Sie sind auf Seite 1von 21

Versão On-line ISBN 978-85-8015-075-9

Cadernos PDE

OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE


NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE
Produções Didático-Pedagógicas
FICHA PARA IDENTIFICAÇÃO
PRODUÇÃO DIDÁTICO – PEDAGÓGICA
TURMA - PDE/2013
Título Adaptação Curricular de Pequeno porte para o Ensino de Ciências para alunos do 9º ano do
Ensino Fundamental Anos Finais.

Autor Eliana Maria da Silva Guilhen Vieira

Disciplina/Área CIÊNCIAS

Escola de Implementação do A definir


Projeto e sua localização

Município da escola Apucarana – Paraná

Núcleo Regional de Educação Apucarana – Paraná

Professora Orientadora Marcelo de Carvalho

Instituição de Ensino Superior Universidade Estadual de Londrina

Resumo
Entendemos que a Escola deve se preocupar com a inclusão de
todos os alunos, independente das condições físicas, sociais,
econômicas e culturais que vivenciam ou das dificuldades
pedagógicas que apresentam. Neste sentido esta proposta tem
como desafio construir coletivamente condições para o
atendimento desses alunos, propiciando a oferta de condições
diferenciadas dentro do processo educativo que lhes proporcionem
acolhimento e aprendizagem efetiva, flexibilização e adaptação
curricular.

Inclusão, processo educativo, flexibilização, dificuldades


Palavras-chave
pedagógicas.

Formato do Material Didático Unidade Didática


Alunos do 9º ano, do Ensino Fundamental, do período vespertino.
Público Alvo
2

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO


Superintendência da Educação
Diretoria de Políticas e Programas Educacionais
Programa de Desenvolvimento Educacional

Eliana Maria da Silva Guilhen Vieira

UNIDADE DIDÁTICA

MÚSCULOS E OSSOS

LONDRINA – PR

2013
3

ELIANA MARIA DA SILVA GUILHEN VIEIRA

Adaptação Curricular de Pequeno porte para o Ensino de


Ciências para alunos do 9º ano do Ensino Fundamental
Anos Finais.

Unidade didático pedagógico como requisito do


Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE),
da Secretaria de Estado da Educação do Paraná, na
área de Ciências, com o tema Adaptação Curricular de
Pequeno Porte para o Ensino de Ciências para alunos
do 9º ano do Ensino Fundamental Anos Finais, sob
orientação do Prof. Dr. Marcelo de Carvalho.

LONDRINA- PR
2013
4

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 5
- Objetivos Gerais....................................................................................................... 5
- Objetivos Específicos ............................................................................................... 5
2. ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS ...................................................................... 5
3. ATIVIDADES RELACIONADAS A IMPORTÂNCIA DE OSSOS E
MÚSCULOS ................................................................................................................ 8
ATIVIDADE 1 ...................................................................................................... 9
-Texto informativo sobre a importância de ossos e músculos ............................ 9
ATIVIDADE 2 .................................................................................................... 10
-Recorte e monte o esqueleto seguindo o modelo a baixo............................... 11
-Encontre e circule no diagrama a baixo as palavras ...................................... 14
ATIVIDADE 3 .................................................................................................... 15
-Pesquise, recorte e cole os nomes dos principais ossos do esqueleto
humano .......................................................................................................... 15
ATIVIDADE 4 .................................................................................................... 17
-Caixinha de ossos ........................................................................................... 17
ATIVIDADE 5................................................................................................... 18
-Filme ossos e músculos super interessante coleções ..................................... 18
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ......................................................................... 19
5

1. INTRODUÇÃO

Percebemos uma grande necessidade de melhoria na qualidade da


Educação Pública e Privada no Brasil, e a necessidade de ajustar o currículo
para atender todas as crianças e jovens, independente das suas condições
físicas, sociais, linguísticas ou outras.

Diante desta realidade, percebemos a necessidade de uma Adaptação


ou flexibilização Curricular, para que a escola possa atingir um nível maior de
qualidade de ensino.

Esta unidade didática irá apresentar algumas alternativas e sugestões


de atividades que possam favorecer a aprendizagem dos alunos que
apresentam Dificuldades Intelectuais – DI.

OBJETIVO GERAL:

Desenvolver estratégias de adaptação curricular em sala de aula de forma


diferenciadas e inovadoras para atender alunos com necessidades educativas
especiais, fazendo ajustes no currículo, planejamento e na avaliação.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

- Incentivar as potencialidades e identificar as dificuldades dos alunos;

- Buscar estratégias que ajudem a facilitar o aprendizado;

- Criar vínculo com os alunos despertando a confiança e aumentando assim


sua auto-estima;

- Sugerir adaptações curriculares para que todos os alunos possam


compreender o conteúdo e acompanhar o desempenho da turma

2. ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS:

Rever o planejamento para adequar as necessidades de cada aluno com


dificuldades na aprendizagem e poder oferecer acessibilidade ao conteúdo
pedagógico a todos os alunos. “Adequar e propor recursos adaptados e
procedimentos diferenciados para cada necessidade significa “envolvimento”
6

com o fazer ‘’(Manzini, 2007), neste sentido é necessária uma adequação que
venha favorecer os alunos e diminuir as diferenças dentro de uma sala de aula.

Vale argumentar que nunca o tema inclusão esteve tão presente no dia-
a-dia da educação. Cada vez mais se percebe que as diferenças não só devem
ser aceitas, mas também acolhidas como subsídio para construção do cenário
escolar.
Pozo (2003) esclarece que uma das finalidades do sistema educacional
é proporcionar aos futuros cidadãos capacidades de aprender, para que sejam
aprendizes mais flexíveis, eficazes e autônomos e de acordo com as Diretrizes
Curriculares Básicas (2008), a Escola deve incentivar a prática pedagógica
fundamentada em diferentes metodologias, valorizando concepções de ensino,
de aprendizagem e de avaliação que permitam aos Professores e Estudantes
conscientizarem-se da necessidade de uma transformação emancipadora.
Desta maneira as atividades adaptadas se caracterizam como
importantes ferramentas didáticas de auxílio aos processos de ensino e
aprendizagem, que contribuem como forças motivadoras para que o aluno
construa um conhecimento significativo.
MANJÒN e outros (in BAUTISTA, 1997 P.61) trazem uma definição bem
clara: “Adaptações Curriculares são, antes de mais nada, um procedimento de
ajuste paulatino da resposta educativa, que poderá desembocar, ou não,
conforme o caso, num programa individual”. Neste sentido entende-se que
qualquer modificação, por menor que seja, é considerada uma adaptação
curricular, pois pode perceber que uma adaptação curricular pode ter vários
níveis de amplitude para favorecer as necessidades educativas dos alunos.

Pelo menos em nosso país, a inclusão que se almeja ocorrerá em um


contexto de uma escola deficitária no sentido que a cada ano aumenta os
índices de reprovação e em muitos casos “falida” (as estatísticas de repetência,
fracasso e evasão escolar mostram que o problema não atinge apenas os
chamados alunos com necessidades especiais).

Para atender e responder efetivamente as necessidades educacionais


especiais dos alunos no seu processo de aprender e construir conhecimentos
7

faz-se necessário modificar os procedimentos de ensino, introduzindo


atividades alternativas às previstas, disponibilizar atividades complementares,
por meio da adaptação curricular. Segundo Lirani, Claser e Menezes (2004)
existem dois tipos de Adaptações Curriculares, as de Grande Porte e as de
Pequeno Porte. As Adaptações Curriculares de Grande Porte compreendem
ações que são da competência das instâncias políticas - administrativas
superiores, já que exigem modificações que envolvem ações de natureza
política, administrativa, financeira entre outras. As Adaptações Curriculares de
Pequeno Porte são modificações promovidas no currículo, pelo professor, de
maneira a permitir e propiciar a participação efetiva dos Estudantes que
apresentam necessidades especiais no processo de ensino e aprendizagem,
na escola regular, junto aos seus colegas de turma. São ações que cabem ao
professor programar em sua sala de aula, buscando favorecer a aprendizagem
de seus alunos.
Segundo as Diretrizes da Educação Especial para a Construção de Currículos
Inclusivos.

[...] o desafio da participação e aprendizagem, com


qualidade, dos alunos com necessidades especiais, seja em
escolas regulares ou em escolas especiais, exige da escola a
prática da flexibilização curricular que se concretiza na análise
da adequação de objetivos propostos, na adoção de
metodologias alternativas de ensino, no uso de recursos
humanos, técnicos e materiais específicos, no
redimensionamento do tempo e espaço escolar, entre outros
aspectos, para que esses alunos exerçam o direito de aprender
em igualdade de oportunidades e condições. (PARANÁ, 2006 p.
208).

Entende-se que o conhecimento sistematizado pela educação escolar


deve oportunizar aos alunos idênticas possibilidades e direitos, ainda que
apresentem diferenças sociais, culturais e pessoais, efetivando-se a igualdade
de oportunidades, sobretudo em condições semelhantes.
São muitos os significados para a terminologia Adaptações Curriculares,
porém o sentido a que se propõe é não ter em mente que a escola deverá ter
8

um currículo adaptado ou separado para alguns, o que deverá prevalecer é que


a flexibilização curricular ou adaptação curricular deva priorizar as diferenças
em sala de aula, contrariando a prática tradicional onde todos os alunos
aprendem da mesma maneira, com as mesmas metodologias e os mesmos
instrumentos e no mesmo tempo, portanto o que se propõe aqui é abolir a ideia
de um currículo adaptado para aqueles alunos que se diferenciam do grupo
dito homogêneo, ou seja, o grupo que supostamente constitui as salas de aula.
“A flexibilidade é outro fator que contribui para remoção das barreiras de
aprendizagem. Traduz-se pela capacidade do professor de modificar planos e
atividades à medida que as reações dos alunos vão oferecendo novas pistas”.
(CARVALHO, 2011, p. 67).

A educação inclusiva, entendida sob a dimensão curricular, significa que


o aluno com necessidades especiais deve fazer parte da sala regular, sendo
esta proposta diferente das práticas tradicionais da Educação “Especial” que ao
enfatizar o déficit do aluno priorizava a construção de um currículo
empobrecido desvinculado muitas vezes da idade cronológica do aluno com
planejamento e sistema de avaliação indefinido.

Entende-se que o conhecimento sistematizado pela educação escolar


deve oportunizar aos alunos idênticas possibilidades e direitos, ainda que
apresentem diferenças sociais, culturais e pessoais, efetivando-se a igualdade
de oportunidades, sobretudo em condições semelhantes.

Nesta perspectiva, quando não se adota uma proposta de ensino flexível


e coerente com a diversidade dos alunos, a inclusão escolar se resume à mera
inserção de alunos com necessidades educacionais especiais nas salas de
aula (CARVALHO, 2008).
9

3 . ATIVIDADES RELACIONADAS A IMPORTÂNCIA DOS OSSOS E


MÚSCULOS

ATIVIDADE 1

Objetivo:

Repassar informações sobre o assunto de forma clara, para que os alunos


tenham uma boa compreensão do assunto.
Procedimento: Os textos devem ser breves, com um vocabulário bem
acessível a todos;
Pode-se fazer a leitura em voz alta, ou pedir para que cada aluno leia um
pequeno trecho.
Tempo de duração: 45 minutos (uma aula).
Avaliação: Essa atividade é informativa, o professor deverá avaliar a
participação dos alunos e sua compreensão das informações obtidas através
do acompanhamento da leitura, realizando perguntas orais e com isso poder
atribuir conceitos através das respostas que são dadas oralmente.
10

TEXTO INFORMATIVO SOBRE A IMPORTÂNCIA DOS MÚSCULOS E


OSSOS:

Graças à sustentação que dá ao corpo, o esqueleto suporta nosso peso.


Os ossos também conferem proteção a certas partes do corpo, como o
cérebro, coração e os pulmões.
No interior dos ossos longos, a medula óssea vermelha é responsável
pela produção de células do sangue.
Nossos ossos também funcionam como reservatório de dois minerais: o
cálcio e o fósforo. Os movimentos do corpo são resultados da ação conjunta de
ossos e músculos.

O sistema músculo-esquelético é formado pelo esqueleto, músculo,


tendões, ligamentos e outros componentes das articulações. O esqueleto é o
conjunto de todos os ossos e cartilagens do corpo e provê: força, estabilidade e
uma base de sustentação para que os músculos trabalhem e produzam
movimento.

http://www.sobiologia.com.br/figuras/Corpo/esquleleto.jpg ; acesso em: 24/10/2013 às 17:07

ATIVIDADE 2

Objetivo: Facilitar a assimilação do posicionamento dos ossos e o nome


de cada osso.
Procedimento: Distribuir uma folha de papel cartão para os alunos e
pedir que eles recortem e colem os ossos respeitando a posição de cada um
no esqueleto.
Material: Papel cartão, cola, tesoura sem ponta, Xerox do modelo do
esqueleto.
Tempo de duração: 90 minutos (duas aulas).
11

Avaliação: Nesta atividade o professor poderá avaliar pela disposição


dos ossos, a montagem do esqueleto.

RECORTE E MONTE O ESQUELETO SEGUINDO O MODELO ABAIXO:

FAÇA COM
MUITA
ATENÇÃO
12

http://www.sobiologia.com.br/figuras/Corpo/esquleleto.jpg: acesso em: 24/10/2013 às 17:07


13

ATIVIDADE 3
14

ENCONTRE E CIRCULE NO DIAGRAMA ABAIXO AS PALAVRAS:

Objetivo: Fixar o nome de alguns ossos do esqueleto humano melhorar a


concentração e a atenção.

Procedimento: Distribuir um xerox com um caça palavras para que os alunos


procurem as palavras grifando os nomes encontrados.

Tempo de duração: 45 minutos (uma aula)

Avaliação: Fazer a correção das palavras que foram encontradas, e se todas


estão corretas.

Respostas: Patela, Fêmur, Costelas, Rádio, Escápula, Tíbia, Úmero, Rádio.


15

http://2.bp.blogspot.com/-IYXkXRFaR-
c/ToJ3ciFwDyI/AAAAAAAAA2g/ZiAba69MLN4/s320/CIENCIAS+10.jpg acesso em: 24/10/2013;
às 17:04

ATIVIDADE 3

PESQUISE, RECORTE E COLE OS NOMES DOS


PRINCIPAIS OSSOS DO ESQUELETO HUMANO

Objetivo: Fixar o nome de alguns ossos do esqueleto humano melhorar a


concentração e a atenção.

Procedimento: Distribuir um xerox para cada aluno com o nome de alguns


ossos para que eles recortem e colem na coluna esquerda da folha.

Tempo de duração: 45 minutos (uma aula)

Avaliação: Avaliar a disposição correta dos ossos.

http://www.masquinha.jex.com.br/
16

http://www.sobiologia.com.br/figuras/Corpo/esquleleto.jpg: acesso em: 24/10/2013 às 17:35


17

ATIVIDADE 4

CAIXINHA DE OSSOS
Objetivo: Fixar o nome e localizar alguns ossos do corpo humano.

Material: Uma caixa de sapato com fichas duplas, contendo o nome de 20


osso aproximadamente, dependendo do número de alunos na sala, um cartaz
ou um esqueleto que deverá ser fixado próximo ao quadro.

Procedimento: A caixa passa pela sala de aula e cada aluno retira uma ficha.

- Depois de ler o nome dos ossos da ficha, cada aluno procura seu par, isto é
aquele que tirou a ficha com o nome do mesmo osso.

- Ambos vão discutir e descobrir a localização do osso no esqueleto, se é um


osso chato, longo ou pequeno, se o osso prende alguma articulação, em que
região do corpo ele está localizado, etc.

- Depois de algum tempo, chame cada dupla para expor as conclusões a que
chegaram.

- As duplas vencedoras terão seus nomes afixados no mural da escola.

Tempo de duração: 45 minutos (uma aula)

Avaliação: Nesta atividade o aluno poderá ser avaliado pela motivação em


sala, pela participação e integração com os colegas, e pela compreensão do
funcionamento da atividade, o professor deverá observar o desempenho do
aluno, sua forma de se expressar e como interagiu com os colegas.

Fonte: dicasdesaude.info
18

CAIXINHA DE OSSOS

http://www.brindesbarato.com.br/ecommerce_site/arquivos5744/arquivos/1311493320_1.jpg ;acesso
em 24/10/2013 às 17:11.

ATIVIDADE 6

Filme Ossos e Músculos Super Interessante Coleções:


Objetivo: Mostrar como funciona nosso corpo, principais articulações,
cuidados com a postura (coluna).
19

Procedimento: O filme poderá ser passado em sala na TV pen drive ou se a


escola possuir salão com TV a turma poderá ser levada até o salão.

Tempo de duração: 45 minutos (uma aula)

Avaliação: O professor poderá solicitar um pequeno resumo do filme sugerido,


onde o aluno citará as partes que mais chamarem sua atenção.

É sempre bom
aprendermos
juntos.

http://www.masquinha.jex.com.br/

.
20

4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CARVALHO, Rosita Edler. Removendo Barreiras para a aprendizagem:


educação inclusiva – Porto Alegre: mediação, 2001.

MANZINI, Eduardo José. Inclusão do Aluno com Deficiência na Escola: Os


Desafios Continuam. Marília: APBPEE/FAFESP, 2007.

__________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial.


Diretrizes nacionais para Educação Especial na Educação Básica. Secretaria
de Educação Especial- MEC/SEESP, 2001.

MONJÒN, Daniel Gonzàle; GIL, Julio Ripalda; GARRIDO, Antonio. Assegurado


adaptações curriculares. In: BAUTISTA, Rafael et al. Necessidades
educativas especiais. Lisboa: Dinalivro, 1997.

POZO, J.I. Humana mente: el mundo, la conciencia y la carne. Madrid:


Morata, 2001.

LIRANI, Mônica Lima [et al]. Texto. Departamento de Educação Especial e


Inclusão educacional DEEIN/SEED para o Grupo de Estudo. Paraná, 2010.