Sie sind auf Seite 1von 46

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE UBERABA - CESUBE

DANIEL FERREIRA DA SILVA

O PODER DA MÚSICA E DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O


DESENVOLVIMENTO HUMANO

UBERABA - MG
2010
DANIEL FERREIRA DA SILVA

O PODER DA MÚSICA E DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O


DESENVOLVIMENTO HUMANO

Monografia apresentada como requisito parcial


para a obtenção do grau de Licenciado em
Educação Física, do Curso de Educação
Física, do Centro de Ensino Superior de
Uberaba - CESUBE.

Orientador: Prof. Ms. Carlos Alberto de Queiroz


Júnior

UBERABA - MG
2010
Dedico em especial ao Deus todo
poderoso que tudo criou sem Ele
nada sou. Aos meus pais, que me
ensinaram a lutar pra alcançar meus
sonhos.
AGRADECIMENTOS

Além de dedicar agradeço primeiramente a Deus merecedor de toda honra e


glória, Ele é a razão da minha existência. Tu és meu tudo! Aos meus pais
Iolanda e José que sempre me incentivaram a estudar, minha irmã Débora,
minha namorada Valéria um presente de Deus, aos meus familiares, amigos
em especial, Juliana, que parceiros fomos até o fim.
“Por quanto, ainda que a figueira não
floresça, nem haja fruto na vide; o
produto da oliveira minta, e os
campos não produzam mantimento;
as ovelhas da malhada sejam
arrebatadas, e nos currais não haja
vacas, todavia, eu me alegrarei no
Senhor, exultarei no DEUS da minha
salvação” HC 3.17;18
RESUMO

O objetivo desta pesquisa bibliográfica foi demonstrar a importância da música


e da educação física para a criança e para o ser humano no geral. Afirma-se
que os benefícios das mesmas na vida psicomotora e social de todas as
pessoas são de suma importância para um bom desenvolvimento na escola em
todos os outros anos da vida humana, lembrando que a criança é um ser que
capta e qualifica todos os sons e ruídos que ouve desde a gestação ao nascer
até a fase adulta. A literatura disponível sobre a utilização da música para
beneficiar a socialização e a motricidade pode favorecer para motivar as
pessoas em geral, infiltrar mais a música na vida da criança e do adulto e
idoso, sempre á favor do desenvolvimento humano.

Palavras-chave: música. crianças. seres humanos. motricidade. educação


física.
ABSTRACT

The purpose of this literature was to demonstrate the importance of music and
physical education for children and for humans in general. It is argued that the
benefits of the psychomotor and social life of all people are of paramount
importance for a good development in the school in all other years of life,
remembering that the child is a being that captures and classifies all sounds
and you hear noises from gestation at birth until adulthood. The available
literature on the use of music to benefit from socialization and motor skills can
contribute to motivate people in general, infiltrating more music in the lives of
children and adults and the elderly, will always favor human development.

Keywords: music. children. humans. motility. physical education.


SUMÁRIO

INTRODUÇÃO.................................................................................................................................... 9
CAPÍTULO 1 MÚSICA...................................................................................................................... 10
1.1 Divisões da música.................................................................................................................... 10
1.2 As qualidades da música........................................................................................................... 11
1.3 Os efeitos da música no cérebro............................................................................................... 15
CAPÍTULO 2 A MÚSICA E A EDUCAÇÃO FÍSICA................................................................. 18
2.1 A Musicalização e a motricidade............................................................................................ 21
2.2 A música como estratégia para a socialização....................................................................... 23
CAPÍTULO 3 ATIVIDADES MUSICAIS PARA DIVERSAS IDADES DA VIDA DO SER
HUMANO.............................................................................................................................................. 25
3.1 Crianças de 0 a 10 anos ............................................................................................................ 25
3.2 Adolescentes.............................................................................................................................. 29
3.3 Adultos....................................................................................................................................... 34
3.4 Idosos.......................................................................................................................................... 39

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS .......................................................................................................... 45

REFERÊNCIAS................................................................................................................................... 46
9

INTRODUÇÃO

A música e a Educação Física a cada dia mais conquista o seu espaço,


devido à linguagem ser vista como forma de fácil entendimento e aceitação,
atendendo hábitos, atitudes, comportamentos, sentimentos, sons e outros. O efeito
de memorização e aprendizagem através da música é muito positivo tanto no
contexto escolar como fora dele. O efeito da música dentro do nosso cérebro vem de
forma muito coerente e conclusiva para vários raciocínios e ensinamentos concretos
do nosso cotidiano.
As mensagens propostas pela música fazem com que as pessoas captem
com entusiasmo e motivação o que quer ser passado, devido o ritmo e o som
estarem de acordo com sua imaginação.
A música propõe uma forma variável de entender as pessoas, sentimentos
cotidianos, tristezas, angustias e outros. Trás o som, as imagens, a altura, a
intensidade, ritmo e timbre...
Na infância a criança tem que conviver com a música para que ela possa
trazer habilidades motoras, rítmicas, auditivas e afetivas para o seu cotidiano e
entender que a partir daí ela possa maturar seu conhecimento tanto na escola,
quanto na família e na sociedade.

A integração entre os aspectos sensíveis, afetivos, estéticos e


cognitivos, assim como a promoção de interação e comunicação
social, conferem caráter significativo a linguagem musical. É uma
das formas importantes de expressão humana, o que por si só
justifica sua presença no contexto da educação, de um modo geral,
e na educação infantil, particularmente (RCNEI, 1998, p.45).
10

CAPÍTULO 1 MÚSICA

Segundo Chiarelli e Barreto(2005, não paginado), a música esteve e está


presente na vida dos seres humanos ultrapassando o tempo e o espaço. É uma
linguagem universal que está em toda parte do mundo, que quebra barreiras e
preconceitos e representa culturas.
A música tem diversas formas, intenções, com sons e funções diversas. Uma
mesma música tocada em lugares diferentes certamente terá também diferentes
significados, mas é uma das mais importantes formas de linguagem de comunicação
do mundo. Atualmente ainda existem outras definições, mas de um modo geral ela é
ciência e arte dependendo com o que se relaciona.
Gainza (1988, p. 22, apud CHIARELLI; BARRETO, 2005, não paginado),
ressalta que: “A música e o som, enquanto energia, estimulam o movimento interno
e externo no homem; impulsionam-no a ação e promovem nele uma multiplicidade
de condutas diferentes”.

1.1 Divisões da música

De acordo com Weigel (1988, p. 10, apud CHIARELLI; BARRETO, 2005, não
paginado), afirma que a música é dividida basicamente por:

 Som: são as vibrações audíveis e regulares de corpos


elásticos, que se repetem com a mesma velocidade, como as
do pêndulo do relógio. As vibrações irregulares são
denominadas ruído.
 Ritmo: é o efeito que se origina da duração de diferentes
sons, longos ou curtos.
 Melodia: é a sucessão rítmica e bem ordenada dos sons.
 Harmonia: é a combinação simultânea, melódica e
harmoniosa dos sons.

Segundo (CHIARELLI; BARRETO, 2005, não paginado), cada elemento ou


divisão da música atinge a um aspecto humano especifico, que atua com
exclusividade ou mais intensamente: o ritmo musical instiga ao movimento corporal,
11

a melodia estimula a afetividade, a harmonia favorece ativamente para a afirmação


ou para restauração da organização mental do homem.

1.2 As qualidades da música

Podemos dizer que a música também tem as suas qualidades. E essas


qualidades organizadas dentro de suas divisões (ritmo, melodia, e harmonia), é o
que da sentido da música.
Segundo Alencar (2003), as qualidades da música são divididas em: altura-
um som pode ser grave ou agudo, varia conforme as vibrações emitidas. Se a
freqüência da onda sonora é baixa mais grave será o som, e quanto maior a
freqüência da onda sonora o som será mais agudo. A turbina de avião e um trovão
emitem sons graves, por sua vez os pássaros e uma flauta, por exemplo, emitem
sons mais agudos. Duração- a duração de um som pode ser classificada em curto e
longo. O som caminha com velocidades diferentes dependendo do material que é
utilizado. O material plástico emite sons curtos e o sino de uma igreja emite sons
mais longos, ou seja, duração é o tempo que um som pode durar. Intensidade- é a
amplitude de sua onda pode ser fraco ou forte. Pode variar conforme a força de
toque ou ataque. Um prato de uma bateria acústica ser tocada com forças diferentes
emitirá sons mais fracos ou mais fortes. Timbre – pode se dizer que é a
singularidade, a particularidade de cada tipo de som. Observe que dois violões, um
com cordas de aço tem uma diferença na emissão do som de um violão com cordas
de nylon. Também observe o barulho de um carro e de uma campainha tem suas
diferenças. Densidade – é um agrupamento de sons simultâneos. Observe numa
banda existem vários instrumentos, contra baixo, violão, bateria etc. quando estes
instrumentos se juntam para uma apresentação. Também numa área central de uma
cidade vários tipos de sons se juntam de forma aleatória, esses exemplos definem
bem o que é densidade do som.
Abaixo nas figuras exemplificamos as qualidades do som em forma de
imagens.
12

Fig.1 trovão (som grave)


Fonte: Google imagens

Fig. 2 flauta doce (som agudo)


Fonte: Google imagens
13

Fig. 3 sino (duração)


Fonte: Google imagens

Fig. 4 violino (timbre)


Fonte: Google imagens
14

Fig. 5 sax (timbre)


Fonte: Google imagens

Fig. 6 vários instrumentos (densidade do som)


Fonte: Google imagens
15

1.3 Os efeitos da música no cérebro

Segundo Octaviano (2010, não paginado), a música é capaz de trazer a tona


sentimentos e lembranças. Com variados significados e percepções diferentes, é
possível afirmar que cada pessoa é capaz de percebê-la de modos diferentes. Ela
aciona várias partes do cérebro, havendo a possibilidade de induzir atos,
pensamentos ou emoções como na música gospel, romântica, clássica ou ainda
mais agitada.
Ainda segundo Octaviano (2010, não paginado), pelo que a música
representa em alguns momentos da vida, é um fato que tenhamos uma relação mais
forte com certos tipos de música. Assim sendo é possível afirmar ainda que, existem
níveis coletivos, ou seja, grupos sociais que tendem se adequarem conforme suas
identidades e ainda um nível individual caracterizados pelas experiências pessoais,
levando a audição também individualizada. E também as construções sociais que
estamos relacionados, além das lembranças são responsáveis também pelo tipo de
som que se ouve ou se faz uma música.
Mas afinal como o cérebro humano recebe a música? Que áreas são afetadas
e quais reações ela provoca no organismo?
Segundo Octaviano (2010, não paginado).

Após o som ser transmitido por moléculas através do ar, ele chega
ao tímpano, que se agita para dentro ou para fora, conforme a
amplitude e volume do som que recebe, e também da altura desse
som, isto é, se ele é grave ou agudo. Entretanto, nesse estágio, o
cérebro recebe apenas uma informação incompleta, sem distinção do
que o barulho realmente representa – se ele é de vozes, do vento, de
máquinas etc. O resultado final, decodificado pelo cérebro,
representa uma imagem mental do mundo físico, que é gerado a
partir de uma longa cadeia de eventos mentais.”
O primeiro processo dessa cadeia, pode-se dizer que é a “extração
de características”, quando o cérebro apenas percebe as
características básicas da música, por meio das redes neurais
especializadas. Nessa fase, o som é decomposto em elementos
básicos como altura, timbre, localização no espaço, intensidade,
entre outros. Isso ocorre nas partes periféricas do cérebro. O
segundo passo ocorre nas partes superiores cerebrais, quando é
preciso integrar essas informações básicas adquiridas, de forma a
obter uma percepção completa.

Ainda sobre os efeitos da música Octaviano (2010, não paginado).


16

O cérebro enfrenta três dificuldades nas fases mencionadas acima,


nas quais deverá provocar alguma reação no indivíduo: “primeiro, a
informação que chega aos receptores sensoriais é indiferenciada em
termos de localização, fonte e identidade. Segundo, a informação
sonora é ambígua: diferentes sons podem gerar padrões de ativação
similares ou idênticos ao atingirem o tímpano. “Terceiro, a
informação sonora é incompleta”. Logo, uma das funções dessas
etapas é fazer uma espécie de cálculo estimado do que está
acontecendo realmente no mundo, o que permite afirmar que a
percepção auditiva é um processo de inferência.
Pode-se afirmar que a atividade musical envolve quase todas as
regiões do cérebro e os subsistemas neurais. Quando uma música
emociona, são ativadas estruturas que estão nas regiões instintivas
do verme cerebelar (estrutura do cerebelo que modula a produção e
liberação pelo tronco cerebral dos neurotransmissores dopamina e
noradrenalina), e da amídala (principal área do processamento
emocional no córtex) . Na leitura musical, o córtex visual é a área
utilizada. O ato de acompanhar uma música é capaz de ativar o
hipocampo (responsável pelas memórias) e o córtex frontal inferior.
Já para a execução de músicas, são acionados os lobos frontais – o
córtex motor e sensorial.”

Abaixo relata as regiões do cérebro as quais a música penetra e é codificada.


A partir do momento que a música é ouvida e os locais onde cada som, ou seja,
timbre, densidade, altura e outros são caracterizados e identificados.

MÚSICA NA MENTE

A atividade musical envolve quase todas as regiões cerebrais conhecidas e quase todos os
subsistemas neurais

A audição da música começa com as estruturas subcorticais (abaixo


do córtex) - o núcleo cloclear, o bulbo cerebral, o cerebelo - e então
se move para cima, para o córtex auditivo, de ambos os lados do
cérebro.

Ao acompanharmos músicas que conhecemos, ou que sejam de um


estilo ao qual somos familiarizados, regiões adicionais são
mobilizadas, incluindo o hipocampo - o centro da memória - e
subseções do lobo frontal, particularmente o córtex frontal inferior.

Acompanhar o ritmo da música quer em voz alta ou somente em


nossa mente, envolve os circuitos de tempo do cerebelo.
17

A execução musical envolve os lobos frontais para o planejamento,


o córtex motor na parte posterior do lobo frontal e o córtex sensorial,
o qual fornece respostas táteis.

A leitura musical envolve o córtex visual, localizado na parte mais


traseira do cérebro, no lobo occipital.

Ouvir ou lembrar-se da letra invoca os centros da linguagem,


incluindo as áreas de Broca e Wernicke, bem como outros centros
de linguagem nos lobos temporal e frontal.

As emoções que experimentamos em resposta à música envolvem


estruturas que estão nas regiões instintivas do verme cerebelar e da
amídala - o coração do processamento emocional no córtex.

Quadro 01: Efeitos da atividade musical no cérebro


Fonte: http://www.slideshare.net/zybegy/msica-na-mente

Como se pode ver no quadro acima, com uma complexa cadeia de eventos
mentais, a música atinge quase todas as áreas do cérebro. Diante dessas
informações, vamos mostrar as possibilidades existentes dentro deste conteúdo
para o trabalho o desenvolvimento da criança e do ser humano no geral.
18

CAPITULO 2 A MÚSICA E A EDUCAÇÃO FÍSICA

A inteligência humana inicialmente é determinada pela sua estrutura genética,


portanto essa pode ser desenvolvida através de estímulos. De acordo com vários
estudos de cientistas de todo mundo, a música favorece o aumento das conexões
entre os neurônios, respeitando as particularidades de cada individuo. Segundo
Nogueira (2003), pesquisas em diferentes países e épocas diferentes principalmente
nas décadas finais do século XX, verificam a influência da música no
desenvolvimento da criança. Outras revelam que os bebês, ainda no útero materno,
reagem a estímulos sonoros.
De acordo com Gainza (1988, apud MOREIRA 2008 p.95): “Educar-se na
música é crescer plenamente e com alegria. Desenvolver sem dar alegria não é
suficiente. Dar alegria sem desenvolver, tampouco é educar”. Segundo Campos
(2010), a música tem o poder de criar e libertar, sendo assim torna-se um recurso de
grande poder na educação da criança. É necessário que a criança seja acostumada
em seu cotidiano a expressar-se musicalmente no inicio de sua vida, de modo que a
música venha preencher e favorecer permanentemente seu ser.
Martins (1996), comenta, não paginado que certos tipos de música envolvidas
em atividades físicas, podem estimular de forma tal que, aumentaria a duração do
tempo da atividade e ainda prolongaria a regularidade da atividade física. Comenta
ainda que pesquisas feitas por diversos especialistas, que relacionaram a influência
da música no exercício físico, com ritmos lentos e rápidos, com intensidade variada,
constataram-se que a música realmente afeta o desempenho antes ou durante a
prática de atividade em todas as faixas etárias. Ela atua facilitando a prática da
atividade, uma vez que o organismo trabalha sob seus próprios ritmos específicos.
Se o corpo tem sua própria estrutura rítmica, isso demonstra que se o exercício for
direcionado por um ritmo musical, o corpo compreenderá a informação, deixando-se
levar pela música, assim será um meio de facilitar a execução do movimento.
A música utilizada conjuntamente com os movimentos proporcionados pelos
jogos, lutas, brincadeiras, esportes, bem como outros conteúdos da educação física,
proporciona uma gama de elementos cruciais para o desenvolvimento do ser
humano, além de tornar-se essencial para a integração de vários outros elementos
para que a criança, o adolescente, o jovem, o adulto e/ou o idoso tenha capacidade
19

plena biopsicossocial para sua vida diária. Segundo Camargo (1996, apud
MARTINS, 1994 página 18), "A música exerce efeito estimulante sobre a
motricidade, podendo esta ser ativada ou retardada de acordo com o caráter
melódico ou a tonalidade da peça musical”.
O cantar contribui para o relaxamento, e a aprendizagem. Para tal afirmação
Barreto (2000) observa que:
O relaxamento depende da concentração e por isso só já possui um
grande alcance na educação de crianças dispersivas, na reeducação
de crianças ditas hiperativas e na terapia de pessoas ansiosas,
crianças com problemas de adaptação geralmente apresentam
respiração curta e pela boca, o que dificulta a atenção concentrada,
já que esta depende do controle respiratório.

Braga e Oliveira (2009, página 42) também relatam que a música é uma das
formas de expressões mais evidentes no cotidiano, propiciando de forma positiva no
desenvolvimento rítmico, ou seja, elemento essencial para o aprendizado não só da
música, mas da dança e atividades físicas em geral.
Segundo Snyders (1992, apud CHIARELLI; BARRETO, 2005, não paginado),

A função mais evidente da escola é preparar os jovens para o futuro,


para a vida adulta e suas responsabilidades. Mas ela pode parecer
aos alunos como um remédio amargo que eles precisam engolir para
assegurar, num futuro bastante indeterminado, uma felicidade
bastante incerta. A música pode contribuir para tornar esse ambiente
mais alegre e favorável à aprendizagem, afinal “propiciar uma alegria
que seja vivida no presente é a dimensão essencial da pedagogia, e
é preciso que os esforços dos alunos sejam estimulados,
compensados e recompensados por uma alegria que possa ser
vivida no momento presente” (SNYDERS, 1992, p. 14).

Braga (2002, apud BRAGA E OLIVEIRA 2009, p. 42), afirma que:

A Educação Física tem como principal objeto de estudo o


movimento humano, e na Educação Física escolar se espera dos
docentes que propiciem aos educandos formas diferenciadas de se
movimentar, para que reflitam sobre o seu espaço no mundo em que
vivem. No contexto escolar a Música tem a finalidade de ampliar e
facilitar a aprendizagem do educando. Ela ensina o indivíduo a ouvir
e a escutar de maneira ativa e reflexiva, e quando aliada às práticas
corporais se torna ferramenta pedagógica útil, estimulando e
motivando a criação e a vivência de novos movimentos corporais.

É inegável que a música exerce um importante papel em diversos aspectos,


entretanto deve ser destacado que: Martins (1996, p. 18), uma atividade física não
deve somente desenvolver linhas melódicas, ou formas musicais, mas que a
20

atividade esteja de forma coerente com a música, ou seja, tem que haver uma
conexão entre a música e a atividade para que o objetivo seja alcançado
satisfatoriamente.
Segundo Pavlovic (1987, apud MARTINS, 1994 página 11),

As vibrações musicais provocam vibrações corporais. A música


tonifica, exalta, alivia. Num animado murmúrio geral libertam-se a
timidez e as frustrações e, levado pela corrente musical, o
participante deixa-se invadir por extraordinárias sensações corporais.
A música faz com que se esqueça um pouco o corpo e as suas
fraquezas, com que se purifique pela beleza um gesto em particular,
participando ao máximo da aula.

Como citado anteriormente, a importância e a complexidade desse assunto é


bom mostrar um pouco sobre a Teoria das Inteligências Múltiplas pra que se tenha
uma maior compreensão do assunto em questão.
Miranda (2000, não paginado) comenta que as inteligências eram definidas
por um padrão único, isto é, não haveria variações. Que as pessoas nasciam com
um grau de inteligência. Inicialmente criou-se o teste de QI (Quociente Intelectual),
que avaliava o grau dessa inteligência valorizando a inteligência verbal e lógica.
Sendo assim formou-se a idéia que a inteligência era única de modo que era
passível de ser medida.
Gardner (1995 apud KRUSZIELSKI, 1999, não paginado), sugere que há
habilidades que são individualizadas com diferentes níveis e combinações, que se
chamou a Teoria das Inteligências Múltiplas, que são: inteligência musical, corporal-
cinestésica, lógico-matemática, lingüística, espacial, interpessoal e intrapessoal;
também destaca que essas diversas habilidades ou inteligências devem ser
desenvolvidas, estimuladas. Dentre elas destaca a música como uma das sete
inteligências. A inteligência musical além da capacidade para o domínio do
instrumento fundamenta-se no reconhecimento de padrões tonais, dos sons do
ambiente e a sensibilidade para ritmos e batidas.
Segundo Chiarelli e Barreto (2005), a escola não deve destacar somente
capacidades especificas, mas oferecer várias oportunidades para que o aluno venha
se destacar em alguma delas.
Ainda no contexto escolar, Chiarelli e Barreto (2005), comentam que a música
favorece para um ambiente mais alegre, acalma e relaxa nas atividades físicas e é
um meio importante para o aprendizado de outras disciplinas. E levando os alunos a
21

vivenciarem diversos gêneros possibilita um maior conhecimento musical mostrando


outros pontos de vista que os tornam mais críticos e reflexivos.
Vale ressaltar que a escola não vem com o objetivo de produzir músicos, mas
sim à compreensão da linguagem musical promovendo a cultura, a liberdade de
expressar sentimentos e emoções. Podem ser observados outros fatores que
também implicam no desenvolvimento infantil, que é levado pra vida toda como:
concentração, memória, coordenação motora grossa e fina, socialização, acuidade
auditiva e disciplina (CHIARELLI e BARRETO, 2005).
Nogueira comenta que a música potencializa a aprendizagem cognitiva, numa
vertente mais especifica que é o raciocínio lógico matemático, da memória, do
espaço e do raciocínio abstrato. Quer seja ela por apreciação ou por pratica de um
instrumento. Vale ressaltar que na pratica de um instrumento apresenta maior
coordenação motora fina na mão não dominante, além instigar o cérebro a trabalhar
em rede, por ter que ler uma partitura, por exemplo, e tocar um instrumento.
Segundo Barreto (2000, apud CHIARELLI; BARRETO, não paginado), a
música ligada ao movimento através da dança ou expressão corporal, contribui para
adaptar-se a inibição psicomotora, debilidade psicomotor entre outros. Por esses
motivos é importante que a escola torne um ambiente propicio ao desenvolvimento
nessas questões.
Gainza (1988, p. 22, apud CHIARELLI; BARRETO, 2005, não paginado),
afirma que a música na escola visa também o objetivo de prevenir, e diminuir a
propagação de doenças, nos seguintes aspectos:

 Físico: oferecendo atividades capazes de promover o alívio de


tensões devidas à instabilidade emocional e fadiga;
 Psíquico: promovendo processos de expressão, comunicação
e descarga emocional através do estímulo musical e sonoro;
 Mental: proporcionando situações que possam contribuir para
estimular e desenvolver o sentido da ordem, harmonia, organização
e compreensão.

Ao analisar as informações acima, entendemos que a música e exerce na


educação e no desenvolvimento humano um papel de grande relevância que deve
ser compreendido de modo que venha auxiliar nessa relação.

2. 1 Musicalização e a motricidade
22

A musicalização é um processo importante que acontece juntamente com a


motricidade. Musicalização segundo Bréscia (2003), faz parte da construção do
conhecimento, que visa despertar o interesse para o gosto pela música, favorecendo
o desenvolvimento da sensibilidade, criatividade, senso rítmico, imaginação,
memória, concentração, prazer de ouvir música, autodisciplina, respeito ao próximo,
da socialização e afetividade, além de favorecer para o conhecimento do próprio
corpo e dos movimentos que ele é capaz de realizar.
A motricidade humana é o estudo dos movimentos humanos com
intencionalidade de “ser” no mundo.
Segundo Tibeau (2006) o movimento humano está diretamente ligado ao
ritmo que é notado em todos os momentos da vida. O movimento e o ritmo se
desenvolvem simultaneamente no tempo e espaço. Sendo assim considera-se que o
ritmo é movimento, e que o movimento é ritmo, e estão ligados a percepção
temporal, espacial e proprioceptiva. A música e movimento estão ligados a mesma
origem- o ritmo- que são divididos de acordo com sua manifestação exterior.
Os quatro domínios da natureza humana (cognitivo, afetivo, emocional e
motor), estão fortemente ligados aos elementos ou qualidades da música: ritmo,
melodia, harmonia e andamento (TIBEAU, 2006). Domínios estes que somente
foram citados, porém não aprofundados, pois se tratando de um conteúdo tão
complexo, não conseguiria falar em uma bibliografia muito menos em um único
capítulo.
A ação musical induz ao movimento, seja através do emprego de um
instrumento, apreciação ou do corpo que instiga o homem a ação, promovendo
comportamentos de diferentes graus e qualidades. Baseado nessas informações
pode-se dizer mais uma vez que a música sempre esteve vinculada com o homem,
influenciando na conduta biopsicossocial.
Zampronha (2002), também comenta que os elementos da música estão
ligados diretamente com as condições biopsicossocial do homem. O ritmo possibilita
ao indivíduo tomar consciência de seu corpo; a melodia estimula os estados afetivos
e a harmonia seria responsável por favorecer as atividades intelectuais.
Hanebuth (1968, p.13), associou as atividades motrícicas, e que o ritmo
constitui a coordenação motora e a integração funcional de todas as forças
estruturadoras, tanto corporais, psíquicas e espirituais.
23

De acordo com Tibeau (2006) a percepção cinestesica depende de gestos de


grande amplitude e de deslocamento do corpo. E devem estar organizado e
associado às percepções extereoceptivas: visuais, táteis e auditivas.
Sobre o entendimento da música Tibeal (2006) comenta:

Entender a música é um ato subjetivo, reflexivo, um processo interior


e individual. A música só pode ser entendida quando a experiência
proprioceptiva do autor ressoa corporalmente no espectador. Tomar
consciência do que se ouve implica intencionalidade operante e
intencionalidade dinâmica, que nos abre canais para ir além de nós
mesmos.

2.2 A música como estratégia para socialização.

A música como sempre esteve presente na vida dos seres


humanos, ela também sempre está presente na escola para
dar vida ao ambiente escolar e favorecer a socialização dos
alunos, além de despertar neles o senso de criação e
recreação (FARIA, 2001, p. 24).

. A sociedade é representada pelo conjunto de pessoas ligadas entre si pela


necessidade de apoio mútuo, com o objetivo de garantir a preservação e
continuidade da vida, bem como a satisfazer seus interesses, anseios e
necessidades; é nesta relação que surgem as regras e normas de conduta que
afetam o indivíduo, haja vista que este passa a ter uma liberdade condicionada, que
ora as atende e ora as transgride, gerando conflitos com o seu meio por este não
exercer satisfatoriamente o seu papel social (FARIA, 2001, p. 24).
No entender de Goldman quase nenhuma ação humana tem por sujeito um
indivíduo isolado. O sujeito da ação é um grupo, um ´Nós´, mesmo se a estrutura
atual da sociedade, pelo fenômeno da retificação, tende a encobrir esse ´Nós´ e a
transformá-lo numa soma de várias individualidades distintas e fechadas umas às
outras (GOLDMAN, 1947 apud LANE, 1994, p.10). Socialização numa perspectiva
sociológica são processos pelos quais o indivíduo, no sentido biológico, é integrado
numa determinada sociedade. Os processos de socialização iniciam-se, contudo,
após o nascimento, e através, primeiramente, da família ou outros agentes
24

próximos, da escola, dos meios de comunicação de massas e dos grupos de


referência. Desta forma, pode-se perceber a socialização como processos
continuados através dos quais os seres humanos se interagem, adquirem
conhecimentos e mecanismos de respostas às diferentes circunstâncias do viver
social. Os padrões de laços sociais por meio dos quais fluem as interações sociais
também envolvem a comunicação face a face e a ação orientada para o
comportamento de outras pessoas.
Na visão de Brunner e Zeltner (2000, p. 241), socialização refere-se aos
“processos pelos quais um indivíduo desenvolve suas formas específicas e
socialmente relevantes de comportamento e de vivência, convivendo ativamente
com outras pessoas”.
Dentro das perspectivas apresentadas veremos agora por que a música
promove uma forte relação com o meio social, dentro da escola, família e/ou se
relacionado de outras formas na sociedade.
Segundo Barreto (2000), a música tem o poder de colaborar na formação da
personalidade do individuo, perceber as diferenças entre si e a integrar-se.
Desenvolve a auto-estima e compreender as suas limitações. Favorece o
desenvolvimento da socialização, estimulando a participação e a cooperação,
demonstrar seus sentimentos, emoções fazendo com que aprendam a lidar com a
agressividade.
Assim entendemos que humanos não podem viver isoladamente, pelo
contrario temos a necessidade de nos relacionarmos estarmos continuamente
ligados de forma sistemática, formando essa complexa sociedade em que vivemos.
Usar a música como estratégia na Educação Física para desenvolver nas questões
biopsicossociais dos educandos, pode contribuir efetivamente nessas questões.
25

CAPÍTULO 3 ATIVIDADES MUSICAIS PARA O SER HUMANO

Neste capítulo apresentamos sugestões de atividades musicais as quais


poderão ser utilizadas para o desenvolvimento da motricidade e do desenvolvimento
biopsicossocial para crianças de 0 a 10 anos, adolescentes, adultos, e idosos.

3.1 Sugestões de atividades para crianças de 0 a 10 anos:

Atividade A
1- Nome da música: Cabeça ombro joelho e pé

2-objetivo psicomotor e musical: Esquema corporal, reconhecimento das partes


do corpo, atenção, regras, ritmo, coordenação, diversão e socialização.

3-Tempo de duração da atividade: 3 minutos

4-Material utilizado: DVD, violão, voz, microfone, TV.

5-Desenvolvimento: Coloque os alunos em um circulo, em seguida demonstre os


movimentos de acordo com o ritmo e a melodia da música.
6-letra da música
Álbum: Xuxa Só Para Baixinhos 1 – 2000
Cabeça, ombro, joelho e pé
Joelho e pé Olhos, ouvidos, boca e nariz
Cabeça, ombro, joelho e pé Hum, ombro, joelho e pé
Joelho e pé Joelho e pé

Olhos, ouvidos, boca e nariz Hum, hum, joelho e pé


Cabeça, ombro, joelho e pé Joelho e pé
Joelho e pé Hum, hum, joelho e pé
Joelho e pé
Hum, ombro, joelho e pé
Joelho e pé Olhos, ouvidos, boca e nariz
Hum, ombro, joelho e pé Hum, hum, joelho e pé
Joelho e pé Joelho e pé
26

Hum, hum, hum e pé Olhos, ouvidos, boca e nariz


Joelho e pé Hum, hum, hum e hum
Hum, hum, hum e pé Hum e hum
Joelho e pé
Olhos, ouvidos, boca e nariz Hum, hum, hum e hum
Hum, hum, hum e pé Hum e hum
Joelho e pé Hum, hum, hum e hum
Hum e hum
Hum, hum, hum e hum
Joelho e pé Hum, ouvidos, boca e nariz
Hum, hum, hum e hum Hum, hum, hum e hum
Joelho e pé Hum e hum

Olhos, ouvidos, boca e nariz Hum, hum, hum e hum


Hum, hum, hum e hum Hum e hum
Joelho e pé Hum, hum, hum e hum
Hum e hum
Hum, hum, hum e hum
Hum e pé Hum, hum, boca e nariz
Hum, hum, hum e hum Hum, hum, hum e hum
Hum e pé Hum e hum

Olhos, ouvidos, boca e nariz Hum, hum, hum e hum


Hum, hum, hum e hum Hum e hum
Hum e pé Hum, hum, hum e hum
Hum e hum
Hum, hum, hum e hum
Hum e hum Hum, hum, hum e hum
Hum, hum, hum e hum Hum, hum, hum e hum
Hum e hum Hum e hum
Fonte: http://www.vagalume.com.br/xuxa/cabeca-ombro-joelho-e-pe.html#ixzz13gW4iMhJ
27

Fig. 7 Crianças dançando


Fonte: http://t2.gstatic.com
Atividade B

1- Nome da música: Ciranda cirandinha


2-objetivo psicomotor e musical: Esquema corporal, lateralidade, percepção
espacial e temporal, ritmo e socialização. Mostrar que quem nem todas as coisas
são eternas, e não podemos ter apego com coisas matérias, que pessoas se vão
que sentimentos acabam as vezes mesmo assim precisamos relacionar-se com
elas.

3-Tempo de duração da atividade: de 3 a 4 minutos


4-Material utilizado: DVD, violão, voz, microfone, TV.
5-Desenvolvimento: Coloque os alunos em um circulo em seguida todos de mãos
dadas e inicia-se a canção com alunos realizando movimentos no ritmo da música,
lembrando que pode ser cantada ou ouvida.
6-letra da música

D A7 D
Ciranda cirandinha, vamos todos cirandar,
G D A7 D
Vamos dar a meia volta, volta e meia vamos dar
D A7 D
O anel que tú me destes era vidro e se quebrou,
G D A7 D
O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou
Fonte: http://www.cifraclub.com.br/temas-infantis/ciranda-cirandinha/
28

Fig. 8 Crianças dançando Ciranda cirandinha


Fonte: http://gibarbosa1.blogspot.com/2010/07/cantigas-de-roda.html

Atividade C

1- Nome da música: Marcha soldado

2-objetivo psicomotor e musical: Esquema corporal, propriocepção (cinestesia),


ritmo, socialização e aprender a respeitar regras, respeitar autoridades, e entender
que a pátria na qual fazemos parte e devemos lutar pó ela.

3-Tempo de duração da atividade: 4 minutos

4-Material utilizado: DVD, violão, voz, microfone, TV.

5-Desenvolvimento: Coloque os alunos aleatórios no espaço que irá trabalhar a


música, e movimenta de acordo com o que a musica pede. Os alunos vão marchar e
imitar a coreografia do professor ou líder da brincadeira.
6-letra da música

Marcha soldado,
cabeça de papel.
Quem não marchar direito,
vai preso pro quartel.
O quartel pego fogo,
a policia deu sinal.
Acode,acode,acode a bandeira nacional.
Fonte: http://letras.terra.com.br/temas-infantis/829393/
29

Fig. 9 Crianças brincando de marcha soldado


Fonte: www.linguadecrianca.blogspot.com

3.2 Sugestões de atividades para adolescentes:

Atividade A
1- Nome da música: Que país é esse?
2-objetivo: o saber ouvir, respeitar as regras e saber falar na hora certa,
compreensão, crítica e reflexão de dados sociais, como: corrupção, a protestar pelos
diretos que a sociedade nos oferece. Cadê as riquezas do país?
3-Tempo de duração da atividade: 5 minutos
4-Material utilizado: DVD, violão, voz, microfone, TV.
5-letra da música
(Em C D) Que país é este?
Que país é este?
Nas favelas, no senado Que país é este?
Sujeira pra todo lado Que país é este
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam n futuro da nação (Em C D)
Que país é este? Terceiro mundo se for
Que país é este? Piada no exterior
Que país é este? Mas o Brasil vai ficar rico
(Em C D) Vamos faturar um milhão
No Amazonas, no Araguaia iá, iá, Quando vendemos todas as almas
Na Baixada Fluminense Dos nossos índios em um leilão
Mato Grosso, nas Gerais e Que país é este?
no Nordeste tudo em paz Que país é este?
Na morte eu descanso, mas o Que país é este?
sangue anda solto Que país é este?
Manchando papéis, documentos fiéis
Ao descanso do patrão
http://letras.terra.com.br/legiao-urbana/46973/
30

Fig. 10 Políticos corruptos


Fonte: http://alvarotaniguti.blogspot.com/2010_04_01_archive.html

Fig. 11 Parte de um rosto e olhos pintados a bandeira do Brasil


Fonte: http://showdedomingoam.blogspot.com

Fig. 12 A bandeira do Brasil no rosto de uma pessoa


Fonte: http://www.colegioisrael.com.br
31

Atividade B

1- Nome da música: Pais e filhos


2-objetivo: valorizar os pais e respeitar as escolhas a interpretar os sentidos que a
música propõe e desenvolver a socialização.
3-Tempo de duração da atividade: 7 minutos
4-Material utilizado: DVD, violão, voz, microfone, TV.
5-letra da música:
As Quatro Estações
Faixa: 2
Ano: 1989
Tom: C
C D
Estátuas e cofres Só vou voltar
E paredes pintadas G G C D
Ninguém sabe Depois das três...
O que aconteceu...
F9 Em C
Ela se jogou da janela Meu filho vai ter
Do quinto andar Bm
Nada é fácil de entender... Nome de santo
Am7
Uummhum!
F9 Em C Quero o nome
Dorme agora D
Bm Am7 Mais bonito...
Uuummhum! G C
É preciso amar haahaa as pessoas
É só o vento Em C
D Como se não houvesse amanhã
Lá fora... G C
C D Por que se você parar
Quero colo! Em7
G Prá pensar
Vou fugir de casa C
C D Na verdade não há...
Posso dormir aqui G
G Me diz, por que que o céu é azul
Com vocês Explica a grande fúria do mundo
C D G
Estou com medo São meus filhos
G Que tomam conta de mim...
Tive um pesadelo G
32

Eu moro com a minha mãe Na verdade não há...


Mas meu pai vem me visitar
Eu moro na rua G C
G Sou uma gota d'água
Não tenho ninguém Em C
Eu moro em qualquer lugar... Sou um grão de areia
G G
Já morei em tanta casa Você me diz que seus pais
Que nem me lembro mais C
G C F9 Em Não entendem
Eu moro com os meus pais Em C
C Bm Am7 D Mas você não entende seus pais...
Huhuhuhu!...ouh! ouh!... G
G C Você culpa seus pais por tudo
É preciso amar as pessoas G
Em C Isso é absurdo
Como se não houvesse amanhã G G
G C São crianças como você
Por que se você parar G G
Em O que você vai ser
Prá pensar G
C Quando você crescer?
Fonte: http://www.cifraclub.com.br/legiao-urbana/pais-filhos/

Fig. 13 Mãe e filha após uma briga


Fonte: http://projetosalvacao.blogspot

Fig. 14 Demonstração de carinho


Fonte: http://1sthandserenade.blogspot.com
33

Atividade C
1- Nome da música: Pescador de ilusões
2-objetivo: extravasar as emoções e transpor a vontade de agradecer algo.
3-Tempo de duração da atividade: de 3 a 4 minutos
4-Material utilizado: DVD, violão, voz, microfone, TV.
5-letra da musica
Álbum: Warner 30 Anos: O Rappa
Gravadora: Warner Music
Lançamento: 2006
Am G Am G
Se meus joelhos não doessem mais Com os corais mais coloridos
Am
Diante de um bom motivo (refrão)
G C
Que me traga fé, que me traga fé Valeu a pena, eh eh
Am G Am
Se por alguns segundos eu observar Valeu a pena, eh eh
e só observar G
Am Sou pescador de ilusões
A isca e o anzol, a isca e o anzol Sou pescador de ilusões
G Am
A isca e o anzol, a isca e o anzol Se eu ousar catar
Am G G
Ainda assim estarei pronto pra Na superfície de qualquer manhã
comemorar Am G
Am As palavras de um livro sem final
Se eu me tornar menos faminto Am G
G Sem final, sem final, sem final, final
Que curioso, que curioso (refrão 2x)
Am G
O mar escuro trará o medo lado a lado

Fonte: http://www.cifraclub.com.br/o-rappa/pescador-de-ilusoes/
34

Fig. 17 IDENTIFICAR

Fig. 15 Ilusão
Fonte:http://razaoesensibilidade.zip.net/arch2009-10-16_2009-10-31.html

3.3 Sugestões de atividades para adultos


Atividade A
1- Nome da música: ilariê - Xuxa
2-objetivo: transpor emoções em momentos difíceis e vencer a saudade recordar
3-Tempo de duração da atividade: de 3 a 4 minutos
4-Material utilizado: DVD, violão, voz, microfone, TV.
5-letra da música
Álbum: Xuxa Só Para Baixinhos 6 –
2005
Intro: G D G D G D

G D
Tá na hora, tá na hora
G
Tá na hora de brincar
D
Pula, pula bole, bole
G
Se embolando sem parar
D
Dá um pulo vai pra frente Fig. 16 Mulheres dançando
Fonte: http://www.bomdehumor.com.br/blog
G
De peixinho vai pra trás
D
Quem quiser brincar com a gente
G
Pode vir nunca é demais

G
Ilari, lariê
D
35

O, o, o
Ilari, lariê
G
O, o, o
Ilari, lari , lariê
D
O, o, o
G
É a turma da xuxa que vai dando
seu alô
Fonte: http://www.cifraclub.com.br/xuxa/ilarie/

Atividade B
1- Nome da música: Já posso suportar
2-objetivo: transmitir força, acreditar que tudo um dia pode ser melhor, mensagem
positiva para vidas tão sofridas.
3-Tempo de duração da atividade: de 3 a 4 minutos
4-Material utilizado: DVD, violão, voz, microfone, TV.
5-letra da música
Álbum: Pregador Luo - Música de Guerra

Intro: Gm7 Dm Bb9 F Dm


Quantas vezes parei porque cansei
(Contigo eu sei que eu posso suportar
Senhor, pois teu poder se aperfeiçoa Quantas vezes chorei porque tive
na minha fraqueza Deus...) medo Quantas vezes? Nem sei...
Gm7 Dm quantas vezes?
Por isso eu posso suportar,
Bb9 F F
Por isso eu posso suportar, Ooohh, Meu bom Senhor, só Tu sabe quantas
Então vamos lá!) vezes
Gm7 Gm7
Eu sigo em frente nessa estrada Meus ombros sangram por causa das
eterna feridas
Dm
Dm Que neles se abriram
Com cicatrizes tão profundas Bb9
Bb9 Esse é o preço por carregar, o peso do
Quanto as que um arado deixa na concílio Mas eu não desisto
terra Muita pressão está sobre minhas F
pernas Não vou largar no chão, a arca da
F aliança
Com lágrimas nos olhos Gm7
Gm7 Pois a marca da promessa está sobre
Pois se conta uma história bela minha testa
36

Dm Fortaleceu-se o frágil. Imaginável.


Meus pés inchados doem de tanto Dm
caminhar É o que ainda se reserva pros que
Bb9 crêem
Mas vou ignorar pois tenho lutas pra Bb9
travar Maravilhas e vitórias dignas de um rei
F F
Gm7 Então buscarei, quantas vitórias eu
Deixa sangrar, pois a força que está puder eu Lhe dedicarei
em mim já pode suportar. Por intermédio é que as obtive
Dm
REFRÃO: Mesmo nos dias de crise, dias infelizes
Dm Bb9 Bb9
As dores do mundo, Já posso suportar Trarei o recordo, que o meu Deus vive
F não está morto
Gm7 F
As guerras e aflições, Já posso Seu Espírito habita meu corpo
suportar Eu estou Nele e Ele em mim,
Dm Gm7
Bb9 F Por isso eu canto.
Pela força que em mim está, Já posso
suportar, Já posso suportar. REFRÃO:
Gm7 Bb9 Dm Bb9 F
O maior dos espíritos habita em mim Eu sei que as aflições e tribulações
Dm Gm7 ... Bb9
Eu sou a casa que Ele escolheu para Que passo aqui
morar Dm Bb9
Bb9 F F
Por causa disso, Já posso suportar Jamais vão se comparar com a glória
que há
Gm7 Bb9 A9 [ REFRÃO ]
No final de tudo eu vou poder dizer De se revelar
Dm (Gm7 Dm Bb9 Bb9 F ...)
Que lutei o bom combate, acabei a E ouviu uma grande voz no céu que
carreira Guardei a fé dizia:
F Eis aqui o tabernáculo de Deus com os
Hei de terminar minha batalha em pé homens Gm7
Um dia desses que eu não sei ao certo Pois com eles habitará, e eles serão o
qual é seu povo
Dm E o mesmo Deus estará com eles, e
Isso Acontecerá, Até lá não deixarei de será o seu Deus
acreditar E Deus limpará de seus olhos todas as
Bb9 lágrimas
Que maior é o que está em mim do E não haverá mais morte, nem pranto,
que o que está no mundo nem clamor, nem dor
Sendo assim enfrento tudo Porque já as primeiras coisas são
F passadas.
Tornou-se limpo o imundo, o excluído [ REFRÃO ]
agora é aceitável (Gm7 Dm Bb9 F ...)
Gm7
37

Esta é uma canção, para todas as acidentes, portadores de doenças


pessoas que trazem incuráveis ou que
cravadas em suas almas e em seus cumprem penas longas e até mesmo
corpos, dores injustas, continuem
sobrehumanas, pessoas que perderam crendo! 1 são joão 4:4 - Maior é o
filhos Espírito que está
prematuramente, pessoas que ficaram em vós do que o que está no mundo.
paraplégicas em

Fonte: http://www.cifraclub.com.br/pregador-luo-trazendo-arca/ja-posso-suportar/

Fig.17 Rosto com lagrimas


Fonte: http://letrasimples.blogs.sapo.pt/arquivo/2007_05.html

Fig.18 Luta contra a opressão


Fonte: http://jornalismointegrado09.blogspot.com/2009_11_01_archive.html

Atividade C
1- Nome da música: Só Deus pode restaurar esse amor
2-objetivo: perdoar, valorizar a família e as pessoas que amamos.
3-Tempo de duração da atividade: de 3 a 4 minutos
38

4-Material utilizado: DVD, violão, voz, microfone, TV.


5-letra da música
G C9
Quero te pedir meu senhor G D9
G C9 Só Deus pode restaurar esse amor
Atenda agora o meu clamor C9 G/B
G D/F# Em7 D9 Só Deus pode restaurar esse amor
Pelo que fizeste perfeito e que o C9 G/B
homem roubou Basta só você pedir com fé.
G C9 Am7 D9
O amor que não existe mais E sua família ele irá restaurar hoje.
G C9 G C9
Como foi há muito tempo atrás Derrama tua unção meu Senhor
G D/F# Em7 D9 G C9
Alegria que existia no lar hoje se Teu espírito em nosso favor
esfriou G D/F# Em7 D9
C9 G/B Somos tua existência a tua criação
O filho que dos pais se esqueceu. (eu te peço)
Am7 Em7 G C9
A família que não se fala mais. O amor que não existe mais
C9 G/B G C9
A filha que perdida está. Como foi há muito tempo atrás
Am7 D9 G D/F# Em7 D9
O casal que pensa e se separar. Alegria que existia no lar hoje se
C9 G/B esfriou
O desprezo que o vovô suportou. C9 G/B
Am7 Em7 O filho que dos pais se esqueceu.
A indiferença que sofreu a vovó. Am7 Em7
C9 G/B A família que não se fala mais.
O orgulho invadiu corações. C9 G/B
Am7 D9 A filha que perdida está.
Mas Deus pode restaurar esse amor... Am7 D9
CORO: O casal que pensa e se separar.
G D9 C9 G/B
Só Deus pode restaurar esse amor O desprezo que o vovô suportou.
C9 G/B Am7 Em7
Só Deus pode restaurar esse amor A indiferença que sofreu a vovó.
C9 G/B C9 G/B
Ele é cordeiro que vem do céu. O orgulho invadiu corações.
Am7 D9 Am7 D9
Para restaurar e abençoar teu lar. Mas Deus pode restaurar esse amor...
Fonte: http://www.cifraclub.com.br/ton-carfi/so-
deus-pode-restaurar-esse-amor/
40

Fig.19 Criança fazendo uma oração


Fonte: http://dripedroso.blogspot.com

Fig.20 Pai e filho se abraçando


Fonte: https://praquepensar.wordpress.com/2010/07/24/pais-e-filhos/

3.4 Sugestões de atividades para idosos:

Atividade A
1- Nome da musica: Macarena
2-objetivo: trabalhar a memória por causa da
coreografia e a socialização
3-Tempo de duração da atividade: 4 minutos
4-Material utilizado: DVD, violão, voz, Fig.21 Idosos dançando
Fonte: http://cuidamos.com/artigos

microfone, TV.
40

5-letra da música

Dale a tu cuerpo alegria Macarena


Que tu cuerpo es pa' darle alegria y cosa buena
Dale a tu cuerpo alegria, Macarena
Hey Macarena
Macarena tiene un novio que se llama
Que se llama de apellido Vitorino,
Que en la jura de bandera el muchacho
metio con dos amigos
Macarena tiene un novio que se llama
Que se llama de apellido Vitorino,
Y en la jura de bandera el muchacho
Se metio con dos amigos
Macarena sueqa con El Corte Ingles Fig.22 Idosos dançando
Fonte: http://www.guarulhosonline.com
Que se compra los modelos mas
modernos
Le gustaria vivir en Nueva York
Y ligar un novio nuevo
Macarena sueqa con El Corte Ingles
Que se compra los modelos mas modernos
Le gustaria vivir en Nueva York
Y ligar un novio nuevo
Fonte: http://www.cifraclub.com.br/los-del-rio/macarena/

Atividade B
1- Nome da musica: xote da alegria
2-objetivo: o prazer da dança e resgatar o estilo que antes por eles era muito usado
que é a dança de casais.
3-Tempo de duração da atividade: 5 minutos
4-Material utilizado: DVD, violão, voz, microfone, TV.
5-letra da música
Álbum: Deixa entrar
40

Gravadora: Deckdisc
Lançamento: 2000
Faixa: 2

(intro 2x) G D Em D

G D Em B C
Se um dia alguém mandou ser o que sou e que gostar
G D
não sei quem sou e vou mudar
G
e ser aquilo que eu sempre quis
D Em B C
E se acaso você diz que sonha um dia em ser feliz
G D
vê se fala sé...rioooooooooo
C G D
Pra que chorar sua mágoa?
C G D
Se afogando em agonia
C G D
Contra a tempestade em copo d'água
C G Am B C D
Dance o xote da alegria aaah haa
hei hei
G D Em
um dêrum dêrum dêrum dêrum dererê um dêrum dêrum
B C G D
dêrum oi iê iê um dêrum dêrum derêrê (repete tudo de novo)
C G D C G D
Se afogando em agonia. Pra que chorar sua mágoa?
G D
Contra a tempestade em copo d'água
C G Am Bm C D
Dance o xote da alegria aaah haa hei hei
Fonte: http://www.cifraclub.com.br/falamansa/xote-da-alegria/

Atividade C

1- Nome da musica: Tocando em frente


2-objetivo: recordar e valorizar as experiências como únicas e respeitar as marcas
do sofrimento que a vida deixa em cada um.
3-Tempo de duração da atividade: 4 minutos
4-Material utilizado: DVD, violão, voz, microfone, TV.
5-letra da música
40

o sabor das massas e das maçãs,


Faixa: 2
D Bm D
Álbum: Almir Sater Ao Vivo é preciso o amor pra poder pulsar,
Bm D
Ano: 1992
é preciso paz pra poder sorrir,
Tom: E A (50-52-54)
é preciso a chuva para florir.
E D
E D
Ando devagar porque já tive pressa
Todo mundo ama um dia todo mundo
A
chora,
e levo esse sorriso, porque já chorei
A
demais
Um dia a gente chega, no outro vai
E D
embora
Hoje me sinto mais forte, mais feliz
E D
quem sabe
Cada um de nós compõe a sua
A E
história,
eu só levo a certeza de que muito
A
pouco eu sei, eu nada sei
e cada ser em si, carrega o dom de ser
D Bm D
capaz,
Conhecer as manhas e as manhãs,
E
Bm A
e ser feliz
o sabor das massas e das maçãs,
D Bm D
D Bm D
é preciso o amor pra poder pulsar,
Conhecer as manhas e as manhãs,
Bm D
Bm A
é preciso paz pra poder sorrir,
o sabor das massas e das maçãs,
A (50-52-54)
D Bm D
é preciso a chuva para florir.
é preciso o amor pra poder pulsar,
E D
Bm D
Penso que cumprir a vida seja
é preciso paz pra poder seguir,
simplesmente
A
A
é preciso a chuva para florir.
compreender a marcha, e ir tocando
em frente
E D
E D
Ando devagar porque já tive pressa
A
como um velho boiadeiro levando a
e levo esse sorriso porque já chorei
boiada,
demais
A
E D
eu vou tocando os dias pela longa
Cada um de nós compõe a sua
estrada eu vou,
história,
E (46, 44)
A E
de estrada eu sou
e cada ser em si, carrega o dom de ser
D Bm D
capaz, e ser feliz.
Conhecer as manhas e as manhãs,
Bm A
40

Fig.23 Homem caminhando por uma estrada tranquilamente


Fonte: http://oilusorio.blogspot.com/2008/11/rastro-de-pureza.html

Fig.24 De braços abertos pra vida


Fonte: http://unaadap.blogspot.com

Ressaltamos que qualquer atividade de musicalização poderá ser utilizada de


forma positiva no desenvolvimento biopsicossocial do ser humano em qualquer fase
da vida, desde que o professor esteja orientando a atividade e que tenha objetivos
claros do alcance que cada música e ou movimento possa propiciar nos educandos,
além de respeitar as individualidades de cada um, por que acima de qualquer coisa
através da música e das expressões que o corpo promove, podemos compreender
as suas personalidades.
40

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Através dos estudos feitos a partir do tema proposto, entendemos que a


música não é somente a arte de expressar sons, informações que anteriormente
foram adquiridas a partir do senso comum, mas o seu poder a torna muito mais
profunda. Sendo que sua capacidade de envolver as pessoas bem como o corpo
humano não é somente de apreciação ou a prática de um instrumento, mas há uma
gama de vertentes que a cerca tornando-se impossível defini-la exatamente.
A música desenvolve o cérebro atingindo quase todas as áreas,
trabalhando em rede e formando uma longa cadeia de eventos mentais e evoluções
para cada in dividuo através do ouvir e do cantar.
Mostra também que a motricidade e a música trabalham de forma
mutua e sistemática para o ensino e aprendizado do individuo levando em
consideração a sua mágica força de envolver as pessoas de maneira lúdica e direta.
Percebe-se que a música para a socialização também é uma
combinação perfeita, porque a música deve ser trabalhada também mostrando suas
funções de grupo, de aprender as atividades diárias, de respeito mútuo, de amor ao
próximo e entender que partir daí não conseguimos por muito tempo viver sozinhos.
Após a obtenção dessas informações através de pesquisas
bibliográficas fui instigado a associar a música com a Educação Física e o
desenvolvimento humano. Daí então a delimitação de um assunto ligado
diretamente a socialização, motricidade, educação física, enfim tão importante para
a educação para o desenvolvimento humano, e para o aprendizado de uma vida
toda.
40

REFERÊNCIAS

ALENCAR, T. de B. Música na educação infantil: Propostas para a formação


integral da criança. 2. ed. Rio de Janeiro: Petrópolis, 2003.

BARRETO, Sidirley de Jesus. Psicomotricidade:educação e reeducação. 2. ed.


Blumenau: Acadêmica, 2000.

BRAGA, A. L; GONÇALVES, R. de G. Educação Física E Música - Uma Visão Dos


Professores Sobre A Música Na Educação Física Escolar. Revista Interfaces:
ensino, pesquisa e extensão. Suzano-SP/Unisuz, n. 1, 2009 ISSN versão
impressa: 2176-5227. Disponível em <
http://www.revistainterfaces.com.br/Edicoes/1/1_14.pdf> Data de acesso: 02/09/2010

BRÉSCIA, Vera Lúcia Pessagno. Educação Musical: bases psicológicas e ação


preventiva. São Paulo: Átomo, 2003.

BRITTO, Teca Alencar de. Música na Educação Infantil: propostas para a


formação integral da criança. 2.ed. Rio de Janeiro: Petrópolis, 2003

BRUNNER, Reinhard; ZELTNER, Wolfgang. Dicionário de psicopedagogia e


psicologia educacional. Petrópolis: Vozes, 2000

CHIARELLI, L. K. M.; BARRETO, S. de J. A importância da musicalização na


educação infantil e no ensino fundamental. A música como meio de desenvolver a
inteligência e a integração do ser. Revista Recre@rte. Santiago de Compostela-
Espanha. n. 3, Junio 2005. ISSN 1699-1834. Disponível em:
<http://www.iacat.com/revista/recrearte/recrearte03/musicoterapia.htm.>. Data de
acesso: 01/09/2010.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Viver em Sociedade. São Paulo: Moderna, 1995.

GRIGOROWITSCHS, Tamara. O conceito “socialização” caiu em desuso? Uma


análise dos processos de socialização na infância com base em Georg Simmel e
George H. Mead. Educ. Soc., Campinas, vol. 29, n. 102, p. 33-54, jan./abr. 2008.

HANEBUTH, O. El Ritmo. Buenos Aires: Imprenta López, 1968.


Kruszielski, L. Sobre a Teoria das Inteligências Múltiplas, De Gardner Trabalho
apresentado à disciplina de Psicologia da Aprendizagem, da Universidade Federal
do Paraná (1999).Disponível em<
http://www.oestrangeiro.net/psicologia/27-teoria-das-inteligencias-multiplas-de-
gardner >. Data de acesso: 10/10/2010

MARTINS, C. de O. A influência da música na atividade física. 1996, total de pag. 65


Monografia de conclusão de curso. Centro de Desportos. Universidade Federal de
Santa Catarina. 1996.
40

MOREIRA, M. H. Z. B. EDUCAÇÃO COMPLEMENTAR: CONTRIBUIÇÕES PARA A


FORMAÇÃO HUMANA NO ESPAÇO ESCOLAR - UM ESTUDO DE CASO. 2008
Disponível em: <
http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/8644.pdf?PHPSESSID=2
009051808165475>. Data de acesso: 08/10/2010

NOGUEIRA, M. A. - A música e o desenvolvimento da criança. Revista da UFG:


Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás. Tema infância. Goiânia-
GO/Ufg. N. 2, 2003. Disponível em< www.proec.ufg.br>. Data de acesso:
03/09/2010

OCTAVIANO, C. Os efeitos da música no cérebro humano. Com Ciência. Revista


Eletrônica de jornalismo científico. Campinas-SP/Unicamp, n. 116, 03/2010.
Disponível em: <
http://www.comciencia.br/comciencia/handler.php?section=8&edicao=54&id=687>.
Data de acesso: 02/09/2010

TIBEAU, C. C. P. M. Motricidade e música: aspectos relevantes das atividades


rítmicas como conteúdo da Educação Física. Revista Brasileira de Educação
Física. São Paulo-SP. v. 1, n. 2, p. 53-62, jun. 2006. Disponível em< > Data de
acesso: 08/10/2010.

TRAVASSOS, L. C. P. Inteligências Múltiplas Revista de Biologia e ciências da


Terra. Campina Grande. n. 2; vol. 1 2001. ISSN (versão impressa): 1519-5228
Disponível em: < http://redalyc.uaemex.mx/pdf/500/50010205.pdf>. Data de acesso:
05/09/2010.

ZAMPRONHA, M. L. Da música, seus usos e recursos. S. Paulo: UNESP, 2002.