Sie sind auf Seite 1von 26

Violão III

Violão III

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

OFICINA DE ESTUDOS DA ARTE ESPÍRITA APOSTILA DE VIOLÃO – Parte 3 3ª edição ELABORADO POR EQUIPE OFICINA Copyleft Rio de Janeiro – Brasil 2010 Todos os direitos liberados. É incentivada a reprodução da obra ou parte dela, desde que citada a fonte, para fins educacionais, mesmo sem prévia autorização do portador dos direitos autorais.

OFICINA DE ESTUDOS DA ARTE ESPÍRITA APOSTILA DE VIOLÃO – Parte 3 3ª edição ELABORADO POR

APOIO:

OFICINA DE ESTUDOS DA ARTE ESPÍRITA APOSTILA DE VIOLÃO – Parte 3 3ª edição ELABORADO POR
OFICINA DE ESTUDOS DA ARTE ESPÍRITA APOSTILA DE VIOLÃO – Parte 3 3ª edição ELABORADO POR

www.oficina.org.br

OFICINA DE ESTUDOS DA ARTE ESPÍRITA APOSTILA DE VIOLÃO – Parte 3 3ª edição ELABORADO POR

- 2 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Sumário

Mensagem aos trabalhadores da arte espírita

4

Introdução ....................................................................................................................

5

Acordes Relativos e Anti-relativos

6

7

Campo Harmônico Menor (tétrades)

9

Funções Harmônicas nos tons menores...........................................................................11 Dominantes secundários ...............................................................................................16 Dominantes substitutos ................................................................................................18 Two-five .....................................................................................................................20 Acordes de Empréstimo Modal .......................................................................................22 Acordes com notas de tensão ........................................................................................23

- 3 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Mensagem aos trabalhadores da arte espírita

Caros colegas,

A música é conhecida e praticada desde a pré-história. Ainda não éramos homo sapiens e já utilizávamos percussão corporal e imitávamos os sons da natureza. Certamente não era a música como a conhecemos hoje, mas com certeza exercia seu poder incrível sobre todos. E desde que surgiram no mundo, por volta de 10.000 A.C., os instrumentos musicais também fascinam as pessoas. A história da música confunde-se, com a própria história do desenvolvimento da inteligência e da cultura humanas. Atualmente não se conhece nenhuma civilização ou agrupamento que não possua manifestações musicais próprias. E o movimento espírita não foge a esta regra, construindo e reconstruindo sua identidade musical a cada dia. A Oficina surge então de uma necessidade de qualificar os trabalhadores da música no movimento espírita, e desde 2003 vem crescendo, solidificando suas bases teóricas e aperfeiçoando sua prática. De um ensaio de um grupo de “violeiros” do pólo XIII de COMEERJ (Confraternização das Mocidades Espíritas do estado do Rio de Janeiro) tornou-se um curso estruturado onde os interessados podem aprender teoria musical, percepção, prática do instrumento além de vivências em que são trabalhados elementos como a timidez e a comunicação entre outros. Este trabalho se ampliou para além das fronteiras da COMEERJ e hoje conta com integrantes oriundos de diversas regiões, que não são necessariamente ligados a nenhum pólo. Todos os encontros possuem o momento de estudo da Doutrina Espírita aplicado à atividade artística, passando por temas como vaidade, orgulho, fluidos, pensamento, postura do trabalhador, entre outros, mas sempre pautados na codificação Kardequiana. A OFICINA já formou vários dos seus próprios professores de música e forma também multiplicadores que já começam a desenvolver trabalhos similares em outras regiões. Ao longo destes anos, tivemos participações muito especiais de colegas que desenvolvem trabalhos significativos dentro do movimento espírita fazendo palestras sobre suas experiências na evangelização através da música. Marielza Tiscate, Fábio Alves, Allan Filho, Luiz Pedro são alguns dos que apóiam o trabalho da OFICINA. Resumindo, a proposta da OFICINA é fortalecer a ação evangelizadora através da arte à luz da Doutrina Espírita.

- 4 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Introdução

Este material foi desenvolvido para auxiliar seu aprendizado. Ele foi elaborado de modo a fomentar sua pesquisa e estudo. Freqüentar as aulas e ler esta apostila NÃO garantem seu aprendizado. Somente aliando seu esforço e dedicação diários, você conseguirá seu desenvolvimento pleno no estudo da música.

No princípio do aprendizado existe muita dificuldade para se obter um som agradável. Ao fazer os exercícios com atenção, você está coordenando as mãos e melhorando os músculos dos dedos. Este começo é muito difícil sendo um grande desafio, que você pode vencer se for persistente e programar um horário certo para o treino.

  • - Treinar, mesmo que um pouco, todos os dias;

  • - Fazer os exercícios com atenção;

  • - Executar os exercícios com atenção na postura correta das mãos e das costas;

  • - Procurar ouvir tudo o que está tocando e memorizar suas características;

Muitas pessoas imaginam que vão obter resultados imediatos e quando percebem que as coisas não funcionam desta forma acabam desistindo. Pense que todos aqueles que você admira passaram pelo mesmo processo que você, ou seja; tiveram que aprender do zero. Qualquer um pode aprender, embora alguns tenham mais facilidade que outros. Entretanto, o que determina o sucesso é a FORÇA DE VONTADE de cada um. Quanto tempo vai precisar? VOCÊ é quem estabelecerá conforme seu esforço aliado à sua atenção ao treinamento. Mas não se preocupe com o tempo, pois ele passará do mesmo jeito. Seja perseverante e saboreie cada passo do curso como um degrau alcançado. Leia as lições atenciosamente, mentalize-as e se preciso, releia-as até que tenha compreendido bem. O programa teórico será aplicado através de vivências rítmicas e sonoras, despertando e desenvolvendo a musicalidade do indivíduo. Os estudos contarão com exemplos práticos e serão enriquecidos com apreciações musicais de estilos e gêneros variados. Pratique cada exercício e siga as instruções minuciosamente. Cada passo é essencial para o passo seguinte, assim como numa construção; um tijolo sobre o outro. A Natureza não dá saltos, porém o progresso é Lei divina. Bom estudo.

- 5 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Acordes Relativos:

Os acordes relativos se caracterizam por possuir duas notas em comum na sua formação. A fundamental e a terça do acorde maior se tornarão terça e quinta do relativo menor. Podemos também fazer o caminho inverso, considerando que a terça e a quinta do acorde menor, se tornarão fundamental e terça do relativo menor. Esses acordes estarão sempre separados por uma distância de 3ª menor ascendente (do menor para o maior) ou de 3ª menor descendente (do maior para o menor).

Ex:

Acordes Relativos

  • C (Dó, Mi, Sol)

Am (Lá, Dó, Mi)

  • D (Ré, Fá#,Lá)

Bm (Si, Ré, Fá #)

E (Mi, Sol#, Si)

C#m (Dó#, Mi, Sol#)

F (Fá, Lá, Dó)

Dm (Ré, Fá, Lá)

G (Sol, Si, Ré)

Em (Mi, Sol, Si)

A (Lá, Dó#, Mi)

F#m (Fá#, Lá, Dó#)

B (Si, Ré#, Fá#)

G#m (Sol#, Si, Ré#)

   

Bb (Sib, Ré, Fá) F# (Fá#, Lá#, Dó#)

Gm (Sol, Sib, Ré) D#m (Ré#, Fá#, Lá#)

Acordes Anti-relativos:

Os acordes antirelativos, assim como os relativos, se caracterizam por possuir duas notas em comum na sua formação. Porém nesse caso a terça e a quinta do acorde maior se tornarão fundamental e terça do antirelativo menor. Podemos também fazer o caminho inverso, considerando que a fundamental e terça do acorde menor, se tornarão terça e quinta do antirelativo maior. Esses acordes estarão sempre separados por uma distância de 3ª maior ascendente (do maior para o menor) ou de 3ª maior descendente (do menor para o maior).

Ex:

Acordes AntiRelativos

  • C (Dó, Mi, Sol)

Em (Mi, Sol, Si)

  • D (Ré, Fá#,Lá)

F#m (Fá #,Lá, Dó#)

E (Mi, Sol#, Si)

G#m (Sol#,Si,Ré#)

F (Fá, Lá, Dó)

Am (Lá, Dó,Mi)

G (Sol, Si, Ré)

Bm (Si, Ré,Fá#)

A (Lá, Dó#, Mi)

C#m (Dó#, Mi,Sol#)

B (Si, Ré#, Fá#)

D#m (Ré#, Fá#,Lá#)

   

Bb (Sib, Ré, Fá) F# (Fá#, Lá#, Dó#)

Dm (Ré, Fá,Lá) A#m (Lá#, Dó#,Mi# )

- 6 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Escalas Menores:

A escala menor diatônica, cuja principal característica é o intervalo de terça menor entre os graus I e III. Existem 3 formas de escalas menores: natural, harmônica e melódica.

Escala Menor Natural:

É formada a partir do modelo de lá menor, ou seja, partindo da nota lá teremos apenas notas naturais, sem sustenidos nem bemóis. Ex:

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Escalas Menores: A escala menor diatônica, cuja

Digitações:

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Escalas Menores: A escala menor diatônica, cuja

Exercícios propostos:

Básico: Este exercício deve ser feito em dupla. Um aluno tocará a harmonia da música abaixo, cantando – a internamente (sem emitir som). Enquanto isso o outro tocará a escala de Mi menor natural no ritmo da música, também cantando – a internamente. Opcional: Repetir os procedimentos do exercício anterior com liberdade para o solista de improvisar livremente (usando a escala de Mi menor) sobre a harmonia da canção.

DOR E CONFIANÇA (Allan Filho/ Carlos Alexandre)

Em

Pés descalços, mãos marcadas

  • C D

Moradores das calçadas esquecidos como a própria noite

Em

C

Rosto triste olhar tão raro na

esperança de um amparo

 
  • D Em

 

O silêncio mostra a própria dor

 
 

C

D

G

D/F#

Em

Sem perceber finjo não ver e prefiro evitar

 
  • C G

D

D/F#

Em

C

D

D4

D

Preciso ter

olhos de ver e mãos de ajudar

E amar como ele amou

Em

Pés descalços, mãos marcadas

 
  • C D

Jesus Cristo nas calçadas

esquecidos como a própria noite

 

Em

C

Rosto triste olhar tão raro na

esperança de um amparo

 
  • D Em

 

O silêncio mostra a própria dor

 
 

C

D

G

D/F#

Em

Sem perceber finjo não ver e prefiro evitar

 
  • C G

D

D/F#

Em

Preciso ter

olhos de ver e mãos de ajudar

  • C D

D4

D

Em

Pés descalços, mãos marcadas

  • C D

Em

Jesus Cristo nas calçadas esquecidos como a própria noite

- 7 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Escala Menor Harmônica:

Difere da menor natural apenas no grau VII que é elevado em meio tom.

Ex:

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Escala Menor Harmônica: Difere da menor natural

Digitações:

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Escala Menor Harmônica: Difere da menor natural

Exercícios propostos:

Básico: Este exercício deve ser feito em dupla. Um aluno tocará a harmonia da música abaixo, cantando – a internamente (sem emitir som). Enquanto isso o outro tocará a escala de Mi menor harmônica no ritmo da música, também cantando – a internamente. Opcional: Repetir os procedimentos do exercício anterior com liberdade para o solista de improvisar livremente (usando a escala de Mi menor) sobre a harmonia da canção.

JESUS CONTIGO (Luiz Pedro Silva Paulo)

int.:

Em

C

Em

 

B7/D#

C

Em

B7/D#

 

C

B7

G

Se tens fé, não te aflija a noite escura. Ao coração que a lágrima domina

 
 

D/F#

 

C

C# o

C

Em

Cm

D

Em

Ele estende, amoroso, a mão divina e abre as portas da paz, risonha e pura;

 

B7/D#

C

Em

B7/D#

 

C

B7

G

Alivia a aspereza da amargura e sobre as trevas de miséria e ruína

 

D/F#

 

C

C# o

 

C

Em

Cm

D

Em

Acende nova estrela matutina na esperança sublime que perdura.

 

F#/A#

 

B7

C

A7/C#

D

Eb o B7/D#

 

C/E

D7/F#

Se a crença viva te dirige os passos sob a carícia de celestes braços,

 

G4

G

B7

C

B7

Em Em/G

F#/A#

 

B7

C

A7/C#

Receberás o pão, a luz, o abrigo

...

ama a cruz que te ampara e regenera

 

D

Eb o B7/D#

C/E

 

D7/F#

G4

G

B7

C

B7

Em Em/G

E, envolvendo-te em santa primavera, o Mestre Amado seguirá contigo.

 

A/C#

C

Em

C

Em

Em9 B7/9-/E Em

 

Seguirá contigo ...

- 8 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Escala Menor Melódica:

Difere da menor natural nos graus VI e VII que são elevados em meio tom na parte ascendente da escala. Na parte descendente ela tem a mesma forma da escala menor natural.

Ex:

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Escala Menor Melódica: Difere da menor natural

Digitações:

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Escala Menor Melódica: Difere da menor natural

Campo Harmônico Menor:

É um conjunto de acordes formados por notas pertencentes às escalas menores. Como existem três tipos de escalas menores, então teremos 3 tipos de campos harmônicos menores.

Menor Natural: Am7 Bm7(b5) C7M Dm7 Em7 F7M G7 I grau II grau III grau IV
Menor Natural:
Am7
Bm7(b5)
C7M
Dm7
Em7
F7M
G7
I grau
II grau
III grau
IV grau
V grau
VI grau
VII grau

- 9 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Menor Harmônico:

Am7M Bm7(b5) C7M (#5) Dm7 E7 F7M G# o I grau II grau III grau IV
Am7M
Bm7(b5)
C7M (#5)
Dm7
E7
F7M
G# o
I grau
II grau
III grau
IV grau
V
grau
VI grau
VII grau
Menor Melódico:
Am7M
Bm7
C7M (#5)
D7
E7
F#m7(b5)
G#m7(b5)
I grau
II grau
III grau
IV grau
V
grau
VI grau
VII grau

- 10 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Funções harmônicas nos tons menores

Assim como nos tons maiores, cada acorde possui uma função dentro da música, nos proporcionando diferentes estados e sensações.

Funções Harmônicas primárias:

Tônica –1º grau do campo harmônico. Paz, relaxamento.

Subdominante –2º ou 4º grau. Movimento, afastamento do centro tonal.

Dominante – 5º grau. Tensão, clímax, auge do movimento.

Tons Menores:

  • a) Natural

 

Tonalidade

Tônica (I)

Subdominante(II)

Subdominante(IV)

Dominante (V)

 

Dó menor

 

Cm

 

Dm7(b5)

Fm

Gm

 

Ré menor

 

Dm

 

Em7(b5)

Gm

Am

 

Sol menor

 

Gm

 

Am7(b5)

Cm

Dm

 

Si menor

 

Bm

 

C#m7(b5)

Em

F#m

 

Fá menor

 

Fm

 

Gm7(b5)

Bbm

Cm

 

Mi

b menor

 

Ebm

 

Fm7(b5)

Abm

Bbm

 

Si b menor

 

Bbm

 

Cm7(b5)

Ebm

FM

  • b) Harmônica

 
   

Tonalidade

Tônica (I)

Subdominante

Subdominante

Dominante (V)

 
 

(II)

(IV)

 

Dó menor

Cm

Dm7(b5)

Fm

 

G

 

Ré menor

Dm

Em7(b5)

Gm

 

A

 

Sol menor

Gm

Am7(b5)

Cm

 

D

 

Si menor

Bm

C#m7(b5)

Em

 

F#

 

Fá menor

Fm

Gm7(b5)

Bbm

 

C

 

Mi b menor

Ebm

Fm7(b5)

Abm

 

Bb

 

Si b menor

Bbm

Cm7(b5)

Ebm

 

F

  • c) Melódica

 

Tonalidade

Tônica (I)

Subdominante(II)

Subdominante(IV)

Dominante (V)

 

Dó menor

 

Cm

 

Dm7

F

G

 

Ré menor

 

Dm

 

Em7

G

A

 

Sol menor

 

Gm

 

Am7

C

D

 

Si menor

 

Bm

 

C#m7

E

F#

 

Fá menor

 

Fm

 

Gm7

Bb

C

 

Mi

b menor

 

Ebm

 

Fm7

Ab

Bb

 

Si b menor

 

Bbm

 

Cm7

Eb

F

- 11 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Exercícios propostos:

Analise as músicas abaixo e diga quais as funções dos acordes usados:

CASA DO SOL A

D

Na casa do Sol brilha o dia-a-dia

 

E7

A

É só alegria na casa do Sol

 

A

D

Na casa do Sol sobra claridade

 

E7

A

É só felicidade na casa do Sol

 

A

D

Na casa do Sol acende o seu sorriso

E7

A

E se for preciso alguém te dá a mão

A

D

No quarto tem um beijo, no outro um abraço

E7

A

Na sala da casa bate um coração

A D Tum, tum, tum, tum, tum, tum, tum E7 Tum, tum, tum, tum, tum A
A
D
Tum, tum, tum, tum, tum, tum, tum
E7
Tum, tum, tum, tum, tum
A
Tum, tum, tum, tum, tum

2X

PEIXES NO MAR

  • D G

A7

D

Peixes no mar, aves a voar

 

G

A7

D

Eu quero amar com o amor que existe em mim

G

A7

D

Por isso eu amo a natureza assim

G

A7

D

Alô, alô, alô eu gosto de você

 
 

G

A7

D

Chibum, chibum, chalalá lalá

 

2X

 

G

A7

D

Quando mal eu faço à criação

 
 

G

A7

D

Fica em pedaços o meu coração

G

A7

D

Alô, alô, alô eu gosto de você

 
 

G

A7

D

Chibum, chibum, chalalá lalá

 

2X

- 12 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Funções Harmônicas Secundárias:

Encontraremos as mesmas funções harmônicas nos acordes relativos e anti-relativos dos acordes que exercem as funções primárias, porém com menos intensidade. Para cada função primária existem duas funções secundárias: a relativa e a anti-relativa. Por isso teremos 4 acordes para preencher 6 funções. Os acordes dos graus III e VI terão função dupla, dependendo da cadência em que estiverem inseridos, serão relativos ou anti-relativos.

Tons Maiores

 
 

C7M

Dm7

 

Em7

 

F7M

 

G7

 

Am7

 

Bm7(b5)

D7M

Em7

 

F#m7

 

G7M

 

A7

 

Bm7

C#m7(b5)

E7M

F#m7

 

G#m7

 

A7M

 

B7

 

C#m7

 

Dm7(b5)

Acordes

F7M

Gm7

 

Am7

 

Bb7M

 

C7

 

Dm7

 

Em7(b5)

G7M

Am7

 

Bm7

 

C7M

 

D7

 

Em7

F#m7(b5)

A7M

Bm7

 

C#m7

 

D7M

 

E7

 

F#m7

G#m7(b5)

B7M

C#m7

 

D#m7

 

E7M

 

F#7

 

G#m7

A#m7(b5)

Grau

I

II

 

III

 

IV

 

V

 

VI

 

VII

 

Função

Tônica

Sub.Rel.

 

Dom.Rel/

Subdominante

 

Dominante

 

Tôn.Rel.

 

Dom. Anti

Tôn. Anti

 

/

 
 

Sub.Anti

Tons Menores

 

a) Natural

 

Am7

Bm7(b5)

 

C7M

Dm7

Em7

 

F7M

   

G7

Bm7

C#m7(b5)

 

D7M

Em7

F#m7

 

G7M

   

A7

Cm7

Dm7(b5)

 

Eb7M

Fm7

Gm7

 

Ab7M

 

Bb7

Acordes

Dm7

Em7(b5)

 

F7M

Gm7

Am7

 

Bb7M

   

C7

Em7

F#m7(b5)

 

G7M

Am7

Bm7

 

C7M

   

D7

Fm7

Gm7(b5)

 

Ab7M

Bbm7

Cm7

 

Db7M

   

Eb7

Gm7

Am7(b5)

 

Bb7M

Cm7

Dm7

 

Eb7M

   

F7

Grau

I

 

II

III

IV

 

V

 

VI

 

VII

Função

Tônica

Sub.Anti

 

Tôn. Rel.

Subdominante

Dominante

Tôn.Anti.

Dom.

 

Dom.

 

/

 

Rel.

Anti

Sub.Rel.

   

b) Harmônica

 
 

Am 7M

Bm 7

(b5)

 

C 7M (#5)

Dm 7

E 7

F 7M

 

G # o

 

Bm 7M

C#m 7

(b5)

 

D 7M (#5)

Em 7

F# 7

 

G 7M

 

A # o

 

Cm 7M

Dm 7

(b5)

 

Eb 7M (#5)

Fm 7

G 7

Ab 7M

 

B # o

 

Acordes

Dm 7M

Em 7

(b5)

 

F 7M (#5)

Gm 7

A 7

Bb 7M

 

C # o

 

Em 7M

F#m 7

(b5)

 

G 7M (#5)

Am 7

B 7

C

7M

D # o

 

Fm 7M

Gm 7

(b5)

 

Ab 7M (#5)

Bbm 7

C

7

Db 7M

   

E o

G#m 7M

A#m 7

(b5)

 

B 7M (#5)

C#m 7

D# 7

 

E 7M

 

F

G#m A#m (b5) 7M (#5) C#m D# 7M F

o

Grau

I

II

 

III

IV

V

 

VI

VII

 

Função

Tônica

Sub.Anti

   

Tôn. Rel.

Subdominante

Dominante

 

Tôn.Anti.

 

Dom.

 

Dom. Anti

   

/

Rel.

 
 

Sub.Rel.

   

- 13 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

c) Melódica

 
 

Am 7M

Bm 7

C 7M (#5)

   

D

7

E 7

F#m7(b5)

G#m7(b5)

Bm 7M

Cm 7

D 7M (#5)

   

E 7

F# 7

G#m7(b5)

Am7(b5)

Cm 7M

Dm 7

F# 7M (#5)

 

F# 7

G# 7

Am7(b5)

Bm7(b5)

Acordes

Dm 7M

Em 7

G# 7M (#5)

 

G# 7

A 7

Bm7(b5)

Cm7(b5)

Em 7M

F#m 7

A 7M (#5)

   

A 7

B 7

Cm7(b5)

Dm7(b5)

F#m 7M

G#m 7

B 7M (#5)

   

B 7

C

7

Dm7(b5)

Em7(b5)

G#m 7M

A#m 7

C 7M (#5)

   

C

7

D

7

Em7(b5)

F#m7(b5)

Grau

 

I

II

 

III

 

IV

V

 

VI

 

VII

Função

Tônica

Sub.Anti

Tôn. Rel.

Subdominante

Dominante

Tôn.Anti.

Dom. Rel.

 

Dom.

 

/

Anti

Sub.Rel.

Exercícios propostos:

 

Analise as músicas abaixo e diga quais as funções dos acordes usados:

 

TEMPO DE BRILHAR

(Eduardo Barreto)

 

int.: G Am7

C

D7

G

Am7

 

C

D/F#

 

Olhe pra trás, veja as pegadas que você deixou

 

G

Am7

C

D/F#

Onde foram andar, sonhos, castelos que idealizou ?

 

Em

C

Am7

 

Em

C

D/F#

Os tesouros de que se serviu

e o que você retribuiu a vida ?

 

G

Am7

C

D/F#

Você fala que hoje tudo anda de mal a pior

 

G

Am7

C

D/F#

Pare pra pensar: o quê você faz pro mundo ser melhor ?

Em

C

Am7

 

Em

C

D/F#

O destino sempre lhe sorriu

e o que você retribuiu a vi_da ?

 

G

G7+

Em

C

Am7

 

É tempo de amar

e construir a paz

 
 

Em

C

D7

Em

D/F#

 

Incendiar a terra de es_pe_ran_ça

 

G

G7+

 

Em

C

Am7

Tocar o esplendor

da vida a florescer

 

Em

C

D7

Em

D/F#

G

Tecendo as vestes suntuo_sas das ma_nhãs

- 14 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

TEMPO DE DESPERTAR (Breno Marques/ Débora Alves/ Vitor de Sá)

Introdução: (D, A, E) 4X

F#m

D

E

F#m

 

D

E

Estamos à frente de um novo movimento que leva ao nosso despertar

 

F#m

D

E

F#m

 

D

E

E a luz que emanamos a iluminar a vida, mostrando o caminho da paz

 

A

E

F#m

 

C#m

[Erguer a bandeira, estandarte do movimento

 

D

A

E

Espírita, segue o amanhã

(Desperta e vai

...

)

A

E

F#m

C#m

Alçar nossos corações

 

aos cumes do pensamento

 

D

A

E

Vertidos para nossos irmãos] Refrão

 

F#m

D

E

F#m

 

D

E

Vencendo as trevas da nossa ignorância

com sentimento, amor e a razão

 

F#m

D

E

F#m

D

E

Nos somos a consciência do futuro e o futuro a nos esperar

 

Refrão

(D, A, E) 2X

 

C#m

A

E

B

C#m

A

E

B

C#m

 

Trabalhar

deixando fluir o sentimento de paz,

inundando os corações

 

A

E

B

C#m A

E

B

C#m A

E

B

Assim,

um mundo novo surgirá. Enfim, o reino de amor fulgurará ...

 

C#m

A

E

B

C#m

A

E

B

C#m

 

Trabalhar

deixando fluir o sentimento de paz,

inundando os corações

 

A

E

B

C#m A

E

B

C#m A

E

B

Assim,

um mundo novo surgirá. Enfim, o reino de amor fulgurará ...

 

Exercício opcional:

Discuta com seus colegas sobre qual escala menor foi construída a harmonia da música “É preciso continuar” do Luís Pedro:

É PRECISO CONTINUAR (Luiz Pedro da Silva Paulo)

F#m

C#m7

 

D7+ C#7/4

 

C#7

Se as estre

las

em teu céu,

já não brilham mais,

 

F#m

C#m7

D7+ C#7/4

 

C#7

Como se houvesse imenso véu

 

a envolver-te

Bm

E

C#7

F#m

 

Como se em tua mente, tudo fosse sombra e dor,

 
 

D

A

Bm7

E

Se como cada dia teu tornasse tua dor maior

F#m

 

C#m7

D7+ C#7/4

 

C#7

||: Será o momento de buscar

 

nova compreensão,

 

F#m

C#m7

D7+ C#7/4

 

C#7

Outra visão

do teu sofrer,

que te ensina

 

Bm

E

C#7/4

F#m

A cada dor sentida e educando-te a emoção

 

D

A

Bm7

E

E7

Então verás a vida assim, a iluminar-te o coração

 

A

A7

D6

Dm6

Trazendo sempre a esperança, o sorriso, no otimismo de que a paz virá

 

A

A7

D6

Dm6

E

D

E a todo instante lembrar que é preciso, é preciso,

sim, continuar

 

E

Bm

D

A

Bm7

E4

A

D6

Dm6

A

Sempre aprender,

Sempre a

-

amar ! :||

Uh,

Uh

Uh

- 15 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Dominantes secundários

A dominante prepara, geralmente, a chegada do acorde de tônica. Porém outros acordes também podem ser preparados por suas respectivas dominantes (V grau), que são chamadas de dominantes secundárias. Ex:

 

Tom

I

II

III

IV

V

VI

VII

 

Dó Maior

C7M

Dm7

Em7

F7M

G7

Am7

Bm7(b5)

Dominantes

G7

A7

B7

C7

D7

E7

 
 

Tom

I

 

II

III

IV

V

VI

VII

Ré Maior

D7M

 

Em7

F#m7

G7M

A7

Bm7

C#m7(b5)

Dominantes

A7

 

B7

C#7

D7

E7

F#7

 

Exercícios propostos:

1. Toque os campos harmônicos das 12 tonalidades maiores, antecedendo cada grau da sua respectiva dominante secundária.

  • 2. Toque e analise as canções a seguir identificando as dominantes secundárias utilizadas.

CANÇÃO DE DEUS (Luiz Antônio Milleco)

Int.: G

D9/F#

G

[Você é uma canção que Deus canta

C

D

G

Ele quis compor você

D9/F#

G

Você é uma canção que Deus canta

  • C D

G

Ele gostou de compor você] BIS

 

B7

Em

A7

D

Ninguém traz o seu sorriso, sua voz, seu tom, seu jeito

B7

Em

Ninguém tem seu coração que só palpita no seu peito

B7

Em

A7

D

Do Poeta do Infinito, você é perfeito verso

 
  • C D

G

 

G

Rima rica que faltava no poema do Universo

  • C D

G

 

G

Rima rica que faltava no poema do Universo [DC]

D9/F#

G

[Você é uma canção que Deus canta

C

D

G

Ele quis compor você

D9/F#

G

Você é uma canção que Deus canta

  • C G

D

Ele gostou de compor você] BIS

  • C G

D

Ele gostou de compor você

  • C G

D

Ele gostou de compor você

- 16 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Um dia diferente (Allan Valdivia)

Introdução: D9 Bm7

D9 Bm7 D9 Bm7

Pode ser preciso nadar contra a corrente

D9 Bm7 D9 Bm7

Pode ser que a vida peça atitudes mais coerentes

D9 Bm7 D9 Bm7 A

Pode ser que a coragem tenha que estar bem mais presente

G A/G

Só não há mais tempo para hesitar

F#m7 Bm7

E outra vez deixar passar

E7 A7 REFRÃO

A chance de fazer do hoje

D9 Bm7 D9 Bm7

Um dia diferente

...

Diferente

...

D9 Bm7 D9 Bm7

Pode ser pedido mais amor

D9 Bm7 D9 Bm7

Pode ser preciso agüentar a dor

D9 Bm7 D9 Bm7 A

Pode ser exigido muito mais do que a gente esperava

G A/G

Acreditar em suas próprias forças

F#m Bm7

E sempre lutar pelo o que for realmente bom

E7 A7

Dentro de nós existe um poder

D9

Maior do que pensamos

G A/G

E tudo começa a mudar

F#m Bm7

Quando decidimos enfrentar nossos medos

E7 A7

Pois só assim vai nascer no mundo

D9 Bm7 D9 Bm7

Um dia diferente

...

D9 Bm7

Diferente

...

BIS

Por que não tentar? (4 X)

G A/G

Já não há mais tempo para hesitar

F#m Bm7

E outra vez deixar passar

E7 A7

A chance de fazer do hoje

D9 Bm7 D9 Bm7 D9 Bm7 D9 Bm7 D

Um dia diferente

...

Diferente

...

Um dia diferente

...

Diferente

...

- 17 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Dominantes substitutos

São acordes que possuem o mesmo trítono do acorde de dominante, e por isso pode substituí – lo exercendo a mesma função. O dominante substituto é encontrado sempre meio tom acima do acorde de tônica Ex:

Tonalidade

Dominante

Dom.Subs

Tonica

Dó maior

G7

Db7

C

Ré maior

A7

Eb7

D

Mi maior

B7

F7

E

Fá maior

C7

Gb7

F

Sol maior

D7

Ab7

G

Lá maior

E7

Bb7

A

Si maior

F7

C7

B

Exercícios propostos:

Identifique na canção abaixo onde aparecem dominantes substitutos.

CORAGEM MORAL (Marcelo Manga)

C7M

Fm7M(6)

Em7

Eb7(9)

E tudo passa tão depressa nesses tempos de hoje

D7M(9)

Dm7

Db7(9) C7M(#5)

Que nem percebo mais as nuances das co

res

 

_____

G#m7(b5)

G7(#11)

F#m7

F#m7/E

O detalhe vai perdendo importância,

os perfumes se misturam

D7M

E

E eu e minha pressa cada vez mais longe do futuro

A

E/G#

F#m

F#m/E

Quero aprender a ousar, me lançar, ir mais além

D7M

C#m7

Bm7

E

Mesmo que o mundo exija que eu seja igual

 

A

E/G#

F#m

F#m/E

[Quero escolher o que me convence, o que me convém

D7M

D#°

E7sus4

E7

Será que o bem parece tanto assim com o mal?!?

A

E/G#

F#m F#m/E

D7M

Coragem quando é verdadeira é calma e serena

C#m7

Bm7

E

Faz valer a pena viver

 

A

E/G#

F#m

F#m/E

D7M C#m7

Falo por mim, quando é sim digo sim, e prefiro calar

Bm7

E

A trazer o sofrer

 

F#m

C#m

Bm7 C#7

Nova era,

te recebo

de braços abertos

F#m

C#m

Bm7 E

(A D/A) 3x E/A F/A [Fim C7M]

Nova era,

te pressinto

pois faço parte de ti] BIS

- 18 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Exercícios propostos:

Reharmonize as músicas abaixo trocando acordes de dominantes por dominantes substitutos. Depois discuta com seus colegas quais ficaram boas, quais não ficaram boas e por que.

É HORA DE AGIR (Haroldo S. Mendonça)

Int.: G9 C9 G9 C9 G/B Am7 C/D D7(b9)

G9

F#m7(b5)

B7

Em7

[ Se o mundo lhe fere os sorrisos e os sonhos,

Am7

C/D

D7(b9)

G9

Não perca a fé, confie então

e trabalhe ...

F#m7(b5) B7

Em7

É hora de agir e ir à luta

...

Am7

C/D

olhar pro céu de nosso chão

...

D7/b9

Em

Em/D#

Em/D

Estender a mão

cumprir então,

C#m7(b5) C7M

C/D

plantar a paz e ir ...

G9

C9

G9

E ir sempre além do mais, não desistir ...

C9

G/B Am7

C/D D7(b9)

 

Acreditando em nós e persistir: é hora de agir! ]

 

[BIS]

G7M

C7M/9

G7M

C7M/9

G7M

Mãos à obra, mãos à obra, mãos à obra, mãos à obra, mãos à obra ...

PENSE JÁ NO AMANHÃ (André Bezerra)

G

C9

 

O que você está fazendo agora?

 

G

C9

 

Pense já no amanhã!

 

G

C9

G

C9

A vida passa, não demore,

encontre sua direção ...

 

D

C

D

C

 

Se você quiser mudar o mundo,

só depende de você ...

D

C

D

 

Deixa fluir o que vem lá do fundo do coração

 

G

C9

G

È hora de mudar, de encontrar a direção,

C9

G

De tentar abrir as portas do seu coração,

C9

G

De tentar mudar o mundo através do amor,

C9

G

Demonstrar que a juventude tem o seu valor.

- 19 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Opcional: Agora faça o processo inverso, ou seja, troque os dominantes substitutos pelos acordes de dominante (V) da canção abaixo:

CORAGEM MORAL (Marcelo Manga)

C7M

Fm7M(6)

Em7

Eb7(9)

E tudo passa tão depressa nesses tempos de hoje

D7M(9)

Dm7

Db7(9) C7M(#5)

Que nem percebo mais as nuances das co

res

 

_____

G#m7(b5)

G7(#11)

F#m7

F#m7/E

O detalhe vai perdendo importância,

os perfumes se misturam

D7M

E

E eu e minha pressa cada vez mais longe do futuro

 

A

E/G#

F#m

F#m/E

Quero aprender a ousar, me lançar, ir mais além

D7M

C#m7

Bm7

E

Mesmo que o mundo exija que eu seja igual

 

A

E/G#

F#m

F#m/E

[Quero escolher o que me convence, o que me convém

D7M

D#°

E7sus4

E7

Será que o bem parece tanto assim com o mal?!?

A

E/G#

F#m F#m/E

D7M

Coragem quando é verdadeira é calma e serena

C#m7

Bm7

E

Faz valer a pena viver

 

A

E/G#

F#m

F#m/E

D7M C#m7

Falo por mim, quando é sim digo sim, e prefiro calar

Bm7

E

A trazer o sofrer

 

F#m

C#m

Bm7 C#7

Nova era,

te recebo

de braços abertos

F#m

C#m

Bm7 E

(A D/A) 3x E/A F/A [Fim C7M]

Nova era,

te pressinto

pois faço parte de ti] BIS

Two – Five

Uma sequência muito usada é feita com o II e V graus do campo harmônico. Esses acordes exercem uma função de preparação para outros acordes ou tonalidades que virão à seguir. Mais à frente estudaremos com mais profundidade como se dá essa “preparação”, por hora conheceremos os “Two-five’s” das principais tonalidades:

Ex:

Tom (I)

Two (II)

Five (V)

C

Dm7

G7

D

Em7

A7

E

F#m7

B7

F

Gm7

C7

G

Am7

D7

A

Bm7

E7

B

C#m7

F#7

- 20 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Exercícios propostos:

  • 1. Toque os “two – five’s” de todas as 12 tonalidades maiores.

  • 2. Toque e analise a canção a seguir identificando os “two – five’s” usados.

EXEMPLO (Fernando Silva Paulo) Int: A7M C#m Bm E

A7M

C#m

Bm

 

E

Sensível como a flor, que, bela, povoa os campos ...

 

A7M

C#m

F#m7

 

Bm

E7

Brilha como o sol que nos oferta sua festa de luz e cor! ...

F#m

E

Vem a paz do seu sorriso, a bondade brota em seu olhar,

 

F#m

E

F#m

E

Sabe tudo que é preciso para os corações do mundo cativar.

A

Bm

E7

F#m

Bm

E7

A

F#m

Te_em, tem nas mãos estrelas cadentes de amor e perdão

  • D E7

E

A

D

E4 E7

E4

E7

A

Mestre de amor, amigo

...

Um di_a teremos sua luz!

...

  • D E7

E

A

D

Mestre de amor, amigo ...

 

E4

E7

E4 E7

F

G

C7M

 

Um dia

teremos sua lu

__

uz,

sua luz!

...

Two-five menor

É uma cadência representada pelos II – V – I graus do campo harmônico construído sobre a escala menor harmônica. Possuem as funções de subdominante, dominante e tônica respectivamente.

Tonalidade

II (SubDom)

V (Dom)

I (Tonica)

Dó menor

Dm7(b5)

G7

Cm7

Ré menor

Em7(b5)

A7

Dm7

Mi menor

F#7(b5)

B7

Em7

Fá menor

Gm7(b5)

C7

Fm7

Sol menor

Am7(b5)

D7

Gm7

Lá menor

Bm7(b5)

E7

Am7

Si menor

C#m7(b5)

F#7

Bm7

Exercícios propostos:

Identifique o uso de two – Five (Maior ou menor) na música abaixo:

É HORA DE AGIR (Haroldo S. Mendonça)

Int.: G9 C9 G9 C9 G/B Am7 C/D D7(b9)

G9

F#m7(b5)

B7

Em7

[ Se o mundo lhe fere os sorrisos e os sonhos,

Am7

C/D

D7(b9)

G9

Não perca a fé, confie então

e trabalhe ...

F#m7(b5) B7

Em7

Am7

C/D

D7/b9

É hora de agir e ir à luta

...

olhar pro céu de nosso chão

...

 

Em

Em/D#

Em/D

C#m7(b5) C7M

 

C/D

Estender a mão

cumprir então,

plantar a paz e ir ...

G9

C9

G9

E ir sempre além do mais, não desistir ...

C9

G/B Am7

C/D D7(b9)

 

Acreditando em nós e persistir: é hora de agir! ]

 

[BIS]

G7M

C7M/9

G7M

C7M/9

G7M

Mãos à obra, mãos à obra, mãos à obra, mãos à obra, mãos à obra ...

- 21 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Acordes de Empréstimo Modal

São acordes “emprestados” geralmente de tonalidades homônimas. Os mais “emprestados” são os do IV, VI e VII graus dos tons menores.

Ex:

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Acordes de Empréstimo Modal São acordes “emprestados”

Nesse exemplo uma melodia no tom de dó maior é harmonizada por acordes do tom, mas no 6º e 7º compassos temos os acordes de Ab e Bb emprestados do tom homônimo (Dó menor). Observe que a melodia não se choca com nenhuma nota dos acordes, permitindo, nesse caso, que usemos acordes de empréstimo modal.

Exercícios propostos:

Toque os campos harmônicos das tonalidades abaixo incluindo os AEM do tom homônimo (IV, VI e VII graus):

Tom

I

II

III

IV

V

VI

VII

IV(AEM)

VI (AEM)

VII (AEM)

C

C7M

Dm7

Em7

F7M

G7

Am7

Bm7(b5)

Fm7

Ab7M

Bb7

D

D7M

Em7

F#m7

G7M

A7

Bm7

C#m7(b5)

Gm7

Bb7M

C7

E

E7M

F#m7

G#m7

A7M

B7

C#m7

D#m7(b5)

Am7

C7M

D7

- 22 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Acordes com notas de tensão

Podemos também acrescentar aos acordes, algumas notas para atingir outras sonoridades. A fim de atingir essa nova sonoridade sem alterar a função harmônica do acorde, vamos estudar os acordes de cada função separadamente.

Tônica: Podemos adicionar, além da 6ª e da 7ª maior, 9ª Maior e 11ª Aumentada (#11). Ex:

Possíveis acordes de tônica:

C

7M

C 7M (9)

C 7M (6)

C 7M (#11)

C 7M (9) (#11)

C 6 (9)

C

6

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Acordes com notas de tensão Podemos também
Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Acordes com notas de tensão Podemos também
Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Acordes com notas de tensão Podemos também
Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Acordes com notas de tensão Podemos também
Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Acordes com notas de tensão Podemos também

Subdominante: Podemos adicionar 9ª e 11ª.

Ex:

Possíveis acordes de subdominante:

F 7M

F 7M(9)

Dm 7

Dm 7(11)

Dm 7 (9)

Dm 7(9) (11)

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Acordes com notas de tensão Podemos também
Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Acordes com notas de tensão Podemos também
Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Acordes com notas de tensão Podemos também

- 23 -

Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III

Dominante: Podemos adicionar 9ªM, 9ªm (b9), 9ªAum (#9), 11ªAum (#11) ou 5ª Dim (b5), 6ªm (b13) ou 5ª Aum (#5), 6ªM (13).

Ex:

7(b9) 7(#9) 7(b13) Possíveis acordes de Dominante: G G G 7(9) 7(#11) 7(13) G 7(b9) (b13)
7(b9)
7(#9)
7(b13)
Possíveis acordes de Dominante:
G
G
G
7(9)
7(#11)
7(13)
G 7(b9) (b13)
G 7(9) (13)
G
G
G
Oficina de Estudos da Arte Espírita – Violão III Dominante : Podemos adicionar 9ªM, 9ªm (b9),

Exercícios propostos:

Rearmonize as músicas abaixo aplicando tensões aos acordes sem alterar suas funções:

EXEMPLO (Fernando Silva Paulo) Int: A7M C#m Bm E

 

A7M

C#m

Bm

 

E

Sensível como a flor, que, bela, povoa os campos ...

 

A7M

 

C#m

F#m7

 

Bm

E7

Brilha como o sol que nos oferta sua festa de luz e cor! ...

F#m

 

E

Vem a paz do seu sorriso, a bondade brota em seu olhar,

 

F#m

 

E

F#m

E

Sabe tudo que é preciso para os corações do mundo cativar.

A

Bm

E7

F#m

Bm

E7

A

F#m

Te_em, tem nas mãos estrelas cadentes de amor e perdão

D

E

E7

A

D

E4 E7

E4

E7

A

Mestre de amor, amigo

...

Um di_a teremos sua luz!

...

D

E

E7

A