You are on page 1of 115
SOL eR LE enon MST numa tradigao de “exploradores ROU CO Sm Lomo os alquimistas, os v islimica, os surrealistas, Paracelso, Henri Corbin, Gaston Bachelard e, entre tantos AUR RCT cue Ke sone NOC one DUE SOU Con OTT CU Oa OAC UOTE UD eee LO eC COR UnnCee Te ea RTO SC TORE aca BUC nce Co Uo COO psiquico é uma imagem e um imaginar’ BN n SUT a Conn CUO ca DOTTIE ULE c CO subproduto da percepgao ou da sensagio Oo Om aon nO Reno nem éa construcdo mental que Por oon em LORS MOO sentimentos, nao a imagem a qual o ego, meu “eu” consciente, tem acesso por yontade ou por estimulo. Jung refere-se a Trane eke Oe AL LULL psique, ou seja, uma espontaneidade na WO Onn VOLO URC ULC OE Sea POLL wou m EEL on Com ome Con erat OME oem ca ns; @ 0 locus em que mais podemos perceber a capacidade autonome ¢ espontanea da psique de criar imager so, naturalmente, os sonhos, O fato d¢ RON CCM om testemunho nitido de que a psiqu capacidade de criar imagens de for independente, ou seja, por yor NO DEE MOE UOMO Una OmeLU Conran CRT ot enon Coa ) consciente. ‘a PSIQUE E IMAGEM