Sie sind auf Seite 1von 5

1

Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências


Humanas da Universidade de São Paulo (DF-FFLCH-USP).
Disciplina: FLF0465: Estética III: “Estetização da vida na modernidade
artística”.
Área: Filosofia – 2º. Semestre de 2018.
Professor: Ricardo N. Fabbrini.
Turmas: 2018201 - 2018202 1

Trabalho de fim de curso

Escolha um dos seguintes temas:

1ª) Comente a seguinte afirmação: “Esse efeito, de que os dândis fizeram seu
ideal, exerce um fascínio que se encontra em paragens bem distantes do
dandismo: nos autores de ready-made, por exemplo. Pois, contentando-se
com uma mudança na orientação de um objeto, com um leve deslocamento,
com uma transformação de nome, Marcel Duchamp talvez satisfizesse sua
preguiça; ele talvez perseguisse uma empresa de derrisão; mas, ao mesmo
tempo, aplicava um projeto consertado das energias ínfimas. Nessa chave da
economia dos meios, o mutismo do gesto terá um alto rendimento. A
parcimônia de linguagem é sempre bela. O gesto silencioso e medido,
desencadeando por si só a transformação de sentido de uma situação,
representará, portanto, um caso notável do efeito estético, pelo menos como
ele é aqui encarado” (cf. Jean Galard, “A beleza do gesto.” São Paulo, Editora
da Universidade de São Paulo, 1997, p.51).

2ª) Comente a seguinte afirmação “O dandismo é toda uma maneira de ser


que não se resume ao aspecto materialmente visível. É uma maneira de ser
inteiramente composta de nuances (...) O dandismo (...) brinca com a regra e,
contudo, respeita-a ainda. (...) Para jogar esse jogo é preciso ter a seu serviço
todas as levezas que fazem a graça, tal como os matizes do prisma, ao se
reunirem, formam a opala”. (cf. Barbey d´Aurevilly, O dandismo e George
Brummell. In “Manual do dândi: a vida como estilo”. org. Tomaz Tadeu. Belo
Horizonte, Autêntica Editora, 2009, p. 130-131).

3ª) Comente a seguinte afirmação: “O dandismo é o último rasgo de heroísmo


nas decadências (...) O dandismo é um sol poente; como o astro que declina, é
magnífico, sem calor, e cheio de melancolia”. (Charles Baudelaire, O Pintor da
Vida Moderna. In “A modernidade de Baudelaire”: org. Teixeira Coelho. São
Paulo, Paz e Terra, 1988, p. 196-197).

4ª) Comente a seguinte afirmação: “Assim ele vai, corre, procura. O que?
Certamente esse homem, tal como o descrevi, esse solitário dotado de uma
imaginação ativa, sempre viajando através do grande deserto de homens, tem
um objetivo mais elevado do que a de um simples flâneur, um objetivo mais
geral, diverso do prazer efêmero da circunstância. Ele busca esse algo, ao qual
se permitirá chamar de Modernidade; pois não me ocorre melhor palavra para
exprimir a ideia em questão. Trata-se, para ele, de tirar da moda o que esta
2

pode conter de poético no histórico, de extrair o eterno do transitório”.


(Charles Baudelaire, O Pintor da Vida Moderna. In “A modernidade de
Baudelaire”: org. Teixeira Coelho. São Paulo, Paz e Terra, 1988, p. 173).

5ª) Comente a seguinte afirmação: “É uma sensação forte, é verdade – por


que negar a força de Ingres? – mas de uma ordem inferior, quase doentia. É
quase uma sensação negativa, se pudesse me exprimir assim. Na verdade, é 2
preciso confessar imediatamente que o célebre pintor, revolucionário à sua
maneira, tem méritos, e mesmo encantos, de tal forma incontestáveis e cuja
fonte analisarei daqui a pouco que seria pueril não constatar aqui uma lacuna,
uma privação, um enfraquecimento no jogo das faculdades espirituais. A
imaginação que alimentava esses grandes mestres, desnorteados em sua
ginástica acadêmica, a imaginação, a rainha das faculdades, desapareceu. Já
não há imaginação; logo, já não há movimento (...). Courbet, igualmente, é
um poderoso operário, uma selvagem e paciente vontade; e os resultados que
obteve – resultados que para alguns espíritos têm mais charme do que os do
grande mestre da tradição rafaelesca -, certamente por causa de sua solidez
positiva e de seu amoroso cinismo, revelam, como estes últimos, esta
singularidade: manifestam um espírito sectário, aniquilador de faculdades.”
(Charles Baudelaire, A Exposição Universal de 1855. In “A modernidade de
Baudelaire”: org. Teixeira Coelho. São Paulo, Paz e Terra, 1988, p. 42-43).

6ª) Comente as seguintes passagens: a) “Quando atravessava a avenida, com


certa precipitação para livrar-me dos carros, a minha auréola se desprendeu e
foi cair na lama do asfalto. Ainda tive, felizmente, tempo de apanhá-la: no
entanto, durante uns breves instantes insinuou-se no meu espírito a idéia de
que isso podia constituir um mau presságio. Desde então, a idéia não quis me
largar, tirando-me o sossego durante todo o dia”. (Charles Baudelaire,
Projéteis, XI. In “Poesia e prosa: volume único”. Rio de Janeiro, Nova Aguilar,
1995, p. 511).
b) “___ MAS O QUE? Você por aqui, meu caro? Você em tão mau lugar! você,
o bebedor de quintessências! Você, o comedor de ambrosia! Francamente, é
de surpreender.
___ Meu caro, você bem conhece o meu pavor dos cavalos e das carruagens.
Ainda há pouco, quando atravessava a toda pressa o bulevar, saltitando na
lama, através desse caos movediço onde a morte surge a galope de todos os
lados a um só tempo, a minha auréola, num movimento precipitado,
escorregou-me da cabeça e caiu no lodo do macadame. Não tive coragem de
apanhá-la. Julguei menos desagradável perder as minhas insígnias do que ter
os ossos rebentados. De resto, disse com meus botões, há males que vêm
para bem. Agora posso passear incógnito, praticar ações vis, e entregar-me à
crápula, como os simples mortais. E aqui estou igualzinho a você, como está
vendo!
____ Você deveria ao menos pôr um anúncio, ou comunicar a perda a um
comissário.
____ Ah! não. Estou bem assim. Só você me reconheceu. Aliás, a dignidade
me entedia. Depois, alegra-me pensar que talvez algum mau poeta encontre a
auréola e com ela impudentemente se adorne. Fazer alguém feliz, que prazer!
3

E sobretudo um feliz que me fará rir! Pense no X., ou no Z.!,Hein! como será
engraçado! (Charles Baudelaire, Pequenos poemas em prosa, XLVI: Perda da
auréola . In “Poesia e prosa: volume único”. Rio de Janeiro, Nova Aguilar,
1995, p. 333).

7ª) Comente a seguinte afirmação: “Baudelaire não encontrou, como Gautier,


satisfação em sua época; nem como Leconte de Lisle pôde enganar-se com 3
relação a ela. Para ele, o idealismo humanitário de um Lamartine ou de um
Hugo não estava disponível; nem lhe foi dado, como a Verlaine, refugiar-se na
devoção. Como não possuía nenhuma convicção, estava sempre assumindo
novos personagens. Flâneur, apache, dândi e trapeiro, não passavam de
papéis entre outros. Pois o herói moderno não é herói – apenas representa o
papel de herói. A modernidade heroica se revela como uma tragédia onde o
papel do herói está disponível” (cf. Walter Benjamin, A Modernidade. In
“Walter Benjamin, obras escolhidas III: Charles Baudelaire: um lírico no auge
do capitalismo”, São Paulo, Brasiliense, 1989, p. 94).

8ª) Comente a seguinte afirmação: “É a partir da estética primeira que se pode


colocar a questão das práticas estéticas, no sentido em que entendemos, isto
é, como formas de visibilidade das práticas da arte, do lugar que ocupam, do
que fazem no que diz respeito ao comum. As práticas artísticas são maneiras
de fazer que intervêm na distribuição geral das maneiras de fazer e nas suas
relações com maneiras de ser e formas de visibilidade”. (Jacques Rancière, A
partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34, 2005, p.17).

9ª) Comente a seguinte afirmação: “Uma primeira tentativa de um novo modo


de comportamento já foi obtida com o que chamamos de deriva, que é a
prática de uma superação passional pela mudança rápida de ambiências, ao
mesmo tempo que um meio de estudo da psicogeografia e da psicologia
situacionista. Mas a aplicação dessa vontade de criação lúdica precisa
estender-se a todas as formas conhecidas de relações humanas e, por
exemplo, influenciar a evolução histórica de sentimentos como a amizade e o
amor. Tudo leva a crer que é em torno da hipótese de construção de situações
que está o essencial de nossa pesquisa”. (Guy-Ernest Debord. Texto
apresentado na conferência de fundação da Internacional Situacionista de
Cosio d´ Arroscia, Julho de 1957. In Apologia da deriva: Escritos situacionistas
sobre a Cidade. Org. Jacques Paola Berenstein. Rio de Janeiro: Casa da
Palavra, 2003, p.56).

10ª.) Comente a seguinte afirmação: “Dito isso, os artistas relacionais


constituem um grupo que pela primeira vez desde o surgimento da arte
conceitual, nos meados dos anos 1960, não se apoia absolutamente na
reinterpretação de tal ou tal movimento estético do passado; a arte relacional
não é o revival de nenhum movimento, o retorno a nenhum estilo; ela nasce
da observação do presente e de uma reflexão sobre o destino da atividade
artística. Seu postulado básico – a esfera das relações humanas como lugar da
obra de arte – não tem precedentes na história da arte, mesmo que, a
posteriori, apareça como evidente pano de fundo de qualquer prática estética e
4

como tema modernista por excelência: basta reler a conferência por Marcel
Duchamp em 1954, “O processo criativo”, para se convencer de que a
interatividade não é uma ideia nova. A novidade está em outro lugar. Ela
reside no fato de que essa geração de artistas não considera a
intersubjetividade e a interação como artifícios teóricos em voga, nem como
coadjuvantes (pretextos) para uma prática tradicional da arte: ela as considera
como ponto de partida e de chegada, em suma, como os principais elementos 4
a dar forma à sua atividade”. (cf. Nicolas Bourriaud, “Estética Relacional”. São
Paulo, Martins, 2009, p.61-62).

11ª) Comente a seguinte afirmação: “No entanto, acredito que há – e em toda


sociedade – utopias que têm um lugar preciso e real, um lugar que podemos
situar no mapa; utopias que têm um tempo determinado, um tempo que
podemos fixar e medir conforme o calendário de todos os dias. É bem provável
que cada grupo humano, qualquer que seja, demarque, no espaço que ocupa,
onde realmente vive, onde trabalha, lugares utópicos, e, no tempo em que se
agita, momentos ucrônicos.” Michel Foucault, Heterotopias. In: Michel
Foucault, “O corpo utópico, as heterotopias”. São Paulo: n-1 edições, 2013, p.
19.

12ª) Comente a seguinte afirmação: “Quanto a mim, lamentei sempre que não
houvesse uma utopia doméstica, e tive muitas vezes vontade de a escrever:
um modo ideal (feliz) de figurar, de predizer a boa relação do sujeito com o
afeto, com o símbolo. Ora, isso não é propriamente uma utopia. É apenas – e
para além, excessivamente – a busca figurativa do Soberano Bem. Aqui: o
Soberano Bem quanto ao habitar. Ora, O Soberano Bem – sua figuração –
mobiliza toda a extensão e a profundidade do sujeito, em sua individuação,
isto é, em sua história pessoal, completa.Disso, somente uma escritura poderia
dar conta – ou então um ato romanesco (se não um romance)”. Roland
Barthes, “Como viver junto: simulações romanescas de alguns espaços
cotidianos – Cursos e seminários no Collège de France, 1976-1977”. São Paulo,
Martins Fontes, 2003, p. 256-257.

13ª) Comente a seguinte afirmação: “A extraordinária relevância que A janela


de esquina do meu primo ocupa no conjunto da obra hoffmanniana pode ser
percebida ainda mediante dois outros aspectos que, ao lado dessa dimensão
corrosiva em que se relativizam as sentenças otimistas enunciadas pelo
enfermo, também fazem ressaltar a sua modernidade. Em primeiro lugar trata-
se, conforme observou Walter Benjamin, de uma das mais remotas
manifestações da tematização literária da metrópole moderna, como se reitera
alguns anos depois na obra de dois admiradores do escritor alemão: o conto
ambientado em Londres e em poemas de Baudelaire sobre Paris (ou em seu
Pintor da vida moderna, de 1863). Desse modo, pode-se considerar a narrativa
de Hoffmann como momento precursor de uma tradição que no século XX
encontrará expressivos marcos como Berlin Alexanderplatz, de Alfred Doblin,
ou Manhattan Transfer, de Johns dps Passos”. (Marcus Mazzari, “Hoffmann e
as primícias da arte de enxergar”. In E.T.A. Hoffmann, “A janela de esquina de
meu primo”. São Paulo, Cosac Naify, 2010, p. 68).
5

14ª) Comente a seguinte afirmação: “Assim como uma estética atual não pode
negligenciar as transformações incisivas produzidas na esfera da arte pelos
movimentos históricos de vanguarda, tampouco ela pode ignorar que há muito
a arte já tenha entrado numa fase pós-vanguardista, Esta fase pode ser
caracterizada por ter-se restaurado a categoria de obra e pelo fato de serem
utilizados, para fins artísticos, procedimentos inventados pela vanguarda. Isso 5
não deve ser tomado como “traição” aos objetivos dos movimentos de
vanguarda (superação da instituição arte, união de arte e vida), mas como
resultado de um processo histórico. Este, de modo bastante geral, pode ser
assim caracterizado: malogrado o ataque dos movimentos históricos de
vanguarda à instituição arte, ou seja, não tendo sido a arte transposta para a
práxis vital, a instituição arte continua a existir como instituição dissociada da
práxis vital. O ataque permitiu, contudo, que ela passasse a ser reconhecida
como instituição e que a (relativa) ausência de consequência da arte na
sociedade burguesa passasse a ser reconhecida como seu princípio.” (cf. Peter
Burger, “Teoria da vanguarda”. São Paulo, Cosac Naify, 2008, p.120).

15ª) Comente a seguinte afirmação: “A obra vanguardista não cria uma


impressão total, condição para uma interpretação de seu sentido, nem confere
clareza à impressão que, por ventura, venha se produzir no retorno às partes
individuais, uma vez que estas não se encontram mais subordinadas a uma
intenção da obra. O receptor experimenta essa denegação de sentido como
choque. Esse choque é intencionado pelo artista de vanguarda, que mantém a
esperança de, graças a essa privação de sentido, alertar o receptor para o fato
de a sua própria práxis vital ser questionável e para a necessidade de
transformá-la. O choque é ambicionado como estimulante, no sentido de uma
mudança de atitude, e como meio, com o qual se pode romper a imanência
estética e introduzir uma mudança da práxis vital do receptor.” (cf. Peter
Burger, “Teoria da vanguarda”. São Paulo, Cosac Naify, 2008, p.158).

Data de entrega do trabalho em cópia impressa (na secretaria). Não enviá-lo


por emai: 08/12/2018.

Limite: 14.700 caracteres (com espaços).