Sie sind auf Seite 1von 65

ARTE AFRICANA

Arte Africana
• Arte Africana é todo tipo de produção artística feita por pessoas de
nacionalidade africana ou seus descendentes.

• Arte Africana também pode ser a produção de um artista (não


africano e nem seu descendente) que de certa maneira se insere
numa poética da artística (ou cultural) africana.

• No entanto, os livros de História da Arte costumam definir a Arte


Africana como aquela que vinha sendo produzida até a chegada dos
colonizadores ou aquela trazida pelos povos africanos para outros
continentes através da emigração forçada desses povos.

• Ela não tem um período de tempo definido, pois até hoje temos
artistas a produzindo.
Observação
• Cada região da África tem seu estilo artístico, ou seja, um jeito
próprio de se fazer arte, usando materiais comuns a cada região.

• Consequentemente, a arte africana não é homogênea: cada


comunidade possui seu próprio estilo, ou seja, é impossível definir
um estilo único para a Arte Africana.

• Esse estilo artístico varia devido às fontes locais e às diversas


influências e culturas que o continente recebeu durante a sua
história.

• O enorme continente africano é habitado por várias etnias, que


apresentam diferenças culturais, estéticas e religiosas de uma
região para outra.
Continente Africano
Diversidade Regional
Parque Nacional da Tanzânia
Deserto do Saara
Cataratas de Vitória
Máscaras
• As máscaras são as formas mais conhecidas da produção
artística africana.

• Para os africanos usar uma máscara é estar protegido de


forças malignas. É assegurar que sua força vital não se
perderá.

• A maioria das máscaras é feita em madeira, pois para os


africanos, a árvore é guardiã de poderes mágicos.

• As máscaras costumam trazer as feições e características


dos povos africanos.
Esculturas
• As esculturas eram feitas de madeira, pedra, marfim, ouro
ou bronze (em acordo com os elementos comuns à região
em que foi produzida).

• Os temas variam: pode trazer a representação de um Deus,


a representação de animais comuns à região, a
representação de pessoas importantes, como um rei ou
rainha, por exemplo. Existe uma preocupação naturalista.

• A função também varia: podem ser objetos de uso


cotidiano, objetos de uso rituais, com funções mágicas, ou
objetos de adoração, com representação de Deuses e
pessoas importantes.
Cabeça de rainha – Arte de Ifé
Pinturas
• A pintura pode ser encontrada na decoração das
paredes de palácios, celeiros ou choupas
sagradas.

• Nos utensílios cotidianos ou em peças de cultos.

• No acabamentos das máscaras.

• Como adorno corporal.


Religião
• Atualmente, a maioria dos africanos são adeptos do cristianismo ou
do islamismo.

• Mas ainda é possível encontrar pessoas que praticam as religiões


tradicionais africanas.

• Muitas dessas religiões foram trazidas para as Américas por meio


do comércio de escravos e deram origem às religiões afro-
americanas, como o candomblé e a umbanda no Brasil, a santeria
em Cuba e o vodu no Haiti.

• Os africanos são politeístas, mas quase sempre reconhecem a


existência de um Deus Supremo ou Demiurgo que criou o Universo
(Olodumare, Olorun, Mawu, Nzambi, etc).
• O culto aos Deuses, os objetos usados nos
rituais religiosos, as roupas, os adornos, a
música, tudo isso pode ser considerado parte
da produção artística africana, pois faz
referência à cultura africana.
Capoeira
• A capoeira era um ritual, praticado no sul da Angola, que comemorava a
iniciação dos jovens à vida adulta.

• Durante a cerimônia, os homens competiam numa luta animada pelo


toque de atabaques. Ganhava quem conseguisse encostar o pé na cabeça
do adversário. O vencedor tinha o direito de escolher, uma noiva entre as
jovens que estavam sendo iniciadas à vida adulta.

• Quando os africanos foram escravizados, a capoeira migrou para o Brasil.

• Os escravos costumavam praticar o ritual tradicional do sul de Angola nos


terrenos de mata mais rala, conhecidos como "capoeiras" (termo que vem
do tupi kapu'era, que significa "mata que foi", se referindo aos trechos de
mata que eram queimados ou cortados para abrir terreno para
plantações).
Rugendas, “Capoeira”, 1835
Arte Africana para além da África
• A cultura africana e toda a sua produção
artística é riquíssima, tanto que tocou a vida
de diferentes artistas ao longo dos tempos.
Picasso
• O espanhol Pablo Picasso é um artista moderno.

• Como todos os artistas modernos, estava em


busca de algo novo para sua arte, tentando fugir
de uma representação tradicional.

• Ao entrar em contato com peças da cultura


africana, trazidas por expedições financiadas pelo
Rei à Europa, ficou encantado e decidiu por
reproduzir o que viu em suas obras.
Picasso, “Mademoiselle D’avignon”, 1907
Amedeu Modigliani, “Sem Título”,
1910
Debret
• O francês Jean-Baptiste Debret veio ao Brasil em 1817, junto com
outros artistas, a convite do Rei, com a intenção de fundar uma
academia de Artes no Brasil.

• Foi um dos artistas que mais representou a vida e o cotidiano do


Brasil no século XIX.

• Muitas das cenas que pintou, retrata como era a vida dos escravos
vindos da África.

• De volta à França em 1831 publicou Viagem Pitoresca e Histórica ao


Brasil (1834-1839), documentando aspectos da natureza, do
homem e da sociedade brasileira no início do século XIX.
Debret, “Negra tatuada vendendo caju”, 1827
Debret, “O Vendedor de Rosas”, 1827
Debret, “Cena de Rua”, 1827
Debret, “Castigo Corporal”, 1827
Pierre Verger
• O francês Pierre Verger dedicou a maior parte de
sua vida ao estudo da diáspora africana.

• Durante 15 anos, após perder sua família em um


acidente, visitou diferentes países da África e
países influenciados pela cultura africana,
fotografando seu cotidiano.

• Decidiu por se estabilizar no Brasil, em Salvador,


em 1946, falecendo em 1996.