You are on page 1of 44

Ano: 2018 Banca: CESPE Órgão: PC-MA Prova: Delegado de Polícia Civil

Em relação à lei penal no tempo e à irretroatividade da lei penal, é


correto afirmar que à lei penal mais
a) severa aplica-se o princípio da ultra-atividade.
b) benigna aplica-se o princípio da extra-atividade.
c) severa aplica-se o princípio da retroatividade mitigada.
d) severa aplica-se o princípio da extra-atividade.
e) benigna aplica-se o princípio da não ultra-atividade.

Gabarito: Letra B
Ano: 2018 Banca: CESPE Órgão: PC-MA Prova: Delegado de Polícia Civil
No direito penal, a analogia
a) é uma forma de autointegração da norma penal para suprir as
lacunas porventura existentes.
b) é uma fonte formal imediata do direito penal.
c) utiliza, na modalidade jurídica, preceitos legais existentes
para solucionar hipóteses não previstas em lei.
d) corresponde a uma interpretação extensiva da norma penal.
e) é uma fonte formal mediata, tal como o costume e os princípios
gerais do direito.

Gabarito: Letra A
CESPE - No direito penal, a analogia é uma fonte formal mediata, tal
como o costume e os princípios gerais do direito.
Gab F
CESPE - O uso do instituto da analogia pressupõe,
necessariamente, uma lacuna involuntária da norma em vigor.
Gab V
CESPE- Pela analogia, meio de interpretação extensiva, busca-se
alcançar o sentido exato do texto de lei obscura ou incerta, admitindo-
se, em matéria penal, apenas a analogia in bonam partem.
Gab F
CESPE - O princípio da legalidade veda o uso da analogia in malam
partem, e a criação de crimes e penas pelos costumes.
Gab V
CESPE-A analogia, cuja utilização é vedada no direito penal, constitui
método de integração do ordenamento jurídico.
Gab F
CESPE - Em se tratando de direito penal, admite-se a analogia quando
existir efetiva lacuna a ser preenchida e sua aplicação for favorável ao
réu. Constitui exemplo de analogia a aplicação ao companheiro em
união estável da regra que isenta de pena o cônjuge que subtrai bem
pertencente ao outro cônjuge, na constância da sociedade conjugal.
GAB V
Ano: 2018 Banca: CESPE Órgão: PC-MA Prova: Delegado de Polícia Civil
No que se refere à classificação dos crimes, assinale a opção correta.
a) No crime habitual, as ações que o compõem, consideradas isoladamente,
não constituem crimes.
b) No crime à distância, a conduta dá-se em um local e a produção, em
outro, dentro do mesmo país.
c) No crime preterintencional, há a conjugação da ação culposa no evento
antecedente com o dolo no resultado consequente.
d) Os crimes omissivos impróprios se perfazem com a mera abstenção da
realização de um ato, independentemente de um resultado posterior.
e) Nos crimes instantâneos de efeitos permanentes, a consumação do crime
perdura até quando o sujeito quiser.

Gab. A
Legislação
Penal Especial
SÉRGIO BAUTZER
Cespe – Delegado Federal/Nacional/2004 (prova branca)

Comentários: Sérgio Bautzer


QUESTÃO 1

Marcos é um jovem de 18 anos de idade que foi preso em flagrante


delito pelo porte de substância entorpecente. Verificando que nem ele
nem sua família tinham condições econômicas de prestar a fiança que
lhe foi arbitrada, a autoridade policial determinou o recolhimento
domiciliar de Marcos na casa de seus pais, que assinaram termo de
responsabilidade. Nessa situação, a referida autoridade policial
praticou ato ilícito, pois apenas uma autoridade judicial teria
competência para determinar o recolhimento domiciliar de Marcos.

Gabarito: Anulada.
QUESTÃO 2

Antenor foi condenado a 18 anos de reclusão pelo homicídio


qualificado de um delegado de polícia federal. Nessa situação, Antenor
somente pode progredir para o regime semi-aberto após cumprir 12
anos de pena em regime fechado.

Gabarito: Incorreta.
QUESTÃO 3

Como forma de punir um ex-membro de sua quadrilha que o havia


delatado à polícia, um traficante de drogas espancou um irmão do
delator, em plena rua, quando ele voltava do trabalho para casa. Nessa
situação, o referido traficante praticou crime de tortura.

Gabarito: Incorreta.
QUESTÃO 4

Os altos preços verificados nas exportações de determinada empresa


importadora atraíram a atenção da Polícia Federal, que descobriu que
os artigos eram exportados com valores bastante acima dos praticados
pelo mercado, como forma de fazer ingressar no país, de maneira
aparentemente lícita, rendimentos obtidos a partir de tráfico
internacional de drogas. Nessa situação, os responsáveis pelas referidas
exportações cometeram crime de lavagem de dinheiro.

Gabarito: Correta.
É oportuno citar os ensinamentos do professor Ricardo Andreucci (2009) sobre as fases da lavagem
de dinheiro:

Conversão, também chamada de ocultação ou colocação (placement), em que o dinheiro é aplicado


no sistema financeiro ou transferido para outro local – normalmente, movimenta-se o dinheiro em
pequenas quantias – para diluir ou fracionar as grande somas.
Dissimulação, também chamada de controle ou estratificação (empilage), que objetiva dissociar o
dinheiro de sua origem, dificultando a obtenção de sua ilegalidade (rastreamento) – geralmente o
dinheiro é movimentado de forma eletrônica, ou depositando em empresas-fantasma, ou
misturado com dinheiro lícito.
Integração (integration), fase final e exaurimento da lavagem de dinheiro, em que o agente cria
explicações legítimas para os recursos, aplicados, agora de modo aberto, como investimentos
financeiros ou compra de ativos (ouro, ações, veículos, imóveis etc.) podem surgir as
organizações de fachada.
QUESTÃO 5

Bartolomeu, pessoa com baixo grau de instrução, foi preso em


flagrante pela prática de ato definido como crime contra a fauna. Nessa
situação, o baixo grau de instrução de Bartolomeu não exclui a sua
culpabilidade, mas constitui circunstância que atenuaria a sua pena no
caso de eventual condenação penal.

Gabarito: Correta.
Comentários: A assertiva de acordo com o que rege o art. 14 da Lei
9605/98:
“São circunstâncias que atenuam a pena:
I - baixo grau de instrução ou escolaridade do agente;(...)”
Cespe – Delegado Federal/Regional/2004 (prova branca)

Em cada uma das questões a seguir, é apresentada uma situação hipotética,


seguida de uma assertiva a ser julgada.

QUESTÃO 6

Rodrigo compareceu ao Aeroporto Internacional de Belém com seu filho Gustavo,


de 8 anos de idade, para juntos embarcarem em um vôo com destino à Venezuela,
onde deveriam se encontrar com a mãe da criança, que havia viajado uma semana
antes e deixado com Rodrigo uma autorização por escrito, sem firma reconhecida,
para que ele levasse Gustavo à capital venezuelana. Nessa situação, o embarque de
Gustavo deve ser autorizado porque, estando ele acompanhado de seu pai, o
reconhecimento de firma na autorização é uma formalidade dispensável.

Gabarito: Incorreta.
A assertiva está incorreta, pois não guarda compatibilidade com o que
está disposto no art. 84 do Estatuto da Criança e do Adolescente, pois
quando se tratar de viagem ao exterior, a autorização é dispensável 1)
se a criança ou adolescente estiver acompanhado de ambos os pais ou
responsável ou 2) viajar na companhia de um dos pais, autorizado
expressamente pelo outro através de documento com firma
reconhecida.
QUESTÃO 7

Um delegado de polícia federal determinou abertura de inquérito para


investigar crime ambiental, apontando como um dos indiciados a
madeireira Mogno S.A. Nessa situação, houve irregularidade na
abertura do inquérito porque pessoas jurídicas não podem ser
consideradas sujeitos ativos de infrações penais.

Gabarito: Incorreta.
Dispões o artigo 225, §3º da CF:
§ 3º - As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente
sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e
administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos
causados.
QUESTÃO 8

Pedro pediu em casamento Carolina, que tem 16 anos de idade, e ela


aceitou. O pai de Carolina, porém, negou-se a autorizar o casamento da
filha, pelo fato de o noivo ser negro. Todavia, para não ofender Pedro,
solicitou a Carolina que lhe dissesse que o motivo da sua recusa era o
fato de ele ser ateu. Nessa situação, o pai de Carolina cometeu infração
penal.
Gabarito: Correta.
QUESTÃO 9

Um agente de polícia federal verificou que o adolescente Juliano havia


acabado de adquirir 30g de maconha para seu consumo pessoal e que
ele trazia consigo a droga. Nessa situação, seria ilícito que o referido
agente apreendesse Juliano em flagrante, porque adolescentes
somente podem ser apreendidos em flagrante pela prática de atos
infracionais que envolvam violência ou ameaça a terceiros.

Gabarito: Incorreta.
Comentários: Segundo a CF, os menores são considerados penalmente
inimputáveis, e assim a criança e o adolescente cometem ato
infracional análogo ao crime e ou à contravenção. Em razão de sua
conduta, a criança e o adolescente recebem medidas previstas no ECA.
No caso em apreço, Juliano praticou ato infracional análogo ao crime
de posse de droga para uso consumo pessoal. Ele deveria ser
apreendido em flagrante e apresentado à autoridade policial da
repartição especializada, conforme preceitua o ECA.
QUESTÃO 10

Um agente penitenciário submeteu a intenso sofrimento físico um


preso que estava sob sua autoridade, com o objetivo de castigá-lo por
ter incitado os outros detentos a se mobilizarem para reclamar da
qualidade da comida servida na penitenciária. Nessa situação, o
referido agente cometeu crime inafiançável.

Gabarito: Correta.
Comentários: O crime praticado pelo agente penitenciário é a tortura,
que segundo a Lei Fundamental é inafiançável, conforme se preceitua o
art. 5º, inciso XLIII, dispõe:
“a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou
anistia a prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas
afins, o terrorismo e os definidos como crimes hediondos, por eles
respondendo os mandantes, os executores e os que, podendo evitá-los,
se omitirem;”(Grifamos)
QUESTÃO 11

Hugo é um agente de polícia civil que realizou interceptação de


comunicação telefônica sem autorização judicial. Nessa situação, o ato
de Hugo, apesar de violar direitos fundamentais, não constitui crime
hediondo.

Gabarito: Correta.
Comentários: O crime que Hugo praticou está previsto no artigo 10 da
Lei 9296/96 e realmente apesar de violar direitos fundamentais, não é
crime hediondo, pois não está previsto na Lei 8072/90.
Questão 12

Um indivíduo foi denunciado pela prática de crimes contra a


ordem tributária, em continuidade delitiva. Algumas das condutas
delituosas foram perpetradas na vigência da Lei nº 4.729/1965 (lex
mitior) e, outras, sob a égide da Lei nº 8.197/1990 (lex gravior). Nessa
situação, pelo fato de a lei penal não retroagir, salvo para beneficiar o
réu, será reconhecida a ultra-atividade da Lei nº4729/1965.

Gabarito: Incorreta.
A assertiva está incorreta, pois contraria o entendimento do STF, que
está expresso na súmula n. 711, que diz que: LEI PENAL MAIS GRAVE
APLICA-SE AO CRIME CONTINUADO OU AO CRIME PERMANENTE, SE A
SUA VIGÊNCIA É ANTERIOR À CESSAÇÃO DA CONTINUIDADE OU DA
PERMANÊNCIA. No caso em apreço, a continuidade delitiva se iniciou
quando estava em vigor a lei 4792/65 (crimes de sonegação fiscal) e se
encerrou quando estava vigendo a lei 8137/90, que trata dos crimes
contra a ordem tributária.
Questão 13
Consoante entendimento do STF, a sonegação fiscal de lucro advindo
de atividade criminosa – tráfico de entorpecentes –, envolvendo
sociedades comerciais organizadas, com lucros vultosos subtraídos à
contabilidade regular das empresas e à declaração de rendimentos,
caracteriza, em tese, crime contra a ordem tributária.

Gabarito: Correta.
Para a configuração de crime contra a ordem tributária, não é
necessária a existência de origem lícita da renda ou de rendimentos
subtraídos dolosamente da tributação, caracterizando infração penal a
sonegação fiscal de lucro oriundo de atividade criminosa, no caso o
tráfico ilícito de drogas.
Cespe – Delegado Federal – 2013

43 O crime de lavagem de capitais, delito autônomo em relação aos


delitos que o antecedam, não está inserido no rol dos crimes
hediondos.

C
68 Compete à justiça federal processar e julgar os acusados da prática
de crimes de lavagem de dinheiro, uma vez que a repressão a esses
crimes é imposta por tratado internacional.

E
69 A simples existência de indícios da prática de um dos crimes que
antecedem o delito de lavagem de dinheiro, conforme previsão legal,
autoriza a instauração de inquérito policial para apurar a ocorrência do
referido delito, não sendo necessária a prévia punição dos acusados do
ilícito antecedente.
c
70 Conforme a jurisprudência do STJ, não impede o prosseguimento da
apuração de cometimento do crime de lavagem de dinheiro a extinção
da punibilidade dos delitos antecedentes.
c
71 No que se refere à legitimidade para o polo passivo da ação penal
por lavagem de capitais, é dispensável a participação do acusado do
crime de lavagem de dinheiro nos delitos a ele antecedentes, sendo
suficiente que ele tenha conhecimento da ilicitude dos valores, dos
bens ou de direitos cuja origem, localização, disposição, movimentação
ou propriedade tenha sido ocultada ou dissimulada.