You are on page 1of 152

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TESE/

DISSERTAÇÃO:
documento eletrônico e impresso
Dirigentes institucionais:

Reitor:
Prof. Dr. Silvério de Paiva Freitas
E-mail: reitoria@uenf.br

Pró-Reitor de Pós-Graduação:
Prof. Dr. Antônio Teixeira do Amaral Júnior
E-mail: proppg@uenf.br

Diretor do Centro de Ciências do Homem:


Professor Dr. Sérgio Arruda de Moura
E-mail: arruda@uenf.br

Coordenador do Programa de Pós-Graduação


em Cognição e Linguagem (PPGCL):
Prof. Dr. Carlos Henrique Medeiros de Souza
E-mail: chmsouza@gmail.com
CARLOS HENRIQUE MEDEIROS DE SOUZA
KARINE LÔBO CASTELANO
FERNANDA CASTRO MANHÃES

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE


TESE/DISSERTAÇÃO:
documento eletrônico e impresso

1ª edição
Todos os direitos reservados aos autores
Campos dos Goytacazes-RJ

Projeto Gráfico:
Alessandro Carlos Bispo

Impressão:
Marka Editora e Gráfica

FICHA CATALOGRÁFICA

Preparada pela Biblioteca da Universidade Estadual do


Norte Fluminense Darcy Ribeiro

S729m Souza, Carlos Henrique Medeiros de


Manual para elaboração de tese/dissertação: documento eletrônico e
impresso / Carlos Henrique Medeiros de Souza, Karine Lôbo Castelano
e Fernanda Castro Manhães. – Campos dos Goytacazes, RJ: UENF/
CCH/PPGCL, 2014.
150 p. : il.

ISBN 978-85-917111-0-9

1. REDAÇÃO TÉCNICA 2. TESES - NORMAS 3. TESES -


METODOLOGIA I. Castelano, Karine Lôbo II. Manhães, Fernanda Castro
III. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Centro
de Ciências do Homem. Programa de Pós-Graduação em Cognição e
Linguagem lV. Título

CDD 808.0665
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Estrutura da dissertação/tese......................... 23


Figura 2 - Modelo de capa.............................................. 25
Figura 3 - Modelo de folha de rosto (frente).................... 26
Figura 4 - Modelo de ficha catalográfica......................... 27
Figura 5 - Modelo de folha de aprovação....................... 28
Figura 6 - Modelo de folha de dedicatória....................... 29
Figura 7 - Modelo de agradecimentos............................ 30
Figura 8 - Modelo de epígrafe......................................... 30
Figura 9 - Modelo de resumo na língua vernácula.......... 31
Figura 10 - Modelo de resumo em língua estrangeira.... 32
Figura 11 - Modelo de lista de figuras............................. 33
Figura 12 - Modelo de lista de abreviaturas e siglas....... 34
Figura 13 - Modelo de lista de símbolos......................... 35
Figura 14 - Modelo de sumário....................................... 36
Figura 15 - Modelo de apêndice...................................... 40
Figura 16 - Modelo de anexo.......................................... 41
Figura 17 - Apresentação da dissertação/tese............... 42
Figura 18 - Modelo de figura........................................... 47
Figura 19 - Modelo de tabela.......................................... 48

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 5
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

LISTA DE QUADROS

Quadro 1 - Estrutura da dissertação/tese....................... 23


Quadro 2 - Apresentação das seções............................. 46
Quadro 3 - Sistema de chamada.................................... 61

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 6
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

SUMÁRIO

Apresentação...................................................................11

PREFÁCIO...............................................................................13

APRESENTAÇÃO, OBJETIVOS E LINHAS DE PESQUISA....15

1 ESTRUTURA DO TRABALHO.............................................23
1.1 Elementos pré-textuais....................................................25
1.1.1 Capa (Obrigatório).................................................25
1.1.2 Folha de rosto (frente) (Obrigatório)......................26
1.1.3 Folha de rosto (verso) (Obrigatório)......................27
1.1.4 Folha de aprovação (Obrigatório)..........................28
1.1.5 Dedicatória (Opcional)...........................................29
1.1.6 Agradecimentos (Opcional)...................................30
1.1.7 Epígrafe (Opcional)................................................30
1.1.8 Resumo na língua vernácula (Obrigatório)............31
1.1.9 Resumo em língua estrangeira (Obrigatório)........32
1.1.10 Lista de figuras/ Lista de gráficos/
Lista de quadros/ Lista de tabelas (Opcionais)..............33
1.1.11 Lista de abreviaturas e siglas (Opcional)............34
1.1.12 Lista de símbolos (Opcional)...............................35
1.1.13 Sumário (Obrigatório)..........................................36
1.2 Elementos textuais....................................................36
1.2.1 Introdução (ou Considerações iniciais).................36
1.2.2 Desenvolvimento (Opção 1)..................................37
1.2.3 Desenvolvimento (Opção 2)..................................38
1.2.4 Conclusões (ou Considerações finais)..................39
1.3 Elementos pós-textuais............................................39
1.3.1 Referências............................................................39
1.3.2 Apêndice(s) (Opcional)..........................................40
1.3.3 Anexo(s) (Opcional)...............................................41

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 7
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

2 REGRAS DE APRESENTAÇÃO DA
DISSERTAÇÃO/TESE.............................................................42
2.1 Formato.......................................................................43
2.2 Margem.......................................................................43
2.3 Espaçamento..............................................................43
2.3.1 Notas de rodapé....................................................44
2.3.2 Indicativos de seção..............................................45
2.3.3 Títulos sem indicativo numérico............................45
2.4 Paginação...................................................................46
2.5 Numeração progressiva............................................46
2.6 Citações......................................................................46
2.7 Figuras e gráficos......................................................47
2.8 Quadros e Tabelas.....................................................48

3 ELABORAÇÃO DAS REFERÊNCIAS.................................49


3.1 Formas de entrada.....................................................49
3.1.1 Autores pessoais...................................................49
3.1.2 Autoria desconhecida............................................50
3.1.3 Entidade coletiva...................................................50
3.1.4 Congressos, conferências, simpósios,
seminários, entre outros.................................................51
3.2 Edição.........................................................................51
3.3 Local............................................................................52
3.4 Editora.........................................................................52
3.5 Data.............................................................................53
3.6 Regras gerais de apresentação................................53
3.7 Modelos de referências.............................................53
3.7.1 Citação de monografia, dissertação ou tese.........53
3.7.2 Citação de monografia, dissertação ou tese
em meio eletrônico.........................................................54
3.7.3 Evento como um todo............................................54
3.8 Legislação..................................................................55
3.9 Publicação periódica.................................................56

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 8
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

3.9.1 Artigo e/ou matéria de revista, boletim, entre


outros..............................................................................56
3.9.2 Artigo e/ou matéria de revista, boletim, entre
outros, em meio eletrônico.............................................56
3.10 Artigo e/ou matéria de jornal..................................57
3.10.1 Artigo e/ou matéria de jornal em meio eletrônico.......57

4 CITAÇÃO (ABNT NBR 10520/2002)....................................58


4.1 Definições...................................................................58
4.2 Regras gerais de apresentação................................58

REFERÊNCIAS........................................................................63

APÊNDICE - MODELO DE PRÉ-PROJETO DE PESQUISA 67

anexo 1 - MODELO DE ARTIGO CIENTÍFICO....................89


anexo 2 - DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS......................95
Regimento geral da Pós-Graduação........................................95
Formulário de Inscrição .........................................................134
Carta de Recomendação.......................................................136
Formulário de Matrícula.........................................................137
Formulário de Inclusão de Disciplina.....................................138
Formulário de Exclusão de Disciplina....................................139
Auxílio para Participação em Eventos...................................140
Requerimento Geral da secacad........................................141
Formalização de Orientação..................................................142
Desligamento de Orientação..................................................143
Modelo de ci para Informações de Bancas...........................144
Procedimentos para Defesa...................................................145
Autorização para Publicação Tese/Disssertação...................147
Relatório Discente Anual........................................................148

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 9
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

apresentação

O Doutorado em Cognição e Linguagem da


UENF é uma conquista de inequívoco valor. Adveio
de uma demanda da sociedade civil, a qual uma
vez mais a UENF atende. Neste aspecto, há que se
rememorar que nos últimos cinco anos, o Mestrado
em Cognição e Linguagem foi o Curso que deteve a
segunda maior procura do alunado da Universidade
e, ressalte-se de público-alvo oriundo das regiões
Norte e Noroeste Fluminense. Assim, a UENF, uma
vez mais se coloca pronta para conquistar desafios
ainda mais inquietantes e, assim, permitir a evolu-
ção em área nobre da Ciência.
O manual é uma oportunidade ímpar para os
alunos e orientadores.
Significa uma rota orientadora que coincide
com uma apresentação mais exitosa, resultante
das pesquisas em Cognição e Linguagem.

Antônio Teixeira do Amaral Júnior


Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 11
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Prefácio

Este Manual reúne informações desde o pro-


cesso de planejamento dos projetos de pesquisas
até a formatação final de uma tese de doutorado.
A proposta inicial é colaborar com os acadêmicos
e pesquisadores, apresentando um padrão míni-
mo de formatação balizado nas normas da ABNT
– Associação Brasileira de Normas Técnicas e na
experiência vivenciada pelo PPGCL – Programa de
Pós-graduação em Cognição e Linguagem, que foi
criado em 1999 com a titulação de Mestrado, tendo
formado mais de 180 alunos e que passou a ofere-
cer a titulação de Doutorado, que teve, em dezem-
bro de 2013, sua recomendação pela CAPES, com
conceito 4 (quatro).
Destaca-se que a pós-graduação Interdisci-
plinar explora diferentes enfoques, oriundos das
diversas disciplinas acadêmicas envolvidas, se arti-
culando para propiciar uma visão mais abrangente
dos processos da cognição e da linguagem. Nos-
so programa inclui profissionais com formação em
diferentes áreas do conhecimento (Tecnologias da
Comunicação, Educação, Letras, Psicologia, Filo-
sofia, Direito, Física, Biologia, Agronomia, Sociolo-
gia e Artes). Todos, entretanto, têm um dado fun-
damental em comum: uma abertura para o diálogo
interdisciplinar. Nosso desafio é o de pôr em contato
essas diferentes abordagens para produzir um co-
nhecimento mais vasto, profundo e útil socialmente

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 13
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

do que o restrito conhecimento especializado.


Portanto, é fácil perceber que nossos discen-
tes e docentes são de áreas diversificadas, que
naturalmente exigem leituras e entendimentos di-
ferenciados, necessitando, assim, de um fio condu-
tor mínimo para que textos e produções científicas
possam ser melhores compreendidas pelas pesso-
as que interagem com nosso programa.
Parabéns a todos os professores do PPGCL,
que deram sugestões e contribuíram para este va-
lioso texto final.

Prof. Dr. Carlos Henrique Medeiros de Souza


Coordenador do Programa de Pós-graduação
em Cognição e Linguagem

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 14
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

APRESENTAÇÃO, OBJETIVOS E
LINHAS DE PESQUISA DO PPGCL

O foco consiste em explorar como os dife-


rentes enfoques, oriundos das diversas disciplinas
acadêmicas envolvidas, podem se articular para
propiciar uma visão mais abrangente dos processos
da cognição e das funcionalidades das linguagens.
Nosso programa inclui profissionais com formação
em diferentes áreas do conhecimento (Tecnologias
da Comunicação, Educação, Letras, Psicologia,
Filosofia, Direito, Física, Biologia, Agronomia, So-
ciologia e Artes). Todos, entretanto, têm um dado
fundamental em comum: uma abertura para o diá-
logo interdisciplinar. Nosso desafio é o de pôr em
contato essas diferentes abordagens para produzir
um conhecimento mais vasto, mais profundo, mais
fértil e mais útil socialmente do que o restrito conhe-
cimento especializado, a respeito da cognição e da
linguagem, tal como figuram em nossas duas linhas
de pesquisa.
Como em outros programas interdisciplinares
de nosso Comitê de Área, nossa proposta visa a
atender a uma demanda crescente na área de for-
mação de professores da educação básica, profis-
sional e superior, haja vista que, desde 1999, de um
total de 146 egressos do mestrado, 91% atuam ou
migraram para estes campos profissionais.
Desta forma, acreditamos estar capacitando-
-os a responder aos desafios relacionados à gestão
e ao ensino nestas áreas, presencial e à distância;
bem como ao planejamento e à utilização destes

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 15
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

conhecimentos interdisciplinares, por meio das


múltiplas mídias, canais de comunicação e interati-
vidade da cognição e linguagem.

A Linha 1 (PICENTI) - “Pesquisas Interdis-


ciplinares em Comunicação, Educação e No-
vas Tecnologias da Informação”, está dedicada
a pesquisas interdisciplinares em Comunicação,
Educação e Novas Tecnologias da Informação.
O estudo da Comunicação está centrado na Te-
oria da Comunicação e na Semiótica. Entretanto,
interessa-nos ver como fenômenos atuais, como
a cibercultura, colocam novos problemas para a
comunicação, como os princípios da comunicação
podem ser aplicados à educação, e como outras
áreas, como a filosofia da linguagem, a psicologia
cognitiva e até mesmo a poética podem enrique-
cer o conhecimento da comunicação. O estudo da
Educação está centrado nas Teorias da Aprendiza-
gem, nas Metodologias de Ensino e no estudo das
relações entre Educação e Saúde. Entretanto, não
pretendemos conduzi-lo à maneira tradicional dos
programas de pedagogia, mas buscaremos enfo-
car os processos educacionais como processos de
comunicação, dedicando atenção especial ao uso
das novas tecnologias da informação no processo
educativo. Finalmente, o estudo específico das No-
vas Tecnologias da Informação, embora envolva
aspectos técnicos bastante específicos, é interdis-
ciplinar por sua natureza, envolvendo os processos
de comunicação e prestando-se a aplicações edu-
cacionais. O uso dessas novas tecnologias deve
ser visto como variações no uso da linguagem e

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 16
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

novas formas de aquisição de conhecimento, e es-


tudado no contexto da cultura contemporânea.

A Linha 2 - (PICHAF) - “Pesquisas interdis-


ciplinares em Ciências Humanas, Artes e Filo-
sofia”, dedica-se a pesquisas interdisciplinares em
ciências humanas, artes e filosofia. Esta aparente
dispersão de objetos se unifica, metodologicamen-
te, pela abordagem interdisciplinar e, em termos de
conteúdo, pelo foco na cognição e na linguagem.
Disciplinas como a Psicanálise e a Hermenêutica,
por exemplo, frequentemente tão encasteladas em
si mesmas, só nos interessam na medida em que
se abram ao diálogo interdisciplinar e tenham como
objeto de interesse a linguagem e a aquisição de
conhecimento. Ciências cognitivas como a psicolo-
gia cognitiva, a neuropsicologia e a linguística são
também mananciais para a criação de pesquisas
interdisciplinares dirigidas aos fenômenos da lin-
guagem e do conhecimento. As Artes encontram
aqui também o seu espaço, na medida em que são
exploradas como formas especiais de linguagem,
as quais dependem de processos de cognição es-
pecíficos e possibilitam, por outro lado, uma outra
constituem uma terceira forma de conhecimento
do mundo, ao lado da filosofia e da ciência. Den-
tro do amplo universo da Filosofia, por outro lado,
esta linha de pesquisa privilegia a filosofia da lin-
guagem, articulada principalmente à linguística e à
comunicação; a hermenêutica, em diálogo com as
ciências cognitivas; e a filosofia da cultura, voltada
principalmente para o impacto cultural das novas
tecnologias da informação.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 17
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1 - Descrevendo o Perfil do Egresso


Visamos formar profissionais que não se li-
mitem à perspectiva de suas áreas de formação
inicial, mas sim que possam atuar nas diversas
áreas contempladas no programa, estando ple-
namente capacitados a usar uma abordagem
interdisciplinar em sua atuação em diferentes
áreas de estudo dos fenômenos da cognição e
da linguagem, tendo conhecimento das principais
ferramentas metodológicas e dos principais con-
teúdos disciplinares que podem ser aplicados ao
estudo de tais fenômenos.

1.2 - Descrevendo os Objetivos


O objetivo geral do programa é produzir co-
nhecimento e formar profissionais altamente ca-
pacitados para uma abordagem interdisciplinar
de questões relativas à cognição e à linguagem,
concebidas na sua forma mais ampla. Embora as
pesquisas a serem desenvolvidas, em continuidade
com aquelas já desenvolvidas atualmente no nível
de mestrado, tenham objetos específicos bem de-
limitados, elas devem se caracterizar pela aborda-
gem interdisciplinar e pelo foco nos processos de
linguagem e cognição.

Os objetivos específicos:
• Viabilizar a compreensão dos processos orgâ-
nicos, mentais e linguísticos que possibilitam a
cognição;

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 18
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

• Desenvolver uma análise filosófica, semiótica,


psicológica e psicanalítica das representações
mentais;
• Realizar uma reflexão filosófica sobre a nature-
za do conhecimento e da linguagem; análises
fenomenológicas e hermenêuticas;
• Desenvolver a pesquisa da linguagem como
elemento de interação cultural e representação
social;
• Identificar a linguagem como instrumento e ma-
téria da criação cultural e representação social;
• Pesquisar sobre o aprendizado por meio da
mediação tecnológica;
• Tratar das relações da linguagem no contexto
da Saúde Pública e o Idoso; e
• Tratar de elementos da Saúde Coletiva e seus
desdobramentos cognitivos.

1.3 – Descrição detalhada de como se pro-


cessam e se conectam as disciplinas
a) Inglês Técnico
Apenas para acesso, como proficiência, a
pós-graduação, não computando creditos (Ver
regimento geral pós graduação UENF);

b)Introdução a Cognição e Linguagem


Configura um momento em que todos os pro-
fessores do programa ministram aulas para
apresentação de suas linhas de pesquisa e os
principais avanços;

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 19
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

c)Seminários I e II
São obrigatórios em todos os programas de
pós graduação da UENF, por força do regi-
mento geral.Configuram momentos de intera-
ção acadêmica entre os alunos que já estão
em fase de conclusão de suas pesquisas e os
alunos novatos. Também participam destes
momentos professores pesquisadores convi-
dados.

d)Produção cientifica Interdisciplinar


Esta disciplina foi introduzida tratar e registrar
as publicações dos alunos junto aos principais
periódicos da área (para o mestrado um artigo
e futuro doutorado 2 artigos em revista com o
Qualis capes no mínimo B2);

Docentes vinculados ao programa:


- Prof. Almy Junior Cordeiro de Carvalho
- Profª Analice de Oliveira Martins
- Profª Bianka Pires André
- Prof. Carlos Henrique Medeiros de Souza
- Profª Eliana Crispim França Luquetti
- Prof. Gerson Tavares do Carmo
- Prof. Gilberto Lourenço Gomes
- Prof. Giovane do Nascimento
- Prof. Júlio César Ramos Esteves
- Profª Maria Eugênia Ferreira Totti
- Profª Nadir Francisca Sant”anna
- Prof. Nilson Sérgio Peres Stahl
- Prof. Pedro Wladimir do Vale Lyra

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 20
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

- Profª Rosalee Santos Crespo Istoe


- Prof. Sérgio Arruda de Moura
- Prof. Silvério de Paiva Freitas
- Profª Vera Lucia Deps
- Profª Verusca Moss Simões dos Reis

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 21
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1 ESTRUTURA DO TRABALHO

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 23
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Legenda:

1- Elementos Obrigatórios
2- Elementos Opcionais

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 24
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1 Elementos pré-textuais

1.1.1 Capa (Obrigatório)

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 25
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1.2 Folha de rosto (frente) (Obrigatório)

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 26
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1.3 Folha de rosto (verso) (Obrigatório)

No verso da folha de rosto é colocada a ficha


catalográfica.
Faça o download do formulário (Disponível
em: <http://uenf.br/cch/biblioteca/servicos/ficha-
-catalografica/>) para requerer a ficha catalográfica
de teses/dissertações. Enviar preenchido e assina-
do para <bibcch@uenf.br> ou na própria biblioteca,
juntamente com a cópia da folha de rosto, do resu-
mo e do sumário. Exemplo:

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 27
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1.4 Folha de aprovação (Obrigatório)

Prof. Dr. Antonio Hernández Fernández (Linguística - JAÉN)


Universidad de JAÉN – JAÉN

Prof. Dr. Gerson Tavares do Carmo (Sociologia Política - UENF)


Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF
(Coorientador)

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 28
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1.5 Dedicatória (Opcional)

Parte reservada para que o autor faça uma


homenagem, destacando a relevância das pessoas
que de alguma forma contribuíram com o trabalho
de forma técnica ou pessoal. Deve-se deixar 24 es-
paços 1,5 em branco a partir da primeira linha da
página, ou seja, na 25ª linha.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 29
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1.6 Agradecimentos (Opcional)

1.1.7 Epígrafe (Opcional)

Deve ser inserida na página seguinte aos


agradecimentos, ao final da página. Trata-se de
uma citação ou frase curta que resume ou introduz
o tema da tese/dissertação. Deve-se deixar 24 es-
paços em branco (espaçamento simples) a partir
da primeira linha da página (ou seja, na 25ª linha), a
epígrafe, de poucas linhas, deve ser redigida entre
aspas. Omitir a palavra “Epígrafe”.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 30
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1.8 Resumo na língua vernácula (Obrigatório)

O resumo deve apresentar uma apresentação


concisa dos pontos relevantes da tese/dissertação,
a saber: a contextualização, o problema, os obje-
tivos, a metodologia empregada de forma geral e
alguns resultados. Deve-se usar o verbo na voz
ativa, empregando o tempo presente ou o pretérito
perfeito na terceira pessoa do singular.
Quanto a sua extensão, o resumo deve ter de
150 a 500 palavras, não sendo permitido ultrapas-
sar uma página. O espaçamento deve ser simples.
Deve-se usar parágrafo único e, ao final, colocar de
3 a 5 palavras-chave.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 31
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1.9 Resumo em língua estrangeira (Obrigatório)

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 32
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1.10 Lista de figuras/ Lista de gráficos/ Lista de


quadros/ Lista de tabelas (Opcionais)

Devem ser elaboradas conforme a ordem


apresentada na tese/dissertação, com cada item
designado por seu nome específico, travessão, títu-
lo e respectivo número da página. O espaçamento
deve ser simples.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 33
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1.11 Lista de abreviaturas e siglas (Opcional)

Inserir as abreviaturas/siglas em ordem alfa-


bética. O espaçamento deve ser simples.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 34
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1.12 Lista de símbolos (Opcional)

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 35
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.1.13 Sumário (Obrigatório)

O espaçamento deve ser simples.

1.2 Elementos textuais

1.2.1 Introdução (ou Considerações iniciais)3


• Contextualização (Onde?) – deve apresentar o
assunto, demonstrando capacidade de diálogo
entre o objeto de pesquisa e a produção acadê-
mica da área abordada.
• Problema (O que incomoda? O que pretende des-
cobrir? Qual o paradoxo ou contradição observa-
da?) – deve ser dissertado, encerrando com uma
ou algumas questões que buscam responder o
porquê e o para quê da intervenção.
2
Há outras possibilidades. Decidir com o(a) orientador(a).
3
Não colocar citação direta e indireta. Citar apenas o nome dos autores que
foram utilizados como referência na pesquisa. Ex: “Seguindo um viés descri-
tivo baseado em Martelotta et al. (1996), Neves (1997), Gonçalves et al. (2007),
Furtado da Cunha e Tavares (2007), Bittencourt (2012), dentre outros autores, a
presente pesquisa busca responder [...]”.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 36
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

• Hipóteses (se... probabilidades) – são respostas


afirmativas ou negativas que provavelmente se-
rão respondidas após os resultados da aplicação
da pesquisa. Atenção à interdependência entre
objetivo geral, objetivos específicos e hipó-
tese: os objetivos específicos são necessários
para alcançar o objetivo geral que permitirá veri-
ficar a pertinê ncia da hipótese.
• Objetivos (Para quê?) – devem descrever ações
que se pretende alcançar. Fiquem atentos aos
verbos que devem ser utilizados para a elabora-
ção dos objetivos gerais e específicos.
• Justificativa (Por quê?) – deve ao máximo apre-
sentar o motivo que impulsionou a realização da
pesquisa e definir a importância e/ou relevância
de tratar ou intervir sobre o assunto abordado na
pesquisa.
• Estrutura teórica, principais autores e conceitos
(A partir de quê? ou Com o quê?)
• Resumo da metodologia (Como procedeu a pes-
quisa?)
• Organização das partes (Como organizou o con-
teúdo da pesquisa?)

Resumindo, é a parte inicial do texto que deve


fornecer uma visão global da pesquisa realizada e
onde devem constar a delimitação do assunto trata-
do, problema, hipótese, objetivos, justificativa e outros
elementos necessários para situar o tema do trabalho.

1.2.2 Desenvolvimento (Opção 1)


O doutorando/mestrando deve utilizar tal es-
trutura quando demonstrar dependência intelectual
do orientador.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 37
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.2.2.1 Referencial teórico


Trata-se da parte principal da tese/disserta-
ção. Divide-se em tópicos e subtópicos, que variam
em função da abordagem do tema e do método.
Refere-se ao estudo teórico, à abordagem dos au-
tores ou órgãos e instituições sobre o assunto.

1.2.2.2 Metodologia
A metodologia é composta por partes que des-
crevem o local, os sujeitos, o objeto de estudo, os
métodos e técnicas, que muitas vezes estão descri-
tos como procedimentos da pesquisa, as limitações
da pesquisa, bem como o tratamento de dados.

1.2.2.3 Resultados
Conter os resultados encontrados na pesquisa.

1.2.3 Desenvolvimento (Opção 2)


O doutorando/mestrando deve utilizar tal es-
trutura quando demonstrar desenvoltura teórico-
-metodológica.

1.2.3.1 Parte que discute e constrói conceitualmen-


te o objeto de pesquisa
Revisa a literatura do campo: apresenta, arti-
cula, discute, contrapõe, historiciza, compara con-
ceitos com o propósito de dar visibilidade ao objeto
diante do problema formulado.

1.2.3.2 Parte que discute e constrói a metodologia


da pesquisa
Dispõe sobre o percurso e as articulações de
métodos e/ou técnicas utilizadas para alcançar os

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 38
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

objetivos específicos que subsidiarão dados, análi-


ses, interpretações para a construção do objeto; e
sobre os elementos integrantes da pesquisa (pes-
soas, lugares, documentos, objetos, entre outros)
com o propósito de constituir o banco de dados que
será submetido à estrutura teórica apresentada.

1.2.3.3 Parte que apresente a análise/interpretação


do banco de dados com o propósito de verificar a(s)
hipótese(s) formulada(s)
Discorre sobre os resultados encontrados (ou
não) sobre o objeto construído a partir do trabalho
teórico-metodológico desenvolvido; e sobre a con-
firmação ou não à(s) hipótese(s) com as respecti-
vas justificativas – estas pautadas na análise/inter-
pretação do banco de dados.

1.2.4 Conclusões (ou Considerações finais)4


Parte final do texto, na qual se apresentam
conclusões correspondentes aos objetivos ou hipó-
teses.

1.3 Elementos pós-textuais

1.3.1 Referências
Nelas normalmente constam os documentos
e qualquer fonte de informação consultada no Re-
ferencial teórico e devidamente citada no corpo do
texto.

4
Assim como na Introdução, não colocar citação direta e indireta. Citar apenas o
nome dos autores que foram utilizados como referência na pesquisa.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 39
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.3.2 Apêndice(s) (Opcional)


São textos produzidos pelo autor e utilizados
na pesquisa a fim de complementar sua argumen-
tação, como por exemplo: questionários, tabelas,
fotos, dentre outros, que não estejam apresentados
na tese/dissertação. Deve ser precedido da palavra
APÊNDICE, identificado por letras maiúsculas con-
secutivas, travessão e pelo respectivo título.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 40
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1.3.3 Anexo(s) (Opcional)


Trata-se de documentos não elaborados pelo
autor, que servem de fundamentação, comprova-
ção ou ilustração, como formulários, planilhas, ma-
pas, entre outros. Deve ser precedido da palavra
ANEXO, identificado por letras maiúsculas conse-
cutivas, travessão e pelo respectivo título.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 41
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

2 REGRAS DE APRESENTAÇÃO DA DISSERTA-


ÇÃO/TESE

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 42
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

2.1 Formato
Os textos devem ser digitados em cor pre-
ta, podendo utilizar outras cores somente para as
ilustrações, como figuras e gráficos. Utilizar papel
branco, no formato A4 (21 cm x 29,7 cm). Os ele-
mentos pré-textuais devem iniciar no anverso da fo-
lha, com exceção da ficha catalográfica, que deve
vir no verso da folha de rosto.
Recomenda-se fonte Arial ou Times New Ro-
man e tamanho 12 para todo o trabalho, inclusive
capa, excetuando-se citações com mais de três li-
nhas, notas de rodapé, legendas e fontes das figu-
ras, dos gráficos e das tabelas, que devem ser em
tamanho menor e uniforme5. No caso de citações
com mais de três linhas, deve-se utilizar obrigato-
riamente o recuo da margem esquerda de 4 cm.
Usar itálico para destacar as palavras ou ex-
pressões em língua estrangeira.
Os parágrafos devem ser justificados, com re-
cuo especial de 1,25 cm na primeira linha. 

2.2 Margem
As margens devem ter 3,0 cm para superior e
esquerda e 2,0 cm para inferior e direita.

2.3 Espaçamento
Todo o texto deve ser digitado com espaço
1,5, excetuando-se as citações de mais de três li-
nhas, notas de rodapé, referências, legendas das

5
Ver modelo na página 42 deste Manual.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 43
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

figuras, gráficos, quadros e tabelas, que devem ser


digitados em espaço simples.
Os títulos das seções/partes devem começar
na parte superior da folha e ser separados do texto
que os sucede por um espaço. Da mesma forma,
os títulos das subseções devem ser separados do
texto que os precede e que os sucede.
Na folha de rosto e na folha de aprovação, a
nota descritiva deve ser alinhada com recuo de 7,5
cm à esquerda.

2.3.1 Notas de rodapé

As notas devem ser digitadas dentro


das margens e alinhadas abaixo da primeira letra
da primeira palavra, de forma a destacar o expoen-
te, com espaçamento simples e fonte tamanho 10.
Exemplo:

¹ Autor consagrado na educação brasileira.


2
Ibid., p. 203.

O uso de termos como idem ou ibidem deve


ser evitado, porém, caso haja necessidade, estes
devem ser utilizados apenas em notas de rodapé
e não no corpo do texto ou em citação com recuo.
Veja a seguir o significado dos termos mais utiliza-
dos:

• idem ou id. - o mesmo autor.


• ibidem ou ibid. - na mesma obra.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 44
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

• opus citatum, opus citato ou op. cit. - na


obra citada.
• confronte, confira ou cf. - quando se reco-
menda a consulta a outra obra ou a alguma
nota do texto.
• ap. ou apud = citado por.
• et al. ou et alii = e outros

2.3.2 Indicativos de seção

O indicativo numérico, em algarismo arábi-


co, de uma seção precede seu título, alinhado à
esquerda, separado por um espaço de caractere.
Os títulos das seções primárias e das subseções
devem começar na parte superior da página e ser
separados do texto que os sucede por um espaço
entre as linhas de 1,5. Exemplo:

1 REFERENCIAL TEÓRICO
1.1 A Educação no mundo
1.1.1 A Educação no Brasil

2.3.3 Títulos sem indicativo numérico

Os títulos sem indicativo numérico – agrade-


cimentos, lista de figuras, lista de gráficos, lista de
quadros, lista de tabelas, lista de abreviaturas e si-
glas, lista de símbolos, resumos, sumário, referên-
cias, apêndice(s) e anexo(s) – devem ser centrali-
zados e estar em negrito. O espaçamento deve ser
simples.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 45
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

2.4 Paginação

As folhas ou páginas pré-textuais a partir da


folha de rosto devem ser contadas sequencialmen-
te, mas não numeradas. As folhas pré-textuais, em-
bora contadas, não são numeradas. A numeração
é colocada a partir da Introdução/ Considerações
iniciais.
A numeração deve estar em algarismos arábi-
cos, no canto superior direito da folha.

2.5 Numeração progressiva

Apenas os títulos das seções primárias (exce-


to Introdução e Conclusões), por serem as princi-
pais divisões de um texto, devem iniciar em folha
distinta. Destacam-se gradativamente os títulos
das seções, utilizando-se os recursos assinalados
no Quadro 2. Deve-se limitar a numeração progres-
siva até a seção quinária. Exemplo:

2.6 Citações

As citações devem ser apresentadas confor-


me a ABNT NBR 10520/2002. No tópico 4, apre-
sentaremos como são elaboradas.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 46
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

2.7 Figuras e gráficos

A identificação das figuras e dos gráficos apa-


rece na parte inferior, precedida da palavra desig-
nativa, seguida de seu número de ordem de ocor-
rência no texto, em algarismos arábicos, do respec-
tivo título de forma concisa e clara. Tanto o título
quanto a fonte devem estar centralizados, com letra
tamanho 11 e espaçamento simples. Exemplo:

Figura 1 - Número de ocorrências das expressões.


Fonte: dados da pesquisa.

A figura (ou o gráfico) deve ser inserida o mais


próximo possível do trecho a que se refere. Exemplo:
De acordo com os dados da Figura 18, a fun-
ção mais utilizada das partículas em estudo, con-
siderando todos os casos analisados, foi a de en-
quadre de elementos discursivos (angulador). No
“Caso do acidente”, por exemplo, essa função foi
empregada 7 (sete) vezes. Por outro lado, a função

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 47
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

menos observada foi a de marca de hesitação, to-


talizando apenas 2 (duas) ocorrências. Além disso,
notou-se a ocorrência do marcador que insere se-
quência explicativa em todas as narrativas.6

2.8 Quadros e Tabelas

Os quadros e as tabelas devem ser citados no


texto, inseridos próximos ao trecho a que se refe-
rem e padronizadas conforme o Instituto Brasileiro
de Geografia e Estatística (IBGE). Disponível em:
<http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/mono-
grafias/GEBIS%20-%20RJ/normastabular.pdf>.
Acesso em: 20 jul. 2012. Exemplo:

6
Castelano e Ladeira (2009).

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 48
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

3 ELABORAÇÃO DAS REFERÊNCIAS

3.1 Formas de entrada

Entrada é a expressão ou palavra (nome do


autor, título, entre outros) que inicia uma referência.

3.1.1 Autores pessoais

Deve-se indicar a entrada pelo último sobre-


nome do autor, em maiúsculas, seguido dos so-
brenomes abreviados ou não. É preciso seguir um
padrão no decorrer das Referências. Os nomes de-
vem ser separados por ponto-e-vírgula, seguido de
espaço. Exemplos:

SOUZA, C. H. de. Comunicação, Educação e


Novas Tecnologias. Campos dos Goytacazes,
RJ. Editora FAFIC, 2003.
MOURA, S. A.; MONTEIRO, L. F. A validação do
discurso político do ex-presidente Lula em campa-
nha no documentário Entreatos, de João Moreira
Salles. InterScience Place, v.1, p. 1-15, 2012.
FÁVERO, L. L.; ANDRADE, M. L. C. V. O.; AQUI-
NO, Z. G. O. Oralidade e escrita: perspectivas
para o ensino de língua materna. 5. ed. São Paulo:
Cortez, 2005. 126p.

Para documentos elaborados por mais de três


autores, indica-se apenas o primeiro, acrescentan-
do a expressão latina et al. Exemplo:

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 49
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

SOUZA, C. H. M. de. et al. O cyberbullying e suas


relações com as estruturas psíquicas. Nucleus,
v. 9, n. 1, p. 241-251, 2012.

Os documentos elaborados por vários auto-


res, se houver uma indicação de Organizador, Edi-
tor, Coordenador, entre outros, a entrada deve ser
feita pelo nome deste responsável seguida do tipo
de participação escrito abreviado, no singular, entre
parênteses. Exemplo:

FURTADO DA CUNHA, M. A.; TAVARES, M. A.


(Orgs.). Funcionalismo e ensino de gramática.
Natal: Edurfn, 2007.

Entrada de sobrenome composto indicando


parentesco, como Júnior, Filho e Neto. Exemplo:

CAMARA JÚNIOR, J. M. Estrutura da Língua


Portuguesa. 7. ed. Rio de Janeiro: Editora Vo-
zes, 1976.

3.1.2 Autoria desconhecida


A entrada será pela primeira palavra do título
em maiúscula. Exemplo:

DIAGNÓSTICO do setor editorial brasileiro. São


Paulo: Câmara Brasileira do Livro, 1993. 64p.

3.1.3 Entidade coletiva


Obras de responsabilidade de entidade têm en-
trada pelo seu próprio nome, por extenso. Exemplo:

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 50
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLU-


MINENSE DARCY RIBEIRO. Estatuto da Uni-
versidade Estadual do Norte Fluminense.
Campos dos Goytacazes, RJ: 2002. 36p.

Quando se tratar de obras de cunho adminis-


trativo ou legal, entrar diretamente pelo nome da
entidade ou pelo nome geográfico que indica a es-
fera de subordinação (país, estado ou município).
Exemplo:

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamen-


tal. Parâmetros curriculares nacionais: língua
portuguesa. Secretaria de Educação Fundamen-
tal. Brasília: 1997.

3.1.4 Congressos, conferências, simpósios, semi-


nários, entre outros
No caso de encontros científicos, tem entrada
pelo nome do evento, com indicação do respectivo
número deste em algarismos arábicos, ano e local
de realização. Exemplo:

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ENSINO DE


LÍNGUA PORTUGUESA. 2., 2012, Uberlândia.
Anais... Uberlândia: EDUFU, 2012.

3.2 Edição
Quando houver uma indicação de edição, esta
deve ser transcrita, utilizando-se abreviaturas dos
numerais ordinais e da palavra edição, ambas na

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 51
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

forma adotada na língua do documento. Exemplos:


3. ed. (português, espanhol); 2nd ed. (inglês); 2e
ed. (francês); 2. Auful. (alemão); e 2ª ed. (italiano).
Quando esta for revista e aumentada deve ser
acrescentada de forma abreviada. Exemplo: 2. ed.
rev. e aum.
Quando se tratar da primeira edição, esta não
deve ser mencionada.

3.3 Local
No caso de cidades com o mesmo nome,
acrescenta-se o nome do estado, do país, entre ou-
tros. Exemplo: Campo Grande, MS; Campo Gran-
de, RJ.
Quando houver mais de um local para uma só
editora, indica-se o primeiro ou o mais destacado.
Quando a cidade não aparece no documento,
mas pode ser identificada, indica-se entre colche-
tes. Exemplo: [Campos dos Goytacazes]
Na impossibilidade de identificar o local, utili-
za-se a expressão sine loco, abreviada, entre col-
chetes. Exemplo: [S.l.].

3.4 Editora
O nome da editora deve ser citado da mesma
forma que está no documento, abreviando-se os
sobrenomes. Quando houver duas editoras, indi-
cam-se ambas, com seus respectivos locais (cida-
des). Exemplo: São Paulo: Paz e Terra; Campinas:
UNICAMP.
Quando não for possível identificar a editora,

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 52
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

indica-se a expressão sine nomine, abreviada, en-


tre colchetes [s.n.].

3.5 Data
A ABNT NBR 6023 recomenda não deixar ne-
nhuma referência sem data. Caso não seja possí-
vel indicá-la, utilizar data de impressão, copyright
e de distribuição. No entanto, se nenhuma dessas
estiver disponível, registra-se uma data aproxima-
da entre colchetes. Exemplos: um ano ou outro -
[1985 ou 1986]; data provável - [1985?]; década
certa - [198-]; década provável - [198-?]; século
certo - [17--]; e século provável - [17--?].

3.6 Regras gerais de apresentação


As referências são alinhadas somente à mar-
gem esquerda do texto e de forma a se identificar
individualmente cada documento, com espaça-
mento simples entre linhas e separado entre si por
um espaço.
Utilizar o recurso negrito para destacar o títu-
lo. Quando neste houver dois pontos, usar o negri-
to somente até este sinal de pontuação.

3.7 Modelos de referências


3.7.1 Citação de monografia, dissertação ou tese
Inclui livro e/ou folheto (manual, guia, catálo-
go, enciclopédia, dicionário, entre outros) e traba-
lhos acadêmicos (artigos, monografias, disserta-
ções, teses, entre outros).

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 53
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

CASTELANO, K. L. Funções discursivo-inte-


racionais das expressões “assim”, “tipo” e
“tipo assim” em narrativas orais. 2009. 58 f.
Monografia (Licenciatura em Letras) – Departa-
mento de Letras, Universidade Federal de Viço-
sa, Viçosa, 2009.

3.7.2 Citação de monografia, dissertação ou tese


em meio eletrônico
As referências devem obedecer aos padrões
indicados para monografia, dissertação ou tese,
acrescidas das informações relativas às informa-
ções sobre o meio eletrônico.

SILVA, E. F. da. Leitura do texto literário mu-


seificado no manual de língua portuguesa.
Campos dos Goytacazes, RJ: UENF, 2010. Dis-
ponível em: <http://www.uenf.br/Uenf/Downloa-
ds/COGNICAO_6587_1308236128.pdf>. Aces-
so em: 24 ago. 2012.

3.7.3 Evento como um todo


Inclui o conjunto dos documentos reunidos
num produto final do próprio evento (atas, anais,
proceedings, entre outras denominações). Exem-
plos:

REUNIÃO ANUAL DE PSICOLOGIA, 18., 1988,


Ribeirão Preto. Anais... Ribeirão Preto: Socieda-
de de Psicologia de Ribeirão Preto, 1988. 765p.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 54
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Em meio eletrônico:

CONGRESSO BRASILEIRO DE PLANTAS OLE-


AGIONOSAS, ÓLEO VEGETAL E BIODISEL,
1., 2004, Varginha. Anais... Varginha: Editora
da UFLA, 2004. p. 29-32. Disponível em: <http://
oleo.ufla.br/anais_01/artigos/anais_completo.pdf>.
Acesso em: 23 jul. 2012.

3.7.3.1 Trabalho apresentado em evento

CASTELANO, K. L.; LUQUETTI, E. C. F. Ope-


radores argumentativos “assim”, “tipo e “tipo as-
sim” no ensino de língua portuguesa. In: CON-
GRESSO INTERNACIONAL DE LINGUÍSTICA
HISTÓRICA. 2., 2012, São Paulo. Anais... São
Paulo: Edusp, 2012.

3.8 Legislação

SÃO PAULO (Estado). Decreto n.2563, de 27


de abril de 1998. Dispõe sobre a atualização ca-
dastral dos aposentados e pensionistas da Ad-
ministração Pública Federal direta, autarquia e
fundacional do Poder Executivo da União, Lex:
Coletânea de Legislação e Jurisprudência, São
Paulo, v.62, n.12, p.1493-1494, 1998.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 55
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

3.9 Publicação periódica


Inclui a coleção como o todo, fascículo ou nú-
mero de revista, número de jornal, caderno, entre
outros, na íntegra, e a matéria existente em um
número, volume ou fascículo de periódico (artigos
científicos de revistas, editoras, matérias jornalísti-
cas, seções, reportagens, entre outros).

REVISTA VEJA. São Paulo, SP: A estratégia


para vencer, v. 20, n. 37, p. 5 -8, set. 1988.

3.9.1 Artigo e/ou matéria de revista, boletim, entre


outros.

ALMEIDA, J. M.; CASTELANO, K. L. A influência


dos aspectos textuais e da imagem na leitura de
outdoors de publicidade de motel. Vértices, v.
13, p. 57-78, 2011.

3.9.2 Artigo e/ou matéria de revista, boletim, entre


outros, em meio eletrônico

ALMEIDA, J. M.; CASTELANO, K. L. A influên-


cia dos aspectos textuais e da imagem na leitura
de outdoors de publicidade de motel. Vértices,
v. 13, p. 57-78, 2011. Disponível em: <http://es-
sentiaeditora.iff.edu.br/index.php/vertices/article/
viewArticle/1769>. Acesso em: 16 jul. 2012.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 56
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

3.10 Artigo e/ou matéria de jornal


Inclui comunicações, editorial, entrevistas, re-
censões, reportagens, resenhas e outros. Os ele-
mentos essenciais são: autor(es) se houver, título,
título do jornal, local de publicação, data de publi-
cação, seção, caderno ou parte do jornal e a pagi-
nação correspondente. Quando não houver seção,
caderno ou parte, a paginação do artigo ou matéria
antecede a data.

NAVES, P. Lagos andinos dão banho de beleza.


Folha de São Paulo, São Paulo, 28 jun. 1999.
Folha Turismo. Caderno 8, p.13.

3.10.1 Artigo e/ou matéria de jornal em meio ele-


trônico

BARROS, T. À procura de um espaço para arte.


Folha da manhã online, Campos dos Goytaca-
zes, 26 ago. 2012. Cultura e Lazer. Disponível
em: <http://www.fmanha.com.br/cultura-lazer/-
-procura-de-um-espaco-para-arte>. Acesso em:
26 ago. 2012.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 57
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

4 CITAÇÃO (ABNT NBR 10520/2002)

As citações podem aparecer no texto e em no-


tas de rodapé.

4.1 Definições
Citação: referência de uma informação extraí-
da de outra fonte;
Citação de citação: citação direta ou indireta
de um texto em que não se teve acesso ao original;
Citação direta: transcrição textual de parte da
obra do autor consultado;
Citação indireta: texto baseado na obra do au-
tor consultado; e
Notas de rodapé: indicações, observações ou
acréscimos ao texto feitos pelo autor, tradutor ou
editor.

4.2 Regras gerais de apresentação


A citação pelo sobrenome do(s) autor(es),
pela instituição responsável ou pelo título (quando
incluídos na sentença) devem estar em letras mai-
úsculas e minúsculas.
A citação pelo sobrenome do(s) autor(es),
pela instituição responsável ou pelo título (quando
não estiverem incluídos na sentença) devem estar
entre parênteses e em letras maiúsculas.
Nas citações diretas e citações indiretas lo-
calizadas, especificar no texto a(s) página(s), o
volume ou a(s) seção(ões) da fonte consultada.
Esta(s) deverá(ão) seguir a data, separada(s) por
vírgula(s) e precedida(s) pelo designativo que a(s)
caracteriza(m).

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 58
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Nas citações diretas, caso o trecho citado já


contenha sinal de pontuação encerrando a frase, as
aspas finais são colocadas após o sinal; caso con-
trário, as aspas delimitam o final da citação.
A citação direta com até três linhas deve estar
contida entre aspas duplas, escritas com a mesma
fonte do texto, tamanho 12. As aspas simples são
usadas para indicar citação no interior da citação.
Exemplo:

O ensino formal da língua portuguesa ofe-


rece “[...] conteúdos que se mantêm por longo
tempo por uma tradição ligada mais à escola do
que à prática, e com uma resistência obstinada à
atualização” (POSSENTI; ILARI, 1987, p. 9).

A citação direta com mais de três linhas deve


ser destacada com recuo de 4 cm da margem es-
querda, com espaço simples, com letra tamanho 11
e sem aspas.
Exemplo 1:

Segundo Casseb-Galvão e Lima-Hernandes (2007),


Um ensino de língua portuguesa que visa
ao desenvolvimento da competência co-
municativa deve incluir, de forma equilibra-
da e uniforme, um duplo direcionamento: a
partir da forma para a função e da função
para a forma, direcionamento especialmen-
te visível em estudos de gramaticalização,
os quais revelam que a língua é funcional e
também dinâmica, a despeito da instabili-
dade entre estrutura e função (p. 181).

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 59
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Exemplo 2:

Segundo os autores,
Um ensino de língua portuguesa que
visa ao desenvolvimento da compe-
tência comunicativa deve incluir, de
forma equilibrada e uniforme, um duplo
direcionamento: a partir da forma para
a função e da função para a forma, di-
recionamento especialmente visível em
estudos de gramaticalização, os quais
revelam que a língua é funcional e tam-
bém dinâmica, a despeito da instabilida-
de entre estrutura e função (Casseb-
-Galvão; Lima-Hernandes, 2007,
p. 181).

A citação de citação só deve ser usada na to-


tal impossibilidade de acesso ao documento origi-
nal. Usar a expressão “citado por”. Exemplos:

Segundo Salomão (2004 citado por ALMEI-


DA, 1999), “Um ponto interessante quanto aos
anguladores é que o enquadre que eles introdu-
zem é epistemológico” (p. 138).

“Um ponto interessante quanto aos angu-


ladores é que o enquadre que eles introduzem
é epistemológico” (SALOMÃO, 2004 citado por
ALMEIDA, 1999, p. 138).

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 60
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 61
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Observações:
Dois autores com o mesmo sobrenome e data:

se coincidir apenas sobrenome:


(SOUZA, C., 2002)
(SOUZA, J., 2002)

se coincidir nome e sobrenome:


(SOUZA, Carlos Henrique, 2002)
(SOUZA, César, 2002)

Diversos documentos de um mesmo autor pu-


blicados num mesmo ano, colocar na ordem que
aparece nas Referências:

(BRASIL, 2000a)
(BRASIL, 2000b)

Diversos documentos de um mesmo autor pu-


blicados em anos diferentes devem ser menciona-
dos em ordem cronológica:

(LÉVY, 1996; 2005; 2008)


(CRUZ; CORREA; COSTA, 1998, 1999, 2000)
Diversos documentos de vários autores men-
cionados simultaneamente devem ser colocados
em ordem alfabética:

(MARTELOTTA, 2004; CASSEB-GALVÃO;


LIMA-HERNANDES, 2007)
(NEVES, 1997; FURTADO DA CUNHA; TAVA-
RES, 2007; FREITAG, 2007)

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 62
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉC-


NICAS. NBR 10520: Informação e documentação
- Citações em documentos - apresentação. Rio de
Janeiro, 2002.

_______. NBR 6034: Informação e documentação:


índice: apresentação. Rio de Janeiro, 2004.

_______. NBR 12225: Informação e documentação


- lombada - apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

_______. NBR 6023: Informação e documentação -


referências - elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

_______. NBR 6028: Informação e documentação -


resumo - apresentação. Rio de Janeiro, 2003.

_______. NBR 6027: Informação e documentação -


sumário - apresentação. Rio de Janeiro, 2003.

_______. NBR 6024: Numeração progressiva das


seções de um documento - procedimento. Rio de
Janeiro, 2003.

_______. NBR 14724: Informação e documentação


- trabalhos acadêmicos - apresentação. Rio de Ja-
neiro, 2011.

CASTELANO, Karine Lôbo; LADEIRA, Wânia Te-


rezinha. Funções discursivo-interacionais das ex-

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 63
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

pressões “assim”, “tipo” e “tipo assim” em narrati-


vas orais. Revista Letra Magna, ano 06, 12. ed.,
p. 1-17. 1º semestre de 2010. ISSN 1807-5193.
Disponível em: <http://www.letramagna.com/arti-
go24_XII.pdf>. Acesso em: 26 ago. 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E


ESTATÍSTICA. Normas de apresentação ta-
bular. Rio de Janeiro, 1993. Disponível em:
<http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/mono-
grafias/GEBIS%20-%20RJ/normastabular.pdf>.
Acesso em: 20 jul. 2010.

KAUARK, Fabiana; MANHÃES, Fernanda Castro;


SOUZA, Carlos Henrique Medeiros de. Metodolo-
gia da pesquisa: guia prático. Itabuna: Via Littera-
rum, 2010. 88 p.

PINTO, Alice Regina et al. Manual de normaliza-


ção de trabalhos acadêmicos. Viçosa, MG, 2011.
88 p. Disponível em:<http://www.bbt.ufv.br/>.
Acesso em: 26 ago. 2012.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 64
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Apêndice

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 65
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

APÊNDICE - MODELO DE PRÉ-PROJETO


DE PESQUISA

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 67
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 68
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

SUMÁRIO

1 Introdução7..............................................................
2 Objetivos8................................................................
3 Justificativa..............................................................
4 Marco Teórico / Fundamentação Teórica
5 Metodologia9............................................................
6 Cronograma............................................................
Referências................................................................
Anexos.......................................................................

7
Deve incluir a contextualização, o problema e a hipótese, se houver.
8
Deve incluir o geral e os específicos.
9
Deve incluir o universo da pesquisa (local/população/amostra), o tipo de pes-
quisa, os instrumentos de coleta de dados, bem como os procedimentos.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 69
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

1 Introdução
Contextualize, abordando o tema de forma
a identificar os motivos ou o contexto no qual o
problema ou a(s) questão(ões) de pesquisa foram
identificados. Permita que se tenha uma visualiza-
ção situacional do problema. Restrinja sua aborda-
gem apresentando a(s) questão(ões) que fizeram
você propor esta pesquisa.

• Hipótese
Hipótese é sinônimo de suposição. Neste
sentido, Hipótese é uma afirmação categórica (uma
suposição), que tente responder ao Problema le-
vantado no tema escolhido para pesquisa. É uma
pré-solução para o Problema levantado. O trabalho
de pesquisa, então, irá confirmar ou negar a Hipó-
tese (ou suposição) levantada.

2 Objetivos
Nesta etapa você pensará a respeito de sua
intenção ao propor a pesquisa. Deverá sintetizar o
que pretende alcançar com a pesquisa. Os objeti-
vos devem estar coerentes com a justificativa e o
problema proposto. O objetivo geral será a síntese
do que se pretende alcançar, e os objetivos especí-
ficos explicitarão os detalhes e serão um desdobra-
mento do objetivo geral.
Os objetivos informarão para que você está
propondo a pesquisa, isto é, quais os resultados
que pretende alcançar ou qual a contribuição que
sua pesquisa irá efetivamente proporcionar.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 70
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Os enunciados dos objetivos devem começar


com um verbo no infinitivo e este verbo deve indicar
uma ação passível de mensuração.
Como exemplos de verbos usados na formula-
ção dos objetivos, podem-se citar para:
a) Apontar, arrolar, definir, enunciar, inscrever,
registrar, relatar, repetir, sublinhar e nomear;
b) Descrever, discutir, esclarecer, examinar,
explicar, expressar, identificar, localizar, traduzir e
transcrever; e
c) Classificar, comparar, constatar, criticar,
debater, diferenciar, distinguir, examinar, provar,
investigar e experimentar.
Divide-se em:
• Geral: Normalmente um maior (abrange todo o
trabalho de pesquisa)
• Específicos: É o detalhamento dos objetivos
(delimitador do estudo)
É o momento da delimitação da pesquisa...
Aqui deve-se buscar responder “Até onde se deseja
ir com a pesquisa... Quais os seus limites...”

3 Justificativa
Nesta etapa você irá refletir sobre “o porquê”
da realização da pesquisa procurando identificar as
razões da preferência pelo tema escolhido e sua
importância em relação a outros temas. Pergunte a
você mesmo: o tema é relevante e, se é, por quê?
Quais os pontos positivos que você percebe na
abordagem proposta? Que vantagens e benefícios
você pressupõe que sua pesquisa irá proporcionar?
A justificativa deverá convencer quem for ler o pro-

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 71
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

jeto, com relação à importância e à relevância da


pesquisa proposta.

4 Marco teórico ou fundamentação teórica


Nesta fase você deverá responder às seguin-
tes questões: quem já escreveu e o que já foi publi-
cado sobre o assunto, que aspectos já foram abor-
dados, quais as lacunas existentes na literatura.
Pode objetivar determinar o “estado da arte”, ser
uma revisão teórica, ser uma revisão empírica ou
ainda ser uma revisão histórica.
A revisão de literatura é fundamental, porque
fornecerá elementos para você evitar a duplicação
de pesquisas sobre o mesmo enfoque do tema. Fa-
vorecerá a definição de contornos mais precisos do
problema a ser estudado.
Descrever através de autores ou referências
a fundamentação ou base teórica para o trabalho...
Seria interessante subdividir o Marco Teórico
em partes...

Ex: 3.1 Assunto Inicial


3.2. Outro Assunto
3.3. Terceiro Assunto

Algumas dicas para o texto do marco teórico:


• Citação direta: transcrição do texto utilizando as
próprias palavras do autor.
Exemplo
a) Quando utilizamos literalmente as palavras
dos autores com até três linhas. Devemos utilizar
aspas duplas e manter a mesma fonte e tamanho
do texto.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 72
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Segundo Manhães (2007, p. 21), aprender


metodologia é estar sintonizado com o mundo da
pesquisa. A mesma autora aponta que “[...] meto-
dologia é a forma de se produzir uma pesquisa que
possa ser verificável”.

b) Com mais de três linhas: recuo de 4 cm


para todas as linhas, a partir da margem esquerda,
com letra menor (fonte 11) que a do texto utilizado
e sem aspas.

Segundo nos aponta Manhães (2007),


A metodologia é o caminho para o desen-
volvimento de uma tarefa ou pesquisa. É
através dela que podemos verificar se os
resultados foram obtidos a partir de uma
sequência lógica e racional aceita pela co-
munidade cientifica (p. 20).

Outra maneira de se fazer uma citação direta é:

A metodologia é o caminho para o desen-


volvimento de uma tarefa ou pesquisa. É através
dela que podemos verificar se os resultados foram
obtidos a partir de uma sequência lógica e racio-
nal aceita pela comunidade cientifica (MANHÃES,
2007, p. 20)10.

Citação indireta: é a reprodução de ideias do


autor. É uma citação livre, usando as suas pala-

10
Veja como o sobrenome dos autores e o ano estarão indicados apenas no
final da citação.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 73
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

vras para dizer o mesmo que o autor disse no texto.


Contudo, a ideia expressa continua sendo de auto-
ria do autor que você consultou, por isso é necessá-
rio citar a fonte: dar crédito ao autor da ideia.
a) Exemplo 1:
A metodologia definida por Manhães (2007)
como um caminho a ser seguido para se chegar
aos resultados propostos, pois cada um poderá re-
alizar os mesmos passos e verificar o estudo.

b) Exemplo 2:
A metodologia definida como um caminho a
ser seguido para se chegar aos resultados propos-
tos, pois cada um poderá realizar os mesmos pas-
sos e verificar o estudo (MANHÃES, 2007).

• Citação de citação
É a menção de um documento ao qual você
não teve acesso, mas que tomou conhecimento por
citação em outro trabalho.
Usamos a expressão “citado por” para indicar
a obra de onde foi retirada a citação. É uma citação
indireta. Exemplo: Segundo Salomão (1994 citado
por ALMEIDA, 1999)...

5 Metodologia
Pesquisa científica é a realização concreta
de uma investigação planejada e desenvolvida de
acordo com as normas consagradas pela metodo-

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 74
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

logia científica. Metodologia científica entendida


como um conjunto de etapas ordenadamente dis-
postas que você deve vencer na investigação de
um fenômeno. Inclui a escolha do tema, o planeja-
mento da investigação, o desenvolvimento metodo-
lógico, a coleta e a tabulação de dados, a análise
dos resultados, a elaboração das conclusões e a
divulgação de resultados.
Os tipos de pesquisa e as abordagens apre-
sentadas nas diversas classificações não são es-
tanques. Uma mesma pesquisa pode estar, ao mes-
mo tempo, enquadrada em várias classificações, des-
de que obedeça aos requisitos inerentes a cada tipo.

• Definição do universo da pesquisa

O universo da pesquisa será composto de lu-


gar (local/cidade/região, etc) onde ocorrerá a pes-
quisa ou estudo. Também poderá ser definida a
população do estudo, amostra e a identificação dos
sujeitos.

Do ponto de vista da forma de abordagem do


problema pode ser:

Pesquisa Quantitativa: considera que tudo pode


ser quantificável, o que significa traduzir em nú-
meros opiniões e informações para classificá-las e
analisá-las. Requer o uso de recursos e de técnicas
estatísticas (percentagem, média, moda, mediana,
desvio-padrão, coeficiente de correlação, análise
de regressão, etc.).

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 75
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Pesquisa Qualitativa: considera que há uma rela-


ção dinâmica entre o mundo real e o sujeito, isto é,
um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a
subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido
em números. A interpretação dos fenômenos e a
atribuição de significados são básicas no processo
de pesquisa qualitativa. Não requer o uso de méto-
dos e técnicas estatísticas. O ambiente natural é a
fonte direta para coleta de dados e o pesquisador é
o instrumento- chave. É descritiva. Os pesquisado-
res tendem a analisar seus dados indutivamente. O
processo e seu significado são os focos principais
de abordagem.

• Do ponto de vista de seus objetivos, con-


forme aponta Gil (1991), pode ser:

Pesquisa Exploratória: objetiva a maior familiari-


dade com o problema, tornando-o explícito, ou à
construção de hipóteses. Envolve levantamento
bibliográfico; entrevistas com pessoas que tiveram
experiências práticas com o problema pesquisado;
análise de exemplos que estimulem a compreen-
são. Assume, em geral, as formas de Pesquisas
bibliográficas e estudos de caso.

Pesquisa Descritiva: visa descrever as caracte-


rísticas de determinada população ou fenômeno,
ou o estabelecimento de relações entre variáveis.
Envolve o uso de técnicas padronizadas de coleta
de dados: questionário e observação sistemática.
Assume, em geral, a forma de levantamento.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 76
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Pesquisa Explicativa: visa identificar os fatores


que determinam ou contribuem para a ocorrência
dos fenômenos. Aprofunda o conhecimento da rea-
lidade porque explica a razão, o porquê das coisas.
Quando realizada nas ciências naturais requer o
uso de método experimental, e nas ciências sociais
requer o uso do método observacional. Assume,
em geral, as formas de pesquisa experimental e
pesquisa ex post facto.

• Do ponto de vista dos procedimentos téc-


nicos (GIL, 1991), pode ser:

Pesquisa Bibliográfica: quando elaborada a partir


de material já publicado, constituído principalmente
de livros, artigos de periódicos e atualmente com
material disponibilizado na Internet.

Pesquisa Documental: quando elaborada a partir


de materiais que não receberam tratamento analí-
tico.

Pesquisa Experimental: quando se determina um


objeto de estudo, selecionam-se as variáveis que
seriam capazes de influenciá-lo, definem-se as for-
mas de controle e de observação dos efeitos que a
variável produz no objeto.

Levantamento: quando a pesquisa envolve a inter-


rogação direta das pessoas cujo comportamento se
deseja conhecer.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 77
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Estudo de caso: quando envolve o estudo profun-


do e exaustivo de um ou poucos objetos de manei-
ra que se permita o seu amplo e detalhado conhe-
cimento.

Pesquisa Expost-Facto: quando o “experimento”


se realiza depois dos fatos.

Pesquisa-Ação: quando concebida e realizada em


estreita associação com uma ação ou com a reso-
lução de um problema coletivo. Os pesquisadores
e participantes representativos da situação ou do
problema estão envolvidos de modo cooperativo ou
participativo.

Pesquisa Participante: quando se desenvolve a


partir da interação entre pesquisadores

• Instrumentos para a coleta de dados

Definição do instrumento de coleta de dados


dependerá dos objetivos que se pretende alcançar
com a pesquisa e do universo a ser investigado. Os
instrumentos de coleta de dados tradicionais são:

a) Observação: quando se utilizam os senti-


dos na obtenção de dados de determinados aspec-
tos da realidade. A observação pode ser:
• Observação assistemática: não tem plane-
jamento e controle previamente elaborados;
• Observação sistemática: tem planejamen-
to, realiza-se em condições controladas para res-
ponder aos propósitos preestabelecidos;

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 78
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

• Observação não participante: o pesquisa-


dor presencia o fato, mas não participa;
• Observação individual: realizada por um
pesquisador;
• Observação em equipe: feita por um grupo
de pessoas;
• Observação na vida real: registro de dados
à medida que ocorrem;
• Observação em laboratório: onde tudo é
controlado.

b) Entrevista: é a obtenção de informações


de um entrevistado, sobre determinado assunto ou
problema. A entrevista pode ser:

• Padronizada ou estruturada: roteiro previa-


mente estabelecido;
• Despadronizada ou não estruturada: não
existe rigidez de roteiro. Podem-se explorar mais
amplamente algumas questões.

c) Questionário: é uma série ordenada de per-


guntas que devem ser respondidas por escrito pelo
informante. O questionário deve ser objetivo, limi-
tado em extensão e estar acompanhado de instru-
ções As instruções devem esclarecer o propósito
de sua aplicação, ressaltar a importância da cola-
boração do informante e facilitar o preenchimento.

• As perguntas do questionário podem ser:

Abertas: “Qual é a sua opinião?”;


Fechadas: duas escolhas: sim ou não;

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 79
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Múltiplas escolhas: fechadas com uma série de


respostas possíveis. Young e Lundberg (1994 cita-
do por PESSOA, 1998) fizeram uma série de reco-
mendações úteis à construção de um questionário.
Entre elas destacam-se:
• O questionário deverá ser construído em blo-
cos temáticos obedecendo a uma ordem lógica na
elaboração das perguntas;
• A redação das perguntas deverá ser feita em
linguagem compreensível ao informante. A lingua-
gem deverá ser acessível ao entendimento da mé-
dia da população estudada;
• A formulação das perguntas deverá evitar a
possibilidade de interpretação dúbia, sugerir ou in-
duzir a resposta;
• Cada pergunta deverá focar apenas uma
questão para ser analisada pelo informante; e
• O questionário deverá conter apenas as per-
guntas relacionadas aos objetivos da pesquisa. De-
vem ser evitadas perguntas que, de antemão, já se
sabe que não serão respondidas com honestidade.

d) Formulário: é uma coleção de questões e anota-


das por um entrevistador numa situação face a face
com a outra pessoa (o informante).
O instrumento de coleta de dados escolhido
deverá proporcionar uma interação efetiva entre
você, o informante e a pesquisa que está sendo
realizada. Para facilitar o processo de tabulação
de dados por meio de suportes computacionais, as
questões e suas respostas devem ser previamente
codificadas.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 80
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

A coleta de dados estará relacionada com o


problema, a hipótese ou os pressupostos da pes-
quisa e objetiva obter elementos para que os objeti-
vos propostos na pesquisa possam ser alcançados.
Neste estágio você escolhe também as possí-
veis formas de tabulação e apresentação de dados
e os meios (os métodos estatísticos, os instrumen-
tos manuais ou computacionais) que serão usados
para facilitar a interpretação e análise dos dados.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 81
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

6 Cronograma da pesquisa

Referências
Registrar todas as bibliografias, documentos, sites, etc..
Para uma melhor recuperação de um docu-
mento, as referências devem ter alguns elementos
indispensáveis, como:
1. autor (quem?);
2. título (o que?);
3. edição;
4. local de publicação (onde?);
5. editora;
6. data de publicação da obra (quando?)
Exemplos:
a) Inclui livro e/ou folheto (manual, guia, catálogo,
enciclopédia, dicionário, entre outros) e trabalhos
acadêmicos (artigos, monografias, dissertações,
teses, entre outros).

CASTELANO, K. L. Funções discursivo-interacio-


nais das expressões “assim”, “tipo” e “tipo as-
sim” em narrativas orais. 2009. 58 f. Monografia
(Licenciatura em Letras) – Departamento de Letras,
Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2009.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 82
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

b) Citação de monografia, dissertação ou tese em


meio eletrônico

As referências devem obedecer aos padrões


indicados para monografia, dissertação ou tese,
acrescidas das informações relativas às informa-
ções sobre o meio eletrônico.

SILVA, E. F. da. Leitura do texto literário mu-


seificado no manual de língua portuguesa.
Campos dos Goytacazes, RJ: UENF, 2010. Dis-
ponível em: <http://www.uenf.br/Uenf/Downloa-
ds/COGNICAO_6587_1308236128.pdf>. Aces-
so em: 24 ago. 2012.

c) Evento como um todo

Inclui o conjunto dos documentos reunidos


num produto final do próprio evento (atas, anais,
proceedings, entre outras denominações). Exem-
plos:

REUNIÃO ANUAL DE PSICOLOGIA, 18., 1988,


Ribeirão Preto. Anais... Ribeirão Preto: Socieda-
de de Psicologia de Ribeirão Preto, 1988. 765p.

d) Em meio eletrônico:

CONGRESSO BRASILEIRO DE PLANTAS OLE-


AGIONOSAS, ÓLEO VEGETAL E BIODISEL, 1.,
2004, Varginha. Anais... Varginha: Editora da
UFLA, 2004. p. 29-32. Disponível em: <http://
oleo.ufla.br/anais_01/artigos/anais_completo.
pdf>. Acesso em: 23 jul. 2012.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 83
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

e) Trabalho apresentado em evento

CASTELANO, K. L.; LUQUETTI, E. C. F. Ope-


radores argumentativos “assim”, “tipo e “tipo as-
sim” no ensino de língua portuguesa. In: CON-
GRESSO INTERNACIONAL DE LINGUÍSTICA
HISTÓRICA. 2., 2012, São Paulo. Anais... São
Paulo: Edusp, 2012.

f) Legislação

SÃO PAULO (Estado). Decreto n.2563, de 27


de abril de 1998. Dispõe sobre a atualização ca-
dastral dos aposentados e pensionistas da Ad-
ministração Pública Federal direta, autarquia e
fundacional do Poder Executivo da União, Lex:
Coletânea de Legislação e Jurisprudência, São
Paulo, v.62, n.12, p.1493-1494, 1998.

g) Publicação periódica
Inclui a coleção como o todo, fascículo ou nú-
mero de revista, número de jornal, caderno, entre
outros, na íntegra, e a matéria existente em um
número, volume ou fascículo de periódico (artigos
científicos de revistas, editoras, matérias jornalísti-
cas, seções, reportagens, entre outros).

REVISTA VEJA. São Paulo, SP: A estratégia


para vencer, v. 20, n. 37, p. 5 -8, set. 1988.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 84
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

h) Artigo e/ou matéria de revista, boletim, entre ou-


tros.

ALMEIDA, J. M.; CASTELANO, K. L. A influência


dos aspectos textuais e da imagem na leitura de
outdoors de publicidade de motel. Vértices, v.
13, p. 57-78, 2011.

i) Artigo e/ou matéria de revista, boletim, entre ou-


tros, em meio eletrônico

ALMEIDA, J. M.; CASTELANO, K. L. A influên-


cia dos aspectos textuais e da imagem na leitura
de outdoors de publicidade de motel. Vértices,
v. 13, p. 57-78, 2011. Disponível em: <http://es-
sentiaeditora.iff.edu.br/index.php/vertices/article/
viewArticle/1769>. Acesso em: 16 jul. 2012.

j) Artigo e/ou matéria de jornal


Inclui comunicações, editorial, entrevistas, re-
censões, reportagens, resenhas e outros. Os ele-
mentos essenciais são: autor(es) se houver, título,
título do jornal, local de publicação, data de publi-
cação, seção, caderno ou parte do jornal e a pagi-
nação correspondente. Quando não houver seção,
caderno ou parte, a paginação do artigo ou matéria
antecede a data.

NAVES, P. Lagos andinos dão banho de beleza.


Folha de São Paulo, São Paulo, 28 jun. 1999.
Folha Turismo. Caderno 8, p.13.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 85
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

k) Artigo e/ou matéria de jornal em meio eletrônico

BARROS, T. À procura de um espaço para arte.


Folha da manhã online, Campos dos Goytaca-
zes, 26 ago. 2012. Cultura e Lazer. Disponível
em: <tp://www.fmanha.com.br/cultura-lazer/-pro-
cura-de-um-espaco-para-arte>. Acesso em: 26
ago. 2012.

Normas gerais de apresentação


Para apresentação de trabalhos acadêmicos
e relatórios de pesquisa (tese ou dissertação) deve-
-se usar folha branca em papel no formato A4 (21
x 29,7 cm).
Na escrita deve-se fazer uso da ortografia ofi-
cial.
O tipo da letra deve ser de tamanho médio
e redondo (Arial ou Times), evitando tipo inclinado
e de fantasia. Para o texto usar fonte de tamanho
12. A folha deve apresentar margem superior e à
esquerda, de 3 cm, e inferior e à direita, de 2 cm.
A numeração das páginas deve aparecer no
canto superior direito da lauda, duas linhas acima
da primeira linha do texto.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 86
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Anexos

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 87
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 88
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

anexo 1 - Modelo de Artigo Científico

TÍTULO DO TRABALHO

MAIÚSCULA, NEGRITO, FONTE: Arial, 16;


CENTRALIZADO, ESPAÇO SIMPLES, espaçamento
0,40cm superior.

Nome e Sobrenome do autor principal1, co-autor2,


co-autor3, co-autor4 (Fonte: Arial, 12, Centralizado,
Negrito, Espaço Simples. Identifique a instituição
com números no formato sobrescrito tamanho 58%,
espaçamento 0,42 cm acima do parágrafo)
Instituição/Departamento/Escola, Cidade, Estado, Pais,
1

e-mail
Instituição/Departamento/Escola, Cidade, Estado, Pais,
2

e-mail
Instituição/Departamento/Escola, Cidade, Estado, Pais,
3

e-mail
Instituição/Departamento/Escola, Cidade, Estado, Pais,
4

e-mail
(Fonte: Arial, 10, centralizado, espaço simples,
identificar instituição com sobrescrito, espaçamento
0,22cm para parágrafo superior)

Resumo – O resumo deve ser um único


parágrafo, conter no mínimo 250 e no máximo
300 palavras, fonte Arial 12 - espaço simples,

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 89
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

justificado. A palavra Resumo deve ser em


itálico. Recuos de 0,80 cm com as margens
e 0,21 cm com os parágrafos anteriores e
posteriores.

Palavras-chave: Máximo de cinco palavras

Abstract – The abstract should be a single


paragraph, contain at least 250 and a maximum
of 300 words, Arial 12 -single space, justified. The
word Abstract should be in italics. With decreases
of 0.80 cm and 0.21 cmmargins to the
paragraphs before and after.

Keywords: Up to five words.

1. Título e subtítulo de Seção – Formatando o


texto normal

Para o tamanho do papel, deve-se ser adotado o formato


A4 com espaçamento 2,5 para todos os lados. O primeiro
parágrafo de uma sessão deve seguir a formatação Arial,
tamanho 12, espaçamento 1,5, justificado sem recuo. Os
demais parágrafos da sessão devem ser formatados com
a fonte em Arial tamanho 12, espaço 1,5, justificado, com
recuo na primeira linha.
Já o título deve ser a formatação com fonte Arial,
tamanho 14, alinhado a esquerda em negrito com 0,41
cm antes e 0,21. Para subtítulo, utilize a formatação com
fonte Arial, tamanho 12, alinhado a esquerda em negrito
0,31 cm antes e 0,21 depois.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 90
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

2. Figuras e Tabelas

Inserir figura. Ancorá-la1 “Como caractere”. Retirar o


espaçamento do parágrafo e centralizar a figura de forma
que ela fique no centro horizontal da página. Seguir as

normas da ABNT.

2.1. Legenda

Figura 1 – Subtítulo 1 com fonte Arial 12 ,


negrito, itálico e centralizado.

1 Este é um exemplo de Nota de Roda Pé gerada por “Inserir” → Nota


de Roda Pé”. Arial, 10 pt.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 91
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

3. Equações matemáticas

Devem ser destacadas do corpo do texto e centralizadas,


com numeração, com espaçamento de 0,41 cm antes e
0,21 cm depois da fórmula:

∯ esfera 
E⋅n
dA (1).

Favor verificar todas as fórmulas na versão


final do artigo para que não haja erros devido a
incompatibilidades de versão dos aplicativos de edição
de texto.

4. Citações

4.1. Citações de outros autores

As citações de outros autores devem ser formatadas em


Arial 10pt, espaço simples, alinhamento justificado, com
um grande recuo de 4cm à esquerda e um espaçamento
de 0,21 cm ao final do texto. (INTERSCIENCEPLACE,
2011):

É de inteira responsabilidade do
autor o atendimento às normas
de formatação de acordo com o
modelo e com estas instruções.
Artigos fora do formato prejudicam a
avaliação dos mesmos e não serão
publicados nas edições das revistas.
(INTERSCIENCEPLACE –
Orientação à submissão de
trabalhos, 2011, p.5)

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 92
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

No caso de citação literal ou transcrição


deve constar também a página citada (WEBER,
1958, p.27).

4.2. Citações de sujeitos de pesquisa

A citação dos sujeitos da pesquisa, ou destaques


de uma citação realizados pelo próprio autor, tem
a mesma formatação usada para as citações de
outros autores, a diferença, nesse caso, é que a
fonte deve ser em itálico.

4.3. Chamada de referência

Utilizar o modo de Autor e data entre parênteses:


(Castro et al., 2001)

Referências

Arial 12, espaço depois 0,21 cm. Alinhamento


à esquerda. Seguir as normas da ABNT, ver
p.ex. http://www.leffa.pro.br/textos/abnt.htm#4.1.
Seguem citações de exemplo.

ADES, L.; KERBAUY, R. R. Obesidade: realidade


e indignações. Psicologia USP, São Paulo, v. 13, n.
1, p. 197-216, 2002.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 93
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

PETERSON, L. et al. Improvement in quantity and


quality of prevention measurement of toddler injuries
and parental interventions. Behavior Therapy,
New York, v. 33, n. 2, p. 271-297, 2002.

OLIVEIRA, V. B.; BOSSA, N. A. (Org.). Avaliação


psicopedagógica da criança de sete a onze
anos. Petrópolis: Vozes, 1996. 182 p.

CASTRO, R. E. F.; MELO, M. H. S.; SILVARES,


E. F. M. Avaliação da percepção dos pares de
crianças com dificuldades de interação em uma
sucursal da clínica-escola do Instituto de Psicologia
da Universidade de São Paulo. In: CONGRESSO
INTERNO DO INSTITUTO DE PSICOLOGIA
DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, 5., 2001,
São Paulo. Resumos... São Paulo: Instituto de
Psicologia da Universidade de São Paulo, 2001. p.
49.

Sobre os autores

Um breve resumo acadêmico/profissional sobre os


autores.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 94
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

anexo 2 - documentos institucionais

Regimento Geral da Pós-Graduação

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E


TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE


FLUMINENSE DARCY RIBEIRO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

ATO DO PRESIDENTE

RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 02 DE 25 DE
FEVEREIRO DE 2011

DISPÕE SOBRE O REGIMENTO GE-


RAL DE PÓS-GRADUAÇÃO - STRICTO
SENSU - QUE NORTEIA AS NORMAS
GERAIS DE FUNCIONAMENTO DOS
PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO
EM DOIS NÍVEIS DE FORMAÇÃO,
MESTRADO E DOUTORADO

O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO


- CONSUNI - DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO
NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO - UENF,
no uso de suas atribuições, considerando o dis-
posto no Estatuto e no Regimento Geral da UENF,
e

CONSIDERANDO o Conselho Universitário


como instância suprema da UENF, órgão dou-
trinário, consultivo, normativo e deliberativo,

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 95
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

RESOLVE:

Art. 1º - Aprovar o Regimento Geral de Pós-Gradu-


ação – Stricto Sensu da Universidade Estadual do
Norte Fluminense Darcy Ribeiro, conforme Anexo e
presente resolução.

Art. 2º - Esta resolução entrará em vigor na data de


sua publicação, revogadas as disposições em
contrário, em especial a Resolução Consuni nº
003/2006.

Campos dos Goytacazes, 25 de fevereiro de 2011

SILVÉRIO DE PAIVA FREITAS


Presidente

________________________________________

ANEXO

REGIMENTO GERAL DE
PÓS-GRADUAÇÃO - STRICTO SENSU

Sumário

Título I- DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUA-


ÇÃO STRICTO SENSU E SEUS OBJETIVOS
Título II- DOS ESTUDANTES ESPECIAIS
Título III- DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 96
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

REGIMENTO GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO -


STRICTO SENSU

TÍTULO I

DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO


STRICTO SENSU E SEUS OBJETIVOS

Art. 1º - Os Programas de Pós-Graduação Stricto


Sensu, oferecidos pela Universidade Estadual do
Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), em cum-
primento ao disposto no seu Estatuto, têm a fina-
lidade de proporcionar aos estudantes formação
científica e cultural ampla e aprofundada e desen-
volver sua capacidade de pesquisa e a criatividade
nos diferentes ramos do saber.

Art. 2º - Os Programas de Pós-Graduação Stricto


Sensu compreenderão dois níveis de formação,
Mestrado e Doutorado, que conferirão os Títulos de
Mestre e Doutor, respectivamente.

CAPÍTULO I
DA ORGANIZAÇÃO GERAL

Art. 3º - O Mestrado terá duração mínima de 12


(doze) meses e máxima de 24 (vinte e quatro) me-
ses e o Doutorado terá duração mínima de 24 (vinte
e quatro) meses e máxima de 48 (quarenta e oito)
meses contados a partir da data de admissão no
Programa.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 97
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

§ 1º - O pós-graduando poderá solicitar à Comissão


Coordenadora do Programa (CCP) prorrogação por
até mais 06 (seis) meses. Em sendo aprovada a so-
licitação pela CCP a mesma deverá informar à Pró-
Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG)
e à Secretaria Acadêmica (SECACAD).

§ 2º - Em casos excepcionais o pós-graduando po-


derá solicitar extensão da prorrogação por até 06
(seis) meses. Para tal deverá encaminhar a solici-
tação de extensão à CCP com uma antecedência
de 03 (três) meses do vencimento do prazo, acom-
panhada dos seguintes documentos: justificativa
da solicitação, parecer do orientador, relatório de
atividades com respectivo cronograma e uma ver-
são preliminar da dissertação ou da tese. O es-
tudante deverá ter cumprido todas as exigências
regimentais, exceto a defesa. A falta de um desses
documentos impedirá sua apreciação pela CCP. A
CCP após aprovação da solicitação encaminhará a
mesma para avaliação da Câmara de Pesquisa e
Pós-Graduação (CPPG).

§ 3º - Serão computados para cálculo da duração


máxima, os períodos em que o estudante afastar-
-se da
Universidade, salvo os afastamentos motivados por
problemas de saúde e licença maternidade.

§ 4º - A prorrogação só será permitida para pós-


-graduando que não tenha no seu histórico escolar
reprovação em nenhuma disciplina do Programa.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 98
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

CAPÍTULO II
DA CÂMARA DE PESQUISA E
PÓS-GRADUAÇÃO (CPPG)

Art. 4º - À CPPG caberá definir as diretrizes e nor-


mas da UENF em suas atividades de Pesquisa e de
Pós-Graduação, bem como proceder à avaliação
geral de seus Programas de Pós-Graduação.

Art. 5º - A CPPG será constituída por:


I - 01 (um) presidente;
II - 02 (dois) representantes de cada Centro, entre
os Coordenadores dos Programas, com manda-
to de 02 (dois) anos, indicados pelo Conselho de
Centro, tendo os demais Coordenadores direito a
assento e voz;
III - 01 (um) representante e seu suplente dos es-
tudantes de pós-graduação, eleitos por seus pares,
com mandato de 01 (um) ano.

§ 1º - A suplência dos Coordenadores dos Progra-


mas de Pós-Graduação deverá seguir o que é es-
tabelecido no art. 13, deste Regimento.

§ 2º - A eleição do representante dos estudantes e


seu suplente de pós-graduação será convocada e
presidida pelo presidente da CPPG, e dela lavrada
ata em livro próprio.

Art. 6º - O Presidente da CPPG será o Pró-Reitor


de Pesquisa e Pós-Graduação da UENF, com as
seguintes atribuições.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 99
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Parágrafo Único - São atribuições do Presidente


da CPPG:
I- convocar e presidir as reuniões da Câmara;
II - assinar processos ou documentos submetidos
ao julgamento da Câmara;
III - encaminhar processos e deliberações da Câ-
mara às autoridades competentes;
IV - responder pela Câmara perante as autoridades
universitárias e outros órgãos de apoio e fomento;
V - encaminhar à CAPES, dentro dos prazos legais
as propostas de novos cursos de pós-graduação,
após os trâmites regimentais na UENF.

Art. 7º - Constituem atribuições da CPPG, além da-


quelas estabelecidas no artigo 56 do Estatuto:
I - elaborar o Programa geral das atividades de
Pós-Graduação, para homologação pelo Colegiado
Acadêmico (COLAC);
II - elaborar e propor modificações no Regimento
Geral de Pós-Graduação, para aprovação do CO-
LAC e do Conselho Universitário (CONSUNI), bem
como editar instruções complementares;
III - propor os requisitos mínimos dos Programas de
Pós-Graduação, atendidas as normas gerais esta-
belecidas pela legislação vigente;
IV - avaliar o desempenho dos Programas de Pós-
-Graduação e os requisitos estabelecidos para
cada um deles;
V - ratificar as indicações de Candidatos propostos
para a obtenção de títulos de Pós-Graduação;
VI - aprovar o Edital dos Programas de Pós-Gra-
duação;

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 100
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

VII - promover o desenvolvimento das atividades de


Pós-Graduação e de Pesquisa na UENF;
VIII - propor e discutir ajustes, acordos e convênios,
acadêmicos ou financeiros, para suporte, coopera-
ção ou desenvolvimento dos Programas de Pós-
-Graduação e de Pesquisa;
IX - atuar como órgão informativo e consultivo do
CONSUNI em matéria de Pós-Graduação e de
Pesquisa;
X - atuar como órgão de recursos das decisões to-
madas pelas Coordenações dos Programas;
XI - analisar e emitir parecer sobre propostas de
criação, expansão, modificação e extinção de cur-
sos de
Pós-Graduação, a serem submetidos à aprovação
do CONSUNI.
XII - apreciar e aprovar Regimentos, Normas e Re-
soluções dos Programas de Pós-Graduação, bem
como suas alterações.

CAPÍTULO III
DA CRIAÇÃO DOS PROGRAMAS

Art. 8º - Os Programas de Pós-Graduação deverão


ser propostos por um ou mais Laboratórios e, de-
pois de aprovados pelos Centros envolvidos, serão
submetidos à CPPG para análise e aprovação. Os
pedidos de aprovação deverão constar, obrigatoria-
mente, de:

I - projeto detalhado contendo justificativa, objeti-


vos, organização e regime de funcionamento do
Programa

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 101
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

no formato e com as informações exigidas pela CA-


PES;
II - critérios para credenciamento e descredencia-
mento de professores orientadores para homologa-
ção na CPPG;
III - número inicial de vagas para cada nível ocupa-
do e critérios para o seu preenchimento;
IV - data prevista de início do Programa e níveis de
formação a serem oferecidos.

Parágrafo Único - A CPPG deve apoiar-se em


pareceres de pelo menos dois consultores ad hoc,
sendo um deles externo à UENF e especializado na
área do Programa.

Art. 9º - Os Programas, uma vez aprovados pela


CPPG, serão submetidos à apreciação do Cole-
giado Acadêmico, para aprovação pelo Conselho
Universitário e, se, a aprovação for ratificada, serão
apresentados a CAPES.

Art. 10 - A CPPG poderá propor ao Colegiado Aca-


dêmico a suspensão definitiva ou a desativação
temporária de qualquer Programa, ou de um de
seus níveis de formação

CAPÍTULO IV
DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS

Art. 11 - A Comissão Coordenadora de cada Pro-


grama de Pós-Graduação será constituída por
membros docentes permanentes, credenciados do
Programa, do quadro de servidores da Universida-

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 102
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

de e representante discente, obedecendo à propor-


ção de no mínimo 70% de docentes, de acordo com
a seguinte distribuição:

I - 01 (um) Coordenador, como seu presidente e


com mandato de 02 (dois) anos, com possibilidade
de recondução, eleito pelos professores orientado-
res envolvidos no Programa e dentre os lotados em
tempo integral na UENF, homologado pelo Conse-
lho de Centro, designado pelo Diretor do Centro;
II - 01 (um) professor orientador representante de
cada Laboratório vinculado ao Programa indicado
por seus pares e com mandato de 02 (dois) anos;
III - no caso de Programa vinculado a apenas um
único Laboratório, haverá um representante docen-
te de cada setor ou área de concentração, indicado
por seus pares, e com mandato de 02 (dois) anos;
IV - 02 (dois) estudantes, 01 (um) de mestrado e
outro de doutorado, eleito por seus pares e com
mandato de 01 (um) ano, com possibilidade de re-
condução por mais 01 (um) ano.

§ 1º - No caso de um Programa de Pós-Graduação


compartilhado por mais de um Centro, a indicação
do Coordenador e o seu mandato ocorre conforme
o estabelecido no inciso I deste artigo, ficando a
homologação e a designação, respectivamente, a
cargo da CPPG e do Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-
Graduação.

§ 2º - Para ser Coordenador o candidato deve ter no


mínimo perfil compatível com as exigências estabe-

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 103
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

lecidas pelo Comitê de Assessoramento do CNPq


para Bolsas de Produtividade II, em sua respectiva
área de atuação.

§ 3º - Na impossibilidade de atendimento dos requi-


sitos acima, o Conselho de Centro enviará à CPPG
proposta alternativa para homologação.

Art. 12 - Os representantes discentes serão eleitos


por seus pares em votação secreta, presidida pelo
Coordenador do Programa, e dela será lavrada ata,
em livro próprio.

Art. 13 - Toda vez que tiver que se afastar do cam-


pus, o Coordenador do Programa deverá indicar
um dos professores, membro da Comissão Coor-
denadora, para responder pela coordenação do
Programa durante
sua ausência, e o nome do professor indicado de-
verá ser informado oficialmente à Direção do Cen-
tro e à CPPG.

Art. 14 - No caso de vacância do cargo de Coorde-


nador de Programa, será eleito um novo Coordena-
dor conforme inciso I do Artigo 11 deste Regimento
e o § 3º do art. 142 do Regimento Geral da UENF.

Art. 15 - À Comissão Coordenadora do Programa


compete:

I - demandar/sugerir as Disciplinas da área de con-


centração ou linha de pesquisa, bem como as do

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 104
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

domínio conexo aprovadas pelo Laboratório e co-


municar à SECACAD para cadastro;
II - estabelecer os requisitos específicos do Progra-
ma;
III - organizar instruções, normas ou regimentos es-
pecíficos do Programa, além de planos e projetos a
serem submetidos à apreciação da CPPG;
IV - informar à PROPPG os nomes dos professores
credenciados e descredenciados, bem como o seu
nível, segundo as regras estabelecidas pela CPPG,
para homologação na CPPG;
V - informar aos Centros pertinentes o número de
vagas de Pós-Graduação do Programa para apro-
vação e encaminhamento à CPPG;
VI - coordenar a seleção de Candidatos qualifica-
dos para admissão no Programa, podendo desig-
nar para tal uma comissão especial constituída por
professores credenciados pelo Programa;
VII - estabelecer normas para funcionamento de
Seminários e indicar seu Coordenador;
VIII - aprovar a indicação de orientadores e, quando
aplicável, os Planos de Estudos;
IX - aprovar a constituição de bancas de exame
de projeto de dissertação ou de tese, de exame de
qualificação e defesa de dissertação ou de tese;
X - propor à CPPG o desligamento de estudantes
do Programa, por motivos acadêmicos ou discipli-
nares;
XI - indicar à CPPG os Candidatos selecionados ao
Programa, destacando em ordem de classificação
aqueles que poderão pleitear bolsas de estudo de
acordo com as normas vigentes;
XII - apreciar ou propor convênios ou ajustes de co-

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 105
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

operação de caráter acadêmico ou financeiro, para


suporte ou desenvolvimento do Programa;
XIII - receber, apreciar, deliberar e encaminhar su-
gestões, reclamações, representações ou recur-
sos, de estudantes ou professores, sobre qualquer
assunto de natureza didático-científica, pertinentes
ao Programa;
XIV - indicar à CPPG os Candidatos em condições
de receber títulos de Pós-Graduação;
XV - atuar como órgão informativo e consultivo da
CPPG;
XVI - deliberar sobre a prorrogação do prazo de
conclusão da Pós-Graduação como previsto no
CAPÍTULO I, Art. 3º e informar à SECACAD, em
tempo hábil para viabilização da matrícula.

Art. 16 - São Atribuições específicas do Coorde-


nador:
I - convocar e presidir as reuniões da Comissão Co-
ordenadora do Programa;
II - assinar, quando necessário, processos ou do-
cumentos submetidos ao julgamento da Comissão
Coordenadora;
III - encaminhar os processos e deliberações da
Comissão Coordenadora às autoridades compe-
tentes;
IV - promover entendimentos, com a finalidade de
obter recursos humanos e materiais para suporte
do desenvolvimento do Programa;
V - responder pelo Programa perante os Órgãos
Superiores da UENF;
VI - zelar pela destinação dos recursos oriundos do

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 106
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Programa de Apoio à Pós-Graduação, da CAPES,


e demais fontes financiadoras com mesmo fim;
VII - responder sobre o cumprimento das normas
de concessão de bolsas de estudo;
VIII - disponibilizar informações aos estudantes so-
bre os prazos, normas e demais exigências, bem
como sobre seus direitos e deveres;
IX - manter a SECACAD informada sobre a situ-
ação dos estudantes com relação aos respectivos
orientadores, áreas de concentração e linhas de
pesquisa.

CAPÍTULO V
DA ADMISSÃO AOS PROGRAMAS

Art. 17 - Poderão ser admitidos nos Programas de


Pós-Graduação os candidatos graduados em curso
de nível superior, com disponibilidade para dedica-
rem tempo integral ao Programa.

§ 1º - Só serão aceitos candidatos graduados em


curso superior autorizado que atenda aos seguintes
quesitos:

I - 2400 (duas mil e quatrocentas) horas de dura-


ção, no mínimo;
II - e/ou duração regular de 08 (oito) semestres leti-
vos, no mínimo, este a critério do Programa.

§ 2º - Excepcionalmente, com parecer de aprova-


ção da Comissão Coordenadora do Programa, po-
derá ser admitido estudante em tempo parcial.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 107
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Art. 18 - Para admissão no Doutorado será exigido


o título de Mestre.

§ 1º - Em casos excepcionais, por proposta funda-


mentada da Comissão Coordenadora e aprovação
da CPPG, poderá ser dispensada essa exigência.

§ 2º - A CPPG deverá estabelecer condições e pro-


cedimentos específicos para a eventual dispensa
da exigência.

Art. 19 - Para inscrição no processo de seleção,


o candidato deverá apresentar os seguintes docu-
mentos:
I - formulário de inscrição, acompanhado de 02
(duas) fotos (3 x 4);
II - cópia autenticada do diploma universitário ou
documento equivalente;
III - cópia autenticada do diploma de mestrado ou
documento equivalente, para os Candidatos ao
doutorado;
IV - histórico escolar do nível imediatamente inferior
ao pretendido;
V - curriculum vitae documentado;
VI - cartas de recomendação de 3 (três) pessoas
ligadas à sua formação universitária ou às suas
atividades profissionais;
VII - cópia autenticada da cédula de identidade civil,
do CPF, do titulo de eleitor, do certificado militar,
registro civil;
VIII - comprovante de pagamento da taxa de ins-
crição.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 108
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

§ 1º - A responsabilidade pela verificação da docu-


mentação é do Programa;

§ 2º - Caso os documentos requeridos nos itens 2 e


3 não sejam entregues, o candidato na hipótese de
ser selecionado, não poderá ser matriculado, per-
dendo a vaga, a menos que apresente os docu-
mentos exigidos até a data da matrícula;

§ 3º - É de responsabilidade da Coordenação do
Programa a correta informação para a SECACAD
dos candidatos selecionados que não tenham apre-
sentado os documentos dos itens 2 e 3, acompa-
nhada de documento de ciência do candidato.

Art. 20 - O período de inscrição e o valor da taxa de


inscrição serão divulgados em Edital de Seleção da
Pós-Graduação.

Art. 21 - Na seleção de candidatos, além da aná-


lise dos documentos que compõem o processo de
inscrição, as Comissões Coordenadoras poderão
adotar outros critérios que julgarem convenientes.

Art. 22 - A seleção será válida somente para ma-


trícula no período letivo para o qual o candidato for
aprovado.

Art. 23 - Candidatos que tenham sido desligados


de um Programa de Pós-Graduação da UENF, em
conformidade com o art. 42 deste Regimento, só
poderão ser selecionados novamente, para o mes-
mo Programa da UENF, depois de decorrido um

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 109
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

prazo de 03 (três) anos do desligamento e de 01


(um) ano no caso de se candidatar a outro Progra-
ma da UENF.

Parágrafo Único - Em qualquer caso um aluno que


reingresse na Pós-Graduação/UENF, só poderá ter
bolsa de no máximo 24 (vinte e quatro) e 48 (qua-
renta e oito) meses, para Mestrado e Doutorado,
respectivamente, contabilizando-se aqui os meses
de bolsa anteriormente usufruídos.

Art. 24 - No prazo estabelecido no Edital de Sele-


ção, o Coordenador do Programa dará ciência aos
candidatos do resultado do julgamento dos pedidos
de inscrição.

CAPÍTULO VI
DA MATRÍCULA

Art. 25 - Na data prevista no Calendário Escolar,


todos os alunos de Pós-Graduação da UENF deve-
rão matricular-se oficialmente, obtendo um número
de registro próprio.

§ 1º - É vedada a matrícula simultânea em mais de


um curso de mestrado e/ou de doutorado e/ou de
graduação, na UENF.

§ 2º - Constatada a matrícula em mais de um curso,


a mais recente será anulada.
Art. 26 - Em cada período letivo, na época fixada
pelo Calendário Escolar, todo estudante deverá re-
querer a renovação de sua matrícula.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 110
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Art. 27 - Dentro dos 02 (dois) primeiros terços do


período letivo, de acordo com o calendário escolar,
o estudante que, por motivo de força maior, for obri-
gado a interromper seus estudos poderá solicitar o
trancamento de sua matrícula.

§ 1º - O pedido justificado, com aprovação do orien-


tador e ciência do Coordenador, deverá ser enca-
minhado à SECACAD e comunicado à PROPPG.

§ 2º - O trancamento terá validade por 01 (um) pe-


ríodo letivo regular.

§ 3º - O trancamento somente poderá ser solici-


tado após o aluno haver concluído o seu primeiro
semestre letivo e houver tempo regulamentar sufi-
ciente para a conclusão do curso após seu retorno.

§ 4º - O trancamento de matrícula será concedido


apenas 01 (uma) vez e será computado de acordo
com §1º do Art. 3º deste Regimento.

§ 5º - Não será concedido trancamento de matrícula


durante a vigência da prorrogação de prazo para a
conclusão do curso.

Art. 28 - A falta de renovação de matrícula na épo-


ca própria implicará abandono do Programa e desli-
gamento automático se, nos 30 dias subseqüentes
ao último dia, o estudante não requerer à PRO-
PPG, com aprovação prévia do(a) Coordenador(a),
formalmente e devidamente justificada, a matrícula
fora do prazo.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 111
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Art. 29 - O estudante poderá, com a anuência de


seu orientador e no prazo fixado pelo calendário
escolar, solicitar exclusão e/ou inclusão de discipli-
nas, observada a disponibilidade de vagas.

Art. 30 - A SECACAD disponibilizará no site da


UENF formulários próprios para inscrição nos Pro-
gramas, matrícula, inclusão e/ou exclusão de dis-
ciplinas.

CAPÍTULO VII
DO REGIME DIDÁTICO

Art. 31 - As disciplinas serão identificadas por um


código alfanumérico, seguido pelo título da disci-
plina, número de créditos, carga horária total, com
especificação do número de horas-aula expositivas
e práticas, e horas de atividades extra-classe e,
quando for o caso, dos pré-requisitos exigidos.

Art. 32 - O código das disciplinas será composto


por três letras maiúsculas, identificando o labora-
tório responsável pela disciplina, seguindo-se um
número formado de quatro algarismos associados
à seguinte codificação:
I - Os algarismos dos milhares indicam o Centro da
UENF onde se localiza o Laboratório responsável
pela disciplina, a saber: CCT - 1; CBB - 2; CCTA - 3;
CCH - 4;
II - O algarismo da centena indica o nível em que a
disciplina é ministrada, a saber:
a) Disciplina Pré-universitária (nivelamento) – 0;

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 112
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

b) Disciplina Básica de Graduação - 1 e 2;


c) Disciplina Profissionalizante de Graduação -
3, 4 e 5;
d) Disciplina de Transição, Graduação e Pós-
-Graduação – 6;
e) Disciplina de Pós-Graduação – 7;
f) Disciplina Avançada de Pós-Graduação – 8.
III - Os algarismos das dezenas e unidades com-
plementam o código de identificação da disciplina.

Art. 33 - A unidade básica para avaliação da inten-


sidade e duração das disciplinas é o crédito, equi-
valendo 01 (um) crédito a 17 (dezessete) horas de
aulas teóricas ou 34 (trinta e quatro) horas de aulas
práticas, ou 51 (cinquenta e uma) horas de ativida-
de extra-classe.

Art. 34 - O ensino regular será organizado sob a


forma de disciplinas, ministradas em preleções, se-
minários, estudos dirigidos, problemas especiais,
tópicos especiais, aulas práticas, trabalhos de labo-
ratórios ou outras estratégias didáticas.

Art. 35 - A verificação do aproveitamento nas dis-


ciplinas será feita por meio de trabalhos práticos,
seminários, provas, relatórios e exame final, ou outro
recurso de avaliação, a critério do professor respon-
sável, com anuência da Coordenação do Programa.

Art. 36 - O Sistema de Avaliação na Disciplina será


o da nota-conceito expressa por letras, obedecida à
seguinte equivalência de rendimento relativo:
I - Excelente: A - rendimento entre 90 e 100%;

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 113
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

II - Bom: B - rendimento entre 75 e 89%;


III - Regular: C - rendimento entre 60 e 74%;
IV - Reprovado: R - rendimento abaixo de 60%;
V - Aprovado: H – frequência mínima de 75%;
VI - Incompleto: I;
VII - Cancelamento de inscrição em Disciplina: J;
VIII - Trancamento de matrícula: K;
IX - Satisfatório: S;
X - Não-satisfatório: N - frequência abaixo de 75%
ou reprovação em disciplinas com os conceitos H
ou S.

§ 1º - As disciplinas avaliadas pela nota-conceito H


(aprovado), definidas pelo Programa, valerão cré-
ditos.
Cada aluno poderá utilizar no máximo 08 (oito) cré-
ditos no mestrado e 12 (doze) créditos no doutora-
do em disciplinas deste grupo para integralizar o
mínimo de créditos exigidos pelo Programa;

§ 2º - Será atribuído o conceito provisório I (incom-


pleto) ao estudante que interromper, por motivo de
força maior, comprovado perante o professor da
disciplina, parte dos trabalhos escolares e que, nas
avaliações processadas tenha tido aproveitamento
proporcional suficiente para aprovação. O concei-
to transformar-se-á em R (Reprovado) ou N (Não-
-satisfatório) caso os trabalhos não sejam comple-
tados e novo conceito não tenha sido atribuído e
enviado para registro na SECACAD no prazo fixado
pelo Calendário Escolar;

§ 3º - As exigências que não conferem crédito se-


rão avaliadas pelos conceitos S ou N;

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 114
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

§ 4º - Na contagem dos créditos exigidos pelos Pro-


gramas, não serão utilizadas as disciplinas cujos
conceitos forem I, J ou K.

Art. 37 - O estudante que obtiver conceito R ou N


em uma exigência ou disciplina deverá repetí-la,
desde que observados os critérios estabelecidos
no Art. 42, inciso IV, atribuindo-se, como resultado
final, o último conceito obtido.

Art. 38 - Ao término de cada período letivo estabe-


lecido pelo calendário escolar da UENF, será calcu-
lado o Coeficiente de Rendimento (CR) por média
ponderada, tendo como peso o número de créditos
das disciplinas, atribuindo-se aos conceitos A, B, C
e R os valores 3, 2, 1 e 0, respectivamente.

§ 1º - As disciplinas a que forem atribuídos os con-


ceitos H, N, I, J, K ou S não serão consideradas no
cômputo do CR.

§ 2º - O conceito R só será computado no cálculo


do coeficiente de rendimento enquanto outro con-
ceito não for atribuído à disciplina repetida.

§ 3º - Não será permitido ao aluno cursar o período


letivo sem se matricular em disciplinas que integra-
lizam créditos e que avaliem coeficiente de rendi-
mento (CR) e coeficiente de rendimento acumulado
(CRA), exceto se já possuir coeficiente de rendi-
mento acumulado igual ou maior que 2,0 (dois) e o
número de créditos cursados em semestres ante-

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 115
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

riores ou transferidos de outro curso corresponder


ao mínimo exigido pelo Programa.

Art. 39 - A correção de conceito somente será possí-


vel em situações de erro no processamento de resul-
tados de avaliações, mediante documentação com-
posta por parecer do professor da disciplina, cópia da
prova, trabalho ou qualquer outro objeto do conceito e
justificativa técnica para sua correção.

§ 1º - A solicitação de correção do conceito deverá


ser feita pelo interessado e será efetuada pelo coor-
denador da disciplina por meio do encaminhamento
de documentação com justificativa à Comissão Co-
ordenadora de Pós-Graduação, que analisará a do-
cumentação, emitirá parecer e a remeterá à CPPG
para julgamento.

§ 2º - O prazo para a Comissão Coordenadora do


Programa remeter seu parecer à CPPG é de no
máximo 15 (quinze) dias, a partir da data da matrí-
cula do período letivo subseqüente.

§ 3º - A correção de conceito referida no caput des-


te artigo não constitui revisão ou reavaliação do
mesmo.

Art. 40 - Somente poderá ser conferido título ao es-


tudante que, cumpridas as demais exigências, ob-
tiver aprovação em todas as disciplinas constantes
de seu histórico escolar, obedecendo ao estabele-
cido nos Artigos 35 e 36.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 116
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Art. 41 - Será considerado Reprovado, para todos


os efeitos previstos neste Regimento, o estudante
que não alcançar freqüência de, no mínimo, 75%
nas atividades didáticas programadas.

Art. 42 - Será desligado pela Coordenação do Pro-


grama o estudante que se enquadrar em uma ou
mais, das seguintes situações:
I - obtiver, no seu primeiro período letivo, coeficien-
te de rendimento inferior a 1,2 (um e dois décimos);
II - obtiver, no seu segundo período letivo, coefi-
ciente de rendimento acumulado inferior a 1,6 (um
e seis décimos);
III - obtiver, no seu terceiro período letivo e nos sub-
seqüentes, coeficiente de rendimento acumulado
inferior a 2,0 (dois);
IV - obtiver nota R (reprovação) ou N (não satisfató-
ria) em qualquer Disciplina repetida;
V - não completar todos os requisitos do Programa
no prazo estabelecido;
VI - por solicitação do orientador e ou da comissão
coordenadora do Programa, com motivos devida-
mente justificados;
VII - for reprovado pela 2ª vez no Exame de Qualifi-
cação, conforme art. 66, deste Regimento;
VIII - não cumprir a exigência de Proficiência em
Língua Estrangeira, conforme art. 51, deste Regi-
mento;
IX - não renovar sua matrícula, conforme o art. 28,
deste Regimento.

§ 1º - O desligamento deverá ser comunicado à CPPG.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 117
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

§ 2º - Em caso de solicitação de desligamento será


concedido ao estudante amplo direito de defesa.

§ 3º - O estudante poderá solicitar voluntariamente


o seu desligamento do Programa.

Art. 43 - As disciplinas Seminários I, Seminários II,


Seminários III e Seminários IV deverão ser ofereci-
das em todos os semestres regulares pelas Coor-
denações dos Programas de Pós-Graduação. Es-
tas disciplinas constarão de palestras ministradas
por profissionais da área, tais como pesquisadores
visitantes, professores, pesquisadores e pós-gra-
duandos.

§ 1º - Exige-se dos estudantes de mestrado cur-


sar obrigatoriamente as disciplinas Seminários I e
Seminários II e dos de doutorado cursar além de
Seminários I e II, Seminários III e IV, em semestres
distintos.

§ 2º - Cada disciplina Seminário valerá 01 (um)


crédito, que será atribuído ao estudante, ao final,
quando completar a sua respectiva exigência, que
será avaliada pelo conceito H, em função da fre-
qüência.

§ 3º - Ao conjunto de disciplinas Seminários pode-


rá ser contabilizado o máximo de 02 (dois) créditos
para o Mestrado e de 04 (quatro) créditos para o
Doutorado.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 118
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

§ 4º - As disciplinas Seminários I, II, III e IV poderão


ser transferidas de outro programa da UENF ou de
outra instituição.

§ 5º - As disciplinas Seminários I, II, III e IV serão


únicas para cada Programa de Pós-Graduação,
não podendo ser divididas por linhas de pesquisa
ou áreas de atuação.

CAPÍTULO VIII
DA ORIENTAÇÃO DO ESTUDANTE E DO
CREDENCIAMENTO DE PROFESSOR

Art. 44 - A Orientação Didática, Pedagógica e Cien-


tífica do estudante será exercida pelo orientador e,
quando for o caso, pelo Co-orientador e/ou pelo(s)
Conselheiro(s).

Art. 45 - É vedada a orientação entre cônjuges, pa-


rentes consangüíneos até o quarto grau inclusive e
parentes afins até o segundo grau inclusive.

§ 1º - Consideram-se parentes, para os efeitos des-


te artigo: os pais, os filhos, os netos, os irmãos, os
tios, os primos e os sobrinhos em 1º grau.

§ 2º - Consideram-se afins, para os efeitos deste


artigo: sogro (a), genro, nora, e cunhado (a).

Art. 46 - Em casos excepcionais, poderá haver mu-


dança de Orientação.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 119
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Parágrafo Único - A solicitação, devidamente jus-


tificada, será encaminhada à Coordenação do Pro-
grama, que julgará a conveniência da mudança de
orientação, após ouvir as partes envolvidas.

Art. 47 - Para exercer atividades de ensino, Co-


-orientação e/ou Orientação de pós-graduandos na
UENF é mandatório que o professor seja creden-
ciado pelo Programa.

Art. 48 - Do professor a ser credenciado será exigi-


do o Título de Doutor.

Art. 49 - O Credenciamento do professor deverá


ser efetuado a partir de critérios estabelecidos pelo
Programa, que, uma vez adotados, deverão ser
aprovados pela CPPG.

Parágrafo Único: O Credenciamento obedecerá


às seguintes especificações:
I - Nível I - Credenciamento pleno, Orientação de
Mestrado e Doutorado;
II - Nível II - Credenciamento para Co-orientar Dou-
torado e orientar Mestrado;
III - Nível III - Credenciamento temporário de pro-
fessores com competência compatível para atuar
na Orientação ou Co-orientação de estudantes em
projetos específicos, ou ministrar disciplina(s).

Art. 50 - O Credenciamento deverá ser analisado


pela Coordenação do Programa e ser submetido à
CPPG para homologação, se APROVADO.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 120
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

CAPÍTULO IX
DA EXIGÊNCIA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

Art. 51 - A Proficiência em Língua Inglesa será


obrigatória ou em casos excepcionais outra língua
estrangeira definida pela Coordenação do Curso.

Art. 52 - Para satisfazer à exigência de Língua In-


glesa, o pós-graduando terá as seguintes opções:
a) apresentar certificado de aprovação em teste de
língua inglesa reconhecido pelo Sistema de Ciên-
cia e Tecnologia Brasileiro, com pontuação exigida
pelo CNPq ou CAPES;
b) obter aprovação em exame geral de proficiência
em língua inglesa, organizado e aplicado por co-
missão
estabelecida pelas coordenações de Pós-Gradua-
ção da UENF;
c) obter aprovação em disciplina de Inglês Técnico
oferecida pela UENF, caso autorizado pela Coorde-
nação do Curso.

Parágrafo Único - Caberá à Coordenação do Pro-


grama estabelecer normas específicas para o cum-
primento da exigência de língua estrangeira, em
especial sobre a limitação na quantidade de tenta-
tivas do aluno em obter a proficiência, respeitadas
as imposições deste artigo.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 121
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

CAPÍTULO X
DO APROVEITAMENTO E DA
TRANSFERÊNCIA DE CRÉDITOS

Art. 53 - Poderão ser aproveitados créditos de dis-


ciplinas cursadas na UENF como estudante espe-
cial ou estudante regular de pós-graduação, desde
que compatíveis com o conteúdo do programa ao
qual o estudante estiver vinculado.

Parágrafo Único - Não será permitido o aproveita-


mento de créditos obtidos em disciplinas cursadas
há mais de 05 (cinco) anos.

Art. 54 - A UENF poderá aceitar transferência de


créditos obtidos em outra Instituição de Ensino re-
lativos a disciplinas compatíveis com o Programa a
que estiver vinculado o estudante, respeitadas as
restrições contidas nos Artigos 53 e 55.

Art. 55 - O pedido de aproveitamento ou transferên-


cia de créditos em disciplinas, assinado pelo estu-
dante e com a recomendação do orientador, deverá
ser acompanhado de histórico escolar e programas
analíticos das disciplinas em questão.

§ 1º - Apenas as disciplinas com conceito A ou B


poderão ser aproveitadas ou transferidas para o
cômputo do número mínimo de créditos exigidos e,
no caso de estudante especial, apenas o conceito
A poderá ser aproveitado ou transferido.

§ 2º - O aproveitamento e/ou transferência de cré-

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 122
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

ditos não poderá atingir mais de 50% do mínimo


exigido por este Regimento, de acordo com os Ar-
tigos 74 e 75.

§ 3º - Seminários, embora avaliados pelo concei-


to H, por se tratarem de uma exigência comum a
muitas Instituições, excepcionalmente poderão ser
aproveitados e isentar os alunos de cursá-los, em
determinado(s) semestre(s).

Art. 56 - O pedido de transferência só poderá ser


analisado após o exame do conteúdo analítico de
cada disciplina pelo laboratório competente, o qual
recomendará a equivalência para efeito de conta-
gem de créditos.

Parágrafo Único - Caso não haja equivalência en-


tre a(s) disciplina(s) a ser (em) transferida(s) e a(s)
oferecida(s) na UENF, competirá à Comissão Co-
ordenadora do Programa opinar sobre a relevância
da solicitação e estipular o número de créditos que
poderá(ão) ser transferido(s).

Art. 57 - O aproveitamento e a transferência de cré-


ditos deverão ser aprovados pela Comissão Coor-
denadora do Programa.

Art. 58 - Para os créditos aproveitados ou trans-


feridos, serão registradas no histórico escolar, no
espaço destinado a ‘Observações’, as seguintes
anotações:
I - total de créditos transferidos;

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 123
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

II - nome e nível do Programa a que se referem os


créditos;
III - nome da Instituição em que foram obtidos os
créditos.

Art. 59 - Somente os créditos obtidos em Progra-


mas da UENF entrarão no cômputo do CR, sendo
que nenhum estudante poderá ficar com CR (Coefi-
ciente de Rendimento) igual a zero no 1º semestre
de seu curso de pós-graduação.

CAPÍTULO XI
DO EXAME DE PROJETO DE
DISSERTAÇAO E DE TESE

Art. 60 - Todo estudante de pós-graduação deve-


rá apresentar o Projeto de Dissertação ou de Tese
até 12 (doze) meses após o Ingresso no programa
de mestrado ou doutorado. Este exame consiste
na análise do projeto por uma banca examinadora
com o intuito de verificar sua relevância, originali-
dade (se aplicável) e exeqüibilidade, bem como co-
nhecimentos e atualização bibliográfica, podendo o
prazo ser estendido por mais 06 (seis) meses para
doutorado, a critério da Coordenação do Programa.

§ 1º - O estudante deverá apresentar o Projeto de


Dissertação ou de Tese por escrito, constando de
título, introdução, objetivos, revisão bibliográfica,
cronograma de execução, metodologia, referências
bibliográficas e orçamento, de acordo com as nor-
mas de cada Programa.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 124
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

§ 2º - O Projeto de Dissertação ou de Tese será


apresentado e discutido em Comissão Examina-
dora constituída por no mínimo 02 (dois) examina-
dores doutores para o mestrado e 03 (três) para o
doutorado, indicados pelo orientador, que presidirá
a comissão, e será responsável pela organização
do exame.

§ 3º - A Comissão Examinadora poderá aprovar ou


não o projeto. No segundo caso, deverá oferecer
sugestões, marcando nova data de apresentação
do projeto, presente a mesma banca, decorrido um
prazo máximo de 03 (três) meses para o mestrado
e 06 (seis) meses para o doutorado, a contar da
data da realização da defesa.

§ 4º - O resultado do exame será comunicado à


SECACAD no prazo de 20 (vinte) dias, pelo seu
presidente.

CAPÍTULO XII
DO EXAME DE QUALIFICAÇÃO

Art. 61 - Todo estudante candidato ao Título de


Doutor em Ciência deverá prestar Exame de Quali-
ficação, regulamentado pela Coordenação do Pro-
grama.

§ 1º - Somente poderá prestar Exame de Qualifi-


cação o estudante que tiver obedecido às normas
definidas pela regulamentação do Programa.

§ 2º - O Exame de Qualificação deverá ser realiza-

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 125
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

do até o prazo máximo de 06 (seis) meses após os


estudantes terem integralizado os créditos previs-
tos em seu plano de estudo.

Art. 62 - O Pedido de Exame de Qualificação, as-


sinado pelo estudante e com a recomendação do
orientador, será encaminhado à Comissão Coorde-
nadora do Programa, para apreciação e nomeação
da Banca Examinadora.

Parágrafo Único - A Banca Examinadora, constitu-


ída de 04 (quatro) membros, incluindo o orientador
como seu Presidente sem direito a voto, será for-
mada por Especialistas portadores do Título de
Doutor ou equivalente, podendo o Presidente ter
participação facultativa na argüição do candidato.

Art. 63 - O Exame de Qualificação constará de


avaliações de matérias consideradas pertinentes
à cada Área de Concentração, definidas como tais
pela Comissão Coordenadora do Programa.

Parágrafo Único - Os procedimentos dos Exames


de Qualificação serão definidos pelas Comissões
Coordenadoras dos Programas, que darão prévio
conhecimento à CPPG.

Art. 64 - Será considerado Aprovado o estudante


que obtiver a indicação favorável da maioria dos
membros da Banca Examinadora.

Art. 65 - O resultado do exame deverá ser comuni-


cado pela Comissão Coordenadora do Programa à
SECACAD, em formulário próprio, até 20 (vinte)
dias após sua realização.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 126
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Art. 66 - Ao estudante não aprovado no exame


poderá ser concedida mais uma oportunidade, a
critério da Comissão Coordenadora do Programa,
decorrido um prazo mínimo de 03 (três) e máximo
de 06 (seis) meses, a contar da data de sua reali-
zação.

Parágrafo Único - Para a sua decisão a Comissão


Coordenadora deverá basear-se em parecer con-
substanciado preparado pela Banca do primeiro
exame e de parecer do orientador.

CAPÍTULO XIII
DA DISSERTAÇÃO OU DA TESE

Art. 67 - Todo estudante de pós-graduação candi-


dato ao título de Mestre ou de Doutor deverá prepa-
rar e defender, respectivamente, uma dissertação
ou uma tese e ser aprovada.

Parágrafo Único - A dissertação de mestrado de-


verá demonstrar a habilidade de pesquisa cientifica
do candidato em sua área de atuação e domínio
sobre um determinado tema. A tese de doutorado
deverá basear-se em trabalho de pesquisa original,
que represente real contribuição ao conhecimento
científico do tema, e demonstrar a independência
Intelectual do candidato.

Art. 68 - Somente poderá submeter-se à defesa


de dissertação ou de tese o estudante que tiver
cumprido todas as exigências estabelecidas nes-
te Regimento, comprovadas por documento oficial
expedido pela SECACAD por solicitação do aluno,
bem como as exigências adicionais que tenham

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 127
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

sido estabelecidas pela Comissão Coordenadora


do Programa.

Parágrafo Único - A defesa da dissertação ou da


tese sem o cumprimento destas exigências acarre-
tará na nulidade do ato, bem como na apuração de
responsabilidades.

Art. 69 - A CPPG estabelecerá normas, através de


Resolução, sobre a forma e apresentação da Dis-
sertação e da Tese.

Art. 70 - A Defesa se fará perante uma Banca de no


mínimo 04 (quatro) membros, formada por Especia-
listas portadores do Título de Doutor ou equivalen-
te, sob a presidência do orientador do Candidato e
integrada por pelo menos um examinador externo,
pertencente a outra Instituição.

§ 1º - A não observância dos critérios definidos no


caput poderá acarretar a impossibilidade da emis-
são do diploma. O estrito cumprimento desses cri-
térios é de responsabilidade única e exclusiva do
Coordenador do Programa.

§ 2º - Aprovada a Banca pela Comissão Coordena-


dora do Programa, a defesa deverá processar-se
após um período mínimo de 15 (quinze) dias, ca-
bendo ao orientador ou à Comissão Coordenadora
informar aos membros da banca e ao estudante a
data, a hora e o local da defesa.

Art. 71 - A defesa deverá ser realizada em sessão


pública em que o estudante apresentará os re-
sultados de seu trabalho no prazo máximo de 40
(quarenta) minutos para dissertação de mestrado e

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 128
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

de 50 (cinqüenta) minutos para tese de doutorado,


podendo ser prorrogado a critério do presidente da
banca.

§ 1º - Após a exposição, o presidente dará a pa-


lavra a cada um dos examinadores, devendo ser
adotado o sistema de diálogo entre examinadores
e candidato.

§ 2º - Ao término da argüição, a banca deliberará


sobre a defesa da tese ou dissertação e os exa-
minadores poderão optar por um resultado final ou
pelo estabelecimento de condições a serem cum-
pridas pelo estudante.

§ 3º - No caso de um resultado final, os conceitos


serão:
a) APROVADO;
b) REPROVADO.

§ 4º - No caso de estabelecimento de condições a


banca examinadora poderá determinar ao candida-
to modificações no texto e/ou exigir outra defesa,
adiando o resultado final. Neste caso, o prazo para
as modificações e/ou nova defesa será de no mí-
nimo de 03 (três) e máximo de 06 (seis) meses a
contar da data da defesa;

§ 5º - Apresentadas pelo candidato as modifica-


ções propostas e/ou realizada nova defesa, desde
que dentro dos prazos preestabelecidos, a banca
reavaliará o trabalho e atribuirá o resultado final,
APROVADO ou REPROVADO. O não cumprimen-
to dos prazos e outras exigências implicarão na
REPROVAÇÃO da dissertação ou da tese.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 129
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Art. 72 - As decisões tomadas nas condições dos


§3º, §4º e §5º do art. 71, quando for o caso, deve-
rão ser informadas pela Comissão Coordenadora
do Programa à CPPG e à SECACAD, em formulá-
rio próprio, até 10 (dez) dias úteis após a data do
evento.

Art. 73 - Quando o resultado final for de APROVA-


ÇÃO, o candidato deverá entregar 08 (oito) exem-
plares da versão final, com anuência e assinatura
dos membros da banca examinadora, sendo 01
(um) em meio digital no formato PDF, à Coorde-
nação do Programa de Pós-Graduação, no prazo
máximo de 90 (noventa) dias, findo o qual o direito
ao título fica extinto.

Parágrafo Único - À Comissão Coordenadora do


Programa cabe informar à PROPPG e à SECACAD
no caso do não cumprimento do prazo acima, num
prazo máximo de 10 (dez) dias a contar da data
final estipulada para a entrega.

CAPÍTULO XIV
DO TÍTULO ACADÊMICO

Art. 74 - O título de Mestre será conferido ao estu-


dante que:
I - completar, no mínimo, 25 (vinte e cinco) créditos
em disciplinas de pós-graduação, de acordo com o
disposto neste Regimento, com coeficiente de ren-
dimento acumulado igual ou superior a 02 (dois);
II - demonstrar proficiência na língua inglesa;
III - atender aos requisitos de Seminários;
IV - obter aprovação definitiva na defesa da disser-
tação;

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 130
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

V - cumprir as demais exigências estabelecidas


neste Regimento, bem como as do Programa ao
qual o estudante estiver vinculado.

Art. 75 - O título de Doutor será conferido ao estu-


dante que:
I - completar, no mínimo, 35 (trinta e cinco) créditos
em disciplinas de pós-graduação, de acordo com o
disposto neste Regimento, com coeficiente de ren-
dimento acumulado igual ou superior a 02 (dois);
II - demonstrar proficiência na língua inglesa;
III - atender aos requisitos de Seminários;
IV - obter aprovação no exame de qualificação;
V - obter aprovação definitiva na defesa da tese;
VI - cumprir as demais exigências de acordo com
este Regimento, bem como as estabelecidas pelo
Programa ao qual o estudante estiver vinculado.

TÍTULO II
DOS ESTUDANTES ESPECIAIS

Art. 76 - A UENF poderá aceitar estudantes gradu-


ados em cursos superiores de duração plena com
interesse em aperfeiçoar seus conhecimentos sem,
contudo, visarem à obtenção de um título ou certifi-
cado de Pós-Graduação.

Art. 77 - O pedido de inscrição deverá ser aprova-


do pela Coordenação do Programa de Pós-Gradu-
ação, ouvidos os professores responsáveis pelas
disciplinas pretendidas.

§ 1º - O número de alunos especiais por Programa


de Pós-Graduação será fixado pela Coordenação
do mesmo e encaminhado à CPPG junto com o nú-

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 131
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

mero de vagas de alunos de pós-graduação.

§ 2º - A documentação necessária para solicitação


de matrícula de alunos especiais será a mesma re-
querida para os alunos de mestrado.

§ 3º - O candidato deverá especificar, no formulá-


rio de inscrição, as disciplinas que pretende cursar,
anexando o seu histórico escolar da graduação e
Curriculum Vitae.

§ 4º - A admissão de estudantes especiais deverá


obedecer ao disposto no artigo 76 deste Regimento.

§ 5º - O estudante especial poderá freqüentar no


máximo duas disciplinas por semestre.
§ 6º - O aluno poderá matricular-se no máximo 02
(dois) semestres consecutivos, na condição de es-
tudante especial, desde que não obtenha nenhuma
reprovação.

§ 7º - Após matricular-se em dois semestres letivos,


o aluno especial só poderá se matricular no curso
(como aluno especial) decorrido um prazo de cinco
anos da inscrição.

§ 8º - Para aprovação na disciplina, o aluno espe-


cial deverá cumprir todos os requisitos da disciplina
destinados aos alunos de pós-graduação.

TÍTULO III
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 78 - Os Programas de Pós-Graduação da


UENF serão regidos pelo disposto no presente Re-
gimento, sem prejuízo de disposições específicas

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 132
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

do Estatuto, do Regimento Geral da Universidade e


de outras Normas, Regulamentações, Resoluções
e Atos baixados pelos Órgãos Colegiados compe-
tentes.

Art. 79 - Normas ou Regimentos Internos de cada


Programa de Pós-Graduação, deverão ser Aprova-
dos pela CPPG.

Art. 80 - Questões que não possam ser decididas


com base no disposto no presente Regimento de-
verão ser submetidas à CPPG e, hierarquicamente,
ao Colegiado Acadêmico e ao Conselho Universitá-
rio, caso necessário.

Art. 81 - Este Regimento entrará em vigor a partir


da sua publicação no Diário Oficial, revogando-se
as disposições em contrário, em especial a Resolu-
ção Consuni no 003/2006.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 133
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: Formulário de Inscrição

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 134
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 135
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: Carta de Recomendação

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 136
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: Formulário de Matrícula

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 137
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: Formulário de Inclusão de Disciplina

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 138
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: Formulário de Exclusão de Disciplina

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 139
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: Auxílio para Participação em Eventos

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 140
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: Requerimento Geral da secacad

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 141
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: Formalização de Orientação

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 142
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: Desligamento de Orientação

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 143
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: ci para Informações de Bancas

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 144
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: Procedimentos para Defesa

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 145
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 146
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: Autorização para Publicação Tese/Disssertação

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 147
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

modelo: Relatório Discente Anual

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 148
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 149
[MANUAL PARA ELABORAÇÃO
DE TESE/ DISSERTAÇÃO]

Fonte: http://www.pgcl.uenf.br/2013/index.asp

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro


Página 150