Sie sind auf Seite 1von 358

LÍNGUA PORTUGUESA

A literatura é uma arte solitária. Seu labor é da mente para a página. Sua estranha fantasia é a de que alguém possa
dar forma ao idioma para que outra experiência mental e individual se realize: a do leitor. Apesar de saraus e oficinas,
a escrita raramente escapa de ser esta atividade insossa e desertada: sentar e escrever sozinho. E, se também são
solitárias a pintura e a escultura, ambas têm a vantagem de serem dinâmicas, físicas, performáticas, de um modo
que as aproxima mais das artes coletivas, como a dança, a música, o teatro, o cinema.

Quando fui músico, muitas vezes reclamei dos ensaios, dos shows em que o som estava péssimo, de contratantes
que não entregavam o que prometiam, mas, em especial, do trabalho que a difícil democracia de participar de uma
banda grande demandava. Quantas viagens, quantas discussões, quantas concessões. E quantas alegrias, quantas
vezes olhar para o lado e cruzar com a mirada de alguém que estava ali junto contigo, numa construção maior
porque erguida por mais gentes. Mais artistas de um lado, mais espectadores de outro.

(Adaptado de: GONZAGA, Pedro. Reclamação. Disponível em: http://zh.clicrbs.com.br)

1. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Apesar de saraus e oficinas, a escrita raramente


escapa de ser esta atividade insossa e desertada: sentar e escrever sozinho. (1° parágrafo) A oração destacada pode
ser substituída, conforme a norma-padrão da língua, por

a) A despeito de haverem saraus e oficinas.


b) Se bem que promova-se saraus e oficinas.
c) Ainda que aconteça saraus e oficinas.
d) Embora exista saraus e oficinas.
e) Mesmo que haja saraus e oficinas.

2. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) E, se também são solitárias a pintura e a escultura,


ambas têm a vantagem de serem dinâmicas, físicas, performáticas, de um modo que as aproxima mais das artes
coletivas, como a dança, a música, o teatro, o cinema. (1° parágrafo) Uma frase coerente com essa afirmação e
escrita de acordo com a norma-padrão da língua é:

a) As artes coletivas - pintura, escultura, dança, música, teatro e cinema - mantém em comum o fato de serem
dinâmicas, físicas e performáticas.
b) O simples fato de serem performáticas fazem da pintura e da escultura artes próximas das demais artes
coletivas (a dança, a música, o teatro e o cinema).
c) A pintura e a escultura partilham um dinamismo característico das artes coletivas, quais sejam: a dança, a
música, o teatro e o cinema.
d) Na medida em que são solitárias, a pintura e a escultura tornam-se tão dinâmicas quanto a dança, a música, o
teatro, o cinema.
e) As artes dinâmicas, físicas e performáticas, como a pintura, a escultura, a dança, a música, o teatro e o cinema
deve se voltar ao coletivo.

O gol plagiado

"Jogador quer direito autoral sobre seus gols."

Esporte, 20 jan. 2000

"Prezados senhores: dirigindo-se a V.Sa., refiro-me à notícia segundo a qual jogadores de futebol do Reino Unido,
como Michael Owen e Ryan Giggs, querem receber autorais pela exibição de seus gols na mídia. Não tenho o status
desses senhores - sou apenas um brasileiro que bate a sua bolinha nos fins de semana - mas desejo fazer uma grave
denúncia: um dos jogadores citados (oportunamente divulgarei o nome) simplesmente plagiou um gol feito por mim.
Provas? Basta comparar os tapes dos referidos gols. No meu caso, trata-se de um trabalho amador - foi feito por meu
filho, de dez anos - mas mesmo assim é bastante nítido. Vê-se que, como eu, o referido jogador estava num campo
de futebol. Nos dois casos, a partida estava sendo disputada por times de 11 jogadores cada um. Nos dois casos
havia uma bola, havia goleiros. Nos dois casos havia um juiz. No meu caso, um juiz usando bermudões e chinelos -
mas juiz, de qualquer maneira.

Isto, quanto aos aspectos gerais. Vamos agora aos detalhes. No vídeo do jogador inglês, mostrado no mundo inteiro,
vê-se que ele pega a bola na grande área, domina-a, livra-se de um adversário e chuta no canto esquerdo, marcando,
é forçoso admitir, um belo tento, um gol que faz jus aos direitos autorais. No meu vídeo - feito uma semana antes,
é importante que se diga -, vê-se que eu pego a bola na grande área, que a domino, que livro-me de um adversário
e que chuto forte no canto esquerdo, marcando um belo tento.

Conclusão: o jogador inglês me plagiou. Quero, portanto, metade do que ele receber a título de direitos autorais. Se
não for atendido em minha reivindicação levarei a questão a juízo. Estou seguro de que ganharei. Além do vídeo,
conto com uma testemunha: o meu filho. Ele viu o jogo do começo ao fim e pode depor a meu favor. É pena não ter
mais testemunhas, mas, infelizmente, ele foi o único espectador desse jogo. E irá comigo demandar justiça contra o
plágio."

(SCLIAR, Moacyr. O imaginário cotidiano. São Paulo, Global, 2013, p. 55)

3. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O segmento destacado está substituído, segundo


a norma-padrão da língua, por um pronome em:

a) Ele viu o jogo... (4° parágrafo) // Ele o viu...


b) Basta comparar os tapes dos referidos gols. (2° parágrafo) // Basta lhes comparar.
c) ... ele pega a bola... (3° parágrafo) // ... ele lhe pega...
d) ... desejo fazer uma grave denúncia... (1° parágrafo) // ... desejo fazer-lhe...
e) ... querem receber autorais... (1° parágrafo) // ... querem o receber...

Pode ser um saudosismo bobo, mas tenho saudades do tempo em que se ouvia o futebol pelo rádio. Às vezes, era
apenas chiado; às vezes, o chiado se misturava com a narração; às vezes, a estação sumia; sem mais nem menos,
voltava, e o

jogo parecia tão disputado, mas tão emocionante, repleto de lances espetaculares, que tudo que queríamos no dia
seguinte era assistir os melhores momentos na televisão. Hoje todos os jogos são transmitidos pela televisão. Isso
é uma coisa esplêndida, mas sepultou a fantasia, a mágica.

Agora, que fique claro: em absoluto falo mal da tecnologia. Ao contrário, o avanço tecnológico, principalmente a
chegada da internet, trouxe muita coisa boa pra muita gente. Lembro que ainda engatinhava no plano do Direito e,
se quisesse ter acesso a uma boa jurisprudência, tinha que fazer assinatura. Hoje, está tudo aí, disponível, à farta,
de graça. Somente quem viveu numa época em que não havia a internet tem condições de dimensionar o nível de
transformação e de reprodução do conhecimento humano que ela representou...

(Adaptado de: GEIA, Sergio. Então chegou a tecnologia... Disponível em: www.cronicadodia.

com.br)

4. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) ... em absoluto falo mal da tecnologia... (2° parágrafo). Esse segmento está reescrito conforme a
norma-padrão da língua e com o sentido preservado, em linhas gerais, em:

a) ... de modo nenhum vejo a tecnologia como algo mau...


b) ... de jeito algum me eximo de perceber um mal na tecnologia...
c) ... é óbvio que não interpreto mal a tecnologia...
d) ... naturalmente evito em cogitar algum mau na tecnologia...
e) ... certamente mal admito julgar a tecnologia...
5. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM
CONTABILIDADE) Uma frase coerente com o texto e redigida em conformidade com a norma-padrão da língua é:

a) O autor alude ao tempo que ouvia o futebol pelo rádio com grande nostalgia e lamenta de que as partidas
tenham passado a ser transmitidas pela televisão, que levou seu interesse pelo esporte a diminuir, devido a quebra
do encanto.
b) Ainda que se mostre saudoso do tempo em que as tecnologias da comunicação eram menos desenvolvidas, o
autor reconhece as vantagens de seus avanços, especialmente no que tange à difusão do conhecimento promovida
pela internet.
c) Ouvir uma partida de futebol pelo rádio exigia atenção e paciência; contudo, os chiados eram constantes, o que
não impedia que o autor se entretesse com a partida, pois usava a imaginação para recriar os lances perdidos.
d) Na época do autor, os jogos de futebol eram transmitidos pelo rádio e nem todos eram possíveis de se ver na
televisão, aonde a mágica estava em apresentar os momentos que não tinham sido narrados em razão de problemas
técnicos, como chiados.
e) O autor confessa que tem preferência de ouvir os jogos de futebol pelo rádio, mesmo com possibilidade de
assistir pela televisão, na medida em que tem saudades do tempo de criança, quando o uso da TV e da internet eram
restritos.

6. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Está escrita com clareza e correção, de acordo
com a norma-padrão da língua, a seguinte frase:

a) Moacyr Scliar passou a maior parte de sua infância no Bom Fim, bairro porto-ale- grense aonde a maioria dos
emigrantes judeus, escolheram para morar.
b) Nascido em Porto Alegre, em 23 de março de 1937, a obra de Moacyr Jaime Scliar trata de temas referente à
problemática da vida contemporanea.
c) Os pais de Moacyr Scliar, José e Sara, eram europeus que migrarão para a América do Sul no começo do século
20 buscando, uma vida melhor.

d) O escritor Moacyr Scliar destacou-se, especialmente, como exímio contista, capaz de elaborar textos densos e
impactantes que suscitam a reflexão.
e) Além de seus livros, Moacyr Scliar estudou medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a qual serviu
de assunto à algumas de suas histórias.

7. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Vimos por meio desta solicitar a instalação de um redutor de velocidade na Rua Girassol, próximo
ao número 10, tendo em vista que na rua circula caminhão e ônibus em alta velocidade, o que acarretam rachaduras
nas residências. Para que o texto atenda plenamente às regras da norma-padrão da língua portuguesa, é preciso que
se substitua

a) vista por vistas.


b) circula por circulam.
c) próximo por próxima.
d) Vimos por Viemos.
e) acarretam por acarreta.

8. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Uma frase escrita com clareza e conforme a norma-padrão da língua está em:

a) É certo que muitos postos de trabalho serão extintos e que em breve, hajam vagas de trabalho sendo disputadas,
ao mesmo tempo, por cidadãos de diversas partes do mundo.
b) Caso a pesquisa da Universidade de Oxford estando certa, em breve será testemunhada uma revolução no
campo do trabalho, que se extenderá para além das fronteiras dos Estados Unidos.
c) Alguns políticos proporam barreiras comerciais, a fim de salvaguardar a economia interna e garantir postos de
trabalho para a população, medida duramente criticada por muitos intelectuais.
d) Alguns políticos proporam barreiras comerciais, a fim de salvaguardar a economia interna e garantir postos de
trabalho para a população, medida duramente criticada por muitos intelectuais.
e) Em 2016, pudemos testemunhar muitos entraves decorrentes do aumento da desigualdade, que não deverá
arrefecer tão cedo, na medida em que faltam políticas eficazes para combatê-la.

Ciência e religião

A prestigiosa revista semanal norte-americana Newsweek publicou um surpreendente artigo intitulado "A ciência
encontra Deus". Esse foi o artigo de capa, a qual mostrava o vitral de uma igreja com anjos substituídos por
cientistas em seus jalecos brancos e cruzes substituídas por telescópios e microscópios. Planetas, estrelas e galáxias
adornam essa imagem central, que é finalmente emoldurada pela estrutura helicoidal de uma molécula de DNA. O
artigo sugere que a ciência moderna precisa de Deus.

Não existe nenhum conflito em uma justificativa religiosa ou espiritual para o trabalho científico, contanto que o
produto desse trabalho satisfaça às regras impostas pela comunidade científica. A inspiração para se fazer ciência é
completamente subjetiva e varia de cientista para cientista. Mas o produto de suas pesquisas tem um valor universal,
fato que separa claramente a ciência da religião.

Quando tantas pessoas estão se afastando das religiões tradicionais em busca de outras respostas para seus dilemas,
é extremamente perigoso equacionar o cientista com o sacerdote da sociedade moderna. A ciência oferece-nos a luz
para muitas trevas sem a necessidade da fé. Para alguns, isso já é o bastante. Para outros, só a fé pode iluminar
certas trevas. O importante é que cada indivíduo possa fazer uma escolha informada do caminho que deve seguir,
seja através da ciência, da religião ou de uma visão espiritual do mundo na qual a religião e a ciência preenchem
aspectos complementares de nossa existência.

(GLEISER, Marcelo. Retratos cósmicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 46-47)

9. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇAO DE TRANSPORTE I - AREA ECONOMIA) Há emprego de forma


verbal na voz passiva, estando sublinhado o sujeito dessa forma, na seguinte frase:

a) Não ouse a ciência interferir em assuntos religiosos.


b) Cuidem os homens de não se confundirem diante dos caminhos da religião e da ciência.
c) Não é dado a um cientista justificar seu trabalho com o exclusivo valor de sua fé.
d) Sempre se levantaram questões quanto aos caminhos dos cientistas e dos religiosos.
e) A dúvida, para os cientistas, inclui-se em seu método de busca.

Carros autônomos com diferentes tecnologias já estão circulando em várias partes do planeta, em ruas de grandes
cidades e estradas no campo. Um caminhão autônomo já rodou cerca de 200 km nos Estados Unidos para fazer a
entrega de

uma grande carga de cerveja. Embora muito recentes, veículos sem motoristas são uma realidade crescente. E, no
entanto, os países ainda não discutiram leis para reger seu trânsito.

No início do século 20, quando os primeiros automóveis se popularizaram, as cidades tiveram o desafio de criar uma
legislação para eles, pois as vias públicas tinham sido concebidas para pedestres, cavalos e veículos puxados por
animais. Cem anos depois, vivemos um momento semelhante diante da iminência de uma "nova revolução
industrial", como define o secretário de Transportes paulistano, Sérgio Avelleda. Ele cita o exemplo das empresas de
seguros: "Hoje o risco incide sobre pessoas, donos dos carros e motoristas. No futuro, passará a empresas que
produzem o carro, porque os humanos viram passageiros apenas".

(Adaptado de: SERVA, Leão. Cidades discutem regras para carros autônomos, que já chegam

com tudo. Disponível em: www.folha.uol.com.brJ


10. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO À REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM
CONTABILIDADE) Considere as relações coesivas estabelecidas pelo pronome seu, ao final do primeiro parágrafo. No
contexto, esse pronome retoma, especificamente,

a) veículos sem motoristas.


b) Estados Unidos.
c) leis.
d) ruas de grandes cidades e estradas no campo.
e) países.

11. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Cem anos depois, vivemos um momento semelhante... (2° parágrafo) A expressão que serve de
complemento ao termo semelhante, reforçando a coesão com o período imediatamente anterior e atendendo às
regras de regência padrão, é

a) perante aquele.
b) daquele.
c) com aquele.
d) àquele.
e) para aquele.

O gol plagiado

"Jogador quer direito autoral sobre seus gols."

Esporte, 20 jan. 2000

"Prezados senhores: dirigindo-se a V.Sa., refiro-me à notícia segundo a qual jogadores de futebol do Reino Unido,
como Michael Owen e Ryan Giggs, querem receber autorais pela exibição de seus gols na mídia. Não tenho o status
desses senhores - sou apenas um brasileiro que bate a sua bolinha nos fins de semana - mas desejo fazer uma grave
denúncia: um dos jogadores citados (oportunamente divulgarei o nome) simplesmente plagiou um gol feito por mim.

Provas? Basta comparar os tapes dos referidos gols. No meu caso, trata-se de um trabalho amador - foi feito por meu
filho, de dez anos - mas mesmo assim é bastante nítido. Vê-se que, como eu, o referido jogador estava num campo
de fu-

tebol. Nos dois casos, a partida estava sendo disputada por times de 11 jogadores cada um. Nos dois casos havia
uma bola, havia goleiros. Nos dois casos havia um juiz. No meu caso, um juiz usando bermudões e chinelos - mas
juiz, de qualquer maneira.

Isto, quanto aos aspectos gerais. Vamos agora aos detalhes. No vídeo do jogador inglês, mostrado no mundo inteiro,
vê-se que ele pega a bola na grande área, domina-a, livra-se de um adversário e chuta no canto esquerdo, marcando,
é forçoso admitir, um belo tento, um gol que faz jus aos direitos autorais. No meu vídeo - feito uma semana antes,
é importante que se diga -, vê-se que eu pego a bola na grande área, que a domino, que livro-me de um adversário
e que chuto forte no canto esquerdo, marcando um belo tento.

Conclusão: o jogador inglês me plagiou. Quero, portanto, metade do que ele receber a título de direitos autorais. Se
não for atendido em minha reivindicação levarei a questão a juízo. Estou seguro de que ganharei. Além do vídeo,
conto com uma testemunha: o meu filho. Ele viu o jogo do começo ao fim e pode depor a meu

favor. É pena não ter mais testemunhas, mas, infelizmente, ele foi o único espectador desse jogo. E irá comigo
demandar justiça contra o plágio."

(SCLIAR, Moacyr. O imaginário cotidiano. São Paulo, Global, 2013, p. 55)


12. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Se não for atendido em minha reivindicação
levarei a questão a juízo. (4° parágrafo) A voz ativa correspondente da forma verbal destacada é:

a) atende
b) se atendesse
c) me atenderem
d) ser atendida
e) se atende

Civilização e infelicidade

Uma fonte da infelicidade humana estaria na insuficiência das normas que regulam os vínculos pessoais na família,
no Estado e na sociedade. Não queremos admitir que as instituições por nós mesmos criadas não trariam bem-estar
e proteção para todos nós. Deparamo-nos com a afirmação espantosa que boa parte da nossa miséria vem do que
é chamado de nossa civilização; seríamos bem mais felizes se a abandonássemos e retrocedêssemos a condições
primitivas.

A asserção me parece espantosa porque é fato estabelecido - como quer que se defina o conceito de civilização - que
tudo aquilo com que nos protegemos da ameaça das fontes do sofrer é parte da civilização. Descobriu-se que o
homem se torna neurótico porque não pode suportar a medida de privação que a sociedade lhe impõe, em prol de
seus ideais culturais, e concluiu-se então que, se estas exigências fossem abolidas ou bem atenuadas, isto
significaria um retorno a possibilidades de felicidade.

(Adaptado de: FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. Trad. Paulo César de Souza. São

Paulo: Penguin & Companhia das Letras, 2011, p. 30-32)

13. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Há desdobramento de uma oração em duas e alteração


na voz verbal nesta nova redação de um segmento do texto:

a) Uma fonte da infelicidade humana estaria na insuficiência das normas // a insuficiência das normas seria uma
fonte da infelicidade humana.
b) A asserção me parece espantosa // Espanta-me que se faça tal asserção.
c) Descobriu-se que o homem se torna neurótico // perceberam a razão da neurose do homem.
d) nos protegemos da ameaça das fontes do sofrer // nos poupamos do risco dos sofrimentos.
e) isto significaria um retorno a possibilidades de felicidade // isto equivaleria retornar à eventualidade de ser feliz.

Equipamentos cada vez mais elaborados estão realizando mais e mais trabalhos que antes exigiam o cérebro
humano e substituindo também a força física. Uma pesquisa recente da Universidade de Oxford, no Reino Unido,
sugere que cerca de metade dos postos de trabalho existentes hoje nos EUA serão automatizados até 2033.

Segundo as previsões do professor Richard Baldwin, economista do renomado Instituto Graduate, de Genebra,
"alguns quartos de hotéis em Londres poderão ser limpos por pessoas conduzindo robôs diretamente do Quênia ou
de Buenos Aires e de outros lugares por menos de um décimo do preço praticado na Europa". E ele tem uma visão
simples sobre a reação política das pessoas a este cenário: "Elas vão ficar com raiva".

Alguns políticos reconheceram que 2016 marcou o início dessa raiva. O problema é que, entre paredes e barreiras
comerciais, eles têm poucas opções para lidar com o aumento da desigualdade. O ex-consultor de economia do
vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, escreveu recentemente: "Para sermos honestos, precisamos admitir
que nenhum dos lados - democratas ou republicanos - tem um plano robusto e convincente para recuperar os postos
de trabalho em comunidades que perderam muito da base manufatureira". A economista-chefe do Fundo Monetário
Internacional, Christine Lagarde, defende o uso de políticas para impulsionar as pessoas a novas vagas de emprego.
Mas, para isso, as vagas precisam existir. E nada garante que elas existirão.
(Adaptado de: MARDELL, Mark. 2017 marcará o início da era dos robôs?. Disponível em: www.

bbc.comj

14. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) ... 2016 marcou o início dessa raiva. (3° parágrafo) Um verbo empregado com a mesma
transitividade que a observada no segmento acima está destacado em:

a) " Para sermos honestos... (3° parágrafo)


b) " Elas vão ficar com raiva". (2° parágrafo)
c) ... recuperar os postos de trabalho... (3° parágrafo)
d) ... impulsionar as pessoas a novas vagas de emprego. (3° parágrafo)
e) ... lidar com o aumento da desigualdade. (3° parágrafo)

Crônicas contemporâneas

O gênero da crônica, entendida como um texto curto de periódico, que se aplica sobre um acontecimento pessoal,
um fato do dia, uma lembrança, um lance narrativo, uma reflexão, tem movido escritores e leitores desde os
primeiros periódicos. No pequeno espaço de uma crônica pode caber muito, a depender do cronista. Se ele se chamar
Rubem Braga, pode caber tudo: esse mestre maior dotou a crônica de uma altura tal que pôde dedicar-se
exclusivamente a ele ocupando um lugar entre os nossos maiores escritores, de qualquer gênero.

Jovens cronistas de hoje, com colunas nos grandes jornais, vêm de monstrando muita garra, equilibrando-se entre
as miudezas quase inconfessáveis do cotidiano pessoal, às quais se apegam sem pudor, e a uma espécie de
investigação crítica que pretende ver nelas algo de grandioso. É como se na padaria da esquina pudesse de repente
representar-se uma cena de Hamlet ou de alguma tragédia grega; é como se, no banheiro do apartamento, o
espelhinho do armário pudesse revelar a imagem-síntese dos brasileiros. Talvez esteja nesse difícil equilíbrio um
sinal dos tempos modernos, quando, como numa crônica, impõe-se combinar a condição mais pessoal de cada um
com a responsabilidade de uma consciência coletivista, que a todos nos convoca.

(Diógenes da Cruz, inédito)

15. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) Houve adequada transposição do segmento sublinhado para a voz passiva no
seguinte caso:

a) É como se o espelhinho pudesse revelar a imagem-síntese = pudesse revelar-se


b) No espaço de uma crônica pode caber muito = têm podido
c) Esse mestre maior dotou a crônica de uma altura tal = foi dotado
d) Jovens cronistas vêm demonstrando muita garra = é demonstrada
e) O gênero da crônica tem movido escritores e leitores = movem-se

[Uma espécie complicada]

O grande biólogo norte-americano Richard Dawkins acredita sem qualquer hesitação na teoria de Darwin acerca da
sobrevivência dos mais fortes e capazes e na importância da adaptação a mutações fortuitas na evolução das outras
espécies, mas se declara contra a ideia do darwinismo social na evolução da sua própria espécie. Aceitar o
darwinismo social seria aceitar posições conservadoras em matéria de política e economia, o que vai contra suas
convicções progressistas.

Já os conservadores, que negam a teoria de Darwin sobre a origem e o desenvolvimento das espécies, pregam o
darwinismo social sob vários nomes: liberalismo, antidirigismo, antiassistencialismo etc. A sobrevivência, portanto,
dos mais competitivos e sortudos, como no universo neutro de Darwin.

Esquerda progressista e direita conservadora trocam incoerências. A direita abomina a ideia de que o homem
descende de animais inferiores, mas não tem problema com a ideia de que ele deve seu progresso à ganância que
tem em comum com os chimpanzés. A esquerda aceita a ascendência de macacos e a evolução da sua espécie, mas
não quer outra coisa senão um planejamento inteligente, humanista, para organizar a sua sociedade.

Progressistas costumam ser a favor do direito do aborto e contra a pena de morte. Conservadores, que denunciam
a interferência indevida do Estado na vida das pessoas, invocam a santidade da vida para que o Estado proíba o
aborto, e geralmente são a favor da pena de morte, a mais radical interferência possível do Estado na vida de alguém.
Enfim, seja como for que chegamos a isto, somos uma espécie complicada.

(Adaptado de: VERÍSSIMO, Luis Fernando O mundo é bárbaro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008,

p. 163-164)

16. (2017/DPE/ANALISTA - AREA ADMINISTRAÇAO) Há adequada transposição de um segmento para a voz passiva
em:

a) acredita (...) na teoria de Darwin // a teoria de Darwin tem seu crédito.


b) se declara contra a ideia do darwinismo social // é declaradamente contrário ao darwinismo social.
c) pregam o darwinismo social sob vários nomes // o darwinismo social é pregado sob vários nomes.
d) Esquerda (...) e direita (...) trocam incoerências // esquerda e direita são incoerentemente trocadas.
e) Conservadores (...) invocam a santidade da vida // a santidade da vida tem sido invocada por conservadores.

De um poder concedido

Aqueles que somente por sorte se tornam príncipes pouco trabalho têm para isso, é claro, mas se mantêm assim
muito penosamente. Não têm dificuldade nenhuma em alcançar o posto, porque para aí voaram; surge, porém, toda
sorte de dificuldades depois da chegada. (...) É o que acontece quando o Estado foi concedido ao príncipe ou por
dinheiro ou por graça de quem o concede. Tais príncipes estão na dependência exclusiva da vontade e da boa
situação de quem lhes propiciou o poder, isto é, de duas coisas extremamente volúveis e instáveis.

(MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. Trad, de Lívio Xavier. São Paulo: Abril Editora, Os Pensadores, 1973, p. 33)

17. (2017/POLITEC/PERITO MEDICO LEGISTA) Está correto o emprego de ambos os elementos sublinhados na
frase:

a) Não se deve recompensar àqueles poderosos onde o mérito está apenas na força de quem os agraciou com o
poder.
b) Não tem nada a haver o que seja um mérito real com o que se constitue como mera operação de favor.
c) A poucos é dado demonstrar reais qualidades no posto de mando ao qual ascendeu pela graça de alguém.
d) O por que da fragilidade de um poder concedido está na permanente eminência da retirada da concessão.
e) Se um poderoso se dispor a contrariar aqueles a quem deve o poder, estes certamente lhe trairão.

O lugar-comum

O lugar-comum, ou chavão, nos faculta falar e pensar sem esforço. Ninguém é levado a sério com ideias originais,
que desafiam nossa preguiça. Ouvem-se aqui e ali frases como esta, dita ainda ontem por um político:

- Este país não fugirá de seu destino histórico!

O sucesso de tais tiradas é sempre infalível, embora os mais espertos possam desconfiar que elas não querem dizer
coisa alguma. Pois nada foge mesmo ao seu destino histórico, seja um império que desaba ou uma barata esmagada.

(Adaptado de: QUINTANA, Mário. Caderno H. Porto Alegre: Globo, 1973, p. 52)
18. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Há construção verbal na voz passiva e adequada articulação entre tempos e
modos verbais na frase:

a) Se queremos falar e pensar sem muito esforço, deveríamos ter-nos esforçado para cultivar os lugares-comuns.

b) Frases como a indicada no texto são capazes de nos convencer de sua sabedoria, ainda quando nada tivessem
a dizer.
c) Ao localizar a força de um lugar-comum na fala de um político, o autor do texto mostraria certa aversão a
determinados discursos.
d) Ainda que não tivessem qualquer profundidade, os chavões que ele diz acabariam por encantar seus ingênuos
ouvintes.
e) Se quisermos que a nossa preguiça não venha a ser desafiada por alguma expressão original, recorramos à
mesmice dos chavões.

Máquinas monstruosas

À medida que foram surgindo, muitas máquinas despertaram terror nos homens. Multiplicando a força dos órgãos
humanos, elas acentuavam-lhes a potência, de modo que a engrenagem oculta que as fazia funcionar resultava
lesiva para o corpo: feria-se quem descuidasse das próprias mãos. Mas aterrorizavam sobretudo porque atuavam
como se fossem coisas vivas: era impossível não ver como viventes os grandes braços dos moinhos de vento, os
dentes das rodas dos relógios, os dois olhos ardentes da locomotiva à noite. As máquinas pareciam, portanto, quase
humanas, e é nesse "quase" que residia a sua monstruosidade.

(Adaptado de: ECO, Umberto (org.) História da beleza. Trad. Eliane Aguiar. Rio de Janeiro:

Record, 2014, p. 382)

19. (2017/OFICIAL DE POLICIA CIVIL) Um segmento do texto foi transposto de modo plenamente adequado para a
voz passiva em:

a) muitas máquinas despertaram terror nos homens // os homens foram despertados pelo terror das máquinas.
b) elas acentuavam-lhes a potência // a sua potência era por elas acentuada.

c) era impossível não ver como viventes os grandes braços // não se veria como viventes os grandes braços.
d) a engrenagem oculta que as fazia funcionar // eram funcionadas pela engrenagem oculta.
e) As máquinas pareciam [...] quase humanas // As máquinas eram parecidas com humanos.

20. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Está adequado o emprego de ambos os elementos sublinhados na frase:

a) O terror com que os antigos eram tomados atribuiu-se à aspectos fantasmagóricos que as máquinas
despertavam.
b) A capacidade dos órgãos humanos, em cuja as máquinas implementavam, eram multiplicados várias vezes.
c) Aos úteis mecanismos daquelas máquinas poucos davam valor, como parceiros de um trabalho cujo
aprimoramento era indiscutível.
d) Se aos desavisados lhes ferisse uma máquina, culpavam-lhe por essa monstruosidade.
e) Por vezes nos parece mais monstruosos o que nos assemelha do que as coisas que em nada nos pode lembrar.

Sem privacidade

Ainda é possível ter privacidade em meio a celulares, redes sociais e dispositivos outros das mais variadas conexões?
Os mais velhos devem se lembrar do tempo em que era feio "ouvir conversa alheia". Hoje é impossível transitar por
qualquer espaço público sem recolher informações pessoais de todo mundo. Viajando de ônibus, por exemplo,
acompanham-se em conversas ao celular brigas de casal, reclamações trabalhistas, queixas de pais a filhos e
vice-versa, declarações românticas, acordo de negócios, informações técnicas, transmissão de dados e um
sem-número

de situações de que se é testemunha compulsória. Em clara e alta voz, lances da vida alheia se expõem aos nossos
ouvidos, desfazendo-se por completo a fronteira que outrora distinguia entre a intimidade e a mais aberta exposição.

Nas redes sociais, emoções destemperadas convivem com confissões perturbadoras, o humor de mau gosto disputa
espaço com falácias políticas - tudo deixando ver que agora o sujeito só pode existir na medida em que proclama
para o mundo inteiro seu gosto, sua opinião, seu juízo, sua reação emotiva. É como se todos se obrigassem a deixar
bem claro para o resto da humanidade o sentido de sua existência, seu propósito no mundo. A discrição, a fala
contida, o recolhimento íntimo parecem fazer parte de uma civilização extinta, de quando fazia sentido proteger os
limites da própria individualidade.

Em meio a tais processos da irrestrita divulgação da personalidade, as reticências, a reflexão silenciosa e o olhar
contemplativo surgem como sintomas problemáticos de alienação. Impõe-se um tipo de coletivismo no qual todos se
obrigam a se falar, na esperança de que sejam ouvidos por todos. Nesse imenso ruído social, a reclamação por
privacidade é recebida como o mais condenável egoísmo. Pretender identificar-se como um sujeito singular passou
a soar como uma provocação escandalosa, em tempos de celebração do paradigma público da informação.

(Jeremias Tancredo Paz, inédito)

21. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Perdeu-se a antiga privacidade, enterramos a antiga


privacidade sob os conectores modernos, tornamos esses conectores modernos nossos deuses implacáveis, sob o
comando desses conectores modernos trocamos escandalosamente todas as informações mais pessoais. Evitam-se
as viciosas repetições do período acima substituindo-se os elementos sublinhados, na ordem dada, por:

a) enterramo-la - tornamo-los - sob cujo comando


b) enterramos-lhe - tornamo-lhes - sob cujo comando

c) enterramo-la - os tornamos - sob o qual comando


d) a enterramos - tornamos-lhes - sob o comando deles
e) enterramo-lhe - lhes tornamos - sob o comando dos quais

Trabalho como realização

Quando me perguntam por que ainda não me aposentei e eu respondo que é porque gosto do meu trabalho, me
olham com um misto de incredulidade e indignação. Eu quase tenho que me desculpar pela desfeita: a maioria das
pessoas acha que trabalho é castigo e que falar bem dele é pura ostentação, se não for hipocrisia.

Pois bem: entendo perfeitamente que muitos trabalhos possam ser vistos como castigo. Há incontáveis tarefas que
podem ser desinteressantes, tediosas, cansativas, que não trazem prazer nenhum para a maioria das pessoas. Mas
há outras nas quais nossa personalidade se realiza, que podem perfeitamente constituir-se como nosso meio de
expressão, nossa identidade assumida e resolvida como vocação. Exemplo clássico é o de um professor que tenha
grande prazer em dar aula: ele verá a aposentadoria não como uma bênção, mas como brusca interrupção de uma
atividade vital. Ele vai adiar o quanto puder o "gozo", o "desfrute" (enganosas palavras) de uma aposentadoria que
mais lhe parece um castigo.

Fico imaginando, entre outras utopias, a de um mundo em que houvesse para cada um aquele trabalho que
representasse também sua realização pessoal. Acredito mesmo que um dos índices mais seguros para se reconhecer
a felicidade de alguém seja o prazer que a pessoa encontre em trabalhar. Quando o trabalho vira sinônimo de criação,
e quem o faz se sente como um genuíno criador, temos, é forçoso admitir, uma situação de privilégio, em vez de se
constituir uma possibilidade de realização ao alcance de todos.

(Felício Godói, inédito)


22. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Considerando-se o contexto, traduz-se
adequadamente o sentido de um segmento do texto em:

a) falar bem dele é pura ostentação (1° parágrafo) // conclamá-lo é justa retórica.
b) constituir-se como nosso meio de expressão (2° parágrafo) // instituir conosco um tipo de comunicação.
c) assumida e resolvida como vocação (2° parágrafo) // implementada e solucionada como tendência.
d) um dos índices mais seguros (3° parágrafo) // um dos símbolos mais iminentes.
e) como brusca interrupção (2° parágrafo) // qual súbita cessação.

Ciência e religião

A prestigiosa revista semanal norte-americana Newsweek publicou um surpreendente artigo intitulado "A ciência
encontra Deus". Esse foi o artigo de capa, a qual mostrava o vitral de uma igreja com anjos substituídos por
cientistas em seus jalecos brancos e cruzes substituídas por telescópios e microscópios. Planetas, estrelas e galáxias
adornam essa imagem central, que é finalmente emoldurada pela estrutura helicoidal de uma molécula de DNA. O
artigo sugere que a ciência moderna precisa de Deus.

Não existe nenhum conflito em uma justificativa religiosa ou espiritual para o trabalho científico, contanto que o
produto desse trabalho satisfaça às regras impostas pela comunidade científica. A inspiração para se fazer ciência é
completamente subjetiva e varia de cientista para cientista. Mas o produto de suas pesquisas tem um valor universal,
fato que separa claramente a ciência da religião.

Quando tantas pessoas estão se afastando das religiões tradicionais em busca de outras respostas para seus dilemas,
é extremamente perigoso equacionar o cientista com o sacerdote da sociedade moderna. A ciência oferece-nos a luz
para

muitas trevas sem a necessidade da fé. Para alguns, isso já é o bastante. Para outros, só a fé pode iluminar certas
trevas. O importante é que cada indivíduo possa fazer uma escolha informada do caminho que deve seguir, seja
através da ciência, da religião ou de uma visão espiritual do mundo na qual a religião e a ciência preenchem aspectos
complementares de nossa existência.

(GLEISER, Marcelo. Retratos cósmicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 46-47)

23. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Traduz-se


adequadamente o sentido de um segmento do texto em:

a) O artigo sugere que a ciência moderna precisa de Deus (1° parágrafo) = Dispõe o editorial sobre a equivalência
entre Deus e os cientistas.
b) Não existe nenhum conflito em uma justificativa religiosa ou espiritual para o trabalho científico (2° parágrafo)
= não há disparidade na justificativa objetiva de um impulso místico.
c) contanto que o produto desse trabalho satisfaça às regras impostas pela comunidade científica (2° parágrafo)
= ainda que os cientistas venham a referendar o resultado de uma experiência.
d) o produto de suas pesquisas tem um valor universal, fato que separa claramente a ciência da religião (2°
parágrafo) = as pesquisas científicas, ao contrário da religião, alcançam um resultado cujo valor é amplamente
reconhecido.
e) é extremamente perigoso equacionar o cientista com o sacerdote da sociedade moderna (3° parágrafo) = é da
máxima inconveniência discriminar entre o cientista e o religioso, na modernidade.
O gol plagiado

"Jogador quer direito autoral sobre seus gols."

Esporte, 20 jan. 2000

"Prezados senhores: dirigindo-se a V.Sa., refiro-me à notícia segundo a qual jogadores de futebol do Reino Unido,
como Michael Owen e Ryan Giggs, querem receber autorais pela exibição de seus gols na mídia. Não tenho o status
desses senhores - sou apenas um brasileiro que bate a sua bolinha nos fins de semana - mas desejo fazer uma grave
denúncia: um dos jogadores citados (oportunamente divulgarei o nome) simplesmente plagiou um gol feito por mim.

Provas? Basta comparar os tapes dos referidos gols. No meu caso, trata-se de um trabalho amador - foi feito por meu
filho, de dez anos - mas mesmo assim é bastante nítido. Vê-se que, como eu, o referido jogador estava num campo
de futebol. Nos dois casos, a partida estava sendo disputada por times de 11 jogadores cada um. Nos dois casos
havia uma bola, havia goleiros. Nos dois casos havia um juiz. No meu caso, um juiz usando bermudões e chinelos -
mas juiz, de qualquer maneira.

Isto, quanto aos aspectos gerais. Vamos agora aos detalhes. No vídeo do jogador inglês, mostrado no mundo inteiro,
vê-se que ele pega a bola na grande área, domina-a, livra-se de um adversário e chuta no canto esquerdo, marcando,
é forçoso admitir, um belo tento, um gol que faz jus aos direitos autorais. No meu vídeo - feito uma semana antes,
é importante que se diga -, vê-se que eu pego a bola na grande área, que a domino, que livro-me de um adversário
e que chuto forte no canto esquerdo, marcando um belo tento.

Conclusão: o jogador inglês me plagiou. Quero, portanto, metade do que ele receber a título de direitos autorais. Se
não for atendido em minha reivindicação levarei a questão a juízo. Estou seguro de que ganharei. Além do vídeo,
conto com uma testemunha: o meu filho. Ele viu o jogo do começo ao fim e pode depor a meu favor. É pena não ter
mais testemunhas, mas, infelizmente, ele foi o único espectador desse jogo. E irá comigo demandar justiça contra o
plágio."

(SCLIAR, Moacyr. O imaginário cotidiano. São Paulo, Global, 2013, p. 55)

-GRAN CURSOS

24. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Estou seguro de que ganharei. Além do vídeo,
conto com uma testemunha: o meu filho. (4° parágrafo) Essa passagem está reescrita em um único período, sem
prejuízo do sentido, em:

a) Estou seguro de que ganharei, ao contar além do vídeo, porém, com uma testemunha: o meu filho.
b) Estou seguro de que ganharei, por contar, além do vídeo, com uma testemunha: o meu filho.
c) Estou seguro de que ganharei, a fim de que, além do vídeo, conte com uma testemunha: o meu filho.
d) Estou seguro de que ganharei, além do vídeo, o fato de contar com uma testemunha: o meu filho.
e) Estou seguro de que ganharei, contando, no entanto, além do vídeo, com uma testemunha: o meu filho.

25. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A expressão do texto que encontra um substituto
correto, respeitando-se as regras gramaticais e sem prejuízo do sentido, está em:

a) ... notícia segundo a qual... (1° parágrafo) // notícia a cerca da qual


b) ... um gol feito por mim. (1° parágrafo) // um gol de minha autoria.
c) ... irá comigo demandar justiça... (4° parágrafo) // irá comigo pleitear com justiça
d) Vamos agora aos detalhes. (3° parágrafo) // Avaliemos agora sob os detalhes.
e) ... conto com uma testemunha... (4° parágrafo) // disponho à uma testemunha

O direito de opinar

As leis precisam ser dinâmicas, para acompanharem as mudanças sociais. Há sempre algum atraso nisso: a
mudança dos costumes precede as devidas alterações jurídicas. É cada vez mais frequente que ocorram transições
drásticas de valores e julgamentos à margem do que seja legalmente admissível. Com a velocidade dos meios de
comunicação e com o surgimento de novas plataformas tecnológicas de interação social, há uma dispersão acelerada
de juízos e opiniões, a que falta qualquer regramento ético ou legal. Qual o limite da liberdade de expressão a que
devam obedecer os usuários das redes sociais? Que valores básicos devem ser preservados em todas as matérias
que se tornam públicas por meio da internet?

Enquanto não se chega a uma legislação adequada, as redes sociais estampam abusos de toda ordem, sejam os que
ofendem o direito da pessoa, sejam os que subvertem os institutos sociais. O direito de opinar passa a se apresentar
como o direito de se propagar um odioso preconceito, uma clara manifestação de intolerância, na pretensão de alçar
um juízo inteiramente subjetivo ao patamar de um valor universal.

As diferenças étnicas, religiosas, políticas, econômicas e ainda outras não são invocadas para se comporem num
sistema de convívio, mas para se afirmarem como forças que necessariamente se excluem. Uma opinião
apresenta-se como lei, um preconceito afirma-se como um valor natural. Não será fácil para os legisladores
encontrarem a forma adequada de se garantir ao mesmo tempo a liberdade de expressão e o limite para que esta
não comprometa todas as outras liberdades previstas numa ordem democrática. Contudo, antes mesmo que essa
tarefa chegue aos legisladores, compete aos cidadãos buscarem o respeito às justas diferenças que constituem a
liberdade responsável das práticas sociais.

(MELLO ARAÚJO, Justino de, inédito)

26. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇAO DE TRANSPORTE I - AREA ECONOMIA) Considerando-se o


contexto, traduz-se adequadamente o sentido de um segmento do primeiro parágrafo em:

a) precede as devidas alterações jurídicas = antepõe-se, devidamente, às leis reiteradas.


b) à margem do que seja legalmente admissível = ao lado do que se constitui como preceito rigoroso.
c) plataformas tecnológicas de interação social = irradiações de opinião de conteúdo sociológico.
d) dispersão acelerada de juízos = propagação veloz e sem controle de julgamentos.
e) valores básicos devem ser preservados = uma base valorativa que cabe recuperar.

Equipamentos cada vez mais elaborados estão realizando mais e mais trabalhos que antes exigiam o cérebro
humano e substituindo também a força física. Uma pesquisa recente da Universidade de Oxford, no Reino Unido,
sugere que cerca de metade dos postos de trabalho existentes hoje nos EUA serão automatizados até 2033.

Segundo as previsões do professor Richard Baldwin, economista do renomado Instituto Graduate, de Genebra,
"alguns quartos de hotéis em Londres poderão ser limpos por pessoas conduzindo robôs diretamente do Quênia ou
de Buenos Aires e de outros lugares por menos de um décimo do preço praticado na Europa". E ele tem uma visão
simples sobre a reação política das pessoas a este cenário: "Elas vão ficar com raiva".

Alguns políticos reconheceram que 2016 marcou o início dessa raiva. O problema é que, entre paredes e barreiras
comerciais, eles têm poucas opções para lidar com o aumento da desigualdade. O ex-consultor de economia do
vice-presidente

dos Estados Unidos, Joe Biden, escreveu recentemente: "Para sermos honestos, precisamos admitir que nenhum dos
lados - democratas ou republicanos - tem um plano robusto e convincente para recuperar os postos de trabalho em
comunidades que perderam muito da base manufatureira". A economista-chefe do Fundo Monetário Internacional,
Christine Lagarde, defende o uso de políticas para impulsionar as pessoas a novas vagas de emprego. Mas, para isso,
as vagas precisam existir. E nada garante que elas existirão.

(Adaptado de: MARDELL, Mark. 2017 marcará o início da era dos robôs?. Disponível em: www.bbc.com)

27. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Um segmento do texto tem seu sentido expresso, em outras palavras, em:

a) reação política das pessoas a este cenário (2° parágrafo) / resposta moral dos compatriotas a esta intempérie
b) Equipamentos cada vez mais elaborados (1° parágrafo) / Produtos gradualmente remanufaturados
c) precisamos admitir que nenhum dos lados (3° parágrafo) / reconhecemos que tanto um quanto outro
d) tem um plano robusto e convincente (3° parágrafo) / dispõe de um programa firme e concludente
e) exigiam o cérebro humano (1° parágrafo) / subjugavam o ímpeto humano

Da morte para a vida

Um velho professor e médico cardiologista foi abordado pelo jovem aluno: - Mestre, dizem as estatísticas que é
altíssima a incidência de mortes por causas cardíacas. O professor respondeu prontamente: - E do que você
preferiria que as pessoas morressem? Lembrava ao discípulo, com isso, os limites do homem e da ciência, que fazem
frente às aspirações ideais das criaturas, ao seu anseio de imortalidade.

Sendo inevitável, nem por isso deixa a morte de prestar algum serviço aos vivos. Não, não me refiro à morte dos
monstros antropomórficos que volta e meia põem em risco nossa humanidade; falo dos corpos que continuam de
alguma forma vivos nos órgãos transplantados, nas aulas de anatomia, corpos que, investigados, ajudam a
esclarecer os caminhos da moléstia que os vitimou. Falo dos préstimos que os homens sabem tomar da morte.

Também no plano filosófico a morte pode surgir como estímulo para viver melhor. É o que afirmavam os velhos
pensadores estoicos, quando lembravam que o bem viver é também a melhor preparação possível para a morte.
Lembrarmo-nos sempre de nossa finitude é mais do que uma lição de humildade: é um convite para intensificar o
sentido do tempo de que dispomos para seguir na vida. É de Sêneca esta lição: "Vivo de modo que cada dia seja para
mim a vida toda; e não me apego a ele como se fosse o último, mas o contemplo como se pudesse também ser o
último".

(Anastácio Fontes Ribeiro, inédito)

28. (2017/POLITEC/PERITO MÉDICO LEGISTA) Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente o sentido


de um segmento do texto em:

a) é altíssima a incidência (1° parágrafo) // é superlativa a injunção


b) fazem frente às aspirações (1° parágrafo) // confrontam as idealizações
c) moléstia que os vitimou (2° parágrafo) // insanidade que os degenerou
d) Também no plano filosófico (3° parágrafo) // Adstrito ao patamar cognitivo
e) convite para intensificar (3° parágrafo) // indução para radicalizar

Ações e limites

Quem nunca ouviu a frase "Conte até dez antes de agir"? Não é comum que se respeite esse conselho, somos
tentados a dar livre vasão aos nossos impulsos, mas a recomendação tem sua utilidade: dez segundos são um tempo
precioso, podem ser a diferença entre o ato irracional e a prudência, entre o abismo e a ponte para um outro lado.
Entre as pessoas, como entre os grupos ou grandes comunidades,

pode ser necessário abrir esse momento de reflexão e diplomacia, que antecede e costuma evitar os desastres
irreparáveis.

Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios. Desse reconhecimento difícil depende nossa humanidade.
Dar a si mesmo e ao outro um tempo mínimo de consideração e análise, antes de irromper em fúria sem volta, é
parte do esforço civilizatório que combate a barbárie. A racionalidade aceita e convocada para moderar o tumulto
passional dificilmente traz algum arrependimento. Cansamo-nos de ouvir: "Eu não sabia o que estava fazendo
naquela hora". Pois os dez segundos existem exatamente para nos dar a oportunidade de saber.

O Direito distingue, é verdade, o crime praticado sob "violenta emoção" daquele "friamente premeditado". Há, sim,
atenuantes para quem age criminosamente sob o impulso do ódio. Mas melhor seria se não houvesse crime algum,
porque alguém se convenceu da importância de contar até dez.
(Décio de Arruda Tolentino, inédito)

29. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente o sentido de um


segmento do texto em:

a) nos dar a oportunidade de saber (2° parágrafo) // ensejar-nos a ocasião de ter ciência
b) antecede [...] os desastres irreparáveis (1° parágrafo) // precede os sobressaltos desconcertados
c) é parte do esforço civilizatório (2° parágrafo) // participa do arremedo cultural
d) convocada para moderar (2° parágrafo) // instaurada para mediar
e) dar livre vasão aos nossos impulsos (1° parágrafo) // impulsionar nossos desejos

[Uma espécie complicada]

O grande biólogo norte-americano Richard Dawkins acredita sem qualquer hesitação na teoria de Darwin acerca da
sobrevivência dos mais fortes e capazes e na importância da adaptação a mutações fortuitas na evolução das outras
espécies, mas se declara contra a ideia do darwinismo social na evolução da sua própria es-

pécie. Aceitar o darwinismo social seria aceitar posições conservadoras em matéria de política e economia, o que vai
contra suas convicções progressistas.

Já os conservadores, que negam a teoria de Darwin sobre a origem e o desenvolvimento das espécies, pregam o
darwinismo social sob vários nomes: liberalismo, antidirigismo, antiassistencialismo etc. A sobrevivência, portanto,
dos mais competitivos e sortudos, como no universo neutro de Darwin.

Esquerda progressista e direita conservadora trocam incoerências. A direita abomina a ideia de que o homem
descende de animais inferiores, mas não tem problema com a ideia de que ele deve seu progresso à ganância que
tem em comum com os chimpanzés. A esquerda aceita a ascendência de macacos e a evolução da sua espécie, mas
não quer outra coisa senão um planejamento inteligente, humanista, para organizar a sua sociedade.

Progressistas costumam ser a favor do direito do aborto e contra a pena de morte. Conservadores, que denunciam
a interferência indevida do Estado na vida das pessoas, invocam a santidade da vida para que o Estado proíba o
aborto, e geralmente são a favor da pena de morte, a mais radical interferência possível do Estado na vida de alguém.
Enfim, seja como for que chegamos a isto, somos uma espécie complicada.

(Adaptado de: VERÍSSIMO, Luis Fernando O mundo é bárbaro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008,

p. 163-164)

30. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente o


sentido de um segmento do texto em:

a) mutações fortuitas na evolução (1° parágrafo) // transformações taxativas da progressão


b) aceitar posições conservadoras (1° parágrafo) // ir de encontro a teses retrógradas
c) aceita a ascendência de macacos (3° parágrafo) // acata a superioridade de símios
d) deve seu progresso à ganância (3° parágrafo) // assume como vitoriosa sua ambição

e) denunciam a interferência indevida (4° parágrafo) // acusam a intromissão inoportuna

31. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Considerando-se o contexto, mantêm-se a correção e o


sentido de um segmento do texto caso se venha a

a) excluir as vírgulas em Já os conservadores, que negam a teoria de Darwin (...), pregam o darwinismo social(2°
parágrafo).
b) substituir o elemento sublinhado em o que vai contra suas convicções progressistas (1° parágrafo) por o que
ratifica.
c) substituir a construção não quer outra coisa senão um planejamento (3° parágrafo) por não abre mão além
de um planejamento.
d) iniciar com a forma verbal Pregam o período que começa por A sobrevivência, portanto (...) (2° parágrafo).
e) substituir a expressão Já os conservadores por Mesmo os conservadores.

De um poder concedido

Aqueles que somente por sorte se tornam príncipes pouco trabalho têm para isso, é claro, mas se mantêm assim
muito penosamente. Não têm dificuldade nenhuma em alcançar o posto, porque para aí voaram; surge, porém, toda
sorte de dificuldades depois da chegada. (...) É o que acontece quando o Estado foi concedido ao príncipe ou por
dinheiro ou por graça de quem o concede. Tais príncipes estão na dependência exclusiva da vontade e da boa
situação de quem lhes propiciou o poder, isto é, de duas coisas extremamente volúveis e instáveis.

(MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. Trad. de Lívio Xavier. São Paulo: Abril Editora, Os Pensadores, 1973, p. 33)

32. (2017/POLITEC/PERITO MÉDICO LEGISTA) Esclarece-se adequadamente, em redação correta e clara, o sentido
de um segmento do texto em:

a) somente por sorte se tornam príncipes = a menos que por previlégio cheguem a um principado
b) se mantêm assim muito penosamente = permanecem desta feita em extrema penúria
c) toda sorte de dificuldades = todos os asares possíveis
d) por graça de quem o concede = por obra intrínsica de quem lhe tem condescendência
e) na dependência exclusiva da vontade = na restrita subordinação ao desejo

O lugar-comum

O lugar-comum, ou chavão, nos faculta falar e pensar sem esforço. Ninguém é levado a sério com ideias originais,
que desafiam nossa preguiça. Ouvem-se aqui e ali frases como esta, dita ainda ontem por um político:

- Este país não fugirá de seu destino histórico!

O sucesso de tais tiradas é sempre infalível, embora os mais espertos possam desconfiar que elas não querem dizer
coisa alguma. Pois nada foge mesmo ao seu destino histórico, seja um império que desaba ou uma barata esmagada.

(Adaptado de: QUINTANA, Mário. Caderno H. Porto Alegre: Globo, 1973, p. 52)

33. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) No segmento

a) Ninguém é levado a sério com ideias originais, que desafiam nossa preguiça, a exclusão da vírgula altera o
sentido da frase.
b) O lugar-comum, ou chavão, nos faculta falar e pensar sem esforço, o elemento sublinhado tem o mesmo sentido
de involuntariamente.

c) Ouvem-se aqui e ali frases como esta, a forma verbal é exemplo de voz ativa.
d) embora os mais espertos possam desconfiar, o elemento sublinhado tem o mesmo valor semântico de uma vez
que.
e) nada foge mesmo ao seu destino histórico, a substituição de foge por se exclui permite manter o restante da
frase tal e qual se apresenta.

A literatura é uma arte solitária. Seu labor é da mente para a página. Sua estranha fantasia é a de que alguém possa
dar forma ao idioma para que outra experiência mental e individual se realize: a do leitor. Apesar de saraus e oficinas,
a escrita raramente escapa de ser esta atividade insossa e desertada: sentar e escrever sozinho. E, se também são
solitárias a pintura e a escultura, ambas têm a vantagem de serem dinâmicas, físicas, performáticas, de um modo
que as aproxima mais das artes coletivas, como a dança, a música, o teatro, o cinema.

Quando fui músico, muitas vezes reclamei dos ensaios, dos shows em que o som estava péssimo, de contratantes
que não entregavam o que prometiam, mas, em especial, do trabalho que a difícil democracia de participar de uma
banda grande demandava. Quantas viagens, quantas discussões, quantas concessões. E quantas alegrias, quantas
vezes olhar para o lado e cruzar com a mirada de alguém que estava ali junto contigo, numa construção maior
porque erguida por mais gentes. Mais artistas de um lado, mais espectadores de outro.

(Adaptado de: GONZAGA, Pedro. Reclamação. Disponível em: http://zh.clicrbs.com.br)

34. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A literatura é uma arte solitária. Seu labor é da
mente para a página. Sua estranha fantasia é a de que alguém possa dar forma ao idioma para que outra experiência
mental e individual se realize: a do leitor. (1° parágrafo) No contexto dado, o vocábulo a, em destaque, retoma:

a) experiência.
b) arte.
c) mente.
d) página.
e) fantasia.

Trabalho como realização

Quando me perguntam por que ainda não me aposentei e eu respondo que é porque gosto do meu trabalho, me
olham com um misto de incredulidade e indignação. Eu quase tenho que me desculpar pela desfeita: a maioria das
pessoas acha que trabalho é castigo e que falar bem dele é pura ostentação, se não for hipocrisia.

Pois bem: entendo perfeitamente que muitos trabalhos possam ser vistos como castigo. Há incontáveis tarefas que
podem ser desinteressantes, tediosas, cansativas, que não trazem prazer nenhum para a maioria das pessoas. Mas
há outras nas quais nossa personalidade se realiza, que podem perfeitamente constituir-se como nosso meio de
expressão, nossa identidade assumida e resolvida como vocação. Exemplo clássico é o de um professor que tenha
grande prazer em dar aula: ele verá a aposentadoria não como uma bênção, mas como brusca interrupção de uma
atividade vital. Ele vai adiar o quanto puder o "gozo", o "desfrute" (enganosas palavras) de uma aposentadoria que
mais lhe parece um castigo.

Fico imaginando, entre outras utopias, a de um mundo em que houvesse para cada um aquele trabalho que
representasse também sua realização pessoal. Acredito mesmo que um dos índices mais seguros para se reconhecer
a felicidade de alguém seja o prazer que a pessoa encontre em trabalhar. Quando o trabalho vira sinônimo de criação,
e quem o faz se sente como um genuíno criador, temos, é forçoso admitir, uma situação de privilégio, em vez de se
constituir uma possibilidade de realização ao alcance de todos.

(Felício Godói, inédito)

35. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Considere as seguintes afirmações:

I - A utilização de aspas em "gozo" e "desfrute" indica o sentido deslocado que as palavras podem ganhar em
determinadas situações.
II - A expressão misto de incredulidade e indignação destaca a alternativa entre duas possíveis reações
desfavoráveis.
III - A expressão possibilidade de realização ao alcance de todos é uma definição adequada do que seja um
privilégio.

Em relação ao texto, está correto o que se afirma APENAS em


a) I.
b) II.
c) III.
d) I e II.
e) II e III.

Carros autônomos com diferentes tecnologias já estão circulando em várias partes do planeta, em ruas de grandes
cidades e estradas no campo. Um caminhão autônomo já rodou cerca de 200 km nos Estados Unidos para fazer a
entrega de uma grande carga de cerveja. Embora muito recentes, veículos sem motoristas são uma realidade
crescente. E, no entanto, os países ainda não discutiram leis para reger seu trânsito.

No início do século 20, quando os primeiros automóveis se popularizaram, as cidades tiveram o desafio de criar uma
legislação para eles, pois as vias públicas tinham sido concebidas para pedestres, cavalos e veículos puxados por
animais. Cem anos depois, vivemos um momento semelhante diante da iminência de uma "nova revolução
industrial", como define o secretário de Transportes paulistano, Sérgio Avelleda. Ele cita o exemplo das empresas de
seguros: "Hoje o risco incide sobre pessoas, donos dos carros e motoristas. No futuro, passará a empresas que
produzem o carro, porque os humanos viram passageiros apenas".

(Adaptado de: SERVA, Leão. Cidades discutem regras para carros autônomos, que já chegam

com tudo. Disponível em: www.folha.uol.com.brJ

36. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Um caminhão autônomo já rodou cerca de 200 km nos Estados Unidos para fazer a entrega de
uma grande carga de cerveja. (1° parágrafo) O acréscimo das vírgulas, embora altere o sentido, preserva a correção
gramatical na seguinte reescrita da frase:

a) Um caminhão autônomo, já rodou cerca de 200 km nos Estados Unidos, para fazer a entrega, de uma grande
carga de cerveja.
b) Um caminhão, autônomo, já rodou cerca de 200 km nos Estados Unidos, para fazer a entrega de uma grande
carga, de cerveja.
c) Um caminhão autônomo, já rodou, cerca de 200 km nos Estados Unidos para fazer, a entrega de uma grande
carga de cerveja.
d) Um caminhão autônomo, já rodou cerca de 200 km, nos Estados Unidos para fazer a entrega de uma grande
carga, de cerveja.
e) Um caminhão, autônomo, já rodou cerca de 200 km nos Estados Unidos para fazer, a entrega, de uma grande
carga de cerveja.

O gol plagiado

"Jogador quer direito autoral sobre seus gols."

Esporte, 20 jan. 2000

"Prezados senhores: dirigindo-se a V.Sa., refiro-me à notícia segundo a qual jogadores de futebol do Reino Unido,
como Michael Owen e Ryan Giggs, querem receber autorais pela exibição de seus gols na mídia. Não tenho o status
desses senhores - sou apenas um brasileiro que bate a sua bolinha nos fins de semana - mas desejo fazer uma grave
denúncia: um dos jogadores citados (oportunamente divulgarei o nome) simplesmente plagiou um gol feito por mim.

Provas? Basta comparar os tapes dos referidos gols. No meu caso, trata-se de um trabalho amador - foi feito por meu
filho, de dez anos - mas mesmo assim é bastante nítido. Vê-se que, como eu, o referido jogador estava num campo
de futebol. Nos dois casos, a partida estava sendo disputada por times de 11 jogadores cada um. Nos dois casos
havia uma bola, havia goleiros. Nos dois casos havia um juiz. No meu caso, um juiz usando bermudões e chinelos -
mas juiz, de qualquer maneira.
Isto, quanto aos aspectos gerais. Vamos agora aos detalhes. No vídeo do jogador inglês, mostrado no mundo inteiro,
vê-se que ele pega a bola na grande área, domina-a, livra-se de um adversário e chuta no canto esquerdo, marcando,
é forçoso admitir, um belo tento, um gol que faz jus aos direitos autorais. No meu vídeo - feito uma semana antes,
é importante que se diga -, vê-se que eu pego a bola na grande área, que a domino, que livro-me de um adversário
e que chuto forte no canto esquerdo, marcando um belo tento.

Conclusão: o jogador inglês me plagiou. Quero, portanto, metade do que ele receber a título de direitos autorais. Se
não for atendido em minha reivindicação levarei a questão a juízo. Estou seguro de que ganharei. Além do vídeo,
conto com uma testemunha: o meu filho. Ele viu o jogo do começo ao fim e pode depor a meu favor. É pena não ter
mais testemunhas, mas, infelizmente, ele foi o único espectador desse jogo. E irá comigo demandar justiça contra o
plágio."

(SCLIAR, Moacyr. O imaginário cotidiano. São Paulo, Global, 2013, p. 55)

37. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Uma interpretação correta a respeito do emprego
da pontuação está em:

a) As vírgulas em ... vê-se que ele pega a bola na grande área, domina-a, livra-se de um adversário e chuta no
canto esquerdo... (3° parágrafo) separam ações ordenadas cronologicamente.

b) Os travessões em ... trata-se de um trabalho amador - foi feito por meu filho, de dez anos - mas mesmo assim
é bastante nítido... (2° parágrafo) apresentam uma síntese da informação imediatamente anterior.
c) Os parênteses em ... um dos jogadores citados (oportunamente divulgarei o nome) simplesmente plagiou um
gol feito por mim. (1° parágrafo) intercalam um exemplo do que foi afirmado anteriormente.
d) Os dois-pontos em Conclusão: o jogador inglês me plagiou. (4° parágrafo) introduzem uma expressão que
contraria o que foi afirmado anteriormente.
e) O sinal de interrogação em Provas? (2° parágrafo) sinaliza uma pergunta dirigida aos leitores do texto para a
qual o autor não tem resposta.

O direito de opinar

As leis precisam ser dinâmicas, para acompanharem as mudanças sociais. Há sempre algum atraso nisso: a
mudança dos costumes precede as devidas alterações jurídicas. É cada vez mais frequente que ocorram transições
drásticas de valores e julgamentos à margem do que seja legalmente admissível. Com a velocidade dos meios de
comunicação e com o surgimento de novas plataformas tecnológicas de interação social, há uma dispersão acelerada
de juízos e opiniões, a que falta qualquer regramento ético ou legal. Qual o limite da liberdade de expressão a que
devam obedecer os usuários das redes sociais? Que valores básicos devem ser preservados em todas as matérias
que se tornam públicas por meio da internet?

Enquanto não se chega a uma legislação adequada, as redes sociais estampam abusos de toda ordem, sejam os que
ofendem o direito da pessoa, sejam os que subvertem os institutos sociais. O direito de opinar passa a se apresentar
como o direito de se propagar um odioso preconceito, uma clara manifestação de intolerância, na pretensão de alçar
um juízo inteiramente subjetivo ao patamar de um valor universal.

As diferenças étnicas, religiosas, políticas, econômicas e ainda outras não são invocadas para se comporem num
sistema de convívio, mas para se afirmarem como forças que necessariamente se excluem. Uma opinião
apresenta-se como lei, um preconceito afirma-se como um valor natural. Não será fácil para os legisladores
encontrarem a forma adequada de se garantir ao mesmo tempo a liberdade de expressão e o limite para que esta
não comprometa todas as outras liberdades previstas numa ordem democrática. Contudo, antes mesmo que essa
tarefa chegue aos legisladores, compete aos cidadãos buscarem o respeito às justas diferenças que constituem a
liberdade responsável das práticas sociais.

(MELLO ARAÚJO, Justino de, inédito)


38. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Está plenamente
adequada a pontuação do seguinte período:

a) Não é consensual e talvez nunca seja, a proposição de que se regulamente o uso da internet, de vez que, muitos
usuários, a entendem, por incrível que pareça como seu território particular, a partir do qual todas as opiniões,
mesmo as mais preconceituosas, podem ser emitidas.
b) Não é consensual e talvez nunca seja, a proposição de que se regulamente o uso da internet: de vez que muitos
usuários a entendem, por incrível que pareça, como seu território particular a partir do qual, todas as opiniões
mesmo as mais preconceituosas podem ser emitidas.
c) Não é consensual e talvez nunca seja: a proposição de que se regulamente o uso da internet, de vez que muitos
usuários, a entendem - por incrível que pareça - como seu território particular, a partir do qual, todas as opiniões
mesmo as mais preconceituosas, podem ser emitidas.

d) Não é consensual - e talvez nunca seja a proposição - de que se regulamente o uso da internet de vez, que
muitos usuários a entendem, por incrível que pareça, como seu território particular; a partir do qual todas as
opiniões mesmo as mais preconceituosas, podem ser emitidas.
e) Não é consensual, e talvez nunca seja, a proposição de que se regulamente o uso da internet, de vez que muitos
usuários a entendem, por incrível que pareça, como seu território particular, a partir do qual todas as opiniões,
mesmo as mais

preconceituosas, podem ser emitidas.

Trabalho como realização

Quando me perguntam por que ainda não me aposentei e eu respondo que é porque gosto do meu trabalho, me
olham com um misto de incredulidade e indignação. Eu quase tenho que me desculpar pela desfeita: a maioria das
pessoas acha que trabalho é castigo e que falar bem dele é pura ostentação, se não for hipocrisia.

Pois bem: entendo perfeitamente que muitos trabalhos possam ser vistos como castigo. Há incontáveis tarefas que
podem ser desinteressantes, tediosas, cansativas, que não trazem prazer nenhum para a maioria das pessoas. Mas
há outras nas quais nossa personalidade se realiza, que podem perfeitamente constituir-se como nosso meio de
expressão, nossa identidade assumida e resolvida como vocação. Exemplo clássico é o de um professor que tenha
grande prazer em dar aula: ele verá a aposentadoria não como uma bênção, mas como brusca interrupção de uma
atividade vital. Ele vai adiar o quanto puder o "gozo", o "desfrute" (enganosas palavras) de uma aposentadoria que
mais lhe parece um castigo.

Fico imaginando, entre outras utopias, a de um mundo em que houvesse para cada um aquele trabalho que
representasse também sua realização pessoal. Acre-

dito mesmo que um dos índices mais seguros para se reconhecer a felicidade de alguém seja o prazer que a pessoa
encontre em trabalhar. Quando o trabalho vira sinônimo de criação, e quem o faz se sente como um genuíno criador,
temos, é forçoso admitir, uma situação de privilégio, em vez de se constituir uma possibilidade de realização ao
alcance de todos.

(Felício Godói, inédito)

39. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Todos os tempos verbais estão adequadamente


articulados, acatando ainda as normas de concordância, na frase:

a) A despeito de serem árduos e desafiadores, há trabalhos que trarão muita satisfação àqueles que se
propuserem a assumi-los com seriedade.
b) Sempre houve pessoas a quem pareceram inútil buscar prazer num trabalho que venha a exigir delas dedicação
plena e grande esforço.
c) Caso desejemos que nossa personalidade viesse a se realizar num trabalho, seria necessário que não se
medisse esforços para levá-lo a bom termo.
d) Cabem aos professores que manifestem prazer ao dar aula não deixarem que esse entusiasmo viesse a
esmorecer com o passar do tempo.
e) Quando vierem a faltar utopias, por conta do pragmatismo do nosso mundo, que não nos venham pelo menos
a faltar a memória das que já houveram.

Ciência e religião

A prestigiosa revista semanal norte-americana Newsweek publicou um surpreendente artigo intitulado "A ciência
encontra Deus". Esse foi o artigo de capa, a qual mostrava o vitral de uma igreja com anjos substituídos por
cientistas em seus jalecos brancos e cruzes substituídas por telescópios e microscópios. Planetas, estrelas e galáxias
adornam essa imagem central, que é finalmente emoldurada

pela estrutura helicoidal de uma molécula de DNA. O artigo sugere que a ciência moderna precisa de Deus.

Não existe nenhum conflito em uma justificativa religiosa ou espiritual para o trabalho científico, contanto que o
produto desse trabalho satisfaça às regras impostas pela comunidade científica. A inspiração para se fazer ciência é
completamente subjetiva e varia de cientista para cientista. Mas o produto de suas pesquisas tem um valor universal,
fato que separa claramente a ciência da religião.

Quando tantas pessoas estão se afastando das religiões tradicionais em busca de outras respostas para seus dilemas,
é extremamente perigoso equacionar o cientista com o sacerdote da sociedade moderna. A ciência oferece-nos a luz
para muitas trevas sem a necessidade da fé. Para alguns, isso já é o bastante. Para outros, só a fé pode iluminar
certas trevas. O importante é que cada indivíduo possa fazer uma escolha informada do caminho que deve seguir,
seja através da ciência, da religião ou de uma visão espiritual do mundo na qual a religião e a ciência preenchem
aspectos complementares de nossa existência.

(GLEISER, Marcelo. Retratos cósmicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 46-47)

40. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Quanto à concordância


verbal e à adequada correlação entre tempos e modos dos verbos, está plenamente correta a frase:

a) Não é comum que venham a se estampar numa revista científica quaisquer alusões ao plano religioso ou
espiritual, de vez que a fé ou a vida mística não devem afetar um método de pesquisa.
b) Seria importante, para os cientistas que são também religiosos, que os valores da fé não interfiram na prática
científica, para a qual em nada pudesse contribuir.
c) É de se lamentar, na opinião do autor do texto, que os dilemas humanos não viessem a ser resolvidos pelas
religiões tradicionais, mas pior será se se pretenderem resolvê-los à luz da ciência.

d) Caso a ciência não traga alguma luz para o conhecimento humano, não teria como competir com o conforto que
a muitos beneficiam por conta da fé e da confiança numa ordem divina.
e) Se fosse natural harmonizar a prática científica com a fé religiosa, o autor do texto não terá insistido em
reconhecer que sempre haveriam incompatibilidades entre os meios de que se vale uma e outra.

Civilização e infelicidade

Uma fonte da infelicidade humana estaria na insuficiência das normas que regulam os vínculos pessoais na família,
no Estado e na sociedade. Não queremos admitir que as instituições por nós mesmos criadas não trariam bem-estar
e proteção para todos nós. Deparamo-nos com a afirmação espantosa que boa parte da nossa miséria vem do que
é chamado de nossa civilização; seríamos bem mais felizes se a abandonássemos e retrocedêssemos a condições
primitivas.

A asserção me parece espantosa porque é fato estabelecido - como quer que se defina o conceito de civilização - que
tudo aquilo com que nos protegemos da ameaça das fontes do sofrer é parte da civilização. Descobriu-se que o
homem se torna neurótico porque não pode suportar a medida de privação que a sociedade lhe impõe, em prol de
seus ideais culturais, e concluiu-se então que, se estas exigências fossem abolidas ou bem atenuadas, isto
significaria um retorno a possibilidades de felicidade.

(Adaptado de: FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. Trad. Paulo César de Souza. São

Paulo: Penguin & Companhia das Letras, 2011, p. 30-32)

41. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) É clara e correta a redação deste livre comentário sobre
o texto:

a) A insuficiência de normas e instituições seriam responsáveis pela infelicidade humana, segundo considera Freud,
por mais paradoxal que seja.

b) Seria impensável que mecanismos institucionais de cujos somos nós mesmos os responsáveis, viessem a
conspirar para a nossa própria felicidade.
c) A muitos parece que, num estágio primitivo, seríamos mais felizes, porquanto a civilização traria-nos alguns
impecilhos para uma vida mais gratificante.
d) Criadas para nos proteger do sofrimento e das injustiças, as instituições, por vezes, nos fazem sofrer, ao
imporem severos limites aos nossos desejos.
e) Mesmo que se venha a abolirem as imposições institucionais, nada nos garante de que nos acarretem com isso
uma vida mais realizada.

O direito de opinar

As leis precisam ser dinâmicas, para acompanharem as mudanças sociais. Há sempre algum atraso nisso: a
mudança dos costumes precede as devidas alterações jurídicas. É cada vez mais frequente que ocorram transições
drásticas de valores e julgamentos à margem do que seja legalmente admissível. Com a velocidade dos meios de
comunicação e com o surgimento de novas plataformas tecnológicas de interação social, há uma dispersão acelerada
de juízos e opiniões, a que falta qualquer regramento ético ou legal. Qual o limite da liberdade de expressão a que
devam obedecer os usuários das redes sociais? Que valores básicos devem ser preservados em todas as matérias
que se tornam públicas por meio da internet?

Enquanto não se chega a uma legislação adequada, as redes sociais estampam abusos de toda ordem, sejam os que
ofendem o direito da pessoa, sejam os que subvertem os institutos sociais. O direito de opinar passa a se apresentar
como o direito de se propagar um odioso preconceito, uma clara manifestação de intolerância, na pretensão de alçar
um juízo inteiramente subjetivo ao patamar de um valor universal.

As diferenças étnicas, religiosas, políticas, econômicas e ainda outras não são invocadas para se comporem num
sistema de convívio, mas para se afirmarem como forças que necessariamente se excluem. Uma opinião
apresenta-se como lei, um preconceito afirma-se como um valor natural. Não será fácil para os legisladores
encontrarem a forma adequada de se garantir ao mesmo tempo a liberdade de expressão e o limite para que esta
não comprometa todas as outras liberdades previstas numa ordem democrática. Contudo, antes mesmo que essa
tarefa chegue aos legisladores, compete aos cidadãos buscarem o respeito às justas diferenças que constituem a
liberdade responsável das práticas sociais.

(MELLO ARAÚJO, Justino de, inédito)

42. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) O verbo indicado entre


parênteses deverá flexionar-se de modo a concordar com o termo sublinhado em:

a) Não (dever) faltar às novas leis uma orientação democrática sancionada por valores éticos.
b) Nunca se (chegar) a um consenso de justos valores se não houver uma ampla discussão.
c) Caso (vir) a ocorrer numa reação da sociedade, os protestos deverão embasar-se juridicamente.
d) É inimaginável que ainda (persistir) em nossa sociedade reações contrárias à regulamentação da internet.
e) Como é de regra, (atribuir-se) aos legisladores a tarefa de propor as novas disposições legais.

Escritora nigeriana elenca sugestões feministas para educar crianças

A escritora nigeriana Chimamanda Adichie tornou-se uma das difusoras do movimento feminista desde seu discurso
"Sejamos Todos Feministas", em 2015. Naquela época, Adichie já havia lançado quatro romances que a
consagraram como expoente da literatura africana. Agora ela acaba de publicar o livro "Para Educar

Crianças Feministas - Um Manifesto", em que propõe a ruptura do preconceito e da misoginia por meio da educação
de novas gerações. No livro, ela acredita ter finalmente reunido o sumo de sua visão sobre a "doutrina".

Apesar do título, o livro não se dirige apenas a pais e mães, mas a "todos os que pensam no feminismo como uma
palavra negativa e que associam o movimento a posições extremistas", explica a autora. "É minha maneira de dizer
'olhe por esse lado'. A questão da injustiça de gênero é que as coisas são feitas assim há tanto tempo que elas são
vistas como normais."

Se o tema consolida parte do público que se vê representada por suas reflexões, implica também uma perda. Ela
recorda que, em um evento na Nigéria, um homem lhe disse que deixara de gostar de sua obra quando ela começou
a falar de feminismo. "Há muita hostilidade à ideia de feminismo. O mundo é sexista e a misoginia é praticada tanto
por homens quanto por mulheres", diz.

(Adaptado de: NOGUEIRA, Amanda. Folha de S. Paulo, 03/03/2017)

43. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Não haverá prejuízo para
a estrutura gramatical da frase Se o tema consolida parte do público que se vê representada por suas reflexões,
implica também uma perda ao se substituírem os segmentos sublinhados, respectivamente, por

a) Ainda que o tema viesse a consolidar - talvez constitua um agravo.


b) Conquanto o tema consolide - acarreta, ao mesmo tempo, um ônus.
c) Mesmo se o tema consolidasse - de onde adviria um prejuízo.
d) Haja vista que o tema consolide - mesmo que também houvesse algum dano.
e) Como o tema consolida - aonde alguma perda ainda haverá.

44. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) As regras de concordância estão plenamente


respeitadas na frase:

a) A exibição de gols na mídia poderiam render direitos autorais aos jogadores de futebol?
b) Um vídeo e uma testemunha são os trunfos com o qual conto para atestar o que digo.
c) Bermudões e chinelos eram o que usavam o juiz que apitou o jogo em que fiz o gol.
d) Se forem comparados os gols dos jogadores, será possível constatar uma semelhança.
e) O jogador inglês fez um belo gol, e talvez seja legítimo a cobrança dos direitos autorais.

Equipamentos cada vez mais elaborados estão realizando mais e mais trabalhos que antes exigiam o cérebro
humano e substituindo também a força física. Uma pesquisa recente da Universidade de Oxford, no Reino Unido,
sugere que cerca de metade dos postos de trabalho existentes hoje nos EUA serão automatizados até 2033.

Segundo as previsões do professor Richard Baldwin, economista do renomado Instituto Graduate, de Genebra,
"alguns quartos de hotéis em Londres poderão ser limpos por pessoas conduzindo robôs diretamente do Quênia ou
de Buenos Aires e de outros lugares por menos de um décimo do preço praticado na Europa". E ele tem uma visão
simples sobre a reação política das pessoas a este cenário: "Elas vão ficar com raiva".

Alguns políticos reconheceram que 2016 marcou o início dessa raiva. O problema é que, entre paredes e barreiras
comerciais, eles têm poucas opções para lidar com o aumento da desigualdade. O ex-consultor de economia do
vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, escreveu recentemente: "Para sermos honestos, precisamos admitir
que nenhum dos lados - democratas ou republicanos - tem um plano robusto e convincente para recuperar os postos
de trabalho em comunidades que perderam muito da base manufatureira". A economista-chefe do Fundo Monetário
Internacional, Christine Lagarde, defende o uso de políticas para impulsionar as pessoas a novas vagas de emprego.
Mas, para isso, as vagas precisam existir. E nada garante que elas existirão.

(Adaptado de: MARDELL, Mark. 2017 marcará o início da era dos robôs?.

Disponível em: www.bbc.comJ

45. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Atendendo às regras de concordância padrão e respeitando o sentido do trecho, em linhas gerais,
uma redação alternativa para a expressão destacada está entre colchetes em:

a) ... cerca de metade dos postos de trabalho existentes hoje nos EUA serão automatizados até 2033. (1°
parágrafo) [será automatizada]
b) ... trabalhos que antes exigiam o cérebro humano... (1° parágrafo) [exigia]
c) "Para sermos honestos... (3° parágrafo) [honesto]
d) ... um décimo do preço praticado na Europa". (2° parágrafo) [praticados]
e) "Elas vão ficar com raiva". (2° parágrafo) [ficarem]

Um velho professor e médico cardiologista foi abordado pelo jovem aluno: - Mestre, dizem as estatísticas que é
altíssima a incidência de mortes por causas cardíacas. O professor respondeu prontamente: - E do que você
preferiria que as pessoas morressem? Lembrava ao discípulo, com isso, os limites do homem e da ciência, que fazem
frente às aspirações ideais das criaturas, ao seu anseio de imortalidade.

Sendo inevitável, nem por isso deixa a morte de prestar algum serviço aos vivos. Não, não me refiro à morte dos
monstros antropomórficos que volta e meia põem em risco nossa humanidade; falo dos corpos que continuam de
alguma forma vivos nos órgãos transplantados, nas aulas de anatomia, corpos que, investigados, ajudam a
esclarecer os caminhos da moléstia que os vitimou. Falo dos préstimos que os homens sabem tomar da morte.

Da morte para a vida

Também no plano filosófico a morte pode surgir como estímulo para viver melhor. É o que afirmavam os velhos
pensadores estoicos, quando lembravam que o bem viver é também a melhor preparação possível para a morte.
Lembrarmo-nos sempre de nossa finitude é mais do que uma lição de humildade: é um convite para intensificar o
sentido do tempo de que dispomos para seguir na vida. É de Sêneca esta lição: "Vivo de modo que cada dia seja para
mim a vida toda; e não me apego a ele como se fosse o último, mas o contemplo como se pudesse também ser o
último".

(Anastácio Fontes Ribeiro, inédito)

46. (2017/POLITEC/PERITO MÉDICO LEGISTA) O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de modo a
concordar com o elemento sublinhado na frase:

a) Não (faltar) a um médico experiente sábias ponderações acerca dos limites implicados em nossa mortalidade.
b) Às lições de Sêneca (dever) dar atenção todo aquele que pretende viver com estoica sabedoria.
c) Até mesmo aos mortos (caber) beneficiar-nos com os indícios que se gravam em seus corpos.
d) Mesmo que não (vir) a faltar a certos homens um mais que largo tempo de vida, continuariam se queixando.
e) (Haver) de melhor aproveitar a vida, é certo, aqueles que não ficarem calculando o tempo que têm para viver.

Ações e limites

Quem nunca ouviu a frase "Conte até dez antes de agir"? Não é comum que se respeite esse conselho, somos
tentados a dar livre vasão aos nossos impulsos, mas a recomendação tem sua utilidade: dez segundos são um tempo
precioso, podem ser a diferença entre o ato irracional e a prudência, entre o abismo e a ponte para

um outro lado. Entre as pessoas, como entre os grupos ou grandes comunidades, pode ser necessário abrir esse
momento de reflexão e diplomacia, que antecede e costuma evitar os desastres irreparáveis.

Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios. Desse reconhecimento difícil depende nossa humanidade.
Dar a si mesmo e ao outro um tempo mínimo de consideração e análise, antes de irromper em fúria sem volta, é
parte do esforço civilizatório que combate a barbárie. A racionalidade aceita e convocada para moderar o tumulto
passional dificilmente traz algum arrependimento. Cansamo-nos de ouvir: "Eu não sabia o que estava fazendo
naquela hora". Pois os dez segundos existem exatamente para nos dar a oportunidade de saber.

O Direito distingue, é verdade, o crime praticado sob "violenta emoção" daquele "friamente premeditado". Há, sim,
atenuantes para quem age criminosamente sob o impulso do ódio. Mas melhor seria se não houvesse crime algum,
porque alguém se convenceu da importância de contar até dez.

(Décio de Arruda Tolentino, inédito)

47. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de modo a concordar
com o elemento sublinhado na frase:

a) Dez segundos entre a reação e a decisão (poder) representar a diferença entre a civilização e a barbárie.
b) As palavras abismo e ponte, empregadas de modo expressivo, (constituir) uma relação de antítese ou oposição.
c) A distinção entre violenta emoção e premeditada violência (implicar) consideráveis abrandamentos na
penalidade.
d) Não (caber), aos violentos reincidentes, invocar razões de súbita emoção a cada crime que cometam.
e) Depois que se (deixar) dominar pelos selvagens instintos, não há como o homem violento reparar sua
brutalidade.

Crônicas contemporâneas

O gênero da crônica, entendida como um texto curto de periódico, que se aplica sobre um acontecimento pessoal,
um fato do dia, uma lembrança, um lance narrativo, uma reflexão, tem movido escritores e leitores desde os
primeiros periódicos. No pequeno espaço de uma crônica pode caber muito, a depender do cronista. Se ele se chamar
Rubem Braga, pode caber tudo: esse mestre maior dotou a crônica de uma altura tal que pôde dedicar-se
exclusivamente a ele ocupando um lugar entre os nossos maiores escritores, de qualquer gênero.

Jovens cronistas de hoje, com colunas nos grandes jornais, vêm demonstrando muita garra, equilibrando-se entre as
miudezas quase inconfessáveis do cotidiano pessoal, às quais se apegam sem pudor, e a uma espécie de
investigação crítica que pretende ver nelas algo de grandioso. É como se na padaria da esquina pudesse de repente
representar-se uma cena de Hamlet ou de alguma tragédia grega; é como se, no banheiro do apartamento, o
espelhinho do armário pudesse revelar a imagem-síntese dos brasileiros. Talvez esteja nesse difícil equilíbrio um
sinal dos tempos modernos, quando, como numa crônica, impõe-se combinar a condição mais pessoal de cada um
com a responsabilidade de uma consciência coletivista, que a todos nos convoca.

(Diógenes da Cruz, inédito)

48. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) As normas de concordância e a adequada articulação entre tempos e modos
verbais estão plenamente observadas na frase:

a) É comum que se assinale numa crônica os aspectos do cotidiano que o escritor resolvesse analisar e interpretar,
apesar das dificuldades que encerram tal desafio.
b) Se às crônicas de Rubem Braga viessem a faltar sua marca autoral inconfundível, elas terão deixado de
constituir textos clássicos desse gênero.
c) Caso um dia venham a surgir, simultaneamente, talentos à altura de um Rubem Braga, esse gênero terá
alcançado uma relevância jamais vista.
d) Não seria fácil, de fato, que venha a se equilibrar, na cabeça de um jovem cronista de hoje, os valores de sua
experiência pessoal com os de sua comunidade.
e) Tanto uma padaria como um banheiro poderiam oferecer matéria para uma boa crônica, desde que não falte ao
cronista recursos de grande imaginação.

[Uma espécie complicada]

O grande biólogo norte-americano Richard Dawkins acredita sem qualquer hesitação na teoria de Darwin acerca da
sobrevivência dos mais fortes e capazes e na importância da adaptação a mutações fortuitas na evolução das outras
espécies, mas se declara contra a ideia do darwinismo social na evolução da sua própria espécie. Aceitar o
darwinismo social seria aceitar posições conservadoras em matéria de política e economia, o que vai contra suas
convicções progressistas.

Já os conservadores, que negam a teoria de Darwin sobre a origem e o desenvolvimento das espécies, pregam o
darwinismo social sob vários nomes: liberalismo, antidirigismo, antiassistencialismo etc. A sobrevivência, portanto,
dos mais competitivos e sortudos, como no universo neutro de Darwin.

Esquerda progressista e direita conservadora trocam incoerências. A direita abomina a ideia de que o homem
descende de animais inferiores, mas não tem problema com a ideia de que ele deve seu progresso à ganância que
tem em comum com os chimpanzés. A esquerda aceita a ascendência de macacos e a evolução da sua espécie, mas
não quer outra coisa senão um planejamento inteligente, humanista, para organizar a sua sociedade.

Progressistas costumam ser a favor do direito do aborto e contra a pena de morte. Conservadores, que denunciam
a interferência indevida do Estado na vida das pessoas, invocam a santidade da vida para que o Estado proíba o
aborto, e geralmente são a favor da pena de morte, a mais radical interferência possível do Estado na vida de alguém.
Enfim, seja como for que chegamos a isto, somos uma espécie complicada.

(Adaptado de: VERÍSSIMO, Luis Fernando O mundo é bárbaro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008,

p. 163-164)

49. (2017/DPE/ANALISTA - AREA ADMINISTRAÇAO) Todas as formas verbais observam as normas de concordância
e a adequada articulação entre tempos e modos na seguinte frase:

a) Richard Dawkins não aceitou que a teoria darwinista, em cujas formulações se explica a evolução das espécies,
fosse extensiva à evolução social do homem.
b) A se acreditarem nas ideias de um darwinismo social, dever-se-ão aceitar uma série de teses conservadoras,
abominadas pela esquerda.
c) Caso a esquerda e a direita não trocassem tantas incoerências, será menos problemático reconhecer os valores
reais em que cada uma delas acreditassem.
d) Supondo-se que a ala dos conservadores possam um dia aceitar a tese evolu- cionista de Darwin, seja mais fácil
para ela defenderem a teoria de um darwinismo social.
e) Questões vitais, tais como as que impliquem a polêmica sobre o aborto e a pena de morte, não dizia respeito
apenas a um código, mas aos mais altos valores éticos.

50. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de
modo a concordar com o termo sublinhado na frase:

a) A lei da sobrevivência dos mais fortes (concorrer) para a explicação do evolucio- nismo darwinista.
b) Um valor do qual, via de regra, não se (afastar) os conservadores é o da vantagem econômica.
c) O direito de aborto é uma das teses pelas quais (manifestar) simpatia o progressista de esquerda.
d) Não (caber) ao Estado tomar iniciativas, segundo os conservadores, no plano dos valores individuais.
e) De todas as considerações feitas pelo autor, (resultar) a conclusão de que nossa espécie é de fato complicada.

Sem privacidade

Ainda é possível ter privacidade em meio a celulares, redes sociais e dispositivos outros das mais variadas conexões?
Os mais velhos devem se lembrar do tempo em que era feio "ouvir conversa alheia". Hoje é impossível transitar por
qualquer espaço público sem recolher informações pessoais de todo mundo. Viajando de ônibus, por exemplo,
acompanham-se em conversas ao celular brigas de casal, reclamações trabalhistas, queixas de pais a filhos e
vice-versa, declarações românticas, acordo de negócios, informações técnicas, transmissão de dados e um
sem-número de situações de que se é testemunha compulsória. Em clara e alta voz, lances da vida alheia se expõem
aos nossos ouvidos, desfazendo-se por completo a fronteira que outrora distinguia entre a intimidade e a mais aberta
exposição.

Nas redes sociais, emoções destemperadas convivem com confissões perturbadoras, o humor de mau gosto disputa
espaço com falácias políticas - tudo deixando ver que agora o sujeito só pode existir na medida em que proclama
para o mundo inteiro seu gosto, sua opinião, seu juízo, sua reação emotiva. É como se todos se obrigassem a deixar
bem claro para o resto da humanidade o sentido de sua existência, seu propósito no mundo. A discrição, a fala
contida, o recolhimento íntimo parecem fazer parte de uma civilização extinta, de quando fazia sentido proteger os
limites da própria individualidade.

Em meio a tais processos da irrestrita divulgação da personalidade, as reticências, a reflexão silenciosa e o olhar
contemplativo surgem como sintomas problemáticos de alienação. Impõe-se um tipo de coletivismo no qual todos se
obrigam a se falar, na esperança de que sejam ouvidos por todos. Nesse imenso ruído social, a reclamação por
privacidade é recebida como o mais condenável egoísmo. Pretender identificar-se como um sujeito singular passou
a soar como uma provocação escandalosa, em tempos de celebração do paradigma público da informação.

(Jeremias Tancredo Paz, inédito)

51. (2017/DPE/ANALISTA - AREA ADMINISTRAÇAO) Está correto o emprego dos elementos sublinhados em:

a) As confissões perturbadoras às quais aprendemos a conviver não respeitam nosso direito à um mínimo de
privacidade.
b) Houve tempos onde era feio e indiscreto ouvir conversas alheias; hoje, propaga-se as falas em voz alta por toda
parte.
c) Não faltava a aquelas antigas conversas um tom de intimidade, tão raro hoje entre os que ainda lhe são capazes.
d) O olhar contemplativo, no qual se dedicavam os viajantes de ônibus, já não flue pelas janelas.
e) O vício das conexões, cuias malhas nos envolvem a todos, não é de todo mau, segundo os otimistas.

52. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇAO) Os elementos sublinhados são exemplos de uma mesma
função sintática no seguinte segmento:

a) Nas redes sociais, emoções destemperadas convivem com confissões perturbadoras...


b) Os mais velhos devem se lembrar do tempo em que era feio "ouvir conversa alheia".

c) Hoje é impossível transitar por qualquer espaço público sem recolher informações pessoais...
d) Ainda é possível ter privacidade em meio a celulares (...)?
e) ...a reclamação por privacidade é recebida como o mais condenável egoísmo.
A literatura é uma arte solitária. Seu labor é da mente para a página. Sua estranha fantasia é a de que alguém possa
dar forma ao idioma para que outra experiência mental e individual se realize: a do leitor. Apesar de saraus e oficinas,
a escrita raramente escapa de ser esta atividade insossa e desertada: sentar e escrever sozinho. E, se também são
solitárias a pintura e a escultura, ambas têm a vantagem de serem dinâmicas, físicas, performáticas, de um modo
que as aproxima mais das artes coletivas, como a dança, a música, o teatro, o cinema.

Quando fui músico, muitas vezes reclamei dos ensaios, dos shows em que o som estava péssimo, de contratantes
que não entregavam o que prometiam, mas, em especial, do trabalho que a difícil democracia de participar de uma
banda grande demandava. Quantas viagens, quantas discussões, quantas concessões. E quantas alegrias, quantas
vezes olhar para o lado e cruzar com a mirada de alguém que estava ali junto contigo, numa construção maior
porque erguida por mais gentes. Mais artistas de um lado, mais espectadores de outro.

(Adaptado de: GONZAGA, Pedro. Reclamação. Disponível em: http://zh.clicrbs.com.br)

53. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Ao traçar um paralelo entre as diferentes artes, o
autor sugere que a literatura

a) exige relativamente maior isolamento.


b) é irracional, o que a torna inferior.
c) requer menos esforço intelectual.
d) demanda uma maior socialização.
e) exclui a necessidade de validação.

54. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A leitura do 2° parágrafo permite concluir que o
autor

a) desistiu de sua carreira musical após desentender-se com a banda.


b) se arrepende de ter agido de modo egoísta com seus companheiros.
c) demonstra ressentimento por não ter alcançado o sucesso que buscava.
d) sente falta de alguns aspectos de sua experiência como músico.
e) tinha uma timidez acentuada para se apresentar diante do público.

55. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) No contexto do 2° parágrafo, a palavra


democracia, em destaque, refere-se precisamente a

a) uma organização coletiva com regras de comportamento estabelecidas por uma minoria.
b) uma conjuntura política, em que os governantes são escolhidos em eleições diretas.
c) um regime de governo em que os políticos tomam decisões baseadas no bem comum.
d) um contexto de interação respeitosa entre integrantes de um determinado grupo.
e) um modo de convivência desorganizado por não ter uma figura de liderança determinada.

Trabalho como realização

Quando me perguntam por que ainda não me aposentei e eu respondo que é porque gosto do meu trabalho, me
olham com um misto de incredulidade e indignação. Eu quase tenho que me desculpar pela desfeita: a maioria das
pessoas acha que trabalho é castigo e que falar bem dele é pura ostentação, se não for hipocrisia.

Pois bem: entendo perfeitamente que muitos trabalhos possam ser vistos como castigo. Há incontáveis tarefas que
podem ser desinteressantes, tediosas, cansativas, que não trazem prazer nenhum para a maioria das pessoas. Mas
há outras

nas quais nossa personalidade se realiza, que podem perfeitamente constituir-se como nosso meio de expressão,
nossa identidade assumida e resolvida como vocação. Exemplo clássico é o de um professor que tenha grande prazer
em dar aula: ele verá a aposentadoria não como uma bênção, mas como brusca interrupção de uma atividade vital.
Ele vai adiar o quanto puder o "gozo", o "desfrute" (enganosas palavras) de uma aposentadoria que mais lhe parece
um castigo.

Fico imaginando, entre outras utopias, a de um mundo em que houvesse para cada um aquele trabalho que
representasse também sua realização pessoal. Acredito mesmo que um dos índices mais seguros para se reconhecer
a felicidade de alguém seja o prazer que a pessoa encontre em trabalhar. Quando o trabalho vira sinônimo de criação,
e quem o faz se sente como um genuíno criador, temos, é forçoso admitir, uma situação de privilégio, em vez de se
constituir uma possibilidade de realização ao alcance de todos.

(Felício Godói, inédito)

56. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) A "ostentação" e a "hipocrisia" referidas no primeiro


parágrafo do texto são atributos acusatórios que partem das pessoas que

a) imaginam encontrar em qualquer atividade profissional uma forma plena de realização da personalidade.
b) avaliam a felicidade alheia a partir da satisfação que o outro encontre em se dedicar ao seu trabalho.
c) desconsideram a efetiva possibilidade de que o trabalho enseje a alguém o prazer de uma realização vital.
d) preferem encobrir a insatisfação que sentem no trabalho com a máscara de uma falsa realização pessoal.
e) desprezam aquele em quem reconhecem o sacrifício assumido para que se possa realizar um bom trabalho.

57. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Deve-se depreender da leitura do parágrafo final do


texto que, para seu autor,

a) a oportunidade de exercer um trabalho criativo é desprezada por quem o considera um privilégio injustificável.
b) todo trabalho que exija um alto grau de criatividade só pode ser exercido por pessoas naturalmente
privilegiadas.
c) é uma utopia imaginar que mesmo as pessoas mais vocacionadas para exercer um trabalho encontrem pleno
prazer nele.
d) as pessoas deveriam acreditar que o esforço que despenderem em seu trabalho é a garantia de seu sucesso
profissional.
e) deveria ser mais do que uma simples utopia um mundo onde a realização pelo trabalho deixasse de ser um
privilégio.

58. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Atente para o seguinte segmento do texto: Quando o
trabalho vira sinônimo de criação, e quem o faz se sente como um genuíno criador, temos, é forçoso admitir, uma
situação de privilégio (...). Numa nova redação, mantêm-se a correção, a clareza e o sentido básico desse segmento
em:

a) A criação é um sinônimo do trabalho, quando este faz sentir a quem o executa o privilégio forçoso da situação
de ser um genuíno criador.
b) Quem faz um trabalho que é também uma genuína criação torna-se, nessa situação, temos que admitir, uma
pessoa privilegiada.
c) É uma situação de privilégio quando, ao ser sinônimo de criação, um trabalho faz sentir-se um verdadeiro
criador aquele que admite fazê-lo.
d) Concedamos logo: é forçoso que a genuína criação de um trabalho torna a quem o executa um autêntico e
privilegiado criador.
e) Torna-se um genuíno criador quem sente o trabalho como um sinônimo de criação, conquanto seja esta uma
admissível situação de privilégio.

Ciência e religião

A prestigiosa revista semanal norte-americana Newsweek publicou um surpreendente artigo intitulado "A ciência
encontra Deus". Esse foi o artigo de capa, a qual mostrava o vitral de uma igreja com anjos substituídos por
cientistas em seus jalecos brancos e cruzes substituídas por telescópios e microscópios. Planetas, estrelas e galáxias
adornam essa imagem central, que é finalmente emoldurada pela estrutura helicoidal de uma molécula de DNA. O
artigo sugere que a ciência moderna precisa de Deus.

Não existe nenhum conflito em uma justificativa religiosa ou espiritual para o trabalho científico, contanto que o
produto desse trabalho satisfaça às regras impostas pela comunidade científica. A inspiração para se fazer ciência é
completamente subjetiva e varia de cientista para cientista. Mas o produto de suas pesquisas tem um valor universal,
fato que separa claramente a ciência da religião.

Quando tantas pessoas estão se afastando das religiões tradicionais em busca de outras respostas para seus dilemas,
é extremamente perigoso equacionar o cientista com o sacerdote da sociedade moderna. A ciência oferece-nos a luz
para muitas trevas sem a necessidade da fé. Para alguns, isso já é o bastante. Para outros, só a fé pode iluminar
certas trevas. O importante é que cada indivíduo possa fazer uma escolha informada do caminho que deve seguir,
seja através da ciência, da religião ou de uma visão espiritual do mundo na qual a religião e a ciência preenchem
aspectos complementares de nossa existência.

(GLEISER, Marcelo. Retratos cósmicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 46-47)

59. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) A afirmação de que Não


existe nenhum conflito em uma justificativa religiosa ou espiritual para o trabalho científico justifica-se porque, para
o autor do texto,

a) a manifestação do sagrado ocorre tanto nas celebrações religiosas como nas experiências revolucionárias
desenvolvidas pela ciência.
b) o rigor que norteia a prática dos cientistas é o mesmo que orienta as projeções místicas da fé dos sacerdotes e
dos crentes em geral.
c) os caminhos da ciência e da religião, conquanto nunca se confundam, podem ser paralelos, sendo possível que
cheguem a ser complementares.
d) a religião e a ciência constituem, por definição, caminhos que se complementam, uma vez que por métodos
análogos perseguem um mesmo objetivo.
e) as religiões tradicionais e a ciência moderna são igualmente investigativas, contando ambas com a falibilidade
dos homens e com desejo de redenção.

60. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Com a frase A inspiração


para se fazer ciência é completamente subjetiva, o autor do texto

a) entra em contradição com sua tese principal, ao admitir que a subjetividade é intrínseca ao método científico.
b) revela sua intolerância com o teor emocional que condiciona o trabalho dos cientistas mais inspirados.
c) dá força ao argumento que se expressará adiante, no segmento só a fé pode iluminar certas trevas.
d) acaba contradizendo o que adiante afirmará no segmento O importante é que cada indivíduo possa fazer uma
escolha.
e) lembra que um cientista pode ser originalmente motivado, em sua profissão, por um impulso íntimo.

61. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Está plenamente clara e


correta a redação deste livre comentário sobre o texto.

a) Sendo o autor do texto um cientista, um renomado nome da astrofísica é natural que se pendeie um pouco para
o lado de seus companheiros de investigação, e não com os religiosos.
b) Um cientista que se preze não abre mão dos procedimentos que sua comunidade considere obrigatórios, para
que se alcance a universalidade do valor de uma pesquisa.
c) Nada obsta de que um cientista tenha também fé, além dos procedimentos habituais de sua atividade, quais
sejam o rigor, a disciplina e o consenso dos resultados nele obtidos.
d) A prestigiada revista norte-americana não hesitou em se propor uma analogia, em cuja tanto um cientista
quanto um devoto fervoroso se equivalem à medida em que se conciliam.
e) Não costumam faltar aos maiores cientistas alguma alta inspiração, o que não implica em que o resultado de
suas pesquisas se traduzam em conquistas de fato objetivas.
Aplicativos para celular e outros avanços tecnológicos têm transformado as formas de ir e vir da população e podem
ser grandes aliados na melhoria da mobilidade urbana.

Segundo a União Internacional dos Transportes Públicos (UITP), simulações feitas nas capitais de países da União
Europeia mostram que a combinação de transporte público de alta capacidade e o compartilhamento de carros e
caronas poderia remover até 65 de cada 100 carros nos horários de pico.

(Adaptado de: Aplicativos e tecnologia mudam a mobilidade urbana.

Disponível em: http://odia.ig.com.br)

62. (ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - AREA TÉCNICO EM CONTABILIDADE) O


segundo parágrafo do texto apresenta uma mensagem com teor

a) ilustrativo, que relativiza a tese do primeiro parágrafo.


b) informativo, que corrobora a tese do primeiro parágrafo.
c) científico, que refuta a tese do primeiro parágrafo.
d) controverso, que retifica a tese do primeiro parágrafo.
e) apelativo, que questiona a tese do primeiro parágrafo.

63. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) A forma verbal poderia, no segundo parágrafo, atribui à expressão remover até 65 de cada 100
carros nos horários de pico sentido

a) falacioso.
b) factual.
c) imperativo.
d) conclusivo.
e) conjectural.

64. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) O humor da tira relaciona-se

a) à expectativa de enriquecer sem esforço das personagens que adquiriram o GPS.


b) ao funcionamento não convencional dos produtos vendidos na loja de eletrônica.
c) ao desconhecimento, por parte dos clientes, de que o GPS tem função localizadora.
d) ao fato de que os consumidores não demonstram ter consciência de seus direitos.
e) à inaptidão dos usuários do GPS para configurar manualmente o aparelho.

65. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) A frase redigida com clareza e correção, conforme a norma-padrão da língua, é:

a) Temos o intuíto de trocar o GPS, haja visto que ele não vêm respondendo aos nossos comandos.
b) Não estando satisfeito com o desempenho do GPS, desejamos efetuar a devolução do mesmo.
c) Frustrados com o fato de o GPS não atender às nossas solicitações, gostaríamos de devolvê-lo.
d) O GPS apresenta falhas e, por essa razão, esperamos que seja realizado a troca do produto.
e) O motivo porque desejamos trocar o GPS, é que ele não encontra-se configurado corretamente.

Carros autônomos com diferentes tecnologias já estão circulando em várias partes do planeta, em ruas de grandes
cidades e estradas no campo. Um caminhão autônomo já rodou cerca de 200 km nos Estados Unidos para fazer a
entrega de uma grande carga de cerveja. Embora muito recentes, veículos sem motoristas são uma realidade
crescente. E, no entanto, os países ainda não discutiram leis para reger seu trânsito.

No início do século 20, quando os primeiros automóveis se popularizaram, as cidades tiveram o desafio de criar uma
legislação para eles, pois as vias públicas tinham sido concebidas para pedestres, cavalos e veículos puxados por
animais. Cem anos depois, vivemos um momento semelhante diante da iminência de uma "nova revolução
industrial", como define o secretário de Transportes paulistano, Sérgio Avelleda. Ele cita o exemplo das empresas de
seguros: "Hoje o risco incide sobre pessoas, donos dos carros e motoristas. No futuro, passará a empresas que
produzem o carro, porque os humanos viram passageiros apenas".

(Adaptado de: SERVA, Leão. Cidades discutem regras para carros autônomos, que já chegam

com tudo. Disponível em: www.folha.uol.com.brJ

66. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Infere-se, da leitura do texto, a

a) crítica à impossibilidade atual de veículos autônomos efetuarem a condução de cargas.


b) necessidade de se restringir o trânsito de carros autônomos aos meios urbanos.
c) premência de se atualizarem as leis constituídas para o trânsito de veículos sem motorista.
d) urgência em se estabelecerem leis que regulamentem a circulação de veículos autônomos.
e) indignação diante da falta de segurança em vias projetadas para a circulação de carros autônomos.

67. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) O comentário de Sérgio Avelleda, ao final do texto, apresenta a suposição de que

a) o surgimento de veículos que não necessitam de motoristas fará reduzir o número de acidentes no trânsito.

b) as empresas de seguro deixarão de oferecer seus serviços a proprietários de carros convencionais para atender
outro público.
c) o comércio de veículos autônomos exigirá uma nova postura dos governantes, para que a sociedade não se
torne mecânica demais.
d) os carros autônomos levarão veículos motorizados à extinção, assim como ocorreu com cavalos no início do
século 20.
e) os produtores, em vez dos usuários, de carros autônomos poderão ser inculpados em caso de acidentes.

68. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Cem anos depois, vivemos um momento semelhante diante da iminência de uma "nova revolução
industrial", como define o secretário de Transportes paulistano, Sérgio Avelleda. (2° parágrafo) O vocábulo como,
nessa passagem do texto, estabelece a mesma relação de sentido que a verificada em:

a) Ainda não se sabe como ficarão as leis de trânsito com a popularização dos carros autônomos.
b) Como dito no texto, os carros autônomos, com diferentes tecnologias, já são uma realidade.
c) O modo acelerado como os carros sem motorista têm sido produzidos é realmente espantoso.
d) Os carros autônomos são, para a sociedade atual, como eram os carros no início do século 20.
e) Como ainda há poucos carros autônomos nas ruas, seu impacto no cotidiano é desconhecido.

O gol plagiado

"Jogador quer direito autoral sobre seus gols."

Esporte, 20 jan. 2000

"Prezados senhores: dirigindo-se a V.Sa., refiro-me à notícia segundo a qual jogadores de futebol do Reino Unido,
como Michael Owen e Ryan Giggs, querem receber autorais pela exibição de seus gols na mídia. Não tenho o status
desses senhores - sou apenas um brasileiro que bate a sua bolinha nos fins de semana - mas desejo fazer uma grave
denúncia: um dos jogadores citados (oportunamente divulgarei o nome) simplesmente plagiou um gol feito por mim.

Provas? Basta comparar os tapes dos referidos gols. No meu caso, trata-se de um trabalho amador - foi feito por meu
filho, de dez anos - mas mesmo assim é bastante nítido. Vê-se que, como eu, o referido jogador estava num campo
de futebol. Nos dois casos, a partida estava sendo disputada por times de 11 jogadores cada um. Nos dois casos
havia uma bola, havia goleiros. Nos dois casos havia um juiz. No meu caso, um juiz usando bermudões e chinelos -
mas juiz, de qualquer maneira.

Isto, quanto aos aspectos gerais. Vamos agora aos detalhes. No vídeo do jogador inglês, mostrado no mundo inteiro,
vê-se que ele pega a bola na grande área, domina-a, livra-se de um adversário e chuta no canto esquerdo, marcando,
é forçoso admitir, um belo tento, um gol que faz jus aos direitos autorais. No meu vídeo - feito uma semana antes,
é importante que se diga -, vê-se que eu pego a bola na grande área, que a domino, que livro-me de um adversário
e que chuto forte no canto esquerdo, marcando um belo tento.

Conclusão: o jogador inglês me plagiou. Quero, portanto, metade do que ele receber a título de direitos autorais. Se
não for atendido em minha reivindicação levarei a questão a juízo. Estou seguro de que ganharei. Além do vídeo,
conto com uma testemunha: o meu filho. Ele viu o jogo do começo ao fim e pode depor a meu favor. É pena não ter
mais testemunhas, mas, infelizmente, ele foi o único espectador desse jogo. E irá comigo demandar justiça contra o
plágio."

(SCLIAR, Moacyr. O imaginário cotidiano. São Paulo, Global, 2013, p. 55)

-GRAN CURSOS

69. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O jogador amador que escreve aos Prezados
senhores dirige-se a eles com o objetivo de

a) demandar que sejam pagos direitos autorais referentes à divulgação pela mídia de um vídeo amador feito por
seu filho.
b) informar que os ingleses Michael Owen e Ryan Giggs tiveram seus gols plagiados por outros jogadores.
c) reivindicar o pagamento de direitos autorais relativos a um gol supostamente plagiado por um jogador inglês.
d) denunciar que teve um gol plagiado por um jogador famoso e exigir que seja exemplarmente detido por seu
delito.
e) defender-se da acusação de plágio que recebeu da parte de um jogador inglês, alegando ter feito o gol antes do
inglês.

70. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O caráter irônico e cômico do texto revela-se,
entre outros aspectos, no fato de o jogador amador

a) insistir ter tido um de seus gols plagiado, muito embora confirme ainda desconhecer a identidade do jogador
responsável pelo delito.
b) criticar a qualidade do futebol realizado no Reino Unido, sugerindo que os gols dos jogadores Michael Owen e
Ryan Giggs não exigem esforço.
c) descrever o gol do jogador inglês e logo em seguida descrever seu próprio gol, dando a entender que não há
semelhanças entre os lances.
d) ameaçar ir a juízo caso não seja atendido em sua reivindicação, mas não dispor de um registro visual do gol que
alega ter sido alvo de plágio.
e) afirmar que está seguro de sua vitória em juízo e, no entanto, apresentar apenas o filho de dez anos como
testemunha para o evento relatado.

Civilização e infelicidade

Uma fonte da infelicidade humana estaria na insuficiência das normas que regulam os vínculos pessoais na família,
no Estado e na sociedade. Não queremos admitir que as instituições por nós mesmos criadas não trariam bem-estar
e proteção para todos nós. Deparamo-nos com a afirmação espantosa que boa parte da nossa miséria vem do que
é chamado de nossa civilização; seríamos bem mais felizes se a abandonássemos e retrocedêssemos a condições
primitivas.

A asserção me parece espantosa porque é fato estabelecido - como quer que se defina o conceito de civilização - que
tudo aquilo com que nos protegemos da ameaça das fontes do sofrer é parte da civilização. Descobriu-se que o
homem se torna neurótico porque não pode suportar a medida de privação que a sociedade lhe impõe, em prol de
seus ideais culturais, e concluiu-se então que, se estas exigências fossem abolidas ou bem atenuadas, isto
significaria um retorno a possibilidades de felicidade.

(Adaptado de: FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. Trad. Paulo César de Souza. São

Paulo: Penguin & Companhia das Letras, 2011, p. 30-32)

71. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Nesta passagem de um de seus textos mais marcantes,
Sigmund Freud

a) defende, com convicção, a tese de que somos infelizes por nos desviarmos das instituições criadas pela
civilização para nos proteger.
b) considera a possibilidade de que, por paradoxal que seja, as instituições criadas no processo da civilização
concorram para o sofrimento humano.
c) julga espantoso o fato de que muitos atribuam à força do nosso passado de primitivos a razão pela qual nossas
instituições funcionam a contento.
d) admite que a razão principal das nossas neuroses está nas privações que persistem dos tempos primitivos,
anteriores à criação das instituições.

e) recusa-se a aceitar a possibilidade de que os nossos ideais culturais possam ser atingidos enquanto
dependermos das nossas instituições.

72. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Deve-se depreender da leitura desse texto que, no
contexto de sua redação,

a) os elementos estaria, afirmação espantosa (1° parágrafo), significaria (2° parágrafo) são índices da validade
que Freud reconhece em teses alheias.
b) a expressão fonte da infelicidade humana (1° parágrafo) refere-se à expressão condições primitivas (1°
parágrafo).
c) o mesmo tempo verbal de abandonássemos e retrocedêssemos (1° parágrafo) situa duas ações consecutivas
efetivamente decorridas no passado.
d) a expressão A asserção me parece espantosa (2° parágrafo) refere-se ao fato estabelecido (2° parágrafo).
e) o segmento como quer que se defina (2° parágrafo) está empregado com o sentido de não importa como se
estabeleça.

O direito de opinar

As leis precisam ser dinâmicas, para acompanharem as mudanças sociais. Há sempre algum atraso nisso: a
mudança dos costumes precede as devidas alterações jurídicas. É cada vez mais frequente que ocorram transições
drásticas de valores e julgamentos à margem do que seja legalmente admissível. Com a velocidade dos meios de
comunicação e com o surgimento de novas plataformas tecnológicas de interação social, há uma dispersão acelerada
de juízos e opiniões, a que falta qualquer regramento ético ou legal. Qual o limite da liberdade de expressão a que
devam obedecer os usuários das redes sociais? Que valores básicos devem ser preservados em todas as matérias
que se tornam públicas por meio da internet?

Enquanto não se chega a uma legislação adequada, as redes sociais estampam abusos de toda ordem, sejam os que
ofendem o direito da pessoa, sejam os que subvertem os institutos sociais. O direito de opinar passa a se apresentar
como o direito de se propagar um odioso preconceito, uma clara manifestação de intolerância, na pretensão de alçar
um juízo inteiramente subjetivo ao patamar de um valor universal.

As diferenças étnicas, religiosas, políticas, econômicas e ainda outras não são invocadas para se comporem num
sistema de convívio, mas para se afirmarem como forças que necessariamente se excluem. Uma opinião
apresenta-se como lei, um preconceito afirma-se como um valor natural. Não será fácil para os legisladores
encontrarem a forma adequada de se garantir ao mesmo tempo a liberdade de expressão e o limite para que esta
não comprometa todas as outras liberdades previstas numa ordem democrática. Contudo, antes mesmo que essa
tarefa chegue aos legisladores, compete aos cidadãos buscarem o respeito às justas diferenças que constituem a
liberdade responsável das práticas sociais.

(MELLO ARAÚJO, Justino de, inédito)

73. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Estabelece-se no texto,


como seu tema essencial, uma relação íntima entre

a) o poder da imprensa e a liberdade de expressão reivindicada pelos profissionais do setor.


b) a legislação que eficazmente vem sendo aplicada e o uso das novas plataformas de comunicação.
c) o direito que temos todos à livre manifestação de um juízo e o limite ético- jurídico desse direito.
d) a legislação específica para o uso da internet e o estabelecimento da censura prévia como paradigma.

e) a liberdade de imprensa tal e qual é garantida e a punição severa a quem ouse contestá-la.

74. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Nas duas frases


interrogativas ao final do primeiro parágrafo, há o pressuposto de que

a) os usuários das redes sociais não devem ser cerceados em sua absoluta liberdade de expressão.
b) ainda não está muito claro o critério pelo qual se deve pautar um limite para o uso das redes sociais.
c) não será possível ter algum controle sobre as opiniões expressas no âmbito da internet.
d) o limite ético das opiniões emitidas nas redes sociais não pode ser matéria de legislação específica.
e) os usuários das redes sociais não admitirão qualquer tipo de controle sobre suas atividades.

75. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) É plenamente adequado


o emprego do segmento sublinhado em:

a) Uma legislação adequada, de que é carente o funcionamento das redes sociais, é foco de permanente discussão.
b) No caso dela não convier aos usuários da internet, essa nova legislação será duramente contestada.
c) A obediência às leis, pressuposto à que não cabe discussão, implica sanções aos insurgentes.
d) Os que costumam respeitar as leis certamente irão de encontro com uma justa regulamentação da internet.
e) Quem pretende fazer de sua opinião um valor universal devê-la-ia responsabilizar-se ao divulgá-la.
Pode ser um saudosismo bobo, mas tenho saudades do tempo em que se ouvia o futebol pelo rádio. Às vezes, era
apenas chiado; às vezes, o chiado se misturava com a narração; às vezes, a estação sumia; sem mais nem menos,
voltava, e o jogo parecia tão disputado, mas tão emocionante, repleto de lances espetaculares, que tudo que
queríamos no dia seguinte era assistir os melhores momentos na televisão. Hoje todos os jogos são transmitidos pela
televisão. Isso é uma coisa esplêndida, mas sepultou a fantasia, a mágica.

Agora, que fique claro: em absoluto falo mal da tecnologia. Ao contrário, o avanço tecnológico, principalmente a
chegada da internet, trouxe muita coisa boa pra muita gente. Lembro que ainda engatinhava no plano do Direito e,
se quisesse ter acesso a uma boa jurisprudência, tinha que fazer assinatura. Hoje, está tudo aí, disponível, à farta,
de graça. Somente quem viveu numa época em que não havia a internet tem condições de dimensionar o nível de
transformação e de reprodução do conhecimento humano que ela representou...

(Adaptado de: GEIA, Sergio. Então chegou a tecnologia...

Disponível em: www.cronicadodia.com.br)

76. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Condizente com o gênero crônica, o texto consiste em

a) uma história fantasiosa inspirada em fatos reais, com linguagem cerimoniosa.


b) um registro histórico de fatos de relevo internacional, com linguagem hermética.
c) um relato subjetivo de experiências cotidianas, com linguagem coloquial.
d) uma compilação de opiniões divergentes sobre tema polêmico, com linguagem afetada.
e) uma descrição objetiva da realidade visando noticiar fatos inéditos, com linguagem formal.

77. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Considerando o contexto, o vocábulo que apresenta valor consecutivo na seguinte passagem do
texto:

a) ... tão emocionante, repleto de lances espetaculares, que tudo... (1° parágrafo)
b) ... tenho saudades do tempo em que se ouvia o futebol pelo rádio. (1° parágrafo)
c) Agora, que fique claro... (2° parágrafo)
d) Lembro que ainda engatinhava no plano do Direito... (2° parágrafo)
e) ... conhecimento humano que ela representou... (2° parágrafo)

A escritora nigeriana Chimamanda Adichie tornou-se uma das difusoras do movimento feminista desde seu discurso
"Sejamos Todos Feministas", em 2015. Naquela época, Adichie já havia lançado quatro romances que a
consagraram como expoente da literatura africana. Agora ela acaba de publicar o livro "Para Educar Crianças
Feministas - Um Manifesto", em que propõe a ruptura do preconceito e da misoginia por meio da educação de novas
gerações. No livro, ela acredita ter finalmente reunido o sumo de sua visão sobre a "doutrina".

Apesar do título, o livro não se dirige apenas a pais e mães, mas a "todos os que pensam no feminismo como uma
palavra negativa e que associam o movimento a posições extremistas", explica a autora. "É minha maneira de dizer
'olhe por esse lado'. A questão da injustiça de gênero é que as coisas são feitas assim há tanto tempo que elas são
vistas como normais."

Se o tema consolida parte do público que se vê representada por suas reflexões, implica também uma perda. Ela
recorda que, em um evento na Nigéria, um homem lhe disse que deixara de gostar de sua obra quando ela começou
a falar de feminismo. "Há muita hostilidade à ideia de feminismo. O mundo é sexista e a misoginia é praticada tanto
por homens quanto por mulheres", diz.

(Adaptado de: NOGUEIRA, Amanda. Folha de S. Paulo, 03/03/2017)

78. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇAO DE TRANSPORTE I - AREA ECONOMIA) Ao se referir à questão da


injustiça de gênero (2° parágrafo), a escritora nigeriana associa essa injustiça

a) à tendência de se banalizar um preconceito.


b) ao preconceito contra a misoginia.
c) à aceitabilidade do "mal menor".
d) à justificativa da evolução social.
e) ao risco de se preservarem as diferenças.

79. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇAO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Conforme declaração de


Chimamanda Adichie, o objetivo ao lançar seu novo livro é

a) despertar nas crianças o prazer estético e a familiarização com vários temas considerados como "adultos".
b) afastar os pais e os parentes dos menores da tendência atual para uma militância feminista equivocada.
c) acusar o preconceito sexista e o hábito de se atribuir apenas à misoginia a responsabilidade pelas mazelas
sociais.
d) esclarecer de vez aqueles que tomam o feminismo como uma radicalização negativa e indesejável.
e) desenvolver sua arte narrativa encarecendo agora o caráter mais político e combativo de suas posições.

Equipamentos cada vez mais elaborados estão realizando mais e mais trabalhos que antes exigiam o cérebro
humano e substituindo também a força física. Uma pesquisa recente da Universidade de Oxford, no Reino Unido,
sugere que cerca de metade dos postos de trabalho existentes hoje nos EUA serão automatizados até 2033.

Segundo as previsões do professor Richard Baldwin, economista do renomado Instituto Graduate, de Genebra,
"alguns quartos de hotéis em Londres poderão ser limpos por pessoas conduzindo robôs diretamente do Quênia ou
de Buenos Aires e de outros lugares por menos de um décimo do preço praticado na Europa". E ele tem uma visão
simples sobre a reação política das pessoas a este cenário: "Elas vão ficar com raiva".

Alguns políticos reconheceram que 2016 marcou o início dessa raiva. O problema é que, entre paredes e barreiras
comerciais, eles têm poucas opções para lidar com o aumento da desigualdade. O ex-consultor de economia do
vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, escreveu recentemente: "Para sermos honestos, precisamos admitir
que nenhum dos lados - democratas ou republicanos - tem um plano robusto e convincente para recuperar os postos
de trabalho em comunidades que perderam muito da base manufatureira". A economista-chefe do Fundo Monetário
Internacional, Christine Lagarde, defende o uso de políticas para impulsionar as pessoas a novas vagas de emprego.
Mas, para isso, as vagas precisam existir. E nada garante que elas existirão.

(Adaptado de: MARDELL, Mark. 2017 marcará o início da era dos robôs?.

Disponível em: www.bbc.comJ

80. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Depreende-se do texto que

a) os postos de trabalho que irão desaparecer estão limitados a atividades pouco especializadas, centradas no uso
da força física.
b) metade da população americana perderá seus empregos até 2033 por falta de qualificação para operar
equipamentos cada vez mais sofisticados.
c) o uso remoto de equipamentos suprirá a escassez de mão de obra na Europa com a contratação de pessoal de
outros continentes.

d) a diminuição da oferta de emprego, no contexto da revolução tecnológica, pode despertar a raiva daqueles que
veem seus postos de trabalho ameaçados.
e) democratas e republicanos empenham-se, desde 2016, em criar novas vagas de emprego para quem teve seu
posto de trabalho automatizado.
Da morte para a vida

Um velho professor e médico cardiologista foi abordado pelo jovem aluno: - Mestre, dizem as estatísticas que é
altíssima a incidência de mortes por causas cardíacas. O professor respondeu prontamente: - E do que você
preferiria que as pessoas morressem? Lembrava ao discípulo, com isso, os limites do homem e da ciência, que fazem
frente às aspirações ideais das criaturas, ao seu anseio de imortalidade.

Sendo inevitável, nem por isso deixa a morte de prestar algum serviço aos vivos. Não, não me refiro à morte dos
monstros antropomórficos que volta e meia põem em risco nossa humanidade; falo dos corpos que continuam de
alguma forma vivos nos órgãos transplantados, nas aulas de anatomia, corpos que, investigados, ajudam a
esclarecer os caminhos da moléstia que os vitimou. Falo dos préstimos que os homens sabem tomar da morte.

Também no plano filosófico a morte pode surgir como estímulo para viver melhor. É o que afirmavam os velhos
pensadores estoicos, quando lembravam que o bem viver é também a melhor preparação possível para a morte.
Lembrarmo-nos sempre de nossa finitude é mais do que uma lição de humildade: é um convite para intensificar o
sentido do tempo de que dispomos para seguir na vida. É de Sêneca esta lição: "Vivo de modo que cada dia seja para
mim a vida toda; e não me apego a ele como se fosse o último, mas o contemplo como se pudesse também ser o
último".

(Anastácio Fontes Ribeiro, inédito)

81. (2017/POLITEC/PERITO MÉDICO LEGISTA) Entende-se que no contexto do segundo e do terceiro parágrafos
devem ser considerados préstimos que os homens sabem tomar da morte

a) os justos serviços que nos presta a morte quando decide afastar do nosso convívio o que se figura como
monstros antropomórficos.
b) as reais possibilidades que temos de encontrar algum alento religioso depois que experimentamos as perdas dos
nossos entes queridos.
c) as oportunidades que passamos a ter de exercitar nossa humildade assim como as de alimentar os mais altos
ideais filantrópicos.
d) os benefícios que podem advir de uma observação científica dos corpos e de uma intensificação do sentido
mesmo do que seja viver.
e) os estímulos que nos levam à leitura dos autores clássicos, em cujos textos encontramos o menosprezo pela
nossa condição de mortais.

82. (2017/POLITEC/PERITO MÉDICO LEGISTA) De acordo com os estoicos, cuja posição diante da morte está
resumida na citação de Sêneca, deve-se viver

a) de modo a desgarrar-se da ideia de morrer, para que cada dia seja aproveitado como se propiciasse uma
abertura para a eternidade.
b) como se cada dia fosse uma preparação para o que haverá de melhor nos dias seguintes, em vez de se afligir
com a possibilidade de morrer.
c) evitando alimentar toda e qualquer aspiração a um futuro melhor, assumindo-se com coragem e resignação as
provações do cotidiano.
d) desapegando-se do sentido mesmo da vida, o que significa prepararmo-nos para morrer com a dignidade de
quem sabe ser humilde.
e) intensificando-se o sentido de cada dia, de modo que cada experiência cotidiana seja ao mesmo tempo uma
totalidade e uma ultimação.

83. (2017/POLITEC/PERITO MEDICO LEGISTA) Está clara e correta a redação deste livre comentário sobre o texto:

a) Tal como se propagava Sêneca em seus escritos, à humildade de viver devemos com que cada dia seja
aproveitado como se ali sentíssemos ultimar a nossa vida.
b) Há médicos que, por deliberação ou não, acreditam que possam salvar a vida eternamente, esquecendo-se
assim da condição de mortalidade que a todos nos assolam.
c) E próprio do homem saber retirar proveito de seus infortúnios, porquanto mesmo dos mortos mostra-se capaz
de colher benefícios para os vivos.
d) O velho professor deu uma aula de humanidade ao jovem aluno, lembrando- lhe de que a morte não vê causas
próprias de acordo com nosso ideal de longevidade.
e) Há pessoas que à partir da própria experiência, julgam que a morte possa ser sanada tal e qual a induziu o
jovem aluno de medicina diante do velho professor.

Ações e limites

Quem nunca ouviu a frase "Conte até dez antes de agir"? Não é comum que se respeite esse conselho, somos
tentados a dar livre vasão aos nossos impulsos, mas a recomendação tem sua utilidade: dez segundos são um tempo
precioso, podem ser a diferença entre o ato irracional e a prudência, entre o abismo e a ponte para um outro lado.
Entre as pessoas, como entre os grupos ou grandes comunidades, pode ser necessário abrir esse momento de
reflexão e diplomacia, que antecede e costuma evitar os desastres irreparáveis.

Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios. Desse reconhecimento difícil depende nossa humanidade.
Dar a si mesmo e ao outro um tempo mínimo de consideração e análise, antes de irromper em fúria sem volta, é
parte

do esforço civilizatório que combate a barbárie. A racionalidade aceita e convocada para moderar o tumulto passional
dificilmente traz algum arrependimento. Cansamo-nos de ouvir: "Eu não sabia o que estava fazendo naquela hora".
Pois os dez segundos existem exatamente para nos dar a oportunidade de saber.

O Direito distingue, é verdade, o crime praticado sob "violenta emoção" daquele "friamente premeditado". Há, sim,
atenuantes para quem age criminosamente sob o impulso do ódio. Mas melhor seria se não houvesse crime algum,
porque alguém se convenceu da importância de contar até dez.

(Décio de Arruda Tolentino, inédito)

84. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) A recomendação de se distinguir entre o ato irracional e a prudência, no
primeiro parágrafo, é retomada nesta outra formulação do texto:

a) Não é comum que se respeite esse conselho (1° parágrafo).


b) Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios (2° parágrafo).
c) é parte do esforço civilizatório que combate a barbárie (2° parágrafo).
d) consideração e análise, antes de irromper em fúria sem volta (2°parágrafo).
e) atenuantes para quem age criminosamente sob o impulso do ódio (3° parágrafo).

85. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Está clara e correta a redação deste livre comentário sobre o texto:

a) Não ocorrendo algum espaço de tempo entre o nosso impulso instintivo e alguma reflexão, incorreremos na
violência da absoluta irracionalidade.
b) A menos que se deixe haver um momento de reflexão, é forte nosso risco de se arrepender por conta da
natureza dos nossos instintos.
c) Os que se deixam levar pelas emoções, via de regra irão se arrepender por conta do gesto irrefletido de cujos
efeitos serão abalados.

d) Não fossem aqueles segundos necessários à uma boa avaliação, muitos se arrependeriam por se haver deixados
dominar pelos impulsos de fúria.
e) Seremos mártires de nossos próprios impulsos, no caso de nos pormos à prova de barbárie, quando
respondemos de forma instintiva a uma provocação.

86. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Considere estas orações: Os impulsos instintivos são brutais. A
irracionalidade marca os impulsos instintivos. Precisamos dominar nossos impulsos instintivos. As orações acima
estão articuladas, de modo claro, coerente e correto, no seguinte período:

a) Dado que os instintos sejam brutais, em razão de sua irracionalidade, sendo necessário que nos urge
dominá-los.
b) Os brutais impulsos instintivos caracterizam-se pela irracionalidade, motivo pelo qual se impõe que os
dominemos.
c) Urge que venhamos a dominar aos nossos impulsos instintivos, conquanto marcam nossa brutalidade.
d) O domínio dos impulsos instintivos mais brutais precisam de se impor diante de sua irracionalidade.
e) Sendo brutais, os impulsos instintivos cuja a marca é a irracionalidade, impõe-se que sejam dominados.

Crônicas contemporâneas

O gênero da crônica, entendida como um texto curto de periódico, que se aplica sobre um acontecimento pessoal,
um fato do dia, uma lembrança, um lance narrativo, uma reflexão, tem movido escritores e leitores desde os
primeiros periódicos. No pequeno espaço de uma crônica pode caber muito, a depender do cronista. Se ele se chamar
Rubem Braga, pode caber tudo: esse mestre maior dotou a crônica de uma altura tal que pôde dedicar-se
exclusivamente a ele ocupando um lugar entre os nossos maiores escritores, de qualquer gênero.

Jovens cronistas de hoje, com colunas nos grandes jornais, vêm demonstrando muita garra, equilibrando-se entre as
miudezas quase inconfessáveis do cotidiano pessoal, às quais se apegam sem pudor, e a uma espécie de
investigação crítica que pretende ver nelas algo de grandioso. É como se na padaria da esquina pudesse de repente
representar-se uma cena de Hamlet ou de alguma tragédia grega; é como se, no banheiro do apartamento, o
espelhinho do armário pudesse revelar a imagem-síntese dos brasileiros. Talvez esteja nesse difícil equilíbrio um
sinal dos tempos modernos, quando, como numa crônica, impõe-se combinar a condição mais pessoal de cada um
com a responsabilidade de uma consciência coletivista, que a todos nos convoca.

(Diógenes da Cruz, inédito)

87. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) Os jovens cronistas de hoje, referidos no segundo parágrafo,

a) distinguem-se dos cronistas antigos pelo fato de não considerarem os incidentes domésticos como assunto
digno de uma crônica.
b) devem a Rubem Braga a orientação para se dedicarem exclusivamente ao gênero da crônica, uma vez que
querem tratar de grandes temas universais.
c) preferem confinar na estreiteza do cotidiano seu espaço de inspiração, em crônicas em que exercitam uma
linguagem de alto teor político.
d) buscam combinar seu interesse pela realidade pessoal e imediata com o voo mais alto de uma crônica de maior
alcance crítico.
e) exploram a possibilidade de reduzir os temas mais grandiosos à dimensão risível de um cotidiano onde eles não
possam ter lugar.

88. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente o sentido de um


segmento do texto em:

a) dotou a crônica de uma altura tal (1° parágrafo) // elevou o gênero a um patamar tão alto.
b) pôde dedicar-se exclusivamente (1° parágrafo) // fez tudo por merecer exclusividade.
c) miudezas quase inconfessáveis (2° parágrafo) // peripécias praticamente ocultas.
d) às quais se apegam sem pudor (2° parágrafo) // das quais pouca vergonha assimilam.
e) impõe-se combinar (2° parágrafo) // torna-se compulsório negociar.

89. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) Está clara e correta a redação deste livre comentário sobre o texto:

a) Ao frequentarem os periódicos, através de colunas regulares, a crônica sempre esteve no agrado do público,
onde o gosto é agraciado pela linguagem informal.
b) Detectam-se, naquele texto, profundas diferenças entre as crônicas de Rubem Braga, um mestre no gênero, e
aquelas assinadas pelos jovens escritores de hoje.
c) É comum que nas crônicas da contemporaniedade, os temas mais corriqueiros, busquem ganhar altura e
importância, segundo requerem os jovens cronistas.
d) Não há porquê um cronista contemporâneo deixar de se referir à mitos clássicos, embora as crônicas sejam
consideradas de acordo com um gênero menor.
e) Um dos desafios de nosso tempo aos cronistas jovens, está na dificuldade de se conciliar o interesse
extritamente individual com o interesse coletivista.

[Uma espécie complicada]

O grande biólogo norte-americano Richard Dawkins acredita sem qualquer hesitação na teoria de Darwin acerca da
sobrevivência dos mais fortes e capazes e na importância da adaptação a mutações fortuitas na evolução das outras
espécies, mas se declara contra a ideia do darwinismo social na evolução da sua própria espécie. Aceitar o
darwinismo social seria aceitar posições conservadoras em matéria de política e economia, o que vai contra suas
convicções progressistas.

Já os conservadores, que negam a teoria de Darwin sobre a origem e o desenvolvimento das espécies, pregam o
darwinismo social sob vários nomes: liberalismo, antidirigismo, antiassistencialismo etc. A sobrevivência, portanto,
dos mais competitivos e sortudos, como no universo neutro de Darwin.

Esquerda progressista e direita conservadora trocam incoerências. A direita abomina a ideia de que o homem
descende de animais inferiores, mas não tem problema com a ideia de que ele deve seu progresso à ganância que
tem em comum com os chimpanzés. A esquerda aceita a ascendência de macacos e a evolução da sua espécie, mas
não quer outra coisa senão um planejamento inteligente, humanista, para organizar a sua sociedade.

Progressistas costumam ser a favor do direito do aborto e contra a pena de morte. Conservadores, que denunciam
a interferência indevida do Estado na vida das pessoas, invocam a santidade da vida para que o Estado proíba o
aborto, e geralmente são a favor da pena de morte, a mais radical interferência possível do Estado na vida de alguém.
Enfim, seja como for que chegamos a isto, somos uma espécie complicada.

(Adaptado de: VERÍSSIMO, Luis Fernando O mundo é bárbaro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008,

p. 163-164)

90. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Richard Dawkins, em relação à teoria darwinista, acredita que

a) a evolução das espécies ocorre na disputa entre elas, ao passo que no caso do homem se dá no interior de
específicas comunidades.
b) na espécie humana a competição evolutiva de fato significativa ocorre mais na vida social que no
aprimoramento biológico.
c) a evolução social dos homens ocorre para além dos mesmos princípios de mutação que condicionam a evolução
das demais espécies.

d) a vida política é determinada pelos homens com critérios evolutivos semelhantes aos da preservação de outras
espécies.
e) a evolução biológica é determinante para que todas as espécies alcancem, cada uma em seu nível, um grau
superior de sociabilidade.

91. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) As incoerências da esquerda progressista e da direita


conservadora, de que trata o terceiro parágrafo, resultam do fato de que ambas as posições

a) convergem nas teses fundamentais, mas dão maior peso às diferenças ocasionais.
b) podem ser tendenciosamente maleáveis no estabelecimento dos valores que defendem.
c) mostram desinteresse por compromisso com qualquer valor social mais consequente.
d) divergem quanto aos métodos de atuação, mas não quanto aos ideais perseguidos.
e) relutam em fazer qualquer acordo público, mesmo quando defendem idêntica tese.

92. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Está clara e correta a redação deste livre comentário sobre o
texto:

a) Nem sempre é fácil de distinguir entre teses, progressistas ou conservadoras, se ambas carecem de clareza
onde busquem determinar seus princípios básicos.
b) Dawkins buscou ser escrupoloso ao rechaçar na teoria de Darwin, o desafio de aceitar para a condição humana
o que era legítima propriedade das outras espécies.
c) O papel do Estado costuma ser debatido e identificado segundo a crença daqueles que avaliam a iniciativa
estatal com base na ideologia que defendem.

d) Não se espere que conservadores e progressistas vão entrar em acordo senão quando minimizarem as
diferenças ideológicas que não os deixam se aproximarem.
e) Dentro da teoria darwinista, um elemento escandaloso, é o de que os chimpanzés possam ser-nos equiparados,
como ascendentes de uma mesma espécie fundamental.

De um poder concedido

Aqueles que somente por sorte se tornam príncipes pouco trabalho têm para isso, é claro, mas se mantêm assim
muito penosamente. Não têm dificuldade nenhuma em alcançar o posto, porque para aí voaram; surge, porém, toda
sorte de dificuldades depois da chegada. (...) É o que acontece quando o Estado foi concedido ao príncipe ou por
dinheiro ou por graça de quem o concede. Tais príncipes estão na dependência exclusiva da vontade e da boa
situação de quem lhes propiciou o poder, isto é, de duas coisas extremamente volúveis e instáveis.

(MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. Trad. de Lívio Xavier. São Paulo: Abril Editora, Os Pensadores, 1973, p. 33)

93. (2017/POLITEC/PERITO MÉDICO LEGISTA) O pensador Maquiavel trata, neste fragmento, do específico poder
de um príncipe que,

a) tendo chegado a esse posto por méritos pessoais, encontra sérias dificuldades para manter seu poder
valendo-se exclusivamente desses méritos.
b) ao assumir pela graça de alguém sua posição de poder, imagina que deverá livrar-se com facilidade da influência
de seu benfeitor.
c) tendo devido a um terceiro a graça que o levou a esse alto posto, passa a depender de quem o agraciou com o
poder para de fato conseguir exercê-lo.

d) sentindo-se obrigado a retribuir o favor dos poderosos, acaba por se esquecer dos direitos daqueles que deveria
governar com lealdade.
e) ao pretender que seus reais méritos de governante sejam reconhecidos, verá que todos o acusarão de ter sido
bafejado pela sorte ou pelo dinheiro.

O lugar-comum

O lugar-comum, ou chavão, nos faculta falar e pensar sem esforço. Ninguém é levado a sério com ideias originais,
que desafiam nossa preguiça. Ouvem-se aqui e ali frases como esta, dita ainda ontem por um político:

- Este país não fugirá de seu destino histórico!

O sucesso de tais tiradas é sempre infalível, embora os mais espertos possam desconfiar que elas não querem dizer
coisa alguma. Pois nada foge mesmo ao seu destino histórico, seja um império que desaba ou uma barata esmagada.
(Adaptado de: QUINTANA, Mário. Caderno H. Porto Alegre: Globo, 1973, p. 52)

94. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Segundo o escritor Mário Quintana, é próprio do lugar-comum

a) acionar os mais espertos para que estes venham a descobrir o significado que o chavão costuma encerrar.
b) deixar-se impregnar de um tipo de originalidade que acaba enfadando as pessoas mais acomodadas.
c) dever o sucesso de sua propagação ao fato de parecer dizer muito quando na realidade nada significa.
d) provocar em quem o ouça uma reação positiva, marcada pela surpresa do ine- ditismo de sua formulação.
e) atuar sobre nós como uma forma concentrada de sabedoria, que a poucos se dá a compreender.

Máquinas monstruosas

À medida que foram surgindo, muitas máquinas despertaram terror nos homens. Multiplicando a força dos órgãos
humanos, elas acentuavam-lhes a potência, de modo que a engrenagem oculta que as fazia funcionar resultava
lesiva para o corpo: feria-se quem descuidasse das próprias mãos. Mas aterrorizavam sobretudo porque atuavam
como se fossem coisas vivas: era impossível não ver como viventes os grandes braços dos moinhos de vento, os
dentes das rodas dos relógios, os dois olhos ardentes da locomotiva à noite. As máquinas pareciam, portanto, quase
humanas, e é nesse "quase" que residia a sua monstruosidade.

(Adaptado de: ECO, Umberto (org.) História da beleza. Trad. Eliane Aguiar. Rio de Janeiro:

Record, 2014, p. 382)

95. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) Ao surgirem na História humana, as máquinas já chegaram a despertar terror
nas pessoas pelo fato de

a) substituírem os membros humanos, demonstrando que fôramos despojados de partes dos nossos corpos.
b) funcionarem como simulacros dos órgãos humanos, aparentando ter vida própria e assemelhada à do nossos
corpos.
c) ostentarem grande hostilidade ao desempenhar funções que eram quase incompreensíveis para a maioria das
pessoas.
d) se tornarem monstruosas graças à eficácia e à velocidade com que desempenhavam as funções para as quais
foram planejadas.
e) imprimirem aos nossos sentidos e sensações um tipo de bloqueio que lhes era inteiramente desconhecido até
então.

Sem privacidade

Ainda é possível ter privacidade em meio a celulares, redes sociais e dispositivos outros das mais variadas conexões?
Os mais velhos devem se lembrar do tempo em que era feio "ouvir conversa alheia". Hoje é impossível transitar por
qualquer espaço público sem recolher informações pessoais de todo mundo. Viajando de ônibus, por exemplo,
acompanham-se em conversas ao celular brigas de casal, reclamações trabalhistas, queixas de pais a filhos e
vice-versa, declarações românticas, acordo de negócios, informações técnicas, transmissão de dados e um
sem-número de situações de que se é testemunha compulsória. Em clara e alta voz, lances da vida alheia se expõem
aos nossos ouvidos, desfazendo-se por completo a fronteira que outrora distinguia entre a intimidade e a mais aberta
exposição.

Nas redes sociais, emoções destemperadas convivem com confissões perturbadoras, o humor de mau gosto disputa
espaço com falácias políticas - tudo deixando ver que agora o sujeito só pode existir na medida em que proclama
para o mundo inteiro seu gosto, sua opinião, seu juízo, sua reação emotiva. É como se todos se obrigassem a deixar
bem claro para o resto da humanidade o sentido de sua existência, seu propósito no mundo. A discrição, a fala
contida, o recolhimento íntimo parecem fazer parte de uma civilização extinta, de quando fazia sentido proteger os
limites da própria individualidade.
Em meio a tais processos da irrestrita divulgação da personalidade, as reticências, a reflexão silenciosa e o olhar
contemplativo surgem como sintomas problemáticos de alienação. Impõe-se um tipo de coletivismo no qual todos se
obrigam a se falar, na esperança de que sejam ouvidos por todos. Nesse imenso ruído social, a reclamação por
privacidade é recebida como o mais condenável egoísmo. Pretender identificar-se como um sujeito singular passou
a soar como uma provocação escandalosa, em tempos de celebração do paradigma público da informação.

(Jeremias Tancredo Paz, inédito)

96. (2017/DPE/ANALISTA - AREA ADMINISTRAÇAO) Diante do fenômeno caracterizado no texto como irrestrita
divulgação da personalidade, seu autor posiciona-se

a) com neutralidade, uma vez que se limita a descrever os novos procedimentos tecnológicos que viabilizaram as
várias conexões sociais.
b) com relutância, mas não deixa de encaminhar sua adesão aos meios técnicos que passaram a estabelecer novos
vínculos entre as pessoas.
c) de modo a estabelecer um vínculo entre o cuidado que havia com a privacidade e a forma pela qual esta inspirou
o estabelecimento de conexões mais produtivas.
d) de modo a confrontar a obsessão moderna pela irrefreável conectividade com a privacidade que era preservada
nas relações sociais do passado.
e) de modo a avaliar, com a isenção possível, as perdas e ganhos da nova conectividade social, comparada à
inoperância dos velhos canais de comunicação.

97. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Nos três parágrafos do texto, enumeram-se elementos que
caracterizam, exemplificam e qualificam um mesmo fenômeno, tal como ocorre na seguinte sequência:

a) privacidade / espaço público / testemunha compulsória (1° parágrafo)


b) variadas conexões / intimidade / aberta exposição (1° parágrafo)
c) emoções destemperadas / confissões perturbadoras / limites da própria individualidade (2° parágrafo)
d) recolhimento íntimo / civilização extinta/ fala contida (2° parágrafo)
e) irrestrita divulgação da personalidade / reticências / olhar contemplativo (3° parágrafo)

98. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Considerando-se o contexto, o autor se vale do segmento

a) de que se é testemunha compulsória (1° parágrafo) para mostrar a disponibilidade de quem se abre para as
novas conexões.
b) Em clara e alta voz (1° parágrafo) para salientar o ostensivo afastamento dos limites da intimidade.
c) civilização extinta (2° parágrafo) para defender a convicção de que tudo o que é obsoleto merece morrer.
d) recolhimento íntimo (2° parágrafo) para criar um contraste radical entre esses dois termos.
e) imenso ruído social (3° parágrafo) para enfatizar a eficácia da comunicação das vozes públicas.

99. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Considere as seguintes orações:

I - Perdeu-se a antiga privacidade.


II - No lugar da antiga privacidade está uma irrestrita conectividade.
III - Não há mais recolhimento íntimo duradouro.

Essas orações articulam-se num período cuja redação é clara, correta e coesa em:

a) Como não há mais recolhimento íntimo e duradouro, já que a antiga privacidade deu lugar à irrestrita
conectividade, ei-la perdida.
b) Não havendo mais a antiga privacidade, sem recolhimento íntimo duradouro, está em seu lugar a irrestrita
conectividade.
c) Uma vez perdida a antiga privacidade, conquanto em seu lugar esteja uma irrestrita conectividade, já não há
mais recolhimento íntimo duradouro.
d) O recolhimento íntimo duradouro, perdeu-se com a antiga privacidade, em cujo lugar agora é ocupado por uma
irrestrita conectividade.
e) Já não há recolhimento íntimo duradouro, visto que no lugar da antiga privacidade está agora uma irrestrita
conectividade.

Hannah Arendt, preocupada com a situação da arte numa sociedade dominada pela cultura de massas, explica que,
embora cultura e arte estejam inter-relacionadas, são coisas diversas. A palavra "cultura", desde sua origem romana,
implica criação e preservação da natureza e das obras humanas. As obras de arte são, para ela, a expressão mais
alta da cultura, "aqueles objetos que toda a civilização deixa atrás de si como quintessência e o testemunho
duradouro do espírito que a animou". A cultura implica "uma atitude de carinhoso cuidado", e

uma sociedade de consumo não pode absolutamente saber como cuidar de um mundo e das coisas que pertencem
de modo exclusivo ao espaço das aparências mundanas, visto que sua atitude central ante todos os objetos, a atitude
de consumo, condena à ruína tudo o que toca.

Diz a pensadora, referindo-se à sociedade de massas do século XX: "A sociedade de massas [...] não precisa de
cultura, mas de diversão, e os produtos oferecidos pela indústria de diversões são com efeito consumidos pela
sociedade exatamente como quaisquer outros bens de consumo". Os produtos dessa indústria de diversões são
perecíveis, portanto precisam ser renovados.

Nessa situação premente, os que produzem para os meios de comunicação de massa esgaravatam toda agama da
cultura passada e presente na ânsia de encontrar material aproveitável. Esse material, além do mais, não pode ser
oferecido tal qual é; [...] deve ser preparado para consumo fácil.

Essas considerações de Arendt têm-se mostrado absolutamente justas, com o passar das décadas e os avanços das
tecnologias de comunicação. A literatura, como forma de arte, tem sofrido os efeitos da nova situação. O sonho dos
escritores modernistas era que a massa comesse o "biscoito fino" por eles fabricado. Infelizmente, a massa tem
preferido os cookies industrializados.

Para que a literatura chegue ao grande público, promovem-se eventos literários (salões do livro, festas de
premiação), nos quais autores e obras são apresentados como espetáculo. Os objetos desses eventos são, sem
dúvida, legítimos e justificados. Entretanto, o público numeroso que frequenta esses eventos parece incluir menos
leitores de livros do que meros espectadores e caçadores de autógrafos.

Os escritores de hoje têm uma visibilidade pessoal maior do que em épocas anteriores porque são incluídos na
categoria de "celebridades", e os mais "midiáticos" têm mais chance de vender livros, independentemente do valor
de suas obras. Ao mesmo tempo, nos debates teóricos, assistimos à defesa da "literatura de entretenimento", contra
as exigências daqueles que ainda têm uma concepção mais alta da literatura. Estes são chamados de conservadores
e elitistas. Ora, a conservação é uma atitude inerente aos conceitos de cultura, arte e de educação. Conservação não
como imobilismo e fechamento ao novo, mas como conhecimento da tradição sem a qual não se pode avançar.

Obs.: Hannah Arendt (1906-1975), filósofa alemã, é uma das raras vozes femininas de destaque na filosofia do
século XX.

(Adaptado de: PERRONE-MOISÉS, Leyla. A literatura na cultura contemporânea. Mutações da literatura no século
XXI, São Paulo: Companhia das Letras, 2016, p. 31 a 33)

100. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) Ao


tratar da literatura, Perrone-Moisés

a) declara que é inerente a toda forma de arte ter de fazer oposição às mudanças provocadas pelo passar do tempo
e pelas tecnologias de comunicação, que, proclamando-se "avançadas", criam consumidores passivos.
b) estabelece paralelo entre a utopia modernista e a realidade contemporânea, manifestando seu juízo de valor
acerca de ambos os termos do cotejo.
c) vale-se da comparação entre as expressões metafóricas biscoito fino e cookies industrializados para pôr em
destaque, de modo irônico, o tom lamentoso com que os modernistas reagiriam à preferência das massas atuais.
d) torna claro seu respeito aos autores e às obras que produzem, sob a condição de eles não se exporem nos
espetáculos promovidos pela indústria editorial.
e) reconhece que a literatura hoje deve aos grandes eventos o fato de ter atingido grande público de leitores, ideal
de todo artista, mas identifica também, nessas festas, a presença de pessoas que buscam ali estar para contracenar
com as celebridades.

101. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA)


Levando em conta o último parágrafo, respeitado seu contexto, é legítimo afirmar:

a) Em assistimos à defesa da "literatura de entretenimento", contra as exigências daqueles que ainda têm uma
concepção mais alta da literatura, está subentendida a seguinte ideia: considera-se possível que uma concepção
mais alta da literatura chegue a desaparecer.
b) Infere-se que "midiáticos" são aqueles escritores que, seja qual for o mérito de seus textos, devem sua
"celebridade" a sua vocação de comunicadores, que lhes permite atingir as mais diversas esferas que constituem o
grande público dos meios de comunicação de massa.
c) Em Ao mesmo tempo, nos debates teóricos, assistimos à defesa da "literatura de entretenimento", a expressão
destacada, cuja função é dar sequência ao discurso, sinaliza uma simultaneidade, que se dá entre os debates
teóricos e a defesa da "literatura de entretenimento".
d) A palavra destacada em Ora, a conservação é uma atitude inerente aos conceitos de cultura, arte e de educação,
demarcando transição do pensamento, introduz a consequência do que se afirma na frase imediatamente anterior.

e) As palavras destacadas em Ao mesmo tempo, nos debates teóricos, assistimos à defesa da "literatura de
entretenimento", contra as exigências daqueles que ainda têm uma concepção mais alta da literatura. Estes são
chamados de conservadores e elitistas antecipam-se, ambas, aos termos a que se referem.

Leia com atenção os dois e-mails transcritos, enviados em dias consecutivos.

I. Oi, Clara,

O que você acha disso que quero mandar pra Ju? Mando o e-mail anexo.

Beijo.

Maria.

II. Clara,

Gostaria de tua opinião.

Mandei assim mesmo.

Até.

Maria.

102. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) A


formulação que reporta uma das falas de Maria, considerada em seu contexto, de modo fiel, claro e condizente com
a norma-padrão é:

a) Maria, dialogando com Clara acerca da Ju, pergunta-lhe o que acha disso que queria mandar, e mandou por
e-mail anexo.
b) Maria cumprimentando Clara, diz que manda anexo e-mail para a Ju, porque quer saber o que ela acharia de
encaminhar a mensagem.
c) Se dirigindo a Clara, Maria comenta o que ela acha do que quer mandar para Ju, que vai em e-mail anexo.

d) Maria, mandando mensagem a Clara, conta que escreveu e-mail para a Ju, pedindo sua opinião e lhe enviando
por anexo.
e) Maria pede a opinião de Clara sobre um e-mail que manda anexado, mensagem que tem vontade de enviar para
a Ju.

103. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA)


Considerada a norma-padrão, ambas as palavras destacadas estão corretamente empregadas na seguinte frase:

a) Mais chance de evitar reveses ele terá, quanto mais se dispor a detalhar as etapas de construção da obra.
b) Lembro bem do dia em que reavemos os valores que os estelionatários repuseram na conta da empresa.
c) Acabou freiando o carro de repente porque as moças que exibiam os abaixo-assinados atrapalharam a sua
visão.
d) Se os indiciados entreverem a menor possibilidade de saírem ilesos, interporão os mais imaginativos recursos.
e) É justo que ele medeie a negociação, mas é bom que você o previna dos desafios que enfrentará.

O filósofo Theodor Adorno (1903-1969) afirma que, no capitalismo tardio, "a tradicional dicotomia entre trabalho e
lazer tende a se tornar cada vez mais reduzida e as 'atividades de lazer' tomam cada vez mais do tempo livre do
indivíduo". Paradoxalmente, a revolução cibernética de hoje diminuiu ainda mais o tempo livre.

Nossa época dispõe de uma tecnologia que, além de acelerar a comunicação entre as pessoas e os processos de
aquisição, processamento e produção de informação, permite automatizar grande parte das tarefas. Contudo, quase
todo mundo se queixa de não ter tempo. O tempo livre parece ter encolhido. Se não temos mais

tempo livre, é porque praticamente todo o nosso tempo está preso. Preso a quê? Ao princípio do trabalho, ou melhor,
do desempenho, inclusive nos joguinhos eletrônicos, que alguns supõem substituir "velharias", como a poesia.

T.S. Eliot, um dos grandes poetas do século XX, afirma que "um poeta deve estudar tanto quanto não prejudique sua
necessária receptividade e necessária preguiça". E Paul Valéry fala sobre uma ausência sem preço durante a qual os
elementos mais delicados da vida se renovam e, de algum modo, o ser se lava das obrigações pendentes, das
expectativas à espreita... Uma espécie de vacuidade benéfica que devolve ao espírito sua liberdade própria.

Isso me remete à minha experiência pessoal. Se eu quiser escrever um ensaio, basta que me aplique e o texto ficará
pronto, cedo ou tarde. Não é assim com a poesia. Sendo produto do trabalho e da preguiça, não há tempo de
trabalho normal para a feitura de um poema, como há para a produção de uma mercadoria. Bandeira conta, por
exemplo, que demorou anos para terminar o poema "Vou-me embora pra Pasárgada".

Evidentemente, isso não significa que o poeta não faça coisa nenhuma. Mas o trabalho do poeta é muitas vezes
invisível para quem o observa de fora. E tanto pode resultar num poema quanto em nada.

Assim, numa época em que "tempo é dinheiro", a poesia se compraz em esbanjar o tempo do poeta, que navega ao
sabor do poema. Mas o poema em que a poesia esbanjou o tempo do poeta é aquele que também dissipará o tempo
do leitor, que se deleita ao flanar por linhas que mereçam uma leitura por um lado vagarosa, por outro, ligeira; por
um lado reflexiva, por outro, intuitiva. É por essa temporalidade concreta, que se manifesta como uma preguiça
fecunda, que se mede a grandeza de um poema.

(Adaptado de: CÍCERO, Antonio. A poesia e a crítica: Ensaios. Companhia das Letras, 2017,

edição digital)
104. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) O
segmento em que há uso de expressão irônica, dizendo-se o oposto do que se quer dar a entender no contexto,
encontra-se sublinhado em:

a) as 'atividades de lazer' tomam cada vez mais do tempo livre do indivíduo (1° parágrafo).
b) E tanto pode resultar num poema quanto em nada (5° parágrafo).
c) que se manifesta como uma preguiça fecunda (último parágrafo).
d) numa época em que "tempo é dinheiro" (último parágrafo).
e) e o texto ficará pronto, cedo ou tarde (4° parágrafo).

A coletânea de aforismos que constituem os dois volumes de Humano, demasiado humano, considerado o marco
inicial do segundo período da produção de Nietzsche, é um ajuste de contas definitivo com as ideias fundamentais do
sistema filosófico de Schopenhauer.

Dedicando o livro à memória do filósofo francês Voltaire e escolhendo como epígrafe uma citação de René Descartes,
Nietzsche já o insere simbolicamente na tradição da filosofia das Luzes, caracterizada pela confiança no poder
emancipató- rio da ciência, em seu triunfo contra as trevas da ignorância e da superstição. Não por acaso, portanto,
a obra tem como subtítulo Um livro para espíritos livres.

Se, para o jovem Nietzsche, era a arte - e não a ciência - o que constituía a atividade metafísica do homem, em
Humano, demasiado humano ela é destituída desse privilégio. Fazendo uma referência velada a pressupostos
fundamentais da filosofia de Schopenhauer, dos quais partilhara, Nietzsche toma agora o cuidado de se afastar
criticamente deles. "Que lugar ainda resta à arte? Antes de tudo, ela ensinou, através de milênios, a olhar com
interesse e prazer a vida, em todas as suas formas. Essa doutrina foi implantada em nós; ela vem à luz novamente
agora como irresistível necessidade de conhecer. O homem científico é o desenvolvimento do homem artístico".

Se, para o jovem Nietzsche, o aprofundamento do conhecimento científico conduzia à proliferação de um saber
erudito e estéril, que sufocava a vida, para o Nietzsche do período intermediário o conhecimento científico torna livre
o espírito.

Pouco mais tarde, Nietzsche aprofundaria seu novo entendimento relativo ao papel da ciência e à oposição entre esta
e a arte. Contrapondo-se àqueles que valorizam apenas a imaginação e as obras-primas do disfarce estético, o filóso-
fo afirma: "eles pensam que a realidade é horrível; contudo, não pensam que o conhecimento até da mais horrível
realidade é belo, do mesmo modo que aquele que conhece bastante e amiúde está, por fim, muito longe de
considerar horrível o grande todo da realidade, cuja descoberta lhe proporciona sempre felicidade. A felicidade do
homem do conhecimento aumenta a beleza do mundo".

(Adaptado de: GIACOIA JUNIOR, Oswaldo. Nietzsche. São Paulo, Publifolha, 2000, p. 42-46)

105. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Sem prejuízo para o sentido


estabelecido no segmento e a correção gramatical, o elemento sublinhado em ... contudo, não pensam que o
conhecimento até da mais horrível realidade é belo... (último parágrafo) pode ser substituído por

a) muito embora.
b) conquanto.
c) porquanto.
d) por conseguinte.
e) todavia.

Era julho de 1955. Dali a menos de dois anos, em março de 1957, Oscar Niemeyer estaria na comissão julgadora que
escolheu o plano-piloto de Lucio Costa - finalizado a tinta nanquim e último a ser inscrito na concorrência -, o projeto
vencedor para a construção da nova capital federal. Mas, naquele momento, ainda antes de ser convidado por
Juscelino Kubitschek para criar os principais monumentos de Brasília, Niemeyer detalhou pela primeira vez como
seria Marina, a única cidade projetada por ele no país.

"Podemos dizer que Marina será uma cidade planejada efetivamente de acordo com as concepções mais modernas
da técnica urbanística", afirmou ao vespertino carioca A noite. "As distâncias entre os locais de trabalho, estudo,
recreio e habilitação serão limitadas a percursos de, no máximo, 15 minutos de marcha. Isso evitará a perda de
tempo em transportes, permitindo folga suficiente para recreação e prática de esportes", declarou Niemeyer, que
sonhava com uma cidade autossus- tentável, muito antes de o conceito se tornar a principal preocupação de projetos
mundo afora.

O Estado de Minas obteve cópia do Memorial Descritivo da Cidade Marina, datilografado e assinado por Niemeyer.
Nele consta que o arquiteto procurava "estabelecer para a cidade um sistema de vida humano e feliz, integrado na
natureza, que aproveita e enriquece". O documento chama a atenção ainda para as áreas verdes, que teriam o
paisagismo do artista plástico Roberto Burle Marx, outro nome fundamental na criação de Brasília. "Cercados de
parques, jardins e vegetação abundante, os blocos de habitação coletiva estão integrados no seu verdadeiro objetivo,
que é aproximar o homem da natureza, para lhe propiciar um ambiente natural e sadio".

O plano diretor da Cidade Marina previa centro cívico, com edifícios públicos, teatro, cinema, museu, biblioteca, lojas
e restaurantes; hospital e centro de saúde; uma cidade vertical (com prédios de oito a 10 pavimentos) e outra
horizontal (com residências); zona industrial, escolas, centro esportivo e um aeroporto, única intervenção que
chegou a ser executada nas terras.

Niemeyer enfatizou que a urbanização da nova cidade seria baseada na habitação coletiva, com a localização em
meio a verdadeiros parques e zonas de vegetação exuberantes. "Este sistema de organização da zona residencial,
além de satisfazer perfeitamente todas as exigências sociais da vida moderna, proporcionará uma ligação efetiva de
seus habitantes com a natureza privilegiada do lugar", afirmou o arquiteto, em 1955.

(RIBEIRO, Luiz e DAMASCENO, Renan. "Como seria Marina". Disponível em: www.em.com.br)

106. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A locução verbal "seria baseada" (último
parágrafo) confere à afirmação um sentido

a) hipotético.
b) assertivo.
c) conclusivo.
d) condicional.
e) retroativo.

O filósofo Theodor Adorno (1903-1969) afirma que, no capitalismo tardio, "a tradicional dicotomia entre trabalho e
lazer tende a se tornar cada vez mais reduzida e as 'atividades de lazer' tomam cada vez mais do tempo livre do
indivíduo". Paradoxalmente, a revolução cibernética de hoje diminuiu ainda mais o tempo livre.

Nossa época dispõe de uma tecnologia que, além de acelerar a comunicação entre as pessoas e os processos de
aquisição, processamento e produção de informação, permite automatizar grande parte das tarefas. Contudo, quase
todo mundo se queixa de não ter tempo. O tempo livre parece ter encolhido. Se não temos mais tempo livre, é
porque praticamente todo o nosso tempo está preso. Preso a quê? Ao princípio do trabalho, ou melhor, do
desempenho, inclusive nos joguinhos eletrônicos, que alguns supõem substituir "velharias", como a poesia.

T.S. Eliot, um dos grandes poetas do século XX, afirma que "um poeta deve estudar tanto quanto não prejudique sua
necessária receptividade e necessária preguiça". E Paul Valéry fala sobre uma ausência sem preço durante a qual os
elementos mais delicados da vida se renovam e, de algum modo, o ser se lava das obrigações pendentes, das
expectativas à espreita... Uma espécie de vacuidade benéfica que devolve ao espírito sua liberdade própria.
Isso me remete à minha experiência pessoal. Se eu quiser escrever um ensaio, basta que me aplique e o texto ficará
pronto, cedo ou tarde. Não é assim com a poesia. Sendo produto do trabalho e da preguiça, não há tempo de
trabalho normal para a feitura de um poema, como há para a produção de uma mercadoria. Bandeira conta, por
exemplo, que demorou anos para terminar o poema "Vou-me embora pra Pasárgada".

Evidentemente, isso não significa que o poeta não faça coisa nenhuma. Mas o trabalho do poeta é muitas vezes
invisível para quem o observa de fora. E tanto pode resultar num poema quanto em nada.

Assim, numa época em que "tempo é dinheiro", a poesia se compraz em esbanjar o tempo do poeta, que navega ao
sabor do poema. Mas o poema em que a poesia esbanjou o tempo do poeta é aquele que também dissipará o tempo
do leitor, que se deleita ao flanar por linhas que mereçam uma leitura por um lado vagarosa, por outro, ligeira; por
um lado reflexiva, por outro, intuitiva. É por essa temporalidade concreta, que se manifesta como uma preguiça
fecunda, que se mede a grandeza de um poema.

(Adaptado de: CÍCERO, Antonio. A poesia e a crítica: Ensaios. Companhia das Letras, 2017,

edição digital)

107. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA) que


alguns supõem substituir "velharias" (2° parágrafo) No contexto, o termo sublinhado acima exerce a mesma função
sintática que o sublinhado em:

a) Mas o trabalho do poeta é muitas vezes invisível (5° parágrafo).


b) permite automatizar grande parte das tarefas (2° parágrafo).
c) T.S. Eliot, um dos grandes poetas do século XX, afirma que (3° parágrafo).
d) não há tempo de trabalho normal para a feitura de um poema (4° parágrafo).
e) O tempo livre parece ter encolhido (2° parágrafo).

Era julho de 1955. Dali a menos de dois anos, em março de 1957, Oscar Niemeyer estaria na comissão julgadora que
escolheu o plano-piloto de Lucio Costa - finalizado a tinta nanquim e último a ser inscrito na concorrência -, o projeto
vencedor para a construção da nova capital federal. Mas, naquele momento, ainda antes de ser convidado por
Juscelino Kubitschek para criar os principais monumentos de Brasília, Niemeyer detalhou pela primeira vez como
seria Marina, a única cidade projetada por ele no país.

"Podemos dizer que Marina será uma cidade planejada efetivamente de acordo com as concepções mais modernas
da técnica urbanística", afirmou ao vespertino carioca A noite. "As distâncias entre os locais de trabalho, estudo,
recreio e habilitação serão limitadas a percursos de, no máximo, 15 minutos de marcha. Isso evitará a perda de
tempo em transportes, permitindo folga suficiente para recreação e prática de esportes", declarou Niemeyer, que
sonhava com uma cidade autossus- tentável, muito antes de o conceito se tornar a principal preocupação de projetos
mundo afora.

O Estado de Minas obteve cópia do Memorial Descritivo da Cidade Marina, datilografado e assinado por Niemeyer.
Nele consta que o arquiteto procurava "estabelecer para a cidade um sistema de vida humano e feliz, integrado na
natureza, que aproveita e enriquece". O documento chama a atenção ainda para as áreas verdes, que teriam o
paisagismo do artista plástico Roberto Burle Marx, outro nome fundamental na criação de Brasília. "Cercados de
parques, jardins e vegetação abundante, os blocos de habitação coletiva estão integrados no seu verdadeiro objetivo,
que é aproximar o homem da natureza, para lhe propiciar um ambiente natural e sadio".

0 plano diretor da Cidade Marina previa centro cívico, com edifícios públicos, teatro, cinema, museu, biblioteca,
lojas e restaurantes; hospital e centro de saúde; uma cidade vertical (com prédios de oito a 10 pavimentos) e outra
horizontal (com residências); zona industrial, escolas, centro esportivo e um aeroporto, única intervenção que
chegou a ser executada nas terras.

Niemeyer enfatizou que a urbanização da nova cidade seria baseada na habitação coletiva, com a localização em
meio a verdadeiros parques e zonas de vegetação exuberantes. "Este sistema de organização da zona residencial,
além de satisfazer perfeitamente todas as exigências sociais da vida moderna, proporcionará uma ligação efetiva de
seus habitantes com a natureza privilegiada do lugar", afirmou o arquiteto, em 1955.

(RIBEIRO, Luiz e DAMASCENO, Renan. "Como seria Marina". Disponível em: www.em.com.br

108. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) As frases abaixo dizem respeito à pontuação
do 4° parágrafo.

1 - Todos os parênteses podem ser substituídos por travessões, sem prejuízo

para a correção do texto.

II - Imediatamente após o termo "previa", podem-se acrescentar dois-pontos, visto que se segue uma
enumeração.
III - O segmento "única intervenção" poderia ser posto entre parênteses, sem prejuízo para a correção do texto,
uma vez que possui caráter explicativo. Está correto o que consta em

a) II, apenas.
b) I, II e III.
c) I e III, apenas.
d) I e II, apenas.
e) II e III, apenas.

A coletânea de aforismos que constituem os dois volumes de Humano, demasiado humano, considerado o marco
inicial do segundo período da produção de Nietzsche, é um ajuste de contas definitivo com as ideias fundamentais do
sistema filosófico de Schopenhauer.

Dedicando o livro à memória do filósofo francês Voltaire e escolhendo como epígrafe uma citação de René Descartes,
Nietzsche já o insere simbolicamente na tradição da filosofia das Luzes, caracterizada pela confiança no poder
emancipatório da ciência, em seu triunfo contra as trevas da ignorância e da superstição. Não por acaso, portanto,
a obra tem como subtítulo Um livro para espíritos livres.

Se, para o jovem Nietzsche, era a arte - e não a ciência - o que constituía a atividade metafísica do homem, em
Humano, demasiado humano ela é destituída desse privilégio. Fazendo uma referência velada a pressupostos
fundamentais da filosofia de Schopenhauer, dos quais partilhara, Nietzsche toma agora o cuidado de se afastar
criticamente deles. "Que lugar ainda resta à arte? Antes de tudo, ela ensinou, através de milênios, a olhar com
interesse e prazer a vida, em todas as suas formas. Essa doutrina foi implantada em nós; ela vem à luz novamente
agora como irresistível necessidade de conhecer. O homem científico é o desenvolvimento do homem artístico".

Se, para o jovem Nietzsche, o aprofundamento do conhecimento científico conduzia à proliferação de um saber
erudito e estéril, que sufocava a vida, para o Nietzsche do período intermediário o conhecimento científico torna livre
o espírito.

Pouco mais tarde, Nietzsche aprofundaria seu novo entendimento relativo ao papel da ciência e à oposição entre esta
e a arte. Contrapondo-se àqueles que valorizam apenas a imaginação e as obras-primas do disfarce estético, o filóso-
fo afirma: "eles pensam que a realidade é horrível; contudo, não pensam que o conhecimento até da mais horrível
realidade é belo, do mesmo modo que aquele que conhece bastante e amiúde está, por fim, muito longe de
considerar horrível o grande todo da realidade, cuja descoberta lhe proporciona sempre felicidade. A felicidade do
homem do conhecimento aumenta a beleza do mundo".

(Adaptado de: GIACOIA JUNIOR, Oswaldo. Nietzsche. São Paulo, Publifolha, 2000, p. 42-46)

109. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - AREA ADMINISTRATIVA) ... o que constituía a atividade


metafísica do homem... (3° parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos tempo e modo da frase acima está em:

a) que sufocava a vida


b) aprofundaria seu novo entendimento
c) que valorizam apenas a imaginação
d) dos quais partilhara
e) ela é destituída desse privilégio

110. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - ÁREA ADMINISTRATIVA) De acordo com o texto,

a) em Humano, demasiado humano, Nietzsche afasta-se das ideias propostas por Schopenhauer, com as quais
havia se identificado anteriormente, e aponta para o poder de libertação proporcionado pelo conhecimento científico.
b) o subtítulo da coletânea de aforismos escrita por Nietzsche permite pressupor que nesta obra valoriza-se antes
a liberdade de imaginação do artista, tido como o arauto da civilização moderna, do que os princípios da ciência.
c) ao afirmar que o jovem Nietzsche considerava pouco profícuo o acúmulo de conhecimento científico, em
oposição ao caráter produtivo da estética, o autor do texto estabelece um juízo de valor a respeito da ingenuidade
do filósofo.
d) a doutrina mencionada no 3° parágrafo, que Nietzsche considera ter sido "implantada em nós", refere-se à
crença no poder do conhecimento científico, em conformidade com os pressupostos do pensamento de
Schopenhauer, contra os quais se opôs abertamente.
e) desenvolvido tardiamente, o entendimento de Nietzsche sobre a importância da ciência para a felicidade do
homem leva-o à condenação precipitada do caráter ilusório da arte, esta que, para o autor do texto, representa o
belo edificante em oposição aos horrores da realidade.

GABARITO

1. e 26. d 51. e 76. c 101.


2. c 27. d 52. c 77. a 102.
3. a 28. b 53. a 78. a 103.
4. a 29. a 54. d 79. d 104.
Ul
30. e 55. d 80. d 105.
cr
6. d 31. d 56. c 81. d 106.
7. e 32. e 57. e 82. e 107.
8. e 33. a 58. b 83. c 108.
9. d 34. a 59. c 84. d 109.
10. a 35. a 60. e 85. a 110.
11. d 36. b 61. b 86. b
12. c 37. a 62. b 87. d
13. b 38. e 63. e 88. a
14. c 39. a 64. a 89. b
15. a 40. a 65. c 90. c
16. c 41. d 66. d 91. b
17. c 42. c 67. e 92. c
18. e 43. b 68. b 93. c
19. b 44. d 69. c 94. c
20. c 45. a 70. e 95. b
21. a 46. a 71. b 96. d
22. e 47. c 72. e 97. d
23. d 48. c 73. c 98. b
24. b 49. a 74. b 99. e
25. b 50. b 75. a 100. b

a
e

COLETÂNEA DE QUESTÕES 2017 - FCC

Redação Oficial

REDAÇÃO OFICIAL

111. (2017/TRT 21a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Um documento no Padrão Ofício deve

a) usar, quando necessário, de recursos gráficos, como itálicos, negritos e sublinhados, mas de maneira a não
afetar a elegância e a sobriedade do documento.
b) ser redigido com fonte de corpo proporcional ao texto e variação de acordo com a hierarquia dos assuntos
tratados.
c) comportar conclusão, caso não seja mero encaminhamento de documentos, em que tem lugar o detalhamento
do assunto em pauta e a opinião do signatário.
d) obedecer, quanto ao fecho, o padrão baseado em dois termos: "atenciosamente", para autoridades superiores,
e "respeitosamente", para autoridades de hierarquia inferior ou semelhante.
e) pautar-se, como toda a comunicação de caráter oficial, pela pessoalidade no uso da linguagem, de modo que
seu remetente esteja identificado ao fim do texto, pelo nome, cargo e endereço.

112. (2017/TRT 2ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Respeitando-se as normas de redação do


Manual da Presidência da República, a frase correta é:

a) Solicito a Vossa Senhoria que verifique a possibilidade de implementação de projeto de treinamento de pessoal
para operar os novos equipamentos gráficos a serem instalados em seu setor.
b) Venho perguntar-lhe, por meio desta, sobre a data em que Vossa Excelência pretende nomear vosso
representante na Comissão Organizadora.
c) Digníssimo Senhor: eu venho por esse comunicado, informar, que será organizado seminário, sobre o uso
eficiente de recursos hídricos, em data ainda a ser definida.

COLETÂNEA DE QUESTÕES 2017 - FCC

Redação Oficial

d) Haja visto que o projeto anexo contribue para o desenvolvimento do setor em questão, informamos, por meio
deste Ofício, que será amplamente analisado por especialistas.
e) Neste momento, conforme solicitação enviada à Vossa Senhoria anexo, não se deve adotar medidas que
possam comprometer vossa realização do projeto mencionado.

113. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA COMUNICAÇÃO SOCIAL) De acordo com o Manual de Redação da Presidência
da República, a redação oficial deve caracterizar-se pelo uso do padrão culto da linguagem e por

a) impessoalidade, clareza, concisão, formalidade e uniformidade.


b) impessoalidade, moralidade, concisão, formalidade e uniformidade.
c) impessoalidade, clareza, publicidade, formalidade e eficiência.
d) moralidade, clareza, concisão, eficiência e uniformidade.
e) legalidade, clareza, concisão, formalidade e uniformidade.

GABARITO

111. a
112. a
113. a

RACIOCÍNIO LÓGICO E MATEMÁTICO

114. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O código de um sistema de classificação de


processos é composto por três vogais juntas, seguidas por três algarismos. A ordenação começa com o 1° processo,
cujo código é AAA000, e termina com o 125.000o processo, cujo código é UUU999, seguindo sempre a ordem
alfabética das letras e ordem crescente do número composto pelos três algarismos. Nesse sistema de classificação,
o 10.500o processo terá o código

a) AEA501.
b) AIA499.
c) AIA501.
d) AIA500.
e) EAA499.

115. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Algumas cadeiras novas foram distribuídas por
quatro andares de um edifício comercial. O 1° andar recebeu metade do total de cadeiras. O 2° andar recebeu a terça
parte do total de cadeiras que o 1° andar recebeu. O 3° andar recebeu dois quintos das cadeiras recebidas pelos dois
andares abaixo. Por fim, o 4° andar recebeu as 16 cadeiras restantes. Em tais condições, o total de cadeiras
distribuídas para os andares pares foi igual a

a) 36.
b) 60.
c) 72.
d) 40.
e) 56.

116. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O turno diário de trabalho de uma empresa é das
8h às 17h, de 2a a 6a feira, sendo que das 12h às 13h é o horário de almoço, não remunerado. Em determinada época
do ano, os trabalhadores fizeram um acordo com a empresa para emendar o feriado de uma 5 a feira com a 6a feira.
O acordo previa que os funcionários estenderiam seu turno diário de trabalho em 15 minutos até completar a
reposição das horas de trabalho do dia da emenda. Sabendo-se que o horário estendido teve início em uma 2a feira,
dia 19 de junho, e que não houve outro feriado ou paralização até o último dia da compensação, então, o último dia
da compensação foi

a) 28 de julho.
b) 30 de junho.
c) de julho.
d) 01 de agosto.
e) 20 de junho.

117. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considere como verdadeira a proposição:


"Nenhum matemático é não dialético". Laura enuncia que tal proposição implica, necessariamente, que I - se Carlos
é matemático, então ele é dialético.

II - se Pedro é dialético, então é matemático.


III - se Luiz não é dialético, então não é matemático.
IV - se Renato não é matemático, então não é dialético.

Das implicações enunciadas por Laura, estão corretas APENAS

a) I e III.
b) I e II.
c) III e IV.
d) II e III.
e) II e IV.

118. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Cássio, Ernesto, Geraldo, Álvaro e Jair são
suspeitos de um crime. A polícia sabe que apenas um deles cometeu o crime. No interrogatório, os suspeitos deram
as seguintes declarações:

Cássio:

Ernesto:

Geraldo:

Álvaro:

Jair:

Jair é o culpado do crime.

Geraldo é o culpado do crime.

Foi Cássio quem cometeu o crime.


Ernesto não cometeu o crime.

Eu não cometi o crime.

Sabe-se que o culpado do crime disse a verdade na sua declaração. Dentre os outros quatro suspeitos, exatamente
três mentiram na declaração. Sendo assim, o único inocente que declarou a verdade foi

a) Cássio.
b) Ernesto.
c) Geraldo.
d) Álvaro.
e) Jair.

119. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA JUDICIÁRIA) As


expressões numéricas abaixo apresentam resultados que seguem um padrão específico:
1ã expressão: 1x9 + 2 2® expressão 12x9 + 3 3a expressão: 123 x 9 + 4

7a expressão | x 9 + ▲

Seguindo esse padrão e colocando os números adequados no lugar dos símbolos | e A, o resultado da 7a expressão será

a) 1 111 111.
b) 11 111.

C) 1 111.

d) 111 111.
e) 11 111 111.

120. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA JUDICIÁRIA) Foi


realizada uma pesquisa junto aos clientes de um determinado shopping center. As afirmações abaixo foram
recolhidas a partir da fala de alguns desses clientes:

I - Quando os preços são altos, as lojas têm boa reputação.


II - Sempre que os produtos são de boa qualidade, os preços são altos.
III - Há lojas com produtos de boa qualidade, mas com atendimento ruim.
IV - Sempre que as lojas são bem decoradas, elas têm bom atendimento.
V - As lojas com boa reputação são sempre bem decoradas.

A afirmação que está em contradição com o conjunto das demais é a

a) I.
b) V.

C) III.

d) IV.
e) II.

121. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA JUDICIÁRIA)


Considere o trecho de mapa abaixo, onde as retas horizontais representam as avenidas A, B, C, D e E e as verticais
representam as ruas de 1 a 7.
Um trajeto que serve a essa pessoa, dentre os abaixo, é aquele que pode ser descrito pela sequência de comandos

a) S - E - S - S - S - E - E - S - S - S - D - S.
b) S - E- S - S- S - E - E - S- S - S- D - S.
c) S - D- S - E- S - E - E - E- S - S- D - S.
d) E - D- S - S- S - E - E - E- S - S- D - S.
e) S - S- S - S- S - D - E - E- S - D- D - S.

122. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Na prateleira de uma estante estão colocados apenas
20 livros de direito penal, 25 de direito constitucional e 15 de direito do consumidor. Cada livro possui pelo menos um
autor e, no total, são 80 autores diferentes que escreveram esses livros. A respeito dos 60 livros dessa prateleira, é
correto afirmar que

a) há, com certeza, um livro de direito constitucional escrito por mais de um autor.
b) necessariamente pelo menos 1/3 dos livros possuem mais de um autor.
c) algum dos livros pode ter sido escrito por 80 autores diferentes.
d) necessariamente no máximo 20 dos livros têm exatamente dois autores.
e) um mesmo autor não pode ter escrito todos os livros de direito constitucional.

123. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Considere a afirmação abaixo. Se contratei um


empréstimo com juros maiores do que antes, então pagarei um montante maior. A afirmação que corresponde à
negação lógica desta é

a) Se não paguei um montante maior, então não contratei um empréstimo com juros maiores.
b) Contratei um empréstimo com juros maiores do que antes ou pagarei um montante maior.
c) Se contratei um empréstimo com juros menores do que antes, então pagarei um montante maior.
d) Contratei um empréstimo com juros maiores do que antes e não pagarei um montante maior.
e) Não contratei um empréstimo com juros maiores do que antes ou não pagarei um montante maior.

124. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Em uma escola há professor de química que é
professor de física, mas não todos. Também há professor de matemática que é professor de física, mas não todos.
Não há professor de matemática que seja professor de química. Não há professor de física que seja apenas professor
de física. Nessa escola,

a) todos os professores de física são professores de química.


b) qualquer professor de matemática é professor de química.
c) os professores de matemática que não são professores de química são professores de física.
d) há professores de química que são professores de matemática e de física.
e) qualquer professor de física que é professor de matemática, não é professor de química.
125. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considere a sequência (3, 5, 9, 11, 15, 17, ... ). A
partir do 4° termo essa sequência foi criada com o uso de uma regra lógica recorrente aos três termos
imediatamente anteriores. O 38° termo dessa sequência é o número

a) 119
b) 97
c) 113
d) 135
e) 141

126. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) A afirmação que corresponde à negação lógica da frase 'Vendedores falam muito e nenhum
estudioso fala alto' é

a) Nenhum vendedor fala muito e todos os estudiosos falam alto'.


b) ' Vendedores não falam muito e todos os estudiosos falam alto'.
c) ' Se os vendedores não falam muito, então os estudiosos não falam alto'.
d) ' Pelo menos um vendedor não fala muito ou todo estudioso fala alto'.
e) ' Vendedores não falam muito ou pelo menos um estudioso fala alto'.

127. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ECONOMIA) Considerando todos os funcionários da carreira de Economista em


um órgão público, verifica-se que 55% são do sexo masculino. Verifica-se também que 37,5% de todos os
funcionários desta carreira são formados pela Faculdade X e o restante pela Faculdade Y. Se 20% destes funcionários
formados pela faculdade X são do sexo feminino, então se for escolhido aleatoriamente um funcionário da carreira de
Economista deste órgão público a probabilidade de ele ser do sexo feminino ou ter sido formado pela faculdade Y é

a) 7/10.
b) 3/5.
c) 2/5.
d) 1/5.
e) 3/8.

128. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Considere a afirmação: Ontem trovejou e não choveu. Uma
afirmação que corresponde à negação lógica desta afirmação é

a) se ontem não trovejou, então não choveu.


b) ontem trovejou e choveu.
c) ontem não trovejou ou não choveu.
d) ontem não trovejou ou choveu.
e) se ontem choveu, então trovejou.

129. (2017/TRT 24a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Uma afirmação que corresponda à negação
lógica da afirmação: todos os programas foram limpos e nenhum vírus permaneceu, é:

a) Se pelo menos um programa não foi limpo, então algum vírus não permaneceu.
b) Existe um programa que não foi limpo ou pelo menos um vírus permaneceu.
c) Nenhum programa foi limpo e todos os vírus permaneceram.
d) Alguns programas foram limpos ou algum vírus não permaneceu.
e) Se algum vírus permaneceu, então nenhum programa foi limpos.

130. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Alexandre, Breno, Cleide e Débora saíram
vestindo camisas do seu time de futebol. Sabe-se que cada pessoa torce por um time diferente, e que os times são:
Flamengo, Co-
rinthians, São Paulo, Vasco, não necessariamente nessa ordem. Cleide é corintiana, Breno não torce pelo Flamengo
nem pelo São Paulo, Débora é são-paulina. Sendo assim, conclui-se que Alexandre e Breno, respectivamente,
torcem para

a) Flamengo e Corinthians.
b) Vasco e Flamengo.
c) São Paulo e Vasco.
d) Flamengo e Vasco.
e) Vasco e Corinthians.

131. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Marlene, Jair, Renata, Alexandre e Patrícia
fizeram uma prova de um concurso obtendo cinco pontuações diferentes. Sabe-se ainda que, nessa prova: - Marlene
obteve mais pontos do que Alexandre, mas menos pontos do que Patrícia; - Jair obteve mais pontos do que Renata,
que por sua vez obteve mais pontos do que Marlene. Sendo assim, é necessariamente correto que

a) Marlene obteve mais pontos do que Renata.


b) Jair obteve menos pontos do que Patrícia.
c) Renata obteve menos pontos do que Patrícia.
d) Alexandre foi o que obteve menos pontos.
e) Patrícia foi a que obteve mais pontos.

132. (2017/TRT 1ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A frase que corresponde à negação lógica da
afirmação: Se o número de docinhos encomendados não foi o suficiente, então a festa não acabou bem, é

a) Se o número de docinhos encomendados foi o suficiente, então a festa acabou bem.

b) O número de docinhos encomendados não foi o suficiente e a festa acabou bem.


c) Se a festa não acabou bem, então o número de docinhos encomendados não foi o suficiente.
d) Se a festa acabou bem, então o número de docinhos encomendados foi o suficiente.
e) O número de docinhos encomendados foi o suficiente e a festa não acabou bem.

133. (2017/TRE SP/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS) Considere que uma expressão
lógica envolva candidato (C), cargo político (P), votos (V) e ganhador (G). Para avaliar se uma dada expressão é
verdadeira ou não, um Técnico deve usar uma Tabela da Verdade, que contém uma lista exaustiva de situações
possíveis envolvendo as 4 variáveis. A Tabela da Verdade deve ter 4 colunas e

a) 8 linhas.
b) 16 linhas.
c) 4 linhas.
d) 32 linhas.
e) 64 linhas.

134. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Maria, Nair, Olí- via e Paula ganharam, juntas, na
loteria e decidiram repartir o prêmio proporcionalmente ao valor desembolsado por cada uma no momento da aposta.
Nair, que foi a que mais desembolsou dinheiro, deu o triplo do dinheiro dado por Paula, que foi a que menos
desembolsou dinheiro. A soma do dinheiro desembolsado por Maria e Olívia foi 3/4 do dinheiro desembolsado por
Nair. Sabendo-se que Paula recebeu R$ 12.000,00 de prêmio, o valor total do prêmio, recebido pelas quatro juntas,
foi, em R$, de

a) 68.000,00.
b) 50.000,00.
c) 75.000,00.
d) 62.000,00.
e) 58.000,00.

135. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O total de P pessoas será distribuído em grupos
com o mesmo número de integrantes, e sempre com o número máximo possível de integrantes. Se forem feitos 13
grupos, sobrarão 3 pessoas sem grupo. Se forem feitos grupos com 36 pessoas, sobrarão 11 pessoas sem grupo.
Sendo P um inteiro maior do que zero, o menor valor possível de P é

a) 588.
b) 443.
c) 510.
d) 731.
e) 263.

136. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA JUDICIÁRIA)


Durante um treinamento, o chefe da brigada de incêndio de um prédio comercial informou que, nos cinquenta anos
de existência do prédio, nunca houve um incêndio, mas existiram muitas situações de risco, felizmente controladas
a tempo. Segundo ele, 1/13 dessas situações deveu-se a ações criminosas, enquanto as demais situações haviam
sido geradas por diferentes tipos de displicência. Dentre as situações de risco geradas por displicência, - 1/5
deveu-se a pontas de cigarro descartadas inadequadamente; - 1/4 deveu- se a instalações elétricas inadequadas; -
1/3 deveu-se a vazamentos de gás e - as demais foram geradas por descuidos ao cozinhar. De acordo com esses
dados, ao longo da existência desse prédio comercial, a fração do total de situações de risco de incêndio geradas por
descuidos ao cozinhar corresponde à

a) 3/20.
b) 1/4.
c) 13/60.
d) 1/5.
e) 1/60.

137. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA JUDICIÁRIA) Em


uma empresa, trabalham oito funcionários, na mesma função, mas com cargas horárias diferentes: um deles
trabalha 32 horas semanais, um trabalha 24 horas semanais, um trabalha 20 horas semanais, três trabalham 16
horas semanais e, por fim, dois deles trabalham 12 horas semanais. No final do ano, a empresa distribuirá um bônus
total de R$ 74.000,00 entre esses oito funcionários, de forma que a parte de cada um seja diretamente proporcional
à sua carga horária semanal. Dessa forma, nessa equipe de funcionários, a diferença entre o maior e o menor bônus
individual será, em R$, de

a) 10.000,00.
b) 8.000,00.
c) 20.000,00.
d) 12.000,00.
e) 6.000,00.

138. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA JUDICIÁRIA) A


equipe de segurança de um Tribunal conseguia resolver mensalmente cerca de 35% das ocorrências de dano ao
patrimônio nas cercanias desse prédio, identificando os criminosos e os encaminhando às autoridades competentes.
Após uma reestruturação dos procedimentos de segurança, a mesma equipe conseguiu aumentar o percentual de
resolução mensal de ocorrências desse tipo de crime para cerca de 63%. De acordo com esses dados, com tal
reestruturação, a equipe de segurança aumentou sua eficácia no combate ao dano ao patrimônio em
a) 35%.
b) 28%. C) 63%.

d) 41%.
e) 80%.

139. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA JUDICIÁRIA) Três


irmãos, André, Beatriz e Clarice, receberam de uma tia herança constituída pelas seguintes joias: um bracelete de
ouro, um colar de pérolas e um par de brincos de diamante. A tia especificou em testamento que as joias não
deveriam ser vendidas antes da partilha e que cada um deveria ficar com uma delas, mas não especificou qual
deveria ser dada a quem. O justo, pensaram os irmãos, seria que cada um recebesse cerca de 33,3% da herança,
mas eles achavam que as joias tinham valores diferentes entre si e, além disso, tinham diferentes opiniões sobre
seus valores. Então, decidiram fazer a partilha do seguinte modo:

- Inicialmente, sem que os demais vissem, cada um deveria escrever em um papel três porcentagens, indicando sua avaliação
sobre o valor de cada joia com relação ao valor total da herança.
- A seguir, todos deveriam mostrar aos demais suas avaliações.
- Uma partilha seria considerada boa se cada um deles recebesse uma joia que avaliou como valendo 33,3% da herança toda ou
mais.

As avaliações de cada um dos irmãos a respeito das joias foi a seguinte:

André Bracelete: 40% Colar 50% Brincos: 10%


Beatriz Bracelete: 30% Colar 50% Brincos: 20%
Clarice Bracelete: 30% Colar 20% Brincos: 50%

Assim, uma partilha boa seria se André, Beatriz e Clarice recebessem, respectivamente,

a) o bracelete, os brincos e o colar.


b) os brincos, o colar e o bracelete.
c) o colar, o bracelete e os brincos.

d) o bracelete, o colar e os brincos.


e) o colar, os brincos e o bracelete.

140. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) A massa de 1 litro de leite puro e a massa de 1 litro de
água são, respectivamente, iguais a 1,03 kg e 1 kg. Uma jarra com capacidade de 8 litros contém certa quantidade
de leite puro. Acrescentando-se x litros de água ao leite que está na jarra, até completar sua capacidade, a massa
dos 8 litros da mistura final será de 8,18 kg. Em tais condições, x é igual a

a) 2,0.
b) 2,4.
c) 3,0.
d) 2,6.
e) 2,5.

141. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Na apresentação de um recital de música


compareceram 78 pessoas, das quais 35 eram do sexo masculino e 49 pessoas conseguiram se sentar, ficando as
demais em pé. Sabendo-se que 27 pessoas do sexo masculino assistiram o recital em pé, o número de pessoas do
sexo feminino que assistiram o recital sentadas foi igual a
a) 29.
b) 41.
c) 43.
d) 36.
e) 37.

142. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Toda a população adulta de 2.120.000 habitantes de


um país será vacinada contra determinado vírus. O governo do país comprou 6 m^3 da vacina. A dose de vacina é
de 1,5 mL, e cada habitante adulto tem que receber duas doses.

Sabendo que 1 mL corresponde à 1 cm^3, no programa de vacinação de adultos descrito,

a) sobrarão 120 mil doses de vacina.


b) faltarão 12 mil doses de vacina.
c) sobrarão 60 mil doses de vacina.
d) faltarão 240 mil doses de vacina.
e) faltarão 120 mil doses de vacina.

143. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Um comerciante autônomo compra mercadorias pelo


preço unitário de R$ 8,00 para depois revendê-las. Ele guarda 10% da diferença entre o preço de compra e de venda
da mercadoria para reinvestir no seu negócio, e paga 20% de imposto sobre o preço de venda da mercadoria. Se ele
deseja realizar um lucro de 32,5% sobre o valor de compra de cada mercadoria colocada a venda, o preço unitário
de venda dessa mercadoria terá que ser igual a

a) R$ 13,20.
b) R$ 14,00.
c) R$ 14,40.
d) R$ 13,00.
e) R$ 10,60.

144. Na sequência (100.000; 90.000; 81.000; 72.900; ...), o segundo termo não inteiro é o que está na posição

a) 6.
b) 5.
c) 7.
d) 8.
e) 9.

145. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Uma motocicleta foi vendida por R$ 18.500,00,
com lucro de 8% sobre a venda. O custo desta motocicleta foi de

a) R$ 16.480,00.
b) R$ 17.340,00.
c) R$ 18.010,00.
d) R$ 16.760,00.
e) R$ 17.020,00.

146. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Em um programa de ampliação do acervo das


bibliotecas públicas de um município, foram comprados R$ 960,00 de livros ao custo unitário de R$ 24,00 e, com o
dobro desse dinheiro, foram comprados livros ao custo unitário de R$ 16,00. O custo médio unitário dos livros
comprados nesse programa foi igual a
a) R$ 18,00.
b) R$ 20,00.
c) R$ 22,00.
d) R$ 21,00.
e) R$ 17,00.

147. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Em um caminho há 21 caixas dispostas em uma


linha reta. Cada caixa está a 10 metros de distância da caixa seguinte. Partindo de uma caixa em um dos extremos
dessa linha reta, Roberto tem a tarefa de levar todas as caixas até a posição em que está a caixa do meio. Se Roberto
transportar apenas uma caixa de cada vez, e evitar percursos desnecessários, a distância percorrida por ele ao
concluir a tarefa, em metros, será igual a

a) 2.200.
b) 1.900.
c) 1.900.
d) 2.000.
e) 2.100.

148. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O presidente de uma empresa resolveu


premiar os três vendedores mais eficientes do ano com a quantia de R$ 13.500,00 que será distribuída de forma
diretamente proporcional ao número de pontos obtidos por cada um na avaliação do ano. O vencedor, com 45 pontos,
recebeu R$ 6.750,00, e o número de pontos do segundo colocado foi igual a 27. O número de pontos a menos que
o terceiro colocado conseguiu em relação ao segundo colocado foi

a) 12
b) 8
c) 11
d) 10
e) 9

149. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Sabe-se que em uma empresa, 19% dos
funcionários se deslocam para o trabalho utilizando automóvel. Os demais funcionários, em número de 1053,
utilizam transporte público, bici-

cleta ou se deslocam para o trabalho caminhando. O número de funcionários que utilizam automóvel para se deslocar
para o trabalho é

a) 263
b) 247
c) 195
d) 321
e) 401

150. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Após uma hora de corrida em uma maratona,
um atleta ocupa a 87a posição. A cada 35 segundos dos próximos dez minutos, esse atleta ultrapassa um competidor
que está à sua frente, e a cada 55 segundos desses mesmos dez minutos, esse atleta é ultrapassado por um
competidor que está atrás dele. Após esses dez minutos, o número de posições acima da posição 87a que esse atleta
ocupa, é igual a

a) 3
b) 2
c) 7
d) 4
e) 6

151. (2017/FUNAPE/AN ALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) A quantia de R$ 41.212,04 é o montante da


aplicação de R$ 40.000,00, durante 3 meses, à uma taxa mensal de

a) 1,0%.
b) 0,9%.
c) 0,8%.
d) 1,1%.
e) 1,2%.

152. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Com o recapeamento de uma estrada, o limite de velocidade passará de 80 km/h para 120 km/h.
Considerando as velocidades máximas permitidas antes e depois do recapeamento, a economia de tempo que um
veículo poderá conseguir, ao percorrer um trecho de 10 km dessa estrada, após a obra de recapeamento, será de

a) 4 minutos e 30 segundos.
b) 2 minutos e 30 segundos.
c) 4 minutos e 20 segundos.
d) 2 minutos e 50 segundos.
e) 3 minutos e 40 segundos.

153. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Sérgio tem algumas notas de 2 reais e algumas moedas de 50 centavos, totalizando R$ 76,00.
Somando-se o número de notas de 2 reais com o número de moedas de 50 centavos que ele tem, o resultado é 71.
Admitindo-se que suas moedas de 50 centavos sejam idênticas e que tenham massa de 7,81 gramas cada, a massa
total das moedas que Sérgio tem, em gramas, é um número que está entre

a) 340 e 350.
b) 280 e 290.
c) 370 e 380.
d) 400 e 419.
e) 310 e 320.

154. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Um funcionário trabalhava sempre na mesma velocidade ao fazer revisão em arquivos digitais.
Uma tarefa foi realizada por esse

funcionário em quatro etapas. Na primeira etapa, ele revisou 2/7 do total de arquivos. Na segunda etapa, ele revisou
5/7 do total de arquivos que havia revisado na primeira etapa. Na terceira etapa, ele revisou apenas 4/3 do total de
arquivos que havia revisado na primeira etapa. Ele terminou a tarefa na quarta etapa e gastou, nesta última etapa,
o tempo de 35 minutos. Desse modo, é correto calcular que metade da tarefa foi realizada em

a) 3 horas e 20 minutos.
b) 2 horas e 15 minutos.
c) 2 horas e 55 minutos.
d) 3 horas e 5 minutos.
e) 3 horas.

155. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Uma sala possui área de 50 m2. Se um tapete ocupa 2.000 cm2 da sua área, então, a
porcentagem de área da sala não ocupada por esse tapete é igual a
a) 97,5%.
b) 60%.
c) 99,6%
d) 4%.
e) 96%.

156. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Carlos comeu a terça parte de uma pizza. Angelina chegou
depois e comeu a metade do que Carlos havia deixado da pizza. Por último, Beatriz chegou e comeu o
correspondente à metade do que Angelina havia comido. A fração que sobrou dessa pizza foi

a) 1/6
b) 3/8
c) 2/9
d) 1/5
e) 1/12

157. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) A razão entre as alturas de dois irmãos era 3/4 e, nessa
ocasião, a altura do irmão mais alto era 1,40 m. Hoje, esse irmão mais alto cresceu 10 cm. Para que a razão entre
a altura do irmão mais baixo e a altura do mais alto seja hoje, igual a 5/4, é necessário que o irmão mais baixo tenha
crescido, nesse tempo, o equivalente a

a) 13,5 cm.
b) 10,0 cm.
c) 12,5 cm.
d) 14,8 cm.
e) 15,0 cm.

158. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Um grupo de 8 funcionários analisou 32 propostas de


reestruturação de um determinado setor de uma empresa em 16 horas de trabalho. Para analisar 48 dessas
propostas, em 12 horas de trabalho, um outro grupo de funcionários, em igualdade de condições do grupo anterior,
deverá ser composto por um número de pessoas igual a

a) 18.
b) 12.
c) 16.
d) 14.
e) 20.

159. (2017/DPE/ANALISTA - AREA ADMINISTRAÇAO) Joaquim investiu em um fundo de investimento. Após um


mês esse fundo havia se desvalorizado 10%. Joaquim quer retirar seu dinheiro do fundo quando houver uma
valorização de 8% em relação ao que ele havia aplicado inicialmente. Para que isso aconteça é necessário que esse
fundo valorize-se o equivalente a

a) 28%.
b) 20%.
c) 25%.
d) 22%.
e) 18%.

160. (2017/TRT 24a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Francisco verificou que havia x pastas
em um diretório. Ele abriu 1/3 dessas pastas, deixou as restantes fechadas e foi embora.
Geraldo encontra as pastas como Francisco havia deixado, abre 5/7 das pastas que ainda estavam fechadas e foi
embora.

Humberto observa a situação das pastas após a intervenção de Geraldo, fecha 7/34 das pastas que encontrou
abertas e abre metade das pastas que encontrou fechadas. Após a intervenção de Humberto, a fração, das x pastas,
que ficaram abertas é igual a

a) 31/42
b) 5/34
c) 13/21
d) 15/34
e) 9/21

161. (2017/TRT 24a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Em determinada semana o preço do


tomate é 80% do preço da batata. Na semana seguinte o preço da batata cai 48% e o preço do tomate sobe 30%.

Nessa segunda situação, para que o preço da batata se iguale ao preço do tomate, ele deverá subir

a) 80%.
b) 100%.
c) 90%.
d) 75%.
e) 50%.

162. (2017/TRT 243/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Um veículo trafegando a uma velocidade
média de 75 km/h percorre determinada distância em 4 horas e 20 minutos. Se a sua velocidade média cair para 45
km/h, o tempo necessário para percorrer a mesma distância será acrescido de um valor que é

a) menor do que uma hora.


b) maior que uma hora e menor que duas horas.
c) maior que quatro horas.
d) maior que três horas e menor que quatro horas.
e) maior que duas horas e menor que três horas.

163. (2017/TRT 243/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Uma avenida que possui 7 km de
extensão teve o seu limite máximo de velocidade alterado de 50 km/h para 60 km/h. Levandose em consideração
apenas a extensão da avenida e veículos trafegando nas velocidades máximas permitidas, com a alteração do limite
máximo permitido de velocidade, o tempo para percorrer a extensão total da avenida diminuiu em

a) 2 minutos e 45 segundos.
b) 1 minuto e 8 segundos.
c) 1 minuto e 40 segundos.
d) 2 minutos e 40 segundos.
e) 1 minuto e 24 segundos.

-GRAN CURSOS

164. (2017/TRT 243/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Um funcionário arquivou certo número de
processos ao longo dos cinco dias úteis de trabalho de uma semana. Na terça-feira ele arquivou 3 2 do número de
processos que havia arquivado na segunda-feira. Na quarta-feira ele arquivou o dobro do que havia arquivado na
terça-feira. Tanto na quinta-feira quanto na sexta-feira ele arquivou 5 processos a mais do que havia arquivado na
terça-feira. Sabendo-se que esse funcionário arquivou 49 processos de segunda a sexta-feira dessa semana, a soma
do número de processos arquivados por ele nos três dias da semana em que arquivou mais processos foi igual a

a) 32
b) 41
c) 31
d) 34
e) 38

165. (2017/TRT 243/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O cadastro de veículos de uma pequena
cidade registra 40 veículos de carga e 245 veículos de passeio. Desses 285 veículos cadastrados, 32 são movidos a
diesel. Utilizando apenas essas informações, a respeito desses veículos cadastrados, é correto afirmar que,

a) no máximo, 213 são de passeio movidos a diesel.


b) no mínimo, 32 são de carga movidos a diesel.
c) algum veículo de carga é movido a diesel.
d) no mínimo, 20% dos veículos de carga não são movidos a diesel.
e) pelo menos, 8 veículos de passeio são movidos a diesel.

166. (2017/TRT 24a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Uma corda será dividida em três pedaços
de comprimentos diretamente proporcionais a 3, 5 e 7. Feita a divisão, verificou-se que o maior pedaço ficou com 1
metro a mais do que deveria ser o correto para a medida do maior pedaço, e que o menor pedaço ficou com 1 metro
a menos do que deveria ser o correto para a medida do menor pedaço. Se o único pedaço que saiu na medida correta
ficou com 12 metros de comprimento, o menor dos três pedaços saiu com comprimento, em metros, igual a

a) 8,6
b) 7,5
c) 6,2
d) 4,8
e) 5,6

167. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Em 2015 as vendas de uma empresa
foram 60% superiores as de 2014. Em 2016 as vendas foram 40% inferiores as de 2015. A expectativa para 2017
é de que as vendas sejam 10% inferiores as de 2014. Se for confirmada essa expectativa, de 2016 para 2017 as
vendas da empresa vão

a) diminuir em 6,25%.
b) aumentar em 4%.
c) diminuir em 4%.
d) diminuir em 4,75%.
e) diminuir em 5,5%.

168. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A altura máxima, em metros, que um
guindaste é capaz de içar uma carga é inversamente proporcional ao peso dessa carga, em toneladas. Sabe-se que
esse guindaste iça

uma carga de 2,4 toneladas a uma altura máxima de 8,5 metros. Sendo assim, se a altura máxima que o guindaste
consegue içar uma carga é de 12 metros, o peso máximo da carga, que pode ser içada a essa altura, é igual a 1
tonelada e

a) 500 kg.
b) 800 kg.
c) 600 kg.
d) 900 kg.
e) 700 kg.

169. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) José Souza, Paulo Almeida e Claudio
Prinot são três funcionários que têm que realizar, no total para os três, 72 tarefas diariamente. Cada dia eles
escolhem um critério diferente para repartir as tarefas. Por exemplo, no dia de ontem eles decidiram que as 72
tarefas seriam divididas entre eles diretamente proporcional às consoantes do sobrenome de cada um. Sendo assim,
ontem Paulo Almeida teve que realizar o total de tarefas igual a

a) 15.
b) 12.
c) 18.
d) 9.
e) 24.

170. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Para um concurso foram entrevistados
970 candidatos, dos quais 527 falam inglês, 251 falam francês, 321 não falam inglês nem francês. Dos candidatos
entrevistados, falam inglês e francês, aproximadamente,

a) 13%.
b) 18%.
c) 9%.
d) 11%.
e) 6%.

171. (2017/TRT 11a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O valor que corresponde ao resultado
correto da expressão numérica (132 - 112) -r (122 -r 3) -r (102 - 92 - 42) é

a) 3/4.
b) 1/5.
c) 1/3.
d) 2/5.
e) 1/4.

172. (2017/TRT 11a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Um ciclista cumpriu seu trajeto de
treinamento com uma velocidade média de 20 km/h e um tempo de 6 horas e 24 minutos. No dia seguinte, ao voltar,
o ciclista cumpriu o mesmo trajeto em exatamente 8 horas. Nesse dia sua velocidade média caiu, em relação ao
treinamento do dia anterior, um valor igual a

a) 7 km/h.
b) 4 km/h.
c) 6 km/h.
d) 1,5 km/h.
e) 3 km/h.

173. (2017/TRT 11a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O preço de um sapato, após um aumento
de 15%, é R$ 109,25. Se o preço do sapato não tivesse sofrido esse aumento de 15%, mas um aumento de 8%, a
diferença, em reais, entre os preços do sapato com cada aumento seria de

a) R$ 7,65.
b) R$ 5,80.
c) R$ 14,25.
d) R$ 7,60.
e) R$ 6,65.

174. (2017/TRT 1ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Na festa de fim de ano de uma empresa
estavam presentes X pessoas. Para agradar os participantes foram encomendados docinhos especiais. A ideia era
dar 7 docinhos para cada pessoa presente, mas verificou-se que faltariam 19 docinhos. Se fossem dados 6 docinhos
para cada pessoa, sobrariam 98 docinhos. O número de docinhos que haviam sido encomendados para essa festa era
igual a

a) 800.
b) 750.
c) 600.
d) 950.
e) 100.

175. (2017/TRT 11a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Do seu salário líquido Raimundo separa
1/3 para pagar os gastos com moradia. Para alimentação Raimundo separa 2/5 do restante do dinheiro. Exatamente
1/3 do que restou, após os gastos com moradia e alimentação, Raimundo deposita em uma conta de investimento
que, nesse mês, recebeu como depósito a quantia de R$ 780,00. Nesse mês, a quantia do salário que Raimundo
separou para moradia e alimentação, somadas, foi igual a

a) R$ 3.820,00.
b) R$ 3.240,00.
c) R$ 3.730,00.
d) R$ 3.510,00.
e) R$ 3.190,00.

176. (2017/TRT 11a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O início de uma corrida de percurso longo
é realizado com 125 atletas. Após uma hora de prova, o atleta João Carlos ocupa a 39a posição dentre os 83 atletas
que ainda participam da prova. Na segunda e última hora dessa corrida, aconteceram apenas quatro fatos, que são
relatados a seguir na mesma ordem em que ocorreram: 1°) 18 atletas que estão à frente de João Carlos, desistem
da prova; 2°) 7 atletas que até então estavam atrás de João Carlos, o ultrapassam; 3°) 13 atletas que estavam atrás
de João Carlos desistem de prova; 4°) perto da chegada João Carlos ultrapassa 3 atletas. O número de atletas que
chegaram depois de João Carlos nessa prova superou o número daqueles que chegaram antes de João Carlos em

a) 4.
b) 7.
c) 2.
d) 3.
e) 8.

177. (2017/TRT 11a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Uma construtora convoca interessados
em vagas de pedreiros e de carpinteiros. No dia de apresentação, das 191 pessoas que se interessaram, 113
disseram serem aptas para a função pedreiro e 144 disseram serem aptas para a função carpinteiro. A construtora
contratou apenas as pessoas que se declararam aptas em apenas uma dessas funções. Agindo dessa maneira, o
número de carpinteiros que a construtora contratou a mais do que o número de pedreiros foi igual a

a) 65.
b) 47.
c) 31.
d) 19.
e) 12.

178. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ESTATÍSTICA) Sejam A e B


m2 n2

m2 - 6m n2 + 6

eB=

3m - 2 2n -5 5n

, en-

duas matrizes quadradas de ordem 2 em que Se A =

tão considerando os valores reais de m e n que tornam verdadeira esta igualdade,


verifica-se que mn é igual

a) 3
b) 4
c) 2
d) 6
e) 1

179. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ESTATÍSTICA) Se em R3 o vetor V = (16,14, 3) é uma


combinação linear dos vetores a = (1, 2, 1), b = (3, 1, -1) e C = (2,1,1), então v pode ser obtido por meio de

a) 3a + b + 5C
b) -5a + 3b + 6C
c) 2a + 6b - 2C
d) a + 3b + 3C
e) 5a + 3b + c

180. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ESTATÍSTICA) Uma base de R2 é o conjunto de vetores B tal
que B = {(2, 1), (-1, 1)}. Se a representação de um vetor v = (3, 5) está sendo considerada na base canônica C, ou
seja, C = {(1, 0), (0, 1)}, então a soma das coordenadas de v na base B é igual a

a) 13
b) 9
c) 10
d) 8
e) 11

GABARITO

114. b 133. b 152. b 171. c


115. e 134. c 153. a 172. b
116. d 135. d 154. c 173. e
117. a 136. d 155. c 174. a
118. e 137. a 156. a 175. d
119. e 138. e 157. e 176. d
120. c 139. d 158. c 177. c
121. b 140. a 159. b 178. c
122. c 141. b 160. a 179. e
123. d 142. d 161. b 180. b
124. e 143. b 162. e
125. c 144. d 163. e
126. e 145. e 164. d
127. a 146. a 165. d
128. d 147. e 166. c
129. b 148. e 167. a
130. d 149. b 168. e
131. d 150. c 169. e
132. b 151. a 170. a

NOÇÕES DE INFORMÁTICA

181. (2017/TRF 5a / TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


As fontes de alimentação bivolt dos computadores que não necessitam que se selecione a tensão de entrada através
de uma chave 110 V/220 V normalmente possuem

a) Power Factor Correction - PFC ativo, bem próximo de 1.


b) Fator de Correção de Potência passivo entre 0,80 (80%) e 0,90 (90%).
c) Circuito de Correção de Potência ativo entre 0,60 (60%) e 0,80 (80%).
d) Fator de Correção de Potência ativo na faixa de 110 V e 220 V.
e) Power Factor Correction - PFC passivo entre 5 V e 12 V.

182. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) Na


arquitetura x86, o registrador de uso geral normalmente usado para armazenar informações de endereçamento é o
registrador

a) de base.
b) acumulador.
c) pipeline.
d) pointer.
e) de registro.

183. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Considere os estágios abaixo. IF: Instruction fetch. ID: Instruction decode, register fetch. EX: Execution. MEM:
Memory access. WB: Register write back. Tratam-se dos cinco estágios clássicos de

a) pipeline de instruções em alguns processadores CISC.


b) controle hardwired microprogramado em processadores CISC.
c) do processo de deadlock em processadores RISC.
d) pipeline de instruções em alguns processadores RISC.
e) operações nos registradores dos processados CISC.

184. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) Ao


ligar o computador é executado um procedimento de teste automático que identifica a configuração instalada,
inicializa o chipset da placa-mãe, inicializa a placa de vídeo, testa a memória e o teclado e carrega o sistema
operacional. Este procedimento de teste é chamado de

a) CHECKSUM.
b) SETUP.
c) BOOTSTART.
d) POST.
e) BIOS.

185. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Para melhorar o desempenho de um computador, um Técnico em Informática comprou um módulo de memória
DDR3-1600 com classificação PC3-12800, sabendo que a taxa de dados de pico deste módulo é
a) 14.9 GB/s.
b) 6.4 GB/s.
c) 10.6 GB/s.
d) 8.5 GB/s.
e) 12.8 GB/s.

186. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Um Técnico em Informática deseja instalar uma nova versão do Sistema Operacional Windows, a partir de um DVD,
porém, ao inicializar o computador este DVD não é lido, carregando sempre a versão atual do Windows que está no
HD. Para que o DVD seja lido após ligar o computador, permitindo a instalação da nova versão, o Técnico deverá

a) entrar no Painel de Controle do Windows, clicar na opção de Sistema, depois na opção Inicialização e selecionar
a opção Inicializar CD/DVD.
b) pressionar o botão SETUP do teclado, após ligar o computador, e selecionar, no menu de inicialização do
Windows, a opção Carregar CD/DVD.
c) inverter os cabos internos que vêm da placa-mãe para o DVD e para o HD, antes de ligar o computador.
d) entrar no BIOS Setup, imediatamente após ligar o computador e alterar a sequência de inicialização para ler
primeiro a unidade de DVD.
e) entrar no BIOS Setup, imediatamente após ligar o computador e alterar a sequência de inicialização para ler
primeiro a unidade de DVD.

187. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Quando um usuário (cliente) digita sua senha incorreta no formulário de um site, esta senha é enviada de forma
secreta a um servidor. O servidor recebe os dados, processa-os e retorna uma página com uma mensagem indicando
que a senha está incorreta. O protocolo da camada de aplicação dos modelos de comunicação em redes que faz esta
comunicação entre o cliente e o servidor, garantindo a integridade dos dados trocados entre eles é o

a) TCP.
b) HTTPS.
c) FTP.
d) SMTP.
e) HTTP.

188. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Um Técnico em Informática está participando da instalação e configuração da intranet da instituição onde trabalha.
Um conhecimento fundamental que o Técnico deve ter é que na intranet

a) não é possível o acesso a partir de computadores de escritórios da empresa situados em outra cidade.
b) os protocolos do modelo TCP/IP não podem ser utilizados, já que existe o modelo OSI para este tipo de rede.
c) o gerenciamento de rede é exclusivo da empresa (rede local - LAN), com servidores instalados na infraestrutura
de TI interna.
d) deve-se utilizar, exclusivamente, endereços IP na faixa entre 0.0.0.0 até 191.255.0.0.
e) é utilizada somente a arquitetura peer-to-peer, onde um computador se comunica com outro diretamente.

189. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Um computador novo, recém adquirido e instalado, com 16 GB de memória RAM e 1 TB de HD, está demorando
aproximadamente 3 minutos para inicializar o Windows. Como o computador possui apenas o Windows e o Microsoft
Office instalado, um Técnico em Informática foi chamado para apresentar uma solução para a lentidão na
inicialização do sistema operacional. Uma medida adequada para resolver o problema é

a) aumentar a quantidade de memória RAM.


b) instalar um SSD na máquina e colocar o Windows, deixando os softwares menos utilizados no HD.
c) trocar o HD de 1 TB por um de 2 TB.
d) trocar a placa de vídeo por uma com maior capacidade.
e) configurar o Windows para ser executado no modo light core, que carrega apenas o conjunto de drivers e
recursos essenciais.

190. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Um Técnico inseriu um valor no campo chave estrangeira de uma tabela sem que existisse o valor equivalente no
campo chave primária da tabela relacionada. Considerando o uso de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados
Relacional, esta operação

a) será bem sucedida se a relação entre as tabelas for n:n.


b) será bem sucedida, apesar de uma mensagem de alerta ser exibida.
c) viola a integridade referencial.
d) irá falhar devido à dependência funcional parcial entre as tabelas.
e) será bem sucedida se a relação entre as tabelas for 1:n.

191. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Considere uma tabela chamada funcionarios que possui os campos id, nome e salario. Para exibir os nomes e os
salários dos funcionários João e Maria utiliza-se a instrução PL/SQL

a) SELECT nome, salario FROM funcionarios WHERE nome IN ('João','Maria');


b) SELECT nome, salario FROM funcionarios WHERE nome LIKE ('%João%'/%Ma- ria%');
c) SELECT nome['João','Maria'], salario FROM funcionarios;
d) SELECT nome, salario FROM funcionarios WHERE nome HAVING ('João','Maria');
e) SELECT nome, salario FROM funcionarios WHERE nome CONTAIN ('João' AND 'Maria');

192. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) A


instrução PL/SQL SELECT SUBSTR('Tribunal Regional Federal da 5a Região',1,8) FROM DUAL; exibirá

a) uma mensagem de erro, pois o nome da função deve ser SUBSTRING, não SUBSTR.
b) uma mensagem de erro, já que o índice deve começar em 0 e não em 1.
c) a palavra ribunal, pois deixará de fora o caractere de índice zero na frase.
d) uma mensagem de erro, já que não existe tabela de nome DUAL.
e) a palavra Tribunal, ou seja, 8 caracteres a partir do primeiro caractere da frase.

193. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Um Técnico em informática utilizou, em um banco de dados aberto e em condições ideais, as instruções abaixo.

UPDATE funcionários SET nome='Pedro' WHERE id=l;

SAVEPOINT altera;

INSERT INTO funcionários VALUES (2,'Marcos');

Para descartar o que foi realizado após o SAVEPOINT, ou seja, a inserção do funcionário Marcos, utiliza-se a instrução
PL/

a) RESTORE TO altera WITH UNDO OPTION;


b) ROLLBACK TO altera;
c) UNDO TO altera;
d) COMMIT TO altera.
e) UNMAKE TO altera WITH ROLLBACK OPTION;

194. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Após constatar que todos os dados em uma tabela estavam incorretos, foi solicitado ao Técnico em Informática para
limpar os registros desta tabela mantendo sua estrutura, para que os dados corretos fossem posteriormente
inseridos. Para realizar este trabalho o Técnico terá que utilizar a instrução SQL
a) DROP TABLE table_name.
b) REDO * FROM table_name.

c) DELETE TABLE table_name.


d) ERASE * FROM table_name.
e) TRUNCATE TABLE table_name.

195. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Considere a figura abaixo.

Máquina 1

Máquina 2

Máquina 3

Máquina 4

Camada 1

Camada 2

Camada 3

11
Aplicação A Aplicação C
Aplicação B
1 1
r

Sistema Sistema Sistema Sistema


Operacional 1 Operacional 2 Operacional 3 Operacional 4

De acordo com a figura, um usuário acessa uma aplicação na Camada 1 achando que está acessando um único
sistema em um único local, porém pode estar acessando múltiplos sistemas, que podem estar em máquinas físicas
diferentes e com Sistemas Operacionais diferentes. Na verdade, a aplicação não interage com o Sistema Operacional,
mas com um software que fica na Camada 2 e este, então, interage com os Sistemas Operacionais, na Camada 3,
que podem ser de diferentes plataformas. O software da Camada 2 permite, por exemplo, que o usuário execute
solicitações como enviar formulários em um navegador da web ou permitir que o servidor web apresente páginas
dinâmicas da web com base no perfil de um usuário. O software da Camada 2 é denominado

a) Firmware.
b) Kernel.
c) Middleware.
d) BIOS.
e) Bootstrap.
196. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) No
sistema operacional Windows 7, na versão de 64 bits, um arquivo de paginação

a) é um arquivo obrigatório, essencial ao controle do sistema operacional, que fica visível aos usuários no disco
rígido.
b) é usado para manter despejos de memória do sistema e para estender a quantidade de memória comprometida
do sistema, também conhecida como memória cache.
c) permite que o sistema remova da memória física as páginas modificadas mais acessadas, com o objetivo de
permitir o uso da memória física de maneira mais eficiente para páginas acessadas com menos frequência.
d) pode não ser necessário para manter a carga de confirmações do sistema durante picos de uso, quando há uma
grande quantidade de memória física instalada. No entanto, um arquivo de paginação dedicado ainda pode ser
necessário para manter o despejo de memória do sistema.
e) tem como limite um tamanho quatro vezes maior que o da memória física. Caso o computador possua 4 GB de
RAM, o arquivo de paginação pode chegar a 16 GB.

197. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Um Técnico em Informática estava usando um computador com o sistema operacional Windows 7 em português e,
através de um caminho via Painel de Controle, clicou em "O que é uma conta de usuário? ". O sistema exibiu uma
janela com a seguinte informação: Uma conta de usuário é uma coleção de dados que informa ao Windows quais
arquivos e pastas você pode acessar, quais alterações pode fazer no computador e quais são suas preferências
pessoais, como plano de fundo da área de trabalho ou proteção de tela. As contas de usuário permitem que você
compartilhe um computador com várias pessoas, enquanto man-

tém seus próprios arquivos e configurações. Cada pessoa acessa a sua conta com um nome de usuário e uma senha.
Há três tipos de contas, cada tipo oferece ao usuário um nível diferente de controle do computador:

a) As contas Padrão são para o dia-a-dia; as contas Administrador oferecem mais controle sobre um computador
e só devem ser usadas quando necessário; as contas Convidado destinam-se principalmente às pessoas que
precisam usar temporariamente um computador.
b) As contas Padrão são para o dia-a-dia; as contas Administrador oferecem mais controle sobre um computador
e só devem ser usadas quando necessário; as contas Convidado destinam-se principalmente às pessoas que
precisam usar temporariamente um computador.
c) As contas Credenciais Genéricas são para usuários comuns; as contas Credenciais Administrador oferecem
controle sobre o computador; as contas Credenciais do Windows com Certificado destinam-se a usuários que
possuam um certificado digital.
d) As contas de Grupo Local são para usuários padrão; as contas de Grupo Administrativo oferecem controle sobre
o computador, exigindo uma senha de administrador; as contas de Grupo Doméstico aceitam usuários padrão e
administradores e permitem a criação de contas de usuários convidados.
e) As contas Usuário são as de usuários padrão e não necessitam de senha; as contas Administrador exigem senha
e são usadas para o controle do computador; as contas Segurança Familiar são usadas para ajudar a gerenciar o
modo como as crianças usam o computador.

198. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Considere a figura abaixo que mostra a arquitetura do sistema operacional Linux.
A caixa

a) I representa a camada responsável pela interface entre o hardware e as aplicações. Dentre suas funções
encontram-se gerenciamento de I/O, manutenção do sistema de arquivos, gerenciamento de memória e swapping,
controle da fila de processos, etc.
b) II representa a camada que permite o acesso a recursos através da execução de chamadas feitas por processos.
Tais chamadas são geradas por funções padrão suportadas pelo kernel. Dentre suas funções estão habilitar funções
padrão como open, read, write e close e manter a comunicação entre as aplicações e o kernel.
c) I é um processo que executa funções de leitura de comandos de entrada de um terminal, interpreta-os e gera
novos processos, sempre que requisitados. É conhecido também como interpretador de comandos.
d) II é um processo que realiza modificações no shell, permitindo que funcionalidades do Linux sejam habilitadas
ou desabilitadas, conforme a necessidade. Tal processo gera ganho de performance, pois à medida que customiza o
shell, o usuário torna o Linux enxuto e adaptável.

e) I é um processo que realiza modificações no kernel, permitindo que funcionalidades do Linux sejam habilitadas
ou desabilitadas, conforme a necessidade. Tal processo gera ganho de performance, pois à medida que customiza o
kernel, o usuário torna o Linux enxuto e adaptável.

199. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Considere que um Técnico em Informática precisa utilizar comandos que permitam modificar contas e alterar senhas
de usuários do Tribunal em máquinas com Linux Debian. Para isso ele pode utilizar comandos com as funcionalidades
abaixo.

I - Permite que um usuário comum altere sua senha; em consequência, atualiza

o arquivo /etc/shadow.

II - Reservado para o superusuário (root), modifica o campo GECOS.chsh, per

mitindo que o usuário altere seu shell de login, contudo, as opções se limitam às opções listadas em /etc/shells; o
administrador, por outro lado, não tem essa restrição e pode definir o shell para qualquer programa de sua escolha.

III - Permite ao administrador alterar as configurações de expiração da senha.


IV - Força a expiração da senha; este comando requer que a usuária maria altere

sua senha na próxima vez que iniciar uma sessão.

Os comandos I, II, III e IV são, correta e respectivamente,

a) sudo - chage - chfn - change -e maria


b) sudo - chln - change - passwd -l maria
c) man passwd - change - chfn - chage -u maria
d) passwd - chln - chage - passwd -l maria
e) passwd - chfn - chage - passwd -e maria

200. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) Em


um computador com o Red Hat Enterprise Linux, um usuário pode se autenticar no sistema e usar qualquer aplicação
ou arquivo que tenha permissão para acessar, após a criação de uma conta de usuário normal. O Red Hat Enterprise
Linux determina se um usuário ou grupo pode acessar estes recursos baseado nas permissões a eles atribuídas.
Considere que um Técnico, cujo nome de usuário é pedro, criou um arquivo executável chamado apptrf e utilizou o
comando ls -l apptrf que resultou em: -rwxrwxr-x 1 pedro pedro 0 Sep 26 12:25 apptrf Considerando a saída do
comando e o funcionamento das permissões e contas de usuário no Red Hat Enterprise Linux, é correto afirmar:

a) correto afirmar: (A) O primeiro conjunto de símbolos (-rwx) define o acesso do grupo, desta forma o grupo tem
acesso restrito (-), podendo ler e gravar, mas não pode executar o arquivo apptrf.
b) O terceiro (e último) conjunto de símbolos define os tipos de acesso para todos os outros usuários. Todos os
outros usuários podem ler e executar o arquivo apptrf, mas não podem modificá-lo, gravando dados, de maneira
alguma.
c) O segundo conjunto de símbolos define o acesso do proprietário, desta forma apenas o proprietário pedro tem
acesso total e pode ler, gravar e executar o arquivo apptrf.
d) A permissão especial setgid indica que a aplicação deve executar como o proprietário do arquivo e não como o
usuário executando a aplicação. É indicada pelo caractere e no lugar do x na categoria proprietário. Se o proprietário
do arquivo não tem permissões para executar, o E torna-se maiúsculo para refletir este fato.
e) A permissão especial setdir bit é usada principalmente em diretórios. O bit indica que um arquivo criado no
diretório pode ser removido somente pelo usuário que criou o arquivo. É indicado pelo caractere u no lugar do x na
categoria todos (everyone). Se a categoria todos não tem permissão para executar, o U torna-se maiúsculo para
refletir este fato.

201. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) O


Active Directory - AD

a) tem um banco de dados denominado NTDS.dit e está localizado na pasta %Sys- temAD%\NTDS\ntds.dit em
uma instalação default do AD. O diretório NTDS existirá em todos os servidores, independentemente de terem a
função de Domain Controllers.
b) ao ser instalado, cria 5 arquivos: 1) Ntds.dit, banco de dados do AD; 2) Edb.log, armazena todas as transações
feitas no AD; 3) Edb.chk, controla transações no arquivo Edb.log já foram commited em Ntds.dit; 4) Res1.log,
arquivo de reserva; 5) Res2.log, arquivo de reserva.
c) pode ter um ou mais servidores com a função de Domain Controller - DC. Em um AD com três DCs, por exemplo,
somente o DC-raiz é atualizado com todos os dados do AD. Esta operação recebe o nome de replicação do Active
Directory.
d) pode ter Operational Units - OUs. As OUs podem ser classificadas de 3 formas diferentes: 1) Geográfica, as OUs
representam Estados ou Cidades; 2) Setorial, as OUs representam setores ou unidades de negócio da estrutura da
empresa; 3) Departamental, as OUs representam departamentos da empresa.
e) pode ter um ou dois domínios. O 2° domínio é denominado domínio-filho. O conjunto domínio-pai com seu
domínio-filho é chamado de floresta, pois o domínio-filho pode ter vários ramos chamados de subdomínios.

202. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) No


sistema operacional Windows Server 2012, o comando dsacls exibe e altera as permissões (Access Control Entries -
ACEs) na Access Control List - ACL dos objetos no Active Directory Domain Services - AD DS. É uma ferramenta de
linha de comando, disponível caso esteja instalada a função de servidor AD DS. Para usá-la, um Técnico deve
executar o comando dsacls em um
prompt de comando elevado, como Administrador. Em condições ideais, sem erros de sintaxe e sem considerar
diferenças de maiúsculas e minúsculas, o Técnico utilizou o seguinte comando:

dsacls CN=AdminSDHolder, CN=System, DC=wiusoft, DC=msft /G USEROOlSiwinsoft. msft: RPWP;metnber

Neste comando,

a) member é o User Principal Name (UPN) do objeto de segurança para o qual as ACEs serão concedidas.
b) USER001@winsoft.msft identifica o objeto a ser modificado.
c) /G indica que está sendo configurada uma concessão ACE.
d) RPWP concede as permissões: Read information Permission e change oWnership Permission.
e) CN = AdminSDHolder, CN = System, DC = winsoft, DC = msft são os nomes dos atributos nos quais as
permissões serão definidas.

203. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Considere que um Técnico editou o texto abaixo utilizando o Microsoft Word 2010, em português.

Processos de Tecnologia da Informação

Processo é um conjunto de atividades serem executadas em uma determinada resultado que agrega valor.

Baseado neste conceito e visando Subsecretária de Tecnologia da

relacionas e organizadas,

online os processos utilizados por seus Neste ambiente será possível encontrar Gestão de Projetos de TI, licitação de
desenvolvimento de Dashboards e entre Nosso objetivo é tornar público nossos

inter-relacionadas entre si que ao


sequência gera um determinado

divulgar como as atividades da


Informação (STI) estão inter-
disponibilizamos através deste espaço
servidores e empresas parceiras,
vários processos, como por exemplo:
produtos ou serviços,

outros.

processos, contribuindo assim com a

publicidade de conhecimento para o público em geral, como também disseminação de conhecimento para o público
interno.

Para que a figura ficasse inserida como está, no centro e circundada pelo texto, o Técnico inseriu a figura, clicou

a) sobre ela, clicou em Ferramentas de Imagem, clicou em Quebra de Texto Automática, selecionou Quadrado e
posicionoua com o mouse.
b) sobre ela, clicou em Layout de Imagem, clicou em Posição e selecionou Parte Intermediária Central do Texto.
c) sobre ela com o botão direito do mouse, na janela que se abriu clicou em Formatar Imagem... e selecionou Parte
Intermediária Central do Texto.
d) sobre ela com o botão esquerdo do mouse, na janela que se abriu clicou em Tamanho e Posição... e selecionou
Centralizado com o texto.
e) em Formatar, clicou na figura com o botão esquerdo do mouse, na janela que se abriu clicou em Quebra de
Texto Automática, selecionou Alinhado com o Texto e posicionou-a com o mouse.

204. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Um Técnico do Tribunal foi solicitado a instalar o pacote de aplicativos LibreOffice em um computador. Ele fez uma
busca na internet para saber como fazer e em outubro de 2017, usando seu e-mail institucional, entrou no site
https://ptbr. libreoffice.org/ajuda/instrucoes-de-instalacao/ e no site https:// pt-
br.libreoffice.org/baixe-ja/libreoffice-novo/. Dentre as orientações corretas para a instalação encontra-se:

a) Em sistemas MAC OS, recomenda-se instalar o LibreOffice pelos métodos indicados pela sua distribuição OS.
Isso porque costuma ser a forma mais simples de obter uma instalação otimizada para seu sistema. Pode ser que o
LibreOffice já esteja instalado em seu sistema. Instruções detalhadas no wiki para MacOS X 10.8 (Red Lion).
b) Em sistemas MAC OS, recomenda-se instalar o LibreOffice pelos métodos indicados pela sua distribuição OS.
Isso porque costuma ser a forma mais simples de obter uma instalação otimizada para seu sistema. Pode ser que o
LibreOffice já esteja instalado em seu sistema. Instruções detalhadas no wiki para MacOS X 10.8 (Red Lion).

c) O LibreOffice está disponível nas seguintes versões: 7.4.2, 7.3.6. O LibreOffice está disponível na seguinte
versão de prélançamento: 7.3.7.
d) O LibreOffice é feito por voluntários de todo o mundo, ajudados por uma fundação sem fins lucrativos. Para a
instalação em ambientes corporativos você será direcionado a um ambiente seguro para que faça uma contribuição.
Isso nos ajudará a criar um produto cada vez melhor em benefício de milhões de brasileiros!
e) Para a instalação em ambiente Windows, um dos passos solicita: Tell LibreOffice if you want it to open Microsoft
Office documents by default (Informe ao LibreOffice se você deseja abrir documentos do Microsoft Office por
default).

205. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) O


ciclo que se inicia com uma falha em um disco de um conjunto espelhado, nunca antes ocorrida, até se chegar a sua
resolução é representado no esquema abaixo.

I II III IV

Falha em um disco ► ► ► ► Resolução

De acordo com a ITIL v3 edição 2011, I, II, III e IV representam, correta e respectivamente,

a) Alerta - Incidente - Registro de Incidente - Causa Raiz e Diagnóstico


b) Problema - Registro de Problema - Erro Conhecido - Solução de Contorno e Causa Raiz
c) Problema - Incidente - Causa Raiz - Diagnóstico e Solução de Contorno
d) Incidente - Erro Conhecido - Problema - Alerta e Requisição de Mudança
e) Incidente - Problema - Solução de Contorno - Causa Raiz e Erro Conhecido

206. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Considere que o Tribunal adote as melhores práticas da ITIL v3 edição 2011. Uma das atividades que deve ser
realizada se refere à definição de papéis e habilidades técnicas dos grupos de suporte e também à definição das
ferramentas, processos e procedimentos necessários para fornecer suporte aos serviços de TI e ao gerenciamento de
infraestrutura de TI. As principais perguntas que se busca responder são: - Que competências e habilidades são
necessárias para executar o serviço? - O Tribunal possui pessoas com essas competências e habilidades? - É possível
capacitar as pessoas ou será necessário abrir concurso? - Qual é o custo-benefício entre capacitar e abrir concurso
para conseguir pessoas capacitadas? - Os recursos certos estão sendo utilizados para suportar os serviços certos?
Estas atividades são pertinentes

a) ao processo Gerenciamento Técnico do estágio Desenho de Serviços.


b) ao processo Gerenciamento Técnico do estágio Operação de Serviços.
c) à função Gerenciamento de Operações de TI do estágio Transição de Serviços.
d) à função Gerenciamento Técnico do estágio Operação de Serviços.
e) ao processo Gerenciamento de Operações de TI do estágio Desenho de Serviços.

207. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) De


acordo com a ITIL v3 edição 2011, o Desenho de Serviços envolve uma série de conceitos e instrumentos
fundamentais para seu desenvolvimento, como os definidos abaixo.

I - Acordo entre um provedor de serviço de TI e outra parte da mesma organização. Fornece apoio à entrega, pelo
provedor, de serviços de TI a clientes e define os produtos ou serviços a serem fornecidos, bem como as responsa-
bilidades de ambas as partes.

II - Vincula legalmente duas ou mais partes. E relevante que todos os serviços entregues por terceiros estejam
baseados neste documento, pois tem valor legal entre as partes.
III - Acordo entre um provedor de serviço de TI e um cliente. Descreve o serviço de TI, documenta metas de serviço
e especifica as responsabilidades do Provedor de Serviço de TI e do cliente. Um único acordo pode cobrir múltiplos
serviços de TI ou múltiplos clientes.

As definições I, II e III correspondem, correta e respectivamente, a

a) Pacote de Desenho de Serviço - Ativo de serviço - Pacote de Nível de Serviço.


b) Acordo de Nível Operacional - Acordo - Pacote de Desenho de Serviço.
c) Acordo de Nível Operacional - Contrato - Acordo de Nível de Serviço.
d) Pacote de Desenho de Serviço - Acordo - Acordo de Nível Operacional.
e) Acordo de Nível de Serviço - Ativo de Serviço - Acordo de Nível de Operacional.

208. (2017/TRF 5a/TECNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) O


modelo do COBIT 5 descreve 7 categorias de habili- tadores conforme a figura abaixo.
Os habilitadores 5, 6 e 7 também são recursos da organização que devem ser gerenciados e governados. São eles:

a) Informação - Serviços, infraestrutura e aplicativos -Pessoas, habilidades e competências.


b) Operações e Execução de Serviços - Infraestrutura e software - Pessoas e conhecimento.
c) Serviços - Infraestrutura, hardware e software - Pessoas, habilidades e informações.
d) Governança - Serviços, infraestrutura e aplicativos - Papéis, atividades e relacionamentos.
e) Serviços - Visão holística, governança e gestão de TI - Papéis, habilidades e informações.

209. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Uma boa política de backup estabelece a realização de testes de backup periódicos que devem ser realizados para
verificar se

a) o aplicativo de backup está operando corretamente.


b) o agendamento dos backups estão corretos.
c) os backups podem ser recuperados.
d) os arquivos para a realização do backup estão disponíveis.
e) a periodicidade do backup está adequada.

210. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Dentre os vários tipos de backup, o Técnico escolheu o tipo Diferencial, pois

a) ocupa menos espaço de armazenamento se comparado com o backup do tipo Incremental.

b) a velocidade para a recuperação do backup é maior, se comparada com a do backup completo.


c) os tamanhos dos backups diferenciais não crescem progressivamente como ocorre no backup incremental.
d) cada backup diferencial armazena apenas as modificações realizadas desde o backup diferencial anterior.
e) para a recuperação são necessários apenas o último backup completo e o último backup diferencial.

211. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Um Técnico, em busca de informações sobre topologias de redes de computadores, se deparou com a seguinte
descrição: Rede com topologia que possui a vantagem de ser de baixo custo, fácil implantação e bastante tolerante
a falhas. Os dispositivos da rede têm a função de repetidores e cada dispositivo está conectado a um ou mais
dispositivos. Desta maneira é possível transmitir mensagens de um dispositivo a outro por diferentes caminhos. A
descrição se refere à rede com topologia

a) Árvore.
b) Malha.
c) Anel.
d) Estrela.
e) Barramento.

212. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) O


usuário de um computador do Tribunal informou ao setor de suporte que o acesso à rede não estava funcionando. O
Técnico designado para verificar o problema tomou a decisão de identificar se os sinais elétricos do

cabo com conector RJ45 que conecta o computador estavam adequados. Considerando que o cabo foi construído de
acordo com o padrão de terminação T568B, para verificar o sinal RX o Técnico deve acessar, no conector RJ45, os
pinos de números

a) 3 e 4.
b) 1 e 3.
c) 1 e 2.
d) 3 e 6.
e) 4 e 5.

213. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Considere o cenário no qual uma Rede Local de Computadores - LAN deve ser conectada à rede mundial por meio de
um ISP. Nessa situação, o equipamento pertencente à LAN que deve ser utilizado para realizar o encaminhamento
dos pacotes entre a LAN e o ISP deve ser o

a) Access Point.
b) Switch.
c) Roteador.
d) Gateway.
e) Firewall.

214. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) A


atuação dos equipamentos de redes de computadores pode ser mapeada nas camadas de protocolos da arquitetura
TCP/IP o que facilita o entendimento da função de cada equipamento. Por exemplo, os equipamentos Gateway e
Firewall de Filtro de Pacotes são mapeados nas camadas de

a) Enlace e de Aplicação.
b) Rede e de Enlace.

c) Transporte e de Aplicação.
d) Enlace e de Transporte.
e) Aplicação e de Rede.

215. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Alguns tipos de Firewall instalados em Redes Locais de Computadores - LAN utilizam, em sua estrutura, o Bastion
Host

a) que é instalado dentro da LAN e tem a função de servir de backup dos serviços de armazenamento de dados.
b) cuja função é o de filtrar os pacotes de entram na LAN, sendo desta forma, instalado entre a rede externa e o
roteador da LAN.
c) cuja função é o de encaminhar, de acordo com as regras de proxy, os pacotes provenientes da rede externa para
a DMZ.
d) que recebe as comunicações de e-mail via protocolo SMTP e faz a distribuição, quando autorizada, para a LAN.
e) que é instalado na DMZ, pois é o host que requer proteção máxima contra invasões e ataques de quebra de
segurança.

216. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA)


Dentre os tipos de Sistema de Detecção de Intrusão - IDS, foi escolhido, para ser instalado no Tribunal, o do tipo
baseado em rede, pois este possui a vantagem de

a) identificar pacotes que iniciam o ataque DoS.


b) indicar se um ataque foi bem sucedido.
c) reconhecer ataques em momentos de trafego intenso.
d) reconhecer ataques do tipo Backdoor.
e) identificar intrusão realizada por meio de trafego criptografado.

217. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) O


Técnico em informática identificou, por meio de um programa de detecção de malware, que um computador foi
infectado por um Trojan (Cavalo de Troia). Sabendo-se que o Trojan se instalou no computador e está atuando no
redirecionamento da navegação do usuário para sites específicos com o objetivo de aumentar a quantidade de
acessos a estes sites, é correto afirmar que o tipo de Trojan é

a) Downloader.
b) Clicker.
c) Dropper.
d) Proxy.
e) Banker.

218. Atualmente existem vários tipos de ataques e ameaças realizados por meio da internet em computadores
e dispositivos móveis. Nesse contexto, o ataque denominado Força Bruta se caracteriza por

a) efetuar buscas minuciosas em redes, com o objetivo de identificar computadores ativos e coletar informações
sobre eles como, por exemplo, serviços disponibilizados e programas instalados.
b) adivinhar, por tentativa e erro, um nome de usuário e senha e, assim, executar processos e acessar sites,
computadores e serviços em nome e com os mesmos privilégios do usuário vítima do ataque.
c) utilizar endereços de e-mail coletados de computadores infectados para enviar mensagens e tentar fazer com
que os seus destinatários acreditem que elas partiram de pessoas conhecidas.
d) capturar informações sensíveis, como números de cartão de crédito e o conteúdo de arquivos confidenciais que
estejam trafegando por meio de conexões inseguras sem criptografia.

e) explorar vulnerabilidades da linguagem de programação ou dos pacotes utilizados no desenvolvimento de


aplicação Web.

219. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: INFORMÁTICA) A


criptografia é utilizada com o objetivo de aumentar alguns dos aspectos de segurança na transmissão da informação
entre o transmissor e o destinatário. Por exemplo, a criptografia Data Encryption Standard - DES tem como objetivo
principal

a) o não repúdio.
b) a autenticação.
c) a certificação.
d) a confidencialidade.
e) a irretratabilidade.

220. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Considere a


seguinte situação hipotética: um usuário recebe o sinal de Internet no seu computador desktop através de um
modem de banda larga que também é roteador wireless, ligado diretamente ao computador por um cabo ethernet.
Apesar de todos os equipamentos serem atuais e terem sido instalados recentemente, em determinado momento a
Internet para de funcionar e aparece um símbolo de falha no ícone da rede da barra de tarefas. Um conjunto de
possíveis problemas relacionados a esta situação e ações para resolvê-los é elencado abaixo.

I - O cabo ethernet de par trançado pode ter se desconectado ou ficado frouxo, em decorrência do usuário
movimentar o gabinete ou o modem. É recomendável que o usuário verifique a conexão do cabo, tanto no modem
quanto no gabinete do computador.

II - O modem pode não estar funcionando bem em decorrência, por exemplo, de sobrecarga no tráfego de
informações. É recomendável que o usuário desligue o modem e ligue-o novamente após alguns segundos, para que
ele seja reiniciado e o seu funcionamento normal seja restaurado.
III - O adaptador de rede pode estar desativado, o driver pode estar desatualiza

do ou a placa de rede pode estar danificada. É recomendável que o usuário atualize o driver do adaptador de rede,
ative-o, caso esteja desativado, ou providencie a troca da placa de rede, caso esteja danificada.

IV - O cabo ethernet coaxial pode ter se rompido devido ao seu núcleo de alumí

nio ser bastante sensível, principalmente nas proximidades dos conectores RJ-35 usados para fazer a ligação ao
modem e ao gabinete do computador. É recomendável que o usuário faça uma verificação visual para saber se o cabo
está rompido.

São problemas e ações corretas que podem ser tomadas para tentar resolvê-los o que consta APENAS em

a) I, II e III.
b) I, III e IV.
c) III e IV.
d) I e II.
e) II e IV.

221. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Um usuário possui


um conjunto de arquivos de vídeo institucionais que totalizam 35000000000 bytes. Ele poderá armazenar esse
conjunto de arquivos em um

a) pen drive vazio de 128 MB.


b) blu-ray de 12 cm, lado único e single layer.

c) pen drive vazio de 32 GB.


d) DVD padrão vazio.
e) pen drive vazio de 64 GB.

222. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) No Microsoft


Windows 10, em português, há um aplicativo chamado de prompt de comando, por meio do qual se pode utilizar um
conjunto de instruções para manipular arquivos e pastas nos discos ou para exibir informações e configurar
determinados recursos. Em condições ideais, para abrir o prompt de comando pressiona-se a combinação de teclas
Windows + R e, no campo Abrir desta nova janela, digita-se uma instrução e pressiona-se a tecla Enter ou clica-se
no botão OK. A instrução que deve ser digitada é

a) mscmd.
b) command.
c) cmdprompt.
d) cmd.
e) mscommand.
223. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Considere as
operações abaixo:

I - Remover da planilha linhas com valores duplicados.


II - Formatar condicionalmente células que contenham valores numéricos maiores ou menores que um
determinado valor.
III - Combinar e centralizar o conteúdo de células selecionadas em uma célula

maior.

IV - Inserir uma função (fórmula) na célula onde está o cursor.


V - Converter expressões matemáticas manuscritas em texto.

No Microsoft Excel 2016, em português, instalado a partir do pacote Office 365, a operação

a) I é executada a partir da opção Remover Duplicatas da guia Página Inicial.


b) V não pode ser executada, pois não há recurso disponível nesta versão do Excel.
c) IV é executada a partir da opção Inserir Função da guia Fórmulas.
d) II só poderá ser utilizada se as células a serem formatadas estiverem com os valores em ordem crescente.
e) III é executada por meio da opção Mesclar e Centralizar da guia Dados.

224. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) No Microsoft Word


2016, em português, instalado a partir do pacote Office 365 e em condições ideais,

a) existe um recurso chamado Diga-me, que é um campo no qual, na medida em que se digita o que se quer fazer,
aparece rapidamente a opção de acesso ao comando para realizar a tarefa desejada e/ou uma opção para se obter
ajuda.
b) um documento pode ser salvo diretamente na nuvem, em um local chamado Dropbox, e depois pode ser
compartilhado com qualquer contato do usuário, bastando informar o e-mail do contato.
c) as guias são as mesmas das versões anteriores, mas existem mais comandos presentes em cada guia. Efeitos
mais comuns como negrito, sublinhado, itálico, copiar e colar só podem ser acessados por meio das respectivas
teclas de atalho.
d) alguns ícones foram modernizados, como o ícone que representa a opção salvar, que ao invés de mostrar o
desenho de um disquete, mostra o desenho de um pen drive.
e) os arquivos são salvos, por padrão, criptografados e com senha informada pelo usuário. Isto só não ocorre se no
momento da gravação for indicado, no campo Permissão, que o documento é público.

225. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Manuel, usuário de um computador com sistema operacional Windows 10, deseja criar um atalho
(link) na Área de Trabalho para a sua pasta de trabalho meus-docs localizado em C:\Users\manuel\Docu- ments\.
Para isso, ele deve clicar com o botão esquerdo do mouse sobre a pasta meus-docs, arrastar para um espaço vazio
na Área de Trabalho e soltar o botão do mouse pressionando

a) simultaneamente as teclas Shift e Alt.


b) a tecla Shift.
c) simultaneamente as teclas Ctrl e Alt.
d) a tecla Ctrl.
e) simultaneamente as teclas Shift e Ctrl.

226. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) A planilha abaixo foi elaborada no Excel 2016 e lista alguns itens em estoque e suas respectivas
quantidades.

AB C
1 Item Descrição Quantidade
2 1 lápis 100
3 2 caneta -
4 3 borracha 25
5 4 sulfite 250
6 7

Caso as funções: =CONT.NÚM(C2:C5) e =CONT.VALORES(C2:C5) sejam inseridas, respectivamente, nas células C6


e C7, estas células estarão com

a) 3 e 4.
b) 4 e 375.
c) 3 e #VALOR!.

-GRAN CURSOS

d) 3 e #VALOR!.
e) #VALOR! e #VALOR!.

227. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Um dos navegadores web mais utilizados é o Firefox. Dentre suas características está a de abrir
uma nova aba e também fechar uma aba por meio das teclas de atalho, respectivamente,

a) Ctrl + N e Ctrl + W.
b) Ctrl + D e Ctrl + R.
c) Ctrl + L e Ctrl + T.
d) Ctrl + T e Ctrl + W.
e) Ctrl + R e Ctrl + N.

228. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇÃO À REGULAÇÃO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Ferramentas de correio eletrônico são de grande utilidade quando se considera o envio de e-mails.
Sobre o uso de email, em uma mensagem

a) não podem ser anexados arquivos com criptografia embutida.


b) podem ser anexados, simultaneamente, mais de um arquivo com extensões diferentes entre si.
c) há um número máximo de usuários (até 10) que podem ser endereçados em uma única mensagem.
d) não pode ser enviada sem qualquer texto em seu corpo.
e) sempre deve ser endereçada a pelo menos dois endereços, simultaneamente.

229. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TÉCNICO EM


CONTABILIDADE) Um dos principais dispositivos para armazenamento de dados em um computador é o disco rígido,
sendo que uma forma de utilização desse dispositivo é agrupá-los em conjuntos denominados RAID - Re- dudant
Array of Independet Disks. Há diversos níveis de RAID, sendo que no nível 5

a) a paridade dos dados é distribuída entre os discos componentes do agrupamento.


b) há o espelhamento de cada disco em discos ditos sobressalentes.
c) comporta um número máximo de 10 discos no agrupamento.
d) há um valor limite teórico para a capacidade de armazenamento de cada disco.
e) há pelo menos 2 discos de reserva, não utilizados normalmente, no agrupamento.

230. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere um computador de 64 bits, cujos endereços


sequenciais de memória abaixo são válidos.

Endereço 1: 000000000022FE38 Endereço 2: 000000000022FE40 Endereço 3: 000000000022FE48 Endereço 4: 000000000022FE4C

Um Técnico em Informática conclui, corretamente, que


a) a capacidade de memória é limitada a 8 GB.
b) no endereço 1 pode ser armazenado um dado de 4 bytes.
c) o barramento de endereço possui 32 linhas.
d) no endereço 3 pode ser armazenado um dado de 6 bytes.
e) o endereço 1 fica a 14 bytes de distância do endereço 4.

231. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere o seguinte trecho de código PHP.

<?php

$bin = sprintf( "%08d", decbin( 26 )); echo $bin;

?>

O código acima, ao ser executado em condições ideais, resulta em

a) 00011010
b) 11010.000
c) 11010000
d) 11001.111
e) 000.11001

232. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere o texto abaixo.

Comoéquaseimpossível guardar na mente humana vários IPs, foram criadas as URLs. Se é mais fácil digitar www.
googie. com do que 216.58.219.196, é muito mais fácil digitar https://goo.gl/RJTlOO do que
https://www.amazon.com/Cosmos- Spacetime -Neil
-Degrasse-Tyson/dp/B00IWULSTC/ref=tmm_blu_swatch_0?_encoding=UTF8&qid=1494 725 73 7ísr =8-1.

Isso é feito pelos encurtadores de URL, que facilitam a cópia de endereços longos. O serviço faz a conversão de um
número decimal - geralmente o número de identificação único para cada URL no banco de dados - para uma outra
base. Assim, quanto mais caracteres um encurtadorde URLs utilizar para gerar sua URL curta, mais URLs ele terá
cadastradas.

(Adaptado de: https:/íjaymebc.blogspot.com.br/2017/06.'shortener-url-encurtadores-de-url.htnil)

A outra base a qual o texto se refere é a base

a) 64, formada por 26 letras minúsculas (a-z), 26 maiúsculas (A-Z), 10 números (09) e os caracteres $ e #.
b) 62, formada por 26 letras minúsculas (a-z), 26 maiúsculas (A-Z) e 10 números (0-9).
c) 140, também utilizada pelo Twitter, que é formada por 140 caracteres, números e símbolos UTF-8.
d) 128, que é formada por 128 caracteres, números e símbolos ASCII.
e) 32, que gera aleatoriamente 22 letras dentre minúsculas e maiúsculas e usa até 10 dentre os números de 0 a
9.

233. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Solicitou-se a um Técnico de Informática indicar


características importantes de um hardware para um desktop topo de linha a ser montado. O Técnico afirmou,
corretamente, que

a) a desvantagem dos desktops é a falta de suporte a dois ou mais discos de armazenamento, então deve-se
adquirir um HD de, pelo menos, 10 Terabytes. Neste HD ficam armazenados o sistema operacional e os dados. Caso
haja problemas no sistema operacional ou uma falha no disco e seja necessário formatar a máquina, os dados ficam
armazenados em um lugar seguro.
b) a escolha de uma fonte de má qualidade ou de um gabinete que não mantenha a máquina refrigerada é um
grave erro. Usar um modelo de fonte de alimentação genérico é mais seguro que adquirir produtos de marca.
Qualidade da fonte é essencial, já que ela é responsável por transformar a corrente contínua que vem da rede
elétrica em energia alternada para alimentar os componentes, e, se não fizer esse trabalho direito, dispositivos são
danificados rapidamente, principalmente os mais sensíveis, como memória RAM e disco rígido, que são os primeiros
a falhar.
c) o cooler deve ser cuidadosamente escolhido, principalmente para uma máquina de alto desempenho. No caso
do processador, o cooler deve manter a temperatura sempre abaixo dos 100 °C. Os air coolers são recomendados
para overlock de CPU, processo que submete os circuitos integrados ao limite da capacidade ao demandar bastante
desempenho da placa de vídeo. Water coolers são os que mais causam superaquecimento.
d) não adianta investir muito em um processador topo de linha e economizar na placa-mãe, porque poderá resultar
em uma máquina lenta. A placa-mãe poderá limitar as possibilidades de upgrades futuros. O ideal é a placa possuir
soquetes para processadores mais novos (como LGA 1151 para CPUs de arquitetura Skylake da Intel ou AM3+ para
CPUs AMD), mais slots de memória, conexões PCI Express mais rápidas, portas USB 3.0, conexões SATA III para
disco rígido e SSD.
e) a escolha da placa de vídeo é importante, em especial se o uso da máquina for para aplicações profissionais
baseadas em imagens ou vídeos. Neste caso o ideal é investir mais no processador, privilegiando processamento de
CPU do qual depende

o desempenho da placa gráfica. Os modelos mais recentes se conectam por meio de interfaces AGP e PCI 3.0.
Geralmente modelos básicos como Radeon R9 Fury X e Geforce GTX 980 da NVIDIA possuem uma ótima relação
custobenefício, pois são mais baratas e com desempenho razoável.

234. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considerando os principais processadores do mercado, um


Técnico de Informática afirma, corretamente, que

a) apenas a Intel possui modelos específicos para o overlock, quando os usuários utilizam a potência máxima do
processador para obter o melhor desempenho, mas a AMD consegue o mesmo efeito com processadores dual core.
b) os processadores mais velozes são os que não dependem de memória cache.
c) o Core i5 6600 da Intel possui compatibilidade com memórias DDR4. Conta com 4 núcleos, 6 MB de cache e uma
potência que pode chegar a 3.9 GHz no modo turbo.
d) o FX 6300 possui Modo Turbo, oferecendo uma frequência que pode chegar até a 6.1 GHz. Conta com 1.4 MB de
cache distribuídos da seguinte forma: 0.6 MB L2 e 0.8 MB L3 e utiliza socket AM3+.
e) o i7 6300K é um processador topo de linha da geração Skylake da Intel, oferecendo suporte de até 32 GB de
memória DDR4. Pode chegar a 6.2 GHz de potência no modo turbo, contando com 18 MB de cache.

235. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere que na rotina de um dia de trabalho, solicitou-se a
um Técnico de Informática realizar as seguintes atividades: 1. ativar o firewall de um computador com o sistema
operacional Windows 7, em português. 2. abrir uma porta no firewall do servidor para um programa instalado, com
o sistema operacional Windows Server 2012, em português. Em condições ideais, o Técnico, para realizar a atividade

a) 1, clicou no botão Iniciar, no Painel de Controle, em Sistema e Segurança e depois em Firewall do Windows para
acessar a opção Ativar ou Desativar o Firewall do Windows.
b) 1, clicou no botão Iniciar, no Painel de Controle, e depois em Rede e Segurança para acessar a opção Ativar ou
Desativar o Firewall do Windows.
c) 2, abriu o console do Windows SBS, clicou em Rede e depois em Conectividade, na barra de navegação, e clicou
com o botão direito do mouse em Firewall de servidor, para localizar e acessar o programa instalado.
d) 2, abriu o console do Windows SBS, clicou em Rede e Conectividade, na barra de navegação, clicou em Firewall
de servidor e clicou em Permitir um programa pelo Firewall do Windows para localizar e acessar o programa
instalado.
e) 1 e a atividade 2, deve acessar as funções disponíveis no Windows Defender.

236. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Um usuário de um computador com o sistema Linux CentOS
7 recentemente instalado com configuração mínima, digitou o comando #ifconfig e recebeu a notificação -bash:
ifconfig: commandno- tfound. Para resolver o problema, um Técnico deve instalar um pacote que implementa o
ifconfig usando o comando
a) # yum -y install net-tools
b) # systemctlinstall-unit-files -t servisse
c) # systemctl start ifconfig
d) # yum -y installifconfig
e) # rpm -ivhinstallnet-tools.rpm

237. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere o texto abaixo editado no LibreOffice Writer versão
5.2.7.2 em português.

A Defensoha Pública tem como objetivo institucional, dentre outros, a primazia da dignidade da pessoa humana,
além da prevalência e efetividade dos Direitos Humanos. Assim, a Instituição promove, por seus agentes e pelo
Núcleo de Defesa de Direitos Humanos, ações e atividades relativas à proteção dos Direitos Humanos no âmbito
interno e perante os sistemas internacionais, envolvendo espetíalmente a preservação e reparação dos direitos de
grupos sociais vulneráveis e de pessoas vitimas de tortura, discriminação ou qualquer outra forma de opressão ou
violência.

(Adaptado de: http://www.defensoria.rs.def.br/conteudo/20003/direitos-humanos)

Para fazer a contagem do número de caracteres do referido texto, um Técnico deve marcá-lo e utilizar a função
Contagem de palavras que fica no menu

a) Formatar.
b) Editar.
c) Ferramentas.
d) Ortografia e Gramática.
e) Estilos e Formatação.

238. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere, por hipótese, que um funcionário da Defensoria
Pública da cidade de Porto Alegre estava na Defen- soria da cidade de Soledade e ocorreu um incidente em seu
notebook corporativo. Imediatamente ele abriu um chamado na Central de Serviço - CS que atende toda a
Defensoria. Mais tarde ele retornou à sede da Defensoria em Porto Alegre e foi verificar se os técnicos locais ainda
estavam lá. Como passava das 19 horas, a CS não estava mais operacional e os técnicos já tinham ido embora. O
funcionário teve que continuar com seu notebook sem assistência, pois somente no dia seguinte poderia ser atendido.
De acordo com a ITIL v3 edição 2011, neste caso, a CS da Defensoria é do tipo

a) Local.
b) Nearshore.
c) Followthesun.
d) Centralizada.
e) Help Desk.

239. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere que um incidente foi identificado e registrado pela
equipe de Técnicos que realizam o atendimento de primeiro nível da Central de Serviços. Seguindo o fluxo de
atividades do ciclo de vida do incidente, após o diagnóstico, um Técnico não conseguiu aplicar uma Solução de
Contorno ou Resolução. De acordo com a ITIL v3 edição 2011, o incidente deve ser

a) categorizado como de Nível 2, que requer um atendimento urgente.


b) escalado funcionalmente, ou seja, passado para um profissional com mais experiência.
c) priorizado como de Nível 0, que requer uma escalação hierárquica.
d) escalado hierarquicamente, que requer Acordos de Nível de Serviço para garantir o atendimento do Acordo de
Nível Operacional.
e) documentado e a Central de Serviço deverá fazer o fechamento formal do incidente.

240. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ENGENHARIA CIVIL) Considere a


planilha de um levantamento altimétrico entre as estacas A e D editada no MS-EXCEL©, abaixo:

Sabendo-se que as leituras de mira são realizadas sempre com quatro algarismos: metro, decímetro, centímetro e
milímetro, para gerar o valor da cota da estaca B (célula F4), em metros, com arredondamento no primeiro dígito
após a vírgula, a função correta a ser utilizada é

a) =MÍNIMO(E4;0,65)
b) =ARRED(E4;0)
c) =TETO(E4;1)
d) =TETO(E4;0)
e) =ARRED(E4;1)

241. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO)


No LibreOffice Calc 5.2.0.4, em português, um Especialista em Tecnologia da Informação deseja compartilhar uma
planilha de forma que vários usuários possam ter acesso de escrita simultaneamente. Após criar a nova planilha, o
Especialista poderá ativar o seu compartilhamento a partir de um clique na opção Compartilhar documento do menu

a) Formatar.
b) Planilha.
c) Arquivo.
d) Opções.
e) Ferramentas.

242. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO)


O pacote Microsoft Office 365, em português,

a) vem com os aplicativos do Office 2016 para PC, Mac e mobile, como Word, Excel, PowerPoint, Outlook e Base.
b) possui um recurso conhecido como "Diga-me", que permite ao usuário pesquisar comandos do Office como se
estivesse em um buscador comum.
c) permite que os documentos sejam armazenados diretamente na nuvem utilizando por padrão a plataforma
Dropbox.

d) permite que documentos compartilhados na nuvem disponibilizada para o Office ou no próprio PC possam ser
editados simultaneamente de forma colaborativa por pessoas não autorizadas.
e) permite que uma palavra selecionada seja buscada na web, utilizando por padrão a plataforma Google,
bastando para isso selecionar a palavra, clicar com o botão direito sobre ela e selecionar a opção "Busca Rápida".
243. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO)
Considere a planilha hipotética abaixo, criada no Microsoft Excel 2016, em português, que mostra o controle de
valores pagos em uma praça de pedágio por onde circulam veículos de passeio e veículos comerciais com 2, 3 ou 4
eixos. A célula A2 contém o valor 8,8, que se refere ao valor da tarifa de pedágio para veículos de passeio e para
veículos comerciais, por eixo.

A B C D
Valor da tarifa de pedágio para veículos de passeio e para veículos
1 comerciais (por eixo)
2 n,a
3
4 Veículo Tipo N° de Eixos Total a paaar
5 Carro Passeio s.a
6 Caminhão Comercial 3 26,4
7 Carro Passeio 8,8
e Caminhão Comercial 4 35,2
9 Caminhão Comercial 2 17,6
10 Caminhão Comercial 4 35,2
11 Carro Passeio 8.8
12 Caminhão Comercial 3 26,4

Na célula D5 foi digitada uma fórmula que resultou no valor 8,8. Essa fórmula foi copiada arrastando-se a alça de
preenchimento da célula D5 para baixo, até na célula D12, resultando nos valores mostrados no intervalo. A fórmula
digitada foi

a) =COMPARE(SE(C5 = "";A2;SE(C5 = 2;A2*2;SE(C5 = 3;A2*3;SE(C5=4;A2*4)))))


b) =SE(C5 = "";A$2;SE(C5 = 2;A$2*2;SE(C5 = 3;A$2*3;SE(C5=4;A$2*4))))
c) = SE(C5 = "";THEN(A$2);ELSE(C5 = 2;THEN(A$2*2);ELSE(C5 = 3;-
THEN(A$2*3);ELSE(C5=4;THEN(A$2*4)))))

d) = CASO(C5 = "";A$2;CASO(C5 = 2;A$2*2;CASO(C5 = 3;A$2*3;CASO(- C5=4;A$2*4))))


e) = SE(C5 = "";A2;SE(C5 = 2;A2*2;SE(C5 = 3;A2*3;SE(C5=4;A2*4))))

244. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere o seguinte algoritmo em pseudocódigo:

Algoritmo Valida

tipo V = vetor .4] de inteiro var vet: V

indice, numero: inteiro

Inicio

indiceí—_

enquanto (indice^=4)faça leia(numero); enquanto ( ..í..) faça

imprima("Valor invalido. Digite um valor dentro do limite.") leia(numero) f im_enquanto vet [indice]
<—numero indicei—indice + 1 fim_enquanto

para (indice de 1 até 4 passo 1) faça II

fim_para Fim

Para que o algoritmo acima leia quatro valores de anos de 1900 até 2017 e os apresente na tela, a lacuna
a) I deve ser preenchida com numero> = 1900 e numero<=2017
b) II deve ser preenchida com leia(vet[indice])
c) I deve ser preenchida com numero2017
d) II deve ser preenchida com imprima ("Valor valido = ", vetor[indice])
e) I deve ser preenchida com numero> = 1900 ou numero< = 2017

245. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere que um sistema está sendo desenvolvimento na
Defensoria Pública e algumas das práticas adotadas são listadas a seguir: - O Time de Desenvolvimento funciona de
forma auto-organi- zada, sendo composto por profissionais que realizam o trabalho de entregar uma versão do
sistema que seja funcional e que incrementa o produto "Pronto" ao final de cada sprint.

Somente quem integra o Time de Desenvolvimento cria incrementos. - Para desenvolver o sistema podem ser
criadas várias sprints. Cada sprint é uma iteração que segue o ciclo PDCA. Ao final de cada sprint bem sucedida o
time terá produzido um incremento potencialmente integrável, ou seja, com qualidade, testado, completo e pronto,
por isso são realizadas reuniões de planejamento para definir a meta de cada sprint. - O desenvolvedor escreve um
teste que falha, faz este teste passar da maneira mais simples possível e, por fim, refatora o código. Esta prática visa
a criação de código limpo, atuando como uma ferramenta de apoio na qualidade do desenvolvimento de sistema. Um
Técnico em Informática afirma, corretamente, que

a) todas as práticas indicam que a Defensoria adota somente a metodologia SCRUM.


b) todas as práticas indicam que a Defensoria adota somente a metodologia XP.
c) nenhuma das práticas indica que a Defensoria adota uma metodologia ágil de desenvolvimento.
d) as práticas indicam que a Defensoria adota o desenvolvimento baseado em componentes.
e) as práticas indicam que a Defensoria adota uma metodologia híbrida que reúne práticas ágeis.

246. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere o texto abaixo publicado pela Microsoft.

É um tipo especial de malware, porque você não sabe o que ele está fazendo e é muito difícil de ser detectado e
removido. Seu objetivo é esconder a si mesmo e de outros softwares para não ser visto, buscando evitar que um
usuário identifique e remova o software atacado. O malware pode se esconder em quase todos os softwares, incluindo
servidores de arquivos, permitindo, assim, que um atacante armazene diversos arquivos infectados, invisivelmente,
em seu computador.

Eles não infectam os computadores como os vírus ou worms fazem. Em vez disso, um atacante identifica uma
vulnerabilidade existente no sistema de destino. As vulnerabilidades podem incluir uma porta de rede aberta, um
sistema não protegido ou um sistema com senha fraca do administrador. Após obter acesso ao sistema vulnerável,
o atacante pode instalar manualmente, como administrador, o malware. Esse tipo de ataque secreto direcionado não
ativa controles automáticos de segurança da rede, como os sistemas de detecção a intrusos.

Identificá-los pode ser difícil, mas há diversos pacotes de software que os detectam. Esses pacotes dividem-se em
duas categorias: detectores baseados em assinatura, que procuram arquivos binários específicos, e em
comportamento, que procuram elementos ocultos.

(Adaptado de: https://technet.mícrosoft.com/pt-br/libraryí'dd459016.aspx)

O texto refere-se ao malware

a) Cavalo de Troia.
b) Spyware.
c) Adware.
d) Rootkit.
e) Ramsonware.

247. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Ao participar de um seminário de segurança cibernética, um


Técnico ficou ciente que a indústria de segurança está trabalhando na popularização dos filtros de tráfego para
aplicações em nuvem, incluindo serviços de segurança para aplicações web no modelo SaaS, com uma oferta cada
vez mais variada e de custo acessível. Estes dispositivos são posicionados em situações estratégicas das redes locais
e da nuvem, sendo capazes de detectar pequenas ou grandes anomalias, em relação ao padrão de tráfego, e disparar
mecanismos de alerta, proteção ou destravamento de ataques. Um especialista em segurança afirmou que grandes
empresas exploradoras da nuvem, como Amazon, Cisco, IBM e provedores de infraestrutura de nuvens públicas ou
híbridas de todos os portes estão ajudando a disseminar a adoção deste tipo de dispositivo como forma de mitigação
dos riscos nesse ambiente. O dispositivo mencionado é o

a) Virtual Private Node -VPN.


b) Web Application Firewall - WAF.
c) Unified Threat Mechanism - UTM.
d) Network Access Control - NAC Agentless.
e) Demilitarized Zone - DMZ do tipo Proxy.

248. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere, por hipótese, que a Defensoria Pública possua
diversos setores conectados a uma rede local interna e teve um crescimento acelerado que impossibilitou um projeto
ordenado de expansão da rede. Os funcionários de cada setor encontramse dispersos pelos andares da sede. É
necessário organizar um domínio para cada setor da Defensoria. Um Técnico sugeriu a configuração apresentada na
figura abaixo.

Nesta configuração sugerida pelo Técnico, a rede interna da Defensoria e

a) transformada em várias VPNs com um dispositivo concentrador central.


b) subdividida em DMZs, com um dispositivo de segurança central com função de roteamento e firewall.

c) segmentada em uma VPN para a Corregedoria e duas DMZs para o Conselho Superior e para a Subdefensoria.
d) subdividida em uma VLAN para a Corregedoria, uma VPN para o Conselho Superior e uma DMZ para a
Subdefensoria.
e) segmentada em VLANs, uma para cada setor.

249. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Um Técnico está instalando o cabeamento horizontal da


empresa onde trabalha, utilizando cabos UTP de 4 pares constituídos por fios sólidos com bitola de 24 AWG e
impedância nominal de 100 ohms. Ele está instalando o cabo do ponto de conexão mecânica no armário de te-
lecomunicações até o ponto de telecomunicações na área de trabalho, que deve ter distância máxima de até

a) 150 metros.
b) 40 metros.
c) 90 metros
d) 220 metros.
e) 190 metros.

250. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) A tecnologia Ethernet, também conhecida como norma IEEE
802.3, é um padrão de transmissão de dados para rede local, que possui diferentes alternativas, como a 1000 Base-T
(Ethernet Gigabit), que utiliza

a) duplo par trançado (normalmente categoria 5e) com distância máxima entre dois nós adjacentes de até 100
metros.
b) fibra ótica multimodo com distância máxima entre dois nós adjacentes de até 2000 metros.

c) cabo coaxial e opera com largura de banda entre 100 MHz e 200 MHz, podendo atingir velocidades de
transmissão de até 1000 Mb/s.
d) fibra ótica monomodo com velocidade de transmissão de até 1000 Mb/s e largura de banda de 400 MHz.
e) 4 pares trançados (normalmente categoria 6) com conectores RJ-45 e suporta distâncias entre dois nós
adjacentes de até 200 metros.

251. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) REST é frequentemente aplicado à web services para acessar
serviços na web. Uma das características do REST é que

a) utiliza o protocolo RESP para estabelecer a comunicação entre cliente e servidor, utilizando métodos como GET
e PUT para acessar o serviço.
b) usa o protocolo SOAP para expor a estrutura do serviço e o método RESTful para que os clientes possam
acessá-lo.
c) o cliente precisa ter a visão clara de como o servidor recebe e armazena os dados, assim como da interface do
serviço a ser acessado.
d) é stateless e, por isso, o envio de dados ao servidor deve conter toda a informação necessária para ser
compreendida.
e) utiliza uma notação HTML específica para transferência de dados, semelhante à notação usada na linguagem
XHTML.

252. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere as etapas abaixo.

1) O cliente envia um SYN para o servidor.


2) O servidor responde com um SYN-ACK ao cliente.
3) O cliente envia um ACK de volta ao servidor. Embora estejam simplificadas, estas etapas fazem parte do
estabelecimento de uma conexão entre cliente e servidor, usando um processo conhecido como three-way
handshake, por meio do protocolo

a) IP.
b) FTP.
c) SMTP.
d) HTTP.
e) TCP.

253. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Um Técnico que utiliza o Google Chrome deseja escolher
configurações para melhorar sua experiência de navegação usando serviços da web, como as listadas abaixo.

A. Ativar ou desativar o preenchimento automático de formulários.


B. Permitir ou negar o acesso remoto ao computador.
C. Limpar dados de navegação (histórico, cookies, cache etc.).
D. Gerenciar o modo de navegação anônima.
E. Gerenciar senhas.
F. Gerenciar configurações e certificados HTTPS/SSL.
G. Ativar ou desativar a proteção contra sites perigosos.
H. Definir a pasta onde os downloads serão salvos.
I. Ativar ou desativar a extensão do antivírus embutida no navegador. Para isso, clicou na ferramenta Personalizar
e controlar o Google Chrome, na opção Configurações e, na parte inferior da página, clicou em Avançado.

A partir disto, estarão disponíveis as opções para o Técnico realizar o que está descrito em

a) A, C, E, F, G, H.
b) C, D, G, H, I.
c) A, B, D, E, F, I.
d) B, C, F, G, I.
e) A, C, D, E, G, H.

254. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Um Técnico possui no seu computador o arquivo abaixo.

> Este Computador > DADOS (E:) > DPE-RS

Nome Data de modificação Tipo Tamanho

^1 DPE-RS 30/07/201712:35 Arquivo do WinRAR 1.701.125 KB

É correto afirmar que o arquivo DPE-RS

a) é uma imagem de CD ou DVD no formato RAR para gravação.


b) não poderá ser enviado como anexo em um e-mail em provedores de e-mail com limite de 30 MB.
c) contém um arquivo de vídeo e outro de áudio compactados no formato RAR.
d) foi compactado pelo programa WinRAR, nativo nas edições do Windows e do Linux.
e) não caberá em um pen drive vazio de 2 GB.

255. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Em uma empresa há uma LAN subdividida em muitas VLANs,
que, por sua vez, encontram-se configuradas em subredes distintas. Deseja-se utilizar um único equipamento no
core desta rede para prover roteamento inter-VLANs entre estas subredes. Uma solução simples, rápida e eficiente
é a utilização de um

a) switch L2.
b) switch L3.
c) router L4.
d) access point.
e) router L6.

256. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) A linguagem XML Schema, também conhecida como XML
Schema Definition - XSD, é utilizada para descrever a estrutura de um documento XML. Assim, considere o seguinte
fragmento de um arquivo XML, abaixo.
<nome ^ Paula ^/nome >

cidade>43</idades

tdatanaac^1974-03-07t/dataaasc>

A instrução <datanasc>1974-08-07</datanasc> é corretamente descrita em um documento XSD como

a) <!ELEMENT dat anasc (#PCDATA)>


b) exsielement name="datanasc" type="#PCDATE"/>

C) <xsd:element id="datanasc" type=”xsd:date”/>

d) <xs:element name = ■ dat anasc" type="xs:date"/>


e) C!ELEMENT datanasc (#DATE)>

257. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) O NetBeans IDE permite que se trabalhe com os sistemas de
controle de versão Git, Mercurial e Subversion. Por exemplo, a inicialização dos repositórios Git ou Mercurial no
NetBeans IDE versão 8.2, pode ser feita a partir da seleção do projeto, de um clique

a) com o botão direito do mouse sobre o nome dele e, a partir da opção Controle de Versão, da seleção do
repositório que se deseja inicializar (Git ou Mercurial).
b) no menu Ferramentas, da escolha da opção Plug-ins, da seleção de Git ou Mercurial e de um clique no botão
Instalar. Em seguida, deve-se clicar no menu Ferramentas, na opção Controle de Versão e nas opções Git ou
Mercurial.
c) no menu Ferramentas, da escolha da opção Controle de Versão e de um clique no nome do repositório que se
deseja inicializar (Git ou Mercurial).
d) no menu Código-Fonte, da escolha da opção Criar Controle de Versão, da seleção do nome do repositório (Git ou
Mercurial) e de um clique no botão Inicializar.
e) no menu Executar, da escolha da opção Controle de Versões e da seleção do nome do repositório que se deseja
inicializar (Git ou Mercurial).

258. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Considere o seguinte caso hipotético: A Defensora Pública Ana
Paula está atuando simultaneamente em defesa de várias pessoas que não têm condições financeiras para contratar
um advogado particular. Em dois dos processos, ela atua juntamente com seus colegas, os advogados Marco Aurélio
e Paulo Sérgio. Na Defensoria Pública não é incomum os advogados trabalharem juntos em mais de um processo.
Solicitou-se a um Técnico criar e relacionar as tabelas DefensorPublico e Cliente, utilizando um Sistema Gerenciador
de Banco de Dados - SGBD relacional. Após ler o caso acima, o Técnico afirma corretamente que

a) o nome do cliente é uma boa escolha para chave primária da tabela Cliente, pois representa uma informação que
melhor identifica o cliente.
b) o número da OAB não poderá ser utilizado como chave primária da tabela Defensor Público porque contém
caracteres alfanuméricos.
c) só seria possível relacionar as tabelas se cada cliente for defendido por apenas um Procurador Público, pois não
há como criar relacionamentos muitos- para-mui- tos em SGBDs.
d) DefensorPublico e Cliente estabelecem uma relação n:m e será necessário criar uma tabela de ligação entre
estas tabelas.
e) não será possível relacionar as tabelas porque o fato de vários Procuradores Públicos poderem atuar em um
mesmo processo infringe as regras de integridade referencial.

259. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Solicitou-se a um Técnico selecionar em um banco de dados


padrão SQL todos os registros da tabela processo cujo conteúdo do campo cidade_origem não contenha os valores
Brasília ou Campinas. Para isso, utilizou a instrução SELECT * FROM processo
a) WHEN cidade_origem NOT ('Brasília' OR 'Campinas');
b) WHERE cidade_origem NOT IN ('Brasília','Campinas');
c) LIKE cidade_origem IS NOT ('Brasília','Campinas');
d) WHERE cidade_origem NOT IN ('Brasília' OR 'Campinas');
e) WHERE cidade_origem IS NOT ('Brasília';'Campinas');

260. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Um Técnico está criando uma tabela filha chamada funcionario,
que será relacionada a uma tabela pai chamada departamento, por meio da chave estrangeira. Como parte do
comando CREATE TABLE, usado para criar a tabela filha, ele deseja estabelecer uma restrição de chave estrangeira
chamada emp_dept_fk para o campo department_id, que fará referência ao campo department_id que é chave
primária na tabela departamento. Esta restrição será criada corretamente se for utilizada, na criação da tabela fun-
cionario, a instrução SQL

a) RESTRICTION emp_dept_fk FOREIGN KEY (department_id) PRIMARY KEY de- partmento(department_id)


b) FOREIGN KEY emp_dept_fk FIELD(department_id) REFERENCES departmento(- department_id)
c) CONSTRAINT emp_dept_fk FOREIGN KEY (department_id) REFERENCES de- partmento(department_id)
d) DEFINE CONSTRAINT emp_dept_fk FOREIGN KEY (department_id) WITH REFERENCES departmento
department_id)
e) CONSTRAINT emp_dept_fk FOREIGN KEY (department_id) PRIMARY KEY de- partmento(department_id)

261. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Em PHP, um Técnico criou um array utilizando o comando
abaixo.

$processos = arrayt

"Paulo"->"2000.01.1.000001-5",

"MariaB=>"2017.01.1.000002-4",

"André"=>"2014.01.1.000001-4"

í;

Após este comando, criou um laço de repetição que exibiu os dados da seguinte forma:

Nome=Paulo, Número do Processo=2000.01.1 000001-5 Nome=Maria. Número do Processo=2017.01.1.000002-4 Nome=André, Nú


mero do Processo=2014.01.1.000001-4

A estrutura do laço de repetição criado foi:

echo "Nome=" . $x . ”, Número do Proces3o=" . $x_temp. ''<br>"

Conclui-se corretamente que a lacuna deve ser preenchida por

a) for($x = 0; $x < $x_temp; $x++)


b) for($processos as $x => $x_temp)
c) foreach($processos as $x => $x_temp)
d) foreach(($x = 0; $x < $x_temp; $x++)
e) while($x = 0; $x < $x_temp; $x++)
262. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA) Ao criar um novo projeto para Android, foi gerado
automaticamente um arquivo layout.xml referente ao layout e interface gráfica do aplicativo, e uma classe
MainActivity.java. Para definir a interface gráfica a qual a Activity está relacionada utiliza-se o comando

a) getLayout(R.layout.main_activity); no método mainApplication.


b) setLayout(getContentPane().layout); no métodos onCreate.
c) getViewLayout(R.layout); no método mainApplication;
d) getContentView(layout.xml); no método onCreate.
e) setContentView(R.layout.activity_main); no método onCreate.

263. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA INFORMÁTICA)

Uma das recomendações do Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico - eMAG é fornecer âncoras, disponíveis na barra de
acessibilidade, que apontem para links relevantes presentes na mesma página de um website Considere que no final da página há
um texto relevante cujo título está delimitado por <a id="info">informações</a>

Um link Ver Informações na barra de acessibilidade para ir direto ao texto delimitado deve ser criado pela instrução
HTML5

a) <a href="info" type="anchor">Ver Informações</a>.


b) <link href="#info">Ver Informações</link>.
c) <a href="&info" type="anchor">Ver Informações</a>.
d) <link type="anchor" href="info">Ver Informações</link>.
e) <a href="#info">Ver Informaçõe3</a>.

264. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA) Na planilha Excel,


são registrados os valores 100, 5, 6 e 7, respectivamente, nas células A1, A2, A3 e A4. Na célula A5 é registrada a
seguinte fórmula =(A1/A2)+(A3*A4)/2. O resultado de A5 equivale a

a) 38
b) 60
c) 41
d) 36
e) 30

265. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA) No Power Point, a


opção exibir em "Slide Mestre" contribui para

a) o efeito de transição entre dois slides sucessivos.


b) o controle do tempo de exibição de um slide entre os modos "avançar ao clique do mouse" ou "avançar após um
intervalo de tempo".

c) o controle da aparência na apresentação inteira e pode inserir uma forma ou lo- gomarca para que ela seja
mostrada em todos os slides.
d) a geração de um índice dos slides da apresentação e, dessa forma, permitir que se vá diretamente para um
determinado slide durante uma apresentação.
e) a inserção de um slide no início da apresentação e executa um clip ou um programa.

266. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA) No Word do


Microsoft Office 2013, a ativação da opção SmartArt permite inserir
a) o elemento gráfico para comunicação de informações visualmente.
b) imagens de um arquivo ou de várias fontes online.
c) Clip-art no documento, incluindo desenhos, filmes e sons.
d) formas prontas como triângulos, retângulos, círculos etc.
e) uma tabela para organização das informações.

267. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA) Considere uma rede
de computadores instalada e em funcionamento que é caracterizada pelo seu alcance local, por se tratar de uma rede
interna de curto alcance. De acordo com sua extensão geográfica, essa rede é classificada como

a) Metropolitan Area Network - MAN.


b) Local Area Network - LAN.
c) Wide Area Network - WAN.
d) Storage Area Network - SAN.
e) Popular Area Network - PAN.

268. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA) Para abrir a


funcionalidade de Backup no Windows 7, deve-se clicar no botão Iniciar, e em seguida em

a) "Dispositivos", caso o seu painel esteja exibindo as opções por categoria, clique em "adicionar um dispositivo"
e selecionar a categoria "recuperar configuração do sistema ou o computador".
b) " Meu computador", clique com o botão direito do mouse. Clique em "gerenciador de dispositivos" e em seguida
clique em "Restaurar meus arquivos".
c) " Meu computador", clique com o botão direito do mouse. Clique em "configurações avançadas do sistema", em
seguida abrirá a janela de propriedades do sistema. Clique em "Proteção do sistema" selecione a opção configurar
selecionar backup de onde os arquivos serão restaurados.
d) " Painel de Controle", caso o seu painel esteja exibindo as opções por categoria, clique em configurar backup e
restauração ou recuperar configuração do sistema ou computador.
e) "Computador", com o botão esquerdo do mouse, clique na opção "ajuste as configurações do computador", caso
o painel esteja exibindo as opções por categoria, clique em "central de ações", em seguida "segurança" e optar por
ativar segurança, backup e restauração.

269. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA) Cada tipo de código
malicioso possui características próprias que o define e o diferencia dos demais tipos. Com relação as ações mais
comuns do Backdoor e Rootkit, pode-ser afirmar que eles

a) vem por e-mail e enviam spam e phishing.


b) vem mídias removíveis infectadas e consomem grandes quantidades de recursos.
c) furtam informações sensíveis e enviam cópia de si próprio automaticamente por e-mail.

d) são baixados de sites na internet e desferem ataques na internet.


e) possibilitam os retornos dos invasores, não se propagam e ficam escondidos.

270. (2017/DPE/TÉCNICO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: LOGÍSTICA) Para transpor dados
de linhas para colunas em planilha editada no MS- Excel, deve-se: Selecionar o intervalo de dados que deseja
reorganizar, incluindo todos os rótulos de linha ou coluna, pressionar [Ctrl + C] e clicar

a) em Layout da Página e escolha opção de planilha.


b) em Inserir e escolha segmentação de Dados.
c) com o botão direito do mouse na primeira célula onde deseja colar os dados e escolha Transpor.
d) em Página Inicial e escolha Formatação Condicional.
e) em Dados e escolha Texto para Colunas.

271. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) No Microsoft Word 2013, em português, um
Analista criou uma tabela com 20 linhas e 3 colunas. Em certo momento, percebeu a necessidade de quebrar a tabela
em duas, a partir da linha 10. Posicionou então o cursor na linha 10 e,

a) na guia Layout das ferramentas de tabela, clicou na opção Dividir Tabela do grupo Mesclar.
b) no grupo Configurar da guia Layout da Página, clicou em Quebras e, em seguida, na opção Quebra de Tabela.
c) na guia Formatar das ferramentas de tabela, clicou na opção Quebras do grupo Mesclar e, em seguida, na opção
Quebra de Tabela.
d) na guia Inserir, clicou a opção Quebra de Tabela do grupo Tabela.
e) na guia Layout da Tabela, clicou na opção Dividir Tabela do grupo Formatar.

272. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Considere a planilha abaixo, digitada por uma
Analista no LibreOffice Calc 5.1, em português.

A B C D
1 SEÇÃO ZONA MUNICÍPIO LOCAL VOTAÇÃO
2 14 1 ABAETE PREFEITURA MUNICIPAL
3 143 4 CRISÓLITA CRECHE CIRANDINHA
4 76 13 ANDRADAS APAE
5 49 16 ARAGUARI COLÉGIO OBJETIVO
6
7 Busca de local de votação
8 ANDRADAS

Na célula A8 foi realizada uma pesquisa no intervalo de células de A2 até D5, pelo município correspondente à seção
76. A fórmula corretamente utilizada nessa pesquisa foi:

a) =PROCH(76;A2:D5;3;0)
b) =PROCV(A2:D5;76;C2:C5)
c) =BUSCAR(76;A2:D5;3)
d) =PROCH(A2:D5;76;C2:C5)
e) =PROCV(76;A2:D5;3;0)

273. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Considere a imagem abaixo, da rede interna de
uma empresa, conectada à Internet.

Como uma solução de segurança, na prática, um firewall de aplicação, também conhecido como proxy, deve ser
instalado no ponto identificado pela letra

a) A.
b) E.
c) G.
d) B.
e) C.

274. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considere a planilha abaixo editada no
aplicativo LibreOffice Calc versão 5.2.7.2, em português.

A B C D E F G
1 Zona Município Locais Seções Aptos Cancelados Suspensos
2 1 75353-CURITIBA 41 365 117689 17623 687
3 2 75353-CURITIBA 32 389 130368 18634 782
4 3 75353-CURITIBA 45 492 167932 24686 1386
5 4 75353-CURITIBA 36 394 129690 16888 918
6 Total

{Adaptado de: http:ïwww.justicaeleitoral.jiis.brarquivos;tre-pr-elo-cadastro-eleitoral-eleitora do-ordenado-por-zona)

É necessário fazer a soma de todos os eleitores Aptos da coluna E (de E2 até E5) e colocar o resultado na célula E6
e fazer o mesmo para os Cancelados da coluna F e para os Suspensos da coluna G, colocando os resultados em F6
e G6, respectivamente. Para fazer isso, um Técnico deve selecionar a célula E6, digitar

a) = e, após selecionar os valores de E2 até E5, pressionar a tecla ENTER. Depois deve arrastar E6 para F6 e G6.
b) =SOMAR(E2:E5) e pressionar a tecla ENTER. Depois deve arrastar E6 para F6 e G6.
c) =SOMAR(E2:E5) e pressionar a tecla ENTER. Depois deve arrastar E6 para F6 e G6.

d) = e, após selecionar os valores de E2 até E5, pressionar o botão direito do mouse. Escolher a função SOMAR na
janela que se abre. Depois deve arrastar E6 para F6 e G6.
e) =SOMA(E2:E5) e pressionar a tecla ENTER. Selecionar a célula F6, digitar =SO- MA(F2:F5) e pressionar a tecla
ENTER. Selecionar a célula G6, digitar =SOMA(- G2:G5) e pressionar a tecla ENTER.

275. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Um usuário está utilizando o navegador

a) Google Chrome, em português, e digitou na linha de endereço chrome://configuracoes para alterar o local de
downloads.
b) Google Chrome, em português, e digitou na linha de endereço chrome://history para ter acesso ao serviço de
limpar os dados de navegação.
c) Google Chrome, em português, e digitou na linha de endereço chrome://maps para acessar o Google Maps.
d) Mozilla Firefox, em português, e pressionou as teclas CTRL + H para limpar os dados de navegação.
e) Mozilla Firefox, em português, e digitou na linha de endereço mozilla/preferen- cias para alterar o local de
downloads.

276. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considere a notícia abaixo.

“Um tipo sofisticado de (programa automático de computador projetado para monitorar as atividades de um sistema
e

enviar as informações coletadas para terceiros) vem infectando sigilosamente centenas de computadores de
governos por toda a Europa e nos Estados Unidos, em um dos mais complexos programas de espionagem cibernética
descobertos até hoje. Vários pesquisadores em segurança e funcionários da área de inteligência ocidentais dizem
acreditar que o malware, conhecido como 'Turla', é um programa espião que está sendo vinculado a uma enorme
operação previamente conhecida de espionagem cibernética mundial, apelidada de Outubro Vermelho, e cup alvo
eram redes de pesquisa nuclear, diplomática e militar. Essas constatações se baseiam na análise das táticas
empregadas pelos hackers, bem como nos indicadores técnicos e em relatos das vitimas que eram seu alvo. ”

(Adaptado de: http://g1 .globo.com/tecnologia/noticia,2014/03/)

Com base nas características descritas do malware, a lacuna do texto é corretamente preenchida por:

a) ransomware.
b) trojan DoS.
c) spyware.
d) addware.
e) bootnetspy.

277. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) Considere o caso hipotético a seguir: Foi descoberta uma nova
vulnerabilidade no navegador Chrome e a Google disponibilizou um patch de emergência para solucionar o problema.
Enquanto usava o computador no trabalho usando o Chrome, um profissional pesquisou na Internet informações
sobre a vulnerabilidade para verificar se estava protegido. Foi direcionado para o site gumblar.cn que oferecia
informações sobre a vulnerabilidade e a opção de obter o patch, cujo download poderia ser feito automaticamente
em seu computador. O profissional leu as informações, mas clicou na opção "Não", para rejeitar o download. Porém,
tempos depois, descobriu que naquele momento em que lia as informações do site e negava o download havia sido
instalado secretamente um programa de registro do uso do teclado em seu computador, que passou a gravar tudo
o que ele digitava, desde senhas de acesso a e-mails, acesso a contas bancárias etc. Seu e-mail passou a ser
utilizado para operações criminosas e os valores de sua conta bancária foram roubados. O problema teria sido
evitado se o profissional tivesse

a) percebido que o nome do site não era padrão, ou seja, não iniciava por http:// www, pois sites maliciosos não
adotam nomes padronizados.
b) clicado em "Sim", aceito o download e passado o antivírus no suposto patch baixado antes de instalá-lo.

c) utilizado outro navegador, que não fosse o Chrome, para acessar o site e obter informações.
d) um antivírus instalado no computador, pois todos os antivírus detectam automaticamente os sites maliciosos.
e) obtido informações e realizado o download do patch diretamente no site da Google, fabricante do Chrome.

278. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) A planilha a seguir foi digitada no LibreOffice Calc 5.3 e no Microsoft Excel
2013, ambos em português, e mostra os homicídios por armas de fogo em algumas regiões do Brasil de 2009 a 2014.

A B C D E F G H
1 Homicídios por arma de fogo
2 UF/REGIÃO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Média
3 Acre 61 63 50 65 97 116 78,66667
4 Amapá 69 103 60 117 99 142 101,6667
5 Amazonas 572 635 679 355 692 756 731,5
6 Pará 2.036 2.502 2 077 2.136 2.254 2.319 2221,333

(http./ANWW.mapadaviolencia.org.br pdf2016/Mapa2016_armas_web.pdf)

Na célula H3, foi digitada uma fórmula para calcular a média aritmética dos valores do intervalo de células de B3 a
G3. A fórmula utilizada foi

a) =MÉDIA(B3:G3)tanto no LibreOffice Calc 5.3 quanto no Microsoft Excel 2013.


b) =AVG(B3:G3) no LibreOffice Calc 5.3 e =MÉDIA(B3:G3) no Microsoft Excel 2013.
c) =AVG(B3:G3) tanto no LibreOffice Calc 5.3 quanto no Microsoft Excel 2013.
d) =MEDIA(B3:G3) no LibreOffice Calc 5.3 e =AVERAGE(B3:G3) no Microsoft Excel 2013.
e) =MED(B3:G3)tanto no LibreOffice Calc 5.3 quanto no Microsoft Excel 2013.

279. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) Um servidor da Polícia Civil abriu um documento digitado no Microsoft Word
2013, em português, contendo o bloco de texto abaixo, referente à posição de alguns estados com relação aos
homicídios por arma de fogo nos anos de 2000 e 2014.

UF-2000-2014 Rio de Janeiro - 1o - 15o Alagoas - 9o- 1o Amapá - 23° - 17o Pará - 24° - 9o

Após selecionar o bloco de texto e executar uma operação, os dados foram exibidos na forma de tabela

UF 2000 2014
Rio de
15”
Janeiro 1o
Alagoas 9° 1"
Amapá 23° 17"
Pará 24° 9"

Para gerar a tabela, o servidor, após selecionar o texto, clicou na ferramenta

a) Criar tabela da guia Página Inicial e clicou no botão OK.


b) Converter em tabela do grupo Tabela da guia Página Inicial e clicou no botão OK.
c) Tabela da guia Inserir, selecionou a opção Converter Texto em tabela e clicou no botão OK.
d) Gerar tabela da guia Exibição, selecionou a opção Tabela do Excel e clicou no botão OK.
e) Converter texto em tabela da guia Ferramentas e clicou no botão OK.

280. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) Um computador com o Windows 10, em português, possui uma pasta
E:\PolCivil-AP contendo os arquivos abaixo.

> Este Computador > DADOS (E:) > PolCivil-AP

Nome Data Tipo Tamanho


>31 14/01/2016 Apresentaçã
Apresentação 16:59 o ... 127 KB
£> Crimes 11/08/2015 Arquivo PDF 4.603 KB
digitais 07:35
fiâ] 23/09/2015 Planilha do 4263 KB
Criminalidade AP 22:02 Mi...
21/11/2014
Material de apoio 21:53 Arquivo PDF 5.065 KB
_»j Operações 30/10/2016 Arquivo 287.544
especiais 15:01 MP4 KB
a Regimento 30/10/2016 Arquivo 405.344
interno 16:04 MP4 KB
s] Treinamento 21/11/2016 Arquivo 618.522
arma... 01:47 MP4 KB
jfij Treinamento 21/11/2016 Arquivo 1.079.44
legisl... 01:03 MP4 1 KB

Um Delegado tentou copiar esta pasta para um dispositivo de armazenamento, mas recebeu uma mensagem
informando que não havia espaço suficiente. Um dos dispositivos que podem receber esta pasta é o que tem espaço
livre de

a) 999 MB.
b) 16 MB.
c) 4 GB.
d) 1800000 KB.
e) 2 GB.

281. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) A Internet oferece grandes benefícios para a sociedade, porém
representa uma oportunidade para atividades criminosas, como fraude e roubo de identidade. Para garantir a
segurança das informações, é importante tomar medidas para reduzir o seu risco. Com relação a estas medidas, é
correto afirmar que

a) um firewall instalado no computador evitará as ações danosas de intrusos, hackers e criminosos, garantindo
proteção contra roubo de identidade na Internet.
b) deixar apenas pessoas da família terem acesso ao computador garante que não haja riscos à segurança das
informações.
c) abrir fotografias recebidas por e-mail não representa risco, já que este tipo de arquivo não pode conter códigos
maliciosos.
d) não se deve fornecer informações pessoais solicitadas por quaisquer empresas através de mensagem de e-mail.
e) ter um computador com sistema operacional que não seja Windows garante a segurança, pois os criminosos
preferem atacar os usuários desta plataforma.

282. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) A planilha abaixo, criada no Microsoft Excel 2013, em português, mostra
as microrregiões com maior aumento na taxa de homicídio entre 2004 e 2014.

A B C D E
Populaçã Taxa de
Rankin o
1 UF Microrregião
g Homicídio
(2014) (2014)
2 1 BA Senhor do Bonfim 308.568 18,2
3 2 BA Serrinha 447.707 16
Santo Antônio de
4 3 BA 582.5D5 41,8
Jesus
5 4 PB Cajazeiras 174.671 14,1
6 5 AC Tarauacá 77.929 22
7
Microrregi
0 Cajazeiras
ão:
a População: 14,1

Buscando destacar a microrregião com menor taxa de homicídio, na célula C9 foi utilizada uma fórmula que
pesquisou no intervalo de células de C2 a E6 pelo valor contido na célula C8 e exibiu o valor correspondente da taxa
de homicídio da coluna E (célula E5). A fórmula utilizada foi

a) =PROCV(C8;C2:E6;E;VERDADEIRO
b) =PROCURAR(C2:E6;C8;E3)
c) =PROCH(C8;C2:E6;3;FALSO)
d) =PROCURAR(C8;C2:E6;E)
e) =PROCV(C8;C2:E6;3;FALSO)

283. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Quando o computador é ligado, o processador executa instruções da
Read Only Memory - ROM, acionando um programa contido nessa memória que dá início ao processo de boot, ou seja,
de reconhecimento dos dispositivos de hardware e inicialização do computador. Trata-se do programa chamado

a) Sistema Operacional.
b) BIOS.
c) Config.
d) PROM.
e) SETUP.

284. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: OPERAÇÃO DE


COMPUTADORES) Quando se liga um computador do tipo PC o

a) POST gravado na memória RAM executa o CMOS para fazer a inicialização do computador.
b) BIOS que está na memória ROM executa o POST para fazer o autoteste no hardware do computador.
c) SETUP que está na memória ROM executa o BIOS para fazer o carregamento do Sistema Operacional.
d) POST que está na memória BIOS carrega o CMOS que conduz a inicialização do Sistema Operacional do
computador.
e) BIOS que está na memória ROM executa o SETUP para fazer o autoteste de hardware no computador.

285. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: OPERAÇÃO DE


COMPUTADORES) Ao ligar o computador, um Técnico percebeu que o conteúdo da CMOS foi zerado e visualizou uma
mensagem similar a "CMOS Checksum error - Defaults loaded". Para resolver o problema, na maior parte dos casos,
é necessário

a) trocar a placa mãe, pois a mensagem indica que a memória ROM, embutida na placa, não está mais funcionando
corretamente.
b) trocar a bateria usada para alimentar a memória de configuração e o relógio de tempo real do computador.
c) trocar a memória RAM, já que o programa CMOS fica nessa memória e, aparentemente, está apresentando
problemas de funcionamento.
d) retirar os chips de memória RAM e limpar os contatos encaixados nos slots de memória da placa mãe.
e) recriar a tabela CMOS de configuração do computador utilizando, em linha de comando, a instrução fdisk/mbr.

286. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: OPERAÇÃO DE


COMPUTADORES) As portas USB permitem a conexão de diversos tipos de dispositivos externos ao computador.
Apesar da taxa de transferência obtida na prática ser menor, devido a perdas com envio de informações de controle
e à codificação dos dados a serem transmitidos, portas USB 3.0 permitem uma taxa de transferência de dados
teórica de até

a) 5 Gbps.
b) 480 Mbps.
c) 10 Gbps.
d) 2 Gbps.
e) 64 Gbps.

287. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: OPERAÇÃO DE


COMPUTADORES) Os Solid State Drives - SSDs são unidades de armazenamento totalmente eletrônicas que usam,
para o armazenamento de dados, na maioria dos casos, memórias

a) flash NOR.
b) flash EPROM.
c) cache PROM.
d) flash NAND.
e) flash FreeBSD.

288. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: OPERAÇÃO DE


COMPUTADORES) One difference between CISC and RISC is that CISC processors

a) have complex instructions that take up multiple clock cycles for execution. RISC processors have simple
instructions taking about one clock cycle.

b) are highly pipelined. RISC processors are normally not pipelined or less pipelined.
c) transfer complexity to the compiler that executes the program. The complexity of RISC lies in the micro
program.
d) have a fixed instruction format. RISC processors have variable instruction format.
e) have multiple register sets. RISC processors only have a single register set.

289. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: PROGRAMAÇÃO


DE SISTEMAS) Ao desenvolver um site utilizando HTML5, um Técnico observou que os caracteres acentuados eram
exibidos incorretamente pelo navegador. Para resolver o problema, usou um comando padrão no cabeçalho das
páginas para especificar corretamente a codificação de caracteres. O comando utilizado foi:

a) <meta http-equiv="Content-Type" content = "text/html; lan.g=pt-br”>


b) <page lang=”pt-br" encode="ISO-8859-l">
c) «manifest lang="pt-br" encoding="ASCII">
d) '--meta. chaicrt = " UTF - 8 " >
e) <http-equiv lang="pt-br" content="text/html; charset=UTF-8">

290. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: PROGRAMAÇÃO


DE SISTEMAS) Um desenvolvedor Java SE possui, em uma aplicação, duas subclasses B e C, estendendo a mesma
superclasse A. Na superclasse A há um método calcularValor, também presente nas duas subclasses B e C, mas
implementado de maneiras diferentes. A partir do método main de uma classe principal, utilizou-se o seguinte bloco
de código:

A 11 = nev A O ;

System.out.println(tl.calcularValor());

A t2 = new E();

System.out.println(t2.calcularValor());

A 13 = new C();

System.out.println(t3.calcularValor());

Após compilar e executar a aplicação, foram exibidos na tela os valores 4, 9 e 5. Nessa aplicação evidencia-se o uso
de

a) sobrecarga de métodos.
b) métodos abstratos.
c) métodos estáticos.
d) polimorfismo.
e) sobrecarga de construtor.

291. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: PROGRAMAÇÃO


DE SISTEMAS) A API Criteria permite realizar consultas programadas em aplicações Java. Considere a consulta
abaixo.

Criteria crit = session.createCriteria(Candidato.class); crit. add(("numeroVotos" , new Double


(1000.0)) ) ; crit. add (.II, ("nome11, "Marl" ) ) ;

List results = crit.listO;

Para pesquisar candidatos com número de votos maior que 1000 e que tenham nome começado por Mar, as lacunas
I e II devem ser preenchidas, correta e respectivamente, por:

a) Subqueries.gt e Subqueries.like.
b) FetchMode.gt e FetchMode.like.
c) Projections.gt e Projections.ilike.
d) Restrictions.gt e Restrictions.like.
e) Search.gt e Search.like.

292. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: PROGRAMAÇÃO


DE SISTEMAS) Em uma relação Many-to-Many bidirecional entre as entidades Produto e Cliente, deseja-se
possibilitar a consulta de quais produtos um determinado cliente adquiriu e quais clientes possuem determinado
produto.

Na classe dominante Cliente, em Java, foi utilizada a seguinte notação:

iManyToMany

®JoinTable(name="cliente has produto", joinColumns=

{ ãJoinColumn (name =11 c 1 iente_id") } , inverseJoinColumns=

{áJoinColuran(namer"produto_id")}) private List produtos;

A notação equivalente, na classe Produto, deve ser:

a) @ManyToMany(mappedBy="produtos") private List clientes;


b) @ManyToMany(cascade = CascadeType.ALL) private ArrayList clientes;
c) @OneToMany(cascade=ALL, mappedBy="clientes") private Set clientes;
d) @ManyToMany(referredBy="clientes") private List clientes;
e) @ManyToOne(cascade=ALL, mappedBy="produtos") private ArrayList clientes;

293. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: PROGRAMAÇÃO


DE SISTEMAS) A plataforma de desenvolvimento de aplicativos móveis da Microsoft que permite desenvolver um
único código-fonte e utilizá-lo para Android, iOS e Windows Phone é conhecida como

a) Generic Mobile Studio.


b) Xamarin.
c) Swift Objective-C.
d) PhoneCelerator.
e) Phone.

294. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: PROGRAMAÇÃO


DE SISTEMAS) O Tomcat fornece uma série de filtros que podem ser configurados para aplicações web individuais no
arquivo

a) META-INF/context.xml.
b) WEB-INF/web-filter.xml.
c) CONFIG-INF/filter.xml
d) WEB-INF/web.xml.
e) META-INF/server.xml.

295. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: PROGRAMAÇÃO


DE SISTEMAS) The jQuery $("p:last-of-type") statement selects all elements that are the

a) 2nd child of their parent.


b) only child of their parent.
c) last <p> element of their parent.
d) parent of another element
e) last child of their parent.

296. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: PROGRAMAÇÃO


DE SISTEMAS) Consider the following Facelets code.

<h:form id="forml ">

<h:panelGrid id="panell" rows="2">

<!-- conteúdo -->

</h:panelGrid>

</h:form>

<h:form id=,'form2">

<h: commandBut t on id="button">

<f:ajax renders":forml:panell panel2'r />

</h:commandButton>

<h:panelGrid id="panel2">

<!-- conteúdo -->

</h:panelGrid>

</h:form>

When the button is pressed,

a) panell and panel2 will be rendered and included in forml.


b) panell, in forml will be re-rendered, along with panel2 in form2.
c) only panel2, in form2 will be rendered.
d) panell, in forml will be rendered, unlike panel2 in form2.
e) panell will be replaced by panel2.

297. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: PROGRAMAÇÃO


DE SISTEMAS) Considere o seguinte código PHP:

<?php

function calc(&$var)
{

$var++;

Sa = 5; calc($a) ;

$a+=5; echo $a;

7 >

Ao executar o código, o valor exibido será

a) 10.
b) 7.
c) 11.
d) 6.
e) 9.

298. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: PROGRAMAÇÃO


DE SISTEMAS) In Java EE 6, Expression Language supports both immediate and deferred evaluation of expressions.
Immediate evaluation means that the expression is evaluated and the result returned as soon as the page is first
rendered.

Deferred evaluation means that the technology using the expression language can use its own machinery to evaluate
the expression sometime later during the page's lifecycle, whenever it is appropriate to do so. Expressions that are
evaluated immediately and the expressions whose evaluation is deferred use, respectively, the syntaxes

a) ${}and #{}
b) <exp:snapshot> and <exp:defer>
c) $EXP{} and #EXP{}
d) $EXP{} and #EXP{}
e) $() and #()

Atenção: Para responder às questões de números 299 e 300, considere as informações abaixo.

Considere a existência de um banco de dados com as tabelas criadas pelos comandos abaixo.

CREATE TABLE Partido (

idPartido VARCHAR(4} NOT NULL, nomePart ido VARCHAR(70) , presidentePart ido VARCHAR£50) ,

PRIMARY KEY (idPartido)

> í

CREATE TABLE Filiado ( idFiliado INT NOT NULL, nomeFi1iado VARCHAR(50) , dataPiliacao DATE, idPartido
VARCHAR(4) NOT NULL,

PRIMARY KEY (idFiliado),

FOREIGN KEY (idPartido)

REFERENCES Partido (idPartido)


);

Considere, ainda, que estas tabelas contêm os registros abaixo.

idPartido nomeParüdo

PNC Partido Nacional Constitucionalista

PRC Partido Republicano Constitucionalista

PTP Partido Trabalhista Popular

piesidenteParüdo Paulo Prates Mauro Gomes Andrea Machado

idFilia nomeFiiiado
do
Marcos Paulo
1 Andrade
Maria Silva
2 Prates
3 Marcelo Rocha
Nunes
4 Adriana Soares
5 Juarez Fraclolll
6 Zilda Gomes
7 Jefferson Frade
Ricardo
8 Monteiro
9 Thiago
Brandão
10 José Marques
Murilo
11 Coutinho
12 Juca Souza
dataFiliac Id
ao Partido
12/01/201 PNC
7
30/08/20 PNC
15
20/06/20
PNC
16
30/12/201 PRC
2
18/02/201 PRC
3
01/08/201 PRC
4
12/01/201 PTP
7
21/02/201 PTP
7
17/10/201 PTP
5
28/01/201
PTP
6
Null PTP
Null PRC

299. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPE-

CIALIDADE: OPERAÇAO DE COMPUTADORES) Ao tentar alterar na tabela Partido o idPartido de PNC para PNCT, foi
exibida a mensagem "Cannot delete or update a parent row: a foreign key constraint fails". Isso ocorreu porque o
Sistema Gerenciador de Banco de Dados não conseguiu alterar na tabela Filiado o idPartido dos filiados ao PNC para
PNCT. Para que a alteração fosse bem sucedida, no momento da criação da tabela Filiado, à cláusula REFERENCES
deveria ter sido adicionada a cláusula

a) CONSTRAINT MODIFY CASCADE.


b) ALTER CASCADE.
c) ON UPDATE CASCADE.
d) EXTEND UPDATE.
e) ON ALTER CASCADE.

300. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ES-


PECIALIDADE: OPERAÇÃO DE COMPUTADORES) Ao executar um comando SQL,

foram exibidos os dados abaixo.

Nome

Murilo Coutinho
Juca Souza

O comando utilizado foi

a) SELECT nomeFiliado, idPartido FROM Filiado WHERE dataFiliacao IS NULL;


b) SELECT nomeFiliado Nome, idPartido Partido FROM Filiado WHERE idFiliado> 11;
c) SELECT nomeFiliado as Nome, idPartido as Partido FROM Filiado WHERE dataFi- liacao = NULL;
d) SELECT nomeFiliado AS Nome, idPartido AS Partido FROM Filiado WHERE nomeFi- liado='Murilo Coutinho' AND
nomeFiliado='Juca Souza';
e) SELECT nomeFiliado as Nome, idPartido as Partido FROM Filiado WHERE dataFiliacao IS NULL;

Partido

PTP

PRC
GABARITO

181. a 206. d 231. a 256. d 281. d


182. a 207. c 232. b 257. a 282. e
183. d 208. a 233. d 258. d 283. b
184. d 209. c 234. c 259. b 284. b
185. e 210. e 235. a 260. c 285. b
186. d 211. b 236. a 261. c 286. a
187. b 212. d 237. c 262. e 287. d
188. c 213. c 238. d 263. e 288. a
189. b 214. e 239. b 264. c 289. d
190. c 215. d 240. e 265. c 290. d
191. a 216. a 241. e 266. a 291. d
192. e 217. b 242. b 267. b 292. a
193. b 218. b 243. b 268. d 293. b
194. e 219. d 244. c 269. e 294. d
195. c 220. a 245. e 270. c 295. c
196. d 221. e 246. d 271. a 296. b
197. a 222. d 247. b 272. e 297. c
198. c 223. c 248. e 273. a 298. a
199. e 224. a 249. c 274. e 299. c
200. b 225. e 250. a 275. b 300. e
201. b 226. a 251. d 276. c
202. c 227. d 252. e 277. e
203. a 228. b 253. a 278. a
204. e 229. a 254. b 279. c
205. e 230. e 255. b 280. c
www.grancursosonline.com.br 215 de 740

ARQUIVOLOGIA

301. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) Os teóricos da área costumam afirmar que os documentos de
arquivo têm estatuto probatório congênito. Isso significa que tal característica

a) não prescinde do gesto de atribuição de sentido que os pesquisadores lançam aos documentos.
b) incide sobre as próprias atividades de que os documentos resultam.
c) explica o conceito de vínculo arquivístico, preconizado por Elio Lodolini e Luciana Duranti.
d) é a garantia de que os documentos formam um conjunto dotado de organicida- de.
e) constitui o cerne do mais importante princípio arquivístico: o da proveniência.

302. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) A produção de documentos, no âmbito das instituições


públicas ou privadas, não é arbitrária, nem discricional. Ao contrário, é determinada

a) pelo quadro de arranjo adotado pelos setores de protocolo e arquivo.


b) por normas formuladas pelo Conselho Nacional de Arquivos.
c) por tabelas de temporalidade e planos de classificação aprovados pelos órgãos competentes.
d) pela legislação arquivística vigente em cada unidade da Federação.
e) pelas funções que lhes são atribuídas e pelas normas que as regulam.

303. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) A renomada arquivista espanhola Antonia Heredia Herrera
afirma que o conceito de produção supõe um fluxo documental que inclui tanto os documentos emitidos quanto os
recebidos. Para a
autora, portanto, a maneira mais adequada para definir os arquivos é vê-los como agrupamento ou reunião de
documentos

a) produzidos e emitidos.
b) produzidos e recebidos.
c) recebidos e acumulados.
d) produzidos.
e) em fluxo.

304. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) Robert S. Martin afirma que há uma diferença fundamental
entre usar, ler e ver documentos, funções que caracterizariam, segundo ele, a postura típica que se tem perante os
acervos de

a) museus, bibliotecas e arquivos.


b) bibliotecas, museus e arquivos.
c) museus, arquivos e bibliotecas.
d) arquivos, bibliotecas e museus.
e) arquivos, museus e bibliotecas.

305. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) O instrumento pelo qual uma pessoa recebe de outra(s)
poderes para, em seu nome, praticar atos ou administrar bens é

a) a caução.
b) o protocolo de intenções.
c) o mandado de injunção.
d) a procuração.
e) o contrato social.

306. (2017/DPE/ANALISTA - AREA ARQUIVISTA) A autonomia de sentido é uma das mais importantes
características dos documentos

a) de arquivos intermediários.
b) de arquivos correntes.
c) iconográficos.
d) de arquivos permanentes.
e) de biblioteca.

307. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) Muito utilizado nas políticas públicas de arquivo, o mecanismo
pelo qual determinados órgãos da administração, desprovidos de autonomia para impor normas e procedimentos a
entidades que não estão subordinadas a eles, é conhecido como

a) diagrama de causa e efeito.


b) formato sistêmico.
c) programa 5 S.
d) gerenciamento da qualidade total.
e) gestão estratégica da qualidade.

308. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) O instituto da delegação de competências foi sempre


empregado pela administração estatal no Brasil, seja pelo número insuficiente e pouco especializado de agentes
públicos, em tempos passados, seja pela vontade política de descentralização, mais recentemente. Os documentos
acumulados por uma empresa de direito privado, encarregada da prestação de serviços de iluminação de uma cidade
ou de uma região, constituem, do ponto de vista legal,

a) arquivos públicos.
b) arquivos privados de interesse público.

c) arquivos privados.
d) patrimônio histórico.
e) bens tombados.

309. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) A exigência legal ou a ordem emanada da autoridade - para
que se cumpra, para que se faça ou para que se preste o que é exigido, ordenado ou pedido - é transmitida por meio

a) do memorando.
b) do manifesto.
c) da requisição.
d) da minuta.
e) da moção.

310. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) A espécie documental que registra a opinião fundamentada
sobre matéria submetida à análise de determinada autoridade, emitida em seu nome pessoal ou no do organismo a
que está ligada, é conhecida como

a) ementa.
b) sentença.
c) portaria.
d) estatuto.
e) parecer.

311. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) Arquivos, bibliotecas e museus têm em comum a missão de

a) desenvolver reg ularmente projetos de extroversão de documentos.


b) reunir documentos mediante processo de recolhimento ou transferência.

c) cuidar de documentos cuja natureza é essencialmente contingente.


d) tornar acessível a informação contida nos respectivos acervos.
e) priorizar o conteúdo dos documentos nos respectivos programas descritivos.

312. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) Na fase corrente, a parte acrescida ao final de um documento
para alterar, explicar ou corrigir seu conteúdo, configura

a) a juntada.
b) o aditamento.
c) o desentranhamento.
d) a anexação.
e) o apensamento.

313. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) Questionando os princípios do racionalismo científico e a ideia


de verdades universais, o renomado arquivista canadense Terry Cook (1947-2014) representou, no âmbito da
Arquivologia, a corrente pós-moderna de pensamento. Para o autor, a atribuição de valores aos documentos deve
levar em conta o mais amplo contexto social em que foram produzidos, e não apenas os organismos (públicos ou
privados) de que se originaram. Tal procedimento ficou conhecido como

a) contextualização.
b) seleção natural.
c) macroavaliação.
d) avaliação social.
e) lógica funcional.
314. (2017/DPE/ANALISTA - AREA ARQUIVISTA) Segundo Schellenberg, os documentos podem conter poucas
informações sobre muitas pessoas, coisas ou fenômenos; muitas informações sobre poucas pessoas, coisas ou
fenômenos; e muitas informações sobre muitas pessoas, coisas ou fenômenos. No processo de avaliação de
documentos proposto pelo autor, tais características integram o critério

a) do respeito aos fundos.


b) da pertinência temática.
c) da territorialidade.
d) da temporalidade.
e) da densidade informacional.

315. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) Na descrição dos arquivos permanentes, a data tópica equivale

a) à informação que figura no topo do documento (timbre).


b) ao dia, mês e ano em que o documento foi assinado.
c) ao lugar de produção do documento.
d) ao lugar de produção do documento.
e) à chancelaria responsável pela emissão do documento.

316. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) A utilização de formatos padronizados de assinatura digital no


âmbito da ICP-Brasil é essencial para a confiabilidade e credibilidade do processo de criação e validação da
assinatura. Uma assinatura digital ICP-Brasil com Referência para Arquivamento - AD-RA é formada por

a) uma assinatura digital ICP-Brasil com Referência Básica - AD-RB, à qual foi acrescentado ou logicamente
conectado, por algum meio, um carimbo de tempo emitido por Autoridade de Carimbo do Tempo - ACT credenciada
na ICP-Brasil.

b) um Identificador da Política de assinatura usada na criação e verificação de uma dada assinatura digital
ICP-Brasil, além de dados da assinatura incluídos pelo signatário na ICP-Brasil e uma sequência de código.
c) uma assinatura digital ICP-Brasil com Referência de Tempo - AD-RT, à qual foram acrescentadas referências de
validação e todos os dados necessários para validação da assinatura, além de carimbo do tempo, emitido por
Autoridade de Carimbo do Tempo - ACT credenciada na ICP-Brasil, criado sobre todo esse conjunto de dados e
anexado ou logicamente conectado ao conjunto.
d) uma assinatura digital ICP-Brasil com Referência de Tempo - AD-RT, à qual foram acrescentadas referências
sobre todos os certificados de chave pública e sobre todas as Listas de Certificados Revogados - LCR, além de outro
carimbo do tempo.
e) uma assinatura digital ICP-Brasil com referências para Validação - AD-RV, à qual foram acrescentados todos os
dados necessários para validação da assinatura.

317. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) É por meio do controle das condições de acondicionamento,
armazenamento e climatização, aliadas às propriedades materiais dos suportes, que se obtêm documentos com

a) dispositivo de segurança.
b) valor probatório.
c) valor permanente.
d) proteção de dados.
e) qualidade arquivística.

318. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) De acordo com a e-ARQ Brasil - Modelos de requisitos para
sistemas informatizados de gestão arquivística de documentos, em relação ao plano de classificação adotado, o
sistema
a) precisa ser chancelado pelo Conselho Nacional de Arquivos.
b) impede a eliminação de uma classe inativa.
c) não admite a mudança de nome de uma classe já existente.
d) permite a usuários autorizados o acréscimo de novas classes.
e) deve utilizar o método decimal de codificação.

Dentre os requisitos de referência para apoiar a presunção de autenticidade dos documentos arquivísticos digitais, o
Projeto InterPARES aponta os elementos que permitem identificá-los. Participam da formação do documento, segundo
as diretrizes publicadas pelo Arquivo Nacional,

I. a pessoa física ou jurídica com autoridade e capacidade para emitir o documento, ou em cujo nome ou sob cujo
comando ele foi emitido.
II. a pessoa física ou jurídica com autoridade e capacidade para articular o conteúdo do documento.
III. a pessoa física ou jurídica a quem foi atribuído o endereço eletrônico no qual o documento foi gerado e/ou do qual
ele foi enviado.
IV. a(s) pessoa(s) física(s) ou jurídica(s) a quem o documento foi dirigido ou para quem foi intencionado.

319. (2017/DPE/ANALISTA - AREA ARQUIVISTA) Autor e destinatário correspondem, respectivamente, às


definições de números

a) I e III.
b) I e IV.
c) IV e II.
d) II e III.
e) II e III.

320. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) Redator e originador correspondem, respectivamente, às


definições de números

a) I e III.
b) IV e I.
c) II e III.
d) III e II.
e) I e IV.

321. (2017/DPE/ANALISTA - AREA ARQUIVISTA) Segundo os Princípios de acesso aos arquivos, adotados pelo
Conselho Internacional de Arquivos em 2012,

a) os instrumentos de pesquisa devem omitir a existência de itens restritos, para não estimular a curiosidade dos
usuários.
b) é preciso exigir dos usuários a assinatura de um termo de compromisso para não divulgação de informações
restritas.
c) documentos classificados como de segurança nacional podem exigir medidas e protocolos adicionais de
segurança.
d) as instituições públicas devem recusar doações de documentos com informações sigilosas.
e) os documentos públicos classificados devem permanecer na fase corrente, cumprindo os respectivos prazos de
confidencialidade.

322. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) Quando um instrumento de pesquisa incorpora as


possibilidades que a internet apresenta, entre as quais a de aderir a padrões compartilhados e promover a existência
de comunidades virtuais, deve ser chamado, de acordo com Rubens Ribeiro Gonçalves da Silva, de

a) e-search (pesquisa eletrônica).


b) ponto de acesso.
c) instrumento de acesso.
d) motor de busca.
e) instrumento de referência.

323. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) A contextualização dos documentos de arquivo supõe sempre
pesquisa sobre as atividades desenvolvidas pelo órgão produtor. Quando se pretende classificá-los em uma
perspectiva funcional, é indispensável identificar as ações relacionadas com suas diferentes áreas de atuação.

Dentre as atividades da Defensoria Pública do Rio Grande do Sul, pode-se mencionar o acolhimento às pessoas
vítimas de violações; a mediação em casos de disputa de guarda de filhos; e a contestação de ações de despejo. Tais
processos correspondem, respectivamente, às seguintes áreas:

a) direitos humanos, família e cível.


b) criminal, moradia e prisional.
c) defesa da mulher, saúde e consumidor.
d) ambiental, consumidor e criminal.
e) família, direitos humanos e consumidor.

Atenção: Considere o emprego da palavra memória nas frases abaixo para responder às questões de números 324
e 325.

I - Taunay fez a memória da Guerra do Paraguai.


II - Na memória da reunião ficaram faltando dados importantes.
III - Meu computador quase não tem mais memória.
IV - O descaso com a memória da instituição é patente: basta ver o estado em

que se encontram seus documentos.

324. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) Memória como espécie documental aparece nas frases dos
itens

a) II e III.
b) II e IV.
c) I e IV.
d) I e II.
e) III e I.

325. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ARQUIVISTA) Arquivo e capacidade de armazenamento são significados


presentes, respectivamente, nas frases dos itens

a) I e II.
b) IV e III.

c) II e IV.
d) II e III.
e) I e III.

326. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) De acordo com o princípio da


cumulatividade, os arquivos

a) refletem a estrutura, as funções e as atividades da entidade produtora.


b) devem ser preservados sem mutilação, dispersão ou adição indevida de documentos.
c) conservam caráter único em relação ao seu contexto de produção.
d) não podem ser misturados a documentos de origem distinta.
e) resultam de um processo progressivo e espontâneo de sedimentação de documentos.
327. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ARQUIVOLOGIA) Em razão de sua inalienabilidade, os
arquivos públicos podem ser reivindicados, a qualquer tempo, pelo Estado que os produziu. Isso confere aos
documentos de tais arquivos o atributo da

a) imprescritibilidade.
b) organicidade.
c) unicidade.
d) imparcialidade.
e) autenticidade.

328. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) O conceito de forma está associado ao de

a) suporte.
b) formato.
c) tradição documental.

d) espécie.
e) técnica de registro.

329. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) Ao definir série como "subdivisão do
quadro de arranjo que corresponde a uma sequência de documentos relativos a uma mesma função, atividade, tipo
documental ou assunto", o Dicionário brasileiro de terminologia arquivística (Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005)
associa este conceito ao de

a) dossiê.
b) subclasse.
c) grupo.
d) classe.
e) subgrupo.

330. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) A peça de plástico cilíndrica utilizada como
núcleo dos rolos de películas cinematográficas, com a função de lhes dar sustentação e firmeza, é conhecida como

a) estojo.
b) bitola.
c) gabarito.
d) cassete.
e) batoque.

331. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) Foi a partir da Constituição de 1946 que a
Justiça do Trabalho deixou de ser uma instituição vinculada ao Poder Executivo, passando a integrar o Poder
Judiciário. Tal circunstância coloca, para aqueles que lidam com a documentação trabalhista ao longo do tempo, um
problema de

a) depósito legal.
b) jurisdição arquivística.
c) controle de acervo.
d) derrogação.
e) transferência.

332. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) Os arquivos privados que, em razão do
conteúdo de seus documentos, registram marcos ou dimensões significativas da história social, econômica, técnica
ou cultural do país, podem ser declarados de interesse público e social por meio de
a) decisão ministerial.
b) resolução do Conselho Nacional de Arquivos.
c) instrução normativa.
d) decreto presidencial.
e) medida provisória.

333. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) A implantação de repositórios digitais


confiáveis, elemento fundamental para assegurar a preservação e a autenticidade de longo prazo dos materiais
digitais, vem sendo objeto de discussão desde a década de 1990. O modelo conceitual de referência, então elaborado,
ficou consolidado

a) na Nobrade - Norma Brasileira de Descrição Arquivística.


b) no OAIS - Open Archival Information System.
c) na EAD - Encoded Archival Description.
d) na ISAD (G) - General International Standard Archival Description.
e) no EAC - Encoded Archival Context.

334. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ARQUIVOLOGIA) O sistema registratur, de classificações


apriorísticas que controlam a produção de documentos, foi adotado nos arquivos da

a) Holanda.
b) França e da Bélgica.
c) Alemanha e da Europa Central.
d) Espanha.
e) Grã-Bretanha.

335. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) A quebra da unidade estrutural dos
arquivos, separando os documentos indispensáveis à Administração daqueles que conservam apenas interesse
histórico-cultural, foi resultado das medidas adotadas após

a) a Revolução Francesa.
b) o terremoto de Lisboa.
c) a Guerra Civil Espanhola.
d) a Unificação Italiana.
e) a queda do Muro de Berlim.

336. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) O conjunto de documentos do mesmo tipo,
produzido por um mesmo órgão em decorrência do exercício da mesma função, subfunção e atividade, forma

a) um fundo.
b) uma série.
c) um grupo.
d) um dossiê.
e) uma peça.

337. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ARQUIVOLOGIA) Para acompanhar a movimentação de


documentos, dentro e fora da instituição produtora, utiliza-se

a) o plano de destinação.
b) o fluxograma.
c) o plano de arquivamento.
d) a guia de encaminhamento.
e) a relação de recolhimento.
338. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) À sequência de operações técnicas, que
tem por finalidade dar forma processual ao conjunto de documentos produzidos no decorrer de uma ação
administrativa, visando encaminhamento, manifestação e decisão, dá-se o nome de

a) foliação.
b) recolhimento.
c) autuação.
d) destinação.
e) paginação.

339. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) O ato pelo qual, por determinação legal ou
a pedido de uma das partes, se reúne temporariamente um processo aos autos de outra ação ou demanda, é
conhecido como

a) aditamento.
b) juntada.
c) anexação.
d) reunião.
e) apensamento.

340. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ARQUIVOLOGIA) A renomada arquivista brasileira Heloísa
Liberalli Bellotto considera a possibilidade de estabelecer dois pontos de partida para a análise tipológica:

a) paleografia e diplomática.
b) diplomática e arquivística.
c) edótica e arquivística.
d) ciência da informação e gestão do conhecimento.
e) sigilografia e epigrafia.

341. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) No modelo de análise tipológica


preconizado, de modo pioneiro, pelo Grupo de Arquivistas de Madri (Espanha), registram-se informações sobre uma
série de características e atributos dos documentos, entre os quais figuram

a) a quantidade de itens similares no fundo de que fazem parte e o material empregado em seu acondicionamento.
b) o título, o valor probatório e a entidade que assumiu sua custódia.
c) o processamento técnico a que foram submetidos e seu valor primário.
d) o tipo, a entidade produtora e a legislação que lhes confere legitimidade.
e) a credibilidade de seu conteúdo manifesto e os sinais de validação utilizados pela entidade produtora.

342. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) O meio pelo qual uma autoridade
(executiva ou judicial) profere suas decisões, de caráter final ou interlocutório, exaradas diretamente nos
expedientes que são submetidos a sua apreciação ou em folha separada constante de processo, recebe o nome de

a) sentença.
b) despacho.

c) parecer.
d) comentário.
e) sugestão.

343. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) Assinaturas, carimbos, timbres e selos,
marcas convencionais de autenticidade de um documento, constituem o que os profissionais de arquivo chamam de

a) sinais de validação.
b) indicadores de qualidade.
c) valores agregados.
d) fatores de segurança.
e) elementos de follow-up.

344. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) Os sistemas informatizados de gestão de


documentos e processos administrativos e judiciais, as tabelas processuais unificadas e a lista de verificação para
baixa definitiva de autos constituem, entre outros, instrumentos do

a) Programa Memória do Mundo, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura -
Unesco.
b) Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Iphan.
c) Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário - Proname.
d) Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão de Processos e Documentos do Poder Judiciário
- Moreq- Jus.
e) Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos - e-ARQ Brasil.

345. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ARQUIVOLOGIA) O prontuário funcional é um exemplo típico
de documento

a) composto.
b) heterógrafo.
c) cifrado.
d) hológrafo.
e) apócrifo.

346. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) Os termos a serem empregados, tanto no
momento da indexação quanto no da recuperação, no âmbito dos sistemas de informação, compõem o chamado

a) quadro de equivalência.
b) d icionário especializado.
c) glossário técnico.
d) instrumento de referência.
e) vocabulário controlado.

347. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) Entende-se por aquisição a

a) ação formal em que se funda a transmissão de propriedade de documentos e arquivos.


b) responsabilidade jurídica, temporária ou definitiva, de guarda e proteção de documentos dos quais não se
detém a propriedade.
c) precedência na compra de documentos submetidos a venda pública, em favor de uma entidade estatal.
d) entrada de documentos em um arquivo, como resultado da cessão de sua propriedade por pessoa física ou
jurídica, a título gratuito e em caráter irrevogável, mediante instrumento legal.
e) doação resultante de disposição testamentária ou de manifestação de última vontade.

348. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ARQUIVOLOGIA) Segundo Janice Gonçalves, autora do
manual Como classificar e ordenar documentos de arquivo (São Paulo, 1998), é em decorrência da distinção
tradicional entre "classificação" e "arranjo" que os esquemas ou quadros gerais que os expressam costumam ser
denominados diferentemente: plano de classificação (para os documentos de caráter corrente) e quadro de arranjo
(para os documentos de caráter permanente). Ambos, porém, têm a finalidade de

a) encaminhar documentos à guarda temporária ou permanente, indicando também eventuais mudanças de


suporte.
b) distribuir as áreas de depósito do arquivo, indicando o local das estantes já ocupadas e dos espaços ainda
disponíveis.
c) determinar prazos para transferência, recolhimento, eliminação e reprodução de documentos.
d) traduzir visualmente as relações hierárquicas e orgânicas entre as classes definidas para a organização da
documentação.
e) estabelecer relação de concordância entre diferentes notações dos mesmos documentos.

349. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) Em uma instituição arquivística, compete
ao serviço de referência

a) introduzir o público escolar, sobretudo das séries iniciais, na utilização dos documentos do acervo.
b) promover a divulgação do órgão junto à comunidade, por meio de publicações, exposições, cursos e outras
atividades.
c) orientar o usuário em relação aos documentos de seu interesse, informando-o sobre os instrumentos de
pesquisa disponíveis.

d) conceber, elaborar e publicar instrumentos de pesquisa que favoreçam o acesso


a seu acervo.
e) editar boletins informativos que divulguem seu programa de atividades, dando no-
tícia também dos eventos promovidos.

Atenção!

Os instrumentos de pesquisa, nos arquivos permanentes, variam conforme a unidade que se toma como referência
no processo descritivo. Com base nessa afirmação, responda às questões de números 350 a 352.

350. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) O instrumento de pesquisa que toma por
unidade de referência o acervo de uma instituição é o

a) guia.
b) inventário.
c) catálogo.
d) catálogo seletivo.
e) índice.

351. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) O instrumento de pesquisa que toma por
unidade de referência a série documental é o

a) índice.
b) guia.
c) catálogo.
d) catálogo seletivo.
e) inventário.

352. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ARQUIVOLOGIA) O instrumento de pesquisa que toma por
unidade de referência o item documental é o

a) inventário.
b) guia.
c) catálogo.
d) catálogo seletivo.
e) índice.

353. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) No âmbito da preservação de documentos


digitais, emulação é

a) o processo de transferência de dados de um sistema informatizado para outro, independentemente de


eventuais conversões.
b) a estratégia que se baseia no uso de recursos computacionais para fazer com que uma nova tecnologia possa
funcionar com as características de outra que se tornou obsoleta.
c) a técnica de migração que consiste em mudar a maneira como se apresenta um documento para fins de acesso
ou manutenção dos dados nele contidos.
d) o processo de conversão de um documento para o formato analógico, por meio de dispositivo apropriado.
e) o rastreamento de intervenções ou tentativas de intervenções feitas no sistema computacional.

354. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) A faixa considerada segura para a
umidade relativa dos depósitos de documentos nas instituições de custódia, segundo as Recomendações para a
construção de arquivos (Arquivo Nacional, 2000), é entre

a) 65 e 75%.
b) 35 e 45%.
c) 55 e 65%.
d) 25 e 35%.
e) 45 e 55%.

355. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) A microfilmagem de substituição é


destinada

a) à preservação das informações contidas em documentos de valor permanente que se encontrem danificados ou
sejam objeto de constante manuseio.
b) à obtenção de cópias de segurança.
c) aos instrumentos de pesquisa, com a perspectiva de facilitar a consulta de documentos.
d) aos documentos de valor temporário, posteriormente eliminados com vistas ao aproveitamento de espaço.
e) à complementação do acervo.

356. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) Nas operações e transações realizadas no
sistema financeiro nacional, os documentos

a) nato-digitais devem ser submetidos a auditorias periódicas.


b) que instruem um processo não podem ser objeto de digitalização.
c) digitalizados têm o mesmo valor legal que os documentos que lhes deram origem.
d) que tramitam em meio eletrônico devem ser impressos antes de seu armazenamento definitivo.
e) correspondentes à administração tributária não podem circular em meio eletrônico.

357. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ARQUIVOLOGIA) A definição dos formatos de documentos
digitais, no âmbito das entidades da Administração pública federal, deverá obedecer às políticas e diretrizes
estabelecidas

a) no Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI.


b) na Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.
c) no Conselho Nacional de Arquivos - Conarq.
d) nos Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico - ePING.
e) no Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos - e-ARQ Brasil.
358. (2017/TRT 1ia/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ARQUIVOLOGIA) Os itens que integram o arquivo
permanente de uma instituição, pública ou privada, só adquirem estatuto documental quando o historiador a eles
recorre para fundamentar suas hipóteses. Esta afirmação é

a) correta, porque todo documento é uma construção do historiador.


b) equivocada, porque os documentos de arquivo têm estatuto probatório inato.
c) equivocada, porque apenas os arquivos de instituições públicas desfrutam de tal prerrogativa.
d) correta, porque os documentos de arquivo são desprovidos de autenticidade.
e) correta, porque os documentos de arquivo têm conteúdo inverídico.

GABARITO

301. b
302. e
303. d
304. d
305. d
306. e
307. b
308. a
309. c
310. e
311. d
312. b
313. c
314. e
315. d
316. c
317. e
318. d
319. b
320. c
321. c
322. e
323. a
324. d
325. b

326. e
327. a
328. c
329. a
330. e
331. b
332. d
333. b
334. c
335. a
336. b
337. d
338. c
339. e
340. b
341. d
342. b
343. a
344. c
345. a
346. e
347. a
348. d
349. c
350. a
351. e
352. c
353. b
354. e
355. d
356. c
357. d
358. b

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - AFO

359. (2017/TRE SP/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A Lei Orçamentária Anual, para o
exercício de 2017, de determinado ente público previu receitas e fixou despesas no valor de R$ 2.750.600.000. Não
constou na Lei Orçamentária as despesas com pessoal a serem realizadas pelo respectivo Poder Legislativo, sob a
alegação de que muitos servidores seriam demitidos a partir de janeiro de 2017, portanto, não seria possível fixar o
montante exato de tais despesas. Nestas condições, a Lei Orçamentária NÃO atendeu ao princípio orçamentário da

a) universalidade.
b) moralidade.
c) transparência.
d) exclusividade.
e) unidade.

Atenção: Para responder às questões de números 360 a 362, considere as seguintes informações relativamente à
execução da Lei Orçamentária de determinado ente público, no exercício de 2016, segundo a Lei Federal n°
4.320/1964.

Receitas Arrecadadas

- Cota-Parte do Fundo de Participação dos Estados


- Transferência de Capital destinada à construção de hospitais públicos
- Rendimentos de Aplicações Financeiras
- Aluguel de Imóvel de Propriedade do ente público
- Operações de Crédito de Longo Prazo
- Alienação de Bens Imóveis
- Cota-Parte do Imposto Sobre a Propnedade Territorial Rural
- Indenizações e Restituições
- Multas e Juros de Mora
- Dívida Ativa do ICMS
- Impostos e Taxas

(Valores em RS) 180.000 160.000

45.000

15.000

320.000

210.000

75.000

25.000

10.0 110.000

95.000
Despesas Empenhadas

- Água, Luz e Telefone


- Construção de Ginásio Poliesportivo
- Manutenção de Veículos
- Aquisição de um terreno destinado à construção de duas escolas públicas
- Amortização de parcela de empréstimo de longo prazo
- Juros e encargos da divida de longo prazo
- Aquisição de Material de Expediente
- Folha de Pagamento dos servidores ativos

35.0 180.000

55.000

240.000

120.000

25.000

65.0 390.000

Informações complementares

- Não havendo dotação orçamentária específica, no mês de outubro de 2016, foi aberto um crédito
adicional no valor de R$ 120.000, destinado à aquisição de dois veículos novos, utilizando recursos
por anulação parcial de dotação orçamentária.
- Do total das despesas correntes empenhadas no exercício de 2016 foi pago no próprio exercício
o valor de RS 480.000.
- O total das Receitas de Capital previstas na Lei Orçamentária para o exercício de 2016 foi de
RS 650.000.

360. (2017/TRE SP/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ADMINISTRATIVA) As receitas correntes arrecadadas somam,
em R$,

a) 555.000.
b) 510.000.
c) 540.000.
d) 530.000.
e) 480.000.

361. (2017/TRE SP/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O Valor das despesas correntes
empenhadas no exercício de 2016 e não pagas inscrito em restos a pagar é, em R$, igual a

a) 25.000.
b) 90.000.
c) 35.000.
d) 65.000.
e) 210.000.

362. (2017/TRE SP/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ADMINISTRATIVA) As receitas de capital arrecadadas


durante o exercício de 2016 apresentaram

a) insuficiência de arrecadação

b) insuficiência de arrecadação
R$ 170.000
R$ 120.000

c) excesso de arrecadação

d) superávit de arrecadação

R$ 220.000

e) excesso de arrecadação

R$ 150.000
R$ 40.000

363. (2017/TRE SP/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ADMINISTRATIVA) No orçamento da União,

a) a inscrição de restos a pagar processados é uma receita orçamentária classificada como Outras Receitas
Correntes.
b) o ganho decorrente da reavaliação de ativos imobilizados é uma receita orçamentária de capital.
c) a remuneração de aplicações financeiras é uma receita extraorçamentária.
d) a aquisição de um software com vida útil indefinida é uma receita orçamentária de capital.
e) o produto da alienação de um bem imóvel é uma receita orçamentária de capital.

364. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Durante o mês de dezembro de 2016,
ocorreram as seguintes transações em uma determinada entidade pública: - Aquisição de material de consumo pelo
valor de R$ 100.000,00. - Devolução de um depósito caução no valor de R$ 25.000,00. - Alienação de um veículo por
R$ 45.000,00, com perda de R$ 12.000,00. - Reconhecimento dos juros referentes à dívida consolidada no valor de
R$ 27.000,00. - Reconhecimento da depreciação do ativo imobilizado no valor de R$ 68.000,00. - Utilização de ma-
terial de consumo no valor de R$ 85.000,00. - Aquisição de um veículo no valor de R$ 43.000,00 em 31/12/2016.
Com base nessas informações, o total das variações patrimoniais quantitativas diminutivas foi, em reais,

a) 192.000,00.
b) 207.000,00.
c) 217.000,00.
d) 235.000,00.
e) 165.000,00.

365. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ADMINISTRATIVA) Com a finalidade de aperfeiçoar os


serviços prestados por um Tribunal Regional do Trabalho, está sendo pleiteada a construção de um prédio, cujo
prazo de execução será três anos. Para isso, uma emenda ao Projeto de Lei Orçamentária Anualpoderá ser aprovada
desde que

a) indique os recursos necessários para a construção do prédio que podem ser provenientes da anulação da
dotação de despesas com pessoal e seus encargos.
b) indique os recursos necessários para construção do prédio que podem ser provenientes da anulação das
despesas com serviços da dívida.
c) seja compatível com o Plano Plurianual e a Lei de Diretrizes Orçamentárias.
d) seja proposta pelo Poder Judiciário e atenda ao limite de 1,5% da Receita Corrente Líquida prevista no projeto
encaminhado pelo Poder Executivo.
e) seja proposta pelo Poder Legislativo e indique que os recursos necessários para a construção do prédio serão
provenientes de operações de crédito.

366. (2017/TRT 11a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA CONTABILIDADE) Sobre Administração Financeira e


Orçamentária é correto afirmar que:
a) a Lei Orçamentária Anual (LOA) é o elo entre o Plano Plurianual (PPA) e a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).
b) a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), deve dispor, entre
outros fatores, sobre os critérios e formas de limitação de empenho.
c) a Lei Orçamentária Anual (LOA) deverá conter os Anexos de Metas e Riscos Fiscais.
d) o Orçamento Fiscal é composto pelas despesas com saúde, previdência social e assistência social vinculadas a
entidades e órgãos da administração direta e indireta e a empresas públicas.
e) a abertura de créditos adicionais suplementares fere o princípio orçamentário da exclusividade.

-GRAN CURSOS

367. (2017/TRT 11a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O gestor de uma entidade do Poder
Judiciário Federal

a) pode propor emendas à Lei Orçamentária Anual, desde que indique que os recursos necessários serão
provenientes de operações de crédito.
b) pode encaminhar a Lei Orçamentária Anual referente ao Poder Judiciário des- tacadamente da Lei Orçamentária
Anual do Poder Executivo para aprovação pelo Poder Legislativo.
c) pode realizar a despesa orçamentária com construção de um prédio, cujo prazo de execução é superior a dois
anos, desde que compatível com o Plano Plurianual e a Lei de Diretrizes Orçamentárias.
d) deve inserir um dispositivo com a autorização para a abertura de créditos adicionais especiais e para a
contratação de operação de crédito por antecipação da receita orçamentária na Lei Orçamentária Anual.
e) deve abrir créditos adicionais extraordinários para reforçar uma dotação já existente para despesas com Outros
Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica.

368. (2017/TRT 11a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Em um Tribunal Regional do Trabalho, as

a) despesas com telefone e material de expediente são despesas de capital.


b) despesas com a aquisição de um terreno para a construção de um prédio são classificadas como investimentos.
c) despesas com passagens e diárias são classificadas como inversões financeiras.
d) receitas com a alienação de bens móveis são classificadas como receitas correntes.
e) receitas de prestação de serviços são classificadas como receitas de capital.

GABARITO

359. a
360. a
361. b
362. e
363. e
364. a
365. c
366. b
367. c
368. b

DIREITO ADMINISTRATIVO

369. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) A estruturação da Administração pública em


Administração direta e indireta traz implicações para o exercício das atividades que devem ser disponibilizadas aos
administrados, direta ou indiretamente. Para tanto,

a) as pessoas jurídicas que integram a Administração indireta são dotadas dos mesmos poderes típicos da
Administração indireta, a exemplo do poder de polícia, com a peculiaridade de que todos os aspectos de seu exercício
devem estar expressamente previstos em lei.
b) a Administração central remanesce exercendo o poder hierárquico sobre as pessoas jurídicas que integram a
Administração indireta, como forma de garantir o alinhamento do escopo institucional desses entes com as diretrizes
do Poder Executivo.
c) o poder normativo inerente ao Chefe do Poder Executivo não pode ser delegado aos entes que integram a
Administração indireta, independentemente da matéria ou da natureza jurídica dos mesmos, por se tratar de
competência exclusiva.
d) os entes que integram a Administração pública indireta ficam adstritos ao escopo institucional previsto nas leis
ou atos que os instituíram, cabendo à Administração Central o acompanhamento dessa atuação, no regular exercício
do poder de tutela, que não implica, contudo, ascendência hierárquica sobre os mesmos, salvo expressa disposição
nesse sentido.
e) a discricionariedade, inerente à atuação da Administração pública direta, não se estende aos entes que integram
a Administração pública indireta, cuja atuação deve vir prevista em lei, à exceção das agências reguladoras, que
exercem poder normativo autônomo.

370. (2017/TRT 21a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Uma concessionária de serviço público
metroviário adquiriu, no decorrer da execução do contrato, bens imóveis onde foram edificadas novas estações,
como parte do objeto de ampliação da rede desse modal de transporte; bens imóveis onde foram implantados
shoppings e alas de serviço e comércio, também exploradas pela mesma concessionária; e, por fim, terrenos
vizinhos das instalações do metrô, para livre exploração, a fim de capturar a valorização e aumento de circulação na
região, áreas essas não abrangidas pelo perímetro declarado de utilidade pública para fins de ampliação e operação
da rede metroviária. O regime jurídico dedireito público

a) aplica-se às três categorias de bens, tendo em vista que todos foram adquiridos com recursos oriundos da
exploração de serviço público, razão pela qual possuem natureza de bens reversíveis, devendo ser transferidos ao
poder concedente com o término davigência contratual.
b) aplica-se aos bens imóveis utilizados para implantação da infraestrutura do modal de transporte, tais como os
trilhos, bem como àqueles onde estiverem instalados os shoppings e demais serviços e comércio, não obstante as
três categorias de bens tratadas se consubstanciem em bens reversíveis.
c) não se aplica aos bens adquiridos pela concessionária diretamente e para exploração livre, considerando que
não estejam abrangidos pelo perímetro objeto da concessão e não representem investimento amortizável durante a
concessão, tendo sido adquiridos por meio de receitas próprias da empresa.
d) não se aplica a nenhuma das categorias mencionadas de bens adquiridos pela concessionária, vigendo o regime
jurídico de direito privado até o término da concessão, quando ocorre, obrigatoriamente, a reversão dos mesmos ao
patrimônio do poder concedente.
e) aplica-se de forma híbrida, tendo em vista que enquanto figurar na condição de concessionária, a integralidade
do patrimônio mobiliário e imobiliário da empresa fica protegido pelo regime jurídico de direito público, não podendo
ser penhorado, a fim de evitar qualquer interrupção ao serviço público com eventual perdimento de bens.

371. (2017/TRT 21a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Pretende um determinado Município realizar
procedimento para identificação, no setor privado, de pessoa jurídica apta a gerir uma unidade de reabilitação recém
construída pelo ente no bojo de seu Programa "Cuidar, Reabilitar e Incluir". Uma possível solução para a
municipalidade seria a realização de

a) convênio administrativo com pessoa jurídica que tenha expertise para a gestão do equipamento público e
prestação dos serviços públicos daquela natureza, mediante remuneração estipulada pelo número de munícipes
atendidos.
b) procedimento de chamamento para seleção e posterior celebração de termo de colaboração com organização da
sociedade civil, para a realização das finalidades de interesse público comum e recíprocas de gestão do equipamento
público e atendimento dos munícipes enquadrados no Programa.
c) licitação para contratação de organização da sociedade civil sem fins lucrativos, em razão da finalidade social da
contratação, para prestação dos serviços de gestão e atendimento dos munícipes enquadrados no Programa,
limitada a remuneração ao equivalente ao custo da pessoa jurídica.
d) contratação direta, por meio de dispensa de licitação, com entidade da sociedade civil sem fins lucrativos que
preencha os requisitos de notoriedade e apresente comprovada experiência na execução do objeto que se pretende
contratar.
e) procedimento de credenciamento para identificação das pessoas jurídicas aptas à realização dos serviços
especializados buscados pelo Município, de modo que possam ser firmados contratos por prazo certo e subsequentes
com todos os integrantes da lista.

372. (2017/TRT 21a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Em relação aos servidores públicos que
ocupam cargo ou emprego público e ao exercício dos poderes inerentes à Administração pública,

a) o poder disciplinar aplica-se exclusivamente aos servidores ocupantes de cargos públicos, estando os
empregados públicos, no exercício de suas funções, sujeitos ao poder depolícia pelo Estado.
b) o vínculo efetivo dos servidores públicos autoriza que os ocupantes de cargo exerçam o poder normativo e
regulamentar com a edição de decretos autônomos de organização administrativa.
c) o poder hierárquico distingue-se do poder disciplinar, com este não se confundindo, aplicando-se o primeiro
para as relações funcionais com o Poder Público, sendo o disciplinar para qualquer relação contratual entre poder
público e terceiros não servidores.
d) em que pese o poder de polícia se aplique a todos os servidores públicos, no exercício de suas funções, titulares
de cargos efetivos, ocupantes de empregos públicos ou aqueles que ocupam cargo em comissão, seu exercício é
exclusivo do Chefe do Executivo, em razão de sua indelegabilidade.
e) não obstante a diversidade de regime jurídico a que estão sujeitos, há normas comuns, aplicáveis às duas
categorias, como a exigência de concurso público para ingresso no serviço público, excetuadas as nomeações para
cargos comissionados, nos termosda lei.

373. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Durante um procedimento licitatório para
contratação de empresa para construção de uma arena destinada a sediar os jogos de abertura de importante
campeonato internacional de futebol, a Administração pública, alegando motivo superveniente, de conveniência e
oportunidade, qual seja, a alteração do município sede da abertura dos referidos jogos, decidiu desfazer a licitação,
pois o projeto havia sido concebido para ser executado em terreno específico situado no município que seria,
originalmente, sede dos referidos jogos. O ato administrativo a ser produzido pela autoridade competente é o

a) anulatório, suscetível tanto a controle interno como externo e limitado, em ambos os casos, à competência da
autoridade que o exarou.
b) anulatório, suscetível apenas de controle interno, com efeitos ex nunc, por se cuidar de atividade contratual da
Administração.
c) revocatório, suscetível de controle pelo Poder Judiciário quanto à competência, à forma e ao motivo, neste
último caso em razão da teoria dos motivos determinantes.
d) revocatório, suscetível de controle interno apenas e com efeitos ex tunc.
e) anulatório, não suscetível de controle pelo judiciário, que está impedido de analisar o mérito das decisões
administrativas, em razão do princípio da separação dos poderes.

374. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) O chefe do departamento pessoal de uma
determinada autarquia federal, para o bom funcionamento dos serviços afetos à sua unidade, editou ato normativo
interno estabelecendo horários de saída para o almoço, respeitando, para tanto, as especificidades das jornadas de
trabalho de cada subordinado. Justificou o ato na necessidade de a unidade contar, sempre, com pelo menos um
servidor. A edição do ato encontra fundamento no poder

a) de polícia, que é próprio da função administrativa, e assim denominado por cuidar-se, na hipótese, de pessoa
jurídica integrante da Administração pública indireta.
b) hierárquico, que é próprio da função administrativa, e por meio do qual a Administração pública mantém a
disciplina e impõe o cumprimento de deveres funcionais.
c) disciplinar, que obriga o cumprimento, pelos subordinados, das ordens dos superiores, sob pena de punição.
d) hierárquico, que, no entanto, deixou de ser próprio da função administrativa, em razão do princípio da eficiência,
que exclui a ingerência dos superiores.
e) disciplinar, que se sobrepõe e se confunde com o poder hierárquico, pois atribui competência ao administrador
para aplicar penalidade aos seus subordinados.
375. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) A Administração pública federal, buscando
angariar receita para investir em políticas públicas prioritárias, decidiu alienar alguns de seus bens. Para tanto,
objetivando dar transparência ao processo e legitimar a política pública, publicou relação dos bens que seriam, res-
peitadas as formalidades legais, alienados. É juridicamente viável que dessa relação constem:

a) os rios navegáveis, em razão da pujança econômica do país, que produz grãos e precisa escoá-los.
b) os rios navegáveis, em razão da pujança econômica do país, que produz grãos e precisa escoá-los.
c) os bens do domínio público, porquanto, na hipótese, o princípio da eficiência se sobrepõe ao da legalidade,
autorizando, assim, a alienação.
d) os bens dominicais também denominados de bens do domínio privado do estado.
e) todos os imóveis, desde que suscetíveis de valoração patrimonial, mesmo que afetados à prestação de serviços
públicos, em especial nas hipóteses de bens administrados por concessionárias de serviço público, que têm a
obrigação de realizar investimentos como forma de compensação pelo direito de explorar, por prazos longos,
serviços públicos.

376. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Dentre as principais características dos
serviços públicos e da prestação dos mesmos, considerando aqueles como atividades de disponibilização à população
de utilidades públicas, assim reconhecidas pela legislação, está sempre presente a

a) continuidade da prestação dos serviços, não sendo permitido ao concessionário, na hipótese de delegação à
iniciativa privada, a interrupção da execução contratual em favor dos usuários.

b) responsabilização sob a modalidade objetiva dos entes responsáveis por sua prestação, independentemente
desta se dar de forma direta ou indireta, desta sendo exemplo a concessão ou permissão.
c) igualdade dos usuários, somente se admitindo o estabelecimento de tarifas diferenciadas no caso de prestação
mediante regime de concessão ou permissão de serviços públicos.
d) adequação do serviço público, podendo o poder concedente impor ao concessionário a obrigação de
internalização de novas tecnologias, independentemente de previsão contratual, com base no princípio da boa
qualidade.
e) gratuidade quando se trata da exploração direta dos serviços públicos, não sendo admissível a cobrança dos
usuários, permitida apenas quando da necessidade de remuneração da iniciativa privada, na qualidade de
delegatária.

377. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Às decisões que extinguem os atos
administrativos por vício de legalidade e por razões de conveniência e oportunidade, dá-se os nomes,
respectivamente, de

a) anulação e revogação, não retroagindo seus efeitos à data da edição dos atos viciados, razão pela qual ficam
preservados todos os efeitos produzidos até a data da extinção.
b) anulação e invalidação, retroagindo seus efeitos à data da edição dos atos viciados, acarretando, portanto, a
desconstituição dos efeitos até então produzidos.
c) revogação, cujos efeitos retroagem à data da edição do ato viciado, e anulação, cujos efeitos passam a ser
produzidos somente quando de sua edição.
d) anulação, cujos efeitos não retroagem à data da edição do ato anulado, e invalidação, cujos efeitos retroagem
à data do ato invalidado, declarando-se, na sequência, a reconstituição da situação jurídica anterior, com a
manutenção de efeitos.

e) anulação, retroagindo, como regra, seus efeitos à data da edição do ato, com a desconstituição deste, e
revogação, cujos efeitos são produzidos a partir de então.
378. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Em uma das escolas técnicas do ensino
público de um Estado da Federação foi implantado um programa de desenvolvimento e execução de projetos ligados
ao setor da construção civil de menor complexidade. Um grupo de alunos ganhou um concurso interno com proposta
de projeto de instalação de fornos de pizza padronizados nas escolas, possibilitando disponibilização de dupla
capacitação, tanto para construção das instalações quanto para profissionalização no ofício de pizzaiolo. Em razão
disso, a Administração decidiu desenvolver um projeto piloto na unidade onde estudavam os autores do projeto.
Ficando a cargo dos alunos da unidade a implantação do projeto, a Administração pública

a) poderia realizar pregão para aquisição do material de construção necessário para a construção das instalações,
porque possível especificação objetiva dos itens e devidamente justificada a compra conjunta dos mesmos.
b) poderá adquirir o material necessário à construção mediante dispensa de licitação, em razão da finalidade
socioeducativa da compra.
c) deverá providenciar licitação para contratação de projeto básico e construção da obra, fazendo constar do edital
que a implantação se daria com mão de obra própria dosalunos.
d) deverá firmar convênio administrativo com outros entes públicos que também guardem interesse na
consecução do projeto, para que seja viabilizada a captação de recursos para a efetiva construção.
e) deverá adquirir o material de construção necessário mediante contratações individualizadas para cada item, a
fim de ser possível tipificar em mais de uma delas a hipótese de dispensa de licitação em razão do valor.

379. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ADMINISTRATIVA) A Superintendência de uma autarquia


municipal do setor de transportes editou um decreto estabelecendo a redução da velocidade em determinado trecho
de uma estrada, como forma de prevenção de acidentes, cuja violação passou a configurar nova infração de trânsito
passível de ser apenada com multa e pontuação na carteira de habilitação dos condutores. Identificou-se, em razão
de apuração de denúncia anônima, que o trecho da estrada onde havia sido determinada a redução da velocidade
coincidia com o local onde recentemente haviam sido fixados outdoors de propaganda, precedidos de contratação
com a Municipalidade. Parecia conveniente, portanto, que a velocidade fosse reduzida naquele trecho, o que
potencializaria a exposição dos outdoors. Considerando os fatos narrados,

a) a atuação da autarquia é independente e autônoma e, como tal, não pode ser questionada, considerando que
referido ente possui personalidade jurídica própria, em especial porque o ente não captura ganhos porventura
direcionados ao Município.
b) o ato editado pela autarquia excedeu os limites formais do poder normativo atribuído ao Executivo, tendo em
vista que decreto é ato privativo do Chefe do Executivo, bem como materiais, dado que a esse ato não seria
permitido inovar no ordenamento jurídico, independentemente da competência constitucional para legislar nessa
matéria.
c) o decreto editado possui vícios apenas de cunho material, porque instituiu nova infração, passíveis de serem
sanados com a revogação desta consequência, remanescendo válida a redução de velocidade operada.
d) a atuação da autarquia pode ter excedido os limites do poder de polícia e editado ato com desvio de finalidade,
sendo necessária prova do dolo e, em especial, do abuso de poder praticado, para que seja viável o desfazimento do
ato.
e) violou os poderes conferidos à Administração pública, porque ainda que o conteúdo seja inerente ao poder
disciplinar, dirigido a todos os administrados, o ato praticado deveria ter adotado a forma de Resolução ou Portaria.

380.
381. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Recém empossado ao cargo de Chefe do
Executivo Municipal, o novo Prefeito de determinado município iniciou a implementação de seu plano de governo,
que continha, dentre outras providências, plano para expansão do sistema viário, a fim de possibilitar o
desenvolvimento urbano da cidade. O Ministério Público ajuizou ação questionando a atuação municipal, sob o
fundamento de que outras políticas públicas antes prioritárias haviam sido substituídas. O Poder Judiciário, quando
da análise da ação judicial ajuizada pelo Ministério Público,

a) poderá analisar a política pública do novo prefeito, adentrando a verificação da melhor decisão a ser adotada, a
ampliação do sistema viário ou os programas anteriormente em execução.
b) não poderá dar procedência à ação, tendo em vista que o controle dos atos administrativos somente pode se dar
sob os aspectos de legalidade, tanto no âmbito do Poder Judiciário, quanto no Legislativo, com auxílio do Tribunal de
Contas.
c) poderá analisar os atos do Poder Executivo sob o prisma da legalidade, mas não poderá adentrar ao mérito da
escolha da Administração, vez que é inerente à dis- cricionariedade administrativa a possibilidade de decisão perante
mais de uma opção igualmenteválida.
d) poderá decidir pela procedência da ação, a fim de analisar a adoção das políticas públicas identificadas como
prioritárias, considerando que o Ministério Público possui poderes para controle de mérito e de legalidade da
Administração pública, ainda que o Judiciário não possa adentrar o mérito das escolhas do Executivo.
e) não poderá prover a ação em razão de não ter sido indicado, especificamente, qual a medida que deveria ter
sido adotada pela Administração pública, pois ao Judiciário caberia decidir entre uma ou outra opção apresentada
para sua análise.

381. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - AREA ADMINISTRATIVA) O órgão federal de fiscalização das


relações de trabalho impôs penalidade administrativa contra certa empresa, por violação a determinadas normas de
proteção à saúde e à segurança do trabalhador. A empresa pretende propor ação para impugnar o ato administrativo
que lhe impôs a multa, por entendê-lo ilegal. Nesse caso, a ação deverá ser proposta perante o

a) juiz estadual competente, sendo vedado pela Constituição Federal o ajuizamento perante o juizado
especialestadual.
b) juiz estadual competente, não sendo vedado pela Constituição Federal o ajuizamento perante o juizado
especialestadual.
c) Tribunal de Justiça competente originariamente para o feito.
d) órgão da justiça do trabalho competente.
e) órgão da justiça federal competente.

382. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: CONTABILIDADE) A


invalidação de um contrato administrativo pode acarretar distintas consequências em relação às partes da relação
jurídica, tais como

a) dever da Administração pública indenizar o contratado por investimentos feitos e lucros cessantes sempre que
houver invalidação contratual.
b) impossibilidade de indenização do contratado quando este der causa ou concorrer com a Administração pública
para a invalidação do contrato.
c) a obrigatoriedade da reversibilidade fática e financeira dos efeitos do contrato, independentemente de seu
objeto.
d) a impossibilidade de indenização do contratado nos casos em que este agir com má-fé e der causa à invalidação
do instrumento, ressalvada remuneração pelos serviços já executados.

e) dever de indenização do contratado, sob pena de enriquecimento ilícito, independentemente da natureza do


objeto e da reversibilidade dos efeitos gerados pelo contrato.

383. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO - ESPECIALIDADE: CONTABILIDADE)


No que se refere aos atos administrativos vinculados e discricionários, a motivação dos atos administrativos é
inafastável

a) nos atos vinculados, a fim de que se verifique as razões de mérito do administrador para a edição e se há
fundamento na legislação aplicável ao caso.
b) nos atos administrativos discricionários, para que possa ser demonstrada a existência do motivo que justifica a
edição do ato, bem como sua legalidade.
c) tanto nos atos vinculados quanto nos atos discricionários, para que se verifique se os motivos de conveniência
e oportunidade são aderentes ao que está prescrito na lei.
d) nos atos discricionários, para que se verifique se os pressupostos fáticos preenchem os requisitos legais
específicos que determinam a edição daqueles.
e) nos atos discricionários, para que possa ser identificado o mérito do ato, possibilitando o controle de legalidade
sobre os mesmos e, em consequência, eventual hipótese de revogação domesmo.

384. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Determinado estabelecimento comercial, situado nas proximidades de equipamentos
públicos, tais como escolas e hospitais, foi interditado pela vigilância sanitária, em razão de estar comercializando
alimentos fora da data de validade e deteriorados. Antes da interdição, o estabelecimento foi notificado e lhe foi
oportunizada a apresentação de defesa. No mesmo ato, alguns alimentos foram apreendidos, sendo constatado,
inclusive, que estavam impróprios para o consumo. Em defesa, a pessoa jurídica interditada alegou que a
Administração agiu de forma arbitrária, porque, para tanto, dependeria de ordem judicial prévia e de perícia
produzida sob o crivo do contraditório. A alegação
a) procede, pois à Administração é vedado agir diretamente, especialmente para limitar direitos, hipótese em que,
somente por ordem judicial, poderia haver a apreensão de mercadorias e a interdição.
b) procede, porque a Administração deveria, antes da interdição, ter autuado o estabelecimento, solicitando, se
não cessasse a conduta, autorização legislativa para a interdição.
c) improcede, pois a Administração está autorizada, em defesa do interesse público, a limitar ou interditar direitos
dos administrados sem ter que previamente recorrer ao judiciário, com fundamento no Poder de Polícia.
d) improcede, pois a Administração pode produzir atos discricionários, pautados em critério de conveniência e
oportunidade, que limitam ou interditam direitos, atividade que não se sujeita a controle externo, razão porque, na
hipótese, prescinde-se de prévia autorização judicial.
e) procede, pois desde a Constituição Federal de 1988, foi consagrado o princípio democrático, que, com
fundamento no consensualismo, não mais permite a produção de atos administrativos autoexecutórios.

385. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) O Ministro da Saúde entendeu por bem substituir seu Chefe de Gabinete, que é servidor
público de carreira da União, ocupante de cargo em comissão na Chefia de Gabinete do referido ministério. Para
tanto,

a) deverá, após processo administrativo com direito à ampla defesa, demiti-lo, desde que fique comprovada a
atuação insuficiente.
b) poderá, após processo administrativo com direito a ampla defesa, exonerá- lo, desde que fique comprovada
prática de ilícito administrativo apenável com demissão simples ou agravada.

c) poderá exonerá-lo do cargo em comissão, sem a necessidade de prévio processo administrativo, devendo, no
entanto, obrigatoriamente motivar o ato.
d) poderá exonerá-lo do cargo em comissão, sem a necessidade de prévio processo administrativo e
independentemente de motivação.
e) poderá exonerá-lo do cargo efetivo, independentemente de prévio processo administrativo, com o que o vínculo
comissionado e a relação funcional se extinguem.

386. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) A Administração após exarar ato administrativo que produziu efeitos favoráveis aos
administrados apercebeu-se de que o ato foi expedido em desconformidade com a lei de regência, além de ter sido
proferido por autoridade incompetente. Nesta hipótese,poderá

a) revogar com efeitos ex nunc o ato, desde que, para tanto, respeite o prazo legal.
b) anular com efeitos ex nunc o ato, desde que já não tenha sido impugnado, independentemente do prazo.
c) revogar o ato, no exercício da autotutela, que não se sujeita à limite temporal e tem, como regra, efeitos ex
tunc.
d) anular o ato, no exercício da autotutela, que se sujeita à limites temporais e, como regra, produz efeitos ex tunc,
preservados os direitos de terceiros de boa-fé.
e) anular o ato, no exercício da autotutela, que não se sujeita à limites e sempre produz efeitos ex tunc, em razão
do princípio da estrita legalidade.

387. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) O Departamento Nacional de Infraes- trutura de Transportes - DNIT, autarquia federal
vinculada ao Ministério dos Transportes, ao executar obras viárias acabou por causar prejuízos para proprietários ru-
rais lindeiros, porquanto a implementação das obras desviou artificialmente o curso

das águas das chuvas de modo que passaram a atingir, diretamente, as plantações, causando erosões e
alagamentos nas propriedades vizinhas a rodovia federal não concedida. Considerando esta situação hipotética, os
atingidos

a) podem ingressar com ação de responsabilidade civil em face da autarquia, na qual terão que demonstrar o dano,
nexo causal entre prejuízo sofrido e a execução das obras, com o que exsurge o direito à indenização.
b) podem ingressar com ação de responsabilidade civil em face da autarquia, devendo, no entanto, demonstrar
culpa ou dolo na execução das obras, para terem direito à indenização.
c) podem acionar a autarquia, mas, antes, devem mover ação em face da empreiteira contratada para executar as
obras, demonstrando falha na execução dos serviços e o nexo causal.
d) somente podem acionar a empreiteira contratada pela autarquia para a execução das obras, porquanto, na
hipótese de terceirização de serviços, fica excluída a responsabilidade estatal.
e) podem escolher acionar a autarquia ou mover ação em face do ente criador (União), porquanto a pessoa jurídica
instituidora responde integralmente pelos atos da entidade que criou.

388. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) O Poder Público, após obter autorização legislativa específica, pretende implementar política
pública de segurança alimentar destinada à primeira infância. Para tanto, e nos termos da lei, distribuirá leite às
famílias de baixa renda que tiverem filhos menores de sete anos de idade, abaixo do peso recomendável pela
literatura médica para a faixa etária. Visando instituir o programa, atribuir competência a um de seus órgãos
(Ministérios) e estabelecer os critérios técnicos de seleção dos beneficiários, o Chefe do Executivo

a) poderá editar, com fundamento no Poder de Polícia, decreto, em razão de produzir efeitos externos.
b) deverá editar regimento, ato administrativo unilateral, com efeitos externos e sujeito à aprovação do Poder
Legislativo.
c) poderá expedir decreto, que tem fundamento no Poder Regulamentar, efeito externo e está sujeito à controle
externo.
d) poderá expedir regimento, que se fundamenta no Poder Regulamentar, produz efeitos internos apenas, uma vez
que não se admite regulamento autônomo ou independente no Brasil.
e) poderá editar deliberação, ato administrativo bilateral, com efeitos internos, fundamentado no Poder
Normativo.

389. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) A União pretende descentralizar serviço público de sua competência, atribuindo-o à pessoa
com personalidade e natureza jurídica pública e capacidade de autoadministração. Para tanto, o Chefe do Executivo
deverá

a) optar por enviar projeto de lei para criar autarquia ou para autorizar a instituição de empresa pública ou
sociedade de economia mista, sendo, na primeira hipótese, transferida a titularidade do serviço e nas demais apenas
sua prestação.
b) enviar projeto de lei para autorizar a instituição de uma autarquia, transferindo-lhe, posteriormente, por meio
de concessão, a prestação do referido serviço.
c) enviar projeto de lei para criar uma empresa pública transferindo-lhe a titularidade do referido serviço.
d) enviar projeto de lei para autorizar a criação de uma empresa pública, transferindo-lhe a titularidade do referido
serviço ou, posteriormente, autorizando sua prestação por meio de permissão.
e) enviar projeto de lei para criar uma autarquia e transferir-lhe a titularidade do referido serviço público.

390. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A realização de um evento comemorativo


no parque municipal, durante um final de semana, com diversas atividades esportivas comandadas por professores
especializados e franqueadas gratuitamente à população, organizado por uma entidade sem fins lucrativos, poderá
ser implementada pela Municipalidade local mediante

a) contratação direta, com dispensa de licitação, por se tratar de pessoa jurídica sem fins lucrativos.
b) outorga de concessão de serviço público, para prestação das atividades indicadas à população local.
c) outorga de permissão de uso em favor da entidade, para que realize na área pública as atividades que
beneficiam e interessam a toda a comunidade.
d) contratação de permissão de uso com a entidade, para que os serviços sejam prestados, fixando-se em favor da
mesma remuneração no valor equivalente aos custos para realização do evento.
e) contratação de permissão de uso com a entidade, para que os serviços sejam prestados, fixando-se em favor da
mesma remuneração no valor equivalente aos custos para realização do evento.

391. (2017/TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL/5a REGIÃO/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A


Administração pública desempenha suas atividades por meio dos diversos órgãos instituídos para essa finalidade,
sendo também forma de distribuição de competências a

a) desconcentração, que pressupõe a criação de pessoas jurídicas com competências próprias, que passam a
integrar a chamada Administração indireta.
b) descentralização, por meio da qual os órgãos administrativos se compõem, constituindo pessoas jurídicas com
personalidade jurídica de direito público, para que possam prestar, de forma autônoma, as diversas atribuições
estatais.

c) instituição de pessoas jurídicas, com personalidade jurídica de direito público, que compõem a chamada
Administração indireta, tais como autarquias, sociedades de economia mista, consórcios públicos e fundações.
d) instituição de pessoas jurídicas de direito público, como autarquias, bem como de direito público privado, como
empresas públicas e sociedades de economia mista, como expressão da descentralização.
e) nomeação de servidores e empregados para funções de confiança, em substituição aos agentes públicos
originalmente eleitos para as funções administrativas.

392. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Um prefeito editou ato administrativo
afetando um determinado terreno de propriedade do município que governa para integrar um espaço cultural criado
pela União nos limites daquela urbe. Posteriormente foi apurado que o espaço cultural em questão não havia sido
efetivamente criado, razão pela qual

a) o ato de afetação se mostrou viciado, com base na teoria dos motivos determinantes, diante da inexistência do
pressuposto fático para sua edição, qual seja, a existência do espaço cultural.
b) caberia à municipalidade instituir a área cultural, tendo em vista que o ato administrativo que afetou o terreno
já havia sido editado e não poderia ser revogado.
c) haveria vício de finalidade no ato de afetação, posto que inexistente o fundamento jurídico para sua edição.
d) diante da inexistência de motivação, o ato administrativo que afetou o terreno municipal ao espaço cultural é
nulo, não podendo, em consequência, produzir qualquer efeito.
e) mostra-se necessária a desafetação da área, por lei ou por medida judicial, posto que o ato não apresenta
qualquer vício ou irregularidade, ficando destinado ao espaço cultural quando esse vier a ser criado.

393. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Titularidade e execução de serviços


públicos são conceitos que podem ou não estar vinculados à mesma pessoa, porque

a) tanto a titularidade, quanto a execução dos serviços públicos devem ser expressamente delegadas à iniciativa
privada quando o Poder Público pretender prover referidas utilidades de forma indireta.
b) a titularidade dos serviços públicos demanda delegação expressa na lei que autoriza a execução daqueles pela
iniciativa privada, seja por meio de concessão ou por permissão de serviços públicos.
c) a concessão de serviços públicos transfere a titularidade do serviço para o concessionário, que gozará de
proteção inerente ao regime jurídico da prestação do serviço enquanto perdurar a relação jurídica.
d) a titularidade do serviço público remanesce com o ente federado assim competente, sendo-lhe permitido
delegar à iniciativa privada a execução das referidas utilidades.
e) somente os consórcios podem reunir titularidade e execução de serviços públicos no que concerne aos entes que
integram a Administração indireta, tendo em vista que às autarquias e empresas estatais podem ser atribuídos um
ou outro conceito, alternativamente.

394. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O exercício dos poderes inerentes à
Administração pública, tal como o poder hierárquico, se expressa de diversas formais, a exemplo
a) da edição de atos administrativos, independentemente da natureza, pelos superiores dos agentes públicos
originalmente competentes, e em substituição a estes.
b) da edição de atos vinculados, que traduzem a atuação da Administração pública em sua vertente da hierarquia,
considerando que esta autoriza apenas as condutas, atos e negócios expressamente previstos em lei.

c) da competência dos agentes superiores, para apreciação dos recursos interpostos contra atos de seus
subordinados, como decorrência da relação de hierarquia.
d) do poder de rever diretamente os atos praticados pelos seus subordinados nos processos disciplinares em que
atuam, considerando que em sede de infrações disciplinares, a autoridade superior pode suprir os atos inferiores não
praticados.
e) dos atos praticados pelos agentes públicos incumbidos da gestão da Administração pública, cuja tradução inclui
a prática de atos não só pelos funcionários efetivos, mas por todos os demais administrados em geral.

395. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Os bens imóveis pertencentes aos entes públicos,
no que se refere ao uso, considerando a classificação de bens de uso comum, de uso especial e dominicais,

a) somente admitem que lhes seja dado o destino compatível com o uso primário com o qual a categoria se
relaciona, vedado compartilhamento de utentes.
b) não admitem qualquer utilização, quando dominicais, tendo em vista que referidos bens não podem ser
destinados a nenhuma utilidade de interesse público, tendo em vista a finalidade de venda a que se propõem.
c) devem respeitar sua destinação primária, no que se refere aos bens de uso comum, cabendo, no entanto,
compatibilizar outros usos secundários, desde que seja demonstrado não trazerem prejuízo à função principal, bem
como haver atendimento de interesse público.
d) quando das categorias de bens de uso especial e dominicais deve ser solicitada autorização ao governo para
permitir outra destinação em substituição à anterior, ficando deferida no caso de silêncio da Administração pública.
e) admitem plena compatibilização com outros usos, à exceção dos bens de uso comum do povo, que somente
podem ser destinados à sua função primária e precípua, vedada qualquer outra utilização, exclusiva ou
compartilhada.

396. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) A edição de um decreto de declaração de utilidade


pública por um determinado Estado da Federação,

a) é de competência exclusiva do Chefe do Poder Executivo, tem natureza de ato administrativo de efeitos
concretos e, se for o caso, pode ser revogado ou anulado pela autoridade que o editou.
b) deve indicar a finalidade da desapropriação pretendida, o imóvel que pretende desapropriar a forma e prazo de
pagamento, tanto para dar publicidade, quanto para que o expropriado possa manifestar concordância com o ato
antes do ajuiza- mento da ação, sob pena de inviabilizar a via amigável.
c) tem natureza de ato administrativo e, como tal, pode ser revogado pelo Chefe do Executivo diante de vícios de
legalidade, como expressão do poder da Administração pública rever seus próprios atos.
d) tem natureza de ato normativo, cuja competência pode ser delegada às pessoas jurídicas de direito público
integrantes da Administração indireta.
e) dá início à fase externa da ação de desapropriação, tendo, portanto, natureza jurídica de ato vinculado, cabendo
à Administração pública providenciar a desapropriação amigável ou judicial do imóvel no prazo máximo de 90 dias
contados da edição daquele decreto.

397. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Uma servidora pública teve negado pedido de
remoção feito em razão de seu marido, também servidor público, ter sido removido de ofício para outro Município.
O indeferimento do chamado pedido de remoção para "união de cônjuges" feito pela servidora foi o fato do interesse
público exigir a permanência da mesma no município em que estava classificada na ocasião. A servidora, diante do
indeferimento de seu pedido,

a) deve interpor recurso administrativo, pleiteando a revisão da decisão de indeferimento, tendo em vista terem
sido considerados, ainda que para fins de interesse público, aspectos apenas de cunho discricionário.
b) pode interpor mandado de segurança contra o ato do administrador que indeferiu seu pedido, tendo em vista
que o pedido de remoção para união de cônjuges constitui direito líquido e certo da servidora, não havendo margem
discricionária de apreciação pela Administração pública.
c) deve ajuizar ação judicial para pleitear a revisão, pela Administração pública, dos critérios de indeferimento do
pedido de remoção da servidora, com base na teoria dos motivos determinantes, já que os fatos que fundamentaram
a decisão não seriam verdadeiros.
d) deve interpor mandado de segurança, tendo em vista que não obstante exista previsão de remoção ex oficio
pela Administração pública, os pedidos de remoção a pedido, independentemente do fundamento, constituem direito
subjetivo dos servidores, pois se inserem no rol de direitos dos mesmos.
e) pode recorrer administrativamente para pleitear a revogação da decisão de indeferimento, tendo em vista que
o pedido de remoção a pedido para fins de união de cônjuge não possibilita exame por parte da Administração pública,
sendo obrigatório seu deferimento.

398. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Um determinado procedimento licitatório


transcorria em um município com vistas à contratação de serviços de agrimensura para imóveis rurais de titularidade
daquele ente. Um dos licitantes foi desclassificado, tendo o procedimento prosseguido. Considerando que a
desclassificação tenha se dado em desacordo com os requisitos do edital, os atos administrativos posteriormente
praticados são

a) imperfeitos, inválidos e ineficazes, porque o ato ilegal anterior, independentemente de invalidação expressa,
viciou os atos de homologação e adjudicação automaticamente.

b) perfeitos, válidos e eficazes, até que o ato de desclassificação seja anulado, o que acarreta a anulação dos atos
posteriores.
c) perfeitos, válidos e ineficazes, pois os atos posteriores, inclusive de homologação da licitação e adjudicação do
objeto ao vencedor só surtiriam efeitos após a celebração do contrato.
d) imperfeitos, válidos e eficazes, pois embora formalmente contenham vícios de legalidade, produzem efeitos até
que formalmente invalidados.
e) imperfeitos, inválidos e eficazes, pois o ciclo de formação dos mesmos não observou as disposições legais
pertinentes, mas produzem efeitos até o ato de desclassificação ser revogado.

399. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O poder normativo da Administração pública

a) pode ter aplicação preventiva ou repressiva, tal qual o poder de polícia exercido pela Administração pública,
sendo, no primeiro caso, restrito às matérias de organização administrativa e de competência suplementar, ou seja,
para disciplinar situações sobre as quais inexista lei pertinente.
b) permite à Administração pública a edição de atos normativos para fixação de parâmetros e diretrizes de
gradação de penas disciplinares, quando relacionado ao poder disciplinar, bem como para instituição de novas penas
mais adequadas para situações atuais.
c) fica restrito às situações em que estejam presentes relações hierarquizadas, em que a competência para
definição de normas tenha caráter originário.
d) pode ter natureza originária nas situações expressamente previstas constitucionalmente, fora das quais fica
restrito a hipóteses de prévia existência de leis que demandem a disciplina e explicitação da forma de aplicação das
mesmas às situações concretas.

e) consubstancia-se, quando aplicado a situações concretas, em exercício de poder de polícia, diretamente


incidente sobre a esfera de direitos dos administrados, devendo estar previamente previsto na legislação vigente.

400. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Determinado Estado da Federação tem


investido em diversos projetos de parceria com a iniciativa privada para obras de infraestrutura, a fim de associar a
expertise tecnológica e operacional do mercado, com a desoneração dos cofres públicos dos investimentos
necessários e para promover a criação de novos empregos. Em razão disso, a Administração pública pretende criar
uma pessoa jurídica integrante de sua Administração indireta, cuja finalidade institucional seja o desenvolvimento e
acompanhamento de diversos projetos, realização de estudos, estruturação de sistema de garantias, bem como
outras providências específicas em matéria de parcerias. Essa solução poderia ser implementada mediante a

a) instituição de uma autarquia, cuja criação deve ser devidamente autorizada por lei e cuja gestão pode admitir
o regime jurídico de direito privado conforme o escopo de sua atuação, a exemplo do caso descrito.
b) criação de uma empresa pública, pessoa jurídica de direito público, em razão da constituição de seu capital
social, mas que atua no mercado em regime de paridade com a iniciativa privada, conferindo a agilidade necessária
pela Administração pública.
c) instituição de uma empresa estatal, cujo regime jurídico é próprio das empresas privadas, fazendo constar da
finalidade institucional as atividades pretendidas pela Administração.
d) criação, por lei, de uma autarquia que, em razão de sua natureza jurídica de direito público, terá atuação regida
pelo direito público, ainda que seu escopo seja típico de atuação da iniciativa privada, como pretendido pela
Administração pública.

e) instituição de uma sociedade de economia mista, pessoa jurídica de direito privado, cujo controle do capital
pertence integralmente ao ente que a instituiu, sujeita ao regime de competição de mercado, independentemente de
seu objeto social e finalidade institucional.

401. (2017/TRT 2ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Diferem os órgãos públicos dos entes
integrantes da Administração indireta

a) no que concerne à necessidade de realização de licitação, obrigatória apenas para a Administração direta e para
os entes da Administração indireta dotados de personalidade jurídica de direito público.
b) quanto ao regime jurídico contratual, tendo em vista que os contratos firmados pelos entes da Administração
indireta submetem-se ao regime jurídico privado.
c) no que se refere à personalidade jurídica, tendo em vista que somente os entes que integram a Administração
pública indireta são dotados de personalidade jurídica própria.
d) no que se refere ao regime jurídico de seus servidores, sendo obrigatória prévia submissão a concurso público
de provas e de provas e títulos para os servidores públicos da Administração direta.
e) quanto ao trâmite de processos administrativos, tendo em vista que os princípios que regem a Administração
pública somente incidem quando se trata dos processos administrativos relativos à Administração direta.

402. (2017/TRT 2ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Durante inspeção a um laboratório e


fábrica de produtos veterinários, os agentes da Administração pública competente constataram em um exemplar, a
utilização de determinado insumo não mais autorizado. Em razão disso, lavraram auto de infração e de apreensão de
todos os produtos da mesma categoria. Os donos do laboratório insurgiram-se contra a medida que

a) excedeu os limites do poder de polícia que compete à Administração pública em razão da apreensão das
mercadorias, o que demandaria autorização judicial.
b) excedeu os limites do poder de polícia que compete à Administração pública em razão da apreensão das
mercadorias, o que demandaria autorização judicial.
c) configurou regular exercício de poder disciplinar, que se estende não só em relação aos servidores públicos, mas
também em direção daqueles que travarem relações jurídicas com o poder público.
d) constitui regular exercício de poder de polícia pela Administração pública, cuja atuação pode prever medidas
preventivas e repressivas de urgência, a fim de garantir a segurança e a saúde dos administrados.
e) deveria estar integral e expressamente prevista na legislação que trata da competência de fiscalização da
Administração pública em matéria de vigilância sanitária, não se admitindo adoção de medidas acautelatórias e de
urgência.

403. (2017/TRT 2ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) As cláusulas exorbitantes presentes nos
contratos administrativos não retiram sua característica de comutatividade,porque

a) são regidas pelo direito privado no que concerne às alterações, razão pela qual são admitidas somente de modo
consensual.
b) a possibilidade de alteração unilateral dos referidos contratos pela Administração pública também garante ao
contratado a manutenção do equilíbrio econômico- -financeiro da avença, de forma a não haver enriquecimento
ilícito em desfavor do mesmo.
c) somente podem ser invocadas diante da comprovação de que as intervenções promovidas no contrato
ensejarão modificação do seu objeto econômico financeiro.
d) são previstas de forma isonômica para a Administração pública contratante, bem como para os contratados, a
exemplo da prerrogativa de rescisão unilateral.

e) são aplicáveis diante da ocorrência de determinados eventos que já tenham desequilibrado o contrato, de forma
que a finalidade daquelas cláusulas é restabelecer a equação econômico-financeira original.

404. (2017/TRT 2ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Dentre as espécies de atos


administrativos,

a) a homologação não possui natureza jurídica de ato administrativo de efeitos concretos, tendo em vista que não
constitui direitos, prestando-se a dar publicidade a ato administrativo anteriormente praticado.
b) os atos administrativos vinculados não conferem direitos subjetivos, já que estes advêm diretamente da lei,
independentemente da edição daqueles.
c) alguns atos administrativos praticados demandam análise de adequação com os requisitos legais para sua
emissão, o que, em sendo constatado, é reconhecido por meio de homologação.
d) os atos administrativos discricionários são editados ou não conforme margem de liberdade dada ao
Administrador público, tal como ocorre com as licenças.
e) a admissão de pessoal possui natureza jurídica de contrato administrativo, vez que forma vínculo definitivo
entre empregador e Estado.

405. (2017/TRT 2ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) É princípio orientador das atividades
desenvolvidas pela Administração pública, seja por intermédio da Administração direta, seja pela Administração
indireta, sob pena de irresig- nação judicial, a

a) impessoalidade, tanto na admissão de pessoal, sujeita à exigência de prévio concurso público de provas ou de
provas e títulos para preenchimento decargos, empregos públicos, quanto na prestação dos serviços em geral pela
Administração pública, vedado qualquer direcionamento.

b) legalidade, que impede que a Administração pública se submeta a atos normativos infralegais.
c) moralidade, desde que associada a outros princípios e regras previstos em nosso ordenamento jurídico.
d) eficiência, que impede a contratação direta de serviços pela Administração pública, garantindo a plena
competição entre os interessados e sempre o menor preço para o erário público.
e) publicidade, que exige a publicação em Diário Oficial da íntegra dos atos e contratos firmados pela
Administração, além da motivação de todos os atos administrativos unilaterais.

406. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considere que o Ministério da


Agricultura pretenda transferir à iniciativa privada a exploração de um centro de exposições agropecuárias,
objetivando desonerar-se de despesas de manutenção e, se possível, obter receita adicional para aplicação em
outras atividades. Os estudos de viabilidade econômico- financeira indicaram que, desde que realizados
investimentos na estrutura do local, especialmente climatização e ampliação do estacionamento, o empreendimento
seria bastante rentável. Diante de tal cenário, afigura-se como alternativa juridicamente cabível para atingir a fina-
lidade pretendida:

a) concessão precedida de obra pública, observado o prazo legal máximo de 25 anos, com pagamento de outorga
ao poder concedente.
b) concessão de uso, a título oneroso e precário, ficando os investimentos a cargo do concessionário para
exploração por sua conta e risco.
c) permissão de uso, a título precário, indenizando-se o permissionário na hipótese de retomada antes de
decorrido o prazo mínimo legal de 5 anos.
d) concessão ou permissão de serviço público, com pagamento de outorga ao poder concedente, sendo que apenas
a permissão faculta a atribuição dos investimentos ao particular.
e) concessão de uso, podendo os investimentos serem atribuídos ao concessionário, fixando-se o prazo de
exploração de forma compatível com a respectiva amortização.

407. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - AREA ADMINISTRATIVA) Suponha que determinada entidade


integrante da Administração federal pretenda majorar os valores cobrados dos cidadãos para o licenciamento
ambiental de empreendimentos, cuja análise e concessão encontram-se em sua esfera de competência legal. A
atuação da referida entidade corresponde à expressão de

a) poder regulamentar, passível de cobrança por preço público que reflita os custos efetivamente incorridos.
b) poder normativo, dependendo a majoração da edição de decreto do Chefe do Executivo.
c) discricionariedade administrativa, representada por ato da autoridade competente, mediante resolução.
d) regulação da atividade econômica, própria de agências reguladoras, que atuam mediante decisões fundadas na
discricionariedade técnica.
e) poder de polícia, custeado mediante cobrança de taxa instituída, obrigatoriamente, por lei.

408. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considere que, em um período de


chuvas intensas, tenha ocorrido o transbordamento de um rio situado no perímetro urbano de determinada cidade.
Os moradores da região sofreram vários prejuízos em função do transbordamento e buscaram, judi-

cialmente, indenização do poder público sob a alegação de que os danos decorreram do atraso nas obras de
aprofundamento da calha do rio, bem como da paralisação dos serviços de dragagem e da omissão na adoção de
outras medidas que pudessem evitar ou minimizar os danos sofridos. O pleito apresentado

a) não encontra respaldo no ordenamento jurídico, pois apenas condutas comissi- vas da Administração são
passíveis de caracterizar a responsabilidade civil do Estado.
b) é cabível, caracterizando responsabilidade objetiva da Administração, que não pode ser afastada sob alegação
de ocorrência de caso fortuito ou força maior.
c) não é cabível, pois não se vislumbra nexo de causalidade entre os prejuízos sofridos e conduta comissiva ou
omissiva da Administração, somente sendo cabível se apontada culpa de agente público.
d) é cabível mesmo não individualizada conduta comissiva de agente público, se demonstrado o nexo de
causalidade com a falha na prestação do serviço.
e) fundamenta-se na já superada Teoria do Risco Integral, não encontrando, assim, respaldo no nosso
ordenamento jurídico que agasalha a responsabilidade subjetiva da Administração.

409. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA ECONOMIA) Considere:

I - Agentes administrativos executando serviços de fiscalização em atividades de comércio.


II - Atuação na área do ilícito puramente administrativo (preventiva ou repressivamente).
III - Inspeções e perícias em determinados locais e documentos, destinados a in

vestigar a prática de crime.

IV - Rege-se pelo Direito Administrativo e incide, dentre outros, sobre as ativida

des dos indivíduos.


No que concerne às características e exemplos da polícia administrativa, que não se confunde com a polícia judiciária,
está correto o que consta APENAS em

a) II e IV.
b) I e II.
c) I, II e IV.
d) I e III.
e) III e IV.

410. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Considere que o governo federal, diante de


cenário de crise macroeconômica, decida por tabelar os preços dos fertilizantes, impedindo majoração, de forma a
garantir acesso a todo o setor agroprodutivo e, assim, a melhoria da qualidade da produção. No que concerne ao
setor industrial produtor de fertilizantes, é possível

a) acatar a medida de polícia pelo prazo que se fizer necessário, independentemente de compensação ou
indenização, como exercício do dever de sacrifício imposto a todos os administrados em prol do interesse público.
b) exigir ressarcimento pelos prejuízos que vier a ter diante da política excessivamente onerosa apenas para um
determinado setor produtivo, vedada a inclusão de lucros cessantes.
c) descumprir a determinação, diante da ilicitude do ato da Administração pública, salvo se esta tiver previsto
expressamente a forma de ressarcimento da diferença entre o preço aferido como correto pelo setor e aquele fixado
para venda para o mercado.
d) demandar à Administração pública por indenização pelos danos comprovada- mente sofridos diante da política
imposta, tendo em vista que o sacrifício atingiu de forma anormal e extraordinária apenas determinado setor
produtivo.

e) admitir a cobrança de danos morais da Administração pública, tendo em vista que a ilicitude do ato
administrativo editado pode não ter gerado danos concretos às fabricantes de fertilizantes, mas reduziu a
expectativa de percebimento de maior receita.

411. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) No julgamento do AgRg no REsp 711.405-PR, Rel.


Min. Humberto Martins, realizado em 28/04/2009, foi extraído o seguinte trecho: Esse poder envolve vários aspectos,
entre eles, o poder de permitir o desempenho de certa atividade (desde que acorde com as determinações
normativas) e de sancionar as condutas contrárias à norma. Trata-se da atuação da Administração pública sob a
forma de

a) poder disciplinar, conferido à Administração pública para o exercício de suas funções regulares e passível de ser
aplicado a todos os administrados, nas suas mais diversas relações jurídicas com os entes públicos.
b) poder hierárquico, tendo em vista que se refere à atuação de servidores públicos e à possibilidade de
sancionamento por infrações disciplinares.
c) poder de polícia, previsto na legislação e presente tanto na atuação autorizativa, prévia ao exercício de algumas
atividades pelos administrados, quanto posteriormente, por exemplo, como no exercício de fiscalização e poder de
autuação e imposição de penalidades.
d) poder normativo, pois é possível à Administração pública editar normas autoriza- tivas e disciplinadoras da
prática de algumas atividades, bem como instituir infrações disciplinares e respectivas penalidades.
e) poder normativo-disciplinar, pois à Administração pública são conferidas competências autônomas para
instituição de infrações disciplinares aplicáveis aos servidores públicos, o que excede o âmbito do poder hierárquico.

412. (2017/TST/JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO) Sobre o ato administrativo, é correto afirmar:

a) Os atos que apresentarem defeitos sanáveis, em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao
interesse público nem prejuízo a terceiros, serão convali- dados pela própria Administração com efeitos ex nunc.
b) O órgão competente para decidir o recurso administrativo poderá confirmar, modificar, anular ou revogar, total
ou parcialmente, a decisão recorrida, se a matéria for de sua competência, dispensando-se a oitiva do recorrente na
hipótese de reformatio in pejus.
c) O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os
destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé, sendo certo
que, no caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo decadencial contar-se-á da percepção do primeiro
pagamento.
d) O poder de revogar atos administrativos fundamenta-se juridicamente na normal competência de agir da
autoridade administrativa e tem como características nucleares a renunciabilidade, a transmissibilidade e a
prescritibilidade.
e) Pode haver revogação de ato administrativo vinculado, a exemplo da licença.

413. (2017/TST/JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO) Em matéria de responsabilidade civil extracontratual do


Estado, é correto afirmar:

a) O caso fortuito, a força maior e a culpa concorrente da vítima rompem o nexo causal e, por conseguinte, afastam
a responsabilidade civil objetiva do Estado.
b) No âmbito do Superior Tribunal de Justiça, prevalece o entendimento de que o prazo prescricional para a
propositura da ação indenizatória é de três anos contados da ocorrência do evento danoso.

c) A responsabilidade dos concessionários de serviços públicos, de acordo com a jurisprudência mais recente do
Supremo Tribunal Federal, não se sujeita à aplicação da teoria objetiva quanto a danos causados a terceiros não
usuários.
d) A expressão "nessa qualidade", prevista no art. 37, § 6°, da CF/88, significa que somente podem ser atribuídos
à pessoa jurídica os comportamentos do agente público levados a efeito durante o exercício da função pública, em
razão do que os danos causados por servidor público em seu período de férias, em princípio, não implicam
responsabilização objetiva do Estado.
e) A imunidade relativa a opiniões, palavras e votos, em sede de atos legislativos, prevista no texto constitucional
de 1988, não afasta o direito de regresso do Estado contra o parlamentar.

414. (2017/TST/JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO) A respeito dos poderes da Administração pública, é correto
afirmar:

a) O poder de rever atos e decisões e de decidir conflitos de competência entre subordinados são desdobramentos
ou decorrências do poder disciplinar.
b) As multas decorrentes do poder de polícia devem ser executadas na via administrativa.
c) Compete privativamente ao Presidente da República dispor, mediante decreto, sobre (i) organização e
funcionamento da Administração federal, quando não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de
órgãos públicos; e (ii) extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos.
d) Em matéria de poder de polícia, suspende-se a prescrição da ação punitiva por qualquer ato inequívoco que
importe em manifestação expressa de tentativa de solução conciliatória no âmbito interno da Administração pública
federal.
e) É da competência exclusiva da Câmara dos Deputados sustar os atos normativos do Poder Executivo que
exorbitem do poder regulamentar ou dos limites de delegação legislativa.

415. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Uma fundação responsável pela aplicação de


medidas socioeducativas e reinserção social de jovens menores de idade constatou, em vistoria realizada após
denúncia anônima recebida, que estava havendo ingresso de substâncias entorpecentes em suas dependências, o
que já teria permitido que alguns internos estivessem fazendo uso com regularidade e dependência. As famílias
desses internos pretendem responsabilizar judicialmente a fundação pelo ocorrido, afirmando que os jovens não
utilizavam tais substâncias anteriormente. A pretensão

a) pode ensejar a responsabilização da fundação tanto pela omissão dos agentes na fiscalização da entrada, que
não obstaram o acesso das substâncias ao universo dos jovens, quanto pelo dever de garantir a incolumidade dos
custodiados.
b) depende da demonstração de dolo dos agentes públicos, tendo em vista que a modalidade omissiva demanda
comprovação da intenção dos agentes públicos.
c) procede, tendo em vista que a responsabilidade dos entes públicos é objetiva, sequer demandando prova dos
danos ocorridos.
d) não encontra acolhida no Judiciário, tendo em vista que não se trata de ato praticado por agente público, mas
sim por terceiros, também internos.
e) depende de prévia apuração de responsabilidade para constatação da forma e dos responsáveis pelas condutas
ensejadoras dos resultados indesejados descritos.

416. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Autarquia responsável pela vigilância sanitária


em determinado município realiza diligências periódicas em bares e restaurantes, sem divulgação prévia de agenda
e localidades de visitação. Durante uma dessas inspeções, interditou 10 estabelecimentos em um mesmo bairro,
todos em razão das más condições de higiene, lavrando ainda auto de infração e imposição de multa. Parte dos bares
e restaurantes questionou as multas em juízo e outra parte pleiteou a imediata reabertura dos estabelecimentos, sob
o fundamento de abuso de poder e dupla penalidade, tendo em vista que já haviam sido autuados. A atuação da
autarquia

a) encontra respaldo na lei, tendo em vista que os entes públicos não se submetem ao Judiciário, decidindo no
âmbito da jurisdição administrativa e executando suas próprias sentenças.
b) configura expressão do exercício do poder disciplinar, que se coloca sobre todos aqueles subordinados às
normas e posturas da Administração.
c) é expressão do poder normativo, no âmbito do qual devem estar expressas todas as medidas de força passíveis
de serem executadas pela própria Administração pública.
d) implica exercício do poder fiscalizatório, o que envolve a lavratura de autos de infração e imposição de multas,
mas não inclui competência para interdição de estabelecimentos, o que demanda ordem judicial, visto que limita
direitos fundamentais do cidadão.
e) representa expressão do poder de polícia, exercido pela Administração pública e que possui fundamento na
legislação vigente, permitindo a adoção de medidas coercitivas de urgência, tal como no caso proposto, sem prejuízo
de facultar ao administrado o exercício do direito de defesa.

417. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Diretor de compras de uma empresa estatal


adquiriu um software ainda em fase de testes para gestão da folha de pagamento de seus servidores, tendo em vista
que o valor oferecido foi sensivelmente inferior ao outro produto compatível, disponível no mercado. Após mais de
6 meses de utilização foi constatado pela área financeira da empresa que a folha de pagamento estava sendo gerada
com incorreção, ensejando liberação de recursos em média 10% superiores. Apurado o prejuízo, o diretor
responsável pela aquisição atribuiu a falha do sistema a causas inevitáveis e imprevisíveis. De acordo com o caso
narrado,

a) o servidor responsável pela aquisição poderá ser responsabilizado por ato de improbidade na modalidade que
causa prejuízo ao erário, demandando comprovação de dolo e sendo imprescritível a ação para ressarcimento.
b) a ocorrência de ato de improbidade somente se configura diante da comprovação de dolo, já estando
comprovada a outra condição, prejuízo ao erário, para responsabilização do diretor.
c) considerando a comprovação de prejuízo ao erário, fica dispensada a comprovação de dolo para
responsabilização por ato de improbidade, estando claramente demonstrada a conduta culposa do servidor, que não
agiu com zelo na escolha do produto adquirido.
d) impõe-se o ressarcimento dos cofres públicos pelos prejuízos causados, não se configurando, contudo, ato de
improbidade, tendo em vista que não houve conduta dolosa por parte do servidor responsável pela aquisição.
e) caberá exigir do diretor que promoveu a aquisição o ressarcimento do prejuízo, e dentro desse prazo de
prescrição também deverão ser impostas as sanções civis de improbidade.

418. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) A Administração pública está sujeita a controle


interno e externo. O poder da Administração pública rever seus próprios atos também se insere em medida de
controle interno. O controle externo por sua vez,

a) exerce-se com mais intensidade sobre os órgãos da Administração direta, tendo em vista que os entes que
integram a Administração indireta possuem fontes próprias de receita.
b) é exercido pelo Poder Judiciário em face de todos os entes da Administração pública, restrita a atuação do
Tribunal de Contas aos entes e órgãos da Administração direta, que gerem exclusivamente recursos públicos.
c) pode ser feito tanto pelo Poder Legislativo, quanto pelo Poder Judiciário, este que também pode verificar a
ocorrência de desvio de finalidade dos atos administrativos.
d) quando exercido pelo Tribunal de Contas, permite incidência também sobre o mérito dos atos dos entes que
integram a Administração indireta, porque são dotados de natureza jurídica de direito público.
e) diferencia a natureza jurídica do ente sobre o qual incide a verificação, de forma que os atos das pessoas
jurídicas dotadas de personalidade jurídica de direito privado somente são sindicáveis pelo Judiciário.

419. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Os servidores públicos, em sentido amplo,


podem ocupar cargo, emprego ou exercerem função pública. Sobre a escolha do tipo de servidor a ser contratado,

a) a Administração pública depende de prévia realização de concurso público para a contratação de funcionários
públicos efetivos, empregados públicos ou ocupantes de funções públicas, tanto na Administração Direta, quanto na
Indireta.
b) a contratação de empregados públicos demanda prévio concurso público, mas dispensa procedimento
administrativo para rescisão do contrato de trabalho quando o vínculo jurídico se der com a Administração direta.
c) enquanto a Administração direta somente pode contratar funcionários públicos efetivos, a Administração
indireta pode contratar empregados públicos e ocupantes de funções de confiança.
d) os servidores destinados a funções públicas, contratados para ocupação de cargos comissionados são
dispensados da realização de concurso público, somente podendo exercer funções de assessoria, chefia ou direção.
e) deve guardar isonomia no âmbito da mesma esfera de contratação, sendo vedada a existência de mais de uma
modalidade de regime jurídico de servidores no mesmo ente federado, à exceção dos comissionados, que podem ser
nomeados enquanto se aguarda o provimento por concurso público ou não dos cargos e empregos públicos.

420. (2017/ARTESP/AGENTE DE FISCALIZAÇAO A REGULAÇAO DE TRANSPORTE - ÁREA TECNOLOGIA DA


INFORMAÇAO) Considere a seguinte situação hipotética: o Presidente da República, no lapso temporal de cinco dias,
praticou três atos distintos: (i) representou o Brasil na sua relação internacional com outro Estado estrangeiro,
praticando, assim, ato de chefia de Estado; (ii) editou medida provisória com força de lei; (iii) julgou processo
administrativo disciplinar. Constitui(em) função típica do Poder Executivo:

a) apenas o primeiro ato.


b) nenhum dos atos.
c) os três atos.
d) apenas o terceiro ato.
e) o primeiro e o terceiro atos.

421. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA PROCESSUAL) Suponha que determinado agente público tenha outorgado
permissão de uso de um bem público, consistente em um terreno com pequena edificação (galpão), à determinada
empresa privada, a título precário e gratuito, justificando o ato, expressamente, como medida de economia
administrativa visando a desoneração de custos incorridos com vigilância e manutenção.

Apresentou, ainda, estudos realizados por consultoria especializada indicando a inviabilidade de exploração
econômica do bem. O ato em questão foi anulado judicialmente, em sede de ação intentada por entidade
representativa da sociedade civil onde restou comprovado que os estudos financeiros nos quais se baseou a
autoridade eram inconsistentes e o bem seria passível de exploração econômica mediante outorga a título oneroso.
No caso narrado, o controle judicial do ato administrativo praticado

a) somente pode ser considerado adequado se houver sido identificada ilegalidade, vício de competência ou desvio
de finalidade, com favorecimento intencional ao per- missionário.
b) extrapolou os limites admitidos, por se tratar de ato vinculado, cuja avaliação de conveniência e oportunidade
compete exclusivamente à Administração.
c) afigura-se inadequado, pois embora não possa ser subtraído do judiciário o controle do mérito do ato
administrativo, tal controle não alcança vício de motivo ou desvio de finalidade.
d) somente será válido se esgotada, previamente, a instância administrativa para revisão do ato mediante regular
processo administrativo, com oferecimento de contraditório ao permissionário.
e) não extrapolou, em tese, os limites admissíveis, os quais contemplam a aferição da veracidade dos motivos de
fato e de direito invocados pela autoridade para a prática do ato, com base na teoria dos motivos determinantes.

422. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA DIREITO) A construção de uma


rodovia e sua subsequente exploração por uma pessoa jurídica de direito privado, que arcará com os investimentos
da obra e se remunerará integralmente com a prestação do serviço, dá-se por meio de

a) permissão de serviço público, contrato firmado entre o ente público titular do serviço público e uma empresa
privada, selecionada por meio de licitação.
b) concessão de serviço público a autarquia ou empresa estatal, que embora integrem a administração indireta,
devem concorrer em igualdade de condições com o mercado.
c) concessão de serviço público, precedida de obra pública, a uma empresa privada, selecionada por meio de
licitação, que deverá atender aos princípios que garantem a adequada e pontual prestação do serviço.

d) delegação ou permissão de serviço público a empresa privada, com dispensa de licitação em razão de se tratar
de ato administrativo e não contrato administrativo.
e) concessão rodoviária de serviço público a uma empresa privada, que explora o serviço por sua conta e risco,
mediante transferência de sua titularidade.

423. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA DIREITO) O Estado de São Paulo


realizou um importante programa de concessões rodoviárias a partir dos anos de 1990, transferindo à iniciativa
privada a manutenção e exploração de diversas rodovias, em relação às quais a receita auferida com a cobrança de
pedágios e outras de caráter acessório, mostraram-se suficientes para a sustentabilidade do modelo. Manteve sob
sua responsabilidade outras rodovias, arcando com os custos correspondentes à manutenção e às obras necessárias,
eis que a receita passível de ser auferida pela exploração das mesmas não seria suficiente para conferir tal
sustentabilidade. No atual momento nacional, de constrição orçamentária e financeira, suponha que o Estado cogite
desonerar-se ao menos de parte de tais despesas, o que, à luz do ordenamento jurídico pátrio, poderia ser feito
mediante a celebração de

a) concessões patrocinadas, complementando a receita tarifária auferida pelo concessionário mediante cobrança
de pedágio dos usuários com contraprestações pecuniárias a cargo do poder concedente.
b) concessões administrativas, exclusivamente para a prestação de serviços de manutenção, assumindo a
condição de usuário indireto do serviço com cobrança de pedágio dos usuários.
c) concessões comuns, com o pagamento de subsídios aos concessionários no montante necessário para garantir
a sustentabilidade econômica do modelo.
d) convênios com municípios, transferindo aos mesmos a titularidade dos serviços e consequente responsabilidade
pela sua manutenção.
e) parcerias público-privadas, cabível apenas para a realização de obras de_amplia- ção, mantendo sob sua
responsabilidade os serviços de manutenção.

424. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇAO DE TRANSPORTE III - AREA DIREITO) Sobre os conceitos


de poder regulamentar ou regulamento e regulação, considere as assertivas abaixo:

I - A regulação, em sentido estrito, pode ser definida como atividade estatal que controla o comportamento dos
agentes econômicos para alinhá-lo ao interesse público, primário e secundário, de acordo com as políticas vigentes.
II - O poder regulamentar é atribuição privativa do Chefe do Executivo, exercida por meio da edição de decretos
que visam à explicitar e viabilizar a execução das leis editadas, não podendo, salvo as exceções expressas no texto
constitucional, possuir conteúdo que inove o conteúdo do diploma regulamentado.
III - A atividade de regulação no ordenamento brasileiro envolve a delegação do poder regulamentar às agências
reguladoras, de natureza autárquica ou fun- dacional, que cuidam de dar execução e o detalhamento técnico
necessário à execução das leis que regulam o setor, mas cujo conteúdo demasiado genérico não é suficiente para
tanto.

Está correto o que consta em

a) I, II e III.
b) II e III, apenas.
c) II, apenas.
d) I, apenas.
e) III, apenas.

425. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇAO DE TRANSPORTE III - ÁREA DIREITO) A portaria de agência


reguladora de transporte que estabeleça parâmetros e padrões, para fins de uniformização, da cobrança pelo uso das
faixas de domínio de rodovias concedidas à iniciativa privada, para evitar que haja desequilíbrio de valores, sejam
muito altos ou irrisórios,

a) deve ser considerada como violadora do poder regulamentar, tendo em vista que invadiu matéria de lei formal,
na medida em que somente o titular do serviço público poderia fazê-lo, ou seja, a Administração Central.
b) é expressão da atividade de regulação exercida pelas agências reguladoras, que no Brasil são constituídas sob
a forma de autarquias, não inovando, mas apenas disciplinando e conformando a prática autorizada no contrato para
as concessionárias, de forma a garantir a modicidade tarifária.
c) depende de expressa autorização da Administração Central, titular do serviço público, tendo em vista que a
atividade regulatória é indelegável, exercendo as agências apenas o poder fiscalizatório.
d) é permitida às agências reguladoras que tenham previsão constitucional, pois ficaria no mesmo status da norma
que atribuiu o poder regulamentar ao Chefe do Executivo.
e) representa atuação discricionária e técnica da agência reguladora, que tem competência normativa autônoma,
dada sua especialidade.

426. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE III - ÁREA DIREITO) A edição de uma


Portaria, pela Presidência do Tribunal de Justiça de determinado Estado da Federação, disciplinando a organização
interna do setor responsável pela frota de veículos, é expressão de

a) seu poder regulamentar, não exclusivo do Chefe Poder Executivo, possibilitando a edição de atos normativos.
b) suas funções atípicas, exercidas para organização administrativa interna do Tribunal.
c) seu poder legiferante, passível de ser exercido quando da inércia do Poder Legislativo.
d) suas funções típicas, tendo em vista que todos os Poderes desempenham as três as funções de Estado como
típicas.
e) seu poder regulatório, função atípica, mas inserida na competência de organização interna administrativa do
Tribunal.

427. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇAO DE TRANSPORTE III - AREA DIREITO) A extinção


antecipada de concessão dos serviços públicos pelo Poder Con- cedente privilegia, na maior parte das vezes, a
observância dos princípios que informam a prestação daquelas atividades aos usuários. Nesse sentido, a declaração
de caducidade, que se dá em casos de inexecução ou má execução do contrato pela concessionária, é expressão,
dentre outros fundamentos, do princípio da

a) supremacia do interesse público, já que o poder concedente pode se valer das cláusulas exorbitantes para
rescindir unilateralmente os contratos administrativos.
b) mutabilidade dos serviços públicos, que admite a alteração contratual pelo poder concedente sempre que esse
entender necessário ao interesse público.
c) continuidade dos serviços públicos, que permite ao poder concedente a substituição da concessionária após a
declaração de caducidade, que fica sub-rogada em seus direitos e obrigações.
d) mutabilidade dos serviços públicos, que permite ao poder concedente a substituição da concessionária após a
declaração de caducidade, que fica sub-rogada em seus direitos e obrigações.
e) continuidade dos serviços públicos, pois o poder concedente visa a impedir a interrupção ou a insuficiente
prestação dos serviços públicos aos usuários.

428. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇAO DE TRANSPORTE III - ÁREA DIREITO) A Administração


pública direta contrata seus servidores

a) por meio de concurso público, para ocupação de cargos e empregos públicos, a depender da política pública em
vigor na época da contratação.
b) por meio de concurso público, submetendo-se os aprovados e nomeados à existência de recursos financeiros
para pagamento.
c) para empregos públicos para as chamadas funções meio, e cargos públicos para funções de confiança e os
demais casos.

d) pelo mesmo processo formal que os dispensa, com instauração de processo administrativo, célere e informal,
diferindo-se os pagamentos iniciais para fase posterior à efetivação dos funcionários.
e) por meio de concurso público, para ocupação de cargos públicos efetivos, admitindo-se o livre provimento para
ocupação de funções de confiança com as finalidades de chefia, direção e assessoramento.

429. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE III - ÁREA DIREITO) Considere que o


Estado atua no domínio econômico de diversas formas. Pode agir diretamente, seja com a prestação direta de
serviços públicos ou exploração de atividades econômicas. Pode agir como fomentador de determinadas atividades
ou segmentos que se mostrem relevantes e cujo desenvolvimento seja aderente ao interesse público. Por fim, pode
agir interferindo, com maior ou menor grau de distanciamento e intensidade, onde se insere a atividade de regulação.
No Brasil essa atividade, não obstante também possa ser desempenhada pela Administração direta, vem sendo
exercida pelas agênciasreguladoras, que

a) têm natureza jurídica de autarquias especiais, podendo, desse modo, exercer poder de polícia e poder
normativo, nos termos da lei que as criou e demais normas pertinentes.
b) desempenham poder discricionário, tal qual a Administração direta, não podendo, no entanto, desempenhar
poder de polícia, porque não possuem poder fiscalizatório e sancionatório.
c) em razão de sua necessária independência, não podem integrar a Administração indireta, podendo, assim,
exercer as funções regulatórias do setor do mercado pertinente.
d) têm natureza jurídica de fundações autárquicas, às quais é permitido delegar, por lei, os poderes normativo, de
polícia e disciplinar originalmente atribuídos à Administração Direta.

e) podem atuar como exploradoras de atividade econômica ou prestadoras de serviços públicos, além de também
poderem funcionar como instância reguladora daqueles setores demercado.

430. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considera-se exemplo da atuação da


Administração pública quando expressa seu poder de políciaa

a) notificação ao permissionário de imóvel público para desocupação ao término do prazo de vigência do ato
autorizativo ou diante de descumprimento das condições do termo.
b) imposição de multa ao contratado no caso de descumprimento de determinada cláusula de um contrato
administrativo.
c) ordem para que o concessionário de serviço público expeça carteirinha de isenção para determinados usuários
de transportes coletivos.
d) exigência de carteira de habilitação especial para conduzir determinados veículos motorizados, em razão do
porte ou de alguma outra especificidade.
e) determinação de fornecimento de informações ao requerente, em instância superior, quando a autoridade à
qual foram solicitadas tenha indeferido o pedido imoti- vadamente.

431. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A atuação da Administração pública pauta-se


na legalidade, mas dentro desse conceito lhe é dado agir com certa margem de liberdade de escolha em
determinadas situações, quando a ausência de disposição expressa ou a indeterminação dos termos legais conferem
mais de uma opção de decisão. Essa atuação é qualificada como
a) vinculada em sentido amplo, pois ainda que se extraiam da lei diversas opções de decisão, ao optar por uma
delas, a atuação da Administração fica adstrita à legislação que a fundamentou.

b) d iscricionária, pois quando não há previsão expressa da conduta que a Administração deve adotar em
determinada situação, o exercício de interpretação para aplicação da norma pode permitir a identificação de mais
de_uma opção possível e válida de decisão.
c) discricionária técnica, pois em verdade inexistem opções para o administrador, que sempre conseguirá
identificar a solução válida com base na oitiva de órgãos especializados noassunto.
d) poder de polícia, tendo em vista que esse dispensa previsão normativa das medidas e sanções a serem adotadas,
cabendo à autoridade competente identificar, quando da situação, a verificação da melhor conduta a tomar.
e) poder poder de polícia, tendo em vista que esse dispensa previsão normativa das medidas e sanções a serem
adotadas, cabendo à autoridade competente identificar, quando da situação, a verificação da melhor conduta a
tomar.

432. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O poder da Administração pública de rever


seus próprios atos é um dos mecanismos de controle que, tal como os demais, encontra limites

a) no direito adquirido, ou seja, somente pode ser exercido até o trânsito em julgado da decisão proferida no
processo administrativo.
b) no poder Judiciário, pois demanda homologação judicial em casos de demandas judicias ajuizadas para
discussão da validade de atos administrativos.
c) no exaurimento dos efeitos do ato que se pretende anular ou revogar, pois a revisão não reverteria a situação
decorrente de irregularidade que se buscou corrigir.
d) no prazo para revisão dos atos administrativos, a ser estabelecido por decreto do ente federado, como
expressão de seu poder normativo de organização da Administração pública.

e) no ajuizamento de recurso administrativo, que impede a revogação ou anulação do ato até que se profira
decisão final a respeito.

433. (2017/DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA


ADMINISTRATIVA) Uma empresa pública é proprietária de dois galpões onde armazenava o maquinário utilizado nas
obras que realizava. Esse ma- quinário, com o passar do tempo, foi substituído por itens mais modernos, de forma
que a empresa se desfez desses bens. Os galpões, dessa forma, ficaram vazios, o que levou a direção da empresa
a decidir alienar os imóveis para investimento do capital.

Enquanto tramitava o processo interno para autorização da alienação, os referidos bens foram penhorados em ações
judiciais que tramitavam para recebimento de dívidas não pagas. A empresa

a) pode impor ao juízo a impenhorabilidade de seus bens, tendo em vista que se trata de empresa pública
integrante da Administração direta e, como tal, prestante ao desempenho de serviços públicos.
b) pode prosseguir com o processo de autorização da alienação, tendo em vista que, em razão da
impenhorabilidade de seus bens, a penhora lavrada é nula e não produz efeitos.
c) não possui fundamento para alegar a impenhorabilidade de seus bens, em face de se tratar de pessoa jurídica
de direito privado e dos galpões estarem sem qualquer afetação à prestação de serviços públicos.
d) tem personalidade jurídica de direito privado, mas seus bens sujeitam-se a regime jurídico de direito público,
como forma de tutelar o erário público, tendo em vista que o ente público criador da empresa é seu acionista
majoritário.
e) tem personalidade jurídica de direito público, mas seus bens sujeitam-se a regime jurídico híbrido, de forma que
são impenhoráveis quando afetados à prestação de serviços públicos ou a alguma outra atividade de interesse
público.
434. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O poder de tutela exercido pela
Administração direta incide sobre

a) os servidores públicos, porque submetidos a relação de hierarquia e subordinação e como tal, podem ser
tutelados disciplinarmente.
b) os atos e negócios praticados pela própria Administração direta, atribuindo- lhe a capacidade de revogação ou
anulação, nos casos, respectivamente, de atos discricionários e vinculados.
c) outras pessoas jurídicas integrantes da Administração indireta, podendo substituir a autoadministração das
mesmas, de modo a, nos casos de atos que não atendam a oportunidade e conveniência ou a legalidade, ser possível
proferir decisões substitutivas.
d) os entes que integram a Administração indireta, conforme previsto em lei, consubstanciado em controle
finalístico, que verifica a adequação da atuação do ente ao seu escopo institucional.
e) os atos dos servidores, os praticados pela própria administração e pelas pessoas jurídicas de direito público
integrantes da Administração indireta, para garantir a conformação da atuação tanto ao interesse público em sentido
amplo, quanto em sentido estrito, constante das finalidades institucionais.

435. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Raimundo é servidor público efetivo estadual,
classificado na Capital do Estado, exercendo cargo de chefia. Pretendia se aposentar por tempo de serviço quando
completasse o interregno para tanto, mas se acidentou de uma escada e, após afastamento do serviço por razoável
lapso de tempo, acabou se aposentando por invalidez. Ocorre que alguns meses após isso a Administração recebeu
laudo elaborado pela equipe médica oficial retificando o resultado anterior, avaliando sua condição como apto para
o trabalho, considerando as funções exercidas no cargo que ocupava. No que concerne ao destino do servidor público

a) considerando que já estava aposentado, não poderá retornar à ativa, na medida em que a concessão da
aposentadoria constitui direito adquirido do mesmo.
b) o servidor deverá retornar às atividades, o que se denomina reversão, posto que os motivos que determinaram
sua aposentadoria revelaram-se inexistentes.
c) somente poderá ser reintegrado ao cargo que ocupava se ainda existir a mesma categoria, não sendo
obrigatório retornar à função de confiança.
d) este poderá optar entre retornar às mesmas atividades ou permanecer na inatividade, visto que o laudo médico
apresentado tem aplicabilidade facultativa ao processo administrativo quando o ato decisório já tiver exaurido seus
efeitos.
e) deverá ser readaptado ao serviço público, em novo cargo ou no que anteriormente ocupava, a seu critério,
desde que esteja apto a desempenhar as funções exigidas para os dois.

436. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Em um convênio firmado entre entes


integrantes da Administração direta e indireta da mesma esfera, para instalação de um centro de treinamento
esportivo para menores carentes,

a) devem ser estabelecidas as atribuições das partes e os valores que serão desembolsados para execução das
mesmas, com eventuais repasses de verbas, vedada remuneração entre os convenentes e sujeito o instrumento e
seus subscritores à fiscalização do Tribunal de Contas.
b) pode ser estabelecida remuneração moderada, para suprir as despesas que o ente responsável pela execução
das tarefas terá com as obras e a manutenção, não sendo sindicável pelo Tribunal de Contas em razão de não se
tratar de contrato administrativo.
c) somente cabe fiscalização do Tribunal de Contas no caso de haver remuneração entre os convenentes, sem
prejuízo dos repasses de verba para custeio das despesas, mantida, sob todos os aspectos, a verificação do Poder
Judiciário.

d) há irregularidade, tendo em vista que o convênio se presta a ajuste de vontades convergentes, mas não admite
o estabelecimento de atribuições materiais para as partes que envolvam efetivo desembolso por estas em função de
contratações paralelas.
e) a licitação de eventuais obras deve ser feita pela Administração direta central, vedado que o seja pelos entes da
Administração indireta, em razão da maior higi- dez financeira e como forma de garantir o cumprimento do plano de
trabalho anexo ao instrumento.

437. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A responsabilidade extracontratual do Estado


é estabelecida diante do preenchimento de alguns requisitos e pode ser imposta

a) às pessoas jurídicas integrantes da Administração indireta, que respondem objetivamente pelos danos que seus
agentes causarem a terceiros, independentemente das atividades que desenvolvem e de se tratar de atos comissivos
ou omissivos.
b) às pessoas jurídicas de direito público, respondendo subjetivamente nos casos de atos comissivos lícitos e nos
casos de atos omissivos lícitos.
c) aos entes públicos e concessionários de serviço público, não abrangendo as permissionárias de serviço público
em razão do vínculo de delegação ter natureza de ato, não de contrato.
d) às pessoas jurídicas de direito privado prestadoras de serviço público, que respondem sob a modalidade
objetiva diante da demonstração de nexo de causalidade entre a atuação de seus agentes e os danos causados a
terceiros, que também demandam comprovação.
e) aos entes públicos e aos privados que mantenham vínculo funcional ou contratual com a Administração pública
e, em razão dele, recebam repasse de dinheiro público, o que lhes obriga a reparar eventuais danos causados a
terceiro, sob a modalidade objetiva.

438. (2017/DPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Em razão da crise financeira derivada, dentre
outros fatores, da sensível queda de arrecadação, determinado município colocou em execução programa de
alienação de imóveis que não estavam efetivamente destinados a finalidades públicas. Em se tratando de bens
dominicais e estando devidamente justificada a medida,

a) inexiste vedação legal à alienação, observada a necessidade de lei autorizativa para as vendas, bem como
prévia avaliação, vedada a destinação da receita obtida com os negócios jurídicos para custeio de despesas
correntes.
b) é viável o programa, mediante previsão legal autorizando a alienação onerosa dos bens, desde que o seja pelo
valor de mercado e que a receita da venda se destine a investimentos ou, excepcionalmente, a despesas de pessoal
no caso de já configurada mora do ente.
c) admite-se a alienação dos bens exclusivamente para outros entes públicos, em razão da impenhorabilidade,
imprescritibilidade e inalienabilidade que grava o patrimônio público imobiliário, o que ficaria preservado na
titularidade de outra pessoa jurídica de direito público.
d) não guarda fundamento legal a medida proposta, tendo em vista que não é permitido o emprego da receita de
alienação de imóveis em despesas correntes ou previdenciárias, o que descontrói a motivação do ato pretendido.
e) estabelece-se escala de preferências para emprego da receita de capital oriunda da venda dos imóveis, sendo
prioridade o pagamento da folha de pessoal, ativos e inativos, bem como a aplicação em novos investimentos.

439. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ECONOMIA) O conceito de serviços públicos vem sofrendo alterações e
evolução ao longo do tempo, podendo ser definido em sentido amplo ou restrito. É regido por princípios específicos,
dada a relevância de sua prestação, que permite ou garante, conforme a situação

a) a rescisão do contrato de concessão de serviço público diante da inadimplência de qualquer das partes, tendo
em vista o princípio da continuidade e qualidade, que exige a imediata substituição do prestador.
b) a mutabilidade do regime jurídico que rege a prestação do serviço público, de modo que permite, por exemplo,
a exigência contratual de adequação do concessionário às novas tecnologias que possibilitam implementação de
melhorias de qualidade aos usuários.
c) que o concessionário altere os valores fixados para a tarifa cobrada dos demais usuários em caso de imposição
pelo poder concedente de isenção ou redução dos valores em relação a outros usuários com fundamento no princípio
da igualdade.
d) que o objeto do contrato seja alterado para inclusão de novos serviços, mesmo de natureza diversa do contrato
originário, caso se identifique a possibilidade de garantia da modicidade tarifária e da eficiência.
e) a substituição do concessionário de serviço público que o estiver prestando de forma inadequada, insuficiente ou
ineficiente para os usuários, independentemente de licitação, a fim de garantir a continuidade da prestação.

440. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ECONOMIA) Duas autarquias, de esferas distintas, que atuam na área de
serviço de saúde, pretendem conjugar esforços para reativação de uma unidade hospitalar abandonada, antes
pertencente à iniciativa privada. Dentre as possíveis soluções a serem adotadas para viabilizar esse objetivo, as
autarquias

a) podem celebrar convênio administrativo, no bojo do qual estabelecerão as atribuições de cada um dos entes os
respectivos montantes a serem dispendidos para tanto, na forma do cronograma disciplinado em plano de trabalho
integrante do ajuste, o que viabiliza o controle do cumprimento do acordado e da prestação de contas de eventuais
repasses de recursos de um ente ao outro.

b) podem firmar contrato de gestão, para que uma delas assuma a gerência e administração da unidade hospitalar,
enquanto a outra cuida da gestão financeira, com captação de recursos mediante cobrança de serviços e repasses
públicos de verbas.
c) podem licitar conjuntamente a prestação de serviços de gestão hospitalar, incluindo na esfera de abrangência
da licitação os limites territoriais dos dois entes envolvidos e excluindo-se eventuais outros interessados, garantindo,
assim, que o prestador de serviços estará na mesma localidade da unidade hospitalar.
d) devem firmar convênio administrativo para prestação de serviço de gestão administrativa por uma das
autarquias e da execução dos serviços públicos por outra, privilegiando uma solução consensual para dirimir
conflitos.
e) devem adquirir o imóvel em condomínio e licitar conjuntamente a gestão da unidade hospitalar para a iniciativa
privada, garantindo a excelência do serviço e a redução de custos para o erário.

441. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ECONOMIA) A organização administrativa estruturada em administração


direta e indireta pressupõe a existência de pessoas jurídicas com personalidade jurídica e competências próprias,
que possuem características comuns, a exemplo

a) da necessidade de serem criadas por lei, na qual estarão previstas todas as competências, obrigações e escopo
de atuação, não dependendo de outros atos para serem formalmente instituídas.
b) da submissão a regime jurídico de direito privado, ainda que possam contar com participação pública em sua
formação, como os consórcios públicos, as sociedades de economia mista, as fundações e as autarquias especiais.
c) da submissão a regime celetista ou estatutário, à semelhança do que se admite para a Administração direta, que
conta com a dualidade de regimes jurídicos para seus servidores.

d) do controle externo a que se submetem, tal qual o exercido pelo Poder Judiciário e pelos Tribunais de Contas,
estes últimos que analisam critérios de legalidade dos atos e negócios da Administração, mas também examinam
aspectos de economi- cidade.
e) do regime de execução próprio, sujeito a expedição de precatórios a serem pagos em ordem cronológica,
respeitados os débitos de pequeno valor, dotados de preferência, a fim de aplicação do princípio da isonomia em
relação aos credores.

442. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ECONOMIA) A tutela do patrimônio histórico-cultural constitui competência


atribuída a todos os entes da Federação, destacando-se sobre o tema que

a) os Municípios não podem instituir tombamento sobre bens dos Estados da União, pois não possuem
competência para legislar sobre a matéria, sendo autorizado fazê-lo em relação a bens do Distrito Federal, em razão
deste abranger competências municipais.
b) essa restrição pode atingir parcial ou integralmente a propriedade privada, desde que imóveis, cabendo direito
à indenização em qualquer das hipóteses.
c) com a instituição do tombamento, os bens objeto da restrição passam a condição de bens sujeitos a regime
jurídico público, de uso especial.
d) é imposto por ato administrativo ou judicial, sobre bens móveis ou imóveis, neste caso ficando impedida a
alienação sem autorização do órgão que institui a restrição.
e) o tombamento impõe deveres ao proprietário de realizar obras de conservação, assim como restringe sua
liberdade de modificar ou demolir os bens tombados, podendo ser imposto sobre imóveis públicos ou particulares.

443. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇAO DE TRANSPORTE I - AREA DIREITO) Maria Sylvia Zanella di


Pietro conceitua agência reguladora, em sentido amplo como sendo qualquer órgão da Administração Direta ou
entidade da Administração Indireta com função de regular a matéria específica que lhe está afeta (in: Direito
Administrativo, Atlas, 18. ed., p. 414). Mais adiante, cita o magistério de Calixto Salomão Filho, que destaca que a
regulação, em sentido amplo, engloba toda a forma de organização da atividade econômica através do Estado, seja
a intervenção através da concessão de serviço público ou o exercício do poder de polícia (p. 415). Nesse sentido, de
acordo com o ordenamento jurídico pátrio,

a) apenas as agências reguladoras que exercem poder de polícia possuem poder normativo, sempre limitado a
aspectos técnicos de sua área de atuação.
b) as agências reguladoras que controlam as atividades objeto de concessão de serviço público desempenham, nos
termos da lei que as institui, atribuições de poder concedente.
c) as agências reguladoras constituídas sob a forma de autarquias de regime especial gozam de autonomia e suas
decisões não são passíveis de controle pelo Poder Judiciário.
d) apenas as agências reguladoras previstas na Constituição Federal gozam de autonomia administrativa e
orçamentária - financeira, que inclui mandato para seus dirigentes.
e) as agências reguladoras não integram o Poder Executivo, possuindo, natureza de entes autônomos e soberanos,
sujeitos, apenas, ao controle do Poder Legislativo e Tribunal de Contas.

444. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇAO DE TRANSPORTE I - ÁREA DIREITO) Considere que


determinado agente público tenha praticado um ato administrativo, consistente na realocação de um servidor
público a ele subordinado, sustentando a necessidade de reforço de outra equipe encarregada da gestão de

um importante contrato. Subsequentemente, identificou-se que a situação indicada não era real, porém não ficou
claro se o agente público que determinou a realocação teria agido de má-fé ou com eventual intenção de prejudicar
o servidor transferido. O fato é que a área da qual o servidor foi retirado ficou desfalcada e com dificuldade de
gerenciar os contratos sob sua responsabilidade. Diante de tal situação, o ato administrativo de realocação do
servidor é passível de

a) revogação, apenas se constatado desvio de finalidade por parte do agente que o praticou.
b) anulação, em face da ocorrência de fatos supervenientes que demonstram a inconveniência de sua
manutenção.
c) revisão, pela autoridade superior, desde que constada ilegalidade ou abuso de autoridade na sua prática.
d) revogação, pelo próprio agente que o praticou, por razões de conveniência e oportunidade.
e) revogação, em sede judicial, por vício de motivo, com base na teoria dos motivos determinantes.

445. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE III - ÁREA DIREITO) O poder normativo


exercido pelas agências reguladoras

a) possui natureza autônoma, porque é baseado no Poder Executivo que titulariza o serviço público em questão.
b) é exercido com base na lei que disciplina o serviço público objeto da regulação, garantindo que sejam tomadas
medidas e gestões favoráveis ao setor regulado.
c) demanda específica fundamentação nas leis que instituem os serviços regulados, estas que dão os limites da
delegação das funções executivas e da titularidade do serviço.

d) pode exprimir conteúdo de discricionariedade técnica, não se imiscuindo, contudo, no mérito de decisões, que
fica ao cargo discricionário dos dirigentes da autarquia.
e) deve necessariamente ser objeto de lei específica para estabelecer o conteúdo das normas editadas pelo titular
do serviço público, sob pena de suas orientações serem ilegais.

446. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE III - ÁREA DIREITO) Considere que


determinada entidade integrante da Administração pública pretenda retomar a gestão de um hospital público que
estava desativado num pequeno município, a fim de suprir a demanda local de saúde, que estava sendo atendida por
apenas um hospital particular na região. O Ministério Público local, ciente da movimentação da Administração pública
para reativação da unidade hospitalar, notificou os administradores públicos para que estes também assumissem a
gestão do hospital particular, tendo em vista que a exploração do serviço público não poderia mais coexistir com a
iniciativa privada. O pleito do Ministério Público é

a) impertinente, tendo em vista que o serviço de saúde não é exclusivo, sendo passível de delegação para a
iniciativa privada.
b) impertinente, pois o serviço público de saúde, embora exclusivo do Estado, pode ser delegado à iniciativa
privada para fins de exploração sem finalidade lucrativa.
c) pertinente, pois a exploração de serviços públicos essenciais pela iniciativa privada somente é possível enquanto
não se viabiliza a prestação pela Administração pública, titular direta.
d) pertinente se o serviço público estivesse sendo prestado com finalidade lucrativa, tendo em vista que os serviços
públicos exclusivos devem ser prestados por pessoas jurídicas de direito privado sem fins lucrativos.

e) pertinente, pois os serviços públicos de titularidade aberta à iniciativa privada, podem ser explorados livremente,
com ou sem finalidade lucrativa, desde que por pessoas jurídicas integrantes da Administração indireta.

447. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA DIREITO) Considerando as


vertentes do poder de polícia, que o divide em quatro ciclos, e a atuação das concessionárias de serviços públicos,
estas

a) não podem exercer poder de polícia, porque lhes é vedado exercer os quatro ciclos de polícia, em especial o de
fiscalização.
b) exercem somente o poder de fiscalização e o de sanção, desde que o poder de polícia lhes tenha sido
expressamente delegado no edital de licitação e contrato de concessão assinado.
c) não abrange o exercício de poder de polícia, salvo o ciclo de ordem, ou normativo, que lhe pode ser delegado
pela agência reguladora, caso se trate de setor regulado.
d) podem exercer os ciclos de consentimento e fiscalização do poder de polícia, nos termos e limites do que tiver
sido previsto no contrato de concessão e atos normativos autorizadores da delegação.
e) podem exercer os quatro ciclos de polícia, inclusive o normativo, tendo em vista que a delegação da exploração
do serviço público enseja a outorga de todos os poderes inerentes ao poder concedente.

448. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇÃO DE TRANSPORTE I - ÁREA DIREITO) Conforme alerta Fábio


Ulhôa Coelho, na obra Comentários à Nova Lei de Falências e de Recuperação de Empresas - Lei n. 11.101, de
9/2/2005 (Editora Saraiva, p. 24/25) A crise fatal de uma grande empresa significa o fim de postos de trabalho,
desabastecimento de produtos ou serviços, diminuição na arrecadação

de impostos e, dependendo das circunstâncias, paralisação de atividades satélites e problemas sérios para a
economia local, regional ou, até mesmo, nacional. Por isso, muitas vezes o direito se ocupa em criar mecanismos
jurídicos e judiciais de recuperação da empresa (...). No Brasil, a nova Lei de Falências introduziu o procedimento da
recuperação das empresas, em substituição à concordata. Contudo, como bem destaca o autor, "nem todo aquele
que exerce atividade econômica empresarial encontra-se sujeito à nova Lei de Falências." Nesse sentido, estão
excluídas do procedimento de recuperação judicial

a) as Empresas públicas e sociedades de economia mista, que também não se sujeitam à falência.
b) as Sociedades anônimas, eis que se submetem apenas a procedimento de liquidação judicial.
c) a Instituição financeira, sujeita a Regime de Administração Especial Temporária - RAET, que precede a
decretação da falência.
d) a Sociedade de previdência complementar, a qual, embora não excluída da falência, possui procedimento de
recuperação específico, consistente em intervenção pelo órgão regulador.
e) a Cooperativa de crédito, salvo se constituída na forma de sociedade de capitalização.

449. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Considere os seguintes itens:

I - Órgão autônomo.
II - Órgão permanente.
III - Órgão essencial à administração da Justiça Criminal.
IV - Orientada com base no princípio da unidade.
V - Ressalvada a competência da União, é incumbida das funções de polícia judiciária estadual e municipal.

À Polícia Civil do Estado do Amapá são aplicáveis os itens

a) I, II, III, IV e V.
b) I, II, III e IV, apenas.
c) III, IV e V, apenas.
d) II, III e V, apenas.
e) I, II e V, apenas.

450. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) Uma autarquia municipal criada para prestação de serviços de
abastecimento de água

a) deve obrigatoriamente ter sido instituída por lei e recebido a titularidade do serviço público em questão, o que
autoriza a celebração de contrato de concessão à iniciativa privada ou a contratação de consórcio público para
delegação da execução do referido serviço.
b) integra a estrutura da Administração pública indireta municipal e portanto não se submete a todas as normas
que regem a administração pública direta, sendo permitindo a flexibilização do regime publicista para fins de
viabilizar a aplicação do princípio da eficiência.
c) submete-se ao regime jurídico de direito privado caso venha a celebrar contrato de concessão de serviço público
com a Administração pública municipal, ficando suspensa, durante a vigência da avença, a incidência das normas de
direito público, a fim de preservar a igualdade na concorrência.
d) pode ser criada por decreto, mas a delegação da prestação do serviço público prescinde de prévio ato normativo,
podendo a autarquia celebrar licitação para contratação de concessão de serviço público ou prestar o serviço
diretamente.
e) possui personalidade jurídica de direito público, mas quando prestadora de serviço público, seu regime jurídico
equipara-se ao das empresas públicas e sociedades de economia mista.

451. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) Em uma área de expansão urbana determinado Município está
providenciando a instalação de equipamentos públicos, a fim de que o crescimento populacional se dê de forma
ordenada e sustentável. Durante a construção de uma unidade escolar, apurouse que não seria possível executar a
solução de esgoto originalmente idealizada, que contempla um emissário de esgoto, mostrando-se necessária a
identificação de outra alternativa pela Administração pública. Dentre as possíveis, pode o Município em questão

a) promover, demonstrada a viabilidade técnica, a instalação de emissário de esgoto para ligação com o sistema
já existente, utilizando-se, para tanto, da instituição de uma servidão administrativa.
b) realizar uma licitação específica para elaboração e execução de projeto de instalação do emissário de esgoto,
independentemente do valor, dado seu caráter emergencial.
c) lançar mão da requisição administrativa, para imediata imissão na posse do terreno necessário para
implementação das obras, diferindo-se a indenização devida.
d) desapropriar judicialmente a faixa de terreno necessária à implementação do emissário de esgoto, tendo em
vista que o ajuizamento da ação já autoriza a imis- são na posse do terreno objeto da demanda.
e) instituir uma servidão de passagem, sob o regime do código civil, tendo em vista que dispensa a anuência do
dono do terreno e de prévia indenização, apurando-se o valor devido após a instalação do equipamento, que indicará
o nível de restrição ao uso da propriedade.
452. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) O controle exercido pelo Poder Judiciário sobre a Administração pública
pode incidir sobre atos e contratos de diversas naturezas. Quando o objeto do controle exercido é um contrato de
parceria público-privada, deverá analisar se

a) o objeto do contrato é aderente à legislação que rege às parcerias público privadas, que somente admite a
conjugação de obras e serviços quando se tratar da modalidade patrocinada.
b) o prazo do contrato não excede o limite de 25 anos, o mesmo previsto para as concessões comuns, a fim de não
ofender o princípio de quebra da isonomia e violação da licitação, inclusive para inclusão de novos serviços e violação
do principio licitatório.
c) houve estimativa de previsão de recursos orçamentário-financeiros para toda a vigência contratual e a efetiva
demonstração de existência de recursos para os dois exercícios seguintes à celebração da avença.
d) a tarifa estabelecida pela contratada, independentemente da modalidade do contrato, observou o princípio da
modicidade e se há contraprestação a ser paga pelo Poder Público e sua respectiva garantia.
e) o início do pagamento da contraprestação está condicionado à disponibilização do serviço pelo parceiro privado,
admitindo-se a previsão da possibilidade de fracionamento proporcional à parcela de serviço prestada.

453. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) Uma determinada viatura oficial estadual, enquanto em diligência, chocou-
se contra o muro de uma escola municipal, derrubando- o parcialmente, bem como o poste de transmissão de
energia existente na calçada, que estava em péssimo estado de conservação, assim como os transformadores e
demais equipamentos lá instalados. Foram apurados danos materiais de grande monta, não só em razão da
necessidade de reconstrução do muro, mas também porque foi constatado que muitos aparelhos elétricos e
eletrônicos deixaram de funcionar a partir de então, tais como geladeiras, computadores e copiadoras. Relevante
apurar, para solucionar a responsabilidade do ente estatal,

a) se o condutor da viatura empregou toda a diligência e prudência necessárias para afastar negligência, bem
como se estava devidamente capacitado para o desempenho de suas funções, a fim de verificar eventual ocorrência
de imperícia.
b) a origem dos recursos que possibilitaram a aquisição dos materiais elétricos e eletrônicos, para comprovar se o
Município efetivamente sofreu prejuízos qualificáveis como indenizáveis para fins de configuração de
responsabilidade civil.
c) apenas o valor dos danos materiais constatados, tendo em vista que se trata de responsabilidade objetiva,
modalidade que, para sua configuração, dispensa qualquer outro requisito.
d) o nexo de causalidade entre a colisão causada pela viatura estadual e os danos emergentes sofridos, para
demonstrar que decorreram do acidente e não de outras causas e viabilizar a apuração correta da indenização,
prescindindo, no entanto, de prova de culpa do condutor.
e) a propriedade do imóvel onde funcionava a escola, tendo em vista que caso se trate de bem público estadual
cedido à municipalidade para implantação da escola, descabe qualquer indenização, seja pelo muro, seja pelos danos
nos aparelhos elétricos, uma vez que o funcionamento da própria unidade depende do ente estadual.

454. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Uma viatura policial envolveu-se em acidente
de trânsito que resultou em danos patrimoniais bem como danos físicos em alguns dos envolvidos. A viatura, na
ocasião, foi recolhida e submetida à vistoria e perícia. Também foi aberto procedimento administrativo para
apuração dos fatos. O condutor da viatura, servidor público, teve contato com o laudo pericial e, não satisfeito com
o resultado, decidiu ocultá-lo, impedindo sua juntada aos autos do procedimento administrativo. A conduta do
servidor

a) pode lhe ensejar responsabilidade disciplinar, repercutindo na esfera civil onde se procederá à indenização pelos
danos decorrentes do acidente de trânsito, cuja responsabilidade somente será apurada após a conclusão do
procedimento administrativo disciplinar.
b) pode ensejar responsabilidade civil do Estado sob a modalidade objetiva caso dela decorram danos
comprovados, tendo em vista que o servidor agiu ilicitamente, sem prejuízo da responsabilidade disciplinar do
mesmo.
c) enseja comprovação de culpa por parte do Estado, este que, em razão da omissão na conclusão das provas
necessárias à elucidação dos fatos, deverá ser responsabilizado sob a modalidade subjetiva.
d) acarreta responsabilidade objetiva do Estado em razão da omissão de seu agente público, que ocultou as provas
que elucidariam os fatos, permitindo identificar os responsáveis pelo acidente.
e) enseja responsabilidade disciplinar pelo ato de ocultação de provas, bem como pelo acidente de trânsito, pelo
qual fica presumida sua culpa, na medida em que o servidor impediu a correta e adequada apuração dos fatos.

455. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) A decisão proferida pela autoridade competente,
que demite determinado servidor público dos quadros da Administração pública, em razão da comprovação de
infração disciplinar assim apenada tem natureza jurídica de

a) ato jurisdicional, mas que não faz coisa julgada pois está sujeita a recurso e à revisão dos próprios atos pela
Administração pública.
b) ato administrativo impróprio, porque tem natureza jurisdicional e produz coisa julgada, mas não foi proferido
por órgão do Poder Judiciário, não podendo ser revisto nesse âmbito.
c) ato dependente de homologação judicial para receber o efeito de definitividade, que impede sua alteração,
principalmente no âmbito do Poder Judiciário.
d) ato administrativo, sujeito a recurso administrativo, conforme previsto na legislação pertinente, não se podendo
afastar o controle judicial sobre o mesmo, respeitado seu espectro de exame.

e) ato administrativo jurisdicional, que admite recurso judicial, em cuja apreciação o Poder Judiciário poderá
exercer controle de legalidade e de mérito, para garantir a adequação da pena à infração disciplinar tipificada.

456. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Nos autos do Recurso Especial no 1.655.947 -
RN (2017/0038911-4), o Relator (Min. HERMAN BENJAMIN), ao apreciar determinada Portaria do Distrito Federal
que vedava aos servidores da polícia o uso de determinadas vestimentas no local de trabalho, tais como shorts,
chinelos, dentre outros, entendeu que esse ato delimitava alguns conceitos constantes de legislação que tratava da
adequada apresentação daqueles servidores públicos. Com base nestas informações, o relator qualificou a edição da
portaria como

a) expressão do poder disciplinar, tendo em vista que se tratava de categoria policial, na qual o rigor na imposição
de regras é superior às demais.
b) extrapolação do poder hierárquico, tendo em vista que a matéria objeto da portaria não possuía relação direta
com a atuação funcional dos mesmos.
c) manifestação do poder regulamentar, pois a portaria explicitou os conceitos já constantes da legislação,
permitindo a aplicação em concreto dos mesmos.
d) manifestação irregular do poder normativo do Poder Executivo, que não pode restringir a liberdade de seus
servidores públicos por meio de portaria, uma vez que se trata de matéria reservada à lei.
e) expressão regular do poder hierárquico, que admite a imposição de comportamentos vedados para os
servidores públicos por meio de ato normativo infralegal, bem como a instituição das respectivas sanções
disciplinares, o que configura manifestação do poder disciplinar.

457. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Uma autarquia pode

a) contratar empregados celetistas sem concurso público para provimento de funções em seus quadros, hipótese
em que não gozarão de estabilidade e garantia de demissão precedida de processo administrativo disciplinar.
b) alienar bens de sua propriedade, desde que de natureza comum, por meio de pregão, vedada a modalidade
eletrônica quando for necessária a prestação de garantia.
c) contratar bens e serviços por meio de regime jurídico de direito privado quando se tratar de sua atividade fim
e estiver sujeita a mercado concorrencial.
d) ser titular e executar serviços públicos essenciais quando assim lhe for atribuído pela lei que a criou e que
disciplina sua atuação, inclusive para fins de disciplinar o exercício dos poderes típicos da Administração pública.
e) participar do capital social ou ser acionista de empresas estatais da mesma esfera de governo,
independentemente do que preveja a lei que a criou, bem como de seu escopo de atuação, tendo em vista que
também integram a Administração indireta e, como tal, sujeitam-se ao mesmo regime jurídico e finalidade mediata.

458. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) No que se refere aos entes que integram a
Administração pública indireta e o controle externo a que estão sujeitos,

a) todos se submetem ao controle exercido pelos Tribunais de Contas, mas os dirigentes das autarquias e
fundações sujeitam- -se também pessoalmente à imposição de multa, o que não se aplica aos dirigentes de pessoas
jurídicas de direito privado.
b) as empresas públicas sujeitam-se integralmente ao mesmo nível e extensão de controle que as autarquias, o
que não se aplica às sociedades de economia mista, que se sujeitam apenas a controle finalístico de resultados pelos
órgãos de controle externo.

c) somente o Judiciário pode analisar integralmente os atos e negócios realizados pelas pessoas jurídicas, restando
o exame da conduta dos administradores aos Tribunais de Contas.
d) seus dirigentes não se sujeitam a responsabilização pessoal ou sanção individualizada perante os Tribunais de
Contas ou Poder Judiciário, possibilidade restrita aos gestores da Administração direta.
e) seus dirigentes podem ser sancionados pelos Tribunais de Contas, com imposição de multa, caso infrinjam
dispositivo normativo que assim comine, independentemente da imputação de responsabilidade e consequências às
pessoas jurídicas que representam.

459. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Os serviços públicos, quando prestados sob
regime de delegação à iniciativa privada, sob a modalidade de concessão comum, guardam algumas características
próprias desses contratos,

a) tais como a rescisão contratual depender de decisão judicial, ainda que se esteja num cenário de inadimplência
do poder concedente, vedada, inclusive, nesse caso, a suspensão administrativa da prestação dos serviços.
b) como a responsabilidade pelos investimentos de infraestrutura ficarem integralmente a cargo do poder
concedente, enquanto que o custeio das despesas de manutenção e operação ficam sob responsabilidade da
concessionária.
c) à exemplo da incidência de controle externo, tendo em vista que os órgãos e entes que o exercem, analisam a
adequação da prestação do serviço e a gestão da concessionária, para garantir a lisura da Administração da mesma,
sob aspectos econômicos, trabalhistas e fiscais.
d) como a essencialidade do objeto, o que implica alto custo de sua gestão, razão pela qual a concessionária é
dotada de prerrogativas diferenciadas, tais como a suspensão administrativa da prestação dos serviços diante de
reiterada inadimplência dos usuários ou do poder concedente.

e) como se depreende do regime jurídico de direito privado que rege os negócios jurídicos dessa natureza, ainda
que o objeto do mesmo seja a prestação de serviços públicos, na medida em que o risco do negócio é integralmente
da concessionária, cabendo à mesma a proteção dos seus investimentos e a possibilidade de acionamento das
garantias do poder público em caso de inadimplência.

460. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Dentre os princípios que regem a Administração
pública, aplica-se aos servidores públicos, no exercício de suas funções, a

a) legalidade, como princípio vetor e orientador dos demais, tendo em vista que os todos os atos dos servidores
têm natureza vinculada, ou seja, devem estar previstos em lei, assim como todas as infrações disciplinares e
respectivas penalidades.
b) moralidade, que orienta todos os atos praticados pelos servidores públicos, mas cuja violação não pode ser
imputada à Administração pública enquanto pessoa jurídica, porque sua natureza é incompatível com a
subjetividade.
c) publicidade, que exige a publicação de todos os atos praticados pelos servidores, vinculados ou discricionários,
ainda que não dependam de motivação, não atingindo, contudo, os atos que se refiram aos servidores propriamente
ditos, que prescindem de divulgação, porque surtem efeitos apenas internos.
d) eficiência, como finalidade precípua da atuação da Administração pública, obrigando os servidores públicos a
prezar pela sua aplicação em preferência aos demais princípios, que a ela passaram a se subordinar após sua
inclusão na Constituição Federal.
e) impessoalidade, tanto no que se refere à escolha dos servidores, quanto no exercício da função pelos mesmos,
que não pode favorecer, beneficiar ou perseguir outros servidores e particulares que mantenham ou pretendam
manter relações jurídicas com a Administração pública.

461. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Um estabelecimento comercial prestes a ser inaugurado dependia de
emissão de determinada licença pelo Município para dar início às suas atividades. A data da inauguração já havia sido
adiada algumas vezes, o que fez o empreendedor questionar a conduta da municipalidade,

a) pois ainda que se trate de ato discricionário, deve haver motivação e justificativa para a demora na emissão do
ato, sob pena do Município poder ser responsabilizado pelos prejuízos que forem causados ao comerciante.
b) já que o preenchimento dos requisitos legais exigidos para a concessão da licença confere direito subjetivo ao
empreendedor de recebê-la, em razão da natureza de ato vinculado, sendo possível requerer a liberação
judicialmente.
c) na medida em que requerido o ato administrativo que confere direitos ao administrado e decorrido prazo
razoável sem que seja proferida decisão a respeito, opera-se a concordância tácita da Administração pública.
d) porquanto o processo administrativo que dá ensejo à emissão de atos vinculados, tais como licenças, alvarás,
permissões e autorizações, deve observar os prazos legalmente previstos para todas as fases, de forma que
cumpridos todos os requisitos pelos particulares, fica deferida a concessão.
e) o que não procede, tendo em vista que em se tratando de ato administrativo, ainda que o ato em si seja de
natureza vinculada, a Administração pública decide quando poderá emiti-lo, juízo esse de natureza discricionária e
que, portanto, não depende de motivação expressa.

462. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Mostrando-se necessário ampliar a rede de transporte ferroviário de
passageiros sem que haja recursos públicos investidos na fase de construção das obras de infraestrutura, mas de
forma a oferecer serviço público de qualidade aos usuários, impondo a esses, para utilização, o pagamento de tarifa,
pode o Poder Público desenvolver modelo de

a) concessão de obra pública, admitido aporte público em valor predeterminado para garantir a coparticipação nos
riscos entre os contratantes.
b) concessão patrocinada, na qual é imperioso haver cobrança de tarifa dos usuários e não se admite aporte de
recursos públicos para custear infraestrutura a ser implantada pelo parceiro privado.
c) concessão comum de serviço público, na qual a lei atribuiu ao concessionário o risco do negócio, não havendo
previsão para aporte público, mas sim cobrança de tarifa do usuário, para conferir sustentabilidade econômica ao
modelo.
d) concessão administrativa, desde que haja expressa proibição de aporte de recursos públicos, visto que é
premissa desse contrato o custeio da infraestrutura pelo Poder Público, havendo ou não cobrança de tarifa.
e) permissão de serviço público, tendo em vista que, dada a precariedade, o contrato firmado com o
permissionário atribui a este integral responsabilidade pelos investimentos e despesas.

463. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Nas dependências de uma unidade hospitalar pública, constituída sob a
forma de autarquia, houve uma pane no sistema de refrigeração de ar, tendo danificando os termostatos existentes,
permitindo a elevação das temperaturas a níveis não aceitáveis para preservação de medicamentos e de vacinas,
bem como para realização de cirurgias. Os serviços foram parcialmente interrompidos, parte da medicação
armazenada teve que ser descartada, ou seja, houve prejuízos ao Poder Público e à população. Em sede de
responsabilização

a) os gestores da autarquia, servidores públicos, podem ser responsabilizados disciplinarmente, diante da


demonstração de negligência na manutenção preventiva dos equipamentos, sem prejuízo da pessoa jurídica de
direito público arcar com os danos causados pela deficiência de funcionamento do serviço.
b) é cabível a responsabilidade objetiva do ente federado que criou a autarquia, esta que não responde
diretamente pelos danos causados em razão de sua condição de ente dependente, sem prejuízo da possibilidade de
responsabilização dos gestores.
c) devem ser comprovados os danos sofridos e o nexo causal com o problema no sistema de refrigeração,
excluindo-se a responsabilidade diante de caso fortuito ou força maior, que também se aplica à defesa dos gestores
diante de demonstração de deficiência na manutenção dos equipamentos.
d) é possível que aqueles que tiverem sofrido danos diretos da má atuação administrativa demandem a autarquia
judicialmente para pleitear indenização, incidindo a modalidade subjetiva, não cabendo, todavia, a responsabilização
disciplinar dos gestores do hospital porque não integram a Administração direta.
e) não há que se falar em responsabilização de autarquia, porque não preenche o requisito de concessionária de
serviço público, podendo responder subjetivamente caso demonstrada culpa dos agentes públicos na manutenção
do sistema de refrigeração, além dos diretores poderem vir a arcar com os prejuízos causados pela perda de
medicamentos anteriormente em bom estado para uso.

464. (2017/AGENTE DE POLÍCIA CIVIL) A aquisição e alienação de um imóvel pela Administração pública pode
se dar por meio de

a) compra e venda, cabendo ao administrador demonstrar as razões de interesse público e desde que seja
realizada licitação, independentemente do valor de venda ou aquisição.
b) desapropriação ou venda e compra, nos casos de aquisição, garantindo-se, como regra, prévia e justa
indenização em dinheiro no primeiro caso e sendo possível dispensa de licitação na segunda modalidade, bem como
licitação para alienação de bens públicos desafetados, observadas as hipóteses de dispensa do certame.

c) desapropriação e licitação, respectiva e obrigatoriamente, garantindo-se indenização na primeira hipótese e, na


segunda, o princípio da igualdade com a ampla competição.
d) desapropriação, sob as modalidades direta ou indireta, desde que haja prévia avaliação e em dinheiro, em
observância ao princípio da igualdade e respeito ao direito de propriedade.
e) compra para aquisição de bens pela Administração pública, submetendo-se, nesse caso, integralmente ao
regime jurídico de direito privado, o que afasta a incidência do regime licitatório, bem como a venda para alienação
de bens públicos que, em razão da inalienabilidade, fica restrita a outros entes integrantes da Administração pública
de qualquer esfera, permitindo que permaneça afetado ao interesse público.

465. (2017/AGENTE DE POLÍCIA CIVIL) Iniciada nova gestão de determinada Administração pública estadual, o
Secretário da Educação, diante da proximidade do término da vigência do contrato de fornecimento de refeições para
as unidades escolares de ensino técnico, decidiu elaborar termo de referência com sensíveis alterações em relação
à última licitação. De acordo com a motivação, as refeições, que incluíam merenda e almoço, deveriam,
obrigatoriamente, basear-se em parâmetros de alimentação saudável, com indicação expressa de itens e categorias
cuja inclusão no cardápio era vedada, tais como frituras e produtos industrializados. De outra parte, havia também
elenco de categorias e grupos de alimentos obrigatórios, cabendo ao contratado apresentar mensalmente ao
administrador o cardápio que seria aplicado no mês subsequente, viabilizando eventuais alterações. O valor do
contrato mostrou-se sensivelmente superior ao anteriormente executado, mesmo se considerados reajustes e
correção monetária do primeiro. O contratado anterior, não tendo logrado êxito em vencer a nova licitação,
impugnou judicialmente

e junto ao Tribunal de Contas a licitação, sob o argumento de que a decisão da Administração elevou, de forma
desarrazoada, as despesas com o fornecimento de refeições, onerando desnecessariamente os cofres públicos. Sob
o prisma do controle externo, a cargo do Judiciário e do Tribunal de Contas,

a) cabe analisar a regularidade do procedimento de tomada de decisão pelo administrador, ao qual compete o juízo
discricionário na escolha das políticas públicas, de forma que estando justificada a alteração do objeto da licitação e
preenchidos os requisitos de legalidade, não procedem as impugnações feitas.
b) pode o Tribunal de Contas exercer o controle sobre a atuação discricionária da Administração pública, razão pela
qual, no caso proposto, pode anular o contrato e a licitação operados, determinando a realização de novo certame,
com os parâmetros de economicidade.
c) exerce o Judiciário o controle de legalidade sobre os atos da Administração, de modo que, no caso apresentado,
pode analisar o mérito da decisão administrativa que reformulou o fornecimento de refeições para as unidades
escolares, tendo em vista que acarretou sensível acréscimo nas despesas do ente.
d) cabe a esses órgãos a revisão das decisões da Administração pública sob os aspectos da legalidade e da
discricionariedade, razão pela qual podem anular os contratos administrativos que se mostrarem excessivamente
onerosos.
e) cabe ao Tribunal de Contas examinar os aspectos de legalidade, discricionarie- dade, economicidade e
oportunidade dos atos e negócios da Administração pública durante o procedimento licitatório, findo o qual o controle
de legalidade fica adstrito ao Poder Judiciário, mediante provocação dos eventuais prejudicados.

466. (2017/AGENTE DE POLÍCIA CIVIL) Um servidor da Polícia Civil foi submetido a processo disciplinar para
apuração de responsabilidade pela prática de infração disciplinar apenada com demissão. Concluídas as fases do
processo e proferida a

decisão pela demissão do servidor, este demandou o Poder Judiciário, para buscar a anulação do ato administrativo,
sob o fundamento de que as provas colhidas no processo não seriam suficientes para demonstrar sua culpabilidade.
Afirmou, assim, não ter havido correta aplicação da lei ao caso concreto. A pretensão do servidor

a) não procede, tendo em vista que seria necessário ao Poder Judiciário adentrar ao exame de provas no processo
disciplinar para que fosse possível a anulação de ato administrativo vinculado.
b) pode ser acolhida pelo Poder Judiciário, que exerce controle integral de legalidade e discricionariedade sobre os
atos administrativos, o que autoriza correta análise dos fatos e provas colacionados aos autos e correta aplicação da
sanção administrativa.
c) seria admitida pelo Judiciário apenas para a suspensão do processo disciplinar por eventual vício de legalidade
durante a tramitação, não sendo possível fazê-lo quando já proferida a decisão administrativa.
d) pode ser procedente caso não tenha decorrido prazo superior a 5 anos, hipótese em que prescreve a
possibilidade de revisão dos atos administrativos no âmbito do Poder Judiciário, remanescendo a possibilidade de
revisão administrativa.
e) viola a discricionariedade administrativa, que não admite controle judicial, sendo o controle dos vícios de
legalidade, conveniência e oportunidade restrito ao poder da Administração pública de rever seus próprios atos.

467. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A Administração pública direta organiza-se
em órgãos, cuja atuação é informada por princípios e regras. A estrutura funcional pressupõe organização
hierarquizada, que confere à Administração pública alguns poderes e prerrogativas, tais como a

a) possibilidade da autoridade superior avocar competência para realizar as funções e atribuições de seus
subordinados, independentemente de se tratar de competências privativas ou exclusivas, bem como de previsão
normativa expressa.

b) competência para editar atos normativos autônomos, de caráter funcional e disciplinar, instituindo regras de
atuação da Administração e infrações disciplinares com suas respectivas sanções.
c) possibilidade de determinados servidores aplicarem sanções aos seus subordinados hierarquicamente, em caso
de infrações disciplinares, na forma legalmente prevista.
d) possibilidade de delegar competências exclusivas por critério subjetivo, quando a organização administrativa
entender que uma determinada autoridade ou órgão poderia melhor desempenhar determinadas funções.
e) competência para instituir sanções, aplicá-las ou perdoá-las, em análise discricionária feita pela autoridade
competente, sempre que entender que a decisão melhor atenderá o interesse público.

468. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A relevância dos serviços públicos se
expressa pela existência de princípios específicos que regem sua prestação aos usuários. Orientada por esses
princípios, os responsáveis pela prestação direta ou indireta de serviço público podem adotar algumas medidas que
se distinguem da execução de contratos administrativos referentes a outros objetos. Dentre elas,
a) a possibilidade de alterar determinados aspectos da execução do serviço, permitindo sua atualização às
mudanças tecnológicas no decorrer do tempo, como expressão do princípio da mutabilidade do regime jurídico que
rege a prestação daqueles serviços.
b) o dever de manter a prestação dos serviços públicos pelas mesmas condições inicialmente vigentes no regime
jurídico de execução contratual, sem demandar do Poder Público qualquer compensação financeira ainda que
demande novos investimentos, quando se tratar de delegação.

c) a vedação à distinção entre os usuários, permitindo-se, no entanto, variação da tarifa cobrada, desde que a
execução de serviços tenha sido delegada à iniciativa privada.
d) a prerrogativa de rescisão unilateral do contrato, salvo se nos casos de delegação não tiver havido transferência
da titularidade do serviço, hipótese em que a extinção da avença deve se dar sempre por meio de decisão judicial.
e) a desafetação de determinados serviços da categoria de serviços públicos, por meio de decisão administrativa,
caso fique demonstrada redução de demanda de expressão significativa, a ponto dos investimentos serem mais
adequados em outro setor.

469. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considere que tenha tramitado
regularmente um processo disciplinar contra determinado servidor público titular de cargo efetivo a fim de apurar
sua responsabilidade pela prática de determinada infração. Constatada a autoria diante das provas, foi proferida
decisão pela autoridade competente, imputando pena de demissão ao servidor. Não tendo havido recurso, foi o
servidor desligado dos quadros da Administração pública. Em regular correição ocorrida na unidade no mesmo
exercício, verificou-se que a autoridade apenou o servidor equivocadamente, pois aquela infração era sancionada
com suspensão, aplicando-se a demissão somente nas hipóteses de reincidência, que não era o caso. Diante desse
cenário e no que se refere à validade do ato administrativo proferido,

a) o ato é eivado de vício que lhe acarreta nulidade absoluta, não necessitando de qualquer declaração de nulidade
para sua retirada do mundo jurídico, posto que atos nulos não produzem efeitos jurídicos.
b) há nulidade no ato administrativo que imputou a sanção equivocada ao servidor, podendo ser revisto de ofício
pela própria Administração, diante da ilegalidade apurada, retroagindo os efeitos à data em que a decisão foi
proferida.

c) há nulidade relativa no ato administrativo, que permanecerá produzindo efeitos até que o particular cujos
direitos foram lesados tome a iniciativa para requerer, judicial ou administrativamente a anulação, vedada a revisão
de ofício pela Administração pública diante da falta de recurso voluntário por ocasião do processo disciplinar.
d) a irregularidade sanável constatada em regular correição já configura iniciativa da própria Administração pública,
que poderá decidir, discricionariamente, se o desfazimento do ato se dará pelo corregedor no próprio procedimento
de correição ou se será necessário provocar a autoridade hierarquicamente competente para o juízo de revisão da
decisão.
e) será necessária decisão judicial declarando a nulidade do ato proferindo, considerando que o servidor punido em
regular procedimento disciplinar não recorreu da decisão administrativa, bem como porque se trata de
restabelecimento de vínculo com a Administração pública, o que não pode ser feito administrativamente.

470. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A distinção entre ato administrativo
vinculado e discricionário pode se fazer presente em diversas situações e âmbitos de análise jurídica. Quanto aos
efeitos, predicar um ato administrativo como discricionário ou vinculado

a) interfere no nível de autonomia conferido ao administrador, na medida em que os atos vinculados estão
expressamente previstos em lei e os atos discricionários não encontram previsão normativa, fundamentando-se
apenas na competência para emiti-lo.
b) impacta na existência ou não de controle judicial sobre o mesmo, tendo em vista que os atos vinculados estão
sujeitos à análise judicial, enquanto os discricionários apenas admitem controle interno da própria Administração
pública.
c) impede considerar aspectos externos do caso concreto na análise, tendo em vista que nos dois casos deve haver
previsão normativa específica sobre qual ato deve ser praticado e em que grau e medida, ainda que nos atos
discricionários a norma deva elencar as soluções possíveis.
d) possibilita inferir a extensão do controle judicial de determinado ato, posto que nos atos vinculados todos os
aspectos estão contemplados pela norma, cabendo ao administrador subsumir um determinado caso concreto ao ato
a ele atribuído pela lei.
e) permite que os atos discricionários sejam alterados com maior agilidade, sem necessidade de previsão legal,
enquanto para os vinculados é obrigatória autorização Judicial.

471. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O ingresso no serviço público está sujeito
ao cumprimento dos termos e condições previstos na legislação, dentre os quais,

a) o concurso público de provas e títulos, necessário para provimento de cargos públicos, vedada a exigência de
outros requisitos de habilitação, como exames psicotécnicos ou físicos.
b) a submissão a prévio concurso público de títulos e documentos, para cargos, empregos e funções públicas,
independentemente do prazo de duração do vínculo funcional pretendido, como forma de privilegiar os princípios da
igualdade e da publicidade.
c) a possibilidade de nomeação para cargos de livre provimento, seja para vínculos funcionais temporários, seja
para vínculos funcionais permanentes, passíveis de extinção apenas por meio de processo administrativo disciplinar.
d) a obrigatoriedade de submissão a concurso público de provas e títulos para provimento de cargos e empregos
públicos, admitindo-se a inclusão de outros requisitos de habilitação se houver previsão legal e pertinência com as
atribuições a serem executadas pelo servidor.

e) a realização de provas físicas, psicológicas e psicotécnicas após a aprovação em concurso público de provas e
títulos, para aferição da expectativa de longevidade dos candidatos.

472. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Para a consecução de seus atos a
Administração pública pode lançar mão de algumas prerrogativas diferenciadas em relação às atividades da iniciativa
privada. Pode, inclusive, atuar limitando o exercício de direitos individuais, desde que com a finalidade de atender o
interesse público. Essa atuação

a) contempla atos materiais concretos, tais como o cumprimento de medidas de apreensão de mercadorias
previstas em lei, como também pode abranger medidas preventivas, como fiscalização, vistorias, dentre outras, nos
termos da lei.
b) pode, inclusive, ser delegada a terceiros, sem restrições, desde que haja previsão legal e que o delegatário edite
e exerça todos os atos e medidas de polícia que a Administração adotaria.
c) denomina-se poder de polícia, de natureza discricionária, pois não seria possível prever as hipóteses de
situações em que uma atuação vinculada seria cabível, competindo, portanto, à autoridade decidir a medida
adequada a tomar.
d) abrange apenas medidas repressivas, taxativamente previstas em lei, como interdição de estabelecimentos,
embargos de obras, dentre outras, tendo em vista que a atuação preventiva se insere no campo do poder normativo,
não podendo se qualificar como atuação de polícia administrativa.
e) possui atributos próprios, como a autoexecutoriedade, presente em todos os atos administrativos, que permite
à Administração executar seus próprios atos sem demandar decisão judicial.

473. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Diante da pretensão de um órgão público
consistente em unidade de despesa, de alienar bens imóveis que não mais servem aos fins da Administração pública
e, portanto, não mais se prestam ao atendimento do interesse público, bem como bem móveis que não se mostram
mais aproveitáveis, pode

a) licitar a alienação dos referidos bens, utilizando-se para tanto, respectivamente, das modalidades concorrência
e leilão.
b) realizar pregão presencial para alienação de todos os bens, desde que os lances possam ser individuais, ou seja,
por item.
c) realizar leilão presencial ou eletrônico para alienação de todos os bens, independentemente da origem da
aquisição, uma vez que se mostram inservíveis, observando a necessidade de que os lances sejam feitos por lotes e
cada lote corresponda a um bem.
d) licitar a alienação de todos os bens sob a modalidade de concorrência, reduzindo, no entanto, os prazos
legalmente previstos, para simplificação do procedimento, para os bens que forem comprovadamente inservíveis e
não apresentem liquidez de mercado.
e) alienar todos os bens para outros entes públicos, sem a realização de licitação, prescindindo, nesse caso, em
razão do notório interesse público e da gratuidade do ato, de procedimento de dispensa de licitação.

474. (2017/TRE PR/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O diretor de uma repartição pública
aproveitou-se da necessidade da Administração pública adquirir um terreno para instalar uma unidade operacional
ambiental e indicou, para ser desapropriado, o imóvel de um desafeto seu. O terreno pertencente a esse desafeto,
embora não apresentasse nenhum problema aparente que impedisse a aquisição, não era o que melhor preenchia as
características procuradas pela Ad-

ministração, tais como localização, dimensão, declividade, etc., inclusive porque encareceria a obra. Não obstante,
o diretor insistiu e o terreno acabou sendo adquirido, por ordem emanada por aquela autoridade. O ato
administrativo

a) foi regularmente editado, pois respeita a autoridade competente para sua emissão.
b) é eivado de vício de desvio de finalidade, uma vez que o terreno foi adquirido para fins de desagradar desafeto
da autoridade que o emitiu, tendo inclusive onerado a Administração.
c) é eivado de vício de motivo, visto que esse é inexistente, podendo ser sanado caso o terreno adquirido acabe por
ser utilizado pela Administração, ainda que por valor superior ao pretendido pela Administração.
d) possui vício de competência posto que o administrador, quando agiu para atendimento de propósitos pessoais,
tornou-se autoridade incompetente para decidir.
e) possui vício sanável, caso seja ratificado pela autoridade competente, se esta entender que o terreno pode
atender ao interesse público.

475. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) A um servidor público titular de cargo efetivo foi atribuída
a suposta autoria pelo cometimento de uma infração disciplinar grave. Instaurou-se, assim, processo administrativo
disciplinar para apuração de responsabilidade. Imputavam-lhe a autoria de ocultação de documentos, com intuito de
beneficiar uma empresa privada devedora de tributos. No curso do processo foram ouvidas inúmeras testemunhas,
cujos depoimentos oscilaram em favor e contra o servidor, nenhuma delas afirmando ter manuseado esses do-
cumentos e tampouco visto o ato de ocultação. O servidor requereu a juntada ao processo disciplinar de cópias dos
referidos documentos, para comprovar que o conteúdo deles em nada interferiria em qualquer decisão em relação a
empresa, de forma que o sumiço dos mesmos não possuía a relevância que lhe havia sido atribuída como ocultação.
A juntada da prova foi indeferida, tendo o servidor, como responsável pela seção, sido apenado com demissão. No
que se refere ao controle da Administração pública, o servidor

a) pode pleitear judicialmente a anulação da decisão que lhe demitiu e do procedimento a partir do indeferimento
da produção de provas que requereu, por cerceamento de defesa, inclusive porque o ato que lhe fora imputado
também poderia tipificar ato de improbidade e a documentação que pretendia apresentar tinha probabilidade de
afastar a configuração de dolo ou de prejuízo ao erário.
b) pode pleitear judicialmente a revisão do procedimento, anulando-se os atos de produção de provas e
revogando-se o apenamento, porque desproporcional ao ocorrido, restringindo-se os fatos a extravio de documentos,
que se comprovariam irrelevantes.
c) deve impetrar recurso administrativo para requerer a produção de provas que lhe fora negada, sob o argumento
de que seu conteúdo afastaria sua condenação e comprovaria a adequação dos atos da empresa que produziu os
documentos, podendo servir como prova emprestada.
d) pode pleitear a anulação do ato de demissão junto ao Tribunal de Contas, responsável pelo controle externo da
Administração no âmbito do Legislativo, porque eivado de vício de legalidade ao negar vigência ao princípio da ampla
defesa e do contraditório, além de apresentar desproporcionalidade e irrazoabilidade na gradação da sanção.
e) deve recorrer ao Judiciário para obstar a decisão condenatória porque esta, em razão dos fatos que a
fundamentaram e a confirmação da autoria, acarretam comunicação à autoridade competente para imputação de
sanção de improbidade administrativa.

476. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Durante as comemorações do aniversário de um


município, que aconteciam na praça matriz, houve um princípio de tumulto, possibilitando que se desse início a uma
série de furtos. Em decorrência desses acontecimentos, o policiamento foi acionado e durante as ações

de contenção, houve troca de tiros, ao que consta, iniciada pelos agentes policiais, atingindo alguns munícipes, um
deles de forma fatal. A família do munícipe falecido

a) deve pleitear indenização por danos morais e materiais em face dos responsáveis pelos disparos, que
respondem subjetivamente.
b) pode pleitear indenização pelos danos emergentes comprovados, bem como por possíveis danos morais, em
face tanto do poder público responsável pelo policiamento, quanto daquele incumbido de garantir a segurança dos
munícipes no evento, demonstrado o nexo de causalidade.
c) deve, após apuração da identidade e responsabilidade do atirador, propor demanda de ressarcimento de danos
em face do mesmo.
d) não pode propor ação de indenização em face do Município ou do Estado, tendo em vista não ser possível
identificar o agente responsável, caracterizando-se o evento como caso-fortuito.
e) pode responsabilizar objetivamente o poder público caso o serviço de socorro médico não tenha prestado a
assistência necessária ao munícipe enquanto ferido, mas não pelos fatos ocorridos durante o tumulto, porque
imprevisíveis ou inevitáveis.

477. (2017/DPE/ANALISTA - AREA ADMINISTRAÇAO) Necessitando o Poder Público implantar uma importante
obra viária, incluindo a construção de uma rodovia para interligação de três municípios, deparou-se com a existência
de áreas ocupadas no trajeto, em sua maioria imóveis regularizados. Em razão desse aspecto, o Poder Público

a) deve alterar o traçado da rodovia para não atingimento de trechos ocupados, caso esses imóveis tenham
características urbanas, sirvam à efetiva residência de seus proprietários e constituam única propriedade dos
mesmos.

b) pode adquirir todas as propriedades onerosamente, pelo valor que seus proprietários atribuírem e
demonstrarem, a fim de que a desocupação seja voluntária, sob pena do emprego de poder de polícia para
desocupação, que difere o acordo quanto à precificação dos imóveis.
c) pode desapropriar os imóveis, mediante prévia indenização em dinheiro pelo valor de mercado, demonstrado
em avaliação técnica, a fim de garantir a adequada equivalência e viabilizar a realocação dos proprietários em outro
local.
d) deve desapropriar os imóveis, mediante justa e prévia indenização, parte em dinheiro e parte mediante
expedição de precatório, mostrando-se inviável qualquer alteração de traçado ou acordo, tendo em vista a
importância da obra de infraes- trutura e seu cronograma de implantação.
e) pode requisitar administrativamente as áreas, diante da urgência e da finalidade da desocupação, apurando-se,
na sequência, o valor de mercado dos imóveis e, no caso de discordância entre as partes, recorrendo-se à via
judicial.

478. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ADMINISTRAÇÃO) Considere que os municípios de uma região metropolitana
pretendam uniformizar e alinhar os serviços de abastecimento de água em seus territórios, de forma a possibilitar
que eventuais deficiências estruturais em uma localidade sejam compensadas pelas facilidades existentes em outra,
garantindo assim a qualidade e continuidade da prestação do serviço, pelo menor custo possível para a população
atendida. Como forma de implementação da política desses municípios, está a

a) celebração de um convênio administrativo, por meio do qual os entes estabelecerão direitos e obrigações
recíprocos, com desenho dos custos, desembolsos e remunerações a que farão jus, assim como a divisão de área em
que cada ente prestará o serviço, desconsiderando-se os limites territoriais originais.
b) constituição de um consórcio público, acordo de vontades firmado entre os entes públicos, por meio do qual se
estabelecem as obrigações e contrapartidas para cada um dos entes públicos que o integra e as atribuições que cada
qual deve desempenhar na execução da prestação dos serviços comuns.
c) constituição de um consórcio público para prestação dos serviços públicos, sob a forma de associação pública,
com personalidade jurídica própria, de direito público, que passará a integrar a Administração indireta de cada um
dos entes que o instituíram, devidamente autorizados por lei.
d) formação de uma empresa pública, constituída sob personalidade jurídica de direito público, da qual participarão
como acionistas, em igual proporção, todos os entes públicos interessados na outorga da titularidade e da execução
dos serviços públicos na região metropolitana.
e) instituição de uma autarquia por todos os entes interessados na unificação dos serviços, mediante autorizações
legislativas próprias, para a qual poderá ser delegada a titularidade e a execução do serviço público em questão, sem
prejuízo daquela pessoa jurídica poder ser contratada por outros municípios para a mesma finalidade.

479. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA SAÚDE - ESPECIALIDADE ASSISTENTE SOCIAL) Frente às Organizações da


Sociedade Civil - OSCs (atualmente denominadas) ou Organizações Não Governamentais - ONGs, considere:

I - O estabelecimento de uma nova relação de "parceria" entre as OSCs e o Estado e/ou capital se dá no processo
de ruptura das ONGs ou OSCs com os Movimentos Sociais, e quando, com o redirecionamento do financiamento da
cooperação internacional.
II - O lugar histórico e o papel político das ONGs ou OSCs foi sendo alterado com o desenvolvimento/evolução do
capitalismo, tornando-se funcional às mudanças operadas pelo projeto neoliberal.

III - Muitas_OSCs desenvolvem trabalhos de assistência e prestação de serviços à população, muitas vezes
suprindo ausências deixadas pelo Estado.

Está correto o que se afirma em

a) II e III, apenas.
b) I, apenas.
c) III, apenas.
d) I, II e III.
e) I e II, apenas.

480. (2017/TJSC/JUIZ SUBSTITUTO) Sobre o exercício do poder disciplinar da Administração Pública, é correto
afirmar que tal poder

a) é exercido somente em face de servidores regidos pelas normas estatutárias, não se aplicando aos empregados
públicos, regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho.
b) admite a aplicação de sanções de maneira imediata, desde que tenha havido prova inconteste da conduta ou
que ela tenha sido presenciada pela autoridade superior do servidor apenado.
c) é aplicável aos particulares, sempre que estes descumpram normas regulamentares legalmente embasadas,
tais como as normas ambientais, sanitárias ou de trânsito.
d) é extensível a sujeitos que tenham um vínculo de natureza especial com a Administração, sejam ou não
servidores públicos.
e) não contempla, em seu exercício, a possibilidade de afastamentos cautelares de servidores antes que haja o
prévio exercício de ampla defesa e contraditório.

481. (2017/TJSC/JUIZ SUBSTITUTO) A propósito do uso dos bens públicos pelos particulares, é correto afirmar
que
a) as concessões de uso, dada a sua natureza contratual, não admitem a modalidade gratuita.
b) o concessionário de uso de bem público exerce posse ad interdicta, mas não exerce posse ad usucapionem.
c) a autorização de uso, por sua natureza precária, não admite a fixação de prazo de utilização do bem público.
d) a Medida Provisória no 2.220/2001 garante àquele que possuiu como seu, por cinco anos, ininterruptamente e
sem oposição, até duzentos e cinquenta metros quadrados de imóvel público situado em área urbana, utilizando-o
para fins comerciais e respeitado o marco temporal ali estabelecido, o direito à concessão de uso especial.
e) a permissão de uso, por sua natureza discricionária, não depende de realização de prévia licitação.

482. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO SUBSTITUTO) A teoria do órgão foi inspirada na Doutrina de Otto Gierke
e tem grande aplicabilidade no direito administrativo brasileiro. Com base nesta teoria, é correto afirmar:

a) A estruturação dos órgãos da Administração se submete ao princípio da reserva legal.


b) Segundo Celso Antonio Bandeira de Mello, os órgãos seriam caracterizados pela teoria subjetiva, a qual
corresponde às unidades funcionais da organização.
c) A teoria tem aplicação concreta na hipótese da chamada função de fato. Desde que a atividade provenha de um
órgão, não tem relevância o fato de ter sido exercida por um agente que não tenha a investidura legítima.
d) É com base nestes ensinamentos que se discute desconcentração e descentralização, sendo aquela a criação de
novas pessoas jurídicas e esta a criação de novos órgãos.
e) A teoria do órgão se opõe ao princípio da imputação objetiva.

483. (2017/DPE/DEFENSOR PUBLICO SUBSTITUTO) O tombamento é um instituto do direito administrativo


brasileiro, sendo que a seu respeito é correto concluir que

a) o Poder Judiciário é o que tem a missão de desfazer o tombamento, quando for o caso.
b) o bem tombado é bem que pode ser livremente transacionado, não aplicando-se ao Estado o direito de
preferência.
c) o tombamento será considerado provisório ou definitivo, conforme esteja o respectivo processo iniciado pela
notificação ou concluído pela inscrição dos bens.
d) o tombamento pode ser voluntário ou compulsório, naquele o agente consente com o tombamento, neste o
instituto depende de intervenção judicial.
e) não há tombamento instituído pelo texto constitucional.

484. (2017/DPE/DEFENSOR PUBLICO SUBSTITUTO) Os atos administrativos podem ser produzidos em


desrespeito às normas jurídicas e, nestes casos, é correto afirmar que

a) existe, no direito brasileiro, apenas duas formas de convalidação, a ratificação e a reforma.


b) ainda que o ato tenha sido objeto de impugnação é possível falar-se em convalidação, com o objetivo de aplicar
o princípio da eficiência.
c) à vícios que podem ser sanados e, nestes casos, a convalidação terá efeitos ex nunc.
d) a violação das normas jurídicas causa um vício que só pode ser corrigido com a edição de novo ato, pelo poder
Judiciário.
e) é possível convalidar atos com vício no objeto, ou conteúdo, mas apenas quando se tratar de conteúdo plúrimo.

485. (2017/TRE SP/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA OPERAÇÃO DE COMPUTADORES) Uma unidade pública escolar
conseguiu recursos para modernização de seus equipamentos de informática, pois a quase totalidade dos
computadores utilizados pelos alunos foi inutilizada durante uma inundação ocorrida no imóvel em período de fortes
chuvas. Considerando-se que esse conjunto de computadores era patri- moniado e que a diretoria de ensino
competente pretende se desfazer dele,

a) deverá licitar a alienação desse material, por meio de concorrência ou convite.


b) deverá licitar a alienação dos bens, por meio de leilão.
c) poderá licitar a alienação dos bens, por meio de qualquer das modalidades legalmente previstas, conforme o
valor de avaliação dos mesmos.
d) poderá alienar os bens com dispensa de licitação, por se tratar de hipótese expressamente prevista para tanto.
e) deverá licitar a alienação dos bens, por meio de leilão ou tomada de preços.

486. (2017/TRT 24a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ENGENHARIA) O ato administrativo discricionário

a) apresenta discricionariedade em todos os seus requisitos, exceto quanto à competência para a prática do ato.
b) apresenta discricionariedade em um de seus requisitos, qual seja, a finalidade.
c) não comporta anulação.
d) é passível de revogação.
e) não está sujeito a controle judicial.

487. (2017/TRT 24a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ENGENHARIA) Com relação à Administração indireta, no que
concerne às características das autarquias, considere:

I - As autarquias só por lei podem ser criadas.


II - Apenas no caso de exaustão dos recursos da autarquia é que incidirá a responsabilidade do Estado, que é
subsidiária.
III - As autarquias não são subordinadas a órgão algum do Estado, mas apenas

controladas.

IV - Os bens e rendas das autarquias, não apenas quando vinculados a suas fi

nalidades essenciais, mas em toda e qualquer circunstância, possuem imunidade tributária.

Está correto o que se afirma APENAS em

a) I, II e IV.
b) III.
c) II e IV.
d) I, II e III.
e) I e III.

GABARITO

369. d 394. c 419. d 444. d 469. b


370. c 395. c 420. a 445. b 470. d
371. b 396. a 421. e 446. a 471. d
372. e 397. b 422. c 447. d 472. a
373. c 398. b 423. a 448. a 473. a
374. b 399. d 424. c 449. b 474. b
375. d 400. c 425. b 450. a 475. a
376. b 401. c 426. b 451. a 476. b
377. e 402. d 427. e 452. e 477. c
378. a 403. b 428. e 453. d 478. c
379. b 404. c 429. a 454. b 479. d
380. c 405. a 430. d 455. d 480. d
381. d 406. e 431. b 456. c 481. b
382. d 407. e 432. c 457. d 482. c
383. b 408. d 433. c 458. e 483. c
384. c 409. c 434. d 459. a 484. e
385. d 410. d 435. b 460. e 485. b
386. d 411. c 436. a 461. b 486. d
387. a 412. c 437. d 462. c 487. d
388. c 413. d 438. a 463. a
389. e 414. c 439. b 464. b
390. c 415. a 440. a 465. a
391. d 416. e 441. d 466. a
392. a 417. c 442. e 467. c
393. d 418. c 443. b 468. a
www.grancursosonline.com.br 336 de 740

DIREITO CONSTITUCIONAL

488. (2017/TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO -


ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) No que se refere à composição de Supremo Tribunal Federal, Superior Tribunal de
Justiça e Tribunal Superior do Trabalho, a regra segundo a qual um quinto dos juízes será escolhido dentre
advogados e membros do Ministério Público aplica-se

a) a todos.
b) ao Superior Tribunal de Justiça e ao Tribunal Superior do Trabalho, apenas.
c) ao Supremo Tribunal Federal e ao Superior Tribunal de Justiça, apenas.
d) ao Superior Tribunal de Justiça, apenas.
e) ao Tribunal Superior do Trabalho, apenas.

489. (2017/TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO -


ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) Considere a seguinte afirmação, extraída do voto proferido pelo Ministro Relator,
em julgamento realizado no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho: O panorama constitucional atual alberga o
sistema sindical confederativo, estruturado em sindicatos, federações e confederações, e impõe a todas essas
entidades a unicidade sindical. Refere-se o excerto à norma constitucional segundo a qual

a) é vedada a criação de mais de uma organização sindical, em qualquer grau, representativa de categoria
profissional ou econômica, na mesma base territorial, que será definida pelos trabalhadores ou empregadores
interessados, não podendo ser inferior à área de um Município.
b) ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria, inclusive em questões
judiciais ou administrativas.

c) é obrigatória a participação dos sindicatos nas negociações coletivas de trabalho.


d) a lei não poderá exigir autorização do Estado para a fundação de sindicato, ressalvado o registro no órgão
competente, vedadas ao Poder Público a interferência e a intervenção na organização sindical.
e) é livre a associação profissional ou sindical, observado que ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se
filiado a sindicato.

490. (2017/TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO -


ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) Pessoa jurídica, referida em depoimento prestado no âmbito de processo
administrativo que tramita em determinado Ministério da Administração federal, que tem por objeto a apuração de
irregularidades em execução contratual, pretende obter acesso aos autos, para extração de cópias. Na hipótese de
lhe ser negado administrativamente o requerimento, por ato do Ministro de Estado respectivo, poderá a interessada,
em tese, valer-se judicialmente de

a) habeas corpus, de competência originária do Superior Tribunal de Justiça.


b) habeas data, de competência originária do Superior Tribunal de Justiça.
c) habeas data, de competência originária do Supremo Tribunal Federal.
d) mandado de segurança, de competência originária do Superior Tribunal de Justiça.
e) mandado de segurança, de competência originária do Supremo Tribunal Federal.

491. (2017/TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO -


ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) Decreto editado pelo Presidente da República promove a reorganização de
diferentes Ministérios da Administração federal, sem que haja criação de novos órgãos ou aumento de despesa, bem
como extingue centenas de cargos vagos até então existentes nos quadros dos órgãos em questão. Nessa hipótese,
o Presidente da República

a) extrapolou dos limites do poder regulamentar que lhe é assegurado pela Constituição Federal, competindo ao
Congresso Nacional sustar integralmente os efeitos do Decreto.
b) extrapolou dos limites do poder regulamentar que lhe é assegurado pela Constituição Federal, competindo ao
Congresso Nacional revogar o Decreto.
c) extrapolou dos limites do poder regulamentar que lhe é assegurado pela Constituição Federal, no que se refere
apenas à extinção de cargos, competindo ao Congresso Nacional sustar parcialmente os efeitos do Decreto.
d) extrapolou dos limites do poder regulamentar que lhe é assegurado pela Constituição Federal, no que se refere
apenas à reorganização dos Ministérios, competindo ao Congresso Nacional sustar parcialmente os efeitos do
Decreto.
e) agiu em conformidade com as competências que lhe são atribuídas pela Constituição Federal.

492. (2017/TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO -


ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) Ocupante de cargo público efetivo de médico estadual pretende prestar concurso
para o cargo de médico promovido pela Prefeitura do Município em que reside. Na hipótese de ser aprovado no
concurso em questão, à luz da Constituição Federal, o médico

a) poderá acumular os cargos, desde que haja compatibilidade de horários.


b) poderá acumular os cargos, desde que renuncie à remuneração de um deles.
c) estará impossibilitado de acumular os cargos, por pertencerem aos quadros de entes diferentes da Federação,
de modo que deverá requerer exoneração do cargo atual, caso pretenda tomar posse no municipal.
d) poderá acumular os cargos, apenas enquanto não adquirida a estabilidade no cargo municipal, ocasião em que
deverá optar por um deles.

e) estará impossibilitado de acumular os cargos, o que somente seria admitido se um fosse de professor, de modo
que deverá requerer exoneração do cargo atual, caso pretenda tomar posse no municipal.

493. (2017/TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO -


ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) À luz da Constituição Federal, processo disciplinar em face de magistrado poderá

I - ser revisto, de ofício, pelo Conselho Nacional de Justiça, desde que julgado há menos de um ano.
II - acarretar a perda do cargo, nos três primeiros anos de exercício, mediante deliberação do Tribunal a que o juiz
estiver vinculado.
III - acarretar sua aposentadoria, por interesse público, mediante decisão por voto da maioria absoluta do
respectivo Tribunal ou do Conselho Nacional de Justiça.

Está correto o que consta APENAS em

a) I.
b) II.
c) I e III.
d) I e II.
e) II e III.

494. (2017/TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO -


ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) Determinado Estado da federação promulga lei que autoriza o Poder Executivo a
conceder prêmio em dinheiro, como forma de estímulo à cultura regional, a artistas nascidos no Estado que
preencham determinadas condições, relativamente à produção e participação em eventos culturais no ano
imediatamente anterior à concessão do prêmio. Ocor-
re que, ao se apurarem as circunstâncias fáticas, verifica-se que apenas um artista, em todo o Estado, preenche as
condições em questão. Nessa hipótese, considerados os destinatários da norma, há ofensa aos princípios
constitucionais da

a) legalidade e publicidade.
b) igualdade e impessoalidade.
c) moralidade administrativa e eficiência.
d) impessoalidade e separação de poderes.
e) moralidade administrativa e publicidade.

495. (2017/TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO -


ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) Proposta de emenda à Constituição subscrita por 27 Senadores, visando acabar
com a obrigatoriedade do voto para os cidadãos de 18 a 70 anos de idade, obtém a aprovação, em dois turnos de
votação em cada Casa do Congresso Nacional, de dois terços de seus membros. À luz das regras constitucionais do
processo legislativo, referida proposta

a) é incompatível com a Constituição Federal, por não ter sido observado o número mínimo de assinaturas
necessárias para a propositura de emenda à Constituição por parlamentares.
b) é incompatível com a Constituição Federal, por não ter sido observado o quórum mínimo para aprovação de
emendas à Constituição.
c) é incompatível com a Constituição Federal, que estabelece que não será objeto de deliberação a proposta de
emenda tendente a abolir o voto.
d) será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, com o respectivo número de
ordem.
e) deverá ser submetida ao Presidente da República, que poderá sancioná-la ou vetá-la por motivo de
contrariedade ao interesse público ou por inconstitucionali- dade.

496. (2017/TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA APOIO ESPECIALIZADO -


ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) Nos termos da Constituição Federal, a aplicação de recursos da União
por_entidades de direito privado

a) é situação ofensiva aos princípios da legalidade e moralidade administrativa e, por isso, vedada.
b) submete-se ao sistema de controle externo, a cargo do Tribunal de Contas da União e exercido com o auxílio do
Congresso Nacional, sob os aspectos da legalidade, legitimidade e economicidade.
c) submete-se ao sistema de controle interno da Administração, sob os aspectos da legalidade e da avaliação de
resultados, quanto à eficácia e eficiência.
d) sujeita os responsáveis, em caso de ilegalidade ou irregularidade, à responsabilização administrativa, civil ou
penal, vedada a cumulação de penalidades em diferentes esferas.
e) submete-se ao controle externo exercido pelo Ministério Público, ao qual compete promover, privativamente, a
ação civil pública para defesa do patrimônio público, na hipótese de ilegalidade ou irregularidade.

497. (2017/TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA APOIO ESPECIALIZADO -


ESPECIALIDADE: TAQUIGRAFIA) À Defensoria Pública da União

a) compete, diretamente ou através de órgão a ela vinculado, representar a União, judicial e extrajudicialmente,
cabendo-lhe, nos termos da lei, as atividades de consultoria e assessoramento jurídico do Poder Executivo.
b) compete, ao lado das Defensorias Públicas estaduais e do Distrito Federal, a orientação jurídica, a promoção dos
direitos humanos e a defesa, em todos os graus, judicial e extrajudicial, dos direitos individuais e coletivos, de forma
integral e gratuita, aos necessitados.
c) são asseguradas autonomia funcional e administrativa e a iniciativa de sua proposta orçamentária dentro dos
limites estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias, diferentemente das Defensorias Públicas estaduais e do
Distrito Federal.
d) cabe exercer o controle externo da atividade policial, na forma estabelecida em lei complementar.
e) são asseguradas, como princípios institucionais, a unidade, a indivisibilidade e a independência funcional,
dando-se o ingresso na carreira, que tem como chefe o Advogado-Geral da União, mediante concurso público de
provas e títulos.

498. (2017/TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL/5a REGIÃO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Suponha


que a mesa do Senado Federal ajuíze ação direta de inconstitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal - STF,
em face de dispositivos do Código de Processo Civil segundo os quais tramitam em segredo de justiça os processos
em que constem dados protegidos pelo direito constitucional à intimidade, restringindo, ainda, às partes e aos seus
procuradores o direito de consultar os autos de processo nessas condições e de pedir certidões de seus atos. À luz da
Constituição Federal e da jurisprudência do STF, referida ação direta de inconstitucionalidade será

a) inadmissível, por faltar legitimidade ativa ao proponente, embora provida de fundamento, quanto ao mérito, na
medida em que todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos, assegurado a todos o direito a
receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, bem como de
obter certidões, independentemente do pagamento de taxas.
b) inadmissível, por inexistir pertinência temática entre o objeto da ação e as atividades da proponente, ainda que
esta figure no rol de legitimados para sua pro- positura, além de desprovida de fundamento, quanto ao mérito, na
medida em que a Constituição admite que lei restrinja o acesso a atos do processo, na situação

descrita, não havendo, ademais, ofensa ao direito a obter certidões em repartições públicas, assegurado para defesa
de direitos e esclarecimento de situações de interesse pessoal.

c) admissível, quanto à legitimidade ativa e ao objeto, embora desprovida de fundamento, quanto ao mérito, na
medida em que a Constituição permite à lei limitar a presença, em determinados atos, às próprias partes e a seus
advogados, em casos nos quais a preservação do direito à intimidade do interessado no sigilo não prejudique o
interesse público à informação, não havendo, ademais, ofensa ao direito a obter certidões em repartições públicas,
assegurado para defesa de direitos e esclarecimento de situações de interesse pessoal.
d) admissível, quanto à legitimidade ativa e ao objeto, embora desprovida de fundamento, quanto ao mérito, na
medida em que a Constituição permite à lei limitar a presença, em determinados atos, às próprias partes e a seus
advogados, em casos nos quais a preservação do direito à intimidade do interessado no sigilo não prejudique o
interesse público à informação, não havendo, ademais, ofensa ao direito a obter certidões em repartições públicas,
assegurado para defesa de direitos e esclarecimento de situações de interesse pessoal.
e) admissível, quanto à legitimidade ativa e ao objeto, e provida de fundamento, quanto ao mérito, no que se
refere ao direito de obter certidões, que não pode ser restrito, uma vez que a Constituição o assegura a todos,
independentemente do pagamento de taxas.

499. (2017/TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL/5a REGIÃO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) A


determinado juiz é imposta penalidade de aposentadoria, por interesse público, em sede de processo administrativo
disciplinar em que lhe é assegurada ampla defesa, tomada a decisão motivadamente, em sessão pública, por voto da
maioria absoluta do respectivo tribunal. Inconformado com a decisão, por

entender nulo o processo, o magistrado requer sua revisão pelo Conselho Nacional de Justiça - CNJ, sete meses após
a decisão. Nessa hipótese, considerados os elementos ora fornecidos, à luz da Constituição Federal,

a) assiste razão ao magistrado, quanto à nulidade do processo, por ter sido a decisão tomada por quórum inferior
ao de dois terços estabelecido constitucionalmente para esse fim, dispondo o CNJ de competência para rever o
processo disciplinar referido, já que julgado há menos de um ano.
b) assiste razão ao magistrado, quanto à nulidade do processo, por ter sido a decisão tomada por quórum inferior
ao de dois terços estabelecido constitucionalmente para esse fim, embora não disponha o CNJ de competência para
rever o processo disciplinar referido, por ter sido julgado há mais de seis meses.
c) assiste razão ao magistrado, quanto à nulidade do processo, por ter sido a decisão tomada em sessão pública,
ao passo que a Constituição determina que as disciplinares devam ser sigilosas, dispondo o CNJ de competência para
rever o processo disciplinar referido, já que julgado há menos de um ano.
d) não assiste razão ao magistrado, quanto à nulidade do processo, embora em tese seja atribuída ao CNJ
competência para rever processos disciplinares de juízes e membros de tribunais julgados há menos de um ano,
como o do caso em tela.
e) não assiste razão ao magistrado, quanto à nulidade do processo, e tampouco dispõe o CNJ de competência para
rever o processo disciplinar referido, por ter sido julgado há mais de seis meses.

500. (2017/TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL/5a REGIÃO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Em


procedimento tendo por objeto a decretação de intervenção do Estado em determinado Município de seu território,
o Tribunal de Justiça estadual respectivo deu provimento a representação, com vistas a prover a execução de decisão
judicial descumprida pelo Município em questão. Inconformado, o Município

interpôs recurso extraordinário em face da referida decisão. Diante da disciplina da matéria na Constituição Federal
e da jurisprudência correlata do Supremo Tribunal Federal, o procedimento adotado para a intervenção estadual sob
comento

a) não obedeceu ao trâmite estabelecido na Constituição, sendo admissível a interposição de recurso


extraordinário em face da decisão do Tribunal de Justiça, desde que comprovada a repercussão geral da questão
constitucional subjacente.
b) não obedeceu ao trâmite estabelecido na Constituição, não sendo, contudo, admissível a interposição de recurso
extraordinário em face da decisão do Tribunal de Justiça, por se tratar de decisão de natureza político-administrativa,
não dotada de caráter jurisdicional.
c) não obedeceu ao trâmite estabelecido na Constituição, não sendo admissível, contudo, a interposição de recurso
extraordinário em face da decisão do Tribunal de Justiça, e sim de reclamação perante o Supremo Tribunal Federal,
que teve usurpada sua competência para prover a representação em caso de decretação de intervenção.
d) obedeceu ao trâmite estabelecido na Constituição, embora em tese seja admissível a interposição de recurso
extraordinário em face da decisão do Tribunal de Justiça, desde que comprovada a repercussão geral da questão
constitucional subjacente.
e) obedeceu ao trâmite estabelecido na Constituição, não sendo admissível a interposição de recurso
extraordinário em face da decisão do Tribunal de Justiça, por se tratar de decisão de natureza político-administrativa,
não dotada de caráter jurisdicional.

501. (2017/TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL/5a REGIÃO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Projeto de


lei de iniciativa de Deputado Federal, tendo por objeto o estabelecimento de hipótese de prisão civil do depositário
infiel de bens

penhorados em juízo, é aprovado pela maioria absoluta dos membros da Câmara dos Deputados e, na sequência,
sem alterações, pelo Senado Federal, por maioria simples dos presentes, em sessão de votação a que compareceram
60 dos 81 de seus membros. O projeto é, assim, encaminhado à sanção presidencial. Nessa hipótese, consideradas
as normas constitucionais pertinentes e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, referido projeto de lei

a) padece de vício de inconstitucionalidade formal, por versar sobre matéria de iniciativa privativa do Presidente da
República, vício esse que não se convalida, ainda que haja posterior sanção presidencial.
b) padece de vício de inconstitucionalidade formal, por inobservância do quórum de aprovação nas Casas
legislativas, devendo ser vetado pelo Presidente da República, por motivo de inconstitucionalidade, no prazo de 15
dias úteis contados de seu recebimento.
c) padece de vício de inconstitucionalidade material, por ofensa a garantia de direito fundamental assegurada em
tratado internacional com status de norma constitucional, devendo ser vetado pelo Presidente da República, por
motivo de inconstitucionalidade, no prazo de 15 dias úteis contados de seu recebimento.
d) contraria teor de súmula vinculante, sendo passível de impugnação mediante reclamação perante o Supremo
Tribunal Federal.
e) não apresenta vício formal no processo legislativo, ainda que venha a ser sancionado expressa ou tacitamente
pelo Presidente da República, embora, no mérito, estabeleça hipótese de prisão ilícita, por contrariedade a norma de
tratado internacional em matéria de direitos fundamentais.
502. (2017/TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL/5a REGIÃO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Será
compatível com a disciplina constitucional do direito de propriedade

a) o Decreto do Presidente da República que declare como de interesse social, para fins de reforma agrária, o
imóvel rural que, por definição legal, seja média propriedade rural, ainda que seu proprietário não possua outra.
b) a concessão de terra pública com área de três mil e quinhentos hectares a pessoas físicas, para fins de reforma
agrária, independentemente de prévia aprovação do Congresso Nacional.
c) a aquisição do domínio de área urbana de duzentos e cinquenta metros quadrados por quem a possua e utilize
como moradia por cinco anos, ininterruptamente e sem oposição, ainda que seja proprietário de imóvel rural.
d) o Decreto de Prefeito municipal que declare de utilidade pública, para fins de desapropriação, imóvel urbano
subtilizado, incluído no Plano Diretor, mediante pagamento em títulos da dívida pública de emissão previamente
aprovada pelo Senado Federal, resgatáveis no prazo de até vinte anos, a partir do segundo ano de sua emissão.
e) a decisão judicial que determine a penhora de imóvel que, por definição legal, seja pequena propriedade rural,
para garantir o pagamento de débitos decorrentes de sua atividade produtiva, desde que trabalhada pela família.

503. (2017/TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL/5a REGIÃO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Nos termos
da Constituição Federal, ação previdenciária em que se pleiteie a concessão de benefício de aposentadoria por idade,
proposta por segurado em face do Instituto Nacional do Seguro Social, será processada e julgada perante a justiça

a) estadual, no caso em que o foro do domicílio do autor não seja sede de vara de juízo federal, cabendo o recurso
respectivo para o Tribunal Regional Federal na área de jurisdição do juiz de primeiro grau.

b) federal, no caso em que o foro do domicílio do autor não seja sede de vara de juízo estadual, cabendo o recurso
respectivo para o Tribunal Regional Federal na área de jurisdição do juiz de primeiro grau.
c) federal, salvo no caso em que o foro do domicílio do autor não seja sede de vara de juízo federal, hipótese em
que será de competência da justiça estadual, cabendo, nesta situação, o recurso respectivo para o Tribunal de
Justiça na área de jurisdição do juiz de primeiro grau.
d) federal, salvo no caso em que o foro do domicílio do autor não seja sede de vara de juízo federal, hipótese em
que será de competência da justiça estadual, cabendo, em qualquer situação, o recurso respectivo para o Tribunal
de Justiça na área de jurisdição do juiz de primeiro grau.
e) estadual, cabendo o recurso respectivo para o Tribunal de Justiça na área de jurisdição do juiz de primeiro grau.

504. (2017/TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL/5a REGIÃO/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Indivíduo


originário de país asiático requereu e obteve a nacionalidade brasileira em 2010, quinze anos depois de ter fixado e
mantido ininterruptamente residência no país. Foi condenado no exterior, pelo seu comprovado envolvimento em
tráfico ilícito de entorpecentes praticado no ano de 2012, por sentença criminal transitada em julgado em 2017,
tendo sido então requerida sua extradição. Nessa situação, à luz da Constituição Federal, o indivíduo em questão é
considerado

a) brasileiro nato, não podendo ser extraditado, embora possa vir a perder seus direitos políticos, em virtude da
condenação criminal, enquanto durarem os efeitos desta.
b) estrangeiro, que não goza de direitos políticos no Brasil, podendo ser extraditado, já que não se trata de
condenação por crime político ou de opinião.

c) brasileiro naturalizado, que pode ser extraditado, em virtude da natureza da atividade em que comprovado seu
envolvimento, bem como ter sua naturalização cancelada por decisão judicial, acaso o crime pelo qual foi condenado
constitua atividade nociva ao interesse nacional, hipótese em que perderá seus direitos políticos após o respectivo
trânsito em julgado.
d) brasileiro nato, que pode vir a ter seus direitos políticos suspensos enquanto durarem os efeitos da condenação
criminal, bem como ser extraditado, já que não se trata de condenação por crime político ou de opinião.
e) brasileiro naturalizado, não podendo ser extraditado, em virtude de ter sido condenado por crime praticado após
a naturalização, embora possa vir a ter sua naturalização cancelada por decisão judicial, acaso o crime pelo qual foi
condenado constitua atividade nociva ao interesse nacional, hipótese em que terá seus direitos políticos suspensos,
enquanto durarem os efeitos da condenação criminal.

505. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Considere as afirmações abaixo à luz da disciplina constitucional da reforma agrária.

I - São isentas de impostos federais, estaduais e municipais as operações de transferência de imóveis


desapropriados para fins de reforma agrária.
II - A pequena e média propriedade rural, assim definida em lei, desde que seu proprietário não possua outra, é
insuscetível de desapropriação para fins de reforma agrária.
III - As benfeitorias úteis não serão indenizadas na desapropriação para fins de

reforma agrária.

IV - Compete à União desapropriar propriedade rural que, segundo critérios e

graus de exigência estabelecidos em lei, não utilize adequadamente os recursos naturais disponíveis e não preserve
o meio ambiente.

V - Compete à União desapropriar propriedade rural que, segundo critérios e graus de exigência estabelecidos em
lei, explore de forma a prejudicar o bem-estar dos trabalhadores.

Está correto o que se afirma APENAS em

a) I, II, IV e V.
b) I, II e III.
c) II, III e IV.
d) I, III e V.
e) IV e V.

506. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Fernando passou mal de manhã em sua residência e, como estava sozinho, tentou sair para
buscar ajuda, mas não conseguiu nem abrir o portão de casa. Fernando teve tempo apenas de pedir auxílio ao seu
vizinho, Paulo, desmaiando logo em seguida, ali mesmo no jardim. Paulo, desesperado, rapidamente telefonou ao
Corpo de Bombeiros. Nessa situação, à luz da Constituição Federal, os bombeiros

a) não poderão penetrar no imóvel de Fernando, já que ele estava desacordado e por ser a casa asilo inviolável do
indivíduo, apenas se pode nela penetrar sem o consentimento do morador em caso de desastre.
b) deverão aguardar uma determinação judicial para penetrar no imóvel de Fernando, já que apenas com referida
ordem é possível adentrar em casa alheia.
c) não poderão penetrar no imóvel de Fernando, já que ele estava desacordado e por ser a casa asilo inviolável do
indivíduo, ninguém nela pode penetrar sem o consentimento do morador.
d) não poderão penetrar no imóvel de Fernando, já que ele estava desacordado e por ser a casa asilo inviolável do
indivíduo, apenas se pode nela penetrar sem o consentimento do morador, durante o dia, em caso de flagrante
delito.

e) estarão autorizados a adentrar no imóvel de Fernando, assim que chegarem, já que para a prestação de socorro
pode-se penetrar na casa do morador, sem o seu consentimento, a qualquer hora.

507. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Inconformado com determinado ato lesivo à moralidade administrativa praticado pelo
prefeito de seu município, o cidadão Roberto, sócio majoritário da empresa X, pretende que seja anulado o ato por
meio de ação popular, o que é

a) incabível, pois a ação popular não é admissível para anular ato lesivo à moralidade administrativa, mas apenas
ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural.
b) incabível, pois a ação popular não é admissível para anular ato lesivo à moralidade administrativa, mas apenas
ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe.
c) cabível, se proposta por Roberto, ficando ele, salvo comprovada má-fé, isento do pagamento de custas judiciais
e do ônus da sucumbência.
d) cabível, se proposta pela empresa da qual Roberto é sócio majoritário, ficando ela, salvo comprovada má-fé,
dispensada do pagamento de custas judiciais.
e) cabível, se proposta por Roberto ou pela empresa da qual é sócio majoritário, dispensado o pagamento de
custas judiciais, respondendo, o autor ou a autora, porém, pelo pagamento das verbas decorrentes da sucumbência,
salvo se comprovada a hipossuficiência.

508. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Considere as situações abaixo.

I - Anny e Joseph, ambos norte-americanos, decidiram sediar uma empresa no Brasil e, por essa razão,
mudaram-se para o Rio de Janeiro, onde nasceu seu primeiro filho - Anthony.
II - Carlos, brasileiro e diplomata, foi convocado para representar o Brasil na Itália e lá conheceu sua esposa
Valentina, italiana, com quem teve o filho Enrico, que nasceu em solo italiano.
III - Yohanes e Natália, ambos brasileiros, após namorarem por oito anos resolveram se casar e morar na
Alemanha, onde Yohanes possui família, e lá tiveram dois filhos, Hans e Klaus. Ao contrário de Hans, Klaus foi
registrado em repartição brasileira competente.

São brasileiros natos:

a) Enrico, por ser filho de brasileiro que estava na Itália a serviço do Brasil; e Klaus, por ser filho de brasileiros e
ter sido registrado em repartição pública brasileira competente. Por outro lado, não são brasileiros natos: Anthony,
pois apesar de ter nascido em território brasileiro, é filho de estrangeiros; e Hans, por não ter sido registrado em
repartição brasileira competente, não sendo possível a opção pela nacionalidade brasileira originária, ainda que
venha a residir no Brasil.
b) Anthony, por ter nascido em solo brasileiro, ainda que de pais estrangeiros; Enrico, por ser filho de brasileiro que
estava na Itália a serviço do Brasil; Klaus, por ser filho de brasileiros e ter sido registrado em repartição pública
brasileira competente; e Hans, caso venha a residir no Brasil e opte, em qualquer tempo, depois de atingida a
maioridade, pela nacionalidade brasileira.
c) Klaus, por ser filho de brasileiros e ter sido registrado em repartição pública brasileira competente; e Hans, caso
venha a residir no Brasil e opte, em qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela nacionalidade brasileira.
Por outro lado, não são brasileiros natos: Anthony, pois apesar de ter nascido em território brasileiro, é filho de
estrangeiros; e Enrico, pois, além de ter nascido no exterior, é filho de mãe estrangeira.

d) Anthony, por ter nascido em solo brasileiro, ainda que de pais estrangeiros; Enrico, por ser filho de brasileiro que
estava na Itália a serviço do Brasil; Klaus, por ser filho de brasileiros e ter sido registrado em repartição pública
brasileira competente, caso confirme sua opção pela nacionalidade brasileira, mediante petição dirigida ao Ministério
das Relações Exteriores brasileiro, depois de atingida a maioridade; e Hans, caso venha a residir no Brasil e opte,
após pelo menos dois anos de residência em solo brasileiro, depois de atingida a maioridade, pela nacionalidade
brasileira.
e) Anthony, por ter nascido em solo brasileiro, ainda que de pais estrangeiros; Klaus por ser filho de brasileiros e
ter sido registrado em repartição pública brasileira competente. Por outro lado, não são brasileiros natos: Enrico,
pois além de ter nascido no exterior, é filho de mãe estrangeira; e Hans, por não ter sido registrado em repartição
brasileira competente, não sendo possível a opção pela nacionalidade brasileira originária, ainda que venha a residir
no Brasil.

509. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Leiza, canadense naturalizada brasileira, teve cancelada sua naturalização, por sentença
judicial transitada em julgado, em virtude de atividade nociva ao interesse nacional. À luz da Constituição Federal,
na situação de Leiza,

a) não há que se falar na suspensão dos seus direitos políticos, pois esta se dá apenas nos casos de improbidade
administrativa e de recusa de cumprir obrigação a todos imposta ou prestação alternativa.
b) não há que se falar na perda dos seus direitos políticos, pois esta se dá apenas nos casos de incapacidade civil
absoluta.
c) dar-se-á a suspensão dos seus direitos políticos, que serão readquiridos 8anos após o trânsito em julgado da
decisão que cancelou sua naturalização.

d) dar-se-á a perda dos seus direitos políticos.


e) dar-se-á a suspensão, perda ou manutenção dos seus direitos políticos, alternativamente, a critério do juiz,
diante das peculiaridades do caso concreto.

510. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Determinada universidade brasileira pretende admitir Jerome, francês, graduado e
pós-graduado em instituição de ensino de seu país de origem, para ministrar aulas em seu campus. Nos termos da
Constituição Federal, a admissão de Jerome é

a) inviável, pois é permitido às universidades admitir apenas cientistas estrangeiros, na forma da lei.
b) inviável, pois é permitido às universidades admitir apenas técnicos estrangeiros, na forma da lei.
c) viável, pois o corpo docente das universidades deve ser formado por no mínimo 1/3 de professores, técnicos e
cientistas estrangeiros.
d) inviável, pois é vedado às universidades admitir profissionais estrangeiros para integrarem seus quadros.
e) viável, pois é facultado às universidades a dmitir professores estrangeiros, na forma da lei.

511. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Rubens, brasileiro naturalizado, tem 34 anos e é advogado de notório saber jurídico e
reputação ilibada, exercendo efetivamente a advocacia há mais de dez anos. Walter, brasileiro nato, tem 30 anos de
idade e exerce o cargo de Juiz Federal há quatro anos. Ambos pretendem integrar o Tribunal Regional Federal - TRF
da região em que atuam. Considerados apenas esses elementos, à luz da Constituição Federal, os requisitos para
tanto são preenchidos por

a) Rubens, pois é brasileiro, tem mais de 30 anos e os Tribunais Regionais Federais são compostos por um quinto
dentre advogados de notório saber jurídico e reputação ilibada, com mais de dez anos de efetiva atividade
profissional e membros do Ministério Público Federal com mais de dez anos de carreira; assim como por Walter, pois
é brasileiro, tem mais de 30 anos e já foi aprovado no período probatório para o exercício do cargo de Juiz Federal.
b) Walter, apenas, pois é brasileiro, tem mais de 30 anos e já foi aprovado no período probatório para o exercício
do cargo de Juiz Federal. Rubens não poderia compor o TRF por ser brasileiro naturalizado.
c) Rubens, apenas, pois é brasileiro, tem mais de 30 anos e os Tribunais Regionais Federais são compostos por um
quinto dentre advogados de notório saber jurídico e reputação ilibada, com mais de dez anos de efetiva atividade
profissional e membros do Ministério Público Federal com mais de dez anos de carreira. Walter não poderia compor
o TRF, neste momento, pois exerce o cargo de Juiz Federal há menos de cinco anos.
d) nenhum dos dois, neste momento, por não terem atingido a idade mínima de 35 anos.
e) Rubens, apenas, pois é brasileiro, tem mais de 30 anos e os Tribunais Regionais Federais são compostos por um
terço dentre advogados de notório saber jurídico e reputação ilibada, com mais de cinco anos de efetiva atividade
profissional e membros do Ministério Público Estadual com mais de cinco anos de carreira. Walter não poderia
compor o TRF, neste momento, pois exerce o cargo de Juiz Federal há menos de cinco anos.

512. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Paula é atleta profissional e enfrentou um problema em uma competição da qual participou.
Por ocorrência de erro técni-
co, Paula foi classificada em terceiro lugar, quando, na verdade, deveria ter ocupado o primeiro lugar do pódio.
Diante do ocorrido, ela decidiu impugnar o resultado da prova, para, comprovando o erro, obter a colocação correta,
além do prêmio pertinente ao vencedor da referida competição. Nos termos da Constituição Federal, Paula deverá
adotar a medida cabível para atingir os fins pretendidos

a) primeiramente perante a justiça desportiva, pois o Poder Judiciário só admitirá ações relativas às competições
desportivas após esgotarem-se as instâncias da justiça desportiva.
b) primeiramente perante o Poder Judiciário, pois a justiça desportiva só admitirá ações relativas às competições
desportivas após esgotarem-se as instâncias do Poder Judiciário.
c) perante a justiça desportiva, pois ao Poder Judiciário não é dado admitir ações relativas às competições
desportivas, já que existe uma justiça especializada em processar e julgar tais casos.
d) perante o Poder Judiciário, pois a justiça desportiva admite apenas ações relativas à disciplina desportiva.
e) primeiramente perante o Poder Judiciário, pois a justiça desportiva só admitirá ações relativas à disciplina e às
competições desportivas após a prolação da decisão de primeira instância do Poder Judiciário.

513. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Nos termos da Constituição Federal, as terras que tradicionalmente os índios ocupam

a) são inalienáveis e indisponíveis; e, com relação aos recursos hídricos, incluídos os potenciais energéticos, a
pesquisa e a lavra das riquezas minerais em terras indígenas, o seu aproveitamento só pode ser efetivado com a
autorização da Fundação Nacional do Índio e do Ministério Público Federal, sem a necessidade da oi- tiva das
comunidades afetadas, ficando-lhes, porém, assegurada participação nos resultados da lavra.

b) podem ser alienadas ad referendum do Congresso Nacional; e o aproveitamento dos recursos hídricos, incluídos
os potenciais energéticos, a pesquisa e a lavra das riquezas minerais em terras indígenas só podem ser efetivados
com autorização do Congresso Nacional, ouvidas as comunidades afetadas, ficando-lhes assegurada participação
nos resultados da lavra, na forma da lei.
c) são inalienáveis e indisponíveis; e o aproveitamento dos recursos hídricos, incluídos os potenciais energéticos,
a pesquisa e a lavra das riquezas minerais em terras indígenas só podem ser efetivados com autorização do
Congresso Nacional, ouvidas as comunidades afetadas, ficando-lhes assegurada participação nos resultados da lavra,
na forma da lei.
d) podem ser alienadas, desde que haja um planejamento para recolocação de todos os membros da tribo em
conformidade com a Política Indigenista realizada pela Fundação Nacional do Índio, com intervenção do Ministério
Público Federal e ouvidas as comunidades atingidas; e, com relação aos recursos hídricos, incluídos os potenciais
energéticos, a pesquisa e a lavra das riquezas minerais em terras indígenas, o seu aproveitamento só pode ser
efetivado com a autorização da Fundação Nacional do Índio e do Ministério Público Federal, sem a necessidade da oi-
tiva das comunidades afetadas, ficando-lhes, porém, assegurada participação nos resultados da lavra.
e) podem ser alienadas ad referendum do Congresso Nacional; e, com relação aos recursos hídricos, incluídos os
potenciais energéticos, a pesquisa e a lavra das riquezas minerais em terras indígenas, o seu aproveitamento por
terceiros, mesmo que de boa-fé, é, em qualquer hipótese, proibido constitucionalmente.

514. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Determinada região situada no território do Estado X pretende desmembrar-se deste para se
anexar ao Estado Y, ao passo que os Municípios W e Z pretendem fundir-se. A Constituição Federal

a) autoriza o desmembramento do Estado X para se anexar ao Estado Y, mediante aprovação da população


interessada, através de referendo, e do Congresso Nacional, por lei complementar; assim como autoriza a fusão dos
Municípios W e Z que se fará por lei municipal, dentro do período determinado por Lei Complementar Federal, e
dependerá de consulta, mediante referendo, às populações dos Municípios envolvidos, após divulgação dos Estudos
de Viabilidade Municipal, apresentados e publicados na forma da lei.
b) autoriza o desmembramento do Estado X para se anexar ao Estado Y, mediante aprovação da população
interessada, através de plebiscito, e do Congresso Nacional, por lei complementar; assim como autoriza a fusão dos
Municípios W e Z que se fará por lei estadual, dentro do período determinado por Lei Complementar Federal, e
dependerá de consulta prévia, mediante plebiscito, às populações dos Municípios envolvidos, após divulgação dos
Estudos de Viabilidade Municipal, apresentados e publicados na forma da lei.
c) não autoriza o desmembramento do Estado X para se anexar ao Estado Y, pois permite apenas que os Estados
se incorporem entre si ou que se subdividam mediante aprovação da população interessada, através de plebiscito,
e do Congresso Nacional, por lei complementar; autorizando, de outro lado, a fusão dos Municípios W e Z que se fará
por lei estadual, dentro do período determinado por Lei Complementar Federal, e dependerá de consulta prévia,
mediante plebiscito, às populações dos Municípios envolvidos, após divulgação dos Estudos de Viabilidade Municipal,
apresentados e publicados na forma da lei.
d) não autoriza o desmembramento do Estado X para se anexar ao Estado Y, pois permite apenas o
desmembramento de Estados para formarem novos Estados ou Territórios, mediante aprovação da população
interessada, através de referendo, e do Congresso Nacional, por lei complementar; assim como não autoriza a fusão
dos Municípios W e Z, pois permite apenas a criação, a incorporação e o desmembra-

mento de Municípios que se farão por lei estadual, dentro do período determinado por Lei Complementar Federal, e
dependerão de consulta, mediante referendo, às populações dos Municípios envolvidos, após divulgação dos Estudos
de Viabilidade Municipal, apresentados e publicados na forma da lei.

e) autoriza o desmembramento do Estado X para se anexar ao Estado Y, mediante aprovação da população


interessada, através de plebiscito, e do Congresso Nacional, por lei complementar; não autoriza, de outro lado, a
fusão dos Municípios W e Z, pois permite apenas a criação, a incorporação e o desmembramento de Municípios que
se farão por lei estadual, dentro do período determinado por Lei Complementar Federal, e dependerão de consulta,
mediante referendo, às populações dos Municípios envolvidos, após divulgação dos Estudos de Viabilidade Municipal,
apresentados e publicados na forma da lei.

515. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Nuno e Manuel são dois jovens adultos de
nacionalidade originária portuguesa que fixaram residência no Brasil e, após cumpridos os requisitos pertinentes,
adquiriram a nacionalidade brasileira. Nuno almeja um dia tornar- se Ministro do Supremo Tribunal Federal - STF e
Manuel, seguir a carreira diplomática a serviço da República Federativa do Brasil, não possuindo qualquer dos dois
a intenção de voltar a seu país de origem. Considerados esses elementos, à luz da Constituição Federal,

a) ambos poderão exercer os cargos pretendidos, desde que haja reciprocidade em favor de brasileiros na
legislação portuguesa.
b) ambos poderão exercer os cargos pretendidos, pois estes podem ser ocupados tanto por brasileiros natos
quanto por brasileiros naturalizados.
c) N uno poderá exercer o cargo pretendido, mas Manuel não, porque os cargos da carreira diplomática,
diferentemente do de Ministro do STF, são privativos de brasileiros natos.

d) N uno não poderá exercer o cargo pretendido, por ser privativo de brasileiro nato, restrição essa que não se
aplica aos cargos da carreira diplomática, podendo Manuel vir a exercê-los.
e) nenhum dos dois poderá exercer os cargos pretendidos, por serem estes privativos de brasileiros natos.

516. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considere as situações abaixo.

I - Gilberto é militar, conta com mais de dez anos de serviço, possui alistamento eleitoral e pretende candidatar-se
a Vereador.

II - Demétrio é conscrito e pretende, durante o período do serviço militar obrigatório, alistar-se como eleitor, o que
não havia feito anteriormente.

Segundo o texto constitucional, considerados apenas os dados ora fornecidos, Gilberto

a) poderá candidatar-se, mas será agregado pela autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no
ato da diplomação, para a inatividade, ao passo que Demétrio não poderá alistar-se como eleitor no período
pretendido.
b) poderá candidatar-se, mas será agregado pela autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no
ato da posse, para a inatividade, assim como Demé- trio poderá alistar-se como eleitor no período pretendido.
c) não poderá candidatar-se, nem Demétrio poderá alistar-se como eleitor no período pretendido.
d) poderá candidatar-se, mas deverá afastar-se da atividade militar quatro meses antes das eleições, ao passo que
Demétrio poderá alistar-se como eleitor no período pretendido.
e) não poderá candidatar-se, vedada, em qualquer hipótese, a candidatura do militar, não importando, para esse
fim, o tempo de serviço, assim como Demétrio não poderá alistar-se como eleitor no período pretendido.

517. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - AREA ADMINISTRATIVA) A Constituição Federal, ao disciplinar


direitos e garantias fundamentais, assegura gratuidade às ações de

a) habeas data e mandado de injunção.


b) habeas corpus, habeas data, mandado de injunção, mandado de segurança, e, na forma da lei, aos atos
necessários ao exercício da cidadania.
c) mandado de injunção e mandado de segurança.
d) habeas data, mandado de segurança, e, na forma da lei, aos atos necessários ao exercício da cidadania.
e) habeas corpus, habeas data e, na forma da lei, aos atos necessários ao exercício da cidadania.

518. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) De acordo com a Constituição Federal, a
remoção de grupos indígenas das terras que tradicionalmente ocupam é

a) permitida apenas em caso de catástrofe ou epidemia que ponha em risco sua população, após deliberação do
Senado Federal, garantido, em qualquer hipótese, o retorno imediato logo que cesse o risco.
b) vedada, salvo, ad referendum do Senado Federal, em caso de catástrofe ou epidemia que ponha em risco sua
população, ou no interesse da soberania do País, após deliberação do Senado Federal, garantido, em qualquer
hipótese, o retorno imediato logo que cesse o risco.
c) permitida apenas em caso de catástrofe ou epidemia que ponha em risco sua população, após deliberação do
Congresso Nacional, garantido, em qualquer hipótese, o retorno imediato logo que cesse o risco.
d) vedada, salvo, ad referendum do Congresso Nacional, em caso de catástrofe ou epidemia que ponha em risco
sua população, ou no interesse da soberania do País, após deliberação do Congresso Nacional, garantido, em
qualquer hipótese, o retorno imediato logo que cesse o risco.

e) vedada, salvo, ad referendum da Câmara dos Deputados, em caso de catástrofe ou epidemia que ponha em
risco sua população, ou no interesse da soberania do País, após deliberação do Senado Federal, garantido, em
qualquer hipótese, o retorno imediato logo que cesse o risco.

519. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Genésio assistiu a um documentário que
falava dos riscos para a humanidade dos danos causados ao meio ambiente. Curioso sobre a competência para
legislar sobre esse tema e, como estudante de Direito e futuro defensor da causa, consultou a Constituição Federal
e descobriu que compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre
responsabilidade por dano ao meio ambiente. Constatou, também, ainda na Constituição Federal, que no âmbito da
legislação concorrente, a competência da União

a) limitar-se-á a estabelecer normas gerais, o que não exclui a competência suplementar dos Estados e, ainda que
inexista lei federal sobre normas gerais, os Estados não poderão exercer a competência legislativa plena para
atender a suas peculiaridades.
b) limitar-se-á a estabelecer normas gerais, o que não exclui a competência suplementar dos Estados e,
inexistindo lei federal sobre normas gerais, os Estados exercerão a competência legislativa plena, para atender a
suas peculiaridades, sendo que a superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia da lei
estadual, no que lhe for contrário.
c) limitar-se-á a estabelecer normas gerais, o que não exclui a competência suplementar dos Estados e,
inexistindo lei federal sobre normas gerais, os Estados exercerão a competência legislativa plena, para atender a
suas peculiaridades, sendo que a superveniência de lei federal sobre normas gerais revoga a lei estadual.
d) limitar-se-á a estabelecer normas gerais, o que exclui a competência suplementar dos Estados.
e) não está limitada a estabelecer normas gerais, o que exclui a competência suplementar dos Estados.

520. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Anastácio é Ministro do Supremo Tribunal
Federal e Anacleto, membro do Conselho Nacional de Justiça. A ambos é imputada a prática de crime de
responsabilidade. Diante dessa situação hipotética, à luz da Constituição Federal, compete privativamente

a) à Câmara dos Deputados processar e julgar tanto Anastácio quanto Anacleto.


b) à Câmara dos Deputados processar e julgar Anastácio e ao Senado Federal processar e julgar Anacleto.
c) ao Supremo Tribunal Federal processar e julgar tanto Anastácio quanto Anacleto.
d) ao Senado Federal processar e julgar tanto Anastácio quanto Anacleto.
e) ao Supremo Tribunal Federal processar e julgar Anastácio e ao Congresso Nacional processar e julgar Anacleto.

521. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considere que ao Presidente da República
seja imputada a prática de ato tipificado em lei federal como ato atentatório contra o livre exercício do Poder
Judiciário. Nessa hipótese, segundo a Constituição Federal, admitida a acusação contra o Presidente

a) por dois terços do Senado Federal, será ele submetido a julgamento perante o Congresso Nacional,
permanecendo no exercício de suas funções, após a instauração do processo pelo Senado Federal, até julgamento
final.
b) por dois quintos da Câmara dos Deputados, será ele submetido a julgamento perante o Senado Federal, ficando,
após a instauração do processo pelo Senado Federal, suspenso de suas funções por até 120 dias.

c) por dois terços da Câmara dos Deputados, será ele submetido a julgamento perante o Senado Federal, ficando,
após a instauração do processo pelo Senado Federal, suspenso de suas funções por até 180 dias.
d) pela maioria absoluta da Câmara dos Deputados, será ele submetido a julgamento perante o Supremo Tribunal
Federal, permanecendo no exercício de suas funções, após a instauração do processo pelo Senado Federal, até
julgamento final.
e) por dois terços do Senado Federal, será ele submetido a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal,
ficando, após a instauração do processo pelo Senado Federal, suspenso de suas funções por até 180 dias.

522. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) De acordo com a Constituição Federal,
eventual ação de indenização movida por particular em virtude de acidente de trânsito ocorrido em Recife,
envolvendo veículo de propriedade da União Federal, deve ser ajuizada perante juízes

a) federais, aos quais compete processar e julgar as causas em que a União for interessada na condição de autora,
ré, assistente ou oponente, exceto as de falência, as de acidentes de trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à
Justiça do Trabalho.
b) estaduais, aos quais compete processar e julgar as causas em que a União for interessada na condição de autora,
ré, assistente ou oponente, exceto as de falência, as de acidentes de trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à
Justiça do Trabalho.
c) federais, aos quais compete processar e julgar as causas em que a União for interessada na condição de autora,
ré, assistente ou oponente, exceto, apenas, as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho.
d) estaduais, aos quais compete processar e julgar as causas em que a União for interessada na condição de autora,
ré, assistente ou oponente, exceto, apenas, as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho.

e) federais, aos quais compete processar e julgar todas as causas em que a União for interessada na condição de
autora, ré ou oponente.
523. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Gilson e André pretendem se tornar
Procurador-Geral da República. Gilson é membro do Ministério Público Federal e tem 34 anos e Antônio é membro do
Ministério Público Estadual e tem 50 anos. Nessas condições, de acordo com a Constituição Federal,

a) apenas André poderá ser Procurador-Geral da República, após nomeação pelo Presidente da República e
posterior aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Senado Federal, para mandato de dois anos,
permitida a recondução.
b) apenas Gilson poderá ser Procurador-Geral da República, após nomeação pelo Presidente da República e
posterior aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Senado Federal, para mandato de dois anos,
permitida a recondução.
c) nenhum dos dois poderá ser Procurador-Geral da República.
d) Gilson ou André poderão ser Procurador-Geral da República, após nomeação pelo Presidente da República e
posterior aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Senado Federal, para mandato de dois anos,
permitida a recondução.
e) apenas Gilson poderá ser Procurador-Geral da República, após nomeação pelo Presidente da República e
posterior aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Congresso Nacional, para um único
mandato de quatro anos.

524. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Kleber é Ministro do Superior Tribunal de
Justiça; Jaime é advogado de notável saber jurídico e idoneidade moral, e tem mais de dez anos de efetiva atividade
profissional. Com base nas informações fornecidas e de acordo com a Constituição Federal, para compor o Tribunal
Superior Eleitoral

a) estão habilitados Kleber e Jaime, podendo, porém, ser eleito Corregedor Eleitoral apenas Kleber.
b) está habilitado apenas Kleber, podendo também ser eleito Corregedor Eleitoral.
c) está habilitado apenas Jaime, podendo também ser eleito Corregedor Eleitoral.
d) estão habilitados Kleber e Jaime, podendo, porém, ser eleito Presidente do Tribunal Superior Eleitoral apenas
Jaime.
e) está habilitado apenas Kleber, podendo também ser eleito Presidente do Tribunal Superior Eleitoral.

525. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) À luz dos princípios gerais da atividade
econômica na Constituição Federal,

a) poderão ser autorizados sob regime de permissão a pesquisa, a lavra, o enriquecimento, o reprocessamento, a
industrialização e o comércio de minérios e minerais nucleares e seus derivados, com exceção dos radioisótopos cuja
produção, comercialização e utilização constituem monopólio da União.
b) a pesquisa e a lavra de recursos minerais e o aproveitamento dos potenciais de energia hidráulica somente
poderão ser efetuados mediante concessão da União, no interesse nacional, por brasileiros ou empresa estrangeira,
independentemente do país em que se localize sua sede e administração, desde que tenha sido constituída sob as leis
brasileiras, na forma da lei, que estabelecerá as condições específicas quando essas atividades se desenvolverem em
faixa de fronteira ou terras indígenas.
c) a autorização de pesquisa será sempre por prazo determinado, e as autorizações e concessões de exploração de
jazidas e demais recursos minerais, bem como de potenciais de energia hidráulica, poderão ser cedidas ou
transferidas totalmente, com prévia anuência do poder concedente, ou parcialmente, sem a necessidade da referida
anuência.

d) o aproveitamento do potencial de energia renovável, mesmo que seja de capacidade reduzida, dependerá de
autorização ou concessão.
e) as jazidas, em lavra ou não, e demais recursos minerais e os potenciais de energia hidráulica constituem
propriedade distinta da do solo, para efeito de exploração ou aproveitamento, e pertencem à União, garantida ao
concessionário a propriedade do produto da lavra.

526. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Adamastor, advogado, pretende ingressar
com medida destinada à proteção de direito líquido e certo à retificação de dados a seu respeito constantes dos
arquivos de repartição pública federal. Sabendo-se que Adamastor não tem condições de pagar custas processuais
sem prejuízo do sustento de sua família, pode-se afirmar que para a retificação desejada deverá ingressar com

a) habeas data, sem que necessite pleitear os benefícios da Justiça gratuita em seu favor, já que, consoante a
Constituição Federal, o habeas data, o mandado de injunção e o habeas corpus são ações gratuitas.
b) mandado de segurança e pleitear os benefícios da Justiça gratuita em seu favor.
c) habeas data e pleitear os benefícios da Justiça gratuita em seu favor.
d) habeas corpus, se se tratar de dados pertinentes à vida pregressa na esfera criminal, pleiteando os benefícios
da Justiça gratuita em seu favor.
e) habeas data, sem que necessite pleitear os benefícios da Justiça gratuita em seu favor, já que, consoante a
Constituição Federal, o habeas data e o habeas corpus são ações gratuitas.

527. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Fernando, um dos fundadores do partido
político "Força e Fé", deseja fundi- lo ao partido político "Força e Crença", cuja proposta programática é
complementar à sua. Visa, ainda,

buscar novas fontes de financiamento da atividade partidária, cogitando, para tanto, contar com o apoio de entidade
ou governo estrangeiros. Em conformidade com a Constituição Federal, resguardados a soberania nacional, o regime
democrático, o pluripartidarismo e os direitos fundamentais da pessoa humana, a

a) referida fusão é livre, sendo proibido, contudo, o recebimento de recursos financeiros de entidade ou governo
estrangeiros ou a subordinação a estes.
b) referida fusão é livre, sendo permitido, ainda, o recebimento de recursos financeiros de governo estrangeiro,
bem como a subordinação a este, desde que respeitada a legislação pátria.
c) criação, a incorporação e a extinção de partidos políticos são livres, mas é proibida a referida fusão, sendo
permitido o recebimento de recursos financeiros de entidade estrangeira, embora proibida a subordinação a esta.
d) criação e a extinção de partidos políticos são livres, mas são proibidas a referida fusão ou a incorporação, sendo
ainda proibido o recebimento de recursos financeiros de entidade ou governo estrangeiros ou a subordinação a estes.
e) referida fusão é livre, sendo permitido o recebimento de recursos financeiros de governo estrangeiro, mas
proibido o de entidades estrangeiras, assim como a subordinação a estas.

528. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Fiona e Gael são irmãos, filhos de pai e mãe
estrangeiros que há muitos anos fixaram residência no Brasil. Fiona é a primogênita, sete anos mais velha que o
irmão, nasceu em Portugal, mas se naturalizou brasileira; Gael, o caçula, nasceu em terras brasileiras. No dia de seu
aniversário de 30 anos, Gael anunciou seu desejo de candidatar-se ao cargo de Presidente da República, nas eleições
de 2018, e de ter sua irmã como Vice. Fiona, entretanto, disse que pretende candidatar-se a Governadora do Estado
em que residem.

Considerando apenas as informações fornecidas, presentes os demais requisitos, à luz da Constituição Federal, Gael

a) poderá candidatar-se ao cargo de Presidente da República; Fiona não poderá candidatar-se ao de


Vice-Presidente da República, mas poderá candidatar-se ao de Governadora do Estado.
b) não poderá candidatar-se ao cargo de Presidente da República; Fiona poderá candidatar-se tanto ao cargo de
Vice- Presidente da República quanto ao de Governadora do Estado.
c) não poderá candidatar-se ao cargo de Presidente da República; Fiona não poderá candidatar-se ao cargo de
Vice- Presidente da República, tampouco ao de Governadora do Estado.
d) não poderá candidatar-se ao cargo de Presidente da República; Fiona não poderá candidatar-se ao cargo de
Vice- Presidente da República, mas poderá candidatar-se ao de Governadora do Estado.
e) poderá candidatar-se ao cargo de Presidente da República; Fiona poderá candidatar-se tanto ao cargo de
Vice-Presidente da República quanto ao de Governadora do Estado.

529. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Ao disciplinar a organização


político-administrativa da República brasileira, a Constituição Federal estabelece que a União

a) não intervirá, jamais, nos Estados, já que adota o princípio da não intervenção.
b) não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto, dentre outras hipóteses expressamente previstas,
para reorganizar as finanças da unidade da Federação que suspender o pagamento da dívida fundada por mais de
dois anos consecutivos, salvo motivo de força maior.

c) intervirá nos Estados sempre que entender necessária sua intervenção, o que se fará por meio de decreto do
Presidente da República, que somente poderá ser editado mediante prévia autorização do Senado Federal e
referendo do Supremo Tribunal Federal.
d) intervirá nos Estados e no Distrito Federal para garantir o livre exercício dos Poderes Executivo e Legislativo,
sendo proibida, contudo, sua intervenção no Poder Judiciário, já que a este é atribuída a função de administração da
Justiça na sociedade.
e) está autorizada a intervir nos Municípios dos Estados e do Distrito Federal quando deixar de ser paga, sem
motivo de força maior, por um ano, a dívida fundada.

530. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considere as afirmações abaixo sobre o
patrimônio cultural brasileiro.

I - Os modos de criar, fazer e viver, bem como as formas de expressão, portadores de referência à identidade, ação
e memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira constituem patrimônio cultural brasileiro. II -
Ficam tombados todos os documentos e os sítios detentores de reminiscências históricas dos antigos quilombos.

III - É facultado aos Estados e ao Distrito Federal vincular a fundo estadual de fo

mento à cultura até cinco décimos por cento de sua receita tributária líquida, para o financiamento de programas e
projetos culturais, vedada a aplicação desses recursos no pagamento de despesas com pessoal e encargos sociais,
serviço da dívida e qualquer outra despesa corrente não vinculada diretamente aos investimentos ou ações
apoiados.

IV - As edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-cultu

rais não constituem patrimônio cultural brasileiro.

À luz da Constituição Federal, está correto o que se afirma APENAS em

a) I, III e IV.
b) I e III.
c) II e IV.
d) I, II e III.
e) II, III e IV.

531. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A Convenção sobre os Direitos das Pessoas
com Deficiência, assinada em Nova Iorque no ano de 2007, foi aprovada em 2008, em cada Casa do Congresso
Nacional, em dois turnos, por quóruns superiores a três quintos dos votos dos respectivos membros em cada turno
de votação, tendo sido no ano seguinte promulgada por Decreto do Presidente da República. À luz do disposto na
Constituição Federal, considerando tratar-se de convenção internacional sobre direitos humanos, referido ato
normativo é equivalente à

a) lei ordinária, pois tratados e convenções internacionais, independentemente de seu conteúdo, possuem esse
status a partir do momento em que são promulgados no Brasil.
b) emenda constitucional, tendo em vista o procedimento observado para sua aprovação no Congresso Nacional.
c) lei complementar, pois tratados e convenções internacionais em matéria de direitos humanos, que
complementam a Constituição Federal, possuem esse status, a partir do momento em que são ratificados pelo Brasil.
d) emenda constitucional, pois os tratados e convenções internacionais, independentemente de seu conteúdo,
possuem esse status.
e) emenda constitucional, pois os tratados e convenções internacionais que versem sobre direitos humanos
possuem esse status, independentemente do procedimento de aprovação adotado no Congresso Nacional.
532. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A Constituição Federal consagra hipóteses
de aquisição de propriedade urbana e rural por usucapião, estabelecendo que, para a usucapião de área de terra em
zona rural,

a) tanto quanto para a usucapião de área urbana, a posse deve ser exercida sem oposição pelo prazo de cinco anos
ininterruptos.
b) o possuidor só não pode ser proprietário de outro imóvel rural, ao passo que, para a usucapião de área urbana,
o possuidor só não pode ser proprietário de outro imóvel urbano.
c) exige-se que o possuidor a torne produtiva por seu trabalho ou de sua família, não sendo necessário que tenha
nela sua moradia, ao passo que, para a usucapião de área urbana, esta deve constituir a moradia do possuidor ou de
sua família, não sendo necessário torná-la produtiva.
d) o imóvel usucapiendo não pode ser superior a cinquenta alqueires, ao passo que, para a usucapião de área
urbana, esta não deve ser superior a duzentos e cinquenta metros quadrados.
e) o possuidor deve ter como sua a área, o que não se exige na usucapião de área urbana.

533. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Dentre as funções essenciais à Justiça,
inclui-se a Advocacia Pública, a respeito da qual, a Constituição Federal estabelece que

a) a Advocacia-Geral da União tem por chefe o Advogado-Geral da União, de livre nomeação pelo Presidente da
República dentre integrantes da carreira, maiores de trinta e cinco anos, de notável saber jurídico e reputação ilibada,
após a aprovação de seu nome pela maioria absoluta dos membros do Supremo Tribunal Federal, para mandato de
quatro anos, permitida a recondução.

b) a Advocacia-Geral da União é a instituição que, diretamente ou através de órgão vinculado, representa a União,
judicial e extrajudicialmente, cabendo-lhe, nos termos da lei complementar que dispuser sobre sua organização e
funcionamento, as atividades de consultoria e assessoramento jurídico do Poder Executivo.
c) os Procuradores dos Estados e do Distrito Federal, organizados em carreira, na qual o ingresso dependerá de
concurso público de provas e títulos, com a participação da Ordem dos Advogados do Brasil apenas na fase da prova
oral que consiste na arguição pública dos candidatos a ela admitidos, exercerão a representação judicial e a
consultoria jurídica das respectivas unidades federadas.
d) aos Procuradores dos Estados e do Distrito Federal é assegurada estabilidade após dois anos de efetivo exercício,
mediante avaliação de desempenho perante os órgãos próprios, após relatório circunstanciado das corregedorias.
e) a representação da União, na execução da dívida ativa de natureza tributária, cabe à Procuradoria-Geral da
República, observado o disposto em lei.

534. (2017/TRT 21a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) À luz da disciplina normativa e jurisprudência
do Supremo Tribunal Federal acerca das ações constitucionais destinadas à tutela de direitos fundamentais,

a) a decisão proferida em mandado de injunção terá eficácia erga omnes, podendo, no entanto, excepcionalmente,
ter sua eficácia subjetiva limitada às partes, quando restar comprovado que a eficácia erga omnes causaria grave
lesão à ordem, economia e segurança públicas.
b) a decisão proferida em mandado de injunção terá eficácia erga omnes, podendo, no entanto, excepcionalmente,
ter sua eficácia subjetiva limitada às partes, quando restar comprovado que a eficácia erga omnes causaria grave
lesão à ordem, economia e segurança públicas.

c) a decisão proferida em mandado de injunção determinará prazo razoável para que o impetrado promova a
edição da norma regulamentadora e estabelecerá as condições em que se dará o exercício dos direitos, liberdades ou
prerrogativas reclamados ou, se for o caso, as condições em que poderá o interessado promover ação própria
visando a exercê-los, caso não suprida a mora legislativa no prazo determinado, salvo se comprovado que o
impetrado deixou de atender, em mandado de injunção anterior, ao prazo estabelecido para a edição da norma,
quando então se deixará de fixar prazo, estabelecendo-se de imediato as condições de exercício do direito, liberdade
ou prerrogativa reclamado.
d) a decisão proferida em mandado de injunção determinará prazo razoável para que o impetrado promova a
edição da norma regulamentadora e estabelecerá as condições em que se dará o exercício dos direitos, liberdades ou
prerrogativas reclamados ou, se for o caso, as condições em que poderá o interessado promover ação própria
visando a exercê-los, caso não suprida a mora legislativa no prazo determinado, salvo se comprovado que o
impetrado deixou de atender, em mandado de injunção anterior, ao prazo estabelecido para a edição da norma,
quando então se deixará de fixar prazo, estabelecendo-se de imediato as condições de exercício do direito, liberdade
ou prerrogativa reclamado.
e) o mandado de injunção será admissível sempre que ato de autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no
exercício de atribuições do Poder Público tornar inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das
prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania.

535. (2017/TRT 21a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Entendendo tratar-se de hipótese que se
mostra relevante e urgente, o Presidente da República editou medida provisória disciplinando a compra e venda de
imóveis no Brasil, por meio da qual impôs uma série de requisitos e formalidades a serem observados

na realização de negócios jurídicos dessa natureza. No prazo de 60 dias, a medida provisória não foi apreciada pelo
Congresso Nacional, razão pela qual o seu período de vigência foi prorrogado por mais 60 dias. Ao término do novo
prazo, porém, o Congresso Nacional não a converteu em lei. As relações jurídicas decorrentes da referida medida
provisória, constituídas durante o seu período de vigência,

a) deverão ser disciplinadas por decreto legislativo do Congresso Nacional em até 60 dias da perda da eficácia da
medida provisória, conservando-se por ela regidas caso não editado o decreto legislativo dentro desse prazo.
b) passarão a ser regidas pela legislação que anteriormente disciplinava a matéria, uma vez que as medidas
provisórias que não forem convertidas em lei no prazo de 60 dias, prorrogável uma vez por igual período, perderão
eficácia desde a sua edição.
c) deverão ser disciplinadas por resolução da Câmara dos Deputados, em até 45 dias da perda da eficácia da
medida provisória, passando a ser regidas pela legislação anteriormente vigente caso não observado esse prazo.
d) permanecerão regidas pela medida provisória, não obstante tenha esta perdido sua eficácia por decurso do
prazo, em virtude das garantias fundamentais do respeito ao direito adquirido e ao ato jurídico perfeito.
e) permanecerão regidas pela medida provisória, não obstante tenha esta perdido sua eficácia por decurso do
prazo, em virtude das garantias fundamentais do respeito ao direito adquirido e ao ato jurídico perfeito.

536. (2017/TRT 21a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Entendendo que uma determinada lei
municipal, editada no ano de 1986 com a finalidade de disciplinar a jornada de trabalho dos empregados de
indústrias situadas no território do município, confronta preceito fundamental da Constituição da República, o
Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil propõe Ação Direta de Inconsti-

tucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal. A luz dos sistemas de controle de constitucionalidade previstos no
ordenamento jurídico brasileiro, bem como da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal na matéria, a ação
proposta

a) deverá ser remetida ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, uma vez que, em se tratando de lei municipal,
ainda que o parâmetro de controle seja a Constituição Federal, a competência para analisar a questão é do Tribunal
de Justiça do Estado onde se situa o município responsável pela edição da lei impugnada.
b) deverá ser extinta, uma vez que não preenchido o requisito da "pertinência temática", na medida em que a
norma impugnada não diz respeito às atividades da OAB, tampouco dos advogados que a entidade representa, mas
apenas aos interesses da União.
c) poderá ser julgada procedente, caso a inconstitucionalidade seja reconhecida pela maioria dos Ministros do
Supremo Tribunal Federal presentes na sessão de julgamento, desde que essa conte com a presença de, ao menos,
6 Ministros.
d) poderá ser indeferida liminarmente, uma vez que a Ação Direta de Inconsti- tucionalidade somente se presta ao
controle de constitucionalidade de lei ou ato normativo editado na vigência da atual Constituição, ou, com base no
princípio da fungibilidade ser conhecida como arguição de descumprimento de preceito fundamental.
e) poderá ser julgada procedente, desde que a inconstitucionalidade seja reconhecida por, pelo menos, 8 Ministros
do Supremo Tribunal Federal.

537. (2017/TRT 21a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Tendo tomado ciência que diversas empresas
situadas no território de um determinado Estado, no momento da contratação de empregadas do sexo feminino,
estavam exigindo a realização de testes de gravidez ou a apresentação de atestado de laqueadura, a Assembleia
Legislativa do referido Estado, entendendo que essas exigências não

se mostravam compatíveis com a Constituição da República, editou lei proibindo a adoção de tais práticas em
entrevistas de emprego e determinando a aplicação de diversas punições às empresas que desrespeitassem os
preceitos da lei, a despeito da existência de lei editada pela União tratando da matéria. Eventual Ação Direta de
Inconstitucionalidade proposta perante o Supremo Tribunal Federal, com a finalidade de questionar a
constitucionalidade da referida norma, seria

a) admissível, quanto ao objeto, e provida de fundamento, no mérito, uma vez que, de acordo com a Constituição,
a competência para legislar sobre direito do trabalho é privativa da União, de maneira que a lei em questão é
formalmente inconstitucional.
b) admissível, quanto ao objeto, mas desprovida de fundamento, no mérito, por ser constitucional a aludida norma
estadual, uma vez que as exigências feitas pelas empresas situadas no referido Estado representam discriminação
desarrazoada, implicando flagrante ofensa ao princípio da igualdade e à norma constitucional que veda o
estabelecimento de critérios de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil.
c) inadmissível, quanto ao objeto, uma vez que a ação direta de inconstitucionali- dade não se presta ao controle
de constitucionalidade de lei estadual, embora seja provida de fundamento, no mérito, porque a vedação que
estabelece é materialmente incompatível com a Constituição.
d) admissível, quanto ao objeto, e provida de fundamento, no mérito, por ser inconstitucional a norma impugnada,
uma vez que compete à União e aos Estados legislar concorrentemente sobre direito do trabalho, de maneira que,
existindo lei editada pela União disciplinando a questão, não poderia o Estado legislar na matéria.
e) inadmissível, quanto ao objeto, uma vez que a ação direta de inconstitucionali- dade não se presta ao controle
de constitucionalidade de lei estadual, e desprovida de fundamento, no mérito, por ser constitucional a norma
estadual impugnada,

uma vez que uma das características da forma federativa de Estado é a capacidade de autolegislação dos entes
federativos, que assegura a esses o direito de disciplinar as relações havidas em seu território.

538. (2017/TRT 21a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Uma categoria de servidores públicos
vinculados a um determinado Estado por regime jurídico estatutário, entendendo que os seus vencimentos não são
compatíveis com o grau de responsabilidade envolvido nas atividades que exercem, por serem inferiores àqueles
percebidos por outras categorias que desempenham atividades semelhantes, deflagra uma greve pleiteando
reajuste remuneratório. Entendendo que a greve em curso é abusiva, o Estado ajuíza dissídio coletivo perante o
Tribunal Regional do Trabalho respectivo, requerendo entre outras coisas, que seja a greve declarada abusiva e
determinado o retorno dos servidores ao trabalho. Nessa hipótese, à luz da Constituição Federal e da jurisprudência
do Supremo Tribunal Federal, o Tribunal Regional do Trabalho deverá

a) determinar a inclusão do Ministério Público do Trabalho no polo ativo da ação proposta, já que, por se tratar de
greve em atividade essencial, apenas esse possuía legitimidade para propor o dissídio, e reconhecer sua
incompetência para apreciar a questão, determinando a remessa do dissídio analisado à justiça comum.
b) extinguir o dissídio sem resolução do mérito, já que a greve realizada por servidores públicos é considerada
greve em atividade essencial, pelo que apenas o Ministério Público do Trabalho poderia ajuizar dissídio coletivo.
c) em homenagem à duração razoável do processo e à celeridade processual, intimar o Ministério Público do
Trabalho para que informe se deseja ingressar no polo ativo da ação proposta, uma vez que, por se tratar de greve
em atividade essencial, apenas esse possui legitimidade para o ajuizamento de dissídio coletivo.
d) conceder o reajuste pleiteado pelos grevistas, em respeito ao princípio da isono- mia, tendo em vista a
existência de outras categorias que desempenham atividades semelhantes e recebem vencimentos superiores.
e) reconhecer sua incompetência para conhecer da questão, cabendo ao Tribunal de Justiça do Estado apreciar o
dissídio coletivo proposto.

539. (2017/TRT 21a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Após a aprovação em concurso público, José,
no dia 20 de outubro de 2010, foi admitido por empresa pública integrante da Administração indireta de determinado
Estado, sob o regime celetista. No dia 21 de setembro de 2013, porém, José foi dispensado, mediante ato motivado
da autoridade competente, recebendo as verbas rescisórias devidas. Tendo em vista o disposto na Constituição da
República, assim como a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, o ato de dispensa de José é

a) válido, uma vez que, tendo sido admitido para ocupar emprego público em empresa pública, José não preenche,
ao menos, um dos requisitos impostos pela Constituição da República para que o servidor possa fazer jus à
estabilidade, já que não foi nomeado para cargo de provimento efetivo.
b) válido, uma vez que José ainda não havia adquirido estabilidade.
c) inválido, uma vez que José se encontrava em período de pré-estabilidade, de maneira que não poderia ter sido
dispensado.
d) inválido, uma vez que, por ser detentor de estabilidade, José somente poderia ser dispensado em virtude de
sentença judicial transitada em julgado.
e) inválido, uma vez que José não poderia ter sido dispensado sem a ocorrência de justa causa apurada através do
devido processo administrativo disciplinar, na medida em que era detentor de estabilidade, por ter sido admitido
após a aprovação em concurso público.

540. (2017/TRT 21a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) A Assembleia Legislativa de determinado


estado, após concluir estudos técnicos, decidiu desfazer-se da frota própria de veículos e, para atender às
necessidades do órgão, optou por contratar empresa especializada na prestação de serviço de locação de veículos
com motorista. Para tanto, realizou licitação, na modalidade leilão, para alienação dos veículos e, na modalidade
pregão eletrônico, para contratação dos serviços. A decisão administrativa foi questionada em ação popular, sob a
alegação de má gestão administrativa, causadora de prejuízo, porque implicou a venda de bens públicos e a
terceirização de atividade. A ação judicial

a) não procede, porque o ato é político e exarado pelo Poder Legislativo, imune ao controle externo.
b) procede, pois a escolha da política pública é passível de controle judicial, inclusive de mérito, em razão do
princípio democrático.
c) será admitida e julgada procedente, porque as escolhas de conveniência e oportunidade da Administração
somente são válidas se previamente autorizadas por lei específica, especialmente os atos administrativos exarados
pelo Poder Legislativo.
d) não procede, porque os atos administrativos discricionários submetem-se a controle de legalidade, mas não de
mérito, sendo passíveis de anulação, pelo judiciário, se contrários à lei ou ao direito.
e) não procede, porque os atos emanados pelo Poder Legislativo, mesmo que na função administrativa atípica,
somente se submetem a controle do Tribunal de Contas.

541. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Determinado Município editou lei


prescrevendo que o servidor público municipal titular de cargo público efetivo gozará de férias anuais remuneradas,
acrescidas do valor de um quinto sobre sua remuneração normal.

Considerando que até então o valor do adicional devido ao servidor público por ocasião das férias anuais era
equivalente a um terço sobre sua remuneração normal, a referida lei é

a) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que, dentre os direitos trabalhistas assegurados pela
Constituição ao servidor público nessa situação encontra-se o direito ao gozo de férias remuneradas com, pelo
menos, um terço a mais do que o salário normal.
b) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que compete privativamente à União legislar sobre a matéria
mediante edição de lei de âmbito nacional.
c) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que se trata de matéria sujeita à edição de norma geral pela
União, que poderá ser suplementada pelos Estados e Distrito Federal, mas não pelos Municípios.
d) compatível com a Constituição Federal, uma vez que cabe à União, aos Estados, aos Municípios e ao Distrito
Federal estabelecer o regime jurídico do respectivo funcionalismo público, podendo cada qual dispor sobre o valor do
adicional que será devido aos seus servidores públicos por ocasião das férias.
e) compatível com a Constituição Federal, desde que a nova regra seja aplicada apenas aos servidores públicos
que forem nomeados para o exercício de cargos públicos após a entrada em vigor da lei, sob pena de ser violado o
princípio da ir- retroatividade das leis.

542. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Empregado de certa empresa privada


foi eleito membro suplente de diretoria de sindicato de sua categoria, tendo sido demitido de seu emprego quatro
meses após o término do mandato sindical, sem que tenha cometido qualquer falta. A demissão desse empregado
mostra-se

a) incompatível com a Constituição Federal, que veda a dispensa do empregado sindicalizado desde a posse em
cargo de direção ou representação sindical, até um ano após o final do mandato, salvo se cometer falta grave nos
termos da lei.
b) incompatível com a Constituição Federal, que veda a dispensa do empregado sindicalizado, na situação
retratada, desde o registro da candidatura a cargo de direção ou representação sindical e, se eleito, ainda que
suplente, até um ano após o final do mandato, salvo se cometer falta grave nos termos da lei.
c) incompatível com a Constituição Federal, que veda a dispensa do empregado sindicalizado, na situação
retratada, desde o registro da candidatura a cargo de direção ou representação sindical e, se eleito, ainda que
suplente, até seis meses após o final do mandato, salvo se cometer falta grave nos termos da lei.
d) compatível com a Constituição Federal, que permite a dispensa do empregado sindicalizado eleito membro
titular ou suplente de diretoria de sindicato ou de entidade de representação sindical, na situação retratada.
e) compatível com a Constituição Federal, que permite a dispensa do empregado sindicalizado eleito membro
titular ou suplente de diretoria de sindicato ou de entidade de representação sindical, na situação retratada.

543. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Determinados empregados de


empresa pública estadual, sujeitos ao regime jurídico trabalhista, tiveram seus salários majorados para ajustá-los
aos valores médios pagos no mercado. Em razão disso, esses empregados, que antes percebiam salário em valor
equivalente ao subsídio do Governador, passaram a perceber em valor superior ao do subsídio pago aos Ministros do
Supremo Tribunal Federal - STF. O aumento, todavia, não impactou os cofres do Tesouro, uma vez que a referida
empresa não recebe recursos do Estado para arcar com suas despesas de pessoal e de custeio em geral. Nessa
situação, a nova remuneração paga aos referidos empregados mostra-se

a) inconstitucional, uma vez que os empregados de empresas públicas estaduais não podem perceber salário
acima do subsídio pago aos Ministros do STF, que constitui o limite remuneratório máximo a ser observado pela
Administração pública em geral, ainda que possam perceber remuneração superior ao subsídio pago ao Governador.
b) inconstitucional, uma vez que os empregados de empresas públicas estaduais não podem perceber salário
acima do subsídio pago ao Governador, que constitui o limite remuneratório máximo a ser observado pela
Administração pública estadual.
c) constitucional, uma vez que, embora os salários a serem pagos superem o subsídio dos Ministros do STF, que é
o limite remuneratório máximo a ser observado pela Administração pública em geral, os empregados de empresas
públicas não estão sujeitos a esse limite porque são sujeitos ao regime jurídico trabalhista.
d) constitucional, uma vez que, embora os salários a serem pagos superem o limite remuneratório máximo a ser
observado pela Administração pública estadual, não estão sujeitos a esse limite os empregados de empresa pública
que não receba recursos financeiros do Estado para arcar com suas despesas de pessoal e de custeio em geral.
e) constitucional, uma vez que, embora os salários a serem pagos superem o subsídio do Governador, que é o
limite remuneratório máximo a ser observado pela Administração pública estadual, esse limite aplica-se apenas aos
cargos públicos, inclusive aos eletivos, mas não aos empregos públicos.

544. (2017/TST/AN ALISTA ADMINISTRATIVO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Com a finalidade de conter as


despesas da Administração pública, o Presidente da República editou decreto extinguindo Ministério e os cargos
públicos vagos e preenchidos a ele vinculados, colocando em disponibilidade, com remuneração proporcional ao
tempo de serviço, os servidores públicos estáveis ocupantes dos cargos que foram extintos. Considerando a
Constituição Federal, o Presidente da República NÃO poderia ter editado decreto para

a) extinguir o Ministério e os cargos públicos, vagos ou não, nem para determinar que os servidores públicos
estáveis ficassem em disponibilidade.
b) determinar que os servidores públicos estáveis ficassem em disponibilidade, uma vez que a extinção de seus
cargos enseja aposentadoria compulsória com proventos proporcionais ao tempo de contribuição, embora o decreto
pudesse extinguir o Ministério e os cargos públicos, vagos ou não.
c) determinar que os servidores públicos colocados em disponibilidade percebessem remuneração proporcional ao
tempo de serviço, uma vez que deveriam receber o equivalente ao valor da última remuneração percebida no
exercício do cargo, embora o decreto pudesse extinguir o Ministério e os cargos públicos, vagos ou não.
d) extinguir o Ministério, embora o decreto pudesse extinguir os cargos públicos, vagos ou não, bem como
determinar que os servidores públicos estáveis ficassem em disponibilidade, com remuneração proporcional ao
tempo de serviço.
e) extinguir o Ministério e os cargos públicos preenchidos, embora o Decreto pudesse extinguir os cargos públicos
vagos.

545. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A União pretende cobrir déficit


apresentado por empresa pública federal mediante utilização de recursos do orçamento fiscal. A realização dessa
despesa, todavia, não foi prevista na lei orçamentária vigente. Considerando as disposições da Constituição Federal,
a União

a) não poderá cobrir o déficit tal como pretendido, uma vez que a despesa não foi prevista na lei orçamentária,
excedendo, portanto, os créditos orçamentários, sendo inconstitucional eventual autorização legislativa que permita
a execução dessa medida.

b) não poderá cobrir o déficit tal como pretendido, uma vez que é vedado à União cobrir o déficit de empresas
públicas, sendo inconstitucional eventual autorização legislativa que permita a execução dessa medida.
c) não poderá cobrir o déficit tal como pretendido, uma vez que é vedada a utilização de recursos do orçamento
fiscal para a finalidade desejada pela União, sendo inconstitucional eventual autorização legislativa que permita a
execução dessa medida.
d) poderá cobrir o déficit tal como pretendido, mediante edição de decreto de abertura de crédito suplementar,
independentemente de autorização legislativa específica.
e) poderá cobrir o déficit tal como pretendido, mediante autorização legislativa específica.

546. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Em junho de 2014, empresa pública


federal contratou, mediante concurso público, empregados públicos que iniciaram o exercício de suas funções
naquele mês. Em julho de 2017 houve denúncia de que um desses empregados praticou ato de improbidade
administrativa. O fato ensejou o ajuizamento de ação civil por improbidade administrativa, proposta pelo Ministério
Público, na qual se pleiteou, entre outras medidas, a condenação do empregado na perda da função pública. À luz da
Constituição Federal, em tese, a sentença proferida na ação civil por improbidade administrativa

a) não poderá impor a perda da função pública ao empregado, que poderá, todavia, ser demitido mediante
avaliação especial de desempenho executada pela empresa contratante, assegurada a ampla defesa, podendo, ainda,
perder a função em razão de sentença penal transitada em julgado.
b) não poderá impor a perda da função pública ao empregado, que apenas poderá ser demitido por ato privativo
da Administração pública, estando essa medida fora das atribuições do Poder Judiciário.
c) poderá impor a perda da função pública ao empregado.
d) não poderá impor a perda da função pública ao empregado, uma vez que já adquiriu estabilidade no emprego,
podendo perdê-lo apenas em razão de sentença penal transitada em julgado.
e) não poderá impor a perda da função pública ao empregado, uma vez que já adquiriu estabilidade no emprego,
podendo perdê-lo apenas em razão de sentença penal transitada em julgado ou mediante processo administrativo
em que lhe seja assegurada a ampla defesa.

547. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Sindicato constituído regularmente em


janeiro de 2017 impetrou mandado de segurança coletivo em julho do mesmo ano, perante a Justiça Federal, a fim
de garantir o direito líquido e certo de empresas a ele filiadas de não serem compelidas ao pagamento da
contribuição previdenciária incidente sobre a folha de salários com base em alíquota que foi majorada para as
empresas em geral, e não apenas para as empresas do ramo daquelas filiadas ao Sindicato. A petição inicial foi
instruída por documentos que comprovavam a regularidade da constituição e do funcionamento do sindicato, mas
não por autorização expressa de seus filiados para que o pleito fosse deduzido judicialmente. À luz da Constituição
Federal e da jurisprudência do STF, a impetração do mandado de segurança pelo sindicato é

a) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que o sindicato não estava constituído há, pelo menos, um
ano.
b) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que o sindicato não apresentou autorização expressa de seus
filiados para que a ação fosse proposta.
c) compatível com a Constituição Federal.
d) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que sindicato não tem legitimidade para representar seus
filiados em demanda que pretende o afastamento de obrigação tributária imposta às empresas de modo geral.

e) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que a ação deveria ter sido proposta perante a Justiça do
Trabalho.

548. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Lei de determinado Estado, de iniciativa


parlamentar, prescreve que o Estado é solidariamente responsável pelo pagamento de verbas trabalhistas devidas
por empresa por ele contratada, quando o valor pleiteado pelo empregado for decorrente de relação jurídica mantida
entre a contratada e empregado que ocupa posto de trabalho em órgão público estadual. Considerando que não há
delegação da União para que o Estado disponha sobre a matéria, a referida lei estadual é

a) incompatível com a Constituição Federal, por vício de iniciativa legislativa e por tratar de matéria de
competência privativa da União, podendo por essa razão ser objeto de reclamação constitucional proposta perante
o Supremo Tribunal Federal.
b) incompatível com a Constituição Federal, por vício de iniciativa legislativa e por tratar de matéria de
competência privativa da União, podendo ser objeto de arguição de descumprimento de preceito fundamental
perante o Supremo Tribunal Federal, uma vez que a lei viola o princípio federativo.
c) incompatível com a Constituição Federal, por vício de iniciativa legislativa, podendo, por esse motivo, ser
declarada inconstitucional, incidentalmente no processo, pela maioria absoluta dos membros do Tribunal de Justiça
do Estado ou dos membros de seu órgão especial, embora possa o Estado legislar sobre o tema de que trata a lei
estadual, independentemente de delegação da União.
d) incompatível com a Constituição Federal, tendo violado à competência privativa da União para legislar na
matéria, podendo ser objeto de ação direta de inconstitu- cionalidade em face da Constituição Federal, proposta
perante o Supremo Tribunal Federal.
e) compatível com a Constituição Federal, sendo desnecessária delegação legislativa da União para que os Estados
possam disciplinar a matéria, inclusive por iniciativa parlamentar, a fim de instituir tratamento benéfico em favor do
empregado.

549. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Em 2016, o Presidente da República editou medida
provisória disciplinando o ingresso na Polícia Federal e nas carreiras de juiz federal e do trabalho, tendo fixado idade
máxima para que o candidato tome posse nesses cargos. A medida provisória foi aprovada na Câmara dos
Deputados, sendo, após, encaminhada ao Senado, que deixou de apreciá-la no prazo constitucional.
Embora a medida provisória não tenha sido convertida em lei, houve, ainda no ano de 2016, o transcurso do prazo
para a edição de decreto legislativo para disciplinar as relações jurídicas dela decorrentes. Diante dessa situação, o
Presidente da República, entendendo que havia urgência, não aguardou a próxima legislatura e editou, em 2017,
medida provisória fixando idade máxima para ingresso na Polícia Federal. Considerando a Constituição Federal,

a) as medidas provisórias não poderiam fixar limite máximo de idade para ingresso na Polícia Federal e nas
carreiras de juiz federal e do trabalho, uma vez que a Constituição Federal veda que a lei institua limite máximo de
idade para qualquer carreira pública.
b) a primeira medida provisória perdeu os efeitos desde a sua edição, motivo pelo qual as relações jurídicas
constituídas e decorrentes de atos praticados durante sua vigência não poderão ser por ela regidas.
c) a perda da eficácia da primeira medida provisória não constitui impedimento constitucional para a edição da
segunda medida provisória.
d) as medidas provisórias disciplinaram matéria permitida pela Constituição Federal, qual seja, ingresso na Polícia
Federal e nas carreiras de Juiz Federal e Juiz do Trabalho.
e) caso se vislumbre inconstitucionalidade na edição da segunda medida provisória, poderá ser arguida, no âmbito
do controle concentrado e abstrato de constitu- cionalidade, apenas após sua eventual conversão em lei pelo
Congresso Nacional.

550. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Indivíduo titular de emprego público de médico
junto à Administração estadual prestou concurso para emprego público de médico junto à administração municipal,
vindo a ser contratado. Posteriormente, o mesmo indivíduo foi eleito vereador. Considerando essa situação, à luz da
Constituição Federal, o médico

a) não poderia ter cumulado o exercício de dois empregos públicos de médico, podendo, todavia, cumular o
exercício de qualquer um dos empregos públicos de médico com o cargo eletivo, se houver compatibilidade de
horários.
b) não poderia ter cumulado o exercício de dois empregos públicos de médico, podendo, todavia, cumular o
exercício do emprego público de médico estadual com o cargo eletivo municipal, se houver compatibilidade de
horários, mas não o emprego público de médico municipal com o cargo eletivo.
c) poderia ter cumulado o exercício de dois empregos públicos de médico, não podendo, todavia, exercer os
empregos públicos de médico municipal e estadual juntamente com o cargo eletivo, devendo afastar-se daqueles e
optar pela remuneração, caso queira exercer a vereança.
d) poderia ter cumulado o exercício de dois empregos públicos de médico, não podendo, todavia, exercer os
empregos públicos de médico municipal e estadual juntamente com o cargo eletivo, devendo exonerar-se daqueles
caso queira exercer a vereança.
e) poderia ter cumulado o exercício de dois empregos públicos de médico, podendo exercê-los juntamente com o
cargo eletivo, se houver compatibilidade de horários.

551. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Compatibiliza-se com as normas da Constituição


Federal em matéria orçamentária:

a) a suspensão dos repasses de verbas federais ou estaduais aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios que
não adequarem sua despesa com pessoal ativo e inativo aos parâmetros estabelecidos em lei complementar, no
prazo legal.

b) a alteração, pelo Presidente da República, das propostas orçamentárias encaminhadas pelos Presidentes do
Supremo Tribunal Federal e dos Tribunais Superiores, ainda que tenham sido enviadas no prazo e elaboradas em
conformidade com os limites estipulados conjuntamente com os demais poderes na Lei de Diretrizes Orçamentárias.
c) o início de programa ou projeto sem que a respectiva despesa tenha sido incluída na Lei Orçamentária Anual,
quando houver relevância e urgência, sendo desnecessária, nesse caso, a abertura de créditos adicionais.
d) a abertura de créditos suplementares por ato do Chefe do Poder Executivo, independentemente de prévia
autorização legislativa, desde que mediante indicação dos recursos correspondentes.
e) a instituição de fundo de qualquer natureza, por ato do Chefe do Poder Executivo, independentemente de
autorização legal.
552. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Servidores públicos grevistas, titulares de cargos
públicos efetivos estaduais, ocuparam parte de prédio público do respectivo Estado para realizar manifestação a fim
de que sua reivindicação fosse atendida. Em vista disso, o Estado ajuizou ação possessória perante a Justiça do
Trabalho, a fim de obter decisão judicial que determinasse a desocupação do próprio público pelos servidores. O juiz
de primeiro grau, todavia, proferiu sentença em que reconheceu não ter competência para julgar o feito. À luz da
Constituição Federal e da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, a referida sentença está

a) correta, uma vez que a Justiça do Trabalho não é competente para processar e julgar essa ação possessória,
embora seja competente para julgar as ações oriundas da relação jurídica mantida entre o Estado e os seus
servidores titulares de cargos públicos em comissão.

b) correta, uma vez que a Justiça do Trabalho não é competente para processar e julgar essa ação possessória,
embora seja competente para julgar as ações oriundas da relação jurídica mantida entre o Estado e os seus
servidores titulares de cargos públicos efetivos.
c) correta, uma vez que a Justiça do Trabalho não é competente para processar e julgar essa ação possessória,
nem para julgar as ações envolvendo o Estado e os seus servidores que lhe sejam vinculados por relação
jurídico-estatutária.
d) incorreta, uma vez que a Justiça do Trabalho é competente para processar e julgar essa ação possessória, assim
como para julgar as ações oriundas da relação jurídica mantida entre o Estado e os seus servidores públicos titulares
de cargos públicos efetivos, podendo a sentença ser impugnada mediante reclamação constitucional proposta
perante o Supremo Tribunal Federal, bem como mediante interposição do recurso cabível perante o Tribunal
competente.
e) incorreta, uma vez que a Justiça do Trabalho é competente para processar e julgar essa ação possessória, assim
como para julgar as ações oriundas da relação jurídica mantida entre o Estado e os seus servidores públicos titulares
de cargos públicos efetivos, podendo a sentença ser impugnada apenas mediante interposição de recurso ordinário
perante o Tribunal Regional do Trabalho competente.

553. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Determinado indivíduo requer, perante


Secretaria Municipal de Educação, que lhe seja informado o número de faltas ao trabalho, nos últimos 12 meses, dos
servidores públicos ocupantes de cargos efetivos lotados na escola junto à qual funciona Associação de Pais e
Mestres de que faz parte. Nessa situação, à luz da Constituição Federal, cabe ao órgão da Administração

a) exigir que o pedido seja justificado pelo requerente, antes de fornecer a resposta, a fim de averiguar se os
motivos oferecem risco à segurança do Estado ou à intimidade e vida privada dos servidores.

b) recusar-se a prestar a informação, sob a justificativa de se tratar de informação cujo sigilo é imprescindível à
segurança do Estado e de seus agentes.
c) recusar-se a prestar a informação, a que somente se assegura acesso se disser respeito ao próprio interessado,
sob pena de ofensa ao direito à intimidade e à vida privada.
d) atender ao pedido, que pode ser formulado independentemente de justificativa, por se tratar de informação de
interesse geral, a que todos têm acesso assegurado.
e) atender ao pedido, ficando o requerente, no entanto, sujeito ao ônus da sucum- bência, se comprovada má-fé.

554. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O Conselho Superior da Justiça do Trabalho

a) possui, entre seus membros, três Ministros do Tribunal Superior do Trabalho, eleitos pelo Tribunal Pleno, para
cumprirem mandatos de dois anos, vedada a recondução.
b) funciona junto ao Tribunal Superior do Trabalho, cabendo-lhe a supervisão administrativa, orçamentária,
financeira e jurisdicional dos órgãos de primeira e segunda instância da Justiça do Trabalho, possuindo suas decisões
efeito vinculante.
c) funciona junto ao Tribunal Superior do Trabalho, cabendo-lhe a supervisão administrativa, orçamentária,
financeira e jurisdicional dos órgãos de primeira e segunda instância da Justiça do Trabalho, possuindo suas decisões
efeito vinculante.
d) possui, dentre outras funções previstas em lei, competência estabelecida pela Constituição Federal para
regulamentar os cursos oficiais para ingresso e promoção na carreira da magistratura do trabalho.
e) poderá instalar a justiça itinerante e funcionar descentralizadamente, constituindo Câmaras regionais, a fim de
assegurar o pleno acesso do jurisdicionado à Justiça do Trabalho em todas as fases do processo.

555. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Lei ordinária federal que disponha sobre as
condições para concessão de seguro-desemprego aos empregados domésticos, em caso de desemprego involuntário,
será

a) incompatível com a Constituição Federal, que não assegura aos empregados domésticos direito ao
seguro-desemprego.
b) incompatível com a Constituição Federal, por cuidar de matéria que não se insere dentre as competências
legislativas privativas da União.
c) incompatível com a Constituição Federal, por versar sobre matéria reservada à lei complementar.
d) incompatível com a Constituição Federal, por versar sobre direito que é assegurado aos empregados domésticos
independentemente de regulamentação legal.
e) compatível com a Constituição Federal.

556. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Nos termos da Constituição Federal, contrato
para prestação de serviços terceirizados celebrado por órgão da Administração federal está sujeito a controle externo,
exercido pelo

a) Ministério Público, a quem compete sustar sua execução na hipótese de ilegalidade, comunicando a decisão ao
Congresso Nacional, para adoção das medidas cabíveis.
b) Ministério Público, a quem compete sustar sua execução na hipótese de ilegalidade, solicitando de imediato ao
Poder Executivo as medidas cabíveis.
c) Poder Judiciário, a quem compete sustar sua execução na hipótese de ilegalidade, mediante ação popular
promovida por cidadão, partido político, associação ou sindicato.
d) Congresso Nacional, com o auxílio do Tribunal de Contas da União, competindo a este sustar sua execução, na
hipótese de ilegalidade, comunicando a decisão à Câmara dos Deputados e ao Senado Federal.

e) Congresso Nacional, com o auxílio do Tribunal de Contas da União, competindo

àquele sustar sua execução, na hipótese de ilegalidade, solicitando

557. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considere as

seguintes situações:

I - Ação ajuizada pelo Ministério Público com vistas a obter a devolução ao erá-
rio de valores correspondentes a despesas efetuadas com recursos públicos
para custear viagens pessoais de familiares de servidores públicos.
II - Ação ajuizada por cidadão para anular autorização administrativa concedida
para a realização de empreendimento imobiliário em desacordo com a legis-
lação ambiental pertinente.
III - Ação ajuizada por pessoa jurídica interessada em obter acesso a dados cons-
tantes a seu respeito de cadastro de inadimplentes mantido por órgão da
Administração pública.

À luz da Constituição Federal, os itens I, II e III cuidam, respectivamente, de:

a)
b)

c)

d)

e)

558. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O Supremo Tribunal Federal, o Superior


Tribunal de Justiça e o Tribunal Superior do Trabalho possuem competência para processar e julgar, originariamente,

a) a ação direta de inconstitucionalidade por omissão, quando a falta de norma regulamentadora de atribuição de
órgão, entidade ou autoridade federal disser respeito a matérias sujeitas à sua jurisdição.

b) a reclamação para a preservação de sua competência e garantia da autoridade de suas decisões.


c) os conflitos de atribuição entre órgãos da Administração federal e órgãos juris- dicionais nas matérias sujeitas
à sua jurisdição.
d) seus próprios membros, nas infrações penais comuns e nos crimes de responsabilidade.
e) a homologação de sentenças estrangeiras e a concessão de exequatur às cartas rogatórias nas matérias sujeitas
à sua jurisdição.

559. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Servidores públicos ocupantes de cargos


efetivos em órgão legislativo de determinado Estado, reunidos em praça pública para se manifestarem contra a falta
de ética na política, deliberaram constituir um sindicato, bem como promover uma paralisação de suas atividades,
tão logo organizados em associação sindical. Nos termos da Constituição Federal, referidos servidores públicos

a) não poderiam estar reunidos para a manifestação, sem autorização prévia, mas estão autorizados a constituir
sindicato e a realizar greve.
b) não poderiam estar reunidos para a manifestação, sem autorização prévia, nem estão autorizados a constituir
sindicato, mas sim a realizar greve.
c) poderiam estar reunidos para a manifestação, independentemente de autorização, desde que pacífica e
mediante aviso prévio à autoridade competente, mas não estão autorizados a constituir sindicato, nem a realizar
greve.
d) poderiam estar reunidos para a manifestação, independentemente de autorização ou aviso prévio à autoridade
competente, desde que pacífica, mas não estão autorizados a constituir sindicato, nem a realizar greve.
e) poderiam estar reunidos para a manifestação, independentemente de autorização, desde que pacífica e
mediante aviso prévio à autoridade competente, assim como estão autorizados a constituir sindicato e, observados
os termos e limites definidos em lei, a realizar greve.

560. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Alegando dificuldades decorrentes da


situação econômica enfrentada pelo país, empresa de determinado setor privado propõe a seus empregados que
sejam revistas as condições relativas à possibilidade de compensação de horas, redução de jornada de trabalho e de
salário, previstas em acordo coletivo. O sindicato da categoria, acionado pelos empregados, toma a frente das
negociações, que, no entanto, restam infrutíferas, resultando na paralisação das atividades laborais, por período
indeterminado. Nessa situação, à luz da Constituição Federal,

I - é lícita a negociação coletiva quanto à compensação de horas e à jornada de trabalho, mas não quanto ao
salário, cuja irredutibilidade é assegurada constitucionalmente.
II - é lícito o sindicato negar-se à negociação proposta, bem como os empregados se valerem do direito de greve
para defesa de seus interesses, competindo-lhes ainda decidir sobre a oportunidade de exercê-lo, sujeitando-se, no
entanto, os responsáveis às penas da lei, por abusos eventualmente cometidos.
III - em se tratando de greve em atividade essencial, definida em lei, e havendo possibilidade de lesão do interesse
público, o Ministério Público do Trabalho poderá ajuizar dissídio coletivo, competindo à Justiça do Trabalho decidir o
conflito.

Está correto o que consta APENAS em

a) I e II.
b) II e III.
c) III.
d) II.
e) I e III.

561. (2017/TRT 21a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) No tocante ao Poder Judiciário, à luz da
Constituição Federal,

a) todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos, e fundamentadas todas as decisões, sob
pena de nulidade, sendo vedado à lei limitar a presença, em determinados atos, às partes e a seus advogados.
b) o Poder Executivo não poderá reduzir unilateralmente, na fase de consolidação do projeto de Lei Orçamentária
Anual, o orçamento proposto pelo Poder Judiciário, desde que esse tenha sido elaborado e enviado com observância
de limites, forma e prazo estabelecidos na Lei de Diretrizes Orçamentárias.
c) ao Conselho Nacional de Justiça compete o controle da atuação administrativa, jurisdicional e financeira do
Poder Judiciário e do cumprimento dos deveres funcionais dos juízes.
d) a atividade jurisdicional será ininterrupta, sendo vedadas férias coletivas em quaisquer juízos e tribunais,
funcionando, nos dias em que não houver expediente forense normal, juízes em plantão permanente.
e) ao Supremo Tribunal Federal compete homologar sentenças estrangeiras e conceder exequatur às cartas
rogatórias.

562. (2017/TRT 21a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Dois sindicatos distintos, ambos com base
territorial no município de São Paulo, consideram-se legítimos representantes de uma determinada categoria
profissional, invocando o direito de atuar em nome dessa, em questões judiciais e administrativas. Considerando o
disposto na Constituição Federal, o conflito entre os sindicatos em questão poderá ser resolvido mediante

a) propositura de ação perante a Justiça federal, com a finalidade de ver declarado o legítimo representante da
categoria.

b) celebração de acordo entre os sindicatos envolvidos na disputa, por meio do qual seja pactuado que ambos são
legítimos representantes da categoria, desde que no acordo fiquem delimitadas com precisão as áreas do município
que representarão as bases territoriais de cada uma das entidades contendentes.
c) propositura de ação perante a Justiça do Trabalho com a finalidade de ver declarado o legítimo representante da
categoria.
d) livre escolha dos empregadores dos integrantes da categoria profissional em questão, que poderão decidir com
qual das entidades em disputa desejarão negociar, vedada no entanto a negociação de um único empregador com
dois sindicatos distintos que possuam a mesma base territorial.
e) edição de lei específica que defina o legítimo representante da categoria em questão, bem como sua base
territorial.
563. (2017/TRT 2ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) João foi contratado por tempo
determinado, mediante processo seletivo simplificado, para atuar junto a órgão da Administração direta, integrante
do Poder Executivo de certo Estado, a fim de atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. À
luz do disposto na Constituição, a remuneração de João

a) não poderá exceder o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, embora possa
ser superior ao do Governador do Estado respectivo.
b) não poderá exceder o subsídio mensal do Governador do Estado respectivo.
c) não estará sujeita ao limite aplicável aos servidores ocupantes de cargos efetivos, uma vez que foi contratado
por tempo determinado, para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público.
d) terá como limite o subsídio mensal dos Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado respectivo, limitado
a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal dos Ministros do Supremo Tribunal
Federal.

e) não poderá exceder o subsídio mensal, em espécie, do Presidente da República, que funciona como limite para
a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da Administração direta,
autárquica e funda- cional, dos membros de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos
Municípios.

564. (2017/TRT 21a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Diante da disciplina dos Direitos e
Garantias fundamentais na Constituição Federal,

a) somente são assegurados direitos fundamentais às pessoas físicas, uma vez que esses decorrem diretamente
do princípio da dignidade da pessoa humana.
b) o rol de direitos e garantias fundamentais é taxativo, não sendo admitida a existência de direitos e garantias que
não estejam expressamente previstos na Constituição, ainda que decorrentes do regime e dos princípios por ela
adotados, ou previstos em tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte.
c) os direitos fundamentais podem sofrer limitações impostas pela própria Constituição, assim como pelo
legislador ordinário, quando autorizado a tanto por aquela.
d) somente são assegurados direitos individuais e coletivos aos brasileiros, sejam eles natos ou naturalizados, e
não aos estrangeiros.
e) os direitos assegurados pela Constituição aos trabalhadores urbanos e rurais não se aplicam aos domésticos,
uma vez que as atividades desempenhadas por essa categoria se encontram disciplinadas por legislação própria.

565. (2017/TRT 21a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) De acordo com a disciplina constitucional
atinente às matérias sujeitas à competência legislativa concorrente,

a) a competência da União limitar-se-á ao estabelecimento de normas gerais, cabendo aos Estados o exercício da
competência suplementar, por meio da expedição de normas específicas, editadas em face das peculiaridades
regionais. Inexistindo, porém, lei federal sobre normas gerais, os Estados não poderão exercer a sua competência
suplementar.
b) União, Estados e Distrito Federal possuem competência para discipliná-las plenamente, prevalecendo a norma
que for editada por último, tendo em vista que essa revogará as demais, naquilo em que for com elas incompatível,
independentemente do ente que a tenha editado.
c) os Estados somente terão competência para discipliná-las caso a União não o faça em prazo razoável, quando
então poderão editar normas específicas, aplicáveis unicamente nos limites dos respectivos territórios, as quais
serão automaticamente revogadas na superveniência de lei federal.
d) a competência da União limitar-se-á ao estabelecimento de normas gerais, cabendo aos Estados o exercício da
competência suplementar, por meio da expedição de normas específicas, editadas em face das peculiaridades
regionais. Inexistindo, porém, lei federal sobre normas gerais, os Estados exercerão a competência legislativa plena,
para atender a suas peculiaridades, ficando, no entanto, revogada a lei estadual na superveniência de lei federal
sobre normas gerais.
e) a competência da União limitar-se-á ao estabelecimento de normas gerais, cabendo aos Estados o exercício da
competência suplementar, por meio da expedição de normas específicas, editadas em face das peculiaridades
regionais. Inexistindo, porém, lei federal sobre normas gerais, os Estados exercerão a competência legislativa plena,
para atender a suas peculiaridades. A superveniência de lei federal sobre normas gerais, no entanto, suspende a
eficácia da lei estadual, no que lhe for contrária.

566. (2017/TRT 2ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) À luz do disposto na Constituição da


República e do quanto já decidido pelo Supremo Tribunal Federal, considere:

I - João, por residir em cidade não abrangida pela jurisdição de nenhuma Vara do Trabalho, ingressou com
reclamação trabalhista perante a Vara Cível local, à qual a lei havia atribuído a jurisdição trabalhista. Proferida a
sentença, João não se contentou com o conteúdo dessa. Assim, pretendendo impugná-la, deverá apresentar recurso
dirigido ao Tribunal Regional Federal, competente para rever as decisões dos juízes que integram a sua estrutura.
II - Tendo sido prejudicada por decisão de natureza precária proferida por Tribunal Regional do Trabalho em ação
que deveria ter sido proposta perante o Tribunal Superior do Trabalho - TST, a União poderá buscar desconstituir a
decisão em questão mediante a apresentação de reclamação perante o TST.
III - José, que mantém vínculo empregatício com entidade autárquica integrante

da Administração indireta de determinado Estado, regido pelo regime celetista, entende que as verbas a que faz jus
não estão sendo corretamente pagas. Desejando propor ação com a finalidade de questionar o comportamento da
autarquia, deverá fazê-lo perante a Justiça do Trabalho.

IV - No curso de uma greve, os empregados de empresa do setor automobilístico

que aderiram ao movimento paredista deflagrado, no intuito de pressionar seu empregador pelo atendimento de
suas reivindicações, invadem e ocupam as instalações da linha de montagem dessa empresa, paralisando com-
pletamente suas atividades produtivas. Objetivando retomar sua produção, assim como a posse de suas instalações,
a empresa deverá ajuizar ação possessória perante a Justiça Comum.

Está correto o que consta APENAS em

a) I e IV.
b) I e II.
c) I e III.
d) II e III.
e) II e IV.

567. (2017/TRT 2ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Em face da disciplina constitucional do


direito de greve, bem como à luz da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal a respeito da matéria,

a) a greve realizada por servidores públicos estatutários vinculados à Administração direta poderá ser encerrada
mediante a celebração de convenção coletiva que conceda o reajuste pleiteado pela categoria em greve.
b) aos servidores públicos é vedado o exercício do direito de greve, uma vez que ainda não restou editada lei
específica definindo os termos e limites em que tal direito poderá ser exercido.
c) por se tratar de um direito fundamental, o direito de greve deve ser considerado cláusula pétrea e, portanto, não
pode sofrer nenhuma espécie de restrição imposta pelo legislador ordinário.
d) a Constituição, ao definir como essenciais as atividades relacionadas à assistência médica, à educação, ao
transporte coletivo, à segurança pública, às telecomunicações e à guarda de substâncias radioativas, equipamentos
e materiais nucleares, veda o exercício do direito de greve por parte dos trabalhadores que desempenham tais
atividades.
e) o direito de greve não é ilimitado, podendo sofrer restrições impostas pelo legislador ordinário, a quem cabe
definir os serviços ou atividades essenciais e dispor sobre o atendimento das necessidades inadiáveis da
comunidade.
568. (2017/TRT 21a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Alegando a necessidade de reduzir custos,
o Presidente da República promove a extinção de 10.000 funções e cargos públicos da Administração direta federal
que estavam vagos, por meio de decreto, sem que existisse lei autorizando-o a tanto. Referido decreto é

a) compatível com a Constituição, uma vez que, estando as funções e cargos públicos vagos, o Presidente da
República possui competência para extingui-los mediante decreto.
b) incompatível com a Constituição, pois a criação, a transformação e a extinção de cargos e empregos públicos
são medidas inseridas na competência do Congresso Nacional, exercida por meio de lei.
c) incompatível com a Constituição, na medida em que o Presidente da República, para que pudesse adotar tal
medida, dependeria de autorização do Congresso Nacional, concedida por meio de resolução.
d) compatível com a Constituição, uma vez que são de iniciativa privativa do Presidente da República as leis que
disponham sobre criação de cargos, funções ou empregos públicos na administração direta e autárquica ou aumento
de sua remuneração, de maneira que ele pode dispor livremente acerca de tais matérias, inclusive por decreto.
e) incompatível com a Constituição, uma vez que é vedada a edição de decreto sem amparo em lei anterior.

569. (2017/TRT 21a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Em 05/01/2017, um ente público


promulgou e publicou dispositivo legal que compreendia, entre outros conteúdos, o orçamento fiscal e o orçamento
de investimento das empresas em que detinha a maioria do capital social com direito a voto. Estes orçamentos foram
apresentados com as funções de reduzir desigualdades inter-regionais, segundo critério populacional, conforme
dispõe a Constituição Federal de 1988. O dispositivo legal promulgado e publicado corresponde

a) ao Plano Plurianual.
b) ao Relatório de Gestão Fiscal.
c) ao Relatório Resumido de Execução Orçamentária.
d) à Lei Orçamentária Anual.
e) à Lei de Diretrizes Orçamentárias.

570. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA JUDICIÁRIA)


Considere a situação hipotética descrita. Veridiana, de religião x, ao tentar matricular seu filho Nelson, também de
religião x, no 6° ano do ensino fundamental, em tradicional Colégio particular com ênfase na religião y, tem a
matrícula recusada pela Diretora daquele estabelecimento que demonstra claro menosprezo à religião professada
por Veridiana e Nelson e alega que Nelson não se enquadraria no perfil de alunos daquele colégio, pois, pelo
regulamento interno da escola, é vedada a matrícula de alunos não praticantes da religião y. Neste caso,

a) será necessário analisar administrativamente a validade do regulamento interno da instituição de ensino


particular para fins de aplicação de sanção, pelo MEC, de descredenciamento definitivo.
b) será necessário, analisar a validade do regulamento interno da instituição de ensino particular para fins de
aplicação de sanção, pelo MEC, de suspensão das atividades por até 1 ano.
c) é punível a recusa da inscrição do aluno no 6° ano do Ensino Fundamental, baseado no preconceito à religião x,
sob a alegação de que o perfil de alunos da escola é somente de religião y, independentemente de se tratar de
estabelecimento público ou privado de ensino.
d) trata-se apenas de afronta ao princípio da isonomia, não se assemelhando em nada ao crime de preconceito ou
discriminação.

e) é punível a recusa da inscrição do aluno no 6° ano do Ensino Fundamental, baseado no preconceito à religião x,
sob a alegação de que o perfil de alunos da escola é somente de religião y, somente se for em estabelecimento
público de ensino.

571. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Um determinado Tribunal pretende iniciar
o desenvolvimento de um software, para ser utilizado na execução de suas atividades, que não está previsto no Plano
Plurianual e cujo prazo de conclusão é estimado em dois anos. Assim, de acordo com as determinações da
Constituição Federal de 1988, para que o desenvolvimento do software seja realizado, um projeto de lei para
alteração do Plano Plurianual deve ser encaminhado pelo Poder

a) Executivo ao Poder Legislativo, por tratar-se de inversão financeira, cuja execução ultrapassa o período de seis
meses.
b) Executivo ao Poder Legislativo, por tratar-se de investimento, cuja execução ultrapassa um exercício financeiro.
c) Legislativo ao Poder Executivo, por tratar-se de investimento, cuja execução ultrapassa um exercício financeiro.
d) Legislativo ao Poder Executivo, por tratar-se de inversão financeira, cuja execução ultrapassa o período de seis
meses.
e) Legislativo ao Poder Judiciário, por tratar-se de inversão financeira, cuja execução ultrapassa um exercício
financeiro.

572. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) A Constituição Federal, no Capítulo I de seu
Título VI, estabelece as regras relativas ao Sistema Tributário Nacional. De acordo com as regras deste Capítulo,

a) os Estados federados têm competência para instituir o ICMS, o ISS e o IPVA.


b) parte do produto da arrecadação do ITCMD, do ITR e do IPI será entregue a outros entes federados, conforme
estabelecido no texto constitucional.

c) estão sujeitos aos princípios da anterioridade de exercícios e da anterioridade nonagesimal (noventena), o IR,
o IOF e o ITBI.
d) a competência para instituir e cobrar a contribuição de melhoria, a contribuição para o custeio do serviço de
iluminação pública e a contribuição para custeio de regime de previdência próprio de seus servidores, e em benefício
deles, é, apenas, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.
e) a União tem competência para instituir contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de
interesse das categorias profissionais ou econômicas.

573. (2017/TST/ANALISTA ADMINISTRATIVO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A Constituição Federal dita a


tramitação de projetos de lei relativos ao Plano Plurianual, Lei de Diretrizes Orçamentárias, Lei Orçamentária Anual
e créditos adicionais e dispõe que

a) cabe ao Senado examinar e emitir parecer sobre esses projetos.


b) as emendas devem ser apresentadas no Plenário das duas casas do Congresso Nacional e serão apreciadas na
Comissão Mista permanente de Senadores e Deputados.
c) o Presidente da República poderá enviar mensagem ao Congresso Nacional para propor modificação nos
projetos enquanto não iniciada a votação, na Comissão mista, da parte cuja alteração é proposta.
d) as emendas aos projetos somente podem ser aprovadas com a indicação dos recursos necessários, requisito
dispensado no caso de despesa para educação e saúde.
e) a anulação de despesa não é considerada fonte de recursos para fins de aprovação de emendas.

574. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Em uma situação de crise fiscal, um dos
efeitos mais sentidos é a queda da arrecadação tributária, fato que atinge todas as esferas de poder dos entes
federativos. Diante dessa situação, a Administração promoveu a alteração da legislação tributária por meio da lei
orçamentária anual. Essa medida contrariou formalmente a Constituição Federal que determina que

a) o instrumento de planejamento correto para dispor acerca dessa espécie de alteração é o Plano Plurianual.
b) déficit de arrecadação não é fundamento legal para essa alteração.
c) o instrumento de planejamento correto para dispor acerca dessa espécie de alteração é a Lei de Diretrizes
Orçamentárias.
d) a alteração na legislação tributária somente seria possível no caso de criação de novo tributo.
e) o instrumento de planejamento correto para dispor acerca dessa espécie de alteração é o Demonstrativo da
Execução Orçamentária.

575. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O Governo da União promoveu isenção,


anistia, remissão e subsídios para estimular a economia. Nesse caso, a Constituição Federal estabelece como
condição prévia

a) elaboração de demonstrativo regionalizado do efeito sobre as receitas e despesas, que deve acompanhar o
projeto da Lei Orçamentária Anual.
b) o limite de 0,5% da receita corrente líquida para isenção e anistia e de 1% para remissão e subsídios.
c) a espera de 180 dias para a entrada em vigor dessa medida.
d) ter como beneficiários imediatos micro e pequenas empresas.
e) o limite de 1000 salários mínimos nacionais para a concessão dos benefícios.

576. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Considere:

I - O orçamento fiscal referente aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e entidades da Administração direta e
indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público.

II - O orçamento de investimento das empresas em que a União, direta ou indiretamente, detenha a maioria do
capital social com direito a voto.

Conforme estabelecido na Constituição Federal, uma das funções desses orçamentos, compatibilizados

a) estabelecer benefícios fiscais aos entes federativos com menor arrecadação.


b) promover o orçamento sustentável dos órgãos da Administração direta e indireta da União.
c) priorizar a alocação de verbas a fundos e fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público.
d) indicar parâmetros para o estabelecimento de metas fiscais.
e) reduzir desigualdades inter-regionais, segundo critério populacional.

577. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O princípio orçamentário da exclusividade


determina que a Lei Orçamentária Anual não conterá dispositivo estranho à previsão da receita e fixação da despesa.
Todavia, a Constituição Federal estabelece que são EXCEÇÕES a esse princípio:

a) os conteúdos dos anexos de metas e riscos fiscais.


b) autorização para a abertura de créditos adicionais suplementares e contratação de operação de crédito.
c) as regras de contingenciamento da despesa pública e as despesas consideradas irrisórias.
d) medidas para a evolução do patrimônio líquido e a reestruturação da previdência social.
e) medidas para o alcance dos resultados primário e nominal.

578. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Vários princípios orçamentários estão


dispostos na Constituição Federal. O texto constitucional estabelece que, segundo o princípio da

a) legalidade, lei de iniciativa do Poder Legislativo estabelecerá o orçamento anual.


b) anualidade, lei de iniciativa do Poder Executivo estabelecerá o orçamento anual.
c) exclusividade, todas as receitas e despesas deverão ser incluídas na Lei Orçamentária Anual.
d) universalidade, a Lei Orçamentária Anual não conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da
despesa.
e) exclusividade, a Lei Orçamentária Anual poderá conter autorização para abertura de crédito adicional
suplementar.

579. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A Constituição Federal, ao tratar dos projetos
de lei para os instrumentos de planejamento orçamentário, estabelece que devem ser apreciados pelas duas Casas
do Congresso Nacional. Essa norma constitucional abrange, expressamente, a Lei Orçamentária Anual, a Lei de
Diretrizes Orçamentárias, o Plano Plurianual e os projetos de lei referentes a

a) restos a pagar.
b) gastos com assistência social.
c) créditos adicionais.
d) suprimento de fundos.
e) dívida ativa.

580. (2017/TRT 21a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) O projeto da Lei Orçamentária Anual é um
instrumento de planejamento aditável, ou seja, pode ser alterado por meio de emendas, que somente podem ser
aprovadas se houver a indicação dos recursos necessários, admitidos apenas os provenientes de

a) operação de crédito.
b) anulação de despesa.
c) antecipação da receita orçamentária.
d) recebimento de dívida ativa.
e) renegociação de precatórios.

581. (2017/TRT 21a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Conforme o estabelecido na Constituição


Federal, os recursos que, em decorrência de veto, emenda ou rejeição do projeto de Lei Orçamentária Anual, ficarem
sem despesas correspondentes, poderão ser utilizados, conforme o caso, desde que haja prévia e específica
autorização legislativa, mediante créditos adicionais

a) especiais, suplementares ou extraordinários.


b) especiais, apenas.
c) suplementares, apenas.
d) especiais ou suplementares, apenas.
e) extraordinários, apenas.

582. (2017/TRT 21a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A Constituição Federal permite a


apresentação de emendas individuais ao projeto de lei orçamentária, limitadas a 1,2% da receita corrente líquida,
sendo que metade desse percentual será para ações e serviços públicos de saúde, VEDADA a destinação para

a) pagamento de pessoal ou encargos sociais.


b) acordos com entidades do terceiro setor.
c) pagamento de restos a pagar.
d) aquisição de equipamentos.
e) locação de imóveis.

583. (2017/TRT 2ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Em uma situação hipotética, um TRT
realizou despesas no exercício de 2016, mas que não foram pagas até 31 de dezembro desse mesmo ano. Essas
despesas devem ser classificadas contabilmente nos balanços de 2016 como

a) dívida ativa.
b) restos a pagar.
c) antecipação da receita orçamentária.
d) postergação da despesa orçamentária.
e) operação de crédito atípica.

584. (2017/TRT 2ia/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) A verificação que tem por fim apurar a
origem e o objeto do que se deve pagar, a importância exata a pagar e a quem se deve pagar a importância, para
extinguir a obrigação, é

a) a fixação de dotação de despesa.


b) a reserva de dotação.
c) o empenhamento da despesa.
d) a liquidação da despesa.
e) o pagamento da despesa.
585. (2017/TST/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) São objetivos a serem alcançados pelo Poder
Público na organização da Seguridade Social previstos na Constituição Federal de 1988:

a) Irredutibilidade no valor dos benefícios e proporcionalidade na forma de participação no custeio.


b) Seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços.
c) Diversidade da base de financiamento e isonomia na prestação dos benefícios e serviços.

d) Equidade na forma de participação no custeio e gestão tripartite na administração dos recursos.


e) Universalidade da cobertura e do atendimento e centralização da administração dos recursos pela União
Federal.

586. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Considerando a classificação das constituições


quanto a sua mutabilidade, a Constituição Federal vigente é

a) analítica, uma vez que é minuciosa, extensa, dispondo não somente sobre a organização do Estado brasileiro,
mas também sobre matérias que seriam próprias da legislação ordinária, o que dificulta a alteração do ordenamento
jurídico brasileiro.
b) aberta, uma vez que é principiológica, acolhendo normas de conteúdo amplo, favorecendo a ocorrência de
mutações constitucionais mediante atuação do Poder Judiciário.
c) flexível, uma vez que sua carga principiológica permite ao legislador interpretá-la e dar-lhe significado por
intermédio da legislação ordinária, o que permite a evolução da Constituição sem que ela seja formalmente alterada.
d) rígida, uma vez que apenas pode ser alterada por procedimento específico diverso do previsto para a elaboração
das leis ordinárias e complementares, dificultando sua modificação.
e) dirigente, uma vez que estabelece diretrizes e metas ao legislador, demandando que seja reformada quando
alcançados os objetivos do constituinte.

587. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) De acordo com o sistema de controle de


constitucionalidade adotado pela Constituição Federal vigente,

a) os juízes singulares não podem exercer o controle de constitucionalidade, uma vez que a Constituição Federal
determina que somente pelo voto da maioria absoluta de seus membros ou dos membros do respectivo órgão
especial poderão os "tribunais" declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato_ normativo do Poder Público.
b) o Supremo Tribunal Federal não pode exercer o controle de constitucionalidade de leis e atos normativos
municipais, cabendo apenas aos Tribunais de Justiça dos Estados fazê-lo.
c) o Superior Tribunal de Justiça não pode exercer o controle de constitucionalidade de leis e atos normativos, uma
vez que lhe compete o controle da legalidade dos atos jurídicos.
d) súmula vinculante editada pelo Supremo Tribunal Federal não pode ser objeto de ação direta de
inconstitucionalidade.
e) o Governador do Estado tem legitimidade para ajuizar ação declaratória de constitucionalidade, em face de lei
estadual, perante o Supremo Tribunal Federal.

588. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) De acordo com o sistema de repartição de


competências entre os entes federativos acolhido na Constituição Federal vigente,

a) à União compete editar normas gerais em matéria de previdência social, cabendo aos Estados a competência
suplementar.
b) à União compete editar normas gerais em matéria de trânsito e transporte, cabendo aos Estados a competência
suplementar.
c) leis ordinárias federais podem fixar normas para a cooperação entre a União e os Estados, o Distrito Federal e
os Municípios no exercício de competências materiais comuns, tendo em vista o equilíbrio do desenvolvimento e do
bemestar em âmbito nacional.
d) na ausência de normas gerais federais em matéria de proteção e defesa da saúde, os Estados e o Distrito Federal
não podem exercer a competência legislativa plena.
e) a União pode delegar aos Estados e ao Distrito Federal a competência para legislar sobre questões específicas
em matéria de educação, cultura, ensino, desporto, ciência, tecnologia, pesquisa, desenvolvimento e inovação.

589. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) Professora ingressou no serviço público em 2010,


quando tomou posse no cargo efetivo de professor de ensino médio junto à rede pública estadual e no cargo efetivo
de professor de universidade pública estadual, tendo, a partir de então, contribuído regularmente para o regime
oficial de previdência social. De acordo com as regras constitucionais vigentes, caso a professora continue no efetivo
exercício dos cargos, em funções de magistério, até completar os requisitos para sua inatividade, a professora
poderá aposentar-se voluntariamente,

a) em cada um dos cargos, apenas em 2040, desde que conte com 55 anos de idade, podendo cumular o
recebimento das aposentadorias.
b) em ambos os cargos, apenas em 2035, desde que conte com 50 anos de idade, podendo cumular o recebimento
das aposentadorias.
c) no cargo de professor de ensino médio, apenas em 2035, desde que conte com 50 anos de idade e, no cargo de
professor universitário, apenas em 2040, desde que conte com 55 anos de idade, podendo cumular o recebimento
de ambas aposentadorias.
d) no cargo de professor de ensino médio, apenas em 2035, desde que conte com 55 anos de idade e, no cargo de
professor universitário, apenas em 2040, desde que conte com 60 anos de idade, não podendo cumular o
recebimento de ambas aposentadorias.

e) no cargo de professor de ensino médio, apenas em 2035, desde que conte com 60 anos de idade e, no cargo de
professor universitário, apenas em 2040, desde que conte com 65 anos de idade, podendo cumular o recebimento
de ambas aposentadorias.

590. (2017/FUNAPE / ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) A Constituição Federal assegura

I - aos Tribunais a competência para elaborar suas propostas orçamentárias, cabendo ao Poder Executivo
ajustá-las caso estejam em desacordo com os limites estipulados conjuntamente com os demais Poderes na Lei de
Diretrizes Orçamentárias.
II - às Defensorias Públicas estaduais autonomia funcional e administrativa, mas não a iniciativa de sua proposta
orçamentária.
III - às Procuradorias Gerais dos Estados a autonomia administrativa, mas não a

iniciativa de sua proposta orçamentária.

IV - ao Ministério Público a autonomia funcional e administrativa, podendo, ob

servados os limites orçamentários, propor ao Poder Legislativo a criação e extinção de seus cargos e serviços
auxiliares, a política remuneratória e os planos de carreira.

V - aos Tribunais, às Defensorias Públicas e às Procuradorias Gerais dos Estados

a iniciativa de projetos de lei que disponham sobre a criação de cargos de, respectivamente, juízes, defensores
públicos e procuradores do estado, bem como sobre sua remuneração.

Está correto o que se afirma APENAS em

a) I e IV.
b) IV e V.
c) II, III e IV.
d) II, III e V.
e) I e V.
591. (2017/FUNAPE / ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) O Congresso Nacional aprovou projeto de lei
federal, de iniciativa parlamentar, concedendo ao servidor público efetivo vinculado ao Poder Executivo, titular de
cargo público provido mediante concurso público, o direito ao recebimento de abono de permanência no valor de sua
remuneração, ao completar os requisitos para a aposentadoria voluntária e optar por permanecer em atividade.
Embora o Presidente da República tenha vetado o projeto de lei, o veto foi rejeitado por maioria simples dos
deputados e senadores reunidos em sessão conjunta. Diante disso, o Presidente da República ajuizou, perante o
Supremo Tribunal Federal, ação direta de inconstitucionalidade contra a referida lei federal, que foi julgada
inconstitucional pela Corte. Ciente da decisão judicial, o Congresso Nacional aprovou nova lei federal, nos mesmos
termos daquela julgada inconstitucional pelo STF. Analisando essa situação à luz da Constituição Federal, o

I - projeto de lei não poderia ter sido proposto por parlamentar, tendo em vista que a iniciativa legislativa é
exclusiva do Presidente da República.
II - abono não poderia ter sido fixado no valor previsto no projeto, ainda que tenha o propósito de incentivar a
permanência do servidor na atividade.
III - veto não poderia ter sido rejeitado apenas por maioria simples dos deputa

dos e senadores.

IV - Congresso Nacional não poderia ter aprovado outra lei de igual teor àquela

declarada inconstitucional pelo STF, tendo em vista os efeitos vinculantes produzidos pela decisão proferida pela
Suprema Corte.

Está correto o que se afirma em

a) I, II, III e IV.


b) I, II e III, apenas.
c) II e III, apenas.
d) III e IV, apenas.
e) I e IV, apenas.

592. (2017/FUNAPE/ANALISTA JURÍDICO PREVIDENCIÁRIO) A Constituição Federal assegura aos ocupantes de


cargos públicos alguns dos direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, dentre os quais se encontra o direito

a) à jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação
coletiva.
b) ao reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho.
c) ao seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a que este está
obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa.
d) ao seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário.
e) ao salário-família pago em razão do dependente do trabalhador de baixa renda nos termos da lei.

593. (2017/TST/JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO) Sobre o poder normativo da Justiça do Trabalho, em


conformidade com a Constituição Federal, a Consolidação das Leis do Trabalho e o entendimento dominante do
Tribunal Superior do Trabalho, considere:

I - A primeira Constituição Federal que autorizou e delegou à Justiça do Trabalho competência normativa para
solução dos conflitos coletivos do trabalho foi a de 1934.
II - A Emenda Constitucional no 45/2004 inclui na Constituição Federal de 1988 a exigência às partes do "comum
acordo" para ajuizamento do dissídio coletivo de natureza jurídica.
III - O dissídio coletivo é o instrumento hábil para que determinado sindicato

obtenha o reconhecimento de que a categoria que representa se trata de categoria diferenciada.


IV - Em face de pessoa jurídica de direito público que mantenha empregados,

cabe dissídio coletivo exclusivamente para apreciação de cláusulas de natureza social.

Está correto o que se afirma APENAS em

a) I.
b) II, III e IV.
c) I, II e III.
d) I e IV.
e) IV.

594. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Considerando as ideias de supremacia


constitucional e de controle de constitucionalidade das leis em face da Constituição, pode-se afirmar que o direito
constitucional brasileiro

a) acolhe ambas, mas permite que o controle de constitucionalidade de leis seja exercido apenas pelos Poderes
Legislativo e Executivo, e não pelo Poder Judiciário, em razão do princípio democrático.
b) acolhe ambas, mas apenas admite o controle de constitucionalidade de leis pelo Poder Judiciário desde que
também seja exercido pelo poder Executivo através do veto.
c) acolhe a ideia de supremacia constitucional, mas não permite o controle de constitucionalidade das leis.
d) não acolhe ambas ideias, uma vez que vigem os princípios da legalidade e da supremacia da lei.
e) acolhe ambas ideias, permitindo que o Poder Judiciário deixe de aplicar a lei inconstitucional.

595. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) As normas constitucionais a respeito da


organização do Estado brasileiro prescrevem que

a) os Municípios não são dotados de autonomia, uma vez que a Constituição Federal não lhes garante o poder de
dar-se uma Constituição própria.

b) os Municípios não são dotados de autonomia, uma vez que não possuem Poder Judiciário, mas apenas Poder
Legislativo e Poder Executivo.
c) os Municípios são dotados de autonomia, mas as Câmaras de Vereadores devem limitar-se a regulamentar as
leis federais e estaduais para a sua fiel execução.
d) a União, os Estados e os Municípios são autônomos, mas não o Distrito Federal, que tem a natureza de autarquia
federal.
e) os Estados-membros são dotados de autonomia, tendo a Constituição Federal assegurado-lhes, inclusive, o
exercício de competências legislativas exclusivas.

596. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Um deputado estadual propôs projeto de lei


instituindo regime de previdência complementar aos servidores titulares de cargos públicos estaduais efetivos, por
intermédio de entidade fechada de previdência complementar, de natureza pública, que ofereceria aos participantes
planos de benefícios somente na modalidade de contribuição definida. O mesmo projeto ainda alterou as normas do
regime oficial de previdência obrigatória e fixou limite máximo para o pagamento de aposentadoria a servidores
titulares de cargos públicos estaduais efetivos e para o pagamento de pensão a seus dependentes. A propositura
determinou que o referido limite, que se aplicaria imediatamente a todos os servidores efetivos, inclusive àqueles
titulares de cargos públicos anteriormente à aprovação da Lei, seria o valor máximo estabelecido para os benefícios
do regime geral da previdência social. Nesse contexto, à luz da Constituição Federal, considere:

I - O projeto de lei não poderia ter sido proposto por deputado estadual, uma vez que a matéria é de iniciativa
exclusiva do Poder Executivo.
II - É juridicamente admissível a instituição do limite previsto no projeto para pagamento de benefícios pelo
regime obrigatório de previdência oficial e sua aplicação compulsória a todos os titulares de cargos públicos efetivos.
III - E juridicamente inadmissível a instituição do regime de previdência complementar através de entidade de
natureza pública, uma vez que a Constituição Federal prescreve a instituição por intermédio de natureza privada.

Está correto o que se afirma em

a) III, apenas.
b) I, apenas.
c) II e III, apenas.
d) I e II, apenas.
e) I, II e III.

597. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Por força das normas constitucionais a respeito
da estabilidade dos servidores públicos, o servidor público titular de

a) cargo público em comissão, após três anos de efetivo exercício, apenas poderá perder o cargo (I) em razão de
sentença judicial transitada em julgado, (II) mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla
defesa e (III) mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma de lei complementar,
assegurada ampla defesa.
b) cargo público de provimento efetivo em virtude de concurso público, após três anos de sua posse, apenas
poderá perder o cargo (I) em razão de sentença judicial transitada em julgado, (II) mediante processo
administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa e (III) mediante procedimento de avaliação periódica de
desempenho, na forma de lei complementar, assegurada ampla defesa.
c) cargo público de provimento efetivo em virtude de concurso público, que já tenha adquirido estabilidade após
três anos de efetivo exercício, poderá ser posto em disponibilidade com remuneração proporcional ao tempo de
serviço, caso seu cargo seja extinto ou declarada sua desnecessidade.

d) cargo público de provimento efetivo em virtude de concurso publico, após três anos de efetivo exercício, pode
ser exonerado, sem remuneração proporcional ao tempo de serviço, caso o respectivo cargo seja extinto ou
declarado desnecessário.
e) emprego público em virtude de concurso público deve, como condição para adquirir estabilidade após dois anos
de efetivo exercício, ser submetido à avaliação especial de desempenho por comissão instituída para essa finalidade.

598. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Um deputado federal apresentou projeto de lei


dispondo sobre aumento da remuneração de servidores públicos vinculados ao Poder Executivo.

Aprovada a proposta, o projeto de lei foi encaminhado ao Presidente da República que, no entanto, expressou sua
negativa em sancioná-lo, vetando o projeto por motivo de inconstitucionalidade da iniciativa legislativa. O Presidente
do Congresso Nacional, ao ser comunicado do veto presidencial, rejeitou-o e promulgou a Lei. Nessa situação e
considerando as disposições da Constituição Federal:

I - O projeto de lei não poderia ter sido apresentado por deputado federal, uma vez que trata de matéria de
iniciativa exclusiva do Presidente da República. II - O Presidente da República não poderia vetar o projeto de lei por
motivo de inconstitucionalidade, uma vez que apenas o Poder Judiciário pode apreciar a inconstitucionalidade das
leis.

III - O Presidente do Congresso Nacional agiu de acordo com o direito ao rejeitar o veto presidencial e promulgar a
lei aprovada pelo Poder Legislativo.

Está correto o que se afirma APENAS em

a) II e III.
b) III.
c) I e III.
d) I.
e) I e II.

599. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Considere os seguintes atos administrativos:

I - Admissão de servidor público ocupante de cargo público efetivo junto à Administração direta.

II - Admissão de empregado público junto a fundação instituída e mantida pelo Poder Público.
III - Concessão de aposentadoria a servidor público titular de cargo público efetivo junto à Administração
autárquica.

De acordo com as disposições da Constituição Federal, compete ao Tribunal de Contas da União apreciar a legalidade

a) de todos os atos, podendo assinar prazo para que o órgão ou entidade administrativa adote as providências
necessárias ao exato cumprimento da lei, se verificada ilegalidade.
b) apenas do ato I, podendo aplicar aos responsáveis, se houver ilegalidade de despesa, as sanções previstas em
lei.
c) apenas dos atos I e II, podendo sustá-los, hipótese em que deverá comunicar sua decisão à Câmara dos
Deputados e ao Senado Federal.
d) apenas dos atos I e III, mas não poderá sustá-los, nem aplicar penas aos responsáveis se houver ilegalidade de
despesa.
e) apenas dos atos II e III, podendo assinar prazo para que o órgão ou entidade administrativa adote as
providências necessárias ao exato cumprimento da lei, se verificada ilegalidade.

600. (2017/FUNAPE/ANALISTA EM GESTÃO PREVIDENCIÁRIA) Foi editada lei estadual majorando a


remuneração dos cargos públicos vinculados ao Poder Executivo, equiparando-a ao valor da remuneração dos cargos
públicos equivalentes junto ao Poder Legislativo. A mesma lei estadual determinou que a remuneração dos cargos

vinculados ao Poder Executivo seria automaticamente majorada sempre que houvesse aumento dos vencimentos
dos cargos equivalentes junto ao Poder Legislativo. De acordo com as disposições da Constituição Federal, a lei
estadual é

a) compatível com a Constituição Federal, uma vez que o Poder Legislativo é livre para fixar o modelo de reajuste
da remuneração dos servidores públicos, podendo a lei estadual ser objeto de ação declaratória de
constitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal.
b) compatível com a Constituição Federal, uma vez que, em razão do princípio da isonomia, a remuneração dos
cargos públicos vinculados ao Poder Executivo deve ser igual à remuneração dos cargos públicos a eles equivalentes
junto ao Poder Legislativo, mas a lei estadual não pode ser objeto de ação declaratória de constitucionalidade
perante o Supremo Tribunal Federal.
c) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer
espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público, podendo a lei estadual ser
objeto de ação direta de inconstitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal.
d) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que é permitida a vinculação ou equiparação remuneratória
desde que seja determinada aos servidores públicos vinculados aos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário,
podendo a lei estadual ser objeto de arguição de descumprimento de preceito fundamental perante o Tribunal de
Justiça do Estado.
e) incompatível com a Constituição Federal, uma vez que é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer
espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público, podendo a lei estadual ser
objeto de arguição de descumprimento de preceito fundamental perante o Tribunal de Justiça do Estado.
601. (2017/ARTESP/ESPECIALISTA EM REGULAÇAO DE TRANSPORTE I - AREA ECONOMIA) Nos termos da
Constituição Federal, a competência para legislar sobre trânsito e transporte é

a) comum da União, Estados e Distrito Federal.


b) privativa dos Estados e Distrito Federal.
c) concorrente entre União, Estados, Distrito Federal e Municípios.
d) exclusiva dos Estados, Distrito Federal e Municípios.
e) privativa da União.

602. (2017/TST/JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO) Avizinhando-se o período de eleições para governador,


policiais civis e auditores fiscais de um determinado es- tado-membro promovem greve, com a finalidade de
influenciar a não reeleição do candidato da situação. Diante de tais fatos, segundo o entendimento do Supremo
Tribunal Federal - STF,

a) a Lei de Greve aplicável ao setor privado deve balizar o movimento paredista de servidores públicos, enquanto
o Poder Legislativo não normatiza a matéria, devendo a greve de servidores públicos ser avisada com antecedência
mínima de noventa e seis horas.
b) o exercício do direito de greve, muito embora seja vedado, sob qualquer forma ou modalidade, a policiais
militares, é admitido aos policiais civis e aos auditores fiscais.
c) caso seja instaurada mediação pelos órgãos classistas das carreiras de segurança pública, para vocalização dos
interesses da categoria, será obrigatória a participação do Poder Público na tentativa de solução consensual de
conflito.
d) a Administração pública não pode proceder ao desconto dos dias de paralisação decorrentes do exercício do
direito de greve pelos servidores públicos, porque estes possuem uma relação estatutária com o Estado, a qual não
é interrompida pela greve.

e) a supremacia do interesse público gera a necessidade de continuação do serviço público, que não poderá ser
prejudicado, interrompido ou paralisado por policiais militares, por auditores fiscais nem por policiais civis,
sendo-lhes vedado o exercício de greve.

603. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA ECONOMIA) Fazer com que o orçamento público considere todas as receitas
e todas as despesas e que nenhuma instituição governamental fique afastada do orçamento caracteriza o princípio

a) do orçamento bruto.
b) da exclusividade.
c) do equilíbrio.
d) da transparência.
e) da universalidade.

604. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA PROCESSUAL) Acórdão de órgão fracionário de Tribunal de Justiça que, ao
conferir intepretação conforme à Constituição Federal a determinado diploma legal, afasta sua incidência no caso
concreto, sem que exista prévia decisão do colegiado ou órgão especial do Tribunal sobre a matéria, será

a) compatível com a Constituição Federal, não havendo que se falar em ofensa à cláusula de reserva de plenário,
na medida em que a técnica da interpretação conforme à Constituição não implica declaração de
inconstitucionalidade da norma sob análise.
b) compatível com a Constituição Federal, não havendo que se falar em ofensa à cláusula de reserva de plenário,
na medida em que o afastamento da incidência da norma legal em um caso concreto não implica declaração de
inconstitucionalidade em abstrato sujeita a quórum qualificado.

c) incompatível com a Constituição Federal, na medida em que ofende a cláusula de reserva de plenário, estando
sujeito a reclamação perante o Supremo Tribunal Federal.
d) incompatível com a Constituição Federal, na medida em que ofende a cláusula de reserva de plenário, estando
sujeito a arguição de descumprimento de preceito fundamental perante o Supremo Tribunal Federal.
e) incompatível com a Constituição Federal, na medida em que ofende a cláusula de reserva de plenário, não
estando sujeito, no entanto, a impugnação perante o Supremo Tribunal Federal, senão por meio de recurso
extraordinário, desde que preenchidos os demais requisitos constitucionais e legais para seu cabimento.

605. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA PROCESSUAL) Lei municipal que, na defesa dos interesses do consumidor,
fixe o horário de funcionamento de estabelecimentos que comercializem medicamentos será

a) incompatível com a Constituição Federal, na medida em que ofende a competência legislativa suplementar do
Estado, para atender a suas peculiaridades, em matéria de defesa do consumidor, estando sujeita a reclamação
perante o Supremo Tribunal Federal.
b) incompatível com a Constituição Federal, na medida em que ofende a competência legislativa concorrente
atribuída à União e aos Estados para legislar sobre produção e consumo, estando sujeita a ação direta de
inconstitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal.
c) incompatível com a Constituição Federal, na medida em que ofende a competência privativa da União para
legislar sobre direito civil, estando sujeita a reclamação perante o Supremo Tribunal Federal.
d) incompatível com a Constituição Federal, na medida em que ofende a competência privativa da União para
legislar sobre direito civil, estando sujeita a reclamação perante o Supremo Tribunal Federal.
e) compatível com a Constituição Federal, por se tratar de exercício regular de competência do Município para
legislar sobre assuntos de interesse local.

606. (2017/DPE/ANALISTA - AREA PROCESSUAL) Decreto Legislativo editado pela Assembleia Legislativa de
determinado Estado estabeleceu que os subsídios do Governador, do Vice-Governador e dos Secretários de Estado
seriam reajustados anualmente, na mesma oportunidade e proporção em que reajustada a remuneração dos
servidores públicos estaduais ocupantes de cargos efetivos. Alguns meses após se ter promovido o primeiro reajuste
dos subsídios em questão com base no Decreto Legislativo, o Ministério Público estadual ajuizou ação civil pública,
pleiteando que, como consequência da nulidade do aludido ato normativo, referidos agentes fossem condenados
individualmente a restituir ao erário os valores percebidos a maior, em decorrência dos reajustes promovidos a partir
do Decreto Legislativo. Nessa hipótese,

a) há inconstitucionalidade quanto ao modo de alteração dos subsídios do Governador, do Vice-Governador e dos


Secretários de Estado, bem como quanto à vin- culação dos subsídios à remuneração dos servidores ocupantes de
cargos efetivos, não sendo cabível, no entanto, pleitear a nulidade do Decreto Legislativo e a restituição dos valores
pretendidos por meio de ação civil pública, uma vez que esta não se presta ao controle de constitucionalidade.
b) há inconstitucionalidade apenas quanto à vinculação dos subsídios à remuneração dos servidores ocupantes de
cargos efetivos, não sendo possível, no entanto, pleitear a nulidade do Decreto Legislativo e a restituição dos valores
pretendidos por meio de ação civil pública, uma vez que esta não se presta ao controle de cons- titucionalidade.
c) há inconstitucionalidade quanto ao modo de alteração dos subsídios do Governador, do Vice-Governador e dos
Secretários de Estado, bem como quanto à vinculação dos subsídios à remuneração dos servidores ocupantes de
cargos efetivos, sendo admissível que a ação civil pública tenha por objeto a restituição dos valores recebidos a maior,
como consequência da nulidade do Decreto Legislativo.

d) há inconstitucionalidade apenas quanto à vinculação dos subsídios à remuneração dos servidores ocupantes de
cargos efetivos, sendo admissível que a ação civil pública tenha por objeto a restituição dos valores recebidos a maior,
como consequência da nulidade do Decreto Legislativo.
e) não há inconstitucionalidade quanto ao modo de alteração dos subsídios do Governador, do Vice-Governador e
dos Secretários de Estado, nem quanto à vinculação dos subsídios à remuneração dos servidores ocupantes de
cargos efetivos, sendo improcedente, apesar de admissível, a ação civil pública ajuizada.

607. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA PROCESSUAL) Considere que determinada Constituição Estadual estabeleça
ser cabível recurso para a Assembleia Legislativa em face das decisões do Tribunal de Contas do Estado que julguem
as contas dos administradores e demais responsáveis por dinheiros, bens e valores públicos da Administração
estadual. Nessa hipótese, referida previsão seria

a) incompatível com a Constituição Federal, que atribui competência para julgamento de tais contas aos Tribunais
de Contas, independentemente de submissão prévia ou posterior ao órgão do Poder Legislativo a que auxiliem.
b) incompatível com a Constituição Federal, que atribui competência para julgamento de tais contas
originariamente, e não em grau de recurso, à Assembleia Legislativa, cabendo aos Tribunais de Contas emitir parecer
prévio a esse respeito.
c) compatível com a Constituição Federal, no que se refere à possibilidade de revisão do julgamento das contas do
chefe do Poder Executivo pela Assembleia Legislativa, mas não em relação aos demais responsáveis por dinheiros,
bens e valores públicos da administração estadual.
d) compatível com a Constituição Federal, no que se refere à possibilidade de revisão do julgamento das contas dos
responsáveis por dinheiros, bens e valores públicos da administração estadual pela Assembleia Legislativa, mas não
em relação às do chefe do Poder Executivo.
e) compatível com a Constituição Federal.

GABARITO

488. e 513. c 538. e 563. b 588. a


489. a 514. b 539. a 564. c 589. c
490. d 515. e 540. d 565. e 590. a
491. e 516. a 541. a 566. d 591. b
492. a 517. e 542. b 567. e 592. e
493. c 518. d 543. d 568. a 593. e
494. b 519. b 544. e 569. d 594. e
495. d 520. d 545. e 570. c 595. e
496. c 521. c 546. c 571. b 596. b
497. b 522. a 547. c 572. e 597. c
498. c 523. c 548. d 573. c 598. d
499. d 524. a 549. c 574. c 599. a
500. e 525. e 550. e 575. a 600. c
501. e 526. e 551. a 576. e 601. e
502. b 527. a 552. c 577. b 602. c
503. a 528. d 553. d 578. e 603. e
504. c 529. b 554. a 579. c 604. c
505. a 530. d 555. e 580. b 605. e
506. e 531. b 556. e 581. d 606. c
507. c 532. a 557. c 582. a 607. a
508. b 533. b 558. b 583. b
509. d 534. c 559. e 584. d
510. e 535. a 560. b 585. b
511. c 536. d 561. b 586. d
512. a 537. a 562. c 587. d
www.grancursosonline.com.br 430 de 740

DIREITO PENAL

608. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA JUDICIÁRIA)


Em uma situação hipotética, o Técnico de Segurança Juvenal, funcionário público devidamente concursado recebeu
a oferta de R$ 50.000,00 de Marcela para atrasar recebimento de expedientes relativos a processo do interesse dela,
objetivando alcançar a prescrição. Contudo Juvenal não adotou conduta irregular e recebeu os expedientes a tempo,
não culminando em prescrição.

Em relação ao crime de corrupção:

a) uma vez que não houve o pagamento da vantagem e a pretendida prescrição no processo não foi alcançada, não
houve crime.
b) se Marcela tivesse o resultado pretendido com o alcance da prescrição independentemente do pagamento ter
ocorrido teria havido crime.
c) o efetivo pagamento de vantagem indevida a funcionário público, para determiná-lo a praticar, omitir ou
retardar ato de ofício é o que configura crime de corrupção passiva por Marcela.
d) o simples oferecimento de vantagem indevida a funcionário público, para determiná-lo a praticar, omitir ou
retardar ato de ofício já se configura crime de corrupção ativa.
e) o simples oferecimento de vantagem indevida a funcionário público, para determiná-lo a praticar, omitir ou
retardar ato de ofício se configura crime de corrupção ativa, desde que o resultado pretendido seja alcançado.

609. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Praticada a infração penal, surge para o Estado
o direito de aplicar a sanção cominada abstratamente na lei, como forma, tanto de retribuição ao mal causado pelo
agente criminoso, como, ainda, de prevenção e intimidação, a fim de se evitar que novos delitos sejam cometidos.
Diante de tal contexto, analise as proposições abaixo.

I - Cominadas cumulativamente, em lei especial, penas privativa de liberdade e pecuniária, é permitido a


substituição da prisão por multa.
II - A legitimidade para a execução fiscal de multa pendente de pagamento imposta em sentença condenatória é
exclusiva do Ministério Público.
III - A reincidência penal não pode ser considerada como circunstância agravante

e, simultaneamente, como circunstância judicial.

IV - A imposição do regime de cumprimento mais severo, do que a pena aplicada

permitir, exige motivação idônea.

Está correto o que se afirma APENAS em

a) III e IV.
b) I e III.
c) II e IV.
d) II e III.
e) I e IV.

610. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Sobre a aplicação da lei penal, é correto afirmar
que

a) o Código Penal adotou o princípio da territorialidade, em relação à aplicação da lei penal no espaço. Tal princípio
é absoluto, não admitindo qualquer exceção.
b) transitada em julgado a sentença condenatória, compete ao Juízo do Conhecimento a aplicação da lei mais
benigna.
c) a lei aplicável para os crimes permanentes será aquela vigente quando se iniciou a conduta criminosa do agente.
d) quando a abolitio criminis se verificar depois do trânsito em julgado da sentença penal condenatória,
extinguir-se-ão todos os efeitos penais e extrapenais da condenação.
e) a lei excepcional ou temporária, embora decorrido o período de sua duração ou cessadas as circunstâncias que
a determinaram, aplica-se ao fato praticado durante a sua vigência.

611. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Não é considerado funcionário público, ainda
que por extensão, para os efeitos penais o

a) funcionário atuante em empresa contratada para prestar serviço atípico para a Administração pública.
b) servidor temporário.
c) servidor ocupante em cargos por comissão.
d) empregado público contratado sob o regime da CLT.
e) cidadão nomeado para compor as mesas receptoras de votos e de justificativas no dia das eleições.

612. (2017/TST/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA JUDICIÁRIA)


Mariana, menor de 13 anos, grávida de 2 meses, pretende realizar aborto por não desejar a criança, uma vez que
não sabe quem é o pai do bebê concebido. Maridete, parteira conhecida da família de Mariana, realiza o aborto com
autorização da menor. A conduta de Maridete, ao provocar o aborto, é passível de pena de

a) detenção de um a quatro anos.


b) detenção de três a dez anos.
c) reclusão de três a dez anos.
d) reclusão de um a três anos.
e) reclusão de quinze a vinte anos.

613. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA) Manoel,


dirigindo seu veículo, por distração, atropela a estudante universitária Cristine de 18 anos. Percebendo que não
haviam testemunhas, evade-se do local, sem prestar socorro, para fugir da prisão em flagrante delito. Cristine morre.
Manoel estará sujeito às penas do crime de homicídio

a) doloso, com o aumento da pena em 1/3.


b) culposo, com o aumento da pena em 2/3.
c) culposo, com o aumento da pena em 1/3.
d) doloso, com o aumento da pena em 2/3.
e) culposo, com o aumento da pena em dobro em face da fuga do local.

614. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA) José


desatendeu ordem ilegal de funcionário Público e deixou o local em que tal ordem lhe fora dada. A conduta de José

a) caracterizou o delito de desacato.


b) caracterizou o delito de resistência no tipo legal fundamental.
c) configurou o crime de desobediência.
d) não tipificou os crimes de desobediência, desacato ou resistência.
e) configurou o crime de resistência na forma agravada.

615. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA) Maria foi
morta por seu companheiro Gilmar motivado por razões de sua condição de sexo feminino, com o menosprezo e
discriminação à condição feminina e violência doméstica e familiar. A tipificação penal para este crime é

a) homicídio culposo.
b) homicídio qualificado à traição, por se tratar de companheiro.
c) feminicídio.
d) genocídio.
e) homicídio simples.

616. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA) O


particular que atenta contra a Administração em Geral, com a característica de iludir, no todo ou em parte, o
pagamento de direito ou imposto

devido pela entrada, pela saída ou pelo consumo de mercadoria no país, comete, segundo o Código Penal, o crime
de

a) fraude de concorrência.
b) contrabando.
c) descaminho.
d) sonegação de contribuição previdenciária.
e) impedimento de concorrência.

617. (2017/TRF 5a/TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA - ESPECIALIDADE: SEGURANÇA) Josias,


funcionário do Tribunal, deixa, por indulgência, de responsabilizar subordinado que cometeu infração no exercício do
cargo, mesmo tendo competência para responsabilizá-lo e também não levou o fato ao conhecimento de seu
superior. Por sua conduta, Josias poderá sofrer eventual ação penal pelo crime de

a) exercício funcional ilegal.


b) peculato.
c) concussão.
d) prevaricação.
e) condescendência criminosa.

618. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Édipo, irritado com as constantes festas que seu vizinho Laio promove à noite, atrapalhando
seu descanso, resolve procurá-lo a fim de resolver definitivamente a situação. Para tanto, arma-se de uma
espingarda e se dirige à casa de Laio, vindo a encontrálo distraído. Ato contínuo, aponta a arma em sua direção a fim
de efetuar um disparo contra sua cabeça. Contudo, Jocasta, que, por coincidência, havia acabado de chegar ao local,
surpre-

ende e consegue impedir Édipo de seu intento, retirando-lhe a arma de sua mão, evitando, assim, o disparo fatal. A
conduta de Édipo, para o Direito Penal, pode ser enquadrada no ordenamento jurídico como

a) arrependimento posterior.
b) desistência voluntária.
c) crime tentado.
d) circunstância atenuante.
e) arrependimento eficaz.

619. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Considere:

I - Não provocação voluntária do perigo.


II - Exigibilidade de sacrifício do bem salvo.
III - Inexistência do dever legal de enfrentar o perigo.
IV - Conhecimento da situação justificante.
V - Agressão atual ou pretérita.

São requisitos do estado de necessidade o que se afirma APENAS em

a) I, III e IV.
b) II, III e IV.
c) I, II e V.
d) II, IV e V.
e) I, III e V.

620. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) A coação moral irresistível

a) torna o fato atípico.


b) é causa excludente de ilicitude.

c) é circunstância que sempre atenua a pena.


d) tem o mesmo tratamento legal da coação física irresistível.
e) é causa de isenção da pena.

621. (2017/TRF 5a/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA - ESPECIALIDADE: OFICIAL DE JUSTIÇA


AVALIADOR FEDERAL) Praticado o ilícito penal por um indivíduo culpável, surge para o Estado o direito de aplicar a
sanção penal prevista na lei incriminadora. Contudo, o direito de punir não é absoluto, sendo possível que ocorra
alguma causa extintiva de punibilidade, impedindo que o Estado imponha a sanção ao agente. Diante disso, com
fundamento no que dispõe o Código Penal sobre a extinção de punibilidade, é corretor afirmar:

a) No caso de evadir-se o condenado ou de revogar-se o livramento condicional, a prescrição é regulada pelo


máximo da pena privativa de liberdade cominada ao crime.
b) Nos crimes conexos, a extinção da punibilidade de um deles impede, quanto aos outros, a agravação da pena
resultante da conexão.
c) A prescrição, depois da sentença condenatória com trânsito em julgado para a acusação ou depois de improvido
seu recurso, regula-se pela pena aplicada, podendo, ainda, ter por termo inicial data anterior à da denúncia ou
queixa.
d) Aplicam-se às penas restritivas de direito os mesmos prazos prescricionais previstos para as privativas de
liberdade.
e) A prescrição da pena de multa ocorrerá em 2 anos quando a multa for alternativa ou cumulativamente cominada
ou cumulativamente aplicada.

622. (2017/TST/JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO) José, 60 anos, gerente do empreendimento de construção


Verbo, adotava a praxe empresarial de efetuar pagamento extra-folha (por fora) de parte dos salários dos
empregados, com registro

nos títulos de contabilidade da empresa e realização de recolhimentos previden- ciários somente no que se refere aos
valores consignados nos recibos principais. Verificado o panorama em ação trabalhista, o Juiz do Trabalho
determinou o envio de ofício às esferas fiscal e criminal, para conhecimento e análise, sendo iniciada a ação fiscal,
com notificação do lançamento do tributo. Nessa situação hipotética,

a) haverá extinção de punibilidade se José, ainda que iniciada ação fiscal, efetuar a correção interna dos livros de
contabilidade antes da sentença condenatória criminal.
b) a idade de sessenta anos, na data de eventual sentença condenatória criminal, beneficiará José como
circunstância atenuante da pena.
c) as condutas protagonizadas por José, embora denotem irregularidades trabalhistas, não são previstas como
tipos penais.
d) há configuração da conduta típica prevista no art. 337-A, III, do Código Penal, consistente em sonegação de
contribuição previdenciária.
e) o crime de sonegação de contribuição previdenciária é de natureza formal, prescindindo de resultado para sua
consumação.

623. (2017/TST/JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO) Ao assumir o exercício da titularidade da Vara do Trabalho


"Z", após recém- aprovado no Concurso para ingresso na Carreira da Magistratura, deparou-se o Juiz Substituto
Ângelo com multiface- tado panorama. O Diretor de Secretaria Paulo, nomeado como fiel depositário de automóvel
em execução trabalhista em curso na Vara, usava diariamente este veículo para locomoção pessoal. Em audiência,
foi entregue petição diretamente ao Juiz Ângelo, pelo advogado Bonifácio, noticiando que Júlia, assistente da sala de
audiências, por deter livre acesso à Secretaria da Vara, extraiu de autos de execução trabalhista, que não estavam
sob a guarda da referida servidora, três guias de levantamento legitimamente assinadas pelo magistrado anterior,
sacando e utili-

zando, em proveito próprio, valores que deveriam ter sido disponibilizados ao trabalhador cliente do mencionado
advogado. Foi noticiado na petição também que, por deter relação afetiva extraconjugal com Júlia, casada com Pedro,
e objetivando manter em segredo o relacionamento, o Diretor de Secretaria Paulo não comunicou o panorama ao
magistrado antecedente, tampouco ao Tribunal. No afã de desvencilhar-se de eventual responsabilidade, por serem
verídicos os fatos noticiados pelo advogado Bonifácio, Júlia protocolizou, no Setor de Distribuição da Vara, petição
anônima atribuindo a autoria do suposto delito quanto às guias ao servidor Rafael, Chefe da Seção de Execução. À
vista dos aspectos envolvidos, o Juiz Ângelo expediu ofícios ao Tribunal e à autoridade policial, com descrição dos
fatos pertinentes, para conhecimento e adoção de providências cabíveis nas searas administrativa e penal. No caso
hipotético,

a) ao subtrair as guias de levantamento relativas a valores devidos a exequente trabalhador, que estava em autos
de execução trabalhista na Vara em que atuava, Júlia praticou o crime de peculato impróprio.
b) o Diretor de Secretaria Paulo praticou o crime de peculato de uso quanto ao veículo.
c) ao utilizar os valores extraídos do feito judicial, a assistente da sala de audiências Júlia praticou o crime de
excesso de exação, na modalidade prevista no § 2° do art. 316 do Código Penal.
d) o Chefe da Seção de Execução Rafael foi vítima de denunciação caluniosa, sendo o uso de anonimato pelo(a)
agente do crime causa de aumento da pena em um terço.
e) ao ocultar dos superiores hierárquicos o panorama de ocorrência de valores indevidamente extraídos do feito
judicial e utilizados por Júlia, com base na motivação narrada, Paulo praticou a conduta de condescendência
criminosa.

624. (2017/TST/JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO) Suponha que Maria, supervisora administrativa do setor de
tecelagem da Empresa Júpiter, pessoal e previamente preenchia os controles de ponto dos empregados que lhe eram
subordinados, com jornadas inferiores àquelas efetivamente praticadas. Determinava também que os trabalhadores
apusessem, dia a dia, as respectivas assinaturas ao lado dos errôneos dados já inseridos, objetivando afastar a
necessidade de pagamento de horas extras. Os empregados da empresa, dentre os quais quatro indígenas que
residiam no Estado "A", haviam sido atraídos pela empresa para o Estado "B", local de desenvolvimento dos
trabalhos, não lhes sendo asseguradas pela empregadora as condições previamente prometidas para retorno ao
local de origem, quando ocorreu o encerramento dos pactos de emprego. Nesse caso,

a) não se consuma a figura equiparada descrita no art. 207, § 1°, parte final, do Código Penal, se os trabalhadores
obtiverem por iniciativa própria os recursos para retorno ao Estado de origem, em virtude da recusa da empresa em
fornecer os meios a que, para tanto, havia se comprometido desde o início do pacto de emprego.
b) no delito de frustração de direito assegurado por lei trabalhista, a existência, como empregados, de indígenas
atingidos pelas condutas criminosas é causa de aumento de pena de um sexto a um terço.
c) a frustração de direito alicerçado em lei trabalhista somente pode caracterizar crime quando há violência, razão
pela qual o errôneo procedimento quanto à jornada não é punível criminalmente no caso concreto.
d) não é admissível tentativa no crime de frustração de direito assegurado pela legislação trabalhista, previsto no
art. 203, caput, do Código Penal.
e) incide a ação penal pública condicionada à representação nos casos de figuras equiparadas ao crime de
aliciamento de trabalhadores de um local para outro do território nacional (art. 207, § 1°, parte final, do Código
Penal).

625. (2017/DPE/ANALISTA - AREA COMUNICAÇÃO SOCIAL) Considere a hipótese de a Defensoria Pública ser
procurada por uma pessoa que alega ter sido acusada de desonesta, ladra, canalha, devassa etc.

Analisando os fatos o defensor entende que a reclamante é inocente. O acusador deverá responder por

a) Calúnia porque: a) foi atribuído um crime à acusada e b) a imputação é falsa.


b) Injúria porque: a) foi atribuído uma qualidade à acusada e b) houve ofensa à honra subjetiva.
c) Difamação porque: a) houve a atribuição de um fato não criminoso à acusada e

b) houve ofensa à honra objetiva.

d) Falso testemunho porque: a) o acusador alegou ter presenciado atos que atribuiu à acusada e b) a imputação
é falsa.
e) Ocultação da verdade porque: a) o acusador mentiu e b) houve ofensa à honra subjetiva.
626. (2017/DPE/ANALISTA - AREA PROCESSUAL) Considere trechos do poema abaixo.

(...) Meu leiteiro tão sutil de passo maneiro e leve, antes desliza que marcha.

É certo que algum rumor sempre se faz: passo errado, vaso de flor no caminho, cão latindo por principio, ou um gato
quizilento.

E há sempre um senhor que acorda, resmunga e toma a dormir.

Mas este acordou em pânico (ladrões infestam o bairro), não quis saber de mais nada.

O revólver da gaveta saltou para sua mão.

Ladrão? se pega com Oro.

Os tiros na madrugada liquidaram meu leiteiro.

Se era noivo, se era virgem, se era alegre, se era bom, não sei,

é tarde para saber.

Mas o homem perdeu o sono de todo, e foge pra rua.

Meu Deus, matei um inocente. Bala que mata gatuno também serve pra furtar a vida de nosso irmão.

Quem quiser que chame médico, policia não bota a mão neste Olho de meu pai.

Está salva a propriedade.

A noite geral prossegue, a manhã custa a chegar, mas o leiteiro estatelado, ao relento, perdeu a pressa que tinha.

Da garrafa estilhaçada, no ladrilho já sereno escorre uma coisa espessa que é leite, sangue... não sei.

Por entre objetos confusos, mal redimidos da noite, duas cores se procuram, suavemente se tocam, amorosamente
se enlaçam, formando um terceiro tom a que chamamos aurora.

Diante destes trechos derradeiros do poema Morte do Leiteiro, de Carlos Drummond de Andrade (A rosa do povo. Rio
de Janeiro: Record, 1996, p. 110- 111), é correto tecnicamente afirmar:

a) considerada a topografia do direito brasileiro positivado, cuida-se de um argumento clássico de erro de tipo que
bem se tributa à chamada teoria limitada da culpabilidade.
b) considerada a topografia do direito brasileiro positivado, cuida-se de um argumento clássico de erro de proibição,
com a subsequente exclusão do dolo.
c) tem-se, nesse poema, um argumento clássico da denominada aberratio ictus.
d) tem-se, nesse poema, um argumento clássico da denominada aberratio criminis.
e) tem-se, nesse poema, um argumento clássico de advento de causa relativamente independentemente.

627. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA PROCESSUAL) No concurso de crimes, cuidando-se de infrações de espécies


diversas cometidos por condutas distintas, ambas com violência física real, dos institutos legais abaixo em princípio
pode-se postular em favor do imputado

a) concurso formal heterogêneo.


b) concurso formal impróprio.
c) crime continuado genérico.
d) crime continuado específico.
e) prescrição isoladamente considerada.
628. (2017/DPE/ANALISTA - ÁREA PROCESSUAL) Quanto à aplicação da pena

a) na condenação pelo tráfico, entende o Supremo Tribunal Federal que a maior quantidade de drogas pode
incrementar a pena-base, sem prejuízo de adiante igualmente fundamentar o indeferimento do redutor legal
específico de pena disposto para a situação do chamado tráfico privilegiado (artigo 33, § 4°, da Lei no 11.343/2006).

b) entendem o Supremo Tribunal Federal e o Superior Tribunal de Justiça ser impossível aplicar a substituição da
pena privativa de liberdade por penas restritivas de direitos em condenações por tráfico de drogas.
c) em condenação por crime cometido com violência doméstica, em princípio é cabível aplicar a multa isolada
quando a pena final for de até seis meses de detenção e desde que satisfeitos os demais pressupostos e requisitos
legais para a substituição.
d) não há reincidência quando o agente pratica uma contravenção depois de transitar em julgado uma sentença
que, no Brasil, o tenha definitivamente condenado por um crime, mas, diversamente, verifica-se, no entanto, a
reincidência quando o agente pratica um crime depois de passar em julgado uma sentença que, no Brasil, o tenha
condenado por uma contravenção.
e) segundo o Superior Tribunal de Justiça, praticando um roubo com adolescente inimputável desde antes já
moralmente corrompido, o agente poderá ser condenado em concurso de crimes.

629. (2017/POLITEC/PERITO MÉDICO LEGISTA) Em Atenas, na Antiguidade, retirar a própria vida era visto
como uma injustiça contra a comunidade, sendo vedadas ao suicida as honras fúnebres, bem como a sepultura
regular. Na Roma antiga, por sua vez, aquele que pretendesse se matar, deveria submeter seus motivos ao Senado
que, então, decidiria se eram ou não aceitáveis. No Brasil, segundo o Direito Penal atual, o suicídio

a) é crime contra a pessoa, previsto na parte especial do Código Penal, com pena de reclusão, de 2 a 6 anos, se o
agente vier a sobreviver.
b) somente é punível o induzimento, a instigação e o auxílio a suicídio, ainda que da tentativa resulte apenas lesão
corporal de natureza leve.

c) somente é punível se praticado mediante o uso de explosivo.


d) não tem qualquer relevância penal para seu autor.
e) somente é punível se o suicida deixar herdeiros menores ou incapazes.

630. (2017/POLITEC/PERITO MÉDICO LEGISTA) Guilherme, médico legista, responsável por elaborar o laudo de
exumação de Danilo, em investigação de morte suspeita, é procurado por Rodrigo que, temendo ser acusado de
homicídio contra a vítima, oferece suborno para que Guilherme afirmasse falsamente que a morte se deu por causas
naturais. O médico aceita a promessa de pagamento e conclui o laudo, a despeito de extensas evidências de
agressões físicas, no sentido de que Danilo morreu em decorrência de problemas cardíacos. Passadas algumas
semanas, Guilherme, arrependido de sua conduta, procura o juiz responsável pelo processo e se retrata, declarando
que a morte da vítima ocorreu em virtude das lesões corporais sofridas, antes de ser proferida a sentença. Diante
dessa situação hipotética,

a) Guilherme responderá pelo crime de falsa perícia, ainda que tenha se retratado, com a pena aumentada de um
sexto a um terço, por ter praticado o delito com o fim de obter prova destinada a produzir efeito em processo penal.
b) a conduta de Guilherme não será punível por ter se retratado antes da sentença no processo em que ocorreu a
falsa perícia.
c) Guilherme terá sua pena diminuída de um a dois terços por ter se retratado antes da sentença.
d) Guilherme somente teria sua pena diminuída se tivesse se retratado antes do início da ação penal.
e) Guilherme, embora tenha se retratado, responderá pelo crime de falsa perícia, sem qualquer diminuição de
pena.
631. (2017/POLITEC/PERITO MEDICO LEGISTA) Após uma discussão em um bar, Pedro decide matar Roberto.
Para tanto, dirige-se até sua residência onde arma-se de um revólver. Ato contínuo, retorna ao estabelecimento e
efetua um disparo em direção a Roberto.

Contudo, erra o alvo, atingindo Antonio, balconista que ali trabalhava, ferindo-o levemente no ombro. Diante do caso
hipotético, Pedro praticou, em tese, o(s) cri- me(s) de

a) lesão corporal leve.


b) lesão corporal culposa.
c) homicídio tentado e lesão corporal leve.
d) lesão corporal culposa e tentativa de homicídio.
e) homicídio na forma tentada.

632. (2017/POLITEC/PERITO MEDICO LEGISTA - ESPECIALISTA EM PSIQUIATRIA) O atestado médico é a


afirmação simples e por escrito de um fato médico e suas consequências. O atestado médico

a) é considerado parte do ato médico, sendo seu fornecimento um direito do paciente e que eleva o honorário do
médico.
b) é feito por solicitação e o médico não precisa anotar no prontuário que forneceu o atestado.
c) falso é crime previsto no Código Penal brasileiro, no artigo 302.
d) para fins de perícia médica não deve conter o diagnóstico, pois ele será realizado pelo médico perito.
e) é fornecido sem necessidade de averiguação da identidade de quem o solicita.

633. (2017/POLITEC/PERITO MEDICO LEGISTA - ESPECIALISTA EM PSIQUIATRIA) De acordo com o artigo 129
do Código Penal brasileiro, lesão corporal é a ofensa à integridade corporal ou a saúde de alguém. Ela pode ser
classificada em leve, grave ou gravíssima, a depender dos comemorativos. Analise as assertivas abaixo.

I - Lesões corporais que causem incapacidade para as ocupações habituais por mais de 30 dias serão
consideradas graves.
II - Lesões corporais com perda ou inutilização de membro, sentido ou função serão consideradas graves.
III - Lesões corporais que causem extrema dor serão consideradas gravíssimas.
IV - Lesões corporais que causem qualquer alteração psíquica serão consideradas

leves.

Está correto o que se afirma em

a) I, II, III e IV.


b) I, apenas.
c) IV, apenas.
d) III, apenas.
e) I e III, apenas.

634. (2017/POLITEC/PERITO MÉDICO LEGISTA - ESPECIALISTA EM PSIQUIATRIA) Após sofrer algum tipo de
violência, as pessoas podem desenvolver transtornos psiquiátricos, inclusive de ordem orgânica. Estão corretas a
seguinte descrição de caso e correspondente avaliação de lesão corporal:

a) José foi agredido na cabeça durante assalto, tendo traumatismo cranioencefá- lico, permanecendo comatoso
por 47 dias. Evoluiu com epilepsia pós-traumática em uso de oxcarbazepina. Lesão corporal de natureza gravíssima
por enfermidade incurável.
b) Maria trabalhava em um banco que foi assaltado. Permaneceu com os assaltantes por 2 horas. Evoluiu com
transtorno de estresse pós-traumático, não conseguindo entrar mais em agências bancárias, apesar do tratamento
psicoterápico e medicamentoso. O evento ocorreu há 3 meses, estando afastada pelo INSS recebendo
auxílio-doença acidentário desde então. Lesão corporal de natureza gravíssima por incapacidade permanente para o
trabalho.
c) Eduardo levou um tiro durante uma briga de bar, tendo ficado paraplégico. Além disso, evoluiu com episódio
depressivo devido a sua nova condição. Lesão corporal de natureza grave por debilidade permanente de membro,
sentido ou função.
d) Monica foi atropelada por motocicleta, tendo sofrido politraumatismo com traumatismo cranioencefálico.
Apresentou perda de massa encefálica e evoluiu com transtorno de personalidade orgânico com auto e hetero
agressividade, depressão orgânica grave e epilepsia pós-traumática. Lesão corporal de natureza gravíssima por
deformidade permanente.
e) João brigou em um bar com um amigo, tendo trocado socos com ele. Compareceu ao Instituto Médico Legal -
IML no dia seguinte, sendo constatada equimose arroxeada em região periorbital esquerda, sem comprometimento
da visão. Lesão corporal grave por perigo de vida.

635. (2017/POLITEC/PERITO MÉDICO LEGISTA - ESPECIALISTA EM PSIQUIATRIA) De acordo com o Código


Penal brasileiro, artigo 123, infanticídio é matar, sob influência do estado puerperal, o próprio filho, durante o parto
ou logo após. Nesse tipo de crime, haverá a perícia psiquiátrica da mulher. Nesse contexto,

a) a perícia psiquiátrica é relativamente simples, tendo em vista que o estado puerperal é um transtorno
permanente que ocorre devido ao nascimento da criança, geralmente em gestações desejadas.
b) a avaliação psiquiátrica realizada alguns dias, meses ou anos após o fato não atrapalha a conclusão do Perito
Médico Legista.
c) o estado puerperal é facilmente diferenciado de outras perturbações mentais, tais como um surto psicótico.
d) o puerpério é facilmente conceituado obstetricamente, sendo considerado o período desde o início da gestação
até a expulsão da placenta.
e) o estado puerperal tem influência das dores do trabalho de parto, do esforço para a expulsão do concepto e da
perda sanguínea durante o parto, segundo a teoria fisiopsíquica.

636. (2017/TJSC/JUIZ SUBSTITUTO) Acerca da concessão da reabilitação, considere:

I - Ter domicílio no país pelo prazo de quatro anos.


II - No cômputo do prazo de sursis não ter havido revogação.
III - Ter demonstrado efetiva e constantemente bom comportamento público e

privado.

IV - Condenação a pena superior a dois anos, no caso de pena privativa de liber

dade.

V - Ter ressarcido o dano causado ou demonstrado a impossibilidade absoluta de

fazê-lo.

Está correto o que se afirma APENAS em

a) III e IV.
b) I, II, III e V.
c) II, III, IV e V.
d) II, III e V.
e) I, II e IV.

637. (2017/TJSC/JUIZ SUBSTITUTO) No crime de estelionato contra a previdência social, a devolução da


vantagem indevida antes do recebimento da denúncia,

a) segundo o STJ, pode ser considerada analogicamente ao pagamento do tributo nos crime tributários e
significará a extinção da punibilidade.
b) segundo o STF, pode ser considerada analogicamente à condição prevista na súmula 554 e obstar a ação penal.
c) segundo o STF, pode ser considerada analogicamente à condição prevista na súmula 554 e obstar a ação penal.
d) não tem qualquer repercussão na esfera penal por ter o delito em questão natureza previdenciária e expressa
previsão legal neste sentido.
e) somente pode ser considerado como arrependimento posterior.

638. (2017/TJSC/JUIZ SUBSTITUTO) Sobre a suspensão condicional da pena, é correto afirmar:

a) Nos crimes previstos na Lei ambiental n. 9.605/98, a suspensão poderá ser aplicada em condenação a pena
privativa de liberdade não superior a quatro anos.
b) No primeiro ano do prazo, deverá o condenado cumprir uma das penas alternativas previstas no artigo 44 do
Código Penal.
c) A execução da pena privativa de liberdade, não superior a quatro anos, poderá ser suspensa, por quatro a seis
anos, desde que o condenado seja maior de sessenta anos de idade.
d) É causa de revogação obrigatória a condenação por crime doloso e culposo.
e) É causa de revogação obrigatória a frustração da execução de pena de multa, embora solvente.

639. (2017/TJSC/JUIZ SUBSTITUTO) Conforme jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça,

a) não há que se falar em aplicação do princípio da consunção para os crimes de falsidade ideológica e de uso de
documento falso quando cometidos com desígnio autônomos.
b) o Conselheiro do Tribunal de Contas Estadual que mantém sob sua guarda munição de arma de uso restrito
comete o crime do art. 16 da Lei n. 10.826/2003.
c) configura o crime de desobediência (art. 330 do CP) a conduta de Defensor Público Geral que deixa de atender
à requisição judicial de nomeação de defensor público para atuar em determinada ação penal.
d) no crime de estelionato o eventual ressarcimento ou devolução da coisa elidem a prática criminosa.
e) a emissão de cheque sem fundos para pagamento de serviços postais não permite a majorante de crime
praticado em detrimento de entidade de direito público, instituto de economia popular, assistência social ou
beneficência.

640.
641. (2017/TJSC/JUIZ SUBSTITUTO) Conforme a redação do Código Penal,

a) configurada a tentativa, pela falta de completude do injusto, a pena sempre deverá ser reduzida de um a dois
terços.
b) o crime impossível é tentativa impunível.
c) a desistência voluntária permite a interrupção do nexo causal sem a consideração da vontade.
d) o arrependimento eficaz, quando pleno, exclui a pena, e quando parcial permite a redução de um a dois terços.
e) pelo resultado que agrava especialmente a pena, só responde o agente que o houver causado dolosamente.

642. (2017/POLITEC/PERITO MÉDICO LEGISTA - ESPECIALISTA EM PSIQUIATRIA) O legislador utiliza, para a


aplicação da imputabilidade, o critério biopsicológico. Para sua correta aplicação, deve se proceder à avaliação do
nexo de

a) causalidade e da capacidade de entendimento e de determinação; e verificada a presença (ou não) do


transtorno mental.
b) causalidade e da capacidade de entendimento e de determinação; e verificada a presença de doenças orgânicas.
c) causalidade com a doença e da capacidade de entendimento e de determinação; e verificada a presença (ou não)
do delito.
d) causalidade com os influenciadores e da capacidade de entendimento e de determinação; e verificada a
presença (ou não) de influenciadores para a ocorrência do delito.
e) causalidade e da capacidade de entendimento e de determinação; e verificada a ausência de transtorno mental
e a presença de doença orgânica.

643. (2017/POLITEC/PERITO MEDICO LEGISTA - ESPECIALISTA EM PSIQUIATRIA) As pessoas que forem


consideradas inimputáveis, segundo a legislação vigente, serão colocadas em medida de segurança, que consiste em
a) internação em hospital penitenciário por no mínimo três meses.
b) internação ou tratamento ambulatorial com prazo mínimo de um a três anos.
c) internação em comunidades terapêuticas em crimes com pena de reclusão.
d) sujeição a tratamento ambulatorial em qualquer tipo de crime.
e) sujeição a tratamento psiquiátrico em hospital privado.

644. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) No que concerne aos crimes contra a honra, considere as afirmativas
abaixo:

I - Não é admissível a exceção da verdade para o delito de injúria.


II - A retratação somente é admissível nos casos de calúnia e difamação.
III - O juiz pode deixar de aplicar a pena na difamação no caso de retorsão imediata, que consista em outra
difamação.

Está correto o que se afirma em

a) I, II e III.
b) I e III, apenas.
c) II e III, apenas.
d) I, apenas.
e) I e II, apenas.

645. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Frederico, com o intuito de receber o valor do seguro, escondeu um
automóvel de sua propriedade e lavrou um boletim de ocorrência afirmando que havia sido furtado. Tempos depois,
Frederico veio a receber o valor pelo sinistro. Nessa situação hipotética, o crime praticado por Frederico é tipificado
como

a) fraude para recebimento indenização ou valor de seguro.


b) exercício arbitrário das próprias razões.
c) apropriação indébita.
d) fraude no comércio.
e) furto qualificado.

646. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) Leonardo encontra uma cédula de R$ 50,00 sob a poltrona da sala da
casa de seu amigo Fausto, lugar que habitualmente frequenta e, sem que o dono da casa perceba, dela se apodera.
Diante do caso hipotético apresentado, Leonardo pratica o crime de

a) apropriação de coisa achada.


b) furto qualificado.
c) estelionato.
d) furto simples.
e) apropriação indébita.

647. (2017/POLÍCIA CIVIL/AGENTE DE POLÍCIA CIVIL) Mário e Mauro combinam a prática de um crime de furto
a uma residência. Contudo, sem que Mário saiba, Mauro arma-se de um revólver devidamente municiado. Ambos,
então, ingressam na residência escolhida para subtrair os bens ali existentes. Enquanto Mário separava os objetos
para subtração, Mauro é surpreendido com a presença de um dos moradores que, ao reagir a ação criminosa, acaba
sendo morto por Mauro. Nesta hipótese

a) Mário e Mauro responderão pela prática de latrocínio.


b) Mário e Mauro responderão pela prática de furto.
c) Mário responderá pela prática de furto simples e Mauro responderá pela prática de furto qualificado.

d) Mário responderá apenas pelo furto e Mauro responderá pela prática dos crimes de porte ilegal de arma de fogo,
furto e homicídio.
e) Mário responderá pela prática de furto e Mauro pelo crime de latrocínio.

648. (2017/POLÍCIA CIVIL/AGENTE DE POLÍCIA CIVIL) Nilson, na companhia de sua namorada, Ana Paula,
ambos maiores e capazes, subtraem a quantia de R$ 200,00 da carteira do avô de Nilson que, na data do furto,
contava 62 anos de idade. Diante da situação hipotética apresentada,

a) Nilson ficará isento de pena, em razão do crime ter sido praticado contra seu ascendente. Contudo, tal isenção
não alcançará Ana Paula.
b) haverá isenção da pena para Nilson, circunstância que também alcançará sua namorada Ana Paula.
c) Nilson e Ana Paula responderão pelo crime de furto qualificado, não incidindo a isenção de pena para nenhum
dos agentes.
d) Nilson responderá por furto qualificado, enquanto que Ana Paula responderá por furto simples.
e) a responsabilização penal de Nilson e Ana Paula dependerá de queixa-crime.

649. (2017/POLÍCIA CIVIL/AGENTE DE POLÍCIA CIVIL) Patrícia, ao visitar seu companheiro Jorge, que cumpre
pena em regime fechado pela prática de crime de roubo, tenta ingressar no estabelecimento prisional trazendo
consigo um aparelho de telefone celular que seria entregue a Jorge, ocasião em que é surpreendida pelos agentes
penitenciários no momento da revista. Considerando a situação hipotética,

a) o fato praticado por Patrícia é atípico.


b) Patrícia não praticou qualquer crime.
c) Patrícia não praticou qualquer crime. Jorge, contudo, praticou falta grave prevista na Lei de Execuções Penais.

d) Patrícia, embora tenha praticado fato típico, previsto no Código Penal, por ser companheira de Jorge, é isenta de
pena.
e) o fato praticado por Patrícia é crime punido com detenção.

650. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) De acordo com os dispositivos da parte geral do Código Penal, é correto
afirmar:

a) Na hipótese de abolitio criminis a reincidência permanece como efeito secundário da prática do crime.
b) O território nacional estende-se a embarcações e aeronaves brasileira de natureza pública, desde que se
encontrem no espaço aéreo brasileiro ou em alto-mar.
c) Crimes à distância são aqueles em que a ação ou omissão ocorre em um país e o resultado, em outro.
d) O desconhecimento da lei é inescusável. O erro sobre a ilicitude do fato, se evitável, isenta de pena; se
inevitável, poderá diminuí-la de um sexto a um terço.
e) É isento de pena o agente que pratica crime sem violência ou grave ameaça à pessoa, desde que,
voluntariamente, repare o dano ou restitua a coisa, até o recebimento da denúncia ou da queixa.

651. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) Nas infrações contra a dignidade sexual:

I - Induzir ou atrair alguém à prostituição ou outra forma de exploração sexual, facilitá-la, impedir ou dificultar
que alguém a abandone é crime punido com detenção.
II - O estupro de vulnerável é descrito como ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 16
anos.
III - A pena é aumentada de quarta parte se o crime é cometido com o concurso de 2 ou mais pessoas.

IV - A pena é aumentada de metade, se o agente é ascendente, padrasto ou madrasta, tio, irmão, cônjuge,
companheiro, tu tor, curador, preceptor ou empregador da vítima ou por qualquer outro título tem autoridade sobre
ela. Está correto o que se afirma APENAS em

a) I e II.
b) II e III.
c) I e IV.
d) III.
e) III e IV.

652. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) João decide agredir fisicamente Pedro, seu desafeto, provocando-lhe vários
ferimentos. Porém, durante a luta corporal, João resolve matar Pedro, realizando um disparo de arma de fogo contra
a vítima, sem contudo, conseguir atingi-lo. A polícia é acionada, separando os contendores. Diante do caso hipotético,
João responderá

a) apenas por lesões corporais.


b) apenas por tentativa de homicídio.
c) por rixa e disparo de arma de fogo.
d) por lesões corporais consumadas e disparo de arma de fogo.
e) por lesões corporais consumadas e homicídio tentado.

653. (2017/DELEGADO DE POLÍCIA) A respeito dos crimes contra o patrimônio, é correto afirmar:

a) Somente se procede mediante representação, o furto praticado contra tio ou sobrinho.


b) Para a consumação do crime de extorsão faz-se necessário o recebimento da vantagem indevida.

c) E isento de pena quem comete qualquer crime contra o patrimônio contra ascendente maior de 65 anos.
d) A receptação somente é punível se conhecido o autor do crime que originou a coisa receptada.
e) No crime de roubo, caso o agente seja primário e tenha sido de pequeno valor a coisa subtraída, o juiz poderá
substituir a pena de reclusão pela de detenção, diminuí-la de um a dois terços ou aplicar somente a pena de multa.

654. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) A autoridade policial somente poderá conceder fiança no caso de

a) infrações cuja pena privativa de liberdade máxima não seja superior a 4 anos.
b) infrações punidas com detenção.
c) crimes patrimoniais cuja pena privativa de liberdade mínima seja inferior a 4 anos.
d) crimes definidos como afiançáveis pela Constituição Federal de 1988.
e) infrações praticadas por policiais cuja pena privativa de liberdade máxima seja inferior a 6 anos.

655. (2017/OFICIAL DE POLÍCIA CIVIL) O lapso temporal para progressão de regime em caso de crime não
hediondo praticado por reincidente é de

a) 2/5 da pena.
b) 3/5 da pena.
c) 2/3 da pena.
d) 1/6 da pena.
e) 1/2 da pena.

656.
657. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Luiz, condenado há vários anos de prisão pela
prática de diversos crimes assume, perante a autoridade, a autoria de crime que não cometeu, com o intuito de livrar
outra pessoa da condenação. Assim agindo, Luiz

a) praticou o crime de comunicação falsa de crime.


b) não praticou qualquer tipo penal.
c) praticou o crime de fraude processual.
d) praticou o crime de denunciação caluniosa.
e) praticou o crime de auto-acusação falsa.

658. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Augusto, diretor de uma repartição pública, por
estar distraído, esquece a porta do cofre ali existente destrancada. Alexandre, outro funcionário público que ali
trabalha, valendo-se da facilidade de acesso ao local em razão de seu cargo, percebe o ocorrido e subtrai bens
particulares que ali estavam guardados. De acordo com esta situação,

a) Augusto e Alexandre responderão pelo crime de peculato-furto em concurso de agentes.


b) Augusto cometeu o crime de furto culposo, enquanto Alexandre praticou o crime de furto qualificado,
considerando que os bens subtraídos do cofre eram particulares.
c) Augusto praticou o crime de peculato culposo, ao passo que Alexandre responderá pelo crime de peculato
mediante erro de outrem.
d) Augusto cometeu o crime de peculato culposo e Alexandre praticou o crime de peculato-furto.
e) Augusto não cometeu crime algum, em razão da ausência de dolo. Alexandre responderá pela prática de
peculato-apropriação.

659. (2017/TRE PR/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Renato, fiscal da prefeitura, flagra Rogério,
pessoa que até então não conhecia, cometendo determinada irregularidade. Ao abordá-lo, deixa, contudo, de
aplicar-lhe a devida multa em razão de insistentes pedidos de Rogério. Renato, com sua conduta

a) cometeu o crime de prevaricação.


b) praticou o crime de corrupção passiva privilegiada.
c) não praticou qualquer crime.
d) cometeu o crime de condescendência criminosa.
e) praticou o crime de desobediência.

660. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO SUBSTITUTO) Sobre a determinação do regime inicial de cumprimento de


pena, é correto afirmar:

a) A hediondez do crime não permite a determinação do regime inicial fechado para todos os casos, mas deve ser
observada na determinação do regime inicial.
b) Os crimes cometidos com violência contra a pessoa impedem a determinação do regime inicial aberto.
c) A análise judicial das consequências do crime é irrelevante para a determinação do regime inicial de
cumprimento de pena, pois é circunstância que já pode aumentar a pena-base.
d) Os crimes contra a honra, por serem punidos com detenção, impedem a aplicação do regime inicial fechado,
mesmo em caso de reincidência.
e) É possível a aplicação do regime inicial semiaberto para pena superior a quatro anos no caso de réu reincidente,
a depender do tempo de prisão provisória cumprida por ele até a sentença.

661. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO SUBSTITUTO) Sobre a prescrição, é correto afirmar:

a) O prazo prescricional das contravenções penais é diminuído da metade.


b) O prazo da prescrição da pretensão punitiva aumenta de um terço em caso de réu reincidente.
c) O menor prazo prescricional do direito brasileiro é de três anos.
d) A pronúncia e o acórdão confirmatório da pronúncia interrompem a prescrição.
e) No estupro de vulnerável o termo inicial da prescrição da executória punitiva começa a correr da data em que
a vítima completar dezoito anos.

662. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO SUBSTITUTO) Sobre o dolo, é correto afirmar:

a) O dolo requer o pleno conhecimento dos elementos do tipo subjetivo, além da vontade de realizá-lo.
b) A teoria da imputação objetiva limita os casos em que o dolo é excessivo e pode aumentar a pena do réu diante
do risco criado.
c) O momento do dolo não precisa coincidir com o momento da execução da ação, existindo validamente nas
figuras do dolo antecedente e subsequente.
d) O aspecto cognitivo do dolo antepõe-se sempre ao volitivo.
e) Os tipos omissivos prescindem da verificação do dolo.

663. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO SUBSTITUTO) Sobre as teorias da pena, é correto afirmar:

a) O exame criminológico cumpre o projeto ressocializador determinado pelo ordenamento jurídico, pois permite
a aferição concreta desta função da pena.
b) A prevenção especial positiva relaciona-se com a concepção etiológica de crime.
c) A Lei de Crimes Hediondos comprovou na prática seus objetivos declarados de prevenção geral negativa.
d) A implementação de um programa de direitos humanos nos presídios brasileiros passa pela implementação das
ideias de prevenção geral positiva.
e) As funções de prevenção e retribuição do delito são realizadas no direito brasileiro, pois estão previstas
expressamente no Código Penal.

664. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO SUBSTITUTO) A pena de prestação de serviços à comunidade

a) deve ser cumprida à razão de duas horas de tarefa por dia de condenação, fixadas de modo a não prejudicar a
jornada de trabalho.
b) não é aplicável, em nenhuma hipótese, caso o condenado for reincidente.
c) não pode ser cumprida em menor tempo pelo condenado, se a condenação for superior a um ano.
d) aplica-se às condenações superiores a seis meses de privação de liberdade.
e) não substitui a pena privativa de liberdade.

665. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO SUBSTITUTO) O princípio da intervenção mínima no Direito Penal


encontra reflexo

a) no princípio da fragmentariedade e na teoria da imputação objetiva.


b) no princípio da subsidiariedade e na teoria da imputação objetiva.
c) nos princípios da subsidiariedade e da fragmentariedade.
d) no princípio da fragmentariedade e na proposta funcionalista sistêmica.
e) na teoria da imputação objetiva e na proposta funcionalista sistêmica.

666. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO SUBSTITUTO) NÃO é contravenção penal:

a) Importunação ofensiva ao pudor.


b) Mendicância.

c) Exercício ilegal da profissão.


d) Jogo do bicho.
e) Vadiagem.

667. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO SUBSTITUTO) A política criminal atuarial

a) baseia-se na função de prevenção especial positiva da pena.


b) incentiva as práticas de liberdade condicional supervisionada (parole boards).
c) indica que os presos devem ser organizados de acordo com seu nível de risco.
d) pauta-se na tentativa de compreensão das causas do crime.
e) é contrária à inocuização dos indivíduos perigosos.

668. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO) As condições de vida no cárcere devem ser necessariamente piores do
que as condições de vida dos trabalhadores livres. O princípio correspondente à assertiva acima é

a) profecia autorrealizável.
b) mark system.
c) panoptismo.
d) cifra negra.
e) less eligibity.

669. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO) No que se refere aos crimes contra a Administração pública, é
INCORRETO afirmar:

a) Comete o denominado crime de peculato estelionato o agente público que apropria-se de dinheiro que, no
exercício do cargo, recebeu por erro de outrem.
b) Consoante posição do Supremo Tribunal Federal, é cabível a aplicação do princípio da insignificância aos crimes
contra a Administração pública.

c) Caso o agente público retarde qualquer ato de ofício, em consequência da vantagem indevida, terá cometido o
crime de prevaricação.
d) É cabível a extinção da punibilidade, no denominado peculato culposo, no caso da reparação do dano ser
efetuado em momento anterior à sentença irrecorrível.
e) Comete prevaricação imprópria o diretor de penitenciária que deixa de cumprir seu dever de vedar ao preso
acesso a aparelho celular, que permita comunicação com outros presos ou com o ambiente externo.

670. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO) Ana Luci, em virtude da prática de lesão corporal leve (cuja pena
abstratamente cominada é de detenção de três meses a um ano) ocorrida em 02/10/2009, foi absolvida
impropriamente. Em 09/10/2012, foi-lhe aplicada medida de segurança consistente em tratamento ambulatorial,
pelo prazo mínimo de três anos. O trânsito em julgado da sentença para o Ministério Público ocorreu em 29/10/2012.
Até o presente momento, Ana Luci não foi localizada para iniciar o tratamento ambulatorial e o Juízo da execução, até
o presente momento, decidiu apenas pela realização de diligências para sua localização. Também não há notícias de
que Ana Luci tenha se envolvido em nova infração penal. Considerando o caso concreto, bem como o posicionamento
dos tribunais superiores sobre a prescrição das medidas de segurança, a prescrição da pretensão executória

a) foi alcançada em 29/10/2015.


b) foi alcançada em 29/10/2016.
c) foi alcançada em 02/10/2012.
d) será alcançada em 09/10/2020.
e) será alcançada em 29/10/2020.

671. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO) Sobre os crimes em espécie, é correto afirmar:

a) Segundo posição do Supremo Tribunal Federal, os crimes de estupro e atentado violento ao pudor, mesmo que
cometidos antes da edição da Lei no 12.015/2009, são considerados hediondos, ainda que praticados na forma
simples.

b) A escusa relativa prevista nas disposições gerais dos crimes contra o patrimônio extingue a punibilidade do
sujeito ativo do crime.
c) A extorsão é crime formal e se consuma quando o sujeito ativo recebe a vantagem exigida.
d) A receptação na modalidade imprópria admite tentativa.
e) O art. 28 da Lei n. 10.826/2003 veda, em qualquer hipótese, ao menor de 25 anos, a aquisição de arma de fogo.

672. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO) Elvira foi condenada pelo Juízo da 7a Vara Criminal de Curitiba/PR, em
21/01/2016, à pena de três anos de reclusão, em regime inicial aberto, pelo crime de porte de arma de uso restrito
ocorrido em 18/04/2015. Em 01/12/2015, Elvira foi presa em flagrante pelo crime de roubo majorado. Ela ficou
custodiada por ordem do juízo da 1a Vara Criminal de Curitiba/ PR até 10/02/2016, data em que foi absolvida pelo
roubo. Considerando o caso concreto, em relação ao direito à detração penal, Elvira

a) tem direito à detração porque o crime pelo qual foi condenada ocorreu antes da sua prisão provisória.
b) não tem direito à detração porque o crime por qual foi condenada ocorreu antes da sua prisão provisória.
c) não tem direito à detração porque a condenação ocorreu depois de sua prisão em flagrante.
d) não tem direito à detração porque se trata de processos distintos, não podendo ser computado o período de
prisão provisória do segundo feito no cumprimento da pena.
e) tem direito à detração porque a condenação ocorreu depois de sua prisão em flagrante.
673. (2017/DPE/DEFENSOR PÚBLICO) Sobre as medidas de segurança e sua execução, é correto afirmar que

a) não é possível a realização de exame de cessação de periculosidade no curso do prazo mínimo de duração da
medida de segurança.
b) as condições da liberação condicional são as mesmas da desinternação condicional.
c) é prescindível a característica hospitalar do estabelecimento em que se executa a medida de segurança
detentiva.
d) a execução das medidas de segurança independe de trânsito em julgado da sentença absolutória imprópria.
e) não há prazo legal para que seja retomado o tratamento ambulatorial caso o liberado condicional apresente fato
indicativo de persistência da chamada pericu- losidade.

674. (2017/TJPR/JUIZ SUBSTITUTO) Acerca da concessão da reabilitação, considere:

I - Ter domicílio no país pelo prazo de quatro anos.


II - No cômputo do prazo de sursis não ter havido revogação.
III - Ter demonstrado efetiva e constantemente bom comportamento público e

privado.

IV - Condenação a pena superior a dois anos, no caso de pena privativa de liber

dade.

V - Ter ressarcido o dano causado ou demonstrado a impossibilidade absoluta ze

fazê-lo.

Está correto o que se afirma APENAS em

a) III e IV.
b) I, II, III e V.

c) II, III, IV e V.
d) II, III e V.
e) I, II e IV.

675. (2017/TJPR/JUIZ SUBSTITUTO) Um cidadão americano residente no Estado da Califórnia, onde o uso
medicinal de Cannabis é permitido, vem ao Brasil para um período de férias em Santa Catarina e traz em sua
bagagem uma certa quantidade da substância, conforme sua receita médica. Ao ser revistado no aeroporto é preso
pelo delito de tráfico internacional de drogas. Neste caso, considerando-se que seja possível a não imputação do
crime, seria possível alegar erro de

a) proibição indireto.
b) tipo permissivo.
c) proibição direto.
d) tipo.
e) subsunção.

676. (2017/TJPR/JUIZ SUBSTITUTO) No crime de estelionato contra a previdência social, a devolução da


vantagem indevida antes do recebimento da denúncia,

a) segundo o STJ, pode ser considerada analogicamente ao pagamento do tributo nos crime tributários e
significará a extinção da punibilidade.
b) segundo o STF, pode ser considerada analogicamente à condição prevista na súmula 554 e obstar a ação penal.
c) segundo o STF, pode ser considerada como falta de justa causa, sem prejuízo da persecução
administrativo-fiscal para a cobrança de eventuais juros e multa.
d) não tem qualquer repercussão na esfera penal por ter o delito em questão natureza previdenciária e expressa
previsão legal neste sentido.
e) somente pode ser considerado como arrependimento posterior.

677. (2017/TJPR/JUIZ SUBSTITUTO) A moderna teoria do domínio do fato de Claus Roxin procura solucionar
alguns problemas de autoria e, expressamente, já foi adotada em nossos tribunais. Além das previsões legais sobre
autoria mediata, existe a possibilidade de autoria no âmbito de uma organização. Para que esta seja configurada
devem estar presentes alguns requisitos, EXCETO

a) poder efetivo de mando.


b) fungibilidade do autor imediato.
c) desvinculação do aparato organizado do ordenamento jurídico.
d) o prévio acerto entre o comandante e os demais comandados.
e) disponibilidade consideravelmente elevada por parte do executor.

678. (2017/TRE SP/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Paulo, quando tinha 20 anos de idade, após ser
abordado em uma blitz da polícia rodoviária federal na Rodovia Presidente Dutra, no dia 1° de Junho de 2010,
oferece R$ 1.000,00, em dinheiro, para o policial responsável pela abordagem para não ser autuado por excesso de
velocidade. Paulo é conduzido ao Distrito Policial, preso em flagrante, e acaba beneficiado pela Justiça sendo
colocado em liberdade após pagamento de fiança. Encerrado o inquérito Policial, a denúncia em desfavor de Paulo,
pelo crime de corrupção ativa, é recebida no dia 15 de Julho de 2014. O processo tramita regularmente e Paulo é
condenado a cumprir pena de 2 anos de reclusão, em regime inicial aberto, por sentença publicada em 14 de Agosto
de 2016. A sentença transita em julgado. Ricardo, advogado de Paulo, postula ao Magistrado competente para a
execução da sentença o reconhecimento da prescrição. Neste caso, de acordo com o Código Penal, a prescrição da
pretensão punitiva estatal ocorre em

a) 8 anos e a pena cominada ao réu, Paulo, não está prescrita, cabendo a ele cumprir regularmente sua pena.

b) 4 anos e a pena cominada ao réu, Paulo, não está prescrita, cabendo a ele cumprir regularmente sua pena.
c) 3 anos e a pena cominada ao réu, Paulo, está prescrita em decorrência do decurso do prazo superior a 3 anos
entre a data do crime e do recebimento da denúncia.
d) 4 anos e a pena cominada ao réu, Paulo, está prescrita em decorrência do decurso do prazo entre a data do
crime e do recebimento da denúncia.
e) 2 anos e a pena cominada ao réu, Paulo, está prescrita em decorrência do decurso do prazo entre a data do
recebimento da denúncia e a publicação da sentença condenatória.

679. (2017/TRE SP/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) Maurício, funcionário do gabinete do Vereador
Tício em um determinado município paulista, ocupante de cargo em comissão, recebe a quantia em dinheiro público
de R$ 2.000,00 para custear uma viagem na qual representaria o Vereador Tício em um encontro nacional marcado
para a cidade de Brasília.

Contudo, Maurício se apropria do numerário e não comparece ao compromisso oficial, viajando para o Estado de
Mato Grosso do Sul com a família, passando alguns dias em um hotel na cidade de Bonito. Maurício cometeu, no caso
hipotético apresentado, crime de

a) corrupção passiva, sujeito à pena de reclusão de dois a doze anos, e multa, aumentada da terça parte por ser
ocupante de cargo em comissão.
b) corrupção passiva, sujeito à pena de reclusão de dois a doze anos, e multa, sem qualquer majoração.
c) peculato, sujeito à pena de reclusão de dois a doze anos, e multa, sem qualquer majoração.
d) peculato, sujeito à pena de reclusão de dois a doze anos, e multa, aumentada da terça parte por ser ocupante
de cargo em comissão.
e) prevaricação, sujeito à pena de detenção de 3 meses a 1 ano.
680. (2017/TRE SP/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) À luz do Código Penal, sobre a falsidade
documental nos crimes contra a fé pública,

a) a falsificação de um documento emanado de sociedade de economia mista federal caracteriza o crime de


falsificação de documento público.
b) equipara-se a documento público para caracterização do crime de falsificação de documento público o cartão de
crédito ou débito.
c) se o autor do crime de falsificação de selo ou sinal público é funcionário público e comete o crime
prevalecendo-se do cargo, a pena é aumentada de um terço.
d) aquele que faz inserir na Carteira de Trabalho e Previdência Social do empregado declaração falsa ou diversa da
que deveria ter constado estará sujeito às penas cominadas ao crime de falsidade ideológica.
e) o médico que dá, no exercício de sua função, atestado falso com o fim lucrativo estará sujeito à pena privativa
de liberdade cominada ao delito de falsidade de atestado médico aumentada de metade.

681. (2017/TRE SP/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA) O Delegado de Polícia de um determinado


município paulista recebe a notícia de um crime de roubo que vitimou Alfredo, que teve seu veículo subtraído por um
agente mediante grave ameaça, com emprego de arma de fogo. Durante o trâmite do Inquérito Policial apura-se que
Joaquim foi o autor do crime, o qual tem a sua prisão preventiva decretada. Ainda na fase policial Fabíola, a pedido
de Joaquim, comparece na Delegacia de Polícia para prestar depoimento e alega que Joaquim, seu amigo, estava em
sua companhia no momento do crime. Encerrado o Inquérito Policial o Ministério Público denuncia Joaquim pelo
crime de roubo, denúncia esta recebida pelo Magistrado competente. Fabíola não é encontrada para prestar
depoimento em juízo sob o crivo do contraditório, mesmo arrolada pela Defesa de Joaquim. Ao final do processo
Joaquim é condenado pelo crime de roubo em primeira instância

e, posteriormente, é instaurada ação penal contra Fabíola por crime de falso testemunho. Durante o trâmite do
recurso interposto por Joaquim contra a sentença que o condenou por crime de roubo, e da ação penal instaurada por
falso testemunho contra Fabíola, esta resolve se retratar, afirmando que Joaquim não estava com ela no dia do crime.
No caso hipotético apresentado, na esteira do Código Penal, Fabíola

a) não cometeu crime de falso testemunho, pois prestou depoimento falso apenas durante o trâmite do Inquérito
Policial.
b) será regularmente processada pelo crime de falso testemunho e estará sujeita à pena cominada ao delito, sem
qualquer causa de redução de pena.
c) não poderá ser punida por crime de falso testemunho, pois se retratou antes da sentença proferida nos autos da
ação penal instaurada por falto testemunho.
d) será regularmente processada pelo crime de falso testemunho e estará sujeita à pena cominada ao delito no
Código Penal, reduzida de 1/3.
e) será regularmente processada pelo crime de falso testemunho e estará sujeita à pena cominada ao delito no
Código Penal, reduzida de 1/6.

682. (2017/TRE SP/ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA) Moisés respondeu processo por crime de
corrupção ativa cometido no dia 30 de Setembro de 2010, quando tinha 66 anos de idade. A denúncia oferecida pelo
Ministério Público em 16 de Outubro de 2014 é recebida pelo Magistrado competente no dia 18 de Outubro do mesmo
ano de 2014. O processo tramita regularmente e Moisés é condenado a cumprir pena de 2 anos de reclusão, em
regime inicial semiaberto, e ao pagamento de 10 dias-multa por sentença proferida em 25 de Abril de 2016 e
publicada no dia 27 do mesmo mês e ano. Não houve interposição de recurso pelas partes e é certificado o trânsito
em julgado. No caso hipotético apresentado, a prescrição da pretensão punitiva estatal regula-se pela pena aplicada
ao réu Moisés e verifica-se em

a) 02 anos, devendo ser extinta a punibilidade do réu diante do decurso deste prazo entre a data do crime e do
recebimento da denúncia.
b) 04 anos, devendo ser extinta a punibilidade do réu diante do decurso deste prazo entre a data do crime e do
recebimento da denúncia.
c) 01 ano e 06 meses, devendo ser extinta a punibilidade do réu diante do decurso deste prazo entre a data do
crime e do recebimento da denúncia e entre a data do recebimento da denúncia e da publicação da sentença.
d) 03 anos, devendo ser extinta a punibilidade do réu diante do decurso deste prazo entre a data do crime e do
recebimento da denúncia.
e) 02 anos e o réu deverá cumprir integralmente a sua pena, não sendo o caso de extinção