Sie sind auf Seite 1von 41

Matemática Financeira

Moderna

Capítulo 1
REGIMES DE CAPITALIZAÇÃO
Regime de Capitalização: Juros

P =P=20
100
J=20

S=P+J=100+20
P: principal, valor aplicado ou valor presente;
J: juros ou remuneração do dinheiro; e
S: montante, valor acumulado, valor capitalizado ou
valor futuro.
Juros

juros J J
i   i   100%
principal P P

S  P1  i 
Juros

 Taxa de juros é de 20% por período de


tempo.

 Há várias formas e convenções utilizadas


para expressar a taxa de juros. Ex.: Um ano
pode ser de 360 dias (comercial) ou 365 dias
(exato) ou 252 dias úteis.
Juros

 Um capital de R$ 10.000,00 rendeu, após um


ano de aplicação, o montante de R$
25.000,00. Qual a taxa de juros anual
recebida nessa aplicação?
Juros

 Um capital de R$ 10.000,00 rendeu, após um


ano de aplicação, o montante de R$
25.000,00. Qual a taxa de juros anual
recebida nessa aplicação?
i?
P  R$10.000
S  R$25.000

S 25.000
i  1   1  1,5 
 150%aa
P 10.000
Juros
Na HP 12C) Um capital de R$ 10.000,00 rendeu, após
um ano de aplicação, o montante de R$ 25.000,00.
Qual a taxa de juros anual recebida nessa aplicação?
Juros
Na HP 12C) Um capital de R$ 10.000,00 rendeu, após
um ano de aplicação, o montante de R$ 25.000,00.
Qual a taxa de juros anual recebida nessa aplicação?
Juros
Na HP 12C) Um capital de R$ 10.000,00 rendeu, após
um ano de aplicação, o montante de R$ 25.000,00.
Qual a taxa de juros anual recebida nessa aplicação?
Juros
Na HP 12C) Um capital de R$ 10.000,00 rendeu, após
um ano de aplicação, o montante de R$ 25.000,00.
Qual a taxa de juros anual recebida nessa aplicação?
CAPITALIZAÇÃO PERIÓDICA

 Juro simples: a taxa de juros incide sobre o


valor do principal
 Juros compostos: o juros é incorporado ao
principal sobre o qual incide novamente a
taxa de juros. Portanto, os juros devidos
também rendem juros, ou seja, os juros são
capitalizados.
 Juros contínuos: juros compostos
capitalizados de forma instantânea.
Juros Simples

1 2 3 ... n

iP iP iP iP iP

S=P+(iP+...+iP)

J n  i
 P P
i 
i 
P  ni  P
n vezes
S  P  n  i  P  P1  i  n 
Juros Simples

 Uma aplicação rendeu, após 3 anos, o


montante de US$ 250.000,00 a uma taxa de
juros simples anual de 25%. Calcular o valor
aplicado.
Juros Simples

 Uma aplicação rendeu, após 3 anos, o


montante de US$ 250.000,00 a uma taxa de
juros simples anual de 25%. Calcular o valor
aplicado.

S 250.000
P   142.857,14
1  i  n 1  0,25  3
Proporcionalidade de taxas a juros

Situações possíveis a serem consideradas:

 O período da taxa de juros coincide com o período


de capitalização.
 O período da taxa de juros é menor do que o
período de capitalização. Capitalização é de 1 ano
e a taxa de juros é cotada mensalmente.
 O período da taxa de juros é maior do que o
período de capitalização. A taxa de juros é cotada
anualmente e o período de capitalização é mensal.
Proporcionalidade de taxas a juros

1  it   1  k  ik   it  k  ik
it : taxa de juros referente a um determinado
período de tempo ;
k: número de períodos de capitalização
contidos no período de tempo t;
ik : taxa de juros referente a cada período de
capitalização.
Proporcionalidade de taxas a juros

 Calcular a taxa de juros mensal, bimestral e


semestral sabendo-se que a taxa de juros
anual é 10%.
Proporcionalidade de taxas a juros

 Calcular a taxa de juros mensal, bimestral e


semestral sabendo-se que a taxa de juros
anual é 10%.

0,10 0,10
iam   0,83% iab   1,67%
12 6

0,10
ias   5%
2
Juros Compostos

1 2 3 ... n

iP i(P+iP) iP

S=P+[iP+i(P+iP)+...]

S  P J
S1  P  i  P  P1  i 
S2  P1  i   i  P1  i   P1  i 
2

S n  S  P1  i 
n
Juros Compostos

S
P 
1  i n

 Taxa de juros maior, preço menor.


Juros Compostos

Valor Presente Capitalizado a Juros Simples e Compostos:

P juros simples
juros compostos.

60

40

20

0.1 0.2 0.3 i


Equivalência de taxas a juros
compostos

1  it   1  ik 
k
 
 ik  1  it  k  1
1

it  1  ik   1
k

 Suponha que R$ 100,00 tenham sido


aplicados por um período de 7 meses com
uma taxa de juros compostos de 12% ao
ano, com capitalização mensal. Calcular o
montante ao final do sétimo mês de
aplicação.
Equivalência de taxas a juros
compostos
 Suponha que R$ 100,00 tenham sido
aplicados por um período de 7 meses com
uma taxa de juros compostos de 12% ao ano,
com capitalização mensal. Calcular o
montante ao final do sétimo mês de
aplicação.

1  iaa   1  iam  iam  1  0,12


1
12
 12  1  0,949%

S  1001  0,12  12  106,83 S  1001  0,00949   106,83


7 7
ou
Juros Contínuos

 Juros contínuos: juros compostos


capitalizados de forma instantânea.

 r= juros contínuos

1  i   e r

S  P1  i   Pe
t rt
Juros Contínuos

 Um capital de R$ 15.000,00 é aplicado


durante 2 anos e meio a uma taxa de juros
contínuos de 1,5% a.m. Calcular o montante
acumulado nesse período.
Juros Contínuos

 Um capital de R$ 15.000,00 é aplicado


durante 2 anos e meio a uma taxa de juros
contínuos 1,5% a.m. Calcular o montante
acumulado nesse período.

0 , 01530
S  15.000 e
S  23.524,68
Juros Contínuos

 Calcular a taxa de juros contínua mensal que


aplicada a um capital de R$ 100.000,00
produz um montante de R$ 350.000,00 após
3 anos.
Juros Contínuos

 Calcular a taxa de juros contínuos mensal


contínua que aplicada a um capital de R$
100.000,00 produz um montante de R$
350.000,00 após 3 anos.
1
S S  t 1 S 
e r  ln  
rt
r  ln  
P P t P

1  350 .000 
r  ln    3,48% ao mês
36  100 .000 
Juros Contínuos

Valor Presente Capitalizado em Períodos Discreto e Contínuo

P
capitalização contínua
60 capitalização discreta.

40

20

0.1 0.2 0.3 i


Juros Contínuos

 Calcular o tempo de aplicação de um capital


de R$ 150.000,00 que aplicado a uma taxa
contínua de 2% ao mês com capitalização
contínua produz um montante de R$
600.000,00.
Juros Contínuos

 Calcular o tempo de aplicação de um capital


de R$ 150.000,00 que aplicado a uma taxa
contínua de 2% ao mês com capitalização
contínua produz um montante de R$
600.000,00.
1 S 
t  ln  
r P
1  600 .000 
t ln    69 ,31 meses
0 ,02  150 .000 
Proporcionalidade de taxas a juros
contínuos

rt
rt  k  rk  rk 
k

 Calcular a taxa de juros contínuos bimestral,


semestral e anual sabendo-se que a taxa
mensal é 1,5%.
 Calcular a taxa de juros contínuos bimestral,
semestral e anual sabendo-se que a taxa
mensal é 1,5%.

rab  0,015  2  3% ras  0,015  6  9%

raa  0,015 12  18%


Juros Variáveis
 Juros Simples

 n 
S  P1  i1  i2    in   P 1   it 
 t 1 
 Juros Compostos
n
S  P1  i1 1  i2 1  in   P 1  it 
t 1

 Juros Contínuos n

r1  r2  rn
 rt
S  Pe  P  e t 1
INCONSISTÊNCIA DO REGIME
DE JUROS SIMPLES

 Em juros compostos, é sempre válida a seguinte


igualdade:

S  P(1  i) n  P(1  i) n1  n2  P(1  i) n1 (1  i) n2

 O mesmo não ocorre em regime de juros


simples, por causa da seguinte diferença:

S  P(1  in)  P1  i(n1  n2 )  P(1  in1 )(1  in2 )


INCONSISTÊNCIA DO REGIME
DE JUROS SIMPLES

 Ou seja, se aplicarmos $ 100,00, por exemplo, a


uma taxa de juros mensal de 2%, obteremos,
após um ano, o montante de $ 124,00. Se
aplicarmos a mesma quantia por um período de
6 meses, à mesma taxa de juros e,
posteriormente, voltarmos a aplicar esse
montante por mais 6 meses, obteremos, ao final
de um ano, um montante que é maior do que o
que seria obtido caso tivéssemos aplicado os $
100,00 pelo prazo de um ano.
INCONSISTÊNCIA DO REGIME
DE JUROS SIMPLES

 Em regime de juros simples não se pode


fracionar o prazo da aplicação, ou seja, o prazo
não é cindível.
 O capital aplicado e resgatado ao final de 6
meses não incorpora os juros da aplicação.
 Podemos determinar a discrepância, D, entre
essa duas estratégias de investimento como
sendo:

D  P(1  in1 )(1  in2 )  P[1  i(n1  n2 )]


INCONSISTÊNCIA DO REGIME
DE JUROS SIMPLES

 Desenvolvendo, obtemos:

D  Pi n1n2  ( Pin1 )in2


2

 Podemos observar que é o juro obtido no 1º


Pin1
período da aplicação que, multiplicado porin , dá-
2
nos o quanto de juros renderam no 2º período os
juros obtidos na primeiro período. Logo, a
discrepância se deve à incidência de juros sobre
juros.
INCONSISTÊNCIA DO REGIME
DE JUROS SIMPLES

 Assim, no regime de juros simples, o conceito


de equivalência de capitais fica prejudicado,
dependendo do prazo definido da aplicação.
No limite, o regime de juros simples é
inconsistente, pois o investidor fugiria de
prazos mais longos para prazos mais curtos.
INCONSISTÊNCIA DO REGIME
DE JUROS SIMPLES

 Suponha que a quantia de $ 200,00 seja aplicada por


um período de 5 meses, à taxa de juros simples de
10% ao mês. Qual o montante acumulado após 5
meses? Suponha, no entanto, que, ao final do 3º
mês, a quantia aplicada seja resgatada. Qual o
montante acumulado nesse período? Qual o valor
atual, ao final do 3º mês, da quantia que seria
resgatada após 5 meses de aplicação?
INCONSISTÊNCIA DO REGIME
DE JUROS SIMPLES
 Suponha que a quantia de $ 200,00 seja aplicada por um
período de 5 meses, à taxa de juros simples de 10% ao
mês. Qual o montante acumulado após 5 meses?
Suponha, no entanto, que, ao final do 3º mês, a quantia
aplicada seja resgatada. Qual o montante acumulado
nesse período? Qual o valor atual, ao final do 3º mês, da
quantia que seria resgatada após 5 meses de aplicação?

 5 meses S  200(1  0,10 x5)  300

 3 meses S  200(1  0,10 x3)  250 Como se pode observar, as


quantias são diferentes.
300
 reaplicação P  250
(1  0,10 x2)