You are on page 1of 3

O estudante iniciante de canto no estilo pop, enfrenta diversas dificuldades

como falta de isometria muscular, falta de utilização dos ressonadores, e


principalmente o excesso de pressão subglótica, fator predominante para a
dificuldade no desenvolvimento vocal, uma vez que o excesso de pressão
subglótica pode gerar dificuldades nas mudanças de registro, passagens,
dificuldade de desenvolvimento de toda a tessitura vocal e até causar
patologias vocais.

O Belting Contemporâneo como ferramenta didática permite ao professor de


canto resolver esses problemas vocais em seus alunos, sendo possível dividir
de forma sistemática o aprendizado do canto em três etapas, tornando a
assimilação mais clara, rápida e fácil. Marconi Araújo, criador do Belting
Contemporâneo explica:

A voz, em sua formação, é o produto de duas forças: uma de


propulsão e uma de retenção. Uma voz saudável é aquela que
pode administrar bem o equilíbrio destas duas forças sem
sobrecarregar nenhuma delas. Depois de sua formação, para
que a voz tenha projeção e cor, deve começar o domínio da
ressonância, finalizando o que chamamos de voz otimizada.
Para efeito didático então, divido o estudo de canto em três
etapas: Propulsão, Formação propriamente dita e
Ressonância. Não podemos nos esquecer que dentro do
binômio propulsão-retensão temos fatores importantes como:
ataques, fechamento glótico, pressão subglótica, velocidade de
passagem de ar, controle muscular da inspiração e da
expiração e posicionamento laríngeo.

ARAÚJO, 2013, p. 31)

A segunda etapa do processo pedagógico do Belting Contemporâneo, o


processo de retensão, consiste na adução das pregas vocais, tornando a
energia aerodinâmica em energia acústica. Geralmente nesta etapa do
processo o aluno de canto apresenta dificuldade com aumento de pressão
subglótica e aumento de massa muscular no músculo (VOC). Sobre o processo
de produção vocal, PINHO (2014, p. 14) explica:
“A vibração das pregas vocais (fonte glótica) é responsável pela conversão da
energia aerodinâmica em energia acústica. Ela depende de um componente
mioelástico e outro aerodinâmico para ocorrer.”

O aumento da pressão subglótica também pode ser resultado do desequilíbrio


do binômio propulsão-retensão, uma vez que o aumento do volume aéreo
resulta também no aumento da adução glótica, tornando a voz pesada e
inflexível, limitando a tessitura do cantor e possivelmente gerando diversos
tipos de patologias. Dessa forma, a melhor maneira de corrigir esse
desequilíbrio, segundo (ARAÚJO, 2013, p.31) é o apoio no “floating”, que
consiste em manter a sensação da inspiração durante a produção vocal,
mantendo, dessa forma, a ativação dos músculos cricoaritenóideos posterior
(CAP) durante a ativação dos músculos adutores na fonte glótica durante o
processo da fonação/canto.

A utilização do método Belting Contemporâneo como pedagogia para o


desenvolvimento de cantores no estilo pop propõe de forma sistemática três
processos didáticos distintos em cada fase do aprendizado, visando a
resolução de dificuldades técnicas comuns a cantores de diversos estilos
vocais. Dessa forma, a aplicação da técnica permite diminuir significativamente
o processo de desenvolvimento vocal do cantor dando-lhe ferramentas para
compreender e resolver de forma autônoma, possíveis dificuldades técnicas
que poderão surgir em uma performance.
Bibliografia:

ARAÚJO, M. Belting Contemporâneo: aspectos técnicos-vocais para teatro


musical e música pop. 1ª Ed. Brasília. DF: Musimed Edições Musicais, 2013.

PINHO, S. P., & POLACOW, G. K. Músculos intrísecos da laringe e


dinâmica vocal.2ª Ed. Rio de Janeiro: Revinter Ltda. (2014)