Sie sind auf Seite 1von 48

MANUAL DE CURA INTERIOR

UMA OBRA EVANGÉLICA


CURA INTERIOR

Índice

 Você pode ........................................................................................pg.04


 Espelhos ..........................................................................................pg.07
 Reconstrução dos muros: tapando as brechas ...............................pg.10
 Tapando as brechas através do dom maior.....................................pg.14
 Tapando as brechas da ira ..............................................................pg.17
 Tapando as brechas do orgulho ......................................................pg.20
 Tapando as brechas da ansiedade ..................................................pg.24
 Tapando as brechas do medo ..........................................................pg.28
 Superação ........................................................................................pg.32
 Deixe-se ser confrontado ................................................................pg.37
 Adoração .........................................................................................pg.43
 Transformando maldições em bênçãos ...........................................pg.46

2
CURA INTERIOR

“Você pode!”

NRODUÇÃO:
I

Bem-aventurados (satisfeitos) os humildes de espírito ...


Bem-aventurados (resolvidos) os que choram ...
Bem-aventurados (plenos) os mansos ...
Bem-aventurados (afortunados) os que têm fome e sede de justiça ...
Bem-aventurados (resolvidos) os misericordiosos ...
Bem-aventurados (felizes) os limpos de coração ...
Bem-aventurados (completos) os pacificadores ...
Bem-aventurados (afortunados) os que são perseguidos por causa da justiça / por Minha
Causa...”

(Outras traduções das Bem-aventuranças - “O sermão do


monte”).

Regenerar significa: recuperar, corrigir, reabilitar, emendar. A “Cura Interior” começa e


prossegue nesse processo... Para que tapemos as brechas do pecado em nossos corações, os
santifiquemos e sintamos a paz, a verdadeira paz que nos foi proposta. É, assim um verdadeiro
processo de crescimento emocional e espiritual!
E, com o enxerto da carne do cordeiro de Deus em nós (a saber: Jesus o Cristo),
reabilitamos os nossos corações para as boas-obras, nas quais podemos ser verdadeiramente
bem-aventurados, compreendendo que tal palavra significa também felizes, plenos, resolvidos,
afortunados, satisfeitos...
Contudo, Jesus nos ensinou: “Ninguém costura remendo de pano novo em veste velha
(...). Ninguém põe vinho novo em odres velhos; do contrário o vinho romperá os odres; e tanto se
perde o vinho como os odres. Mas põe-se vinho novo em odres novos.” Assim também é a cura
do nosso homem interior: não basta emendar! É preciso mexer nas estruturas, nos fundamentos,
nos alicerces da nossa vida, que é a nossa história, o nosso passado... É mister ainda, no
caminho da “regeneração”, procurar a restauração de nossas almas.
Deus completa a obra que começa as nossas vidas, nos dando um novo coração, um
coração segundo o coração de Deus! Uma odre nova para novo homem, que nasceu do Espírito
para andar em novidade de vida, pois: “se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas
velhas já passaram, eis que tudo se fez novo” (2 Coríntios 5:17).
Jesus é aquele que era, que é e o que há de vir. É o alfa e o ômega; o princípio e o fim!
Para Ele, toda a nossa vida é latente; e quando Ele olha para a gente vê a nossa existência do
começo ao fim, como se fosse hoje. Deus é um Deus criador e tem um plano original para cada
um de nós: Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos
todos os meus dias, cada um deles escritos e determinado, quando nem um deles havia ainda.
(Sl. 139:16).
Nesse contexto é, ainda, o papel da Restauração, que significa: restabelecer,
reconstruir, curar, consertar, renovar, recomeçar, recompor, reiniciar, reparar.

3
CURA INTERIOR
Nós somos a obra-prima do Pai, por nós Jesus pagou um alto preço - preço de sangue.
- Por isso, o inimigo odeia o homem! A intenção do mal é destruir essa obra de arte desde o seu
nascimento, tornando-nos aleijados emocionais e, para isso, usa as próprias pessoas, não
regeneradas ou restauradas, para nos ferir, através das brechas do pecado. Mas, uma vez
abertas tais feridas em nossos corações, necessitarão de reparação, restauração, através da
palavra que desce do Alto.

PALAVRA DE VIDA 1:

“E Jónatas, filho do (rei) Saul, tinha um filho aleijado de ambos os pés: era da idade de cinco
anos quando as novas (da morte) de Saul e Jónatas vieram, e sua ama o tomou, e fugiu; e
sucedeu que, apressando-se ela a fugir, ele caiu, e ficou coxo; e o seu nome era Mefibosete..” –
(2 Samuel 4:4)
“E disse o rei (Davi): Näo há ainda alguém da casa de Saul para que eu use com ele da
benevolência de Deus? Entäo disse Ziba ao rei: Ainda há um filho de Jónatas, aleijado de ambos
os pés. E disse-lhe o rei: Onde está? E disse Ziba ao rei: Eis que está em casa de Maquir, filho
de Amiel, em Lo-Debar. Entäo mandou o rei Davi, e o tomou da casa de Maquir, filho de Amiel, de
Lo-Debar. E Mefibosete, filho de Jónatas, o filho de Saul, veio a Davi, e se prostrou com o rosto
por terra e inclinou-se; e disse Davi: Mefibosete! E ele disse: Eis aqui teu servo. E disse-lhe Davi:
Näo temas, porque decerto usarei contigo de benevolência por amor de Jónatas, teu pai, e te
restituirei todas as terras de Saul, teu pai, e tu sempre comerás päo à minha mesa.” - (2 Samuel
9:3 ...)

Mefibosete era neto do antigo rei de Israel que morrera numa batalha, e foi levado por
sua ama para "Lodebar", que significa "terra do esquecimento", por temer possível represália de
quem assumiria o reino, como era de costume dos povos naquela época, em relação à família
real antecedente. Mas, na pressa, se desequilibrando, deixou que caísse de seu colo.
Assim, como Mefibosete, coxo de ambos os pés, carregamos aleijões emocionais na
alma. Ás vezes por responsabilidade das pessoas mais próximas, ou pessoas que deveriam zelar
por nós, que por algum desequilíbrio em suas próprias vidas, provocam a nossa queda. Sejam
pais, irmão de sangue ou da igreja, pastores, líderes, professores, chefes e por aí vai.
Mas, narra no antigo testamento, que o rei Davi tivera uma amizade muito profunda
com o pai de Mefibosete: Jônatas, e que fizeram uma aliança. E, por essa aliança, Davi lembrou-
se de Mefibosete e o convidou pra jantar, restituindo-lhe todas as terras de seu avô Saul: o antigo
rei de Israel.
Mas hoje, no tempo da graça, não somos lembrados pelo rei apenas para recebermos
uma “compensação” a esse mal, mas para recebermos a cura por completo do nosso Rei Jesus,
devido a aliança do seu sangue! Porque Ele e o “Jeová Rafa”, o Deus que te cura!

“Sucedeu que, em outro sábado, entrou Jesus na sinagoga e ensinava.


Ora, achava-se ali um homem cuja mão direita estava ressequida,
os escribas e os fariseus observavam-nO, procurando ver se Ele faria cura no sábado, a fim
de acharem de que o acusar. Mas Ele, conhecendo-lhes os pensamentos, disse ao homem de
mão ressequida: Levanta-te e vem para o meio.
E ele levantando-se permaneceu de pé. Então disse Jesus a eles: Que vos parece? É lícito,
no sábado, fazer bem ou mal? Salvar a vida ou deixá-la perecer?
E, fitando todos ao redor, disse ao homem: Estende a mão.
Ele assim o fez, e a mão lhe foi restaurada.” (Lucas 6:6-10).
4
CURA INTERIOR

Interessante é que Jesus nunca está preocupado com a opinião dos “outros”, porque
Ele é bem resolvido quanto o que o Pai pensa, pesa ao seu respeito... Por isso consegue se
desligar dos juízos de valor a sua volta. Ele disse : “Os olhos são as lâmpadas do corpo, de forma
que se teus olhos forem bons, todo o teu corpo estará cheio de luz, mas se os teus olhos forem
maus, todo o teu corpo estará cheio de trevas” (Mateus 6:22-23). E Jesus é o nosso modelo, pois
somos seus imitadores; “cristãos” significa mesmo “pequenos cristos”, já que com Ele nos
identificamos e O seguimos.
Jesus não se deixou contaminar pelos pensamentos alheio, pelo contrário: Ele é que
contagiva os demais, com os pensamentos do Pai, que não podem ser abafados pela pequenez
de nossas vistas, porque Ele contempla o nosso futuro:

“Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor: pensamentos de paz, e não de
mal, para vos dar o fim que desejais.”
(Jeremias 29:11)

Muitos pensavam mal a respeito de Jesus. Os fariseus, em um engessamento religioso,


se mantinham criteriosos quanto ao sábado; até mesmo seus discípulos deviam estar receosos,
pensando no perigo de Jesus estar expondo aquele homem, mandando que saísse do canto e se
posicionasse no meio e ainda o desafiando a estender a mão atrofiada, poderia estar ofendendo-
o... Mas o que ninguém sabia, e talvez nem mesmo o aleijado soubesse a seu respeito, é o que
Jesus já contemplava: que ele podia fazer isso! Ele podia! E fez.
O que anda atrofiado em nossas vidas hoje?
A falta de amor? A falta de perdão, de entrega ao próximo, de braço estendido?
De repente não nos damos conta de que há tanto tempo estamos sentados,
acomodados em nosso canto, que começamos a ser formatados e engessados numa posição de
atrofia.
Jesus sabe mais de nós mesmos do que nós próprios e é Ele quem garante que você
pode mais do que imagina! Porque em Jesus podemos todas as coisas: “Tudo posso naquele que
me fortalece.” (Filipenses 4:13).

CONCLUSÃO:

Precisamos buscar em Deus a cura para nossas emoções, entendendo que muitos que
nos feriram, a exemplo da ama de Mefibosete, nos derrubam porque também se desequilibraram,
só que emocionalmente, onde o inimigo do homem as feriu.
Assim como Jesus, não devemos nos importar com a opinião dos outros, mas confiar
naquilo que somos para Deus: filhos amados e resgatados pelo seu sangue e que nEle, em tudo,
somos mais do que vencedores!

EXERCÍCIO:

Escreva uma carta para Deus, contando todos os seus desafios emocionais, do qual
pretende ser curada. Se preferir, escreva com um louvor ao fundo; pois Deus habita no meio dos
louvores e também para chegar cm o coração quebrantado diante dEle.

5
CURA INTERIOR

“Espelho”

REFLEXÃO:

De Francisco de Assis:

Senhor, faça-me um instrumento de Tua paz.


Onde houver ódio, permita-me semear amor;
Onde houver ferida, perdão;
Onde houver dúvida, fé;
Onde houver desespero, esperança;
Onde houver escuridão, luz;
E onde houver tristeza, alegria.
Senhor, me permita que eu possa procurar mais:
consolar do que ser consolado,
entender do que ser entendido,
amar do que ser amado.
Porque é no dar que recebemos,
no perdoar que somos perdoados,
e no morrer que acordamos para a vida eterna.

PALAVRA DE VIDA 2:

Nós somos instrumentos do Senhor, canais de Deus... Como candeeiros acesos em


Suas mãos, para levar luz a quem Ele desejar e iluminar o mundo! E como na parábola da
candeia, não devemos nos esconder, fugir para baixo da cama...

“Vem porventura a candeia para ser posta debaixo do alqueire ou da cama? Não vem antes
para ser colocada no velador?” (Marcos 4:21) Ou: “Ninguém, depois de acender uma candeia, a
cobre com um vaso ou a põe debaixo de uma cama; pelo contrário, coloca-a sobre um velador,
afim de que os que entram vejam a luz.” (Lucas 8:16)

Deus é um “fogo consumidor”, como diz a própria Palavra! Porém, muitos têm
procurado se aquecer em “fogo estranho”... Isso aconteceu inclusive com um dos discípulos de
Jesus, que O seguia de perto, e foi nesse contexto que Pedro acabou O negando por 3 vezes.

“Ora, os servos e os guardas estavam ali, tendo acendido um braseiro, por causa do frio,
aquentavam-se. Pedro estava no meio deles, aquentando-se também.”

Em Provérbios, livro da sabedoria, está escrito que as lâmpadas dos perversos são
pecado (Prov. 21:4); mas nos salmos se lê: Lâmpadas para os meus pés é a Tua Palavra ...
(Salmo 119:105).

6
CURA INTERIOR
Com qual lâmpada você se identifica? Saiba que Deus é a única fonte eterna! Que
nunca se apagará!

“Volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o seu
candeeiro.” (Apocalipse 2:5)

Certa vez perguntaram a Jesus, tentando experimentá-lo, se era lícito pagar o tributo de
César - Mestre, sabemos que és verdadeiro, e que ensinas segundo a verdade o caminho de
Deus, sem te importares com quem quer que seja, porque não olhas a aparência dos homens.
Dize-nos, pois, que te parece? É lícito pagar tributo a César, ou não? - Pelo que Jesus,
conhecendo a malícia de seus corações pediu que lhe apresentasse uma moeda, aonde estava
gravada a imagem do imperador, naquela famosa frase: “Daí César o que é de César e a Deus o
que é de Deus.”

Com quem temos nos identificado? Em quem temos nos espelhado? Com o dinheiro e
com o sistema desse mundo, ou com Deus e com a Sua justiça? Onde estiver o nosso tesouro, aí
está o nosso coração (Lucas 12:34). Com o que temos nos importado mais? Com quem temos nos
parecido mais? A Palavra de Deus diz que fomos criados à imagem e semelhança de Deus - Gn.
1:26. Todos nós, com o rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos
transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor. (2 Coríntios
3:18).

Nossa identidade é formada na infância, se definindo na adolescência, envolve a


percepção dos próprios talentos e limitações, no reflexo de diversos espelhos: a família, os
amigos e a sociedade, evolvendo as reações desses grupos em relação a nós, por gestos,
palavras, atitudes, críticas... Já, a nossa individualidade se forma durante toda a vida, com base
fundamental na infância; diz respeito a noção que temos do próprio valor, direito, obrigações,
espaço regional e cultural e tempo.

Quando nos convertemos a Cristo, percebemos novos valores, talentos, limites,


direitos, deveres, cultura... Isso é logo absorvido em nossa individualidade. Mas temos
também que buscar absorver Cristo em nossa identidade! Buscando conhecer, pelo Espírito
Santo, nossos dons espirituais e nossas fraquezas espirituais, para as combatê-las em o nome de
Jesus.

Conheça seus talentos e use-os; mas também enfrente suas limitações e as aceite!
Isso só prova que você é humano. Olhe para seus pés e perceba que você está na terra e Deus
nos céus. Deus está no alto! Confie nEle!

Brennan Manning aborda em seu livro O Evangelho maltrapilho: “Somo vasos de barro
com pés de argila, um mendigo indicando a outro mendigo aonde encontrar pão.” Na própria
Bíblia encontramos no livro profético de Daniel, uma visão que aborda justamente a fragilidade
humana.

“Tu, ó rei, na visão olhaste e eis uma grande estátua. Esta estátua, imensa e de excelente
esplendor, estava em pé diante de ti; e a sua aparência era terrível. A cabeça dessa estátua era
de ouro fino; o peito e os braços de prata; o ventre e as coxas de bronze; as pernas de ferro; e os
pés em parte de ferro e em parte de barro. Estavas vendo isto, quando uma pedra foi cortada,

7
CURA INTERIOR
sem auxílio de mãos, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro, e os esmiuçou” (Daniel
2:31-34).

A estátua no sonho do rei Nabuconodosor foi interpretada por Daniel da seguinte forma:
cada parte representava um reino, em cada época. Do mais forte até o menor e, por fim, a
implantação do reino de Deus, que descia do céu como uma pedra. Esse Jesus, pedra que foi
desprezada por vós, edificadores, tornou-se a pedra angular (Atos 4, 8-11).

CONCLUSÃO:

Nós todos fomos criados à imagem e a semelhança de Deus; mas o mundo, a todo
instante, tenta imprimir a sua marca em nós.

Pecado, do hebraico, significa: “Perda da marca” - Perda da identidade cristã.


Deus quer libertar você da imagem negativa, distorcida, que adquiriu do mundo sobre si
mesmo. Você é filho de Deus! Gerado de novo, em Cristo Jesus, para uma vida Real!

EXERCÍCIO:

Copie o texto de Francisco de Assis numa folha e imprima tais palavras na tábua do
seu coração!

Se estiver lendo o livro em grupo seria muito divertido que separassem algumas
revistas para montar um “trabalho de reconhecimento”, recortando as figuras que acharem que
transmitem mais sobre vocês, individualmente, e colando-as cada um num papel liso.

8
CURA INTERIOR

Reconstrução dos muros: tapando brechas

CIÊNCIA:

O neurocirurgião e a sonda

* Dr.º Thomas A. Harris – Análise Transacional. (Círculo do Livro).

Um notável neurocirurgião, Dr.º Wilder Penfield, da Universidade McHill de Montreal


(E.U.A. ), realizou alguns estudos consideráveis na década de 50 do século XX, no campo da
percepção consciente das recordações armazenadas no córtex temporal – Através de estímulos
celebrais, com elétrodos, explorou o processo das lembranças revividas.

Ele descobriu que podemos reviver uma experiência passada com os mesmos detalhes
e sensações do momento original, quando estimulados, artificialmente ou não, a focar no
consciente aquela experiência, mesmo não desejando... Isso quer dizer que, tal como a sonda,
algumas situações presentes podem trazer à tona sensações passadas, de forma que estas são
reproduzidas ou projetadas no presente.

Muitas de nossas reações partem desses arquivos armazenados... o que não se trata
de simples recordação, visto que muito do que revivemos não podemos recordar. Trata-se de
uma percepção involuntária, e não de um pensamento consciente sobre o passado.

O arrebatamento de sentidos tem respaldo bíblico, experimentado pelo apóstolo Paulo.

PALAVRA DE VIDA 3:

Neemias era o copeiro do rei Artaxexes, e tinha a função de alegrar a alma do rei,
derramando vinho em seu copo. (Vale lembrar que o vinho daquela época não levava a
fermentação de hoje, tinha apenas 2% de teor alcoólico – nas festas judaicas ainda temos a
oportunidade de experimentar esse maravilhoso produto da vide!)

No mês de quisleu do ano vigésimo, Neemias servia ao rei, em Susã, na fortaleza,


quando foi avisado que os muros de Jerusalém, a cidade dos sepulcros de seus pais, estavam
em ruínas, tendo sido incendiados, após longo cativeiro... E sucedeu que, no mês de Nisã, foi ele
levantado por Deus para dar início a uma obra de restauração dos muros de Jerusalém:
9
CURA INTERIOR

“E o rei me disse: Por que está triste o teu semblante, pois não estás doente?
Não é isto senão tristeza de coração. Então temi muito em grande maneira.
E disse ao rei: Viva o rei para sempre! Como não estaria triste o meu rosto,
estando a cidade, o lugar dos sepulcros de meus pais, assolada,
e tendo sido consumidas as portas a fogo?”
(Neemias 2:2-3)

Quando lemos que Neemias se deparou com a cidade dos sepulcros de seus pais
assolada, percebemos que Neemias não morava mais lá; constatamos que aquela era a cidade
de seu passado, de sua história, “do sepulcro de seus pais, que estava em ruínas”.

Assim também pode ser encarado o nosso passado, que vai se decompondo,
desintegrando-se lentamente dentro de nós. Alguns arquivos mortos chegam a ser incinerados...
Outros, estão deteriorados pela ação do tempo, mas ainda nos machucam.

É preciso arquivar nossos registros, para que nosso passado esteja em ordem,
resolvido em nossas vidas, e não apenas deixados para trás... Para isso, é preciso um processo
de perdão e de resignificação dos fatos, ou seja, dar um novo valor ás coisas relembradas,
repensando se realmente foi a coisa mais dolorosa que poderia acontecer a uma pessoa,
entender nossa parcela de responsabilidade, seja por ainda não se ter o conhecimento e a
maturidade espiritual e emocional que se teria hoje, seja por tirar a importância desses fatos, ao
pesar orgulho, ego e egoísmo em se idolatrar os próprios problemas, e sair da dimensão do foco
que possamos ter dado a algo que nos machucou.

O perdão, então, precisa ser estendido a nós mesmos. Não aceitando a culpa, pois
sabemos que culpa é um sentimento maligno que não provém de Deus, mas o acusador que é o
diabo. Em Deus há o que chamamos de arrependimento, que é uma necessidade espiritual
produzida pelo Espírito Santo em nós, muito diferente de culpa ou simples remorso.

Deus está nos levantando para, assim como Neemias, restaurarmos os nossos muros
de proteção, que são as delimitações do nosso passado – o alicerce, o fundamento, a base do
presente.

A partir das experiências do passado é que nossa vida vai sendo construída. E é
preciso restaurar nossos sentimentos, nossa visão! Restaurando nossa integridade emocional,
que fica desgastada pela ação do tempo.

A regeneração fala de brechas abertas em nosso próprio temperamento, brechas do


pecado, que nos leva ao desequilíbrio; mas restauração fala de brechas, rupturas abertas em
nossas emoções, por ações alheias às nossas, por uma ação externa a nós mesmos.

“E o rei me disse: Que me pedes agora? Então orei ao Deus dos céus,
E disse ao rei: Se é do agrado do rei, e se o teu servo é aceito em tua presença,
peço-te que me envie a Judá, à cidade dos sepulcros de meus pais, para que eu a edifique.” (Neemias
2:4-5)

10
CURA INTERIOR
Que homem determinado foi Neemias, ele não só não temeu ante o grande desafio,
como também não viu obstáculo diante de sua fé, visto que sendo um só homem, se sentiu
suficiente para dar conta de tamanha obra.

Mas, como de costume, sempre se levantam pessoas ao nosso redor para


desencorajar-nos, apontando os detalhes que passam desapercebidos diante do propósito, para
desestimular-nos do mesmo...

“E sucedeu que, ouvindo Sambalate, que edificávamos o muro, ardeu em ira


e se indignou muito (...) E falou na presença de seus irmãos e do exército de Samaria, e disse: Que
fazes estes fracos judeus?
Permir-se-lhes-á isto? Sacrificarão? Acaba-lo-ão num só dia?
Vivificarão dos montões do pó as pedras que foram queimadas?” (Neemias 4:2)

Deus pode nos erguer do pó e das cinzas! O Senhor é o que tira a vida e a dá: faz
descer à sepultura e faz tornar a subir dela. (...) Levanta do pó o desvalido, e desde o esterco
exalta o pobre e sem vigor, para o fazer assentar entre príncipes. (1Samuel 2:6/8 e Salmo 113:7-
8)
Deus quer recompor nosso coração, nos fazendo inteiros e fortes! Ele pode trazer, do
pó, as pedras que faltam, que rolaram de nossas vidas de volta ou mesmo colocar pedras novas,
não desgastadas, em lugar de outras... As pressões nos desgastam. Mas Deus pode criar algo
novo em nossas vidas! Ele é o criador!

Nota-se, que algumas partes dos muros restavam aparentemente intactas; bastando,
contudo, um simples esbarrão, ou um simples toque, para que fossem abaixo. Mas, em alguns
casos, é essa mesma a vontade do Pai, que venhamos abaixo, em lágrimas, diante de Sua
presença, para que Ele possa nos alicerçar de verdade, num novo começo.

O peso do passado, o acúmulo de pequenos problemas, também têm essa ação


avassaladora, restando que alguém tente se apoiar em nós, para que desabemos. Alguém tenta
encontrar apoio em nós e, como não nos encontramos fortes o suficiente, vamos abaixo levando-
as conosco... Acabamos derrubando pessoas por essas brechas em nós.

É assim, por exemplo, que alguém tenta descontar um dia de estresse em alguém, e
consegue; ou, ainda pior: provoca uma bola de neve de “troca-trocas”, que ninguém sabe por
onde começou. Em meio às “pedradas” da vida, é preciso erguer bem forte um muro de proteção.

Os muros da época em que o Livro Sagrado foi escrito, eram mesmo construídos de
pedras, como que por “encaixe” de pedras. É na comunhão da sociedade, da Igreja e da família
que vamos sendo moldados e polidos, encontrando os nossos limites aonde começa a
delimitação dos outro. E, assim, é que pedras vão sendo polidas, amoldadas, niveladas, para que
o muro guarde a sua unidade.

Todo o vale será exaltado, e todo monte e outeiro será abatido; e o que é torcido se endireitará, e
o que é áspero se aplainará (Isaías 40:4).

11
CURA INTERIOR
Mas cada pedra não perde a sua essência, o seu tamanho, a sua individualidade,
porque nenhuma pedra será idêntica a outra! Ainda que haja uma camada de tinta, da mesma
cor, a cobrir-las...

Em 1Reis 18, vemos o profeta Elias construir um monte de pedras, sobre o qual
oferece um sacrifício ao Senhor, provando aos profetas de Baal (falsos profetas) que “só o
Senhor é Deus”, de forma que depois de terem desistido de rogar ao seu deus para que descesse
fogo do céu, a consumir as ofertas, Elias ora ao Senhor que manda fogo sobre seu altar de
pedras.
O fogo que tem que descer sobre nossos muros é o amor! O amor que enverniza
nossas vidas, nos tornando imunes às ofensas, ou ao menos, amenizando os ataques contra
nossas vidas, deslizando as flechas que vêm contra nós; apagando os dardos inflamados do
inferno contra nossas vidas. Um “verniz de amor”, que desvie todas as setas contrárias ao nosso
coração, evitando que penetrem no mais profundo de nosso ser. Revestidos de amor!

CONCLUSÃO:

Deus permite que sejamos confrontados: pelos outros, por Ele e até por nós mesmos.
Pois sem o confronto nunca seríamos quem Deus planejou que nós fôssemos e nunca
chegaríamos aonde deveríamos chegar.

Deus é o nosso firme “treinador”, desenvolvendo em nós os músculos da fé.


Precisamos pedir a Ele que nos revista com Seu amor, para suportarmos firmes: Com toda a
humildade e mansidão, com paciência, suportando-vos uns aos outros em amor (Ef 4:2). Porque
Deus mesmo nos promete: E quanto às suas ruínas: Eu as levantarei (Is. 44:26).

EXERCÍCIO:

Cheque em suas fotos de família, fotos do seu passado, quais são as que mais mexem
com você, e pergunte ao Espírito Santo o porquê, e as Suas doces consolações te embalarão!
Ore a Deus para que Ele revele aquilo que ainda está em oculto dentro de você ou que
você até sabia mas por “ato falho”, “fuga”, não quis trazer ao seu consciente. Analise todas as
lembranças e explicações que lhe ocorrerem...

“Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito, que
nele está?”(1Coríntios 2:11).

12
CURA INTERIOR

“Reparando brechas através do dom maior”

O amor:

 A inteligência sem amor te faz perverso;


 A justiça sem amor te faz implacável;
 A diplomacia sem amor te faz hipócrita;
 O êxito sem amor te faz arrogante;
 A riqueza sem amor te faz avarento;
 A docilidade sem amor te faz servil;
 A pobreza sem amor te faz orgulhoso;
 A beleza sem amor te faz ridículo;
 A autoridade sem amor te faz introvertido;
 A lei sem amor te escraviza;
 A política sem amor te deixa egoísta;
 A fé sem amor te torna fanático;
 A cruz sem amor se converte em tortura;
 A vida sem amor não tem sentido.

Não se pode viver sem a vida! Que Deus nos abençoe, ensinando-nos a amar...

(Autor desconhecido)

PALAVRA DE VIDA 4:

Quem pode me amar quando eu me torno inútil?

É muito fácil te amar quando você é desejável... Mas Deus ama você na sua solidão,
nas suas feridas! Quando todos vão embora, Ele não vai. Esse é o amor incondicional de Deus;
sem precedentes...

Na Bíblia, o amor recebe algumas classificações: mandamento de Deus; o dom


supremo; um dos frutos do espírito.

13
CURA INTERIOR
O amor nos torna flexíveis, nos faz elásticos, nos enverniza... Ao contrário da rigidez
que nos fragmenta. É esse amor que tem o poder de amenizar o impacto das ofensas...

Os muros apontam para a nossa história, nosso passado, podemos visualizá-los como
alvos de constantes conflitos, pressões externas e internas que sofremos e, apenas a capa do
amor pode ser o remédio do qual precisamos para que não venhamos ser destruídos, nas
trincheiras da vida.

Mas é importante observar que o amor, antes de tudo, é uma escolha, que se faz a
cada dia. Não é uma expressão de temperamento, visto que pessoas super amorosas também
têm os seus momentos de cólera e pessoas coléricas podem ser carinhosas. Também não é uma
expressão da personalidade, pois independente de sermos extrovertidos ou introvertidos, já que o
amor pode ser transmitido de diversas formas.

Não é apenas um dom: uma capacidade dada por Deus; ou só um mandamento: uma
lei de Deus; mas, antes, é um fruto daquele que vive no Espírito. Essencialmente, um “sentir” o
mundo, através do Espírito.

É um sentimento! Um sentimento manifestado para a edificação da Igreja, como dádiva


do Espírito Santo... Um sentimento que é um princípio espiritual; pois, assim como as leis regem
o universo, influencia o próprio equilíbrio: a paz interior...

“E me fez andar ao redor deles; e eis que eram mui numerosos sobre a face do vale, e estavam
sequíssimos. E profetizei como ele me deu ordem: então o espírito entrou neles e viveram, e se
puseram de pé, um exército grande em extremo.”

(A visão do vale de ossos secos – Ezequiel 37:2)

Só pelo espírito podemos receber o amor! E, sem esse, a nossa vida é sequíssima!
Sem o “verniz do amor”...

Ezequiel, no vale de ossos secos, contemplou ossos sequíssimos, resquícios de um


exército grandioso que jazia... Um exército mui grande que devia ter vivido grandes batalhas e,
como se via, um exército grandíssimo que havia perecido no último enfrentamento.

A verdade é que na vida enfrentamos grandes combates, que são, até mesmo, cada
pequeno impasse do cotidiano; e se não estivermos revestidos de amor pelas vidas, enxergando
que a nossa luta não é contra a carne nem contra o sangue, mas contra as potestades e os
principados do ar (Ef. 6:12) – que usam as pessoas – perecemos emocionalmente.

Só com esse amor, nos levantamos como o grande exército do Pai, prontos para as
grandes obras!

Mas muitos se encontram “esfarelando-se” pelo peso do passado. Tem gente que
carrega ofensas tão antigas que já estão enraizadas numa profunda raiz de amargura. É aí que a
alma já se angustiou tanto, que não se trata mais do fato que a angustiou, mas o martírio adotado
como hábito de vida, um mal hábito. A alma se vicia em reagir com a vitimização,
autocomiseração... Isso leva a depressão!

14
CURA INTERIOR
Quanto tempo é necessário para digerir uma ofensa? Nunca poderemos digerir as
ofensas por completo! Porque há coisas que não podem ser explicadas, pois a sua origem não é
carnal, mas maligna! Libere perdão! E se liberte das feridas da alma. Só assim o seu passado
será colocado no lugar dele e lembrado para produzir milagres nas vidas para as quais for
contado, para exemplo de superação!

Essa é a diferença de um passado em ordem e um passado cheio de pendências. Na


sua aceitação, estará cumprido e satisfeito. Então seremos como Eliseu, homem de Deus, cheio
de unção, que contagiou os outros tanto com seu presente como com a sua memória... Tanto com
a sua vida quanto com a sua morte:

“Sucedeu que, enquanto alguns enterravam um homem, eis que viram um bando;
então, lançaram o homem na sepultura de Eliseu; e, logo que o cadáver tocou os ossos de Eliseu levantou o
homem e se levantou sobre os pés.” (2 Reis 13:21)

Aqui vemos outros ossos secos, que não se levantam como na visão de Ezequiel, mas
têm o poder de levantar outras vidas! E por que não se levantam? Porque cumpriu o tempo
determinado, num passado curado, que é o passado livre de pendências.

É preciso termos em mente que o único mandamento novo que Jesus nos deixou é:
“Amar ao próximo como a ti mesmo”. Isso significa que não nos devemos nada, a não ser o amor.

“Não matar”, num sentido mais amplo, significa também permitir que o nosso próximo
expresse a pessoa que Deus o criou para ser, sem depreciá-lo em seu ser. Isso ainda inclui
amarmos o que somos e não abortarmos o nosso projeto de ser que existia no passado, mais
precisamente na adolescência, quando é construída a auto-imagem, (percepção na sociedade
sobre nossa identidade, que será tratada melhor mais adiante), seja por gestos ou palavras
alheias.

O inimigo de nossas almas quer a qualquer custo anular quem somos, porque sabe que
“maior é o que está em nós do que o que está no mundo” (I João 4:4). Que possamos nos manter
no amor.

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e näo tivesse amor, seria como o metal
que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os
mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os
montes, e näo tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para
sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e näo tivesse
amor, nada disso me aproveitaria. O amor é sofredor, é benigno; o amor näo é invejoso; o amor
näo trata com leviandade, näo se ensoberbece. Näo se porta com indecência, näo busca os seus
interesses, näo se irrita, näo suspeita mal;
Näo folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo
suporta. O amor nunca falha” (1 Coríntios 13).

CONCLUSÃO:

15
CURA INTERIOR
Através do amor, conseguimos liberar perdão aos nossos devedores, nos libertando
também de toda a angústia do passado. Pois perdoar é o melhor remédio, não é atoa que a Bíblia
nos ensina isso.

O perdão não tirar a culpa de alguém, pois talvez haja mesmo o “dolo” de ferir, de
magoar; é, assim, mais do que simples “desculpa”... Também não é esquecer, não espere uma
amnésia emocional; mas é relevar, superar, isentar.

É o perdão um ato unilateral, feito por um dos lados, independente do aceite do outro.
Só através dele é possível isentar-se, ou seja, livrar-se, descarregar-se da dor! E termos um
passado curado, livre de pendências, aceito, superado, resolvido.
A Bíblia revela que “quem odeia seu irmão é assassino” (1João 3:16); e “ Se alguém
disser: Eu amo a Deus, mas odiar o seu irmão, esse é um mentiroso; pois aquele que não ama a
seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus a quem não vê”… (1 João 4, 20-21). Então, ame!

EXERCÍCIO:

Ore a Deus, pedindo que o Espírito Santo te revele todas as pessoas que você precisa
liberar perdão! Escreva numa folha os nomes dessas pessoas, declarando o nome de cada uma
e o seu perdão em voz alta .
Se for possível, diga: “Eu te perdôo!” ou, até mesmo se for impossível perdoar, diga:
“Em nome de Jesus, eu te perdôo”. Saiba que o amor é uma decisão e o perdão uma escolha,
para as quais Deus nos capacita.

“Tapando a brecha da ira”

DEFINIÇÃO:

O que é ira?

De acordo com a obra de David Kornfield, em seu livro: Introdução à restauração da


1
alma , a ira pode ser definida da seguinte forma:

IRA É O DESEJO ARDENTE DE CORRIGIR, ATACAR OU DESTRUIR ALGO (OU


ALGUÉM) QUE NOS INCOMODA OU NOS AMEAÇA

A ira é um sentimento de injustiça e inconformidade, e é mais inflamada quando nos


encontramos mais sensíveis, estressados, esgotados fisicamente. Por isso a importância de
levarmos uma vida equilibrada, saudável! A qualidade do sono também influencia muito em nossa
saúde emocional e às nossas respostas do dia-a-dia...

PALAVRA DE VIDA 5:

16
CURA INTERIOR
Na vida existem iras justificáveis e iras injustas., e a Bíblia exemplifica as mesmas
nesses momentos. Em João, capítulo 2, do verso 14 em diante, vemos Jesus se irar por um
motivo justo, manifestando toda a sua indignação:

“E achou no templo os que vendiam bois, e ovelhas, e pombos e os cambiadores assentados. E,


tendo feito um chicote de cordéis, lançou todos fora do templo,
Também os bois e as ovelhas; e espalhou o dinheiro dos cambiadores, e derribou as mesas; E
disse aos que vendiam pombos: Tirai daqui estes,
E não façais da casa de meu Pai casa de venda!”

Já, no evangelho de Marcos, vemos uma ira egoísta, a do rei Herodes e de sua
cunhada Herodias, em relação a João Batista:

“Porque o mesmo, por causa de Herodias, mulher de seu irmão Filipe


mandara prender a João e atá-lo no cárcere.
Pois João lhe dizia: Não te é lícito possuir a mulher de teu irmão.
E Herodias o odiava querendo matá-lo, mas não podia. Porque Herodes temia a João.
E, quando o ouvia, ficava perplexo, escutando-o de boa mente.
E, chegando um dia favorável, em que Horodes, em seu aniversário, dera um banquete,
entrou a filha de Herodes e, dançando, agradou a Herodes e seus convidados.
Então, disse o rei à jovem: Pede o que quiseres e eu te darei. E jurou-lhe.
Saindo ela, perguntou a sua mãe: O que pedirei? Esta respondeu: A cabeça de João Batista.”
(Marcos 6:16-24)

No primeiro texto, vemos uma ira focada na correção e, no segundo, na destruição, a


qual levou João Batista à morte.
Vimos que a ira é o desejo ardente de corrigir, atacar ou destruir algo ou alguém que
nos incomoda ou ameaça Por isso, o mandamento “não matar”, pode ser estendido ainda em
deixar que os outros vivam e expressem sua maneira de ser ou estaremos matando-os
emocionalmente.
Importa em sermos quem somos, sem nos inibirmos com as recriminações alheias.
Porque a Deus pertence a Justiça: “Ora, nós conhecemos aquele que nos disse: A mim pertence
a vingança; eu retribuirei.” (Hebreus 10: 30).
Em sua pregação, João Batista advertia: “A ninguém maltratareis, não deis denúncia
falsa e contentai-vos com o vosso soldo.” (Lucas 2:14).
Outro mandamento que temos é: “Não cobiceis as coisas alheias”... Não se ire por causa
delas! Pois essa seria uma ira injusta. E isso só faz mal, gera incontentamento, e é sinal de falta e
confiança em Deus, no plano de Deus para cada um de nós.

E contentai-vos com o vosso soldo...

Também, não se ire contra Deus! A reação do mundo é justamente murmurar e até
blasfemar quando algo vai indo errado ou não acontece o que se esperava, mas o Senhor pode
provar os seus filhos, como foi com seu servo fiel Jó:

“Perguntou o Senhor a Satanás: Donde vens? Respondeu Satanás ao Senhor e disse:


de rodear a terra e passar por ela. Perguntou o Senhor a Satanás: Observaste o meu servo Jó?
Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto (...)

17
CURA INTERIOR
Então, Satanás respondeu ao Senhor: ... Estende, porém, a mão, toca-lhe nos ossos e na carne e
verás se não blasfema Contra Ti e na Tua face. Disse o Senhor a Satanás: Eis que ele está em
seu poder; mas poupa-lhe a vida.” (Jô 1:7-12).

Deus permitiu que o mal o tocasse, por um tempo, até lhe conceder o dobro de tudo
quanto perderia... De forma que Jó não manifestou ira contra o Senhor, enquanto por Ele era
provado:

“Então sua mulher lhe disse: Ainda conservas tua integridade?


Amaldiçoa a Deus e morre.
Mas ele lhe respondeu: Falas como qualquer doida;
temos recebido o bem de Deus e não receberíamos também o mal?”
(Jó 2:9-10)

Quando optamos por nos contaminar com raízes de amargura, a responsabilidade é só


nossa. Pois, na vida, estamos sujeitos a “sofrer contusões”, como num jogo de futebol. Somos
mesmo como atletas o jogo da vida! Onde Deus é o nosso firme “treinador”, desenvolvendo em
nós os músculos da fé, como já foi dito anteriormente. Lembra? E a própria Bíblia nos compara a
atletas, numa corrida para a vitória:
A Bíblia ilustra em 1 Coríntios 9.24-25: “Não sabeis vós que os que correm no estádio,
todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo
atleta em tudo se domina; aqueles, para a alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a
incorruptível”.
Mas se optamos em não tratar as “contusões” que sofremos nesse percurso da vida, as
feridas da alma, não remediando-as, não amenizando-as com o amor, virão a infeccionar... A
opção é nossa. Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma
raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos sejam contaminados. - Hb. 12:15.
Não devemos perdurar sentimentos de ira dentro de nosso coração! Irai-vos e não
pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira - Ef. 4:26. Assim, não devemos alimentar mágoas
dentro de nós, mas ter paz com todos os homens, sempre que possível.
A palavra de Deus nos permite, ainda, exortar o faltoso, desde que feito em espírito de
mansidão:

“Irmãos, se alguém for surpreendido nalguma falta, vós, que sois espirituais,
corrigi-o com espírito de brandura;
e guarda-te para que não sejais também tentado.”
(Gálatas 6:1)

Mas se a ofensa for silenciada, quem sabe através de um “falso perdão”, o que temos a
fazer é passar a perdoar de verdade!
No momento em que pararmos de focar, de centralizar as nossas atenções em nós
mesmos; no momento em que pararmos de idolatrar os nossos problemas e deixarmos de ser tão
egoístas, isolados em nossos sofrimentos, mergulhados em nós mesmos e submersos,
sufocados, em nossos próprios problemas; então, a paz fluirá mais abundantemente em nossas
vidas, mentes e corações! Pois não estaremos tão sensíveis ao nosso ego...

CONCLUSÃO:

18
CURA INTERIOR
Que a única ira que possamos nutrir, dentro de nós, seja a mesma de João Batista,
como ele expressa em Mateus, capítulo 3, do verso 7 ao 10: “...raça de víboras, quem vos induziu
a fugir da ira vindoura? Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento.”

Sublimar significa justamente direcionar um sentimento negativo, ou uma situação


frustrada, em direção positiva, num propósito positivo!

Que possamos “canalizar”, as nossas iras num só objetivo: o de produzir frutos;


tornando-as em “iras santas”... Nos irar contra o inimigo das nossas almas! E, assim, estaremos
lutando pelo Reino de Deus.

Eu profetizo essa visão de reino para a sua vida! Não vos conformeis com este mundo,
mas transformai-vos pela renovação de vossas mentes - Romanos 12:2.

EXERCÍCIO:

A dança tem uma função terapêutica, sabia?

♫ “Cante! Cante! Louve ao Senhor pra sempre!


Dance! Dance! Louve ao Senhor pra sempre! ♪
♪ Faça o melhor, faça o melhor! (ou, ou, ou)
Faça o melhor pra Deus! ♫
♫ Faça o melhor, faça o melhor! (ou, ou, ou)
Faça o melhor pra Deus! ♪

“Tapando a brecha do orgulho”

PONTO DE EQUILÍBRIO:

“A soberba precede a ruína, e a altivez de espírito a queda”. (Provérbios 16:8)


“Eis que a sua alma está orgulhosa, não é reta nele; mas o justo viverá pela fé.” (Habacuque 2:4)

+ ORGULHO ( vaidade
que gera medo
de não atender
as expectativas)
PAZ
_

TIMIDEZ (insegurança que gera medo de não


atender as expectativas)
19
CURA INTERIOR

É preciso, em Deus, buscar um ponto de equilíbrio entre a tendência de se exaltar ou se


sentir rejeitado, indigno, harmonizando a nossa auto-estima e nossa auto-imagem.
Auto-estima é o senso de amor e valor próprio; constituída mais no ceio familiar, com
relação ao grau de afeto e aceitação ou rejeição que recebemos na infância. Já a auto-imagem é
a percepção, o conjunto de idéias que temos acerca de nós mesmos, construída mais na
adolescência.
Jesus tinha sua auto-estima e sua auto-imagem equilibradas e saudáveis, nem um senso
de valia exagerada, nem negativa; nem narcisistas nem diminuídas. Ele nos ensinou: Amarás o
teu próximo com a ti mesmo (Mt. 22:39). Pois é importante termos sempre em mente que Deus
fez todos ricamente iguais.

Podemos ser diferentes em nossa individualidade, mas, pesados como seres humanos,
criados à imagem e semelhança de Deus, temos o mesmo valor! Somos amados por Deus de tal
maneira que Ele entregou seu filho pela nossa redenção, quando o Senhor mesmo se fez carne e
habitou entre nós, se tornando em forma humana 100% homem e 100% Deus.

PALAVRA DE VIDA 6:

“No ano em que morreu o rei Uzias, eu vi ao Senhor


assentado sobre um alto e sublime trono;
e o seu séquito enchia o templo.
Os serafins estavam acima dele; cada um tinha seis asas:
com duas cobriam os seus rostos,
e com duas cobriam os seus pés e com duas voavam.
E clamavam uns para os outros, dizendo:
Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos (...)
E a casa se encheu de fumo.” (ISAÍAS 6)

Aprendemos uma importante lição nesta passagem bíblica: os serafins cobriam os seus
rostos para que não fossem vistos; para que apenas a glória do Senhor fosse vista! E cobriam
seus pés, para não se aperceberem de onde estavam, na posição de honra em que se
encontravam, para que não viessem a hesitar. Assim, voavam...

Não a nós, Senhor, não a nós; mas ao teu nome dá glória, por amor da tua
benignidade, e da tua verdade.
(Salmo 115)

Dessa forma, como ilustra o quadro inicial, a timidez está intimamente ligada ao orgulho:
Apenas quando enxergamos o lugar, a posição na qual estamos, podemos ter medo da altura.
Para chegarmos a um equilíbrio, não devemos ir para nenhum dos extremos!
Tudo que Deus te acrescentar é para que o nome dEle seja glorificado, através da sua
vida! A glória que Deus te dá é para ser devolvida a Ele. Se tivermos isso em mente, não
sofreremos do mal do orgulho.

20
CURA INTERIOR
Em 1 Samuel, Capítulo 1, versos 2 a 5, vemos o exemplo de Ana, que mesmo tendo o
amor de Elcana, não se inflamava diante de sua perseguidora, porque seus olhos estavam em
Deus, buscando nele a benção que lhe faltava, de gerar filhos...

“E este tinha duas mulheres: O nome duma era Ana, e o nome da outra Penina:
e Penina tinha filhos, porém Ana não tinha filhos. (...)
Porém a Ana dava uma parte mais excelente; porquanto ele amava a Ana,
porém o Senhor tinha lhe encerrado a madre.”

Mas Penina, ao contrário, irritava constantemente sua “concorrente”, se exaltando


diante dela, em vista de poder gerar filhos mas não ter o amor de Elcana...

Certa vez Jesus disse para Pedro: “Em verdade, em verdade te digo que, quando eras
moço, tu te cingias a ti mesmo e andavas por onde querias; quando, porém, fores velho,
estenderás as mãos, e outro te cingirá e te levará para onde não queres. Disse isso para
significar com que tipo de morte Pedro havia de glorificar a Deus (...) Pedro, voltando-se, viu que
também ia seguindo o discípulo a quem Jesus amava (...) Vendo-o, pois, Pedro perguntou a
Jesus: E quanto a este? Respondeu-lhe Jesus: Se eu quero que ele permaneça até que eu
venha, que te importa? Quanto a ti, segue-me.” (João 21:18-22).

“Que te importa”?! Quem toma conta da vida do outro, deixa de tomar conta da sua
própria, e de viver toda a plenitude que Deus tem para o mesmo.

A comparação, a inveja, o ciúme, é uma característica de inseguros! Se nos sentirmos


seguros quanto ao amor de Deus por nós, não teremos ciúmes, não nos importaríamos tanto com
a vida dos outros... Porque aceitaríamos que Deus nos ama suficientemente para não nos
abençoar além da capacidade que tivermos para segurar as bênçãos, além da nossa capacidade
de suportá-las e continuarmos seguindo a Jesus!

Por isso, é importante aceitar o plano individual que Deus tem para cada um de nós e
não rejeitar as provas e o tempo determinados por Ele para cada coisa e nossas vidas, nos
despindo assim de todo o orgulho para aceitar e confiar no plano dAquele que por nós tudo
executa!

“E se congregaram contra Moisés e contra Aarão, e lhes disseram:


Demais é já, pois que toda a congregação é santa, todos eles são santos,
e o Senhor está no meio deles: por que, pois, se elevais sobre toda a congregação?

Coré era um homem orgulhoso. Quando lemos esse texto vemos que não glorificou a
Deus em nenhum momento, durante seu discurso de rebelião... Ele estava observando homem e
não a vontade de Deus. Estava olhando apenas para o lugar de honra que ocupavam,
percebendo o “lugar elevado” que Moisés e Aarão estavam colocados sobre a congregação.

Coré tinha um “orgulho espiritual”, começando a rebelião, exatamente, por se sentir tão
santificado quanto os seus líderes, e respondendo pelos demais. Só que enxergava a
responsabilidade deles apenas do ângulo da “posição” em que se encontravam e não quanto à
genuína adoração a Deus. Mas será que daria a glória a Deus, se no lugar deles estivesse?
Então, não estava tão santificado quanto pensava... Seus olhos não estavam em Deus, não
estavam confiando no plano pessoal e único que Deus tinha para a sua vida!
21
CURA INTERIOR

Orgulho é sede pelo controle. E quando queremos ter o controle de tudo, não
entendendo que há coisas que fogem de nossa esfera e que só Deus pode ter o comando de
todas as coisas, sofremos, e estamos longe da paz e equilíbrio interior.

“O meu povo se tem esquecido de mim, queimando incenso à vaidade.” (Jeremias 18:15).

O incenso puro, fabricado no tabernáculo, naquela época, representava as orações que


subiam diante de Deus como aroma suave às suas narinas... “Queimar incenso”, no Antigo
Testamento, representa “orar”, aponta para as nossas orações, no Novo Testamento. Porém
muito na Igreja têm “queimado incenso à vaidade”, ou seja, por interesses próprios.
Uma pergunta que todos nós, servos de Deus, devemos ter em mente é o que nos
move fazer a obra de Deus; se estamos fazendo a obra de Deus com o coração sincero, sem
vaidade.

“Povo que diz: Fica onde estás, não te chegues a mim,


porque sou mais santo do que tu.
É no meu nariz como fumaça de fogo que arde o dia todo.”
(Isaías 65:5)

Em Jeremias 18 está escrito: “A Palavra do Senhor veio a Jeremias dizendo: Levanta-te


e DESCE à casa do oleiro, e lá te farei ouvir as minhas palavras. E desci à casa do oleiro, e eis
que estava fazendo a obra sobre as rodas. Como o vaso que ele fazia de barro, se quebrou na
mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso. (...) não poderia Eu fazer de vós, como fez este
oleiro? Eis que como barro na mão do oleiro, assim sois vós nas minhas mãos.”

Existem defesas, em nós, que já estão tão atreladas a nossa estrutura, que já vinham
nos acompanhando há tanto tempo, antes de caminharmos para a casa de Deus, que não
vivemos sem ela. Por isso Deus nos diz em Sua Palavra: “Vem como estás”. Pois é Ele mesmo
que completa a Sua obra em nós.

Assim, no momento apropriado, é preciso que sejamos quebrados, moldados pelo


Senhor, para irmos trocando as nossas defesas pelo Seu perfeito suporte, que é a Sua Palavra: o
que ela nos promete e garante a nosso respeito.

Quando estamos prontos a trocar mentiras, orgulhos, medos, cobiças, pelo braço forte
do Senhor, somos sustentados em todas as situações com paz e estabilidade que só Deus pode
proporcionar; pois só nEle chegamos ao equilíbrio.

Mas para recebermos esse toque do Supremo Oleiro e Artesão das nossas almas, é
preciso DESCER ao Seu encontro! Descer, diante de Sua presença! Descer a “casa do Oleiro”,
para sermos regenerados e restaurados pelo supremo Pastor! - A palavra “pastor” significa
justamente “cirurgião da alma”.

Descer é um ato de humildade, representa nos despir de todo orgulho, de toda altivez
de espírito.

A palavra “Humildade” vem de humus, que quer dizer “adubo”. Só um coração fértil está
sempre pronto a receber novas sementes, ou seja, receber novas informações, aceitar novas
22
CURA INTERIOR
instruções. “humildade” significa, ainda, “pobreza de espírito”. Uma pessoa pobre de espírito é
capaz de aprender sempre, pois nunca se julga rica demais em todo conhecimento. Nesse tipo de
coração encontra-se terreno para o Reino de Deus que lemos na parábola do semeador... (Mt
13).

CONCLUSÃO:

O orgulho não procede de Deus e de nada é proveitoso. Para ter paz com os outros e
conosco mesmo é importante evitar o orgulho, que se transforma em competições vãs e
comparações desnecessárias.

Ainda que façamos bem alguma coisa, sempre existirá alguém, em alguma época, que
faça mais ou melhor... Sempre se levantará alguém para quebrar o recorde.

Foi assim também com o Profeta Elias... Deus lhe perguntou porque se escondia e,
para se defender, ele respondeu que estava fugindo de Jezabel, que queria matar-lhe, pois só ele
havia escapado dos profetas de Israel que não haviam se ajoelhado a Baal. Pelo que Deus lhe
revelou: “Também eu fiz ficar em Israel sete mil; todos os joelhos que não se dobraram a Baal, e
toda a boca que não o beijou” (1Reis 19:18).

Ele não era o único!

EXERCÍCIO:

Tem horas em que é melhor não pensar em nada! Em nós, muitas vezes, encontramos
inquietação; mas em Deus encontramos a paz. “O mundo é muito barulhento e Deus fala
sussurrando”.

Não pensar, significa se desprender das opiniões alheias, se desprover das próprias
interpretações... Apenas observar e esperar o que o Senhor tem para falar conosco.

Jeremias foi à casa do oleiro não para ficar pensando na vida.

Não era hora de se preocupar ali e turbar o coração.

Era momento de receber as respostas; pois Deus mesmo que o levou até ali, como nos
traz a Sua casa para falar conosco.

Deus sempre tem algo para nos mostrar, para revelar a nós. Ele usa situações
corriqueiras para os ensinar algo. Mas é preciso aquietar-se para perceber a sua voz.

Faça 15 minutos de silêncio depois de orar a Deus, para também escutar as Suas
respostas...

23
CURA INTERIOR

“Tapando a brecha da ansiedade”

CAVERNAS

do descontentamento e insatisfações:

(Texto do Bispo I. Barreto: O poder da Babilônia – Entenda a luta entre o bem e o mal).

“A natureza humana é ávida por mudança, se tudo estiver no devido lugar a guerra
nascerá nos corações entediados pela mesmice. Ávido para mudar sem saber para onde, mas a
mudança se buscará, mesmo sem motivo nenhum se achará o caminho para uma suposta
libertação, até mesmo libertadores que por motivos estranhos e escusos levarão a liberdade a
outros povos de uma caverna para a outra sem nunca achar uma razão para parar.

... O estágio que se almeja como o melhor poderá ser o mesmo que apontará a
necessidade de uma mudança para algo mais adiante, muito além de nós... Pensando assim, é
admitir que sair de uma caverna onde nada é verdadeiro para outra onde nada é verdadeiro, é
como andar em círculo e ficar parado no mesmo lugar.

... O desejo de sair de uma situação para outra, tem como causa o tédio e a
inquietação... A insatisfação: um dos pilares que constrói a caverna – algumas são justas, outras,
apenas um pretexto para a construção... Onde não existe a harmonia, prevalece o “espírito da
caverna”.
... Jesus chama o homem para fora, em seu insistente: vinde a mim todos os que estais
cansados e oprimidos, e Eu os aliviarei. Só em Cristo o homem encontrará a sua verdadeira
libertação. ... Permanecer na caverna é perder a oportunidade de ser “sal e luz” do mundo, é
perder a visão do horizonte [que está além de nós mesmos].”

PALAVRA DE VIDA 7:

“Lázaro, vem para fora!” - João 11

O Cristão não vive frustrado com “poderias” ou “deverias”; pois o Senhor é um Deus
“resciclador”! Em Jesus há sempre uma possibilidade. Como vemos nessa passagem, o irmão de

24
CURA INTERIOR
Marta e Maria, chamado Lázaro, estava morto já há quatro dias; mas Jesus afirmou: “Se creres
verás a glória de Deus.”

Quando cremos, vemos a glória de Deus em qualquer situação! Em qualquer sonho


que tenha morrido; em qualquer projeto que tenha falhado... Então, não há o que temer!

Em alguns dicionários, ansiedade corresponde a receio, dúvida ou temor. Podendo ser


vista como o medo de um evento futuro, uma “pré ocupação”... uma inquietação que apenas se
diferencia do medo, por relacionar-se a um objeto determinado.

“Disse pois Marta a Jesus: Senhor, se Tu estivesse aqui, meu irmão não teria morrido.
... Jesus perguntou: Onde o puseste? Disseram-lhe: Senhor, vem e vê.
Jesus chorou. Disseram pois os judeus: vede como o amava. E alguns deles disseram:
Não podia ele, que abriu os olhos ao cego, fazer também com que este não morresse?”
(João 11:21/34-37)

Jesus chora conosco, em nossos momentos de dor. Ele sente o que nós sentimos,
porque Ele nos ama!

“Disse-lhe Jesus: Tirai a pedra. Marta, irmã do defunto, disse-lhe:


Senhor, já cheira mal, porque é já de quatro dias.
Disse-lhe Jesus: Não te hei dito que, se creres, verás a glória de Deus?
(...) E, tendo dito isto, clamou com grande voz:
Lázaro, vem para fora. E o defunto saiu.”
(João 11:39-40/43-44)

Como na passagem do cego de nascença (evangelho de João, capítulo 9), quando


perguntaram: Quem pecou para que este nascesse dessa forma? E o Senhor respondeu: Nem
ele nem seus pais, mas foi para que se manifestasse a glória de Deus – Não importa quem
pecou; nem os porquês, nem os “podias”, nem os nossos “deverias”, mas o importante é que
Jesus está aqui! Ele chegou em nossas vidas e nos pergunta hoje: O que queres que eu te
faça?

“Aquietai-vos e sabeis que EU SOU Deus.” (Salmo 46:10). O nome EU SOU é o nome
apresentado por Deus quando Ele aparece a Moisés, na sarça que ardia e não se consumia, em
Êxodo 3. EU SOU em hebraico é Javé, se escreve IHVE.

Quanto mais depositarmos expectativas nos eventos futuros, mais nos tornaremos
insatisfeitos e, até mesmo quando recebê-los, não saberemos desfrutá-los; sabe-se que o homem
sem limites se tora insaciável e auto-destrói-se. Afinal, os “hojes” nada mais são do que os
amanhãs dos ontens e os ontens dos amanhãs, e se não aprendermos a nos contentar com o
nosso soldo, nunca acharemos que temos o suficiente; então nunca seremos resolvidos, plenos
ou felizes.

Voltando à passagem da ressurreição de Lázaro, um dos pesos da alma dos qual é


preciso se desprender é do passado, das amarguras, frustrações e até mesmo saudosismos que
nos levam a comparações de épocas, desnecessariamente: “não digas em teu coração: porque
foram os dias passados melhores do que este, pois nunca com sabedoria perguntaria isso.”
(Eclesiastes 7:10); outro peso é o futuro, fazendo especulações positivas ou negativas... E o ser
25
CURA INTERIOR
humano tem a tendência de oscilar entre passado e projeções futuras, ambos resultam em
ansiedade (que é a doença deste século)!

Disse-lhe Jesus: Teu irmão há de ressuscitar. Disse-lhe Marta: Eu sei que HÁ DE


ressuscitar na ressurreição do ÚLTIMO DIA. Disse-lhe Jesus: Eu SOU a ressurreição e a vida;
quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca
morrerá. Crês tu isto?

Deus é o verbo no presente: EU SOU. Mas nossa vida tende a ficar paralisada no
passado ou projetada para o futuro; porém, para sermos plenos não podemos ficar divididos...
Temos que estar presentes, inteiros, no tempo em que vivemos. Ou: “...toda casa dividida, contra
si mesmo não subsistirá” (Mt. 12:25b).

“E qual de vós que, por mais ansiosos que estejam,


pode acrescentar um côvado sequer às vossas vidas?”
(Lucas 12:25)

A única vez que nosso mestre se encontrou em densa expectativa foi quando esperava
pelo horror da cruz que lhe sobrevinha: Agora está angustiada a minha alma, e que direi eu? Pai,
salva-me desta hora? Mas precisamente com este propósito vim para esta hora. (João 12:27). E,
ainda, em Lucas 22:41-44, podemos ler: “apartou-se deles cerca de um tiro de pedra e, pondo-se
de joelhos, orava. Dizendo: Pai, afasta de mim este cálice! Todavia, não se faça a minha vontade,
mas a Tua. E apareceu-lhe um anjo do céu, que o consolava. E, posto em agonia, orava mais
intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue.”

A ansiedade nos leva justamente a nos adiantar, nos alterar e a nos afastar da
sociedade. Nos distanciamos mental ou até mesmo fisicamente, numa tendência ao isolamento.
Nos apressamos em sair da presença te mesmo de Deus.

Talvez, a sua ansiedade seja em relação ao tempo. Talvez, esteja dizendo,


intimamente: “Pai, afasta de mim esse cálice da espera.” E Deus apenas tenha providenciado um
anjo para consolar-te...

Saiba que no meio da prova, Jó soube atravessar tempos difíceis, na transição de uma
“caverna” de bênçãos para outra com o dobro de bênçãos, porque seu verdadeiro refúgio estava
em Cristo! Ele estava inerte em Jesus! Submerso em seu amor e em seu caráter estável.

“Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo,


à sombra do onipotente descansará.” – Sl. 91.

E Deus começa a bombardear a mente de Jó, para que não fique paralisada em meio
ao tempo, à aflição da espera... Ele começa a se revelar a Jó, através das cenas da natureza,
declarando a Sua soberania! Para que Jô olhe para Ele e apenas confie.

“Depois disto, o Senhor, do meio de um rodamoinho, respondeu a Jó: quem é este que
escurece os meus desígnios com palavras sem conhecimento? Cinge pois os teus lombos como
homem, pois Eu te perguntarei e tu me farás saber.

26
CURA INTERIOR
Onde estavas tu quando eu formava os fundamentos da terra? Dize-me se tens
entendimento. Quem lhe pôs as medidas, se é que o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o
cordel? Sobre que estão formadas as suas bases? Ou quem lhe assentou a pedra angular,
quando as estrelas da alva, juntas, alegremente cantavam, e rejubilavam todos os filhos de
Deus?

(...) Acaso, desde que começaram os teus dias, deste ordem à madrugada ou fizeste a
alva saber o seu lugar, para que se apegasse às orlas da terra, e desta fossem os perversos
sacudidos?
A terra se modela como o barro debaixo do selo, e tudo se apresenta como vestidos;
dos perversos se desvia a luz, e o braço levantado para ferir se quebranta. Acaso entraste nos
mananciais do mar ou percorreste o mais profundo do abismo?

Porventura te foram reveladas as profundezas da morte ou vistes essas portas da


região tenebrosa? Tens idéia nítida da largura da terra? Dize-me se o sabes. Onde está o
caminho para a morada da luz?” – Jó 38:1-7/12-19.

“Sabes tu o tempo em que as cabras monteses têm os filhos, ou cuidastes das corsas
quando têm suas crias? Podes contar os meses que cumprem? Ou sabes o tempo do seu parto?
Elas encurvam-se, para terem seus filhos, e lançam de si as suas dores. Seus filhos se tornam
robustos, crescem no campo aberto, saem e nunca mais tornam para elas.” – Jó 39:1-4.

“Disse mais o Senhor a Jó: Acaso, quem usa de censuras contenderá com o Todo-
Poderoso? Quem assim argúi a Deus, que responda.” – Jó 40:1-2. “Então respondeu Jó ao
Senhor: Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado. (...) Eu te
conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te vêem.” – Jó 42: 2/5.

Que possamos nos aquietar ante a soberania do nosso Deus e, esperando e confiando
nEle, possamos conhecer e prosseguir em conhecer ao Senhor! Pois o plano dEle se cumprirá
em nossas vidas.

Eis que um rio transborda, e ele não se apressa,


confiando que o Jordão possa entrar em sua boca. (Jó 40:23)

CONCLUSÃO:

Deus fala conosco através das paisagens, das ações da natureza.


Ele “bombardeia” a nossa mente para nos tirar de nossas preocupações e nos leva a
ter experiências com Ele.

Com o profeta Jeremias, o Senhor falou: Que vês Jeremias? E esse respondeu: Vejo
uma vara de amendoeira. Pelo que tornou a dizer: Viste bem Jeremias, porque velo pela minha
palavra para cumpri-la ( Jeremias 1:11-12).

Isso porque do Hebraico palavra e amendoeira têm a mesma raiz. Assim, Deus usou
aquela planta para lembrar, para trazer do fundo, do inconsciente de sua memória, uma verdade
que estava encoberta à mente do profeta: que Ele vela pela sua palavra para que germine, para
que se cumpra em nossas vidas!

27
CURA INTERIOR
Em Gêneses capítulo 15, verso 5, vemos Deus levar Abraão para fora de sua tenda,
para fora daquilo que limitava sua visão, o mandando contar as estrelas do céu, para mostrar-lhe
que Aquele que tinha poder de colocá-las sobre o firmamento, também teria poder para lhe
conceder uma descendência tão quanto numerosa!

EXERCÍCIO:

Tomada de consciência: (gestalt-terapia)


Tornar presente o momento...
Descreva num papel o que você tem em mente, tirando do foco o que você imagina que
vai acontecer no seu futuro, ou qualquer preocupação com algum momento passado; apenas
narre a paisagem que lhe cerca nesse exato momento, as expectativas que lhe vêm agora, e os
sentimentos que lhe ocorrem nesse exato momento.
Saiba, antes de tudo, que Deus é fiel!

“Tapando as brechas do medo”

DINÂMICA:

Cálices e Faces

O QUÊ VOCÊ VÊ NA IMAGEM ABAIXO?

A nossa mente pode ser representada nesta gravura:


Os cálices, a parte mais destacada, em negrito, que imerge ao nosso consciente é o que
focamos; já as faces, ou perfis, (sérias, rindo, tristes), quase imperceptíveis, seriam registros de
nosso passado, no inconsciente, que influenciam o panorama e coexistem conosco, apesar de
submersas no inconsciente.

Freud, o psiquiatra descobridor do inconsciente, comparou este a um porão – parte


subterrânea da casa onde ficam guardados os registros de nossa história – de forma que, ao
penetrarmos nele com uma lanterna, o que estiver sendo iluminado pelo foco da mesma é o que

28
CURA INTERIOR
temos presente, vindo à chamada consciência... e o que permanece sob a “penumbra” é o conteúdo
inconsciente que influi no que vemos e como respondemos.

PALAVRA DE VIDA 8:

“Eis que lhe trarei a ela saúde e cura e os sararei;


e lhes revelarei abundância de paz e segurança.”
(Jeremias 33:6)

Em crises de insegurança, necessitamos de PERSPECTIVAS!


Os mártires conseguiram manter a fé e o equilíbrio emocional diante de cadeias,
provações e mesmo da morte, porque tinham uma visão panorâmica; enxergavam de cima o
problema e o que os cercava, vendo a face de Deus, e as Suas promessas, que os dava respaldo
e o escape.

“Ouvindo eles isto, enfureciam-se no seu coração


e rangiam os dentes contra ele;
Mas Estevão, cheio do Espírito Santo, fitou os olhos no céu
e viu a glória de Deus e Jesus, que estava a sua direita
e disse: Eis que vejo os céus abertos (...)
E apedrejavam Estevão, que invocava e dizia:
Senhor Jesus, recebe o meu espírito.”
(Atos 7: 54-55/59)

Os mártires olharam para além das circunstâncias; além da situação que os sufocava...
Estevão foi sustentado, literalmente, pela visão da face de Deus enquanto morria.
Quando a nossa visão desfocada começa a ficar nítida, e ver Deus conosco, em todo
tempo, paramos de nos antecipar ao problema.

“Porque não queremos, irmãos, que ignoreis a natureza da tribulação que nos sobreveio na Ásia,
porquanto foi acima das nossas forças, a ponto de desesperarmos até a própria vida. Contudo, já,
em nós mesmos, tivemos a sentença de morte,
Para que não confiássemos em nós, e sim no Deus que ressuscita os mortos.”
(2 Coríntios 1:8-9)

Esses apóstolos sentiram realmente o medo, a ponto de anteciparem-se ao problema,


já tendo em mente suas sentenças de morte... Entretanto, encontraram estabilidade para seguir
firmes, por depositarem as suas esperanças não mais neles mesmos, mas em Deus, que é
poderoso para, em última análise, revivê-los do pó.
Deus é o nosso pano de fundo, o qual devemos focar em momentos de dificuldade!
Porém, ao contrário disso, é sempre nas crises que tendemos a maximizar os problemas ao invés
de termos a face de Deus em nossa consciência – que é a fonte de toda a segurança em crises
de medo e de inseguranças.

“Na quarta vigília da noite, foi Jesus ter com eles, andando por sobre o mar.
E os discípulos, ao verem-no andando por sobre as águas,
Ficaram aterrados e exclamaram: É um fantasma! E, tomados de medo, gritaram.
Mas Jesus, imediatamente, lhes disse: Tende bom ânimo! Sou eu, não temais!
Respondeu-lhe Pedro, disse: Se és tu, Senhor, manda-me ir ter contigo
29
CURA INTERIOR
por sobre as águas. E Ele disse: Vem!
E Pedro, descendo do barco, andou por sobre as águas e foi ter com Jesus.
Reparando, porém, na força do vento, teve medo; e, começando a submergir,
gritou: Salva-me, Senhor! E, prontamente, Jesus estendeu a mão,
tomou-o e lhe disse: Homem de pequena fé! Por que duvidaste?
Subindo, ambos para o barco, cessou o vento.” (Mateus 14:25-32)

Enquanto Pedro focava suas vistas no Senhor, algo extraordinário acontecia; porém,
quando o perigo lhe emergiu do pano de fundo, saltando-lhe os olhos, começou a reparar nas
circunstâncias que o cercava, teve medo e começou a submergir... O medo tem sua raiz na
dúvida.

“E, por aquele mesmo tempo, o rei Herodes estendeu as mãos sobre alguns da Igreja
para os maltratar; e matou à espada Tiago, irmão de João.
E, vendo que isto agradava aos judeus, continuou
mandando prender a Pedro (...) E, havendo o prendido, o encerrou na prisão.
(...) Pedro, pois, era guardado na prisão: mas a Igreja fazia contínua oração por ele a Deus. E eis
que sobreveio um anjo do Senhor, e resplandeceu uma luz na prisão; e, tocando a Pedro,
despertou-o, dizendo: Levanta-te depressa. E caíram-lhe das mãos as cadeias. E, considerando
ele nisto, foi à casa de Maria, mãe de João (...) onde muitos estavam reunidos e oravam. (...) E,
conhecendo a voz de Pedro, de gozo não abriu a porta, mas, correndo para dentro, anunciou que
Pedro estava à porta. E disseram-lhe: Estás fora de ti. Mas ela afirmava que assim era. E diziam:
É o seu anjo. Mas Pedro perseverava em bater, e, quando abriram, viram-no e espantaram-se.

A Igreja, aqui, podia pensar assim: “Mas nós oramos por Tiago, e ele morreu; o que vai
adiantar orar por Pedro?” Mas eles sabiam que Deus tem um plano individual para cada um... e
continuaram a orar. Contudo, ainda titubearam, demorando para acreditar que Deus havia
atendido a oração... Mas o fato é que, a um, aprouve a Deus salvar e a outro O aprouve dar-lhe
graça para suportar...
Deus tem um plano individual para cada um! Nós não somos xerox dos outros! Nossa
vida não é um carbono da vida do outro... Assim, não devemos ficar nos comparando. Só Deus
deve ser o nosso referencial; só com Ele devemos nos parecer... E Ele disse: “EU SOU O QUE
SOU” (Êxodo 3). Deus nos ensina a sermos autênticos! Porque Ele folga na verdade... “Quanto
ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é
puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor,
nisso pensai” (Filipenses 4:8). Deus não tem prazer na mentira. O diabo que é o pai de toda
mentira.
A falsidade, o engano, a dissimulação e até mesmo fantasias que nascem como
mecanismos de defesas da alma, são mentiras em graus diferentes; assim como a insegurança
deriva do medo, aqueles guardam também a mesma raiz maligna, pois não provém da verdade.
Nós não temos que querer parecer ser igual a ninguém; não temos que ser iguais a
ninguém; nem pior, nem melhor do que ninguém. Deus quer que sejamos simplesmente nós
mesmos. Ou estaremos impedindo Seu projeto em nossas vidas, como obra-prima do Pai que
somos... Pois ninguém mais poderá ser você!
Tenha em mente que o que pode ser fracasso para a sociedade, pode ser sucesso para
Deus e que mesmo aquilo que parece ser derrota para nós, pode estar sendo aplaudido por
Deus; ou: “você pode ser um total sucesso aos olhos de Deus e um completo fracasso aos olhos
da sociedade, e vice-versa.”2
2
KEMP, Jaime. A força que vence o medo. Rio de Janeiro, Textus, 2004.
30
CURA INTERIOR
Assim, não preocupe-se com o que o homem pensa ao seu respeito; seja você mesmo,
busque cada vez mais o auto-conhecimento e creia somente no que o Senhor afirmar ao seu
respeito, quem Ele diz que você é! Não se permita é ficar paralisado e não fazer aquilo para o
qual já foi capacitado por Deus para fazer... E, assim, se despoje ainda de todo medo do
fracasso.
Afinal, como está escrito em Provérbios 29:25: “Quem teme o homem cai em
armadilha, mas quem confia no Senhor está seguro.”

Não temeis os que matam o corpo e não podem matar a alma;


temei, antes, aquele que pode fazer perecer no inferno
tanto a alma como o corpo. (Mateus 10:28).

Ou seja, não temas o que os homens podem achar a seu respeito, mas preze por
aquilo que o Senhor está vendo em você. Se o seu coração está reto diante dAquele a quem um
dia teremos de prestar contas, como está escrito em Eclesiastes 12.
É preciso enxergar o tamanho de Deus ao nosso lado e não o tamanho do problema,
seja ele qual for. E ter a perspectiva de que algo maravilhoso Deus preparou para nós. “Nem
olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem
preparado para aqueles que o amam” (1 Coríntios 2:9).
Creia no plano maravilhoso que Deus tem para a sua vida e se anime esperando. Pois
algo bom sempre está para acontecer!

CONCLUSÃO:

Como diz o louvor da pastora Ludimila Ferber: Não tenha medo de fracassar! Não
tenha medo de não tentar! Não tenha medo de não romper! NÃO TENHA MEDO DE SER! O
verdadeiro amor lança fora todo o medo! (1João 4:18)

EXERCÍCIO:

Liste numa folha de papel todos os seus medos e inseguranças e lance-os sobre o
Senhor, em oração; ao final, queime a folha, num ato profético, crendo que tais sentimentos já
foram consumidos!

“Superação”

31
CURA INTERIOR

CAVANDO MAIS FUNDO

Assuma o risco:

Por Augusto Pinto*

Quem de vocês já não escutou a seguinte desculpa esfarrapada para explicar o medo e
a falta de agressividade: “Eu tenho os pés no chão” e “Não dou um passo maior do que as
pernas”. (...) Não entendam mal, pois dar um passo maior do que as pernas não significa ser
irresponsável. Significa assumir decisões e ENCARAR O DESCONHECIDO.
(...) As decisões sempre terão que ser tomadas. Todas as entidades vivas (plantas,
animais, homens, equipes, empresas, países) vivem em ciclos, com fases de crescimento,
maturidade, apogeu e declínio. Você sabe o que vem após o declínio?
Se respondeu a morte, errou: depois do declínio surge o renascimento, a menos que
você rejeite as mudanças impostas nesta fase. Em outras palavras, renascer (começar em um
novo emprego, abrir um novo negócio etc) implica riscos. Não assumi-los, sim, implica morrer.
Cabe ainda mais um comentário: uma vez tomada uma decisão, enterre as suas
preocupações e as suas dúvidas. Pense como um PÁRA-QUEDISTA: depois de pular, o melhor a
fazer é curtir a paisagem. Não tem coisa mais chata nem mais desanimadora do que alguém que
tomou uma decisão arriscada e depois disso vive com uma “nuvenzinha sobre a cabeça”.
Como os olhos são o coração da alma, tratando-se de um “soldado raso” esse indivíduo
transmitirá insegurança, desmotivação por onde passar. Mas se for um “general de quatro
estrelas” certamente espalhará pânico entre a tropa inimiga. Lembre-se: O risco, quando bem
calculado, é o tempero da vida.
[Se lance no sobrenatural! Se lance sob a cobertura da Palavra de Deus! Se precipite
como os filhotes da águia que são empurrados, ninho à fora!]
_____________________________
* Augusto Pinto é presidente da RMA Comunicações e Negócios. Consultoria para empresa da
área de TI.

A águia é ave que voa ais alto. Quando vem a tempestade, ela não se esconde como
os outros animais, mas voa acima da turbulência. Em Deus, nos sentamos em lugares celestiais e
podemos viver acima das circunstâncias, sabendo que: se te mostrares frouxo no dia da angústia,
a sua força será pequena (Provérbios 24:10).

PALAVRA DE VIDA 9:

“E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos,


se não desfalecermos.” (Gálatas 6:9)

Há uma ilustração que conta: Deus mandou que um homem empurrasse uma grande
pedra e, depois de alguns meses, cansado de tanto tentar, ele retrucou com Deus o porquê de
ter-lhe mandado fazer aquilo se o Senhor sabia que ele jamais teria força para remover a pedra;
pelo que o Senhor o respondeu:
´Eu nunca mandei você mover a pedra, mas empurrá-la... e veja como seus braços
ficaram mais fortes e seu físico mais resistente! Isso ainda foi um grande exercício para a sua
32
CURA INTERIOR
alma: de persistência...` Então com o simples comando de sua voz, fez com que a pedra saísse
do lugar.

Não desfaleça! Cave mais fundo! Você não está sozinho: “Se o Senhor não edificar a
casa, em vão trabalham os que edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigiam os
sentinelas. Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão de dores; pois aos
seus amados dá Ele enquanto dormem.” – Sl. 127. Mas é preciso adquirir músculos de fé em
nossa estrutura!
Deus quer que nos superemos, em todos os sentidos: Em tudo fomos atribulados: lutas
por fora, temores por dentro... (2Coríntios 7:5). Apagaram a força do fogo, escaparam do fio da
espada, da fraqueza tiraram forças (Hebreus 11:34). Porque quando eu estou fraco aí é que sou
forte (2 Coríntios 17:10). Pois a foça e uma pessoa é medida, justamente, pelos seus momentos
de fraqueza. Então diga o fraco: eu sou forte! (Joel 3:1).
A história de Moisés é um grande exemplo de superação, e vemos isso desde o início
de sua vida:

“Então Faraó ordenou a todo povo: A todos os filhos que nascerem dos hebreus lançareis no rio.
(...) E foi-se um varão da tribo de Levi, e casou-se com uma filha de Levi. E a mulher concebeu e
teve um filho.
E vendo que era formoso, escondeu-o três meses. Não podendo, porém, mais escondê-lo, Tomou
uma arca de juncos e, pondo nela o menino, a pôs nos juncos, à borda do rio.
E sua irmã postou-se de longe, para saber o que lhe havia de acontecer.
E a filha de Faraó desceu a lavar-se no rio, e ela viu a arca no meio dos
juncos, e enviou a sua criada e a tomou. E abrindo-a viu o menino e moveu-se de compaixão
dele. Então disse sua irmã à filha de Faraó: Irei eu a chamar uma ama das hebréias para que crie
esse menino para ti? E ela disse: Vá. E foi-se a menina e chamou a mãe do menino para criá-la.
E recebeu salário para criá-lo. E, sendo o menino já grande, Ela o trouxe à filha de Faraó a qual o
adotou, e chamou o seu nome de Moisés, e disse: Porque das águas o tenho tirado.” (Êxodo
1:22/2:1-10)

Vemos aqui dois exemplos de superação, de persistência, que fez toda a diferença, não
só na história da família de Moisés, como na história do povo judeu (berço de Jesus) e,
conseqüentemente, dos cristãos...
A mãe de Moisés superou todas as suas forças, superou todos os limites internos e
externos. Persistiu, lutou até onde pôde; mas não entregou seu sonho: o seu filho. Não o afogou,
não afogou a sua esperança, mas estendeu ao máximo os seus recursos para impedir o fim de
sua promessa, construindo uma arca de juncos para que o bebê fosse embora e não perecesse
pelo mandado do rei, o entregando à sorte do destino, ou seja, confiando inteiramente no plano
de Deus para suas vidas.
A irmã de Moisés também teve o mesmo espírito, perseguindo o seu sonho até o fim:
aventurou-se entre o rio e arriscou a própria vida na hora de propor à filha de faraó, que
encontrara seu irmão, uma ama dentre as hebréias a amamentá-lo para a mesma, sem saber
ainda dos intentos do coração da princesa egípcia, que era estéril. E, assim, pôde ter a sua
vitória: a salvação da vida de seu irmãozinho Moisés!
A despeito de toda a impossibilidade, não desista dos sonhos que Deus mesmo plantou
em seu coração! Desistir dos sonhos, dos próprios ideais é uma fraqueza emocional. Contudo,
perseverar exige maturidade emocional! Deus está te dando estrutura para obter as suas
promessas. Continue firme no seu propósito, mantendo a integridade e sendo inabalável, em
Deus, ante qualquer opinião contrária! Para isso é preciso não ceder, não desesperar, não se
33
CURA INTERIOR
esgotar, não se lamentar, não fugir, nem se adaptar a uma situação de conformidade, pois isso
também seria um ato de desistência...
No filme TITANIC, na versão de 1997, vemos uma cena em que o personagem principal
aconselha a outra protagonista a ficar o maior tempo possível no navio; isso, para se adiar ao
máximo o contato deles com a água gelada do oceano, já que não havia mais botes no navio...
A ordem para as nossas vidas é exatamente essa, em momentos de crise:
continuarmos persistindo, continuarmos lutando, o maior tempo que conseguirmos! Como fez a
irmã de Moisés ao perseguir seu sonho; como fez a mãe de Moisés ao recusar-se jogá-lo no rio, e
afogar a sua promessa... Você perseguiria um sonho?
Certamente que o personagem do filme não sabia que haveria uma porta de madeira,
boiando no oceano, que haveria um escape.. Nem a mãe de Moisés poderia saber que a arca
seria resgatada, ou por quem seria resgatada: se por um inimigo ou por alguém igualmente sem
chances de manter a criança escondida... Mas, a irmã de Moisés, com a impulsividade das
crianças, esperava exatamente que isso acontecesse!
Deus quer que nos superemos! Que superemos nossos limites interiores e exteriores;
os nossos conflitos internos e externos. O lutar é a nossa parte, e a parte impossível é com Deus!
Portanto não vos estristeçais, pois a alegria do Senhor é a nossa força (Neemias 8:10).
Imagine a aflição, a preocupação, o medo, a ansiedade, que cercavam essas pessoas
nessas realidades difíceis que enfrentavam... Estavam realmente sobrecarregadas, com uma
carga superior a que poderiam carregar. Isso leva a um esgotamento emocional! Mas eles foram
sustentados pela voz do Senhor, que sussurrou: Você pode! Não desanime! Não tenhais medo! O
justo viverá pela fé; e se recuar a minha alma não tem nele prazer (Hebreus 10:38).
Há situações que realmente representam verdadeiros naufrágios, tempestades que
assolam a vida; mas em outros casos temos a facilidade de fazer “tempestades em copos d
´água”... A Bíblia também narra um naufrágio, um naufrágio real, do qual sobreviveu o apóstolo
Paulo. Vejamos:

“E, sendo o navio arrastado com violência, sem poder resistir ao vento, cessamos a manobra e
nos fomos deixando levar. (...) E, ao terceiro dia, nós mesmos, com as próprias mãos, lançamos
ao mar a armação do navio. E, não aparecendo, havendo já alguns dias, nem sol, nem estrelas,
caindo sobre nós grandes tempestades,
dissipou-se, afinal, toda a esperança de salvamento . (...) Mas já agora, vos aconselho bom
ânimo, porque nenhuma vida se perderá entre vós, mas só o navio. Porque esta mesma noite um
anjo de Deus de quem eu sou e a quem eu sirvo esteve comigo. (...) Porém, é necessário que
vamos dar a uma ilha. (...) Procurando, porém, os marinheiros fugir do navio, e tendo já deitado o
batel ao mar, disse Paulo ao centurião e aos soldados: Se estes não ficarem no navio, não
podereis salvar-vos. Então os soldados cortaram os cabos do batel, e o deixaram cair (...)
Enquanto amanhecia, Paulo rogava que todos se alimentassem, dizendo: Hoje é o décimo-quarto
dia em que esperando, estais sem comer, nada tendo provado; eu vos rogo que comais alguma
coisa, porque disto depende a vossa segurança; pois nenhum de vós perderá nem mesmo um fio
de cabelo. Tendo dito isto, tomando um pão, deu graças. Todos recobraram o ânimo e se
puseram também a comer. (...) Refeitos com a comida, aliviaram o navio, lançando o trigo ao
mar.” – (Atos 27)

A exemplo dessa passagem da Bíblia, mesmo que se perca “a armação do seu navio”,
mesmo que aquilo que dava estabilidade a sua vida venha a ser arrancado de você, mesmo

34
CURA INTERIOR
passando por ventos contrários, saiba que esse momento não vai alterar o seu destino, pois o
rumo da sua vida está nas mãos de Deus! Entregue a Ele!
Em momentos de crise, é necessário tentar nos aliviar, abrindo mão de determinadas
“cargas” em nossas vidas, para que não entremos em pique. É aí que temos a exata noção
daquilo que é prioridade para nós... Muitas vezes temos o direito de não irmos à Igreja (templo),
se entendermos que o “templo” maior somos nós mesmo.
Também é interessante observar aqui a importância de aprender a dizer não, na hora
em que realmente precisamos dizer não, e sair da “síndrome do messias”, achando que temos
que carregar o mundo nas costas... Nós não somos Deus! É mister entender isso, e a bíblia diz
exatamente: seja o vosso falar sim, sim, não, não, o que passar disso é de procedência maligna
(Mateus 5:37). Muitas vezes o inimigo usa pessoas para nos embaraçar no caminho, e não só
para nos atacar. Peça a Deus o dom do discernimento e procure se amar e zelar pela sua saúde
física e emocional.
Assim, como uma carga muito superior ao peso que podemos agüentar fisicamente
acaba provocando uma hérnia, acontece no plano emocional também, quanto as estafas, fobias e
transtornos dos mais variados que podem ser desencadeados com o estresse. Que possamos
prender a caminhar da maneira mais tranqüila possível, desfrutando o dom da vida que Deus deu
para gente. Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças (Eclesiastes
9:10).
Abra mão, ainda, dos “batéis”, ou seja, abra mão de pegar “caronas” em outras
direções. Não seja emocionalmente dependente! “Corte as cordas dos batéis”, mas não abra mão
é da presença de Deus em sua vida! Pois com Jesus no barco, Ele dá ordem aos ventos para que
se aquietem (como na passagem em que acalma a tempestade: Descrita nos evangelhos de
Mateus 8:23-8:26, Marcos 4:36-4:39 e Lucas 8:22-8:24).
Não seja emocionalmente dependente de seus pais, ou das opiniões dos amigos, ou de
tradições, não tenha medo do novo! Muitas vezes ficamos agarrados ao velho , porque estamos
acostumados, acomodados, porque já entendemos todo aquele sistema... E ninguém, tendo
bebido o vinho velho, prefere o novo, pois diz: O velho é melhor (Marcos 2:39). Mas é quando
surge algo novo, ao nosso ver, que chagamos ao ponto de subir mais um nível, de aprender algo
mais; isso é um desafio!
Mas a verdade é que se você não aceita esse desafio, talvez um nova fase na sua vida
por exemplo, você está deixando de ser quem Deus te criou para ser, e estará ferindo a si
mesmo; e as dores dessa ferida podem não serem percebidas no momento, mas uma hora são
sentidas, chegam ainda que tardiamente.
Com Deus sabemos para onde vamos, só com Ele sabemos aonde vamos parar...
sabemos até para onde estaremos sendo desviados, “para dar em uma ilha, praia ou enseada”,
se necessário parar em uma ilha for...- à exemplo da passagem acima narrada. - Porque Ele é
soberano e tem todo o controle acerca de nossa direção! Trigo nos fala de pão... Jesus é o pão
da vida! Se alimente dEle, de sua Palavra!
O tema superação também nos fala de memorial. De lembranças de superação, como
medalhas de fé e troféus do milagre... É assim que as pedras da dificuldade se tornam em
“pedras preciosas”, raras, para nós, como prêmios de coragem e determinação.

Tendo, pois, todo o povo passado o Jordão, falou o Senhor a Josué, dizendo:
Tomai do povo doze homens, um de cada tribo, e ordenai-lhes, dizendo:
Daqui do meio do Jordão, do lugar onde, parados, pousaram os sacerdotes os pés,
Tomai doze pedras; e levai-as convosco (...) Para que isto seja por sinal entre vós; e,
quando vossos filhos no futuro perguntarem, dizendo: Que vos significam estas pedras?
Então lhes direi que as águas do Jordão se separaram diante da arca do concerto do Senhor.
35
CURA INTERIOR
Assim estas pedras serão para sempre por memorial aos filhos de Israel.” (Josué3/4)

Não se detenha ante as correntezas da vida! As águas do Jordão é que serão detidas
ante a presença do Senhor na sua vida.

CONCLUSÃO:

Você pode chegar do outro lado! Nem que seja agarrado às “tábuas do navio”... Apenas
não desista do seus sonhos.

EXERCÍCIO:

Peça para o Senhor Jesus vir dirigir a sua vida, para tomar o curso do seu barco,
fazendo uma aliança com Ele. Para isso, repita a seguinte oração:
Eu creio que Jesus Cristo é o SENHOR nos céus e na terra. Eu me rendo a Ti,
Senhor Jesus e entrego minha vida a Ti! Venha dirigir e controlar todo o meu viver! Amém.

“Deixe-se ser confrontado”

PENSAMENTOS:

De Walt Whitman:
“Eu sou contraditório. Eu sou imenso.
Há multidões dentro de mim.”

De Paul Ticlich:
“A paixão pela verdade é silenciada por respostas que
tenham o peso da autoridade incontestada.”

De Spinoza:
“A admiração é o pensamento de qualquer coisa que fica
fixado na mente porque não tem ligação com nenhum outro.”

ISAÍAS 45:9
“Ai daquele que contende com o seu Criador, caco entre
outros cacos de barro! Porventura, dirá o barro ao que o
formou: Que fazes?”

PALAVRA DE VIDA 10:

Quando um edifício está sendo levantado, segundo o projeto do arquiteto, apenas este
tem idéia nítida do que ficará pronto; enquanto isso, enquanto a obra vai sendo feita, nós só

36
CURA INTERIOR
vemos poeira, barulho, tijolos, cimento... Mas, como está escrito em filipenses 1:6: “Tendo por
certo, isto mesmo: que Aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará”.
E, conforme vimos a edificação dos muros de Jerusalém, podemos também ser
comparados a pedras... Naquela época, os muros eram feitos de pedras. Pedras grandes e
pequenas emparelhadas, através de encaixe... Isso significa que nossas famílias, nossa
sociedade, nossas Igrejas, são constituídas de “pedras de encaixe”. Pedras diferentes, que
ajustadas, encaixadas, unidas, formam uma estrutura maior.
Mas, nesse encaixe, as pedras maiores, redondas, pontiagudas, sofrem um ajuste,
através do atrito, lixando-se entre si...
Nós precisamos ser confrontados! Por Deus, por nós mesmos, e por quem nos cercar...
para tomarmos forma! Como as pedras “pontiagudas”, serão arredonda nas extremidades; ou as
“redondas”, que serão amassada nas arestas. Isso significa que, apesar de Deus desejar que
conservemos a nossa identidade, individualidade, personalidade, a sua vontade é que cedamos,
andemos em perfeita comunhão e harmonia, uns com os outros, sendo absorvidos uns pelos
outros, contribuindo em nossa singular maneira de ser. Deus é o arquiteto de nossas vidas!

“Quando fixava ao mar o seu limite, para que as águas não


transpassassem os seus limites ; quando compunha os
fundamentos da terra; então, eu estava com ele, e era seu arquiteto.
(...) regozijando-me no seu mundo habitável e
achando as minhas delícias com os filhos dos homens.”
(Prov. 8:29-31) “Pela fé Abraão, sendo chamado, obedeceu,
indo para um lugar que havia de receber, por possessão;
e saiu, sem saber para onde ia.
(...) Porque esperava a cidade que tem fundamento,
da qual o arquiteto e construtor é Deus.”
(Hb. 11:8/10)

Abraão foi o primeiro hebreu da terra, que quer dizer “aquele que atravessa”. Ele
atravessou a fé, saiu da terra de seus pais, alcançou o filho da promessa no tempo de sua
velhice, quando já tinha 100 ano e sua descendência - o povo judeu ou hebreu - peregrinou no
Egito até atravessar o mar vermelho e tomar posse da terra prometida - a terra de Israel. Com ele
Deus fez uma aliança - o antigo testamento - e prometeu que nele seriam benditas todas as
famílias da terra; pois daquele povo nasceria Jesus - o filho de Deus!
Assim como cada célula forma um tecido, que forma órgãos, que formam alguém, que
forma uma família - a célula mátria da sociedade - o corpo de Cristo também é formado por
grupos familiares, ou por representantes das mesmas, que são templos de Deus em si próprios,
já que cada um contribui com seus dons e talentos individuais. E ele, Cristo, é a cabeça do
corpo da igreja (Colossenses 1:18).

“Porque nós somos cooperadores de Deus;


vós sois lavouras de Deus e edifício de Deus.”
(1 Coríntios 3:9)

Não devemos temer o confronto com o outro; viver em sociedade não é algo fácil;
assim com a “vida a dois” também não é fácil; mas viver só também não é bom. “Melhor é serem
dois do que um (...) porque se um cair o outro levanta o seu companheiro (...) e se alguém
prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; o cordão e três voltas não se quebra tão de pressa”
(Eclesiastes 4:9-12).
37
CURA INTERIOR
A psicologia explica que homem não nasceu para ser uma ilha isolada. Pelo contrário,
ele desenvolve a sua força e capacidades relacionando-se com outras pessoas. Pois é no
confronto que descobrimos nossas habilidades e limitações, que somos encorajados e
aprendemos a humildade, isso quando nossas emoções estão saudáveis, sem as distorções do
orgulho, dentre outras tantas que o inimigo usa tentando nos abater.
Assim, Deus permite que sejamos confrontados, através dos nossos semelhantes -
através de pessoas que são completamente diferentes e outras porque são muito parecidas -
Deus nos leva a nos confrontarmos conosco mesmo; e também nos confronta, quando fica em
silêncio, por exemplo, quando nos faz esperar por algo, como o filho da promessa de Abraão...
Dessa forma, ele está aperfeiçoando a Sua obra em nós. Deus permite que sejamos confrontados
para nos tratar e chegarmos aonde Ele planejou que estivéssemos.

“Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios, mas o


Senhor é o mesmo. E há diversidade de operaçöes, mas é o mesmo Deus que opera tudo em
todos. Mas a manifestaçäo do Espírito é dada a cada um, para o que for útil.
Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a
palavra da ciência; E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons
de curar; E a outro a operaçäo de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os
espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretaçäo das línguas. Mas um só e o
mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer. (...)
Porque também o corpo näo é um só membro, mas muitos. Se o pé disser: Porque näo sou mäo,
näo sou do corpo; näo será por isso do corpo? E se a orelha disser: Porque näo sou olho näo sou
do corpo; näo será por isso do corpo? Se todo o corpo fosse olho, onde estaria o ouvido? Se todo
fosse ouvido, onde estaria o olfato?Mas agora Deus colocou os membros no corpo, cada um
deles como quis.
E, se todos fossem um só membro, onde estaria o corpo? Assim, pois, há muitos membros, mas
um corpo. E o olho näo pode dizer à mäo: Näo tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça aos
pés: Näo tenho necessidade de vós. Antes, os membros do corpo que parecem ser os mais
fracos säo necessários; E os que reputamos serem menos honrosos no corpo, a esses honramos
muito mais; e aos que em nós säo menos decorosos damos muito mais honra. Porque os que em
nós säo mais nobres näo têm necessidade disso, mas Deus assim formou o corpo, dando muito
mais honra ao que tinha falta dela;
Para que näo haja divisäo no corpo, mas antes tenham os membros igual cuidado uns dos outros.
De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro
é honrado, todos os membros se regozijam com ele.
Ora, vós sois o corpo de Cristo, e seus membros em particular.
E a uns pôs Deus na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro
doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.
Porventura säo todos apóstolos? säo todos profetas? säo todos doutores? säo todos operadores
de milagres? Têm todos o dom de curar? falam todos diversas línguas? interpretam todos?
Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho mais excelente.”
(1 Coríntios 12)”

É preciso caminhar atrelado com Deus, resgatando a Sua imagem em nós, restaurando
o Seu caráter em nossas vidas! Que possamos absorver as virtudes de Deus em nós, assim
como a sua paz em nosso interior. Quando andamos muito tempo com alguém, acabamos nos
tornando parecidos com essa pessoa.
Mas o corpo só caminha junto se cada um dos membros for capaz de ir cedendo um
pouco. Cada um tem que fazer a sua parte... Pois, se um pé quer ir para um lado e o tronco para
38
CURA INTERIOR
o outro, como o corpo poderá caminhar? Fica estagnado. Como está escrito em Amós 3:3:
“Andarão dois juntos, senão em comum acordo?”
É preciso haver uma concordância, para progredir, avançar, em casa, na Igreja e na
sociedade. Isso requer muitas vezes renúncia, e só um coração bem tratado tem essa habilidade
de ceder em pro de algo maior, em prol do reino de Deus desde aqui na terra, lançando fora toda
visão egoísta; tendo como modelo sempre a abnegação de Cristo, que se despiu de seu trono de
glória para implantar o Seu reino em nós.
Em seu discurso, em Mateus capítulo 21, verso 42, Jesus cita a profecia do Salmo
118:22-23 onde de antemão estava escrito a seu respeito:

A pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular; isto
procede do SENHOR e é maravilhoso aos nossos olhos.

Lembre-se sempre que do Senhor é a vingança e Ele sabe fazer justiça em nosso
favor, tenha isso em mente. No mais, todo homem sejá pronto para ouvir, tardio para falar e tardio
para se irar, porque a ira do homem não opera justiça de Deus. (Tiago 1:20). Esse é um conselho
riquíssimo para se viver em sociedade.

CONCLUSÃO:

Não temas nem se entristeça em ser confrontado!


Deus revela quem somos e quem Ele é a nós mesmos, e usa pessoas para nos
confrontar, o tempo todo, testando, assim, o efeito de Sua palavra em nossas vidas e revelando o
Seu poder, o Seu amor e a Sua justiça a nós.
Deixe-se ser confrontado pela Sua verdade!

EXERCÍCIO:

Quebra de maldições:

1) Copie numa folha a parte as maldições hereditárias, doenças e males que


acompanham a sua família há muitas gerações, para que Deus quebre essa cadeia a partir da
sua vida!
2) Depois, em outra folha, copie todas as brechas de pecado que você já tenha dado
para o mal ter legalidade para agir na sua vida...
(Repita a oração que segue cada uma, em voz alta, diante do mundo espiritual, para o
seu Senhor e Salvador: Jesus Cristo – que levou sobre si as nossas maldições, na cruz do
calvário.)

1) Quebra de maldições hereditárias:

Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões,


e moídos pelas nossas iniqüidades:
O castigo que nos traz a paz estava sobre ele,
e pelas suas pisaduras fomos sarados.
(ISAÍAS 53)

( ) baixa auto-estima
39
CURA INTERIOR
( ) depressão
( ) internações psiquiátricas
( ) suicidas
( ) confusão, perturbação mental
( ) outros distúrbios psiquiátricos
( ) mulambo, miséria
( ) falências
( ) homicidas
( ) criminosos
( ) prisões
( ) vícios (álccol, cigarro, drogas, calmantes)
( ) acidentes físicos
( ) amputações
( ) deficiência física
( ) prostituição
( ) homossexualismo
( ) glutonaria
( ) anorexia, bulimia
( ) diabetes
( ) câncer
( ) hipertensão
( ) esterilidade
( ) abortos
( ) morte precoce, prematura
( ) outras doenças na família _____________________________________________

“Meu Deus e Pai, a tua palavra diz que o Senhor visita até a quarta geração daqueles que te
amam e também daqueles que te aborrecem; por isso, em nome de Jesus, eu te peço agora, que
jogue por terra toda a maldição hereditária na minha vida e na minha descendência, porque Tu és
o meu Senhor e Salvador. Também está escrito que pelas tuas pisaduras eu fui sarado, assim
peço que leve embora toda doença, me cubra com o teu sangue e me limpa do alto da cabeça às
plantas dos pés; joga por terra todas essas maldições que eu listei e outras que não me lembro
da minha vida, em nome de Jesus! Amém.”

2) Aliança com Deus:

Não se achará entre ti


quem faça passar pelo fogo seu filho ou sua filha,
nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro,
nem feiticeiro, nem encantador, nem espiritismo,
nem mágico, nem quem consulte os mortos;
pois todo aquele que faz tal cousa
é abominação ao Senhor. (Deut. 18:10)

Não terás outros deuses além de mim.


Não farás para ti ídolos,
nem figura alguma do que existe em cima,
nos céus, nem embaixo, na terra, nem do que existe
nas águas, debaixo da terra. Não te prostrarás diante deles,
40
CURA INTERIOR
nem lhes prestarás culto, pois eu sou o Senhor teu Deus,
um Deus ciumento. (Êxodo 20 1-3)

( ) leitura de horóscopos;
( ) mapa astral, numerologia;
( ) astrologia, esoterismo;
( ) cartomancia, quiromancia,
( ) passes, possessões;
( ) bruxaria, vuldú;
( ) necromancia;
( ) invocação dos mortos, consulta a espíritos;
( ) serviu entidades;
( ) fez cabeça ou fechamento de corpo;
( ) idolatria;
( ) simpatias;
( ) pactos com entidades;
( ) ingeriu comidas oferecidas a ídolos (são Cosme e Damião);
( ) outras brechas para o mal... ___________________________________________

“Meu Deus e meu Pai, em nome de Jesus, eu te peço perdão por todas essas brechas do meu
passado, que listei, e de outros que me são ocultos, tendo feito-os consciente ou
inconscientemente. Em nome de Jesus, limpa-me pelo teu sangue e joga os meus pecados no
mar do esquecimento. Assim, ó meu Deus, eu confirmo a minha aliança contigo! Eu me consagro
a Ti! Entrego a minha vida nas Tuas mãos, Senhor Jesus! Toma meu destino, escreve o meu
nome no livro da vida e me dá a Tua paz, que excede qualquer entendimento e a tua alegria!
Faça em mim conforme a Tua vontade. Amém
“Adoração”

VIVER

em adoração:

Adorar ao Senhor com todo o ser!


Adorar ao Senhor em todo tempo!
Adorar ao Senhor com todas as forças!
Adorar ao Senhor de todo o entendimento!
Adorar ao Senhor de toda a sua alma!
Unindo-te a Ele, como tens feito até agora...

(Minha adoração espontânea)

PALAVRA DE VIDA 11:

41
CURA INTERIOR
Essa adoração gera respostas, e essas respostas consolo, e esse consolo cura para as
feridas da alma!
Certa vez, ao passar por Samaria, Jesus encontrou uma mulher samaritana e tiveram
uma pequena, mas singela conversa, apesar dos judeus não se darem com os samaritanos...
Então, disse-lhe a mulher:
Nossos pais adoravam neste monte; vós, entretanto, dizeis que é em Jerusalém é o
lugar onde se deve adorar. Disse-lhe Jesus: Mulher, podes crer-me que a hora vem, quando nem
neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não conheceis; nós
adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus.
Mas vem a hora, e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em
espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores. Deus é
espírito, e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade. (João 4: 20-24)
A verdadeira adoração não consiste em ritos ou tradições humanas; mas é uma ligação
direta com o Pai. Daí a diferença entre religiosidade e espiritualidade. Deus deseja que o culto
esteja na nossa vida diária; e não apenas que nossa vida esteja num culto, porque isso tem que
ser apenas uma conseqüência do se andar em adoração - o caminhar para a casa dEle.
Assim, a comunhão entre os irmãos deve ser um habito decorrente da comunhão com
o Pai. O amor vertical nos fala do amor ágape: o amor de Deus; e o amor horizontal nos fala do
amor filos: fraternal. Assim, essa figura do amor horizontal e do amor vertical quando se cruzam
na Igreja, formam exatamente uma cruz, símbolo maior de amor e submissão à vontade do Pai.
Fala ainda de sacrifício, apesar da Bíblia nos revelar não ser nenhum sacrifício congregar-se
entre irmãos:
Oh! Quão bom e quão maravilhoso é que os irmãos vivam em união. É como óleo
precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Arão, e que desce à orla das suas
vestes. Como o orvalho de Hermom, e como o que desce sobre s montes de Sião. Porque ali o
Senhor ordena a benção e a vida para sempre” (Salmo 133).
Mas Deus não quer apenas um culto... Só culto, oferecem também à entidades pagãs.
Deus requer uma vida em adoração, que não se prende a meros rituais.

“Enquanto Paulo operava em Atenas, o seu espírito se revoltava


em face da idolatria dominante na cidade. (...)
Então Paulo, levantando-se do meio do Areópago,
disse: Senhores atenienses! Em tudo vos vejo acentuadamente religiosos;
porque, passando e observando os objetos de vosso culto, encontrei também
um altar, no qual está escrito: AO DEUS DESCONHECIDO.
Pois esse que adorais sem conhecer é precisamente aquele que eu vos anuncio.
(...) nEle vivemos, e nos movemos, e existimos, como alguns de vossos
poetas têm dito: Porque dEle somos também descendência.
Sendo, pois, geração de Deus, não devemos pensar que a
divindade é semelhante ao ouro, à prata, ou à pedra, trabalhados
pela arte e imaginação do homem.” (Atos 17:16/22-23/28-29)

Mas nós não somos muito diferentes desse povo ateniense, da passagem descrita,
quando nos tornamos “religiosos”. Pois um verdadeiro adorador não se confunde com um
religioso apenas. Pois, ainda que demonstre uma adoração acentuada, será uma acentuada
religiosidade se sua adoração não for acompanhada com a vida!
O verdadeiro adorador procura atrair os olhos, a atenção de Deus para si! Em todo
momento se importa em agradá-lo...

42
CURA INTERIOR
Maria, em Betânea, deu uma verdadeira lição nos religiosos fariseus, doutores do
templo, com o seu gesto espontâneo, oriundo de uma íntima adoração, que começou em seu
interior até ser expresso, materializado:

“Ora, estando Jesus em Betânea, aproximou-se dele uma mulher,


trazendo um vaso de alabastro, cheio de precioso perfume de nardo puro; e,
quebrando o alabastro, derramou o bálsamo sobre a cabeça de Jesus.”
(Marcos 14:3)

Dizem os estudioso que aquele perfume não era como os de hoje, era uma flagrância
tão pura e excelente que tornava muito caro o seu valor, sendo o preço do dote de um
casamento. Assim, todas as moças judias, da época em que Jesus viveu, as mais ricas,
guardavam um perfume assim, num vaso de alabastro lacrado, para que fosse vendido para o
seu casamento.
Maria, naquele ato, representava ainda as bodas da Igreja com o cordeiro... E,
particularmente, estava se lançando aos pés de Jesus; depositando nEle todos os seus sonhos.

“... E encheu-se toda a casa com o perfume do bálsamo.”


(João 12:3b)

E Deus nos mostra em Sua Palavra: “Nós amamos Deus porque Ele nos amou
primeiro”(1 João 4:19). Pois, quem de si mesmo ousaria aproximar-se de mim? - diz o Senhor
(Jeremias 30:21b).

Nós somos o bom perfume de Cristo! Exalando cheiro de vida... “Por meio de nós,
manifesta em todo o lugar a fragrância do seu conhecimento. Porque nós somos para com Deus
o bom perfume de Cristo.” (2 Coríntios 2:14-15) E não vos conformeis com este século, mas
transformai-vos pela renovação da vossa mente (Romanod 12:2).

CONCLUSÃO:

Na adoração não importa o “como se fala”, mas “o que se fala”; porque ela é
essencialmente um sentir! Suas expressões são apenas conseqüência de uma íntima paixão pelo
Deus invisível!
A linguagem moderna do mundo é o marketing: a arte de vender o produto. Em uma
sociedade de consumo, onde o prazer não está naquilo que se adquire, mas no próprio poder de
consumir... a linguagem de Deus fala sozinha! A Palavra de Deus fala por si mesma... Independe
de ritos, títulos, rótulos!
Porém, a adoração não é difícil de ser explicada, tem que ser vivida! Para entender a
adoração, só adorando...

EXERCÍCIO:

Coloque louvores e adore a Deus!

43
CURA INTERIOR
“Transformando maldições em bençãos”

Ençãos que serão lançadas do monte Gerizim! Deuteronômio 28):

E será que se ouvires a voz do Senhor teu Deus,

B tendo cuidado de guardar todos os seus mandamentos que Eu te ordeno hoje, o


Senhor teu Deus te exaltará sobre todas as nações da terra.
E todas estas bençãos virão sobre ti e te alcançarão,
quando ouvires a voz do Senhor teu Deus.

Bendito serás tu na cidade, e bendito serás no campo.


Bendito o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra,
e o fruto dos teus animais.
bendito o teu cesto e a tua amassadeira;
bendito serás ao entrares e bendito serás ao saíres.

O Senhor entregará os teus inimigos, que se levantarem contra ti,


Feridos diante de ti; por um caminho sairão contra ti,
mas por sete caminhos fugirão diante de ti.
O Senhor mandará que a benção esteja contigo,
nos teu celeiros, e em tudo que puseres a tua mão:
e te abençoarás na terra que te der o Senhor teu Deus.
44
CURA INTERIOR

O Senhor te confirmará para si por povo santo (...)


E os povos da terra verão que és chamado pelo nome do Senhor,
E terão terror de ti. (...)
O Senhor te abrirá o Seu bom tesouro,
O céu para dar chuva à terra a seu tempo,
e para abençoar a obra das tuas mãos;
e emprestarás a muitas gentes,
porém tu não tomarás emprestado.

E o senhor te porá por cabeça,


e não por cauda; e só estarás por cima,
e não por baixo, quando obedeceres aos mandamentos do Senhor.
(...) E não te desviarás de todas as palavras que hoje te ordeno,
nem para a direita, nem para a esquerda,
para andares após outros deuses para os servires.

PALAVRA DE VIDA 12:

Deus nos faz uma benção para sermos bênção na vida de outras pessoas também;
pois Deus criou o homem como um ser social, que depende de relacionamentos inter-pessoais
para desenvolver todo o seu potencial. Na psicologia existe um termo chamado sublimação.
Sublimar significa direcionar uma emoção, uma situação negativa em direção positiva... Deus faz
assim conosco: Ele nos recicla! Para que o nosso passado possa edificar o futuro de alguém
também. Ele transforma situações adversas em oportunidades de crescimento, para que nós
alcancemos vitórias.
Deus enxerga o nosso interior e sabe de toda a nossa história. Só Ele sabe quem nós
verdadeiramente somos. Só Ele sabe tudo o que vivemos e ainda vamos viver. E Ele nos promete
estar conosco, “ainda que andemos pelo vale da sombra da morte” (Sl. 23:4). Porque nEle nos
movemos e existimos.
Se estendo a mão, Ele está lá! Se desço ao abismo, Seu amor me persegue. Se subo
aos céus esse amor me constrange! Por quão imensurável é o Seu amor por mim e por você!
É por este amor que me torno uma benção! Pois “certamete que bondade e
misericórdia me seguirão todos os dias e habitarei na casa do Senhor por longos dias.” (Sl. 23:6).
É nesse amor que meu vaso transborda... Um amor tão grande que não posso contê-lo dentro
mim mesmo, mas que sobrepuja, é repartido, compartilhado, derramado sobre outros vasos, para
outros vasos... Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a
perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? (Romano 8:35).
É na força e pelo poder desse amor que me transformo! É na força e no poder desse
amor que sinto sair virtude para abençoar outras vidas... É na força e poder desse amor que
conquisto bençãos e bençãos assim na terra como se vai decretando no céu. Pois a bondade e a
benção passam a me perseguir todo dia. Ainda que não queiramos fazer o bem hoje, lá estamos
nós, sendo impelidos e abençoados pelo Senhor.
“...de sorte que, enraizados e fundados no amor, possais compreender, qual é a largura
e o comprimento, a altura e a profundidade e conhecer, enfim, o amor de Cristo que excede todo
45
CURA INTERIOR
o conhecimento, para serdes repletos da plenitude de Deus" (Ef 3,17-19). Isso significa que pode
o mundo inteiro não saber, ou não querer descobrir esse amor, mas eu nele mergulhado e o
desfruto. Ou seja: não devo me importar com o que os outros pensam!
A coragem não é ausência de medo, mas é ter algo por mais importante do que o
próprio medo, já se dizia isso num filme – O diário da princesa – para ser mais exata. Assim
também é a benção do reino de Deus, a qual é comparada na Bíblia com um tesouro escondido,
ao qual um homem achando vai e vende tudo o que é seu para adquiri-lo – Mateus 13:44.
Também diz as Escrituras que onde estiver o nosso coração, aí está o nosso tesouro...
Assim foi com Gideão, como o Senhor, por meio dele, livrou a Israel dos Midianitas.
Narra a Bíblia que os midianistas haviam escravizado Israel, e sempre que eles plantavam,
vinham os homens e roubavam toda a sua colheita, de modo que os judeus estavam
amedrontados, apenas Gideão se mantinha indignado com a afronta dos midianitas contra o povo
de Deus, e malhava o trigo escondido no lagar.

“Então o anjo do Senhor veio, e assentou-se debaixo do carvalho


que está em Ofra; e Gideão, seu filho, estava malhando o trigo no lagar,
para o salvar dos midianitas. Então o anjo do Senhor lhe apareceu, e lhe disse:
O Senhor é contigo, varão valoroso! Mas Gideão lhe respondeu:
Ai, Senhor meu! Se o Senhor é conosco, porque tudo isto nos sobreveio? (...)
Então o Senhor olhou para ele, e disse: Vai nesta tua força e livrarás a Israel da mão dos
midianitas: Porventura não te enviei Eu? E ele lhe disse: Ai, Senhor meu, com que livrarei Israel?
Eis que o meu milheiro é o mais pobre de Manassés,
e eu o menor na casa de meu pai. E o Senhor lhe disse: Porquanto eu hei de ser contigo,
tu ferirás os midianitas como se fossem um só homem.” (Juízes 6:12-16)
“(...) Chegou pois Gideão, e os cem homens que com ele iam,
ao extremo do arraial, ao princípio da vigília da meia-noite, havendo-se já posto as
guardas: e tocaram as buzinas, e partiram os cântaros de barro, e restaram nas suas mãos
esquerdas as tochas acesas, e nas suas mãos direitas as buzinas que tocavam;
e exclamavam: Espada do Senhor e de Gideão!”

Gideão e seus homens chegaram-se ao arraial inimigo com tochas acesas para
iluminar o caminho, mas dentro de vasos de barro para que não percebessem a presença deles
naquele lugar; até que ao sinal das buzinas, os homens quebraram seus cântaros, anunciando a
invasão... E Deus deu a vitória!
Somos vasos de barro e Deus o Oleiro. Do pó o Senhor nos levantou, mas soprou
sobre nós a Sua vida... A luz de Jesus está presente em nós! Somos candeias acesas pelo
Espírito Santo.
E, ninguém acende uma lâmpada para mantê-la debaixo da cama, mas põe-na no
velador, para que os que entram vejam a luz. Porque não há coisa oculta que não venha a ser
revelada, nem escondida que não seja descoberta. Que o brilho de Jesus em nós dissipe toda
treva que, porventura, ainda reste em nós mesmos...
Deus revela o que há de mais profundo no nosso ser, desbloqueando qualquer trauma;
porque o Espírito do Senhor é o maior terapeuta e consolador que podemos desfrutar! Devemos
contar tudo para Ele, dialogar com Ele, para que possamos ser revelados pelo Seu amor...
Lançando sobre Ele toda a vossa ansiedade, porque Ele tem cuidado de vós. (I Pedro 5:7).
É assim que tristezas viram superação; conflitos viram novidade de vida; perdas viram
força, pelo novo e vivo caminho... Jesus disse: Eu sou o caminho, a verdade e a vida (João 14:6).
Passando por Ele, por esse caminho, em lugar da vossa vergonha, tereis dupla honra; em lugar

46
CURA INTERIOR
da vossa afronta, exultareis na vossa herança, e possuireis o dobro e tereis perpétua alegria (Is.
61:7).

“Ordena acerca dos tristes de Sião que se lhes dê ornamento por cinza,
óleo de gozo por tristeza, vestido de louvor por espírito angustiado; a fim de que se
chamem carvalhos de justiça plantados pelo senhor.” (Isaías 61:3)

Carvalho, aponta para força! Deus quer nos tornar fortes nEle e preparados para
receber todas as bênçãos que tem separado para nós. E aconteceu que, quando Faraó deixou o
povo ir, Deus não os levou pelo caminho da terra dos filisteus, que estava mais perto, porque
Deus disse: Para que porventura o povo não se arrependa,vendo guerra e tornem ao Egito.
(Êxodo 13:17).
Assim há um tempo determinado por Deus para todas as coisas em nossas vidas,
porque só Ele nos conhece por inteiro e vê adiante de nós.
Que você possa dizer, ao terminar de ler esse livro, como no salmo 57:7: “Preparado
está meu coração, ó Deus, preparado está meu coração.”
Que possamos aprender de Jesus, que é mando e humilde de coração, e
encontraremos descanso para nossas almas! (Mateus 11:29).
E como disse Benjamin Franklin, “Você ama a vida? Então não desperdice tempo, pois
é dele que a vida é feita”. Assim, não desperdice tempo ruminando ofensas, digerindo amarguras,
alimentando invejas... Você foi presenteado por Deus com o dom da vida! Você só tem essa vida,
você só pode ser você mesmo. Então viva, na sua singular maneira de ser e desfrute sua
existência na terra!

CONCLUSÃO:

Somos transformados numa benção por Deus, ainda, para abençoarmos outras
pessoas e recebermos também as bênçãos de Deus por completo. E o Senhor virou o cativeiro
de Jô,quando orava pelos seus amigos; e o Senhor acrescentou a Jô outro tanto em dobro a tudo
quanto antes possuía (Jó 42:10).

EXERCÍCIO:

Pense em três pessoas e se coloque, por três dias orando pela vida delas, cumprindo,
assim, o chamado que o Senhor delegou não a anjos, mas a nós: Seus filhos.
E, ao final desses dias, IDE (tal como a rainha Ester ousou ir ter com o rei Assuero,
mesmo não tendo sido convidada – Livro de Ester, Bíblia, capítulo 5), passe para essas pessoas,
pelas quais você se colocou em oração, o convite do verdadeiro Rei: JESUS, em seu “Vinde a
mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei.” (Mateus 11:28).

Que a paz de Jesus nos guarde e nos renove a cada dia! Amém.

47
CURA INTERIOR

48