Sie sind auf Seite 1von 13

Relatório de materiais e equipamentos de

propriedade da Ecoeficiência

Janeiro de 2016

Analisador de energia Yokogawa


ESPAÇO PARA SUMÁRIO

Analisador de energia Yokogawa


Analisador de energia Yokogawa CW240

Figura 1 - Analisador de energia Yokogawa CW240.

Definições

Área: Elétrica.

Descrição: O HMHS Britannic foi um navio de passageiros britânico construído pelos


estaleiros da Harland and Wolff em Belfast para a White Star Line. Originalmente
chamado de Gigantic, foi o terceiro navio da Classe Olympic de transatlânticos depois
do RMS Olympic e o RMS Titanic. Sua construção começou em novembro de 1911 e
ele foi lançado em 26 de fevereiro de 1914. O Britannic foi pensado para ser o maior, o
mais seguro e o mais luxuoso navio de sua classe, tendo seu desenho e projeto
alterados após o naufrágio do Titanic em abril de 1912.

Equipamentos relacionados:

Garra de corrente 2, 50, 200 e 500 A; Garra de corrente Rogowski; Garra de tensão;
Carregador de bateria para analisador de energia; Cartão de memória.

Materiais relacionados:

Gel da vazão (p.ex.)

Analisador de energia Yokogawa


Exemplos
1. Um manômetro apresentou em seu display o valor de 2,89 bar e sua incerteza
de medição é de ±0,05 bar. Utilizando os dados do certificado de calibração
apresentados abaixo, expresse o real valor medido por este equipamento.

Pressão do Pressão Tendência


SM P [bar] do SM C [bar]
[bar]
0,00 -0,02 -0,02
1,00 1,03 0,03
2,00 2,09 0,09
3,00 3,16 0,16
4,00 4,21 0,21

2. Um manômetro apresentou em seu display o valor de 2,50 bar e sua incerteza


de medição é de ±0,05 bar. Utilizando os dados do certificado de calibração
apresentados abaixo, expresse o real valor medido por este equipamento.

Analisador de energia Yokogawa


Pressão do Pressão Tendência
SM P [bar] do SM C [bar]
[bar]
0,00 -0,02 -0,02
1,00 1,03 0,03
2,00 2,09 0,09
3,00 3,16 0,16
4,00 4,21 0,21

Analisador de energia Yokogawa


INCERTEZA DE MEDIÇÃO
Definições
𝑼 Incerteza expandida: Incerteza considerando todas as fontes de incerteza e em
uma probabilidade de abrangência de 95% (3 );

𝒖𝒊 Incerteza padrão: contribuição de uma fonte de incerteza em uma probabilidade de


abrangência de 68% (2 );

SMC Sistema de medição a calibrar: Considerado o conjunto equipamento-sonda


daquilo que se pretende calibrar. No caso de equipamentos que meçam diretamente,
sem necessidade de sonda, o SMC é o próprio equipamento.

SMP Sistema de medição padrão: Considerado o conjunto equipamento-sonda


utilizado como referência nas calibrações.

Graus de liberdade (𝒗𝒊 ): A norma ISO GUM 2008 recomenda a utilização da equação
de Welch-Satterwaite para calcular o grau de liberdade, baseado nos graus de
liberdade de cada fonte de incerteza. Para contribuições da incerteza Tipo A
(distribuição normal de probabilidade), consideramos como graus de liberdade o
número de leitura menos 1 vez o número de pontos de calibração. Para os graus de
liberdade referente a contribuições da incerteza Tipo B (distribuição retangular ou
triangular), vamos considerar 𝑣𝑖 igual a infinito ().

Fator de abrangência (k): O valor do fator k é escolhido com base no nível de


confiança requerido para o intervalo. Em geral, k é usado entre 2 e 3. Portanto, para
aplicações especiais, k poderá ser determinado conforme o nível de confiança
requerido, de acordo com a distribuição normal ou t-Student.

Distribuição De Probabilidade
Distribuição de probabilidade Retangular: Quando não há conhecimento específico
sobre os valores possíveis de 𝑋dentro de um intervalor (−𝑎, +𝑎), pode-se somente
assumir que é igualmente provável que 𝑋 esteja em qualquer lugar dentro dele (uma
distribuição uniforme ou retangular de valores possíveis).

Assim, para os cálculos de incerteza que envolver distribuições do tipo retangular a


incerteza padrão será dada por:

Analisador de energia Yokogawa


𝑎
𝑢𝑖 =
√3

Distribuição de probabilidade Triangular: É caracterizada por apresentar máximas


de probabilidade para o valor médio e decrescer linearmente até zero nos limites
dados por
𝑋 − 𝑎 e 𝑋 + 𝑎, e zero fora destes.

Assim, para os cálculos de incerteza que envolver distribuições do tipo retangular a


incerteza padrão será dada por:
𝑎
𝑢𝑖 =
√6

Distribuição de probabilidade Normal: A soma de dois ou três dados é uma variável


discreta, isto é, pode assumir apenas alguns valores inteiros e bem definidos. Porém,
frequentemente, encontra-se na natureza funções aleatórias contínuas, as quais,
podem assumir qualquer valor real dentro do intervalo (-, +) o que caracteriza uma
distribuição normal ou gaussiana. O valor da incerteza padrão (𝑢𝑖 ) neste caso é dado
pelo desvio padrão experimental da média, ou seja:
𝑠
𝑢𝑖 =
√𝑛

Sendo n o número de repetições e s o desvio padrão experimental, calculado por:

Analisador de energia Yokogawa


∑𝑛 (𝑥𝑖 − 𝑥̅ )2
𝑆 = √ 𝑖=1
𝑛−1

Fontes De Incerteza
Nos instrumentos utilizados pela Ecoeficiência haverá no mínimo as fontes de
incerteza descritas a seguir:

1. Resolução do SMC e Resolução do SMP: Atribui-se à estas fontes a menor


divisão do instrumento dividido por 2 e distribuição de probabilidade retangular.
2. Repetibilidade do SMC e do SMP: A repetibilidade representa como o
instrumento repete os valores quando submetido a uma mesma condição. Esta
fonte de incerteza, em função de sua distribuição de probabilidade ser do tipo
normal, é calculada através da equação a seguir:

𝑆
𝑅𝑒𝑝𝑒𝑡𝑖𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 =
√𝑛

Sendo 𝑛 o número de repetições e 𝑆 o desvio padrão experimental.

3. Incerteza do Padrão: A incerteza do padrão é obtida do certificado de


calibração do SMP cujo valor é dividido pelo fator de abrangência k, obtido
também no certificado.

𝑢𝑐𝑒𝑟𝑡𝑖𝑓𝑖𝑐𝑎𝑑𝑜
𝑢𝑖 =
𝑘

Fontes de incerteza específicas:

4. Histerese: A histerese, fonte de incerteza presente em instrumentos de


medição mecânica como manômetros, é calculada utilizando a seguinte
equação:

𝐻𝑖𝑠𝑡𝑒𝑟𝑒𝑠𝑒𝑛 = 𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟_𝐴𝑣𝑎𝑛ç𝑜𝑛 − 𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟_𝑅𝑒𝑡𝑜𝑟𝑛𝑜𝑛

𝐻𝑖𝑠𝑡𝑒𝑟𝑒𝑠𝑒1 + 𝐻𝑖𝑠𝑡𝑒𝑟𝑒𝑠𝑒2 + ⋯ + 𝐻𝑖𝑠𝑡𝑒𝑟𝑒𝑠𝑒𝑛


𝐻𝑖𝑠𝑡𝑒𝑟𝑒𝑠𝑒 =
𝑛

5. Dilatação térmica dos corpos de prova: Em calibrações que envolvam


medições do SMC e SMP em corpos de prova como blocos metálicos para
calibração de espessura, faz-se necessário calcular a dilatação dos blocos em
decorrência da mudança de temperatura da peça entre o início e o término das
medições.

Analisador de energia Yokogawa


COEFICIENTE DE SENSIBILIDADE
Podemos dizer que o coeficiente de sensibilidade é um valor numérico que transforma
para a unidade de medida do mensurando o efeito causado no mesmo pela variação
de outras grandezas que o afetam.

O 𝑐𝑖 é calculado pela derivada parcial da função (modelo matemático) em relação a


variável para a qual se deseja o 𝑐𝑖 ou seja:

𝜕𝑓
𝑐𝑖 =
𝜕𝑥𝑖

Obs.: Quando a estimativa de entrada 𝑥𝑖 estiver na mesma unidade de medida da


estimativa de saída 𝑦𝑖 , considerar normalmente 𝑐𝑖 igual a 1.

INCERTEZA PADRÃO COMBINADA


A combinação das incertezas padrão, realizada utilizando a equação a seguir
representa a incerteza de todo o processo de calibração para uma probabilidade de
abrangência de 68 % (2 ).

𝑢𝐶 = √𝑢12 + 𝑢22 + ⋯ + 𝑢𝑛2

A expressão para se determinar esta incerteza padrão combinada no caso de


grandezas não correlacionadas é apresentada por:
𝑛
𝜕𝑦 2 2
𝑢𝑐2 (𝑦) = ∑ ( ) . 𝑢 (𝑥𝑖 )
𝜕𝑥𝑖
𝑖=1

Em que 𝑢(𝑥𝑖 ) é a incerteza padrão associada com a grandeza de entrada 𝑥𝑖 . As


derivadas parciais 𝜕𝑦⁄𝜕𝑥𝑖 calculadas no ponto 𝑥𝑖 são denominadas coeficientes de
sensibilidade, pois descrevem como a estimativa de y varia com pequenas mudanças
nos valores das estimativas das grandezas de entrada 𝑥1 , 𝑥2 , ... , 𝑥𝑛 .

GRAUS DE LIBERDADE
A quantidade de graus de liberdade 𝑣𝑒𝑓𝑓 é calculada através da equação de Welch
Sattethrwaite associados à incerteza combinada 𝑢𝐶 . A equação utilizada está
apresentada a seguir.

Analisador de energia Yokogawa


𝑢𝑐4
𝑣𝑒𝑓𝑓 =
𝑢𝑖4
∑𝑛𝑖=1
𝑣𝑖

INCERTEZA EXPANDIDA
A incerteza expandida (𝑈) é calculada para uma probabilidade de abrangência de
95 % é calculada através da equação seguinte.

𝑈 = 𝑘. 𝑢𝑐

Exemplo: Em um banho termostatizado foram imersos dois sensores de temperatura


com intuito de calibrar um instrumento (SMC) com o padrão (SMP). Ambos
instrumentos possuem display digital de resolução de 0,01 ºC. O SMP possui incerteza
expandida ( 𝑈 ) obtida de seu certificado de calibração de ±0,20 ºC e fator de
abrangência k=2. A tabela de dados obtida durante o processo de calibração está
descrita abaixo. Calcule a incerteza expandida (𝑈) para o SMC.

Set-point do banho SMP [ºC] SMC [ºC]


9,98 10,05
9,97 10,05
9,98 10,04
10,0 ºC 9,98 10,04
9,97 10,04
9,98 10,04
9,97 10,04

Primeiramente listamos as incertezas inerentes à calibração:

1. Incerteza da resolução do SMP ;


2. Incerteza da resolução do SMC;
3. Repetibilidade do SMP;
4. Repetibilidade do SMC;
5. Incerteza expandida 𝑈 do certificado de calibração do SMP.

Na sequência obtemos os valores de cada fonte de incerteza e seu tipo de


probabilidade:

1. Incerteza da resolução do SMP


A resolução do SMP é de 0,01 ºC. O valor para o cálculo é dados por:
𝑅
𝑎=
2
Neste caso:
0,01
𝑎= ≫ 𝟎, 𝟎𝟎𝟓 º𝑪
2

Analisador de energia Yokogawa


Por se tratar de um instrumento digital, se ele medir 9,996 ou 10,004, o display
fornecerá o valor de 10,00 ºC, caracterizando uma distribuição de
probabilidade retangular, cujo divisor é √3.

2. Incerteza da resolução do SMC


A resolução do SMC é de 0,01 ºC. O valor para o cálculo é dados por:
𝑅
𝑎=
2
Neste caso:
0,01
𝑎= ≫ 𝟎, 𝟎𝟎𝟓 º𝑪
2

Por se tratar de um instrumento digital, se ele medir 9,996 ou 10,004, o display


fornecerá o valor de 10,00 ºC, caracterizando uma distribuição de
probabilidade retangular, cujo divisor é √3.

3. Repetibilidade do SMP
𝑆
𝑅𝑒𝑝𝑒𝑡𝑖𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 =
√𝑛

Número de repetições: 7

Média (𝑥̅ ): 9,976 ºC

Cálculo do desvio padrão (S):

∑𝑛 (𝑥𝑖 − 𝑥̅ )2
𝑆 = √ 𝑖=1
𝑛−1

(9,98 − 9,976)2 + (9,97 − 9,976)2 + (9,98 − 9,976)2 + (9,98 − 9,976)2 + (9,97 − 9,976)2 + (9,98 − 9,976)2+(9,97 − 9,976)2
𝑆=√
7−1

𝑆 = 0,005

0,005
𝑅𝑒𝑝𝑒𝑡𝑖𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 = ≫ 𝟎, 𝟎𝟎𝟏𝟖𝟗 º𝑪
√7

4. Repetibilidade do SMC
𝑆
𝑅𝑒𝑝𝑒𝑡𝑖𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 =
√𝑛

Número de repetições: 7

Média (𝑥̅ ): 10,043 ºC

Cálculo do desvio padrão (S):

Analisador de energia Yokogawa


∑𝑛 (𝑥𝑖 − 𝑥̅ )2
𝑆 = √ 𝑖=1
𝑛−1

(10,05 − 10,043)2 + (10,05 − 10,043)2 + (10,04 − 10,043)2 + (10,04 − 10,043)2 + (10,04 − 10,043)2 + (10,04 − 10,043)2 +(10,04 − 10,043)2
𝑆=√
7−1

𝑆 = 0,005

0,005
𝑅𝑒𝑝𝑒𝑡𝑖𝑏𝑖𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 = ≫ 𝟎, 𝟎𝟎𝟏𝟖𝟗 º𝑪
√7

5. Incerteza expandida 𝑼 do certificado de calibração do SMP.

Do certificado de calibração obtemos o valor de incerteza expandida 𝑈 de 0,20 ºC


e fator de abrangência k=2.

Montagem da planilha: Após obtenção dos dados é possível preencher a planilha


de cálculo conforme exemplo abaixo.
Coeficiente de Porcentagem
Fontes de Incerteza Incerteza Graus de
Distribuição sensibilidade ci de
Símbolo Divisor Padrão liberdade
Valor de probab. contribuição
Nome Unid. Valor Unidade ui [bar] ν
(+/-) [%]
Resolução
ures.SMC 0,005 ºC Retangular √3 1 ºC 0,002887 ∞ 0,0831
do SMC
Resolução
ures.SMP 0,005 ºC Retangular √3 1 ºC 0,002887 ∞ 0,0831
do SMP
Repetibilida
urepet.SMC 0,00189 ºC Normal 1 1 ºC 0,001890 6 0,0356
de do SMC
Repetibilida
urepet.SMP 0,00189 ºC Normal 1 1 ºC 0,001890 6 0,0356
de do SMP
Calibração
uCalSMP 0,2 ºC Normal 2 1 ºC 0,100000 ∞ 99,7625
do SMP

A incerteza padrão combinada será calculada conforme a equação:

𝑢𝐶 = √𝑢12 + 𝑢22 + ⋯ + 𝑢𝑛2

Assim temos:

𝑢𝐶 = √0,0028872 + 0,0028872 + 0,0018902 + 0,0018902 + 0,12

𝒖𝑪 = 𝟎, 𝟏𝟎𝟎𝟏𝟏𝟖𝟗𝟖 º𝑪

O grau de liberdade poderá ser calculado com as fontes de incerteza não infinitas
através da equação:

0,10011898
𝑣𝑒𝑓𝑓 =
0,0018904 0,0018904
( 6 + 6 )

𝑣𝑒𝑓𝑓 = 23.623.256,49

Dessa forma, assume como 𝑣𝑒𝑓𝑓 = ∞

Analisador de energia Yokogawa


Assumindo um fator de abrangência k=2 (valor usual) temos como incerteza
expandida (U):

𝑈 = 𝑘. 𝑢𝑐

𝑈 = 2𝑥0,10011898

𝑈 = 0,200238

𝑼 = ±𝟎, 𝟐 º𝑪

Fluxograma das atividades

Início

Passo 1:Descrver o sistema


de medição

Passo 2: Calcular a incerteza


de cada componente

Passo 3: Calcular a incerteza


combinada

Passo 4: Calcular a incerteza


expandida

Passo 5: Expressar o
resultado da medição

Fim

Analisador de energia Yokogawa