Sie sind auf Seite 1von 8

UNIVERSIDADE POTIGUAR

ENGENHARIA MECÂNICA

DISCIPLINA: SISTEMAS TÉRMICOS

PROFESSOR: JOSÉ PINHEIRO

ALUNOS: JOSÉ HONORATO NETO

MATHEUS MORAIS

TURMA: 8NA

TROCADORES DE CALOR

MOSSORÓ, 2018
1.Tipos de Trocadores de Calor

São classificados de acordo com o tipo de corrente, quanto à estrutura e quanto


à natureza da transferência de calor.

2.Classificação quanto ao tipo de corrente

2.1 Correntes paralelas


Os fluidos quente e frio entram pela mesma extremidade, escoam no mesmo
sentido e saem pela mesma extremidade.

2.2 Correntes contrárias


No arranjo de correntes contrárias os fluidos entram por extremidades opostas,
escoam e saem por extremidades opostas.
2.3 Correntes cruzadas
O fluido escoa perpendicular ao outro. São diferidos pelo fato de serem
misturados ou não-misturados, devido a aletas que não permitem o escoamento
em duas direções.

3.Classificação quanto à estrutura

3.1 Duplo tubo


São compostos de dois tubos concêntricos, geralmente retos com conexões em
sua trajetória. Podem ser arranjados em forma de “U” que permite a conexão em
série dos trocadores, chamado de grampo.
3.2 Casco tubo
É um trocador de calor disposto de um casco cilíndrico, contendo um conjunto
de tubos, colocados paralelamente ao eixo longitudinal do casco. Os tubos são
presos, em suas extremidades a placas perfuradas denominadas espelhos, que
evitam o contato entre os dois fluidos no início e fim da troca térmica.

3.3 Trocadores de placas


São feitos de uma série de placas estampadas de aço inox, separadas por
gaxetas de borracha que são colocadas em cada placa. Essas placas são
dispostas em paralelo de forma alternada, aparafusadas entre estruturas para
formar canais através dos quais fluem os meios líquidos, quente e frio.
3.4 Trocadores de calor compactos
É uma classe especial de trocadores de calor utilizada para se obter uma área
de superfície de transferência de calor por unidade de volume muito alta.
Geralmente esses dispositivos possuem arranjos densos de tubos aletados ou
placas e são tipicamente utilizados quando no mínimo um dos fluidos é um gás
e, portanto caracterizado por um pequeno coeficiente de convecção.

3.5 Trocadores de calor de serpentina


Este tipo consiste de uma ou mais serpentinas ordenada em uma carcaça. A
serpentina é formada por um tubo cilíndrico dentro do qual escoa o vapor ou
fluido que trocará calor com o fluido que está presente dentro da carcaça.
4. Classificação de acordo com a natureza da transferência

4.1 Trocadores de calor de mistura ou de contato direto


Nessa classe os fluidos entram em contato direto, ou seja, o fluido de maior
temperatura cede calor ao de menor temperatura até que ambos atinjam a
temperatura de equilíbrio.

4.2 Trocador de calor de superfície ou de contato indireto


São os trocadores de calor comuns, onde os fluidos são separados por paredes
e a transferência de calor vai de um fluido ao outro atravessando a parede por
condução. Possuem duas subclassificações, os de armazenamento e os de
transferência direta.

4.2.1 Trocadores de calor por armazenamento


Nos trocadores de calor por armazenamento, os fluidos passam livremente nas
mesmas passagens de troca de calor, sempre se alternando. Sua superfície de
contato, onde ocorrera a transferência térmica é geralmente uma estrutura
denominada matriz. Nos casos de aquecimento, o fluido com temperatura
elevada passa pela superfície de transferência de calor e a energia térmica é
armazenada na matriz. Logo após que o fluido frio passa pelas mesmas
passagens, é liberada energia térmica. Nos casos de refrigeração o processo é
inverso.
4.2.2 Trocador de calor de transferência direta
É o exemplo mais clássico de trocadores, e o mais utilizado. Os fluidos escoam
por esse dispositivo separados por paredes, onde as correntes trocam calor
dessa forma.
5. Aplicações

Os trocadores de calor são fundamentais na indústria e nas pesquisas


científicas. São exemplos de trocadores de calor, as torres de refrigeração de
água, refrigeração em geral, recuperadores, condensadores e caldeiras.
Também é utilizado na produção de bebidas destiladas.

As torres de refrigeração são utilizadas para o resfriamento de água para a


indústria. A água quente goteja da parte superior da torre e encontra uma
corrente de ar em temperatura ambiente. O ar flui em corrente contrária devido
a um exaustor no topo da torre.

A troca de calor ocorre por contato direto entre o ar e a água. Assim a água é
resfriada e pode ser reaproveitada.

Na refrigeração em geral, usa-se dois trocadores de calor em sistema fechado,


com um único gás, o fréon (um fluorcarboneto não inflamável qualquer).

Inicialmente, o gás frio passa por um compressor e se torna um gás de alta


pressão, e assim sua temperatura aumenta. Então ele passa pelo primeiro
trocador de calor, no qual ele perde calor para o meio externo. Em seguida, ele
passa por uma válvula e se expande, fazendo com que sua temperatura diminua
e fique menor do que antes de ser comprimido.

Esse gás frio, passa pelo segundo trocador de calor, resfriando um determinado
ambiente. Após atravessar o trocador, ganha temperatura e retorna ao
compressor, dando continuidade ao ciclo.

Os recuperadores baseiam-se em um trocador de calor tipo duplo tubo. Em um


dos tubos existe um fluido quente e no outro um fluido que necessita ser
aquecido. Assim o trocador de calor aproveita a energia térmica para aquecer o
outro fluido.

Os condensadores são empregados em processos de separação de misturas


por destilação, eles são responsáveis, pela condensação de vapores de
substâncias que foram separadas no processo de destilação. Esse método é
comum na extração de óleos e na purificação de líquidos.