-3 10 × (3 × 240 + 72 Cu) 9 × (3 × 185 + 95) 11 × 300 4/0
2210A-3+A004 10 × (3 × 240 + 72 Cu) 10 × (3 × 150 + 70) 7 × 4/0 3/0
2610A-3 12 × (3 × 240 + 72 Cu) 9 × (3 × 240 + 120) 12 × 350 4/0
2610A-3+A004 12 × (3 × 240 + 72 Cu) 12 × (3 × 150 + 70) 6 × 350 3/0
UN = 500 V
0990A-5+A004 6 × (3 × 150 + 41 Cu) 4 × (3 × 240 + 120) 3 × 250 1/0
1070A-5 5 × (3 × 240 + 72 Cu) 4 × (3 × 240 + 120) 6 × 250 4/0
1320A-5 6 × (3 × 240 + 72 Cu) 6 × (3 × 150 + 70) 6 × 350 4/0
1320A-5+A004 6 × (3 × 240 + 72 Cu) 6 × (3 × 150 + 70) 4 × 250 4/0
1450A-5 8 × (3 × 185 + 57 Cu) 5 × (3 × 240 + 120) 7 × 350 4/0
1450A-5+A004 8 × (3 × 185 + 57 Cu) 6 × (3 × 185 + 95) 4 × 250 4/0
1580A-5 7 × (3 × 240 + 72 Cu) 10 × (3 × 95 + 50) 8 × 300 4/0
1580A-5+A004 10 × (3 × 150 + 41 Cu) 8 × (3 × 150 + 70) 5 × 4/0 4/0
1800A-5 8 × (3 × 240 + 72 Cu) 6 × (3 × 240 + 120) 8 × 400 4/0
1800A-5+A004 8 × (3 × 240 + 72 Cu) 8 × (3 × 185 + 95) 6 × 4/0 4/0
1980A-5 9 × (3 × 240 + 72 Cu) 8 × (3 × 185 + 95) 10 × 300 4/0
1980A-5+A004 12 × (3 × 150 + 41 Cu) 8 × (3 × 185 + 95) 5 × 300 4/0
UN = 690 V
0800A-7 4 × (3 × 240 + 72 Cu) 3 × (3 × 240 + 120) 4 × 300 4/0
0800A-7+A004 4 × (3 × 240 + 72 Cu) 4 × (3 × 150 + 70) 2 × 300 1/0
0900A-7 4 × (3 × 240 + 72 Cu) 3 × (3 × 240 + 120) 4 × 400 4/0
0950A-7+A004 6 × (3 × 150 + 41 Cu) 4 × (3 × 185 + 95) 3 × 4/0 2/0
1160A-7 6 × (3 × 185 + 57 Cu) 4 × (3 × 240 + 120) 6 × 300 2/0
1160A-7+A004 6 × (3 × 185 + 57 Cu) 4 × (3 × 240 + 120) 3 × 300 2/0
1450A-7 8 × (3 × 185 + 57 Cu) 5 × (3 × 240 + 120) 7 × 350 4/0
1450A-7+A004 8 × (3 × 185 + 57 Cu) 6 × (3 × 185 + 95) 4 × 250 4/0
1650A-7 9 × (3 × 185 + 57 Cu) 7 × (3 × 185 + 95) 7 × 400 4/0
Recomendações para planeamento da instalação elétrica 81

IEC 1) US 2)
Tipo de
Tamanho de Tamanho do
acionamento Tamanho de cabo Al Tamanho de cabo Cu
cabo Cu cabo de terra
ACS880-07-…
mm2 mm2 AWG/kcmil AWG/kcmil
1650A-7+A004 10 × (3 × 150 + 41 Cu) 8 × (3 × 150 + 70) 4 × 350 4/0
1950A-7 9 × (3 × 240 + 72 Cu) 8 × (3 × 185 + 95) 9 × 350 4/0
1950A-7+A004 10 × (3 × 185 + 57 Cu) 8 × (3 × 185 + 95) 6 × 4/0 2/0
2300A-7 12 × (3 × 185 + 57 Cu) 8 × (3 × 240 + 120) 10 × 400 4/0
2300A-7+A004 12 × (3 × 185 + 57 Cu) 8 × (3 × 240 + 120) 6 × 300 2/0
2600A-7 14 × (3 × 185 + 57 Cu) 9 × (3 × 240 + 120) 11 × 400 4/0
2600A-7+A004 12 × (3 × 240 + 72 Cu) 12 × (3 × 150 + 70) 8 × 4/0 4/0
2860A-7 15 × (3 × 185 + 57 Cu) 15 × (3 × 120 + 70) 11 × 500 4/0
2860A-7+A004 12 × (3 × 300 + 88 Cu) 10 × (3 × 240 + 120) 8 × 250 4/0

+A004 = Ligação da alimentação 12 impulsos

1. O dimensionamento do cabo é baseado num máximo de 9 cabos estendidos numa escada de cabo, lado a
lado, três tabuleiros tipo escada, um por cima do outro, à temperatura ambiente de 30 °C, isolamento PVC,
temperatura da superfície de 70 °C (EN 60204-1 e IEC 60364-5-52/2001). Sobre outras condições, dimen-
sione os cabos de acordo com os regulamentos de segurança locais, tensão de entrada apropriada e cor-
rente de carga do acionamento.
2. O dimensionamento do cabo é baseado na Tabela NEC 310-15(B)(16) para cabos de cobre, 75 °C (167
°F) isolamento de cabo a 40 °C (104 °F) de temperatura ambiente. Não mais de três condutores de trans-
porte de corrente na conduta ou cabos ou terra (quando enterrados diretamente). Sobre outras condições,
dimensione os cabos de acordo com os regulamentos de segurança locais, tensão de entrada apropriada
e corrente de carga do acionamento.

Tamanhos do cabo de saída (motor)


A tabela abaixo apresenta os tipos de cabos de cobre e de alumínio com blindagem de
cobre concêntrica para corrente nominal. Sobre os esquemas dos terminais, consulte o
capítulo Dimensões (página 201).
Nota: Sem opções selecionadas, cada módulo inversor do acionamento deve ser cablado
individualmente ao motor. Veja ainda as secções Cubículo do terminal comum do motor
(opção +H359) (página 50) e Terminal comum de saída (opção +H366) (página 50).

Tipo de IEC 1) US 2)
acionamento Tamanho de cabo Al Tamanho de cabo Cu Tamanho de cabo Cu
ACS880-07-… mm 2
mm 2
AWG/kcmil
UN = 400 V
0990A-3+A004 6 × (3 × 150 + 70 Cu) 4 × (3 × 185 + 95) 5 × 300
1140A-3
6 × (3 × 185 + 57 Cu) 4 × (3 × 240 × 120) 5 × 400
1140A-3+A004
1250A-3
6 × (3 × 240 + 72 Cu) 6 × (3 × 150 × 70) 6 × 350
1250A-3+A004
1480A-3
8 × (3 × 185 + 57 Cu) 6 × (3 × 185 × 95) 7 × 350
1480A-3+A004
1760A-3
8 × (3 × 240 + 72 Cu) 8 × (3 × 150 × 70) 7 × 500
1760A-3+A004
2210A-3
12 × (3 × 185 + 57 Cu) 9 × (3 × 185 × 95) 11 × 300
2210A-3+A004
2610A-3
12 × (3 × 240 + 72 Cu) 12 × (3 × 150 × 70) 12 × 350
2610A-3+A004
82 Recomendações para planeamento da instalação elétrica

Tipo de IEC 1) US 2)
acionamento Tamanho de cabo Al Tamanho de cabo Cu Tamanho de cabo Cu
ACS880-07-… mm 2 mm2 AWG/kcmil
UN = 500 V
0990A-5+A004 6 × (3 × 150 + 70 Cu) 4 × (3 × 185 × 95) 5 × 300
1070A-5 6 × (3 × 150 + 70 Cu) 4 × (3 × 185 × 95) 5 × 350
1320A-5 6 × (3 × 240 + 72 Cu) 6 × (3 × 150 × 70) 6 × 350
1320A-5+A004 8 × (3 × 185 + 57 Cu) 6 × (3 × 150 × 70) 6 × 350
1450A-5
8 × (3 × 185 + 57 Cu) 6 × (3 × 185 × 95) 7 × 350
1450-5+A004
1580A-5
8 × (3 × 185 + 57 Cu) 8 × (3 × 150 × 70) 6 × 500
1580A-5+A004
1800A-5
9 × (3 × 240 + 72 Cu) 9 × (3 × 150 × 70) 8 × 400
1800A-5+A004
1980A-5
9 × (3 × 240 + 72 Cu) 9 × (3 × 150 × 70) 10 × 300
1980A-5+A004
UN = 690 V
0800A-7
6 × (3 × 120 + 41 Cu) 4 × (3 × 150 + 70) 4 × 300
0800A-7+A004
0900A-7
6 × (3 × 150 + 41 Cu) 4 × (3 × 185 + 95) 4 × 400
0950A-7+A004
1160A-7
6 × (3 × 185 + 57 Cu) 4 × (3 × 240 × 120) 6 × 300
1160A-7+A004
1450A-7
9 × (3 × 150 + 41 Cu) 6 × (3 × 185 + 95) 7 × 350
1450A-7+A004
1650A-7
9 × (3 × 185 + 57 Cu) 9 × (3 × 120 × 70) 7 × 400
1650A-7+A004
1950A-7
12 × (3 × 150 + 41 Cu) 8 × (3 × 185 + 95) 9 × 350
1950A-7+A004
2300A-7 10 × (3 × 240 + 72 Cu) 10 × (3 × 185 × 95) 10 × 400
2300A-7+A004 12 × (3 × 185 + 57 Cu) 8 × (3 × 240 × 120) 10 × 400
2600A-7
15 × (3 × 150 + 41 Cu) 15 × (3 × 120 × 70) 11 × 400
2600A-7+A004
2860A-7
15 × (3 × 185 + 57 Cu) 15 × (3 × 120 × 70) 11 × 500
2860A-7+A004

+A004 = Ligação da alimentação 12 impulsos

1. O dimensionamento do cabo é baseado num máximo de 9 cabos estendidos numa escada de cabo, lado a
lado, três tabuleiros tipo escada, um por cima do outro, à temperatura ambiente de 30 °C, isolamento PVC,
temperatura da superfície de 70 °C (EN 60204-1 e IEC 60364-5-52/2001). Sobre outras condições, dimen-
sione os cabos de acordo com os regulamentos de segurança locais, tensão de entrada apropriada e cor-
rente de carga do acionamento.
2. O dimensionamento do cabo é baseado na Tabela NEC 310-15(B)(16) para cabos de cobre, 75 °C (167 °F) iso-
lamento de cabo a 40 °C (104 °F) de temperatura ambiente. Não mais de três condutores de transporte de
corrente na conduta ou cabos ou terra (quando enterrados diretamente). Sobre outras condições, dimen-
sione os cabos de acordo com os regulamentos de segurança locais, tensão de entrada apropriada e cor-
rente de carga do acionamento.
Recomendações para planeamento da instalação elétrica 83

 Tipos de cabos de potência alternativos


Os tipo de cabo de potência recomendados e não permitidos a serem usados com o
acionamento são apresentados abaixo.

Tipos de cabos de potência recomendados

PE Cabo blindado simétrico com condutores de três fases e condutor PE concên-


trico como blindagem. A blindagem deve cumprir os requisitos da IEC 61439-1,
veja a página 78. Consulte os códigos elétricos locais/estatais/nacionais para
permissões.

Cabo blindado simétrico com condutores de três fases e condutor PE


concêntrico como blindagem. É necessário um condutor PE separado se a
blindagem não cumprir os requisitos da IEC 61439-1, veja a página 78.
PE

Cabo blindado simétrico com condutores de três fases e condutor PE simetrica-


PE
mente construído e uma blindagem. O condutor PE deve cumprir com os requi-
sitos da IEC 61439-1.

Tipos de cabo de potência para uso limitado

Para a cablagem do motor, não é permitido um sistema de quatro condutores


PE
(condutores de três fases e um condutor de proteção numa esteira de cabos)
(permitido para a cablagem de entrada).

Tipos de cabos de potência não permitidos

Cabo blindado simétrico com blindagens individuais para cada condutor de fase
PE
não é permitido em qualquer tamanho de cabo para cablagem de entrada ou do
motor.

 Blindagem do cabo do motor


Se a blindagem do cabo do motor for usada como único condutor de proteção à terra do
motor, certifique-se que a condutividade da blindagem é suficiente. Consulte a subsecção
Regras gerais acima ou a IEC 61439-1. Para suprimir eficazmente as emissões de radio-
frequência por condução e radiação, a condutividade da blindagem do cabo deve ser pelo
menos 1/10 da condutividade do condutor de fase. Os requisitos são facilmente cumpri-
dos com uma blindagem em cobre ou alumínio. Os requisitos mínimos da blindagem do
cabo do motor do acionamento são apresentados abaixo. Consiste numa camada con-
cêntrica de fios de cobre com uma espiral aberta de fita de cobre. Quanto melhor e mais
apertada for a blindagem, mais baixo é o nível de emissão e as correntes nas chumacei-
ras
84 Recomendações para planeamento da instalação elétrica

4
5

1 3 2

1 Revestimento isolante
2 Isolamento interior
3 Espiral de fita de cobre ou cabo de cobre
4 Isolamento interior
5 Núcleo do cabo

 Requisitos US adicionais
Se não usar uma conduta metálica, recomenda-se a utilização de um cabo de alumínio
armado contínuo do tipo MC com ligação simétrica à terra ou cabo de potência blindado
para os cabos do motor. No mercado norte-americano é aceite um cabo de 600 V CA para
até 500 V CA. É necessário cabo de 1000 V CA acima de 500 V CA (abaixo de 600 V CA).
Para acionamentos com mais de 100 amperes, os cabos de potência devem ser dimen-
sionados para 75 °C (167 °F).

Condutas
As partes separadas da conduta devem ser acopladas em conjunto: ligue as juntas com um
condutor de terra ligado à conduta em cada lado da junção. Ligue também as condutas ao
chassis do acionamento e à carcaça do motor. Use condutas separadas para os cabos de
entrada, do motor, das resistências de travagem e de comando. Quando é usada uma con-
duta, não é necessário cabo de alumínio armado tipo MC contínuo corrugado ou cabo blin-
dado. Uma ligação à terra dedicada é sempre necessária.
Nota: Não passe os cabos do motor de mais de um acionamento pela mesma conduta.

Cabo de potência blindado / cabo armado


Cabo de alumínio armado tipo MC contínuo corrugado de seis condutores com terra
simétrica (3 fases e 3 terras) está disponível nos seguintes fornecedores:
• Anixter Wire & Cable (Philsheath)
• BICC General Corp (Philsheath)
• Rockbestos Co. (Gardex)
• Oaknite (CLX).
Cabos de potência blindados estão disponíveis na Belden, LAPPKABEL (ÖLFLEX) e
Pirelli.

Planeamento do sistema de travagem


Veja o capítulo Travagem com resistências.

Seleção dos cabos de controlo


 Blindagem
Todos os cabos de controlo devem ser blindados.
Recomendações para planeamento da instalação elétrica 85

Use um cabo par entrançado de blindagem dupla para os sinais analógicos. Este tipo de
cabo é recomendado também para sinais de codificador de impulsos. Utilize um par indivi-
dualmente blindado para cada sinal. Não use um retorno comum para sinais analógicos
diferentes.
Um cabo de blindagem dupla (figura abaixo) é a melhor alternativa para sinais digitais de
baixa tensão mas um cabo de par entrançado de blindagem única (b) é também aceitável.

a b

 Sinais em cabos separados


Use cabos blindados distintos para sinais analógicos e digitais. Nunca misture sinais de
24 V CC e 115/230 V CA no mesmo cabo.

 Sinais permitidos passar no mesmo cabo


Os sinais controlados por relé, desde que a sua tensão não ultrapasse os 48 V, podem
passar nos mesmos cabos dos sinais das entradas digitais. Os sinais controlados por relé
devem ser passados como pares entrançados.

 Tipo de cabo de relé


O tipo de cabo com blindagem metálica (por exemplo ÖLFLEX da LAPPKABEL, Alemanha)
foi testado e aprovado pela ABB.

 Comprimento e tipo de cabo da consola de programação


Em utilização remota, o cabo que liga o painel de controlo ao acionamento não deve
exceder três metros (10 ft). Tipo de cabo: cabo CAT 5e blindado ou cabo de interconexões
Ethernet com pontas RJ-45.

Passagem dos cabos


O cabo do motor deve ser instalado longe de outros caminhos de cabos. Cabos de motor
de vários acionamentos podem ser passados em paralelo, próximos uns dos outros. O
cabo do motor, cabo de potência de entrada e os cabos de controlo devem ser instalados
em esteiras separadas. Devem ser evitadas longas passagens paralelas de cabos de
motor com outros cabos a fim de diminuir a interferência eletromagnética provocada pelas
rápidas variações da tensão de saída do acionamento.
Nos locais onde os cabos de controlo têm de cruzar com cabos de potência, certifique-se
de que estão dispostos num ângulo o mais próximo possível de 90 graus. Não devem ser
passados cabos extra através do acionamento.
As esteiras dos cabos devem ter boa ligação elétrica entre si e aos elétrodos de terra. Os
sistemas de esteiras de alumínio podem ser usados para equilibrar o potencial local.
86 Recomendações para planeamento da instalação elétrica

É apresentado abaixo um diagrama do percurso de cabos.

Cabo do motor
Acionamento
Cabo de potência min 300 mm (12 in.)

Cabo entrada potência Cabo do motor

min 200 mm (8 in.) 90°


min 500 mm (20 in.)

Cabos de controlo

 Condutas do cabo de controlo separadas


Passe os cabos de controlo de 24 V e 230 V (120 V) em condutas separadas exceto se o
cabo de 24 V estiver isolado para 230 V (120 V) ou isolado com uma manga para 230 V
(120 V).

230 V 230 V
24 V (120 V) 24 V (120 V)

 Blindagem do cabo do motor contínuo ou estrutura para


equipamento no cabo do motor
Para minimizar o nível de emissão quando são instalados interruptores de segurança,
contactores, caixas de ligação ou equipamentos similares no cabo do motor (i.e. entre o
acionamento e o motor):
• União Europeia: Instale o equipamento num armário metálico com ligação à terra a
360 graus das blindagens do cabo de entrada e do cabo de saída, ou ligue as
blindagens entre si.
• US: Instale o equipamento num armário metálico de forma a que a conduta ou a
blindagem do cabo do motor fiquem ligadas consistentemente e sem interrupções
desde o acionamento até ao motor.
Recomendações para planeamento da instalação elétrica 87

Implementação da proteção contra sobrecarga térmica e


curto-circuito
 Proteção do acionamento e cabo de potência de entrada em curto-
circuitos
Como standard o acionamento está equipado com fusíveis internos CA. Proteja o cabo
entrada com fusíveis ou com um disjuntor adequado. Dimensione os fusíveis do cabo de
entrada de acordo com as instruções apresentadas no capítulo Dados técnicos. Os fusí-
veis protegem o cabo de entrada em situações de curto-circuito, diminuem os danos do
acionamento e evitam danos no equipamento circundante no caso de um curto-circuito no
interior do acionamento.

 Proteção do motor e do cabo do motor em curto-circuitos


O acionamento protege o cabo do motor e o motor em caso de curto-circuito se o cabo do
motor estiver dimensionado de acordo com a corrente nominal do acionamento. Não são
necessários dispositivos de proteção adicionais.

 Proteção do acionamento e dos cabos dos cabos de potência


contra sobrecarga térmica
O acionamento protege-se a si mesmo e aos cabos de entrada e do motor contra sobre-
carga térmica se os cabos estiverem dimensionados de acordo com a corrente nominal
do acionamento. Não são necessários dispositivos de proteção térmica adicionais.

AVISO! Se o acionamento estiver ligado a múltiplos motores, use um disjuntor sepa-


rado ou fusíveis para proteção de cada cabo do motor e do motor contra sobrecarga.
A proteção contra sobrecarga do acionamento é ajustada para a carga total do motor.
Pode não disparar devido a uma sobrecarga apenas no circuito de um motor.

 Proteção do motor contra sobrecarga térmica


Segundo as normas, o motor deve ser protegido contra sobrecarga térmica e a corrente
deve ser desligada quando é detetada sobrecarga. O acionamento inclui uma função de
proteção térmica que protege o motor e desliga a corrente quando necessário. Depen-
dendo do valor de um parâmetro do acionamento, a função monitoriza um valor calculado
de temperatura (baseado num modelo térmico de motor) ou uma indicação da tempera-
tura atual fornecida pelos sensores de temperatura do motor. O utilizador pode ajustar
ainda mais o modelo térmico fornecendo dados adicionais do motor e da carga.
Os sensores de temperatura mais comuns são:
• tamanhos de motor IEC180…225: interruptor térmico, ex. Klixon
• motores de tamanho IEC200…250 e maiores: PTC ou Pt100.
Para mais informações sobre a proteção térmica do motor, e a ligação e uso dos sensores
de temperatura, consulte o manual de firmware.

Proteção do acionamento contra falhas à terra


O acionamento está equipado com uma função interna de proteção de falha à terra para
proteger a unidade contra falhas à terra no motor e no cabo do motor em redes TN (ligadas
à terra). Esta não é uma característica de segurança de pessoas ou proteção contra fogos.
88 Recomendações para planeamento da instalação elétrica

A função de proteção de falha à terra pode ser desativada com um parâmetro, consulte o
manual de firmware.
Está disponível um dispositivo opcional de monitorização de falhas à terra (+Q954) para
sistemas IT (sem ligação à terra). A opção inclui uma luz indicadora de falha à terra na
porta do armário do acionamento.

 Compatibilidade com o dispositivo de corrente residual


Este acionamento é adequado para ser usado com dispositivos de corrente residual do
Tipo B.
Nota: O filtro EMC do acionamento inclui condensadores ligados entre o circuito principal
e o chassis. Os condensadores e os cabos longos do motor aumentam a corrente de
fugas à terra e podem provocar o disparo de alguns disjuntores.

Implementação da função de paragem de emergência


O acionamento pode ser equipado com uma função de paragem de emergência da cate-
goria 0 ou 1. Por razões de segurança, deve instalar dispositivos de paragem de emer-
gência em cada posto de comando e em outros locais onde a paragem de emergência
possa ser necessária.

Nota: Premindo a tecla stop na consola de programação do acionamento, ou rodando


o interruptor de operação do acionamento da posição “1” para a “0” não gera uma para-
gem de emergência do motor ou isola o acionamento de perigos potenciais.
Consulte o manual apropriado da paragem de emergência sobre as instruções de cablagem,
arranque e operação.
Cód.
Código do
da Manual do utilizador
manual (Inglês)
opção
+Q951 Paragem de emergência, paragem categoria 0 (usando contactor/disjuntor 3AUA0000119895
principal)
+Q952 Paragem de emergência, paragem categoria 1 (usando contactor/disjuntor 3AUA0000119896
principal)
+Q963 Paragem de emergência, paragem categoria 0 (usando Binário seguro off) 3AUA0000119908
+Q964 Paragem de emergência, paragem categoria 1 (usando Binário seguro off) 3AUA0000119909
+Q978 Paragem de emergência, paragem categoria0 ou 1 (usando contactor/disjunto 3AUA0000145920
principal e Binário seguro off)
+Q979 Paragem de emergência, paragem categoria 0 ou 1 (usando Binário seguro 3AUA0000145921
off)

Implementação da função de Binário seguro off


Veja o capítulo Função de Binário seguro off (na página 249).

Implementação da função de Prevenção de arranque


inesperado.
O acionamento pode ser equipado com uma função de Prevenção de arranque inespe-
rado (POUS) com um módulo de funções de segurança FSO-xx (opção +Q950) ou com
um relé de segurança (opção +Q957). A função POUS permite a execução de trabalhos
de manutenção de curta duração (como limpeza) nas partes não elétricas da maquinaria
sem que seja necessário desligar e cortar a alimentação ao acionamento.
Recomendações para planeamento da instalação elétrica 89

Consulte o manual do utilizador apropriado, sobre as instruções de arranque e operação.


Cód.
Código do
da Manual do utilizador
manual (Inglês)
opção
+Q950 Prevenção de arranque inesperado, com o módulo de funções de segurança 3AUA0000145922
FSO-xx
Q957 Prevenção de arranque inesperado, com relé de segurança 3AUA0000119910

Implementação das funções fornecidas pelo módulo de


funções de segurança FSO-xx (opção +Q972 ou +Q973)
O acionamento pode ser equipado com um módulo de funções de segurança FSO-xx
(opção +Q972 ou +Q973) que permite a implementação de funções como Controlo de
travagem seguro (SBC), Paragem segura 1 (SS1), Paragem de emergência segura
(SSE), Velocidade limitada em segurança (SLS) e Velocidade máxima segura (SMS).
Os ajustes do FSO-xx encontram-se nos valores por defeito quando entregues da fábrica.
Os conectores do módulo são pré-cablados ao bloco de terminais X68. A cablagem do
circuito externo de segurança e a configuração do módulo FSO-xx são da responsabilidade
do fabricante da máquina.
O FSO-xx reserva a ligação standard do Binário seguro off (STO) da unidade de controlo
do inversor. O STO também pode ser usado por outros circuitos de segurança através do
FSO-xx.
Sobre instruções de cablagem, dados de segurança e mais informação sobre as funções
fornecidas pelo FSO-xx, consulte o manual.

 Declaração de Conformidade
Veja a página 194.

Implementação da função Ultrapassagem de perda de


potência
Implemente a função de ultrapassagem de perda de potência, como se segue:
Verifique se a função de ultrapassagem de perda de potência da unidade inversora está
ativa com o parâmetro 30.31 Undervoltage control no programa primário de controlo do
ACS880.

AVISO! Certifique-se que o arranque em rotação do motor não provoca nenhum


perigo. Em caso de dúvida, não implemente a função de ultrapassagem de perda
de potência.

 Unidades com contactor principal (opção +F250)


O contactor principal do acionamento abre numa situação de perda de potência. Quando
a potência regressa, o contactor fecha. No entanto, se a situação de perda de potência
durar muito tempo o acionamento dispara em subtensão, devendo ser rearmado e arran-
cado de novo para continuar a operação. Se a situação de perda de potência durar dema-
siado tempo e o módulo de armazenamento (buffer) (veja a página 40) ficar vazio, o
contactor principal permanece aberto e o acionamento funciona apenas depois de ser
rearmado e arrancado novamente.
90 Recomendações para planeamento da instalação elétrica

Com controlo externo de tensão ininterrupta (opção +G307), o contactor principal perma-
nece fechado em situações de perda de potência. Se a situação de perda de potência
durar muito tempo o acionamento dispara em subtensão, devendo ser rearmado e arran-
cado de novo para continuar a operação.

Fornecimento de potência aos circuitos auxiliares


O acionamento está equipado com um transformador de controlo de tensão auxiliar que
fornece tensão de controlo, por exemplo, para os dispositivos de controlo e ventilador(es)
do armário.
As seguintes opções devem ser alimentadas por fontes de potência externas:
• +G300/+G301: Aquecedores de armário e/ou iluminação (230 ou 115 V CA; fusível
externo: 16 A gG)
• +G307: Ligação para uma alimentação de potência ininterrupta (230 ou 115 V CA;
fusível externo 16 A gG) para a unidade de controlo e dispositivos de controlo quando
o acionamento não está alimentado
• +G313: Ligação de alimentação de potência (230 V CA; fusível externo 16 A gG) para
uma saída do aquecedor de ambiente do motor.

Uso de condensadores de compensação do fator de


potência com o acionamento
A compensação do fator de potência não é necessária com acionamento CA. No entanto,
se um acionamento vai ser ligado a um sistema com condensadores de compensação
instalados, note as seguintes restrições.

AVISO! Não ligue condensadores do fator de potência ou filtros de harmónicas


aos cabos do motor (entre o acionamento e o motor). Estes não foram desenha-
dos para serem usados com acionamentos CA e podem provocar danos perma-
nentes no acionamento ou nos próprios condensadores e/ou filtros.

Se existirem condensadores de compensação do fator de potência em paralelo com a


entrada trifásica do acionamento:
1. Não ligue um condensador de alta potência à linha de potência enquanto o aciona-
mento está ligado. Esta ligação provoca tensões transitórias que podem disparar ou
mesmo danificar o acionamento.
2. Se a carga do condensador é aumentada/diminuída passo a passo quando o aciona-
mento CA é ligado à linha de potência, assegure-se de que os passos de ligação são
suficientemente baixos para não provocar transientes de tensão que fazem disparar o
acionamento.
3. Verifique se a unidade de compensação do fator de potência é adequada para usar
em sistemas com acionamentos CA, ou seja, com cargas geradoras de harmónicas.
Em tais sistemas, a unidade de compensação deve ser equipada com uma reactância
de bloqueio ou um filtro de harmónicas.
Recomendações para planeamento da instalação elétrica 91

Implementação de um interruptor de segurança entre o


acionamento e o motor
Recomendamos a instalação de um interruptor de segurança entre o motor síncrono de
ímanes permanentes e o cabo do motor. O interruptor é necessário para isolar o motor
durante qualquer trabalho de manutenção no acionamento.

Proteção do contactos das saídas a relé


Quando desligadas as cargas indutivas (relés, contatores, motores), estas provocam
picos de tensão.
Os contactos a relé na unidade de controlo do acionamento estão protegidos com varisto-
res (250 V) contra picos de sobretensão. Apesar disto, é recomendado equipar as cargas
indutivas com circuitos de atenuação de ruído (varistores, filtros RC [CA] ou díodos [CC])
para minimizar a emissão EMC quando estão desligadas. Se não forem suprimidos, os
distúrbios podem ligar-se capacitativa ou indutivamente a outros condutores do cabo de
controlo e provocar o mau funcionamento de outras partes do sistema.
Instale o componente de proteção o mais próximo possível da carga indutiva. Não instale
os componentes de proteção nas saídas a relé.

230 V CA

230 V CA

+24 V CC

1) Saídas a relé; 2) Varistor; 3) Filtro RC; 4) Díodo


92 Recomendações para planeamento da instalação elétrica

Ligação de um sensor de temperatura do motor às E/S do


acionamento

AVISO! A norma IEC 60664 requer isolamento duplo ou reforçado entre as partes
vivas e a superfície de partes acessíveis condutivas ou não condutivas do equi-
pamento elétrico, não ligadas à terra de proteção.
Para cumprir com este requisito, pode ligar um termistor (e outros componentes seme-
lhantes) às saídas digitais do acionamento, de três formas alternativas:
1. Existe isolamento duplo ou reforçado entre o termistor e as partes vivas do motor.
2. Os circuitos ligados a todas as entradas analógicas e digitais do acionamento estão
protegidas contra contacto e isolados com isolamento básico (o mesmo nível de
tensão que o circuito principal) de outros circuitos de baixa tensão.
3. É usado um relé externo para termistor. O isolamento do relé deve ser dimensionado
para o mesmo nível de tensão do circuito principal do acionamento. Sobre a ligação,
veja manual de firmware.
Instalação elétrica 93

6
Instalação elétrica

Conteúdo deste manual


Este capítulo apresenta instruções sobre as ligações do acionamento.

Avisos

AVISO! Apenas eletricistas qualificados podem efetuar os trabalhos descritos


neste capítulo. Cumpra as Instruções de segurança nas primeiras páginas deste
manual. A não observância das instruções de segurança pode resultar em feri-
mentos ou morte.

Verificar o isolamento do conjunto


 Acionamento
Não efetue testes de tolerância de tensão ou de resistência do isolamento a qualquer
peça do acionamento, pois os testes podem danificar o acionamento. Todos os aciona-
mentos foram testados na fábrica quanto ao isolamento entre o circuito principal e o chas-
sis. Para além disso, existem circuitos de limitação de tensão no interior do acionamento
que podem cortar imediatamente a tensão de teste.

 Cabo entrada
Verifique o isolamento do cabo de entrada de acordo com os regulamentos locais antes
de o ligar ao acionamento.
94 Instalação elétrica

 Motor e cabo do motor


1. Verifique se o cabo do motor está desligado dos terminais de saída do acionamento
U2, V2 e W2.
2. Medir a resistência de isolamento entre cada condutor de fase e o condutor de Prote-
ção de Terra usando a tensão de medida de 1000V CC. A resistência de isolamento
de um motor da ABB deve exceder 10 Mohm (valor de referência a 25 °C ou 77 °F).
Para a resistência do isolamento de outros motores, consulte as instruções do fabri-
cante. Nota: A presença de humidade no interior da caixa do motor reduz a resistên-
cia do isolamento. Se suspeitar da presença de humidade, seque o motor e volte a
efetuar a medição.

U1
M
V1 3~
ohm W1 PE

 Conjunto de resistência de travagem personalizado


Veja a secção Procedimento de ligação (página 268).

Verificar a compatibilidade com sistemas IT (sem ligação


à terra)
O filtro EMC +E202 não é adequado para uso em sistemas IT (sem ligação à terra). Se o
acionamento estiver equipado com um filtro +E202, desligue o filtro antes de ligar o acio-
namento à rede de alimentação. Para instruções sobre este procedimento, contacte o
representante local da ABB.

AVISO! Se um acionamento com um filtro EMC +E202 for instalado num sistema
IT (sistema elétrico sem terra ou sistema elétrico com uma terra de resistência
elevada [superior a 30 ohm]), o sistema será ligado ao potencial da terra através
dos condensadores do filtro EMC do acionamento. Isto pode ser perigoso ou danificar a
unidade.

Colocação dos autocolantes do dispositivo na porta do


armário
Uma etiqueta autocolante multilingue é entregue com o acionamento. Cole os autocolantes
no idioma local sobre os textos em Inglês; consulte a secção Interruptores e iluminação da
porta (página 44).

Verificação dos ajustes dos transformadores T21 e T101


e T111
Verifique as configurações da torneira de todos os transformadores de tensão auxiliar. O
transformador T21 é equipamento standard; T101 e T111 estão presentes dependendo da
configuração do acionamento.
Instalação elétrica 95

Os ajustes de tensão dos transformadores T21 são efetuados nos blocos terminais
T21_X1/X2 e T101_X1/X2 respetivamente. Os ajustes do transformador T111 são efetua-
dos no próprio transformador. As localizações dos transformadores e dos blocos terminais
são apresentadas na secção Layout do cubículo de controlo auxiliar (ACU) (página 40).

 Toque em definições T21 e T101 (unidades 400…500 V)

T21_X1 ou T101_X1 T21_X2 ou T101_X2

500 V 1 1 230 V
480 V 2
460 V 3
440 V 4
2
415 V 5
Θ 3
400 V 6
380 V 7

4 N
U1 8 5
TP1 9
TP2 10

 Toque em definições T21 e T101 (unidades 690 V)

T21_X1 ou T101_X1 T21_X2 ou T101_X2

690 V 1 1 230 V
660 V 2
600 V 3
575 V 4
2
540 V 5
Θ 3
525 V 6
7

4 N
U1 8 5
TP1 9
TP2 10
96 Instalação elétrica

 Toque em definições T111

Entrada 3~

Saída 3~

Entrada 3~ Saída 3~
Toque em definições Terminais
Tensão de
Terminais 400 V 320/340 V
alimentação A1– B1– C1–
(50 Hz) (60 Hz)
690 V A1, B1, C1 C2 A2 B2 a1, b1, c1 a2, b2, c2
660 V A1, B1, C1 C2 A2 B2 a1, b1, c1 a2, b2, c2
600 V A1, B1, C1 C3 A3 B3 a1, b1, c1 a2, b2, c2
575 V A1, B1, C1 C3 A3 B3 a1, b1, c1 a2, b2, c2
540 V A1, B1, C1 C4 A4 B4 a1, b1, c1 a2, b2, c2
525 V A1, B1, C1 C4 A4 B4 a1, b1, c1 a2, b2, c2
500 V A1, B1, C1 C4 A4 B4 a1, b1, c1 a2, b2, c2
480 V A1, B1, C1 C5 A5 B5 a1, b1, c1 a2, b2, c2
460 V A1, B1, C1 C5 A5 B5 a1, b1, c1 a2, b2, c2
440 V A1, B1, C1 C5 A5 B5 a1, b1, c1 a2, b2, c2
415 V A1, B1, C1 C6 A6 B6 a1, b1, c1 a2, b2, c2
400 V A1, B1, C1 C6 A6 B6 a1, b1, c1 a2, b2, c2
380 V A1, B1, C1 C6 A6 B6 a1, b1, c1 a2, b2, c2
Instalação elétrica 97

Ligação dos cabos de controlo


Consulte o capítulo Unidades de controlo do acionamento (página 127) sobre as ligações
de E/S da unidade inversora (com o programa de controlo primário do ACS880). As liga-
ções de E/S padrão podem ser diferentes com algumas opções de hardware, consulte os
diagramas dos circuitos entregues com o acionamento sobre a cablagem real. Sobre
outros programas de controlo, consulte os manuais de firmware.

 Procedimento da ligação do cabo de controlo

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. IO não


cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou danificar os
equipamentos.

1. Deve parar o acionamento (se a funcionar) e executar os passos na secção Precau-


ções antes do trabalho elétrico na página 19 antes de iniciar o trabalho.
2. Passe os cabos de controlo para o interior do cubículo de controlo auxiliar (ACU)
como descrito na secção Ligação à terra das blindagens exteriores dos cabos de con-
trolo no passa-cabos do armário abaixo.
3. Passe os cabos de controlo como descrito na secção Passagem dos cabos de con-
trolo pelo interior do armário na página 99.
4. Ligue os cabos de controlo como descrito na página 99.
Ligação à terra das blindagens exteriores dos cabos de controlo no passa-cabos do
armário
Ligue à terra as blindagens exteriores de todos os cabos de controlo a 360 graus nas
almofadas condutoras EMI, como se segue:
1. Desaperte os parafusos de fixação das almofadas condutoras EMI e retire as almofadas.
2. Faça os buracos adequados nos bucins de borracha da chapa da entrada dos cabos
e insira os cabos no armário através dos bucins e das almofadas.
3. Desnude o revestimento plástico do cabo acima da chapa da entrada dos cabos o
suficiente para assegurar uma ligação correta da blindagem e dos almofadas condu-
toras EMI.
4. Aperte os dois parafusos de aperto para que as almofadas condutoras EMI pressionem
ligeiramente em volta da blindagem exposta.

1 1
Vista de topo

3
1 Parafuso de aperto
2
2 Almofada condutora EMI
3 Abraçadeira
4 Bucim

5 5 Placa guia

4
98 Instalação elétrica

Nota 1: Mantenha as blindagens contínuas o mais próximo possível dos terminais de


ligação. Fixe os cabos mecanicamente no passa-cabos de alívio de pressão.
Nota 2: Se a superfície exterior da blindagem não for condutora:
• Corte a blindagem no ponto médio da parte desnudada. Cuidado para não cortar os
condutores ou o fio de ligação à terra (se existir).
• Rode a blindagem de forma a expor a sua superfície condutora.
• Cubra a blindagem exposta e o cabo desnudado com fita de cobre para garantir uma
blindagem contínua.

A B C

A Cabo desnudado
B Superfície condutora da blindagem exposta
C Parte desnudada coberta com fita de cobre
1 Blindagem do cabo
2 2
1 2 Fita de cobre
3
3 Par torcido blindado
4
4 Fio de ligação à terra

Nota para entrada de cabos pelo topo: Pode ser garantida proteção IP e EMC suficiente
quando cada cabo tem o seu próprio bucim. No entanto, se muitos cabos de controlo forem
conduzidos para o mesmo armário, deve planear a instalação com antecedência como se
segue:
1. Faça uma lista dos cabos que entram no armário.
2. Divida os cabos que vão para a esquerda e os que vão para a direita para evitar o
cruzamento desnecessário de cabos dentro do armário.
3. Divida os cabos pelo tamanho.
4. Agrupe os cabos de cada bucim como se segue certificando-se que cada cabo faz um
bom contacto com as almofadas em ambos os lados.
Diâmetro do cabo em mm Nr. máximo de cabos por bucim
< 13 4
< 17 3
< 25 2
> 25 1
Instalação elétrica 99

5. Organize os grupos de acordo com o tamanho, do mais espesso para o mais fino,
entre as almofadas condutoras EMI.

6. Se passar mais de um cabo através de um bucim, este deve ser selado aplicando
Loctite 5221 (número do catálogo 25551) no interior do bucim.

Passagem dos cabos de controlo pelo interior do armário


Use as calhas existentes no armário, sempre que possível. Use mangas se os cabos
passarem por superfícies cortantes. Quando passar cabos para ou do quadro basculante,
deixe folga suficiente na dobradiça para permitir a abertura total do quadro.

Ligação à unidade de controlo do inversor (A41)


Ligue os condutores aos terminais apropriados (veja a página 127) da unidade de controlo
ou bloco terminal X504 (opção +L504).
Ligue as blindagens internas de par entrançado e todos os cabos de ligação à terra
separadamente aos grampos de terra por baixo da unidade de controlo.
O esquema abaixo representa um acionamento com bloco terminal de E/S adicional
(opção +L504). Sem o bloco, a ligação à terra é efetuada da mesma forma.
Notas:
• Não ligue à terra a blindagem externa do cabo neste local, uma vez que esta é ligada
no passa cabos.
• Mantenha os pares do fio de sinal torcidos o mais próximo possível dos terminais. Tor-
cendo o fio juntamente com o seu fio de retorno reduzem-se os distúrbios causados
pelo acoplamento indutivo.
100 Instalação elétrica

Nas outras extremidades do cabo deixa as blindagens desligadas ou ligue as mesmas à


terra indiretamente através de um condensador de alta frequência com alguns nanofarads,
ex, 3.3 nF / 630 V. A blindagem também pode ser ligada à terra diretamente em ambas as
extremidades se estiverem na mesma linha de terra sem queda de tensão significativa entre
as extremidades.
Instalação elétrica 101
Ligação de uma alimentação de tensão auxiliar 230/115 V AC (UPS, opção +G307)
Ligue a tensão de controlo externa ao bloco terminal X307 na parte de trás da placa de
montagem, como apresentado abaixo.

X307

N 1
L 2

PE PE

4
1
5

1 Cablagem interna da supervisão UPS: disjuntor ou fusível off/falha = contacto aberto.

Ligação dos botões de pressão da paragem de emergência (opções +Q951, +Q952,


+Q963, +Q964, +Q978, +Q979)
Ligue os botões de pressão externos da paragem de emergência de acordo com os
digramas de circuito entregues com o acionamento.
Ligação do arrancador para ventilador auxiliar do motor (opções +M602…+M610)
Ligue os cabos de alimentação de potência para o ventilador auxiliar do motor aos blocos
terminais X601…X605 segundo os digramas de circuito entregues com o acionamento.
102 Instalação elétrica

Ligação do(s) relé(s) termistor (opções +L505 e +2L505)


A cablagem externa da opção +2L505 (dois relés termistor) é apresentada abaixo. Por
exemplo, um relé pode ser usado para monitorizar as chumaceiras do motor e o outro
para monitorizar as chumaceiras. A capacidade de carga do contacto máxima é 250 V CA
10 A. Sobre as ligações, consulte o digrama de circuito entregue com o acionamento.

X506
T
1
1 1…n × PTC
2

3
2
4 1 Sensores PTC monitorizados pelo relé K74.
RG = R1 + R2 + RN < 1.5 kohm.
5
2 Rearme externo para o relé K74 (a ser supe-
6
rado para a funcionalidade de autorearme)
T
7
1…n × PTC 3 Sensores PTC monitorizados pelo relé K75.
3
8 RG = R1 + R2 + RN < 1.5 kohm.

9 4 Rearme externo para o relé K75 (a ser supe-


4 rado para a funcionalidade de rearme automá-
10
tico)
11
5 Indicação de sobreaquecimento do relé K74:
12 sobretemperatura = contacto aberto.

6 Indicação de sobreaquecimento do relé K75:


sobretemperatura = contacto aberto.

25
5
26

27
6
28
Instalação elétrica 103

Ligação dos relés Pt100 (opções +2L506, +3L506, +5L506, +8L506)


A ligação externa de oito módulos sensores PTC é apresentada abaixo. Capacidade de
carga do contacto 250 V CA 10 A. Sobre as ligações, consulte o digrama de circuito
entregue com o acionamento.

X506
1 × Pt100
T
1

3
T
4

6
T
7

9
T
10

11

12
T
13

14

15
T
16

17

18
T
19

20

21
T
22

23

24 1 Cablagem interna do sobreaquecimento das


chumaceiras (módulos 1…3):
25 1 sobretemperatura = contacto aberto.
26
2 Cablagem interna do sobreaquecimento das
27 chumaceiras (módulos 4…5):
2 sobretemperatura = contacto aberto.
28
3 Cablagem interna do sobreaquecimento das
29 chumaceiras (módulos 6…8):
3 sobretemperatura = contacto aberto.
30
104 Instalação elétrica

Arranque do equipamento de aquecimento e iluminação (opções +G300, +G301 e


+G313)
Consulte os diagramas de circuito entregues com o acionamento.
Ligue os cabos de alimentação de potência externa para o aquecedor e iluminação do
armário ao bloco terminal X300 na parte de trás da placa de montagem.

X300

N 1
L 2

PE PE

4
1 1 Cablagem interna do aquecedor do armário:
5 aquecedor off/falha = contacto aberto.

Ligue os cabos do aquecedor do motor ao bloco terminal X313 como apresentado abaixo.
Alimentação de potência externa máxima 16 A.

X313

1 1 Cablagem interna do aquecedor do espaço do


1
motor: aquecedor off/falha = contacto aberto.
2
N 3
L 4
N 5
L 6

PE2
PE PE1
Instalação elétrica 105

Ligação da monitorização de falha à terra para sistemas IT sem ligação à terra


(opção +Q954)
Recomendamos a ligação do Alarme 1 para disparos do acionamento e do Alarme 2 para
sinais de alarme para evitar disparos desnecessários devidos ao auto-teste do monitor de
falhas a terra com o Alarme 2.

X954

1 1
Alarme 1 1 Cablagem interna: Alarme de falha à terra 1.
2 Sem falha de terra = contacto fechado. Capa-
cidade de carga do contacto 250 V CA 2 A.
3 2
Alarme 2 2 Cablagem interna: Ligue à terra o alarme de
4 falha 2: Sem falha de terra = contacto fechado.
Capacidade de carga do contacto 250 V CA 8
A.
106 Instalação elétrica

Ligação dos cabos do motor (unidades sem cubículo do


terminal comum de motor ou filtro de saída sinusoidal)
Em unidades sem um cubículo do terminal comum de motor ou um filtro de saída sinusoi-
dal, os cabos do motor são ligados aos barramentos localizados na parte de trás do(s)
módulo(s) inversor(es). A localização e as dimensões dos barramentos são visíveis nos
esquemas dimensionais fornecidos com o acionamento, bem como os exemplos de dese-
nhos apresentados neste manual (a partir da página 241).
Para permitir mais espaço de trabalho, os módulos podem ser completamente removidos
a partir do armário. Para instruções, consulte a secção Remoção do(s) módulo(s)
inversor(es) (página 108).
Especialmente no caso de vários módulos inversores no mesmo cubículo, pode conside-
rar apenas a remoção do tambor do ventilador de cada módulo. Isto é mais rápido do que
a remoção de todo o módulo, mas permite menos espaço para o trabalho de ligações.
Para instruções, aceda à secção Remoção e reinstalação do tambor do ventilador de um
módulo inversor (página 112).
Se o acionamento estiver equipado com cubículo de terminais comuns do motor (opção
+H359) ou um filtro de saída sinusoidal (opção +E206), siga o procedimento a partir da
página 117.

 Esquema de ligação (sem opção +H366)


Todos os módulos inversores ligados em paralelo devem ser cablados separadamente
para o motor. Deve ser usada uma ligação à terra a 360° nos passa cabos.

PE
U2
V2
W2

U1
V1
M
W1 3~
U2 PE
V2
W2

Cubículo(s) da unidade
inversora

Os tipos de cabo recomendados são apresentados no capítulo Recomendações para planeamento da


instalação elétrica.
Instalação elétrica 107

AVISO! A cablagem de todos os módulos inversores para o motor deve ser


fisicamente idêntica, considerando o tipo de cabo, a área da secção transversal e
o comprimento.

PE
U2
V2
W2

U1
V1
M
W1 3~
U2 PE
V2
W2

Cubículo(s) da unidade
inversora

 Esquema de ligação (com opção +H366)


Com a opção +H366, os barramentos de saída dos módulos inversores dentro do
mesmo cubículo são ligados por barramentos de ponte. A ponte equilibra a corrente do
motor entre os módulos, o que permite mais opções de cablagem. Por exemplo, é possí-
vel usar um número de cabos que de outra forma não ficariam distribuídos uniformemente
entre os módulos inversores.

PE

W2
V2
U2

Barramentos de ponte
(opção +H366)
W1
V1
M
U1 3~
W2 PE
V2
U2

Cubículo da unidade
inversora
Os tipos de cabo recomendados são apresentados no capítulo Recomendações para planeamento da
instalação elétrica.

AVISO! A ponte pode transportar a saída nominal de um módulo inversor. No


caso de três módulos paralelos, verifique se a capacidade de carga da ponte não
é excedida. Por exemplo, se a cablagem é ligada aos barramentos de saída em
apenas um módulo, use o módulo no meio.
108 Instalação elétrica

Nota: A opção +H366 apenas interliga as saídas dos módulos inversores dentro do mesmo
cubículo, não os módulos instalados em diferentes cubículos. Por isso, quando o aciona-
mento tem múltiplos cubículos inversores (ie. dois cubículos de dois módulos cada), certifi-
que-se de que a cablagem do motor é idêntica para ambos os cubículos.

 Procedimento
Remoção do(s) módulo(s) inversor(es)
Para permitir mais espaço para o trabalho de cablagem, os módulos do inversor podem
ser removidos completamente em vez de apenas os tambores dos ventiladores.
Consulte os esquemas abaixo.

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. IO


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Verifique os passos na secção Precauções antes do trabalho elétrico na página 19


antes de iniciar o trabalho.
2. Abra a porta do cubículo do módulo inversor.
3. Remova o acrílico de proteção no topo do cubículo.
4. Desligue o bloco terminal [X50] no topo do módulo.
5. Desligue os barramentos CC do módulo. Anote a ordem e posição dos parafusos e
anilhas.
6. Desligue a cablagem ligada aos terminais em frente do módulo (incluindo a cablagem
de fibra ótica). Afaste a cablagem desligada para o lado.
7. Fixe a rampa de extração/instalação do módulo (incluída) na base do armário para
que as guias no suporte de montagem entrem nas ranhuras da rampa.

AVISO! Não use a rampa incluída na entrega do acionamento com alturas de


plinto acima de 50 mm.

8. Retire os dois parafusos no fundo da parte frontal do módulo.

AVISO! Antes de continuar, certifique-se de que o armário se encontra nivelado,


ou calce as rodas do módulo.

9. Retire os dois parafusos no topo da parte frontal do módulo.


10. Puxe o módulo com cuidado ao longo da rampa. Enquanto puxa pela pega com a
mão direita, mantenha uma pressão constante com um pé na base do módulo para
evitar que este tombe para trás.
11. Coloque o módulo num local seguro fora da área de trabalho imediata e certifique-se
de que não pode tombar. Calce as rodas do módulo se o piso não estiver
completamente plano.
12. Repita o procedimento para os outros módulos inversores.
Continue para Ligação dos cabos do motor (página 114).
Instalação elétrica 109

6
110 Instalação elétrica

8
8
Instalação elétrica 111

10
112 Instalação elétrica

Remoção e reinstalação do tambor do ventilador de um módulo inversor


Consulte os esquemas abaixo.

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. IO


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Verifique os passos na secção Precauções antes do trabalho elétrico na página 19


antes de iniciar o trabalho.
2. Abra a porta do cubículo do módulo inversor.
3. Retire os parafusos que fixam a placa da tampa frontal. Levante a placa da tampa
para a soltar.
4. Desligue a cablagem no topo do tambor do ventilador.
5. Retire os dois parafusos no fundo do tambor do ventilador.

AVISO! Antes de continuar, certifique-se de que os dois parafusos que fixam a


parte superior do módulo inversor estão no lugar.

6. Retire os dois parafusos no topo do tambor do ventilador.


7. Puxe o tambor do ventilador para fora.
8. Repita o procedimento para os outros tambores dos ventiladores no mesmo cubículo.
Continue para Ligação dos cabos do motor (página 114).
Instalação elétrica 113

6
114 Instalação elétrica

Ligação dos cabos do motor


Consulte os esquemas abaixo.

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. IO


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Verifique os passos na secção Precauções antes do trabalho elétrico na página 19


antes de iniciar o trabalho.
2. Retire o acrílico de proteção dos barramentos de saída.
3. Para a ligação à terra a 360 ° da blindagem na entrada do cabo, remova o revesti-
mento externo de cada cabo onde passam pela entrada de cabo (a).
4. Corte o cabo no comprimento apropriado e descarne as extremidades dos condutores
individuais. Torça os fios da blindagem para formar um condutor separado e envolva o
mesmo com fita adesiva.
5. Crave bornes terminais adequados nos condutores de fase e no condutor de terra. As
dimensões dos barramentos de saída estão disponíveis no capítulo Dados técnicos.
6. Ligue os condutores de fase do cabo do motor aos terminais U2, V2 e W2. Pode
remover temporariamente os isoladores de plástico (b) entre os barramentos para
facilitar o trabalho de ligação.

AVISO! Os isoladores de plástico (b) entre os barramentos devem estar colocados


quando o inversor é ligado.

7. Ligue a blindagem (e todos os condutores de terra) do cabo ao barramento PE junto


das entradas de cabos.
8. Fixe o cabo mecanicamente.
9. Repita o procedimento para cada cabo do motor.
10. Volte a instalar o acrílico de proteção retirado antes.
11. No motor, ligue os cabos de acordo com as instruções do fabricante do motor. Preste
especial atenção à ordem das fases. Para interferência de rádio-frequência mínima,
ligue à terra a blindagem do cabo a 360 graus na entrada do cabo da caixa de termi-
nais do motor, ou ligue o cabo torcendo a blindagem para que a blindagem achatada
seja superior a 1/5 do seu comprimento.
Instalação elétrica 115

Detalhes ligação à terra a 360°

6
5

b 7

PE

10
2

11

b > 1/5 · a

b
a
116 Instalação elétrica

Reinstalação do tambor do ventilador de um módulo inversor


(Se o módulo inversor for removido completamente, em vez de apenas o tambor do
ventilador, proceda como indicado na secção Reinserção do módulo inversor no cubículo
abaixo.)
A reinstalação do tambor do ventilador é um procedimento inverso ao da remoção. Veja a
secção Remoção e reinstalação do tambor do ventilador de um módulo inversor (página
112).

Reinserção do módulo inversor no cubículo

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. IO


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Certifique-se de que não existem ferramentas, detritos ou quaisquer outros objetos


estranhos no cubículo.
2. Se ainda não estiver colocada, fixe a rampa de extração/instalação do módulo (incluída)
na base do armário para que as guias no suporte de montagem entrem nas ranhuras da
rampa.
3. Empurre o módulo para cima da rampa e volte a colocá-lo no cubículo.
• Mantenha os dedos afastados da extremidade da placa frontal do módulo
para evitar que fiquem presos.
• Mantenha pressão constante com um pé na base do módulo para evitar que
o módulo caia para trás.
4. Fixe a parte frontal superior do módulo com dois parafusos. Aperte para 22 N·m
(16 lbf·ft).
5. Fixe a parte frontal inferior do módulo com dois parafusos. Aperte para 22 N·m
(16 lbf·ft).
6. Retire a rampa.
7. Fixe os barramentos CC do módulo. Aperte para 70 N·m (52 lbf·ft).
8. Volte a ligar o bloco terminal [X50] no topo do módulo.
9. Volte a ligar a cablagem e os cabos de fibra ótica aos terminais na parte frontal do
módulo.
10. Repita o procedimento para os outros módulos inversores.
11. Reinstale o acrílico de proteção próximo do topo do cubículo.
Instalação elétrica 117

Ligação dos cabos do motor (unidades com cubículo do


terminal comum de motor ou filtro de saída sinusoidal)
 Barramentos de saída
Se o acionamento estiver equipado com a opção +H359, os cabos do motor estão ligados
a um cubículo do terminal comum do motor. De igual modo, se o acionamento estiver
equipado com a opção +E206 (filtro de saída sinusoidal), os cabos do motor são ligados
aos barramentos de saída do cubículo do filtro sinusoidal.
A localização e as dimensões dos barramentos para ambos os casos são visíveis nos
esquemas dimensionais fornecidos com o acionamento, bem como os desenhos a partir
da página 245.

 Esquema de ligação

PE

U2
V2
U1
V1
M
W2
W1 3~
PE

Cubículo(s) da unidade inversora Cúbiculo do terminal comum


de motor ou do filtro
sinusoidal

Os tipos de cabo recomendados são apresentados no capítulo Recomendações para planeamento da


instalação elétrica.

 Procedimentos

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. IO


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Verifique os passos na secção Precauções antes do trabalho elétrico na página 19


antes de iniciar o trabalho.
2. Abra a porta do cubículo do terminal comum do motor ou do filtro sinusoidal e remova
o acrílico de proteção.
118 Instalação elétrica

3. Passe os cabos para o cubículo. Faça uma ligação à terra a 360° no cabo de entrada,
conforme apresentado.

Bucim (apenas unidades IP54)

4. Corte os cabos no comprimento adequado. Descarne os cabos e os condutores.


5. Torça as blindagens dos cabos em conjuntos e ligue os mesmos ao barramento PE
no cubículo.
6. Ligue todos os condutores/cabos de terra separadamente ao barramento PE do
cubículo.
7. Ligue os condutores de fase aos terminais de saída. Use o binário especificado em
Binários de aperto (página 199).
8. Volte a colocar o acrílico de proteção que retirou anteriormente e feche as portas do
cubículo.
9. No motor, ligue os cabos de acordo com as instruções do fabricante do motor. Preste
especial atenção à ordem das fases. Para interferência de rádio-frequência mínima,
ligue à terra a blindagem do cabo a 360 graus no passa cabos da caixa de terminais
do motor, ou ligue o cabo torcendo a blindagem para que a blindagem achatada seja
superior a 1/5 do seu comprimento.

b > 1/5 · a

b
a

Ligação de um conjunto de resistência de travagem


Veja a secção Instalação elétrica de resistências de travagem personalizadas (página
267).
Sobre a localização dos terminais, consulte os esquemas dimensionais fornecidos com a
unidade ou os exemplos de esquemas dimensionais no capítulo Dimensões.
Instalação elétrica 119

Ligação dos cabos de entrada de potência


 Diagrama de ligação, unidades de 6 impulsos

ACS880-07
Unidade de entrada (ICU)

1)
L1

L2

L3

PE
2)

1) Fusíveis ou outros meios de proteção.


2) É recomendada a ligação à terra a 360 graus se for usado cabo blindado. Ligue à terra a outra
extremidade da blindagem do cabo de entrada ou do condutor PE no quadro de distribuição.
Nota: Use um cabo PE de ligação à terra separado (1a) ou um cabo com um condutor PE separado (1b)
se a condutividade da blindagem não cumprir com os requisitos para o condutor PE (veja a página 78).

 Diagrama de ligação, unidades de 12 impulsos

ACS880-07
Unidade de entrada (ICU)

1)

1L1

1L2

1L3
PE
2L1

2L2

2L3
PE
2)

1) Fusíveis ou outros meios de proteção.


2) É recomendada a ligação à terra a 360 graus se for usado cabo blindado. Ligue à terra a outra
extremidade da blindagem do cabo de entrada ou do condutor PE no quadro de distribuição.
Nota: Use um cabo PE de ligação à terra separado (1a) ou um cabo com um condutor PE separado (1b)
se a condutividade da blindagem não cumprir com os requisitos para o condutor PE (veja a página 78).
120 Instalação elétrica

 Esquema dos terminais de ligação do cabo de entrada e dos passa


cabos
A localização e as dimensões dos barramentos são visíveis nos esquemas dimensionais
fornecidos com o acionamento, bem como os desenhos a partir da página 235.

 Procedimentos de ligação

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. IO


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Verifique os passos na secção Precauções antes do trabalho elétrico na página 19


antes de iniciar o trabalho.
2. Abra a porta do cubículo de entrada (ICU).
3. Remova o acrílico de proteção dos terminais de entrada.
4. Descarne 3 a 5 cm do isolamento exterior dos cabos acima da placa passa cabos
para ligação à terra a 360º a alta frequência.
5. Prepare as pontas dos cabos.

PE PE

5 5

6. Se for usado isolamento contra incêndios, faça uma abertura na peça de fibra de
acordo com o diâmetro do cabo.
7. Para acionamentos IP22, IP42: Deslize os cabos através do passa cabos com as
mangas condutoras.
8. Para acionamentos IP54: Remova os bucins de borracha da placa guia para os cabos
serem ligados. Corte os furos adequados nos bucins de borracha. Faça deslizar os
bucins para os cabos. Deslize os cabos através dos passa-cabos com as mangas
condutoras e coloque os bucins nos furos.
9. Aperte as mangas condutoras às blindagens do cabo com abraçadeiras.
10. Sele o espaço entre o cabo e a peça de fibra (se usada) com composto de selagem
(ex: CSD-F, nome ABB DXXT-11, código 35080082).
11. Amarre as mangas condutoras não utilizadas com abraçadeiras.
12. Ligue as blindagens torcidas dos cabos ao barramento PE do armário.
Instalação elétrica 121

13. Ligue os condutores de fase do cabo de entrada aos terminais L1, L2 e L3. (Com liga-
ção a 12 impulsos, os terminais são 1L1, 1L2 e 1L3 para uma linha de alimentação a
6 impulsos, 2L1, 2L2 e 2L3 para a outra.) Aperte os parafusos com o binário apresen-
tado Binários de aperto na página 199.
14. Reinstale o acrílico de proteção retirado antes.
15. Feche a porta.

PE

4 11 11

8
122 Instalação elétrica

Ligação a um PC
Pode ser ligado um PC (com por ex. a ferramenta Drive Composer PC) à unidade inversora
como se segue:
1. Ligue uma consola de programação ACS-AP-I à unidade de controlo do inversor, quer
através de um cabo de rede Ethernet (ex., CAT5E), ou inserindo a consola de progra-
mação no suporte para consola (se presente).

AVISO! Não ligue o PC diretamente ao conector da consola de programação da


unidade inversora, pois isto pode provocar danos.

2. Retire a tampa do conector USB na parte da frente da consola de programação.


3. Ligue um cabo USB (Tipo A para Tipo Mini-B) entre o conector USB na consola de
programação (3a) e uma porta USB livre no PC (3b).
4. A consola de programação apresentará uma indicação sempre que a ligação estiver
ativa.

Stop Loc/Rem Start

2 3a 3b

4 USB connected

Stop Loc/Rem Start

5. Consulte a documentação da ferramenta para PC para instruções de ajuste.


Instalação elétrica 123

Barramento de consola (Controlo de diversas unidades


desde uma consola de programação)
Uma consola de programação (ou PC) pode ser usada para controlar várias unidades de
alimentação ou inversores, construindo um barramento de consola. É necessária uma
plataforma de montagem da consola de programação ou com um módulo FDPI-02. Para
mais informações, consulte FDPI-02 diagnostics and panel interface user’s manual
(3AUA0000113618 [Inglês]).
Nota: O ACS880-07 tem um barramento de consola interno ligando a unidade de controlo
da alimentação (A51) e a unidade de controlo do inversor (A41) à consola. Exceto que
outras unidades possam ser ligadas ao barramento de consola, vá para o passo 4.
1. Ligue a consola a uma unidade inversora usando um cabo Ethernet (ex. CAT5E).
• Use Menu – Ajustes – Editar textos – Acionamento para dar um nome à unidade
• Use o parâmetro 49.01 para atribuir à unidade um número exclusivo de ID de nó
• Ajuste os outros parâmetros no grupo 49 se necessário
• Use o parâmetro 49.06 para validar todas as alterações.
Repita o acima para cada unidade.
2. Com a consola ligada a uma unidade inversora, ligue as unidades do inversor em
conjunto usando cabos Ethernet. (Cada plataforma de consola tem dois conectores.)
3. Na última unidade, ligue o interruptor da terminação de barramento. Com uma plata-
forma de consola, mova o interruptor de terminação para a posição exterior. (Com um
módulo FDPI-02, mova o interruptor de terminação S2 para a posição TERMINADO.)
A terminação deve ser desligada nas restantes unidades.
4. Na consola de programação, ligue a funcionalidade do barramento de consola
(Opções – Selecionar acionamento – Barramento de consola). A unidade a ser con-
trolada pode assim ser selecionada da lista em Opções – Selecionar acionamento.
5. Se um PC estiver ligado à consola de programação, as unidades no barramento de
consola são automaticamente apresentadas na ferramenta Drive Composer.

1 2 3
1
124 Instalação elétrica

Instalação de módulos opcionais


 Instalação mecânica da extensão de E/S, adaptador de fieldbus e
módulos de interface do codificador de impulsos
Veja a página 42 sobre as ranhuras disponíveis para cada módulo. Instale os módulos
opcionais como se segue:

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. IO não


cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou danificar os
equipamentos.

1. Deve parar o acionamento e executar os passos na secção Precauções antes do


trabalho elétrico na página 19 antes de iniciar o trabalho.
2. Abra a porta do cubículo de entrada auxiliar (ACU).
3. Remova o acrílico de proteção no topo do cubículo.
4. Localize a unidade de controlo do inversor (A41).
5. Insira o módulo com cuidado na sua posição na unidade de controlo.
6. Aperte o parafuso de montagem. Nota: O parafuso fixa as ligações e liga à terra o
módulo. É essencial para cumprimento dos requisitos EMC e para operação
adequada do módulo.
Instalação elétrica 125

 Instalação mecânica de um módulo de funções de segurança FSO-xx


Este procedimento descreve a instalação mecânica de um módulo de funções de segu-
rança FSO-xx na unidade de controlo do inversor. (O FSO-xx pode em alternativa ser ins-
talado na unidade de controlo, que é standard com os módulos FSO-xx instalados em
fábrica. Sobre a ligação, consulte o manual FSO-xx).
1. Fixe o módulo na ranhura 3 da unidade de controlo do inversor (A41) com quatro
parafusos.

1
126 Instalação elétrica

2. Aperte o parafuso de ligação à terra da FSO-xx.


3. Ligue o cabo de dados FSO-xx entre o conector X110 da FSO-xx e o conector X12 da
BCU-x2.

 Ligação dos módulos opcionais


Veja o manual do módulo opcional apropriado sobre as instruções de ligação e instalação
específicas.
Unidades de controlo do acionamento 127

7
Unidades de controlo do
acionamento

Conteúdo do capítulo
Este capítulo
• descreve as ligações das unidades de controlo usadas no acionamento,
• contém as especificações das entradas e das saídas das unidades de controlo.

Geral
O acionamento ACS880 utiliza unidades de controlo BCU-x2. A BCU-x2 é constituída por
uma carta de controlo BCON-12 (uma carta conectora de E/S BIOC-01 I/O e uma carta de
alimentação) construída numa estrutura metálica.
As unidades de alimentação e inversoras do ACS880-07 são controladas por uma uni-
dade de controlo BCU-x2 dedicada. A designação da unidade de controlo de alimentação
é A51; a unidade de controlo inversora é A41. Ambas estão situadas no cubiculo ACU
(ver os esquemas dimensionais no capítulo Princípio de operação e descrição de har-
dware), e ligar os módulos de potência (ie. módulos de alimentação e do inversor, respeti-
vamente) por cabos de fibra ótica.
Neste manual, o nome “BCU-x2” representa os tipos de unidade de controlo BCU-02 e
BCU-12. Estas tem diferentes números de ligações do módulo de potência (2 e 7
respetivamente) mas são muito similares.
128 Unidades de controlo do acionamento

 Esquema e ligações da unidade de controlo

Descrição
E/S Terminais de E/S (ver o esquema
seguinte)

RANHURA 1 Ligação da extensão E/S, interface do


codificador ou módulo adaptador de
fieldbus. (Esta é a única localização
para um painel de diagnósticos e
interface FDPI-02.)
RANHURA 2 Ligação da extensão E/S, interface do
codificador ou módulo adaptador de
fieldbus
RANHURA 3 Ligação da extensão E/S, interface do
codificador ou módulo adaptador de
fieldbus ou módulo de funções de
segurança FSO-xx
RANHURA 4 Módulo opcional de comunicação
DDCS RDCO-0x

X205 Ligação da unidade de memória


BATERIA Suporte para a bateria do relógio em
tempo real (CR 2032)

EA1 Seletor de modo para entrada analó-


gica EA1 (I = corrente, U = tensão)
AI2 Seletor de modo para entrada analó-
gica EA2 (I = corrente, U = tensão)
D2D TERM Interruptor de terminação para a liga-
ção acionamento-para-acionamento
(D2D)
DICOM= Seleção de terra. Determina se
DIOGND DICOM está separada de DIOGND
(i.e., a referência comum para flutua-
ção das entradas digitais). Veja Dia-
grama de isolamento de terra (página
137).

Ecrã 7-segmentos
São apresentadas indicações multicaracter como
sequências repetidas de carateres.
(“U” é indicado brevemente antes de
“o”.)
Arranque do programa de controlo em
progresso
O firmware não pode ser iniciado
(Intermitente). Unidade de memória
em falta ou corrompida
Descarga de firmware do PC para
unidade de controlo em progresso.

No arranque, o ecrã pode apresentar


breves indicações de ex. “1”, “2”, “b”
ou “U”. Estas indicações são normais
imediatamente após o arranque. Se o
ecrã apresentar qualquer outro valor
diferente dos descritos, isso indica
uma falha de hardware.
Unidades de controlo do acionamento 129

Descrição
XAI Entradas analógicas
XAO Saídas analógicas
XDI Entradas digitais, Encravamento entrada
XRO3 digital (DIIL)
XD24 XPOW
XDIO Entradas/saídas digitais
XD2D Ligação acionamento-para-acionamento
XRO2 XD24 Saída +24 V (para entradas digitais)
XDIO XAO XETH Porta Ethernet (ex. para comunicação PC)
XPOW Entrada de potência externa
XRO1 XRO1 Saída a relé SR1
XRO2 Saída a relé SR2
XRO3 Saída a relé SR3
XDI XAI
X485 XSTO Ligação de Binário Seguro Off (sinais de
entrada)
XSTO OUT Ligação de Binário seguro off (para módulos
inversores)
X13 Ligação consola de programação/PC
XD2D XSTO XSTO
OUT X485 Não usada

V1T/V1R, Ligação de fibra ótica para módulos inverso-


V2T/V2R res 1 e 2 (VxT = transmissor, VxR = recetor)
V3T/V3R Ligação de fibra ótica para módulos inverso-
… res 3…7 (apenas BCU-12/22)
V7T/V7R (VxT = transmissor, VxR = recetor)
V8T/V8R Ligação de fibra ótica para módulos inverso-
… res 8…12 (apenas BCU-22)
V12T/V12R (VxT = transmissor, VxR = recetor)

CARTÃO SD Cartão de memória de dados para comunica-


ção do módulo inversor

BAT OK A tensão da bateria do relógio em tempo real é


superior a 2.8 V. Se o LED estiver off quando a
unidade de controlo é ligado, substitua a bate-
ria.
FALHA O programa de controlo gerou uma falha. Veja
o manual de firmware do inversor.
PWR OK O fornecimento de tensão de alimentação
interna está OK
ESCREVER Escrita no cartão SD em progresso. Não
remover o cartão de memória.
130 Unidades de controlo do acionamento

Esquema de E/S por defeito da unidade de controlo de alimentação


(A51)
O esquema abaixo apresenta as ligações de E/S por defeito na unidade de controlo da
alimentação (A51) e descreve o uso dos sinais/ligações na unidade de alimentação. Em
circunstâncias normais, a cablagem executada em fábrica não deve ser alterada.

Saídas a relé XRO1…XRO3


XRO1: A funcionar (energizada = a funcionar) NÃO 3
250 V CA / 30 V CC COM 2
2A NF 1
XRO2: Falha (-1) (energizada = sem falha) NÃO 3
250 V CA / 30 V CC COM 2
2A NF 1
XRO3: Ctrl MCB (energizada = contactor principal/disjuntor fechado) NÃO 3
250 V CA / 30 V CC COM 2
2A NF 1
Tensão de referência e entradas analógicas XAI
10 V CC, RL 1…10 kohm +VREF 1
-10 V CC, RL 1…10 kohm -VREF 2
Terra AGND 3
Não usada EA1+ 4
0(2)…10 V, Rin > 200 kohm EA1- 5
Não usada EA2+ 6
0(4)…20 mA, Rin = 100 ohm EA2- 7
Saídas analógicas XAO
SA1 1
Não usada
AGND 2
SA2 3
Não usada
AGND 4
Ligação acionamento-para-acionamento XD2D
Blindagem 4
BGND 3
Não usada
A 2
B 1
Binário seguro off XSTO
IN2 4
Binário de segurança off. Ambos os circuitos devem estar fechados para a
IN1 3
unidade de alimentação arrancar.
SGND 2
(IN1 e IN2 devem estar ligados a OUT.)
OUT 1
Entradas digitais XDI
Falha de temperatura (0 = sobretemperatura) ED1 1
Run / ativo (1 = permissão func) ED2 2
Feedback MCB (1 = contactor principal/disjuntor fechado) ED3 3
Falha disjuntor (0 = disjuntor auxiliar ou interruptor aberto) ED4 4
Falha de ligação à terra (com monitorização opcional da falha à terra) ED5 5
Restaurar (0 → 1 = restaurar falha) ED6 6
Paragem de emergência (0 = paragem de emergência ativada) (apenas unidades com paragem de emergência) DIIL 7
Entradas/saídas digitais XDIO
Não usada ESD1 1
Não usada ESD2 2
Unidades de controlo do acionamento 131
 Esquema E/S por defeito da unidade de controlo inversor (A41)
Ligação acionamento-para-acionamento XD2D
B 1
A 2
Ligação acionamento-para-acionamento 1)
BGND 3
Blindagem 4
Ligação RS485 X485
B 5
A 6
Não usada
BGND 7
Blindagem 8
Saídas a relé XRO1…XRO3
Pronto NF 11
250 V CA / 30 V CC COM 12
2A NA 13
A funcionar NF 21
250 V CA / 30 V CC COM 22
2A NA 23
Falha
Em falha (-1) NF 31
250 V CA / 30 V CC COM 32
2A NA 33
Binário seguro off XSTO, XSTO OUT
OUT 1
Entrada de binário seguro off Ambos os circuitos devem SGND 2
estar fechados para o acionamento arrancar. 2) IN1 3
IN2 4
IN1 5
SGND 6
Saída de binário seguro off para módulos inversores 2) Para módulos inversores
IN2 7
SGND 8
Entradas digitais XDI
Parar (0) / Arrancar (1) ED1 1
Direto (0) / Inverso (1) ED2 2
Rearme ED3 3
Seleção aceleração & desaceleração 3) ED4 4
Selecionar velocidade constante 1 (1 = on) 4) ED5 5
Por defeito não usada. ED6 6
Permissão func 5) DIIL 7
Entradas/saídas digitais XDIO
Saída: Pronto ESD1 1
Saída: Operação ESD2 2
Terra entrada/saída digital DIOGND 3
Terra entrada/saída digital DIOGND 4
Saída de tensão auxiliar XD24
+24 V CC 200 mA 6) +24VD 5
Terra entrada digital DICOM 6
+24 V CC 200 mA 6) +24VD 7
Terra entrada/saída digital DIOGND 8
Interruptor de seleção de terra 7) DICOM=DIOGND
Entradas analógicas, referência saída de tensão EA
10 V CC, RL 1…10 kohm +VREF 1
-10 V CC, RL 1…10 kohm -VREF 2
Terra AGND 3
Referência de velocidade EA1+ 4
0(2)…10 V, Rin > 200 kohm 8) EA1- 5
Por defeito não usada. EA2+ 6
0(4)…20 mA, Rin = 100 ohm 9) EA2- 7
Saídas analógicas SA
SA1 1
Velocidade motor rpm 0…20 mA, RL < 500 ohm
AGND 2
SA2 3
Corrente motor 0…20 mA, RL < 500 ohm
AGND 4
Entrada de potência externa XPOW
+24VI 1
24 V CC, 2.05 A GND 2
Podem ser ligadas duas alimentações para redundância. +24VI 3
GND 4
Ligação do módulo de funções de segurança X12
Ligação da consola de programação X13
Ligação da unidade de memória X205
132 Unidades de controlo do acionamento

Notas:
O tamanho de cabo aceite por todos os terminais de parafuso (para cabo entrançado e
sólido) é 0.5 … 2.5 mm2 (24…12 AWG). O binário é 0.5 N·m (5 lbf·in).
1)
Veja a secção Ligação accionamento-para-accionamento (XD2D) (página 133).
2) Veja o capítulo Função de Binário seguro off (na página 249).
3)
0 = Rampas de aceleração/desaceleração definidas pelos parâmetros 23.12/23.13 em
uso. 1 = Rampas de aceleração/desaceleração definidas pelos parâmetros 23.14/23.15
em uso.
4)
A velocidade constante 1 é definida pelo parâmetro 22.26.
5)
Veja a secção Entrada DIIL (página 133).
6)
A capacidade de carga total destas saídas é 4.8 W (200 mA a 24 V) menos a potência
retirada por ESD1 e ESD2.
7)Determina se DICOM é separado de DIOGND (i.e. referência comum para flutuação
das entradas digitais; na prática, seleciona se as entradas digitais são usadas no modo
dissipação ou drenagem de corrente). Ver ainda Diagrama de isolamento de terra na
página 137.
DICOM=DIOGND ON: DICOM ligado a DIOGND. DESLIGADO: DICOM e DIOGND
separadas.
8)Corrente [0(4)…20 mA, Rin = 100 ohm] ou tensão [0(2)…10 V, Rin > 200 kohm] entrada
selecionada por interruptor AI1. Alterar o ajuste se for necessário reiniciar a unidade de
controlo.
9)
Corrente [0(4)…20 mA, Rin = 100 ohm] ou tensão [0(2)…10 V, Rin > 200 kohm] entrada
selecionada por interruptor AI2. Alterar o ajuste se for necessário reiniciar a unidade de
controlo.

 Alimentação de potência externa para a unidade de controlo


(XPOW)
A BCU-x2 é alimentada a parir de uma fonte a 24 V DC, 2 A através do bloco terminal
XPOW. Pode ser ligada uma segunda alimentação ao mesmo bloco terminal para
redundância.

 ED6 como entrada do sensor PTC


Pode ser ligado um sensor PTC a esta entrada para medição da temperatura do motor,
como se segue. O sensor pode, em alternativa, se ligado ao módulo interface do codifica-
dor FEN-xx. Não ligue ambas as extremidades das blindagens dos cabos diretamente à
terra. Se não for possível usar um condensador num lado, deixe esse lado da blindagem
desligado. Consulte o manual de firmware sobre os ajustes dos parâmetros.

+24 VD

PTC ED6
T
3.3 nF
> 630 V CA
Unidades de controlo do acionamento 133

AVISO! Como as entradas apresentadas acima não são isoladas de acordo com
a IEC 60664, a ligação do sensor de temperatura do motor requer isolamento
duplo ou reforçado entre as partes vivas do motor e o sensor. Se o conjunto não
cumprir os requisitos, os terminais da carta de E/S devem ser protegidos contra contacto
e não devem ser ligados a outro equipamento,ou- o sensor de temperatura deve ser
isolado dos terminais de E/S.

 EA1 ou EA2 como entrada do sensor Pt100, Pt1000 ou KTY84


Podem ser ligados três sensores Pt100/Pt1000 ou um sensor KTY84 para medição da
temperatura do motor entre a entrada e a saída analógica, como apresentado abaixo.
(Em alternativa, pode ligar o KTY a um módulo de extensão de E/S analógicas FIO-11 ou
FAIO-01 ou ao módulo interface do codificador FEN-xx) Não ligue ambas as extremidades
das blindagens dos cabos diretamente à terra. Se não for possível usar um condensador
num lado, deixe esse lado da blindagem desligado.

1…3 × Pt100/Pt1000/PTC ou 1 × KTY84 XAI


EAn+ 1)
EAn-

XAO
T T T 2)
SAn
AGND

3.3 nF
> 630 V CA

1) Para EA1, defina o tipo de entrada para tensão com o interruptor EA1. Para EA2, defina o tipo de entrada
com o interruptor EA2. Ajuste a unidade de entrada analógica apropriada para V (tensão) no grupo de
parâmetros 12 Standard AI.
Selecione o modo de excitação no grupo de parâmetros 13 SA Standard.

AVISO! Como as entradas apresentadas acima não são isoladas de acordo com
a IEC 60664, a ligação do sensor de temperatura do motor requer isolamento
duplo ou reforçado entre as partes vivas do motor e o sensor. Se o conjunto não
cumprir os requisitos, os terminais da carta de E/S devem ser protegidos contra contacto
e não devem ser ligados a outro equipamento,ou- o sensor de temperatura deve ser
isolado dos terminais de E/S.

 Entrada DIIL
Em ambas as unidades de alimentação e inversora, a entrada DIIL é usada para a ligação
de circuitos de segurança. É entrada é parametrizada para parar a unidade quando o sinal
de entrada é perdido.

 Ligação accionamento-para-accionamento (XD2D)


A ligação acionamento-para-acionamento é uma linha de transmissão RS-485 em cadeia
tipo margarida (daisy-chain) que permite a comunicação básica mestre/seguidor com um
acionamento mestre e múltiplos seguidores.
Ative a terminação de barramento nos inversores nas extremidades da ligação aciona-
mento-para-acionamento, ajustando o interruptor D2D TERM na unidade de controlo para
ON. Nos inversores intermédios, desative a terminação de barramento.
134 Unidades de controlo do acionamento

Use cabo blindado multipar torcido (~100 ohm, por exemplo cabo PROFIBUS compatível)
para as ligações. Para melhor imunidade, é recomendado cabo de qualidade elevada.
Mantenha o cabo o mais curto possível; o comprimento máximo da ligação é 50 metros
(164 ft). Evite circuitos fechados desnecessários e a passagem de cabo próximo dos
cabos de potência (como os cabos do motor). Ligue à terra as blindagens do cabo de
acordo com a descrição na secção Ligação dos cabos de controlo na página 97.
O esquema seguinte apresenta a conexão de uma ligação acionamento-para-acionamento.
XD2D

XD2D

XD2D
B 1
A 2
BGND 3
Blindag 4

B 1
A 2
BGND 3
Blindag 4

B 1
A 2
BGND 3
Blindag 4
Terminação ON Terminação OFF Terminação ON

 Binário seguro off (XSTO, XSTO OUT)


Na unidade de controlo do inversor (A41), a entrada XSTO pode ser usada para imple-
mentar a função de Binário seguro off (STO). Para o acionamento arrancar, ambas as
ligações (OUT1 para IN1, e OUT2 para IN2) devem estar fechadas. Por defeito, o bloco
terminal tem jumpers para fechar o circuito. Remova os jumpers antes de ligar um circuito
externo de Binário seguro off ao acionamento. Para mais informação sobre a instalação
da função de Binário seguro off, consulte o capítulo Função de Binário seguro off (página
249).
Nota: A entrada XSTO só atua como uma verdadeira entrada de Binário seguro off na
unidade de controlo do inversor [A41]. Desligar os terminais IN1 e/ou IN2 na unidade de
controlo da alimentação [A51] vai parar a unidade de alimentação mas não constitui uma
verdadeira função de segurança.
O conector XSTO OUT é ligado ao conector STO IN de um módulo inversor. No caso da
unidade inversora ser constituída por múltiplos módulos, o conector STO OUT de um
módulo é ligado ao conector STO IN do módulo seguinte, etc. para que todos os módulos
façam parte da cadeia.

 Ligação do módulo de funções de segurança FSO-xx (X12)


Veja a secção Implementação das funções fornecidas pelo módulo de funções de
segurança FSO-xx (opção +Q972 ou +Q973) (página 89) e o manual de utilizador do
módulo FSO-xx.

 Ranhura do cartão de memória SDHC


A BCU-x2 tem um registador de dados integrado que recolhe dados em tempo real dos
módulos de potência para ajudar na deteção e análise de falhas. Os dados são armaze-
nados no cartão de memória SDHC inserido na ranhura CARTÃO SD e podem ser anali-
sados por técnicos da ABB.
Unidades de controlo do acionamento 135

Dados do conector da unidade de controlo


Alimentação Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
(XPOW)
24 V (±10%) CC, 2 A
Entrada de potência externa. Podem ser ligadas duas alimenta-
ções para redundância.
Saídas a relé SR1…SR3 Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
(XRO1…XRO3)
250 V CA / 30 V CC, 2 A
Protegido por varistores
Saída +24 V Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
(XD24:2 e XD24:4)
A capacidade de carga total destas saídas é 4.8 W (200 mA a 24 V)
menos a potência retirada por ESD1 e ESD2.
Entradas digitais ED1...ED6 Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
(XDI:1…XDI:6) Níveis lógicos 24 V “0” < 5 V, “1” > 15 V
Rin: 2.0 kohm
Tipo de entrada: NPN/PNP (ED1…ED5), NPN (ED6)
Filtragem hardware: 0.04 ms, filtragem digital até 8 ms
ED6 (XDI:6) pode, em alternativa, ser usada como uma entrada
para um sensor PTC.
“0” > 4 kohm, “1” < 1.5 kohm
Imax: 15 mA (ED1…ED5), 5 mA (ED6)
Entrada DIIL do encravamento de Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
arranque
(XDI:7) Níveis lógicos 24 V “0” < 5 V, “1” > 15 V
Rin: 2.0 kohm
Tipo de entrada: NPN/PNP
Filtragem hardware: 0.04 ms, filtragem digital até 8 ms
Entradas/saídas digitais ESD1 e Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
ESD2 (XDIO:1 e XDIO:2)
Como entradas:
Seleção do modo entrada/saída por Níveis lógicos 24 V “0” < 5 V, “1” > 15 V
parâmetros. Rin: 2.0 kohm
A ESD1 pode ser configurada como Filtragem: 1 ms
entrada de frequência (0…16 kHz com Como saídas:
filtragem hardware de 4 microssegun- Corrente de saída total de +24VD limitada a 200 mA.
dos) para sinal de onda de nível qua-
drado 24 V (não pode ser usada onda +24VD
sinusoidal ou outra forma de onda).
ESD2 pode ser configurada como uma
saída de frequência de onda de nível
quadrado 24 V. Veja o manual de fir-
mware ,grupo de parâmetros 11.
ESDx

RL

DIOGND

Tensão de referência para entradas Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
analógicas +VREF e -VREF 10 V ±1% e –10 V ±1%, Rload 1…10 kohm
(XAI:1 e XAI:2) Corrente máxima de saída: 10 mA
Entradas analógicas EA1 e EA2 Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
(XAI:4…XAI:7). Entrada de corrente: –20…20 mA, Rin = 100 ohm
Seleção do modo corrente/tensão por Entrada de tensão: –10…10 V, Rin > 200 kohm
interruptores. Entradas diferenciais, gama de modo comum ±30 V
Intervalo de amostragem por canal: 0.25 ms
Filtragem hardware: 0.25 ms, filtragem digital ajustável até 8 ms
Resolução: 11 bit + bit de sinal
Imprecisão: 1% da escala completa da gama
136 Unidades de controlo do acionamento

Saídas analógicas SA1 e SA2 Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
(XAO) 0…20 mA, Rload < 500 ohm
Gama de frequência: 0…500 Hz
Resolução: 11 bit + bit de sinal
Imprecisão: 2% da escala completa da gama
Ligação acionamento-para- Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
acionamento Camada física: RS-485
(XD2D) Terminação por jumper
Ligação RS-485 Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
(X485) Camada física: RS-485
Ligação binário seguro off Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
(XSTO)
Gama tensão de entrada: -3…30 V CC
Níveis lógicos: “0” < 5 V, “1” > 17 V
Para a unidade arrancar, ambas as ligações devem ser “1”
Consumo corrente: 66 mA (contínuo) por canal STO por módulo
inversor R8i
EMC (imunidade) segundo a IEC 61326-3-1
Saída binário seguro off Passo conector 5 mm, tamanho do fio 2.5 mm2
(XSTO OUT)
Para o conector STO do módulo inversor. Veja o capítulo Função
de Binário seguro off (na página 249).
Ligação da consola de programação Conector: RJ-45
(X13) Comprimento do cabo < 3 m
Ligação Ethernet Conector: RJ-45
(XETH)
Ranhura do cartão de memória SDHC Tipo de cartão de memória: SDHC
(CARTÃO SD) Tamanho máximo da memória: 4 GB
Os terminais da unidade de controlo cumprem os requisitos de Proteção Extra de Baixa Tensão (PELV). Os
requisitos PELV de uma saída a relé não são cumpridos se uma tensão superior a 48 V for ligada à saída a
relé.
Unidades de controlo do acionamento 137

Diagrama de isolamento de terra

XPOW
+24VI 1
GND 2
+24VI 3
GND 4
XAI
+VREF 1
-VREF 2
AGND 3
EA1+ 4
EA1- 5 A tensão de modo comum entre
EA2+ 6 cada entrada EA e AGND é
EA2- 7 +30 V
XAO
SA1 1
AGND 2
SA2 3
AGND 4
XD2D
B 1
A 2
BGND 3
BLINDAGEM 4
XSR1, XSR2, XSR3
NF 11
COM 12
NA 13
NF 21
COM 22
NA 23
NF 31
COM 32
NA 33
XD24
+24VD 5
DICOM 6
+24 VD 7
DIOGND 8
XDIO
ESD1 1
ESD2 2
DIOGND 3
DIOGND 4
XDI
ED1 1 *
ED2 2
ED3 3
ED4 4
ED5 5
ED6 6
DIIL 7
XSTO
OUT 1
SGND 2
IN1 3
IN2 4
XSTO OUT
IN1 5
SGND 6
IN2 7
Terra
SGND 8

*Ajustes do seletor de terra (DICOM = DIOGND)

DICOM=DIOGND: ON
Todas as entradas digitais partilham uma terra comum (DICOM ligada a DIOGND). Definição por defeito.

DICOM=DIOGND: OFF
A ligação à terra das entradas digitais ED1…ED5 e DIIL (DICOM) é isolada da terra do sinal DIO
(DIOGND). Tensão de isolamento 50 V.
138 Unidades de controlo do acionamento
Lista de verificação da instalação 139

8
Lista de verificação da
instalação

Conteúdo deste manual


Este capítulo contém uma lista de verificação de instalação que deve confirmar antes de
arrancar o acionamento.

Avisos

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. O não


cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou danificar os
equipamentos.

Lista de verificação
Execute os passos na secção Precauções antes do trabalho elétrico na página 19 antes
de dar início aos trabalhos. Percorra a lista de verificação em conjunto com outra pessoa.
Verifique se …

As condições ambiente de operação cumprem as especificações apresentadas no capítulo Dados


técnicos.

O armário do acionamento foi fixo ao chão e, se necessário devido a vibração etc, também pelo topo
à parede ou teto.

O ar de refrigeração flui livremente para dentro e para fora do armário do acionamento,


140 Lista de verificação da instalação

Verifique se …

Se o acionamento for ligado a uma rede IT (sem terra) ou a uma rede flutuante TN: O filtro EMC
opcional (+E200, +E202) do acionamento (se presente) foi desligado. Veja a página 94.

Se o acionamento tiver sido armazenado mais de um ano: Os condensadores CC eletrolíticos na


ligação CC do acionamento foram beneficiados. Consulte Converter module capacitor reforming
instructions (3BFE64059629 [Inglês]).

Existe um condutor de terra de proteção de tamanho adequado entre o acionamento e o quadro de


distribuição, e o condutor foi ligado ao terminal apropriado. A ligação à terra adequada também foi
medida de acordo com os regulamentos.

Existe um condutor de terra de proteção de tamanho adequado entre o motor e o acionamento, e o


condutor foi ligado ao terminal apropriado. A ligação à terra adequada também foi medida de acordo
com os regulamentos.

Apenas para acionamentos com opção +D150: Existe um condutor de terra de proteção de tamanho
adequado entre a resistência de travagem instalada pelo utilizador e o acionamento, e o condutor foi
ligado ao terminal apropriado. A ligação à terra adequada também foi medida de acordo com os
regulamentos.

A tensão de alimentação corresponde à tensão de entrada do acionamento. Verifique a etiqueta de


designação de tipo.

O ajuste de tensão dos transformadores de tensão auxiliar T21 (standard), T101 (específicos opção)
e T111 (específicos opção) está correta. Veja a página 94.

O cabo de entrada de alimentação foi ligado aos terminais apropriados, a ordem das fases está
correta e os terminais foram apertados. (Puxe pelos condutores para verificar.)

O cabo do motor foi ligado aos terminais apropriados, a ordem das fases está correta e os terminais
foram apertados. (Puxe pelos condutores para verificar.)

O cabo do motor (e o cabo da resistência de travagem, se presente) foi passado afastado dos outros
cabos.

Não foram ligados ao cabo do motor condensadores de compensação do fator potência.

Se for usada uma ligação de bypass do acionamento: O contactor direto na linha do motor e o
contactor de saída do acionamento estão mecânica ou eletricamente encravados, ie, não podem ser
fechados simultaneamente.

A resistência de travagem externa (se presente) foi ligada aos terminais apropriados e os terminais
foram apertados. (Puxe pelos condutores para verificar.)

O cabo da resistência de travagem foi passado afastado dos outros cabos.

Os cabos de controlo foram ligados aos terminais apropriados e os terminais foram apertados. (Puxe
pelos condutores para verificar.)

Não existem ferramentas, objetos estranhos ou poeira das furações no interior da unidade.

Todas as blindagens e tampas da caixa de ligação do motor estão colocadas. As portas do armário
foram fechadas.

O motor e o equipamento acionado estão prontos para arrancar.


Arranque 141

9
Arranque

Conteúdo deste manual


Este capítulo contém o procedimento de arranque do acionamento.

Procedimento de arranque
As tarefas que são necessárias apenas em certos casos estão sublinhadas e os códigos
das opções são apresentados entre parêntesis. As designações padrão do dispositivo (se
existirem) são apresentadas entre parêntesis depois do nome, por exemplo, “interruptor-
seccionador principal [Q1]”. As mesmas designações do dispositivo são ainda normal-
mente usadas nos diagramas de circuito.
Estas instruções não podem e não abrangem todas as tarefas possíveis de arranque de
um acionamento personalizado. Consulte sempre os diagramas de circuito específicos da
entrega antes de efetuar o arranque.

AVISO! Apenas eletricistas qualificados podem efetuar os trabalhos descritos


neste capítulo.

Nota: Para algumas opções de segurança funcional (tais como +Q952, +Q953, +Q957,
+Q963 e +Q964), as instruções de arranque são apresentadas nos seus manuais separa-
dos e não neste capítulo. Consulte a listagem de manuais no interior da capa deste
manual.
142 Arranque

Ação

Segurança
AVISO! Cumpra as instruções de segurança durante o procedimento de arranque. Veja o
capítulo Instruções de segurança na página 15.

Verificações/Ajustes sem tensão ligada


Certifique-se de que o seccionador do transformador de alimentação está bloqueado na posição off
(0), i.e. sem tensão e que não pode ser ligado ao acionamento inadvertidamente.

Verifique se o interruptor-seccionador principal (Q1.1) está desligado ou se o disjuntor (Q1) foi


retirado.
Nota: Algumas unidades de 12 impulsos estão equipadas com interruptores seccionadores ou
disjuntores - verifique se estão ambos abertos e continue.

Verifique se o interruptor de ligação à terra (Q9.1) (+F259) está ligado. Unidades de 12 impulsos tem
dois contactores Q9.1 e Q2.2.

Verifique a instalação mecânica e elétrica do acionamento. Veja Lista de verificação da instalação na


página 139.

Verifique os ajustes dos disjuntores/interruptores nos circuitos auxiliares. Consulte os diagramas de


circuito entregues com o acionamento.

Desligue todos os cabos (115/230 V CA) de tensão auxiliar não terminados ou não inspecionados
que passam dos blocos terminais para o exterior do equipamento.

Verifique se ambos os canais do circuito de Binário seguro off ligados às entradas STO da unidade de
controlo da alimentação [A51] e da unidade de controlo do inversor [A41] estão fechados. Consulte os
esquemas de cablagem entregues com o acionamento.

Se a funcionalidade binário seguro off é usada, verifique se a saída STO OUT na unidade de
controlo do inversor (A41) está encadeada às entradas STO de todos os módulos inversores.
Se a funcionalidade binário seguro off não é usada, verifique se a entrada STO em todos os módulos
inversores está atualmente ligada a +24 V e à terra.

Acionamentos com monitorização de falha à terra para sistemas IT (sem terra) (opção +Q954):
Ajuste as definições do monitor de falha à terra de acordo com a instalação. Consulte os diagramas
de circuito da entrega e IRDH275B Ground Fault Monitor Operating Manual da Bender (código:
TGH1386en).

Acionamentos com relés Pt100 (opção +(n)L506):


• Verifique as ligações contra os diagramas de circuito da entrega.
• Ajuste os níveis de alarme e disparo dos relés Pt100.
Ajuste os níveis de alarme e disparo do relé Pt100 o mais baixo possível com base na temperatura
de operação e nos resultados dos testes da máquina. O nível de disparo pode ser definido, por
exemplo, 10 °C mais do que a temperatura da máquina à carga máxima na temperatura ambiente
máxima.
Recomendamos o ajuste das temperaturas de operação do relé, normalmente por exemplo, como se
segue:
• 120…140 °C quando está apenas o disparo em uso
• alarme 120…140 °C e disparo 130…150 °C quando são usados disparo e alarme.
Arranque 143

Ação

Ligação do circuito auxiliar do acionamento


Certifique-se de que é seguro ligar a tensão. Certifique-se de que
• ninguém está a trabalhar no acionamento ou que os circuitos foram ligados de fora para o interior
do armário do acionamento.
• a tampa da caixa terminal do motor está colocada.

Acionamento com um voltímetro (opção +G334): Certifique-se de que o disjuntor do circuito de


medição (F5.1) está fechado.

Feche os disjuntores que alimentam os circuitos auxiliares.

Feche as portas do armário.

Feche o disjuntor principal do transformador de alimentação.

Ligue a tensão auxiliar (Q21).

Ajuste dos parâmetros da unidade de alimentação


Verifique o ajuste da gama de tensão no parâmetro 195.01 Tensão alimentação.
Para mais informações sobre a configuração do programa de controlo da alimentação, consulte
ACS880 diode supply control program firmware manual (3AUA0000103295 [Inglês]).

Ajuste dos parâmetros do acionamento e execução do primeiro arranque


Ajuste o programa de controlo do inversor. Consulte o guia de arranque e/ou o manual de firmware
apropriado. Existe um guia de arranque separado apenas para alguns programas de controlo.
Se necessitar de mais informação sobre a utilização da consola de programação, consulte ACS-AP-
X Assistant control panels user's manual (3AUA0000085685 [Inglês]).

Verifique se o parâmetro 95.09 Controlo interruptor fusível está inativo.

Acionamento com um chopper de travagem (opção +D150): Consulte ainda o capítulo Travagem
com resistências, secção Arranque (página 268).

Acionamentos com um filtro de saída sinusoidal (opção +E206): Verifique se o bit 1 do parâmetro
95.15 Ajustes especiais HW está ativado.

Acionamentos com um módulo adaptador de fieldbus (opcional): Ajuste os parâmetros do fieldbus.


Ative o assistente apropriado no programa de controlo ou consulte o manual do utilizador do módulo
adaptador de fieldbus e o manual de firmware do acionamento. Nem todos os programas de controlo
incluem assistentes.
Verifique se a comunicação funciona entre o acionamento e o PLC.

Acionamento com um módulo de interface codificador (opcional): Ajuste os parâmetros do codifica-


dor. Ative o assistente apropriado no programa de controlo ou consulte o manual do utilizador do
módulo de interface codificador e o manual de firmware do acionamento. Nem todos os programas
de controlo incluem assistentes.
144 Arranque

Ação

Ligação do circuito principal do acionamento


Desligar o interruptor de ligação à terra (Q9.1) (opção +F259). Unidades de 12 impulsos tem dois
contactores de terra Q9.1 e Q9.2.

Feche o interruptor-seccionador principal (Q1.1) ou disjuntor principal (Q1).


Nota: Não use força excessiva. O interruptor-seccionador principal (ou disjuntor principal) apenas
pode ser fechado quando
• os terminais de entrada principais (L1, L2, L3) estão ligados, e
• a tensão auxiliar está ligada (Q21), e
• o interruptor de ligação à terra está desligado (Q9.1, Q9.2) (opção +F259).

Rode o interruptor de operação (S21) para a posição ON (1) para ativar o sinal de Permissão Func.
Dependendo dos ajustes da fonte de controlo, isto também pode fechar o contactor principal (se
presente). Se estiver presente um contactor principal e este não fechar, consulte os diagramas de
circuito entregues com o acionamento, assim como os manuais de firmware apropriados.

Verificações em carga
Arranque o motor para executar o ID run.

Verifique se os ventiladores de refrigeração rodam livremente no sentido correto e o fluxo de ar é


debaixo para cima. Use uma folha de papel junto à entrada de ar (na porta). Os ventiladores
funcionam silenciosamente.

Verifique se o motor arranca, para e segue a referência de velocidade no sentido correto quando
controlado com a consola de programação.

Verifique se o motor arranca, para e segue a referência de velocidade no sentido correto quando
controlado através das E/S ou fieldbus específicas do cliente.

Acionamento onde o circuito de controlo do Binário seguro off é ligado em utilização: Teste e valide a
operação da função de Binário seguro off. Veja Arranque incluindo o teste de aceitação (página 255).

Acionamentos com um circuito de paragem de emergência (opções +Q951, +Q952, +Q963, +Q964,
+Q978, +Q979): Teste e valide a operação do circuito de paragem de emergência. Consulte diagra-
mas de circuito e as ligações específicas entregues, instruções de arranque e operação da opção
(veja a página 88).

Acionamentos com o relé de segurança de Prevenção de arranque inesperado (opção +Q957):


Teste e valide a operação do circuito de arranque da Prevenção de arranque inesperado. Consulte
diagramas de circuito e as ligações específicas entregues, instruções de arranque e operação da
opção (veja a página 88).

Teste e valide a operação da função de Prevenção de arranque inesperado com FSO-xx (opção
+G950)
Deteção de falhas 145

10
Deteção de falhas

Conteúdo deste manual


Este capítulo descreve as possibilidades de deteção de falhas do acionamento.

LED
Onde LED Cor Indicação

Plataforma de POTÊNCIA Verde A unidade de controlo está alimentada e são fornecidos


montagem da +15 V à consola de programação.
consola de
programação FALHA Vermelho Acionamento em estado de falha.

Unidade de BAT OK Verde A tensão da bateria ou o relógio de tempo real está OK


controlo da (acima de 2.8 V). Quando o LED não está aceso,
alimentação • a tensão da bateria é inferior a 2.8 V,
ou inversor • a bateria está em falta, ou
(A51 ou A41) • a unidade de controlo não é alimentada.

PWR OK Verde Tensão interna OK

FALHA Vermelho O programa de controlo indica que o equipamento está em


falha. Consulte o manual de firmware apropriado.

ESCREVER Amarelo Escrita no cartão SD em progresso.

Mensagens de aviso e de falha


Consulte o manual de firmware sobre as descrições, causas e soluções das mensagens
de aviso e de falha do programa de controlo do acionamento.
146 Deteção de falhas
Manutenção 147

11
Manutenção

Conteúdo deste manual


Este capítulo contém instruções de manutenção preventiva.

Intervalos de manutenção
A tabela abaixo apresenta as tarefas de manutenção que podem ser executadas pelo
utilizador final. O calendário completo de manutenção está disponível na Internet
(http://www.abb.com/drivesservices). Para mais informação, consulte o seu represen-
tante local da ABB Service (http://www.abb.com/searchchannels).

 Tabela de intervalos da manutenção preventiva


Anos desde o arranque
Componente 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21
Refrigeração
Ventiladores de refrigeração do (R) R (R) R (R) R (R)
armário interno * (R) (R) (R)
Ventiladores do topo IP54 * (R) R (R) R (R) R (R)
(R) (R) (R)
Ventiladores de refrigeração do R R R
módulo de alimentação e inversor *
Envelhecimento
Condensadores eletrólitos do R R
circuito CC, resistências de
descarga *, 1)
Bateria consola de programação, R R
baterias da unidade de controlo
BCU
Ligações e ambiente
Filtros de ar IP54 na porta do R R R R R R R R R R R R R R R R R R R R R
armário e no topo
148 Manutenção

Anos desde o arranque


Componente 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21
Malhas de entrada de ar IP22 e (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I)
IP42 (porta)
Aperto dos terminais (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I)
Poeira, corrosão e temperatura (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I)
Limpeza dissipador de calor (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I) (I)
módulo de alimentação e módulo
inversor
Peças de reserva
Beneficiação de condensadores P P P P P P P P P P P P P P P P P P P P P
CC

I Inspeção visual e ação de manutenção, se necessário


(I) Recomendamos a inspeção visual anual e as ações corretivas, se necessário, se as condições de operação forem
especialmente poeirentas ou húmidas ou a temperatura ambiente for constantemente elevadas.
P Trabalho não-local
R Substituição de componente. Condições requeridas: a temperatura ambiente é inferior a 40 °C (104 °F) e não existe
carga cíclica pesada ou carga nominal contínua.
(R) Substituição de componente condições de operação exigentes:
* (R) se a temperatura ambiente for superior a 40 °C (104 °F), a operação for contínua ou o contador de manutenção
indicar substituição.
1) Sobre substituições contacte a ABB.
Manutenção 149

Armário
 Limpeza do interior do armário

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. O


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

AVISO! Use um aspirador com uma mangueira e bocal anti estático, e use uma
pulseira de ligação à terra. Caso contrário, pode-se acumular uma carga
eletrostática e danificar as placas do circuito.

1. Deve parar o acionamento e executar os passos na secção Precauções antes do


trabalho elétrico na página 19 antes de iniciar o trabalho.
2. Abra as portas do armário.
3. Limpe o interior do armário. Use um aspirador e uma escova suave.
4. Limpe as entradas de ar dos ventiladores e as saídas de ar dos módulos (topo).
5. Limpe as grelhas de entrada de ar nas portas (ver abaixo).
6. Feche as portas.

 Limpeza das entradas de ar da porta (IP22 e IP42)


1. Remova os fixadores no topo da grelha.
2. Levante a grelha e afaste-a da porta.
3. Limpe a malha de aço inoxidável e a grelha. Se necessário, remova a malha rodando
os clipes lentamente.
4. Reinstale a malha e a grelha pela ordem inversa.

3 5
150 Manutenção

 Limpeza das entradas de ar da porta (IP54)


1. Remova os fixadores no topo da grelha.
2. Levante a grelha e afaste-a da porta.
3. Remova o tapete do filtro de ar.
4. Coloque um novo filtro na grelha de metal, com o lado metálico voltado para a porta.
5. Reinstale a grelha pela ordem inversa.

2 3

 Limpeza dos filtros de saída (topo) (IP54)


Os filtros de saída (topo) nas unidades IP54 podem ser acedidos puxando a grelha para
cima.

 Substituição dos filtros de saída (topo) (IP54)


1. Retire as grelhas frontais e posteriores do cubículo do ventilador puxando-as para
cima.
2. Remova o tapete do filtro de ar.
3. Coloque o novo tapete do filtro na grelha.
4. Reinstale a grelha pela ordem inversa.
Manutenção 151

Dissipador
As aletas do dissipador de calor do módulo de acionamento apanham pó do ar de refrige-
ração. O acionamento apresentará mensagens de aviso e de falha por sobreaquecimento
se o dissipador não for limpo. Quando necessário, limpe o dissipador como se segue.

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. O


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

AVISO! Use um aspirador com mangueira e bocal antiestático. O uso de um


aspirador normal provoca descargas estáticas que podem danificar os circuitos
impressos.

1. Deve parar o acionamento e executar os passos na secção Precauções antes do


trabalho elétrico (página 19) antes de iniciar o trabalho.
2. Retire o módulo de acionamento do armário.
3. Remova o(s) ventilador(es) de refrigeração do módulo. Veja a secção Ventoinhas
abaixo.
4. Aplique ar comprimido limpo de baixo para cima e use simultaneamente um aspirador
na saída de ar para apanhar o pó. Nota: Se existir risco da poeira entrar no equipa-
mento contínuo, efetue a limpeza num outro local.
5. Reinstale o ventilador de refrigeração.

Ligações de potência e ligadores rápidos


 Reaperto das ligações de potência

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. O


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Deve parar o acionamento (se a funcionar) e executar os passos na secção


Precauções antes do trabalho elétrico na página 19 antes de iniciar o trabalho.
2. Verifique o aperto das ligações dos cabos. Use os valores dos binários de aperto
apresentados no capítulo Dados técnicos.
152 Manutenção

Ventoinhas
A vida útil dos ventiladores de refrigeração do acionamento depende do seu tempo de
operação, temperatura ambiente e concentração de pó. Consulte o manual de firmware
sobre o sinal atual que indica as horas de funcionamento do ventilador de refrigeração.
Restaure o sinal de tempo de operação depois de substituir o ventilador.
Estão disponíveis na ABB ventiladores de substituição. Use só peças de reserva
especificadas pela ABB.

 Substituição do ventilador de refrigeração no cubículo do controlo


auxiliar

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. O


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Deve parar o acionamento e executar os passos na secção Precauções antes do


trabalho elétrico (página 19) antes de iniciar o trabalho.
2. Remova o acrílico de proteção na frente do ventilador.
3. Desligue o cabo de alimentação do ventilador.
4. Desaperte os parafusos de fixação do ventilador.
5. Instale o novo ventilador pela ordem inversa.
Manutenção 153

 Substituição do(s) ventilador(es) de refrigeração no cubículo de


entrada
Estão instalados um ou dois ventiladores no cubículo de entrada (ICU).

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. O


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Deve parar o acionamento e executar os passos na secção Precauções antes do


trabalho elétrico (página 19) antes de iniciar o trabalho.
2. Remova o acrílico de proteção (se presente) na frente do ventilador.
3. Desligue a cablagem do ventilador (a).
4. Retire os parafusos de fixação (a) e a dedeira (b) do(s) ventilador(es).
5. Instale o novo ventilador pela ordem inversa.

3 4

4b
4a

3a
154 Manutenção

 Substituição do ventilador do topo (IP54/UL tipo 12)

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. O


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Deve parar o acionamento e executar os passos na secção Precauções antes do


trabalho elétrico na página 19 antes de iniciar o trabalho.
2. Levante as grades superiores frontais e posteriores e retire-as.
3. Desaperte os parafusos de montagem da tampa do ventilador.
4. Retire a tampa.
5. Desligue os cabos de alimentação do ventilador.
6. Desaperte os parafusos de montagem do ventilador.
7. Levante o ventilador.
8. Instale o novo ventilador pela ordem inversa.
6
6
6
6

2 2

4 5
3

3
3
Manutenção 155

Substituir uma ventoinha de refrigeração do módulo de


alimentação (D7T)

AVISO! Apenas eletricistas qualificados estão autorizados a efetuar este traba-


lho. Leia todas as instruções de segurança do acionamento. Ignorar estas instru-
ções pode provocar ferimentos físicos ou morte, ou danificar o equipamento

1. Desligue o acionamento da linha de potência CA e certifique-se de que é seguro


iniciar o trabalho. Veja a secção Precauções antes do trabalho elétrico (página 19).
2. Abra a porta do cubículo.
3. Retire a braçadeira de suporte inferior (a) do módulo.
4. Retire a tampa frontal do suporte do ventilador (b).
5. Desligue a cablagem do ventilador do módulo: ficha da alimentação elétrica e dos
cabos de fibra ótica (c).
6. Segure o suporte da ventoinha (d) por baixo e puxe para a libertar do módulo.
7. Retire o suporte do ventilador.
8. Transfira a caixa de controlo (e) do suporte do ventilador antigo para um novo suporte
de ventilador.
9. Instale o novo suporte do ventilador pela ordem inversa ao acima.

3 5 4 6 8

b
a
d

e
156 Manutenção

 Substituição de um ventilador de refrigeração do módulo inversor


ou de alimentação (D8T)

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. O


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Deve parar o acionamento e executar os passos na secção Precauções antes do


trabalho elétrico (página 19) antes de iniciar o trabalho.
2. Abra a porta do cubículo.
3. Remova o acrílico na frente do ventilador.
4. Remova a tampa da consola de programação na frente do ventilador.
5. Desligue a cablagem do ventilador.
6. Remova a caixa de controlo do ventilador.
7. Desaperte os parafusos da unidade do ventilador.
8. Puxe a unidade do ventilador para fora.
9. Instale o novo ventilador pela ordem inversa.

5
4
8

6
Manutenção 157

Substituição de um módulo de alimentação chassis D7T

AVISO! Apenas eletricistas qualificados estão autorizados a efetuar este traba-


lho. Leia todas as instruções de segurança do acionamento. Ignorar estas instru-
ções pode provocar ferimentos físicos ou morte, ou danificar o equipamento

AVISO! Use de extremo cuidado quando manobrar o módulo de alimentação. É


pesado e tem um centro de gravidade elevado. A não observância das seguintes
instruções pode provocar ferimentos ou danificar o equipamento:
• Use o equipamento de segurança apropriado.
• Cuidado ao remover os parafusos e anilhas no topo do módulo para não deixar cair
nada para o interior do módulo.
• Use um dispositivo de elevação:
• Fixe o dispositivo de elevação de forma segura pelos olhais de elevação do
módulo antes de retirar os parafusos de fixação do módulo. Mantenha o disposi-
tivo de elevação fixo ao módulo até ter levantado o módulo para uma palete e cer-
tifique-se de que o módulo está bem apoiado e não cai.
• Levante um módulo de substituição apenas com um dispositivo de elevação.
Mantenha o dispositivo de elevação fixo ao módulo durante os trabalhos até que
os parafusos de fixação do módulo sejam apertados.
• Não incline o módulo. Não deixe o módulo sozinho sobre o chão.
• Quando empurrar o módulo para o interior do armário, mantenha os dedos afastados
das extremidades do módulo para evitar que os mesmos fiquem presos entre o
módulo e o armário.
158 Manutenção

1. Desligue o acionamento da linha de potência CA e certifique-se de que é seguro


iniciar o trabalho. Veja a secção Precauções antes do trabalho elétrico (página 19).
2. Abra a porta do cubículo.
3. Retire o acrílico de proteção.
4. Desligue a ficha do conector no topo do módulo (a), e a ficha do conector e o conector
de fibra ótica na parte frontal do módulo (b).
5. Retire a braçadeira de suporte inferior do módulo.
6. Retire os parafusos de fixação dos barramentos CC (a) e dos barramentos CC, com
cuidado. Não deixe cair nada para o interior do módulo. Remova os parafusos de
fixação dos barramentos CA (b).
7. Remove o conector da ficha do ventilador de refrigeração (a) e da ventoinha de
refrigeração (b). Veja a secção Substituir uma ventoinha de refrigeração do módulo de
alimentação (D7T) (página 155).
8. Remova os parafusos de fixação alterais do módulo no topo (a) e no fundo (b).
9. Coloque um dispositivo de elevação nos olhais de elevação do módulo (a).
10. Retire a braçadeira de suporte superior do módulo (a).
11. Puxe o módulo para o exterior do armário, com cuidado. Mantenha constantemente o
peso sobre o dispositivo de elevação.
12. Retire o módulo para uma palete.
13. Mantenha a corrente de elevação fixa ao módulo e fixe o módulo em segurança à
palete.
14. Remova a corrente de elevação do módulo antigo e afaste o módulo.
15. Instale um novo módulo pela ordem inversa.
16. Feche a porta do cubículo.
Manutenção 159

3 4 5

4a

4b

6 7

6a

6b

6a

7a

7b
160 Manutenção

8a

8b

9 10 11

9a
9a

10a
Manutenção 161

Substituição de um módulo de alimentação chassis D8T

AVISO! A não observância das seguintes instruções pode provocar ferimentos


ou morte, ou danificar o equipamento:

• Manobre com muito cuidado um módulo de alimentação que funciona sobre rodas.
Os módulos são pesados (aproximadamente 175 kg), com um centro de gravidade
muito elevado. Tombam facilmente se manuseados sem cuidado.
• Ao remover um módulo equipado com rodas, puxe pelo módulo com cuidado para
fora do cubículo ao longo da rampa de extração/instalação. Enquanto puxa pela pega,
mantenha uma pressão constante com um pé na base do módulo para evitar que este
tombe para trás.
• Ao substituir um módulo equipado com rodas, empurre o módulo até à rampa de novo
para o interior do cubículo. Mantenha os dedos afastados da extremidade da placa
frontal do módulo para evitar que os mesmos fiquem presos entre o módulo e o cubí-
culo. Mantenha pressão constante com um pé na base do módulo para evitar que o
módulo caia para trás.
• Não incline o módulo. Não deixe o módulo sozinho sobre um piso inclinado.
• Não use a rampa com alturas de rodapé superiores a 50 mm. A rampa fornecida com
o sistema de acionamento foi desenhada para uma altura de rodapé de 50 mm (a
altura de rodapé standard dos armários da ABB).

Suporte o topo e o Não incline! Não deixe o módulo sozinho


fundo do módulo sobre um piso inclinado!
durante a extração!

max 50 mm
162 Manutenção

Levante o módulo pelos olhais de Cuidado com os dedos! Suporte o topo e o fundo
elevação no topo! Mantenha os dedos afastados do módulo durante a
das extremidades da flange substituição!
frontal do módulo!

Consulte os esquemas abaixo.


1. Deve parar o acionamento e executar os passos na secção Precauções antes do
trabalho elétrico (página 19) antes de iniciar o trabalho.
2. Abra a porta do cubículo do módulo de alimentação.
3. Desaperte os parafusos do acrílico de proteção na parte superior do cubículo.
Levante e retire o acrílico de proteção.
4. Desligue os fios e os cabos óticos do módulo e afaste-os.
5. Fixe a rampa de extração/instalação do módulo (incluída) na base do armário para
que as guias no suporte de montagem entrem nas ranhuras da rampa.
6. Retire os parafusos que seguram os barramentos CC.
7. Retire os parafusos de fixação do módulo no topo do mesmo.
8. Retire os parafusos de fixação do módulo no fundo do mesmo.
9. Puxe e retire o módulo com cuidado para fora do armário ao longo da rampa.
10. Para voltar a colocar o módulo no interior do cubículo:
• Empurre o módulo de novo para o interior e aparafuse. Aperte os parafusos de
fixação do módulo para 22 N·m (16.2 lbf.ft) e os parafusos de fixação dos barra-
mentos de saída CC para 70 N·m (52 lbf.ft).
• Volte a ligar os fios e o cabos de fibra ótica ao módulo.
• Reinstale o acrílico de proteção.
• Retire a rampa de extração/instalação do módulo e feche a porta do cubículo.
Manutenção 163

5
164 Manutenção

7 6 7

8
Manutenção 165

Substituição de um módulo inversor


Siga os procedimentos de extração e inserção do módulo em Ligação dos cabos do motor
(unidades com cubículo do terminal comum de motor ou filtro de saída sinusoidal) (página
117).
166 Manutenção

Operação reduzida da unidade inversora


Está disponível uma função de “operação reduzida” para as unidades inversores consti-
tuídas por módulos inversores ligados em paralelo. A função faz com que seja possível
continuar a operação com corrente limitada, mesmo se um (ou mais) módulos se encon-
trem fora de serviço, por exemplo, devido a trabalhos de manutenção. Em princípio, é
possível a operação reduzida com apenas um módulo, mas os requisitos físicos de opera-
ção do motor continuam a aplicar-se; por exemplo, os módulos em serviço devem conse-
guir fornecer ao motor corrente de magnetização suficiente.

 Ativação da função de operação reduzida

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. O


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

Consulte o esquema abaixo.


1. Deve parar o acionamento e executar os passos na secção Precauções antes do
trabalho elétrico (página 19) antes de iniciar o trabalho.
2. Retire o acrílico de proteção por cima do compartimento do módulo (na frente dos
fusíveis CC).
3. Retire os fusíveis CC e o conjunto de barramentos que ligam os fusíveis ao módulo
inversor. Guarde estas partes – devem ser reinstaladas apenas com o módulo
inversor. Anote a ordem das anilhas.
4. Retire o módulo danificado do seu compartimento de acordo com as instruções na
página 108.
5. Instale a placa defletora (incluída) para a parte de baixo do módulo guia superior:
• Aperte o canto frontal da placa defletora aos furos de montagem do módulo
usando os parafusos de montagem do módulo (2 × M8). Aperte para 9 N·m
(6,6 lbf·ft).
• Aparafuse os lados esquerdo/direito da placa defletora, se possível usando
parafusos M4. (Isto depende da localização do módulo no cubículo.) Aperte para
1…2 N·m (0.7…1.5 lbf·ft).
Manutenção 167

6. Se a unidade de controlo do inversor (A41) for alimentada do módulo avariado, ligue a


cablagem de alimentação usando o conjunto de extensão de cabos incluído para
outro módulo.
7. Se a função de Binário seguro off (STO) estiver em uso, instale o conjunto de cabla-
gem do jumper incluído na cablagem STO em substituição do módulo em falta. (Isto
não será necessário se o módulo for o último na cadeia de cabos STO.)
8. Reinstale o acrílico de proteção retirado antes. Nota: Não reinstale os fusíveis CC ou
barramentos mas guarde-os em lugar seguro até que o módulo possa ser reinstalado.
9. Ligue novamente a alimentação do acionamento.
10. Digite o número de módulos inversores presentes no parâmetro 95.13 Modo
operação reduzida.
11. Rearmar todas as falhas e arrancar o acionamento.
12. Se a função de Binário seguro off estiver em uso, efetue um teste de aceitação como
descrito em Arranque incluindo o teste de aceitação (página 255).
A corrente máxima é agora limitada automaticamente de acordo com a nova configuração
do inversor. A discrepância entre o número de módulos detetados e o valor definido em
95.13 irá gerar uma falha.
168 Manutenção

Devolução do módulo
1. Instale o módulo pela ordem inversa. Use os binários de aperto seguintes:
• Conjunto de barramentos CC para isoladores superiores (2 × M8): 9 N·m
(6.6 lbf·ft)
• Conjunto de barramentos CC para isoladores inferiores (2 × M10): 18 N·m
(13.3 lbf·ft)
• Fusíveis para barramentos CC: 50 N·m (37 lbf·ft) (Bussmann), 46 N·m (34 lbf·ft)
(Mersen/Ferraz-Shawmut)
• Módulo para chassis do armário (4 × M8): 22 N·m (16 lbf·ft)
• Conjunto de barramentos CC para entrada CC do módulo (2 × M12): 70 N·m
(52 lbf·ft)
2. Restaurar a cablagem original (STO e alimentação da unidade de controlo, sempre
que necessário).
3. Definir o parâmetro 95.13 para 0 para desativar a função de operação reduzida.
4. Executar um teste de aceitação como descrito em Arranque incluindo o teste de
aceitação (página 255).
Manutenção 169

Fusíveis
 Substituição dos fusíveis CA
Os acionamentos com chassis 1×D8T + 2×R8i e 2×D7T + 2×R8i têm fusíveis CA instala-
dos apenas no(s) cubículo(s) de entrada (ICU).
O chassis 2×D8T + 2×R8i e acima têm fusíveis CA na entrada de cada módulo de alimenta-
ção. Estes fusíveis estão instalados acima dos módulos no(s) cubículo(s) de alimentação.
Além disso, os acionamentos com chassis 2×D8T + n×R8i com opção +F250 (contactor
principal) têm fusíveis CA “comuns” instalados no cubículo de entrada.
Os esquemas abaixo representam a substituição dos fusíveis CA no interior de um cubí-
culo do módulo de alimentação. Os fusíveis CA no cubículo de entrada podem ser substi-
tuídos seguindo o mesmo procedimento.

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. O


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Verifique os passos na secção Precauções antes do trabalho elétrico na página 19


antes de iniciar o trabalho.
2. Abra a porta do cubículo do módulo de alimentação (ou entrada).
3. Remova o acrílico de proteção na frente dos fusíveis.
4. Solte as porcas dos parafusos sem cabeça dos fusíveis para conseguir deslizar os
blocos de fusíveis. Anote a ordem das anilhas nos parafusos.
5. Remova os parafusos, porcas e anilhas dos fusíveis antigos e coloque nos novos
fusíveis. Certifique-se de que mantém as anilhas na ordem original.
6. Insira os novos parafusos nas suas ranhuras no cubículo.
7. Aperte as porcas com o binário seguinte:
• Fusíveis Bussmann: 50 N·m (37 lbf·ft)
• Fusíveis Mersen (Ferraz-Shawmut): 46 N·m (34 lbf·ft)
• Outros: Consulte as instruções do fabricante dos fusíveis.
8. Reinstale o acrílico de proteção que retirou anteriormente e feche a porta do cubículo.
170 Manutenção

A
4
Manutenção 171

 Substituição dos fusíveis CC no cubículo do módulo inversor


Cada módulo inversor tem fusíveis DC montados acima do módulo.
Consulte o esquema abaixo.

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. IO


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Verifique os passos na secção Precauções antes do trabalho elétrico na página 19


antes de iniciar o trabalho.
2. Abra a porta do cubículo do módulo inversor.
3. Remova o acrílico de proteção na frente dos fusíveis.
4. Solte as porcas dos parafusos sem cabeça dos fusíveis para conseguir deslizar os
blocos de fusíveis. Anote a ordem das anilhas nos parafusos.
5. Remova os parafusos, porcas e anilhas dos fusíveis antigos e coloque nos novos
fusíveis. Certifique-se de que mantém as anilhas na ordem original.
6. Insira os novos parafusos nas suas ranhuras no cubículo.
7. Aperte as porcas com o binário seguinte:
• Fusíveis Bussmann: 50 N·m (37 lbf·ft)
• Fusíveis Mersen (Ferraz-Shawmut): 46 N·m (34 lbf·ft)
• Outros: Consulte as instruções do fabricante dos fusíveis.
8. Reinstale o acrílico de proteção que retirou anteriormente e feche a porta do cubículo.

4
172 Manutenção

 Substituição dos fusíveis CC do módulo de alimentação


Os módulos de alimentação têm fusíveis CC internos. Consulte o esquema abaixo.

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. IO


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Verifique os passos na secção Precauções antes do trabalho elétrico na página 19


antes de iniciar o trabalho.
2. Abra a porta do cubículo do módulo de alimentação.
3. Afaste todos os fios que passam junto da tampa do compartimento do fusível.
4. Solte os dois parafusos superiores da tampa do compartimento do fusível. Retire os
parafusos restantes. Levante a tampa para a conseguir retirar.
5. Verifique as condições dos fusíveis e substitua se necessário. Use o binário de aperto
especificado pelo fabricante dos fusíveis.
6. Reinstale a tampa que retirou anteriormente e feche a porta do cubículo.

D7T D8T

4
Manutenção 173

Condensadores
O circuito CC dos módulos de potência do acionamento contém vários condensadores
eletrolíticos. A vida útil dos condensadores depende do tempo de operação do aciona-
mento, da carga e da temperatura ambiente. A vida do condensador pode ser prolongada
diminuindo a temperatura ambiente.
A falha de um condensador é normalmente seguida de danos na unidade, falha de um
fusível de entrada ou falha do acionamento. Contacte a ABB se suspeitar de avaria no
condensador. Estão disponíveis na ABB condensadores de substituição. Use só peças de
reserva especificadas pela ABB.

 Beneficiação dos condensadores


Os condensadores devem ser beneficiados se o acionamento tiver sido armazenado
durante um ou mais anos. Veja a página 53 para mais informação sobre como encontrar a
data de fabrico. Para informações sobre a beneficiação de condensadores, consulte
Converter module capacitor reforming instructions (3BFE64059629 [Inglês]).

Consola de programação
 Substituição da bateria
1. Rode a tampa na parte de trás da consola de programação para a esquerda até abrir.
2. Substitua a bateria por uma nova do tipo CR2032.
3. Coloque a tampa novamente e aperte-a rodando para a direita.
4. Elimine a bateria antiga de acordo com as regras locais sobre eliminação de resíduos
ou leis aplicáveis.

 Limpeza
Consulte ACS-AP-x assistant control panels user’s manual [3AUA0000085685 (Inglês)].
174 Manutenção

Unidades de controlo
 Tipos de unidades de controlo BCU
Existem três tipos de variantes da unidade de controlo BCU usada nos acionamentos
ACS880: BCU-02, BCU-12 e BCU-22. Estas tem diferentes números de ligações do
módulo conversor (2, 7 e 12 respetivamente) mas são muito idênticas. Existem três tipos
de BCU que são intermutáveis enquanto o número de ligações for suficiente. Por exem-
plo, a BCU-22 pode ser usada como um substituto direto para a BCU-02 e BCU-12.

 Unidade de memória
Depois de uma unidade de controlo inversora ou de alimentação ser substituída, os ajus-
tes dos parâmetros existentes podem ser conservados transferindo a unidade de memó-
ria da unidade de controlo avariada para a nova unidade de controlo.

AVISO! Não remova ou insira a unidade de memória quando a unidade de


controlo está ligada.

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. O


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

1. Execute os passos na secção Precauções antes do trabalho elétrico página 19 antes


de começar o trabalho.
2. Certifique-se de que a unidade de controlo não está ligada.
3. Desaperte o parafuso de aperto e retire a unidade de memória para fora.
4. Instale uma unidade de memória pela ordem inversa.

Uma extremidade da unidade de controlo BCU


Manutenção 175

 Bateria da unidade de controlo


Substitua a bateria do relógio de tempo real se BATT OK LED não estiver iluminado
quando a unidade de controlo for ligada. Para mais informação sobre o LED, veja
Esquema e ligações da unidade de controlo (página 128).
1. Execute os passos na secção Precauções antes do trabalho elétrico página 19 antes
de começar o trabalho.
2. Desaperte o parafuso de aperto e retire a bateria.
3. Substitua a bateria por uma nova do tipo BR2032.
4. Elimine a bateria antiga de acordo com as regras locais sobre eliminação de resíduos
ou leis aplicáveis.
5. Acerte o relógio de tempo real.
176 Manutenção
Dados técnicos 177

12
Dados técnicos

Conteúdo deste manual


Este capítulo contém as especificações técnicas do acionamento, por exemplo, as
gamas, tamanhos de fusíveis, tamanhos e requisitos técnicos, disposições para cumpri-
mento dos requisitos CE e outras marcações.

Gamas
As gamas nominais para os acionamento com alimentação 50 Hz e 60 Hz são apresenta-
das abaixo. Os símbolos são descritos depois da tabela.
Gamas de saída
Valores nominais Aplicação com ligeira
Uso pesado
Tipo de acionamento sobrecarga
IN Imax PN SN ILd PLd IHd PHd
A A kW hp kVA A kW hp A kW hp
UN = 400 V
ACS880-07-1140A-3 1140 1482 630 – 790 1072 560 – 787 400 –
ACS880-07-1250A-3 1250 1630 710 – 866 1200 630 – 935 500 –
ACS880-07-1480A-3 1480 1930 800 – 1025 1421 800 – 1107 630 –
ACS880-07-1760A-3 1760 2120 1000 – 1219 1690 900 – 1316 710 –
ACS880-07-2210A-3 2210 2880 1200 – 1531 2122 1200 – 1653 900 –
ACS880-07-2610A-3 2610 3140 1400 – 1808 2506 1400 – 1952 1000 –
178 Dados técnicos

Gamas de saída
Valores nominais Aplicação com ligeira
Uso pesado
Tipo de acionamento sobrecarga
IN Imax PN SN ILd PLd IHd PHd
A A kW hp kVA A kW hp A kW hp
UN = 400 V, ligação 12-impulsos
ACS880-07-0990A-3+A004 990 1287 560 – 686 950 500 – 741 400 –
ACS880-07-1140A-3+A004 1140 1482 630 – 790 1094 560 – 853 450 –
ACS880-07-1250A-3+A004 1250 1630 710 – 866 1200 630 – 935 500 –
ACS880-07-1480A-3+A004 1480 1930 800 – 1025 1421 800 – 1107 630 –
ACS880-07-1760A-3+A004 1760 2120 1000 – 1219 1690 900 – 1316 710 –
ACS880-07-2210A-3+A004 2210 2880 1200 – 1531 2122 1200 – 1653 900 –
ACS880-07-2610A-3+A004 2610 3140 1400 – 1808 2506 1400 – 1952 1000 –
UN = 500 V
ACS880-07-1070A-5 1070 1391 710 900 927 1027 710 900 800 560 700
ACS880-07-1320A-5 1320 1716 900 1000 1143 1267 900 1000 987 710 900
ACS880-07-1450A-5 1450 1890 1000 1250 1256 1392 900 1200 1085 710 900
ACS880-07-1580A-5 1580 2060 1100 1400 1368 1517 1000 1250 1182 800 1000
ACS880-07-1800A-5 1800 2340 1250 1600 1559 1728 1200 1500 1346 900 1100
ACS880-07-1980A-5 1980 2574 1400 1750 1715 1901 1300 1500 1481 1000 1250
UN = 500 V, ligação 12-impulsos
ACS880-07-0990A-5+A004 990 1287 710 900 857 950 630 800 741 500 600
ACS880-07-1320A-5+A004 1320 1716 900 1000 1143 1267 900 1000 987 710 900
ACS880-07-1450A-5+A004 1450 1890 1000 1250 1256 1392 900 1200 1085 710 900
ACS880-07-1580A-5+A004 1580 2060 1100 1400 1368 1517 1000 1250 1182 800 1000
ACS880-07-1800A-5+A004 1800 2340 1250 1600 1559 1728 1200 1500 1346 900 1100
ACS880-07-1980A-5+A004 1980 2574 1400 1750 1715 1901 1300 1500 1481 1000 1250
UN = 690 V
ACS880-07-0800A-7 800 1200 800 900 956 768 710 800 598 560 600
ACS880-07-0900A-7 900 1350 900 1000 1076 864 800 900 673 630 700
ACS880-07-1160A-7 1160 1740 1100 1250 1386 1114 1100 1250 868 800 900
ACS880-07-1450A-7 1450 2175 1400 1600 1733 1392 1250 1500 1085 1000 1100
ACS880-07-1650A-7 1650 2475 1600 1750 1972 1584 1500 1750 1234 1200 1250
ACS880-07-1950A-7 1950 2925 1900 2000 2330 1872 1800 2000 1459 1400 1500
ACS880-07-2300A-7 2300 3450 2200 2500 2749 2208 2000 2250 1720 1600 1750
ACS880-07-2600A-7 2600 3900 2500 2800 3107 2496 2400 2700 1945 1900 2000
ACS880-07-2860A-7 2860 4290 2800 3100 3418 2746 2600 2900 2139 2000 2250
UN = 690 V, ligação 12-impulsos
ACS880-07-0800A-7+A004 800 1200 800 900 956 768 710 800 598 560 600
ACS880-07-0950A-7+A004 950 1425 900 1000 1135 912 800 900 711 630 700
ACS880-07-1160A-7+A004 1160 1740 1100 1250 1386 1114 1100 1250 868 800 900
ACS880-07-1450A-7+A004 1450 2175 1400 1600 1733 1392 1250 1500 1085 1000 1100
ACS880-07-1650A-7+A004 1650 2475 1600 1750 1972 1584 1500 1750 1234 1200 1250
ACS880-07-1950A-7+A004 1950 2925 1900 2000 2330 1872 1800 2000 1459 1400 1500
ACS880-07-2300A-7+A004 2300 3450 2200 2500 2749 2208 2000 2250 1720 1600 1750
ACS880-07-2600A-7+A004 2600 3900 2500 2800 3107 2496 2400 2700 1945 1900 2000
ACS880-07-2860A-7+A004 2860 4290 2800 3100 3418 2746 2400 2900 2139 2000 2250
Dados técnicos 179

 Definições
UN Gama de tensão de alimentação. Veja ainda a secção Especificação da rede de potência elétrica
(página 189).
IN Corrente de saída nominal (disponível continuamente sem sobrecarga)
Imax Corrente máxima de saída. Disponível durante 10 segundos no arranque, ou enquanto permitido
pela temperatura do acionamento.
PN Potência típica do motor em uso não pesado. As gamas de cavalos (hp) são tamanhos de motores
NEMA típicos a 460 V (ACS880-07-xxxxA-5) e 575 V (ACS880-07-xxxxA-7), respetivamente.
SN Potência aparente em uso não pesado.
ILd Corrente contínua de saída eficaz permitindo 10% de sobrecarga durante 1 minuto em cada 5
minutos.
PLd Potência típica do motor em uso ligeiro
IHd Corrente contínua de saída eficaz permitindo 50% de sobrecarga durante 1 minuto em cada 5
minutos.
PHd Potência típica do motor em uso pesado
Nota 1: Os valores aplicam-se à temperaturas ambiente de 40 °C (104 °F).
Nota 2: Para alcançar a potência nominal do motor apresentada na tabela, a corrente nominal do acciona-
mento deve ser maior ou igual à corrente nominal do motor.
A ferramenta de dimensionamento DriveSize da ABB é recomendada para seleção da combinação aciona-
mento, motor e engrenagem.

 Desclassificação
Desclassificação da temperatura ambiente
Na gama de temperatura +40…50°C (+104…122 °F), a corrente nominal de saída é
desclassificada por 1% por cada 1 °C (1.8 °F) adicional, como se segue: A corrente de
saída pode ser calculada multiplicando a corrente apresentada na tabela de gamas pelo
fator de desclassificação (k):
k

1.00

0.90

0.80
+40 °C +50 °C T
+104 °F +122 °F

Desclassificação por altitude


Em altitudes entre 1000 a 4000 m (3300 a 13123 ft) acima do nível do mar, a desclassifi-
cação é 1% por cada 100 m (328 ft). Se a temperatura ambiente for inferior a +40 °C
(+104 °F), a desclassificação pode ser reduzida em 1.5% por cada 1 °C de redução na
temperatura. Para uma desclassificação mais precisa, use a ferramenta para PC Drive-
Size. Algumas curvas de desclassificação de altitude são apresentadas abaixo.
180 Dados técnicos

Altitude do local da instalação


4000 m
13123 ft
0,80
3500 m
11429 ft
0,85

3000 m 0,90
9842 ft

2500 m 0,95
8202 ft

1,00
2000 m
6562 ft

1500 m
4921 ft

1000 m
3300 ft
+20 °C +25 °C +30 °C +35 °C +40 °C
+68 °F +77 °F +86 °F +95 °F +104 °F
Temperatura ambiente

Fator de desclassificação 1.0


Fator de desclassificação 0.95
Fator de desclassificação 0.90
Fator de desclassificação 0.85

Fator de desclassificação 0.80

Desclassificação da frequência de comutação


As frequências de comutação diferentes das por defeito podem requerer desclassificação
da corrente de saída. Contacte a ABB para mais informações.

Desclassificação frequência de saída


A operação do motor acima de 150 Hz pode requerer desclassificaçãod e corrente
específica do tipo. Contacte a ABB para mais informações.

Tamanhos de chassis e tipos de módulos de potência


Módulo(s) de alimentação
Módulos inversores usados
Tipo de acionamento Chassis usado(s)
Qtd Tipo Qtd Tipo
UN = 400 V
ACS880-07-1140A-3 1×D8T + 2×R8i 1 ACS880-304-0980A-3+A018 2 ACS880-104-0640A-3
ACS880-07-1250A-3 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0650A-3+A018 2 ACS880-104-0640A-3
ACS880-07-1480A-3 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0980A-3+A018 2 ACS880-104-0760A-3
Dados técnicos 181

Módulo(s) de alimentação
Módulos inversores usados
Tipo de acionamento Chassis usado(s)
Qtd Tipo Qtd Tipo
ACS880-07-1760A-3 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0980A-3+A018 2 ACS880-104-0900A-3
ACS880-07-2210A-3 3×D8T + 3×R8i 3 ACS880-304-0980A-3+A018 3 ACS880-104-0760A-3
ACS880-07-2610A-3 3×D8T + 3×R8i 3 ACS880-304-0980A-3+A018 3 ACS880-104-0900A-3
UN = 400 V, ligação 12-impulsos
ACS880-07-0990A-3+A004 2×D7T + 2×R8i 2 ACS880-304-0490A-3+A018 2 ACS880-104-0640A-3
ACS880-07-1140A-3+A004 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0650A-3+A018 2 ACS880-104-0640A-3
ACS880-07-1250A-3+A004 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0650A-3+A018 2 ACS880-104-0640A-3
ACS880-07-1480A-3+A004 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0980A-3+A018 2 ACS880-104-0760A-3
ACS880-07-1760A-3+A004 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0980A-3+A018 2 ACS880-104-0900A-3
ACS880-07-2210A-3+A004 4×D8T + 3×R8i 4 ACS880-304-0650A-3+A018 3 ACS880-104-0760A-3
ACS880-07-2610A-3+A004 4×D8T + 3×R8i 4 ACS880-304-0650A-3+A018 3 ACS880-104-0900A-3
UN = 500 V
ACS880-07-1070A-5 1×D8T + 2×R8i 1 ACS880-304-0980A-5+A018 2 ACS880-104-0590A-5
ACS880-07-1320A-5 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0650A-5+A018 2 ACS880-104-0740A-5
ACS880-07-1450A-5 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0980A-5+A018 2 ACS880-104-0740A-5
ACS880-07-1580A-5 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0980A-5+A018 2 ACS880-104-0810A-5
ACS880-07-1800A-5 2×D8T + 3×R8i 2 ACS880-304-0980A-5+A018 3 ACS880-104-0740A-5
ACS880-07-1980A-5 2×D8T + 3×R8i 2 ACS880-304-0980A-5+A018 3 ACS880-104-0810A-5
UN = 500 V, ligação 12-impulsos
ACS880-07-0990A-5+A004 2×D7T + 2×R8i 2 ACS880-304-0490A-5+A018 2 ACS880-104-0590A-5
ACS880-07-1320A-5+A004 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0650A-5+A018 2 ACS880-104-0740A-5
ACS880-07-1450A-5+A004 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0980A-5+A018 2 ACS880-104-0740A-5
ACS880-07-1580A-5+A004 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0980A-5+A018 2 ACS880-104-0810A-5
ACS880-07-1800A-5+A004 2×D8T + 3×R8i 2 ACS880-304-0980A-5+A018 3 ACS880-104-0740A-5
ACS880-07-1980A-5+A004 2×D8T + 3×R8i 2 ACS880-304-0980A-5+A018 3 ACS880-104-0810A-5
UN = 690 V
ACS880-07-0800A-7 1×D8T + 2×R8i 1 ACS880-304-0820A-7+A018 2 ACS880-104-0410A-7
ACS880-07-0900A-7 1×D8T + 2×R8i 1 ACS880-304-0820A-7+A018 2 ACS880-104-0530A-7
ACS880-07-1160A-7 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0570A-7+A018 2 ACS880-104-0600A-7
ACS880-07-1450A-7 2×D8T + 3×R8i 2 ACS880-304-0820A-7+A018 3 ACS880-104-0530A-7
ACS880-07-1650A-7 2×D8T + 3×R8i 2 ACS880-304-0820A-7+A018 3 ACS880-104-0600A-7
ACS880-07-1950A-7 3×D8T + 4×R8i 3 ACS880-304-0820A-7+A018 4 ACS880-104-0600A-7
ACS880-07-2300A-7 3×D8T + 4×R8i 3 ACS880-304-0820A-7+A018 4 ACS880-104-0600A-7
ACS880-07-2600A-7 4×D8T + 5×R8i 4 ACS880-304-0820A-7+A018 5 ACS880-104-0600A-7
ACS880-07-2860A-7 4×D8T + 5×R8i 4 ACS880-304-0820A-7+A018 5 ACS880-104-0600A-7
UN = 690 V, ligação 12-impulsos
ACS880-07-0800A-7+A004 2×D7T + 2×R8i 2 ACS880-304-0410A-7+A018 2 ACS880-104-0410A-7
ACS880-07-0950A-7+A004 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0570A-7+A018 2 ACS880-104-0530A-7
ACS880-07-1160A-7+A004 2×D8T + 2×R8i 2 ACS880-304-0570A-7+A018 2 ACS880-104-0600A-7
ACS880-07-1450A-7+A004 2×D8T + 3×R8i 2 ACS880-304-0820A-7+A018 3 ACS880-104-0530A-7
ACS880-07-1650A-7+A004 2×D8T + 3×R8i 2 ACS880-304-0820A-7+A018 3 ACS880-104-0600A-7
ACS880-07-1950A-7+A004 4×D8T + 4×R8i 4 ACS880-304-0570A-7+A018 4 ACS880-104-0600A-7
ACS880-07-2300A-7+A004 4×D8T + 4×R8i 4 ACS880-304-0570A-7+A018 4 ACS880-104-0600A-7
ACS880-07-2600A-7+A004 4×D8T + 5×R8i 4 ACS880-304-0820A-7+A018 5 ACS880-104-0600A-7
ACS880-07-2860A-7+A004 4×D8T + 5×R8i 4 ACS880-304-0820A-7+A018 5 ACS880-104-0600A-7
182 Dados técnicos

Fusíveis
 Fusíveis CA
Notas:
• Ver ainda Implementação da proteção contra sobrecarga térmica e curto-circuito na
página 87.
• Fusíveis com corrente nominal superior à recomendada não devem ser usados.
• Podem ser usados fusíveis de outros fabricantes se estes cumprirem as gamas e a
curva de fusão do fusível e não excederem a curva de fusão do fusível mencionado
na tabela.
Cor- Fusíveis ultrarrápidos (aR) na entrada do módulo de alimentação
Tipo de rente
acionamento de
Qtd A A2s V Fabricante Tipo
ACS880-07- entrada
@ 660 V
(A)
UN = 400 V
1140A-3 1140 3 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
1250A-3 1250 6 1100 1300000 690 Bussmann 170M6415
1480A-3 1480 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
1760A-3 1760 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
2210A-3 2210 9 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
2610A-3 2610 9 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
UN = 400 V, ligação 12-impulsos
0990A-3+A004 990 6 800 465000 690 Bussmann 170M6412
1140A-3+A004 1140 6 1100 1300000 690 Bussmann 170M6415
1250A-3+A004 1250 6 1100 1300000 690 Bussmann 170M6415
1480A-3+A004 1480 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
1760A-3+A004 1760 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
2210A-3+A004 2210 12 1100 1300000 690 Bussmann 170M6415
2610A-3+A004 2610 12 1100 1300000 690 Bussmann 170M6415
UN = 500 V
1070A-5 1070 3 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
1320A-5 1320 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
1450A-5 1450 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
1580A-5 1580 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
1800A-5 1800 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
1980A-5 1980 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
UN = 500 V, ligação 12-impulsos
0990A-5+A004 990 6 800 465000 690 Bussmann 170M6412
1320A-5+A004 1320 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
1450A-5+A004 1450 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
1580A-5+A004 1580 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
1800A-5+A004 1800 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
1980A-5+A004 1980 6 1600 3900000 690 Bussmann 170M6419
Dados técnicos 183

Cor- Fusíveis ultrarrápidos (aR) na entrada do módulo de alimentação


Tipo de rente
acionamento de
Qtd A A2s V Fabricante Tipo
ACS880-07- entrada
@ 660 V
(A)
UN = 690 V
0800A-7 800 3 1400 2450000 690 Bussmann 170M6417
0900A-7 900 3 1400 2450000 690 Bussmann 170M6417
1160A-7 1160 6 1000 945000 690 Bussmann 170M6414
1450A-7 1450 6 1400 2450000 690 Bussmann 170M6417
1650A-7 1650 6 1400 2450000 690 Bussmann 170M6417
1950A-7 1950 9 1400 2450000 690 Bussmann 170M6417
2300A-7 2300 9 1400 2450000 690 Bussmann 170M6417
2600A-7 2600 12 1400 2450000 690 Bussmann 170M6417
2860A-7 2860 12 1400 2450000 690 Bussmann 170M6417
UN = 690 V, ligação 12-impulsos
0800A-7+A004 800 6 700 300000 690 Bussmann 170M6411
0950A-7+A004 950 6 1000 945000 690 Bussmann 170M6414
1160A-7+A004 1160 6 1000 945000 690 Bussmann 170M6414
1450A-7+A004 1450 6 1400 2450000 690 Bussmann 170M6417
1650A-7+A004 1650 6 1400 2450000 690 Bussmann 170M6417
1950A-7+A004 1950 12 1000 945000 690 Bussmann 170M6414
2300A-7+A004 2300 12 1000 945000 690 Bussmann 170M6414
2600A-7+A004 2600 12 1400 2450000 690 Bussmann 170M6417
2860A-7+A004 2860 12 1400 2450000 690 Bussmann 170M6417
184 Dados técnicos

 Fusíveis CC na entrada do módulo inversor


O acionamento tem fusíveis CC na entrada de cada módulo inversor.
Notas:
• Fusíveis com corrente nominal superior à recomendada não devem ser usados.
• Podem ser usados fusíveis de outros fabricantes se estes cumprirem as gamas e a
curva de fusão do fusível e não excederem a curva de fusão do fusível mencionado
na tabela.
Tipo de Fusíveis CC na entrada do módulo inversor
acionamento
ACS880-07- Qtd A A2s V Fabricante Tipo

UN = 400 V
1140A-3 4 1250 *1950000 690 Bussmann 170M6416
1250A-3 4 1250 *1950000 690 Bussmann 170M6416
1480A-3 4 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
1760A-3 4 1600 *3900000 690 Bussmann 170M6419
2210A-3 6 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
2610A-3 6 1600 *3900000 690 Bussmann 170M6419
UN = 400 V, ligação 12-impulsos
0990A-3+A004 4 1250 *1950000 690 Bussmann 170M6416
1140A-3+A004 4 1250 *1950000 690 Bussmann 170M6416
1250A-3+A004 4 1250 *1950000 690 Bussmann 170M6416
1480A-3+A004 4 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
1760A-3+A004 4 1600 *3900000 690 Bussmann 170M6419
2210A-3+A004 6 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
2610A-3+A004 6 1600 *3900000 690 Bussmann 170M6419
UN = 500 V
1070A-5 4 1100 *1300000 690 Bussmann 170M6415
1320A-5 4 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
1450A-5 4 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
1580A-5 4 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
1800A-5 6 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
1980A-5 6 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
UN = 500 V, ligação 12-impulsos
0990A-5+A004 4 1100 *1300000 690 Bussmann 170M6415
1320A-5+A004 4 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
1450A-5+A004 4 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
1580A-5+A004 4 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
1800A-5+A004 6 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
1980A-5+A004 6 1400 *2450000 690 Bussmann 170M6417
UN = 690 V
0800A-7 4 800 **995000 1250 Bussmann 170M6546
0900A-7 4 1000 **2150000 1250 Bussmann 170M6548
1160A-7 4 1100 **2800000 1250 Bussmann 170M6549
1450A-7 6 1000 **2150000 1250 Bussmann 170M6548
1650A-7 6 1100 **2800000 1250 Bussmann 170M6549
1950A-7 8 1100 **2800000 1250 Bussmann 170M6549
Dados técnicos 185

Tipo de Fusíveis CC na entrada do módulo inversor


acionamento
ACS880-07- Qtd A A2s V Fabricante Tipo

2300A-7 8 1100 **2800000 1250 Bussmann 170M6549


2600A-7 10 1100 **2800000 1250 Bussmann 170M6549
2860A-7 10 1100 **2800000 1250 Bussmann 170M6549
UN = 690 V, ligação 12-impulsos
0800A-7+A004 4 800 **995000 1250 Bussmann 170M6546
0950A-7+A004 4 1000 **2150000 1250 Bussmann 170M6548
1160A-7+A004 4 1100 **2800000 1250 Bussmann 170M6549
1450A-7+A004 6 1000 **2150000 1250 Bussmann 170M6548
1650A-7+A004 6 1100 **2800000 1250 Bussmann 170M6549
1950A-7+A004 8 1100 **2800000 1250 Bussmann 170M6549
2300A-7+A004 8 1100 **2800000 1250 Bussmann 170M6549
2600A-7+A004 10 1100 **2800000 1250 Bussmann 170M6549
2860A-7+A004 10 1100 **2800000 1250 Bussmann 170M6549

*Libertação a 660 V, **Libertação a 1000 V

 Fusíveis CC do módulo de alimentação interno


Cada módulo e alimentação têm fusíveis CC internos.
Notas:
• Fusíveis com corrente nominal superior à recomendada não devem ser usados.
• Podem ser usados fusíveis de outros fabricantes se estes cumprirem as gamas e a
curva de fusão do fusível e não excederem a curva de fusão do fusível mencionado
na tabela.
Tamanho do Fusíveis CC em cada módulo de alimentação
chassis do
módulo de Qtd A A2s V Fabricante Tipo
alimentação
D7T 2 700 755000 1000 Bussmann 170M4908
D8T 4 900 *1750000 1100 Bussmann 170M5499

*Libertação a 1000 V
186 Dados técnicos

Dimensões e pesos
Veja o capítulo Dimensões (na página 201).

Requisitos de espaço livre


Frente* Lados* Topo**
mm in. mm in. mm in.
150 5.91 0 0 400 15.75
*Como requerido pela refrigeração. Cumprir ainda as regras gerais de instalação apresentadas em Fixação
do armário ao chão, à parede ou teto (unidades não-marítimas) (página 65).
**Medido a partir da placa base do topo do armário Nota: São necessários 320 mm (12.3 in.) para
substituição do ventilador em armários IP54.

> 320 mm (12.28 in.)

> 400 mm
(15.75 in.)

IP22/42 IP54

Dados de refrigeração, ruído


Caudal de ar Dissipação de calor Ruído
Tipo de acionamento
m3/h ft3/min kW dB(A)
UN = 400 V
ACS880-07-1140A-3 4290 2525 18 73
ACS880-07-1250A-3 5720 3367 21 74
ACS880-07-1480A-3 5720 3367 25 74
ACS880-07-1760A-3 5720 3367 29 74
ACS880-07-2210A-3 8580 5050 37 76
ACS880-07-2610A-3 8580 5050 44 76
UN = 400 V, ligação 12-impulsos
ACS880-07-0990A-3+A004 5720 3367 15 73
ACS880-07-1140A-3+A004 5720 3367 19 74
ACS880-07-1250A-3+A004 5720 3367 21 74
ACS880-07-1480A-3+A004 5720 3367 25 74
ACS880-07-1760A-3+A004 5720 3367 29 74
ACS880-07-2210A-3+A004 10010 5892 35 76
ACS880-07-2610A-3+A004 10010 5892 44 76
UN = 500 V
ACS880-07-1070A-5 4290 2525 18 73
ACS880-07-1320A-5 5720 3367 22 74
ACS880-07-1450A-5 5720 3367 25 74
ACS880-07-1580A-5 5720 3367 27 74
ACS880-07-1800A-5 7150 4208 32 75
ACS880-07-1980A-5 7150 4208 36 75
Dados técnicos 187

Caudal de ar Dissipação de calor Ruído


Tipo de acionamento
3 3 kW dB(A)
m /h ft /min
UN = 500 V, ligação 12-impulsos
ACS880-07-0990A-5+A004 5720 3367 16 73
ACS880-07-1320A-5+A004 5720 3367 22 74
ACS880-07-1450A-5+A004 5720 3367 25 74
ACS880-07-1580A-5+A004 5720 3367 27 74
ACS880-07-1800A-5+A004 7150 4208 32 75
ACS880-07-1980A-5+A004 7150 4208 36 75
UN = 690 V
ACS880-07-0800A-7 4290 2525 16 73
ACS880-07-0900A-7 4290 2525 20 74
ACS880-07-1160A-7 5720 3367 26 74
ACS880-07-1450A-7 7150 4208 32 75
ACS880-07-1650A-7 7150 4208 36.5 75
ACS880-07-1950A-7 10010 5892 44 76
ACS880-07-2300A-7 10010 5892 52 76
ACS880-07-2600A-7 12870 7575 58 78
ACS880-07-2860A-7 12870 7575 65 78
UN = 690 V, ligação 12-impulsos
ACS880-07-0800A-7+A004 5720 3367 16 73
ACS880-07-0950A-7+A004 5720 3367 20 74
ACS880-07-1160A-7+A004 5720 3367 26 74
ACS880-07-1450A-7+A004 7150 4208 32 75
ACS880-07-1650A-7+A004 7150 4208 36.5 75
ACS880-07-1950A-7+A004 11440 6733 44 77
ACS880-07-2300A-7+A004 11440 6733 52 77
ACS880-07-2600A-7+A004 12870 7575 58 78
ACS880-07-2860A-7+A004 12870 7575 65 78
188 Dados técnicos

Dados do filtro sinusoidal de saída


Os filtros de saída sinusoidais estão disponíveis como opção +E206. A tabela abaixo
apresenta os tipos e dados técnicos dos filtros e dos cubículos dos filtros usados nos acio-
namentos ACS880-07. Os filtros standard listados não requerem desclassificação de cor-
rente.
Sobre a disponibilidade dos filtros de saída sinusoidais para outros tipos, contacte o
representante local da ABB.
Filtro sinusoidal
Dados de refrigeração Dimensões
Tipo de usado
acionamento Dissipação
Caudal de ar Largura Peso
ACS880-07-… Qtd Tipo de calor
kW m3 3
/h (ft /min) mm kg (lbs)
UN = 400 V
0990A-3+A004 1 NSIN-1380-6 7 2000 (1180) 1000 750 (1650)
1140A-3 1 NSIN-1380-6 7 2000 (1180) 1000 750 (1650)
1140A-3+A004 1 NSIN-1380-6 7 2000 (1180) 1000 750 (1650)
UN = 500 V
0990A-5+A004 1 NSIN-1380-6 7 2000 (1180) 1000 750 (1650)
1070A-5 1 NSIN-1380-6 7 2000 (1180) 1000 750 (1650)
UN = 690 V
0800A-7 1 NSIN-0900-6 7 2000 (1180) 1000 550 (1210)
0800A-7+A004 1 NSIN-0900-6 7 2000 (1180) 1000 550 (1210)
0900A-7 1 NSIN-1380-6 7 2000 (1180) 1000 750 (1650)
0950A-7+A004 1 NSIN-1380-6 7 2000 (1180) 1000 750 (1650)
1160A-7 1 NSIN-1380-6 7 2000 (1180) 1000 750 (1650)
1160A-7+A004 1 NSIN-1380-6 7 2000 (1180) 1000 750 (1650)

Terminal e valores guia para os cabos de potência


As localizações e tamanhos dos passa cabos são apresentados pelos esquemas de
dimensões entregues com o acionamento e os exemplos de desenhos dimensionais a
partir da página 211.
A localização e o tamanho dos terminais de potência são apresentados nos esquemas a
partir da página 235.

Dados terminais das unidades de controlo da


alimentação e do inversor
Veja o capítulo Unidades de controlo do acionamento (na página 127).
Dados técnicos 189

Especificação da rede de potência elétrica


Tensão (U1) ACS880-07-xxxxx-3: Trifásico 380…415 V CA ±10%. Indicado na etiqueta de
designação de tipo como nível de tensão de entrada típica (3~ 400 V CA).
ACS880-07-xxxxx-5: Trifásico 380…500 V CA ±10%. Indicado na etiqueta de
designação de tipo como níveis de tensão de entrada típicas (3~ 400/480/500 V
CA)
ACS880-07-xxxxx-7: Trifásico *525…690 V CA ±10%. Indicado na etiqueta de
designação de tipo como níveis de tensão de entrada típicas (3~ 525/600/690 V
CA)
*525…600 V CA em sistemas TN de redes flutuantes
Tipo de rede Sistemas TN (com terra) e IT (sem terra).
Frequência 47 a 63 Hz, taxa máxima de mudança 17 %/s
Desequilíbrio Max. ± 3% da tensão de entrada nominal fase para fase
Resistência de curto- ACS880-07-2610A-3, ACS880-07-2300A-7 e ACS880-07-2860A-7 sem
circuito suportada interruptor de terra/ligação à terra (ie. sem opção +F259):
(IEC 61439-1) Corrente de pico nominal suportada (Ipk): 143 kA
Corrente de curto-circuito nominal suportada (Icw): 65 kA/1 s
Todas as outras configurações:
Corrente de pico nominal suportada (Ipk): 105 kA
Corrente de curto-circuito nominal suportada (Icw): 50 kA/1 s
Corrente de protecção O acionamento é adequado para uso num circuito capaz de entregar não mais
de curto-circuito de 100.000 rms de amperes simétricos a 600 V no máximo quando o cabo de
(UL 508AC,CSA C22.2 entrada está protegido com fusíveis da classe T.
Nr. 14-05)
Fator de potência 0.98 (à carga nominal)
fundamental (cos phi1)
Especificação do Ligação: Dy 11 d0 ou Dyn 11 d0
transformador para Deslocamento de fase entre secundárias: 30° elétrica
alimentação 12-impulsos
Diferença de tensão entre secundárias: < 0.5%
(IEC 60076-1:2011)
Impedância de curto-circuito de secundárias: > 5%
Diferença de impedância de curto-circuito entre secundárias: < 10% da percen-
tagem de imedância
Sem ligação à terra das secundárias permitida. Blindagem estática recomen-
dada..

Dados de ligação do motor


Tipos de motor Motores de indução assíncronos CA, motores síncronos de ímanes permanen-
tes e servomotores de indução CA
Tensão (U2) 0 para U1, 3 fases simétricas, Umax no ponto de enfraquecimento de campo
Frequência 0…±500 Hz (0…±120 Hz com filtros de saída sinusoidal [opção +E206])
• Sobre frequências de saída operacionais superiores, contacte o representante
local da ABB.
• Operação acima de 150 Hz pode requerer um tipo específico de desclassifi-
cação. Para mais informações, contacte a ABB.
Corrente Veja a secção Gamas.
Frequência de 2 kHz (comum)
comutação
Comprimento máximo 500 m (1640 ft).
recomendado do cabo Nota: Com cabos maiores que 150 m (492 ft), os requisitos da Diretiva EMC
do motor podem não ser cumpridos.
190 Dados técnicos

Dados de ligação da unidade de controlo


Veja o capítulo Unidades de controlo do acionamento (na página 127).

Rendimento
97.2 … 98.0% ao nível de potência nominal, dependendo do tipo de
acionamento

Classes de proteção
Graus de proteção IP22 (standard), IP42 (opcional), IP54 (opcional)
(IEC/EN 60529)
Tipos de armação (UL50) UL Tipo 1 (standard), UL Tipo 1 Filtrado (opção +B054), UL Tipo 12 (opção
+B055). Apenas para uso interior.
Categoria de sobreten- III
são (IEC 60664-1)
Calsse de proteção I
(IEC/EN 61800-5-1)

Condições ambiente
Os limites ambientais para o acionamento são apresentados abaixo. O acionamento deve ser usado num
ambiente interior, aquecido e controlado.
Operação Armazenagem Transporte
instalado para uso na embalagem de na embalagem de
estacionário proteção proteção
Altitude do local da 0 até 4000 m (13123 ft) - -
instalação acima do nível do mar.
Saída desclassificada
acima de 1000 m
(3281 ft). Veja a secção
Desclassificação.
Temperatura do ar 0 … +40 °C -40 a +70 °C -40 a +70 °C
(+32 … +104 °F). Não é (-40 a +158 °F) (-40 a +158 °F)
permitida condensação.
Saída desclassificada na
gama de +40 … +50 °C
(+104 … +122 °F). Veja a
secção Desclassificação.
Humidade relativa Max. 95% Máx. 95% Máx. 95%
Não é permitida condensação. A humidade relativa máxima permitida é de 60%
na presença de gases corrosivos.
Contaminação IEC/EN 60721-3-3:2002: IEC 60721-3-1:1997 IEC 60721-3-2:1997
Classificação das condi-
ções ambientais - Parte
3-3: Classificação dos
grupos dos parâmetros
ambientais e das suas
severidades - uso estacio-
nário dos locais protegi-
dos contra as condições
do tempo
Gases químicos Classe 3C2 Classe 1C2 Classe 2C2
Partículas sólidas Classe 3S2 Não é Classe 1S3 (a embala- Classe 2S2
permitido pó condutor. gem deve suportar isto,
ou então 1S2)
Dados técnicos 191

Vibração IEC/EN 60721-3-3:2002 IEC/EN 60721-3-1:1997 IEC/EN 60721-3-2:1997


IEC 61800-5-1 10…57 Hz: max. 10…57 Hz: max. 2…9 Hz: max. 3.5 mm
IEC 60068-2-6:2007, 0.075 mm amplitude 0.075 mm amplitude amplitude
EN 60068-2-6:2008 Testes 57…150 Hz: 1 g 57…150 Hz: 1 g 9…200 Hz: 10 m/s2
ambientais Parte 2: Testes Unidades com (32.8 ft/s2)
–Teste Fc: Vibração construção marítima
(sinusoidal) (opção +C121):
Max. 1 mm (0.04 in.)
(5 … 13.2 Hz),
max. 0.7 g
(13.2 … 100 Hz)
sinusoidal
Choque Não permitido Sem embalagem max. Sem embalagem max.
IEC 60068-2-27:2008, 100 m/s2 (328 ft/s2) 100 m/s2 (328 ft/s2)
EN 60068-2-27:2009 11 ms 11 ms
Testes ambientais - Parte
2-27: Testes - Teste Ea e
instruções: Choque

Materiais
Armário Chapa de aço revestida a zinco com 1.5 mm (espessura do revestimento de
aproximadamente 20 micrometros). Revestimento em poliéster termofixo em pó
(espessura de app. 80 micrómetros) em superfícies visíveis, cor RAL 7035 e
RAL 9017. PC/ABS 3 mm, cor NCS 1502-Y (RAL 9002 / PMS 1C Cool Grey).
Barramentos Cobre estanhado
Segurança dos materiais Materiais de isolamento e itens não metálicos na sua maioria auto-extinguíveis.
contra incêndio
(IEC 60332-1)
Embalagem Embalagem standard:
• madeira, folha de polietileno, (espessura 0.2 mm), película transparente
(espessura 0.023 mm), fita PP, cinta PET, folha metálica (aço)
• para transportes terrestres e aéreos quando o período de armazenamento
planeado é inferior a 2 meses ou quando o armazenamento pode ser efe-
tuado em local limpo e seco e para períodos inferiores a 6 meses
• pode ser usada quando os produtos não sejam expostos a atmosferas
corrosivas durante o transporte ou armazenamento
Embalagem contentor:
• madeira, película VCI (PE, espessura 0.15 mm), película VCI (PE, espessura
0.04 mm), sacos emissores VCI, fita PP, cinta PET, folha metálica (aço)
• para transporte marítimo em contentores
• recomendado para transporte terrestre ou aéreo quando o tempo de armaze-
namento antes da instalação excede os 6 meses ou quando o armazenamento
é efetuado em condições parcialmente protegidas contra as intempéries
Embalagem para transporte marítimo:
• madeira, contraplacado, película VCI (PE, espessura 0.15 mm), película VCI
(PE, espessura 0.04 mm), sacos emissores VCI, fita PP, cinta PET, folha
metálica (aço)
• para transporte marítimo com ou sem contentorização
• para longos períodos em ambientes onde não é possível providenciar um
ambiente de armazenamento coberto e com humidade controlada
Os armários são aparafusados à palete com parafusos e cintados do topo até ao
fundo às paredes da embalagem para evitar que oscilem no interior da mesma.
Os elementos da embalagem são fixos em conjunto com parafusos. Sobre o
manuseamento de embalagens, consulte a secção Movimentar e desembalar o
acionamento na página 59.
192 Dados técnicos

Resíduos As partes principais do acionamento podem ser recicladas para preservar os


recursos naturais e energia. As partes do produto e materiais devem ser
desmontadas e separadas.
Geralmente, todos os metais, tais como aço, alumínio, cobre e as suas ligas e
metais preciosos podem ser reciclados como material. Plásticos, borracha,
cartão e outros materiais de embalagem podem ser utilizados na recuperação
de energia. As placas de circuito impresso e os condensadores CC (C1-1 e
C1-x) necessitam de tratamento seletivo de acordo com as recomendações da
IEC 62635. Para ajudar a reciclagem, as peças de plástico são marcadas com
um código de identificação apropriado.
Contacte o distribuidor local da ABB para mais informações sobre os aspetos
ambientais e instruções de reciclagem para os profissionais de reciclagem. O
tratamento de fim de vida deve seguir as normas locais e internacionais.

Normas aplicáveis
O acionamento cumpre com os seguintes standards. A conformidade com a
Diretiva Europeia sobre Baixa Tensão é verificada de acordo com a norma EN
61800-5-1.
EN 61800-5-1:2007 Sistemas de acionamento elétrico de potência a velocidade variável. Parte 5-1:
Requisitos de segurança - elétricos, térmicos e energéticos
EN 60204-1:2006 +A1 Segurança da maquinaria. Equipamento elétrico em máquinas. Parte 1:
2009 Requisitos gerais. Condições para a concordância: O instalador final da
máquina é responsável pela instalação de um dispositivo de paragem de
emergência.
IEC/EN 60529:1991 + A1 Graus de proteção fornecidos pelas armações (código IP)
2000
EN 61800-3:2004 Equipamento eletrónico para uso em instalações de potência: Parte 3:
Requisitos EMC e métodos de teste específicos
UL 501:2007 Estruturas para Equipamento Elétrico, Considerações Não-Ambientais
UL 508C:2002 Standard UL sobre Segurança, Equipamento de Conversão de Frequência,
terceira edição
UL 508A:2001 Standard UL para Painéis de Controlo, primeira edição
CSA C22.2 No. 14-10 Equipamento de controlo industrial
Dados técnicos 193

Marcação CE
Existe uma marca CE no acionamento para comprovar que este cumpre os requisitos das
Diretivas Europeias de Baixa Tensão e EMC. A marcação CE também verifica se o acio-
namento, relativamente às suas funções de segurança (tais como Binário seguro off), de
acordo com a Diretiva de Maquinaria como um componente de segurança.

 Conformidade com a Diretiva Europeia de Baixa Tensão


A conformidade com a Diretiva Europeia sobre Baixa Tensão foi verificada de acordo com
a norma EN61800-5-1.

 Conformidade com a Diretiva Europeia EMC


A Diretiva EMC define os requisitos para imunidade e emissões de equipamentos elétri-
cos usados dentro da União Europeia. A norma de produto EMC (EN 61800-3:2004)
abrange os requisitos apresentados para acionamentos. Veja a secção Conformidade
com a EN 61800-3:2004 abaixo.

 Conformidade com a Diretiva Europeia de Maquinaria


O acionamento é um produto eletrónico que está coberto pela Diretiva Europeia de Baixa
Tensão. No entanto, o acionamento inclui a função de Binário Seguro Off e pode ser equi-
pado outras funções de segurança para maquinaria que, como componentes de segurança,
estão no âmbito da Diretiva de Maquinaria. Estas funções do acionamento cumprem com
as normas harmonizadas Europeias tais como a EN 61800-5-2. As declarações de confor-
midade relacionadas são apresentadas abaixo.
194 Dados técnicos

Declaração de conformidade
Ver ainda o capítulo Função de Binário seguro off (página 249) e secção Implementação
das funções fornecidas pelo módulo de funções de segurança FSO-xx (opção +Q972 ou
+Q973) (página 89).
Dados técnicos 195
196 Dados técnicos

Conformidade com a EN 61800-3:2004


 Definições
EMC significa Compatibilidade Eletromagnética. É a capacidade do equipamento elé-
trico/eletrónico funcionar sem problemas em ambiente eletromagnético. Do mesmo modo,
o equipamento não pode perturbar ou interferir com qualquer outro produto ou sistema ao
seu redor.
Primeiro ambiente inclui instalações ligadas a uma rede de baixa tensão que alimenta
edifícios usados para fins domésticos.
Segundo ambiente inclui instalações ligadas a uma rede que não alimenta edifícios
usados para fins domésticos.
Acionamento de categoria C2: acionamento com tensão nominal inferior a 1000 V e desti-
nado a ser instalado e arrancado apenas por um profissional quando usado em primeiro
ambiente. Nota: Um profissional é uma pessoa ou organização que possui as qualifica-
ções necessárias para instalar e/ou arrancar sistemas de acionamento, incluindo os seus
aspetos EMC.
Acionamento da categoria C3: acionamento com tensão nominal inferior a 1000 V e
destinado a ser usado em segundo ambiente e não em primeiro ambiente.
Acionamento da categoria C4: acionamento com tensão nominal igual ou superior a 1000 V,
ou gama de corrente nominal igual ou superior a 400 A, ou destinado a uso em sistemas
complexos em segundo ambiente.

 Categoria C2
O acionamento cumpre com a norma com as seguintes provisões:
1. O acionamento está equipado com filtro EMC (opção +E202).
2. Os cabos do motor e de controlo são selecionados como especificado no manual de
hardware.
3. Os cabos do motor e de controlo são selecionados como especificado no manual de
hardware.
4. O comprimento máximo do cabo do motor é 100 metros (328 ft).

AVISO! O acionamento pode provocar rádio interferência se usado em ambientes


domésticos e residenciais. Se necessário, o utilizador deve tomar medidas para evitar a
interferência, além dos requisitos para cumprimento dos requisitos CE listados acima.

Nota: Não instale um acionamento equipado com filtro EMC +E202 em sistemas IT (sem
ligação à terra). A rede de alimentação fica ligada ao potencial terra através dos conden-
sadores do filtro EMC o que pode ser perigoso ou danificar o acionamento.

 Categoria C3
O acionamento cumpre com a norma com as seguintes provisões:
1. Os cabos do motor e de controlo são selecionados como especificado no manual de
hardware.
2. Os cabos do motor e de controlo são selecionados como especificado no manual de
hardware.
3. O comprimento máximo do cabo do motor é 100 metros (328 ft).
Dados técnicos 197

AVISO! Um acionamento de categoria C3 não é destinado a ser usado em redes públicas


de baixa tensão que fornecem instalações domésticos. É esperada frequência de rádio
interferência se o acionamento for usado neste tipo de rede.

 Categoria C4
Se não for possível cumprir as provisões em Categoria C3, os requisitos da norma podem
ser cumpridos como se segue:
1. É assegurado que não são propagadas emissões excessivas às redes de baixa
tensão vizinhas. Em alguns casos, a supressão natural nos transformadores e nos
cabos é suficiente. Em caso de dúvida, recomenda-se o uso de um transformador
com blindagem estática entre os enrolamentos do primário e do secundário.

Rede de média tensão


Transformador

Rede vizinha
Blind estática

Ponto de medição

Baixa Baixa
tensão Equip tensão
(vitima) Acion

Equip Equip

2. Para evitar perturbações é elaborado um plano EMC para a instalação. Está disponí-
vel um template no seu representante local da ABB.
3. Os cabos do motor e de controlo são selecionados como especificado no manual de
hardware.
4. Os cabos do motor e de controlo são selecionados como especificado no manual de
hardware.

AVISO! Um acionamento da categoria C4 não é destinado a ser usado em redes públicas


de baixa tensão que fornecem instalações domésticos. É esperada frequência de rádio
interferência se o acionamento for usado neste tipo de rede.
198 Dados técnicos

Marcação UL
 Lista de verificação UL
• O acionamento deve ser usado em ambiente interior aquecido e controlado. O acio-
namento deve ser instalado em ar limpo de acordo com a classificação do armário. O
ar de refrigeração deve ser limpo, livre de materiais corrosivos e de poeiras eletrica-
mente condutoras. Veja a página 190.
• A temperatura ambiente máxima é 40 °C (104 °F) à corrente nominal. A corrente é
desclassificada para 40 a 50 °C (104 a 122 °F).
• O acionamento é adequado para uso num circuito capaz de entregar não mais de
100.000 rms de amperes simétricos a 600 V no máximo quando o cabo de entrada
está protegido com fusíveis da classe T. A classificação de amperes é baseada nos
testes feitos de acordo com a norma UL 508A.
• Os cabos localizados no interior do circuito do motor devem ser dimensionados com
pelo menos 75 °C (167 °F) em instalações com conformidade UL.
• O cabo de entrada deve ser protegido com fusíveis. Nos EUA os disjuntores não
devem ser usados sem fusíveis. Sobre os disjuntores adequados, contacte o repre-
sentante local da ABB. Os fusíveis IEC (classe aR) e os fusíveis UL para a proteção
do acionamento são listados no início da página 182.
• Sobre instalação nos Estados Unidos, deve ser fornecida proteção contra sobrecarga
de acordo com o Código Nacional Elétrico (NEC) e com qualquer outro código local
aplicável. Para cumprir com este requisito, use os fusíveis com classificação UL.
• Para instalação no Canadá, a proteção do circuito de derivação deve ser fornecida de
acordo com o Código Elétrico Canadiano e qualquer código local/distrital aplicável.
Para cumprir com este requisito, use os fusíveis com classificação UL.
• O acionamento garante proteção contra sobrecarga de acordo com o Código
Nacional Elétrico (NEC).

marcação CSA
Listagem CSA pendente para o acionamento. A aprovação é válida com tensões nominais.

Marcação “C-tick”
A marcação “C-tick” é requerida na Austrália e na Nova Zelândia. Uma marca “C-tick” é
colada em cada acionamento de forma a comprovar que a unidade obedece à importante
norma (IEC 61800-3:2004, Sistemas elétricos de acionamento de potência de velocidade
ajustável – Parte 3: (Norma de produtos EMC incluindo métodos de teste específicos),
mandatado pelo Esquema de Compatibilidade Eletromagnética Trans-Tasman.
Para cumprimento dos requisitos da norma, veja a secção Conformidade com a EN
61800-3:2004.

Marcação EAC (Conformidade Euroasiática)


O acionamento tem certificação EAC. A marcação EAC é requerida na Rússia, Bielorrússia
e Cazaquistão.
Dados técnicos 199

Binários de aperto
Exceto quando especificado um binário de aperto no texto, podem ser usados os seguintes
binários.

 Ligações elétricas
Tamanho Binário Nota
N·m
M3 0.5 Classe de força 4.6...8.8
M4 1 Classe de força 4.6...8.8
M5 4 Classe de força 8.8
M6 9 Classe de força 8.8
M8 22 Classe de força 8.8
M10 42 Classe de força 8.8
M12 70 Classe de força 8.8
M16 120 Classe de força 8.8

 Ligações mecânicas
Tamanho Binário máx. Nota
N·m
M5 6 Classe de força 8.8
M6 10 Classe de força 8.8
M8 24 Classe de força 8.8

 Suportes de isolamento
Tamanho Binário máx. Nota
N·m
M6 5 Classe de força 8.8
M8 9 Classe de força 8.8
M10 18 Classe de força 8.8
M12 31 Classe de força 8.8

 Bornes de cabo
Tamanho Binário máx. Nota
N·m
M8 15 Classe de força 8.8
M10 32 Classe de força 8.8
M12 50 Classe de força 8.8
200 Dados técnicos

Exclusões
 Exclusão genérica
O fabricante não tem qualquer obrigação em relação a qualquer produto que (i) tenha sido
indevidamente reparado ou alterado, (ii) submetido a uso indevido, negligência ou aci-
dente; (iii) utilizado de forma contrária às instruções do fabricante; ou (iv) tenha avariado
como resultado de desgaste normal.

 Exclusão de segurança cibernética


Este produto foi desenhado para ser ligado e para comunicar informações e dados atra-
vés de uma interface de rede. É de exclusiva responsabilidade do Cliente fornecer e
garantir uma ligação contínua segura entre o produto e a rede do Cliente ou qualquer
outra rede (conforme seja o caso). Cliente deve estabelecer e manter todas as medidas
apropriadas (tais como, mas não limitado à instalação de firewalls, aplicação de medidas
de autenticação, encriptação de dados, instalação de programas antivírus, etc.) para pro-
teger o produto, a rede, o seu sistema e a Interface contra qualquer tipo de violação de
segurança, acesso não autorizado, interferência, intrusão, fuga e/ou roubo de dados ou
de informações. A ABB e as suas filiais não se responsabilizam por danos e/ou prejuízos
relacionados com essas violações de segurança, qualquer acesso não autorizado, interfe-
rência, intrusão, fuga e/ou roubo de dados ou de informações.
Dimensões 201

13
Dimensões

Conteúdo do capítulo
Este capítulo contém os seguintes dados de dimensionamento:
• Composição dos alinhamentos dos armários em forma de tabela para cada tamanho
de chassis com opções (página 203
• Pesos aproximados dos alinhamentos básicos (página 210)
• Exemplos de esquemas dimensionais dos alinhamentos selecionados (página 211)
• Localização e tamanho dos terminais de entrada (página 235)
• Localização e tamanho dos terminais de saída para acionamentos sem um cubículo
para terminais comuns do motor (página 241) Esta secção também contém desenhos
dos terminais no filtro sinusoidal e dos cubículos do chopper de travagem.
• Localização e tamanho dos terminais de saída para acionamentos com um cubículo
para terminais comuns do motor (página 245)
202 Dimensões

Dimensões do alinhamento do armário


O acionamento é constituído por cubículos integrados num alinhamento de armários. As
tabelas abaixo apresentam a composição dos alinhamentos de armário para cada tama-
nho de chassis e as combinações standard das opções As dimensões são apresentadas
em milímetros.
Notas:
• Os painéis laterais nas extremidades esquerda e direita do alinhamento aumenta a
largura total do alinhamento em 30 milímetros (1.2”).
• A profundidade standard do alinhamento do armário é 644 mm (25.35”) excluindo o
equipamento da porta, tal como punhos e grelhas de entrada de ar. Esta é aumentada
em 200 mm (7.87”) com unidades de saída de cabo pelo topo, ou em 130 mm com a
opção +C128 (entrada de ar de refrigeração pelo fundo do armário).
• Por defeito, as unidades listadas UL (+C129) têm entrada/saída de cabo pelo topo.
• Os dados apresentados são preliminares. A ABB reserva o direito a modificar o
desenho a qualquer momento, sem aviso prévio. Consulte a ABB sobre informação
exata e atualizada do acionamento.
As tabelas são seguidas por exemplos de esquemas dimensionais.
Dimensões 203

 Tabelas de dimensões

1×D8T + 2×R8i – ligação de 6-impulsos

divisões de envio
Cubículo do filtro

Cubículo do filtro
módulo inversor

terminal comum
controlo auxiliar

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de
entrada (ICU)

Larguras das

alinhamento
Cubículo de

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo do

Cubículo do

Cubículo de

travagem 1

travagem 1

travagem 2

travagem 2

travagem 3

travagem 3

Largura do
módulo de

sinusoidal

*Chopper
EMC/RFI

união
400 400 400 600 1800 1800
400 400 300 400 600 2100 2100
400 400 400 600 300 2100 2100
400 400 300 400 600 300 2400 2400
400 400 400 600 1000 2800 2800
400 400 300 400 600 1000 3100 3100
400 400 400 600 400 400 2600 2600
400 400 300 400 600 400 400 2900 2900
400 400 400 600 300 400 400 2900 2900
400 400 300 400 600 300 400 400 3200 3200
400 400 400 600 1000 400 400 3600 3600
400 400 300 400 600 1000 400 400 3900 3900
400 400 400 600 400 800 400 800 4200 4200
400 400 300 400 600 200 400 800 400 800 2300 + 2400 4700
400 400 400 600 300 400 800 400 800 2100 + 2400 4500
400 400 300 400 600 300 400 800 400 800 2400 + 2400 4800
400 400 400 600 1000 200 400 800 400 800 3000 + 2400 5400
400 400 300 400 600 1000 200 400 800 400 800 3300 + 2400 5700
400 400 400 600 400 400 400 3000 3000
400 400 300 400 600 400 400 400 3300 3300
400 400 400 600 300 400 400 400 3300 3300
400 400 300 400 600 300 400 400 400 3600 3600
400 400 400 600 1000 400 400 400 4000 4000
400 400 300 400 600 1000 200 400 400 400 3300 + 1200 4500
400 400 400 600 200 400 800 400 800 400 800 2000 + 3600 5600
400 400 300 400 600 200 400 800 400 800 400 800 2300 + 3600 5900
400 400 400 600 300 400 800 400 800 400 800 2100 + 3600 5700
400 400 300 400 600 300 400 800 400 800 400 800 2400 + 3600 6000
400 400 400 600 1000 200 400 800 400 800 400 800 3000 + 3600 6600
400 400 300 400 600 1000 200 400 800 400 800 400 800 3300 + 3600 6900

*O número de choppers de travagem depende da potência de travagem pretendida. Consulte o capítulo Travagem com
resistências.
204 Dimensões

2×D7T + 2×R8i – ligação de 12-impulsos sem opção +F259 (interruptor de ligação á terra)

divisões de envio
Cubículo do filtro
entrada de cabo

módulo inversor

terminal comum
controlo auxiliar

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de
Adaptador para
entrada (ICU)

Larguras das

alinhamento
Cubículo de

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo do

Cubículo do

Cubículo de

travagem 1

travagem 1

travagem 2

travagem 2

travagem 3

travagem 3

Largura do
módulo de

sinusoidal

*Chopper
união
400 600 400 600 2000 2000
400 600 200 400 600 2200 2200
400 600 400 600 300 2300 2300
400 600 200 400 600 300 2500 2500
400 600 400 600 1000 3000 3000
400 600 200 400 600 1000 3200 3200
400 600 400 600 400 400 2800 2800
400 600 200 400 600 400 400 3000 3000
400 600 400 600 300 400 400 3100 3100
400 600 200 400 600 300 400 400 3300 3300
400 600 400 600 1000 400 400 3800 3800
400 600 200 400 600 1000 400 400 4000 4000
400 600 400 600 200 400 800 400 800 2200 + 2400 4600
400 600 200 400 600 200 400 800 400 800 2400 + 2400 4800
400 600 400 600 300 400 800 400 800 2300 + 2400 4700
400 600 200 400 600 300 400 800 400 800 2500 + 2400 4900
400 600 400 600 1000 200 400 800 400 800 3200 + 2400 5600
400 600 200 400 600 1000 200 400 800 400 800 3400 + 2400 5800
400 600 400 600 400 400 400 3200 3200
400 600 200 400 600 400 400 400 3400 3400
400 600 400 600 300 400 400 400 3500 3500
400 600 200 400 600 300 400 400 400 3700 3700
400 600 400 600 1000 400 400 400 4200 4200
400 600 200 400 600 1000 200 400 400 400 3400 + 1200 4600
400 600 400 600 200 400 800 400 800 400 800 2200 + 3600 5800
400 600 200 400 600 200 400 800 400 800 400 800 2400 + 3600 6000
400 600 400 600 300 400 800 400 800 400 800 2300 + 3600 5900
400 600 200 400 600 300 400 800 400 800 400 800 2500 + 3600 6100
400 600 400 600 1000 200 400 800 400 800 400 800 3200 + 3600 6800
400 600 200 400 600 1000 200 400 800 400 800 400 800 3400 + 3600 7000

*O número de choppers de travagem depende da potência de travagem pretendida. Veja o capítulo Travagem com
resistências.
Dimensões 205

2×D7T + 2×R8i – ligação 12-impulsos com opção +F259 (interruptor de ligação à terra)

divisões de envio
Cubículo do filtro
terminal comum
módulo inversor
controlo auxiliar

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de
entrada (ICU) 1

entrada (ICU) 2

Larguras das

alinhamento
Cubículo de

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo do

Cubículo de

travagem 1

travagem 1

travagem 2

travagem 2

travagem 3

travagem 3

Largura do
módulo de

sinusoidal

*Chopper
união
400 400 400 400 600 2200 2200
400 400 400 400 600 300 2500 2500
400 400 400 400 600 1000 3200 3200
400 400 400 400 600 400 400 3000 3000
400 400 400 400 600 300 400 400 3300 3300
400 400 400 400 600 1000 400 400 4000 4000
400 400 400 400 600 200 400 800 400 800 2400 + 2400 4800
400 400 400 400 600 300 400 800 400 800 2500 + 2400 4900
400 400 400 400 600 1000 200 400 800 400 800 3400 + 2400 5800
400 400 400 400 600 400 400 400 3400 3400
400 400 400 400 600 300 400 400 400 3700 3700
400 400 400 400 600 1000 200 400 400 400 3400 + 1200 4600
400 400 400 400 600 200 400 800 400 800 400 800 2400 + 3600 6000
400 400 400 400 600 300 400 800 400 800 400 800 2500 + 3600 6100
400 400 400 400 600 1000 200 400 800 400 800 400 800 3400 + 3600 7000

*O número de choppers de travagem depende da potência de travagem pretendida. Veja o capítulo Travagem com
resistências.

2×D8T + 2×R8i – ligação 6-impulsos, 400/500 V

divisões de envio
Cubículo do filtro
entrada de cabo

módulo inversor

terminal comum
controlo auxiliar

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de
Adaptador para
entrada (ICU)

Larguras das

alinhamento
Cubículo de

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo do

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo de

travagem 1

travagem 1

travagem 2

travagem 2

travagem 3

travagem 3

Largura do
módulo de

sinusoidal

*Chopper
união

união

400 600 600 600 2200 2200


400 600 200 600 600 2400 2400
400 600 600 600 300 2500 2500
400 600 200 600 600 300 2700 2700
400 600 600 600 1000 3200 3200
400 600 200 600 600 1000 3400 3400
400 600 600 600 400 400 400 3400 3400
400 600 200 600 600 400 400 400 3600 3600
400 600 600 600 200 400 800 400 800 400 800 2400 + 3600 6000
400 600 200 600 600 200 400 800 400 800 400 800 2600 + 3600 6200
400 600 600 600 300 400 400 400 3700 3700
400 600 200 600 600 300 400 400 400 3900 3900
400 600 600 600 300 400 800 400 800 400 800 2500 + 3600 6100
400 600 200 600 600 300 400 800 400 800 400 800 2700 + 3600 6300
400 600 600 600 200 1000 400 400 400 2400 + 2200 4600
400 600 200 600 600 200 1000 400 400 400 2600 + 2200 4800
400 600 600 600 1000 200 400 800 400 800 400 800 3400 + 3600 7000
400 600 200 600 600 1000 200 400 800 400 800 400 800 3600 + 3600 7200

*O número de choppers de travagem depende da potência de travagem pretendida. Veja o capítulo Travagem com
resistências.
206 Dimensões

2×D8T + 2×R8i – ligação 6-impulsos, 690 V

divisões de envio
Cubículo do filtro
módulo inversor

terminal comum
controlo auxiliar

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de
entrada (ICU)

Larguras das

alinhamento
Cubículo de

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo do

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo de

travagem 1

travagem 1

travagem 2

travagem 2

travagem 3

travagem 3

Largura do
módulo de

sinusoidal

*Chopper
união

união
400 400 600 600 2000 2000
400 400 600 600 300 2300 2300
400 400 600 600 1000 3000 3000
400 400 600 600 400 400 400 3200 3200
400 400 600 600 200 400 800 400 800 400 800 2200 + 3600 5800
400 400 600 600 300 400 400 400 3500 3500
400 400 600 600 300 400 800 400 800 400 800 2300 + 3600 5900
400 400 600 600 1000 400 400 400 4200 4200
400 400 600 600 1000 200 400 800 400 800 400 800 3200 + 3600 6800

*O número de choppers de travagem depende da potência de travagem pretendida. Veja o capítulo Travagem com
resistências.

2×D8T + 2×R8i – ligação 12-impulsos sem opção +F259 (interruptor de ligação à terra)

divisões de envio
entrada de cabo

módulo inversor

terminal comum
controlo auxiliar

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de
Adaptador para
entrada (ICU)

Larguras das

alinhamento
Cubículo de

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo do

Cubículo do

Cubículo de

travagem 1

travagem 1

travagem 2

travagem 2

travagem 3

travagem 3

Largura do
módulo de

*Chopper
união

400 600 600 600 2200 2200


400 600 200 600 600 2400 2400
400 600 600 600 300 2500 2500
400 600 200 600 600 300 2800 2800
400 600 600 600 400 400 400 3400 3400
400 600 200 600 600 400 400 400 3600 3600
400 600 600 600 200 400 800 400 800 400 800 2400 + 3600 6000
400 600 200 600 600 200 400 800 400 800 400 800 2600 + 3600 6200
400 600 600 600 300 400 400 400 3700 3700
400 600 200 600 600 300 400 400 400 3900 3900
400 600 600 600 300 400 800 400 800 400 800 2500 + 3600 6100
400 600 200 600 600 300 400 800 400 800 400 800 2700 + 3600 6300

*O número de choppers de travagem depende da potência de travagem pretendida. Veja o capítulo Travagem com
resistências.

2×D8T + 2×R8i – ligação 12-impulsos com opção +F259 (interruptor de ligação à terra)
divisões de envio
módulo inversor

terminal comum
controlo auxiliar

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de

*Resistência de
entrada (ICU) 1

entrada (ICU) 2

Larguras das

alinhamento
Cubículo de

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo do

Cubículo de

travagem 1

travagem 1

travagem 2

travagem 2

travagem 3

travagem 3

Largura do
módulo de

*Chopper
união

400 400 600 400 600 2400 2400


400 400 600 400 600 300 2700 2700
400 400 600 400 600 400 400 400 3600 3600
400 400 600 400 600 200 400 800 400 800 400 800 2600 + 3600 6200
400 400 600 400 600 300 400 400 400 3900 3900
400 400 600 400 600 300 400 800 400 800 400 800 2700 + 3600 6300

*O número de choppers de travagem depende da potência de travagem pretendida. Veja o capítulo Travagem com
resistências.
Dimensões 207

2×D8T + 3×R8i – ligação 6-impulsos; ligação 12-impulsos sem opção +F259 (interruptor de ligação à
terra)
Gama de Cubículo de Adaptador Cubículo do
Cubículo do Cubículo do
tensão de controlo Cubículo de para entrada terminal Largura do
módulo de módulo
alimentação auxiliar entrada (ICU) de cabo pelo comum do alinhamento
alimentação inversor
(V) (ACU) topo motor
500/690 400 600 600 800 2400
500/690 400 600 200 600 800 2600
500 400 600 600 800 400 2800
690 400 600 600 800 300 2700
500 400 600 200 600 800 400 3000
690 400 600 200 600 800 300 2900

2×D8T + 3×R8i – ligação 12-impulsos com opção +F259 (interruptor de ligação à terra)
Gama de Cubículo de Cubículo do
Cubículo de Cubículo do Cubículo de Cubículo do
tensão de controlo terminal Largura do
entrada (ICU) módulo de entrada (ICU) módulo
alimentação auxiliar comum do alinhamento
1 alimentação 2 inversor
(V) (ACU) motor
500/690 400 400 600 400 800 2400
500 400 400 600 400 800 400 3000
690 400 400 600 400 800 300 2900

3×D8T + 3×R8i
Cubículo de Adaptador para Cubículo do *Cubículo
Cubículo de Cubículo do Largura do
controlo auxiliar entrada de cabo módulo de terminal motor
entrada (ICU) módulo inversor alinhamento
(ACU) pelo topo alimentação comum
400 600 800 800 2600
400 600 200 800 800 2800
400 600 800 800 400 3000
400 600 200 800 800 400 3200
400 600 200 800 800 600 3400

*600 mm com ACS880-07-2610-3 com saída de cabo pelo topo, ou então 400 mm.

3×D8T + 4×R8i
Adaptador Cubículo do
Cubículo de Cubículo do Cubículo do Cubículo do
Cubículo de para entrada terminal Largura do
controlo módulo de módulo módulo
entrada (ICU) de cabo pelo comum do alinhamento
auxiliar (ACU) alimentação inversor 1 inversor 2
topo motor
400 600 800 600 600 3000
400 600 200 800 600 600 3200
400 600 800 600 400 600 3400
400 600 200 800 600 600 600 3800
208 Dimensões

4×D8T + 3×R8i

divisões de envio
de alimentação 1
Cubículo módulo
entrada de cabo

entrada de cabo

módulo inversor
controlo auxiliar

entrada (ICU) 1

entrada (ICU) 2
Adaptador para

Adaptador para

terminal motor
alimentação 2

Larguras das
*Cubículo de

alinhamento
Cubículo de

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo de

Cubículo do
pelo topo 1

pelo topo 2

Largura do
**Cubículo
módulo de

comum
(ACU)

união
400 600 600 600 800 3000 3000
400 600 200 600 600 800 3200 3200
400 600 600 600 800 400 3400 3400
400 600 200 600 600 800 600 3800 3800
400 600 600 600 600 800 3600 3600
400 600 200 600 600 200 600 800 4000 4000
400 600 600 600 600 800 400 4000 4000
400 600 200 600 600 200 600 200 800 600 3400 + 1400 4800

*Apenas unidades com opção +F259 (interruptor de ligação à terra).


**600 mm com ACS880-07-2610-3+A004 com saída de cabo pelo topo, ou então 400 mm.

4×D8T + 4×R8i
módulo inversor 1

módulo inversor 2

divisões de envio
de alimentação 1
Cubículo módulo
entrada de cabo

entrada de cabo
controlo auxiliar

entrada (ICU) 1

entrada (ICU) 2
Adaptador para

Adaptador para

terminal motor

terminal motor
alimentação 2

Larguras das
*Cubículo de

alinhamento
Cubículo de

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo de

Cubículo do

Cubículo do
pelo topo 1

pelo topo 2

Largura do
**Cubículo

**Cubículo
módulo de

comum

comum
(ACU)

união

400 600 600 600 600 600 3400 3400


400 600 200 600 600 600 600 3600 3600
400 600 600 600 600 400 600 3800 3800
400 600 200 600 600 600 400 600 4200 4200
400 600 200 600 600 600 600 600 4000 4000
400 600 600 600 600 600 600 4000 4000
400 600 200 600 600 200 600 200 600 600 3400 + 1200 4600
400 600 600 600 600 600 400 600 3800 + 600 4400
400 600 200 600 600 200 600 200 600 600 600 3400 + 1800 5200

*Apenas unidades com opção +F259 (interruptor de ligação à terra).


**600 mm com ACS880-07-2300A-7+A004 com saída de cabo pelo topo, ou então 400 mm.
Dimensões 209

4×D8T + 5×R8i

módulo inversor 1

módulo inversor 1

divisões de envio
**Adaptador para
de alimentação 1
Cubículo módulo
entrada de cabo

entrada de cabo

terminal comum
controlo auxiliar

entrada (ICU) 1

entrada (ICU) 2
Adaptador para

alimentação 2

**Cubículo de

Larguras das
*Cubículo de

alinhamento
Cubículo de

Cubículo do

Cubículo de

Cubículo do
Cubículo do

Cubículo do
pelo topo 1

pelo topo 2

Largura do
módulo de

do motor
(ACU)

união
400 600 600 600 800 600 3600 3600
400 600 200 600 600 800 600 3800 3800
400 600 600 600 800 600 600 4200 4200
400 600 200 600 600 800 600 600 3800 + 600 4400
400 1000 600 600 800 600 4000 4000
400 1000 200 600 600 800 600 4200 4200
400 1000 600 600 800 600 600 4000 + 600 4600
400 1000 200 600 600 800 600 600 4200 + 600 4800
400 600 600 600 600 800 600 4200 4200
400 600 200 600 600 200 600 200 800 600 3400 + 1400 4800
400 600 600 600 600 800 400 600 4000 + 600 4600
400 600 200 600 600 200 600 200 800 600 600 3400 + 2000 5400

*1000 mm com 6-impulsos listados UL (+C129) e Unidades com aprovação CSA (+C134), ou 600 mm.
**Apenas unidades 12-impulsos com opção +F259 (interruptor de ligação à terra).
210 Dimensões

 Pesos
A tabela abaixo lista os pesos básicos aproximados dos tamanhos de chassis do
ACS880-07.
Peso
Chassis
kg lbs
1×D8T + 2×R8i 1470 3240
2×D7T + 2×R8i 1710 3770
2×D8T + 2×R8i (6-impulsos) 1770 3900
2×D8T + 2×R8i (12-impulsos) 1870 4120
2×D8T + 3×R8i (6-impulsos) 1920 4230
2×D8T + 3×R8i (12-impulsos) 2020 4450
3×D8T + 3×R8i 2230 4920
3×D8T + 4×R8i 2590 5710
4×D8T + 3×R8i 2600 5730
4×D8T + 4×R8i 2960 6530
4×D8T + 5×R8i 3110 6860
Dimensões 211

 Exemplos de esquemas dimensionais


Chassis 2×D7T + 2×R8i (12-impulsos)
212 Dimensões

Chassis 1×D8T + 2×R8i (IP22)


Dimensões 213

Chassis 1×D8T + 2×R8i, IP54 (+B055)


214 Dimensões

Chassis 1×D8T + 2×R8i com cubículo do terminal comum do motor (+H359), 1/2
Dimensões 215

Chassis 1×D8T + 2×R8i com cubículo do terminal comum do motor (+H359), 2/2
216 Dimensões

Chassis 1×D8T + 2×R8i com choppers e resistências de trav (+D150 +D151), 1/2
Dimensões 217

Chassis 1×D8T + 2×R8i com choppers e resistências de trav (+D150 +D151), 2/2
218 Dimensões

Chassis 1×D8T + 2×R8i com filtro de saída sinusoidal (+E206), 1/2


Dimensões 219

Chassis 1×D8T + 2×R8i com filtro de saída sinusoidal (+E206), 2/2


220 Dimensões

Chassis 2×D8T + 2×R8i (12-impulsos) com interruptor de ligação à terra (+F259)


Dimensões 221

Chassis 2×D8T + 3×R8i, 1/2


222 Dimensões

Chassis 2×D8T + 3×R8i, 2/2


Dimensões 223

Chassis 2×D8T + 3×R8i com cubículo do terminal comum do motor (+H359), 1/2
224 Dimensões

Chassis 2×D8T + 3×R8i com cubículo do terminal comum do motor (+H359), 2/2
Dimensões 225

Chassis 2×D8T + 3×R8i com entrada pelo topo/saída pelo topo, 1/2
226 Dimensões

Chassis 2×D8T + 3×R8i com entrada pelo topo/saída pelo topo, 2/2
Dimensões 227

Chassis 3×D8T + 4×R8i, 1/2


228 Dimensões

Chassis 3×D8T + 4×R8i, 2/2


Dimensões 229

Chassis 3×D8T + 4×R8i com cubículo do terminal comum do motor (+H359), 1/2
230 Dimensões

Chassis 3×D8T + 4×R8i com cubículo do terminal comum do motor (+H359), 2/2
Dimensões 231

Chassis 3×D8T + 4×R8i com entrada pelo topo/saída pelo topo, 1/2
232 Dimensões

Chassis 3×D8T + 4×R8i com entrada pelo topo/saída pelo topo, 2/2
Dimensões 233

Chassis 4×D8T + 5×R8i (6-imp) com ent/saída pelo topo, Listagem UL (+C129), 1/2
234 Dimensões

Chassis 4×D8T + 5×R8i (6-imp) com ent/saída pelo topo, Listagem UL (+C129), 2/2
Dimensões 235

Localização e tamanho dos terminais de entrada


Nota: Consulte as tabelas dimensionais a partir da página 203 sobre quais os cubículos
de entrada que são usados com que tipo de acionamento e opções.

 400 mm, entrada de cabo pelo fundo

 400 mm, entrada de cabo pelo topo


236 Dimensões

 600 mm, sem disjuntor principal, entrada de cabo pelo fundo


(incluindo unidades de 12-impulsos com interruptor de ligação à
terra)

 600 mm, sem disjuntor principal, entrada de cabo pelo topo


(incluindo unidades de 12-impulsos com interruptor de ligação à
terra)
Dimensões 237

 600 mm, unidades de 12-impulsos sem interruptor de ligação à


terra, entrada de cabo pelo fundo

 600 mm, unidades de 12-impulsos sem interruptor de ligação à


terra, entrada de cabo pelo topo
238 Dimensões

 600 mm, com disjuntor principal, entrada de cabo pelo fundo

 600 mm, com disjuntor principal, entrada de cabo pelo topo


Dimensões 239

 1000 mm (UL/CSA), entrada de cabo pelo topo


240 Dimensões

 1000 mm (UL/CSA), entrada de cabo pelo fundo


Dimensões 241

Localização e tamanho dos terminais de saída (unidades


sem cubículo para terminal comum do motor
 Cubículo do módulo inversor com dois módulos, entrada de cabo
pelo fundo

 Cubículo módulo inversor c/2 módulos, entrada de cabo pelo topo


242 Dimensões

 Cubículo módulo inversor c/3 módulos, entrada de cabo pelo fundo

 Cubículo módulo inversor c/3 módulos, entrada de cabo pelo topo


Dimensões 243

 Cubículo filro sinusoidal (+F206), saída de cabo pelo fundo

 Cubículo filro sinusoidal (+F206), saída de cabo pelo topo


244 Dimensões

 Cubículo da resistência de travagem


Dimensões 245

Localização e tamanho dos terminais de saída (unidades


com cubículo para terminal comum do motor
Nota: Consulte as tabelas de dimensões a partir da página 203 sobre em que cubículo do
terminal comum do motor a largura é usada com qual tipo de acionamento.

 Largura do cubículo 300 mm, entrada de cabo pelo fundo


246 Dimensões

 Largura do cubículo 300 mm, entrada de cabo pelo topo


Dimensões 247

 Largura do cubículo 400 mm, entrada de cabo pelo fundo

 Largura do cubículo 400 mm, entrada de cabo pelo topo


248 Dimensões

 Largura do cubículo 600 mm, entrada de cabo pelo fundo

 Largura do cubículo 600 mm, entrada de cabo pelo topo


Função de Binário seguro off 249

14
Função de Binário seguro off

Conteúdo do capítulo
Este capítulo descreve a função Binário seguro off (STO) da unidade inversora do
ACS880-07 e fornece instruções sobre a seu uso.

Descrição
A função de Binário seguro off pode ser usada, por exemplo, para construir circuitos de
segurança ou de supervisão que param o inversor em caso de perigo (tal como um cir-
cuito de paragem de emergência). Outra aplicação possível é um interruptor de preven-
ção de arranque inesperado que permite a realização de operações de manutenção
curtas, tais como limpeza ou trabalho nas partes não elétricas dos equipamentos sem
desligar a alimentação elétrica para o inversor.
Quando ativada, a função de Binário seguro off desativa a tensão de controlo dos semi-
condutores da fase de saída de potência do inversor (A, veja o diagrama abaixo), evitando
assim que o inversor gere a tensão necessária para rodar o motor. Se o motor estiver a
rodar quando a função de Binário seguro off está ativa, entra em paragem por inércia.
A função Binário seguro off tem uma arquitetura redundante, ou seja, ambos os canais
devem ser usados na implementação da função de segurança. Os dados de segurança
apresentados neste manual são calculados para uso redundante e não se aplicam se não
forem usados ambos os canais.
250 Função de Binário seguro off

A função de Binário seguro off do inversor cumpre com estas normas:

Norma Nome

EN 60204-1:2006 + AC:2010 Segurança da maquinaria – Equipamento elétrico de máquinas – Parte 1:


Requisitos gerais

IEC 61326-3-1:2008 Equipamento elétrico para medição, controlo e uso laboratorial – Requisitos
EMC – Parte 3-1: Requisitos de imunidade para sistemas relacionados com
segurança e para equipamento destinado a desempenhar funções relacio-
nadas com segurança (segurança funcional) – Aplicações industriais gerais

IEC 61508-1:2010 Segurança funcional de sistemas elétricos/eletrónicos/eletrónicos


programáveis relacionados com segurança – Parte 1: Requisitos gerais

IEC 61508-2:2010 Segurança funcional de sistemas elétricos/eletrónicos/eletrónicos progra-


máveis relacionados com segurança – Parte 2: Requisitos para sistemas
elétricos/eletrónicos/eletrónicos programáveis relacionados com segu-
rança

IEC 61511:2003 Segurança funcional – Sistemas instrumentados de segurança para a


indústria de processo

IEC/EN 61800-5-2:2007 Sistemas de acionamento elétricos de potência de velocidade variável -


Parte 5-2: Requisitos de segurança - Funcional

IEC/EN 62061:2005 + Segurança de maquinaria - Segurança operacional de sistemas de con-


AC:2010 trolo elétricos, eletrónicos e programáveis

EN ISO 13849-1:2008 + Segurança de maquinaria - Peças relacionadas com segurança de siste-


AC:2009 mas de controlo - Parte 1: Princípios gerais para desenho

EN ISO 13849-2:2012 Segurança de maquinaria - Peças relacionadas com segurança de siste-


mas de controlo - Parte 2: Validação

A função também corresponde com a Prevenção de arranque inesperado como especifi-


cado pela EN 1037:1995 + A1:2008 e Paragem não controlada (categoria de paragem 0)
como especificado na EN 60204-1:2006 + AC:2010.

 Conformidade com a Diretiva Europeia de Maquinaria


Veja a secção Conformidade com a Diretiva Europeia de Maquinaria (página 193).
Função de Binário seguro off 251

Cablagem
Os seguintes esquemas apresentam exemplos de Binário seguro off para
• uma unidade inversor com chassis n×R8i (página 252)
• múltiplas unidades inversoras (página 253)
• múltiplas unidades inversoras quando é usada uma alimentação externa a 24 V CC
(página 254).
Para mais informações sobre as especificações da entrada STO, consulte a secção
Dados do conector da unidade de controlo (página 135).

 Interruptor de ativação
Nos esquemas de ligação abaixo, o interruptor de ativação tem a designação [K]. Isto
representa um componente como um interruptor operado manualmente, botão de pressão
de paragem de emergência ou os contactos de um relé ou PLC de segurança.
• No caso de ser usado um interruptor de ativação operado manualmente, este deve
ser de um tipo que pode ser fechado na posição aberta.
• Os contactos do interruptor ou relé devem abrir/fechar a 200 ms um do outro.
• Também pode ser usado um módulo de funções de segurança FSO-xx. Para mais
informação, veja a documentação do módulo FSO-xx.

 Tipos e comprimentos de cabos


• É recomendado cabo de par entrançado de blindagem dupla.
• Comprimentos máximos do cabo:
• 30 m (100 ft) entre o interruptor de ativação [K] e a unidade de controlo inversora
• 60 m (200 ft) entre múltiplas unidade inversoras
• 60 m (200 ft) entre a alimentação de potência externa e a primeira unidade
inversora
• 30 m (100 ft) entre a unidade de controlo BCU e o último módulo inversor na
cadeia.
Nota: A tensão nos terminais INx de cada unidade de controlo inversora (ou módulo
inversor chassis R8i) deve ser no mínimo 17 V CC para ser interpretada como “1”.

 Blindagens de proteção de ligação à terra


• Ligue à terra, na unidade de controlo, a blindagem na cablagem entre o interruptor de
ativação e a unidade de controlo.
• Ligue à terra a blindagem na cablagem entre as duas unidades de controlo, apenas
numa unidade de controlo.
• Não ligue à terra a blindagem na cablagem entre o módulo BCU e o inversor, ou entre
os módulos inversores.
252 Função de Binário seguro off

 Unidade inversora chassis n×R8i (alimentação interna)

Unidade de controlo (A41)


XSTO
+24 V OUT1

SGND K

IN1
IN2

Módulo inversor
XSTO OUT STO IN (X52)
IN1 24 V CC CH1
SGND GND CH1
IN2 24 V CC CH2
SGND GND CH2
FE
Módulo inversor
STO IN (X52) STO OUT (X51)
24 V CC CH1 24 V CC CH1
GND CH1 GND CH1
24 V CC CH2 24 V CC CH2
GND CH2 GND CH2
FE FE

STO OUT (X51)


24 V CC CH1
GND CH1
Para o próximo
24 V CC CH2 módulo inversor
GND CH2
FE
Função de Binário seguro off 253

 Múltiplas unidades inversoras (alimentação interna)

ACS880-07
A41 XSTO

+24 V OUT1

SGND K

IN1
IN2

ACS880-07
A41 XSTO
OUT1
SGND

IN1
IN2

ACS880-07
A41 XSTO
OUT1
SGND

IN1
IN2
254 Função de Binário seguro off

 Múltiplas unidades inversoras (alimentação externa)

ACS880-07 24 V CC
– +
A41 XSTO
+24 V OUT1
SGND

IN1
IN2

ACS880-07
A41 XSTO
OUT1
SGND

IN1
IN2

ACS880-07
A41 XSTO
OUT1
SGND

IN1
IN2
Função de Binário seguro off 255

Princípio de operação
1. O Binário seguro off ativa (o interruptor de ativação é aberto, ou os contactos do relé
de segurança abrem).
2. As entradas STO na unidade de controlo do inversor desligam.
3. A unidade de controlo desliga a tensão de controlo dos IGBT do inversor.
4. O programa de controlo gera uma indicação como definido pelo parâmetro 31.22
(consulte o manual de firmware do inversor).
5. O motor é parado por inércia (se a funcionar). O inversor não pode reiniciar enquanto
o interruptor de ativação ou os contactos do relé de segurança estiverem abertos.
Depois dos contactos fecharem, é requerido um novo comando de arranque para o
acionamento.

Arranque incluindo o teste de aceitação


Para assegurar a operação segura de uma função de segurança, é necessária validação.
O instalador final da máquina deve validar a função executando um teste de aceitação. O
teste de aceitação deve ser efetuado
• no arranque inicial da função de segurança
• após de quaisquer alterações relacionados com a função de segurança (cartas de
circuito, cablagem, componentes, ajustes, etc.)
• após qualquer trabalho de manutenção relacionado com a função de segurança.

 Pessoa autorizada
O teste de aceitação da função de segurança deve ser efetuado por uma pessoa autori-
zada com conhecimentos e especializada na função de segurança. O teste deve ser
documentado e assinado pela pessoa autorizada.

 Relatórios do teste de aceitação


Os relatórios assinados dos testes devem ser guardados no diário de registos da máquina.
Este relatório deve incluir a documentação das atividades de arranque e os resultados dos
testes, referências aos relatórios das falhas e resolução das falhas. Qualquer novo teste de
aceitação efetuado devido a alterações ou manutenção deve ser incluído no diário de
registo.
256 Função de Binário seguro off

 Procedimentos do teste de aceitação


Depois da ligação da função de Binário seguro off, deve validar a sua operação como se
segue.
Notas:
• Se o inversor estiver equipado com opção de segurança +Q951, +Q952, +Q957,
+Q963 ou +Q964, consulte a documentação da opção. Se estiver instalado um
módulo de funções de segurança FSO-xx, consulte a documentação do mesmo.
• Todos os módulos inversores da unidade inversora devem ser alimentados e ligados
ao circuito STO durante o teste de aceitação.
Ação

AVISO! Siga as instruções de segurança apresentadas no capítulo Instruções de segu-


rança (página 15). Ignorar estas instruções pode provocar ferimentos físicos ou morte, ou
danificar o equipamento

Assegure-se de que o inversor pode ser operado e parado livremente durante o arranque.

Pare o inversor (se estiver a funcionar), desligue a alimentação e isole o inversor da linha de
potência através de um interruptor de corte.

Verifique as ligações do circuito de Binário seguro off com o esquema de cablagem.

Feche o interruptor de corte e ligue a potência.

Testar a operação da função STO quando o motor está parado.


• Execute um comando de paragem para o inversor (se a funcionar) e espere até o veio do motor
estar imobilizado.
Assegure-se de que o inversor opera como se segue:
• Abra o circuito STO. O inversor gera uma indicação se um estiver definido para o estado ‘parado’
no parâmetro 31.22 (veja o manual de firmware).Execute um comando de paragem para verificar
se a função STO bloqueia a operação do inversor. O motor não deve arrancar.Feche o circuito
STO.
• Rearme todas as falhas ativas. Reinicie o inversor e verifique se o motor funciona normalmente.

Teste a operação da função STO quando o motor estiver a funcionar.


• Arranque o inversor e assegure-se de que o motor está a funcionar.
• Abra o circuito STO. O motor deve parar. O inversor gera uma indicação se um estiver definido
para o estado ‘a operar’ no parâmetro 31.22 (veja o manual de firmware).Rearme todas as falhas
ativas e arranque o inversor.
• Assegure-se de que o motor se mantém parado e o inversor opera como descrito acima no ponto
de teste da operação quando o motor está parado.Feche o circuito STO.
• Rearme todas as falhas ativas. Reinicie o inversor e verifique se o motor funciona normalmente.

Documente a assine o relatório do teste de aceitação que atesta que a função de segurança é
segura e aceite para operação.
Função de Binário seguro off 257

Uso
1. Abra o interruptor de ativação, ou ative a funcionalidade de segurança que está ligada
a STO.
2. As entradas STO na unidade de controlo do inversor desligam e a unidade de controlo
do inversor desliga a tensão de controlo dos IGBT do inversor.
3. O programa de controlo gera uma indicação como definido pelo parâmetro 31.22
(consulte o manual de firmware do inversor).
4. O motor é parado por inércia (se a funcionar). O inversor não reinicia enquanto o
interruptor de ativação ou os contactos do relé de segurança estiverem abertos.
5. Desative o STO fechando o interruptor de ativação, ou reiniciando a funcionalidade de
segurança que está ligada a STO.
6. Rearme todas as falhas antes de reiniciar.

AVISO! A função de Binário seguro off não desliga a tensão dos circuitos princi-
pal e auxiliar do inversor. Por isso, os trabalhos de manutenção nas partes elétri-
cas do inversor ou motor só podem ser efetuados depois de isolar o inversor da
alimentação principal.

AVISO! A funcionalidade Binário seguro off é atingida apenas através do conec-


tor XSTO da unidade de controlo do inversor (A41). A verdadeira funcionalidade
Binário seguro off não é obtida através dos conectores XSTO de outras unidades
de controlo (tais como unidade de controlo da alimentação ou da unidade de controlo de
travagem).
A função de Binário seguro off é suportada pelo programa de controlo do inversor ACS880.
Não é suportadas pelo firware de alimentação ou de travagem.

AVISO! (Apenas com motores de íman permanente ou de relutância síncronos


[SynRM]). Em caso de múltiplas falhas do semicondutor de potência a IGBT, o
sistema inversor pode produzir um binário de alinhamento que roda o veio do
motor em 180/p (com motores de íman permanente) ou 180/2p (com motores de relutân-
cia síncronos [SynRM]) graus, independentemente da ativação da função de Binário
Seguro off. p indica o número de pares de polos.

Notas:
• Quando um inversor em funcionamento é parado com a função de Binário seguro off,
o inversor corta a tensão de alimentação do motor e o motor é parado por inércia. Se
isto provocar perigo ou não for aceitável, deve parar o inversor e a maquinaria usando
o modo de paragem apropriado antes de usar a função de Binário seguro off.
• A função de Binário seguro off substitui todas as outras funções da unidade inversora.
• A função de Binário seguro off não é eficaz contra sabotagem ou má utilização
deliberada.
• A função de Binário seguro off foi desenhada para reduzir condições reconhecidas de
perigo. Mesmo assim, nem sempre é possível eliminar todos os perigos potenciais. O
instalador da máquina deve informar o utilizador final sobre os riscos residuais.
258 Função de Binário seguro off

Manutenção
Após a operação do circuito ser validada no arranque, a função STO deve ser mantida
através de testes periódicos. No modo de elevada demanda de operação, o intervalo
máximo de teste é 20 anos. No modo de baixa demanda de operação, o intervalo máximo
de teste é de 2 anos. O procedimento de teste é apresentado na secção Procedimentos
do teste de aceitação (página 256).
Além do teste de ensaio, é boa prática verificar a operação da função quando os outros
procedimentos de manutenção são executados na maquinaria.
Inclua o teste da operação do Binário seguro off como descrito acima na rotina do pro-
grama de manutenção da maquinaria que o inversor executa.
Se for necessário alterar alguma ligação ou componente após o arranque, ou se os
parâmetros forem restaurados, execute o teste apresentado na secção Procedimentos do
teste de aceitação página 256.
Use apenas peças de reserva aprovadas pela ABB.

Deteção de falhas
As indicações apresentadas durante a operação normal da função de Binário seguro off
são selecionáveis pelo parâmetro 31.22 do inversor.
Os diagnósticos da função de Binário seguro off comparam o estado dos dois canais STO.
No caso dos canais não se encontrarem no mesmo estado, a função de reação de falhas
é executada e o inversor dispara a falha "Falha hardware STO). Uma tentativa de usar o
STO numa forma não redundante, ativando por exemplo apenas um canal, disparará a
mesma reação.
Consulte o manual de firmware do inversor sobre as indicações geradas pelo inversor e
para detalhes sobre a direção de indicações de falha e de avisos para uma saída na
unidade de controlo para diagnósticos externos.
Todas as falhas da função de Binário seguro off devem ser reportadas à ABB.
Função de Binário seguro off 259

Dados de segurança
Os dados de segurança da função de Binário seguro off são apresentados abaixo.
Nota: Os dados de segurança são calculados para uso redundante e não se aplicam se
não forem usados ambos os canais STO.
PFHD
SIL/ SFF PFD MTTFd CC Vida útil
Chassis SC PL (T1 = 20 a) Cat. HFT CCF
SILCL (T1 = 2 a)
(%) (1/h) (a) (%) (a)
2×R8i 3 3 e >99 5.57E-11 4.98E-07 19607 >90 3 1 80 20
3×R8i 3 3 e >99 6.39E-11 5.74E-07 15295 >90 3 1 80 20
4×R8i 3 3 e >99 7.22E-11 6.49E-07 12540 >90 3 1 80 20
5×R8i 3 3 e >99 8.05E-11 7.24E-07 10626 >90 3 1 80 20

• O seguinte perfil de temperatura é usado nos cálculos do valor de segurança:


• 670 ciclos on/off por ano com T = 71.66 °C
• 1340 ciclos on/off por ano com T = 61.66 °C
• 30 ciclos on/off por ano com T = 10.0 °C
• 32 °C temperatura da carta a 2.0% do tempo
• 60 °C temperatura da carta a 1.5% do tempo
• 85 °C temperatura da carta a 2.3% do tempo.
• O STO é um tipo A de componente de segurança, como definido na IEC 61508-2.
• Modos de falha relevantes:
• O STO dispara intempestivamente (falha segura)
• O STO não ativa quando solicitado
Ocorreu uma exclusão de falha no modo de falha "curto-circuito na carta de circuito
impresso” (EN 13849-2, tabela D.5). A análise é baseada no pressuposto que uma
falha ocorre de cada vez. Não foram analisadas falhas acumuladas.
• Tempo de reação STO (intervalo detetável mais curto): 1 ms
• Tempo de resposta STO: 2 ms (típico), 25 ms (máximo)
• Tempo de deteção de falha: Canais em diferentes estados durante mais de 200 ms
• Tempo de reação de falha: Tempo de deteção de falha + 10 ms
• Atraso de indicação de falha STO (parâmetro 31.22): < 500 ms
• Atraso de aviso de falha STO (parâmetro 31.22): < 1000 ms

 Abreviaturas
Abr. Referência Descrição
Cat. EN ISO 13849-1 A classificação das peças relacionadas com segurança de um sistema
de controlo no que se refere à sua resistência a falhas e ao seu subse-
quente comportamento em condições de falha, e qual é atingida pela
disposição estrutural das peças, deteção de falhas e/ou pela sua fiabili-
dade. As categorias são: B, 1, 2, 3 e 4.
CCF EN ISO 13849-1 Falha causa comum (%)
CC EN ISO 13849-1 Cobertura do diagnóstico
FIT IEC 61508 Falha em tempo: 1E-9 horas
HFT IEC 61508 Tolerância falha Hardware
MTTFd EN ISO 13849-1 Tempo médio para falha perigosa: (O número total de unidades de
vida) / (o número de falhas perigosas, não detetadas) durante um
intervalo particular de medições sob determinadas condições
PFD IEC 61508 Probabilidade de falha sob pedido
260 Função de Binário seguro off

Abr. Referência Descrição


PFHD IEC 61508 Probabilidade de falhas perigosas por hora
PL EN ISO 13849-1 Nível de desempenho. Níveis a…e correspondem a SIL
SC IEC 61508 Capacidade sistemática
SFF IEC 61508 Fração de falha segura (%)
SIL IEC 61508 Nível de integridade de segurança (1...3)
SILCL IEC/EN 62061 SIL máximo (nível 1…3) que pode ser reivindicado por uma função de
segurança ou subsistema
SS1 IEC/EN 61800-5-2 Paragem segura 1
STO IEC/EN 61800-5-2 Binário seguro off
T1 IEC 61508 Intervalo do teste de ensaio. T1 é um parâmetro usado para definir a
taxa de falha probabilística (PFH ou PFD) para a função ou subsistema
de segurança. É necessário executar um teste de prova com um inter-
valo máximo de T1 para manter a capacidade SIL válida. Deve ser
seguido o mesmo intervalo para manter a capacidade PL y (EN ISO
13849) válida. De notar que quaisquer valores T1 dados não podem
ser considerados como uma garantia.
Veja ainda a secção Manutenção (página 258).

 Declaração de conformidade
Veja a página 194.
Travagem com resistências 261

15
Travagem com resistências

Conteúdo deste manual


Este capítulo descreve como selecionar, proteger e ligar chopper de travagem e resistên-
cias. O capítulo também contém informações técnicas.

Princípio de operação
O chopper de travagem chopper manipula a energia gerada por um motor em desacelera-
ção. O chopper liga a resistência de travagem ao circuito intermédio CC sempre que a ten-
são no circuito excede o limite definido pelo programa de controlo. O consumo de energia
pelas perdas da resistência diminui a tensão até que a resistência possa ser desligada.
262 Travagem com resistências

Choppers de travagem e resistências instaladas em


fábrica
Os seguintes choppers de travagem (opção +D150) e resistências (+D151) estão disponí-
veis para o ACS880-07 (560 ... 2800 kW) como instalado de fábrica. Também é possível
utilizar a opção +D150 com um conjunto de resistências personalizado.
UN Tipo ACS880-07 Tipo chopper de travagem Tipo resistência de travagem
(+D150) (+D150)

ACS880-07-0990A-3
2 × NBRA-659 2 × (2 × SAFUR180F460)
ACS880-07-1140A-3

400 V ACS880-07-1250A-3

ACS880-07-1480A-3 3 × NBRA-659 3 × (2 × SAFUR180F460)

ACS880-07-1760A-3

ACS880-07-0990A-5
2 × NBRA-659 2 × (2 × SAFUR200F500)
ACS880-07-1070A-5

500 V ACS880-07-1320A-5

ACS880-07-1450A-5 3 × NBRA-659 3 × (2 × SAFUR200F500)

ACS880-07-1580A-5

ACS880-07-0800A-7

ACS880-07-0900A-7
690 V 3 × NBRA-669 3 × (2 × SAFUR200F500)
ACS880-07-0950A-7

ACS880-07-1160A-7

Consulte os representante local da ABB sobre a disponibilidade de choppers de travagem


e resistências para outros tipos de acionamento.

Dados técnicos
 Gamas de combinações de chopper/resistência
Ciclo de Ciclo de
funcionamento funcionamento
R Pbrmax Pbrcont Imax (10/60 s) (1/5 min)
UN Chopper(s) Resistências
(ohm) (kW) (kW) (A)
Ptr Irms Ptr Irms
(kW) (A) (kW) (A)

2 × NBRA-659 2 × (2 × SAFUR180F460) 1.2 706 108 1090 575 888 333 514
400 V
3 × NBRA-659 3 × (2 × SAFUR180F460) 1.2 1058 162 1635 862 1332 500 771

2 × NBRA-659 2 × (2 × SAFUR200F500) 1.35 806 108 1210 575 710 333 412
500 V
3 × NBRA-659 3 × (2 × SAFUR200F500) 1.35 1208 162 1815 862 1065 500 618

2 × NBRA-669 2 × (2 × SAFUR200F500) 1.35 807 108 1670 575 514 333 298
690 V
3 × NBRA-669 3 × (2 × SAFUR200F500) 1.35 1211 162 2505 862 771 500 447
Travagem com resistências 263

UN = Tensão nominal
R = Resistência das resistências especificadas (por chopper). Esta é também a resistência mínima permitida do conjunto
de resistência.
Pbrmax = Potência máxima de travagem (1 min a cada 10 mins) de curto prazo
Pbrcont = Potência máxima de travagem contínua
Imax = Corrente de pico máxima
Pbr = Potência de travagem para o ciclo de funcionamento especificado
Irms = Corrente rms correspondente

 Resistências SAFUR
As resistências SAFUR estão disponíveis instaladas na fábrica (opção +D151) e também
disponíveis sepadamente.

UN R ER PRcont
Tipo IPxx
(V) (ohm) (kJ) (kW)

SAFUR125F500 500 4.0 3600 9.0 IP00

SAFUR210F575 575 3.4 4200 10.5 IP00

SAFUR200F500 500 2.7 5400 13.5 IP00

SAFUR180F460 460 2.4 6000 15.0 IP00

UN = Tensão nominal
R = Resistência
ER = Curto impulso de energia que o conjunto de resistências suporta a cada 400 segundos
PRcont = Dissipação de potência (calor) contínua na resistência quando corretamente instalada. A energia ER
dissipa-se em 400 segundos.
IPxx = Grau de proteção

 Dados dos terminais e passa cabos dos cubículos do


chopper/resistência instalados na fábrica
Consulte os esquemas dimensionais entregues com a unidade.
264 Travagem com resistências

Planeamento do sistema de travagem


 Verificação da capacidade do equipamento de travagem
1. Calcule a potência máxima gerada pelo motor durante a travagem (Pmax).
2. Certifique-se de que a potência de travagem do chopper é igual ou superior a Pmax.
Os valores Pbrmax especificados na tabela de gamas na página 262 são para o ciclo
de travagem de referência (1 minuto de travagem, 9 minutos de repouso). Se o ciclo
de funcionamento atual não corresponder ao ciclo de referência, deve ser usada a
potência máxima de travagem permitida (Pbr). Na tabela de gamas, Pbr é apresentado
para dois ciclos de travagem adicionais. Consulte abaixo as instruções sobre o
cálculo de Pbr para outros ciclos de travagem.
3. Verifique a seleção da resistência. A energia gerada pelo motor durante um período
de 400 segundos não deve exceder a capacidade de dissipação de calor da resistên-
cia (ER).
Se a resistência ER não é suficiente, é possível usar um conjunto de quatro resistên-
cias onde duas resistências são ligadas em paralelo, duas em série. O valor ER do
conjunto das quatro resistências é quatro vezes o valor de uma única resistência.

Resistências personalizadas
Estão disponíveis outras resistências como opção +D151, desde que
• a resistência não inferior ao valor apresentado na tabela de gamas (página 262)

AVISO! Nunca use uma resistência de travagem com uma resistência inferior ao
valor especificado para a combinação específica acionamento / chopper de trava-
gem / resistência. O acionamento e o chopper não conseguem aguentar a sobre-
corrente provocada pela baixa resistência.

• a resistência da resistência personalizada não restringe a capacidade de travagem


necessária, i.e.

UCC2
Pmax <
R

onde
Pmax Potência máxima gerada pelo motor durante a travagem
UCC Tensão sobre a resistência durante a travagem. UDC igual a
1.35 · 1.25 · 415 V CC (quando a tensão de alimentação é 380 a 415 V CA)
1.35 · 1.25 · 500 V DC (quando a tensão de alimentação é 440 a 500 V CA) ou
1.35 · 1.25 · 690 V DC (quando a tensão de alimentação é 525 a 690 CA)
R Resistência óhmica (ohm)

• a capacidade de dissipação de calor ER da resistência é suficiente para a aplicação


(veja o passo 3 acima).
Travagem com resistências 265

Cálculo da potência máxima de travagem (Pbr)


• A energia de travagem transferida durante um período de dez minutos deve ser
menor ou igual à energia transferida durante o ciclo de travagem de referência.
• A potência de travagem não deve exceder o valor nominal máximo Pbrmax.

1. n × Pbr × tbr < Pbrmax × 60 s


2. Pbr < Pbrmax

n = Número de impulsos de travagem durante um período de 10 minutos


Pbr = Potência de travagem máxima permitida (kW)
tbr = Tempo(s) de travagem
Pbrmax = Potência de travagem máxima para um ciclo de referência (kW)

Exemplo 1
A duração de um ciclo de travagem é 30 minutos. O tempo de travagem é 15 minutos.
Resultado: Se o tempo de travagem exceder os 10 minutos, a travagem é considerada
contínua. A potência de travagem contínua permitida é 10% da potência de travagem
máxima (Pbrmax).
Exemplo 2:
A duração de um ciclo de travagem (T) é 3 minutos. O tempo de travagem (tbr) é
40 segundos.

Pbrmax x 60 s
1. Pbr < = 0.375 x Pbrmax
4 x 40 s

Pbr

Pbrmax

600 s t
T tbr

2. Pbr < Pbrmax OK

Resultado: A potência de travagem máxima permitida para o ciclo é 37% do valor


nominal dado para o ciclo de referência.
266 Travagem com resistências

 Seleção e passagem dos cabos de uma resistência personalizada


Use o mesmo tipo de cabo para a cablagem da resistência e para a cablagem de entrada
do acionamento para assegurar que os fusíveis de entrada também protegem o cabo da
resistência. Em alternativa, pode ser usado cabo blindado de dois condutores com a
mesma secção.

Minimização da interferência eletromagnética


Cumpra as regras para minimizar a interferência eletromagnética provocada pelas
alterações rápidas de corrente nos cabos da resistência:
• Isole completamente a linha de potência de travagem, usando cabo blindado ou
armação metálica. O cabo de par único não blindagem apenas pode ser usado se
passado no interior de um armário que suprima eficazmente as emissões irradiadas.
• Instale os cabos afastados de outros percursos de cabos.
• Evite percursos longos paralelos com outros cabos. A distância mínima de separação
de cablagem paralela deve ser 0.3 metros (1 ft).
• Cruze todos os outros cabos nos ângulos corretos.
• Mantenha o cabo o mais curto possível para minimizar as emissões irradiadas e o
stress nos IGBT do chopper. Quanto mais longo o cabo mais elevadas as emissões
irradiadas, carga indutiva e picos de tensão sobre os semicondutores do IGBT do
chopper de travagem.

Comprimento máximo do cabo


O comprimento máximo do(s) cabo(s) da resistência é 50 m (164 ft).

Conformidade EMC da instalação completa


Nota: A ABB não verificou se os requisitos EMC são cumpridos com resistências de tra-
vagem e cablagem personalizadas. A conformidade EMC da instalação completa deve
ser verificada pelo cliente.

Colocação das resistências de travagem personalizadas


Instale as resistências no exterior do acionamento num local onde possam arrefecer
eficazmente.
Organize o arrefecimento da resistência de forma que:
• não exista perigo de sobreaquecimento para a resistência ou materiais próximos, e
• a temperatura da sala onde a resistência se encontra não exceda o máximo permitido.
Alimente a resistência com ar/água de refrigeração de acordo com as instruções do
fabricante da resistência.

AVISO! Os materiais junto da resistência de travagem têm de ser não inflamáveis.


A temperatura da superfície da resistência é elevada. A temperatura do fluxo do ar
proveniente da resistência é de centenas de graus Celsius. Se as ventoinhas de
exaustão estiverem ligadas a um sistema de ventilação, certifique-se de que o material
suporta temperaturas elevadas. Proteja a resistência contra contacto.

 Proteção do motor contra sobrecarga térmica


O chopper de travagem protege-se a si mesmo e aos cabos da resistência contra sobre-
carga térmica quando os cabos são dimensionados de acordo com a corrente nominal do
acionamento. Por efeito, uma falha do chopper de travagem resulta da paragem da uni-
dade de alimentação do acionamento.
Travagem com resistências 267

Proteção térmica das resistências


As resistências standard disponíveis como opção +D151 estão equipadas com um interrup-
tor térmico. Os interruptores das resistências são cablados em série e ligados à entrada
ativa do chopper de travagem. A saída a relé do chopper é ligada à unidade de controlo da
alimentação para que no caso de uma condição de falha do chopper a unidade de alimenta-
ção seja parada.
Com resistências personalizadas, deve ser implementada uma proteção similar. Use
gama de cabo como se segue:
• recomendado par entrançado e blindado
• tensão de operação nominal entre um condutor e a terra (U0) > 750 V
• tensão de teste de isolamento > 2.5 kV.
Manter o cabo o mais curto possível.

 Proteção do cabo da resistência contra curto-circuitos


Os fusíveis de entrada do acionamento também protegem o cabo da resistência desde
que este seja do mesmo tipo do cabo de entrada.

Instalação mecânica das resistências de travagem


personalizadas
Siga as instruções do fabricante da resistência.

Instalação elétrica de resistências de travagem


personalizadas
 Esquema de ligação

Chopper de travagem

X1
R+ R‚ 1 2

1 2 3

R+ R‚

Resist. de travagem
268 Travagem com resistências

 Procedimento de ligação

AVISO! Cumpra as instruções no capítulo Instruções de segurança. O


não cumprimento das mesmas pode provocar ferimentos ou morte, ou
danificar os equipamentos.

• Verifique os passos na secção Precauções antes do trabalho elétrico na página 19


antes de iniciar o trabalho.
• Ligue o cabo da resistência apenas na extremidade da resistência. Se for usado um
cabo blindado com três condutores, corte o terceiro condutor. Ligue à terra a blinda-
gem entrançada do cabo, assim como qualquer condutor PE separado (se presente).
• Na extremidade do cabo do chopper, ligue em conjunto os condutores R+ e R- do
cabo da resistência. Meça a resistência do isolamento entre os condutores combina-
dos e o condutor PE utilizando uma tensão de medição de 1 kV CC. A resistência de
isolamento deve ser superior a 1Mohm.

R+

R-
ohm
PE

• Ligue o cabo da resistência aos terminais R+ e R- do chopper. Se for usado um cabo


blindado com três condutores, corte o terceiro condutor. Ligue à terra a blindagem
entrançada do cabo, assim como qualquer condutor PE separado (se presente).
• Ligue o interruptor térmico da resistência de travagem à entrada ativa (X1) na carta de
controlo do chopper de travagem. Use o cabo especificado em Proteção térmica das
resistências (página 267). Se existirem múltiplos interruptores térmicos, ligue os
mesmos em série.

AVISO! A bloco terminal da entrada ATIVA do chopper de travagem está no


potencial do circuito intermédio quando a unidade de alimentação do aciona-
mento está a funcionar. Esta tensão é extremamente perigosa e pode provocar
danos ou ferimentos graves se o nível de isolamento e as condições de proteção para os
interruptores térmicos não forem suficientes. Os interruptores térmicos deve ser sempre
devidamente isolados (mais de 2,5 kV) e revestida contra contacto.

Arranque
Verifique as configurações dos seguintes parâmetros do programa de controlo do inversor
(Programa primário de controlo do ACS880):
• 30.30 Controlo sobretensão: Controlo de sobretensão desativado.
Sobre os ajustes de outros programas de controlo, consulte o manual de firmware apropriado.
Nota: As novas resistências podem ser revestidas com lubrificante de armazenamento.
Quando o chopper de travagem funciona pela primeira vez, o lubrificante queima e pode
produzir algum fumo. Certifique-se de que existe ventilação adequada.
Informação adicional
Consultas de produtos e serviços
Envie todas as consultas sobre produtos para o representante local da ABB, indicando
a designação do tipo e o número de série da unidade em questão. Está disponível uma
lista de contactos ABB dos departamentos de vendas, serviço ao cliente e Service em
www.abb.com/searchchannels.

Formação em produtos
Para informações sobre formação em produtos ABB, aceda a
new.abb.com/service/training.

Informação sobre os manuais de Conversores de Frequência ABB


Agradecemos os seus comentários sobre os nossos manuais. Aceda a
new.abb.com/drives/manuals-feedback-form.

Biblioteca de documentação na Internet


Estão ainda disponíveis na Internet manuais e outros documentos dos nossos produtos
em formato PDF em www.abb.com/drives/documents.
Contacte-nos

www.abb.com/drives
www.abb.com/drivespartners

3AUA0000147983 Rev C (PT) 2015-07-20