Sie sind auf Seite 1von 144

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Glossário do Ministério da Saúde


Projeto de Terminologia em Saúde

Série F. Comunicação e Educação em Saúde

Brasília – DF
2004
© 2004. Ministério da Saúde.
É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.
Série F. Comunicação e Educação em Saúde
Tiragem: 1.000 exemplares
Elaboração, distribuição e informações:
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Secretaria-Executiva
Subsecretaria de Assuntos Administrativos
Coordenação-Geral de Documentação e Informação
Biblioteca Virtual do Ministério da Saúde
Esplanada dos Ministérios, Edifício Anexo, Bloco G, 4.º andar, sala 415-B
CEP: 70058-900, Brasília – DF
Tels.: (61) 315 3426 / 315 3219
Fax: (61) 321 3731
E-mail: grupofocal@saude.gov.br
Home pages: http://www.saude.gov.br/bvs/publicacoes
http://www.saude.gov.br/bvs/terminologia
Elaboração:
Marília de Souza Mello
Colaborador:
Celso José Roque

Impresso no Brasil / Printed in Brazil

Ficha Catalográfica

Brasil. Ministério da Saúde.


Glossário do Ministério da Saúde: projeto de terminologia em saúde / Ministério da Saúde –
Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

142 p. – (Série F. Comunicação e Educação em Saúde)

ISBN 85-334-0762-9

1. Terminologia. 2. Serviços de informação. 3. Disseminação da informação. I. Brasil. Ministério


da Saúde. II. Título. III. Série.

NLM WA 15
Catalogação na fonte – Editora MS
EDITORA MS
Documentação e Informação Equipe editorial:
SIA, Trecho 4, Lotes 540 / 610 Normalização: Leninha Silvério
CEP: 71200-040, Brasília – DF Revisão: Mara Pamplona
Tels.: (61) 233 1774 / 233 2020 Lilian Assunção
Fax: (61) 233 9558 Capa, projeto gráfico e diagramação: Fabiano Bastos
E-mail: editora.ms@saude.gov.br
Home page: www.saude.gov.br/editora
Sumário
Siglas 5
Apresentação 11
Introdução 13
Glossário 15
Áreas temáticas da BVS Saúde Pública 107
Descritores organizados por categorias 113
Administração e planejamento em saúde 113
Acidentes e violência 114
Alimentação e nutrição 115
Ambiente e saúde 116
Atenção à saúde 116
Ciência e tecnologia em saúde 117
Ciências sociais em saúde 118
Comunicação em saúde 118
Demografia 118
Direito sanitário 118
Doenças 119
Drogas de uso terapêutico e social 120
Economia de saúde 121
Epidemiologia 121
Eqüidade em saúde e social 121
Ética e bioética 122
História da saúde pública 122
Medicamentos, vacinas e insumos 122
Políticas públicas e saúde 123
Promoção e educação em saúde 123
Saúde animal 123
Vigilância em saúde 123
Recursos humanos em saúde 124
Vocabulário Controlado do Ministério da Saúde 125
Categoria de Administração e Planejamento em
saúde do Vocabulário Controlado do Ministério da Saúde 125
Bibliografia consultada 131
Formulário de colaboração 143
5

Siglas
AB – Atenção Básica CAPS – Centro de Assistência Psicossocial
ABEn – Associação Brasileira de CAT – Comunicação de Acidente de
Enfermagem Trabalho
ADT – Assistência Domiciliar Terapêutica CBO – Conselho Brasileiro de Oftalmologia
AFE – Autorização de Funcionamento de CCIH – Comissão de Controle de Infecção
Empresa Hospitalar
AIDPI – Atenção Integrada às Doenças CCPDM – Controle de Cadeia Produtiva e
Prevalentes na Infância de Distribuição de Medicamentos
AIDS – Síndrome da Imunodeficiência CCPDS – Controle de Cadeia Produtiva e
Adquirida de Distribuição de Substâncias
AIH – Autorização de Internação Hospitalar CDMS – Comitê de Desburocratização do
AIS – Ações Integradas de Saúde Ministério da Saúde
ANCED – Associação Nacional de Centros CENADI – Centro Nacional de
de Defesa Armazenagem e Distribuição de
ANS – Agência Nacional de Saúde Imunobiológicos
ANVISA – Agência Nacional de Vigilância CENEPI – Centro Nacional de
Sanitária Epidemiologia
APAC – Autorização de Procedimentos de CES – Conselho Estadual de Saúde
Alto Custo CFT – Comissão de Farmácia e Terapêutica
APH – Assistência Pré-Hospitalar CIB – Comissão Intergestores Bipartite
ASAJ – Área de Saúde do Adolescente e do CID – Classificação Internacional de
Jovem Doenças
BD-SIA/SUS – Banco de Dados Nacional CIRH – Comissão Intersetorial de Recursos
do Sistema de Informações Ambulatoriais Humanos
do SUS CIST – Comissão Intersetorial de Saúde do
BLH – Banco de Leite Humano Trabalhador
BPF – Boas Práticas de Fabricação CIT – Comissão Intergestores Tripartite
BPPH – Banco de Preços Praticados na Área CMC – Sistema Central de Marcação de
Hospitalar Consultas
BPS – Banco de Preços em Saúde CMDCA – Conselho Municipal de Direitos
BVS – Biblioteca Virtual em Saúde da Criança e do Adolescente
CAF – Cirurgia de alta Freqüência CMS – Conselho Municipal de Saúde
6

CNAIDS – Comissão Nacional de Aids CPqGM – Centro de Pesquisa Gonçalo


CNCDO – Centrais de Notificação, Moniz
Captação e Distribuição de Órgãos CPqHEC – Centro de Pesquisa Hospital
CN-DST/AIDS – Coordenação Nacional Evandro Chagas
de Doenças Sexualmente Transmissíveis e CPqRR – Centro de Pesquisa René Rachou
Aids CRN-Aids – Centros de Referência
CNEN – Comissão Nacional de Energia Nacional de Aids
Nuclear CST – Comissão de Saúde do trabalhador
CNES – Cadastro Nacional dos CT-DST – Centros de Treinamento em
Estabelecimentos de Saúde Doenças Sexualmente Transmissíveis
CNMM – Centro Nacional de DATASUS – Departamento de Informática
Monitoramento de Medicamentos do SUS
CNRAC – Central Nacional de Regulação DCB – Denominação Comum Brasileira
de Alta Complexidade DCI – Denominação Comum Internacional
CNS – Conselho Nacional de Saúde DIPAF – Divisão Nacional de Vigilância
CNSP – Conselho Nacional de Seguros Sanitária de Portos, Aeroportos e Fronteiras
Privados DSEI – Distrito Sanitários Especiais
CNTS – Confederação Nacional dos Indígenas
Trabalhadores em Saúde DST – Doenças Sexualmente Transmissíveis
COC – Casa de Oswaldo cruz ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente
COFINS – Contribuição Social para o ENSP – Escola Nacional de Saúde Pública
Financiamento da Seguridade Social EPBA – Elenco de Procedimentos Básicos
COMAD – Conselhos Municipais Antidrogas Ampliado
CONASEMS – Conselho Nacional de EPSJV – Escola Politécnica de Saúde
Secretários Municipais de Saúde Joaquim Venâncio
CONASS – Conselho Nacional de ESB – Equipes de Saúde Bucal
Secretários Estaduais de Saúde ESF – Equipes de Saúde da Família
CONEN – Conselhos Estaduais de EUM – Estudos de Utilização de
Entorpecentes Medicamentos
CONEP – Comissão Nacional de Ética em FAE – Fração Assistencial Especializada
Pesquisa FAEC – Fundo de Ações Estratégicas e
CONFEN – Conselho Federal de Compensação
Entorpecentes FCT – Ficha Cadastral de Terceiro
CONSU – Conselho de Saúde Suplementar FENAM – Federação Nacional dos Médicos
CPMF – Contribuição Provisória sobre FENAPSI – Federação Nacional dos
Movimentação Financeira Psicólogos
CpqAM – Centro de Pesquisa Aggeu FETRAMS – Federação das Entidades e dos
Magalhães Trabalhadores do Ministério da Saúde
7

FIDEPS – Fator de Incentivo ao IVISA – Índice de Valorização do Impacto


Desenvolvimento do Ensino e da Pesquisa em Vigilância Sanitária
em Saúde IVR – Índice de Valorização de Resultado
FNE – Federação Nacional dos Enfermeiros LCMC – Levantamento da Comercialização
FNS – Fundo Nacional de Saúde de Medicamentos
FUNAD – Fundo Nacional Antidrogas LDNC – Lista de Doenças de Notificação
FUNASA – Fundação Nacional de Saúde Compulsória
FUST – Fundo de Universalização de LF – Licença de Funcionamento
Serviços de Telecomunicações MP – Medida Provisória
GEISAT – Grupo Executivo Interministerial MS – Ministério da Saúde
de Saúde do Trabalhador NAPS – Núcleo de Assistência Psicossocial
GESCON – Sistema de Gestão Financeira e NOAS – Norma Operacional da Assistência
de Convênios à Saúde
GPAB – Gestão Plena da Atenção Básica NOB – Norma Operacional Básica
GPABA – Gestão Plena da Atenção Básica NOB/RH-SUS – Norma Operacional
Ampliada Básica de Recursos Humanos para o SUS
GPSM – Gestão Plena do Sistema Municipal NR – Norma Regulamentadora
HIV – Vírus da Imunodeficiência Humana OGM – Organismos Geneticamente
HOSPUB – Sistema de Gerenciamento de Modificados
Unidade Hospitalar OMS – Organização Mundial da Saúde
IAPI – Incentivo de Apoio e Diagnóstico OPAS – Organização Pan-Americana da Saúde
Ambulatorial e Hospitalar à População PAB – Piso da Atenção Básica
Indígena PABA – Piso de Atenção Básica Ampliado
IBAM – Instituto Brasileiro de PACS – Programa de Agentes Comunitários
Administração Municipal de Saúde
IFF – Instituto Fernandes Figueira PAISM – Assistência Integral à Saúde da
IHAC – Iniciativa Hospital Amigo da Mulher
Criança PASNI – Programa Nacional de Auto-
INCA – Instituto Nacional de Câncer Suficiência Nacional em Imunobiológicos
INCQS – Instituto Nacional de Controle e PBVS – Piso Básico de Vigilância Sanitária
Qualidade PCCN – Programa de Combate às
INSS – Instituto Nacional de Seguridade Carências Nutricionais
Social PCCS – Plano de Carreira, Cargos e Salários
INTERGRASUS – Incentivo de Integração PCE – Piso para Consultas Especializadas
no Sistema Único de Saúde PCMSO – Programa de Controle Médico
IOC – Instituto Oswaldo Cruz de Saúde Ocupacional
IVH-E – Índice de Valorização Hospitalar PCT – Plano Nacional de Controle da
de Emergência Tuberculose
8

PDAVS – Programa Desconcentrado de RENAME – Relação Nacional de


Ações de Vigilância Sanitária Medicamentos Essenciais
PDI – Plano Diretor de Investimentos RENAST – Rede Nacional de Atenção
PDR – Plano Diretor de Regionalização Integral à Saúde do Trabalhador
PHPN – Programa de Humanização no Pré- RIPSA – Rede Interagencial de Informações
Natal e Nascimento para a Saúde
PMS – Plano Municipal de Saúde RNIS – Rede Nacional de Informações em
PNASH – Programa Nacional de Avaliação Saúde
dos Serviços Hospitalares SADE – Serviço de Atendimento de
PNHAH – Programa Nacional de Demanda Espontânea
Humanização da Assistência Hospitalar SADT – Serviços de Apoio Diagnóstico
PNTN – Programa Nacional de Triagem Terapêutico
Neonatal SAMU – Serviços de Atendimento Móvel de
PNI – Programa Nacional de Imunizações Urgência
POP – Procedimento Operacional Padrão SAS – Secretaria de Atenção à Saúde
PPI – Programação Pactuada e Integrada SBAC – Sistema Brasileiro de Avaliação de
PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Conformidade
Ambientais SBP – Sociedade Brasileira de Pediatria
PRD – Projeto Redução de Danos SES – Secretaria Estadual de Saúde
PROESF – Projeto de Expansão e SIAB – Sistema de Informação da Atenção
Consolidação da Saúde da Família Básica
PROFAE – Projeto de Profissionalzação dos SIA-SUS – Sistema de Informações
Trabalhadores da Área de Enfermagem Ambulatoriais do SUS
PROMED – Projeto de Incentivo a Mudanças SIFAB – Sistema de Acompanhamento do
Curriculares no Curso de Medicina Incentivo à Assistência Farmacêutica Básica
PROSAD – Programa Saúde do Adolescente SIGAB – Sistema de Gerenciamento de
PSF – Programa Saúde da Família Unidade Ambulatorial Básica
RAM – Reação Adversa a Medicamentos SIGAE – Sistema de Gerenciamento de
RCA – Repasse do Custeio Ambulatorial Unidade Ambulatorial Especializada
RDC – Resolução de Diretoria Colegiada SIG-CAP – Sistema de Informação para
RE – Resolução Específica Gestão de Processos de Capacitação
REBLAS – Rede Brasileira de Laboratórios SIH-SUS – Sistema de Informações
Analíticos em Saúde Hospitalares do SUS
REDOME – Registros de Doadores de SIM – Sistema de Informações sobre
Medula Óssea Mortalidade
REFORSUS – Reforço à Reorganização do SIMAC – Sistema de Informações de Alta e
Sistema Único de Saúde Média Complexidade
RENAGENO – Rede Nacional de SINAN – Sistema de Informações sobre
Genotipagem Agravos de Notificação
9

SINASC – Sistema de Informações sobre SNT – Sistema Nacional de Transplante


Nascidos Vivos SNVE – Sistema Nacional de Vigilância
SINAVISA – Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica
Sanitária SPS – Secretaria de Políticas da Saúde
SIOPS – Sistema de Informações sobre (extinta)
Orçamentos Públicos em Saúde SUS – Sistema Único de Saúde
SIPAD – Sistema Integrado de Passagens e SUSEP – Superintendência de Seguros
Diárias Relatório de Viagens Privados
SIPAR – Sistema Integrado de Protocolo e SVS – Secretaria de Vigilância em Saúde
Arquivo do Ministério da Saúde TAS – Terminal de Atendimento do SUS
SI-PNI – Sistema de Informações do TARV – Terapia Anti-Retroviral
Programa Nacional de Imunização TFA – Tetos Financeiros da Assistência
SIS – Secretaria de Gestão de Investimentos TFAE – Teto Financeiro da Assistência do
em Saúde (extinta) Estado
SISAV – Sistema de Informações em Saúde TFAM – Teto Financeiro da Assistência do
para Acidentes e Violência Município
SISCOLO – Sistema de Informações do TFD – Tratamento Fora do Domicílio
Combate ao Câncer do Colo do Útero TFECD – Tetos Financeiros da
SISCOMEX – Sistema Integrado de Epidemiologia e Controle de Doenças
Comércio Exterior TFG – Teto Financeiro Global
SISFAF – Sistema de Transferência Fundo a TFGE – Teto Financeiro Global do Estado
Fundo TFGM – Teto Financeiro Global do
SISHIPERDIA – Sistema de Informação Município
de Cadastramento e Acompanhamento de TFVS – Teto Financeiro da Vigilância
Hipertensos e Diabéticos Sanitária
SISMAMA – Sistema de informação do TMI – Taxa de Mortalidade Infantil
Câncer de Mama UBS – Unidade Básica de Saúde
SISPRENATAL – Sistema de Informação UCOFI – Unidade de Medicamentos
do Programa de Humanização do Pré-natal Controlados, Similares, Fitoterápicos e
e Nascimento Isentos
SISREG – Sistema de Centrais de Regulação UDI – Usuário de Drogas Injetáveis
SISVAN – Sistema de Vigilância Alimentar UPS – Unidades Prestadoras de Serviços
e Nutricional
SMS – Secretaria Municipal de Saúde
SNA – Sistema Nacional de Auditoria
SNDC – Sistema de Doenças de Notificação
Compulsória
SNGPC – Sistema Nacional de
Gerenciamento de Produtos Controlados
11

Apresentação
Este Glossário é o primeiro produto do Os termos inicialmente coletados foram
Projeto de Terminologia em Saúde, que tem organizados em um glossário com os respec-
por objetivos sistematizar a atualização da tivos conceitos. Tais definições foram identi-
Categoria de Saúde Pública dos Descritores ficadas no universo de atos e documentos pu-
de Ciências da Saúde (DeCS) e estruturar a blicados pela instituição. A próxima etapa é
indexação e a recuperação da informação do obter a participação das áreas técnicas do MS
Ministério da Saúde. Tal ação foi iniciada a e entidades vinculadas para a certificação, a
partir da implantação da Biblioteca Virtual contribuição ou revisão e a adequação de ter-
em Saúde Pública desenvolvida pelo Centro mos. A finalidade é aperfeiçoar o Glossário e
Latino-Americano e do Caribe de Informa- consolidar a estruturação de um vocabulário
ção em Ciências da Saúde, centro especializa- controlado de qualidade que apresente o es-
do da Organização Pan-Americana da Saúde copo conceitual da saúde pública brasileira.
(BIREME/OPAS), por meio da cooperação A colaboração dos profissionais do setor
técnico-financeira do Ministério da Saúde Saúde, em especial da área federal, para su-
(MS). Essa iniciativa, no âmbito do MS, é de gerir, excluir e modificar termos ou concei-
responsabilidade da Coordenação-Geral de tos deste Glossário, pode ser feita por meio
Documentação e Informação/Subsecretaria do formulário que se encontra no site www.
de Assuntos Administrativos/Secretaria-Exe- saude.gov.br/bvs/terminologia.htm ou ao fi-
cutiva (CGDI/SAA/SE). nal desta publicação.
No decorrer dessa parceria, a equipe do A oportunidade é de sistematizar, rever e
MS constatou a necessidade de desenvolver introduzir novos conceitos, de desenvolver,
um vocabulário controlado próprio, o qual de forma dinâmica e estruturada, o VCMS e
englobasse não só os termos técnicos em Saú- o Glossário e de ampliar a disseminação desse
de, mas principalmente a terminologia per- projeto junto aos gestores, conselheiros, espe-
tencente aos atos normativos do Ministério e cialistas, pesquisadores, profissionais e usuá-
entidades vinculadas. Assim, iniciou-se o pro- rios do setor Saúde.
cesso de construção do Vocabulário Contro- Equipe de documentação e
lado do Ministério da Saúde (VCMS). informação do Ministério da Saúde
1
DeCS (Descritores em Ciências da Saúde): Vocabulário estruturado e trilingüe desenvolvido pela BIREME, a partir do MeSH
– Medical Subject Headings da U.S. National Library of Medicine, para uso na indexação de artigos de revistas científicas, livros,
anais de congressos, relatórios técnicos, e outros tipos de materiais, assim como para ser usado na pesquisa e recuperação de as-
suntos da literatura científica nas bases de dados LILACS, MEDLINE e outras.
13

Introdução
O Projeto Terminologia em Saúde visa à evidencia a partir construção do Vocabulário
padronização e ao aperfeiçoamento dos ter- Controlado do Ministério da Saúde (VCMS),
mos e siglas utilizados para representar e re- onde os termos e siglas cadastrados nessa es-
cuperar a produção técnico-científica da es- trutura serão inseridos no DeCS e favorecen-
fera federal do SUS. Tem como principais do o entendimento da saúde pública brasi-
eixos, descrever de maneira eficiente qual- leira por meio de sua literatura. Outro fator
quer documento do Ministério da Saúde no determinante para a implantação do VCMS
ato da indexação (representação da informa- é a organização temática dos atos normativos
ção por meio de palavras-chave); agilizar a re- editados pelo MS e entidades vinculadas, que
cuperação da informação nas bases de dados eram indexados por meio de vocabulários ge-
bibliográficas; disseminar a terminologia para neralistas e que por sua vez não retratavam as
o tratamento da informação especializada em especificidades do Sistema Único de Saúde.
Saúde Pública no Brasil; e promover o inter- A intenção do VCMS é suprir a necessi-
câmbio para o aperfeiçoamento da termino- dade dos trabalhos de indexação e recupera-
logia no setor Saúde. ção de qualquer documento institucional de
No âmbito do Ministério da Saúde, uti- maneira que a descrição da informação seja a
liza-se os Descritores de Ciências da Saúde mais adequada e atualizada possível. O usuá-
(DeCS/BIREME) para a representação te- rio será beneficiado no ato de pesquisar a in-
mática das fontes de informação que são dia- formação mediante a possibilidade de seleção
riamente cadastradas nas bases de dados da de termos autorizados no VCMS disponível
Biblioteca MS e disponibilizadas por meio nas bases de dados. Será possível, também,
da Biblioteca Virtual do Ministério da Saúde conhecer melhor a linguagem e os conceitos
(BVS MS), www.saude.gov.br/bvs. Nesse sen- utilizados pelo setor de Saúde Pública.
tido, espera-se favorecer a recuperação dessas O projeto prevê, ainda, a utilização do
fontes de informação também nas bases de VCMS e do Glossário como instrumentos fa-
dados em Saúde para a América-Latina e Ca- cilitadores no desempenho dos serviços e ativi-
ribe, a exemplo da LILACS e do LIS1, que se dades institucionais, tais como no atendimento
1
As bases de dados “Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS)” e o “Localizador de Informa-
ções em Ciências da Saúde (LIS)” são operados de forma cooperativa e descentralizada pelos centros cooperantes que integram o
Sistema Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde, registrando a literatura técnico-científica em saúde
produzida por autores latino-americanos e do Caribe.
14

no Disque Saúde, na administração dos Siste- possibilitando, nesse primeiro momento, a


mas de Informações e, também, para somar inserção de doenças que não se encaixariam
novos conceitos ao Código de Classificação de nessas duas opções, bem como outros descri-
Documentos de Arquivo, em vigência no MS. tores relacionados a esse mesmo tema.
Na primeira fase do projeto foram en- No processo de pesquisa, foram identifica-
volvidos profissionais da área de Biblioteco- dos e analisados 672 termos num prazo de 12
nomia e especialistas em Saúde Pública, que meses a partir da leitura de mais de 200 fon-
elaboraram a metodologia de identificação e tes de informação, entre publicações e atos
coleta de termos. Consiste na leitura de pu- normativos. Paralelamente, durante a análi-
blicações e atos normativos do MS em bus- se dos documentos, foram coletadas, aleato-
ca de termos que contenham seus respectivos riamente, siglas utilizadas no âmbito do Mi-
conceitos, sendo inseridos no Vocabulário tal nistério da Saúde e entidades vinculadas, as
como figuram no texto, e com as respectivas quais figuram também nessa publicação.
referências bibliográficas, garantindo sua le- A intenção inicial era validar os termos
gitimidade. selecionados, de forma imediata pelas áreas
Tanto os descritores da categoria de Saú- técnicas do MS. Nessa experiência, a equipe
de Pública do DeCS, quanto os novos ter- de análise terminológica observou que essas
mos coletados, foram analisados, organizados áreas questionavam parte dos conceitos re-
e hierarquizados a partir de 24 subcategorias gistrados nas publicações técnicas (muitas
estruturadas por especialistas coordenados vezes de sua própria autoria), não apresen-
pela Faculdade de Saúde Pública de São Pau- tando outras fontes publicadas e institucio-
lo, e que servem de estrutura temática para a nais sobre tais termos, o que tornou inviável
BVS Saúde Pública – Brasil (www.saudepu- essa consolidação ainda nas primeiras etapas
blica.bvs.br). Para exemplificar a proposta do do Projeto.
VCMS, apresenta-se ao final desta publica- Dessa forma, optou-se por organizar os
ção, o conjunto inicial das categorias de Saú- termos coletados em um glossário para que
de Pública utilizado e o detalhamento da ca- as áreas técnicas possam se manifestar e au-
tegoria de Administração e Planejamento em xiliar no processo de construção e validação
Saúde, organizado de forma hierárquica. do VCMS bem como no aperfeiçoamento e
Para a adaptação às necessidades da inde- expansão deste Glossário, fazendo do Proje-
xação nas bases de dados específicas, foi feita to de Terminologia, uma iniciativa de todo
apenas uma modificação nessas áreas temá- o Ministério da Saúde. As contribuições po-
ticas e/ou categorias: os temas DOENÇAS dem ser direcionadas à Biblioteca Virtual do
CRÔNICAS E DEGENERATIVAS e MS por meio do “Formulário de Colabora-
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁ- ção”, página destacável e disponível ao final
RIAS foram substituídos por uma área temá- deste Glossário, ou por meio do link www.
tica e/ou categoria denominada DOENÇAS saude.gov.br/bvs/terminologia.htm.
15

A
Abordagem médica tradicional do adulto Ação racional
hospitalizado Categoria: Atenção à Saúde
Categoria: Atenção à Saúde Modelo de intervenção centrado no indiví-
Focada em uma queixa principal e o hábito duo no qual permite a relação entre a epide-
médico de tentar explicar todas as queixas miologia e a dimensão sociocultural do tra-
e os sinais por um único diagnóstico, que é balho de prevenção.
adequada no adulto jovem – não se aplica em Acidentes ampliados
relação ao idoso. Categoria: Acidentes e Violência
Abuso financeiro dos idosos Acidentes relacionados a indústrias de proces-
Categoria: Acidentes e Violência sos contínuos; não se restringem ao ambiente
Exploração imprópria ou ilegal e/ou uso não de trabalho, afetando comunidades do entor-
consentido de recursos financeiros dos idosos. no e produzindo efeitos adversos ao longo do
Abuso incestuoso tempo.
Categoria: Acidentes e Violência Acidentes de trabalho
Consiste no abuso sexual envolvendo pais ou Categoria: Acidentes e Violência Atenção à
outro parente próximo, os quais se encon- Saúde
tram em uma posição de maior poder em re- Refere-se a todos os acidentes que ocorrem no
lação à vítima. exercício da atividade laboral, ou no percurso
Abuso sexual na adolescência de casa para o trabalho e vice-versa, podendo
Ver Abuso sexual na infância. o trabalhador estar inserido tanto no mercado
Abuso sexual na infância formal como informal de trabalho. São tam-
Categoria: Acidentes e Violência bém considerados como acidentes de trabalho
É todo ato ou jogo sexual, relação heterosse- aqueles que, embora não tenham sido causa
xual ou homossexual, cujo agressor está em única, constituíram diretamente para a ocor-
estágio de desenvolvimento psicossexual mais rência do agravo. São eventos agudos, poden-
adiantado que a criança ou adolescente. Tem do ocasionalmente causar morte ou lesão, a
por intenção estimulá-la sexualmente ou uti- qual poderá levar à redução temporária ou
lizá-la para obter satisfação sexual. Essas prá- permanente da capacidade para o trabalho.
ticas eróticas e sexuais são impostas à criança Acidentes de trabalho fatais
ou adolescente pela violência física, por amea- Categoria: Acidentes e Violência
ças ou pela indução de sua vontade. Acidente de trabalho que leva o trabalhador
à morte.
Acidentes de trabalho graves
16 ACI Acreditação hospitalar

Acidentes de trabalho graves bela, não apresentam série histórica definida


Categoria: Acidentes e Violência para dimensionar o seu impacto financeiro
Acidentes com trabalhador menor de 18 anos nos estados e municípios.
independentemente da gravidade; acidente Acompanhamento do crescimento e
ocular; fratura fechada; fratura aberta ou ex- desenvolvimento infantil
posta; fratura múltipla; traumatismo cranio- Categoria: Atenção à Saúde
encefálico; traumatismo de nervos e medula Garantir a melhoria da qualidade de vida das
espinhal; eletrocussão; asfixia traumática ou crianças, permitindo pôr em evidência, pre-
estrangulamento; politraumatismo; afoga- cocemente, qualquer transtorno que afete
mento; traumatismo de tórax/abdome/bacia, sua saúde e, fundamentalmente, sua nutrição
com lesão; ferimento com menção de lesão e sua capacidade mental.
visceral ou de músculo ou de tendão; ampu- Aconselhamento
tação traumática; lesão por esmagamento; Categoria: Atenção à Saúde
queimadura de terceiro grau; traumatismo de Processo de escuta ativa, individualizado e
nervos e da medula espinhal e intoxicações centrado no cliente. Pressupõe a capacidade
agudas. de estabelecer uma relação de confiança entre
Acidentes de trânsito os interlocutores, visando ao resgate dos re-
Categoria: Acidentes e Violência cursos internos do cliente para que ele mesmo
Acidentes com veículos, ocorridos na via pú- tenha possibilidade de reconhecer-se como
blica. sujeito de sua própria saúde e transformação.
Acidentes de transporte Aconselhamento coletivo
Categoria: Acidentes e Violência Categoria: Atenção à Saúde
Todo acidente que envolve veículo destinado Objetiva oferecer aos usuários a oportunida-
ao transporte de pessoas ou mercadorias de des de redimensionar as dificuldades ao com-
um lugar para outro. partilhar dúvidas, sentimentos e conheci-
Ácidos graxos mentos. A dinâmica grupal também favorece
Categoria: Alimentação e Nutrição o indivíduo a perceber sua própria demanda,
Produtos da digestão das gorduras. A menor a reconhecer o que sabe e sente, estimulan-
unidade da gordura ou lipídeos. do sua participação nos atendimentos indivi-
Ações estratégicas duais subseqüentes.
Categoria: Atenção à Saúde Acreditação hospitalar
Procedimentos para os quais o Ministério da Categoria: Administração e Planejamento em
Saúde tem políticas de indução para amplia- Saúde  Promoção e Educação em Saúde
ção da oferta de serviços, tais como trans- Método de consenso, racionalização e orde-
plantes – incluindo os medicamentos –, ci- nação das instituições hospitalares e, princi-
rurgias eletivas, prevenção do câncer do colo palmente, de educação permanente dos seus
do útero, entre outros, bem como os proce- profissionais e que se expressa pela realização
dimentos, que ao serem incorporados na ta- de um procedimento de avaliação dos recur-
Adjuvante farmacêutico
Aids pediátrica
ADJ 17

sos institucionais, voluntário, periódico e re- Agentes comunitários de saúde


servado, que tende a garantir a qualidade de Categoria: Atenção à Saúde
assistência por meio de padrões previamente Pessoas escolhidas dentro da própria comuni-
estabelecidos. dade para atuarem junto à população. Aten-
Adjuvante farmacêutico dem de 400 e 750 pessoas, dependendo das
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos necessidades locais. Desenvolvem atividades
Substância adicionada ao medicamento com de prevenção de doenças e promoção da saú-
a finalidade de prevenir alterações, corrigir e/ de por meio de ações educativas individuais
ou melhorar as características organolépticas, e coletivas, nos domicílios e na comunidade,
biofarmacotécnicas e tecnológicas do medi- sob supervisão competente.
camento. Aids
Adolescente Categoria: Doenças
Categoria: Ciências Sociais em Saúde A aids é uma doença clínica decorrente de
Considera-se adolescente a pessoa entre 12 e um quadro de imunodeficiência causado pelo
18 anos de idade. HIV (HIV-1 e HIV-2, esse último sem rele-
Agência Nacional de Saúde vância epidemiológica no Brasil). Caracteri-
Suplementar (ANS) za-se por supressão profunda da imunidade
Categoria: Políticas Públicas e Saúde mediada, principalmente, por células T, resul-
Autarquia sob regime especial, vinculada ao tando em infecções oportunistas, neoplasias
MS, com sede e foro na cidade do Rio de Ja- secundárias e doenças neurológicas. A trans-
neiro, prazo de duração indeterminado e atu- missão do HIV (vírus da aids) ocorre por:
ação em todo território nacional, como órgão contato sexual, pela transmissão do vírus de
de regulação, normatização, controle e fiscali- mães infectadas para fetos ou recém-nascidos
zação das atividades que garantem a assistên- e pelo sangue (como em transfusões, de san-
cia suplementar à saúde. gue e hemoderivados ou uso compartilhado
Agenda de saúde de drogas injetáveis).
Categoria: Administração e Planejamento em AIDS II
Saúde Categoria: Economia de Saúde
Instrumento de gestão pelo qual os governos Designação simplificada do segundo emprés-
federal, estaduais e municipais estabelecem, timo do Banco Mundial para o Programa de
justificam e detalham as prioridades da po- Controle da aids no Brasil. O primeiro em-
lítica de saúde. É um instrumento participa- préstimo foi denominado AIDS I, e em julho
tivo, resultante da negociação e do consenso de 2003, foi negociado o terceiro emprésti-
entre órgãos gestores, conselhos de saúde e mo, denominado AIDS III.
comissões intergestores. Exerce papel impor- Aids pediátrica
tante no planejamento integrado das ações de Categoria: Doenças
saúde, pois prima pela clareza e simplicidade Síndrome clínica causada pela infecção pelo
dos objetivos e indicadores escolhidos. HIV na criança, também caracterizada pela
Alcoólatra
18 ALC Amamentação exclusiva

supressão profunda da imunidade mediada, meses de vida e que são preparados de modo
principalmente, por células T, resultando em a oferecer uma dieta de consistência grada-
infecções oportunistas, neoplasias secundárias tivamente maior até que ela possa receber a
e doenças neurológicas. dieta da família, junto com o leite materno.
Alcoólatra Alimento dietético
Categoria: Drogas de Uso Terapêutico e Social Categoria: Alimentação e Nutrição
Este termo refere-se tanto aos bebedores-pro- São alimentos isentos de algum tipo de nu-
blema quanto aos dependentes do álcool. triente, preparados para atender a restrições
Alcoolismo dietéticas específicas de várias doenças. Ex.:
Categoria: Drogas de Uso Terapêutico e Social produtos sem açúcar, para diabéticos; sem
Significa dependência do álcool e/ou proble- sal, para hipertensos; sem colesterol, para
mas relacionados ao consumo de bebidas al- portadores de colesterol sangüíneo alto; e as-
coólicas. sim por diante.
Alimentação equilibrada Alimento in natura
Ver Alimentação saudável. Categoria: Alimentação e Nutrição
Alimentação saudável Todo alimento de origem vegetal ou animal,
Categoria: Alimentação e Nutrição para cujo consumo imediato se exija, apenas,
É o mesmo que dieta equilibrada ou balancea- a remoção da parte não comestível e os trata-
da e pode ser resumida por três princípios: mentos indicados para a sua perfeita higieni-
variedade, moderação e equilíbrio. Variedade zação e conservação.
significa comer diferentes tipos de alimentos Alimento integral
pertencentes aos diversos grupos. Moderação Categoria: Alimentação e Nutrição
é não exagerar nas quantidades de alimentos Alimentos que possuem um processamen-
ingeridas. Equilíbrio engloba as suas caracte- to diferenciado com o objetivo de manter o
rísticas citadas anteriormente, ou seja, consu- conteúdo de fibras e nutrientes presentes nas
mir alimentos variados, respeitando a quan- camadas mais superficiais do grão.
tidade de porções recomendadas para cada Alta complexidade
grupo de alimentos. Categoria: Atenção à Saúde
Alimento artificial A Atenção de Alta Complexidade é composta
Categoria: Alimentação e Nutrição por procedimentos que exigem incorporação
Todo alimento preparado com o objetivo de de altas tecnologias e alto custo e que não são
imitar o alimento natural e em cuja compo- ofertadas por todas unidades de federação.
sição entre, preponderantemente, substância Amamentação exclusiva
não encontrada no alimento a ser imitado. Categoria: Alimentação e Nutrição  Atenção
Alimento complementar à Saúde
Categoria: Alimentação e Nutrição Uso de leite materno habitualmente até aos 6
Aqueles que se oferecem à crianças em com- meses de vida, como único alimento da criança,
plementação ao leite materno, a partir dos 4-6 não sendo admitido chás ou água como exceção.
Amebíase
Antibioticoterapia
AME 19

Amebíase Classe de medicamentos anti-retrovirais usa-


Categoria: Doenças dos no tratamento da infecção pelo HIV.
Termo genérico para qualquer infecção cau- Pertencem a essa classe o ddI, ddC, 3TC e
sada por Entamoeba histolytica. Doença cos- o AZT. Todos esses agentes inibem a enzima
mopolita, transmitida pelos indivíduos para- transcriptase reversa, por um mecanismo de
sitados que eliminam cistos desta espécie em criação de cópias virais com estrutura altera-
suas fezes, quer estejam doentes, quer sejam da e não funcionais.
portadores-sãos. A transmissão pode ter lugar Anemia
por via direta, através das mãos sujas dos pa- Categoria: Doenças
cientes, ou por via indireta quando há polui- Define-se genericamente anemia como a situ-
ção ambiental (adubação com fezes humanas, ação clínica onde ocorre a diminuição do nú-
contaminação fecal das águas por efluentes de mero de eritrócitos circulantes e/ou da quan-
esgotos não tratados, etc.) tidade de hemoglobina neles contidas.
Analgésico adjuvante Anemia falciforme
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Categoria: Doenças
Qualquer medicação que tem outras indica- Faz parte do grupo das hemoglobinopatias,
ções primárias além da dor, porém, é analgé- cujo portador, em certas condições, possuem
sica em algumas condições dolorosas. glóbulos vermelhos (hemáceas) que são al-
Análise de controle teradas em sua formação, ficando parecidas
Categoria: Vigilância em Saúde com uma foice, daí o nome falciforme. Os
Análise efetuada em produtos sob o regime glóbulos vermelhos em forma de foice se
de vigilância sanitária, após sua entrega ao agregam e dificultam a circulação do sangue
consumo, e destinada a comprovar a confor- nos pequenos vasos do corpo. Com a dimi-
midade do produto com a fórmula que deu nuição da circulação ocorrem lesões nos ór-
origem ao produto. gãos atingidos, causando dor, destruição dos
Análise fiscal glóbulos, icterícia (olhos amarelos) e anemia.
Categoria: Vigilância em Saúde Anorexia nervosa
Análise efetuada, em caráter de rotina, para Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças
apuração de infração ou verificação de ocor- Distúrbio alimentar caracterizado pela recusa
rência de desvio quanto à qualidade, seguran- à alimentação, perda excessiva de peso, medo
ça e eficácia dos produtos ou matérias-primas. de engordar, distorção da imagem corpórea,
Análise prévia além de distúrbios sociais e emocionais.
Categoria: Vigilância em Saúde Antibiótico
Análise efetuada em determinados produtos Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
sob o regime de vigilância sanitária, a fim de ser Antimicrobianos produzidos por microrganismos.
verificado se podem eles ser objeto de registro. Antibioticoterapia
Análogos de nucleosídeos Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos É o tratamento de pacientes com sinais e sin-
Anticoncepção
20 ANT Assistência à saúde

tomas clínicos de infecção pela administração ARC


de antimicrobianos. Categoria: Doenças
Anticoncepção Sigla originada da expressão em inglês Aids
Ver Métodos contraceptivos. Related Complex (Complexo Relacionado à
Anticoncepção de emergência Aids). Esta expressão foi muito utilizada na
Categoria: Atenção à Saúde década de 80 para caracterizar os estágios clí-
Uso de alguns tipos de pílula anticoncepcio- nicos intermediários da infecção pelo HIV e
nal, em situações de emergência, para im- denominava o conjunto de sinais, sintomas e
pedir que ocorra gravidez após uma relação alterações laboratoriais freqüentemente pre-
sexual desprotegida – onde a mulher tem sentes em pacientes portadores de imunode-
chance de engravidar. ficiência induzida pelo HIV, mas que ainda
Antimicrobiano não apresentam diagnóstico para as doenças
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos oportunistas mais graves, principalmente in-
São produtos capazes de destruir microrga- dicativas de aids.
nismos ou de suprimir sua multiplicação ou Artrite reumatóide
crescimento. Categoria: Doenças
Anti-retroviral Doença inflamatória poliarticular crônica, in-
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos cidindo principalmente nas articulações dos
Denominação genérica para os medicamen- dedos e dos punhos, com caráter extensivo,
tos atualmente utilizados no tratamento da deformante e anquilosante.
infecção pelo HIV, que é um retrovírus. Asbestose
Antraz Categoria: Doenças
Categoria: Doenças Pneumoconiose associada ao asbesto ou
Toxiinfecção causada pelo Bacillus antracis, amianto, sendo uma doença eminentemente
bactéria do solo e da vegetação (família Ba- ocupacional. É progressiva e irreversível, po-
cillaceae), formadora de esporos que podem dendo se manifestar alguns anos após cessada
contaminar herbívoros e, a partir, destes, in- a exposição.
fectar acidentalmente os homens que manipu- Asma
lam carneiros, cabras, suas peles, lã ou produ- Categoria: Doenças
tos derivados, seja por inoculação ou ingestão, Doença crônica idiopática, em que há hiper-
o que condiciona diferentes formas clínicas. sensibilidade da traquéia e brônquios a estí-
Aprendizagem social mulos que induzem constrição da musculatu-
Categoria: Ciências Sociais em Saúde ra lisa das vias aéreas, espessamento do epitélio
Esta teoria fundamenta as ações de prevenção e presença de líquido na luz dos brônquios.
no conhecimento e no processo de aprendi- Assistência à saúde
zagem sobre a situação de risco e na possibi- Categoria: Atenção à Saúde
lidade de adoção de práticas sexuais seguras. O campo da assistência à saúde encerra um
Constitui um modelo de intervenção centra- conjunto de ações levadas a efeito pelo SUS,
do no indivíduo. em todos os níveis de governo, para o aten-
Assistência ambulatorial
Atendimento pré-hospitalar
ASS 21

dimento das demandas pessoais, individuais Atenção à saúde


e coletivas, e que é prestada no âmbito am- Categoria: Atenção à Saúde
bulatorial e hospitalar, bem como em outros Conjunto de ações levadas a efeito pelo SUS,
espaços, especialmente no domiciliar. em todos os níveis de governo, para o atendi-
Assistência ambulatorial mento às demandas pessoais e das exigências
Categoria: Atenção à Saúde ambientais, compreende três grandes cam-
Conjunto de procedimentos médicos e tera- pos, a saber: o da assistência, o das interven-
pêuticos de baixa complexidade, possíveis de ções ambientais e o das políticas externas no
realização em ambulatórios e postos de saúde. setor Saúde.
Assistência aos trabalhadores Atenção básica
Categoria: Atenção à Saúde  Vigilância em Categoria: Atenção à Saúde
Saúde É um conjunto de ações, de caráter indivi-
Considera o trabalhador como sujeito a um dual e coletivo, situadas no primeiro nível de
adoecimento específico que exige estratégias, atenção dos sistemas de saúde, voltadas para
também específicas, de promoção, proteção e a promoção da saúde, a prevenção de agra-
recuperação da saúde. vos, o tratamento e a reabilitação.
Assistência farmacêutica Atenção de alta complexidade
Categoria: Atenção à Saúde  Medicamentos, Ver Alta complexidade.
Vacinas e Insumos Atenção humanizada ao recém-nascido de
Grupo de atividades relacionadas com o me- baixo peso
dicamento, destinada a apoiar ações de saúde Categoria: Atenção à Saúde
demandadas por uma comunidade. Envolve Humanização do atendimento ao bebê pre-
o abastecimento de medicamentos em todas maturo e de baixo peso, melhorando o vín-
e em cada uma de suas etapas constitutivas, a culo entre a mãe, pai e bebê, diminuindo o
conservação e controle de qualidade, a segu- tempo de separação, estimulando a prática de
rança e a eficácia terapêutica dos medicamen- amamentação, diminuindo a infecção hospi-
tos, o acompanhamento e a avaliação da uti- talar e a permanência do bebê no hospital.
lização, a obtenção e a difusão de informação Atendimento de recuperação e reabilitação
sobre medicamentos e a educação permanen- Categoria: Atenção à Saúde
te dos profissionais de saúde, do paciente e da Atendimento oferecido após a alta do pacien-
comunidade para assegurar o uso racional de te, geralmente em ambiente ambulatorial.
medicamentos. Atendimento pré-hospitalar
Assistência farmacêutica básica Categoria: Administração e Planejamento em
Categoria: Atenção à Saúde  Medicamentos, Saúde
Vacinas e Insumos O sistema de atendimento pré-hospitalar tem
Compreende um conjunto de atividades rela- a finalidade de atender vítimas em situação
cionadas ao acesso e ao uso racional de medi- de urgências e emergências, antes de sua che-
camentos, destinado a complementar e apoiar gada ao hospital.
as ações da Atenção Básica à Saúde.
Atendimento pré-hospitalar fixo
22 ATE Autorização de exportação

Atendimento pré-hospitalar fixo A auditoria analítica é planejada e realizada a


Categoria: Administração e Planejamento em partir de relatórios gerados do SIA e do SIH,
Saúde fornecidos pelo DATASUS, compreendendo to-
É aquela assistência prestada, num primeiro dos os serviços produzidos por prestador e com-
nível de atenção, aos pacientes portadores de parando-os com parâmetros preestabelecidos.
quadros agudos, de natureza clínica, traumá- Auditoria operacional
tica ou ainda psiquiátrica, que possa levar ao Categoria: Administração e Planejamento em
sofrimento, seqüelas ou mesmo à morte, pro- Saúde
movendo um atendimento e/ou transporte Consiste no desenvolvimento de atividades
adequado a um integrante do Sistema Esta- no local onde os serviços são prestados. Deve
dual de Urgência e Emergência. ser progamada como rotina e em casos de de-
Atendimento pré-hospitalar móvel núncia ou em decorrência de distorções de-
Categoria: Administração e Planejamento em tectadas nas ações políticas.
Saúde Automedicação
Considera-se como nível pré-hospitalar mó- Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
vel na área de urgência, o atendimento que Uso de medicamento sem a prescrição, orien-
procura chegar precocemente à vítima, após tação e ou acompanhamento do médico ou
ter ocorrido um agravo à saúde (de natureza dentista.
clínica, cirúrgica, traumática, inclusive as psi- Autonegligência
quiátricas), que possa levar ao sofrimento, se- Categoria: Acidentes e Violência  Atenção à
qüelas ou mesmo à morte, sendo necessário, Saúde
portanto prestar-lhe atendimento e/ou trans- Conduta de pessoa idosa que ameaça sua
porte adequado a um serviço de saúde devi- própria saúde ou segurança, com a recusa ou
damente hierarquizado e integrado ao Siste- fracasso de prover a si mesmo um cuidado
ma Único de Saúde. adequado.
Atividade de Apoio Diagnóstico e Terapêutico Autoridade sanitária
Categoria: Atenção à Saúde Categoria: Vigilância em Saúde
Abrange as diversas atividades de apoio diag- Autoridade que tem diretamente a seu car-
nóstico e terapêutico, tais como: laboratórios go, em sua demarcação territorial, a aplicação
de análises clínicas, anatomia patológica, ra- das medidas sanitárias apropriadas de acordo
diologia, endoscopia, fisioterapia, provas fun- com as leis e regulamentos vigentes no terri-
cionais, hemoterapias, traçados diagnósticos tório nacional e tratados e outros atos inter-
(EEG, ECG) e os atendimentos individuais e nacionais dos quais o Brasil é signatário.
em grupos realizados pelas diversas categorias Autorização de exportação
profissionais nas unidades de saúde. Categoria: Direito Sanitário
Auditoria analítica Documento expedido pela Secretaria de Vi-
Categoria: Administração e Planejamento em gilância em Saúde do Ministério da Saú-
Saúde de (SVS/MS), que consubstancia a exporta-
Autorização de importação
AZT
AUT 23

ção de substâncias constantes na Portaria n.º da vigilância sanitária dos produtos de que
344/98, ou de suas atualizações, bem como trata o Decreto n.º 3.961, de 10 de outu-
os medicamentos que a contenham. bro de 2001, contendo permissão para que
Autorização de importação as empresas exerçam as atividades sob regime
Categoria: Direito Sanitário de vigilância sanitária, instituído pela Lei n.º
Documento expedido pela Secretaria de Vi- 6.360 de 1976, mediante comprovação de re-
gilância Sanitária do Ministério da Saúde quisitos técnicos e administrativos específicos.
(SVS/MS), que consubstancia a importa- Avaliação
ção de substâncias constantes na Portaria n.º Categoria: Administração e Planejamento em
344/98, ou de suas atualizações, bem como Saúde
os medicamentos que a contenham. O controle e avaliação a serem exercidos
Autorização de Internação Hospitalar (AIH) pelos gestores do SUS compreendem o co-
Categoria: Administração e Planejamento em nhecimento global dos estabelecimentos de
Saúde saúde localizados em seu território, o cadas-
Este é o principal formulário usado pelo SIH tramento de serviços, a condução de proces-
(Sistema de Informação Hospitalar) que per- sos de compra e contratualização de serviços
mite o diagnóstico da produção de serviços. de acordo com as necessidades identificadas e
Este instrumento apresenta diversos modelos: legislação específica, o acompanhamento do
a AIH1, que dispõe de dados de identificação faturamento, quantidade e qualidade dos ser-
do paciente, registro do conjunto de procedi- viços prestados, entre outras atribuições.
mentos médicos e serviços de diagnose e tera- Avaliação antropométrica
pia realizados; e a AIH5, que dispõe de dados Categoria: Alimentação e Nutrição
referentes a pacientes crônicos ou psiquiátri- Uso de medidas (principalmente peso e altu-
cos que necessitam de continuidade no tra- ra) como critério para avaliar o crescimento
tamento. físico e, por extensão, o estado nutricional.
Autorização de modelo Avaliação da saúde mental
Categoria: Vigilância em Saúde Categoria: Atenção à Saúde
Autorização concedida pela Anvisa para que Testes de função cognitiva e de humor.
o fornecedor de um equipamento eletromé- Azitodimidina
dico, em processo de ensaio e ratificação pelo Ver AZT.
Sistema Brasileiro de Avaliação de Conformi- AZT
dade (SBAC), possa ser fabricado, importa- Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
do, exposto à venda e entregue ao consumo, Sigla do composto farmacológico azitotimi-
pelo período de ano, até a conclusão do re- dina. Também conhecida como zidovudina, é
querido processo, n.º 444/99. uma droga anti-retroviral do grupo dos inibi-
Autorização sanitária dores da transcriptase reversa utilizada no tra-
Categoria: Vigilância em Saúde tamento da infecção pelo HIV. Foi o primei-
Ato privativo do órgão ou da entidade com- ro medicamento a ser utilizado no tratamento
petente do Ministério da Saúde, incumbido de pacientes com infecção pelo HIV/aids.
25

B
Baixo peso ao nascer São centros de educação e saúde organiza-
Categoria: Alimentação e Nutrição  Aten- dos pela própria comunidade com apoio da
ção à Saúde  Epidemiologia unidade de saúde local e tem o objetivo de
Classificação de recém-nascidos com menos ampliar o acesso da população não apenas ao
de 2.500g. preservativo, mas também a informações so-
Banco de leite humano bre prevenção.
Categoria: Alimentação e Nutrição  Aten- Bancos de órgãos e tecidos
ção à Saúde Categoria: Atenção à Saúde
Centro especializado responsável pela pro- São responsáveis pela retirada, processamento
moção do incentivo ao aleitamento materno e conservação de órgãos e tecidos para fins de
e execução das atividades de coleta, proces- transplantes.
samento, estocagem e controle de qualida- Bebedor moderado
des do leite humano extraído artificialmente, Categoria: Drogas de Uso Terapêutico e Social
para posterior distribuição, sob prescrição do Pessoa que utiliza a bebida alcoólica sem de-
médico ou do nutricionista. pendência e sem problemas decorrentes de
Banco de preços em saúde-aids seu uso.
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Bebedor-problema
O banco de preços visa garantir uma políti- Categoria: Drogas de Uso Terapêutico e Social
ca global de acesso a medicamentos para a Pessoa que apresenta qualquer tipo de pro-
aids ao maior número de pessoas, com preços blema (físico, psíquico ou social) decorrente
justos e adequados à realidade econômica de do consumo do álcool, sem dependência.
cada país. Bem-estar nutricional
Banco de preços praticados na área Categoria: Alimentação e Nutrição
hospitalar Estado orgânico em que as funções do con-
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos sumo e utilização de energia alimentar e de
Registra e divulga pela internet os preços de nutrientes se fazem de acordo com as necessi-
medicamentos, material médico-hospitalar, dades biológicas do indivíduo.
insumos e serviços praticados junto aos hos- Benzenismo
pitais. Categoria: Doenças
Banco de preservativos Nome dado às manifestações clínicas ou alte-
Categoria: Atenção à Saúde  Promoção e rações hematológicas compatíveis com a ex-
Educação em Saúde posição ao benzeno.
Benzeno
26 BEN Bulimia

Benzeno Condição que se dá entre dois produtos far-


Categoria: Ambiente e Saúde macêuticos e que mostram uma mesma ou
Considerado uma substância mielotóxica, similar biodisponibilidade segundo uma série
pois nas exposições crônicas atua sobre a me- de critérios. Para tanto, dois produtos farma-
dula óssea, produzindo quadros de hipoplasia cêuticos devem considerar-se como equiva-
ou de displasia. Vários estudos epidemiológi- lentes terapêuticos.
cos demonstram a relação do benzeno com a Bioética
leucemia linfocítica crônica, com a doença de Categoria: Ética e Bioética
Hodking e com a hemoglobinúria paroxísti- Ramo da filosofia que estuda os avanços das
ca noturna. ciências da vida e da saúde, com ênfase nas
Biblioteca Virtual em Saúde implicações éticas das pesquisas científicas e
Categoria: Comunicação em Saúde das ações de saúde.
Objetiva cooperar na coleta, organização e Biossegurança
disseminação de informações do setor Saúde. Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde
Permite que usuários possam interatuar e na- Condição de segurança alcançada por um
vegar no espaço de uma ou várias fontes de conjunto de ações destinadas a prevenir, con-
informação geradas, atualizadas e armazena- trolar e, reduzir ou eliminar riscos inerentes às
das na internet obedecendo a metodologias atividades que possam comprometer à saúde
comuns que integram uma rede de entidades humana, animal e vegetal e o meio ambiente.
afins à Biblioteca Virtual em Saúde Pública. Biotecnologia
Biblioteca viva Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde
Categoria: Atenção à Saúde  Comunicação Qualquer aplicação tecnológica que utilize
em Saúde sistema biológicos, organismos vivos ou seus
Humanização da assistência à criança hospi- derivados, para fabricar ou modificar produ-
talizada através da melhoria da qualidade da tos ou processos para utilização específica.
atenção nos períodos em que as crianças e seus Bócio
familiares passam nas unidades hospitalares. Categoria: Doenças
Biodisponibilidade Aumento de volume da glândula tireóide,
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos seja ele nodular ou difuso.
Indica a velocidade e a extensão de absorção Bulimia
de um princípio ativo de uma forma de dosa- Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças
gem, a partir de sua curva concentração/tem- Distúrbio alimentar caracterizado pelo impul-
po na circulação sistêmica ou sua excreção na so irresistível de comer, excessivamente, segui-
urina. dos por sentimentos de culpa e vergonha, pro-
Bioequivalência vocando o vômito ou utilizando laxativos e/ou
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos diuréticos de maneira exagerada.
27

C
Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de responsável por 95% dos tumores gástricos, o
Saúde (CNES) linfoma, diagnosticado em cerca de 3% dos
Categoria: Administração e Planejamento em casos, e o leiomiossarcoma.
Saúde Câncer de mama
É a base para operacionalizar os Sistemas de Categoria: Doenças
Informações em Saúde, sendo estes impres- Neoplasia maligna responsável por 1/5 das
cindíveis a um gerenciamento eficaz e eficien- mortes por câncer do sexo feminino. Nos
te. Visa disponibilizar informações sobre as EUA, o risco global é de uns 10% (5 vezes
atuais condições de infra-estrutura de funcio- mais que o Japão ou China) e o de morrer
namento dos Estabelecimentos de Saúde. dele 3,6%. É raro antes dos 25 anos, mas, o
Camisinha grupo etário mais exposto (65-85 anos), o
Ver Preservativo masculino. risco não vai além de 5,5%. A causa é des-
Câncer de esôfago conhecida e, nos últimos 30 ou 40 anos, não
Categoria: Doenças houve mudança sensível na situação mundial
O câncer de esôfago mais freqüente é o carci- (cerca de 90 mil casos e 376 mil óbitos por
noma epidermoíde escamoso, responsável por ano). Fatores que aumentam o risco são geo-
96% dos casos. O adenocarcinoma vem ten- gráficos, genéticos, idade, duração do perío-
do um aumento significativo principalmente do reprodutivo, nuliparidade, idade do pri-
nos casos de esôfago de BAPRET, quando há meiro parto, obesidade e, talvez a dieta com
crescimento anormal de células do tipo gás- alto conteúdo lipídico e de álcool.
trico para dentro do esôfago. É mais inciden- Câncer de pâncreas
te a partir dos 40 anos e está associado ao alto Categoria: Doenças
consumo de bebidas alcoólicas e de produtos Neoplasias malignas da porção exócrina da
derivados do tabaco (tabagismo). glândula, derivadas quase sempre do epitélio
Câncer de estômago ductal – adenocarcinomas –, que produzem
Categoria: Doenças tumores insidiosos e altamente fatais, mani-
O câncer de estômago (também denomina- festando-se, em países como EUA, aumen-
do câncer gástrico) é a doença em que célu- tos de três vezes nas últimas décadas, senão
las malignas são encontradas nos tecidos do a causa atribuída ao tabagismo, à dieta e aos
estômago. Os tumores do câncer do estôma- carcinógenos químicos.
go se apresentam, predominante, sob a forma Câncer de pele
de três tipos histológicos: o adenocarcinoma, Categoria: Doenças
Câncer de próstata
28 CAN Candidíase

Como a pele é um órgão heterogêneo, esse termina alterações celulares detectáveis pelo
tipo de câncer pode apresentar neoplasias de método de Papanicolau.
diferentes linhagens. Os mais freqüentes são: Câncer gástrico
carcinoma basocelular, responsável por 70% Ver Câncer de estômago
dos diagnósticos de câncer de pele, o carci- Cancerologia
noma epidermoíde com 25% dos casos e o Categoria: Doenças
melanoma, detectado em 4% dos pacientes. Setor especializado da medicina que se ocupa
Felizmente o carcinoma basecular, mais fre- do estudo e do tratamento dos tumores.
qüente, é também o menos agressivo. Esse Cancro duro
tipo e o carcinoma epidermóide são também Categoria: Doenças
chamados de câncer de pele não melanoma, Lesão primária causada pelo Treponema pallidum
enquanto o melanoma e outros tipos, com que é a bactéria causadora da sífilis. Normal-
origem nos melanócitos são denominados de mente não causa dor e surge na glande ou na ca-
câncer de pele melanoma. mada interna do prepúcio. Tem forma arredon-
Câncer de próstata dada ou oval, com as bordas levemente salientes.
Categoria: Doenças O cancro duro é o primeiro sinal da sífilis.
Raro antes dos 50 anos, sua freqüência cres- Cancro mole
ce depois rapidamente. Costuma ter início na Categoria: Doenças
zona periférica, posterior da glândula, o que É uma doença sexualmente transmissível –
o torna acessível ao toque retal. Cresce como DST que se caracteriza pelo aparecimento,
massa compacta invasiva (em direção as vesí- nos órgãos genitais, de vesículas que vão se
culas seminais e base da bexiga) e metastati- enchendo de pus e se transformam em feri-
zante, tanto por via sangüínea como linfática. das que passam a purgar abundantemente, ao
A disseminação hematogênica faz-se principal- contrário do que ocorre com o cancro duro,
mente para os ossos, parte proximal ao fêmur, as ulcerações causadas pelo cancro mole cos-
pelve, coluna toráxica e costelas, por ordem tuma ser dolorosas e aparecem em lesões múl-
decrescente de seqüências, podendo a metás- tiplas. Esta DST é causada por uma bactéria
tase ser osteolítica ou osteoblástica. A sinto- denominada Haemophilus ducreyi.
malogia, que aparece tardiamente, compreen- Candidíase
de disúria, hematúria ou dor; algumas vezes Categoria: Doenças
dor nas costas produzidas pelas metástases. Tradicionalmente denominada monilíase ou
Câncer do colo do útero “sapinho”, é uma infecção da vagina ou da
Categoria: Doenças vulva, causada pelo fungo Candida Albicans.
Neoplasia do colo do útero, mais freqüentes Caracteriza-se por corrimento vaginal esbran-
em mulheres com idade entre 40 e 45 anos, quiçado, coceira e inflamação das mucosas,
geralmente associado à presença de Papilo- que ficam avermelhadas e cobertas por placas.
mavírus de tipo 16 ou 18 (raramente outros). Embora a via sexual não seja a única forma de
A infecção é transmitida sexualmente e de- transmissão, a candidíase é considerada uma
Carga viral
Centrais de Regulação Médica de Urgências
CAR 29

doença sexualmente transmissível. Nos casos mas de catarata como, por exemplo, as cata-
de imunodepressão, pode aparecer também ratas congênitas, que acomentem crianças re-
no pênis, no êsofago, e mesmo se tornar uma cém-nascidas cujas mães apresentam alguma
infecção disseminada por todo o organismo patologia (como a rubéola, sífilis ou toxoplas-
(nos casos de imunodeficiência avançada). mose) durante a gravidez e as cataratas decor-
Carga viral rentes de enfermidades como o diabetes e o
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos glaucoma ou de doenças genéticas e acidentes
Teste de qualificação da carga viral é uma envolvendo trauma no globo ocular.
metodologia que permite a determinação da CD4
qualidade de HIV circulante no organismo Categoria: Doenças
de uma pessoa infectada. É um receptor presente, principalmente, nos
Cartão Nacional de Saúde linfócitos T-auxiliares (denominados por isso
Categoria: Administração e Planejamento em de Linfócitos-T CD4+) onde o HIV se liga
Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde para iniciar a infecção dessas células. Outras
Sistema informatizado de base nacional que moléculas presentes na membrana dos linfó-
possibilita a vinculação dos procedimen- citos-T desempenham um papel auxiliar, mas
tos realizados pelo Sistema Único de Saúde relevante, nesse processo de ligação HIV/Lin-
(SUS) ao usuário, ao profissional que o reali- fócito-T, e são denominadas co-receptores.
zou e também à unidade de saúde. Célula T4
Casas de Apoio para Mulheres em Situação Categoria: Doenças
de Risco Linfócito auxiliar, também chamado de célu-
Categoria: Acidentes e Violência la T-auxiliar. É nele que se localiza a partícula
São locais que acolhem mulheres vítimas de CD4, pela qual o HIV se liga à célula, enfra-
violência doméstica e sexual, com seus filhos quecendo o sistema imunológico.
e filhas menores. O local é sigiloso e eles po- Célula T8
dem permanecer por um período determina- Categoria: Doenças
do, recebendo assistência médica, psicológica Tipo de linfócito também chamado de T-su-
e capacitação profissional. pressor, que apresenta funções de citoxidade
Catarata e controle da resposta imunológica.
Categoria: Doenças Centrais de Regulação Médica de Urgências
Segundo a OMS (Organização Mundial da Categoria: Atenção à Saúde
Saúde) a catarata é a opacificação do crista- As centrais, estruturadas nos níveis estadual,
lino, que quando avançada dificulta a pene- regional e/ou municipal, organizam a relação
tração dos raios luminosos na retina, pro- entre os vários serviços, qualificando o fluxo
vocando deficiência visual e cegueira. Cerca dos pacientes no sistema e geram uma porta
de 85% das cataratas são classificadas como de comunicação aberta ao público em geral,
senis, acometendo pessoas com mais de 60 através da qual os pedidos de socorro são re-
anos de idade, entretanto existem outras for- cebidos, avaliados e hierarquizados.
Centrais Farmacêuticas
30 CEN Centro Nacional de Epidemiologia (Cenepi)

Centrais Farmacêuticas Centro de Orientação e Apoio Sorológico


Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Categoria: Atenção à Saúde
Almoxarifados centrais de medicamentos, ge- Unidade pública de saúde com a finalidade
ralmente na esfera estadual, onde é feita a es- específica de oferecer testagem anônima para
tocagem e distribuição para hospitais, ambu- o vírus da aids e, ao mesmo tempo, desen-
latórios e postos de saúde. volver um processo de prevenção e orientação
Central Nacional de Transplante aos seus usuários.
Categoria: Atenção à Saúde Centro de Saúde
Articula o trabalho das Centrais Estaduais e Categoria: Atenção à Saúde
provê os meios para as transferências de ór- Unidade destinada a prestar assistência à saú-
gãos entre estados com vistas a contemplar as de de uma população determinada, contando
situações de urgência e evitar os desperdícios com uma equipe de saúde interdisciplinar em
de órgãos sem condições de aproveitamento caráter permanente, com médicos generalistas
da sua origem. e ou especialistas. Sua complexidade e dimen-
Centro de Atenção Psicossocial sões físicas variam em função das característi-
Categoria: Atenção à Saúde cas da população a ser atendida, dos proble-
Serviço de atendimento aos pacientes por- mas de saúde a serem resolvidos e de acordo
tadores de transtornos mentais, alternativos com o seu tamanho e capacidade resolutiva.
à hospitalização convencional, que prestam Centro de Testagem e Aconselhamento
atendimento por 8 ou 12 horas, ou mes- em Aids
mo por 24 horas. Faz parte da rotina deste Categoria: Atenção à Saúde
serviço oficinas terapêuticas e de prevenção Unidades da rede básica do Sistema Único
das DST/HIV/aids, contando inclusive com de Saúde (SUS) que têm como objetivo es-
aconselhamento e oferecimento do teste anti- timular a adoção de práticas sexuais seguras
HIV, além de auxiliar no monitoramento da (prevenção primária) e incentivar que pessoas
adesão aos anti-retrovirais para aqueles usuá- infectadas pelo HIV procurem e sejam acom-
rios portadores do HIV/aids. panhadas pelos Serviços de Assistência Espe-
Centro de Referência em Assistência à
cializada (SAE) (prevenção secundária).
Saúde do Idoso
Centro Nacional de Epidemiologia (Cenepi)
Categoria: Atenção à Saúde
Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde
Hospital que dispõe de condições técnicas,
Responsável pela definição de normas, pro-
instalações físicas, equipamentos e recursos
cedimentos técnicos e diretrizes operacionais
humanos adequados para prestar assistência à
saúde dos idosos, de forma integral e integra- do Sistema Nacional de Vigilância Epidemio-
da. Deve dispor, além de internação hospi- lógica. Deve promover a cooperação técnica
talar, ambulatório especializado em saúde do e assessorar as Secretarias Estaduais e Muni-
idoso, hospital dia-geriátrico e assistência do- cipais de Saúde. Trabalha para a promoção e
miciliar de média complexidade, para a Rede disseminação do uso da metodologia epide-
Estadual de Assistência à Saúde do idoso. miológica em todos os níveis do SUS.
Centro Nacional de Regulação de Alta Complexidade
Citomegalovírus
CEN 31

Centro Nacional de Regulação de Bactéria responsável por várias doenças sexual-


Alta Complexidade mente transmissíveis, entre elas o linfogranu-
Categoria: Atenção à Saúde loma venéreo e uretrites não gonocócicas.
Destina-se a organizar o fluxo de referência inte- Este organismo também pode causar outras
restadual, de pacientes que necessitem de assis- doenças graves como salpingite, tracoma,
tência hospitalar de alta complexidade eletiva, e conjuntivite do recém-nascido, proctite e es-
a garantir o financiamento desses atendimentos. terilidade permanente.
Centro Regional de Especialidade Chumbo
Categoria: Atenção à Saúde Categoria: Ambiente e Saúde
Estabelecimento de saúde instalado em agru- É um dos metais mais presentes na Terra,
pamentos populacionais superiores a 30.000 podendo ser encontrado, praticamente, em
habitantes que desenvolve atividades nas áreas qualquer ambiente ou sistema biológico, in-
médicas definidas através do perfil epidemio- clusive no homem. As principais fontes de
lógico e recursos existentes em cada região. contaminação ocupacional e/ou ambiental
Para pequena cirurgia e leitos de repouso. são as atividades de mineração e indústria, es-
Certificação de Conformidade pecialmente fundição e refino.
Categoria: Vigilância em Saúde Ciência e tecnologia
Ato em que um terceiro demonstra existir ga- Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde
rantia adequada de que um produto, proces- Conceito amplo que compreende ações co-
so ou serviço devidamente identificado, está nexas de geração, difusão e aplicação de co-
em conformidade com uma norma ou regu- nhecimentos em todos os campos do saber,
lamento técnico. inclusive educação, gestão, informação, nor-
Certificado de Boas Práticas de Fabricação malização, patentes, estudos e outras ativida-
Categoria: Direito Sanitário des ligadas à inovação e difusão tecnológica.
Documento legal emitido pela autoridade sa- Citomegalovírus
nitária competente, atestando que determina- Categoria: Doenças
da linha de produção da empresa cumpre com Vírus pertencente ao grupo dos herpesvírus,
os requisitos de Boas Práticas de Fabricação que pode acometer vários órgãos. A infecção
(BPF) estabelecidos pela legislação vigente. pelo citomegalovírus ocorre, muitas vezes, pela
Certificado de Registro de Produto via sexual. Nas pessoas sem transtornos imu-
Categoria: Direito Sanitário nitários geralmente é assintomática, mas pode
Documento legal emitido pela Autoridade provocar aumento de volume do fígado e/ou
Sanitária competente, no qual consta a for- do baço, erupções, irritação na garganta, dores
mulação qualitativa e quantitativa do produ- e mal-estar generalizado de evolução autolimi-
to incluindo detalhes sobre embalagem, rotu- tada. Quando a infecção se dá ainda no útero
lagem e prazo de validade. materno as conseqüências podem ser graves,
Chlamydia trachomatis podendo fazer com que o bebê apresente re-
Categoria: Doenças tardamento mental, cegueira, surdez e/ou pa-
Citopatologia
32 CIT Comando único

ralisia cerebral. Nos indivíduos imunocom- Tem por função relacionar pessoas doentes
prometidos, pode provocar doenças grave, o com a população de onde estas advêm, den-
que, por sua vez, pode levar à cegueira e mes- tro de um intervalo de tempo determinado.
mo à morte. Nos pacientes com aids são mais Representam a tentativa de expressar uma
comuns o comprometimento da retina, do idéia acerca da doença (no caso da morbida-
trato digestivo e do sistema nervoso central. de) ou até morte (neste caso, os coeficientes
Citopatologia de mortalidade) e temporalmente definida.
Categoria: Doenças Coeficiente de natalidade
Ramo da patologia que estuda as doenças e as Categoria: Epidemiologia
alterações patológicas do organismo em seu Medida de freqüência de nascimentos, em
aspecto celular. uma determinada população, durante um pe-
Clamidiose ríodo de tempo especificado.
Categoria: Doenças Cólera
Também chamada de clamidíase, é uma doen- Categoria: Doenças
ça sexualmente transmissível causada pela Doença infecciosa aguda diarréica e grave,
bactéria clamydia trachomatis, que afeta ho- causada por Vibrio cholerae sorogrupo O1.
mens e mulheres. Se não for adequadamente A infecção tem lugar pela ingestão de águas
tratada poderá provocar infertilidade perma- com poluição fecal ou de produtos alimen-
nente e, em casos de gravidez, haverá riscos tícios contaminados por essas águas, ou ori-
de infecção nos olhos ou nos pulmões para o ginários delas (crustáceos, ostras, mexilhões,
feto ou para o recém-nascido. etc.) e consumidos crus ou malcozidos.
Climatério Colesterol
Categoria: Atenção à Saúde Categoria: Doenças
Fase da vida da mulher que marca a transição Substância semelhante à gordura, encontra-
do período reprodutivo para o não-reprodu- da no sangue e nas membranas das células.
tivo. Esta fase pode estender-se por longo e Fundamental ao organismo humano para a
variável período de tempo. produção de hormônios sexuais, produtos da
Cobertura de serviços de saúde digestão (bile), vitamina D, etc. No entanto,
Categoria: Administração e Planejamento em Saúde um nível elevado de colesterol sangüíneo tem
Oferta sistematizada de serviços básicos de mostrado ser o principal fator de risco para o
saúde que satisfaçam às necessidades de uma desenvolvimento de cardiopatias.
população determinada, proporcionada de Comando único
forma contínua, em lugares geograficamente Categoria: Administração e Planejamento em
acessíveis e que garantam o acesso da popula- Saúde
ção aos diferentes níveis de atendimento aos É uma diretriz do SUS que visa à integração
sistemas de serviços de saúde. da gestão das ações e serviços de saúde em
Coeficiente de morbidade cada esfera de governo, em seus respectivos
Categoria: Epidemiologia âmbitos de competência política e adminis-
Comissão Intergestores Bipartite
Comunicação de Acidente do Trabalho
COM 33

trativa. O objetivo final é que cada esfera de Comissões Intersetoriais


governo seja capaz de assumir a responsabili- Categoria: Administração e Planejamento em
dade sanitária plena para melhorar a qualida- Saúde
de de vida e saúde da população. As comissões intersetoriais tem como finalida-
Comissão Intergestores Bipartite de articular políticas e programas de interesse
Categoria: Administração e Planejamento em para a saúde, cuja execução envolva áreas não
Saúde compreendidas no âmbito do Sistema Único
Comissão integrada paritariamente por diri- de Saúde.
gentes da Secretaria Estadual de Saúde e do Componente
órgão de representação dos Secretários Muni- Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
cipais de Saúde do estado, deverá ser criada e Qualquer substância ou material a ser utili-
formalizada através de portaria do Secretário zado na fabricação de um produto farmacêu-
Estadual de Saúde, sendo a instância privile- tico.
giada de negociação e decisão quanto aos as- Comportamento sexual
pectos operacionais do SUS. Categoria: Ciências Sociais e Saúde
Comissão Intergestores Tripartite É a forma pela qual os indivíduos exercem
Categoria: Administração e Planejamento em sua sexualidade. O comportamento sexual
Saúde desenvolve-se a partir das experiências de re-
Comissão integrada paritariamente por diri- lacionamento familiar, social e amoroso, as
gentes da Secretaria Estadual de Saúde e dos quais também sofrem influência de fatores
órgãos de representação dos Secretários Es- educacionais, socioculturais, psicológicos e
taduais de Saúde/Conass e do conjunto dos biológicos.
Secretários Municipais de Saúde/Conasems, Composição dos alimentos
tem por finalidade assistir ao Ministério da Categoria: Alimentação e Nutrição
Saúde na elaboração de propostas para a im- Valor nutritivo dos alimentos, ou seja, o seu
plantação e operacionalização do SUS, sub- conteúdo em substâncias específicas, como
mentendo-se ao poder deliberativo e fiscaliza- vitaminas, minerais e outros princípios.
dor do Conselho Nacional de Saúde. Composição populacional
Comissões Intergestores Categoria: Demografia
Categoria: Administração e Planejamento em Porcentagem de cada grupo etário em relação
Saúde à população total.
Tem o objetivo de assegurar a gestão com- Comunicação de Acidente do Trabalho
partilhada entre os governos municipais, es- Categoria: Acidentes e Violência  Atenção
taduais e federal para: evitar a duplicidade ou à Saúde
omissão na execução de ações e criar um es- Instrumento de notificação de acidente ou
paço onde gestores do sistema técnico de saú- doença relacionada ao trabalho, de acordo
de possam permanentemente negociar, deci- com o INSS (Instituto Nacional de Seguro
dir e firmar pactos. Social).
Comunidades terapêuticas
34 COM Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass)

Comunidades terapêuticas encaminhadas pela Comissão Intergestores


Categoria: Drogas de Uso Terapêutico e Social Bipartite.
Serviços de atenção a pessoas com problemas Conselho Municipal de Saúde
decorrentes do uso ou abuso de substâncias Categoria: Políticas Públicas e Saúde
psicoativas. Instância permanente e deliberativa, atua na
Concentração formulação de estratégias e no controle da
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos execução da Política Municipal de Saúde,
Quantidade de substância(s) ativa(s) ou com composição e atribuições previstas em
inativa(s) em determinada unidade de massa lei municipal, observado o disposto na Lei
ou volume do produto. 8.142, de 1990.
Condiloma acuminado Conselho Nacional de Saúde (CNS)
Categoria: Doenças Categoria: Políticas Públicas e Saúde
Doença sexualmente transmissível causada Órgão específico do Ministério da Saúde for-
pelo Papiloma Vírus Humano. Causa apare- mado por 32 conselheiros titulares com seus
cimento de verrugas e/ou inchações rosadas respectivos suplentes, representantes de enti-
e úmidas que formam na pele dos órgãos ge- dades e instituições dos segmentos governo,
nitais, superfície semelhante a uma crista de prestadores de serviços privados de saúde,
gado. O condiloma acuminado pode aparecer profissionais de saúde e usuários. Tem como
juntamente como os sintomas de gonorréia. objetivo atuar na formulação e controle da
Pode parecer também no ânus e no reto. execução da política nacional de saúde, inclu-
Conselho de Secretários Municipais sive nos aspectos econômicos e financeiros,
de Saúde (Cosems) nas estratégias e na promoção do processo
Categoria: Políticas Públicas e Saúde de controle social em toda a sua amplitude,
Entidade que reúne e representa o conjunto no âmbito dos setores público e privado. As
dos secretários de saúde dos estados. As fun- entidades com representação no CNS foram
ções dos Cosems consistem em participar, em definidas no Decreto 1.448, de 6 de abril
nome dos municípios, das articulações em de 1995. A composição é paritária a fim de
torno da política de saúde, defender seus in- manter equilíbrio dos interesses envolvidos.
teresses junto às demais esferas de governo e Conselho Nacional de Secretários Estaduais
aos prestadores de serviços ao SUS. de Saúde (Conass)
Conselho Estadual de Saúde Categoria: Políticas Públicas e Saúde
Categoria: Políticas Públicas e Saúde Organismo de representação dos secretários
São órgãos colegiados integrantes da estrutu- estaduais de saúde que serve de interlocutor
ra básica da Secretaria de Saúde. Tem com- oficial do Ministério da Saúde com relação à
posição paritária: 50% usuários, 25% de política de saúde.
prestadores de serviços público e privado. É Conselho Nacional de Secretários
a instância que tem poder deliberativo no ní- Municipais de Saúde (Conasems)
vel estadual. Focaliza e conclui as questões Categoria: Políticas Públicas e Saúde
Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems)
Consulta geriátrica
CON 35

Organização não-governamental que repre- tância correspondente, inclusive nos aspectos


senta potencialmente todos os secretários econômicos e financeiros, cujas decisões serão
municipais de saúde do País e serve de in- homologadas pelo chefe do poder legalmente
terlocutor oficial do Ministério da Saúde constituído em cada esfera do governo.
com relação à política de saúde. A Lei 8.142, Conselhos dos Direitos da Mulher
de 1990, ao tratar da participação social no Categoria: Acidentes e Violência  Direito
SUS define o Conasems como representan- Sanitário
te dos municípios no Conselho Nacional de São formados a partir da iniciativa de mulhe-
Saúde. O Conasems é membro da Comissão res do município, ou estado, juntamente com
Intergestores Tripartite. A fundação do Co- o governo. Elaboram propostas e promovem
nasems é fruto do movimento municipalista políticas para eliminar discriminações, cons-
da saúde, no próprio contexto que originou trangimentos à mulher e superar as desigual-
o SUS. Este movimento é precedido de di- dades de oportunidades entre homens e mu-
versos encontros nacionais e regionais de Se- lheres.
cretários Municipais de Saúde desde 1978, Consórcios Intermunicipais
acompanhando o processo de redemocrati- Categoria: Administração e Planejamento em
zação do País. Saúde
Conselho Tutelar Servem para ratear investimentos imprescin-
Categoria: Acidentes e Violência díveis para uma região: reduzem custos em
São responsáveis por acolher denúncias, ave- diversos municípios; ampliam a oferta e a
riguar, encaminhar e orientar, nos casos de qualidade de serviços numa mesma região;
violação dos direitos da criança e do adoles- evitam a concentração de recursos em alguns
cente. Pode agir tanto quando existe ameaça, municípios e implantam definitivamente o
risco ou quando a violência já aconteceu. SUS em todo o território nacional.
Conselhos de Defesa dos Direitos da Criança Consulta geriátrica
e do Adolescente Categoria: Atenção à Saúde
Categoria: Acidentes e Violência Base da assistência ao idoso no âmbito am-
São instrumentos para deliberar e acompa- bulatorial, deve ser fundamentado na coleta e
nhar a política de enfrentamento da violência no registro de informações que possam orien-
praticada contra crianças e adolescentes. tar o diagnóstico a partir da caracterização de
Conselho de Saúde problemas e o tratamento adequado, com a
Categoria: Políticas Públicas e Saúde utilização rotineira de escalas de rastreamento
O Conselho de Saúde tem caráter permanente para depressão, perda cognitiva e avaliação da
e deliberativo. É um órgão colegiado compos- capacidade funcional, assim como o correto
to por representantes do governo, prestadores encaminhamento para a equipe multiprofis-
de serviços, profissionais de saúde e usuários, sional e interdisciplinar.
atua na formulação de estratégias e no con- Contágio
trole de execução da política de saúde na ins- Categoria: Doenças
Contágio
36 CON Convênios

Transferência do agente etiológico, sem a in- zembro de 1999, trata de uma nova estra-
terferência de veículos. tégia para reduzir e até eliminar as doenças
Contra-referência endêmicas do Brasil. São descentralizadas da
Categoria: Administração e Planejamento em Fundação Nacional de Saúde (Funasa/MS)
Saúde para os estados, municípios e Distrito Fede-
Ato formal de encaminhamento de um pa- ral, as ações de epidemiologia e controle de
ciente ao estabelecimento de origem (que o doenças, compreendendo, inclusive o contro-
referiu) após resolução da causa responsável le das seguintes endemias: malária, leishma-
pela referência. niose, esquistossomose, tracoma, doença de
Contrato de compra de serviços chagas, peste, filariose, bócio, febre amarela
Categoria: Administração e Planejamento em e dengue.
Saúde Controle de qualidade
Modalidade a ser estabelecida com os presta Categoria: Vigilância em Saúde
dores privados, segundo uma lógica de paga- Conjunto de medidas destinadas a verificar a
mento por produção. qualidade de cada lote de medicamentos in-
Contrato de gestão sumos farmacêuticos, drogas correlatos, cos-
Categoria: Administração e Planejamento em méticos, produtos de higiene, perfumes.
Saúde Controle químico
Instrumento de acompanhamento que define Categoria: Ambiente e Saúde
os compromissos do prestador com o siste- O controle químico representa o uso de al-
ma, devendo ser avaliado anualmente. gum tipo de substância química para elimi-
Controle assistencial nar ou controlar vetores ou pragas agrícolas.
Categoria: Administração e Planejamento em Controle social
Saúde Categoria: Políticas Públicas e Saúde  Pro-
O controle e avaliação a serem exercidos moção e Educação em Saúde
pelos gestores do SUS compreendem o co- Participação popular na fiscalização e con-
nhecimento global dos estabelecimentos de trole sobre as ações, no respectivo nível de
saúde localizados em seu território, o cadas- governo, destacando-se na área da Saúde, as
tramento de serviços, a condução de proces- Conferências e os Conselhos de Saúde.
sos de compra e contratualização de serviços Convênios
de acordo com as necessidades identificadas e Categoria: Administração e Planejamento em
legislação específica, o acompanhamento do Saúde
faturamento, quantidade e qualidade dos ser- Os convênios são projetos financiados pelo
viços prestados, entre outras atribuições. Ministério da Saúde, voltados para constru-
Controle de endemias ções, reformas, aquisição de equipamentos,
Categoria: Epidemiologia unidades móveis e/ou manutenção de hos-
O Controle de Endemias, conforme imple- pitais. Esses convênios são firmados entre o
mentado na Portaria n.º 1.339, de 15 de de- ministério e entidades, fundações, hospitais,
Cooperativas médicas
Crescimento
CRE 37

instituições filantrópicas, universidades, pre- Substâncias adicionais aos medicamentos,


feituras e órgãos federais. Podem originar-se produtos dietéticos, cosméticos, perfumes,
de Emenda Parlamentar ou de programas es- produtos de higiene e similares, com o efeito
pecíficos do Ministério da Saúde. de lhes conferir cor e, em determinados tipos
Cooperativas médicas de cosméticos, transferi-la para a superfície
Categoria: Políticas Públicas e Saúde cutânea e anexos da pele.
Os médicos (e outros profissionais de saúde) Correlato
cooperados são, simultaneamente, sócios da Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
cooperativas e prestadores de serviços. Nas Correlato é a substância, produto, aparelho
cooperativas médicas, a vinculação dos usu- ou acessório não enquadrados nos conceitos
ários também se faz mediante pré-pagamen- de droga, medicamento e insumo farmacêu-
to a planos individuais, familiares e empre- tico, cujo uso ou aplicação esteja ligado à de-
sariais. fesa e proteção da saúde individual ou cole-
Coorte tiva, à higiene pessoal ou de ambientes, ou a
Categoria: Epidemiologia fins diagnósticos e analíticos, os cosméticos
Grupo ou grupos de indivíduos defi nidos e perfumes e, ainda, os produtos dietéticos,
com base na presença ou na ausência de um óticos, de acústica médica, odontológicos e
ou mais atributos e seguidos através de um veterinários.
período estabelecido de tempo. Corrimento
Coqueluche Categoria: Doenças
Categoria: Doenças Secreção (líquido) anormal, que pode sair da
Termo descritivo para um quadro clínico de uretra, da vagina ou do colo do útero. O cor-
doença respiratória que pode ser causado por rimento pode ser amarelado, acidentado com
três espécies das bactérias Gram-negativas do pus ou esbranquiçado, dependendo do tipo
gênero Bordetella: B. pertussis, que é a causa de agente causador (microorganismo).
mais freqüente e mais grave, B. parapertussis, Crenças em saúde
mais benigna; e B. bronchiseptica, a mais rara. Categoria: Promoção e Educação em Saúde
Coquetel anti-aids Baseia-se nas atitudes e crenças do indiví-
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos duo sobre sua condição de saúde, sobretudo
Termo popularmente empregado para o uso quanto à sua percepção da suscetibilidade e
de dois ou três medicamentos anti-retrovirais severidade da condição de saúde, a percep-
associados, e que se caracteriza pela tomada ção dos benefícios dos recursos disponíveis e
de um grande número de cápsulas ou com- a percepção das barreiras de acesso aos ser-
primidos por dia. Em geral, a combinação é viços.
feita com dois inibidores de transcriptase re- Crescimento
versa e um inibidor de protease. Categoria: Alimentação e Nutrição  Aten-
Corantes de medicamentos ção à Saúde
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Processo dinâmico e contínuo que ocorre
Crescimento compensatório
38 CRE Cuidados paliativos

desde a concepção até o final da vida, con- Cuidado comunitário do idoso


siderando-se os fenômenos de substituição Categoria: Atenção à Saúde
e regeneração de tecidos e órgãos. É consi- Baseia-se, fundamentalmente, na família e na
derado como um dos melhores indicadores atenção básica à saúde, através das Unidades
de saúde da criança, em razão de sua estreita Básicas de Saúde, em especial daquelas sob a
dependência de fatores ambientais, tais como Estratégia de Saúde da Família, as quais de-
alimentação, ocorrência de doenças, cuida- vem representar para o idoso o vínculo com o
dos gerais e de higiene, condições de vida da sistema de saúde.
criança, no passado e no presente. Cuidados paliativos
Crescimento compensatório Categoria: Direito Sanitário
Categoria: Alimentação e Nutrição  Atenção Assistência ativa e integral a pacientes cuja
à Saúde doença não responde mais ao tratamento
Aumento da velocidade de crescimento supe- curativo. Controle da dor, de outros sintomas
rior ao esperado para a idade após uma desa- e solução de problemas psicológico, social e
celeração no ritmo de crescimento devido a espiritual é soberano. A meta do cuidado pa-
doenças infecciosas e/ou problema social. liativo é de proporcionar a melhor qualidade
Cretinismo de vida ao paciente e seus familiares. Institui
Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças no âmbito do Sistema Único de Saúde o Pro-
Retardo mental resultante da ação adversa da grama Nacional de Assistência à Dor e Cuida-
deficiência de iodo na maturação do sistema dos Paliativos, por meio da PRT-000019, de
nervoso da criança. 3 de janeiro 2002.
39

D
D4T Instrumento declaratório e de coleta de dados
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos para identificação do viajante, sintomatologia
Também conhecida como estavudina, é uma clínica, contato, procedência, destino e meios de
droga anti-retroviral do grupo dos inibidores transporte utilizados, com vistas ao acompanha-
da trascriptase reversa (semelhante ao AZT, mento e controle epidemiológico e sanitário.
DDC e DDI), utilizada no tratamento da in- Declaração marítima de saúde
fecção pelo HIV. Categoria: Vigilância em Saúde
Data de vencimento Documento a ser emitido em conformidade
Categoria: Vigilância em Saúde com o Regulamento Sanitário Internacional
Data indicada pelo fabricante de maneira ex- contendo informações sobre a identificação da
pressa, que se baseia nos estudos de estabili- embarcação, a viagem e a saúde dos viajantes.
dade do produto e depois da qual o produto Deficiência de ferro
não deve ser usado. Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças
DDC Estado orgânico de carência deste micro-
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos nutriente, que ocorre quando o consumo
Sigla do composto farmacológico dideoxiti- alimentar de ferro biodisponível é baixo,
dina. Também conhecida como zalcitabina, quando as perdas de sangue são elevadas, o
é uma droga anti-retroviral do grupo dos ini- aumento dos requerimentos por processos
bidores da transcriptase reversa (com ação se- infecciosos e ou febris, ou, ainda, quando
melhante ao AZT), utilizada no tratamento ocorrem simultaneamente as duas condições,
de pacientes com infecção pelo HIV/aids. diminuindo o estoque corporal de ferro, po-
DDI dendo resultar no aparecimento de anemia.
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Deficiência de micronutrientes
Sigla do composto farmacológico dideoxii- Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças
nosine. Também conhecida como didanosi- Estado orgânico de carência de princípios nu-
na, é uma droga anti-retroviral do grupo dos tritivos cujas exigências são muito pequenas,
inibidores da transcriptase reversa (com ação medindo-se em miligramas diárias, como a
semelhante ao AZT e DDC), utilizada no vitamina A, o ferro, o iodo e o zinco.
tratamento de pacientes com infecção pelo Deficiência energético-protéica
HIV/aids. Ver Desnutrição energético-protéica.
Declaração de saúde do viajante Deficiência nutricional
Categoria: Vigilância em Saúde Categoria: Alimentação e Nutrição
Deficiência primária de iodo
40 DEF Dermatite de contato alérgica

Resultado de um processo onde as necessida- macologicamente ativo aprovada pelo órgão


des fisiológicas de nutrientes não estão sen- federal responsável pela vigilância sanitária.
do atingidas. Podem ser decorrentes tanto de Departamento de Informática do SUS
problemas alimentares, como baixa ingestão (Datasus)
de fontes de ferro, que resulta em anemia, ou Categoria: Administração e Planejamento em
de problemas orgânicos, como não absorção Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde
intestinal. Departamento do Ministério da Saúde que
Deficiência primária de iodo tem a responsabilidade de coletar, processar e
Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças disseminar informações sobre saúde. Consti-
É a deficiência de iodo, inicialmente atribuí- tui uma enorme base de dados e fornece ser-
da à baixa ingestão deste micronutriente. viços de tecnologia.
Deficit de altura Depressão
Categoria: Alimentação e Nutrição  Atenção Categoria: Doenças
à Saúde Caracteriza-se pelo humor depressivo, pela
Atraso do crescimento estatural, quando perda de interesse e prazer nas atividades habi-
comparado com os padrões de normalidade tuais, pela diminuição da energia, com sensa-
por sexo e idade. ção de cansaço, que leva a uma diminuição das
Delegacia atividades. Podem estar presentes outros sin-
Categoria: Acidentes e Violência tomas, como falta de concentração e atenção;
Executam atividades de proteção, prevenção a baixa auto-estima, sentimentos de culpa ou
e vigilância às vítimas de qualquer tipo de inutilidade, pessimismo, alterações de apetite
violência, e responsabilização dos agressores. e do peso corporal, alterações no padrão do
Dengue sono. As idéias e os atos suicidas não são raros.
Categoria: Doenças Dermatite atópica
A dengue é uma doença febril aguda, de etio- Categoria: Doenças
logia viral e de evolução benigna na forma Inflamação crônica da pele observada em pes-
clássica, e grave quando se apresenta na for- soas com predisposição hereditária para baixo
ma hemorrágica. A dengue é hoje a mais im- limiar cutâneo ao prurido, caracterizada por
portante arbovirose (doença transmitida por intensa coceira que leva o paciente a coçar-
artrópodes) que afeta o homem e constitui-se se e arranhar-se até produzir lesões típicas de
em sério problema de saúde pública no mun- eczema.
do, especialmente nos países tropicais, onde Dermatite de contato alérgica
as condições do meio ambiente favorecem o Categoria: Doenças
desenvolvimento e a proliferação do Aedes ae- Reação alérgica retardada tipo IV, desenca-
gypti, principal mosquito vetor. deada pelo contato da pele com determinada
Denominação comum brasileira substância que atua como alergênio, produ-
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos zindo grau variável de eritema, edema e ve-
Denominação do fármaco ou princípio far- siculação.
Dermatite de contato irritativa
Desmame
DER 41

Dermatite de contato irritativa Redistribuição de recursos e responsabilida-


Categoria: Doenças des entre os entes federados com base no en-
Inflamação da pele que varia do eritema, com tendimento de que o nível central, a União,
produção de escamas, até a necrose, causada só deve executar aquilo que o nível local, os
pelo contato imediato ou repetitivo com de- municípios e estados, não podem ou não
terminada substância não imunológica, atuan- conseguem. A gestão do Sistema (SUS) passa
do como substância química irritante. a ser de responsabilidade da União, dos esta-
Dermatite seborréica dos e dos municípios, agora entendidos como
Categoria: Doenças os gestores do SUS.
É a afecção crônica, freqüente, recorrente, não Desenvolvimento tecnológico
contagiosa que ocorre em regiões como sulco Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde
nasogeneano, sobrancelhas, região retroauricu- Desenvolvimento de produtos e processos
lar, couro cabeludo e em áreas intertriginosas. por intermédio de um processo autônomo ou
Dermatofitose pela efetiva absorção de tecnologias desenvol-
Categoria: Doenças vidas em outros países.
Termo geral para infecções micóticas que afetam Desidratação
a superfície epidérmica, devida a fungos derma- Categoria: Doenças
tófitos. Atacam tecidos queratinizados (unhas). É a deficiência de água e eletrólitos corpó-
Dermatoses ocupacionais reos por perdas superiores à ingestão devido
Categoria: Atenção à Saúde  Doenças a ingestão reduzida (anorexia, coma e restri-
Embora benignas, em sua maioria, consti- ção hídrica), perda aumentada gastrointesti-
tuem problema de avaliação difícil e com- nal (vômitos e diarréias), perda aumentada
plexa. Referem-se a toda alteração da pele, urinária (diurese osmótica, administração de
mucosas e anexos, direta ou indiretamente diuréticos, insuficiência renal crônica e da su-
causada, condicionada, mantida ou agravada pra-renal), perda aumentada cutânea e respi-
pela atividade de trabalho. ratória (queimaduras e exposição ao calor).
Desburocratização Desinfetante
Categoria: Administração e Planejamento em Categoria: Ambiente e Saúde  Vigilância em
Saúde Saúde
Procedimentos burocráticos para eliminar os ex- Saneante domissanitário destinado a destruir,
cessos e propor medidas de desburocratização em indiscriminada ou seletivamente, microrga-
suas respectivas áreas, com o objetivo de melhor nismos, quando aplicado em objetos inani-
atender o cidadão, reduzir a interferência do go- mados ou ambientes.
verno na sua vida e abreviar a solução dos casos Desmame
em que essa interferência é necessária. Categoria: Alimentação e Nutrição  Atenção
Descentralização à Saúde
Categoria: Administração e Planejamento em Processo que se inicia com a introdução de
Saúde qualquer alimento na dieta da criança que
Desnutrição
42 DES Digestão

não seja o leite materno – incluindo os chás Diarréia aguda é uma doença caracterizada
e a água – e que termina com a suspensão pela perda de água e eletrólitos, que resulta
completa do leite materno. no aumento do volume e da freqüência das
Desnutrição evacuações e diminuição da consistência das
Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças fezes, apresentando algumas vezes muco e
Termo genérico usualmente empregado para sangue (disenteria). A maioria dos episódios
discriminar deficiências nutritivas, referindo- de diarréia aguda é provocada por um agente
se, principalmente, à desnutrição energético- infeccioso e dura menos de duas semanas.
protéica. Didanosina
Desnutrição crônica Ver DDI
Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças Dideoxiinosine
Processo carencial de longa duração, expres- Ver DDI
so, ilustrativamente, no déficit de altura. Dideoxitidina
Desnutrição energético-protéica Ver DDC
Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças Dieta
Refere-se ao estado nutricional que ressalta a Categoria: Alimentação e Nutrição
deficiência de calorias e proteínas. Ocorre so- Genericamente, corresponde aos padrões ali-
bretudo em crianças. mentares dos indivíduos. Especificamente,
Detergente pode representar uma combinação recomen-
Categoria: Ambiente e Saúde  Vigilância em dada de alimentos em determinadas propor-
Saúde ções para atender necessidades terapêuticas.
Saneante domissanitário destinado a dissolver Difteria
gorduras e à higiene de recipientes e vasilhas Categoria: Doenças
e à aplicação de uso doméstico. Doença transmissível aguda, toxiinfecciosa,
Diabetes causada pelo bacilo toxicogênico gram-posi-
Categoria: Doenças tivo, denominado Corybebacterium diphthe-
Grupo de doenças com causas múltiplas e ca- rial. Aloja-se freqüentemente nas amígdalas,
racterizada por deficiência absoluta ou relativa na faringe, na laringe, no nariz e, ocasional-
de insulina ou por anomalia funcional da in- mente, em outras mucosas e na pele. É carac-
sulina e, conseqüentemente, hiperglicemia. terizada por placas pseudomembranosas.
Diarréia Digestão
Categoria: Doenças Categoria: Alimentação e Nutrição
Alteração do hábito intestinal normal, em Engloba todo o processo de redução da estra-
que uma evacuação por dia ou três vezes na da física e química do alimento durante a sua
semana é substituída por inúmeras dejeções passagem pelas vias digestivas, convertendo-o
líquidas. em formas, que passam ser absorvidos pelo
Diarréia aguda corpo através da corrente sangüínea.
Categoria: Doenças
Direção única
Doença de Alzheimer
DIR 43

Direção única Espaço descentralizado de construção do


Ver Comando único. SUS, considerado território estratégico para
Direitos civis e políticos estruturação das ações de saúde do traba-
Categoria: Direito Sanitário lhador. Distritos devem ser compreendidos
São aqueles que asseguram o direito à igual- como processo social de mudanças de práti-
dade perante a lei, garantindo que nenhuma cas sanitárias, tem dimensão política e ideoló-
pessoa pode ser discriminada ou impedida de gica (microespaço social) na estruturação de
gozar dos direitos previstos na Constituição uma nova lógica de atenção, pautada no pa-
Federal. Compreendem: direito ao registro radigma da concepção ampliada do processo
civil; direito dos presos; direito a um julga- saúde-doença, o que implica mudança cultu-
mento justo; proibição de tortura, de escravi- ral da abordagem sanitária.
dão; direito de ir e vir, à liberdade de opinião Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao
e de pensamento; direito de se associar e de Trabalho (Dort)
participar da vida política; direito a votar, fa- Categoria: Doenças
zer parte de partidos políticos, de candidatar- São afecções decorrentes das relações e da or-
se a cargos públicos. ganização do trabalho existentes no moderno
Dislipidemia mundo do trabalho, onde as atividades são
Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças relacionadas com movimentos repetitivos em
Termo que se refere a alterações, quase sem- posturas inadequadas, trabalho muscular es-
pre por excessos nos teores de lipídeos ou tático, conteúdo pobre das tarefas, monoto-
gorduras de sangue, como o colesterol. nia e sobrecarga mental, associadas à ausên-
Dispensação cia de controle sobre a execução das tarefas,
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos ritmo intenso de trabalho, pressão por pro-
É o ato profissional farmacêutico de pro- dução, relações conflituosas com as chefias e
porcionar um ou mais medicamentos a um estímulo à competitividade exarcebada. Vi-
paciente, geralmente como resposta à apre- bração e frio intenso também estão relaciona-
sentação de uma receita elaborada por um dos com o surgimento de quadros da doença.
profissional autorizado. Neste ato, o farma- Distúrbios alimentares
cêutico informa e orienta o paciente sobre o Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças
uso adequado do medicamento. Comportamentos anormais relacionados ao
Dispensário de medicamentos alimento e à nutrição.
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Doença de Alzheimer
Setor de fornecimento de medicamentos in- Categoria: Doenças
dustrializados, privativo de pequena unidade Processo degenerativo progressivo, com perda
hospitalar ou equivalente. de células na parte basal do pró-encéfalo, ao
Distritalização córtex cerebral, principalmente da formação
Categoria: Administração e Planejamento em hipocampal e área corticais associativas, bem
Saúde  Atenção à Saúde como de outras regiões encefálicas.
Doença de Chagas
44 DOE Doenças falciformes

Doença de Chagas nética ou adquiridas antes ou depois do nas-


Categoria: Doenças cimento.
Doença que na fase aguda, manifesta-se ge- Doenças crônico-degenerativas
ralmente por febre, tumefação local (chago- Categoria: Doenças
ma) ou edema bipalpebral unilateral, adeni- Doenças que apresentam evolução de longa
te regional (complexo oftalmoganglionar), duração, acompanhada de alterações degene-
podendo acompanhar-se de anemia tóxica, rativas em tecidos do corpo humano.
hepatomegalia, miocardite aguda e, eventual- Doenças da nutrição
mente, meningite. O início costuma ser dis- Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças
creto ou assintomático, caracterizando uma Terminologia para uma grande variedade de
fase indeterminada da doença, de duração doenças que resultam do baixo consumo, do
muito variável. consumo excessivo ou do desequilíbrio pro-
Doença de Parkinson longado da ingestão e utilização de princípios
Categoria: Doenças nutritivos que devem ser harmonicamente
Síndrome degenerativa do Sistema Nervo- combinados.
so Central, de etiologia desconhecida, len- Doenças degenerativas
tamente evolutiva e caracterizada por: a) re- Categoria: Doenças
dução e lentidão dos movimentos; b) rigidez Patologias que provocam a transformação de
muscular; c) tremor em repouso; d) instabili- um órgão de seu estado normal para um esta-
dade postural. do alterado, tornando-o incapaz ou deficien-
Doença de Wilson te em exercer suas atividades.
Categoria: Doenças Doenças do trabalho
Distúrbio autossômico recessivo do metabo- Categoria: Atenção à Saúde  Doenças
lismo do cobre, que se caracteriza pelo acú- Doença adquirida ou desencadeada em fun-
mulo de níveis tóxicos de cobre no fígado, no ção de condições especiais em que o trabalho
cérebro e nos olhos. é realizado.
Doença profissional Doenças dos idosos
Categoria: Atenção à Saúde  Doenças Categoria: Doenças
Doença produzida ou desencadeada pelo Em geral são crônicas e múltiplas, perduram
exercício do trabalho peculiar a determina- por vários anos e exigem acompanhamento
da atividade e constante da respectiva relação médico e de equipes multidisciplinares per-
elaborada pelo Ministério do Trabalho e da manentes, além de intervenções contínuas.
Previdência Social. Doenças falciformes
Doenças cardiovasculares Categoria: Doenças
Categoria: Doenças  Drogas de Uso Tera- Termo genérico usado para determinar um
pêutico e Social grupo de alterações genéticas caracterizadas
Doenças que afetam o coração, o sistema vas- pelo predomínio da hemoglobina S (HbS).
cular ou ambos, podendo ser de natureza ge- No Brasil, a doença distribui-se heterogenea-
Doenças oportunistas
Drogas lícitas
DOE 45

mente, sendo mais freqüente onde a proporção Execução de atividades de trabalho no espaço
de antepassados negros da população é maior familiar que acarreta a transferência de riscos/
(Nordeste). Além das manifestações de ane- fatores de risco ocupacionais para o fundo
mia crônica, o quadro é dominado por episó- dos quintais, ou mesmo para dentro de casa.
dios de dores osteoarticulares, dores abdomi- Donovanose
nais, infecções e enfartes pulmonares, retardo Categoria: Doenças
do crescimento e maturação sexual, acidente Doença crônica progressiva que acomete pre-
vascular cerebral e comprometimento crônico ferencialmente pele e mucosas das regiões ge-
de múltiplos órgãos, sistemas ou aparelhos. nitais, perianais e inguinais. A donovanose é
Doenças oportunistas freqüentemente associada à transmissão se-
Categoria: Doenças xual, embora os mecanismos de transmissão
Doenças causadas por agentes de baixa capa- não sejam ainda bem conhecidos.
cidade patogênica – que geralmente não cau- Drogas
sam doenças –, mas que ocorrem devido à Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
diminuição da capacidade imunitária do pa- Substância ou matéria-prima que tenha fina-
ciente. lidade medicamentosa ou sanitária.
Doenças prevalentes Drogas ilícitas
Categoria: Doenças Categoria: Drogas de Uso Terapêutico e Social
Doenças com maior número de casos exis- Produtos contendo substâncias psicoativas
tentes em função da população de uma re- cuja produção, promoção, comercialização e
gião geográfica determinada. consumo são criminalizadas.
Doenças renais Drogas injetáveis
Categoria: Doenças Categoria: Drogas de Uso Terapêutico e Social
As doenças renais são tradicionalmente di- São substâncias injetadas por via intravenosa
vididas em quatro categorias, que obedecem (a mais freqüentemente utilizada), intramus-
aos quatro compartimentos anatômicos bá- cular, ou, mais raramente, subcutânea. Em
sicos: glomérulos, túbilos, interstício e vasos nosso País, as drogas ilícitas mais freqüente-
sangüíneos. Entretanto, muitos distúrbios mente injetadas são a cocaína, a heroína e al-
afetam mais de uma estrutura e a interdepen- gumas preparações das anfetaminas.
dência anatômica desses compartimentos sig- Drogas lícitas
nifica que a lesão de um deles afeta secunda- Categoria: Drogas de Uso Terapêutico e Social
riamente, os outros. Produtos contendo substâncias psicoativas
Doenças sexualmente transmissíveis cuja produção, comercialização e uso não é
Categoria: Doenças criminalizado. No nosso meio, as drogas lí-
São doenças infecciosas adquiridas por con- citas mais consumidas são as bebidas alcoóli-
tágio sexual. cas, o tabaco e os medicamentos.
Domiciliação do risco
Categoria: Atenção à Saúde
47

E
Eczema que permitem verificar se uma pessoa está in-
Categoria: Doenças fectada por um agente.
É uma doença inflamatória da pele caracteri- Embriaguez
zada por eritema, edema, vesículas, escomas, Categoria: Drogas de Uso Terapêutico e Social
crostas e liquenificação. Associada a prurido e Quando os efeitos imediatos do uso do álcool
saudada por fatores exógenos ou endógenos. tornam-se mais intensos caracteriza-se um
Educação continuada caso de embriaguez cujas peculiaridades es-
Categoria: Recursos Humanos em Saúde Pú- senciais são as mudanças de comportamento
blica que podem incluir agressividade incapacida-
Constitui-se no processo de permanente de de julgamento, euforia, depressão, labi-
aquisição de informações pelo trabalhador, lidade emocional e outras manifestações de
de todo e qualquer conhecimento, por meio comprometimento social ou ocupacional do
de escolarização formal, de vivências, de ex- indivíduo.
periências laborais e emocionais, no âmbito Endemia
institucional ou fora dele. Categoria: Epidemiologia
Educação permanente É a presença contínua de uma enfermidade
Ver Educação continuada ou de um agente infeccioso em uma zona geo-
Educação sexual gráfica determinada; pode também expressar
Categoria: Promoção e Educação em Saúde a prevalência usual de uma doença particular
Ação educativa realizada pela família, pela es- numa zona geográfica.
cola, pelos serviços de saúde e por outros ato- Endemias carenciais
res sociais, cujo objetivo é a preparação para Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças
uma vida sexual mais prazerosa, sadia e se- Endemias carenciais, como a anemia ferro-
gura. priva, a desnutrição energético-protéica e o
Eficácia dos medicamentos bócio, ocorrem com uma freqüência regular
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos e praticamente constante e prevalência acima
A capacidade de o medicamento atingir o dos limites tolerados como “normais”.
efeito terapêutico visado. Enriquecimento alimentar
Elisa Categoria: Alimentação e Nutrição
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Adição de determinados nutrientes (vitami-
Sigla de Enzyme Linked Immunosorbent As- nas, sais minerais ou outros) a alimentos com
say que significa ensaios imuno-enzimáticos baixo conteúdo em relação a determinados
Ensaio terapêutico
48 ENS Equipe multiprofissional

princípios nutritivos. características da população exposta, sua ex-


Ensaio terapêutico periência prévia ou falta de exposição à en-
Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde fermidade, e o local e a época do ano em que
Experimentação científica conduzida em se- ocorre.
res humanos, que tem como objetivo de- Epidemiologia descritiva
monstrar o benefício (eficácia, interesse prá- Categoria: Epidemiologia
tico, inocuidade relativa...) de uma droga ou Inclui a definição de casos potencialmente
de uma estratégia terapêutica. Essa metodo- causados pelo agente ambiental, visando a
logia traz uma dupla garantia em comparação diferenciar os casos epidêmicos daqueles de
com a avaliação intuitiva, não-experimental, ocorrência habitual na população estudada,
de um novo tratamento. tendo como denominador a população sob
Ensaios clínicos risco, ou seja, aquela onde podem ocorrer
Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde os casos. Uma vez estabelecido que os casos
Qualquer pesquisa que, individual ou cole- ocorrem com maior freqüência que o espera-
tivamente, envolva o ser humano, de forma do, deve-se estabelecer um sistema de pesqui-
direta ou indireta, em sua totalidade ou par- sa de casos que permita conhecer melhor sua
tes dele, incluindo o manejo de informações distribuição na população.
ou materiais. Epilepsia
Ensaios de comunidade Categoria: Doenças
Categoria: Atenção à Saúde  Ciência e Tec- É definida como um distúrbio cerebral crôni-
nologia em Saúde co, de várias etiologias, caracterizado por cri-
Onde um grupo de indivíduos como um ses epiléticas recorrentes e espontâneas.
todo, é usado para determinar a eficácia da Eqüidade
droga ou procedimento que está sendo tes- Categoria: Eqüidade em Saúde e Social
tado. Igualdade na assistência à saúde, com ações e
Envelhecimento populacional serviços priorizados em função de situações de
Categoria: Demografia risco, das condições de vida e da saúde de de-
Ocasiona um incremento das doenças crôni- terminados indivíduos e grupos de população.
co-degenerativas no perfil epidemiológico da Equipamento de diagnóstico
população. Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Epidemia Equipamento, aparelho ou instrumento de
Categoria: Epidemiologia uso médico, odontológico ou laboratorial,
É a manifestação, em uma coletividade ou re- destinado à detecção de informações do or-
gião, de um corpo de casos de alguma enfer- ganismo humano para auxílio a procedimen-
midade que excede claramente a incidência to clínico.
de uma doença prevista. O número de casos Equipe multiprofissional
que indica a existência de uma epidemia va- Categoria: Recursos Humanos em Saúde Pú-
ria com o agente infeccioso, o tamanho e as blica
Equivalência in vitro
Ética em pesquisa
ESC 49

Composta por médico assistente, enfermeiro, Estudo Terapêutico Ampliado


técnico-enfermagem, fisioterapeuta, nutricio- Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
nista, assistente social, fonoaudióloga, psicó- São estudos realizados em grandes e variados
logo e terapeuta ocupacional. grupos de pacientes, com o objetivo de deter-
Equivalência in vitro minar: o resultado do risco/benefício a curto
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos e longo prazos das formulações do princípio
Condições em que dois ou mais medicamen- ativo de maneira global (geral).
tos ou fármacos, exercem o mesmo efeito far- Estudo Terapêutico Piloto
macológico, quantitativamente, em cultivos Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
de células. Visa a demonstrar a atividade e estabelecer a
Escabiose segurança a curto prazo do princípio ativo,
Categoria: Doenças em pacientes afetados por uma determinada
Eczema causado pelo ácaro Sarcoptes scabiei enfermidade ou condição patológica. As pes-
var hominis. É transmitida pelo contato pes- quisas realizam-se em um número limitado
soal, sem preferência por idade, sexo ou raça. (pequeno) de pessoas e freqüentemente são
O principal sintoma é o prurido noturno. seguidas de um estudo de administração.
Estabelecimentos de saúde Estudos descritivos
Categoria: Atenção à Saúde Categoria: Epidemiologia
Denominação dada a qualquer local destina- Descrevem como ocorrem os efeitos causados
do a realização de ações e/ou serviços de saú- à saúde segundo variáveis de interesse do pro-
de, coletiva ou individual, qualquer que seja fissional da saúde, ou seja, sexo, idade, ocu-
o seu porte ou nível de complexidade. pação, etc.
Estrutura de gênero Estudos ecológicos
Categoria: Ciências Sociais em Saúde Categoria: Ambiente e Saúde
Delimita o poder entre os sexos. Mesmo Estudos voltados a grupos populacionais uti-
quando a norma legal é de igualdade, na vida lizando índices ou taxas de mortalidade e
cotidiana encontramos a desigualdade e a ini- morbidade, variáveis ambientais, culturais,
qüidade na distribuição do poder e da rique- socioeconômicas. São considerados também
za entre homens e mulheres. como estudo analítico.
Estudo de Utilização de Medicamentos (EUM) Estupro
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Categoria: Acidentes e Violência
São aqueles relacionados com a comercializa- Ato de penetração oral, anal ou vaginal, utili-
ção, distribuição, prescrição e uso de medica- zando o pênis ou objetos e cometido à força
mentos em uma sociedade, com ênfase sobre ou sob ameaça, submetendo a vítima ao uso
as conseqüências médicas, sociais e econômi- de drogas, ou ainda quando esta for incapaz
cas resultantes; complementarmente, tem-se de ter julgamento adequado.
os estudos de farmacovigilância e os ensaios Ética em pesquisa
clínicos. Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde 
Evento adverso
50 EVE Explosão demográfica

Ética e Bioética O exame de genotipagem tem como objeti-


Termo utilizado de forma ampla, inclui dife- vo pesquisar o padrão de mutações respon-
rentes assuntos relevantes do ponto de vista sáveis pela falha terapêutica de causa viral do
da ética em pesquisa envolvendo seres huma- paciente e inferir o perfil de resistência desta
nos e demais seres vivos. Inclui o comparti- variante.
lhamento justo dos créditos de autoria en- Expectativa de vida ao nascer
tre participantes de um grupo de pesquisa; o Categoria: Demografia
comportamento responsável na submissão ou É o tempo que seria esperado para um recém-
revisão de pedidos de bolsas de pesquisa e, nascido poder viver, em média.
com maior visibilidade, o tratamento respon- Explosão demográfica
sável de sujeitos de pesquisa. Categoria: Demografia
Evento adverso Aumento da proporção da população de jo-
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos vens. A taxa de nascimentos aumenta e a
Qualquer ocorrência médica desfavorável ao mortalidade diminui consideravelmente, o
paciente ou sujeito da investigação clínica e que ocasiona um crescimento muito grande
que não tem necessariamente relação causal da população às custas, principalmente, da
com o tratamento. população jovem.
Evento adverso inesperado
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Um evento adverso cuja natureza ou severi-
dade não é consistente com as informações
aplicáveis ou conhecidas do produto, e não
está descrito na bula ou monografia do pro-
duto, brochura do pesquisador ou no proto-
colo do estudo.
Evento adverso sério
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Qualquer ocorrência médica desfavorável que
resulta em: 1 - Morte; 2 - Ameaça ou risco de
vida; 3 - Hospitalização ou prolongamento
de uma hospitalização preexistente, excetu-
ando-se as cirurgias eletivas e as internações
previstas no protocolo; 4 - Incapacidade per-
sistente ou significativa; 5 - Anomalia congê-
nita ou defeito de nascimento; e 6 - Ocorrên-
cia médica significativa.
Exame de genotipagem
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
51

F
Família Substância química que é o princípio ativo
Categoria: Ciências Sociais em Saúde do medicamento.
Grupo de pessoas com vínculos afetivos, de Farmacocinética
consangüinidade ou de convivência. A famí- Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
lia é o primeiro núcleo de socialização dos in- São todas as modificações que um sistema
divíduos; quem primeiro transmite os valores, biológico produz em um princípio ativo.
usos e costumes que irão formar as persona- Operativamente é o estudo da cinética (re-
lidades e a bagagem emocional das pessoas. lação quantitativamente entre a variável in-
Existem várias formas de organização familiar dependente tempo e a variável dependente
– as famílias monoparentais, as reconstruídas, concentração) dos processos de absorção, dis-
as uniões estáveis, os casais do mesmo sexo, tribuição, biotransformação e excreção dos
as famílias tradicionais. Uma criança pode medicamentos (princípios ativos e/ou meta-
ter um pai biológico e pais sociais (que se in- bolitos).
tegram ao grupo familiar, assumindo papéis Farmacodinâmica
paternos). Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Farmácia popular São todas as modificações que um princípio
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos ativo produz em um sistema biológico. Do
É um programa do MS, para distribuição de ponto de vista prático, é o estudo dos efeitos
medicamentos à população de todos os mu- bioquímicos e fisiológicos dos medicamentos
nicípios que tenham equipes do Programa e seus mecanismos de ação.
Saúde da Família implantadas e em funcio- Farmacoepidemiologia
namento. Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Farmácias magistrais Aplicação do método e raciocínio epidemio-
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos lógico no estudo dos efeitos, benéficos e ad-
Farmácias autorizadas a manipular medica- versos, e do uso de medicamentos em popu-
mento, inclusive o que contém psicotrópicos lações humanas.
ou entorpecentes, cuja atividade requer au- Farmacopéia brasileira
torização especial de funcionamento expedi- Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
do pelo órgão competente do Ministério da Conjunto de normas e monografias de far-
Saúde. moquímicos, estabelecido por e para um país.
Fármaco Farmacoterapia
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Farmacovigilância
52 FAR Formação profissional

A aplicação dos medicamentos na prevenção Febre tifóide


ou tratamento de doenças. Categoria: Doenças
Farmacovigilância Doença ou infecção causada pelo sorovar Sal-
Categoria: Vigilância em Saúde monella Typhi, um bacilo Gram-negativo da
É a identificação e avaliação dos efeitos, agu- família Enterobacteriacede, que é eliminado
dos ou crônicos, do risco do uso dos trata- pelas fezes e urina dos indivíduos infectados.
mentos farmacológicos no conjunto da po- Ingeridos com água ou alimentos poluídos,
pulação ou em grupos de pacientes expostos os bacilos que penetram na mucosa do íleo
a tratamentos específicos. ou cólon, multiplicam-se aí e invadem a cir-
Farmoquímicos culação aparecendo de forma insidiosa depois
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos de 7 a 20 dias de incubação.
Todas as substâncias ativas ou inativas que Feminilização no envelhecimento
são empregadas na fabricação de produtos Categoria: Demografia
farmacêuticos. O número de mulheres com 60 anos ou mais
Fator de Incentivo ao Desenvolvimento de é superior ao número de idosos homens. Da
Ensino e Pesquisa (Fideps) mesma forma, a proporção de idosas em re-
Categoria: Economia de Saúde lação à população total de mulheres supera
Valor adicional àquele recebido pelo hospital àquela correspondente aos homens idosos.
pela prestação de serviços. Esse valor é men- Feminização da aids
sal e definido pelo gestor estadual ou munici- Categoria: Epidemiologia
pal no contrato de gestão. Conceito oriundo da epidemiologia, que des-
Febre amarela creve uma mudança no padrão de dissemina-
Categoria: Doenças ção do HIV no Brasil (e no mundo), signifi-
Doença febril aguda de manifestações que vão cando um aumento (progressivo) do número
desde sintomas inespecíficos até doença ictéri- de mulheres infectadas e/ou doentes ao longo
ca hemorrágica fatal. A transmissão epidêmi- do período de observação.
ca está relacionada à presença do Aedes aegypti, Ferro medicamentoso
vetor que coloniza centros urbanos. Procrian- Categoria: Alimentação e Nutrição
do-se em coleções de água no domicílio ou pe- Composto orgânico ou inorgânico de ferro
ridomicílio. Pode apresentar ainda transmissão usado para tratamento das anemias.
silvestre por outro tipo de vetor (Haemagogus) Formação profissional
que mantém o ciclo com macacos. Categoria: Recursos Humanos em Saúde Pública
Febre do nilo ocidental É o processo que sistematiza os conhecimen-
Categoria: Doenças tos técnicos e científicos por meio da edu-
Infecção ou doença geralmente benigna cau- cação profissional de nível básico, técnico e
sada pelo Alphavirus do Oeste do Nilo. É ca- superior, com o objetivo de propiciar ao indi-
racterizada por um quadro agudo febril, com víduo o permanente desenvolvimento de ap-
linfadenopatia e, por vezes, exantema. tidões, habilidades, competências e posturas
Formulação farmacêutica
Furúnculo
FOR 53

solidárias perante os usuários, para o exercí- tendo como missão ser uma agência de pro-
cio do trabalho e da educação a fim de inseri- moção e proteção à saúde, mediante ações in-
lo nos setores profissionais. tegradas de educação e de prevenção e con-
Formulação farmacêutica trole de doenças e outros agravos, bem como
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos em atendimento integral à saúde dos povos
Relação quantitativa dos farmoquímicos que indígenas, visando à melhoria da qualidade
compõe um medicamento. de vida da população.
Formulário terapêutico nacional Fundo Estadual de Saúde
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Categoria: Economia da Saúde
Documento que reúne os medicamentos dis- Tem por objetivo criar condições financeiras
poníveis em um país e que apresenta infor- e de administração de recursos destinados ao
mações farmacológicas destinadas a promo- desenvolvimento das ações e serviços de saú-
ver o uso efetivo, seguro e econômico desses de executados ou coordenados pela Secretaria
produtos. Estadual de Saúde (SES) no âmbito do SUS.
Fracionamento de alimentos Fundo Municipal de Saúde
Categoria: Alimentação e Nutrição Categoria: Economia de Saúde
Operações através das quais se divide um ali- É a conta onde são depositados todos os re-
mento, sem modificar sua composição original. cursos repassados ao município pelo Ministé-
Fração Assistencial Especializada (FAE) rio da Saúde e pelo estado para a saúde, além
Categoria: Economia de Saúde daqueles destinados à saúde pelo próprio mu-
É um montante que corresponde a procedi- nicípio.
mentos ambulatoriais de média complexida- Fundo Nacional de Saúde (FNS)
de, medicamentos e insumos excepcionais, Categoria: Economia da Saúde
órteses e próteses ambulatoriais e Tratamen- É o gestor financeiro, na esfera federal, dos
to Fora do Domicílio (TFD), sob gestão do recursos do Sistema Único de Saúde (SUS).
estado. Fundos de saúde
Franca explosão demográfica Categoria: Economia de Saúde
Categoria: História da Saúde Pública São contas específicas que englobam todos os
Período que ocorreu a partir da Segunda recursos destinados ao setor Saúde federais,
Guerra Mundial, onde a mortalidade come- estaduais, municipais, de doações e de ren-
çava a declinar e a fecundidade permanecia dimentos e que, obrigatoriamente, só podem
alta, período que se completou no começo ser utilizados em ações e serviços de saúde.
dos anos 70 com o início da queda acentuada Furúnculo
da fecundidade. Categoria: Doenças
Fundação Nacional de Saúde (Funasa) É um abscesso estafilocócico perifolicular,
Categoria: Epidemiologia circunscrito, arredondado, doloroso e agudo
Órgão executivo do Ministério da Saúde, que geralmente termina em supuração renal.
55

G
Gelados comestíveis Gestão Avançada do Sistema Estadual
Categoria: Alimentação e Nutrição Categoria: Administração e Planejamento em
Produtos alimentícios obtidos a partir de uma Saúde
emulsão de gorduras e proteínas, com ou sem As responsabilidades específicas deste tipo de
adição de outros ingredientes e substâncias gestão são: contratação, controle, auditoria
que tenham sido submetidas ao congelamen- e pagamento do conjunto dos serviços, sob
to, em condições que garantam a conservação gestão estadual, contidos na FAE; contra-
do produto no estado congelado ou parcial- tação, controle, auditoria e pagamento dos
mente congelado, durante o armazenamento, prestadores de serviços incluídos no PAB dos
o transporte, a comercialização e a entrega do municípios não habilitados; ordenação de
consumo. pagamento dos demais serviços hospitalares
Gênero e ambulatoriais sob gestão estadual; operação
Categoria: Ciências Sociais em Saúde do SIA-SUS, conforme normas do MS, e ali-
É a construção cultural coletiva dos atributos mentação dos bancos de dados de interesse
de masculinidade e feminilidade. Esse concei- nacional.
to foi proposto para distinguir-se do conceito Gestão do SUS
de sexo, que define as características biológi- Categoria: Administração e Planejamento em
cas de cada indivíduo. Saúde
Gerência em saúde É a responsabilidade da União, dos estados,
Categoria: Administração e Planejamento em do Distrito Federal e dos municípios, que,
Saúde por meio dos seus órgãos gestores, utilizam
Administração de uma unidade ou órgão de vários instrumentos de gestão objetivando
saúde (ambulatório, hospital, instituto, fun- garantir e aperfeiçoar o funcionamento do
dação, etc.) que se caracterizam como presta- sistema de saúde.
dores dos serviços do SUS. Gestão Estadual de Saúde
Gestação de alto risco Categoria: Administração e Planejamento em
Categoria: Atenção à Saúde Saúde
Por gestação de alto risco entende-se como A habilitação dos estados às diferentes condi-
sendo aquela na qual a vida ou a saúde da ções de gestão significa a declaração dos com-
mãe e/ou do feto tem maiores chances de ser promissos assumidos por parte do gestor pe-
atingida por complicações que a média das rante os outros gestores e perante a população
gestações. sob sua responsabilidade. Os estados poderão
Gestão Federal de Saúde
56 GES Gonorréia

habilitar-se sob duas condições de gestão: a) Gestão Plena do Sistema Estadual


gestão avançada do sistema estadual e b) ges- Categoria: Administração e Planejamento em
tão plena do sistema estadual. Saúde
Gestão Federal de Saúde As responsabilidades específicas deste tipo de
Categoria: Administração e Planejamento em gestão são: contratação, controle, auditoria e
Saúde pagamento aos prestadores do conjunto dos
Responsável pela formulação de políticas na- serviços sob gestão estadual, conforme de-
cionais de saúde, planejamento, normaliza- finição da CIB; operação do SIA-SUS e do
ção, avaliação e controle do SUS em nível SIH-SUS, conforme normas do MS, e ali-
nacional e pelo financiamento das ações e mentação dos bancos de dados de interesse
serviços de saúde por meio da aplicação/dis- nacional.
tribuição de recursos públicos arrecadados. Gestão Plena do Sistema Municipal
Gestão Municipal de Saúde Categoria: Administração e Planejamento em
Categoria: Administração e Planejamento em Saúde
Saúde O município habilita-se a responder por to-
Responsável pela formulação da política mu- das as ações e serviços que garantam o atendi-
nicipal de saúde e a provisão das ações e ser- mento integral de saúde da sua população.
viços de saúde, financiados com recursos pró- Gestor de saúde
prios ou transferidos pelo Gestor Federal e/ou Categoria: Recursos Humanos em Saúde Pú-
Estadual do SUS. blica
Gestão Plena da Atenção Básica São os responsáveis pelo SUS em cada esfera
Categoria: Administração e Planejamento em do governo: sistemas municipais, estaduais,
Saúde do Distrito Federal e nacional de saúde.
Nesta gestão o município habilita-se a res- Gonorréia
ponder apenas pelas ações básicas de saúde. Categoria: Doenças
Gestão Plena da Atenção Básica Ampliada Doença infectocontagiosa de transmissão
Categoria: Administração e Planejamento em predominantemente sexual, causada pela
Saúde bactéria Neisseria gonorrhoeae ou Gonoco-
Os municípios habilitados nesta condição de co, que se caracteriza por provocar processos
gestão devem dispor de condições de ofertar inflamatórios na uretra (uretrite), colo ute-
com suficiência e qualidade todo o elenco rino (cervicite) e reto/ânus (proctite). A go-
de procedimentos propostos para a Atenção norréia é bastante prevalente nos países em
Básica Ampliada, constantes no anexo 1 e 2 desenvolvimento, embora ocorra no mundo
da NOAS/SUS 01/01. Além dos serviços de inteiro. Geralmente, o tratamento é simples
média e alta complexidades por meio de refe- e eficaz, mas, recentemente, vêm sendo ob-
rências de sua população para outros municí- servadas variantes resistentes aos antibióticos
pios, segundo “pactuação” estabelecida. tradicionais.
Gravidez de alto risco
Guias terapêuticos padronizados
GRA 57

Gravidez de alto risco


Ver Gestação de alto risco.
Grupo de apoio ao idoso
Categoria: Atenção à Saúde
Grupo que promove ações que visem à me-
lhoria da qualidade de vida dos idosos.
Grupo matricial
Categoria: Ciências Sociais em Saúde
Grupo composto por lideranças lésbicas do
país, filiadas a ONGs que desenvolvem tra-
balhos no âmbito da promoção da saúde, da
visibilidade lésbica e do combate à epidemia
do HIV/DST. Foi criado pela CN-DST/
AIDS em 2001, para ações de prevenção das
DST/aids junto às mulheres que fazem sexo
com mulheres (MSM).
Guias terapêuticos padronizados
Categoria: Doenças
Coleções de roteiros terapêuticos preconiza-
dos para doenças diversas.
59

H
Habilitação Vigilância em Saúde
Categoria: Administração e Planejamento em Tem por objetivo garantir maior controle
Saúde nas inspeções de qualidade dos sangues doa-
Declaração dos compromissos assumidos por dos para os hemocentros e cadastramento das
parte do gestor perante os outros gestores e inspeções realizadas nas unidades hemoterá-
perante a população sob sua responsabilidade. picas públicas e privadas.
Hábitos saudáveis Hemocentro
Categoria: Atenção à Saúde Categoria: Atenção à Saúde  Vigilância em
Alimentação adequada e balanceada; a prá- Saúde
tica regular de exercícios físicos; a convivên- Órgão executor das atividades hemoterápicas
cia social estimulante; e a busca, em qualquer e hematológicas, em cuja estrutura mantém
fase da vida, de uma atividade ocupacional instalações apropriadas para o atendimento
prazerosa e de mecanismos de atenuação do completo ao doador de sangue.
estresse. Hemoderivados
Hanseníase Categoria: Vigilância em Saúde
Categoria: Doenças São os produtos oriundos do sangue ou do
Doença infectocontagiosa, crônica, curá- plasma, obtidos por meio de processamento
vel, causada pelo Bacilo de Hansen. O poder físico-químico ou biotecnológico.
imunogênico do bacilo é responsável pelo alto Hemofilia
potencial incapacitante da hanseníase. Um Categoria: Doenças
caso de hanseníase, definida pela Organização A hemofilia é definida como uma coagulo-
Mundial da Saúde, é uma pessoa que apresen- patia, doença da coagulação do sangue, cujo
ta um ou mais dos critérios listados a seguir, portador possui deficiência dos fatores de coa-
com ou sem história epidemiológica e que re- gulação sangüínea, os quais são responsáveis
quer tratamento quimioterápico específico: pela coagulação, impedindo que haja hemor-
lesão(ões) de pele com alteração de sensibili- ragias interna e/ou externa.
dade; espessamento de nervo(s) periférico(s), Hemoinsp
acompanhado de alteração de sensibilidade; e Categoria: Administração e Planejamento em
baciloscopia positivo para o bacilo de Hansen. Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde 
Hemocad Vigilância em Saúde
Categoria: Administração e Planejamento em Tem por objetivo garantir maior controle e
Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde  qualidade dos sangues doados, mantendo um
Hemovigilância
60 HEM Hepatite viral D

registro atualizado de todas as unidades he- Hepatite viral A


moterápicas do País, controlando desde os Categoria: Doenças
serviços fornecidos até os serviços recebidos Doença aguda e autolimitada causada pelo ví-
de terceiros, além do cadastramento das Uni- rus da hepatite A que se acompanha de febre,
dades Hemoterápicas Públicas e Privadas. em metade dos casos, mas que não progride
Hemovigilância para uma fase crônica. A ponte de infecção é
Categoria: Administração e Planejamento em o próprio homem (raramente macacos), e a
Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde  transmissão é direta, por mãos sujas (circuito
Vigilância em Saúde fecal-oral) ou por água e alimentos contami-
Tem por objetivo aumentar a segurança nas nados (sobretudo ostras e mexilhões).
transfusões sangüíneas, com particular ênfase Hepatite viral B
nos incidentes transfusionais. Busca-se atin- Categoria: Doenças
gir esse objetivo mediante recolhimento e Doença aguda ou crônica causada pelo vírus
avaliação de informações sobre os efeitos in- da hepatite B ou HBV, que infecta especifica-
desejáveis e/ou inesperados da utilização de mente o homem (e o chipanzé). A infecção é
hemocomponentes a fim de prevenir o apare- adquirida, em geral, por ocasião de transfu-
cimento ou recorrência desses efeitos. O pro- sões, de infecções percutâneas com derivados
cesso de recolhimento de informações é feito do sangue, ou do uso de agulhas e seringas
por intermédio de notificação de incidentes contaminadas (sobretudo entre viciados em
transfusionais, por parte de hospitais sentine- drogas injetáveis).
las e hemocentros. Hepatite viral C
Hepatite Categoria: Doenças
Categoria: Doenças Doença causada pelo vírus da hepatite C, ou
Termo geral para inflamação do fígado, que Hepacavirus, que responde por 90% ou mais
convencionalmente designa também altera- dos casos de hepatite anteriormente denomi-
ções degenerativas ou necróticas dos hepató- nada “não-A não-B”. O vírus pode permane-
citos. Pode ser aguda ou crônica e ter como cer no sangue durante semanas ou anos, mas
causa uma variedade de agentes infecciosos não é encontrado nas fezes.
ou de outra natureza. As manifestações clí- Hepatite viral D
nicas variam desde anorexia e mal-estar até Categoria: Doenças
fenômenos hemorrágicos e coma. Doença causada pelo vírus da hepatite D,
Hepatite viral que é um vírus RNA defeituoso, de fita
Categoria: Doenças simples, com 37mm de diâmetro. A in-
Hepatite que tem como característica níveis fecção pode fazer-se de duas maneiras. A
elevados de aminotransferases no soro. São primeira quando o paciente sofre uma in-
divididas em hepatites virais A e E (transmi- fecção simultânea pelas partículas virais
tidas por via oral) e hepatites virais B, C e D HBV e HDV e quando a infecção pela
(adquiridas por via parenteral). hepatite D se dá em um paciente que já
Hepatite viral E
Hospital de pequeno porte
HEP 61

apresentava infecção crônica de hepatite Hipovitaminose A


viral B. Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças
Hepatite viral E Baixa disponibilidade de vitamina A nos de-
Categoria: Doenças pósitos hepáticos e níveis diminuídos no san-
Doença infecciosa causada pelo vírus da he- gue, apresentando ou não sintomas e sinais
patite E, que possui um RNA de fita simples de deficiência.
e polaridade positiva, semelhante ao dos ca- História natural das doenças
licivírus. Categoria: Epidemiologia
Herança genética Descrição que inclui as características das
Categoria: Atenção à Saúde funções de infecção, distribuição da doença
É a propriedade dos seres vivos de transmiti- segundo os atributos das pessoas, tempo e es-
rem suas características aos descendentes. paço, distribuição e características ecológicas
Herpes simples do(s) reservatório(s) do agente; mecanismos
Categoria: Doenças de transmissão e efeitos da doença sobre o
É comumente associado a lesões de mem- homem.
branas, mucosas e pele, ao redor da cavi- Hospital
dade oral (herpes orolabial) e da genitá- Categoria: Atenção à Saúde
lia (herpes anogenital). O vírus do herpes Estabelecimentos de Saúde destinado a pres-
simples determina quadros variáveis be- tar assistência médica e hospitalar a pacientes
nignos ou graves. Há dois tipos de vírus: em regime de internação.
o Tipo1, responsável por infecções na face Hospital de base
e no tronco, e o tipo 2 relacionadas às in- Categoria: Atenção à Saúde
fecções na genitália e de transmissão ge- Destina-se primordialmente a prestar assis-
ralmente sexual. tência especializada mais diferenciada a pa-
Hierarquização cientes referidos de áreas ou estabelecimentos
Categoria: Atenção à Saúde de menor complexidade.
Rede de saúde em nível de atenção, nos quais as Hospital de capacidade extra
ações básicas de saúde absorvem a maior parte Categoria: Atenção à Saúde
da procura pelos serviços. Apenas os casos mais Hospital cuja capacidade está acima de 500
graves são encaminhados para a rede hospitalar. leitos.
Hipertensão arterial Hospital de grande porte
Categoria: Doenças Categoria: Atenção à Saúde
Elevação persistente da pressão sangüínea no Hospital cuja capacidade é de 151 a 500 leitos.
sistema circulatório acima de uma linha divi- Hospital de médio porte
sória arbitrária, posto que os valores da pres- Categoria: Atenção à Saúde
são normal, em uma população, distribuem- Hospital cuja capacidade é de 51 a 150 leitos.
se segundo uma curva de Gauss e para cada Hospital de pequeno porte
indivíduo varia em função do tempo. Categoria: Atenção à Saúde
Hospital-dia geriátrico
62 HOS Humanização do atendimento

Hospital cuja capacidade é de até 50 leitos. gicas (teciduais) importantes, como as displa-
Hospital-dia geriátrico sias e as neoplasias (características dos tumo-
Categoria: Atenção à Saúde res). Existem mais de 70 subtipos diferentes
Constitui uma forma intermediária de as- de HPV, alguns dos quais oncogênicos (ou
sistência à saúde situado entre a Internação seja, capazes de induzir transformações celu-
Hospitalar e a Assistência Domiciliar poden- lares de natureza cancerígena).
do, também, se complementar a esta. Visa a A principal via de transmissão do Papiloma
assistir aqueles idosos, cuja necessidade te- Vírus Humano (HPV) é a sexual (relação va-
rapêutica e de orientação para cuidados não ginal e anal desprotegida), tanto em homens
justificam sua permanência contínua em am- como em mulheres, mas outras formas de
biente hospitalar. Também é indicado para o contágio são descritas na literatura: por via
auxílio de famílias que não apresentem con- sangüínea, pelo canal do parto (no momento
dições adequadas para assistir às demandas do nascimento) e até mesmo pelo beijo.
assistenciais desse idoso. Humanização
Hospital especializado Categoria: Atenção à Saúde
Categoria: Atenção à Saúde A humanização é entendida como valor, na
É o estabelecimento de saúde destinado a medida em que resgata o respeito à vida hu-
prestar assistência médica em uma ou mais mana. Abrange circunstâncias sociais, éticas,
especialidades. educacionais e psíquicas presentes em todo
Hospital local relacionamento humano. Esse valor é defini-
Categoria: Atenção à Saúde do em função do seu caráter complementar
É o que presta assistência médica em quatro aos aspectos técnicos.
especialidades médicas, para uma população Humanização do atendimento
de área geográfica determinada. Categoria: Atenção à Saúde
Hospital regional Responsabilização mútua entre os serviços
Categoria: Atenção à Saúde de saúde e a comunidade e estreitamento do
O que presta assistência própria do hospital vínculo entre as equipes de profissionais e a
local, além de outras especialidades, a pacien- população.
tes de sua área programática.
HPV
Categoria: Doenças
Os papilomavírus humanos (HPV, na sigla
em língua inglesa) pertencem à família Pa-
pillomaviridae e são capazes de induzir lesões
de pele ou mucosa. Estas, o mais das vezes,
apresentam um crescimento limitado e re-
gridem espontaneamente, mas, em alguns
casos, podem evoluir para alterações histoló-
63

I
Identidade sexual imunológicos ou a organização e funciona-
Categoria: Ciências Sociais em Saúde mento do sistema imunológico, cujo desen-
Refere-se ao sentimento da pessoa em rela- volvimento foi marcado desde o índice por
ção ao fato de pertencer ao sexo feminino ou notáveis êxitos práticos, como a produção de
masculino. vacinas (primeiros recursos efetivos utilizados
Idiotia no controle de doenças), a erradicação da va-
Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças ríola e o estabelecimento de grande número
Retardo físico, motor e mental ocasionado de métodos diagnósticos precisos.
pela deficiência grave de iodo no período fe- Imunopatogênico
tal e nos primeiros meses de vida. Categoria: Doenças
Idoso Fase da infecção pelo HIV. Caracteriza-se
Categoria: Ciências Sociais em Saúde pela taxa de replicação viral bastante elevada,
Pessoas com 60 anos de idade ou mais. com níveis sangüíneos geralmente acima de
Impetigo 1.000.000 de cópias/ml e população viral re-
Categoria: Doenças lativamente homogênea do ponto de vista de
É uma dermatose contagiosa causada por es- genotípico.
tafilococos plasmo-coagulase positivos. O Incentivo de Integração ao Sistema Único
mais comum é o Staphylococcus aureus e nos de Saúde (Integrasus)
pacientes imunossuprimidos e o S. epider- Categoria: Economia de Saúde
midis. Doença freqüente nas crianças. A le- Incentivo criado pelo Ministério da Saúde
são inicial é mácula eritematosa que logo se para os hospitais filantrópicos sem fins lucra-
transforma em vesico pápula ou mesmo bo- tivos que atendem as exigências da Portaria
lha purulenta bastante superficial com forma- GM/MS n.º 878, de 8 de maio de 2002. É
ção de crosta melicérica. repassado aos hospitais como valor adicional,
Imunodeprimido de acordo com os níveis em que os mesmos
Categoria: Doenças se enquadrem.
Diz-se do indivíduo cujo sistema imunológi- Incentivos
co apresenta-se debilitado. Categoria: Economia de Saúde
Imunologia O Ministério da Saúde estabeleceu alguns
Categoria: Atenção à Saúde  Vigilância em incentivos aos hospitais integrantes do SUS,
Saúde objetivando o aprimoramento da assistência
Ramo da biologia que estuda os fenômenos prestada, a melhoria da infra-estrutura dos ser-
Incidência
64 INC Inspeção sanitária

viços e o estabelecimento de parcerias na iden- Informação tóxico-farmacológica


tificação de prestadores solidários do sistema. Categoria: Acidentes e Violência
Incidência Informações sobre envenenamentos por me-
Categoria: Epidemiologia dicamentos, produtos domiciliares, inseti-
É a expressão do número de casos de uma do- cidas, plantas tóxicas, animais peçonhentos,
ença (ou grupo de doenças), numa população metais pesados, euforias (cocaína, LSD, etc.)
definida, durante um intervalo de tempo es- interações medicamentosas ou de drogas e te-
pecificado, dividido pelo número de indiví- ratogênese, bem como ações preventivas na
duos desta mesma população, para o meio do área toxicológica.
intervalo de tempo especificado. Inseticida
Indicadores demográficos Categoria: Vigilância em Saúde
Categoria: Demografia Destinado ao combate, à prevenção e ao con-
Representação dos aspectos não sujeitos à ob- trole dos insetos em habitações, recintos e lu-
servação direta relativa a dados populacio- gares de uso público e suas cercanias.
nais Inseticidas piretróides
Índice de Pobreza Humana Categoria: Ambiente e Saúde
Categoria: Alimentação e Nutrição  Epide- Inseticidas que causam no homem, principal-
miologia mente, irritação nos olhos, mucosas e pele.
Índice composto pelos indicadores relacio- São muito utilizados em detetizações de do-
nados à esperança de vida, à desnutrição em micílios e prédios de uso público, por firmas
menores de 5 anos, à alfabetização, ao acesso especializadas e têm sido responsabilizados
a serviços de saúde e a água potável. pelo aumento de casos de alergia em adul-
Índice de Valorização de Resultado tos e crianças. Em altas doses podem levar a
Categoria: Economia de Saúde neuropatias, uma vez que agem na bainha de
Consiste na atribuição de valores adicionais mielina, desorganizando-a e promovendo a
equivalentes até 2% do teto financeiro da ruptura de oxônios.
assistência do estado, transferido do Fundo Inspeção de qualidade
Nacional de Saúde como incentivo à obten- Categoria: Vigilância em Saúde
ção de resultados de impacto positivo sobre Conjunto de medidas destinadas a verificar
as condições de saúde da população. a qualquer momento, em qualquer etapa da
Infecção hospitalar
cadeia de produção, desde a fabricação até o
Categoria: Administração e Planejamento em
cumprimento das boas práticas específicas,
Saúde  Doenças
incluindo a comprovação da qualidade, eficá-
É qualquer infecção adquirida após a admis-
cia e segurança dos produtos.
são do paciente no hospital e que se manifes-
Inspeção sanitária
ta durante a internação ou após a alta, quan-
do puder ser relacionada com a internação ou Categoria: Vigilância em Saúde
com os procedimentos hospitalares. Investigação no local da existência ou não de
Instituição de pesquisa
Interiorização da aids
INS 65

fatores de risco sanitário, que poderão produ- Redução ou suspensão da função excretora
zir agravo à saúde individual ou coletiva, in- do rim.
cluindo a verificação de documentos. Insumo farmacêutico
Instituição de pesquisa Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde Droga ou matéria-prima aditiva ou comple-
Organização pública ou privada, legitima- mentar de qualquer natureza destinada a em-
mente constituída e habilitada na qual são prego em medicamentos, quando for o caso,
realizadas investigações científicas. e seus recipientes.
Instituto Nacional de Câncer (INCA) Integralidade
Categoria: Administração e Planejamento Categoria: Atenção à Saúde
em Saúde Um dos princípios constitucionais do SUS
Órgão do Ministério da Saúde, vinculado à que garante ao cidadão o direito de ser aten-
Secretaria de Assistência à Saúde, responsável dido desde a prevenção de doenças até o mais
por desenvolver e coordenar ações integradas difícil tratamento de uma patologia, não ex-
para a prevenção e controle do câncer no Bra- cluindo nenhuma doença.
sil. Tais ações são de caráter multidisciplinar Integrasus
e compreendem a assistência médico-hospi- Ver Incentivo de Integração ao Sistema Úni-
talar, prestada direta e gratuitamente aos pa- co de Saúde.
cientes com câncer, no âmbito do SUS, e a Intercambialidade
atuação em áreas estratégicas como a preven- Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
ção e a detecção precoce, a formação de pro- Significa a possibilidade de troca de um me-
fissionais especializados, o desenvolvimento dicamento por outro, obtendo exatamente o
da pesquisa e a informação epidemiológica. mesmo resultado terapêutico.
Todas as atividades do INCA têm como ob- Interiorização da aids
jetivo reduzir a incidência e mortalidade cau- Categoria: Epidemiologia
sada pelo câncer no Brasil. Conceito oriundo da epidemiologia, que
Instrumentos de gestão em saúde descreve uma mudança no padrão de disse-
Categoria: Administração e Planejamento minação do HIV no território brasileiro, ao
em Saúde longo do tempo. Em um país em que, his-
São os mecanismos que garantem o funcio- toricamente, os municípios maiores situam-
namento do Sistema Único de Saúde (SUS) se no/próximo ao litoral, a interiorização da
em todos os seus níveis. Os principais ins- epidemia corresponde a um incremento (pro-
trumentos de gestão em saúde são: Agenda gressivo) da disseminação do HIV, ao longo
de Saúde; Planos de Saúde; Plano Diretor de do tempo, em municípios de médio e peque-
Regionalização (PDR); e Programação Pactu- no porte.
ada e Integrada (PPI). Internação hospitalar
Insuficiência renal Categoria: Administração e Planejamento em
Categoria: Doenças Saúde
Internação hospitalar
66 INT Investigação epidemiológica

Pacientes que são admitidos para ocupar


um leito hospitalar por um período igual ou
maior a 24 horas.
Intersetorialidade
Categoria: Administração e Planejamento em
Saúde
Desenvolvimento de ações integradas entre
os serviços de saúde e outros órgãos públi-
cos, com a finalidade de articular políticas e
programas de interesse para a saúde, cuja exe-
cução, envolva áreas não compreendidas no
âmbito do Sistema Único de Saúde, poten-
cializando, assim, os recursos financeiros, tec-
nológicos, materiais e humanos disponíveis, e
evitando duplicidade de meios para fins idên-
ticos.
Investigação epidemiológica
Categoria: Epidemiologia
Trabalho de campo realizado a partir de casos
notificados (clinicamente declarados ou sus-
peitos) e seus contatos, que tem como prin-
cipais objetivos: identificar fonte e modo de
transmissão; grupos expostos a maior risco;
fatores determinantes; confirmar o diagnós-
tico; e determinar as principais características
epidemiológicas e seu propósito final é orien-
tar medidas de controle para impedir a ocor-
rência de novos casos.
J 67

Janela imunológica
Categoria: Epidemiologia
Período entre a infecção e o início da forma-
ção de anticorpos específicos contra o agente
causador. Geralmente, este período dura al-
gumas semanas, e o paciente, apesar de ter o
agente infeccioso presente em seu organismo,
apresenta resultados negativos nos testes para
a detecção de anticorpos contra o agente.
69

L
Laboratório oficial hospital localizada em um quarto ou enfer-
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos maria, que se constitui no endereço exclusivo
O Laboratório Oficial do Ministério da Saú- de um paciente durante sua estadia no hos-
de ou congênere da União, dos Estados, do pital e que está vinculada a uma unidade de
Distrito federal e dos Territórios com compe- internação de serviço.
tência, por convênio, destinado à análise de Leptospirose
drogas, medicamentos, insumos farmacêuti- Categoria: Doenças
cos e correlatos. Doença infecciosa sistêmica causada por es-
Lavanderia hospitalar piroquetas patogênicas do gênero Leptospira.
Categoria: Administração e Planejamento em É antropozoonose, transmitida ao homem,
Saúde principalmente através do contato com cole-
É o local ou estabelecimento específico para ções de água contaminada com urina de ratos
o processamento da roupa utilizada em ser- infectados. Pode determinar síndromes clíni-
viços de saúde, tais como hospitais e clínicas cas variadas, desde a infecção subclínica até
em geral. a forma grave, íctero-hemorrágica, conheci-
Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) da como síndrome de Weil. A leptospirose é
Categoria: Administração e Planejamento em uma agravo de notificação compulsória.
Saúde  Economia de Saúde Lesão por Esforço Repetitivo (LER)
Compreende as metas e prioridades da ad- Ver Distúrbio osteomuscular relacionado ao
ministração pública, incluindo as despesas de trabalho (DORT)
capital para o exercício financeiro subseqüen- Licença sanitária
te. Orienta a elaboração da Lei Orçamentária Categoria: Vigilância em Saúde
Anual, dispõe sobre as alterações na legislação Ato privativo do órgão de saúde competente
tributária e estabelece a política de aplicação dos estados, do Distrito Federal e dos muni-
das agências financeiras oficiais de fomento. cípios, contendo permissão para que as em-
A iniciativa é do Poder Executivo e a periodi- presas exerçam as atividades sob regime de vi-
cidade é anual. gilância sanitária.
Leito hospitalar Licitação
Categoria: Administração e Planejamento em Categoria: Administração e Planejamento em
Saúde Saúde
É a cama numerada e identificada destinada É o procedimento administrativo, preliminar,
à internação de um paciente dentro de um mediante o qual a Administração, baseada em
Limite financeiro
70 LIM Linfogranuloma venéreo

critério prévio, seleciona, entre várias propos-


tas referentes a compras, obras ou serviços, a
que melhor atenda ao interesse público – a fim
de celebrar contrato com o responsável pela
proposta mais vantajosa.
Limite financeiro
Categoria: Economia de Saúde
Montante máximo de recursos federais que
poderá ser gasto com o conjunto de serviços
existentes em cada território municipal, sendo
composto por duas parcelas separadas: recur-
sos destinados ao atendimento da população
própria e recursos destinados ao atendimento
da população referenciada de acordo com as
negociações expressas na PPI.
Linfadenopatia persistente generalizada
Categoria: Doenças
Define-se como a presença em indivíduo so-
ropositivo para o HIV, de linfadenomegalia,
envolvendo duas ou mais regiões extra-ingui-
nais, com duração de pelo menos três meses
desde que sejam excluídas outras doenças ou
uso de drogas que possam causar o aumento
dos gânglios linfáticos.
Linfogranuloma venéreo
Categoria: Doenças
Doença infecciosa de transmissão exclusiva-
mente sexual, conhecida popularmente como
“mula”.
71

M
Macronutrientes nica se emprega como Equivalente de Índice
Categoria: Alimentação e Nutrição Terapêutico.
São os nutrientes dos quais o organismo pre- Média complexidade
cisa em grandes quantidades e que são am- Categoria: Atenção à Saúde
plamente encontrados nos alimentos. São es- A Atenção de Média Complexidade com-
pecificamente os carboidratos, as gorduras e preende um conjunto de ações e serviços am-
as proteínas. bulatoriais e hospitalares que visam a atender
Malária os principais problemas de saúde da popula-
Categoria: Doenças ção, cuja prática e clínica demande a dispo-
Infecção ou doença causada por parasitos do nibilidade de profissionais especializados e a
gênero Plasmodium (família Plasmodiidae). utilização de recursos tecnológicos de apoio
A transmissão normal é feita por mosquitos, diagnóstico e terapêutico, que não justifique
Anopheles, que inoculam os esporozoítas ao pi- a sua oferta em todos os municípios do País.
car para sugar o sangue. Ocasionalmente, pode Medicamentos bioequivalentes
ser transmitida congenitamente, por transfu- Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
são de sangue ou por seringas contaminadas São equivalentes farmacêuticos que, ao se-
(consumidores de drogas). O acesso malárico rem administrados na mesma dose molar, nas
começa com calafrios intensos, palidez e cio- mesmas condições experimentais, não apre-
nose, o paciente queixando-se de muito frio, sentam diferenças estatisticamente significa-
ainda que sua temperatura esteja em elevação. tivas em relação à biodisponibilidade.
Mamografia Medicamentos biológicos
Categoria: Atenção à Saúde Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Exame radiológico dos tecidos moles das ma- Produto farmacêuticos, de origem biológica,
mas, sendo considerado um dos mais impor- tecnicamente obtido ou elaborado por pro-
tantes procedimentos para o rastreio do cân- cedimento biotecnológicos, com finalidade
cer ainda impalpável de mama. É também profilática, curativa, paliativa ou para fins de
chamado de mastografia ou senografia. diagnóstico.
Margem terapêutica Medicamentos biotecnológicos
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
É a relação entre a dose máxima tolerada, ou Medicamento biológico, tecnicamente obti-
também tóxica, e a dose terapêutica (dose tó- do ou elaborado por procedimentos biotec-
xica/dose terapêutica). Em farmacologia clí- nológico, com finalidade profilática, curativa,
Medicamentos de controle especial
72 MED Medicamentos homeopáticos

paliativa ou para fins de diagnóstico. São aqueles utilizados para o tratamento de


Medicamentos de controle especial doenças de perfil endêmico, como a tuber-
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos culose, hanseníase, aids, leishmaniose, malá-
Medicamentos entorpecentes ou psicotrópi- ria, esquitossomose, filariose, tracoma e pes-
cos e outros relacionados pela Agência Nacio- te, além da insulina destinada ao tratamento
nal de Vigilância Sanitária capazes de causar de diabetes e hemoderivados usados para o
dependência física ou psíquica. tratamento de hemofilia.
Medicamentos de dispensação em caráter Medicamentos excepcionais
excepcional Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Medicamentos de alto custo, voltados para
Medicamentos utilizados em doenças raras, o tratamento de doenças neurológicas, auto-
geralmente de custo elevado, cuja dispensa- imunes, osteoporose, hepatites e correlatas,
ção atende a casos específicos. que precisam ser usados por longos períodos.
Medicamentos de referência Também estão inclusos neste programa os
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos medicamentos para transplantes, os quais são
Produto inovador registrado no órgão federal de alto custo e de uso prolongado.
responsável pela vigilância sanitária e comer- Medicamentos fitoterápicos
cializado no País, cuja eficácia, segurança e Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
qualidade foram comprovadas cientificamen- Os fitoterápicos são medicamentos cujos
te junto ao órgão federal competente, por componentes terapeuticamente ativos são ex-
ocasião do registro. clusivamente plantas ou derivados vegetais
Medicamentos de saúde mental (extratos, sucos, óleos, ceras, etc.) não poden-
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos do ter em sua composição, a inclusão de subs-
Produto farmacêutico, tecnicamente obtido tâncias ativas isoladas de qualquer origem,
ou elaborado, com finalidade profilática, cura- nem associações destas com extratos vegetais.
tiva, paliativa ou para fins de diagnósticos. Medicamentos genéricos
Medicamentos de uso contínuo Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Medicamento similar a um produto de refe-
São aqueles empregados no tratamento de rência ou inovador, que se pretende ser como
doenças crônicas e ou degenerativas, utiliza- este intercambiável, geralmente produzido
dos continuamente. após a expiração ou renúncia da proteção pa-
Medicamentos de venda livre tentária ou de outros direitos de exclusividade,
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos comprovada a sua eficácia, segurança e quali-
São aqueles cuja, dispensação não requerem dade, e designado pela DCB (Denominação
autorização, ou seja, receita expedida por Comum Brasileira) ou na sua ausência pela
profissional. DCI (Denominação Comum Internacional).
Medicamentos estratégicos Medicamentos homeopáticos
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Medicamentos para a atenção básica
Modelo ecológico
MED 73

São preparações manipuladas de forma espe- Tipo de padronização de informações para a


cífica de acordo com regras farmacotécnicas interpretação de algumas taxas.
bem definidas, descritas na Farmacopéia. Ho- Método epidemiológico
meopática Brasileira. Categoria: Epidemiologia
Medicamentos para a atenção básica Compreende a identificação de padrões de
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos ocorrência de eventos ou danos à saúde,
Produtos necessários à prestação do elenco com a formulação e comprovação de hipó-
de ações e procedimentos compreendidos na tese, elaboração de conclusão e aplicação de
atenção básica de saúde. medidas de controle e prevenção.
Medicamentos tarjados Métodos contraceptivos
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Categoria: Atenção à Saúde  Promoção e
São os medicamentos cujo uso requer a pres- Educação em Saúde
crição do médico ou dentista e que apresen- Maneiras, instrumentos e conjuntos de meios
tam, em sua embalagem, tarja (vermelha ou cujo objetivo é evitar uma gravidez indesejada.
preta) indicativa desta necessidade. Métodos de barreiras
Médico regulador Categoria: Atenção à Saúde
Categoria: Atenção à Saúde São métodos de anticoncepção que colocam
A competência técnica do médico regula- obstáculos mecânicos ou químicos à pene-
dor se sintetiza em sua capacidade de julgar, tração dos espermatozóides no canal.
discernindo o grau presumido de urgência e Micronutrientes
prioridade de cada caso, segundo as informa- Categoria: Alimentação e Nutrição
ções disponíveis, fazendo ainda o enlace en- Nutrientes que o organismo necessita em
tre os diversos níveis assistenciais do sistema, quantidades pequenas, como as vitaminas e
visando dar a melhor resposta possível para as minerais.
necessidades dos pacientes. Microrregião de saúde
Medida cautelar Categoria: Administração e Planejamento
Categoria: Acidentes e Violência  Direito em Saúde
Sanitário Unidade territorial mínima para qualifica-
É a intervenção imediata da autoridade judi- ção na assistência à saúde, que deverá dis-
cial para evitar a violação de um direito ga- por de complexidade assistêncial acima do
rantido. exigido para os módulos Assistenciais sendo
Menopausa que esta definição deverá ser feita no âmbito
Categoria: Atenção à Saúde estadual.
É a última menstruação fisiológica da mu- Modelo ecológico
lher, decorrente da perda da atividade folicu- Categoria: Atenção à Saúde
lar ovariana. Modelo de intervenção centrado no coletivo
Método direto de padronização no qual prima a inter-relação entre o indiví-
Categoria: Demografia duo e seu meio ambiente.
Módulo assistencial
74 MOD Mutirão

Módulo assistencial em áreas específicas da assistência e, com isso,


Categoria: Administração e Planejamento em reduzir a demanda reprimida existente e as
Saúde listas de espera para a realização de determi-
Base territorial que apresenta resolubilidade nados procedimentos cirúrgicos eletivos.
correspondente ao primeiro nível de referên-
cia de média complexidade, constituído por
um ou mais municípios.
Módulo-padrão de suprimento
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Elenco de medicamentos repassado por um
nível de gestão a outro para abastecer os ser-
viços de saúde compreendidos no sistema es-
tadual ou municipal.
Morbimortalidade
Categoria: Demografia
Impacto das doenças e dos óbitos que inci-
dem em uma população.
Município-pólo
Categoria: Administração e Planejamento em
Saúde
Município que, de acordo com a definição da
estratégia de regionalização de cada estado,
apresente papel de referência para outros mu-
nicípios, em qualquer nível de atenção.
Município-sede do módulo assistencial
Categoria: Administração e Planejamento em
Saúde
Município existente em um módulo assisten-
cial que apresente a capacidade de ofertar a
totalidade dos serviços constantes no primei-
ro nível de referência com suficiência para a
sua população e para a população de outros
municípios a ele adscritos, conforme definido
no processo de regionalização e na programa-
ção integrada entre gestores.
Mutirão
Categoria: Atenção à Saúde
Destina-se a incrementar a oferta de serviços
75

N
Nascido morto Esta norma tem como objetivo facilitar a
Categoria: Epidemiologia pactuação e viabilizar procedimentos entre
Óbito antes da expulsão ou extração comple- municípios, fortalecendo assim, a implemen-
ta do corpo materno de um produto da con- tação do SUS.
cepção que tenha alcançado vinte e oito se- Norma Operacional Básica
manas completas ou mais de gestação. Categoria: Direito Sanitário
Nascido vivo Instrumento normativo infralegal maior ela-
Categoria: Epidemiologia borado e aprovado pela comissão Intergesto-
Expulsão ou extração completa do corpo ma- res Tripartite de Operacionalização dos pre-
terno, independente da duração da gravidez ceitos da legislação que rege o Sistema Único
de um produto da concepção, que depois da de Saúde (SUS).
separação, respire e dê qualquer sinal de vida. Notificação de doenças
Natimorto Categoria: epidemiologia
Ver Nascido morto. Comunicação da ocorrência de determinada
Nefropatias doença ou agravo à saúde, feita à autorida-
Ver Doenças renais. de sanitária por profissinais da saúde ou qual-
Negligência quer cidadão, para fins de adoção de medida
Categoria: Acidentes e Violência de intervenção pertinentes.
É o ato de omissão do responsável pela crian- Notificação de maus-tratos
ça ou adolescente em prover as necessidades Categoria: Acidentes e Violência
básicas para o seu desenvolvimento. Informação emitida pelo setor Saúde ou por
Níveis de complexidade qualquer outro órgão ou pessoa, para o Con-
Categoria: Atenção à Saúde selho Tutelar, com a finalidade de promover
Limites utilizados para hierarquizar os esta- cuidados sociossanitários voltados para a pro-
belecimentos do sistema de prestação de ser- teção da criança e do adolescente, vítimas de
viços de saúde, segundo a diversificação das mau-tratos.
atividades prestadas, a profundidade de espe- Notificação de receita
cialização das mesmas e a freqüência com que Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
ocorrem. Documento padronizado destinado à notifi-
Norma Operacional de Assistência à cação da prescrição de medicamentos: a) en-
Saúde (NOAS) torpecentes (cor amarela), b) psicotrópicos
Categoria: Direito Sanitário
Núcleos de educação em urgências
76 NUC Nutrimento

(cor azul) e c) retinóides de uso sistêmico e


imunopressores (cor branca).
Núcleos de educação em urgências
Categoria: Atenção à Saúde
Espaços de saber interstitucional de forma-
ção, capacitação, habilitação e educação con-
tinuada de recursos humanos para as urgên-
cias sob a administração de um conselho
diretivo, coordenado pelo gestor público do
SUS, tendo como integrantes as secretarias
estaduais e municipais de saúde, hospitais e
serviços de referência na área de urgência, es-
colas de bombeiros e polícias, instituições de
ensino superior, de formação e capacitação
de pessoal na área de saúde, escolas técnicas e
outros setores que prestam socorro à popula-
ção, de caráter público ou privado, da abran-
gência municipal, regional e estadual.
Nutrimento
Categoria: Alimentação e Nutrição
Substância constituinte dos alimentos de va-
lor nutricional, incluindo proteínas, gordu-
ras, hidratos de carbono, água, elementos mi-
nerais e vitaminas.
77

O
Obesidade Pacientes que permanecem no hospital sob
Categoria: Alimentação e Nutrição  Doenças supervisão médica e/ou de enfermagem, para
Aumento exagerado do peso em relação à al- fins diagnósticos ou terapêuticos, por período
tura. No sinônimo popular, os gordos corres- inferior a 24 horas.
pondem aos obesos. Oncologia
Óbito fetal Ver Cancerologia.
Categoria: Epidemiologia Operadora de plano de assistência à saúde
Morte de um produto de concepção, antes Ver Operadora de saúde.
da expulsão ou de sua extração completa do Operadora de saúde
corpo materno, independente da duração da Categoria: Políticas Públicas e Saúde
gravidez. Pessoa jurídica constituída sob a modalidade
Óbito hospitalar de sociedade civil ou comercial, cooperativa,
Categoria: Epidemiologia ou entidade de autogestão, que opere produ-
É aquele que ocorre após o paciente ter dado to, serviço ou contrato de Plano Privado de
entrada no hospital, independente do fato dos Assistência à Saúde, assim como descrito na
procedimentos administrativos relacionados Lei n.º 9.656, de 3 de junho de 1998.
à internação já terem sido realizados ou não. Orçamento da Seguridade Social
Óbito materno Categoria: Economia de Saúde
Categoria: Epidemiologia A Constituição define que os recursos para fi-
Óbito ocorrido em conseqüência de compli- nanciar a saúde, a previdência e a assistência
cações da gravidez, do parto ou do puerpério. social devem compor o Orçamento da Seguri-
Óbito neonatal dade Social. O dinheiro do Orçamento da Se-
Categoria: Epidemiologia guridade Social vem das seguintes fontes: con-
Óbito ocorrido em crianças menores de 28 tribuição das empresas sobre os salários pagos,
dias de vida. sobre as vendas, sobre os lucros; contribui-
Óbito neonatal precoce ção dos trabalhadores, descontados em seus
Categoria: Epidemiologia salários; do resultado da venda das loterias.
Óbito ocorrido em crianças menores de 7 Órgão de Vigilância Sanitária Competente
dias de vida. Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Observação hospitalar  Vigilância em Saúde
Categoria: Administração e Planejamento em Órgão do Ministério da Saúde dos Estados,
Saúde do Distrito Federal e dos Territórios, incum-
Orientação alimentar
78 ORI Ouvidoria da Saúde

bido da Vigilância Sanitária dos produtos


abrangidos por este Regulamento.
Orientação alimentar
Categoria: Alimentação e Nutrição
Recomendações para a escolha, preparação,
conservação doméstica e consumo de ali-
mentos mediante critérios de consideração
de seu valor nutritivo e indicações específicas,
segundo condições fisiológicas (crescimento,
gravidez, lactação), patológicas (obesidade,
diabetes, doenças carenciais) ou, ainda, por
justificativas socioeconômicas (relação valor
nutritivo X custos).
Ouvidoria da Saúde
Categoria: Administração e Planejamento em
Saúde
Órgão onde o cidadão, comunidade e enti-
dades podem recorrer caso sejam afetadas por
políticas, normas, procedimentos ou ativida-
des adotadas pelo SUS, assim como decisões,
erros, abusos, omissões ou imprudências prá-
ticas pelos agentes do sistema de saúde.
79

P
Paciente-dia É uma diminuição gradual da acuidade au-
Categoria: Epidemiologia ditiva, decorrente da exposição continuada a
Unidade de mensuração da assistência pres- níveis elevados de ruído em ambiente de tra-
tada em dia hospitalar a um paciente inter- balho.
nado. O dia de alta somente será computado Perfil epidemiológico
quando esse ocorrer no dia da internação. Categoria: Eqüidade em Saúde e Social
Papiloma Vírus Humano Estado de saúde de uma determinada comu-
Ver HPV. nidade.
Pátrio poder Perfil nosológico
Categoria: Demografia Categoria: Epidemiologia
Aquele que assume a responsabilidade paren- Conjunto de doenças prevalentes e ou inci-
tal, podendo ser exercido pelo pai ou mãe. dentes em uma determinada comunidade.
Pauperização da aids Período de incubação
Categoria: Epidemiologia Categoria: Doenças  Epidemiologia
Conceito oriundo da epidemiologia, que des- Intervalo entre a exposição efetiva do hospe-
creve uma mudança no padrão de dissemina- deiro suscetível a um agente biológico e o iní-
ção do HIV no Brasil (e no mundo), caracteri- cio dos sinais e sintomas clínicos da doença
zando-se pela crescente disseminação do HIV nesse hospedeiro.
junto às camadas de baixa renda e com bai- Pesquisa em reprodução humana
xos níveis de instrução, mais vulneráveis a esta Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde
disseminação em virtude de precariedade de São aquelas que se ocupam com o funciona-
informações, dificuldade de acesso a meios de mento do aparelho reprodutor, procriação
prevenção e investimento concorrente de ener- e fatores que afetam a saúde reprodutiva da
gia e tempo em outras prioridades, prementes pessoa humana.
e absorventes, como alimentação e moradia. Pesquisa em saúde
Pediculoses Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde
Categoria: Doenças Pesquisas cujos resultados são aplicados no
Termo geral para indicar a infestação de qual- setor Saúde, voltados, em última instância,
quer parte do corpo pelas espécies de piolhos para a melhoria da saúde de indivíduos ou
do gênero. grupos populacionais. Podem ser categori-
Perda auditiva induzida por ruído zadas por níveis de atuação científica e com-
Categoria: Atenção à Saúde preendem os tipos de pesquisa básica, clínica,
Pesquisa envolvendo seres humanos
80 PES Plano Diretor de Regionalização

epidemiológica e avaliativa, além de pesquisa à saúde, mediante a garantia de um mínimo


em outras áreas como economia, sociologia, de ações e procedimentos contidos na Porta-
antropologia, ecologia, demografia e ciências. ria GM/MS n.º 182, de 18/12/97.
Pesquisa envolvendo seres humanos Plano de saúde
Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde Categoria: Políticas Públicas e Saúde
Pesquisa que, individual ou coletivamente, en- O Plano Privado de Assistência à Saú-
volva o ser humano, de forma direta ou indi- de é uma prestação continuada de serviços
reta, em sua totalidade de partes dele, incluin- ou coberturas de custos assistenciais a pre-
do o manejo de informações ou materiais. ço pré ou pós-pago, por prazo indetermi-
Pesquisador responsável nado, com a finalidade de garantir, sem li-
Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde mite financeiro, a assistência à saúde, pela
Pessoa responsável pela coordenação e reali- faculdade de acesso e atendimento por pro-
zação da pesquisa e pela integridade e bem- fissionais e serviços de saúde, livremente es-
estar dos sujeitos da pesquisa. colhidos, integrantes ou não de rede creden-
Peste ciada, contratada ou referenciada, visando a
Categoria: Doenças assistência médica, hospitalar e odontoló-
Doença infecciosa que é uma zoonose de roe- gica, a ser paga integral ou parcialmente às
dores e suas pulgas, sobretudo ratos, causa- expensas da operadora contratada, median-
da por Yersinia pestes (= Pasteurella pestis), da te reembolso ou pagamento direto do pres-
família. Enterobacteriaceae. É transmitida ao tador, por conta e ordem do consumidor.
homem geralmente pela picada da pulga do Plano de Saúde (gestão do SUS)
rato, Xenopsylla cheopis, infectada. A reação Categoria: Administração e Planejamento em
inicial é comumente uma linfadenite dos nó- Saúde
dulos linfáticos regionais, que drenam o local Instrumento de gestão que consolida, em
da picada. Esses nódulos aumentam de volu- cada esfera de governo, o processo de plane-
me tornam-se dolorosos, necrosam e podem jamento na área da saúde para um período de
supurar (peste bubônica). quatro anos, compondo a base das atividades
Pirâmide alimentar e da programação de cada nível de gestão do
Categoria: Alimentação e Nutrição SUS. É um documento de intenções políti-
Instrumento educativo em que divide os ali- cas, de diagnósticos, de estratégias, e de me-
mentos em seis grupos básicos, recomendan- tas. É nos Planos de Saúde que se devem fazer
do um número de porções a serem consumi- constar as prioridades estabelecidas nas Agen-
dos diariamente para cada um dos grupos. das de Saúde e a previsão dos mecanismos ne-
Piso da Atenção Básica (PAB) cessários para a execução dessas prioridades.
Categoria: Economia de Saúde Plano Diretor de Regionalização
É um valor per capita, que somado à transfe- Categoria: Administração e Planejamento em
rências estaduais e ao recursos próprios dos Saúde
municípios deverá financiar a atenção básica Instrumento de ordenamento do processo de
Plano Nacional de Saúde do Sistema Penitenciário
População economicamente ativa
PLA 81

regionalização da da assistência em cada es- O poder de polícia, como atributo do Estado,


tado e no Distrito Federal, baseado nos ob- tem função reguladora dos direitos individu-
jetivos de definição de prioridades de inter- ais e coletivos para garantir a estes absoluta
venção da população e garantia de acesso dos predominância sobre aqueles. Impõe-se den-
cidadãos a todos os níveis de atenção. tro da lei sendo portanto o seu exercício li-
Plano Nacional de Saúde do Sistema mitado ao permissivo que o acompanha para
Penitenciário balizar a ordem econômica e social.
Categoria: Atenção à Saúde  Administração Política Nacional de Saúde do Idoso
e Planejamento em Saúde Categoria: Atenção à Saúde
Objetiva assegurar atendimento médico e É a política desenvolvida pelo Ministério da
ações de promoção e prevenção à população Saúde, no ano de 1999, que assume que o
carcerária do Brasil. principal problema que pode afetar o idoso,
Plano Nacional de Vacinas Anti-HIV/aids como conseqüência da evolução de suas en-
Categoria: Administração e Planejamento em fermidades e de seu estilo de vida, é a perda
Saúde  Medicamentos, Vacinas e Insumos de sua capacidade funcional, isto é, a perda
Compreende estudos virológicos e imunológi- das habilidades físicas e mentais necessárias
cos, estudos clínicos e epidemiológicos, estudos para a realização de suas atividades básicas e
sociocomportamentais, e desenvolvimento e instrumentais da vida diária. Apresenta como
produção de insumos e vacinas. propósito basilar a promoção do melhoria,
Plano Plurianual (PPA) ao máximo, da capacidade funcional dos ido-
Categoria: Administração e Planejamento em sos, a prevenção das doenças, a recuperação
Saúde  Economia de Saúde da saúde dos que adoecem e a reabilitação
Estabelece, de forma regionalizada, as diretrizes, daqueles que venham a ter a sua capacidade
os objetivos e as metas da administração pública funcional restringida, de modo a garantir-
para as despesas de capital e outras delas decor- lhes permanência no meio em que vivem, ex-
rentes, e para as relativas aos programas de du- cedendo de forma independente suas funções
ração continuada. A iniciativa é do Poder Exe- na sociedade.
cutivo e a periodicidade é quadrienal. Pólos de capacitação
Plano privado de assistência à saúde Categoria: Recursos Humanos em Saúde Pú-
Ver Plano de saúde blica
Pneumoconiose Vinculados em geral a universidades, esses
Categoria: Ambiente e Saúde  Doenças pólos articulam uma ou mais instituições vol-
São patologias resultantes da deposição de tadas para a formação, capacitação e educa-
partículas sólidas no parênquima pulmonar, ção permanente dos recursos humanos para
levando a um caso de fibrose, ou seja ao en- a saúde, em conjunto com as Secretarias de
durecimento intersticial do tecido pulmonar. Saúde dos estados e municípios.
Poder de polícia População economicamente ativa
Categoria: Vigilância em Saúde Categoria: Demografia
Porto de controle sanitário
82 POR Procedimento operacional padronizado

É definida pelo IBGE como aquela composta Preservativo feminino


por pessoas de 10 a 65 anos de idade, classi- Categoria: Atenção à Saúde
ficadas como ocupadas ou desocupadas (mas Tubo de poliuretano com uma extremida-
procurando emprego) na semana de referên- de fechada e a outra aberta, acoplado a dois
cia da pesquisa realizada pelo Instituto. anéis flexíveis também de poliuretano. O pri-
Porto de controle sanitário meiro que fica solto dentro do tubo, serve
Categoria: Vigilância em Saúde para ajudar na inserção e na fixação de pre-
Porto Organizado, Terminal Aquaviário, Ter- servativo no interior da vagina. O segundo
minal de Uso Privativo, Terminal Retropor- anel constitui o reforço externo do preserva-
tuário, Terminal Alfandegário e Terminal de tivo que, quando corretamente colocado, co-
Carga, estratégicos do ponto de vista epide- bre parte da vulva. O produto já vem lubrifi-
miológico e geográfico, localizados no terri- cado e deve ser usado uma única vez.
tório nacional, sujeitos à vigilância sanitária. Preservativo masculino
Posto de medicamentos Categoria: Atenção à Saúde
Categoria: Atenção à Saúde  Medicamen- Consiste em um envoltório de látex que reco-
tos, Vacinas e Insumos bre o pênis durante o ato sexual e retém o es-
Estabelecimento destinado exclusivamente à perma por ocasião da ejaculação impedindo
venda de medicamentos industrializados em o contato com a vagina, assim como impe-
suas embalagens originais e constantes de re- de que os microorganismos da vagina entrem
lação elaborada pelo órgão sanitário federal, em contato com o pênis ou vice-versa.
publicada na imprensa oficial, para atendi- Prevalência
mento a localidades desprovidas de farmácia Categoria: Epidemiologia  Eqüidade em
ou drogaria. Saúde e Social
Posto de saúde É constituído pelo total de casos novos acres-
Categoria: Administração e Planejamento cidos dos casos antigos da doença em ques-
em Saúde tão, sendo que o denominador e a base de
É a unidade de saúde que presta assistên- multiplicação são análogos aos usados no cál-
cia a uma população determinada, estimada culo da incidência.
em até 2.000 (dois mil) habitantes, utilizan- Princípio ativo
do técnicas apropriadas e esquemas padro- Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
nizados de atendimento. Esta unidade não Substância ou grupo delas, quimicamente
dispõe de profissionais de nível superior no caracterizada, cuja ação farmacológica é co-
seu quadro permanente, sendo a assistência nhecida e responsável, total ou parcialmente,
prestada por profissionais de nível médio ou pelos efeitos terapêuticos do medicamento fi-
elementar, com apoio e supervisão dos cen- toterápico.
tros de saúde de sua articulação. Procedimento operacional padronizado
Preparações farmacêuticas Categoria: Vigilância em Saúde
Ver Drogas Procedimento escrito de forma objetiva que
Produção de alimentos
Produto para diagnóstico de uso in vitro
PRO 83

estabelece instruções seqüenciais para a reali- Produto tecnicamente elaborado para aten-
zação de operações rotineiras e específicas na der às necessidades dietéticas de pessoas em
industrialização, armazenamento e transporte condições fisiológicas especiais.
de alimentos. Este procedimento pode apre- Produto farmacêutico
sentar outras nomenclaturas desde que obe- Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
deça ao conteúdo estabelecido na Resolução Medicamentos alopáticos, homeopáticos, fi-
– RDC n.º 267, de 25 de setembro de 2003. toterápicos, drogas ou outras substâncias me-
Produção de alimentos dicamentosas.
Categoria: Alimentação e Nutrição Produto intermediário
É o conjunto de todas as operações e proces- Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
sos efetuados para obtenção de um alimento Produto parcialmente processado, que deve
acabado. sofrer subseqüentes etapas de produção.
Produto a granel Produto médico estéril
Categoria: Vigilância em Saúde Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Material processado que se encontra em sua Produto livre de toda contaminação micro-
forma definitiva, e que só requeira ser acon- biana.
dicionado ou embalado antes de converter-se Produto médico invasivo
em produto terminado. Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Produto acabado Produto médico que penetra total ou parcial-
Categoria: Vigilância em Saúde mente dentro do corpo humano, seja através
Produto que tenha passado por todas as fa- de orifício do corpo ou através da superfície
ses de produção e acondicionamento, pronto epitelial.
para venda. Produto semi-elaborado
Produto biológico Categoria: Vigilância em Saúde
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Toda a substância ou mistura de substâncias
Medicamento biológico que contém molécu- que requeira posteriores processos de produção,
la com atividade biológica conhecida, e que a fim de converter-se em produtos a granel.
não tem proteção potentária. Produtos médicos
Produto de higiene Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Equipamento, aparelho, instrumento, ma-
Produtos para uso externo, antissépticos ou terial, artigo, acessório ou sistema de uso ou
não, destinados ao acesso ou à desinfecção aplicação médica, hospitalar, odontológica
corporal, compreendendo os sabonetes, xam- ou laboratorial, destinado à prevenção, diag-
pus, dentifrícios, enxaguatórios bucais, an- nóstico, tratamento ou reabilitação da saúde
tiperspirantes, produtos para barbear e após individual ou coletiva.
barbear, estípticos e outros. Produto para diagnóstico de uso in vitro
Produto dietético Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Regentes, instrumentos e sistemas, junto com
Produto para diagnóstico de uso in vivo
84 PRO Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar

as instruções para seu uso, que contribuam Programa de Humanização no Pré-Natal e


para realizar uma determinação qualitativa, Nascimento (PHPN)
quantitativa ou semi-quantitativa de uma Categoria: Atenção à Saúde
amostra biológica e que não sejam destinados O objetivo primordial do Programa de
a cumprir função anatômica, física ou terapêu- Humanização no Pré-natal e Nascimento
tica alguma, que não sejam ingeridos, injeta- (PHPN) é assegurar a melhoria do acesso, da
dos ou inoculados em seres humanos e que são cobertura e da qualidade do acompanhamen-
utilizados unicamente para prover informação to pré-natal, da assistência ao parto e puerpé-
sobre espécimes extraídos do corpo humano. rio às gestantes e ao recém-nascido, na pers-
Produto para diagnóstico de uso in vivo pectiva dos direitos de cidadania.
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos Programa de Interiorização do Trabalho em
Substâncias que ingeridas, injetadas ou ino- Saúde (PITS)
culadas em seres humanos, são destinadas Categoria: Atenção à Saúde
unicamente a proporcionar informação qua- Atende as populações de municípios despro-
litativa ou semi-quantitativa de parte anatô- vidos ou com precários serviços de saúde, me-
mica ou fisiológica do corpo humano. diante a lotação de médicos e enfermeiros
Profissionais do sexo naquelas localidades, por meios de oferta de
Categoria: Ciências Sociais em Saúde incentivos financeiros e de formação profis-
Homens e mulheres que prestam serviços se- sional aos participantes. A interiorização de
xuais em troca de dinheiro ou objetos de valor. médicos e enfermeiros tem por objetivo im-
Programação Pactuada e Integrada (PPI) pulsionar a reorganização da atenção básica de
Categoria: Administração e Planejamento em saúde no país e fortalecer o Programa de Saúde
Saúde  Economia de Saúde da Família, que é a base desta interiorização.
Programação feita em acordo entre os gesto- Programa Nacional de Avaliação dos
res dos três níveis de governo com o objeti- Serviços Hospitalares (PNASH)
vo de otimizar serviços e resultados e de ra- Categoria: Atenção à Saúde
cionalizar. A PPI evita a duplicação de gastos Objetiva possibilitar a melhoria da qualidade
porque o planejamento é feito em conjunto e dos serviços hospitalares do SUS, bem como
com a intermediação dos governos estaduais. uniformizar parâmetros de análise para to-
Programa de Combate às Carências dos os hospitais do País, dentro de padrões
Nutricionais (PCCN) de qualidade e de excelência, que orientem e
Categoria: Administração e Planejamento em priorizem os objetivos e as metas de interna-
Saúde  Alimentação e Nutrição ção e ação do Ministério da Saúde.
O PCCN, instituído em 23 de março de Programa Nacional de Humanização da
1998 e integrante da parte variável do Piso Assistência Hospitalar
da Atenção Básica (PAB), tem por objetivo Categoria: Atenção à Saúde
reduzir e controlar a desnutrição infantil em O PNHAH propõe um conjunto de ações
geral e as carências nutricionais específicas. integradas que visam mudar substancialmen-
Programa Qualidade do Sangue
Projeto Horizonte
PRO 85

te o padrão de assistência ao usuário nos hos- da política da saúde, cujo objetivo é produzir
pitais públicos do Brasil, melhorando a qua- uma mudança na situação atual. O programa
lidade e a eficácia dos serviços hoje prestados contém objetivo(s), metas (objetivos qualifi-
por essas instituições. É seu objetivo funda- cados) e indicadores que permitem acompa-
mental aprimorar as relações entre profissio- nhar, controlar e avaliar a sua execução.
nal de saúde e usuário, dos profissionais entre Projeto Bela Vista
si e do hospital com a comunidade. Categoria: Administração e Planejamento em
Programa Qualidade do Sangue Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde
Categoria: Administração e Planejamento em Pesquisa realizada no Brasil, como resultado
Saúde  Vigilância em Saúde da iniciativa do UNAIDS, em conjunto com
O Programa Qualidade do Sangue tem por o Ministério da Saúde, visando integrar o
objetivo maior assegurar a qualidade e auto- País no processo de desenvolvimento de uma
suficiência em sangue, componentes, deriva- vacina anti-HIV/aids.
dos sangüíneos e correlatos, bem como garan- Projeto Carteiro Amigo
tir a assistência aos portadores de doenças de Categoria: Administração e Planejamento em
coagulação sangüínea e de má formação das Saúde  Alimentação e Nutrição
hemáceas, e elevar o padrão do atendimen- Atividade de incentivo ao aleitamento mater-
to dos serviços disponibizados à população. no, tendo surgido no Estado do Ceará como
Programa Saúde da Família (PSF) uma estratégia para reverter o quadro de des-
Categoria: Atenção à Saúde nutrição e mortalidade infantil.
O Ministério da Saúde criou, em 1994, o Projeto de Profissionalização dos
Programa Saúde da Família (PSF). Seu prin- Trabalhadores da Área de Enfermagem
cipal propósito: reorganizar a prática da aten- (Profae)
ção à saúde em novas bases e substituir o mo- Categoria: Administração e Planejamento em
delo tradicional, levando a saúde para mais Saúde  Recursos Humanos em Saúde Pública
perto da família e, com isso, melhorar a qua- Projeto desenvolvido pelo Ministério da Saú-
lidade de vida dos brasileiros. A estratégia do de com vários parceiros para garantir a quali-
PSF prioriza as ações de prevenção, promo- dade do atendimento ambulatorial e hospita-
ção e recuperação da saúde das pessoas, de lar das redes públicas e privada de saúde por
forma integral e contínua. O atendimento é meio de cursos de complementação do en-
prestado na unidade básica de saúde ou no sino fundamental para aqueles trabalhadores
domicílio, pelos profissionais (médicos, en- que não tiveram a oportunidade de concluir
fermeiros, auxiliares de enfermagem e agen- o primeiro grau, atual ensino fundamental.
tes comunitários de saúde) que compõem as Projeto Horizonte
equipes de Saúde da Família. Categoria: Administração e Planejamento em
Programas de saúde Saúde  Epidemiologia
Categoria: Administração e Planejamento em Estudo que visa à formação de uma coorte de
Saúde homossexuais e bissexuais masculinos para,
Constitui-se em uma das formas de expressão primeiramente, determinar a incidência e
Promoção da saúde
86 PRO Pureza

prevalência da infecção pelo HIV, avaliar o zada junto aos prescritores, comércio farma-
impacto de intervenções educativas e acon- cêutico e população leiga.
selhamento na incidência desta infecção. O Protocolos clínicos
projeto também tem como objetivos avaliar Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
a possibilidade de acompanhamento a longo Estabelece claramente os critérios de diagnós-
prazo desta coorte e sua utilização em ensaio ticos de cada doença, o tratamento preconi-
clínico de vacina anti-HIV, como parte inte- zado com os medicamentos disponíveis nas
grante do Plano Nacional Vacinas Anti-HIV, respectivas doses corretas, os mecanismos de
do Ministério da Saúde. controle, o acompanhamento e a verificação
Promoção da saúde de resultados, e a racionalização da prescrição
Categoria: Promoção e Educação em Saúde e do fornecimento dos medicamentos.
Nome dado ao processo de capacitação da co- Protocolo de pesquisa
munidade para atuar na melhoria de sua qua- Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde
lidade de vida e saúde, incluindo uma maior Documento contemplando a descrição da
participação no controle deste processo. Para pesquisa em seus aspectos fundamentais, in-
atingir um estado de completo bem-estar fí- formações relativas ao sujeito das pesquisas,
sico, mental e social os indivíduos e grupos à qualificação dos pesquisadores e a todas as
devem saber identificar aspirações, satisfazer instâncias responsáveis.
necessidades e modificar favoravelmente o Proposta de concorrência
meio ambiente. Ver Licitação.
Promoção do envelhecimento saudável Psicotrópico
Categoria: Atenção à Saúde Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Compreende o desenvolvimento de ações Substância que pode determinar dependência
que orientem os idosos e os indivíduos em física ou psíquica e relacionada, como tal, nas
processo de envelhecimento quanto à impor- listas aprovadas pela Convenção sobre Subs-
tância da melhoria constante de suas habili- tâncias Psicotrópicas, reproduzidas nos ane-
dades funcionais, mediante a adoção precoce xos da Portaria n.º 344/98.
de hábitos saudáveis de vida e a eliminação Pureza
de comportamentos nocivos à saúde. Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Prontuário médico  Vigilância em Saúde
Categoria: Administração e Planejamento em Grau em que uma droga determinada não
Saúde contém outros materiais estranhos.
Conjunto de documentos padronizados, des-
tinados ao registro da assistência prestada ao
paciente.
Propaganda de produtos farmacêuticos
Categoria: Comunicação em Saúde
É a divulgação do medicamento promovida
pela indústria, com ênfase na marca, e reali-
Q
87

Quadro de metas
Categoria: Administração e Planejamento em
Saúde
São nacional, estaduais e municipais, elabo-
rados na forma de planilhas, nas quais devem
constar as metas físicas e financeiras das ações
traçadas nas Agendas de Saúde e previstas nos
Planos de Saúde, de forma a permitir a men-
suração e o acompanhamento da execução
das ações planejadas.
Qualificação profissional
Categoria: Recursos Humanos em Saúde Pública
É o processo no qual o trabalhador adquire co-
nhecimentos qualificados para o desempenho
de determinada função visando ao seu me-
lhor aproveitamento no exercício do trabalho.
Quimioterápico
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Antimicrobianos sintetizados em laboratórios.
89

R
Raiva humana Qualquer efeito nocivo, não intencional e
Categoria: Doenças indesejado de um fármaco observado nas
Encefalomielite aguda, invariavelmente fatal, doses terapêuticas habituais em seres huma-
causada pelo vírus de mesmo nome, do gê- nos para tratamentos, profilaxias ou diag-
nero Lyssavirus (família Rabdoviridae). É uma nósticos.
zoonose de animais silvestres e domésticos Recomendações nutricionais
(principalmente morcegos, canídeos e felí- Categoria: Alimentação e Nutrição
deos), tendo por reservatórios principais, na Recomendações para a ingestão diária de
América do Sul, morcegos e cães. A transmis- nutrientes e calorias. São determinadas atra-
são é feita geralmente por mordedura, pois o vés de pesquisas científicas, baseando-se nas
vírus encontra-se na saliva e é injetado direta- necessidades nutricionais do indivíduo.
mente nos tecidos da vítima; mas pode pene- Rede Nacional de Genotipagem
trar também pelas mucosas. (Renageno)
Raticida Categoria: Atenção à Saúde
Categoria: Vigilância em Saúde Objetivo de detectar a ocorrência de resis-
Saneante domissanitário destinado ao com- tência genotípica do HIV-I aos anti-retro-
bate a ratos, camundongos e outros roedores, virais e selecionar a terapia de resgate mais
em domicílios, embarcações, recintos e luga- adequada nos pacientes atendidos pelo Sis-
res de uso público, contendo substâncias ati- tema Único de Saúde.
vas, isoladas ou em associação, que não ofere- Rede Sentinela Nacional de Parturientes
çam risco à vida ou à saúde do homem e dos Categoria: Epidemiologia
animais úteis de sangue quente. Rede de avaliação e monitoramento da in-
Reabilitação cidência e prevalência da infecção pelo HIV
Categoria: Acidentes e Violência  Atenção em parturientes em maternidades seleciona-
à Saúde das de diferentes estados brasileiros, a partir
Desenvolvimento de uma pessoa até o mais de testes realizados em amostras de sangue
completo potencial físico, psicológico, social, coletadas de forma anônima, não-vincula-
profissional, não profissional e educacional, da (ou seja, sem que exista uma ligação en-
compatível com seu comprometimento fisio- tre a amostra biológica e a identificação de
lógico, anatômico e limitações ambientais. cada mulher. Ultimamente, são também le-
Reação adversa vantadas informações referentes à cobertura
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos do pré-natal, qualidade e aceitabilidade da
Redes regionais
90 RED Região de saúde

testagem para o HIV por parte das partu- a reduzir a utilização compartilhada, a reuti-
rientes. lização de seringas e agulhas contaminadas, e
Redes regionais favorecer práticas sexuais mais seguras.
Categoria: Administração e Planejamento em Redução de demandas reprimidas
Saúde Ver Mutirão.
Possibilitam a troca de serviços entre muni- Reforço à reorganização do sistema único
cípios vizinhos para complementar o atendi- de saúde
mento de todos os cidadãos de uma região. Ver Reforsus.
Redes sociais Reforsus
Categoria: Atenção à Saúde Categoria: Administração e Planejamento em
Modelo de intervenção centrado no coletivo Saúde
que parte da premissa de que o comporta- Implementa ações estratégicas destinadas a for-
mento de uma pessoa, grupo, família ou co- talecer o desenvolvimento do Sistema Único
munidade é uma junção das necessidades e de Saúde (SUS), contribuindo para a garantia
preferências pessoais em relação às tarefas que da universalidade, integralidade da assistência
desempenham, ao ambiente social imediato e eqüidade no acesso da população aos bens e
no qual vivem e às normas sociais a que ade- serviços de saúde. Propõe melhorar a capacida-
rem. de e eficiência do SUS mediante a recuperação
Redução de danos física tecnológica e gerencial da rede de servi-
Categoria: Drogas de Uso Terapêutico e Social ços existente e promover o desenvolvimento
Modelo de intervenção centrado no indiví- institucional do setor Saúde por intermédio de
duo, sua rede social e comunidade que adota ações que visem a incrementar a capacidade de
estratégias pragmáticas que buscam reduzir os gestão do sistema.
danos decorrentes do uso de drogas. Alguns Região de saúde
dos danos mais relevantes a serem evitados se Categoria: Administração e Planejamento em
referem à infecção pelo HIV e outros agentes Saúde
infecciosos (como os causadores das hepatites Representa uma base de planejamento – e não
infecciosas), especialmente entre usuários de uma estrutura administrativa ou operacional
drogas injetáveis (sujeitos ao duplo risco da – a ser definida no âmbito estadual, de acor-
transmissão sangüínea e sexual). As propostas do com as características e estratégias de regio-
de redução de danos não exigem a abstinên- nalização de cada estado, considerando variá-
cia como critério norteador da participação veis geográficas, sanitárias, epidemiológicas, de
da população-alvo, embora tenham um papel oferta de serviços, entre outras. De acordo com
fundamental na “atração” desta população a normativa 02, de 6 de abril de 2001, cada
para programas de tratamento para o abuso estado deverá estabelecer o critério que defi-
de drogas. As ações de redução de danos in- nirá a unidade mínima de qualificação (região
cluem a disponibilização de insumos (serin- ou microrregião de saúde), que deverá agregar
gas e agulhas estéreis, preservativos) visando oferta assistencial em relação ao módulo.
Registro de produto
Reposição de nicotina
REG 91

Registro de produto SUS, funcionando como prestação de con-


Categoria: Direito Sanitário tas, uma vez que estabelece correlação entre
Destinado a comprovar o direito de fabrica- as metas, os resultados e a aplicação de recur-
ção de produto submetido ao regime da Lei sos. Este instrumento possibilita o acompa-
n.º 6.360, de 23 de setembro de 1976. nhamento da conformidade da aplicação dos
Regulação assistencial recursos à programação aprovada.
Categoria: Eqüidade em Saúde e Social Relatório de vistoria
Tem como objetivo principal promover a Categoria: Administração e Planejamento em
eqüidade do acesso, garantindo a integralida- Saúde
de da assistência e permitindo ajustar a oferta A vistoria deverá ser realizada in loco pela
assistencial disponível às necessidades imedia- Secretaria de Saúde responsável pela forma-
tas do cidadão, de forma equânime, ordena- lização do processo de cadastramento, que
da, oportuna e racional. avaliará as condições de funcionamento do
Regulamento técnico serviço para fins de cadastramento: área fí-
Categoria: Saúde Animal. Vigilância em Saúde sica, recursos humanos, responsabilidade
Documento normativo editado pela autori- técnica e demais exigências estabelecidas
dade de saúde competente, contendo especi- na Portaria SAS n.º 249, de abril de 2002,
ficações técnicas ou requisitos de qualidade observando-se todos os passos do questio-
aplicáveis compulsoriamente a produto, ob- nário de auto-avaliação.
servadas as normas técnicas brasileiras (Reso- Remuneração por serviços produzidos
lução CONMETRO n.º 11/75). Categoria: Economia de Saúde
Relação Nacional de Medicamentos É a modalidade de transferência caracteri-
Essenciais (Rename) zada pelo pagamento direto aos prestado-
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos res de serviços da rede cadastrada do SUS
Integra o elenco dos medicamentos essenciais nos estados e municípios não-habilitados
àqueles produtos considerados básicos e in- em Gestão Plena do Sistema – Rede Cadas-
dispensáveis para atender a maioria dos pro- trada. Destina-se ao pagamento de fatura-
blemas de saúde da população. A referência mento hospitalar registrado no Sistema de
nacional serve de parâmetro para os estados e Informações Hospitalares (SIH) e da pro-
municípios selecionarem seus medicamentos. dução ambulatorial registrada no Sistema
O Rename é o documento oficial de referên- de Informações Ambulatorias (SIA), con-
cia nacional. templando ações de assistência de média e
Relatório de gestão alta complexidade, também observados os
Categoria: Administração e Planejamento em tetos financeiros dos respectivos estados e
Saúde municípios.
Têm como finalidade a sistematização e a di- Reposição de nicotina
vulgação de informações sobre os resultados Categoria: Atenção à Saúde
obtidos e sobre a probidade dos gestores do Visa a permitir a diminuição gradual de
Resolutividade
92 RES Ruído

concentração sérica de nicotina após o da, gravada a fogo, à pressão ou autoadesiva,


abandono do cigarro. aplicada diretamente sobre recipientes, em-
Resolutividade balagens, invólucros ou qualquer protetor de
Categoria: Administração e Planejamento em embalagem externo ou interno, não poden-
Saúde do ser removida ou alterada durante o uso do
Eficiência na capacidade de resolução das produto e durante o seu transporte ou arma-
ações e serviços de saúde, através da assistên- zenamento.
cia integral resolutiva, contínua e de boa qua- Ruído
lidade à população adscrita, no domicílio e Categoria: Ambiente e Saúde
na unidade de saúde, buscando identificar e É um agente físico, universalmente distribu-
intervir sobre as causas e fatores de risco aos ído, estando presente praticamente em to-
quais essa população está exposta. dos os ramos de auditiva, acarreta alterações
Retinopatia diabética importantes na qualidade de vida do traba-
Categoria: Doenças lhador em geral, à medida que provoca an-
É uma complicação ocular do diabetes que siedade, irritabilidade, aumento da pressão
ataca os vasos sangüíneos do fundo do olho, arterial, isolamento e perda de auto-imagem.
diminuindo a sua capacidade de circulação e No seu conjunto, esses fatores compreendem
promovendo deficiência na irrigação dos te- as relações do indivíduo na família, no traba-
cidos. Quando isso ocorre, o olho diabético lho e na sociedade.
sofre hemorragias que podem causar danos
irreversíveis, chegando até a cegueira total.
Riscos ocupacionais
Categoria: Acidentes e Violência  Ambiente
e Saúde
Possibilidade de perda ou dano e a probabi-
lidade que tal perda ou dano ocorra. Impli-
ca, pois, a probabilidade de ocorrência de um
efeito adverso.
Rotulagem nutricional
Categoria: Alimentação e Nutrição  Vigilân-
cia em Saúde
Produto na forma como está exposto à venda
e devem ser apresentadas em porções usuais
de consumo contendo ainda, o percentual de
valores diários para cada nutriente declarado.
Rótulo
Categoria: Vigilância em Saúde
Identificação impressa, litografada, pinta-
93

S
Salubridade ambiental com aids, mais comumente os homens, sendo
Categoria: Ambiente e Saúde a pele o local mais freqüentemente atingido.
Conceito de higidez em que vive a população Saturismo
urbana e rural, tanto no que se refere à sua Categoria: Doenças
capacidade de inibir, prevenir ou impedir a Doença causada pelo chumbo. A exposição
ocorrência de endemias ou epidemias vincu- ocupacional ao chumbo inorgânico provoca,
ladas pelo meio ambiente, como no tocante em sua maioria, intoxicação a longo prazo,
ao seu potencial de promover o aperfeiçoa- podendo ser de variada intensidade. A conta-
mento de condições mesológicas favoráveis minação do organismo pelo chumbo depende
ao pleno gozo de saúde e bem-estar. das propriedades físico-químicas do compos-
Saneantes domissanitários to, da concentração no ambiente, do tempo
Categoria: Vigilância em Saúde de exposição, das condições de trabalho (ven-
Substância ou preparação destinada à higieni- tilação, umidade, esforço físico, presença de
zação ou desinfecção domiciliar, em ambien- vapores, etc) e dos fatores individuais do tra-
tes coletivos ou públicos, em lugares de uso balhador (idade, condições físicas, hábitos,
comum e no tratamento de água, compreen- etc).
dendo: inseticida, raticida, desinfetante, de- Saúde da criança
tergente. Categoria: Atenção à Saúde
Sarampo A Área Técnica da Saúde da Criança do Mi-
Categoria: Doenças nistério da Saúde tem como objetivo definir
Doença infecciosa aguda, de natureza viral, as políticas públicas na área da criança, além
transmissível e extremamente contagiosa, de apoiar e assessorar as secretarias estaduais
muito comum na infância. A viremia decor- de saúde na implantação dessas políticas,
rente da infecção provoca uma vasculite ge- com o objetivo de reduzir a morbimortalida-
neralizada, responsável pelo aparecimento das de infantil.
diversas manifestações clínicas. É transmitido Saúde da Família
diretamente de pessoa à pessoa, através das Ver Programa Saúde da Família.
secreções nasofaríngeas, expelidas ao tossir, Saúde da Mulher
espirrar, falar ou respirar. Categoria: Atenção à Saúde
Sarcoma de Kaposi A área técnica da saúde da mulher do Ministé-
Categoria: Doenças rio da Saúde tem como objetivo definir as po-
Tipo raro de câncer que acomete pacientes líticas públicas na área da mulher, coordenar e
Saúde do Adolescente e do Jovem
94 SAU Sexo forçado no casamento

assessorar os Estados na sua implantação, bus- Órgão diretamente subordinado ao ministro


cando a melhoria da qualidade do atendimen- da Saúde, tem a missão de supervisionar e co-
to nos serviços de saúde e a redução da mor- ordenar as atividades das outras secretarias do
bimortalidade materna, perinatal e neonatal. Ministério e entidades a ele vinculadas.
Saúde do Adolescente e do Jovem Segurança alimentar
Categoria: Atenção à Saúde Categoria: Alimentação e Nutrição
A Área Técnica da Saúde do Adolescente e Conjunto de princípios, políticas, medidas e
do Jovem do Ministério da Saúde tem como instrumentos que assegure permanentemente
objetivo definir e coordenar as políticas de o acesso de todos os habitantes aos alimentos,
saúde voltadas à organização de serviços de a preços adequados, em quantidade e qua-
atenção aos adolescentes e aos jovens na faixa lidade necessárias vistas a uma vida digna e
etária dos 10 aos 19 anos, além de assessorar saudável, bem como os demais direitos de ci-
as secretarias estaduais e municipais de saúde dadania.
na implantação das ações. Sensibilidade diagnóstica
Saúde do Trabalhador Categoria: Doenças
Categoria: Atenção à Saúde  Vigilância em Refere-se à atenção da equipe para a busca
Saúde de problemas/diagnósticos prevalentes, po-
Saúde do trabalhador é um conjunto de ativi- rém nem sempre comumente identificados
dades que se destina, através das ações de vigi- tais como, doenças tireoideanas, doença de
lância epidemiológica e sanitária, à promoção Parkinson, demência, depressões, hipotensão,
e proteção da saúde dos trabalhadores, assim ortostática e incontinência urinária, diminui-
como visa à recuperação e reabilitação da saú- ção das acuidades visual e auditiva.
de dos trabalhadores, submetidos aos riscos e Serviço de assistência especializada
agravos advindos das condições de trabalho. Categoria: Atenção à Saúde
Saúde Indígena Unidades ambulatoriais de referência, com-
Categoria: Atenção à Saúde postas por uma equipe multidisciplinar de
A Saúde Indígena possui uma abordagem di- médicos, psicólogos, assistentes sociais, far-
ferenciada e global, contemplando os aspec- macêuticos, odontólogos e/ou outras especia-
tos de assistência à saúde, saneamento básico, lidades da área de Saúde, que acompanha os
nutrição, habilitação, meio ambiente, demar- pacientes, prestando atendimento integral a
cação de terras, educação sanitária e integra- eles e a seus familiares.
ção institucional. Sexo forçado no casamento
Saúde Infantil Categoria: Acidentes e Violência
Ver Saúde da criança É a imposição de manter relações sexuais no ca-
Secretaria-Executiva samento. Devido a normas e costumes predomi-
Categoria: Administração e Planejamento em nantes, a mulher é forçada a manter relações se-
Saúde xuais como parte de suas obrigações de esposa.
Sexualidade
Sistema de gênero
SEX 95

Sexualidade Refere-se, usualmente, a crianças de baixa ida-


Categoria: Ciências Sociais em Saúde de que sofrem ferimentos inusitados, fraturas
É a capacidade de comportar-se sexualmente, ósseas, queimaduras, etc., ocorridos em épo-
isto é, responder a estímulos eróticos e obter cas diversas, bem como em diferentes etapas
prazer de atividades sexuais, como as prelimi- e sempre inadequada ou inconsistentemente
nares, a relação em si e a masturbação. explicadas pelos pais. O diagnóstico é baseado
Sífilis em evidências clínicas e radiológicas das lesões.
Categoria: Doenças Síndrome da Imunodeficiência Adquirida
A sífilis ou lues é causada pelo treponema de- Ver Aids.
clínio em sua incidência. Entretanto, vem na Síndrome de Munchausen por Provocação
genitália externa com lesão única, medin- Categoria: Acidentes e Violência
do 0,5 a 2cm de diâmetro, cerca de uma a Situação na qual a criança é trazida para cui-
duas semanas após o contágio. Caracteriza-se dados médicos devido a sintomas e/ou sinais
como pápula erodida ou ulcerada, com borda inventados ou provocados pelos seus respon-
infiltrada, endurecida e fundo limpo. Após sáveis. Em ocorrência, há conseqüências que
uma ou duas semanas surge adenite satélite podem ser caracterizadas como violências fí-
inflamatória pouco dolorosa. sicas (exames complementares desnecessários,
Sífilis congênita uso de medicamentos, ingestão forçada de lí-
Categoria: Doenças quidos, etc.) e psicológicas (inúmeras consul-
A sífilis congênita é conseqüência da dissemi- tas e internações, por exemplo).
nação do Treponema pallidum pela corrente Síndrome do bebê sacudido
sangüínea, transmitido pela gestante para o Categoria: Acidentes e Violência
seu bebê. A infecção pode ocorre em qual- Consiste de lesões cerebrais que ocorrem
quer fase da gravidez de o risco é maior em quando a criança, em geral menor de 6 meses
mulheres com sífilis primária ou secundária. de idade, é sacudida por um adulto.
Silicose Sistema de gênero
Categoria: Doenças Categoria: Ciências Sociais em Saúde
Principal pneumocosidade no Brasil, causada Ordena a vida nas sociedades contemporâ-
por inalação de poeria de silica livre cristali- neas a partir da linguagem, dos símbolos,
na (quartzo). Caracteriza-se por um processo das instituições e hierarquias da organização
de fibrose, com formação de nódulos isolados social, da representação política e do poder.
nos estágios iniciais e nódulos conglomerados Com base na interação desses elementos e de
e disfunção respiratória nos estágios avança- suas formas de expressão, distinguem-se os
dos. É uma doença irreversível, de evolução papéis do homem e da mulher na família, na
lenta e progressiva. divisão do trabalho, na oferta de bens e ser-
Síndrome da Criança Espancada viços e até na instituição e aplicação de nor-
Categoria: Acidentes e Violência mas legais.
Sistema de Informação de HIV Soropositivo Assintomático
96 SIS Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA-SUS)

Sistema de Informação de HIV Soropositivo Haenophilus influenzae (peste), poliomielite,


Assintomático paralisia flácida aguda, raiva humana, rubéo-
Categoria: Ciência e Tecnologia em Saúde  la, síndrome de rubéola congênita, sarampo,
Epidemiologia sífilis congênita, síndrome da imunodeficiên-
O SIHIV é um software importante como cia adquirida, tétano e tuberculose. Segundo a
instrumento de avaliação para a vigilância legislação: todo e qualquer surto ou epidemia,
epidemiológica. Permite avaliar algumas ten- assim como a ocorrência de agravo inusitado,
dências da epidemia quanto às categorias de independente de constar na lista de doenças de
exposição, faixa etária, escolaridade, ocupa- notificação compulsória, deve ser notificado
ção e residência dos indíviduos infectados. imediatamente, às secretarias municipal e esta-
Estas informações devem fornecer subsídios dual de saúde e a Fundação Nacional de Saúde.
para uma melhor organização das munici- Sistema de Informação sobre Vigilância Ali-
pais, regionais e estaduais. mentar e Nutricional (Sisvan)
Sistema de Informações do Programa Categoria: Administração e Planejamento em
Nacional de Imunizações (SI-PNI) Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde
Categoria: Administração e Planejamento em Destina-se ao acompanhamento do Progra-
Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde ma de Combate às Carências Nutricionais
Contribui para o controle, eliminação e/ou (PCCN). Propõe-se a ser um processo con-
erradicação das doenças transmissíveis e imu- tínuo de coleta, tratamento, interpretação e
nopreveníveis, com a imunização sistemática disseminação de dados e informações sobre a
da população. situação alimentar e nutricional e de seus fa-
Sistema de Informações sobre Agravos de tores determinantes.
Notificação (Sinan) Sistema de Informações sobre Orçamentos
Categoria: Administração e Planejamento em Públicos em Saúde (Siops)
Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde Categoria: Administração e Planejamento em
Coleta dados sobre agravos de notificação Saúde
compulsória. Pode ser ativado a partir do mu- Instrumento de coleta e de processamento de
nicípio gerando informações por distrito ou informações sobre receitas e gastos públicos
bairro. A notificação compulsória tem sido a em saúde nas três esferas.
principal fonte usada pela Vigilância Epide- Sistema de Informações
miológica para desencadear medidas de con- Ambulatoriais (SIA-SUS)
trole. Os dados trabalhados referem-se às se- Categoria: Administração e Planejamento em
guintes doenças: cólera, coqueluche, dengue, Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde
difteria, doença de chagas (casos agudos), do- O SIA-SUS oferece aos gestores estaduais
ença meningocócica e outras meningites, febre e municipais de saúde instrumentos para a
amarela, febre tifóide, hanseníase, hepatites B operacionalização da funções de cadastra-
e C, leishmaniose, visceral, leptospirose, ma- mento ambulatorial, controle orçamentá-
lária (em área não-endêmica), meningite, por rio, controle e cálculo da produção ambula-
Sistema de Informações da Atenção Básica (Siab)
Sistemas de Informação
SIS 97

torial (RCA), gerenciamento da capacidade em Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde


instalada e produzida; gerenciamento dos Tem como objetivo coletar, transmitir e dis-
recursos fi nanceiros orçados e repassados seminar dados gerados rotineiramente pelo
aos prestadores de serviços. Sistema de Vigilância Epidemiológica para
Sistema de Informações da Atenção apoiar processos de investigação e de análise
Básica (Siab) sobre as principais doenças e agravos sujei-
Categoria: Administração e Planejamento tos a notificação compulsória.
em Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde Sistema de Informações sobre
Método que permite o registro de diver- Mortalidade (SIM)
sas informações de interesse das equipes e Categoria: Administração e Planejamento em
do gestor local, relativas à saúde da popu- Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde
lação coberta e ao andamento das ativida- Coleta dados sobre óbitos e fornece informa-
des das equipes. Permite ainda que sejam ções sobre o perfil de mortalidade nos dife-
feitas avaliações do trabalho realizado e de rentes níveis do SUS. Permite que os dados
seu impacto na organização do sistema e na sejam agregados ou desagregados por estados,
saúde da população. município, bairro ou endereço residencial.
Sistemas de Informações Hospitalares do Sistema de Informações sobre Nascidos
SUS (SIH-SUS) Vivos (Sinasc)
Categoria: Administração e Planejamento Categoria: Administração e Planejamento em
em Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde Saúde  Ciência e Tecnologia em Saúde
O SIH-SUS contém informações que via- Objetiva construir uma base de dados sobre
bilizam efetuar o pagamento dos serviços as crianças nascidas vivas em todos os níveis
hospitalares prestados pelo SUS, através da do SUS. Os dados sobre o recém-nascido po-
captação de dados em disquete das Auto- dem ser agregados ou desagregados por mu-
rizações de Internação Hospitalar (AIH). nicípio, bairro, endereço residêncial ou esta-
Sendo o sistema que processa as AIHs, dis- belecimento de saúde onde a criança nasceu.
põe de informações sobre recursos destina- Sistemas de Informação
dos a cada hospital que integra a rede do Categoria: Administração e Planejamento
SUS; as principais causas de internações no em Saúde
Brasil; a relação dos procedimentos mais Sistema de pessoas, equipamentos, procedi-
freqüentes realizados mensalmente em cada mentos, documentos e comunicações que
hospital, município e estado; a quantidade coleta, valida, transforma, armazena, recu-
de leitos existentes para cada especialidade; pera e apresenta dados, gerando informação
o tempo médio de permanência do pacien- para usos diversos.
te no hospital. Sistemas de Informação em Saúde
Sistema de Informações sobre Agravos de Categoria: Administração e Planejamento em
Notificação (Sinan) Saúde
Categoria: Administração e Planejamento Instrumento para adquirir, organizar e ana-
Sistemas de Informação em Saúde
98 SIS Soroconversão

lisar dados necessários a definição de proble- tração direta e indireta e das fundações man-
mas e riscos para a saúde, avaliar a eficácia, tidas pelo Poder Público, constitui o Sistema
eficiência e influência que os serviços presta- Único de Saúde.
dos possam ter no estado de saúde da popu- Sistemas Formais de Cuidados
lação, além de contribuir para a produção de Categoria Atenção à Saúde
conhecimentos acerca da saúde e dos assun- São integrados por profissionais e instituições
tos a ela ligados. que realizam este atendimento sob a forma de
Sistema Nacional de Auditoria prestação de serviço. Os cuidados são presta-
Categoria: Administração e Planejamento em dos por pessoa ou agências comunitárias con-
Saúde tratadas para tal.
Estabelece que todos os níveis de governo de- Sistemas Informais de Cuidados
vem organizar e implantar seus componentes Categoria Atenção à Saúde
do SNA subordinados à direção do SUS, que São constituídos por pessoas da família, ami-
exercerá as seguintes atividades sobre as ações gos próximos e vizinhos, freqüentemente
e serviços verificar a regularidade dos padrões mulheres, que exercem tarefas de apoio e cui-
estabelecidos; avaliação da estrutura, dos pro- dados voluntários para suprir a incapacidade
cessos e dos resultados de acordo com os cri- funcional do idoso.
térios de eficiência, eficácia e efetividade; au- Solvente orgânico
ditoria da regularidade dos procedimentos Categoria Ambiente e Saúde
praticados. Nome genérico atribuído a um grupo de
Sistema Nacional de Laboratórios de substâncias químicas líquidas à temperatu-
Sorologia para HIV (Sinalaids) ra ambiente, com características físico-quí-
Categoria: Administração e Planejamento em micas (volatilidade, lipossolubilidade) que
Saúde  Atenção à Saúde tornam o risco tóxico bastante variável. São
Objetivo geral de implantar um sistema de empregados com solubilizantes, dispersantes
assegurasse a qualidade dos resultados dos ou diluentes, de modo amplo em diferentes
exames, provesse a padronização de metodo- processos industriais, no meio rural e em la-
logia, racionalizasse o emprego de reagentes, boratórios químicos, como substâncias puras
coletasse, processasse e difundisse dados que ou misturadas.
auxiliassem a vigilância epidemiológica e sub- Soroconversão
sidiassem a avaliação das medidas adotadas Categoria: Doenças
permitindo a otimização das ações de controle. É o momento em que o HIV passa a ser de-
Sistema Único de Saúde (SUS) tectável através dos testes convencionais.
Categoria: Administração e Planejamento em Costuma ocorrer até o terceiro mês depois
Saúde da infecção, podendo se manifestar através de
O conjunto de ações e serviços de sáude, febre e outros sintomas temporários.
prestados por órgãos e instituições públicas Soropositivo
federais, estaduais e municipais, da adminis- Categoria: Doenças
Soropositivo
Suporte social
SOR 99

Expressão usada para identificar os doentes situações. Representa um conjunto de ações


com aids. que podem ser realizadas por diferentes tipos
Soroprevalência de pessoas: os membros da equipe de saúde
Categoria: Epidemiologia da família, parentes e amigos, voluntários.
É o número de indivíduos soropositivos em
um determinado grupo populacional em pe-
ríodo de tempo e lugar definidos.
Substância ativa
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Qualquer substância que apresenta atividade
farmacologicamente, ou outro efeito direto
no diagnóstico, cura, alívio, tratamento ou
prevenção de doenças, ou afete qualquer fun-
ção do organismo humano.
Substância proscrita
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Substância cujo uso está proibido no Brasil.
Suporte avançado de vida
Categoria: Acidentes e Violência
Estrutura de apoio oferecido a pacientes em
risco de morte, promovido por profissionais
médicos, por intermédio de medidas não-in-
vasivas ou invasivas (como, por exemplo, dre-
nagem do tórax, acesso às vias aéreas, acesso
venoso, etc.)
Suporte básico de vida
Categoria: Acidentes e Violência
Estrutura de apoio oferecida a pacientes com
risco de morte desconhecido, promovida por
profissionais de sáude, por meio de medidas
conservadoras não-invasivas (como imobili-
zação do pescoço, compressão de sangramen-
to, etc.).
Suporte social
Categoria: Promoção e Educação em Saúde
Instrumento de trabalho na atenção básica à
saúde visando a melhorar a qualidade de vida
e o domínio do grupo e do indivíduo sobre as
101

T
Taxa de ataque dos esporos em uma solução de continuida-
Categoria: Epidemiologia de (ferimento) geralmente do tipo perfuran-
Caso especial de incidência nos casos em que te, contaminado com terra, poeira, fezes de
a epidemia se restringe a uma população fe- animais ou humanos.
chada. Teto Financeiro da Assistência do Estado
Tecnovigilância (TFAE)
Categoria: Vigilância em Saúde Categoria: Economia de Saúde
É o conjunto de ações visando à segurança É o valor correspondente ao financiamento
sanitária dos produtos comercializados para do conjunto das ações assistenciais sob a res-
a saúde. ponsabilidade da SES (Secretaria Estadual de
Termo de compromisso Saúde). É transferido, regular e automatica-
Categoria: Administração e Planejamento em mente do Fundo Nacional de Saúde de acor-
Saúde do com as condições de gestão.
É um ajuste, previsto pela Norma Opera- Teto Financeiro da Assistência do Município
cional de Assistência à Saúde (NOAS/SUS (TFAM)
01/02), firmado entre níveis de governo, no Categoria: Economia de Saúde
qual pactuam o uso e as metas de uma de- É um montante que corresponde ao finan-
terminada unidade prestadora de serviço, sob ciamento de conjunto das ações assistenciais
gerência de um nível de governo e gestão do assumidas pela SMS (Secretaria Municipal de
outro. Saúde). O TFAM é transferido, regular e au-
Testagem sorológica tomaticamente, do Fundo Nacional ao Fun-
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos do Municipal de Saúde, de acordo com as
É a verificação, por meio de testes laborato- condições de gestão estabelecidas pela NOB
riais, da presença ou não de anticorpos anti- 01/96 e destina-se aos custeio dos serviços rea-
HIV no sangue de uma pessoa. lizados no território do município.
Tétano Titular de registro
Categoria: Doenças Categoria: Vigilância em Saúde
Doença infecciosa aguda, não contagiosa e Pessoa jurídica que possui o registro de um
que ainda se constitui em grave problema pú- produto, detentora de direitos sobre ele, res-
blico. O agente etiológico é o bacilo gram- ponsável pelo produto até o consumidor final.
positivo, anaeróbico, espolurado: Clostridium Trabalhador
tetani. A transmissão ocorre pela introdução Categoria: Atenção à Saúde  Demografia 
Trabalhador coletivo
102 TRA Tuberculose

Vigilância em Saúde para uma de baixa mortalidade e, gradual-


Toda a pessoa que exerça uma atividade de mente, baixa fecundidade.
trabalho, independentemente de estar inseri- Transmissão direta
do no mercado formal ou informal de traba- Ver Contágio.
lho, inclusive na forma de trabalho familiar Transmissão vertical (aids)
e/ou doméstico. Categoria: Doenças
Trabalhador coletivo Via de transmissão do vírus HIV da mãe para
Categoria: Atenção à Saúde  Demografia o bebê, durante a gestação, parto ou aleita-
Trabalhadores que fazem parte de um proces- mento.
so produtivo, cuja característica marcante é a Transplante de órgãos
intensa divisão de trabalho. Categoria: Ética e Bioética
Trabalho precoce Transferência de um órgão inteiro de um doa-
Categoria: Atenção à Saúde  Demografia dor a outro, com restabelecimento da conti-
Qualquer atividade de trabalho desempenha- nuidade vascular aferente e eferente desse ór-
da por crianças e adolescentes menores de 16 gão com o sistema circulatório do receptor.
anos que freqüentam ou não as escolas, inde- Transtornos alimentares
pendentemente de renumeração. Ver Distúrbios alimentares.
Tracoma Tuberculose
Categoria: Doenças Categoria: Doenças
Uma ceratoconjutivite contagiosa, causada Doença progressiva ou crônica que resulta da
por Chlamydia Trachomatis, pequena bacté- infecção por Mycobacterium tuberculosis (ad-
ria Gram-negativa da família Chlamydiaceae quirida geralmente por ingestão de material
que ataca a conjuntiva e a córnea, em todo o infectante). Começa habitualmente no pul-
mundo mas principalmente na África, Médio mão mas pode afetar qualquer outro órgão
Oriente, Sul da Ásia e América do Sul. Índi- ou sistema, tais como o sistema linfático, ós-
ce sobretudo em populações de regiões áridas seo, urogenital, nervoso, digestivo ou a pele.
ou onde á poeira, a falta de higiene e a pro-
miscuidade são fatores predisponentes. Con-
tato direto, objetos contaminados com secre-
ções oculares (lenços ou toalhas) ou insetos
(do gênero Hipelattes, por exemplo) podem
contribuir para a transmissão.
Transição demográfica
Categoria: Demografia
Fenômeno que se caracteriza pela passagem
de uma situação de alta mortalidade mais
alta fecundidade, com uma população predo-
minantemente jovem e em franca expansão,
103

U
Unidade básica de saúde ser a menor base territorial de planejamento
Ver Unidade de Saúde da Família. regionalizado de cada Unidade de Federação
Unidade de Saúde da Família acima do módulo assistencial, seja uma mi-
Categoria: Atenção à Saúde crorregião de saúde (nas UF em que o mó-
Unidade pública de saúde que assume a res- dulo de regionalização adotado não admitir
ponsabilidade por uma determinada popu- microrregiões de saúde).
lação a ela vinculada. Uma unidade de Saú- Unidades de Referência
de da Família pode atuar com uma ou mais Categoria: Administração e Planejamento em
equipe do Programa Saúde da Família (PSF), Saúde
dependendo da concentração de famílias no São os ambulatórios e hospitais selecionados
território de abrangência. para realizar determinados tipos de atendi-
Unidade integrada mento nos municípios. Elas são referências:
Ver Unidade mista. para a população, que saberá procurar aquele
Unidade Mista tipo de serviço; para profissionais de saúde,
Categoria: Administração e Planejamento em que vão encaminhar os pacientes.
Saúde Universalidade
Estabelecimento composto por um centro de Categoria: Eqüidade em Saúde e Social
saúde e unidade de internação com caracte- Este é um dos princípios do Sistema Único
rísticas de hospital local. de Saúde que consiste em garantir o acesso
Unidade Sanitária aos serviços de saúde para toda a população,
Categoria: Atenção à Saúde em todos os níveis de assistência, sem precon-
É um estabelecimento de saúde dinâmico ceitos ou privilégios de qualquer espécie.
destinado a prestar assistência sanitária à uma Uretrites
população em área geográfica definida, exe- Categoria: Doenças
cutando basicamente, ações programadas. Presença de uma disúria recente e/ou de um
Unidade Territorial de Qualificação na corrimento uretral purulento, mucopurulen-
Assistência à Saúde to ou mocoico recente.
Categoria: Políticas Públicas e Saúde Urticária
Representa a base territorial mínima a ser Categoria: Doenças
submetida à aprovação do Ministério da Saú- Erupção caracterizada pelo súbito apareci-
de e Comissão Intergestores Tripartite para mento de urticas (pápulas eritêmatoedema-
qualificação na assistência à saúde, que deve tosas) de duração efêmera e pruriginosa.
Uso racional de medicamentos
104 USO Usuários de Droga Injetável (UDI)

Uso racional de medicamentos


Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
É o processo que compreende a prescrição
apropriada; a disponibilidade oportuna e a
preços acessíveis; a dispensação em condições
adequadas; e o consumo nas doses indicadas,
nos intervalos definidos e no período de tem-
po indicado de medicamentos eficazes, segu-
ros e de qualidade.
Usuários de Droga Injetável (UDI)
Categoria: Drogas de Uso Terapêutico e Social
Homens e mulheres que fazem uso injetável
de substâncias psicoativas. Compartilhar agu-
lhas, seringas e equipamentos para diluição
durante esta prática contribui fortemente para
o aumento nos índices de infecção pelo HIV.
105

V
Vegetarianismo dados de determinadas doenças, a partir das
Categoria: Alimentação e Nutrição quais se pode monitorar o seu comportamen-
O sistema alimentar dos vegetarianos. Baseia- to em grupos específicos.
se na exclusão de alimentos de origem animal Violência econômica
da dieta. Categoria: Acidentes e Violência
Veículos para atendimento pré-hospitalar São todos os atos destrutivos ou omissões
Categoria: Acidentes e Violência do(a) agressor(a) que afetam a saúde emocio-
Viaturas equipadas com equipamentos para nal e a sobrevivência dos membros da família.
resgatar vítimas presas em ferragens ou em Violência financeira
outras condições anômalas. Ver Violência econômica.
Vigilância epidemiológica Violência física
Categoria: Epidemiologia Categoria: Acidentes e Violência
Conjunto de atividades que permite reu- Ocorre quando uma pessoa, que está em re-
nir a informação indispensável para conhe- lação de poder em relação a outra, causa ou
cer, a qualquer momento, o comportamento tenta causar dano não acidental, por meio do
ou história natural das doenças, bem como uso da força não lesões externas, internas ou
detectar ou prever alterações de seus fatores ambas. Segundo concepções mais recentes, o
condicionantes, com o fim de recomendar castigo repetido, não severo, também se con-
oportunamente, sobre bases firmes, as medi- sidera violência física.
das indicadas e eficientes que levem à preven- Violência institucional
ção e ao controle de determinadas doenças. Categoria: Acidentes e Violência
Vigilância nacional de parturientes É aquela exercida pelos próprios serviços pú-
Categoria: Vigilância em Saúde blicos, por ação ou omissão. Pode incluir des-
É a estratégia para se conhecer a prevalência de a dimensão mais ampla da falta de acesso
da infecção pelo HIV, da sífilis e das hepatites à má qualidade dos serviços. Abrange abusos
e a partir da detecção de anticorpos marcado- cometidos em virtude das reflexões de poder
res dessas infecções em amostras de sangue, desiguais entre usuários e profissionais dentro
coletadas de modo anônimo e não-vinculado das instituições, até por uma noção mais res-
em sítios sentinela com base amostral. trita do dano físico intencional.
Vigilância sentinela Violência intrafamiliar
Categoria: Epidemiologia Categoria: Acidentes e Violência
Método de escolha para que se obtenham Toda ação ou omissão que prejudique o bem-
Violência psicológica
106 VIO Zalcitabina

estar, a integridade física, psicológica ou a li- vírus causador da aids. Por fornecer resulta-
berdade e o direito ao pleno desenvolvimento dos muito precisos, geralmente é utilizado na
de outro membro da família. Pode ser come- confirmação de um resultado já obtido com
tida dentro ou fora de casa por algum mem- os testes de triagem.
bro da família, incluindo pessoas que passam Zalcitabina
a assumir função parental, ainda que sem la- Ver DDC.
ços de consangüinidade, e em relação de po-
der à outra.
Violência psicológica
Categoria: Acidentes e Violência
É toda ação ou omissão que causa ou visa a
causar dano à auto-estima, à identidade ou
ao desenvolvimento da pessoa.
Violência sexual
Categoria: Acidentes e Violência
É toda ação na qual uma pessoa em relação
de poder e por meio de força física, coerção
ou intimidação psicológica, obriga uma outra
ao ato sexual contra a sua vontade, ou que a
exponha em interações sexuais que propiciem
sua vitimização da qual o agressor tenta obter
gratificação.
Vulnerabilidade
Categoria: Epidemiologia
Conjunto de fatores de natureza biológica,
epidemiológica, social e cultural cuja intera-
ção amplia ou reduz o risco ou a proteção de
uma pessoa ou população frente a uma deter-
minada doença, condição ou dano.
Vulnerabilidade individual
Categoria: Doenças
Está relacionada, principalmente, como os
comportamentos adotados pelo indivíduo e
que podem favorecer a infecção.
Western blot
Categoria: Medicamentos, Vacinas e Insumos
Tipo de teste feito em amostras de sangue,
para verificar se a pessoa teve contato com o
107
Áreas Temáticas da
BVS Saúde Pública
As áreas temáticas descritas a seguir foram Assim, esse recorte temático foi incorpo-
desenvolvidas por um grupo de especialistas, rado ao VCMS como estrutura inicial. Po-
sob coordenação da Faculdade de Saúde Pú- rém, os temas relacionados às Doenças Crô-
blica da USP, com o objetivo de definir os nicas e Degenerativas e Doenças Infecciosas
temas da saúde pública brasileira no sentido e Parasitárias foram substituídas por uma ca-
de abranger as necessidades de informação de tegoria intitulada Doenças, pois era preciso
grupos acadêmicos, de profissionais de saúde, incluir outros tipos de doenças relacionados à
legisladores, gestores e formuladores de polí- saúde pública nesse vocabulário.
ticas de saúde, divulgado ao público na Bi-
blioteca Virtual de Saúde Pública:
(www.saudepublica.bvs.br).

Acidentes e Violência e políticas públicas e governamentais, ao con-


Refere-se ao conjunto de agravos à saúde que junto de normas e funções regidas por princí-
pode levar a óbito ou seqüelas irreversíveis pios e práticas administrativas, gestão, plani-
que inclui as causas ditas acidentais: devidas ficação e gerência.
ao trânsito, trabalho, quedas, envenenamen- Inclui subtemas como: administração de ser-
tos, afogamentos e outros tipos de acidentes, viços de saúde, administração hospitalar, ge-
e as causas intencionais como agressões e le- rência em saúde, planejamento em saúde, ad-
sões autoprovocadas. ministração pública em saúde, modelos de
Inclui subtemas como: abuso sexual, aciden- atenção, orçamentos públicos, avaliação de
tes com animais peçonhentos, acidentes de programas e serviços, territorização, deman-
trânsito, acidentes do trabalho, homicídios, da e utilização de serviços, etc.
intoxicações e envenenamentos, maus-tratos Alimentação e Nutrição
contra o idoso, maus tratos na infância, sui- Refere-se a todos os tipos de substâncias que
cídios, violência doméstica, violência contra têm por função alimentar ou nutrir seres hu-
as mulheres, acidentes em ambientes domés- manos e animais.
ticos, etc. Inclui subtemas como: avaliação alimentar e
Administração e Planejamento em Saúde nutricional, necessidades nutricionais e ali-
Refere-se à organização, elaboração de planos mentares, política de alimentação e nutrição,
108

segurança alimentar e nutricional, vigilância saúde, avaliação de programas e serviços, hu-


alimentar e nutricional, alimentos funcionais manização em saúde, imunização/vacinação,
e geneticamente modificados, epidemiologia modelos de atenção, níveis de atenção à saú-
dos distúrbios da nutrição, atropometria, etc. de, programas de assistência em saúde, quali-
Ambiente e Saúde dade em saúde, saúde bucal, saúde da crian-
Refere-se ao estudo das interações entre os ça, saúde da família, saúde da mulher, saúde
seres vivos e o meio, dedica-se a analisar as do adolescente e do jovem, saúde do adulto,
formas de vida, substâncias agressivas e con- saúde do idoso, saúde do indígena, saúde dos
dições adequadas ou inadequadas, produzi- portadores de deficiências, saúde e trabalho,
das pela ação humana, que podem exercer al- saúde mental, saúde reprodutiva, saúde do
guma influência sobre a sua saúde e sobre o homem, saúde suplementar, etc.
meio em que vive. Ciência e Tecnologia em Saúde
Inclui subtemas como: águas de abastecimen- Refere-se a investimentos públicos em ciência
to para consumo humano, águas residuais, e tecnologia; desenvolvimento institucional e
resíduos sólidos, controle ambiental e polui- de formação de pessoal voltados à ciência e
ção, desastres naturais, emergências ambien- tecnologia em saúde; políticas públicas e de
tais, legislação e direito ambiental, educação gestão em Ciência e Tecnologia.
ambiental, política, planejamento e gestão Inclui subtemas como: desenvolvimento ins-
ambiental, qualidade ambiental (do ar, da titucional, financiamento em Ciência e Tec-
água, do solo), saneamento ambiental, eco- nologia, formação de recursos humanos para
logia sanitária, saúde e trabalho, economia e Ciência e Tecnologia em saúde, políticas de
meio ambiente, desenvolvimento sustentável, Ciência e Tecnologia/prioridades em pes-
gestão de riscos e de impactos ambientais, in- quisa, gestão em pesquisa em saúde, comu-
dicadores de contaminação, psicologia am- nicação científica, divulgação, revistas espe-
biental, efeitos sobre o consumo e exposição cializadas, incorporação de conhecimentos e
a produtos tecnológicos que tragam danos à tecnologias, etc.
saúde, agentes tóxicos, luz fluorescentes, ele- Ciências Sociais em Saúde
tricidade estática, computador, telefonia ce- Refere-se aos estudos que se utilizam ou são
lular, torres eletromagnéticas, efeito estufa, elaborados pelas ciências sociais aplicados ao
cidades saudáveis, entornos saudáveis, etc. campo da Saúde Pública. Abrange: dinâmi-
Atenção à Saúde cas e movimentos socioculturais, relações in-
Refere-se à proteção e atenção à saúde dos di- terpessoais e de grupos; diversidades étnicas,
versos grupos etários que correspondem aos questões de gênero; modos de vida relaciona-
ciclos vitais: feto, criança, adolescente, jovem, dos à proteção ou agressão à saúde, sofrimen-
mulher, homem, adulto e idoso; e aos serviços tos psíquicos e doenças sociais.
de saúde correspondentes às ações de atenção. Inclui subtemas como: saúde/doença e cultu-
Inclui subtemas como: atenção integral à saú- ra, reivindicações sociais pela atenção à saú-
de, atenção primária à saúde/atenção básica à de, dimensões éticas e políticas da atenção à
109

saúde, interesses internacionais e proteção à Inclui subtemas como: direito à saúde pú-
saúde nacional e regional, assistência à saú- blica, direito sanitário, advocacia em saú-
de como direito social, dimensões simbólicas de, bioética, saúde coletiva, direitos huma-
e psicológicas e saúde, saúde mental, cidada- nos, poder de polícia sanitária, legislação em
nia, sociologia da saúde, antropologia da saú- saúde, risco à saúde, crime hediondo, cri-
de, antropologia médica, gênero, etc. me contra a saúde pública, infrações sani-
Comunicação em Saúde tárias, segurança sanitária internacional, di-
Refere-se ao conjunto dos meios de comu- reito sanitário ambiental, responsabilidade
nicação de massa voltados a divulgação de ética, civil e criminal, direitos do portador
produtos, serviços, ações preventivas e iden- de doença mental, direito sanitário do tra-
tificação de riscos relacionados à saúde ou balho, direito sanitário, direito do consumi-
morbidades de interesse individual ou coletivo. dor, etc.
Inclui subtemas como: mídia (jornal, rádio, Doenças Crônicas e Degenerativas
televisão, conteúdos e imagens digitais, etc), Refere-se ao conjunto de doenças relaciona-
redes de informação especializadas, comuni- das a múltiplos fatores de risco ambientais
cação social, revistas, campanhas sanitárias, (hábitos de vida, ambiente ocupacional, am-
divulgação de descobertas científicas e tecno- bientes em geral), fatores genéticos e enve-
lógicas, etc. lhecimento populacional.
Demografia Inclui subtemas como: doença pulmonar
Refere-se aos estudos das populações huma- obstrutiva crônica, câncer, diabetes, doenças
nas, com o objetivo de caracterizá-las e anali- cardiovasculares, doenças reumáticas, ane-
sar tendências populacionais. mia, obesidade, carências nutricionais, etc.
Inclui subtemas como: fertilidade e fecun- Doenças Infecciosas e Parasitárias
didade, tipos de doenças e óbitos em grupos Refere-se ao conjunto de infecções que po-
populacionais, traçados culturais, questões de dem ser adquiridas por contato direto de
gênero e políticas em saúde reprodutiva, flu- pessoa a pessoa, indireto e por contamina-
xos migratórios, dinâmica populacional, ta- ção biológica, alimentar e ambiental, e tam-
manho da população, estatísticas vitais, etc. bém por vetores biológicos.
Direito Sanitário Inclui subtemas como: aids, cólera, dengue,
Refere-se ao conjunto de leis e normas, na- diarréia, doenças sexualmente transmissíveis,
cional e internacional, que compõe o sistema febre amarela, outras arboviroses, hansenía-
jurídico no que se refere à saúde dos cidadãos se, hepatite, infecções hospitalares, menin-
e da coletividade. Abrange organização da ad- gite, raiva, sarampo, tuberculose, malária,
ministração sanitária, responsabilidade ética, zoonoses, esquistossomose, doenças transmi-
administrativa, civil e penal dos profissionais tidas por alimentos, doença de chagas, leish-
e dos serviços de saúde e a aplicação dos ins- manioses, filariose, outras doenças veiculadas
trumentos legais para a tutela e garantia do por vetores, ascaridiose, outras helmintíases,
direito à saúde. doenças emergentes e reermegentes, etc.
110

Drogas de Uso Terapêutico e Social Inclui subtemas como: análise da situação


Refere-se aos efeitos causados pelo consumo de saúde, estrutura epidemiológica de gru-
de substâncias químicas e seus desdobramen- pos populacionais, bioestatística, métodos
tos sobre as atividades físicas, psíquicas ou so- epidemiológicos, sistemas de informação em
bre o comportamento humano. saúde, iIndicadores de saúde, estudos popu-
Inclui subtemas como: usos e dependências, lacionais, estatística vital, epistemologia em
farmacodependência, políticas e programas epidemiologia, determinantes da saúde e da
de prevenção e controle, legislação nacional e doença, etc.
internacional de interesse sanitário, responsa- Eqüidade em Saúde e Social
bilidade criminal, alcoolismo, tabagismo, de- Refere-se à igualdade de recursos para neces-
sintoxicação de ingestão de substâncias quí- sidades iguais, de oportunidades de acesso
micas, etc. para iguais necessidades, utilização dos mes-
Economia da Saúde mos recursos políticos, materais, de pessoal e
Refere-se aos estudos sobre gasto e financia- econômico, para neceesidades iguais, ética na
mento em saúde, alocação e utilização de re- aplicação de tecnologia e recursos financeiros
cursos no setor Saúde, avaliação econômica às demandas sociais.
(análise custo-efetividade e custo-benefício Inclui subtemas como: eqüidade e iniquida-
de programas, procedimentos, intervenções e de à saúde, iniqüidade social, desigualdade de
políticas públicas), eficiência e custos na pres- renda, distribuição de riqueza, desigualdade e
tação de serviços, análise da demanda e utili- questões de gênero, desigualdade raciais e ét-
zação de serviços, processos de reforma seto- nicas, desigualdade por grupo etário, coesão
rial, organização dos serviços e modalidades social nas relações humanas, população peri-
de pagamento, análise do funcionamento e férica, condições de vida, direitos Humanos,
das falhas de mercado no setor Saúde. justiça social, preconceito, desvios sociais,
Inclui subtemas como: avaliação econômica marginalidade, semelhanças e diferenças ét-
(análise custo-benefício e custo-efetividade), nicas e culturais, laços sociais, intolerância
demanda e utilização de serviços, gasto e fi- social, direitos de grupos minoritários às po-
nanciamento, organização e funcionamento líticas de saúde, exclusão e inclusão social,
do setor, relação público-privado e regula- acesso à informação, etc.
mentação do setor, orçamentos públicos, alo- Ética e Bioética
cação e utilização de recursos, SUS, etc. Refere-se ao conjunto de regras de conduta
Epidemiologia moral, deontológica e social que regulamen-
Refere-se aos estudos retrospectivos e pros- tam as relações mútuas entre os indivíduos
pectivos da distribuição e dos determinan- ou entre estes e a comunidade e o meio. A
tes da prevalência das doenças em pessoas e bioética volta-se ao estudo dos valores morais
animais, envolvendo o estudo dos fatores que das ciências da vida e dos cuidados da saúde,
propiciam a ocorrência das doenças, inquéri- de abrangência individual ou coletiva.
tos e investigação epidemiológica. Inclui subtemas como: ética em pesquisas em
111

saúde, ética nos serviços de saúde, bioética e blico relacionados ao setor da saúde.
alocação de recursos de saúde, bioética e ações Inclui subtemas como: cidadania, ação polí-
coletivas de saúde, transplantes e comerciali- tica de domínio e interesse público, avaliação
zação de órgãos, morte assistida, fertilização e desempenho das políticas públicas, gestão
artificial, clone humano, genoma, etc. pública, advocacia em saúde da população,
História da Saúde Pública emponderamento, reforma do setor Saúde,
Refere-se às investigações voltadas a história participação popular, conselhos de saúde,
das políticas, instituições e profissões de saú- controle social, movimentos sociais em saú-
de pública, história das ciências biomédicas e de, ONGs e saúde, movimentos populares
das doenças, modos de vida e práticas curati- por saúde, etc.
vas populares; saúde e cidades. Promoção e Educação em Saúde
Inclui subtemas como: história/processos e Refere-se às diferentes formas de organização
eventos relativos à saúde pública, história das da sociedade no enfrentamento de seus pro-
ciências biomédicas, história da medicina e blemas de ausência de atenção à saúde e ao
das doenças, guias de acervos, catálogos, in- meio ambiente pelos poderes públicos, aos
ventários bibliográficos e similares; historio- direitos do consumidor e informação em saú-
grafia e metodologia, história das políticas, de, controle público sobre a utilização de re-
instituições e profissões em saúde, história cursos públicos do setor Saúde, cidadania e
das mentalidades sobre saúde e doença, etc. saúde, educação em saúde.
Medicamentos, Vacinas e Insumos Inclui subtemas como: participação popular,
Refere-se à produção científica e tecnológica cidadania, educação política, metodologias
referentes à biotecnologia e farmacologia de da educação em saúde. movimento popular,
produtos de origem sintética e natural para comunicação social na saúde, advocacia em
consumo da população. saúde, atividade física, empoderamento, esco-
Inclui subtemas como: sangue e derivados, las promotoras de saúde, estilo de vida, mu-
pesquisas e produção em laboratórios de saúde nicípios saudáveis/entornos saudáveis, parti-
pública, vacinas e reagentes para diagnóstico cipação social, reorganização dos serviços de
laboratorial, farmácia, qualidade dos medica- saúde, campanhas sanitárias, etc.
mentos, patentes, campanhas de imunização, Recursos Humanos em Saúde Pública
medicamentos essenciais e genéricos, contro- Refere-se à formação e capacitação de pessoal
le de medicamentos e entorpecentes, uso de técnico especializado, necessário ao funciona-
medicamentos, legislação de medicamentos, mento do sistema público de saúde local, es-
comercialização de medicamentos, armazena- tadual e nacional para as atividades de ação,
gem de medicamentos, avaliação de medica- regulação, controle e fiscalização, administra-
mentos, política de medicamentos, etc. ção, gerenciamento e gestão, pesquisa, ensino
Políticas Públicas e Saúde e treinamento de pessoal.
Refere-se à arena de interesses políticos, so- Inclui subtemas como: carreira de profissio-
ciais e econômicos relativos ao domínio pú- nais em saúde, desenvolvimento de recursos
112

humanos em saúde, educação à distância,


educação permanente, formação e capacitação
em saúde, política de recursos humanos, etc.
Saúde Animal
Refere-se aos cuidados e atenção à saúde dos
animais, particularmente os de convívio hu-
mano ou como fonte alimentar para o consu-
mo humano.
Inclui subtemas como: vacinação e controle
de animais de convívio com humanos, ali-
mentação e nutrição animal, doenças ocu-
pacionais derivadas de contato com animais,
vigilância de portos, aeroportos e zonas de
fronteira na comercialização e circulação de
animais, zoonoses e impactos à saúde huma-
na derivados da cadeia alimentar, etc.
Vigilância em Saúde
Refere-se à proteção e à promoção da saúde da
população por meio da segurança sanitária de
produtos, comercialização e serviços ofertados.
Abrange: ambientes, processos de produção
de insumos e tecnologias a ela relacionadas,
vigilância de alimentos, cosméticos, deriva-
dos de tabaco, farmacovigilância, monitora-
mento de mercado, portos, aeroportos, zonas
de fronteiras, produtos para saúde, saneantes,
sangue e derivados, serviços de saúde, tecno-
vigilância, toxicologia, campanhas sanitárias.
Inclui subtemas como: vigilância epidemio-
lógica, doenças de notificação compulsória,
infecção hospitalar, vigilância alimentar e nu-
tricional, vigilância sanitária, vigilância de san-
gue e hemoderivados, vigilância de alimentos,
vigilância de medicamentos, controle e quali-
dade de vacinas, vigilância de serviços de saú-
de, vigilância de saneantes e domissanitários,
vigilância de correlatos, vigilância de cosmé-
ticos, vigilância de saúde do trabalhador, etc.
113
Descritores organizados
por categorias
Os termos coletados e aceitos como descri- DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS poderá
tores do VCMS são organizados segundo as ser encontrado na categoria de “Administra-
áreas temáticas, conforme demonstrado no ção e Planejamento em Saúde”, entendido
capítulo anterior e estão, também, aberto à como um INSTRUMENTO DE PLANE-
críticas e sugestões. Como a Saúde Pública é JAMENTO, mas também na Categoria de
uma área interdisciplinar, os descritores pode- “Economia em Saúde” por se tratar das des-
rão ser encontrados em mais de uma catego- pesas de capital para o exercício financeiro.
ria. Como, por exemplo, o descritor LEI DE

Administração e Planejamento em Saúde Contra-referência


Acreditação hospitalar Contrato de compra de serviços
Agenda de saúde Contrato de gestão
Atendimento pré-hospitalar Controle assistencial
Atendimento pré-hospitalar fixo Convênios
Atendimento pré-hospitalar móvel Departamento de Informática do SUS
Auditoria analítica (Datasus)
Auditoria operacional Desburocratização
Autorização de Internação Hospitalar Descentralização
(AIH) Distritalização
Avaliação Gerência em saúde
Cadastro Nacional de Estabelecimentos Gestão avançada do sistema estadual
de Saúde (CNES) Gestão do sus
Cartão Nacional de Saúde Gestão estadual de saúde
Centrais farmacêuticas Gestão federal de saúde
Cobertura de serviços de saúde Gestão municipal de saúde
Comando único Gestão plena da atenção básica
Comissão intergestores Gestão plena da atenção básica ampliada
Comissão intergestores bipartite Gestão plena do sistema estadual
Comissão intergestores tripartite Gestão plena do sistema municipal
Comissões intersetoriais Habilitação
Consórcios intermunicipais Hemocad
114

Hemoinsp Região de saúde


Hemovigilância Relatório de gestão
Hospitalização do idoso Relatório de vistoria
Infecção hospitalar Resolutividade
Intituto Nacional de Câncer (Inca) Secretaria-executiva
Instrumentos de gestão em saúde Sistema de Informações Ambulatoriais
Internação hospitalar (SIA-SUS)
Intersetorialidade Sistema de Informações da Atenção
Lavanderia hospitalar Básica (SIAB)
Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) Sistema de Informações sobre Agravos de
Leito hospitalar Notificação (Sinan)
Licitação Sistema de Informações do Programa
Microrregião de saúde Nacional de Imunizações (SI-PNI)
Módulo assistencial Sistema de Informações Hospitalares
Município-pólo (SIH-SUS)
Município-sede do módulo assistencial Sistema de Informações sobre
Observação hospitalar Mortalidade (SIM)
Ouvidoria da saúde Sistema de Informações sobre Nascidos
Plano de saúde (gestão do SUS) Vivos (SINAV)
Plano diretor de regionalização Sistema de Informações sobre
Plano nacional de saúde do sistema Orçamentos Públicos em Saúde
penitenciário (Siops)
Plano nacional de vacinas anti-hiv/aids Sistema de Informações sobre Vigilância
Plano Plurianual (PPA) Alimentar e Nutricional (Sisvan)
Posto de saúde Sistema Nacional de Auditoria
Profae Sistema Nacional de Laboratórios de
Programa de combate às carências Sorologia Para HIV
nutricionais Sistema Único de Saúde (SUS)
Programa qualidade do sangue Sistemas de informação
Programação Pactuada e Integrada (PPI) Sistemas de informação em saúde
Programas de saúde Termo de compromisso
Projeto bela vista Unidade mista
Projeto carteiro amigo Unidades de referência
Projeto horizonte Acidentes e Violência
Prontuário médico Abuso financeiro aos idosos
Quadro de metas Abuso incestuoso
Redes regionais Abuso sexual na infância
Reforsus Acidentes ampliados
115

Acidentes de trabalho Alimento complementar


Acidentes de trabalho fatais Alimento dietético
Acidentes de trabalho graves Alimento in natura
Acidentes de trânsito Alimento integral
Acidentes de transporte Amamentação exclusiva
Autonegligência Anorexia nervosa
Casas de apoio para mulheres em Avaliação antropométrica
situação de risco Baixo peso ao nascer
Comunicação de acidente do trabalho Banco de leite humano
Conselho tutelar Bem-estar nutricional
Conselhos de defesa dos direitos da Bulimia
criança e do adolescente Composição dos alimentos
Conselhos dos direitos da mulher Crescimento
Delegacia Crescimento compensatório
Estupro Cretinismo
Informação tóxico-farmacológica Deficiência de ferro
Medida cautelar Deficiência de micronutrientes
Negligência Deficiência primária de iodo
Notificação de maus-tratos Deficiências nutricionais
Reabilitação Deficit de altura
Riscos ocupacionais Desmame
Sexo forçado no casamento Desnutrição
Síndrome da criança espancada Desnutrição crônica
Síndrome de munchausen por Desnutrição energético-protéica
provocação Dieta
Síndrome do bebê sacudido Digestão
Suporte avançado de vida Dislipidemia
Suporte básico de vida Distúrbios alimentares
Veículos para atendimento pré-hospitalar Doenças da nutrição
Violência econômica Endemias carenciais
Violência física Enriquecimento alimentar
Violência institucional Ferro medicamentoso
Violência intrafamiliar Fracionamento de alimentos
Violência psicológica Gelados comestíveis
Violência sexual Hipovitaminose A
Alimentação e Nutrição Idiotia
Alimentação saudável Índice de pobreza humana
Alimento artificial Macronutrientes
116

Micronutrientes Amamentação exclusiva


Nutrimento Anticoncepção de emergência
Obesidade Árvore de causas
Orientação alimentar Assistência à saúde
Pirâmide alimentar Assistência ambulatorial
Produção de alimentos Assistência aos trabalhadores
Programa de combate às carências Assistência farmacêutica
nutricionais Assistência farmacêutica básica
Projeto carteiro amigo Atenção à saúde
Recomendações nutricionais Atenção básica
Rotulagem nutricional Atenção humanizada ao recém-nascido
Segurança alimentar de baixo peso
Vegetarianismo Atividade de apoio diagnóstico e
Ambiente e Saúde terapêutico
Benzeno Autonegligência
Chumbo Avaliação da autonomia e capacidade
Controle químico funcional
Desinfetante Avaliação da saúde mental
Detergente Baixo peso ao nascer
Estudos ecológicos Banco de leite humano
Explosão demográfica Biblioteca viva
Inseticidas piretóides Centrais de regulação médica de
Riscos ocupacionais urgências
Ruído Central nacional de transplante
Salubridade ambiental Centro de referência em assistência à
Solventes orgânicos saúde do idoso
Atenção à Saúde Centro de saúde
Abordagem médica tradicional do adulto Centro de testagem e aconselhamento
hospitalizado em aids
Ação racional Centro nacional de regulação de alta
Acidentes de trabalho complexidade
Ações estratégicas Centro regional de especialidade
Acompanhamento do crescimento e Centros de atenção psicossocial
desenvolvimento infantil Centros de orientação e apoio sorológico
Aconselhamento Centros de saúde
Aconselhamento coletivo Climatério
Agentes comunitários da saúde Coito interrompido
Alta complexidade Comunicação de acidente do trabalho
117

Consulta geriátrica Níveis de complexidade


Crescimento Núcleos de educação em urgências
Cuidado comunitário do idoso Perda auditiva induzida por ruído
Deficit de altura Planejamento familiar
Dermatoses ocupacionais Plano nacional de saúde do sistema
Desmame penitenciário
Distritalização Política nacional de saúde do idoso
Doença profissional Posto de medicamentos
Doenças do trabalho Preservativo feminino
Domiciliação do risco Preservativo masculino
Estabelecimentos de saúde Programa de humanização no pré-natal e
Gestação de alto risco nascimento
Grupo de apoio ao idoso Programa de interiorização do trabalho
Hábitos saudáveis em saúde
Hemocentro Programa nacional de humanização da
Herança genética assistência hospitalar
Hierarquização Programa saúde da família
Hospital Quarentena
Hospital amigo da criança Reabilitação
Hospital de base Rede de suporte ao idoso
Hospital de capacidade extra Rede nacional de genotipagem
Hospital-dia geriátrico Redes sociais
Hospital especializado Reposição de nicotina
Hospital local Saúde da criança
Hospital regional Saúde da mulher
Hospitalização do idoso Saúde do adolescente e do jovem
Humanização Saúde do trabalhador
Humanização do atendimento Saúde indígena
Imunologia Serviço de assistência especializada
Integralidade Sistemas formais de cuidados
Mamografia Sistemas informais de cuidados
Média complexidade Suporte social
Médico regulador Unidade de saúde da família
Menopausa Unidade sanitária
Métodos contraceptivos Ciência e Tecnologia em Saúde
Métodos de barreiras Biossegurança
Modelo ecológico Biotecnologia
Mutirão Cartão Nacional de Saúde
118

Ciência e tecnologia Sistemas de Informação em Saúde


Departamento de Informática do SUS Ciências Sociais em Saúde
(Datasus) Adolescente
Desenvolvimento tecnológico Aprendizagem social
Ensaio terapêutico Estrutura de gênero
Ensaios clínicos Família
Ensaios de comunidade Garoto de programa
Ética em pesquisa Gênero
Hemocad Grupo matricial
Hemoinsp Identidade sexual
Hemovigilância Idoso
Instituição de pesquisa Profissionais do sexo
Pesquisa Sexualidade
Pesquisa em reprodução humana Sistema de gênero
Pesquisa em saúde Comunicação em Saúde
Pesquisa envolvendo seres humanos Biblioteca Virtual em Saúde
Pesquisador responsável Biblioteca viva
Projeto bela vista Propaganda de produtos farmacêuticos
Protocolo de pesquisa Demografia
Sistema de Informações Ambulatoriais Composição populacional
(SIA-SUS) Envelhecimento populacional
Sistema de Informações Hospitalares Expectativa de vida ao nascer
(SIH-SUS) Explosão demográfica
Sistema de Informações da Atenção Feminilização no envelhecimento
Básica (SIAB) Indicadores demográficos
Sistema de Informações sobre Agravos Método direto de padronização
De Notificação (Sinan) Morbimortalidade
Sistema de Informações de Hiv Pátrio poder
Soropositivo Assintomático População economicamente ativa
Sistema de Informações do Programa Trabalhador
Nacional De Imunizações (SI-PNI) Trabalhador coletivo
Sistema de Informações sobre Trabalho precoce
Mortalidade (SIM) Transição demográfica
Sistema de Informações sobre Nascidos Direito Sanitário
Vivos (Sinav) Autorização de exportação
Sistema de Informações sobre Vigilância Autorização de importação
Alimentar e Nutricional (Sisvan) Autorização sanitária
Sistemas de informação Certificado de boas práticas de fabricação
119

Certificado de registro de produto Célula T8


Conselhos dos direitos da mulher Chlamydia trachomatis
Cuidados paliativos Citomegalovírus
Direitos civis e políticos Citopatologia
Medida cautelar Clamidiose
Norma operacional básica Cólera
Norma Operacional de Assistência à Colesterol
Saúde (NOAS) Condiloma acuminado
Registro de produto Contágio
Doenças Coqueluche
Aids Corrimento
Aids pediátrica Cretinismo
Amebíase Deficiência de ferro
Anemia Deficiência de micronutrientes
Anemia falciforme Deficiência primária de iodo
Anorexia nervosa Dengue
Antraz Depressão
Artrite reumatóide Dermatite atópica
Asbestose Dermatite de contato alérgica
Asma Dermatite de contato irritativa
Benzenismo Dermatite seborréica
Bócio Dermatofitose
Bulimia Dermatoses ocupacionais
Câncer de esôfago Desidratação
Câncer de estômago Desnutrição
Câncer de mama Desnutrição crônica
Câncer de pâncreas Desnutrição energético-protéica
Câncer de pele Diabetes
Câncer de pênis Diarréia
Câncer de próstata Diarréia aguda
Câncer do colo do útero Difteria
Cancerologia Dislipidemia
Cancro duro Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao
Cancro mole Trabalho (DORT)
Candidíase Distúrbios alimentares
Catarata Doença de Chagas
CD4 Doença de Parkinson
Célula T4 Doença de Wilson
120

Doença profissional Impetigo


Doenças cardiovasculares Imunodeprimido
Doenças crônico-degenerativas Imunopatogênico
Doenças da nutrição Infecção hospitalar
Doenças das vias aéreas Insuficiência renal
Doença de Alzheimer Leptospirose
Doenças degenerativas Linfadenopatia persistente generalizada
Doenças do trabalho Linfogranuloma venéreo
Doenças dos idosos Malária
Doenças falciformes Obesidade
Doenças oportunistas Papiloma Vírus Humano (HPV)
Doenças prevalentes Pediculoses
Doenças renais Peste
Doenças sexualmente transmissíveis Pneumoconiose
Donovanose Portador assintomático
Eczema Portador sintomático
Endemias carenciais Raiva humana
Epilepsia Retinopatia diabética
Escabiose Sarampo
Febre amarela Sarcoma de Kaposi
Febre do nilo ocidental Saturismo
Febre tifóide Sensibilidade diagnóstica
Furúnculo Sífilis
Gonorréia Sífilis congênita
Guias terapêuticos padronizados Silicose
Hanseníase Soroconversão
Hemofilia Soropositivo
Hepatite Tétano
Hepatite viral Tracoma
Hepatite viral A Tuberculose
Hepatite viral B Uretrites
Hepatite viral C Urticária
Hepatite viral D Drogas de Uso Terapêutico e Social
Hepatite viral E Alcoolismo
Herpes simples Alcoólatra
Hipertensão arterial Bebedor moderado
Hipovitaminose A Bebedor-problema
Idiotia Comunidades terapêuticas
121

Dependente de álcool Coorte


Doenças cardiovasculares Endemia
Drogas ilícitas Epidemia
Drogas injetáveis Epidemiologia descritiva
Drogas lícitas Estudos descritivos
Embriaguez Feminização da aids
Redução de danos Fundação Nacional de Saúde (Funasa)
Usuários de droga injetável Incidência
Economia de saúde Índice de pobreza humana
AIDS II Interiorização da aids
Fator de Incentivo ao Desenvolvimento Janela imunológica
de Ensino e Pesquisa (Fideps) Método epidemiológico
Fração assistencial especializada Nascido morto
Fundo Estadual de Saúde Nascido vivo
Fundo Municipal de Saúde Óbito fetal
Fundo Nacional de Saúde Óbito hospitalar
Fundos de saúde Óbito materno
Incentivo de Integração ao Sistema Óbito neonatal
Único de Saúde (Integrasus) Óbito neonatal precoce
Incentivos Paciente-dia
Índice de valorização de resultado Pauperização da aids
Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) Perfil nosológico
Limite financeiro Prevalência
Orçamento da seguridade social Projeto horizonte
Piso da Atenção Básica (PAB) Rede sentinela nacional de parturientes
Plano Plurianual (PPA) Sistema de informações de hiv
Programação pactuada e integrada (PPI) soropositivo assintomático
Remuneração por serviços produzidos Soroprevalência
Teto financeiro da Assistência do Estado Taxa de ataque
(TFAE) Vigilância epidemiológica
Teto financeiro da Assistência do Vigilância sentinela
Município (TFAM) Vulnerabilidade
Epidemiologia Eqüidade em saúde e social
Baixo peso ao nascer Centro Regional de Especialidade
Centro Nacional de Epidemiologia Centros de saúde
Coeficiente de morbidade Eqüidade
Comportamento sexual Perfil epidemiológico
Controle de endemias Prevalência
122

Regulação Assistencial Denominação comum brasileira


Universalidade Dideoxiinosine
Ética e Bioética Dideoxitidina
Bioética Dispensação
Ética em pesquisa Dispensário de medicamentos
Pesquisa em reprodução humana Drogas
Pesquisa em saúde Eficácia dos medicamentos
Pesquisa envolvendo seres humanos Elisa
Pesquisador responsável Ensaio terapêutico
Transplante de órgãos Ensaios clínicos
História da Saúde Pública Ensaios de comunidade
Franca explosão demográfica Equipamento de diagnóstico
Medicamentos, Vacinas e Insumos Equivalência in vitro
Aditivo químico Estudo de utilização de medicamentos
Adjuvantes farmacêuticos Estudo terapêutico ampliado
Analgésicos adjuvantes Estudo terapêutico piloto
Análogos de nucleosídeos Evento adverso
Antibióticos Evento adverso inesperado
Antibioticoterapia Evento adverso sério
Antimicrobianos Exame de genotipagem
Anti-retroviral Farmácia popular
Assistência farmacêutica Farmácias magistrais
Assistência farmacêutica básica Fármaco
Automedicação Farmacocinética
Azitodimidina Farmacodinâmica
Banco de Preços em Saúde – Aids Farmacoepidemiologia
Banco de Preços Praticados na Área Farmacopéia brasileira
Hospitalar Farmacoterapia
Biodisponibilidade Farmoquímicos
Bioequivalência Forma de comercialização
Carga viral Formulação farmacêutica
Centrais farmacêuticas Formulário terapêutico nacional
Componente Insumo farmacêutico
Concentração Intercambialidade
Coquetel anti-aids Laboratório oficial
Corantes de medicamentos Margem terapêutica
Correlatos Matéria-prima
D4T Medicamentos bioequivalentes
123

Medicamentos biológicos Relação Nacional de Medicamentos


Medicamentos biotecnológicos Essenciais (Rename)
Medicamentos de controle especial Substância ativa
Medicamentos de dispensação em caráter Substância proscrita
excepcional Testagem sorológica
Medicamentos de referência Uso racional de medicamentos
Medicamentos de saúde mental Western blot
Medicamentos de uso contínuo Políticas Públicas e Saúde
Medicamentos de venda livre Agência Nacional de Saúde (ANS)
Medicamentos estratégicos Comissões Intergestores
Medicamentos excepcionais Conselho de Secretários Municipais de
Medicamentos fitoterápicos Saúde
Medicamentos genéricos Conselho Estadual de Saúde
Medicamentos homeopáticos Conselho Municipal de Saúde
Medicamentos para a atenção básica Conselho Nacional de Saúde
Medicamentos similares Conselho Nacional de Secretários
Medicamentos tarjados Estaduais de Saúde
Módulo-padrão de suprimento Conselho Nacional de Secretários
Nome comercial Municipais de Saúde
Notificação de receita Conselhos de Saúde
Órgão de vigilância sanitária competente Controle social
Plano nacional de vacinas anti-HIV/aids Cooperativas médicas
Posto de medicamentos Farmácia popular
Princípio ativo Operadora de saúde
Produto biológico Plano de saúde
Produto de higiene Unidade territorial de qualificação na
Produto dietético assistência à saúde
Produto farmacêutico Promoção e Educação em Saúde
Produto intermediário Acreditação hospitalar
Produto médico estéril Banco de preservativos
Produto médico invasivo Controle social
Produtos médicos Crenças em saúde
Produtos para diagnóstico de uso in-vitro Educação sexual
Protocolos clínicos Métodos contraceptivos
Psicotrópicos Suporte social
Pureza Saúde Animal
Quimioterápicos Políticas Públicas e Saúde
Reação adversa Análise de controle
124

Análise fiscal Rotulagem nutricional


Análise prévia Rótulo
Assistência aos trabalhadores Saneantes domissanitários
Autoridade sanitária Saúde do trabalhador
Autorização de modelo Tecnovigilância
Certificação de conformidade Titular de registro
Controle de qualidade Trabalhador
Data de vencimento Vigilância nacional de parturientes
Declaração de saúde do viajante Recursos Humanos em Saúde
Declaração marítima de saúde Educação continuada
Desinfetante Equipe multiprofissional
Detergente Formação profissional
Farmacovigilância Gestor de saúde
Hemocad Pólos de capacitação
Hemocentros Profae
Hemoderivados Qualificação profissional
Hemoinsp
Hemovigilância
Imunologia
Inseticida
Inspeção de qualidade
Inspeção sanitária
Licença
Lote
Marca de comércio
Matéria-prima
Material de embalagem
Órgão de vigilância sanitária competente
Poder de polícia
Porto de controle sanitário
Procedimento operacional padronizado
Produto a granel
Produto acabado
Produto semi-elaborado
Programa qualidade do sangue
Pureza
Raticida
Regulamento técnico
125
Vocabulário Controlado do
Ministério da Saúde (VCMS)
Categoria de Administração e
Planejamento em Saúde
A Categoria de Administração e Planeja- Os descritores grifados são os termos que
mento em Saúde detalhada a seguir é apenas foram coletados ou tiveram de ser modifica-
um exemplo de como ficará o Vocabulário dos por problemas de tradução ou de dife-
Controlado do Ministério da Saúde (VCMS), renças terminológicas, e os outros descritores
depois de organizado nas 23 categorias refe- permaneceram como termos do DeCS até a
renciadas na apresentação. próxima etapa do trabalho. Nessa primeira
Esta categoria foi elaborada a partir dos fase, o importante foi coletar os termos ne-
descritores da Categoria de Saúde Pública do cessários para a indexação da legislação em
DeCS. Logo após, os termos coletados foram saúde e unir à estrutura do VCMS. Após essa
analisados e hierarquizados de acordo com as fase, os descritores do DeCS serão analisados
áreas temáticas da BVS Saúde Pública: de acordo com a sua freqüência nos textos
(www.saudepublica.bvs.br). técnico-científicos em Saúde Pública.

Administração e planejaneto em saúde .. Almoxarifado central hospitalar


Administração em saúde .. Arquitetura de instituições de saúde
. Administração de serviços de saúde ... Arquitetura hospitalar
.. Mau uso de serviços de saúde ... Edificações
.. Necessidades e demanda de serviços de .... Classificação de danos em edificações
saúde .... Edifícios de consultórios médicos
.. Pesquisa sobre serviços de saúde ... Financiamento de construções
. Administração hospitalar .. Assistência ao paciente
.. Administração de materiais ... Institucionalização
... Administração de materiais no hospital .. Infecção hospitalar
... Armazenamento de materiais e provisões .. Inventários hospitalares
.... Aprovisionamento .. Mudança das instalações de saúde
.. Agendamento de consultas .. Prontuário médico
126

.. Reestruturação hospitalar ... Serviço hospitalar de patologia


.. Registros hospitalares ... Serviço hospitalar de radiologia
.. Revisão concomitante ... Serviço hospitalar de registros médicos
.. Serviços centralizados no hospital ... Serviço hospitalar de terapia ocupacional
.. Serviços clínicos hospitalares ... Serviço hospitalar de terapia respiratória
.. Serviços técnicos hospitalares .. Sistemas de distribuição no hospital
... Serviço de farmácia hospitalar .. Sistemas de gerenciamento de base de dados
... Serviço hospitalar de admissão de pacientes .. Sistemas de medicação no hospital
.... Acompanhantes de pacientes .. Unidades hospitalares
.... Hospitalização ... Unidade de Terapia Intensiva (UTI)
..... Admissão do paciente .... Sala de recuperação
..... Alta do paciente .... Unidades de terapia intensiva neonatal
..... Grupos diagnósticos relacionados .... Unidades de terapia intensiva pediátrica
..... Internação hospitalar ... Ambulatório hospitalar
...... Leito hospitalar ... Berçários
....... Número de leitos em hospital .... Berçários hospitalares
..... Observação hospitalar ... Centro cirúrgico hospitalar
..... Readmissão do paciente ... Centros de cirurgia
..... Tempo de internação ... Salas de cirurgia
..... Transferência de pacientes .... Salas de parto
...... Contra-referência ... Unidade hospitalar de ginecologia e
...... Contrato de transferência de pacientes obstetrícia
... Serviço hospitalar de anestesia ... Unidade hospitalar de psiquiatria
... Serviço hospitalar de assistência social ... Unidade hospitalar de saúde pública
... Serviço hospitalar de cardiologia ... Unidade hospitalar de urologia
... Serviço hospitalar de compras ... Unidades de autocuidado
... Serviço hospitalar de educação ... Unidades de cuidados coronarianos
... Serviço hospitalar de emergência ... Unidades de cuidados respiratórios
... Serviço hospitalar de enfermagem ... Unidades de queimados
... Serviço hospitalar de engenharia e ... Unidades de referência
manutenção ... Unidades hospitalares de hemodiálise
... Serviço hospitalar de fisioterapia . Administração privada
... Serviço hospitalar de limpeza . Administração pública
.... Lavanderia hospitalar .. Desburocratização
... Serviço hospitalar de medicina nuclear . Certificado de necessidades
... Serviço hospitalar de nutrição . Coalizão em cuidados de saúde
.... Planejamento de cardápio . Congressos
... Serviço hospitalar de oncologia . Consulta pública
127

. Controle de formulários e registros .. Instrumentos de gestão em saúde


. Convênios ... Agenda de saúde
.. Convênios hospital-médico ... Plano de saúde (gestão do sus)
. Cultura organizacional ... Plano diretor de regionalização
. Definição da elegibilidade .... Município-pólo
. Demanda de alimentos .... Módulo assistencial
. Estratégias ..... Município-sede do módulo assistencial
.. Estratégias locais .... Região de saúde
.. Estratégias mundiais ..... Microrregião de saúde
.. Estratégias nacionais ... Quadro de metas
.. Estratégias regionais ... Relatório de gestão
. Fatores políticos ... Relatórios anuais
. Gerência .. Regionalização
. Gestão do SUS . Institucionalização
.. Auditoria . Organização e administração
... Auditoria administrativa .. Administração científica
... Auditoria analítica .. Administração de linha de produção
... Auditoria de enfermagem .. Administração estrutural
... Auditoria financeira .. Administração por objetivos
... Auditoria médica .. Administração sistêmica
... Auditoria operacional .. Comportamento organizacional
.. Comando único .. Conselho diretor
.. Contrato de gestão ... Conselheiros
.. Descentralização ... Diretoria administrativa
... Gestão estadual de saúde .. Inovação organizacional
.... Gestão avançada do sistema estadual ... Contrato de risco
.... Gestão plena do sistema estadual .. Normatização
... Gestão federal de saúde .. Objetivos organizacionais
... Gestão municipal de saúde .. Organização institucional
.... Gestão plena da atenção básica .. Organização municipal
.... Gestão plena da atenção básica ampliada .. Organização nacional
.... Gestão plena do sistema municipal .. Organização social
.... Mudança social .. Sistemas de apoio a decisões administrativas
.... Municipalização .. Técnicas de administração
..... Consórcios intermunicipais ... Centralização
..... Redes regionais .. Teoria de sistemas (administração)
...... Unidades de referência .. Tomada de decisões (administração)
.. Habilitação ... Técnica Delfos
128

. Organizações, comitês e convenções .. Seguro de responsabilidade civil


.. Afiliação institucional ... Seguro por acidentes
.. Comitê Estatal de Estatística (CEE) .. Seguro de saúde
.. Comitê executivo ... Reembolso de seguro de saúde
.. Organizações .. Seguro de saúde (situações limítrofes)
... Organização comunitária .. Seguro de serviços de enfermagem
... Organizações de prestadores preferenciais .. Seguro de serviços farmacêuticos
... Organizações internacionais .. Seguro de serviços médicos
.... Agências voluntárias .. Seguro de vida
.... Nações Unidas .. Seguro médico ampliado
.... Organização dos Estados Americanos (OEA) .. Seguro nacional de saúde
.... Organização Mundial da Saúde .. Seguro odontológico
.... Organização Pan-Americana da Saúde .. Seguro por acidentes
..... Comitê Executivo da Opas .. Seguro psiquiátrico
..... Conferência Sanitária Pan-Americana . Sistemas de medicação
..... Conselho Diretor da Opas .. Sistemas de medicação no hospital
.... Fundação Pan-Americana para o . Órgãos do Sistema de Saúde
Desenvolvimento (Padef ) .. Agência Nacional de Vigilância Sanitária
.... Programa das Nações Unidas para o (Anvisa)
Desenvolvimento (Pnud) .. Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)
.... Fundo das Nações Unidas para a Infância .. Sistema Único de Saúde SUS
(Unicef ) ... Descentralização
.... Universidades das Nações Unidas (UNU) .... Gestão estadual de saúde
... Organizações sem fins lucrativos ..... Gestão avançada do sistema estadual
. Propriedade ..... Gestão plena do sistema estadual
.. Privatização .... Gestão federal de saúde
. Relações públicas .... Gestão municipal de saúde
.. Aniversários e eventos especiais ..... Gestão plena da atenção básica
.. Relações comunidade-instituição ..... Gestão plena da atenção básica ampliada
.. Relações interdepartamentais ..... Gestão plena do sistema municipal
.. Relações interinstitucionais ..... Mudança social
. Seguro ..... Municipalização
.. Custo compartilhado de seguro ...... Consórcios intermunicipais
.. Seguro cirúrgico ...... Redes regionais
.. Seguro de assistência de longo prazo ....... Unidades de referência
.. Seguro de hospitalização .. Hospital Cristo Redentor
.. Seguro de hospitalização em grupo (saúde .. Hospital Fêmina
pública) .. Hospital Nossa Senhora da Conceição
129

.. Secretaria de Atenção à Saúde . Intersetorialidade


.. Secretaria de Ciência, Tecnologia e . Organização e políticas governamentais
Insumos Estratégicos . Organizações de planejamento em saúde
.. Secretaria de Gestão do Trabalho e da . Planejamento de assistência ao paciente
Educação na Saúde . Planejamento de instituições de saúde
.. Secretaria de Gestão Participativa .. Cobertura de serviços de saúde
.. Secretaria de Vigilância em Saúde ... Cobertura de serviços privados de saúde
.. Secretaria Estadual de Saúde ... Cobertura de serviços públicos de saúde
.. Secretaria Municipal de Saúde ... Extensão de cobertura
. Órgãos governamentais ... Necessidades e demanda de serviços de
.. Instituições de previdência social saúde
. Órgãos regionais ... Perfil de saúde
Planejamento em saúde .. Planejamento hospitalar
. Análise custo-eficiência . Planejamento físico
. Análise de conseqüências . Planejamento nacional
. Análise de situação . Planejamento rural
. Análise organizacional . Planejamento sanitário
. Análise socioeconômica . Planejamento socioeconômico
. Análise sociométrica .. Plano nacional de desenvolvimento
. Assistência técnica ao planejamento em . Plano de trabalho
saúde . Planos e programas de saúde
. Avaliação .. Adequação de programas
.. Avaliação de danos .. Avaliação de programas
... Avaliação de danos em infra-estrutura .. Desenvolvimento de programas
... Avaliação de danos no setor econônico .. Formulação de projetos
... Avaliação de danos no setor social .. Implementação de plano de saúde
... Dano moral .. Planos de implementação anual (Saúde
... Dano à produção Pública)
... Danos globais .. Planos de sistemas de saúde
.. Avaliação dos serviços .. Planos governamentais de saúde
... Acreditação hospitalar .. Programação
.. Efetividade .. Programas médicos regionais
.. Eficiência .. Programas nacionais de saúde
.. Eficácia ... Bolsa-Alimentação
. Controle assistencial ... Programa de Combate às Carências
. Diretrizes para o planejamento em saúde Nutricionais
. Instrumentos de planejamento ... Programa Qualidade do Sangue
.. Relatório de gestão ... Programa Saúde da Família
130

. Planos e projetos nacionais ... Sistema de Informações do Programa


.. Plano nacional de vacinas anti-HIV/aids Nacional de Imunizações
.. Profae ... Sistema de Informações sobre Agravos
.. Projeto Bela Vista Notificáveis
.. Projeto Horizonte ... Sistema de Informações sobre
.. Projetos piloto Orçamentos Públicos em Saúde
.. Reforsus ... Sistemas de Informação sobre Mortalidade
. Prioridades em saúde ... Sistemas de Informações sobre Nascidos
.. Grupos minoritários Vivos
.. Grupos prioritários .. Sistemas de Informação em Farmácia Clínica
.. População periférica .. Sistemas de Informação em Laboratório
. Técnicas de planejamento Clínico
.. Ação intersetorial .. Sistemas de Informação em Radiologia
.. Gestão participativa .. Sistemas de Informação em Salas de Cirurgia
.. Macroplanejamento .. Sistemas de Informação Geográfica
.. Microplanejamento .. Sistemas de Informação Hospitalar
... Método Cendes-Opas ... Sistemas de Identificação de Pacientes
.. Planejamento de base .... Cartão Nacional de Saúde
.. Planejamento estratégico ... Sistemas de Informação em Atendimento
. Órgãos estatais de desenvolvimento e Ambulatorial
planejamento em saúde ... Sistemas de Informação em Farmácia
Sistemas de Informação Clínica
. Sistemas de apoio a decisões administrativas ... Sistemas de Informação em Laboratório
. Sistemas de informação administrativa Clínico
.. Sistemas de gerenciamento de base de dados . Sistemas de Informação para Admissão e
. Sistemas de informação em saúde Escalonamento de Pessoal
.. (Datasus)
... (CNES
... Sistema de Informações Ambulatoriais
(SIA-SUS)
... Sistema de Informações da Atenção Básica
(SIAB)
... Sistema de Informações Hospitalares
(SIH-SUS)
.... Autorização de Internação Hospitalar
(AIH)
... Sistema de Informação sobre Vigilância
Alimentar e Nutricional
131

Bibliografia Consultada
AGÊNCIA Nacional de Saúde Suplementar. anvisa.gov.br>. Acesso em: 15 abr. 2003.
(Brasil). Regulação e saúde: estrutura, evolução
–––. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC
e perspectivas da assistência médica suplemen-
n.º 217, de 21 de novembro de 2001. Aprova
tar. Rio de Janeiro: ANS, 2002. Disponível em:
o regulamento técnico, anexo a esta resolução,
<http//www.saude.gov.br/bvs/publicacoes>.
com vistas à promoção da vigilância sanitária
AGÊNCIA Nacional de Vigilância Sanitária nos portos de controle sanitário. Diário Ofi-
(Brasil). Exigências mínimas para funciona- cial [da] República Federativa do Brasil, Brasí-
mento de serviços de atenção a pessoas com trans- lia, DF, 21 nov. 2001. Disponível em: <http://
tornos... Brasília: Ministério da Saúde, 2002. www.anvisa.gov.br>. Acesso em: 12 ago. 2002.
–––. Manual de diagnóstico e tratamento de –––. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC
doenças falciformes. Brasília: Anvisa, 2002. n.º 134, de 13 de julho de 2002. Determina a
todos os estabelecimentos fabricantes de me-
–––. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC
dicamentos, os cumprimentos das diretrizes
n.º 106, de 14 de maio de 2003. Institui e
estabelecidas no regulamento técnico das boas
adota como exigência sanitária para ingresso
práticas para a fabricação de medicamentos,
de viajantes no País, o formulário “Declaração
conforme ao anexo I da presente resolução.
de Saúde do Viajante” - DSV (Anexo I), para
Diário Oficial [da] República Federativa do
controle e prevenção de doenças de interesse
Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 2001. Disponível
à saúde pública segundo situação epidemio-
em: <http://www.anvisa.gov.br>. Acesso em:
lógica e avaliação de risco. Diário Oficial [da]
27 mar. 2003.
República Federativa do Brasil, Brasília, DF,
19 maio 2003. Disponível em: <http://www. –––. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC
anvisa.gov.br>. Acesso em: 27 ago. 2003. n.º 84, de 19 de março de 2002. Aprova o re-
gulamento para medicamentos genéricos, em
–––. Resolução da Diretoria Colegiada -
anexo. Diário Oficial [da] República Federativa
RDC n.º 80, de 18 de março de 2002. Apro-
do Brasil, Brasília, DF, 20 mar. 2002. Dispo-
va o regulamento técnico de registro, altera-
nível em: <http://www.anvisa.gov.br>. Acesso
ções e inclusão pós-registro e revalidação dos
em: 28 mar. 2003.
produtos biológicos, conforme documento
anexo a esta resolução. Diário Oficial [da] –––. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC
República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n.o 17, de 24 de fevereiro de 2000. Dispõe so-
19 mar. 2002. Disponível em: <http://www. bre o registro de medicamentos fitoterápicos.
132

Diário Oficial [da] República Federativa do BONASSA, Elvis César; CAMPOS, Clau-
Brasil, Brasília, DF, 25 fev. 2000. Disponível dia Valentina de Arruda. Saúde mais perto: os
em: <http://www.anvisa.gov.br>. programas e as formas de financiamento para
os municípios. Brasília: Ministério da Saúde,
–––. Resolução Específica - RE n.º 444, de
[2001].
31 de agosto de 1999. Adota a norma técni-
ca brasileira NBR IEC 60601.1: equipamen- BRASIL. Conselho de Secretários Municipais
to eletromédico. Parte 1 prescrições gerais de Saúde. Manual do gestor. Rio de Janeiro:
para segurança e normas técnicas particulares Conselho de Secretários Municipais de Saú-
brasileiras da série NBR IEC 60601.2. Diá- de, 1997.
rio Oficial [da] República Federativa do Bra-
–––. Consulta pública n.º 5, de 14 de janeiro
sil, Brasília, DF, 1.º set. 1999. Disponível em:
de 2002. Disponível em: <http://www.anvisa.
<http://www.anvisa.gov.br>. Acesso em: 24
gov>. Acesso em: 22 out. 2003.
mar. 2003.
–––. Decreto n.° 74.170, de 10 de junho de
–––. Resolução Específica - RE n.º 1.583, de
1974. Regulamenta a Lei n.° 5.991, de 17 de
29 de setembro de 2003. Concede à empre-
dezembro de 1973, que dispõe sobre o con-
sa, na forma do anexo, certificação de boas
trole sanitário do comércio de drogas, medi-
práticas de distribuição e fracionamento de
camentos, insumos farmacêuticos e correla-
insumos farmacêuticos. Diário Oficial [da]
tos. Diário Oficial [da] República Federativa
República Federativa do Brasil, Brasília, DF,
do Brasil, Brasília, DF, 11 jun. 1974. Dispo-
30 set. 2003. Disponível em: <http://www.
nível em: <http://www.anvisa.gov.br>. Acesso
anvisa.gov.br>. Acesso em: 15 out. 2003.
em: 27 jan. 2003.
–––. Rotulagem nutricional obrigatória: ma-
–––. Decreto n.º 3.961, de 10 de outubro de
nual de orientação às indústrias de alimentos.
2001. Altera o Decreto 79.094, de 5 de ja-
Brasília: [Anvisa], 2002.
neiro de 1977, que regulamenta a Lei 6.360,
–––. Vigilância sanitária e licitações públicas. de 23 de setembro de 1976. Diário Oficial
Brasília: Anvisa, [2001]. [da] República Federativa do Brasil, Brasília,
DF, 11 out. 2001. Disponível em: <http://
AIDS: leia antes de escrever: guia prático sobre
wwwt.senado.gov.br>. Acesso em: 20 nov.
aids para profissionais da comunicação. [S. l.:
2002.
s. n. ], [200 - ?]. Disponível em: <http://www.
aids.gov.br/biblioteca>. –––. Decreto n.º 4.074, de 4 de janeiro de
2002. Regulamenta a Lei n.º 7.802, de 11
ANVISA BOLETIM INFORMATIVO. Rio
de julho de 1989, que dispõe sobre a pes-
de Janeiro, n. 32, jun. 2003
quisa, a experimentação, a produção, a em-
BANCO de preços em saúde-aids. Disponível balagem e rotulagem, o transporte, o arma-
em: <http://www.aids.gov.br/bps>. Acesso zenamento, a comercialização, a propaganda
em: 16 set. 2003. comercial, a utilização, a importação, a ex-
133

portação, o destino final dos resíduos e em- farmacêuticos e correlatos, e dá outras provi-
balagens, o registro, a classificação, o contro- dências. Diário Oficial [da] República Federa-
le, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, tiva do Brasil, Brasília, DF, 19 dez. 1973. Dis-
seus componentes e afins, e dá outras pro- ponível em: <http://www.planalto.gov.br>.
videncias. Diário Oficial [da] República Fe- Acesso em: 19 nov. 2002.
derativa do Brasil, Brasília, DF, 8 jan. 2002.
–––. Lei n.º 6.360, de 23 de setembro de
Disponível em: <http://www.senado.gov.br>.
1976. Dispõe sobre a vigilância sanitária a que
Acesso em: 1.o maio 2003.
ficam sujeitos os medicamentos, as drogas, os
–––. Decreto n.º 79.094, de 5 de janeiro de insumos farmacêuticos e correlatos, cosméti-
1977. Regulamenta a Lei n.º 6.360 de 23 cos, saneantes e outros produtos, e dá outras
de setembro de 1976, que submete o siste- providências. Diário Oficial [da] República Fe-
ma de vigilância sanitária os medicamentos, derativa do Brasil, Brasília, DF, 24 set. 1976.
insumos farmacêuticos, drogas, correlatos, Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br>.
cosméticos, produtos de higiene, saneantes Acesso em: 27 jan. 2003.
e outros. Diário Oficial [da] República Fe-
–––. Lei n.º 8.069, de 13 de julho de 1990.
derativa do Brasil, Brasília, DF, 7 jan. 1977.
Dispõe sobre o estatuto da criança e do ado-
Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br>.
lescente e dá outras providências. In: BRA-
Acesso em: 21 jan. 2003.
SIL. Ministério da Saúde. Estatuto da criança
–––. Decreto-Lei n.° 986, de 21 de outubro e do adolescente. Brasília: Ministério da Saú-
de 1969. Alterado pela Medida Provisória de, 1991.
n.° 2.190-34, de 23 de agosto de 2001. Ins-
–––. Lei n.º 8.080, de 19 de setembro de
titui normas básicas sobre alimentos. Diário
1990. Dispõe sobre as condições para a pro-
Oficial [da] República Federativa do Brasil,
moção, proteção e recuperação da saúde, a
Brasília, DF, 21 out. 1969. Disponível em:
organização e o funcionamento dos serviços
<www.anvisa.gov.br>. Acesso em: 28 mar.
correspondentes e dá outras providências.
2003.
Diário Oficial [da] República Federativa do
–––. Fundação Nacional de Saúde. Controle Brasil, Brasília, DF, 20 set. 1990. Disponí-
de vetores: manual do supervisar do campo. vel em: <http://wwwt.senado.gov.br>. Acesso
Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2001. em: 21 ago. 2003.
BRASIL. Ministério da Saúde; Universidade –––. Lei n.º 8.142, de 28 de dezembro de
de São Paulo. Instituto para o Desenvolvi- 1990. Dispõe sobre a participação da comu-
mento da Saúde. Manual de condutas médicas. nidade na gestão do Sistema Único de Saúde
Brasília: Ministério da Saúde, 2002. (SUS) e sobre as transferências intergoverna-
mentais de recursos financeiros na área da saú-
–––. Lei n.º 5.991 de 17 de dezembro de
de e dá outras providências. Diário Oficial [da]
1973. Dispõe sobre o controle sanitário do
República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 31
comércio de drogas, medicamentos, insumos
134

dez. 1990. Disponível em: <http://wwwt.se- moção, proteção e recuperação à saúde, à or-
nado.gov.br>. Acesso em: 21 ago. 2003. ganização e o funcionamento dos serviços
correspondentes e dá outras providências,
–––. Lei n.º 8.213, de 24 de julho de 1991.
instituindo o Subsistema de Atenção à Saú-
Dispõe sobre os planos de benefícios da pre-
de Indígena. Diário Oficial [da] República Fe-
vidência social e dá outras providências.
derativa do Brasil, Brasília, DF, 24 set. 1999.
Diário Oficial [da] República Federativa do Disponível em: <http://www.planalto.gov.
Brasil, Brasília, DF, 25 jul. 1991. Disponí- br>. Acesso em: 22 nov. 2002.
vel em: <http://wwwt.senado.gov.br>. Acesso
em: 1.o maio 2003. –––. Lei n.º 9.966, de 28 de abril de 2000.
Dispõe sobre a prevenção, o controle e a fis-
–––. Lei n.º 9.069, de 29 de junho de 1995. calização da poluição causada por lançamen-
Dispõe sobre o plano real, o sistema monetá- tos de óleo e outras substâncias nocivas ou
rio nacional, estabelece as regras e condições perigosas em águas sob jurisdição nacional
de emissão do Real e os critérios para con- e dá outras providências. Diário Oficial [da]
versão das obrigações para o Real, e dá outras República Federativa do Brasil, Brasília, DF,
providências. Diário Oficial [da] República Fe- 29 abr. 2000. Disponível em: <http://www.
derativa do Brasil, Brasília, DF, 15 maio 2000. anvisa.gov.br>. Acesso em: 08 abr. 2003.
Disponível em: <http://www.senado.gov.br>.
Acesso em: 23 abr. 2003. –––. Ministério da Saúde. As vantagens da
municipalização. Brasília: Ministério da Saú-
–––. Lei n.º 9.656, de 3 de Junho de 1998. de, 1998.
Dispõe sobre os planos e seguros privados
de assistência à saúde. Diário Oficial [da] –––. Ministério da Saúde. Assistência farma-
República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 4 cêutica na atenção básica: instruções técnicas
jun. 1998. Disponível em: <http://www.pla- para a sua organização. Brasília: Ministério da
nalto.gov.br>. Acesso em: 22 nov. 2002. Saúde, 2002.
–––. Lei n.º 9.787, de 10 de fevereiro de –––. Ministério da Saúde. Assistência farma-
1999. Altera a Lei n.° 6.360, de 23 de setem- cêutica. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
bro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sa- –––. Ministério da Saúde. Comitê de Des-
nitária, estabelece o medicamento genérico, burocratização. Desburocratização em defesa
dispõe sobre a utilização de nomes genéricos da saúde do cidadão: relatório de atividades
em produtos farmacêuticos e dá outras pro- 2000. Brasília: Ministério da Saúde, 2000.
vidências. Diário Oficial [da] República Fe- (Série C; n. 9).
derativa do Brasil, Brasília, DF, 11 fev. 1999.
Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br>. –––. Ministério da Saúde. Conselho Nacional
Acesso em: 13 jan. 2003. de Saúde. A prática do controle social: conse-
lhos de saúde e financiamento do SUS. Brasí-
–––. Lei n.º 9.836, de 23 de setembro de lia: Ministério da Saúde, 2002. (Série Históri-
1999. Dispõe sobre as condições para a pro- ca do CNS; n. 1).
135

–––. Ministério da Saúde. Conselho Nacio- nal de Saúde. Dengue: aspectos epidemiológi-
nal de Saúde. Comissão Nacional de Ética e cos, diagnóstico e tratamento. Brasília: Funa-
Pesquisa. Normas para pesquisa envolvendo se- sa, 2002.
res humanos: Res. CNS n.° 196/96 e outras. 2.
–––. Ministério da Saúde. Fundação Nacional
ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.
de Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. 5.
–––. Ministério da Saúde. Conselho Nacional ed. Brasília: Funasa, 2002.
de Saúde. Princípios e diretrizes para a NOB/
–––. Ministério da Saúde. Fundação Nacio-
RH-SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
nal de Saúde. Textos de epidemiologia para vi-
(Série Cadernos Técnicos. Série J. Cadernos).
gilância ambiental em saúde. Brasília: Funasa,
–––.Ministério da Saúde. Conselho Nacional 2002.
de Secretários de Saúde. Legislação do SUS.
–––. Ministério da Saúde. Gabinete do Mi-
Brasília: Conass, 2003.
nistro. Cartão Nacional de Saúde: cadastra-
–––. Ministério da Saúde. Conselho Nacio- mento de usuários do SUS: portarias MS/GM
nal dos Secretários de Saúde. Para entender a n.° 17, MS/SE/SIS n.o 39 e n.o 57, de 2001.
gestão do SUS: programa de apoio técnico às Brasília: Ministério da Saúde, 2001. (Série E.
novas equipes gestoras estaduais do SUS de Legislação de Saúde; n. 7).
2003. Brasília: Conass, 2003. Disponível em:
–––. Ministério da Saúde. Gabinete do Mi-
<http//www.saude.gov.br/bvs/publicacoes>.
nistro. Portaria n.º 3.916, de 30 de outubro
–––. Ministério da Saúde. Coordenação de de 1998. Aprova a política nacional de medi-
Saúde Materno-Infantil. Assistência e controle camentos, cuja íntegra consta do anexo des-
das doenças diarréias. Brasília: Ministério da ta Portaria. Diário Oficial [da] República Fe-
Saúde, 1993. derativa do Brasil, Brasília, DF, 10 nov. 1998.
Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br>.
–––.Ministério da Saúde. Coordenação Na-
Acesso em: 27 jan. 2003.
cional de DST e Aids. Cuidando de alguém
com aids. Brasília: Ministério da Saúde, 1999. –––. Ministério da Saúde. Gestão municipal de
saúde: leis, normas e portarias atuais [Rio de
–––. Ministério da Saúde. Departamento de
Janeiro]: Ministério da Saúde, 2001.
Atenção Básica. Área Técnica de Alimenta-
ção e Nutrição. Alimentação saudável. Brasília: –––. Ministério da Saúde. Guia de referência
Ministério da Saúde, 1999. para o controle social: manual do conselheiro.
Brasília: Ministério da Saúde. 1994.
–––. Ministério da Saúde. Descentralização
das ações e serviços de saúde: a ousadia de cum- –––. Ministério da Saúde. Guia prático do
prir e fazer cumprir a lei. Brasília: Ministério Programa Saúde da Família. Brasília Ministé-
da Saúde, 1993. rio da Saúde, 2001. Disponível em: <http://
www.saude.gov.br/bvs/publicacoes>.
–––. Ministério da Saúde. Fundação Nacio-
136

–––. Ministério da Saúde. Manual do gestor –––. Ministério da Saúde. Portaria n.º 545,
SUS: NOB/SUS 01/1996. Rio de Janeiro: de 20 de maio de 1993. Estabelece normas
Cosems, 1997. e procedimentos reguladoras do processo de
–––. Ministério da Saúde. Manual para a or- descentralização da gestão das ações e serviços
ganização da atenção básica. Brasília: Ministé- de saúde, através da norma operacional básica
rio da Saúde, 1999. - SUS 01/93. Diário Oficial [da] República Fe-
derativa do Brasil, [Poder Executivo], Brasília,
–––. Ministério da Saúde. Norma operacional DF, 21 maio 1993. Seção 1, p. 6.961.
básica 01/96. Disponível em: <http://www.
saude.gov.br/bvs/publicacoes>. Acesso em: 20 –––. Ministério da Saúde. Portaria SVS/MS
mar. 2003. n.º 326, de 30 de julho de 1997. Aprova o re-
gulamento técnico; “condições higiênicos-sa-
–––. Ministério da Saúde. Para entender a ges- nitárias e de boas práticas de fabricação para
tão do SUS: programa de informação e apoio estabelecimentos”. Produtores/industrializa-
técnico às novas equipes gestoras estaduais do dores de alimentos. Diário Oficial [da] Repú-
SUS de 2003. Brasília: Ministério da Saúde, blica Federativa do Brasil, [Poder Executivo],
2003. Brasília, DF, 1.o agosto 1997. Disponível em:
–––. Ministério da Saúde. Planejamento fami- <http://www.anvisa.gov.br>. Acesso em: 24
liar: manual para o gestor. Brasília: Ministério mar. 2003.
da Saúde, 2002.
–––. Ministério da Saúde. Programa agentes
–––. Ministério da Saúde. Política nacional comunitários de saúde: PACS. Brasília: Minis-
de redução de morbimortalidade por acidentes tério da Saúde, 2001.
e violências... Brasília: Ministério da Saúde,
2001. (Série E. legislação de Saúde; n. 8). –––. Ministério da Saúde. Programa Nacio-
nal de Controle de Doenças Sexualmente
–––. Ministério da Saúde. Políticas interseto- Transmissíveis e Aids. Centros de referência
rias em favor da infância: guia referencial para nacional de DST/Aids. Brasília: Ministério da
gestores municipais: suplemento informativo. Saúde, 1993.
Brasília: Ministério da Saúde, 2002. (Série B.
Textos Básicos de Saúde). –––. Ministério da Saúde. Programa Nacional
de DST e Aids. Avaliação dos centros de orienta-
–––. Ministério da Saúde. Portaria n.º 423, ção e apoio sorológico (COAS) da região nordes-
de 09 de julho de 2002. Aprova o detalha- te. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde, 1996.
mento das atribuições básicas inerentes a cada
nível de governo no controle, regulação e ava- –––. Ministério da Saúde. Reduzindo as desi-
liação da assistência à saúde do SUS. Diário gualdades e ampliando o acesso a assistência à
Oficial [da] República Federativa do Brasil, saúde no Brasil: 1998-2002. Brasília: Minis-
[Poder Executivo], Brasília, DF, 10 Jul. 2002. tério da Saúde, 2002. (Série G. Estatística e
Disponível em: <http://www.saude.gov.br/ Informação em Saúde).
sas>. Acesso em: 1.o set. 2003.
137

–––. Ministério da Saúde. Regionalização da da Saúde. 2002. (Série A. Normas e Manuais


assistência à saúde: aprofundando a descentra- Técnicos).
lização com eqüidade no acesso: norma ope-
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de As-
racional de assistência à saúde NOAS - SUS
sistência à Saúde. Redes estaduais de atenção
01/02... Brasília: Ministério da Saúde. 2002.
à saúde do idoso: guia operacional e portarias
–––. Ministério da Saúde. Regulamento técnico relacionadas. Brasília: Ministério da Saúde,
dos sistemas estaduais de urgência e emergência: 2002. Disponível em: <http//www.saude.gov.
portaria GM/MS n.º 2.048, de 5 de novem- br/bvs/publicacoes>.
bro de 2002. Brasília: Ministério da Saúde,
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Assis-
2002. (Série E. Legislação de Saúde).
tência à Saúde. Regulamento técnico dos siste-
–––. Ministério da Saúde. Resolução do Con- mas estaduais de saúde: Portaria GM/MS n.°
selho Nacional de Saúde n.º 303, de 06 de 2.048, de novembro de 2002. Brasília: Mi-
julho de 2000. Diário Oficial [da] República nistério da Saúde, 2002. (Série E. legislação
Federativa do Brasil, [Poder Executivo], Brasí- de Saúde).
lia, DF, 07 jul. 2000. Disponível em: <http://
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de As-
www.conselho.saude.gov.br>. Acesso em: 22
sistência à Saúde. Regionalização da assistên-
out. 2003.
cia à saúde: aprofundando a descentralização
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Assis- com eqüidade no acesso: Norma Operacional
tência à Saúde. Departamento de Assistência de Assistência à Saúde... Brasília: Ministério
e Promoção à Saúde. Coordenação de Saú- da Saúde, 2001. (Série A. Normas e Manuais
de Mental. Normas e procedimentos na abor- Técnicos; n. 116).
dagem do alcoolismo. Brasília: Ministério da
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Assis-
Saúde, 1994.
tência Hospitalar. Manual brasileiro de acredi-
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de As- tação hospitalar. Brasília: Ministério da Saú-
sistência à Saúde. Notificação de maus-tratos de, 2002.
contra crianças e adolescentes: um passo a mais
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti-
na cidadania em saúde. Brasília. Ministério
ca da Saúde. Área Técnica da Saúde da Mulher.
da Saúde, 2002.
Assistência em planejamento familiar: manual
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de As- Técnico. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
sistência à Saúde. Programa nacional de hu- (Série A. Normas e Manuais Técnicos; n.° 40).
manização da assistência hospitalar. Brasília:
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Po-
Ministério da Saúde, 2001.
lítica de Saúde. Saúde da criança: acompa-
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Assis- nhamento do crescimento e desenvolvimento
tência à Saúde. Padronização da nomenclatura infantil. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
do censo hospitalar. 2. ed. Brasília: Ministério (Série A. Normas e Manuais Técnicos – MS)
138

– (Cadernos de Atenção Básica; n. 11). Aids. Relatório global da primeira avaliação ex-
terna da qualidade do Teste Genotipagem AEQ1/
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti-
GENO. Brasília: Ministério da Saúde. 2003.
cas da Saúde. Assistência farmacêutica na aten-
ção básica: instruções técnicas para a sua orga- –––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti-
nização. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. cas da Saúde. Coordenação Nacional de DST
e Aids. Projeto sentinela 2001/2002: vigilância
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti-
de HIV: hepatites e sífilis por rede sentinela
cas da Saúde. Coordenação Nacional de DST
nacional: manual de campo. Brasília: Minis-
e Aids. Política nacional de DST/Aids: princí-
tério da Saúde, 2002.
pios, diretrizes e estratégias. Brasília: Ministé-
rio da Saúde. 1999. –––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti-
cas da Saúde. Coordenação Nacional de DST
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti-
e Aids. Sexualidade, prevenção das DST/Aids e
cas da Saúde. Coordenação Nacional de DST
uso indevido de drogas: diretrizes para o traba-
e Aids. Guia de prevenção das DST/Aids e cida-
lho de crianças e adolescentes. Brasília: Minis-
dania para homossexuais. Brasília: Ministério
tério da Saúde, 2000.
da Saúde, 2002.
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Po-
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Po-
líticas da Saúde. Departamento de Ciência e
líticas da Saúde. Coordenação Nacional de
Tecnologia em Saúde. Diretrizes para planeja-
DST/Aids. Novos desafios da prevenção da epi-
mento de ações de ciência e tecnologia em saúde.
demia pelo HIV/Aids junto aos homens que fa-
Brasília: Ministério da Saúde, 2002. (Série B.
zem sexo com homens. Brasília. 2002. (Série
Textos Básicos de Saúde).
Manuais; n. 4).
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Po-
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti-
líticas da Saúde. Direitos humanos e violência
cas da Saúde. Coordenação Nacional de DST
intrafamiliar: informações e orientações para
e Aids. Conversando sobre doenças sexualmente
Agentes Comunitários de Saúde. Brasília: Mi-
transmissíveis e aids: sugestões para trabalhar
nistério da Saúde, 2001.
com professores e agentes de saúde. Brasília:
Ministério da Saúde, 1998. –––. Ministério da Saúde. Secretaria de Po-
líticas da Saúde. Incentivo à assistência básica:
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti-
o que é e como funciona. Brasília: Ministério
cas da Saúde. Coordenação Nacional de DST
da Saúde, 2001.
e Aids. Sexualidade, prevenção das DST/Aids e
uso indevido de drogas: diretrizes para o traba- –––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti-
lho de crianças e adolescentes. Brasília: Minis- cas da Saúde. Política Nacional de Alimentação
tério da Saúde, 2000. e nutrição. Brasília: Ministério da Saúde, 2000.
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti- –––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti-
cas da Saúde. Coordenação Nacional de DST e cas da Saúde. Violência intrafamiliar: orienta-
139

ções para a prática em serviço. Brasília: Minis- pesquisa, desenvolvimento e avaliação. Brasí-
tério da Saúde, 2002. (Cadernos de Atenção lia: Ministério da Saúde. 1999.
Básica; n. 8).
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Polí-
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Po- ticas de Saúde. Departamento de Atenção Bá-
líticas de Saúde. Coordenação Nacional de sica. Área Técnica de Saúde do Trabalhador.
DST/Aids. A experiência do programa brasi- Cadernos de atenção básica: programa saúde da
leiro de Aids. Brasília: Ministério da Saúde, família. Ministério da Saúde: Brasília, 2002.
2002. p. 31. (Série C. Projetos, Programas e (Saúde do Trabalhador; 5).
Relatórios; 71).
–––. Ministério da saúde. Secretaria de Polí-
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti- ticas de Saúde. Proposta de política nacional de
cas de Saúde. Coordenação Nacional de DST plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos.
e Aids. Guia para profissionais de saúde mental Brasília: Ministério da Saúde. 2001.
sexualidade e DST/Aids: discutindo o subjeti-
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de
vo de forma objetiva. Brasília: Ministério da
Vigilância em Saúde. Coordenação Nacional
Saúde. 2002.
de DST e Aids. Estudo vigilância do HIV, sífilis
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti- e hepatites: manual de campo. Brasília, 2003.
cas de Saúde. Coordenação Nacional de DST
–––. Ministério da Saúde. Secretaria Nacio-
e Aids. Manual de controle das doenças sexual-
nal de Programas Especiais de Saúde. Divisão
mente transmissíveis: DST. Brasília, Ministério
Nacional de Doenças Sexualmente Transmis-
da Saúde, 1999.
síveis. SIDA/Aids: manual de condutas clíni-
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti- cas. Brasília: Ministério da Saúde. 1989.
cas de Saúde. Coordenação Nacional de DST
–––. Ministério da Saúde. Secretaria-Executi-
e Aids. Treinamento para o manejo de casos de
va. Controle de endemias. Brasília: Ministério
doenças sexualmente transmissíveis: módulos
da Saúde, 2001.
1, 2 e 3. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
(Série F. Comunicação e Educação em Saúde). –––. Ministério da Saúde. Secretaria-Execu-
tiva. Coordenação Nacional de DST e Aids.
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Po-
plano nacional de vacinas anti-HIV: políticas
líticas de Saúde. Coordenação Nacional de
e diretrizes de prevenção das DST/Aids en-
DST/Aids. Recomendações para terapia anti-
tre mulheres. Brasília: Ministério da Saúde,
retrovirais em adultos e adolescentes infectados
2003. Disponível em: <http//www.aids.gov.
pelo HIV. 4. ed. Brasília. 2001. (Séries Ma-
br/plano>.
nuais; n. 2).
–––. Ministério da Saúde. Secretaria-Execu-
–––. Ministério da Saúde. Secretaria de Políti-
tiva. Coordenação Nacional de DST e Aids.
cas de Saúde. Coordenação Nacional de DST
Projeto nascer: Brasília: Ministério da Saúde,
e Aids. Plano nacional de vacinas anti-HIV:
2003. (Série F. Comunicação e Educação em
140

Saúde). Versão preliminar. Saúde. Disponível <http://www.cnes.datasus.


gov.br>. Acesso em: 11 abr. 2003.
–––. Ministério da Saúde. Secretária-Executi-
va. DATASUS. Manual de conceitos básicos da CENTRO Nacional de Monitorização de
saúde para produtos DATASUS. Brasília: Mi- Medicamentos - CNMM. Folheto Anvisa,
nistério da Saúde, 2000. 2002.
–––. Ministério da Saúde. Secretaria-Executi- CNRAC. Disponível em: <http//www.por-
va. Fundo Nacional de Saúde. Gestão financei- talweb02.saude.gov.br/saude>. Acesso em: 10
ra do Sistema Único de Saúde: manual básico. set. 2003.
Brasília: Ministério da Saúde, 2002. (Série A.
CONSENSO sobre o uso racional de antimicro-
Normas e Manuais Técnicos).
bianos. Brasília: Ministério da Saúde, Agência
–––. Ministério da Saúde. Secretaria-Executi- Nacional de Vigilância Sanitária, 2001.
va. Fundo Nacional de Saúde. Gestão financei-
CURRÁS, Emília. Tesauros: linguagens termi-
ra do Sistema Único de Saúde: manual básico.
nológicas. Tradução de Antônio Fêlipe Corrêa
Brasília: Ministério da Saúde, 2003. (Série A.
da Costa. Brasília: IBICT. 1995.
Normas e Manuais Técnicos).
DECS: descritores em ciências da saúde. Dis-
–––. Ministério da Saúde. Secretaria-Execu-
ponível em: <http://decs.bvs.br>. Acesso em:
tiva. Gestante de alto risco. Brasília: Ministério
06 jun. 2002.
da Saúde, 2000.
DIAS, Hélio Pereira. Direitos e obrigações em
–––. Ministério da Saúde. Secretaria-Execu-
saúde. Brasília: Anvisa, 2002.
tiva. Humanização do parto: programa de hu-
manização no pré-natal e nascimento. Brasí- DIRETRIZES para a elaboração e desenvol-
lia: Ministério da Saúde, 2002. vimento de tesauros monolíngue. Tradução de
Antônio Agenor Briquet de Lemos. Brasília:
–––. Ministério da Saúde. Secretaria-Executi-
Departamento de Biblioteconomia da Facul-
va. Qualidade do sangue: sangue e hemoderi-
dade de Estudos Sociais Aplicados da Univer-
vados. Brasília: Ministério da Saúde, 2000.
sidade de Brasília, 1979.
–––. Ministério da Saúde. Secretaria-Execu-
ENSAIOS clínicos dentro do quadro da in-
tiva. SUS: instrumento de gestão em saúde.
fecção pelo HIV/Aids. In: Anais do Seminá-
Brasília: Ministério da Saúde, 2002. Disponí-
rio de cooperação Brasil-França. 1998. Brasília:
vel em: <http//www.saude.gov.br/bvs/publi-
Ministério da Saúde, Coordenação Nacional
cações>.
de DST e Aids, 1998.
–––. Ministério da Saúde. Secretaria-Execu-
GESTOR da saúde: convênios. Disponível
tiva. Vacinação: doenças imunopreveníveis.
<http://www.portalweb02.saude.gov.br/sau-
Brasília: Ministério da Saúde. 2001.
de>. Acesso em: 12 set. 2003.
CADASTRO Nacional dos Estabelecimentos de
141

GLOSSÁRIO de definições legais. Disponível PNASH. Disponível em: <http://www.por-


em: <http://www.anvisa.gov.br/medicamen- talweb02.saude.gov.br/saude>. Acesso em: 10
tos>. Acesso em: 28 de mar. 2003. set. 2003.
GUIA de atuação frente a maus-tratos na in- PROJETO Carteiro Amigo. Disponível em:
fância e na adolescência. 2. ed. Rio de Janeiro: <http://dtr2001saude.gov.br/sps/areastecni-
Sociedade Brasileira de Pediatria, 2001. cas>. Acesso em: 16 set. 2003.
GUIA eletrônico para aprovação e desenvolvi- RETINOPATIA diabética (“olho diabético”).
mento de pesquisas envolvendo seres humanos. Disponível em: <www.saude.gov.br/sas/dsra/
Disponível em: <http://dtr2001.saude.gov.br/ informativo>. Acesso em: 14 abr. 2003.
sctie>. Acesso em: 22 out. 2003.
REY, Luis. Dicionário de termos técnicos de
LESSA, Fábio José Delgados et al. Novas me- medicina e saúde. São Paulo: Guanabara,
todologias para vigilância epidemiológica: uso 1999.
do Sistema de Informações Hospitalares SIH/
ROBBINS, Stanley L. et al. Fundamentos de
SUS. Informe Epidemiológico do SUS, v. 9, n.
Robbins: patologia estrutural e funcional. São
9, p. 3-27, 2000.
Paulo: Guanabara, 2001.
MANUAL de saneamento. Brasília: Ministé-
SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Saúde.
rio da Saúde; Fundação Nacional de Saúde,
Terminologia básica para as atividades de audi-
1999.
toria e controle. São Paulo: Secretaria da Saúde
MEDICAL subject headings. Disponível em: do Estado de São Paulo, 1998.
<http://www.nlm.nih.gov>. Acesso em: 15
SECRETARIA-Executiva. [do Ministério da
jun. 2002.
Saúde]. Disponível em: <http://www.saude.
MEDICAMENTOS genéricos: orienta-se. gov.br/se>. Acesso em: 22 set. 2003.
Folheto Anvisa, 2002.
SEGURANÇA é uma responsabilidade de to-
O QUE é câncer? Disponível em: <http:// dos. Folheto Anvisa, 2002.
www.inca.gov.br>. Acesso em: 14 abr. 2003.
SISTEMA de informação de HIV soropositi-
PAVEL, Silvia; NOLET, Diane. Manual de vo assintomático: SIHIV. Boletim Epidemioló-
Terminologia. Disponível em: <http://www. gico, São Paulo, v. 2, n. 1, jun. 2003.
bureaudelatraduction.gcoca> Acesso em: 10
SISTEMA de supervisão de equipamentos. Bra-
out. 2002.
sília: Ministério da Saúde, Secretaria-Executi-
PICON, Paulo Dornelles; BEL TRAME, Al- va, 1999. (Procedimentos para Supervisão de
berto. Protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas. Equipamentos, v.1).
Disponível em: <http://www.saude.gov.br/sas/
SOBRE a Biblioteca Virtual de Saúde. <http://
dsra/protocolos>. Acesso em: 15 abr. 2003.
www.saude.gov.br/bvs>. Acesso em 06 fev. 2003.
142

SUPORTE a Ia construcción de tesauros em inter-


net. Disponível em: <http://www.bib.uc3m.es/
-mendez>. Acesso em: 13 set. 2002.
TERMINOLOGIA em saúde. Disponível em:
<http://www.saude.gov.br/bvs/publicacoes>.
Acesso em: 17 set. 2002.
VIGILÂNCIA Epidemiológica. Disponível
em: <http://www.funasa.gov.br>. Acesso em:
16 set. 2003.
WEBTHES. Disponível em: <http://webthes.
senado.gov.br>. Acesso em: 22 set. 2002.

A coleção institucional do Ministério da Saúde pode ser acessada


gratuitamente na Biblioteca Virtual em Saúde:

http://www.saude.gov.br/bvs

O conteúdo desta e de outras obras da Editora do Ministério da Saúde


pode ser acessado gratuitamente na página:

http://www.saude.gov.br/editora

EDITORA MS
Coordenação-Geral de Documentação e Informação/SAA/SE
MINISTÉRIO DA SAÚDE
(Normalização, revisão, editoração, impressão e acabamento)
SIA, Trecho 4, Lotes 540/610 – CEP: 71200-040
Telefone: (61) 233-2020 Fax: (61) 233-9558
E-mail: editora.ms@saude.gov.br
Home page: http://www.saude.gov.br/editora
Brasília – DF, janeiro de 2004
OS 0017/2004
FORMULÁRIO DE COLABORAÇÃO

Preencha o formulário conforme as seguintes instruções:


1. Assinale qual o tipo de informação: sigla ou termo (campo 1);
2. Indique qual é a sua colaboração: sugestão, alteração ou exclusão de termo ou sigla (campo 2);
3. Informe a sigla ou termo em questão (campo 3);
4. Escreva uma pequena justificativa sobre a sua colaboração para análise terminológica (campo 4);
5. Caso você tenha feito uma sugestão ou uma alteração de um termo ou sigla, por favor, indique e localize uma
ou mais publicações técnicas do Ministério da Saúde ou órgãos vinculados sobre o tema;
6. Deixe o seus dados para contato.


É obrigatório o preenchimento do campo 5, para que a sua contribuição seja encaminhada para análise terminológica.
Este formulário está disponível no site: www.saude.gov.br/bvs/terminologia.htm ou destaque e entregue na Biblioteca Vir-
tual do Ministério da Saúde no endereço: Esplanada dos Ministérios, Bloco G, Edifício Anexo, sala 415-B.