Sie sind auf Seite 1von 4

1.1.

Organismo de Normalização (internacional e


nacional)

1.2.1. Normalização

As normas são cordos documentados que estabelecem critérios importantes


para os produtos, serviços e processos, garantindo que os critérios são adequados
aos fins a que se destinam. Os documentos que resultam deste processo podem ainda
constituir recomendações, procedimentos, orientações ou manuais e ter diferentes
alcances e âmbitos, dependendo das atividades a que respeitam.
Consiste de um modo particular, na formulação, edição e implementação de
Normas”.
As normas portuguesas são, regra geral, elaboradas por comissões técnicas
portuguesas de normalização, onde é assegurada a possibilidade de participação de
todas as partes interessadas.
Na perspetiva das organizações a normalização facilita a difusão de boas
práticas, contribui para a criação de produtos responsáveis, fomenta a excelência, a
inovação, a especialização e a diferenciação, estimula a concorrência através do valor
qualitativo e ajuda a reduzir e evitar o desperdício de recursos.
Na perspetiva do consumidor, os benefícios da normalização estão
relacionados com:
 reforço da confiança dos clientes ao serem pré-estabelecidos os padrões
mínimos de qualidade;

 favorece uma escolha mais informada pelo consumidor;

1.2.2. Normalização Internacional: Norma ISO 9001

Mas o que significa ISO? ISO vem do grego isos, que significa igual. ISO significa
International Organization for Standardization, ou seja, Organização Internacional de
Padronização. É uma organização não-governamental sediada em Genebra (Suíça) e
fundada em 1947. Conta com 163 países membros e 3.368 comitês técnicos
Organismos membros da ISO provêm de todos os cantos do mundo, incluindo o
Instituto Português da Qualidade (IPQ) em Portugal, o American National Standards
Institute (ANSI) nos Estados Unidos, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)
no Brasil, a Asociación Española de Normalización y Certificación (AENOR), a British
Standards Institution (BSI) no Reino Unido, entre outros.
Esta tem como objetivo a promoção, a nível mundial, do desenvolvimento da
normalização de produtos e serviços, para que a qualidade dos mesmos seja
permanentemente melhorada. Visa também facilitar a coordenação internacional, a
unificação de normas e o intercâmbio intelectual, científico e tecnológico.
Também é a norma que certifica os Sistemas de Gestão da Qualidade e define
os requisitos para a implantação do sistema. Este documento possui ferramentas de
padronização, é um modelo seguro para a implantação da Gestão da Qualidade.
Qualquer empresa pública ou privada pode obter essa certificação com base na
ISO 9001, independente do seu setor, produto/serviço oferecido. Esse documento é
um recurso valioso para a gestão da empresa, pois agrupa um conjunto de práticas de
gestão de empresas do mundo todo.
A importância das normas da ISO é justificada pelas seguintes premissas:

 Desenvolvimento, produção e distribuição dos produtos/serviços de forma


mais eficiente, segura e higiénica;

 Facilitação do comércio internacional, tornando-o mais justo;

 Base técnica para os governos avaliarem da conformidade nas vertentes da


saúde, da segurança e da legislação ambiental;

 Partilha de avanços tecnológicos e boas práticas de gestão;

 Disseminação da inovação;

 Salvaguarda do consumidor;

 Estabelecimento e partilha de soluções para problemas comuns


O programa de trabalho da ISO cobre uma extensa tipologia de normas desde
as atividades tradicionais, como a agricultura e a construção, até à engenharia
mecânica, aparelhos médicos, serviços, ou mesmo as boas práticas de gestão.

As normas desenvolvidas passam por um processo que engloba as seguintes 6 fases:


1. Fase de proposta
2. Fase preparatória
3. Fase de Comité
4. Fase de inquérito
5. Fase de aprovação
6. Fase de publicação.

A normas da série ISO 9000 foram evoluindo em sua estrutura, requisitos e enfoque.
As três normas certificáveis série ISO:

 9000:1987 tinham como grande enfoque a garantia da qualidade,


 9001, 9002 e 9003: 1994 continuam com o enfoque de garantia da qualidade,
porém, amplia-se o conceito de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ).
 9001:2000, além do enfoque em sistema de gestão da qualidade, traz a gestão
por processos, deixando explícito o uso do PDCA (Plan, Do, Check, Act),
definindo os oito princípios da qualidade.
 9001:2008 não traz novidades significativas;
 9001:2015 teve grande envolvimento mundial e
com muitas novidades, dentre elas a gestão de
riscos, novas terminologias, redução de oito para
sete princípios da qualidade com a junção
“abordagem por processos” e “abordagem
sistémica de gestão” num novo e único princípio.
Os sete princípios de gestão de qualidade são agora os seguintes:

 Foco no cliente: O foco primordial da gestão da qualidade é a satisfação dos


requisitos dos clientes e o esforço em exceder as suas expetativas.
 Liderança: Os líderes estabelecem, a todos os níveis, unidade no propósito e
direção e criam as condições para que as pessoas se comprometam em atingir
dos objetivos da Organização.
 Comprometimento das pessoas: Pessoas competentes, habilitadas e
empenhadas a todos os níveis em toda a Organização são essenciais para
melhorar a capacidade de criar e proporcionar valor.
 Abordagem por processos: Resultados consistentes e previsíveis são atingidos
de modo mais eficaz e eficiente quando as atividades são compreendidas e
geridas como processos inter-relacionados que funcionam como um sistema
coerente.
 Melhoria: As Organizações que têm sucesso estão permanentemente focadas
na melhoria.
 Tomada de decisões baseada em evidências: Decisões tomadas com base na
análise e avaliação de dados e informação são mais suscetíveis de produzir os
resultados desejados.
 Gestão de relacionamentos: Para um
sucesso sustentado, as Organizações
gerem as suas relações com partes
interessadas relevantes, tais como
fornecedores.